Você está na página 1de 11

APOSTILA 11 REVISÃO

VESTIBULARES 2021 Assinale a alternativa que apresenta os conceitos


que são definidos por esses dois conjuntos de
valores morais.
a) Moral dos padres e moral protestante.
QUESTÃO 01. b) Moral do senhor e moral dos nobres.
Pode acontecer que, para a educação do verdadeiro c) Moral dos escravos e moral religiosa.
filósofo, seja preciso que ele percorra todas as d) Moral dos nobres e moral do escravo.
gradações nas quais os “trabalhadores da filosofia” e) Moral do Aquiles e do Cássio.
estão instalados e devem permanecer firmes: ele
deve ter sido crítico, cético, dogmático e histórico e, QUESTÃO 03.
ademais, poeta, viajante, moralista e vidente e
“espírito livre”, tudo enfim para poder percorrer o
círculo dos valores humanos, dos sentimentos de
valor, e poder lançar um olhar de múltiplos olhos e
múltiplas consciências, da mais sublime altitude aos
abismos, dos baixios para o alto. Mas tudo isso é
apenas uma condição preliminar da sua
incumbência. Seu destino exige outra coisa: a A refilmagem, deste ano, do clássico personagem
criação de valores. “Coringa” provocou discussões sobre seus
significados no plano sociopolítico. Analisando as
(Friedrich Nietzsche. Além do bem e do mal, 2001. várias versões inspiradas no HQ da DC Comics,
Adaptado.) Fabrício Moraes descreve o Coringa como o id, o
impulso destrutivo e caótico, mas também criativo e
No texto, Nietzsche propõe que a formação do artístico. Batman seria o superego, o juiz punitivo e
filósofo deve ordenador da cidade, o arquétipo do guardião que
a) assegurar e manter os poderes políticos do afronta e interpõe limites a um território. O Coringa
governante. seria a face da comédia, Batman não se livra da face
b) conhecer e extrapolar as práticas de vida, os da tragédia. Neste sentido, o filme Coringa nos
sentimentos e os valores presentes na sociedade. mostraria que o aspecto lúdico só tem pleno sentido
c) privilegiar e fortalecer o papel da religião nas se coexiste com a vida da sobriedade. Coringa e
atitudes críticas perante a vida e os humanos. Batman são indissociáveis.
d) restringir-se ao terreno da reflexão na busca por
uma verdade absoluta. Ver: MORAES, Fabrício. ‘Coringa’: A raiva de Caliban por
e) retomar a origem una e indivisível dos humanos, se ver no espelho. In Revista Amálgama. Disponível em:
https://www.revistaamalgama.com.br/10/2019/resenha-
na busca de sua liberdade de natureza. coringa/. 2019.

