Você está na página 1de 5

E Foucault: A suspeita de que todo o poder emana e retorna aos arquivos pode ser confirmada de forma

brilhante, pelo menos dentro dos reinos de, medicina, direito e teologia. Uma tautologia da história, ou o seu
calvário.
A história era de fato de Foucault "ondulatório sucessão de palavras."
"Literatura", Goethe escreveu, "é um fragmento de fragmentos, o de menor proporção que aconteceu eo que
foi dito foi escrito, enquanto que apenas os de menor proporção do que foi escrito sobreviveu. Only" [7]
Basta dizer que um dia - na Alemanha, este já pode ter sido o caso durante a época de Goethe - o meio
homogêneo da escrita também se tornou homogênea na esfera social. A escolaridade obrigatória envolveu
pessoas de papel. Eles aprenderam uma forma de escrita que, como um "abuso de linguagem" (de acordo
com Goethe), já não tinha de lutar com os músculos contraídos e letras individuais, mas continuou em êxtase
ou escuridão. Eles aprenderam a ler "silenciosamente para si mesmo", um "substituto pena de
discurso" [15] que letras consumida sem esforço por evitar órgãos oral. O que eles emitidos e recebidos estava
escrevendo. E porque só o que existe, que podem ser destacados, os corpos se caiu sob o regime do
simbólico. O que é impensável hoje foi uma vez realidade: nenhum filme armazenados os movimentos que
fizeram ou viram, sem fonógrafo o barulho que eles fizeram ou ouviram. Para o que não existia antes do
tempo. Silhuetas ou desenhos a pastel fixo expressões faciais, e os escores foram incapazes de armazenar
ruído. Mas uma vez que a mão pegou uma caneta, algo milagroso aconteceu: o corpo, que não cessa de não
se escrever, deixou traços estranhamente inevitável.
Tenho vergonha de contar. Eu estou envergonhada da minha escrita. Expõe-me em todos os meus nudez
espiritual. Minha caligrafia mostra-me mais nua do que eu estou com a minha roupa. Não perna, sem fôlego,
sem roupas, sem som. Nem a voz nem reflexão. Tudo limpo. Em vez disso, um homem todo de ser, murcho e
disforme, como seu rabisco-scrabble. Suas linhas são tudo o que resta dele, bem como a sua auto-
propagação. Os traçados irregulares de seu lápis sobre papel, tão mínimo que cega o homem alcance um
dificilmente detectá-los, se a medida do tipo inteiro. [16]
Hoje, essa vergonha, que supera o herói de Strauss Botho última história de amor,dedicação , sempre que ele
vê sua caligrafia, não é mais que um anacronismo. O fato de que o desnível mínimo entre o curso e papel
podem armazenar nem voz nem a imagem de um corpo pressupõe, em sua exclusão da invenção da
fonografia e cinema. Antes de sua invenção, porém, escrita por si só poderia garantir a perfeita fixação de
traços. Ele escreveu e escreveu, em um e, idealmente, ininterrupto fluxo energético. Como Hegel tão
corretamente observado, o indivíduo alfabetizado teve sua "aparência e externalidade" [17] , neste fluxo
contínuo de tinta ou letras.
E o que aplicado à escrita também se aplica à leitura. Mesmo se o indivíduo alfabetizado conhecido como
"autor" finalmente teve a queda de exterioridade privado para a exterioridade anônima de impressão, a fim de
garantir "os seus restos mortais e de sua propagação" - indivíduos alfabetizados conhecido como 'leitores'
foram capazes de reverter essa exteriorização. "Se alguém lê no caminho certo", escreveu Novalis, "as
palavras em nós se revelará de modo visível, no mundo real."[18] E seu amigo Schlegel acrescentou que
"acredita-se para ouvir o que lê apenas um." [19] alfabetização era perfeito para completar precisamente
aqueles fluxos de dados acústicos e ópticos, que, sob o monopólio da escrita, não cessa de não escrever-
se. Esforço tinha sido removido da escrita e da leitura de som, de modo a naturalizar escrito. As cartas que os
leitores educados sobre as pessoas desnatado fornecido com imagens e sons.
