Você está na página 1de 14

RESUMO Comentado [G1]: O resumo é do artigo, não do tema.

Vocês
devem resumir aqui o que o artigo diz, como se desenvolve, as
hipóteses que trabalha, etc. O que vocês fizeram foi uma descrição do
tema.
O tema do trabalho engloba buracos negros e radiação Hawking, e a forma como eles
estão relacionados. O objetivo do trabalho é mostrar como a radiação Hawking causa uma morte
lenta, dos buracos negro e como ela está relacionada ao mundo quântico. A metodologia usado
foi de forma que, buscássemos os artigos científicos originais relacionados ao assunto e como
interagem com o universo observável.

ABSTRACT Comentado [G2]: Copiado do Google tradutor.

The subject of the work encompasses black holes and Hawking radiation, and how they
are related. The objective of the work is to show how Hawking radiation causes a slow death of
black holes and how it is related to the quantum world. The methodology used was so that we
searched for original scientific articles related to the subject and how they interact with the
observable universe.

RESUMEN

El tema del trabajo abarca los agujeros negros y la radiación de Hawking, y cómo se
relacionan. El objetivo del trabajo es mostrar cómo la radiación de Hawking provoca una muerte
lenta de los agujetos negros y cómo se relaciona con el mundo cuántico. La metodología
utilizada fue la búsqueda de artículos científicos originales relacionados con el tema y cómo
interactúan con el universe observable.

PALAVRAS-CHAVES

Gravitação; Buraco negro; Relatividade; Radiação Hawking Comentado [G3]: Como dissemos várias vezes em aula, por se
tratar de um artigo, todos os componentes do texto devem vir na
sequência, sem pular páginas.

KEY-WORDS

Gravitation; Black Holes; Relativity; Hawking Radiation


CONTRASEÑAS

Gravitación; Agujeros negros; Relatividad; Radiación de Hawking

1 INTRODUÇÃO

Buracos Negros são fenômenos fascinantes e intrigantes para o homem. O seu Comentado [G4]: Juízo de valor. Erro de concordância.

desconhecido atrai bastante quem o estuda. e nos faz querer saber cada vez mais. Suas
curiosidades despertam interesse de qualquer um que o estuda, saber sobre o seu passado, os Comentado [G5]: De quem?

seus tipos, como ele funciona, como ele morre, a sua importância, como ele afeta as coisas ao
redor. Não é um assunto de hoje, é polêmico desde o século XVIII, com o a carta de John
Michell. Ele foi o primeiro que formuloua ideia da existência de buracos negros, mas na época
ninguém deu muita importância para o tema.
Depois de algum tempo, astrofísicos surgiram, teorias surgiram, e nos dias de hoje
depois de muitos anos de estudo e pesquisa, pesquisadores conseguiram 'fotografar' pela
primeira vez na história da humanidade um buraco negro. Porém antes da foto, a existência
desses gigantes invisíveis não eram exatamente confirmadas, e muitas pessoas desconfiavam
de sua real existência. Comentado [G6]: Essa afirmação é bastante forte, precisa ser
bem embasada.
Tudo o que tinha sobre, eram teorias formadas pelos maiores pensantes, físicos e
astrofísicos da história. Mas por que é importante para a área da astrofísica estudar buracos
negros? O nosso planeta vive no sistema solar, e esse sistema está localizado na galáxia Via
Láctea, e bem no centro dessa galáxia existe um buraco negro supermassivo. Então um buraco
negro é necessário para a existência da vida? Será possível umplaneta com vida orbitando um
buraco negro? Keiichi Wada do Observatório Astronômico Nacional do Japão diz que sim, Comentado [G7]: Este trecho está muito parecido com uma
passagem do artigo "Seria possível haver vida em torno de um buraco
por causa do seu disco de acreção. Mas para entender melhor como essas coisas e como o negro?" (https://www.bbc.com/portuguese/geral-54432830).

buraco negro funciona, precisamos entender o conceito de gravitação e velocidade de


escape, formulado por Isaac Newton. Comentado [G8]: Por se tratar de um artigo, o texto deve seguir
na sequência, não se deve pular páginas.
Comentado [G9]: Um parágrafo com 19 linhas. Dividam-no.

