Você está na página 1de 421

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

DE PROTEÇÃO INTEGRAL
DO CERRADO: BASE LEGAL,
HISTÓRICO E GESTÃO
Roseli Senna Ganem edições
José Luiz de Andrade Franco câmara
Câmara dos Deputados
56ª Legislatura | 2019-2023

Presidente
Arthur Lira

1º Vice-Presidente
Marcelo Ramos

2º Vice-Presidente
André de Paula

1º Secretário
Luciano Bivar

2ª Secretária
Marília Arraes

3ª Secretária
Rose Modesto

4ª Secretária
Rosangela Gomes

Suplentes de secretários

1º Suplente
Eduardo Bismarck

2º Suplente
Gilberto Nascimento

3º Suplente
Alexandre Leite

4º Suplente
Cássio Andrade

Secretário-Geral da Mesa
Ruthier de Sousa Silva

Diretor-Geral
Celso de Barros Correia Neto
Câmara dos
Deputados

Unidades de Conservação de
Proteção Integral do Cerrado:
base legal, histórico e gestão
Roseli Senna Ganem
José Luiz de Andrade Franco

edições
câmara
Câmara dos Deputados
Diretoria Legislativa: Luciana da Silva Teixeira
Consultoria Legislativa: Geraldo Magela Leite
Centro de Documentação e Informação: André Freire da Silva
Coordenação Edições Câmara dos Deputados: Ana Lígia Mendes

Edição: Letícia de Castro


Preparação: Daniele Lessa Soares
Revisão: Francisco Diniz
Projeto gráfico: Giselle Sousa e Luiz Eduardo Maklouf
Capa: Rafael Benjamin
Diagramação: Giselle Sousa e Rafael Benjamin

Linha Estudos e Debates.

Dados Internacionais de Catalogação-na-publicação (CIP)


Coordenação de Biblioteca. Seção de Catalogação.
Fabyola Lima Madeira – CRB1: 2109

Ganem, Roseli Senna.


Unidades de conservação de proteção integral do cerrado [recurso eletrônico] : base legal, histórico e
gestão / Roseli Senna Ganem, José Luiz de Andrade Franco. -- Brasília : Câmara dos Deputados, Edições
Câmara, 2021.

Versão E-book.
Modo de acesso: livraria.camara.leg.br
Disponível, também, em formato impresso.
ISBN 978-65-87317-64-9

1. Unidades de conservação de proteção integral do bioma


Cerrado, Brasil. 2. Unidade de conservação, Brasil. 3. Cerrado, proteção, Brasil. 4. Parque nacional,
Brasil. I. Franco, José Luiz de Andrade. II. Título.
CDU 502.4(81)

ISBN 978-65-87317-63-2 (papel) ISBN 978-65-87317-64-9 (e-book)

Direitos reservados e protegidos pela Lei nº 9.610, de 19/2/1998.

Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida por qualquer meio sem prévia autorização da
Edições Câmara.
Venda exclusiva pela Edições Câmara.

Câmara dos Deputados


Centro de Documentação e Informação – Cedi
Coordenação Edições Câmara – Coedi
Palácio do Congresso Nacional – Anexo 2 – Térreo
Praça dos Três Poderes – Brasília (DF) – CEP 70160-900
Telefone: (61) 3216-5833
livraria.camara.leg.br
Agradecimentos
Aos inúmeros técnicos dos órgãos ambientais e gestores de unidades de con-
servação federais, estaduais e municipais que colaboraram na compilação de
informações que integram este trabalho;

A Daniel Shim de Sousa Esashika e a Rogerio Scheidemantel, da Consultoria


Legislativa da Câmara dos Deputados, pelo apoio na organização dos dados e
montagem das tabelas;

A André Ganem Coutinho, pela revisão do texto e cessão de fotos que com-
põem o livro;

A Dalva Fajardo, Marcelo Ismar Santana, Maurício Mercadante, Priscila


Oliveira Rosa, Roberto Sampaio e Vânia Araújo Soares pela cessão de
fotos que compõem o livro;

À Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados e ao Programa de


Pós-graduação do Departamento de História da Universidade de Brasília,
que apoiaram a realização da pesquisa que deu origem a este trabalho.
Sumário
Lista de abreviaturas e siglas��������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 13

Apresentação��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 15

Introdução ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 17

1. Aspectos metodológicos da pesquisa ����������������������������������������������������������������������������� 21

2. Base legal das Unidades de Conservação de Proteção Integral


(UCPIs) ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 27

3. O bioma Cerrado ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 45


3.1. Aspectos físicos������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 47
3.2. A diversidade biológica������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 50
3.3. Pressões do desmatamento ����������������������������������������������������������������������������������������������������� 59

4. As Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs) do


Cerrado������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 83
4.1 Distribuição das UCPIs por esfera administrativa, categoria e
unidade da federação������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 83
4.2 Contextualização geográfica ������������������������������������������������������������������������������������������������� 89
4.3 Evolução do número total e área de UCPI ����������������������������������������������������������������� 96
4.4 Evolução de número e área de UCPI por categoria�������������������������������������������100
4.5 Gestão���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������108

5. Diretrizes para conservação do Cerrado ������������������������������������������������������������������� 117

6. Descrição das Unidades de Conservação de Proteção Integral


(UCPIs) do Cerrado por unidade da federação���������������������������������������������������125
6.1. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs) do
Cerrado no estado da Bahia �������������������������������������������������������������������������������������������������125
Estação Ecológica do Rio Preto (2005) ���������������������������������������������������������������126
Refúgio de Vida Silvestre Veredas do Oeste Baiano (2002)�������������������128

6.2. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs) do


Cerrado no Distrito Federal �������������������������������������������������������������������������������������������������129
Estação Ecológica da Universidade de Brasília (1986)�����������������������������131
Estação Ecológica de Águas Emendadas (1968)�������������������������������������������132
Estação Ecológica do Jardim Botânico (1992) �����������������������������������������������134
Monumento Natural do Conjunto Espeleológico do Morro da
Pedreira (2010)���������������������������������������������������������������������������������������������������������������������138
Parque Distrital Salto do Tororó (2015)���������������������������������������������������������������140
Parque Nacional de Brasília (1961) �����������������������������������������������������������������������141
Refúgio de Vida Silvestre da Mata Seca (2015)���������������������������������������������145
Reserva Biológica da Contagem (2002) �������������������������������������������������������������146
Reserva Biológica do Cerradão (1998)�����������������������������������������������������������������148
Reserva Biológica do Gama (1988) �����������������������������������������������������������������������149
Reserva Biológica do Guará (1988)�����������������������������������������������������������������������151
Reserva Biológica do Rio Descoberto (2005) �������������������������������������������������152

6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs) do


Cerrado no estado de Goiás �������������������������������������������������������������������������������������������������154
Estação Ecológica Chapada de Nova Roma (2017)�������������������������������������156
Parque Estadual Águas Lindas (2019) �����������������������������������������������������������������158
Parque Estadual Altamiro de Moura Pacheco (1992)���������������������������������159
Parque Estadual da Serra de Jaraguá (1998)�����������������������������������������������������162
Parque Estadual da Serra Dourada (2003) ���������������������������������������������������������163
Parque Estadual de Paraúna (1980)�������������������������������������������������������������������������165
Parque Estadual de Terra Ronca (1989)���������������������������������������������������������������167
Parque Estadual do Araguaia (2002) ���������������������������������������������������������������������170
Parque Estadual dos Pirineus (1987) ���������������������������������������������������������������������171
Parque Estadual João Leite (2014) �������������������������������������������������������������������������174
Parque Estadual Serra de Caldas Novas (1970) ���������������������������������������������176
Parque Municipal do Itiquira (1981) ���������������������������������������������������������������������178
Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (1961)�������������������������������������179
Parque Nacional das Emas (1961)���������������������������������������������������������������������������184
Parque Natural Municipal da Pedreira da Estrada de Ferro (2018)���187
Parque Natural Municipal das Orquídeas José Pinheiro de
Souza (2002) ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 188
Parque Natural Municipal do Pequi (2012)�������������������������������������������������������189
Parque Natural Municipal Eli Bastos (2018) ���������������������������������������������������190
Parque Natural Municipal Ribeirão da Prata (2014) �����������������������������������191
Parque Natural Municipal do Setor Santa Cruz (1990)�����������������������������192

6.4. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs) do


Cerrado no estado do Maranhão���������������������������������������������������������������������������������������194
Parque Estadual de Mirador (1980) �����������������������������������������������������������������������195
Parque Nacional da Chapada das Mesas (2005)���������������������������������������������196
Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses (1981) �������������������������������������198
Parque Natural Municipal Riacho Estrela (2017) �����������������������������������������201

6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs) do


Cerrado no estado de Mato Grosso���������������������������������������������������������������������������������202
Estação Ecológica Águas do Cuiabá (2002)�����������������������������������������������������205
Estação Ecológica da Serra das Araras (1982)������������������������������������������������206
Estação Ecológica de Iquê (1981) ���������������������������������������������������������������������������208
Estação Ecológica do Rio Casca (1994) �������������������������������������������������������������210
Monumento Natural Confusão (2002) ����������������������������������������������������������������� 211
Monumento Natural Estadual Morro de Santo Antônio (2006)����������� 211
Parque Estadual da Serra Azul (1994)�������������������������������������������������������������������213
Parque Estadual de Águas Quentes (1978) �������������������������������������������������������215
Parque Estadual do Araguaia (2001) ���������������������������������������������������������������������217
Parque Estadual Dom Osório Stoffel (2002)�����������������������������������������������������219
Parque Estadual Gruta da Lagoa Azul (2000) �������������������������������������������������221
Parque Estadual Mãe Bonifácia (1992) ���������������������������������������������������������������222
Parque Estadual Massairo Okamura (2000) �����������������������������������������������������224
Parque Estadual Zé Bolo Flô (2000) ���������������������������������������������������������������������227
Parque Municipal da Cabeceira do Coxipozinho (2002) �������������������������229
Parque Municipal das Araras (2000) ���������������������������������������������������������������������229
Parque Municipal de Jaciara (1999)�����������������������������������������������������������������������230
Parque Municipal do Córrego Lucas (1999)�����������������������������������������������������231
Parque Nacional da Chapada dos Guimarães (1989)����������������������������������232
Parque Natural Municipal Celebra (2002)���������������������������������������������������������235
Parque Natural Municipal Claudino Frâncio (2018)�����������������������������������236
Parque Natural Municipal da Quineira (2002)�������������������������������������������������237
Parque Natural Municipal Flor do Ipê (2016) �������������������������������������������������238
Parque Natural Municipal Uirapuru (2008)�������������������������������������������������������239
Refúgio de Vida Silvestre Corixão da Mata Azul (2001)�������������������������240
Refúgio de Vida Silvestre Quelônios do Araguaia (2001)�����������������������241
Reserva Biológica do Culuene (1989)�������������������������������������������������������������������242

6.6. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs) do


Cerrado no estado do Mato Grosso do Sul���������������������������������������������������������������243
Monumento Natural da Gruta do Lago Azul (2001) �����������������������������������245
Monumento Natural das Lagoas (2016)���������������������������������������������������������������247
Monumento Natural do Rio Formoso (2003)���������������������������������������������������248
Monumento Natural Municipal Serra do Bom Jardim (2003)���������������251
Parque Estadual das Nascentes do Rio Taquari (1999) �����������������������������253
Parque Estadual do Prosa (1981) �����������������������������������������������������������������������������255
Parque Estadual Matas do Segredo (2000)���������������������������������������������������������257
Parque Nacional da Serra da Bodoquena (2000) �������������������������������������������259
Parque Natural Municipal do Pombo (2006) ���������������������������������������������������261
Parque Natural Municipal Templo dos Pilares (2003) �������������������������������263
Reserva Biológica das Capivaras (2001)�������������������������������������������������������������264

6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs) do


Cerrado no estado de Minas Gerais �������������������������������������������������������������������������������265
Estação Ecológica de Acauã (1974)�����������������������������������������������������������������������269
Estação Ecológica de Corumbá (1974)�����������������������������������������������������������������270
Estação Ecológica de Pirapitinga (1987)�������������������������������������������������������������273
Estação Ecológica Mata dos Ausentes (1974)�������������������������������������������������275
Monumento Natural Estadual Gruta Rei do Mato (1984) �����������������������277
Monumento Natural Estadual Lapa Nova de Vazante (1990) ���������������280
Monumento Natural Estadual Lapa Vermelha (2010)���������������������������������281
Monumento Natural Estadual Peter Lund (2005) �����������������������������������������282
Monumento Natural Estadual Santo Antônio (2010) ���������������������������������285
Monumento Natural Estadual Vargem da Pedra (2010) ���������������������������286
Monumento Natural Estadual Várzea da Lapa (2010)�������������������������������287
Monumento Natural Experiência da Jaguara (2010)�����������������������������������288
Parque Estadual Caminho dos Gerais (2007)���������������������������������������������������289
Parque Estadual da Cerca Grande (2010)�����������������������������������������������������������291
Parque Estadual da Lapa Grande (2006)�������������������������������������������������������������293
Parque Estadual da Mata Seca (2000)�������������������������������������������������������������������294
Parque Estadual da Serra das Araras (1998)�����������������������������������������������������296
Parque Estadual da Serra do Cabral (2005)�������������������������������������������������������298
Parque Estadual da Serra do Intendente (2007) ���������������������������������������������300
Parque Estadual da Serra do Sobrado (2010)���������������������������������������������������302
Parque Estadual da Serra Negra (1998)���������������������������������������������������������������304
Parque Estadual de Botumirim (2018) �����������������������������������������������������������������305
Parque Estadual de Grão Mogol (1998)���������������������������������������������������������������306
Parque Estadual de Paracatu (2011)�����������������������������������������������������������������������308
Parque Estadual de Sagarana (2003) ���������������������������������������������������������������������309
Parque Estadual do Biribiri (1998) ������������������������������������������������������������������������� 311
Parque Estadual do Pico do Itambé (1998) �������������������������������������������������������313
Parque Estadual do Rio Preto (1994)���������������������������������������������������������������������316
Parque Estadual do Sumidouro (1980)�����������������������������������������������������������������318
Parque Estadual do Verde Grande (1998)�����������������������������������������������������������321
Parque Estadual dos Campos Altos (2004) �������������������������������������������������������323
Parque Estadual Mata do Limoeiro (2011) �������������������������������������������������������324
Parque Estadual Serra da Boa Esperança (2007)�������������������������������������������326
Parque Estadual Serra Nova e Talhado (2003) �����������������������������������������������327
Parque Estadual Veredas do Peruaçu (1994)�����������������������������������������������������329
Parque Florestal Estadual da Baleia (1988)�������������������������������������������������������330
Parque Nacional Cavernas do Peruaçu (1999)�������������������������������������������������331
Parque Nacional da Serra da Canastra (1972) �������������������������������������������������335
Parque Nacional da Serra do Cipó (1978) ���������������������������������������������������������339
Parque Nacional das Sempre Vivas (2002) �������������������������������������������������������342
Parque Nacional Grande Sertão Veredas (1989)���������������������������������������������345
Parque Natural Municipal do Salão de Pedras (1999) �������������������������������348
Parque Natural Municipal do Tabuleiro (1998)�����������������������������������������������350
Refúgio de Vida Silvestre do Rio Pandeiros (2004)�������������������������������������352
Reserva Biológica da Jaíba (1973) �������������������������������������������������������������������������354
Reserva Biológica da Serra Azul (1998)�������������������������������������������������������������355

6.8. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs) do


Cerrado no estado do Paran����������������������������������������������������������������������������������������������356
Parque Estadual do Cerrado (1992) �����������������������������������������������������������������������357
Parque Estadual do Guartelá (1992)�����������������������������������������������������������������������359
Parque Estadual do Vale do Codó (2007)�����������������������������������������������������������361

6.9. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs) do


Cerrado no estado do Piau��������������������������������������������������������������������������������������������������362
Estação Ecológica de Uruçuí-Una (1981)�����������������������������������������������������������364
Parque Nacional da Serra das Confusões (1998)�������������������������������������������365
Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba (2002) �������������������������368

6.10. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs) do


Cerrado no estado de São Paulo ���������������������������������������������������������������������������������������370
Estação Ecológica de Angatuba (1985) ���������������������������������������������������������������373
Estação Ecológica de Assis (1992) �������������������������������������������������������������������������375
Estação Ecológica de Avaré (2010)�������������������������������������������������������������������������377
Estação Ecológica de Ibicatu (1958) ���������������������������������������������������������������������379
Estação Ecológica de Itaberá (1957) ���������������������������������������������������������������������380
Estação Ecológica de Itapeva (1985)���������������������������������������������������������������������381
Estação Ecológica de Itirapina (1984)�������������������������������������������������������������������382
Estação Ecológica de Jataí Conde Joaquim Augusto Ribeiro do
Valle (1982)����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������385
Estação Ecológica de Mogi-Guaçu Professor Hermógenes de
Freitas Leitão Filho (1984)�������������������������������������������������������������������������������������������387
Estação Ecológica de Paranapanema (1993)�����������������������������������������������������388
Estação Ecológica de Ribeirão Preto (1957)�����������������������������������������������������389
Estação Ecológica de Santa Bárbara (1984) �����������������������������������������������������391
Estação Ecológica de Santa Maria (1985) ���������������������������������������������������������393
Estação Ecológica do Barreiro Rico (2006) �����������������������������������������������������395
Estação Ecológica Mata do Jacaré (Estação Ecológica São
Carlos) (1961)�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������396
Estação Ecológica Municipal Guarani (2018)�������������������������������������������������397
Estação Ecológica Sebastião Aleixo da Silva (Estação Ecológica
de Bauru) (1961)�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������398
Parque Estadual das Furnas do Bom Jesus (1989) ���������������������������������������400
Reserva Biológica de Mogi-Guaçu (1942)���������������������������������������������������������401

6.11. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs) do


Cerrado no estado do Tocantins ���������������������������������������������������������������������������������������403
Estação Ecológica Serra Geral do Tocantins (2001) �����������������������������������405
Monumento Natural Canyons e Corredeiras do Rio Sono (2012) ���������408
Monumento Natural das Árvores Fossilizadas do Estado de
Tocantins (2000) �����������������������������������������������������������������������������������������������������������������409
Parque Estadual do Cantão (1998)��������������������������������������������������������������������������412
Parque Estadual do Jalapão (2001)�������������������������������������������������������������������������415
Parque Estadual do Lajeado (2001) �����������������������������������������������������������������������418
Parque Nacional do Araguaia (1959)���������������������������������������������������������������������420
Lista de abreviaturas e siglas
APA: Área de Proteção Ambiental

APP: Área de Preservação Permanente

CDB: Convenção sobre Diversidade Biológica

COP: Conferências das Partes

CNUC: Cadastro Nacional de Unidades de Conservação

FF: Fundação para a Conservação e a Produção Florestal do Estado de São


Paulo

IAP: Instituto Ambiental do Paraná

IF: Instituto Florestal do Estado de São Paulo

Ibama: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais


Renováveis

IBGE: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Ibram: Instituto Brasileiro de Mineração

ICMBio: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade

IDE-Sisema: Infraestrutura de Dados Espaciais do Sistema Estadual de Meio


Ambiente e Recursos Hídricos do Estado de Minas Gerais

IEF: Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

Imasul: Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul

Inema: Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado da Bahia

Inpe: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Iphan: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional

ISA: Instituto Socioambiental

JBB: Jardim Botânico de Brasília

13
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

MMA: Ministério do Meio Ambiente

Naturatins: Instituto Natureza do Tocantins

ONU: Organização das Nações Unidas

RH: Região Hidrográfica

PNMA: Política Nacional do Meio Ambiente

Semad: Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do


Estado de Goiás

Sema-MT: Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Mato Grosso

Sisnama: Sistema Nacional do Meio Ambiente

Snuc: Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza

UCPI: Unidade de Conservação de Proteção Integral

UC: Unidade de Conservação

UnB: Universidade de Brasília

Unesco: Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a


Cultura

WWF: World Wide Fund for Nature

14
Apresentação
Este livro trata das Unidades de Conservação de Proteção Integral do bioma
Cerrado, que estão previstas na Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000, conhecida
como Lei do Snuc, e são o principal instrumento de conservação da biodiversi-
dade nacional. Elas constituem amostras preservadas dos ecossistemas, fauna e
flora do Brasil, em meio a paisagens muitas vezes já intensamente degradadas.
A perpetuação dessas reservas e ampliação de sua rede são fatores essenciais
para a conservação da biodiversidade e dos serviços ambientais que ela presta.

Sendo o Brasil o país com a maior diversidade biológica do mundo, é nosso


dever protegê-la para benefício das presentes e futuras gerações, em especial
da própria nação brasileira. Preservar o Cerrado é condição fundamental para
garantir a conservação desse patrimônio natural, tendo em vista que o bioma é
a savana mais biodiversa do planeta e engloba riqueza biológica comparável à
da floresta amazônica.

Originalmente, o Cerrado ocupava um quarto do território brasileiro, sendo o


segundo bioma mais extenso do Brasil, depois da Amazônia. Ele é berço das
águas das grandes bacias hidrográficas brasileiras e um dos hotspots mundiais,
isto é, ecorregiões que aliam alta biodiversidade, alta taxa de endemismos e
alto grau de ameaça pelas ações humanas. O bioma enfrenta intensa pressão do
desmatamento em múltiplas fronteiras e já perdeu quase metade de sua cober-
tura original.

Este livro oferece importante base de dados sobre a preservação do Cerrado. Os


autores realizaram o levantamento das Unidades de Conservação de Proteção
Integral federais, estaduais e municipais do bioma e a caracterização de cada
uma; apresentam ampla pesquisa sobre a base legal de criação e gestão dessas
unidades; avaliam o histórico de sua expansão; analisam a situação geral de
seu gerenciamento; e discutem diretrizes para o avanço e aprimoramento das
políticas públicas de conservação do Cerrado.

A obra constitui valiosa fonte de consulta para aqueles que se dedicam ao desa-
fio de proteger esse importante bioma nacional e nos alerta sobre a urgência de

15
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

adoção de medidas preventivas para que a riqueza do Cerrado se perpetue no


interior e muito além das Unidades de Conservação de Proteção Integral.

Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça


Advogado, ambientalista e deputado federal

16
Introdução
O Cerrado, assim como a Mata Atlântica, encontra-se entre as 34 ecorregiões
do planeta denominadas hotspots, isto é, áreas que aliam grande biodiversidade
e alto grau de endemismos (espécies que ocorrem apenas na região) com alto
grau de ameaça. Os hotspots têm sido submetidos a intenso processo de desma-
tamento e fragmentação de hábitats, o que resulta em remanescentes de ecos-
sistemas naturais cada vez menores, separados por uma extensa matriz antro-
pogênica, dominada por agricultura, pecuária, mineração etc. (MITTERMEIER
et al., 2004; MITTERMEIER et al., 1999; MYERS et al., 2000). Os hotspots
abrangem apenas 2,4% da superfície do planeta, mas englobam mais da metade
das plantas endêmicas e quase 43% dos pássaros, mamíferos, répteis e anfí-
bios endêmicos do mundo (CONSERVATION INTERNATIONAL, 2017). São,
portanto, áreas de alto interesse para a manutenção dos serviços prestados pela
biodiversidade que sustentam a Biosfera, chamados serviços ecossistêmicos:
regulação do clima, conservação do ciclo hidrológico e da ciclagem de nutrien-
tes, continuidade de processos ecológicos como polinização, dispersão de se-
mentes e controle de pragas, entre outros.

Imagem 1 – Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros

Autor: Marcelo Ismar Santana.

17
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

O Cerrado tem alta diversidade biológica, comparável à da Amazônia; é a


savana mais biodiversa do mundo. Por sua localização em terras altas, em
posição central no território nacional, destaca-se como o grande divisor de
águas do Brasil e área de recarga das grandes bacias hidrográficas brasileiras.
Apesar da grande importância ecológica do bioma, o processo de ocupação do
Cerrado, nos últimos cinquenta anos, vem promovendo sua dilapidação ace-
lerada. Avalia-se que o bioma perdeu 46% de sua cobertura original e que
apenas 19,8% de sua superfície se mantem sem distúrbios (STRASSBURG et
al., 2017).

Daí a necessidade de avaliar a eficácia das políticas públicas de conservação do


bioma, o que constitui o objetivo deste trabalho, com enfoque específico nas
Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs). Sem negligenciar a
implantação das Unidades de Conservação de Uso Sustentável e a restauração
de áreas degradadas, considera-se que a criação e a implantação das UCPIs
constituem a principal estratégia de proteção da biodiversidade no Brasil e no
mundo. Elas devem guardar amostras representativas da diversidade de ecos-
sistemas e espécies a fim de garantir sua sobrevivência a longo prazo.

No Cerrado, especialmente, as UCPIs representam verdadeiras “arcas de Noé”


da biodiversidade perdida. Assim, descrever e analisar o processo de criação
de UCPIs no Cerrado possibilita conhecer a evolução das políticas públicas de
conservação do bioma, sua eficácia na proteção da biodiversidade regional e
as perspectivas para o futuro, frente às pressões em curso, de desmatamento e
fragmentação da vegetação nativa.

Os dados foram compilados e consolidados entre junho e novembro de 2018 e


atualizados pela página eletrônica do Cadastro Nacional de Unidades de Con-
servação (CNUC), do Ministério do Meio Ambiente (MMA), até 31 de dezem-
bro de 2019. Foram identificadas 154 UCPIs – federais, estaduais e municipais
– no bioma. O processo de coleta de informações está descrito no capítulo inti-
tulado “Aspectos metodológicos da pesquisa”.

Este trabalho é resultado do projeto “História das Unidades de Conservação


de Proteção Integral do Bioma Cerrado”, desenvolvido como pesquisa de
pós-doutorado no âmbito da Universidade de Brasília, no Programa de Pós-
-graduação em História. Este livro inclui a base de dados do projeto e sua

18
Introdução

análise. Espera-se que ele possa contribuir para compreensão da importância


do bioma Cerrado e da urgência em promover sua conservação.

Imagem 2 – Parque Estadual de Terra Ronca

Autora: Dalva Fajardo.

Referências bibliográficas

BIODIVERSITY HOTSPOTS: Targeted investment in nature’s most important


places. CONSERVATION INTERNATIONAL. Disponível em: <http://
www.conservation.org/How/Pages/Hotspots.aspx>. Acesso em: 9 out. 2017.

MITTERMEIER, R. A.; MYERS, N.; MITTERMEIER, C. G. Hotspots:


earths’s biologically richest and most endangered terrestrial ecoregions.
México: Agrupación Sierra Madre, 1999.

MYERS, Norman; MITTERMEIER, Russel A.; MITTERMEIER, Cristina


G.; FONSECA, Gustavo A. B. da; KENT, Jennifer. Biodiversity hotspots for
conservation priorities. Nature, v. 403, 24, feb. 2000, p. 853-858.

19
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

MITTERMEIER, R. A.; GIL, P. R.; HOFFMANN, M.; PILGRIM, J.;


BROOKS, T.; MITTERMEIER, C. G.; LAMOREUX, J.; FONSECA, G. A.
B. Hotspots Revisited. México: Agrupación Sierra Madre, 2004.

STRASSBURG, Bernardo B. N.; BROOKS, Thomas; FELTRAN-


BARBIERI, Rafael; IRIBARREM, Alvaro; CROUZEILLES, Renato;
LOYOLA, Rafael; LATAWIEC, Agnieszka E.; OLIVEIRA FILHO, Francisco
J. B.; SCARAMUZA, Carlos A. de M.; SCARANO, Fabio R.; SOARES
FILHO, Britaldo; BALMFORD, Andrew. Moment of truth for the Cerrado
hotspot. Nature Ecology & Evolution 1, 0099 (2017), p. 1-3.

20
1. Aspectos metodológicos da pesquisa
Esta pesquisa trata especificamente das Unidades de Conservação de Proteção
Integral (UCPIs) conforme conceito expresso na Lei nº 9.985, de 18 de julho de
2000 (Lei do Snuc). As UCPIs integram o grupo das unidades de conservação
(UCs) destinadas à preservação da biodiversidade e incluem as seguintes cate-
gorias: estação ecológica; reserva biológica; parque nacional, parque estadual
e parque natural municipal; monumento natural; e refúgio de vida silvestre.
Foram excluídas as áreas destinadas à conservação que não se enquadravam
estritamente dentro dessas categorias – como, por exemplo, parques ecológicos,
reservas ecológicas etc., bem como todas as unidades de conservação de uso
sustentável.

A coleta de dados foi realizada em 2018. Uma atualização da lista de UCPIs


do Cerrado foi feita por meio de consulta ao Cadastro Nacional de Unidades
de Conservação (CNUC) em janeiro de 2020. Para cada UCPI, foram coletadas
informações sobre: localização e área; estados e municípios abrangidos; ca-
racterização ecológica (fitofisionomias, flora e fauna, relevo e geomorfologia,
bacias hidrográficas e recursos hídricos); gestão da UCPI e entorno (conselho,
plano de manejo, infraestrutura implantada, sobreposição com outras unidades
de conservação, presença em mosaico e corredor de biodiversidade, zona de
amortecimento, situação fundiária, conflitos internos e com o entorno, visitação
e projetos de educação ambiental); e histórico de documentos legais de criação.

A coleta de dados foi feita por meio de consultas ao CNUC e às páginas ele-
trônicas dos órgãos públicos federais e estaduais do Sistema Nacional de Meio
Ambiente (Sisnama). Para as UCPIs municipais identificadas nas páginas ele-
trônicas do CNUC e dos órgãos do Sisnama, foram também visitadas as pági-
nas eletrônicas das prefeituras municipais, mas poucas continham informações
sobre as áreas pesquisadas.

Das páginas eletrônicas consultadas, foram retirados todos os dados de carac-


terização da UCPI e de seu histórico de criação. Entretanto, houve muitas la-
cunas de dados e contradições entre dados do CNUC e dos órgãos estaduais, o
que levou à aplicação de checagem de informações junto aos órgãos gestores
das UCPIs federais, estaduais e municipais. Optou-se por dar prioridade ao
gerente da UCPI, partindo-se do pressuposto de que este tem as informações

21
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

mais atualizadas da área. Obteve-se resposta para 61 UCPIs, o que corresponde


a uma taxa de retorno de 37%.

Também foram consultadas as páginas eletrônicas de instituições não oficiais


que possuem bancos de informação sobre UCPIs. São elas:
f ISA (Instituto Socioambiental)/Monitoramento de Áreas Protegidas:
<https://uc.socioambiental.org/>.
f Wikiparques (Associação O Eco/Fundação Grupo Boticário de Proteção à
Natureza): <http://www.wikiparques.org/wiki/P%C3%A1gina_principal>.
f Wikiaves (página eletrônica de comunidade interativa de observadores de
aves): <https://www.wikiaves.com.br/>.
f WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-
-Biodiversidade-em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a
base de dados do Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada
da internet.

Além da consulta às páginas eletrônicas, foram lidos todos os planos de manejo


das UCPIs, obtidos nas páginas oficiais ou encaminhados pelos gestores das
áreas até setembro de 2018. Esses planos são fontes importantes de dados, mas
foram utilizados com cuidado, pois alguns são antigos e desatualizados em fun-
ção das alterações da UCPI. Foram lidos 67 planos de manejo.

É importante frisar que foram encontrados erros, nas páginas eletrônicas con-
sultadas, quanto à poligonal, área e existência de plano de manejo e de conse-
lho. Verificou-se que a maioria dos bancos de informação não está atualizada
quanto às alterações legais de cada UCPI, o que acarreta erros no que diz
respeito à poligonal e à área.

Sendo assim, neste trabalho, realizou-se esforço primordial na atualização das


informações sobre leis e decretos pertinentes a cada UCPI identificada. Para
tanto, foram pesquisados e transcritos os documentos legais de criação de cada
unidade e suas alterações. Para cada documento legal identificado, ênfase es-
pecial foi dada à coleta de informação sobre as datas de criação, ampliação ou
redução de área, mudança de categoria e destinação (proteção integral ou uso
sustentável). Todas as leis e decretos obtidos para cada UCPI acompanham sua
ficha descritiva.

22
1. Aspectos metodológicos da pesquisa

Para a busca de documentos legais relativos às UCPIs federais, foram consulta-


das as seguintes páginas eletrônicas:
f Câmara dos Deputados – Legislação: <http://www2.camara.leg.br/atividade-
-legislativa/legislacao>.
f Imprensa Nacional/Casa Civil da Presidência da República: <http://www.
imprensanacional.gov.br/consulta>.
f Palácio do Planalto – Portal da Legislação: <http://www4.planalto.gov.
br/legislacao/>.

Para as UCPIs estaduais e municipais, foram consultadas páginas eletrônicas de


assembleias legislativas, tribunais de contas, casas civis, diários oficiais, órgãos
de transparência e controle e câmaras municipais. Houve dificuldade para en-
contrar os documentos legais de UCPIs municipais, pois a maioria dos municí-
pios não possui banco atualizado de leis e decretos. Foram obtidas informações
sobre as unidades nas seguintes páginas:
f Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais: <https://www.almg.
gov.br/consulte/legislacao/index.html>.
f Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso: <http://www.al.mt.
gov.br/legislacao/>.
f Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo: <https://www.al.sp.gov.
br/leis/>.
f Câmara Municipal de Chapada dos Guimarães/Mato Grosso: <https://
www.camarachapadadosguimaraes.fatosmt.com.br/>.
f Câmara Municipal de Jaciara/Mato Grosso: <http://www.camarajaciara.
mt.gov.br/transparencia/>.
f Câmara Municipal de Lucas do Rio Verde/Mato Grosso: <http://www.
camaralucasdorioverde.mt.gov.br/>.
f Casa Civil do Estado do Paraná: <http://www.legislacao.pr.gov.br/legisla-
cao/entradaPáginaeletrônica.do?action=iniciarProcesso>.
f Casa Civil do Estado de Tocantins: <https://casacivil.to.gov.br/legislacao/>.

f Diário Oficial do Estado de Goiás: <http://diariooficial.abc.go.gov.br/>.

f Diário Oficial do Estado do Maranhão: <https://www.diariooficial.ma.gov.br/>.

f Secretaria de Estado da Casa Civil de Goiás: <http://www.gabinetecivil.


goias.gov.br/buscando2.php>.

23
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Secretaria de Transparência e Controle do Estado do Maranhão: <http://


www.stc.ma.gov.br/legisla-index/>.
f Superintendência de Imprensa do Estado do Mato Grosso: <https://www.
iomat.mt.gov.br/>.
f Tribunal de Contas do Distrito Federal: <http://www.tc.df.gov.br/web/
tcdf1/legislacao-do-gdf-sinj>.

Em muitos casos, observou-se contradição entre os dados do CNUC, dos ór-


gãos ambientais, das páginas eletrônicas não oficiais, dos planos de manejo e
do documento legal. Foram adotadas como fontes principais as fornecidas por
meio do checklist e das páginas eletrônicas dos órgãos ambientais. Todas as
fontes de informação estão especificadas na ficha descritiva de cada UCPI.

Foram identificadas 154 UCPIs. Nem todas as unidades identificadas constam


desse cômputo, tendo em vista que algumas foram excluídas, com base nos
critérios a seguir.
f Ainda que constassem nas bases de dados do CNUC e dos órgãos estaduais
como UCPIs do bioma Cerrado, foram excluídas aquelas situadas fora do
limite do Cerrado informado pelo Mapbiomas (<http://mapbiomas.org>),
que, por sua vez, segue os limites do Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística (IBGE). Para as UCPIs que não constavam no Mapbiomas, a
verificação foi feita com base na sobreposição do limite do bioma com os
limites dos municípios onde as unidades estão inseridas e na confrontação
de pontos de referência (córregos, sede da unidade etc.).
f Foram observados os objetivos da unidade de conservação expressos nos
seus respectivos atos legais de criação. Foram excluídas unidades que,
mesmo sendo denominadas de parque, destinam-se ao uso sustentável
da área.
f Foi excluído o Parque Estadual Telma Ortegal (Abadia de Goiás-GO),
que está desprovido de cobertura vegetal nativa e, desse modo, não cum-
pre o objetivo de conservação da natureza, nos termos da Lei do Snuc.
O objetivo desse parque é proteger a área do depósito dos rejeitos ra-
dioativos oriundos do acidente radiológico de Goiânia com Césio-137.
Como esta pesquisa visa avaliar o grau de proteção do bioma por meio
das UCPIs, seria equivocado manter área que está totalmente desmatada
e com objetivo diverso daquele previsto na Lei do Snuc. Se a unidade

24
1. Aspectos metodológicos da pesquisa

vier a ser objeto de restauração da vegetação do Cerrado, ela poderá ser


futuramente incluída no cômputo de área conservada do bioma.
f Houve casos de parques municipais cujos nomes não repetem a nomencla-
tura da Lei do Snuc. Para esses, foi verificado o documento legal. Foram
incluídas as áreas cujo decreto ou lei de criação menciona especificamente
a Lei do Snuc ou a norma que a antecedeu (a Lei nº 4.771, de 15 de setem-
bro de 1965),1 bem como aqueles cujo objetivo é a preservação da fauna
e da flora, conforme mencionado na lei ou decreto de criação. Foram ex-
cluídos parques municipais destinados a atividades de lazer que não segui-
ram tais critérios de conservação da biodiversidade.

1 Código Florestal, revogado pela Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012.

25
2. Base legal das Unidades de Conservação
de Proteção Integral (UCPIs)
A legislação sobre Unidades de Conservação (UCs) não é nova no Brasil. A pri-
meira norma brasileira a prever a criação de UCs foi o Decreto nº 23.793/1934
(Código Florestal), que chegou com sessenta anos de atraso, tendo em vista
que, no mundo, o movimento de proteção da natureza por meio de UCs come-
çou em 1872, com a criação do Parque Nacional de Yellowstone, nos Estados
Unidos.

O Decreto nº 23.793/1934 dividia as florestas em protetoras, remanescentes,


modelo e de rendimento. Protetoras eram florestas cuja localização contribuía
para proteger os recursos hídricos, o solo e a biodiversidade, as paisagens rele-
vantes, a segurança sanitária e a defesa das fronteiras – parte das quais veio a
ser definida como Áreas de Preservação Permanente (APPs) pela Lei nº 4.771,
de 15 de setembro de 1965. Modelo eram as florestas plantadas e de rendimento
não classificadas nas demais categorias.2

Remanescentes eram as florestas destinadas aos parques nacionais, estaduais


e municipais, aquelas em que ocorressem espécies de interesse biológico e
estético e, ainda, as florestas reservadas para pequenos parques e bosques de
usufruto do público. As florestas protetoras e as remanescentes eram de conser-
vação perene, inalienáveis, e suas terras deveriam ser desapropriadas, exceto
se o proprietário se obrigasse, por si e por seus herdeiros e sucessores, a seguir
esse regime legal. Os parques nacionais, estaduais e municipais eram defini-
dos como “monumentos públicos naturais, que perpetuam em sua composição
florística primitiva, trechos do país, que, por circunstâncias peculiares, o me-
recem” (Decreto nº 23.793/1934, art. 9º). A implantação do acesso aos parques
deveria seguir disposições técnicas, evitando-se alterar o aspecto natural da
paisagem.

Com base no Decreto nº 23.793/1934, foi criado, em 1937, o Parque Nacional


de Itatiaia, no Rio de Janeiro, Mata Atlântica, considerada a primeira UC do
Brasil. Também com base nessa norma, surgiram as primeiras unidades no

2 O Decreto nº 23.793/1934 ainda determinava que nenhum proprietário poderia abater mais de
três quartas partes da vegetação natural de suas terras, o que constitui a base das reservas legais
definidas posteriormente pela Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965.

27
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Cerrado. O Decreto nº 23.793/1934 ensejou que o estado de São Paulo, nas


décadas de 1940 e 1950, declarasse diversas áreas como de utilidade pública
para fins de desapropriação, tendo em vista a preservação da flora e da fauna.
Essas áreas foram posteriormente denominadas como Reserva Biológica Mogi-
-Guaçu e Estações Ecológicas de Ribeirão Preto, Itaberá e Ibicatu, cumprindo
importante papel na conservação dos remanescentes de Cerrado naquele es-
tado. A primeira UC federal no Cerrado, o Parque Nacional do Araguaia, foi
criada em 1959, na Ilha do Bananal.

Em 1965, foi aprovada a Lei nº 4.771, que instituía o novo Código Florestal,
revogando o Decreto nº 23.793/1934. O art. 5º da referida lei determinava
ao Poder Público a criação de “Parques Nacionais, Estaduais e Municipais e
Reservas Biológicas, com a finalidade de resguardar atributos excepcionais da
natureza, conciliando a proteção integral da flora, da fauna e das belezas na-
turais com a utilização para objetivos educacionais, recreativos e científicos”.
A lei previa, ainda, a criação de florestas nacionais, estaduais e municipais,
com finalidade de exploração econômica da vegetação nativa. Nos parques, era
proibida qualquer forma de exploração dos recursos naturais. Portanto, a Lei
nº 4.771, de 15 de setembro de 1965 consagrou os parques nacionais, estaduais
e municipais e instituiu as reservas biológicas. Essas áreas deveriam ser preser-
vadas e mantidas sem uso econômico.

Posteriormente, foi aprovada a Lei nº 5.197, de 3 de janeiro de 1967, que “dis-


põe sobre a proteção à fauna e dá outras providências”. Essa norma também
determinava a criação, pelo Poder Público, de Reservas Biológicas Nacionais,
Estaduais e Municipais, nas quais ficavam proibidas “as atividades de utiliza-
ção, perseguição, caça, apanha, ou introdução de espécimes da fauna e flora
silvestres e domésticas, bem como modificações do meio ambiente a qualquer
título [...], ressalvadas as atividades científicas devidamente autorizadas pela
autoridade competente” (art. 5º). As reservas biológicas deveriam ser criadas
pelos três níveis da federação e destinavam-se à preservação da biodiversidade
e à pesquisa cientifica.

É importante destacar que, no plano internacional, os debates sobre a estratégia


de proteger a biodiversidade por meio de parques nacionais e outras reservas
avançavam com o apoio de técnicos e da comunidade científica. Em 1948, foi
criada a União Internacional para a Proteção da Natureza, que teve o seu nome
alterado, em 1956, para União Internacional para a Conservação da Natureza.

28
2. Base legal das Unidades de Conservação de
Proteção Integral (UCPIs)

Ela reúne agências de governo, organizações não governamentais e técnicos e


cientistas de todo o mundo, e ainda contribui significativamente para o avanço
das políticas de conservação da biodiversidade por meio de UCs. No âmbito
da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura
(Unesco), em 1968 foi organizada a Conferência sobre a Biosfera, que reuniu
peritos internacionais e propôs medidas de controle da degradação da diversi-
dade biológica.

A Organização das Nações Unidas (ONU) passou a realizar as conferências


mundiais sobre meio ambiente: Estocolmo, em 1972; Eco-92, no Rio de Janeiro,
em 1992; e a Rio+20, também no Rio de Janeiro, em 2012. A principal foi a
Eco-92, que deixou, como um de seus frutos, a Convenção sobre a Diversidade
Biológica, que será tratada adiante.

Em 1979, o Decreto nº 84.017 instituiu o Regulamento dos Parques Nacionais


Brasileiros. Conforme tal decreto, os parques nacionais são “áreas geográficas
extensas e delimitadas, dotadas de atributos naturais excepcionais, objeto de
preservação permanente, submetidas à condição de inalienabilidade e indispo-
nibilidade no seu todo” (art. 1º). Eles devem ser mantidos intocáveis, cabendo
à União tomar medidas efetivas para impedir ou eliminar possíveis alterações
na área. Os parques devem possuir ecossistemas totalmente inalterados ou par-
cialmente alterados pela ação do homem, espécies vegetais e animais, sítios
geomorfológicos, hábitats e paisagens de grande valor cênico, que ofereçam
interesse especial do ponto de vista científico, cultural, educativo e recreativo.
A visitação pública é condicionada a restrições específicas, que não comprome-
tam a preservação dos atributos que motivaram a criação do parque. O Decreto
nº 84.017/1979 também estabeleceu que cada parque nacional tenha um plano
de manejo, que indicará o zoneamento da área, com previsão de zonas intan-
gíveis, primitivas, de uso extensivo, de uso intensivo, histórico-culturais, de
recuperação e de uso especial, com diferentes graus de preservação e manejo.

29
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Imagem 3 – Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros

Autora: Dalva Fajardo.

Na década de 1980, houve grande avanço no ordenamento jurídico nacional re-


lativo à proteção ambiental – com a aprovação da Lei nº 6.938, de 31 de agosto
de 1981, que instituiu a Política Nacional do Meio Ambiente (PNMA), e com a
promulgação da Constituição Federal em 1988. A PNMA estabelece, como um
dos seus objetivos, “a proteção dos ecossistemas, com a preservação de áreas re-
presentativas” (art. 2º, IV), apontando a representatividade ecossistêmica como
um dos critérios para a proteção da biodiversidade. Além disso, a lei incluiu a
criação de reservas, estações ecológicas, áreas de proteção ambiental e áreas de
relevante interesse ecológico como um de seus instrumentos (art. 9º, VI).

A Constituição de 1988 contém capítulo específico sobre o meio ambiente.


O inciso III do § 1º do art. 225 determina ao Poder Público que defina, “em
todas as unidades da federação, espaços territoriais e seus componentes a
serem especialmente protegidos, sendo a alteração e a supressão permitidas
somente através de lei, vedada qualquer utilização que comprometa a integri-
dade dos atributos que justifiquem sua proteção”. Conforme a Constituição, a
extinção de unidades já criadas, sua redução ou demais alterações que redu-
zam o grau de proteção dos seus atributos naturais dependem de aprovação
em lei, o que visa garantir maior segurança jurídica às UCs e a perpetuidade
dos ecossistemas que elas contêm.

Espaços territoriais e seus componentes a serem especialmente protegidos são


os parques, estações ecológicas e demais UCs. Em 1989, a Lei nº 7.804 alterou

30
2. Base legal das Unidades de Conservação de
Proteção Integral (UCPIs)

o inciso VI do art. 9º da Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, que dispunha


sobre a criação de reservas, estações ecológicas e outras UCs, prevendo-se a
criação de “espaços territoriais especialmente protegidos pelo Poder Público
federal, estadual e municipal”. A nova redação ajustou-se aos termos usados na
Constituição de 1988.

O § 3º do art. 225 da Constituição de 1988 determina que “as condutas e ativi-


dades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas
físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da
obrigação de reparar os danos causados”. A Lei Constitucional preceitua, ainda,
que cabe ao Poder Público: “preservar e restaurar os processos ecológicos es-
senciais e prover o manejo ecológico das espécies e ecossistemas”; “preservar
a diversidade e a integridade do patrimônio genético do País e fiscalizar as enti-
dades dedicadas à pesquisa e manipulação de material genético”; e “proteger a
fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua
função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a
crueldade” (art. 225, § 1º, I, II e VII). A criação e a implantação de UCs contri-
buíram para o cumprimento de todos esses objetivos.

A Constituição de 1988 deu grande importância ao patrimônio biológico na-


cional, o que simboliza grande avanço, pois as Constituições anteriores não
trataram do tema. As Constituições de 1934 e de 1946 apenas mencionavam a
proteção das “belezas naturais”. O inciso III do art. 10 da Carta de 1934 atri-
buía competência concorrente à União e aos estados na proteção das belezas
naturais; seu art. 175 estabelecia que os monumentos naturais, as paisagens e
os locais dotados de particular beleza ficassem sob a proteção do Poder Público.

Desta forma, o texto constitucional em vigor atualmente avançou não apenas


no grau de importância conferido à conservação da biodiversidade, mas tam-
bém no enfoque. Passou-se de uma visão pautada exclusivamente no aspecto
monumental e paisagístico para incluir a função ecossistêmica da flora e da
fauna. Essa visão já estava presente no Código Florestal de 1934, ao instituir
a preservação das “florestas protetoras” do solo e das águas, e na Política
Nacional do Meio Ambiente (PNMA). Essas normas incorporaram os avan-
ços científicos da Ecologia e da percepção de que a vida humana está in-
trinsecamente vinculada à conservação dos processos ecológicos essenciais.
A Constituição de 1988, ao contrário das anteriores, incorporou tais avanços,
dando base às diversas leis então em vigor e às aprovadas posteriormente.

31
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

O § 4º do art. 225 da Constituição de 1988 definiu a Floresta Amazônica, a Mata


Atlântica, a Serra do Mar, o Pantanal Mato-Grossense e a Zona Costeira como
patrimônios nacionais e determinou que sua utilização deve ser feita na forma
da lei, dentro de condições que assegurem sua preservação. Esse dispositivo é
benéfico para os biomas florestais, o Pantanal e os ecossistemas marinhos, mas
enseja a percepção equivocada de que os demais biomas brasileiros – Cerrado,
Caatinga e Pampa – têm importância ecológica menor. Essa distorção precisa
ser corrigida, pois cada bioma tem atributos específicos, em sintonia com a re-
gião na qual está inserido, e sua degradação acarreta profundas consequências
sobre a manutenção dos serviços ecossistêmicos. O Cerrado, objeto deste traba-
lho, é a savana mais biodiversa do planeta e é considerado o “berço das águas”
das grandes bacias hidrográficas brasileiras. Diversas Propostas de Emenda à
Constituição foram apresentadas para corrigir esse equívoco,3 mas ainda não
lograram aprovação.

Imagem 4 – Estação Ecológica do Jardim Botânico de Brasília

Autor: Roberto Sampaio.

3 Há oito Propostas de Emenda à Constituição em tramitação na Câmara dos Deputados que


visam alterar o § 4º do art. 225 a fim de incluir os seguintes biomas como patrimônio nacional:
nº 115/1995 (Cerrado), nº 150/1995 (Cerrado e Caatinga), nº 60/1999 (Cerrado), nº 131/1999
(Cerrado), nº 100/2003 (Cerrado e Caatinga), nº 131/2003 (Cerrado e Caatinga), nº 188/2003
(Cerrado) e nº 504/2010 (Cerrado e Caatinga). Todas estão tramitando em conjunto, sendo prin-
cipal a PEC nº 504/2010, oriunda do Senado Federal. Encontram-se no Plenário, prontas para
a pauta. Há, ainda, duas Propostas de Emenda à Constituição arquivadas que visavam incluir o
Pampa no mesmo dispositivo constitucional, de nº 237/2008 e nº 424/2009.

32
2. Base legal das Unidades de Conservação de
Proteção Integral (UCPIs)

Em 1989, foi criado o Fundo Nacional de Meio Ambiente pela Lei nº 7.797,
cujos recursos são compostos por dotações orçamentárias e doações. A lei in-
dica as aplicações prioritárias do referido Fundo, entre as quais se incluem os
projetos realizados em UCs. Os projetos podem ser desenvolvidos por órgãos
públicos federais, estaduais e municipais ou por entidades privadas sem fins
lucrativos cujos objetivos tenham consonância com aqueles do Fundo Nacional
de Meio Ambiente.

No plano internacional, no âmbito da Conferência das Nações Unidas para o


Meio Ambiente e o Desenvolvimento, realizada em 1992 (Eco-92), foi apro-
vada a Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), da qual o Brasil é
signatário. A CDB internalizou grande parte dos avanços técnico-científicos
sobre conservação da biodiversidade consolidados até então. Seu objetivo é
promover a conservação da diversidade biológica, a utilização sustentável de
seus componentes e a repartição justa e equitativa dos benefícios derivados da
utilização dos recursos genéticos. A definição de diversidade biológica da CDB
contempla três níveis: a diversidade genética ou intraespecífica, a organismal
ou entre espécies e a ecológica ou entre comunidades. São conceituadas, tam-
bém, a conservação in situ e a ex situ. Conforme o art. 2 da CDB, a conservação
ex situ significa “a conservação de componentes da diversidade biológica fora
de seus hábitats naturais”, isto é, em bancos genéticos, zoológicos e jardins
botânicos.

A conservação in situ é a estratégia básica de conservação e, de acordo com o


art. 2 da CDB, significa manter “as condições em que recursos genéticos exis-
tem em ecossistemas e hábitats naturais e, no caso de espécies domesticadas
ou cultivadas, nos meios onde tenham desenvolvido suas propriedades carac-
terísticas”. Trata-se de proteger a biodiversidade em todos os seus aspectos
– genética, organismal e ecossistêmica. Inclui, dentre outras medidas, o estabe-
lecimento de um sistema de áreas protegidas, as quais são definidas como áreas
delimitadas, destinadas e administradas, tendo em vista os objetivos específicos
da conservação da biodiversidade. Abrange, portanto, a criação de UCs.

Ainda, o art. 2 da CDB estabelece que a utilização sustentável significa o uso


“de componentes da diversidade biológica de modo e em ritmo tais que não
levem, no longo prazo, à diminuição da diversidade biológica, mantendo assim
seu potencial para atender as necessidades e aspirações das gerações presentes

33
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

e futuras”. Abrange, portanto, as atividades extrativistas e o uso direto da


biodiversidade.

Na Convenção, as Partes Contratantes reconhecem a importância da diversi-


dade biológica para a evolução e manutenção da biosfera e apontam a conser-
vação in situ como a exigência fundamental para a proteção da biodiversidade.
A CDB reitera o princípio da soberania dos estados para uso dos recursos
biológicos segundo as suas próprias políticas ambientais e preceitua que cada
estado, entre outras ações, identifique e monitore os componentes importantes
para a conservação e o uso sustentável, estabeleça um sistema de áreas prote-
gidas, promova o desenvolvimento sustentável em torno dessas áreas, recupere
ecossistemas degradados e espécies ameaçadas, estimule a compreensão sobre
a importância dos recursos biológicos e assegure que políticas e programas de
desenvolvimento levem em consideração os efeitos negativos sobre a diversi-
dade biológica. A CDB também determina que os países desenvolvidos pro-
vejam recursos financeiros adicionais para que os países em desenvolvimento
implementem as obrigações da referida Convenção.

Em 1998, foi aprovada a Lei nº 9.605, que dispõe sobre os crimes ambientais,
regulamentando o § 3º do art. 225 da Constituição de 1988. Constitui crime:
causar dano direto ou indireto às UCs, sendo circunstância agravante a ocor-
rência de dano que afete espécies ameaçadas de extinção; e penetrar em UCs
conduzindo substâncias ou instrumentos próprios para caça ou para exploração
de produtos ou subprodutos florestais, sem licença da autoridade competente.
A aplicação da pena de prestação de serviços à comunidade pode consistir na
execução de tarefas gratuitas em UC.

A legislação específica sobre UCs deu grande salto em 2000, com a aprova-
ção da Lei nº 9.985, que regulamenta os incisos I, II, III e VII do § 1º do art.
225 da Constituição de 1988 e institui o Sistema Nacional de Unidades de
Conservação da Natureza (Snuc). Essa norma ampliou o número de catego-
rias de UC e estabeleceu maiores detalhamentos sobre a criação e a gestão
dessas áreas. A Lei do Snuc, como é conhecida, define unidade de conserva-
ção como “espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas
jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído
pelo Poder Público, com objetivos de conservação e limites definidos, sob
regime especial de administração, ao qual se aplicam garantias adequadas
de proteção” (art. 2º, I). Trata-se do detalhamento conceitual dos espaços

34
2. Base legal das Unidades de Conservação de
Proteção Integral (UCPIs)

territoriais especialmente protegidos indicados no inciso III do § 1º do art.


225 da Constituição.

Diversidade biológica é definida como “a variabilidade de organismos vivos


de todas as origens, compreendendo, dentre outros, os ecossistemas terrestres,
marinhos e outros ecossistemas aquáticos e os complexos ecológicos de que
fazem parte; compreendendo ainda a diversidade dentro de espécies, entre es-
pécies e de ecossistemas” (Lei nº 9.985/2000, art. 2º, III). Esse conceito está em
consonância com a CDB.

O Snuc é constituído pelo conjunto das UCs federais, estaduais e municipais


e tem como objetivos, dentre outros: manter a diversidade biológica; proteger
espécies ameaçadas de extinção; restaurar ecossistemas degradados; conser-
var paisagens de grande beleza cênica e características relevantes de natureza
geológica, geomorfológica, espeleológica, arqueológica, paleontológica e cul-
tural; promover a pesquisa científica e o monitoramento ambiental; propiciar
condições para a educação ambiental, a recreação na natureza e o turismo eco-
lógico; proteger os recursos naturais necessários à subsistência de populações
tradicionais; valorizar econômica e socialmente a diversidade biológica; e pro-
mover o desenvolvimento sustentável.

A Lei do Snuc prevê dois grandes grupos de UCs: as de proteção integral (objeto
deste trabalho) e as de uso sustentável. As UCs de proteção integral (UCPIs)
abrangem cinco categorias (Tabela 1) e visam a “manutenção dos ecossistemas
livres de alterações causadas por interferência humana, admitido apenas o uso
indireto dos seus atributos naturais” (art. 2º, VI). Usos indiretos compreendem
pesquisa científica, atividades educativas, recreação na natureza e turismo eco-
lógico. A pesquisa científica é possível em todas as categorias, mas sujeita-se à
autorização do órgão responsável pela UC.

35
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Imagem 5 – Parque Nacional das Cavernas do Peruaçu

Autora: Dalva Fajardo.

Tabela 1 – Características das Unidades de Conservação de Proteção Integral

Categoria Posse e domínio Objetivo Visitação pública

Preservar a natureza
Somente para fins
Estação ecológica Públicos e promover a
educacionais
pesquisa científica

Preservar a
Somente para fins
Reserva biológica Públicos biota e demais
educacionais
atributos naturais

36
2. Base legal das Unidades de Conservação de
Proteção Integral (UCPIs)

Categoria Posse e domínio Objetivo Visitação pública

Preservar
ecossistemas de
grande relevância
ecológica e beleza Recreacional,
Parque Públicos cênica e promover educativa, turismo
a pesquisa científica ecológico
e a recreação em
contato harmônico
com a natureza
Preservar sítio
Públicos ou natural raro, singular Sujeita às condições
Monumento natural
particulares ou de grande do plano de manejo
beleza cênica
Preservar ambiente
de existência e
Refúgio de vida Públicos ou Sujeita às condições
reprodução de
silvestre particulares do plano de manejo
comunidades da
flora e da fauna

Fonte: Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000.

As UCs de uso sustentável visam “compatibilizar a conservação da natureza


com o uso sustentável de parcela dos seus recursos naturais” (art. 7º, § 2º).
Abrangem sete categorias, quais sejam: área de proteção ambiental (APA), área
de relevante interesse ecológico, floresta nacional, reserva de fauna, reserva ex-
trativista, reserva de desenvolvimento sustentável e reserva particular do patri-
mônio natural. Excetuando-se esta última categora, as UCs de uso sustentável
admitem usos diretos dos recursos naturais, em graus variados de intensidade.
As APAs, especialmente, podem incluir usos intensivos em seus limites, como
atividade urbana, agropecuária e industrial, a depender das normas específicas
de manejo de cada UC.

Assim, as UCs de uso sustentável assumem papel fundamental no Snuc, de


salvaguarda de remanescentes de biodiversidade em áreas com ocupação
intensiva (APAs e áreas de relevante interesse ecológico); de fomento à explo-
ração econômica sustentável das florestas nacionais; de conservação dos recur-
sos naturais utilizados pelas populações tradicionais em atividades extrativistas
(reservas de desenvolvimento sustentável e reserva extrativista); de fomento
à pesquisa de aproveitamento econômico da fauna nativa (reserva de fauna);
e de apoio às iniciativas de conservação por proprietários privados (reservas

37
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

particulares do patrimônio natural). Essas UCs contribuem de forma significa-


tiva para a formação de uma matriz de uso da terra favorável à conservação da
biodiversidade.

No entanto, o núcleo central do Snuc são as UCs de proteção integral, pois


nessas áreas a natureza pode seguir o curso do processo evolutivo sem a interfe-
rência humana intensiva. Administradas pelos órgãos ambientais, elas estão sob
a proteção da União e devem garantir a preservação da biodiversidade.

A Lei do Snuc estabeleceu as seguintes normas de criação, implantação e ges-


tão das UCs:
f As terras das UCs de domínio público devem ser desapropriadas e os pro-
prietários devem ser indenizados. Nas UCs que não admitem população
residente, havendo comunidades tradicionais no seu interior, elas devem
ser indenizadas e realocadas. Enquanto o reassentamento não for possível,
devem ser definidas normas que compatibilizem sua presença com os ob-
jetivos de manejo da UC.
f A criação de uma UC ocorre por ato do Poder Público e depende da reali-
zação prévia de consulta pública (exceto para estação ecológica e reserva
biológica) e de estudos técnicos. O Poder Público pode decretar, pelo
prazo de sete meses, limitações administrativas em área objeto de estudo
para definição e delimitação de uma UC, exceto para atividades agrope-
cuárias e outras atividades econômicas em andamento e obras públicas
licenciadas.
f As UCs devem dispor de zona de amortecimento. Excetuam-se dessa
determinação apenas as APAs e as reservas particulares do patrimônio
natural. Zona de amortecimento é a área no entorno da UC, “onde as
atividades humanas estão sujeitas a normas e restrições específicas, com
o propósito de minimizar os impactos negativos sobre a unidade” (art. 2º,
XVIII). A zona de amortecimento, que cumpre a função de minimizar os
impactos das atividades humanas no entorno da UC, deve ser delimitada
caso a caso, no ato de criação da unidade ou no seu plano de manejo.
f As UCs também podem dispor de corredores ecológicos, os quais são
porções de ecossistemas naturais ou seminaturais, ligando UCs, “que
possibilitam entre elas o fluxo de genes e o movimento da biota, fa-
cilitando a dispersão de espécies e a recolonização de áreas degrada-
das, bem como a manutenção de populações que demandam para sua

38
2. Base legal das Unidades de Conservação de
Proteção Integral (UCPIs)

sobrevivência áreas com extensão maior do que aquela das unidades


individuais” (art. 2º, XIX). Os corredores ecológicos também são defi-
nidos no ato de criação da UC ou posteriormente e cumprem importante
função de controle da fragmentação de hábitats.
f Todas as UCs devem dispor de um plano de manejo. Por meio dele, são
estabelecidos o zoneamento da UC, as normas de uso da área, o manejo
dos recursos naturais e a implantação das estruturas físicas necessárias
à gestão da unidade. Deve incluir, ainda, medidas de integração da UC à
vida econômica e social das comunidades vizinhas. Esse documento
abrange a própria UC, a zona de amortecimento e os corredores ecológi-
cos, e deve ser atualizado a cada cinco anos. Na UC, é vedada a prática
de atividades não previstas no plano de manejo.
f Cada UCPI deve dispor de conselho consultivo presidido pelo órgão pú-
blico responsável por ela. A gestão de uma UC pode ser delegada, pelo
órgão público, a organizações da sociedade civil de interesse público com
objetivos afins aos da unidade.
f As UCs podem dispor de recursos oriundos da taxa de visitação; da co-
brança pelo uso comercial de sua imagem ou de produtos, subprodutos
ou serviços obtidos ou desenvolvidos a partir dos recursos naturais, bioló-
gicos, cênicos ou culturais da UC; da compensação, no caso de licencia-
mento ambiental de empreendimentos de significativo impacto ambiental;
e da contribuição financeira de órgão ou empresa responsável pelo abas-
tecimento de água, que faça uso de recursos hídricos ou seja responsável
por geração e distribuição de energia elétrica que se beneficiem da prote-
ção proporcionada por uma UC.

A Lei do Snuc estabelece as diretrizes que norteiam a gestão sistêmica das UCs,
destacando-se que o Snuc deve abranger um conjunto de unidades que represen-
te amostras significativas e ecologicamente viáveis das diferentes populações,
hábitats e ecossistemas do território nacional e das águas jurisdicionais. Deve,
ainda, proteger grandes áreas por meio de um conjunto integrado de UCs de di-
ferentes categorias, próximas ou contíguas, e suas respectivas zonas de amor-
tecimento e corredores ecológicos, integrando as diferentes atividades de pre-
servação da natureza, uso sustentável dos recursos naturais e restauração dos
ecossistemas. Em uma região com um conjunto de UCs próximas, justapostas

39
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

ou sobrepostas, e outras áreas protegidas públicas ou privadas, o Poder Público


pode estabelecer a gestão em mosaico, de forma integrada e participativa.

Por fim, a Lei do Snuc trata das reservas da biosfera, definidas como “um mo-
delo, adotado internacionalmente, de gestão integrada, participativa e sustentá-
vel dos recursos naturais” (art. 41). Elas devem abranger áreas públicas e/ou pri-
vadas e são formadas por áreas-núcleo, destinadas à proteção integral; zonas de
amortecimento, onde são admitidas atividades que não causem danos às áreas-
-núcleo; e zonas de transição, onde a ocupação humana e o manejo dos recur-
sos naturais sejam planejados e conduzidos de forma participativa e em bases
sustentáveis. As Reservas da Biosfera fazem parte do Programa O Homem
e a Biosfera (Man and the Biosphere – MAB), da Unesco, criado em 1971.
Elas foram criadas no âmbito do Conselho Internacional de Coordenação do
Programa MAB, em Paris, e integram a Rede Mundial de Reservas da Biosfera.

Desta forma, a Lei do Snuc avançou em diversos aspectos:


f define diversas categorias de UCs, o que favorece a conservação da bio-
diversidade, pois permite adequar o objetivo de gestão da área às suas
condições ecológicas e de ocupação humana;
f estabelece normas de gestão gerais e específicas para cada categoria;

f prevê fontes de recursos para implantação das UCs;

f estabelece instrumentos de integração das UCs com o entorno, visando


fortalecer a conservação e reforçar a importância das UCs para o desen-
volvimento da região onde estão inseridas; e
f determina que o conjunto das UCs seja representativo da diversidade bio-
lógica do território nacional.

A Lei do Snuc foi regulamentada pelo Decreto nº 4.340/2002. Essa norma esta-
belece, entre outros aspectos, detalhamentos sobre: a criação de UC, mosaicos,
plano de manejo, conselho, gestão compartilhada com organizações da socie-
dade civil, autorização para exploração de bens e serviços, compensação por
significativo impacto ambiental, reassentamento de populações tradicionais e
reservas da biosfera.

Em 2005, o Decreto nº 5.758 instituiu o Plano Estratégico Nacional de Áreas


Protegidas, que inclui, entre seus eixos temáticos, a implantação e o fortaleci-
mento do Snuc e o desenvolvimento da capacidade institucional para sua ges-

40
2. Base legal das Unidades de Conservação de
Proteção Integral (UCPIs)

tão. São definidos diversos objetivos gerais e específicos, destacando-se os de


integrar as UCs com paisagens mais amplas, impedir e mitigar impactos nega-
tivos sobre elas, potencializar o papel das UCs no desenvolvimento sustentável
e no combate à pobreza, bem como o de monitorar e avaliar o Snuc.

Conforme os dados do Cadastro Nacional de Unidades de Conservação (CNUC),


mantido pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA),4 no Brasil, as UCPIs conti-
nentais somam 767 unidades, cobrindo área de 542.366 km2, o que corresponde
a 6,4% do território nacional. Esse percentual é muito pequeno, considerando-se
que o país é o mais biodiverso do mundo e que as UCPIs são o núcleo central do
Snuc. Um valor de referência, de expansão das UCPIs, deveria ser aquele assu-
mido nas Metas de Aichi, no âmbito da CDB.

Desde a adoção da CDB, em 1992, as Partes Signatárias passaram a se reu-


nir a cada dois anos, nas chamadas Conferências das Partes (COP). Em 2010,
realizou-se a 10ª Conferência (COP 10) em Nagoya, Japão, na Província de
Aichi. O resultado da COP 10 foi a aprovação do Plano Estratégico para a
Biodiversidade 2011-2020, no qual foram estabelecidas as Metas de Aichi. Um
dos cinco objetivos a serem alcançados até 2020 é o de “melhorar a situação
de biodiversidade protegendo ecossistemas, espécies e diversidade genética”
(Objetivo Estratégico C). Para tanto, estabeleceu-se a Meta 11, dentre outras,
de que, até 2020, “pelo menos 17% de áreas terrestres e de águas continentais e
10% de áreas marinhas e costeiras, especialmente áreas de especial importância
para biodiversidade e serviços ecossistêmicos, terão sido conservados por meio
de sistemas de áreas protegidas geridas de maneira efetiva e equitativa, ecolo-
gicamente representativas e satisfatoriamente interligadas e por outras medidas
espaciais de conservação, e integradas em paisagens terrestres e marinhas mais
amplas”. Portanto, a meta seria a de que, até 2020, cada Parte estabelecesse
um sistema de UCs que contemplasse, de forma representativa, 17% das áreas
terrestres e águas continentais.