Ajudado pela escolaridade obrigatória e novas técnicas de alfabetização, o livro tornou-se ambos os filmes e
gravar em torno de 1800 - não como um meio de realidade tecnológica, mas no imaginário das "almas
leitores. Como substituto de dados livros unstorable fluxos chegou ao poder e glória. [20]
Em 1774, um editor com o nome de Goethe cometeu as letras manuscritas ouSofrimentos do Jovem
Werther para imprimir. A "multidão sem nome" (para citar a "dedicação" de Fausto ), também estava a ouvir
uma música "precoce" que, como "um velho desbotado meia-canção," revivido "velhas mágoas" e "velhos
amigos". [ 21] Esta foi a literária nova receita para o sucesso: a sub-repticiamente por sua vez a voz ou escrita
de uma alma em Gutenbergiana. Na última carta que ele escreveu e selado, mas não enviar antes de cometer
suicídio, Werther deu à sua amada muito a promessa da poesia: durante sua vida, ela terá de permanecer com
Alberto, seu marido não amado, mas depois ela vai se unir com seu amante "na visão do infinito no eterno
abraços." [22] Com efeito: o destinatário de cartas de amor escritas à mão, que foram depois publicadas por
um editor simples, era para ser recompensado com a imortalidade na forma do romance em si. Ele só foi capaz
de criar o "reino bonito"[23] em que os amantes de Goethe, Afinidades Eletivas, de acordo com a esperança do
seu narrador, "vai despertar juntos mais uma vez." [24] Curiosamente, Eduard e Ottilie tinha uma e mesmo a
escrita durante sua vida. A sua morte elevou-los para um paraíso que, sob o monopólio de armazenamento de
torcer foi chamado poesia.
E talvez que o paraíso era mais real do que nossos sentidos controlados meios de comunicação podem
imaginar. Lendo atentamente, entre os leitores do Werther, que cometeu suicídio pode muito bem ter percebido
o seu herói de modo visível, no mundo real. E os amantes do sexo feminino leitores de Goethe, como Bettina
Brentano, pode muito bem ter morrido com a heroína de seu Afinidades Eletivasapenas para ser "renascido em
uma bela juventude mais" em virtude de Goethe "gênio". [25] Talvez a ordem alfabética leitores perfeitamente
de 1800 foram uma resposta viva a questão com a qual Chris Marker conclui seu filme ensaio Sans Soleil:
Lost no final do mundo na minha ilha do Sal, na companhia de meus cães empertigado ao redor, eu me lembro
de Janeiro, em Tóquio, ou melhor, eu me lembro das imagens que filmei em Tóquio, em janeiro. Eles já se
colocaram no lugar da minha memória, eles são minha memória. Eu me pergunto como as pessoas se
lembrem que não filme, tirar fotos ou fitas de gravação, como a humanidade usado para percorrer cerca de
lembrar. [26]
É o mesmo com a linguagem, que só nos deixa a escolha de palavras de retenção ao perder o seu significado,
ou vice-versa, mantendo ao mesmo tempo perder o sentido de palavras. [27] Uma vez que pode acomodar
mídia de armazenamento de dados óticos e acústicos, a capacidade de memória homem é obrigado a
diminuir. A sua "libertação" [28] é o seu fim. Enquanto o livro foi responsável por todos os fluxos de dados
seriais, as palavras tremiam com a sensualidade ea memória. Foi a paixão de toda a leitura a alucinar
significado entre as linhas e as letras: o mundo visível e audível da poética romântica. E (nas palavras de ETA
Hoffmann) a paixão de toda a escrita foi poeta, o desejo de "descrever" o "alucinado" imagem em sua mente
com todos os vivas as suas cores, a luz ea sombra, a fim de "atacar" o " gentil leitor "como um choque
elétrico." [29]
Electricidade coloca um ponto final nisso. Depois de memórias e sonhos, os mortos e os fantasmas se tornam
tecnicamente reprodutível, leitores e escritores não estão mais na necessidade de os poderes de
alucinação. Nosso reino dos mortos foi retirado de livros, em que residiu durante muito tempo. Como Diodor da
Sicília, escreveu certa vez: "já não é só através da escrita que os mortos permanecem na memória dos vivos",
Balzac o escritor já estava tomada pelo medo, quando confrontada com a fotografia, como confessou a Nadar
