Você está na página 1de 47

1

PLANO DE NEGOCIOS: EXPORTAÇÃO DE


TECIDO RECICLADO PARA O MEXICO

FACULDADE DE TECNOLOGIA CARLOS DRUMMOND DE


ANDRADE

SÃO PAULO
DEZEMBRO/2010
1

PLANO DE NEGOCIOS: EXPORTAÇÃO DE


TECIDO RECICLADO PARA O MEXICO

Trabalho de Graduação Intradiciplinar – TGI,


entregue à Faculdade de Tecnologia Carlos Drummond de
Andrade, com exigência parcial para Conclusão do
Modulo Amarelo, sob a orientação do Professor MS Eli
Ferreira.

FACULDADE DE TECNOLOGIA CARLOS DRUMMOND DE


ANDRADE

SÃO PAULO

DEZEMBRO/2010
2

PLANO DE NEGOCIOS: EXPORTAÇÃO DE


TECIDO RECICLADO PARA O MEXICO

Trabalho de Graduação Intradiciplinar – TGI,


entregue à Faculdade de Tecnologia Carlos Drummond de
Andrade, com exigência parcial para Conclusão do
Modulo Amarelo, sob a orientação do Professor MS Eli
Ferreira.

Aprovado em dezembro de 2010 - Conceito obtido:_____

____________________

Professor Orientador

____________________
Coordenador de Curso

____________________

Coordenador Geral

AGRADECIMENTO
2

Como toda pesquisa demanda uma quantidade considerável de tempo e


dedicação, quando o mesmo fica pronto gera uma grande satisfação, que deve
ser compartilhada por todos os envolvidos nesta empreitada.

Aos meus familiares, que sempre proveram de todo o necessário para que eu
pudesse me dedicar a este trabalho.

A todo o corpo docente do Curso de Gestão e Marketing da Faculdade de


Tecnologia Drummond de Andrade, que apoiaram este trabalho com estimulo,
atenção e profissionalismo e em especial aos Profºs. Sidinei Tadeu e Adriano
Facciollo, por sua dedicação e orientação.

A Deus, pois sem ele nada é possível!

EPÍGRAFE
2

“A mente que se abre a uma nova idéia, jamais


voltará ao seu tamanho original” Albert
Einstein

RESUMO
1

O objetivo deste trabalho é integrar os conhecimentos adquiridos nas


disciplinas do 2º modulo de Graduação em Marketing.
Por meio da constituição de uma empresa criou-se um produto ecologicamente
correto, produzido a partir de garrafa pet reciclada, com finalidade de comércio,
exportação, com foco em sustentabilidade e solução para destinação de parte
do lixo descartado, bem como promover a inclusão social das classes sociais
menos favorecidas.

A pesquisa traz informações relevantes sobre os custos para a produção do


tecido, cem por cento pet reciclado, sua viabilidade financeira, logística, como
também estudos mercadológicos nacionais e internacionais, que nos permitem
ter uma visão empreendedora e avaliar as vantagens e benefícios do negócio.

Este trabalho contempla a oportunidade que existe além do prisma econômico,


o do caráter social e sustentável que atualmente são essenciais para o sucesso
do negócio.

PALAVRAS-CHAVE
Reciclagem, Garrafa Pet, Tecido Reciclado; Sustentabilidade.

ABSTRACT

The objective of this work is integrating the acquired knowledge in the subjects
of the 2 nd module of graduation in Marketing.
2

Through the setting up of a company set up an environmentally correct product,


made from recycled plastic bottles, with the purpose of trade, export, with a
focus on sustainability and solution to allocate part of discarded trash and
promote social inclusion of lower social classes.
The research provides important information about costs for production of
tissue, one hundred percent recycled pet, its financial viability, logistics as well
as national and international market studies that allow us to have an
entrepreneurial vision and evaluate the advantages and business benefits.
This work describes the opportunity that exists beyond the economics prism,
the social character development that are now essential to business success.

KEY WORDS

Recycling; Pet bottle; Recycled Fabric; Sustainability.

SUMÁRIO

1-SUMÁRIO EXECUTIVO.................................................................................10
1.1- O conceito do negocio...............................................................................10
1.2- Equipe de Gestão.................................................................................. ....10
2

1.3- Mercado e Competidores...........................................................................10


1.4- Marketing e Vendas....................................................................................11
1.5- Estrutura e Operação................................................................................11
1.6- Estratégia de Crescimento.........................................................................11
1.7- Previsões dos Resultados Financeiros e Investimentos............................12
2- O CONCEITO DO NEGÓCIO........................................................................12
2.1- A empresa Carpe Tissue...........................................................................12
2.2- Ficha técnica da empresa...........................................................................13
2.3- Equipe de gestão........................................................................................14
2.4- Objetivo......................................................................................................14
2.5- Missão.................................................................... ...................................15
2.6- Visão................................................................... .......................................15
2.7- Valores........................................................................................................15
2.8- O PRODUTO..............................................................................................16
2.8.1- Matéria Prima.................................................................................... .....16
2.8.2- Processo de transformação............................................................. .......17
2.9- A reciclagem de pet................................................................ ..................19
2.10- O prisma social.........................................................................................22
2.11- Responsabilidade Social.................................................... .....................23
3- EQUIPE DE GESTÃO...................................................... ............................24
3.1- Lisangela Nery de Souza................................................ ...........................24
3.2- Luiz Henrique Figueiredo............................................. ..............................24
3.3- Pedro Simões Lopes..................................................................................25
3.4.- João Batista Gonçalves.............................................................................26
3.5- Composição acionária................................................................................26
4- MERCADO MEXICANO................................................................................27
4.1- Informações Gerais do País.......................................................................30
4.2- Economia....................................................................................................28
4.3- Relações comerciais com o Brasil..............................................................28

4.4- Analise Setorial...........................................................................................29


