Você está na página 1de 13

1

EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO PARA PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA –


PEDRINELLI, VERENA JUNGHAHNEL

CAPÍTULO 8 PG 75 A 80 – MEC/SEDES, SESI-DN, 1994


PESSOAS PORTADORAS DEFICIÊNCIA FÍSICA (MOTORA) E AS ATIVIDADES FÍSICAS,
ESPORTIVAS, RECREATIVAS E DE LAZER:

Elisabeth de Mattos

Introdução:

No Brasil quase não conhecemos escolas especiais para pessoas portadoras de


deficiência física ou motora (termo que será utilizado neste texto por definir e destacar
mais claramente qual a área afetada em questão). Quando existem, elas costumam se
destinar à crianças com deficiências múltiplas, com componente marcante na área motora
(MATTOS, 1994). Isto no faz acreditar que a parte da população infantil portadora de
deficiência motora deve frequentar escolas regulares, uma vez que o programa de
disciplinas teóricas não precisa ser alterado.
Na realidade não é isto que acontece. As escolas em sua maioria não estão
preparadas para receber alunos com disfunções motoras, possuindo diversas barreiras
arquitetônicas, ou até dispensando-os das aulas de educação física por diversas razões.
Isto produz uma série de reações emocionais e socias tornando o desenvolvimento
desses indivíduos também alterado. Surgem então problemas com a auto-imagem,
consciência corporal, motivação e avaliação real das capacidades e limitações, tanto por
parte dos professores como por parte dos próprios alunos.
A partir de então procura-se destacar os princiapis problemas que se relacionam
com a prática de atividades físicas das pessoas portadoras de deficiência motora, bem
como apresentar as oportunidades e adaptações já efetuadas para facilitar o acesso destas
pessoas à prática de atividades físicas, nos seus vários níveis.

Definição e conceituação:

Deficiência motora caracteriza-se por um distúrbio da estrutura anatômica ou da


função, que interfere na movimentação e/ou locomoção do indivíduo (TELFORD &
SAWREY, 1978; SEAMAN & DE PAUW, 1982). Refere-se aos problemas ósteo-musculares
ou neurológicos que afetam a estrutura ou a função do corpo, interferindo na motricidade.
Ela é caracterizada por um distúrbio na movimentação e/ou locomoção do indivíduo
(MATTOS, 1992).
Essa categoria é extremamente heterogênea, pois as causas da deficência são
diversas, apresentando uma variedade de quadros motores. Algumas características gerais
podem ser destacadas, embora generalizações não sejam tão recomendadas. A extensão e
a natureza da deficiência também são variáveis que levam à níveis diferentes de ajustes
sociais e emocionais.
2

Terminologia:

As pessoas que usam próteses, muletas, cadeira de rodas ou necessitam do auxílio


de órteses, carregam muitos rótulos: aleijado, deficiente, impedido, inábil. Cada um tem
sua preferência pessoal quanto a forma que deseja ser chamado. Isto deve ser perguntado
ao proóprio portador da deficiência. Alguns autores descrevem leves diferenças de
significado, mas deficiência física é a designação genérica. Ficaria mais claro se fosse
utilizado a designação "motora", ao invés de "física", indicando que existe um distúrbio
nessa área especificamente.

SUB-CLASSIFICAÇÕES:

Quanto à natureza, podemos dividir em:

1- Distúrbios ortopédicos - que referem-se a problemas originados nos músculos, ossos


e/ou articulações.
2- Distúrbios neurológicos - que referem-se a deterioração ou lesão do sistema
nervoso.
Estes problemas podem ter diversas origens, as quais não serão descritas.
Podemos dividir também em distúrbios congênitos ou adquiridos, permanentes,
temporários ou progressivos, crônicos ou agudos, temporários ou permanentes e
progressivos e não progressivos.

Etiologia:

A etiologia dos distúrbios do nascimento nem sempre é conhecida. Estima-se que


20% dos mesmo seja hereditário, 20% causado por fatores ambientais (vírus, parasitas,
bactéria ou infecções da mãe) e 60% seja o resultado de uma interação da hereditariedade
e dos fatores ambientais.
Quanto ao tempo de duração estes distúrbios podem ser chamados de congênitos
ou adquiridos. As condições adquiridas ou agudas são aquelas que resultam de um trauma,
doença ou problemas de crescimento e desenvolvimento.
Os problemas temporários são aqueles que terminam, depois de um certo espaço
de tempo, devolvendo a condição anterior do indivíduo ou mesmo melhorando após sua
ocorrência (distúrbios do crescimento, correções cirúrgicas ou aparelhos).Já as condições
permanentes são aquelas que não regridem e deixam sequelas por toda a vida do
indivíduo.
Os problemas progressivos são aqueles que se agravam com o decorrer do tempo,
tornando as sequelas mais severas. Os problemas não progressivos não aumentam as
sequelas com o decorrer do tempo.
Quando as anormalidades da estrutura ou da função são aparentes ao nascimento,
elas são chamadas de congênitas. Quando elas aparecem após o nascimento, durante o
decorrer da vida, mas causadas por determinação genética, são chamadas de crônicas.

emh,98
3

Esses problemas podem ter origens diversas, porém, apenas as situações mais
comuns serão descritas com suas consequências para a prática de atividades motoras e
esportivas.

