Você está na página 1de 75

ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo

SUMÁRIO
CANÇÃO DO BOMBEIRO ................................................................................................................................................................................................................... 3
LEGISLAÇÃO - 1 ................................................................................................................................................................................................................................. 4
NORMATIZAÇÃO - 2 .......................................................................................................................................................................................................................... 4
PREVENÇÃO DE INCÊNDIO - 3 ........................................................................................................................................................................................................... 4
ANÁLISE DE RISCOS - 4...................................................................................................................................................................................................................... 5
RELATÓRIOS & ESTATÍSTICAS - 5 ...................................................................................................................................................................................................... 6
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL – EPI - 6 ....................................................................................................................................................................... 6
MATERIAIS & ACESSÓRIOS – 7 .......................................................................................................................................................................................................... 7
TETRAEDRO DO FOGO- 8 .................................................................................................................................................................................................................. 7
CLASSES DE INCÊNDIO - 09 ............................................................................................................................................................................................................... 9
PONTOS DE TEMPERATURA - 10 ...................................................................................................................................................................................................... 9
PROPAGAÇÃO DO FOGO - 11 ........................................................................................................................................................................................................... 9
FASES DE COMBATE AO FOGO - 12 ................................................................................................................................................................................................ 10
MÉTODOS DE EXTINÇÃO - 13.......................................................................................................................................................................................................... 10
AGENTES EXTINTORES - 14 ............................................................................................................................................................................................................. 10
CAPACIDADE EXTINTORA – 15 ........................................................................................................................................................................................................ 11
EQUIP. MANUAIS DE COMBATE A INCÊNDIO I - 16 ........................................................................................................................................................................ 14
EXPLOSÕES – 17 ............................................................................................................................................................................................................................. 15
TÁTICAS DE COMBATE – 18 ............................................................................................................................................................................................................ 17
LINHAS DE MANGUEIRAS - 19 ........................................................................................................................................................................................................ 19
EQUIP. AUTOMÁTICOS DE COMBATE A INCÊNDIO- 20 ................................................................................................................................................................... 19
CALDEIRAS - 21 .............................................................................................................................................................................................................................. 20
PARA-RAIO - 22............................................................................................................................................................................................................................... 20
CONJUNTO MOTOR BOMBA - 23.................................................................................................................................................................................................... 22
GERADOR - 24................................................................................................................................................................................................................................. 23
ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA- 25................................................................................................................................................................................................. 24
SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARMES DE INCÊNDIO - 26 ................................................................................................................................................................. 25
COMPARTIMENTAÇÃO - 27............................................................................................................................................................................................................ 26
SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA – 28 ................................................................................................................................................................................................ 27
SAÍDAS DE EMERGÊNCIA- 29 .......................................................................................................................................................................................................... 31
ELEVADORES - 30 ............................................................................................................................................................................................................................ 32
INSTALAÇÃO DE GASES- 31 ............................................................................................................................................................................................................. 32
PRODUTOS PERIGOSOS – 32 .......................................................................................................................................................................................................... 35
COMUNICAÇÃO - 33 ....................................................................................................................................................................................................................... 39
ABANDONO DE ÁREA - 34 .............................................................................................................................................................................................................. 39
CONTROLE DE PÂNICO - 35 ............................................................................................................................................................................................................ 40
ACIONAMENTO DO CORPO DE BOMBEIRO - 36 ............................................................................................................................................................................. 40
BALIZAMENTO EM HELIPONTO - 37 ............................................................................................................................................................................................... 41
AMEAÇA DE BOMBA - 38 ................................................................................................................................................................................................................ 44
PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA - 39 ....................................................................................................................................................................................................... 44
PROTEÇÃO AUTÔNOMA - PA - 40 ................................................................................................................................................................................................... 46
TRABALHO EM ESPAÇO CONFINADO - 41....................................................................................................................................................................................... 47
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA- 42 ....................................................................................................................................................................... 49
SALVAMENTO EM ALTURA – 43 ..................................................................................................................................................................................................... 52
LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA -44/45...................................................................................................................................................................................................... 56
BIOSSEGURANÇA -46 ...................................................................................................................................................................................................................... 58
AVALIAÇÃO DE CENA - 47 ............................................................................................................................................................................................................... 59
ANÁLISE PRIMÁRIA - 48 .................................................................................................................................................................................................................. 59
ANÁLISE SECUNDÁRIA - 49 ............................................................................................................................................................................................................. 60
OBSTRUÇÕES DE VAS - 50………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….62
PARADA RESPIRATORIA - 51 ……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..................63
PARADA CARDIACA - 53 .......……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………..................63
DEA – DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO -55 ....................................................................................................................................................................... 63
SISTEMA CIRCULATÓRIO -56 ........................................................................................................................................................................................................... 65
FERIMENTOS - 58 / HEMORRAGIAS - 59 .......................................................................................................................................................................................... 66
SISTEMA DIGESTÓRIO - 60 .............................................................................................................................................................................................................. 66
EVISCERAÇÃO - 61 / PNEUMOTORAX - 62 .......................................................................................................................................................................................66
SISTEMA TEGUMENTAR -63............................................................................................................................................................................................................ 66
QUEIMADURAS - 64 .........................................................................................................................................................................................................................67
SISTEMA MUSCULAR -65 ... ............................................................................................................................................................................................................ 67
FRATURAS - 66 ............................................................................................................................................................................................................................... 67
SISTEMA NERVOSO -67 ................................................................................................................................................................................................................... 69
EMERGÊNCIAS CLÍNICAS -68 ........................................................................................................................................................................................................... 69
PARTO EMERGENCIAL - 68...............................................................................................................................................................................................................72
TRANSPORTE DE VÍTIMAS - 69 ........................................................................................................................................................................................................ 74
MÉTODO START - 70 ....................................................................................................................................................................................................................... 74

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 2


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo

CANÇÃO DO BOMBEIRO Com coragem seguiremos


Olhar franco e tenaz
Somos nós os audazes Bombeiros Sempre unidos estaremos
Cumpridores do nosso dever Trazendo momentos de paz
Que no fogo voraz lutaremos
Sempre alertas e altaneiros O
Para salvar ou morrer
sinistro vamos combater
Ao alarme partiremos Orgulhosos de sermos Bombeiros
A sirene nos apraz Enfrentamos sem nunca o temer
No perigo estaremos
Para frente companheiros
Levando momentos de paz
Vigilantes e leais
Nossa vida é lutar pelo povo Ao estado, Nós, Bombeiros
No incêndio e no salvamento Daremos momentos de paz
Se o destino está sempre em jogo
Só Deus nos dá seu alento Letra: Sd PM Luiz Alberto Rocha
Música: Tem Cel PM José Ferreira de Abreu e Sd PM Luiz Alberto Rocha

HINO NACIONAL Deitado eternamente em berço esplêndido,


Ao som do mar e à luz do céu profundo,
Ouviram do Ipiranga as margens plácidas Fulguras, ó Brasil, florão da América,
De um povo heróico o brado retumbante, Iluminado ao sol do Novo Mundo!
E o sol da Liberdade, em raios fúlgidos, Do que a terra mais garrida
Brilhou no céu da Pátria nesse instante. Teus risonhos, lindos campos têm mais flores;
Se o penhor dessa igualdade "Nossos bosques têm mais vida",
Conseguimos conquistar com braço forte, "Nossa vida" no teu seio "mais amores".
Em teu seio, ó Liberdade, Ó Pátria amada,
Desafia o nosso peito a própria morte! Idolatrada,
Ó Pátria amada, Salve! Salve!
Idolatrada, Brasil, de amor eterno seja símbolo
Salve! Salve! O lábaro que ostentas estrelado,
Brasil, um sonho intenso, um raio vívido E diga o verde-louro desta flâmula
De amor e de esperança à terra desce, - Paz no futuro e glória no passado.
Se em teu formoso céu, risonho e límpido, Mas, se ergues da justiça a clava forte,
A imagem do Cruzeiro resplandece. Verás que um filho teu não foge à luta,
Gigante pela própria natureza, Nem teme, quem te adora, a própria morte.
És belo, és forte, impávido colosso, Terra adorada
E o teu futuro espelha essa grandeza Entre outras mil,
Terra adorada, És tu, Brasil,
Entre outras mil, Ó Pátria amada!
És tu, Brasil, Dos filhos deste solo és mãe gentil,
Ó Pátria amada! Pátria amada,
Dos filhos deste solo és mãe gentil, Brasil!
Pátria amada,
Brasil! Poema: Joaquim Osório Duque Estrada
Música: Francisco Manuel da Silva

INTRODUÇÃO
O objetivo do curso é formar profissionais da área com a máxima capacidade para exercer as funções de
“Bombeiro Civil Industrial”
O Sistema ABCESP de Ensino se preocupa não só com as matérias, como também com a qualidade que estas estão
sendo passadas, além de ter em seu quadro de instrutores, profissionais que atuam muito bem e que estão preparados
para transmitir com a máxima clareza as matérias aos alunos.
A ABCESP tem a total certeza que você fez um investimento no seu futuro e não na Academia. Você depositou a
confiança em nosso trabalho e faremos tudo para alcançar sua satisfação.

Obrigado.
Departamento Operacional.

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 3


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo

LEGISLAÇÃO - 1
A legislação Federal sobre o assunto é praticamente inexistente, e o pouco que existe é referente à segurança do
trabalho e mesmo assim a abordagem é normalmente genérica.
Cabe aos Corpos de Bombeiros de cada Estado a aplicação da regularização da legislação Estadual, tendo 44
1
regulamentos Estaduais sobre o assunto em todo Brasil. No estado de São Paulo temos as Instruções Técnicas - IT, que são
aplicadas pelo Corpo de Bombeiro do Estado de São Paulo, totalizando 44 IT’s
1
No Estado de São Paulo temos o Decreto Estadual n° 56819 de 10/03/2011 que: “Aprova as especificações para
instalação de proteção contra incêndio e dá providências correlatas”, abrangendo todo o Estado de São Paulo, também sendo
aplicado os itens de segurança dos códigos Municipais, estabelecido pelas Prefeituras.
As exigências são feitas basicamente em função da área de altura da edificação com um posterior ajuste em função
do tipo de ocupação.