4.5- Mercado Alvo..............................................................................................30
4.5.1- Consumidores..........................................................................................31
4.6- Exportações................................................................................................31
4.6.1- Documentos necessários para exportação.............................................31
3

5-ESTRUTURA DA OPERAÇÃO......................................................................35
6-PREVISÕES DOS RESULTADOS FINANCEIROS.......................................36
6.1- Formação do preço de venda.....................................................................40
ANEXOS............................................................................................................43
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS..................................................................49
1

1-SUMÁRIO EXECUTIVO

1.1-O Conceito do Negócio

A preocupação com o meio ambiente e o desenvolvimento de produtos


ecologicamente corretos vem ganhando incentivo mundial. Neste contexto a
Carpe Tissue desenvolveu o tecido 100% Pet reciclado que possui grande
poder para atração de apoio político-institucional, pois traz inserido em sua
produção as bandeiras não só da preservação ambiental como também da
inclusão social. Terá tanto o apoio governamental como também o de milhares
de Instituições que já atuam fortemente em criar ações sustentáveis.

Os estudos mercadológicos nacionais e internacionais nos remetem, sob o


prisma empreendedor, a avaliar as vantagens e benefícios do negócio, além do
fator econômico, do caráter social e sustentável que atualmente são essenciais
para o sucesso do negócio.

1.2-Equipe de Gestão
Dentro de uma estrutura funcional muito bem elaborada a Carpe Tissue tem
em sua equipe profissionais que já atuavam no segmento da indústria têxtil,
comprometidos com a causa social e que possuem larga experiência em
comercio exterior o que propicia agilidade nos processos e larga vantagem nas
negociações.

1.3-Mercado e Competidores

Atualmente a demanda mundial de matéria-prima não está sendo suprida


somente com a utilização de recursos naturais, por isso, a reciclagem ou
matéria-prima secundária é a chave para o futuro.

No cenário de escassez de recursos naturais, a gestão de resíduos passou a


ser importante fonte de matéria-prima para a indústria que além de trazer os
benefícios para o meio ambiente são altamente lucrativas.

Atentos ao nicho de mercado de consumidores ecologicamente corretos e


também às excelentes propriedades do fio de poliéster produzido a partir
dessas embalagens podemos citar a Hering que já possue um grupo de
produtos de malhas composto por Pet reciclado. Outras marcas como Oskler,
Brookfield e a Mizuno também se renderam a este novo mercado.
1

1.4-Marketing e Vendas

A estratégia de marketing da Carpe Tissue é entrar no mercado expandindo


gradativamente por perímetros, iniciando pelo estado de São Paulo onde está
sediada, posteriormente para os demais estados brasileiros e no exterior. Para
formação deste plano foram considerados os principais fundamentos visando
atingir todo segmento têxtil, além de captar outros segmentos ligados a
sustentabilidade não só como consumidores, mas também como parceiros. As
estimativas indicam um crescimento médio de 36% ao ano, partindo de 100
clientes para o patamar de 2165 clientes no 10º ano.

1.5-Estrutura e Operação

A empresa está estruturada de forma funcional e promoverá a integração de


todos os departamentos criando uma gestão moderna e ágil. Esta estrutura
promoverá a participação de todos os funcionários através da utilização de
planos de carreira e participação nos lucros e outros incentivos que venham a
atrair os melhores profissionais do mercado.

A empresa está atualmente instalada em São Paulo, com uma área fabril de
três mil metros quadrados, servida de toda a infra-estruturar e suporte
tecnológico necessários para customizar tempo a fim de que os produtos sejam
disponibilizados aos clientes e preparar todo o material necessário para a
participação em feiras e eventos.

1.6-Estratégia de Crescimento

O lançamento do produto será feito inicialmente por meio da divulgação do site


e em feiras e eventos do segmento primeiramente na região de São Paulo e se
expandira para as demais localidades do país e para toda a América Latina,
partindo de parceria já firmada com a Graphic Services & Promoções de
Materiais, sediada no México.

Parcerias com portais e sites ligados a sustentabilidade já fecharam acordo e


vão criar links que remetam ao nosso site. Haverá também a participação em
feiras e eventos do segmento na Europa.

Contamos com o apoio de Organizações Governamentais por se tratar de um


projeto que visa o aspecto social.
1

1.7-Previsões dos Resultados Financeiros e Investimentos

Com o investimento inicial de R$ 8.300.000,00 a Carpe Tissue terá capacidade


para gerar 563.200k de tecido mes, obtendo um faturamento mensal em torno
de R$1.323.520,00, os custos fixos e variaveis em torno de R$860.000,00, terá
uma lucratividade em torno de 36%, o que proporcionara o retorno do capital
investido em aproximadamente 2 anos.

Os planos e condições apresentadas resultarão ao negócio alta rentabilidade


com excelente retorno aos acionistas quando comparado as diversas
oportunidades financeiras existentes no mercado.

Como o negócio visa também o mercado externo atrairá muitos investidores


aumentado as chances de sucesso na ampliação do negócio até mesmo antes
dos prazos estabelecidos e garantindo a valorização das aplicações aos
investidores.

2. O CONCEITO DO NEGÓCIO

2.1- A empresa Carpe Tissue

A empresa Carpe Tissue foi criada com a finalidade de gerar lucro e já nasce
com atitude ambientalista embutida no negócio o que atualmente é tão
necessária para consolidar e garantir da permanência no mercado.

O nome Carpe Tissue vem do latim que significa aproveitar o tecido e tem
como missão estimular a utilização de um produto altamente consumido pela
indústria para os mais diversos tipos de confecção com apelo ambientalista, do
qual se aproveita a necessidade de produzir aliada a atitude de preservar.

Este modelo de negócio está estruturado na demanda de mercado e não na


oferta, pois se baseia na necessidade do segmento têxtil em se adequar as
novas imposições mercadológicas e o produto vai de encontro destas
necessidades permitindo à estabilidade industrial por meio da garantia da
continuidade produtiva já adequada as legislações vigentes, atendendo
inclusive aos acordos internacionais e apelos sociais.