Fisiopatologia de algumas doenças e situações que levam à deficiências motoras:

Dentro dos distúrbios ortopédicos que podem levar à deficiência motora podemos
destacar:

. amputação: É a remoção ou ausência de um (ou mais) membro(s) ou parte dele(s). Pode


ser congênita, devido a: amielias, desmielias e focomielias, ou adquirida, devido a: tumores
(para interromper seu progresso), traumas (resultado de um distúrbio físico repentino ou
acidente, geralmente seguido de procedimento cirúrgico), outras doenças (geralmente
causando problemas circulatórios como diabetes, arterioesclerose). Classifica-se de acordo
com o nível onde são realizadas. Se ocorrer numa articulação denomina-se desarticulação.
Se o coto não estiver cicatrizado, denomina-se aberta e se estiver, denomina-se fechada,
quando se torna capaz de receber uma prótese.

. artrite: É uma inflamação articular que causa dor intensa na articulação e suas
adjacências com consequente diminuição das funções, podendo chegar até a imobilização.
Aparece em qualquer idade. A forma mais comum é a artrite reumatóide, definida como
uma doença sistêmica, onde o principal sintoma é o envolvimento dos músculos e
articulações.
- Artrite reumatóide juvenil: Aparece antes dos 7 anos de idade, acometendo mais
os indivíduos do sexo feminino. Sua causa é desconhecida. Varia na severidade. Apresenta
uma inflamação leve, inchaço, rigidez articular e do tecido conjuntivo, chegando até a
atrofia e deformidade articular. O envolvimento geralmente é simétrico. Inicia-se nas
pequenas articulações (mãos e pés) com uma sensibilidade extrema chegando à dor.

. artrogripose: É uma condição congênita onde alguns músculos dos membros estão
ausentes ou são menores e mais fracos, resultando em rigidez ou deformidade dos
membros e tronco. Várias articulações podem se tornar fixas ao nascimento. Não causa
dor, mas limita os movimentos.

. espinha bífida: definida como a alteração do fechamento de um ou mais arcos vertebrais,


que pode resultar em distúrbios neurológicos além dos desvios da estrutura óssea.
Apresenta vários tipos como: oculta (onde a anomalia só será percebida em exames de
raios X. Torna a estrutura da coluna vertebral menos resistente tornando o indivíduo mais
propenso a sofrer de deslizamento de vértebras, devendo evitar carregar pesos excessivos
ou executar testes de carga máxima), meningocele (onde se forma um tumor com
protrusão sacular junto à coluna vertebral, o qual contém líquor, porém a medula e as
raízes nervosas permanecem em posição normal, raramente deixando sequelas, se tratada
adequadamente) e mielomeningocele (onde se forma uma protrusão sacular contendo
meninges, líquor, porções medulares e fibras nervosas, levando quase sempre à lesões
medulares parciais e/ou totais).
4

. distrofia muscular: caracterizada pela deterioração progressiva da musculatura


esquelética voluntária, levando à incapacitação pela dificuldade ou ausência de contração
muscular. Existem diversos tipos, sendo o mais conhecida e o mais incapacitante o
Ducchenne.

. nanismo: É o crescimento retardado (mais de 3 SD para qualquer faixa etária). A


acondroplasia (causa mais comum do nannismo) é uma doença cromossômica
autossômica, causada por um gene dominante. Observa-se uma desproporção de tronco,
membros e cabeça.
definido pela baixa estatura em relação à idade cronológica, onde o indivíduo na idade
adulta não atingirá nem ao menos 132 cm de estatura. A patologia mais comum é a
acondroplasia (doença autossômica) causada por um gen dominante, que leva à
desproporção entre o tronco, cabeça e os membros.

. osteogênese imperfeita: caracterizada pela má formação óssea que é causada por


herança genética. Compromete a estrutura óssea tornando-a quebradiça, e com
densidade diminuída. Os acometidos por essa patologia sofrem fraturas ao nascimento
e/ou depois dele, podendo adquirir deformidades como consequência dessas fraturas.

