Você está na página 1de 2

RQ-ATE30

TRASLADO DE CASAMENTO
Revisão: 01
CARTÓRIO SILVA
DOCUMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Data: 18/08/2017

Página 1 de 2

Perguntas Frequentes:

1) Onde devo trasladar o casamento que ocorreu em país estrangeiro?

O traslado deve ser efetuado no livro “E” do 1º Ofício de Registro Civil das
Pessoas Naturais da cidade brasileira onde os nubentes possuam domicílio.
Caso não tenham domicílio no Brasil, o traslado será feito no 1º Registro Civil
das Pessoas Naturais do Distrito Federal.

2) Quem pode trasladar o casamento?

Um dos cônjuges, mediante apresentação de “documento Oficial” com foto,


documento este emitido por autoridade brasileira, ou um procurador, portando
procuração que confere poderes para a prática do ato, bem como documento
pessoal com foto emitido por autoridade brasileira. A procuração pode ser
particular, desde que seja feito o reconhecimento de firma do outorgante, ou
pode, ainda, ser através de instrumento público. É necessário que apenas uma
das partes outorgue poderes.

3) Quais documentos devem ser apresentados?

3.1) Certidão de casamento original emitida por autoridade Consular


brasileira - quando o casamento foi registrado no Consulado Brasileiro - ou
certidão original estrangeira – quando o ato foi realizado por autoridade pública
estrangeira. Tratando-se de certidão estrangeira, o documento deve conter
selo de autenticação do Consulado brasileiro do país de origem, ou ser
apostilado, nos casos de países que fazem parte do Tratado de Haia. Neste
caso, qual seja, tratando-se de Certidão Estrangeira, será necessária a
tradução do documento por um tradutor público juramentado brasileiro, bem
como o registro da tradução e certidão original junto ao Cartório de Registro de
Títulos e Documentos, nos termos do art. 129, n. “6” da Lei 6.015/73 (Lei de
Registros Públicos);

3.2) Pacto Antenupcial, quando for o caso, e a depender do regime de


bens adotado, sendo obrigatório que contenha selo de autenticação do
Consulado brasileiro do país de origem, ou ser apostilado, nos casos de países
que fazem parte do Tratado de Haia, com posterior tradução realizada por
tradutor público juramentado brasileiro, bem como o registro do original +
tradução junto ao Cartório de Registro de Títulos e Documentos, consoante art.
129, n. “6” da Lei n. 6015/73 (Lei de Registros Públicos);
3.3) Certidão expedida pelo Cartório de Registro Civil das Pessoas
Naturais do cônjuge que for brasileiro, a depender do estado civil anterior ao
casamento: Certidão de nascimento, se solteiro, ou certidão de casamento com
averbação de divórcio, no caso do cônjuge ter sido divorciado, ou certidão de
casamento com anotação de óbito quando o estado civil do cônjuge era viúvo;

3.4) Documento de comprovação do domicílio, podendo ser declaração


de domicílio assinada por uma das partes ou pelo procurador, com
reconhecimento de firma, ou, ainda, comprovante de endereço em nome de um
dos cônjuges;

3.5) Se o assento de casamento a ser trasladado referir-se a brasileiro


naturalizado, será obrigatória também a apresentação do certificado de
naturalização.

OBSERVAÇÕES:

• Os documentos apresentados estão sujeitos à análise. O traslado só


será realizado caso cumpram todos os requesitos necessários;
• A omissão do regime de bens no assento de casamento, lavrado por
autoridade consular brasileira ou autoridade estrangeira competente,
não obstará o traslado. No entanto, a inclusão será feita posteriormente,
através de um ato de averbação, mediante apresentação de documento
comprobatório, que cumpra os quesitos dos demais documentos
estrangeiros, nos termos do art. 5º da Resolução de nº 155 do Conselho
Nacional de Justiça;
• Constará no traslado as informações exatamente como constam no
documento apresentado, portanto, caso seja mencionado dado incorreto
ou sendo constatada omissão de informações importantes, como nome
dos pais dos nubentes ou data de nascimento dos nubentes, por
exemplo, as informações serão inseridas/retificadas posteriormente,
através de um ato de averbação, mediante apresentação de
documentos comprobatórios, consoante dispõe art. 5º da Resolução de
n. 155 do Conselho Nacional de Justiça - CNJ. Caso seja um procurador
a solicitar o traslado, deverá constar na procuração poderes para
retificação do traslado de casamento;
• Documentos emitidos em Portugal não precisam ser traduzidos, porém
se não forem emitidos pelo Consulado, devem ser registrados no
Cartório de Registro de Títulos e Documentos, consoante dispõe art.
129, n. “6” da Lei n. 6.015/73 (Lei de Registros Públicos);
• O traslado no Brasil, do assento de casamento ocorrido em país
estrangeiro, efetuado em Cartório do 1º Ofício do Registro Civil das
Pessoas Naturais, tem por objetivo dar publicidade e eficácia ao
casamento, já reconhecido válido para o ordenamento brasileiro,
possibilitando que produza efeitos jurídicos plenos no território nacional.

Você também pode gostar