Você está na página 1de 40

PC - PB

Direito
Administrativo

Livro Eletrônico
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

Sumário
Direito Administrativo.. ................................................................................................................... 3
1. Introdução...................................................................................................................................... 3
2. Análise da Banca CESPE (CEBRASPE)...................................................................................... 4
3. Atos Administrativos.................................................................................................................. 5
4. Princípios da Administração Pública.. ..................................................................................... 8
5. Organização Administrativa.. ................................................................................................... 11
6. Poderes Administrativos. . ........................................................................................................ 14
7. Agentes Públicos. . .......................................................................................................................16
Questões de Concurso.................................................................................................................. 20
Gabarito............................................................................................................................................ 26
Gabarito Comentado..................................................................................................................... 27

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 2 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

DIREITO ADMINISTRATIVO
Aula Essencial 80/20 – Direito Administrativo – PC-PB – Carreiras de Polícia Investigativa

1. Introdução
De acordo com o “Princípio de Pareto”, também conhecido como “Técnica do 80/20”, 80%
das situações podem ser resolvidas com a utilização de 20% do conhecimento.
O Princípio de Pareto é amplamente utilizado em várias áreas do conhecimento huma-
no, uma vez que apresenta uma tendência para a resolução dos problemas e otimiza os
resultados.

Você já pensou em como isso pode ser importante caso a aplicação seja possível, tam-
bém, no universo dos concursos públicos?

E justamente pensando nisso é que esta aula foi desenvolvida. Aqui, o nosso claro objeti-
vo é o de apresentar, com base em dados e estudos anteriores, os pontos que, historicamen-
te, são mais exigidos pelas bancas organizadoras em relação a determinados conteúdos
do edital.
Isso não quer dizer que você não precise estudar todos os pontos do edital. Nos dias atu-
ais, em que a concorrência está cada vez mais acirrada, um estudo completo é mais do que
essencial para garantir uma boa preparação.
No entanto, é inegável que as bancas, ao longo dos anos, tendem a se repetir. E isso ocor-
re por um motivo bastante simples: no processo de elaboração das questões, a instituição
responsável pela organização do concurso contrata professores ou autores qualificados na
respectiva área ou matéria envolvida. E como cada pessoa tende a seguir, ainda que incons-
cientemente, autores ou pontos específicos da matéria, o que acaba ocorrendo, como iremos
retratar, é uma quantidade desproporcional de questões em relação aos pontos exigidos em
determinada disciplina.
Dito de outra forma, raramente vemos uma prova onde as questões foram elaboradas
seguindo todos os pontos do edital de forma simétrica. O que é constantemente visto, em
sentido contrário, é alguns assuntos sendo exigidos de maneira bem mais constante do que
os demais.
Sendo assim, ao identificarmos quais são estes assuntos, iremos dar um “salto de qua-
lidade e eficiência” na preparação. Para isso, faremos uso do “Princípio de Pareto”, veri-
ficando quais são os assuntos mais exigidos e otimizando em diversos aspectos a sua
preparação.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 3 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

2. Análise da Banca CESPE (CEBRASPE)


Com base no último edital do concurso da Polícia Civil da Paraíba – PC-PB, o seguinte
conteúdo programático foi exigido para os cargos da Carreira de Polícia Investigativa:
1 Administração Pública e atividade administrativa: administração direta e indireta; autar-
quias; fundações; empresas públicas; sociedades de economia mista; órgãos e agentes pú-
blicos; conceito de administração; natureza e fins da administração; princípios básicos da ad-
ministração.
2 Atos e Poderes administrativos. Poderes: poder vinculado; poder discricionário; poder
hierárquico; poder disciplinar; poder regulamentar; poder de polícia; uso e abuso de poder. Atos
Administrativos: conceito; elementos; atributos; classificação; espécies; extinção do ato, con-
trole do ato administrativo: invalidação; anulação e revogação.
3 Servidores públicos: organização do serviço público; normas constitucionais pertinentes;
deveres e direitos dos servidores; responsabilidade dos servidores;
Realizando uma análise nas provas realizadas pelo CESPE nos últimos anos (2021, 2020 e
2019) chegamos, em relação aos itens exigidos no edital, na seguinte porcentagem para cada
um dos assuntos correlatos:

Quantidade Percentual
Assunto
de Questões Aproximado

Atos Administrativos 44 28%

Organização Administrativa 34 22%

Poderes Administrativo 31 21%

Agentes Públicos 28 19%

Princípios Administrativos 15 10%

Total 152 100%

Sendo assim, iremos inicialmente ter contato com um resumo contendo os principais pon-
tos abordados. Após, resolveremos questões do CESPE, sedimentando o aprendizado e dei-
xando você em plenas condições de realizar uma excelente prova.

 Obs.: Todos os pontos do edital estão minuciosamente estudados no curso de Direito Admi-
nistrativo destinado ao concurso da PC-PB. Aqui, conforme mencionado no início da
aula, a ideia é verificar e memorizar, por meio da aplicação do “Princípio de Pareto”, os
assuntos historicamente mais exigidos pela banca organizadora, algo que otimizará
em diversos aspectos a sua preparação.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 4 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

3. Atos Administrativos

• Diversos são os conceitos de atos administrativos, sendo que as bancas costumam uti-
lizar o utilizado por Hely Lopes Meirelles, através do qual os atos são entendidos como
“toda manifestação unilateral de vontade da Administração Pública que, agindo nessa
qualidade, tenha por fim imediato adquirir, resguardar, transferir, modificar, extinguir e
declarar direitos, ou impor obrigações aos administrados ou a si própria”;
• Ainda que a administração pública seja quem mais pratique atos administrativos, deve-
mos ter em mente que todos os demais poderes também o fazem, ainda que de maneira
atípica. Assim, os atos administrativos não são uma exclusividade do Poder Executivo;
• Cinco são os requisitos dos atos administrativos: competência, finalidade, forma, moti-
vo e objeto;
• Dos requisitos presentes, apenas a competência, a finalidade e a forma sempre estão
presentes em todo e qualquer ato administrativo;
• O motivo e o objeto, dessa forma, caracterizam o chamado mérito administrativo, que
é a valoração da conveniência e da oportunidade que a lei deixa a cargo dos agentes
competentes;
• O mérito administrativo também é responsável pela diferenciação entre atos vincula-
dos e atos discricionários;
• São atributos dos atos administrativos a presunção de legitimidade, a autoexecutorie-
dade, a imperatividade e a tipicidade;
• A presunção de legitimidade é uma característica através do qual os atos administrati-
vos são considerados legais até a prova em contrário. Costuma-se dizer, por isso mes-
mo, que a presunção é juris tantum, ou seja, presunção relativa, que pode ser contestada
pelo particular;
• A presunção de legitimidade é o único atributo presente em todos os atos administrativos;
• Parte da doutrina divide os o atributo em questão em presunção de veracidade e pre-
sunção de legitimidade. De acordo com a veracidade, o ato deve obediência aos fatos
alegados pelo Poder Público. De acordo com a legitimidade, os atos devem obediência
ao ordenamento jurídico como um todo.
• Pela autoexecutoriedade, a administração pode exigir o cumprimento de determinados
atos administrativos por parte de seus administrados, sem a necessidade de precisar
recorrer ao Poder Judiciário. Através deste atributo, em alguns casos, pode ela inclusive
utilizar-se da força;
• A imperatividade é o atributo onde a administração impõe a sua vontade a terceiros,
que não possuem outra opção que não seja cumprir o ato.
• A imperatividade decorre do poder de império da administração, também conhecido
como poder extroverso, decorrência do princípio da supremacia do interesse público;

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 5 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

• Os requisitos são elementos para que os atos administrativos possam existir, ao passo
que os atributos são prerrogativas que os atos dispõem para atingir seus objetivos;
• Sobre as formas de desfazimento do ato administrativo, temos três clássicas maneiras:
anulação, revogação e convalidação;
• A anulação pode ser feita pela própria administração, baseada no seu poder de autotu-
tela, ou pelo judiciário, desde que provocado;
• A Anulação sempre é um controle de Legalidade, jamais entrando no Mérito Administrativo;
• A anulação possui efeitos retrospectivos, sendo que seus efeitos retroagem até a data
da prática do ato. Por isso mesmo, costuma-se dizer que seus efeitos são ex-tunc;
• No entanto, mesmo em caso de anulação, os efeitos produzidos pelos atos, para tercei-
ros de boa fé, devem prevalecer;
• A revogação, por sua vez, é a possibilidade da administração que produziu o ato (e ape-
nas ela) retirar o mesmo do mundo jurídico por razões de conveniência e oportunidade;
• A revogação adentra no mérito administrativo, possuindo efeitos prospectivos, também
chamados pela doutrina de ex-nunc;
• A revogação pode incidir apenas sobre atos discricionários, sendo um controle de méri-
to. Já a anulação pode incidir sobre atos vinculados ou discricionários, desde, claro, que
seja para analisar a ilegalidade dos mesmos;
• A convalidação decorre da teoria dualista, através da qual os atos poderiam ser sana-
dos quando o vício decorresse dos requisitos competência (em razão da pessoa) e da
forma (quando esta não for indispensável).
• A anulação, a revogação e a convalidação podem ser mais bem visualizadas por meio
da tabela a seguir:

Anulação Revogação Convalidação

Trata-se de controle de Trata-se de controle de


Trata-se de controle do
legalidade sobre atos legalidade sobre atos
mérito administrativos,
que apresentam vícios que apresentam vícios
a juízo da administração
insanáveis ou sanáveis sanáveis

Opera
Opera retroativamente Opera retroativamente
prospectivamente
(eficácia ex-tunc) (eficácia ex-tunc)
(eficácia ex-nunc)

Pode ser efetuada


tanto pela própria Apenas pode ser
Apenas pode ser efetuada
administração quanto efetuada pela própria
pela própria administração
pelo Poder Judiciário, administração
quando provocado

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 6 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

Anulação Revogação Convalidação

Incide sobre atos Incide sobre atos


vinculados e vinculados e
Incide apenas sobre
discricionários, desde que discricionários, desde que
atos discricionários
se esteja analisando a se esteja analisando a
legalidade legalidade

A convalidação é um
A anulação pode ser um ato discricionário, pois
ato vinculado (quando A revogação sempre é a administração pode
o vício é insanável) ou um ato discricionário, escolher entre anular
discricionário (quando o pois a administração ou convalidar o ato.
vício é sanável, pois nesse escolhe se deve ou não No entanto, a doutrina
caso pode ela optar entre retirá-lo do universo majoritária entende
anular ou convalidar o jurídico que a convalidação,
ato em questão) quando possível, deve ser
executada.

