Você está na página 1de 26

UNIVERSIDADE VIRTUAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

BETUEL CHIOSINE PARADELLO

JEFERSON FERNANDO DOS SANTOS

JOSÉ LUIS GILIOTTI JUNIOR

LAYANNE CALLEJON CAPARROZ

LUIS FELIPE GALDINO CASTRO DA SILVA

MAIBI CRISTINA DE SOUZA DOS SANTOS

MAICON DE SOUZA FLAVIO

SÍLVIA CRISTINA BRASSALOTI

ESTUDO DE CASO SOBRE A PARTICIPAÇÃO NO PROCESSO DE


APRENDIZAGEM REMOTO- 5° ANO-ESCOLA ESTADUAL CARLOS BAROZZI-
FERNADÓPOLIS

FERNANDÓPOLIS - SP

2021
UNIVERSIDADE VIRTUAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

ESTUDO DE CASO SOBRE A PARTICIPAÇÃO NO PROCESSO DE


APRENDIZAGEM REMOTO- 5° ANO-ESCOLA ESTADUAL CARLOS BAROZZI-
FERNADÓPOLIS

Relatório Técnico-Científico apresentado


na disciplina de Projeto Integrador do 2º
semestre de 2021 para o curso de
Licenciatura da Universidade Virtual do
Estado de São Paulo (UNIVESP) –
Fernandópolis.

Tutora: Larissa Pacheco

FERNANDÓPOLIS - SP

2021
BRASSALOTI, Sílvia Cristina. CAPARROZ, Layanne Callejon. FLAVIO, Maicon de
Souza. JUNIOR, José Luis Giliotti. PARADELLO, Betuel Chiosine. SANTOS,
Jeferson Fernando dos. SANTOS, Maibi Cristina de Souza dos SILVA, Luis Felipe
Galdino Castro da. 2021. ESTUDO DE CASO SOBRE A PARTICIPAÇÃO NO
PROCESSO DE APRENDIZAGEM REMOTO- 5° ANO-ESCOLA ESTADUAL
CARLOS BAROZZI-FERNADÓPOLIS 28 páginas. Relatório Técnico-Científico
apresentado na disciplina de Projeto Integrador para o curso de Licenciatura da
Universidade Virtual do Estado de São Paulo (UNIVESP) – Fernandópolis.

RESUMO

Neste relatório foi trabalhado um estudo de caso relacionado às formas de


acesso às aulas remotas, prática amplamente utilizada como medida de prevenção
contra COVID-19, e a influência da ausência de meios de conexão para o processo
de aprendizagem. Tem se por público alvo crianças em idade escolar de 10 a 13
anos que estão no ensino fundamental, e por meio de pesquisa foi desenvolvido um
estudo de caso junto aos pais e responsáveis dos alunos sobre a qualidade e a
existência de formas de acesso às aulas remotas. Por ser uma característica
preponderante no Sistema De Educação Brasileiro a partir da Crise Sanitária do
novo Corona vírus, ou seja, uma realidade que tende a perdurar, as aulas remotas, a
partir de 2020 foram tidas como alternativa viável a crise sanitária e amplamente
inserida na discussão sobre a possibilidade da educação à distância de forma
permanente. Sendo assim, é feito então por este trabalho também uma pesquisa
interna no município de Fernandópolis Estado de São Paulo onde responderíamos
se os principais atores do sistema de ensino são favoráveis a Educação à Distância.
Ainda neste trabalho é verificado, os possíveis impactos da ausência de participação
de determinados alunos no processo de aprendizagem.

Palavras Chaves: Aulas remotas, participação, estudo de caso, COVID-19,


ferramentas,
BRASSALOTI, Sílvia Cristina. CAPARROZ, Layanne Callejon. FLAVIO, Maicon de

Souza. JUNIOR, José Luis Giliotti. PARADELLO, Betuel Chiosine. SANTOS,

Jeferson Fernando dos. SANTOS, Maibi Cristina de Souza dos SILVA, Luis Felipe

Galdino Castro da. CASE STUDY ON PARTICIPATION IN THE REMOTE

LEARNING PROCESS - 5th YEAR STATE SCHOOL CARLOS BAROZZI-

FERNADÓPOLIS 2021. 28 pages. Technical-Scientific Report in discipline of Project

Integrator in Virtual University of São Paulo State. (UNIVESP) - Fernandópolis.

