Você está na página 1de 72

Copyright © 2019 by Luiz Hermínio dos Santos

COORDENAÇÃO EDITORIAL | Silvana Barrozo


(Talita Kume Assessoria Editorial)

PREPARAÇÃO DOS ORIGINAIS | Grace Lagares

REVISÃO | Grace Lagares e Jackson de Aquino

TRANSCRIÇÃO | Mônica Sollack

PROJETO GRÁFICO | Jonatas Santos Cunico

H554r
Hermínio, Luiz
Removendo as raízes da carência / Luiz Hermínio. Itajaí (SC): Vinde, 2019.
102 p.

1. Teologia evangélica. 2. Divina providência. 3. Vida cristã. I. Título.

CDU 214

Ficha Catalográfica elaborada por:


Charles Rodrigues CRB 14°/870

1ª edição 2019
Prefixo Editorial: 455124
Número ISBN: 978-85-824570-9-2
Título: Removendo as raízes da carência
Tipo de Suporte: Papel
É proibida a reprodução total ou parcial desta obra, sejam quais forem os meios empregados:
eletrônicos, mecânicos, fotográficos, por gravação ou outros, sem a permissão do autor. Todos os
direitos reservados pela editora.

Edição digital: setembro 2019

Arquivo ePub produzido pela Simplíssimo Livros


Introdução
Cap. 1 Achados por Deus
Cap. 2 A descoberta do nosso propósito
Cap. 3 Minha identidade: Filho!
Cap. 4 Removendo velhas estruturas
Cap. 5 O medo não combina com você
Cap. 6 A glória de Deus
Cap. 7 A cura está no amor

Conselhos Práticos
Mais do que comida e bebida, o ser humano tem uma necessidade ainda
maior: ser amado. Atenção, carinho, afeto e cuidado fazem parte da
existência humana e são fundamentais para o seu desenvolvimento. No
entanto, lidar com a solidão, injustiça, traição, rejeição e humilhação fazem
parte da caminhada de todos nós, afinal, o pecado que habita no mundo
corrompeu os relacionamentos, tornando mais difícil a convivência
harmoniosa entre as pessoas.
Aqueles que têm Jesus precisam entender essa condição e jamais se
entregar ao sentimento de carência, que tem o poder de confundir as
dificuldades que permeiam a caminhada cristã com falta de amor e cuidado,
pois, todo amor que precisamos para viver já foi derramado sobre nós no
maior sacrifício que a humanidade já viu - a cruz do calvário.
A contemplação da cruz não nos dá o direito de sentir falta de algo,
pelo contrário, aumenta nossa responsabilidade com aqueles que ainda não
descobriram o verdadeiro amor, pois, espalhar esse amor nos corações é a
autenticação da nossa identidade - a de filhos de Deus!
Portanto, este livro não é uma massagem no ego, não espere nenhum
tipo de adulação aqui, pois, ajudá-lo a descobrir quem você é em Deus
aumentará a sua obrigação como filho Dele. Mas não se preocupe, você
terminará essa leitura aliviado por saber que a sua frágil humanidade é a
matéria-prima para que Deus faça coisas extraordinárias para a glória Dele.

Tudo é sobre Ele!


Achei a Davi meu servo, com o meu santo óleo o ungi. A minha mão será sempre com ele,
e o meu braço o fortalecerá. O inimigo não o surpreenderá nem o filho da perversidade o
afligirá. Eu esmagarei diante dele os seus adversários, e aos que o odeiam, abaterei. A
minha fidelidade, porém e a minha benignidade estarão com ele, e em meu nome será
exaltado o seu poder. Porei a sua mão sobre o mar, e a sua destra sobre os rios. Ele me
invocará dizendo: Tu és meu Pai, meu Deus, e a rocha da minha salvação. Também lhe
darei o lugar de primogênito; fá-lo-ei o mais excelso dos reis da terra. Conservar-lhe-ei
para sempre a minha benignidade, e o meu pacto com ele ficará firme. Farei que subsista
para sempre a sua descendência, e o seu trono como os dias dos céus. Se os seus filhos
deixarem a minha lei, e não andarem nas minhas ordenanças, Se profanarem os meus
preceitos e não guardarem os meus mandamentos. Então visitarei com vara a sua
transgressão, e com açoites a sua iniquidade. Mas não lhe retirarei a minha benignidade,
nem faltarei com a minha fidelidade. Não violarei o meu pacto, nem alterarei o que saiu
dos meus lábios. Uma vez para sempre jurei por minha santidade; não mentirei a Davi. A
sua descendência subsistirá para sempre, e o seu trono será como o sol diante de mim.

Salmos 89.20-36

Quero começar esta reflexão sobre ser achado pelo Senhor, assim como
foi Davi, lhe contando a história do jovem Tiago1. Em 1988 eu estava
pregando em um culto evangelístico da tarde em Blumenau-SC, quando disse
que queria ofertar duas fitas cassetes com o meu testemunho para alguém.
Muitas mãos se ergueram fazendo menção que queriam receber, mas o
Senhor me levou até um rapaz hippie, que carregava uma mochila nas costas
e exalava um cheiro forte de maconha. Aproximei-me e disse a ele:
-Deus me mandou lhe dar essa fita e dizer que
Ele irá fazer uma obra linda na sua vida. Ele era o último da fila, talvez
eu nunca o enxergasse se Deus não tivesse me levado a andar por aquele
corredor. Aquele jovem respondeu:
- Pode crer cara, que loucura mano!
Cheguei a duvidar que ele fosse mesmo a pessoa certa para entregar
aquela fita, “será que havia errado o foco?”, pensava na caminhada de volta
ao altar. Mas, alguns dias depois, aquele jovem nos procurou na comunidade
terapêutica SOS Vida Jovem, nosso centro de recuperação para dependentes
químicos, ao encontrar nosso telefone pregado na fita.
Lá, ele conversava com as árvores, com a lua, com os passarinhos.
Levava uma vida totalmente aleatória da realidade, mas, Deus foi
trabalhando na mente e no coração dele. O amor com que ele foi cuidado
transformou sua vida e provocou-lhe uma libertação da mente. E aqui
aproveito o momento do relato para dizer que Deus não procura
“professores do amor”, ele não precisa de pessoas que saibam ensinar sobre
o amor, Ele apenas quer aqueles que saibam amar. Porque o amor verdadeiro
não se ensina com palavras, mas com a vida!
Um ano depois de ficar na casa de recuperação, Tiago voltou para
aquela igreja em Blumenau e começou a trabalhar como zelador. Ele cuidava
do templo, limpava as cadeiras, servia em tudo o que era necessário. Logo
ele foi consagrado a diácono e o mandamos para a Jocum. Pouco tempo
depois ele me procurou dizendo que queria casar, “se eu não casar, vou
morrer cara”. Eu o achava engraçado e me perguntava quem seria a pessoa
que iria entrar nessa aventura com ele.
Foi então que chegou à igreja uma nova moça. Minha esposa Iraci, que
ama formar casais, logo que a viu quis apresentá-la ao Tiago. E não é que
deu certo? Fiz o casamento deles no sítio, ele entrou descalço com uma bata
branca e ela chegou de carroça. Pegamos os cavalos do nosso centro de
recuperação e os enfeitamos para a noiva. Enquanto ela se aproximava, tudo
que aquele jovem conseguia dizer era: “Cara, muito louco né?”.
Alugamos uma casa para eles em Itajaí-SC e eles vieram trabalhar
conosco. Tempos depois ele me chamou para dizer que ali não era o lugar
dele. Fiquei sem entender aquela conversa, mas deixei que eles fizessem
suas escolhas. Foi então que eles colocaram tudo que tinham em duas
mochilas e seguiram rumo à rodoviária. “A rua me conhece pastor, eu tenho
autoridade nas ruas”, assim se despediu Tiago.
Eles pegaram um ônibus até Santos e de lá seguiram de praia em praia,
de acampamento em acampamento, e foram ganhando hippies para Jesus.
Quando chegaram à Bahia, ele me ligou dizendo que estava inaugurando uma
igreja. Sua entrega alcançou pessoas que, talvez, jamais entrariam em uma
comunidade formal de fé para ouvir o Evangelho. São pessoas
aparentemente diferentes daquelas que estamos acostumados a conviver
dentro dos templos, mas o poder de Deus também as transformou.
Deus tem os seus meios, Deus tem as suas formas. E quando Ele
escolhe alguém para uma grande obra, não importa o que os outros possam
vir a pensar. O Senhor também ama os hippies, e talvez nenhum engravatado
conseguiria, ou teria a coragem, de ir até eles. Não tenho dúvidas de que
quem levantou o Tiago foi Deus. Hoje ele está com a sua esposa e duas
filhas, sempre atuante na obra.
Muitas vezes, a igreja pensa que é detentora da glória de Deus, mas
isso não é verdade, somos apenas canais dessa glória, somos a ação dela na
Terra. Deus quer fazer coisas sobrenaturais através da sua vida nesses
últimos dias, e você precisa entender que não é necessário ser “isso” ou
“aquilo” para ser usado por Ele. Na verdade, você deve se sentir “alguém”
apenas porque o Senhor ama você, e porque você o ama, é que deve
trabalhar para o Reino Dele.
Quando Deus chamou Pedro para cuidar da igreja, Jesus não perguntou:
“Pedro, você ama essas pessoas, ama a igreja, ama a cidade?”. Não, Jesus
apenas perguntou: “Pedro, tu me amas?”. O princípio de todas as nossas
obras deve ser o amor a Deus e nunca os interesses pessoais.
Quando Deus disse: “Achei a Davi meu servo, com o meu santo óleo o
ungi…”, não estava querendo dizer que Davi estava perdido e precisou ser
encontrado, mas que ele seria um exemplo, um modelo. Nesse tempo, Deus
também quer comissionar pessoas para uma grande obra, e isso não tem a
ver, necessariamente, com chamado para as plataformas. Deus está
chamando comerciantes, esportistas, artistas, professores, doutores, para se
tornarem modelos em suas áreas de atuação.
Mas isso não acontecerá na vida daqueles que se comportam como se
Deus não os amassem. Deus já lhe encontrou, já provou todo o amor Dele
por você, por isso, não é tempo de ficar mendigando amor de seres humanos,
não é tempo de ficar alimentando a carência de sentimentos carnais e de
questões fúteis que nunca o alinharão com o seu propósito.
Não é tempo de ficar ouvindo muitas vozes, nem de ler muitas coisas.
Precisamos praticar, diariamente, o “esvaziar de nós mesmos”, pois estamos
nos entupindo de todos os tipos de informações, imagens, vozes, sons,
opiniões, e isso está entulhando o nosso coração, nos impedindo de ouvir e
sentir o que realmente importa, que são os comandos dos céus para nossas
vidas.

É tempo de perseverar naquilo que você crê, mesmo que não veja.

