Você está na página 1de 14

Como Ser Alguém Melhor

Coescrito por Trudi Griffin, LPC, MS

A vida é um exercício de auto aperfeiçoamento constante e, apesar de normalmente


nos focarmos em ter uma melhor educação ou subir de cargo, muitas vezes nós nos
esquecemos de melhorar o modo com o qual tratamos a nós mesmos e as pessoas ao
nosso redor. Na pressa para conquistar coisas, a ideia de se tornar alguém "melhor"
pode sucumbir perante a ambição e o egoísmo. A jornada para melhorar sua alma e
sua compaixão começa aqui.

Método Método 1 de 3:
1 Começando
Aceite que "se tornar uma pessoa melhor" é um processo no qual
1 você gastará o resto de sua vida. Não há um momento específico onde
você alcançará o ápice e não terá mais para onde evoluir. Estar aberto para
o processo de mudança e crescimento o ajuda a desenvolver sua
flexibilidade, que é a chave para que você dê sempre o melhor de si em
todas as situações.[1]
Aceite que suas metas e valores podem mudar com o tempo e entre
situações. Isso é normal. [2]

Determine seus valores. Até mesmo a melhor das intenções não o


2 levará a lugar algum a menos que você conheça bem seus princípios.[3]
Os valores são as coisas mais importantes em sua vida. Eles são as crenças
que o moldam como pessoa e que guiam o modo com o qual você vive[4]
.
Analisá-los o ajudará a determinar o que realmente importa para você.
Por exemplo, "ser um bom pai" ou "passar um tempo com meus amigos"
podem ser alguns de seus valores. Essas são coisas que o ajudam a
definir quem você quer ser.
A congruência de valores é o quanto seu comportamento se alinha com
seus princípios. Por exemplo, caso "passar um tempo com meus amigos"
seja um de seus valores, mas você sempre permite que o trabalho o
impeça de se socializar, esse valor não é congruente. Um
comportamento incompatível com seus princípios pode fazer com que
você se sinta insatisfeito, infeliz ou culpado.[5]
Examine as coisas que acredita em si mesmo, pois nossas
3 identidades também são moldadas pelas pessoas ao nosso redor.[6]
Por exemplo, estudos psicológicos já demonstraram repetidas vezes que as
pessoas aprendem a serem preconceituosas em uma idade precoce. [7]
Esses comportamentos e crenças ensinadas afetam o modo com o qual
percebemos a nós mesmos e aqueles ao nosso redor. Entender a origem de
sua visão de si mesmo pode ajudá-lo a modificar crenças inúteis e a abraçar
aquelas que fazem sentido para você.
Nós também aprendemos a nos considerar em relação a grupos maiores,
como raça ou gênero. Esses podem ser componentes essenciais de
nossa própria identidade. [8]

Examine seu comportamento de modo completo e sincero.


4 Considere o modo com o qual reage ao estresse, como lida com a perda,
como controla sua raiva e como trata seus entes queridos. Você precisa
compreender seu comportamento atual para entender como crescer.
Após analisar seu comportamento você conseguirá ter uma ideia das
mudanças específicas que gostaria de fazer.

Determine quais mudanças gostaria de ver. Ao invés de dizer "Eu


5 gostaria de ser um melhor amigo", tente ser o mais específico possível.
O que você quer dizer com isso? Você quer ajudar os outros com mais
frequência? Você quer estar mais disponível para seus amigos?
O inventor e empresário Steve Jobs uma vez disse que se fazia a
seguinte pergunta todas as manhãs: "Se hoje fosse meu último dia de
vida, eu gostaria de fazer o que estou prestes a fazer hoje?" Caso a
resposta fosse "não", ele mudaria algo. Essa pode ser uma pergunta útil
para você. [9]
Escolha mudanças razoáveis. Caso você seja uma pessoa introvertida
naturalmente, por exemplo, definir "ser uma pessoa melhor" como "sair
mais e frequentar festas" pode não ser muito eficaz ou congruente com
seus valores. Ao invés disso, você pode definir sua mudança como algo
mais alcançável e de acordo com sua personalidade, como: "Praticar
dizer oi para pessoas novas."