• Cinco são as espécies de atos administrativos: punitivos, enunciativos, ordinatórios,


normativos e negociais;
• Os atos punitivos são aqueles que implicam sanções, que podem ser de caráter interno
ou externo. São exemplos destes atos a advertência, suspensão e demissão (interna-
mente) e a multa e a interdição de estabelecimentos (externamente);
• Atos Enunciativos são aqueles que declaram uma situação já existente, sendo que mui-
tos autores consideram os mesmos como atos administrativos impróprios, uma vez
que neles não ocorre uma manifestação de vontade da administração;
• Os atos ordinatórios decorrem do poder hierárquico da administração e conferem as
prerrogativas de determinar como as diversas atividades devem ser praticadas, tendo
como exemplos as circulares, portarias e as ordens de serviço.
• Os atos normativos são aqueles que contêm comandos gerais e abstratos, servindo
para regulamentar e detalhar os comandos da lei. Possuem como principais exemplos
os decretos regulamentares (editados pelos Chefes do Executivo), os regimentos (como
o dos Tribunais) e as resoluções;
• Nos atos negociais, o particular possui uma vontade, que depende do interesse da
administração. Assim, são exemplos destes atos a licença (quando a administra-
ção não tem outra escolha que não seja conceder a mesma, desde que o particular
cumpra todos os requisitos) e a autorização (quando a administração, mesmo tendo
o particular cumprido todos os requisitos, pode escolher entre conceder ou não a
mesma);

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 7 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

4. Princípios da Administração Pública


Derivam das normas tanto os princípios quanto as regras, de forma que conseguimos di-
ferenciar as duas espécies por meio das seguintes características:

Princípios Regras

São uma espécie de norma São uma espécie de norma

Poder ser explícitos ou implícitos Obrigatoriamente devem ser expressas

Em caso de conflito, deve-se utilizar


Em caso de conflito, deve-se fazer uso
apenas uma das regras, aniquilando
da ponderação no caso concreto
inteiramente as demais

Solução de conflitos deve observar os


Solução de conflitos leva em conta o
critérios hierárquico, cronológico e da
interesse da coletividade
especialidade

• Os princípios administrativos podem ser divididos em supraprincípios, princípios ex-


pressos na constituição e demais princípios adotados pela doutrina;
• Os supraprincípios são aqueles que originam todo o ordenamento jurídico pátrio, sendo
que todos os demais decorrem destes;
• São supraprincípios, em nosso ordenamento, a supremacia do interesse público sobre
o privado e a indisponibilidade do interesse público;
• Segundo a supremacia do interesse público, a administração possui certas prerrogativas
para poder fazer valer a sua vontade. Um bom exemplo são os poderes administrativos;
• Segundo a indisponibilidade do interesse público, a administração Pública atua como
gestora do patrimônio público. Decorre deste princípio todas as obrigações da adminis-
tração, como, por exemplo, o dever de prestar contas;

Supremacia do Interesse
Indisponibilidade do Interesse Público
Público

É princípio implícito É princípio implícito

Não está presente em toda a Está presente em toda a atividade


atividade administrativa administrativa

Dele decorrem as prerrogativas Dele decorrem as sujeições (obrigações) da


(poderes) da Administração Administração

É a base do regime jurídico É a base do regime jurídico

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 8 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

Supremacia do Interesse
Indisponibilidade do Interesse Público
Público

Tem como exemplos a aplicação das Tem como exemplos a realização de


cláusulas exorbitantes, os poderes concurso público, a realização de licitações
administrativos e a imperatividade e a obrigação de prestação de contas por
dos atos administrativos parte dos administradores públicos

• São princípios expressos no texto constitucional e aplicáveis à administração pública a


legalidade, a impessoalidade, a moralidade, a publicidade e a eficiência. (LIMPE);
• A legalidade obriga a administração a só fazer aquilo que a lei determinar ou autorizar;
• Podemos diferenciar a legalidade (lei em sentido amplo) da reserva legal (lei formal em
sentido estrito) por meio das seguintes características:

Legalidade Reserva Legal

Abrange não só as leis, como também Abrange apenas as leis que forem
as medidas provisórias e os decretos editadas de acordo com o processo
autônomos legislativo

Possuem menor abrangência, de


Possuem maior abrangência, uma vez que
forma que regulam um menor
regulam um leque maior de matérias
número de matérias

Maior densidade, pois devem


Menor densidade, uma vez que a edição
observar todos os trâmites
de um decreto autônomo, por exemplo, é
estabelecidos no processo legislativo
menos complexa que uma lei
(quórum, maioria de votação)

É a lei em sentido lato, amplo É a lei em sentido estrito, formal

• A deslegalização ocorre quando uma lei, sem entrar na regulamentação da matéria, re-
baixa formalmente o seu grau normativo, permitindo que essa matéria possa vir a ser
modificada por regulamento;
• A impessoalidade pode ser vista sob três aspectos: como a finalidade de toda e qual-
quer atividade administrativa, como a obrigatoriedade de tratamento isonômico para
os administrados e como a vedação à promoção pessoal do Agente Público com base
nas atividades da Administração Pública;
• A moralidade liga-se diretamente aos conceitos de probidade, decoro e boa-fé.
• Ao elencar a moralidade como princípio, o legislador constitucional pretendeu que o
administrador público não obedecesse apenas aos comandos expressos em lei, origi-
nando o termo não juridicização.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 9 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

• A publicidade pode ser vista sob dois aspectos: como a necessidade de que todos os atos
administrativos sejam publicados para que possam produzir seus efeitos e como a neces-
sidade de transparência, por parte da Administração Pública, no exercício de suas funções;
• A eficiência está ligada à ideia de administração gerencial, objetivando a redução de
desperdícios e um melhor resultado na relação custo x benefício;
• Pela autotutela, a administração pode anular ou revogar os seus próprios atos, sem ne-
cessidade de recorrer ao Poder Judiciário;
• Tal princípio está presente na Súmula n. 473 do STF: “A administração pode anular seus
próprios atos, quando eivados de vícios que os tornam ilegais, porque deles não se origi-
nam direitos; ou revogá-los, por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os
direitos adquiridos, e ressalvada, em todos os casos, a apreciação judicial”.
• Através da segurança jurídica, são protegidos o direito adquirido, ato jurídico perfeito e
a coisa julgada;
• A razoabilidade e a proporcionalidade obriga que exista uma relação entre os meios e
fins empregados;
• Ainda por meio da segurança jurídica, é vedada a nova interpretação retroativa da mes-
ma norma administrativa;
• Merece destaque a Súmula n. 654 do STF: A garantia da irretroatividade da lei, prevista
no art. 5º, XXXVI, da Constituição da República, não é invocável pela entidade estatal
que a tenha editado.
• Pelo princípio da especialização, ocorre a criação das entidades da Administração Indi-
reta, que se tornam especialistas em suas áreas de atuação;
• Pela continuidade dos serviços públicos, estes, em regra, não podem ser paralisados,
uma vez que tal situação poderia prejudicar toda a coletividade;
• A motivação exige que a Administração Pública indique os fundamentos de fato e de
direito de suas decisões. Como regra, todos os atos administrativos devem ser motiva-
dos, sendo exceção a demissão de agentes públicos ad nutum.
• A sindicabilidade configura a possibilidade de qualquer lesão ou ameaça de lesão ser
levada ao controle do Poder Público, tanto pela administração que editou o ato quanto
pelo Poder Judiciário.
• De acordo com a responsividade, cumpre aos gestores públicos a prestação de contas
da sua gestão para com o povo, verdadeiro titular do múnus público.
• A sancionabilidade, no Direito Administrativo, pode estar presente em todas as suas
atuações, de forma a incentivar determinadas condutas por meio de sanções premiais
(benefícios) e desencorajar outras condutas por meio das sanções aflitivas (Punições).
• De acordo com a subsidiariedade, as atividades essenciais à coletividade ficariam sob
a responsabilidade do Estado, uma vez que sua delegação poderia pôr em risco o bem
estar social e a segurança jurídica da coletividade.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 10 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

5. Organização Administrativa

• A organização administrativa é a parte do direito administrativo que estuda a estrutura


da administração pública.
• As entidades políticas são os entes federativos previstos no texto constitucional, sendo
eles a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios.
• Tais entidades detém uma parcela do poder político, são dotadas de autonomia e prio-
ritariamente regidas pelo direito constitucional.
• As entidades administrativas são as pessoas jurídicas que compõem a administração
indireta, sendo elas: autarquias, empresas públicas, sociedades de economia mista e
fundações.
• A administração pública pode ser analisada em sentido amplo ou restrito.
• Em sentido amplo, ela compreende as atividades de planejamento das políticas públi-
cas (legislar) e execução destas políticas (executar).
• Em sentido restrito, ela compreende apenas as atividades de execução, sendo este o
conceito adotado em nosso ordenamento.
• A administração pública também pode ser vista sob os critérios material e formal.
• Pelo critério formal, devemos nos perguntar “quem é administração pública?”. Tal crité-
rio também é conhecido como orgânico ou subjetivo.
• Pelo critério material, devemos nos perguntar “o que é administração pública?”, sendo
que este critério também é chamado de objetivo ou funcional.
• Pelo critério material, não existe uma lista taxativa de atividades que são consideradas
administração pública, dependendo muito da visão de cada autor.
• Mesmo assim, as atividades que os autores apontam como administração pública em sen-
tido material são o fomento, os serviços públicos, a polícia administrativa e a intervenção.
• Ocorre centralização quando as atividades são desempenhadas pelos órgãos e agentes
de um único ente federativo.
• Já a descentralização pode ocorrer de duas formas: por serviço, outorga e legal ou por
delegação, negocial e colaboração.
• No primeiro caso, ocorre a criação da administração indireta, sendo que a titularidade e
o exercício da função pública são transferidos às entidades que a compõem. No segun-
do caso, ocorre apenas a transferência do exercício da função pública, permanecendo a
titularidade com a administração direta.
• Com a descentralização por delegação, negocial e por colaboração, o exercício é trans-
ferido a uma delegatária de serviço público, que pode ser uma concessionária, uma per-
missionária ou uma autorizatária.
• Ocorre concentração quando as atividades da administração direta ou indireta são de-
sempenhadas sem uma repartição de competências internas.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 11 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