NORMATIZAÇÃO - 2
NR Norma Regulamentar
De acordo com a Lei nº 6.514, de 22 de dezembro de 1977, relativas a Segurança e Medicina do Trabalho, aprovadas pela
portaria nº 3.214, de 08 de junho de 1978, temos as principais Normas Regulamentar relacionada a área de Prevenção e
Combate a Incêndio:
NR 6 Equipamento Proteção Individual – EPI
NR 10 Proteção com serviços de eletricidade
NR 13 Caldeiras e Vasos de Pressão
NR 18 Proteção na construção civil (proteção em trabalho em altura)
NR 20 Líquidos inflamáveis
NR 23 Proteção Contra Incêndios
(A NR 23 INDICA QUE DEVE SE SEGUIR A LEGISLAÇÃO DE PREVENÇÃO DE COMBATE A INCÊNDIO DE CADA ESTADO)
NR 26 Sinalização de Segurança
NR 33 Espaço Confinado
NR 35 Trabalho em Altura
NBR Norma Brasileira Regulamentar
ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas
A NBR referente ao profissional Bombeiro Civil e suas funções é a 14608 - Bombeiro Profissional Civil.
CLT - A LEI que regulamenta a profissão de Bombeiro civil Profissional na CLT é a 11.901 – de 12 de Janeiro de 2009.

PREVENÇÃO DE INCÊNDIO - 3
“O incêndio ocorre onde a prevenção falha”, portanto vê-se que a prevenção é um fator imprescindível para a
normalidade da situação. Para efetuar uma boa prevenção devemos verificar quaisquer atos ou condições inseguras, como
por exemplo:
DEFINIÇÕES
A prevenção contra incêndio é um dos tópicos abordados mais importantes na avaliação e planejamento da proteção de uma
coletividade. O termo “prevenção de incêndio” expressa tanto a educação pública como as medidas de proteção contra
incêndio em um edifício.
A implantação da prevenção de incêndio se faz por meio das atividades que visam a evitar o surgimento do
sinistro, possibilitar sua extinção e reduzir seus efeitos antes da chegada do Corpo de Bombeiros.
As atividades relacionadas com a educação consistem no preparo da população por meio da difusão de ideias que
divulgam as medidas de segurança para evitar o surgimento de incêndios nas ocupações. Buscam, ainda,ensinar os
procedimentos a serem adotados pelas pessoas diante de um incêndio, os cuidados a serem observados
com a manipulação de produtos perigosos e também os perigos das práticas que geram riscos de incêndio.
As atividades que visam à proteção contra incêndio dos edifícios podem ser agrupadas em:
a. atividades relacionadas com as exigências de medidas de proteção contra incêndio nas diversas ocupações;
b. atividades relacionadas com a extinção, perícia e coleta de dados dos incêndios pelos órgãos públicos, que
visam a aprimorar técnicas de combate e melhorar a proteção contra incêndio por meio da investigação,
estudo dos casos reais e estudo quantitativo dos incêndios.
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 4
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo

A proteção contra incêndio deve ser entendida como o conjunto de medidas para a detecção e controle do
crescimento e sua consequente contenção ou extinção.
Essas medidas dividem-se em:
a. medidas ativas de proteção que abrangem a detecção, alarme e extinção do fogo (automática e/ou manual);
b. medidas passivas de proteção que abrangem o controle dos materiais, meios de escape, compartimentação e proteção da
estrutura do edifício.
Os objetivos da prevenção são:
a. proteger a vida dos ocupantes das edificações e áreas de risco, em caso de incêndio;
b. dificultar a propagação do incêndio, reduzindo danos ao meio ambiente e ao patrimônio;
c. proporcionar meios de controle e extinção do incêndio;
d. dar condições de acesso para as operações do Corpo de Bombeiros;
e. proporcionar a continuidade dos serviços nas edificações e áreas de risco.
Esses objetivos são alcançados pelo:
a. controle da natureza e da quantidade dos materiais combustíveis constituintes e contidos no edifício;
b. dimensionamento da compartimentação interna, da resistência ao fogo de seus elementos e do
distanciamento entre edifícios;
c. dimensionamento da proteção e da resistência ao fogo da estrutura do edifício;
d. dimensionamento dos sistemas de detecção e alarme de incêndio e/ou dos sistemas de chuveiros automáticos de extinção
de incêndio e/ou dos equipamentos manuais para combate;
e. dimensionamento das rotas de escape e dos dispositivos para controle do movimento da fumaça;
f. controle das fontes de ignição e riscos de incêndio;
g. acesso aos equipamentos de combate a incêndio;
h. treinamento do pessoal habilitado a combater um princípio de incêndio e coordenar o abandono seguro da população de
um edifício;
i. gerenciamento e manutenção dos sistemas de proteção contra incêndio instalado;
j. controle dos danos ao meio ambiente decorrentes de um incêndio.
Instalações elétricas improvisadas. Material combustível próximo a tomadas.  Pontas de cigarros acessas no lixo.
Acúmulo de material de fácil inflamabilidade. Pontos de tomadas sobrecarregadas.  Armazenamento de GLP em locais
confinados. Obstrução de ventilação dos equipamentos.  Fiações expostas ao tempo.Utilização de fiação de acordo com
a voltagem do aparelho. Evitar fiações agredidas por objetos pontiagudos.
Para que a prevenção se torne ainda mais eficaz, devemos informar e orientar os funcionários da empresa sobre
esses ato s ou condições inseguras, para que os mesmos possam comunicar a Brigada Contra Incêndio.

ANÁLISE DE RISCOS - 4
Um risco de incêndio pode ser definido como uma condição que permitirá a ocorrência de um incêndio (aumento
de suas proporções). Este risco poderá ser comum, especial ou específico.
O RISCO COMUM são aqueles riscos que podem existir em qualquer edificação, como por exemplo fios
desencapados, bomba de incêndio inoperante, entre outros.
No risco comum encontramos os riscos pessoais, que são provavelmente mais sérios de todos os riscos. O termo
“riscos pessoais” abrange modos, hábitos e atitudes das pessoas que moram, trabalham ou visitam a edificação. Um
exemplo disso é a improvisação de ligações elétricas.
O RISCO ESPECIAL são riscos existentes na ocupação, que surgem em decorrência do processo, operação ou
material utilizado, como por exemplo fábricas de tintas, uso de ácidos, manipulação com derivados de petróleo.
E o RISCO ESPECÍFICO é quando em virtude de suas características exige uma proteção diferente das utilizadas no
restante da ocupação, como por exemplo casa de força elétrica, casa de caldeiras e tanques de combustível e casa de
máquinas de elevadores.
Risco: probabilidade de um perigo se materializar, causando um dano. O risco é a relação entre a probabilidade e a
consequência. O risco pode ser físico (ruídos, vibrações, radiações, pressões anormais, temperaturas extremas, umidade e
iluminação deficiente). Pode ser químico (poeiras, fumos, vapores, gases, líquidos e neblinas provenientes de produtos
químicos). Pode ainda ser biológico (vírus, bactérias, protozoários, fungos, bacilos, parasitas e animais peçonhentos).
Risco iminente: possibilidade de ocorrência de sinistro que requer ação imediata.
Risco isolado: condição que possibilita isolar por todos os lados, por meio de equipamentos, pessoal de combate a incêndio
ou por meios do extravasamento de produto para áreas externas ao risco.

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 5


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Risco isolado da central de GLP: distância da central de Gás Liquefeito de Petróleo à projeção da edificação que permite sua
proteção contra os efeitos de um eventual incêndio em edificações e áreas de risco.
Risco predominante: maior risco determinado pela carga de incêndio dentre as ocupações, em função da área dos
pavimentos.
Notas:
a. ocorrendo equivalência na somatória da carga de incêndio, adotar-se-á, para efeito da classificação do maior risco, a
ocupação que possuir maior carga de incêndio por m;
b. para o dimensionamento das saídas de emergência, os locais com concentração de público prevalecerão como sendo o
maior risco.
4.576 Risco primário: risco principal do produto de acordo com tabela do Decreto nº 96.044, de 18/5/88, Regulamento
Federal para o transporte rodoviário de produtos perigosos.
4.577 Risco secundário: risco subsidiário do produto de acordo com tabela do Decreto 96.044, de 18/5/88, Regulamento
Federal para o transporte rodoviário de produtos perigosos

RELATÓRIOS & ESTATÍSTICAS - 5


A confecção de relatórios diários, descrevendo toda as anormalidades decorrentes do período com subsídios
decorrentes ao fato ocorrido ajudam a todos na evolução da área principalmente preventiva sobre vários fatores que
levavam aos grandes incêndios.
Um relatório deverá constar todos os dados necessários para um registro rico de informações direta e objetivas
conforme exemplo abaixo:
LIVRO DE OCORRÊNCIA DIÀRIO
Data: 24/05/2002
Período: 07:00hs às 19:00 hs
Local: UNIDADE 01– POSTO Barra Funda- PRÉDIO ABCESP
Responsavel: Fernando Oliveira
RECEBIMENTO DE POSTO
Eu bombeiro Leonardo de Souza recebi o posto de serviço do bombeiro Fernando OLIVEIRA com todas as ordens em pleno vigor.
CONFERÊNCIA DE RAMAIS DE EMERGÊNCIA
Ramal 444 do prédio ABCESP, foi efetuado testado por este bombeiro e se encontra sem qualquer alteração.
BOMBEIROS DE SERVIÇO
Estarão de serviço os bombeiros DONIZETE Catto e Cristiane GUEDES.
OCORRÊNCIAS
As 14:47hs, a recepcionista do hall de entrada, Ana Castro, cortou o antebraço direito com uma tesoura. Foi feito o estancamento da
hemorrágia, usando-se o procedimento de tamponamento e a mesma foi encaminhada ao hospital, Foi acompanhada do enfermeiro
Batista
PASSAGEM DE SERVIÇO
Eu bombeiro Leonardo de Souza passo o posto de serviço para bombeiro Fernando OLIVEIRA com todas as ordens em pleno vigor.