2 GRAVITAÇÃO E VELOCIDADE DE ESCAPE

Tudo começa no livro “PRINCIPIA MATHEMATICA” publicado em 5 de julho de


1687 por Isaac Newton, onde ele apresenta suas 3 leis e a lei da gravitação universal. Essa lei
diz que se houver dois corpos que possuem massa, eles vão sofrer uma força atrativa
proporcional ao produto de suas massas e inversamente proporcional a sua distância.
Figura 1 - Fórmula da lei de gravitação universal Comentado [G10]: Citação de fórmula pode ser feita em formato
de de texto, não precisa ser uma imagem.

ROSA, J.; “Gravidade”.Educa Mais Brasil. 19/06/19. Ultima atualização: 20/07/20.

Todos os corpos do universo atraem-se mutuamente com uma força proporcional ao


produto de suas massas e inversamente proporcional ao quadrado de sua distância. Com essa
descoberta, Newton conseguiu medir o raio de diversos astros, e criou uma possibilidade de
existência de seres monstruosamente enormes invisíveis que são capazes de “devorar” tudo o
que passa perto, nem mesmo a luz escapa de sua gravidade. Mas antes de entrar a fundo sobre
essas “estrelas escuras”, é preciso entender o conceito de velocidade de escape, citado no livro
de Newton.

Se eu jogar uma maçã para o alto, ela irá subir e depois cair, certo? Na teoria sim, mas
e se jogassem a mesma maçã para o alto novamente, mas com uma velocidade de
40.320km/h? Essa é a velocidade de escape da terra, quando algo lançado atinge ou passa dessa
velocidade, se livra do campo gravitacional da Terra, e não retorna mais para o planeta. Em
outras palavras, a velocidade de escape é a medida necessária para se livrar de um campo
gravitacional, cada astro com gravidade tem sua própria velocidade de escape. Mas de onde
surgiu essa ideia de buracos negros?

Em 1783, um astrônomo chamado John Michell, formulou a primeira ideia de um


buraco negro. Ele foi o primeiro a colocar em hipótese a existência de estrelas compactas e de
massa tão superior a ponto de criar uma força gravitacional tão forte que até a luz não poderia
escapar de sua ação. Pelo artigo Royal Society, John propõe pela primeira vez na história da
astronomia, a ideia de existências de “estrelas escuras”, termo
propriamente dito por ele mesmo. Tendo aceitado a teoria corpuscular da luz de Newton, que
postulava que a luz consiste em partículas minúsculas, ele argumentou que essas partículas,
quando emanadas por uma estrela, seriam mais lentas por sua força gravitacional e pensou que
seria, portanto, possível determinar a massa da estrela com base na redução da velocidade. Essa
percepção levou, por sua vez, ao reconhecimento de que a força gravitacional de uma estrela
poderia ser tão forte que a velocidade de escape excederia a velocidade da luz.

Michell calculou que esse seria o caso de uma estrela com mais de 500 vezes o
tamanho do Sol. Como a luz não seria capaz de escapar de uma estrela assim, seria invisível.
John Michell escreveu uma carta a Henry Cavendish FRS em 1783, e logo depois foi
publicada no jornal Philosophical Transactions da Royal Society em 1 de Janeiro de 1784 Comentado [G11]: Este parágrafo tem 27 linhas, fora a citação.
Dividam-no.

