Você está na página 1de 7

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA

Curso Profissional de Técnico de Turismo

Planificação Anual de
Geografia 10º Ano
Componente de Formação Científica

Ano Letivo
2014/2015

1
1. Caraterização da disciplina

A disciplina de Geografia ocupa-se com o estudo da superfície terrestre. Pode ser entendida como
uma ciência que mobiliza saberes das Ciências Naturais e das Ciências Sociais e Humanas. Fornece uma
informação isenta sobre o mundo e estimula a consolidação de uma atitude critica, o debate de ideias e a
tomada de decisões. O conhecimento do território nacional e as diferentes paisagens que o constituem
são prioridades desta disciplina.

2. Elenco Modular

Módulo Designação Ano Duração de referência


Tempos de
(45 min) Data
B1 Turma – 1.TT2 – 16 de setembro a 23
de janeiro
O Quadro Natural de Portugal – O Relevo 1º 44
Turma – 1.TT2 – 16 de setembro a 23
de janeiro
B2 Turma – 1.TT2 – 26 de janeiro a 4 de
maio
O Quadro Natural de Portugal – O Clima 1º 44
Turma – 1.TT2 – 23 de janeiro a 27 de
abril
B3 Turma – 1.TT2 – 8 de maio a 24 de
julho
O Quadro Natural de Portugal – A Água 1º 44
Turma – 1.TT2 – 27 de abril a 10 de
julho

3. Métodos e Estratégias :

De acordo com a evolução do processo ensino-aprendizagem cada professor adotará os métodos que
considerar mais adequados às características das suas turmas e ao nível etário dos alunos, de modo a
facilitar o desenvolvimento integrado de atitudes / valores, de capacidades / competências e de
conhecimento.
Serão adotadas estratégias e técnicas a utilizar dentro e fora da sala da aula, que privilegiem
atividades, que no âmbito da investigação geográfica viabilizem:
a) a realização de entrevistas, inquéritos e debates;
b) a recolha, tratamento e apresentação de informação:
 A recolha de informação que, por um lado, fomente a observação direta, recorra a visitas de
estudo, trabalho de campo ou a iniciativas individuais e, por outro lado, recorra a
publicações estatísticas, documentação cartográfica, relatórios, legislação (nacional e
comunitária), textos de imprensa, livros, internet, etc;
 O tratamento da informação recolhida, diversificando os processos (numérico, gráfico,
matricial e cartográfico);
 A organização e sistematização dos dados através de ficheiros de conceitos, imagens.
dossiers temáticos, etc;
c) a utilização de meios informáticos telemáticos e Sistemas de Informação Geográfica na
concretização das tarefas propostas;
d) Estudo de Caso – utilizando mapas, fotografias, textos escritos, estatísticas, videogramas,
Internet, etc.

2/7
4. Critérios de Correção dos testes de avaliação

 Relevância e coerência dos conteúdos face à questão colocada;


 Organização das respostas com uma estrutura coerente;
 Utilização correta da terminologia geográfica (noções básicas e conceitos);
 Domínio da comunicação escrita em Língua Portuguesa;
 Abordagem crítica e reflexiva das questões.

5. Classificação dos testes de avaliação

Nos testes de avaliação, para além da classificação total obtida – informação quantitativa em valores –
serão também indicadas as parciais ( pergunta a pergunta ).

