Você está na página 1de 3

EXERCÍCIOS DE FÍSICA - Professor Fabio Teixeira

Movimento Harmônico Simples (MHS)


1. (Ufc 2007) Uma partícula de massa m
move-se sobre o eixo x, de modo que as
equações horárias para sua velocidade e sua
aceleração são, respectivamente, v(t) = -
ŸAsen (Ÿt + ) e a(t) = - Ÿ£Acos(Ÿt + ), com
Ÿ, A e  constantes.
a) Determine a força resultante em função
do tempo, F(t) , que atua na partícula.
b) Considere que a força resultante também
pode ser escrita como F(t) = - kx(t), onde k
= mŸ£. Determine a equação horária para a
posição da partícula, x(t), ao longo do eixo x.
c) Sabendo que a posição e a velocidade da
partícula no instante inicial t = 0 são x(0) =
x³ e v(0) = v³, respectivamente, determine Suponha que todo o movimento ocorra em
as constantes A e . um plano vertical.
d) Usando as expressões para as energias a) Calcule, em função de L e do módulo da
cinética, Ec(t) = 1/2 mv£(t), e potencial, aceleração da gravidade g, a velocidade da
Ep(t) = 1/2 kx£(t), mostre que a energia partícula presa a extremidade do pêndulo,
mecânica da partícula é constante. imediatamente antes da colisão.
2. (Unicamp 2003) Os átomos de carbono b) Calcule o valor máximo do ângulo š que o
têm a propriedade de se ligarem formando pêndulo faz com a vertical após a colisão.
materiais muito distintos entre si, como o
diamante, o grafite e os diversos polímeros. 5. (Ufu 2006) Em um laboratório de Física,
Há alguns anos foi descoberto um novo um grupo de alunos, Grupo A, obtém dados,
arranjo para esses átomos: os nanotubos, apresentados na tabela a seguir, para a
cujas paredes são malhas de átomos de freqüência (em hertz) num experimento de
carbono. Pêndulo Simples, utilizando-se três pêndulos
O diâmetro desses tubos é de apenas alguns diferentes.
nanometros (1 nm = 10ª m). No ano
passado, foi possível montar um sistema no
qual um "nanotubo de carbono" fechado nas
pontas oscila no interior de um outro
nanotubo de diâmetro maior e aberto nas
extremidades, conforme a ilustração
adiante. As interações entre os dois tubos
dão origem a uma força restauradora
representada no gráfico. 1 nN = 10ª N.

