Você está na página 1de 77

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA


INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA
CAMPUS JOINVILLE

BACHARELADO EM ENGENHARIA MECÂNICA


VENTILAÇÃO, REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR
PROF. CHARLES ASSUNÇÃO

PROJETO DE REFRIGERAÇÃO

Felipe Felix
Jean Carlos Borges
Rhony Cristian Daufenbach

Joinville, junho de 2020


Santa Catarina – Brasil

1
SUMÁRIO

1. OBJETIVOS GERAIS ................................................................................................................ 3


1.1. OBJETIVOS ESPECÍFICOS ................................................................................................ 3
2. LAYOUT DAS CÂMARAS FRIGORÍFICAS.................................................................................. 4
3. TEMPERATURA DAS CÂMARAS E TEMPERATURA AMBIENTE............................................... 7
4. CARGA TÉRMICA.................................................................................................................... 8
4.1. MOTORES ...................................................................................................................... 8
4.2. ILUMINAÇÃO ................................................................................................................. 9
4.3. TRANSFERÊNCIA DE CALOR NOS PAINÉIS SANDUÍCHE ............................................... 10
4.4. CALOR CEDIDO POR PESSOAS ..................................................................................... 13
4.5. CALOR DEVIDO À CIRCULAÇÃO DO AR EXTERNO POR PORTAS E ABERTURAS ........... 13
4.6. CARGA TÉRMICA CÂMARA 1 ....................................................................................... 14
4.7. CARGA TÉRMICA CÂMARA 2 ....................................................................................... 17
4.8. CARGA TÉRMICA CÂMARA 3 ....................................................................................... 21
4.9. CARGA TÉRMICA ANTECÂMARA ................................................................................. 23
4.10. CARGA TÉRMICA TOTAL .......................................................................................... 26
5. FLUIDO REFRIGERANTE ....................................................................................................... 27
6. CONCEITO DO SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO ....................................................................... 28
7. COMPRESSÃO ISENTRÓPICA ............................................................................................... 28
8. ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS .................................................................................. 33
8.1. EVAPORADORES .......................................................................................................... 33
8.2. COMPRESSORES .......................................................................................................... 36
8.3. CONDENSADOR ........................................................................................................... 37
8.4. VÁLVULAS DE EXPANSÃO ............................................................................................ 38
8.5. VÁLVULAS REGULADORAS DE PRESSÃO ..................................................................... 40
9. COMPRESSÃO REAL ............................................................................................................. 40
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................................................... 44
ANEXO 1 – Layout das câmaras frigoríficas................................................................................. 46
ANEXO 2 – Disposição das câmaras no IFSC Joinville .................................................................. 47
ANEXO 3 – Código desenvolvido no software EES: Engineering Equation Solver ....................... 48
ANEXO 4 – Resultados obtidos no software EES: Engineering Equation Solver.......................... 60
APÊNDICE A – Catálogo de evaporadores e condensadores Trineva..........................................65

APÊNDICE B – Catálogo de válvulas de expansão Danfoss..........................................................72

APÊNDICE C – Catálogo de válvulas reguladoras de pressão Danfoss.........................................76

2
1. OBJETIVOS GERAIS

Projetar um sistema de refrigeração capaz de atender três câmaras


frigoríficas e uma antecâmara.

1.1. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 Definir orientação, dimensões e layout das câmaras frigoríficas e


posição da casa de máquinas;
 Definir a temperatura das câmaras frigoríficas;
 Definir material das paredes e do teto das câmaras frigoríficas;
 Calcular a carga térmica das câmaras frigoríficas;
 Escolher o fluido refrigerante.
 Definir o conceito do sistema de refrigeração.
 Estabelecer o estado termodinâmico na saída de cada
equipamento/estágio do sistema.
 Especificar e selecionar os equipamentos principais do sistema de
refrigeração (compressor, condensador, dispositivo de expansão e evaporador).
 Calcular o COP.

3
2. LAYOUT DAS CÂMARAS FRIGORÍFICAS

Para determinação do layout das câmaras frigoríficas, inicialmente foi


calculado o volume necessário em cada câmara para a alocação dos alimentos,
conforme definido no escopo do projeto. A tabela abaixo apresenta a quantidade
de carne e maçãs propostas para o dimensionamento.

Câmara 1 80 toneladas de carne de vaca sem osso


Câmara 2 10 toneladas/dia de carne de vaca sem osso
Câmara 3 10 toneladas de maçãs
Antecâmara Acesso às demais câmaras
TABELA 1 – Quantidade de alimentos em cada câmara

Verifica-se na referência [1] a ”densidade de armazenagem” para carne


congelada sem osso e frutas em caixa, conforme apresentado na imagem a
seguir.

FIGURA 1 – Densidade de armazenagem


Fonte: Matos, 2004

Dividindo a quantidade dos alimentos apresentada na Tabela 1 pela


recomendação de densidade de armazenagem mostrada na Figura 1, obtém-se
o volume necessário para alocar a carne e maçãs nas respectivas câmaras,
conforme apresentado na tabela abaixo. Este volume calculado não compreende
o espaço necessário para circulação, que será definido posteriormente
juntamente como o volume da antecâmara.

Câmara 1 Câmara 2 Câmara 3


Massa do produto [kg] 80000 10000 10000
Densidade de armazenagem [kg/m³] 530 530 440
Volume do produto [m³] 150,94 18,87 22,73
TABELA 2 – Volume para alocação dos alimentos em cada câmara

Definiu-se a utilização de paletes de madeira afim de facilitar a


movimentação dos alimentos dentro das câmaras. Conforme referência [7], os
paletes geralmente possuem as dimensões de 0,14 x 1,0 x 1,2 metros, sendo

4
que a altura de empilhamento de uvas não deve exceder 2,2 metros. Utilizou-se
esta mesma recomendação de altura, pois conforme outras referências é um
valor próximo ao aplicado para outros materiais, [13] e [14]. Com estas
informações, calcula-se o volume de alimento que cada palete pode alocar,
conforme equacionamento abaixo.

𝐴𝑙𝑡𝑢𝑟𝑎 ú𝑡𝑖𝑙 = 2,2 − 0,14 = 2,06𝑚 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 2.1)

𝑉𝑜𝑙𝑢𝑚𝑒 ú𝑡𝑖𝑙 𝑝𝑜𝑟 𝑝𝑎𝑙𝑒𝑡𝑒 = á𝑟𝑒𝑎 𝑑𝑎 𝑏𝑎𝑠𝑒 𝑥 𝑎𝑙𝑡𝑢𝑟𝑎 ú𝑡𝑖𝑙 = 1 . 1,2 . 2,06 = 2,472𝑚3
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 2.2)

Calcula-se então a quantidade de paletes que será necessária em cada


câmara, através da equação abaixo.

𝑉𝑝𝑟𝑜𝑑𝑢𝑡𝑜
𝑛𝑝𝑎𝑙𝑒𝑡𝑒𝑠 = (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 2.3)
𝑉ú𝑡𝑖𝑙

Onde: 𝑛𝑝𝑎𝑙𝑒𝑡𝑒𝑠 = quantidade de paletes necessária na câmara


𝑉𝑝𝑟𝑜𝑑𝑢𝑡𝑜 = volume do produto (definido na tabela 2) [m³]
𝑉ú𝑡𝑖𝑙 = volume útil por palete (definido na equação 2.2) [m³]

Aplicando os valores na equação 2.3, tem-se para a câmara 1:

150,94
𝑛𝑝𝑎𝑙𝑒𝑡𝑒𝑠 1 = = 61,06 ∴ 62 𝑝𝑎𝑙𝑒𝑡𝑒𝑠 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 2.4)
2,472

Definiu-se a distribuição destes 62 paletes em duas fileiras com dezesseis


e outras duas fileiras com quinze paletes.
Para a câmara 2, tem-se:

18,87
𝑛𝑝𝑎𝑙𝑒𝑡𝑒𝑠 2 = = 7,63 ∴ 8 𝑝𝑎𝑙𝑒𝑡𝑒𝑠 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 2.5)
2,472

Assim, definiu-se uma fileira com oito paletes na câmara 2.


Para a câmara 3, tem-se:

22,73
𝑛𝑝𝑎𝑙𝑒𝑡𝑒𝑠 3 = = 9,19 ∴ 10 𝑝𝑎𝑙𝑒𝑡𝑒𝑠 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 2.6)
2,472

Definiu-se a distribuição destes dez paletes em duas fileiras com cinco


paletes.
É necessário prever, também, o espaço para a movimentação da
empilhadeira nas câmaras. A tabela da figura abaixo apresenta recomendações
de largura de corredores para diferentes modelos de empilhadeira.

5
Figura 2 – Largura de corredores para diferentes tipos de empilhadeira
Fonte: https://www.guialog.com.br/ARTIGO217.htm

Definiu-se para este projeto a utilização de corredores com três metros de


largura, assim garante-se, com uma certa margem de segurança, a
movimentação de qualquer modelo de empilhadeira.
Portanto, para o dimensionamento da antecâmara, foi definido um
corredor com três metros, sendo a outra dimensão a soma das larguras das
demais câmaras, considerando nesta soma duas paredes com 200mm de
espessura cada.
A figura abaixo apresenta layout das câmaras. O desenho técnico com as
devidas cotas pode ser conferido no Anexo 1 deste memorial.

FIGURA 3 –Layout das câmaras


Fonte: os autores

6
Optou-se por este modo de distribuição dos paletes visando a
acessibilidade de qualquer lote de carne ou maçã dentro das câmaras. Optando
por uma distribuição mais aglomerada dos paletes seria possível reduzir as
dimensões das câmaras, porém determinados lotes de alimentos ficariam
inacessíveis no seu interior, bloqueados pelos paletes mais à frente, o que
eventualmente poderia acarretar na perda do alimento devido ao seu prazo de
validade.
A tabela abaixo apresenta as dimensões internas obtidas para cada
câmara, bem como as respectivas áreas e volumes.

Largura [m] Comprimento [m] Pé direito [m] Área [m²] Volume [m3]
Câmara 1 11 16,2 3 178,2 534,6
Câmara 2 5,3 8,2 3 43,46 130,38
Câmara 3 5,2 5,2 3 27,04 81,12
Antecâmara 22,3 3 3 66,9 200,7
TABELA 3 – Dimensões internas das câmaras

Para a construção das paredes e teto das câmaras, optou-se pela


utilização de painéis sanduíche com núcleo isolante em poliuretano pois,
conforme referência [3], são indicados para o armazenamento de alimentos nas
temperaturas previstas para este projeto, além de ter um custo moderado e
função estrutural, o que elimina a necessidade de paredes de alvenaria. Estes
painéis são constituídos por um núcleo em espuma rígida de poliuretano com
espessura entre 100 e 200mm, sendo que as faces são compostas de chapas
de aço com espessura entre 0,5 e 0,7mm. A imagem abaixo ilustra esta
composição.

FIGURA 4 – Painéis sanduíche de poliuretano


Fonte: https://www.mecalux.com.br/artigos-logistica/isolamento-termico-nas-camaras-
frigorificas

3. TEMPERATURA DAS CÂMARAS E TEMPERATURA AMBIENTE

Matos (2004) recomenda temperaturas para o armazenamento e


resfriamento de vários alimentos. Com base nesta referência, definiu-se a
temperatura na câmara 1 (armazenamento de carne de vaca), na câmara 2
(resfriamento e congelamento de carne de vaca) e na câmara 3 (armazenamento
de maçãs) conforme tabela abaixo. A temperatura na antecâmara foi fornecida
no escopo do projeto.

7
Câmara 1 -15°C
Câmara 2 -15°C
Câmara 3 -1°C
Antecâmara 10°C
TABELA 4 – Temperatura nas câmaras

Considerou-se que a carne entrará na câmara 1 congelada (à temperatura


de -15°C). Na câmara 2, a carne entrará à temperatura ambiente, devendo ser
resfriada até -15°C. Para as maçãs, foi considerado que já estariam a -1°C ao
entrarem na câmara 3.
Devido ao fato de Joinville não possuir uma estação meteorológica com
dados disponíveis à população, para definição da temperatura ambiente foram
utilizados os dados de uma estação de Itapoá, cidade do norte catarinense que
possui clima semelhante. O gráfico abaixo apresenta as temperaturas máximas
diárias em um período de um ano, onde verifica-se que o maior valor registrado
é próximo de 35°C, sendo este o valor adotado para a temperatura ambiente
neste projeto. Optou-se pela temperatura máxima afim de impor uma situação
crítica e garantir que o sistema estará apto a operar de forma eficiente nos dias
mais quentes.

FIGURA 5 – Gráfico de temperatura ambiente na cidade de Itapoá


Fonte: Adaptado de
http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=estacoes/estacoesAutomaticas

4. CARGA TÉRMICA

Os cálculos desta seção foram feitos com o auxílio do software EES:


Engineering Equation Solver. O código desenvolvido encontra-se no Anexo 3
deste memorial e os resultados obtidos no Anexo 4.

4.1. MOTORES

Conforme escopo do projeto, haverá uma empilhadeira operando nas


câmaras cujo motor possui uma potência nominal de 10 cv. Por conversão de

8
unidade, tem-se que 10 cv equivalem a 7354,99 W e definindo um rendimento
de 85% conforme referência [1], obtém-se:

𝑃𝑛 7354,99
𝑊𝑒𝑚𝑝𝑖𝑙ℎ𝑎𝑑𝑒𝑖𝑟𝑎 = = = 8652,9 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.1.1)
𝜂 0,85

Sabe-se da necessidade de evaporadores no interior de câmaras


frigoríficas, contendo ventiladores que também geram calor durante o
funcionamento. O dimensionamento destes aparelhos não será contemplado
nesta etapa do trabalho acadêmico, porém para efeitos de cálculo definiu-se que
cada câmara possuirá um ventilador com potência real de 270 Watts.

4.2. ILUMINAÇÃO

Para o cálculo do calor gerado pela iluminação, inicialmente foi


pesquisado a iluminância necessária nas luminárias para o ambiente em
questão, conforme recomendação mostrada na imagem a seguir. Considerando
a classe B (iluminação geral para área de trabalho), definiu-se a iluminância de
1000 lúmens por ser um valor intermediário entre os apresentados.

FIGURA 6 – Iluminância de acordo com a tarefa realizada


Fonte: https://www.mundodaeletrica.com.br/a-nbr-5413-iluminancia-de-interiores/

Consultando a tabela da imagem abaixo, verifica-se que iluminância


definida pode ser alcançada com a utilização de luminárias com bulbo de led de
potência 10 Watts espaçadas em 1,42 metros.

9
FIGURA 7 – Tabela para cálculo luminotécnico
Fonte: https://www.vivadecora.com.br/pro/iluminacao/calculo-luminotecnico/

Assim, para definição da potência de iluminação em cada câmara, utiliza-


se a equação abaixo.
𝑃
𝑊𝑖𝑙𝑢𝑚𝑖𝑛𝑎çã𝑜 = √𝐴 . (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.2.1)
𝐿

Onde: A = área da câmara, conforme Tabela 3 [m²]


P = potência das luminárias, conforme figura 7 [W]
L = espaçamento entre luminárias, conforme figura 7 [m]

4.3. TRANSFERÊNCIA DE CALOR NOS PAINÉIS SANDUÍCHE

Com a utilização dos painéis sanduíche, a transferência de calor entre o


meio interno e externo nas câmaras se dará conforme mostrado no esquema a
seguir.

10
FIGURA 8- Esquema da transferência de calor nos painéis sanduíche
Fonte: Os autores

Assim, a equação para obtenção da resistência térmica será:

1 𝐿𝑎ç𝑜 𝐿𝑝𝑢 𝐿𝑎ç𝑜 1


Σ𝑅 = + + + + (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.3.1)
ℎ𝑒𝑥𝑡 . 𝐴 𝑘𝑎ç𝑜 . 𝐴 𝑘𝑝𝑢 . 𝐴 𝑘𝑎ç𝑜 . 𝐴 ℎ𝑖𝑛𝑡 . 𝐴

Onde: Σ𝑅 = somatório das resistências térmicas [m.k/W]


h = coeficiente convectivo [W/m².k]
𝐿𝑎ç𝑜 = espessura da chapa de aço [m]
𝐿𝑝𝑢 = espessura da espuma de poliuretano [m]
𝑘𝑎ç𝑜 = condutividade térmica do aço [W/m.k]
𝑘𝑝𝑢 = condutividade térmica da espuma de poliuretano [W/m.k]
A = área da parede em questão, conforme Anexo 1 [m²]

Definiu-se que as chapas de aço terão espessura de 0,7mm e a espuma


de poliuretano terá espessura de 200mm, conforme referência [3]. A
condutividade térmica do aço e do poliuretano são 52 W/m.k e 0,03 W/m.k
respectivamente, conforme referência [4]. O coeficiente convectivo do ar, tanto
interno quanto externo às câmaras, considerando convecção natural, foi definido
em 25 W/m².k, conforme referência [5].
Devido ao número de faces, cada câmara frigorífica possui 5 fronteiras,
podendo estas serem delimitadas pela parede da câmara adjacente ou pelo
ambiente, conforme ilustrado na imagem abaixo.

11
FIGURA 9 – Fronteiras de cada câmara frigorífica
Fonte: os autores

Em cada face da câmara, o calor transferido pela respectiva parede será


a diferença de temperatura nesta fronteira dividido pelo somatório das
resistências térmicas.
Considerando a câmara 1 como exemplo, cuja temperatura interna é de
-15°C. A face 1 terá como fronteira a antecâmara, cuja temperatura é 10°C, logo
a diferença de temperatura nesta parede será de 25°C. A face 2 terá como
fronteira a câmara 2, cuja temperatura também será -15°C, não havendo,
portanto, diferença de temperatura nesta parede. As faces 3, 4 e 5 terão como
fronteira o ambiente, cuja temperatura foi considerada em 35°C, logo a diferença
de temperatura nestas paredes será de 50°C. A mesma análise é aplicada para
as demais câmaras.
Então, para cada parede, o calor transferido será expresso por:

∆𝑇
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒𝑠 𝑛 = (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.3.2)
Σ𝑅

As paredes que possuem o ambiente como fronteira terão um acréscimo


na temperatura ∆𝑇 devido à influência da radiação solar, sendo esta correção
conforme a orientação da parede, como mostrado na imagem a seguir. Neste
projeto, considerou-se paredes e teto em cor branca.

FIGURA 10 – Correção de temperatura devido à radiação solar


Fonte: Eletrobrás, 2005

Assim, em cada câmara, o calor total transferido pelas paredes será:

𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒𝑠 = 𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 1 + 𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 2 + 𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 3 + 𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 4 + 𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 5 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.3.3)

12
4.4. CALOR CEDIDO POR PESSOAS

O calor gerado por pessoas trabalhando na câmara pode ser obtido na


tabela da imagem a seguir.

FIGURA 11 – Calor gerado por pessoas


Fonte: Matos, 2004

O calor cedido é então calculado com a equação abaixo:

𝑄𝑝𝑒𝑠𝑠𝑜𝑎𝑠 = 𝑛 . 𝑞 . 𝑛𝑝 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.4.1)

Onde: 𝑄𝑝𝑒𝑠𝑠𝑜𝑎𝑠 = calor emitido pelas pessoas [W]


n = número de pessoas na câmara
q = calor gerado por pessoa, conforme figura 11 [kJ/h]
𝑛𝑝 = tempo que cada pessoa permanece na câmara [h/dia]

4.5. CALOR DEVIDO À CIRCULAÇÃO DO AR EXTERNO POR


PORTAS E ABERTURAS

Para definição desta parcela de calor, aplica-se a equação abaixo:

𝑄𝑎𝑏𝑒𝑟𝑡𝑢𝑟𝑎𝑠 = 𝑉. 𝑛. (ℎ𝑒 . 𝜌𝑎𝑟 − ℎ𝑖 . 𝜌𝑖𝑛𝑡 ) (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.5.1)

Onde: 𝑄𝑎𝑏𝑒𝑟𝑡𝑢𝑟𝑎𝑠 = calor devido à circulação do ar externo [W]


V = volume da câmara em questão, conforme Tabela 3 [m³]
n = número de trocas por dia
ℎ𝑒 = entalpia do ar úmido do ambiente [kJ/kg]
ℎ𝑖 = entalpia do ar úmido no interior da câmara [kJ/kg]
𝜌𝑎𝑟 = densidade do ar ambiente, obtido no software EES, [kg/m³]
𝜌𝑖𝑛𝑡 = densidade do ar na câmara, obtido no software EES, [kg/m³]

Para o número de trocas por dia, utiliza-se a recomendação mostrada na


imagem abaixo, conforme o volume da câmara em questão.

13
FIGURA 12 – Recomendação do número de trocas por dia
Fonte: Matos, 2004

Para a entalpia do ar úmido consulta-se a tabela da imagem abaixo,


conforme a temperatura pretendida e a umidade relativa.

FIGURA 13 – Recomendação de entalpia de ar úmido [kJ/m³]


Fonte: Adaptado de Matos, 2004

Conforme referência [2], a umidade relativa recomendada no interior de


câmaras frigoríficas destinadas à carne e maçãs é de 90%. Conforme referência
[6], a umidade relativa média na cidade de Joinville é de 80%.

4.6. CARGA TÉRMICA CÂMARA 1

Para a carga térmica na câmara 1 considera-se calor gerado pelo motor


da empilhadeira, calor gerado pelo ventilador instalado, calor gerado pela
iluminação, calor transferido pelas paredes e teto, calor gerado pelas pessoas
trabalhando na câmara e calor devido à abertura de porta e janelas.

14
Conforme escopo do projeto, a empilhadeira trabalha 4 horas/dia na
câmara 1. Utilizando o valor obtido na equação 4.1.1, tem-se:

4
𝑊𝑒𝑚𝑝𝑖𝑙ℎ𝑎𝑑𝑒𝑖𝑟𝑎 1 = 8652,9 . = 1442,1 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.6.1)
24

Para iluminação, utilizando a equação 4.2.1, tem-se:

10
𝑊𝑖𝑙𝑢𝑚𝑖𝑛𝑎çã𝑜 1 = √11 . 16,2 . = 94 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.6.2)
1,42

Para o calor transferido, utilizando as equações 4.3.1 e 4.3.2, tem-se para


a parede 1 (fronteira com a antecâmara):

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅1_1 = + + + + = 0,204
25 . 33 52 . 33 0,03 . 33 52 . 33 25 . 33 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.6.3)

∆𝑇 10 − (−15)
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 1_1 = = = 122,3 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.6.4)
Σ𝑅1_1 0,204

A parede 2 faz fronteira com a câmara 2 e também com o ambiente


(voltada para o norte). Porém, como a temperatura da câmara 2 é igual à
temperatura da câmara 1, não haverá transferência de calor nesta área de
parede. Calcula-se então apenas a transferência que ocorre na área exposta ao
ambiente:

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅1_2 = + + + + = 0,281
25 . 24 52 . 24 0,03 . 24 52 . 24 25 . 24 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.6.5)

Na variação de temperatura há o acréscimo de 2°C conforme Figura 10:

∆𝑇 (35 + 2) − (−15)
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 1_2 = = = 185 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.6.6)
Σ𝑅1_2 𝐵 0,281

Para a parede 3 (fronteira com o ambiente, voltada para a direção oeste):

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅1_3 = + + + + = 0,204
25 . 33 52 . 33 0,03 . 33 52 . 33 25 . 33 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.6.7)

Na variação de temperatura há o acréscimo de 3°C devido à insolação:

∆𝑇 (35 + 3) − (−15)
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 1_3 = = = 259,8 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.6.8)
Σ𝑅1_3 0,204

Para a parede 4 (fronteira com o ambiente, voltada para a direção sul):

15
1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘
Σ𝑅1_4 = + + + + = 0,139
25 . 48,6 52 . 48,6 0,03 . 48,6 52 . 48,6 25 . 48,6 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.6.9)

∆𝑇 35 − (−15)
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 1_4 = = = 359,7 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.6.10)
Σ𝑅1_4 0,139

Para a parede 5 (teto, fronteira com o ambiente):

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅1_5 = + + + + = 0,038
25.178,2 52.178,2 0,03. 178,2 52. 178,2 25. 178,2 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.6.11)

Na variação de temperatura há um acréscimo de 5°C conforme figura 10:

∆𝑇 (35 + 5) − (−15)
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 1_5 = = = 1447,4 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.6.12)
Σ𝑅1_5 0,038

Assim, soma-se a contribuição de cada parede da câmara, conforme


equação 4.3.3, obtendo:

𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒𝑠 1 = 122,3 + 185 + 259,8 + 359,7 + 1447,4 = 2374,2 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.6.13)

Para o calor gerado por pessoas na câmara 1, sendo 2 pessoas


trabalhando durante 4 horas, utilizando a equação 4.4.1 tem-se:

1000 4
𝑄𝑝𝑒𝑠𝑠𝑜𝑎𝑠 1 = 2 . 1308,38 . . = 121,1 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.6.14)
3600 24

Para o calor devido à circulação de portas e aberturas, aplica-se a


equação 4.5.1 com as devidas conversões de unidades. Considerando o volume
da câmara 534,6m³ conforme calculado na Tabela 3, e sendo sua temperatura
interna menor que 0°C, tem-se que o número de trocas é de 2,7 através de
interpolação dos dados da Figura 12. Sendo a temperatura interna -15°C, a
temperatura ambiente 35°C e umidade relativas informadas na seção 4.5,
encontra-se a entalpia de ar úmido na Figura 13, conforme explicitado abaixo.