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL – EPI1 - 6


Entende-se por Equipamento de Proteção Individual todo material que proteja o bombeiro, ou seja, um EPI é sem dúvida o
material mais importante de uma ação pois o mesmo irá proporcionar, conforto, segurança, além de evitar acidente com o
bombeiro no decorrer do trabalho, sendo os EPI:
Botas Comuns: servem para proteger os pés e pernas de objetos perfurantes e substâncias químicas.
Bota de Borracha: protegem o bombeiro contra a umidade, as substâncias químicas e proporciona maior
isolamento à eletricidade (se a bota não estiver molhada).
Capas: Protegem o tronco e o abdome contra o frio e o calor.
Capacete: Protege a cabeça contra impactos, perfuração, fogo e eletricidade. Possui em seu interior uma
armação que amortecem impactos.
Luvas: Aramida - Protege contra materiais aquecidos
Borracha - protege contra eletricidade
Látex - Protege contra substâncias possivelmente contagiosas.
Nitrílica - Protege contra substâncias químicas e graxas, dando maior aderência.
PVC - protege as mãos contra substâncias químicas
Raspa - protege contra objetos cortantes e perfurantes
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 6
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Roupas Especiais: Protegem o corpo do bombeiro contra agressões do ambiente. As roupas especiais podem
proteger o corpo contra calor, gases e líquidos contaminantes, sendo específicas para cada caso.
Todos os EPI de fabricação nacional ou importado, só poderá ser posto à venda ou utilizado com a indicação
do Certificado de Aprovação – CA, expedido pelo orgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no
trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego.
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO RESPIRAT ÓRIA
São aparelhos que buscam anular a agressividade do ambiente sobre o sistema respiratório, oferecendo em diversos
casos proteções limitadas, principalmente quando utilizados equipamentos filtrantes ou autônomos de pressão negativa.
As MÁSCARAS CONTRA GASES (equipamentos filtrantes), são máscaras de borracha adaptáveis ao rosto,
contendo um filtro que elimina os agentes nocivos à respiração, sendo próprio para cada classe de agente, tais como:
 Filtro químico para absorção de gases e vapores.
 Filtro mecânico para retenção de partículas sólidas no ar.
 Filtro combinado para gases, vapores e partículas no ar.
 Filtro específico para monóxido de carbono que possui um catalisador que transforma CO em CO2.
Os APARELHOS AUTÔNOMOS DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA DE AR COMPRIMIDO, dão proteção respiratória e ao rosto do
usuário, mas é limitado pela quantidade de ar existente no cilindro.

MATERIAIS & ACESSÓRIOS – 7


1- GERADOR LUKAS 8- ARCO DE SERRA 15- ALAVANCAS 22- MACHADO

2- MOTO ABRASIVO 9- MARTELETE PNEUMATICO 16- CHAVE DE FENDA 23- MALHO

3 – ELETROCORTE 10- MARTELETE HIDRAULICO 17- ALICATE 24- PICARETA

4- OXICORTE 11- ALAVANCA QUICK BAR 18- CHAVE DE GRIFO 25- CROQUE

5- EXTENSOR LUKAS 12- PUNÇÃO 19- CHAVE INGLESA 26- EXTENSÃO DO CROQUE

6- PINÇA OU CORTADOR LUKAS 13- TALHADEIRA 20- MARTELO

7- MARRETA 14- ALAVANCA TIPO PE DE CABRA 21 – CORTA A FRIO

As ferramentas que estão em vermelho geralmente vão estar nos seguintes postos ;Corpo de Bombeiros militar ,Corpo de
Bombeiros municipal civil e voluntario ,ou empresas que investem bastante na segurança contra incêndio.

TETRAEDRO DO FOGO4 - 8
O fogo é uma reação química de combustão entre o Calor, Com burente (Oxigênio),
Combustível e Reação em cadeia.
Fogo: é uma reação química de oxidação (processo de combustão), caracterizada pela emissão de calor
, luz e gases tóxicos. Para que o fogo exista, é necessária a presença de quatro elementos: combustível,
comburente (normalmente o Oxigênio), calor e reação em cadeia.
Calor: Faz com que o material combustível seja ele qual for, ao se aquecer libere gases (vapores)
suficientes para o início do fogo
Comburente: É o elemento (oxigênio) que dá vida às chamas, alimentando o fogo e intensificando a combustão.
Combustível: É todo material capaz de entrar em combustão. Pode ser sólido, liquido ou gasoso.
Reação em cadeia: É o processo em que o calor gerado pelo fogo aquece o combustível, fazendo-o desprender gases e
vapores que ao incendiar-se geram mais calor, produzindo mais gases.
COM BU RENT E
É o elemento que dá vida a chama e intensifica a combustão.
A atmosfera é composta por 21% de oxigênio, 78% de nitrogênio e 1% de outros gases.
Quando a porcentagem do oxigênio do ar do ambiente passa de 21% para a faixa compreendida entre 16% e 8%, a
queima torna-se mais lenta, notam-se brasas e não mais chamas. Quando o oxigênio contido no ar do ambiente atinge
concentração menor que 8% não há combustão.
COM BUS TÍV EL
É toda a substância capaz de queimar e alimentar a combustão. É o elemento que serve de campo de propagação
ao fogo.
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 7
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Os combustíveis podem ser sólidos, líquidos ou gasosos, e a grande maioria precisa passar pelo estado gasoso
para, então, combinar com o oxigênio.
Combustíveis Sólidos: A maioria dos combustíveis sólidos transformam-se em vapores e, então, reagem com o oxigênio.
Outros sólidos (ferro, parafina, cobre, bronze) primeiro transformam-se em liquido, e posteriormente em gases, para então
se queimarem.
Combustíveis Líquidos: Os líquidos inflamáveis têm algumas propriedades físicas que dificultam a extinção do
calor, aumentando o perigo para os bombeiros.
Os líquidos assumem a forma do recipiente que os contem. Se derramados os líquidos tomam a forma do piso,
fluem e se acumulam nas partes mais baixas.
A volatilidade, que é a facilidade com que os líquidos liberam vapores, também é de grande importância, porque
quanto mais volátil, for o líquido maior a possibilidade de haver fogo, ou mesmo explosão. Chamamos de voláteis os
líquidos que liberam vapores a temperaturas menores que 20ºC.
Combustíveis Gasosos: Os gases não têm volume definido, tendendo, rapidamente, a ocupar todo o recipiente em
que estão contidos.
Se o peso do gás é menor que o do ar, o gás tende a subir e dissipar-se, mas se o peso do gás é maior que o do ar,
ele permanece próximo ao solo e caminha na direção do vento, obedecendo aos contornos do terreno.
Para o gás queimar, há necessidade de que esteja em uma mistura ideal com o ar atmosférico, e, portanto, se
estiver numa concentração fora de determinados limites, não queimará. Cada gás, ou vapor, tem seus limites próprios, por
exemplo, se um ambiente há menos de 1,4% ou mais de 7,6% de vapor de gasolina, não haverá combustão.
Processo de Queima: O início da combustão requer a conversão do combustível para o estado gasoso, o que se
dará por aquecimento. O combustível pode ser concentrado nos três estados da matéria: sólido, liquido ou gasoso. Gases
combustíveis são obtidos, a partir de combustíveis sólidos pela pirólise, que é a decomposição química de uma matéria ou
substância através do calor.
Materiais combustíveis podem ser encontrados no estado sólido, líquido ou gasoso. Como regra geral, os materiais
combustíveis queimam no estado gasoso. Submetidos ao calor, os sólidos e os líquidos combustíveis se transformam em
gás para se inflamarem. Como exceção e como casos raros, há o enxofre e os metais alcalinos (potássio, cálcio, magnésio,
etc.), que se queimam diretamente no estado sólido.
Pirólise
TEMPERATURA REAÇÃO
200ºC Produção de vapor d’água, dióxido de carbono e ácidos acéticos e fórmico.
200ºC – 280ºC Ausência de vapor d’água – pouca quantidade de monóxido de carbono – a reação
ainda está absorvendo calor.
280ºC – 500ºC A reação passa a liberar calor, gases inflamáveis e partículas; há a carbonização dos
materiais (o que também liberará calor).
Acima de 500ºC Na presença do carvão, os combustíveis sólidos são decompostos, quimicamente,
com maior velocidade
FASES DO FOGO
O incêndio, pode ser melhor entendido se estudarmos seus três estágios de desenvolvimento.
Fase Inicial: Nesta primeira fase, o oxigênio contido no ar não está significativamente reduzido. Grande parte do
calor está sendo consumida no aquecimento dos combustíveis, e a temperatura do ambiente, e neste estágio, está ainda
pouco acima do normal. O calor está sendo gerado e evoluirá com o aumento do fogo.
Queima Livre: Durante esta fase, o ar rico em oxigênio é arrastado para dentro do ambiente pelo efeito da
convecção, isto é o ar quente sobe e sai do ambiente. Isto força a entrada de ar fresco pelas aberturas nos pontos mais
baixos do ambiente. Uma inspiração desse ar superaquecido pode queimar os pulmões. Neste momento, a temperatura
nas regiões superiores (nível do teto) pode exceder 700ºC.
Queima Lenta: O fogo continua a consumir oxigênio, até atingir um ponto onde o comburente é insuficiente para
sustentar a combustão. Nesta fase as chamas podem deixar de existir se não houver ar suficiente para mantê -las (na faixa
de 8% a 0% de oxigênio). O fogo é normalmente reduzido a brasas, o ambiente torna-se completamente ocupado por
fumaça densa e os gases se expandem. Devido a pressão interna ser maior que a externa, os gases saem por todas as
fendas em formas de lufadas. E esse calor intenso reduz os combustíveis a seus componentes básicos, liberando assim,
vapores combustíveis.
FORMAS DE COMBUSTÃO
As combustões podem ser classificadas conforme a sua velocidade em:
Combustão Completa: É aquela em que a queima produz calor e chamas e se processa em ambiente rico em oxigênio.
Combustão Incompleta: É aquela em que a queima produz calor e pouca ou nenhuma chama, e se processa em
ambiente pobre em oxigênio.
Combustão Espontânea: É o que ocorre, por exemplo, quando do armazenamento de certos vegetais que pela
ação de bactérias fermentam. A fermentação produz calor e liberam gases que podem incendiar. Alguns materiais entram
em combustão sem nenhuma fonte de calor (materiais com baixo ponto de ignição); outros em temperatura ambiente
20ºC (fósforo branco)
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 8
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Explosão: É a queima de gases ou partículas sólidas, em altíssima velocidade, em locais confinados, com grande
liberação de energia e deslocamento de ar.

CLASSES DE INCÊNDIO - 09
CLASSE A: São os combustíveis sólidos, os quais tem característica de queimar em superfície e em profundidade e
deixam resíduos como brasa ou cinzas. Resfriamento é a melhor opção para extinguir o incêndio nessa classe.
Exemplo: papel, plástico, madeira

CLASSE B: São os líquidos inflamáveis e produtos graxos queimam apenas na superfície e não deixam resíduos. O abafamento
por espuma destaca-se como o método mais eficaz nessa classe.
Exemplos: gasolina, álcool, querosene

CLASSE C: São os materiais elétricos energizados. Lançar um agente que não conduza eletricidade (por exemplo CO2)
é o método mais seguro e eficaz nessa classe.
Exemplos: motores elétricos, TV, computadores, etc.

