Você está na página 1de 20

SIMULADO - ENEM

Prova 03 e 0 4
P UP T 2009
> > D IA 13/06 - D U R AÇ ÃO : 13:00 às 18:30 HORAS <<

INSTRUÇÕES

1 Só abra o caderno de prova quando autorizado. Ao fa- 6 Não amasse nem dobre seu cartão-resposta original.
zê-lo, verifique se contém 45 questões de Matemática e Tome bastante cuidado na marcação e manuseio, pois
suas tecnologias e 45 questões de Linguagens, Códigos não haverá substituição do cartão-resposta.
e suas Tecnologias; 7 Ao marcar o cartão resposta, preencha completamente cada
2 A interpretação das questões é parte integrante da pro- quadrícula correspondente à opção escolhida, utilizando ca-
va, não sendo permitido perguntas aos fiscais; neta esferográfica de cor azul ou preta. Não use marcas como
3 Use os espaços em branco para rascunho. Não destaque X, traço e etc. A coordenação não se responsabiliza por pro-
as folhas de prova. blemas de leitura decorrente de marcação indevida. Observe
4 O uso de qualquer recurso não permitido acarretará a o exemplo abaixo, onde foram marcadas as opções A, B, E e
imediata anulação da prova e a eliminação do candida- C, respectivamente, nas questões 01, 02, 03 e 04.
to à seleção. 8 Terminada a prova, chame um fiscal e entregue-lhe o car-
5 Ao receber o cartão-resposta, verifique se o número tão-resposta. A não devolução do cartão-resposta im-
de inscrição corresponde ao seu (impresso no cartão plicará na sua desclassificação.
de confirmação de inscrição) e assine-o. Caso o nume- 9 O candidato só poderá levar seu caderno de prova após
ro impresso no cartão não seja o seu, chame um fiscal decorrido o intervalo de tempo de 2h e 30 min, contado
para que ele tome a providência adequada. a partir do início da prova.

MATÉRIAS QUESTÕES EXEMPLO (GABARITO PREENCHIDO)


• Matemática e (Prova 03) 01 a 45
e suas tecnologias 1 A B C D E

• Linguagens, Códigos (Prova 04) 01 a 45 2 A B C D E


e suas tecnologias
3 A B C D E

4 A B C D E

REALIZAÇÃO
PROVA 03 - MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

QUESTÃO 01 QUESTÃO 04
A sombra de uma pessoa que tem 1,80m de altura mede Dois ângulos internos de um polígono convexo medem
60cm. No mesmo momento, a seu lado, a sombra projeta- 130° cada um e os demais ângulos internos medem 128°
da de um poste mede 2,00m. Se, mais tarde, a sombra do cada um. O número de diagonais do polígono é:
poste diminuiu 50cm, a sombra da pessoa passou a medir:
a) 14 b) 15 c) 7 d) 21 e) 28
a) 30 cm
b) 45 cm QUESTÃO 05
c) 50 cm
A diversidade cultural está em toda parte. Nos grandes cen-
d) 80 cm tros, não seria diferente: num shopping, uma pessoa sai do
e) 90 cm primeiro pavimento para o segundo através de uma escada
rolante, conforme a figura abaixo.
TEXTO PARA QUESTÕES 2 E 3

A Diversidade Cultural
dos Povos Indígenas
“Estima-se a existência de cerca de 200 sociedades indígenas
no Brasil. O número exato não pode ser estabelecido, na medida em
que existem grupos indígenas que vivem de forma autônoma, não
mantendo contato regular com a sociedade nacional...”
Fonte: http://www.museudoindio.org.br

A construção das ocas é, segundo os indígenas, uma for-


ma de integrá-los à comunidade local. Índios Xavantes de
uma reserva localizada no centro-oeste de Mato Grosso,
construíram suas ocas da seguinte maneira: a primeira no A altura H, em metros, atingida pela pessoa, ao chegar ao
ponto A de um plano; a segunda, 10m distante do ponto segundo pavimento, é:
A; no ponto B, muda de direção 30° para a direita, percor- a) 15
re mais 10m e constrói-se a terceira oca. No ponto C, muda
b) 10
de direção 30° para a direita. Assim, sucessivamente, con-
forme figura abaixo, constroem-se as demais ocas. c) 5
d) 3
e) 2

QUESTÃO 06

Crescimento e altura
Filhos de pais com determinada estatura terão sua altura mui-
to próxima do pai correspondente do mesmo sexo, ou seja, um filho
QUESTÃO 02 terá uma altura próxima a de seu pai, e uma filha, próxima a da
sua mãe. Para um cálculo aproximado, costuma-se usar a seguinte
Quantas ocas foram construídas? fórmula: soma da altura dos pais mais 13 centímetros para os
a) 08 meninos (ou menos 13 centímetros para as meninas) dividido por
dois. Temos assim o que chamamos de “alturaalvo” de uma pessoa.
b) 09 A altura é considerada normal se for seis centímetros acima ou
c) 10 abaixo do valor alculado. (...) Nesse contexto, temos a expectativa
d) 11 de que pais baixos terão filhos baixos e pais altos terão filhos mais
e) 12 altos, o que chamamos de “determinantes familiares da estatura”.
Fonte: Czepielewski, Mauro Antonio. Crescimento e altura, disponível em http://www.pailegal.
net, acesso em 15 de abril de 2009)

QUESTÃO 03 Fazendo uso do texto acima, determine o intervalo da al-


tura considerada normal para um menino (representado
Qual a distância percorrida por um índio que sai da oca A por o) e uma menina (representada por a), filhos de um
e passa por todas as outras ocas construídas e retorna para casal em que o homem e a mulher medem respectivamente
a oca A? 1,73 metro e 1,64 metro.
a) 80m a) 1,67 ≤ o ≤ 1,79; 1,58 ≤ a≤ 1,70
b) 90m b) 1,58 ≤ o ≤ 1,70; 1,67 ≤ a≤ 1,79
c) 10m c) 1,65 ≤ o ≤ 1,77; 1,74 ≤ a≤ 1,86
d) 11m d) 1,69 ≤ o ≤ 1,81; 1,56 ≤ a≤ 1,68
e) 120m e) 1,73 ≤ o ≤ 1,79; 1,64 ≤ a≤ 1,70

2 | Simulado ENEM (01) - PUPT 2009


QUESTÃO 07 QUESTÃO 11
O proprietário da rede de lanchonetes NEN CACHORRO Num estacionamento, há carros e motos. Desconsiderando
COME repartiu 57 sanduíches entre seus três filhos, Gal- a roda estepe, se no estacionamento houver 20 carros e
vão, Bravin e Digão, de tal forma que a razão entre as 100 rodas, quantas motos existem?
quantidades recebidas por Galvão e Bravin seja de 4 para
5, e de Bravin e Digão seja de 6 para 12. Nestas condições, a) 5
quantos sanduíches recebeu Digão para seu lanchinho b) 10
da tarde: c) 15
a) 15 d) 20
b) 20 e) 25
c) 25
d) 30 QUESTÃO 12
e) 35 Estudando os polígonos regulares, Luciano observou que
havia um polígono regular cujo ângulo externo mede 36º.
Qual o nome deste polígono?
QUESTÃO 08 a) Decágono
O número de bolsas que uma popstar possui está compre- b) Hexágono
endido entre 100 e 150. Agrupando-se de 12 em 12, de 15 c) Pentadecágono
em 15 ou de 20 em 20, sempre resta uma bolsa. A soma dos
d) Pentágono
três algarismos do número total de bolsas que ela possui
é igual a: e) Icoságono
a) 3
QUESTÃO 13
b) 4
c) 6 Se 12 operários levam 10 dias para realizar determinado tra-
d) 8 balho, quantos operários realizarão esse trabalho em 6 dias?
e) 10 a) 8
b) 15
c) 18
QUESTÃO 09 d) 20
Quatro cães consomem semanalmente 60 Kg de ração. e) 22
Assim, ao aumentarmos o número de cães em 75%, o
consumo mensal, em Kg, considerando o mês de 30 dias, QUESTÃO 14
será de :
Dois troncos de árvores, de mesma espessura, cujos tron-
a) 350 cos medem 300cm e 180cm, vão ser cortados em pedaços
b) 400 de mesmo comprimento, sendo esse comprimento o maior
c) 450 possível. Quantos pedaços de tronco e quais as medidas
d) 500 deles serão obtidas?
e) 550 a) 60 cm e 15 pedaços
b) 12 cm e 8 pedaços
c) 60 cm e 8 pedaços
QUESTÃO 10 d) 12 cm e 15 pedaços
Raquel, Júlia, Carolina, Fernando, Paulo, Ricardo e Anto- e) 45 cm e 20 pedaços
nio divertem-se em uma festa.
Sabe-se que QUESTÃO 15
. essas pessoas formam quatro casais; e Um professor faz a seguinte afirmação a seus alunos:
. Carolina não é esposa de Paulo. “Nesta sala existem pelo menos dois alunos que fazem
Em um dado momento, observa-se que a mulher de Fer- aniversário no mesmo dia.” Assim se um aluno faz ani-
nando está dançando com o marido de Raquel, enquanto versário no dia 2 de março e o outro aluno no dia 2 de
Fernando, Carolina, Antonio, Paulo e Rita estão sentados outubro, a afirmação do professor estará correta. Qual o
conversando. número mínimo de alunos que deverão estar na sala de
aula para que o professor acerte a sua afirmação, sem
Então, é correto afirmar que a esposa de Antonio é depender do fator sorte?
a) Carolina a) 15
b) Júlia b) 365
c) Rita c) 31
d) Raquel d) 32
e) Alice e) 20