Se eu fosse escutar a todos que já quiseram me desanimar com


palavras, nunca chegaria aonde cheguei. Entendi que não sou o que eu acho
que sou, nem o que as pessoas dizem que eu sou. A última palavra ao nosso
respeito quem dá é Deus, pois Ele é o dono da nossa história. Você pode
estar pensando, “falar isso é fácil, difícil é nos manter firmes diante de duras
críticas que querem, de qualquer jeito, definir nossa identidade”.
Sabe o que lhe falta? Conhecer melhor o seu Deus, através da oração e
leitura da Palavra, pois, à medida que você o conhece, também lhe será
revelado quem você é Nele e os planos que Ele tem para sua vida. Decida
ouvir o que Ele diz a seu respeito. “Mas pastor, eu errei muito na vida”. Será
que você pode fazer alguma coisa para diminuir o amor de Deus? Tal coisa é
impossível, pois Deus não tem amor, Ele é o próprio amor!
O nosso orgulho nos faz pensar que temos que ser aceitos por Deus por
causa de mérito, e não por misericórdia. No entanto, a única coisa que
devemos fazer é seguir o exemplo de Davi, que não tentava arranjar
desculpas para o seu fracasso, mas aceitava de coração quebrantando o
perdão de Deus.
Liberar sentenças sobre nós mesmos é puramente orgulho. “Não posso
mais cear”, “Vou ter que abandonar o ministério” – isso sinaliza que quem
está no controle da sua vida é você mesmo. Uma vez que é Deus quem
governa nossa vida, deixamos com Ele o que irá acontecer em seguida. Não
é soberba viver como alguém que foi perdoado; orgulho é perseguir
arduamente um perfeccionismo para ser aceito por Deus.

Se eu não me sinto cobrado, eu também não cobro, se eu me sinto

perdoado, eu também perdoo, se eu me sinto amado, eu também amo.


Lidando com a humilhação
Ser achado por Deus também envolve lidar com sentimentos como:
solidão, rejeição, injustiça, traição. Você pertence ao Reino dos Céus, mas
terá que aprender a lidar com o Reino das Trevas. A humilhação também faz
parte da caminhada daqueles que resolveram andar pelo caminho estreito.
Sabe por quê? Porque Deus não honra a honra, Deus não honra aqueles que
vivem em busca de reconhecimento. Deus honra a humilhação.
O humanismo separou a correção do amor, e todas as vezes que estamos
sendo corrigidos, achamos que Deus não nos ama, mas não, Deus corrige
aquele a quem ama e tem por filho (Hebreus 12.6). Se Deus está
“pressionando”, é porque o seu ministério é grande, porque as exigências de
Deus são para os íntimos.
Os grandes homens da Bíblia tiverem seu caráter forjado nessas
circunstâncias. A família de Davi não o considerou e nem a de José o levou
a sério. Com isso aprendo que, quanto mais baixo você desce, mais alto o
Senhor lhe elevará. O caminho para cima é sempre para baixo.
- Pai, o senhor me chamou?
Imagino, emocionado, essa cena de Davi entrando em sua casa após o
profeta Samuel dizer que ninguém iria se sentar à mesa até que o filho mais
novo chegasse. Sim, Deus o havia chamado, aleluia! Aquele que não fora
convidado, agora estava sendo solicitado por um grande profeta. Ali Deus
estava causando confusão em tudo que eles tinham por certo, em todos os
seus pré-conceitos, mostrando que os assuntos espirituais nunca seriam
influenciados por concepções humanas.

Se Deus levanta os que não são, por que é que você quer ser?

Quanto mais você se humilhar, mais Deus vai levantá-lo. Quanto mais
você se sentir inútil, mais Ele vai lhe tornar útil. Quanto mais você se sentir
incapaz, mais estará no caminho certo. E quando você finalmente parar de
querer ser o primeiro, Deus vai dizer: ACHEI!
A rejeição pode gerar em nós dois sentimentos – o de carência, ou o
quebrantamento que agrada a Deus. A carência faz com que você viva
tentando impressionar as pessoas, e isso é sempre frustrante. E a auto-
humilhação é o que chama atenção do seu Senhor.
A carência também distorce a “poda” feita pelo Lavrador (João 14.2).
Sempre que chega o “tempo da limpeza”, a pessoa carente sente que não é
amada quando é corrigida por Deus. Mas aqueles que foram achados pelo
Senhor sempre terão um nível muito alto de exigência. Quanto mais estreito
for o caminho, maior é o propósito, e isso é para os íntimos, não para os
crentes carnais, que vão para igreja somente atrás de campanhas para
ficarem ricos.
Imagine Sansão chegando à escola com aquele cabelão, talvez fosse o
único diferente, e sua mãe tendo que explicar que ele havia sido convocado
para uma grande obra, a de derrotar os filisteus. Com certeza não foi fácil, e
ainda hoje não é simples ensinar aos nossos filhos que não fomos chamados
para “andar no raso”. Eu sempre falo aos meus filhos que sobre nós está o
Espírito de Deus e nossa vida terá que ser diferente em todos os aspectos.
Mas, o maior dos sacrifícios não terá valor se não tiver a motivação
correta. Deus não quer apenas que você faça, mas que deseje fazer. Não quer
apenas que ame, mas que queira amar. Não apenas que o busque, mas que
anseie o buscar. Quando algo der errado, ou quando Ele resolver lhe tirar
algo, Ele quer que você continue no propósito. Se Ele decidir não lhe dar o
que você pediu, Ele espera que você continue fiel. Se Ele o amou mesmo
você estando nas drogas, na prostituição, na mentira, na idolatria, porque
você também não o ama em qualquer circunstância? Seja incondicional com
Deus também.

A carência lhe tira do prumo


Quando Adão e Eva se esconderam após a queda, eles se tornaram o
nosso modelo de comportamento. Isso porque, a cada vez que a gente erra, a
tendência é nos esconder de Deus. Ou fugimos da nossa realidade ou
forjamos um falso eu. Esse falso eu é admirável, é cativante, é
superficialmente feliz, mas carrega um interior frustrado. Quando Deus
perguntou a Adão: “Onde estás?”, foi uma forma de trazê-lo de volta à
realidade, de volta ao prumo (Gênesis 3.8-9).
Eu também fui essa pessoa fora do prumo que Deus precisou trazer de
volta. Tive falta de um pai, falta de afeto, e isso me fez mergulhar de cabeça
na lama do pecado. Mas hoje não sou um pregador doente porque houve um
momento na minha história em que o Senhor me chamou e eu o atendi.
Entendo que não há como tocar uma geração e nem encher uma igreja com
uma liderança fraca, frustrada e mal resolvida.
Há tanta gente precisando de cura dentro e fora da igreja, e nós
precisamos estar preparados para cuidar dessas pessoas. A atitude
recorrente da pessoa carente é a cobrança, por isso, a igreja não pode viver
nesse lugar, pois ela deve ser um altar de cura.
Que não sejamos ministros que vomitam amarguras para o povo. Você
pode levá-las ao altar do Senhor e chorar até que Ele lhe cure, até que você
volte a amar de novo, até que queira perdoar, até que estenda a mão
novamente. Que sejamos uma igreja que não se machuque facilmente, que se
mantenha firme diante das ofensas, que seja resolvida em sua identidade no
Senhor.

GUARDE ESSES PENSAMENTOS:


■ A carência não pode ser suprida, porque ela é uma doença, ela tem
que ser curada;

■ Cure seu sentimento de rejeição e então sua liderança será eficiente;

■ Quando você vencer a rejeição virá o tempo da aceitação;

■ Você nunca vai aprender a lidar com a honra, sem antes aprender a
lidar com a desonra;

■ Se decepcionar facilmente é colocar o foco em outro lugar, que não é


Jesus;

■ Toda vez que fizer algo para se sentir alguém, você está lidando com a
carência;

■ Nunca pegue o microfone na igreja se estiver lidando com a carência.


Tu és toda formosa, meu amor, e em ti não há mancha.

Cantares 4.7

Deus é especialista em levantar modelos insignificantes, gente


improvável, pessoas que tinham tudo para dar errado, mas que deram certo.
Penso que Deus é o único que olha para igreja e não vê defeitos. Já nós,
passamos a vida inteira vendo problemas na igreja, mas Ele olha e diz: “Oh
amada minha, em ti não há mancha!”.
Outro exemplo dessa maneira diferente de enxergar as situações está em
João 9, onde relata que os discípulos caminhavam com Jesus, quando
avistaram um homem que era cego de nascença. Eles logo perguntam a Jesus:
“Esse homem é cego por causa dos pecados dele ou dos pais dele?”.
Isso mostra o quanto somos bons em apontar erros sem trazer soluções.
Já Jesus dá uma resposta totalmente inesperada: “Ele é cego sim, mas não
por causa dos pecados dele nem dos pais dele. É cego para que o poder de
Deus se mostre nele”.
Não busque razões para aferir, busque razões para amar; não

busque razões para ofender, busque razões para consertar.

Que o Senhor nos dê esse olhar para cada membro da igreja,


individualmente. Isso requer profunda intimidade com as Escrituras e uma
vida de oração. Isso tem a ver também com o relacionamento com o Espírito
Santo que tira de nós toda confusão e renova nossa mente. O Espírito Santo é
aquele que aprimora o caráter e nos guia como igreja. Estamos em constante
construção pelas mãos de Deus e é sobre isso que iremos falar neste
capítulo.
Fico meditando na história de Noé e chego à conclusão de que não era
ele que estava construindo uma arca, Deus é que estava construindo Noé, e
isso levou cem anos! Por isso, pare para pensar se o que você está
levantando está lhe tornando em algo melhor para Deus. Sabe por quê?
Porque construir um ministério é muito mais fácil do que se tornar um
homem como Noé. É mais cômodo se esconder atrás de uma estrutura, de
uma movimentação, do que deixar Deus trabalhar.
Deus poderia ter feito uma arca com o estalar dos dedos, assim como
fez aparecer um cordeiro para o sacrifício de Abraão. Mas, naquele
contexto, o propósito era preparar uma pessoa que iria recomeçar o mundo.
Isso significa que, o que estou me tornado é muito superior àquilo que estou
fazendo.

Deus não vai habitar no que você está construindo, Ele vai habitar

em você.

Também podemos citar o exemplo de Elias, que segundo Tiago 5.17-18


era um “homem sujeito às mesmas paixões que nós e, orando, pediu que
não chovesse e, por três anos e seis meses, não choveu sobre a terra. E
orou outra vez, e o céu deu chuva, e a terra produziu o seu fruto”.
A Bíblia conta que Elias pôs o seu rosto entre os seus joelhos e por sete
vezes pediu ao seu servo que subisse ao monte para verificar se havia algum
sinal de chuva (1 Reis 18.42). Ali Deus o estava ensinando a ser
perseverante, já que no episódio anterior (dos profetas de Baal) ele havia
aprendido a ter fé.
Responde-me, Senhor, responde-me, para que este povo conheça que tu és o Senhor
Deus, e que tu fizeste voltar o seu coração. Então caiu fogo do Senhor, e consumiu o
holocausto, e a lenha, e as pedras, e o pó, e ainda lambeu a água que estava no rego.