Se realmente existisse na natureza corpos, cuja densidade não seja menor que a do
Sol, e cujos diâmetros sejam mais de 500 vezes o diâmetro do Sol, visto que sua luz
não poderia chegar a nós; ou se deveria existir qualquer outro corpo de um tamanho
um pouco menor, que não seja naturalmente luminoso; da existência de corpos em
qualquer uma dessas circunstâncias, não poderíamos ter nenhuma informação de
vista; no entanto, se acontecer de qualquer outro corpo luminoso girar em torno deles,
talvez ainda possamos, a partir dos movimentos desses corpos giratórios, inferir a
existência dos centrais com algum grau de probabilidade, pois isso pode fornecer uma
pista para algumas das aparentes irregularidades de os corpos giratórios, o que não
seria facilmente explicável em qualquer outra hipótese. (Trecho da carta de John
Michell descrevendo 'estrelas negras', 1783) Comentado [G12]: Vocês leram a carta ou uma fonte que cita a
carta? Se leram uma fonte que a cita, devem mencionar esta fonte, e
não a carta diretamente.

Essa ideia ficou adormecida por mais ou menos 1 século, e só foi voltar a ser vítima de Comentado [G13]: Por extenso.

discussão no início do século XX, com a publicação de um dos maiores físicos da história,
Albert Einstein.

3 RELATIVIDADE
3.1 Relatividade Restrita

Albert Einstein durante a criação da relatividade restrita, tinha dois postulados (adotar
uma verdade, mesmo que não tenha sido comprovado). Em mente, Einstein criou esses Comentado [G14]: Vocês usaram várias vezes a palavra
“postulado” no texto, mas é a primeira vez que a definem. Definições
postulados: de conceitos devem aparecer na primeira vez que o termo é usado.

1. O primeiro postulado tinha como verdade: Todas as leis físicas são válidas em
referências Inerciais. Ou seja, essa teoria é válida apenas para objetos, corpos, sem
aceleração.
2. O segundo postulado tinha como verdade: A velocidade da luz no vácuo é a mesma para
qualquer referencial inercial. Ou seja, a velocidade era à mesma para qualquer
observador estando no vácuo.
Nessa parte, para Albert Einstein. Espaço-Tempo não são verdades absolutas. Podendo
variar de acordo com observador, tendo como consequência:

 Relatividade da Simultaneidade: Um evento simultâneo no referencial inercial, podia


não ser simultâneo para outro referencial inercial. Podendo haver mudança na percepção
de como são executadas.
 Dilatação no Tempo: Como esses referencias inerciais percebem os eventos diferentes,
eles acabariam que por si só, percebendo uma mudança na percepção do tempo desses
referencias inerciais.
 Contração do Espaço: No caso do tempo, ele dilata, no caso do espaço, ele contrai.
Diminuindo o espaço entre dois referenciais inerciais.

𝑣1 + 𝑣 2
𝑣𝑅 = 𝑣1𝑣2 Comentado [G15]: A outra fórmula apareceu como imagem, esta
1 + 𝑐2 como texto. Vocês devem padronizar seu texto.

Essa é a formula para o cálculo da velocidade relativa, onde v1 e v2 são as velocidades


dos referenciais. E “c”, é velocidade da luz, dada por:

𝑐 ≈ 3 × 108 𝑚/𝑠

Efeitos relativos perceptivos acontecem quando corpos tem uma velocidade superior à
10% da velocidade da luz, abaixo disso, leve mudanças, mas nada que altere drasticamente a
percepção dos eventos referencias.