ABSTRACT

This report worked on a case study related to ways of accessing remote classes, a
practice widely used as a preventive measure against COVID-19, and the influence
of the absence of means of connection for the learning process. The target audience
is school-age children from 10 to 13 years old who are in elementary school, and
through research a case study was developed with parents and guardians of
students on the quality and existence of ways to access classes remotes. As a
preponderant feature in the Brazilian Education System from the Sanitary Crisis of
the new Corona virus, that is, a reality that tends to persist, remote classes, from
2020 onwards, were considered a viable alternative to the sanitary crisis and widely
inserted in the discussion on the possibility of permanent distance education.
Therefore, an internal survey in the municipality of Fernandópolis State of São Paulo
is also carried out by this work, where we would answer whether the main actors in
the education system are in favor of Distance Education. Also in this work, the
possible impacts of the lack of participation of certain students in the learning
process are verified.

Key Words: Remote classes, participation, case study, COVID-19, tools,


LISTA DE FIGURAS

Figura 1- Gráfico de participação por gênero .......................................................................................17


Figura 2- Gráfico dos participantes.........................................................................................................18
Figura 3- Gráfico do índice de aprovação/reprovação das aulas remotas de forma definitiva ....19
Figura 4- Ocorrência de problemas com as aulas remotas ................................................................19
Figura 5- Problemas relatados por aqueles que tiveram problemas com a aprendizagem
remota. .................................................................................................................................................20
Figura 6- Índice de satisfação quanto à qualidade das aulas remotas.............................................21
Figura 7- Gráfico das dificuldades apresentadas nas aulas remotas ...............................................22
Figura 8- Avaliação do Estudo de Caso .................................................................................................23
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

SESP- Secretaria de Educação do Estado de São Paulo.


SUMÁRIO
1 - INTRODUÇÃO ....................................................................................................... 8

2 - DESENVOLVIMENTO ......................................................................................... 10

2.1 – Problemas e objetivos ........................................................................................ 10

2.2 - Justificativas ....................................................................................................... 10

2.3 – Fundamentações Teóricas................................................................................. 11

2.4 – Estudo de Caso ................................................................................................. 12

2.5 – Formulário e Campo Amostral ................................................................. 13

2.6 Pesquisa de Avaliação Final ...................................................................... 14

2.7 - Metodologia ........................................................................................................ 14

2.8 – Aplicação das Disciplinas Estudadas no Projeto Integrador. .............................. 15

3 – RESULTADOS .................................................................................................... 16

3.1 Caracterização sócio econômica do campo amostral .......................................... 16

3.2 Implantação do Plano de Pesquisa do Estudo de Caso. ...................................... 16

3.3 – Formulário.......................................................................................................... 17

3.3.1 Participação por gênero ........................................................................... 17

3.3.2 Participação por grupos pré-selecionados no campo amostral................ 18

3.3.3 Índices de reprovação/aprovação da continuidade das aulas remotas.... 18

3.3.4 Índices de ocorrência de problemas com as aulas remotas .................... 19

3.3.5 Índices de satisfação quanto à qualidade das aulas remotas .................. 20

3.3.6. Principais dificuldades das aulas remotas. ............................................. 21

3.4 Pesquisa de Avaliação Final ................................................................................. 22

4 – CONSIDERAÇÕES FINAIS ................................................................................ 24


8

1 - INTRODUÇÃO

Ao longo da história, diversos intelectuais divergem sobre a natureza da


globalização e os notáveis intelectuais de apelo social, em especial o geógrafo e
jornalista Milton Santos, afirmam que a globalização não se concentra apenas na
expansão econômica das nações, como também, em avanços de natureza social,
visto que estreita os laços culturais e políticos. Tal fato segundo Santos (2000)
resulta na interdependência das pessoas, e no rompimento das fronteiras existentes
por meio da comunicação.

Santos (2000) estabelece que a comunicação na sociedade globalizada


ocorre por meio de ferramentas tecnológicas, Bechara (2007) classifica as
ferramentas tecnológicas como canais de comunicação, pois destinam-se a levar a
“mensagem do emissor ao receptor”. No cenário educacional brasileiro durante a
crise sanitária do Covid-19, o canal de comunicação presente entre docentes e
discentes foi estabelecido por meio de ferramentas tecnológicas, especificamente
aplicativos de mensagens.