Essas metas precisam ser renovadas, no âmbito da CDB, com foco nas UCs
voltadas para a preservação da biodiversidade, como são as UCPIs. As unida-
des de uso sustentável do Snuc, em conjunto com terras indígenas e demais
áreas voltadas à conservação (APPs, reservas legais etc.) deveriam compor

4 Cadastro Nacional de Unidades de Conservação. Disponível em: <https://antigo.mma.gov.br/


areas-protegidas/cadastro-nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.
html>. Acesso em: 10 ago. 2020.

41
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

zonas-tampão em torno das UCPIs, interligando-as e formando uma matriz


gradativa de usos amigáveis à conservação. Essa matriz contempla desde o
extrativismo sustentável, o ecoturismo e o manejo agroflorestal até o plantio
de florestas homogêneas e atividades mais intensivas exercidas com os devidos
cuidados ambientais.

Esse é o objetivo dos corredores de biodiversidade, estratégia de conservação


que engloba as UCs, mas vai além, na perspectiva de salvaguardar regiões de
interesse para a proteção da biodiversidade, com grandes remanescentes de ve-
getação nativa, e promover o desenvolvimento regional por meio de atividades
amigáveis à conservação. Essa estratégia tem a vantagem, ainda, de garantir
proteção a territórios de populações tradicionais e as bases para inclusão dessas
populações no processo produtivo.

A legislação nacional avançou muito com a Lei do Snuc, de consolidar as UCs


e indicar a importância da integração dessas áreas ao seu entorno, contribuindo
para o desenvolvimento local. Mas é fundamental incluir os corredores de bio-
diversidade no conjunto das normas, para possibilitar a implantação de estra-
tégia mais ampla de conservação com enfoque regional, que alie efetivamente
a biodiversidade às atividades econômicas, proteja territórios tradicionais e fo-
mente o desenvolvimento sustentável de regiões em que a biodiversidade é o
principal ativo econômico.

42
2. Base legal das Unidades de Conservação de
Proteção Integral (UCPIs)

Imagem 6 – Parque Natural Municipal do Tabuleiro

Autora: Dalva Fajardo.

43
3. O bioma Cerrado
O Cerrado (Figura 1) é o segundo maior bioma do Brasil, ocupando, original-
mente, área contínua de 2.036.448 km2, ou seja, um quarto do território brasi-
leiro (IBGE, 2004). Localizado em sua maior parte sobre o Planalto Central
do Brasil, o bioma limita-se com todos os principais biomas de terras baixas
da América do Sul (Amazônia, Caatinga, Chaco e Pantanal), além da Mata
Atlântica. Existem encraves de Cerrado na Amazônia e na Caatinga que não
estão incluídos neste trabalho.

Figura 1 – Mapa de biomas do Brasil

Fonte: IBGE, 2019.

45
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

O Cerrado estende-se por doze unidades da federação (Tabela 2). Original-


mente, as maiores extensões do bioma estavam localizadas nos estados de Mato
Grosso, Minas Gerais, Goiás, Tocantins, Mato Grosso do Sul e Maranhão.
Grandes extensões ocupavam também Bahia, Piauí e São Paulo. Quanto à
proporção de área original de Cerrado em relação à área total da unidade da
federação, destacam-se o Distrito Federal, totalmente inserido no bioma, Goiás
e Tocantins. Rondônia é a unidade federada com menor cobertura de Cerrado e
nela não foram identificadas UCPIs no bioma.

Tabela 2 – Distribuição da cobertura original de Cerrado por estado

Área do estado % Cerrado no Área de


Estado
(ha) (*) estado (**) Cerrado (ha)

Bahia 56.476.042,7 27 15.248.531,5

Distrito Federal 576.078,3 100 576.078,3

Goiás 34.020.332,9 97 32.999.722,9

Maranhão 32.964.218,2 65 21.426.741,8

Mato Grosso 90.320.701,9 39 35.225.073,7

Mato Grosso do Sul 35.714.553,4 61 21.785.877,6

Minas Gerais 58.652.112,3 57 33.431.704,0

Paraná 19.929.897,9 2 398.597,9

Piauí 25.175.651,5 37 9.314.991,0

Rondônia 23.776.524,0 0,2 47.553,0

São Paulo 24.821.948,1 32 7.943.023,4

Tocantins 27.746.676,3 91 25.249.475,4

Fonte: IBGE, 2004 (**), 2020 (*).

46
3. O bioma Cerrado

3.1. Aspectos físicos


O bioma estende-se entre 3° e 24° de latitude Sul, em região de clima predomi-
nantemente tropical sazonal de inverno seco. A precipitação média anual varia
de 1.200 mm a 1.800 mm, mas a variação é de 600 mm a 800 mm no limite com
a Caatinga e de 2.000 mm a 2.200 mm na interface com a Amazônia (LIMA,
SILVA, 2005). O período seco abrange cinco a seis meses (maio a setembro).
Ressalte-se que, embora a seca afete as camadas superficiais do solo, a água
subterrânea é sempre abundante (CÂMARA, 2001).

A maior parte do Cerrado estende-se por planaltos sedimentares ou cristalinos


(500 m a 1.700 m), que formam grandes blocos separados entre si por depres-
sões periféricas ou interplanálticas de 100 m a 500 m (BRASIL, ALVARENGA,
1989). As chapadas são extensas superfícies planas a suaves onduladas, ladea-
das por áreas serranas e vales fluviais alongados (FONSECA, 2005; PINTO,
1990).

O Cerrado ocorre sobre diversos tipos de solos, dos quais 62% são bem dre-
nados, profundos, ácidos, pobres em nutrientes, apresentam alta saturação de
alumínio e são propícios à mecanização agrícola (FELFILI, SILVA JÚNIOR,
2005; RIBEIRO et al., 2005). Predominam os latossolos (46% da área do bioma),
que são muito intemperizados, pobres em nutrientes, profundos, porosos e bem
drenados (REATTO; MARTINS, 2005).

Imagem 7 – Parque Nacional Cavernas do Peruaçu

Autora: Dalva Fajardo.

47
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Os solos hidromórficos, situados nas áreas de nascente, nos campos úmi-


dos e sob mata de galeria e ciliar, estão associados ao afloramento do lençol
freático, sobretudo na estação chuvosa. Essas áreas são muito vulneráveis ao
assoreamento, à contaminação e à superexploração (LIMA, SILVA, 2005).

O Cerrado apresenta grande número de lagoas naturais decorrentes do aflora-


mento de águas subterrâneas. Como exemplo, pode-se citar a Lagoa Mestre
d’Armas, situada na Estação Ecológica de Águas Emendadas, no Distrito Federal
(FONSECA, 2005).

O bioma sobrepõe-se a três grandes aquíferos – Guarani, Bambuí e Urucuia


– e constitui um grande divisor de águas no conjunto do território brasileiro.
As águas vertem em profusão, formando uma rede incontável de nascentes,
riachos, ribeirões e pequenos lagos (FONSECA, 2005). O Cerrado abrange
78% da área da bacia do Araguaia-Tocantins, 48% da área da bacia do Paraná-
-Paraguai e 47% da área da bacia do São Francisco, e é responsável, respec-
tivamente, por 71%, 71% e 94% da produção hídrica (m3/s) dessas bacias.
Note-se que toda a área da região Nordeste abastecida pelo rio São Francisco é
hidrologicamente dependente do Cerrado (LIMA, SILVA, 2005).

Imagem 8 – Parque Nacional do Araguaia

Autor: Marcelo Ismar Santana.

48
3. O bioma Cerrado

Imagem 9 – Estação Ecológica do Jardim Botânico de Brasília (DF)

Autor: Roberto Sampaio.

Imagem 10 – Parque Estadual do Cantão

Autor: Marcelo Ismar Santana.

49
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

3.2. A diversidade biológica


O Cerrado – denominado Oréades,5 na divisão florística de Von Martius para
o Brasil (BERTRAN, 1994) – é a formação savânica mais rica do planeta, ri-
queza essa relacionada tanto à diversidade paisagística quanto à biológica. As
savanas são formações muito antigas, oriundas de longo processo evolutivo
que envolve presença do fogo, herbivoria e características de solo que limitam
o crescimento de árvores. Sua riqueza se manifesta no alto grau de endemismos
e na presença de comunidades biológicas únicas (VELDMAN et al., 2015).

Inicialmente, é importante diferenciar as expressões Cerrado lato sensu e


cerrado stricto sensu. Cerrado lato sensu refere-se a todo o bioma, que é for-
mado por um mosaico contínuo de fisionomias vegetais ou fitofisionomias,
composto por um gradiente de altura-densidade, que varia de formações cam-
pestres a florestais, explicadas adiante. O cerrado stricto sensu diz respeito a
uma dessas fitofisionomias.

Os limites entre uma fisionomia e outra não são precisos, podendo haver forma-
ções intermediárias (HENRIQUES, 2005). O topo dos planaltos é geralmente
plano, revestido por fitofisionomias de savana, ao passo que as depressões são
muito heterogêneas, revestidas por mosaicos de cerrado, florestas estacionais
e extensas florestas ribeirinhas (SILVA, SANTOS, 2005). Ocorrem variações
também em função da presença ou ausência de água, havendo fitofisionomias
de áreas secas e aquelas de áreas úmidas.

5 Segundo a mitologia grega, oréades eram ninfas que habitavam e protegiam as cavernas e grutas.
Embora fossem mortais, tinham vida muito longa e não envelheciam e tinham o poder de curar,
profetizar e nutrir. Trata-se de uma homenagem às inúmeras cavernas calcáreas do bioma.

50
3. O bioma Cerrado

Imagem 11 – Parque Nacional da Serra da Canastra

Autor: Marcelo Ismar Santana.

Imagem 12 – Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros

Autora: Dalva Fajardo.

51
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Imagem 13 – Estação Ecológica do Jardim Botânico de Brasília

Autora: Priscila Oliveira Rosa.

Nas áreas secas, a vegetação compõe-se de cerradão, cerrado stricto sensu,


campo cerrado, campo sujo, campo limpo e campo rupestre. O cerrado stricto
sensu, fisionomia predominante, é composto por árvores de 3  m a 10  m de
altura e arbustos que raramente formam um dossel fechado, bem como densa
vegetação rasteira dominada por gramíneas, cobrindo latossolos profundos e
bem drenados. A cobertura do estrato arbóreo/arbustivo varia de 10% a 60%
(RATTER et al., 1997; CÂMARA, 2001; FELFILI, SILVA JÚNIOR, 2005).

Cerradão é uma formação florestal, com dossel predominantemente contínuo


e cobertura arbórea que pode oscilar de 50% a 90%. O campo sujo apresen-
ta arbustos e subarbustos entremeados no estrato herbáceo. O campo limpo
apresenta predominância de gramíneas, sendo insignificante a presença de ar-
bustos (RIBEIRO, WALTER, 1998).

A vegetação do Cerrado apresenta adaptações às condições de solo, à sazonali-


dade climática e ao fogo. As árvores possuem troncos e galhos retorcidos, folhas

52
3. O bioma Cerrado

em geral duras e pilosas, casca suberosa muito grossa, com sulcos profundos e
aspecto fendilhado e rugoso. Nos meses secos, muitas árvores perdem as folhas
e o estrato herbáceo seca. As plantas ainda apresentam raízes profundas, xilopó-
dio (caule subterrâneo de reserva de água e nutrientes), gemas que permitem a re-
brota das plantas e folhas com estômatos na face inferior (RATTER et al., 1997).

Também estão presentes no Cerrado os campos rupestres e as florestas estacio-


nais. Os primeiros ocorrem em platôs rochosos e estão limitados a pequenos
fragmentos, ricos em espécies vegetais endêmicas, isto é, que ocorrem apenas
no bioma (SILVA, BATES, 2002). Geralmente ocorrem em altitudes acima de
900 m com ventos constantes, dias quentes e noites frias. A vegetação peculiar
pode variar em curtas distâncias, distribuindo-se em frestas rochosas, solos
rasos ou diretamente sobre a rocha (RIBEIRO, WALTER, 1998).

As florestas estacionais são caracterizadas pela deciduidade foliar. Elas distri-


buem-se nas regiões marcadas pela sazonalidade climática e podem se inserir
nos diversos biomas. No Brasil, as florestas estacionais distribuem-se princi-
palmente pelas regiões Nordeste e Centro-Oeste. No Cerrado, elas são comuns
nos estados da Bahia, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul,
formando um eixo Nordeste-Sudoeste, entre a Caatinga e o Chaco. Encontram-
-se em áreas disjuntas onde ocorrem solos eutróficos ou com afloramento de
rochas calcárias. Exemplos são as florestas no Vale do Paranã, em Goiás, e no
Triângulo Mineiro, nos solos originários de derramamento basáltico (SCARIOT,
SEVILHA, 2005; PEREIRA et al., 2011).

A vegetação associada à água engloba campo úmido, campo de murunduns, ve-


reda, mata de galeria e mata ciliar. Os campos úmidos são um tipo de brejo e
têm ampla distribuição no Cerrado. Ocorrem onde o lençol freático é raso e ten-
de a aflorar, com bordas bem definidas entre a mata galeria, a vereda e o cam-
po cerrado. A vegetação característica é formada predominantemente por gra-
míneas, ciperáceas e pteridófitas, que formam um verdadeiro jardim ao lado de
representantes dos gêneros Drosera, Sphagnum e Utricularia, além de filamen-
tos de algas (FONSECA, 2005).

Os campos de murunduns são campos úmidos com elevações arredondadas


de solo seco, formados por erosão diferencial do terreno, com 1 m a 10 m
de largura, sobre as quais ocorre campo limpo ou campo cerrado. As veredas
(associações da palmeira buriti – Mauritia flexuosa) também se situam nas

53
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

áreas alagáveis, com solos mal drenados. São de extrema importância para
a conservação da fauna, pois são local de pouso, nidificação e alimentação
(FONSECA, 2005).

As matas ciliares e de galeria formam um dossel denso e contínuo de árvores


altas, no fundo dos vales, ao longo dos córregos e rios. As matas de galeria
localizam-se nas cabeceiras e fundos de vale, formando corredores fechados
em torno dos pequenos cursos d’água. As matas ciliares acompanham cursos
de médio e grande porte, sem formar corredores fechados. Essas matas formam
corredores de penetração das espécies da Amazônia e da Mata Atlântica para o
Cerrado (CÂMARA, 2001; FONSECA, 2005).

Seguindo um eixo inverso ao das matas estacionais, florestas ciliares e de


galeria acompanham a rede dendrítica entre a Amazônia e a Mata Atlântica,
cruzando o Cerrado em eixo noroeste-sudeste (SCARIOT, SEVILHA, 2005).
A distribuição das espécies nessas matas está mais relacionada às condições
hídricas do que à fertilidade natural do solo. Foram identificadas 2.031 espé-
cies vegetais nas matas ribeirinhas, incluindo herbáceas, epífitas, subarbustos,
trepadeiras, arbustos e árvores. Para a fauna, elas têm grande importância
como hábitat de reprodução ou alimentação para 80% das espécies de aves
e como área de ocorrência de 50% dos endemismos do bioma e de 24% das
espécies ameaçadas de mamíferos. Elas ocupam apenas 5% da área total
do bioma e parcialmente estão protegidas pela Lei Florestal como Área de
Preservação Permanente, mas têm sido amplamente ocupadas por atividade
rural (RIBEIRO et al., 2005).

As matas de galeria influenciam diretamente a biota aquática da região: a co-


bertura densa reduz a incidência direta de luz e, consequentemente, a produti-
vidade primária. Folhas, frutos e sementes provenientes da própria mata cons-
tituem as principais fontes de alimentos de peixes. As cabeceiras de drenagem
são focos de endemismos de muitas espécies de água doce, constituem cami-
nhos de dispersão e são áreas prioritárias para a conservação da biodiversidade
(FONSECA, 2005).

A diversidade florística do Cerrado é muito elevada. São 11.238 espécies de


angiospermas, 4 espécies de gimnospermas e 385 espécies de pteridófitas, so-
mando 11.627 espécies nativas do Cerrado (MENDONÇA et al., 2008). Note-se
que essa lista não inclui briófitas nem algas.

54
3. O bioma Cerrado

Ao contrário da Amazônia e da Mata Atlântica, onde a diversidade está asso-


ciada à estratificação vertical, no Cerrado a grande diversidade tem relação com
a heterogeneidade espacial, isto é, a diversidade fitofisionômica. As estratégias
de conservação, portanto, devem manter o mosaico de vegetação natural do
bioma (MACHADO et al. 2004).

Arruda et al. (2008) encontraram 22 ecorregiões no Cerrado, que constituem


comunidades naturais geograficamente distintas, delimitadas conforme fato-
res físicos e biológicos (geomorfologia, geologia, solo, precipitação, vegeta-
ção, flora e fauna). O número de ecorregiões do Cerrado é equivalente ao de
ecorregiões da Amazônia (23), que possui o dobro da área. O grande número
de ecorregiões representa mais um indicador da diversidade ecossistêmica do
bioma.

A alta biodiversidade do Cerrado está relacionada não somente à diversidade


fitofisionômica e paisagística, mas também aos diversos padrões de compo-
sição da flora, ainda que em uma mesma fitofisionomia (MENDONÇA et
al., 2008). O estudo de quinze áreas de cerrado stricto sensu, localizadas no
Distrito Federal e nos estados da Bahia, de Minas Gerais e do Goiás, apontou
a ocorrência de 100 a 200 espécies vasculares por hectare, o que coloca o
bioma como uma das mais ricas formações tropicais. A densidade das popu-
lações é muito desigual, havendo espécies abundantes em uma área e raras
em outra (FELFILI, SILVA JÚNIOR, 2005).

Locais muito distantes entre si, como Correntina e Formoso do Rio Preto, na
Bahia, a 500 km um do outro, apresentam maior semelhança entre si do que
Alto Paraíso de Goiás e o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, distan-
tes 50 km um do outro. Isso se deve ao fato de que Correntina e Formoso do
Rio Preto ficam no mesmo sistema de terras, onde predominam areias quart-
zosas. Na Chapada dos Veadeiros ocorrem três sistemas de terra – cambissolo
com areias rochosas nas encostas, areia quartzosa e latossolo (FELFILI, SILVA
JÚNIOR, 2005). Assim, embora próximas, as áreas analisadas na Chapada dos
Veadeiros apresentam diferenças de solo e relevo, que geram forte influência
sobre a distribuição de espécies e o tamanho de suas populações.

Estudo comparativo da composição florística de 98 áreas de Cerrado (distribuí-


das em todo o bioma e em algumas áreas de savana da Amazônia) mostrou que
30% das espécies ocorriam em apenas um único local e apenas 5% das espécies

55
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

estavam presentes em 50% ou mais dos locais pesquisados. Não foi encontrada
nenhuma espécie que ocorresse em todos os locais (RATTER et al., 1997).

As espécies vegetais distribuem-se em mosaicos, com algumas espécies abun-


dantes e as demais pouco abundantes ou raras. Por conta desse fator, o desma-
tamento extensivo do bioma pode levar à devastação da flora em grande mag-
nitude (FELFILI et al., 2008). Considerando-se a heterogeneidade espacial da
distribuição das espécies, é importante instituir grande número de unidades de
conservação para proteger adequadamente a sua rica biodiversidade (RATTER
et al., 1997). Assim, na definição de áreas para o estabelecimento de UCs, é
necessário verificar tanto a ocorrência de espécies quanto o tamanho de suas
populações (FELFILI, SILVA JÚNIOR, 2005).

O Cerrado tem uma fauna rica e diversificada, o que é favorecido pela grande
extensão territorial, alta heterogeneidade ambiental, alta diversidade vegetal e pre-
cipitação pluviométrica relativamente alta (VIEIRA, PALMA, 2007). Enquanto
parcela significativa da flora do Cerrado é endêmica, a fauna do Cerrado tem ca-
ráter generalista, com elementos dos biomas adjacentes (FELFILI et al., 2005;
RIBEIRO et al., 2005). Ainda assim, diversos grupos são restritos a ambientes
específicos do Cerrado.

Exemplo de espécies carismáticas, não restritas a esse bioma, mas nele observá-
veis com maior facilidade são: lobo-guará (Chrysocyon brachyurus), tamanduá-
-bandeira (Myrmecophaga tridactyla), tatu-canastra (Priodontes maximus), anta
(Tapirus terrestris), onça-pintada (Panthera onca), onça-parda (Puma concolor),
cervo-do-pantanal (Blastocerus dichotomus), veado-campeiro (Ozotocerus be-
zoarticus) e porcos-do-mato (Pecari tajacu e Tayassu pecari) (CÂMARA, 2001).

O Cerrado apresenta alta riqueza de espécies de morcegos e de roedores


(CÂMARA, 2001). A mastofauna é formada, sobretudo, por animais de pequeno
porte e muitas espécies são localmente raras. As comunidades de pequenos ma-
míferos (roedores e marsupiais) distribuem-se em três conjuntos: de florestas,
de áreas abertas secas ou úmidas e de fisionomias de cerrado com diferentes
graus de cobertura arbórea. As maiores riquezas ocorrem nas matas ciliares e
de galeria e nas florestas estacionais (VIEIRA, PALMA, 2005).

As aves somam 856 espécies no Cerrado, das quais 30 (3,8%) são endêmicas.
Os três principais centros de endemismos são o vale do rio Araguaia (Goiás,
Mato Grosso e Tocantins), as matas secas do Vão do Paranã (Goiás) e a Serra do

56
3. O bioma Cerrado

Espinhaço (Minas Gerais e Bahia) (SILVA, SANTOS, 2005; SILVA, BATES,


2002; BRAZ, HASS, 2014). Espécies carismáticas são a ema (Rhea americana),
a arara-canindé (Ara ararauna) e a arara-azul-grande (Anodorhyncus hyacin-
thinus) (CÂMARA, 2001).

A maioria das espécies de aves do Cerrado (399) depende das fisionomias flo-
restais para se alimentar e se reproduzir. Outras 218 espécies são independentes
da floresta, isto é, se alimentam e se reproduzem no cerrado stricto sensu ou em
outras formações mais abertas. E 161 espécies são semidependentes, ou seja,
podem se alimentar e se reproduzir tanto num quanto noutro ambiente (SILVA,
SANTOS, 2005). Embora essa seja uma classificação grosseira, ela ressalta a
importância das formações florestais (matas de galeria, cerradão e matas esta-
cionais) para a avifauna do Cerrado, pois 72% das espécies dependem delas,
total ou parcialmente. Evidencia-se a necessidade de manutenção das forma-
ções florestais do Cerrado para a implantação de corredores ecológicos, no que
diz respeito à avifauna (SILVA, BATES, 2002; SILVA, SANTOS, 2005).

Pinheiro (2005) identificou o registro de 645 espécies de borboletas no Distrito


Federal, que ocorrem preferencialmente nas matas estacionais de solos calcá-
reos (Sobradinho, Chapada da Contagem e região da Fercal) e nas matas de
galeria de rios de maior porte. Fernandes e Gonçalves-Alvim (2005) afirmam
que o Cerrado está entre os biomas com maior diversidade no mundo, de inse-
tos galhadores,6 com 125 espécies de insetos em 84 espécies vegetais. A maior
riqueza foi observada no cerrado stricto sensu. Os insetos galhadores são muito
vulneráveis à extinção, por estarem intimamente ligados a seus hospedeiros e
por terem hábitos sésseis (FERNANDES, GONÇALVES-ALVIM, 2005).

Os cupins têm grande importância ecológica no Cerrado, na ciclagem de


nutrientes, na formação do solo e como abrigo e fonte de alimentos para di-
versas espécies de animais, razão pela qual a sua eliminação pode provocar
a perda de inúmeras outras espécies (CONSTANTINO, 2005). Os cupins
formam um componente dominante na paisagem, a tal ponto que a espécie
Cornitermes cumulans pode ser considerada espécie-chave, devido à sua abun-
dância. Foram registradas 139 espécies, destacando-se em abundância aquelas
comedoras de serrapilheira, em maior proporção nas áreas florestais. Nas áreas

6 Galha é a hipertrofia dos tecidos vegetais, arredondada, provocada pela presença do inseto dentro
da planta.

57
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

cultivadas, algumas espécies de térmitas transformam-se em pragas agrícolas


(CONSTANTINO, 2005).

Inventário sobre drosofilídeos, a partir de 1997, registrou a ocorrência de 77 es-


pécies, sendo 20 somente em florestas de galeria, 7 apenas no cerrado stricto
sensu e 3 apenas em áreas de afloramentos rochosos (TIDON et al., 2005).
Esses dados evidenciam a relação entre heterogeneidade espacial e biodiversi-
dade no Cerrado.

A riqueza da fauna e da flora aquáticas do Cerrado até agora estudada alcança


9.580 espécies – incluídos algas, protozoários, insetos, crustáceos, moluscos,
peixes etc. Em relação às algas verdes, Leite (1990 apud FONSECA, 2005)
encontrou riquíssima microflora na Lagoa Bonita, e Senna e Ferreira (1986,
1987 apud FONSECA, 2005) registraram grande diversidade de algas azuis na
Fazenda Água Limpa, ambas situadas no Distrito Federal.

Estima-se que 33% das espécies em geral, metade das espécies de aves, 45% dos
peixes, 40% dos mamíferos e 38% dos répteis brasileiros ocorram no Cerrado,
havendo, também, alto grau de endemismos. Em relação às árvores, a taxa de
endemismo pode alcançar 80% das espécies existentes (AGUIAR et al., 2004).

O Cerrado tem biodiversidade comparável à da Amazônia. Comparando-se o


Cerrado com os demais biomas continentais brasileiros, em relação à riqueza
(número total) de espécies, o bioma ocupa o segundo lugar no que se refere aos
peixes e o terceiro lugar quanto a plantas, mamíferos, aves, répteis e anfíbios
(Tabela 3). O Cerrado está em segundo lugar em relação ao número de espé-
cies endêmicas de plantas e de anfíbios, com mais do que o dobro de espécies
da Amazônia (Tabela 3). Assim, o Cerrado contribui significativamente para o
Brasil ser o campeão em biodiversidade no mundo.

Tabela 3 – Plantas e grupos de vertebrados: número total de espécies, número


de espécies endêmicas e taxa de endemismo dos biomas brasileiros

Plantas Mamíferos Aves


Bioma
Total Endêmicas % Total Endêmicas % Total Endêmicas %

Amazônia 12.354 2.003 16,2 311 174 55,9 1.300 236 18,2

Mata
16.146 7.524 46,6 250 55 22,0 1.020 188 18,4
Atlântica

58
3. O bioma Cerrado

Plantas Mamíferos Aves


Bioma
Total Endêmicas % Total Endêmicas % Total Endêmicas %

Cerrado 12.070 4.208 34,9 195 18 9,2 837 36 4,3

Pantanal 1.082 48 4,4 132 2 1,5 463 0 0,0

Caatinga 4.440 748 16,8 148 10 6,8 510 15 2,9

Pampa 1.458 78 5,3 102 5 4,9 476 2 0,4

Répteis Anfíbios Peixes


Bioma
Total Endêmicas % Total Endêmicas % Total Endêmicas %

163- 7,0-
Amazônia 550 340 61,8 12 1.800 - -
250 4,8

Mata
197 60 30,5 340 250 73,5 350 133 38,0
Atlântica

150- 13,33- 113- 28,31-


Cerrado 20 32 1.000 - -
180 11,11 150 21,33

Pantanal 113 5 4,4 41 - - 263 - -

Caatinga 107 - - 49 - - 185 105 56,8

Pampa 110 2 1,8 - - - 150 12 8,0

Fonte: Forzza et al., 2010; Sabino, Prado, 2005 apud Scariot, 2010.

3.3. Pressões do desmatamento


O Cerrado é uma das 34 ecorregiões definidas como hotspots mundiais
(MITTERMEIER et al., 2004; MITTERMEIER et al., 1999; MYERS et al.,
2000), que combinam grande biodiversidade e elevado número de espécies en-
dêmicas com alto grau de ameaça. De acordo com os dados do Mapbiomas
(2020), a cobertura da vegetação nativa do Cerrado era de 134.141.442 ha em
1985 (65,8% da cobertura original) e caiu para 105.573.200 ha (51,8% da co-
bertura original) em 2019, o que corresponde a uma perda de 28.568.242 ha. Ou
seja, nos últimos 34 anos, o bioma perdeu 21,3% da cobertura remanescente em
1985 e 14% de sua cobertura original, em taxa média equivalente a 840.242 ha
por ano.

59
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Os dados do Prodes Cerrado, disponíveis no Portal Terrabrasilis (INPE-


-TERRABRASILIS, 2020), mostram a evolução da taxa de desmatamento
anual desde 2001 até 2019 (Figura 2). Embora tenha havido redução dessa
taxa ao longo do período analisado, o desmatamento continua alto. Em 2019,
a taxa foi de 6.483,4 km2, área superior à do Distrito Federal (5.800 km2).

Figura 2 – Incremento anual de área desmatada no Cerrado de 2001 a 2019

35.000

30.000

25.000

20.000

15.000

10.000

5.000

0
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014
2015
2016
2017
2018
2019

Fonte: Prodes Cerrado (INPE-TERRABRASILIS, 2020).

No mapeamento do Mapbiomas (2020), as perdas acumuladas até 2019 são


maiores nos estados de São Paulo, Goiás, a oeste de Minas Gerais, ao longo
da rodovia Belém-Brasília em Tocantins, no oeste da Bahia e, de forma pulve-
rizada, em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Mas a fronteira de ocupação
avança sobre a vegetação remanescente nos estados de Maranhão e Piauí, leste
e oeste de Tocantins, oeste de Mato Grosso, norte de Minas Gerais e oeste da
Bahia.

O Prodes Cerrado mostra os valores de desmatamento acumulado por es-


tado, no período de 2001 até 2019. As maiores perdas ocorreram nos esta-
dos de Tocantins, Minas Gerais, Mato Grosso, Maranhão e Goiás (Figura 3).
Excetuando-se São Paulo, que sofreu forte desmatamento anterior aos últimos
20 anos, todos os demais estados estão atualmente sujeitos a forte pressão de
desmatamento. Assim, o Cerrado encontra-se ameaçado nos estados que ainda
possuem grande extensão de vegetação nativa.

60
3. O bioma Cerrado

Figura 3 – Desmatamento acumulado por estado no bioma Cerrado, de 2001 a


2019 (Km²)

Rondônia
Paraná
Tocan�ns
São Paulo
Piauí
Minas Gerais
Mato Grosso do Sul
Mato Grosso
Maranhão
Goiás
Distrito Federal
Bahia

0 10.000 20.000 30.000 40.000 50.000

Fonte: Prodes Cerrado (INPE-TERRABRASILIS, 2020).

Focando-se o desmatamento nos últimos cinco anos (Tabela 4), verifica-se que
Maranhão e Tocantins são os estados sob mais forte pressão. Juntamente com
Piauí e Bahia, eles formam a região conhecida como Matopiba. Destaca-se,
ainda, o estado do Mato Grosso, com taxa de desmatamento ainda próxima de
1.000 km² em 2019.

Tabela 4 – Taxa de desmatamento anual por estado, de 2015 a 2019

Estado
Ano
BA DF GO MA MS MT

2015 1.334,52 5,14 1.218,12 1.656,48 624,81 1.695,50

2016 782,11 2,53 646,55 1.228,81 341,61 1.164,54

2017 783,02 5,49 841,98 1.481,28 285,29 1.103,91

2018 696,97 8,18 713,27 1.470,39 258,34 988,09

2019 832,37 2,51 651,32 1.309,32 294,30 930,59

61
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Estado
Ano
MG PR PI RO SP TO

2015 1.197,86 6,85 847,04 0,22 25,11 3.063,38

2016 329,22 2,73 700,81 0,20 3,28 1.587,19

2017 511,81 2,45 599,23 0,22 3,71 1.693,45

2018 470,56 0,58 482,60 0,42 14,61 1.530,09

2019 496,66 0,68 463,70 0,23 6,11 1.495,61

Fonte: Prodes Cerrado (INPE-TERRABRASILIS, 2020).

Acrescente-se que o bioma está sujeito à alta fragmentação de hábitats, o que


tem diversos impactos sobre a biodiversidade. O desmatamento em si ocasiona
a extinção direta de espécies, especialmente as raras, não representadas nos
fragmentos remanescentes. Mas acumulam-se outros fatores negativos, decor-
rentes da pressão de fatores externos (incêndios, invasão de espécies alóctones
e pragas, contaminação por pesticidas, exposição à maior luminosidade e aos
ventos etc.), que alteram a estrutura e a composição das espécies no fragmento
e diminuem as chances de sobrevivência das espécies nativas. Além disso, a re-
dução do tamanho das populações de animais e vegetais, confinadas a pequenos
fragmentos de hábitat, pode inviabilizar sua perpetuação a longo prazo. O au-
mento das populações animais nos fragmentos remanescentes acirra a competi-
ção por recursos, já que as áreas antropizadas representam barreiras para muitas
espécies que não conseguem atravessá-las em busca de recursos naturais neces-
sários para sua sobrevivência. O isolamento de populações e a redução do fluxo
gênico diminui a capacidade da espécie de se adaptar a mudanças ambientais
(AQUINO, MIRANDA, 2008).

O desmatamento do Cerrado também contribui para a emissão de CO2 e mu-


danças climáticas. No cerrado stricto sensu, a matéria orgânica do solo (raízes
e serapilheira) representa 70% do carbono estocado. Considerando-se que as
formações vegetais do bioma apresentam raízes profundas, a parte subterrânea
constitui importante repositório de carbono e a conservação do bioma contribui
para a mitigação das mudanças climáticas (BERGAMASCHINE, 2017).

Portanto, é importante conter as fronteiras de ocupação do Cerrado, direcionando


a produção de alimentos para as áreas já desmatadas, restaurando áreas degrada-

62
3. O bioma Cerrado

das e promovendo a conservação dos remanescentes de vegetação nativa. É es-


pecialmente urgente criar novas UCPIs no bioma, tendo em vista que os grandes
remanescentes de vegetação nativa tendem a se tornar cada vez mais escassos.

Imagem 14 – Estação Ecológica do Jardim Botânico de Brasília

Autora: Vânia Araújo Soares.

Imagem 15 – Estação Ecológica do Jardim Botânico de Brasília

Autora: Priscila Oliveira Rosa.

63
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Imagem 16 – Bromelia goyasensis

Autor: Maurício Mercadante.

Imagem 17 – Byrsonima intermedia

Autor: Maurício Mercadante.

64
3. O bioma Cerrado

Imagem 18 – Fridericia platyphylla

Autor: Maurício Mercadante.

Imagem 19 – Kielmeyera rubriflora

Autor: Maurício Mercadante.

65
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Imagem 20 – Mandevilla illustris

Autor: Maurício Mercadante.

Imagem 21 – Mandevilla longiflora

Autor: Maurício Mercadante.

66
3. O bioma Cerrado

Imagem 22 – Peixotoa reticulata

Autor: Maurício Mercadante.

Imagem 23 – Solanum falciforme

Autor: Maurício Mercadante.

67
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Imagem 24 – Vellozia squamata

Autor: Maurício Mercadante.

Imagem 25 – Xyris paradisiaca

Autor: Maurício Mercadante.

68
3. O bioma Cerrado

Imagem 26 – Polychrus acutirostris (lagarto-preguiça)

Autor: André Ganem Coutinho.

Imagem 27 – Ara ararauna (arara canindé)

Autor: Marcelo Ismar Silva Santana.

69
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Imagem 28 – Caracara plancus (carcará)

Autor: André Ganem Coutinho.

Imagem 29 – Colibri serrirostris (colibri de canto) e Palicourea rigida

Autor: André Ganem Coutinho.

70
3. O bioma Cerrado

Imagem 30 – Campephilus melanoleucos (pica-pau de cabeça vermelha)

Autor: André Ganem Coutinho.

Imagem 31 – Ramphastos toco (tucano-toco)

Autor: Marcelo Ismar Silva Santana.

71
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Imagem 32 – Ramphastos vitellinus (tucano de bico preto)

Autor: André Ganem Coutinho.

Imagem 33 – Rhea americana (ema)

Autor: Marcelo Ismar Silva Santana.

72
3. O bioma Cerrado

Imagem 34 – Cathartes aura (urubu de cabeça vermelha)

Autor: André Ganem Coutinho.

Imagem 35 – Cerdocyon thous (cachorro-do-mato)

Autor: Marcelo Ismar Silva Santana.

73
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Imagem 36 – Chrysocyon brachyurus (lobo-guará)

Autor: Marcelo Ismar Silva Santana.

Imagem 37 – Myrmecophaga tridactyla (tamanduá bandeira)

Autor: Marcelo Ismar Silva Santana.

74
3. O bioma Cerrado

Imagem 38 – Ozotoceros bezoarticus (veado campeiro)

Autor: Marcelo Ismar Silva Santana.

Imagem 39 – Panthera onca (onça-pintada)

Autor: Marcelo Ismar Silva Santana.

75
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Imagem 40 – Puma concolor (onça-parda)

Autor: Marcelo Ismar Silva Santana.

Imagem 41 – Tapirus terrestres (anta)

Autor: Marcelo Ismar Silva Santana.

76
3. O bioma Cerrado

Referências bibliográficas

AGUIAR, Ludmilla Moura de Souza; MACHADO, Ricardo Bomfim;


MARINHO-FILHO, Jader. A diversidade biológica do Cerrado. In:
AGUIAR, LUDMILLA, CAMARGO, AMABILIO J. A. (org.). Ecologia e
Caracterização do Cerrado. Brasília: Embrapa Cerrados, 2004, p. 19-42.

AQUINO, Fabiana de Gois; MIRANDA, Guilherme Henrique Braga de.


Consequências ambientais da fragmentação de habitats no Cerrado. In:
SANO, Sueli Matiko; ALMEIDA, Semírames Perosa de; RIBEIRO, José
Felipe. Cerrado: ecologia e flora. Brasília, DF: Embrapa Informação
Tecnológica, 2008, p. 383-398.

ARRUDA, M. B.; PROENÇA, C. E. B.; RODRIGUES, S.; MARTINS, E.


S.; MARTINS, R. C.; CAMPOS, R. N. Ecorregiões, unidades de conservação
e representatividade ecológica do bioma Cerrado. In: SANO, Sueli Matiko;
ALMEIDA, Semírames Perosa de; RIBEIRO, José Felipe. Cerrado: ecologia
e flora. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2008, p. 230-272.

BERGAMASCHINE, Lívia Carvalho. Políticas públicas e as contribuições


potenciais do Cerrado para o cumprimento das metas brasileiras de redução
das emissões de gases do efeito estufa. Dissertação de Mestrado. Universidade
de Brasília, Programa de Pós-graduação em Ecologia. Brasília, 2017.

BERTRAN, P. História da terra e do homem no Planalto Central: eco-


história do Distrito Federal – do indígena ao colonizador. Brasília: Solo, 1994.

BRASIL, A. E.; ALVARENGA, S. M. Relevo. In: GEOGRAFIA do Brasil:


Região Centro-Oeste. Rio de Janeiro: IBGE, 1989, p. 53-72.

BRAZ, Vivin da Silva; HASS, Ariani. Aves endêmicas do Cerrado no estado


de Goiás. Journal of Social, Technological and Environmental Science.
v. 3, n. 2, jul-dez. 2014, p. 45-54.

CÂMARA, Ibsen de Gusmão. Megabiodiversidade. Rio de Janeiro:


Sextante, 2001.

77
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

CONSTANTINO, R. Padrões de diversidade e endemismo de térmitas no


bioma Cerrado. In: SCARIOT, A.; SOUSA-SILVA, J. C.; FELFILI, J. M.
(org.). Cerrado: ecologia, biodiversidade e conservação. Brasília: Ministério
do Meio Ambiente, 2005, p. 319-333.

FELFILI, J. M.; SILVA JÚNIOR, M. C. Diversidade alfa e beta no cerrado


sensu strictu Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais e Bahia. In: SCARIOT,
A.; SOUZA-SILVA, J. C.; FELFILI, J. M. (org.). Cerrado: ecologia,
biodiversidade e conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005,
p. 141-154.

FELFILI, J. M.; SOUZA-SILVA, J. C.; SCARIOT, A. Biodiversidade,


ecologia e conservação do Cerrado: avanços do conhecimento. In: SCARIOT,
A.; SOUZA-SILVA, J. C.; FELFILI, J. M. (org.). Cerrado: ecologia,
biodiversidade e conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005,
p. 25-44.

FELFILI, Jeanine Maria; FELFILI, Maria Cristina; NOGUEIRA, Paulo


Ernane; ARMAS, Juan F. da Silva; FARINAS, Mário R.; NUNES, Marcelo;
SILVA JÚNIOR, Manoel Claudio da; REZENDE, Alba Valéria; FAGG,
Cristopher William. Padrões fitogeográficos e sua relação com sistemas de
terra no bioma cerrado. In: SANO, Sueli Matiko; ALMEIDA, Semírames
Perosa de; RIBEIRO, José Felipe. Cerrado: ecologia e flora. Brasília, DF:
Embrapa Informação Tecnológica, 2008, p. 213-228.

FERNANDES, G. W.; GONÇALVES-ALVIM, S. J. Biodiversidade de insetos


galhadores no Cerrado. In: SCARIOT, A.; SOUZA-SILVA, J. C.; FELFILI,
J. M. (org.). Cerrado: ecologia, biodiversidade e conservação. Brasília:
Ministério do Meio Ambiente, 2005, p. 283-293.

FONSECA, C. P. Caracterização dos ecossistemas aquáticos do Cerrado.


In: SCARIOT, A.; SOUZA-SILVA, J. C.; FELFILI, J. M. (org.). Cerrado:
ecologia, biodiversidade e conservação. Brasília: Ministério do Meio
Ambiente, 2005, p. 415-429.

78
3. O bioma Cerrado

FORZZA, R. C.; LEITMAN, P. M.; COSTA, A.; CARVALHO JR., A. A. DE;


PEIXOTO, A.L.; WALTER, B. M. T.; BICUDO, C.; ZAPPI, D.; COSTA,
D. P. DA; LLERAS, E.; MARTINELLI, G.; LIMA, H. C. DE; PRADO, J.;
STEHMANN, J. R.; BAUMGRATZ, J. F. A.; PIRANI, J. R.; SYLVESTRE,
L. DA S.; MAIA, L. C.; LOHMANN, L. G.; PAGANUCCI, L.; SILVEIRA,
M.; NADRUZ, M.; MAMEDE, M. C. H.; BASTOS, M. N. C.; MORIM,
M. P.; BARBOSA, M. R.; MENEZES, M.; HOPKINS, M.; SECCO, R.;
CAVALCANTI, T.; SOUZA, V. C. (orgs.). Catálogo de plantas e fungos
do Brasil, volume 1. Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio; Instituto de
Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010.

HENRIQUES, R. P. B. Influência da história, solo e fogo na distribuição


e dinâmica das fitofisionomias no bioma do Cerrado. In: SCARIOT,
A.; SOUZA-SILVA, J. C.; FELFILI, J. M. (org.). Cerrado: ecologia,
biodiversidade e conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005,
p. 73-92.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE).


Mapa de biomas do Brasil 1:5.000.000. Rio de Janeiro: IBGE, 2004.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE).


Biomas e sistema costeiro marinho 1:250.000. 2019. Disponível em: <https://
www.ibge.gov.br/geociencias/informacoes-ambientais/15842-biomas.
html?=&t=acesso-ao-produto>. Acesso em: 14 ago. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE).


Cidades e Estados. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/cidades-e-
estados>. Acesso em: 14. ago. 2020.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) –


TERRABRASILIS. Cerrado. Disponível em: <http://terrabrasilis.dpi.inpe.br/app/
dashboard/deforestation/biomes/cerrado/increments>. Acesso em: 13 ago. 2020.

LIMA, J. E. F. W.; SILVA, E. M. da. Estimativa da produção hídrica


superficial do Cerrado brasileiro. In: SCARIOT, A.; SOUZA-SILVA, J. C.;
FELFILI, J. M. (org.). Cerrado: ecologia, biodiversidade e conservação.
Brasília: Ministério do Meio Ambiente. 2005. p. 63-72.

79
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

MACHADO, R. B.; RAMOS NETO, M. B.; PEREIRA, P. G. P.; CALDAS,


E. F.; GONÇALVES, D. A.; SANTOS, N. S.; TABOR, K.; STEININGER, M.
Estimativas de perda da área do Cerrado brasileiro. Relatório técnico não
publicado. Conservação Internacional, Brasília, DF. Disponível em: <http://
cmbbc.cpac.embrapa.br/RelatDesmatamCerrado%20CIBrasil%20JUL2004.
pdf>. Acesso em: 14 ago. 2020.

MAPBIOMAS. Mapa de cobertura e uso do solo – Bioma Cerrado.


Disponível em: <https://mapbiomas.org/>. Acesso em: 29 set. 2020.

MENDONÇA, Roberta Cunha de; FELFILI, Jeanine Maria; WALTER,


Bruno Machado Teles; SILVA JÚNIOR, Manoel Cláudio da; REZENDE,
Alba Valéria; FIGUEIRAS, Tarciso de Souza; NOGUEIRA, Paulo Ernane;
FAGG, Christopher William. Flora vascular do Cerrado: checklist com
12.356 espécies. In: SANO, Sueli Matiko; ALMEIDA, Semírames Perosa
de; RIBEIRO, José Felipe. Cerrado: ecologia e flora. Brasília, DF: Embrapa
Informação Tecnológica, 2008, p. 421-1218.

MITTERMEIER, R. A.; MYERS, N.; MITTERMEIER, C. G. Hotspots:


earths’s biologically richest and most endangered terrestrial ecoregions.
México: Agrupación Sierra Madre, 1999.

MYERS, Norman; MITTERMEIER, Russel A.; MITTERMEIER, Cristina


G.; FONSECA, Gustavo A.B. da; KENT, Jennifer. Biodiversity hotspots for
conservation priorities. Nature, v. 403, 24, feb. 2000, p. 853-858.

MITTERMEIER, R. A.; GIL, P. R.; HOFFMANN, M.; PILGRIM, J.;


BROOKS, T.; MITTERMEIER, C. G.; LAMOREUX, J.; FONSECA, G. A.
B. Hotspots Revisited. México: Agrupación Sierra Madre, 2004.

PEREIRA, Benedito Alísio da Silva; VENTUROLI, Fábio; CARVALHO,


Fabríco Alvim. Florestas estacionais no Cerrado: uma visão geral. Pesq.
Agrop. Trop. Goiânia, v. 41, n. 3, jul./set. 2011, p. 446-455.

PINHEIRO, C. E. G. Estudos comparativos sobre a fauna de borboletas do


Distrito Federal: implicações para a conservação. In: SCARIOT, A.; SOUSA-
SILVA, J. C.; FELFILI, J. M. (org.). Cerrado: ecologia, biodiversidade e
conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. 2005. p. 295-303.

80
3. O bioma Cerrado

PINTO, M. N. Caracterização geomorfológica. In: PINTO, M. N. (org.).


Cerrado: caracterização, ocupação e perspectivas. Brasília: Ed. da UnB/
SEMATEC. 1990. p. 277-308.

RATTER, J. A.; RIBEIRO, J. F.; BRIDGEWATER, S. The brazilian Cerrado


vegetation and threats to its biodiversity. Annuals of Botany, 80, 1997,
p. 223-230.

REATTO, A.; MARTINS, É. de S. Classes de solo em relação aos controles


da paisagem do bioma Cerrado. In: SCARIOT, A.; SOUSA-SILVA, J. C.;
FELFILI, J. M. (org.). Cerrado: ecologia, biodiversidade e conservação.
Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005, p. 47-59.

RIBEIRO, J. F.; BRIDGEWATER, S.; RATTER, J. A.; SOUSA-SILVA,


J. C. Ocupação do bioma Cerrado e conservação da sua diversidade vegetal.
In: SCARIOT, A.; SOUSA-SILVA, J. C.; FELFILI, J. M. (org.). Cerrado:
ecologia, biodiversidade e conservação. Brasília: Ministério do Meio
Ambiente, 2005, p. 383-399.

RIBEIRO, J. F.; WALTER, Bruno Machado Teles. Fitofisionomias do bioma


Cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P. de (Ed.). Cerrado: ambiente e
flora. Planaltina: Embrapa-CPAC, 1998, p. 89-166.

SCARIOT, Aldicir. Panorama da biodiversidade brasileira. In: GANEM,


Roseli Senna (org.). Conservação da biodiversidade: legislação e políticas
públicas. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2010, p. 111-130.

SCARIOT, A.; SEVILHA, A. C. Biodiversidade, estrutura e conservação


de florestas estacionais deciduais no Cerrado. In: SCARIOT, A.; SOUSA-
SILVA, J. C.; FELFILI, J. M. (org.). Cerrado: ecologia, biodiversidade e
conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005, p. 121-139.

SILVA, José Maria Cardoso da; BATES, John M. Biogeographic patterns


and conservation in the South American Cerrado: a tropical savana hotspot.
BioScience, v. 52, n. 3, March 2002, p. 225-233.

81
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

SILVA, J.M.C.; SANTOS, M.P.D. A importância relativa dos processos


biogeográficos na formação da avifauna do Cerrado e de outros biomas
brasileiros. In: SCARIOT, A.; SOUSA-SILVA, J. C.; FELFILI, J. M. (org.).
Cerrado: ecologia, biodiversidade e conservação. Brasília: Ministério do
Meio Ambiente, 2005, p. 224-233.

VELDMAN, Joseph W.; BUISSON, Elise; DURIGAN, Giselda;


FERNANDES, G. Wilson; STRADIC, Soizig Le; MAHY, Gregory;
NEGREIROS, Daniel; OVERBECK, Gerhard E.; VELDMAN, Robin
G.; ZALOUMIS, Nicholas P.; PUTZ, Francis E.; BOND, William J.
Toward an old-growth concept for grasslands, savannas, and woodlands.
Front Ecol Environ 2015; 13(3): 154-162. Disponível em: <https://doi.
org/10.1890/140270>. Acesso em: 31 de mai. 2021.

VIEIRA, E. M.; PALMA, A. R. T. Pequenos mamíferos de Cerrado:


distribuição dos gêneros e estrutura das comunidades nos diferentes habitats.
In: SCARIOT, A.; SOUSA-SILVA, J. C.; FELFILI, J. M. (org.). Cerrado:
ecologia, biodiversidade e conservação. Brasília: Ministério do Meio
Ambiente. 2005, p. 265-282.

82
4. As Unidades de Conservação de
Proteção Integral (UCPIs) do Cerrado
Até dezembro de 2019, as Unidades de Conservação de Proteção Integral
(UCPIs) do Cerrado somavam 154 unidades, com área total de 6.933.758 ha.
Entretanto, existem duas sobreposições de UCPI no bioma, que somam 5.030 ha.
Assim, a área real de UCPI no Cerrado é de 6.928.727 ha, o que corresponde a
3,4% da área total do bioma. Como a diferença de 5.030 ha equivale a 0,072%
da área total de UCPIs, ela não será computada nos cálculos deste capítulo.

4.1 Distribuição das UCPIs por esfera administrativa,


categoria e unidade da federação
A Tabela 5 mostra a distribuição das 154 UCPIs do Cerrado por esfera admi-
nistrativa e categoria. A maior parte delas (62%) é estadual. Apenas 15% das
UCPIs são federais, 17% são municipais e 6% são distritais. Ressalte-se que o
número de UCPIs municipais pode estar subestimado, tendo em vista que não
foi feita consulta a todos os municípios presentes no Cerrado. Esse dado foi
obtido por consulta às bases de dados especificadas no capítulo de descrição da
metodologia do trabalho.

Em relação à área, as Unidades de Conservação federais são francamente do-


minantes, abrangendo 70% da área total das UCPIs do Cerrado. As estaduais,
municipais e distritais abrangem, respectivamente, 29,4%, 0,4% e 0,2%.

A área média das UCPIs do Cerrado é de 45.024 ha, mas esse valor é bem
variável em relação à esfera de criação. A área média das UCPIs federais é
de 210.950 ha. A área média das unidades estaduais, municipais e distritais
é, respectivamente, 21.428 ha, 1.101 ha e 1.939 ha. As maiores unidades são:
o Parque Nacional da Serra das Confusões (situado no Piauí, 823.435,7 ha), o
Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba (situado no Piauí, Maranhão,
Bahia e Tocantins, com 754.070 ha), o Parque Estadual do Mirador (situado no
Maranhão, com 766.781 ha) e a Estação Ecológica federal da Serra Geral do
Tocantins (situado na Bahia e em Tocantins, com 715.098,8 ha).

Todas as categorias de UCPIs estão representadas no Cerrado (Tabela 5),


mas os parques são dominantes em número (58,5%) e em extensão (78,8%).

83
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Os parques federais (Tabela 5 e Tabela 6) abrangem 52% da área protegida


em UCPIs no Cerrado. A segunda categoria mais importante é a das estações
ecológicas, que correspondem a 20,8% e 16,9%, respectivamente, do número
e da área total de UCPIs. Monumentos naturais abrangem 11% das UCPIs,
mas apenas 0,6% da área total. Não há monumentos naturais federais no
bioma. Reserva biológica é a categoria menos bem representada, em relação
à área de UCPIs. Refúgio de vida silvestre é a categoria menos representada
em número e não conta com unidade criada em nível municipal. Destaca-se
um refúgio de vida silvestre federal, que abrange mais da metade da área
coberta por essa categoria no Cerrado (Tabela 5).

Tabela 5 – Número e área de UCPIs do Cerrado por categoria e por esfera de


administração

Federal Estadual
Categoria

Nº % Área (ha) % Nº % Área (ha) %

Estação
6 26 1.103.454 22,8 23 24 56.184,68 2,8
ecológica

Reserva
1 4,5 3.426,15 0,1 4 4 14.421,95 0,7
biológica

Parque 15 65 3.616.928 74,5 53 56 1.825.880 89,7

Monumento
0 0 0 0 12 13 33.047,34 1,6
natural

Refúgio de
1 4,5 128.049 2,6 3 3 106.102 5,2
vida silvestre

Total 23 15 4.851.857 70 95 62 2.035.636 29,4

Municipal Distrital Total


Categoria
Nº % Área (ha) % Nº % Área (ha) % Nº % Área (ha) %

Estação
1 3,7 43 0,15 2 22,2 14.976,21 90,5 32 20,8 1.174.658 16,9
ecológica

Reserva
1 3,7 70,76 0,25 4 44,5 1.170,13 7 10 6,5 19.088,99 0,3
biológica

84
4. As Unidades de Conservação de Proteção
Integral (UCPIs) do Cerrado

Municipal Distrital Total


Categoria
Nº % Área (ha) % Nº % Área (ha) % Nº % Área (ha) %

Parque 21 77,8 22.431,69 75,5 1 11,1 61 0,4 90 58,5 5.465.301 78,8

Monumento
4 14,8 7.171 24,1 1 11,1 91 0,6 17 11,0 40.309,34 0,6
natural
Refúgio
de vida 0 0 0 0 1 11,1 250 1,5 5 3,2 234.401 3,4
silvestre

Total 27 17 29.716,45 0,4 9 6 16.548,34 0,2 154 100 6.933.758 100

Fonte: elaboração própria.

Tabela 6 – Parques federais do Cerrado

Estado Nº Área (ha) Unidades

Distrito Federal 1 42.355,54 Brasília

Goiás 2 372.475,00 Chapada dos Veadeiros, Emas

Chapada das Mesas,


Maranhão 2 316.559,78
Lençóis Maranhenses

Mato Grosso 1 32.769,55 Chapada dos Guimarães

Mato Grosso do Sul 1 76.481,00 Serra da Bodoquena

Cavernas do Peruaçu,
Minas Gerais 5 410.213,9 Serra da Canastra, Serra
do Cipó, Sempre Vivas

Piauí 1 823.435,70 Serra das Confusões

Tocantins 1 557.714,00 Araguaia

Pluriestadual (Bahia, Nascentes do Rio Parnaíba,


1 984.922,94
Tocantins, Maranhão e Piauí) Grande Sertão Veredas

Total 15 3.616.927,41 –

Fonte: elaboração própria.

85
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

A distribuição das UCPIs pelos estados é muito heterogênea. Note-se que há


três UCPIs pluriestaduais, cujas áreas por estado são mostradas na Tabela 7.

Tabela 7 – Distribuição da área das UCPIs pluriestaduais por unidade da


federação

Minas
UCPI Bahia Tocantins Piauí Maranhão Total
Gerais
Estação Ecológica
da Serra Geral 0 80.965 634.133 0 0 715.098
do Tocantins
Parque Nacional
das Nascentes do 0 1.049 130.950 259.130 362.940 754.069
Rio Parnaíba
Parque Nacional
Grande Sertão 108.962 121.891 0 0 0 230.853
Veredas

Fonte: elaboração própria.

Sobre a distribuição das UCPIs nos estados e no Distrito Federal, a Tabela 8


aponta que Minas Gerais abrange quase um terço do número e 12,5% da área
total de UCPIs no bioma. Em termos de área, os estados que mais se destacam
são Tocantins, Maranhão e Piauí, embora contem com poucas unidades em
seus territórios. Paraná e Piauí têm o menor número de UCPIs, sendo a área
protegida em UCPI a menor no Paraná e a segunda maior no Piauí, depois de
Tocantins. São Paulo conta com 19 unidades, todas pequenas, equivalentes a
0,4% da área protegida em UCPIs no bioma.

Os parques estão presentes em todos os estados e no Distrito Federal, e o


Maranhão não conta com outra categoria de UCPI além de parques. Apenas
Mato Grosso, Minas Gerais e o Distrito Federal contam com todas as categorias
de UCPI. A categoria estação ecológica está ausente no Maranhão, Mato Grosso
do Sul e Paraná; reserva biológica está ausente em Goiás, Bahia, Maranhão,
Piauí, Paraná e Tocantins; monumento natural está ausente na Bahia, Goiás,
Maranhão, Piauí, Paraná e São Paulo; e refúgio de vida silvestre está ausente em
Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Piauí, Paraná, São Paulo e Tocantins.

86
4. As Unidades de Conservação de Proteção
Integral (UCPIs) do Cerrado

Tabela 8 – Distribuição das UCPIs por categoria e unidade da federação

Estação ecológica Reserva biológica Parque


Estado
Nº % Área (ha) % Nº % Área (ha) % Nº % Área (ha) %

BA 2 40 85.501,50 25 0 0 0 0 2 40 122.940,00 37

DF 3 25 17.232,57 26,7 5 42 4.596,28 7,1 2 17 42.416,54 65,7

GO 1 5 6.811,21 1,4 0 0 0 0 19 95 494.599,79 98,6

MA 0 0 0 0 0 0 0 5 1.446.285,93 100

MT 4 15 266.576,35 36,2 1 4 3.900,00 0,5 18 67 365.709,90 49,65

MS 0 0 0 0 1 9 70,76 0,06 6 55 115.544,58 94,94

MG 4 9 7.373,51 0,85 2 5 10.051,95 1,16 31 67 841.309,00 97,23

PI 1 33 135.000,00 11 0 0 0 0 2 67 1.082.565,75 89

PR 0 0 0 0 0 0 0 0 3 100 4.361,00 100

SP 17 90 22.029,45 90 1 5 470,00 2 1 5 2.069,00 8

TO 1 13 634.133,28 39,3 0 0 0 0 5 62 947.498,27 58,7

Monumento natural Refúgio de vida silvestre Total por estado


% em
Estado relação ao
Nº % Área (ha) % Nº % Área (ha) % Nº Área (ha) total de
UCPI no
bioma
BA 0 0 0 0 1 20 128.048,99 38 5 336.490,88 4,8

DF 1 8 91,00 0,1 1 8 250,00 0,4 12 64.586,39 0,94

GO 0 0 0 0 0 0 0 0 20 501.411,00 7,2

MA 0 0 0 0 0 0 0 5 1.446.285,93 20,9

MT 2 7 358,00 0,05 2 7 100.000,00 13,6 27 736.544,25 10,6

MS 4 36 6.077,03 5 0 0 0 0 11 121.692,37 1,8

MG 8 17 430,21 0,05 1 2 6.102,00 0,71 46 865.266,79 12,5

PI 0 0 0 0 0 0 0 0 3 1.217.565,75 17,6

PR 0 0 0 0 0 0 0 0 3 4.361,00 0,06

87
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Monumento natural Refúgio de vida silvestre Total por estado


% em
Estado relação ao
Nº % Área (ha) % Nº % Área (ha) % Nº Área (ha) total de
UCPI no
bioma
SP 0 0 0 0 0 0 0 0 19 24.568,45 0,4

TO 2 25 33.353,10 2 0 0 0 0 8 1.614.984,65 23,2

Nota: Nesta tabela, a área das UCPIs pluriestaduais está dividida entre os respectivos estados.
Fonte: elaboração própria.

Não há UCPIs federais no Cerrado dos estados do Paraná e de São Paulo


(Tabela 9). Não foram identificadas UCPIs estaduais no Piauí, nem UCPIs mu-
nicipais na Bahia, no Paraná e no Piauí. Dentre as UCPIs estaduais, Minas
Gerais abrange 45% dos parques e 95% dos monumentos naturais e São Paulo
abrange 69% das estações ecológicas. O maior número de UCPIs municipais
identificadas está no Mato Grosso.

Tabela 9 – Distribuição das UCPIs por esfera de criação e unidade da federação

Municipal/
Estado Federal Estadual Total
Distrital
BA 1 1 0 2
DF 3 0 9 12
GO 2 11 7 20
MA 2 1 1 4
MT 3 14 10 27
MS 1 5 5 11
MG 5 38 2 45
PI 2 0 0 2
PR 0 3 0 3
SP 0 18 1 19
TO 1 4 1 6
Unidades
3 0 0 3
pluriestaduais
Total 23 95 36 154

Fonte: elaboração própria.

88
4. As Unidades de Conservação de Proteção
Integral (UCPIs) do Cerrado

4.2 Contextualização geográfica


Regiões hidrográficas

As UCPIs distribuem-se por nove Regiões Hidrográficas (RHs), como mostra a


Tabela 10. A RH com maior número de UCPIs é a do Paraná (31% do número
e 2% da área de UCPIs do bioma), mas com unidades muito pequenas. Nessa
bacia, destacam-se as estações ecológicas estaduais de São Paulo e diversos
parques estaduais e municipais de Goiás. A maior UCPI da bacia é o Parque
Nacional de Brasília (DF).

Tabela 10 – Número e área de UCPI por bacia hidrográfica

Região Área total Unidades da


Número de UCPIs
hidrográfica UCPI (ha) federação
DF, GO, MT,
Tocantins/Araguaia 27 2.506.966
BA, TO

Parnaíba 4 1.582.609 PI, BA, MA

Atlântico Nordeste
3 1.083.341 MA
Ocidental

São Francisco 36 976.215 BA, MG

Paraguai 22 288.036 MT, MS

Amazônica 5 227.345 MT

Paraná 47 132.640 DF, GO, MS, PR, SP

Atlântico Leste 8 119.130 MG

Atlântico Sudeste 4 19.573 MG

Total 154 6.933.758 -

Fonte: elaboração própria.

A RH com maior extensão de UCPIs é a Tocantins/Araguaia, com 17% do


número e 36% da área de UCPI do bioma. A bacia do rio Araguaia abrange
10 unidades, totalizando 1.148.429 ha. Nessa bacia, destacam-se duas unidades

89
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

federais – Parques Nacionais do Araguaia e de Emas – e os Parques Estaduais


do Araguaia (MT) e do Cantão (TO). A bacia conta, ainda, com os refúgios de
vida silvestre estaduais dos Quelônios do Araguaia e do Corixão da Mata Azul,
ambos em Mato Grosso, que juntos somam 100.000 ha. A bacia do rio Tocantins
conta com 17 unidades (incluída parte do Parque Nacional das Nascentes do Rio
Parnaíba), totalizando 1.358.537 ha, destacando-se duas grandes unidades fe-
derais – a Estação Ecológica da Serra Geral do Tocantins e o Parque Nacional
da Chapada dos Veadeiros.

A RH do Parnaíba abrange apenas quatro unidades, que ocupam 23% da área de


UCPI do bioma. Essa bacia abrange três grandes unidades federais – os Parques
Nacionais das Nascentes do Rio Parnaíba e da Serra das Confusões e a Estação
Ecológica Uruçuí-Una.

A RH do Atlântico Nordeste Ocidental inclui UCPIs nas bacias do rio Itapecuru


e do Litoral Nordeste do Maranhão. Abrange três grandes unidades e 16% da
área de UCPI do bioma. A bacia do rio Itapecuru abrange o Parque Estadual
do Mirador e o Parque Nacional da Chapada das Mesas, que correspondem a
14% da área de UCPI no bioma. Na Bacia do Litoral Nordeste do Maranhão,
situa-se o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, que abrange 2% da área
de UCPI do bioma.

A RH do São Francisco conta com 23% do número e 14% da área de UCPI


do bioma. Quase todas as unidades situam-se em Minas Gerais, exceto o
Refúgio de Vida Silvestre Federal Veredas do Oeste Baiano (a segunda maior
UCPI na bacia), a Estação Ecológica Estadual do Rio Preto e pequena área
do Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba, na Bahia, bem como o
Parque Nacional Grande Sertão Veredas (maior UCPI da bacia), situado nos
dois estados.

A RH do Paraguai abrange 13% do número e 4% da área das UCPIs do


bioma. A bacia abrange três unidades federais e diversas unidades esta-
duais e municipais. A maior UCPI da bacia é o Parque Nacional da Serra da
Bodoquena (MS).

As UCPIs da RH Amazônica situam-se nas bacias dos rios Tapajós, Madeira e


Xingu. Elas abrangem 3% do número e 3% da área de UCPIs do bioma. Inclui
1 unidade federal, 1 estadual e 3 municipais. A maior é a Estação Ecológica
Federal de Iquê.

90
4. As Unidades de Conservação de Proteção
Integral (UCPIs) do Cerrado

A RH do Atlântico Leste engloba as UCPIs da bacia do rio Jequitinhonha, que


incluem 5% do número e 2% da área de UCPI do bioma. Todas as unidades
dessa bacia são estaduais. A maior é o Parque Estadual do Grão Mogol.

A RH da Atlântico Sudeste inclui as unidades da bacia do rio Doce. Elas corres-


pondem a 2% do número e 0,3% da área de UCPI do bioma. São 2 unidades es-
taduais e 2 municipais, sendo a maior o Parque Estadual da Serra do Intendente.

Áreas de transição

Foram identificadas 50 UCPIs próximas aos limites do Cerrado com outros bio-
mas. Essas unidades abrangem 35% da área de UCPI no Cerrado (Tabela 11).
A maioria (65%) situa-se próximo à Mata Atlântica, mas abrange pequena ex-
tensão. A maior UCPI em área de transição com a Mata Atlântica é o Parque
Nacional da Serra do Cipó (MG).

As maiores UCPIs em área de transição situam-se próximas à Caatinga –


Parque Nacional da Serra das Confusões (PI) – e à Floresta Amazônica – Parque
Nacional do Araguaia (TO), Estação Ecológica de Iquê (MT) e Parque Estadual
do Cantão (TO). Há, ainda, algumas pequenas unidades em área de transição
com o Pantanal, bem como uma situada em Zona Costeira – o Parque Nacional
dos Lençóis Maranhenses.

Tabela 11 – Número e área de UCPIs situadas em área de transição com


outros biomas

Número Área de
Biomas Unidades da federação
de UCPIs UCPIs
Caatinga 6 874.474 MG, PI
Caatinga/Mata Atlântica 1 56.448 MG
Mata Atlântica 30 126.879 BA, GO, MS, MG, PR, SP
Pantanal 3 376 MT
Pantanal/Floresta Amazônica 1 27.160 MT
Floresta Amazônica 8 1.098.247 MT, TO
Zona Costeira 1 156.608 MA
Total 50 2.340.192 -

Fonte: elaboração própria.

91
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Sobreposição com outras unidades de conservação e terras indígenas

Conforme já mencionado, há duas sobreposições de UCPIs: a primeira entre o


Parque Estadual do Araguaia (MT) e o Refúgio de Vida Silvestre Corixão da
Mata Azul (MT), de 1.880 ha; a segunda, de quase 100% do Parque Natural
Municipal do Tabuleiro (MG), de 3.150 ha, com o Parque Estadual da Serra do
Intendente (MG) – somadas, elas correspondem 5.030 ha. Também foram iden-
tificadas 47 UCPIs em sobreposição com Áreas de Proteção Ambiental (APAs),
terras indígenas e uma reserva indígena (Tabela 12).