", o grande pioneiro da fotografia. Se (de acordo com Balzac) o corpo humano é composto por muitas camadas
finas infinita de "fantasmas", e se o espírito humano não pode ser criada do nada, então o daguerreótipo deve
ser um truque sinistro: ele corrige, ou seja, rouba uma camada após a outras, até que nada resta da
"fantasmas" eo corpo fotografado. [30] Álbum de Fotos estabelecer um reino dos mortos infinitamente mais
precisos do que concorrentes literário empresa Balzac, o C humaine omédie , poderia sempre esperar para
criar. Em contraste com as artes, a mídia não tem que se contentar com a grade do simbólico. Ou seja, eles
não só reconstruir o corpo em um sistema de palavras ou de cores ou de intervalos de som. Mídia e meios de
comunicação somente, cumprir os "padrões elevados", que (de acordo com Rudolf Arnheim) podemos esperar
de "reproduções" desde a invenção da fotografia: "Eles não só devem assemelhar-se ao objeto, mas sim
garantir essa semelhança, sendo, como se fosse um produto do objeto em questão, ou seja, por ser
mecanicamente produzido por ele - assim como os objetos iluminados da marca a realidade de sua imagem
sobre a camada fotográfica, " [31] ou as curvas de freqüência de ruídos inscrever suas ondulatório formas para
a placa fonográfico.
[Inserir ilustração p. 22 com legenda: fotografia espírito <1904>]
A reprodução autenticada pelo objeto em questão é um dos precisão física. Refere-se ao real dos corpos, que
escapa de todas as grades necessisity simbólico. Media já oferecem sempre as aparições de espectros. Pois,
de acordo com Lacan, mesmo a palavra "cadáver" é um eufemismo, em referência ao real. [32]
Assim, a invenção do alfabeto Morse em 1837 foi prontamente seguido pelos espectros batendo de sessões
espíritas o envio de suas mensagens a partir do reino dos mortos. Prontamente, bem como, placas fotográficas
- mesmo e especialmente aqueles tomados com o obturador da câmera fechada - reproduções mobilado de
fantasmas ou espectros, cuja preto-e-branco inexatidão só serviu para enfatizar a promessa de
semelhança. Finalmente, uma das dez aplicações Edison imaginou para o seu recém-inventado fonógrafo em
1878 no North American Review, estava a gravar "as últimas palavras de pessoas que morrem."
Foi só um pequeno passo de um tal "registro de família", [33] com a sua consideração especial de fantasmas,
às fantasias que tinham cabos telefônicos que ligam os vivos e os mortos. O que Leopold Bloom
em Ulysses só pode desejar para as suas meditações cemitério Dublin, [34] Walter Rathenau, o presidente do
conselho AEG escritor e futurista, já se transformou em ficção científica. Após uma série de escandaloso
enterros prematuros, em 1898, a administração do cemitério da Necropolis, Dacota, EUA, destacados na
história da Rathenau "Ressurreição Co.", funda uma filial intitulada "Dacota Central e Ressurreição Bell
Telephone Co." com um capital de $ 750.000. Sua única finalidade é a certeza de que os habitantes de
sepulturas, também está ligado à rede telefónica pública. Foi então que o morto se aproveitar a oportunidade
para provar que, muito antes de McLuhan, de que o conteúdo de um meio é sempre outro meio - neste caso
concreto, uma . professionelle deformação [35]
Estes dias, vozes paranormais em fitas ou rádio, o que gosta de ter sido spritistically pesquisado desde 1959 e
preservado no rock desde 1982 Laurie Anderson liberação Big Science , [36] informar os seus pesquisadores
de seu comprimento de onda de rádio preferida. Isso já ocorreu em 1898, no caso de o presidente do Senado
Schreber: quando um paranormal, lindamente autónoma "base ou língua nervosa", revelou o seu código, bem
como os seus canais de mensagens e se tornou um canal. "Você só tem de escolher uma estação de talk
show da média, curta ou longa onda, ou o chamado" ruído branco "entre duas estações, ou a" onda de
Jürgenson, "que, dependendo de onde você está, fica por volta de 1450 e 1600KHZ entre Viena e Moscou.