• Ocorre a desconcentração quando a administração direta ou indireta divide suas ativida-


des internamente, criando os órgãos públicos.
• A descentralização, por depender de lei, não pressupõe hierarquia entre a administração
direta e a indireta.
• Já a desconcentração, por se tratar de técnica administrativa e ser operada no âmbito
de uma mesma pessoa jurídica, pressupõe a existência de hierarquia e subordinação.
• Órgãos públicos são centros de competência, sem personalidade jurídica e resultantes
da técnica da desconcentração.
• Diversas foram as teorias que surgiram para tentar explicar, sem sucesso, a relação en-
tre a administração pública e seus servidores, sendo elas: teoria da identidade, teoria do
mandato e teoria da representação;
• Com a teoria do órgão, também conhecida como teoria da imputação, ficou estabelecido
que a atuação do agente é a própria atuação do órgão no qual ele exerce suas atividades.
• Quanto à posição hierárquica que ocupam, os órgãos podem ser classificados como
independentes, autônomos, superiores e subalternos.
• Quanto à estrutura, os órgãos podem ser simples (apenas um centro de competências)
ou compostos (diversos órgãos menores que fazem parte de uma estrutura maior).
• No tocante à atuação funcional, os órgãos podem se classificar em singulares (com-
postos de um único agente) ou compostos (mais de um agente com poder de decisão).
• A administração pública direta é composta pelos entes federativos e pelos órgãos no
qual estes estão divididos.
• A administração pública indireta é composta pelas autarquias, empresas públicas, so-
ciedades de economia mista e fundações.
• As autarquias são criadas diretamente por lei. As demais entidades são autorizadas por
meio de lei, devendo ainda ter seus atos constitutivos inscritos no registro competente.
• Para a criação de subsidiárias das entidades da administração indireta, ainda que o
texto da Constituição estabeleça ser necessário autorização legislativa, o STF já se ma-
nifestou que basta a menção, na lei que cria ou autoriza a entidade, da possibilidade da
instituição de subsidiárias.
• Tal situação não ocorre com a participação das entidades da administração indireta no ca-
pital das empresas privadas, devendo, neste caso, ser precedida de autorização legislativa.
• Ainda que o dispositivo constitucional expresse que as fundações devem ser autoriza-
das por lei, o STF entende ser perfeitamente cabível que as fundações sejam criadas
diretamente por lei, como ocorre com as autarquias.
• Neste caso, seriam elas uma espécie do gênero autarquia, chamadas de autarquias fun-
dacionais ou fundações autárquicas.
• As autarquias são serviços públicos descentralizados.
• As fundações são um patrimônio público descentralizado.
• As autarquias podem ser classificadas em ordinárias ou comuns, em regime especial,
fundacionais, corporativas e territoriais.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 12 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

• As fundações podem ser públicas ou privadas. As fundações públicas, por sua vez, po-
dem ser de direito público ou de direito privado.
• Os consórcios públicos não são uma nova entidade da administração pública, mas inte-
gram a administração indireta de todos os entes consorciados.
• A principal vantagem do consórcio é o aumento de valores, para contratação, nas mo-
dalidades de licitação convite e tomada de preços (aumentado em 2 vezes se formado
por até 3 entes e aumentado em 3 vezes se formado por mais de 3 entes), bem como o
aumento do valor de dispensa para contratação sem licitação.
• José dos Santos Carvalho Filho afirma que os consórcios públicos, quando regidos pelo
direito público, assumem a forma de autarquia.
• As agências reguladoras e as agências executivas não são uma nova forma de admi-
nistração indireta.
• Enquanto as agências reguladoras são autarquias em regime especial, as agências
executivas são uma qualificação que as autarquias ou fundações podem assumir.
• O objetivo de se instituir uma agência reguladora é que ela atue em determinados seto-
res de regulação, aumento sua autonomia e poder.
• Por sua vez, o objetivo de se instituir uma agência executiva é aumentar sua eficiência e
produtividade; para qualificarem-se como tal, as autarquias ou fundações devem firmar
contrato de gestão com o respectivo ministério superior e ter um plano estratégico de
reestruturação e desenvolvimento.
• As empresa públicas e as sociedades de economia mista são as entidades da adminis-
tração indireta que mais estão ligadas ao direito privado.
• Tais entidades podem ser prestadoras de serviço público (atividade regida pelo direito
público) ou exploradoras de atividade econômica (atividade regida pelo direito privado).
• Não podemos confundir a regência da atividade com a personalidade jurídica. Assim,
todas as empresas públicas e sociedades de economia mista possuem personalidade
jurídica de direito privado.
• As diferenças entre as empresas públicas e as sociedades de economia mista são:
− a) composição do capital (totalmente público na empresa pública e público e privado
na sociedade de economia mista);
− b) forma jurídica (todas as possíveis para as empresas públicas e apenas sociedade
anônima para as sociedades de economia mista) e
− c) foro processual para o julgamento das ações envolvendo entidades federais (Jus-
tiça Federal para as empresas públicas e Justiça Estadual para as sociedades de
economia mista).
• Dentre as principais características comuns às empresa estatais está a impossibilidade
de falência e a obrigatoriedade de realizarem concurso público.
• Em regra, as empresa estatais devem realizar licitação para todas as suas atividades.
Para as exploradoras de atividade econômica, porém, a licitação não é exigida para as
atividades fins, sendo obrigatória apenas para as atividades meio.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 13 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

• As empresa públicas e sociedades de economia mista, ao contrário das demais entida-


des da administração indireta, não estão sujeitas ao teto remuneratório constitucional,
exceto se a entidade receber recursos públicos para pagamento de suas despesas.
• As empresas estatais exploradoras de atividade econômica não podem gozar de privi-
légios fiscais não extensíveis às empresas privadas. As prestadoras de serviço público,
por sua vez, podem gozar de tais privilégios.

6. Poderes Administrativos
• O poder hierárquico está presente na estrutura interna de cada órgão ou entidade. Hie-
rarquia pressupõe subordinação e o poder de dar ordens, de fiscalizar e de delegar e
avocar competências;
• A regra é a possibilidade de delegação, sendo a exceção as matérias onde tal técnica
não pode ser feita. São elas: a edição de atos de caráter normativo, a decisão de recur-
sos administrativos e a competência para o exercício de competência exclusiva;
• Já a avocação é exceção, só sendo permitida nos casos previstos em lei;
• O poder disciplinar confere a prerrogativa das autoridades punirem seus agentes e ter-
ceiros que com elas possuam algum vínculo específico;
• Quando a sanção é interna (servidores), o poder disciplinar decorre do hierárquico.
Quando é externa, não ocorre tal decorrência;
• Pelo poder regulamentar, é conferido aos Chefes do Executivo a possibilidade de regu-
lamentar, por meio da edição de decretos, as leis.
• A competência para editar decretos regulamentares é exclusiva dos chefes do executi-
vo, não podendo ser delegada;
• Os decretos autônomos foram introduzidos em nosso ordenamento jurídico por meio de
emenda constitucional, o que possibilitou aos chefes do executivo, nas restritas hipóte-
ses previstas no texto constitucional, inovar no ordenamento jurídico;
• Os decretos autônomos, no entanto, podem ser delegados ao Procurador Geral da Re-
pública, ao Advogado Geral da União e aos Ministros de Estado;
• As diferenças entre os decretos regulamentares e os decretos autônomos são visualiza-
das na tabela abaixo:

Decretos regulamentares Decretos autônomos

Não inovam no ordenamento jurídico Inovam no ordenamento jurídico

Estão sujeitos a controle de


Estão sujeitos a controle de legalidade
constitucionalidade

Trata-se de uma norma geral e


Trata-se de uma norma geral e abstrata
abstrata

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 14 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