Defina metas. Você pode anotá-las em uma folha ou, melhor ainda,
6 começar um diário. Isso abrirá seu lado introvertido e permitirá que você
se entenda melhor de um ponto de vista objetivo. [10]
Escrever um diário deve ser uma atividade ativa e de reflexão. Escrever
pensamentos aleatórios não o ajudará muito. Ao invés disso, escreva
sobre situações que encontrou, sobre como elas o fizeram se sentir,
sobre como reagiu e sobre o que acredita que poderia ter feito de modo
diferente.[11]
Essas são algumas questões para começar: Há um relacionamento em
particular que você gostaria de melhorar? Você gostaria de se tornar
mais filantrópico? Você quer fazer mais pelo meio ambiente? Você quer
ser um cônjuge melhor?

Crie metas positivas. Pesquisas demonstram que as chances de você


7 cumprir metas aumentam caso elas sejam "positivas" (algo que você
fará) ao invés de "negativas" (algo que você parará de fazer).[12]
Elaborar
metas negativamente pode fazer com que você se julgue demais ou se sinta
culpado com seu progresso. Comece a pensar nas metas como um caminho
a ser seguido, não como um caminho a não seguir.
Por exemplo, caso tenha decidido ser mais grato, elabore a meta
positivamente: "Quero expressar minha gratidão às pessoas que são
gentis comigo". Evite escrever a meta julgando comportamentos
passados, como ao dizer "Quero parar de ser tão ingrato".

Encontre alguém que o inspire a passar por momentos difíceis.


8 Você pode escolher uma figura religiosa, um político, um artista ou
alguém próximo que você admire.
É interessante escolher alguém com quem você se relacione. Caso você
se baseie no comportamento de um desconhecido, pode ser fácil criar
uma percepção distorcida da pessoa. Isso pode fazer com que você
tenha pensamentos nada saudáveis sobre si mesmo. Até mesmo a
Beyonce não é perfeita, afinal de contas.[13]
Os modelos inspiradores não precisam ser pessoas que transformam o
mundo. Mahatma Ghandi e Madre Teresa são figuras inspiradoras, mas
elas não são os únicos que podem ensiná-lo. Os comportamentos
pequenos e cotidianos são os que normalmente podem ensiná-lo mais.
Por exemplo, caso um de seus colegas de trabalho pareça estar sempre
feliz, pergunte o porquê disso. Pergunte o que ele acha da vida e o que
faz. Você pode se surpreender com o que é possível aprender com uma
simples pergunta.
Isso não quer dizer que você não possa se inspirar na história dos
outros. Encontrar alguém que possua uma história com a qual você
possa se identificar pode ajudá-lo, principalmente se não existirem
muitos modelos em sua própria vida.
O astrofísico Neil deGrasse Tyson argumenta contra a ideia tradicional
de que os modelos devem servir de base para quem você quer "ser". Ao
invés disso, ele sugere que você examine o modo com o qual essas
pessoas chegaram até onde você deseja chegar. Quais livros elas
leram? Quais caminhos elas percorreram? Como as pessoas chegam
onde você deseja chegar? Encontrar as respostas para essas perguntar
pode ajudá-lo a trilhar seu próprio caminho. [14]

