Você está na página 1de 87

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO - ROTEIROS DO BRASIL

Plano de Desenvolvimento
Sustentável da Região Turística

REGIÃO METROPOLITANA
Turismo, Regionalização e Planejamento Estratégico no
Espírito Santo
Quando se trabalha de forma coordenada e integrada, a capacidade de provocar mudanças se fortalece. As transformações
deixam de ser apenas sonhos e passam a fazer parte da realidade. Nessa perspectiva, foi criado o Programa de
Regionalização do Turismo – Roteiros do Brasil e é por meio dele que União, Estados e Municípios, juntos, impulsionam a
construção coletiva do desenvolvimento sustentável da atividade turística no País.

O Espírito Santo foi dividido em 10 regiões turísticas e o Programa de Regionalização foi implantado, como projeto-piloto, em
três regiões: Verde e das Águas, Montanhas Capixabas e Metropolitana.

Nessas três áreas foram elaborados os planos de desenvolvimento sustentável das regiões turísticas, considerando as diretrizes
do Plano Nacional de Turismo -2003 e o Plano de Desenvolvimento Sustentável do Turismo do Espírito Santo 2025.

A proposta é transformar as ações, antes centradas nos municípios, em uma política pública mobilizadora, capaz de promover
mudanças por meio de um planejamento sistematizado e participativo, a fim de coordenar o processo de desenvolvimento
turístico de forma regionalizada e integrada em nosso Estado.
A implantação do Programa depende, portanto, da cooperação e da parceria de todos os agentes envolvidos, sejam públicos ou
privados. Devemos estar unidos em torno de objetivos comuns, como a diversificação da oferta turística, a qualificação dos
produtos, a estruturação dos destinos turísticos, a ampliação e qualificação do mercado de trabalho, o aumento da inserção
competitiva do produto turístico no mercado nacional e internacional, e o aumento da taxa de permanência, assim como do
gasto médio do turista.

Na etapa inicial do Programa, institucionalizou-se uma instância de governança em cada região turística, criada a partir dos
processos de sensibilização e mobilização, identificação dos atores com representatividade nos municípios e capacitação dos
mesmos para o trabalho de gestão.

As agências regionais terão nos planos que ora lançamos, o principal instrumento de orientação, diálogo e negociação entre
os atores envolvidos, aproximando-os e fortalecendo-os para a construção de um turismo de qualidade no Espírito Santo.

Paulo Hartung
Governador do Estado do Espírito Santo
Neste momento tão importante da história do Espírito Santo onde a moralidade e o respeito à coisa publica são
acompanhados por um desenvolvimento de índices sul asiáticos, fazendo com que os capixabas se orgulhem de seu estado e
passem novamente a valorizar sua origem e sua cultura, este projeto lança os pilares de um novo modelo turístico onde o
homem e a natureza, o social, a cultura e o desenvolvimento econômico se amalgamam para construção de um turismo auto-
sustentável.
Este projeto vai oportunizar aos administradores públicos e privados um inventário de todos os equipamentos turísticos
do estado, uma análise de sua infra-estrutura e a diversificação da oferta turística de maneira ordenada e sistematizada, de
modo a ser referência para os futuros projetos turísticos a serem implantados em solo capixabas. Tendo sido concebido sob o
viés da sustentabilidade, envolveu as comunidades locais e os demais atores turísticos para a criação de um roteiro que,
continuamente, será trabalhado moldando e qualificando a oferta turística, promovendo a comercialização dos produtos
turísticos.
Com a conclusão deste projeto trilhamos um novo caminho para o turismo no Espírito Santo. Um caminho pautado nos
princípios éticos da governabilidade e palatável à sociedade capixaba que perceberá seus resultados através da melhor distribuição
de renda, geração de riquezas, justiça social e empregabilidade.

Marco Azevedo
Presidente do Espírito Santo Convention & Visitors Bureau
Sumário

1. Introdução
1.1. Antecedentes 6
1.2. Metodologia 11
1.3. O turismo no Espírito Santo 21

2. O Plano de Desenvolvimento Sustentável


da Região Metropolitana
2.1. A situação Atual da Região Metropolitana 26
2.2. As Estratégias para a Região Metropolitana 67
2.3. O Plano de Ação para a Região Metropolitana 77

3. Índice de gráficos, figuras e tabelas 83

4. Equipe Técnica 85
1.1. Antecedentes
Os Planos de Desenvolvimento Sustentável do Turismo para as Regiões Turísticas do Verde e das Águas, Montanhas
Capixabas e Metropolitana no Estado do Espírito Santo, foram desenvolvidos considerando e, em sintonia, com todo o
processo de planejamento do turismo que vem sendo implantado no Brasil, desde o Plano Nacional de Turismo de 2003 até
o Plano de Desenvolvimento Sustentável do Estado do Espírito Santo 2025.
Dentro deste contexto e com a finalidade de integrá-los com o Plano Cores do Brasil – Marketing Turístico Nacional e com
o Plano Aquarela – Marketing Turístico Internacional foi adotada, inicialmente, a mesma metodologia técnica utilizada
anteriormente nestes trabalhos.

O Plano Nacional de Turismo

O Plano Nacional de Turismo, criado e implantado em 2003, trouxe aos setores ligados à indústria do turismo novas
perspectivas apontadas pelo Governo no campo dos investimentos para o seu desenvolvimento no País. O Plano Nacional do
Turismo teve como proposta aumentar a oferta turística, incentivar a competitividade no mercado interno, melhorar a
qualidade dos serviços prestados e ampliar os investimentos governamentais para a infra-estrutura de apoio ao turismo.
Além do aspecto econômico do turismo, o Plano Nacional também tem como finalidade o fomento, a promoção e a
orientação de toda uma estratégia para o setor que resulte na consolidação do turismo como atividade promotora da
melhoria da qualidade de vida das comunidades envolvidas por meio da integração social, construção da cidadania e
desenvolvimento sustentável.
INTRODUÇÃO

O Programa de Regionalização do Turismo

Com o objetivo de garantir o êxito da atividade turística como um fator de crescimento econômico, associado a valores
culturais, ambientais e sociais, o Programa de Regionalização do Turismo se estruturou em nove Módulos Operacionais, dos
quais, um deles é dirigido à elaboração de um Plano Estratégico de Desenvolvimento do Turismo Regional. Esse Plano que
deverá ser elaborado para todas as regiões turísticas que estejam envolvidas no processo, tem por objetivo definir hoje, o
que se fará no futuro para atender os objetivos de desenvolvimento da região.

As Diretrizes Operacionais do Programa estabelecem um conjunto de nove Módulos que apresenta conceitos, princípios e
orientações para a condução do processo de desenvolvimento do turismo no âmbito da Região Turística, especificamente:

· Sensibilização

· Mobilização

· Institucionalização da Instância de Governança Regional

· Plano Estratégico de Desenvolvimento do Turismo Regional

· Implementação do Plano Estratégico

· Sistema de Informações Turísticas do Programa

· Roteirização

· Promoção e Apoio à Comercialização

7
O Plano Cores do Brasil
O Plano de Marketing Turístico Nacional do Brasil considerou para a análise dos produtos turísticos brasileiros, o conjunto
dos roteiros turísticos, que se encontravam em fase de estruturação para serem ofertados em 2005. Os seus principais
objetivos foram:
· Analisar as ações promocionais do turismo interno realizadas nos últimos anos;
· Analisar a imagem atual do Brasil como destino turístico e de seus produtos turísticos;
· Avaliar os 219 pólos turísticos do Brasil definidos pelo Programa de Regionalização do Turismo, da Secretaria Nacional de
Políticas de Turismo do Ministério do Turismo;
· Definir a estratégia de marketing turístico nacional adequada para atingir os objetivos propostos pelo Plano Nacional de
Turismo para o período 2003 – 2007;
· Estabelecer a integração da marca turística internacional do Brasil com as ações de marketing que serão desenvolvidas no
mercado nacional;
· Propor critérios técnicos para as ações de promoção nacional compartilhadas com os fóruns estaduais de promoção;
· Elaborar um plano operacional de marketing preciso e factível, inteligível sob o ponto de vista comercial, com seus
programas, ações, calendários e orçamentos;

O Plano Espírito Santo 2025


Em 2003 o governo do Estado elaborou o Plano Estratégico do Governo do Estado do Espírito Santo, dentro de uma prática
de governo considerada fundamental nessa gestão: o planejamento estratégico.
Em 2006 foi apresentado o Plano Espírito Santo 2025, que estabelece uma visão de futuro e um caminho para o
desenvolvimento do Estado, com programas, projetos e ações para cada um dos arranjos produtivos instalados.

Desde 2003 três macro-objetivos foram estabelecidos no planejamento estratégico do governo estadual:
· Promover o desenvolvimento sustentável socioeconômico do Estado;
· Reconstruir e modernizar a máquina pública do Estado;
· Promover o choque ético no Estado.

O Plano de Desenvolvimento Sustentável do Estado do Espírito Santo


Em 2003 também foi elaborado o Plano para o arranjo produtivo do turismo, dentro desse contexto do planejamento do
governo estadual. O processo de trabalho foi executado de forma participativa, através de oficinas de trabalho e o
documento final foi publicado em 2004 com o título Plano de Desenvolvimento do Turismo 2004-2013, com o objetivo de
tornar-se um instrumento eficaz de organização do setor.

Em 2006 foi elaborado e apresentado o Plano de Desenvolvimento Sustentável do Turismo 2025. “Inserido no modelo de
desenvolvimento socialmente inclusivo, ambientalmente sustentável e geograficamente desconcentrado, este plano
também dialoga com o Espírito Santo 2025”, e também se ajusta à Política Nacional de Turismo e dos planos que a
norteiam.

Para efeito do Plano de Desenvolvimento do Turismo, o Espírito Santo foi dividido em 10 regiões turísticas. A idéia é de que
os roteiros as contemplem de forma a integrar atrativos e segmentos diferenciados, valorizando e criando novos espaços de
turismo.

9
Regiões Turísticas do Espírito Santo
Figura 1

1. Região Metropolitana

2. Região do Verde e das Águas


3. Região da Costa e da Imigração
4. Região Sul
10
5. Região do Caparaó
N
6. Região Montanhas Capixabas
8
7. Região dos Imigrantes

8. Região das Pedras, do Pão e do Mel 9


9. Região Doce Pontões Capixaba 2
10. Região Extremo Norte
7
1
6
5 4
3
1.2. Metodologia
O Plano de Desenvolvimento Sustentável da Região Turística compreende, portanto, uma das fases do Programa de
Regionalização do Turismo e foi elaborado em 3 fases:

FASE I – ANÁLISE DA SITUAÇÃO ATUAL

FASE II – FORMULAÇÃO DA ESTRATEGIA

FASE III– PLANO DE AÇÃO

Fase I – Análise da Situação Atual


Um Plano de Desenvolvimento Turístico tem como objetivo transformar recursos em produtos turísticos.
Para conhecer a região profundamente e a sua realidade de forma objetiva, a primeira fase do Plano constitui-se em um
trabalho de Análise da Situação Atual, que descreve uma visão atualizada e abrangente da região turística, com suas
características, relações com o mercado, análise dos programas e políticas atuais e avaliação dos recursos, atrativos,
produtos e do desenvolvimento turístico.