3.2 Relatividade Geral

Assim como na relatividade restrita, a relatividade geral tem vários pontos que
acompanham ela. Sendo a principal, a dilatação do tempo e contração do espaço. De forma que
facilitasse o entendimento dessa teoria, Einstein, uniu esses dois pontos. E o chamou de Espaço-
Tempo. Conjunto das três dimensões espaciais mais uma dimensão de tempo, o que gerou um
tecido no pode ser moldado de acordo com a gravidade. Corpos com maior massa, tendem a
moldarem o tecido do espaço-tempo. Com isso em mente, Einstein fez experimentos para tentar
comprovar que isso era verdade e o melhor jeito seria testar a luz.
Bastaria que uma fonte de luz passasse perto de um corpo com massa grande e caso
houvesse distorção em sua direção, essa teoria estaria comprovada. E foi isso que Einstein fez,
o experimento foi um sucesso e foi se comprovado que a gravidade moldava o tecido espacial.
Com o tecido espacial distorcido, o tempo estaria se dilatando. Caso marcássemos dois pontos
em uma folha e medisse suas distancias, elas dariam um determinado número. Entretanto,
caso dobrássemos essa folha ao meio, sua distância seria diferente da inicial, o que demoraria
menos para chegar até outro ponto. Ela contraiu o espaço e dilatou o tempo. A relatividade
geral consiste na distorção do Espaço-Tempo. Comentado [G16]: Um parágrafo com 15 linhas. Dividam-no.

4 BURACO NEGRO
4.1 Introdução ao buraco negro.

Os buracos negros são fascinantes, e muito misteriosos. Apesar de termos uma foto Comentado [G17]: Juízo de valor e repetição do que já foi dito
no resumo.
dele, ainda há muitos mistérios, e muitas perguntas não possuem uma resposta definitiva. Comentado [G18]: Atenção para a concordância.

Porém muitas coisas sobre ele já foram descobertas e confirmadas, como por exemplo sua
Radiação Hawking. Mas o que é um buraco negro de fato? Como ele funciona? Como ele
surgiu? Quando? Todas essas perguntas foram respondidas com o passar do tempo, e com
muito estudode cientistas, astrônomos e físicos.
Começando pela primeira pergunta, o que são os buracos negros? São a evolução da
morte de estrelas com pelo menos 8 vezes com a massa maior que o Sol. Esses são chamados
de buracos negros estelares, o renascimento da morte de uma estrela. Isso acontece porque a
estrela morta entra em colapso gravitacional, desabando sob a sua própria gravidade, sua
massa se concentra tanto que acaba gerando um campo gravitacional tão intenso que nem
mesmo a luz escapa, e então um buraco negro é formado. Ele na verdade não é negro, sua
força gravitacional é muito forte que a luz não consegue escapar, então ele não é iluminado, o
termo correto seria “invisível”.
Outro tipo se chama buracos negros supermassivos, que são extremamente maiores do
que os estelares, e os cientistas acreditam que cada centro de galáxia contém um deles,
inclusive a Via Láctea. Em 1994, o Telescópio Espacial Hubble observou indícios fortes da
existência de um buraco negro no centro da Galáxia onde vivemos. Ele não só descobriu esse
buraco negro, como também mediu a sua massa usando um efeito conhecido na física, usando Comentado [G19]: Por que com maiúsculas?

o efeito doppler (método utilizado para medir a velocidade de objetos por meio de ondas que Comentado [G20]: Explicar o que é.

são emitidas por aparelhos em radiofrequência ou lasers, como os radares.).


Usando esse efeito foi possível medir a velocidade de gás e poeira girando em torno
do centro da galáxia M87. A partir disso, muitos cientistas ficaram na dúvida se existiam
buracos negros maiores dos estudados, com massas de bilhões de vezes maior do que a do
Sol. Esses são os Buracos Negros Supermassivos, com massas de bilhares de vezes maiores do
que o Sol, e existem alguns que a massa é desconhecida, de tão grande. São buracos negros que
faziam parte do universo primitivo, são muito antigos.
A formação desses gigantes são aglomerações de imensas nuvens de gás e milhões de
estrelas que colapsaram sobre a sua própria gravidade. Sua força Gravitacional é tão intensa e
forte, que eles são capazes de fazer a Galáxia girar. Tudo isso foi possível graças a um físico
chamado Karl Schwarzschild. Ele encontrou uma resposta para as equações de campo de
Einstein. De acordo com suas equações, uma bola de matéria extremamente densa, causa uma
região esférica no espaço onde nada escapa. Décadas depois, foi observado estrelas que
estavam morrendo viravam pulsares, e isso era mais uma pista e indício de existências de
“estrelas escuras”, que foram chamadas de buracos negros. Foi aí que cientistas se
interessaram por encontrá-los,descreve-los e entender como eles funcionam. Comentado [G21]: Um parágrafo com 32 linhas. Dividam-no.
4.2 Como encontrar um objeto escuro no espaço.