Decretos regulamentares Decretos autônomos

Competência dos Chefes do Poder Competência dos Chefes do


Executivo Poder Executivo

Não pode ser objeto de delegação Pode ser objeto de delegação

Pode ser utilizado em todas as hipóteses Apenas pode ser utilizado em


em que a lei necessitar de regulamentação matérias específicas

• Parte da doutrina afirma que o poder normativo é um gênero do qual fazem parte, dentre
outros, o poder regulamentar;
• O STF possui entendimento de que é vedado ao chefe do poder executivo expedir de-
creto a fim de suspender a eficácia de ato normativo hierarquicamente superior.
• O poder de polícia é a possibilidade de restringir um interesse particular em prol de toda
a coletividade, sendo que tal poder pode ser preventivo ou repressivo;
• São atributos do poder de polícia a discricionariedade, a autoexecutoriedade e a co-
ercibilidade.
• O ciclo de polícia compreende as etapas de ordem, consentimento, fiscalização e san-
ção. As etapas de ordem e fiscalização sempre estão presentes em qualquer atividade do
poder de polícia. Já as etapas de consentimento e sanção nem sempre estão presentes;
• O prazo prescricional para a ação do estado decorrente do poder de polícia é de 5 anos,
a contar da prática do ato ou, em caso de infrações permanentes ou continuadas, da
data da cessação.
• Os poderes/deveres do administrador público caracterizam as obrigações destes com
os administrados;
• São deveres do administrador público: agir, prestar contas, probidade e eficiência;
• O dever de agir implica na atuação do agente sempre que este tiver que exercer suas
funções, não podendo, por vontade sua, renunciar à sua competência;
• O dever de prestar contas é decorrência da forma republicana de governo, na qual o ad-
ministrador público, por gerir interesse alheio, deve prestar contas de sua gestão;
• O dever de probidade implica em uma conduta ética e leal por parte do agente. Em caso
de descumprimento desse dever, ocorre a improbidade administrativa;
• O dever de eficiência está relacionado com o aumento da relação custo x benefício, de
forma que o agente público deve pautar suas atividades de forma a otimizar os resultados;
• Quando o poder não foi exercido de forma legal, dissemos que houve abuso de poder.
Este, por sua vez, pode ocorrer de duas formas: excesso de poder e desvio de poder;
• Ocorre excesso de poder quando o agente excede as suas competências ou pratica ato
por meio de instrumento legislativo inadequado para alcançar o efeito desejado;
• Ocorre desvio de poder quando o agente pratica ato com finalidade diversa daquela que
deveria ter sido praticada;

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 15 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

7. Agentes Públicos

• Os agentes públicos podem ser conceituados como todas as pessoas que possuem
uma vinculação profissional com o Estado, mesmo que em caráter temporário e ainda
que sem o recebimento de remuneração.
• É por meio dos agentes que o Estado exerce suas funções e pratica os atos adminis-
trativos que lhe são competentes. Assim, em caso de dano causado ao particular em
decorrência da atuação estatal, será o Estado quem será responsabilizado, e não o res-
pectivo agente.
• Duas são as principais classificações acerca dos agentes públicos, conforme pode ser
verificado na tabela abaixo:

Classificação de Hely Lopes Classificação de Maria Sylvia


Meirelles Zanella Di Pietro

Agentes políticos Agentes políticos

Agentes administrativos Servidores públicos

Agentes honoríficos Militares

Agentes credenciados Particulares em colaboração

Agentes delegados

• Os agentes políticos são aqueles que ocupam os mais altos postos no âmbito dos Po-
deres da República, estando ligados às decisões fundamentais do Estado e possuindo
grande parte de suas competências estabelecidas diretamente pela Constituição. Outra
peculiaridade desta classe é o alto nível de autonomia que possuem para tomar as suas
decisões.
• Os agentes administrativos são todas as pessoas investidas no âmbito de um órgão ou
entidade da administração pública, com competências executórias e tendo seus direitos
e deveres sendo regulados por meio de uma lei, e não diretamente da Constituição.
• Os agentes administrativos podem vir a ocupar cargos, empregos ou funções públicas
no âmbito da estrutura da administração pública.
• Os cargos públicos podem ser conceituados como o conjunto de atribuições, respon-
sabilidades, direitos e obrigações que são atribuídas aos servidores públicos para o de-
sempenho das suas atividades funcionais.
• Os empregos públicos são exercidos por pessoas que se sujeitam às regras da CLT, tal
como ocorre com os funcionários da iniciativa privada, mas com a peculiaridade de es-
tarem exercendo suas atribuições no âmbito da administração Pública.
O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 16 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

• Por fim, temos a função pública, que é encontrada pelo critério residual em nosso or-
denamento. Assim, os agentes que não ocuparem um cargo ou um emprego público,
mas que desempenharem atividades em regime de vínculo com o Poder Público, serão
classificados como ocupantes de uma função pública.
• Os agentes honoríficos podem ser compreendidos como pessoas que são designadas
ou requisitadas para a prestação de um determinado serviço público em razão de carac-
terísticas que lhes são próprias, tal como a honra e a capacidade profissional.
• Agentes credenciados são os que recebem a incumbência da Administração para re-
presentá-la em determinado ato ou para praticar certa atividade específica mediante
remuneração do Poder Público credenciante.
• A principal característica dos agentes delegados é o fato de assumirem o risco da ativi-
dade em que atuam. Assim, nestas áreas, o Estado opta por não realizar diretamente o
serviço, ficando apenas com a fiscalização.
• Os particulares em colaboração são pessoas que prestam serviços ao Poder Público
sem vínculo com o Estado.
• O regime jurídico pode ser conceituado como o conjunto de regras que disciplinam os
direitos e as obrigações de uma determinada categoria de agentes públicos.
• Ainda que a imensa maioria dos entes federativos utilize o regime jurídico estatutário
como forma de regular a vida funcional de seus agentes, deve-se salientar que não há
a obrigação, por parte de um determinado ente, da utilização de um regime jurídico
específico.
• O regime estatutário caracteriza-se, basicamente, por ser estabelecido por meio de lei
de cada ente federativo. Assim, tanto a União como os diversos Estados e Municípios
publicam uma lei que regula toda a atividade funcional de seus servidores, incluindo aí
os direitos e as obrigações e os critérios gerais de diversos outros institutos.
• Já o regime celetista é o utilizado pela iniciativa privada e, no âmbito da administração
pública, pelas empresas estatais (empresas públicas e sociedades de economia mis-
ta). Tal regime possui como base normativa a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT)
e assegura aos seus funcionários uma relação de emprego, que pode ser na iniciativa
privada ou, como mencionado, em uma empresa estatal.

Regime Jurídico Estatutário Regime Jurídico Celetista

Regidos por um estatuto Regidos pela CLT

Normas de Direito Público Normas de Direito Privado

Servidores públicos Empregados públicos

Garantias da estabilidade Direitos como o FGTS

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 17 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

• Em sentido restrito, a expressão “servidores públicos” compreende os agentes públi-


cos que estão sendo regidos por um estatuto funcional.
• Servidores públicos em sentido amplo são as pessoas físicas que prestam serviços ao
Estado e às entidades da administração indireta, com vínculo empregatício e mediante
remuneração paga pelos cofres públicos.
• Temos, dessa forma, que o conceito de servidor público em sentido amplo abrange três
categorias distintas: a) estatutários ou servidor público em sentido estrito; b) empre-
gados públicos; c) temporários.
• Os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis aos brasileiros que preencham
os requisitos estabelecidos em lei, assim como aos estrangeiros, na forma da lei.
• O STF possui entendimento sumulado de que o limite de idade como condição para a
participação em concurso público apenas é válido quando decorrer das necessidades
das atribuições do cargo que será exercido.
• O exame psicotécnico pode ser estabelecido para concurso público desde que por lei,
tendo por base critérios objetivos de reconhecido caráter científico, devendo existir,
inclusive, a possibilidade de reexame.
• Viola o princípio constitucional da isonomia norma que estabelece como título o mero
exercício de função pública.
• Com a aprovação dos candidatos e a homologação do respectivo concurso, os aprova-
dos dentro do número inicial de vagas previstas no edital possuem, segundo entendi-
mento do STF, direito subjetivo à nomeação.
• A comprovação do atendimento dos requisitos exigidos no edital deve ser feita no mo-
mento da posse, e não na inscrição ou na data de realização das provas.
• Com a entrada em vigor da Emenda Constitucional n.19, ocorrida em 1998, o sistema
remuneratório da administração pública passou a contar com três formas distintas de
categorias jurídicas, sendo elas o subsídio, os vencimentos e o salário.
• O subsídio caracteriza-se por ser a forma de pagamento realizado em parcela única,
sendo vedado o acréscimo de qualquer tipo de gratificação, adicional ou verba de re-
presentação.
• O vencimento, também chamado de remuneração em sentido estrito, é a parcela re-
cebida pelos servidores públicos estatutários. Compreende o vencimento básico, que
corresponde ao padrão que cada servidor ocupa na carreira, acrescido das vantagens
pecuniárias previstas em lei, tais como as gratificações, os adicionais, os abonos e as
ajudas de custo.
• Por salário devemos entender o valor que é pago aos empregados públicos, uma vez
que estes, ainda que integrantes das entidades da administração indireta, encontram-
-se submetidos ao mesmo regime jurídico dos trabalhadores da iniciativa privada, fa-
zendo jus a todas as regras e direitos a eles garantidos.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 18 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

• A remuneração em sentido amplo compreende todas as espécies remuneratórias que


sejam passíveis de pagamento aos agentes públicos, dela fazendo parte, por exemplo,
os vencimentos, os salários e os subsídios.
• Em sentido estrito, a remuneração compreende os vencimentos e as gratificações, adi-
cionais e demais verbas passíveis de pagamento aos servidores.
• Como regra, é vedada a acumulação remunerada de cargos, empregos ou funções pú-
blicas, vedação esta que se estende, de acordo com a previsão constitucional, às subsi-
diárias e sociedades controladas, direta ou indiretamente, pelo Poder Público.
• Em caráter de exceção, a Constituição Federal apresenta as situações em que a acumu-
lação será lícita. Para tal, deverá ser observada, em todos os casos, a compatibilidade
de horários. São hipóteses de acumulação previstas na Constituição Federal: a) a de
dois cargos de professor; b) a de um cargo de professor com outro técnico ou científico;
c) a de dois cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde, com profissões
regulamentadas; d) Cargo de juiz com outro de magistério; e) Cargo de membro do Mi-
nistério Público com outro de magistério; f) Cargo eletivo de vereador com o cargo ocu-
pante pelo servidor eleito;

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 19 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

QUESTÕES DE CONCURSO
001. (CEBRASPE-CESPE/SOLD/PM-TO/QPPM/2021) A característica do ato administrativo
em que o ato tão logo praticado possa ser imediatamente executado e seu objeto imediata-
mente alcançado é a
a) presunção de legitimidade.
b) imperatividade.
c) autoexecutoriedade.
d) discricionariedade.
e) coercibilidade.