Esta fase foi iniciada pela análise da região turística e do mercado a ela associado, por meio de avaliação das informações
contidas nos inventários turísticos disponíveis, no dimensionamento da demanda turística, análise da concorrência local no
âmbito da atividade turística, no levantamento e determinação da capacidade de suporte da região, na caracterização

11
sócio-econômica e cultural da região, no levantamento dos projetos e programa existentes, levantamento dos pontos fortes
e fracos, das oportunidades e ameaças. A elaboração desses Planos foi feita em conjunto com os atores locais,

representantes municipais e da iniciativa privada, sociedade civil organizada. A metodologia para a elaboração dos Planos
Estratégicos se deu através da realização de consultoria técnica e oficinas.

Os dados referentes ao perfil do turista foram analisados a partir da pesquisa de demanda elaborada pela SEDETUR -
Secretaria de Estado de Desenvolvimento e Turismo, em conjunto com o Espírito Santo Convention & Visitors Bureau. Desde
2004, a SEDETUR realiza pesquisas em épocas distintas com o objetivo de identificar o perfil do turista e seus hábitos de
consumo nas regiões do estado do Espírito Santo, mas neste trabalho optou-se por considerar os dados referentes à alta
temporada de 2005 e 2006 por apresentarem metodologias compatíveis para análise.

O Inventário dos recursos e dos atrativos turísticos foi realizado a partir do Inventário Turístico dos Municípios, realizado
pelo Sebrae, as informações disponibilizadas foram transferidas e estruturadas em um banco de dados sobre o turismo em
cada região.

Este banco de dados foi sistematizado e utilizado nas oficinas para que as equipes gestoras pudessem avaliar cada recurso,
atrativo e serviço de seu respectivo município. A fim de complementar o processo de avaliação dos recursos e atrativos
foram realizadas visitas técnica pelos consultores da Chias Marketing com a finalidade de estruturar produtos para o
mercado nacional e internacional.
A partir da visita foram ajustadas informações, agrupados atrativos por conjunto de acordo com suas características
intrínsecas, bem como o seu papel na formação da identidade regional. Foram considerados apenas os atrativos com
características excepcionais, sendo excluídos os recursos de interesse totalmente local.

A avaliação dos Atrativos Turísticos utilizou a metodologia para valoração dos recursos e produtos desenvolvida pela Chias
Marketing considerando:

• Valor Potencial

SINGULARIDADE
O que distingue um recurso pelo fato de ser único no Mundo, nas Américas, no
Brasil, no Espírito Santo e na Região.
Quanto mais singular, maior será o âmbito de atração geográfica do mesmo.

VALOR INTRÍNSECO
Valor de cada um dos recursos, em uma análise comparativa que os faça destacar
dentro da sua própria categoria (museus, prédios, natureza, parques).

IDENTIDADE REGIONAL
Valor que tem um recurso pelo fato de ser do próprio local, neste caso da Região
Turística, ainda que não seja especificamente um recurso turístico.
Existe um grande valor diferencial naquilo que forma parte da identidade do
lugar.

13
Para determinar o valor potencial, os recursos e produtos foram avaliados separadamente, considerando os critérios de
singularidade, valor intrínseco e identidade regional, com valores variando entre 1e 5 pontos para cada um dos três
critérios. Foram consideradas a avaliação dos consultores e a opinião dos técnicos e dos interlocutores municipais. A soma
total das notas ponderadas é o valor da potencialidade dos Roteiros Turísticos de cada Região Turística para os diferentes
mercados.

• O Grau de Aproveitamento

NOTORIEDADE
Grau de conhecimento do produto em nível nacional e internacional, tanto pelos
turistas, como pelos operadores e pela mídia. Quanto maior conhecimento, maior
probabilidade de compra do produto.

CONCENTRAÇÃO DE OFERTA
Valor derivado da existência de mais ofertas para fazer a mesma atividade e/ou
outras atividades turísticas e lúdicas – visitar, comer, dormir, passear, praticar
esportes – no mesmo destino. É mais fácil atrair o turista quando existem muitas
coisas para ver e fazer.

O Grau de Aproveitamento

A avaliação do grau de aproveitamento dos recursos e produtos turísticos foi realizada após o estabelecimento da
potencialidade, considerando os critérios de concentração de oferta e notoriedade de cada um.
A avaliação examina também o estágio de desenvolvimento turístico da região, principalmente no que tange à
acessibilidade e capacidade de atendimento de cada produto. Com este objetivo foi criada uma matriz de análise, que
avaliou as atividades turísticas (Visitar e Comprar), a estrutura turística (Dormir e Comer), e o acesso (Conexões aéreas,
Conexões rodoviárias, Outras conexões e Sinalização geral e in situ).

Ao final, foi estabelecido o ranking dos principais atrativos turísticos de cada região considerando os melhores resultados
obtidos de acordo com o Valor Potencial. O cruzamento destes resultados com a avaliação da estrutura e serviços turística
determina os estágios de crescimento e desenvolvimento atual e estabelece os subsídios para a elaboração da estratégia a
ser adotada.

A Opinião Interna

A análise da opinião interna foi elaborada a partir dos resultados das várias oficinas de planejamento participativo
realizadas no período de junho a agosto em diversos municípios das regiões turísticas. As oficinas foram promovidas em
conjunto com as instituições parceiras e atuantes no desenvolvimento do turismo de cada região, com a coordenação
técnica da SEDETUR e da Chias Marketing. Participaram de cada uma destas oficinas cerca de 40 pessoas envolvidas
diretamente com a atividade turística das regiões, seja no âmbito público, privado ou no terceiro setor.

Estas oficinas tiveram como primeiro objetivo nivelar os conceitos de planejamento estratégico e depois traçar em conjunto
com a comunidade local as metas, os objetivos e os projetos estratégicos prioritários para cada região.

15
Os resultados das oficinas subsidiaram o estabelecimento das conclusões da análise da situação atual, por meio do tripé
análise FOFA, grau de aproveitamento e do posicionamento atual:

OS GAPS
ANÁLISE FOFA DO TURISMO

O POSICIONAMENTO
ATUAL

Para a análise FOFA foram considerados como pontos fortes e pontos fracos, os aspectos e características positivas ou
negativas da região turística, fatos e realidades com pouca ou nenhuma chance de mudança pela gestão do turismo. Já as
oportunidades e ameaças são as tendências, os pontos, aspectos internos ou externos à Região Turística, que traduzem
circunstâncias positivas ou negativas, convenientes ou inconvenientes, que favorecem ou dificultam o desenvolvimento do
turismo.

Com referência ao entorno, foram considerados três componentes chave do mesmo:

· O entorno geral é o que está imerso no turismo do Estado do Espírito Santo, e muito especialmente aquele que
incide direta e indiretamente sobre o turismo.
· O entorno competitivo, que considera as atuações dos competidores diretos e indiretos.
· O entorno de mercado, que considera a evolução dos, formadores de opinião e protagonistas do consumo
turístico.
A determinação dos Pontos Fortes e Fracos considerou não somente as atuações do setor público do Estado do Espírito
Santo, em especial a cada Região Turística, mas também as do setor privado relacionado com o turismo. As conclusões do
diagnóstico também apontam o grau de aproveitamento dos recursos turísticos.

Conforme já exposto anteriormente, o grau de aproveitamento considera os critérios de concentração de oferta e


notoriedade de cada um dos recursos e/ou produtos, variando de 0% a 100% conforme o conjunto de atividades
apresentadas pelos mesmos e de seu reconhecimento do mercado.

Esta metodologia nos permitiu identificar tecnicamente o estado dos processos de gestão turística de cada região.

O Posicionamento Atual

A determinação do posicionamento atual das regiões foi estabelecida com base em vários elementos. Compreende-se o
posicionamento como imagem comparativa entre a Região e outros destinos concorrentes, tendo por base aquela demanda
que possui conhecimento da Região, ou melhor, do Espírito Santo. Este fato limitou a análise já que, com exceção dos
mercados atuais, as regiões turísticas do Espírito Santo são desconhecidas pelo turista potencial.

Ao final, para a definição do posicionamento atual aplicamos o esquema de posicionamento de territórios desenvolvido
pelo Dr. Josep Chias, que considera a existência de 4 fatores de posicionamento:

17
· O eixo Natureza-Cultura:
· A natureza, com seus diferentes recursos ligados ao mar, florestas, montanhas, praias, rios, etc.
· A cultura, com seus recursos do patrimônio histórico cultural tangíveis e intangíveis e a cultura viva (gastronomia,
festas populares, etc.).

· O eixo Sensações-Estímulos:
· As sensações, como elementos do desfrute das férias e seu rompimento com a vida cotidiana: tranqüilidade, descanso,
desconexão, hospitalidade.
· Os estímulos ou atividades agregadas pelo homem moderno como eventos especiais, compras, espetáculos, jogos, etc.

Fase II – A Formulação da Estratégia


A segunda fase está totalmente ligada à anterior e as duas juntas permitem explicar a situação atual, e mais do que de
forma a julgar o que já foi feito, explica-la objetivamente e apontar a solução para os problemas encontrados, definindo o
futuro desejado.

O QUE QUEREMOS TER

O QUE VAMOS PROMOVER


Para definirmos o objetivo futuro tomamos como base nas questões abaixo como um caminho a ser seguido na construção dos
objetivos do Plano Estratégico tanto para o desenvolvimento do turismo da Região Metropolitana como para sua promoção.

Com base no que foi estabelecido durante as oficinas os objetivos as metas deste documento respeitam o prazo de até 2015.

Um dos objetivos do Plano de Desenvolvimento Turístico Regional é definir uma visão compartilhada de futuro, possível,
realista e sustentável, levando em conta o que se deseja para o desenvolvimento do turismo em cada Região Turística do
Estado do Espírito Santo.

O cruzamento da seleção de produtos/segmentos com a definição dos mercados prioritários permite o estabelecimento do
portifólio de prioridade de produtos por mercado geográfico, que sinaliza as prioridades de ação de acordo com uma escala
que varia 1 (baixa) a 3 (alta). Este portifólio se constitui em elemento central para a distribuição do esforço promocional por
produtos e mercados. E o mesmo será o instrumento para definir o modelo de distribuição do orçamento promocional.

Fase III – Plano de Ação


O Plano de ação ou operacional é a fase onde o futuro desejado começa a ser detalhado em ações concretas com projetos,
cronograma e orçamentos.

A Fase III compreende a descrição dos Macro-Programas, traçados no Plano de Desenvolvimento Sustentável do Turismo do
Espírito Santo, elaborado pela SEDETUR e pelos Projetos Específicos, considerados prioritários para o desenvolvimento e a
consolidação do turismo nas regiões, bem como posicionar o destino no mercado de turístico nacional e internacional.

19
A partir da avaliação dos turistas, da opinião interna e da opinião do trade identificou-se que as ações prioritárias para o
desenvolvimento do turismo em cada Região estão vinculadas à melhoria dos produtos existentes, estruturação de novos
produtos e promoção do destino.

O Plano de Ação foi estruturado a partir de reuniões participativas com a comunidade, gestores municipais e empresários
de cada Região Turística onde se priorizou projetos de curto prazo para o desenvolvimento do turismo da região. Os
projetos específicos foram definidos respeitando os Macro-Programas estabelecidos no Plano de Desenvolvimento
Sustentável do Turismo do Espírito Santo 2025.