.osteomielite: É uma infecção óssea, prevalente no ocidente, chamada de doença da


infância. Pode ser causada por “stafilococcus”, “streptococcus” ou “pneumococcus”.
Acomete mais freqüentemente a tíbia, fêmur ou úmero de um só membro. Ela pode ser
aguda ou crônica. Seus sintomas e severidade variam com o local de acometimento e o
tempo de acometimento.

Com relação aos distúrbios neurológicos podemeos destacar:

. acidente vascular cerebral (AVC): definido como uma interrupção na circulação cerebral,
levando à lesão de células de áreas sensoriais e/ou motoras deixando sequelas
correspondentes à área lesada.

. esclerose múltipla: É uma doença neurológica crônica e degenerativa que atinge


adolescentes e adultos (20-40 anos). Há uma desintegração (lenta) da camada de mielina
que resulta no endurecimento ou cicatrização do tecido que substitui a bainha de mielina.
Resulta numa incapacidade motora e eventualmente leva à morte. Apresenta sintomas
como: problemas sensoriais variados, tremores, fraqueza muscular, dificuldades de fala,
tonturas, distúrbios emocionais leves, paralisia facial, dificuldades motoras. Geralmente as
doenças músculo-esqueléticas são congênitas (distúrbios genéticos, distúrbios do
desenvolvimento) ou adquiridas (doenças infecto contagiosas, acidentes e distúrbios do
desenvolvimento).

. lesões medulares: É uma condição adquirida resultante de um trauma, lesão ou


problemas de crescimento e desenvolvimento.

emh,98
5

TRAUMA

Tumores mal formações arterio-venosas


quedas
explosivos e armas de fogo
acidentes com: veículos motorizados

Está se tornando cada vez mais freqüente. A faixa etária mais atingida está entre
15 e 28 anos de idade (40% acidente automobilístico, 20% quedas e 40% disparos,
acidentes esportivos, industriais e agrícolas). As lesões ao nível de C5/C6 são as mais
comuns. As ao nível de T12/L1 estão em 2o lugar.
Estes indivíduos são muito sensíveis às infecções urinárias. Há perda de movimentos e
sensibilidade abaixo do nível da lesão.
Chama-se de lesão completa (total)quando ocorre a perda das funções (motoras e
de sensibilidade) abaixo do nível da lesão; incompleta (parcial) quando há permanência de
alguma função muscular residual além do local da lesão. A sensibilidade fica alterada.
Chama-se de paraplegia as lesões abaixo de T2 (quando os membros inferiores - e
as vezes também o tronco - são afetados totalmente); paraparesia, quando os membros
inferiores - e as vezes o tronco - são afetados parcialmente (lesões incompletas);
tetraplegia (quadriplegia) as lesões cervicais (quando os membros superiores, o tronco e
os membros inferiores são afetados totalmente); tetraparesia (lesões incompletas)-
quando os membros superiores, o tronco e os membros inferiores são parcialmente
afetados.
Como alterações secundárias encontramos: perda ou alteração do controle
urinário, excretor e sexual; a tetraplegia leva à perda ou alteração do controle do sistema
nervoso simpático afetando a termorregulação, frequência cardíaca, pressão sangüínea e
outras funções vitais; há uma alta incidência de infecções renais, e urinárias. Os sinais mais
comuns são: face corada, febre, etc.).
Deve-se evitar: contraturas, úlceras de decúbito e diminuição do gasto energético
diário, o que pode levar a obesidade. As barreiras arquitetônicas também devem ser
evitadas pois, interferem no contato social normal e independente, dificultando a
integração do indivíduo na sociedade.

. poliomielite: É uma doença infecciosa causada por um vírus que ataca o tecido nervoso
(medula e/ou cérebro), geralmente as células motoras do corno anterior da medula.
Acomete principalmente crianças e adolescentes. Causa paralisia flácida. O vírus entra pelo
tracto intestinal se difundindo pela corrente sanguínea, se instalando nas células motoras.
Pode deixar fraqueza muscular, paralisia chegando a deformidades esqueléticas (atrofias).
Distribuição na população:
- 6% morrem
- 14% paralisia severa
- 50% recuperação total
- 30% paralisia moderada ou leve
Fases:
6

a) aguda: dura de 1 (uma) semana a 10 (dez) dias. O indivíduo apresenta tosse, febre,
náuseas, vômitos e fraqueza muscular. Apresenta como sinal um espasmo doloroso.
b) convalescença: dura de algumas semanas até alguns meses, terminando com a
recuperação muscular ou a definição das sequelas .
c) crônica: inicia-se após o 18o mês.
Deixa como sequela a paralisia nas áreas motoras correspondentes, mas preserva a
sensibilidade.

