Você está na página 1de 26

Projetos de Instrumentação

Detalhamento de CLP

Os projetos utilizando CLP, possuem uma aplicação tão grande nos dias atuais, que
este capítulo está dedicado ao estudo dos detalhes dos projetos com este tipo de
equipamento.

DOCUMENTOS DE PROJETOS COM CLP

Em termos de documentação, os projetos baseados em CLP em geral, possuem


particularidades como por exemplo, a necessidade de um desenho denominado
Arquitetura ou Configuração do Sistema e um documento do tipo Lista de entradas e
saídas.

O desenho “Configuração do Sistema” tem como função mostrar uma visão geral dos
principais componentes da estrutura de hardware do sistema de controle.
Normalmente mostra as estações de monitoração/operação de uma sala de controle,
os CLP´s ou rack´s de cartões em salas ou gabinetes apropriados para sua
instalação, mostrando detalhes tais como: tipo dos cartões do CLP, tipo e conexões
das redes de comunicação, módulos de E/S remoto do CLP.

A Lista de Entradas e Saídas do CLP tem como função tabelar todas entradas e
saídas, para que o projetista possa dimensionar exatamente a quantidade de
cartões/módulos necessários para tal configuração, além de auxiliar a manutenção no
futuro após a entrega da instalação. Os campos a serem preenchidos em uma Lista
de Entradas e Saídas não são padronizados ficando a critérios do projetista defini-los,
porém normalmente encontra-se nas Listas os seguintes campos: Identificação (Tag),
Serviço ou Aplicação da E/S, Tipo (Digital ou Analógica), etc.

Os desenhos à seguir mostram exemplos destes dois documentos, sendo que a


Arquitetura/Configuração do Sistema de uma aplicação da Coqueria da COSIPA e o
modêlo para Lista de Entrada e Saída foi fornecido pela JAKKO POIRY DO BRASIL.

PROJETOS COM CLP...1


Projetos de Instrumentação

PROJETOS COM CLP...2


Projetos de Instrumentação

Nº PROJ:
CLIENTE Nº Cliente:
Folha Nº: X Rev.:
LISTA DE ENTRADAS E SAÍDAS Por: Verif.: Data:
ENTRADAS E SAÍDAS ESTAÇÃO DE
IDENTIFICAÇÃO SERVIÇO LOCALIZAÇÃO NOTAS
EA SA ED SD OPERAÇÃO

FIT-01 VAZÃO DE CLARIFICADO PARA ETA 1 PLC1 EO1

FIT-02 VAZÃO DE EFLUENTE TRATADO PARA ETA 1 PLC1 EO1

HY-01 EFLUENTE PARA DECANTADOR T-101 1 PLC1 EO1

HS-01 EFLUENTE PARA DECANTADOR T-101 1 PLC1 EO1

ZSL-01 EFLUENTE PARA DECANTADOR T-101 1 PLC1 EO1

ZSH-01 EFLUENTE PARA DECANTADOR T-101 1 PLC1 EO1

HY-02 EFLUENTE PARA TANQUE DE LODO T-102 1 PLC1 EO1

HS-02 EFLUENTE PARA TANQUE DE LODO T-102 1 PLC1 EO1

ZSL-02 EFLUENTE PARA TANQUE DE LODO T-102 1 PLC1 EO1

ZSH-02 EFLUENTE PARA TANQUE DE LODO T-102 1 PLC1 EO1

HY-03 ACIONAMENTO DA COMPORTA T-101 PARA T-102 1 PLC1 EO1

HS-03 ACIONAMENTO DA COMPORTA T-101 PARA T-102 1 PLC1 EO1

LSLH-01 INTERTRAVAMENTO E ALARME DAS P-101A/B DO T-101 3 PLC1 EO1

LIT-02 NÍVEL DO DECANTADOR T-101 1 PLC1 EO1

LIT-03 NÍVEL DO TANQUE T-102 1 PLC1 EO1

LEGENDA:
EO1- ESTAÇÃO DE OPERAÇÃO
PLC1 - SISTEMA DE CONTROLE
PROJETOS COM CLP...3
Projetos de Instrumentação