O Processo do Turismo
Figura 2
RECURSOS PRODUTOS OFERTAS MERCADO

DESENVOLVIMENTO MARKETING

ATUAÇÕES
ATRATIVOS MERCADOS TRADE
NATURAIS E CULTURAIS
NACIONAL
(patrimônio, artesanato,
INTERNACIONAL CONSUMIDOR
gastronomia, intangiveis)

INFRA-ESTRUTURAS PRODUTOS
E SERVIÇOS
GERAIS E DO SETOR GERAIS
TURÍSTICO ESPECIALIZADOS
+
TURISTAS

PESSOAS +
POSICIONAMENTO RECEITAS
EMPREGOS

ORGANIZAÇÃO MAIOR BEM ESTAR


PLANEJAMENTO
E LEGISLAÇÃO

© CHIAS, Joseph. El Negocio de la Felicidad, 2005. Proibida sua reprodução sem menciona r o autor
1.3. O Turismo no Espírito Santo
Para analisar a situação atual do turismo no Estado do Espírito Santo, foram utilizadas como fontes principais, os dados
fornecidos pela SEDETUR – Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico e Turismo por meio do Plano de
Desenvolvimento Sustentável do Turismo do Espírito Santo, pelo MTur – Ministério de Turismo, pela FIPE – Fundação
Instituto de Pesquisas Econômicas e pela Fundação Getúlio Vargas.

Como em todo o Brasil, a metodologia de pesquisas turísticas ainda sofre de falta de continuidade, tornando assim o
trabalho de interpretação dos dados sujeito a variações em função da realidade local.

• O Fluxo Turístico

O volume do fluxo turístico no Espírito Santo foi computado a partir da contagem de veículos nos postos da Polícia
Rodoviária nas Rodovias Federais BR 101 e BR 262, além dos embarques realizados nas estações rodoviárias de Guarapari e
Vitória, na estação ferroviária Pedro Nolasco e da movimentação de passageiros no Aeroporto de Vitória. Estes locais são
considerados como portões de entrada do destino e a movimentação de passageiros e veículos nos mesmos podem ser
consideradas como números indicativos para a determinação do fluxo turístico.
4,00
3.503.58
3,50
Fluxo Anual de Turistas - em milhões 2.872.43
3,00 2.403.00
Gráfico 1
2,50
2,00
1,50
1,00
0,50
Fonte: SEDETUR 0,00
2003 2004 2005

21
O volume do fluxo turístico no Espírito Santo foi computado a partir da contagem de veículos nos postos da Polícia
Rodoviária nas Rodovias Federais BR 101 e BR 262, além dos embarques realizados nas estações rodoviárias de Guarapari e
Vitória, na estação ferroviária Pedro Nolasco e da movimentação de passageiros no Aeroporto de Vitória. Estes locais são
considerados como portões de entrada do destino e a movimentação de passageiros e veículos nos mesmos podem ser
consideradas como números indicativos para a determinação do fluxo turístico.

Volume de passageiros via terrestre no Brasil


Tabela 1

Passageiros Distância Percorrida


(em milhões) (em milhões de Km)
Estado
Número % Número %
São Paulo 5.910,1 20,2% 286,3 19,6%
Goiás/D. Federal 5.136,8 17,6% 209,1 14,3%
Paraná 2.745,0 9,4% 164,6 11,3%
Minas Gerais 2.605,4 8,9% 136,2 9,3%
Rio de Janeiro 1.892,1 6,5% 94,7 6,5%
Bahia 1.407,2 4,8% 62,5 4,3%
Pernambuco 1.247,7 4,3% 56,7 3,9%
Rio Gde. do Sul 1.213,1 4,2% 77,1 5,3%
Espírito Santo 1.166,9 4,0% 50,1 3,4%
Santa Catarina 899,9 3,1% 42,1 2,9%
Outros U.F. 4.989 15% 277,0 20%
Total 29.209,6 100% 1.457,3 100%

Fonte: Ministério do Turismo/ANTT/SINDETUR, 2005.


Já com relação à entrada de turistas por acesso aéreo houve constância no volume de passageiros no período comparativo
de alta temporada entre os anos de 2005 e 2006.

Volume de Passageiros por mês no Aeroporto de Vitória / 2003-2006


Gráfico 2

160000
140000
120000
100000
80000
60000
40000
20000
0
Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez.

2003 2004 2005 2006

Fonte: SEDETUR

Os gráficos acima apresentam o volume de passageiros que chegaram no Estado pelo aeroporto de Vitória. Nos anos de
2004 e 2005 percebe-se a mesma freqüência em volume de passageiros por mês com destaque para os meses de julho e
dezembro onde o volume em fluxo é maior, já em fevereiro há uma retração. A cada ano o movimento de passageiros pelo
aeroporto aumenta, confirmando este fato os números apresentados já no primeiro trimestre de 2006.

23
Já com relação à entrada de turistas por acesso aéreo houve constância no volume de passageiros no período comparativo
de alta temporada entre os anos de 2005 e 2006.

Movimento de Passageiros no Aeroporto de Vitória (2003-2005)


Gráfico 3

1800000
1515104
1500000 1174777 1241499
1200000
900000
600000
300000
0
2003 2004 2005

Fonte: SEDETUR

Atualmente estão previstas obras de reforma e ampliação do Aeroporto de Vitória, pois segundo a Infraero, o volume de
passageiros que circulam pelo aeroporto é superior em três vezes a sua capacidade normal (560 mil passageiros/ano). Só no
ano de 2005, passaram por ele 1,5 milhão de pessoas.
PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA REGIÃO METROPOLITANA
2. O Plano de Desenvolvimento Sustentável
da Região Metropolitana
2.1. Fase I – Análise da Situação Atual
2.1.1. O Perfil do Turista da Região Metropolitana
A pesquisa do perfil do consumidor da Região Metropolitana envolveu os municípios de Fundão, Serra, Cariacica, Vila Velha,
Vitória e Guarapari, somente o município de Vianna, pertencente à Região Turística Metropolitana, não foi contemplado
neste estudo.
O período mais expressivo em termos de aumento do fluxo turístico foi na alta temporada (classificada pela SEDETUR como
o mês de janeiro), apresentando percentual de 76% no aumento do fluxo total de turistas entre a temporada de 2005 para
2006.

Fluxo Turístico na Alta Temporada Região Metropolitana


Gráfico 4 e 5
2005 2006
Rodovias
18.316 16.997
24.612
19.182 Rodoviária Vitória
32.043
33.208
101.119 Aeroporto
57.584
250.000 Rodoviárias
Guarapari
491.620
Ferroviária
TOTAL: 378.290 TOTAL: 666.391
Fonte: SEDETUR
Com relação ao número de turistas na Região Metropolitana o dado disponível é do Plano de Desenvolvimento Sustentável
do Turismo do Espírito Santo- 2025, conforme demonstra a tabela:
Quantidade de turistas e gasto médio individual – Região Metropolitana
Tabela 2

Variável Média Temporada Baixa temporada Alta temporada Total e


2005 2005 2005 média gasto/2005

Quantidade 404.762 443.837 666.392 1.514.991


de turistas

Gasto médio R$ 44,98 R$ 89.96 R$ 31,07 R$ 55,33


individual diário

Fonte: o Plano de Desenvolvimento Sustentável do Turismo do Espírito Santo - 2025, pesquisa SEDETUR.

Segundo a SEDETUR, a análise do gasto médio do turista na região foi computada a partir da somatória dos gastos com
transporte, alimentação, hospedagem, compras e diversão durante todo o tempo de viagem no local por grupo (estadia
completa). Para atingir o valor médio gasto individualmente, o valor total da estadia completa foi dividido pelo número de
dias e pelo número de pessoas que formavam o grupo. O tamanho médio estabelecido para o grupo foi de 3 pessoas e, a
estadia média de 13 dias.

50%
Origem do Turista 40%
Região Metropolitana 30%
Gráfico 6
20%
10%
0%
Minas Gerais Espírito Santo Rio de Bahia Distrito Outros
Janeiro Federal

Fonte: SEDETUR, 2006. 2005 2006

27
O principal meio de transporte utilizado foi o rodoviário, especificamente o automóvel particular (59%). Este dado
comprova os resultados da última pesquisa elaborada pela FIPE sobre o turismo doméstico. Segundo a pesquisa, o número
de brasileiros que viajam pelo país e preferem carro subiu para 48,7% em 2006, ante 39% em 2002. Por outro lado, o
percentual dos que utilizam ônibus para as viagens caiu para 21,7%, ante 29,1% em 2002.

Meio de Transporte
Gráfico 7

3% 2%
9%

27%
59%

Automóvel Ônibus Avião Trem Outros

Fonte: SEDETUR, 2006.

A maioria das viagens é realizada com a família (53%), que utiliza como meio de hospedagem a casa de parentes e amigos
(43%) e em seguida, o uso de casa alugada (15%) e casa de segunda residência (15%). Estes dados confirmam a vocação
atual da Região Metropolitana para receber na temporada de verão fluxo turístico com a finalidade de veraneio. Somente
23% declararam utilizar como meios de hospedagem hotéis e pousadas.
Meio de Hospedagem
Gráfico 8
4%
6%
15% 43%

15%

17%

Casa parentes ou amigos Hotel


Apto/casa alugado Apto/casa próprio
Pousada Outros
Fonte: SEDETUR, 2006.

Tempo de Permanência do Turista na Região Metropolitana


Gráfico 9

50%
40%
30%
20%
10%
0%
Um dia 2 dias De 3 a 7 De 8 a 14 De 15 a 21 De 22 a 30 Mais de 30
dias dias dias dias dias

2005 2006
Fonte: SEDETUR, 2006.

29
Com relação ao tempo de permanência no destino, houve uma alteração no hábito de consumo do ano de 2006 para 2005.
Em 2005 a predominância no tempo de permanência na região era de apenas um dia (42%), já em 2006 o tempo de
permanência aumentou de 3 a 7 dias, representando 37% em 2006, ante 11% em 2005.

Motivação da Viagem do Turista do Região Metropolitana


Gráfico 10

60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%

Descansar
Negócios/Trabalho

Eventos

Outros
Amigos/Parentes
Lazer

Saúde
Fonte: SEDETUR, 2006

2005 2006

2.1.2. A Oferta Turística na Região Metropolitana

O Território da Região Metropolitana

A região metropolitana do Espírito Santo é formada pelos municípios de Vitória, Vila Velha, Serra, Guarapari, Fundão,
Cariacica, e Viana.
Mapa Região Metropolitana
Figura 3

A Região Metropolitana pode ser considerada uma das mais desenvolvidas no Estado
do Espírito Santo, possuindo as principais cidades em número de habitantes e a
Fundão capital do estado, a Ilha de Vitória. Uma peculiaridade desta região, também chamada
de Grande Vitória, é a ausência de concentração demográfica na capital, cujo

Serra contingente populacional é inferior ao de algumas cidades do entorno metropolitano


- Cariacica, Vila Velha e Serra. Estas cidades do entorno como Cariacica e Serra, estão

Vitória quase que, conurbadas com a metrópole não havendo a possibilidade de se perceber o
Cariacica
limite geográfico das mesmas. Já Vila Velha está separada da capital por uma das
Viana diversas pontes que ligam a ilha ao continente.
Vila Velha

Duas das maiores bases industriais do país situam-se nesta região. É o caso das usinas
Guarapari
de pelotização de minério de ferro da Companhia Vale do Rio Doce, situada em
Vitória, e da produção de aço da Companhia Siderúrgica de Tubarão, situada em Serra.
Fonte: SEDETUR
Tais empresas incluem-se entre as maiores, mais competitivas e rentáveis do país.

O setor de comércio e de serviços também é muito importante nesta região para o todo o Estado, com destaque para o
comércio exterior e a distribuição de produtos em larga escala pelo Porto de Vitória.

O crescimento das atividades, equipamentos e serviços ligados ao turismo ganham relevância nesta região, principalmente
em Vitória e Vila Velha, onde os recursos e atrativos se potencializam a medida que o centro de negócios ganha expansão
devido as atividades econômicas como petróleo, gás natural e extração de minérios.