Tabela 12 – Unidades de conservação e terras indígenas em sobreposição


com UCPIs

Unidades de conservação Unidades da


UCPIs
ou terras indígenas federação
Estação Ecológica do Rio Preto
APA Rio Preto Estação Ecológica Serra BA
Geral do Tocantins
Estação Ecológica da
Universidade de Brasília
Estação Ecológica de
Águas Emendadas
Estação Ecológica do Jardim Botânico
Monumento Natural Conjunto
Espeleológico Morro da Pedreira
APAs do Planalto Central / Parque Distrital Salto do Tororó
Cafuringa / Gama e Cabeça Parque Estadual Águas Lindas DF/GO
de Veado / Descoberto
Parque Nacional de Brasília
Reserva Biológica da Contagem
Reserva Biológica do Cerradão
Reserva Biológica do Gama
Reserva Biológica do Guará
Reserva Biológica do Rio Descoberto
Refúgio de Vida Silvestre da Mata Seca
Parque Estadual Altamiro
APA João Leite de Moura Pacheco GO
Parque Estadual João Leite
APA Serra Dourada Parque Estadual da Serra Dourada GO

92
4. As Unidades de Conservação de Proteção
Integral (UCPIs) do Cerrado

Unidades de conservação Unidades da


UCPIs
ou terras indígenas federação
Parque Estadual do Araguaia/GO
APA Meandros do Parque Estadual do Araguaia/MT
GO
Rio Araguaia Refúgio de Vida Silvestre
Corixão da Mata Azul
Parque Nacional da Chapada
APA de Pouso Alto GO
dos Veadeiros
APA das Nascentes
Parque Municipal do Pequi GO
do Rio Vermelho
APA Cabeceiras do Rio Cuiabá Estação Ecológica Águas do Cuiabá MT
Estação Ecológica Rio Casca
APA Chapada dos Guimaraes Parque Nacional da Chapada MT
dos Guimarães
Parque Estadual Cerca Grande
Parque Estadual do Sumidouro
Monumento Natural Lapa Vermelha
Monumento Natural Santo Antônio
APA Carste de Lagoa Santa MG
Monumento Natural Vargem da Pedra
Monumento Natural Várzea da Lapa
Monumento Natural
Experiência da Jaguara
APA Municipal Santo Antônio Parque Estadual Mata do Limoeiro MG
APA Cavernas do Peruaçu /
Parque Nacional Cavernas do Peruaçu MG
Terra Indígena Xacriabá
Parque Estadual Veredas do Peruaçu
APA Bacia do Rio Pandeiros Refúgio de Vida Silvestre MG
Rio Pandeiros
APA do Morro da Pedreira Parque Nacional da Serra do Cipó MG
Parque Nacional das Nascentes
APA Serra das Mangabeiras BA/TO/MA/PI
do Rio Parnaíba
Parque Estadual Guartelá
APA Escarpa Devoniana PR
Parque Estadual Vale do Codó
APA Corumbataí, Botucatu e
Estação Ecológica Itirapina SP
Tejupa – Perímetro Corumbataí
Estação Ecológica Sebastião
APA Rio Batalha SP
Aleixo da Silva (Bauru)
Terra Indígena Inãwebohoná/
Parque Nacional do Araguaia TO
Terra Indígena Utarai Wyhyna
Terra Indígena Enawenê-Nawê Estação Ecológica de Iquê MT

93
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Unidades de conservação Unidades da


UCPIs
ou terras indígenas federação
Refúgio de Vida Silvestre
Terra Indígena Wedwzé MT
Quelônios do Rio Araguaia
Reserva Indígena Riachão
Parque Estadual Serra Nova e Talhado MG
Luiza do Vale

Fonte: elaboração própria.

Mosaicos e Reserva da Biosfera do Cerrado

Há quatro mosaicos de unidades de conservação no Cerrado. Eles incluem


21 UCPIs (Tabela 13), que somam 3.133.817 ha (45% da área de UCPI do
bioma). As UCPIs dos mosaicos concentram-se nos estados de Minas Gerais,
Bahia, Tocantins, Piauí e Maranhão.

Tabela 13 – Mosaicos e respectivas UCPIs no Cerrado

Área total das


Mosaicos UCPIs Estados
UCPIs (ha)

Capivara/ Parque Nacional da Serra


PI 823.435,7
Confusões das Confusões
Estação Ecológica do Rio Preto
Parque Nacional das Nascentes
do Rio Parnaíba
Estação Ecológica da Serra BA, TO,
Jalapão 1.633.876
Geral do Tocantins MA, PI
Monumento Natural Canyons
e Corredeiras do Rio Sono
Parque Estadual do Jalapão
Reserva Biológica Jaíba
Reserva Biológica Serra Azul
Parque Nacional Cavernas do Peruaçu
Parque Nacional Grande Sertão Veredas
Parque Estadual Mata Seca
Sertão Veredas Parque Estadual Serra das Araras MG, BA,
517.182,8
Peruaçu Parque Estadual Vereda Grande GO
Parque Estadual Veredas do Peruaçu
Parque Municipal do Pequi
Refúgio de Vida Silvestre
Veredas do Oeste Baiano
Refúgio de Vida Silvestre Rio Pandeiros

94
4. As Unidades de Conservação de Proteção
Integral (UCPIs) do Cerrado

Área total das


Mosaicos UCPIs Estados
UCPIs (ha)

Estação Ecológica Mata dos Ausentes


Espinhaço: Parque Nacional das Sempre Vivas
Jequitinhonha/ MG 159.322,6
Serra do Cabral Parque Estadual da Serra do Cabral
Parque Estadual do Rio Preto

Fonte: elaboração própria.

Imagem 42 – Jalapão (TO)

Autora: Dalva Fajardo.

Na Reserva da Biosfera do Cerrado, foram identificadas 13 UCPIs (Tabela 14),


que somam 2.657.408 ha (39% da área de UCPI do bioma). Elas distribuem-se
nos estados de Goiás, Tocantins, Bahia, Piauí e Maranhão e no Distrito Federal.

95
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Tabela 14 – UCPIs da reserva da biosfera do Cerrado

Unidades da Área total das


UCPI
federação UCPIs (ha)
Estação Ecológica de Águas Emendadas
Estação Ecológica do Jardim Botânico de Brasília
DF Estação Ecológica da Universidade de Brasília 63.014
Reserva Biológica da Contagem
Parque Nacional de Brasília
Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros
GO Parque Estadual Terra Ronca 290.811
Parque Municipal de Itiquira
Parque Nacional do Araguaia
TO 647.732
Parque Estadual do Cantão
MA Parque Estadual do Mirador 766.781
PI Estação Ecológica de Uruçuí-Una 135.000
BA, TO,
Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba 754.070
MA, PI

Fonte: elaboração própria.

4.3 Evolução do número total e área de UCPI


A criação de UCPIs no Cerrado constitui processo lento, marcado por fases
de expansão, um período de grave retrocesso em termos de área e fases de es-
tagnação. As figuras 4 e 5 mostram a evolução das UCPIs no bioma, por meio
dos dados acumulados de UCPIs federais, estaduais, municipais e distritais ao
longo do tempo.

O primeiro aspecto a salientar é que, em termos de número, as UCPIs estaduais


sempre estiveram acima das federais. Houve um período de crescimento quase
contínuo no número das UCPIs estaduais, entre 1975 e 2012. O mesmo esforço
não se observa para as UCPIs federais. Desde 2005, o governo federal não cria
nenhuma UCPI nova no Cerrado. Em 2017, o número de unidades municipais
ultrapassou o de unidades federais. As UCPIs distritais tiveram crescimento
lento e contínuo de 1987 a 2015 (Figura 4).

No entanto, em termos de área, desde 1959, as UCPIs federais tornaram-se


dominantes. As UCPIs municipais e distritais têm valores de área muito bai-
xos, comparativamente às demais, e não são visíveis no gráfico da Figura 5.

96
4. As Unidades de Conservação de Proteção
Integral (UCPIs) do Cerrado

Assim, até 1958, havia apenas UCPIs estaduais paulistas no bioma. O estado
de São Paulo foi pioneiro na criação de UCPIs no Cerrado. A primeira foi a
Reserva Biológica Mogi-Guaçu, em São Paulo, em 1942, com 470 ha. Em
1957, foram criadas as Estações Ecológicas de Ribeirão Preto (154,16 ha)
e Itaberá (180 ha), e, em 1958, a Estação Ecológica de Ibicatu (76 ha), no
Município de Piracicaba. Outras duas Estações Ecológicas foram criadas em
1961: Bauru (renomeada Sebastião Aleixo da Silva, com 287,98 ha) e São
Carlos (renomeada Mata do Jacaré, com 75 ha). Note-se que, em todos esses
casos, os respectivos decretos não criaram UCPIs em seu conceito formal, mas
declararam tais áreas – com limites claramente definidos – como de utilidade
pública para desapropriação, tendo em vista a preservação da flora e da fauna.
Posteriormente, essas áreas foram convertidas em UCs, embora já o fossem
de fato. No presente, elas constituem importantes remanescentes de vegetação
nativa em paisagem já bastante fragmentada no estado.

Em 1959, o governo federal criou o Parque Nacional do Araguaia, abrangendo


toda a Ilha do Bananal, com 2.000.000 km2. Embora André Rebouças tenha
proposto a criação desse parque em 1876, somente no fim dos anos 1950 a UCPI
foi criada.

Figura 4 – Evolução do número de UCPIs do Cerrado

180
160
140
120
100
80
60
40
20
0
1942
1946
1950
1954
1958
1962
1966
1970
1974
1978
1982
1986
1990
1994
1998
2002
2006
2010
2014
2018

Total Federais Estaduais Municipais Distritais

Fonte: elaboração própria.

97
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Figura 5 – Evolução da área (ha) do Cerrado protegida por UCPIs (ha)

8.000.000

7.000.000

6.000.000

5.000.000

4.000.000

3.000.000

2.000.000

1.000.000

0
1942
1946
1950
1954
1958
1962
1966
1970
1974
1978
1982
1986
1990
1994
1998
2002
2006
2010
2014
2018
Total Federais Estaduais Municipais Distritais

Fonte: elaboração própria.

No período de 20 anos, de 1959 a 1979, houve acréscimo lento do número de


UCPIs no bioma (média de 1 unidade por ano). Até 1979, o total acumulado
era de 20 unidades, quais sejam: as 6 já citadas unidades estaduais paulistas
e o Parque Nacional do Araguaia (TO); 3 unidades em Goiás, dentre elas
o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (inicialmente com o nome de
Parque Nacional do Tocantins), criado em 1961; 3 no Distrito Federal, in-
cluído o Parque Nacional de Brasília, também criado em 1961; 6 em Minas
Gerais, incluído o Parque Nacional da Serra da Canastra, criado em 1972; e
1 em Mato Grosso.

Em termos de área (Figura 5), o período de 1959 a 1979 apresentou súbita


ascensão e queda. Além do Parque Nacional do Araguaia, com 2.0000.000 ha,
foram criados, dentre outras unidades, o Parque Nacional do Tocantins
(625.000 ha) e o Parque Nacional de Brasília (30.000 ha), ambos em 1961.
Ocorre que o Parque Nacional do Araguaia foi reduzido para 460.000 ha,
em 1971, e o Parque Nacional do Tocantins foi reduzido de 625.000 ha para
171.924 ha em 1972, passando a denominar-se Parque Nacional da Chapada
dos Veadeiros.

Assim, em 1958, a área de UCPI do Cerrado somava 880,16 ha. Ela saltou


para 2.000.880,16 ha em 1959, e para 2.656.304,14 ha em 1961; contudo, caiu

98
4. As Unidades de Conservação de Proteção
Integral (UCPIs) do Cerrado

para 1.139.166,71 ha em 1971 e para 1.015.926,67 ha em 1972. Ou seja, em


1972, a área de UCPI do Cerrado representava 38% daquela de 1961. Área
em UCPI próxima àquela foi alcançada apenas em 1994, 22 anos depois.

De 1980 até 1994, o número de UCPIs mais que triplicou no bioma (média
de 2,7 novas unidades por ano). Em 1994, havia 61 UCPIs no Cerrado, quais
sejam: 7 no Distrito Federal, 9 em Goiás, 2 no Maranhão, 8 em Mato Grosso,
1 em Mato Grosso do Sul, 14 em Minas Gerais, 3 no Paraná, 16 em São Paulo
e 1 em Tocantins.

Em termos de área, entre 1980 e 1994, houve aumento decorrente não apenas
da criação de novas UCPIs, mas também da ampliação do Parque Nacional do
Araguaia para 557.714 ha. A superfície de UCPIs passou de 1.859.573,69 ha,
em 1980, para 2.639.104,35 ha em 1994. Ressalte-se, entretanto, que o Parque
Nacional da Chapada dos Veadeiros sofreu nova redução em 1981, passando
para 60.000 ha. Embora tenha sido ampliado para 64.875 ha em 1990, esse
parque nacional continuou com saldo negativo de área em relação àquela do
ato de sua criação.

Seguiram-se 3 anos, de 1995 a 1997, em que nenhuma UCPI foi criada no


bioma. Nesse período, houve pequena redução de área, de 2.639.104,35 ha para
2.635.100,76 ha, decorrente da redução do Parque Estadual do Guartelá, no
Paraná.7

De 1998 a 2008, o número de UCPIs mais que dobrou, passando para 129
(6,2 novas unidades por ano). Desse total, 2 UCPIs situam-se na Bahia, 10 no
Distrito Federal, 14 em Goiás, 3 no Maranhão, 25 no Mato Grosso, 10 em Mato
Grosso do Sul, 36 em Minas Gerais, 2 no Piauí, 3 no Paraná, 17 em São Paulo
e 5 em Tocantins. Foram criadas, ainda, 2 UCPIs pluriestaduais: a Estação
Ecológica da Serra Geral do Tocantins, em 2001, situada nos estados da Bahia
e do Tocantins, e o Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba, em 2002,
situado nos estados da Bahia, Tocantins, Maranhão e Piauí.

No período de 1998 a 2008, a área de UCPIs quase dobrou, passando para


6.271.663,2 ha. Contribuíram para esse aumento as UCPIs criadas na fase ini-
cial desse período: o Parque Nacional da Serra das Confusões (1998), com

7 Nesse mesmo período, houve pequeno aumento da Estação Ecológica do Jardim Botânico, no
Distrito Federal, que minimizou a perda em área total de UCPI no Cerrado.

99
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

502.411 ha; a Estação Ecológica da Serra Geral do Tocantins (2001), com


715.098,78 ha; e o Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba (2002),
com 729.813,55 ha. Mas esse aumento deveu-se, também, ao acréscimo de área
em algumas UCPIs já criadas, especialmente o Parque Nacional Grande Sertão
Veredas (Bahia e Minas Gerais), que passou de 84.000 ha para 230.853,4 ha
(2004), e do Parque Estadual Serra Nova e Talhado (Minas Gerais), que passou
de 12.658,29 ha para 49.890 ha (2008).

No período de 2009 a 2018, o número de UCPIs passou para 154, o que re-
presenta diminuição no ritmo de criação (média de 2,5 novas unidades por
ano) e constitui a quantidade total de unidades no Cerrado. Nesse período, a
área de UCPIs passou para 6.933.683,49 ha, em ritmo também lento de expan-
são. Duas UCPIs foram significativamente ampliadas: o Parque Nacional da
Serra das Confusões, em 2010 (de 502.411 ha para 823.435,7 ha) e o Parque
Nacional da Chapada dos Veadeiros, em 2017 (de 64.875 ha para 240.611 ha).

Em 2019, não houve criação de UCPIs, mas houve diminuta ampliação de área
para 6.933.757,49 ha. Esse aumento deve-se ao fato de que, em 2019, foi extinto
o Parque Estadual do Descoberto (GO), com 1.935 ha, para ser recriado como
Parque Estadual de Águas Lindas, com acréscimo de 74 ha.

4.4 Evolução de número e área de UCPI por categoria


Todas as categorias de UCPI estão presentes no Cerrado. Elas somam 32 esta-
ções ecológicas, 10 reservas biológicas, 90 parques, 17 monumentos naturais e
5 refúgios de vida silvestre. A evolução do número e da área de cada categoria
no bioma é bastante variável.

Estações ecológicas

Em relação às estações ecológicas (Figura 6), a primeira foi criada em 1957,


mas com denominação diferente. Houve aumento contínuo e gradual, embora
haja vários anos descontínuos em que nenhuma UCPI dessa categoria tenha
sido criada. Elas estão presentes na Bahia, Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais,
Piauí, São Paulo, Tocantins e Distrito Federal. Destaca-se o estado de São
Paulo, com 17 pequenas estações ecológicas, criadas entre 1957 e 2018.

100
4. As Unidades de Conservação de Proteção
Integral (UCPIs) do Cerrado

Figura 6 – Evolução do número de estações ecológicas do Cerrado

35

30

25

20

15

10

0
1942
1945
1948
1951
1954
1957
1960
1963
1966
1969
1972
1975
1978
1981
1984
1987
1990
1993
1996
1999
2002
2005
2008
2011
2014
2017
Fonte: elaboração própria.

Figura 7 – Evolução da área de estações ecológicas do Cerrado (ha)

1.400.000

1.200.000

1.000.000

800.000

600.000

400.000

200.000

0
1942
1945
1948
1951
1954
1957
1960
1963
1966
1969
1972
1975
1978
1981
1984
1987
1990
1993
1996
1999
2002
2005
2008
2011
2014
2017

Fonte: elaboração própria.

A área de estações ecológicas expandiu-se em saltos. Até 1980, essas UCPIs


restringiam-se a 17.309,37 ha. Em 1981, houve a criação da Estação Ecológica
de Iquê, no Mato Grosso, com 222.554,64 ha, que se situa em área de transição
entre o Cerrado e a Floresta Amazônica e está 98% sobreposta à Terra Indígena
Enawenê-Nawê. Também nesse ano foi criada a Estação Ecológica de Uruçuí-
-Una, no Piauí, com 135.000 ha.

101
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Em 1982, a área de estações ecológicas era de 406.555,9 ha e permaneceu quase


estacionada até 2001. Nesse ano, foi criada a Estação Ecológica da Serra Geral
do Tocantins, nos estados da Bahia e do Tocantins, com 715.098,78 ha, ele-
vando a área total de UCPIs dessa categoria a 1.144.813,06 ha. A partir daí,
somente pequenas estações ecológicas foram criadas. A última foi a Estação
Ecológica de Nova Roma, no Goiás, em 2017, com 6.811,21 ha. A área total
dessas UCPIs é de 1.174.657,87 ha, o que corresponde a 16,94% da área total de
UCPI no Cerrado e a 0,58% da área do bioma.

Reservas biológicas

A primeira UCPI do Cerrado é a Reserva Biológica de Mogi-Guaçu, em São


Paulo – que, embora criada em 1942 com outro nome, permaneceu sendo a única
UCPI dessa categoria até 1972. O bioma conta com apenas 10 reservas biológi-
cas (Figura 7), situadas nos estados de Mato Grosso (1), Mato Grosso do Sul (1),
Minas Gerais (2), São Paulo (1) e no Distrito Federal (5). Elas foram criadas em
momentos estanques, com grandes intervalos entre eles (Figura 7). A última –
Reserva Biológica do Rio Descoberto, no DF, com 434 ha – foi criada em 2005.

Figura 8 – Evolução do número de reservas biológicas no Cerrado

12

10

0
1942
1945
1948
1951
1954
1957
1960
1963
1966
1969
1972
1975
1978
1981
1984
1987
1990
1993
1996
1999
2002
2005
2008
2011
2014
2017

Fonte: elaboração própria.

102
4. As Unidades de Conservação de Proteção
Integral (UCPIs) do Cerrado

Figura 9 – Evolução da área de reservas biológicas no Cerrado (ha)

25.000

20.000

15.000

10.000

5.000

0
1942
1945
1948
1951
1954
1957
1960
1963
1966
1969
1972
1975
1978
1981
1984
1987
1990
1993
1996
1999
2002
2005
2008
2011
2014
2017
Fonte: elaboração própria.

As 10 reservas biológicas do Cerrado somam apenas 19.088,99 ha. O aumento


de área também se deu aos saltos, no ritmo em que as UCPIs foram criadas.
Houve redução de área em 2009, quando a Reserva Biológica da Serra Azul
(MG) perdeu quase metade de sua extensão. Essa categoria de UC abrange
0,27% da área de UCPI do Cerrado e 0,009% da área do bioma.

Parques

Os parques são a categoria de UCPI mais numerosa no Cerrado. Os primeiros


foram o Parque Nacional do Araguaia, criado em 1959, e os Parques Nacionais
de Brasília (DF) e da Chapada dos Veadeiros (GO), criados em 1961. O avanço
foi lento até 1979, quando apenas 9 unidades estavam criadas (Figura 8). Até
1997, a quantidade de parques mais que triplicou, chegando a 29 unidades.
A partir daí, intensificou-se a sua criação até 2018, chegando a 90 parques do
bioma. Destacam-se, ainda, quatro períodos em que nenhum parque foi criado,
entre 1962 e 1997. Todas os estados e o Distrito Federal contam com represen-
tantes dessa categoria em seus limites, sendo que Mato Grosso (18 unidades),
Goiás (19 unidades) e Minas Gerais (31 unidades) são as unidades federativas
com maior número de parques.

103
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Figura 10 – Evolução do número de parques no Cerrado

100
90
80
70
60
50
40
30
20
10
0
1942
1945
1948
1951
1954
1957
1960
1963
1966
1969
1972
1975
1978
1981
1984
1987
1990
1993
1996
1999
2002
2005
2008
2011
2014
2017
Fonte: elaboração própria.

Figura 11 – Evolução da área de parques no Cerrado (ha)

6.000.000

5.000.000

4.000.000

3.000.000

2.000.000

1.000.000

0
1942
1945
1948
1951
1954
1957
1960
1963
1966
1969
1972
1975
1978
1981
1984
1987
1990
1993
1996
1999
2002
2005
2008
2011
2014
2017

Fonte: elaboração própria.

A curva relativa à evolução por área (Figura 8) assemelha-se àquela de UCPIs


totais para o Cerrado, com elevação e queda súbita entre 1959 e 1972. Esse
movimento deve-se à criação e posterior redução drástica das áreas de duas

104
4. As Unidades de Conservação de Proteção
Integral (UCPIs) do Cerrado

das maiores UCPIs do Cerrado – Parques Nacionais do Araguaia e da Chapada


dos Veadeiros (GO) –, que voltaram a ser ampliadas, mas sem alcançar suas
dimensões originais. Área equivalente de parques no bioma foi atingida ape-
nas em 1998, quando foi criado o Parque Nacional da Serra das Confusões,
com 502.411 ha. Em 2002, foi criado o Parque Nacional das Nascentes do Rio
Parnaíba, com 729.813,55 ha.

A área de parques expandiu-se continuamente até 2019, seja pela criação de


novas unidades, seja pela expansão de parte das unidades já existentes, e
corresponde a 5.465.300 ha. Ela equivale a 78,8% da área total de UCPIs do
Cerrado e a 2,7% da área do bioma.

Monumentos naturais

O Cerrado conta com apenas 17 monumentos naturais (Figura 9), situados no


Distrito Federal (1), Mato Grosso (2), Mato Grosso do Sul (4), Minas Gerais (8)
e Tocantins (2). O primeiro – Monumento Natural Estadual da Gruta do Rei do
Mato (MG) – foi criado em 1984. O último – Monumento Natural Municipal
das Lagoas – foi criado em 2016. Houve criação de 4 unidades entre 2001 e
2003, 3 delas em Mato Grosso do Sul. Em 2010, foram criados 6 monumentos
naturais, 5 deles em Minas Gerais.

Figura 12 – Evolução do número de monumentos naturais no Cerrado

18
16
14
12
10
8
6
4
2
0
1942
1945
1948
1951
1954
1957
1960
1963
1966
1969
1972
1975
1978
1981
1984
1987
1990
1993
1996
1999
2002
2005
2008
2011
2014
2017

Fonte: elaboração própria.

105
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Figura 13 – Evolução da área de monumentos naturais no Cerrado (ha)

45.000
40.000
35.000
30.000
25.000
20.000
15.000
10.000
5.000
0
1942
1945
1948
1951
1954
1957
1960
1963
1966
1969
1972
1975
1978
1981
1984
1987
1990
1993
1996
1999
2002
2005
2008
2011
2014
2017
Fonte: elaboração própria.

A área de monumentos naturais permaneceu baixa e quase inalterada até 1999.


Em 2000, houve um salto positivo, com a criação do Monumento Natural
Estadual das Árvores Fossilizadas, em Tocantins, com 32.152 ha. A área total
de monumentos naturais é de 40.309,34 ha, que corresponde a 0,58% da área de
UCPI no Cerrado e a 0,02% da área do bioma.

Refúgios de vida silvestre

O Cerrado conta com apenas 5 refúgios de vida silvestre, situados na Bahia (1),
Distrito Federal (1), Mato Grosso (2) e Minas Gerais (1). Todos foram criados
recentemente: 3 em 2001, 1 em 2002 e 1 em 2015 (Figura 10).

106
4. As Unidades de Conservação de Proteção
Integral (UCPIs) do Cerrado

Figura 14 – Evolução do número de refúgios de vida silvestre no Cerrado

0
1942
1945
1948
1951
1954
1957
1960
1963
1966
1969
1972
1975
1978
1981
1984
1987
1990
1993
1996
1999
2002
2005
2008
2011
2014
2017
Fonte: elaboração própria.

Figura 15 – Evolução da área de refúgios de vida silvestre no Cerrado (ha)

250.000

200.000

150.000

100.000

50.000

0
1942
1945
1948
1951
1954
1957
1960
1963
1966
1969
1972
1975
1978
1981
1984
1987
1990
1993
1996
1999
2002
2005
2008
2011
2014
2017

Fonte: elaboração própria.

Embora pouco numerosos, os refúgios de vida silvestre somam 234.401 ha.


As unidades Corixão da Mata Azul e Quelônios do Araguaia, ambas em Mato
Grosso, têm, respectivamente, 40.000 ha e 60.000 ha. O Refúgio de Vida

107
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Silvestre Veredas do Oeste Baiano tem 128.049 ha, correspondendo a 55% da


área coberta por essa categoria no bioma. Após a criação dessas 3 unidades, em
2001 e 2002, houve pouco incremento de área nessa categoria. Os refúgios de
vida silvestre abrangem 3,38% da área total de UCPIs no Cerrado e 0,11% da
superfície do bioma.

4.5 Gestão
Este tópico analisa a gestão das UCPIs do Cerrado nos seguintes aspectos: cria-
ção do conselho, elaboração do plano de manejo, criação de zona de amorteci-
mento, situação fundiária, presença de residentes no interior da UCPI, implan-
tação de sede ou centro de visitantes, ocorrência de visitação e de atividades de
educação ambiental.

Presença da UCPI no CNUC

Quase 10% das UCPIs não constam do CNUC (Tabela 15), a base de dados
prevista na Lei do Snuc, que deve ser alimentada pelos órgãos ambientais
de todas as unidades da federação. A única UCPI federal não cadastrada no
CNUC é a Estação Ecológica da Universidade de Brasília. Todas as unidades
distritais estão cadastradas. Por outro lado, um terço das unidades municipais
não está cadastrado e essa proporção pode ser muito maior, tendo em vista
que, neste trabalho, não foram consultados todos os municípios incluídos nos
limites do Cerrado.

Tabela 15 – Número de UCPIs citadas no CNUC por esfera de criação

Federal Estadual Municipal Distrital Total

Sim 22 90 18 9 139

Não 1 5 9 0 15

Total 23 95 27 9 154

Fonte: elaboração própria.

Criação do conselho

Do total de UCPIs criadas no bioma, 93 (60,4%) dispõem de conselho consul-


tivo. Não foram obtidas informações sobre a criação do conselho para 6,5% das

108
4. As Unidades de Conservação de Proteção
Integral (UCPIs) do Cerrado

UCPIs. No que se refere à esfera de criação, as UCPIs federais estão em melhor


situação, pois 83% delas possuem conselho consultivo. Entre as UCPIs esta-
duais e municipais, esse índice cai para 67% e 37%, respectivamente. Nenhuma
UCPI criada pelo Distrito Federal conta com conselho (Tabela 16).

Tabela 16 – Número de UCPIs com conselho consultivo, em relação à esfera


de criação

Conselho
Federal Estadual Municipal Distrital Total
consultivo

Sim 19 64 10 0 93

Não 4 29 9 9 51

Sem informações 0 2 8 0 10

Total 23 95 27 9 154

Fonte: elaboração própria.

O número de unidades com conselho consultivo é maior para os parques (67%).


Esse índice é de 56% para estação ecológica, 30% para reserva biológica, 59%
para monumento natural e 40% para refúgio de vida silvestre (Tabela 17).

Tabela 17 – Número de UCPIs com conselho, por categoria

Refúgio
Conselho Estação Reserva Monumento
Parque de vida Total
consultivo ecológica biológica natural
silvestre

Sim 18 3 60 10 2 93

Não 14 7 21 6 3 51

Sem
0 0 9 1 0 10
informações

Total 32 10 90 17 5 154

Fonte: elaboração própria.

109
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Plano de manejo

Menos da metade das UCPIs (47%) possui plano de manejo. Para 8% das uni-
dades, não foi possível obter informações a respeito dessa questão. Quanto às
esferas de criação (Tabela 18), 70%, 49% e 44% das UCPIs federais, estaduais
e distritais, respectivamente, contam com plano de manejo. Entre as UCPIs
municipais, esse índice é de 26%. Observe-se, entretanto, que não foram ob-
tidas informações sobre o plano de manejo de 30% das unidades municipais.

Tabela 18 – Número de UCPIs com plano de manejo, em relação à esfera de


criação

Plano de manejo Federal Estadual Municipal Distrital Total

Sim 16 47 7 4 74

Não 7 46 12 5 70

Sem informações 0 2 8 0 10

Total 23 95 27 9 154

Fonte: elaboração própria.

Entre as categorias (Tabela 19), 56% das estações ecológicas, 30% das reser-
vas biológicas, 49% dos parques e 41% dos monumentos naturais contam com
plano de manejo. Nenhum refúgio de vida silvestre conta com esse instrumento
de gestão.

Tabela 19 – Número de UCPIs com plano de manejo, por categoria

Refúgio
Plano de Estação Reserva Monumento
Parque de vida Total
manejo ecológica biológica natural
silvestre

Sim 20 3 44 7 0 74

Não 12 7 37 9 5 70

Sem
0 0 9 1 0 10
informações

Total 32 10 90 17 5 154

Fonte: elaboração própria.

110
4. As Unidades de Conservação de Proteção
Integral (UCPIs) do Cerrado

Zona de amortecimento

Conforme a Tabela 20, 38% das UCPIs contam com zona de amortecimento.
Entre as UCPIs federais, 57% delas contam com esse instrumento de gestão
territorial. Não foram obtidas informações sobre zona de amortecimento para
43% do total de UCPIs no bioma. A carência de informações foi mais acentuada
entre as UCPIs municipais (56%).

Tabela 20 – Número de UCPIs com zona de amortecimento, em relação à


esfera de criação

Plano de manejo Federal Estadual Municipal Distrital Total

Sim 13 35 7 3 58

Não 4 17 5 4 30

Sem informações 6 43 15 2 66

Total 23 95 27 9 154

Fonte: elaboração própria.

Dentre as categorias, 46%, 42% e 40%, respectivamente, de estação ecológica,


monumento natural e parque contam com zona de amortecimento. Nenhuma
reserva biológica e nenhum refúgio de vida silvestre conta com esse instru-
mento (Tabela 21).

Tabela 21 – Número de UCPIs com zona de amortecimento, por categoria

Refúgio
Zona de Estação Reserva Monumento
Parque de vida Total
amortecimento ecológica biológica natural
silvestre

Sim 15 0 36 7 0 58

Não 2 4 20 1 3 30

Sem
16 6 34 9 2 66
informações

Total 32 10 90 17 5 154

Fonte: elaboração própria.

111
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Presença de sede ou centro de visitante

Menos de um terço das UCPIs (32%) contam com sede administrativa ou cen-
tro de visitante. A situação é mais favorável entre as unidades federais, das
quais 65% possuem uma ou as duas estruturas. A ausência de informações para
esse tópico abrange 32% das unidades, especialmente as municipais (41%) e
as estaduais (39%) (Tabela 22).

Tabela 22 – Número de UCPIs com sede ou centro de visitante, em relação à


esfera de criação

Sede ou centro
Federal Estadual Municipal Distrital Total
de visitantes

Sim 15 29 4 2 50

Não 7 29 12 6 54

Sem informações 1 37 11 1 50

Total 23 95 27 9 154

Fonte: elaboração própria.

Em relação às categorias de UCPI, as mais beneficiadas são as estações ecoló-


gicas, dentre as quais 44% contam com sede ou centro de visitantes. Não foram
identificados reserva biológica e refúgio de vida silvestre que contem com essa
estrutura, mas essas UCPIs são também as mais afetadas pela falta de informa-
ção, como mostra a Tabela 23.

Tabela 23 – Número de UCPIs com sede ou centro de visitante, por categoria

Sede ou Refúgio
Estação Reserva Monumento
centro de Parque de vida Total
ecológica biológica natural
visitantes silvestre

Sim 14 0 33 3 0 50

Não 11 4 28 9 2 54

Sem
7 6 29 5 3 50
informações

Total 32 10 90 17 5 154

Fonte: elaboração própria.

112
4. As Unidades de Conservação de Proteção
Integral (UCPIs) do Cerrado

Visitação pública

Como a visitação pública para recreação e turismo não é permitida em estações


ecológicas e reservas biológicas, essas UCPIs foram aqui excluídas e serão
analisadas no tópico relativo à visitação para atividades de educação ambiental.
Assim, as UCPIs em que a visitação é permitida para fins recreativos – parque,
monumento natural e refúgio de vida silvestre – somam 112 unidades.

Desse total, a visitação ocorre em 55% das UCPIs (Tabela 24). Esse índice sobe
para 81% nas unidades federais. A carência de informações para esse tópico
abrange 27% das unidades.

Tabela 24 – Número de UCPIs com visitação pública, em relação à esfera de criação

Sede ou centro
Federal Estadual Municipal Distrital Total
de visitantes

Sim 13 39 8 1 61

Não 2 13 6 0 21

Sem informações 1 16 11 2 30

Total 16 68 25 3 112

Fonte: elaboração própria.

Em relação às categorias (Tabela 25), 65% e 56% dos monumentos naturais e


parques, respectivamente, estão abertos à visitação. Todos os refúgios de vida
silvestre estão fechados ao público.

Tabela 25 – Número de UCPIs com visitação pública, por categoria

Sede ou centro Monumento Refúgio de


Parque Total
de visitantes natural vida silvestre

Sim 50 11 0 61

Não 20 1 0 21

Sem
20 5 5 30
informações

Total 90 17 5 112

Fonte: elaboração própria.

113
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Nem todas as unidades com visitação fazem controle do número de visitantes.


Foram obtidas informações sobre número de visitantes para 15 UCPIs, com re-
sultados muito variáveis: entre 500 visitantes (Parque Estadual de Paracatu-MG)
e 250.000 visitantes (Parque Nacional de Brasília-DF). Somente 4 UCPIs ti-
nham cobrança de ingresso, sendo o Parque Nacional de Brasília a unidade com
maior arrecadação anual (R$ 2.000.000,00) e o Parque Estadual do Tabuleiro,
em Minas Gerais, com a menor (entre R$ 50.000,00 e R$ 80.000,00), em 2018.

Educação ambiental

Atividades de educação ambiental são desenvolvidas por 37% das UCPIs. Esse
índice é maior nas unidades federais (70%). Não foram obtidas informações
sobre a prática da educação ambiental para 44% das UCPIs (Tabela 26).

Tabela 26 – Número de UCPIs com atividades de educação ambiental, em


relação à esfera de criação

Sede ou centro
Federal Estadual Municipal Distrital Total
de visitantes

Sim 16 32 6 3 57

Não 6 17 4 2 29

Sem informações 1 46 17 4 68

Total 23 95 27 9 154

Fonte: elaboração própria.

No que se refere às categorias, 50% das estações ecológicas têm atividades


educativas em seu interior, seguidas dos parques, com 33%. A carência de in-
formações é mais acentuada entre as reservas biológicas e os refúgios de vida
silvestre (Tabela 27).

Tabela 27 – Número de UCPI com atividades de educação ambiental, por categoria

Sede ou Refúgio
Estação Reserva Monumento
centro de Parque de vida Total
ecológica biológica natural
visitantes silvestre

Sim 16 2 33 5 1 57

Não 7 2 16 4 0 29

114
4. As Unidades de Conservação de Proteção
Integral (UCPIs) do Cerrado

Sede ou Refúgio
Estação Reserva Monumento
centro de Parque de vida Total
ecológica biológica natural
visitantes silvestre

Sem
9 6 41 8 4 68
informações

Total 32 10 90 17 5 154

Fonte: elaboração própria.

Situação fundiária e população residente no interior da UCPI

Observou-se que 32% das UCPIs situam-se em terras públicas. Não foi possível
obter informações relativas à situação fundiária de 29% das unidades. Como o
regime de posse e domínio das terras é variável conforme a categoria de UCPI,
deve-se analisar os dados sobre situação fundiária das UCPIs considerando
essas especificidades.

Assim, de acordo com a Lei do Snuc, estações ecológicas, reservas biológicas


e parques devem ser de posse e domínio públicos e as terras particulares exis-
tentes em seus limites devem ser desapropriadas. Para essas categorias, foram
observadas unidades em que a situação fundiária não está regularizada ou está
parcialmente regularizada, isto é, há terras particulares em seus limites. Essa
situação corresponde a 19% das estações ecológicas, 20% das reservas biológi-
cas e 47% dos parques. Há unidades em que as terras são totalmente públicas,
em conformidade com a Lei do Snuc, o que corresponde a 69% das estações
ecológicas, 40% das reservas biológicas e 27% dos parques (Tabela 28).

Tabela 28 – Situação fundiária das UCPIs

Refúgio
Situação Estação Reserva Monumento
Parque de vida Total
fundiária ecológica biológica natural
silvestre

Não
2 0 15 - - 17
regularizado

Parcialmente
4 2 27 - - 33
regularizado

Terras
22 4 24 0 0 50
públicas

115
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Refúgio
Situação Estação Reserva Monumento
Parque de vida Total
fundiária ecológica biológica natural
silvestre

Terras
- - - 4 0 4
particulares

Misto - - - 5 0 5

Sem
4 4 24 8 5 45
informações

Total 32 10 90 17 5 154

Fonte: elaboração própria.

Os monumentos naturais e os refúgios de vida silvestre podem ser constituídos


de terras particulares, desde que o uso feito pelos proprietários seja compatível
com os objetivos da unidade. Assim, para os monumentos naturais, 23% são
constituídos de terras particulares, e 29%, de terras públicas e particulares. Não
foram obtidas informações sobre a situação fundiária de 47% dos monumentos
naturais e 100% dos refúgios de vida silvestre.

Identificou-se, ainda, a presença de população residente no interior de 27% das


UCPIs, especialmente nos parques. Não foram obtidas informações sobre esse
aspecto para 40% das unidades (Tabela 29).

Tabela 29 – UCPIs com população residente

População Refúgio
Estação Reserva Monumento
no interior Parque de vida Total
ecológica biológica natural
da UCPI silvestre

Sim 5 3 30 4 0 42

Não 19 2 26 4 0 51

Sem
8 5 34 9 5 61
informações

Total 32 10 90 17 5 154

Fonte: elaboração própria.

116
5. Diretrizes para conservação do Cerrado
Foram identificadas, até dezembro de 2019, 154 UPCIs no Cerrado, com área
total de 6.928.727 ha, o que abrange apenas 3,4% da superfície original do bio-
ma. Em pesquisa realizada no Cadastro Nacional de Unidades de Conservação
(CNUC), em 30 de novembro de 2020, foram identificadas mais 3 UCPIs que
não constavam na base de dados consultada em janeiro de 2020, quais sejam:
f Refúgio de Vida Silvestre Estadual dos Rios Tijuco e da Prata, nos muni-
cípios de Campina Verde, Gurinhatã, Ipiaçu, Ituiutaba e Prata, em Minas
Gerais, criado em 23 de março de 2011 pelo Decreto nº 45.568, com
9.750 ha;
f Parque Natural Municipal do Córrego Mimoso, no município de Mimoso
de Goiás, em Goiás, criado em 12 de dezembro de 2019, pelo Decreto
nº 208, com 3 ha; e
f Parque Natural Municipal do Basalto, no município de Araraquara, em
São Paulo, criado em 3 de junho de 2020, pelo Decreto nº 12.289, com
6 ha.

Além disso, em 14 de setembro de 2020, foi criado o Parque Estadual Águas


do Paraíso, no município de Alto Paraíso, em Goiás, por meio do Decreto
nº 9.712, com 5.682 ha. Esse parque abrange as Cataratas do Rio dos Couros,
na Chapada dos Veadeiros, tem fluxo considerável de visitação turística e
apresenta grande importância como hábitat para o pato-mergulhão (Mergus
octosetaceus), espécie com alto grau de ameaça de extinção.

117
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Imagem 43 – Parque Estadual Águas do Paraíso (GO)

Autor: Marcelo Ismar Santana.

Assim, o Cerrado conta com 158 UCPIs, que abrangem 6.944.203 ha, corres-
pondentes a 3,4% da área original do bioma. Esse grau de proteção afigura-se
muito baixo, considerando-se que o Cerrado é a savana mais biodiversa do
planeta e um dos hotspots mundiais.

Ao mesmo tempo, a taxa de desmatamento continua alta (6.483,4 km2 em 2019,


segundo o Prodes Cerrado). Conforme os dados do Mapbiomas, a cobertura
de vegetação nativa equivalia, em 1985, a 65,8% e, em 2019, a 51,8% da área
original do bioma. Por outro lado, a cobertura de UCPIs equivalia, em 1985,
a 1,1% e, em 2019, a 3,4% da área original do bioma. Nesse período, en-
quanto a perda de vegetação nativa foi de 14% da cobertura original do bioma,
o incremento de área de UCPI foi de 2,3% da área original do bioma.

Desde 2005, não houve criação de nenhuma nova UCPI federal no Cerrado,
embora tenha havido ampliação dos Parques Nacionais de Brasília, da Serra
das Confusões, da Chapada dos Veadeiros e das Nascentes do Rio Parnaíba.
Estados e municípios têm criado novas unidades até o presente, mas com
menor impacto em termos de área protegida. Mesmo menores que as federais,
as UCPIs estaduais e municipais são importantes, pois propiciam a proteção
de biodiversidade e recursos hídricos em remanescentes de Cerrado que não
seriam objeto de UCPIs federais.

118
5. Diretrizes para conservação do Cerrado

Entretanto, enquanto a criação de UCPIs no bioma continua lenta, a fronteira


de ocupação avança em múltiplas frentes. Nas áreas de ocupação consolidada,
a cobertura vegetal encontra-se muito fragmentada, especialmente em Goiás,
Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins e Minas Gerais. Esse quadro
compromete cada vez mais a disponibilidade de áreas propícias para a criação
de UCPIs.

Acrescente-se que a diversidade biológica do Cerrado está relacionada à ri-


queza de espécies, ao alto grau de endemismos, à heterogeneidade espacial na
distribuição das espécies e à diversidade fitofisionômica e ecossistêmica. Esses
aspectos precisam ser levados em conta na definição de estratégias de conser-
vação do bioma, garantindo-se a proteção do mosaico de ecossistemas que o
caracteriza. Para tanto, é necessária ampla e diversificada rede de UCPIs.

Portanto, urge ampliar a área total de UCPIs no Cerrado, enquanto há disponi-


bilidade de áreas propícias a essa finalidade, tanto por meio da criação de novas
unidades, quanto pela ampliação daquelas já existentes, buscando-se atingir a
Meta de Aichi – proteger 17% dos ecossistemas continentais representativos
da biodiversidade mundial. Destacam-se os maiores remanescentes de vegeta-
ção nativa na metade norte do bioma, em Tocantins, Bahia, Piauí e Maranhão
e norte de Goiás e Minas Gerais. Mas as demais regiões do bioma, em Mato
Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Distrito Federal, Minas Gerais, São Paulo
e Paraná, também requerem maior proteção, ainda que os remanescentes de
vegetação nativa sejam menores. Ampliar a rede de UCPIs em todo o Cerrado
é essencial para garantir representatividade ecológica ao conjunto do sistema.

Há concentração de UCPIs em algumas regiões, em conjunto com UCs de


uso sustentável. Em duas delas, na fronteira Maranhão/Tocantins/Piauí/Bahia
e no norte de Minas Gerais, foram criados, respectivamente, os Mosaicos do
Jalapão e Sertão Veredas/Peruaçu. Já no Médio Araguaia, na Ilha do Bananal/
Cantão e adjacências, há concentração de UCPIs e UCs de uso sustentável de
grande extensão, mas ainda não constituídas em mosaico.

Há conjuntos menores de UCs na Serra do Espinhaço (MG, no Mosaico


Espinhaço/Jequitinhonha/Serra do Cabral); em Mato Grosso, no Parque Nacional
da Chapada dos Guimarães e seu entorno; no norte goiano, com diversas UCs de
uso sustentável no entorno do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros; no
Distrito Federal, onde o Parque Nacional de Brasília e outras pequenas UCPIs

119
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

estão imersas numa matriz de UCs de uso sustentável, especialmente áreas


de proteção ambiental e áreas com uso urbano intensivo; no centro de Minas
Gerais, próximo à Mata Atlântica, envolvendo o Parque Nacional da Serra do
Cipó e seu entorno, e ao norte de Belo Horizonte, com um conjunto de UCPIs
estaduais (parques, monumentos naturais e refúgios de vida silvestre); e no li-
toral do Maranhão, na região do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses.

Nas áreas com concentração de UCPIs, é necessário delimitar os corredores


ecológicos nos termos da Lei do Snuc, isto é, faixas de vegetação nativa que
interligam UCPIs e permitem o movimento da biota e o fluxo gênico. Os corre-
dores ecológicos, em conjunto com as zonas de amortecimento, são instrumen-
tos essenciais de manutenção da conectividade entre os maiores remanescentes
protegidos.

Nas demais áreas, as UCPIs estão isoladas ou em grupos de pequeno número e


pouca extensão, sendo necessário restaurar a vegetação nativa para formar cor-
redores ecológicos. O isolamento traz vulnerabilidade aos ecossistemas, fauna
e flora contidos nessas UCPIs, por romper o fluxo gênico entre populações de
cada espécie e causar degradação dos ecossistemas devido ao efeito de borda e
à intensificação do uso do solo em áreas próximas.

A pouca extensão de UCPIs no Cerrado também afeta a conservação dos recur-


sos hídricos. A produção hídrica da RH do São Francisco depende quase inte-
gralmente das nascentes situadas no Cerrado. De sua área total (651.000 km2),
apenas 1,5% está protegida por UCPIs do Cerrado. O mesmo quadro se re-
pete nas RHs de Tocantins/Araguaia (920.000 km2), Parnaíba (333.056 km2),
Atlântico Nordeste Ocidental (274.300 km2), com, respectivamente, 2,7%,
4,8% e 3,9% de sua área protegida por UCPIs do Cerrado. Nas RHs Paraguai
e Paraná, que ocupam grandes extensões do bioma, há numerosas UCPIs, mas
em geral pequenas e isoladas. Aumentar a área de UCPIs no bioma contribuirá
para conservar os recursos hídricos dessas RHs.

É preciso diversificar o Snuc no Cerrado, pela criação de unidades de diferen-


tes categorias. Atualmente, os parques são as UCPIs dominantes em número e
em área. Apenas Mato Grosso, Minas Gerais e o Distrito Federal contam com
todas as categorias de UCPI. No estado do Maranhão, por exemplo, não há
outra categoria de UCPI além de parque. Há que se ampliar a área coberta pelas

120
5. Diretrizes para conservação do Cerrado

diversas UCPIs em todos os estados, em especial por monumentos naturais,


reservas biológicas e refúgios de vida silvestre.

Em relação à implantação das UCPIs, há um déficit generalizado em requisitos


obrigatórios previstos na Lei do Snuc – conselho consultivo, plano de manejo,
zonas de amortecimento e regularização fundiária. Também ocorre deficiência
na implantação de infraestrutura, o que, por consequência, dificulta a visitação
pública nas UCPIs em que ela é admitida, bem como a fiscalização e a pes-
quisa cientifica. A educação ambiental, atividade permitida em todas as UCPIs,
também é muito pouco praticada, apesar do seu potencial para aproximar as
comunidades lindeiras das UCPIs e reduzir a resistência dessas comunidades à
implantação da unidade.

Todos esses déficits precisam ser resolvidos para que as UCPIs cumpram sua
finalidade de proteger a diversidade biológica do Cerrado. Há que se enfrentar
o problema da regularização fundiária das UCPIs já criadas e promover a ela-
boração, atualização e implantação de planos de manejo, a delimitação e a
implantação de zonas de amortecimento e corredores ecológicos, a delimitação
e organização de mosaicos, o fomento ao turismo sustentável em UCPIs que
admitem essa atividade, a aproximação das comunidades lindeiras por meio de
educação ambiental, atividades recreativas no interior da UCPI e a criação e
consolidação dos conselhos consultivos. É necessário, ainda, aumentar o inves-
timento nas UCPIs, com ampliação das equipes técnica e de fiscais, estrutura
física, equipamentos e veículos.

Além da ampliação da área de UCPI e de sua efetiva implantação, propõe-se a


criação de corredores de biodiversidade no Cerrado, tendo em vista combater
o desmatamento e a fragmentação de hábitats e conservar grandes regiões do
bioma. Os corredores de biodiversidade integram as estratégias de gestão bior-
regional e abrangem grandes polígonos da paisagem com remanescentes exten-
sos de vegetação nativa e podem tornar possível a conectividade de áreas pre-
servadas numa matriz de áreas produtivas sustentáveis.8 Adotando-se as UCPIs
como áreas-núcleo, as áreas intersticiais devem incluir UCs de uso sustentável,

8 Maiores detalhamentos sobre corredores de biodiversidade podem ser obtidos em: GANEM,
Roseli Senna. Gestão integrada da biodiversidade: corredores, mosaicos e reservas da bios-
fera. In: GANEM, Roseli Senna (org.). Conservação da biodiversidade: legislação e políticas
públicas. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2010, p. 387-414. Disponível em:
<https://bd.camara.leg.br/bd/handle/bdcamara/5444>. Acesso em: 15 set. 2020.

121
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

terras particulares protegidas pela Lei Florestal (reservas legais e áreas de pre-
servação permanente), terras indígenas, territórios quilombolas e outras áreas
de populações extrativistas, procurando-se manter uma matriz de uso da terra
favorável à conservação da biodiversidade. Outras áreas de vegetação nativa
podem ser objeto de programas de pagamento por serviços ambientais e de
fomento ao turismo sustentável, de modo a estimular proprietários privados a
conservá-las.

A delimitação de corredores de biodiversidade deve levar em conta, necessaria-


mente, a presença de grandes remanescentes de vegetação nativa. No Cerrado,
especialmente, deve-se buscar, ainda, a conservação dos recursos hídricos.
Análise de viabilidade de implantação de corredores poderá ser realizada para
as seguintes regiões: nascentes do rio Itapecuru, no sudeste do Maranhão; Alto
Parnaíba, no sul do Maranhão e sudoeste do Piauí; nascentes e margem direita
do rio Tocantins, no nordeste goiano e no estado de Tocantins; Ilha do Bananal
e região do Cantão, na bacia do rio Araguaia; nascentes do rio Cuiabá, em
Mato Grosso; nascentes do rio Araguaia, em Mato Grosso; Serra do Espinhaço
e bacia do rio Jequitinhonha, em Minas Gerais; e Alto e Médio São Francisco,
no norte de Minas Gerais e oeste da Bahia.

As áreas muito degradadas devem ser objeto de projetos de restauração eco-


lógica, levando-se em conta sua fitofisionomia original. No âmbito do Acordo
de Paris, o Brasil comprometeu-se a restaurar e reflorestar 12.000.000 ha de
florestas até 2030. No Cerrado, a implantação desses projetos deve levar em
consideração a fitofisionomia original. A ONU declarou o período 2021-2030
como a década da restauração ecológica, o que constitui grande oportunidade
de unir as agendas da conservação da biodiversidade e de mitigação das mu-
danças climáticas.

Constitui grande desafio conservar o Cerrado, savana mais biodiversa do pla-


neta, berço das águas das grandes bacias brasileiras. Reverter o processo de
degradação do bioma requer a adoção de medidas urgentes, em especial a
criação e a implantação efetiva de UCPIs representativas da biodiversidade
do bioma em área equivalente a 17% de sua cobertura original e a execução
de projetos de restauração ecológica. Paralelamente, é urgente controlar a
expansão da fronteira de ocupação, por meio da implantação de corredores
de biodiversidade, adoção da meta de desmatamento zero e promoção de ati-
vidades econômicas amigáveis à conservação no bioma. Por fim, é também

122
5. Diretrizes para conservação do Cerrado

urgente fomentar a pesquisa científica e a educação ambiental, com o intuito


de levar as pessoas a conhecer a riqueza do Cerrado e os serviços ecossistê-
micos que ele presta.

Imagem 44 – Parque Estadual do Cantão (TO)

Autor: Marcelo Ismar Santana.

123
6. Descrição das Unidades de Conservação
de Proteção Integral (UCPIs) do Cerrado
por unidade da federação

6.1.  Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)


do Cerrado no estado da Bahia
O Cerrado ocupa 27% da área do estado da Bahia, o que corresponde a
15.248.531,5 ha. O estado conta com 5 UCPIs, com área total de 336.490,88 ha,
aí incluídas 3 UCPIs cujos limites estendem-se para outros estados (Tabela 30).
Essa área equivale a 2,2% da área de Cerrado na Bahia e a 0,2% da área total
do bioma. Excetuando-se o Parque Nacional Grande Sertão Veredas, as demais
unidades foram criadas há menos de 20 anos.

Tabela 30 – UCPIs do estado da Bahia

UCPIs Data de criação Área (ha)

Parque Nacional Grande Sertão Veredas (53%) 1989 121.891

Estação Ecológica da Serra


2001 80.965
Geral do Tocantins (11%)
Refúgio de Vida Silvestre
2002 128.049
Veredas do Oeste Baiano
Parque Nacional das Nascentes
2002 1.049
do Rio Parnaíba (0,1%)

Estação Ecológica do Rio Preto 2005 4.536

Total - 336.490

Nota: para ver a área total da Estação Ecológica da Serra Geral do Tocantins e dos Parques
Nacionais das Nascentes do Rio Parnaíba e Grande Sertão Veredas, vide Tabela 7.
Fonte: elaboração própria.

Na Bahia, o bioma não conta com UCPIs municipais nem com as categorias
reserva biológica e monumento natural. Do total, 80% das UCPIs são federais,
principalmente parques, que correspondem 99% da área de UCPI no Cerrado
baiano (Tabela 31).

125
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Tabela 31 – Distribuição das UCPIs do estado da Bahia por categoria e esfera


de criação

Federal Estadual Total


Categoria
Área Área
Nº % Área (ha) % Nº % % Nº % %
(ha) (ha)

Estação
1 50 80.965 95 1 50 4.536 5 2 40 85.501 25
ecológica

Parque 2 100 122.940 100 0 0 0 0 2 40 122.940 37

Refúgio
de vida 1 0 128.049 0 0 0 0 0 1 20 128.049 38
silvestre

Total 4 80 331.954 99 1 20 4.536 1 5 100 336.490 100

Fonte: elaboração própria.

Estação Ecológica do Rio Preto (2005)

Estadual – Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema)

1) Localização e área
f BA: Santa Rita de Cássia e Formosa do Rio Preto.

f Área: 4.536 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e flora: a UC abrange fisionomias de Mata Atlântica e de
Cerrado, incluindo floresta estacional, área de transição e mata ciliar do
rio Preto.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia hidrográfica do rio São
Francisco, na margem esquerda do rio Preto, afluente do rio Grande.
f Relevo e geomorfologia: topografia suave, sem grandes variações de alti-
tude. Altitude máxima de 600 m.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC está totalmente inserida na Área de


Proteção Ambiental (APA) do Rio Preto. A zona de amortecimento foi
definida no Decreto nº 9.441/2005, art. 3º (faixa de 10 km em torno

126
6.1. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado da Bahia

da UC). A UC integra o Mosaico do Jalapão, instituído pela Portaria do


Ministério do Meio Ambiente (MMA) nº 434, de 29 de setembro de 2016.
f Infraestrutura implantada: telefone, internet, sede em construção.

f Situação fundiária da UC: totalmente regularizada. Área titulada do esta-


do = 100%. Sem população interior.
f Conflitos internos e com o entorno: gado bovino no entorno.

f Visitação: sem visitação.

f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico dos documentos legais


f Decreto nº 9.441/2005 (criação).

f Portaria MMA nº 434, de 29 de setembro de 2016 (Mosaico do Jalapão).

Fontes de informação

1) Checklist preenchido e encaminhado por gestor da UC em 15 de junho de 2018.

2) Documento:

ICMBIO. Subsídios para o Plano Estratégico Mosaico do Jalapão. Brasília:


ICMBIO, 2013. Disponível em: <http://www.icmbio.gov.br/projetojalapao/
images/stories/atlas/Relatorio_Tecnico_FINAL_2013COMPLETO.pdf>.
Acesso em: 28 jun. 2018.

3) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Inema (BA): <http://www.inema.ba.gov.br/gestao-2/unidades-de-conservacao/


estacao-ecologica/estacao-ecologica-de-rio-preto/>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/593665>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

WWF – Observatório de UCs: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-


de-UCs-Biodiversidade-em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página
com a base de dados do Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi
retirada da internet.

127
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Refúgio de Vida Silvestre Veredas do Oeste Baiano (2002)


Federal – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
(ICMBio)

1) Localização e área
f BA: Cocos, Jaborandi.

f Área: 128.048,99 ha. A UC abrange duas áreas distintas.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: campos cerrados, campos sujos, matas de galeria e veredas.

f Bacia hidrográfica: a UC situa-se na bacia hidrográfica do Médio São


Francisco.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Infraestrutura implantada: veículo de tração.

f Integração e sobreposições: sem sobreposição com outras UCs. A inclu-


são da UC no Mosaico Sertão Vereda Peruaçu foi aprovada em julho de
2018 pelo Conselho Consultivo do Mosaico.
f Conflitos internos e com o entorno: pastagem, agricultura e silvicultura,
queimadas, ocupação humana, disposição de resíduos.
f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico dos documentos legais


f Decreto sem nº de 13 de dezembro de 2002.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ICMbio: <http://www.icmbio.gov.br/portal/unidadesdeconservacao/biomas-
brasileiros/cerrado/unidades-de-conservacao-cerrado/2108-revis-das-veredas-
do-oeste-baiano>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/597883>.

128
6.2. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no Distrito Federal

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Ref%C3%BAgio_de_Vida_
Silvestre_Veredas_do_Oeste_Baiano>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

WWF (World Wildlife Fund). Mosaico Sertão Veredas Peruaçu é ampliado e


passa a ser um dos maiores do Cerrado. 10 de julho de 2018. Disponível em:
<https://www.wwf.org.br/?66542/Mosaico-Serto-Veredas-Peruau--ampliado-
e-passa-a-ser-um-dos-maiores-do-Cerrado>. Acesso em: 23 jul. 2018.

6.2.  Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)


do Cerrado no Distrito Federal
O Cerrado ocupa 100% da área do Distrito Federal, o que corresponde a
576.078,3 ha. São 12 UCPIs com área total de 64.586,39 ha (Tabela 32), equi-
valentes a 11,2% da área do Distrito Federal e a 0,03% da área total do bioma.
Houve criação contínua de UCPIs desde 1961, quando foi instituído o Parque
Nacional de Brasília.

Tabela 32 – UCPIs do Distrito Federal

UCPIs Data de criação Área (ha)

Parque Nacional de Brasília 1961 42.356

Estação Ecológica de Águas Emendadas 1968 10.547

Estação Ecológica da
1986 2.256
Universidade de Brasília

Reserva Biológica do Gama 1988 538

Reserva Biológica do Guará 1988 144

Estação Ecológica do Jardim Botânico 1992 4.429

Reserva Biológica do Cerradão 1998 54

129
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

UCPIs Data de criação Área (ha)

Reserva Biológica da Contagem 2002 3.426

Refúgio de Vida Silvestre da Mata Seca 2002 250

Reserva Biológica do Rio Descoberto 2005 434

Monumento Natural do Conjunto


2010 91
Espeleológico Morro da Pedreira

Parque do Salto do Tororó 2015 61

Total - 64.586

Fonte: elaboração própria.

O Distrito Federal conta com todas as categorias de UCPI (Tabela 33). Do total,
25% das unidades são federais, correspondentes a 74% da área de UCPI no
Cerrado distrital. Destaca-se o Parque Nacional de Brasília, que abrange 66%
da área de UCPI nessa unidade federada.

Tabela 33 – Distribuição das UCPIs do Distrito Federal por categoria e esfera


de criação

Federal Estadual Total


Categoria
Área Área Área
Nº % % Nº % % Nº % %
(ha) (ha) (ha)

Estação
1 33 2.256 13 2 67 14.976 87 3 25 17.232 27
ecológica

Reserva
1 20 3.426 75 4 80 1.170 25 5 42 4.596 7
biológica

Parque 1 50 42.356 99,9 1 50 61 0,1 2 17 42.417 65,5

Refúgio de
0 0 0 0 1 100 250 100 1 10 250 0,4
vida silvestre

Monumento
0 0 0 0 1 100 91 100 1 10 91 0,1
natural

Total 3 25 48.038 74 9 75 16.548 26 12 100 64.586 100

Fonte: elaboração própria.

130
6.2. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no Distrito Federal

Estação Ecológica da Universidade de Brasília (1986)


Federal – Universidade de Brasília

Esta UC foi criada pela Fundação Universidade de Brasília (FUB/UnB) e não é


gerida pelo ICMBio/Sisnama.

1) Localização e área
f DF: Região Administrativa do Lago Sul.

f Área: 2.255,36 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: campo limpo e campo sujo, cerrado stricto sensu, cerra-
dão, vereda e mata de galeria.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do ribeirão do Gama, afluente
do Paranoá, que flui para o rio São Bartolomeu, integrante da bacia do
Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Infraestrutura implantada: não tem. A Fazenda Água Limpa, onde a UC


está situada, possui infraestrutura para atividades de ensino, pesquisa e
extensão.
f Integração e sobreposições: a UC é sobreposta à Área de Proteção Ambiental
(APA) do Planalto Central e à Área de Relevante Interesse Ecológico
Capetinga-Taquara. Integra a Reserva da Biosfera do Cerrado.
f Situação fundiária da UC: totalmente regularizada. A área foi desapro-
priada em 1958 e doada à UnB.
f Projetos de educação ambiental: sim, vinculada à Fazenda Água Limpa,
da UnB.

4) Histórico dos documentos legais


f Resolução da FUB/UnB nº 035/1986, alterada pela Resolução da FUB/UnB
nº 043/1986.

131
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Fontes de informação

1) Documentos:

Ibram (Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito


Federal Brasília Ambiental). Mapa Ambiental do Distrito Federal – Ano
2014. Escala 1: 125.000.

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).


Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental do Planalto Central.
Brasília: 2012. Disponível em: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/
biodiversidade/unidade-de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-
ucs/apa-do-planalto-central/apa-do-planalto-central>. Acesso em: 2 jul. 2018.

2) Portal da Transparência:

Resposta pelo Portal da Transparência à solicitação nº 23480021201201828,


respondida em 29 de outubro de 2018.

Estação Ecológica de Águas Emendadas (1968)


Distrital – Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do
Distrito Federal (Ibram)

1) Localização e área
f DF: Região Administrativa de Planaltina.

f Área: 10.547,21 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: cerrado stricto sensu, campos sujos, campos limpos, ma-
tas ripárias veredas, manchas de cerradão e áreas antropizadas.
f Bacias hidrográficas: na UC, ocorre o fenômeno das águas emendadas,
fruto de ressurgência natural de água que drena para duas bacias hidrográ-
ficas. A partir de um mesmo ponto, as águas vertem tanto para o córrego
Vereda Grande (afluente do rio Maranhão, que deságua no rio Tocantins),
quanto para o córrego Brejinho (seguindo, em sequência, para córrego
Fumal, ribeirão Mestre d’Armas, rio São Bartolomeu, que flui para a
bacia do rio Paraná). Há duas captações de água para abastecimento pú-
blico operadas e mantidas pela Companhia de Saneamento Ambiental do

132
6.2. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no Distrito Federal

DF dentro da UC, uma no Córrego Fumal e outra no Brejinho. Essas cap-


tações têm importância estratégica para o abastecimento hídrico do DF.
f Relevo: plano e suave ondulado.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a UC está 100% de sobreposta à Área de


Proteção Ambiental (APA) do Planalto Central. A zona de amortecimento
abrange 40.923 ha. A UC constitui uma das áreas-núcleo da Reserva da
Biosfera do Cerrado.
f Infraestrutura implantada: energia, internet, telefonia móvel, sistema de
rádio, portaria, guarita, sede, centro de visitantes, mirante, alojamento,
estacionamento, banheiros e veículos.
f Situação fundiária da UC: a área titulada do DF é de 40%. O restante é
área particular.
f Conflitos internos e com o entorno: atividade agrícola, desmatamento de
áreas de preservação permanente, intensa ocupação urbana e poluição por
esgotos domésticos no entorno.
f Visitação: aberta com autorização especial, de segunda a sexta-feira, das
8h às 17h.
f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico dos documentos legais


f Decreto nº 771/1968 (criação, sem área definida).

f Decreto nº 6.004/1981 (declaração das terras da Reserva Biológica de


Águas Emendadas como de utilidade pública, especificando-se duas áreas
definidas).
f Decreto nº 11.137/1988 (recategorização).

f Decreto nº 14.662/1993 (redução da área para 7.077,48 ha).

f Decreto nº 11.671/1993 (revogação do Decreto nº 14.662/1993).

A UC foi criada como reserva biológica em 1968 e recategorizada como estação


ecológica em 1988. Sua área e limites foram definidos em 1981, incluindo-se a
Lagoa Bonita. Houve redução da área em 1993, mas o decreto que promoveu

133
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

essa alteração foi revogado no mesmo ano, voltando a UC à sua extensão


original.

Fontes de informação

1) Documentos:

Ibram (Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito


Federal Brasília Ambiental). Mapa Ambiental do Distrito Federal – Ano
2014. Escala 1: 125.000.

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).


Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental do Planalto Central.
Brasília: 2012. Disponível em: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/
biodiversidade/unidade-de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-
ucs/apa-do-planalto-central/apa-do-planalto-central>. Acesso em: 2 jul. 2018.

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). Plano


de manejo da Estação Ecológica de Águas Emendadas. Versão resumida.
Brasília: Ibram. Sem data.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/en/uc/581672>.

WWF – Observatório de UCs: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-


de-UCs-Biodiversidade-em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página
com a base de dados do Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi
retirada da internet.

Estação Ecológica do Jardim Botânico (1992)


Distrital – Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do
Distrito Federal (Ibram)

1) Localização e área
f DF: Região Administrativa do Lago Sul.

f Área: em 1992, 3.991,59 ha; em 1996, 4.429 ha.

134
6.2. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no Distrito Federal

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC inclui a maioria das fitofisionomias
características do Cerrado: cerrado típico, campo sujo, campo limpo, cam-
po rupestre, campo de murundus, mata mesofítica, mata de galeria e vere-
da, que cobrem cerca de 82% da área. Levantamento florístico da Estação
Ecológica do Jardim Botânico de Brasília (EEJBB) resultou no registro de
1.904 espécies. A UC apresenta 11 espécies de roedores e 4 de marsupiais
e 17 espécies de médios e grandes mamíferos.