CLASSE D: São os materiais pirofóricos, que são caracterizados pela queima em alta temperatura e por reagir a
agentes extintores comuns. (água, Co2, Espuma). É necessária a utilização de pó químicos especiais no combate dessa
classe.
Exemplos: Alumínio, Zinco, Sódio;
CLASSE E: São os materiais explosivos e radioativos,
necessitando de um imediato isolamento da área. No caso de
produtos radioativos, chamar o departamento especifico.
CLASSE K: Óleo e gordura.

PONTOS DE TEMPERATURA - 10
PONTO DE FULGOR:
É a temperatura em que o material aquecido por uma fonte externa começa a
desprender gases combustíveis que se incendeiam, mas quando esta fonte externa é
retirada o fogo não consegue se manter.
PONTO DE COMBUSTÃO:
É a temperatura em que o material aquecido por uma fonte externa começa a
desprender gases combustíveis que se incendeiam, mas quando esta fonte externa é
retirada o fogo consegue se manter iniciando assim a reação em cadeia.
PONTO DE IGNIÇÃO:
É a temperatura nas quais os combustíveis estão tão aquecidos que o simples contato com
o oxigênio é capaz de incendiar o combustível.
A fim de ilustrarmos o que acima foi dito, citamos a seguinte experiência bastante simples: coloquemos em um
frasco pequenos pedaços de madeira, esquentando-os numa chama de gás, com o desenvolvimento do calor passaremos a
observar os seguintes fenômenos: quando a temperatura alcançar 100ºC, começa a se desprender o vapor d’água,
continuando o aquecimento, observaremos ainda que a madeira começa a ficar amarela, marrom e finalmente negra, a
partir dos 150ºC. se no momento em que começar a enegrecer acendermos um fósforo na boca do frasco, notaremos que
os vapores se incendiarão em contato com a chama, só que não se sustentará. Neste momento foi atingido o Ponto de
Fulgor.
Continuando a experiência, com o aumento do calor veremos que os gases incendeiam-se em contato com a fonte
de calor externa e se mantém em chamas, então foi atingido o seu Ponto de Combustão.
Se continuarmos a aquecer o corpo, chegaremos a uma temperatura em que os gases se incendiarão ao entrar em
contato com o oxigênio do ar, mesmo sem o concurso de qualquer fonte externa de calor, neste momento foi atingido o
Ponto de Ignição.

PROPAGAÇÃO DO FOGO - 11
CONDUÇÃO: É a transferência de calor através de um mesmo corpo sólido de molécula a molécula. Colocando-se, por
exemplo, a extremidade de uma barra de ferro próxima a uma fonte de calor, as moléculas desta extremidade absorverão
calor, vibrando mais vigorosamente, chocando com as moléculas vizinhas, transferindo-lhes calor, que será conduzido ao
longo da barra para a extremidade fria.
CONVECÇÃO: É a transferência do calor pelo movimento ascendente de massas de gases ou líquido dentro de si próprio.
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 9
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
O ar aquecido se expande e tende a subir para as partes mais altas do ambiente, enquanto o ar frio toma o lugar nos níveis
mais baixos. Nos incêndios em edifícios, essa é a principal forma de propagação de calor para andares superiores, quando os
gases aquecidos encontram caminho através de escada, poços de elevadores, etc.
IRRADIAÇÃO: É a transmissão de calor por meio de ondas caloríficas que se deslocam através do espaço, as ondas se
propagam em todas as direções, e a intensidade em que os corpos são atingidos aumenta ou diminuem á medida que estão
mais próximas ou afastadas da fonte de calor.

FASES DE COMBATE AO FOGO - 12


Com o intuito de proporcionar maior eficácia no combate a um incêndio, criou-se alguns procedimentos para
serem seguidos, estando dispostos nas seguintes fases:
Exploração: é o procedimento em que se avalia o que está queimando, como está queimando e se há vítima no
local.
Ventilação: trata-se da abertura de portas e/ou janelas, a fim de dissipar a fumaça e o calor.
Salvamento: é o resgate de vitimas.
Salvatagem: é o ato de salvar os materiais que ainda não foram atingidos pelo fogo e evitar que sejam atingidos
pela água, no combate.
Confinamento: é o procedimento de confinar o fogo, ou seja, cercá-lo, para evitar que o mesmo volte a se
propagar.
Combate: é próprio ato de combater o fogo, extingui-lo.
Rescaldo: é o processo onde se eliminam as brasas que restaram, impedindo assim, a reignição do fogo.

MÉTODOS DE EXTINÇÃO - 13
Os métodos de extinção do fogo baseiam-se na eliminação de um ou mais elementos essenciais para sua
composição.
RESFRIAMENTO: Consiste na diminuição da temperatura do material combustível que esta queimando, diminuindo,
conseqüentemente, a liberação de gases ou vapores inflamáveis. A água é o agente mais utilizado, pois tem grande
capacidade de absorver calor e ser facilmente encontrado na natureza.
ABAFAMENTO: Consiste na diminuição ou impedimento do contato do comburente (oxigênio) com o material combustível,
pois não havendo comburente para reagir com o material combustível e o calor, não haverá fogo.
Como exceção estão os materiais que têm oxigênio em sua composição e queimam sem necessidade do oxigênio do ar,
como os peróxidos orgânicos e o fósforo branco.
ISOLAMENTO: Consiste na retirada do material combustível que está queimando das proximidades dos que ainda não
queimaram, ou dos que ainda não queimaram das proximidades dos que estão queimando.ou da área de propagação do
fogo.
INTERRUPÇÃO DA REAÇÃO EM CADEIA
Consiste em bloquear a reação em cadeia, pois existem agentes extintores que agem sobre o fogo, interrompendo assim o
ciclo formado pela reação em cadeia

AGENTES EXTINTORES - 14
ÁGUA
É o agente extintor mais abundante na natureza. Age principalmente por resfriamento, devido a sua propriedade
de absorver grande quantidade de calor. Dependendo a forma como é aplicada (neblina, etc) atua também por
abafamento. Deve-se tomar cuidado ao utilizar água em material energizado pois poderá ocorrer o choque elétrico e no
incêndio em líquidos inflamáveis pois poderá haver a propagação do incêndio, devendo ser utilizado técnicas apropriadas,
caso a utilização de água seja a única opção para a extinção do fogo
ESPUMA
Pode ser química ou mecânica conforme o processo de formação. Química se resulta da reação entre soluções
aquosas de sulfato de alumínio e bicarbonato de sódio. Mecânica se resulta do batimento da água, LGE (líquido gerador de
espuma) e ar. Mais leve que todos os líquidos inflamáveis é utilizada para extinguir incêndio por abafamento e por conter
água possui uma ação secundária de resfriamento.
PÓ QUÍMICO SECO
São substâncias constituídas de bicarbonato de sódio , que pulverizadas, formam uma nuvem de pó sobre o fogo,
extinguindo-se por quebra da reação em cadeia e por abafamento. O pó deve receber um tratamento anti-higroscópico
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 10
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
para não umedecer evitando assim a solidificação no interior do extintor.
Para o combate a classe “D”, utilizamos pós a base de cloreto de sódio, cloreto de bário, monosfato de amônia ou
grafite seco , areia fina seca e limalha de ferro .
GÁS CARBÔNICO
Também conhecido como dióxido de carbono ou CO2, é um gás mais denso (mais pesado) que o ar, sem cor, sem
cheiro, não condutor de eletricidade e não venenoso (mas asfixiante), age principalmente por abafamento, tendo
secundariamente ação de resfriamento. Por não deixar resíduos nem ser corrosivo é um agente apropriado para combater
incêndios em equipamentos eletrônicos sensíveis.
PÓ ABC
Sua composição é Fosfato Monoamônico, tendo uma coloração verde amarelo, é um agente extintor que não
danifica o material. Esse agente não conduz eletricidade e age na reação em cadeia e interrompe a reação química de
combustão, eliminando chamas e brasas, impedindo o risco de um novo incêndio.
COMPOSTOS DE HALOGENADOS (HALOTRON)
São compostos químicos formados por elementos halogêneos (flúor, cloro, bronco e iodo).Atuam na quebra da
reação em cadeia devido às suas propriedades específicas e de forma secundária, por abafamento.São ideais para o
combate a incêndios em equipamentos elétricos e elétricos eletrônicos sensíveis, sendo mais eficiente que o CO2.
A G E N T E E X T I N T O R
ÁGUA PQS CO2 HALOTRON PÓ ABC ESPUMA MECÂNICA
CLASSE A eficiente pouco eficiente pouco eficiente pouco eficiente pouco eficiente pouco eficiente
CLASSE B não usar eficiente Eficiente® eficiente eficiente eficiente
CLASSE C não usar Eficiente* Eficiente eficiente eficiente não usar
CLASSE D não usar PQS especial** não usar não usar Pouco eficiente não
Quebra da reação Quebra da reação usar
MÉTODO DE Abafamento Químico Abafamento
Resfriamento em cadeia em cadeia
EXTINÇÃO (resfriamento) (abafamento) (resfriamento)
(abafamento)
OBSERVAÇÕES: * Em equipamentos cujos componentes são sensíveis, o uso de PQS não é indicado.
** Para incêndio classe “D”, usar somente PQS especial.
®Para incêndio ‘’B’’ PODE CAUSAR REAÇÃO E A CAPACIDADE EXTINTORA É MENOR.

CAPACIDADE EXTINTORA – 15
PROCEDIMENTOS - Capacidade extintora
A capacidade extintora mínima de cada tipo de extintor portátil, para que se constitua uma unidade extintora, deve ser:
a. carga d’água: extintor com capacidade extintora de, no mínimo, 2-A;
b. carga de espuma mecânica: extintor com capacidade extintora de no mínimo 2-A : 10-B;
c. carga de Dióxido de Carbono (CO2): extintor com capacidade extintora de no mínimo 5-B:C;
d. carga de pó BC: extintor com capacidade extintora de no mínimo 20-B:C;
e. carga de pó ABC – extintor com capacidade extintora de no mínimo 2-A : 20-B:C;
f. carga de halogenado: extintor com capacidade extintora de no mínimo 5-B:C.