Simulado ENEM (01) - PUPT 2009 | 3


QUESTÃO 16 QUESTÃO 17
Uma cidade planejada foi construída com seu sistema de
UM POUCO DE HISTÓRIA esgoto, obedecendo à esquematização de uma malha line-
Os povos antigos, principalmente os gregos, ficavam fascina- ar representada no gráfico a seguir, no qual cada vértice
dos com o cálculo e diziam que algumas divisões eram impossí- dista do outro de uma unidade.
veis. Então, tentavam encontrar padrões para alguns números. Por
exemplo, ao procurar os números que podem ser divididos por 2,
descobriram que 1 não pode ser dividido por 2; 2 pode; 3 não se
divide por 2; 4 se divide, e assim por diante.
Os matemáticos gregos tinha prazer em descobrir um signifi-
cado místico nos números e, como naquela época os matemáticos
eram do sexo masculino, consideravam os números divisíveis por 2
como femininos e de azar, e os outros, masculinos e de sorte.
Eles também faziam passatempos com os números; assim
descobriram que alguns números podiam ser divididos por outros
números menores, sem deixar resto, e que, portanto, podiam ser
escritos como um produto de dois ou mais fatores.

Analisando as afirmações abaixo temos:


Os pontos A e B representam duas casas e o ponto O repre-
A. TODO NÚMERO QUE TERMINA EM 3 É DIVISÍVEL POR 3.
senta a origem de uma confluência de canos que necessi-
B. TODO NÚMERO DIVISÍVEL POR 10 É TAMBÉM DIVISÍVEL POR 2 E POR 5. tam de uma “luva de união”. O valor do seno do ângulo 
C. EXISTEM NÚMEROS DIVISÍVEIS POR 6 E QUE NÃO SÃO DIVISÍVEIS POR 2. que a luva de união em O possui é:
D. TODO NÚMERO DIVISÍVEL POR 2 É TAMBÉM DIVISÍVEL POR 4. a) 1/2
E. 1 É DIVISOR DE QUALQUER NÚMERO NATURAL. b) √2/2
F. QUALQUER NÚMERO NATURAL, DIFERENTE DE ZERO, É DIVISOR DELE MESMO. c) √3/2
d) (4√17)/17
Atribuindo V se a afirmação for verdadeira e F se for falsa e) (2√17)/17
a sequência correta é:
a) F; V; F; F; V; V
QUESTÃO 18
b) V; V; F; F; V; F
c) F; V; V; F; F; V Uma bomba de água aspira e expira água a cada três segun-
dos. O volume de água da bomba varia entre um mínimo
d) F; F; V; V; F; F de 2 litros e um máximo de 4 litros. Dentre as alternativas
e) V; F; V; V; F; F a seguir, assinale a expressão algébrica para o volume (y)
de água na bomba, em função do tempo (t).
a) y = 2 + 2 sen [(π/3) . t]
49,44% sem rede de b) y = 2 + 2 sen [(2π/3) . t]
esgoto em Fortaleza(7/8/2008) c) y = 3 + sen [(π/3) . t]
As deficiências no esgotamento sanitário de Fortaleza d) y = 3 + sen [(2π/3) . t]
põem em risco a saúde da população e os recursos hídricos e) y = - 3 + 2 sen [(π/3). t]
Com cerca dois milhões e meio de habitantes, no item sanea-
mento básico Fortaleza ainda tem um longo caminho a percorrer QUESTÃO 19
para se inserir entre as capitais mais desenvolvidas do País.
Apesar de a incorreta destinação dos efluentes pôr em risco o Digão,técnico em saneamento ambiental,visita o Ceara e
meio ambiente e esteja diretamente relacionada à proliferação encontra-se na cidade de Aquiraz (ponto A) e pretende ir
de doenças, a cobertura de esgotamento sanitário da cidade é para Caucaia (ponto C), distante 20 km de Aquiraz, utilizan-
hoje de apenas 50,56%. do um táxi cujo valor da corrida, em reais, é calculado pela
expressão , em que x é o número de quilôme-
O dado é confirmado pelo gerente de projetos da Companhia tros percorridos. Se , e o táxi fizer o percurso
de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), engenheiro sanitarista , conforme indicado na figura, Digão deverá pagar
João Fernando Menescal, mas adianta que até 2010 a cobertura pela corrida:
da rede de esgoto deverá chegar de 75% a 80%. Quanto à cober-
tura de água tratada distribuída entre população, comemora: é
de 97,80%.

a )R$40,50
b) R$48,00
c) R$52,50
d) R$56,00
e) R$58,00

4 | Simulado ENEM (01) - PUPT 2009


QUESTÃO 20 QUESTÃO 22
Sendo a cidade de Acarau(ponto A),onde passa o rio Acarau,que Um pequeno avião a jato gasta sete horas a menos do que
desemboca no Oceano Atlântico e B e C são estações de trata- um avião a hélice para ir de São Paulo até Boa Vista. O
mento de esgoto . avião a jato voa a uma velocidade média de 660 km/h,
enquanto o avião a hélice voa em média a 275 km/h. Qual
é a distância entre São Paulo e Boa Vista?
a) 33 m
b) 3300 km
c) 33 dam
d) 30000 km
e) 333 hm

QUESTÃO 23
O excesso de peso pode prejudicar o desempenho de um
atleta profissional em corridas de longa distância como
a maratona (42,2km), a meia-maratona (21,1km) ou uma
prova de 10km. Para saber uma aproximação do intervalo
de tempo a mais perdido para completar uma corrida de-
vido ao excesso de peso, muitos atletas utilizam os dados
apresentados na tabela e no gráfico:
Deseja-se medir a distância entre duas estações, B e C, sobre
um mapa, sem escala. Sabe-se que AB=80km e AC=120km.
Logo, a distância entre B e C, em km, é:
a) menor que 90.
b) maior que 90 e menor que 100.
c) maior que 100 e menor que 110.
d) maior que 110 e menor que 120.
e) maior que 120.

QUESTÃO 21
O gráfico a seguir, publicado pela Folha de São Paulo em
9/7/94, traz o resultado de uma pesquisa para detectar a
existência de chumbo em safras de um vinho francês.