" [38] Se você reproduzir uma fita que foi ligado ao rádio, você vai ouvir todos os tipos de vozes fantasma que
não se originam a partir de qualquer estação de rádio conhecida, mas que, como todos os oficiais
apresentadores, entrar em rádio auto-propaganda. De fato, a localização ea existência de que "onda de
Jürgenson" foi localizado por ninguém menos que "Friedrich Jürgenson, o Nestor de pesquisa vocal." [29]
O reino dos mortos é tão extensa quanto a capacidade de armazenamento e transmissão de uma dada
cultura. Como Klaus Theweleit observou, os media são sempre aparatos de vôo para o grande além. Se as
pedras grave manteve-se como símbolos no início da própria cultura, [40], a nossa tecnologia de mídia pode
recuperar todos os deuses. A antiga escrita lamentos sobre a efemeridade, que mede não mais do que a
distância entre a escrita ea sensualidade, de repente se calam. Em nosso cenário midiático, os imortais vieram
a existir novamente.
Guerra na mente é o título de uma conta das estratégias psicológicas eclodiram pelo Pentágono. Ele relata que
as equipes de planejamento da guerra eletrônica, que se limita a continuar a batalha do Atlântico, [41] já
compilou uma lista dos e não-propícias dias propícios em outras culturas. Ele permite que os EUA Força Aérea
"para tempo de [sua] bombardeios para coincidir com dias desfavoráveis, assim,> confirmando" as previsões
de deuses locais. " Como assim, as vozes desses deuses foram gravadas em fita a ser transmitida a partir de
helicópteros, a fim de "manter as tribos em suas aldeias." E, finalmente, o Pentágono desenvolveu projectores
de filmes especiais capazes de projetar esses deuses em nuvens de baixo pendurado.[42] A tecnologia
implementada além ...
É claro que o Pentágono não mantém uma lista manuscrita e maus dias bons. A tecnologia Office mantém-se
com tecnologia de mídia. Cinema e do fonógrafo, as duas grandes conquistas de Edison que trouxe para o
presente, são complementados por uma máquina de escrever. Desde 1865 (segundo contas europeias) ou
1868 (de acordo com a americana), a escrita não é mais a tinta ou lápis vestígio de um corpo cujos sinais
ópticos e acústicos foram irremediavelmente perdidos, apenas para reaparecer (em 'mentes dos leitores) na
sensualidade substituto da caligrafia. Para que série de sons e imagens a serem armazenados, a Europa é
apenas a tecnologia de armazenamento antigo primeiro tinha que ser mecanizada. Hans Magnus Malling
Hansen em Copenhaga e Christopher Latham Sholes, em Milwaukee desenvolvidas máquinas de escrever
pronto para ser produzido em massa. Edison pensou muito sobre o potencial desta invenção Sholes, quando o
visitou em Newark para demonstrar a sua patenteada novo modelo e convidar o homem que inventou a
invenção para introduzir uma joint venture. [43]
Mas Edison recusou a oferta - como se, já em 1868, o fonógrafo e cinetoscópio preocupada seu inventor
futuro. Em vez disso, um fabricante de armas que sofrem de diminuição das receitas na depressão pós-Guerra
Civil, agarrou a oferta. Remington, e não de Edison, assumiu a máquina Sholes "discurso arma.
Assim, não havia ninguém Maravilhosa, de cuja fronte saltaram todas as três tecnologias de mídia da era
moderna. Pelo contrário, o início de nossa era foi marcado pela separação ou diferenciação. [44] Por um lado,
temos dois meios tecnológicos que, pela primeira vez, corrigir os fluxos de dados unwritable, por outro lado, há
um> " intermediário "coisa, entre uma ferramenta e uma máquina", como Heidegger escreveu com tanta
precisão sobre a máquina de escrever. [45] Por um lado, temos a indústria do entretenimento com a sua nova
sensualidades, por outro lado, há um escrito que (ao contrário de tipos móveis de Gutenberg separados de
papel) eo corpo já durante a produção de textos. Desde o início, as letras e sua disposição são padronizados
na forma de tipos e teclado, enquanto a mídia são engolidos pelo ruído do real - a inexatidão do picutres
cinematográfica ou o assobio de gravações.