Considerando que, diversos educadores afirmam que a escola prepara o


indivíduo para a vida em sociedade, principalmente para exercer uma função
profissional. Acontece segundo Firmino (2020) que o mercado de trabalho busca
profissionais habilitados em práticas pouco desenvolvidas em escolas, tais como:
diálogos, debates, relações intra e interpessoais e comunicação com a sociedade
globalizada e tecnológica.

Firmino (2020) acrescenta um novo desafio em relação aos objetivos do


sistema de educação vigente ao estudar uma novidade no cenário educacional
brasileiro proposta em função da crise sanitária imposta pela pandemia do Covid-19.
Ainda segundo Firmino (2020), o referido desafio é corrigir e aprimorar os métodos
educacionais, adaptando-os ao cenário de aprendizagem remota decorrente dos
impactos da crise sanitária.

A questão da aprendizagem remota é abordada por Falcão (2018), que


segundo o autor, no Brasil, ainda não foi regulamentada, e no atual cenário, muitos
dilemas estão sendo aflorados com tal prática. Para Mattar (2010), os discentes
independem de seus docentes para o aprendizado, pois, agora podem aprender em
qualquer hora e lugar. Firmino cita diversos teóricos da linha tradicional, os quais
9

embasam a teoria da educação como construção de conhecimento e, pois, neste


motivo afirmam a trivialidade da presença da criança e do jovem na escola.

Pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha à serviço do conglomerado de


comunicação Folha, responsável pelo periódico Folha de São Paulo, aferiu dados
que sugerem a ausência de meios físicos para acesso ao mundo cibernético das
aulas remotas ou instabilidade dos servidores de internet ou da falta da mesma,
como principais empecilhos para a completa participação de todos os atores no
processo remoto de aprendizagem.

Partindo desse contexto, e tendo por convicção a necessidade de


quantificação dos problemas expostos, pretende-se realizar um estudo de caso
acerca da participação dos discentes no processo de aprendizagem remoto, por
meio da pesquisa de campo desenvolvida junto aos responsáveis, graças a
quantificação dos meios de produção vista de Pensamento Computacional e
métodos de disseminação de conhecimento compreendidos durante a Disciplina de
Didática.
10

2 - DESENVOLVIMENTO

2.1 – Problemas e objetivos

O presente trabalho visa contribuir para ampliação do campo de dados


relativos a efetiva participação de discentes no processo de aprendizagem remoto,
expondo de maneira sucinta os possíveis impactos ocorridos da evasão dos
discentes deste processo. Tal conhecimento permitirá a ampliação da fonte de
dados estatísticos úteis em possíveis ações governamentais para inclusão dos
alunos marginalizados do processo de aprendizagem remota.

O objetivo geral é pesquisa estatística e direcionada dos motivos de não


participação dos discentes no processo de aprendizagem remota, sendo que a partir
da análise das respostas será apontada uma solução condizente ao contexto
socioeconômico do campo amostral alvo da pesquisa, os alunos do 5° ano da
Escola Estadual Carlos Barozzi, no município de Fernandópolis.

De forma mais específica, o objetivo é análise dos impactos da ausência de


meios de acesso ao processo de aprendizagem remoto durante o ano de 2020, por
meio de um estudo simplificado de caso.

Assim será desenvolvido formulário de pesquisa, para atuação como canal


de comunicação entre os responsáveis e a equipe idealizadora deste estudo de caso
simplificado.

2.2 - Justificativas

A inserção dos alunos na sociedade tecnológica se faz necessária em função


do contexto cada vez mais restrito de globalização que a humanidade vivencia
desde meados da década de 1980.

A crise sanitária ocasionada pela Pandemia do vírus Covid-19 contribui


diretamente para acelerar o processo de adoção de meios eletrônicos para
11

aprendizagem, estendendo estes meios inclusive aos ensinos primários, fato este
que resultou em diversos problemas para pais, professores e alunos.

Por se tratar de um vírus novo, não existindo tratamento comprovado, cria-se


um cenário de imprecisão na população, a respeito da adoção prolongada de meios
para aprendizagem remota, e de quanto tempo tal cenário perdurará.