Os números encontrados estão expressos em picogramas


por grama de vinho. Um picograma equivale a 10 -12 gra-
mas. Suponhamos que a massa de 1 litro desse vinho seja
igual a 1 kg. Nessas condições, determine a concentração
aproximada de chumbo, em miligramas, numa garrafa de
Usando essas informações, um atleta de ossatura grande,
750 ml, safra de 1984.
pesando 63kg e com altura igual a 1,59m, que tenha cor-
a) 250 . 10 -9 mg/g rido uma meia-maratona, pode estimar que, em condições
b) 25 . 10 -9 mg/g de peso ideal, teria melhorado seu tempo na prova em
c) 250 . 10 -4 mg/g a) 0,32 minuto. b) 0,67 minuto.
d) 25 . 10 -4 mg/g c) 1,60 minuto. d) 2,68 minutos.
e) 2,5 . 10 -12 mg/g e) 3,35 minutos.

Simulado ENEM (01) - PUPT 2009 | 5


QUESTÃO 24
Para medir o perfil de um terreno, um mestre-de-obras
utilizou duas varas (V1 e V2), iguais e igualmente gradua-
das em centímetros, às quais foi acoplada uma mangueira
plástica transparente, parcialmente preenchida por água
(figura a seguir). Ele fez 3 medições que permitiram le-
vantar o perfil da linha que contém, em seqüência, os
pontos P1 , P2 , P3 e P4. Em cada medição, colocou as varas
em dois diferentes pontos e anotou suas leituras (terreno
fora de escala) na tabela a seguir. A figura representa a
primeira medição entre P1 e P2.

O gráfico anterior representa, de forma genérica, o que


acontece com a quantidade de fármaco no organismo hu-
Preenchendo completamente a tabela, o mestre-de-obras mano ao longo do tempo.
obteve os seguintes dados: F. D. Fuchs e Cher l. Wannma. Farmacologia Clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,1992, p. 40.

A meia-vida do antibiótico amoxicilina é de 1 hora. Assim,


se uma dose desse antibiótico for injetada às 12 h em um
paciente, o percentual dessa dose que restará em seu orga-
nismo às 13 h 30 min será aproximadamente de
a) 10%. b) 15%. c) 25%.
d) 35%. e) 50%.

QUESTÃO 26
Para desencorajar o consumo excessivo de água, o Departa-
mento de Água de certo município aumentou o preço deste
Ele determinou, portanto, o seguinte perfil para o terreno: líquido. O valor mensal pago em reais por uma residência,
em função da quantidade de metros cúbicos consumida, é
uma função cujo gráfico é a poligonal representada a seguir.

De acordo com o gráfico, quanto ao pagamento relativo ao


consumo mensal de água de uma residência, é CORRETO
QUESTÃO 25 afirmar que se o consumo:
a) for nulo, a residência estará isenta do pagamento.
A duração do efeito de alguns fármacos está relacionada
à sua meia-vida, tempo necessário para que a quantidade b) for igual a 5 m3, o valor pago será menor do que se o con-
original do fármaco no organismo se reduza à metade. A sumo for igual a 10 m3.
cada intervalo de tempo correspondente a uma meia-vida, c) for igual a 20 m3, o valor pago será o dobro do que se o
a quantidade de fármaco existente no organismo no final consumo for igual a 10 m3.
do intervalo é igual a 50% da quantidade no início desse d) exceder 25 m3, o valor pago será R$ 16,70 acrescido de R$
intervalo. 3,60 por m3 excedente.
e) for igual a 22 m3, o valor pago será R$ 15,00.

6 | Simulado ENEM (01) - PUPT 2009


QUESTÃO 27 QUESTÃO 29
Qual das afirmações seguintes está de acordo com o grá- Uma forma experimental de insulina está sendo injetada
fico abaixo? a cada 6 horas em um paciente com diabetes. O organismo
usa ou elimina, a cada 6 horas, 50% da droga presente no
a) Sempre que a inflação diminui a taxa de desemprego au-
corpo. O gráfico que melhor representa a quantidade Y da
menta.
droga no organismo como função do tempo t, em um perí-
b) Sempre que a inflação aumenta a taxa de desemprego odo de 24 horas, é
aumenta.
c) A taxa média mensal de desemprego de setembro a de-
zembro de 1998 foi inferior a 8%.
d) Quando a taxa de desemprego foi superior a 8% houve
deflação.
e) Entre agosto e dezembro de 1998, a taxa de desemprego
decresceu linearmente.

QUESTÃO 28
O Triatlo Olímpico é uma modalidade de competição que envol-
ve três etapas. Na primeira etapa, os competidores enfrentam 1,5
Km de natação em mar aberto; na segunda etapa, eles percorrem
40 Km de corrida ciclística; e, na terceira etapa, participam de uma
meia maratona de 10 km.
O gráfico que melhor representa, aproximadamente, a
distância percorrida, em quilômetros, por um atleta que
completa a prova durante as duas horas da competição é:

QUESTÃO 30
Três profissionais fazem 24 peças em 2 horas, e 4 aprendi-
zes fazem 16 peças em 3 horas. Em quantas horas, 2 profis-
sionais e 3 aprendizes farão 48 peças?
a) 2 b) 3
c) 4 d) 5
e) 6

Simulado ENEM (01) - PUPT 2009 | 7


QUESTÃO 31 QUESTÃO 36
Um número de dois algarismos é tal que o algarismo das O mínimo múltiplo comum (MMC) dos três valores algébri-
dezenas é igual a 3/4 do algarismo das unidades. Se os al- cos 2AB, 3AC, CD, vale:
garismos forem permutados entre si, obtém-se um número
a) 6BCD
que é 9 unidades maior que o primeiro. Então, a soma dos
dois algarismos é: b) ABCD
c) 6ABCD
d) 6A²BC²D
a) 8 b) 5 c) 7 d) 9 e) 6
e) 6ABC²D
QUESTÃO 32
Determine o ângulo alfa, em graus, na figura abaixo: QUESTÃO 37
Um comerciante compra uma caixa de vinho estran-
geiro por R$1.000,00 e vende pelo mesmo preço, depois
de retirar 4 garrafas e aumentar o preço da dúzia em
R$100,00. Então, o número original de garrafas de vinho
na caixa é:
a) 42
b) 33
c) 24
d) 30
e) 18

QUESTÃO 38
a)90
b)70 Se A, B e C são conjuntos tais que
c)80
d)100
e)85

QUESTÃO 33 Então, é igual a:


Que número devemos somar ao numerador e denominador a) 85
da fração 2/3 para que tenha um aumento de 20%? b) 90
a) 5 c) 95
b) 4 d) 70
c) 2 e) 80
d) 3
e) 1 QUESTÃO 39
As medidas de um pentagono estão em forma de progres-
QUESTÃO 34 são aritmética. Assim, necessariamente, um deles sempre
mede?
O valor de é igual a:
a) 2√2 a) 100º
b) 3√2 b) 104º
c) -2 √2 c) 108º
d) √2 d) 86º
e) -√2 e) 72º

QUESTÃO 35 QUESTÃO 40
Dona Zizi comprou 2 balas para cada aluno de uma 5ª sé- Divide-se o número 570 em três partes, de tal forma que
rie. Mas, como os meninos andavam meio barulhentos, ela a primeira esteja para a segunda como 4 está para 5 e a
resolveu redistribuir essas balas, dando 5 para cada me- segunda esteja para a terceira como 6 está para 12. Nessas
nina e apenas 1 para cada menino. Podemos concluir que, condições, a terceira parte vale?
na 5ª série, a) 200 b) 250
a) 20% são meninos b) 30% são meninas c) 300 d) 350
c) 75% são meninos d) 50% são meninas e) 325
e) 66,6...% são meninos

8 | Simulado ENEM (01) - PUPT 2009


QUESTÃO 41 QUESTÃO 43
Na figura abaixo, temos o triângulo ABC . Os segmentos RN Pedro dá a Mateus tantos reais quanto Mateus possui. Em
e MC , BC e MN são paralelos. seguida, Mateus dá a Pedro tantos reais quanto Pedro pos-
sui. Por fim cada um termina com R$ 12,00. Quantos reais
cada um possuía no início?
a) Mateus possuía 5 e Pedro 13
b) Mateus possuía 6 e Pedro 14
c) Mateus possuía 9 e Pedro 15
d) Mateus possuía 8 e Pedro 16
e) Mateus possuía 7 e Pedro 18