ESPECIFICAÇÃO E LIGAÇÃO DE CLP´S


Para entendermos como especificar um CLP e detalhar a ligação de entradas e
saídas de CLP´s, analisaremos inicialmente as características de uma determinada
família de CLP’s, o SLC/500 da ALLEN-BRADLEY que é um equipamento de médio
porte concebida em torno de duas opções de hardware: uma denominada estrutura
fixa e outra de estrutura modular. A estrutura fixa apresenta a fonte de alimentação,
entradas/saídas e o controlador em uma mesma unidade. A estrutura fixa também
possui um chassi de expansão de 2 ranhuras (slots) para o aumento da
expansibilidade e o controlador de estrutura modular, proporciona flexibilidade
adicional na configuração do sistema, mais poder de processamento e capacidade de
E/S.

CONTROLADOR SLC/500 ESTRUTURA FIXA

Este tipo,
oferece uma
variedade de
opções com até
104 pontos de
E/S pré
definidos. Estes
pontos seriam
divididos em
até 40 pontos
fixos do CLP e
mais até 64 pontos adicionais, usando expansão de até 2 ranhuras (slots).

A tabela à seguir, mostra as especificações gerais do SLC500 de estrutura fixa.


Descrição Especificação
Memória de programação 1K de instruções
Tempo de Varredura típico 8ms/K
Programação Software Advanced Programing Software
APS; RSLOGIX 500
Comunicação Recepção DH485
Opções de Back-up de memória EEPROM ou UVPROM
RAM padrão Capacitor – 2 semanas
Bateria de Lítio – 5 anos
Requisitos de alimentação 50 VA
Alimentação para usuário 24 Vdc / 200 mA

PROJETOS COM CLP...4


Projetos de Instrumentação

A tabela à seguir, mostra as especificações técnicas de entradas; saídas; consumo e


alimentação de todos os componentes do SLC500 de estrutura fixa.

CONTROLADOR SLC/500 ESTRUTURA MODULAR

Este sistema oferece flexibilidade na sua configuração, permitindo selecionar


apropriadamente o tipo de: chassis, fonte de alimentação, CPU e os módulos de E/S.

PROJETOS COM CLP...5


Projetos de Instrumentação

• TIPOS DE CPU

A tabela à seguir, mostra os tipos e as especificações das várias CPU’s da família


SLC/500.

SLC 5/04
ESPECIFICAÇÃO SLC 5/01 SLC 5/02 SLC 5/03 VERSÃO VERSÃO VERSÃO
16K 32K 64K
Memória do 1K ou 4K 4K 12 K 12 K 28 K 60 K
Programa Instruções Instruções palavras palavras palavras palavras
Capacidade de E/S 256 discreta 480 discreta 960 960 960 960
local máxima discreta discreta discreta discreta
E/S remota NA Depende da carga da fonte de alimentação e do tamnho da
memória de programa (4096 entradas e 4096 saídas)
Chassis/Ranhuras 3/30 3/30 3/30 3/30 3/30 3/30
local no máximo
Programação APS; SLC500 AI; Hand APS; SLC500 AI; e RSLOGIX 500
Held e RSLOGIX 500
Instruções de 52 71 99 99 99 99
Programação
Tempo de 8 ms/k 4,8 ms/K 1ms/K 0,9 ms/K 0,9 ms/K 0,9 ms/K
Varredura típico
Execução de Bit 4 µs 2,4 µs 0,44 µs 0,37 µs 0,37 µs 0,37 µs
(Instrução Normal
Aberto)
Consumo da Fonte 350 mA 500 mA 1,0 A
de aliment. em
5Vcc
Consumo da Fonte 105 mA 175 mA 200 mA
de Aliment. em
24Vcc
Precisão do NA NA +/- +/-54seg/mês @25°C
relógio/calendário 54seg/mês
@25°C
Comunicação DH-485 DH-485 CH0 CH0 CH0 CH0
RS-232 RS-232 RS-232 RS-232
CH1 CH1 CH1 CH1
DH-485 DH-+ DH-+ DH-+

