Você está na página 1de 14

SECRETARIA MUNICIPAL DA MULHER, ASSISTÊNCIA

SOCIAL E DIREITOS HUMANOS – SEMMASDH.

PROJETO “CASAMENTO COLETIVO CIVIL”

Manaus – AM / 2018

1
1. IDENTIFICAÇÃO

1.1 – Instituição Proponente: Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos -
SEMMASDH.

1.2 – Responsável pela Instituição Proponente: Elias Emanuel Rebouças de Lima.

1.3 – Endereço: Avenida Airão, s/n – esquina com a Rua Ferreira Pena – Centro.

1.4 – Telefone/Fax: (92) 3215-3885

1.5 – Setor Responsável pela Execução do Projeto: Departamento de Direitos Humanos/SEMMASDH.

1.6 – Responsável pelo Projeto: Vera de Souza Queiroz Marques.

1.7 – Telefone: 99987-6642

1.8 – E-mail: direitoshumanos.semmasdh@gmail.com.

2. Objetivo

Possibilitar a regularização conjugal de casais heterossexual e homoafetivos interessados na


regularização da união conjugal, que não têm oportunidade de oficializar o Casamento Civil, em decorrência da
situação de vulnerabilidade socioeconômica, que inviabiliza o custeio das despesas cartorárias.

2.1. Objetivos Específicos:

 Promover por meio da celebração do Casamento Civil Coletivo a regularização da união


conjugal de cento e cinquenta (150) casais, com ânimo definitivo, com vistas à inclusão social, o
resgate da autoestima, a garantia de proteção do Estado, a promoção dos direitos humanos, com
ênfase no respeito à diversidade humana e no combate a homofobia.

 Articular com os Cartórios Cíveis, a cooperação mútua, no sentido da minimização das


despesas Cartorárias para os casais interessados no Casamento Civil Coletivo;

 Proceder à divulgação do Evento Casamento Civil Coletivo Civil nos Centros de Referência da
Assistência Social – CRAS, Centros de Referência Especial da Assistência Social – CREAS e
Cozinhas Comunitárias, a fim de socializar a informação entre os usuários do equipamento e
alcançar da divulgação e o real interesse dos casais na oficialização da União estável;

2
 Possibilitar ao casal interessado no Casamento Civil Coletivo a oportunidade de discutir e
conhecer direitos e deveres por meio do instrumental técnico da Roda de Conversas,
especialmente, em assuntos relacionados aos Direitos Humanos e Cidadania;

 Discutir e dialogar com os casais propostos, sobre temas atinentes ao planejamento familiar,
promoção da igualdade de gênero, racial, social e combate a todas as formas de violência e
preconceitos, baseando-se no respeito à dignidade da pessoa humana;

 Discutir nas Rodas de Conversas, consoante ao Projeto Educação em Direitos Humanos/DDH,


a cidadania, a importância da família, da própria proteção e da proteção familiar, além
potencializá-los por meio do conhecimento, acerca dos valores de liberdade, justiça, igualdade,
solidariedade, cooperação, tolerância e uma cultura de paz, estimulando a participação
interativa, inclusiva e democrática.

 Acompanhar no sentido de orientar e esclarecer os casais com a decisão de participar do


Casamento Civil Coletivo no decorrer de todos os trâmites necessários à formalização da
inscrição Centros de Referências de Assistência Social – CRAS.

3. PÚBLICO ALVO:

Cento e cinquenta (150) casais, composto pessoas em situação de vulnerabilidade socioeconômica,


atendidas pelos Equipamentos dos Centros de Referência da Assistência Social (CRAS), Centros de Referência
Especializada de Assistência Social (CREAS) e Cozinhas Comunitárias, estendendo-se à participação aos casais
homoafetivos, conviventes, que objetivam constituir família, impedidos de regularizar o estado conjugal, em
decorrência da impossibilidade de arcar com a custa cartorária.

4. JUSTIFICATIVA:

A família é o primeiro espaço de convivência do ser humano, sendo esse, a referência fundamental
para qualquer criança, que independente de sua configuração, aprende e incorpora valores morais e éticos por
meio das interações estabelecidas pelo núcleo familiar, pelas vivências e experiências afetivas, representações,
juízos e expectativas. A família é o lugar indispensável para a garantia da sobrevivência e da proteção integral
dos filhos e demais membros, independentemente do arranjo familiar ou da forma como vêm se estruturando.