Imagem 45 – Estação Ecológica do Jardim Botânico (DF)

Autora: Priscila Oliveira Rosa.

f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se em área de transição entre planos


elevados e rebordos da Chapada de Brasília.
f Bacias hidrográficas: a UC está inserida na bacia hidrográfica do rio Paranoá
(afluente do rio São Bartolomeu, integrante da bacia do rio Paraná), nota-
damente nas unidades do ribeirão do Gama e do córrego Cabeça de Veado,
que desaguam no Lago Paranoá. O córrego Cabeça de Veado é o mais im-
portante curso d’água dentro da UC. Nesse córrego, há quatro captações de
água da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal. Embora

135
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

as matas e margens dos córregos e das captações encontrem-se em boas


condições de conservação, os recursos hídricos da UC correm risco frente à
forte pressão exercida pela ocupação urbana em áreas de recarga de águas
subterrâneas.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: sim.

f Infraestrutura implantada: energia, internet, telefonia móvel e sistema de


rádio, portaria, guarita, sede, mirante, laboratório, estacionamento, ba-
nheiros, centro de visitantes, lanchonete, restaurante e veículos.
f Integração e sobreposições: a UC está 100% sobreposta à Área de
Proteção Ambiental (APA) das Bacias do Gama e Cabeça-de-Veado e à
APA do Planalto Central. Junto com a Reserva Ecológica do IBGE e a
Fazenda Água Limpa da Universidade de Brasília/Estação Ecológica da
Universidade de Brasília, integra a Zona de Vida Silvestre da APA Gama-
-Cabeça de Veado APA e constitui Área Núcleo da Reserva da Biosfera
do Cerrado. A Zona de Amortecimento foi delimitada no plano de manejo
e na Portaria Seduma nº 50/2009.
f Situação fundiária da UC: a UC está parcialmente regularizada. Da área
total, 95% pertencem ao DF. Há 200 ha pertencentes à extinta Fundação
Cristo Redentor. O processo de doação ao Jardim Botânico de Brasília
(JBB) está na Secretaria do Patrimônio da União. Há, ainda, 20 ha em
conflito com moradores de conjuntos do Setor de Mansões Dom Bosco
(SMDB) lindeiros à UC, que invadiram área pertencente a Estação
Ecológica do Jardim Botânico de Brasília (EEJBB). Neste caso, há pro-
cesso de reintegração de posse movido pelo Instituto Brasília Ambiental
(Ibram).
f Conflitos internos e com o entorno: boa parte da UC encontra-se em bom
estado de conservação. Entretanto, há presença de espécies invasoras
(pinus, eucalipto, capim gordura, braquiária e pteridium) e oportunistas
(Baccharis) em algumas áreas. Parte da estação faz limite com a Reserva
Ecológica do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), área
de proteção do aeroporto e Fazenda Água Limpa da UnB, em que não há
conflito. Os conflitos maiores com o entorno ocorrem nos limites com DF
001 (Polo Verde), QI 19 e 21, principalmente em áreas de chácaras e do

136
6.2. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no Distrito Federal

SMDB. Nesses casos, os principais problemas enfrentados dizem respeito


a lançamento de lixo, invasões por pessoas não autorizadas (ciclistas e pe-
destres), entrada de animais domésticos e fogo.
f Visitação: o Jardim Botânico de Brasília recebe cerca de 100.000 visitan-
tes por ano e arrecada em torno de R$ 600.000,00 por ano.
f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 14.422/1992 (criação).

f Decreto nº 17.277/1996 (consolidação da área).

A proposta de criar um jardim botânico em Brasília vem desde o projeto de


Lúcio Costa, o Plano Piloto para a Nova Capital, mas a ideia tomou corpo ape-
nas com a edição do Decreto nº 3.441/1976, que instituiu uma comissão para
estudar e propor a criação do Jardim Botânico de Brasília (JBB). Várias áreas
foram avaliadas, indicando-se a Estação Florestal Cabeça de Veado (EFCV),
situada no Setor de Mansões Dom Bosco do Lago Sul, em terras pertencentes
à Terracap, com 526 ha. Segundo a comissão, a área apresentava vegetação
característica, com várias fitofisionomias do Cerrado e possuía infraestrutura
capaz de funcionar como núcleo inicial. O relatório dessa comissão apontava
que o objetivo do jardim botânico deveria ser o de dar destaque à vegetação do
Cerrado, considerando-se que Brasília situa-se na área core do bioma.

Essa era uma premissa de vanguarda, pois, até então, os jardins botânicos de
todo o mundo procuravam aclimatar plantas de outros lugares, promovendo a
conservação ex situ de recursos genéticos vegetais. O JBB, inaugurado em 8 de
março de 1985, foi o primeiro no mundo a manter coleções de plantas in situ.

Durante os trabalhos para implantação do JBB, o então chefe do empreedi-


mento, Pedro Carlos de Orleans e Bragança, solicitou à Terracap a ampliação
da área, com o objetivo de proteger as nascentes do Córrego Cabeça de Veado
e duas fisionomias que não se encontravam na área do JBB: veredas com bu-
ritis e campos de murundum. Assim, em 26 de março de 1987, foi aprovado,
pelo Conselho de Arquitetura, Urbanismo e Meio Ambiente (Cauma), o acrés-
cimo de 3.991,59 ha. A área foi ampliada de 526,61 ha para 4.518.20 ha, consi-
derada internamente como reserva ecológica do JBB. Esta decisão foi homolo-
gada pelo Decreto nº 10.994/1987.

137
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

A nova área foi posteriormente transformada na Estação Ecológica do JBB,


por meio do Decreto nº 14.422/1992, com 3.991,59 ha. O JBB e sua esta-
ção ecológica passaram a ser o maior jardim botânico de savana do mundo.
Posteriormente, o Decreto nº 17.277/1996 alterou o decreto anterior e conso-
lidou a área da UC em 4.429,63 ha.

Fontes de informação

1) Checklist preenchido e encaminhado por gestor da UC em 6 de junho de 2018.

2) Documentos:

Ibram (Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito


Federal Brasília Ambiental). Mapa Ambiental do Distrito Federal – Ano
2014. Escala 1: 125.000.

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).


Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental do Planalto Central.
Brasília: 2012. Disponível em: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/
biodiversidade/unidade-de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-
ucs/apa-do-planalto-central/apa-do-planalto-central >. Acesso em: 2 jul. 2018.

SARACURA, V. F.; GIUSTINA, C. C. D. (coord.) Plano Diretor do JBB.


2010. Disponível em: <http://www.jardimbotanico.df.gov.br/institucional/
plano-diretor/>. Acesso em: 29 jun. 2018.

3) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: < https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-


nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/589375>.

Monumento Natural do Conjunto Espeleológico do Morro da


Pedreira (2010)
Distrital – Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do
Distrito Federal (Ibram)

1) Localização e área
f DF: Região Administrativa de Sobradinho.

f Área: 91 ha.

138
6.2. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no Distrito Federal

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: floresta estacional decidual (também chamada mata seca
ou mata calcárea).
f Relevo e geomorfologia: a UC abrange o afloramento calcário denomi-
nado Morro da Pedreira e seus sítios espeleológico, paleontológico e ar-
queológico, em especial a faixa de 250 m em volta da projeção horizontal
das cavidades do conjunto espeleológico.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia hidrográfica do rio do Maranhão,
integrante da bacia hidrográfica do rio Tocantins.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC está 100% sobreposta à Área de Proteção


Ambiental (APA) do Planalto Central e à APA de Cafuringa. Não pos-
sui Zona de Amortecimento definida. Integra a Zona de Preservação do
Patrimônio Natural da APA de Cafuringa.
f Infraestrutura implantada: nenhuma. Com sinal de telefonia celular.

f Situação fundiária: a UC é composta por propriedades privadas e áreas


desapropriadas em comum.
f Visitação: realizada de maneira informal por praticantes de escalada, com
arrecadação pelos proprietários.
f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 31.758/2010.

5) Pontos de interesse para visitação

Afloramento calcário do Morro da Pedreira e treze cavernas. Área utilizada


para prática de espeleologia.

139
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Fontes de informação

1) Documentos:

Ibram (Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito


Federal Brasília Ambiental). Mapa Ambiental do Distrito Federal – Ano
2014. Escala 1: 125.000.

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).


Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental do Planalto Central.
Brasília: 2012. Disponível em: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/
biodiversidade/unidade-de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-
ucs/apa-do-planalto-central/apa-do-planalto-central>. Acesso em: 2 jul. 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Portal da Transparência: <https://www.e-sic.df.gov.br>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Monumento_Natural_
do_Conjunto_Espeleol%C3%B3gico_do_Morro_da_Pedreira#Atra.C3.A7.
C3.B5es>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

3) Resposta pelo Portal da Transparência à solicitação SEI


nº 00391000192_2018_35, respondida em 4 de outubro de 2018, e à solicita-
ção SEI nº 003910009357_2018_06, respondida em 5 de outubro de 2018.

Parque Distrital Salto do Tororó (2015)


Distrital – Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do
Distrito Federal (Ibram)

1) Localização e área
f DF: Região Administrativa de Santa Maria.

f Área: em 1961, 61 ha.

140
6.2. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no Distrito Federal

2) Caracterização ecológica da UC
f Bacias hidrográficas: do Alto Paranaíba, na bacia hidrográfica do rio
Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC integra a Reserva da Biosfera do Cerrado,


sendo uma de suas áreas núcleo, e a Área de Proteção Ambiental (APA)
do Planalto Central e a APA de Cafuringa. A UC tem zona de amorteci-
mento definida.
f Infraestrutura implantada: sem infraestrutura.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 36.472/2015.

5) Pontos de interesse para visitação

Cachoeira do Tororó, com 12 m de altura.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

SINJ-DF: <http://www.sinj.df.gov.br/sinj/Norma/79551/
Decreto_36472_30_04_2015.html>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Distrital_Salto_do_
Toror%C3%B3#Atra.C3.A7.C3.B5es>.

Parque Nacional de Brasília (1961)


Federal – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
(ICMBio)

1) Localização e área
f DF: Regiões Administrativas de Sobradinho, Brazlândia, Brasília.

141
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f GO: Padre Bernardo.

f Área: em 1961, 30.000 ha; em 2006, 42.355,54 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: mata de galeria, vereda, cerrado stricto sensu, cerradão,
mata seca, campo sujo, campo limpo, campo rupestre, campo úmido e
campo de murundus.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se na Depressão do Paranoá e na
Chapada da Contagem e suas encostas, com cotas altimétricas entre
1.279 m e 1.200 m. A Depressão do Paranoá situa-se em nível inferior
ao da Chapada da Contagem, sendo a unidade de maior expressão, com
formas retilíneo-côncavas, suavemente ondulada, interflúvios amplos e
rampas com declividade quase sempre entre 5º e 10º, que terminam, em
geral, em vales simétricos, de fundo chato da rede hidrográfica que drena
para o Paranoá. A Encosta da Chapada da Contagem ocorre nos setores
norte e nordeste da UC e apresenta nítida dissimetria de suas vertentes: a
direita na forma de uma rampa suave e com declives entre 3º e 10º graus
e a da esquerda na forma abrupta, com declive entre 10º e 40º ou mais.
f Bacias hidrográficas: a UC está situada em divisor de águas entre as
bacias do Tocantins e do Paraná. Abrange duas sub-bacias principais:
dos córregos Santa Maria e Torto e do córrego Bananal. Os dois córregos
deságuam no Lago Paranoá, afluente do rio São Bartolomeu, integrante
da bacia do rio Paraná. A represa do córrego Santa Maria, situada den-
tro da UC, inclui sistema de captação da Companhia de Saneamento
Ambiental do Distrito Federal e contribui para cerca de 20% do abas-
tecimento público da população brasiliense. A área mais recente da UC
abrange nascentes da bacia do rio Maranhão, integrantes da bacia do
rio Tocantins. A UC inclui, também, duas piscinas de água mineral,
intensivamente utilizadas como área de lazer pela população distrital;
duas pequenas lagoas; e duas feições hidrogeológicas incomuns (os Três
Buracos, área em uma parte do solo que cedeu e deixou à mostra o veio
de água, e o Peito de Moça, pequena elevação com afloramento de águas
profundas, comparado a um sistema artesiano natural).

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

142
6.2. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no Distrito Federal

f Plano de manejo: sim (defasado, corresponde à área de 30.000 ha; alterado


pela Portaria do ICMBio nº 12, de 12 de fevereiro de 2016, para incluir
novos atrativos de visitação na UC).
f Integração e sobreposições: a UC integra a Reserva da Biosfera do Cerrado,
sendo uma de suas áreas núcleo. A área acrescida em 2006 está sobrepos-
ta à Área de Proteção Ambiental (APA) do Planalto Central e à APA de
Cafuringa. A UC não tem zona de amortecimento definida.
f Infraestrutura implantada: energia, internet, telefonia móvel e sistema de
rádio. Portaria, sede e residência de funcionários. Veículos. Lanchonete,
estacionamento, banheiros e centro de visitantes.
f Situação fundiária da UC: área ampliada em 2006 está em terras públi-
cas da União e do governo do Distrito Federal. Há 42 posseiros no inte-
rior da UC.
f Conflitos internos e com o entorno: fogo, presença de espécies invasoras
vegetais e de animais domésticos e, em pequena escala, caça, pesca e vi-
sitação em locais não autorizados.
f Visitação: o parque fica aberto à visitação todos os dias, das 8h às 16h,
com permanência permitida até as 17h. 250.000 visitantes por ano.
Arrecadação de R$ 2.000.000,00 por ano.
f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 241/1961 (criação).

f Lei nº 11.285, de 8 de março de 2006 (revisão de limites, ampliação).

A criação da UC está diretamente relacionada com a construção de Brasília,


quando foi firmado convênio entre o Ministério da Agricultura e a Companhia
Urbanizadora da Nova Capital, com o intuito de propor e criar novas reser-
vas e postos florestais no DF. A área foi proposta pelo executor do convênio,
Ezechias Heringer, agrônomo e pioneiro no estudo do Cerrado.

5) Pontos de interesse para visitação

Trilha Cristal d’Água (5 km); Trilha da Capivara (1,3 km); Trilha União, a


maior de mountain bike do Brasil (136 km, incluindo-se percursos na Floresta
Nacional de Brasília, na Reserva Biológica da Contagem e nas APAs do Planalto
Central e do Rio Descoberto); Água Mineral (conjunto de duas piscinas com

143
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

nascentes, parte do córrego Acampamento e afluentes); Centro de Visitantes; e


Ilha da Meditação.

Fontes de informação

1) Documentos:

Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais


Renováveis). Plano de Manejo do Parque Nacional de Brasília. s/dt.
Disponível em: <http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/imgs-
unidades-coservacao/PARNA%20Brasilia.pdf>. Acesso em: 14 set. 2018.

Ibram (Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito


Federal Brasília Ambiental). Mapa Ambiental do Distrito Federal – Ano
2014. Escala 1: 125.000.

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).


Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental do Planalto Central.
Brasília: 2012. Disponível em: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/
biodiversidade/unidade-de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-
ucs/apa-do-planalto-central/apa-do-planalto-central>. Acesso em: 2 jul. 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.htm>.

ICMBio: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/biodiversidade/unidade-
de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-ucs/parna-de-brasilia/
parna-de-brasilia>.

ICMBio: <https://www.icmbio.gov.br/portal/visitacao1/unidades-abertas-a-
visitacao/213-parque-nacional-de-brasilia.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/583286>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pn_de_brasilia:inicio>.

3) E-Sic – Sistema Eletrônico de Informação ao Cidadão. Resposta ao pedido


de informações ao ICMBio, Protocolo nº 02680001733201812, encaminhada
em 1º de outubro de 2018.

144
6.2. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no Distrito Federal

Refúgio de Vida Silvestre da Mata Seca (2015)


Distrital – Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do
Distrito Federal (Ibram)

1) Localização e área
f DF: Região Administrativa da Fercal.

f Área: 250 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: mata seca, campo sujo de cerrado, mata de galeria, cer-
rado stricto sensu, campo úmido, campo rupestre, lago.
f Relevo e geomorfologia: vales dissecados.

f Bacias hidrográficas: a UC está localizada na bacia rio Maranhão, perten-


cente à bacia do rio Tocantins.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC está parcialmente sobreposta à Área


de Proteção Ambiental (APA) do Cafuringa.
f Infraestrutura implantada: sem infraestrutura.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 36.497/2015.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

SINJ-DF: <http://www.sinj.df.gov.br/>.

145
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Reserva Biológica da Contagem (2002)


Federal – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
(ICMBio)

1) Localização e área
f DF: Região Administrativa de Sobradinho.

f Área: 3.426,15 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: apresenta mata de galeria, cerrado stricto sensu, cerrado
denso, campo sujo e veredas.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se no topo e encostas da Chapada da
Contagem, unidade geomorfológica mais elevada do Distrito Federal, com
altitudes que variam entre 1000 m e 1200 m.
f Bacias hidrográficas: a UC está localizada no interflúvio entre as bacias
hidrográficas do rio Maranhão (bacia do Tocantins) e do São Bartolomeu
(bacia do Paraná). Abrange duas captações de água, localizadas no ri-
beirão Contagem e no córrego Paranoazinho, que abastecem a cidade de
Sobradinho.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC está 100% sobreposta às Áreas de


Proteção Ambiental (APAs) do Planalto Central e do Cafuringa. Propicia
a formação de um corredor ecológico entre o Parque Nacional de Brasília
e a bacia do rio Maranhão (APA do Cafuringa).
f Infraestrutura implantada: telefone, internet, serviço de telefonia móvel,
veículos.
f Situação fundiária: não regularizada. Percentual de área titulada da União:
52%. Terras particulares: 48%. UC com ocupação humana.
f Conflitos internos e com o entorno: pressão de extração mineral, agri-
cultura e silvicultura, espécies invasoras, disposição de resíduos, caça e
queimadas.
f Visitação: fechada.

146
6.2. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no Distrito Federal

f Projetos de educação ambiental: voluntariado em programa de recupera-


ção de área.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto sem nº de 13 de dezembro de 2002.

Fontes de informação

1) Documentos:

Ibram (Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito


Federal Brasília Ambiental). Mapa Ambiental do Distrito Federal – Ano
2014. Escala 1: 125.000.

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).


Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental do Planalto Central.
Brasília: 2012. Disponível em: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/
biodiversidade/unidade-de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-
ucs/apa-do-planalto-central/apa-do-planalto-central>. Acesso em: 2 jul. 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ICMBio: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/biodiversidade/unidade-
de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-ucs/rebio-da-contagem/
rebio-da-contagem>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/585501>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Reserva_Biol%C3%B3gica_
da_Contagem>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

147
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Reserva Biológica do Cerradão (1998)


Distrital – Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do
Distrito Federal (Ibram)

1) Localização e área
f DF: Região Administrativa do Lago Sul.

f Área: 54 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e flora: a UC abrange uma das manchas mais represen-
tativas da fitofisionomia cerradão no DF, bem como uma área de cerrado
denso. Foram registradas 282 espécies da flora.
f Relevo e geomorfologia: a UC apresenta topografia plana. Situa-se em
área de interflúvio entre o Lago Paranoá e o ribeirão Taboca.
f Bacias hidrográficas: a UC não possui corpos d’água em seus limites.
Situa-se na bacia do Lago Paranoá. O rio Paranoá e o córrego Taboca são
afluentes do rio São Bartolomeu, integrante da bacia do Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Infraestrutura implantada: sistema de telefonia celular.

f Integração e sobreposições: a UC está 100% sobreposta à Área de Proteção


Ambiental (APA) do Planalto Central e à APA Gama-Cabeça de Veado.
f Situação fundiária da UC: totalmente regularizada. Sem ocupação humana.

f Visitação: não.

f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico dos documentos legais


f Decreto nº 19.213/1998 (criação).

f Decreto nº 31.757/2010 (recategorização).

A iniciativa de proteção da área decorreu dos estudos botânicos do profes-


sor George Eiten, da Universidade de Brasília. A UC foi criada como Área
de Relevante Interesse Ecológico, em 1998, e recategorizada como Reserva
Biológica em 2010.

148
6.2. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no Distrito Federal

Fontes de informação

1) Documentos:

Ibram (Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito


Federal Brasília Ambiental). Mapa Ambiental do Distrito Federal – Ano
2014. Escala 1: 125.000.

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).


Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental do Planalto Central.
Brasília: 2012. Disponível em: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/
biodiversidade/unidade-de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-
ucs/apa-do-planalto-central/apa-do-planalto-central>. Acesso em: 2 jul. 2018.

2) Página eletrônica:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Reserva Biológica do Gama (1988)


Distrital – Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do
Distrito Federal (Ibram)

1) Localização e área
f DF: Região administrativa do Gama

f Área: em 1988, 136 ha; em 2005, 537,63 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: as principais fitofisionomias existentes na UC são mata
de galeria, cerrado denso, campo sujo e cerrado ralo.
f Bacias hidrográficas: a UC é atravessada pelo rio Alagado, o qual situa-se
na bacia do rio Corumbá, integrante da bacia do rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a UC está 100% sobreposta à Área de Proteção


Ambiental (APA) do Planalto Central.

149
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Infraestrutura implantada: energia, telefone e sinal de telefonia celular,


portaria, sede, guarita, estacionamento, centro de visitantes e veículo de
tração.
f Situação fundiária da UC: área titulada do DF: 100%. Com presença hu-
mana no interior da UC.
f Conflitos internos e com o entorno: o rio Alagado recebe elevadas des-
cargas de efluentes domésticos e industriais e drenagem pluvial da área
urbana. A área sofre pressão das chácaras com atividades agrícolas do
entorno, fogo, lixo, desmatamento promovido para formação de uma re-
presa, presença de gado e constante circulação de moradores da região.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 11.261/1988 (criação).

f Decreto nº 25.867/2005 (ampliação).

f Decreto nº 29.704/2008 (recategorização).

A área que hoje constitui a UC é oriunda do Parque Municipal do Gama,


criado pelo Decreto n° 108/1961, com área de 790 ha, localizado na Região
Administrativa do Gama. A área sofreu transformações de tamanho e destinação
pelo Decreto n° 6.953/1982: 136 ha foram transformados no Parque Recreativo
do Gama e restante passou a ser administrado da Fundação Zoobotânica do DF.
O Parque Recreativo do Gama foi arrendado até 2003 e era bastante utilizado
pela população local como área de lazer. O parque foi transformado em UC
em 1988, como reserva ecológica, pelo Decreto nº 11.261/1988, com 136 ha.
Posteriormente, o Decreto nº 25.867/2005 definiu duas áreas com poligonais
distintas: o Parque Recreativo do Gama e a Reserva Ecológica do Gama, esta
com 537,63 ha. Em 2008, a Reserva Ecológica foi recategorizada como Reserva
Biológica pelo Decreto nº 29.704.

Fontes de informação

1) Documentos:

Ibram (Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito


Federal Brasília Ambiental). Mapa Ambiental do Distrito Federal – Ano
2014. Escala 1: 125.000.

150
6.2. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no Distrito Federal

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).


Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental do Planalto Central.
Brasília: 2012. Disponível em: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/
biodiversidade/unidade-de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-
ucs/apa-do-planalto-central/apa-do-planalto-central>. Acesso em: 2 jul. 2018.

2) Página eletrônica:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Reserva Biológica do Guará (1988)


Distrital – Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do
Distrito Federal (Ibram)

1) Localização e área
f DF: Região Administrativa do Guará.

f Área: 144,5 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fauna: foram registradas na UC 10 espécies de peixes, 13 de anfíbios,
5 de répteis, 123 de aves e 12 de mamíferos. Entre os peixes, houve
registro de Simpsonichthys boitonei, o “pirá brasília”, peixe anual en-
dêmico do DF, habitante de áreas brejosas.
f Relevo e geomorfologia: a UC localiza-se em área de relevo localmen-
te plano a suavemente ondulado, com cotas topográficas entre 1.070 m a
1.105 m.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia córrego do Guará, afluente
do córrego Riacho Fundo, que deságua no Lago Paranoá, bacia do rio São
Bartolomeu, integrante da bacia do rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a UC 100% sobreposta à Área de Proteção


Ambiental (APA) do Planalto Central.
f Infraestrutura implantada: sinal de telefonia celular.

151
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Situação fundiária da UC: área titulada do DF: 100%. UC com ocupação


humana.
f Conflitos internos e com o entorno: há presença de 150 moradores em seu
interior.
f Visitação: fechada.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 11.262/1988 (criação).

f Decreto nº 29.703/2008 (recategorização).

A UC foi criada em 1988 como reserva ecológica e enquadrada como reserva


biológica em 2008.

Fontes de informação

1) Documento:

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).


Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental do Planalto Central.
Brasília: 2012. Disponível em: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/
biodiversidade/unidade-de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-
ucs/apa-do-planalto-central/apa-do-planalto-central>. Acesso em: 2 jul. 2018.

2) Página eletrônica:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Reserva Biológica do Rio Descoberto (2005)


Distrital – Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do
Distrito Federal (Ibram)

1) Localização e área
f DF: Região Administrativa de Brazlândia.

f Área: 434 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC abrange a faixa de 125  m contados a partir da
curva de nível 1.032, cota máxima de inundação do Lago Descoberto,
que compõe a Área de Preservação Permanente em torno do reserva-

152
6.2. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no Distrito Federal

tório. A vegetação é composta de campos limpos e campos sujos, mas


encontra-se intensivamente ocupada por chacareiros. Observa-se a pre-
sença de muitos cultivos agrícolas. A faixa sem cultivo é muito variável
e em alguns pontos chega a menos de 30 m.
f Relevo e geomorfologia: relevo plano em torno do reservatório do rio
Descoberto.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do Lado Descoberto, que
deságua no rio Corumbá, integrante da bacia do rio Paraná. O Lago
Descoberto é importante fonte de abastecimento hídrico do DF.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC está 100% sobreposta à Área de


Proteção Ambiental (APA) do Rio Descoberto.
f Infraestrutura implantada: sistema de telefonia celular.

f Situação fundiária: área titulada do DF: 30%. Área particular: 70%. Com
ocupação humana.
f Conflitos internos e com o entorno: UC com ocupação humana. Enfrenta
problemas de desmatamento e uso de agrotóxicos.
f Projetos de educação ambiental: campanhas com usuários dos recursos
naturais.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 26.007/2005.

Fontes de informação

1) Documento:

Ibram (Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito


Federal Brasília Ambiental). Mapa Ambiental do Distrito Federal – Ano
2014. Escala 1: 125.000.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

153
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

6.3.  Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)


do Cerrado no estado de Goiás
O Cerrado ocupa 97% da área do estado de Goiás, o que corresponde a
32.999.723 ha. São vinte UCPIs com área total de 501.411 ha (Tabela 34),
equivalentes a 1,5% da área de Cerrado do estado e a 0,25% da área total do
bioma. Houve criação contínua de UCPIs desde a década de 1960.

Tabela 34 – UCPIs do estado de Goiás

UCPIs Data de criação Área (ha)

Parque Nacional da
1961 240.611
Chapada dos Veadeiros

Parque Nacional de Emas 1961 131.864

Parque Estadual Serra


1970 12.315
de Caldas Novas

Parque Estadual Paraúna 1980 3.346

Parque Municipal de Itiquira 1981 200

Parque Estadual
1987 2.833
dos Pirineus
Parque Estadual de
1989 50.000
Terra Ronca
Parque Municipal do
1990 30
Setor Santa Cruz
Parque Estadual Altamiro
1992 2.132
de Moura Pacheco
Parque Estadual
1998 2.829
Serra de Jaraguá
Parque Estadual
2002 4.611
Araguaia-GO
Parque Municipal Orquídeas
2002 3.399
José Pinheiro de Souza

154
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

UCPIs Data de criação Área (ha)

Parque Estadual da
2003 30.000
Serra Dourada

Parque Municipal Pequi 2012 2.385

Parque Municipal
2014 3.168
Ribeirão da Prata

Parque Estadual João Leite 2014 2.832

Estação Ecológica
2017 6.811
Chapada de Nova Roma
Parque Municipal Pedreira
2018 20
da Estrada de Ferro

Parque Municipal Eli Bastos 2018 16

Parque Estadual de
2019 2.009
Águas Lindas

Total - 501.411

Fonte: elaboração própria.

Goiás conta com UCPIs das três esferas da federação, mas de somente duas
categorias (Tabela 35). Os parques são amplamente dominantes, havendo ape-
nas uma estação ecológica. Destacam-se os Parques Nacionais da Chapada dos
Veadeiros e de Emas, que abrangem 74% da área de UCPI do estado.

Tabela 35 – Distribuição das UCPIs do estado de Goiás por categoria e esfera


de criação

Federal Estadual
Categoria
Nº % Área (ha) % Nº % Área (ha) %

Estação
0 0 0 0 1 100 6.811 100
ecológica

Parque 2 10 372.475 75 10 53 112.907 23

Total 2 10 372.475 74 11 55 119.718 24

155
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Municipal Total
Categoria
Nº % Área (ha) % Nº % Área (ha) %

Estação
0 0 0 0 1 5 6.811 1,4
ecológica

Parque 7 37 9.218 2 19 95 494.600 98,6

Total 7 35 9.218 2 20 100 501.411 100

Fonte: elaboração própria.

Estação Ecológica Chapada de Nova Roma (2017)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável
(Semad)

1) Localização e área:
f GO: Nova Roma.

f Área: 6.811,2092 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC inclui mata de galeria, cerradão, cerra-
do denso, cerrado típico, cerrado ralo, formações campestres (campo limpo
e campo sujo) e vereda. Foram identificadas na UC 31 espécies de mamí-
feros terrestres não voadores, 115 espécies de aves, 17 espécies de répteis
e 19 espécies de anfíbios.
f Bacias hidrográficas: a UC apresenta rica rede hidrográfica, composta
principalmente por nascentes e seis corpos d’água perenes (córregos
Forquilha, Guariroba, Porteira, Porteira do Meio e Riachinho, e o rio
Corrente), afluentes pela margem esquerda do rio Paranã, integrante da
bacia hidrográfica do rio Tocantins.
f Relevo e geomorfologia: a região insere-se no Planalto Central Goiano,
com altimetria entre pouco mais de 300 m e 1.691 m. A UC está localizada
na Serra do Forte, porção mais elevada do município de Nova Roma, com
1.130 m de altitude.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

156
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

f Plano de manejo: sim.

f Infraestrutura implantada: sede, energia a motor a diesel, galpão.

f Integração: a UC está na área de transição da Reserva da Biosfera Goyaz –


Cerrado Fase II. Possui Zona de amortecimento de 36.377,73 ha, definida
no Plano de Manejo.
f Situação fundiária: a área é de posse do estado de Goiás e não tem ocupa-
ção em seu interior, mas há pendência no processo de sua doação para o
estado de Goiás, pelo Sindicato da Indústria do Ferro do Estado de Minas
Gerais (Sindifer), como medida de compensação ambiental.
f Conflitos internos e com o entorno: as principais ameaças são caça, des-
matamento, carvoarias, pastagens, pesquisa de atividades de mineração
(ouro e manganês) e fogo.

4) Histórico dos documentos legais


f Decreto nº 9.023/2017 (criação, com poligonal).

A UC é oriunda de processo de compensação ambiental da Associação das


Siderúrgicas Mineiras para Fomento Florestal (Asiflor) e do Sindicato da
Indústria do Ferro de Minas Gerais e da Minas Metais, iniciado em 2004. A Lei
Florestal de Goiás, de 1995, vetou o consumo de produtos de origem florestal
nativa para abastecer o mercado, concedendo uma moratória de 7 anos para que
o mercado desenvolvesse o reflorestamento energético. Aos grandes consumi-
dores, ficou estabelecida a obrigação de realizar o autossuprimento em 100%
da sua demanda, vencido o prazo da moratória. Em auditoria da Agência de
Meio Ambiente de Goiás (Agma), verificou-se a existência de débito de mais
de um milhão de metros de carvão. Constatou-se que cerca de 63.000 ha de
cerrado nativo foram ilegalmente desmatados para abastecer, principalmente,
as siderúrgicas mineiras. A auditoria foi protocolada no Ministério Público do
Estado de Goiás (MPE), que ajuizou ação civil contra onze siderúrgicas minei-
ras e contra a Asiflor. Como medida compensatória, em 2009, o Sindifer firmou
compromisso de compra e doação de um imóvel rural com valor equivalente
ao dano, para ser transformado em UC de proteção integral. Em 5 de junho de
2009, foi assinado decreto que garantia a posse provisória do estado de Goiás
da área de 6.930 ha doada pelas siderúrgicas mineiras como compensação
pelos danos ambientais causados. A partir de então, iniciou-se o processo de
doação da área para Goiás, visando à implantação da estação ecológica. Com
a ampliação do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, de 5 de junho de

157
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

2020, o polígono da Estação Ecológica Chapada de Nova Roma ficou total-


mente limítrofe ao parque, sem integrar sua área.

Fontes de informação

1) Documento:

Secima (Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura,


Cidades e Assuntos Metropolitanos). Plano de Manejo Estação Ecológica
Chapada de Nova Roma. Goiânia: 2010. Disponível em: <https://www.
meioambiente.go.gov.br/component/content/article/118-meio-ambiente/
unidades-de-conserva%C3%A7%C3%A3o/1073-estacao-ecologica-da-
chapada-de-nova-roma-esec-cnr.html?Itemid=101>. Acesso em: 14 mai. 2018.

2) Páginas eletrônicas:

Mapbioamas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Secima (Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura,


Cidades e Assuntos Metropolitanos): <https://www.meioambiente.
go.gov.br/component/content/article/118-meio-ambiente/unidades-de-
conserva%C3%A7%C3%A3o/1073-estacao-ecologica-da-chapada-de-nova-
roma-esec-cnr.html?Itemid=101>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Esta%C3%A7%C3%A3o_
Ecol%C3%B3gica_Chapada_de_Nova_Roma>.

Parque Estadual Águas Lindas (2019)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável
(Semad)

1) Localização e área
f GO: Águas Lindas de Goiás.

f Área: em 2005, 1.935 ha (como Parque Estadual do Rio Descoberto); em


2019, 2.009 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Descoberto, na mar-
gem esquerda da Represa do Rio Descoberto, integrante da bacia do rio
Paraná.

158
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: UC está sobreposta à Área de Proteção


Ambiental (APA) federal do Rio Descoberto.

4) Histórico de documentos legais

O Parque Estadual Águas Lindas foi criado em área onde antes situava-se o
Parque Estadual do Rio Descoberto, que contava com 1.935 ha. A nova poli-
gonal, do Águas Lindas, exclui uma área no extremo sudoeste e inclui outra, a
noroeste. Houve pequeno acréscimo de área.
f Decreto nº 6.188/2005 (criação do Parque Estadual do Rio Descoberto).

f Decreto nº 7.635/2012 (declaração de utilidade pública para desapropriação).

f Decreto nº 9417/2019 (criação do Parque Estadual de Águas Lindas e


revogação do Decreto nº 6.188/2005).

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Casa Civil-GO, Semad: <https://legisla.casacivil.go.gov.br/>.

Parque Estadual Altamiro de Moura Pacheco (1992)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável
(Semad)

1) Localização e área
f GO: Goianápolis, Goiânia, Nerópolis, Terezópolis de Goiás.

f Área: em 1992, 3.183 ha; em 1993, 2.132 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC abrange florestas estacionais semi-
deciduais (o principal remanescente de matas secas do estado de Goiás),
cerrado stricto sensu, cerradão e matas de galeria. Foram registradas na

159
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

UC 485 espécies de plantas. Em relação à fauna, foram identificadas mais


de 290 espécies de animais.
f Relevo e geomorfologia: a UC localiza-se no Planalto do Alto Tocantins-
-Paranaíba, em cotas acima de 850 m, e no Planalto Rebaixado de Goiânia,
posicionado abaixo dos 850 m de altitude.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Paranaíba, integrante
da bacia do rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a UC está sobreposta à Área de Proteção


Ambiental (APA) João Leite. Não possui zona de amortecimento.
f Infraestrutura implantada: portaria, administração, almoxarifado, centro
de visitantes, auditório, quartel da polícia ambiental, trilhas e redes de
energia e água/esgoto.
f Situação fundiária: área estadual = 100%. Não há população no interior
da UC.
f Conflitos internos e com o entorno: a UC enfrenta pressão de fogo, caça,
pesca, atropelamento de fauna e expansão urbana no entorno.
f Visitação: a UC recebe 6.600 visitantes por ano. Não tem arrecadação.

f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 11.471, de 3 de julho de 1991 (autorização para aquisição de terras
pelo estado de Goiás, para implantação de parque ecológico).
f Lei nº 11.878, de 30 de dezembro de 1992 (criação do parque ecológico).

f Lei nº 11.957, de 4 de maio de 1993 (redução).

f Lei nº 13.846, de 1º de junho de 2001 (alteração de nome e restituição da


área original).
f Lei nº 16.135, de 18 de setembro de 2007 (enquadramento como parque
estadual).

Em 1991, a Lei nº 11.471 autorizou a aquisição de imóvel de 800 alqueires,


pelo estado de Goiás, para implantação de um parque ecológico. O Parque

160
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

Ecológico de Preservação Ambiental e Florestal Ulysses Guimarães foi insti-


tuído nessa área em 1992, pela Lei nº 11.878, com 3.183 ha. Ressalte-se que
“parque ecológico” não é uma UC, nos termos da Lei nº 9.985, de 18 de julho
de 2000.

A Lei nº 11.878 foi alterada em três momentos:


f em 1993, pela Lei nº 11.957, para excluir do parque ecológico a área des-
tinada à implantação do Reservatório do Ribeirão João Leite, que integra
o sistema de abastecimento público de água da Região Metropolitana de
Goiânia. O Parque ficou com 2.132 ha;
f em 2001, pela Lei nº 13.846, para renomear a área como Parque Ecológico
de Preservação Ambiental e Florestal Altamiro de Moura Pacheco (médi-
co, farmacêutico, escritor, pecuarista e político goiano, antigo proprietá-
rio da área); e
f em 2007, pela Lei nº 16.135, para renomear a área como Parque Estadual
Altamiro de Moura Pacheco, agora enquadrada entre as categorias de UC.

Em 2014, a Lei nº 18.462 transformou novamente parte da área excluída para


formação do Reservatório do Ribeirão João Leite em unidade de conservação:
o Parque Estadual do João Leite, com área de 2.832 ha. Desta forma, os dois
parques somam uma área contínua de 4.964 ha.

5) Pontos de interesse para visitação

Trilha do Lago (Reservatório do Ribeirão João Leite).

Fontes de informação

1) Checklist preenchido e encaminhado por gestor da UC em 12 de junho


de 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Mapbioamas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

161
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Secima (Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura,


Cidades e Assuntos Metropolitanos): <https://www.meioambiente.
go.gov.br/component/content/article/118-meio-ambiente/unidades-de-
conserva%C3%A7%C3%A3o/1110-parque-estadual-altamiro-de-moura-
pacheco-peamp.html?Itemid=101>.

Semad: <https://www.meioambiente.go.gov.br/acesso-a-informacao/118-
meio-ambiente/unidades-de-conserva%C3%A7%C3%A3o/1110-parque-
estadual-altamiro-de-moura-pacheco-peamp.html>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pe_altamiro_de_moura_
pacheco:inicio>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_Altamiro_
de_Moura_Pacheco>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual da Serra de Jaraguá (1998)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável
(Semad)

1) Localização e área
f GO: Jaraguá e São Francisco de Goiás.

f Área: 2.828,6613 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Tocantins.

3) Gestão da UC e entorno
f Integração e sobreposições: a unidade não está em sobreposição com ou-
tras UCs ou com terras indígenas.

4) Patrimônio cultural

A UC conta com sítios arqueológicos registrados pelo Instituto do Patrimônio


Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

162
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

5) Histórico de documentos legais


f Lei nº 13.247, de 13 de janeiro de 1998 (criação como parque ecológico).

f Decreto nº 7.604/2012 (categorização como parque estadual e definição


da poligonal).
f Lei nº 18.844, de 10 de junho de 2015 (categorização como parque esta-
dual e definição da poligonal).
f Decreto nº 8.903/2017 (declaração de interesse social, para desapropriação).

A UC foi criada como parque ecológico, sem poligonal, e posteriormente cate-


gorizada como parque estadual. A poligonal foi definida em 2012.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/608733>.

Mapbioamas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Secima (Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura,


Cidades e Assuntos Metropolitanos): <https://www.meioambiente.
go.gov.br/component/content/article/118-meio-ambiente/unidades-de-
conserva%C3%A7%C3%A3o/1103-parque-estadual-da-serra-de-jaragua-pesj.
html?Itemid=101>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pe_da_serra_de_
jaragua:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual da Serra Dourada (2003)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável
(Semad)

1) Localização e área
f GO: Buriti de Goiás, Goiás, Mossâmedes.

f Área: 30.000 ha.

163
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

2) Caracterização ecológica da UC
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia hidrográfica do rio Araguaia.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC não conta com zona de amortecimento


nem corredor ecológico. Está em sobreposição parcial com a Área de
Proteção Ambiental (APA) da Serra Dourada.
f Infraestrutura implantada: em implantação.

f Situação fundiária da UC: presença de seis famílias residentes no interior


da UC.
f Conflitos internos e com o entorno: queimadas.

f Visitação: não.

f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 5.768/2003 (criação, com poligonal).

f Decreto nº 7.992/2013 (revogado, declaração de interesse social, para de-


sapropriação, com poligonal).
f Decreto nº 8.202/2014 (revogação do Decreto nº 7.992/2013).

f Decreto nº 8.677/2016 (redefinição da poligonal).

A UC foi criada em 2003. Os três decretos que definem sua poligonal mencio-
nam área de “aproximadamente 30.000 ha”. Entretanto, seus limites têm en-
frentado contestações e um acordo foi firmado, em abril de 2018, em Grupo
de Trabalho criado pela Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos,
Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos para resolver essas diver-
gências. O Acordo aprovou um novo perímetro de 23.000 ha, retirando 75 ben-
feitorias situadas no interior da UC. Essa alteração ainda não foi aprovada em
lei (SECIMA, 2018).

5) Pontos de interesse para visitação

Trilhas, grutas e mirante.

164
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

Fontes bibliográficas

1) Checklist preenchido e encaminhado por gestor da UC em 11 de junho


de 2018.

2) Páginas eletrônicas:

A REDAÇÃO: <https://www.aredacao.com.br/noticias/104117/acordo-poe-
fim-a-divergencias-sobre-limites-do-parque-estadual-serra-dourada>. Acesso
em: 9 jul. 2018.

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/596289>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Secima (Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura,


Cidades e Assuntos Metropolitanos): <https://www.meioambiente.
go.gov.br/component/content/article/118-meio-ambiente/unidades-de-
conserva%C3%A7%C3%A3o/1102-parque-estadual-da-serra-dourada-pesd.
html?Itemid=101>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pe_da_serra_dourada:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_da_Serra_
Dourada_(PESD)>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual de Paraúna (1980)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável
(Semad)

1) Localização e área
f GO: Paraúna.

f Área: 3.346 ha.

165
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

2) Caracterização ecológica da UC
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se na Serra das Galés, no setor leste,
e Serra da Portaria, no setor oeste.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do Baixo Paranaíba, inte-
grante da bacia do rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: sem sobreposição a outras UCs. A Área


de Proteção Ambiental (APA) Serra das Galés e da Portaria envolve o
Parque Estadual de Paraúna.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 1.789/1980 (atribui à Superintendência Estadual do Meio
Ambiente a competência de administrar o Parque e Reserva Biológica
de Paraúna).
f Decreto nº 5.568/2002 (criação como Parque Estadual, sem poligonal).

f Decreto nº 7.583/2012 (declaração de interesse social para desapropria-


ção, renovada pelo Decreto nº 8.473/2015).

5) Pontos de interesse para visitação

Formações rochosas da Serra das Galés e da Serra da Portaria.

Fontes bibliográficas

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/591947>.

MAPBIOMAS: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

166
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

Secima (Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura,


Cidades e Assuntos Metropolitanos): <https://www.meioambiente.
go.gov.br/component/content/article/118-meio-ambiente/unidades-de-
conserva%C3%A7%C3%A3o/1105-parque-estadual-de-parauna-pepa.
html?Itemid=101>.

Semad: <https://www.meioambiente.go.gov.br/acesso-a-informacao/118-
meio-ambiente/unidades-de-conserva%C3%A7%C3%A3o/1105-parque-
estadual-de-parauna-pepa.html>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_de_
Para%C3%BAna>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual de Terra Ronca (1989)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável
(Semad)

1) Localização e área
f GO: São Domingos, Guarani de Goiás.

f Área: 50.000 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e fauna: cerrado, cerradão, matas de galeria e veredas.
Foram registradas mais de 150 espécies de aves e quase 50 de mamíferos
em seu interior.
f Relevo e geomorfologia: a UC apresenta relevo cárstico e situa-se em
planalto divisor de águas entre as bacias do São Francisco e do Tocantins.
Constitui em um dos maiores complexos de cavidades naturais subterrâ-
neas da América Latina.
f Bacias hidrográficas: a UC integra a bacia do rio Paranã, afluente da mar-
gem direita do rio Tocantins.

167
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Imagem 46 – Parque Estadual de Terra Ronca (GO)

Autor: Marcelo Ismar Santana.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: sem sobreposição com outras UCs. O Parque


é limítrofe à Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Geral de Goiás.
f Conflitos internos e com o entorno: queimadas.

f Visitação: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 10.879, de 7 de julho de 1989 (criação, sem poligonal).

f Decreto nº 4.700/1996 (definição de poligonal “de aproximadamente


50.000 ha”, declaração de utilidade pública para desapropriação dos
terrenos).
f Decreto nº 5.558/2002 (declaração de utilidade pública para desapropria-
ção dos terrenos; com poligonal “de aproximadamente 50.000 ha”).
f Decreto nº 6.817/2008 (renovação da declaração de utilidade pública;
com poligonal “de aproximadamente 50.000 ha”).

168
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

f Decreto nº 7.996/2013 (renovação da declaração de utilidade pública;


com poligonal “de aproximadamente 50.000 ha”).

5) Pontos de interesse para visitação

Cavernas Terra Ronca I e II, Angélica, São Bernardo e São Mateus. O par-
que inclui um dos maios importantes conjuntos de cavidades subterrâneas da
América do Sul.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/596930>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Secima (Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura,


Cidades e Assuntos Metropolitanos): <https://www.meioambiente.
go.gov.br/component/content/article/118-meio-ambiente/unidades-de-
conserva%C3%A7%C3%A3o/1127-parque-estadual-de-terra-ronca-peter.
html?Itemid=101>.

Semad: <https://www.meioambiente.go.gov.br/acesso-a-informacao/118-
meio-ambiente/unidades-de-conserva%C3%A7%C3%A3o/1127-parque-
estadual-de-terra-ronca-peter.html>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_de_Terra_
Ronca>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pe_de_terra_ronca:inicio>.

169
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Parque Estadual do Araguaia (2002)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável
(Semad)

1) Localização e área
f GO: São Miguel do Araguaia.

f Área: 4.611 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na margem direita do rio Araguaia, o
qual transborda no período de dezembro até abril, alagando a área da UC.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC está sobreposta à Área de Proteção


Ambiental (APA) Meandros do Rio Araguaia. Não possui zona de amor-
tecimento, nem corredor ecológico.
f Infraestrutura implantada: sede.

f Situação fundiária da UC: 49,52% das terras são particulares. O restante


são terras adquiridas pelo estado. Com população residindo no interior
da UC.
f Conflitos internos e com o entorno: nas áreas ainda não desapropriadas,
há presença de gado; prática de pesca e caça nas áreas internas; agri-
cultura irrigada, no entorno, com uso do fogo, aplicação de agrotóxicos,
plantio de transgênico, caça e pesca etc.
f Visitação: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 5.631/2002 (criação, com poligonal).

f Decreto nº 7.995/2013 (declaração de utilidade pública para desapro-


priação).

170
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

Fontes de informação

1) Checklist preenchido e encaminhado por gestor da UC em 12 de junho de 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Secima (Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura,


Cidades e Assuntos Metropolitanos): <https://www.meioambiente.
go.gov.br/component/content/article/118-meio-ambiente/unidades-de-
conserva%C3%A7%C3%A3o/1104-parque-estadual-do-araguaia-pea.
html?Itemid=101>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pe_do_araguaia-go:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual dos Pirineus (1987)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável
(Semad)

1) Localização e área
f GO: Cocalzinho de Goiás, Corumbá de Goiás, Pirenópolis.

f Área: 2.833,26 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: campos rupestres, campos limpos, campos úmidos e
campos de murundus; matas semicaducifólias e matas de galeria.
f Relevo e geomorfologia: a UC integra o Planalto do Alto Tocantins-
-Paranaíba e possui relevo fragmentado e dissecado por depressões inter-
montanas. Inclui o segundo maciço mais alto do estado de Goiás, o Pico
dos Pireneus, com 1.380 m de altitude.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se em divisor hidrográfico entre as ba-
cias do Tocantins (dezenas de pequenas nascentes do rio das Almas) e da
Paraná (nascentes do rio Corumbá).

171
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Imagem 47 – Parque Estadual dos Pirineus (GO)

Autor: Marcelo Ismar Santana.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: UC limítrofe à Área de Proteção Ambiental


(APA) dos Pirineus, não sobreposta a outras UCs; não possui zona de
amortecimento, nem corredor ecológico.
f Infraestrutura implantada: Casa Verde (apoio aos visitantes, com banhei-
ros), guaritas (atualmente desativadas), sede administrativa, alojamento
de servidores e galpão de equipamentos e máquinas.
f Situação fundiária da UC: Terras tituladas do estado = 75%. Terras parti-
culares = 25%.
f Conflitos internos e com o entorno: a UC enfrenta pressões decorrentes de
uso da área para pastagem de equinos e bovinos, presença de estrada in-
termunicipal Pirenópolis-Cocalzinho, extrativismo vegetal, visitação sem
controle, disposição de resíduos sólidos e carcaças de animais em área
próxima, erosão, espécies invasoras e incêndios florestais.
f Visitação: sim. Média de 20.000 visitantes por ano. Sem arrecadação.

f Projetos de educação ambiental: não.

172
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 10.321, de 20 de novembro de 1987 (criação, sem poligonal nem
indicação da área em hectares).
f Lei nº 13.121, de 16 de julho de 1997 (inclusão de novos municípios, sem
poligonal nem indicação de área em hectares).
f Decreto nº 4.830/1997 (definição da poligonal e indicação da área da UC).

5) Pontos de interesse para visitação

Pico dos Pirineus, com 1.380 m de altitude, o segundo maciço mais alto do
estado de Goiás; formações rochosas próxima ao Morro Cabeludo, usadas para
a prática de escalada; Pocinhos do Sonrisal (Córrego Capitão do Mato) e trilhas
para prática de eco-turismo.

Fontes de informação

1) Checklist preenchido e encaminhado por gestor da UC em 15 de junho de 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/node/592766>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Secima (Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura,


Cidades e Assuntos Metropolitanos): <https://www.meioambiente.
go.gov.br/component/content/article/118-meio-ambiente/unidades-de-
conserva%C3%A7%C3%A3o/1111-parque-estadual-dos-pirineus-pep.
html?Itemid=101>.

Semad: <https://www.meioambiente.go.gov.br/component/content/article/118-
meio-ambiente/unidades-de-conserva%C3%A7%C3%A3o/1111-parque-
estadual-dos-pirineus-pep.html?Itemid=101>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_Dos_
Pirineus>.

173
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual João Leite (2014)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável
(Semad)

1) Localização e área
f GO: Goiânia, Goianápolis, Nerópolis.

f Área: 2.832 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: mata seca, mata ciliar, mata de galeria, cer-
rado stricto sensu, cerradão e capoeira. Foram registradas 485 espécies de
plantas na UC e no vizinho parque estadual. Quanto à fauna, há registro
de 409 espécies de vertebrados.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Paranaíba, integrante
do rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: UC sobreposta à Área de Proteção Ambiental


(APA) João Leite e não possui corredor ecológico, nem zona de amorte-
cimento.
f Infraestrutura implantada: portaria, administração, almoxarifado, centro
de visitantes, auditório, quartel da Polícia Ambiental, trilhas e redes de
energia e água/esgoto (compartilhada com o Parque Estadual Altamiro
de Moura Pacheco).
f Situação fundiária da UC: área estadual = 100%. Sem população no inte-
rior da UC.
f Conflitos internos e com o entorno: a UC enfrenta problemas com fogo,
pesca, caça, atropelamento de fauna, expansão urbana no entorno.

174
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

f Visitação: de quarta a domingo, das 8h às 17h. 6.600 visitantes por ano,


compartilhados com o Parque Estadual Altamiro de Moura Pacheco. Não
tem arrecadação.
f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 18.462, de 9 de maio de 2014.

Em 1993, parte da área do Parque Altamiro de Moura Pacheco foi excluída


para a implantação do Reservatório do Ribeirão João Leite, destinado a inte-
grar o sistema de abastecimento público de água da Região Metropolitana de
Goiânia. Posteriormente, parte dessa área excluída foi destinada à criação do
Parque Estadual do João Leite, com o objetivo de conservar a qualidade das
águas do reservatório de captação. Os dois parques somam uma área contínua
de 4.964 ha.

5) Pontos de interesse para visitação

Passeio em trilhas, a pé ou de bicicleta.

Fontes de informação

1) Checklist preenchido e encaminhado pelo gestor da UC em 12 de junho de


2018.

2) Páginas eletrônicas:

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Secima (Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura,


Cidades e Assuntos Metropolitanos): <https://www.meioambiente.
go.gov.br/component/content/article/118-meio-ambiente/unidades-de-
conserva%C3%A7%C3%A3o/1159-parque-estadual-do-joao-leite-pejol.
html?Itemid=101>.

Semad: <https://www.meioambiente.go.gov.br/acesso-a-informacao/118-
meio-ambiente/unidades-de-conserva%C3%A7%C3%A3o/1159-parque-
estadual-do-joao-leite-pejol.html>.

175
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Parque Estadual Serra de Caldas Novas (1970)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável
(Semad)

1) Localização e área
f GO: Caldas Novas, Rio Quente.

f Área: 12.315,3580 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e fauna: a UC inclui cerrado típico, campo cerrado, cam-
po rupestre, campo limpo, floresta de galeria e veredas. Em relação à fau-
na, foram registradas 105 espécies de aves, 18 de mamíferos, 23 de rép-
teis, 15 de anfíbios na UC.
f Relevo e geomorfologia: a Serra de Caldas constitui-se em remanescente
de erosão, com o topo tabular em forma elipsóide com eixos de 15 km e
9 km, aproximadamente, a 1.043 m de altitude. As escarpas possuem des-
níveis da ordem de 150 m em relação às áreas de entorno. A UC integra
o Planalto do Alto Tocantins-Paranaíba, enquanto o entorno situa-se no
Planalto Rebaixado de Goiânia.
f Bacias hidrográficas: a Serra de Caldas constitui área de recarga dos aquí-
feros hidrotermais da região de Caldas Novas e Rio Quente, que apre-
sentam grande atividade turística. Fica no interflúvio dos rios Corumbá e
Piracanjuba, os principais cursos de água da região. O rio Piracanjuba de-
sagua no rio Corumbá, afluente do rio Paranaíba. A serra apresenta padrão
hidrográfico nitidamente radial e abrange cabeceiras de diversos córregos,
incluídas as do rio Quente.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a UC possui zona de amortecimento, com


poligonal e normas de uso do solo definidas na Portaria da Secretaria de
Meio Ambiente e Recursos Hídricos nº 069/2014. Não está em sobrepo-
sição com outras UCs ou terras indígenas.
f Situação fundiária da UC: totalmente regularizada. Terras tituladas do
estado = 100%.

176
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

f Conflitos internos e com o entorno: a UC enfrenta conflitos com ativida-


des agropecuárias, empreendimentos turísticos e recreativos diversos e de
loteamentos urbanos no sopé da serra; trilhas de acesso à serra sem fisca-
lização, torres de telecomunicação no alto da serra e fogo. No entorno, há
expansão urbana e novos empreendimentos turísticos.
f Visitação: a UC está aberta à visitação de terça a domingo, das 8h às
17h; porém, o último acesso à unidade é às 15h.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 7.282, de 25 de setembro de 1970 (criação sem poligonal).

A UC foi criada pela atuação de ambientalistas, preocupados com o crescimento


acelerado dos municípios de Caldas Novas e Rio Quente, devido ao processo
de urbanização e perfuração indiscriminada (atualmente controlada) de poços
tubulares profundos na busca de águas termais. Não foi definida a poligonal da
área por norma legal, mas como a lei menciona um acidente geográfico bem
delimitado, a poligonal foi definida pela Secretaria de Meio Ambiente, Recursos
Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos e consta em sua
página eletrônica. O mapa da UC e sua zona de amortecimento encontram-se
publicados na Portaria da Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos
nº 069/2014, que delimita a zona de amortecimento do Parque.

5) Pontos de interesse para visitação

Trilha da Cascatinha (716 m) e Trilha do Paredão (1,2 km).

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/595220>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

177
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Secima (Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura,


Cidades e Assuntos Metropolitanos): <https://www.meioambiente.
go.gov.br/component/content/article/118-meio-ambiente/unidades-de-
conserva%C3%A7%C3%A3o/1295-parque-estadual-da-serra-de-caldas-
novas-pescan.html?Itemid=101>.

Semad: <https://www.meioambiente.go.gov.br/component/content/article/118-
meio-ambiente/unidades-de-conserva%C3%A7%C3%A3o/1295-parque-
estadual-da-serra-de-caldas-novas-pescan.html?Itemid=101>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pe_da_serra_de_caldas_
novas:inicio>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_da_Serra_
de_Caldas_Novas_(PESCaN)>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Municipal do Itiquira (1981)


Municipal – Prefeitura Municipal

1) Localização e área
f GO: Formosa.

f Área: 200 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Bacia hidrográfica: a UC é cortada pelo rio Itiquira, afluente do rio Paranã,
integrante da bacia do rio Tocantins.

3) Gestão da UC e entorno
f Integração e sobreposições: a unidade não está em sobreposição com ou-
tras UCs ou com terras indígenas.
f Visitação: sim. Todos os dias da semana, entre 9h e 17h.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 132-S/1981.

178
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

A UC foi criada em 1981 e esteve sob administração privada até 2012. A partir
de então, passou a ser administrado pela prefeitura municipal.

5) Pontos de interesse para visitação

Salto do Itiquira, com 168 m de queda livre; trilha do mirante do salto; e poço
para banho.

Fontes de informação

1) Documento:

MMA (Ministério do Meio Ambiente). Primeira Revisão Periódica da


Reserva da Biosfera do Cerrado. 1994-2015. Reserva da Biosfera do
Cerrado. Brasília, DF: MMA, 2016.

2) Página eletrônica:

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Municipal_do_
Itiquira>. Acesso em: 16 nov. 2020.

Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (1961)


Federal – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
(ICMBio)

1) Localização e área
f GO: Alto Paraíso de Goiás, Cavalcante, Nova Roma, São João d’Aliança,
Teresina de Goiás.
f Área: em 1961, 625.000 ha; em 1972, 171.924 ha; em 1981, 60.000 ha;
em 1990, 64.875 ha; em 2017, 240.611 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: as fitofisionomias com maior representati-
vidade na UC são as formações savânicas estacionais campestres (campo
rupestre, campo limpo e campo sujo) e porções extensas de cerrado sensu
stricto (denso, rupestre e ralo). Ocorre a presença de formações florestais
ladeadas por campos úmidos substituídas por áreas permanentemente ala-
gadas, com a presença de buritis (palmeiral de vereda). Esse padrão pode
ser interrompido por outras tipologias vegetacionais, como as florestas
mesofíticas de afloramento calcário, com distribuição bastante restrita na

179
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

área da UC. Foram registradas 1.636 espécies vegetais na área da UC. Em


relação à fauna, ocorrem 118 espécies de mamíferos, 295 espécies de aves,
57 de anfíbios, 83 de répteis, 131 espécies de borboletas, 356 espécies de
mariposas, 160 morfoespécies de abelhas.
f Bacias hidrográficas: a UC está inserida na bacia do rio Tocantins, sendo a
Chapada dos Veadeiros um divisor de bacias dos rios Paranã e Maranhão.
O Parque tem como curso principal o rio Preto, mas também protege as
nascentes dos rios Montes Claros, das Cobras e dos Couros, além de pro-
teger afluentes dos rios da Pedra e do São Miguel.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se na Chapada dos Veadeiros. Seu
relevo é composto por planícies e planaltos entremeados por serras e cha-
padas divisoras de bacias. A altimetria varia de 800 m a 1.650 m.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim (para área de 60.000 ha; em revisão em função da


ampliação da UC).
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, telefonia celular, por-
taria, centro de visitantes, sede, guarita, mirante, alojamento, camping, resi-
dência de funcionários, banheiros, veículos.
f Integração e sobreposições: a UC está 80,8% sobreposta à Área de
Proteção Ambiental (APA) estadual de Pouso Alto. Integra uma das
zonas-núcleo da Reserva da Biosfera do Cerrado. Está inscrito na lista de
Sítios do Patrimônio Mundial, da Unesco. Possui Zona de Amortecimento
com poligonal definida no Plano de Manejo, mas desatualizada em função
da expansão do Parque em 2017.
f Situação fundiária da UC: parcialmente regularizada. Na área de 64.875 ha,
20% tituladas da União; 60% de terras devolutas; 5% particulares; e 15%
com titularidade desconhecida. Para a área incorporada em 2017, foram
iniciados 40 processos de indenização, sujeita à devida comprovação do
direito de propriedade.
f Conflitos internos e com o entorno: incêndios, caça, espécies exóticas
invasoras.
f Visitação: aberto. O horário de entrada no parque é das 8h às 12h. O ho-
rário de saída é até 18h.

180
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

f Projetos de educação ambiental: projetos com alunos e professores da


rede de ensino do município de Alto Paraíso; encontros com raizeiros;
formação de brigadistas voluntários; qualificação de condutores.

Imagem 48 – Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (GO)

Autor: Marcelo Ismar Santana.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 49.875/1961 (criação).

f Decreto nº 70.492/1972 (nova denominação e redução de limites).

f Decreto nº 86.173/1981 (redução de limites).

f Decreto nº 86.596/1981 (retificação do Decreto nº 86.173).

f Decreto nº 87.811/1982 (declaração de utilidade pública, para efeito de


desapropriação).
f Decreto nº 99.279/1990 (declaração de utilidade pública, para efeito de
desapropriação; define área da UC como de 65.514,7259 ha).

181
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Decreto sem nº de 21 de dezembro de 2000 (declaração de utilidade pú-


blica, para efeito de desapropriação).
f Decreto sem nº de 27 de dezembro de 2001 (ampliação; decreto sem
validade).
f Decreto sem nº de 5 de junho de 2017 (ampliação).

A proposta de criação do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros foi fei-


ta pela Fundação Coimbra Bueno ao então presidente da República Juscelino
Kubitschek, no ano de 1960. Visava-se propor uma sede para a ONU no Planalto
Central brasileiro e proteger os excepcionais valores naturais da região, que
já sofria com a valorização das terras e a especulação imobiliária decorren-
te da transferência da capital federal para Brasília. Foi então criado o Parque
Nacional do Tocantins, pelo Decreto nº 49.875/1961, com área de 625.000 ha.
Mas a criação da UC não foi seguida da aquisição das terras, sucedendo-se di-
versas reduções de seu perímetro.

A primeira alteração ocorreu em 1972, pelo Decreto nº 70.492. A UC perdeu


as áreas do Pouso Alto, do Vão do Rio Claro e toda a área correspondente aos
municípios de Colinas, Lages, Vila Borba e Jaó, passando a englobar cerca
de 171.000 ha. O decreto também lhe deu nova denominação, chamando-a de
Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros.

A segunda alteração foi feita em 1981, pelo Decreto nº 86.596, motivada pelo
Projeto Alto Paraíso e pelas pressões das comunidades. A UC perdeu as áreas
da Fazenda Bona Espero, grande parte da Serra de Santana e a confluência do
rio Preto e rio Claro, ficando reduzida a 60.000 ha.

O processo de desapropriação teve início com Decreto nº 87.811/1982.


Posteriormente, o Decreto nº 99.279/1990 estabeleceu que a área seria de
65.514,7259 ha, para efeito de desapropriação. Houve tentativa de ampliação da
UC pelo Decreto de 27 de setembro de 2001, para 176.570 ha. Entretanto, não
houve realização prévia de audiência pública, nos termos da Lei nº 9.985/2000
(Lei do Snuc). Esse fato levou à suspensão do decreto, pelo Supremo Tribunal
Federal, por meio do Mandado de Segurança nº 24.184-5 Distrito Federal.

Finalmente, a UC foi ampliada pelo Decreto de 5 de junho de 2017, passando


a abranger 240.611 ha, em terras dos municípios de Nova Roma, Teresina de
Goiás e São João da Aliança, do estado de Goiás.

182
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

5) Pontos de interesse para visitação

Trilhas, travessias, cânions e cachoeiras. As principais atrações são: Travessia


Sete Quedas (3,5 km, em 2 a 3 dias de caminhada); Trilha dos Saltos, Corredeiras
e Carrossel (12 km de ida e volta); Trilha dos Canyons e Cachoeira das Cariocas
(12 km de ida e volta); Trilha da Siriema (800 m de ida e volta).

Fonte de informações

1) Documento:

MMA (Ministério do Meio Ambiente) / ICMBio (Instituto Chico Mendes


de Conservação da Biodiversidade). Plano de Manejo Parque Nacional
Chapada dos Veadeiros. Brasília, 2009

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ICMBio: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/biodiversidade/unidade-
de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-ucs/parna-da-chapada-
dos-veadeiros/parna-da-chapada-dos-veadeiros>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/585227?page=5>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Nacional_da_
Chapada_dos_Veadeiros>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pn_da_chapada_dos_
veadeiros:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

E-Sic – Sistema Eletrônico de Informação ao Cidadão. Resposta ao pedido de


informações ao ICMBio, Protocolo nº 02680001728201818, encaminhada em
1º de outubro de 2018.

183
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Parque Nacional das Emas (1961)


Federal – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
(ICMBio)

1) Localização e área
f GO: Chapadão do Céu, Mineiros.

f Área: em 1961, não houve definição de limites; em 1972, 131.864 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC abrange campo limpo, campo sujo,
campo cerrado, cerrado sensu stricto, floresta estacional semidecídua, flo-
resta ripícola (ocorre associada aos cursos d’água), vereda, campo úmido e
campo de murundus. Foram registradas 607 espécies de plantas vasculares.
Em relação à fauna, foram registradas na UC 353 espécies de aves, 88 de
répteis e 22 espécies de anfíbios. Na UC e entorno foram observadas 85 es-
pécies de mamíferos. Uma peculiaridade do parque é a abundância de termi-
teiros. Entre dezembro e março, observam-se cupins luminescentes.

Imagem 49 – Parque Nacional das Emas (GO)

Autor: Marcelo Ismar Santana.

184
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

f Relevo e geomorfologia: a UC insere-se no Planalto Setentrional da Bacia


Sedimentar do Paraná, em seu compartimento mais alto (divisor de águas
das bacias do Paraná, Araguaia e Paraguai), compreendendo formas tabu-
lares parcialmente erodidas e dissecadas ao longo dos vales.
f Bacias hidrográficas: a UC localiza-se em divisor de águas entre as ba-
cias do rio Araguaia (que compreende a porção noroeste do Parque) e do
rio Paraná (que ocupa o restante da UC). As cabeceiras do rio Araguaia
situam-se a noroeste do parque, próximo a ele, mas fora de seus limites.
A hidrografia da UC é composta pelos rios Formoso e Jacuba, cujas nas-
centes localizam-se no interior do parque e deságuam no rio Corrente,
pertencente à bacia do Paranaíba, integrante da bacia do rio Paraná. As
nascentes do rio Formoso, que atravessa a UC, situam-se fora dos limites
do Parque. O rio Jacuba constitui o limite norte/nordeste do Parque, ha-
vendo diversas de suas cabeceiras da margem direita dentro da UC.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a UC não está em sobreposição com Áreas


de Proteção Ambiental (APAs), outras UCs ou terras indígenas. Integra
a Reserva da Biosfera do Pantanal e está inscrita na lista de sítios do
Patrimônio Mundial, da Unesco. Possui zona de amortecimento de
263.423 ha, definida no plano de manejo.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, rádio, telefonia ce-
lular, portaria, centro de visitantes, sede, guarita, mirante, camping, casa
de pesquisadores, lanchonete, estacionamento, residência de funcionários,
banheiros, veículos.
f Situação fundiária da UC: 94% da UC está regularizada. Os 6% restantes
encontram-se em ação reivindicatória pela posse da terra. Não há ocupa-
ção humana no seu interior.
f Conflitos internos e com o entorno: a UC enfrenta problemas de caça,
fogo, invasão de espécies exóticas, ingresso de gado, visitação descontro-
lada. No entorno, ocorrem desmatamento, fragmentação de hábitats e uso
de agrotóxicos. O parque está praticamente todo cercado por áreas agrí-
colas, constituindo uma ilha de Cerrado em meio a áreas extensivamente
desmatadas.

185
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Visitação: sim.

f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 49.874/1961 (criação, sem poligonal).

f Decreto nº 70.375/1972 (definição de limites e área aproximada).

5) Pontos de interesse para visitação

354 km de trilhas; passeio de bote (2h); boia cross (40 min); ciclismo e passeio
com carro-safári (até 8h).

Fontes de informação

1) Documento:

Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais


Renováveis). Plano de Manejo do Parque Nacional das Emas. Brasília,
2004.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ICMBio: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/biodiversidade/unidade-
de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-ucs/parna-das-emas/
parna-das-emas>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/586217>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pn_das_emas:inicio>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Nacional_das_
Emas>.