A capacidade extintora mínima de cada tipo de extintor sobre rodas, para que se constitua uma unidade extintora, deve ser:
a. carga d’água: extintor com capacidade extintora de no mínimo 10-A;
b. carga de espuma mecânica: extintor com capacidade extintora de no mínimo 6-A : 40-B;
c. carga de Dióxido de Carbono (CO2): extintor com capacidade extintora de, no mínimo, 10-B:C;
d. carga de pó BC: extintor com capacidade extintora de, no mínimo, 80-B:C;
e. carga de pó ABC – extintor com capacidade extintora de, no mínimo, 6-A : 80-B:C.

Níveis mais elevados de capacidades extintoras podem ser exigidos em razão do risco a ser protegido.
Os extintores portáteis devem ser distribuídos de tal forma que o operador não percorra distância maior do que a
estabelecida na Tabela 1.

Tabela 1: Distância máxima de caminhamento

A. RISCO BAIXO 25 m

B. RISCO MÉDIO 20 m

C. RISCO ALTO 15 m

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 11


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo

As distâncias máximas de caminhamento para os extintores sobre rodas devem ser acrescidas da metade dos valores estabelecidos na Tabela

Instalação e Sinalização - Extintores Portáteis

Quando os extintores forem instalados em paredes ou divisórias, a altura de fixação do suporte deve variar, no máximo,
entre 1,6 m do piso e de forma que a parte inferior do extintor permaneça, no mínimo, a 0,10 m do piso acabado.
É permitida a instalação de extintores sobre o piso acabado, desde que permaneçam apoiados em suportes apropriados, com
altura recomendada entre 0,10 m e 0,20 m do piso.
Os extintores não podem ser instalados em escadas e devem permanecer desobstruídos e sinalizados de acordo com o
estabelecido na IT 20/11 – Sinalização de emergência.
Cada pavimento deve possuir, no mínimo, duas unidades extintoras, sendo uma para incêndio classe A e outra para incêndio
classe B e C. É permitida a instalação de duas unidades extintoras iguais de pó ABC.
O extintor de pó ABC pode substituir qualquer tipo de extintor de classes específicas A, B e C dentro de uma edificação ou
área de risco.
É permitida a instalação de uma única unidade extintora de pó ABC em edificações, mezaninos e pavimentos com área
construída inferior a 50 m².

Os extintores de incêndio devem ser adequados à classe de incêndio predominante dentro da área de risco a ser protegida, de
forma que sejam intercalados na proporção de dois extintores para o risco predominante e um para a proteção do risco
secundário.

São aceitos extintores com acabamento externo em material cromado, latão ou metal polido, desde que possuam marca de
conformidade expedida por órgão credenciado pelo Sistema Brasileiro de Certificação (Inmetro).

Quando os extintores de incêndio forem instalados em abrigo embutido na parede ou divisória, além da sinalização, deve
existir uma superfície transparente que possibilite a visualização do extintor no interior do abrigo.

As unidades extintoras devem ser as correspondentes a um só extintor, não sendo aceitas combinações de dois ou mais
extintores, à exceção do extintor de espuma mecânica.

Em locais de riscos específicos devem ser instalados extintores de incêndio que atendam ao item 5.1, independente da
proteção geral da edificação ou risco, tais como:
a. casa de caldeira;
b. casa de bombas;
c. casa de força elétrica;
d. casa de máquinas;
e. galeria de transmissão;
f. incinerador;
g. elevador (casa de máquinas);
h. escada rolante (casa de máquinas);
i. quadro de redução para baixa tensão;
j. transformadores;
k. contêineres de telefonia;
l. gases ou líquidos combustíveis ou inflamáveis;
m. outros que necessitam de proteção adequada.
Para proteção por extintores de incêndio em instalações de líquidos inflamáveis e combustíveis, gás liquefeito de petróleo, gás
natural, pátio de contêineres, heliponto, heliportos e outras instalações específicas devem ser observadas, adicionalmente, as
ITs pertinentes.
Deve ser instalado, pelo menos, um extintor de incêndio a não mais de 5 m da entrada principal da edificação e das escadas
nos demais pavimentos.
Em locais de abastecimentos e/ou postos de abastecimento e serviços onde os tanques de combustíveis são enterrados, além
dos extintores instalados por percurso máximo e riscos específicos, deve ser instaladas mais duas unidades extintoras

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 12


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
portáteis de pó químico seco (pó ABC ou BC) ou espuma mecânica em local de fácil acesso, próximo ao setor de
abastecimento do posto.
Para proteção de reservatórios de alimentação exclusivo de grupo motogerador, com capacidade máxima de 500 litros, serão
necessários dois extintores portáteis (pó ABC, pó BC ou espuma mecânica).
Nos pátios de contêineres, os extintores podem ser centralizados e localizados em abrigos sinalizados, no mínimo, em dois
pontos distintos e opostos da área externa de armazenamento de contêineres, conforme prescreve a IT 36/11 – Pátio de
contêiner.
Extintores sobre rodas (carretas)
Não é permitida a proteção de edificações ou áreas de risco unicamente por extintores sobre rodas, admitindo-se, no máximo,
a proteção da metade da área total correspondente ao risco, considerando o complemento por extintores portáteis, de forma
alternada e extintores portáteis e sobre rodas na área de risco.
O emprego de extintores sobre rodas só é computado como proteção efetiva em locais que permitam o livre acesso.

Os extintores sobre rodas devem ser localizados em pontos estratégicos e sua área de proteção deve ser restrita ao nível do
piso que se encontram.

A proteção por extintores sobre rodas deve ser obrigatória nas edificações de risco alto onde houver manipulação e ou
armazenamento de explosivos e líquidos inflamáveis ou combustíveis, exceto quando os reservatórios de
inflamáveis/combustíveis forem enterrados.

Certificação, validade e garantia


Os extintores devem estar lacrados, com a pressão adequada e possuir selo de conformidade concedida por órgão
credenciado pelo Sistema Brasileiro de Certificação (Inmetro).
Para efeito de vistoria do Corpo de Bombeiros, o prazo de validade da carga e a garantia de funcionamento dos extintores
deve ser aquele estabelecido pelo fabricante, se novo, ou pela empresa de manutenção certificada pelo Inmetro, se
recarregado.
CLASSE DE CAPACIDADE AGENTE TEMPO DE PRESSÃO DE PESO BRUTO ALTURA
CARGA
FOGO EXTINTORA EXTINTOR DESCARGA TRABALHO (kg) (mm)

A 2-A 10 lts Água 61-67 seg 1,03 MPa 14,3 705


A 6-A 75 lts Água 150-157 seg 1,35 MPa 124 1.305
Espuma
AB 2-A:10-B 10 lts 58-60 seg 1,03 MPa 15,5 705
Mecânica
Espuma
AB 6-A:20-B 50 lts 260-262 seg 1,35 MPa 98 1.155
Mecânica
Bicarbonato de
BC 40-B:C 4,5 13-17 seg 1,35 MPa 7,0 525
Sódio
Bicarbonato de
BC 40-B:C 5 14-20 seg 1,35 MPa 8,5 610
Sódio
Bicarbonato de
BC 60-B:C 9 kg 17-24 seg 1,35 MPa 13,5 610
Sódio

CLASSE DE CAPACIDADE AGENTE TEMPO DE PRESSÃO DE PESO BRUTO ALTURA


CARGA
FOGO EXTINTORA EXTINTOR DESCARGA TRABALHO (kg) (mm)

BC 2-B:C 2 kg Gás Carbônico 8-10 seg 12,6 MPa 7,7 485


BC 5-B:C 4 kg Gás Carbônico 10-12 seg 12,6 MPa 14,1 470
BC 5-B:C 6 kg Gás Carbônico 15-19 seg 12,6 MPa 19,0 620
BC 5-B:C 10 kg Gás Carbônico 24-27 seg 12,6 MPa 30 965
BC 10-B:C 25 kg Gás Carbônico 24-27 seg 12,6 MPa 90 1.360
BC 10-B:C 50 kg Gás Carbônico 42-44 seg 12,6 MPa 178 1.320
Fosfato
ABC 1-A:10-B:C 1 kg 8-11 seg 1,35 MPa 1,2 330
Monoamônico
Fosfato
ABC 1-A:10-B:C 1 kg 8-11 seg 1,35 MPa 1,2 293
Monoamônico

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 13


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Fosfato
ABC 2-A:40-B:C 2,3 kg 13-15 seg 1,35 MPa 3,4 405
Monoamônico
Fosfato
ABC 4-A:80-B:C 4,5 kg 20-24 seg 1,35 MPa 7,0 525
Monoamônico
Fosfato
ABC 6-A:120-B:C 9 kg 26-30 seg 1,35 MPa 13,5 610
Monoamônico
Fosfato
ABC 30-A:160-B:C 55 kg 32-38 seg 1,65 MPa 167 1.350
Monoamônico

EQUIP. MANUAIS DE COMBATE A INCÊNDIO1 I - 16


Extintores são recipientes metálicos que contêm em seu interior agentes extintores para o combate imediato e
rápido a princípios de incêndios, podendo ser portáteis (também conhecido simplesmente por extintores) ou sobre rodas
(conhecido por carretas).
Os extintores podem ser de Baixa Pressão: ( Apressurizar estão saindo fora do mercado), e de Alta Pressão.
A diferença entre os extintores de Alta e Baixa Pressão é que os de Alta Pressão tem o cilindro externo interiço,
sem nenhuma costura, e não possui manômetro (ex. CO 2), e o de Baixa Pressão possui costura em seu cilindro externo e
possui manômetro.
Os extintores Pressurizados têm o agente expelente (nitrogênio) junto com o agente extintor dentro do cilindro
externo.
EXTINTORES DE ÁGUA
São destinados a combater princípios de incêndio de “Classe A”, agindo por resfriamento, pois ele retira o
calor.Nunca deve ser utilizado em incêndio de “Classe B”, por aumentar a chama e de “Classe C” *, por ser condutor de
eletricidade.
Os extintores de água MECANICA é do tipo Pressurizado baixa pressão, composto de requinte,
mangote, alça de transporte, gatilho, ogiva , suporte fêmea para pendurar o extintor, cilindro externo, saia ou base
plástica , manômetro, lacre ou trava de segurança e tubo pescador ou sifão.
EXTINTORES DE PÓ QUÍMICO SECO
São destinados a combater princípios de incêndio de “Classe B e C” (não sendo muito indicado para materiais
elétrico sensíveis, pois o agente extintor é corrosivo), agindo por abafamentos, retirando o comburente (oxigênio).
Os extintores de PÓ QUÍMICO SECO é do tipo
Pressurizado baixa pressão , composto de requinte, mangote, alça de transporte, gatilho, ogiva , suporte
fêmea para pendurar o extintor, cilindro externo, saia ou base plástica , manômetro, lacre ou trava de segurança e
tubo pescador ou sifão.