. paralisia cerebral: É um distúrbio não progressivo da motricidade, evidenciando-se na


movimentação e postura, a qual se inicia antes dos 3 (três) anos de idade, o qual foi
causado por uma lesão ou mal funcionamento do cérebro. John Little, um cirurgião inglês,
definiu pela primeira vez o quadro em 1891. William Phelps, um ortopedista descreveu os
vários tipos de paralisia cerebral em 1937. Hoje prefere-se utilizar o termo encefalopatia
crônica da infância.
Definida como uma lesão permanente no cérebro, particularmente na área motora,
a qual leva à distúrbios do tônus muscular e consequentemente das funções motoras,
costuma vir acompanhada de lesões em outras áreas e por isso é muitas vezes é
considerada uma deficiência múltipla. Sua classificação é feita segundo a natureza do
tônus muscular apresentado (espástico, atetóide, atáxico e flácido), quanto à topografia
dos membros afetados (monoplegia, diplegia, triplegia, quadriplegia, hemiplegia e dupla
hemiplegia) e quanto à gravidade do acometimento (leve, moderada e grave). Geralmente
esses indivíduos apresentam situações particulares que não podem ser generalizadas para
outras situações, que levam à deficiência motora, necessitando assim de uma avaliação
mais criteriosa das capacidades e habilidades motoras.
Causas: 86% são provenientes de fatores pré e peri-natais; 14% são provenientes
de fatores pós-natais. A incidência diminui conforme melhora o conhecimento e o
desenvolvimento dos serviços de saúde. Cada distúrbio é classificado de acordo com
alguns fatores que são citados no diagnóstico:

Classificação fisiológica (ou quanto ao tônus muscular):


a) rigidez Os músculos dos membros são tensos e se contraem fortemente quando se
tenta movimentá-los ou alongá-los, onde mesmo os reflexos exacerbados são inibidos. É
uma forma severa de espaticidade. Geralmente resulta numa quadriplegia.
b) espasticidade Os músculos dos membros são tensos apresentando reflexo
de estiramento. Pode haver presença de clônus. Há uma hiperreflexia dos tendões
profundos dos músculos dos membros envolvidos. Os indivíduos ficam sujeitos a
contraturas e deformidades que se desenvolvem durante o crescimento.
c) atetose O tônus muscular é normal, havendo a presença de movimentos
involuntários. Os movimentos voluntários se deformam ficando retorcidos. Podemos
encontrar 2 (dois) sub-tipos:
1) atetose sem tensão: os movimentos contorcidos sem tensão muscular são a
principal característica (rotação, giro do membros, posições distorcidas, distonias,
aparecendo principalmente nos membros, pescoço ou no tronco; quando aparecem nas
mãos, pés ou rosto é denominada de coréia).
2) atetose de tensão: os movimentos contorcidos são bloqueados. Pode ser
distinguida da espasticidade movimentando-se uma articulação rapidamente e repetindo-
se o movimento, a musculatura se relaxa. Na espasticidade não ocorre este relaxamento.

emh,98
7

d) ataxia Falta da sensação de: equilíbrio, da posição do corpo no espaço com


presença de movimentos incoordenados. Não consegue executar a prova "index-nariz".
e) tremor Aparece apenas na movimentação involuntária. Chamado também de
tremor intencional.
f) hipotonia O tônus muscular é baixo. Também chamada de atonia, flacidez ou froxidão.
Geralmente evolui para uma atetose.
g) mista Combinação de um ou mais dos tipos anteriores. O mais comum é o
espastico-atetóide.

Classificação topográfica:
a) monoplegia / monoparesia
b) hemiplegia / hemiparesia
c) paraplegia / paraparesia
d) diplegia / diparesia
e) quadriplegia / quadriparesia
f) dupla hemiplegia / dupla hemiparesia

Classificação quanto ao grau de acometimento:


a) leve
b) moderada
c) grave

Classificação neuroanatômica:
a) piramidal (espástica) - lesão das fibras eferentes que vão do córtex aos membros.
Resulta em paralisia espástica.
b) extra-piramidal (atetose) - lesão de outra área que não as fibras eferentes. Geralmente
assume-se que ocorre nos gânglios da base. Resulta em movimentos discinéticos.
c) cerebelar (ataxia) - lesão no cerebelo. Ele é chamado de "pequeno cérebro" e sua função
é coordenar os movimentos, dar sensação de posição no espaço e manter o equilíbrio.