É nesse espaço de convivência, interações e trocas que suscitam os aportes afetivos e, sobretudo
materiais, necessários ao desenvolvimento e bem-estar dos seus componentes. Ela desempenha um papel
decisivo na educação formal e informal do indivíduo. Nesse espaço é que são absorvidos os valores éticos e
humanitários que os acompanhará pela extensão da vida. Embora a sociedade venha passando por diversas e
constantes transformações sociais e culturais, ainda prevalece no inconsciente coletivo de algumas pessoas,
sentimentos discriminatórios e de desconforto emocional, ocasionados pela ausência do Casamento Civil e
religioso, culturalmente conhecido como “de papel passado”.

3
Nesse sentido, o Projeto Casamento Civil Coletivo em questão visa promover a regularização jurídica
de cento e cinquenta (150) casais, heterossexuais e homoafetivos, que não têm oportunidade de oficializar a união,
contribuindo para a realização dos mesmos, legitimando sua vida conjugal. De acordo com Maria Berenice Dias, a
sexualidade e orientação sexual do indivíduo integram a sua própria natureza. Desta forma, proibir ou restringi-
las significa impedir o exercício de um direito da personalidade. Consagrado o direito à igualdade na própria
Constituição da República, não se podem limitar direitos de uma pessoa em razão de sua orientação sexual.

Em 05 de maio de 2011 foi proferida decisão histórica no Supremo Tribunal Federal. Os dez Ministros
votantes no julgamento da ADPF 132 e da ADI 4277 manifestaram-se pela procedência das aludidas ações
constitucionais, reconhecendo a união homoafetiva como entidade familiar e aplicando a esta o regime
concernente à união estável entre homem e mulher. Com base no entendimento do Supremo Tribunal Federal
(STF), o Conselho Nacional de Justiça, em 14 de maio de 2013 prolatou Resolução que obriga cartórios de todo
o país a celebrarem casamento homoafetivo, bem como, a conversão da união homoafetiva em casamento civil,
com a celebração do Contrato, onde expressam a vontade de estabelecer vínculo conjugal.

Desta feita verifica-se, pois, que tanto as decisões do STF, no julgamento da ADPF n° 132 e da ADI n°
4277 quanto a Resolução CNJ n° 175/2013, constituem verdadeiros avanços no reconhecimento do direito à
sexualidade e orientação sexual e fortalecimento do direito à igualdade. Além disso, coadunam-se,
perfeitamente, com a função social da família, atual paradigma constitucional para constituição da entidade
familiar.

Destarte, não obstante a lacuna constitucional e legal, no que se refere à menção expressa ao
casamento e à união estável homoafetivos, o Poder Judiciário, com base nos princípios constitucionais,
sobretudo no princípio da igualdade, da dignidade da pessoa humana, da não discriminação e da concretização
do princípio fundamental à felicidade por meio do afeto, reconheceu as uniões afetivas como entidades
familiares equivalentes ao casamento e à união estável heterossexual. Dessa forma, como devido, o Estado
adotou ações positivas no sentido de asseverar respeito à diversidade humana e combater a homofobia.

5. METODOLOGIA:

5.1. Elaboração e aprovação do Projeto pelo Gestor da Pasta e demais Instâncias Municipais:

Nessa fase há a necessária integração da Assessoria Jurídica com o Departamento de Direitos


Humanos e a Gestão da SEMMASDH, com abrangência ao DPSB, DPSE e Cozinhas Comunitárias, no sentido
de construir, sistematizar, ordenar e aprovar as propostas apresentadas neste documento, materializando o
Projeto “Casamento Civil Coletivo”, elencando ações singulares, indispensáveis ao processo de construção do
evento, norteadoras das etapas transcorridas e a transcorrer, apresentadas no Cronograma de Desenvolvimento
das Ações, constante nas Fls. 11, deste Projeto.