EXTINTORES DE ESPUMA MECÂNICA


São destinados a combater princípios de incêndio de “Classe B” *, agindo por abafamento, pois ele retira o
comburente (oxigênio) e de forma secundária age por resfriamento, devido a grande quantidade de água. Nunca deve ser
utilizado em incêndio de “Classe C”, por ser condutor de eletricidade.
Os extintores de ESPUMA MECANICA são do tipo
Pressurizado baixa pressão , composto de propulsionador de espuma, suporte do propulsionador de espuma ,
mangote, alça de transporte, gatilho, ogiva , suporte Fêmea para pendurar o extintor, cilindro externo, saia ou base
plástica , manômetro, lacre ou trava de segurança e tubo pescador ou sifão.Quando acionado o gatilho a mistura de água e
Líquido Gerador de Espuma - LGE ao passar pelo propulsionador de espuma, ocorre o arrastamento do ar e o batimento,
formando a espuma.
EXTINTOR DE GÁS CARBÔNICO – CO2
São destinados a combater princípios de incêndio de “Classe C”, agindo por abafamento e resfriamento, pois
retira o calor e o comburente (oxigênio).
Devemos tomar muito cuidado ao manusear o extintor de CO2 em locais confinados, pois ele é asfixiante,
além de se precaver em nunca segurar no difusor, pois o gás carbônico é altamente frio ao sair, congelando o difusor,
podendo provocar uma queimadura térmica na mão, caso esteja segurando no difusor.
Os extintores de CO2 são do tipo Pressurizado de alta pressão, é composto de difusor, punho , mangote ,
alça de transporte, gatilho, ogiva , suporte femea par pendurar o extintor, cilindro externo de alta pressão , válvula de
segurança, lacre ou trava de segurança e tubo pescador ou sifão.
EXTINTORES A BASE DE PÓ ABC
São destinados a combater princípios de incêndio de “Classe A, B e C”, agindo na interrupção da reação química de
combustão. Podemos utilizá-los em quaisquer equipamentos, pois seu agente extintor não danifica o material e não conduz
eletricidade.
Os extintores de PÓ ABC são do tipo Pressurizado baixa pressão, composto de requinte, mangote, alça de
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 14
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
transporte, gatilho, ogiva , suporte femea par pendurar o extintor, cilindro externo, saia ou base plástica , manômetro,
lacre ou trava de segurança e tubo pescador ou sifão.
EXTINTORES DE GÁS HALOGENADOS
Ideal para a proteção de áreas em que equipamentos eletrônicos sensíveis estão presentes, tais como
computadores e centrais telefônicos.
Os extintores de HALOGENADOS são do tipo Pressurizado baixa pressão, composto de corneta , mangote,
alça de transporte, gatilho, ogiva , suporte femea par pendurar o extintor, cilindro externo, saia ou base plástica ,
manômetro, lacre ou trava de segurança e tubo pescador ou sifão.
Princípios de incêndio envolvendo as três classes de incêndio podem ser combatidos com quantidade adequada de Halotron.
Devido ao baixo peso do seu agente extintor, o transporte e manuseio do extintor tornam-se fácil.
EXTINTORES SOBRE RODAS
Com capacidade para até 150 litros (Água, Espuma Mecânica) e 100 kg (Gás carbônico, Pó Químico Seco, Pó ABC e
Halotron), normalmente são pesados para transportá-lo e utilizam mangueiras longas para a descarga do agente extintor.
Para evitar acidentes, é aconselhado puxar o extintor sobre rodas e não empurrá-lo.
MANUTENÇÃO DOS EXTINTORES
A manutenção periódica é fundamental para a sua segurança na hora de sua utilização, devendo ser
realizado o exame completo dos extintores e a subseqüente correção das irregularidades encontradas.
Conferir o acesso e a sinalização do extintor.
 Conferir se não há obstrução no requinte ou na mangueira.
 Observar a pressão indicada no manômetro, quando houver.
 Observar se há avaria no pino de segurança e no lacre , no mangote e cilindro.
 Conferir a garantia e a validade de inspeção de termo de garantia da empresa de recarga de extintores e o
selo do inmetro e o teste hidrostático, conforme IT 21 .
 No extintor de CO2 Conferir a garantia e a validade de inspeção de termo de garantia da empresa
de recarga de extintores e o selo do inmetro e o teste hidrostático .
INSPEÇÃO DE EXTINTORES
Local Equipamento N° Cilindro N° Ordem T. Hidrostático Última carga Observações

EQUIP. MANUAIS DE COMBATE A INCÊNDIO1


1
MANGUEIRAS
São equipamentos de combate a incêndio, constituído de um duto flexível dotado de juntas de união nas suas
extremidades, destinado a conduzir água sob pressão.
O revestimento interno do duto é um tubo de borracha que impermeabiliza a mangueira que é vulcanizada em
um capa de fibra. A capa do duto flexível é uma lona confeccionada de fibras naturais ou sintéticas, que permite a
mangueira suportar alta pressão.
Os sistemas de combate a incêndio estão classificados em sistema tipo 1 (mangotinho) e sistemas tipo 2, 3, 4 e 5 (hidrantes), conforme
especificado na IT 22.
Mangotinho: ponto de tomada de água onde há uma simples saída contendo válvula de abertura rápida, adaptador (se necessário),
mangueira semirrígida, esguichos reguláveis e demais acessórios.
As Fibras Naturais são oriundas de vegetais. As Fibras Sintéticas são fabricadas através de substâncias químicas.
As vantagens das fibras sintéticas sobre as naturais são: peso reduzido, maior resistência a pressão, ausência de fungos,
manutenção facilitada e baixa absorção de água.
As mangueiras podem ser de 1 polegada e meia 40DN (destinada a edifícios de ocupação residêncial), de 2
polegadas e Meia 65DN (destinada a edifícios comerciais e industriais ou Corpo de Bombeiros) e de 3 polegadas
e meia 75DN (destinada a área naval e industrial ou Corpo de Bombeiro); tendo o comprimento de 15 ou 30
metros.
O conjunto de mangueiras acopladas, formando um sistema para conduzir água, é chamado de LINHAS DE
MANGUEIRAS.
Os ACONDICIONAMENTOS DE MANGUEIRAS são maneiras de dispor as mangueiras, em função da sua utilização,
sendo:
EM ESPIRAL: própria para o armazenamento, devido ao fato de apresentar uma dobra suave, que provoca pouco desgaste
no duto. Uso desaconselhável em operações de incêndio tendo em vista a demora ao estendê -la e a
inconveniência de lançá-la, o que pode causar avarias na junta de união. Essa forma de acondicionamento é utilizada pelos
fabricantes e pelas empresas de manutenção de mangueiras.
ADUCHADA: é de fácil manuseio, tanto no combate a incêndio, como no transporte. O desgaste do duto é
pequeno por ter apenas uma dobra.
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 15
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
EM ZIGUEZAGUE: acondicionamento próprio para os bombeiros militares para deixá-las pronta na parte superior
da viatura. O desgaste do duto é maior devido ao número de dobras.

JUNTAS DE UNIÃO
São peças metálicas, fixadas nas extremidades das mangueiras. Chamamos de EMPATAÇÃO a fixação, sob pressão,
1
de uma junta de união com outra junta de união, com redutor de pressão, ou com esguicho . Quando há dificuldade na
realização da empatação, utilizamos a ferramenta chamada Chave de Empatação.
Chave de mangueira: ferramenta para apertar e/ou soltar conexões de mangueira.

REGISTRO DE RECALQUE
É uma extensão da rede de hidrantes, provida de conexão (introdução), registro de paragem e tampão de engate
rápido, situado em uma caixa de alvenaria fechada por tampa metálica. Destinado ao abastecimento da rede de hidrantes
da edificação.
Poderá ser de passeio (instalado na calçada) ou de parede (instalado na parede externa da edificação), com sua
introdução voltada para a rua, devendo estar identificado e seu acesso desobstruído, não devendo estar em local de
estacionamento ou passagem de veículos, que possam impedir a sua utilização.
O registro de recalque de passeio deverá estar instalado a 0,15 m de profundidade em relação ao nível do solo e a
sua introdução voltada para cima e para a rua, quando instalado na parede, ou seja, um hidrante simples de coluna, deverá
estar em local de fácil acesso para o acoplamento das viaturas, e a altura de 1 a 1,5m em relação ao piso.
Deve haver também dispositivo de recalque tipo coluna nas portarias da edificação, quando esta estiver muito
afastada do leito carroçável, com válvula apropriada para o recalque pelo Corpo de Bombeiros. Sua localização não deve ser
superior à 10 m do local de estacionamento das viaturas do Corpo de Bombeiros.

HIDRANTES URBANOS
São dispositivos colocados nas redes de distribuição que permitem a captação de água pelos bombeiros, especialmente
durante o combate a incêndios.Podem ser subterrâneos conexões da sabesp , ou sobre o piso , hidrante de coluna nas cores
vermelho ou amarelo para facilitar a visualização pelo corpo de bombeiros.

Sistemas de hidrantes e de mangotinhos para combate a incêndio


OBJETIVO

Fixar as condições necessárias exigíveis para dimensionamento, instalação, manutenção, aceitação e manuseio, bem como as
características, dos componentes de sistemas de hidrantes e/ou de mangotinhos para uso exclusivo de Combate a Incêndio
em edificações.Esses hidrantes podem ser de coluna ou de parede, podendo ser alimentados por caixa d’água elevada ou por
sistema subterrâneo. Os hidrantes de coluna são instalados sobre o piso e os de parede, dentro de abrigos ou projetados para
fora da parede. Nos prédios elevados os hidrantes deverão ser localizados próximo às escadas de saídas ou rampas de acesso
ao subsolo, não sendo permitido dentro das caixas de escada comum ou de segurança. Sempre verificar se estão sinalizados e
desobstruídos, ou seja, de fácil visualização e acesso livre para manuseio das mangueiras e acessórios acondicionados no
abrigo. A canalização deverá estar pintada na cor vermelha e não poderá ser de PVC ou cimento amianto.
Junto a cada hidrante deverá ter um abrigo de mangueira. A sinalização poderá ser p or setas indicativas de coluna
ou de solo.
Todos deverão possuir a conexão de engate rápido de 65mm ou reduzida para 40mm conforme for o caso da
edificação, e devem possuir registro de 65mm e estar instalado a uma altura entre 1m e 1,5m, e a canalização deve ter
diâmetro mínimo de 65mm e independente da rede normal.
ABRIGOS
O abrigo é uma caixa destinada a armazenamento das mangueiras, esguichos e chaves de empatação. Sua porta
pode ser metálica, de madeira ou de vidro, conforme a necessidade estética do local onde o abrigo se encontra,
devendo estar identificado com a palavra “INCÊNDIO”.
Deverá ter as dimensões mínimas para as mangueiras e acessórios, estar localizado no máximo a 5m dos
hidrantes, em local visível, de fácil acesso e devidamente identificado.
Deverá ser verificada a sua fixação na parede ou coluna e o seu estado de conservação, e não deverão ser trancados à chave,
mas pode ser fechada com lacre de segurança numerada. As mangueiras de incêndio devem ser acondicionadas dentro dos
abrigos, em ziguezague ou aduchadas, conforme especificado na NBR 12779/09, sendo que as mangueiras de incêndio
semirrígidas podem ser acondicionadas enroladas, com ou sem o uso de carretéis axiais ou em forma de oito, permitindo sua
utilização com facilidade e rapidez.