31
A acessibilidade da Região Metropolitana

A região metropolitana é a mais favorecida de todo o estado com relação à acessibilidade. Possui como principais rodovias
federais a BR-101 que permite a ligação do sul ao nordeste brasileiro, chamada pelos capixabas de BR-101-Sul e BR-101-
Norte, além da rodovia federal BR-262 que liga Cariacica a capital mineira de Belo Horizonte.

O acesso aéreo para o Espírito Santo tem seu portão de entrada pela cidade de Vitória por meio do Aeroporto de Vitória, em
fase de ampliação de suas instalações para comportar volume turístico internacional conforme foi destacado no capitulo
1.3 deste documento.

Na região também podemos contar com o transporte ferroviário da Estrada de Ferro Vitória-Minas, que dá suporte ao
corredor centro-leste e também transporta passageiros entre a Região Metropolitana até Belo Horizonte.

O transporte marítimo é feito por pequenas embarcações até grandes cargueiros dos mais diferentes países.

A região metropolitana representa 4,96% do território total do Estado, especificadamente 2.286Km2, contando com uma
população de 46,45% e, respectivamente, deste percentual, 98% se refere à população em área urbana e 2% em área rural.
População da Região Metropolitana por municípios
Tabela 3

ÁREA (km²) POPULAÇÃO


Espírito Santo 46.078 3.408.365
Cariacica 280 324.285
Fundão 280 13.009
Guarapari 580 88.400
Serra 553 321.181
Viana 312 53.452
Fonte: IBGE, População estimada
Vila Velha 209 345.965
em 2006 e dados SEDETUR
Vitória 93 292.304
TOTAL 2.307 1.438.596

% Em relação 5% 48,75 %
ao Estado

A avaliação dos Recursos da Região Metropolitana


A região Metropolitana por ser a região com maior adensamento populacional e desenvolvimento econômico e tecnológico
do Espírito Santo demonstra grande vocação para o recebimento do turista de negócios. Este fato, no entanto, não exclui
suas características geográficas, paisagísticas e de acolhimento de seu povo que a reverencie como uma cidade do interior
presente em muitos lugares da “metrópole capixaba”.

33
Um dos maiores destaques para esta região são as atividades náuticas e aquáticas propiciadas pelos bons ventos e pela
qualidade e diversificação das praias da costa sul para o norte da região.

A cultura capixaba está presente na gastronomia local, nas manifestações folclóricas como as bandas de congo, nas festas
religiosas que acontecem nas igrejas do patrimônio jesuítico e colonial, além de, possuir um patrimônio cultural intangível
manifestado pelas Paneleiras de Goiabeiras, pelas Desfiadeiras de Siri e pelos Mestres de Congo.

A paisagem da região é recortada por sua orla marítima de diferentes tonalidades e pelos inúmeros morros e elevações que
contornam a região metropolitana, possibilitando assim uma infinidade de mirantes naturais. A vegetação original de Mata
Atlântica do Estado foi quase extinta, no entanto, as Unidades de Conservação ao longo do litoral, no Maciço Central de
Vitória e nas elevações montanhosas da área periférica da região possibilitam ainda uma paisagem natural, embora
mereçam ações urgentes de fiscalização e aproveitamento do recurso para uso turístico e educativo.

Região Metropolitana - Grade de Atividades


Gráfico 11
100%
100% 85,7%
80% 71,4%
57,1% 57,1% 57,1% 57,1%
60%
42,9%
40% 28,6%
20%
0%
l

ico
l
ra
ra

vo
o

ra
aia

va
s
ism
tu

to
tu

Ru

ut
rti

rti
Pr
en

en
l


po
ur
Cu

po
o
le
Av

Ev
ot

m
Es

Fonte: Chias Marketing, 2006.


Es
o
So

r is
Ec

m
se
o

a
r is
Tu
m

sc
c io
r is

Tu

Pe

Tu

Ne
A Região Turística Metropolitana, se destaca pela diversidade de sua fauna marinha que possibilita as atividades de mergulho
e pesca oceânica, bem como, mantêm estreita relação com o produto gastronômico, que depende da qualidade e da diversificação
dos pescados para oferecer os famosos pratos típicos capixabas, cuja síntese se dá pelo sabor da moqueca feita em panelas de
barro.

O tempero suave, o cheiro do coentro e o gosto do peixe marcam a riqueza do prato, que se apresenta em uma autêntica
Panela de Barro, utensílio de origem indígena que ainda é feito manualmente pelas Paneleiras de Goiabeiras, primeiro e único
patrimônio intangível tombado pelo IPHAN.

Ao considerarmos estes elementos como um produto turístico, concluímos que a matéria-prima dos mesmos depende da
sustentabilidade dos recursos naturais como água, o mangue, o barro e a fauna marinha. Este fato demonstra uma dicotomia
no desenvolvimento econômico da região que, por estar intimamente atrelado às atividades extrativistas pode comprometer
a sobrevivência dos produtos considerados estrela para a Região Turística Metropolitana.

O povo capixaba expressa grande religiosidade manifestada na Peregrinação Passos de Anchieta que faz referência ao caminho
percorrido pelo Apóstolo José de Anchieta entre as cidades de Vitória e Anchieta. Esta peregrinação dura quatro dias e já reúne
cerca de 4.000 participantes.

A arquitetura remanescente do período colonial se destaca em templos e igrejas religiosas no Estado como o Convento da
Penha em Vila Velha, além do patrimônio jesuítico de extrema relevância para a região, sintetizado pela Igreja dos Reis
Magos em Serra que se complementa com as manifestações religiosas e folclóricas das Bandas de Congo que acontecem no
período de Natal em todos os municípios, com destaque no município de Serra.

35
Perfil dos Atrativos
Gráfico 12

Outros
6,6%

Natural
Cultural
38,3%
55,7%

Fonte: Chias Marketing, 2006.

O valor potencial dos atrativos da Região Metropolitana considerou cerca de 3% dos mesmos como Estrela, ou seja, atingiu-
se a pontuação máxima nos critérios estabelecidos pela metodologia, principalmente em relação a capacidade de proporcionar
ao visitante uma experiência única, singular, destacando, as atividades ligadas a Pesca Oceânica e Mergulho em Guarapari,
bem como, a cultura do capixaba representada por sua gastronomia típica e pelo saber e fazer das Paneleiras de Goiabeiras
(patrimônio intangível e milenar de origem indígena) que traz uma complementação fundamental ao produto gastronômico.
A peregrinação religiosa Passos de Anchieta também foi avaliada como produto estrela, devido seu caráter cultural e por
proporcionar a valorização de diversos recursos complementares em todo o seu trajeto, já que, a mesma passa por diversos
municípios da região.
ATRATIVOS ESTRELA

ATRATIVO MUNICÍPIO

Campeonato Internacional da Pesca Oceânica do Marlim Guarapari / Vitória

Gastronomia Capixaba Guarapari / Vitória / Vila Velha / Serra / Cariacica

Mergulho Guarapari

Panela de Barro-Paneleiras de Goiabeiras Vitória

Passos de Anchieta Vitória / Vila Velha / Guarapari / Anchieta

Muitos dos atrativos avaliados como A fazem referência ou são na verdade a matéria prima para os produtos estrela,
demonstrando assim a complementaridade essencial destes recursos para se consolidar o produto.

37
ATRATIVOS A

ATRATIVO MUNICÍPIO

Capela Santa Lucia Vitória

Convento Nossa Senhora Vila Velha


da Penha

Feira Internacional de Vitória


Mármore e Granito

Festa da Penha Vila Velha

Igreja e Residência Reis Magos Serra

Ilhas Oceânicas de Trindade Vitória


e Archipélago de Martin Vaz

Manifestações - Bandas de Congo Serra

Museu Solar Vitória


Monjardim

Museu Vale do Rio Doce Vila Velha


- Museu do Ferroviário

Parque Natural e APA Fundão


de Goipaba-Açu

Povoado da Barra do Jucu Vila Velha


Os atrativos
ATRATIVOS B
avaliados como “B”
exercem uma
ATRATIVO MUNICÍPIO
função estratégica
em caso de visitas Arquivo Público Estadual - Cidade Alta Vitória
mais prolongadas Artesanato de Vila Velha Vila Velha
ou no caso de uma
segunda viagem, Bandas de Congo Barra do Jucu Vila Velha

no retorno do Barra do Jucu - Capela de Nossa Senhora da Glória Vila Velha


turista à Região.
Campeonato Sudeste de Iatismo Vitória

Campeonato Mundial Hobie Cat 14 Vitória

Capela São João de Carapina Serra

Caranguejada Vila Velha

Casa do Congo Mestre Antônio Rosa Serra

Casa de Pedra, Projeto Peixinho (comunidade de artistas) Serra

Catedral Metropolitana de Vitória Vitória

Centro Histórico Cidade Alta Vitória

Chocolates Garoto Vila Velha

Circuito de Agroturismo (Guaranhuns, Jacaraípe, Pitanga) Serra

39
ATRATIVOS B

ATRATIVO MUNICÍPIO

Curva da Jurema Vitória

Escadaria Bárbara Monteiro Lindenberg Vitória

Estação Área de proteção do Maciço Central Vitória

Estação Ecológica Municipal Ilha do Lameirão Vitória

Estação Ferroviária de Viana Viana

Estância Vale do Moxuara Cariacica

Farol de Santa Luzia Vila Velha

Festa de São Benedito Vitória

Festa dos Descendentes de Italianos de Cariacica Cariacica

Frontispício do antigo Convento de São Francisco Vitória

Galeria Homero Massena Vitória

Igreja Nossa Senhora da Conceição Guarapari

Igreja Nossa Senhora do Rosário Vila Velha

IIV Regata Eldorado Brasilis – Vitória/Trindade/Vitória Vitória

Ilha do Boi Vitória

Ilha do Frade Vitória


ATRATIVOS B

ATRATIVO MUNICÍPIO

Indústria Portuária Vitória

Lagoa Mãe-Bá Guarapari

Manguinhos Gourmet Serra

Matriz Nossa Sª. da Conceição Serra

Monte Mestre Álvaro Serra

Museu de Artes do Espírito Santo - MAES Vitória

Palácio Anchieta Vitória

Parque da Fonte Grande Vitória

Parque Municipal da Fazendinha Vitória

Parque Estadual do Moxuara/Vale do Moxuara Cariacica

Parque Estadual Paulo César Vinha Guarapari

Parque Pedra da Cebola Vitória

Pedreira Adventure Park Guarapari

Pilgerfest - Festa da Cultura Alemã Cariacica

41
ATRATIVOS B

ATRATIVO MUNICÍPIO

Ponta da Fruta - Capela Nossa Senhora dos Navegantes Vila Velha

Pousada Goiapabaçu - Antiga Residência da Família Agostini Fundão

Praias da Barra do Jucu Vila Velha

Praia de Bicanga Serra

Praia de Carapebus Serra

Praia da Costa Vila Velha

Praias de Guarapari Guarapari

Praia do Iate Clube ou Praia de Santa Helena Vitória

Praia de Itaparica - Centro Vila Velha

Praia de Itapoã Vila Velha

Praia de Manguinhos Serra

Praia do Meaípe Guarapari

Praia de Nova Almeida Serra

Praias de Ponta da Fruta Vila Velha


ATRATIVOS B

ATRATIVO MUNICÍPIO

Praia Grande Fundão

Prainha - Forte de São Francisco Xavier da Barra Vila Velha

Prainha - Museu Homero Massena Vila Velha

Prainha - Igreja Nossa Senhora do Rosário Vila Velha

Rampa de Vôo Livre Viana

Reserva Ecológica Estadual de Jacarenema Vila Velha

Residências da Rua José Marcelino - Cidade Alta Vitória

Rio Reis Magos Fundão

Teatro Carlos Gomes Vitória

Teatro Glória Vitória

Túmulo do Padre José de Anchieta Vitória

43
Os atrativos
classificados como ATRATIVOS COMPLEMENTARES
“Complementares”
ATRATIVO MUNICÍPIO
também são
apresentados como Antigo Convento do Carmo - Cidade Alta Vitória
possibilidades de
Artesanato de Guarapari Guarapari
ampliação às opções
existentes. Área de Proteção Ambiental de Praia Mole Serra