002. (CEBRASPE-CESPE/TSB (ANM)/ANM/2021) No que diz respeito aos princípios fun-


damentais, concessão, autorização, permissão e atos da administração pública, julgue o
item a seguir.
A administração pública pode revogar seus próprios atos eivados de vícios, ou ainda pelo judi-
ciário, mediante provocação.

003. (CEBRASPE-CESPE/AFRDF/SEFAZ-DF/2020) O item apresenta uma situação hipotética


seguida de uma assertiva a ser julgada, acerca de atos administrativos.
Em um único ato administrativo, foram concedidas férias e licença a um servidor público da
Secretaria de Estado de Economia do Distrito Federal. Na semana seguinte, publicou-se ou-
tro ato, que ratificava as férias desse servidor e retirava-lhe a licença concedida, por ter sido
constatado que ele não fazia jus à licença. Nessa situação, realizou-se a convalidação do ato
administrativo, por meio de reforma.

004. (CEBRASPE-CESPE/AUXJ/TJ-PA/”SEM ÁREA”/2020) O atributo ou característica do ato


administrativo que assegura que o ato é verdadeiro, mesmo que eivado de vícios ou defeitos,
até que se prove o contrário, denomina-se
a) finalidade.
b) exequibilidade.
c) autoexecutoriedade.
d) coercibilidade.
e) presunção de legitimidade.

005. (CEBRASPE-CESPE/AUXJ/TJ-PA/”SEM ÁREA”/2020) A propriedade da administração


de, por meios próprios, pôr em execução suas decisões decorre do atributo denominado
a) exigibilidade.
b) autoexecutoriedade.
c) vinculação.
d) discricionariedade.
e) medidas preventivas.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 20 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

006. (CEBRASPE-CESPE/PJ/MPE-CE/2020) Com o fim de assegurar a adequação na pres-


tação do serviço e o fiel cumprimento das normas previstas em contrato de concessão de
serviço público, o poder público concedente, mesmo sem autorização judicial, interveio na con-
cessão por meio de resolução que previu a designação de interventor, o prazo da intervenção
e os objetivos e limites da medida interventiva. Nessa situação hipotética, o ato administrativo
de intervenção encontra-se eivado de vício quanto
a) à forma.
b) ao objeto.
c) ao motivo.
d) à finalidade.
e) à competência.

007. (CEBRASPE-CESPE/AFRDF/SEFAZ-DF/2020) Em relação à organização do Estado e da


administração pública, julgue o seguinte item.
O princípio da legalidade se aplica apenas ao Poder Executivo federal.

008. (CEBRASPE-CESPE/ASSJ (TJ-AM)/”SEM ÁREA”/2019) A respeito da organização admi-


nistrativa da administração pública, julgue o item que se segue.
A relação entre a administração pública e seus administrados é caracterizada pela verticalidade.

009. (CEBRASPE-CESPE/TEC. MIN./MPE-CE/2020) No que diz respeito à administração pú-


blica direta, à administração pública indireta e aos agentes públicos, julgue o item que se segue.
A administração pública indireta é composta por órgãos e agentes públicos que, no âmbito fe-
deral, constituem serviços integrados na estrutura administrativa da presidência da República
e dos ministérios.

010. (CEBRASPE-CESPE/AJ/TJ-PA/DIREITO/2020) A administração indireta inclui as socie-


dades de economia mista, cujos agentes são
a) empregados públicos regidos pela CLT e sujeitos às normas constitucionais relativas a con-
curso público e à vedação de acumulação remunerada de cargos públicos.
b) empregados públicos regidos pela CLT que não se submetem às normas constitucionais
relativas a concurso público nem à vedação de acumulação remunerada de cargos públicos.
c) empregados públicos regidos pela CLT e sujeitos às normas constitucionais relativas a con-
curso público, mas não à vedação de acumulação remunerada de cargos públicos.
d) servidores públicos estatutários sujeitos às normas constitucionais relativas a concurso
público e à vedação de acumulação remunerada de cargos públicos.
e) servidores públicos estatutários sujeitos às normas constitucionais relativas a concurso
público, mas não à vedação de acumulação remunerada de cargos públicos.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 21 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

011. (CEBRASPE-CESPE/ANA GRS (SLU DF)/SLU DF/ADMINISTRAÇÃO/2019) Acerca


das reformas administrativas e da redefinição do papel do Estado brasileiro, julgue o item
subsequente.
A Constituição Federal de 1988 conferiu flexibilidade operacional às fundações e autarquias pú-
blicas ao atribuir-lhes normas de funcionamento distintas das que regem a administração direta.

012. (CEBRASPE-CESPE/DP-DF/2019) A respeito da organização administrativa e de pode-


res e deveres da administração pública, julgue o item seguinte.
É admitida a criação de autarquia por iniciativa de deputado federal, desde que este encaminhe
o respectivo projeto de lei à Câmara dos Deputados e que a matéria verse estritamente sobre
a criação da entidade.

013. (CEBRASPE-CESPE/ASS MIN (MPC TCE-PA)/TCE-PA/CONTROLE EXTERNO/2019)


Determinado governador pretende que sejam criadas uma nova autarquia e uma nova empre-
sa pública em seu estado.
Nessa situação, serão necessárias
a) duas leis específicas: uma para a criação da autarquia e outra para a criação da empre-
sa pública.
b) uma lei específica para a criação da autarquia e outra para a autorização da instituição da
empresa pública.
c) uma lei específica para a criação da empresa pública e outra para a autorização da institui-
ção da autarquia.
d) autorizações legais na norma geral acerca da nova organização da administração pública
estadual, não havendo necessidade de a criação de nenhuma das entidades ser feita por lei.
e) duas leis específicas: uma para a autorização da criação da empresa pública e outra para a
autorização da criação da autarquia.

014. (CEBRASPE-CESPE/JE TJPR/2019) As pessoas jurídicas de direito privado que com-


põem a administração pública são
a) investidas de poderes de autoridade e encarregadas de realizar funções de interesse públi-
co, a partir da descentralização de poderes.
b) passíveis de integrar tanto a administração pública direta quanto a indireta.
c) criadas por atos de direito privado, mas a sua instituição depende de autorização legislativa.
d) instituídas para fins de desconcentração de poderes e de competências administrativas.

015. (CEBRASPE-CESPE/NER (TJDFT)/TJDFT/REMOÇÃO/2019) Na hipótese de um ente fe-


derado pretender instituir uma fundação pública de direito público, a criação dessa entidade
deverá ser formalizada por meio de
a) lei ordinária, cabendo a decreto regulamentar definir as áreas de sua atuação.
b) lei complementar, cabendo a lei ordinária definir as áreas de sua atuação.
O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 22 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

c) autorização em lei ordinária específica, cabendo a decreto regulamentar definir as áreas de


sua atuação.
d) autorização em lei ordinária específica, cabendo a lei complementar definir as áreas de
sua atuação.
e) autorização em lei complementar específica, cabendo a lei ordinária definir as áreas de
sua atuação.

016. (CEBRASPE-CESPE/ASSP/PGE-PE/2019) A respeito da organização administrativa da


administração pública, julgue o item a seguir.
Desconcentração administrativa consiste na distribuição do exercício das funções administra-
tivas entre pessoas jurídicas autônomas.

017. (CEBRASPE-CESPE/TEC. MIN./MPE-CE/2020) O item a seguir apresenta uma situação


hipotética seguida de uma assertiva a ser julgada, acerca dos poderes administrativo.
Um tenente da Marinha do Brasil determinou que um grupo de soldados realizasse a limpeza
de um navio, sob pena de sanção se descumprida a ordem. Nesse caso, o poder a ser exer-
cido pelo tenente, em caso de descumprimento de sua ordem, é disciplinar e deriva do poder
hierárquico.

018. (CEBRASPE-CESPE/TEC. MIN./MPE-CE/2020) O item a seguir apresenta uma situação


hipotética seguida de uma assertiva a ser julgada, acerca dos poderes administrativo.
O corpo de bombeiros de determinada cidade, em busca da garantia de máximo benefício da
coletividade, interditou uma escola privada, por falta de condições adequadas para a evacua-
ção em caso de incêndio. Nesse caso, a atuação do corpo de bombeiros decorre imediatamen-
te do poder disciplinar, ainda que o proprietário da escola tenha direito ao prédio e a exercer o
seu trabalho.

019. (CEBRASPE-CESPE/ASS MIN (MPC TCE-PA)/TCE-PA/CONTROLE EXTERNO/2019) A


permissão para que o poder público interfira na órbita do interesse privado para salvaguardar
o interesse público, restringindo-se direitos individuais, fundamenta-se no
a) poder hierárquico.
b) poder regulamentar.
c) poder de polícia.
d) poder disciplinar.
e) abuso de poder.

020. (CEBRASPE-CESPE/AFRE/SEFAZ-RS/2019) Assunto: Poder de Polícia


O alvará de licença e o alvará de autorização concedidos pela administração pública consti-
tuem meio de atuação do poder
a) disciplinar.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 23 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

b) regulamentar.
c) hierárquico.
d) de polícia.
e) hierárquico e do disciplinar.

021. (CEBRASPE-CESPE/PRF/2019) No tocante aos poderes administrativos e à responsabi-


lidade civil do Estado, julgue o item.
Constitui poder de polícia a atividade da administração pública ou de empresa privada ou con-
cessionária com delegação para disciplinar ou limitar direito, interesse ou liberdade, de modo
a regular a prática de ato em razão do interesse público relativo à segurança.

022. (CEBRASPE-CESPE/TEC. MIN./MPE-CE/2020) No que diz respeito à administração pú-


blica direta, à administração pública indireta e aos agentes públicos, julgue o item que se segue.
Ministros e secretários estaduais e municipais são agentes políticos cujos vínculos funcionais
não têm natureza permanente, mas que, com base no seu poder político, traçam e implemen-
tam políticas públicas constitucionais e políticas públicas de governo.

023. (CEBRASPE-CESPE/ASSJ (TJ-AM)/”SEM ÁREA”/2019) No que se refere aos agentes


públicos, julgue o item subsecutivo.
Emprego público é aquele exercido por vínculo estatutário na administração pública por em-
pregados temporários ou interinos.