6. Competências Gerais a Desenvolver

Competências analítico- Competências técnico- Competências atitudinais


conceptuais metodológicas

1. Compreender os conceitos 1. Utilizar os métodos indutivo e 1. Desenvolver atitudes de rigor,


geográficos de forma a dedutivo no estudo dos de curiosidade, de
construir uma visão integrada fenómenos geográficos. honestidade e de
da Geografia como ciência. 2. Utilizar o processo de perseverança face ao
2. Reconhecer a existência de inferência para interpretar conhecimento e aos trabalhos
diferentes padrões de documentos geográficos, de caráter científico.
distribuição dos fenómenos respondendo a problemas ou 2. Desenvolver o espírito de
geográficos. levantando novos problemas. tolerância e a capacidade de
3. Reconhecer situações 3. Sistematizar dados, dando- diálogo crítico em processos
problemáticas relativas ao uso lhes coerência e organizando- de trabalho cooperativo, de
do espaço geográfico, os em categorias na procura pesquisa e de comunicação
propondo soluções de modelos explicativos de da informação.
fundamentadas para a sua organização do território. 3. Interessar-se pela conciliação
resolução. 4. Utilizar técnicas de expressão entre o crescimento
4. Compreender a existência de gráfica e cartográfica, tratando económico e a melhoria da
conflitos no uso do espaço e a informação de forma correta qualidade de vida das
na gestão dos recursos em e adequada aos fenómenos populações, valorizando o
regiões de desigual em análise e rentabilizando o património natural e o
desenvolvimento. uso das Tecnologias de património cultural.
5. Reconhecer a importância do Informação e de Comunicação 4. Desenvolver atitudes de
ordenamento do território no (TIC). respeito pelo uso dos recursos
atenuar das desigualdades de de modo a legá-los às
desenvolvimento. gerações vindouras em
6. Avaliar as potencialidades do condições de serem utilizados.
território, propondo medidas 5. Desenvolver atitudes e
para a sua valorização. práticas quotidianas assentes
7. Compreender a estruturação numa ética ambiental.
do território nacional em 6. Desenvolver uma cultura
diferentes escalas de análise. cívica valorizadora do
8. Compreender a interação do ordenamento do território.
território nacional com outros 7. Avaliar o contributo das TIC
espaços, particularmente o como fator de
espaço ibérico e o europeu. desenvolvimento e de
utilização individual e social do
espaço geográfico.
8. Interessar-se pela participação
3/7
cívica nos processos de
desenvolvimento territorial.

Módulo B1: O Quadro Natural de Portugal – O Relevo

Duração: 30 horas / 44 aulas

Conteúdos Competências Objetivos de Aprendizagem

1.1 As características * Compreender as grandes • Ler mapas de pequena escala.


morfológicas de características do relevo de Portugal • Ler mapas físicos de grande escala.
Portugal Continental. Continental e Insular. • Calcular distâncias a partir de um mapa.
• Descrever características morfológicas
• Compreender a origem das de Portugal Continental.
principais formas de relevo de • Relacionar a morfologia de algumas
Portugal Continental e Insular. serras com a natureza das rochas
constituintes.
• Interpretar aspetos físicos das • Explicar a orientação das principais
paisagens utilizando quer a serras de Portugal Continental.
observação direta, quer a • Identificar formas de relevo originadas
observação indireta. em períodos climáticos diferentes dos
atuais.
1.2 O relevo de Portugal • Interpretar mapas hipsométricos de • Integrar o relevo de Portugal Continental
Continental no conjunto diferentes escalas. nas grandes unidades geomorfológicas da
da Península Ibérica. Península Ibérica.
• Localizar espaços e fenómenos • Identificar formas de relevo de origem
1.3 A morfologia dos geográficos. vulcânica como as caldeiras e os cones
arquipélagos dos vulcânicos.
Açores e da Madeira. • Executar croquis simples. • Explicar a formação de cones vulcânicos
e de caldeiras, nos Açores.
1.4 O relevo dos • Compreender a importância da • Caracterizar a morfologia da ilha da
arquipélagos dos valorização do património natural. Madeira.
Açores e da Madeira e a • Relacionar a morfologia dos
Tectónica de Placas. • Manifestar atitudes de respeito arquipélagos dos Açores e da Madeira
pelo património natural de modo a com a sua origem vulcânica.
legá-lo às gerações vindouras em • Referir a altitude aproximada da serra da
condições de ser utilizado. Estrela, do pico Ruivo, na ilha da Madeira,
e do Pico, na ilha do Pico.
• Manifestar espírito de tolerância e • Localizar em mapas de diferente escala
1.5 O litoral e o relevo capacidade de diálogo crítico. as formas de relevo mencionadas neste
submarino. módulo.
• Manifestar rigor e empenhamento • Caracterizar a linha de costa de Portugal
na realização das atividades Continental e Insular.
propostas. • Descrever a ação erosiva do mar sobre a
linha de costa.
• Caracterizar o litoral de Portugal
Continental e Insular.
• Debater a importância da extensão da
plataforma continental nos recursos
piscatórios.
• Caracterizar a plataforma continental de
Portugal Continental e Insular.
• Apresentar algumas potencialidades
turísticas do litoral e do relevo submarino.
• Debater a importância do relevo para o
turismo.
4/7
• Debater a importância do relevo no
ordenamento do território.