[Inserir ilustração p. 26]
Nos textos padronizados, papel e corporal, a escrita ea queda alma distante.Máquinas de escrever não
indivíduos da loja, suas letras não comunicam um futuro que os leitores poderiam perfeitamente em ordem
alfabética, posteriormente alucinar como significado. Tudo que desde a invenção de Edison tem sido tomada
por meios tecnológicos desaparece dactilografados. O sonho de um mundo real, visível ou audível decorrentes
de palavras, chegou ao fim. A sincronicidade histórica do cinema, fonografia e datilografia separados fluxos
óticos, acústicos, e escrita de dados, assim tornando-os autônomos. A capacidade dos meios elétricos ou
eletrônicos para recombinar-los não muda o fato de sua diferenciação.
Em 1860, cinco anos antes de Hansen mecânica bola escrito Malling, a massa produzida primeira máquina de
escrever, Gottfried Keller "Usurpação de Cartas de Amor" ainda proclamar a ilusão da própria poesia: o amor
fica com a alternativa impossível de falar nem com "tinta negra" ou com "sangue vermelho". [46] Mas uma vez
que escrever, filmar e fonografia se tornar opções igualmente válidas, como a escrita perde sensualidades
substituto. Por volta de 1880 a poesia se transforma em literatura. letras já não são padronizados para
transmitir vermelho sangue Keller ou interna formas de Hoffmann, mas sim uma nova e elegante tautologia de
técnicos.Segundo a instantâneas introspecção MallarmJ, a literatura é feita de nem mais nem menos do que
26 letras. [47]
distinção "Lacan" é metodológica [48] entre o real, o imaginário e simbólico, é a teoria (ou apenas um efeito
histórico) de que a diferenciação. De agora em diante, a simbólica abrange os signos lingüísticos em sua
materialidade e de tecnicidade. Ou seja, as letras e cifras formam um conjunto finito, sem levar em
consideração filosófica sonhos de infinito. O que conta são as diferenças, ou (na linguagem da máquina de
escrever), os espaços entre os elementos de um sistema. Por essa razão, Lacan desigantes "o mundo do
simbólico no mundo da máquina." [49]
O imaginário, no entanto, surge como o espelho de um corpo que parece ser, em termos de controle de motor,
mais perfeito do que o próprio corpo a criança, para no real tudo começa com tonturas frieza e falta de
ar. [50 ] Assim, o imaginário implementa precisamente aquelas ilusões de ótica que estavam sendo
pesquisadas nos primórdios do cinema. Um desmembrado ou (no caso do filme) retira-se do corpo se depara
com a ilusão de continuidade de movimentos no espelho ou na tela.Não é por acaso que Lacan registrados
bebês a reação eufórica de espelhar as suas imagens na forma de documentário. [51]
Por último, o real mais nada pode ser trazido à luz do que o que Lacan pressuposto que seja dado - é, nada.
Que [52] Faz o lixo ou resíduos, que nem o espelho do imaginário, nem grade do simbólico pode pegadinha: os
acidentes fisiológicos e desordem estocástica dos corpos.
As distinções metodológicas da psicanálise moderna claramente coincidem com as distinções de tecnologia de
mídia. Toda teoria tem seu a priori histórico. E a teoria estruturalista simplesmente explicita o que, desde a
virada do século, tem vindo ao longo dos canais de informação.