QUESTÃO 44
Considerando a informação acima como referência inicial, Na extremidade de uma mola colocada verticalmente, foi
quais das alternativas estão CORRETA(S). pendurado um corpo com a massa de 10Kg e verificamos
que ocorreu um deslocamento no comprimento da mola de
I - A medida do ângulo ACB é menor que 90° 54cm. Se colocarmos um corpo com 15Kg de massa na ex-
tremidade dessa mola, qual será o deslocamento no com-
II - A medida do ângulo RNM é igual à medida do ângulo MCB .
primento da mola?
III - A soma das medidas dos ângulos BAC e AMN é 75°
a) 71
IV - A medida do ângulo MNC é maior que 75° b) 75
a) I c) 81
b) I e II d) 85
c) II e III e) 91
d) II e IV
e) III e IV
QUESTÃO 45

QUESTÃO 42 Seja X um número inteiro que, dividido por 28, tem resto
9. Nessas condições, qual seria o produto dos restos das
Luiz faz uma viagem à cidade de São Gabriel da Palha divisões por 2 e por 4?
numa pick-up. Nesse trecho, existe uma ladeira com incli-
nação de 40º em relação ao plano horizontal. Se a ladeira a) 1
tem 50m de comprimento, quantos metros a pick-up se b) 2
eleva, verticalmente, após percorrer toda a ladeira? c) 4
(sen 40º = 0,64; cos40º = 0,76 e tg40º = 0,83) d) 6
a) 21 b) 32 c) 43 d) 54 e) 78 e) 8

Simulado ENEM (01) - PUPT 2009 | 9


PROVA 04 - LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS

Texto I: Educação de QUESTÃO 04


antigamente e de hoje Em relação à estruturação, é correto o que se afirma em:
Os pais de antigamente queriam ver os filhos trabalhando a) “ainda” (l.2) estabelece uma relação de tempo;
ainda crianças. O estudo ficava em segundo plano. Os pais
de hoje preferem ver os filhos só estudando, porque traba- b) o vocábulo “impensável” sofreu processo de derivação;
lhar é assunto para só depois da faculdade – se tiver empre- c) o pronome “nossa” em “nossa época” (l.14) indica que o
go, é claro. Hoje a lei proíbe o trabalho de menores de idade. autor fala para pessoas jovens;
[...] d) a expressão “ou seja”, ao final do texto, foi utilizada para
Os pais de antigamente exerciam ao máximo sua auto- retificar algo dito;
ridade sobre os filhos. Eram autoritários e reprimiam todos e) a palavra “não” (l. 25) sofreu processo de adjetivação.
os desejos. Os pais de hoje se acovardam diante do poder
crescente dos filhos. Existem crianças que batem de verdade
nos pais e eles não sabem como reagir. Faz sucesso um pro- QUESTÃO 05
grama da TV inglesa, “Super Nany” (aqui é “Super babá”)
São idênticos, em relação à função morfossintática, os pa-
que ensina aos pais como se defender e sustentar regras
res:
para lidar com os filhos. Pais acovardados e sem autoridade
era impensável, antigamente. Alguns pais de nossa época a) “Os pais de antigamente exerciam ao máximo sua auto-
justificam sua covardia como defesa para o (a) filho (a) não ridade”
fugir de casa, como aquele caso que virou notícia na impren- “Eram autoritários e reprimiam todos os desejos”
sa. Os pais de hoje temem a explosão emocional e reação de
b) “Alguns pais de nossa época justificam sua covardia”
vingança dos filhos; também temem serem mal interpretados
pelos especialistas e vizinhos de plantão. “Os pais de hoje temem a explosão emocional e reação de
Os pais de antigamente comandavam totalmente a edu- vingança dos filhos”
cação dos filhos. Hoje os pais sentem-se comandados pelos c) “Hoje a lei proíbe o trabalho de menores de idade”
seus rebentos. Resta a esperança para alguns de que a escola “e eles não sabem como reagir”
eduque-os. Os pais que com esforço retomam a função de
d) “Os pais de antigamente queriam ver os filhos trabalhan-
“pai” e de “mãe” tendem a sentir culpa, porque dizer um
do”
‘não’ dá a impressão de serem autoritários.
[...] “Os pais de hoje preferem ver os filhos só estudando”
Obs: esse “antigamente” refere-se a não mais que trinta, e) “Pais acovardados e sem autoridade era impensável, an-
quarenta anos. Ou seja, antigamente não é tão antigamente. tigamente.”
“porque trabalhar é assunto para só depois da faculdade”
QUESTÃO 01
O texto trata: QUESTÃO 06
a) das diferenças entre as tecnologias modernas e as antigas; Formando pares de palavras, é possível encontrar seme-
b) da imagem da mulher atual e de antigamente; lhança de idéias entre:
c) apenas da educação escolar; a) autoridade e autoritário
d) apenas da educação familiar; b) covardia e defesa
e) da educação escolar e familiar, mas, principalmente, desta. c) reação de vingança e mal interpretados
QUESTÃO 02 d) filhos e rebentos
e) esforço e sentir culpa
O texto:
a) fala das diferenças entre antigamente e hoje, sem visão crítica; QUESTÃO 07
b) mostra juízo de valor de quem o produziu;
Observe a pintura abaixo.
c) fala de ações que aconteciam há mais de meio século;
d) apenas narra fatos;
e) não questiona a postura atual dos pais.

QUESTÃO 03
Sobre a idéia central do texto, é incorreto pensar que:
a) os pais de hoje não conseguem mais comandar e controlar
seus filhos;
b) os pais de antigamente educavam com autoridade e au-
toritarismo;
c) os pais de hoje não conseguem dizer “não” aos filhos;
d) os pais de antigamente pensavam em colocar os filhos
cedo no mercado de trabalho.
“O Mamoeiro” de Tarsila do Amaral (1925)
e) os pais de hoje conseguem manter o controle sobre os filhos.

10 | Simulado ENEM (01) - PUPT 2009


Na obra de Tarsila do Amaral, a artista retrata a brasilida-
de e valoriza uma característica das pequenas cidades. A
charge
pintura acima se relaciona com o seguinte texto:
a) Casas entre bananeiras
Mulheres entre laranjeiras
Pomar amor cantar.
Um homem vai devagar.
Um cachorro vai devagar.
Um burro vai devagar.

Devagar... as janelas olham.


ETA vida besta, meu Deus.
Carlos Drummond de Andrade.

b) Os rios que correm aqui


Têm água vitalícia
Cacimbas por todo lado;
QUESTÃO 08
Cavando o chão, água mina.
Vejo agora que é verdade Comparando-se o texto e a charge, verifica-se que:
O que pensei ser mentira a) ambos abordam o antigo e o moderno, dando ênfase no
Quem sabe se nesta terra processo de comunicação.
Não plantarei a minha sina? b) ambos têm como tema a evolução tecnológica.
João Cabral de Melo Neto c) a abordagem temática adotada no texto escrito em prosa
é discriminatória em relação a sociedade atual.
d) o tempo influencia nas mudanças socioculturais;
c) Destes penhascos fez a natureza e) expressam diferentes visões da realidade.
o berço, em que nasci: oh quem cuidara
que entre penhas tão duras se criara QUESTÃO 09
uma alma terna, um peito sem dureza!
Cláudio Manuel da Costa
Das palavras abaixo, a que melhor resume a expressão
“dessem com os burros n’água”, usada no texto II, é :
a) fracasso
d) Viva e trabalhe em plena luz: depois, b) desorganização
Seja-me dado ainda ver, morrendo, c) eliminação
O claro Sol, amigo dos heróis. d) impedimento
Antero de Quental e) morte

e) É ela! É ela! – repeti tremendo; QUESTÃO 10


Mas cantou nesse instante uma coruja... A partir da leitura do texto II, assimila-se à expressão
Abri cioso a página secreta... “dessem com os burros n’água” o dito popular:
Oh! Meu Deus! Era um rol de roupa suja! a) Agora, Inês é morta.
Álvares de Azevedo b) Aprenda todas as regras e transgrida algumas.
c) Quem tem pressa come cru.
d) Cada coisa a seu tempo.
e) Dia de muito, véspera de pouco.
Texto II: Antigamente
“Os mais idosos, depois da janta, faziam o quilo, saindo para QUESTÃO 11
tomar fresca; e também tomavam cautela de não apanhar sereno.
Com base na charge, as duas imagens da parte inferior,
Os mais jovens, esses iam ao animatógrafo, e mais tarde ao cine-
pelos objetos que mostram, unem-se por:
matógrafo, chupando balas de altéia. Ou sonhavam em andar de
aeroplano; os quais, de pouco siso, se metiam em camisa de onze a) complementaridade
varas, e até em calças pardas; não admira que dessem com os b) alternância
burros n’água”.
Carlos Drummond de Andrade
c) contraste
d) concomitância
e) finalidade

