Você está na página 1de 12

Capítulo 3

Componentes de
software de uma rede
Componentes de software
Os sistemas operacionais modernos, como o Windows e o Linux, possuem
embutidos os recursos de software necessários à implantação de uma rede. As redes
não são portanto um recurso opcional, e sim uma característica presente em todos os
sistemas de computação modernos. Além dos recursos de software que acompanham
o sistema operacional, é preciso de drivers e utilitários oferecidos pelos fabricantes
de hardware pare redes.

Drivers da placa de rede


Este é um módulo de software que raramente apresenta problemas. O Windows é
acompanhado de drivers para inúmeros modelos de placas de rede. O mesmo ocorre
com o Linux. Quando a versão do Windows é antiga, é possível que o mesmo não
tenha drivers nativos para placas de rede novas. Suponha por exemplo que queremos
instalar uma placa de rede equipada com um chip lançado em 2001, em um
computador com o Windows 98. Como a placa não existia na época do seu
lançamento, o Windows não possuirá os drivers apropriados. Isto não é problema,
basta acessar o site do fabricante da placa de rede e fazer o download dos drivers. Se
a placa for nova, nem será preciso ter este trabalho, já que são vendidas juntamente
com os drivers.

Podemos checar a funcionalidade dos drivers de uma placa de rede através do


Gerenciador de dispositivos (figura 1). Estamos usando como exemplo o Windows
XP, mas em outras versões do Windows o procedimento é bem parecido. Usamos o
comando Sistema no Painel de controle, e a seguir selecionamos Hardware e
Gerenciador de Dispositivos. Aplicamos um clique duplo em Adaptadores de rede e
veremos a indicação da placa instalada.
3-2 Como montar e configurar sua rede de PCs

Figura 1
A placa de rede consta no Gerenciador de
dispositivos.

No nosso exemplo estamos usando uma placa equipada com o chip Realtek
RTL8029. Note que em geral aqui aparece o nome do chip principal utilizado na
placa, e não o nome da placa propriamente dita. Portanto se você precisar de drivers,
poderá procurar tanto no site do fabricante da placa como no site do fabricante do
chip.

Aplicando um clique duplo sobre a placa no Gerenciador de dispositivos, chegamos


ao seu quadro de propriedades (figura 2). Observe na sua guia Geral, a indicação
Este dispositivo está funcionando corretamente. Em geral quando existem
problemas, a solução é a instalação de drivers corretos.

Figura 2
Quadro de propriedades da placa de rede.
Capítulo 3 –Componentes de software de uma rede 3-3

Na guia Driver (figura 3) encontramos informações e comandos relacionados com a


instalação dos drivers. Usamos o botão Atualizar driver para fazer a instalação de
novos drivers. O botão Reverter driver reinstala um driver anterior, caso a instalação
de um novo driver resulte em problemas. O botão Desinstalar desativa os drivers da
placa.

Figura 3
Comandos relativos aos drivers.

Na maioria dos casos o Windows instala os drivers corretos para a placa de rede. Em
inúmeras situações entretanto a placa de rede aparece com problemas no
Gerenciador de dispositivos, causados pela falta de drivers, como no caso da figura
4. Aqui usamos como exemplo o Windows 98SE. Observe a indicação “Intel
Pro/100 VE Network Connection”, com um “X” sobre o ícone da placa, o que indica
problemas.

Figura 4
Placa de rede com problemas.
3-4 Como montar e configurar sua rede de PCs

Quando uma placa de CPU possui interface de rede integrada (onboard),


encontramos os drivers de rede no CD-ROM que acompanha esta placa. Se o CD
que acompanha a placa de CPU foi perdido, ou se seus drivers forem muito antigos,
obtenha drivers mais novos no site do fabricante da placa de CPU.

Os principais fabricantes de placas de rede e chips para essas placas são:

3COM: www.3com.com
D-Link: www.dlink.com
Intel: www.intel.com
Cisco: www.cisco.com
SMC: www.smc.com
Realtek: www.realtek.com
Adaptec: www.adaptec.com

Se você estiver usando uma placa de CPU com interface de rede onboard, busque os
drivers no site do fabricante desta placa. Por exemplo, o endereço da Asus é
www.asus.com, o da Soyo é www.soyo.com, etc. Você encontrará uma lista bem
extensa em www.laercio.com.br. Se a sua placa de CPU for da PC Chips, você
poderá encontrar os drivers em www.pcchips.com e www.amptron.com.