Esses resultados foram passados para um


segundo grupo, Grupo B, que não
a) Encontre, por meio do gráfico, a compareceu à aula. Uma vez que os alunos
constante de mola desse oscilador. do Grupo B não viram o experimento, os
b) O tubo oscilante é constituído de 90 integrantes desse grupo formularam uma
átomos de carbono. Qual é a velocidade série de hipóteses para interpretar os
máxima desse tubo, sabendo-se que um resultados. Assinale a ÚNICA hipótese
átomo de carbono equivale a uma massa de correta.
2 x 10£§ kg? a) A massa do pêndulo 1 é menor do que a
massa do pêndulo 2 que, por sua vez, é
3. (Unicamp 2005) Numa antena de rádio, menor do que a massa do pêndulo 3.
cargas elétricas oscilam sob a ação de b) A massa do pêndulo 1 é maior do que a
ondas eletromagnéticas em uma dada massa do pêndulo 2 que, por sua vez, é
freqüência. Imagine que essas oscilações maior do que a massa do pêndulo 3.
tivessem sua origem em forças mecânicas e c) O comprimento L do fio do pêndulo 1 é
não elétricas: cargas elétricas fixas em uma maior do que o comprimento do pêndulo 2
massa presa a uma mola. A amplitude do que, por sua vez, é maior do que o
deslocamento dessa "antena-mola" seria de comprimento do pêndulo 3.
1 mm e a massa de 1 g para um rádio d) O comprimento L do fio do pêndulo 1 é
portátil. Considere um sinal de rádio AM de menor do que o comprimento do pêndulo 2
1000 kHz. que, por sua vez, é menor do que o
a) Qual seria a constante de mola dessa comprimento do pêndulo 3.
"antena-mola"? A freqüência de oscilação é
dada por: f = (1/2™) Ë(k/m) onde k é a 6. (Ufms 2006) Uma partícula move-se ao
constante da mola e m a massa presa à longo do eixo x de modo que a sua posição é
mola. dada, como função do tempo, pelo gráfico 1.
b) Qual seria a força mecânica necessária Assinale a(s) alternativa(s) correta(s).
para deslocar essa mola de 1 mm?
4. (Ufrj 2007) A figura 1 a seguir mostra um
pêndulo constituído por um fio ideal de
comprimento L, com uma extremidade presa
a um ponto fixo P, e por uma partícula de
massa m presa à outra extremidade. O
pêndulo está inicialmente em repouso com o
fio esticado na posição horizontal.
Após ter sido abandonado do repouso, o
pêndulo desce e colide com outra partícula
de massa m, que está em repouso sobre
uma superfície lisa, no ponto mais baixo de
sua trajetória. No choque, as partículas se
grudam de modo que o pêndulo continua
seu movimento com as duas presas em sua
extremidade, como mostra a figura 2.
(01) O gráfico 2 representa a velocidade da
partícula para esse movimento.
(02) A partícula realiza um movimento
harmônico amortecido.
(04) A força resultante que atua na partícula
é nula quando a partícula passa pela posição
x = 0.
(08) Sobre a partícula, atua uma força cujo
sentido é oposto ao da posição da partícula.
(16) A energia mecânica da partícula é
conservada durante o movimento.
Uma peça, com a forma indicada, gira em
7. (Ufms 2006) O Bungee Jump é um esporte torno de um eixo horizontal P, com
radical que consiste na queda de grandes velocidade angular constante e igual a
altitudes de uma pessoa amarrada numa ™rad/s. Uma mola mantém uma haste
corda elástica. Considerando desprezível a apoiada sobre a peça, podendo a haste
resistência do ar, é correto afirmar que mover-se APENAS na vertical. A forma da
(01) a velocidade da pessoa é máxima peça é tal que, enquanto ela gira, a
quando a força elástica da corda é igual à extremidade da haste sobe e desce,
força peso que atua na pessoa. descrevendo, com o passar do tempo, um
movimento harmônico simples Y(t) como
(02) a velocidade da pessoa é máxima indicado no gráfico. Assim, a freqüência do
quando o deslocamento da pessoa, em movimento da extremidade da haste será de
relação ao ponto que saltou, é igual ao a) 3,0 Hz b) 1,5 Hz c) 1,0 Hz
comprimento da corda sob tensão nula. d) 0,75 Hz e) 0,5 Hz
(04) o tempo de movimento de queda
independe da massa da pessoa.
(08) a altura mínima que a pessoa atinge em 12. (Fuvest 2004) Um certo relógio de
relação ao solo depende da massa dessa pêndulo consiste em uma pequena bola, de
pessoa. massa M = 0,1 kg, que oscila presa a um fio.
(16) a aceleração resultante da pessoa é O intervalo de tempo que a bolinha leva