186
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

Parque Natural Municipal da Pedreira da Estrada de


Ferro (2018)
Municipal – Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos

1) Localização e área
f GO: Caldazinha.

f Área: 20 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC abrange mata de galeria.

f Relevo e geomorfologia: o relevo é formado por fundo de vale.

f Bacias hidrográficas: a UC é banhada pelo córrego Lageado, microbacia


do rio Caldas, bacia do rio Meia Ponte, da bacia do Baixo Paranaíba 1,
pertencente à bacia do rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: com zona de amortecimento definida no


plano de manejo. UC não possui corredor ecológico. Sem sobreposição
com outras UCs.
f Infraestrutura implantada: energia, telefonia celular, sede, guarita, miran-
te, abrigo, estacionamento.
f Situação fundiária da UC: área titulada da União = 100%. Sem população
no interior da UC.
f Visitação: aberto com autorização especial.

f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 35/2018 (criação).

5) Pontos de interesse para visitação

Afloramentos rochosos, ruínas e equipamentos da Construção da Estrada de


Ferro em Goiás.

187
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Parque Natural Municipal das Orquídeas José Pinheiro de


Souza (2002)
Municipal – Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos

1) Localização e área
f GO: Piracanjuba.

f Área: 3.399 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC abrange mata de galeria, cerradão, cerrado stricto
sensu, cerrado rupestre e mata decídua.
f Relevo e geomorfologia: o relevo da área possui duas subunidades com-
plementares, considerada como Planalto do Alto Tocantins-Paranaíba e
superfície de Goiânia.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Piracanjuba e sub-
-bacia do ribeirão Roda Guia, integrantes da bacia do rio Paranaíba.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: com zona de amortecimento definida no plano


de manejo. UC não possui corredor ecológico. Sem sobreposição com ou-
tras UCs.
f Infraestrutura implantada: não.

f Situação fundiária da UC: área municipal = 100%. Sem população no


interior da UC.
f Visitação: não.

f Projetos de educação ambiental: não.

188
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 143, de 16 de maio de 2002 (criação).

f Decreto nº 227, 10 de setembro de 2002 (altera o Decreto nº 143/2002).

f Lei nº 1.115, de 11 de dezembro de 2002.

f Lei nº 1.181, 13 de dezmebro de 2004.

Fontes de informação

1) Checklist preenchido e encaminhado por gestor da UC em 20 de junho de 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Parque Natural Municipal do Pequi (2012)


Municipal – Secretaria Municipal de Meio Ambiente

1) Localização e área
f GO: Mambaí.

f Área: 2.385 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Paranaíba, integrante
da bacia do rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a inclusão da UC no Mosaico Sertão Vereda


Peruaçu foi aprovada em julho de 2018 pelo Conselho Consultivo do
Mosaico (WWF, 2018). A unidade está em sobreposição com a Área de
Proteção Ambiental (APA) das Nascentes do Rio Vermelho.
f Infraestrutura implantada: veículo.

f Situação fundiária da UC: terras particulares = 100%. Sem ocupação


humana.

189
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 621/2012.

5) Pontos de interesse para visitação

Cachoeiras e cavidades naturais subterrâneas.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Natural_Municipal_
do_Pequi>.

WWF (World Wildlife Fund). Mosaico Sertão Veredas Peruaçu é ampliado e


passa a ser um dos maiores do Cerrado. 10 de julho de 2018. Disponível em:
<https://www.wwf.org.br/?66542/Mosaico-Serto-Veredas-Peruau--ampliado-
e-passa-a-ser-um-dos-maiores-do-Cerrado>. Acesso em: 23 jul. 2018.

Parque Natural Municipal Eli Bastos (2018)


Municipal – Prefeitura Municipal de Orizona

1) Localização e área
f GO: Orizona.

f Área: 16 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Relevo e geomorfologia: relevo plano a suave ondulado.

f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do Alto Paranaíba 3, inte-


grante da bacia do rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Infraestrutura implantada: a UC não possui infraestrutura.

190
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

f Situação fundiária da UC: área titulada do município = 100%. Não há


ocupação humana na UC.
f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 45/2018 (criação).

Fontes de informação

1) Checklist preenchido e encaminhado por gestor da UC em 18 de junho de 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Prefeitura Municipal de Orizona: <https://acessoainformacao.orizona.go.gov.


br/cidadao/legislacao/decreto/id=412>.

Parque Natural Municipal Ribeirão da Prata (2014)


Municipal – Secretaria de Meio Ambiente

1) Localização e área
f GO: Posse.

f Área: 3.168 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: cerrado típico, vereda e matas de galeria.

f Bacias hidrográficas: a UC abrange a nascente do rio Prata, integrante da


bacia do rio Paranã, afluente do Tocantins.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: UC não está sobreposição com outra UC,


nem possui zona de amortecimento.
f Infraestrutura implantada: energia, telefonia celular, guarita, mirante,
banheiros.

191
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Situação fundiária da UC: área particular = 100%. Na UC, há aproxima-


damente 30 pessoas residentes.
f Visitação: não.

f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 1.199, de 11 de novembro de 2014 (criação).

Fontes de informação

1) Checklist preenchido e encaminhado por gestor da UC em 18 de junho de 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Parque Natural Municipal do Setor Santa Cruz (1990)


Municipal – Secretaria de Meio Ambiente

1) Localização e área
f GO: Catalão.

f Área: 29,51 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e flora: a UC situa-se em área de ecótono Mata Atlântica/
Cerrado. O parque originou-se das áreas verdes dos loteamentos em volta
dele e constitui fragmento florestal com a presença de indivíduos arbóreos
de mata seca e alguns indivíduos arbóreos de Cerradão. Foram encontra-
das 97 espécies vegetais na área.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se na região dos planaltos e serras
Goiás-Minas, marcados por superfícies planas e vertentes, às vezes coli-
nosas e raramente escarpadas, com a presença de relevos residuais que se
individualizam no conjunto.
f Bacias hidrográficas: a UC está inserida na bacia do ribeirão Pirapitinga,
afluente do rio Paranaíba, localizado especificamente no trecho de maior

192
6.3. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Goiás

elevação desta bacia, onde se encontram as principais nascentes deste ri-


beirão e áreas importantes para a recarga do lençol freático local.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim (mas não está atuante).

f Plano de manejo: sim (praticamente concluído, mas ainda não aprovado


oficialmente pelo conselho).
f Integração e sobreposições: a UC possui zona de amortecimento defini-
da, a maior parte com 200 m, com ocupação urbana consolidada. É inter-
ligada a duas áreas verdes que são usadas por animais como área de passa-
gem. Houve tentativa de definir oficialmente o corredor, mas sem sucesso.
Há grande potencial para compor um corredor de biodiversidade, pois as
UCs do município são todas interligadas. A unidade não está em sobrepo-
sição com outras UCs ou com terras indígenas.
f Infraestrutura implantada: energia, telefonia celular, veículos e embarca-
ção, cerca, iluminação, pista de caminhada ao redor, sistema de drenagem
de processos erosivos.
f Situação fundiária da UC: totalmente regularizada. Terras tituladas do
município = 100%. Sem ocupação humana.
f Conflitos internos e com o entorno: a UC fica em área urbana. Parte dela
está limítrofe a dois loteamentos novos, com poucas residências. Pratica-
mente 100% da vegetação nativa foi queimada em 2014 e 2015. 10% da
área total está em recuperação.
f Visitação: fechado.

f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 845, de 5 de abril de 1990 (Lei Orgânica Municipal, criação).

f Lei nº 2.205, de 25 de junho de 2004 (alteração à Lei Orgânica, categori-


zação como parque natural municipal).
f Decreto nº 2.153/2015 (alteração de nome).

f Lei Complementar nº 3.439, de 8 de dezembro de 2016 (plano diretor


municipal; menciona a UC).

5) Pontos de interesse para visitação

Pista de caminhada e ciclovia.

193
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Fontes de informação

1) Checklist respondido por telefone, por técnica da Prefeitura Municipal em


junho de 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Prefeitura Municipal de Catalão: <http://www.catalao.go.gov.br/


portaldatransparencia/leis/>.

Mapbiomas: <https://mapbiomas.org/>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Natural_Municipal_
Santa_Cruz>.

6.4.  Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)


do Cerrado no estado do Maranhão
O Cerrado ocupa 65% da área do estado do Maranhão, o que corresponde a
21.426.742 ha. São 5 UCPIs com área total de 1.446.286 ha (Tabela 36), equi-
valentes a 6,7% da área de Cerrado do estado e a 0,7% da área total do bioma.
Parque é a única categoria presente no estado.

Tabela 36 – UCPIs do estado do Maranhão

UCPIs Data de criação Área (ha)


Parque Estadual do Mirador 1980 766.781
Parque Nacional dos
1981 156.608
Lençóis Maranhenses
Parque Nacional das Nascentes
2002 362.940
do Rio Parnaíba (48%)
Parque Nacional da Chapada das Mesas 2005 159.952
Parque Municipal Riacho Estrela 2018 5
Total - 1.446.286

Nota: Para ver a área total do Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba, vide Tabela 7.
Fonte: elaboração própria.

194
6.4. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Maranhão

Há unidades das três esferas de criação, aí incluído o Parque Nacional das


Nascentes do Rio Parnaíba, cujos limites estendem-se para outros estados.
Destaca-se o Parque Estadual do Mirador, que abrange 53% da área de UCPI
dessa unidade federada (Tabela 37). As UCPIs foram criadas desde o início da
década de 1980, mas com grandes intervalos sem novas unidades.

Tabela 37 – Distribuição das UCPIs do estado do Maranhão por esfera de


criação

Federal Estadual Municipal


Categoria Área Área Área
Nº % % Nº % % Nº % %
(ha) (ha) (ha)

Parque 3 60 679.500 47 1 20 766.781 53 1 20 5 0

Fonte: elaboração própria.

Parque Estadual de Mirador (1980)


Estadual – Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais
do Maranhão / Superintendência de Biodiversidade e Áreas Protegidas

1) Localização e área
f MA: Mirador.

f Área: em 1980, 700.000 ha (estimativa); em 2009, 766.781 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Bacias hidrográficas: a UC abrange as nascentes dos rios Alpercatas e
Itapecuru, na Região Centro-Meridional do Maranhão.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a unidade não está em sobreposição com ou-


tras UCs ou com terras indígenas.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 7.641/1980 (criação).

f Lei nº 8.958, de 8 de maio de 2009 (redefinição da poligonal).

195
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/4560>.

Sema-MA (Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Naturais do Estado do


Maranhão): <https://www.sema.ma.gov.br/unidades-de-conservacao/>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Nacional da Chapada das Mesas (2005)


Federal – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
(ICMBio)

1) Localização e área
f MA: Riachão, Estreito, Carolina.

f Área: 159.951,6200 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: cerrado stricto sensu, campo sujo, campo limpo, cerra-
dão e veredas.
f Relevo e geomorfologia: o relevo apresenta-se em mesetas, com presença
de serras e morros testemunhos.
f Bacias hidrográficas: os principais cursos d’água da UC são o rio Farinha,
na porção norte, e o rio Itapecuru, na porção sul. O parque possui mais
de 400 nascentes e os principais cursos d’água que abastecem a cidade de
Carolina nascem em seu interior.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: não está em sobreposição com outras UCs


nem com terras indígenas.

196
6.4. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Maranhão

f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, veículo com tração.

f Situação fundiária: não regularizada. Terra devoluta = 10%. Área titu-


lada pelo Município = 1%. Área particular = 59%. Titulação desconhe-
cida = 30%. Na UC, havia presença de comunidade não tradicional, com
600 pessoas em 2011 e 500 pessoas em 2013.
f Conflitos internos e com o entorno: caça e pesca, coleta de produtos ma-
deireiros e não madeireiros, derivação de água e despejo de efluentes,
tudo em pequena escala; presença de espécies invasoras, disposição ina-
dequada de resíduos, extração de madeira e, no entorno, expansão da fron-
teira de ocupação, desmatamento, pastagem, agricultura e silvicultura.
f Visitação: UC não está aberta à visitação, mas há entrada de turistas nas
cachoeiras São Romão e Prata.
f Projetos de educação ambiental: campanhas com moradores internos e
externos.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto sem nº de 12 de dezembro de 2005 (criação).

f Decreto sem nº de 31 de janeiro de 2006 (correção do art. 1º do decreto


anterior).

5) Pontos de interesse para visitação

Trilhas de diferente em extensões, mirantes, cachoeiras, cavernas e rios. O plano


de manejo propõe a estruturação de turismo de base comunitária no parque.

Fontes de informação

1) Documento:

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). Plano


de Manejo do Parque Nacional da Chapada das Mesas. Brasília. 2019.
Disponível em: <https://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/plano-de-
manejo/plano_de_manejo_parna_chapada_das_mesas.pdf>. Acesso em: 23
ago. 2020.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

197
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/1843>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pn_da_chapada_das_
mesas:inicio>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Nacional_da_
Chapada_das_Mesas>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses (1981)


Nacional – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio)

1) Localização e área
f MA: Primeira Cruz, Santo Amaro e Barreirinhas.

f Área: 156.608,16 ha.

2) Caracterização ecológica da Unidade de Conservação (UC)


f Fitofisionomias: a UC situa-se em área de influência Cerrado/Amazônia/
Caatinga. A vegetação é composta de restinga (quase 90% da UC), man-
guezal e comunidades aluviais. Foram registradas 133 espécies vegetais.
O fitoplâncton abrange 166 taxa. Para a fauna, forma registradas 112 es-
pécies de aves (incluídas aves migratórias) e 17 espécies de mamíferos
para a região da UC.
f Relevo e geomorfologia: a UC apresenta relevo suave a moderadamente
ondulado, representado pelo extenso campo de dunas livres e fixas, la-
goas, lagunas, praias. A origem das dunas está relacionada com a plata-
forma marinha adjacente – estreita e rasa. A plataforma é recoberta predo-
minantemente de areias e chega a formar ondas e dunas subaquáticas que
se deslocam para oeste, conforme a direção da deriva litorânea no local.
O abundante estoque de areia transborda sobre o litoral, formando, sob
ação dos ventos alísios, os extensos campos de dunas.
f Bacias hidrográficas: a hidrografia da UC é caracterizada pela presença de
rios, córregos, lagos, lagoas e lagunas. Os lagos Santo Amaro e Travosa
estão entre os maiores do Maranhão. Entre os rios, destacam-se o Grande
e o Negro.

198
6.4. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Maranhão

Imagem 50 – Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses (MA)

Autora: Dalva Fajardo.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a zona de amortecimento possui 4.232,31 km²,


definida no plano de manejo. A unidade não está em sobreposição com ou-
tras UCs ou terras indígenas.
f Infraestrutura implantada: administração, alojamento, guarita, postos de
fiscalização e de informação, veículos.
f Situação fundiária da UC: não regularizada. Embora as terras abrangidas
pela UC devessem pertencer à União, havia propriedades com registro
definitivo de posse, bem como 215 famílias residentes na UC (agricultores
de subsistência e pescadores artesanais).
f Conflitos internos e com o entorno: pesca artesanal, pesca industrial, corte
de mangue, extrativismo, caça, rali, especulação imobiliária, ocupação ir-
regular, criação de animais em seu interior.
f Visitação: sim.

f Projetos de educação ambiental: precários, quase inexistentes.

199
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

4) Histórico de documentos legais


f Decreto n º 86.060/1981 (criação).

A criação da UC foi baseada em uma proposta apresentada pelo projeto


RadamBrasil.

5) Pontos de interesse para visitação

Campo de dunas e lagoas interdunares que se formam no período chuvoso da


região; praias.

Fontes de informação

1) Documento:

Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais


Renováveis). Plano de Manejo do Parque Nacional dos Lençóis
Maranhenses. Brasília, s/data. Disponível em: <https://www.gov.br/icmbio/
pt-br/assuntos/biodiversidade/unidade-de-conservacao/unidades-de-biomas/
marinho/lista-de-ucs/parna-dos-lencois-maranhenses/parna-dos-lencois-
maranhenses>. Acesso em: 10 ago. 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ICMBio: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/biodiversidade/unidade-
de-conservacao/unidades-de-biomas/marinho/lista-de-ucs/parna-dos-lencois-
maranhenses/parna-dos-lencois-maranhenses>.

ICMBio: <https://www.icmbio.gov.br/parnalencoismaranhenses/guia-do-
visitante.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/590059>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Secretaria de Turismo do Estado do Maranhão: <http://www.turismo.ma.gov.


br/lencois-maranhenses/>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pn_dos_lencois_
maranhenses:inicio?s[]=len%C3%A7%C3%B3is&s[]=maranhenses>.

200
6.4. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Maranhão

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Nacional_dos_
Len%C3%A7%C3%B3is_Maranhenses>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Natural Municipal Riacho Estrela (2017)


Municipal – Prefeitura Municipal de Anupurus

1) Localização e área
f MA: Anupurus.

f Área: 5 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Relevo e geomorfologia: a UC apresenta relevo plano.

f Bacias hidrográficas: a hidrografia da UC situa-se na bacia do rio Munim,


integrante da bacia do rio Parnaíba.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Infraestrutura implantada: energia, telefonia celular, lanchonete, estacio-


namento.
f Situação fundiária da UC: área titulada do município = 100%. Sem
ocupação humana no interior da UC.
f Visitação: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 134/2017 (criação).

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

MAPBIOMAS: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

201
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

6.5.  Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)


do Cerrado no estado de Mato Grosso
O Cerrado ocupa 39% da área do estado de Mato Grosso, o que correspon-
de a 35.225.074 ha. São 27 UCPIs com área total de 736.545 ha (Tabela 38).
Mas há sobreposição de 1.880 ha, entre o Parque Estadual do Araguaia e o
Refúgio de Vida Silvestre Corixão da Mata Azul. Assim, a área real de UCPI em
Mato Grosso é de aproximadamente 734.665 ha, equivalentes a 2% da área de
Cerrado do estado e a 0,36% da área total do bioma. Houve criação de UCPIs
no estado desde o fim da década de 1970 até 2018.

Tabela 38 – UCPIs do estado de Mato Grosso

UCPIs Data de criação Área (ha)

Parque Estadual
1978 1.487
Águas Quentes

Estação Ecológica de Iquê 1981 222.555

Estação Ecológica
1982 27.160
Serra das Araras

Parque Nacional da
1989 32.770
Chapada dos Guimarães

Reserva Biológica Culuene 1989 3.900

Parque Estadual
1992 77.161
Mãe Bonifácia

Parque Estadual Serra Azul 1994 11.002

Estação Ecológica
1994 5.534
Rio Casca

Parque Municipal
1999 95
Córrego Lucas

Parque Municipal Jaciara 1999 64

Parque Estadual Gruta


2000 12.513
da Lagoa Azul

Parque Estadual
2000 63
Zé Bolo Flô

202
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

UCPIs Data de criação Área (ha)

Parque Estadual
2000 54
Massairo Okamura

Parque Municipal Araras 2000 5

Parque Estadual Araguaia 2001 223.170

Refúgio de Vida Silvestre


2001 60.000
Quelônios do Araguaia

Refúgio de Vida Silvestre


2001 40.000
Corixão da Mata Azul

Estação Ecológica
2002 11.328
Águas do Cuiabá

Parque Estadual Dom


2002 6.422
Osório Stoffel

Monumento Natural
2002 100
Confusão

Parque Municipal Celebra 2002 50

Parque Municipal
2002 6
Cabeceira do Coxipozinho

Parque Municipal Quineira 2002 5

Monumento Natural
2006 258
Morro de Santo Antônio

Parque Municipal Uirapuru 2008 783

Parque Municipal
2016 48
Flor do Ipê

Parque Municipal
2018 12
Claudino Frâncio

Total - 736.545

Fonte: elaboração própria.

Mato Grosso conta com UCPIs das três esferas da federação e de todas as ca-
tegorias (Tabela 39). As unidades estaduais são maioria no estado e abrangem

203
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

área 1,6 vez maior que aquela das UCPIs federais. A maior unidade é a Estação
Ecológica Federal de Iquê, que corresponde a 34% da área total de UCPI em
Mato Grosso. Entretanto, ela enfrenta problema de sobreposição quase total
com a Terra Indígena Enawenê-Nawê. Em relação às categorias, os parques
ocupam quase 50% da área conservada em UCPI no estado. Destacam-se,
ainda, dois refúgios de vida silvestre estaduais, com aproximadamente 14% da
área de UCPIs.

Tabela 39 – Distribuição das UCPIs do estado de Mato Grosso por categoria e


esfera de criação

Federal Estadual
Categoria
Nº % Área (ha) % Nº % Área (ha) %

Estação
2 50 249.715 94 2 50 16.862 6
ecológica
Reserva
0 0 0 0 1 100 3.900 100
biológica

Parque 1 6 32.770 9 8 44 331.872 90,7

Refúgio de
0 0 0 0 2 100 100.000 100
vida silvestre
Monumento
0 0 0 0 1 50 258 72
natural

Total 3 11 282.485 38,3 14 52 452.892 61,5

Municipal Total
Categoria
Nº % Área (ha) % Nº % Área (ha) %

Estação ecológica 0 0 0 0 4 15 266.577 36,2

Reserva biológica 0 0 0 0 1 4 3.900 0,5

Parque 9 50 1.068 0,3 18 67 365.710 49,65

Refúgio de
0 0 0 0 2 7 100.000 13,6
vida silvestre

204
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

Municipal Total
Categoria
Nº % Área (ha) % Nº % Área (ha) %

Monumento
1 50 100 28 2 7 358 0,05
natural

Total 10 37 1.168 0,2 27 100 736.545 100

Fonte: elaboração própria.

Estação Ecológica Águas do Cuiabá (2002)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente

1) Localização e área
f MT: Nobres, Rosário Oeste.

f Área: em 2002, 10.600 ha; em 2014, 11.328 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC situa-se em área de contato savana-formações pio-
neiras e savana.
f Bacias hidrográficas: a UC está localizada na bacia do rio Cuiabá, afluente
do rio Paraguai.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC está 100% sobreposta à Área de Proteção


Ambiental (APA) Cabeceiras do Rio Cuiabá.
f Conflitos internos e com o entorno: incêndios.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 4.444/2002 (criação).

f Decreto nº 2.595/2014 (recategorização e ampliação).

205
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=583&Itemid=470>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Estação Ecológica da Serra das Araras (1982)


Federal – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
(ICMBio)

1) Localização e área
f MT: Cáceres e Porto Estrela (desmembrada do Município de Barra do
Bugres em 1991. O decreto de criação da UC cita Barrado Bugres e
Cáceres).
f Área: 27.159,71 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC situa-se em área de transição Cerrado/
Floresta Amazônica/Pantanal. Abrange campo limpo, campo sujo, campo
rupestre, campo de murundus, cerrado rupestre, cerrado stricto sensu, cer-
radão, mata ciliar, mata de galeria, vereda, mata seca decídua e semidedí-
dua. Em relação à fauna, foram identificadas 47 espécies de peixes, 44 de
anfíbios, 84 de répteis, 432 de aves e 103 de mamíferos.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se em extenso corredor de serras pa-
ralelas, de aproximadamente 400 km de extensão e 40 km de largura.
f Bacias hidrográficas: a UC está localizada na bacia do Alto Paraguai.
A principal bacia hidrográfica presente na Estação Ecológica Serra das
Araras é a do rio Salobro, localizada na margem esquerda do rio Paraguai.
O Salobro nasce no interior da UC, e seus afluentes córregos Camarinha,

206
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

Miranda, Pedro, Ribeirão, Salobinha e Três Ribeirões têm nascentes no


interior da UC. A manutenção das nascentes do Paraguai tem grande im-
portância na regulação do regime hidrológico na região do Pantanal.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs. A zona


de amortecimento foi proposta do plano de manejo, com 168.779 ha, mas
ainda aguarda oficialização por instrumento jurídico específico, conforme
determinação da Portaria nº 87, de 26 de agosto de 2016. A UC integra a
Reserva da Biosfera do Pantanal.
f Infraestrutura implantada: energia, internet, sede, alojamento e bases de
apoio em mau estado de conservação, veículos.
f Situação fundiária da UC: totalmente regularizada. Terras tituladas à União =
100%. Sem ocupação humana.
f Conflitos internos e com o entorno: incêndios florestais, caça e pesca, pas-
toreio de gado na UC, mineração de calcário e brita no entorno, espécies
invasoras, estudos de potencial hidrelétrico do rio Jauquara, vetor de des-
matamento promovido pela construção da MT-343 e atropelamento de
fauna nessa rodovia.
f Visitação: fechado.

f Projetos de educação ambiental: sim, sensibilização para prevenção contra


o fogo e visitação de estudantes.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 87.222/1982.

O processo de criação da UC teve início no âmbito do Programa das Estações


Ecológicas da extinta Secretaria Especial do Meio Ambiente (Sema), na dé-
cada de 1970. Na época, houve indicação do Instituto Nacional de Colonização
e Reforma Agrária, da existência de vale com pouca influência humana na
região. A UC foi criada em 1982. Devido às pressões atuais no entorno da UC,
há estudos de ampliação de sua área iniciados em 2007.

207
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Fontes de informação

1) Documento:

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). Plano


de Manejo da Estação Ecológica Serra das Araras. Brasília: ICMBio, 2016.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ICMBio: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/biodiversidade/unidade-
de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-ucs/esec-da-serra-das-
araras/esec-da-serra-das-araras>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/6106>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Estação Ecológica de Iquê (1981)


Federal – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
(ICMBio)

1) Localização e área
f MT: Juína.

f Área: 222.554,64 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC situa-se em área de transição Cerrado/Floresta
Amazônica.
f Relevo e geomorfologia: relevo plano e suave ondulado.

f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do Amazonas, em divisor


de águas entre as bacias do rio Tapajós e do rio Madeira. A área abrange
inúmeros igarapés.

208
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC está 98% sobreposta à Terra Indígena


Enawenê-Nawê.
f Infraestrutura implantada: internet, sede, abrigo, alojamento, residência
de funcionários, banheiros, veículos.
f Situação fundiária: terras de titularidade da União = 100%. Área com
ocupação humana.
f Conflitos internos e com o entorno: atividades garimpeiras com uso de
mercúrio, desmatamento e poluição.
f Visitação: fechada.

f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 86.061/1981 (criação).

f Decreto sem nº de 2 de outubro de 1996 (homologação da demarcação


administrativa da Terra Indígena Enawenê-Nawê e revogação do inciso
III do art. 1º do Decreto nº 86.061/1981, extinguindo estação ecológica).

A Estação Ecológica de Iquê foi criada pelo inciso III do art. 1º do Decre-
to nº 86.061/1981. Posteriormente, esse dispositivo foi revogado pelo Decreto
de 2 de outubro de 1996, que criou a Terra Indígena Enawenê-Nawê. A UC
está quase totalmente inserida na terra indígena. A extinção da UC por decreto
afigura-se inconstitucional, tendo em vista que o inciso III do § 1º do art. 225 da
Constituição Federal exige que a supressão de espaço territorial especialmen-
te protegido ocorra somente por meio de lei. Entretanto, essa declaração de in-
constitucionalidade não foi efetuada pelo Supremo Tribunal Federal.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ICMBio: <http://www.icmbio.gov.br/portal/esec-de-ique?highlight=WyJpcXV
cdTAwZWEiXQ==>.

209
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/3041>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=154&Itemid=287>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Esta%C3%A7%C3%A3o_
Ecol%C3%B3gica_de_Iqu%C3%AA>.

Estação Ecológica do Rio Casca (1994)


Estadual – Secretaria Especial do Meio Ambiente (Sema-MT)

1) Localização e área
f MT: Campo Verde e Chapada dos Guimarães.

f Área: 5.534 ha (área 1 = 3.329 ha; área 2 = 205 ha).

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC abrange vegetação de savana e de contato savana-
-floresta estacional.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Paraguai.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC está em sobreposição parcial com a


Área de Proteção Ambiental (APA) Chapada dos Guimarães.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 6.437, de 27 de maio de 1994 (criação).

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/5331>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=583&Itemid=470>.

210
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

Monumento Natural Confusão (2002)


Municipal – Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente

1) Localização e área
f MT: Tesouro.

f Área: 100 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Tocantins.

3) Gestão da UC e entorno
f Integração e sobreposições: a UC está em sobreposição parcial com a
Área de Proteção Ambiental (APA) Chapada dos Guimarães.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 262, de 26 de agosto de 2002 (criação).

Fontes de informações

1) Página eletrônica:
f Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=156&Itemid=289>.

Monumento Natural Estadual Morro de Santo Antônio (2006)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente

1) Localização e área
f MT: Santo Antônio do Leverger e Cuiabá.

f Área: 258 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomia: a UC está em área de transição entre os biomas Cerrado
e Pantanal.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Cuiabá, afluente do
rio Paraguai.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

211
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a unidade não está em sobreposição com ou-


tras UCs ou com terras indígenas.
f Conflitos internos e com o entorno: incêndios e turismo sem controle.

4) Histórico de documentos legais


f Lei Complementar nº 8.504, de 9 de junho de 2006 (criação).

5) Pontos de interesse para visitação

Morro de Santo Antônio; vista da Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá.

Fontes de informação

1) Documento:

MIRANDA, Vinicius de Castro; SANTOS, Vanderley Severino dos.


Geotecnologias na análise das trilhas do Monumento Natural Morro de
Santo Antonio (Morrinho) em Santo Antonio do Leverger-MT. In: Simpósio
de Geotecnologias no Pantanal, 7., 2018, Jardim, MS. Anais [...]. Jardim:
Embrapa Informática Agropecuária/Inpe, 2018, p. 870-876.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/4727>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=155&Itemid=288>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:mona_morro_de_santo_
antonio:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

212
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

Parque Estadual da Serra Azul (1994)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente

1) Localização e área
f MT: Barra do Garças e Araguaiana.

f Área: 11.002 ha.

2) Caracterização ecológica e patrimônio arqueológico da UC


f Fitofisionomias e flora: a UC abrange mata de galeria, vereda, mata seca
semidecídua (mata de encosta), cerrado típico, cerrado ralo, cerrado ru-
pestre, campo sujo e campo limpo. Foram identificadas 347 espécies ve-
getais. Quanto à fauna, foram registradas 45 espécies de peixes, 3 de
répteis, 82 de aves e 35 de mamíferos.
f Relevo e geomorfologia: a UC faz parte do Planalto dos Guimarães,
limitando-se ao norte com a Depressão do Paranatinga, a leste com a
Depressão do Araguaia e a nordeste com o Planalto dos Parecis.
f Bacias hidrográficas: a UC está localizada na bacia do rio Araguaia e
abrange vários córregos: Avoadeira, Peixinho, Lontra, Barreirinho, Onça,
Areia, Barreiro, Aldeia, Fogaça, Ouro Fino, Pitomba, Fundo, Buritirana
e Água Quente. A Serra Azul é cabeceira dos vários cursos d’água que
ocorrem dentro da UC. O Avoadeira e alguns outros córregos desembocam
diretamente no Araguaia.
f Sitíos arqueológicos e paleontológicos: há um sítio arqueológico conhe-
cido, com inscrições rupestres.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim. O plano de manejo do parque é, na verdade, um


diagnóstico da área. Não apresenta proposta de zoneamento e programas
de ações.
f Integração e sobreposições: a UC está envolta pela Área de Proteção
Ambiental (APA) Pé da Serra Azul, mas não se sobrepõe a ela. A APA faz
um envoltório em torno do parque, como uma zona de amortecimento.
A área da APA é de 7.980 ha, menor, portanto, que a do parque. A APA
ainda não conta com plano de manejo.

213
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Situação fundiária da UC: não regularizada. Há população residente no


interior da UC.
f Conflitos internos e com o entorno: ocupação humana, incêndios, pas-
tagem, desmatamento, turismo não orientado em áreas frágeis, retirada
ilegal de madeira, especulação imobiliária, invasão e retirada de areia.
f Visitação: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 6.439, de 6 de maio de 1994.

f Decreto nº 7.598/2006 (declaração de utilidade pública).

Em 1954, o município de Barra do Garças criou, por meio de lei, a Reserva


Florestal da Serra da Barra do Garças, para proteger o Avoadeira, um dos prin-
cipais córregos da área e que, naquela época, era a fonte de abastecimento de
água para a população local. Em 1975, outra lei municipal determinou novos
limites para a reserva. Em maio de 1984, nova lei municipal criou a Reserva
Ecológica Turística do Município de Barra do Garças, abrangendo o platô da
serra, bem como sua área de formação, e proibiu qualquer tipo de loteamento e
outras formas de devastação na área. Duas leis municipais, de agosto de 1984
e 1988, proibiram loteamento, desmatamento, despejo de esgotos e outras for-
mas de degradação da área. Em 1994, a Lei Estadual nº 6.439 criou o parque e
um conselho administrativo para implantá-lo.

5) Pontos de interesse para visitação

Cachoeiras, cavidades naturais subterrâneas, sítios paleológicos e arqueológicos.

Fontes de informação

1) Documento:

Sema-MT (Secretaria Estadual de Meio Ambiente) / (FEMA) FUNDAÇÃO


ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. Diagnóstico Ambiental do Parque
Estadual da Serra Azul. Cuiabá: 2003.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

214
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=583&Itemid=470>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pe_serra_azul:inicio>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_da_Serra_
Azul>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual de Águas Quentes (1978)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente

1) Localização e área
f MT: Santo Antônio do Leverger.

f Área: 1.487 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e fauna: a UC abrange floresta estacional semidecidual,
cerrado stricto sensu e banhados. Foram registradas 195 espécies de aves,
21 de mamíferos, 11 de anfíbios anuros, 7 de répteis e 32 de peixes.
f Relevo e geomorfologia: a UC abrange a planície de inundação do rio
Cuiabá-Mirim e elevações com desnível de 400 m, formando um imenso
anfiteatro.
f Bacias hidrográficas: a UC engloba nascentes do rio Cuiabá-Mirim, inte-
grante da bacia do rio Cuiabá, afluente do rio Paraguai.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração: a zona de amortecimento está distribuída em faixa de 2,5 km


em direção ao norte e de 5 km nas porções oeste, sul e sudeste.
f Infraestrutura implantada: está ligada ao Hotel Mato Grosso Águas
Quentes, que tem capacidade para hospedar 299 hóspedes em 74 uni-
dades habitacionais.

215
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Situação fundiária da UC: as terras da UC estão matriculadas em nome


da Secretaria de Estado do Turismo. Há famílias de posseiros residentes
na UC.
f Conflitos internos e com o entorno: caça, fogo, desmatamento dentro e
fora da UC, lançamento de efluente da limpeza das piscinas do hotel no
córrego sem tratamento prévio, extração de madeira e de outros produtos
florestais, espécies invasoras.
f Visitação: ocorre somente pelo Hotel Mato Grosso Águas Quentes, por
hospedagem ou day-use.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 1.240/1978.

Essa é a primeira UC estadual de Mato Grosso. Em 1905, o Marechal Cândido


Rondon conheceu as fontes termais e as belezas naturais de Águas Quentes
e vislumbrou a possibilidade da construção de um hotel balneário no local,
a exemplo do já existente em Poços de Caldas, em Minas Gerais. Em 1919
foram realizados estudos sobre a qualidade terapêutica das águas e, em 1937,
a área foi desapropriada como de interesse público. Foram construídos um
hotel de pequeno porte na área e a estrada de acesso às fontes. O parque foi
criado em 1978 e ficou sob a tutela da Empresa Matogrossense de Turismo
S/A. A infraestrutura turística foi ampliada, mas posteriormente abandonada
e depredada. Em 1989, foi firmado contrato de arrendamento do complexo
turístico de Águas Quentes, entre as empresas Balneário Águas Quentes S/A
e Consórcio Treze & Homat.

5) Pontos de interesse para visitação

Cachoeiras e poços de água termal.

Fontes de informação

1) Documento:

Sema-MT (Secretário de Estado do Meio Ambiente) / ECOSSISTEMA


CONSULTORIA AMBIENTAL. Plano de Manejo do Parque
Estadual Águas Quentes. Cuiabá: Sem data de publicação.
Disponível em: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=155&Itemid=288>. Acesso em: 27 jul. 2018.

216
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/55>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=583&Itemid=470>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pe_de_aguas_quentes:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_
de_%C3%81guas_Quentes>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual do Araguaia (2001)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente

1) Localização e área
f MT: Novo Santo Antônio.

f Área: em 2001, 230.000 ha; em 2006, 223.170 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e flora: a UC abrange mata de galeria, florestal estacional
decidual, formações aluvionares pioneiras, cerradão, cerrado stricto sensu,
campo de murunduns, capões não inundáveis, campo limpo e veredas. Em
relação à fauna, foram registradas 146 espécies de peixes, 32 de répteis,
236 de aves e 49 de mamíferos.
f Relevo e geomorfologia: a UC está inserida na Planície do Bananal e
Depressão do Araguaia e abrange relevo plano, representado pela extensa
planície de inundação, lagos, lagoas e exuberantes praias. As caracterís-
ticas topográficas possibilitam a formação de uma extensa rede de drena-
gem, com deposição fluvial lenta e contínua, formando planícies fluviais

217
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

e as acumulações periodicamente inundáveis. Trata-se do Pantanal do Rio


das Mortes, ou “o outro pantanal” do estado de Mato Grosso.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se entre o rio das Mortes e a margem
esquerda do rio Araguaia. Apresenta hidrografia abundante com presença
de rios, córregos, lagos, lagoas e lagunas.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a UC está parcialmente sobreposta ao Refúgio


de Vida Silvestre Corixão da Mata Azul (estadual) e à Área de Proteção
Ambiental (APA) Meandros do Rio Araguaia (federal). A zona de amor-
tecimento possui 110.000  ha, definida no plano de manejo. A UC está
inserida em área contínua protegida por unidades de conservação e terras
indígenas, que se estende por toda a margem direita do Araguaia mato-
-grossense.
f Situação fundiária da UC: não regularizada. Há população quilombola
residente no interior da UC. Foi firmado o Termo de Ajustamento de
Conduta nº 03/2016, entre o Ministério Público Federal, a Secretaria
de Estado de Meio Ambiente e a Associação Quilombola Família Vieira
Amorim (AQFAVA).
f Conflitos internos e com o entorno: estrada rural de acesso ao estado de
Goiás, que secciona a UC em praticamente toda sua extensão norte-sul,
fogo, pastagens, pesca e presença de espécies invasoras.
f Visitação: há visitação desorganizada nas praias na estação seca (junho e
julho).

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 7.515, de 28 de setembro de 2001 (criação).

f Lei nº 8.458, de 17 de janeiro de 2006 (redução de área).

A criação da UC originou-se de estudos de zoneamento e análise de áreas para


conservação do estado do Mato Grosso, os quais indicavam a proteção do
Pantanal do Rio das Mortes por meio de criação de uma UC. O parque foi cria-
do em 2001 e teve seus limites reduzidos em 2006.

218
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

Fontes de informação

1) Documento:

Sema-MT (Secretaria Estadual de Meio Ambiente). Plano de Manejo do Parque


Estadual do Araguaia. Cuiabá: CUC/SEMA, 2007

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=583&Itemid=470>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pe_do_araguaia-mt:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_do_
Araguaia>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual Dom Osório Stoffel (2002)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente

1) Localização e área
f MT: Rondonópolis.

f Área: 6.422 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC abrange floresta estacional semidecidual submon-
tana, floresta estacional semidecidual aluvial, cerrado stricto sensu, cerra-
dão, mata galeria, campo úmido e veredas.
f Relevo e geomorfologia: o relevo abrange topos aplainados, rampas, es-
carpas e cuestas.

219
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Bacias hidrográficas: a UC integra a bacia do Alto Paraguai e abrange


a nascente e a calha do rio Ponte de Pedra até seu encontro com o rio
Vermelho, afluente do rio São Lourenço, que deságua no rio Paraguai.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a unidade não está em sobreposição a outras


UCs ou a terras indígenas.
f Situação fundiária da UC: não regularizada. Área particular = 100%.

f Conflitos internos e com o entorno: incêndios, desmatamento e caça e


pesca.
f Visitação: fechado.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 5.437/2002.

Fontes de informação

Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/2559>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=583&Itemid=470>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_Dom_
Os%C3%B3rio_Stoffel>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

220
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

Parque Estadual Gruta da Lagoa Azul (2000)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente

1) Localização e área
f MT: Nobres.

f Área: 12.512,54 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: mata decídua.

f Relevo e geomorfologia: o relevo é calcário e inclui diversas grutas. Na


Gruta da Lagoa Azul, ocorre a ressurgência do rio Saloba, formando-se a
lagoa com tonalidade azul.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Cuiabá, afluente do
rio Paraguai.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração: a zona de amortecimento possui 54.980,89 ha, definida no pla-


no de manejo. A UC abrange a reserva legal do Assentamento Coqueiral/
Quebo, no município de Nobres, e é constituída por quatro áreas imersas
em uma matriz antropizada.
f Conflitos internos e com o entorno: espécies exóticas, turismo desorde-
nado e incêndios.
f Visitação: fechado.

f Projetos de educação ambiental: ações isoladas e insatisfatórias.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 1.472/2000 (criação).

f Lei nº 7.369, de 20 de dezembro de 2000 (criação).

5) Pontos de interesse para visitação

Gruta da Lagoa Azul, com ressurgência do rio Saloba em seu interior, de modo
a formar uma lagoa que assume a tonalidade azul.

221
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Fontes de informação

1) Documento:

Sema-MT (Secretaria Estadual de Meio Ambiente) / IGPLAN Inteligência


Geográfica. Plano de Manejo do Parque Estadual Gruta da Lagoa Azul.
Curitiba, 2006.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=583&Itemid=470>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pe_gruta_da_lagoa_
azul:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_Gruta_da_
Lagoa_Azul>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual Mãe Bonifácia (1992)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente

1) Localização e área
f MT: Cuiabá.

f Área: 77.161 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: mata de galeria, cerradão e cerrado stricto sensu. Quanto
à fauna, foram registradas 107 espécies da fauna, 7 de mamíferos, 3 de
répteis e 1 de anfíbio.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se no domínio da Depressão Cuiabana
e possui relevo plano a levemente ondulado.

222
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

f Bacias hidrográficas: a UC é banhada pelo córrego Mãe Bonifácia, forma-


dor do ribeirão da Ponte, integrante do rio Cuiabá, afluente do rio Paraguai.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a zona de amortecimento abrange faixa de


100 m em torno da UC, com área de 43,3 ha, definida no plano de manejo.
A UC situa-se em meio à malha urbana, o que ocasiona o seu isolamento
em relação a outras áreas naturais. Não está em sobreposição com outras
UCs ou com terras indígenas.
f Infraestrutura implantada: mirante, estacionamentos, casas de apoio para
educação ambiental e funcionários, parque infantil, estruturas para alon-
gamentos, bebedouros e ruas asfaltadas.
f Situação fundiária da UC: a área pertence à União. Em 1999, foi firmado
contrato de cessão de uso com o estado de Mato Grosso.
f Conflitos internos e com o entorno: especulação imobiliária, presença
de lixo, escoamento de esgoto não tratado, descaracterização da área por
conta da grande circulação de pessoas, desmatamento da mata ciliar, pre-
sença de espécies exóticas, usos inadequados.
f Visitação: aberto das 6h às 18h, entrada gratuita. A UC recebe em torno
de 600 visitantes por dia em meio de semana e 3.000 visitantes por dia em
fim de semana.
f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Lei Complementar Municipal nº 4, de 24 de dezembro de 1992 (define a
mata da Mãe Bonifácia como unidade de conservação municipal).
f Decreto Estadual nº 1.470/2000 (criação como Parque da Cidade).

f Decreto Estadual nº 722/2011 (recategorização como Parque Estadual).

5) Pontos de interesse para visitação

Cinco trilhas e equipamentos de ginástica, mirante, centro de educação ambien-


tal e praça cívica.

223
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Fontes de informação

1) Documento:

Sema-MT (Secretaria Estadual de Meio Ambiente). Plano de Manejo do


Parque Estadual Mãe Bonifácia. Cuiabá, 2013.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/pt-br/arp/3456>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=583&Itemid=470>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pe_mae_bonifacia:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_
Estadual_M%C3%A3e_Bonif%C3%A1cia>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual Massairo Okamura (2000)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente

1) Localização e área
f MT: Cuiabá.

f Área: 53,75 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC situa-se em área de tensão ecológica
entre o Cerrado e o Pantanal. Abrange floresta de galeria, cerradão e o cer-
rado stricto sensu. Foram registradas na UC 125 espécies vegetais nativas
e 13 exóticas. Em relação à fauna, estimou-se a ocorrência de 19 espécies
de peixes, com base em entrevistas e análise da literatura no âmbito da

224
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

elaboração do plano de manejo. Além disso, foram registradas 8 espécies


de anfíbios, 15 de répteis, 52 de aves e 13 de mamíferos.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se na Depressão Cuiabana, que se
eleva gradualmente dos 150 m no contato com o Pantanal aos 400 m, na
extremidade norte.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na nascente do córrego Barbado,
afluente direto do rio Cuiabá, integrante da bacia do rio Paraguai.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração: a zona de amortecimento possui 171,68 ha, definida no plano


de manejo. A UC situa-se na malha urbana de Cuiabá.
f Infraestrutura implantada: a UC abriga a casa sede do Conselho Estadual
de Meio Ambiente, o auditório do Centro Educacional e de Educação
Ambiental, área administrativa da UC, banheiros e chuveiros e estrutura
para atividades de lazer.
f Situação fundiária da UC: situa-se em terras pertencentes ao estado e a
empresas públicas estaduais.
f Conflitos internos e com o entorno: degradação das florestas de galeria,
espécies invasoras, fogo, avanço de ocupações irregulares, pressão imobi-
liária no entorno, retirada de solo com exposição de rocha, descarga de en-
tulho e móveis, emissão de efluentes, deposição indevida de lixo, presença
de animais domésticos, atropelamento de animais nas vias adjacentes e
vulnerabilidade à violência urbana.
f Visitação: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 7.313, de 1º de setembro de 2000 (criação).

f Lei nº 7.606, de 21 de novembro de 2001 (recategorização).

f Decreto nº 3.345/2001 (nominação, definição de poligonal).

f Portaria FEMA nº 19, de 2005 (regulamentação de uso da UC).

f Decreto nº 2.596/2014 (mudança na poligonal e redução de área).

f Decreto nº 2.637/2014 (revogação do Decreto nº 2.596/2014) .

225
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

A UC foi criada em 2000, como uma “reserva ecológica” na malha urbana de


Cuiabá, em terras pertencentes ao estado, com descrição de limites, mas sem
poligonal, nome ou indicação de área. Em 2001, a área foi recategorizada como
parque estadual. No mesmo ano, recebeu o nome de Parque Estadual Massairo
Okamura e teve sua poligonal definida, com área de 53,75  ha. Em 2014, o
Decreto nº 2.596 redefiniu a poligonal do Setor Sul e reduziu a área da UC para
50,7838 ha, mas essa norma foi revogada no mesmo ano.

5) Pontos de interesse para visitação

Trilha (2 km), mirante, espelho d’água, Praça Boé Bororo, Praça Nações Indígenas
e palco para atividades comunitárias.

Fontes de informações

1) Documento:

Sema-MT (Secretaria Estadual de Meio Ambiente). Plano de Manejo do


Parque Estadual Massairo Okamura Cuiabá: 2012.

2) Páginas eletrônicas:

Câmara Municipal de Cuiabá: <http://www.camaracba.mt.gov.br/index.


php?pag=tur_item&id=27>.

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/4436>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=583&Itemid=470>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

226
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

Parque Estadual Zé Bolo Flô (2000)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente

1) Localização e área
f MT: Cuiabá.

f Área: 63,5 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC abrange floresta de galeria, várzeas
ou mata de brejos, áreas em recuperação com vegetação no estágio inicial
herbáceo-arbustivo e cerradão. Foram identificadas 133 espécies vegetais.
Em relação à fauna, foram registradas 7 espécies de anfíbios, 15 de rép-
teis, 82 de aves e 11 espécies de mamíferos.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se na Depressão Cuiabana. O relevo
é formado por morros e morrotes e possui baixas cotas altimétricas.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Coxipó, afluente di-
reto do rio Cuiabá, integrante da bacia do rio Paraguai. Há poucos cur-
sos d’água na UC, mas sua situação topográfica propicia o surgimento de
diversas áreas alagadas ou úmidas, formadas pela proximidade do nível
freático com a superfície.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a zona de amortecimento possui 332,07 ha,


definida no plano de manejo. A unidade não está em sobreposição com
outras UCs ou com terras indígenas.
f Infraestrutura implantada: trilhas e equipamentos de lazer, área adminis-
trativa, guaritas, Centro de Atendimento Psicossocial e outras estruturas
vinculadas à saúde pública.
f Situação fundiária da UC: formada por terras cedidas pela Secretaria
Estadual de Saúde à Secretaria Estadual de Meio Ambiente. O Termo de
Cessão de Uso tem vigência de dez anos. O plano de manejo não apre-
senta a data em que o termo foi firmado.
f Conflitos internos e com o entorno: presença de animais domésticos.

227
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 1.693/2000 (criação).

f Decreto n° 1.845/2000 (redução, revogação do Decreto nº 1.693/2000).

f Decreto nº 4.138/2002 (alteração do nome).

f Decreto nº 724/2011 (recategorização).

A UC foi criada como Parque da Saúde, com 66,4 ha, pelo Decreto nº 1.693/2000.
No mesmo ano, o Decreto nº 1.845 revogou o primeiro e reduziu a área para
63,5 ha. Em 2002, a área passou a ser denominada Parque José Inácio da Silva,
popularmente conhecido como Zé Bolo Flô, pelo Decreto nº 4.138. Finalmente,
em 2011, foi recategorizada como parque estadual pelo Decreto nº 724.

5) Pontos de interesse para visitação

Trilhas para caminhada e ciclovia, praça cívica e espaços de lazer.

Fontes de informação

1) Documento:

Sema-MT (Secretaria de Meio Ambiente do Estado de Mato Grosso). Plano


de Manejo do Parque Estadual Zé Bolo Flô. Cuiabá: 2012.9

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=583&Itemid=470>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Parque_
Estadual_Z%C3%A9_Bolo_Fl%C3%B4>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

9 O Plano de Manejo do Parque Estadual Zé Bolo Flô apresenta muitos trechos copiados do Plano
de Manejo do Parque Estadual Massairo Okamura. Dados foram extraídos para esta ficha apenas
quando claramente vinculados ao Parque Estadual Zé Bolo Flô.

228
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

Parque Municipal da Cabeceira do Coxipozinho (2002)


Municipal – Prefeitura Municipal

1) Localização e área
f MT: Chapada dos Guimarães.

f Área: 6,2 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Bacias hidrográficas: abrange a cabeceira do rio Coxipó, principal curso
d’água do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, integrante da ba-
cia do rio Paraguai.

3) Gestão da UC e entorno
f Integração e sobreposições: a UC situa-se em área do Horto Florestal da
Chapada dos Guimarães.
f Conflitos internos e com o entorno: crescimento urbano.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 1.071, de 16 de dezembro de 2002 (criação).

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=156&Itemid=289>.

Parque Municipal das Araras (2000)


Municipal – Prefeitura Municipal

1) Localização e área
f MT: Pedra Preta.

f Área: 5,26 ha.

229
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

2) Caracterização ecológica da UC
f Bacias hidrográficas: a UC está na bacia do rio São Lourença, que desá-
gua no rio Cuiabá, afluente do rio Paraguai.

3) Histórico de documentos legais


f Lei nº 192, de 27 de junho de 2000 (criação).

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=156&Itemid=289>.

Parque Municipal de Jaciara (1999)


Municipal – Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente

1) Localização e área
f MT: Jaciara.

f Área: 64,33 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Bacias hidrográficas: a UC fica na bacia do rio São Lourenço, afluente do
rio Cuiabá, por sua vez afluente do rio Paraguai.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: UC sem zona de amortecimento. A unidade


não está em sobreposição com outras UCs ou com terras indígenas.
f Situação fundiária da UC: o terreno é do município, conforme Decreto
nº 2.033/1999.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 2.033, de 19 de outubro de 1999.

230
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

O Parque Municipal de Jaciara foi criado em 1999, pelo Decreto nº 2.033, nos
termos da Lei nº 4.771/1965 (Código Florestal). Sua área foi desmembrada do
antigo Parque Municipal Bosque Augusto Ruschi.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=156&Itemid=289>.

Parque Municipal do Córrego Lucas (1999)


Municipal – Diretoria de Desenvolvimento Sustentável

1) Localização e área
f MT: Lucas do Rio Verde.

f Área: 95,30 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC situa-se em área de transição entre o Cerrado e
a Floresta Amazônica.
f Bacias hidrográficas.

3) Histórico de documentos legais


f Lei nº 694, de 10 de novembro de 1999 (autorização para que o Poder
Executivo crie a UC).
f Lei Complementar nº 57/2007 (destinação da área para parque municipal).

A criação do parque, nos termos da Lei nº 4.771/1965 (Código Florestal), foi


autorizada pela Lei nº 694/1999. Posteriormente, sua destinação como Parque
Municipal foi confirmada na Lei Complementar nº 57/2007, que dispõe sobre o
zoneamento e uso do solo urbano no município.

Fontes de informação

Páginas eletrônicas:

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

231
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=156&Itemid=289>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pnm_do_corrego_do_
lucas:inicio?s[]=c%C3%B3rrego&s[]=lucas>.

Parque Nacional da Chapada dos Guimarães (1989)


Federal – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
(ICMBio)

1) Localização e área
f MT: Chapada dos Guimarães, Cuiabá.

f Área: 32.769,55 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e flora: inclui mata de galeria, vereda, mata semidecídua,
cerradão, cerrado stricto sensu, cerrado rupestre, campo sujo e campo
limpo. Foram listadas 659 espécies vegetais na UC. Em relação à fauna,
foram registradas na UC 49 espécies de abelhas, das quais 24 são novas
para a ciência; 44 espécies de peixes e 242 de aves. Na UC e no entorno,
foram registradas 76 espécies de mamíferos.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se no Planalto dos Guimarães e
Depressão do Rio Paraguai. O Planalto dos Guimarães abrange extensa
área aplainada, contornada por bordas em escarpas, com altitudes de 300 m
a 600 m, e área com acentuado rebaixamento erosivo, com altitudes entre
450 m e 600 m. A área da UC situada na Depressão do Rio Paraguai abran-
ge área baixa, de topografia rampeada, com inclinação norte-sul, com alti-
tudes que variam de 200 m a 450 m.
f Bacias hidrográficas: Os rios que cortam a UC integram a bacia do Alto
Paraguai e são tributários do rio Cuiabá, um dos principais formadores da
Planície Pantaneira.

232
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

Imagem 51 – Parque Nacional da Chapada dos Guimarães (MT)

Autora: Dalva Fajardo.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a UC está 100% sobreposta a Área de Proteção


Ambiental (APA) estadual da Chapada dos Guimarães. A zona de amorte-
cimento possui 119.554,496 ha, definida no plano de manejo. A UC integra
a Reserva da Biosfera do Pantanal.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, telefonia celular, por-
taria, sede, base avançada, mirante, banheiros, veículos.
f Situação fundiária da UC: terras tituladas da União = 33%; terras particula-
res = 67%. Há presença humana na UC, especialmente em chácaras de re-
creio com população flutuante.
f Conflitos internos e com o entorno: pressão no entorno do crescimento
urbano de Chapada dos Guimarães, disposição inadequada de lixo, agro-
tóxicos, turismo predatório, desmatamento e fragmentação de hábitats,
atropelamento de fauna, caça, fogo, gado, ocupação humana (especial-
mente chácaras de recreio, com degradação de Àreas de Preservação

233
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Permanente), corte de madeira e extração de outros produtos florestais,


espécies invasoras, turismo desordenado, pichação.
f Visitação: aberto todos os dias, das 8h30 às 12h. Há cobrança de ingresso.

f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 97.656/1989.

A área da UC foi declarada de utilidade pública no início do século XX, vi-


sando controlar a devastação da vegetação das cabeceiras dos rios Coxipó-
-Açu, Manso e Cuiabá, com consequente comprometimento da navegação.
Na década de 1970, foi recomendada a criação de uma reserva biológica pelo
pesquisador Keith Brown, que destacou a Chapada dos Guimarães como o
local de maior riqueza de invertebrados da região neotropical e classificou
como de “importância científica inestimável” a região do Coxipó. Em 1976, o
Conselho Nacional de Turismo declarou um polígono irregular de 30.000 ha
como zona prioritária de interesse turístico (Resolução CNTur nº 819/1976)
e, no ano seguinte, a área foi declarada como de utilidade pública para fins de
desapropriação pelo governador do estado. Em 1978, Lúcio Costa apresentou
plano de interesse turístico de área na bacia do Coxipó, da nascente ao rio dos
Peixes. Em 1979, o plano diretor de Chapada dos Guimarães (Lei Municipal
nº 340/1979) propunha a criação de um parque nacional na área, para proteger
permanentemente os recursos naturais. Na década de 1980, foram desapro-
priadas diversas áreas já utilizadas como ponto turístico. Nesta década, houve
mobilização política para criação do parque nacional e diversas organizações
da sociedade civil reivindicaram a conservação da área. A campanha por elas
empreendida obteve êxito em 12 de abril de 1989, com a criação do Parque
Nacional da Chapada dos Guimarães.

5) Pontos de interesse para visitação

Mirante do Véu de Noiva (trilha de 550 m); Cachoeira dos Namorados e


Cachoeirinha (trilha de 1,3 km); Circuito das Cachoeiras (6 cachoeiras, trilha de
6 km de ida e volta); Casa de Pedra (gruta com inscrições rupestres); Cidade
de Pedra (formações rochosas, vista do vale do rio Claro, trilha de 500 m);
Morro de São Jerônimo (800 m, caminhada longa com certo grau de dificul-
dade); vale do rio Claro (estrada de 6 km a ser percorrida a pé, de bicicleta
ou com veículo traçado, visualização 360° dos paredões areníticos, morraria e

234
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

veredas e banhos no Poço da Anta e Poço Verde); Travessia do Parque (23 km,


incluindo vários pontos de visitação, percorridos em dois dias, com pernoite no
abrigo “Casa do Morro”).

Fontes de informação

1) Documento:

ICMBIO (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). Plano


de Manejo do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães. Brasília:
ICMBio, 2009.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

ICMBio: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/biodiversidade/unidade-
de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-ucs/parna-da-chapada-
dos-guimaraes/parna-da-chapada-dos-guimaraes>.

ICMBio: <https://www.icmbio.gov.br/parnaguimaraes/guia-do-visitante.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/1890>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Nacional_da_
Chapada_dos_Guimar%C3%A3es>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Natural Municipal Celebra (2002)


Municipal – Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente

1) Localização e área
f MT: Tesouro.

f Área: 50 ha.

235
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

2) Caracterização ecológica da UC
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Araguaia.

3) Gestão da UC e entorno
f Integração e sobreposições: a UC não está em sobreposição com outras
UCs ou com terras indígenas.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 259, de 26 de novembro de 2002.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=156&Itemid=289>.

Parque Natural Municipal Claudino Frâncio (2018)


Municipal – Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente de Sorriso

1) Localização e área
f MT: Sorriso.

f Área: 12 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e flora: cerradão. A UC situa-se próximo aos limites do
Cerrado com o bioma Amazônia.
f Relevo e geomorfologia: a maior parte da UC possui relevo plano. Pre-
sença de morrotes.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Lira, afluente do rio
Teles Pires, pertencente à bacia do rio Tapajós.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a unidade situa-se na malha urbana de Sorriso


e não está em sobreposição com outras UCs ou com terras indígenas.

236
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

f Infraestrutura implantada: energia, telefonia celular, portaria, guarita,


banheiros.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 123/2018 (criação).

f Decreto nº 92/2019 (define zona de amortecimento).

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <http://www.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-nacional-
de-ucs/consulta-gerar-relatorio-de-uc>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Prefeitura Municipal de Sorriso: <https://site.sorriso.mt.gov.br/


transparencia/f/350/legislacao>.

Parque Natural Municipal da Quineira (2002)


Municipal – Secretaria Municipal de Turismo, Cultura e Meio Ambiente

1) Localização e área
f MT: Chapada dos Guimarães.

f Área: 4,63 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia hidrográfica do rio Cuiabá,
afluente do rio Paraguai.

3) Gestão da UC e entorno
f Conflitos internos e com o entorno: a UC situa-se na área urbana de
Chapada dos Guimarães.

4) Histórico de documentos legais


f Lei Municipal nº 1.070, de 16 de dezembro de 2002 (criação).

f Lei Estadual nº 8.615, de 26 de dezembro de 2006 (“estadualização”).

f Lei Municipal nº 1.756, de 21 de fevereiro de 2018 (categorização como


parque natural municipal).

237
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Criado em 2002, pela Lei Municipal nº 1.070, com indicação de áreas incluídas.
Em 2006, a Lei nº 8.615 autorizou a “estadualização” do Parque. Na página
eletrônica da Sema (MT) consta, ainda, como UC municipal.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/12186>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=156&Itemid=289>.

Parque Natural Municipal Flor do Ipê (2016)


Municipal – Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural
Sustentável

1) Localização e área
f MT: Várzea Grande.

f Área: 47,63 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Cuiabá, afluente do
rio Paraguai.

3) Gestão da UC e entorno
f Situação fundiária da UC: a área pertence ao município, conforme Lei
nº 4.147/2016.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 4.147, de 28 de março de 2016.

5) Pontos de interesse para visitação

Trilhas suspensas em área de várzea.

238
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

Governo do Estado do Mato Grosso: <http://www.mt.gov.br/-/sema-auxilia-


varzea-grande-na-implantacao-do-parque-natural-flor-do-ipe>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=156&Itemid=289>.

Parque Natural Municipal Uirapuru (2008)


Municipal – Secretaria Adjunto de Meio Ambiente e Turismo de Nova
Lacerda

1) Localização e área
f MT: Nova Lacerda.

f Área: 783,21 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e flora: a UC está em área de transição entre Cerrado e
Floresta Amazônica. Estudo realizado em 2008 apontou a ocorrência de
92 espécies de vertebrados na área da Cascata Uirapuru, sendo 6 de peixes,
5 de anfíbios, 3 de lagartos, 5 de serpentes, 2 de jabutis, 37 de aves e 34 de
mamíferos.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia hidrográfica do rio Madeira.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Infraestrutura: não possui.

f Visitação: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 429, de 25 de novembro de 2008.

5) Pontos de interesse para visitação

Cascata Uirapuru.

239
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=156&Itemid=289>.

Refúgio de Vida Silvestre Corixão da Mata Azul (2001)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente

1) Localização e área
f MT: Cocalinho, Novo Santo Antônio.

f Área: 40.000 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: mata ciliar e capões de mata inundável.

f Relevo e geomorfologia: a UC abrange planície inundável do rio das


Mortes.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio das Mortes, integrante
da bacia do rio Araguaia.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC está parcialmente sobreposta (1.880 ha)


ao Parque Estadual do Araguaia e à Área de Proteção Ambiental (APA)
Meandros do Rio Araguaia (federal).
f Conflitos internos e com o entorno: espécies invasoras, incêndios, pasta-
gem, pesca.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 7.519, de 28 de setembro de 2001.

240
6.5. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Mato Grosso

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/2200>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=583&Itemid=470>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:rvs_corixao_da_mata_
azul:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Refúgio de Vida Silvestre Quelônios do Araguaia (2001)


Estadual – Secretaria de Meio Ambiente

1) Localização e área
f MT: Cocalinho.

f Área: 60.000 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: matas de galeria inundáveis.

f Bacias hidrográficas: a UC situa-se ao longo do rio das Mortes, integrante


da bacia do rio Araguaia.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC está em sobreposição parcial com a


Terra Indígena Wedezé.
f Conflitos internos e com o entorno: presença de espécies exóticas, incên-
dios, pastagem, pesca, comércio de ovos e carne de tartaruga.

241
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 7.520, de 28 de setembro de 2001.

A UC originou-se de uma base de monitoramento do Projeto Quelônios da


Amazônia, instituído em 1980, e que atua na conservação das tartarugas da
região.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/5125>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=583&Itemid=470>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:rvs_quelonios_do_
araguaia:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Reserva Biológica do Culuene (1989)


Estadual – Secretaria de Estado do Meio Ambiente de Mato Grosso

1) Localização e área
f MT: Paranatinga.

f Área: 3.900 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC está em área de transição entre o Cerrado e a Floresta
Amazônica. Abrange cerrado arbóreo aberto e floresta de galeria.
f Bacias hidrográficas: a UC é limitada pelos rios Culuene e Grande, ambos
integrantes da bacia do rio Xingu.

242
6.6. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Mato Grosso do Sul

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: não está em sobreposição com outras UCs.

f Conflitos internos e com o entorno: queimadas, expansão da fronteira


agropecuária, contaminação do rio por agrotóxicos.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 1.387/1989 (criação).

f Decreto nº 723/2011 (recategorização).

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/2403>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Sema-MT: <http://www.sema.mt.gov.br/index.php?option=com_
content&view=article&id=583&Itemid=470>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

6.6.  Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)


do Cerrado no estado do Mato Grosso do Sul
O Cerrado ocupa 61% da área do estado do Mato Grosso do Sul, o que corres-
ponde a 21.785.878 ha. São 11 UCPIs com área total de 121.693 ha (Tabela 40),
equivalentes a 0,56% da área de Cerrado no estado e a 0,06% da área total do
bioma. As UCPIs foram criadas do início da década de 1980 até 2016.

243
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Tabela 40 – UCPIs do estado de Mato Grosso do Sul

UCPIs Data de criação Área (ha)

Parque Estadual do Prosa 1981 135

Parque Estadual Nascentes


1999 30.618
do Rio Taquari
Parque Nacional da
2000 76.481
Serra da Bodoquena
Parque Estadual
2000 178
Matas do Segredo
Monumento Natural da
2001 274
Gruta do Lago Azul
Reserva Biológica
2001 71
das Capivaras
Monumento Natural da
2003 5.668
Serra do Bom jardim
Parque Municipal
2003 100
Templo dos Pilares
Monumento Natural
2003 18
Rio Formoso

Parque Municipal do Pombo 2006 8.033

Monumento Natural
2016 117
das Lagoas

Total - 121.693

Fonte: elaboração própria.

Mato Grosso do Sul conta com UCPIs das três esferas da federação e de três
categorias – reserva biológica, parque e monumento natural (Tabela 41). Os
parques são as unidades dominantes em número e área, destacando-se a única
UCPI federal, o Parque Nacional da Serra da Bodoquena, que abrange 63% da
área total de UCPI no bioma, no estado. Somente a esfera municipal conta com
as três categorias de UCPI.

244
6.6. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Mato Grosso do Sul

Tabela 41 – Distribuição das UCPIs do estado de Mato Grosso do Sul por


categoria e esfera de criação

Federal Estadual
Categoria
Nº % Área (ha) % Nº % Área (ha) %

Reserva biológica 0 0 0 0 0 0 0 0

Parque 1 17 76.481 66 3 50 30.931 27

Monumento natural 0 0 0 0 2 50 292 5

Total 1 9 76.481 63 5 45,5 31.223 26

Municipal Total
Categoria
Nº % Área (ha) % Nº % Área (ha) %

Reserva biológica 1 100 71 100 1 9 71 0,06

Parque 2 33 8.133 7 6 55 115.545 94,94

Monumento natural 2 50 5.785 95 4 36 6.077 5

Total 5 45,5 13.989 11 11 100 121.693 100

Fonte: elaboração própria.

Monumento Natural da Gruta do Lago Azul (2001)


Estadual – Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul)

1) Localização e área
f MS: Bonito.

f Área: 274,0387 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: floresta estacional.

f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se na Serra da Bodoquena e abrange


as grutas do Lago Azul e Nossa Senhora Aparecida.
f Bacias hidrográficas: a UC está na bacia do rio Formoso, afluente do rio
Miranda, integrantes da bacia do rio Paraguai. A Gruta do Lago Azul
abrange um lago subterrâneo que adquire a cor azul intensa sob incidên-
cia dos raios solares.

245
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Patrimônio paleontológico e mineral: na Gruta do Lago Azul foram en-


contrados fósseis de mamíferos e minerais raros. As grutas da UC foram
tombadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, lanchonete, estacio-


namento, receptivo com lanchonete, loja de souvenirs e sanitários.
f Integração e sobreposições: a unidade não está em sobreposição com ou-
tras UCs ou com terras indígenas.
f Situação fundiária da UC: parcialmente regularizada. Área particular =
85%. Área titulada do estado = 15%. Com presença humana.
f Visitação: todos os dias, das 7h às 14h.

f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 10.394/2001.