Protocolos de comunicação
Os protocolos de comunicação são uma espécie de “linguagem” através da qual
vários computadores e outros dispositivos podem transmitir e receber dados. No
caso de redes, o protocolo mais comum é o TCP/IP, seguido pelo IPX/SPX e pelo
NetBEUI. Como o protocolo TCP/IP é o mais usado, é instalado automaticamente
pelo Windows. Podemos verificar os protocolos e outros componentes de rede
instalados através do quadro de propriedades de rede. No Windows 9x/ME, basta
clicar em Meus Locais de Rede (ou Ambiente de Rede) com o botão direito do
mouse e no menu apresentado escolher a opção Propriedades. No Windows
XP/2000, este quadro é obtido em duas etapas. Clique em Meus Locais de Rede com
o botão direito do mouse e escolha no menu a opção Propriedades. Será mostrado
um quadro com as conexões de rede disponíveis (rede local e conexões por modem).
Clique o ícone da conexão de rede com o botão direito do mouse e escolha no menu
a opção Propriedades. Será mostrado um quadro como o da figura 5. A figura foi
obtida no Windows XP, usando o estilo de exibição clássico (nas figuras 1, 2 e 3 foi
usado o “estilo XP”). Este quadro é bastante parecido com os correspondentes nas
demais versões do Windows.
Capítulo 3 –Componentes de software de uma rede 3-5

Figura 5
Quadro de propriedades de uma conexão de rede.

Neste quadro estão indicados os componentes de rede que apresentaremos neste


capítulo. Além da placa de rede (D-Link DFE-530TX+ PCI Adapter), cujos drivers
podem ser atualizados com o botão Configurar, encontramos ainda outros
componentes, entre os quais o protocolo TCP/IP.

Neste quadro podemos adicionar e remover componentes de rede, usando os botões


Instalar e Desinstalar. Cada componente selecionado na lista pode ser configurado,
através do botão Propriedades. É bastante útil marcar o quadro “Mostrar ícone na
área de notificação quando conectado”. Isto fará com que seja apresentado na barra
de tarefas, ao lado do relógio, o ícone da conexão, similar ao que é exibido nas
conexões com a Internet.

Figura 6
O ícone da conexão, na barra de tarefas (dois
pequenos computadores).

Aplique um clique simples sobre o ícone da conexão na barra de tarefas e será


mostrado um quadro de status, como o da figura 7. É indicado se o computador está
conectado, a velocidade e o tempo de conexão, o número de pacotes de dados
enviados e recebidos. Com o botão Propriedades, temos acesso ao mesmo quadro
mostrado na figura 5. Com a guia Suporte temos algumas informações adicionais
sobre a configuração do protocolo, o endereçamento do computador e dos
servidores.
3-6 Como montar e configurar sua rede de PCs

Figura 7
Status da conexão de rede.

Assim como ocorre com outros protocolos, o TCP/IP envia dados em grupos
definidos, chamados pacotes. Cada pacote tem entre outras informações, o endereço
do nó de origem e do nó destino. São os chamados “endereços IP” de cada estação.
Usamos a guia Suporte e obtivemos no nosso exemplo, algumas informações que
incluem os endereços IP do computador e dos servidores que utiliza (figura 8).

Figura 8
Informações adicionais, incluindo endereços IP do
computador e dos servidores utilizados.

É mostrado o endereço físico, que é o endereço armazenado na placa de rede. Todas


as placas, hubs, switches e outros produtos possuem endereços únicos. São formados
por códigos que identificam o fabricante, o modelo e o número de série. No
protocolo TCP/IP são usados endereços IP, que podem ser escolhidos no próprio
computador ou atribuídos automaticamente por um servidor. No nosso exemplo o
computador usa o endereço 10.0.0.4.