Método Método 2 de 3:
2 Exercitando a compaixão
Pratique a autocompaixão. Antes de aprender a amar os outros, você
1 precisa aprender a amar a si mesmo. Este não é o tipo de amor egoísta
e vaidoso, mas sim o amor que o aceita por quem você é e que resgata as
habilidades e valores que o compõem. Lembre-se de que você é uma pessoa
gentil, compassiva e, acima de tudo, merecedora. Isso, em conjunto com
atitudes virtuosas e gentis, o ajudará a se aceitar e entender melhor.
Tente escrever sobre suas experiências sob a perspectiva de um amigo
que o ama ao invés de seu próprio ponto de vista. Estudos sugerem que
esse tipo de distanciamento pode ajudá-lo a processar emoções
negativas ao invés de ignorá-las ou reprimi-las. Reconhecer seus
sentimentos é o componente chave para a autocompaixão. Nós
normalmente somos mais gentis com os outros do que com nós mesmos;
demonstre para si mesmo a aceitação que demonstraria para um ente
querido.[15]
Crie momentos de autocompaixão no decorrer do dia, principalmente ao
perceber estar passando por algo desagradável. Por exemplo, caso
esteja atrasado com um projeto no serviço, você pode se julgar ou sofrer
um ataque de ansiedade. Ao invés disso, reconheça o estresse: "Eu
estou estressado agora". Em seguida, reconheça que todos passam por
isso de tempos em tempos: "Eu não estou sozinho nessa". Por fim, seja
compassivo consigo mesmo colocando a mão sobre o coração e
repetindo algo positivo para si mesmo "Eu posso aprender a ser forte. Eu
posso aprender a ser paciente. Eu posso aprender a me aceitar."[16]

Para de se criticar. Separe um tempo para valorizar seus talentos e


2 suas melhores características, sejam elas físicas ou internas. Quanto
mais hostil você é consigo mesmo, mais hostil você será com os outros.[17]
Comece criando um registro de todas as vezes em que tiver
pensamentos negativos sobre si mesmo. Lembre-se da situação, dos
pensamentos e das consequências deles.
Por exemplo, você pode criar uma entrada no registro que seja mais ou
menos assim: "Hoje eu fui até a academia. Eu estava cercado de
pessoas magras e me senti muito gordo. Eu fiquei nervoso comigo
mesmo e envergonhado. Eu não quis nem mesmo terminar meu treino."
Em seguida, encontre uma resposta racional para esses pensamentos.
Isso pode ser difícil, mas desafiar-se constantemente com fatos e lógicas
pode mudar seu modo de pensar.
Por exemplo, uma resposta racional para a situação acima pode ser: "Eu
vou para academia para cuidar de meu corpo e de minha saúde. Eu
estou cuidando de mim mesmo, por que deveria me envergonhar disso?
Todos temos corpos diferentes. As pessoas magras da academia podem
treinar a mais tempo que eu ou ter genes melhores. Eu devo levar em
consideração a opinião de pessoas que me julgam por minha aparência
ou de pessoas que me apoiam e encorajam?"[18]
A autocrítica normalmente surge na forma de frases como "Eu deveria ter
um carro chique" ou "Eu deveria vestir um certo tamanho de roupa".
Quando nos comparamos com os padrões definidos pelos outros, nós
nos tornamos infelizes e envergonhados. Determine o que quer para si
mesmo e rejeite o que os outros dizem que você deveria ser.[19]

Examine sua rotina, pois nós muitas vezes somos complacentes


3 com nossas vidas. Uma rotina monótona pode o manter preso em
padrões comportamentais reativos ou de esquiva. Você pode ter
desenvolvido hábitos e comportamentos que o atrapalham sem se dar conta
disso. [20]
Por exemplo, caso tenha sido magoado por uma pessoa, você pode criar
barreiras que impeçam que os outros se aproximem. Essas barreiras
podem evitar que você se magoe novamente, mas elas também evitam
que você se conecte com pessoas boas e que possam trazer alegria
para sua vida.
Experimentar novas rotinas, como participar de atividades sociais ou
buscar novas amizades, pode ser um ótimo modo de se descobrir
capacidades que não acreditava ter. Isso também pode ajudá-lo a formar
relacionamentos com os outros e a descobrir coisas novas sobre suas
emoções.[21]
Encontrar modos de quebrar velhos hábitos também pode colocá-lo em
contato com diversas pessoas que podem mudar suas perspectivas de
vida. Pesquisas demonstram que algumas atitudes, como ser
preconceituoso ou medroso, podem ser melhoradas após experimentar a
cultura ou a perspectiva de outra pessoa.[22]
Você perceberá que é
possível aprender com os outros e que eles também podem aprender
com você.
Tente controlar a raiva e a inveja. Essas emoções são naturais, mas
4 caso você sinta raiva ou inveja dos outros, a felicidade dificilmente será
encontrada. Assim como a cultivação da autocompaixão, aceitar os
comportamentos e desejos dos outros é um passo necessário no caminho
para se tornar a pessoa que deseja ser.
A raiva normalmente ocorre pois acreditamos que as coisas não
deveriam ocorrer conosco. Nós podemos ficar nervosos se as coisas
estiverem indo de um modo diferente do que planejamos. Desenvolver
uma flexibilidade para aceitar que as coisas nem sempre funcionarão
como você espera pode ajudá-lo a reduzir esses sentimentos.[23]
Foque-se nas coisas que pode controlar e se preocupe menos com o que
não pode controlar. Lembre-se: você pode controlar suas ações, mas não
os resultados delas. Focar-se nas ações e não nos resultados pode
ajudá-lo a relaxar e a sentir menos raiva quando as coisas não derem
certo (o que acontecerá de tempos em tempos).[24]