024. (CEBRASPE-CESPE/ANA MIN/MPE-CE/DIREITO/2020) Acerca de provimento e vacân-


cia de cargo, emprego ou função pública, julgue o item seguinte.
A partir da promulgação da Constituição Federal de 1988, o provimento de função pública
ocorre somente mediante aprovação em concurso público de provas e títulos.

025. (CEBRASPE-CESPE/AAP/PGE-PE/CALCULISTA/2019) Ainda à luz da Constituição Fe-


deral de 1988, julgue o item subsecutivo.
Governador de estado será remunerado por subsídio fixado em parcela única, com o devido
acréscimo do respectivo adicional de gratificação de função.

026. (CEBRASPE-CESPE/ASS ADM (EBSERH)/EBSERH/2018) Em relação ao direito admi-


nistrativo, julgue o item seguinte.
A proibição estabelecida na Constituição Federal de 1988, acerca de acumulação remunerada
de cargos públicos, não abrange autarquias, fundações, empresas públicas, sociedades de
economia mista, suas subsidiárias, e sociedades controladas, direta ou indiretamente, pelo
poder público.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 24 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

027. (CEBRASPE-CESPE/TEC. MIN./MPE-CE/2020) No que diz respeito à administração pú-


blica direta, à administração pública indireta e aos agentes públicos, julgue o item que se segue.
Cargos, empregos e funções públicas devem ser exercidos por brasileiros que preencham as
condições estabelecidas em lei, contudo, na forma da lei, há possibilidade de acesso para os
estrangeiros.

028. (CEBRASPE-CESPE/AAP/PGE-PE/CALCULISTA/2019) Com base nas disposições


constitucionais relativas a cargos, empregos e funções públicas e nas disposições do Estatuto
dos Funcionários Públicos Civis do Estado de Pernambuco, julgue o item seguinte.
Os cargos em comissão cujas atribuições sejam de direção, chefia e assessoramento são ocu-
pados exclusivamente por servidores efetivos.

029. (CEBRASPE-CESPE/ANA MIN/MPE-CE/DIREITO/2020) Acerca de provimento e vacân-


cia de cargo, emprego ou função pública, julgue o item seguinte.
A partir da promulgação da Constituição Federal de 1988, o provimento de função pública
ocorre somente mediante aprovação em concurso público de provas e títulos.

030. (CEBRASPE-CESPE/DP-DF/2019) Considerando as disposições da Constituição Federal


de 1988 e a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF) a respeito de agentes públicos,
julgue o item a seguir.
Segundo o STF, o surgimento de novas vagas ou a abertura de novo concurso para o mesmo
cargo de certame anterior cujo prazo de validade ainda não tenha terminado, em regra, não
gera automaticamente o direito à nomeação dos candidatos aprovados no certame anterior
fora das vagas previstas no edital.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 25 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

GABARITO
1. c
2. E
3. C
4. e
5. b
6. a
7. E
8. C
9. E
10. a
11. E
12. E
13. b
14. c
15. d
16. E
17. C
18. E
19. c
20. d
21. E
22. C
23. E
24. E
25. E
26. E
27. C
28. E
29. E
30. C

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 26 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

GABARITO COMENTADO
001. (CEBRASPE-CESPE/SOLD/PM-TO/QPPM/2021) A característica do ato administrativo
em que o ato tão logo praticado possa ser imediatamente executado e seu objeto imediata-
mente alcançado é a
a) presunção de legitimidade.
b) imperatividade.
c) autoexecutoriedade.
d) discricionariedade.
e) coercibilidade.

Por meio do atributo da autoexecutoriedade, os atos administrativos podem ser colocados em


prática imediatamente após a edição, sem a necessidade de prévia autorização ou manifesta-
ção do Poder Judiciário.
Letra c.

002. (CEBRASPE-CESPE/TSB (ANM)/ANM/2021) No que diz respeito aos princípios fundamen-


tais, concessão, autorização, permissão e atos da administração pública, julgue o item a seguir.
A administração pública pode revogar seus próprios atos eivados de vícios, ou ainda pelo judi-
ciário, mediante provocação.

O Poder Judiciário não pode revogar os atos editados pela Administração Pública, uma vez que
a revogação, por implicar em um juízo de conveniência e oportunidade, trata-se de medida que
apenas pode ser realizada pelo próprio órgão responsável pela edição.
Errado.

003. (CEBRASPE-CESPE/AFRDF/SEFAZ-DF/2020) O item apresenta uma situação hipotética


seguida de uma assertiva a ser julgada, acerca de atos administrativos.
Em um único ato administrativo, foram concedidas férias e licença a um servidor público da
Secretaria de Estado de Economia do Distrito Federal. Na semana seguinte, publicou-se ou-
tro ato, que ratificava as férias desse servidor e retirava-lhe a licença concedida, por ter sido
constatado que ele não fazia jus à licença. Nessa situação, realizou-se a convalidação do ato
administrativo, por meio de reforma.

No caso, a banca seguiu os entendimento de José dos Santos Carvalho Filho. De acordo com o
autor, a convalidação se divide em três diferentes hipóteses, sendo elas a ratificação, a reforma
e a conversão.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 27 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

Na reforma, em linhas gerais, um novo ato suprime a parte inválida de um ato anterior, manten-
do, contudo, a parte válida deste ato.
Assim, na situação narrada pela questão, estamos diante do processo de convalidação, mais
precisamente por meio de reforma.
Certo.

004. (CEBRASPE-CESPE/AUXJ/TJ-PA/”SEM ÁREA”/2020) O atributo ou característica do ato


administrativo que assegura que o ato é verdadeiro, mesmo que eivado de vícios ou defeitos,
até que se prove o contrário, denomina-se
a) finalidade.
b) exequibilidade.
c) autoexecutoriedade.
d) coercibilidade.
e) presunção de legitimidade.

É por meio do atributo da presunção de legitimidade que os atos administrativos são con-
siderados válidos e em sintonia com o ordenamento jurídico até que se prove o contrário. E
justamente pela possibilidade dos eventuais vícios serem demonstrados pelos particulares
afetados é que a presunção em questão não é absoluta, mas sim relativa.
Letra e.

005. (CEBRASPE-CESPE/AUXJ/TJ-PA/”SEM ÁREA”/2020) A propriedade da administração


de, por meios próprios, pôr em execução suas decisões decorre do atributo denominado
a) exigibilidade.
b) autoexecutoriedade.
c) vinculação.
d) discricionariedade.
e) medidas preventivas.

A autoexecutoriedade trata-se de atributo por meio do qual a Administração Pública pode co-
locar os seus atos administrativos (dentre os quais as decisões) em execução de forma direta,
ou seja, sem a necessidade de autorização do Poder Judiciário.
Letra b.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 28 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

006. (CEBRASPE-CESPE/PJ/MPE-CE/2020) Com o fim de assegurar a adequação na pres-


tação do serviço e o fiel cumprimento das normas previstas em contrato de concessão de
serviço público, o poder público concedente, mesmo sem autorização judicial, interveio na con-
cessão por meio de resolução que previu a designação de interventor, o prazo da intervenção
e os objetivos e limites da medida interventiva. Nessa situação hipotética, o ato administrativo
de intervenção encontra-se eivado de vício quanto
a) à forma.
b) ao objeto.
c) ao motivo.
d) à finalidade.
e) à competência.

Inicialmente, precisamos saber que a intervenção, no âmbito dos serviços públicos, ocorre por
meio da edição de um decreto, e não de uma resolução. Consequentemente, o ato em questão
(edição da resolução pelo Poder Público) apresenta vício de forma.
Letra a.

007. (CEBRASPE-CESPE/AFRDF/SEFAZ-DF/2020) Em relação à organização do Estado e da


administração pública, julgue o seguinte item.
O princípio da legalidade se aplica apenas ao Poder Executivo federal.

O princípio da legalidade é aplicado para todos os Poderes da República de todos os entes


federativos, conforme previsão do texto da Constituição Federal.

Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados,
do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, mora-
lidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte (…)
Errado.

008. (CEBRASPE-CESPE/ASSJ (TJ-AM)/”SEM ÁREA”/2019) A respeito da organização admi-


nistrativa da administração pública, julgue o item que se segue.
A relação entre a administração pública e seus administrados é caracterizada pela verticalidade.

Como decorrência do princípio da supremacia do interesse público, a Administração Pública


ocupa uma posição de superioridade em relação aos administrados. E o fundamento para isso
é que é dever da administração garantir o bem estar da coletividade. Consequentemente, as
relações mantidas entre a administração e os administrados não é pautada na horizontalidade,
mas sim na verticalidade.
Certo.
O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 29 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

009. (CEBRASPE-CESPE/TEC. MIN./MPE-CE/2020) No que diz respeito à administração pú-


blica direta, à administração pública indireta e aos agentes públicos, julgue o item que se segue.
A administração pública indireta é composta por órgãos e agentes públicos que, no âmbito fe-
deral, constituem serviços integrados na estrutura administrativa da presidência da República
e dos ministérios.

A definição apresentada pela questão refere-se à Administração Direta, e não à Administração


Indireta. É possível chegar a esta conclusão na medida em que os serviços integrados na estru-
tura administrativa da presidência da República e dos ministérios, na esfera federal, são órgãos
públicos da Administração Direta.
Errado.

010. (CEBRASPE-CESPE/AJ/TJ-PA/DIREITO/2020) A administração indireta inclui as socie-


dades de economia mista, cujos agentes são
a) empregados públicos regidos pela CLT e sujeitos às normas constitucionais relativas a con-
curso público e à vedação de acumulação remunerada de cargos públicos.
b) empregados públicos regidos pela CLT que não se submetem às normas constitucionais
relativas a concurso público nem à vedação de acumulação remunerada de cargos públicos.
c) empregados públicos regidos pela CLT e sujeitos às normas constitucionais relativas a con-
curso público, mas não à vedação de acumulação remunerada de cargos públicos.
d) servidores públicos estatutários sujeitos às normas constitucionais relativas a concurso
público e à vedação de acumulação remunerada de cargos públicos.
e) servidores públicos estatutários sujeitos às normas constitucionais relativas a concurso
público, mas não à vedação de acumulação remunerada de cargos públicos.