SLC 5/05
ESPECIFICAÇÃO VERSÃO VERSÃO VERSÃO
16K 32K 64K
Memória do Programa 12 K 28 K 60 K
palavras palavras palavras

PROJETOS COM CLP...6


Projetos de Instrumentação

SLC 5/05
ESPECIFICAÇÃO
Capacidade de E/S local máxima 960 960 960
discreta discreta discreta
E/S remota Depende da carga da fonte de
alimentação e do tamnho da
memória de programa (4096
entradas e 4096 saídas)
Chassis/Ranhuras local no 3/30 3/30 3/30
máximo
Programação APS; SLC500 AI; e RSLOGIX
500
Instruções de Programação 99 99 99
Tempo de Varredura típico 0,9 ms/K 0,9 ms/K 0,9 ms/K
Execução de Bit (Instrução 0,37 µs 0,37 µs 0,37 µs
Normal Aberto)
Consumo da Fonte de aliment. 1,0 A
em 5Vcc
Consumo da Fonte de Aliment. 200 mA
em 24Vcc
Precisão do relógio/calendário +/-54seg/mês @25°C
Comunicação CH0 CH0 CH0
RS-232 RS-232 RS-232
CH1 CH1 CH1
Ethernet Ethernet Ethernet

• TIPOS DE FONTES DE ALIMENTAÇÃO

Existem disponíveis 5 tipos de fontes de alimentação para utilização com o SLC/500


Modular, sendo três em CA e uma em CC.

DESCRIÇÃO 1746-P1 1746-P2 1746-P3 1746-P4 1746-P5


Tensão da linha 85~132 / 170~265 Vca @ 19,2~28,8 85~132 / 90~145 Vcc
47~63 Hz Vcc 170~265 Vca
@ 47~63 Hz
Potência de linha típica 135 VA 180 VA 90 VA 240 VA 85 VA
Capacidade de 2A em 5Vcc 5A em 5Vcc 5A em 5Vcc 10A em 5Vcc 5A em 5Vcc

PROJETOS COM CLP...7


Projetos de Instrumentação

corrente interna 0,46A em 0,96A em 0,87A em 2,88A em 0,96A em


24Vcc 24Vcc 24Vcc 24Vcc 24Vcc
Surto de corrente 20A 45A 20A
máximo
Capacidade da 200 mA NA 1A 200 mA
corrente para alimentar
dispositivos do usuário
em 24 Vcc
Faixa de tensão da 18~30 Vcc NA 20,4~27,6 Vcc 18~30 Vcc
alimentação dispnível
ao usuário

• TIPOS DE CHASSI

O chassi é o componente que aloja a CPU e os módulos de E/S. Existem quatro


opções de tamanhos de chassi: com 4, 7, 10 ou 13 ranhuras (slots). A fonte de
alimentação, está montada no lado esquerdo do chassi.

PROJETOS COM CLP...8


Projetos de Instrumentação

Os chassis também podem ser conectados juntos para formar um sistema (no
máximo 3 chassis), usando um cabo de interconexão adequado.

• MÓDULOS DE E/S DISCRETA

Os módulos de E/S para pontos discretos, estão disponíveis numa variedade de


densidades incluindo 4, 8, 16 e 32 pontos, podendo realizar interface entre níveis de
tensão CA, CC e TTL. Os módulos de saída, podem ser especificados em contato de
relé de alta-corrente ou estado sólido, eliminando a necessidade de relés para
interfacear cargas.