5.4.3 As mangueiras de incêndio dos hidrantes internos podem ser acondicionadas, alternativamente, em ziguezague, por
meio de suportes tipo ”rack”, com acoplamento tipo “engate rápido” nas válvulas dos hidrantes, conforme IT 22.
As mangueiras poderão estar acondicionadas na forma aduchada ou ziguezague e apoiadas em suporte metálico raks , ou
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 16
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
estrados de madeira. Poderão ser de diâmetro de 65mm (2 polegadas e meia) ou de 40mm (1 polegada e meia) e os
lances deverão ter comprimento máximo de 30 metros, sendo admitidos comprimentos intermediários (2 mangueiras
de15m) desde que cubram a área de risco. Periodicamente deve ser feita a inspeção das mangueiras, verificando se estão
secas e se as conexões acoplam-se perfeitamente aos hidrantes e aos esguichos.
Em cada abrigo deverá existir um ou mais esguichos, que poderão ser do tipo regulável. Os diâmetros das
conexões dos esguichos deverão ser idênticos aos das mangueiras. Na inspeção deve-se verificar se os esguichos
permitem fácil acoplamento a junta de união das mangueiras e se não existe vazamento no esguicho regulável.
Esguicho: dispositivo adaptado na extremidade das mangueiras destinado a dar forma, direção e controle ao jato, podendo
ser do tipo regulável (neblina ou compacto) ou de jato compacto.
Esguichos

Estes dispositivos são para lançamento de água através de mangueiras, sendo reguláveis, possibilitando a emissão do jato
compacto ou neblina conforme norma NBR 14870/02.

Cada esguicho instalado deve ser adequado aos valores de pressão, vazão de água e de alcance de jato, para proporcionar o
seu perfeito funcionamento, conforme dados do fabricante.

O alcance do jato para esguicho regulável, produzido por qualquer sistema adotado conforme a tabela 2 IT 22, não deve ser
inferior a 10 m, medido da saída do esguicho ao ponto de queda do jato, com o jato paralelo ao solo e com o esguicho
regulado para jato compacto.

Os componentes de vedação devem ser em borracha, quando necessários, conforme ASMT D 2000.

O acionador do esguicho regulável deve permitir a modulação da conformação do jato e o fechamento total do fluxo.

EXPLOSÕES – 18
BACKDRAFT
Um incêndio em ambiente confinado pode aquecer os combustíveis até o seu ponto de ignição.Porém, se o oxigênio não for
suficiente para manter as chamas, a queima será muito lenta, produzindo grande quantidade de produtos da combustão.Essa
situação é extremamente perigosa, porque se uma quantidade substancial de ar entrar no ambiente, ocorrerá uma explosão
ambiental, com liberação de grande quantidade de energia e calor, que causará lesões ou até mesmo a morte de
pessoas. Esta explosão, chamada de “Backdraft”, fará com que todo o ambiente fique tomado pelas chamas.

São Indicativos de um “Backdraft”:


 Rápido movimento de ar para dentro do ambiente pelas frestas ou por aberturas realizadas;
 Fumaça densa e escura, tornando-se cinza-amarelada;
 Alta temperatura no interior do ambiente;
 Ruído anormal;
 Pouca ou nenhuma chama
FLASHOVER
Em um incêndio compartimentado quando o fogo atingir a fase de queima livre, o fogo aquece gradualmente todos
os combustíveis do ambiente. Quando determinados combustíveis atingem seu ponto de ignição, simultaneamente,
haverá uma queima instantânea e concomitante desses produtos, o que poderá provocar uma explosão ambiental, ficando
toda a área envolvida pelas chamas.O primeiro requisito para um “Flashover” ocorrer é que deverá ter um significante
aumento da radiação térmica por cima. Isto será sentido pelos bombeiros como um rápido aumento na temperatura do
compartimento, e a elevação do calor dos gases quentes ao nível do teto, forçando os bombeiros ficarem abaixados, caso eles
consigam ver a cima deles, eles serão capazes de ver “línguas de fogo” ocorrendo através da camada de gás. Em adição,
outros materiais combustíveis dentro do compartimento emanarão fumaça visível e gases inflamáveis.

BLEVE: Um fenômeno que pode ocorrer quando um recipiente contendo líquido sob pressão tem suas paredes
expostas as chamas e a pressão interna aumenta (em virtude da expansão do gás exposto a ação do calor), tendo como
resultado a queda da resistência das paredes do recipiente, podendo resultar no rompimento ou no surgimento de fissura.
Em ambos os casos, todo o conteúdo irá vaporizar-se e sair instantaneamente. Essa súbita expansão é uma EXPLOSÃO.
No caso de líquidos inflamáveis, forma-se uma “grande bola de fogo”, com enorme irradiação de calor.
O maior perigo do BLEVE é o arremesso de pedaços do recipiente em todas as direções, com grande deslocamento
de ar.
BOIL OVER : É quando se joga água em líquidos de pequena densidade (líquidos inflamáveis) ela tende a depositar- se no
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 17
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
fundo do recipiente e quando submetida a altas temperaturas, pode vaporizar-se, havendo um grande aumento de volume
(1 lt. de água transforma-se em 1.700 lts. de vapor).Com o aumento de volume, a água age como êmbolo numa seringa,
empurrando o combustível quente para cima, espalhando-o e arremessando-o a grandes distâncias.

TÁTICAS DE COMBATE 19
A guarnição deve trabalhar como uma equipe, onde cada bombeiro tem sua missão definida:
 O chefe da equipe toma decisões para o desenvolvimento tático, assiste e supervisiona os integrantes da
equipe
 O 3° homem opera a bomba ou o hidrante
 Os1º chefes de linha e2º auxiliares armam as linhas determinadas, operam os esguichos e realizam
outras missões.
ATAQUE DIRETO
O mais eficiente uso de água no incêndio de queima livre, onde o
bombeiro deverá estar próximo ao incêndio, utilizando jato contínuo ou
chuveiro, sempre concentrando o ataque para a base do fogo, até
extingui-lo. Não deverá jogar mais água do que o necessário para a
extinção (ausência de chamas). Em locais com pouca ou nenhuma
ventilação, o bombeiro deve usar jatos intermitentes e curtos até a
extinção. Os jatos não devem ser usados por muito tempo sob pena de
perturbar o BALANÇO TÉRMICO, que é o movimento dos gases aquecidos
em direção ao teto. Se o jato de água for aplicado muito tempo, o vapor começará a se condensar, causando a precipitação
da fumaça ao piso e por sua vagarosa movimentação haverá perda de visibilidade.
ATAQUE INDIRETO
É o método onde o bombeiro faz a estabilização do ambiente, usando a
propriedade de vaporização da água, sem entrar no ambiente. Deve ser executado
quando o ambiente está confinado e com alta temperatura, com ou sem fogo,
dirigindo o jato de água para o teto superaquecido, sendo que o esguicho será
acionado por um período de 20 a 30 seg. no máximo, não podendo haver excesso
de água para não causar distúrbios no balanço térmico.
Deve-se tomar cuidado pois está situação é propicia para uma explosão ambiental (BACKDRAFT OU FLASHOVE R).
O ataque não deve ser feito enquanto não tiver a certeza que todas as pessoas foram retiradas do local, pois a grande
quantidade de vapor poderá matá-las.
Após a aplicação da água o bombeiro aguarda a estabilização do ambiente, verificando se:
 As labaredas baixem e se reduzam a focos isolados;
 Não mais vê a luminosidade das labaredas;
 Não mais ouve o som característico de materiais em combustão;
O bombeiro depois de estabilizado o ambiente deve entrar no local com o esguicho fechado e extinguir pequenos
focos de incêndio com jatos intermitentes de pequena duração diretamente sobre o foco.
ATAQUE COMBINADO
É utilizado em incêndios que estão em local confinado, sem risco de explosão ambiental,
mas com superaquecimento do ambiente, que permite a produção de vapor para auxiliar a
extinção (abafamento e resfriamento), consistindo na técnica de geração de vapor combinada
com ataque direto a base dos materiais em chamas, devendo o esguicho ser movimentado de
forma a descrever um circulo, atingindo o teto, a parede, o piso, a parede oposta e novamente o
teto.
No ataque combinado, os bombeiros devem ficar abaixados com a mangueira sobre o
ombro, o que facilitará o movimento circular. Quando não houver mais geração de vapor, utiliza-
se o ataque direto para a extinção de pequenos focos.
Nunca se deve aplicar água na fumaça porque só causa danos, distúrbio no balanço
térmico, desperdício de água e tempo, não extinguindo o incêndio.

COMBATE À INCÊNDIO EM LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS


Pode ser efetuado “com água”, que atuará por abafamento e resfriamento, sendo que na extinção por
abafamento, a água deverá ser aplicada como neblina, de forma a ocupar o lugar do oxigênio.
Nunca deve ser utilizado o jato contínuo, pois não permitirá o abafamento e poderá esparramar o liquido em
chamas, aumentando o incêndio.
Para se evitar o BLEVE é necessário resfriar exaustivamente os recipientes que estejam sendo aquecidos por
exposição direta ao fogo, ou por calor irradiado. Este resfriamento deve ser preferencialmente com jato d’água em forma
de neblina.
A VARREDURA COM ÁGUA pode ser utilizada para deslocar combustíveis, que estejam queimando ou não, para
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 18
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
locais onde possam queimar com segurança, ou onde as causas da ignição possam ser facilmente controladas.
O jato contínuo , s ó l i d o , p l e n o , c o m p a c t o , t o d o s s ã o i g u a i s é j a t o c o n t i n u o e f o r t e
, será projetado de um lado para outro (varredura), empurrando o combustível para onde se deseja. Pode-se também
utilizar cal ou areia, pois essas substâncias absorvem o líquido.