1 Reis 18.37-38

Agora, imagine Deus falando a Josué que lhe daria Jericó, sem espada,
sem guerra, mas apenas com o grito enquanto marchasse em volta das
muralhas (Josué 6.3). Imagine Josué reproduzindo isso ao exército, dizendo
que era preciso se santificar durante sete dias para ganhar a cidade.
Certamente havia um ponto de interrogação no rosto de cada soldado e
depois do terceiro dia de volta, talvez eles tenham duvidado daquela
palavra. Mas eles precisavam se tornar aquilo Deus queria que eles se
tornassem, antes de ganhar a cidade.
Os profetas têm um papel muito importante nesses processos de Deus.
Mas não estou falando de profetas que só profetizam para quem tem
dinheiro, ou para ganhar alguma coisa, estou falando daqueles profetas do
Senhor, que falavam em nome de Deus e corriam para o deserto para não
serem influenciados. Esses exerciam a função de conduzir o povo rumo a
esses processos de transformação, e todas as vezes que eles não foram
ouvidos, o final foi o cativeiro.
Se não abandonarmos nossos projetos pessoais, não respeitarmos os
processos, não confiarmos nos princípios do Reino, na doutrina do
Evangelho e encargo pessoal que Deus nos deu, não vamos chegar a lugar
algum. Por outro lado, não tente avançar por conta própria, copiar
ministérios que deram certo, não se desgaste tentando avançar para fora dos
limites que Deus estabeleceu para você.
Por que nos frustramos? Por que andamos tão cansados? Por que as
coisas não fluem? Por que estamos funcionando no piloto automático? Tenho
certeza que você já se viu em algum desses dilemas, mas, já parou para
pensar no que tem feito para o Senhor? Viver o Evangelho não é cansativo, o
ministério não é fatigante, o que causa esses sintomas é fazer o que não
fomos chamados para fazer, estar envolvidos em trabalhos que Deus não
abençoou.
Não se compare com ninguém, porque os limites de cada um são
diferentes. Por exemplo, há pessoas que Deus permite se tornarem
conhecidas, outras não, pois algumas vão começar a usar Deus, ao invés de
deixar Deus usá-las.

Antes de pedir a Deus poder, peça limites para que você possa

funcionar.

Em 2015, eu e minha esposa estávamos com desejo de morar fora do


Brasil. Não falamos para ninguém, apenas oramos. Alguns irmãos dos
Estados Unidos nos disseram que arrumariam uma casa para nós e ficamos
animados com a ideia. Compramos uma passagem para ficar 30 dias nos
Estados Unidos e encontrar um lugar para morar.
Quando entramos no avião, coloquei os fones de ouvido e comecei a
orar em línguas. Deus falou claramente comigo: “Quem mandou você ir para
os Estados Unidos?”. E aquela viagem que era para durar 30 dias, durou
apenas sete. Tivemos que trocar as passagens e gastamos muito dinheiro com
isso. Entendi que Deus me levaria para pregar em muitos lugares do mundo,
mas o Brasil era o meu lugar, onde Ele havia estabelecido minha igreja e
minha família.
Limites. É muito importante descobrir os seus.

A importância de respeitar os processos


Davi foi um homem a quem Deus escolheu para servir de modelo e por
isso teve que enfrentar duros processos, mas o cetro do Senhor nunca se
apartou da sua casa e mesmo que seus filhos falhassem, nunca faltaram
pessoas na descendência de Davi que servissem a Deus. Da mesma forma, a
sua vida hoje pode estabelecer um centro de justiça para sempre na sua casa,
onde sempre haverá remanescentes da sua família servindo ao Senhor.
A diferença entre Saul e Davi, é que Davi resolveu respeitar os
processos, e não precisou de um substituto, como Saul. Mesmo com todos os
percalços no caminho, a casa de Davi continuou com o cetro na mão. Ele
estabeleceu um modelo de adorar, de servir, de governar; era generoso e
pontual nas coisas de Deus; foi rejeitado na própria casa, aprendeu a lidar
com a solidão, injustiça, traição, desonra, perseguição, ofensas. Por isso, ele
conseguiu multiplicar o que carregava para a sua descendência.
Os líderes de hoje também precisam entender que se eles não
guardarem os processos, não irão conseguir liderar a igreja. Eles sempre
estarão em busca de tradições, assim como Samuel, que na sua visão, o
padrão de escolha era Saul. E Deus precisou falar: “Acorda Samuel, não é
assim que eu quero mais, eu estou desabilitando esse modo de governo”. A
glória de Deus estava por chegar naquela casa de uma maneira totalmente
inesperada.
Deus encontrou Davi para que o próprio Davi se encontrasse em Deus.
É bem verdade que Deus nos vê quando não há ninguém nos olhando, quando
não estamos no púlpito, quando estamos escondidos no lugar da oração e do
serviço. Deus nos acha ali, nos unge e nos separa para um processo de
transformação. O justo fica mais justo, o limpo se torna mais limpo, o santo
se santifica mais.

Quando Deus lhe coloca em um processo não é para que prove

nada a ninguém, mas para que você se encontre.

Deus usa pessoas para nos transformar


Uma vida de fingimentos é o reflexo de uma vida debaixo da carência.
Essa, por sua vez, ganha força a cada vez que alguém erra conosco e nós
deixamos de perdoar. Para não sofrer, criamos um admirável “falso eu”, que
até funciona na frente das outras pessoas, mas cria uma barreira que
inviabiliza a cura, porque Deus só pode tocar naquilo que é verdadeiro, só
se movimenta num espaço chamado verdade.
Por que Deus iria nos transformar se já achamos que está tudo bem?
Que o nosso interior já está resolvido? Esse era o problema de Laodicéia,
pensava que era rica, que não lhe faltava nada, mas era miserável, pobre,
cega e nua.
Todos os grandes homens da Bíblia que chegaram diante de Deus de
maneira autêntica foram curados, porque só os verdadeiros têm intimidade
com Aquele que é a Verdade. Então, se você me perguntasse: “Pastor, qual é
o segredo para ser livre da carência?”, eu responderia que a cura está na
intimidade com Deus, e a intimidade se conquista sendo verdadeiro, abrindo
o coração e dizendo: “Deus, me ajuda!”.
Cada vez que eu fujo desse falso eu, o eu autêntico recebe mais
autoridade; cada vez que eu mostro a Deus quem verdadeiramente sou, Ele
me mostra no que vou me tornar. E não é porque eu leio a Bíblia todo dia,
não é porque eu oro 20 horas por dia, não é porque eu fiz os melhores
seminários do mundo, não. É porque o verdadeiro eu está reinando, e o
verdadeiro Deus só pode despejar unção no verdadeiro eu. Então, seja real
com Deus, diga a Ele o que você tem vontade de fazer, diga a Ele o que você
tem pensado, fale com seu Pai.
Não é pecado dizer: “Senhor, eu tenho dificuldades em lidar com
determinada pessoa”. Pecado é esperar que essa pessoa vire as costas para
maldizê-la. A nossa tendência natural é achar que o problema é o outro, mas
tenho que dizer que, na maioria das vezes, o problema é seu, porque as
pessoas que você menos consegue transformar são as que mais transformam
você.
Lembro-me de um período da minha vida em que dirigia cultos da
“tarde da benção” e todas as vezes que íamos clamar por cura e
transformação, uma senhora tirava a foto de um rapaz de dentro da Bíblia e
levantava as mãos. Um dia ela veio falar comigo:
- Pastor, esse meu menino é viciado, não presta, é um perigo! Não
posso deixar nada perto dele, que ele rouba.
E eu perguntei:
- A senhora só tem ele?
- Tenho outros dois filhos, mas eles são uma benção, só esse aqui que é
terrível.
Perguntei a ela se já tinha entregado sua vida a Jesus, mas ela disse que
não, que não ia aos cultos por causa dela, mas pelo filho que era difícil.
Segundo ela, tudo em sua casa era uma benção. Mas o dia que aquela
senhora resolveu entregar sua vida a Jesus, todos os filhos foram salvos, até
aqueles que eram considerados “bons”. Aquele que era considerado “ruim”
veio mais tarde, mas o Senhor me mostrou que foi por causa dele que toda a
família se converteu a Jesus!
Que bom que o Evangelho não está limitado a nossa capacidade de
entender! Que bom que o poder de Deus não está preso àquilo que a gente
concorda ou não. Que bom que Deus usa pessoas improváveis para
transformar situações de uma forma inimaginável. A fé em Cristo realmente
não é lógica.

A sua fé sempre vai ser desafiada pelas circunstâncias.

Em Josué 6, a Bíblia conta a história de Raabe, uma prostituta que foi


fiel aos princípios de Deus e foi salva da destruição de Jericó. Logo no
capítulo 7, Deus manda destruir a família da Acã, que era um israelita,
descendente da tribo de Judá. Para ela houve misericórdia, para ele não.
Saul desobedeceu uma regra e Deus tirou-lhe o reino, enquanto Davi foi
chamado “homem segundo o coração de Deus”, mesmo cometendo adultério
e assassinato.
Sim, Deus faz coisas que podem não fazer sentido para nós, mas só Ele
é capaz de saber o que se passa em cada coração. Ele não mede ninguém por
aquilo que faz, mas por quem é. Pense nisso, aquele traficante do seu bairro
pode vir a se tornar o pastor da igreja que você vai congregar. Por que o
Senhor faz isso? Creio que é para nos ensinar que Ele pode transformar e
usar qualquer pessoa, inclusive você, que muitas vezes se vê achando
incapaz e indigno.
Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus
escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes. E Deus escolheu as
coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são para aniquilar as que são;
para que nenhuma carne se glorie perante ele.

I Coríntios 1.27-29
Quando você entrar na intimidade com Deus, esteja preparado para ser
impressionado por Ele todos os dias. Por isso, não aponte “isso é de Deus,
isso não é”, porque aquilo que você está dizendo que é de Deus, pode não
ser, e aquilo que você acha que não é, pode ser. Como saber pastor? Seja
íntimo de Deus porque os segredos do coração Dele estão reservados para
aqueles que o temem. Você irá descobrir porque Deus amava a Davi tão
violentamente, mas amava a Saul da mesma forma.