QUESTÃO 02. Considerando a análise acima, é correto dizer que


Leia a descrição dos dois conjuntos de valores está amparada teoricamente
morais do filósofo Friedrich Nietzsche (1844-1900). a) na noção estético-moral de Nietzsche em O
nascimento da tragédia, onde ordem e caos se
Uma moral é caracterizada por valorizar a saúde, a equilibram e fazem nascer o humano: Coringa e
vida e não acreditar em qualquer valoração no além Batman são indissociáveis como Dionísio
da vida ou ideal ascético. A outra moral tem como (loucura) e Apolo (razão).
principal característica a valoração da bondade e da b) na teoria política marxista, que concebe as
virtude. relações sociais mascaradas pela ideologia de
classe, o que necessariamente provoca o conflito c) Para Nietzsche, a moralidade instaurada pelo
social: Coringa e Batman são representações da cristianismo foi fundamental na instituição de
luta de classes. uma cultura forte, moralmente ancorada na figura
c) na definição de arte dos filósofos gregos como poderosa e altiva de Cristo, modelo para o líder.
Aristóteles, cuja ideia fundamental era a de d) Na perspectiva Nietzschiana, a moral dos
mímesis, ou seja, de imitação ou representação da senhores e da aristocracia que sempre prevaleceu
realidade: Coringa e Batman são representações entre os povos da antiguidade, reforçada pela
do ser e do não ser. religião cristã, enfraqueceu o homem tornando-o
d) na concepção moral agostiniana, na qual o bem e submisso.
o mal, o pecado e a graça, a cidade dos homens e
a cidade de Deus coabitam no interior de cada QUESTÃO 05.
indivíduo: Coringa e Batman são representações Eis como ainda no início do século XVII se
dessa contradição. descrevia a figura ideal do soldado. O soldado é
antes de tudo alguém que se reconhece de longe; que
QUESTÃO 04. leva os sinais naturais de seu vigor e coragem, as
Leia com atenção a passagem a seguir que expõe marcas também de seu orgulho: seu corpo é o brasão
parte da crítica feita por Friedrich Nietzsche ao de sua força e de sua valentia. [...] Na segunda
edifício moral construído no ocidente: metade do século XVIII, o soldado tornou-se algo
que se fabrica; de uma massa informe, de um corpo
"Mas que quer ainda você com ideais mais nobres! inapto, fez-se a máquina de que se precisa;
Sujeitemo-nos aos fatos: o povo venceu – ou 'os corrigiram-se aos poucos as posturas; lentamente
escravos', ou 'a plebe', ou 'o rebanho', ou como uma coação calculada percorre cada parte do corpo,
quiser chamá-lo se isto aconteceu graças aos judeus, se assenhoreia dele, dobra o conjunto, torna-o
muito bem! Jamais um povo teve missão maior na perpetuamente disponível e se prolonga, em
história universal. 'Os senhores' foram abolidos; a silêncio, no automatismo dos hábitos.
moral do homem comum venceu. A 'redenção' do
gênero humano (do jugo dos 'senhores') está bem (FOUCAULT, Michel. Os corpos dóceis. In: FOUCAULT,
encaminhada; tudo se judaíza, cristianiza, plebeíza Michel. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, 1999, p. 162.)
visivelmente (que importam as palavras!)”.
Levando em conta essa passagem e a obra em que
Nietzsche, Friedrich. Para a genealogia da moral - Prólogo. está inserida, é correto afirmar que, para Michel
Primeira dissertação §9. Foucault, instituições como escolas, quartéis,
hospitais e prisões são exemplos de espaços em que,
a partir do século XVIII, os indivíduos:
Considerando a compreensão de Nietzsche acerca a) são educados de modo a se tornarem autônomos.
do fundamento moral do ocidente, assinale a b) aprendem a conviver uns com os outros.
afirmação verdadeira. c) encontram as condições de segurança e bem-