nula quando ela atinge a posição mais para, partindo da posição A, retornar a essa
baixa. mesma posição é seu período T³, que é igual
a 2s. Neste relógio, o ponteiro dos minutos
completa uma volta (1 hora) a cada 1800
8. (Ufrs 2006) Um pêndulo simples, de oscilações completas do pêndulo.
comprimento L, tem um período de
oscilação T, num determinado local. Para
que o período de oscilação passe a valer 2T,
no mesmo local, o comprimento do pêndulo
deve ser aumentado em
a) 1 L. b) 2 L. c) 3 L. d) 5 L. e) 7 L.
9. (Unesp 2005) Uma pequena esfera
suspensa por uma mola executa movimento
harmônico simples na direção vertical.
Sempre que o comprimento da mola é
máximo, a esfera toca levemente a
superfície de um líquido em um grande
recipiente, gerando uma onda que se
propaga com velocidade de 20,0 cm/s. Se a
distância entre as cristas da onda for 5,0 Estando o relógio em uma região em que
cm, a freqüência de oscilação da esfera será atua um campo elétrico E, constante e
a) 0,5 Hz. b) 1,0 Hz. c) 2,0 Hz. homogêneo, e a bola carregada com carga
d) 2,5 Hz. e) 4,0 Hz. elétrica Q, seu período será alterado,
passando a T(Q). Considere a situação em
que a bolinha esteja carregada com carga Q
10. (Ufg 2005) No experimento representado = 3 x 10¦ C, em presença de um campo
na figura abaixo, as duas esferas são rígidas elétrico cujo módulo E = 1 x 10¦ V/m.
e têm o mesmo raio, porém a da esquerda Então, determine:
tem o dobro da massa daquela do pêndulo. a) A intensidade da força efetiva F(e), em N,
A esfera ligada à mola de constante elástica que age sobre a bola carregada.
k pode deslizar sem atrito sobre a superfície b) A razão R = T(Q)/T³ entre os períodos do
horizontal e o fio do pêndulo é inextensível e pêndulo, quando a bola está carregada e
tem massa desprezível. A esfera ligada à quando não tem carga.
mola, quando abandonada do repouso a
partir da posição x = -A, sofre uma colisão c) A hora que o relógio estará indicando,
perfeitamente elástica com a esfera do quando forem de fato três horas da tarde,
pêndulo. para a situação em que o campo elétrico
tiver passado a atuar a partir do meio-dia.
NOTE E ADOTE:
Nas condições do problema, o período T do
pêndulo pode ser expresso por
T = 2™Ëmassa x comprimento do
pêndulo/F(e)
em que F(e) é a força vertical efetiva que
age sobre a massa, sem considerar a tensão
do fio.GABARITO
1.
a) F(t) = mŸ£A cos(Ÿt + ž)
b) x(t) = A cos(Ÿt + ž)
c) A = Ë(x£ + v£/Ÿ£) e ž = arctan [- v/(Ÿx)]
d) Usando as equações para a energia
cinética e potencial, juntamente com as
equações horárias da posição e velocidade,
temos que
Ec(t) = 1/2mv£(t) = 1/2 mŸ£A£sen£ (Ÿt + ž)
= 1/2 kA£sen£ (Ÿt + ž)/
Ep(t) = 1/2kx£(t) = 1/2 kA£ cos£(Ÿt + ž).
A energia mecânica é a soma da energia
a) Qual deve ser o comprimento l do fio para cinética com a energia potencial. Logo,
que a freqüência do pêndulo seja igual à Emec = 1/2 kA£, que é uma constante.
freqüência do sistema massa-mola?
b) Calcule as velocidades de ambas as 2. a) K = 5 . 10£N/m
esferas imediatamente antes e b) v = 5 . 10¤m/s
imediatamente após o primeiro choque.
c) Devido ao sincronismo, as duas esferas
voltam a colidir na mesma posição. Quais as 3. a) k = 3,6 × 10¢¡ N/m
suas velocidades imediatamente após esse
segundo choque?
b) F = 3,6 × 10¨ (N)
11. (Fuvest 2001)
4. a) Antes da colisão, a energia mecânica
se conserva. Assim, mgL = mv£/2, onde v é
a velocidade imediatamente antes da
colisão. Portanto, v = Ë2gL.
b) A componente horizontal do momento
linear total do sistema se conserva durante
a colisão; logo, mv = 2m v , onde v é a
velocidade das partículas que se grudam,
imediatamente após a colisão. Portanto, v =
v/2. Usando, nessa equação, o resultado v
= Ë2gL (do item anterior, obtemos v =
(Ë2gL/2). Após a colisão, como antes, a
energia mecânica se conserva, de modo que
o seu valor imediatamente após o choque
pode ser igualado ao seu valor quando o
pêndulo faz o ângulo máximo šmáx com a
vertical após a colisão. Temos 2mv£/2 = 2m
gL(1 - cosšmáx), donde, 1/4 = (1 - cosšmáx),
donde, cosšmáx = 3/4, ou seja, šmáx =
arcos (3/4).
5. [D]
6. 10 ==> 08 e 02
7. 09 ==> 08 e 01
8. [C]
9. [E]
10. a) Ø = 2mg/k
b) v チ = 1/3[(ËkA£)/2m]
v‚ = 4/3[(ËkA£)/2m]
c) v'チ = ËkA£)/2m
v'‚ = 0
11. [B]
12. a) 4N
b) 1/2
c) 6 h da tarde