Em tais circunstâncias, diversos educadores e intelectuais notáveis


convergem para necessidade da introdução do discente na sociedade tecnológica, e
para tal prática e amplamente necessário o levantamento de dados estatísticos para
determinar os impactos na vida social do aluno excluso da sociedade tecnológica e
os impactos coletivos desta ausência no processo coletivo de aprendizagem.

2.3 – Fundamentações Teóricas

Santos (2000) afirma que a globalização aglutina boa parte da população em


torno de ideais sociais, econômicos e culturais, todavia, os não inclusos são
discriminados, ficando exclusos do mercando de trabalho e da sociedade
globalizada. A fim de evitar tal cenário, diversos governos ao redor do Planeta
investem em políticas de inclusão, especificamente a inclusão digital.

Segundo Rodrigues (2018), a introdução dos meios de eletrônicos para


acelerar o processo de comunicação é uma tendência da sociedade globalizada
ainda mais no cenário de crise sanitária vigente desde Março de 2020,
especificamente, em 21 de Março de 2020, o Diário Oficial do Estado de São Paulo
publicou o Decreto 64.879, de 20-03-2020, que reconhece o estado de calamidade
pública no Estado de São Paulo. Posteriormente, o Governo do Estado de São
Paulo elaborou o Decreto 64.881, de 22 de março de 2020, que decreta quarentena
no Estado de São Paulo, no contexto da crise sanitária do Sars-Cov-2.

No âmbito da educação, na rede estadual de São Paulo, as aulas começaram


a ser suspensas em 19 de março de 2020, por meio do decreto 64.864, de 16 de
março de 2020, sendo homologada em 19 de março de 2020 a Resolução SEDUC,
de 18 de Março de 2020, que reconhece como letivas as atividades realizadas por
meio do Ensino Remoto.
12

A Constituição Federal de 1988, Carta Magna vigente no País, cita em seu


Capítulo Terceiro, Seção Primeira, Artigo 205, que a “educação, direito de todos e
dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da
sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o
exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.” Sendo assim, em
conformidade com os trabalhos de Firmino (2020) é dever do Estado prover a
inclusão do aluno na sociedade tecnológica de modo a permitir o acesso do mesmo
às aulas remotas.

Assim, o presente trabalho visa realizar um estudo de caso simplificado sobre


a presença dos alunos no processo de aprendizagem remota, expondo os motivos
da não participação e os possíveis impactos desta ausência para os índices gerais
da educação brasileira.

2.4 – Estudo de Caso

Segundo Fialho e Filho (2021) o Estudo de Caso é caracterizado pela


pesquisa que tem por objetivo uma unidade, campo amostral, a ser analisada de
uma “forma mais aprofundada”. Visa ainda segundo os mesmos autores, o
detalhamento de um ambiente, local ou situação qualquer, ou no caso apresentado
neste projeto integrador: uma situação.

Yin (2005), classifica o estudo de caso como um “modo de coletar informação


específica e detalhada, freqüentemente de natureza pessoal, envolvendo o
pesquisador, sobre um indivíduo ou grupos de indivíduos, em uma situação por um
período pré-estabelecido de tempo”. Ainda segundo Yin (2005), o estudo de caso
concentra-se em uma pesquisa investigativa que relaciona os fenômenos atuais
dentro do tempo preciso do seu contexto, sendo praticamente impossível
estabelecer uma fronteira entre o fenômeno e seu contexto.

De acordo com Gil (1991), o estudo de caso se delimita ao estudo sistêmico e


singular de poucos objetos, com o objetivo de permitir um amplo conhecimento e
específico do mesmo. O autor acrescenta que “o delineamento se fundamenta na
idéia de que a análise de uma unidade de determinado universo possibilita a
compreensão da generalidade do mesmo ou, pelo menos, o estabelecimento de
13

bases para uma investigação posterior, mais sistemática e precisa” (GIL, 1991, p.
79).

De forma geral, em acordo com Fialho e filho (20210, o Estudo de Caso


proporciona paralelo com a realidade ao estabelecer a relação cronológica com os
acontecimentos e tem por base a discussão, análise e a possível busca de uma
solução para determinado problema extraído dos problemas vivenciados na
atualidade. Em síntese, segundo os mesmos autores, o estudo de caso trata-se de
uma estratégia metodológica de amplo uso, quando se pretende explanar sobre
determinados fenômenos ou situações, concentrando-se em questões simples, tais
como: “Por que”, “Quando” e “Como”.