• MÓDULOS DE ENTRADA DISCRETA

Categoria de Tensão de No. de Pontos Código Corrente Requerida da Atraso do Sinal Corrente
Tensão Operação Entra- Por Fonte do Chassi (A) Estado
(Volts) das Co- (ms. Máx.) Desener-

PROJETOS COM CLP...9


Projetos de Instrumentação

mum 5V 24V gizado


(máx.)
110/120Vca 85-132 4 4 1746-IA4 0,035 0 Ligando=35 2mA
Desligando=45
AC 85-132 8 8 1746-IA8 0,050 0 Ligando=35 2mA
Desligando=45
85-132 16 16 1746- 0,085 0 Ligando=35 2mA
IA16
Desligando=45
(RTB)
200/240Vca 170-265 4 4 1746-IM4 0,035 0 Ligando=35 2mA
Desligando=45
170-265 8 8 1746-IM8 0,050 0 Ligando=35 2mA
AC Desligando=45
170-265 16 16 1746- 0,085 0 Ligando=35 2mA
IM16
Desligando=45
(RTB)
24Vca/CC 10-30 CC 16 16 1746- 0,085 0 Ligando=15 CC 1mA CA e
sink IN16 CC
Desligando=15 CC
10-30 CA (RTB)
AC/DC Ligando=25 CA
Desligando=25 CA
24Vcc 10-30 sink 8 8 1746-IB8 0,050 0 Ligando=8 1mA
Desligando=8
10-30 sink 16 16 1746- 0,085 0 Ligando=8 1mA
IB16
Desligando=8
(RTB)
15-30 em 32 8 1746- 0,106 0 Ligando=3 1,6mA
50ºC IB32
Desligando=3
15-26,4 em
60ºC sink
10-30 sink 16 16 1746- 0,085 0 Ligando=0,3 1,5mA
(Respost ITB16
DC a Rápida) Desligando=0,5
(RTB)
10-30 source 8 8 1746-IV8 0,050 0 Ligando=8 1mA
Desligando=8
10-30 source 16 16 1746- 0,085 0 Ligando=8 1mA
IV16
Desligando=8
(RTB)
10-30 source 16 16 1746- 0,085 0 Ligando=0,3 1,5mA
(Respost ITV16
a Rápida) Desligando=0,5
(RTB)
15-30 em 32 8 1746- 0,106 0 Ligando=3 1,6mA
50ºC IV32
Desligando=3
15-26,4 em
60ºC source
Categoria de Tensão de No. de Pontos Código Corrente Requerida da Atraso do Sinal Corrente
Tensão Operação Entra- Por Fonte do Chassi (A) Estado
(Volts) das Co- (ms. Máx.) Desener-
mum gizado
(máx.)
48Vcc 16 16 1746- 0,085 0 Ligando=4 1,5mA
IC16
Desligando=4
(RTB)

PROJETOS COM CLP...10


Projetos de Instrumentação

5 TTL 16 16 1746- 0,140 0 Ligando=0,25 4,1Ma


IG16
Desligando=0,50
(RTB)

PROJETOS COM CLP...11


Projetos de Instrumentação

PROJETOS COM CLP...12


Projetos de Instrumentação

• MÓDULOS DE SAÍDA DISCRETA


Categoria de Tensão de No. de Pontos Código do Corrente Requerida Atraso do Sinal Corrente de Corrente Capacidade de Capacidade
Tensão Operação (Volts) Saídas Por Catálogo da Fonte do Chassi Fuga do Estado de Carga Corrente por de Corrente
Co- (ms. Máx.) Desenergizado em 5 Vcc Ponto (máx.) por Módulo
mum 5V 24V (máx.) (mín.) (máx.)