Artesanato do Município de Vitória Vitória

Área de Proteção Ambiental do Morro do Vilante Serra

Artesanato de Cariacica Cariacica

Artesanato do Município de Fundão Fundão

Artesanato do Município da Serra Serra

Bandas de Congo de Vitória Vitória

Bandas de Congo Fundão

Bandas de Congo Cariacica

Banda de Congo de Guarapari: São João de Jaboti Gurapari

Bandas de Congo Viana

Barra do Jucu - Descida Ecológica do Rio Jucu Vila Velha


ATRATIVOS COMPLEMENTARES

ATRATIVO MUNICÍPIO

Barra do Jucu - Lagoa de Jabaeté Vila Velha

Benzedeiras Vitória

Carnaval de Congo Cariacica

Casa da Cultura Viana

Carnaval em todo o Município Serra

Capela de Nossa Senhora da Vitória Fundão


Centro Cultural Camélia Maria de Sousa Vitória
– Teatro José Carlos de Oliveira
Circuito Brasileiro Profissional de Surf - Barra do Jucu Vila Velha

Clube Capixaba de Golf Serra


Cruz do Papa (Monumento à Visita do Papa Vitória
João Paulo II - Cruz Reverente)
Culinária local Cariacica

Descida do Rio Jucu Viana

Doce, quitutes e licores de Fundão Fundão

Doces e quitutes de Viana Viana

45
ATRATIVOS COMPLEMENTARES

ATRATIVO MUNICÍPIO

Doces e quitutes de Serra - Quindim Serra

Escadaria São Diogo Vitória

Escadaria Carlos Messina Vitória

Encontro Estadual de Corais Cariacica

Escadaria Maria Ortiz Vitória

Escadaria Dionísio Rosendo Vitória

Escadaria Djanira Lima Vitória

Enseada das Garças Fundão

Expomar Guarapari

Festival Estadual de danças Folclóricas Cariacica

Festa e Procissão Marítima de São Pedro Vitória

Festa dos Descendentes de Italianos de Cariacica Cariacica

Forte São João Vitória

Galeria Atual Vila Velha


ATRATIVOS COMPLEMENTARES

ATRATIVO MUNICÍPIO

Grutinha Sant'Ana Guarapari

Igreja São Gonçalo Vitória

Igreja Nossa Srª da Conceição Viana

Igreja Bom Jesus da Lapa Fundão

Igreja Sant'Ana Guarapari

Ilha das Caieiras Vitória

Igreja Matriz de São José Fundão

Igreja Nossa Senhora da Penha Fundão

Matriz de São João Batista Cariacica

Manifestações - Celebração da Insurreição de Queimado Serra

Mercado da Vila Rubim Vitória

Morro do Moreno - Praia da Costa Vila Velha

Monumento a Iemanjá Vitória

Parque Municipal de Barreiros Vitória

47
ATRATIVOS COMPLEMENTARES

ATRATIVO MUNICÍPIO

Parque Municipal Gruta da Onça Vitória

Parque Municipal Horto de Maruípe Vitória

Parque Municipal de Mangue Seco Vitória

Parque Municipal do Tabuazeiro Vitória

Parque Natural Municipal Vale do Mulembá-Conquista Vitória

Parque de exposição de Carapina Serra

Parque Natural Rota das Garças Viana

Parque Aquático Yahoo Serra

Parque Aquático Acquamania Guarapari

Palácio Domingos Martins Vitória

Planet Sub Guarapari

Praia do Camburi Vitória

Praia das Castanheiras ou Ilha do Frade Vitória

Praia do Rio Preto Fundão


ATRATIVOS COMPLEMENTARES

ATRATIVO MUNICÍPIO

Praia do Morro Guarapari

Praia de Jacaraípe Serra

Prainha de Vila Velha Vila Velha

Prainha - Galeria Artes da Vila Vila Velha

Prainha - Gruta do Frei Pedro Palácios Vila Velha

Prainha - Casa da Memória Vila Velha

Pilgerfest - Festa da Cultura Alemã Cariacica

Ponte Darcy Castelo Mendonça (Terceira Ponte) Vitória

Ponte Florentino Avidos Vitória

Polo de Moda da Glória Vila Velha

Poço dos Jesuítas Guarapari

Radium Hotel Guarapari

Reserva Ecológica Municipal Restinga de Camburi Vitória

Reserva Ecológica Municipal Pedra dos Olhos Vitória

49
ATRATIVOS COMPLEMENTARES

ATRATIVO MUNICÍPIO

Reserva Biológica de Duas Bocas Cariacica

Reserva Ecológica Municipal do Morro da Gamela Vitória

Ruína da Igreja Nossa Senhora da Conceição Guarapari

Santuário de Santo Antônio Vitória

SESC Guarapari

Teatro Edith Bulhões Vitória

Três Ilhas Guarapari

Três Casas na Rua João Clímaco Vitória

Thermas Internacional Vila Velha

Viaduto Caramuru Vitória


Sim
20,8%

Produtos Ofertados no Trade


Gráfico 13
Fonte: Chias Marketing, 2006.

Não
79,2%

De todos os atrativos analisados somente 20% são ofertados no trade, destacando as atividades de mergulho em Guarapari,
as visitas na cidade de Vila Velha como no Convento da Penha e em Vitória o centro da cidade, as praias como Curva da
Jurema e a visita às Paneleiras.

A avaliação dos serviços, estrutura dos atrativos e equipamentos foi realizada por município e na prática apresenta uma
visão média de conjunto da realidade regional. Cabe ressaltar que neste contexto o resultado final evidencia um estágio de
desenvolvimento desequilibrado na Região, onde alguns municípios possuem estrutura e outros não. Se por um lado a
análise apresenta um quadro atual de desenvolvimento precário, que pode ser entendido como algo negativo, por outro
lado isso aponta para um cenário de oportunidades em que, se implementadas as ações necessárias, as expectativas de
crescimento serão cumpridas e até superadas.

51
As atividades de visitação, no conjunto da Região falta a criação de roteiros específicos por produto, com definição de
atividades que ampliem a permanência do visitante e o aproveitamento mais amplo do próprio atrativo, estudos de
capacidade carga, regulamentação da visitação, a existência de guias qualificados, etc. Isso não significa que não existam
hoje produtos com atividade de visitação considerada como qualificada e avaliada como boa, como no caso do Convento
da Penha, no Museu da Vale do Rio Doce, na Pedreira, por exemplo; no entanto, a análise evidencia a situação no grupo
dos municípios.

A avaliação da hospedagem na Região, considerando a realidade dos diferentes municípios, demonstra que, apesar de
existir uma oferta de meios de hospedagem boa em Vitória e Vila Velha a qualidade média ainda é razoável, ou seja, atende
apenas às necessidades básicas do consumidor, ou melhor, permite que ele se hospede e tenha um local para dormir.

A gastronomia capixaba é considerada uma das mais autênticas do Brasil, pela vinculação com os ingredientes típicos e
pela fartura dos pratos, e isso está presente na oferta da Região Metropolitana. Existem alternativas de restaurantes em
todos os municípios, mas prevalecem as instalações e serviços semelhantes, inclusive na composição do cardápio.

Verifica-se que 51,1% da oferta é avaliada como boa, no entanto 14% ainda apresenta sérias deficiências, sendo a
principal relacionada a qualidade em geral – da comida, da apresentação dos pratos e do local, da higiene e serviço. Os
restaurantes na Região se caracterizam pela fartura dos pratos e cardápios amplos; são aspectos que, a princípio,
demonstram vantagens, mas é necessário informar o consumidor que o prato é para tantas pessoas, que há possibilidade
de pedir metade e, ainda, dar destaque à especialidade da casa, quando houver.
2.1.3. Opinião do Turista

No tocante à expectativa da viagem ao destino, cerca de 50% dos turistas pesquisados disseram ter correspondido
plenamente à sua expectativa. Somente 3% em 2006 relataram ter tido uma decepção com o lugar. Estes valores se
apresentam uniformes em relação às duas temporadas e se fortificam devido ao dado de 2005, onde 83% dos turistas não
apresentaram nenhum tipo de reclamação, já em 2006 este percentual sobe para 90%. As únicas reclamações possuem
percentuais quase que insignificantes (3%) e se referem aos quiosques de praia e ao comércio em geral (2%).

Expectativa do Lugar depois de conhecê-lo


Gráfico 14

NS/NR

Não correspondeu/ decepcionou

Superou as expectativas

Correspondeu em parte

Correspondeu plenamente
Fonte: SEDETUR, 2006.
0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% 35% 40% 45% 50% 55%

2005 2006

Embora na Região Metropolitana estejam inseridos os municípios com maior índice de desenvolvimento, o principal fator
de atração para a região foi à existência de atrativos naturais (60% em 2005) e as praias (48% em 2006).

53
Poder de Atração da Região
Gráfico 15
Outros

Beleza da cidade

Família

Tranqüilidade

Pessoas
Praias

Atrativos naturais

0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% 35% 40% 45% 50% 55% 60% 65%
Fonte: SEDETUR, 2006.
2005 2006

Com relação a avaliação dos serviços de apoio ao turismo, os percentuais maiores destacaram-se na avaliação de ruim e
péssimo para sinalização turística (20%), posto de informações ao turismo (26%) e o terminal rodoviário com 18%. O saldo
positivo foi para utilização de táxi onde 61% indicaram como bom.

A estrutura básica também foi avaliada como ruim e péssimo, destacando 24% para a segurança pública, 21% para o
atendimento médico-hospitalar, 19% para os serviços de comunicação, 17% para o transporte público e 12% para a
limpeza urbana.

2.1.4. Oportunidades, Ameaças, Pontos fortes e Fracos

Nos quadros seguintes se mostra a análise de Ameaças e Oportunidades do entorno realizado:


Oportunidades e Ameaças: fatos gerais – Região Metropolitana
Tabela 4

FATOS GERAIS AMEAÇAS OPORTUNIDADES

SITUAÇÃO GEOGRÁFICA O Estado do Espírito Santo se encontra em Localização estratégica para


DA REGIÃO área de passagem de fluxos entre o Estado recebimento de fluxos turísticos,
METROPOLITANA do Rio de Janeiro e Bahia, estando sua bem como, para deslocamento de
potencialidade turística camuflada por estes visitantes para outras regiões.
dois estados de importante posição no
mercado turístico. Fácil acesso através de rodovias:
Federal e Estaduais.

DESENVOLVIMENTO Embora a região esteja em crescente Economia em desenvolvimento


ECONÔMICO desenvolvimento econômico, o modelo de
desenvolvimento pode ser antagônico em Região fundamental para
relação à sustentabilidade ambiental da região. o desenvolvimento econômico
do Estado, centralizando as
Insuficiêcnia de projetos de responsabilidade principais empresas como Petrobrás
social das grandes empresas instaladas e Vale do Rio Doce.
na região.