534,6 . 2,7 . ((125,6 . 1126) − (−17,58 . 1367))


𝑄𝑎𝑏𝑒𝑟𝑡𝑢𝑟𝑎𝑠 1 = = 2764𝑊
24 . 3600
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.6.15)

Somando as contribuições de calor apresentadas, calcula-se a carga


térmica da câmara 1 conforme abaixo.

𝐶𝑎𝑟𝑔𝑎𝑡é𝑟𝑚𝑖𝑐𝑎 1 = 𝑊𝑣𝑒𝑛𝑡𝑖𝑙𝑎𝑑𝑜𝑟 + 𝑊𝑒𝑚𝑝𝑖𝑙ℎ𝑎𝑑𝑒𝑖𝑟𝑎 1 + 𝑊𝑖𝑙𝑢𝑚𝑖𝑛𝑎çã𝑜 1 + 𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒𝑠 1 +


𝑄𝑝𝑒𝑠𝑠𝑜𝑎𝑠 1 + 𝑄𝑎𝑏𝑒𝑟𝑡𝑢𝑟𝑎𝑠 1 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.6.16)

𝐶𝑎𝑟𝑔𝑎𝑡é𝑟𝑚𝑖𝑐𝑎 1 = 270 + 1442 + 94 + 2374,2 + 121,1 + 2764 = 6795,3 𝑊


(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.6.17)

16
4.7. CARGA TÉRMICA CÂMARA 2

Para a carga térmica na câmara 2 considera-se calor gerado pelo motor


da empilhadeira, calor gerado pelo ventilador instalado, calor gerado pela
iluminação, calor transferido pelas paredes e teto, calor gerado pelas pessoas
trabalhando na câmara, calor latente, calor sensível, calor da embalagem e calor
devido à abertura de portas e janelas.
Na câmara 2, a empilhadeira também trabalha 4 horas/dia. Utilizando o
valor obtido na equação 4.1.1, tem-se:

4
𝑊𝑒𝑚𝑝𝑖𝑙ℎ𝑎𝑑𝑒𝑖𝑟𝑎 2 = 8652,9 . = 1442 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.1)
24

Para iluminação, utilizando a equação 4.2.1, tem-se:

10
𝑊𝑖𝑙𝑢𝑚𝑖𝑛𝑎çã𝑜 2 = √5,3 . 8,2 . = 46,43 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.2)
1,42

Para o calor transferido, utilizando as equações 4.3.1 e 4.3,2 tem-se para


a parede 1 (fronteira com a antecâmara):

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅2_1 = + + + + = 0,424
25 . 15,9 52 . 15,9 0,03 . 15,9 52 . 15,9 25 . 15,9 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.3)

∆𝑇 10 − (−15)
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 2_1 = = = 58,9 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.4)
Σ𝑅2_1 0,424

Para a parede 2 é necessário o cálculo em duas etapas, visto que há


fronteira com a câmara 3 e também com o ambiente (voltada para o norte). Para
a área da parede que faz fronteira com a câmara 3, tem-se:

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅2_2 𝐴 = + + + + = 0,432
25 . 15,6 52 . 15,6 0,03 . 15,6 52 . 15,6 25 . 15,6 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.5)

∆𝑇 1 − (−15)
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 2_2 𝐴 = = = 37 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.6)
Σ𝑅2_2 𝐴 0,432

Para a área da parede 2 que faz fronteira com o ambiente, tem-se:

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅2_2 𝐵 = + + + + = 0,75
25 . 9 52 . 9 0,03 . 9 52 . 9 25 . 9 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.7)

Na variação de temperatura há o acréscimo de 2°C conforme Figura 10:

∆𝑇 (35 + 2) − (−15)
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 2_2 𝐵 = = = 69,3 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.8)
Σ𝑅2_2 𝐵 0,75

17
Assim, a transferência de calor na parede 2 será a soma das equações
4.7.6 e 4.7.8:

𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 2_2 = 37 + 69,3 = 106,3 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.9)

Para a parede 3 (fronteira com o ambiente, voltada para direção oeste):

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅2_3 = + + + + = 0,424
25 . 15,9 52 . 15,9 0,03 . 15,9 52 . 12,9 25 . 15,9 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.10)

Na variação de temperatura há o acréscimo de 3°C devido à insolação:

∆𝑇 (35 + 3) − (−15)
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 2_3 = = = 125 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.11)
Σ𝑅2_3 0,424

Para a parede 4 (fronteira com a câmara 1):

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅2_4 = + + + + = 0,274
25 . 24,6 52 . 24,6 0,03 . 24,6 52 . 24,6 25 . 24,6 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.12)

∆𝑇 −15 − (−15)
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 2_4 = = = 0 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.13)
Σ𝑅2_4 0,274

Para a prede 5 (teto, fronteira com o ambiente):

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅2_5 = + + + + = 0,155
25. 43,46 52. 43,46 0,03. 43,46 52. 43,46 25. 43,46 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.14)

Na variação de temperatura há um acréscimo de 5°C conforme Figura 10:

∆𝑇 (35 + 5) − (−15)
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 2_5 = = = 354,8 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.15)
Σ𝑅 0,155

Assim, soma-se a contribuição de cada parede da câmara, conforme


equação 4.3.3, obtendo:

𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒𝑠 2 = 58,9 + 106,3 + 125 + 0 + 354,8 = 645 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.16)

Para o calor gerado por pessoas na câmara 2, sendo 2 pessoas


trabalhando durante 4 horas, utilizando a equação 4.4.1 tem-se:

1000 4
𝑄𝑝𝑒𝑠𝑠𝑜𝑎𝑠 2 = 2 . 1308,38 . . = 121,2 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.17)
3600 24

Para o cálculo do calor sensível, aplica-se a equação abaixo:

18
𝑚 . 𝑐𝑝 . ∆𝑇
𝑄𝑠𝑒𝑛𝑠í𝑣𝑒𝑙 = (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.18)
24 . 3600

Onde: 𝑄𝑠𝑒𝑛𝑠í𝑣𝑒𝑙 = calor sensível da carne [W]


m = massa da carne [kg] conforme tabela 2
𝑐𝑝 = calor específico da carne [kJ/kg.°C]
∆𝑇 = diferença de temperatura

O calor específico de alguns alimentos pode ser obtido na tabela da


imagem abaixo.

FIGURA 14 – Calor específico de alguns alimentos


Fonte: Adaptado de Matos, 2004

Calcula-se o calor sensível em duas etapas: da temperatura ambiente até


a temperatura de congelamento (aqui denominado 𝑄𝑠𝑒𝑛𝑠í𝑣𝑒𝑙 1 ) e também da
temperatura de congelamento até a temperatura da câmara (𝑄𝑠𝑒𝑛𝑠í𝑣𝑒𝑙 2 ).
Aplicando os valores na equação 4.7.15, tem-se para o calor sensível
antes do congelamento:

10000 . (3,22 . 1000) . (35 − 0)


𝑄𝑠𝑒𝑛𝑠í𝑣𝑒𝑙 1 = = 13044 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.19)
24 . 3600

E para o calor sensível após o congelamento:

10000 . (1,67 . 1000) . (0 − (−15))


𝑄𝑠𝑒𝑛𝑠í𝑣𝑒𝑙 2 = = 2899,3 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.20)
24 . 3600

A quantidade de calor latente pode ser obtida pela equação abaixo:


𝑚 . 𝑐𝑙
𝑄𝑙𝑎𝑡𝑒𝑛𝑡𝑒 = (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.21)
24 . 3600

Onde: 𝑄𝑙𝑎𝑡𝑒𝑛𝑡𝑒 = quantidade de calor latente da carne [W]


m = massa da carne [kg] conforme tabela 2
𝑐𝑙 = calor latente da carne [J/kg.°C] conforme referência [1]

19
Substituindo os valores, tem-se:

10000 . 234360
𝑄𝑙𝑎𝑡𝑒𝑛𝑡𝑒 = = 27125 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.22)
24 . 3600

É necessário considerar também o calor proveniente da embalagem. Para


tanto, utiliza-se a equação abaixo.

𝑚𝑒 . 𝑐𝑒 . (𝑡𝑝 − 𝑡𝑖 )
𝑄𝑒𝑚𝑏𝑎𝑙𝑎𝑔𝑒𝑚 = (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.23)
24 . 3600

Onde: 𝑄𝑒𝑚𝑏𝑎𝑙𝑎𝑔𝑒𝑚 = calor devido à embalagem [W]


𝑚𝑒 = massa da embalagem [kg]
𝑐𝑒 = calor específico da embalagem [J/kg.°C]
𝑡𝑝 = temperatura inicial da embalagem [°C]
𝑡𝑖 = temperatura interna da câmara frigorífica [°C]

Optou-se pela utilização de caixas de papelão com dimensões internas de


45 x 33 x 39 cm, conforme características apresentadas na imagem a seguir.

FIGURA 15 – Características das caixas de papelão


Fonte: Adaptado de https://embalaki.com.br/produto-300-.html

Com o volume de carne a ser armazenado conforme Tabela 2, dimensões


internas da caixa e massa de cada caixa apresentadas na Figura 15, calcula-se
a massa da embalagem conforme equação a seguir.

𝑉𝑐𝑎𝑟𝑛𝑒 18,87
𝑚𝑒 = . 𝑚𝑐𝑎𝑖𝑥𝑎 = . 0,460 = 149,88 𝑘𝑔 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.24)
𝑉𝑐𝑎𝑖𝑥𝑎 0,45 . 0,33 . 0,39

O calor específico do papelão pode ser encontrado na referência [11].


Aplicando os valores na equação 4.7.20, tem-se:

20
149,88 . 1400. (35 − (−15))
𝑄𝑒𝑚𝑏𝑎𝑙𝑎𝑔𝑒𝑚 = = 121,4 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.25)
24 . 3600

Para o calor devido à circulação de portas e aberturas, aplica-se a


equação 4.5.1 com as devidas conversões de unidade. Considerando o volume
da câmara 130,4 m³ conforme calculado na Tabela 3, e sendo sua temperatura
interna menor que 0°C, tem-se que o número de trocas é de 5,8 por interpolação
da tabela da figura 12. Sendo a temperatura interna -15°C, a temperatura
ambiente 35°C e umidade relativas informadas na seção 4.5, encontra-se a
entalpia de ar úmido na figura 13, conforme explicitado na equação abaixo.

130,4 . 5,8 . ((125,6 . 1126) − (−17,58 . 1367))


𝑄𝑎𝑏𝑒𝑟𝑡𝑢𝑟𝑎𝑠 2 = = 1448,4 𝑊
24 . 3600
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.26)

Somando as contribuições de calor apresentadas, calcula-se a carga


térmica da câmara 2 conforme abaixo.

𝐶𝑎𝑟𝑔𝑎𝑡é𝑟𝑚𝑖𝑐𝑎 2 = 𝑊𝑣𝑒𝑛𝑡𝑖𝑙𝑎𝑑𝑜𝑟 + 𝑊𝑒𝑚𝑝𝑖𝑙ℎ𝑎𝑑𝑒𝑖𝑟𝑎 2 + 𝑊𝑖𝑙𝑢𝑚𝑖𝑛𝑎çã𝑜 2 + 𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒𝑠 2 +


𝑄𝑝𝑒𝑠𝑠𝑜𝑎𝑠 2 + 𝑄𝑠𝑒𝑛𝑠í𝑣𝑒𝑙 + 𝑄𝑙𝑎𝑡 + 𝑄𝑒𝑚𝑏 + 𝑄𝑎𝑏𝑒𝑟𝑡𝑢𝑟𝑎𝑠 2 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.27)

𝐶𝑎𝑟𝑔𝑎𝑡é𝑟𝑚𝑖𝑐𝑎 2 = 270 + 1442 + 46,43 + 645 + 121,2 + (13044 + 2899,3) +


27125 + 121,4 + 1448,4 = 46892,7 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.7.28)

4.8. CARGA TÉRMICA CÂMARA 3

Para a carga térmica na câmara 3 considera-se calor gerado pelo motor


da empilhadeira, calor gerado pelo ventilador instalado, calor gerado pela
iluminação, calor transferido pelas paredes e teto, calor gerado pelas pessoas
trabalhando na câmara e o calor biológico gerado pelas maçãs.
Na câmara 3, a empilhadeira também trabalha 4 horas/dia. Utilizando o
valor obtido na equação 4.1.1, tem-se:

4
𝑊𝑒𝑚𝑝𝑖𝑙ℎ𝑎𝑑𝑒𝑖𝑟𝑎 3 = 8652,9 . = 1442 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.8.1)
24

Para iluminação, utilizando a equação 4.2.1, tem-se:

10
𝑊𝑖𝑙𝑢𝑚𝑖𝑛𝑎çã𝑜 3 = √5,2 . 5,2 . = 36,62 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.8.2)
1,42

Para o calor transferido, utilizando as equações 4.3.1 e 4.3.2, tem-se para


a parede 1 (fronteira com a antecâmara):

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅3_1 = + + + + = 0,432
25 . 15,6 52 . 15,6 0,03 . 15,6 52 . 15,6 25 . 15,6 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.8.3)
∆𝑇 10 − (−1)
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 3_1 = = = 25,5 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.8.4)
Σ𝑅3_1 0,432
21
Para a parede 2 (fronteira com o ambiente, voltada para o norte):

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅3_2 = + + + + = 0,432
25 . 15,6 52 . 15,6 0,03 . 15,6 52 . 15,6 25 . 15,6 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.8.5)

Na variação de temperatura há um acréscimo de 2°C conforme Figura 10:

∆𝑇 (35 + 2) − (−1)
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 3_2 = = = 88 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.8.6)
Σ𝑅3_2 0,432

Para a parede 3 (fronteira com o ambiente, voltada para oeste):

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅3_3 = + + + + = 0,432
25 . 15,6 52 . 15,6 0,03 . 15,6 52 . 15,6 25 . 15,6 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.8.7)

Na variação de temperatura há um acréscimo de 3°C conforme Figura 10:

∆𝑇 (35 + 3) − (−1)
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 3_3 = = = 90,3 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.8.8)
Σ𝑅3_3 0,432

Para a parede 4 (fronteira com a câmara 2):

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅3_4 = + + + + = 0,432
25 . 15,6 52 . 15,6 0,03 . 15,6 52 . 15,6 25 . 15,6 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.8.9)

∆𝑇 −15 − (−1)
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 3_4 = = = −32,4 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.8.10)
Σ𝑅3_4 0,432

Para a prede 5 (teto, fronteira com o ambiente):

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅3_5 = + + + + = 0,25
25 . 27,04 52 . 27,04 0,03 . 27,04 52 . 27,04 25 . 27,04 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.8.11)

Na variação de temperatura há um acréscimo de 5°C conforme figura 10:

∆𝑇 (35 + 5) − (−1)
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 3_5 = = = 164 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.8.12)
Σ𝑅3_5 0,25

Assim, soma-se a contribuição de cada parede da câmara, conforme


equação 4.3.3, obtendo:

𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒𝑠 3 = 25,5 + 88 + 90,3 − 32,4 + 164 = 335,4 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.8.13)

Para o calor gerado por pessoas na câmara 3, sendo 2 pessoas


trabalhando durante 4 horas, utilizando a equação 4.4.1 tem-se:

22
1000 4
𝑄𝑝𝑒𝑠𝑠𝑜𝑎𝑠 3 = 2 . 997,01 . . = 92,3 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.8.14)
3600 24

O calor biológico gerado pelas maçãs pode ser calculado pela equação
abaixo.
1000
𝑄𝑏𝑖𝑜𝑙ó𝑔𝑖𝑐𝑜 = 𝑚 . 𝑅 . (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.8.15)
24 . 3600

Onde: 𝑄𝑏𝑖𝑜𝑙ó𝑔𝑖𝑐𝑜 = calor biológico [W]


m = massa de maçãs [kg] conforme tabela 2
R = calor de respiração [kJ/kg.dia] conforme referência [1]

Substituindo os valores, tem-se:

1000
𝑄𝑏𝑖𝑜𝑙ó𝑔𝑖𝑐𝑜 = 10000 . 1,047 . = 121,2 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.8.16)
24 . 3600

Para o calor devido à circulação de portas e aberturas, procede-se da


mesma forma das câmaras anteriores. Com o volume da câmara 81,12 m³,
temperatura interna menor que 0°C, tem-se que o número de trocas é de 9,94
por interpolação da tabela da figura 12. Novamente com as umidades relativas
informadas, temperatura interna -1°C, temperatura ambiente 35°C, encontra-se
a entalpia de ar úmido na figura 13, conforme explicitado na equação abaixo.

81,12 . 9,94 . ((125,6 . 1126) − (−1 . 1295))


𝑄𝑎𝑏𝑒𝑟𝑡𝑢𝑟𝑎𝑠 3 = = 1321 𝑊
24 . 3600
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.8.17)

Somando as contribuições de calor apresentadas, calcula-se a carga


térmica da câmara 3 conforme abaixo.

𝐶𝑎𝑟𝑔𝑎𝑡é𝑟𝑚𝑖𝑐𝑎 3 = 𝑊𝑣𝑒𝑛𝑡𝑖𝑙𝑎𝑑𝑜𝑟 + 𝑊𝑒𝑚𝑝𝑖𝑙ℎ𝑎𝑑𝑒𝑖𝑟𝑎 3 + 𝑊𝑖𝑙𝑢𝑚𝑖𝑛𝑎çã𝑜 3 + 𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒𝑠 3 +


𝑄𝑝𝑒𝑠𝑠𝑜𝑎𝑠 3 + 𝑄𝑏𝑖𝑜𝑙ó𝑔𝑖𝑐𝑜 + 𝑄𝑎𝑏𝑒𝑟𝑡𝑢𝑟𝑎𝑠 3 + 𝑄𝑑𝑒𝑔𝑒𝑙𝑜 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.8.18)

𝐶𝑎𝑟𝑔𝑎𝑡é𝑟𝑚𝑖𝑐𝑎3 = 270 + 1442 + 46,43 + 335,4 + 92,3 + 121,2 + 1321 = 3358,3 𝑊


(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.8.19)

4.9. CARGA TÉRMICA ANTECÂMARA

Para a carga térmica na câmara 4 considera-se calor gerado pelo motor


da empilhadeira, calor gerado pelo ventilador instalado, calor gerado pela
iluminação, calor transferido pelas paredes e teto, e calor gerado pelas pessoas
trabalhando na antecâmara.
Na antecâmara, a empilhadeira trabalha 1 hora/dia. Utilizando o valor
obtido na equação 4.1.1, tem-se:

1
𝑊𝑒𝑚𝑝𝑖𝑙ℎ𝑎𝑑𝑒𝑖𝑟𝑎 4 = 8652,9 . = 360,5 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.1)
24

23
Para iluminação, utilizando a equação 4.2.1, tem-se:

10
𝑊𝑖𝑙𝑢𝑚𝑖𝑛𝑎çã𝑜 4 = √22,3 . 3 . = 57,6 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.2)
1,42

Para o calor transferido, utilizando as equações 4.3.1 e 4.3.2, tem-se para


a parede 1 (fronteira com o ambiente, voltada para leste):

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅4_1 = + + + + = 0,105
25. 64,5 52. 64,5 0,03. 64,5 52. 64,5 25. 64,5 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.3)

Na variação de temperatura há um acréscimo de 3°C conforme Figura 10:

∆𝑇 (35 + 3) − 10
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 4_1 = = = 266,7 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.4)
Σ𝑅4_1 0,105

Para a parede 2 (fronteira com o ambiente, voltada para o norte):

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅4_2 = + + + + = 0,75 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.5)
25. 9 52. 9 0,03. 9 52. 9 25. 9 𝑊

Na variação de temperatura há um acréscimo de 2°C conforme figura 10:

∆𝑇 (35 + 2) − 10
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 4_2 = = = 36 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.6)
Σ𝑅4_2 0,75

Para a parede 3 é necessário fazer o cálculo em três etapas, visto que


esta parede faz fronteira com as câmaras 1, 2 e 3.
Para a área da parede 3 que possui a câmara 1 como fronteira, tem-se:

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅4_3 𝐴 = + + + + = 0,205
25 . 33 52 . 33 0,03 . 33 52 . 33 25 . 33 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.7)

∆𝑇 −15 − 10
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 4_3 𝐴 = = = −122,3 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.8)
Σ𝑅4_3 𝐴 0,205

Para a área da parede 3 que possui a câmara 2 como fronteira, tem-se:

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅4_3 𝐵 = + + + + = 0,424
25 . 15,9 52 . 15,9 0,03 .15,9 52 . 15,9 25 . 15,9 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.9)

∆𝑇 −15 − 10
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 4_3 𝐵 = = = −59 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.10)
Σ𝑅4_3 𝐵 0,424

Para a área da parede 3 que possui a câmara 3 como fronteira, tem-se:

24
1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘
Σ𝑅4_3 𝐶 = + + + + = 0,433
25 . 15,6 52 . 15,6 0,03 .15,6 52 .15,6 25 . 15,6 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.11)

∆𝑇 −1 − 10
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 4_3 𝐶 = = = −25,4 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.12)
Σ𝑅4_3 𝐶 0,433

Assim, a transferência de calor pela parede 3 da antecâmara é a soma


das equações 4.10.8, 4.10.10 e 4.10.12:

𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 4_3 = −122,3 − 59 − 25,4 = −206,7 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.13)

Para a parede 4 (fronteira com o ambiente, voltada para o sul):

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅4_4 = + + + + = 0,75 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.14)
25 . 9 52 . 9 0,03 . 9 52 . 9 25 . 9 𝑊

∆𝑇 35 − 10
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 4_4 = = = 33,3 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.15)
Σ𝑅4_4 0,75

Para a parede 5 (teto, fronteira com o ambiente):

1 0,0007 0,2 0,0007 1 𝑚. 𝑘


Σ𝑅4_5 = + + + + = 0,105
25 . 64,5 52 . 64,5 0,03 . 64,5 52 . 64,5 25 . 64,5 𝑊
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.16)

Na variação de temperatura há um acréscimo de 5°C conforme Figura 10:

∆𝑇 (35 + 5) − 10
𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 4_5 = = = 285,7 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.17)
Σ𝑅4_5 0,105

Assim, soma-se a contribuição de cada parede da câmara, conforme


equação 4.3.3, obtendo:

𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒𝑠 4 = 266,7 + 36 − 206,7 + 33,3 + 285,7 = 415 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.18)

Para o calor gerado por pessoas na câmara 4, sendo 2 pessoas


trabalhando durante 8 horas, utilizando a equação 4.4.1 tem-se:

1000 8
𝑄𝑝𝑒𝑠𝑠𝑜𝑎𝑠 4 = 2 . 758,86 . . = 140,5 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.19)
3600 24

Para o calor devido à circulação de portas e aberturas, adota-se o volume


da câmara 200,7m³ conforme calculado na Tabela 3, com temperatura interna
maior que 0°C, tem-se que o número de trocas é de 5,99 por interpolação da
tabela da Figura 12. Novamente com as umidades relativas informadas,
temperatura interna 10°C, temperatura ambiente 35°C, encontra-se a entalpia de
ar úmido na Figura 13, conforme explicitado na equação abaixo.