Toda cadeia, tanto de fornecedores quanto de cliente estarão engajadas na


mesma via, pois farão parte do processo da destinação do material advindo da
reciclagem que será o diferencial da nossa empresa.
2

2.2- Ficha técnica da empresa

Razão Social: CARPE TISSUE INDÚSTRIA TEXTIL COMERCIAL


IMPORTADORA E EXPORTADORA LTDA.

Indústria brasileira

Nome fantasia: TECIDOPET

Ramo de Atividade: Indústria Têxtil

CNPJ 03.503.010/0001-01

Inscrição Estadual 103.187.423-08

Endereço: Rua do Sucesso, 100

CEP 01.010-100 São Paulo- SP

Telefone: 55 11 20100512

SAC 0800-1002010

Site: www.carpetissue.com.br ou www.tecidopet.com.br

Atendimento ao cliente

sac@carpetissue.com.br

sac@tecidopet.com.br

www.tecidopet.com.br

2.3- Equipe de gestão

Lisangela Nery de Souza – CEO


2

diretoria@tecidopet.com.br

Luiz Henrique Figueiredo - Diretor Administrativo

adm@tecidopet.com.br

Pedro Simões Lopes - Diretor de Marketing e Comercial

mkt@tecidopet.com.br

João Batista Gonçalves - Diretor Industrial

industria@tecidopet.com.br

Camila Rosa Delgado - Projeto Social

social@tecidopet.com.br

2.4- Objetivo

O objetivo geral da empresa é:

• Consolidar a identidade do produto;

• Gerar empregos;

• Promover o superávit da balança comercial;

• Aumentar a receita de divisas internacionais;

• Horizontalizarão da exportação na cadeia têxtil;

• Firmar a participação brasileira como indispensável para a


sustentabilidade mundial;

2.5- Missão

Transformar a Carpe Tissue em líder de mercado e fazer com que seja


percebida como sinônimo de qualidade e excelência de produtos reciclados,
consolidando a marca como exemplo de sustentabilidade.
2

2.6- Visão

Ser líder com excelência em sustentabilidade, trazendo soluções inovadoras e


tecnológicas para o mercado têxtil.

2.7- Valores

• Ética;

• Respeito às pessoas;

• Satisfação dos Clientes;

• Inovação;

• Responsabilidade Social;

• Responsabilidade Ambiental;

• Tecnologia;

2.8- O produto
1

Fonte: http://www.tecidopet.com.br/

O Tecido Reciclado atende a uma demanda industrial que necessita de


adequação aos novos rumos tomados pela indústria no mundo todo.

A produção não é destinada apenas a vestuário mais sim a várias outras


aplicações, como o interior dos automotivos, enchimentos, cobertores,
decoração, matéria prima para brindes sacolas, porta caneta, porta óculos,
além de muitos outros.

A fibra têxtil feita de garrafa Pet reciclada é o mesmo que poliéster reciclado.
Para o processo de transformação do poliéster reciclado utiliza-se 30% a
menos da energia do que na produção da fibra virgem, ou seja, além da própria
reciclagem contribuir para reduzir o lixo no meio-ambiente, a economia no uso
de energia também é um ativo ambiental desse produto.

2.8.1- Matéria Prima:

O reaproveitamento de garrafa pet, beneficiada como matéria-prima para um


novo produto.

2.8.2- Processo de transformação

Processo de transformação da Garrafa Pet em Tecido:


2

As garrafas Pet são recolhidas por catadores, e


enviadas em fardos para a reciclagem

Depois de passar por um processo de seleção,


lavagem, moagem e secagem, o Pet resulta
num produto chamado Flake

O Flake é fundido a 300 ºC, e filtrado para


eliminar resíduos sólidos, pedras e metais

Depois de resfriado com água, o Pet é


granulado (chips verdes de garrafas verdes)

Chips naturais de garrafa transparente


3

Depois de misturados, os chips passam por um


processo de extrusão à 300ºC, transformando-
se em pasta. São enviados para uma bomba,
passando por micro furos, onde são lubrificados
e reunidos em tambores.

Micro furos onde são determinados os títulos


(espessura da fibra).

Saindo dos tambores são reunidos e passam


por um processo de estiragem.

Processo de estiragem e termofixação.

Depois da termofixação, as fibras saem


molhadas, passando em seguida por um
secador.
4

Depois de secas, as fibras passam pelo


processo de carda.

As fibras são embaladas em fardos, prontas


para suas diversas transformações: fios,
enchimentos de travesseiros, tapetes, carpetes
para linha automotiva e residencial, etc.

Fonte: http://www.setorreciclagem.com.br/modules.php?name=News&file=article&sid=323

2.9- A reciclagem de pet

O Setor de reciclagem está diante de anos de franca expansão, pois o


reaproveitamento do lixo se transforma cada vez mais em um mercado
milionário. A enorme demanda dos países emergentes da Ásia e da América
Latina por matéria-prima não pode ser suprida somente pelos recursos
naturais. Por isso, a matéria prima secundária é a chave para o futuro.

A separação do lixo não traz benefícios apenas ao meio ambiente: a gestão


dos resíduos passou a ser importante fonte de matéria-prima para a indústria.
No cenário de escassez de recursos naturais, reciclar dá lucro

Recentes estudos indicam a tendência do mercado em utilizar a reciclagem


como fonte de matéria-prima:

Gráfico 1 – Crescimento da Reciclagem Pet

Fonte: censo de reciclagem ABIPET

Atualmente a Indústria têxtil já é a maior responsável pelo consumo da matéria-


prima reciclada do Pet.

Gráfico 2. Pet reciclado – volume de utilização por segmento


1

Fonte: censo de reciclagem ABIPET

Existe uma grande tendência para que este volume aumente no segmento têxtil
por conta do apoio governamental que consequentemente atrai fortes
investimentos.