5) Pontos de interesse para visitação

Lago Azul: lago subterrâneo com incidência de raios solares. Há presença de


fósseis de mamíferos.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Imasul: <https://www.imasul.ms.gov.br/gestao-de-unidades-de-conservacao/
unidades-de-conservacao-estaduais/monumento-natural-gruta-do-lago-azul/>.

Imasul: <https://www.imasul.ms.gov.br/gestao-de-unidades-de-conservacao/
unidades-de-conservacao-estaduais/monumento-natural-gruta-do-lago-azul/>.

Ygarapé Tour: <https://grutadolagoazul.com.br/>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/586922>.

246
6.6. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Mato Grosso do Sul

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:mona_da_gruta_do_lago_
azul:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Monumento Natural das Lagoas (2016)


Municipal – Secretaria Municipal de Meio Ambiente

1) Localização e área
f MS: Três Lagoas.

f Área: 117 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomia e flora: ambiente lacustre; presença de 42 espécies de ma-
crófitas aquáticas na Lagoa Maior. A UC situa-se próximo ao limite do
bioma Mata Atlântica.
f Relevo e geomorfologia: a UC abrange relevo suavemente ondulado.

f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do córrego da Onça, inte-


grante da bacia do rio Paraná. Protege o conjunto das três lagoas Maior,
do Meio e Menor, situadas em área urbanizada.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a unidade situa-se na malha urbana de Três


Lagoas e não está em sobreposição com outras UCs ou com terras
indígenas.
f Infraestrutura implantada: UC sem infraestrutura.

f Visitação: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 188/2016 (criação).

247
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

O Monumento Natural das Lagoas é fruto de Termo de Ajustamento de Conduta


firmado em 2006, decorrente de ação civil pública que resultou no repasse de
recursos da Usina Termoelétrica Luiz Carlos Prestes para o município, para
criação de uma UC de proteção integral na área. Como a região das lagoas pos-
sui ocupação urbana, optou-se pela categoria monumento natural, que admite a
permanência de terras privadas.

5) Pontos de interesse para visitação

Lagoas Maior, do Meio e Menor.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Monumento Natural do Rio Formoso (2003)


Estadual – Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul)

1) Localização e área
f MS: Bonito.

f Área: em 2003, 3,4 ha; em 2004, 18 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC abrange mata ciliar (floresta estacio-
nal semidecidual aluvial) e cerradão (savana florestada). Foram registra-
das 182 espécies vegetais terrestres e 15 espécies de macrófitas aquáticas.
Em relação à fauna, foram identificadas 99 espécies de aves na UC.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se no Planalto da Bodoquena.

f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Formoso, afluente do


rio Miranda, integrantes da bacia do rio Paraguai. O rio Formoso está
associado a rochas calcárias e inclui canais subterrâneos, sumidouros de
água e ressurgências. As turfas calcárias ao longo do rio formam bar-
ramentos naturais que configuram uma sequência de lagos interligados.

248
6.6. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Mato Grosso do Sul

f Patrimônio paleontológico e geológico: as turfas calcárias propiciam boas


impressões de fósseis de folhas e têm grande interesse científico na obten-
ção de informações sobre as variações climáticas pretéritas.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a zona de amortecimento abrange 379,75 ha,


com faixas de 150 m nas duas margens do rio Formoso e em torno da
UC, definida no plano de manejo. A UC integra o Geoparque Bodoquena-
-Pantanal, instituído pelo Decreto Estadual nº 12.897/2009. Faz parte da
faixa de fronteira nacional (faixa de 150 km paralela à linha divisória do
país). Está nos limites da Reserva da Biosfera do Pantanal, mas ainda
não está na lista das UCs que a integram. Está no projeto do Corredor de
Biodiversidade Miranda – Serra da Bodoquena, da organização não gover-
namental Conservação Internacional do Brasil (não oficial).
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, portaria, guarita, abrigo, alo-
jamento, receptivo com lanchonete e restaurante, estacionamento, atraca-
douro, loja de souvenirs e sanitários. Diversas atividades de ecoturismo e
recreação estão implantadas na área.
f Situação fundiária da UC: não regularizada. Área particular = 100%. Com
ocupação humana.
f Conflitos internos e com o entorno: fogo; substituição de atividades de
baixo impacto praticadas pela população rural local, por grandes proprie-
dades rurais, que cultivam extensas monoculturas; desmatamento; subs-
tituição de pastagens extensivas por pastagens plantadas; implantação de
açudes de dessedentação do gado; uso de agrotóxicos; mineração de cal-
cário para uso agrícola; intensificação do turismo e produção de esgotos
sem tratamento.
f Visitação: a UC é importante foco de atividades turísticas em Bonito. Em
2013, a UC recebeu 58.566 visitantes.
f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 11.251, de 9 de junho de 2003 (declaração de utilidade pública,
destinação ao Monumento Natural do Rio Formoso, sem poligonal).

249
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Decreto nº 11.453/2003 (criação, definição da poligonal, com área maior


que a do decreto de criação).
f Decreto nº 11.690/2004 (nova poligonal e ampliação).

f Decreto nº 11.691, de 27 de setembro de 2004 (declaração de utilidade


pública, repetição da poligonal e revogação do Decreto nº 11.251/2001).

A área da UC era conhecida como Ilha do Padre e um terreno de 2,7 ha foi de-
clarado como de utilidade pública e destinado para implantação do Monumento
Natural em 2003, sem poligonal da área. No mesmo ano, o Decreto nº 11.453
criou, de fato, a UC, definindo sua poligonal, com área maior, de 3,4 ha. Em
2004, foram publicados dois decretos, com o intuito de ampliar a UC para
18 ha, declarar a utilidade pública da área e revogar o Decreto nº 11.251/2003,
documento inicial que destinou a área para UC. Em 2013, houve manifestação
formal dos proprietários dos terrenos ao Imasul, visando manter as áreas pri-
vadas e compatibilizar o uso dos imóveis aos objetivos da criação da UC, nos
termos da Lei do Snuc.

5) Pontos de interesse para visitação

Trilha e cachoeiras diversas; turfas calcárias que formam barramentos naturais


e poços ao longo do rio Formoso.

Fontes de informação

1) Documento:

Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul). Plano de


Manejo do Monumento Natural do Rio Formoso. Imasul: Bonito, MS,
2017.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Imasul: <https://www.imasul.ms.gov.br/gestao-de-unidades-de-conservacao/
unidades-de-conservacao-estaduais/monumento-natural-do-rio-formoso/>.

250
6.6. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Mato Grosso do Sul

Imasul: <https://www.imasul.ms.gov.br/gestao-de-unidades-de-
conservacao/unidades-de-conservacao-estaduais/monumento-natural-
do-rio-formoso/#:~:text=Tamb%C3%A9m%20localizado%20em%20
Bonito%2C%20o,exigia%20algum%20mecanismo%20de%20
prote%C3%A7%C3%A3o>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/593498>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:mona_do_rio_
formoso:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Monumento Natural Municipal Serra do Bom Jardim (2003)


Municipal – Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Alcinópolis

1) Localização e área
f MS: Alcinópolis.

f Área: 5.668 ha.

2) Caracterização ecológica e patrimônio arqueológico da UC


f Fitofisionomias: cerradão, floresta estacional semidecidual, cerrado tí-
pico (stricto sensu), campo cerrado, campo sujo, cerrado rupestre, campo
limpo, vereda e mata ciliar.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se em região de relevo suave ondu-
lado a ondulado, estende-se por planaltos, serras, morros, cânions, escar-
pas, chapadas e chapadões, com altitudes entre 370 m e 890 m.
f Bacias hidrográficas: a UC encontra-se na bacia do rio Paraguai. Abrange
o córrego Urutau, o ribeirão Bom Futuro e o córrego Limeira, todos situa-
dos na bacia do rio Taquari, afluente do Paraguai.
f Patrimônio arqueológico: a zona de amortecimento da UC abrange di-
versos sítios arqueológicos com pinturas rupestres em abrigos de pedra.
O município de Alcinópolis é conhecido como a capital da arte rupestre
de Mato Grosso do Sul.

251
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração: a UC possui zona de amortecimento e integra o Corredor de


Biodiversidade Emas-Taquari, projeto da organização não governamental
Oréades (ORÉADES, 2017), considerando-se que há várias UCs próxi-
mas (Parque Natural Municipal Templo dos Pilares, Parque Estadual das
Nascentes do Rio Taquari e Parque Nacional das Emas).
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, telefonia celular, sede, cen-
tro de visitantes, mirante, alojamento, camping, estacionamento, residên-
cia de funcionários, banheiros, veículos
f Situação fundiária da UC: Área particular = 100%. Com ocupação
humana.
f Visitação: visita mediante autorização especial, todos os dias, das 7h às 12h.

f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 53/2003 (criação).

5) Pontos de interesse para visitação

Beleza cênica da Serra do Bom Jardim; sítios arqueológicos.

Fontes de informação

1) Documento:

ORÉADES Núcleo de Geoprocessamento. Corredor de Biodiversidade


Emas-Taquari. In: Boletim Informativo nº 1. 2007. Disponível em: <http://
www.oreades.org.br/admin/download/boletim_oreades_n1.pdf>. Acesso em:
8 ago. 2018.

2) Páginas eletrônicas:

Prefeitura Municipal de Alcinópolis: <https://www.alcinopolis.ms.gov.br/


informacoes_turisticas/4-roteiros.html>.

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

252
6.6. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Mato Grosso do Sul

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:mona_serra_bom_
jardim:inicio>.

Parque Estadual das Nascentes do Rio Taquari (1999)


Estadual – Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul)

1) Localização e área
f MS: Alcinópolis, Costa Rica.

f Área: 30.618 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: florestas estacionais e cerradão.

f Relevo e geomorfologia: a UC abrange área de escarpas da borda ociden-


tal do Planalto Central Brasileiro, com formações de cuestas e acentuado
desnível de altitude.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Taquari, afluente do rio
Paraguai. Abrange nascentes de três formadores do rio Taquari: ribeirões
Furnas, Mutum e Engano. O rio Taquari é hoje considerado o mais degra-
dado da bacia do Pantanal no Mato Grosso do Sul.
f Patrimônio arqueológico: a região apresenta registros de rotas datadas em
11 mil anos e pinturas rupestres.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração: a zona de amortecimento possui 89.744,73  ha, definida no


plano de manejo. A UC integra a Reserva da Biosfera do Pantanal e não
está em sopreposição com outras unidades. A área está próxima das nas-
centes do rio Araguaia, a 12 km do Parque Nacional das Emas.
f Infraestrutura implantada: sinal de telefonia celular, sede, mirante, resi-
dência de funcionários, banheiros, veículos.
f Situação fundiária da UC: parcialmente regularizada. Área titulada do
estado = 3%. Área particular = 97%. Com presença humana.

253
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Conflitos internos e com o entorno: lavoura no entorno com uso intensivo


de agrotóxicos, mineração e estradas dentro da UC, linhas de transmissão
e fogo.
f Visitação: sim, com autorização especial.

f Projetos de educação ambiental: sim, com alguma restrição.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 9.662/1999 (criação, com poligonal).

f Decreto nº 9.663/1999 (declaração de utilidade pública, para desapropria-


ção, com a mesma poligonal).
f Decreto nº 12.134/2006 (alteração ao Decreto nº 9.662/1999, redefinição
da poligonal, corrigindo erros dos decretos anteriores, com mesma área).
f Decreto nº 12.146/2006 (declaração de utilidade pública, para desapro-
priação, com a mesma poligonal do Decreto nº 12.134/2006).

5) Pontos de interesse para visitação

Sítios arqueológicos com rotas antigas e pinturas rupestres.

Fontes de informação

1) Documento:

Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul). Plano de


Manejo do Parque Estadual das Nascentes do Rio Taquari. Campo
Grande, MS: Imasul, 2009.

2) Páginas eletrônicas:

Prefeitura Municipal de Alcinópolis: <https://www.alcinopolis.ms.gov.br/


informacoes_turisticas/4-roteiros.html>.

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Imasul: <https://www.imasul.ms.gov.br/gestao-de-unidades-de-conservacao/
unidades-de-conservacao-estaduais/parque-estadual-nascentes-do-rio-
taquari/>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/591607>.

254
6.6. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Mato Grosso do Sul

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_das_
Nascentes_do_Rio_Taquari>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual do Prosa (1981)


Estadual – Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul)

1) Localização e área
f MS: Campo Grande.

f Área: 135 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e fauna: cerradão, cerrado e mata ciliar. A UC apresenta
vegetação secundária em estado avançado de regeneração. Em relação à
fauna, a UC inclui 22 espécies de mamíferos, 67 de aves, 21 de répteis e
9 de peixes.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se no planalto da Serra de Maracajú,
com relevo plano a suave-ondulado.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na cabeceira do córrego Prosa, da
bacia do rio Anhanduí, que deságua no rio Pardo, integrante da Bacia do
rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: o plano de manejo da UC definiu uma área


de influência da UC, mas não uma zona de amortecimento. A unidade não
está em sobreposição com outras UCs ou com terras indígenas.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, telefonia celular,
portaria, centro de visitantes, guarita, estacionamento, banheiros, residên-
cia de funcionários, veículos.

255
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Situação fundiária da UC: totalmente regularizada. Área titulada do estado =


100%. Sem ocupação humana.
f Conflitos internos e com o entorno: a UC situa-se no perímetro urbano de
Campo Grande.
f Visitação: com autorização especial, terça a sábado, das 8h às 15h.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 1.229/1981 (criação como reserva ecológica, sem poligonal).

f Decreto nº 10.783/2002 (criação como parque estadual, com poligonal).

f Lei nº 3.550, de 28 de julho de 2008 (criação, com mesma extensão do


Decreto nº 1.229/1981).

A área da UC pertencia à Sanesul, empresa de saneamento de Mato Grosso


do Sul, mas foi transferida para o patrimônio do governo do estado em 1980.
Em 1981, parte da área foi definida como a Reserva Ecológica do Parque dos
Poderes e o restante destinado ao Parque dos Poderes – setor administrativo do
governo estadual. A reserva ecológica foi criada nos termos da Lei nº 4.771/1965
(Código Florestal) e foi a primeira UC estadual de Mato Grosso do Sul. A área
foi redefinida como Parque Estadual do Prosa por meio do Decreto Estadual
nº 10.783/2002. Posteriormente, a criação do parque foi reafirmada pela Lei
nº 3.550/2008.

5) Pontos de interesse para visitação

Trilha do Prosa, Trilha do Mutum e outras em meio à vegetação.

Fontes de informação

1) Documento:

Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul). Plano de


Manejo do Parque Estadual do Prosa. Campo Grande,MS: Imasul, 2011.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Imasul: <https://www.imasul.ms.gov.br/gestao-de-unidades-de-conservacao/
unidades-de-conservacao-estaduais/parque-estadual-do-prosa-pep/>.

256
6.6. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Mato Grosso do Sul

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pe_do_prosa:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual Matas do Segredo (2000)


Estadual – Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul)

1) Localização e área
f MS: Campo Grande.

f Área: 177,5800 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: cerrado stricto sensu, campo sujo seco, cerradão, mata
seca semidecidual, mata ciliar e mata de galeria inundável. Em relação à
fauna, foram identificadas 126 espécies de aves.
f Relevo e geomorfologia: a UC é constituída por interflúvio aplainado,
colinas, anfiteatro em forma de ferradura, com cabeceiras de drenagem e
fundo de vale.
f Bacias hidrográficas: a UC abrange as bacias dos córregos Segredo e
Anhanduí, da bacia do rio Paraná. Parcela diminuta sobrepõe-se à bacia
do rio Paraguai. O Parque situa-se no interflúvio entre as duas bacias.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a zona de amortecimento abrange 553,4456 ha,


definida no Decreto nº 12.767/2009 (no plano de manejo, a zona de amor-
tecimento indicada foi de 735 ha). A unidade não está em sobreposição
com outras UCs ou com terras indígenas.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, telefonia celular, portaria,
guarita, banheiros, veículo.
f Situação fundiária da UC: parcialmente regularizada. Área titulada do
estado = 76%. Área particular = 24%. Sem ocupação humana.

257
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Conflitos internos e com o entorno: a UC situa-se entre a malha urbana de


Campo Grande e a zona rural ocupada com agropecuária e sofre pressão
do aumento do tráfego de veículos e geração de ruídos, introdução de
animais exóticos, incêndios, destinação inadequada de resíduos sólidos,
contaminação por esgotos, agrotóxicos, fertilizantes e demais poluentes,
retirada ilegal de espécies da fauna e flora, risco de atropelamento de ani-
mais silvestres.
f Visitação: aberto de terça a sexta, das 8h às 16h.

f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 9.935/2000 (criação, com poligonal).

f Decreto nº 9.936/2000 (declaração de utilidade pública, para desapropria-


ção, com a mesma poligonal).
f Decreto nº 12.767/2009 (criação da zona de amortecimento, com poligonal).

As terras onde se encontra a UC foram adquiridas em 1986, pelo antigo Instituto


de Previdência Social de Mato Grosso do Sul, para a construção de casas popu-
lares. Entre os anos de 1986 e 1993, os moradores vizinhos à mata se mobiliza-
ram para a proteção do lugar. Em março de 1993, parte da área se transformou
no denominado Jardim Botânico de Campo Grande. Com o advento da Lei do
Snuc, o Jardim Botânico foi reenquadrado como parque estadual.

Fontes de informação

1) Documento:

Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul). Plano de


Manejo do Parque Estadual Matas do Segredo. Campo Grande: 2009.
Disponível em: <http://www.imasul.ms.gov.br/conservacao-ambiental/gestao-
de-unidades-de-conservacao/unidades-de-conservacao-estaduais/parque-
estadual-matas-do-segredo/>. Acesso em: 9 jul. 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Imasul: <https://www.imasul.ms.gov.br/gestao-de-unidades-de-conservacao/
unidades-de-conservacao-estaduais/parque-estadual-matas-do-segredo/>.

258
6.6. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Mato Grosso do Sul

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pe_matas_do_segredo:inicio>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_Matas_
do_Segredo>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Nacional da Serra da Bodoquena (2000)


Federal – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
(ICMBio)

1) Localização e área
f MS: Porto Murtinho, Jardim, Bonito, Bodoquena.

f Área: 76.481 ha (em dois fragmentos).

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e fauna: floresta estacional decidual e semidecidual, cer-
radão, bambuzal, campos rupestres, matas ciliares, brejos, além dos ecos-
sistemas limnícolas. Em relação à fauna, foram encontradas 316 espécies
de aves, 12 de morcegos, 35 de mamíferos terrestres, 38 de anfíbios, 25 de
répteis e 41 de peixes.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se na Serra da Bodoquena e apresenta
relevo distribuído na direção norte-sul. Abrange, também, relevos meno-
res localmente denominados de serras como a do Papagaio e Alumiador.
A altimetria varia entre 400 m e 650 m. Alguns trechos da borda oriental
apresentam cotas inferiores, entre 300 m e 500 m. A UC abrange 8 cavi-
dades naturais subterrâneas conhecidas, havendo potencial para descobri-
mento de outras cavernas.
f Bacias hidrográficas: a UC abrange as cabeceiras dos rios Salobra (afluente
do rio Miranda) e Perdido (afluente do rio Apa), da bacia do rio Paraguai.
Em menor extensão, o parque inclui cabeceiras dos rios Formoso e da
Prata, ambos também afluentes do rio Miranda.

259
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a zona de amortecimento não foi definida


no plano de manejo. A UC integra a Reserva da Biosfera do Pantanal,
a Reserva da Biosfera da Mata Atlântica e o Geoparque Bodoquena-
-Pantanal (instituído pelo Decreto Estadual nº 12.897/2009). A UC
localiza-se na faixa de 150 km ao longo da fronteira entre o Brasil e
o Paraguai. Conforme descrito no plano de manejo, o bom estado de
conservação da vegetação possibilita a conectividade do parque com a
Área de Preservação Permanente (APP) do rio Formoso e diversas UCs
da região. O Monumento Natural Gruta do Lago Azul, especialmente,
está a menos de 1 km da UC.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, rádio, telefonia celular, ba-
nheiros, veículos.
f Situação fundiária da UC: Área federal = 18%. Área particular = 82%.
Sem ocupação humana no interior da UC.
f Conflitos internos e com o entorno: criação de gado nas áreas internas
não regularizadas, expansão da agricultura (plantios de soja e milho) no
entorno, pecuária bovina, caça, pesca, destruição de nascentes, fogo e re-
querimentos de autorização de pesquisa mineral (principalmente de cobre)
na zona de amortecimento da UC.
f Visitação: não.

f Projetos de educação ambiental: ocorrem de forma assistemática.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto sem nº de 21 de setembro de 2000.

A proteção do remanescente florestal existente na Serra da Bodoquena foi su-


gerida pela primeira vez no Macrozoneamento Geoambiental do Mato Grosso
do Sul (1989). A proposta de constituir uma unidade de conservação na região
passou por longo processo de negociação envolvendo técnicos da Secretaria de
Meio Ambiente de MS, Ibama, organizações não governamentais e setor pro-
dutivo, até resultar na criação do parque nacional.

260
6.6. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Mato Grosso do Sul

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor da UC em 12 de junho de 2018.

2) Documento:

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). Plano


de Manejo do Parque Nacional da Serra da Bodoquena. Brasília, 2013.

3) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ICMBio: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/biodiversidade/unidade-
de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-ucs/parna-da-serra-da-
bodoquena/parna-da-serra-da-bodoquena>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/594452>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pn_da_serra_da_
bodoquena:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Nacional_da_Serra_
da_Bodoquena>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Natural Municipal do Pombo (2006)


Municipal – Secretaria Municipal de Meio Ambiente

1) Localização e área
f MS: Três Lagoas.

f Área: em 2006, 3.300 ha; em 2013, 8.033 ha.

261
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e flora: mata ciliar, mata de galeria, cerrado stricto sensu,
cerradão, campo sujo e campo limpo. No levantamento realizado para
elaboração do plano de manejo, foram identificadas 411 espécies.
f Relevo e geomorfologia: relevo plano.

f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia hidrográfica do rio Pombo,


integrante da bacia hidrográfica do rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim, mas está desatualizado (para área de 3.300 ha).

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs. A zona


de amortecimento foi definida no plano de manejo, mas este não comtem-
pla a superfície atual da UC.
f Infraestrutura implantada: em processo de conclusão (2018).

f Situação fundiária da UC: totalmente regularizado. Área municipal =


100%. Sem população no interior da UC.
f Visitação: Sem visitação. Apenas pesquisadores entram na UC.

f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 105/2006 (criação).

f Decreto nº 108/2006 (regulamentação) .

f Decreto nº 4/2007 (revisão de limites).

f Decreto nº 168/2013 (ampliação).

f Decreto nº 169/2013.

f Decreto nº 177/2013 (revisão de limites).

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor da UC em 14 de junho de


2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

262
6.6. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Mato Grosso do Sul

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Parque Natural Municipal Templo dos Pilares (2003)


Municipal – Secretaria Municipal de Desenvolvimento, Agricultura,
Pecuária, Turismo e Meio Ambiente de Alcinópolis

1) Localização e área
f MS: Alcinópolis.

f Área: 100 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: cerradão, floresta estacional semidecidual, cerrado típico
(stricto sensu), campo cerrado, campo sujo, cerrado rupestre, campo limpo
ou vereda e mata ciliar.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Taquari, afluente do
rio Paraguai.
f Integração: a unidade é limítrofe ao Monumento Natural Municipal Serra
do Bom Jardim.
f Patrimônio arqueológico: a área possui muitos vestígios humanos datados
de até 11 mil anos atrás (gravuras, pinturas em paredes, teto e pilares de
formações curiosas).

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Infraestrutura implantada: telefonia celular, estacionamento, mirante,


veículos.
f Situação fundiária da UC: terras tituladas do município = 100%. Com
ocupação humana.
f Visitação: sim, por meio de agendamento na Secretaria Municipal de
Meio Ambiente.
f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 54/2003 (criação).

f Decreto nº 42/2012 (alteração de nome).

263
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

5) Pontos de interesse para visitação

Sítio arqueológico denominado Templo dos Pilares, formado por colunas que
apoiam uma abóboda, esculpidos pela ação da natureza.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Prefeitura Municipal de Alcinópolis: <http://www.alcinopolis.ms.gov.br/


turismo/2-parque-natural-municipal-templo-dos-pilares.html>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pnm_templo_dos_
pilares:inicio>.

Reserva Biológica das Capivaras (2001)


Municipal – Secretaria Municipal de Meio Ambiente

1) Localização e área
f MS: Três Lagoas.

f Área: 70,76 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: floresta estacional semidecidual e cerrado, campos úmi-
dos e florestas paludícolas.
f Relevo e geomorfologia: chapadões tabuliformes em patamares.

f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia hidrográfica do rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs. A zona


de amortecimento não definida.
f Situação fundiária da UC: área municipal = 100%. Sem ocupação humana.

264
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

f Visitação: não.

f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 1.727, de 3 de outubro de 2001 (criação, revogada).

f Lei nº 2.410, de 15 de dezembro de 2009 (recategorização).

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor da UC em 14 de junho de 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

6.7.  Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)


do Cerrado no estado de Minas Gerais
O Cerrado ocupa 57% da área do estado de Minas Gerais, o que corresponde
a 33.431.704 ha. São 46 UCPIs com área total de 865.265 ha (Tabela 42). Mas
há sobreposição de quase 100% do Parque Natural Municipal do Tabuleiro
(3.150 ha) com o Parque Estadual da Serra do Intendente (MG). Assim, a área
real de UCPI em Minas Gerais é de aproximadamente 862.115 ha, equivalentes
a 2,6% da área de Cerrado do estado e a 0,42% da área total do bioma. Houve
criação contínua de UCPIs no estado, desde a década de 1970 até 2018.

Tabela 42 – UCPIs do estado de Minas Gerais

UCPIs Data de criação Área (ha)

Parque Nacional da
1972 197.972
Serra da Canastra

Reserva Biológica Jaíba 1973 6.211

Estação Ecológica de Acauã 1974 5.195

Estação Ecológica
1974 490
Mata dos Ausentes

265
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

UCPIs Data de criação Área (ha)

Estação Ecológica Corumbá 1974 304

Parque Nacional da
1978 31.639
Serra do Cipó

Parque Estadual Sumidouro 1980 2.004

Monumento Natural
1985 141
Gruta Rei do Mato
Estação Ecológica
1987 1.384
Pirapitinga

Parque Estadual Baleia 1988 102

Parque Nacional Grande


1989 108.962
Sertão Veredas
Monumento Natural
1990 79
Lapa Nova de Vazante
Parque Estadual
1994 31.226
Veredas do Peruaçu

Parque Estadual Rio Preto 1994 12.184

Parque Estadual
1998 28.404
Grão Mogol
Parque Estadual
1998 25.570
Verde Grande

Parque Estadual Biribiri 1998 16.999

Parque Estadual Serra Negra 1998 13.654

Parque Estadual
1998 11.137
Serra das Araras
Parque Estadual
1998 6.520
Pico do Itambé
Reserva Biológica
1998 3.841
Serra Azul

Parque Municipal Tabuleiro 1998 3.150

Parque Nacional
1999 56.448
Cavernas do Peruaçu

266
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

UCPIs Data de criação Área (ha)

Parque Municipal
1999 858
Salão de Pedras

Parque Estadual Mata Seca 2000 15.360

Parque Nacional
2002 124.155
Sempre Vivas
Parque Estadual Serra
2003 49.890
Nova e Talhado

Parque Estadual Sagarana 2003 2.340

Refúgio de Vida Silvestre


2004 6.102
Rio Pandeiros
Parque Estadual
2004 783
Campos Altos
Parque Estadual
2005 22.494
Serra do Cabral
Monumento Natural
2005 73
Peter Lund
Parque Estadual
2006 15.360
Lapa Grande
Parque Estadual da
2007 13.509
Serra do Intendente
Parque Estadual Serra
2007 5.874
da Boa Esperança
Parque Estadual
2007 56
Caminho dos Gerais
Parque Estadual
2010 384
Serra do Sobrado
Parque Estadual
2010 134
Cerca Grande
Monumento Natural
2010 38
Experiência da Jaguara
Monumento Natural
2010 34
Lapa Vermelha
Monumento Natural
2010 31
Santo Antônio

Parque Estadual Paracatu 2011 6.400

267
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

UCPIs Data de criação Área (ha)

Parque Estadual Mata


2011 2.057
do Limoeiro
Monumento Natural
2010 24
Várzea da Lapa
Monumento Natural
2010 10
Vargem da Pedra

Parque Estadual Botumirim 2018 35.683

Total - 865.265

Nota: para ver a área total do Parque Nacional Grande Sertão Veredas, vide Tabela 7.
Fonte: elaboração própria.

Minas Gerais conta com UCPIs das três esferas da federação e de todas as cate-
gorias (Tabela 43). Do total, 13% das unidades são federais, abrangendo 60% da
área de UCPI no estado, incluindo-se o Parque Nacional Grande Sertão Veredas,
que se estende para o estado da Bahia. Embora a grande maioria das unidades
seja estadual, elas ocupam menos de 40% da área de UCPIs no estado. Foram
identificadas apenas duas unidades municipais. Os parques são as unidades do-
minantes em número e área. Embora os parques estaduais sejam muito mais
numerosos, os federais ocupam 60% da área de UCPIs no estado.

Tabela 43 – Distribuição das UCPIs do estado de Minas Gerais por categoria e


esfera de criação

Federal Estadual
Categoria
Nº % Área (ha) % Nº % Área (ha) %

Estação ecológica 1 25 1.384 19 3 75 5.989 81

Reserva biológica 0 0 0 0 2 100 10.052 100

Parque 5 16 519.176 62 24 77,5 318.124 38


Refúgio de vida
0 0 0 0 1 100 6.102 100
silvestre
Monumento natural 0 0 0 0 8 100 430 100

Total 6 13 52.560 60,1 38 83 340.697 39,4

268
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

Municipal Total
Categoria
Área Área
Nº % % Nº % %
(ha) (ha)

Estação ecológica 0 0 0 0 4 8,7 7.373 0,85

Reserva biológica 0 0 0 0 2 4,3 10.052 1,20

Parque 2 6,5 4.008 0,5 31 67,4 841.308 97,20

Refúgio de vida
0 0 0 0 1 2,2 6.102 0,70
silvestre
Monumento
0 0 0 0 8 17,4 430 0,05
natural

Total 2 4 4.008 0,5 46 100 865.265 100,00

Fonte: elaboração própria.

Estação Ecológica de Acauã (1974)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Leme do Prado, Turmalina.

f Área: 5.195 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC abrange cerrado denso com transição para Mata
Atlântica.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Jequitinhonha.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: sem sobreposição com outras UCs.

f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, rádio, sistema de te-


lefonia celular, sede, alojamento, estacionamento, banheiros, residência
de funcionários, veículos.
f Situação fundiária da UC: totalmente regularizada. Área titulada do
estado = 100%.

269
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Visitação: aberto, mediante agendamento prévio via ofício. Segunda a


sexta, de 7h às 17h.
f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 16.580/1974 (criação).

f Decreto nº 36.584/1994 (recategorização).

f Lei nº 11.731, de 30 de dezembro de 1994 (recategorização).

Criada inicialmente como reserva biológica, a UC foi recategorizada como es-


tação ecológica em 1994.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/node/581534>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Esta%C3%A7%C3%A3o_
Ecol%C3%B3gica_de_Acau%C3%A3>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Estação Ecológica de Corumbá (1974)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Arcos.

f Área: 304,36 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e flora: a UC situa-se em zona de transição entre Cerrado
e Mata Atlântica, em área com as seguintes fitofisionomias: floresta

270
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

estacional semidecidual, floresta estacional decidual e formação nativa


do carste. Há predomínio de floresta estacional na UC, na base e dentro
de grandes fendas e fraturas. Sobre os afloramentos, em locais onde há
solo recobrindo a rocha ou preenchendo seus interstícios, ocorre a flo-
resta estacional decidual. As florestas estão em estágio inicial e médio
de regeneração.
f Relevo e geomorfologia: a UC apresenta relevo ondulado com afloramen-
tos calcários. Situa-se na região cárstica do Alto São Francisco, conhecida
como Província Cárstica de Arcos-Pains-Doresópolis, ou Mata de Pains.
Apresenta exemplos marcantes dos relevos cársticos, com cavidades,
dolinas e lapiás. Na UC, foram identificadas 33 cavidades naturais, boa
parte já bastante antropizada.
f Bacias hidrográficas: a UC está inserida à margem esquerda do córrego
Santo Antônio, afluente do rio São Miguel, pertencente à bacia hidrográ-
fica do rio São Francisco. Abrange formações lacustres naturais de alta
relevância para a fauna local.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: não apresenta sobreposição com outras UCs.


A zona de amortecimento foi definida no plano de manejo como faixa sem
limite uniforme. Os remanescentes florestais presentes na UC e em sua
zona de amortecimento têm grande potencial de promover a conectividade
florestal para a região do Alto São Francisco. Os principais fragmentos
estão na zona de amortecimento.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, rádio, sede administrativa,
banheiros, veículos. Presença do Centro de Referência em Recuperação
de Áreas Degradadas do Alto São Francisco (CRAD-ASF), administrado
pela Universidade Federal de Lavras.
f Situação fundiária da UC: UC não regularizada. As terras da UC perten-
cem à Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig).
Sem população residente.
f Conflitos internos e com o entorno: a UC enfrenta pressão decorrente de
presença de termelétricas no entorno, resíduos sólidos em cavernas si-
tuadas dentro da UC e atividades incompatíveis, como uso da área para

271
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

dessedentação de animais, redirecionamento de água da nascente para for-


mar um pequeno lago artificial, cercas elétricas em alguns pontos, uso de
pesticidas (inclusive em margens de lagoas), plantio de essências florestais
em sistema de monocultivo, córrego sem vegetação em suas margens e
entrada recorrente de animais domésticos.
f Visitação: fechado.

f Projetos de educação ambiental: somente em eventos comemorativos.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 16.580/1974 (criação).

f Decreto nº 37.826/1996 (recategorização e memorial descritivo).

O local que hoje constitui a UC foi parte da Fazenda Corumbá, cujo proprietá-
rio fez a doação do imóvel para a Secretaria de Estado de Agricultura em 1948.
A fazenda foi passada para o Programa Integrado de Pesquisa Agropecuária de
Minas Gerais. Somente em 1979 a propriedade foi transferida para a Epamig,
condição que persiste até o presente. A área foi transformada em reserva ecoló-
gica em 1974 e recategorizada como estação ecológica em 1996.

Fontes de informação

1) Checklist preenchido e encaminhado por gestor da UC em 6 de junho de 2018.

2) Documento:

IEF (Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais/Escritório Regional do


Centro Oeste). Estação Ecológica de Corumbá – EECO: Plano de Manejo.
Arcos, MG: IEF, 2014.

3) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IDE-Sisema (Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos).


Plataforma Infraestrutura de Dados Espaciais. Disponível em: <http://
idesisema.meioambiente.mg.gov.br/>. Acesso em: 3 jul. 2018.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

272
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

WikiAves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:esec_de_corumba:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Estação Ecológica de Pirapitinga (1987)


Federal – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
(ICMBio)

1) Localização e área
f MG: Morada Nova de Minas.

f Área: 1.384,49 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC abrange cerradão, cerrado sensu stricto,
mata mesofítica e campo sujo. Foram registradas 127 espécies da flora. Em
relação à fauna, há registro de 210 espécies de aves e mamíferos. No reser-
vatório de Três Marias, ocorrem 62 espécies de peixes.
f Relevo e geomorfologia: a UC foi situa-se no Reservatório de Três Marias,
cujo enchimento foi completado em 1962. A UC forma uma ilha, quando
o lago atinge a cota máxima, e uma península, quando o lago atinge a cota
mínima. As superfícies mais elevadas não ultrapassam 60 m em relação
ao nível do lago. O relevo é suave, embora ocorram algumas rupturas de
declive decorrentes de erosão.
f Bacias hidrográficas: a UC localiza-se no Reservatório da Usina Hidrelé-
trica de Três Marias, na bacia do rio São Francisco.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: sem sobreposição com outras UCs. A zona de


amortecimento possui 6,123 ha, definida no plano de manejo, abrangendo
ilhas e áreas marginais da represa.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, rádio, telefonia ce-
lular, base de apoio na ilha, sede, guarita, abrigo, alojamento, laboratório,
atracadouro, banheiros, veículos.

273
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Situação fundiária da UC: totalmente regularizada. Área 100% titulada à


União.
f Conflitos internos e com o entorno: ocorre entrada de pessoas não auto-
rizadas (pescadores e turistas), caça, presença de espécies exóticas (cão,
cavalo e gado) no período em que o reservatório atinge a cota mínima e a
UC forma uma península, pesca e fogo.
f Visitação: ocorre de forma incipiente.

f Projetos de educação ambiental: campanha no entorno, programas com


alunos de escolas públicas e universidades.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 94.656/1987.

A barragem de Três Marias foi inaugurada em 1961. O enchimento do reser-


vatório fez surgir uma ilha em área de antiga fazenda desapropriada para a
criação do reservatório. Em 1980, a Companhia de Desenvolvimento do Vale
do São Francisco (Codevasf) e a antiga Secretaria Nacional de Meio Ambiente
celebraram contrato para a cessão do imóvel situado na represa de Três Marias,
por prazo de 10 anos, prorrogável por igual período. Em 1983, a Codevasf re-
passou as terras que hoje compõem a UC ao Serviço do Patrimônio da União.
Entre 1984 e 1985, foram construídas as casas que abrigam os alojamentos
de funcionários e pesquisadores. Em 1986, o Serviço do Patrimônio da União
entregou o título da área para a Secretaria Nacional de Meio Ambiente e, em
1987, a UC foi finalmente criada.

Fontes de informação

1) Documento:

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). Plano


de Manejo da Estação Ecológica de Pirapitinga. Brasília: ICMBio, 2013.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ICMBio: <http://www.icmbio.gov.br/portal/unidadesdeconservacao/
biomas-brasileiros/cerrado/unidades-de-conservacao-cerrado/2065-esec-de-
pirapitinga>.

274
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/592737>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Esta%C3%A7%C3%A3o_
Ecol%C3%B3gica_de_Pirapitinga>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Estação Ecológica Mata dos Ausentes (1974)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Senador Modestino Gonçalves.

f Área: 489,66 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC encontra-se em área de transição entre
Cerrado e Mata Atlântica e abrange floresta estacional, floresta ripária ou
mata ciliar e savana nas partes mais elevadas. A área de floresta encontra-
-se em diferentes estágios sucessionais. Quanto à fauna, foram listadas
31 espécies de mamíferos.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na sub-bacia do ribeirão Itanguá, na
bacia hidrográfica do rio Jequitinhonha.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: sem sobreposição com outras UCs. A zona


de amortecimento possui 7.162,00 ha, definida no plano de manejo.
A UC integra o Mosaico Alto Jequitinhonha/Serra do Cabral, reco-
nhecido pela Portaria nº 444 do Ministério do Meio Ambiente, de 26
de novembro de 2010. O Mosaico abrange 23 municípios, três bacias
hidrográficas (dos rios Jequitinhonha, São Francisco e Doce) e as
seguintes UCs: Parque Nacional das Sempre-Vivas, Parque Estadual
da Serra do Cabral, Parque Estadual do Biribiri, Parque Estadual do
Rio Preto, Parque Estadual da Serra Negra, Parque Estadual do Pico

275
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

do Itambé, Estação Ecológica da Mata dos Ausentes, Área de Proteção


Ambiental (APA) Estadual das Águas Vertentes, APA Municipal de
Felício, APA Municipal do Rio Manso, APA Municipal da Serra do
Gavião, APA Municipal Barão e Capivara, APA Municipal da Serra
de Minas e a APA Municipal da Serra do Cabral.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, rádio, telefonia celular, por-
taria, sede, alojamento, mirante, estacionamento, banheiros, residência de
funcionários, veículos.
f Situação fundiária da UC: área estadual corresponde a 37% da UC. O res-
tante carece de regularização fundiária. Uma família de 4 pessoas mora
no interior da UC. Apesar das pendências fundiárias, todo o perímetro da
UC está devidamente cercado e sinalizado.
f Conflitos internos e com o entorno: há ocorrência de caça e presença de
gado e espécies vegetais exóticas dentro da UC. No entorno, ocorre mi-
neração, pecuária e silvicultura, incêndios florestais, desmatamento, frag-
mentação de hábitats e atropelamento de animais silvestres.
f Visitação: aberta todos os dias, entre 8h e 17h, por meio de agendamento.
A UC recebe em torno de 140 visitantes por ano. Não tem arrecadação.
f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 16.580/1974 (criação).

f Decreto nº 36.584/1994 (recategorização).

f Lei Estadual nº 11.731, 30 de dezembro de 1994 (reitera a recatego-


rização).
f Decreto com Numeração Especial 377, de 14 de julho de 2016 (declara-
ção de utilidade pública, para desapropriação).

A UC foi criada em 1974, sem área definida, como reserva biológica. Em 1994,
a poligonal e a área foram definidas e a UC foi recategorizada como estação
ecológica.

Fontes de informação

1) Checklist preenchido e encaminhado pelo gestor da UC em 11 de junho de


2018.

276
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

2) Documento:

IEF (Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais). Estação Ecológica de


Mata dos Ausentes: Plano de Manejo. Senador Modestino Gonçalves,MG:
IEF, 2016.

3) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IDE-Sisema (Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos).


Plataforma Infraestrutura de Dados Espaciais. Disponível em: <http://
idesisema.meioambiente.mg.gov.br/>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/591127>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Esta%C3%A7%C3%A3o_
Ecol%C3%B3gica_da_Mata_dos_Ausentes>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Monumento Natural Estadual Gruta Rei do Mato (1984)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Sete Lagoas.

f Área: em 1984, 160 ha (mencionado apenas no CNUC, não no plano de


manejo); em 2009, 141 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e fauna: zona de transição entre os biomas Cerrado e Mata
Atlântica, com floresta estacional decídua ou matas secas e uma mancha
de floresta estacional semidecídua, que perfazem 70,4 ha da UC; campos
cerrados e ilhas de campo limpo e campo sujo. Em relação à fauna, foram
inventariadas 204 espécies na Gruta do Rei do Mato, especialmente da

277
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

comunidade paraepígea (espécies que vivem preferencialmente próximo


à entrada da caverna), incluída a aranha marrom (Loxosceles sp.). Os tro-
glóbios (habitantes das zonas permanentemente escuras) comportam 4 es-
pécies. Na UC, foram identificadas 65 espécies de aves.
f Relevo e geomorfologia: relevo cárstico ruiniforme. Foram identificados
74 cavernas e abrigos sob rocha, grande parte dos quais com significativo
valor ambiental ou histórico-cultural associado, como provável recarga do
aquífero cárstico, suporte para fauna epígea e hipógea, sítio arqueológico
ou local de realização de rituais religiosos.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia hidrográfica do Alto São
Francisco.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho gestor: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Infraestrutura implantada: telefonia fixa, energia elétrica e iluminação na


Gruta do Rei do Mato, trilhas e passarelas, estacionamento, edificação de
apoio à administração, bilheteria, lanchonetes e banheiros. As passarelas
apresentam algumas deficiências para a segurança do visitante.
f Integração e sobreposições: a UC conta com zona de amortecimento de
2.315,3 ha, definida no plano de manejo. Sem sobreposição com outras UCs.
f Situação fundiária da UC: 15,8 ha (abrangendo a gruta e entorno) foram
desapropriados pela prefeitura, que tem a imissão de posse.
f Conflitos internos e com o entorno: vulnerabilidade ao fogo, especial-
mente devido ao fato de que a UC faz divisa com a BR-040 em uma ex-
tensão de cerca de 2,05 km e de 1,67 km com a estrada de acesso pavimen-
tada ao município de Cachoeira da Prata; trânsito de pessoas estranhas e
caça; pisoteio, alterações físico-químicas de espeleotemas e presença de
resíduos sólidos, dejetos humanos e pichações nas cavernas e decorrentes
de uso religioso, escaladas e visitação sem o devido controle; presença de
poeira provavelmente exógena na entrada de cavernas voltadas para leste,
talvez decorrente da BR-040 e de minerações próximas; presença de in-
fraestrutura de iluminação fixa na Gruta Rei do Mato que causa sérios im-
pactos estéticos, físicos e químicos em espeleotemas, rochas e sedimentos;
desmatamento e corte seletivo de árvores no entorno das cavernas; pre-
sença de gado, que dificulta a regeneração das áreas florestais.

278
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

f Visitação: sim. A Gruta do Rei do Mato chega a receber cerca de 22.000


visitantes por ano. A gruta localiza-se às margens das rodovias BR-040 e
MG-238, sendo, por isso, uma das cavernas turísticas mais acessíveis do
Brasil.
f Projetos de educação ambiental: sim, para habitantes do entorno e escolas.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 8.670/1984 (criação; CNUC refere-se equivocadamente a decreto;
CNUC também menciona área de 160 ha nesse documento, o que não é
mencionado no plano de manejo).
f Lei nº 18.348/2009 (recategorização e redução).

5) Pontos de interesse para visitação

Gruta Rei do Mato, uma das mais visitadas do Brasil, situada no Carste de
Lagoa Santa e na Rota de Grutas de Peter Lund.

Fontes de informação

1) Documentos:
IEF (Instituto Estadual de Florestas)/MG. Plano de Manejo do Monumento
Natural Estadual da Gruta do Rei do Mato. Viçosa: IEF, 2012.
Secretaria da Casa Civil e das Relações Institucionais/Governo do Estado de
Minas Gerais. Técnicos da Organização Mundial do Turismo visitam a Linha
Lund. 9 abr. 2010.

2) Páginas eletrônicas:
CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.
IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.
IEF: <http://www.ief.mg.gov.br/component/content/article/3306-nova-
categoria/2876-mne-gruta-rei-do-mato>.
Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:mona_gruta_rei_do_
mato:inicio>.
WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

279
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Monumento Natural Estadual Lapa Nova de Vazante (1990)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Vazante.

f Área: em 1990, aproximadamente 75 ha (decreto de criação); em 2016,


79 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e fauna: a UC inclui mata semidecidual e apresenta pai-
sagem muito fragmentada. Em relação à fauna, foram identificadas 13 es-
pécies de mamíferos, 24 de anfíbios, 15 de répteis, 51 de aves e 161 de
artrópodes.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do Médio São Francisco.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: sem sobreposição com outras UCs. A zona de


amortecimento foi definida no plano de manejo, com limites não unifor-
mes, incluindo área urbana e de expansão urbana. O plano não apresenta a
área total da zona de amortecimento. A UC não possui corredor ecológico,
mas o plano de manejo propõe quatro corredores ecológicos com outras
áreas protegidas da região que não são UCs.
f Infraestrutura implantada: portaria e restaurante.

f Situação fundiária da UC: área particular = 100%. Não há população no


interior da UC.
f Visitação: a UC recebe em torno de 6.000 visitantes por ano. Não tem
arrecadação.
f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 30.936/1990 (criação como área de proteção especial).

f Decreto nº 32.638/1991 (recategorização como reserva ecológica).

f Decreto nº 32.672/1991 (revogação do Decreto nº 32.638/1991).

f Decreto nº 46.960/2016 (definição como monumento natural).

280
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

A UC foi criada como área de proteção especial em 1990, com aproxima-


damente 75 ha. Essa área foi depois redefinida como reserva ecológica pelo
Decreto nº 32.638/1991, com aproximadamente 68 ha. No mesmo ano de 1991,
o Decreto nº 32.672 revogou o Decreto nº 32.638. Finalmente, em 2016, o
Decreto nº 46.960 definiu a área como unidade de conservação, categoria mo-
numento natural, com 79 ha.

5) Pontos de interesse para visitação

Gruta da Lapa Nova.

Fontes de informação

1) Checklist preenchido e encaminhado pelo gestor da UC em 18 de junho de


2018.

2) Documento:

IEF-MG (Instituto Estadual de Florestas). Plano de Manejo do Monumento


Natural Estadual Lapa Nova de Vazante – resumo executivo. Belo
Horizonte: 2018.

3) Páginas eletrônicas:

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

Portal Minas Gerais: <http://www.minasgerais.com.br/pt/atracoes/vazante/


gruta-da-lapa-nova>.

Monumento Natural Estadual Lapa Vermelha (2010)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Pedro Leopoldo.

f Área: 34 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do Alto São Francisco.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

281
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Integração e sobreposições: a UC está 100% sobreposta à Área de Proteção


Ambiental (APA) Carste de Lagoa Santa.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 45.400/2010.

A Gruta Lapa Vermelha foi uma das áreas de trabalho de Peter Lund no século
XIX, o qual descobriu milhares de fósseis de animais extintos na região. Nessa
gruta também foi encontrado o crânio de Luzia, o fóssil humano mais antigo
das Américas, datado em 11 mil anos de idade. O fóssil foi descoberto na dé-
cada de 1970 por uma equipe de arqueólogos franco-brasileira.

5) Pontos de interesse para visitação

Gruta Lapa Vermelha, que abriga sítio arqueológico onde foi encontrado o crâ-
nio de Luzia, o fóssil humano de 11 mil anos.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Monumento_Natural_
Estadual_Lapa_Vermelha>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Monumento Natural Estadual Peter Lund (2005)


Estadual – Instituto Estadual de Florestal de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Cordisburgo.

f Área: 72,73 ha.

282
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC situa-se em área de transição entre
Cerrado e Mata Atlântica, com floresta estacional decídua, floresta estacio-
nal semidecídua, cerradão e campo cerrado. Quanto à fauna, foram identi-
ficadas 29 espécies de mamíferos, 98 de aves, 3 de anfíbios e 5 de répteis.
A fauna na Gruta de Maquiné abrange 70 espécies, sendo 6 de troglóbios.
Entre as espécies cavernícolas, inclui-se Loxosceles sp., conhecida como
aranha-marrom.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se em escarpa cárstica com cristas de
até 950 m. Foram identificados 26 cavernas e 6 abrigos sob rocha na UC.
Destacam-se a Gruta do Maquiné, com 1.312 m, e a Gruta do Salitre, com
1.098 m. A Gruta de Maquiné é rica em espeleotemas e apresenta grande
beleza cênica.
f Bacias hidrográficas: a UC está inserida na bacia hidrográfica do córrego
do Cuba, afluente do ribeirão da Onça, pertencentes à bacia do rio São
Francisco.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs. A zona


de amortecimento possui 8.271 ha, definida no plano de manejo.
f Infraestrutura implantada: energia, sede, bilheteria, estacionamento, lan-
chonete, restaurante, quatro stands de souvenirs, sanitários.
f Situação fundiária: a área estadual corresponde a 63 ha, e a particular a
10 ha. Não há população residente no interior da UC.
f Conflitos internos e com o entorno: na Gruta de Maquiné ocorre vanda-
lismo dos espeleotemas (quebra, pisoteio e pichações) por visitantes ou
decorrentes da implantação da infraestrutura de iluminação, desorganiza-
ção dos cabeamentos elétricos, presença de resíduos sólidos decorrentes
das instalações elétricas, crescimento de organismos fotossintetizantes por
conta da iluminação interna, introdução artificial de água, com potenciais
impactos negativos sobre a fauna cavernícola.
f Visitação: a UC recebe em torno de 50.000 visitantes por ano e alcança
arrecadação de R$ 500.000,00 por ano.

283
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 44.120/2005.

A UC foi criada em função da grande importância paleontológica da Gruta de


Maquiné, especialmente pelas pesquisas de Peter Lund, dinamarquês que traba-
lhou na Gruta no século XIX e dela retirou e enviou para a Dinamarca centenas
de fragmentos ósseos representativos da megafauna pleistocênica brasileira.

5) Pontos de interesse para visitação

Gruta de Maquiné, uma das mais visitadas do Brasil, na Rota de Grutas de Peter
Lund.

Fontes de informação

1) Checklist respondido por gestor da UC em junho de 2018.

2) Documento:

IEF-MG (Instituto Estadual de Florestas). Plano de Manejo do Monumento


Natural Estadual Peter Lund. Viçosa: IEF, 2012.

3) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

IEF: <http://ief.mg.gov.br/component/content/article/3306-nova-
categoria/2875-monumento-natural-peter-lund->.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/592524>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:mona_peter_lund:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

284
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

Monumento Natural Estadual Santo Antônio (2010)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Matozinhos.

f Área: 31 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC abrange floresta estacional decidual (mata seca).

f Relevo e geomorfologia: a UC está inserida em região cárstica, carac-


terizada por afloramentos rochosos isolados, com alturas que chegam a
mais de 30 m, bastante irregulares, fendilhados, com inúmeras saliências,
reentrâncias e canais que se interconectam. Em alguns locais o relevo
apresenta feições ruiniformes, com torres e blocos de calcário. Ocorrem,
ainda, sumidouros temporários e pequenas dolinas.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do Alto São Francisco.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC está 100% sobreposta à Área de Proteção


Ambiental (APA) Carste de Lagoa Santa.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 45.399/2010.

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por técnico do Instituto estadual de


Florestal, em 8 de junho de 2018.

2) Documento:

Brandt Meio Ambiente. Monumento Natural da Gruta do Santo Antônio e


Parque Estadual de Cerca Grande – Levantamento Técnico para Criação de
Unidades de Conservação. Matozinhos, MG: Brandt Meio Ambiente, 2010.

285
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

3) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Monumento Natural Estadual Vargem da Pedra (2010)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Matozinhos.

f Área: 10 ha.

2) Caracterização ecológica e patrimônio arqueológico da UC


f Fitofisionomias: a UC inclui matas secas.

f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se em planícies cársticas e fluviais, com


altitudes inferiores a 700 m. A UC corresponde a uma dolina com aflora-
mento calcário em uma das bordas, temporariamente inundada com forma-
ção de lago de grande beleza cênica. A dolina denominada Vargem da Pedra
é parte de um complexo de dolinas periodicamente inundadas que se esten-
de para o norte formando um sistema de lagos na planície de Mocambeiro.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do Alto São Francisco.

f Patrimônio arqueológico: a UC abrange vários conjuntos de formações


rupestres e abrigos.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC está 100% sobreposta à Área de Proteção


Ambiental (APA) Carste de Lagoa Santa.
f Infraestrutura implantada: telefonia celular, veículos.

286
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

f Conflitos internos e com o entorno: há potencial de expansão urbana no


entorno, inclusive sobre as lagoas que compõem a planície cárstica onde
a UC se insere.
f Visitação: fechado, mas com visitação informal pela população local.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 45.392/2010.

5) Pontos de interesse para visitação

Dolina, abrigo e caverna de grande beleza cênica e vestígios arqueológicos.

Fontes de informação

1) Documento:

IEF-MG (Instituto Estadual de Florestas). Estudo Técnico para criação do


Monumento Natural Estadual Vargem da Pedra. Belo Horizonte: IEF, 2009.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Monumento Natural Estadual Várzea da Lapa (2010)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Lagoa Santa.

f Área: 24 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do Alto São Francisco.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

287
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC está 100% sobreposta à Área de Proteção


Ambiental (APA) Carste de Lagoa Santa.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 45.508/2010.

5) Pontos de interesse para visitação

Sítio de grande beleza cênica, patrimônio arqueológico e espeleológico.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Monumento Natural Experiência da Jaguara (2010)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Matozinhos.

f Área: 38,4815 ha.

2) Caracterização ecológica e patrimônio arqueológico da UC


f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do Alto São Francisco.

f Patrimônio arqueológico: a UC apresenta vestígios de pinturas rupestres.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC está 100% sobreposta à Área de Proteção


Ambiental (APA) Carste de Lagoa Santa.

288
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

f Infraestrutura implantada: sinal de telefonia celular, veículos.

f Conflitos internos e com o entorno: a UC enfrenta pressão por desmata-


mento no entorno, presença de gado e captação de água para irrigação.
O abrigo apresenta pichações e entulho próximo à entrada.
f Visitação: fechado.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 45.391/2010.

5) Pontos de interesse para visitação

Maciço calcário isolado com sítios paleontológicos e grande concentração de


cavernas.

Fontes de informação

1) Documento:

HERRMANN, Gisela; KOHLER, Heinz Charles; DUARTE, Júlio César;


CARVALHO, Patrícia Garcia da S. (Orgs.). Gestão ambiental – APA Carste de
Lagoa Santa. Belo Horizonte: Ibama/Fund. BIODIVERSITAS/CPRM, 1998.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual Caminho dos Gerais (2007)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Espinosa, Gameleiras, Mamonas, Monte Azul.

f Área: 56.237 ha.

289
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC situa-se em região de transição entre Cerrado e
Caatinga. Apresenta as seguintes fitofisionomias: cerrado stricto sensu,
campo cerrado, campo rupestre, cerrado rupestre, floresta estacional se-
midecidual, floresta estacional decidual, campo brejoso (vereda) e arbustal
(caatinga arbustiva).
f Relevo e geomorfologia: a UC apresenta relevo tabular.

f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do Médio São Francisco.


Inclui diversas nascentes, sendo composta por pequenos rios encachados
(a maioria intermitentes) e veredas.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: não apresenta sobreposição com outras UCs.

f Infraestrutura implantada: telefone, internet, rádio, telefonia celular,


veículos.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto sem nº de 28 de março de 2007 (criação).

f Decreto sem nº de 13 de agosto de 2008 (declaração de utilidade pública


e de interesse social).
f Decreto com Numeração Especial 259, de 22 de maio de 2017 (declaração
de utilidade pública para desapropriação).
f A UC foi criada por demanda de lideranças locais, tendo em vista a con-
servação dos recursos naturais, em especial dos cursos d’água.

5) Pontos de interesse para visitação

Vista da Serra Geral, cachoeiras e corredeiras.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

290
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

IEF: <http://www.ief.mg.gov.br/unidades-de-conservacao/248>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/584009>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_Caminho_
dos_Gerais>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual da Cerca Grande (2010)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Matozinhos.

f Área: 134,1915 ha.

2) Caracterização ecológica e patrimônio arqueológico da UC


f Fitofisionomias: a UC inclui floresta estacional decidual (mata seca) e
vegetação herbácea/arbustiva, com predomínio de bromélias (Dickia sp.)
sobre a rocha calcária.
f Relevo e geomorfologia: a UC apresenta relevo cárstico, com afloramen-
tos rochosos isolados. Em alguns locais, ocorrem feições ruiniformes,
com torres e blocos de calcário, bem como sumidouros temporários e
pequenas dolinas.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do Alto São Francisco.

f Patrimônio arqueológico: a UC abrange sítio tombado pelo Instituto


do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a Lapa da Cerca
Grande. O sítio foi descrito pela primeira vez por Peter Lund, em 1835.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC está 100% sobreposta à Área de Proteção


Ambiental (APA) federal Carste de Lagoa Santa.
f Infraestrutura implantada: não possui.

291
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Situação fundiária da UC: área particular = 100%. Não há população re-


sidente no interior da UC.
f Conflitos internos e com o entorno: a UC não enfrenta conflitos signifi-
cativos, tendo em vista que seu acesso é feito por estrada privada, o que
dificulta a entrada de pessoas.
f Visitação: a UC não está aberta à visitação, exceto para pesquisa e ativi-
dades educacionais. Há interesse da iniciativa privada em apoiar a UC por
meio da compensação ambiental.
f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 45.398/2010.

5) Pontos de interesse para visitação

Lapa da Cerca Grande, importante sítio arqueológico do Brasil.

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor da UC em 8 de junho de 2018.

2) Documento:

Brandt Meio Ambiente. Monumento Natural da Gruta do Santo Antônio e


Parque Estadual de Cerca Grande – Levantamento Técnico para Criação de
Unidades de Conservação. Matozinhos, MG: Brandt Meio Ambiente, 2010.

3) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

IEF: <http://www.ief.mg.gov.br/parque-estadual/1414>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_Cerca_
Grande>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

292
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

Parque Estadual da Lapa Grande (2006)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Montes Claros.

f Área: em 2006, 7.000 ha; em 2014, 15.360,43 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC inclui cerrado e floresta decidual (mata seca).

f Relevo e geomorfologia: a UC inclui 50 cavidades naturais subterrâneas


catalogadas, incluído o Complexo Lapa Grande, com mais de 3 km de
extensão de caverna.
f Bacias hidrográficas: situa-se na bacia do Médio São Francisco e inclui
os principais mananciais de fornecimento de água de Montes Claros e
municípios vizinhos.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a unidade não está em sobreposição com ou-


tras UCs ou com terras indígenas.
f Conflitos internos e com o entorno: enfrenta pressão de extração ma-
deireira, queimadas e turismo desordenado, sobretudo de ciclistas e
caminhantes.
f Visitação: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 44.204/2006.

f Decreto sem nº de 3 de outubro de 2006 (declaração de utilidade pública


e de interesse social, para fins de desapropriação).
f Decreto sem nº de 13 de agosto de 2008 (declaração de utilidade pública
e de interesse social).
f Decreto nº 46.692/2014 (ampliação).

293
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

5) Pontos de interesse para visitação

50 cavidades subterrâneas registradas, destacando-se a Lapa Grande, com 2,2 km


de extensão.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

IEF: <http://www.ief.mg.gov.br/instituicao/281?task=view>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/590016>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:pe_da_lapa_grande:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_da_Lapa_
Grande>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual da Mata Seca (2000)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Manga.

f Área: em 2000, 10.281 ha; em 2009, 15.360,0663 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: situa-se em área de transição entre Cerrado e Caatinga.
Inclui floresta decidual (mata seca).
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do Médio São Francisco.

294
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC não apresenta sobreposição com outras


UCs. Integra o Mosaico Sertão Veredas/Peruaçu, instituído pela Portaria
do Ministério do Meio Ambiente (MMA) nº 128, de 24 de abril de 2009.
f Situação fundiária da UC: 100% das terras tituladas do estado. Não possui
população em seu interior.
f Conflitos internos e com o entorno: desmatamento, pesca, caça, presença
de gado e incêndios.
f Visitação: não.

f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 41.479/2000 (criação).

f Decreto sem n° de 31 de janeiro de 2007 (declaração de utilidade pública


e de interesse social).
f Decreto nº 45.043/2009 (ampliação).

f Decreto com Numeração Especial 355, de 21 de setembro de 2015 (decla-


ração de utilidade pública, para desapropriação de pleno domínio).

A UC foi criada em cumprimento de condicionante ambiental do Projeto de


Irrigação Jaíba, conforme processo Copam nº 339, de janeiro de 1997.

5) Pontos de interesse para visitação

Caverna da Lavagem, com 1.000 m de galeria; trilhas pela Mata Seca; e lagoas
marginais do rio São Francisco.

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor da UC em 27 de julho de 2018.

2) Páginas eletrônicas

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

295
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

ISA: <https://uc.socioambiental.org/node/591268>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:pe_mata_seca:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_da_Mata_
Seca>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual da Serra das Araras (1998)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Chapada Gaúcha.

f Área: 11.137 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: cerrado stricto sensu, campos limpo e sujo,
matas de galeria, veredas, carrascos. Registradas 187 espécies vegetais.
Em relação à fauna, foram registradas 20 espécies de anfíbios anuros e
uma Gymnophiona, 2 espécies de serpentes e 10 espécies de lagartos,
166 espécies de aves e 33 de mamíferos.
f Relevo e geomorfologia: relevo composto por chapadas areníticas recor-
tadas pelas cabeceiras das drenagens – por vezes pouco profundas, cons-
tituindo veredas, outras muito entalhadas.
f Bacias hidrográficas: situa-se no alto curso do rio Pardo, afluente da mar-
gem esquerda do rio São Francisco, no norte de Minas Gerais.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: não está em sobreposição com outras UCs.


A zona de amortecimento possui 72.717  ha, definida no plano de ma-

296
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

nejo. Integra o Mosaico Sertão Veredas/Peruaçu, instituído pela Portaria


do Ministério do Meio Ambiente (MMA) nº 128, de 24 de abril de 2009.
f Infraestrutura implantada: sede e alojamento, rádio, telefone, veículo.

f Situação fundiária da UC: abrange terra particular e posses. Estima-se


que, nas 10 áreas ocupadas por posseiros, haja uma população de cerca
de 90 pessoas.
f Conflitos internos e com o entorno: incêndios, criação de gado dentro da
UC, extração de recursos vegetais.
f Visitação: UC recebe em torno de 600 visitantes por ano. Sem arrecadação.

f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 39.400/1998.

Em 1996, denúncias de desmatamentos ilegais em projetos de manejo flo-


restal sustentável licenciados pelo Ibama (MG), na Serra das Araras, leva-
ram o Instituto Estadual de Florestas (IEF) a tomar conhecimento da riqueza
ecológica da região. Surgiu a proposta de criação de uma UC na área, em
especial na Fazenda Riacho Fundo, cujo proprietário foi contatado. O pro-
cesso de desapropriação foi amigável e contou com créditos da compensação
ambiental.

5) Pontos de interesse para visitação

Trilha Morro do Fogo/São José (10,5 km); Trilha Morro do Fogo/Vereda das


Porteiras (9,8 km); Trilha da Capivara (4,8 km); Trilha do Peregrino (2,1 km),
com passagem pela Gruta do Coração e término na capela com imagem de
Santo Antônio; Trilha Ninho da Arara Vermelha (1,5 km).

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor da UC em 27 de julho de


2018.

2) Documento:

IEF (Instituto Estadual de Florestas) / Funatura (Fundação Pró-Natureza).


Plano de Manejo do Parque Estadual da Serra das Araras. Brasília, 2005.

297
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

3) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

IEF: <http://ief.mg.gov.br/component/content/article/3306-nova-
categoria/1765-parque-estadual-serra-das-araras->.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/595034>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_da_Serra_
das_Araras>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual da Serra do Cabral (2005)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Buenópolis, Joaquim Felício.

f Área: 22.494,1728 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: vegetação rupestre, cerrado, campos, veredas e vegeta-
ção florestal.
f Relevo e geomorfologia: a Serra do Cabral faz parte da Cordilheira do
Espinhaço e apresenta altitudes entre 900 m e 1300 m. A UC apresenta
feições planas, formadas pelo acúmulo de areias quartzosas finas, em cotas
superiores a 1.200 m de altitude; relevo ruiniforme esculpido em quartzito,
com presença de matacões, blocos e afloramentos de quartzito; e terraços
fluviais. Há ocorrência de numerosas lapas no maciço rochoso, que forne-
ceram abrigo humano em tempos pré-históricos.

298
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

f Bacias hidrográficas: os rios da Serra do Cabral drenam para os rios das


Velhas e Jequitaí, sendo a serra divisor de águas entre as duas bacias. Os
dois rios são afluentes da margem direita do rio São Francisco.
f Patrimônio cultural: a UC apresenta grande número de sítios arqueológi-
cos pré-históricos, com pinturas rupestres.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração: A UC situa-se paralelamente ao Parque Nacional das Sempre


Vivas. Integra o Mosaico do Espinhaço: Alto Jequitinhonha – Serra do
Cabral, instituído pela Portaria do Ministério do Meio Ambiente (MMA)
nº 444, de 26 de novembro de 2010.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, rádio, telefonia ce-
lular, sede, estacionamento, banheiros, veículos.
f Situação fundiária da UC: área titulada do estado = 2%; área particular =
98%. Com presença humana.
f Conflitos internos e com o entorno: queimadas, caça, coleta de espécies da
flora nativa, atividades antrópicas (criação de gado, retirada de madeira).
f Visitação: fechado.

f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 44.121/2005 (criação).

f Decreto sem nº de 13 de agosto de 2008 (declaração de utilidade pública


dos imóveis, para desapropriação).
f Decreto com Numeração Especial 259, de 22 de maio de 2017 (declara-
ção de utilidade pública dos imóveis, para desapropriação).

5) Pontos de interesse para visitação

Complexo rochoso da Pedra Alta, com pinturas rupestres; Cachoeira do Riachão;


trilhas; e estradas cênicas.

299
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Fontes de informação

1) Documento:

IEF (Instituto Estadual de Florestas). Plano de Manejo da do Parque


Estadual da Serra do Cabral – Resumo Executivo. Belo Horizonte, s/data.

2) Checklist respondido e encaminhado por gestor da UC em 26 de junho


de 2018.

3) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/595340>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual da Serra do Intendente (2007)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Conceição do Mato Dentro.

f Área: 13.508,83 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: vegetação abrange matas de galeria, cerradão, campo ru-
pestre e florestas estacionais semideciduais.
f Relevo e geomorfologia: relevo ondulado e forte, onduladas próximas a
fundos de vales.
f Bacias hidrográficas: a UC abrange 356 nascentes, sendo 195 na sub-
-bacia do rio Preto e 161 na sub-bacia do rio Parauninha, ambas estão
situadas na sub-bacia do Santo Antônio, por sua vez inserida na bacia do
rio Doce.