a) Segundo Nietzsche, a verdade e a moral propostas estar.
pelos gregos e pelo cristianismo são instrumentos d) se tornam mais vigorosos e valentes.
que os fracos inventaram para submeter e e) se fazem objeto do poder disciplinar.
controlar os fortes e instaurar uma moral do
rebanho. QUESTÃO 06. Considere o seguinte excerto a
b) Em Nietzsche, encontra-se uma defesa ferrenha respeito da desumanização dos imigrantes latinos:
dos princípios morais elaborados pela filosofia
grega clássica platônica e aristotélica que tem a “Estou estarrecido pelo que vejo acontecer hoje nos
razão como elemento condutor da ação moral. EUA – filhos de imigrantes, sendo arrancados de
seus pais e enviados a centros de detenção. Laura agem como animais e assassinos), bem como na
Ingraham, da rede de notícias Fox News disse que supremacia do poder que se origina da vontade
as crianças imigrantes presas estavam ‘praticamente geral e do interesse coletivo sobre as vontades dos
numa colônia de férias’, a despeito do áudio em que indivíduos que emigram.
se ouvem crianças chorando. Quase 60% dos d) na noção hobbesiana de poder, que defende o
republicanos aprovam a prática de separar crianças combate ao estado de natureza – representado
imigrantes de seus pais e não é difícil entender os pela situação dos imigrantes latinos – e a
motivos. Há alguns anos Donald Trump vem necessária instituição da sociabilidade política,
aproveitando todas as oportunidades de com o exercício da força de um líder que tem que
desumanizar os latinos que atravessam a fronteira, ser forte e respeitado para impor a ordem (o
chamando-os de animais, assassinos e estupradores. Presidente norte-americano Donald Trump).
Essa etapa é essencial, a de reduzir imigrantes a um
status sub-humano. Aconteceu durante o QUESTÃO 07.
Holocausto. Sempre que um grupo de pessoas sofre Leia atentamente o seguinte excerto do texto de
opressão e horrores, os grupos no poder, Michel Foucault, que expõe parte de suas análises
primeiramente as reduzem e desumanizam, de sobre o poder:
forma a aliviar a consciência dos poderosos
enquanto dure a opressão”. “É preciso, em primeiro lugar, afastar uma tese
muito difundida segundo a qual o poder nas
King, Shaun. Separar famílias de migrantes é uma sociedades burguesas e capitalistas teria negado a
barbaridade. E os EUA fazem isso há séculos com não realidade do corpo em proveito da alma, da
brancos. Publicado em 21/06/2018. Disponível em:
https://theintercept.com/2018/06/21/eua-familias-migrantes-
consciência, da identidade. Nada é mais físico, mais
trump/. Adaptado. corporal que o exercício do poder. Uma das
primeiras coisas a compreender é que o poder não
está localizado no aparelho de Estado e que nada
No texto acima, a referência ao processo de mudará na sociedade se os mecanismos de poder
desumanização dos imigrantes latinos corresponde que funcionam fora, abaixo, ao lado dos aparelhos
a uma ação política baseada em uma concepção de de Estado a um nível muito mais elementar,
poder que é encontrada quotidiano, não forem modificados”.
a) no pensamento marxista e em sua percepção das
disputas ideológicas e de poder entre estratos Foucault. Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro:
Edições Graal, 1979. P.147-149. Adaptado.
sociais distintos (classes sociais), marcadas que
são pelas diferenças de posicionamento na
Com base na passagem acima e tendo em vista a
estrutura da produção material e histórica,
concepção de poder no pensamento de Foucault,
representados pelos imigrantes, de um lado, e os
assinale a afirmação verdadeira.
nativos americanos, do outro.
a) Em consonância com a filosofia do direito de