Perdoe os outros, pois isso possui até mesmo benefícios físicos.


5 Remoer rancores e erros do passado pode aumentar sua pressão
arterial, enquanto o perdão pode reduzir o estresse corporal.[25] Apesar de
todos seus benefícios, perdoar os outros pode ser uma das coisas mais
difíceis de se fazer.[26] [27]
Pense na coisa que deseja perdoar e analise os pensamentos que
surgem em sua mente sobre isso. Como você se sente em relação
aquela pessoa? Isso o afeta fisicamente?
Reflita sobre a experiência através do aprendizado. O que você poderia
ter feito diferente? O que a outra pessoa poderia ter feito diferente? Você
é capaz de aprender com essa experiência? Transformar uma
experiência dolorosa em aprendizado pode ajudá-lo a se sentir menos
prejudicado.
Converse com a outra pessoa, mas não faça acusações; isso apenas a
colocará na defensiva. Utilize expressões na primeira pessoa para
compartilhar seus sentimentos e peça que a pessoa compartilhe os dela
também.[28]
Valorize a paz acima da justiça. Muitas vezes perdoar é difícil por conta
de nossa ideia do que é justo. A outra pessoa pode não esperar sua
vingança, mas você será o mais afetado por ela. Não dependa de uma
ação ou resultado em particular para perdoar a pessoa.
Lembre-se de que o perdão não é igual a absolvição. O mal ainda
aconteceu e você não está ignorando isso ao perdoá-lo. Você está
liberando o fardo de carregar sua própria raiva consigo mesmo.
Seja grato, pois a gratidão é mais do que um sentimento, é uma
6 prática ativa. Cultivar esse comportamento pode torná-lo alguém mais
positivo, feliz e saudável. [29] A gratidão ajuda as pessoas a superar
traumas, fortalecer relacionamentos e demonstrar compaixão.[30]
[31] [32]
Mantenha um diário de gratidão. Registre as coisas pelas quais é grato
diariamente, desde coisas pequenas, como uma manhã ensolarada ou
uma xícara de café deliciosa, até coisas imensuráveis, como o amor de
um parceiro ou uma amizade. Prestar atenção nessas coisas e escrevê-
las pode ajudá-lo a se lembrar delas mais tarde.[33]
Saboreie as surpresas, pois algo inesperado pode ter um efeito forte
sobre você. Essas surpresas também podem ser pequenas, como sua
parceira lavar as louças ou você receber uma mensagem de um amigo
com quem não conversa há meses.
Compartilhe a gratidão com os outros, pois isso o ajudará a se lembrar
dessas coisas positivas. Compartilhar também pode ajudá-lo a melhorar
o dia de outra pessoa e inspirá-la a ser grata.[34]