2.5 – Formulário e Campo Amostral

No formulário foram abordados os principais questionamentos relacionados à


questão “No atual cenário, qual sua opinião acerca da aprendizagem remota e sobre
os meios nos quais é aplicada, e como está sua participação no atual processo de
aprendizagem” Tem-se por referência dados técnicos do Ministério da Educação,
Secretaria de Educação do Estado do Amazonas e pesquisa de opinião
desenvolvida pelo portal G1 em parceria com o Jornal O Globo.

O formulário desenvolvido pelos autores segue como anexo e as perguntas


nele elencadas são demonstradas a seguir:
 Você é favorável a continuidade das aulas remotas?
 Você já teve problemas com a participação de seus filhos nas aulas
remotas?
 Se sim, dentre as opções quais se aproximam?
 Em relação às aulas remotas, seu conteúdo e qualidade, você se
considera. Onde zero é plenamente insatisfeito e 10 é plenamente satisfeito?
 Em sua opinião, quais os maiores obstáculos para às aulas remotas?

O campo amostral foi restrito, de acordo com Firmino (2020), nos principais
atores do processo educacional juntamente com os alunos são: pais e responsáveis,
14

no contexto da comunidade inserida e relacionada com o 5° da Escola Carlos


Barozzi, por esta razão na formulação do questionário, os autores também
consideraram o mesmo público alvo, excluso os alunos por se tratar do ensino
fundamental, ou seja, alunos com faixa etária entre 10 a 13 anos.

2.6 Pesquisa de Avaliação Final

A pesquisa de avaliação é empregada neste projeto integrador a fim de


verificar de maneira direta o índice de aprovação do estudo de caso proposto, na
comunidade utilizada como campo amostral secundário e reduzido a comunidade
diretiva e docente da Escola Estadual Carlos Barozzi.

2.7 – Metodologia

Neste capítulo será abordada de forma pontual e sucinta a metodologia


empregada para realização do trabalho.

Inicialmente o grupo realizou reuniões através do aplicativo meet utilizando


técnicas de brainstorming e design thinking para resolver as questões e identificar o
problema.

A metodologia utilizada nessa pesquisa foi de cunho qualitativo, a partir de


uma perspectiva social, ouvindo-se os maiores interessados no assunto, ou seja, os
pais, professores e funcionários das Unidades Escolares, sendo o campo amostral
deste estudo de caso composto especificamente por pais e responsáveis, e
relacionando os problemas levantados, aos conceitos de sociedade tecnológica e
globalizada.

Como instrumentos de pesquisa, utilizamos questionários virtuais, através do


aplicativo Google Form nos quais intencionamos perceber as visões dos sujeitos
quanto à avaliação das aulas remotas e a possível exclusão de alguns alunos deste
processo. Esta atividade foi aplicada aos pais, aos professores e funcionários e aos
gestores com o intuito de perceber suas percepções frente o contato direto dentro da
Unidade Escolar.
15

Assim, neste estudo de caso foi desenvolvido um formulário para aplicação


junto aos pais e responsáveis do 5° ano da Escola Estadual Carlos Barozzi, em que
é possível avaliar de maneira quantitativa os índices efetivos de participação dos
alunos no processo de aprendizagem remota. De maneira qualitativa, são avaliados
os motivos para possível exclusão dos alunos do referido processo.

2.8 – Aplicação das Disciplinas Estudadas no Projeto Integrador.

A matéria Didática ministrada pela Prof.a Maria Teresa no 3º Bimestre do 1º


ano de Licenciatura da Universidade Virtual e Estadual de São Paulo, nos
proporcionou base para desenvolver este trabalho quando ao elaborar a
metodologia de trabalho para as ferramentas e as pesquisas, existiu um conjunto de
práticas articuladas de modo artesanal, ou seja, resumidamente a Didática é
estudado meios puros usando a psicologia, mais sociologia da educação planejando
e construindo algo para agir no tempo e no espaço em sala de aula ou fora dela.

Assim, está matéria também proporcionou entendimento que não podemos


levar em conta apenas o saber do professor, mas a situação social do aluno, da
escola, parque, cinema, o teatro, meio dessa criança, faixa etária variada, classes
disciplinadas ou não, afeto, assim as pesquisas tiveram seus resultados.