A unção atrai perseguição


Sabe por que Davi foi rejeitado? Pelo o que ele era, não pelo o que ele
fez. E ele era muito amado por Deus. A perseguição vinha de todos os lados,
mas principalmente daquele a quem Davi servia - Saul. Mas enquanto Saul
jogava a lança em Davi, Davi tocava harpa para Saul. Por que você não
aprende a tocar a harpa para quem lhe joga a lança também?
Quantas vezes você pediu a Deus unção, mas não soube dar a outra
face? Quantas oportunidades de andar mais uma milha você perdeu? Quantas
capas lhe foram tiradas e a túnica ainda permaneceu com você? Conheço
pessoas que abandonaram sua igreja local simplesmente porque não
concordaram com algo, mas depois acabaram se frustrando em outros
lugares, porque, na verdade, elas não estavam entrando em um “lugar alto”.
A Bíblia conta em I Samuel 21 que Davi vai para Nobe, depois que
Saul já tinha determinado que iria matá-lo. Nobe significa “lugar alto”, ou
“lugar mais alto”. Veja por onde Deus o estava fazendo andar diante de
tantas ameaças e iminente morte!
Agora, então, o que você pode oferecer-me? Dê-me cinco pães ou algo que tiver. O
sacerdote, contudo, respondeu a Davi: Não tenho pão comum; somente pão consagrado;
se os soldados não tiveram relações com mulheres recentemente, podem comê-lo. Davi
respondeu: Certamente que não, pois esse é o nosso costume sempre que saímos em
campanha. Não tocamos em mulher. Esses homens mantêm o corpo puro mesmo em
missões comuns. Quanto mais hoje! Então, o sacerdote lhe deu os pães consagrados, visto
que não havia outro além do pão da Presença, que era retirado de diante do Senhor e
substituído por pão quente no dia em que era tirado.

I Samuel 21. 3-6


Ali em Nobe, Davi se encontra com o sacerdote Aimeleque e lhe pede
pão. Aimeleque oferece os pães da proposição, ou seja, os pães
consagrados, àquele novo rei que estava sendo preparado. As atitudes de
Davi verdadeiramente demonstravam que ele não era um homem comum e o
sacerdote sabia disso. Davi foi uma chave para o seu tempo porque ele
viveu os processos de Deus.

Passei no processo, e agora?


Davi fugiu da cidade de Gate e foi para a caverna de Adulão. Quando seus irmãos e a
família de seu pai souberam disso, foram até lá para encontrá-lo. Também juntaram-se a
ele todos os que estavam em dificuldades, os endividados e os descontentes; e ele se
tornou o líder deles. Havia cerca de quatrocentos homens com ele.

I Samuel 22.1

Sabe quem é que vai se juntar a você ao final do processo? Todos


aqueles que estão em dificuldade. Por isso, se você não aprendeu a lidar
com amargura de espírito, os amargurados não vão ser curados na sua mesa;
se você não aprendeu a lidar com a ofensa, os ofendidos não serão curados
na sua mesa; se você não aprendeu a lidar com a necessidade, aqueles que
estão em apuros não vão ser abençoados na sua mesa. Você foi ferido,
machucado, traído, injustiçado, porque existem pessoas que passaram pelas
mesmas situações e precisam aprender com você, precisam receber a cura
que você recebeu.
Você irá carregar a espada de gigantes que derrubou, as suas piores
mazelas vão se tornar em grandes ministérios. Isso significa que, se você era
prisioneiro da imoralidade, Deus irá lhe usar para derrubar esse gigante na
vida de outros. Se o seu problema era o dinheiro, saberá como arrancar a
cabeça desse gigante quando ele se levantar na vida do seu irmão. Se você
realmente foi curado, saberá lidar com qualquer tipo de pessoa que se
aproximar de você. Todas as pessoas que Deus trouxer para o seu lado, você
saberá que se trata de um propósito.
Você é curado para curar, salvo para salvar, chamado para

chamar, ungido para ungir, abençoado para abençoar.

Você deve estar preparado também para ver aqueles a quem você
ajudou a levantar, a irem muito mais longe. Talvez seu sofrimento e esforço
servirão para preparar o caminho que apenas seus filhos irão trilhar. Davi
queria construir uma casa para Deus, mas Deus disse que quem construiria
seria Salomão, e Davi não se entristeceu. Ele dedicou sua vida a juntar
materiais para que seu filho construísse o templo, porque Davi era uma
chave, era o começo do que Deus iria fazer.
Não se sinta menos importante quando seus filhos, biológicos ou
espirituais, começarem a desfrutar de oportunidades que você nunca teve.
Abençoe-os, isso é profético, é dar continuidade aos propósitos de Deus. E
mesmo que você já tenha passado pelos processos de Deus e seja aprovado,
esteja preparado para o “não” Dele ao final da caminhada.
Quando Deus diz que não sou eu que vou construir, mas o meu filho, Ele
está apontando para quem? Jesus! Por isso, toda vez que você impede que
seus filhos continuem, está neutralizando a revelação de Deus sobre Jesus.
Os pais sempre apontam para os filhos, mas depois, os filhos sempre
revelam o pai.
Em Hebreus 1 diz que, por muito tempo, Deus falou pelos profetas,
pelos sacerdotes, mas agora Ele está falando pelo seu Filho. Como isso
aprendo que os pais precisam sentar e ouvir os filhos para entender o que
está por vir. Isso não significa controle, mas zelo por aquilo que está
nascendo.
Por outro lado, sempre digo aos filhos que ouçam os pais, ouçam as
pessoas que pisaram na frente, que deixaram pegadas, que deixaram
cicatrizes, que deixaram marcas, pois isso estabelecerá os fundamentos para
o que virá. É preciso haver conexão entre as gerações.

GUARDE ESSES PENSAMENTOS:


■ Não há como passar por cima dos processos e dar certo;
■ Quem passa pelos processos não é substituído, mas deixa um legado;

■ Quem respeita os processos não é removido;

■ Pais desencorajados geram filhos desabilitados;

■ Pais sem destino perdem filhos de propósito;

■ Gerações conectadas transferem vida.


Vejam como é grande o amor do Pai por nós! O seu amor é tão grande, que somos
chamados de filhos de Deus e somos, de fato, seus filhos.

I João 3.1

A nossa identidade não está firmada no passado, mas na nossa origem.


Há uma enorme diferença entre as duas coisas, pois, voltar ao passado pode
trazer muitas lembranças que não inspiram nenhuma esperança, mas lembrar
de onde viemos muda o nosso destino. Deus, nosso Criador, nos fez mais que
suas criaturas, nos fez filhos e nos presenteou com o seu próprio Espírito.
Essa é a nossa origem. Essa verdade faz com que nossa identidade deixe de
estar firmada em carências, mazelas e debilidades, para se firmar na
convicção “que somos chamados de filhos de Deus e somos, de fato, seus
filhos”.

Minha identidade não depende dos meus sentimentos para com Deus,

mas no amor de Deus para comigo.


Se você entregou a sua vida a Cristo, você é filho de Deus. Se você é
guiado pelo Espírito, você é filho de Deus. Se Deus conduz a sua vida, então
você é filho de Deus. Se você se dá o direito de viver uma vida de
perdoado, sem culpa, então você é filho de Deus. Tenha coragem para
aceitar e ser aceito, você não precisa fazer nada para se sentir alguém,
apenas acredite no que Deus fez.
Deus nos chamou para estarmos com Ele, o propósito da criação é fazer
a obra Dele, anunciar as grandezas Dele. Quando temos essa percepção
como um eixo em nossa vida, não vamos perder tempo fazendo o que não
fomos chamados para fazer, ser quem não somos e expressar coisas que não
fazem sentindo.
A falta de identidade gera comparação com outras pessoas, e quando eu
preciso buscar uma identidade fora de mim, estou vivendo na carência. A
verdade é que não precisamos que ninguém nos dê algo, ou nos afirme algo
para nos sentirmos quem realmente somos em Deus. Você pode estudar,
aprender sobre Deus e ser frustrado acerca Dele. Você pode estudar a Bíblia
inteira todos os dias, e mesmo assim se sentir inútil fazendo as coisas para
Deus. Porque se eu procuro identidade fora de mim, vou ser atraído pelo
acúmulo de coisas, pela performance, pelos resultados.

Se eu preciso de alguém para me dizer quem eu sou, para dormir

satisfeito, é porque eu ainda não descobri Jesus.

Por que insistimos tanto em falar sobre identidade? Porque há um maná


preparado que só poderemos provar quando nossa identidade estiver
firmada no Pai. Esse maná é uma comida que nos saciará completamente,
removerá todas as nossas carências e buracos escuros na alma. O maná
escondido são revelações do céu, são momentos na presença de Deus, que
você e eu nunca provamos, e que sempre se renova. Ele está disponível aos
filhos, que são mais que membros de uma igreja evangélica, que não são
apenas espectadores de cultos, que não vivem no raso da vida cristã.
Vamos refletir então sobre nossa verdadeira identidade?
O que faz um filho?
Ser filho poderá lhe trazer algumas implicações, esteja preparado para
isso e não queira abrir mão da sua identidade. É interessante notar que
enquanto Jesus curou enfermos, multiplicou alimentos, abençoou pessoas,
Ele não encontrou problemas, mas quando disse “Eu e o Pai somos um”, os
religiosos da época se sentiram extremamente ofendidos. Jesus chamava
Deus de Aba, que era a forma que as crianças judias se dirigiam aos seus
pais, e significa “paizinho”, “papaizinho”.
Jesus disse “Aba” e escandalizou a opinião pública, escandalizou a
sociedade, a religião. Como alguém teria a capacidade, a coragem, a
petulância de chamar Deus de Pai? Ora, quem é filho! O filho conhece o Pai,
quem é filho sabe como chamar Deus de Pai, mesmo que isso vá na
contramão da cultura.
O verdadeiro filho não negocia sua integridade, mesmo que o seu “sim”
ou seu “não” seja solitário, ele não se importa em tomar decisões
impopulares, mas está sempre na contramão do sistema. O verdadeiro filho
se posiciona pela verdade, enfrenta a desaprovação, se posiciona, não segue
a multidão.

Nós queremos a espiritualidade do Cristo Ressurreto, mas não

vivemos a vida simples de Jesus de Nazaré, que era resolvido na vida,

e não tinha medo de falar quem era.

Jesus dizia: “Eu sei de onde vim, e sei para onde vou, e por isso o meu
testemunho é verdadeiro” (João 8.14). Isso significa que o que acontecer
nesse meio não muda o lugar de onde eu saí e para onde eu voltarei.
E o que mais faz parte da identidade de filho?
Ouvisses o que foi dito, amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo, eu porém vos digo,
amai os vossos inimigos, e orai pelos que vos perseguem, para que sejais filhos, do vosso
Pai que está nos céus, ele faz com que o sol se levante sobre maus e sobre os bons, ele
envia chuva sobre o justo e sobre um injusto, se amardes os que vos amam, que
recompensa tereis, não faz os cobradores de impostos assim também, e se saudardes
somente os vossos irmãos que fazeis demais, não fazem os gentios também assim, sede vós
pois perfeitos, como perfeito é o vosso Pai que está no céu.

Mateus 5:43

Estamos falando de um amor incondicional, que serve o justo e o


injusto, serve quem você gosta e quem você não gosta. A compaixão do Pai
abraça todos os pecadores, mas esse fariseu latente dentro das nossas almas
diz que temos que evitar os pecadores, que agora que somos filhos, estamos
em outro nível. Mas os filhos não contabilizam erros de ninguém, nem de si
mesmos.
O Pai chama seus filhos para viverem um estilo de vida que segue na
contramão da cultura, perdoando sempre num mundo com sede de vingança.
Não apague pessoas da sua vida, apague da sua memória as maldades que
elas praticaram.
Medite nesses versículos:
Eu mesmo sou que apaga suas transgressões e do o teu pecado não me lembro mais.