Distúrbios associados:
- dificuldade para engolir
- sialorréia
- permanência de reflexos primitivos
- distúrbios da fala
- distúrbios sensoriais (visão, audição e outros)
- convulsões
- deficiência mental (50%)
- distúrbios percepto-motores
8

Histórico do esporte para pessoas portadoras de deficiência motora e suas


classificações:

O desenvolvimento do esporte para pessoas portadoras de deficiências físicas teve


sua origem na reabilitação dos veteranos da II Guerra Mundial, particularmente na
Inglaterra e nos Estados Unidos.
Na Inglaterra, Ludwig Guttmann (neurologista e neurocirurgião alemão radicado
naquele país) foi convidado, em 1944 pelo govêrno Britânico, para dirigir um centro para
lesados medulares no Hospital de Stoke Mandeville. Nos programas de tratamento dos
pacientes internados foi incluído uma série de modalidades esportivas, as quais foram
adaptadas. Posteriormente este centro se tornou centro de campeonatos mundiais da
categoria (os quais ocorrem até hoje).
Nos Estados Unidos o conceito de esporte competitivo foi dominante, marcado
pela direção e organização executada pelas próprias pessoas portadoras de deficiência.
Mais tarde o trabalho esportivo vinculado à reabilitação, que sempre foi divulgado
pelo Dr. Guttmann, tomou novos rumos com o aparecimento de outras organizações que
dirigiam os esporte para portadores de outras deficiências (que não a causada pela lesão
medular).
No Brasil a história mostra a influência do esporte adaptado desnvolvido nos
Estados Unidos (divulgado por Sérgio Del Grande e Robson Sampaio de Almeida) e
também do conceito de reabilitação desnvolvido na Europa, uma vez que os
fisioterapeutas tendem a encaminhar mais pacientes para estas atividades, além de
ministrá-las, uma vez que os profissionais de Educação Física e Esporte pouco tem se
dedicado à esta área.
Hoje o Brasil possui diversas entidades que dirigem o Esporte para pessoa
portadoras de deficências motoras: ANDE, ABRADECAR e ABDA. Cada uma delas tem
filiação internacional correspondente: ISMGF, ISOD, CP-ISRA. Em épocas de Paraolimpíadas
formava-se um comitê com representantes de cada entidade, constituindo o IPC, que hoje
é um órgão permanente.
Cada uma dessa entidades normatiza a participação dos atletas, procurando
promover a competição justa e o mais adequada quanto o possível às possibilidades deos
participantes. Inicialmente foi criada a classificação que se baseava em critérios médicos
(IA, IB, IC, II, III, IV, V e VI). Mais tarde outras entidades procuraram criar um sistema de
classificação para cada tipo de sequela segundo sua origem, ou seja, para amputados (A1,
A2, A3, A4, A5, A6, A7, A8, A9), para paralisados cerebrais (CP1, CP2, CP3, CP4, CP5, CP6,
CP7 e CP8), para "Les Autres" (LA1, LA2, LA3, LA4, LA5 E LA6). Mais tarde, iniciou-se um
movimento no basquete em cadeira de rodas que pretendia modificar o conceito da
classificação, baseando-a na funcionalidade motora do indivíduo com relação às
demandoas motoras da modalidade. Essa classificação é dinâmica e ainda recentemente
sofreu modificações (1; 1,5; 2; 2,5; 3; 3,5; 4; 4,5) para adequar as capacidades dos
indivíduos às solicitações do jogo, procurando criar uma competição mais justa.
Seguindo a experiência do basquete, outras modalidades procuram seguir o
mesmo conceito, até mesmo numa tentativa de promover a integração entre os
portadores das várias deficiências motoras. Por este motivo essas classificações ainda
estão passando por modificações constantes, dificultando o aprendizado e divulgação das
mesmas para as pessoas não envolvidas nos movientos esportivos.

emh,98
9

Barreiras arquitetônicas:

Para que se consiga um desenvolvimento sócio-afetivo adequado é necessário que


as pessoas portadoras de deficiências tenham acesso aos locais de educação, saúde,
recreação e lazer. Muitas vezes observamos que apesar de se procurar desnvolver
programas de atendimento e recuperação, o governo e a sociedade em geral esquecem de
facilitar o acesso dessas pessoas às situações comuns da vida. Existe uma legislação que
determina normas de construção de prédios públicos os quais devem permitir o acesso às
pessoas portadoras de deficiências motoras. Mas o que se observa é que o prório governo
é que deixa de cumprir essa legislação, dificultando a divulvação e o incentivo particular de
respeitar tais critérios.
Isso garantiria a concientização da sociedade da existência dessas pessoas,
procurando preservar os direitos básicos de cidadania eliminando as formas excludente de
acesso aos benefícios sociais, bem como eliminando a discriminação. O símbolo
internacional de acesso (fig.1) aparece em qualquer lugar do mundo onde tenham sido
removidas as barreiras ambientais. Essas barreiras ambientais são: escadas, portas
estreitas, degraus de calçadas, banheiros estritos e sem apoio adequado, maçanetas,
torneiras, interruptores de luz, telefones públicos, meios de tranporte públicos,
estacionamentos e muitos outros.