DINAMISMO DO SETOR Maior competição entre destinos. Oportunidade de crescimento para


TURÍSTICO MUNDIAL o Espírito Santo.

IMAGEM DO DESTINO Imagem do Estado vinculada a altos índices Destino em fase de consolidação
de violência, com percentuais elevados em de uma imagem turística.
relação a outros estados brasileiros.
Programa de Governo com foco
Imagem de violência que cria repulsão na resolução dos problemas
do destino. de violência.

55
Oportunidades e Ameaças: fatos competitivos – Região Metropolitana
Tabela 5

FATOS COMPETITIVOS AMEAÇAS OPORTUNIDADES

TRANSPORTE AÉREO Assentos aéreos em sua Previsão de aumentos da oferta


capacidade máxima. a partir da expansão física e
reforma do Aeroporto de Vitória,
criando efetivamente um portão
de entrada competitivo para a
região.

A PROMOÇÃO TURÍSTICA A força dos estados vizinhos no mercado Salvo exceções, inexiste estratégia
DOS ESTADOS VIZINHOS turístico: Bahia e Rio de Janeiro. turística.

INVESTIMENTOS DO Baixo potencial turístico do Estado para Melhora da projeção turística


GOVERNO DO BRASIL o mercado internacional. do país.
EM MARKETING E Favorece a atividade e o
INFRA-ESTRUTURA desenvolvimento turístico.
TURÍSTICA

INCREMENTO DAS Nem todos os municípios da região Facilitador da informação e


COMPRAS DE VIAGENS possuem informações disponibilizadas da atividade turística.
PELA INTERNET via internet.
Oportunidades e Ameaças: fatos de mercado – Região Metropolitana
Tabela 6

FATOS DE MERCADO AMEAÇAS OPORTUNIDADES


INTERESSE GERAL O desconhecimento atual do Espírito Possibilidade de criar nova imagem
POR NOVOS DESTINOS Santo como destino turístico. por meio de novos produtos.

TURISMO DOMÉSTICO O Estado do Espírito Santo ainda Possibilidade de conquistar


é o principal emissor para as regiões novos mercados
turísticas dentro do próprio estado.

GUARAPARI COMO DESTINO Modelo de turismo massivo, barato Possibilidade de novos produtos por
RECONHECIDO PARA e insustentável. meio de nova imagem.
O TURISTA NACIONAL

INCREMENTO DO TURISMO Inexistência de infra-estrutura Importante área portuária para


NÁUTICO E DE CRUZEIRO adequada na Região Metropolitana. exportação e recebimento de
cruzeiros marítimos

Clima agradável com bons ventos


que propiciam atividades esportivas
e náuticas.

Projetos na cidade de Vitória


para Roteiro de Turismo Náutico,
Estação de Passageiros e Estrutura
de Lazer no Porto de Vitória e
Marina de Uso Público.

57
FATOS DE MERCADO AMEAÇAS OPORTUNIDADES

TURISMO DE EVENTOS, Atualmente os espaços para realização Implantação de Centro


CONGRESSOS E FEIRAS de eventos como congressos, feiras Multi-Eventos com Pavilhão
e exposições estão em mau estado de para Exposição e Feiras de Grande
conservação e são inapropriados para Porte em Vitória.
grandes eventos.
Criação de Parque de Exposições
e Eventos e Centro de feiras, eventos
e convenções em Guarapari.

ALTA SAZONALIDADE Destinos que trabalham somente com Diversidade de recursos e produtos
produtos de sol e mar dependem de um para outros segmentos, em especial
fluxo turístico sazonal e massivo. o cultural.

Existência de Unidades de Conservação


ao longo das costa e em picos
montanhosos que potencializam
atividades de contemplação, lúdicas
e esportivas no ambiente natural.

Pontos fortes e fracos – Região Metropolitana


Tabela 7

FATOS PONTOS FORTES PONTOS FRACOS

DIVERSIDADE NATURAL Diversidade do potencial da oferta Modelo de aproveitamento atual.


E CULTURAL com recursos e produtos culturais,
naturais, manifestações culturais
e religiosas.
FATOS PONTOS FORTES PONTOS FRACOS
A INFRA-ESTRUTURA Conexões aéreas e viagens entre Inexistência de saneamento básico
E SERVIÇOS PÚBLICOS cidades importantes. e de orientação para a não poluição
REGIÃO METROPOLITANA dos rios da região; rios estes que
Projeto Orla. formam as cachoeiras, utilizadas
para banhos pelas populações locais
Projetos de pavimentação e/ou e turistas.
manutenção de vias de acesso.
Inexistência de tratamento de esgoto
em comunidades periféricas.

Inexistência de programas de coleta


e aterro sanitário.

Vias de acesso aos atrativos com


grande quantidade de lixo

Crescimento desordenado de áreas


periféricas

Ocupação irregular e habitações em


áreas de risco localizadas nos morros
e seu entorno

INFRA-ESTRUTURAS Concentra quantitativamente Baixa qualificação na prestação de serviços.


TURÍSTICAS REGIÃO e qualitativamente um maior número
METROPOLITANA de empreendimentos do setor turístico. Inexistência de infra-estrutura turística em
alguns municípios da região
Implantação de empreendimento como
Resorts em Vila Velha e Guarapari. Espaços de eventos inadequados para
o recebimento de grandes feiras e convenções

Empresários do turismo não conscientes de


sua responsabilidade como parte de um
conjunto de ações para o desenvolvimento
turístico da região.

59
FATOS PONTOS FORTES PONTOS FRACOS
A SINALIZAÇÃO TURÍSTICA Sinalização de acesso Inexistência de programa interpretativo
de sinalização ou de conjuntos significativos

OS RECURSOS TURÍSTICOS Festas e manifestações culturais Muitos recursos com baixo potencial
DA REGIÃO METROPOLITANA e religiosas em todos os municípios
HOJE Entorno de pontos turísticos degradados
Unidades de Conservação em áreas e sujos
costeiras, rurais e montanhosas
Patrimônio histórico degradado e abandonado

Atividade econômica ligada a extração


de recursos naturais não renováveis

OS PRODUTOS TURÍSTICOS Mergulho Falta de Plano de Manejo e uso público


DA REGIÃO METROPOLITANA em Unidades de Conservação.
HOJE Pesca Esportiva
Falta de Plano de Desenvolvimento da Pesca
Manifestações Culturais
Inexistência de controle para atividades
Gastronomia típica valorizada de extração como pesca e mariscos.
em diversos estabelecimentos
de alimentos e bebidas.

Unidades de Conservação

O GRAU DE APROVEITAMENTO Possibilidade de crescimento O grau de aproveitamento da região


ATUAL DOS PRODUTOS metropolitana é baixo, possuindo uma média
de 40%.
FATOS PONTOS FORTES PONTOS FRACOS
SUSTENTABILIDADE Paisagem do entorno com morro, Áreas de mangue com grande quantidade
DOS PRODUTOS ATUAIS montanhas e mangues que propiciam de lixo e ocupações irregulares
a sensação de natureza protegida.
Falta de conscientização sobre sustentabilidade
Paisagem “metropolitana” com e inexistência de programas de educação
recortes e marcos geográficos que ambiental.
valorizam o sentido de referência
para o turista. Os principais atrativos turísticos possuem
como matéria prima elementos da natureza:
barro para as panelas de barro, pescados
para a culinária típica, árvores para
a fabricação das casacas, fato este, que pode
comprometer a sustentabilidade do produto.

A PROMOÇÃO TURÍSTICA Política turística do Estado que Falta de estratégia integral de comunicação.
prioriza a promoção

A POLÍTICA TURÍSTICA Gestão e fomento do Dificuldade de diálogo entre diversas secretarias


DA REGIÃO METROPOLITANA desenvolvimento turístico de que envolvem indiretamente o desenvolvimento
maneira articulada. turístico para a realização de programas
sustentáveis
Criação da Agência de
Desenvolvimento da Região Comunicação deficiente, entre os municípios,
Metropolitana dos interlocutores ligados ao turismo.

O PROGRAMA ESTRATÉGICO Primeiro Estado brasileiro Excesso de municípios nas regiões.


REGIONALIZAÇÃO DO a implantar o programa.
TURISMO

61
FATOS PONTOS FORTES PONTOS FRACOS

O TURISTA ATUAL Nível de satisfação dos atrativos Turismo de segunda residência ou veraneio,
na média foi bom.
Média de gastos muito baixa.

A IMAGEM DA REGIÃO Para o turista a imagem da Região Não há uma imagem definida para
METROPOLITANA PARA Metropolitana está ligada a praias a diversidade de recursos e potencialidades
O TURISTA ATUAL e atrativos naturais, um destino que possui a região.
de lazer.

A OPINIÃO DO TRADE Imagem como destino de negócios. Escassa presença do destino no trade.

Baixa demanda do destino.

Falta de promoção adequada ao trade.

Inexistência de tarifários

A OPINIÃO INTERNA Reconhecimento da grande Crescimento desordenado: concentração


quantidade de recursos naturais. de favelas,

Integração de gestores e iniciativa Crescimento verticalizado.


privada para o desenvolvimento do
plano estratégico. Imagem estereotipada de violência.

Possibilidades de novos segmentos:


náutico, agroturismo, aventura
e negócios.
2.1.5. O Grau de Aproveitamento e o Posicionamento da Região
O GAP

A Região metropolitana possui hoje um importante potencial, todavia ainda não transformado em produto para o
desenvolvimento de novas atividades turísticas.

Hoje o Grau de Aproveitamento Geral


do produto turístico da Região
Metropolitana é de 40,8%.

Embora, o Grau de Aproveitamento Geral do Produto da Região Metropolitana esteja por volta dos 40%, um valor baixo
considerando a oferta atual. No entanto, este fato também pode ser analisado como uma oportunidade, pois pode-se
considerar que cerca de 60% da oferta possui real probabilidade de crescimento no mercado turístico.

Diante deste contexto as ações de melhoria e aproveitamento do produto da Região Metropolitana devem priorizar os
atrativos B e C, principalmente, por ser estes atrativos que possibilitam uma oferta complementar aos produtos avaliados
como Estrela e A.

63
O Posicionamento Atual
A determinação do posicionamento atual das regiões foi estabelecido com base em vários elementos. Compreende-se o
posicionamento como imagem comparativa entre a Região e outros destinos concorrentes, tendo por base aquela demanda
que possui conhecimento da Região, ou melhor, o Espírito Santo. Este fato limita a análise já que, com exceção dos
mercados atuais, as regiões turísticas do Espírito Santo são desconhecidos pelo turista potencial. Com base nas pesquisas
disponibilizadas podemos definir que:

• Nos estados vizinhos da Bahia, Rio de Janeiro e Minas Gerais existe um conhecimento embasado na proximidade,
principalmente, pelo Espírito Santo estar posicionado geograficamente no caminho de quem deseja viajar do
Sudeste ao Nordeste utilizando transporte rodoviário.
• O estado de Minas Gerais reconhece o destino Espírito Santo como portão de entrada para atividades de sol e praia.
• Para o resto do mercado nacional, pode-se considerar que o trade possui um bom conhecimento da região por
meio de Guarapari, um destino consolidado a partir da década de 60 como de sol e praia.
• No mercado internacional é praticamente desconhecido.

Por outro lado e de acordo com os estudos realizados podemos estabelecer que, de maneira geral os concorrentes da Região
Metropolitana são os seguintes:

• Salvador, cidade do Rio de Janeiro e praias da costa sul da Bahia.