Cultive a empatia. Os humanos, assim como muitos outros animais,


7 foram criados para construir relacionamentos sociais com aqueles que
os cercam.[35]
Desde a infância nós aprendemos a "ler" os outros e a imitar
seus comportamentos para nos encaixarmos, para conseguirmos o que
precisamos e para nos conectarmos com os outros. [36]
Entretanto, a empatia
é mais do que conseguir interpretar os comportamentos dos outros e sentir
suas emoções. Ela nos ajuda a imaginar como é experimentar a vida sob a
perspectiva de outra pessoa, a pensar como ela pensa e a sentir o que ela
sente.[37] Cultivar a empatia o ajudará a ser mais sensível com os
sentimentos dos outros, a se conectar melhor com as outras pessoas e a se
sentir menos isolado. Isso o ajudará também a tratar os outros como gostaria
de ser tratado.
Estudos mostram que a meditação da bondade amorosa e a meditação
compassiva podem estimular a área do cérebro responsável pela
atividade emocional, além de ajudá-lo a se sentir menos estressado e
mais estável.[38]
A ''meditação contemplativa possui efeitos similares,
mas ela é menos útil no desenvolvimento da empatia. [39]
Pesquisas demonstram que imaginar o que os outros estão sentindo
pode aumentar sua empatia.[40]
Até mesmo ler livros fictícios pode
encorajá-lo a entender a perspectiva de outra pessoa.[41]
Suspenda os julgamentos sempre que possível. Pesquisas demonstram
que é difícil simpatizar com pessoas que acreditamos serem
responsáveis por seus próprios sofrimentos – pessoas que "colheram o
que plantaram". Reconheça que você não conhece completamente a
vida da pessoa para julgá-la.[42]
Procure pessoas mais diversas. Estudos alegam que a exposição à
cultura ou às crenças de outra pessoa pode ajudá-lo a simpatizar com
ela.[43]
Quanto mais você se expor à pessoas que pensem e se
comportem de modo diferente do seu, menores as chances de você
desenvolver julgamentos ou preconceitos.

Foque-se nas pessoas, não nas coisas. Nós somos muito mais
8 propensos a experimentar uma gratidão real por coisas imateriais, como
a sensação de ser amado, por exemplo. Na verdade, buscar coisas materiais
é um sinal de que você está tentando compensar uma necessidade mais
profunda.[44]
[45] [46]
Pesquisas demonstram que pessoas materialistas normalmente são
menos felizes.[47]
Elas se sentem menos felizes com suas vidas como
um todo e tem mais chances de experimentar emoções negativas como
medo e tristeza.[48]
[49]

Compartilhe mais. Nem todo mundo pode doar milhares de reais para a
9 caridade, mas isso não significa que você não é capaz de realizar
pequenas doações para os mais necessitados. Ajudar os outros também
beneficia você. Pesquisas demonstram que pessoas altruístas são mais
felizes e podem experimentar um aumento nos níveis de endorfina ao ajudar
os outros.[50]
Voluntarie-se. Ao invés de passar seus fins de semana assistindo TV,
voluntarie-se em um abrigo local. Ajudar os outros pode conectá-lo mais
as pessoas e pode fazer com que você se sinta um membro ativo da
comunidade.[51]
Pratique atos aleatórios de bondade diariamente. Não importa se você
está ajudando um idoso a carregar suas compras ou ensinando um
caminho para alguém, quanto mais você ajudar os outros, mais você
perceberá quão gratificante isso é e mais você superará o egoísmo.
Pesquisas demonstram que os atos altruístas realmente são passados
de pessoa para pessoa. Uma pequena demonstração de generosidade
pode inspirar outra pessoa a fazer o mesmo, o que pode inspirar outra
pessoa, e assim por diante.[52]