Figura 1 - Símbolos internacionais de acesso.

No caso de escolas e centros esportivos é necessário que o técnico ou professor de


educação física que pretenda trabalhar com pessoas portadoras de deficiências motoras
conheça as barreiras arquitetônicas existentes em seu local de trabalho e procure superá-
las facilitando o acesso de seus alunos.
O símbolo internacional de acesso deve ficar colocado em todo local reservado ou
adaptado para pessoas portadoras de deficiências motoras.

Atividades em cadeira de rodas e as regras adaptadas:

A maioria das crianças inicia a prática regular de atividades físicas dirirgidas durante
a fase escolar. Aquelas que são portadoras de deficiências motoras muitas vezes são
dispensadas dessa atividades, privando-se da experimentação de suas potencialidades e
limitações no plano motor. Além disso, poucos profissionais da Educação Física e do
Esporte estão habilitados a entender e atender as necessidades dessas crianças.
Inicialmente aquelas que se utilizam de cadeira de rodas para sua locomoção já
devem estar habituadas a manejar esta cadeira para participar de programas de atividades
10

motoras, uma vez que este treinamento inicial deve ser feito nos centros de reabilitação.
Na escola, a criança deve explorar os locais para a prática de atividades físicas, desenvolver
agilidade no manejo da cadeira, bem como procurar vencer obstáculos que, até então
eram pouco explorados ou desconhecidos. Podemos citar algumas habilidades básicas:

- posicionamento
- empunhadura ou pegada
- deslocar-se para frente e para trás com ambas as mãos
- frenagem
- girar para esquerda e para a direita de 45o até 360o
- deslocar-se entre obstáculos
- subir e descer degraus
- empinar a cadeira e executar giros nesta posição
- deslocar-se com a cadeira na posição empinada
- desenvolver agilidade e destreza na cadeira visando mudanças de direção rápidas
- aprender a manejar a cadeira com apenas uma das mãos
- manejar a cadeira com uma das mãos e manipular outro objeto com a outra mão (ex:
lançar e receber uma bola)
- passar entre obstáculos e executar giros durante o trajeto visando ocupar o menor
espaço para o deslocamento.
- aumentar a capacidade de resistência ao deslocamento
- aumentar a velocidade do deslocamento

A partir daí o indivíduo estará pronta para iniciar o conhecimento das regras de
modalidades esportivas, adaptadas ou não para a prática em cadeira de rodas. Muitas
vezes, percebe-se que os adolescentes e adultos nunca passaram por estas experiências,
limitando-se à um deslocamento precário na cadeira de rodas o que limita suas
possibilidades de acesso às atividades profissionais, educacionais, esportivas, de recreação
e de lazer.
Dentro das modalidades esportivas podemos encontrar adaptações de regras para
a prática em cadeira de rodas no basquete, no volei, no atletismo (pista e campo), arco e
flecha, bocha, esgrima, tiro ao alvo, tênis de mesa e tenis de campo, dentre outros.
Existem também as modalidaes esportivas que são adaptadas para quem é dependente da
cadeira de rodas, mas pode se libertar dela para praticar tais atividades, com por exemplo
o volei sentado, a natação, halterofilismo. Existem também modalidades que foram
criadas exclusivamente para os dependentes da cadeira de rodas, utilizando o
equipamento e a limitação motora como determinantes da prática, como o rugby em
cadeira de rodas.
As adaptações procuram se adequar ao máximo as regras já existentes,
minimizando assim a segregação já imposta pela condição deficiente. Os locais a serem
utilizados devem ser na maioria das vezes os mesmos que os utilizados pela modalidade
sem adaptações. A construção de novos locais ou transformação dos já existentes
encontra muita resistência, sendo o principal motivo alegado a dificuldade de se conseguir
recursos financeiros ou de se investir muito para tão poucos, uma vez que a parcela da
população portadora de deficiências que procura ou sabe da possibilidade da prática
esportiva é bastante reduzida. Mesmo assim, quando uma modificação se torna
necessária, procura-se planejar a atividade com aproveitamento dos recursos já existentes
e poucas modificações a serem executadas.
Em geral o tempo, o número de jogadores e alguns fundamentos são modificados a
fim de permitir e facilitar a execução da modalidade.