• De forma indireta, o entorno de Belo Horizonte, a costa da Região Sudeste (Mata Atlântica) e as regiões
metropolitanas de São Paulo.
• A costa sul da Bahia chamada de Costa da Baleia e Costa do Descobrimento apresenta um posicionamento mais
concreto em relação ao turismo de sol e praia, bem como, a cidade do Rio de Janeiro que, também se posiciona no
eixo dos Estímulos vinculado ao potencial náutico, aos eventos esportivos e as festas.

• Belo Horizonte por sua oferta cultural, a gastronomia mineira e o patrimônio histórico-arquitetônico de seu
entorno, se posiciona no eixo de Cultura.

• Salvador além de possuir a gastronomia típica, um conjunto histórico-arquitetônico, também representa uma
diversidade de sensações sintetizada em seu sincretismo religioso e na hospitalidade de seu povo.

• A cidade de São Paulo, reconhecida por sua capacidade de gerar negócios, captar grandes eventos, feiras e
congressos está posicionada no eixo de Estímulos.

• O Espírito Santo diante destes destinos concorrentes e a partir da opinião do turista atual se posiciona no eixo
Natureza e Sensações caracterizado pelo turismo de sol e praia de alta temporada.

Para identificação do posicionamento foram utilizados os dados gerados pela oficina participativa que propiciou uma visão
dos elementos significativos em relação à natureza, cultura, sensações e estímulos.

De acordo com estes eixos, podemos estabelecer o mapa de posicionamento da Região Metropolitana a partir do olhar
do turista atual:

65
Mapa de Posicionamento Atual
Figura 4

22%
SENSAÇÕES

Pessoas

Tranqüilidade

Hospitalidade

Beleza da região Clima

REGIÃO Gastronomia
METROPOLITANA Manifestações
4%
CULTURA
Compras
68%
NATUREZA
Atrativos
Naturais Praia
Cidade
Família

6%
ESTÍMULOS
2.2. Fase II – Formulação de Estratégia

A partir dos dados apresentados na situação atual definimos as estratégias que irão conduzir as ações para se atingir o futuro
desejado.

Um dos objetivos do Plano de Desenvolvimento Sustentável da Região Turística é definir uma visão compartilhada de
futuro, possível, realista e sustentável, levando em conta o que se deseja para o desenvolvimento do turismo na Região
Metropolitana do Estado do Espírito Santo.

A visão 2015 é a formulação da imagem desejada para a Região Metropolitana no mercado turístico a longo prazo, que:

“O turismo da Região Metropolitana seja uma


referência para o Espírito Santo contribuindo para
a geração de negócios e eventos por meio de
novos Estímulos, bem como, para a valorização da
Cultura Capixaba, onde todos possam degustá-la
e apreciá-la durante o ano todo”.

67
O Posicionamento Desejado

A proposta é que a Região Metropolitana se fortaleça como destino nacional e internacional, gerando novos estímulos para o
visitante, propiciados por meio de seu potencial náutico, desportivo e de eventos. A cultura capixaba deve ser uma referência
nacional onde todos possam, a partir de uma oferta cultural estruturada e qualificada, vivenciá-la como uma experiência
ímpar.

Posicionamento Desejado SENSAÇÕES


Figura 5

Hospitalidade

Manifestações
Beleza da culturais e
cidade religiosas
Patrimônio Histórico
Cultural 37%
Gastronomia
CULTURA
16%
Oferta cultural
Reservas
NATUREZA Praias

Negócios Entretenimento

Atividades Eventos e
Náuticas Congressos

Esportes 40%
ESTÍMULOS
Objetivos

O que se pretende com esta estratégia de desenvolvimento é atingir um cenário sustentável para o turismo na Região,
especificamente:

• Valorizar o patrimônio histórico e cultural da região por meio da requalificação do cenário urbano.

• Sensibilizar os atores para um modelo de desenvolvimento sustentável, assegurando assim a matéria prima do produto
turístico: gastronomia de pescados e frutos do mar, panelas de barro, manifestações culturais.

• Promover a região ao turista atual, principalmente aquele relacionado a motivações de reuniões de negócios,
congressos e eventos para o que mesmo reconheça na região sua potencialidade ao turismo de lazer.

• Melhorar e promover a oferta cultural, desportiva e náutica.

• Estruturar um “cardápio de roteiros” turísticos e opções de lazer e entretenimento da região.

• Potencializar a participação dos municípios e comunidades no sistema produtivo de turismo.

• Captar grupos de consumo de melhor rentabilidade para gastos com turismo.

• Diminuir a sazonalidade, propiciando novos produtos para a média e baixa temporada.

69
Metas

As metas do Plano de Desenvolvimento Sustentável da Região Turística Metropolitana estabelecem perspectivas de crescimento
do fluxo turístico e do gasto médio dos mesmos na região.

O quadro abaixo apresenta números estimados para o crescimento da Região Metropolitana e como exercício de
comparação utilizou-se o percentual de 8% ao ano para estimar um crescimento no Estado. Cabe ressaltar que este
percentual está acima do percentual estabelecido ao crescimento do turismo mundial que é de 4,5% ao ano e das América
que é de 2,7% ao ano.

Metas em volume de turistas para 2015


Tabela 8
2005 2015

ENTRADA TURISTAS VIA TERRESTRE 2.752.687 5.942.844

DESEMBARQUES TURISTAS AÉREO 750.894 1.621.124

VOLUME TOTAL NO ESTADO 3.503.581 7.563.969

VOLUME TURISTAS
REGIÃO METROPOLITANA 1.226.889 2.648.761

Fonte: Plano de Desenvolvimento Sustentável do Turismo do Espírito Santo, 2025/SEDETUR,


dados adaptados pela Chias Marketing
71
O Portifólio de Produtos por Mercado

Para estabelecer o portifólio de produtos por mercados foi necessário


considerar a diferenciação dos recursos que a Região Metropolitana possui
considerando assim possibilidades de produtos potenciais para públicos
diferenciados. Com base na potencialidade existente na Região e no entorno
dos municípios mais conhecidos e estruturados como Vitória, Vila Velha e
Guarapari, visou-se ampliar o uso da região por meio de “produtos focados”,
assim foram definidos os seguintes segmentos:
Os produtos apresentados podem ser comercializados tanto para o mercado local e regional, ou seja, o próprio capixaba,
como para o mercado nacional e internacional, destacando:

Sol Capixaba

Desfrutar e Visitar as praias da costa da Região Metropolitana, desde àquelas mais urbanas como em Vitória e Vila Velha
até aquelas mais bucólicas como Manguinhos, Barra do Jucu e Meaípe.

Arte e História

Visitar o centro histórico de Vitória, de centro de Guarapari e de Vila Velha. Conhecer as galerias de arte de Vitória, Vila
Velha e a comunidade alternativa de Jacaraípe, Serra.

Natureza Capixaba

Visitar as Áreas Verdes e Parques das cidades, principalmente, àquelas situadas em áreas montanhosas e que servem como
mirantes naturais para a Região Metropolitana. Passeio às Unidades de Conservação ao longo da costa da Região
Metropolitana e nos Morros dos municípios do entorno como Viana, Fundão e Cariacica.

Passos Religiosos

Visita às igrejas do Patrimônio Jesuítico e colonial, envolvendo Vila Velha, Serra, Vitória e Anchieta. Festa religiosa: Passos
de Anchieta.

73
Esportes e Aventura

Participar e assistir a campeonatos esportivos ou atividades esportivas ligadas a:


• Água: pesca esportiva, vela, surf, vôlei de praia, iatismo, hobie cat, descida de Rio,
• Ar: vôo livre,
• Terra: golf, triatlon, enduros na natureza.

Ver e Comer a Cultura Capixaba

Visitar as comunidades tradicionais como as Desfiadeiras de Siri, as Paneleiras de Goiabeiras e as comunidades do Congo.
Degustar dos pratos típicos e conhecer o modo de preparo das panelas de barro, das casacas do congo, bem como,
presenciar as manifestações e festas das Bandas de Congo locais.

O Rural da Metrópole
Conhecer os circuitos de agroturismo das cidades de Serra, Cariacica, Vila Velha, Guarapari.
Abrangência dos produtos na Região Metropolitana
Figura 6

LEGENDA:

Sol e Praia

Natureza Capixaba

Arte e História

Passos Religiosos

Esporte e Aventura

Ver a Cultura e comer


Gastronomia Capixaba

Fonte: IPES. Adaptado


pela Chias Marketing O Rural na Metrópole

75
Portifólio de prioridades de produtos por mercado
Tabela 9

Espírito Santo

Internacional
Nacional
vizinhos
Estados
Negócios + Lazer
* *** *** **
Turismo Cultural
* *** ** *
Turismo Aventura -
* ** *
-
Sol e Praia
* ** **
Turismo Esportivo
* *** ** **
Turismo Náutico
* *** *** *
Ecoturismo
* * * -

Agroturismo - -
** *
Fonte: Elaborado por Chias Marketing, 2006.
2.3. FASE III - Plano de Ação
Projetos Específicos

Nome do Projeto

Sinalização Interpretativa
Apresentação
Projeto de sinalização interpretativa de pontos turísticos de valor histórico, cultural ou natural. Este projeto visa facilitar a
percepção do visitante por meio de informações, imagens ou modelos esquemáticos que propiciem o “reconhecimento” do
lugar e de sua identidade. Este modelo de interpretação deverá ser implantado em locais de valor histórico e sentimental
para população capixaba, a serem estipulados pela comunidade local.O Patrimônio Natural também será objeto de
interpretação, tendo como indicação para a instalação das placas as Unidades de Conservação da região que já possuem
alguma atividade de lazer e visitação pública como os parques e morros do entorno da Região Metropolitana.
O Projeto de Sinalização Interpretativa deve seguir os critérios determinados pelo Ministério de Turismo, conforme Guia de
Sinalização Turística da Embratur.
Investir na Interpretação significa agregar valor ao produto turístico. A valorização do meio ambiente urbano e natural, da
história, dos saberes e fazeres culturais contribui para a diversificação e valorização do produto, abrindo mercados para
diferentes nichos turísticos.

Objetivo Geral
Incorporar e readequar a sinalização existente para o Plano de Sinalização Interpretativa propiciando assim agregar valor
histórico e cultural aos atrativos da região por meio da comunicação visual para o visitante e para a comunidade

77
Nome do Projeto

Selo de Responsabilidade Ambiental:


um Caminho Sustentável para as Comunidades e o Turismo
Apresentação
Este projeto visa sensibilizar as comunidades, empresários, entidades do setor público e privado a importância e necessidade
de um comprometimento na recuperação e conservação dos recursos naturais da Região como base para a qualidade de vida
e conseqüentemente na sustentabilidade para o desenvolvimento do turismo.
A Região Metropolitana possui atrativos naturais caracterizados por praias, falésias, morros, montanhas, rios e mangues, que
possuem como cobertura vegetal o ecossistema da Floresta Atlântica ou, em muitos casos, fragmentos do mesmo. Estes
indicadores de degradação do meio natural podem ser mitigados se houver ações específicas em “nichos” poluentes, como
empresas, residências, turistas, etc., tendo como ação principal a redução e a coleta seletiva do LIXO.
Para a sensibilização dos atores diretamente envolvidos, haverá a necessidade da parceria efetiva de órgãos públicos, iniciativa
privada, terceiro setor e comunidade.
Um dos pontos prioritários do projeto serão as empresas na área de turismo como hotéis e restaurantes priorizando
reciclagem, a redução de lixo e o reaproveitamento de resíduos como óleo de cozinha que se jogado diretamente na pia
pode prejudicar o meio ambiente. De maneira genérica os setores envolvidos devem ser sensibilizados a:
• Diminuir os resíduos sólidos em cada unidade domiciliar ou empresarial,
• Desenvolver um processo de reciclagem de resíduos como ó óleo de cozinha dos restaurantes locais
• Separar os diversos tipos de resíduos na coleta seletiva,
• Compreender as relações e/ou efeitos negativos no meio ambiente devido à produção de lixo, esgoto, desperdício de água,
etc., e,
• Compreender a íntima relação entre turismo e lixo, melhorando a “imagem” do entorno e das vias de acesso dos atrativos.
• Sensibilizar a comunidade local e do entorno dos atrativos a proteger e cuidar de seu patrimônio.
Objetivo Geral
Sensibilizar a comunidade, o turista e, principalmente, o setor produtivo do turismo da importância da diminuição dos
resíduos sólidos, bem como, na riqueza potencial do lixo seco como veículo de transformação para uma conduta sustentá-
vel e amiga dos recursos naturais.