Perceba o modo com o qual seu comportamento impacta os


10 outros. Muitas vezes nós passamos tanto tempo focados em nossos
próprios comportamentos que nos esquecemos de como eles afetam os
outros. Isso é um mecanismo de defesa psicológico que nos ajuda a lidar
com as interações dos outros. [53]
Caso todo mundo responda de modo
similar a você, é possível que você tenha desenvolvido hábitos ruins. Seu
mecanismo de defesa pode estar atrapalhando seu crescimento pessoal.
Por exemplo, analise as reações dos outros em relação a você. As
pessoas parecem se magoar facilmente pelo que você diz? É possível
que você tenha desenvolvido um mecanismo de defesa que faz com que
você menospreze os outros para se sentir melhor e não que as pessoas
sejam sensíveis demais. Experimente outros modos de comunicação que
não resultem nas mesmas reações.
Analise o modo com o qual interage com os outros. Procure por padrões
e determine quais deles o estão ajudando e quais o estão atrapalhando.
Quanto mais flexível e adaptável você for, melhor você lidará com
aqueles ao seu redor.[54]

Método Método 3 de 3:
3 Escolhendo o melhor caminho
Explore seus talentos. Todos temos habilidades ou interesses nos
1 quais nos destacamos. Caso não acredite ter um talento, é possível que
você apenas não o tenha descoberto. É necessário ser persistente e
experimentar muitas coisas antes de encontrar algo que combine com você.
Pessoas parecidas podem ser atraídas pelas mesmas atividades. Por
exemplo, os viciados em adrenalina podem não gostar de lugares quietos
e lentos como clubes de costura, mas uma pessoa que gosta de
atividades calmas pode. Determinar com quem você gosta de passar seu
tempo pode ajudá-lo a descobrir as coisas das quais gosta.
Seja paciente, pois a mudança não ocorre da noite para o dia. Pode ser
difícil abandonar a rotina para conhecer novas pessoas ou experimentar
novas atividades, principalmente quando se está muito ocupado.
Matricule-se em um curso, tente aprender a tocar um instrumento ou
pratique um esporte. Você não apenas aprenderá algo novo como
conhecerá outras pessoas interessadas nesse aprendizado também.
Esse pode ser um modo seguro e produtivo de se forçar a sair da zona
de conforto.

Faça o que ama. Não importa o quanto você ganhe, você nunca será
2 feliz se passar a vida inteira fazendo algo que odeia. Apesar de nem
todos sermos sortudos o suficiente para transformar hobbies em carreiras, é
importante devotar pelo menos parte de seu tempo para as coisas que o
fazem feliz.
Fazer coisas significativas pode ajudá-lo a se sentir mais feliz e
completo. Atividades criativas, como arte e música, podem ajudá-lo a
expressar seus sentimentos e pensamentos de modo produtivo e
saudável.[55]
Há um mito de que para se ter sucesso na vida é necessário se focar em
apenas um objetivo e não deixar que nada o atrapalhe, nem mesmo o
lazer e o descanso. Infelizmente, esse é um modo nada saudável de se
viver. Tente não deixar que um aspecto de sua vida o impeça de se focar
nos outros.[56]
Caso você seja cronicamente infeliz em seu serviço, analise o motivo
disso. É possível que algumas mudanças possam alterar esse
pensamento. Caso você sinta que não faz nada significativo ou que
segue uma carreira que não combina com seus valores, considere
buscar um novo emprego.[57]

Experimente e aprenda a equilibrar o trabalho com a diversão. Se


3 focar exclusivamente em uma dessas coisas criará uma rotina
monótona. Os humanos se acomodam rapidamente com eventos positivos, o
que pode diminuir nossa capacidade de perceber experiências novas e
positivas, principalmente quando não há variedade em sua vida.[58]
Pesquisas demonstram que nós não somos tão produtivos dentro de
nossas zonas de conforto.[59]
É importante buscar novas experiências e
interagir com os outros, mesmo quando isso parecer assustador. Isso
fará com que você conquiste mais coisas.
O desejo de evitar o desconforto e a dor pode fazer com que nos
tornemos menos flexíveis. Entretanto, pesquisas demonstram que
abraçar a vulnerabilidade – incluindo a possibilidade de que algo dará
errado – é crucial para experimentar tudo que a vida tem a oferecer.[60]
A meditação contemplativa pode ser um bom ponto de partida. Uma das
funções dela é fazer com que a pessoa se torne mais consciente dos
padrões repetitivos que possam atrapalhar sua auto aceitação. Encontre
uma turma de meditação ou pesquise as técnicas que possam funcionar
melhor para você. [61]