Isaías 43.25

Mas eu digo a vocês que estão me ouvindo: amem os seus inimigos e façam o bem para os
que odeiam vocês. Desejem o bem para aqueles que os amaldiçoam e orem em favor
daqueles que maltratam vocês. Se alguém lhe der um tapa na cara, vire o outro lado para
ele bater também. Se alguém tomar a sua capa, deixe que leve a túnica também. Dê
sempre a qualquer um que lhe pedir alguma coisa; e, quando alguém tirar o que é seu,
não peça de volta. Façam aos outros a mesma coisa que querem que eles façam a vocês.

Lucas 6.27-31

Amem os seus inimigos e façam o bem para eles. Emprestem e não esperem receber de
volta o que emprestaram e assim vocês terão uma grande recompensa e serão filhos do
Deus Altíssimo. Façam isso porque ele é bom também para os ingratos e maus. Tenham
misericórdia dos outros, assim como o Pai de vocês tem misericórdia de vocês.

Lucas 6.35-36
A verdadeira credencial do filho se revela no trato com as pessoas no
dia a dia. Não está relacionada com os altos e baixos de espiritualidade e
nem com o “barulho” do culto de domingo, mas no relacionamento com os
ingratos, com os maus, com pessoas de posição ou com pessoas de poucos
recursos. Se amar quem nos ama é fácil para qualquer um, então a credencial
dos filhos de Deus está em amar os inimigos.
Às vezes, me pego amedrontado com essas exigências e realmente é
humanamente impossível cumpri-las sem a ajuda do Espírito Santo. Por isso,
quando aquela pessoa que me acusa passa por perto, eu oro: “Senhor, me
ajude, o problema aqui sou eu, porque se eu não estou conseguindo amar,
então há algo errado comigo”.
João, o apóstolo do amor, foi o único que assistiu a crucificação, que
ficou das nove horas da manhã às três da tarde vendo Jesus em sua agonia no
Calvário. Entendo que o amor está diretamente relacionando à contemplação
da cruz. Sem ver Jesus sangrar pelos açoites, sem ouvir Jesus dizer: “Pai,
perdoa-os!”, nunca vamos entender o significado de amar.
Em sua primeira carta, João começa da seguinte forma:
O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que
contemplamos e as nossas mãos apalparam - isto proclamamos a respeito da Palavra da
vida.

João está dizendo, “eu não estou falando de uma coisa que ouvi falar,
estou falando sobre o que eu vi, que eu contemplei”. Quem não contempla
não tem nada para proclamar, e nem para perdoar. Mas à medida que vejo o
Filho de Deus morrendo, e ainda continuando a perdoar aqueles que lhe
fizeram mal, descubro o que é o amor que salvou o mundo.

Filhos se movem em compaixão


Nosso coração de pedra só se torna um coração de carne quando nós
sabemos o porquê as pessoas choram. E para que você entenda melhor,
quero replicar aqui uma história que li há algum tempo. O relato conta que
um homem embarcou em um trem com seus três filhos, que choravam e
gritavam descontroladamente. Os passageiros logo olharam, um a um, com ar
de reprovação àquele pai, que nada fazia para acalmar seus filhos.
Até que alguém criou coragem e disse: Você não vai mandar suas
crianças pararem para que a gente tenha tranquilidade de novo? Aquele pai,
com lágrimas nos olhos, disse: É que acabamos de vir do hospital e
recebemos a notícia que a mãe deles morreu. E houve silêncio dentro do
trem.

Se a doença das pessoas não me causa compaixão, eu estou mais

doente que elas.

Precisamos cultivar relacionamento para geramos compaixão uns pelos


outros. Como filhos do Aba deveríamos ser conhecidos por nos dar bem com
os pecadores, com os que choram, com os necessitados. Hoje eu posso estar
socorrendo alguém, amanhã, pode ser eu quem vai precisar de uma mão
estendida.
Vamos aprender com o exemplo de Cristo. Jesus foi um homem movido
por compaixão, Ele se compadeceu com a morte de Lázaro:
Ao ver chorando Maria e os judeus que a acompanhavam, Jesus agitou-se no espírito e
perturbou-se. “Onde o colocaram?”, perguntou ele. “Vem e vê, Senhor”, responderam
eles. Jesus chorou. Então os judeus disseram: “Vejam como ele o amava!”.

João 11.32-36

Se compadeceu quando olhou para Jerusalém e viu que ela era como
uma ovelha sem pastor:
Quando se aproximou e viu a cidade, Jesus chorou sobre ela e disse: “Se você
compreendesse neste dia, sim, você também, o que traz a paz! Mas agora isso está oculto
aos seus olhos…”.

Lucas 19.41-42

Agora repare nesses versos:


Portanto, sejam perfeitos, assim como é perfeito o Pai de vocês, que está no céu.
Mateus 5.48

Tenham misericórdia dos outros, assim como o Pai de vocês tem misericórdia de vocês.

Lucas 6.36

As duas palavras, perfeito e misericordioso, são reduzidas a mesma


realidade, embora tenham significados diferentes. Ou seja, a perfeição não
está no desempenho, está na misericórdia. Quer ser perfeito? Exerça
misericórdia, a mesma que foi liberada a você.
Eu me lembro de uma vez, quando eu havia acabado de aceitar Jesus, e
estava descendo do monte durante a madrugada (eu ia ao monte todos os
dias, não viajava nessa época). Peguei minha bicicleta e fui para casa, mas,
no caminho, vi dois amigos do meu passado, sentados numa esquina fumando
maconha e tomando batida de maracujá dentro de uma garrafa pet.
Não pensei duas vezes e já parei para sentar no meio deles. Sentei e já
comecei a pregar, enquanto eles continuavam o que estavam fazendo. Nisso,
passou um crente e me cumprimentou com “a paz do Senhor”. No outro dia,
todos da igreja estavam falando que o Luiz Hermínio havia caído nas drogas
de novo, porque alguém o tinha visto na madrugada fumando maconha.
Mas, um dia depois aqueles rapazes bateram na minha porta e me
pediram para tirá-los da rua. Eles foram para casa de recuperação, mas
apenas um continuou firme, o outro voltou paras drogas. Esse que
permaneceu arrumou um emprego e tempos depois morreu em um acidente de
trabalho. Fico imaginando se eu não tivesse passado ali aquele dia, se não
tivesse parado por causa de uma reputação. Sim, eu tive que me explicar
para um monte de gente depois, mas sei que valeu a pena.
Eu preciso alertar que Deus vai lhe colocar em situações que você vai
ter que optar: ou fica do lado de quem não tem boa fama e faça algo para o
Senhor, ou fique cuidando de sua reputação para o resto da vida e não faça
nada, porque sempre haverá gente para criticá-lo em tudo que fizer. Mas
lembre-se, essa última opção é fruto de uma identidade mal resolvida.

Sua identidade vale mais que sua reputação.


Deus nos chamou para sermos misericordiosos. E quando você tem o
poder de fazer o bem e não faz, está pecando. “Portanto, pensem nisto:
Quem sabe que deve fazer o bem e não o faz comete pecado” (Tiago 4.17).
Ser filho do Aba é manifestar o coração Dele, essa é a verdade central
da nossa existência, se não, vou ser apenas um simpatizante do Evangelho. A
forma que eu trato as pessoas falará mais sobre Jesus do que os meus
sermões. Posso me preparar todos os domingos para pregar, mas, se a forma
que eu trato as pessoas não está de acordo com o que estou dizendo, eu não
estou manifestando amor. No entanto, o contrário disso me livra da
religiosidade, do fanatismo cego.
Guarde isso: o verdadeiro filho não se intimida em ficar ao lado de um
amigo nas fortes tempestades da sua vida. O verdadeiro filho pratica
solidariedade com o oprimido, mesmo sendo zombado por isso. O filho
autêntico recusa-se a ficar calado em meio às injustiças, mas exibe lealdade
inabalável. O filho autêntico não tem medo de ficar perto de quem teve
problema, de quem caiu, de quem foi oprimido.

Filhos sabem servir


Chega de um evangelho só teórico, sem praticidade, sem mão estendida,
que não toca pessoas. Chega de um evangelho para fazer pessoas chorarem.
Do que adianta fazer uma pessoa chorar se ela não vai mudar de vida?
Enquanto os conceitos teóricos e teológicos não forem afetados
diretamente com atitudes de amor, vamos ser como alguém que constrói a sua
casa sobre a areia. Ouvir as palavras de Jesus e não praticá-las é o mesmo
que construir algo que não vai ter permanência, que não ficará para a
próxima geração. Mas tudo que está fundado no amor não passa nunca,
porque o amor tudo sofre, tudo crê, tudo suporta, o amor jamais acaba (I
Coríntios 13).
O evangelho teórico, sem manifestações de um serviço humilde, de um
coração servil em favor do outro, é ilusão. Mas o Evangelho verdadeiro é
buscar o direito de todos, é trabalhar pelas crianças, pelos idosos, pelo
servo, pelo patrão, pelo funcionário, por quem está certo e por quem está
errado, isso é o Evangelho de Jesus, que não vai colocar ninguém numa
redoma para se livrar do pecador.
Não há problema em querer ser grande, o problema é o caminho que
nós pegamos para nos tornarmos grandes. A Bíblia diz que aquele que quiser
ser grande, que seja servo de todos. Quer ser o primeiro? Sirva a mesa.

Filhos não afastam seus irmãos


Porque, sempre que comerem deste pão e beberem deste cálice, vocês anunciam a morte
do Senhor até que ele venha.

I Coríntios 11.26

Por que eu devo participar dessa refeição? Para anunciar a morte, ou


seja, a verdadeira razão pela qual Ele morreu, que foi a de perdoar e buscar
aquilo que havia se perdido. Quando estou comendo, estou anunciando que
qualquer um também pode sentar-se à mesa, pois não temos o direito de
proibir ninguém de se achegar. Aliás, a minha falta de amor e misericórdia é
que pode me afastar dessa mesa, comer indignamente é isso, condenar ao
invés de perdoar, isso me torna culpado.
Examine-se hoje, veja se você está amando como Ele ama. Essa é a luta
incessante da igreja do Senhor - amar e permanecer amando - e quem se
dedica a limitar o amor de Deus, não entendeu nada do que significa corpo
de Cristo.
Como o Pai me amou, assim eu os amei; permaneçam no meu amor. Se vocês obedecerem
aos meus mandamentos, permanecerão no meu amor, assim como tenho obedecido aos
mandamentos de meu Pai e em seu amor permaneço.