Nas sociedades de economia mista, assim como ocorre com as empresas públicas, estamos
diante de pessoas jurídicas de direito privado, sendo que seus agentes são regidos pelas dis-
posições da CLT.
Contudo, como tais entidades devem observar a regra constitucional da realização de con-
curso público como forma de admissão de pessoal, os agentes são denominados emprega-
dos públicos.
Além disso, deve ser destacado que todas as entidades da Administração Indireta devem ob-
servar a regra constitucional da vedação à acumulação remunerada de cargos, empregos e
funções públicas.
Letra a.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 30 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

011. (CEBRASPE-CESPE/ANA GRS (SLU DF)/SLU DF/ADMINISTRAÇÃO/2019) Acerca


das reformas administrativas e da redefinição do papel do Estado brasileiro, julgue o item
subsequente.
A Constituição Federal de 1988 conferiu flexibilidade operacional às fundações e autarquias
públicas ao atribuir-lhes normas de funcionamento distintas das que regem a administra-
ção direta.

As fundações públicas nada mais são do que uma espécie do gênero autarquia. Ambas as
entidades (autarquias e fundações) possuem normas de funcionamento semelhantes à Admi-
nistração Direta. E prova disso é justamente o fato que de a Administração Direta, juntamente
com as autarquias e fundações púbicas, formam o conceito de “Fazenda Pública”.
Errado.

012. (CEBRASPE-CESPE/DP-DF/2019) A respeito da organização administrativa e de pode-


res e deveres da administração pública, julgue o item seguinte.
É admitida a criação de autarquia por iniciativa de deputado federal, desde que este encaminhe
o respectivo projeto de lei à Câmara dos Deputados e que a matéria verse estritamente sobre
a criação da entidade.

Importante questão para sedimentarmos o entendimento de que a lei específica que institui
as autarquias deve ser de iniciativa do Chefe do Poder Executivo do respectivo ente federativo.
No âmbito federal, por exemplo, caberá ao Presidente da República dar início ao respectivo
projeto de lei.
Errado.

013. (CEBRASPE-CESPE/ASS MIN (MPC TCE-PA)/TCE-PA/CONTROLE EXTERNO/2019)


Determinado governador pretende que sejam criadas uma nova autarquia e uma nova empre-
sa pública em seu estado.
Nessa situação, serão necessárias
a) duas leis específicas: uma para a criação da autarquia e outra para a criação da empre-
sa pública.
b) uma lei específica para a criação da autarquia e outra para a autorização da instituição da
empresa pública.
c) uma lei específica para a criação da empresa pública e outra para a autorização da institui-
ção da autarquia.
d) autorizações legais na norma geral acerca da nova organização da administração pública
estadual, não havendo necessidade de a criação de nenhuma das entidades ser feita por lei.
e) duas leis específicas: uma para a autorização da criação da empresa pública e outra para a
autorização da criação da autarquia.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 31 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

A questão deve ser respondida com base no art. 37, XIX, da Constituição Federal, de seguinte redação:

Art. 37, XIX – somente por lei específica poderá ser criada autarquia e autorizada a instituição de
empresa pública, de sociedade de economia mista e de fundação, cabendo à lei complementar,
neste último caso, definir as áreas de sua atuação;

Na situação apresentada, como estamos diante da criação de duas entidades, duas são as
normas que devem ser editadas: uma lei específica para a criação da autarquia e outra para a
autorização da instituição da empresa pública.
Letra b.

014. (CEBRASPE-CESPE/JE TJPR/2019) As pessoas jurídicas de direito privado que com-


põem a administração pública são
a) investidas de poderes de autoridade e encarregadas de realizar funções de interesse públi-
co, a partir da descentralização de poderes.
b) passíveis de integrar tanto a administração pública direta quanto a indireta.
c) criadas por atos de direito privado, mas a sua instituição depende de autorização legislativa.
d) instituídas para fins de desconcentração de poderes e de competências administrativas.

a) Errada. As pessoas jurídicas de direito privado (empresas públicas e sociedades de eco-


nomia mista) não estão, necessariamente, investidas de poderes de autoridade destinados à
satisfação do interesse público. E isso ocorre na medida em que, quando exploradoras de ati-
vidade econômica, devem elas disputar o mercado em regime de concorrência com as demais
empresas privadas.
b) Errada. As empresas estatais integram apenas a Administração Indireta, e não a Adminis-
tração Direta.
c) Certa. As pessoas jurídicas de direito público são criadas, por meio de atos de direito priva-
do. No entanto, de acordo com as disposições da Constituição Federal, a criação depende de
lei específica autorizativa.

Art. 37, XIX – somente por lei específica poderá ser criada autarquia e autorizada a instituição de
empresa pública, de sociedade de economia mista e de fundação, cabendo à lei complementar, nes-
te último caso, definir as áreas de sua atuação;

d) Errada. As entidades da Administração Indireta não são resultantes do processo de descon-


centração, mas sim de descentralização.
Letra c.
O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 32 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

015. (CEBRASPE-CESPE/NER (TJDFT)/TJDFT/REMOÇÃO/2019) Na hipótese de um ente fe-


derado pretender instituir uma fundação pública de direito público, a criação dessa entidade
deverá ser formalizada por meio de
a) lei ordinária, cabendo a decreto regulamentar definir as áreas de sua atuação.
b) lei complementar, cabendo a lei ordinária definir as áreas de sua atuação.
c) autorização em lei ordinária específica, cabendo a decreto regulamentar definir as áreas de
sua atuação.
d) autorização em lei ordinária específica, cabendo a lei complementar definir as áreas de
sua atuação.
e) autorização em lei complementar específica, cabendo a lei ordinária definir as áreas de
sua atuação.

As fundações públicas, entidades integrantes da Administração Indireta, tem a sua criação


autorizada por meio de lei específica. A norma, no caso, não precisa ser uma lei complementar,
mas sim apenas uma lei ordinária.
No entanto, caberá à lei complementar a definição das áreas de atuação da fundação.

Art. 37, XIX – somente por lei específica poderá ser criada autarquia e autorizada a instituição de
empresa pública, de sociedade de economia mista e de fundação, cabendo à lei complementar, nes-
te último caso, definir as áreas de sua atuação;
Letra d.

016. (CEBRASPE-CESPE/ASSP/PGE-PE/2019) A respeito da organização administrativa da


administração pública, julgue o item a seguir.
Desconcentração administrativa consiste na distribuição do exercício das funções administra-
tivas entre pessoas jurídicas autônomas.

A desconcentração administrativa consiste na repartição interna de competências, resultan-


do, ao contrário do que informado, na criação de órgãos públicos, e não em novas pessoas
jurídicas.
Errado.

017. (CEBRASPE-CESPE/TEC. MIN./MPE-CE/2020) O item a seguir apresenta uma situação


hipotética seguida de uma assertiva a ser julgada, acerca dos poderes administrativo.
Um tenente da Marinha do Brasil determinou que um grupo de soldados realizasse a limpeza
de um navio, sob pena de sanção se descumprida a ordem. Nesse caso, o poder a ser exer-
cido pelo tenente, em caso de descumprimento de sua ordem, é disciplinar e deriva do poder
hierárquico.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 33 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

Questão bastante interessante. Para resolvermos, temos que nos ater à parte do enunciado
que menciona “o poder a ser exercido pelo tenente, em caso de descumprimento de sua ordem
(…)”. Assim, em caso de descumprimento da ordem do Tenente, que foi proferida de acordo
com o poder hierárquico, teremos a aplicação de uma sanção, que é medida decorrente do
poder disciplinar.
Desta forma, em caso de descumprimento da ordem, teremos a aplicação de uma sanção.
Logo, estamos diante do poder disciplinar, que, neste caso, deriva do poder hierárquico.
Certo.

018. (CEBRASPE-CESPE/TEC. MIN./MPE-CE/2020) O item a seguir apresenta uma situação


hipotética seguida de uma assertiva a ser julgada, acerca dos poderes administrativo.
O corpo de bombeiros de determinada cidade, em busca da garantia de máximo benefício da
coletividade, interditou uma escola privada, por falta de condições adequadas para a evacua-
ção em caso de incêndio. Nesse caso, a atuação do corpo de bombeiros decorre imediatamen-
te do poder disciplinar, ainda que o proprietário da escola tenha direito ao prédio e a exercer o
seu trabalho.

A interdição do estabelecimento implica na limitação de um direito individual em prol do inte-


resse da coletividade. Por isso mesmo, a medida decorre do poder de polícia, e não do poder
disciplinar.
Errado.

019. (CEBRASPE-CESPE/ASS MIN (MPC TCE-PA)/TCE-PA/CONTROLE EXTERNO/2019) A


permissão para que o poder público interfira na órbita do interesse privado para salvaguardar
o interesse público, restringindo-se direitos individuais, fundamenta-se no
a) poder hierárquico.
b) poder regulamentar.
c) poder de polícia.
d) poder disciplinar.
e) abuso de poder.

A restrição de direitos individuais em prol do interesse coletivo é medida que decorre do poder
de polícia.
Letra c.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 34 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

020. (CEBRASPE-CESPE/AFRE/SEFAZ-RS/2019) Assunto: Poder de Polícia


O alvará de licença e o alvará de autorização concedidos pela administração pública consti-
tuem meio de atuação do poder
a) disciplinar.
b) regulamentar.
c) hierárquico.
d) de polícia.
e) hierárquico e do disciplinar.