Atividades físicas com amputados, paralisados cerebrais e "Les Autres":

emh,98
11

De forma geral os portadores de deficiências motoras devem ser estimulados a


praticar atividades físicas desde cedo, procurando assim tomar consciência de suas
limitações mas também de suas potencialidades. Cada patologia apresenta características
particulares que podem se tornar um impediemnto na vida do indivíduo com podem ser
facilmente superads ou ser motivo de prover a busca da independência e desnvolvimento.
Entre os médicos é de consenso que os amputados podem executar qualquer
atividade desde que a prótese esteja bem adaptada. Quando atividades vigorosas forem
desenvolvidas recomenda-se que a prótese seja adequada à essas sobrecargas e impactos,
além de se desenvolver o equilíbrio, coordenação, agilidade, resistência e velocidade. O
equilíbrio é o aspecto da performance motora que tras maiores problemas aos amputados.
Aqules que possuem amputação unilateral dos membros inferiores devem aprender a
utilizar o membro remanescente a chutar bola enquanto o protetisado mantém o peso do
corpo; ao subir degraus deverá iniciar com o membro remanescente; ao descer degraus
executar exatamente da maneira inversa.
O amputado bilateral tem amis dificuldades nas mesmas atividades, às
vezesnecessitando do auxílio de muletas. Com relação aos membros superiores
apresentam dificuldades nas habilidades manipulativas e nas modalidades esportivas que
se utilizem de implementos, pois o membro superior amputados não promove o
equeilíbrio necessário pelo princípio da oposição.
Sugere-se o desenvolvimento de atividades que promovam o equilíbrio, provam a
postura e agilidade. As atividades desenvolvidas sem a utilização da prótese também são
recomendadas, uma vez que podem promover e desenvolver uma maior conhecimento
corporal e até descobrir novas amplitudes e limitações dos movimentos. Existem também
atividades desenvolvidas com muletas, como futebol. Os esportes que são praticados
pelos amputados à nível de competições internacionais são: futebol de muletas, atletismo
(pista - com prótese ou cadeira de rodas e campo - com e sem prótese ou cadeira de
rodas), natação, basquete em cadeira de rodas, voleibol sentado, voleibol em pé (com
prótese), halterofilismo, tenis de mesa (sentado ou em pé), tenis de campo (entado e em
pé), ciclismo (com e sem prótese), e muitas outras modalidades.
Os portadores de lesões medulares, poliomielite, mielomeningocele locomovem-se
em cadeira de rodas, por isso parte de seu sucesso nas atividades físicas depende da
cadeira adequada, com encosto, inclinações e tamnhos adequados. As modalidades
esportivas desenvolvidas com cadiras de rodas são: basquete, tenis de mesa e campo,
atletismo (pista e campo), e muitas outras atividades coletivas ou individuais podem ser
desenvolvidades com cadeiras de rodas. Algumas atividades como dança e ginástica
podem ser desenvolvidas com e sem a utilização da cadeira de rodas. Outras atividades
são desenvolvidas sem a utilização de qualquer auxílio, seja em cadeira de rodas, muletas
ou órteses como a natação.
Os portadores de distúrbios de origem neurológica também podem passar pelas
cituações descritas acima. Sua dificuldade maior está na coordenação e execução de
movimentos harmônicos, ritimados e suaves. As alterações de tônus levam à limitações da
amplitude dos movimentos bem como no rítimo dos mesmos. Normalmente aqueles que
possuem um aumento de tônus, precisam trabalhar suas amplitudes de movimento bem
como procurar promover relaxamento para facilitar a execução de movimentos,
deslocamentos e transferências posturais. Vencida esta etapa as habilidades manipulativas
devem ser exploradas e desenvolvidas. Num terceiro momento a integração destas
atividades pode ser estimulada facilitando a coordenação e procurando desenvolvera
agilidade.
Os esportes para paralisados cerebrais mais comuns são: bocha, natação ,
atletismo, futebol de salão, futebol de 7, ciclismo, além de atividades desenvolvidas
especificamente para esses indivíduos.
12

De maneira geral muitas são as possibilidades já conhecidas, mas a inteiração


professor/aluno, aluno/aluno promove novas descobertas que somente situações
particulares desse entrosamento é que farão surgir novas possibilidades. Cabe aos
profissionais que tiverm essa oportunidade soltar sua imaginação e a criatividade, dando
oportunidade aos alunos de expressarem ao máximo suas potencialidades, colocando, à
medida do possível, desafios maiores.

