Você está na página 1de 3

Comentário

Impacto da experiência brasileira na América Latina


Publicado Online A série Brasil na revista The Lancet mostra que é antes que pudessem ter condições de fornecer serviços
9 de maio de 2011
DOI:10.1016/S0140-
possível um progresso rápido na saúde pública e no de saúde, educação e outros benefícios para grupos
6736(11)60437-6 atendimento clínico, quando as condições necessárias de baixa renda. Além disso, a mão-de-obra barata era
Veja Online/Série estão devidamente preenchidas. Os autores, um grupo considerada uma coisa “não tão ruim”. O Brasil mostrou
DOI:10.1016/S0140-
6736(11)60054-8, experiente de dirigentes brasileiros de saúde pública, o exemplo oposto – que é preciso investir no capital
DOI:10.1016/S0140- são atores-chave nesse processo. Eles narram o que humano e social para obter e sustentar o crescimento
6736(11)60138-4,
DOI:10.1016/S0140- tem dado certo, as forças que modelaram o progresso, econômico. Nas últimas décadas, este conceito foi
6736(11)60202-X, as principais realizações, os problemas passados e validado no México por meio do programa Progresa/
DOI:10.1016/S0140-
6736(11)60135-9, presentes a ser enfrentados e os desafios futuros. Os Oportunidades,3 que demonstrou que as transferências
DOI:10.1016/S0140- artigos mostram o papel fundamental da garantia de condicionais de renda direta fortalecem a cobertura
6736(11)60053-6 e
DOI:10.1016/S0140- acesso universal à saúde como vital para as doenças e a eficácia da saúde, a nutrição e outros programas
6736(11)60055-X infecciosas que podem ser prevenidas por vacinação sociais. Graças a isso as crianças são mais saudáveis,
e para os problemas da diarreia e da desnutrição, estão crescendo melhor e conseguem progressos na
a mortalidade materna e, mais recentemente, o educação mais rapidamente do que o previsto com base
controle da Aids, com o fornecimento gratuito da exclusiva no crescimento econômico.4 Atualmente, a
terapia antirretroviral no ponto de entrada – uma educação universal e os esquemas de seguro de saúde
impressionante prestação de contas de esforços já operam ou estão sendo estabelecidos em muitos
conjuntos, apoiados pelos sucessivos governos, países da região. A Bolívia, por exemplo, impôs uma
visando expandir os cuidados de saúde preventiva meta de “desnutrição zero” depois da eleição de seu
e curativa em resposta à crescente demanda do primeiro presidente indígena – Juan Evo Morales Ayma,
público. De que forma essa experiência contribuiu para proporcionando o acesso à saúde e à alimentação para
mudanças em outros países, tanto no âmbito regional crianças pequenas, e transferências de renda adicional
como em outras partes do mundo? para as famílias pobres.3,5 Atualmente, esses programas
No passado, o pensamento econômico tradicional, estão influenciando políticas em outros países andinos
pela assistência internacional bilateral e multilateral, (Peru e Equador) e também na América Central, cujas
pregava que os países deveriam, em primeiro lugar, regiões são as mais atrasadas nas áreas da saúde e do
alcançar o crescimento econômico, antes de gastar em progresso social, enquanto que a “origem indígena” é
programas sociais.1,2 O investimento em infraestrutura uma desvantagem a mais.6,7
física (estradas, pontes, fábricas) era necessário para o O Brasil revela claramente o ciclo virtuoso dos
progresso social; os países deviam acumular riquezas avanços democráticos que apoiam ganhos em saúde
que, por sua vez, promovem maior apoio popular
para a democracia. Esse processo apenas ocorrerá se
o processo democrático tiver condições de funcionar
na base da “regra da maioria”, que respeita os
direitos básicos de todos. Permitir as manifestações
de descontentes é uma virtude democrática, pois
proporciona um quadro jurídico para a mudança.
Como jovem estudante na década de 1960, tive
a oportunidade de conhecer João Goulart (o 24°
presidente do Brasil, até ser deposto por um golpe
militar em 1964) em sua visita ao Chile, logo após
sua eleição. Cesar Victora et al.,8 nessa Série, oferecem
uma síntese de como o regime militar no Brasil
afetou o país. Governos repressivos se alastraram
Corbis