25
200,7 . 5,99 . ((125,6 . 1126) − (34,33 . 1244))
𝑄𝑎𝑏𝑒𝑟𝑡𝑢𝑟𝑎𝑠 4 = = 1373,6 𝑊
24 . 3600
(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.20)

Somando as contribuições de calor apresentadas, calcula-se a carga


térmica da câmara 4 conforme abaixo.

𝐶𝑎𝑟𝑔𝑎𝑡é𝑟𝑚𝑖𝑐𝑎 4 = 𝑊𝑣𝑒𝑛𝑡𝑖𝑙𝑎𝑑𝑜𝑟 + 𝑊𝑒𝑚𝑝𝑖𝑙ℎ𝑎𝑑𝑒𝑖𝑟𝑎 4 + 𝑊𝑖𝑙𝑢𝑚𝑖𝑛𝑎çã𝑜 4 + 𝑄𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒𝑠 4 +


𝑄𝑝𝑒𝑠𝑠𝑜𝑎𝑠 4 + 𝑄𝑎𝑏𝑒𝑟𝑡𝑢𝑟𝑎𝑠 4 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.21)

𝐶𝑎𝑟𝑔𝑎𝑡é𝑟𝑚𝑖𝑐𝑎 4 = 270 + 360,5 + 57,6 + 415 + 140,5 + 1373,6 = 2347,2 𝑊


(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.10.22)

4.10. CARGA TÉRMICA TOTAL

Com os valores obtidos, soma-se a carga de cada câmara para se obter


a carga térmica total do projeto, conforme abaixo.

𝐶𝑎𝑟𝑔𝑎𝑡é𝑟𝑚𝑖𝑐𝑎 = 𝐶𝑎𝑟𝑔𝑎𝑡é𝑟𝑚𝑖𝑐𝑎 1 + 𝐶𝑎𝑟𝑔𝑎𝑡é𝑟𝑚𝑖𝑐𝑎 2 + 𝐶𝑎𝑟𝑔𝑎𝑡é𝑟𝑚𝑖𝑐𝑎 3 + 𝐶𝑎𝑟𝑔𝑎𝑡é𝑟𝑚𝑖𝑐𝑎 4


(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.11.1)

𝐶𝑎𝑟𝑔𝑎𝑡é𝑟𝑚𝑖𝑐𝑎 = 6795,3 + 46892,7 + 3358,3 + 2347,2 = 59393,5 𝑊


(𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 4.11.2)

A tabela abaixo apresenta as cargas térmicas das câmaras reunidas e


convertidas para kJ/dia.

Câmara Carga térmica [W] Carga térmica [kJ/dia] Carga térmica [kcal/h]
Câmara 1 6795,3 587113,92 5842,91
Câmara 2 46892,7 4051529,28 40320,46
Câmara 3 3358,3 290157,12 2887,62
Antecâmara 2347,2 202798,08 2018,23
Carga térmica total 59393,5 5131598,4 51069,22
TABELA 5 – Carga térmica das câmaras

No gráfico abaixo verifica-se a contribuição de cada câmara na carga


térmica total.

26
Carga térmica [kJ/dia]
290157,12
; 6%

202798,08
; 4%

4051529,28;
79% 587113,92;
11%

Câmara 1 Câmara 2 Câmara 3 Antecâmara

FIGURA 16 – Contribuição de cada câmara na carga térmica total


Fonte: os autores

5. FLUIDO REFRIGERANTE

Optou-se pela utilização do R-404a como fluido refrigerante devido às


suas boas propriedades para aplicações de média e baixa temperatura, como
armazenamento de alimentos, frigoríficos, máquinas de gelo, transporte e
processo de refrigeração.
Apesar de possuir certo potencial de efeito estufa (GWP), o uso do
refrigerante R404a ainda é permitido no Brasil. Vale destacar que o seu potencial
de destruição da camada de ozônio (ODP) é nulo, ou seja, a composição da
atmosfera do planeta não é afetada pela utilização deste fluido. Possui ainda as
características de não ser inflamável, com toxicidade de baixa
representatividade, conforme apresentado na imagem abaixo.

FIGURA 17 – Características de desempenho do refrigerante R404a


Fonte: https://www.gas-servei.com/images/Dados_tecnicos_R404A.pdf

27
O refrigerante R404a apresenta uma alta eficiência energética, podendo
ser aplicado em uma grande faixa de temperaturas, garantindo uma boa
sustentabilidade. Por apresentar melhores propriedades de transferência de
calor se comparado à alguns outros fluidos, beneficia a eficiência termodinâmica
e reduz os custos de operação da instalação. A utilização deste fluido é
apresentada com maior ênfase nas referências [8] e [9].

6. CONCEITO DO SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO

Como este projeto é composto por quatro câmaras com temperaturas e


cargas térmicas distintas, optou-se por um sistema de compressão conforme
ilustrado a seguir. Este sistema consiste em quatro estágios de expansão e um
estágio de compressão, conforme mostrado no esquema abaixo (apenas para
ilustração do sistema, pois o mesmo não representa o layout real das câmaras).

FIGURA 18 – Esquema do sistema de refrigeração


Fonte: os autores

Verifica-se a necessidade de válvula reguladora de pressão na câmara 3


e antecâmara, pois as temperaturas destas são muito diferentes da temperatura
das câmaras 1 e 2, logo a pressão do fluido refrigerante precisa ser reduzida na
saída dos evaporadores 3 e 4 antes de se misturar à linha de sucção do
compressor.

7. COMPRESSÃO ISENTRÓPICA

As temperaturas de evaporação e condensação necessárias para o


dimensionamento dos equipamentos foram obtidas conforme equações abaixo.

𝑇𝑒𝑣𝑎𝑝𝑜𝑟𝑎çã𝑜 = 𝑇𝑐â𝑚𝑎𝑟𝑎 − ∆𝑇𝑒𝑣𝑎𝑝𝑜𝑟𝑎çã𝑜 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 7.1)

𝑇𝑐𝑜𝑛𝑑𝑒𝑛𝑠𝑎çã𝑜 = 𝑇𝑎𝑚𝑏𝑖𝑒𝑛𝑡𝑒 + ∆𝑇𝑐𝑜𝑛𝑑𝑒𝑛𝑠𝑎çã𝑜 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 7.2)

O valor de ∆𝑇𝑒𝑣𝑎𝑝𝑜𝑟𝑎çã𝑜 pode ser obtido na figura abaixo. Com a umidade


relativa no interior das câmaras de 90% conforme apresentado na seção 4.5,
definiu-se a variação de temperatura de evaporação em 6°C.

28
FIGURA 19 – Variação de temperatura de evaporação
Fonte: Eletrobrás, 2005

Assim tem-se a temperatura de evaporação em cada câmara conforme


tabela abaixo.

Temperatura Temperatura de
interna evaporação
Câmara 1 -15°C -21°C
Câmara 2 -15°C -21°C
Câmara 3 -1°C -7°C
Antecâmara 10°C 4°C
TABELA 6 – Temperaturas de evaporação

Considerando um condensador resfriado a ar, a temperatura de


condensação pode ser obtida conforme imagem abaixo. Sendo a temperatura
ambiente 35°C, a temperatura de condensação é então definida em 45°C.

FIGURA 20 – Variação de temperatura de condensação


Fonte: Eletrobrás, 2005

Foi definido para o sistema um superaquecimento de 8°C, conforme


recomendação Danfoss. Para garantir a ausência de líquido na entrada das
válvulas de expansão foi definido um subresfriamento de 2°C. Assim, obtém-se
a temperatura na saída do condensador e na saída dos evaporadores conforme
equações abaixo.

𝑇𝑠𝑎í𝑑𝑎 𝑐𝑜𝑛𝑑𝑒𝑛𝑠𝑎çã𝑜 = 𝑇𝑐𝑜𝑛𝑑𝑒𝑛𝑠𝑎çã𝑜 + 𝑠𝑢𝑏𝑟𝑒𝑠𝑓𝑟𝑖𝑎𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 7.3)

𝑇𝑠𝑎í𝑑𝑎 𝑒𝑣𝑎𝑝𝑜𝑟𝑎𝑑𝑜𝑟 = 𝑇𝑒𝑣𝑎𝑝𝑜𝑟𝑎çã𝑜 + 𝑠𝑢𝑝𝑒𝑟𝑎𝑞𝑢𝑒𝑐𝑖𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 7.4)

As propriedades termodinâmicas do sistema foram obtidas através do


software Engineering Equation Solver. Valores de pressão, entalpia e entropia
são retornados ao se indicar o fluido refrigerante (R-404a) e a temperatura ou
pressão no ponto pretendido. Assim, a pressão de compressão é obtida
indicando a temperatura de condensação, com esta pressão e a mesma
temperatura obtém-se a entalpia na saída do condensador. Como a expansão é
um processo isentálpico, a entalpia na entrada dos evaporadores é igual à
29
entalpia na saída do condensador. Analogamente, a pressão de evaporação em
cada câmara é obtida indicando as respectivas temperaturas de evaporação, e
com esta pressão e a mesma temperatura obtém-se a entalpia na saída de cada
evaporador. A tabela abaixo apresenta estes valores mencionados.

Câmara 1 Câmara 2 Câmara 3 Antecâmara


Temperatura interna [°C] -15 -15 -1 10
Temperatura de condensação [°C] 45
Temperatura saída do condensador [°C] 47
Pressão de condensação [Pa] 2052000
Entalpia saída do condensador [J/kg] 265083
Entalpia entrada do evaporador [J/kg] 265083 265083 265083 265083
Temperatura de evaporação [°C] -21 -21 -7 4
Temperatura saída do evaporador [°C] -13 -13 1 12
Pressão de evaporação [Pa] 292410 292410 481619 685786
Entalpia saída do evaporador [J/kg] 361554 361554 369727 375764
TABELA 7 – Propriedades termodinâmicas do sistema

A vazão mássica de refrigerante em cada câmara pode ser obtida pela


equação abaixo:
𝑄𝑒̇
𝑚̇ = (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 7.5)
ℎ1 − ℎ4

Onde: 𝑚̇ = vazão mássica de refrigerante [kg/s]


𝑄𝑒̇ = capacidade de refrigeração (carga térmica) [W]
ℎ1 = entalpia na saída do evaporador [J/kg]
ℎ4 = entalpia na entrada do evaporador [J/kg]

A vazão mássica total do sistema é a soma da vazão mássica de cada


câmara.
Assim, com os valores de carga térmica em cada câmara apresentados
na Tabela 5 e os valores de entalpia apresentados na Tabela 7, obtém-se os
valores de vazão mássica conforme tabela abaixo.

Câmara 1 Câmara 2 Câmara 3 Antecâmara


Vazão mássica de refrigerante [kg/s] 0,07 0,49 0,03 0,02
Vazão mássica total [kg/s] 0,61
TABELA 8 – Vazão mássica do sistema

A potência de compressão isentrópica é obtida com a equação a seguir:

𝑊𝑐𝑝 = 𝑚̇ . (ℎ2 − ℎ1 ) (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 7.6)

Onde: 𝑊𝑐𝑝 = potência de compressão isentrópica [W]


𝑚̇ = vazão mássica total de refrigerante [kg/s]
ℎ2 = entalpia na descarga do compressor [J/kg]
ℎ1 = entalpia na sucção do compressor [J/kg]

30
Como cada câmara possui carga térmica e temperaturas distintas, para o
cálculo da entalpia na sucção do compressor se faz necessária a média
ponderada das entalpias na saída de cada câmara, conforme equação
apresentada abaixo:

(𝑚̇1 . ℎ1,1 ) + (𝑚̇2 . ℎ1,2 ) + (𝑚̇3 . ℎ1,3 ) + (𝑚̇4 . ℎ1,4 )


ℎ1 = (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 7.7)
𝑚𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙
̇

Onde: ℎ1 = entalpia na sucção do compressor


𝑚̇𝑛 = vazão mássica de cada câmara
ℎ1,𝑛 = entalpia na saída dos evaporadores
𝑚𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙
̇ = vazão mássica total

Com os valores de vazão mássica apresentados na Tabela 8 e valores de


entalpia conforme Tabela 7, tem-se:

(0,07. 361554) + (0,49 . 361554) + (0,03 . 369727) + (0,02 . 375764)


ℎ1 =
0,61

𝐽
ℎ1 = 362478,3 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 7.8)
𝑘𝑔

Com o valor de entalpia de sucção calculado, recorre-se ao software EES


para obtenção da entalpia de descarga isentrópica, utilizando a entropia do
mesmo ponto e a pressão de condensação. Deste modo, calcula-se a potência
de compressão isentrópica utilizando a equação 7.6, conforme apresentado
abaixo.

𝑊𝑐𝑝 = 0,61 . (422609 − 362478,3) = 36680 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 7.9)

Para o cálculo do coeficiente de performance, considerando compressão


isentrópica, utiliza-se a equação abaixo:

𝑄𝑒̇
𝐶𝑂𝑃 = (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 7.10)
𝑊𝑐𝑝

Onde: COP = coeficiente de performance


𝑄𝑒 = capacidade de refrigeração (carga térmica)
𝑊𝑐𝑝 = potência de compressão isentrópica

Utilizando a carga térmica total apresentada na Tabela 5, tem-se que o


coeficiente de performance considerando compressão isentrópica é:

59393,5
𝐶𝑂𝑃 = = 1,619 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 7.11)
36680

Para o cálculo do calor rejeitado no condensador, considerando


compressão isentrópica, utiliza-se a equação abaixo:

31
𝑄𝑐 = 𝑄𝑒 + 𝑊𝑐𝑝 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 7.12)

Onde: 𝑄𝑐 = calor rejeitado no condensador


𝑄𝑒 = capacidade de refrigeração (carga térmica)
𝑊𝑐𝑝 = potência de compressão isentrópica

Aplicando os valores na equação, tem-se:

𝑄𝑐 = 59393,5 + 36680 = 96073,5 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 7.13)

No esquema abaixo são apresentados os valores calculados, onde, com


os dados expostos, é possível definir o estado termodinâmico em cada estágio
do sistema.

FIGURA 21 – Estados termodinâmicos do sistema


Fonte: os autores

Na imagem abaixo apresenta-se o diagrama Pressão X entalpia do


sistema, considerando compressão isentrópica.

32
FIGURA 22 – Diagrama P-h isentrópico
Fonte: os autores

8. ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS

8.1. EVAPORADORES

Com os valores de carga térmica apresentados na Tabela 5, consultou-se


o catálogo da empresa Trineva para a definição de equipamentos compatíveis
para este projeto.
Para a câmara 1 definiu-se dois evaporadores modelo TRN 441, conforme
imagem abaixo.

FIGURA 23 – Evaporador para a câmara 1


Fonte: Adaptado de http://www.trineva.com.br/wp-
content/uploads/2019/10/Catalogo_Trineva_2019_Site.pdf

Para a câmara 2 definiu-se dois evaporadores modelo FTBI 525,


conforme imagem abaixo.

33
FIGURA 24 – Evaporadores para a câmara 2
Fonte: Adaptado de http://www.trineva.com.br/wp-
content/uploads/2019/10/Catalogo_Trineva_2019_Site.pdf

Para a câmara 3 definiu-se um evaporador modelo TRN 432, conforme


imagem abaixo.

FIGURA 25 – Evaporador para a câmara 3


Fonte: Adaptado de http://www.trineva.com.br/wp-
content/uploads/2019/10/Catalogo_Trineva_2019_Site.pdf

Para a antecâmara definiu-se dois evaporadores modelo TRN 411,


conforme imagem abaixo.

FIGURA 26 – Evaporadores para a antecâmara


Fonte: Adaptado de http://www.trineva.com.br/wp-
content/uploads/2019/10/Catalogo_Trineva_2019_Site.pdf

34
A tabela abaixo reúne os modelos de evaporadores selecionados e as
respectivas capacidades.

Câmara 1 Câmara 2 Câmara 3 Antecâmara


Modelo Trineva TRN 441 FTBI 525 TRN 432 TRN 411
Quantidade 2 2 1 2
Capacidade (kcal/h) (R404A) 4148 26758 3856 1146
Capacidade (kcal/h) Total 8296 53516 3856 2292
TABELA 9 – Evaporadores selecionados

Uma vez selecionado os evaporadores, pode-se calcular a potência


necessária para o degelo. Para tanto, consulta-se o catálogo do fabricante,
disponível nos apêndices deste memorial, para se obter a potência das
resistências elétricas de cada modelo. Considerou-se que estas resistências irão
atuar durante quatro horas/dia, conforme recomendação abaixo.

FIGURA 27 – Recomendação de tempo para degelo dos evaporadores


Fonte: Adaptado de Eletrobrás, 2005

Para o cálculo da carga devido ao degelo do evaporador utiliza-se a


equação abaixo.
𝑡
𝐶𝑎𝑟𝑔𝑎𝑑𝑒𝑔𝑒𝑙𝑜 = 𝑃 . 𝑛 . (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 8.1)
24

Onde: P = potência da resistência elétrica, conforme catálogo do


fabricante [W]
n = quantidade de evaporadores na câmara
t = tempo para degelo [horas]

Também através do catálogo do fabricante, obtém-se a potência dos


ventiladores de cada evaporador, que deverá ser somada à carga térmica.
Com estes dados, obtém-se a carga térmica devido aos evaporadores,
conforme tabela abaixo.

35
Câmara 1 Câmara 2 Câmara 3 Antecâmara
Modelo Trineva TRN 441 FTBI 525 TRN 432 TRN 411
Quantidade de evaporadores 2 2 1 2
Potência da resistência elétrica (kW) 4,2 24,2 3,3 1,05
Tempo para degelo (horas) 4 4 4 4
Carga de degelo (kW) 0,7 4,03 0,55 0,18
Potência ventiladores (kW) 0,26 2,3 0,195 0,065
Potência total equipamentos (kW) 1,92 12,67 0,75 0,24
Potência total equipamentos (kcal/h) 1650,9 10891,37 640,58 206,36
TABELA 10 – Carga térmica devido aos evaporadores

É necessário então recalcular os valores de carga térmica apresentados


na Tabela 5, somando aqueles valores à potência total de equipamento obtidos
na Tabela 10, conforme abaixo.

Câmara Carga térmica [W] Carga térmica [kJ/dia] Carga térmica [kcal/h]
Câmara 1 8715,3 753001,92 7493,81
Câmara 2 59562,7 5146217,28 51214,70
Câmara 3 4108,3 354957,12 3532,50
Antecâmara 2587,2 223534,08 2224,59
Carga térmica total 74973,5 6477710,4 64465,61
TABELA 11 – Carga térmica recalculada

8.2. COMPRESSORES

Optou-se pela utilização de sete compressores em paralelo modelo


Danfoss LLZ034T4. Conforme imagem abaixo, cada compressor possui uma
capacidade de carga térmica de 11,04 kW, portanto totalizando 77,28 kW,
ligeiramente superior à carga térmica total apresentada na Tabela 11.

36
FIGURA 28 – Compressores selecionados
Fonte: Coolselector2, Danfoss

A utilização de vários compressores em paralelo se mostra vantajosa pois


possibilita a operação de equipamentos conforme a demanda. Por exemplo,
durante o inverno pode-se desligar alguns destes compressores, pois a carga
térmica será consideravelmente menor, gerando ganho energético ao sistema.

8.3. CONDENSADOR

Para o condensador, foi selecionado o modelo Trineva TRV 222 86, cuja
capacidade nominal é de 102256 kcal/h, atendendo ao valor de calor a ser
rejeitado conforme apresentado na equação 7.3.

37
FIGURA 29 – Condensador selecionado
Fonte: Adaptado de http://www.trineva.com.br/wp-
content/uploads/2019/10/Catalogo_Trineva_2019_Site.pdf

8.4. VÁLVULAS DE EXPANSÃO

Para a câmara 1, cuja carga térmica é de 8,715 kW, foi selecionada uma
válvula de expansão termostática Danfoss modelo TE 5-01, conforme
apresentado abaixo.

FIGURA 30 – Válvula de expansão para a câmara 1


Fonte: Adaptado de
https://assets.danfoss.com/documents/DOC292428453578/DOC292428453578.pdf

Para a câmara 2, cuja carga térmica é de 59,562 kW, foi selecionada uma
válvula de expansão termostática Danfoss modelo TE 55-10, conforme
apresentado abaixo.

38
FIGURA 31 – Válvula de expansão para a câmara 2
Fonte: Adaptado de
https://assets.danfoss.com/documents/DOC292428453578/DOC292428453578.pdf

Para a câmara 3, cuja carga térmica é de 4,108 kW, foi selecionada uma
válvula de expansão termostática Danfoss modelo T2-03, conforme apresentado
abaixo.

FIGURA 31 – Válvula de expansão para a câmara 3


Fonte: Adaptado de
https://assets.danfoss.com/documents/DOC312122325735/DOC312122325735.pdf

Para a antecâmara, cuja carga térmica é de 2,587 kW, foi selecionada


uma válvula de expansão termostática Danfoss modelo T2-01, conforme
apresentado abaixo.

FIGURA 32 – Válvula de expansão para a antecâmara


Fonte: Adaptado de
https://assets.danfoss.com/documents/DOC312122325735/DOC312122325735.pdf

39
8.5. VÁLVULAS REGULADORAS DE PRESSÃO

Para a câmara 3 e antecâmara, cujas cargas térmicas são 4,108 e 2,587


kW respectivamente, definiu-se válvulas reguladoras de pressão modelo KVP 28
e KVP 12 na mesma ordem, cujas capacidades são apresentadas na imagem
abaixo. Conforme catálogo do fabricante, estas válvulas possuem faixa de
regulagem de 0 a 5,5 bar.

FIGURA 33 – Válvulas reguladoras de pressão


Fonte: Adaptado de
https://assets.danfoss.com/documents/DOC264241147263/DOC264241147263.pdf

9. COMPRESSÃO REAL

Recorre-se ao catálogo do fabricante para obtenção do compressor


selecionado, conforme tabela a seguir.