Para atender esta demanda, o setor de reciclagem está em franca expansão e


o reaproveitamento do lixo vem se transformando cada vez mais em um
negócio milionário.

Um fator de grande importância do negócio é o apoio governamental e social


que tem o segmento de reciclagem, visto que o Brasil é o segundo país do
mundo em reciclgem pet..

Grafico 3. Taxas de recuperação de pet no mundo

Fonte: censo de reciclagem ABIPET

2.10.O prisma social

“Somos todos iguais, independentes do serviço e merecemos respeito. O


trabalho que os catadores realizam é digno e ajuda o meio ambiente”
Fonte: www.olhardireto.com.br: afirmação da catadora Sueli de Almeida
1

Fonte: www.cempre.org.br/fotos.php

• Um em cada mil brasileiros é catador.


• calcula-se que existam de 300 mil a 1 milhão de catadores em atividade
no país.
• Três em cada dez catadores gostariam de continuar na cadeia produtiva
da eciclagem mesmo que tivessem uma alternativa.
• Os catadores são vítimas de preconceito por parte da sociedade

Fonte: www.cempre.org.br/fotos.php

A profissão, no entanto, não é tão glamorosa quanto o papel social e ambiental


que os catadores exercem. Muito pelo contrário, a maioria deles perambula em
média 30 quilômetros por dia, debaixo de chuva e sol, puxando até 400 quilos
(o peso da carroça cheia), em busca de materiais que, muitas vezes, só são
encontrados dentro de sacos de lixo.

Os atravessadores se aproveitam da frágil estrutura organizacional dos


catadores e abocanham 75% do faturamento gerado pela reciclagem, segundo
2

dados do Instituto Polis. Os catadores, por sua vez, ficam com apenas 25% da
receita (e com todo o trabalho pesado).

2.11- Responsabilidade Social

Dentro do organograma da Carpe Tissue teremos pessoal qualificado para


promover um trabalho de apoio para a valorização da classe dos catadores de
materiais recicláveis.

• Projeto Social

Temos muitos órgãos do governo e empresas privadas promovendo esta


causa, mas por falta de conhecimento os catadores pouco aproveitam as
oportunidades de melhoria, a exemplo temos o Fundo do Banco Nacional de
desenvolvimento Econômico e Social, que disponibilizou verba, não
retornáveis, para promover criação de cooperativas e a Fundação Nacional de
Saúde (FUNASA) que disponibilizara um investimento total de R$
9.764.584,94, para criação de cooperativas,

A Carpe Tissue esta comprometida em apoiar a criação destas cooperativas, e


o pagamento justo pelo material reciclado aos catadores.

Fonte:http://www.paineldeanuncios.com.br/campanha_social.htm

3. EQUIPE DE GESTÃO

A equipe de gestão da Carpe Tissue é composta de quatro sócios fundadores


da empresa.
2

3.1- Lisangela Nery de Souza, 46 anos – CEO

➢ Experiência:

Atua a mais de 15 anos em cargos de diretoria, nas áreas Financeira,


Administrativa, Tecnológicas, em empresas de grande porte, tais como: Hering,
Rhodia e Fivebras.

➢ Educação

• Inglês Avançado - Wizard - SP

• Pós-Graduado em Importação Exportação – PUC – SP;

• Graduado Comercio Exterior – USP – SP

➢ Objetivo

Organizar e operacionalizar a empresa para atender os mercados nacionais e


internacionais.

3.2- Luiz Henrique Figueredo – 31 anos - Gerente Administrativo

➢ Experiência

Experiência em criação implantação de Software para segmento administrativo-


financeiro, bem como em elaboração de estratégia de planejamento para
crescimento industrial.

➢ Educação

• Pós-Graduação em Engenharia Industrial – FGV – SP

• Especialização em Tecnologia da Informação – FSJ – SP

• Graduação em Administração de Empresas – FGV – SP


1

➢ Objetivo

Garantir o bom funcionamento de todo o processo fabril e otimizar os


processos administrativos.

3.3. Pedro Simões Lopes –42 anos- Gerente de Marketing e Comercial

➢ Experiência

Durante 3 anos atuou na Hering com proposta de reposicionamento de marca,


atuando principalmente no mercado externo, conquistando aumento do
faturamento global em cerca de 3%.

➢ Educação

• Graduação em Marketing – URFJ

• Executive MBA – Business School São Paulo

➢ Objetivo

Criar uma empresa sólida, garantindo as receitas necessárias para o sucesso


do negócio.

3.4- João Batista Gonçalves, 48 anos - Gerente Industrial

➢ Experiência

Experiência em Gestão de Pessoas, responsável durante 10 anos pelo parque


industrial da Rhodia. Especialista em Automação de Máquinas. Especialista em
implantação de ISO. Especialista em Gestão de Qualidade.

➢ Educação
2

MBA em Engenharia Têxtil – UNICAMP – SP

Doutor em Automação Industrial – FVG – SP

Mestre em Engenharia de Processos – FVG – SP

Pós-Graduação em Engenharia Industrial – FGV - SP

Graduação em Mecatrônica – SENAI – SP

➢ Objetivo

Garantir produtividade com excelência e com máximo aproveitamento. Aplicar


dispositivos legais para garantir certificações e qualidade na produção.

3.5- Composição acionária

A composição acionária da empresa está subdividida como segue.