Por meio do poder de polícia, a autoridade administrativa tem a capacidade de limitar deter-
minados direitos e liberdades individuais em prol do interesse da coletividade.
Dentre os diversos instrumentos utilizados para o regular exercício do poder de polícia, te-
mos os alvarás de licença e de autorização.
Na licença, o ato é vinculado (de forma que, caso o particular atenda aos requisitos exigidos,
o alvará deverá ser concedido). Já na autorização, temos um ato precário e discricionário,
podendo a Administração Pública, observado o interesse público, a conveniência e a oportu-
nidade, deferir ou não o pedido.
Letra d.

021. (CEBRASPE-CESPE/PRF/2019) No tocante aos poderes administrativos e à responsa-


bilidade civil do Estado, julgue o item.
Constitui poder de polícia a atividade da administração pública ou de empresa privada ou
concessionária com delegação para disciplinar ou limitar direito, interesse ou liberdade, de
modo a regular a prática de ato em razão do interesse público relativo à segurança.

Realmente constitui poder de polícia a atividade da Administração Pública que, ao limitar


um direito individual, preza pelo interesse coletivo. No entanto, as empresas privadas, bem
como as concessionárias de serviço público, não possuem capacidade para exercer o poder
de polícia.
Errado.

022. (CEBRASPE-CESPE/TEC. MIN./MPE-CE/2020) No que diz respeito à administra-


ção pública direta, à administração pública indireta e aos agentes públicos, julgue o item
que se segue.
Ministros e secretários estaduais e municipais são agentes políticos cujos vínculos funcio-
nais não têm natureza permanente, mas que, com base no seu poder político, traçam e im-
plementam políticas públicas constitucionais e políticas públicas de governo.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 35 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

Tanto os Ministros de Estado quanto os Secretários Estaduais e Municipais são exemplos de


agentes políticos. Tais espécies de agentes, conforme afirmado, não possuem um vínculo ju-
rídico permanente, uma vez que ocupam cargos de livre nomeação e exoneração. Além disso,
estas autoridades, em razão da grande liberdade de atuação que possuem, são responsáveis
por implementar políticas públicas destinadas à coletividade.
Certo.

023. (CEBRASPE-CESPE/ASSJ (TJ-AM)/”SEM ÁREA”/2019) No que se refere aos agentes


públicos, julgue o item subsecutivo.
Emprego público é aquele exercido por vínculo estatutário na administração pública por em-
pregados temporários ou interinos.

O vínculo estatutário é estabelecido em relação aos cargos públicos. No caso dos empregos
públicos, o vínculo é celetista, ou seja, regido pelas disposições da CLT.
Além disso, os empregados públicos são aprovados por meio de concurso público, sendo que
as atividades não são desempenhadas por agentes temporários ou interinos.
Errado.

024. (CEBRASPE-CESPE/ANA MIN/MPE-CE/DIREITO/2020) Acerca de provimento e vacân-


cia de cargo, emprego ou função pública, julgue o item seguinte.
A partir da promulgação da Constituição Federal de 1988, o provimento de função pública
ocorre somente mediante aprovação em concurso público de provas e títulos.

É o provimento de cargos e empregos públicos que depende, como regra geral, da realização de
concurso público. As funções públicas, por sua vez, não dependem da realização de concurso.
A título de exemplo, podemos citar as funções de jurado e de mesário, em que os particulares
são escolhidos de acordo com outros critérios, sem a necessidade de realização de concur-
so público.

Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do
Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralida-
de, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte:
II – a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público
de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego,
na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de
livre nomeação e exoneração;
Errado.
O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 36 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

025. (CEBRASPE-CESPE/AAP/PGE-PE/CALCULISTA/2019) Ainda à luz da Constituição


Federal de 1988, julgue o item subsecutivo.
Governador de estado será remunerado por subsídio fixado em parcela única, com o devido
acréscimo do respectivo adicional de gratificação de função.

O Governador, por ser um ocupante de Poder, realmente receberá por meio de subsídio. No
entanto, esta forma de pagamento veda o acréscimo de adicionais e gratificações, diferente
do que informado pela questão.

Art. 39, 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os Ministros de Estado e os Secre-
tários Estaduais e Municipais serão remunerados exclusivamente por subsídio fixado em parcela
única, vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono, prêmio, verba de represen-
tação ou outra espécie remuneratória, obedecido, em qualquer caso, o disposto no art. 37, X e XI.
Errado.

026. (CEBRASPE-CESPE/ASS ADM (EBSERH)/EBSERH/2018) Em relação ao direito admi-


nistrativo, julgue o item seguinte.
A proibição estabelecida na Constituição Federal de 1988, acerca de acumulação remunera-
da de cargos públicos, não abrange autarquias, fundações, empresas públicas, sociedades
de economia mista, suas subsidiárias, e sociedades controladas, direta ou indiretamente,
pelo poder público.

A vedação constitucional à acumulação remunerada de cargos, empregos e funções públi-


cas alcança, diferente do que informa a questão, as entidades da Administração Indireta,
suas subsidiárias e as sociedades controladas, direta ou indiretamente, pelo poder público.

Art. 37, XVII – a proibição de acumular estende-se a empregos e funções e abrange autarquias,
fundações, empresas públicas, sociedades de economia mista, suas subsidiárias, e sociedades
controladas, direta ou indiretamente, pelo poder público;
Errado.

027. (CEBRASPE-CESPE/TEC. MIN./MPE-CE/2020) No que diz respeito à administra-


ção pública direta, à administração pública indireta e aos agentes públicos, julgue o item
que se segue.
Cargos, empregos e funções públicas devem ser exercidos por brasileiros que preencham as
condições estabelecidas em lei, contudo, na forma da lei, há possibilidade de acesso para os
estrangeiros.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 37 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi

A questão está em plena sintonia com as disposições da Constituição Federal. Como regra
geral, os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis a todos os brasileiros. No caso
dos estrangeiros, o acesso apenas será possível nas situações em que a lei assim permitir.

Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do
Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralida-
de, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte:
I – os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis aos brasileiros que preencham os requi-
sitos estabelecidos em lei, assim como aos estrangeiros, na forma da lei;
Certo.

028. (CEBRASPE-CESPE/AAP/PGE-PE/CALCULISTA/2019) Com base nas disposições


constitucionais relativas a cargos, empregos e funções públicas e nas disposições do Estatuto
dos Funcionários Públicos Civis do Estado de Pernambuco, julgue o item seguinte.
Os cargos em comissão cujas atribuições sejam de direção, chefia e assessoramento são ocu-
pados exclusivamente por servidores efetivos.

São as funções de confiança que são ocupadas exclusivamente por servidores ocupantes de
cargo efetivo. Os cargos em comissão, por sua vez, podem ser ocupados por servidores de
carreira ou até mesmo por terceiros sem vínculo prévio com o Poder Público.

Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do
Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralida-
de, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte:
V – as funções de confiança, exercidas exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo,
e os cargos em comissão, a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos, condições e
percentuais mínimos previstos em lei, destinam-se apenas às atribuições de direção, chefia e as-
sessoramento;
Errado.

029. (CEBRASPE-CESPE/ANA MIN/MPE-CE/DIREITO/2020) Acerca de provimento e vacân-


cia de cargo, emprego ou função pública, julgue o item seguinte.
A partir da promulgação da Constituição Federal de 1988, o provimento de função pública
ocorre somente mediante aprovação em concurso público de provas e títulos.

As funções públicas não dependem da prévia aprovação em concurso público, requisito que
apenas é necessário, como regra geral, para os ocupantes de cargos e empregos públicos.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 38 de 40
AULA ESSENCIAL 80/20
Direito Administrativo
Diogo Surdi
Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do
Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralida-
de, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte:
II – a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público
de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego,
na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de
livre nomeação e exoneração;
Errado.

030. (CEBRASPE-CESPE/DP-DF/2019) Considerando as disposições da Constituição Federal


de 1988 e a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF) a respeito de agentes públicos,
julgue o item a seguir.
Segundo o STF, o surgimento de novas vagas ou a abertura de novo concurso para o mesmo
cargo de certame anterior cujo prazo de validade ainda não tenha terminado, em regra, não
gera automaticamente o direito à nomeação dos candidatos aprovados no certame anterior
fora das vagas previstas no edital.

Importante entendimento do STF. Vamos imaginar que a Administração Pública realizou


concurso para o preenchimento de 50 vagas. Posteriormente, antes do prazo de vencimen-
to do concurso, resolveu ela, como forma de otimizar o seu cadastro de reserva, realizar um
novo concurso.
Seria a medida possível? Sim, encontrando previsão, inclusive, no texto da Constituição Federal.

Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do
Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralida-
de, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte:
IV – durante o prazo improrrogável previsto no edital de convocação, aquele aprovado em concurso
público de provas ou de provas e títulos será convocado com prioridade sobre novos concursados
para assumir cargo ou emprego, na carreira;

Neste caso, o candidato que tivesse sido aprovado no concurso anterior na colocação 51, por
exemplo, teria direito de ser nomeado em razão da realização de um novo concurso? Não! A
obrigação da Administração Pública é a de nomear apenas os candidatos aprovados dentro do
número de vagas estabelecidas no edital (ou seja, 50).
E caso, após a realização do concurso, tenham surgido novas vagas, aquele aprovado fora do
número de vagas previstas no edital tem direito de ser nomeado? Não! A nomeação até pode
acontecer, mas não se trata de um direito subjetivo do particular. O que a Administração está
obrigada é a nomear os candidatos aprovados dentro do número de vagas previstas no edital
do concurso.
Certo.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

www.grancursosonline.com.br 39 de 40
Diogo Surdi
Diogo Surdi é formado em Administração Pública e é professor de Direito Administrativo em concursos
públicos, tendo sido aprovado para vários cargos, dentre os quais se destacam: Auditor-Fiscal da Receita
Federal do Brasil (2014), Analista Judiciário do TRT-SC (2013), Analista Tributário da Receita Federal do
Brasil (2012) e Técnico Judiciário dos seguintes órgãos: TRT-SC, TRT-RS, TRE-SC, TRE-RS, TRT-MS e MPU.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Paula Lima - 05311429496, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.

Você também pode gostar