Compressor Danfoss LLZ034T4


Temperatura de evaporação [°C] -20
Temperatura de condensação [°C] 40
Capacidade de refrigeração [W] 14697
Superaquecimento 10
Subresfriamento 10
Potência [W] 7855
Vazão mássica [kg/s] 0,141
TABELA 12 – Dados do compressor
Fonte: Coolselector2, Danfoss

Estes dados são então aplicados à equação abaixo para obtenção da


entalpia de descarga do compressor.

𝑊𝑐 = 𝑚̇𝑐 . (ℎ𝑑𝑒𝑠𝑐 − ℎ𝑠𝑢𝑐 ) (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 9.1)

Onde: 𝑊𝑐 = potência do compressor, conforme Tabela 12, [W]


𝑚̇𝑐 = vazão mássica do compressor, conforme Tabela 12, [kg/s]
ℎ𝑑𝑒𝑠𝑐 = entalpia de descarga do compressor [J/kg]
ℎ𝑠𝑢𝑐 = entalpia de sucção de compressor [J/kg]

A entalpia de sucção do compressor pode ser obtida no software EES.


Primeiramente indica-se a temperatura de evaporação do compressor conforme

40
Tabela 12 para se obter a respectiva pressão. Com o valor de pressão obtido e
com a temperatura de sucção (temperatura de evaporação + superaquecimento,
ambos conforme Tabela 12), obtém-se a entalpia de sucção.
Aplicando os valores na equação 9.1 tem-se:
𝐽
7855 = 0,141 . (ℎ𝑑𝑒𝑠𝑐 − 363928) ∴ ℎ𝑑𝑒𝑠𝑐 = 419593 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 9.2)
𝑘𝑔

Afim de se obter a eficiência do compressor, aplica-se a equação abaixo:

𝑚̇𝑐 . (ℎ𝑑𝑒𝑠𝑐 𝑠 − ℎ𝑠𝑢𝑐 )


𝑊𝑐 = (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 9.3)
𝜂

Onde: 𝑊𝑐 = potência do compressor, conforme Tabela 12, [W]


𝑚̇𝑐 = vazão mássica do compressor, conforme Tabela 12, [kg/s]
ℎ𝑑𝑒𝑠𝑐 𝑠 = entalpia de descarga isentrópica do compressor [J/kg]
ℎ𝑠𝑢𝑐 = entalpia de sucção de compressor [J/kg]
𝜂 = eficiência do compressor

Para obtenção da entalpia de descarga isentrópica do compressor


recorre-se novamente ao EES. Inicialmente se obtém a entropia no ponto de
sucção, indicando a pressão e temperatura no respectivo ponto. Em seguida se
obtém a entalpia de descarga isentrópica utilizando este valor de entropia e a
pressão de compressão, tendo a temperatura de condensação conforme Tabela
12.
Aplicando os valores na equação 9.3 tem-se:

0,141 . (401876 − 363928)


7855 = ∴ 𝜂 = 0,681 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 9.4)
𝜂

A tabela abaixo apresenta as propriedades que foram obtidas diretamente


no EES e foram utilizadas nas equações anteriores.

Entalpia de sucção do compressor [J/kg] 363928


Pressão de evaporação do compressor 303641
Temperatura de sucção do compressor [°C] -10
Entropia de sucção [J/kg.K] 1652
Entalpia de sucção isentálpica do compressor [J/kg] 401876
Pressão de condensação do compressor [Pa] 1822000
TABELA 13 – Propriedades obtidas no EES

A vazão mássica real é calculada de forma análoga à equação 7.5, com


os valores de carga térmica em cada câmara apresentados na Tabela 11 e os
valores de entalpia apresentados na Tabela 7, obtendo os valores abaixo:

Câmara 1 Câmara 2 Câmara 3 Antecâmara


Vazão mássica de refrigerante [kg/s] 0,09 0,62 0,04 0,02
Vazão mássica total [kg/s] 0,77
TABELA 14 – Vazão mássica real

41
Com a equação 9.3 calcula-se a potência de compressão real utilizando
a entalpia de descarga calculada na equação 9.2, entalpia de sucção conforme
Tabela 13 e vazão mássica total obtida na Tabela 14.

0,77 . (419593 − 363928)


𝑊𝑐𝑝 ′ = = 62939,9 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 9.5)
0,681

Utilizando a equação 7.10 calcula-se o COP real do sistema, utilizando a


carga térmica total apresentada na Tabela 11 e potência de compressão real
obtida na equação 9.5:

74793,5
𝐶𝑂𝑃′ = = 1,19 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 9.6)
62939,9

De forma análoga à equação 7.12 calcula-se o valor real de calor rejeitado


no condensador, utilizando a carga térmica total apresentada na Tabela 11 e a
potência de compressão real obtida na equação 9.5.

𝑄𝑐′ = 74793,5 + 62939,9 = 137733,4 𝑊 (𝑒𝑞𝑢𝑎çã𝑜 9.7)

A figura abaixo apresenta o diagrama Pressão X entalpia real do sistema.

FIGURA 34 – Diagrama P-h real


Fonte: os autores

A figura abaixo apresenta em detalhe a entalpia de compressão da Figura


34.

42
FIGURA 35 – Detalhe da entalpia de compressão no diagrama P-h
Fonte: os autores

43
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

[1] MATOS, Rudmar S. Refrigeração. Curitiba: Universidade Federal do


Paraná, 2004. 248p.

[2] ASHRAE. Refrigeration. Atlanta: ASHRAE, 2018. 783p.

[3] MECALUX. O isolamento térmico nas câmaras frigoríficas.


Disponível em: <https://www.mecalux.com.br/artigos-logistica/isolamento-
termico-nas-camaras-frigorificas>. Acesso em: 20 maio 2020.

[4] PROTOLAB. Tabela de condutividade térmica de materiais de


construção. Disponível em: < http://www.protolab.com.br/Tabela-
Condutividade-Material-Construcao.htm>. Acesso em: 20 maio 2020.

[5] INCROPERA, Frank P. et al. Fundamentos de transferência de calor


e de massa. 6. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2002. 643 p.

[6] O MIRANTE JOINVILLE. A coincidência que faz de Joinville uma


cidade úmida e chuvosa. Disponível em:
https://omirantejoinville.com.br/2018/06/24/coincidencia-joinville-cidade-umida-
chuvosa/. Acesso em 24 maio 2020.

[7] EMBRAPA. Paletização. Disponível em:


<http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/uva_de_mesa/arvore/CONT000
g9cscg4f02wx5ok0u5nfpmnbr76sz.html>. Acesso em: 16 maio 2020.

[8] GAS SERVEI. Dados técnicos R404A. Disponível em: <


https://www.gas-servei.com/images/Dados_tecnicos_R404A.pdf>. Acesso em:
18 jun 2020.

[9] CAPITAL REFRIGERAÇÃO. Gás R404A. Disponível em: <


https://capitalrefrig.com.br/site/produtos/1780-gas-f-r404a-hp62-dac-10890-kg-
dupont.html> Acesso em 18 jun 2020.

[10] ELETROBRÁS. Eficiência energética em sistemas de refrigeração


industrial e comercial. Rio de Janeiro: Eletrobrás, 2005. 316p.

[11] MACAGNAN, Mario H. Princípios básicos de refrigeração. São


Leopoldo: Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2015.

[12] ÇENGEL, Yunus A.; BOLES, Michael A. Termodinâmica. 7. ed. Porto


Alegre: AMGH, 2013. 1018 p.

[13] CONSELHO E SEGURANÇA. Empilhamento de materiais. Disponível


em: <http://conselhoeseguranca.blogspot.com/2013/07/empilhamento-de-
materiais-dds.html>. Acesso em 10 jun. 2020.

44
[14] Dzainer. Armazenagem por empilhamento: por que utilizar e como
realizar em segurança. Disponível em:
<https://www.dzainer.com.br/blog/armazenagem-por-empilhamento-por-que-
utilizar-e-como-realizar-em-seguranca-169#>. Acesso em 10 jun. 2020.

45
NOTAS:
1. ALTURA DO PALETE COM CARGA 2,2 m
2. DESENHO SEGUNDO ISO, DIMENSSÕES EM mm.

3000
2200
ALTURA DE EMPILHAMENTO
DO PALETE

SEÇÃO A-A

11000

5400 2104 MANIFOLD DE SAÍDA

1200 3000 2400 3000 1200 Paede com espessura de 200mm


CORREDOR EMPILHADEIRA CORREDOR EMPILHADEIRA
MANIFOLD DE ENTRADA

RESERVATÓRIO

CONDENSSADOR
3000

VER DETALHES A
EVAPORADOR EVAPORADOR

FLUXO DE AR

FLUXO DE AR
DIREÇÃO

DIREÇÃO
RACK DE COMPRESSORES

DETALHES A
ESCALA 0.050
5300

4000
CORREDOR EMPILHADEIRA

1200 450
300
16 PALETES

16 PALETES
30 PALETES
16200 16000
1,2 X 1 m

1,2 X 1 m
1,2 X 1 m

5600

EVAPORADOR
3000 1200
19800 CORREDOR EMPILHADEIRA
CAMARA 1 4020 DIREÇÃO
FLUXO DE AR
1200

8 PALETES
8200

1,2 X 1 m

10 PALETES
8000
CAMARA 3

1,2 X 1 m
EVAPORADOR
A
A

EVAPORADOR
DIREÇÃO
FLUXO DE AR

CAMARA 2
5000 5200
DIREÇÃO
FLUXO DE AR

10 PALETES
1,2 X 1 m
2008

EVAPORADOR
DIREÇÃO
FLUXO DE AR

3000
ANTECAMARA
EVAPORADOR

500
DIREÇÃO
FLUXO DE AR
1400 1888

1200 200 500


1000
ESPESSURA PAREDES
PG. 1 DE 2
22300
CAMARA FRIGORIFICA - PROJETO
TÍTULO:

FELIPE, JEAN E RHONY


RESPONSÁVEL TÉCNICO:

22700 CLIENTE:

IFSC
ASSUNTO: FOLHA:

- A0

- 23/05/2020 1:40
REVISOR: DATA: ESCALA:
L 90

120
60

150
30
22700

180

S
N
0
8000

80

210
330
POSICIONAMENTO DA CAMARA NO PATIO DO CAMPUS

240
300

O 270
19800

1700

CAMPUS IFSC PG. 2 DE 2

ESCALA 1/250
TÍTULO:
CAMARA FRIGORIFICA - PROJETO
FELIPE, JEAN E RHONY
RESPONSÁVEL TÉCNICO:

CLIENTE:

IFSC
- A0
ASSUNTO: FOLHA:

- 23/05/2020
REVISOR: DATA: ESCALA:

1:40
"Carga Térmica"

"Dados gerais"

k_aço=52
k_pu=0,03
L_pu=0,2
L_aço=0,0007
h_pe_direito=3
W_empilhadeira_ligada=(10*735,499)/ETA_empilhadeira
ETA_empilhadeira=0,85
W_vent=270[W]
T_amb=35
h_int=25
h_ext=25
h_ext_ar=enthalpy(AirH2O;P=P_atm;T=T_amb;R=U_amb)
rho_ext=density(AirH2O;P=P_atm;T=T_amb;R=U_amb)
P_atm=101325
U_amb=0,80

Larg_1=11
Prof_1=16,2
Larg_2=5,3
Prof_2=8,2
Larg_3=5,2
Prof_3=5,2
Larg_4=22,3
Prof_4=3
Corredor_emp=3

A_chao_1=Larg_1*Prof_1
A_1_5=A_chao_1
A_1_1=Larg_1*h_pe_direito
A_1_2_A=Prof_2*h_pe_direito
A_1_2_B=(Prof_1-Prof_2)*h_pe_direito
A_1_2=A_1_2_A+A_1_2_B
A_1_3=A_1_1
A_1_4=Prof_1*h_pe_direito
A_chao_2=Larg_2*Prof_2
A_2_5=A_chao_2
A_2_1=Larg_2*h_pe_direito
A_2_2_A=Prof_3*h_pe_direito
A_2_2_B=(Prof_2-Prof_3)*h_pe_direito
A_2_2=A_2_2_A+A_2_2_B
A_2_3=A_2_1
A_2_4=Prof_2*h_pe_direito
A_chao_3=Larg_3*Prof_3
A_3_5=A_chao_3
A_3_1=Larg_3*h_pe_direito
A_3_2=Prof_3*h_pe_direito
A_3_3=A_3_1
A_3_4=A_3_2
A_chao_4=(Larg_1+Larg_2+Larg_3)*Corredor_emp
A_4_5=A_chao_4
A_4_1=(Larg_1+Larg_2+Larg_3)*h_pe_direito
A_4_2=Corredor_emp*h_pe_direito
A_4_3_A=Larg_3*h_pe_direito
A_4_3_B=Larg_2*h_pe_direito
A_4_3_C=Larg_1*h_pe_direito
A_4_3=A_4_3_C+A_4_3_B+A_4_3_A
A_4_4=A_4_2

"Câmara 1 - Armazenamento de carne"

T_AR_1 = -15
m_carne_1=80000
V_armazenamento_1=m_carne_1/rho_1
V_sala_1=h_pe_direito*Larg_1*Prof_1
rho_1=530
Carga_Termica_1=W_vent+Q_parede_1+W_iluminação_1+W_empilhadeira_1+Q_pessoas
_1+Q_aberturas_1
W_iluminação_1=((A_chao_1)^(0,5))*(10/1,42)
Q_pessoas_1=n_1*(-21,62*T_AR_1 + 974,74)*(1000/3600)*(h_pessoas_1/24)
h_pessoas_1=4
n_1=2
W_empilhadeira_1=(h_empilhadeira_1/24)*W_empilhadeira_ligada
h_empilhadeira_1=4
n_volume_1=74,4489*(V_sala_1^(-0,513688))
Q_aberturas_1=(V_sala_1*n_volume_1*(h_ext_ar*rho_ext-h_int_1*rho_ar_1))/(24*3600)
h_int_1=enthalpy(AirH2O;P=P_atm;T=T_ar_1;R=U_1)
rho_ar_1=density(AirH2O;P=P_atm;T=T_ar_1;R=U_1)
U_1=0,9
Q_parede_1=Q_parede_1_1+Q_parede_1_2_A+Q_parede_1_2_B+Q_parede_1_3+Q_pare
de_1_4+Q_parede_1_5
Q_parede_1_1=Delta_camara_1_1/R_1_1
Q_parede_1_2_A=Delta_camara_1_2_A/R_1_2_A
Q_parede_1_2_B=Delta_camara_1_2_B/R_1_2_B
Q_parede_1_3=Delta_camara_1_3/R_1_3
Q_parede_1_4=Delta_camara_1_4/R_1_4
Q_parede_1_5=Delta_camara_1_5/R_1_5
R_1_1=R_1_1_h_1+R_1_1_k_1+R_1_1_k_2+R_1_1_k_3+R_1_1_h_2
R_1_1_h_1 = 1/(h_ext*A_1_1)
R_1_1_k_1 = L_aço/(k_aço*A_1_1)
R_1_1_k_2 = L_pu/(k_pu*A_1_1)
R_1_1_k_3 = L_aço/(k_aço*A_1_1)
R_1_1_h_2 = 1/(h_int*A_1_1)
R_1_2_A=R_1_2_A_h_1+R_1_2_A_k_1+R_1_2_A_k_2+R_1_2_A_k_3+R_1_2_A_h_2
R_1_2_A_h_1 = 1/(h_ext*A_1_2_A)
R_1_2_A_k_1 = L_aço/(k_aço*A_1_2_A)
R_1_2_A_k_2 = L_pu/(k_pu*A_1_2_A)
R_1_2_A_k_3 = L_aço/(k_aço*A_1_2_A)
R_1_2_A_h_2 = 1/(h_int*A_1_2_A)
R_1_2_B=R_1_2_B_h_1+R_1_2_B_k_1+R_1_2_B_k_2+R_1_2_B_k_3+R_1_2_B_h_2
R_1_2_B_h_1 = 1/(h_ext*A_1_2_B)
R_1_2_B_k_1 = L_aço/(k_aço*A_1_2_B)
R_1_2_B_k_2 = L_pu/(k_pu*A_1_2_B)
R_1_2_B_k_3 = L_aço/(k_aço*A_1_2_B)
R_1_2_B_h_2 = 1/(h_int*A_1_2_B)
R_1_3=R_1_3_h_1+R_1_3_k_1+R_1_3_k_2+R_1_3_k_3+R_1_3_h_2
R_1_3_h_1 = 1/(h_ext*A_1_3)
R_1_3_k_1 = L_aço/(k_aço*A_1_3)
R_1_3_k_2 = L_pu/(k_pu*A_1_3)
R_1_3_k_3 = L_aço/(k_aço*A_1_3)
R_1_3_h_2 = 1/(h_int*A_1_3)
R_1_4=R_1_4_h_1+R_1_4_k_1+R_1_4_k_2+R_1_4_k_3+R_1_4_h_2
R_1_4_h_1 = 1/(h_ext*A_1_4)
R_1_4_k_1 = L_aço/(k_aço*A_1_4)
R_1_4_k_2 = L_pu/(k_pu*A_1_4)
R_1_4_k_3 = L_aço/(k_aço*A_1_4)
R_1_4_h_2 = 1/(h_int*A_1_4)
R_1_5=R_1_5_h_1+R_1_5_k_1+R_1_5_k_2+R_1_5_k_3+R_1_5_h_2
R_1_5_h_1 = 1/(h_ext*A_1_5)
R_1_5_k_1 = L_aço/(k_aço*A_1_5)
R_1_5_k_2 = L_pu/(k_pu*A_1_5)
R_1_5_k_3 = L_aço/(k_aço*A_1_5)
R_1_5_h_2 = 1/(h_int*A_1_5)
Delta_camara_1_1 = T_1_1-T_ar_1
Delta_camara_1_2_A = T_1_2_A-T_ar_1
Delta_camara_1_2_B = T_1_2_B-T_ar_1
Delta_camara_1_3 = T_1_3-T_ar_1
Delta_camara_1_4 = T_1_4-T_ar_1
Delta_camara_1_5 = T_1_5-T_ar_1

"Câmara 2 - Congelamento de carne"

T_AR_2 = -15
m_2=10000
V_armazenamento_2=m_2/rho_2
V_sala_2=h_pe_direito*Larg_2*Prof_2
rho_2=530
Carga_Termica_2=W_vent+Q_parede_2+W_iluminação_2+W_empilhadeira_2+Q_pessoas
_2+Q_latente+Q_sensivel_antesdecongelar+Q_sensivel_depoisdecongelar+Q_aberturas_2
+Q_embalagem
Q_embalagem=(m_embalagem*c_embalagem*(T_inicial_carne-T_final_carne))/(24*3600)
m_embalagem=149,88
c_embalagem=1400
Q_sensivel_antesdecongelar=(m_2*cp_antesdecongelar*Delta_T_Carne_antesdecongelar)/
(24*3600)
cp_antesdecongelar=3,22*1000
Q_sensivel_depoisdecongelar=(m_2*cp_depoisdecongelar*Delta_T_Carne_depoisdecongel
ar)/(24*3600)
cp_depoisdecongelar=1,67*1000
Delta_T_carne_antesdecongelar=T_inicial_carne-0
Delta_T_carne_depoisdecongelar=0-T_final_carne
T_inicial_carne=T_amb
T_final_carne=-18
Q_latente=(m_2*cl)/(24*3600)
cl=234,36*1000
W_iluminação_2=((A_chao_2)^(0,5))*(10/1,42)
Q_pessoas_2=n_2*(-21,62*T_AR_2 + 974,74)*(1000/3600)*(h_pessoas_2/24)
h_pessoas_2=4
n_2=2
W_empilhadeira_2=(h_empilhadeira_2/24)*W_empilhadeira_ligada
h_empilhadeira_2=4
n_volume_2=74,4489*(V_sala_2^(-0,513688))
Q_aberturas_2=(V_sala_2*n_volume_2*(h_ext_ar*rho_ext-h_int_2*rho_ar_2))/(24*3600)
h_int_2=enthalpy(AirH2O;P=P_atm;T=T_ar_2;R=U_2)
rho_ar_2=density(AirH2O;P=P_atm;T=T_ar_2;R=U_2)
U_2=0,9
Q_parede_2=Q_parede_2_1+Q_parede_2_2_A+Q_parede_2_2_B+Q_parede_2_3+Q_pare
de_2_4+Q_parede_2_5
Q_parede_2_1=Delta_camara_2_1/R_2_1
Q_parede_2_2_A=Delta_camara_2_2_A/R_2_2_A
Q_parede_2_2_B=Delta_camara_2_2_B/R_2_2_B
Q_parede_2_3=Delta_camara_2_3/R_2_3
Q_parede_2_4=Delta_camara_2_4/R_2_4
Q_parede_2_5=Delta_camara_2_5/R_2_5
R_2_1=R_2_1_h_1+R_2_1_k_1+R_2_1_k_2+R_2_1_k_3+R_2_1_h_2
R_2_1_h_1 = 1/(h_ext*A_2_1)
R_2_1_k_1 = L_aço/(k_aço*A_2_1)
R_2_1_k_2 = L_pu/(k_pu*A_2_1)
R_2_1_k_3 = L_aço/(k_aço*A_2_1)
R_2_1_h_2 = 1/(h_int*A_2_1)
R_2_2_A=R_2_2_A_h_1+R_2_2_A_k_1+R_2_2_A_k_2+R_2_2_A_k_3+R_2_2_A_h_2
R_2_2_A_h_1 = 1/(h_ext*A_2_2_A)
R_2_2_A_k_1 = L_aço/(k_aço*A_2_2_A)
R_2_2_A_k_2 = L_pu/(k_pu*A_2_2_A)
R_2_2_A_k_3 = L_aço/(k_aço*A_2_2_A)
R_2_2_A_h_2 = 1/(h_int*A_2_2_A)
R_2_2_B=R_2_2_B_h_1+R_2_2_B_k_1+R_2_2_B_k_2+R_2_2_B_k_3+R_2_2_B_h_2
R_2_2_B_h_1 = 1/(h_ext*A_2_2_B)
R_2_2_B_k_1 = L_aço/(k_aço*A_2_2_B)
R_2_2_B_k_2 = L_pu/(k_pu*A_2_2_B)
R_2_2_B_k_3 = L_aço/(k_aço*A_2_2_B)
R_2_2_B_h_2 = 1/(h_int*A_2_2_B)
R_2_3=R_2_3_h_1+R_2_3_k_1+R_2_3_k_2+R_2_3_k_3+R_2_3_h_2
R_2_3_h_1 = 1/(h_ext*A_2_3)
R_2_3_k_1 = L_aço/(k_aço*A_2_3)
R_2_3_k_2 = L_pu/(k_pu*A_2_3)
R_2_3_k_3 = L_aço/(k_aço*A_2_3)
R_2_3_h_2 = 1/(h_int*A_2_3)
R_2_4=R_2_4_h_1+R_2_4_k_1+R_2_4_k_2+R_2_4_k_3+R_2_4_h_2
R_2_4_h_1 = 1/(h_ext*A_2_4)
R_2_4_k_1 = L_aço/(k_aço*A_2_4)
R_2_4_k_2 = L_pu/(k_pu*A_2_4)
R_2_4_k_3 = L_aço/(k_aço*A_2_4)
R_2_4_h_2 = 1/(h_int*A_2_4)
R_2_5=R_2_5_h_1+R_2_5_k_1+R_2_5_k_2+R_2_5_k_3+R_2_5_h_2
R_2_5_h_1 = 1/(h_ext*A_2_5)
R_2_5_k_1 = L_aço/(k_aço*A_2_5)
R_2_5_k_2 = L_pu/(k_pu*A_2_5)
R_2_5_k_3 = L_aço/(k_aço*A_2_5)
R_2_5_h_2 = 1/(h_int*A_2_5)
Delta_camara_2_1 = T_2_1-T_ar_2
Delta_camara_2_2_A=T_2_2_A-T_ar_2
Delta_camara_2_2_B=T_2_2_B-T_ar_2
Delta_camara_2_3 = T_2_3-T_ar_2
Delta_camara_2_4 = T_2_4-T_ar_2
Delta_camara_2_5 = T_2_5-T_ar_2