85-265 8 4 1746-OA8 0,185 0 Ligando=1,0 2mA 10mA 1A à 30 °C 8A à 30 °C


Desligando=11,0 0,5 A à 60°C 4A à 60°C
120/240Vca 85-265 16 8 1746-OA16 0,37 0 Ligando=1,0 2mA 10mA 0,5A à 30 °C 8A à 30 °C
TRIAC (RTB) Desligando=11,0 0,25 A à 60°C 4A à 60°C
85-265 12 6 1746-OAP12 0,37 0 Ligando=1,0 2mA 10mA 2A à 30 °C 8A à 30 °C
AC (RTB) Desligando=11,0 1,25 A à 55°C 4A à 60°C
1,0 A à 60°C
10-50 8 8 1746-OB8 0,135 0 Ligando=0,10 1mA 1mA 1A à 30 °C 8A à 30 °C
source – Desligando=1,0 0,5 A à 60°C 4A à 60°C
TRANSIS.
10-50 16 8 1746-OB16 0,280 0 Ligando=0,10 1mA 1mA 0,5A à 30 °C 8A à 30 °C
source– (RTB) Desligando=1,0 0,25 A à 60°C 4A à 60°C
TRANSIS.
20,4 – 26,4 8 4 1746-OBP8 0,135 0 Ligando=1,0 1mA 1mA 2 A à 60°C 8A à 60°C
24 Vcc source – FET (RTB) Desligando=2,0
20,4 – 26,4 16 16 1746-OBP16 0,25 0 Ligando=0,10 1mA 1mA 1,5A à 30 °C 6,4A à
source - FET (RBT) Desligando=1,0 1,0 A à 60°C 0 °C à 60°C
DC
5-50 32 16 1746-OB32 0,452 0 Ligando=0,10 1mA 1mA 0,1A à 60°C 3,2A à 60°C
source– Desligando=1,0
TRANSIS.
10-50 8 8 1746-OV8 0,135 0 Ligando=0,10 1mA 1mA 1A à 30 °C 8A à 30 °C
sink– TRANSIS. Desligando=1,0 0,5 A à 60°C 4A à 60°C
10-50 16 16 1746-OV16 0,270 0 Ligando=0,10 1mA 1mA 0,5A à 30 °C 8A à 30 °C
sink– TRANSIS. (RTB) Desligando=1,0 0,25 A à 60°C 4A à 60°C

PROJETOS COM CLP...13


Projetos de Instrumentação

Categoria Tensão de No. de Pontos Código do Corrente Atraso do Corrente de Corrente Capacidad Capacidad
de Tensão Operação Saídas Por Co- Catálogo Requerida da Sinal Fuga do Estado de Carga e de e de
(Volts) mum Fonte do Chassi Desenergizado em 5 Vcc Corrente Corrente
(A) (ms. Máx.) (máx.) (mín.) por Ponto por Módulo
(máx.) (máx.)
5V 24V
20,4 – 26,4 16 16 1746-OVP16 0,25 0 Ligando=0,10 1mA 1mA 1,5A à 30 °C 6,4A à
24 Vcc sink – FET Desligando=1,0 1,0 A à 60°C 0 °C à 60°C

DC 5-50 32 16 1746-OV32 0,452 0 Ligando=0,10 1mA 1mA 0,1 A à 60°C 3,2A à 60°C
source– Desligando=1,0
TRANSIS.
5 TTL 4,5-5,5 16 16 1746-OG16 0,180 0 Ligando=0,25 0,10mA 0,15mA 0,024A Não
sink (RTB) Desligando=0,5 Aplicável
4 4 1746-OW4 0,045 0,045 2,5A@120 a 8,0A
240 Vac 8,0A/comum
1A@120 Vdc

PROJETOS COM CLP...14


Projetos de Instrumentação

8 4 1746-OW8 0,085 0,090 16,0A


8,0A/comum

16 8 1746-OW16 0,170 0,180 16,0A


8,0A/comum
(RTB)
8 Indiv. 1746-OX8 0,085 0,090 5A@120 a 1440 VA
240 Vac
(RTB)
1A@120 Vdc
2A@24 Vdc

PROJETOS COM CLP...15


Projetos de Instrumentação

PROJETOS COM CLP...16


Projetos de Instrumentação

MÓDULOS DE E/S ANALÓGICOS

Existem vários módulos de E/S analógica do tipo: entrada; entrada/saída e saída.

Obs.: O código 1746-N.... corresponde a faixa de –10 a +10 Volts.

O código 1746-F.... corresponde a faixa de 0 a +10 Volts.