300
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC está em sobreposição com o Parque


Natural Municipal do Tabuleiro. Essas UCs podem constituir um cor-
redor, juntamente com o Parque Nacional da Serra do Cipó e a Área
de Proteção Ambiental (APA) do Morro da Pedreira, nas altas terras da
Serra do Espinhaço.
f Infraestrutura implantada: rádio, telefonia celular, guarita, veículos.

f Situação fundiária: área particular = 99%; área do município = 1%. Com


presença humana.
f Conflitos internos e com o entorno: queimadas e desmatamento.

f Visitação: aberto entre 8h e 17h, com controle de visitantes nos atrativos


mais visitados.
f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto sem nº de 28 de março de 2007 (criação).

f Decreto sem nº de 13 de agosto de 2008 (declaração de utilidade pública


para desapropriação).

A UC foi criada por demanda de lideranças locais junto ao Instituto Estadual


de Florestas (IEF), devido às ameaças ocorrentes sobre a área (queimadas, des-
matamento etc.).

5) Pontos de interesse para visitação

Cachoeiras do Tabuleiro, Cachoeira Rabo de Cavalo, Cânion do Peixe Tolo,


Cachoeira da Bocaina, Cachoeira Sumitumba, Complexo Roncador, Complexo
da Gurita, Cachoeira do Altar, Cachoeira Congonhas, Cânion do Rio Preto e
Cachoeira do Peixe Cru.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

301
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

IEF: <http://ief.mg.gov.br/component/content/article/3306-nova-
categoria/1755-parque-estadual-serra-do-intendente>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/595433?order=title&sort=asc>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_Serra_do_
Intendente>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:pe_serra_do_
intendente:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual da Serra do Sobrado (2010)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: São José da Lapa.

f Área: 383,6040 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e flora: a UC abrange florestas decíduas nas encostas com
solos mais rasos e pela floresta semidecídua nas áreas mais altas e com so-
los mais profundos.
f Relevo e geomorfologia: relevo forte ondulado a ondulado.

f Bacias hidrográficas: a UC está na bacia do ribeirão da Mata, afluente


da margem esquerda do rio das Velhas, pertencente à bacia do rio São
Francisco.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

302
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

f Integração e sobreposições: zona de amortecimento de 3 km em torno da


UC, definida pelo Decreto nº 46.588/2014. UC não está em sobreposição
com outras.
f Infraestrutura implantada: energia, telefonia celular, veículos.

f Situação fundiária da UC: área particular = 100%. Com presença humana.

f Visitação: fechado.

f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 45.509/2010 (criação).

f Decreto nº 46.588/2014 (delimita zona de amortecimento).

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:pe_da_serra_do_
sobrado:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_Serra_do_
Sobrado>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

303
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Parque Estadual da Serra Negra10 (1998)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Itamarandiba.

f Área: 13.654,31 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: A UC situa-se em área de transição entre Cerrado e Mata
Atlântica e abrange Cerrado, campo rupestre e Mata Atlântica.
f Relevo e geomorfologia: a UC está inserida na Cadeia do Espinhaço e
possui relevo montanhoso.
f Bacias hidrográficas: a UC abrange 78 nascentes da bacia do rio Araçuaí,
integrante da bacia do rio Jequitinhonha.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs. A UC


não possui zona de amortecimento e integra o Mosaico do Espinhaço: Alto
Jequitinhonha – Serra do Cabral, instituído pela Portaria do Ministério do
Meio Ambiente (MMA) nº 444, de 26 de novembro de 2010, bem como
a Reserva da Biosfera da Mata Atlântica
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, rádio, mirante, abri-
go, banheiros, veículos.
f Situação fundiária da UC: terras do estado = 27% e particulares = 73%.
Aproximadamente 40 pessoas residem no interior da UC.
f Conflitos internos e com o entorno: queimadas.

f Visitação: mediante agendamento prévio, todos os dias, de 8h às 17h. Em


2017, recebeu 512 visitantes. Não tem arrecadação.
f Projetos de educação ambiental: sim.

10 Foi criado o Parque Estadual da Serra Negra da Mantiqueira pelo Decreto com Numeração
Especial 301, de 4 de julho de 2018, que não se confunde com o Parque Estadual da Serra Negra.

304
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 39.907/1998 (criação).

f Decreto sem nº de 13 de agosto de 2008 (declaração de utilidade pública,


dos imóveis da UC).

5) Pontos de interesse para visitação

Mirantes, orquidários naturais, grutas e inúmeras cachoeiras; vista da paisagem


montanhosa da Cadeia do Espinhaço.

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor da UC em 11 de junho de 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Portal Minas Gerais: <http://www.minasgerais.com.br/pt/atracoes/


itamarandiba/parque-estadual-da-serra-nega>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_da_Serra_
Negra>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual de Botumirim (2018)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Boicaiúva, Botumirim.

f Área: 35.683 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: campos rupestres e veredas.

305
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Jequitinhonha.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs ou com


terras indígenas.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 302/2018 (criação).

5) Pontos de interesse para visitação

Patrimônio espeleológico e arqueológico.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

Mapbiomas: <https://plataforma.brasil.mapbiomas.org/>.

Parque Estadual de Grão Mogol (1998)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Grão Mogol.

f Área: em 1998, 33.324,72 ha; em 2009, 28.404,4870 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC abrange campos de altitude (incluídos campos de
sempre vivas), cerrado baixo e caatinga arbustiva. Em relação à fauna,
foram listadas 33 espécies de mamíferos na UC.
f Relevo e geomorfologia: a UC insere-se na Serra Geral, com relevo pre-
dominantemente montanhoso, cortado por grandes chapadas (Chapada do
Bosque, Chapada do Bosquinho e Chapada do Cardoso).

306
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

f Bacias hidrográficas: a UC faz parte da bacia hidrográfica do rio


Jequitinhonha. É atravessada por rios perenes, embora esteja em região ex-
tremamente seca.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: sem sobreposição com outras UCs.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 39.906/1998 (criação).

f Lei nº 15.814, de 7 de novembro de 2005 (desafetação de área).

f Decreto sem nº de 3 de outubro de 2006 (declaração de utilidade pública


e interesse social).
f Decreto nº 45.243/2009 (definição de nova poligonal, menor que a original).

f Decreto com Numeração Especial 354, de 21 de setembro de 2015.

A UC foi criada em 1998, com 33.324 ha. Em 2005, a Lei nº 15.814 autorizou


a desafetação de 6.000 ha da UC. Em 2009, o Decreto nº 45.243 definiu a poli-
gonal da UC, com 28.404 ha (declaração de utilidade pública).

5) Pontos de interesse para visitação

Trilha com calçamento de pedra dos tempos coloniais, construída por escravos;
campos rupestres.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:pe_grao-mogol:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_de_
Gr%C3%A3o_Mogol>.

307
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual de Paracatu (2011)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Paracatu.

f Área: 6.400 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e flora: a UC abrange mata galeria, cerrado stricto sensu,
campo sujo, campo limpo, campo cerrado e floresta estacional. Foram
identificadas 222 espécies de árvores. A fauna inclui 25 espécies de peixes,
23 de anfíbios, 12 de répteis, 183 de aves e 35 de mamíferos de médio e
grande porte.
f Relevo e geomorfologia: o relevo dominante é formado por chapadas,
com cotas entre 930 m e 970 m, e porções dissecadas em grau variado.
f Bacias hidrográficas: a UC compreende o ribeirão Santa Izabel, da bacia
do rio Paracatu, integrante da bacia do Médio São Francisco. A UC pro-
tege grande parte da Área de Proteção Especial Santa Isabel/Espalha, que
conserva mananciais de abastecimento de Paracatu.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs. A zona


de amortecimento possui 17.006,37 ha, definida no plano de manejo.
f Infraestrutura implantada: sede, centro de visitantes e casa de guarda-
-parque.
f Situação fundiária da UC: área estadual = 70%, o restante é área par-
ticular. Há 4 habitantes no interior da UC.
f Visitação: a UC recebe em torno de 500 visitantes por ano. Não tem arre-
cadação.
f Projetos de educação ambiental: sim.

308
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 45.567/2011.

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado em 18 de junho de 2018.

2) Documento:

IEF (Instituto Estadual de Florestas). Plano de Manejo Parque Estadual de


Paracatu. Paracatu, 2017.

3) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_de_
Paracatu>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual de Sagarana (2003)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Arinos.

f Área: 2.340,1251 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: mata decidual e cerrado sensu stricto.

f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do Médio São Francisco.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

309
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Integração e sobreposições: UC sem zona de amortecimento. Não há so-


breposição com outras UCs.
f Situação fundiária da UC: área estadual = 100%. Sem população no inte-
rior da UC.
f Visitação: a UC recebe em torno de 1.000 visitantes por ano. Não tem
arrecadação.
f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto sem nº de 21 de outubro de 2003 (criação).

f Lei nº 22.897, de 11 de janeiro de 2018 (recategorização).

A UC foi criada como estação ecológica, mas recategorizada como parque es-
tadual em 2018.

5) Pontos de interesse para visitação

Cachoeiras do Boi Preto e do Marques.

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor de UC em 18 de junho de 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.
(consta como Estação Ecológica de Sagarana)

Instituto Estadual de Florestas/MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/es/uc/593848>.

IEF: <http://www.ief.mg.gov.br/component/content/article/3306-nova-
categoria/2909-parque-estadual-de-sagarana>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

WikiParques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Esta%C3%A7%C3%A3o_
Ecol%C3%B3gica_de_Sagarana>.

Wkiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:esec_de_sagarana:inicio>.

310
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual do Biribiri (1998)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Diamantina.

f Área: 16.998,66 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC abrange floresta estacional semidecidual, cerrado
(cerradão, cerrado típico, cerrado ralo e cerrado rupestre), formações
campestres (campo rupestre, campo limpo, campo limpo seco e campo
limpo úmido). Em relação à fauna, foram levantadas 308 espécies de ver-
tebrados na UC, sendo 30 espécies de mamíferos, 205 de aves, 37 de
répteis, 25 de anfíbios e 11 de peixes (1 exótica).
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se em área montanhosa com vales
encaixados e raras áreas aplainadas.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Jequitinhonha. A prin-
cipal bacia de drenagem pertence ao trecho médio e final do ribeirão das
Pedras, afluente da margem direita do rio Pinheiro. A área abrange, ainda,
o rio Biribiri, que moveu as turbinas da hidrelétrica geradora da força
motriz antiga fábrica de tecidos.
f Patrimônio arqueológico e histórico: há registro de 5 sítios arqueológicos
pré-coloniais no interior da UC (inscrições rupestres) e sítios de interesse
histórico (estruturas remanescentes da garimpagem na região, cemitério,
abrigos e o Caminho dos Escravos). Na Vila Biribiri, inserida na área
do parque, funcionou a fábrica de tecidos, criada pelo Bispo Dom João
Antônio dos Santos, em 1876, uma das primeiras comunidades fabris do
estado. Hoje, o local é um centro cultural e histórico.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

311
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs. A zona


de amortecimento possui 60.926  ha, definida no plano de manejo. A
UC integra a Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço e também o
Mosaico do Espinhaço Alto Jequitinhonha – Serra do Cabral, instituído
pela Portaria do Ministério do Meio Ambiente (MMA) nº 444, de 26 de
novembro de 2010.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, rádio, telefonia ce-
lular, portaria, guarita, mirante, estacionamento, banheiros, veículos.
f Situação fundiária da UC: área particular = 100%. A UC inclui população
residente do bairro Cidade Nova (loteamento municipal) e da área rural.
Quando da elaboração do plano de manejo, havia 300 casas e população
estimada de 1.300 pessoas no bairro Cidade Nova, bem como 50 residen-
tes rurais.
f Conflitos internos e com o entorno: presença de posseiros, áreas de roça e
pastagem, extração mineral, despejo de esgoto doméstico, represamento
de córrego, erosão, voçoroca, pesca, caça, acúmulo de lixo, fogo e quei-
madas, áreas de empréstimo, linhas de transmissão, infraestrutura de apoio
à repetidora de sinais de televisão, animais e vegetação exóticos, extração
de sempre-vivas, estrada municipal cortando o parque, excesso de trilhas
e caminhos, turismo desordenado e área urbana no interior da UC.
f Visitação: aberta de segunda a domingo, de 9h às 18h. Visitação desordena-
da em vários pontos da UC, sem capacidade de suporte para essa atividade.
f Projetos de educação ambiental: sim (com escolas, campanhas).

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 39.909/1998 (criação).

f Decreto sem nº de 13 de agosto de 2008 (declaração de utilidade pública


e interesse social das terras do parque).
f Decreto com Numeração Especial 245, de 15 de maio de 2017 (declaração
de utilidade pública, para desapropriação).

5) Pontos de interesse para visitação


Trilhas; mirantes; cachoeiras dos Cristais e Sentinela; Vila de Biribiri, rema-
nescente de antiga fábrica de tecidos; Caminho dos Escravos, do século XVIII;
sítios arqueológicos e pinturas rupestres.

312
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

Fontes de informação

1) Documento:

IEF (Instituto Estadual de Florestas) / STCP – Engenharia de Projetos LTDA.


Plano de Manejo do Parque Estadual do Biribiri – revisão final. Curitiba,
2004.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br/>.

IEF: <http://www.ief.mg.gov.br/component/content/article/3306-nova-
categoria/1753-parque-estadual-do-biribiri>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/583086>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:pe_biribiri:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_do_
Biribiri>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual do Pico do Itambé (1998)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Santo Antônio do Itambé, Serra Azul de Minas, Serro.

f Área: em 1998, 4.696 ha; em 2005, 6.520,3385 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e flora: a UC situa-se em área de transição entre Cerrado
do Mata Atlântica e engloba campos rupestres de altitude, campo limpo,
cerrado e floresta estacional. Foram coletadas 137 espécies vegetais.

313
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Quanto à fauna, foram levantadas na região 250 espécies de vertebrados


terrestres, sendo 34 espécies de mamíferos, 185 de aves, 31 de répteis, 32
de anfíbios e 3 morfoespécies de peixes.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se na Serra do Espinhaço e abrange
suas maiores elevações. Fica na UC o Pico do Itambé, com 2.052 m de
altitude.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se em interflúvio entre as bacias dos rios
Doce e Jequitinhonha e abrange várias nascentes.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim (anterior à ampliação da UC).

f Integração: situa-se próximo ao Parque Estadual do Biribiri e ao Parque


Nacional das Sempre Vivas. Possui zona de amortecimento definida no
plano de manejo e integra a Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, rádio, telefonia ce-
lular, portaria, guarita, mirante, abrigo, residência de funcionários, ba-
nheiros, veículos.
f Situação fundiária da UC: área titulada do estado = 95%; área particular =
5%. Na elaboração do plano de manejo, estimou-se a presença de 75 pes-
soas residentes na UC.
f Conflitos internos e com o entorno: visitação irregular e desordenada;
derrubada da floresta e queimadas para abertura de roçados e pastagem;
presença de gado; caça e pesca; grande quantidade de lixo; extrativismo
vegetal; mineração clandestina; linhas de transmissão desativadas e pos-
tes no interior da UC; pichações nas rochas, lapas e construções do pico;
posseiros e moradores na UC; espécies exóticas invasoras.
f Visitação: aberto mediante autorização especial, todos os dias, das 8h às 17h.

f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 39.398/1998 (criação).

f Decreto nº 44.176/2005 (ampliação).

f Decreto sem nº de 3 de outubro de 2006 (declaração de utilidade pública,


para desapropriação).

314
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

f Decreto com Numeração Especial 343, de 16 de setembro de 2015 (decla-


ração de utilidade pública, para desapropriação).

5) Pontos de interesse para visitação

Trilha do Pico do Itambé, com possibilidade de acampamento no pico; Trilha


dos Tropeiros; cachoeiras da Fumaça, do rio Vermelho e do Neném; e Travessia
do Parque Estadual do Pico do Itambé ao Parque Estadual do Rio Preto.

Fontes de informação

1) Documento:

IEF (Instituto Estadual de Florestas). Plano de Manejo do Parque Estadual


do Pico do Itambé. Curitiba, 2004.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IDE-Sisema: <http://idesisema.meioambiente.mg.gov.br/>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br >.

IEF: <http://www.ief.mg.gov.br/component/content/article/3306-nova-
categoria/1754-parque-estadual-do-pico-do-itambe->.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/592636>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:pe_pico_do_itambe:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_do_Pico_
do_Itamb%C3%A9>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

315
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Parque Estadual do Rio Preto (1994)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: São Gonçalo do Rio Preto.

f Área: em 1994, 10.755 ha; em 2005, 12.184,3255 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: campo de altitude, campo rupestre, cer-
radão, cerrado típico, ralo e rupestre, floresta estacional semidecidual e
mata ciliar. Coletadas 146 espécies botânicas nativas. Em relação à fauna,
foram levantadas 49 espécies de mamíferos, 177 de aves, 33 de répteis,
27 de anfíbios e 12 de peixes nativos.
f Relevo e geomorfomogia: a UC está inserida na Serra do Espinhaço e
possui relevo acidentado com diversos afloramentos rochosos.
f Bacias hidrográficas: abrange as nascentes do rio Preto e de seus princi-
pais afluentes, o ribeirão das Éguas, da bacia do rio Araçuaí, integrante da
bacia do rio Jequitinhonha.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a área está em sobreposição parcial com UC


municipal não identificada. Possui zona de amortecimento definida no
plano de manejo. Integra a Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço e
o Mosaico do Espinhaço Alto Jequitinhonha – Serra do Cabral, instituído
pela Portaria do Ministério do Meio AMbiente (MMA) nº 444, de 26 de
novembro de 2010.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, rádio, telefonia ce-
lular, portaria, centro de visitantes (com auditório para 70 pessoas), sede,
abrigo, guarita, mirante, alojamentos, camping, lanchonete, restaurante,
estacionamento, laboratório, residência de funcionários, banheiros, postos
de observação de incêndios, trilhas e aceiros.
f Situação fundiária da UC: não regularizada. Área particular = 99%. Não
possui população interior.

316
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

f Conflitos internos e com o entorno: presença sazonal de gado no interior


da UC, caça e pesca, extrativismo vegetal irregular, presença de espécies
exóticas vegetais e animais na UC, incêndios.
f Visitação: aberto terça a domingo, das 7h às 17h. Possível pernoitar me-
diante agendamento. A UC recebe em torno de 8.000 visitantes por ano e
sua arrecadação anual é de aproximadamente R$ 475.000,00.
f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 11.172, de 29 de julho de 1993 (autorização ao Poder Executivo,
para criar o parque estadual).
f Decreto nº 35.611/1994 (criação).

f Decreto nº 44.175/2005 (ampliação).

f Decreto nº 45.473/2010 (declaração de utilidade pública e de interesse


social, para desapropriação, dos terrenos que compõem o parque).

5) Pontos de interesse para visitação

Trilhas do Cerrado (4,6 km); Trilha das Crianças (550 m); Trilha da Cachoeira


do Crioulo (6,5 km); Trilha da Cachoeira das Sempre Vivas (4,5 km); Trilha
da Forquilha (2,2 km); Trilha do Poço de Areia (2 km); Trilha das Corredeiras
(5,2 km); roteiros dos mirantes da Estrada Real, do Lajeado, da Lapa, do Monjolo,
da Pedra; roteiros das pinturas rupestres das lapas do Tatu e do Tropeiro, do
Moinho de Fubá; Travessia dos Parques do Rio Preto e do Pico do Itambé.

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor da UC em 8 de junho de 2018.

2) Documento:

IEF (Instituto Estadual de Florestas). Plano de Manejo do Parque Estadual


do Rio Preto. Curitiba, ,2004.

3) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br >.

317
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

IEF: <http://www.ief.mg.gov.br/component/content/196?task=view>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/593685>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:pe_rio_preto:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_do_Rio_
Preto>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual do Sumidouro (1980)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Lagoa Santa, Pedro Leopoldo.

f Área: em 1980, 1.300 ha; em 2008, 2.004 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC está em transição entre Cerrado e
Mata Atlântica. Originalmente, a UC era dominada por florestas ombró-
filas nas margens dos cursos d’água (matas ciliares), florestas estacionais
deciduais sobre os afloramentos calcários e semideciduais na transição
entre estas e ambientes de cerradão. Atualmente, a UC é coberta de ca-
poeiras (vegetação secundária) com um misto de espécies de Cerrado e
Mata Atlântica, além de campos rupestres e ambiente lacustre (Lagoa do
Sumidouro). Em relação à fauna, foram identificadas 6 espécies de peixes
(incluída 1 espécie exótica de tilápia), 132 de aves, 13 de mamíferos ter-
restres, 13 de mamíferos voadores, 17 de anfíbios e 3 de répteis.
f Relevo e geomorfologia: o relevo é marcado por rochas carbonáticas, sur-
gências, sumidouros e cavernas ricas em espeleotemas, dolinas de varia-
dos tamanhos, lagos e condutos subterrâneos, comumente conectados com
o relevo superficial, e amplas planícies.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se no curso médio da bacia do rio das
Velhas (afluente do rio São Francisco) e possui uma abertura natural para

318
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

uma rede de galerias, por meio da qual um curso d’água penetra no sub-
solo, denominado “sumidouro”.
f Patrimônio histórico, arqueológico e paleontológico: a Lagoa do Sumidouro
foi objeto de pesquisa paleo-arqueológica de Peter Lund. Escavações mais
recentes apontaram a existência de 157 sítios arqueológicos com material
cerâmico e lítico, pinturas rupestres e ossos humanos pré-históricos, e his-
tóricos (casas, fornos, estruturas de lavras etc.).

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a UC está 100% sobreposta à Área de Proteção


Ambiental (APA) Carste de Lagoa Santa. A zona de amortecimento possui
9.184,6702 ha, definida no plano de manejo.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, rádio, telefonia celular, por-
taria, centro de visitantes, sede, guarita, mirante, alojamento, estaciona-
mento, laboratório, residência de funcionários, veículos, banheiros, grupo
de busca e salvamento.
f Situação fundiária da UC: terras tituladas do estado = 35%; área par-
ticular = 65%. A UC não tem ocupação humana.
f Conflitos internos e com o entorno: extração de recursos minerais, pesca,
estradas municipais; presença de lixo, pichações nas cavernas e fogo.
f Visitação: de segunda-feira a domingo, das 8h30 às 17h.

f Projetos de educação ambiental: visitas, às vezes informais, promovidas


por instituições de ensino, universidades e escolares, tendo como destino
principal a gruta da Lapinha.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 20.375/1980 (criação como parque ecológico).

f Decreto nº 20.598/1980 (declaração de utilidade pública dos terrenos, de-


finição da poligonal e retificação do nome para parque estadual).
f Decreto nº 20.599/1980 (Comissão de Coordenação da Implantação do
Sistema de Proteção dos Recursos Naturais da Área de Influência do
Aeroporto Metropolitano de Belo Horizonte, para, entre outras funções,

319
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

elaborar o plano diretor e os respectivos cronogramas físico-financeiros


para a instalação do Parque Estadual do Sumidouro).
f Decreto sem nº de 3 de outubro de 2006 (declaração de utilidade pública).

f Decreto nº 44.935/2008 (ampliação).

f Lei nº 19.998, de 29 de dezembro de 2011 (ratifica ampliação do Decreto


nº 44.935/2008).
f Decreto com Numeração Especial 408, de 7 de outubro de 2015 (declara-
ção de utilidade pública para desapropriação dos imóveis da UC).

O parque está associado às pesquisas pioneiras, feitas na primeira metade do


século XIX pelo naturalista dinamarquês Peter Wilhelm Lund, descobridor
do Homem de Lagoa Santa, acerca dos primeiros habitantes do Brasil e da
megafauna extinta. A UC foi criada em 1980. Em 2002, estudo contratado
pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável
concluiu que, devido ao intenso processo de ocupação do solo na UC, sua
implantação não seria viável, em seus limites originais. Houve protesto de
diversas entidades não governamentais, o que levou o Ministério Público
Estadual a exigir do Instituto Estadual de Florestas (IEF) a implantação da UC.
Paralelamente, o governo de Minas Gerais apresentou o Plano de Governança
Ambiental e Urbanística da Região Metropolitana de Belo Horizonte. No âm-
bito desse plano, incluiu-se a implantação do Parque Estadual do Sumidouro.
Foi aprovado o Decreto nº 44.935/2008, que revisou e ampliou a UC. Em
2011, foi aprovada a Lei nº 19.998, que ratificou os novos limites do parque.

5) Pontos de interesse para visitação

Gruta da Lapinha, Museu Peter Lund, Circuito Lapinha (da entrada da Gruta
da Lapinha à Gruta da Macumba), Trilha da Travessia (passando por mirantes,
comunidade da Lapinha, Lagoa do Sumidouro e Gruta do Sumidouro), Trilha
do Sumidouro (passando pela Casa Fernão Dias, marcos históricos e Lagoa do
Sumidouro), escalada no Maciço da Lapinha.

Fontes de informação

1) Documento:

Instituto Estadual de Florestas. Plano de Manejo do Parque Estadual do


Sumidouro. Lagoa Santa/Padre Leopoldo, MG: IEF, 2010.

320
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

IEF: < http://www.ief.mg.gov.br/component/content/article/3306-nova-


categoria/215-parque-estadual-do-sumidouro>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:pe_do_sumidouro:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_do_
Sumidouro>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual do Verde Grande (1998)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Matias Cardoso.

f Área: 25.570 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: área de transição entre Cerrado e Caatinga. Abrange
floresta estacional decidual e semedecidual, caatinga arbórea e caatinga
arbustiva. A UC engloba áreas alagáveis, com ninhais e lagoas margi-
nais, as quais são “berçários” de peixes.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do Médio São Francisco.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs. Zona


de amortecimento não definida. Inclusão da UC no Mosaico Sertão Vereda

321
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Peruaçu foi aprovada em julho de 2018 pelo Conselho Consultivo do


Mosaico (WWF, 2018).
f Infraestrutura implantada: energia, rádio, telefonia celular, sede, banhei-
ros, veículos, cercas, estradas, casas em péssimo estado de conservação,
caixas d’água, poços artesianos, tubulação para os poços, galões em pés-
simo estado de conservação.
f Situação fundiária da UC: área estadual = 55,79%; área particular = 44,21%.
Mais de 70 famílias residem na UC.
f Conflitos internos e com o entorno: caça, pesca e extração de madeira.

f Visitação: não.

f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 39.953/1998 (criação).

f Decreto sem nº de 31 de janeiro de 2007 (declaração de utilidade pública).

5) Pontos de interesse para visitação

Trilhas nas áreas de Floresta Estacional Decidual (Mata Seca).

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor da UC em 27 de julho de 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

IEF: <http://www.ief.mg.gov.br/component/content/article/3306-nova->.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/597866>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_do_Verde_
Grande>.

322
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

WWF (World Wildlife Fund). Mosaico Sertão Veredas Peruaçu é ampliado e


passa a ser um dos maiores do Cerrado. 10 de julho de 2018. Disponível em:
<https://www.wwf.org.br/?66542/Mosaico-Serto-Veredas-Peruau--ampliado-
e-passa-a-ser-um-dos-maiores-do-Cerrado>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual dos Campos Altos (2004)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Campos Altos.

f Área: 782,67 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: floresta estacional semidecidual.

f Relevo e geomorfologia: relevo bastante montanhoso, recortado por ser-


ras e vales encaixados.
f Bacias hidrográficas: a UC está inserida na bacia do rio São Francisco.
O ribeirão Jacuba é o principal curso d’água da UC, integrante da bacia
do rio Perdição, afluente do São Francisco.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: UC não está em sobreposição com outras


UCs, nem possui zona de amortecimento.
f Infraestrutura implantada: sinal de telefonia celular, veículos.

f Situação fundiária da UC: regularizada. Área estadual = 100%. Sem po-


pulação no interior da UC.
f Visitação: fechado.

f Projetos de educação ambiental: sim.

323
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 43.909/2004 (criação).

f Decreto sem nº de 13 de agosto de 2008 (declaração de utilidade pública


e interesse social).

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor da UC em 11 de junho de 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:pe_campos_altos:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_dos_
Campos_Altos>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual Mata do Limoeiro (2011)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Itabira.

f Área: 2.056,7084 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC situa-se em área de transição entre Cerrado e
Mata Atlântica. Foram identificadas mais de 140 espécies vegetais e
300 morfoespécies de insetos, 23 espécies de peixes, 33 de anfíbios, 18 de
répteis, 161 de aves e 40 de mamíferos.
f Relevo e geomorfologia: a UC faz parte da Serra do Espinhaço.

324
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

f Bacias hidrográficas: os cursos de água da UC desaguam no ribeirão


Aliança, afluente do rio do Tanque, que por sua vez é contribuinte do rio
Santo Antônio, principal tributário da margem esquerda do rio Doce.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: UC 100% sobreposta à Área de Proteção


Ambiental (APA) Municipal Santo Antônio.
f Infraestrutura implantada: energia, internet, telefone, rádio, telefonia ce-
lular, portaria, sede, alojamento, estacionamento, veículos, banheiros.
f Situação fundiária da UC: terras de titularidade municipal = 2%; terras
particulares = 98%.
f Visitação: de terça a domingo, das 8h às 16h.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 45.566/2011.

5) Pontos de interesse para visitação

Cachoeira do Derrubado (4,5 km), Cachoeira do Paredão (3,3 km), Cascata do


Limoeiro (3,5 km), Circuito Limoeiro Bike (8 km), Gruta do Limoeiro (4,8 km),
Lagoa do Limoeiro (6 km) e Trilha dos Sentidos.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF: <http://www.ief.mg.gov.br/parque-estadual/1410>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/610384>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_Mata_do_
Limoeiro>.

325
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual Serra da Boa Esperança (2007)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Boa Esperança.

f Área: 5.874 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: área de transição entre Cerrado e Mata Atlântica.

f Relevo e geomorfologia: relevo bastante acidentado, incluindo chapadas


planas, serras e escarpas. Altitude varia de 900 m a 1.400 m.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Grande, integrante da
bacia do rio Paraná. Abriga nascentes de tributários do rio Grande e do
Lago de Furnas.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: UC sem sobreposição com outras e sem zona


de amortecimento.
f Infraestrutura implantada: telefone, internet, rádio, telefonia celular,
veículos.
f Situação fundiária da UC: terras tituladas do estado = 5%; terras particula-
res = 95%. Sem ocupação humana.
f Visitação: oficialmente fechada. Ocorre visitação informal.

f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 44.520/2007 (criação).

f Decreto com Numeração Especial 356, de 21 de setembro de 2015 (decla-


ração de utilidade pública, para desapropriação).

326
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

5) Pontos de interesse para visitação

Gargantas, cânions, cachoeiras e corredeiras.

Fontes de informação:

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor de UC em 18 de junho de 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IDE-Sisema: <http://idesisema.meioambiente.mg.gov.br/>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/594322>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:pe_serra_da_boa_
esperanca:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual Serra Nova e Talhado (2003)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Mato Verde, Porteirinha, Riacho dos Machados, Rio Pardo de Minas,
Serranópolis de Minas.
f Área: em 2003, 12.658,293 ha (decreto de criação); em 2008, 49.890 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC situa-se em área de transição entre Cerrado e Mata
Atlântica. Inclui campos rupestres e alguns pontos de mata fechada.
f Relevo e geomorfologia: topografia serrana irregular.

f Bacias hidrográficas: a UC situa-se em área de interflúvio entre as bacias


dos rios São Francisco, Pardo e Jequitinhonha. Abriga diversas nascentes,

327
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

entre elas a do Ribeirão São Gonçalo e dos rios Ventania, Suçuarana,


Bomba, Ladim e do Córrego da Velha.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: integra Reserva da Biosfera da Mata Atlântica.


Não possui zona de amortecimento. Está em sobreposição parcial com a
Reserva Indígena Riachão Luiza do Vale.
f Visitação: das 8h às 17h. 

4) Histórico
f Decreto sem nº de 21 de outubro de 2003 (criação).

f Decreto sem nº de 25 de setembro de 2007 (reserva de imóvel para trans-


ferência ao IEF).
f Decreto sem nº de 29 de dezembro de 2008 (ampliação).

f Lei nº 22.732, de 21 de novembro de 2017 (alteração de nome).

5) Pontos de interesse para visitação

Poços, mirantes, cachoeiras, grutas, formações rochosas e pinturas rupestres.


Trilha Poço do Jacaré (800 m), Trilha Escorregador (4 km), Trilha Talhado/Sete
Quedas (7 km), Trilha das Cachoeiras do Serrado (Porteirinha, 2,4 km).

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IDE-Sisema: <http://idesisema.meioambiente.mg.gov.br/>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

IEF: <http://www.ief.mg.gov.br/component/content/article/213-parque-
estadual-de-serra-nova>.

Mapbiomas: <https://plataforma.brasil.mapbiomas.org/>.

328
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_Serra_
Nova_e_Talhado>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual Veredas do Peruaçu (1994)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Bonito de Minas, Cônego Marinho, Januária.

f Área: em 1994, 30.702 ha; em 2005, 31.226 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: UC abrange um complexo de matas ciliares, veredas e
lagoas. A vereda do Peruaçu possui 37 km de comprimento. Em relação à
fauna, há mais de 250 pássaros catalogados na UC.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se em região de zona cárstica.

f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Peruaçu, da bacia


do rio São Francisco, e abrange seis lagoas: Jatobá, dos Patos, do Meio,
Junco, Carrasco e do Jacaré.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC está em sobreposição com a Área de


Proteção Ambiental (APA) Bacia do Rio Pandeiros (estadual). Integra o
Mosaico Sertão Veredas/Peruaçu, instituído pela Portaria do Ministério do
Meio Ambiente (MMA) nº 128, de 24 de abril de 2009.
f Visitação: fechado.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 36.070/1994 (criação).

f Decreto nº 40.040/1998 (revogação de dispositivo do Decreto


nº 36.070/1994, que vinculava a UC ao cumprimento das determinações

329
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

do Conama, bem como que o licenciamento de obras de grande porte à im-


plantação de uma estação ecológica).
f Decreto nº 44.182/2005 (ampliação).

f Decreto com Numeração Especial 339, de 16 de setembro de 2015 (decla-


ração de utilidade pública para fins de desapropriação).

5) Pontos de interesse para visitação

Veredas; Lagoas Jatobá, dos Patos, do Meio, Junco, Carrasco e do Jacaré; re-
levo cárstico e cavernas.

Fontes de informação:

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IEF-MG: <http://www.ief.mg.gov.br>.

IEF: <http://ief.mg.gov.br/component/content/article/3306-nova-
categoria/1763-parque-estadual-veredas-do-peruacu->.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/597897>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_Veredas_
do_Perua%C3%A7u>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Florestal Estadual da Baleia (1988)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Belo Horizonte.

f Área: 102 ha.

330
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC situa-se em área de transição entre Cerrado e Mata
Atlântica. Abrange campo rupestre, mata de galeria, floresta estacional
semidecidual e savana gramíneo-lenhosa.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do Alto São Francisco.

3) Histórico de documentos legais


f Decreto Estadual nº 10.232/1932 (criação do Jardim Botânico na Fazenda
da Baleia).
f Lei Estadual nº 8.022, de 23 de julho de 1981 (autorização de criação
da UC).
f Decreto Estadual nº 28.162/1988 (criação).

4) Pontos de interesse para visitação

Trilhas de caminhada.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

IEF: <http://www.ief.mg.gov.br/unidades-de-conservacao/199>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Google Maps: <https://www.google.com/maps>.

Sindicato dos Servidores Públicos do Meio Ambiente do Estado de Minas


Gerais: <http://sindsemamg.com.br/parque-florestal-estadual-da-baleia-
completa-86-anos/>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Florestal_Estadual_
da_Baleia>.

Parque Nacional Cavernas do Peruaçu (1999)


Federal – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio)

1) Localização e área
f MG: Itacarambi, São João das Missões.

f Área: 56.448,32 ha.

331
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

2) Caracterização ecológica e patrimônio paleo/arqueológico da UC


f Fitofisionomias e fauna: a UC situa-se em área de transição entre Cerrado,
Caatinga e Mata Atlântica. Inclui floresta estacional decidual, floresta
estacional semidecidual, cerrado, carrasco, campos hidromórficos e alu-
vionais, mata ciliar, veredas e vegetação aquática. Em relação à fauna,
foram identificadas 53 espécies de mamíferos, 367 de aves, 25 de anfí-
bios, 27 de répteis, 68 de peixes (sendo 62 espécies autóctones da bacia
do rio São Francisco), 99 de borboletas, 113 de abelhas e 9 espécies
troglomórficas/edafobiontes. A UC encontra-se em região de endemismo
de leishmaniose e esquistossomose mansônica.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se em área de relevo cárstico e abran-
ge uma das mais expressivas regiões espeleológicas do Brasil.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Peruaçu, na bacia do
Médio São Francisco.
f Patrimônio paleontológico e arqueológico: a UC contém sítios paleonto-
lógicos e arqueológicos e inúmeros painéis de arte rupestre.

Imagem 52 – Parque Nacional Cavernas do Peruaçu (MG)

Autora: Dalva Fajardo.

332
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

Imagem 53 – Parque Nacional Cavernas do Peruaçu (MG)

Autora: Dalva Fajardo.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a UC possui 28.243 ha em sobreposição com


a Área de Proteção Ambiental (APA) Cavernas do Peruaçu. Também está
em sobreposição com a Terra Indígena Xacriabá. A zona de amorteci-
mento foi definida no plano de manejo, não especificada a área. Integra
o Mosaico Sertão Veredas/Peruaçu, instituído pela Portaria do Ministério
do Meio Ambiente (MMA) nº 128, de 24 de abril de 2009.
f Infraestrutura implantada: sede, dois centros de visitantes, alojamento de
pesquisador, alojamento de brigadista, laboratório, trilhas, infraestrutura
para proteção de cavernas e sítios arqueológicos.
f Situação fundiária da UC: área federal = 30%; área particular = 70%. Há
centenas de famílias no interior do parque, mas não se conhece o número
exato.

333
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Conflitos internos e com o entorno: fogo, gado solto no interior da UC,


retirada de madeira, fogo, desmatamento, caça, pesca e presença de es-
pécies exóticas. A área é endêmica de leishmaniose e esquistossomose.
f Visitação: todos os dias, das 8h às 18h. A UC recebeu 6.962 visitantes em
2017. Não tem arrecadação. Visitas devem ser previamente agendadas.
f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto sem nº de 21 de setembro de 1999.

A proposta de criação da UC provém do Instituto Estadual de Patrimônio


Histórico e Artístico (Iepha-MG), no âmbito do Inventário de Proteção do
Acervo Cultural do Estado de MG (Ipac-MG). A motivação foi o grande nú-
mero de sítios arqueológicos identificados no vale do Peruaçu. Em 1986, foi
proposta a criação de uma Área de Proteção Ambiental (APA), visando a con-
servação de toda a bacia do rio Peruaçu. Em 1997, o Ministério Público Federal
celebrou acordo com a Fiat Automóveis, firmando compromisso de aquisição
de 6.000 ha de terras localizadas na área da APA Cavernas do Peruaçu e im-
plantação de infraestrutura de um parque nacional, tendo em vista compensação
ambiental por danos decorrentes de irregularidades nos veículos produzidos e
comercializados pela Fiat. Ainda em 1997, o Ibama decretou como de utilidade
pública uma área de 6.000 ha, denominada “polígono”, a qual abarcava o núcleo
principal das cavernas do vale cárstico do rio Peruaçu. Em 1999, foi criado o
Parque Nacional Cavernas do Peruaçu, com limites que extrapolaram o núcleo
principal das cavernas. Somente em 2010, o Ministério Público, o ICMBio e a
Fiat chegaram a um acordo com a imposição de novas medidas a serem cumpri-
das, definindo-se os projetos de infraestrutura da UC e sua execução.

5) Pontos de interesse para visitação

Relevo cárstico, trilhas e cavernas (Gruta do Janelão, Lapa do Índio, Lapa


Bonita, Lapa dos Cascudos, Lapa dos Troncos, Lapa dos Desenhos, Lapa do
Caboclo, Lapa do Carlúcio, Lapa do Rezar e Arco do André).

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor da UC em 11 de junho de 2018.

334
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

2) Documento:

Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais


Renováveis). Plano de Manejo do Parque Nacional Cavernas do Peruaçu.
Brasília: Ibama, 2005.

3) Páginas eletrônicas

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ICMBio: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/biodiversidade/unidade-
de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-ucs/parna-cavernas-do-
peruacu/parna-cavernas-do-peruacu>.

IDE-Sisema: <http://idesisema.meioambiente.mg.gov.br/>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/584857>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:pn_cavernas_do_peruacu:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Nacional_Cavernas_
do_Perua%C3%A7u>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Nacional da Serra da Canastra (1972)


Federal – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio)

1) Localização e área
f MG: Vargem Bonita, São Roque de Minas, São João Batista do Glória,
Sacramento, Delfinópolis, Capitólio.
f Área: 197.971,96 ha.

2) Caracterização ecológica e patrimônio arqueológico da UC


f Fitofisionomias, flora e fauna: a vegetação da UC engloba campo lim-
po, campo sujo e campo rupestre, cerrado stricto sensu, cerrado rupestre,

335
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

matas ciliares, capões de mata, matas de encosta, cerradão, floresta mesó-


fila e floresta alagada. Foram identificadas aproximadamente 1.000 espé-
cies na UC. Em relação à fauna, foram registradas 35 espécies de peixes,
30 de anfíbios anuros, 7 de serpentes, 9 de lagartos, 285 de aves e 38 de
mamíferos terrestres.
f Relevo e geomorfologia: há alternância de platôs, encostas escarpadas e
vales encaixados. A UC abrange duas áreas: o Chapadão da Canastra e o
Chapadão da Babilônia. O primeiro constitui amplo platô coberto por for-
mações campestres. O segundo tem relevo mais movimentado e inclui en-
costas escarpadas e vales alongados, com orientação Noroeste-Sudeste
(NW-SE). As altitudes variam entre 1.300 m e 600 m.
f Bacias hidrográficas: a UC preserva as nascentes do rio São Francisco e
constitui divisor de águas das bacias dos rios São Francisco e Paraná.
f Patrimônio arqueológico: a UC abrange dois sítios arqueológicos em con-
dições de preservação e segurança precários e ainda mal estudados.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs. A zona


de amortecimento possui 269.513 ha e foi definida no plano de manejo e
na Portaria Ibama nº 10/2005.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, telefonia celular,
rádio, cinco portarias, dois centros de visitantes, guarita, mirante, três
alojamentos, estacionamento, estradas de acesso aos atrativos, galpão de
almoxarifado e garagem, residência de funcionários, veículos, banheiros.
As edificações necessitam de reformas e adequações.
f Situação fundiária da UC: área federal = 42%; área particular = 58%.
Há população no interior da UC, mas o número de pessoas não foi con-
tabilizado. A área regularizada encontra-se no Chapadão da Canastra.
O processo de indenizações enfrentou grande resistência por parte dos
proprietários rurais, que questionavam os valores propostos e mesmo os
limites da UC, buscando a exclusão de áreas. No âmbito desse conflito, a
UC sofreu inúmeras queimadas e a área chegou a ser objeto de interven-
ção policial em 1980.

336
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

f Conflitos internos e com o entorno: a UC enfrenta pressão por exploração


minerária, uso público desorganizado em áreas não regularizadas e incên-
dios. Há uma estrada de terra, de aproximadamente 67 km, no Chapadão
da Canastra, não pavimentada, perfazendo um total de aproximadamente
67 km, com trânsito livre de veículo, inclusive carga; outras estradas e
acesso livre às áreas não indenizadas; duas Linhas de transmissão (Sistema
Cemig) atravessando a UC e linhas de distribuição para as propriedades e
posses rurais; atividades agropecuárias, com uso de insumos agroquímicos
sintéticos e manejo inadequado do solo, na área não indenizada; presença
de voçorocas; invasão por gado; incêndios criminosos e queima não con-
trolada; supressão da vegetação nativa; atividades silviculturais com espé-
cies exóticas; exploração de caulim e de quartzito (pedra mineira) e alvará
de pesquisa para exploração de diamante; atividades off road (jipe e moto-
cicleta); e atividades turísticas sem planejamento e controle.
f Visitação: todos os dias, das 8h às 18h. A UC recebeu 89.087 visitantes e
teve arrecadação de R$ 547.164,00 em 2017.
f Projetos de educação ambiental: sim.

Imagem 54 – Parque Nacional da Serra da Canastra (MG)

Autor: Marcelo Ismar Santana.

337
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 70.355/1972.

f Decreto sem nº de 24 de janeiro de 2006.

A criação da UC foi motivada pela intensa seca de 1971, que interrompeu a


navegação do São Francisco, e pelo desmatamento para exploração de madeira
e para construção da represa de Furnas, no Alto São Francisco. A UC foi criada
em 1972, para proteger as nascentes do São Francisco. A UC tem sido palco de
intensos conflitos fundiários, devido à não aceitação dos proprietários em rela-
ção aos limites da área e ao valor das indenizações. Em 2006, foi criado grupo
de trabalho para revisar os limites da UC, mas a área da UC não foi reduzida
até o presente.

5) Pontos de interesse para visitação

Caminhadas, banho de rio e cachoeira, local para piquenique. Trilha (1,6 km)


e Cachoeira Casca d’Anta (186 m de altura); trilha, poço e mirante Alto da
Casca d’Anta; Trilha do Cerrado (2,3 km); Trilha/Estrada dos Cândidos, área
consagrada como nascente histórica do rio São Francisco; mirante no Curral
das Pedras; mirante na Garagem das Pedras; Cachoeira Rasga Canga; trilha
(1,5 km) e Cachoeira do Fundão; trilha (3 km) às ruínas da Fazenda Zagaia.

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor da UC em 8 de junho de 2018.

2) Documento:

Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais


Renováveis) / Instituto Terra Brasilis de Desenvolvimento Socioambiental.
Plano de Manejo do Parque Nacional da Serra da Canastra. Brasília:
Ibama, 2005.

3) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ICMBio: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/biodiversidade/unidade-
de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-ucs/parna-da-serra-da-
canastra/parna-da-serra-da-canastra>.

338
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/594529>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:pn_da_serra_da_
canastra:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Nacional_da_Serra_
da_Canastra>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Nacional da Serra do Cipó (1978)


Federal – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
(ICMBio)

1) Localização e área
f MG: Itabira, Itambé do Mato Dentro, Jaboticatubas, Nova União, Morro
do Pilar, Santana do Riacho.
f Área: em 1978, 27.600 ha (como parque estadual); em 1984, 31.639,18 ha
(como parque nacional).

2) Caracterização ecológica e do patrimônio arqueológico da UC


f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC situa-se em área de transição entre
os biomas Cerrado e Mata Atlântica. Abrange campos rupestres, cerrado
strito sensu e capões de mata. Foram registradas mais de 1.700 espécies
vegetais na área. Em relação à fauna, há registro de 274 espécies de inver-
tebrados, 61 de peixes, 51 de anfíbios, 53 de répteis, 313 de aves e 62 de
mamíferos.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se na Serra do Espinhaço e possui
relevo bastante variado, abrangendo terras baixas inundáveis, colinas e
morrotes, áreas cársticas, serras e encostas íngremes e patamares aplai-
nados. A altitude varia de 600 m a 1.800 m. Inclui várias cavernas.
f Bacias hidrográficas: a UC é divisora de águas entre as bacias dos rios São
Francisco e Doce. A UC possui grande número de nascentes do rio Cipó,

339
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

afluente do rio Paraúna (que deságua no rio das Velhas e é integrante da


bacia do rio São Francisco).
f Patrimônio arqueológico: há inscrições rupestres nas grutas e lapas da UC.

Imagem 55 – Parque Nacional da Serra do Cipó (MG)

Autora: Dalva Fajardo.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a UC está 100% sobreposta à Área de Proteção


Ambiental (APA) Morro da Pedreira. A zona de amortecimento abrange a
APA, conforme proposto no plano de manejo. A UC integra a Reserva da
Biosfera da Serra do Espinhaço.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, rádio, telefonia ce-
lular, portaria, sede, mirante, alojamento, estacionamento, laboratório, re-
sidência de funcionários, veículos, banheiros.
f Situação fundiária da UC: em 2008, quando da elaboração do plano de
manejo, 80,24% das terras da UC já haviam sido adquiridas; 18,82%
estavam em processo de desapropriação e 0,94% abrangia terras sem
documentação.

340
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

f Conflitos internos e com o entorno: desmatamento para abastecimento


local de lenha e, principalmente, para abastecimento de carvão para a in-
dústria siderúrgica; pecuária (bovina e equina), coleta de plantas, invasão
de espécies exóticas, turismo desordenado, visitação clandestina em áreas
fechadas da UC, pesca, motociclismo e fogo.
f Visitação: aberto todos os dias, das 8h às 18h.

f Projetos de educação ambiental: sim, de forma assistemática.

4) Histórico de documentos legais


f Lei Estadual nº 6.605, de 14 de julho de 1975.

f Decreto Estadual nº 19.261/1978.

f Decreto Estadual nº 19.278/1978.

f Decreto Nacional nº 90.223/1984.

f Decreto Nacional nº 94.984/1987 (desapropriação de parte das terras


da UC).

O processo de proteção ambiental da região começou por pressão de cientistas


e ambientalistas. A UC foi criada pelo governo do estado de Minas Gerais
em 1978, como parque estadual, com 27.600 ha. Em 1981, o antigo Instituto
Brasileiro do Desenvolvimento Florestal (IBDF) instituiu uma comissão para
estudar a viabilidade de se transformar a UC em parque nacional e passou a
atuar na aquisição amigável das suas terras. O parque nacional foi criado em
1984, com 33.800 ha. Em 1990, foi criada a Área de Proteção Ambiental Morro
da Pedreira, também na esfera federal, com cerca de 100.000 ha, fruto da atua-
ção de montanhistas e espeleólogos em prol da conservação da área contra a
mineração. A APA tornou-se zona de amortecimento do Parque Nacional.

5) Pontos de interesse para visitação

Trilha (12 km) e Cânion das Bandeirinhas; Trilha (8 km) e Cachoeira da Farofa.

Fontes de informação

1) Documentos:

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). Plano


de Manejo: Parque Nacional da Serra do Cipó e Área de Proteção
Ambiental Morro da Pedreira. Brasília: ICMBio, 2009.

341
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). Parque


Nacional da Serra do Cipó. Disponível em:

<http://www.icmbio.gov.br/parnaserradocipo/guia-do-visitante.html>. Acesso
em: 29 mai. 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ICMBio: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/biodiversidade/unidade-
de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-ucs/parna-da-serra-do-
cipo/parna-da-serra-do-cipo>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/595358>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:pn_da_serra_do_cipo:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Nacional_Serra_do_
Cip%C3%B3>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Nacional das Sempre Vivas (2002)


Federal – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
(ICMBio)

1) Localização e área
f MG: Bocaiúva, Buenópolis, Diamantina, Olhos d’Água.

f Área: 124.154,47 ha.

2) Caracterização ecológica e do patrimônio arqueológico da UC


f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC inclui mata de galeria e capões de
mata, mata ciliar, vereda, floresta estacional semidecidual, mata seca
(decídua), cerrado, cerradão, cerrado ralo, cerrado denso, campo sujo,
campo limpo (sem sempre-vivas), campo graminoso (inclui os campos

342
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

arenosos de sempre-vivas), campo brejoso e afloramentos rochosos. Foram


identificadas 60 espécies de sempre-vivas. Em relação à fauna, foram re-
gistradas 24 espécies de anfíbios e répteis, 188 de aves, 14 de pequenos
mamíferos não voadores, 8 de mamíferos voadores e 31 de mamíferos de
médio e grande porte.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se na Serra do Espinhaço Meridional
e possui relevo forte ondulado e montanhoso com escarpas e vales, bem
como relevo suave ondulado a ondulado com a presença de campos.
Foram identificadas 21 cavidades naturais na UC.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se em divisor de águas entre as bacias do
Alto São Francisco e do Jequitinhonha e inclui 600 nascentes. Na bacia
do Jequitinhonha (área leste), os principais cursos d’águas são: Almas,
Inhaí, Inhacica Pequeno, Inhacica Grande, Água Limpa e Duas Barras.
Na bacia do São Francisco (área oeste), os principais cursos d’água são:
Preto, Jequitaí e Maravilha.
f Patrimônio arqueológico: algumas cavidades naturais possuem pinturas
rupestres.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: há sobreposição com reservas particulares


do patrimônio natural estaduais e com uma UC municipal. A zona de
amortecimento foi definida no plano de manejo e abrange 3 km a partir
da poligonal da UC, excetuando-se os distritos Curimataí (município de
Buenópolis) e Inhaí (município de Diamantina). A UC integra a Reserva
da Biosfera do Espinhaço e o Mosaico do Espinhaço: Alto Jequitinhonha –
Serra do Cabral, instituído pela Portaria do Ministério do Meio Ambiente
(MMA) nº 444, de 26 de novembro de 2010.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, rádio, telefonia celu-
lar, alojamento, veículos, banheiros.
f Situação fundiária da UC: área particular = 50%; terras com titularidade
desconhecida = 50%. UC com ocupação humana.
f Conflitos internos e com o entorno: ocorre soltura de gado, coleta
de sempre-vivas, uso indiscriminado do fogo para manejo do gado e
das sempre-vivas, garimpo, caça.

343
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Visitação: sim, sem ordenamento.

f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto sem nº de 13 de dezembro de 2002.

O Ibama deu início ao processo de criação de uma UC na região em 2001.


O projeto era a criação de um parque nacional no distrito de Inhaí, município de
Diamantina. Visava a proteção da Serra do Espinhaço, identificada como umas
das áreas de alta prioridade para conservação (alto grau de endemismo e pre-
sença de grandes áreas naturais relativamente conservadas) e de grande impor-
tância histórico-cultural pela exploração do ouro e diamante nos séculos XVIII
e XIX, próxima à Diamantina, cidade reconhecida como Patrimônio Cultural
da Humanidade pela Unesco. Posteriormente, optou-se por abranger área maior
que o distrito de Inhaí, com aproximadamente 120.000 ha, abrangendo os mu-
nicípios de Diamantina, Olhos d’Água, Buenópolis e Bocaiúva. A UC foi cria-
da em 2002, com área de 124.000 ha.

5) Pontos de interesse para visitação

Nascente do rio Jequitihonha, trilhas e cachoeiras. Cachoeiras: Inhacica, Fundão,


Jequitaí, Curimataí, das Almas, Brocotó, da Serraria, do Rio Preto, do Gavião
e do Sobradão; canoagem no rio Inhacica; Cânion São João; pinturas rupestres,
sítios históricos.

Fontes de informação

1) Documento:

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). Plano


de Manejo do Parque Nacional das Sempre Vivas. Brasília: ICMBio, 2016.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ICMBio: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/biodiversidade/unidade-
de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-ucs/parna-das-sempre-
vindas/parna-das-sempre-vivas>.

IDE-Sisema: <http://idesisema.meioambiente.mg.gov.br/>.

344
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/594216>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/wiki/areas:pn_das_sempre-
vivas:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Nacional_das_
Sempre_Vivas>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Nacional Grande Sertão Veredas (1989)


Federal – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
(ICMBio)

1) Localização e área
f MG: Formoso, Chapada Gaúcha, Arinos.

f BA: Cocos.

f Área: em 1989, 84.000 ha; em 2004, 230.853,42 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC inclui cerrado stricto sensu, cerradão,
vereda, carrasco, campo sujo, campo limpo, matas de galeria e ciliares.
As veredas são extensas, principalmente na região pertencente ao estado
da Bahia, e formam amplos campos graminosos no seu entorno, com
ocorrência de lagoas marginais na estação chuvosa. Em relação à fauna,
foram identificadas 244 espécies de aves, 56 de mamíferos, 22 de anfí-
bios, 31 de répteis e 62 de peixes.
f Relevo e geomorfologia: o relevo é aplainado a suavemente ondulado,
com vales amplos e planícies aluvionares.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do alto rio Carinhanha,
afluente do rio São Francisco. Abrange a totalidade das microbacias do
rio Preto e Canabrava e partes das microbacias do rio Itaguari e do Mato
Grande.

345
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Imagem 56 – Parque Nacional Grande Sertão Veredas (MG)

Autora: Dalva Fajardo.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim (para a área de 84.000 ha).

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs. O pla-


no de manejo definiu a zona de amortecimento e três corredores ecoló-
gicos, para área anterior de 84.000 ha. O plano ainda não foi atualizado.
A UC integra o Mosaico Sertão Veredas/Peruaçu, instituído pela Portaria
do Ministério do Meio Ambiente (MMA) nº 128, de 24 de abril de 2009.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, rádio, telefonia ce-
lular, guarita, mirante, alojamento, sede, veículos, banheiros.
f Situação fundiária da UC: terras com titularidade da União = 10%; terras
particulares = 85%; e terras com titularidade desconhecida = 5%. UC com
presença humana em seu interior.
f Conflitos internos e com o entorno: incêndios, agricultura mecanizada em
fazendas limítrofes, criação de gado em áreas não desapropriadas, estrada
intermunicipal que adentra parte da UC, extrativismo vegetal, caça, pesca,
espécies invasoras.
f Visitação: aberto com autorização especial, de segunda a domingo, das
7h às 18h.

346
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 97.658/1989 (criação).

f Decreto sem n° de 21 de abril de 2004 (ampliação).

A UC tem origem em estudos realizados pela Fundação Pró Natureza (Funatura),


entre 1987 e 1989. Foi criada em 1989 e ampliada em 2004. O nome é homena-
gem ao romance Grande Sertão Veredas, de João Guimarães Rosa, que retratou
com extrema sensibilidade a realidade da região da UC.

5) Pontos de interesse para visitação

Trilhas ao longo das veredas; Mirantes da Seriema e três Irmãos; Cachoeira e


trilha do Mato Grande; encontro do rio Santa Rita com o rio Preto; encontro do
rio Preto com o rio Carinhanha; córrego do Onça.

Fontes de informação

1) Documento:

Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais


Renováveis) / FUNATURA (Fundação Pró-Natureza). Plano de Manejo do
Parque Nacional Grande Sertão-Veredas. Brasília: Ibama/Funatura, 2003.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

ICMBio: <https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/biodiversidade/unidade-
de-conservacao/unidades-de-biomas/cerrado/lista-de-ucs/parna-grande-sertao-
veredas/parna-grande-sertao-veredas>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/586832>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:pn_grande_sertao_
veredas:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Nacional_Grande_
Sert%C3%A3o_Veredas>.

347
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Natural Municipal do Salão de Pedras (1999)


Municipal – Secretaria Municipal de Turismo

1) Localização e área
f MG: Conceição do Mato Dentro.

f Área: em 1999, 700 ha; em 2007, 857,621 ha.

2) Caracterização ecológica e do patrimônio arqueológico da UC


f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC situa-se em área de ecótono Cerrado/
Mata Atlântica. Na UC, ocorrem cerrado sensu stricto, floresta estacio-
nal semidecidual, campos rupestres e matas de galeria. Foram levantadas
179 espécies. Em relação à fauna, foram identificadas 24 espécies de ma-
míferos não voadores, 17 espécies da herpetofauna (14 anfíbios e 3 espé-
cies répteis) e 106 espécies de aves.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se na borda leste da Serra do
Espinhaço Meridional, em região de ocorrência de cavernas e abri-
gos relacionados a rochas da formação ferrífera.
f Bacias hidrográficas: a UC faz parte da bacia do rio Santo Antônio, inte-
grante da bacia do rio Doce.
f Patrimônio arqueológico: a UC abrange dois sítios arqueológicos (Abrigo
do Anjo e Colina da Paz), com pinturas rupestres e outros sinais de
ocupação datados de até 5 mil anos atrás.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs. A zona


de amortecimento possui 1.833,32  ha, definida no plano de manejo, e
abrange remanescentes florestais localizados a oeste da UC. Forma cor-
redor ecológico natural do Parque com o Monumento Natural Serra da
Ferrugem. A UC integra a Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço.

348
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

f Infraestrutura implantada: não há infraestrutura no interior da UC. Sede


funciona na Prefeitura Municipal. A UC está parcialmente cercada.
f Situação fundiária da UC: totalmente regularizada. Área titulada do muni-
cípio = 100%. Há 5 pessoas residentes no interior da UC.
f Conflitos internos e com o entorno: a UC situa-se praticamente dentro
dos limites da área urbana e sofre com pressão imobiliária e invasão por
moradores locais. Há extração ilegal de madeira utilizada como lenha,
pastoreio de animais, turismo desordenado, incêndios, presença de espé-
cies vegetais exóticas, captação de água, despejo de lixo e entulho.
f Visitação: há visitação sem controle. Não há arrecadação. A UC é um dos
melhores pontos do mundo para a prática de boulder.
f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 1.594, de 29 de novembro de1999 (criação).

f Lei n º 1.902, de 15 de junho de 2007 (revisão de limites/ampliação).

5) Pontos de interesse para visitação

Campos de altitude e formações rochosas; prática de boulder (escalada em pe-


quenos blocos de pedra sem o uso de equipamentos de segurança).

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor da UC em 19 de julho de


2018.

2) Documento:

Prefeitura Municipal de Conceição do Mato Dentro (MG). Plano de Manejo


do Parque Natural Municipal Salão de Pedras. Conceição do Mato Dentro,
MG: Prefeitura Municipal, 2012.

3) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs/itemlist/category/130-cadastro-nacional-de-uc-s.html>.

IDE-Sisema: <http://idesisema.meioambiente.mg.gov.br/>.

349
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Instituto Estrada Real: <http://www.institutoestradareal.com.br/servico/


detalhe/atrativo/Parque-Salao-de-Pedras/48>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Prefeitura Municipal de Conceição do Mato Dentro/MG: <http://cmd.mg.gov.


br/atrativos-naturais/salao-de-pedras>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:pnm_salao_de_pedras:inicio>.

Parque Natural Municipal do Tabuleiro (1998)


Municipal – Secretaria de Turismo

1) Localização e área
f MG: Conceição do Mato Dentro.

f Área: 3.150 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC abrange campo rupestre e capões de mata.

f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se na Serra do Espinhaço.

f Bacias hidrográficas: a UC abrange a bacia do ribeirão do Campo, inte-


grante da bacia do rio Doce.

Imagem 57 – Parque Natural Municipal do Tabuleiro (MG)

Autora: Dalva Fajardo.

350
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: UC está em sobreposição com Parque


Estadual da Serra do Intendente e integra a Reserva da Biosfera da
Serra do Espinhaço.
f Infraestrutura implantada: portaria, centro de visitantes, sede, trilhas, ba-
nheiros, torre, viveiro de mudas, acampamento.
f Situação fundiária da UC: área particular = 83%; área municipal = 17%.
Há 8 pessoas residentes no interior da UC.
f Conflitos internos e com o entorno: incêndios florestais, entrada sem con-
trole de turistas.
f Visitação: aberto ao público diariamente, das 8h às 17h. O número de
visitantes por ano está entre 5.000 e 8.000; a arrecadação anual varia entre
R$ 50.000,00 e R$ 80.000,00.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 158, de 3 de novembro de 1998 (criação como Parque Municipal
do Ribeirão do Campo).
f Lei nº 2.063, de 23 de julho de 2013 (criado como Parque Natural
Municipal do Tabuleiro).

5) Pontos de interesse para visitação

Trilha e Cachoeira do Tabuleiro, a mais alta de Minas Gerais, com 273 m de


queda livre.

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor da UC em 19 de julho de 2018.

2) Documento:

Ministério Público de Minas Gerais. Diagnóstico Situacional das Áreas


Protegidas Municipais Inseridas na Reserva da Biosfera da Serra do
Espinhaço. Belo Horizonte, s/data. Disponível em: <http://editora.iabs.org.br/
site/index.php/portfolio-items/diagnostico-situacional-das-areas-protegidas-
municipais-inseridas-na-reserva-da-biosfera-da-serra-do-espinhaco/>. Acesso
em: 19 jul. 2018.

351
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

3) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Prefeitura Municipal de Conceição do Mato Dentro/MG: <http://turismo.cmd.


mg.gov.br/#/atrativo/302/5a70b69861eec>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Natural_Municipal_
do_Tabuleiro>.

Refúgio de Vida Silvestre do Rio Pandeiros (2004)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Januária.

f Área: 6.102 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC inclui floresta estacional decidual,
caatinga arbórea, caatinga arbustiva arbórea, caatinga hiperxerófila, flo-
restas associadas com afloramentos cársticos, mata ciliar, vazante e seus
estágios sucessionais. Na UC ocorre o Pantanal Mineiro ou Pântano de
Pandeiros – complexo de extensas áreas alagadas, berçário natural respon-
sável pela reprodução dos peixes do rio São Francisco.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Pandeiros, afluente do
rio São Francisco.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC está 100% sobreposta à Área de Proteção


Ambiental (APA) do Rio Pandeiros. Integra o Mosaico Sertão Veredas/
Peruaçu, instituído pela Portaria do Ministério do Meio Ambiente (MMA)
nº 128, de 24 de abril de 2009.

352
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

f Conflitos internos e com o entorno: degradação das veredas e da vegeta-


ção ciliar e assoreamento do rio Pandeiros e suas lagoas.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 43.910/2004 (criação).

f Decreto sem nº de 13 de agosto de 2008 (declara o Refúgio de Vida


Silvestre e outras UCs como de utilidade pública e de interesse social e
determina que o RVS compreende “apenas as áreas que forem incompatí-
veis com a permanência de propriedades privadas, a serem delimitadas em
resolução do Secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento
Sustentável”).

5) Pontos de interesse para visitação

Lagoas, cachoeiras, pântano e foz do rio Pandeiros.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

IDE-Sisema: <http://idesisema.meioambiente.mg.gov.br/>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/593622>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Mosaico SVP: <https://mosaicosvp.com.br/2017/01/04/refugio-estadual-de-


vida-silvestre-do-pandeiros/>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:rvs_rio_pandeiros:inicio>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Ref%C3%BAgio_Estadual_
da_Vida_Silvestre_do_Rio_Pandeiros>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

353
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Reserva Biológica da Jaíba (1973)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Matias Cardoso.

f Área: 6.211 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e fauna: a UC situa-se em região de transição entre
Cerrado e Caatinga. Há registro de 15 espécies de mamíferos na área.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do Médio São Francisco.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: a UC não apresenta sobreposição com ou-


tras, nem possui zona de amortecimento. Sua inclusão da UC no Mosaico
Sertão Vereda Peruaçu foi aprovada em julho de 2018 pelo Conselho
Consultivo do Mosaico (WWF, 2018).
f Conflitos internos e com o entorno: queimadas.

f Visitação: não.

f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Lei nº 6.126, de 4 de julho de 1973 (criação).

f Lei nº 11.731, de 30 de dezembro de 1994 (recategorização).

A UC foi criada como parque estadual e recategorizada como reserva biológica.

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor da UC em 8 de junho de 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/589336>.

354
6.7. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de Minas Gerais

IDE-Sisema: <http://idesisema.meioambiente.mg.gov.br/>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <http://www.wikiaves.com.br/areas:rebio_jaiba:inicio>.

WWF (World Wildlife Fund). Mosaico Sertão Veredas Peruaçu é ampliado e


passa a ser um dos maiores do Cerrado. 10 de julho de 2018. Disponível em:
<https://www.wwf.org.br/?66542/Mosaico-Serto-Veredas-Peruau--ampliado-
e-passa-a-ser-um-dos-maiores-do-Cerrado>. Acesso em: 23 jul. 2018.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Reserva Biológica da Serra Azul (1998)


Estadual – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais

1) Localização e área
f MG: Jaíba. A área desafetada em 2009 pertence ao município de Jaíba.

f Área: em 1998, 7.285 ha (decreto de criação); em 2009, 3.840,9491 ha


(desafetação promovida pela Lei nº 18.307).

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC está em área de transição entre Cerrado e Mata
Atlântica.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia hidrográfica do Alto São
Francisco.

3) Gestão da UC e entorno
f Integração e sobreposições: a inclusão da UC no Mosaico Sertão Vereda
Peruaçu foi aprovada em julho de 2018 pelo Conselho Consultivo do
Mosaico (WWF, 2018). Não está em sobreposição com outras UCs ou
terras indígenas, embora esteja próxima da Área de Proteção Ambiental
(APA) da Serra do Sabonetal e outras unidades.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 39.950/1998 (criação).

f Decreto sem nº de 31 de janeiro de 2007 (declaração de utilidade pública).

355
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Lei nº 18.307, de 30 de julho de 2009 (desafetação de área e redução da UC).

f Decreto com Numeração Especial 353, de 21 de setembro de 2015 (decla-


ração de utilidade pública).