"Câmara 3 - Armazenamento de maças"


T_ar_3=-1
m_3=10000
V_armazenamento_3=m_3/rho_3
V_sala_3=h_pe_direito*Larg_3*Prof_3
rho_3=440
Carga_Termica_3=W_vent+Q_parede_3+W_iluminação_3+W_empilhadeira_3+Q_pessoas
_3+Q_biologico+Q_aberturas_3
Q_biologico=m_3*R*(1000/(24*3600))
R=1,047
W_iluminação_3=((A_chao_3)^(0,5))*(10/1,42)
Q_pessoas_3=n_3*(-21,62*T_AR_3 + 974,74)*(1000/3600)*(h_pessoas_3/24)
h_pessoas_3=4
n_3=2
W_empilhadeira_3=(h_empilhadeira_3/24)*W_empilhadeira_ligada
h_empilhadeira_3=4
n_volume_3=74,4489*(V_sala_3^(-0,513688))
Q_aberturas_3=(V_sala_3*n_volume_3*(h_ext_ar*rho_ext-h_int_3*rho_ar_3))/(24*3600)
h_int_3=enthalpy(AirH2O;P=P_atm;T=T_ar_3;R=U_3)
rho_ar_3=density(AirH2O;P=P_atm;T=T_ar_3;R=U_3)
U_3=0,9
Q_parede_3=Q_parede_3_1+Q_parede_3_2+Q_parede_3_3+Q_parede_3_4+Q_parede_3
_5
Q_parede_3_1=Delta_camara_3_1/R_3_1
Q_parede_3_2=Delta_camara_3_2/R_3_2
Q_parede_3_3=Delta_camara_3_3/R_3_3
Q_parede_3_4=Delta_camara_3_4/R_3_4
Q_parede_3_5=Delta_camara_3_5/R_3_5
R_3_1=R_3_1_h_1+R_3_1_k_1+R_3_1_k_2+R_3_1_k_3+R_3_1_h_2
R_3_1_h_1 = 1/(h_ext*A_3_1)
R_3_1_k_1 = L_aço/(k_aço*A_3_1)
R_3_1_k_2 = L_pu/(k_pu*A_3_1)
R_3_1_k_3 = L_aço/(k_aço*A_3_1)
R_3_1_h_2 = 1/(h_int*A_3_1)
R_3_2=R_3_2_h_1+R_3_2_k_1+R_3_2_k_2+R_3_2_k_3+R_3_2_h_2
R_3_2_h_1 = 1/(h_ext*A_3_2)
R_3_2_k_1 = L_aço/(k_aço*A_3_2)
R_3_2_k_2 = L_pu/(k_pu*A_3_2)
R_3_2_k_3 = L_aço/(k_aço*A_3_2)
R_3_2_h_2 = 1/(h_int*A_3_2)
R_3_3=R_3_3_h_1+R_3_3_k_1+R_3_3_k_2+R_3_3_k_3+R_3_3_h_2
R_3_3_h_1 = 1/(h_ext*A_3_3)
R_3_3_k_1 = L_aço/(k_aço*A_3_3)
R_3_3_k_2 = L_pu/(k_pu*A_3_3)
R_3_3_k_3 = L_aço/(k_aço*A_3_3)
R_3_3_h_2 = 1/(h_int*A_3_3)
R_3_4=R_3_4_h_1+R_3_4_k_1+R_3_4_k_2+R_3_4_k_3+R_3_4_h_2
R_3_4_h_1 = 1/(h_ext*A_3_4)
R_3_4_k_1 = L_aço/(k_aço*A_3_4)
R_3_4_k_2 = L_pu/(k_pu*A_3_4)
R_3_4_k_3 = L_aço/(k_aço*A_3_4)
R_3_4_h_2 = 1/(h_int*A_3_4)
R_3_5=R_3_5_h_1+R_3_5_k_1+R_3_5_k_2+R_3_5_k_3+R_3_5_h_2
R_3_5_h_1 = 1/(h_ext*A_3_5)
R_3_5_k_1 = L_aço/(k_aço*A_3_5)
R_3_5_k_2 = L_pu/(k_pu*A_3_5)
R_3_5_k_3 = L_aço/(k_aço*A_3_5)
R_3_5_h_2 = 1/(h_int*A_3_5)
Delta_camara_3_1 = T_2_1-T_ar_1
Delta_camara_3_2 = T_3_2-T_ar_1
Delta_camara_3_3 = T_3_3-T_ar_1
Delta_camara_3_4 = T_3_4-T_ar_1
Delta_camara_3_5 = T_3_5-T_ar_1

"“Câmara 4 - Antecâmara”"
T_ar_4 = 10
Carga_Termica_4=W_vent+Q_parede_4+W_iluminação_4+W_empilhadeira_4+Q_pessoas
_4+Q_aberturas_4
W_iluminação_4=((A_chao_4)^(0,5))*(10/1,42)
Q_pessoas_4=n_4*(-21,62*T_AR_4 + 974,74)*(1000/3600)*(h_pessoas_4/24)
h_pessoas_4=8
n_4=2
W_empilhadeira_4=(h_empilhadeira_4/24)*W_empilhadeira_ligada
h_empilhadeira_4=1
n_volume_4=74,4489*(V_armazenamento_4^(-0,513688))
Q_aberturas_4=(V_armazenamento_4*n_volume_4*(h_ext_ar*rho_ext-h_int_4*rho_ar_4))/(
24*3600)
h_int_4=enthalpy(AirH2O;P=P_atm;T=T_ar_4;R=U_4)
rho_ar_4=density(AirH2O;P=P_atm;T=T_ar_4;R=U_4)
U_4=0,5
Q_parede_4=Q_parede_4_1+Q_parede_4_2+Q_parede_4_3_A+Q_parede_4_3_B+Q_pare
de_4_3_C+Q_parede_4_4+Q_parede_4_5
Q_parede_4_1=Delta_camara_4_1/R_4_1
Q_parede_4_2=Delta_camara_4_2/R_4_2
Q_parede_4_3_A=Delta_camara_4_3_A/R_4_3_A
Q_parede_4_3_B=Delta_camara_4_3_B/R_4_3_B
Q_parede_4_3_C=Delta_camara_4_3_C/R_4_3_C
Q_parede_4_4=Delta_camara_4_4/R_4_4
Q_parede_4_5=Delta_camara_4_5/R_4_5
R_4_1=R_4_1_h_1+R_4_1_k_1+R_4_1_k_2+R_4_1_k_3+R_4_1_h_2
R_4_1_h_1 = 1/(h_ext*A_4_1)
R_4_1_k_1 = L_aço/(k_aço*A_4_1)
R_4_1_k_2 = L_pu/(k_pu*A_4_1)
R_4_1_k_3 = L_aço/(k_aço*A_4_1)
R_4_1_h_2 = 1/(h_int*A_4_1)
R_4_2=R_4_2_h_1+R_4_2_k_1+R_4_2_k_2+R_4_2_k_3+R_4_2_h_2
R_4_2_h_1 = 1/(h_ext*A_4_2)
R_4_2_k_1 = L_aço/(k_aço*A_4_2)
R_4_2_k_2 = L_pu/(k_pu*A_4_2)
R_4_2_k_3 = L_aço/(k_aço*A_4_2)
R_4_2_h_2 = 1/(h_int*A_4_2)
R_4_3_A=R_4_3_A_h_1+R_4_3_A_k_1+R_4_3_A_k_2+R_4_3_A_k_3+R_4_3_A_h_2
R_4_3_A_h_1 = 1/(h_ext*A_4_3_A)
R_4_3_A_k_1 = L_aço/(k_aço*A_4_3_A)
R_4_3_A_k_2 = L_pu/(k_pu*A_4_3_A)
R_4_3_A_k_3 = L_aço/(k_aço*A_4_3_A)
R_4_3_A_h_2 = 1/(h_int*A_4_3_A)
R_4_3_B=R_4_3_B_h_1+R_4_3_B_k_1+R_4_3_B_k_2+R_4_3_B_k_3+R_4_3_B_h_2
R_4_3_B_h_1 = 1/(h_ext*A_4_3_B)
R_4_3_B_k_1 = L_aço/(k_aço*A_4_3_B)
R_4_3_B_k_2 = L_pu/(k_pu*A_4_3_B)
R_4_3_B_k_3 = L_aço/(k_aço*A_4_3_B)
R_4_3_B_h_2 = 1/(h_int*A_4_3_B)
R_4_3_C=R_4_3_C_h_1+R_4_3_C_k_1+R_4_3_C_k_2+R_4_3_C_k_3+R_4_3_C_h_2
R_4_3_C_h_1 = 1/(h_ext*A_4_3_C)
R_4_3_C_k_1 = L_aço/(k_aço*A_4_3_C)
R_4_3_C_k_2 = L_pu/(k_pu*A_4_3_C)
R_4_3_C_k_3 = L_aço/(k_aço*A_4_3_C)
R_4_3_C_h_2 = 1/(h_int*A_4_3_C)
R_4_4=R_4_4_h_1+R_4_4_k_1+R_4_4_k_2+R_4_4_k_3+R_4_4_h_2
R_4_4_h_1 = 1/(h_ext*A_4_4)
R_4_4_k_1 = L_aço/(k_aço*A_4_4)
R_4_4_k_2 = L_pu/(k_pu*A_4_4)
R_4_4_k_3 = L_aço/(k_aço*A_4_4)
R_4_4_h_2 = 1/(h_int*A_4_4)
R_4_5=R_4_5_h_1+R_4_5_k_1+R_4_5_k_2+R_4_5_k_3+R_4_5_h_2
R_4_5_h_1 = 1/(h_ext*A_4_5)
R_4_5_k_1 = L_aço/(k_aço*A_4_5)
R_4_5_k_2 = L_pu/(k_pu*A_4_5)
R_4_5_k_3 = L_aço/(k_aço*A_4_5)
R_4_5_h_2 = 1/(h_int*A_4_5)

Delta_camara_4_1 = T_4_1-T_ar_4
Delta_camara_4_2 = T_4_2-T_ar_4
Delta_camara_4_3_A = T_4_3_A -T_ar_4
Delta_camara_4_3_B = T_4_3_B -T_ar_4
Delta_camara_4_3_C = T_4_3_C -T_ar_4
Delta_camara_4_4 = T_4_4-T_ar_4
Delta_camara_4_5 = T_4_5-T_ar_4

V_armazenamento_4=A_chao_4*h_pe_direito

T_1_1=T_ar_4
T_1_2_A=T_ar_2+Delta_norte
T_1_2_B=T_amb+Delta_oeste
T_1_3=T_amb
T_1_4=T_amb
T_1_5=T_amb+Delta_teto

T_2_1=T_ar_4
T_2_2_A=T_ar_3+Delta_norte
T_2_2_B=T_amb+Delta_oeste
T_2_3=T_amb
T_2_4=T_ar_1
T_2_5=T_amb+Delta_teto

T_3_1=T_ar_4
T_3_2=T_amb+Delta_norte
T_3_3=T_amb+Delta_oeste
T_3_4=T_ar_2
T_3_5=T_amb+Delta_teto

T_4_1=T_amb
T_4_2=T_amb+Delta_norte
T_4_3_A=T_ar_3
T_4_3_B=T_ar_2
T_4_3_C=T_ar_1
T_4_4=T_amb
T_4_5=T_amb+Delta_teto

Delta_leste=3
Delta_oeste=3
Delta_norte=2
Delta_teto=5

Carga_termica=Carga_termica_1+Carga_termica_2+Carga_termica_3+Carga_termica_4

"Ciclo de refrigeração"

R$='R404A'
SUP=8
SUB=2
T_COND=T_amb+Delta_T_c
Delta_T_e=6
Delta_T_c=10
{ETA_g=1 }

T_e_1=T_ar_1-Delta_T_e
T_e_2=T_ar_2-Delta_T_e
T_e_3=T_ar_3-Delta_T_e
T_e_4=T_ar_4-Delta_T_e

Carga_termica_1=Q_e_1
Carga_termica_2=Q_e_2
Carga_termica_3=Q_e_3
Carga_termica_4=Q_e_4

h_evap_in_1=h_cond_out_1
h_cond_out_1=enthalpy(R$;P=P_C_1;T=T_cond_1_out)
T_cond_1_out=T_cond-SUB
P_C_1=pressure(R$;T=T_cond;x=0,5)
h_evap_in_2=h_cond_out_2
h_cond_out_2=enthalpy(R$;P=P_C_2;T=T_cond_2_out)
T_cond_2_out=T_cond-SUB
P_C_2=pressure(R$;T=T_cond;x=0,5)
h_evap_in_3=h_cond_out_3
h_cond_out_3=enthalpy(R$;P=P_C_3;T=T_cond_3_out)
T_cond_3_out=T_cond-SUB
P_C_3=pressure(R$;T=T_cond;x=0,5)
h_evap_in_4=h_cond_out_4
h_cond_out_4=enthalpy(R$;P=P_C_4;T=T_cond_4_out)
T_cond_4_out=T_cond-SUB
P_C_4=pressure(R$;T=T_cond;x=0,5)

h_evap_out_1=enthalpy(R$;P=P_e_1;T=T_evap_1_out)
P_e_1=pressure(R$;T=T_e_1;x=0,5)
T_evap_1_out=T_e_1+SUP
h_evap_out_2=enthalpy(R$;P=P_e_2;T=T_evap_2_out)
P_e_2=pressure(R$;T=T_e_2;x=0,5)
T_evap_2_out=T_e_2+SUP
h_evap_out_3=enthalpy(R$;P=P_e_3;T=T_evap_3_out)
P_e_3=pressure(R$;T=T_e_3;x=0,5)
T_evap_3_out=T_e_3+SUP
h_evap_out_4=enthalpy(R$;P=P_e_4;T=T_evap_4_out)
P_e_4=pressure(R$;T=T_e_4;x=0,5)
T_evap_4_out=T_e_4+SUP

Q_e_1=m_dot_1*(h_evap_out_1-h_evap_in_1)
Q_e_2=m_dot_2*(h_evap_out_2-h_evap_in_2)
Q_e_3=m_dot_3*(h_evap_out_3-h_evap_in_3)
Q_e_4=m_dot_4*(h_evap_out_4-h_evap_in_4)

COP=(Q_e_1+Q_e_2+Q_e_3+Q_e_4)/(W_c)

h_suc_1=h_evap_out_1
h_desc_1=enthalpy(R$;P=P_C_1;s=s_1)
s_1=entropy(R$;P=P_e_1;T=T_evap_1_out)
h_suc_2=h_evap_out_2
h_desc_2=enthalpy(R$;P=P_C_2;s=s_2)
s_2=entropy(R$;P=P_e_2;T=T_evap_2_out)
h_suc_3=h_evap_out_3
h_desc_3=enthalpy(R$;P=P_C_3;s=s_3)
s_3=entropy(R$;P=P_e_3;T=T_evap_3_out)
h_suc_4=h_evap_out_4
h_desc_4=enthalpy(R$;P=P_C_4;s=s_4)
s_4=entropy(R$;P=P_e_4;T=T_evap_4_out)

W_C_1=m_dot_1*(h_desc_1-h_suc_1)
W_C_2=m_dot_2*(h_desc_2-h_suc_2)
W_C_3=m_dot_3*(h_desc_3-h_suc_3)
W_C_4=m_dot_4*(h_desc_4-h_suc_4)

COP_1=Q_e_1/W_c_1
COP_2=Q_e_2/W_c_2
COP_3=Q_e_3/W_c_3
COP_4=Q_e_4/W_c_4

Q_C_1=Q_e_1-W_c_1
Q_C_2=Q_e_2-W_c_2
Q_C_3=Q_e_3-W_c_3
Q_C_4=Q_e_4-W_c_4

Q_C = (Q_e_1+Q_e_2+Q_e_3+Q_e_4)-(W_c)

m_dot=m_dot_1+m_dot_2+m_dot_3+m_dot_4
h_suc=(m_dot_1*h_suc_1+m_dot_2*h_suc_2+m_dot_3*h_suc_3+m_dot_4*h_suc_4)/m_dot
s=entropy(R$;P=P_e_1;h=h_suc)
h_desc_s=enthalpy(R$;P=P_cond;s=s)
W_C=(m_dot*(h_desc_s-h_suc))/ETA_G
W_C=m_dot*(h_desc-h_suc)
P_cond=pressure(R$;T=T_cond;x=0,5)
T_cond_out=T_cond+sub
h_cond_out=h_evap_in_1
T_E=T_E_1

"Catalogo compressor"

T_E_C=-20
T_c_c=40
Q_e_c=14697
SUP_C=10
SUB_C=10
W_C_C=7855
m_dot_C=508/3600
W_c_c=m_dot_C*(h_desc_c-h_suc_c)
h_suc_c=enthalpy(R$;P=P_E_c;T=T_SUC_c)
P_e_c=pressure(R$;T=T_E_c;x=0,5)
T_suc_c=T_e_c+sup_C
s_suc=entropy(R$;P=P_E_c;T=T_SUC_c)
h_desc_c_s=enthalpy(R$;P=P_c_c;s=s_suc)
W_c_c=(m_dot_C*(h_desc_c_s-h_suc_c))/ETA_G
P_c_c=pressure(R$;T=T_c_c;x=0,5)
SOLUTION
Unit Settings: SI C Pa J mass deg
A1,1 = 33 A1,2 = 48,6
A1,2,A = 24,6 A1,2,B = 24
A1,3 = 33 A1,4 = 48,6
A1,5 = 178,2 A2,1 = 15,9
A2,2 = 24,6 A2,2,A = 15,6
A2,2,B = 9 A2,3 = 15,9
A2,4 = 24,6 A2,5 = 43,46
A3,1 = 15,6 A3,2 = 15,6
A3,3 = 15,6 A3,4 = 15,6
A3,5 = 27,04 A4,1 = 64,5
A4,2 = 9 A4,3 = 64,5
A4,3,A = 15,6 A4,3,B = 15,9
A4,3,C = 33 A4,4 = 9
A4,5 = 64,5 Achao,1 = 178,2
Achao,2 = 43,46 Achao,3 = 27,04
Achao,4 = 64,5 Cargatermica = 60100
CargaTermica,1 = 6873 CargaTermica,2 = 47589
CargaTermica,3 = 3319 CargaTermica,4 = 2318
cl = 234360 COP = 1,619
COP1 = 2,367 COP2 = 2,367
COP3 = 3,484 COP4 = 4,92
Corredoremp = 3 cpantesdecongelar = 3220
cpdepoisdecongelar = 1670 cembalagem = 1400
dcamara,1,1 = 25 dcamara,1,2,A = 2
dcamara,1,2,B = 53 dcamara,1,3 = 50
dcamara,1,4 = 50 dcamara,1,5 = 55
dcamara,2,1 = 25 dcamara,2,2,A = 16
dcamara,2,2,B = 53 dcamara,2,3 = 50
dcamara,2,4 = 0 dcamara,2,5 = 55
dcamara,3,1 = 25 dcamara,3,2 = 52
dcamara,3,3 = 53 dcamara,3,4 = 0
dcamara,3,5 = 55 dcamara,4,1 = 25
dcamara,4,2 = 27 dcamara,4,3,A = -11
dcamara,4,3,B = -25 dcamara,4,3,C = -25
dcamara,4,4 = 25 dcamara,4,5 = 30
dleste = 3 dnorte = 2
doeste = 3 dteto = 5
dT,c = 10 dT,Carne,antesdecongelar = 35
dT,Carne,depoisdecongelar = 18 dT,e = 6
hempilhadeira = 0,85 hG = 0,6817
hcond,out = 265083 hcond,out,1 = 265083
hcond,out,2 = 265083 hcond,out,3 = 265083
hcond,out,4 = 265083 hdesc = 422609
hdesc,1 = 402309 hdesc,2 = 402309
hdesc,3 = 399761 hdesc,4 = 398261
hdesc,c = 419593 hdesc,c,s = 401876
hdesc,s = 403464 hempilhadeira,1 = 4
hempilhadeira,2 = 4 hempilhadeira,3 = 4
hempilhadeira,4 = 1 hevap,in,1 = 265083
hevap,in,2 = 265083 hevap,in,3 = 265083
hevap,in,4 = 265083 hevap,out,1 = 361554
hevap,out,2 = 361554 hevap,out,3 = 369727
hevap,out,4 = 375764 hext = 25
hext,ar = 109368 hint = 25
hint,1 = -12789 hint,2 = -12789
hint,3 = 6804 hint,4 = 19592
hpessoas,1 = 4 hpessoas,2 = 4
hpessoas,3 = 4 hpessoas,4 = 8
hpe,direito = 3 hsuc = 362457
hsuc,1 = 361554 hsuc,2 = 361554
hsuc,3 = 369727 hsuc,4 = 375764
hsuc,c = 363928 kaço = 52
kpu = 0,03 Larg1 = 11
Larg2 = 5,3 Larg3 = 5,2
Larg4 = 22,3 Laço = 0,0007
Lpu = 0,2 m2 = 10000
m3 = 10000 mcarne,1 = 80000
m = 0,6172 m1 = 0,07125 m2 = 0,4933 m3 = 0,03172
m4 = 0,02094 mC = 0,1411
membalagem = 149,9 n1 = 2
n2 = 2 n3 = 2
n4 = 2 nvolume,1 = 2,955
nvolume,2 = 6,1 nvolume,3 = 7,783
nvolume,4 = 4,98 Prof1 = 16,2
Prof2 = 8,2 Prof3 = 5,2
Prof4 = 3 Patm = 101325
Pcond = 2,052E+06 PC,1 = 2,052E+06
PC,2 = 2,052E+06 PC,3 = 2,052E+06
PC,4 = 2,052E+06 Pc,c = 1,822E+06
Pe,1 = 292410 Pe,2 = 292410
Pe,3 = 481619 Pe,4 = 685786
PE,c = 303641 Qaberturas,1 = 2571
Qaberturas,2 = 1295 Qaberturas,3 = 835,8
Qaberturas,4 = 1102 Qbiologico = 121,2
QC = 22973 QC,1 = 3970
QC,2 = 27485 QC,3 = 2366
QC,4 = 1847 Qembalagem = 128,7
Qe,1 = 6873 Qe,2 = 47589
Qe,3 = 3319 Qe,4 = 2318
Qe,c = 14697 Qlatente = 27125
Qparede,1 = 2376 Qparede,1,1 = 122,3
Qparede,1,2,A = 7,292 Qparede,1,2,B = 188,5
Qparede,1,3 = 244,6 Qparede,1,4 = 360,2
Qparede,1,5 = 1453 Qparede,2 = 638,7
Qparede,2,1 = 58,92 Qparede,2,2,A = 37
Qparede,2,2,B = 70,7 Qparede,2,3 = 117,8
Qparede,2,4 = 0 Qparede,2,5 = 354,3
Qparede,3 = 521 Qparede,3,1 = 57,81
Qparede,3,2 = 120,2 Qparede,3,3 = 122,5
Qparede,3,4 = 1,505E-36 Qparede,3,5 = 220,4
Qparede,4 = 388,5 Qparede,4,1 = 239
Qparede,4,2 = 36,02 Qparede,4,3,A = -25,43
Qparede,4,3,B = -58,92 Qparede,4,3,C = -122,3
Qparede,4,4 = 33,35 Qparede,4,5 = 286,8
Qpessoas,1 = 120,3 Qpessoas,2 = 120,3
Qpessoas,3 = 92,26 Qpessoas,4 = 140,5
Qsensivel,antesdecongelar = 13044 Qsensivel,depoisdecongelar = 3479
R = 1,047 R$ = 'R404A'
r1 = 530 r2 = 530
r3 = 440 rar,1 = 1,367
rar,2 = 1,367 rar,3 = 1,295
rar,4 = 1,244 rext = 1,126
R1,1 = 0,2044 R1,1,h,1 = 0,001212
R1,1,h,2 = 0,001212 R1,1,k,1 = 4,079E-07
R1,1,k,2 = 0,202 R1,1,k,3 = 4,079E-07
R1,2,A = 0,2743 R1,2,A,h,1 = 0,001626
R1,2,A,h,2 = 0,001626 R1,2,A,k,1 = 5,472E-07
R1,2,A,k,2 = 0,271 R1,2,A,k,3 = 5,472E-07