Bibliografia:

ADAMS, J. A. e CREAMER, L. R. Proprioceptive variables as determiners of antecipatory


timing behavior. Human Factors, Londres, 4:217-222, 1963.

ARNHEIM, D. D., AUXTER, D. e CROWE, W. C. Principles and methods of adapted physical


education. St. Louis, The C. V. Mosby Company, 1973.

AUXTER, D. e PYFER, J. Principles and methods of adapted physical education and


recreation. St. Louis, Times Mirror/Mosby College Publishing, 1985.
BLECK, E. Cerebral palsy. In Physically handicapped children - A medical atlas for
teachers. Grune and Stratton - A subsidiary of Harcourt Brace Jovanovich Publisher,
1982.

BLOWMQUIST, B. Classificação funcional da natação. Texto não publicado, 1988.

BOBATH, K. The motor deficit in patients with cerebral palsy. London: Clinics in
Development Medicine, 1966.

BOBATH, K. e BOBATH, B. The neurodevelopmental treatment of cerebral palsy. Physical


Therapy 47:1039-1041, 1967.

CLARKE, H. H. e CLARKE, D. H. Developmental and adapted physical education.


Englewood, New Jersey, Prentice-Hall Incompany, 1978.

CRATTY, B. J. Teaching motor skills. New Jersey, Englewood Cliffs, 1973.

DE PAUW, K. P. Sport for individuals with disabilities. Adapted Physical Activity


Quarterly, 5(2):119-124, 1988.

DROWATSKY, J. N. Educacion física para niños deficientes mentales. Buenos Aires,


Editora Panamericana, 1973.

DUNN, J. M. Physical activity for severely handicapped: theoretical and practical


considerations. Champaign, Human Kinetics Publisher, 1981.

DUNN, J. M., MOREHOUSE, J. W. e FREDERICS, H.D. Physical education for severely


handicapped, Austin, Pro-Ed., 1986.

emh,98
13

DUNN, J. M. Methodological considerations in program development. In Doll-


Tepper/Dahms/Doll/von Selzan editors, Adapted physical activity - an interdisciplinary
approach. Berlim Heidelberg, Spring-Verlag, 1990.

EICHSTAEDT, C. B. e KALAKIAN, L. H. Developmental/adapted physical education: making


ability count. New York, Mac Millan Publishing Company, 1987.

LASKAS C. A., MULLEN, S. L., NELSON, D. L., WILSON-BRYLER, M. Enhanceiment of two


motor functions of the lower extremity in a child with spastic quadriplegia. Physical
Therapy, 65(1):11-16, 1985.

MAGILL, R. Aprendizagem motora - Conceitos e aplicação. São Paulo, Editora Edgard


Blucher, 1984.

MATTOS, E. Formação de recursos humanos para a área de educação física adaptada, in:
IV Simpósio Paulista de Educação Física Adaptada, Anais, 1992.

___ Adaptação ao meio líquido para crianças portadoras de paralisia cerebral: uma
proposta de avaliação. Dissertação de mestrado, São Paulo, EFEUSP, 1994.

MORAN, J. M. e KALAKIAN, L. H. Movements experiences for mentally retarded or


emotionally disturbed child. Minneapolis, Burgess Publishing, 1977.

NUGENT, T. Y.. Research and demonstration needs for the physically handicapped.
Journal of Health, Physical Education and Recreation, maio, 47-48, 1969.

PEDRINELLI, V. J. Educação física adaptada: a criança portadora de DM, DA, DV,DF e a


prática de atividade física. São Paulo, Apostila do Departamento de Ginástica da Escola
de Educação Física da Universidade de São Paulo, 1991.

PODOLL, P. A. Swimming reabilitation of the physically handicapped. In: Clement, A.


editors. Selected articles. New York, 1971.

SARAIVA, S. O meio líquido, Lisboa, Editora Casa do Livro, 1972.

SEAMAN, J. A. e DE PAUW, K. P. The new adapted physical education - a developmental


approach. Palo Alto, California Mayfield Company, 1982.

STAINBACK, S., STAIBACK, W., WEHMAN, P., SPANGURS, L. Acquisition and


generalisation of physical fitness exercises in three profoundly retarded. JASH, 8:47-55,
1983.

THE AMERICAM NATIONAL RED CROSS Adapted aquatics. New York, Doubleday and
Company,Inc., 1977.

WINNICK, J. P. e SHORT, F. X. Physical fitness testing for disabled. Champaign, Human


Kinetics Publisher Inc., 1985.

ZUHRT, R. Desenvolvimento motor da criança deficiente. São Paulo, Editora Manole,


1983.