Fonte de informação

1) Página eletrônica:

WWF (World Wildlife Fund). Mosaico Sertão Veredas Peruaçu é ampliado


e passa a ser um dos maiores do Cerrado. 10 de julho de 2018. Disponível
em: <https://www.wwf.org.br/?66542/Mosaico-Serto-Veredas-Peruau--
ampliado-e-passa-a-ser-um-dos-maiores-do-Cerrado.%20Acesso%20em%20
23jul.2018>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

6.8.  Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)


do Cerrado no estado do Paraná
O Cerrado ocupa 2% da área do estado do Paraná, o que corresponde a
398.598 ha. São 3 UCPIs estaduais com área total de 4.361 ha: 2 criadas em
1992 e 1 em 2007. Elas correspondem a 1% da área de Cerrado no estado e a
0,002% da área do bioma. Parque é a única categoria presente (Tabela 44).

Tabela 44 – UCPIs do estado do Paraná

UCPIs Data de criação Área (ha)

Parque do Cerrado 1992 1830

Parque Guartelá 1992 1771

Parque Vale do Codó 2007 760

Total - 4361

Fonte: elaboração própria.

356
6.8. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Paraná

Parque Estadual do Cerrado (1992)


Estadual – Instituto Ambiental do Paraná (IAP)

1) Localização e área
f PR: Jaguariaíva.

f Área: em 1992, 420 ha; em 2007, 1.830 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: UC em área de transição entre Cerrado
e Mata Atlântica. Fitofisionomias: campo limpo e campo sujo; campo
higro-hidrófilo; campo cerrado; campo cerrado alterado; cerrado sensu
stricto; floresta ecotonal; florestal ecotonal alterada; floresta de galeria; e
afloramento de rocha/solos rasos. Foram registradas 68 espécies vegetais.
Em relação à fauna, foram registradas 40 espécies de mamíferos, 100 de
aves, 45 de répteis e 8 de anfíbios.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se no Segundo Planalto Paranaense,
ou Planalto de Ponta Grossa, próximo à Escarpa Devoniana (que separa
o Primeiro e o Segundo Planaltos) e apresenta relevo suave ondulado a
ondulado.
f Bacias hidrográficas: a UC é delimitada pelo rio Jaguariaíva em sua por-
ção leste, e pelo ribeirão Santo Antônio (que deságua no Jaguariaíva), em
seu limite norte. O rio Jaguariaíva integra a bacia do rio Itararé, por sua
vez pertencente à bacia do rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: sim (desatualizado; feito para área de 420 ha).

f Integração e sobreposições: a zona de amortecimento está descrita, mas


não delimitada no plano de manejo. Está defasada, pois considera a área
de 420 ha.
f Infraestrutura implantada: portal, centro de visitantes, casa do guarda-
-parque, centro de pesquisa, alojamento, estacionamento, torre de obser-
vação, trilhas interpretativas.
f Situação fundiária: a área de 420 ha está incorporada ao patrimônio do
estado do Paraná.

357
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Conflitos internos e com o entorno: caça, poluição hídrica nos cursos


d’água existentes no limite do parque (descarga de efluentes industriais,
de propriedades rurais e da área urbana de Jaguariaíva), processos erosi-
vos nas várzeas do ribeirão Santo Antônio, invasão de Pinus sp. e braquiá-
ria oriundos do entorno, presença de animais domésticos na UC; desma-
tamento do entorno, fogo e lixo deixado por visitantes.
f Visitação: somente por grupos organizados pré-agendados. Segunda-feira
a sábado, das 8h às 17h.
f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 1.232/1992 (criação, com limites definidos).

f Decreto nº 1.527/2007 (ampliação, como poligonal no anexo do decreto).

5) Pontos de interesse para visitação

Trilhas, mirante e vista do cânion do rio Jaguariaíva, cachoeira do Ribeirão


São Antônio, corredeiras e pequenas quedas, e ainda uma cachoeira de 40 m
de altura.

Fontes de informação

1) Documento:

IAP (Instituto Ambiental do Paraná). Plano de Manejo do Parque Estadual do


Cerrado). Curitiba/PR. 2002.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

IAP: <http://www.iap.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.
php?conteudo=1211>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo do Estado do


Paraná: <https://www.sedest.pr.gov.br/Endereco/Parque-Estadual-do-
Cerrado-0>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pe_do_cerrado:inicio>.

358
6.8. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Paraná

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_do_
Cerrado>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual do Guartelá (1992)


Estadual – Instituto Ambiental do Paraná (IAP)

1) Localização e área
f PR: Tibagi.

f Área: em 1992, 5.239 ha; em 1996, 798 ha; em 1998, 798 ha + 973 ha =


1.771 ha (esse acréscimo não foi reconhecido no plano de manejo, que é
de 2002).

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e fauna: UC em área de transição entre Cerrado e Mata
Atlântica. Fitofisionomias: cerrado, floresta ombrófila mista montana e
aluvial com araucária, floresta ombrófila densa ou atlântica e campo. Em
relação à fauna, foram registradas 85 espécies de mamíferos, 200 de aves
(na UC e em áreas adjacentes), 48 de répteis e 2 de anfíbios.
f Relevo e geomorfologia: a UC localiza-se no Segundo Planalto Paranaense,
o qual limita-se a leste pela Escarpa Devoniana, em altitudes de 800 m a
1.200 m. O relevo é suave ondulado a ondulado.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia hidrográfica do rio Iapó, inte-
grante da bacia hidrográfica do rio Tibagi, da bacia do rio Paraná.
f Sítios arqueológicos: a UC inclui 10 sítios arqueológicos, com abrigos e
pinturas rupestres.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a zona de amortecimento está descrita no


plano de manejo. A UC sobrepõe-se à Área de Proteção Ambiental (APA)
da Escarpa Devoniana.

359
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Infraestrutura implantada: portal, centro de visitantes, casa do guarda-


-parque, casa da administração, centro de pesquisa e alojamento, lancho-
nete, mirante, camping e trilhas interpretativas.
f Situação fundiária da UC: não regularizado.

f Conflitos internos e com o entorno: invasão de gramíneas exóticas e Pinus


sp., animais domésticos, fogo, lixo, atividades agropecuárias no entorno
com uso de agrotóxicos, atividade silvicultural no entorno, poluição hí-
drica por efluentes das propriedades rurais, caça, captura e atropelamento
de animais silvestres.
f Visitação: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 1.229/1992 (criação, com poligonal).

f Decreto nº 2.329/1996 (declaração de utilidade pública e redução).

f Lei nº 12.340, de 6 de novembro de 1998 (agregação de área com memo-


rial descritivo indicado).

UC foi criada em 1992, pelo Decreto nº 1.229, com 5.239 ha, abrangendo todo
o cânion do rio Iapó. Em 1996, foi reduzida a 798 ha pelo Decreto nº 2.329, que
determinou a declaração de utilidade pública dos terrenos, para desapropriação.
Em 1998, a Lei nº 12.340 agregou 973 ha à UC, pela incorporação da Fazenda
Mocambo. O parque passou a abranger 1.771 ha, mas esse acréscimo não foi
reconhecido no plano de manejo, que é de 2002 e trata apenas da área de 798 ha.

5) Pontos de interesse para visitação

Trilhas, mirante, cânion do rio Iapó, Cachoeira da Ponte de Pedra, Panelões


do Sumidouro. Trilha básica (5 km de ida e volta), com visita ao mirante,
Cachoeira da Ponte de Pedra, Panelões do Sumidouro, pinturas rupestres.

Fontes de informação

1) Documento:

IAP (Instituto Ambiental do Paraná). Plano de Manejo do Parque Estadual do


Guartelá. Curitiba/PR. 2002.

360
6.8. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Paraná

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

IAP: <http://www.iat.pr.gov.br/Pagina/Parque-Estadual-do-Guartela-PEG>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/pt-br/arp/1176>.

Prefeitura Municipal de Tibagi: <https://tibagi.pr.gov.br/turismo/guartela.


html>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Estadual do Vale do Codó (2007)


Estadual – Instituto Ambiental do Paraná (IAP)

1) Localização e área
f PR: Jaguariaíva, Sengés.

f Área: 760 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC está em área de transição entre Cerrado e Mata
Atlântica. Abrange campos nativos, campos rupestres, cerrado e ecossis-
temas associados, remanescentes de Floresta Ombrófila Mista ou Floresta
de Araucária.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se em área de integração entre o
Primeiro e o Segundo Planaltos do Paraná, nos vales dos rios Lajeado
Grande e Jaguariaíva, os quais formam cânions com paredes abruptas e
apresentam afloramentos do arenito Furnas.
f Bacias hidrográficas: a região é cortada pelos rios Lajeado Grande e
Jaguariaíva, da bacia do rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

361
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Integração e sobreposições: a UC está sobreposta à Área de Proteção


Ambiental (APA) estadual da Escarpa Devoniana.
f Visitação: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 1.528/2007.

5) Pontos de interesse para visitação

Vale do Codó, por onde corre o rio Jaguariaíva; paredões de 20 m de altura.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

IAP: <http://www.iat.pr.gov.br/Endereco/Parque-Estadual-do-Vale-do-Codo>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/597772>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pe_vale_do_codo:inicio>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_Vale_do_
Cod%C3%B3>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

6.9.  Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)


do Cerrado no estado do Piauí
O Cerrado ocupa 37% da área do estado do Piauí, o que corresponde a
9.314.991 ha. São 3 UCPIs com área total de 1.217.566 ha (Tabela 45), equi-
valentes a 13% da área de Cerrado do estado e a 0,6% da área total do bioma.
As unidades foram criadas desde a década de 1980, com grandes intervalos
de tempo entre elas. A última UCPI foi criada há mais de 15 anos.

362
6.9. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Piauí

Tabela 45 – UCPIs do estado do Piauí

UCPIs Data de criação Área (ha)

Estação Ecológica Uruçuí-Una 1981 135.000

Parque Nacional da Serra


1998 823.436
das Confusões
Parque Nacional das Nascentes
2002 259.130
do Rio Parnaíba (34%)

Total - 1.217.566

Nota: para ver a área total do Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba, vide Tabela 7.
Fonte: elaboração própria.

As 3 UCPIs do Piauí são federais (Tabela 46), incluído o Parque Nacional das
Nascentes do Rio Parnaíba, cujos limites estendem-se para outros estados. Há
duas categorias presentes – estação ecológica e parque, este abrangendo 89%
da área de UCPI do estado.

Tabela 46 – Distribuição das UCPIs do estado do Piauí por categoria e esfera


de criação

Federal
Categoria
Nº % Área (ha) %

Estação
1 34 135.000 11
ecológica

Parque 2 66 1.082.566 89

Total 3 100 1.217.566 100

Fonte: elaboração própria.

363
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Estação Ecológica de Uruçuí-Una (1981)


Federal – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
(ICMBio)

1) Localização e área
f PI: Baixa Grande do Ribeiro, Santa Filomena, Bom Jesus e Currais.

f Área: 135.000 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: cerrado stricto sensu, campo cerrado, mata e galeria,
vereda.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se na região dos altos platôs piauien-
ses, nos planaltos e chapadas da Bacia do Parnaíba. Abrange a Serra
Grande, constituída de chapadas com altitudes entre 480 m e 620 m,
e vales com altitudes entre 380 m e 420 m. Nos vales são encontrados
morros-testemunho.
f Bacias hidrográficas: a UC faz parte da bacia do Alto Parnaíba e é limitada
pelos rios Uruçuí-Uma e Riozinho.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs ou com


terras indígenas.
f Situação fundiária da UC: há população residente no interior da UC, for-
mada por 101 famílias catalogadas.
f Conflitos internos e com o entorno: desmatamentos dentro e fora da UC,
fogo, caça, plantio de arroz e soja no entorno, abertura de estrada clandes-
tina de 30 km que corta a UC.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 86.061/1981.

364
6.9. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Piauí

Fontes de informação

1) Documento:

Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais


Renováveis). Plano Operativo de Prevenção e Combate aos Incêndios
Florestais da Estação Ecológica de Uruçui-Una – PI. Bom Jesus/PI. 2006.
Disponível em: <http://www.ibama.gov.br/phocadownload/prevfogo/planos_
operativos/34-estacao_ecologica_urucui_una-pi.pdf>. Acesso em: 9 ago. 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

ICMBio: <http://www.icmbio.gov.br/portal/unidades-de-
conservacao?q=uru%C3%A7u%C3%AD-una&Search=>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/597755>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:esec_de_urucui-una:inicio>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Esta%C3%A7%C3%A3o_
Ecol%C3%B3gica_de_Uru%C3%A7u%C3%AD-Una>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Nacional da Serra das Confusões (1998)


Nacional – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
(ICMBio)

1) Localização e área
f PI: Guaribas, Santa Luz, Cristino Castro, Alvorada do Gurguéia, Canto do
Buriti, Tamboril do Piauí, Brejo do Piauí, Jurema, Caracol, Redenção de
Gurguéia, Curimatá e Bom Jesus.
f Área: em 1998, 502.411 ha; em 2010, 823.435,70 ha.

365
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

2) Caracterização ecológica e patrimônio arqueológico da UC


f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC situa-se em área de transição entre o
Cerrado e a Caatinga e abrange vegetação arbórea, arbustiva e arbórea/
arbustiva, incluídas matas. Foram registradas 147 espécies vegetais. Em
relação à fauna, foram identificadas 46 espécies de mamíferos e 156 de
aves. Também foram descobertas 3 espécies novas de lagartos, 1 espécie
de anfíbio e 1 espécie de quelônio.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se nos Chapadões do Alto Médio
Parnaíba e, em menor proporção, em áreas de Depressões Periféricas do
Médio São Francisco. A região apresenta inúmeras cavernas.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se no interflúvio entre as bacias dos rios
Parnaíba e São Francisco. Abrange várias nascentes intermitentes do rio
Gurgueia, integrante da bacia do rio Parnaíba.
f Patrimônio arqueológico: a UC abrange 13 sítios arqueológicos, com pin-
turas rupestres, material lítico e cerâmica.

3) Gestão da UC e entorno:
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim (defasado; para área do primeiro decreto).

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs ou


com terras indígenas. A zona de amortecimento foi definida no plano de
manejo. A UC integra o Mosaico Capivara-Confusões, instituído pela
Portaria do Ministério do Meio Ambiente (MMA) nº 76, de 11 de março
de 2005.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, portaria, centro de
visitantes, guarita, mirante, veículos, banheiros.
f Situação fundiária da UC: parcialmente regularizado. Área titulada da
União = 66%; área titulada do estado = 32%; área particular = 1%. Não há
ocupação humana no interior da UC.
f Conflitos internos e com o entorno: caça, extração de madeira, agricul-
tura, criação extensiva de animais domésticos nas áreas não indenizadas
e nas áreas limítrofes, fogo.
f Visitação: sim, com autorização especial. De segunda a domingo, entre
8h e 17h.
f Projetos de educação ambiental: não.

366
6.9. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Piauí

4) Histórico de documentos legais


f Decreto sem nº de 2 de outubro de 1998 (criação).

f Decreto sem nº de 30 de dezembro de 2010 (ampliação).

A proposta de criação de uma UC na região vem desde 1975, por indicação


de missão franco-brasileira de pesquisadores, tendo em vista a ocorrência de
sítios arqueológicos, a beleza da paisagem, a vegetação, o potencial turístico
e os impactos da presença humana. Posteriormente, o fotógrafo André Pessoa
publicou fotos e artigos sobre a região, despertando o apoio da comunidade
para a criação da UC. A criação do Parque Nacional ocorreu pelo Decreto de 2
de outubro de 1998, sendo protegidos mais de 500.000 ha. A área foi ampliada
para 823.435,70 ha pelo Decreto de 30 de dezembro de 2010.

5) Pontos de interesse para visitação

Caminhadas; cavidades naturais subterrâneas, com lagos ou secas; sítios ar-


queológicos, pinturas rupestres.

Fontes de informação

1) Documento:

Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais


Renováveis). Plano de Manejo para o Parque Nacional da Serra das
Confusões. Brasília, 2002.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-nacional-de-ucs.html>.

ICMBio: <http://www.icmbio.gov.br/portal/unidades-de-conservacao?q=serra
+das+confus%C3%B5es&Search=>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/595042>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pn_serra_das_
confusoes:inicio>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Nacional_
Serra_das_Confus%C3%B5es>.

367
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba (2002)


Federal – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
(ICMBio)

1) Localização e área
f BA: Formosa do Rio Preto – 1.049,39 ha (0,1%);

f TO: Lizarda, Mateiros, São Félix do Tocantins – 130.950,35 ha (17,4%);

f MA: Alto Parnaíba – 362.940,15 ha (48,1%);

f PI: Barreiras do Piauí, Corrente, Gilbués, São Gonçalo do Gurguéia –


259.130,05 ha (34,4%).
f Área: em 2002, 729.813,551 ha; em 2015, 754.069,94 ha.11

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: Campo-Cerrado, Cerrado, vereda, mata ci-
liar. Em relação à fauna, foram identificas mais de 60 espécies de mamí-
feros e aproximadamente 211 de aves.
f Relevo e geomorfologia: a UC é formada por relevo de chapada, escar-
pas e planícies fluviais. Situa-se próximo às Serras da Tabatinga e das
Mangabeiras, na divisa dos estados do Piauí, Bahia, Tocantins e Maranhão.
As altitudes variam entre 800 m a 400 m.
f Bacias hidrográficas: a UC abrange nascentes do rio Parnaíba e sobrepõe-
-se às bacias do Alto Parnaíba e do Tocantins.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: A UC está em sobreposição com a Área de


Proteção Ambiental (APA) Serra das Mangabeiras. Está inserida no Mosaico
do Jalapão, instituído pela Portaria do Ministério do Meio Ambiente

11 Essa área é indicada pelo Instituto Socioambiental, conforme consulta, em 3 de fevereiro de 2020,
à página eletrônica <https://uc.socioambiental.org/pt-br/arp/3193>, sendo um pouco superior à
“área aproximada” indicada na Lei nº 13.090/2015 (749.848 ha).

368
6.9. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Piauí

(MMA) nº 434, de 29 de setembro de 2016, o qual engloba outras 9 UCs.


Integra o Mosaico do Jalapão, instituído pela Portaria MMA nº 434, de 29
de setembro de 2016.
f Infraestrutura implantada: energia, internet, veículos, sanitários. A sede
situa-se em Corrente (PI) e o apoio com sala de comando da brigada de
incêndio em Barreiras do Piauí (PI).
f Situação fundiária da UC: não regularizado. Titulação desconhecida. Com
população residente.
f Conflitos internos e com o entorno: queimadas, caça, pastagem, coleta de
produtos não madeireiros, agricultura e silvicultura.
f Visitação: fechado.

f Projetos de educação ambiental: está sendo feito trabalho de educação


ambiental com população residente no interior da UC.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto sem nº de 16 de julho de 2002 (criação).

f Lei nº 13.090, de 12 de janeiro de 2015 (ampliação).

f Decreto sem nº de 16 de julho de 2002 (incluiu parte da Área de Proteção


Ambiental Serra da Tabatinga, criada pelo Decreto nº 99.278/1990, no
Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba).

Originalmente, a UC abrangia 729.813,55 ha, sendo 46,2% no Maranhão


(337.173,86 ha), 35,8% no Piauí (261.273,25 ha), 14,6% em Tocantins
(106.552,77 ha) e 3,4% na Bahia (24.813,66 ha). Com a aprovação da Lei
nº 13.090, a área total foi ampliada para aproximadamente 749.848 ha.

5) Pontos de interesse para visitação

Cachoeiras do Murici, Pintado, Sussuapara, Urubu e Várzea Grande.

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado em 14 de junho de 2018.

2) Páginas eletrônicas:

Câmara dos Deputados: <https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/


fichadetramitacao?idProposicao=525563>.

369
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

ICMBio: <http://www.icmbio.gov.br/portal/unidades-de-conservacao?q=nasce
ntes+do+rio+parna%C3%ADba&Search=>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/pt-br/arp/3193>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Nacional_das_
Nascentes_do_Rio_Parna%C3%ADba>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

6.10. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)


do Cerrado no estado de São Paulo
O Cerrado ocupa 32% da área do estado de São Paulo, o que corresponde a
7.943.023 ha. São 19 UCPIs, com área total de 24.569 ha (Tabela 47), o que
corresponde a 0,3% da área de Cerrado no estado e a 0,01% da área do bioma.
Em São Paulo foram criadas as primeiras UCPIs do Cerrado, desde o início da
década de 1940. Elas foram instituídas por meio de decretos de declaração de
utilidade pública de áreas com limites definidos e com o objetivo de preservar a
flora e a fauna. Posteriormente, foram convertidas em UCs em sentido formal,
nos termos da nova legislação sobre a matéria. A criação de novas unidades foi
contínua até 2018, excetuando-se a década de 1970.

370
6.10. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de São Paulo

Tabela 47 – UCPIs do estado de São Paulo

UCPIs Data de criação Área (ha)

Reserva Biológica
1942 470
Mogi-Guaçu

Estação Ecológica Itaberá 1957 180

Estação Ecológica
1957 154
Ribeirão Preto

Estação Ecológica Ibicatu 1958 76

Estação Ecológica Sebastião


1961 288
Aleixo da Silva (Bauru)

Estação Ecológica Mata


1961 75
do Jacaré (São Carlos)

Estação Ecológica
1982 9.011
Jataí (Conde...)

Estação Ecológica
1984 2.712
Santa Bárbara

Estação Ecológica Itirapina 1984 2.300

Estação Ecológica
Mogi-Guacu (Professor 1984 981
Hermogenes...)

Estação Ecológica Angatuba 1985 1.394

Estação Ecológica
1985 1.301
Santa Maria

Estação Ecológica Itapeva 1985 107

371
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

UCPIs Data de criação Área (ha)

Parque Estadual Furnas


1989 2.069
do Bom Jesus

Estação Ecológica Assis 1992 1.761

Estação Ecológica
1993 635
Paranapanema

Estação Ecológica
2006 293
Barreiro Rico

Estação Ecológica Avaré 2010 719

Estação Ecológica Guarani 2018 43

Total - 24.569

Fonte: elaboração própria.

Quase todas as UCPIs de São Paulo são estaduais, exceto uma única estação
ecológica municipal. Há apenas duas categorias – estação ecológica, franca-
mente dominante, e um parque estadual (Tabela 48).

Tabela 48 – Distribuição das UCPIs do estado de São Paulo por categoria e


esfera de criação

Estadual Municipal Total


Categoria
Área Área Área
Nº % % Nº % % Nº % %
(ha) (ha) (ha)

Estação
16 94 21.987 99,8 1 6 43 0,2 17 90 22.030 90
ecológica

Reserva
1 100 470 100 0 0 0 0 1 5 470 2
biológica

372
6.10. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de São Paulo

Estadual Municipal Total


Categoria
Área Área Área
Nº % % Nº % % Nº % %
(ha) (ha) (ha)

Parque 1 100 2.069 100 0 0 0 0 1 5 2.069 8

Total 18 95 24.526 99,8 1 5 43 0,2 19 100 24.569 100

Fonte: elaboração própria.

Estação Ecológica de Angatuba (1985)


Estadual – Instituto Florestal da Secretaria do Meio Ambiente do Estado
de São Paulo

1) Localização e área
f SP: Angatuba, Guareí.

f Área: 1.394,15 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e fauna: a UC situa-se em zona de contato do Cerrado
com a Mata Atlântica. Abrange floresta estacional semidecidual, cerradão,
cerrado stricto sensu, campo úmido. Quanto à fauna, inclui 26 espécies de
mamíferos, 188 de aves, 16 de anfíbios, 4 de répteis.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se na Depressão Periférica Paulista
no subcompartimento denominado Depressão do Paranapanema. O relevo
é recortado e acidentado, formado por morrotes alongados e espigões ou
em colinas médias. A altitude varia entre 600 m e 820 m. O ponto culmi-
nante é o Morro da Conquista.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do Alto Paranapanema, inte-
grante da bacia do rio Paraná. O córrego do Sargento faz o limite noroeste
da estação. Em sua parte centro-leste, a UC é atravessada pelos córregos
Água Bonita e da Conquista, afluentes do rio Guareí.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

373
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Integração e sobreposições: zona de amortecimento de 6.925,17 ha, defi-


nida no plano de manejo. A unidade não está em sobreposição com outras
UCs ou com terras indígenas.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, telefonia celular,
mirante, alojamento, laboratório, residência de funcionários, banheiros,
veículos.
f Situação fundiária da UC: totalmente regularizada. Terras tituladas do
estado = 100%. Sem ocupação humana.
f Conflitos internos e com o entorno: espécies invasoras no interior da UC,
especialmente Pinus elliottii, braquiária e capim gordura, assoreamento
do rio Guareí e do córrego do Sargento.
f Visitação: aberta, visita com autorização especial e agendamento. De se-
gunda a domingo, de 7h às 16h.
f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 23.790/1985 (criação).

Em 1965, o governo do estado de São Paulo comprou a Fazenda Conquista e


criou a Floresta Estadual Angatuba, com 2.590 ha. Em parte da área, foram fei-
tos plantios de eucalipto e pinheiro. Em 1985, nas áreas livres desses plantios,
foi instituída a estação ecológica.

Fontes de informação

1) Documento:

Sema-SP / IF (Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo / Instituto


Florestal). Plano de Manejo da Estação Ecológica de Angatuba. 2009.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/arp/888>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:esec_angatuba:inicio>.

374
6.10. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de São Paulo

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Esta%C3%A7%C3%A3o_
Ecol%C3%B3gica_de_Angatuba>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Estação Ecológica de Assis (1992)


Estadual – Instituto Florestal da Secretaria do Meio Ambiente do Estado
de São Paulo

1) Localização e área
f SP: Assis.

f Área: em 1992, 1.312,38 ha; em 2002, 1.760,64 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: A UC situa-se em zona de contato do
Cerrado com a Mata Atlântica. Abrange cerradão, cerrado stricto sensu,
campo úmido, floresta paludícola, ecótono cerrado/floresta estacional se-
midecidual. Há trechos previamente ocupados por florestas plantadas de
pinheiro e eucalipto e invadidos por samambaias (Pteridium arachnoi-
deum), nos quais o cerrado se encontra em diferentes estágios de rege-
neração. Foram registradas até o momento 576 espécies vegetais nativas.
Em relação à fauna, foram registradas 22 espécies de mamíferos, 136 de
aves, 23 espécies de anfíbios, 23 de répteis, 11 de peixes, 33 de borbole-
tas, 40 de dípteros, 50 de aracnídeos e 3 de escorpiões.
f Relevo e geomorfologia: o relevo regional é de colinas, com baixas decli-
vidades. Na UC, as colinas têm topo amplo e aplainado e as vertentes são
predominantemente retilíneas. As altitudes variam entre 565 m e 588 m.
f Bacias hidrográficas: a UC abrange as nascentes dos córregos Palmitalzinho,
Xaxim e Pirapitinga, das bacias dos rios Pari e Capivara, integrantes da ba-
cia do Médio Paranapanema, que deságua no rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

375
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Integração e sobreposições: zona de amortecimento delimitada no plano


de manejo, aprovado pela Resolução Consema nº 30/2008. Sem sobrepo-
sição com outras UCs.
f Infraestrutura implantada: energia, veículo, carreadores, aceiros e cer-
cas. Infraestrutura compartilhada com Floresta Estadual de Assis (vizi-
nha): administração, hospedaria, garagens, laboratórios etc.
f Situação fundiária da UC: área estadual = 100%. Sem população no inte-
rior da UC.
f Conflitos internos e com o entorno: na área externa à UC, há conflitos
referentes ao uso do solo, gerenciamento de rodovias e eventual aplicação
de agrotóxicos.
f Visitação: média 500 visitantes por ano, monitorados e somente para ati-
vidades que não possam ser desenvolvidas na Floresta Estadual de Assis.
Não há cobrança de ingresso.
f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 35.697/1992 (criação, com poligonal).

f Decreto nº 47.097/2002 (ampliação, com poligonal redefinida).

A UC foi criada em 1992, com 1.312,38 ha. Em 2002, foi ampliada para


1.760,64 ha, pelo Decreto nº 47.097.

A área foi desapropriada em 1952 e destinada à estrada de Ferro Sorocabana, a


qual não prosperou. Parte da área foi reflorestada com pinheiro, sendo denomi-
nada Horto Florestal de Assis. A parte não refloresta, onde o cerrado permane-
ceu conservado, foi destinada à criação da estação ecológica em 1992. A am-
pliação, em 2002, abrangeu um talhão reflorestado com pinheiro e eucalipto,
mas com cerrado em processo de regeneração natural. A ampliação atendeu à
recomendação do plano de manejo de 1995 e visou à proteção das nascentes
do manancial de abastecimento de Assis.

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor da UC em 13 de junho


de 2018.

376
6.10. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de São Paulo

2) Documento:

SEMA-SP / IF (Secretaria de Meio Ambiente / Instituto Florestal). Plano de


Manejo da Estação ecológica de Assis. 2008.

3) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

IF: <http://iflorestal.sp.gov.br/areas-protegidas/estacoes-ecologicas/assis/>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/582408>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Estação Ecológica de Avaré (2010)


Estadual – Instituto Florestal da Secretaria do Meio Ambiente do Estado
de São Paulo

1) Localização e área
f SP: Avaré.

f Área: 719 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e flora: a UC situa-se em zona de contato entre Cerrado
e Mata Atlântica e abrange savana arborizada, savana gramíneo-
-lenhosa  e ecótono savana arborizada/floresta estacional, bem como
floresta estacional semidecidual montana e aluvial em estágios suces-
sionais inicial, médio e avançado. Levantamentos preliminares revela-
ram a existência de 142 espécies vegetais.
f Relevo e geomorfologia: há predomínio de colinas amplas com topos ex-
tensos e aplainados e vertentes retilíneas e convexas.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do Médio Paranapanema
(afluente do rio Paraná), nas bacias do rio Novo e do córrego da Água da

377
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Canela, ambos afluentes do Rio Pardo, maior afluente da margem direita


do Rio Paranapanema.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: o Decreto nº 56.616/2010 determina que a


zona de amortecimento seja definida no plano de manejo, mas este ainda
não foi aprovado. Não há sobreposição com outras UCs nem com terras
indígenas.
f Infraestrutura implantada: energia, sinal de telefonia celular, abrigo, resi-
dência de funcionários, banheiros, veículo.
f Situação fundiária da UC: área estadual = 100%. Há ocupação humana
na UC.
f Visitação: não.

f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 56.616/2010 (criação).

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor da UC em 12 de junho de 2018.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

IF: <http://iflorestal.sp.gov.br/areas-protegidas/estacoes-ecologicas/avare/>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map” \l “coverage>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:esec_de_avare:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

378
6.10. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de São Paulo

Estação Ecológica de Ibicatu (1958)


Estadual – Fundação para Conservação e a Produção Florestal do Estado
de São Paulo

1) Localização e área
f SP: Piracicaba.

f Área: 76 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC está em área de transição entre Cerrado e Mata
Atlântica.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia hidrográfica do rio Tietê,
afluente do rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs ou com


terras indígenas.
f Situação fundiária da UC: totalmente regularizado. Área titulada do
estado = 100%.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 33.261/1958 (declaração de utilidade pública para desapro-
priação).
f Decreto nº. 26.890/1987 (criação de estação ecológica na área mencio-
nada no decreto anterior).

A área da UC foi inicialmente destinada à preservação da flora e da fauna em


1958, por meio do Decreto nº 33.261. Em 1987, nessa reserva, foi criada a
Estação Ecológica de Ibicatu pelo Decreto nº 26.890.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

379
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

FF: <https://guiadeareasprotegidas.sp.gov.br/ap/estacao-ecologica-ibicatu/>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Estação Ecológica de Itaberá (1957)


Estadual – Fundação para Conservação e a Produção Florestal do Estado
de São Paulo

1) Localização e área
f SP: Itaberá.

f Área: 180 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC encontra-se em área de transição entre Cerrado e
Mata Atlântica.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia hidrográfica do rio Tietê,
afluente do rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: não.

f Situação fundiária da UC: totalmente regularizada. Área titulada do estado =


100%. Sem ocupação humana.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 29.881/1957 (declaração de utilidade pública para desapro-
priação, de imóvel destinado à defesa da flora e da fauna).
f Decreto nº 26.890/1987 (criação da Estação Ecológica de Itaberá na área
mencionada no decreto anterior).

A área da UC foi desapropriada em 1957, pelo Decreto nº 29.881, e destinada à


defesa da flora e da fauna. Em 1987, por meio do Decreto nº 26.890, foi criada
a Estação Ecológica de Itaberá, na reserva instituída pelo decreto anterior.

380
6.10. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de São Paulo

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

FF: <https://guiadeareasprotegidas.sp.gov.br/ap/estacao-ecologica-itabera/>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/588844>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:esec_itabera:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Estação Ecológica de Itapeva (1985)


Estadual – Instituto Florestal da Secretaria do Meio Ambiente do Estado
de São Paulo

1) Localização e área
f SP: Itapeva.

f Área: 107 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: UC em área de transição entre Cerrado e Mata Atlântica.
Floresta: estacional semidecidual montana, floresta estacional semideci-
dual aluvial, savana florestada, savana arborizada rala, savana gramíneo-
-lenhosa suja e savana gramíneo-lenhosa limpa.
f Relevo e geomorfologia: região de relevo formado por colinas médias,
topos e vertentes com predominância de baixos declives e aplainados,
vertentes com perfis convexos a retilíneos.
f Bacias hidrográficas: a UC localiza-se na bacia do rio Pirituba, bacia do
Alto Taquari, integrante da bacia hidrográfica do Alto Paranapanema,
afluente do rio Paraná.

381
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs, nem


com terras indígenas.
f Situação fundiária da UC: totalmente regularizada. Terras tituladas do
estado = 100%. Sem ocupação humana.
f Conflitos internos e com o entorno: incêndios e caça.

f Visitação: fechada.

f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 23.791/1985.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

IF: <http://iflorestal.sp.gov.br/areas-protegidas/estacoes-ecologicas/itapeva/>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:esec_itapeva:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Estação Ecológica de Itirapina (1984)


Estadual – Instituto Florestal da Secretaria do Meio Ambiente do Estado
de São Paulo

1) Localização e área
f SP: Brotas, Itirapina.

f Área: 2.300 ha.

382
6.10. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de São Paulo

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e fauna: campo sujo, campo cerrado, campo limpo, campo
úmido, cerrado sensu stricto, florestas ribeirinhas e cerradão. Foram re-
gistradas na UC 14 espécies de peixes, 28 de anfíbios anuros, 15 de la-
gartos, 32 de serpentes, 1 de quelônio (um cágado), 231 de aves e 33 de
mamíferos.
f Relevo e geomorfologia: o relevo da UC é pouco dissecado, com decli-
vidades inferiores a 3%, formado por colinas amplas, patamares baixos e
planícies fluviais.
f Bacias hidrográficas: a UC localiza-se na bacia do Tietê Médio Inferior
(afluente do rio Paraná). É drenada pelos ribeirões Itaqueri e do Lobo,
e córregos do Geraldo, do Limoeiro e Água Branca, que deságuam na
represa do Lobo.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim (criado, mas ainda não constituído).

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a zona de amortecimento foi definida no plano


de manejo e é constituída por área urbana, com 19.602 ha. Possui larguras
variadas e foi delimitada conforme bacia de drenagem. Há sobreposi-
ção com a Área de Proteção Ambiental (APA) estadual de Corumbataí,
Botucatu e Tejupá.
f Infraestrutura implantada: sinal de telefonia celular, sede, alojamento,
veículo e internet. A UC usa a infraestrutura da Estação Experimental de
Itirapina, contígua à estação ecológica.
f Situação fundiária da UC: área estadual = 100%. Sem ocupação humana.
Há área sub judice da estação experimental, não da estação ecológica.
f Conflitos internos e com o entorno: caça, pesca, invasão de espécies exó-
ticas (javali, braquiária, capim gordura e pinus), estrada estadual e muni-
cipal, fogo, vandalismo, agricultura.
f Visitação: fechada.

f Projetos de educação ambiental: sim, de forma eventual.

383
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 22.335/1984.

Em 1957, uma área com cerca de 1.000 ha, da Secretaria da Saúde Pública e da


Assistência Social, foi transferida para a Secretaria da Agricultura, destinada
a trabalhos do Serviço Florestal, por meio de decreto estadual. Entre 1957 e
1966, outras 10 áreas contíguas entre si foram desapropriadas, tendo em vista
promover trabalhos de pesquisa e de reflorestamento do Serviço Florestal do
Estado. Formou-se a Estação Experimental de Itirapina, com área de cerca de
5.500 ha, destinada ao plantio de pinheiro. Em 1984, parte dessa área (2.300 ha)
foi desafetada, abrangendo remanescente de cerrado, para criação da Estação
Ecológica de Itirapina.

Fontes de informação

1) Checklist respondido por telefone em 12 de junho de 2018.

2) Documento:

Sema-SP (Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo). Plano de


Manejo Integrado das Estações Ecológica e Experimental de Itirapina/SP.
2006.

3) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

IF: <https://www.infraestruturameioambiente.sp.gov.br/institutoflorestal/
areas-protegidas/estacoes-ecologicas/itirapina/>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/589281>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:esec_itirapina:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

384
6.10. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de São Paulo

Estação Ecológica de Jataí Conde Joaquim Augusto Ribeiro


do Valle (1982)
Estadual – Fundação para Conservação e a Produção Florestal do Estado
de São Paulo

1) Localização e área
f SP: Luís Antônio.

f Área: em 1982, 4.532,18 ha; em 2002, 9.010,7 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e fauna: a UC situa-se em área de transição entre Cerrado
e Mata Atlântica e abrange a maior área de Cerrado do estado de São
Paulo, compreendendo cerrado stricto sensu, cerradão e mata estacional
semidecidual. A UC também inclui 14 lagoas marginais ao rio Mogi-
-Guaçu, que atuam como berçário para uma infinidade de peixes e aves.
Foram registradas 63 espécies de mamíferos, 305 de aves, 40 de répteis e
80 de peixes.
f Relevo e geomorfologia: a UC situa-se no Planalto Ocidental Paulista,
sendo formada por colinas e vales entalhados.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia hidrográfica do rio Mogi-
-Guaçu, integrante da bacia do rio Paraná. As divisas da UC são mar-
cadas pelo córrego Boa Sorte, a oeste; pelo córrego Cafundó, ao sul
e a leste; pelo ribeirão Vassununga, a leste; e pelo rio Mogi-Guaçu, a
sudoeste. Acrescente-se o córrego do Beija-Flor (ou Jataí), totalmente
inserido na UC e 14 lagoas marginais ao rio Mogi-guaçu.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a zona de amortecimento abrange 37.361 ha


e foi definida no plano de manejo. Não há sobreposição com outras UCs
ou com terras indígenas.
f Infraestrutura implantada: Base Operacional Horácio Gomes (base de vi-
gilância), veículo.
f Situação fundiária da UC: totalmente regularizada. Terra titulada do
estado = 100%. Sem presença humana no interior da UC.

385
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Conflitos internos e com o entorno: caça, extração de produtos florestais,


pesca, presença de porto de areia no Mogi-Guaçu, presença de animais do-
mésticos e presença de estrada vicinal.
f Projetos de educação ambiental: realizadas atividades monitoradas de in-
terpretação da natureza com grupos especiais e visitação de alunos univer-
sitários para atividades de aulas práticas com acompanhamento de guia.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 18.997/1982 (criação).

f Decreto nº 20.809/1983 (alteração do nome).

f Decreto nº 47.096/2002 (ampliação).

Em 1959, a área da UC foi desapropriada pelo governo do estado. Constituiu


uma estação experimental até 1983, administrada pelo Instituto Florestal, o qual
realizou plantios de eucalipto no local. Já na década de 1970, a área era consi-
derada o mais representativo fragmento de cerrado e cerradão do estado de São
Paulo. Em 1982, foi criada a estação ecológica. Em 2002, a UC foi ampliada.
A Estação Ecológica de Jataí hoje é considerada um marco para o Instituto
Florestal, pois serviu de incentivo para a criação de outras estações ecológicas
no estado.

Fontes de informações

1) Documento:

Sema-SP (Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo). Plano de


Manejo da Estação Ecológica de Jataí. 2013.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

FF: <https://guiadeareasprotegidas.sp.gov.br/ap/estacao-ecologica-jatai/>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/589399>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:esec_de_jatai:inicio>.

386
6.10. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de São Paulo

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Estação Ecológica de Mogi-Guaçu Professor Hermógenes de


Freitas Leitão Filho (1984)
Estadual – Instituto Florestal da Secretaria do Meio Ambiente do Estado
de São Paulo

1) Localização e área
f SP: Mogi-Guaçu.

f Área: 981 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: UC em área de transição entre Cerrado e Mata Atlântica.
Cerrado, mata latifoliada semidecídua e mata ciliar.
f Relevo e geomorfologia: relevo em colinas amplas e planícies aluviais,
com altitudes que variam entre 560 m e 700 m.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Mogi-Guaçu (inte-
grante da Bacia do rio Paraná), que percorre 19 km dentro da área.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs ou com


terras indígenas.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, telefonia celular, porta-
ria, sede, alojamento, estacionamento, residência de funcionários, veículos,
banheiros.
f Situação fundiária da UC: totalmente regularizada. Terras tituladas do
estado = 100%.
f Conflitos internos e com o entorno: caça e pesca.

f Visitação: sim.

f Projetos de educação ambiental: sim.

387
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 22.336/1984.

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

IF: <https://www.infraestruturameioambiente.sp.gov.br/institutoflorestal/
areas-protegidas/estacoes-ecologicas/mogi-guacu/>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/pt-br/arp/966>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:esec_mogi_
guacu:inicio?s[]=mogi&s[]=gua%C3%A7u>.

Estação Ecológica de Paranapanema (1993)


Estadual – Instituto Florestal da Secretaria do Meio Ambiente do Estado
de São Paulo

1) Localização e área
f SP: Paranapanema.

f Área: 635 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias e fauna: floresta latifoliada semidecídua. Foram registra-
das 98 espécies de aves.
f Relevo e geomorfologia: relevo em forma de colinas amplas.

f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia hidrográfica do Alto


Paranapanema, afluente do rio Paraná. O ribeirão Faxinal faz divisa ao
norte e o córrego das Pedras faz limite ao sul. Ambos deságuam no ribei-
rão Grande, afluente do rio Paranapanema.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: sim.

388
6.10. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de São Paulo

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs ou com


terras indígenas.
f Infraestrutura implantada: guarita, veículos.

f Situação fundiária da UC: totalmente regularizada. Terras tituladas do


estado = 100%. Sem ocupação humana.
f Visitação: não.

f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 37.538/1993 (criação).

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

IF: <http://iflorestal.sp.gov.br/areas-protegidas/estacoes-ecologicas/
paranapanema/>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/591919>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:esec_de_
paranapanema:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Estação Ecológica de Ribeirão Preto (1957)


Estadual – Fundação para Conservação e a Produção Florestal do Estado
de São Paulo

1) Localização e área
f SP: Ribeirão Preto.

f Área: 154,16 ha.

389
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC abrange floresta estacional semideci-
dual. Foram registradas 277 espécies vegetais. Em relação à fauna, foram
identificadas 9 espécies de mamíferos e 126 de aves.
f Relevo e geomorfologia: a UC está inserida nas Cuestas Basálticas. O re-
levo é formado por colinas e morros com altitudes de 630 m a 750 m e
planícies aluviais.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na microbacia do córrego da Serraria,
da sub-bacia do ribeirão Preto, bacia hidrográfica do rio Pardo, integrante
da bacia do rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: zona de amortecimento definida no plano de


manejo. Não há sobreposição com outras UCs, nem com terras indígenas.
f Infraestrutura implantada: sede, auditórios, residências de funcionários,
banheiros, veículos.
f Situação fundiária da UC: totalmente regularizada. Área titulada do estado =
100%.
f Conflitos internos e com o entorno: visitação desordenada, realização de
cultos religiosos e deposição inadequado de entulho, proximidade com
zona urbana e consequente pressão imobiliária no entorno, presença de
8 espécies vegetais exóticas na UC, região de polo canavieiro.
f Visitação: sim, desordenada.

f Projetos de educação ambiental: esporadicamente, em eventos comemo-


rativos.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 28.890/1957 (declaração de utilidade pública, para desapro-
priação de imóvel).
f Decreto nº 22.691/1984 (criação da estação ecológica).

390
6.10. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de São Paulo

A área da UC foi desapropriada pelo Decreto nº 28.890, em 1957, tendo em vista


a defesa da flora e da fauna. Em 1984, na área foi criada a Estação Ecológica de
Ribeirão Preto pelo Decreto nº 22.691.

Fontes de informação

1) Documento:

Fundação Florestal do Estado de São Paulo. Plano de Manejo da Estação


Ecológica de Ribeirão Preto – Mata de Santa Tereza. 2010.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

FF: <https://guiadeareasprotegidas.sp.gov.br/ap/estacao-ecologica-ribeirao-
preto/>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/593325>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:esec_de_ribeirao_
preto:inicio?s[]=ribeir%C3%A3o&s[]=preto>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Estação Ecológica de Santa Bárbara (1984)


Estadual – Instituto Florestal da Secretaria do Meio Ambiente do Estado
de São Paulo

1) Localização e área
f SP: Águas de Santa Bárbara.

f Área: 2.712 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC está em região de contato entre Cerrado
e Mata Atlântica. Abrange floresta estacional semidecidual submontana,
floresta paludícola, mata de galeria, cerradão, cerrado denso, cerrado típico,

391
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

campo cerrado e campo úmido. Foram identificadas 528 espécies vegetais


nativas. Em relação à fauna, foram registradas 59 espécies de mamíferos,
206 de aves, 30 de anfíbios, 31 de répteis, 10 de peixes, 34 de formigas e
25 morfoespécies de mariposas.
f Relevo e geomorfologia: o relevo é formado por colinas amplas, com
baixa declividade e altitudes entre 600 m e 680 m.
f Bacias hidrográficas: a UC está situada na bacia do rio Pardo, integrante da
bacia hidrográfica do Médio Paranapanema, da bacia do rio Paraná. É de-
limitada a leste pelo ribeirão Capão Rico e a oeste pelo ribeirão Capivari,
abrangendo diversas de nascentes desses corpos d’água.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a zona de amortecimento foi definida no plano


de manejo e abrange 16.403,4 ha. Não há sobreposição com outras UCs,
nem com terras indígenas.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, portaria, sede, guarita, aloja-
mento, residência de funcionários, banheiros, veículos. Está em implanta-
ção o centro de visitantes.
f Situação fundiária da UC: Totalmente regularizada. Área estadual = 100%.
Sem população do interior da UC.
f Conflitos internos e com o entorno: reflorestamentos comerciais (eucalipto
e pinheiro plantados antes da criação da UC); criação extensiva de gado;
impactos advindos das rodovias SP-330 e SP-261; pesca, caça e assenta-
mento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, extração
de plantas medicinais e frutíferas nas áreas próximas às rodovias.
f Visitação: fechada.

f Projetos de educação ambiental: sim.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto Estadual nº 44.305/1964 (desapropriação).

f Decreto Estadual nº 22.337/1984 (criação da estação ecológica, com


poligonal).

392
6.10. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de São Paulo

A área da UC, de 2.712 ha, foi desmembrada da Floresta Estadual de Águas de


Santa Bárbara I, criada por desapropriação da Fazenda Santana, por meio do
Decreto Estadual nº 44.305, de 30 de dezembro de 1964. Essa área foi destina-
da à pesquisa e ao reflorestamento para ser administrada pelo Serviço Florestal.
A destinação para conservação da biodiversidade ocorreu com a criação da es-
tação ecológica, em área de vegetação nativa, pomares de sementes de euca-
lipto e parte dos talhões de pinheiro que pertencia à floresta estadual, em 1984.

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado em 14 de junho de 2018.

2) Documento:

Instituto Florestal (Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo).


Plano de Manejo da Estação Ecológica de Santa Bárbara. 2011.

3) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

IF: <http://iflorestal.sp.gov.br/areas-protegidas/estacoes-ecologicas/santa-
barbara/>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/593917>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:esec_de_santa_
barbara:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Estação Ecológica de Santa Maria (1985)


Estadual – Instituto Florestal da Secretaria do Meio Ambiente do Estado
de São Paulo

1) Localização e área
f SP: São Simão.

393
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

f Área: em 1985, 113 ha; em 2010, 1.301 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: floresta estacional semidecidual, cerrado, pequenas áreas
de reflorestamento com exóticas (eucalipto e pinheiro), áreas em pro-
cesso de regeneração natural e várzea com vegetação de gramíneas.
f Relevo e geomorfologia: o relevo é suavemente ondulado a ondulado
ocorrendo trechos de declividade mais acentuada.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Pardo, da bacia do rio
Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: sem sobreposição com outras UCs, nem com


terras indígenas.
f Infraestrutura implantada: telefonia celular, guarita.

f Situação fundiária da UC: totalmente regularizado. Área titulada do


estado = 100%. Sem ocupação humana em seu interior.
f Visitação: sim, mediante agendamento prévio.

f Projetos de educação ambiental: não.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 23.792/1985 (criação).

f Decreto nº 55.346/2010 (ampliação).

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

IF: <http://iflorestal.sp.gov.br/areas-protegidas/estacoes-ecologicas/santa-
maria/>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

394
6.10. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de São Paulo

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Estação Ecológica do Barreiro Rico (2006)


Estadual – Fundação para Conservação e a Produção Florestal do Estado
de São Paulo (FF)

1) Localização e área
f SP: Anhembi.

f Área: 292,82 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f A UC situa-se no limite entre os biomas Cerrado e Mata Atlântica.

f Bacias hidrográficas: a UC está na bacia do rio Tietê, afluente do rio


Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs nem


com terras indígenas.
f Situação fundiária da UC: totalmente regularizada. Área titulada do estado =
100%. Sem ocupação humana no interior da UC.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 51.381/2006 (criação, com poligonal).

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

FF: <https://guiadeareasprotegidas.sp.gov.br/ap/estacao-ecologica-barreiro-rico/>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/610138>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

395
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:esec_barreiro_rico:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Estação Ecológica Mata do Jacaré (Estação Ecológica São Carlos)


(1961)
Estadual – Fundação para Conservação e a Produção Florestal do Estado
de São Paulo

1) Localização e área
f SP: Brotas.

f Área: 75 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Bacias hidrográficas: os limites norte e leste da UC são marcados pelo
rio Jacaré-Guaçu, afluente do rio Tietê, integrante da bacia do rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs ou com


terras indígenas.
f Situação fundiária da UC: totalmente regularizado. Terras tituladas dos
estado = 100%. Sem ocupação humana na UC.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 38.957/1961 (declaração de utilidade pública, para desapropria-
ção de imóvel, destinada à preservação da floresta e proteção da fauna).
f Decreto nº 26.890/1987 (criação da estação ecológica).

f Decreto nº 58.237/2012 (alteração do nome).

A área da UC foi desapropriada em 1961, pelo Decreto nº 38.957, e destinada à


preservação da flora e da fauna. Em 1987, o Decreto nº 26.890 criou a Estação
Ecológica São Carlos nessa área. Posteriormente, o Decreto nº 58.237 alterou
o nome da UC para Estação Ecológica Mata do Jacaré, em homenagem ao rio
que a limita.

396
6.10. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de São Paulo

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

FF: <https://guiadeareasprotegidas.sp.gov.br/ap/estacao-ecologica-mata-do-
jacare/>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Estação Ecológica Municipal Guarani (2018)


Municipal – Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Ribeirão Preto

1) Localização e área
f SP: Ribeirão Preto.

f Área: 43 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Bacias hidrográficas: a UC integra a bacia hidrográfica do rio Grande,
integrante da bacia do rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Infraestrutura implantada: telefone.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 79/2018 (criação).

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

397
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Mapbiomas: <https://plataforma.brasil.mapbiomas.org/>.

Estação Ecológica Sebastião Aleixo da Silva (Estação


Ecológica de Bauru) (1961)
Estadual – Fundação para Conservação e a Produção Florestal do Estado
de São Paulo

1) Localização e área
f SP: Bauru.

f Área: 287,98 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: a UC situa-se em área de transição entre o
Cerrado e a Mata Atlântica. Abrange Floresta Estacional Semidecidual.
Foram registradas 226 espécies arbóreas. Em relação à fauna, foram re-
gistradas 18 espécies de mamíferos, 147 de aves e 28 da herpetofauna.
f Bacias hidrográficas: a UC integra a bacia hidrográfica do rio Tietê,
afluente do rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a UC está inserida na Área de Proteção


Ambiental (APA) estadual Rio Batalha.
f Infraestrutura implantada: aceiros, estradas internas e cercas nas divisas
com propriedades particulares. Atualmente a área está sob gestão com-
partilhada entre a Fundação Florestal e o Instituto Florestal. Os serviços e
infraestrutura que atendem à unidade desde a sua criação são da Estação
Experimental de Bauru (Instituto Florestal).
f Situação fundiária da UC: totalmente regularizado. Área titulada do estado =
100%. Sem ocupação humana.
f Conflitos internos e com o entorno: caça, extração de recursos vegetais,
invasão pelo gado bovino e animais domésticos.
f Visitação: fechada.

f Projetos de educação ambiental: não.

398
6.10. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de São Paulo

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 38.424/1961 (declaração de utilidade pública para desapro-
priação de fazenda, no município de Bauru, destinada à preservação da
flora e da fauna, com poligonal).
f Decreto nº 26.890/1987 (criação de estação ecológica na área indicada
no Decreto nº 38.424/1961).
f Lei nº 9.721, de 26 de agosto de 1997 (mudança de nome).

Em 1961, por meio do Decreto nº 38.424, o governo de São Paulo desapro-


priou a Fazenda São Luiz, no município de Bauru, destinando-a à preservação
da flora e da fauna. Em 1987, na mesma área, o Decreto nº 26.890 criou a
Estação Ecológica de Bauru. Em 1997, a Lei nº 9.721 mudou o nome da UC
para Estação Ecológica Sebastião Aleixo da Silva, proprietário da fazenda que
deu origem à unidade. Ocorre que o nome antigo continua sendo utilizado
para a UC, mesmo nos documentos legais e na página eletrônica dos órgãos
ambientais (Fundação Florestal e CNUC).

Fontes de informação

1) Documento:

Sema-SP (Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo). Plano de


Manejo da Estação Ecológica de Bauru. 2010.

2) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

FF: <https://guiadeareasprotegidas.sp.gov.br/ap/estacao-ecologica-sebastiao-
aleixo-da-silva-eec-de-bauru/>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/594202>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:esec_de_bauru:inicio>.

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

399
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Parque Estadual das Furnas do Bom Jesus (1989)


Estadual – Fundação para Conservação e a Produção Florestal do Estado
de São Paulo

1) Localização e área
f SP: Pedregulho.

f Área: 2.069 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: floresta estacional semidecidual.

f Relevo e geomorfologia: cânion, com declives de até 200 m.

f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Grande, integrante da


bacia do rio Paraná. O córrego do Bom Jesus forma o cânion que dá nome
à UC.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: não.

f Integração e sobreposições: não há sobreposição com outras UCs ou com


terras indígenas.
f Situação fundiária: totalmente regularizada. Terras tituladas do estado =
100%.
f Visitação: de segunda-feira a domingo, das 8h às 12h e das 13h às 16h.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 30.591/1989 (criação sem poligonal).

f Decreto nº 31.644/1990 (desapropriação, com definição da poligonal).

5) Pontos de interesse para visitação

Mirante, cachoeira, trilhas da Cascata Grande (1 km a 2 km), dos Macacos e


Malta (6 km a 7 km) e do Mirante (até 1 km).

Fontes de informação

1) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

400
6.10. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado de São Paulo

FF: <https://guiadeareasprotegidas.sp.gov.br/ap/parque-estadual-furnas-do-
bom-jesus/>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/586740>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo: <https://


guiadeareasprotegidas.sp.gov.br/ap/parque-estadual-furnas-do-bom-jesus/>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:pe_das_furnas_do_bom_
jesus:inicio>.

Wikiparques: <https://www.wikiparques.org/wiki/Parque_Estadual_das_
Furnas_Bom_Jesus>.

Reserva Biológica de Mogi-Guaçu (1942)


Estadual – Instituto de Botânica do Estado de São Paulo

1) Localização e área
f SP: Mogi-Guaçu.

f Área: 470 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: a UC está em zona de transição entre Cerrado e Mata
Atlântica e abrange floresta estacional semidecidual submontana e aluvial,
cerrado, cerradão, campo úmido, várzea e mata ciliar. Em relação à fauna,
abrange 236 espécies de aves e 43 de mamíferos.
f Relevo e geomorfologia: área de topografia plana, com altitude em torno
de 600 m.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se na bacia do rio Grande, integrante da
bacia do rio Paraná.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: não.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: a unidade não está em sobreposição com ou-


tras UCs ou com terras indígenas.

401
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

4) Histórico de documentos legais


f Decreto nº 12.500/1942 (reserva de imóvel para estabelecimento de flores-
tas protetoras remanescentes e modelo, nos termos do Código Florestal).
f Decreto sem nº de 17 de agosto de 1970 (destina glebas para Estação
Experimental e Biológica de Mogi-Guaçu).
f Decreto nº 24.714/1986 (inclui a gestão da Reserva Biológica e Estação
Experimental de Mogi-Guaçu entre as atribuições do Instituto de
Botânica).
f Decreto nº 55.165/2009 (reorganiza o Instituto de Botânica e menciona
formalmente a área como Reserva Biológica de Mogi-Guaçu).

A Fazenda Campininha, onde se localiza a UC, foi adquirida pelo estado de


São Paulo em 1910, para reforma agrária. Em 1942, a área foi destinada à
conservação da flora e da fauna, para instituição de florestas protetoras rema-
nescentes e modelo, nos termos do Código Florestal então vigente.12 Em 1970,

12 Decreto nº 23.793, de 23 de janeiro de 1934. Segundo o decreto:


“Art. 3º As florestas classificam-se em:
a) protetoras;
b) remanescentes;
c) modelo;
d) de rendimento.
Art. 4º Serão consideradas florestas protetoras as que, por sua localização, servirem conjunta ou sepa-
radamente para qualquer dos fins seguintes:
a) conservar o regime das águas;
b) evitar a erosão das terras pela ação dos agentes naturais;
c) fixar dunas;
d) auxiliar a defesa das fronteiras, de modo julgado necessário pelas autoridades militares;
e) assegurar condições de salubridade pública;
f) proteger sítios que por sua beleza mereçam ser conservados;
g) asilar especimens raros de fauna indigena.
Art. 5º Serão declaradas florestas remanescentes:
a) as que formarem os parques nacionais, estaduais ou municipais;
b) as em que abundarem ou se cultivarem espécimens preciosos, cuja conservação se considerar neces-
sária por motivo de interesse biológico ou estético;
c) as que o poder público reservar para pequenos parques ou bosques, de gozo público.
[...]
Art. 6º. Serão classificadas como floresta modelo as artificiais, constituídas apenas por uma, ou por
limitado número de essências florestais, indígenas e exóticas, cuja disseminação convenha fazer-se
na região.”
As florestas protetoras correspondem às atuais áreas de preservação permanente (Lei nº 12.651, de
25 de maio de 2012 – Lei Florestal). As remanescentes correspondem às unidades de conservação
(Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000). E as florestas modelo constituíam reflorestamentos.

402
6.11. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Tocantins

duas glebas desse imóvel foram transferidas para o Instituto de Botânica, para
implantação da Estação Experimental e Biológica de Mogi-Guaçu. Em 1986, o
Decreto nº 24.714 alterou o Decreto nº 11.138, de 3 de fevereiro de 1978 (que
organiza a estrutura da Secretaria de Agricultura do Estado), para estabelecer a
atribuição, ao Instituto de Ecologia, de gerenciar a Reserva Biológica e Estação
Experimental de Mogi-Guaçu. Finalmente, em 2009, o Decreto nº 55.165
nomeou formalmente a área como Reserva Biológica de Mogi-Guaçu, sob a
administração do Instituto de Botânica.

Fontes de informação

1) Documento:

GIUDICE NETO, João Del. Plano de manejo das unidades de conservação


Reserva Biológica e Estação Ecológica Mogi-Guaçu-SP. São Paulo: Instituto
de Botânica/Instituto Florestal. 2015.

2) Páginas eletrônicas:

Instituto de Botânica: <https://www.infraestruturameioambiente.sp.gov.br/


institutodebotanica/mogi-guacu/>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/591347>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiaves: <https://www.wikiaves.com.br/areas:rebio_mogi-guacu:inicio>.

6.11.  Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)


do Cerrado no estado do Tocantins
O Cerrado ocupa 91% da área do estado de Tocantins, o que corresponde a
25.249.475 ha. São 8 UCPIs com área total de 1.456.258 ha (Tabela 49), aí
incluídos a Estação Ecológica da Serra Geral do Tocantins e o Parque Nacional
das Nascentes do Rio Parnaíba, cujos limites estendem-se para outros estados.
As UCPIs correspondem a aproximadamente 6% da área de Cerrado no estado
e a 0,7% da área total do bioma.

403
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

Tabela 49 – UCPIs do estado de Tocantins

UCPIs Data de criação Área (ha)

Parque Nacional do Araguaia 1959 557.714

Parque Estadual do Cantão 1998 90.018

Monumento Natural das


2000 32.067
Árvores Fossilizadas
Estação Ecológica da Serra
2001 634.133
Geral do Tocantins

Parque Estadual do Lajeado 2001 9.931

Parque Estadual do Jalapão 2001 159

Parque Nacional das Nascentes


2002 130.950
do Rio Parnaíba
Monumento Natural Canyons
2012 1.286
e Corredeiras do Rio Sono

Total - 1.456.258

Nota: para ver a área total da Estação Ecológica da Serra Geral do Tocantins e do Parque Nacional
das Nascentes do Rio Parnaíba, vide Tabela 7.
Fonte: elaboração própria.

Houve criação de Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs) no


estado desde o fim da década de 1950 até 2012. O Parque Nacional do Araguaia
foi a primeira UCPI federal no bioma. Criado com 2.000.000 km2, sofreu perda
de área na década de 1970. Excetuando-se os anos 2000 e 2001, quando foram
criadas 4 unidades, as demais foram instituídas com grandes intervalos entre si.

Tocantins conta com UCPIs das três esferas da federação – a maioria, estadual –
(Tabela 50). Mas as três unidades federais somam quase 91% da área de UCPIs
no estado.

404
6.11. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Tocantins

Tabela 50 – Distribuição das UCPIs do estado de Tocantins por categoria e


esfera de criação

Federal Estadual
Categoria
Nº % Área (ha) % Nº % Área (ha) %

Estação
1 100 634.133 100 0 0 0 0
ecológica

Parque 2 40 688.664 87 3 60 100.108 13

Monumento
0 0 0 0 1 50 32.067 96
natural

Total 3 37,5 1.322.797 90,83 4 50 132.175 9,08

Municipal Total
Categoria
Nº % Área (ha) % Nº % Área (ha) %

Estação
0 0 0 0 1 12,5 634.133 44
ecológica

Parque 0 0 0 0 5 62,5 788.772 54

Monumento
1 50 1.286 4 2 25 33.353 2
natural

Total 1 12,5 1.286 0,09 8 100 1.456.258 100

Fonte: elaboração própria.

Estação Ecológica Serra Geral do Tocantins (2001)


Federal – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
(ICMBio)

1) Localização e área
f BA: Formosa do Rio Preto – 80.965,50 ha; TO: Almas, Mateiros, Ponte
Alta do Tocantins, Rio da Conceição – 634.133,28 ha.
f Área: 715.098,78 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias, flora e fauna: campo sujo, campo limpo, cerrado stricto
sensu, veredas, campo de murundus, mata de galeria e mata ciliar. Foram
identificadas 417 espécies vegetais. Em relação à fauna, foram identificadas
450 espécies de vertebrados, sendo 35 espécies de peixes, 36 de anfíbios,

405
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

45 de répteis, 254 de aves, 39 de quirópteros e 41 de mamíferos terrestres,


com elevados valores de riqueza.
f Relevo e geomorfologia: relevo suave-ondulado, topos planos com encos-
tas escarpadas formando chapadas típicas de área de deposição sedimen-
tar. Há, ainda, relevos residuais formando os morros testemunhos que se
distribuem na área.
f Bacias hidrográficas: a UC situa-se no divisor de águas entre as bacias
hidrográficas do Tocantins e do São Francisco. A bacia do rio Tocantins
drena a maior parte da UC. A área sobrepõe-se ao Aquífero Urucuia.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração e sobreposições: sobreposição parcial com a Área de Proteção


Ambiental (APA) do Rio Preto. A zona de amortecimento foi definida
no plano de manejo e abrange 127.754 ha. A UC integra o Mosaico do
Jalapão, instituído pela Portaria do Ministério do Meio Ambiente (MMA)
nº 434, de 29 de setembro de 2016, e a Reserva da Biosfera do Cerrado.
f Situação fundiária da UC: parcialmente regularizado. Área titulada a
União = 1%. Área particular = 90%. Área com titulação desconhecida =
9%. População tradicional na área interna com 56 pessoas em 2012, con-
forme plano de manejo. Em 2012, foi firmado Termo de Compromisso,
celebrado entre o ICMBio e a Associação das Comunidades Quilombos
do Rio Novo, Rio Preto e Riachão (Ascolombolas-Rios), com interve-
niência do Ministério Publico Federal, tendo em vista estabelecer regras
de convivência entre os Associados da Ascolombolas-Rios residentes no
interior da UC e o ICMBio, bem como estabelecer condições de uso e
manejo das terras e dos recursos naturais da área.
f Infraestrutura implantada: energia, telefone, internet, portaria, veículos,
banheiros. Sede e acampamento para combate a incêndios fora da UC.
f Conflitos internos e com o entorno: abertura de estradas e caminhos na
UC e no entorno; abertura de cascalheiras no entorno, para recuperação
de estradas; mineração; gado bovino na vereda; práticas agrícolas de
grande escala na área de entorno e roças de toco e de esgoto no interior
da UC; fogo; áreas agropecuárias ao norte e fazendas de monoculturas
na fronteira leste da UC, na Bahia; silvicultura; visitação inadequada em

406
6.11. Unidades de Conservação de Proteção Integral (UCPIs)
do Cerrado no estado do Tocantins

atrativos naturais; presença de comunidades no interior da UC; agricul-


tura e pecuária de subsistência; coleta de capim dourado; coleta de pro-
dutos madeireiros e não madeireiros; pastagem, agricultura e silvicultura.
f Visitação: visitação permitida somente para fins educativos.

f Projetos de educação ambiental: visitação de cunho educacional. Cerca de


200 visitantes por ano.

4) Histórico de documentos legais


f Decreto sem nº de 27 de setembro de 2001.

Em 2001, o Ibama, em parceria com a Universidade de Brasília (UnB), o go-


verno de Tocantins, a prefeitura de Mateiros e as ONGs Pequi e CI realizaram a
expedição técnico-científica Gilvandro Simas Pereira ao Jalapão, tendo em vista
desenvolver o projeto de Integração e sobreposições do Jalapão. Os estudos
realizados serviram de base para a criação de novas Unidades de Conservação
na região, o que levou à criação da UC, ainda em 2001.

Fontes de informação

1) Checklist respondido e encaminhado por gestor da UC em 15 de junho de 2018.

2) Documento:

ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade). Plano


de Manejo da Estação ecológica Serra Geral do Tocantins. Brasília: ICMBio.
2014.

3) Páginas eletrônicas:

CNUC-MMA: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-
nacional-de-ucs.html>.

ICMBio: <http://www.icmbio.gov.br/portal/unidades-de-conservacao?q=serra
+geral+de+tocantins&Search=>.

ISA: <https://uc.socioambiental.org/uc/6351>.

Mapbiomas: <http://mapbiomas.org/map#coverage>.

Wikiparques: <http://www.wikiparques.org/wiki/Esta%C3%A7%C3%A3o_
Ecol%C3%B3gica_Serra_Geral_do_Tocantins>.

407
UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO CERRADO

WWF: <https://www.wwf.org.br/?42382/Observatrio-de-UCs-Biodiversidade-
em-Unidades-de-Conservao>. Observação: a página com a base de dados do
Observatório de UCs, utilizada neste trabalho, foi retirada da internet.

Monumento Natural Canyons e Corredeiras do Rio Sono


(2012)
Municipal – Prefeitura de São Félix do Tocantins

1) Localização e área
f TO: São Félix do Tocantins.

f Área: 1.286 ha.

2) Caracterização ecológica da UC
f Fitofisionomias: campo, cerrado stricto sensu, mata ripária, vereda.

f Bacias hidrográficas: a UC está distribuída ao longo da calha do rio


Soninho, integrante da bacia do rio Sono, por sua vez afluente do
rio Tocantins.

3) Gestão da UC e entorno
f Conselho: sim.

f Plano de manejo: sim.

f Integração: a zona de amortecimento está definida no Decreto nº 34, de


2 de julho de 2012 (de criaçã