Nome do Projeto

Excelência para a Hospitalidade

Apresentação
Este projeto visa qualificar os produtos e serviços no setor de Receptivo, Hotelaria e Alimentos e Bebidas da Região
Metropolitana por meio de uma nova visão empreendedora e inovadora, fundamental para o processo criativo na economia
e para promover o crescimento, aumentar a produtividade e criar empregos.
O Projeto Excelência para a Hospitalidade visa estruturar e preparar os empreendedores de setores turísticos que atuam na
recepção do visitante e turista oferecendo o “COMER”, “DORMIR” e “VISITAR”, atividades estas essenciais para o bom
desenvolvimento do turismo e para o exercício da boa hospitalidade.
Entendemos a hospitalidade como o bem receber do outro. Pode ser definida como ato humano, exercido no contexto
doméstico, público ou profissional, de recepcionar, hospedar, alimentar e entreter pessoas temporariamente deslocadas de
sua casa e/ou de sua cidade.
A expectativa de quem viaja é de encontrar, além de uma experiência singular, serviços de boa qualidade que dêem
conforto, segurança e confiança.

79
Diante deste contexto o projeto irá enfocar especificamente as seguintes áreas:
VISITAR
Visando operacionalizar o VISITAR o setor de receptivo deverá ser estruturado para:
• Fomentar o desenvolvimento de serviços receptivo (operadoras de receptivo)
• Requalificar os guias de turismo
• Qualificar por meio de curso específico monitores ecológicos

DORMIR
O setor de hospedagem servirá como “vitrine” para apresentar os produtos locais produzidos por pequenas empresas e
cooperativas de artesanato. Os produtos podem ser de decoração, pequenos utilitários ou guloseimas locais. A proposta é
propiciar ao hóspede uma espécie de degustação do que é do lugar, gerando assim o piloto para os ARRANJOS PRODUTIVOS
DO TURISMO

COMER
Qualificar e dar excelência na prestação de serviço aos estabelecimentos de alimentos e bebidas propiciando a
diversificação do produto e uma conduta responsável pelo empreendedor em relação ao desperdício e ao atendimento
honesto ao turista.

Objetivo Geral
Qualificar e dar excelência ao produto turístico por meio do exercício da hospitalidade, visando empreender formas inova-
doras na recepção e prestação de serviços ao turistas por meio de arranjos produtivos no sistema de turismo e na qualifica-
ção de guias e monitores ambientais.
Nome do Projeto

Patrimônios Capixabas: Adote sua história

Apresentação

Este projeto visa o restauro e a revitalização do patrimônio histórico e arquitetônico dos centros das cidades da Região
Metropolitana, tendo como piloto o centro de Vitória por meio de investimentos e apoio de grandes empresas. A Região
Metropolitana possui atrativos históricos e culturais de grande importância para a cultura capixaba, representados
especificamente, pelo patrimônio colonial e jesuítico, sintetizados nos monumentos como igrejas, prédios históricos e as
famosas escadarias de Vitória. O projeto âncora do centro de Vitória, visará:
• Integrar o porto ao conjunto da cidade, melhorando e viabilizando uma nova “vida” ao centro da cidade por meio do re-
ordenamento da atividade comercial, gastronômica de recreação e entretenimento e do estabelecimento de bons restaurantes
no centro.
• Propiciar acessibilidade aos viajantes de cruzeiros em desembarque no porto, permitindo visitar o centro de Vitória a partir
da escadaria do Palácio Anchieta.
• Propiciar acessibilidade em pontos específicos das áreas centrais e com concentração de atrativos a portadores de necessidades
especiais,
• Promover o orgulho do capixaba por meio de visitas guiadas a escolas e empresas locais, reconhecendo o valor de sua
história e cultura nos passeios a estas regiões visando recuperar a identidade e o uso cotidiano dos centros das cidades.
• Projetar espaços e usos no centro histórico propiciando a junção e reestruturação de projetos arquitetônicos, paisagísticos e
de infra-estrutura em acordo com as intervenções já estabelecidas por projetos isolados de reforma dos edifícios existentes
nas prefeituras atuais.

81
Objetivo Geral
Envolver as grandes empresas da região no investimento e na “adoção” de bens de valor histórico e até mesmo sentimental
do povo capixaba, propiciando assim, o restauro e revitalização do patrimônio histórico e arquitetônico da região, bem
como, criando possibilidades de constituir um produto turístico de qualidade e que venha a revitalizar áreas degradadas
proporcionando a inclusão social e o investimento de novos equipamentos de lazer e alimentação.

Nome do Projeto

Turismo na Região Metropolitana


Apresentação

A pesquisa de mercado como meio fundamental para estabelecer a competitividade para a promoção e comercialização dos
produtos da Região Metropolitana. A Região Metropolitana possui recursos e atrativos com grande percentual de
potencialidade para o turismo, no entanto, não estão devidamente estruturados para captar novos mercados sejam eles
turistas atuais e potenciais. Um fator primordial para o bom desempenho da promoção e comercialização dos produtos da
Região Metropolitana é a criação de um Sistema de Informações e Gerenciamento Turístico para a Região Metropolitana
(SIGTRM), visando proporcionar uma base de dados para administração da pesquisa de marketing para a tomada de
decisões quanto ao desenvolvimento e para o monitoramento do crescimento da atividade turística.

Objetivo
Promover e Comercializar a Região Metropolitana por meio de seus produtos com alto grau de aproveitamento e boa
estruturação para o recebimento do turista, captando novos consumidores e potencializando o consumidor atual de negóci-
os a conhecer o que a região oferece para o turismo e lazer.
Lista de Fotos, Figuras, Gráficos e Tabelas
FOTOS Página
Foto 1 Simone Scorsato. Baia de Vitória. 25

FIGURAS
Número Assunto/tema
1 Regiões Turísticas do Espírito Santo 10
2 O Processo do Turismo 20
3 Mapa da Região Metropolitana 31
4 Mapa de posicionamento atual da Região Metropolitana 66
5 Mapa de posicionamento desejado da Região Metropolitana 68
6 Abrangência dos produtos na Região Metropolitana 75

TABELAS
Número Assunto/tema
1 Volume de Passageiros no Brasil - Via Terrestre 22
2 Quantidade de Turistas e Gasto Médio Individual – Região Metropolitana 27
3 População da Região Metropolitana por Município 33
4 Oportunidades e Ameaças: fatos gerais Região Metropolitana 55
5 Oportunidades e Ameaças: fatos competitivos Região Metropolitana 56
6 Oportunidades e Ameaças: fatos de mercado Região Metropolitana 57
7 Pontos fortes e fracos Região Metropolitana 58
TABELAS cont.
Número Assunto/tema
8 Metas em volume de turistas para 2015 Região Metropolitana 70
9 Portifólio de prioridades de produtos por mercado Região Metropolitana 76

GRÁFICOS
Número Assunto/tema Página
1 Fluxo Anual de Turistas no Estado do Espírito Santo 21
2 Volume de Passageiros por Mês no Aeroporto de Vitória 23
3 Movimento de Passageiros no Aeroporto de Vitória / 2003-2005 24
4e5 Fluxo Turístico na Alta Temporada – Região Metropolitana 26
6 Origem do Turista da Região Metropolitana 27
7 Meio de Transporte Utilizado – Região Metropolitana 28
8 Meio de Hospedagem – Região Metropolitana 29
9 Tempo de Permanência – Região Metropolitana 29
10 Motivação da Viagem – Região Metropolitana 30
11 Grade de Atividades da Região Metropolitana 34
12 Perfil dos Atrativos – Região Metropolitana 36
13 Produtos Ofertados no Trade 51
14 Expectativa do lugar depois de conhecê-lo 53
15 Poder de atração da Região Metropolitana 54
EQUIPE TÉCNICA

MINISTÉRIO GOVERNADOR DO EQUIPE TÉCNICA ESPÍRITO SANTO


DO TURISMO ESTADO DO ESPÍRITO SEDETUR CONVENTION &
Marta Suplicy, SANTO VISITORS BUREAU
Ministra de Estado Paulo César Hartung Gerência de
Gomes Planejamento Presidente
SECRETARIA NACIONAL DE Carla Rezende Bastos Marcos Azevedo
POLÍTICAS DE TURISMO SECRETARIA DE ESTADO Diomedes Maria Caliman
Airton Nogueira Pereira, DO TURISMO Berger Diretora Executiva
Secretário Marcus Vicente Mariana Carvalho Sabrina Klein
Rodrigues
DIRETORIA DE SUBSECRETÁRIA DE Solange Barros Garcez
ESTRUTURAÇÃO, ESTADO DE TURISMO
ARTICULAÇÃO E Marcia Guimarães Gerência de Qualificação
ORDENAMENTO Abrahão da Costa Janete Maria Raseli
TURÍSTICO
Soares
Tânia Brizolla, Diretora Rosana Brandão Leal
COORDENAÇÃO GERAL
Gerência de Marketing
DE REGIONALIZAÇÃO
Maria Amália Queiroz
Benita Monteiro
Bello
Vânia Maria Chiabai

AGRADECIMENTO
O Setor Turístico do Espírito Santo agradece o apoio
do Ministro do Turismo, Walfrido dos Mares Guia,
bem como, de toda equipe técnica do Ministério do
Turismo.
GERÊNCIA TEMÁTICA AGÊNCIA DE CHIAS MARKETING
DE TURISMO DESENVOLVIMENTO
DA REGIÃO Direção Técnica
Gerente TURÍSTICA Josep Chias
Helina Cosmo Canal METROPOLITANA
Coordenação Geral
Diretoria Presidente Patrícia Servilha
Bruno Gonçalves Carvalho Fábio Leite Lopes
Ediane Martins Teófilo Consultor Sênior
Tavares Diretoria Anete Ferreira
Elelian Galavote Cláudio da Costa M. Àngels Serra
Jaciene de Oliveira Vieira Hernandez Simone Scorsato
Luciana de Paiva Elva Sirlei Iehle Homem Walter Menezes
Maria Aparecida dos Santos Leonardo Dadalto
Orletti Luiz Cesar De Biase Consultor Júnior
Paola Maria A. Vicente dos Nogueira José de Freitas Ornellas
Santos Luciana Zanin
Paulo Henrique Falqueto da Natália Cordeiro
Silva Rosiane Rockenbach
Paulo Roberto Dutra Rocha
Administração
Luciana Prates
Rosa Servilha

Desenho Gráfico
Studio Alarcon