Módulo B2: O Quadro Natural de Portugal – O Clima

Duração de Referência: 30 horas / 44 aulas

Conteúdos Competências Objetivos de Aprendizagem

2.1 As características • Compreender as características do • Caracterizar a variação anual da


climáticas de Portugal clima de Portugal Continental e temperatura em Portugal.
Continental. Insular. • Caracterizar a variação anual da
precipitação em Portugal.
2.2 A diferenciação • Compreender o padrão da • Explicitar a distribuição espacial da
climática de Portugal distribuição espacial da temperatura temperatura em Portugal.
Continental. e da precipitação. • Explicar o papel do relevo na distribuição
espacial da temperatura.
2.3 O clima de • Compreender a variação interanual • Explicitar a distribuição espacial da
Portugal no contexto e intra-anual da precipitação. precipitação.
dos grandes • Relacionar a variabilidade da
conjuntos climáticos • Interpretar de forma sumária cartas precipitação com a deslocação em latitude
europeus. sinópticas. dos centros de alta e de baixa pressão.
• Interpretar de forma sumária • Explicar o papel do relevo na distribuição
2.4 As características imagens de satélite. espacial da precipitação.
climáticas dos Açores • Interpretar blocos-diagrama. • Descrever as situações meteorológicas
e da Madeira. • Pesquisar informação mais frequentes em Portugal Continental,
meteorológica na Internet. no verão e no inverno.
• Explicitar consequências das situações
• Utilizar técnicas de expressão meteorológicas mais frequentes em
gráfica e cartográfica. Portugal Continental.
• Interpretar mapas com a • Explicitar riscos da variação interanual e
distribuição de diversos elementos intra-anual da precipitação.
do clima. • Caracterizar o regime termopluviométrico
das principais regiões portuguesas
• Debater a importância da • Explicitar consequências do regime
valorização económica do clima. termopluviométrico.
• Manifestar preocupações relativas • Compreender a tendência para a
à necessidade de consolidar uma ocorrência, cada vez mais frequente, de
«cultura de risco» relacionada com fenómenos meteorológicos extremos.
os fenómenos meteorológicos. • Caracterizar as diferenciações climáticas
nos arquipélagos dos Açores e da
• Manifestar preocupações Madeira.
relativamente ao processo de • Relacionar as características climáticas
desertificação. dos arquipélagos dos Açores e da
Madeira com a sua localização
• Manifestar espírito de tolerância e • Debater a valorização do. clima, em
capacidade de diálogo crítico. Portugal.
• Manifestar rigor e empenhamento • Debater as vantagens comparativas do
na realização das atividades clima de Portugal, no contexto europeu.
propostas. • Construir gráficos termopluviométricos e
com a direção dos ventos.
• Manifestar interesse /
/preocupação pelos problemas
ambientais ao nível mundial.