Por sorte, buracos negros possuem muita massa, então seu campo gravitacional é
gigantesco. Não dá para vê-lo, mas dá para ver a gravidade puxando tudo ao seu redor, chamado
de disco de matéria. Tendo isso em mente, astrônomos começaram a procurar lugares onde uma
estrela visível e um suposto buraco negro estivessem próximos um do outro. Na astronomia,
isso se chama “Sistema de estrelas binárias”. É um sistema de duas estrelas orbitando uma a
outra, e é possível onde no espaço exista nesse sistema uma estrela visível e um buraco negro.

Figura 2 - Esquema ilustrativo de um sistema binário estelar. Ligadas pela gravidade, a componente primária (estrela azul) e
a componente secundária (estrela amarela) orbitam em torno de um de um centro de massa comum.

MELLO, D.R.C; “Aprendendo física com as estrelas bínarias.SCIELO.18/09/14.

A ilustração mostra esquematicamente como funciona um sistema binário estelar. A estrela


azul e a estrela amarela orbitam em torno de um centro de massa comum. Com muita
observação, foi encontrado sistemas onde uma estrela visível orbitava um companheiro
invisível, isso aumentou as expectativas dos cientistas, pois de fato era um possível buraco
negro. Mas para ter certeza, pelo tamanho da estrela e sua órbita, eles conseguiram calcular a
massa do objeto invisível, e seu perfil se encaixou perfeitamente com um perfil de um buraco
negro.
4.3 Como medir o tamanho de um buraco negro.

Graças as equações de campo de Einstein, sabemos que através da massa do buraco


negro podemos determinar o tamanho da esfera que separa a região de “não retorno” do resto
do espaço. O raio dessa esfera é chamado de “Raio de Schwarzschild”, em homenagem a
Schwarzschild. A superfície dessa esfera é chamada de horizonte de eventos, o que cruzar esse
horizonte, nunca mais retornará e se esconderá do restante do universo.

Figura 3 - Representação e fórmula do raio de Schwarzschild

DORAN, Rosa. “À procura dos Buracos Negros”.OAL. Acessado em:


24/05/21.

É bem ‘fácil’ calcular a massa de um buraco negro, basta jogar uma sonda espacial em
sua órbita, mas como isso não é possível nos dias de hoje, então é melhor trocar a sonda por
uma estrela visível. Calculando a rotação de órbita/Período de órbita e a massa da estrela que
esta orbitando, você obtém o raio de Schwarzschild.

5 DIFERENTES TIPOS DE BURACOS NEGROS

Existem diversos tamanhos de buracos negros, porém há duas classificações para eles,
que são os buracos negros estelares, e os buracos negros supermassivos. Os estelares são
chamados assim pois sua massa está no mesmo âmbito das massas estelares. Depois que uma
estrela com a massa com pelo menos oito vezes maior que a do Sol morrem, elas explodem
virando uma Super Nova. A partir daí, é muita massa se concentrando pra um lugar pequeno,
gerando um campo gravitacional gigantesco. Elas entram em um colapso gravitacional, sua
velocidadede escape se torna superior que a velocidade da luz, e então um buraco negro estelar
é formado. Já os supermassivos são monstruosamente maiores que os estelares, e cientistas
acreditam que eles ficam no centro de galáxia, que inclusive ele é o responsável por fazer a
galáxia girar.
O tamanho desse gigantes podem variar de centenas a milhares, ou de milhares a
bilhares de vezes a massa do sol. No centro da via láctea existe um buraco negro supermassivo Comentado [G22]: Concordância.

com a massa de 4,3 milhões de vezes a do Sol. A formação desses buracos negros é bastante
antiga, e cientistas acreditam que eles fizeram parte do universo primitivo. Sua formação está
baseada nas aglomerações de imensas nuvens de gás e milhões de estrelas que colapsaram
sobre a sua própria gravidade.