Os conceitos adquiridos com a disciplina de Pensamento Computacional,


ministrada no 1º Bimestre do 1º ano de Licenciatura da Universidade Virtual e
Estadual de São Paulo, proporcionou aos discentes envolvidos neste Projeto
Integrador o despertar pelos conhecimentos tecnológicos, sintetizando no referido
trabalho a presença do formulário on-line.
16

3 – RESULTADOS

A seguir são apresentados os resultados obtidos neste Projeto Integrador.

3.1 Caracterização sócio econômica do campo amostral

Em acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE, em seu


censo demográfico de 2010, a população de Fernandópolis pode ser classificada
como heterogênea, pois é composta por várias características raciais e
comportamentais. Como classificação econômica destaca-se a renda per capita
estimada em 1.500 reais.

Quanto à inclusão digital, em Fernandópolis, 78% dos habitantes possuem


pelo menos computador móvel, e destes, 65% são assinantes de conexão de
internet.

Tal cenário é de fundamental importância, pois permite exportar as


características gerais do Município ao campo amostral reduzido, alvo da pesquisa.
Destaca-se que o levantamento sócio econômico não foi realizado junto aos
participantes da pesquisa por razões de sigilo de informação.

3.2 Implantação do Plano de Pesquisa do Estudo de Caso.

O estudo de caso foi implantado na Escola Estadual Carlos Barozzi,


especificamente na turma compreendida pelo 5º ano, regido pela Sandra Lúcia
Jorge Chagas. Destaca-se também, a colaboração do diretor da referida unidade
escolar Francisco José Mininel.
O plano de pesquisa do estudo de caso concentrou-se na aplicação de um
formulário aos pais ou responsáveis dos alunos com posterior interpretação e
tratamento estatístico dos dados.
17

3.3 – Formulário

O formulário foi aplicado ao público alvo no período de 27 de Setembro a 04


de Outubro de 2021, em que participaram 32 pessoas previamente selecionadas em
acordo com o campo amostral. Ganha destaque neste campo o aproveitamento de
índices pesquisados ao longo de 2020, no trabalho Ferramentas de retorno às aulas
de proteção contra Covid-19 para fundamental nos anos iniciais do 2º semestre de
2020 – Xô Covid, desenvolvido pela mesma equipe de autores presentes neste
trabalho, excluso a participação de Garcia (2020) e incluso Brassaloti (2021).

3.3.1 Participação por gênero

Como pode ser observado na figura 1, ilustrativa do gráfico de participação


por gênero, o gênero feminino foi mais participativo com índice de participação
superior em 100% ao gênero masculino.

Figura 1- Gráfico de participação por gênero


Fonte: o próprio autor
18

3.3.2 Participação por grupos pré-selecionados no campo amostral

Firmino (2010) aput Rodrigues (2016) destaca o protagonismo de pais ou


responsáveis e professores na tomada de decisão quanto a assuntos escolares. Isto
se reflete na escolha do campo amostral, exclusivo a pais e responsáveis. Para
efeitos de classificação definiu-se pais como progenitores genéticos e responsáveis
como tutores legais. A figura 02 ilustra as proporções.

Figura 2- Gráfico dos participantes


Fonte: o próprio autor

3.3.3 Índices de reprovação/aprovação da continuidade das aulas remotas

O comportamento observado nos índices de satisfação com as aulas remotas


não é refletido na possibilidade de introdução de forma definitiva das mesmas
conforme demonstrado no gráfico ilustrado na figura 3. Destacam-se os índices de
reprovação das aulas remotas, quando adotadas de forma permanente em
praticamente 80%.
19

Figura 3- Gráfico do índice de aprovação/reprovação das aulas remotas de forma definitiva


Fonte: o próprio autor

3.3.4 Índices de ocorrência de problemas com as aulas remotas

O comportamento observado nos índices de satisfação com as aulas remotas


é refletido nos índices de ocorrência de problemas com as aulas remotas,
demonstrados na figura 04. É possível inferir uma relação direta entre as pesquisas,
pois 82% do campo amostral relata problemas com as aulas remotas, enquanto que
79% do campo amostral reprova a continuidade do processo de aprendizagem
remoto.