Simulado ENEM (01) - PUPT 2009 | 11


QUESTÃO 12 QUESTÃO 16
Na única frase da charge (“Droga! Meu computador tra- A palavra “sinhá”, no texto III, revela valores:
vou!”), revela-se, de fato, que:
a) de ordem política de uma época
a) a dificuldade de conviver com tecnologias b) de ordem estudantil de uma época
b) os avanços tecnológicos podem trazer limitações indevidas c) de ordem religiosa de uma época
c) os usuários dos computadores sofrem interrupções no tra- d) de ordem familiar de uma época
balho
e) de ordem social de uma época
d) a tecnologia auxilia o homem a agilizar seu trabalho
e) os produtos tecnológicos são feitos com baixa qualidade QUESTÃO 17

QUESTÃO 13 Das expressões seguintes, a que não sugere o lugar em que


algo está:
Comparando o texto II e a charge:
a) “em caixa” (verso 1)
a) ambos falam nostalgicamente sobre o presente; b) “Na festa da Penha” (verso 4)
b) o segundo mostra que há, atualmente, coisas boas; c) “na praça” (verso 5)
c) ambos relembram o passado com encanto; d) “no prato” (verso 10)
d) o primeiro fala que os pais de hoje agem melhor que os e) “na casa” (verso 15)
de antigamente;
e) o segundo mostra que as pessoas hoje vivem mais con-
Leia o que diz o dicionário Houaiss sobre os termos antigo e
fortavelmente.
moderno:
Antigo adj. 1 que existe há muito tempo; 2 que tem precedên-
Texto III: Goiabada-cascão cia, anterior;
Moderno adj. 1 relativo à época em que se vive, atual; 3 novo,
Goiabada-cascão em caixa é coisa fina, sinhá recente; 4 avançado, inovador; 5 que está na moda.
Que ninguém mais acha
Rango de fogão de lenha QUESTÃO 18
Na festa da Penha, comido com a mão
Já não tem na praça, mas como era bom Os dicionários privilegiam uma estrutura de composição
Hoje só tem misto-quente na qual a linguagem centra-se
Só tem milk-shake, só tapeação a) no contexto em que é usada
Já não tem mais caixa de goiabada-cascão
Samba de partido alto
b) nas concepções de alguém sobre os significados
Com faca no prato e batido na mão c) na influência que os significados podem exercer sobre
Já não tem na praça, mas como era bom quem lê
Hoje só tem discoteque, só tem som de clack d) na participação do leitor na construção dos sentidos
Só imitação, já não tem mais caixa e) no uso da linguagem para explicar a si mesma
De goiabada-cascão
Vida na casa de vila correndo tranquila
Sem perturbação já não tem na praça QUESTÃO 19
Mas como era bom, Os conceitos de antigo e moderno, para que façam sentido,
Hoje só tem conjugado precisam primeiramente:
Que é mais apertado do que barracão
Já não tem mais caixa de goiabada-cascão a) do contexto social de uma época
(Beth Carvalho) b) das concepções de linguagem de uma época
c) de um marco temporal
QUESTÃO 14 d) de vocabulário específico de uma época
Na comparação de ontem e hoje que o texto faz, não se e) da tecnologia de um período
percebe:
a) que as coisas de ontem têm mais valor QUESTÃO 20
b) que hoje tudo é cópia de ontem Antigo e moderno são classificados pelo dicionário como
c) que ontem a vida era mais calma adjetivos, ou seja, palavras usadas para atribuir caracte-
d) que as coisas produzidas hoje são menos boas rísticas a algo. Dessa forma, transgride essa formulação a
frase:
e) que houve apenas a evolução de tudo, mas com mesmo valor
a) O mundo moderno trouxe consigo muitos problemas sociais.
QUESTÃO 15 b) Aos mais antigos, ficou o encargo de contar histórias para
os mais novos.
No texto, algumas palavras remetem ao passado, exceto: c) As coisas antigas cheiravam à naftalina.
a) sinhá b) rango d) Antigas, as fotografias relembravam histórias tão boas
c) praça d) goiabada-cascão que permitiam ainda sonhar.
e) vila e) Aquele dançar moderno mostrava passos eram mais largos
e menos sedutores.

12 | Simulado ENEM (01) - PUPT 2009


QUESTÃO 21 QUESTÃO 24
Por meio do sufixo ‘–idade’, um adjetivo passa a ser um Para o artista, o poema ideal é sinônimo de:
substantivo abstrato, como em antigo < antiguidade e
a) turbilhão / aconchego
moderno < modernidade. Em qual das opções abaixo, no
entanto, há desobediência a esse processo? b) forma / suplício
c) templo grego / trama
a) habilidade
d) arte pura / artifício
b) necessidade
e) trabalho de monge / despojamento
c) compatibilidade
d) brasilidade
QUESTÃO 25
e) amabilidade
Todos os recursos poéticos foram corretamente exemplifi-
cados, EXCETO:

AS QUESTÕES 22 A 25 SE a) Metáfora: ...e ela sem que ninguém falasse, murmurou: A


mamãe morreu...
REFEREM AO POEMA ABAIXO.
b) Aliteração: Máquina de ouro a rodar na sombra, serra de
cristal a serrar estrelas...
A um poeta c) Antítese: Ai da alvorada! Noite perdida, noite encontra-
Olavo Bilac da...
d) Personificação: O vento vem vindo de longe, a noite se
Longe do estéril turbilhão da rua, curva de frio...
Beneditino escreve! No aconchego
e) Sinestesia: Gota amarga dos olhos frios rolando...
Do claustro, na paciência e no sossego,
Trabalha, e teima, e lima, e sofre e sua!
Para as questões 26 a 28, leia o poema de Vera Casanova,
Mas que na forma se disfarce o emprego ilustrado por Marcelo Kraiser, retirado da obra Corpos Se-
Do esforço; e a trama viva se construa riais, de 1999.
De tal modo, que a imagem fique nua,
Rica mas sóbria, como um templo grego.
Não se mostre na fábrica o suplício
Do mestre. E, natural, o efeito agrade,
Sem lembrar os andaimes do edifício.

Porque a Beleza, gêmea da Verdade,


Arte pura, inimiga do artifício,
É a força e a graça na simplicidade.

Vocabulário: Beneditino= monge / Claustro= aposento in-


dividual de convento ou de mosteiro, cela / Limar= polir,
retirar imperfeições / Suar= transpirar / Sóbria= simples,
sem excessos / Artifício= truque, afetação.