4
5.2. Formação da Equipe Organizadora do Evento;

Esse item refere-se à composição de um Grupo de Trabalho (GT), composto por 10 (dez) integrantes,
sendo 01 (um) representante do Gabinete do Secretário, 01 (um) representante da Subsecretaria Operacional da
SEMMASDH, 01 (um) representante da Assessoria Jurídica, 01 (um) representante do Planejamento e Vigilância
Socioassistencial da SEMMASDH, 02 (dois) representantes do Departamento de Proteção Social Básica
(DPSB), três (3) representantes do Departamento de Direitos Humanos (DDH), um (1) representante do
Departamento Administrativo e Financeiro (DAF) com a formação e competências reconhecias pelo Gestor da
Pasta, assumindo como atribuição, a tarefas peculiares à organização e realização do Casamento Civil Coletivo,
com a prática de atos e intervenções voltados para a concretização das ações previamente definidas, cuidando
para que não se estabeleça situações impeditivas da sequencia de outras ações subsequentes.

5.3. Inscrição dos casais que participarão do Projeto.

Essa etapa refere-se à apresentação da documentação do casal interessado em regularizar as


suas situações jurídicas em relação ao casamento civil. A apresentação dos documentos
necessários à consolidação do ato jurídico se dará, somente, nos equipamentos dos Centros
de Referencia da Assistência Social – CRAS, que funcionará como intermediador da pretensa
vontade, à vista que a população interessada está compreendida na área georeferenciada de
cada Equipamento.

5.4. Entrega e analise da documentação para habilitação dos noivos e testemunhas;

A apresentação da documentação fica condicionada ao efetivo encaminhamento ao Grupo de


Trabalho (Comissão de Avaliação), que se organizará no sentido de apreciar, verificar e prestar
a orientação necessária aos CRAS, quanto à inelegibilidade da documentação apresentada
pelos casais interessados na regularização jurídica, podendo o Técnico Responsável
encaminhá-los aos Serviços de Identificação e Sub-Registro Civil, habilitando-os a novos
Eventos.

5.5. Apoio aos casais na regularização dos documentos necessários para participação no Projeto;

A falta da apresentação da documentação civil dos propostos casais, inviabiliza a intenção da


regularização da União Estável. Desta feita, o apoio dos Serviços de Identificação e Sub-
Registro Civil, constantes na estrutura da SEMMASDH viabilizará o apoio necessário aos
casais, com foco na regularização da documentação cível.

5.6. Encaminhamento ao Cartório das documentações dos casais para publicação do Edital de
Proclamas;

Essa etapa do processo consolida a intenção dos casais em relação à regularização da união
estável. O encaminhamento da documentação aos Cartórios precede a publicação do Edital de
Proclamas, constante no Art. 1.527 do CC, sendo afixado durante 15 dias nas circunscrições
do registro civil dos nubentes e ainda, na imprensa local para conhecimento da sociedade.

5
5.7. Participação no Projeto Educação em Direitos Humanos;

O Projeto Educação em Direitos Humanos para a Valorização Humana sob a coordenação do


Departamento de Direitos Humanos (DDH) é o instrumental propiciador do diálogo com os
nubentes. Esse Projeto intenta a extensão do conhecimento acerca dos direitos humanos aos
nubentes, no sentido da construção de um conhecimento humanizado, baseado no respeito à
dignidade humana, que resulte para o casal, na promoção e na vivência dos valores da
liberdade, da justiça, da igualdade, da solidariedade, da cooperação, da tolerância e da paz,
corroborando por meio da participação interativa, inclusiva e democrática.

5.8. Instruções sobre a Cerimônia de Casamento;

O objetivo proposto é a utilização do diálogo mantido com os nubentes nas Rodas de


Conversa, constantes no Projeto “A Educação em Direitos Humanos para a Valorização
Humana”, nos equipamentos da SEMMASDH, no sentido de orientá-los acerca do
compromisso e responsabilidades a assumir perante a sociedade, constando esses na
legislação brasileira.

5.9. Realização da Cerimônia:

A realização da cerimônia dar-se-á no dia 23 de março de 2018, as 18h00, no Parque


Municipal do Idoso, localizado a Rua Rio Mar, s/nº, Bairro Nossa Senhora das Graças, quando
se cumprir todas as formalidades impostas pela legislação Cível. A data será apresentada pelo
Grupo de Trabalho ao Gestor da SEMMASDH, que irá se posicionar, observando o
cumprimento de todos os ritos impostos pela lei.