até a Argentina, Chile, Uruguai e para outros países

8 www.thelancet.com
Comentário

nos anos de 1970–80, que ficaram marcados por naquelas ocasiões em que assumimos posições de
desaparecimentos generalizados, tortura e exílio de poder e de responsabilidade. No Brasil, as pessoas que
muitos políticos, estudantes, escritores, cineastas e não toleravam o estado de coisas então vigente foram
outros artistas. responsáveis por tornar coisa do passado as injustiças
No entanto, os tempos mudaram para a América cometidas e por colocar o progresso em busca de um
Latina; a União Soviética caiu e os fuzileiros navais dos mundo melhor no topo da lista de prioridades.
EUA estão ocupados em outras partes do mundo. Então, O Brasil tem dado motivos para que nos orgulhemos
quando Evo Morales decidiu nacionalizar as empresas de nossa profissão nesse ambiente em constante
estrangeiras exploradoras de gás e de petróleo, mudança. Tendo enfrentado a diversidade racial,
justificou essa atitude declarando que os lucros cultural e política mais habilmente do que a maioria
agora seriam destinados a apoiar o desenvolvimento dos países, o Brasil nos dá a grande oportunidade de
humano e social. Na verdade, a maioria das empresas aplaudir jogadores de futebol sambando no campo
negociou compensações satisfatórias.9 Em um passado na hora do gol e de apreciar a garota de Ipanema ao
não tão distante, essa nacionalização teria significado caminhar na direção do mar, fantasiada, em um dia de
esforços para mudar o regime, porque os “direitos” do carnaval – e tudo isso é parte de uma aspiração coletiva
capital estrangeiro estavam sendo violados. Por outro e global de “ser os melhores do mundo”. Esse senso de
lado, a queda do império soviético e a turvação da propósito e de orgulho nacional fornece a força que
miragem idealista do paraíso de Fidel Castro, em Cuba, permitiu ao país, coletivamente, aceitar o desafio de
abriram novas formas de olhar, avaliar e julgar o que proporcionar uma saúde melhor para todos. O Brasil
é melhor para os diferentes países, no enfrentamento está unido para realizar a sua Copa do Mundo de 2014
de seus variados desafios. Os latino-americanos já e as Olimpíadas de 2016 – desafios na busca de “ser o
não são mais rigidamente definidos pela ideologia melhor” –, mas também deve continuar na busca do
a favor ou contra determinados dogmas, mas estão progresso social e do aperfeiçoamento da saúde para
tornando-se cada vez mais pragmáticos e capazes todas as pessoas, todas as raças e todos os credos.
de avaliar melhor os benefícios e riscos, tanto de um Desejamos ao povo e ao novo governo do Brasil todo
capitalismo desenfreado quanto de uma economia o sucesso do mundo.
de Estado fechada. A boa governança é essencial para
os avanços da saúde pública e governos respeitáveis Ricardo Uauy
constituem um bom ponto de partida... e será ainda Instituto de Nutrição, Universidade do Chile, Santiago, Chile; e
Departamento de Pesquisas de Nutrição e de Intervenções na
melhor se as coisas forem feitas pelo povo, para o povo
Saúde Pública, London School of Hygiene and Tropical Medicine,
e com o povo. London WC1E 7HT, UK
No Brasil, o governo democrático, em resposta às Ricardo.uauy@lsthm.ac.uk
demandas populares, com a participação popular e Declaro não ter conflitos de interesses.
contando com uma sólida economia de mercado, 1 Hagen EE. How economic growth begins: a theory of social change.
J Soc Issues 1963; 19: 20–34.
trabalhou em sincronia para “girar a roda da fortuna”, 2 Rostow WW. The stages of economic growth. Econ History Rev 1959;
objetivando benefíciar a maioria ou, se possível, toda 12: 1–16.
3 Hoddinott J, Bassett L. Conditional cash transfer programs and nutrition
a população brasileira.10,11 Seria difícil comprender in Latin America: assessment of impacts and strategies for improvement.
o processo das mudanças que levaram à melhoria Nov 21, 2008. http://www.rlc.fao.org/es/prioridades/seguridad/
ingreso3/pdf/ifpri.pdf (acesso em 22 de março de 2011).
da saúde pública sem dar o devido crédito aos 4 Rivera JA, Sotres-Alvarez D, Habicht JP, Shamah T, Villalpando S.
movimentos sociais e às forças que catalizaram essas Impact of the Mexican program for education, health, and nutrition
(Progresa) on rates of growth and anemia in infants and young
mudanças.12–14 O ciclo virtuoso do poder incumbido children: a randomized effectiveness study. JAMA 2004;
291: 2563–70.
pelo povo para realizar um processo político sensível 5 Pelletier DL, Frongillo EA, Gervais S, et al. Nutrition agenda setting,
às necessidades de saúde ao bem-estar de todos é o policy formulation and implementation: lessons from the
Mainstreaming Nutrition Initiative. Health Policy Plan 2011; publicado
verdadeiro motor do enorme progresso observado na online em 3 de fevereiro. DOI:10.1093/heapol/czr011.
saúde. Nós, médicos e profissionais da saúde, somos 6 Hotez PJ, Bottazzi ME, Franco-Paredes C, Ault SK, Periago MR. The
neglected tropical diseases of Latin America and the Caribbean: a review
meros instrumentos para acelerar o progresso; algumas of disease burden and distribution and a roadmap for control and
elimination. PLoS Negl Trop Dis 2008; 2: e300.
vezes podemos avançar em nosso comprometimento,

www.thelancet.com 9
Comentário

7 Ruel MT, Menon P. Child feeding practices are associated with child 11 Ferreira FHG, C, Leite PG, Litchfield JA. The rise and fall of Brazilian
nutritional status in Latin America: innovative uses of the demographic inequality: 1981–2004. Macroecon Dynam 2008; 12: 199–230.
and health surveys. J Nutr 2002; 132: 1180–07. 12 Valla VV. Health and education: university, NGOs, and public policy in
8 Victora CG, Aquino EML, do Carmo Leal M, Monteiro CA, Barros FC, Brazil. Latin Am Persp 1994; 21: 104–16.
Szwarcwald CL. Maternal and child health in Brazil: progress and 13 Abers R. From ideas to practice: the Partido dos Trabalhadores and
challenges. Lancet 2011; publicado online em 9 de maio. DOI:10.1016/ participatory governance in Brazil. Latin Am Persp 1996; 23: 35–53.
S0140-6736(11)60138-4. 14 Bourne R. Lula of Brazil: the story so far. Berkeley and Los Angeles,
9 Kohl B. Bolivia under Morales: work in progress. Latin Am Persp 2010; California, USA: University of California Press, 2008
37: 107–22.
10 Hall A. From Fome Zero to Bolsa Família: social policies and poverty
alleviation under Lula. J Latin Am Stud 2006; 38: 689–709.

10 www.thelancet.com