b) na obra filosófica de Michel Foucault, que discute
Hegel, Foucault entendia que os diversos poderes
as diferentes maneiras de exercício do poder,
seriam ramificações ou uma rede de poderes
paralelas ao poder do estado, que se exercem de
materializados a partir do Estado moderno.
formas variadas e em vários níveis institucionais,
b) Foucault repete a noção dos filósofos
entre as quais estão os meios formadores de
contratualistas que identifica no Estado o ponto
discursos e narrativas voltadas a disciplinar e
de partida necessário e absoluto de todo tipo de
ressignificar percepções sociais.
poder social.
c) na visão contratualista de Rousseau e na sua
c) Tal concepção seguiu a tradição do pensamento
concepção de uma natureza humana boa,
marxista, no qual as formas de exercício do poder
corrompida pela sociedade (os imigrantes que
têm exclusiva relação com a estrutura de classes
e são reproduzidas pelos aparelhos de Estado.
d) Para Foucault, os poderes se exercem em níveis De acordo com o conteúdo da citação, assinale a
variados e em pontos diferentes da rede social alternativa que nomeia um dos conceitos mais
como micropoderes integrados, ou não, ao Estado importantes da filosofia nietzschiana.
e através das práticas culturais. a) Impulso apolíneo.
b) Impulso dionisíaco.
QUESTÃO 08. c) Vontade de potência.
“Não existe contraposição maior à exegese e d) Transvaloração dos valores.
justificação puramente estética do mundo [...] do e) Intravaloração dos valores
que a doutrina cristã, a qual é e quer ser somente
moral, e com seus padrões absolutos, já com sua QUESTÃO 10.
veracidade de Deus, por exemplo, desterra a arte, Eis o ensinamento de minha doutrina: “Viva de
toda arte, ao reino da mentira – isto é, nega-a, forma a ter de desejar reviver – é o dever –, pois, em
reprova-a, condena-a.” todo caso, você reviverá! Aquele que ama antes de
tudo se submeter, obedecer e seguir, que obedeça!
NIETZSCHE, F. O nascimento da tragédia, ou helenismo e Mas que saiba para o que dirige sua preferência, e
pessimismo. – “Tentativa de autocrítica”. São Paulo: não recue diante de nenhum meio! É a eternidade
Companhia das Letras, 1992, p. 19.
que está em jogo!”.
Nessa passagem, Nietzsche NIETZSCHE apud FERRY, L. Aprender a viver: filosofia
a) apoia a valorização moral da obra de arte, para os novos tempos. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010
negando que seja possível obras de arte (adaptado).
divergentes da moral cristã.
b) defende uma arte verdadeira, contra a arte cristã, O trecho contém uma formulação da doutrina
que adere à mentira, pois não passa de uma moral. nietzscheana do eterno retorno, que apresenta
c) concebe que os padrões absolutos do cristianismo critérios radicais de avaliação da
são supraestéticos, suprassensíveis, e por isso a) qualidade de nossa existência pessoal e coletiva.
valorizam a arte. b) conveniência do cuidado da saúde física e
d) critica a concepção moral da existência em defesa espiritual.
do caráter sensível, estético do mundo, tal como c) legitimidade da doutrina pagã da transmigração
se configura na arte. da alma.
d) veracidade do postulado cosmológico da
QUESTÃO 09. perenidade do mundo.
[...] a palavra “bom”, de antemão, não se prende e) validade de padrões habituais de ação humana ao
necessariamente a ações “não-egoístas”; como é a longo da história.
superstição daqueles genealogistas da moral. Em
vez disso, somente com um declínio de juízos de
valor aristocráticos acontece que essa oposição
“egoísta” – “não-egoísta” se imponha mais e mais à
consciência humana – é, para me servir de minha
linguagem, o instinto de rebanho que, com ela,
afinal, toma a palavra (e também as palavras).