5.10. Avaliação do Projeto.

A avaliação do Projeto em voga será realizada pelo GT (Comissão de Avaliação) em caráter


contínuo, por meio das análises das intervenções realizadas no decorrer de todo o processo de
realização do Casamento Civil Coletivo. Terá início imediato, a partir da deflagração do
processo de execução deste Projeto. Acompanhará por meio da avaliação e monitoramento,
todas as ações constantes nas etapas preliminares, cuidando para que sejam revisadas e
implementadas mudanças no modus operandi da equipe dos CRAS, postergando bloqueios
e/ou ações dê continuidade ao processo de execução iniciado.

6
6 – DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA (Original e Cópia):

6.1. SOLTEIRO (A)

6.1.1. Certidão de Nascimento;


6.1.2. Carteira de Identidade;
6.1.3. CPF;
6.1.4. Comprovante de Residência com CEP.

6.2. DIVORCIADO (A):

6.2.1. Certidão de Nascimento;


6.2.2. Carteira de Identidade;
6.2.3. CPF;
6.2.4. Comprovante de Residência com CEP;
6.2.5. Certidão de Casamento com Averbação do Divórcio Original.

6.3. VIÚVO (A):

6.3.1. Certidão de Nascimento;


6.3.2. Carteira de Identidade;
6.3.3. CPF;
6.3.4. Comprovante de Residência com CEP;
6.3.5. Atestado de Óbito de cônjuge falecido.

6.4. TESTEMUNHAS – 02 (duas):

6.4.1. Carteira de Identidade;


6.4.2. CPF;
6.4.3. Comprovante de Residência com CEP

7
7 – RECURSOS MATERIAIS, FINANCEIROS HUMANOS:

7.1 – Recursos Financeiros

VALOR UNIT. TOTAL


ITEM DISCRIMINAÇÃO DE SERVIÇOS E MATERIAIS QTD
(R$) (R$)
01 Taxas Cartorárias 150 180,00 27.150,00
TOTAL - - 27.150,00

7.2 – Recursos Buffet.

VALOR UNIT. TOTAL


ITEM DISCRIMINAÇÃO DE SERVIÇOS/BUFFET QTD
(R$) (R$)
(ID-84704) SERVIÇOS DE FORNECIMENTO DE REFEIÇÕES
PREPARADAS, LANCHES E SIMILARES. Descrição:
Contratação de empresa especializada na prestação de
serviços de fornecimento de refeições preparadas, Tipo
BRUNCH, para atender a 150 – casais (300 pessoas); 300 1.800
1. 28,00 50.400,00
testemunhas; 900 – convidados (6 convidados por casal); 50 (pessoas)
Autoridades, cento e cinquenta (180) Funcionários da
SEMMASDH, 30 Oficiais de Cartório e 40 outros Servidores da
Prefeitura de Manaus, como Manaustrans, Guarda Municipal,
Policia Militar e SEMSA/SAMU.
TOTAL 50.400,00

7.3 – Abastecimento de Água Mineral;

DISCRIMINAÇÃO DE SERVIÇOS/ÁGUA VALOR UNIT. TOTAL


ITEM QTD
MINERAL/DESCARTÁVEIS. (R$) (R$)
1. Água Mineral, vasilhame com 20 litros; 10
2. Água Mineral, 350 ml (Pacote) 10
3. Copo Descartável – 150 ml. 1.000
4. Papel Toalha (Pacote). 30
TOTAL - -

7.4 – Serviço de Apoio e Suporte ao Evento:

8
VALOR UNIT. TOTAL
ITEM DISCRIMINAÇÃO DE SERVIÇOS QTD
(R$) (R$)
1. Gerador de Energia, partida elétrica 1
2. Rádio Comunicador. 6
TOTAL - -