Figura 4- Ocorrência de problemas com as aulas remotas

Fonte: o próprio autor


20

Dentre os pais que relataram a ocorrência de problemas nas aulas remotas,


52% relatam a inoperância do software, e 22% descrevem a ausência de conexão
como o principal problema, outros 15% afirmam a dispersão do aluno e 11% não
souberam responder. Os índices mencionados são ilustrados na figura 5.

Figura 5- Problemas relatados por aqueles que tiveram problemas com a aprendizagem
remota.

Fonte: o próprio autor

3.3.5 Índices de satisfação quanto à qualidade das aulas remotas

Na figura 6 podemos observar os índices de satisfação com o ensino a


distância. Adotando-se como índice de satisfação notas superiores a sete na escala
utilizada no formulário, praticamente 50% das pessoas pesquisadas estão satisfeitas
ou plenamente satisfeitas com as aulas remotas.
21

Figura 6- Índice de satisfação quanto à qualidade das aulas remotas

Fonte: o próprio autor

3.3.6. Principais dificuldades das aulas remotas.


O gráfico da figura 7 demonstra as maiores dificuldades enfrentadas durante
as aulas remotas. Destaca-se o direcionamento das alternativas propostas segundo
pesquisa na Ouvidoria da Secretaria de Educação de Fernandópolis.
No campo amostral da figura 7 tem-se a inclusão de docentes e servidores do
sistema de educação no campo amostral.
Na primeira colocação se tem as dificuldades com os servidores de internet
expressa na pesquisa com a palavra conexão, na terceira colocação é apresentado
como dificuldade: a dispersão. Sendo que os resultados apresentados como falta de
atenção e uso do celular foram aglutinados em tratamento prévio neste item.

Por fim na quarta colocação é apresentada a falta de interação social, sendo


esta segundo pedagogos a principal dificuldade na adoção do ensino remoto.
22

Figura 7- Gráfico das dificuldades apresentadas nas aulas remotas

Fonte: o próprio autor

Após a análise do gráfico da figura 7, fica notória a proximidade das duas


respostas apresentadas como conexão e software, sendo este interpretado como
meio físico, ou, seja canal de comunicação. Sendo assim, é possível inferir a
legitimidade do estudo de caso na pesquisa das maiores dificuldades das aulas
remotas.

3.4 Pesquisa de Avaliação Final

A pesquisa de avaliação final sobre a importância deste estudo concentrou-se no


campo amostral composto pela equipe docente e diretiva da Escola Estadual Carlos
Barozzi. Sendo que a figura 08 retrata os índices desta avaliação.
23

Figura 8- Avaliação do Estudo de Caso

Fonte: o próprio autor

A análise da figura 08 permite afirmar que 98% dos entrevistados no campo


amostral classificam o estudo de caso desenvolvido neste projeto integrador, ao
menos, como útil aos índices avaliativos da aprendizagem remota.
24

4 – CONSIDERAÇÕES FINAIS

A partir da pesquisa e tratamento dos dados obtidos neste estudo de caso,


evidenciou-se a importância do canal de comunicação para a participação no
processo de aprendizagem remoto, e a consequente inclusão do aluno como
cidadão na comunidade tecnológica. Esta tende a ampliar suas fronteiras em virtude
das consequências do cenário de crise sanitária evidenciado pela pandemia do
Covid-19.
Os índices avaliados a partir da inferência estatística do formulário refletem
que o principal problema durante o processo de aprendizagem remoto é a ausência
de conexão satisfatória com a Internet. Tal fato é resultado da ausência de políticas
públicas de inclusão digital.
O sucesso na escolha do público alvo e o consequente campo amostral deu-
se em função da facilidade da geração presente no ensino fundamental atual de lhe
lidar com os meios tecnológicos. Tal fator, ganha notória importância quando
refletido os índices de participação da tecnologia no mercado de trabalho.
Por meio das pesquisas realizadas, ora no formulário primário, ora no
formulário secundário aplicado em campo amostral reduzido, afirma-se o sucesso
das aulas remotas diante do cenário de crise sanitária, e a ampla rejeição diante da
possibilidade de adoção das aulas remotas como forma permanente de ensino ao
campo amostral estudado, ou seja, ensino fundamental de 09 a 15 anos.
Como possibilidade de minorar o principal problema abordado neste estudo
de caso: a ausência de fonte de internet aos alunos de classe econômica menos
favorecida, sugere-se que a União faça a implantação de um sistema de ensino
remoto com funcionamento independente de Internet, semelhante ao que ocorre
com os principais aplicativos de mensagens presentes na atualidade.
Por fim, apresenta-se como sugestão de pesquisa, a extensão do campo
amostral abordado neste projeto integrador, afim de se ampliar a heterogeneidade
dos resultados observados e exporta-los de forma racional ao cenário atual da
sociedade.
25