João 15.9-10

As suas palavras e atitudes devem servir para reconciliar as pessoas


com Deus, e não afastá-las. O exemplo de Jesus é: abraçar o leproso, curar a
prostituta, comer na casa do publicano. Deus nos confiou a palavra de
reconciliação para trazer pessoas ao convívio da igreja, ao coração de Deus,
ao corpo.
Filhos ganham uma nova visão
Deus olhou para Gideão que estava malhando trigo no lagar, e disse:
“O Senhor é contigo, homem valente” (Juízes 6.12). Gideão não se sentia
nem um pouco capaz para a tarefa de derrotar os midiantias: “Eis que a
minha família é a mais pobre em Manassés, e eu, o menor na casa de meu
pai” (Juízes 6.15), mas Deus tinha uma ótica acerca dele que ele não
conseguia ver. Em outras versões bíblicas aparecem os adjetivos: homem
forte, homem corajoso, varão valoroso, poderoso guerreiro.
O Evangelho é claro a respeito da visão de Deus ao nosso respeito, nós
é que queremos moldá-lo a nossa personalidade carente. Queremos torná-lo
uma represa, sem movimento, baseado em convicções pessoais, quando na
verdade ele é um rio com correntezas fortes, que por onde passa, transforma
tudo.

Deus não pode dar coisas baseadas no seu desempenho, mas naquilo

que Ele mesmo lhe transformou e por isso lhe deu um novo nome.

Você precisa acreditar no que está escrito, pois lá se encontra a


realidade da sua e da minha vida. Quando você lê algo na Bíblia, precisa
crer, mesmo que você tenha períodos de solidão, períodos de provas, pois
tudo isso ainda é proveitoso, para tirar você de um lugar e arremetê-lo em
outro.
Quem há semelhante ao Senhor, nosso Deus, cujo trono está nas alturas, que se inclina
para ver o que se passa no céu e sobre a terra? Ele ergue do pó o desvalido e do
monturo, o necessitado, para o assentar ao lado dos príncipes, sim, com os príncipes do
seu povo. Faz que a mulher estéril viva em família e seja alegre mãe de filhos. Aleluia!

Salmo 113.5-9

Não tenha medo de expor suas cicatrizes, pois elas sinalizam o que
você venceu. Você superou a solidão, a rejeição, a ofensa, o medo, a
incredulidade, e nem você acreditava, mas do monturo Ele ergue o
necessitado e o faz assentar com os príncipes. Talvez você tenha sido
ensinado a não contar vitórias, porque as pessoas podem falar mal de você.
Mas isso não importa, elas não sabem dos processos pelos quais teve que
passar para chegar a esse lugar hoje.

Filhos não se orgulham


Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai
sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e
achareis descanso para a vossa alma.

Mateus 11. 28-29

Como andar com alguém que é manso e humilde, e se tornar prepotente


e orgulhoso? Aprender com Jesus é nunca querer ser o primeiro, é dar a
outra face a quem nos fere, é não se defender da ofensa, é engolir a desonra,
é fartar-se da afronta, assim como afirma Lamentações 3.29-30: “Dê a face
ao que o fere; farte-se de afronta”.
O filho sabe da sua humanidade frágil e não tenta ser nada além de
humano. Ele sujeita todas as suas vontades, sentimentos, emoções à vontade
do Pai. O filho não se ensoberbece, mas sente-se completo em um lugar de
solitude silenciosa com Deus, longe de críticas ou elogios, onde nascem os
verdadeiros discursos, as verdadeiras pregações.
A Bíblia diz que a fama de Jesus se espalhava sobre toda terra, e
muitos o procuravam para serem curados, mas Ele se retirava para um lugar
deserto e orava.
Porém o que se dizia a seu respeito cada vez mais se divulgava, e grandes multidões
afluíam para o ouvirem e serem curadas de suas enfermidades. Ele, porém, se retirava
para lugares solitários e orava.

Lucas 5.15-16

Eu creio que Deus fala intensamente com quem está sozinho. É bom
orar em grupo, é bom participar de vigílias, mas, particularmente, acho que
não há nada melhor do que chegar em casa, ir para o meu lugarzinho de
oração, me jogar no tapete e falar com Deus. Lá eu só choro, não peço nada,
não tento ser nada, não prometo nada, mas só agradeço por ser filho, e um
filho muito amado.
Também creio que estar sozinho não é só bom, mas necessário. Repare
na Bíblia que todo homem a quem Deus usou, Ele separou primeiro, alguns
Ele levou para o deserto, outros para o monte, outros para o vale, mas
sempre os separou para ninguém massagear ego deles. Assim acontece
conosco hoje, Ele nos separa para nos mostrar a nós mesmos (e vermos que
nada somos), para que saibamos que quando estivermos sendo usados, é Ele
que está nos movendo.
Portanto, todo aquele que ouve estas minhas palavras e as pratica, será semelhante ao
homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha, veio a chuva, transbordaram os
rios, sopraram os ventos, e deram contra aquela casa, contudo ela não caiu, porque ela
estava edificada sobre a rocha. Aquele pois que ouve estas minhas palavras, mas não as
cumprir, será comparado ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia,
desceu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos, e deram contra aquela casa,
e ela caiu, e foi grande a sua queda. Concluindo Jesus de proferir estas palavras, as
multidões se admiravam da sua doutrina, porque ele as ensinava como quem tem
autoridade, e não como os escribas.

Mateus 7.24

Já parou para pensar que ninguém fica reparando nos fundamentos de


uma construção? A tendência é olhar somente para aquilo que aparece. Mas
quando as paredes começam a ruir, aí nos lembramos da parte mais
importante - algo nos fundamentos está errado e toda edificação pode estar
comprometida. Outra situação que nos faz lembrar dos fundamentos é quando
precisamos construir algo em cima daquilo que já existe, então precisamos
checar se a base vai suportar aquilo que está por vir.
Deus quer mexer nos fundamentos errados da sua vida, naquelas velhas
convicções que estão lhe impedindo de crescer. Ele quer tirar sua base das
emoções (que são extremamente instáveis) para firmá-la na Palavra Dele,
que permanece para sempre. O espírito de um servo deve ser livre de
emoções. Isso quer dizer que eu não posso me emocionar mais? Claro que
pode, o que eu estou dizendo é que as emoções não podem controlar seus
passos, não podem ser o seu fundamento.
Deus quer nos tirar de um lugar de ilusões, de um lugar raso e nos levar
para um lugar de experiências, pois experiências ajudam a estabelecer
fundamentos. Mas experiências sem sofrimento não existem. Na verdade,
uma vida sem sofrimento não tem nenhuma semelhança com Jesus. Então vou
sofrer todos os dias da minha vida? Não, mas precisamos passar por ele
para sermos tratados, criarmos resistência.
Sabe aqueles muros de proteção que você criou para não sofrer? Deus
precisará sacudi-los, pois quando você usa meios para não lidar com o
fracasso, com a mágoa, com a dor, com a tristeza, você está construindo uma
casa sobre a areia. E aí, a próxima dor vai o derrubar, por quê? Por que uma
casa sobre a rocha é uma casa que superou a dor, a traição, o sofrimento, a
carência, a rejeição. Por isso, pare de construir uma casa atrás da outra
sobre a areia, onde a cada vez que vem a dor, a perseguição, o sofrimento,
você sucumbe de novo, e de novo, e de novo.
Fundamentos fracos nos fazem achar que Deus nos abandonou, que não
nos ama mais, quando Ele está apenas removendo estruturas tortas. Às vezes,
a tempestade vem forte demais para mostrar que aquilo que achávamos estar
tudo bem, não tinha nenhuma base Nele.

Ele está acordando você enquanto ainda dá tempo de construir algo

sólido.

Deixe Deus lhe ensinar a construir. Ore, a oração não serve para dar
sugestões para Deus, mas é para que você seja instruído por Ele. Peça que
Ele o ensine como construir seus relacionamentos, em todas as esferas da
sua vida. Garanto a você que Ele irá mostrar detalhes que você nunca viu.
Você está lendo esses conselhos de alguém que tinha a vida toda torta.
Eu era amargurado, enganava, mentia, desonrava minha esposa, parecia que
não tinha conserto. Mas Ele me ensinou tanto! Como não ser grato
eternamente? Como não dizer “obrigado Jesus” todos os dias?
Ao cair da tarde daquele dia, o primeiro da semana, trancadas as portas da casa onde estavam
os discípulos com medo dos judeus, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco!
E, dizendo isto, lhes mostrou as mãos e o lado. Alegraram-se, portanto, os discípulos ao verem o
Senhor. Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco! Assim como o Pai me enviou, eu
também vos envio. E, havendo dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo.
Se de alguns perdoardes os pecados, são-lhes perdoados; se lhos retiverdes, são retidos. Ora,
Tomé, um dos doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus. Disseram-lhe,
então, os outros discípulos: Vimos o Senhor. Mas ele respondeu: Se eu não vir nas suas mãos o
sinal dos cravos, e ali não puser o dedo, e não puser a mão no seu lado, de modo algum
acreditarei. Passados oito dias, estavam outra vez ali reunidos os seus discípulos, e Tomé, com
eles. Estando as portas trancadas, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco! E
logo disse a Tomé: Põe aqui o dedo e vê as minhas mãos; chega também a mão e põe-na no
meu lado; não sejas incrédulo, mas crente. Respondeu-lhe Tomé: Senhor meu e Deus meu!
Disse-lhe Jesus: Porque me viste, creste? Bem-aventurados os que não viram e creram. Na
verdade, fez Jesus diante dos discípulos muitos outros sinais que não estão escritos neste livro.
Estes, porém, foram registrados para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para
que, crendo, tenhais vida em seu nome.

João 20.19 -31

Deus está organizando nossa vida para aquilo que está por vir! Lembra
quando mencionamos que Noé estava construindo a arca e sendo construído
por Deus ao mesmo tempo? Então, ainda não havia sinal de chuva, mas Deus
já estava preparando pessoas para aquilo que viria.
Eu creio que o Brasil está entrando em um novo tempo e não dá mais
para ficar “lambendo feridas” quando coisas novas estão para acontecer.
Não podemos mais ficar presos em nossas denominações com medo do novo
de Deus.
Por medo, confundimos lugar secreto com lugar de fuga. Jonas quando
dormia profundamente no porão do navio, estava no lugar de fuga, mas
quando foi para o ventre do peixe, se encontrou no lugar secreto (Jonas 1.5).
Elias quando foi para a caverna estava em um lugar de fuga, mas quando se
escondeu perto do riacho de Querite estava no lugar secreto com Deus,
porque Deus o alimentava (1 Reis 17.3).
Por medo, eu queria fugir de Itajaí quando me converti, pois ali foi o
lugar onde decepcionei muita gente antes de conhecer a Cristo. Por medo, os
discípulos também se esconderam após a morte de Jesus. Por medo, Pedro
afundou, pondo fim a sua experiência sobre as águas (Mateus 14.30).
Por insegurança e dúvida muitos não iniciam o ministério, pois encaram
o revestimento com o Espírito Santo como uma promessa, não como uma
realidade. Mas o poder da ressurreição de Cristo é suficiente para nos
capacitar a confrontar os medos de nossa alma: “A paz seja convosco!”.
Essa não é para nós uma imensa segurança? Precisamos nos livrar do
governo da alma e submetê-la a um espírito convicto no poder da
ressurreição de Cristo.
Medo, pessimismo e derrota jamais foram frutos do Espírito, mas só
revelam que estamos alicerçados na alma. Deus quer lhe curar disso, por fim
a todo medo causado pelos traumas do passado. “Meu patrão me mandou
embora”, “Minha esposa me traiu”, “Eu não consigo mais esquecer aquela
ofensa”. Chega dessa dor, esse poço de amargura irá secar em nome de
Jesus! Esse medo que nublou os seus olhos, que minou a sua esperança irá
passar.