CÓDIGO CANAIS DE ENTRADA/MÓDULO CANAIS DE CORRENTE
SAÍDA/MÓDULO REQUERIDA DA
FONTE DO CHASSI
NI4 4 diferenciais, selecionáveis para Não Aplicável 25mA à 5Vcc
tensão ou corrente por canal
85mA à 24Vcc
NI8 8 entradas simples ou diferenciais, Não Aplicável 200mA à 5Vcc
selecionáveis para tensão ou corrente
por canal 100mA à 24Vcc

NI16I 16 entradas simples para corrente por Não Aplicável 125mA à 5Vcc
canal
75mA à 24Vcc
NI16V 16 entradas simples para tensão por Não Aplicável 125mA à 5Vcc
canal
75mA à 24Vcc
NIO4I 2 diferenciais, selecionáveis para 2 saídas de corrente não 55mA à 5Vcc
tensão ou corrente por canal isoladas individualmente
145mA à 24Vcc
NIO4V 2 diferenciais, selecionáveis para 2 saídas de tensão não 55mA à 5Vcc
tensão ou corrente por canal isoladas individualmente
115mA à 24Vcc
NO4I Não Aplicável 4 saídas de corrente não 55mA à 5Vcc
isoladas individualmente
195mA à 24Vcc
NO4V Não Aplicável 4 saídas de tensão não 55mA à 5Vcc
isoladas individualmente
145mA à 24Vcc
FIO4I 2 diferenciais, selecionáveis para 2 saídas de corrente não 55mA à 5Vcc
tensão ou corrente por canal isoladas individualmente
150mA à 24Vcc
FIO4V 2 diferenciais, selecionáveis para 2 saídas de tensão não 55mA à 5Vcc
tensão ou corrente por canal isoladas individualmente
120mA à 24Vcc

PROJETOS COM CLP...17


Projetos de Instrumentação

PROJETOS COM CLP...18


Projetos de Instrumentação

MÓDULO DE ENTRADA PARA TERMOPAR/MV – 1746-NT4 ou 1746-NT8

O módulo de Entrada para Termopar/mV com 4 canais ou 8 canais, recebe e


armazena informações digitalizadas provenientes de termopares ou dispositivos com
escalas em mV. O módulo faz compensação e linearização da junção fria, possui filtro
selecionável na entrada do sinal e configuração individual dos canais

ESPECIFICAÇÃO DESCRIÇÃO
Tipos de Termopares J; K; T; E; N; R; S e B
Faixa de milivolt +/- 50 mV ou +/-100 mV
Corrente requerida da fonte do chassi 5Vcc⇒ 60 mA
24Vcc⇒ 40 mA
Linearização do Termopar Padrão IPTS-68, NBS MN-125, NBS MN-161
Resolução de escala de temperatura °C ou °F e 0,1°C ou 0,1°F
(selecionável)
Resolução de escala milivolt 0,1 mV e 0,01 mV
(selecionável)
Método de circuito aberto (Burnout) Escala superior

PROJETOS COM CLP...19


Projetos de Instrumentação

MÓDULO DE ENTRADA PARA RTD – 1746-NR4 ou 1746-NR8

O módulo de Entrada para RTD com 4 canais ou 8 canais, permite conectar 12 tipos
diferentes de RTD’s com até 4 faixas diferentes para cada tipo de RTD, possuindo
ainda limite para auto-aquecimento do RTD, filtro selecionável na entrada do sinal e
configuração individual dos canais.

ESPECIFICAÇÃO DESCRIÇÃO
Tipos ⇒PT100; PT200; PT500; PT1000 com coef.
0,00385Ω
⇒PT100; PT200; PT500; PT1000 com coef.
0,003916Ω
⇒Cu10 com coef. 0,00426Ω
⇒Ni120 com coef. 0,00618Ω
⇒Ni120 com coef. 0,00672Ω
⇒Ni-Fe604 com coef. 0,00518Ω
Corrente requerida da fonte do chassi 5Vcc⇒ 50 mA 24Vcc⇒ 50 mA
Resolução de escala de temperatura 0,1°C e 1°C
(selecionável)
Resolução de escala resistência 0,1 Ω ou 1 Ωpara todas faixas, além de 0,01Ω
(selecionável) para a faixa de 150Ω
Método de circuito aberto (Burnout) Zero; Escala superior ou escala inferior

PROJETOS COM CLP...20


Projetos de Instrumentação

EXERCÍCIO
1. ESPECIFICAR UM SISTEMA SLC/500

Deseja-se especificar um CLP da família SLC/500 que irá executar as


operações de comando de uma estação de tratamento de efluentes. A partir das
condições levantadas junto ao processo, deveremos definir o modelo de CPU e
todos os outros componentes necessários a tal implementação.