Dicas

Respeite os outros.
Seja você mesmo. As pessoas perceberão isso.
Todas as manhãs, antes de sair de casa, olhe-se no espelho e elogie-se. Isso o
dará confiança e você se sentirá ótimo.
Caso tenha feito algo ruim para alguém, admita imediatamente.
Podem levar anos para que você aprenda a identificar as partes de sua vida que
deseja melhorar. Leve o tempo que precisar.
Tente dar segundas chances para os outros e para si mesmo.
Trate os outros como gostaria de ser tratado.
O trabalho voluntário pode ser uma experiência de humildade que expande seus
horizontes. Dê seu melhor presente para qualquer comunidade: tempo e
atenção.

Referências

1. Lloyd, A. (2015). Beyond Willpower: The Secret Principle to Achieving Success in


Life, Love, and Happiness. New York: Harmony.
2. Rafanell, I. (2013). Micro-situational Foundations of Social Structure: An
Interactionist Exploration of Affective Sanctioning. Journal for the Theory of Social
Behaviour, 43(2), 181–204. http://doi.org/10.1111/jtsb.12012
3. https://www.psychologytoday.com/blog/dont-delay/201004/are-your-goals-value-
congruent
4. http://www.mindtools.com/pages/article/newTED_85.htm
5. Ciarrochi, J, & Bailey, A. (2008). A CBT-practitioner’s guide to ACT: How to bridge
the gap between cognitive behavioral therapy and acceptance and commitment
therapy. Oakland: New Harbinger. P. 12
6. Burke, P. J., & Stets, J. E. (2009). Identity Theory (1ª edição). Oxford ; New York:
Oxford University Press.
7. Segregation Ruled Unequal, and Therefore Unconstitutional. Acessado em 14 de
Abril de 2015, from http://www.apa.org/research/action/segregation.aspx
8. Putra, I. E. (2014). The role of ingroup and outgroup metaprejudice in predicting
prejudice and identity undermining. Peace and Conflict: Journal of Peace
Psychology, 20(4), 574–579. ]
9. http://news.stanford.edu/news/2005/june15/jobs-061505.html
10. https://www.psychologytoday.com/blog/notes-self/201308/how-set-goals
11. http://www.emeraldinsight.com/doi/abs/10.1108/13527590210442258
12. https://www.psychologytoday.com/blog/notes-self/201308/how-set-goals
13. Read, B. (2011). Britney, Beyonce, and Me--Primary School Girls’ Role Models
and Constructions of the “Popular” Girl. Gender and Education, 23(1), 1–13.
14. http://www.rawstory.com/2014/12/neil-degrasse-tyson-children-shouldnt-be-
looking-up-to-role-models-theyre-overrated/
15. http://greatergood.berkeley.edu/article/item/how_self_compassion_beats_rumin
ation
16. http://self-compassion.org/exercise-2-self-compassion-break/
17. https://www.psychologytoday.com/blog/making-change/201107/how-stop-the-
self-criticism-and-feel-better-about-you
18. https://www.psychologytoday.com/blog/making-change/201107/how-stop-the-
self-criticism-and-feel-better-about-you
19. https://www.psychologytoday.com/blog/inviting-monkey-tea/201304/stop-
shoulding-yourself-death-0
20. Neff, K. (2011). Self-Compassion: The Proven Power of Being Kind to Yourself
(1ª edição). New York: William Morrow.
21. Krause, N., & Hayward, R. D. (2015). Social perspectives: Support, social
relations, and well-being. In P. A. Lichtenberg, B. T. Mast, B. D. Carpenter, J.
Loebach Wetherell, P. A. (Ed) Lichtenberg, B. T. (Ed) Mast, … J. (Ed) Loebach
Wetherell (Eds.), APA handbook of clinical geropsychology, Vol. 1: History and
status of the field and perspectives on aging. (pp. 259–299). Washington, DC,
US: American Psychological Association.