R1,2,B = 0,2811 R1,2,B,h,1 = 0,001667


R1,2,B,h,2 = 0,001667 R1,2,B,k,1 = 5,609E-07
R1,2,B,k,2 = 0,2778 R1,2,B,k,3 = 5,609E-07
R1,3 = 0,2044 R1,3,h,1 = 0,001212
R1,3,h,2 = 0,001212 R1,3,k,1 = 4,079E-07
R1,3,k,2 = 0,202 R1,3,k,3 = 4,079E-07
R1,4 = 0,1388 R1,4,h,1 = 0,000823
R1,4,h,2 = 0,000823 R1,4,k,1 = 2,770E-07
R1,4,k,2 = 0,1372 R1,4,k,3 = 2,770E-07
R1,5 = 0,03786 R1,5,h,1 = 0,0002245
R1,5,h,2 = 0,0002245 R1,5,k,1 = 7,554E-08
R1,5,k,2 = 0,03741 R1,5,k,3 = 7,554E-08
R2,1 = 0,4243 R2,1,h,1 = 0,002516
R2,1,h,2 = 0,002516 R2,1,k,1 = 8,466E-07
R2,1,k,2 = 0,4193 R2,1,k,3 = 8,466E-07
R2,2,A = 0,4325 R2,2,A,h,1 = 0,002564
R2,2,A,h,2 = 0,002564 R2,2,A,k,1 = 8,629E-07
R2,2,A,k,2 = 0,4274 R2,2,A,k,3 = 8,629E-07
R2,2,B = 0,7496 R2,2,B,h,1 = 0,004444
R2,2,B,h,2 = 0,004444 R2,2,B,k,1 = 0,000001496
R2,2,B,k,2 = 0,7407 R2,2,B,k,3 = 0,000001496
R2,3 = 0,4243 R2,3,h,1 = 0,002516
R2,3,h,2 = 0,002516 R2,3,k,1 = 8,466E-07
R2,3,k,2 = 0,4193 R2,3,k,3 = 8,466E-07
R2,4 = 0,2743 R2,4,h,1 = 0,001626
R2,4,h,2 = 0,001626 R2,4,k,1 = 5,472E-07
R2,4,k,2 = 0,271 R2,4,k,3 = 5,472E-07
R2,5 = 0,1552 R2,5,h,1 = 0,0009204
R2,5,h,2 = 0,0009204 R2,5,k,1 = 3,097E-07
R2,5,k,2 = 0,1534 R2,5,k,3 = 3,097E-07
R3,1 = 0,4325 R3,1,h,1 = 0,002564
R3,1,h,2 = 0,002564 R3,1,k,1 = 8,629E-07
R3,1,k,2 = 0,4274 R3,1,k,3 = 8,629E-07
R3,2 = 0,4325 R3,2,h,1 = 0,002564
R3,2,h,2 = 0,002564 R3,2,k,1 = 8,629E-07
R3,2,k,2 = 0,4274 R3,2,k,3 = 8,629E-07
R3,3 = 0,4325 R3,3,h,1 = 0,002564
R3,3,h,2 = 0,002564 R3,3,k,1 = 8,629E-07
R3,3,k,2 = 0,4274 R3,3,k,3 = 8,629E-07
R3,4 = 0,4325 R3,4,h,1 = 0,002564
R3,4,h,2 = 0,002564 R3,4,k,1 = 8,629E-07
R3,4,k,2 = 0,4274 R3,4,k,3 = 8,629E-07
R3,5 = 0,2495 R3,5,h,1 = 0,001479
R3,5,h,2 = 0,001479 R3,5,k,1 = 4,978E-07
R3,5,k,2 = 0,2465 R3,5,k,3 = 4,978E-07
R4,1 = 0,1046 R4,1,h,1 = 0,0006202
R4,1,h,2 = 0,0006202 R4,1,k,1 = 2,087E-07
R4,1,k,2 = 0,1034 R4,1,k,3 = 2,087E-07
R4,2 = 0,7496 R4,2,h,1 = 0,004444
R4,2,h,2 = 0,004444 R4,2,k,1 = 0,000001496
R4,2,k,2 = 0,7407 R4,2,k,3 = 0,000001496
R4,3,A = 0,4325 R4,3,A,h,1 = 0,002564
R4,3,A,h,2 = 0,002564 R4,3,A,k,1 = 8,629E-07
R4,3,A,k,2 = 0,4274 R4,3,A,k,3 = 8,629E-07
R4,3,B = 0,4243 R4,3,B,h,1 = 0,002516
R4,3,B,h,2 = 0,002516 R4,3,B,k,1 = 8,466E-07
R4,3,B,k,2 = 0,4193 R4,3,B,k,3 = 8,466E-07
R4,3,C = 0,2044 R4,3,C,h,1 = 0,001212
R4,3,C,h,2 = 0,001212 R4,3,C,k,1 = 4,079E-07
R4,3,C,k,2 = 0,202 R4,3,C,k,3 = 4,079E-07
R4,4 = 0,7496 R4,4,h,1 = 0,004444

R4,4,h,2 = 0,004444 R4,4,k,1 = 0,000001496

R4,4,k,2 = 0,7407 R4,4,k,3 = 0,000001496

R4,5 = 0,1046 R4,5,h,1 = 0,0006202

R4,5,h,2 = 0,0006202 R4,5,k,1 = 2,087E-07

R4,5,k,2 = 0,1034 R4,5,k,3 = 2,087E-07

s = 1649 SUB = 2

SUBC = 10 SUP = 8

SUPC = 10 s1 = 1646

s2 = 1646 s3 = 1638

s4 = 1634 ssuc = 1652

T1,1 = 10 T1,2,A = -13

T1,2,B = 38 T1,3 = 35

T1,4 = 35 T1,5 = 40

T2,1 = 10 T2,2,A = 1

T2,2,B = 38 T2,3 = 35

T2,4 = -15 T2,5 = 40

T3,1 = 10 T3,2 = 37

T3,3 = 38 T3,4 = -15

T3,5 = 40 T4,1 = 35

T4,2 = 37 T4,3,A = -1

T4,3,B = -15 T4,3,C = -15

T4,4 = 35 T4,5 = 40

Tamb = 35 TAR,1 = -15

TAR,2 = -15 Tar,3 = -1

Tar,4 = 10 TCOND = 45

Tcond,1,out = 43 Tcond,2,out = 43

Tcond,3,out = 43 Tcond,4,out = 43

Tcond,out = 47 Tc,c = 40

TE = -21 Tevap,1,out = -13

Tevap,2,out = -13 Tevap,3,out = 1

Tevap,4,out = 12 Te,1 = -21

Te,2 = -21 Te,3 = -7

Te,4 = 4 TE,C = -20

Tfinal,carne = -18 Tinicial,carne = 35


TSUC,c = -10 U1 = 0,9

U2 = 0,9 U3 = 0,9

U4 = 0,5 Uamb = 0,8

Varmazenamento,1 = 150,9 Varmazenamento,2 = 18,87

Varmazenamento,3 = 22,73 Varmazenamento,4 = 193,5

Vsala,1 = 534,6 Vsala,2 = 130,4

Vsala,3 = 81,12 Wc = 37127

WC,1 = 2904 WC,2 = 20104

WC,3 = 952,6 WC,4 = 471,2

WC,C = 7855 Wempilhadeira,1 = 1442

Wempilhadeira,2 = 1442 Wempilhadeira,3 = 1442

Wempilhadeira,4 = 360,5 Wempilhadeira,ligada = 8653

Wiluminação,1 = 94,01 Wiluminação,2 = 46,43

Wiluminação,3 = 36,62 Wiluminação,4 = 56,56

Wvent = 27
www.trineva.com.br www.trineva.com.br

TRN
DADOS DE CAPACIDADES
EVAPORADOR A AR FORÇADO BAIXO PERFIL
Capacidade Nominal (kcal/h) ∆t: 6K
1
Motoventiladores

Modelo Temperatura de Evaporação (°C) Qtde


Vazão de
Ø 254
10 5 0 -5 -10 -15 -20 -25 -30 -35 ar (m3/h)
(mm)
TRN 411 1.215 1.179 1.146 1.111 1.079 1.043 1.008 973 933 889 1 1.030

TRN 412 1.553 1.507 1.464 1.421 1.380 1.333 1.288 1.244 1.193 1.137 1 1.000

TRN 421 1.848 1.796 1.735 1.674 1.611 1.556 1.504 1.452 1.393 1.327 2 2.060

TRN 422 2.247 2.192 2.139 2.087 2.036 1.980 1.929 1.877 1.820 1.748 2 2.060

TRN 423 2.924 2.832 2.763 2.696 2.630 2.541 2.456 2.372 2.275 2.171 2 2.000

TRN 431 3.686 3.595 3.507 3.423 3.339 3.238 3.138 3.033 2.909 2.780 3 3.000

TRN 432 4.256 4.152 4.051 3.952 3.856 3.743 3.647 3.557 3.462 3.342 3 3.000

TRN 441 5.065 4.942 4.823 4.704 4.590 4.443 4.299 4.148 3.969 3.801 4 4.000

TRN 442 5.896 5.724 5.557 5.395 5.238 5.110 4.965 4.795 4.598 4.422 4 4.000
HCFC HFC HFO SUAS CARACTERÍSTICAS
TRN 451 7.285 7.073 6.867 6.666 6.473 6.327 6.144 5.905 5.663 5.396 5 5.000
Ø do ventilador: 254 mm (10”) Gabinete em alumínio; TRN 461 8.631 8.379 8.134 7.898 7.668 7.445 7.227 7.017 6.812 6.599 6 6.000
Espaçamento entre aletas: 4 app Grade direcionadora de ar injetadas com material flexível TRN 471 10.390 10.087 9.793 9.508 9.232 8.901 8.606 8.321 7.991 7.636 7 7.000
Flecha de ar: 11 metros (não quebra) e resistente a baixas temperaturas;
TRN 481 11.246 10.971 10.704 10.442 10.145 9.801 9.447 9.074 8.706 8.371 8 7.760
Pé direito: até 4 metros Bandeja basculante removível para acesso ao evaporador
e manutenção das resistências de degelo; Capacidades para 60 Hz, multiplicar por 0,9 para 50 Hz.
1

SUAS APLICAÇÕES Elementos de fixação (porcas, parafusos e arruelas) em Capacidades dimensionadas para R-404A, R-449A e R-507, multiplicar por 0,91 para R-134a e por 0,95 para R-22.
1

aço inoxidável;
Câmaras frigoríficas comerciais, de supermercados
Remoção dos motores pela parte frontal do equipamento DADOS ELÉTRICOS E MECÂNICOS
para conservação de produtos resfriados e congelados;
facilitando a manutenção e/ou substituição;
Expositores tipo “walk-in-cooler”; Motoventiladores Resistências Elétricas Conexões (Polegadas)
Chicotes elétricos dos motores aterrados e com Carga
Antecâmaras; Quantidade
conectores totalmente vedados, eliminando risco de Modelo Corrente Corrente de gás
Salas de preparo. Potência Potência Entrada Saída Equaliz. Dreno
penetração de umidade; (A) (A) (Kg)
(W) Serpent. Bandeja (W) (Líquido) (Sucção) Externo (BSP)
220V-1F 220V-1F
Sistema de degelo composto por três pares de
OPCIONAIS resistências com potências unitárias iguais, sendo duas TRN 411 65 0,5 2 1 1.050 4,8 1/2 1/2 - 1 0,2
fixadas na parte traseira e uma na parte inferior do
TRN 412 65 0,5 2 1 1.050 4,8 1/2 1/2 - 1 0,3
Gabinete com pintura eletrostática branca; evaporador, realizando o degelo da bandeja;
Serpentina com proteção especial para ambientes TRN 421 130 0,9 2 1 2.100 9,6 1/2 1/2 - 1 0,3
Unidades testadas a 500 psi e pressurizadas com
agressivos; nitrogênio, limpas e secas internamente. TRN 422 130 0,9 2 1 2.100 9,6 1/2 5/8 1/4 1 0,5
Fabricação com motores eletronicamente comutáveis. TRN 423 130 0,9 2 1 2.100 9,6 1/2 5/8 1/4 1 0,6

TRN 431 195 1,4 2 1 3.300 15,0 1/2 7/8 1/4 1 0,7

TRN 432 195 1,4 2 1 3.300 15,0 1/2 7/8 1/4 1 0,9

TRN 441 260 1,8 2 1 4.200 19,1 1/2 7/8 1/4 1 0,9

TRN 442 260 1,8 2 1 4.200 19,1 1/2 7/8 1/4 1 1,2

TRN 451 325 2,3 2 1 5.400 24,6 1/2 1 1/8 1/4 1 1,4

TRN 461 390 2,7 2 1 6.150 28,0 1/2 1 1/8 1/4 1 1,7
TRN E D 4 3 2 P S N 1
TRN 471 455 3,2 2 1 7.020 31,9 1/2 1 1/8 1/4 1 2,1
Espaçamento Qtde Sequen-
Linha Aplicação Degelo Coletores Tipo Motor Acabamento Tensão TRN 481 520 3,6 2 1 7.020 31,9 1/2 1 1/8 1/4 1 2,3
Entre Aletas Ventiladores cial

1
S = AC
2
P = Padrão Convencional c/ N = Sem pintura
3
E= A = Natural 1 E = Especial protetor térmico P = Gabinete pintado
4 = 4 aletas 4 1 = 220V/1F
TRN Expansão (ar) 2 D = Duplo Z = Eletrônico U = Serpentina pintada
por polegada 5 (50/60Hz)
direta D = Elétrico 3 (2 entradas ECQ T = Pintura total
6
/ 2 saídas) I = Eletrônico (gabinete + serpentina)
7
IQ
8

4 5
www.trineva.com.br www.trineva.com.br

TRS
DADOS DIMENSIONAIS E EMBALAGENS
EVAPORADOR A AR FORÇADO BAIXO PERFIL
Externas (mm) Fixação (mm) 1
Embalagem (mm) Pesos (Kg)
Modelo
A B C D E F G Comp. Larg. Alt. Líquido Bruto
TRN 411 612 250 330 314 416 - - 720 435 415 7 8

TRN 412 612 250 330 314 416 - - 720 435 415 8 9

TRN 421 1.002 250 330 314 806 - - 1.100 435 415 11 12

TRN 422 1.002 250 330 314 806 - - 1.100 435 415 12 13

TRN 423 1.002 250 330 314 806 - - 1.100 435 415 13 14

TRN 431 1.392 250 330 314 1.196 - - 1.500 435 415 18 19

TRN 432 1.392 250 330 314 1.196 - - 1.500 435 415 19 20

TRN 441 1.782 250 330 314 1.586 - - 1.890 435 415 22 24

TRN 442 1.782 250 330 314 1.586 - - 1.890 435 415 24 26

TRN 451 2.172 250 330 314 1.976 793 1.183 2.280 435 415 29 31

TRN 461 2.562 250 330 314 2.366 1.183 1.183 2.670 435 415 34 37 HCFC HFC HFO GLICOL CO2 SUAS CARACTERÍSTICAS
TRN 471 2.952 250 330 314 2.756 1.183 1.573 3.060 435 415 40 43
Ø do ventilador: 300 mm (12”) Gabinetes em alumínio;
TRN 481 3.122 250 330 314 2.926 1.463 1.463 3.230 435 415 43 46
Espaçamento entre aletas: 4 app
Coletores com conexão para degelo a gás quente no
Embalagem de isopor fechada com plástico termo retrátil.
1
Flecha de ar: 12 metros núcleo do evaporador, mantendo a resistência elétrica
Pé direito: até 5 metros na bandeja;

SUAS APLICAÇÕES Bandeja basculante removível para acesso ao


evaporador e manutenção das resistências de degelo;
TRN Câmaras frigoríficas comerciais, de supermercados
para conservação de produtos resfriados e congelados; Elementos de fixação (porcas, parafusos e arruelas)
em aço inoxidável;
Expositores tipo “walk-in-cooler”;
Antecâmaras; Remoção dos motores pela parte frontal do
Salas de preparo. equipamento facilitando a manutenção e/ou
substituição;
OPCIONAIS
Chicotes elétricos dos motores aterrados e com
Gabinete com pintura eletrostática branca; conectores totalmente vedados, eliminando risco de
penetração de umidade;
Serpentina com proteção especial para ambientes
agressivos; Sistema de degelo composto por três pares de
Fabricação com motores eletronicamente comutáveis; resistências com potências unitárias iguais, sendo
Coletores com conexões (padrão NPT) para fluidos duas fixadas na parte traseira e uma na parte inferior
secundários (glicol). do evaporador, realizando o degelo da bandeja;
Nesta aplicação espaçamento entre aletas de 6 app;
Unidades testadas a 500 psi e pressurizadas com
Coletores dimensionados para sistemas com CO2. nitrogênio, limpas e secas internamente.

TRS E D 4 3 2 P 02 C N 1

Espaçamento Qtde Sequen- Nº


Linha Aplicação Degelo Coletores Tipo Motor Acabamento Tensão
Entre Aletas Ventiladores cial Circuitos

01
A = Natural 1 N = Sem pintura
E= 02
(ar) 2 C = AC P = Gabinete
Expansão 4 = 4 aletas P = Padrão 03
D = Elétrico 3 Convencional pintado
direta por polegada 1 E = Especial 04 1=
G = Gás 4 Z = Eletrônico U = Serpentina
TRS W = Glicol 6 = 6 aletas 2 D = Duplo 05 220V/1F
quente na 5 ECQ pintada
(conexões por polegada 3 (2 entradas 06 (50/60Hz)
serpentina 6 E = Eletrônico T = Pintura total
NPT) (glicol) / 2 saídas) 07
e elétrico 7 ESM (gabinete +
C = CO2 08
na bandeja 8 serpentina)
10
6 7
www.trineva.com.br www.trineva.com.br

DADOS DE CAPACIDADES

FTBI
1
Capacidade Nominal (kcal/h) ∆t: 6K Motoventiladores
EVAPORADOR A AR FORÇADO ALTO PERFIL Temperatura de Evaporação (°C) Qtde Vazão
Modelo
Ø 500 de ar
10 5 0 -5 -10 -15 -20 -25 -30 -35 (mm) (m3/h)
FTBI 511 7.897 7.819 7.591 7.095 6.888 6.753 6.686 6.620 6.554 6.363 1 10.180
FTBI 512 9.910 9.812 9.527 8.903 8.644 8.475 8.391 8.308 8.225 7.986 1 10.040
FTBI 513 11.646 11.531 11.195 10.463 10.158 9.959 9.860 9.763 9.666 9.384 1 9.870
FTBI 514 12.648 12.523 12.158 11.363 11.032 10.816 10.709 10.603 10.498 10.192 1 9.690
FTBI 515 15.121 14.972 14.536 13.585 13.189 12.930 12.802 12.676 12.550 12.185 1 9.500
FTBI 521 15.892 15.734 15.276 14.277 13.861 13.589 13.455 13.321 13.190 12.805 2 20.360
FTBI 522 20.153 19.954 19.373 18.105 17.578 17.233 17.063 16.894 16.727 16.239 2 20.080
FTBI 523 23.204 22.975 22.305 20.846 20.239 19.842 19.646 19.451 19.259 18.698 2 19.740
FTBI 524 26.671 26.407 25.638 23.961 23.263 22.807 22.581 22.357 22.136 21.491 2 19.380
FTBI 525 31.921 31.605 30.685 28.677 27.842 27.296 27.026 26.758 26.493 25.722 2 19.000
FTBI 532 32.461 32.140 31.204 29.162 28.313 27.758 27.483 27.211 26.941 26.157 3 30.120
HCFC HFC HFO GLICOL CO2 SUAS CARACTERÍSTICAS FTBI 533 35.377 35.027 34.006 31.782 30.856 30.251 29.951 29.655 29.361 28.506 3 29.610
FTBI 534 40.967 40.562 39.380 36.804 35.732 35.031 34.685 34.341 34.001 33.011 3 29.070
Ø do ventilador: 500 mm Gabinetes em alumínio;
FTBI 535 48.263 47.785 46.393 43.358 42.095 41.270 40.861 40.456 40.056 38.889 3 28.500
Espaçamento entre aletas: 5 mm | 8 mm Versão standard com motores com dispositivos (streamer)
que aumentam a flecha de ar; FTBI 543 50.480 49.980 48.524 45.350 44.029 43.166 42.738 42.315 41.896 40.676 4 39.480
Flecha de ar: 32 metros | 36 metros
FTBI 544 53.927 53.394 51.838 48.447 47.036 46.114 45.657 45.205 44.758 43.454 4 38.760
Coletores com conexão para degelo a gás quente no núcleo
Pé direito: até 12 metros do evaporador, mantendo a resistência elétrica na bandeja; FTBI 545 64.270 63.634 61.780 57.739 56.057 54.958 54.414 53.875 53.342 51.788 4 38.000

Bandeja basculante para acesso ao evaporador e Capacidades para 60 Hz, multiplicar por 0,9 para 50 Hz.
1