NIETZSCHE, Friedrich. Para a genealogia da moral. Os


Pensadores. Trad. LEBRUN, G. São Paulo: Nova Cultural,
1999. p. 342.
QUESTÃO 11. d) domínio da contingência.
Friedrich Nietzsche (1844-1900) é um importante e e) consciência da existência.
polêmico pensador contemporâneo, particularmente
por sua famosa frase “Deus está morto”. Em que QUESTÃO 13.
sentido podemos interpretar a proclamação dessa Sobre a Liberdade Humana, analise os textos a
morte? seguir:
a) O Deus que morre é o Deus cristão, mas ainda
vive o deus-natureza, no qual o homem
encontrará uma justificativa e um consolo para
sua existência sem sentido.
b) Não fomos nós que matamos Deus, ele nos
abandonou na medida em que não aceitamos o
fato de que essa vida só poderá ser justificada no
além, uma vez que o devir não tem finalidade.
c) O Deus que morre é o deus-mercado, que tudo
nivela à condição de mercadoria, entretanto o É o que traduzirei dizendo que o homem está
Deus cristão poderá ainda nos salvar, desde que condenado a ser livre. Condenado porque não se
nos abandonemos à experiência de fé. criou a si próprio; e, no entanto, livre porque, uma
d) A morte de Deus não se refere apenas ao Deus vez lançado ao mundo, é responsável por tudo
cristão, mas remete à falta de fundamento no quanto fizer.
conhecimento, na ética, na política e na religião,
cabendo ao homem inventar novos valores. (SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um Humanismo.
e) A morte de Deus serve de alerta ao homem de que São Paulo: 1973, p. 15.)
nada é infinito e eterno, e que o homem e sua
existência são momentos fugazes que devem ser Com base no pensamento filosófico de Sartre sobre
vividos intensamente. a liberdade, infere-se que:
a) O homem não é, senão o seu projeto, escolha e
QUESTÃO 12. compromisso.
Jamais deixou de haver sangue, martírio e b) O homem não está condenado à liberdade; ele
sacrifício, quando o homem sentiu a necessidade de tem escolha.
criar em si uma memória; os mais horrendos c) O homem é livre sem escolha e sem
sacrifícios e penhores, as mais repugnantes compromisso.
mutilações (as castrações, por exemplo), os mais d) O homem é seu projeto responsável sem escolha.
cruéis rituais, tudo isto tem origem naquele instinto e) O homem é responsável e livre sem escolha.
que divisou na dor o mais poderoso auxiliar da
memória. QUESTÃO 14.
Sobre a consciência crítica, considere o texto a
NIETZSCHE, F. Genealogia da moral. São Paulo: Cia. das seguir:
Letras, 1999.
O homem é corda estendida entre o animal e o
O fragmento evoca uma reflexão sobre a condição Super-homem: uma corda sobre um abismo;
humana e a elaboração de um mecanismo distintivo perigosa travessia, perigoso caminhar; perigoso
entre homens e animais, marcado pelo(a) olhar para trás, perigoso tremer e parar. O que é de
a) racionalidade científica. grande valor no homem é ele ser uma ponte e não
b) determinismo biológico. um fim; o que se pode amar no homem é ele ser uma
c) degradação da natureza. passagem e um acabamento. Eu só amo aqueles que
sabem viver como que se extinguindo, porque são QUESTÃO 16.
esses os que atravessam de um para outro lado. Sobre o pensamento filosófico, leia o texto a seguir:

NIETZSCHE, Friedrich. Assim Falou Zaratustra. São Paulo, O homem apresenta-se como uma escolha a fazer.
1999, p. 27. Muito bem. Antes do mais, ele é a sua existência no
momento presente e está fora do determinismo
natural; o homem não se define previamente a si
O filósofo Nietzsche elucida, sobre a consciência próprio, mas em função do seu presente individual.
crítica e a filosofia, que Não há uma natureza humana que se lhe anteponha,
a) o valor da natureza íntima do homem está na pura mas é-lhe dada uma existência específica num dado
razão e não na vontade de viver. momento.
b) a dimensão existencial tem importância e conduz
à exaltação da vida e à superação do homem. SARTRE, Jean Paul. O Existencialismo é um Humanismo.
c) a virtude do homem está na superação do existir 1973, p. 31.
para alcançar a salvação.
d) o homem deve renunciar à vida e buscar o sentido Com base no pensamento filosófico de Sartre,
do super-homem na transcendência. considera-se que
e) a consciência crítica é a supressão da vontade de a) a essência da natureza humana precede a
viver, já que o homem é o Super-homem. existência.
b) a natureza humana é um substituto da condição
QUESTÃO 15. humana.
Nietzsche escreveu: c) no homem em sua inteireza, a existência precede
a essência.
E vede! Apolo não podia viver sem Dionísio! O d) o existencialismo dá primazia ao determinismo
“titânico” e o “bárbaro” eram no fim de contas, natural em função do seu presente individual.
precisamente uma necessidade tal como o apolíneo! e) o homem está fechado em si, sem ter escolha.