Serviços de rede
Capítulo 3 –Componentes de software de uma rede 3-7

Um servidor é um componente da rede, normalmente um computador, capaz de


disponibilizar seus recursos para outros computadores. Os recursos normalmente
compartilhados são arquivos e impressoras. Encontramos nas diversas versões do
Windows, o Serviço de compartilhamento de arquivos e impressoras em redes
Microsoft. Note que este serviço não é instalado como padrão. É preciso fazer a sua
instalação manualmente, através do quadro de propriedades de rede. Partindo deste
quadro (figura 5), clicamos em Instalar. Selecionamos a opção Serviço e clicamos
em Adicionar. Será apresentada uma lista, na qual podemos selecionar este serviço.

Figura 9
Para instalar um serviço.

Figura 10
Selecionando o serviço a ser instalado.

Uma vez instalado, podemos configurar as impressoras e pastas do servidor para que
sejam acessadas por outros computadores da rede.

Clientes de rede
Assim como alguns nós da rede operam como servidores, outros (a maioria deles)
operam como clientes. Um cliente nada mais é que um computador capaz de acessar
recursos em um servidor. Também chamamos de cliente, o componente de software
que possibilita a um computador acessar os serviços disponibilizados em um
servidor. Em todas as versões do Windows encontramos o Cliente para redes
Microsoft. Dependendo da versão do Windows, este cliente pode ser instalado
3-8 Como montar e configurar sua rede de PCs

automaticamente, desde que exista uma placa de rede presente durante a instalação
do Windows. Caso este cliente não seja instalado, devemos fazer a sua instalação de
forma manual. Isto é feito através do quadro de propriedades de rede (ou da
conexão), já mostrado na figura 5. Usamos os comandos Instalar e será apresentado
um quadro como o da figura 9. Selecionamos a opção Cliente e clicamos em
Adicionar. Finalmente escolhemos na lista apresentada a opção Cliente para redes
Microsoft e clicamos em OK. O cliente será instalado e será preciso reiniciar o
computador.

O Windows é acompanhado ainda de um Cliente para redes Netware, necessário


para o funcionamento em redes Novell.

Depois que estão instalados a placa de rede, o protocolo e o cliente, podemos


configurar o computador cliente para acessar os recursos disponíveis nos servidores.
No caso de servidores, depois de instalados os serviços de compartilhamento,
podemos configurá-los para disponibilizar seus arquivos e impressoras para acesso
pelos outros computadores, que operam como clientes.

Utilitários e aplicativos de rede


Uma vez estando a rede instalada, com seu hardware e respectivos drivers, seus
protocolos, serviços e clientes, seu uso não depende de programas adicionais, e sim
de configurações. Entretanto o gerenciamento da rede fica melhor quando contamos
com a ajuda de alguns programas adicionais, chamados utilitários de rede. Alguns
desses programas fazem parte do Windows, outros devem ser obtidos
separadamente. A figura 11 mostra o programa PING, um utilitário de rede que
serve para testar se o caminho entre dois nós está em perfeitas condições. Digamos
que queremos testar se um determinado computador pode se comunicar com um
outro, cujo endereço IP é 169.254.42.24. Este endereço pode ser descoberto através
das propriedades da conexão, como mostramos na figura 8. Uma vez conhecendo o
endereço, usamos a partir do Prompt de comando (ou seja, o PING é um programa
para o MS-DOS), digitamos:

PING 169.254.42.24

O nó receptor enviará um pacote de resposta para o nó transmissor, caracterizando


que as conexões de ambos os equipamentos estão em perfeitas condições.
Capítulo 3 –Componentes de software de uma rede 3-9

Figura 11
O programa PING,
exemplo de utilitário de
rede.

Não é necessário executar o programa PING para usar a rede, entretanto este simples
programa pode ser de grande utilidade para testes. Por isso é classificado como um
utilitário de rede.

Outro utilitário de rede é o WINIPCFG. Este programa acompanha o Windows, mas


deve ser usado através do comando Iniciar / Executar / WINIPCFG. O programa
apresenta algumas informações sobre a conexão de rede, como o endereço IP da
placa de rede (figura 12). Lembre-se que no Windows XP e no Windows 2000, essas
mesmas informações podem ser obtidas pelo quadro de propriedades da conexão, já
mostrado nas figuras 7 e 8.

Figura 12
O utilitário WINIPCFG.