SUAS APLICAÇÕES Capacidades dimensionadas para R-404A, R-449A e R-507, multiplicar por 0,91 para R-134a e por 0,95 para R-22.
1
manutenção das resistências de degelo;
Elementos de fixação (porcas, parafusos e arruelas) em aço DADOS DE CAPACIDADES
Câmaras frigoríficas de médio e grande porte para
conservação de produtos resfriados e congelados; inoxidável; 1
Capacidade Nominal (kcal/h) ∆t: 6K Motoventiladores
Antecâmaras; Sistema de degelo composto por resistências de varetas Temperatura de Evaporação (°C) Qtde Vazão
Modelo
duplas internas à serpentina que realizam o degelo do Ø 500 de ar
Túneis de congelamento.
núcleo e mais dois pares para o degelo da bandeja, fixados 10 5 0 -5 -10 -15 -20 -25 -30 -35 (mm) (m3/h)
na parte inferior da serpentina; FTBI 811 6.124 6.063 5.886 5.501 5.341 5.236 5.184 5.133 5.082 4.934 1 10.270
OPCIONAIS
Versão com degelo elétrico fornecida com uma resistência FTBI 812 7.702 7.626 7.404 6.920 6.718 6.586 6.521 6.456 6.393 6.206 1 10.160
flexível por dreno de 2 metros e 100W, e também termostato
Gabinete com pintura eletrostática branca; FTBI 813 9.094 9.004 8.742 8.170 7.932 7.776 7.699 7.623 7.548 7.328 1 10.050
de segurança;
Serpentina com proteção especial para ambientes FTBI 814 9.553 9.458 9.183 8.582 8.332 8.169 8.088 8.008 7.928 7.697 1 9.950
agressivos; Unidades testadas a 500 psi e pressurizadas, limpas e secas
internamente. FTBI 815 11.392 11.279 10.950 10.234 9.936 9.741 9.645 9.549 9.455 9.179 1 9.670
Fabricação com motores eletronicamente FTBI 821 12.424 12.301 11.942 11.161 10.836 10.624 10.518 10.414 10.311 10.011 2 20.540
comutáveis;
FTBI 822 15.961 15.803 15.342 14.339 13.921 13.648 13.513 13.379 13.247 12.861 2 20.320
Coletores com conexões (padrão NPT) para fluidos
FTBI 823 18.680 18.495 17.957 16.782 16.293 15.974 15.815 15.659 15.504 15.052 2 20.100
secundários (glicol);
FTBI 824 21.597 21.383 20.760 19.402 18.837 18.468 18.285 18.104 17.925 17.402 2 19.900
Coletores dimensionados para sistemas com CO2.
FTBI 825 26.189 25.929 25.174 23.527 22.842 22.394 22.172 21.953 21.736 21.102 2 19.340
FTBI 832 26.767 26.502 25.730 24.046 23.346 22.888 22.662 22.437 22.215 21.568 3 30.480
FTBI E D 5 3 2 P 02 A N 2
FTBI 833 28.650 28.367 27.540 25.739 24.989 24.499 24.256 24.016 23.779 23.086 3 30.150
Qtde
Espaçamento Sequen- Nº Tipo FTBI 834 33.444 33.113 32.148 30.045 29.170 28.598 28.315 28.035 27.757 26.949 3 29.850
Linha Aplicação Degelo Ventila- Coletores Acabamento Tensão
Entre Aletas cial Circuitos Motor
dores
FTBI 835 39.976 39.580 38.427 35.913 34.867 34.183 33.845 33.510 33.178 32.212 3 29.010
02 FTBI 843 41.741 41.328 40.124 37.499 36.407 35.693 35.340 34.990 34.643 33.634 4 40.200
P= 03 N = Sem pintura
E=
A = Natural (ar) Padrão 04 P = Gabinete 2 = 220V-3F FTBI 844 43.655 43.222 41.964 39.218 38.076 37.329 36.960 36.594 36.232 35.176 4 39.800
Expansão 1
D = Elétrico 5 = 5 mm 1 E= . pintado (50/60Hz)
direta 2 FTBI 845 52.628 52.107 50.590 47.280 45.903 45.003 44.557 44.116 43.679 42.407 4 38.680
G = Gás quente entre aletas 2 Especial . A = AC U = Serpentina 3 = 380V-3F
FTBI W = Glicol 3
na serpentina 8 = 8 mm 3 D= . E = EC pintada (50/60Hz) 1
Capacidades para 60 Hz, multiplicar por 0,9 para 50 Hz.
(conexões 4
e elétrico na entre aletas 4 Duplo (2 08 T = Pintura total 4 = 440V-3F 1
Capacidades dimensionadas para R-404A, R-449A e R-507, multiplicar por 0,91 para R-134a e por 0,95 para R-22.
NPT) 5
bandeja entradas/ 10 (gabinete + (50/60Hz)
C = CO2
2 saídas) 16 serpentina)
24
18 19
www.trineva.com.br www.trineva.com.br

DADOS ELÉTRICOS E MECÂNICOS DADOS DIMENSIONAIS E EMBALAGENS


Motoventiladores 1
Resistências Elétricas 2
Conexões (Polegadas) Externas (mm) Fixação (mm) 1
Embalagem (mm) Pesos (Kg)
Carga
Modelo Corrente Corrente Corrente Corrente
3
de gás Modelo 5 mm 8 mm
Potên- Qtde. Qtde. Potência Entrada Saída Equaliz. Dreno A B C D E F G H Comp. Larg. Alt.
(A) (A) (A) (A) (Kg)
cia (W) Núcleo Bandeja (W) (Líquido) (Sucção) Externo (BSP) Líq. Bruto Líq. Bruto
220V-3F 380V-3F 220V-3F 380V-3F

FTBI FTBI
1.150 3,8 2,2 4 2 6.600 17,3 10,0 1/2 1 1/8 1/4 2 2,4 1.423 440 738 490 1.030 - - - 1.600 840 810 70 105 65 100
511/811
511/811
FTBI FTBI
1.150 3,8 2,2 5 2 7.700 20,2 11,7 1/2 1 1/8 1/4 2 3,2 1.423 440 738 490 1.030 - - - 1.600 840 810 80 115 71 106
512/812 512/812

FTBI FTBI
1.150 3,8 2,2 6 2 8.800 23,1 13,4 5/8 1 1/8 1/4 2 4,1 1.423 550 738 600 1.030 - - - 1.600 950 810 90 125 81 116
513/813 513/813

FTBI FTBI
1.150 3,8 2,2 7 2 9.900 26,0 15,0 5/8 1 1/8 1/4 2 4,9 1.423 550 738 600 1.030 - - - 1.600 950 810 93 128 84 120
514/814 514/814

FTBI FTBI
1.150 3,8 2,2 9 2 12.100 31,8 18,4 5/8 1 1/8 1/4 2 5,6 1.423 660 738 710 1.030 - - - 1.600 1.060 810 105 140 95 130
515/815 515/815

FTBI FTBI
2.300 7,6 4,4 4 2 13.200 34,6 20,1 7/8 1 3/8 1/4 2 4,9 2.423 440 738 490 995 1.035 - - 2.600 840 810 115 150 106 141
521/821 521/821

FTBI FTBI
2.300 7,6 4,4 5 2 15.400 40,4 23,4 7/8 1 3/8 1/4 2 6,5 2.423 440 738 490 995 1.035 - - 2.600 840 810 130 165 118 153
522/822 522/822

FTBI FTBI
2.300 7,6 4,4 6 2 17.600 46,2 26,7 7/8 1 3/8 1/4 2 8,2 2.423 550 738 600 995 1.035 - - 2.600 950 810 150 185 135 170
523/823 523/823

FTBI FTBI
2.300 7,6 4,4 7 2 19.800 52,0 30,1 7/8 1 3/8 1/4 2 9,8 2.423 550 738 600 995 1.035 - - 2.600 950 810 157 192 140 175
524/824 524/824

FTBI FTBI
2.300 7,6 4,4 9 2 24.200 63,5 36,8 7/8 1 3/8 1/4 2 11,2 2.423 660 738 710 995 1.000 1.035 - 2.600 1.060 810 182 217 160 195
525/825 525/825

FTBI FTBI
3.450 11,1 6,3 5 2 23.100 60,6 35,1 7/8 1 5/8 1/4 (2x) 2 9,7 3.420 440 738 490 995 1.000 1.035 - 3.600 840 810 181 216 165 200
532/832 532/832

FTBI FTBI
3.450 11,1 6,3 6 2 26.400 69,3 40,1 7/8 1 5/8 1/4 (2x) 2 12,2 3.420 550 738 600 995 1.000 1.035 - 3.600 950 810 214 250 190 225
533/833 533/833

FTBI FTBI
3.450 11,1 6,3 7 2 29.700 77,9 45,1 7/8 1 5/8 1/4 (2x) 2 14,7 3.420 550 738 600 995 1.000 1.035 - 3.600 950 810 224 260 200 235
534/834 534/834

FTBI FTBI
3.450 11,1 6,3 9 2 36.300 95,3 55,2 7/8 1 5/8 1/4 (2x) 2 16,7 3.420 660 738 710 995 1.000 1.035 - 3.600 1.060 810 245 280 211 246
535/835 535/835
FTBI FTBI
4.600 14,8 8,4 6 2 35.200 92,4 53,5 7/8 2 1/8 1/4 (2x) 2 16,3 4.420 550 738 600 995 1.000 1.000 1.035 4.600 950 810 275 310 240 275
543/843 543/843
FTBI FTBI
4.600 14,8 8,4 7 2 39.600 103,9 60,2 1 1/8 2 1/8 1/4 (2x) 2 19,6 4.420 550 738 600 995 1.000 1.000 1.035 4.600 950 810 290 325 255 290
544/844 544/844
FTBI FTBI
4.600 14,8 8,4 9 2 48.400 127,0 73,5 1 1/8 2 1/8 1/4 (2x) 2 22,3 4.420 660 738 710 995 1.000 1.000 1.035 4.600 1.060 810 336 371 291 326
545/845 545/845

1
Dados das resistências elétricas válidos somente para a linha com espaçamento de 8 mm entre aletas. Embalagem de madeira (engradado).
1
1
Não é recomendado a aplicação da linha com espaçamento de 5 mm entre aletas para conservação de produtos congelados.
2
Consultar a engenharia da Trineva para dados de conexões para aplicação em sistemas de CO2 e Glicol.
3
Para rede trifásica 380V faz-se necessário adicionar um Neutro para ligação das resistências elétricas, que são monofásicas.

FTBI

20 21
www.trineva.com.br www.trineva.com.br

DADOS ELÉTRICOS E MECÂNICOS

Modelo Potência
(W)
Motoventiladores

Corrente (A)
220V-1F
Resistências Elétricas

Quantidade
Potência
(W)
Corrente (A)
220V-1F
Conexões (Polegadas)

Entrada
(Líquido)
Saída
(Sucção)
Posição
Carga de
gás (Kg)
TRV CONDENSADOR A AR REMOTO
MODELO “V”

FCI 01/07 20 0,2 1 350 1,6 3/8 3/8 Dir.|Esq. 0,2

FCI 02/08 20 0,2 1 350 1,6 3/8 3/8 Dir.|Esq. 0,2

FCI 03/09 20 0,2 1 350 1,6 3/8 3/8 Dir.|Esq. 0,2

FCI 10/13 40 0,3 1 500 2,3 3/8 3/8 Dir.|Esq. 0,3

FCI 11/14 40 0,3 1 500 2,3 3/8 3/8 Dir.|Esq. 0,3

FCI 12/15 40 0,3 1 500 2,3 3/8 3/8 Dir.|Esq. 0,3

FCI 04 40 0,3 1 500 2,3 3/8 3/8 Direita 0,4

FCI 05 40 0,3 1 500 2,3 3/8 3/8 Direita 0,5

FCI 06 40 0,3 1 500 2,3 3/8 3/8 Direita 0,4

Versão com degelo elétrico acrescentar (D) no código do produto, exemplo: FCID 08.
1

DADOS DIMENSIONAIS E EMBALAGENS


Externas (mm) Fixação (mm) 1
Embalagem (mm) Pesos (Kg)
Modelo
A B C D E Comprim. Largura Altura Líquido Bruto
FCI 01/07 373 116 316 320 140 390 130 330 4,3 4,8

FCI 02/08 373 116 316 320 140 390 130 330 4,5 5,0
SUAS APLICAÇÕES SUAS CARACTERÍSTICAS
FCI 03/09 373 116 316 320 140 390 130 330 4,7 5,2

FCI 10/13 473 116 316 420 140 490 130 330 5,7 6,2 Sistemas de refrigeração de:
• Supermercados, atacados; Gabinetes em alumínio naval que proporciona mais
FCI 11/14 473 116 316 420 140 490 130 330 6,0 6,5 rigidez e durabilidade ao produto exposto ao tempo;
• Frigoríficos;
FCI 12/15 473 116 316 420 140 490 130 330 6,2 6,7
• Centros de distribuição e armazenamento;
FCI 04 Construído no formato “V” proporcionando ganho
ALTURA (C)

473 116 316 420 140 490 130 330 5,7 6,2
• Centrais de água gelada (chillers) e “dry-coolers”.
de espaço na instalação;
FCI 05 473 116 316 420 140 490 130 330 6,0 6,5

FCI 06 473 116 316 420 140 490 130 330 5,7 6,2 OPCIONAIS
Alças de içamento para movimentação e instalação;
Embalagem em caixa de papelão.
1 COMPRIMENTO (A)
Serpentina com proteção especial para ambientes
agressivos ou próximos a orla marítima; Elementos de fixação (porcas, parafusos e arruelas)
em aço inoxidável, evitando corrosão;
LARGURA (B)

Fabricação com motores eletronicamente comutáveis (EC);


FIXAÇÃO (E)

Transdutor de pressão para controle dos motores EC;


ALTURA (C)

Coletores divididos em mais circuitos atendendo às cargas Unidades testadas a 500 psi e pressurizadas com
FIXAÇÃO (D)

de resfriados e congelados simultaneamente; nitrogênio, limpas e secas internamente.


Coletores com conexões para água;
COMPRIMENTO (A)
LARGURA (B)
FIXAÇÃO (E)

TRV 3 5 1 8 6 P N 3

Qtde Sequen- Espaçamento Diâmetro Acabamento


FIXAÇÃO (D) Linha Tipo Motor Coletores Tensão
Ventiladores cial entre aletas Hélice Motor Serpentina

4 = AC 4 Polos 2 = 220V-3F
1 1 = 10 aletas
2 6 = AC 6 Polos N = Sem proteção (50/60Hz)
2 por polegada
3 5 = 500 mm 8 = AC 8 Polos P = Padrão anticorrosiva 3 = 380V-3F
TRV 3 2 = 12 aletas
4 8 = 800 mm 2 = AC 12 Polos E = Especial P = Com proteção (50/60Hz)
4 por polegada
5 E = Eletrônico anticorrosiva 4 = 440V-3F
5
(50/60Hz)

40 41
www.trineva.com.br www.trineva.com.br

800 mm 6 Polos 800 mm 8 Polos 800 mm 12 Polos Conexões (Poleg.) 800 mm EC 970 rpm 800 mm EC 760 rpm 800 mm EC 570 rpm Conexões (Poleg.)
Qtde Capacidade Nível Capacidade Capacidade Nível Qtde Capacidade Nível Capacidade Nível Capacidade Nível
Ø 800 Modelo Modelo Nível Modelo Ø 800 Modelo
Nominal Ruído Nominal Nominal Ruído Nominal Ruído Nominal Ruído Nominal Ruído
(mm) Ruído Entrada Saída (mm) Entrada Saída
(kcal/h) a 10m (kcal/h) (kcal/h) a 10m (kcal/h) a 10m (kcal/h) a 10m (kcal/h) a 10m
(dBA)
∆t: 10 (dBA) ∆t: 10 ∆t: 10 (dBA) ∆t: 10 (dBA) ∆t: 10 (dBA) ∆t: 10 (dBA)
1 TRV 121 86 46.750 44 TRV 121 88 39.364 40 TRV 121 82 30.166 33 1 1/8 7/8 1 TRV 121 8E 49.592 44 41.432 40 32.108 33 1 1/8 7/8
1 TRV 122 86 51.128 44 TRV 122 88 42.958 40 TRV 122 82 32.804 33 1 1/8 7/8 1 TRV 122 8E 54.400 44 45.814 40 34.982 33 1 1/8 7/8
1 TRV 131 86 66.040 44 TRV 131 88 51.606 40 TRV 131 82 37.956 33 1 1/8 7/8 1 TRV 131 8E 69.424 44 55.130 40 40.678 33 1 1/8 7/8
1 TRV 132 86 71.422 44 TRV 132 88 55.570 40 TRV 132 82 40.574 33 1 1/8 7/8 1 TRV 132 8E 74.404 44 59.516 40 43.546 33 1 1/8 7/8
1 TRV 141 86 73.158 44 TRV 141 88 56.370 40 TRV 141 82 42.552 33 1 3/8 7/8 1 TRV 141 8E 76.298 44 61.632 40 45.994 33 1 3/8 7/8
1 TRV 142 86 78.030 44 TRV 142 88 59.342 40 TRV 142 82 44.734 33 1 3/8 7/8 1 TRV 142 8E 81.698 44 63.870 40 48.476 33 1 3/8 7/8
1 TRV 151 86 79.240 44 TRV 151 88 61.075 40 TRV 151 82 45.822 33 1 3/8 7/8 1 TRV 151 8E 86.746 44 64.898 40 49.788 33 1 3/8 7/8
1 TRV 152 86 82.444 44 TRV 152 88 63.178 40 TRV 152 82 47.618 33 1 3/8 7/8 1 TRV 152 8E 92.080 44 68.404 40 51.872 33 1 3/8 7/8
2 TRV 221 86 93.500 47 TRV 221 88 78.728 43 TRV 221 82 60.081 36 1 3/8 7/8 2 TRV 221 8E 103.214 47 82.864 43 64.216 36 1 3/8 7/8
2 TRV 222 86 102.256 47 TRV 222 88 85.916 43 TRV 222 82 65.334 36 1 3/8 7/8 2 TRV 222 8E 113.100 47 91.628 43 69.964 36 1 3/8 7/8
2 TRV 231 86 132.080 47 TRV 231 88 103.212 43 TRV 231 82 75.686 36 1 5/8 1 1/8 2 TRV 231 8E 137.222 47 110.260 43 81.356 36 1 5/8 1 1/8
2 TRV 232 86 142.844 47 TRV 232 88 111.140 43 TRV 232 82 80.780 36 1 5/8 1 1/8 2 TRV 232 8E 148.846 47 119.032 43 87.092 36 1 5/8 1 1/8
2 TRV 241 86 146.316 47 TRV 241 88 112.740 43 TRV 241 82 82.258 36 1 5/8 1 1/8 2 TRV 241 8E 158.754 47 123.264 43 91.988 36 1 5/8 1 1/8
2 TRV 242 86 156.060 47 TRV 242 88 118.684 43 TRV 242 82 89.282 36 1 5/8 1 1/8 2 TRV 242 8E 170.004 47 127.740 43 96.952 36 1 5/8 1 1/8
2 TRV 251 86 158.480 47 TRV 251 88 122.150 43 TRV 251 82 91.246 36 1 5/8 1 1/8 2 TRV 251 8E 178.930 47 129.796 43 99.576 36 1 5/8 1 1/8
2 TRV 252 86 164.888 47 TRV 252 88 126.356 43 TRV 252 82 94.866 36 1 5/8 1 1/8 2 TRV 252 8E 189.982 47 136.808 43 103.744 36 1 5/8 1 1/8
3 TRV 331 86 198.120 49 TRV 331 88 154.818 45 TRV 331 82 113.966 37 2 1/8 1 5/8 3 TRV 331 8E 211.082 49 165.390 45 122.034 37 2 1/8 1 5/8
3 TRV 332 86 214.266 49 TRV 332 88 166.710 45 TRV 332 82 121.518 37 2 1/8 1 5/8 3 TRV 332 8E 228.544 49 178.548 45 130.638 37 2 1/8 1 5/8
3 TRV 341 86 219.474 49 TRV 341 88 169.110 45 TRV 341 82 125.048 37 2 1/8 1 5/8 3 TRV 341 8E 233.178 49 184.896 45 137.982 37 2 1/8 1 5/8
3 TRV 342 86 234.090 49 TRV 342 88 178.026 45 TRV 342 82 133.696 37 2 1/8 1 5/8 3 TRV 342 8E 249.636 49 191.610 45 145.428 37 2 1/8 1 5/8
3 TRV 351 86 237.720 49 TRV 351 88 183.225 45 TRV 351 82 138.082 37 2 1/8 1 5/8 3 TRV 351 8E 256.280 49 194.694 45 149.364 37 2 1/8 1 5/8
3 TRV 352 86 247.332 49 TRV 352 88 189.534 45 TRV 352 82 143.370 37 2 1/8 1 5/8 3 TRV 352 8E 271.948 49 205.212 45 155.616 37 2 1/8 1 5/8
4 TRV 431 86 264.160 50 TRV 431 88 206.424 46 TRV 431 82 151.664 39 2 1/8 1 5/8 4 TRV 431 8E 276.392 50 220.520 46 162.712 39 2 1/8 1 5/8
4 TRV 432 86 285.688 50 TRV 432 88 222.280 46 TRV 432 82 162.270 39 2 1/8 1 5/8 4 TRV 432 8E 299.038 50 238.064 46 174.184 39 2 1/8 1 5/8
4 TRV 441 86 292.632 50 TRV 441 88 225.480 46 TRV 441 82 169.768 39 2 1/8 2 1/8 4 TRV 441 8E 313.852 50 246.528 46 183.976 39 2 1/8 2 1/8
4 TRV 442 86 312.120 50 TRV 442 88 237.368 46 TRV 442 82 178.518 39 2 1/8 2 1/8 4 TRV 442 8E 339.138 50 255.480 46 193.904 39 2 1/8 2 1/8
4 TRV 451 86 316.960 50 TRV 451 88 244.300 46 TRV 451 82 182.898 39 2 1/8 2 1/8 4 TRV 451 8E 348.192 50 259.592 46 199.152 39 2 1/8 2 1/8
4 TRV 452 86 329.776 50 TRV 452 88 252.712 46 TRV 452 82 190.078 39 2 1/8 2 1/8 4 TRV 452 8E 372.900 50 273.616 46 207.488 39 2 1/8 2 1/8
5 TRV 531 86 330.200 51 TRV 531 88 258.030 47 TRV 531 82 195.270 40 3 1/8 2 1/8 5 TRV 531 8E 355.050 51 275.650 47 203.390 40 3 1/8 2 1/8
5 TRV 532 86 357.110 51 TRV 532 88 277.850 47 TRV 532 82 201.882 40 3 1/8 2 1/8 5 TRV 532 8E 384.018 51 297.580 47 217.730 40 3 1/8 2 1/8
5 TRV 541 86 365.790 51 TRV 541 88 281.850 47 TRV 541 82 212.228 40 3 1/8 2 5/8 5 TRV 541 8E 391.022 51 308.160 47 229.970 40 3 1/8 2 5/8
5 TRV 542 86 390.150 51 TRV 542 88 296.710 47 TRV 542 82 223.084 40 3 1/8 2 5/8 5 TRV 542 8E 418.878 51 319.350 47 242.380 40 3 1/8 2 5/8
5 TRV 551 86 396.200 51 TRV 551 88 305.375 47 TRV 551 82 228.316 40 3 1/8 2 5/8 5 TRV 551 8E 440.434 51 324.490 47 248.940 40 3 1/8 2 5/8
5 TRV 552 86 412.220 51 TRV 552 88 315.890 47 TRV 552 82 236.844 40 3 1/8 2 5/8 5 TRV 552 8E 466.216 51 342.020 47 259.360 40 3 1/8 2 5/8

500 mm 4 Polos Conexões (Poleg.)


