Você está na página 1de 5

10º ano | Química | Ficha de Trabalho nº1

Tema 4: Tipos de Ligações Químicas

RESUMINHO J

Os átomos juntam-se em número e forma diferentes para originar várias substâncias, com

propriedades características e distintas umas das outras. As substâncias são formadas por

unidades estruturais, que poderão ser átomos, moléculas ou iões.


A ligação química corresponde à união entre átomos ou iões, dando origem a novas substâncias (moléculas, compostos iónicos e

compostos metálicos). A ligação que se estabelece entre moléculas não origina novas substâncias, mas é importante para entender

os estados de agregação da matéria.

Da análise da figura, verifica-se que:

• Na posição 1, os átomos estão muito distantes um do outro, ainda

não há interação entre eles, considerando-se que a energia total

do sistema é zero.

• Na posição 2, com a aproximação dos átomos, as interações

tornam-se significativas predominando as atrações entre os

eletrões e as cargas positivas de ambos os núcleos. As nuvens

eletrónicas começam a sobrepor-se levando a uma diminuição da

energia da molécula. Como as atrações predominam, a

sobreposição das nuvens eletrónicas aumenta e a energia

continua a diminuir.

• O ponto mínimo da curva é a distância internuclear para a qual a molécula é mais estável, havendo um equilíbrio entre as

interações atrativas e repulsivas. Considera-se que está estabelecida a ligação covalente, sendo mínima a energia da

molécula nesse ponto.

• Para distâncias ainda menores, posição 3, os núcleos aproximam-se o suficiente para que a repulsão entre as suas cargas

positivas se torne significativa levando ao aumento da energia da molécula. A curtas distâncias há, assim, um predomínio

das interações repulsivas que leva ao afastamento dos átomos novamente para a posição de equilíbrio.
Os eletrões de valência de cada átomo são os principais responsáveis pela formação de uma ligação numa substância. O cientista

Gilbert Lewis enunciou a teoria eletrónica de valência onde associou o facto de os átomos dos gases nobres terem pouca tendência

para se unirem entre si (ou com outros átomos) com o facto de terem o último nível de energia completamente preenchido. Assim

formulou a seguinte hipótese: os átomos, ao unirem-se, procuram ganhar eletrões, perder eletrões ou partilhar eletrões, de modo

a adquirirem a configuração eletrónica estável do gás nobre

(com oito eletrões de valência). Esta hipótese é conhecida por

regra do octeto. Para ser mais fácil entender e prever as

ligações químicas, Lewis propôs uma notação, baseada nos

eletrões de valência, designada por notação de Lewis, onde o

cerne dos átomos (núcleo + eletrões interiores) é representado

pelo símbolo químico do elemento e os eletrões de valência

são representados por cruzes ou pontos em torno do símbolo.

Podem ser considerados três tipos fundamentais de modelo de ligação química nos quais há partilha de eletrões:

• Ligação Covalente: há partilha de eletrões de valência essencialmente localizada;

• Ligação Metálica: há partilha de eletrões de valência essencialmente muito

deslocalizada; a estrutura de um metal pode ser descrita como a de uma rede de

cernes dos átomos, fixados nos nós dessa rede e mergulhada num mar de eletrões

móveis constituído pelos eletrões de valência de todos os átomos; na ligação metálica,

é este mar de eletrões que, sob a ação conjunta de vários núcleos, cria as forças de

ligação entre os átomos metálicos, originando assim retículos cristalinos (os cristais metálicos).

• Ligação Iónica: há transferência de eletrões de valência entre os átomos (é considerada um caso

extremo de partilha de eletrões); os elementos metálicos e não metálicos combinam-se através

de transferência de eletrões dos níveis de valência dos elementos metálicos para os elementos

não metálicos, da qual resultam partículas com carga elétrica de sinal contrário (os iões), que se

mantêm unidas por forças de atração essencialmente eletrostáticas (que são forças de interação

entre duas cargas elétricas).

Os agregados de iões, positivos e negativos, no estado sólido constituem os cristais iónicos.