NIETZSCHE, F. O nascimento da tragédia ou helenismo e QUESTÃO 17.


pessimismo. Tradução de J. Guinsburg. São Paulo: O momento histórico das disciplinas é o momento
Companhia das Letras, 2007, p. 38.
em que nasce uma arte do corpo humano, que visa
Assinale a alternativa que descreve o dionisíaco e o não unicamente o aumento das suas habilidades,
apolíneo. nem tampouco aprofundar sua sujeição, mas a
a) O dionisíaco é a personificação da razão grega; o formação de uma relação que no mesmo mecanismo
apolínio equivale ao poder místico do uno o torna tanto mais obediente quanto é mais útil, e
primordial. inversamente. Forma-se então uma política das
b) O dionisíaco é o homem teórico que personifica coerções, que são um trabalho sobre o corpo, uma
a sabedoria filosófica; o apolíneo é a natureza e manipulação calculada de seus elementos, de seus
suas forças demoníacas. gestos, de seus comportamentos.
c) O dionisíaco é o instinto, a embriaguez e a força
FOUCAULT, M. Vigiar e punir: história da violência nas
vital; o apolíneo é a racionalidade, o equilíbrio, a prisões. Petrópolis: Vozes, 1987.
força figurativa.
d) O dionisíaco representa a força figurativa atuante Na perspectiva de Michel Foucault, o processo
na arte; o apolíneo representa a música primordial mencionado resulta em
não objetivada. a) declínio cultural.
b) segregação racial.
c) redução da hierarquia.
d) totalitarismo dos governos.
e) modelagem dos indivíduos.

QUESTÃO 18.
Vi os homens sumirem-se numa grande tristeza. Os
melhores cansaram-se das suas obras. Proclamou-se
uma doutrina e com ela circulou uma crença: Tudo
é oco, tudo é igual, tudo passou! O nosso trabalho
foi inútil; o nosso vinho tornou-se veneno; o mau
olhado amareleceu-nos os campos e os corações.
Secamos de todo, e se caísse fogo em cima de nós,
as nossas cinzas voariam em pó. Sim; cansamos o
próprio fogo. Todas as fontes secaram para nós, e o
mar retirou-se. Todos os solos se querem abrir, mas
os abismos não nos querem tragar!

NIETZSCHE. F. Assim falou Zaratustra. Rio de Janeiro:


Ediouro,1977.