QUESTÃO 22
É INCORRETO afirmar que o artista: QUESTÃO 26
a) emprega a forma de composição denominada soneto.
São interpretações possíveis para o poema acima, EXCETO:
b) utiliza métrica regular e rimas.
a) As palavras tempo, espaço e lugar dissociam-se do as-
c) estrutura o texto em dois quartetos e dois tercetos.
pecto metalingüístico do poema, pois não se relacionam
d) discute temática de caráter social. à linguagem.
e) O texto final deve ser agradável e parecer natural a quem b) Os versos “Entre o traço / e o passo” relacionam-se ao
o lê. desejo/momento que antecipa o ato de ler e/ou escrever/
desenhar algo.
QUESTÃO 23 c) Os versos “Entre a voz e a / letra” nos remetem ao desejo/
momento que antecipa o ato de pronunciar, ler um texto.
Na elaboração do texto são necessários, EXCETO:
d) Os dois últimos versos referem-se à confluência entre
a) Sofrimento. desejo/realização da feitura/leitura de um texto e entre
b) Revisão. tempo/espaço onde isso ocorre.
c) Sofisticação. e) O verso “e o passo” nos remete a um provável caminho
d) Esforço. (primeiro passo) estabelecido pelo eu-lírico, na direção
da concretização de sua atitude.
e) Técnica.

Simulado ENEM (01) - PUPT 2009 | 13


QUESTÃO 27 QUESTÃO 29
Considerando a leitura do poema acima, só NÃO podemos Identifique o comentário adequado a respeito da produ-
afirmar que o mesmo: ção de sentido e da recepção do texto de Ferreira Gullar,
a) parece ser atual, contemporâneo, nos remetendo também levando-se em conta os fatores de textualidade e o conhe-
às Artes Plásticas. cimento de mundo.
b) pode apresentar várias interpretações, dependendo da
a) Em meio ao verão, a chama da literatura bruxuleia e se
capacidade do leitor.
apaga. Não se precisa de chave para abrir o mundo, quan-
c) faz uso da metalinguagem, relacionando-se aos poetas do ele se dá a nós, escancarado, sem espessura e sem
que questionaram o fazer artístico. sombras. (linhas 21-23)
d) apresenta uma despreocupação com a sonoridade, com a Comentário: o fragmento do texto apresenta, pela intertextu-
utilização de rimas. alidade, uma visão de contraste à seguinte estrofe de Carlos Drum-
e) utiliza assonância e aliteração, recurso bastante explora- mond de Andrade, especialmente, na relação entre vida e criação
do nos textos poéticos. literária: Chega mais perto e contempla as palavras. / Cada uma
/ tem mil faces secretas sob a face neutra / e te pergunta, sem
QUESTÃO 28 interesse pela resposta, / pobre ou terrrível, que lhe deres: / Trou-
xeste a chave?
Sabemos que todo texto pressupõe um pacto de leitura, e é
a partir de convenções textuais que o leitor vai perceber a
coerência ou não do texto lido. Em relação a isso, assinale b) O verão é feroz. Especialmente um verão como este, ilegí-
a alternativa INCORRETA: timo, fora de época, produto de uma subversão planetá-
a) Podemos afirmar que há, no decorrer do texto, pistas so- ria. Tudo nele está fora da lei, como a poesia e a paixão
bre o pacto de interpretação proposto ao leitor. desvairada. (linhas 10-12)
b) Observamos que, apesar de ser um texto ficcional, todo Comentário: O fragmento do texto, por meio da enumeração e
leitor tem que conseguir estabelecer um nexo, uma coe- da comparação, contraria a aceitabilidade do texto no que se refere
rência para o mesmo. à expectativa do leitor sobre a produção de sentido.
c) Notamos que o leitor, ao perceber que o texto é um po-
ema, pode extravasar-se de seu conhecimento do mundo
c) O verão lembra uma máquina anômala cujas correias e
extralingüístico.
roldanas se estendem por avenidas e rodam nas nuvens,
d) Podemos afirmar que o julgamento do leitor em relação (linhas 16-17)
à inconsistência (ou não) do texto lido leva em conta o
gênero textual do mesmo. Comentário: No fragmento do texto, o emprego do pronome
relativo “cujas” institui pela catáfora, uma inadequação no meca-
e) Notamos que, mesmo o texto sendo ficcional, normalmen-
nismo coesivo do texto.
te o leitor espera conseguir estabelecer um sentido para
o mesmo.
d) Uma onça – não sei se já repararam – não tem costura.
O verão invadiu outubro e expulsou a primavera. Aqui estou, O verão, esta pantera, também não tem. E dentro dele
neste dia esplendente, reduzido a meu corpo. Sem passado, sem estamos nós, prisioneiros de uma jaula feliz. (linhas 5-7)
sonho, sem fuga. Presente em minhas unhas, em minha pele, em
Comentário: A produção de sentido do trecho “prisioneiros de
meus cabelos. Eu e os demais habitantes deste outubro coroado.
uma jaula feliz” garante a informatividade pelo uso exclusivo da
Uma onça – não sei se já repararam – não tem costura. O verão,
linguagem denotativa.
esta pantera, também não tem. E dentro dele estamos nós, prisio-
neiros de uma jaula feliz. O verão não tem municípios, nem gover-
no, nem câmara, nem eleições. Está deitado ao lado do mar e aos e) O verão não tem municípios, nem governo, nem câmara,
pés da montanha selvagem. Azul e verde, sal e clorofila. nem eleições. Está deitado ao lado do mar e aos pés
..............................................................................................
da montanha selvagem. Azul e verde, sal e clorofila.
O verão é feroz. Especialmente um verão como este, ilegítimo,
(linhas 7-9)
fora de época, produto de uma subversão planetária. Tudo nele
está fora da lei, como a poesia e a paixão desvairada. Por isso Comentário: A produção de sentido do trecho “azul e verde,
mesmo, tudo nele é intenso e efêmero, como se decidisse esbanjar sal e clorofila” se efetiva na intencionalidade do narrador em alar-
toda a sua vida num dia apenas, com a urgência de quem vai mor- mar quanto aos efeitos danosos de um verão fora de época.
rer às seis da tarde, sangrando, esquartejado, sobre as montanhas
do Leblon. O verão lembra uma máquina anômala cujas correias
QUESTÃO 30
e roldanas se estendem por avenidas e rodam nas nuvens, espi-
ralando, em câmera lenta, numa velocidade diferente dos aviões Assinale a opção em que a expressão apositiva sublinhada
que sobrevoam os quarteirões do Flamengo e o Morro da Viúva, traduz uma explicação de caráter metafórico.
preparando-se para descer na pista do Santos Dumont.
.............................................................................................. a) E dentro dele estamos nós, prisioneiros de uma jaula feliz.
Em meio ao verão, a chama da literatura bruxuleia e se apaga. b) O verão, esta pantera, também não tem. E dentro dele
Não se precisa de chave para abrir o mundo, quando ele se dá a estamos nós, prisioneiros de uma jaula feliz.
nós, escancarado, sem espessura e sem sombras. O verão dos livros c) Eu e os demais habitantes deste outubro coroado.
é eterno, pode esperar. Já o verão deste dia 25 de outubro de 2007
trepida à nossa volta, urgente. d) O verão dos livros é eterno, pode esperar.
Ferreira Gullar, Revista O Globo, 30/12/07 e) Aqui estou, neste dia esplendente, reduzido a meu corpo.

14 | Simulado ENEM (01) - PUPT 2009


Meu ambiente: a rua c)

Sou um homem
manejando uma câme-
ra. Quando bem opera-
da, é um fósforo aceso
na escuridão. Ilumi-
na fatos nem sempre
muito compreensíveis.
Oferece lampejos, re-
vela dores e impasses
do mundo. E desperta
nos homens o desejo
de destruir este impas-
se. Dirijo minha ener-
gia à perseguição deste objetivo: captar a aventura de cada um, d)
desvendando, através da imagem, seus pequenos mistérios. Gosto
de ter absoluta visão da rua, meu ambiente, lugar onde os homens
lançam desejos e sofrem destinos. Na rua, me esforço para atender
ao mundo, e reproduzir o meio físico através da minha maneira
particular de olhar a vida.
Evandro Teixeira. Adaptado de Classe. Revista da ADUFF. Arte e Política. Maio/Junho e Julho,
2008.