Além das ligações referidas, nas quais há partilha de eletrões (ligações mais fortes), existem também ligações mais fracas, e que não

há partilha significativa de eletrões, as ligações intermoleculares.


1. Para cada uma das tabelas seguintes, estabelece a correta correspondência entre as informações das colunas.

1.1) Caracterização de ligações químicas de diferentes tipos.

1.2) Caracterização das ligações covalentes, iónicas e metálicas.


2. Dois átomos do mesmo elemento não metálico formam entre si uma ligação química.

Esta ligação pode ser (seleciona a opção correta):

(A) Iónica (B) Covalente

(C) Metálica (D) Qualquer uma das anteriores

3. O gráfico da figura traduz a variação da energia potencial associada à ligação química


entre os átomos de hidrogénio na molécula de 𝐻! .

3.1) Classifica as seguintes afirmações de verdadeiras (V) ou falsas (F).

(A) Quando os átomos de hidrogénio estão separados por uma grande

distância, praticamente não existe interação eletrostática entre eles.

(B) Para distâncias entre os átomos ligeiramente superiores a 0,074 𝑛𝑚

prevalecem, com maior intensidade, as forças de repulsão entre os núcleos

dos dois átomos.

(C) Quando os átomos se encontram a uma distância aproximada de 0,074 𝑛𝑚, a molécula de 𝐻! atinge a sua maior

estabilidade.

(D) Para distâncias interatómicas inferiores a 0,074 𝑛𝑚, passam a prevalecer as forças de atração entre os núcleos dos dois

átomos.

(E) Quando a energia potencial atinge o valor −436 𝑘𝐽 𝑚𝑜𝑙"# , verifica-se a situação de equilíbrio entre as forças de atração

e repulsão, resultando numa distância internuclear de maior estabilidade.

3.2) O que represente o valor de 0,074 𝑛𝑚?

3.3) O valor mínimo possível para a energia potencial associada à interação entre os dois átomos de hidrogénio é 436 𝑘𝐽 𝑚𝑜𝑙"# .

Qual é o significado deste valor?

3.4) Compara a estabilidade dos átomos de hidrogénio separados e ligados na molécula de 𝐻! .

4. O gráfico da figura mostra a variação da energia de ligação quando se

forma uma molécula de oxigénio.

4.1) Define a energia de ligação e indica o seu valor para a molécula de 𝑂! .

4.2) Define comprimento de ligação e indica o seu valor para a molécula de

𝑂! .

4.3) Determina a energia necessária para dissociar uma molécula de 𝑂! .

4.4) Que tipo de ligação se estabelece entre dois átomos de oxigénio?

Justifica.

5. Completa os espaços com as expressões ligação metálica, ligação iónica ou ligação covalente, de modo a obter afirmações

verdadeiras.

(A) A ________________ caracteriza-se por uma partilha mútua de eletrões dos átomos ligados.

(B) A ________________ resulta das intensas forças de atração eletrostática entre iões de carga contrária.
(C) A ________________ é caracterizada pela partilha de eletrões de valência deslocalizados por vários átomos.
6. No esquema da figura pretende-se representar a energia potencial 1𝐸$ 3 do sistema

constituído por dois átomos em duas situações distintas: (I) átomos ligados e (II) átomos

separados. Classifica de verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações.

(A) Quando os átomos estão suficientemente afastados, a energia potencial do


conjunto é praticamente nula.

(B) Quando os átomos estão suficientemente afastados, a energia potencial do

conjunto é maior do que quando se forma a ligação.

(C) Quando os átomos se aproximam fazem-se sentir os efeitos das forças atrativas e

repulsivas. Inicialmente, as primeiras são menos intensas.

(D) Quando os átomos se começam a aproximar prevalecem os efeitos das forças atrativas sobre as repulsivas e a energia

potencial do sistema diminui.

(E) À situação (I) corresponde um menor valor de energia potencial, o que significa que os dois átomos atingem a situação de

maior instabilidade.

(F) A estabilidade dos átomos na situação (II) é maior do que na situação (I).

Você também pode gostar