Tabela 1- Medidas de massa por sol de buracos negros estelares

CASAS, R.L; Buraco Negro. Observatório UFMG. 13/12/99


Tabela 2- Medidas de massa por sol de buracos negros supermassivos

CASAS, R.L; Buraco Negro. Observatório UFMG. 13/12/99

6 ROTAÇÃO DE UM BURACO NEGRO

Estrelas diferentes tem tempos diferentes de rotação, se aumenta o raio, o tamanho


aumenta, mas a massa se permanece, e a rotação ficará mais lenta. E se diminuir o raio, a massa
permanece, mas a rotação aumenta. Porém enquanto a velocidade rotacional varia, o momento
angular se permanece constante, ele não muda. Mesmo se a estrela acabe colapsando e
formando um buraco negro, ainda terá momento angular. Para medir o momento angular, é
preciso de 2 sondas em orbitas opostas próximas ao buraco negro. Por conta do seu momento
angular, buracos negros criam uma corrente em rotação no espaço tempo.

A sonda que está a favor da corrente viajará mais depressa do que a sonda que está na
corrente oposta. Em medir a diferença em seus períodos orbitais, obtém o momento angular do
buraco negro. Essa correnteé tão extrema, que cria uma região chamada de “Ergosfera”, que é
a região do buraco negro onde nada escapa de sua gravidade, tudo é arrastado através do
espaço tempo. O horizonte de eventos cabe na ergosfera, e se tocam nos polos. Funciona
como um redemoinho, se uma vez dentro da ergosfera, está pego pela corrente.
6.1 Carga elétrica de um buraco negro.

Um buraco negro pode ter carga positiva e negativa, porém não são previstos. Mesmo
assim existem algumas maneiras de identificar a carga elétrica de um buraco negro. O universo
é cheio de partículas carregadas, e como nas leis da física elétrica, sabe-se que os opostos se
atraem, o mesmo acontece com os buracos negros, eles atraem cargas opostas e neutralizam de
maneira geral. Se um deles atraem bastante carga negativa, então é um buraco negro positivo,
agora se atraem cargas positivas, então é um buraco negro negativo.
Um mistério sobre um buraco negro, é a sua singularidade, que é toda a massa total
concentrada em um único ponto. É um mistério pois ela fica a diante do horizonte de eventos,
e a partir dele não se sabe mais nada, tudo ali dentro se esconde do restante do universo. Há
teorias dizendo que buracos negros são uma espécie de portal para uma outra realidade, onde
tudo o que se estava dentro dele, sairia para fora em um buraco branco, mas isso é só teoria e
nunca teve indícios de sua existência.

7 RADIAÇÃO HAWKING

A Radiação Hawking leva esse nome devido ao seu “descobridor”, Stephen Hawking.
Essa radiação consiste no fato da emissão de partículas positivas à partir do horizonte de eventos
de um buraco negro.

Em todo o universo partículas com energia negativa surgem em meio ao Espaço-Tempo,


mas como elas entram em contato com partículas com energia positivas, elas acabam se
anulando instantaneamente. Essas partículas com energia negativa, são chamadas de
Antimatéria. Como elas podem surgir em qualquer lugar do universo, acabam que também
surgindo entre o horizonte de eventos de um buraco negro.

As partículas com energia negativa são atraídas para a singularidade do buraco antes
mesmo que sejam aniquiladas por outras partículas. Enquanto as positivas que restaram, são
repelidas e lançadas em meio ao vácuo o que futuramente podem ser detectadas por
equipamentos específicos.