Você não é fruto de momentos da sua vida, você é fruto do que

Deus declarou que você seria.

Eu estou afirmando isso por experiência própria, estou falando como


alguém que carrega muitas cicatrizes, mas que aprendeu a não chorar mais
pela dor, meu choro hoje é por almas, é para levar vidas à eternidade.
A base que eu tenho para acreditar que você irá vencer é olhar para
mim mesmo. Eu não tinha jeito, mas Deus deu um jeito. Estou longe de ser
quem eu quero, mas estou mais longe ainda de quem eu era! Glória a Deus
por isso. Tenha esperança e não se amedronte diante das dificuldades, o
Senhor é contigo, você é filho!

A esperança não evita provas, ela nasce das provas.


Na maioria das vezes que Deus fala conosco, não é para transmitirmos
algo para o outro. Ele fala conosco para confrontar a nós mesmos. Quando
Ele revela a sua glória para mim, é para que o orgulho caia por terra, porque
tudo o que eu vou querer quando contemplar a glória de Deus, é adorá-lo, é
ser útil para Ele de alguma forma.
A glória de Deus também nos revela para nós mesmos, e assim
entendemos que o amor de Deus por nós é muito maior que imaginamos.
Quanto mais você ora, quanto mais entra nessa glória, mais inadequado irá
se sentir, ao mesmo tempo em que será mais revestido de capacidade para
enfrentar as dores, os sofrimentos, as debilidades.

A glória de Deus não é para causar uma decepção em você, mas

para mostrar que o amor de Deus é muito maior que imagina.

Quando a glória de Deus vem para sua vida, você também começa a
olhar para os outros com olhos de bondade. Da mesma forma, não irá mais
olhar ao ser redor e só ver derrota, pois se isso acontecer, é porque te falta a
glória de Deus. A verdade é que estamos tão intoxicados com a glória dos
homens, que quando nos falta elogios, quando ninguém nos abençoa, quando
ninguém nos recebe bem, parece que nos falta glória.
Mas a glória de Deus nos liberta de tudo isso, da pressão de ser aceito,
de pertencer a um grupo, de ter que dar resultados. Ela nos faz felizes em
qualquer lugar e em qualquer circunstância, pois a sua alegria não será mais
extrato de realizações pessoais, porque não é mais o que dá certo que
importa. Muitas coisas lhe feriram, seus pais podem ter lhe tirado algo
importante, o abuso pode ter roubado coisas preciosas de você, mas a glória
de Deus pode devolver todas as posições que você perdeu.
A glória de Deus é o único remédio capaz de curar sua vida por
completo, corpo, alma e espírito. Eu respeito muito a medicina, me cuido,
acredito na psicologia e psiquiatria, vou ao médico de seis em seis meses,
mas creio que é o Senhor que me sara, eu acredito Nele acima de tudo e de
todos.
Não espere que alguém venha agitar as águas para você, não espere
mais uma reunião, mais um retiro. A glória está disponível, viva “plugado”
nessa glória 24 horas por dia, sete dias por semana, e desfrute de momento
maravilhosos na presença do Senhor.
Por fim, você nunca terá uma visão clara do plano de Deus, da
eternidade, do amor de Yeshua, se não deixar a glória entrar, e a glória só
pode entrar se a velha criatura sair. E como é difícil lidar com a velha
criatura! Todos os dias ela quer aparecer e até o fim da vida você terá que
destruí-la.
Queridos amigos, amemos uns aos outros porque o amor vem de Deus. Quem ama é filho
de Deus e conhece a Deus. Quem não ama não o conhece, pois Deus é amor. Foi assim
que Deus mostrou o seu amor por nós: ele mandou o seu único Filho ao mundo para que
pudéssemos ter vida por meio dele. E o amor é isto: não fomos nós que amamos a Deus,
mas foi ele que nos amou e mandou o seu Filho para que, por meio dele, os nossos
pecados fossem perdoados. Amigos, se foi assim que Deus nos amou, então nós devemos
nos amar uns aos outros.

I João 4.7-11

Certa vez um irmão coreano veio visitar o nosso ministério e a primeira


pessoa que ele se encontrou foi com um irmão muito amoroso da nossa
igreja, que o abraçava e dizia que o amava. No momento em que sentamos
para almoçar, o coreano disse, de um jeito meio enrolado, que não entendia
aquele amor: “Eu não entendo, faz uma hora que cheguei e você não para de
dizer que me ama, você não me conhece direito, não sabe se posso ser um
bandido”. E aquele irmão respondeu:
- Eu não o amo pelo que você é, eu o amo pelo o que eu sou, e eu sou
alguém que entendeu o amor de Deus e ponto final.
Amar com o amor de Deus significa não esperar nada em troca. O amor
ágape não impõe condições, ele ama primeiro, antes que o outro decida
amar. O amor de Deus não está condicionado a mim, e não pode aumentar
nem diminuir, caso eu decida orar mais, ofertar mais ou ser mais frequente
na igreja. Ele é um amor único, inexplicável e difícil de entender. Por isso,
todas as vezes que nós erramos, a tendência é acharmos que Deus nos ama
um pouco menos que antes. Mas Deus não usa méritos humanos para
determinar o seu amor.

O coração de Deus bate por nós e não contra nós.

Temos uma mania errada de dizer que “o melhor de Deus está por vir”,
quando, na verdade, o que Deus tinha de melhor já veio até nós – Jesus, a
exata expressão do amor do Pai. E por que ainda tratamos o Espírito Santo
como uma promessa, e não como uma realidade? Não devemos orar para que
Ele venha, mas somente agradecer porque Ele já está entre nós. Não
podemos esperar por algo que já recebemos gratuitamente.
Há crentes que esperam a vida toda para se sentirem dignos de fazer
alguma coisa para o Reino de Deus, mas se esquecem que Jesus já nos fez
dignos para entrar na presença Dele. Já está disponível, eu só preciso
alinhar minha vida com essa nova realidade. Quem entendeu o amor ágape
não mendiga mais amor, não compra amor pelo serviço, não vive na
carência, mas acorda pela manhã e diz: Senhor obrigado, eu sei que tu me
amas, e isso é o suficiente para mim.

De onde vêm os sentimentos ruins?


O diabo é o autor de toda a insegurança, ele é o pai das mentiras, ele
torce a verdade, deturpa a realidade, causa ceticismo e incredulidade nas
pessoas para que não resplandeçam a glória do Evangelho. Ele também
causa desconfiança, desespero, confusão de mente, pensamento doentio, ódio
por si mesmo. O diabo persegue o homem para fazer com que esse despreze
a sua própria imagem, para que sua visão de Deus seja deturpada e para que
não consiga amar o seu irmão.
Tenho um hábito que pratico todas as manhãs, que é o de me olhar no
espelho e dizer que me amo. Isso não é soberba, eu me amo porque Deus
mandou me amar. Eu me amo porque Ele achou em mim alguém que
precisava ser amado. E me amando eu consigo amar o meu irmão, ter
misericórdia dele, ainda que ele não tenha o mesmo sentimento por mim. Por
que, que recompensa eu terei se amar somente aqueles que me amam? Que
mérito há em servir somente aqueles que me servem?
Quando Jesus aparece em uma visão a Ananias (Atos 9.10) e o manda
se encontrar com Paulo para curá-lo da cegueira, Ananias logo reage: “Mas
Senhor, muita gente tem me falado a respeito desse homem e de todas as
maldades que ele fez em Jerusalém com os que creem no Senhor!”. Mas
Deus já sabia disso e apenas diz: “Vai Ananias, porque eu o tenho
escolhido”. O meu recado para você hoje, caro leitor, é: vá atrás daquela
pessoa que o decepcionou, não espere que ela morra para que você faça o
caminho de volta, do concerto, do perdão.
Deus não quer que você ame com o seu amor, pois ele é limitado, mas
com o amor Dele, que se antecipa a amar o pior dos homens. Perdoe aquela
pessoa que destruiu a sua casa, que roubou seu cônjuge, que afundou sua
empresa, que lhe ameaçou, que o colocou em situações difíceis. Deixe que o
Senhor lhe faça livre desses sentimentos que só servem para abrir feridas na
alma. Ele o ama e isso é suficiente para recomeçar, independente de onde
você se encontre.

Deixe que a graça de Deus sobreponha ao seu desempenho e ao dos

outros também.

Jesus foi abandonado por seus discípulos em seu pior momento, mas
Jesus foi atrás deles e os amou novamente: “A paz seja convosco!”, e ainda,
usou aqueles homens para a glória Dele. Nós somos filhos e frutos da
compaixão de Deus, o sentimento de vingança não pode fazer parte do nosso
coração. Quanto mais você entender isso, menos carente de reconhecimento
e gratidão você vai precisar.
Deus quer lhe colocar a frente de grandes projetos, mas estando doente
nos seus sentimentos, isso não vai acontecer. As nações são para filhos
curados, não para filhos amargurados, pois, ao invés de pregar o evangelho,
você correrá o risco de derramar a sua dor sobre aqueles a quem Deus
deseja alcançar. Deus quer fazer com que você prospere financeiramente,
mas ferido na alma, isso não pode acontecer, pois ao invés de abençoar
pessoas, você correrá o risco de maltratá-las, subjugar a quem lhe serve.

Deus só pode dar posições para gente curada.

Defina-se publicamente como alguém que é amado por Deus. Decida


interiormente a perdoar a si mesmo, para que consiga perdoar aos outros. Se
perdoe por não ser uma pessoa amorosa, por não ser coerente, por ser
irritável, indisciplinado, crítico, maldizente, ouse a viver como um homem
perdoado, uma mulher perdoada, e é claro, agora que você sabe que é
perdoado, procure viver de forma diferente. Quanto mais rápido você
perdoa, mais rápido você é reposicionado, reestabelecido.
Quando você entende que precisa de muita misericórdia de Deus,
passará a olhar os erros do seu irmão com olhos de misericórdia também.
Reconhecer que eu não sou tão bom quanto eu achava que era, não pode ser
confundido com carência ou autopiedade, não! Eu reconheço o que Deus fez
por mim e continuo acreditando na eternidade apenas por causa Dele. E
justamente pelo mesmo motivo, é que eu não tenho direito de me sentir
carente de algo.