Lisangela Nery de Souza- CEO 40%

Luiz Henrique Figueredo 20%

Pedro Simões Lopes 20%

João Gonçalves Batista - Adiminitrativo Industrial 20%

4. MERCADO MEXICANO
Os países latino-americanos são destino natural dos produtos brasileiros tanto
por sua proximidade geográfica, quanto por suas semelhanças culturais e sócio
econômicas.
Entre os principais parceiros comerciais do Brasil na região está o México que,
por seu potencial econômico, sua localização estratégica no norte do
continente americano e também sua participação no Acordo de Livre Comércio
da América do Norte (Nafta), representa uma oportunidade importante para
investimentos de empresas brasileiras.
1

4.1- Informações Gerais do País

Nome Oficial: Estados Unidos Mexicanos

Capital: Cidade do México

Localização: América do Norte

Área total: 1,964 milhões de km²

Expectativa de Vida: 75,3 anos

População 2009: cerca de 108 milhões de habitantes

PIB 2009: US$ 875 bilhões

PIB per capita 2009: US$ 8.101

Renda per capita 2008: US$ 10.090

Exportações 2009: US$ 229 bilhões

Importações 2009: US$ 234 bilhões


Fonte: Banco Mundial, Secretaria de Economia do Governo Mexicano, Banco do México

4.2- Economia

O México é fortemente dependente das importações norte-americanas que


representam mais de ¼ do PIB mexicano, segundo o Departamento de Estado
dos Estados Unidos. O resultado disso, como já mencionado acima, é que a
economia mexicana vem sofrendo por conta do desaquecimento econômico
2

norte-americano com o pós-crise financeira. Desde a desvalorização do peso


em 1994, alguns indicadores macroeconômicos do país tem apresentado
melhora ou pelo menos estão sob controle como inflação e déficit público.
O comércio com os EUA e Canadá quase triplicou desde a implementação do
NAFTA4 – o Tratado de livre-comércio da América do Norte, em 1994. O país
possui acordos comerciais com mais de 50 países, incluindo a Guatemala,
Honduras, El Salvador, Comunidade Européia e Japão; sendo que mais de
90% de suas transações comerciais são feitas sob estes acordos.

DESTINOS DAS EXPORTAÇÕES MEXICANAS EM 2009


Estados Unidos 80,5%
Canadá 3,6%
Alemanha 1,4%
Brasil 1,0%
Outros 13,5%

Fonte: CIA/ Ministério Brasileiro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC) – Aliceweb

4.3- Relações comerciais com o Brasil

Brasil e México são as duas maiores economias da América Latina. Temos


muitas afinidades sociais, culturais e econômicas. O Brasil tem cerca de 193
milhões de pessoas e PIB estimado de US$ 1,6 trilhão. O México tem cerca de
108 milhões de habitantes e conta com PIB de aproximadamente US$ 875
bilhões. Portanto, ambos os países têm PIB per capita muito semelhantes,
sendo o Brasil de US$ 8.290 e o México de US$ 8.101.

4.4. Análise Setorial

O México é um forte player no mercado têxtil mundial, atingindo níveis de


importação na casa dos US$ 6,8 bilhões em 2009. O país teve como cinco
principais fornecedores Estados Unidos, China, Índia, Itália e Espanha, sendo o
primeiro país aquele que representou 53,05% do valor total importado. No
entanto, os Estados Unidos vem perdendo market share desde 2007, com uma
queda de 22,57% de 2008 para 2009. Já a China foi o único país, dentre os
principais fornecedores, que cresceu sua participação no mercado mexicano
(com um aumento de 0,44%). O Brasil, seguindo a tendência da maioria dos
países diminuiu o valor exportado ao México, caindo posições no ranking de
maiores fornecedores (16º lugar para 21º lugar).
Nos últimos cinco anos, a indústria têxtil investiu US$ 2 bilhões em máquinas e
2

equipamentos, segundo a ProMéxico, organização do governo que coordena


as estratégias de fortalecimento da participação do país no comércio
internacional. O México construiu sua indústria baseado na idéia de que seria a
melhor opção para o mercado norte-americano, porém, na última década,
países asiáticos e da América Central apresentaram custos mais baixos e
desafiaram a qualidade dos produtos, em concorrência direta no mercado
americano.
Segue abaixo quadro ilustrativo das alíquotas de imposto de importação
atualmente cobradas pelo México, por segmento, do setor têxtil e de
confecção.

Alíquotas Mexicanas de Importação do Setor Têxtil e Confecção


País Produto

Tarifa de Abertura de
País Produto
importação% Mercado
Têxteis zero (NAFTA)
Vestuário zero (NAFTA)
EUA Cama, Mesa, Livre Acesso
Banho zero (NAFTA)
Outros zero (NAFTA)
Têxteis 0-15
Vestuário 15-30
China, India,
Sem Preferências
Itália e Espanha Cama, Mesa,
Banho 15-30
Outros 15-30
Têxteis 0-15
Vestuário 15-30
Preferências
Brasil Cama, Mesa, Tarifárias
Banho 15-30
Outros 15-30

Fonte:Sistema Integral de información de comércio exterior (Siicex-Caaarem)/MDIC

O setor têxtil e de confecção do Brasil tem grande interesse em um Acordo de


Livre Comércio com o México (isenção de alíquota imediata, exceto para
algumas fibras e filamentos artificiais e sintéticos e alguns não tecidos),
submetido a regras de origem específicas ou no aprofundamento do já
existente acordo bilateral de preferências tarifárias (ACE 53) que contém
poucos produtos têxteis e confeccionados. A ABIT, através do Texbrasil,
juntamente com o governo brasileiro, trabalha para ampliar nossa participação
neste mercado, negociando junto ao governo mexicano.
IMPORTAÇÕES MEXICANACadeia têxtil 50-
2007 2008 2009
O México está muito mais voltado (e dependente) ao comércio exterior do que
o Brasil. Embora seja praticamente metade da economia brasileira, o México
exportou, em 2009, US$ 229 bilhões (50% a mais do que o Brasil) e importou
2

US$ 234 bilhões 9 (84% a mais do que o Brasil). Aproximadamente 80% das
exportações e 50% das importações do México são realizadas com os EUA.
Os números não poderiam ser mais claros para demonstrar que existe grande
potencial de aumento do comércio bilateral, em especial no setor têxtil e de
confecção a ser explorado entre os dois países.
Na área têxtil e de confecção, a situação não é diferente. Em 2009, o México
representou 0,25% de nossas importações (US$ 9 milhões do México e US$
1,25 bilhão do mundo) e o Brasil representou 0,86% do total das importações
mexicanas (US$ 58 milhões do Brasil e US$ 6,7 bilhões do mundo).

