Você está na página 1de 7

Ministério da Educação

Universidade Tecnológica Federal do Paraná


Campus Pato Branco
Curso Superior de Bacharelado em
Química Industrial

Juliana Bertoldi
Juliana da Silva Carvalho
Nathalia Torres Pereira

Relatório da prática 3
Determinação do calor de reação de neutralização de acido e base forte

Relatório elaborado para a


disciplina de Físico-Química I,
sob a orientação da professora
M.ª Genice Iurckevicz como
requisito parcial para avaliação
do 2º Período.

Pato Branco
Abril de 2016
1. INTRODUÇÃO

O objetivo da 3ª aula experimental foi de determinar o calor de reação de


neutralização de um ácido forte com uma base forte.
Desta forma, sabemos que:

“Se uma reação química se dá num sistema, a


temperatura do sistema imediatamente depois da reação é, em
geral, diferente da temperatura imediatamente antes .”
(Fundamentos de Físico-Química. Castellan, Gilbert Willian. 1986. Página
135).

Para a determinação do calor de neutralização de um acido e base


forte, foi utilizado o Primeiro Princípio da Termodinâmica, também utilizado nas
práticas anteriores, onde sabemos que: “Se um sistema é sujeito a qualquer
transformação cíclica, o trabalho produzido nas vizinhanças é igual ao calor
extraído das vizinhanças” (Fundamentos de Físico-Química. Castellan, Gilbert
Willian. 1986. Página 117).
Sendo assim temos a seguinte igualdade:
Qcedido + Qabsorvido= 0
Neste caso, temos a equação:
Qcalorímetro+ Qreação= Qtotal
A maioria das reações químicas são conduzidas sob pressão constante,
e essa prática não foi diferente, o que, portanto caracteriza que o calor extraído
das vizinhanças é igual à variação de entalpia do sistema. Fundamentos de
Físico-Química. Castellan, Gilbert Willian. 1986. Página 135).
Dessa forma, a variação de entalpia é igual ao calor de reação (Q p).
Onde Qp é o aumento de entalpia do sistema resultante da reação química
proveniente da neutralização de um acido e base forte. (Fundamentos de
Físico-Química. Castellan, Gilbert Willian. 1986. Página 136)

2
2 MATERIAIS

- 1 proveta; - Tela de amianto;


- 1pisseta para água destilada; - Balança analítica;
- 2 béqueres (250 mL); - Bastão de vidro;
- Calorímetro; - Bico de bunsen.
- 1 termômetro;

3 PROCEDIMENTO

1. Mediu-se 100 mL de água na proveta e despejou a mesma no béquer.


2. Aqueceu-se uniformemente a água do béquer, com o auxílio de um
bastão de vidro, até atingir uma temperatura aproximadamente 70°C e
anotou-a.
3. Mediu-se 100 mL de água na proveta de novo e despejou no
calorímetro.
4. Anotou-se a temperatura da água que estava no calorímetro.
5. Adicionou-se a água aquecida ao calorímetro e tampou-o.
6. Acompanhou a temperatura até atingir o seu equilíbrio.
7. Anotou-se a temperatura da água em equilíbrio.
8. Despejou-se a água que estava no calorímetro e secou-o bem.
9. Mediu-se 100 mL de ácido clorídrico de uma solução de 0,5 mols/L com
o auxílio de uma proveta, agitou-o e mediu a temperatura do conjunto.
10. Despejou-se a solução de 100 mL de ácido clorídrico no calorímetro.
11. Lavou o termômetro em água corrente.
12. Mediu-se 100 mL de hidróxido de sódio de uma solução de 0,5 mols/L
com o auxílio de uma proveta e mediu a temperatura do conjunto.
13. Lavou o termômetro em água corrente.
14. Despejou a solução de 100 mL de hidróxido de sódio no calorímetro.
15. Fechou rapidamente o calorímetro e acompanhou-se a temperatura da
solução que estava dentro do calorímetro a cada 15 segundos.
16. Anotou-se a temperatura de equilíbrio.

3
4 RESULTADOS E DISCUSSÃO

Para começar o procedimento de neutralização de ácido e base forte


foi necessária a calibração do calorímetro, e para a obtenção dos resultados da
capacidade térmica do calorímetro utiliza-se a formula:

Q cedido + Q absorvido = 0
Q cedido água quente + Q absorvido água fria + Q absorvido calorímetro = 0
Maq. Caq. ∆Taq + Maf. Caf. ∆Taf+ Ccal.∆Tcal = 0

Onde:
Maq = massa da água quente
Caq = calor específico da água quente
Maf = massa da água fria
Caf = calor específico da água fria

Após a realização dos cálculos encontrou-se a capacidade térmica do


calorímetro, a analise foi feita em duplicata e assim estimada uma média dos
valores. Sendo obtida uma capacidade calorífica de 21,115 cal/ºC.
Com a calibração do calorímetro pôde-se começar o experimento de
determinação do calor da reação, com o término do procedimento temos os
resultados obtidos na pratica e eles estão representados na tabela abaixo.

Tabela de temperatura por tempo de mistura

Tempo (s) T NaOH (°C) T HCl (°C) Tf Mistura (°C) ∆T (°C)

0 26 26 28 2

15 26 26 28 2

30 26 26 28 2

4
Como os valores em mãos, foram observados que houve uma variação
de temperatura no início e ela permaneceu constante até o final da contagem,
colocaram-se apenas os três primeiros valores para não ser uma tabela
completamente igual e a partir desses valores foram feitas as contas.
Calculou-se com a seguinte equação a entalpia de neutralização:

Q calorímetro + Q reação = Q total

Após ter feito todas as contas (em anexo) utilizando os dados obtidos
em laboratório, foi encontrado como entalpia o valor de 970,105 cal para 0,5
mols em concentração de reagente. Comparando esse valor com os da
literatura pode-se chegar à conclusão que a reação de neutralização estudada
foi maior do que os teóricos, isso se dá ao fato de termos diversos fatores
envolvidos e desfavorecendo a reação completa, como: o isolamento total do
sistema - para os cálculos consideramos um sistema totalmente isolado, ao
contrário do que se observa na realidade -, e ainda pode ter acontecido outro
problema muito comum como perda de calor novamente devido ao sistema.

Dados da reação, segundo o site Mundo Educação:


HCl(aq) + NaOH(aq) →  NaCl(aq) + H2O(l)
ΔHneutralização = 57,7 kJ/mol ou 13,8 kcal/mol

5
5 CONCLUSÃO

Obtivemos através do experimento e dos cálculos realizados os valores


da entalpia de neutralização de um ácido forte com uma base forte – no nosso
experimento, usamos o ácido clorídrico e o hidróxido de sódio.
Com a prática realizada pudemos observar e determinar a variação de
entalpia para uma reação de neutralização de forma rápida, ainda que não tão
precisa. Os valores encontrados na bibliografia estão relacionados a 1 mol de
NaOH, e a prática foi feita usando 0,5 mol de NaOH; portanto, não faz muito
sentido comparar objetivamente os dois valores.

6
6 REFERÊNCIAS

ATKINS, Peter. Físico - química. 8 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008. 34 p.

 MUNDO EDUCAÇÃO. Entalpia de neutralização. Disponível em:


<http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/quimica/entalpia-neutralizacao.htm>. 
Acesso em: 13 abr. 2016.

CASTELLAN, Gilbert Willian. Fundamentos de Físico-Química. 1ª ed. Rio de


Janeiro: LTC, 1986.

Você também pode gostar