O amor não me faz orgulhoso


Em II Coríntios 12.7 Paulo fala sobre um espinho na carne que lhe foi
colocado, uma doença dolorosa, que veio como um mensageiro de satanás
para lhe dar bofetadas e impedir que ele ficasse orgulhoso. Por três vezes
ele orou ao Senhor pedindo que lhe tirasse aquele sofrimento, mas Deus
disse: “Paulo, a minha graça te basta”. Ele precisava ser lembrado, todos
os dias, que ele não merecia nada que estava acontecendo em sua vida, era
como se Deus estivesse dizendo: “Paulo, se eu tirar, você vai ficar exaltado,
vai se ensoberbecer, mas enquanto esse espinho estiver aí, você vai saber
que a minha graça, o meu amor, é tudo que você tem”.
Quando você tem um encontro com seu pior pesadelo, o que acontece?
Você desanima? Os mensageiros de satanás podem até nos intimidar, mas não
podem nos parar, porque quando pensamos que estamos fracos, aí é que
estamos fortes! Particularmente, posso testemunhar que tenho agradecer a
Deus por esses mensageiros que me atormentam de vez em quando, pois eles
abatem minha soberba.
Todos os dias encontro alguém que me diz: “Que palavra! Sua
mensagem mudou minha vida!”. Todos os dias milhares de pessoas estão me
ouvindo, nas igrejas, pela internet. Imagina se eu não tivesse um mensageiro
de satanás para me esbofetear? Começaria a pensar que Deus não viveria
sem mim e que a obra Dele não sobreviveria sem o meu ministério.
Eu já precisei tomar analgésico antes de subir ao púlpito para pregar, já
senti muitas dores, enquanto as pessoas estavam sendo curadas. Deus faz
essas coisas para dizer: “Só depende de mim, não tem nada a ver com o seu
desempenho”. A verdade é que, se Deus soltar minhas mãos posso até ter
sucesso, mas não serei útil para mais nada.

A base do meu valor pessoal não está nas minhas posses, nos meus

talentos, ou estima que recebo das pessoas.

A base do meu valor pessoal não são os elogios, não são os aplausos,
não é nada que é direcionado a mim, mas no que eu sou quando estou
ancorado no amor de Deus por mim. O diabo quer afirmar a sua identidade
na bajulação das pessoas. Mas o verdadeiro eu reivindica a sua identidade
como base no amor de Deus, ou seja, você é quem é porque Deus o ama,
então, essa é a sua identidade. Isso precisa ser uma novidade extraordinária
que promova vida em você todos os dias.
João não precisava mais ser chamado de apóstolo João, profeta João, o
evangelista João, mas ele ficou conhecido como alguém que Jesus amava
(João 13.23). Essa é a sua real existência, talvez um dia o pastoreio vai
passar, o apostolado vai passar, as viagens missionárias vão passar e você
vai estar em casa, só em casa, mas a sua real existência estará firmada no
amor de Jesus.
Nós fomos chamados para estar com Ele. Deus um dia me disse: “Eu
não chamei você para trabalhar para mim, eu o chamei para estar comigo, o
trabalho vai ser o extrato do nosso relacionamento”. Quando entendo isso,
não terei convicções equivocadas da fé. Vou saber que o ministério é para
compartilhar, não dominar, que a dor do outro é para ser curada, que Deus
não me aproxima das pessoas para consertá-las, mas para conduzi-las ao
processo da cura, que o amor Dele é o meu combustível para viver e
qualquer outra coisa é ilusão.
Lembro-me de quando eu visitava um orfanato em Itajaí e quando
chegava à salinha dos bebês, eles vinham todos à borda do berço e
estendiam as mãozinhas como um sinal de que queriam ser pegos no colo. E
não era um, nem dois, eram quase vinte bebês querendo colo! Ficava
pensando como eles iriam aprender sobre o amor se não houvesse quem os
ensinasse. Naquele dia orei pedindo ao Senhor que me fizesse um homem
que estendesse a mão a todos que pedissem colo, mesmo que eu não
estivesse em condição de dar. Não fui chamado para consertar ninguém, mas
apenas para amar, cuidar, abraçar. Sei que nem todos irão querer viver a
vida que Deus tem para elas, mas não podemos deixar de amar.

Antes de fechar o livro


Quero terminar esse livro dizendo que o Senhor tem uma compaixão
infinita, uma paciência ilimitada e um perdão inacreditável. Seu amor não
registra erros. Você também não deve registrar, nem os seus, nem os dos
outros que lhe fizeram mal. Tudo contribuiu para o seu bem, que anda
segundo o propósito de Deus. Por mais que não entenda hoje, mas até aquela
pessoa que o feriu, cooperou para o seu bem.
Deus quer livrá-lo da carência por aceitação, por aplausos. Deus quer
que voê perceba que não é necessário fazer nada para ser aceito por Ele.
Saia desse jugo do ativismo, da aparência. Deus não se impressiona com o
seu desempenho perfeito. Máscaras o fazem perder o brilho da glória de
Deus. Jogue-as fora.
As pessoas podem lhe julgar por uma atitude, por uma palavra, por um
olhar, por um toque, por um momento, mas o Deus que nós servimos não lhe
julga e mesmo o conhecendo profundamente, não aponta defeitos. Você está
acostumado a proclamar as boas notícias do amor incondicional de Deus,
sabe ensinar como ninguém, tem tudo na mente, mas por que nunca sentiu no
coração?
Na era que nós vivemos, de conversas religiosas vazias, de vans
curiosidades intelectuais, de declarações pretensiosas, a verdade da fé tem
pouco valor. Parece que as pessoas estão pedindo para que Deus se
explique, e as coisas simples da fé vão se perdendo, por quê? Porque a
verdade da fé tem pouco valor quando ela não é vivida no coração. Vou dar
exemplo, muitos têm convicção do amor de Deus, mas nunca o provaram.
Eles até declaram, acreditam, mas nunca o experimentaram.
Eu oro para que a glória de Deus venha sobre sua vida e você se sinta
amado!
Desfrute do que você já conquistou
Não gaste toda sua força no trabalho, descanse, passeie, namore sua
esposa, seu marido, invista no seu casamento, compre flores, saia para
almoçar, diga “eu te amo” para pessoas importantes. Aproveite sua casa, seu
carro, seu cartão. Viaje com seus filhos, durma, cuide de sua saúde.
Aproveite o que Deus já lhe deu!

Se alegre com os outros


Se alegrar com os que se alegram é algo libertador! Se Deus está
prosperando seu irmão, vá a casa dele e o abençoe (Romanos 12.15). Não
tenha medo do sucesso das pessoas, não as amaldiçoe, mas diga: “Que Deus
continue te abençoando”, “Que o Senhor te guarde!”.

Espere no Senhor
Esperar no Senhor renova as forças. Não arrombe portas. Respeite os
processos do seu ministério, não queira copiar o que deu certo em outros
lugares. Esperar é ter sempre mais do que se precisa, Deus dá sonhos, mas
também provê o recurso (Deuteronômio 6.5).

Estabeleça prioridades
Sabe o que deve ser mais importante do que seu nível de produção
(desempenho)? Seu relacionamento com Deus, sua santidade, sua alegria,
sua família. Não tente inverter essa ordem, pois são os fundamentos da sua
vida. Sem a presença de Deus, sua edificação vai ruir. Lembre-se que o
diabo não quer lhe tirar da obra, pelo contrário, ele quer o encher de
trabalho para que você fique longe de Deus.
Avalie seu crescimento
A sua visão de crescimento é importante. Avalie se você está crescendo
de forma natural, se suas atitudes estão agradando a Deus. Não fuja da sua
realidade, liberte seu “eu” autêntico e busque em Deus ajuda para os seus
pontos de fraquezas.

Busque em Deus o seu chamado


Deus não vai pedir uma coisa que Ele não lhe deu, e não vai exigir algo
que Ele não lhe ofereceu, que Ele não entregou a você. Há um livro com a
sua história no céu, onde estão escritos todos os seus dias (Salmo 139). Sua
vida aqui na Terra precisa estar alinhada com esse livro. O que o torna útil
no ministério é fazer aquilo que Deus lhe deu para fazer, seja atrás de uma
escrivaninha ou num púlpito, seja dirigindo um caminhão ou dirigido uma
congregação. Talvez você esteja em crise porque não está fazendo a coisa
certa.

Não alimente a desesperança


Após ser curado da carência, você ainda vai errar, vai se arrepender, se
frustrar, é inevitável. Mas agora você já sabe identificar onde se cansou, se
frustrou, se deprimiu, se ofendeu. Não se desespere, você está crescendo.
Agora você sabe fazer o caminho de volta, sabe exercer a compaixão, o
perdão, a misericórdia. Você é muito amado e isso não tem nada a ver com
méritos próprios.

UMA CURIOSIDADE:
Estudos comprovam que o hormônio do crescimento, o GH, tem o seu
ápice de produção no período noturno, entre 23h30 às 02h30 da manhã.
Entendemos que o crescimento ocorre em densas trevas, porque é a hora que
a terra está mais escura. Nos momentos mais escuros da sua vida, você está
crescendo. E o contrário também se aplica, enquanto você está no sono mais
profundo, dormindo tranquilamente, Deus também está providenciando seu
crescimento.

Não se cobre tanto


Jesus, apesar de ser totalmente Deus, era totalmente humano também.
Era tão parecido conosco que Judas teve que dizer: “O homem que eu beijar,
esse é Jesus”. Isso foi preciso para os guardas diferenciá-lo dos demais. A
Bíblia fala que em tudo Ele foi tentado, teve fome, chorou, se irou e até
duvidou do Pai: “Pai, por que me desamparaste?”. Então, fique calmo, se dê
o direito de chorar, de errar, não seja orgulhoso, aceite o perdão de Deus e
faça o caminho de volta. Não seja Judas, que não suportou seu erro e foi se
enforcar, quando deveria ter corrido para cruz.

Pare de correr atrás das coisas


Você pode fazer a denominação crescer, o Reino não, o Reino quem faz
crescer é Ele. Pare de correr atrás de números, seja um cidadão do Reino,
plante e vá dormir, que Deus dará o que você precisa. Você não está vendo,
mas Ele está fazendo.

1 Nome fictício.
Sumário
Capa
Créditos
Sumário
Introdução
Capítulo 1: Achados por Deus
Capítulo 2 A descoberta do nosso, propósito
Capítulo 3: Minha identidade: Filho
Capítulo 4: Removendo velhas estruturas
Capítulo 5: O medo não combina com você
Capítulo 6: A gloria de Deus
Capítulo 7: A cura está no amor
Conselhos Práticos

Lista de Páginas
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
37
38
39
40
41
42
43
44
45
46
47
48
49
50
51
52
53
54
55
56
57
58
59
60
61
62
63
64
65
66
67
68
69
70
71
72
73
74
75
76
77
78
79
80
81
82
83
84
85
86
87
88
89
90
91
92
93
94
95
96
97
98
99
100
101
102
103
104

Você também pode gostar