4.5- Mercado Alvo

.
A grande capacidade produtiva do México no setor têxtil, aliado a seu mercado
consumidor de mais de 100 milhões de habitantes e ao crescente poder de
compra da população, colaborou para o país estar entre os dez principais
compradores de têxteis e confecções brasileiras no ano passado. S$
Além de permitir o acesso aos mercados canadenses e norte-americanos e de
outros demais 40 países através de Acordos de Livre Comércio, o México
possui um grande mercado consumidor interno.
O México tem no consumo um importante componente de sua economia. Em
2009, seu mercado de consumo girou em torno de US$ 608 bilhões, o que
corresponde a 68,1% do PIB total do país. Dentre os setores que mais
apresentaram destaque, o item “vestuário e calçados” foi o quarto item de
maior consumo, com aproximadamente US$ 67 bilhões, 11% do total
consumido.
Durante o último ano, foram abertos 38 novos supermercados no México, nos
quais 18 Wal-Mart e 11 Soriana. Essas duas redes – as maiores do país –
disponibilizaram grandes quantias de recursos financeiros para a abertura de
novos estabelecimentos para os próximos anos, apostando na competição pelo
menor preço. A rede Mega Comercial Mexicana também aposta na abertura de
novos estabelecimentos (foram 5 em 2009), porém focando mais em
diversidade e “mega-stores” ao invés de preço
As lojas de departamento representam um importante canal de distribuição não
apenas para o setor têxtil, mas para toda economia do México, pois
conseguem atender todas as classes de renda da população mexicana. O Sam
´s Club (Wal-Mart) é o principal estabelecimento com vendas superiores a 70
bilhões de pesos mexicanos, em 2009. A razão para essa liderança está no
fato de somar 98 lojas, muito mais do que qualquer outra loja de departamento.

4.5.1- Consumidores

A empresa mexicana P&G já fechou contrato com a rede de supermercado Wal


Mart e Soriana para a produção de ecobags, o uso do tecido pet na confecção
destas bolsas ira agregar valor e ação sustentável, beneficiando a imagem da
empresa.

A P&G em 2011 será responsável pela produção do material promocional da


Procter e gamber, a nescessaire que acompanhara alguns dos lançamentos da
2

empresa será feita com tecido reciclado a medida visa agregar valor de
sustentabilidade ao produto.

4.6 Exportações

Devido a complexibilidade de negocio que é a exportação a Carpe Tessue terá


um departamento específico para tratar de todos os aspecto que envolvam a
exportação

Além das normas internas temos que ficar atentos as diretrizes do País para
onde pretendemos exportar.

A exportação do nosso produto para o México deve seguir algumas regras


como fechamento de cambio, modal de transporte custo de frete e impostos.

4.6.1-Documentos necessários para exportação

➢ Fatura Proforma ou Pro Invoice (MODELO ANEXO 01)


Documento que dá início ao negocio. Logo após os primeiros contatos e
manifestada a intenção de realização de uma operação comercial, o
exportador emite para o importador uma fatura Proforma para que este
providencie a licença de Importação, dentre outras providências. Este
documento é o modelo de contrato mais freguente, formaliza e confirma
a negociação, desde que devolvido ao exportador, contendo o aceite do
importador para as especificações contidas. É similar à fatura, porém
não gera obrigação de pagamento por parte do comprador. Deve emitida
no idioma do pais importador ou em inglês.

➢ Controle Governamental – Registro de Exportação – RE


Documento eletrônico emitido e preenchido no SISCOMEX(Sistema
Integrado de Comercio Exterior), diretamente pelo próprio exportador ou
pelo representante legal. Tem a finalidade de registrar a operação para
fins dos controles governamentais nas áreas comerciais fiscais cambiais
e aduaneiras.

➢ Para fins fiscais e contábeis (Modelo Anexo 2)


Contrato de cambio-documento informatizado para coleta de
informações, emitido pelo banco negociador de câmbio e que formaliza
a troca de divisa estrangeira por moeda nacional. No âmbito externo,
equivale à nota fiscal, e tem validade a partir d data de saída da
2

mercadoria do território nacional. Este documento é imprescindível para


o importador liberar a mercadoria no país de destino.

➢ Comprovante de Exportação (CE)


È o documento oficial emitido pela SRF eu comprova o efetivo embarque
da mercadoria. O CE consubstancia a operação de exportação e tem
força legal para fins administrativos, cambiais e fiscais.

➢ Nota fiscal-
Depois de aprovado o registro de Exportação – RE, o próximo paso é a
emissão da nota fiscal, que deve acompanhar a mercadoria desde a
saída do estabelecimento até a efetiva liberação junto à secretaria da
receita federal. Ela precisa acompanhar o produto somente no trânsito
interno.

➢ Certificado ou Apólice de Seguro-(Modelo Anexo 3)


Documento necessário quando a condição de venda envolve a
contratação de seguro da mercadoria. Deve ser providenciado antes do
embarque, junto a uma empresa seguradora, de livre escolha do
exportador.

➢ Romaneio de Embarque (Packing List)-(Modelo Anexo 4)


Documento emitido pelo exportador para o embarque de mercadorias
que se encontram acondicionadas em mais de um volume ou em um
único volume que contenha variados tipos de produtos. É necessário
para o desembaraço da mercadoria e para orientação do importador
quando da chegada dos produtos no país de destino.