CONDIÇÕES
• Tempo de ciclo máximo:2,5 ms/k instrução (solicitação do cliente)
• Tipo de memória para programa do usuário: EPROM ou RAM com bateria
• Possibilidade de monitoração no próprio cartão, do estado das entradas e saídas
(led´s)
• Número de temporizadores: Previsão de aproximadamente 20 com ajuste de 0 a
100 s
• Número de contadores: Previsão de aproximadamente 8 com ajuste de 0 a 999.
• Número de entradas digitais: 38, sendo 22 CA (contato seco) e 16 CC (sensor tipo
NPN – lógica negativa)
• Sinal das entradas digitais: 24 Vcc e 220 Vca
• Número de saídas digitais: 24, sendo 16 CA (10 tipo rele e 6 TRIAC) e 08 CC
• Sinal das saídas digitais: 24 Vcc/1A e 220 Vca/1A
• Número de entradas analógicas: 8 (4 a 20 mA)
• Número de entradas tipo termopar: 4 tipo K
• Número de saídas analógicas: 6 (4 a 20 mA)
• Alimentação do Sistema (CPU): 220 Vca
• Portas de comunicação da CPU: 1 RS-232 e 1 DH 485 ou DH/+

PROCEDIMENTO
• Preencha a folha de dados (worksheet) abaixo, afim de determinar a configuração
do CLP a ser usado. Para estimar a capacidade de memória do sistema,
considerar o número de pontos discretos; analógicos e especiais de I/O:

TIPO DE NÚMERO TOTAL DE PALAVRAS


PONTO DE DE INSTRUÇÃO
PONTOS
DIGITAL ______ x 10 ______words
ANALÓGICO ______ x 25 ______words
ESPECIAL ______ x 100 ______words
MEMÓRIA TOTAL
ESTIMADA REQUERIDA
______words

• Em função do total de memória requerida, número de I/O digital e tempo e scan


desejado, determine qual CPU deve ser utilizada:

PROJETOS COM CLP...21


Projetos de Instrumentação

Memória total estimada requerida:_____________________

Número de I/O digital:_______________________________

Tempo de scan desejado:_____________________

MODÊLO DE CPU:_____________________

• Selecione os Módulos (slots) a serem usado no sistema, conforme tipo e número


de entrada/saída.

NÚMERO CORRENTE
DO CONSUMO PELO
SLOT CARACTERÍSTICA
MODÊLO MÓDULO
5 Vcc 24Vcc
0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
CONSUMO TOTAL DE CORRENTE PELOS
MÓDULOS DE I/O

• Em função do total de corrente requerida, determine qual fonte de alimentação
deve ser utilizada:

Fonte de alimentação:_____________________

PROJETOS COM CLP...22


Projetos de Instrumentação

2. DESENVOLVER PROJETO DE ATUALIZAÇÃO DA PLANTA PILOTO COM CLP

Deseja-se instalar um CLP SLC/500 na planta piloto para medir e/ou controlar
os novos pontos da mesma, já projetados em exercícios anteriores. Inicialmente
deverá ser projetado os seguintes pontos.

• Indicação de Vazão na linha de saída de água da bomba, utilizando transmissor


de P com placa de orifício, conectado a CLP com sistema supervisório;

• Indicação de vazão na linha de água misturada (fria e quente), utilizando


transmissor eletromagnético de vazão conectado a CLP com sistema supervisório;

• Comando manual remoto (via sistema supervisório + CLP) de válvula de bloqueio


na entrada da linha de ar comprimido, utilizando válvula solenóide após válvula
HV-10204.

• Comando manual remoto (via sistema supervisório + CLP) de válvula de bloqueio


na linha de transferência água do tanque aberto para o tanque fechado, utilizando
válvula solenóide após válvula HV-10205.