O Monitor do sistema (figura 13) é um programa que acompanha o Windows


9x/ME. No Windows XP e no Windows 2000, seu aspecto é diferente, como
mostraremos mais adiante. Este programa apresenta um gráfico de vários eventos e
recursos do sistema. Por exemplo, podemos monitorar ao longo do tempo, o uso do
processador e da memória. No caso de redes, podemos monitorar as taxas de
transmissão e recepção da rede, número de arquivos abertos e diversos outros itens.
Essas informações são úteis para o levantamento de eventuais problemas na rede.
3-10 Como montar e configurar sua rede de PCs

Figura 13
O monitor do sistema no Windows
9x/ME.

No Windows XP, pressione Control-Alt-Del, e no quadro apresentado, selecione a


guia Rede. Será apresentado um gráfico mostrando a taxa de utilização da rede ao
longo do tempo (figura 14).

Figura 14
Monitorando a rede no Windows XP.

Os utilitários de rede servem em geral para monitoração, diagnóstico e informações


gerais sobre a rede. Para fazer configurações não é necessário usar tais programas,
pois todos os comandos necessários já são integrados ao Windows. Já os aplicativos
são programas também úteis, mas não para técnicos e administradores de rede, e sim
para usuários comuns. Navegadores para a Internet (ex: Internet Explorer) e
Capítulo 3 –Componentes de software de uma rede 3-11

programas de correio eletrônico (ex: Outlook Express) são exemplos de aplicativos


de rede.

Vejamos como exemplo de aplicativo de rede, o Windows Messenger, programa


encontrado no Windows XP, nas versões Home e Professional. Trata-se de um
programa que engloba as funções do ICQ, com recursos de videoconferência, como
conversação por áudio e vídeo, e ainda o compartilhamento de controle da área de
trabalho. Ao usarmos este comando, seremos inicialmente cadastrados no
Passport.NET, uma espécie de central mantida pela Microsoft. Através desta central
podemos realizar várias funções, entre elas, localizar pessoas na Internet, como
ocorre no ICQ. A comunicação é feita entre dois computadores que utilizam o
Windows XP. No primeiro computador checamos se o destinatário está on-line e
comandamos um “convite” para conexão. Podemos a partir daí trocar mensagens
digitadas, além de utilizar a comunicação por áudio e vídeo. Um comando provoca a
exibição da área de trabalho do primeiro computador no segundo computador. Este
recurso pode ser utilizado, por exemplo, para que o usuário do segundo computador
preste suporte no primeiro. O usuário do primeiro computador pode permitir que o
segundo também tenha acesso à sua área de trabalho. A partir de então ambos os
usuários controlam o primeiro computador. Fica assim extremamente fácil para um
usuário mais avançado ajudar um colega menos experiente com eventuais
problemas. A tela do usuário que presta suporte mostrará a área de trabalho do
primeiro computador, além de uma janela para comunicação por texto, e ainda voz e
vídeo, caso ambos os PCs utilizem câmeras.

Figura 15
Tela de assistência
remota obtida com o
Windows Messenger.

A figura 15 mostra o aspecto da tela da assistência remota obtida com o Windows


Messenger. Vemos como fica a tela no computador do usuário que presta assistência.
A maior parte da tela apresenta uma visão comprimida da tela do primeiro
computador. Sobre ela podemos realizar praticamente todos os comandos, como se
estivéssemos realmente operando o primeiro computador. Este é mais um recurso
3-12 Como montar e configurar sua rede de PCs

que antes estava disponível com softwares como o PC Anywhere, e agora sendo
incorporado no Windows XP, tende a ser mais popular.

Um outro aplicativo de rede interessante é o PC Anywhere, da Symantec. Este


aplicativo permite controlar um computador à distância, através de uma rede, pela
Internet ou por conexão serial ou paralela. A tela do primeiro PC é reproduzida de
forma exatamente igual na tela do segundo PC, no qual pode ser feito todo o
controle.

Temos ainda programas para enviar mensagens de texto e voz, programas de


vídeoconferência e vários outros aplicativos. Não podemos esquecer também dos
jogos, que não são necessariamente aplicativos de rede, e sim aplicativos que
utilizam a rede para o modo multiplayer.

Conclusão
Poderíamos apresentar mais detalhes sobre equipamentos e softwares de rede.
Entretanto procuramos dar um toque prático ao livro, e com as informações
apresentadas até aqui já temos condições de partir para a instalação de pequenas
redes, como veremos no capítulo seguinte.

////////// FIM ///////////