O texto exprime uma construção alegórica, que


traduz um entendimento da doutrina niilista, uma
vez que
a) reforça a liberdade do cidadão.
b) desvela os valores do cotidiano.
c) exorta as relações de produção.
d) destaca a decadência da cultura.
e) amplifica o sentimento de ansiedade.
ele afirma que a moral do homem comum venceu. Para o
GABARITO: filósofo, a perspectiva clássica privilegiando o racionalismo
puro e a perspectiva cristã, ambas afastam da vida,
enfraquecem a ideia de “homem” e devem ser superadas.
Resposta da questão 1:
[B] Resposta da questão 5:
[E]
A partir do texto, o aluno deve identificar os elementos que,
para Nietzsche, são necessários para a formação do filósofo, No texto apresentado pela questão, Foucault indica que os
que são citados e refletidos pelo autor. A leitura atenta do micropoderes permeiam todas as esferas sociais, inclusive as
excerto apresentado pela questão, dessa forma, permite condutas dos indivíduos. O corpo, então, se torna algo
identificar que, para Nietzsche, o filósofo deve conhecer as fabricado, controlado por coações que colocam nos corpos
mais diversas experiências humanas, compreendendo os determinadas características. Os corpos, então, podem ser
valores, as práticas e os sentimentos que compõe as submetidos, transformados e aperfeiçoados, a partir do
experiências da vida em sociedade, chegando a extrapolar adestramento, que é uma forma de controle. A disciplina
esses valores e criar novos valores. A única alternativa que imposta aos soldados que Foucault cita é, portanto, uma forma
reflete essa visão é a letra [B]. de poder que corrige, controla, mede e hierarquiza os corpos
dos soldados. O aluno deve identificar, assim, que os
Resposta da questão 2: indivíduos, na perspectiva de Foucault, tornam-se objetos do
[D] poder disciplinar.
Na Genealogia da moral, Nietzsche se refere a dois tipos de Resposta da questão 6:
moral, a moral dos nobres, dos senhores e a moral do escravo, [B]
também chamada de moral do rebanho. A moral dos nobres se
baseia nos instintos vitais, no que Nietzsche chama de vontade Ao destacar a desumanização enquanto ação política, o autor
de potência, seus valores são baseados na força vital, no bem- revela uma maneira de legitimar o poder vigente a partir da
viver, nas paixões, desejos e vontades. Em oposição, a moral construção de um discurso que se dissemina e permeia as
do escravo é ressentida, teme a vida, o corpo o desejo e tenta mentalidades sociais, criando uma determinada forma de
limitá-la pela razão. Nietzsche chega a afirmar que a moral dos perceber a realidade que atende aos interesses que o poder
escravos é a moral dos fracos, com a finalidade de dominar os busca efetivar. Observa-se, então, uma maneira de exercício
fortes, os que possuem vontade de potência. do poder que não se dá no âmbito institucional, mas de forma
paralela a ele. Essa forma de entender o poder se relaciona com
Resposta da questão 3: a produção de Michel Foucault, tal como indicado na
[A] alternativa [B].
Na mitologia clássica, Apolo representa a temperança, a razão Resposta da questão 7:
e a beleza, enquanto Dionísio representa as pulsões opostas, as [D]
emoções, a loucura, as forças da natureza. Para Nietzsche, a
combinação entre as duas estéticas, representadas por Apolo e Para os filósofos contratualistas e para o pensamento de Hegel
Dionísio, se combinam na tragédia, enquanto nas demais artes a noção de poder está diretamente relacionada com o Estado,
elas costumam ser separadas. A representação da tragédia é, que seria a fonte principal do poder social seja ele direto ou
para esse pensador, a arte ideal, uma vez que apresenta a vida ramificado. Em oposição, a concepção foucaultiana de poder
a partir da sua afirmação. Isso porque o real, segundo não pode ser canalizada ou limitada a uma instituição, nem
Nietzsche, é composto pelo conflito entre as duas forças mesmo o Estado. Para Foucault o poder tem uma existência
representadas por Apolo e Dionísio: a ordem e a desordem, a difusa, presente em todas as relações, não só nas relações com
temperança e a desmedida, a razão e as emoções. Desse modo, o Estado e não só nas relações estruturais de classe. Essa
essas duas estéticas representam dimensões da realidade que compreensão também problematiza a noção de poder do
são complementares e, por isso, necessárias. pensamento marxista, interessado no poder estrutural da
sociedade de classe, em que há uma classe dominante que
Resposta da questão 4: exerce poder sobre uma classe explorada.
[A]
Resposta da questão 8:
O trecho deixa claro que o pensamento de Nietzsche não [D]
defende os princípios morais da elaborados pela filosofia
grega, não elogia a moralidade cristã, nem afirma que
prevaleceu a moral dos senhores e da aristocracia. Na verdade,
Um dos aspectos mais polêmicos da produção filosófica teriam de levar à consciência suas ações, sentimentos e
nietzscheniana é a crítica à moral cristã, a qual, para ele, é comunicações.
caracterizada pela negação dos aspectos característicos da
existência humana, sendo, portanto, uma negação da própria Resposta da questão 13:
vida. No texto da questão, observa-se essa crítica a partir da [A]
defesa da afirmação da arte no âmbito estético e sensível da
existência humana, tal como apontado pela alternativa [D]. O pensamento filosófico existencialista sartreano tem como
fundamento central que a compreensão da vida dos indivíduos
Resposta da questão 9: se dá a partir da condição da existência humana. Com efeito,
[D] para os pensadores dessa vertente filosófica, a existência
precede a essência, o que leva à uma perspectiva da existência
O trecho se refere ao projeto de transvaloração de todos os humana que independe de qualquer definição preexistente do
valores, ou seja, a tentativa de produzir uma refundação da indivíduo. Assim, para Sartre, a essência humana se constrói a
cultura, afastada de todo ideal metafísico ou transcendental. O partir das escolhas que, dentro da sua liberdade, o indivíduo
projeto de transvaloração se volta contra os valores criados realiza. Nesse sentido, o sujeito seria um projeto de ser, haja
pelo platonismo e pelo cristianismo que, para Nietzsche, vista que não existiria uma natureza ou essência humana, mas
disseminam um desprezo da vida, do mundo sensível e do sim a ação dos homens sobre a construção de si mesmos a
corpo. partir do seu livre arbítrio.