• Intertravamento para desligar a bomba em caso de alta pressão, utilizando


pressostato para medir a pressão da água na saída do tanque aberto após a
bomba.

CONDIÇÕES
As especificações destes instrumentos foram desenvolvidas anteriormente.
Deverá ser utilizado um CLP SLC/500 modular com porta de comunicação DH/485

PROCEDIMENTO

• Especificar o CLP (chassis, fonte, CPU, módulos de I/O)

• Elaborar lista de entradas e saídas.

• Desenhar o diagrama de malha das novas malhas, considerando os pontos listado


anteriormente.

Obs.: Utilizar as borneiras já existentes (TCC1, TCA1, BR0, BR1 e BR2) para ligação
elétrica dos dispositivos de campo com o CLP.

Obs.: Desenhe o detalhamento do painel com o novo CLP.

PROJETOS COM CLP...23


Projetos de Instrumentação

DESENVOLVIMENTO
Preencha a folha de dados (worksheet) abaixo, afim de determinar a
configuração do CLP a ser usado. Para estimar a capacidade de memória do
sistema, considerar o número de pontos discretos; analógicos e especiais de I/O:

TIPO DE NÚMERO TOTAL DE PALAVRAS


PONTO DE DE INSTRUÇÃO
PONTOS
DIGITAL
______ x 10 _________words
ANALÓGICO
______ x 25 _________words
ESPECIAL
______ x 100 _________words
MEMÓRIA
TOTAL
ESTIMADA
REQUERIDA _________words

• Em função do total de memória requerida, número de I/O digital, portas de


comunicação e tempo de scan desejado, determine qual CPU deve ser utilizada:

Memória total estimada requerida:__________________________

Número de I/O digital:_____________________________________

Tempo de scan desejado:__________________________________

Portas de comunicação na CPU:____________________________

MODÊLO DE CPU:_____________________

• Selecione os Módulos (slots) a serem usado no sistema, conforme tipo e número


de entrada/saída.
PROJETOS COM CLP...24
Projetos de Instrumentação

NÚMERO CORRENTE
DO CONSUMO PELO
SLOT CARACTERÍSTICA
MODÊLO MÓDULO
5 Vcc 24Vcc
0

CONSUMO TOTAL DE CORRENTE PELOS


MÓDULOS DE I/O

• Em função do total de corrente requerida, determine qual fonte de alimentação
deve ser utilizada:

Fonte de alimentação:_____________________

PROJETOS COM CLP...25


Projetos de Instrumentação

3. DESENVOLVER PROJETO DE AUTOMAÇÃO/CONTROLE DE SISTEMA


GERADOR DE AR COMPRIMIDO COM CLP

Deseja-se instalar um CLP SLC/500 para automatizar e/ou controlar o sistema


gerador de ar comprimido, cujo projeto já foi inicializado. Inicialmente deverá ser
projetado os seguintes pontos.

• Medição e indicações na I.H.M. local e no sistema supervisório dos


seguintes pontos: Temperatura, Vazão e Pressão do ar comprimido na saída
do reservatório de ar comprimido.

• Pressostato para medir a pressão e operar como sensor para segurança


do reservatório, ou seja caso a pressão ultrapasse 8,5 Kgf/cm2 uma válvula
solenóide abrir-se-á permitindo alívio de pressão;

• Válvula de segurança para aliviar a pressão do reservatório em caso de


falha do controle, para atuar quando a pressão atingir 9,0 Kgf/cm2 ;

• Manômetro para indicar a pressão do reservatório.

CONDIÇÕES
As especificações destes instrumentos foram desenvolvidas anteriormente.
Deverá ser utilizado um CLP SLC/500 modular com porta de comunicação DH/485

PROCEDIMENTO

• Especificar o CLP (chassis, fonte, CPU, módulos de I/O)

• Elaborar lista de entradas e saídas.

• Desenhar o diagrama de malha das novas malhas, considerando os pontos listado


anteriormente.

PROJETOS COM CLP...26