Dados Elétricos*
Qtde Modelo
Capacidade Nível Potência Corrente (A) Corrente (A)
Ø 500 Modelo Motor
Nominal Ruído (kW) 220V-3F 380V-3F
(mm) Entrada Saída
(kcal/h) a 10m
800 mm
∆t: 10 (dBA) 2,2 7,8 4,5
6 Polos
2 TRV 221 54 44.928 52 1 1/8 7/8 800 mm
1,1 4,3 2,5
2 TRV 222 54 48.450 52 1 1/8 7/8 8 Polos
2 TRV 231 54 58.312 52 1 1/8 7/8 800 mm
0,4 1,7 1,0
12 Polos
2 TRV 232 54 62.456 52 1 1/8 7/8
2 TRV 241 54 67.407 52 1 1/8 7/8 500 mm
1,1 3,5 2,0
4 Polos
2 TRV 242 54 71.279 52 1 1/8 7/8
800 mm
2 TRV 251 54 73.218 52 1 1/8 7/8 2,1 5,7 3,0
EC
2 TRV 252 54 76.608 52 1 1/8 7/8
Valores por motor.
*
42 43
www.trineva.com.br www.trineva.com.br

TRP
DADOS DIMENSIONAIS E EMBALAGENS
CONDENSADOR A AR REMOTO
Externas (mm) Fixação (mm) Embalagem (mm)
1
Pesos (Kg)
MODELO PLANO
Modelo 10 app 12 app
A B C D E F G H I Comp. Larg. Alt.
Líq. Bruto Líq. Bruto
TRV 121 8 | 122 8 1.266 1.070 1.645 722 943 - - - - 1.485 1.160 1.800 124 173 127 176

TRV 131 8 | 132 8 1.266 1.070 1.645 722 943 - - - - 1.485 1.160 1.800 139 188 143 192

TRV 141 8 | 142 8 1.271 1.070 1.645 722 943 - - - - 1.485 1.160 1.800 154 204 160 209

TRV 151 8 | 152 8 1.271 1.070 1.645 722 943 - - - - 1.485 1.160 1.800 169 219 176 225

TRV 221 8 | 222 8 2.271 1.070 1.645 722 973 1.943 - - - 2.485 1.160 1.800 228 300 233 305

TRV 231 8 | 232 8 2.281 1.070 1.645 722 973 1.943 - - - 2.485 1.160 1.800 259 331 267 339

TRV 241 8 | 242 8 2.281 1.070 1.645 722 973 1.943 - - - 2.485 1.160 1.800 288 360 299 370

TRV 251 8 | 252 8 2.281 1.070 1.645 722 973 1.943 - - - 2.485 1.160 1.800 317 389 330 402

TRV 331 8 | 332 8 3.291 1.070 1.645 722 973 1.973 2.943 - - 3.485 1.160 1.800 383 480 395 492

TRV 341 8 | 342 8 3.291 1.070 1.645 722 973 1.973 2.943 - - 3.485 1.160 1.800 427 524 443 540

TRV 351 8 | 352 8 3.291 1.070 1.645 722 973 1.973 2.943 - - 3.485 1.160 1.800 471 568 491 588

TRV 431 8 | 432 8 4.291 1.070 1.645 722 973 1.973 2.973 3.943 - 4.485 1.160 1.800 501 622 517 638

TRV 441 8 | 442 8 4.291 1.070 1.645 722 973 1.973 2.973 3.943 - 4.485 1.160 1.800 560 682 581 703

TRV 451 8 | 452 8 4.291 1.070 1.645 722 973 1.973 2.973 3.943 - 4.485 1.160 1.800 619 740 645 767

TRV 531 8 | 532 8 5.316 1.070 1.645 722 973 1.973 2.973 3.973 4.943 5.485 1.160 1.800 623 770 643 790 SUAS APLICAÇÕES SUAS CARACTERÍSTICAS
TRV 541 8 | 542 8 5.316 1.070 1.645 722 973 1.973 2.973 3.973 4.943 5.485 1.160 1.800 697 843 723 870
Sistemas de refrigeração de:
TRV 551 8 | 552 8 5.316 1.070 1.645 722 973 1.973 2.973 3.973 4.943 5.485 1.160 1.800 768 914 801 947 • Supermercados, atacados; Gabinetes em alumínio naval que proporciona mais
rigidez e durabilidade ao produto exposto ao tempo;
TRV 221 5 | 222 5 1.590 870 1.380 521 648 1.313 - - - 1.900 960 1.535 119 176 122 179 • Frigoríficos;
TRV 231 5 | 232 5 1.590 870 1.380 521 648 1.313 - - - 1.900 960 1.535 135 193 140 197 • Centros de distribuição e armazenamento;
Construído com os pés comutáveis para instalação
TRV 241 5 | 242 5 1.590 870 1.380 521 648 1.313 - - - 1.900 960 1.535 152 209 158 215
• Centrais de água gelada (chillers) e “dry-coolers”.
tanto para fluxo vertical (mesa) ou horizontal do ar;
TRV 251 5 | 252 5 1.590 870 1.380 521 648 1.313 - - - 1.900 960 1.535 167 225 175 233
OPCIONAIS
Alças de içamento para movimentação e instalação;
Embalagem de madeira (engradado).
1

Serpentina com proteção especial para ambientes


agressivos ou próximos a orla marítima; Elementos de fixação (porcas, parafusos e arruelas)
Fabricação com motores eletronicamente comutáveis (EC); em aço inoxidável, evitando corrosão;
Transdutor de pressão para controle dos motores EC;
Coletores divididos em mais circuitos atendendo às cargas Unidades testadas a 500 psi e pressurizadas com
de resfriados e congelados simultaneamente; nitrogênio, limpas e secas internamente.
Coletores com conexões para água.

-G TRP 2 5 2 8 6 P N 3
-H
-I Diâmetro
Qtde Sequen- Espaçamento Acabamento
Linha Hélice Tipo Motor Coletores Tensão
Ventiladores cial entre aletas Serpentina
Motor

4 = AC 4 Polos 2 = 220V-3F
1 1 = 10 aletas por
6 = AC 6 Polos N = Sem proteção (50/60Hz)
TR 2 3 polegada
V 5 = 500 mm 8 = AC 8 Polos P = Padrão anticorrosiva 3 = 380V-3F
TRP 3 4 2 = 12 aletas por
8 = 800 mm 2 = AC 12 Polos E = Especial P = Com proteção (50/60Hz)
4 5 polegada
E = Eletrônico anticorrosiva 4 = 440V-3F
5
(50/60Hz)

44 45
Data sheet

Thermostatic expansion valves


Type T2 / TE2

Thermostatic expansion valves regulate the


injection of refrigerant liquid into evaporators.

Injection is controlled by the refrigerant


superheat.

Therefore the valves are especially suitable


for liquid injection in ”dry“ evaporators where
the superheat at the evaporator outlet is
proportional to the evaporator load.

Features yy Large temperature range yy Stainless steel bulb and Danfoss patented
– Equally applicable to freezing, refrigeration bulb strap
and air conditioning applications. – Fast and easy to install
yy Interchangeable orifice assembly – Good temperature transfer from pipe to
– easy storage bulb
– easy capacity matching yy Valves for special temperature ranges can be
– better service. supplied
– easy cleaning and replacement of filter yy Design protected
yy Rated capacities from 1 to 20.5 kW /
0.3 to 5.8 TR for R407C
yy Can be supplied with MOP (Max. Operating
Pressure).
– Protects the compressor motor against
excessive evaporating pressure during
normal operation

© Danfoss | DCS (rm) | 2019.07 DKRCC.PD.AA0.3A.02 | 1


Data sheet | Thermostatic expansion valves, type T2 / TE2

Capacity Capacity in kW, range N -40 °C to 10 °C. Opening superheat sh= 6 K R404A
Evaporating [°C]
Cond. temp.
Valve type Orifice no. -40 -30 -20 -10 0 10
[°C]
Capacity [kW]
T2 / TE2 0X 0.55 0.61 0.64 0.65 0.62 0.54
T2 / TE2 00 0.72 0.92 1.09 1.21 1.22 1.08
T2 / TE2 01 1.00 1.38 1.81 2.20 2.40 2.25
T2 / TE2 02 1.12 1.58 2.17 2.79 3.25 3.22
25
T2 / TE2 03 1.86 2.65 3.65 4.72 5.49 5.42
T2 / TE2 04 2.68 3.83 5.36 7.12 8.53 8.69
T2 / TE2 05 3.51 5.04 7.06 9.38 11.20 11.30
T2 / TE2 06 4.15 5.99 8.43 11.20 13.40 13.30

Evaporating [°C]
Cond. temp.
Valve type Orifice no. -40 -30 -20 -10 0 10
[°C]
Capacity [kW]
T2 / TE2 0X 0.52 0.59 0.64 0.67 0.68 0.64
T2 / TE2 00 0.67 0.88 1.08 1.25 1.34 1.29
T2 / TE2 01 0.95 1.33 1.79 2.28 2.64 2.70
T2 / TE2 02 1.07 1.53 2.15 2.90 3.59 3.89
35
T2 / TE2 03 1.78 2.57 3.64 4.93 6.11 6.57
T2 / TE2 04 2.60 3.75 5.37 7.45 9.53 10.60
T2 / TE2 05 3.40 4.93 7.07 9.82 12.50 13.70
T2 / TE2 06 4.00 5.83 8.40 11.70 14.90 16.30

Evaporating [°C]
Cond. temp.
Valve type Orifice no. -40 -30 -20 -10 0 10
[°C]
Capacity [kW]
T2 / TE2 0X 0.46 0.54 0.60 0.65 0.68 0.67
T2 / TE2 00 0.61 0.81 1.01 1.20 1.34 1.38
T2 / TE2 01 0.86 1.22 1.68 2.19 2.66 2.87
T2 / TE2 02 0.97 1.41 2.02 2.81 3.64 4.16
45
T2 / TE2 03 1.63 2.38 3.43 4.80 6.23 7.06
T2 / TE2 04 2.43 3.50 5.08 7.26 9.74 11.40
T2 / TE2 05 3.17 4.60 6.69 9.58 12.90 14.90
T2 / TE2 06 3.71 5.41 7.92 11.40 15.40 17.70

Evaporating [°C]
Cond. temp.
Valve type Orifice no. -40 -30 -20 -10 0 10
[°C]
Capacity [kW]
T2 / TE2 0X 0.39 0.47 0.54 0.59 0.62 0.64
T2 / TE2 00 0.52 0.70 0.89 1.07 1.23 1.30
T2 / TE2 01 0.74 1.06 1.47 1.96 2.44 2.73
T2 / TE2 02 0.85 1.23 1.78 2.52 3.35 3.96
55
T2 / TE2 03 1.43 2.09 3.03 4.32 5.78 6.76
T2 / TE2 04 2.17 3.10 4.50 6.51 8.98 10.90
T2 / TE2 05 2.83 4.07 5.92 8.61 11.90 14.40
T2 / TE2 06 3.29 4.77 6.99 10.30 14.30 17.20

Subcooling correction factor 'fsub'


Subcooling [K] 2 4 10 15 20 25 30 35 40 45 50
Correction factor 0.97 1.00 1.09 1.16 1.23 1.30 1.38 1.45 1.52 1.59 1.65
Distributer correction factor 'fp' *)
Pressure drop Evaporating temp. [°C]
[bar] -40 -35 -30 -25 -20 -15 -10 -5 0 5 10 15
0 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1
“Pressure 1 0.96 0.96 0.96 0.96 0.96 0.96 0.95 0.95 0.94 0.94 0.92 0.91
drop
[bar]” 1.5 0.94 0.94 0.94 0.94 0.94 0.93 0.93 0.92 0.91 0.90 0.88 0.86
2 0.92 0.92 0.92 0.92 0.91 0.91 0.90 0.89 0.88 0.87 0.84 0.80
*) calculated at 32 °C condensing temperature

© Danfoss | DCS (rm) | 2019.07 DKRCC.PD.AA0.3A.02 | 12


Data sheet

Thermostatic expansion valves


Type TE 5 – TE 55

The TE 5 - TE 55 series expansion valve regulate


the injection of refrigerant into evaporators.
It controls the refrigerant flow based on the
superheat. The exchangeable power element
is produced with the well known Danfoss laser
welding technology for extended lifetime
capability. The TE 5 - TE 55 series is available with
a wide range of orifices which will cover a wide
range of applications.

Applications:
- Air conditioning system
- Chiller
- Cold room
- Freezer
- Other refrigeration systems

Features • Wide operating range: • Wide capacity range, rated capacity from:
-40 – 10 °C / -40 – 50 °F R448A/R449A : 9 – 225 kW / 2.5 – 64 TR
-60 – -25 °C / -75 – -15 °F R407F : 11 – 250 kW / 3 – 71 TR
• Refrigerants: R407F, R407A, R448A, R449A, R404A/R507 : 7 – 183 kW / 2 – 52 TR
R452A,R404A, R507, R22, R513A, R134a and • MOP function is available.
R407C. • Superior charge performance.
• Interchangeable orifice assembly: • PS / MWP (maximum working pressure):
- easy storage 28 bar / 400 psig.
- easy capacity matching • Minimized capacity gap and overlap
- better service between orifices.
• Laser welded stainless steel power element, • TE 55 has balanced port design.
capillary tube and bulb. • Patented bulb strap design.

© Danfoss | DCS (sw) | 2019.01 DKRCC.PD.AB0.A7.02 | 1


Data sheet | Thermostatic expansion valves, type TE 5 – TE 55

Capacity in kW. Range: -40 – 10 °C. Capacity in TR. Range: -40 – 50 °F.
Opening superheat sh = 4 K SI units R22 Opening superheat sh = 7.2 °F. US units R22
Valve Orifice Cond. Evap. temp. [°C] Valve Orifice Cond. Evap. temp. [°F]
type no. temp. type no. temp.
-40 -30 -20 -10 0 10 [°F] -40 -20 0 20 40 50
[°C]
0.5 45 4.71 5.98 7.45 9.06 10.6 11.8 0.5 115 1.34 1.74 2.22 2.73 3.21 3.39
01 45 8.62 11.0 13.7 16.67 19.5 21.6 01 115 2.45 3.20 4.08 5.03 5.88 6.19
TE 5 02 45 12.1 15.4 19.3 23.4 27.2 29.8 TE 5 02 115 3.42 4.50 5.74 7.04 8.16 8.53
03 45 15.2 19.3 24.1 29.4 34.5 38.1 03 115 4.30 5.61 7.17 8.85 10.4 10.9
04 45 20.0 25.7 32.6 40.1 47.1 51.9 04 115 5.65 7.50 9.70 12.1 14.2 14.8
05 45 24.2 30.3 37.8 46.6 55.8 63.7 05 115 6.85 8.79 11.2 14.0 16.9 18.1
TE 12 06 45 30.3 38.6 48.9 61.1 74.2 85.3 TE 12 06 115 8.58 11.2 14.5 18.5 22.6 24.3
07 45 38.8 48.4 60.4 75.1 91.7 107 07 115 11.0 14.0 17.8 22.7 27.9 30.3
08 45 52.6 67.8 86.0 107 127 142 08 115 14.9 19.7 25.5 32.2 38.4 40.6
TE 20 TE 20
09 45 55.0 71.5 92.1 117 144 165 09 115 15.5 20.7 27.4 35.5 43.8 47.0
10 45 58.0 78.1 102 132 163 190 10 115 16.3 22.7 30.7 40.1 49.8 53.9
11 45 63.2 85.0 112 143 176 205 11 115 17.8 24.7 33.3 43.5 53.9 58.3
TE 55 TE 55
12 45 67.0 90.4 119 154 191 225 12 115 18.8 26.2 35.6 46.9 58.7 63.9
13 45 79.1 107 143 185. 231 271 13 115 22.2 31.2 42.6 56.4 70.7 76.8

Capacity in kW. Range: -40 – 10 °C. Capacity in TR. Range: -40 – 50 °F.
Opening superheat sh = 4 K SI units R22 Opening superheat sh = 7.2 °F. US units R22
Valve Orifice Cond. Evap. temp. [°C] Valve Orifice Cond. Evap. temp. [°F]
type no. temp. type no. temp.
-40 -30 -20 -10 0 10 [°F] -40 -20 0 20 40 50
[°C]
0.5 55 4.68 5.92 7.38 9.02 10.74 12.3 0.5 135 1.32 1.72 2.18 2.71 3.25 3.50
01 55 8.55 10.9 13.6 16.7 19.8 22.6 01 135 2.42 3.15 4.03 5.01 6.00 6.44
TE 5 02 55 11.9 15.3 19.2 23.4 27.8 31.4 TE 5 02 135 3.38 4.43 5.68 7.05 8.39 8.94
03 55 14.9 18.9 23.6 29.0 34.6 39.6 03 135 4.22 5.47 6.98 8.71 10.5 11.2
04 55 19.4 25.0 31.8 40.0 47.5 54.2 04 135 5.48 7.24 9.40 11.9 14.4 15.4
05 55 23.5 29.0 35.8 44.0 53.3 62.7 05 135 6.61 8.32 10.5 13.1 16.1 17.6
TE 12 06 55 29.1 36.5 45.9 57.4 70.7 84.2 TE 12 06 135 8.17 10.5 13.5 17.2 21.5 23.6
07 55 37.0 45.0 55.1 68.0 83.5 101 07 135 10.4 12.8 16.0 20.2 25.2 27.9
08 55 50.5 64.3 81.1 101 123 143 08 135 14.2 18.5 23.8 30.3 37.2 40.4
TE 20 TE 20
09 55 51.7 66.0 84.1 107 134 161 09 135 14.5 18.9 24.6 32.0 40.7 45.0
10 55 52.5 71.1 94.3 123 155 187 10 135 14.5 20.4 27.8 37.0 47.4 52.5
11 55 56.8 76.9 102 132 167 201 11 135 15.7 22.0 30.0 39.9 50.9 56.4
TE 55 TE 55
12 55 59.7 81.0 108 141 179 218 12 135 16.5 23.1 31.7 42.4 54.7 60.9
13 55 69.1 94.6 127 167 213 260 13 135 19.0 26.9 37.2 50.2 65.1 72.6

Subcooling correction factor, fsub Subcooling correction factor, fsub


Subcooling [K] 2 4 10 15 20 25 30 Subcooling [°F] 2 7 10 20 30 40 50
Correction factor 0.98 1.00 1.05 1.10 1.14 1.19 1.23 Correction factor 0.97 1.00 1.02 1.07 1.12 1.17 1.22

Distributer correction factor, fp SI units R22 Distributer correction factor, fp US units R22
Pressure drop Evap. temp. [°C] Pressure drop Evap. temp. [°F]
[bar] -40 -30 -20 -10 0 10 [psi] -40 -20 0 20 40 50
∆p ∆p
Correction factor Correction factor
0 1 1 1 1 1 1 0 1 1 1 1 1 1
1 0.96 0.95 0.95 0.94 0.93 0.91 15 0.95 0.95 0.95 0.94 0.92 0.91
1.5 0.93 0.93 0.92 0.91 0.90 0.86 25 0.92 0.92 0.91 0.89 0.87 0.84
2 0.91 0.90 0.90 0.88 0.86 0.81 30 0.91 0.90 0.89 0.87 0.84 0.80
Calculated at 32 °C condensing temperature. Calculated at 90 °F condensing temperature.

© Danfoss | DCS (sw) | 2019.01 DKRCC.PD.AB0.A7.02 | 25


Ficha técnica

Regulador de pressão do evaporador


Tipo KVP

O KVP é montado na linha de sucção após o


evaporador e é usado para:

1. Manter uma pressão constante de evaporação


e assim há uma temperatura constante na
superfície do evaporador. A regulação é
modulante. Por estrangulamento na linha de
sucção, a quantidade de gás refrigerante é
correspondida à carga do evaporador.

2. Proteção contra uma pressão de evaporação


que é muito baixa (p.ex como proteção contra
congelamento em um chiller de água).
O regulador fecha quando a pressão no
evaporador cai abaixo do valor ajustado.

3. Distinguir entre as pressões de evaporação em


dois ou mais evaporadores em sistemas com
um compressor

Recursos • Regulação de pressão ajustável, precisa • Construção brasada “hermética”


• Ampla capacidade e faixa de operação • Válvula Schrader de 1⁄4 pol
• Design do amortecimento de pulsação • Disponível com rosca e conexões de solda ODF
• Fole de aço inoxidável • KVP 12 – KVL 22: Pode ser usado no seguinte
• Design de ângulo compacto para fácil intervalo EX: Categoria 3 (Zona 2)
instalação em qualquer posição

© Danfoss | DCS (az) | 2018.03 DKRCC.PD.HA0.D8.28 | 1


Folha de dados | Regulador de pressão do evaporador , tipo KVP

Homologações LISTA da UL, arquivo SA7200

Dados técnicos R22, R1270*, R134a, R290*, R404A, R407A, R407C, R407F, R448A,
Refrigerantes R449A, R450A, R452A, R507A, R513A, R600*, R600a*
* KVP 12 – KVP 22
0 – 5,5 bar
Faixa de regulagem
Ajuste de fábrica = 2 bar
Pressão máxima de trabalho PS/MWP PS = 18 bar
Pressão máxima de teste Pe = PS × 1,1 = 19,8 bar
Faixa de temperatura do meio -45 – 130 °C
KVP 12 – 22: 1,7 bar
Banda P máxima
KVP 28 – 35: 2,8 bar
KVP 12 – 22: 1,7 m3 / h
kv-valor ) com desvio de 0,6 bar
1
KVP 28 – 35: 2,8 m3 / h
KVP 12 – 22: 2,5 m3 / h
kv-valor 1) com banda-P máxima
KVP 28 – 35: 8,0 m3 / h
1
) O valor kv é o fluxo de água em [m / h] em uma queda de pressão na válvula de 1 bar, ρ = 1000 kg / m3
3

Este produto (KVP 12 – KVP 22) é Avaliado para Para ver a lista completa de refrigerantes
o R290, R600, R600a e R1270 pela fonte de aprovados, visite www.products.danfoss.com
ignição de avaliação em conformidade com a e de procure os códigos individuais, onde os
norma EN13463-1. refrigerantes são listados como parte dos dados
técnicos.

Pedido Capacidade nominal 1) Conexões de Conexão de


[kW] rosca 2) solda
Tipo Código Código
R404A/
R22 R134a R407C [pol.] [mm] [pol.] [mm]
R507
4,0 2,8 3,6 3,7 1
⁄2 12 034L0021 1
⁄2 – 034L0023
KVP 12
4,0 2,8 3,6 3,7 – – – – 12 034L0028
KVP 15 4,0 2,8 3,6 3,7 5
⁄8 16 034L0022 5
⁄8 16 034L0029
KVP 22 4,0 2,8 3,6 3,7 – – – 7
⁄8 22 034L0025
8,6 6,1 7,7 7,9 – – – 1 1⁄8 – 034L0026
KVP 28
8,6 6,1 7,7 7,9 – – – – 28 034L0031
KVP 35 8,6 6,1 7,7 7,9 – – – 1 3⁄8 35 034L0032
1
) Capacidade nominal é a capacidade do regulador na
temperatura de evaporação te = -10 °C
temperatura de condensação tc = 25 °C
queda de pressão no regulador Δp = 0,2 bar
offset = 0,6 bar
Para selecionar o produto para outras condições ou refrigerantes, use Danfoss Coolselector®2
2
) KVP fornecido sem porca rosqueada. Porcas rosqueadas separadas podem ser fornecidas:
1
⁄2 pol. / 12 mm, código 011L1103
5
⁄8 pol. / 16 mm, código 011L1167

As dimensões de conexão escolhidas não devem


ser muito pequenas, pois velocidades do gás
acima de 40 m / s na entrada do regulador
podem produzir ruído de fluxo.

Requisitos da REACH Nota:


Todos os produtos da Danfoss cumprem os
requisitos da norma REACH.
Uma das obrigações exigidas pela norma REACH
é que os clientes sejam informados sobre a
presença de substâncias químicas, presentes
na lista da norma REACH, nos produtos. Sendo
assim, confirmamos a presença de uma dessas
substâncias: Um anel O-ring utilizado neste
produto contém Diisopentyl phthalate
(NÚMERO CAS: 605-50 -5) numa concentração
acima de 0,1% w/w.

© Danfoss | DCS (az) | 2018.03 DKRCC.PD.HA0.D8.28 | 2

Você também pode gostar