Resposta da questão 10: Resposta da questão 14:


[A] [B]

O Eterno Retorno é uma formulação com repercussões éticas A filosofia de Nietzsche aborda, como se identifica no texto,
para as condutas humanas e que se distancia de doutrinas aspectos existenciais da vida humana, no sentido de afirmação
gerais sobre o ser e sobre a vida. das potencialidades do homem e da condução do existir. Ao
identificar o valor humano no fato do homem “ser uma ponte
Resposta da questão 11: e não um fim”, Nietzsche aponta a superação do homem como
[D] um aspecto fundamental na sua filosofia.

A fala de Nietzsche, pensador representante da filosofia Resposta da questão 15:


niilista, expressa a ideia de que a influência dos valores [C]
religiosos nos diferentes aspectos da vida humana é cada vez
menor. Assim, o autor se refere à morte da moralidade cristã, Em sua obra “O nascimento da tragédia”, Nietzsche atribui à
que teria perdido o valor de fundamento da verdade e do arte um papel fundamental na cultura humana. Para ele, a
sentido da existência humana, o que implica a necessidade da beleza da arte grega clássica está relacionada aos conceitos de
criação de novos valores que cumpram esse papel. apolíneo e dionisíaco, que representam princípios opostos da
criação artística. Apolíneo seria um princípio relacionado à
Resposta da questão 12: forma perfeita e bela, ligado à harmonia e à razão, capaz de
[E] representar a realidade através da forma ilusória da arte,
amenizando o aspecto pessimista da existência humana. O
Para Nietzsche, como se observa a partir do texto, o processo dionisíaco, por sua vez, seria a afirmação da realidade e de suas
de formação da memória se constituiu a partir da violência e contradições, representando a conexão do indivíduo com a
da crueldade, “jamais deixou de haver sangue, martírio e desordem, a desintegração, o caos e a falta de medida da sua
sacrifício, quando o homem sentiu a necessidade de criar em realidade.
si uma memória”. A memória, então, seria o contrário do
esquecimento, permitindo ao indivíduo o não-esquecimento de Resposta da questão 16:
experiência passadas. Nietzsche entende, ainda, que a [C]
memorização se relaciona à capacidade humana de seguir
normas que reprimem seus instintos, e que a repressão do Ao pensar o indivíduo humano, Sartre, e os existencialistas de
esquecimento e dos instintos teria como finalidade a modo geral, o entendem como um projeto de ser, uma vez que
convivência social. A consciência, nessa perspectiva, seria, construiria, a partir do exercício da sua liberdade inerente, a si
segundo Nietzsche, o “último estágio” do processo de mesmo, por meio de suas escolhas. Assim, não existiria uma
evolução do sistema orgânico humano, como resultado da predefinição ou uma “natureza” precedente à existência
necessidade que os indivíduos, ao conviver socialmente, humana, mas, ao contrário, a construção da essência a partir da
existência humana, ideia expressa pela alternativa [C].
Resposta da questão 17:
[E]

Para Foucault, as formas de poderes existentes na sociedade


impõem modificações nos modos de agir dos indivíduos, a
partir da coação de seus corpos, transformando-os em corpos
úteis e passíveis de sujeição. Desse modo, incorporam-se
características disciplinadoras nos corpos através do controle
e do adestramento que mede, corrigi e hierarquiza corpos em
um processo que modela indivíduos.

Resposta da questão 18:


[D]

O niilismo de Nietzsche é acompanhado por uma profunda


crítica à cultura e à filosofia moderna. Na ausência de
esperança, o que resta ao homem ocidental é dar-se conta de
sua finitude, tal como apresenta a alegoria do texto da questão.

Você também pode gostar