Somente a máquina proporciona uma escrita que é uma seleção a partir do e dispostos estoque finito de seu
teclado. Ele literalmente incorpora o que Lacan ilustrado usando o antiquada caixa de correio. [53] Em
contraste com o fluxo de escrita, temos agora elementos discretos separados por espaços. Assim, o simbólico
tem o status de maiúsculas .-- filme foi o primeiro a armazenar os móveis duplos, que os seres humanos, ao
contrário dos outros primatas, foram capazes de (des) percebe como seu próprio corpo. Assim, o imaginário
tem o estatuto de cinema .-- E somente os registros fonográficos todo o ruído produzido pela laringe, antes de
qualquer ordem semiótica e significado lingüístico. A fim de sentir prazer, de Freud pacientes não têm mais que
o desejo / filósofos consideram bom. Em vez disso, eles estão livres para tagarelar. [54] Assim, o real -
especialmente na cura pela fala conhecida como a psicanálise - tem o estatuto de fonografia.
Por volta de 1880, uma vez que a diferenciação tecnológica de óptica, acústica e da escrita explodiu monopólio
da escrita de Gutenberg, a fabricação do homem chamado se tornou possível. Sua essência escapa em
aparelhos. Máquinas de assumir as funções do sistema nervoso central, e não mais, como em tempos
passados, apenas os dos músculos. E como neste momento - e não com motores a vapor e ferrovias - que
ocorre uma clara divisão entre matéria e informação, o real eo simbólico. Quando se trata de inventar
fonografia e cinema, o sonho antigo da humanidade não são mais suficientes. A fisiologia dos olhos, ouvidos e
cérebros que se tornam objetos de investigação científica. A fim de otimizar a escrita mecanizada, escrever já
não pode ser sonhado como a expressão das pessoas ou o vestígio de corpos. As formas muito, as diferenças,
e as freqüências de suas letras têm de ser reduzidos a fórmulas. O chamado homem está dividida em fisiologia
e tecnologia de informação.
Quando Hegel resumiu a alfabetização perfeito de sua idade, ele chamou o Espírito.A leitura de toda a história
e todos os discursos girou seres humanos ou os filósofos em Deus. A revolução da mídia de 1880, no entanto,
estabeleceu as bases para teorias e práticas que não se enganem mais informações para o espírito. O
pensamento é substituído por uma álgebra booleana e da consciência pelo inconsciente, que (pelo menos
desde a leitura de Lacan) faz de Poe "roubada" Carta de uma cadeia Markoff. [0,55] E o fato de que o
simbólico é chamado o mundo da máquina undemines a ilusão do chamado Homem de modo a possuir uma
"qualidade" chamado "consciência", que identifica-lo como algo diferente e melhor do que uma "máquina de
calcular." Para ambas as pessoas e os computadores estão "sujeitos ao APEAL do significante" [56] , isto é,
são ambos são executadas por programas. "São estes os seres humanos", Nietzsche já se pergunta, em 1874,
oito anos antes de comprar uma máquina de escrever ", ou talvez apenas pensando, escrevendo e falando
máquinas?" [57]
Em 1950, Alan Turing, entre o praticante de matemáticos Inglaterra, deu a resposta para a pergunta de
Nietzsche. Ele observou, com elegância formal, que não há dúvida, para começar. Para esclarecer a questão,
o ensaio de giro "Computing Machinery and Intelligence" - surgindo, de todos os lugares, na revista
filosófica Mind- propõe um experimento, chamado jogo de Turing:
Um computador e um humano de intercâmbio de dados B através de algum tipo de interface telewriter. A troca
de textos é acompanhada por um censor C, que também recebe apenas informações escritas. A e B, ambos
fingem ser humanos, e C tem que decidir qual dos dois é simular e que é o pensamento de Nietzsche, escrita e
fala máquina. Mas o jogo continua em aberto, porque cada vez que a máquina se dá de distância - seja por
cometer um erro, ou, mais provavelmente, por não fazer qualquer - irá aperfeiçoar o seu programa através da
aprendizagem. [58] No Turing jogo, chamado Homem de modo coincide com a sua simulação.