QUESTÃO 31
A humanidade vem imprimindo ao mundo o seu tempo,
cada vez mais acelerado.O fotógrafo Evandro Teixeira de-
monstra no seu texto e na sua fotografia a intenção de
captar o momento em que o fato ocorre: um instantâneo
do acontecimento.
As fotos abaixo apresentam uma afinidade quanto à cap-
tação de um instantâneo do acontecimento, exceto uma. e)
Assinale-a:
a)

TEXTO 1
Discreta e formosíssima Maria,
b) Enquanto estamos vendo a qualquer hora
Em tuas faces a rosada Aurora,
Em teus olhos, e boca o Sol, e o dia:

Enquanto com gentil descortesia


O ar, que fresco Adônis te namora,
Te espalha a rica trança voadora,
Quando vem passear-te pela fria:

Goza, goza da flor da mocidade,


Que o tempo trota a toda ligeireza,
E imprime em toda a flor a sua pisada.

Oh não aguardes, que a madura idade


Te converta em flor, essa beleza
Em terra, em cinza, em pó, em sombra, em nada.
Gregório de Matos. Obra Poética.

Simulado ENEM (01) - PUPT 2009 | 15


TEXTO 2 QUESTÃO 34
Assinale a alternativa que não apresenta relação de senti-
QUALQUER TEMPO do com a temática dos poemas de Gregório de Matos e de
Carlos Drummond de Andrade.
Qualquer tempo é tempo.
a) “O tempo estende/ um trem? No espaço/ o instante es-
A hora mesma da morte
tampa/ pressa e passos” - Armando Freitas Filho
é hora de nascer.
Nenhum tempo é tempo b) “O tempo é um tecido invisível em que se pode bordar
bastante para a ciência tudo, uma flor, um pássaro, uma dama, um castelo, um
de ver, rever. túmulo” - Machado de Assis
c) ”No tempo que dispendeste/ para ler estas estrofes/ qua-
Tempo, contratempo tro dos nossos morreram/ e o ianque encheu mais seu
anulam-se, mas o sonho cofre” - Ferreira Gullar
resta, de viver. d) “Felicidade tão pouca/ Para tão duros escolhos!/ Caiu-te
Carlos Drummond de Andrade. Boitempo & A falta que ama. um beijo na boca/ E foi brotar-te nos olhos” - Jorge Jobim
e) “Leva-me o tempo para a frente,/ certo de sua direção./
Pausado passo indiferente” - Cecília Meireles
QUESTÃO 32
Comparando o poema de Gregório de Matos com o de Carlos
Drummond de Andrade, pode-se afirmar que: QUESTÃO 35
a) no primeiro prevalece o tema do carpe diem (aproveite o Leia as informações a seguir, que partem de uma reporta-
momento), característico do Barroco, enquanto no segun- gem publicada na Revista Veja – 06/03/2002 – sob o título
do se trata dos vários tempos da vida; O casamento vira um negócio virtual.
b) no primeiro, há um estímulo a gozar a vida, característica Quem procura casamento on-line
do Romantismo, enquanto no segundo se propõe a anula-
ção do tempo e sua substituição pelo sonho; • 51% são mulheres

c) no primeiro há um elogio à beleza de Maria, musa do • Idade entre 30 e 50 anos


Modernismo, enquanto no segundo existe um desejo de
que a ciência reveja o sonho que resta de viver e o con- • 67% são da Região Sudeste
tratempo; • Manteve relacionamento estável por mais de três anos
d) no primeiro há um estímulo a que se goze a beleza en-
• 40% têm nível superior
quanto o tempo não a elimina, como no Simbolismo, en-
quanto no segundo se anula a beleza do tempo; • Não tem tempo para paquerar
e) no primeiro existe um estímulo a gozar a mocidade, con- • 55% têm casa própria
forme o Realismo, enquanto no segundo se ressalta a di-
Fontes: Comovai, LadoaLado e ParPerfeito.
ferença entre a hora de nascer e a hora de morrer

QUESTÃO 33 A leitura possibilita algumas interpretações:

No verso “Em terra, em cinza, em pó, em sombra, em I.A solidão não é fator que motiva só as mulheres a lançar-
nada”, pode-se perceber: se a esse expediente amoroso.
a) o emprego da citação, pela apropriação da expressão bí- II.Ter nível superior é imperativo para que pessoas expe-
blica “do pó viemos e ao pó voltaremos”, com o fim de rientes procurem a Internet com o objetivo de casar.
ressaltar a permanência da beleza de Maria em oposição
ao pó passageiro. III.A dificuldade de namorar fora do local de trabalho, por
falta de tempo, explica essa recorrência.
b) o uso da metáfora, através do emprego dos substantivos
“terra”, “cinza”, “pó”, que simbolizam elementos do cemi- IV.A independência financeira é determinante para que se
tério, culminando com o pronome “nada”, que se refere à busque o matrimônio via on-line.
ausência de sentimentos do poeta.
V.O estresse urbano nas grandes metrópoles contribui
c) o uso da gradação, pela disposição de vocábulos em se- para uma vida de maior carência sentimental; daí a ne-
qüência, na qual se nota uma direção de sentido, enfati- cessidade de um relacionamento duradouro.
zando a transformação que o tempo opera na beleza.
Dessas inferências, somente:
d) o emprego da enumeração, pela revisão de todas as ma-
neiras, circunstâncias e partes da beleza de Maria, refor- a) I é aceitável.
çando os aspectos positivos e permanentes desta beleza. b) I, II e III são aceitáveis.
e) o emprego do contraste entre a beleza de Maria e a feiúra c) I e II são aceitáveis.
do cemitério, cheio de cinza, pó e sombra, que não ser- d) III, IV e V são aceitáveis.
vem para nada. e) I e III são aceitáveis.