7.5. Serviço de Decoração:

VALOR UNIT. TOTAL


ITEM DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS QTD
(R$) (R$)
Decoração interna do local da cerimônia (Passadeira vermelha
em L; 12 arranjos florais iluminados para corredor; 10 lustres para
1. a Quadra; 01 revestimento em voal, na cor salmão, para a parede 01
lateral à direita da entrada; 8 puxadas em tecido, na cor branco
do teto ao piso).
2. Cadeira sem braços, em plástico, para a cerimônia; 400
3. Mesa, montada no Palco, para o Juiz, Prefeito e Autoridades; 1
4. Puxada em tecido para a porta de entrada; 1
5. Lounge de Chegada dos Noivos; 1
6. Lounge de Entrada no local da Cerimônia 1
7. Mesas em plástico; 180
8. Tampos de mesas redondos para 10 lugares; 170
9. Toalhas longas para mesas com 10 lugares, na cor branca; 170
10. Cobre-Manchas na cor Salmão; 170
11. Toalhas brancas para mesas de 4 (quatro) lugares (Cartórios); 10
12. Cadeiras em plástico, sem braços; 1.800
13. Fantasminhas (capa de cadeira); 2.200
14. Laços para as cadeiras na cor dourado; 2.200

9
7.6. Serviço de Cobertura, Iluminação, Sonorização, Climatização e Banheiros Químicos:

ITEM DISCRIMINAÇÃO DE SERVIÇOS E MATERIAIS QTD VALOR UNIT. TOTAL


1. Serviço de Iluminação do ambiente. 2
2. Serviço de Iluminação do palco 1
3. Serviço de sonorização para a Cerimônia; 1
4. Serviço de sonorização para a Recepção; 1
5. Serviço de Música Ambiente durante a realização da Cerimônia; 1
6. Serviço de Fotografia (5 fotos por casal) 750
CD – Imagens do Casamento (Filmagem da Cerimônia e da
7. 160
Recepção).
8. Ventiladores climatizados com água 10
9. Banheiros químicos (4 masculinos, 4 femininos e 2 para a PcD) 10
Total - -

7.7 – Serviço de Cerimonial e Logística:

ITEM DISCRIMINAÇÃO DE SERVIÇOS E MATERIAIS QTD VALOR UNIT. TOTAL


1. Cerimonial da Prefeitura de Manaus 1 - -
2. Púlpito para Cerimonial 1
3. Tendas 10m X 10m 3
4. Datashow 1
5. Telão 2
TOTAL - -

7.8 – Serviço de Bolos Artísticos:

ITEM DISCRIMINAÇÃO DE SERVIÇOS QTD VALOR UNIT. TOTAL


1. Bolo Decorado, com 4 andares 1
2. Bolo Decorado, com 3 andares 2
3. Bolo Decorado, Individual, para Centro de Mesa 150
TOTAL - -

10
7.9 – Material Gráfico:

ITEM DISCRIMINAÇÃO DE SERVIÇOS E QTD VALOR UNIT. TOTAL


MATERIAIS
1. Convite de Casamento 200
Cartaz de Divulgação para os
2. 100
Equipamentos da SEMMASDH
3. Senha para Convidado 2.000
Banner lona vinílica 1,00 x 1,40 para
4. 10
lateral da Quadra
Banner lona vinílica 0,90 x 1,20 para
5. Divulgação nos CRAS, CREAS e 30
Restaurantes Populares.
Backdrop em lona vinílica para Fundo
6. 01
de Palco (10m x 10m)
Backdrop em lona vinílica para Sala do
7. 01
Bolo 2,50 x 2,50
Caixa de papelão rígido, com a
8. 200
logomarca do CCC, para 100 salgados.
Camisas Casamento para Funcionários
9. 200
– P, M, G, GG, EG
TOTAL - -

7.10 – Material de Higiene e Limpeza:

ITEM DISCRIMINAÇÃO DE SERVIÇOS E MEDIDA QTD VALOR UNIT. TOTAL


MATERIAIS
1. Papel Higiênico (300 m) Metro 0
2. Desinfetante Litro 20
3. Sabonete líquido Litro 05
4. Papel Toalha Pacote 100
5. Vassoura Und 10
6. Rodo Und 5
TOTAL - -

11
7.11 – Cooperação Interinstitucional - Serviços Públicos:

ITEM DISCRIMINAÇÃO DE SERVIÇOS E MATERIAIS QTD VALOR UNIT. TOTAL


1. SAMU 01 - -
2. Guarda Metropolitana de Manaus 10 - -
3. MANAUSTRANS 10 - -
4. SEMULSP 20 - -

8. CRONOGRAMA

AÇÕES A SEREM DESENVOLVIDAS JAN FEV MAR AB


Elaboração e aprovação do Projeto X X
Definição do Grupo de Trabalho X X
Definição da Equipe do Casamento Civil Coletivo nos
CRAS X