22. http://news.stanford.edu/news/2013/august/prejudice-cultural-activity-
082213.html
23. http://www.apa.org/topics/anger/control.aspx
24. Hanh, T. (2001). Anger. Riverhead Books.
25. http://greatergood.berkeley.edu/topic/forgiveness/definition# why_practice
26. http://greatergood.berkeley.edu/article/item/overcome_barriers_forgiveness
27. http://greatergood.berkeley.edu/article/item/nine_steps_to_forgiveness
28. http://greatergood.berkeley.edu/article/item/nine_steps_to_forgiveness
29. http://greatergood.berkeley.edu/topic/gratitude/definition# why_practice
30. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0005796705000392
31. http://greatergood.berkeley.edu/article/item/love_honor_thank/
32. http://greatergood.berkeley.edu/article/item/pay_it_forward
33. http://greatergood.berkeley.edu/article/item/tips_for_keeping_a_gratitude_journ
al
34. http://greatergood.berkeley.edu/article/item/10_steps_to_savoring_the_good_t
hings_in_life
35. Waal, F. de. (2010). The Age of Empathy: Nature’s Lessons for a Kinder
Society (1ª edição). New York: Broadway Books.
36. Gallagher, S., & Meltzoff, A. N. (1996). The Earliest Sense of Self and Others:
Merleau-Ponty and Recent Developmental Studies. Philosophical Psychology,
9(2), 211–33.
37. http://greatergood.berkeley.edu/topic/empathy/definition# what_is
38. http://news.harvard.edu/gazette/story/2012/11/meditations-positive-residual-
effects/
39. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3176989/
40. http://www.mitpressjournals.org/doi/abs/10.1162/jocn.2007.19.1.42#.VTrBCSF
Viko
41. http://greatergood.berkeley.edu/article/item/chaning_our_minds
42. http://greatergood.berkeley.edu/article/research_digest/do_our_brains_think_s
ome_people_deserve_to_suffer/
43. http://news.stanford.edu/news/2013/august/prejudice-cultural-activity-
082213.html
44. Reed, R. (2013). A Lacanian Ethics of Non-Personal Responsibility. Pastoral
Psychology, 62(4), 515–531.
45. http://greatergood.berkeley.edu/article/item/materialism_gratitude_happiness
46. Sparrow, T. (2011). Ecological Necessity. Thinking Nature, 1. Retirado de
http://issuu.com/naughtthought/docs/ecological_necessitybytomsparrow
47. http://psycnet.apa.org/psycinfo/1993-16069-001
48. http://psycnet.apa.org/psycinfo/1993-16069-001
49. http://toddkashdan.com/articles/materialism_&_well-being.pdf
50. http://greatergood.berkeley.edu/topic/altruism/definition# what_is
51. http://greatergood.berkeley.edu/article/item/happiness_for_a_lifetime
52. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2851803/?report=abstract
53. Burgo, J. (2012). Why Do I Do That?: Psychological Defense Mechanisms and
the Hidden Ways They Shape Our Lives. Chapel Hill, NC: New Rise Press.
54. Fina, A. D., Schiffrin, D., & Bamberg, M. (Eds.). (2006). Discourse and Identity
(1ª edição). Cambridge, UK ; New York: Cambridge University Press.
55. http://greatergood.berkeley.edu/article/item/five_foolproof_ways_to_feel_more_
joy_in_2015
56. http://greatergood.berkeley.edu/article/item/just_one_thing_feel_whole
57. http://greatergood.berkeley.edu/article/item/eight_ways_to_find_more_meaning
_work
58. http://greatergood.berkeley.edu/article/item/tips_for_keeping_a_gratitude_journ
al/
59. http://psychclassics.yorku.ca/Yerkes/Law/
60. https://www.ted.com/talks/brene_brown_on_vulnerability/transcript?
language=en
61. Gunaratana, B. H. (2011). Mindfulness in Plain English: 20th Anniversary
Edition. Boston Mass. Wisdom Publications.

Você também pode gostar