16 | Simulado ENEM (01) - PUPT 2009


QUESTÃO 36 No último período do trecho, há uma série de verbos no
gerúndio que contribuem para caracterizar o ambiente
O autor do texto abaixo critica, ainda que em linguagem fantástico descrito. Expressões como “camaronando”, “ca-
metafórica, a sociedade contemporânea em relação aos ranguejando” e “pequeninando e não mordendo” criam,
seus hábitos alimentares. principalmente, efeitos de:
“Vocês que têm mais de 15 anos, se lembram quando a gente a) esvaziamento de sentido.
comprava leite em garrafa, na leiteria da esquina? (...)
Mas vocês não se lembram de nada, pô! Vai ver nem sabem
b) monotonia do ambiente.
o que é vaca. Nem o que é leite. Estou falando isso porque agora c) estaticidade dos animais.
mesmo peguei um pacote de leite – leite em pacote, imagina, Te- d) interrupção dos movimentos.
reza! – na porta dos fundos e estava escrito que é pasterizado, ou e) dinamicidade do cenário.
pasteurizado, sei lá, tem vitamina, é garantido pela embromatolo-
gia, foi enriquecido e o escambau. Será que isso é mesmo leite? No
dicionário diz que leite é outra coisa: QUESTÃO 39
‘Líquido branco, contendo água, proteína, açúcar e sais mine- Sobre o texto a seguir:
rais’. Um alimento pra ninguém botar defeito. O ser humano o usa
há mais de 5.000 anos. É o único alimento só alimento. A carne “En gran coita, senhor,
serve pro animal andar, a fruta serve pra fazer outra fruta, o ovo que peior que mort’é,
serve pra fazer outra galinha (...) O leite é só leite. Ou toma ou bota vivo, per bão fé,
fora. Esse aqui examinando bem, é só pra botar fora. Tem chumbo, e polo vosso amor
tem benzina, tem mais água do que leite, tem serragem, sou capaz esta coita sofr’eu
de jurar que nem vaca tem por trás desse negócio. Depois o pessoal por vós, senhor, que eu
ainda acha estranho que os meninos não gostem de leite. vi pelo meu gran mal”
Mas, como não gostam? Não gostam como? Nunca tomaram! Assinale a alternativa correta:
Múúúúúúú!”
(FERNANDES, Millôr. O Estado de S. Paulo , 22 de agosto de 1999) a) A presença da palavra “senhor”, indica que o eu-lírico é
feminino e, portanto, a cantiga é de amigo. A expressão
A crítica do autor é dirigida:
“mia senhor” é um vocativo usado para mulheres (minha
a) ao desconhecimento, pelas novas gerações, da importân- senhora). Lembrar que o português usado ainda é arcaico
cia do gado leiteiro para a economia nacional. (galego-português).
b) à diminuição da produção de leite após o desenvolvimen- b) Trata-se de uma cantiga pertencente à poesia palaciana,
to de tecnologias que têm substituído os produtos natu- justificado pela ausência de rimas e refrão. Poesia pala-
rais por produtos artificiais. ciana é típica do Humanismo. A língua utilizada denota
c) à artificialização abusiva de alimentos tradicionais, com uma cantiga (galego-português) e rimas paralelas estão
perda de critério para julgar sua qualidade e sabor. sim, presentes.
d) à permanência de hábitos alimentares a partir da revolução c) Típica cantiga de escárnio, o eu-lírico expressa sua rai-
agrícola e da domesticação de animais iniciada há 5.000 anos. va ao interlocutor. Escárnio são produções irônicas que
apresentam críticas. O texto acima apresenta sofrimento.
e) à importância dada ao pacote de leite para a conservação de
um produto perecível e que necessita de aperfeiçoamento d) A palavra “coita” indica sofrimento amoroso, caracteri-
tecnológico. zando a cantiga como de amor.
e) É uma cantiga característica de maldizer, já que expressa
QUESTÃO 37 a insatisfação do eu-lírico. Maldizer são produções agres-
sivas e mal educadas, com fundo crítico ou satírico. O
A palavra embromatologia usada pelo autor do texto acima é: texto acima apresenta sofrimento.
a) um termo científico que significa estudo dos bromatos.
b) uma composição do termo de gíria “embromação” (enga- QUESTÃO 40
nação) com bromatologia, que é o estudo dos alimentos.
No poema Procura da poesia, Carlos Drummond de Andra-
c) uma junção do termo de gíria “embromação” (enganação)
de expressa a concepção estética de se fazer com palavras
com lactologia, que é o estudo das embalagens para leite.
o que o escultor Michelangelo fazia com mármore. O frag-
d) um neologismo da química orgânica que significa a técni- mento abaixo exemplifica essa afirmação.
ca de retirar bromatos dos laticínios.
e) uma corruptela de termo da agropecuária que significa a
ordenha mecânica.

QUESTÃO 38
“Narizinho correu os olhos pela assistência. Não podia haver nada
mais curioso. Besourinhos de fraque e flores na lapela conversavam
com baratinhas de mantilha e miosótis nos cabelos. Abelhas doura-
das, verdes e azuis, falavam mal das vespas de cintura fina — achan-
do que era exagero usarem coletes tão apertados. Sardinhas aos cen-
tos criticavam os cuidados excessivos que as borboletas de toucados de
gaze tinham com o pó das suas asas. Mamangavas de ferrões amarra-
dos para não morderem. E canários cantando, e beija-flores beijando
flores, e camarões camaronando, e caranguejos caranguejando, tudo
que é pequenino e não morde, pequeninando e não mordendo.”
LOBATO, Monteiro. Reinações de Narizinho. São Paulo: Brasiliense, 1947. Escultura “Davi”, de Michelângelo

Simulado ENEM (01) - PUPT 2009 | 17


(...) QUESTÃO 42
Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos. Os autores, ao fazerem alusão às imagens da lágrima suge-
(...) rem que:
Chega mais perto e contempla as palavras.
a) há um tratamento idealizado da relação homem/mulher.
Cada uma
tem mil faces secretas sob a face neutra b) há um tratamento realista da relação homem/mulher.
e te pergunta, sem interesse pela resposta, c) a relação familiar é idealizada.
pobre ou terrivel, que lhe deres: d) a mulher é superior ao homem.
trouxeste a chave?
Carlos Drummond de Andrade. A rosa do povo.
e) a mulher é igual ao homem.
Rio de Janeiro: Record, 1997, p. 13-14.

Esse fragmento poético ilustra o seguinte tema constante TEXTO PARA AS QUESTÕES 43 E 44
entre autores modernistas:
Amor é fogo que arde sem se ver;
a) a nostalgia do passado colonialista revisitado.
é ferida que dói e não se sente;
b) a preocupação com o engajamento político e social da
é um contentamento descontente;
literatura.
é dor que desatina sem doer;
c) o trabalho quase artesanal com as palavras, despertando
sentidos novos. É um não querer mais que bem querer;
d) a produção de sentidos herméticos na busca da perfeição é solitário andar por entre a gente;
poética. é nunca contentar-se de contente;
e) a contemplação da natureza brasileira na perspectiva ufa- é cuidar que se ganha em se perder;
nista da pátria. É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
QUESTÃO 41 é ter com quem nos mata lealdade.
Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?
Luís de Camões

(Enem/2006) QUESTÃO 43
As linhas nas duas figuras geram um efeito que se associa O poema tem, como característica, a figura de linguagem
ao seguinte ditado popular: denominada antítese, relação de oposição de palavras ou
a) Os últimos serão os primeiros. idéias. Assinale a opção em que essa oposição se faz cla-
b) Os opostos se atraem. ramente presente.
c) Quem espera sempre alcança. a) “Amor é fogo que arde sem se ver.”
d) As aparências enganam. b) “É um contentamento descontente.”
e) Quanto maior a altura, maior o tombo. c) “É servir a quem se vence, o vencedor.”
d) “Mas como causar pode seu favor.”
Texto 1 e) “Se tão contrário a si é o mesmo Amor?”
“Mulher, Irmã, escuta-me: não ames,
Quando a teus pés um homem terno e curvo
jurar amor, chorar pranto de sangue, QUESTÃO 44
Não creias, não, mulher: ele te engana!
As lágrimas são gotas da mentira A função de linguagem mais presente no texto é a:
E o juramento manto da perfídia.”
Joaquim Manoel de Macedo
a) Fática
b) Apelativa
Texto 2 c) Referencial
“Teresa, se algum sujeito bancar o d) Metalinguística
sentimental em cima de você e) Poética
E te jurar uma paixão do tamanho de um
bonde
Se ele chorar
Se ele ajoelhar
Se ele se rasgar todo
Não acredite não Teresa
É lágrima de cinema
É tapeação
Mentira
“CAI FORA”
Manuel Bandeira

18 | Simulado ENEM (01) - PUPT 2009


QUESTÃO 45 A palavra mesmo pode assumir diferentes significados,
de acordo com a sua função na frase. Assinale a alter-
SONETO DE FIDELIDADE nativa em que o sentido de mesmo equivale ao que se
verifica no 3º. verso da 1ª. estrofe do poema de Vinícius
De tudo ao meu amor serei atento
de Moraes.
Antes e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento. a) “Pai, para onde fores, / irei também trilhando as mesmas
ruas...” (Augusto dos Anjos)
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
b) “Agora, como outrora, há aqui o mesmo contraste da vida
E rir meu riso e derramar meu pranto interior, que é modesta, com a exterior, que é ruidosa.”
Ao seu pesar ou ao seu contentamento. (Machado de Assis)
E assim, quando mais tarde me procure c) “Havia o mal, profundo e persistente, para o qual o remé-
Quem sabe a morte, angústia de quem vive dio não surtiu efeito, mesmo em doses variáveis.” (Rai-
Quem sabe a solidão, fim de quem ama. mundo Faoro)
Eu possa me dizer do amor (que tive): d) “Mas, olhe cá, Mana Glória, há mesmo necessidade de
Que não seja imortal, posto que é chama fazê-lo padre?” (Machado de Assis)
Mas que seja infinito enquanto dure.
(MORAES, Vinícius de. Antologia poética. São Paulo: Cia das Letras, 1992) e) “Vamos de qualquer maneira, mas vamos mesmo.” (Aurélio)

Simulado ENEM (01) - PUPT 2009 | 19


O público faz a diferença!

REALIZAÇÃO