➢ Conhecimento de Embarque
Documento emitido pela companhia transportador que atesta da carga,
as condições de transporte e a obrigação de entrega das mercadorias
ao destinatário legal, no ponto de destino pré-estabelecido, conferindo a
posse das mercadorias. É ao mesmo tempo, um recibo de mercadorias,
um contrato de entrega e um documento de propriedade, constituindo
assim um contrato de entrega e um titulo de credito.
Este documento recebe denominações de acordo com o meio de
transporte utilizado:
2

➢ Conhecimento de embarque Marítimo: (Modelo Anexo 5)

➢ Carta de Crédito- (modelo Anexo 6)


Nas operações realizadas sob esta condição, o original deste
documento é imprescindível para que o exportador possa concretizar a
negociação da operação junto ao banco. Ela deve ser providenciada
pelo importador e emitida por um Banco, de livre escolha do importador.
O exportador deve, então, procurar obter maiores informações sobre o
Banco escolhido pelo importador para emissão da carta de crédito. Se o
Banco escolhido pelo importador não tiver credibilidade no mercado, o
exportador pode exigir o Borderô ou Certificado ou Apólice de Seguro:

➢ Borderô- (Modelo Anexo 7)


Um Borderô ou carta de entrega: protocolo fornecido pelo Banco
negociador de câmbio, no qual são relacionados os outros documentos
a ele entregues.

➢ Transporte marítimo Incoterms

5.ESTRUTURA DA OPERAÇÃO

A estrutura operacional foi definida com base nas áreas-chaves da empresa,


ocupadas pelos sócios fundadores. Foram consideradas também a previsão de
crescimento da empresa e a correspondente demanda por aumento do quadro
funcional. O quadro a seguir apresenta a estrutura básica:

Projetos
CEO CONTABILIDAD
Sociais

GERENTE TI
ALMOXARIFA
ADM/FINANCEIRO SUPRIMENTOS DO
1

COMPRAS
RECURSOS
HUMANOS

MARKTING
GERENTE
EXPORTAÇÃO
COMERCIAL

SUPERVISÃO VENDEDOR
DE VENDAS

GERENTE
SUPERVIS
INDUSTRIAL OR LIDER DE PRODUÇÃO
INDUSTRIA

Mecânico de PREPARADOR DE
manutenção MAQUINA

TECELÃO URDIDOR ESTOLEIRO

AJUDANTE DE
PRODUÇÃO

6.PREVISÕES DOS RESULTADOS E FINANCEIROS


6.1-Investimento inicial

O quadro a seguir demonstra o investimento inicial necessário para viabilizar o


negocio:

Quadro 1 investimento inicial


1

INVESTIMENTO INICIAL
Sede propria 1.000.000,00
Instalações 530.000,00
Maquinario 320.000,00
Matperia prima inicial 450.000,00
Capital de giro 6.000.000,00
8.300.000,00

Quadro 2-Depreciação

D e p re cia çã o , M a nute nçã o /C o ns e rva ç ã o e S e g uro


Inve stim e nto D e p re c ia ç ã o
D isc rim ina çã o
F ixo Ta xa V a lo r
O b ra s C ivis 9 0 .0 0 0 ,0 0 4% 3 .6 0 0 ,0 0
M á q ./E q uip a m e nto s3 2 0 .0 0 0 ,0 0 1 0 % 3 2 .0 0 0 ,0 0
M ó ve is /U te nsílio s 2 3 0 .0 0 0 ,0 0 1 0 % 2 3 .0 0 0 ,0 0
Ins ta la çõ e s 1 8 0 .0 0 0 ,0 0 1 0 % 1 8 .0 0 0 ,0 0
TO TA L 8 2 0 .0 0 0 ,0 0 --- 7 6 .6 0 0 ,0 0

Inve stim e nto M a nut./C o nse rva ç ã o S e g uro


D isc rim ina çã o
F ixo Ta xa V a lo r Ta xa V a lo r
O b ra s C ivis 9 0 .0 0 0 ,0 0 0 ,5 % 4 5 0 ,0 0 0 ,5 % 4 5 0 ,0 0
M á q ./E q uip a m e nto s3 2 0 .0 0 0 ,0 0 1 ,5 % 4 .8 0 0 ,0 0 1 ,0 % 3 .2 0 0 ,0 0
M ó ve is /U te nsílio s 2 3 0 .0 0 0 ,0 0 0 ,2 % 4 6 0 ,0 0 0 ,2 % 4 6 0 ,0 0
Ins ta la çõ e s 1 8 0 .0 0 0 ,0 0 1 ,5 % 2 .7 0 0 ,0 0 1 ,0 % 1 .8 0 0 ,0 0
TO TA L 8 2 0 .0 0 0 ,0 0 --- 8 .4 1 0 ,0 0 --- 5 .9 1 0 ,0 0