5/7
Módulo B3: O Quadro Natural de Portugal – A Água

Duração de Referência: 30 horas / 44 aulas

Conteúdos Competências Objetivos de Aprendizagem

3.1 As grandes • Compreender o padrão de • Caracterizar a distribuição dos recursos


bacias hidrográficas. distribuição dos recursos hídricos hídricos superficiais, em Portugal
superficiais e subterrâneos, em Continental.
3.2 As redes Portugal. • Caracterizar a distribuição dos recursos
hidrográficas. • Compreender a distinção entre hídricos subterrâneos, em Portugal
recurso potencial e recurso Continental.
3.3 As águas disponível. • Relacionar a distribuição espacial e
subterrâneas. • Compreender a necessidade da temporal dos recursos hídricos superficiais
gestão integrada das bacias com o regime termopluviométrico.
3.4 A gestão dos hidrográficas e das áreas costeiras • Relacionar a distribuição dos recursos
recursos hídricos. com elas relacionadas, em Portugal. hídricos subterrâneos com a litologia.
• Compreender a importância da • Compreender a importância das bacias
3.5 Os recursos água das bacias hidrográficas hidrográficas enquanto unidades
hídricos nos internacionais nos recursos hídricos fundamentais para a gestão das águas
arquipélagos dos nacionais. superficiais.
Açores e da Madeira. • Compreender que o consumo per • Caracterizar redes hidrográficas.
capita de água varia com as • Relacionar as características das redes
atividades desenvolvidas pela hidrográficas com a litologia.
população e o seu nível tecnológico. • Relacionar situações de risco de cheias
• Debater as vantagens da com as características das redes e das
monitorização dos recursos hídricos. bacias hidrográficas.
• Compreender o papel dos recursos • Identificar redes e bacias hidrográficas a
hídricos no ordenamento do partir de mapas de diferentes escalas.
território. • Compreender a distribuição dos recursos
• Conhecer o quadro legislativo hídricos nos arquipélagos dos Açores e da
relativo à água. Madeira.
• Utilizar a expressão gráfica e • Caracterizar o padrão de distribuição dos
cartográfica. recursos hídricos no território nacional.
• Pesquisar dados relativos ao tema. • Conhecer os principais usos da água,
• Manifestar espírito de tolerância e em Portugal.
capacidade de diálogo crítico. • Equacionar problemas relacionados com
• Manifestar atitudes conducentes a a capitação dos consumos.
uma correta utilização da água. • Distinguir usos consumidores e não
• Manifestar comportamentos que consumidores de água.
revelem preocupações relativas à • Debater a importância da manutenção
qualidade da água. de caudais ecológicos.
• Manifestar atitudes que revelem o • Compreender a necessidade de uma
conhecimento dos direitos e dos planificação adequada das infraestruturas
deveres de um consumidor de abastecimento público.
consciente. • Construir gráficos de barras e
• Manifestar preocupação relativa à sectogramas.
valorização de uma “cultura de • Conhecer parâmetros indicadores da
risco”. qualidade da água em função dos
• Manifestar rigor e empenhamento diferentes usos e de acordo com a
na realização das atividades legislação em vigor.
propostas. • Conhecer efeitos da má qualidade da
água na saúde pública.
• Compreender a necessidade de
proteção das origens da água.
• Debater as vantagens da adequação do
tratamento da água ao seu uso.
6/7
7.Critérios de Avaliação

Ponderações
Domínios
10º Ano 11º Ano
Atitudes/Comportamento 20% 20%
Conhecimentos 80% 80%

“Atitudes/Comportamentos”

Parâmetros Indicadores Ponderações


● Intervém de forma oportuna e adequada 33 %
Participação /
● Colabora nas actividades partilhando tarefas e saberes 33 % 60 %
Cooperação
● Revela empenho no desenvolvimento das actividades 34 %
Sentido de ● Respeita as normas estabelecidas para o funcionamento da aula 50 %
40 %
responsabilidade ● Cumpre as tarefas dentro e fora da sala de aula 50 %

“Conhecimentos”

Ponderações
Parâmetros Indicadores
10º Ano 11º Ano
● Conhece conceitos, noções básicas e técnicas
● Utiliza técnicas de expressão gráficas específicas
Técnico -
● Organiza e trata a informação 20 % 20 %
Metodológicos
● Interpreta representações geográficas
● Localiza lugares utilizando mapas de diferentes escalas
● Conhece conceitos, noções básicas e factos específicos
Analítico – ● Compreende situações e factos
80 % 80 %
Conceptuais ● Interpreta situações e factos específicos
● Aplica conhecimentos a novas situações

7/7

Você também pode gostar