5 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Decreto Lei No 8.711, de 23 de setembro de 2020. DISPOE SOBRE A RETOMADA


DAS AULAS E ATIVIDADES ESCOLARES PRESENCIAIS NO MUNICIPIO DE
FERNANDOPOLIS E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. Disponível em:
<https://leismunicipais.com.br/a/sp/f/fernandopolis/decreto/2020/872/8711/decreto-n-
8711-2020-dispoe-sobre-a-retomada-das-aulas-e-atividades-escolares-presenciais-
no-municipio-de-fernandopolis-e-da-outras-providencias>. Acesso em 01 out. 2020.

FALCÃO FILHO, José Leão Marinho. ESCOLA: AMBIENTES, ESTRUTURAS,


VARIÁVEIS E COMPETÊNCIAS. Ensaio: aval. pol. públ. educ. Rio de Janeiro, v. 8,
n. 28, p. 283-312, jul/set. 2000.

FALCÃO FILHO, José Leão Marinho. GESTÃO ESCOLAR COMPARTILHADA:


UMA ABORDAGEM HUMANÍSTICA. Lexington, KY: Amazon.com, 2018.

FIRMINO, Mariana de Araújo Roncato. PEDAGOGIA EM AÇÃO: OS DESAFIOS


DO GESTOR EM TEMPOS DE EDUCAÇÃO REMOTA. Belo Horizonte,v.13,n.1, (1 °
semestre), 2020. Disponível em <file:///C:/Users/Particular/Downloads/23769-
Texto%20do%20artigo-85682-1-10-20200705.pdf>. Acesso em: 03 set. 2020.

LINGNAU, Carina Merkle; NAVARRO, Pedro. A GLOBALIZAÇÃO DA LÍNGUA


ESTRANGEIRA INGLESA:. Web Revista SOCIODIALETO, [S.l.], v. 9, n. 26, p. 1 -
12, abr. 2019.

IMPRENSA OFICIAL. Disponível em: <www.imprensaoficial.com.br> Acesso em: 01


out. 2020.

MANSANI, Mara. COMO FAZER PLANO DE AULA. 4 set. 2017. Disponível em:
<https://novaescola.org.br/conteudo/6746/blog-alfabetizacao-como-fazer-plano-de-
aula> Acesso em: 22 ago. 2020.

MATTAR, João. GAMES EM EDUCAÇÃO: COMO OS NATIVOS DIGITAIS


APRENDEM. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

PORTAL G1. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO ADIA REABERTURA DAS


ESCOLAS PARA 7 DE OUTUBRO: Cidades que estiverem na fase amarela há 28
dias poderão reabrir escolas no dia 8 de setembro para reforço escolar. Mudanças
nas regras foram anunciadas nesta sexta (7) pelo governador João Doria.
Reportagem de Lívia Machado. Disponível em <https://g1.globo.com/sp/sao-
paulo/noticia/2020/08/07/governo-de-sp-adia-reabertura-das-escolas-para-7-de-
outubro.ghtml> Acesso em 04 abr. 2021.
26

RODRIGUES, Walace. CONSTRUINDO O CONCEITO DE VULNERABILIDADE


EDUCACIONAL. IN: Revista Panorâmica. Barra do Garças – MT, vol. 24, jan./jun.
2018, pág. 151-160. Disponível em:
<http://revistas.cua.ufmt.br/revista/index.php/revistapanoramica/article/view/755/1919
1983> Acesso em 03 set. 2020.

SANTOS, Milton. Por UMA OUTRA GLOBALIZAÇÃO: DO PENSAMENTO ÚNICO


À CONSCIÊNCIA UNIVERSAL. São Paulo : Record, 2000.

SILVA, Marco Aurélio. COMO FAZER UM PLANO DE AULA. Disponível em:


<educador.brasileiroescola.uol.com.br> Acesso em: 20 set. 2020.

Você também pode gostar