Inscrição dos casais que participarão do Projeto X


Entrega e análise da documentação para habilitação dos
X X
noivos e testemunhas nos Cartórios
Apoio aos casais na regularização dos documentos
X X
necessários para participação no Projeto
Encaminhamento ao Cartório das documentações dos
X X
casais para publicação do Edital de Proclamas
Participação no Projeto Educação em Direitos Humanos X X
Instruções sobre a Cerimônia de Casamento X
Realização da Cerimônia 1 X
Avaliação do Projeto X

9. RESULTADOS ESPERADOS

O Projeto em questão espera proporcionar aos casais contemplados com o Casamento Civil Coletivo, a
regularização do regime conjugal, visando o fortalecimento da família, garantindo a sua inclusão social e a
garantia de proteção do Estado. O Código Civil de 2002 prevê a finalidade do casamento, de acordo com o
artigo 1.511:

1
A data da realização do Casamento Civil Coletivo será no dia 23 de Março de 2018, as 18h00, no Parque Municipal do Idoso, localizado
a Rua Rio Mar, s/nº - Nossa Senhora das Graças/Manaus-AM.

12
“O casamento estabelece comunhão plena de vida, com base na igualdade de
direitos e deveres dos cônjuges.”

Espera-se, ainda, que a participação dessas famílias nos Projetos e Serviços ofertados pela
SEMMASDH tenha efetivo impacto, no sentido de propiciar o acesso às informações e a extensão do
conhecimento, com vistas ao desenvolvimento e ao fortalecimento de vínculos familiares e comunitários por
meio de uma formação social e política dos participantes, de forma a assegurar a proteção e promoção do (da)
cidadão (ã), fortalecendo o exercício da cidadania e a quebra de paradigmas, preconceitos enraizados, latentes
e ofensivos.

10. AVALIAÇÃO.

A avaliação do Projeto será realizada por meio de instrumentais próprios, criados pelo Grupo de
Trabalho (Comissão de Avaliação), Coordenado pelo Departamento de Direitos Humanos, sendo esse recurso
metodologicamente programado, será o referencial, que apresentará os resultados da eficácia, consolidada pelo
aprimoramento dos procedimentos adotados pelos Departamentos de Proteção Social Básica, Especial,
Cozinhas Comunitárias e ainda, pelo DDH, por meio do Projeto “A Educação em Direitos Humanos para a
Valorização Humana”, que visa potencializar a família em relação ao exercício dos direitos fundamentais.

A avaliação, também, dará informações eficazes acerca do acompanhamento das famílias


contempladas pelo Projeto no decorrer de sua execução; da parceria e articulação com os Cartórios do
município de Manaus e Órgãos Municipais; da organização e da realização da cerimônia; além de manter o
acompanhamento dessas famílias contempladas pelo período de 03 (três) meses após a realização do
Casamento Civil Coletivo, materializando tal avaliação por meio de reuniões mensais nos CRAS de referência.

Os resultados deverão ser apresentados em forma de Relatórios pelas Equipes, com vistas a analisar o
comportamento das famílias que participaram do Casamento Civil Coletivo, tendo como parâmetro, o grau de
satisfação das famílias antes e durante a realização deste Projeto.

Manaus, 23 de Janeiro de 2018.

GECILDA ALBANO PEÇANHA


Assessora Técnica do DDH/SEMMASDH

Ciente:

VERA DE SOUZA QUEIROZ MARQUES.


Diretora DDH/SEMMASDH

13
REFERÊNCIA:

Código Civil.
http://www.planalto.gov.br/CCivil_03/leis/2002/L10406.htm

Diversidade Sexual e Direito Homoafetivo.


http://stf.jus.br/arquivo/biblioteca/NovasAquisicoes/2011-08/905547/sumario.pdf

O julgamento da ADPF 132 e da ADI 4277 e seus reflexos na seara do casamento civil
https://arpen-sp.jusbrasil.com.br/noticias/2978105/artigo-o-julgamento-da-adpf-132-e-da-adi-
4277-e-seus-reflexos-na-seara-do-casamento-civil

Resolução nº 175, de 14 de maio de 2013.


http://www.cnj.jus.br/busca-atos-adm?documento=2504

14

Você também pode gostar