O Quadro 3 : Demonstrativos de custos fixos

PROJETADO
CUSTOS FIXOS ATUAL 1 ano

Pró-labore 34.000,00 408.000,00


1

Encargos sobre pró-labore 27.200,00 326.400,00

Mão de obra 163.800,00 1.965.600,00

Encargos sociais 131.040,00 1.572.480,00

Mão de obra terceirizada 12.600,00 151.200,00

Material de expediente 1.200,00 14.400,00

Água 680,00 8.160,00

Energia 12.300,00 147.600,00

Telefonia fixa 3.600,00 43.200,00

Telefonia móvel 4.200,00 50.400,00

Depreciação 32.000,00 384.000,00

Manutenção/conservação 3.200,00 38.400,00

Seguro 12.600,00 151.200,00

Outras despesas fixas 3.000,00 36.000,00

441.420,00 5.297.040,00

Quadro 4– Previsão de custo com folha de pagamento


1

TOTAL
SALARIO
SALÁRIO GASTOS
CARGO MAIS
UNITARIO C/
IMPOSTOS
SALARIOS
CEO 10.000,00 10.000,00 18.000,00
FINANCEIRO 8.000,00 8.000,00 14.400,00
GERENTE COMERCIAL 8.000,00 8.000,00 14.400,00
PRO-LABORE GERENTE INDUSTRIAL 8.000,00 8.000,00 14.400,00
34.000,00 61.200,00
TOTAL
SALARIO
SALÁRIO GASTOS
Quantidade/CARGO MAIS
UNITARIO C/
IMPOSTOS
SALARIOS
1-Contabilidade 4.000,00 4.000,00 7.200,00
1-Projetos Sociais 4.000,00 4.000,00 7.200,00
1-Analista de sistemas 2.500,00 2.500,00 4.500,00
1-Suprimentos 4.000,00 4.000,00 7.200,00
1-Recursos humanos 4.000,00 4.000,00 7.200,00
1-MKT 4.000,00 4.000,00 7.200,00
1-Exportação 4.000,00 4.000,00 7.200,00
1-Supervisor de vendas 4.000,00 4.000,00 7.200,00
5-Vendedor 1.200,00 6.000,00 10.800,00
1-Supervisão de produção 4.000,00 4.000,00 7.200,00
3-Líder de produção 3.200,00 9.600,00 17.280,00
6-Preparador de maquinas 2.500,00 15.000,00 27.000,00
3-Mecânico de manutenção 2.500,00 7.500,00 13.500,00
24-Tecelão 1.200,00 28.800,00 51.840,00
24-Urdidor 1.200,00 28.800,00 51.840,00
24-Estoleiro 1.200,00 28.800,00 51.840,00
6-Ajudante 800,00 4.800,00 8.640,00
163.800,00 294.840,00

Quadro5-Previsão de lucro por quantidade de maquinas

TOTAL PREÇO
Q/M CP/H HORA VENDA TOTAL DIAS FATURAMENTO TETO CP
1 40 20 2,35 1880,00 22 41360,00 3598,32
1

4 40 20 2,35 7520,00 22 165440,00 14393,28


8 40 20 2,35 15040,00 22 330880,00 28786,56
12 40 20 2,35 22560,00 22 496320,00 43179,84
16 40 20 2,35 30080,00 22 661760,00 57573,12
20 40 20 2,35 37600,00 22 827200,00 71966,40
24 40 20 2,35 45120,00 22 992640,00 86359,68
28 40 20 2,35 52640,00 22 1158080,00 100752,96
32 40 20 2,35 60160,00 22 1323520,00 115146,24

Quadro6-Previsão de custo de produção

Q ua ntid a d e d e
o p e rá rio s
S a la rio To ta l g a s to c o m
O c up a ç ã o ne c e s s á ria p a ra
m e ns a l s a lá rio s
os 3
turno s
P re p a ra d o r d e m a q uina 2 .5 0 0 ,0 0 6 1 5 .0 0 0 ,0 0
M e c â nic o 2 .5 0 0 ,0 0 3 7 .5 0 0 ,0 0
Te c e d o r 1 .2 0 0 ,0 0 24 2 8 .8 0 0 ,0 0
U rd id o r 1 .2 0 0 ,0 0 24 2 8 .8 0 0 ,0 0
E s p o le iro 1 .2 0 0 ,0 0 24 2 8 .8 0 0 ,0 0
A jud a nte 8 0 0 ,0 0 6 4 .8 0 0 ,0 0
1 1 3 .7 0 0 ,0 0
2 0 4 .6 6 0 ,0 0

6.1-Formação do preço de venda


1

Com base nos dados apresentados teremos:

Uma maquina produz aproximadamente 40 k por hora; com 32 maquinas a


capacidade de produção será de 563.200 k, com 20 horas de trabalho dia
considerando 22 dias mês.

Custo fixo = R$ 441.020,00 / 563.200 = R$ 0,79/k

Custo da Matéria Prima incluindo frete = R$ 0,60/k

Componentes do preço no Mercado Interno

ICMS: % R$

COFINS: % R$

PIS: % R$

Outros Tributos: % R$

Lucro de mercado Interno: % R$

R$ R$
Embalagem de Mercado Interno:

R$ R$
Comissão de vendedor no mercado interno:

R$ R$
Despesas de propaganda no mercado interno:

R$ R$
Despesas de distribuição de mercado interno:

Outras despesas que não incidirão no mercado R$ R$


externo:

SUBTOTAL - Componentes do Preço de R$


Mercado Interno:

Componentes do preço na Exportação


1

R$ R$
Embalagens:

R$ R$
Carregamento:

R$ R$
Transporte Interno:

R$ R$
Desembaraço aduaneiro na exportação:

R$ R$
Despesas portuárias:

R$ R$
Despesas aeroportuárias:

R$ R$
Aluguel do container:

Transporte e seguro do container até o costado R$ R$


do navio:
R$ R$
Carga, descarga e estadia do container:

R$ R$
Capatazia e taxas portuárias:

R$ R$
Outras despesas:

SUBTOTAL - Componentes do Preço na R$


Exportação:

CUSTO TOTAL: R$

Lucro desejado na exportação: % R$

Preço FOB em moeda nacional: R$


1

R$
Taxa Cambial:

preço FOB em dólares: US$

ANEXOS
Anexo 01- Fatura Proforma ou Pro Invoice
1

Anexo 2-Contrato de Câmbio de Compra


1

Anexo 3 – Modelo Apólice de Seguro


1

Anexo 4 – Modelo de Romaneio de Embarque

Anexo 5- Modelo Conhecimento de embarque Marítimo


1

Anexo 6 – Modelo de Carta de Crédito Comercial


1

Anexo 7-Modelo de Borderô


1

BIBLIOGRAFIA

GARCIA,Luiz Martins.Exportar.9 ed.São Paulo:Aduaneiras, 2010


1

SALIM, Cesar Simões; HOCHMAN, Nelson; RAMAL, Andrea Cecília; Ramal, Silvina
Ana. Construindo Planos de Negócios. 3 ed.São Paulo:Elsevier, 2005

DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo. 3 ed.São Paulo:Elsevier, 2008

Referências eletrônicas:

www.texbrasil.com.br/texbrasil/mail/images/Panorama_Mex_VF.pdf

www.abimaq.org.br

www.setorreciclagem.com.br/

www.abipet.org.br/noticias/Quinto%20%20Censo%20ABIPET%2009.pdf