Enquanto as partículas que foram absorvidas pelo buraco negro, causam sua morte de
forma bem lenta, durando aproximadamente 1064 anos para o fim de sua vida. Como essas
partículas tem energia negativa, elas acabam que diminuindo mais e mais a energia total do
buraco negro. Com essa radiação sendo expelida à todo momento, é possível identificar buracos
negros com uma facilidade maior com a utilização de espectros térmicos.
REFERÊNCIAS Comentado [G23]: Nenhuma das referências está no formato
correto de citação. Além de termos visto diversas vezes em aula
como fazer as citações, há um Manual disponível para os alunos no
Moodle do TCC, em caso de dúvida.
Conforme visto em aula, também, a bibliografia deve estar em ordem
Canal: Ciência Todo Dia. acessado em: 20/05/2021. Disponível em: alfabética – do contrário, fica difícil localizar qualquer referência.

https://youtu.be/jYlr3G9yB8s

Canal: Socratica Português. acessado em: 27/04/2021. Disponível em:


https://www.youtube.com/watch?v=4HLFqA9Ejgg

CASAS, R.L; Buraco Negro. OBSERVATÓRIO UFMG. 13/12/99. Disponível em:


http://www.observatorio.ufmg.br/pas19.htm

Dilatação do Tempo e a Contração do Espaço. Propg.UFABC. Disponível em:


https://propg.ufabc.edu.br/mnpef-sites/relatividade-restrita/postulados-da-relatividade/
https://propg.ufabc.edu.br/mnpef-sites/relatividade-restrita/relatividade-restrita/
https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Relatividade_geral#:~:text=Relatividade%20geral%2C%20tam
b%C3
%A9m%20conhecida%20como,da%20gravita%C3%A7%C3%A3o%20na%20f%C3%ADsica
%20mo derna.

DOI: https://doi.org/10.1098/rstl.1784.0008. Disponível


em:https://royalsocietypublishing.org/doi/abs/10.1098/rstl.1784.0008
https://www.bbc.com/portuguese/geral-54432830
https://pt.wikipedia.org/wiki/John_Michell

HELERBROCK, Rafael. "Gravitação Universal"; Brasil Escola. Acesso em 24 de maio de


2021. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/fisica/gravitacao-
universal.htm#:~:text=Todos%20os%20corpos%20do%20universo,ao%20quadrado%20de%

MELLO, D.R.C; Aprendendo física com as estrelasbinárias. SCIELO.


18/09/14. DOI:https://doi.org/10.1590/S1806-11172014000300007. Disponível em:
https://www.scielo.br/j/rbef/a/rMQ55b3RSz4Lh7YDXQr7jSJ/?format=html

MICHELL. J.; On the means of discovering the distance, magnitude, &c. of the fixed stars, in
consequence of the diminution of the velocity of their light, in case such a diminution should be
found to take place in any of them, and such other data should be procured from observations,
as would be farther necessary for that purpose. By the Rev. John Michell, B.D. F.R.S. In a
letter to Henry Cavendish, Esq. F.R.S. and A.S. The Royal Society. V.74. 31/12/1784.

MILLS, V.; Black holes; who didn’t see them first?. The Royal Society. 04/06/19 Disponível
em: https://royalsociety.org/blog/2019/06/black-holes/
Radiação Hawking e “evaporação” de buracos negros. CREF. 18/11/19. Disponível em:
https://cref.if.ufrgs.br/?contact-pergunta=radiacao-hawking-e-evaporacao-de-buracos-negros

ROSA,J.;Gravidade. Educa Mais Brasil. 19/06/2019. Ultima atualização: 20/07/2020.


Disponível em:https://www.educamaisbrasil.com.br/enem/fisica/gravidade

SOLER, N.M.S; SANTARELLI, R. Desvendando a radiação Hawking. Scielo. 2019.


Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-
11172019000300421

Você também pode gostar