E este é, obviamente, já o caso, porque a censura C recebe impressões plotter e dactilografados, em vez de
textos manuscritos. Naturalmente, os programas de computador pode simular a chamada individualidade tão
da mão humana, com suas rotinas e erros, mas Turing, como o inventor da máquina universal discretos, era
um datilógrafo. Embora ele não era muito melhor ou qualificados para ela que seu tomcat Timóteo, que foi
autorizada a saltar através do teclado do caótico serviço de escritório secreto Turing, [59] era, pelo menos, um
pouco menos catastrófica do que a sua caligrafia. Os professores da escola pública honrada de Sherborne
dificilmente poderiam "perdoar" o seu aluno estilo de vida caótico e confuso escrito. Ele tirava notas ruins para
os exames de brilhantes em matemática, apenas porque sua caligrafia era "o pior ... já vi." [60] fielmente, as
escolas se apegar ao seu dever de idade dos indivíduos de fabricação (no sentido literal da palavra) por
perfuração los em um contínuo, individual e bela caligrafia. Turing, entretanto, um mestre em subverter toda a
educação, se esquivou do sistema;, ele fez planos para uma "extremamente bruto" máquina de escrever.
Vez [61]
Nada veio desses planos. Mas quando, nos prados de Grantchester, os prados de toda a poesia do
Romantismo Inglês com Pink Floyd, ele teve a idéia da máquina universal discretos, seus sonhos iniciais foram
realizados e transformados. máquina Sholes, reduzida a seu princípio, nos apoiou até hoje. Turing só se livrou
do povo e datilógrafos que Remington & Son necessários para leitura e escrita.
E isto é assim porque uma máquina de Turing é ainda mais excessivamente bruto do que o plano Sherborne
para uma máquina de escrever. Tudo o que funciona com uma tira de papel que é o seu programa e seu
material de dados, a sua entrada e sua saída. Turing reduziu o tamanho da página máquina de escrever
comum a esta tira de papel. Mas há ainda economisations mais: sua máquina não precisa do redundantes
muitas letras, cifras e sinais de um teclado de máquina de escrever, ele pode fazer com um sinal e sua
ausência, 1 e 0. Esta informação binária pode ser lido ou (em technospeak de Turing) verificados pela
máquina. Ele pode então mover a fita de papel um espaço à direita, uma para a esquerda, ou nada, se
movendo em uma carne seca, ou seja, da forma discreta, como uma máquina de escrever, que em contraste
com a escrita tem letras maiúsculas, um espaçador para trás, e uma barra de espaço. (De uma carta de
Turing: "Perdoe a utilização da máquina de escrever: vieram preferir discreta para máquinas contínua. Que
eu" [62] ) O modelo matemático de 1936 já não é um hermafrodita entre uma máquina e uma ferramenta
simples.Como um sistema de feedback que bate todos os Remingtons, para a digitalização do sinal, ou sua
ausência, na tira de papel controla o próximo passo, que é um tipo de escrita, e que depende dessa leitura se a
máquina mantém o sinal ou apaga-lo, ou vice-versa, se mantém um espaço em branco ou substitui-lo com um
sinal, e assim por diante e assim por diante.
Isso é tudo. Mas nenhum computador que foi construído ou que nunca será construído pode fazer mais. Até
mesmo o avançado Von-Neumann máquinas mais (com o armazenamento do programa e da unidade de
computação), apesar de operar muito mais rápido, são, em princípio, não difere do modelo é infinitamente lenta
de Turing.Além disso, embora nem todos os computadores têm de ser máquinas de Von-Neumann, todas as
possíveis máquinas de processamento de dados são simplesmente um estado de n do discreto máquina
universal. Isto foi provado matematicamente por Alan Turing em 1936, dois anos antes em Berlim, Konrad
Zuse construiu o primeiro computador programável de relés simples. E com que o mundo do simbólico voltado
realmente para o mundo da máquina. [63]
Ao contrário da história que pôr fim, a idade continua mídia em empurrões, assim como do papel da tira de
Turing. A partir da Remington através da máquina de Turing para microeletrônica, da mecanização e da
automatização para a implementação de uma escrita que é única cifra, não significa - de um século foi
suficiente para transferir o monopólio de idade, idade da escrita para a onipotência de circuitos integrados.Não
diferente de correspondentes de Turing, todos desertar máquinas analógicas em favor de entes distintos. O CD
digitaliza o gramofone, a câmera de vídeo digitaliza os filmes. Todos os fluxos de dados de fluxo em um estado
de n da Máquina Universal de Turing, apesar Romantismo, números e figuras se tornar a chave para todas as
criaturas