LINHAS DE MANGUEIRAS – 19.1


Linhas de mangueiras são conjuntos de mangueiras acopladas, formando um sistema para o transporte de água,
podendo, dependendo da utilização, ser:Linha adutora: destinada a conduzir água de uma fonte de abastecimento para
um reservatório, por exemplo de um hidrante para o tanque de uma viatura, ou de uma expedição até o derivante, com
diâmetro mínimo de 65mm
Linha de Ataque: conjunto de mangueiras utilizado no combate direto ao fogo, isto é, a linha que tem um esguicho
numa das extremidades. Pela facilidade de manobra, utiliza-se, geralmente, mangueira de 40mm.
Linha direta: linha de ataque, composta por um ou mais lances de mangueira, que conduz, diretamente, a água
desde um hidrante até o esguicho.
Linha Siamesa: composta de duas ou mais mangueiras adutoras, destinadas a conduzir água da fonte de
abastecimento para um coletor, e deste, em uma ou duas linhas, até o esguicho. Destina-se a aumentar o volume de água a
ser utilizada.

EQUIP. AUTOMÁTICOS DE COMBATE A INCÊNDIO1 - 20


É um sistema que consiste na distribuição de encanamentos ligados a um encanamento central, do qual saem
ramificações de tubos cujos diâmetros diminuem à medida que se afastam da linha principal essas ramificações são
instalados os bicos que dão vazão à água, cuja quantidade e tipo variam de acordo com o risco a proteger.

CÓDIGO DE CORES DAS AMPOLAS


Temperatura de Ruptura °C Cor
57 Laranja
68 Vermelho
79 Amarelo
93 Verde
141 Azul
182 Roxo
204/260 Preto
SISTEMA TUBO MOLHADO: compreende uma rede de tubulação fixa permanentemente com água sob pressão.
SISTEMA TUBO SECO: compreende uma rede de tubulação fixa permanentemente seca, mantida sob pressão de
ar comprimido ou nitrogênio.
SISTEMA DE AÇÂO PRÉVIA: compreende uma rede de tubulação seca contendo ar que pode ou não estar sob
pressão, e na mesma área protegida por este sistema é instalado o sistema de detecção de incêndio, que deverá entrar em
operação antes dos chuveiros, provocando a abertura de uma válvula especial que controla a entrada de água na rede de
tubulação.
SISTEMA DILÚVIO: em uma rede de tubulação seca estão instalados chuveiros abertos e na mesma área protegida
por este sistema de detecção que deverá provocar a abertura de uma válvula dilúvio que controla a entrada de água na
rede de tubulação onde estão instalados os chuveiros abertos.
SISTEMA COMBINADO DE TUBO SECO E AÇÂO PRÉVIA: com um sistema similar ao de ação prévia, cuja rede de
tubulação seca pressurizada estão instalados aos chuveiros automáticos, um sistema de detecção de incêndio que aciona,
simultaneamente, a abertura de uma válvula de tubo seco que controla a entrada na tubulação e a válvula de alívio de ar,
as quais estão instaladas nos extremos das tubulações gerais do sistema, facilitando o enchimento com água de toda a
tubulação.
Existem tipos de chuveiros automáticos, de acordo com a necessidade do combate, mediante o risco eminente,
sendo eles:
 CHUVEIROS DO TIPO CONVENCIONAL: são aqueles cujo defletor é desenhado para permitir que uma parte da água
seja projetada para cima, contra o teto, e a outra para baixo, adquirindo uma forma esférica.
 TIPO SPRAY: são aqueles cujo defletor é desenhado para que a água seja projetada para baixo, adotando uma forma
esférica.
 TIPO LATERAL: são aqueles cujo defletor é desenhado para distribuir água de maneira que quase a totalidade da
mesma seja aspergida para frente e para os lados, em forma de um quarto de esfera, com uma pequena quantidade
contra a parede, atrás do chuveiro.
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 19
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
 TIPO ESPECIAL: são projetados, por razões estéticas, para serem embutidos ou estarem rentes ao forro
falso,somente na posição pendente.
 MÉDIA VELOCIDADE: dotados ou não de elementos termo-sensíveis, são fabricados com defletor para vários ângulos
de descarga.
 ALTA VELOCIDADE: são fabricados sem elemento termo-sensível e seu orifício de descarga é dotado de um
dispositivo interno cuja função é provocar turbulência na água, nebulizando e lançando-a.
A composição do sistema de chuveiros automáticos de extinção de incêndio é formado pelos seguintes itens:
 SUPRIMENTO DE ÁGUA: que é formado por fontes confiáveis de pressão e vazão. É de vital importância
que todo o sistema possua um suprimento de água confiável, com pressão adequada,através de um
conjunto de bombeamento, e capacidade suficiente para atender a demanda do sistema, viabilizado por
um reservatório de água próprio da edificação a ser protegida ou através do registro de recalque.
 REDE HIDRÁULICA DE DISTRIBUIÇÂO: que alimenta os chuveiros automáticos, após a Válvula de Governo
e alarme ou chave detectora de fluxo d’água (comando Secundário).
 CHAVE DETECTORA DE FLUXO D’ÁGUA: Comando Secundário.
 REDE HIDRÁULICA DE ABASTECIMENTO DAS VÁLVULAS DE GOVERNO
 ALARME E/OU CHAVE DETECTORA DE FLUXO D’ÁGUA

CALDEIRAS1 - 21
São equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior a atmosférica, utilizando qualquer
fonte de energia.
O Profissional Habilitado é aquele que tem competência legal para o exercício da profissão de engenheiro nas
atividades referentes a projeto de construção, acompanhamento de operação e manutenção, inspeção e supervisão de
inspeção de Caldeiras.
PMTA (Pressão Máxima de Trabalho Admissível) e PMTP (Pressão Máxima de Trabalho Permitida), é o maior valor
de pressão compatível com o código de projeto, a resistência dos materiais utilizados, as dimensões do equipamento e
seus parâmetros operacionais.
Constitui risco grave e iminente a falta de qualquer um desses itens:
 Válvula de segurança com pressão de abertura ajustada em valor igual ou inferior a PMTA.
 Instrumento que indique a pressão do vapor acumulado.
 Injetor ou outro meio de alimentação de água, independente do sistema principal, em caldeiras a
combustível sólido.
 Sistema de drenagem rápida de água, em caldeiras de recuperação de álcalis.
 Sistema de indicação para controle do nível de água ou outro sistema que evite o superaquecimento por
alimentação deficiente.
Toda caldeira deve ter:
 Afixada em seu corpo em local de facil acesso a placa de identificação com informações da caldeira.
 Prontuário da caldeira.
 Registro de segurança.
 Projeto de instalação, de alterações ou reparos.
 Relatório de inspeção.
Procedimentos Emergenciais
 Isolamento do local;
 Adentrar com a guarnição reduzida e EPI completo;
 Localizar o operador, o prontuário e o registro de segurança da caldeira;
 Fechar o registro de alimentação da caldeira;
 Desligar a linda de eletricidade da bomba;
 Fechar a alimentação de água e abrir o registro da válvula de alivio, abrir os pontos de consumo de vapor até que
se atinja a pressão normal de trabalho.
 Jamais injetar água, haverá choque térmico com risco de explosão;
 Não resfriar externamente – risco de choque térmico;
 Para apagar o fogo dentro da fornalha utilizar extintor de PQS.
 Acionar a empresa responsável pela manutenção e técnico do ministério do trabalho.

PARA-RAIO - 22
É um sistema de proteção utilizado nas edificações para evitar que os raios não danifiquem os equipamentos
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 20
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
como computador, telefone, etc.
Existem três tipos de para-raios:
 Gaiolas de Faraday,
 Franklin.
 Iônico.
A instalação de para-raio será obrigatória nas edificações (excluindo as residências privativas e as comerciais até
2
três pavimentos e área total não construída inferior a 750m ), em depósitos de explosivos e inflamáveis em torres e
chaminés elevadas, sendo nessa instalação exigidas algumas normas:
 Não é permitido a permanência de explosivos e inflamáveis próximo das instalações.
 As hastes com pontas para para-raios devem ser colocadas nos pontos da construção mais ameaçados,
tais como, pontos de terraço, chaminés e etc.
 Sempre deverá ter um condutor de descida não podendo nunca haver alguma obstrução no caminho de
descida.
 Nos 1 metro e meio próximo ao chão tem que haver uma proteção plástica envolta do cabo, como por
exemplo um tubo de pvc, para evitar que as pessoas tenham acesso ao cabo.
 As pontas dos para-raios deverão ficar acima da cobertura a uma altura nunca inferior a 1 metro.
 Os prédios com mais de 300m de área exposta, terão dois condutores de descida e, para cada 200m a
2 2

mais, um condutor deverá ser acrescentado.


A instalação elétrica de baixa tensão a ser avaliada deve atender às prescrições da norma NBR 5410/04 e aos regulamentos
das autoridades e das concessionárias de energia elétrica.
A inspeção visual exigida pelo Corpo de Bombeiros nas instalações elétricas prediais de baixa tensão visa verificar a existência
de medidas e dispositivos essenciais à proteção das pessoas e das instalações elétricas contra possíveis situações de choques
elétricos e de risco de incêndio.

A inspeção visual nos termos desta IT41, não significa que a instalação atende a todas prescrições normativas e legislações
pertinentes, pelas próprias características dessa inspeção, que é parcial.

Cabe ao responsável técnico contratado, a respectiva responsabilidade quanto ao projeto, à execução e à manutenção da
instalação, conforme prescrições normativas e legislações pertinentes.

Cabe ao proprietário ou ao responsável pelo uso do imóvel a manutenção e a utilização adequada das instalações
elétricas.
Anexo R

Atestado de conformidade das instalações elétricas

Classificação (uso) da edificação: Idade do imóvel:


Endereço:
Bairro: Cidade: CEP:
Pessoa de contato: Fone: ( )
O responsável pelo fornecimento deste atestado deve preencher todos os campos da tabela a seguir.
“C” = CONFORME / “NA” = NÃO APLICÁVEL
Item da
Requisito para inspeção visual C NA
IT 41
6.1 Condições de instalação dos condutores isolados, cabos unipolares e cabos multipolares.
6.2 Os circuitos elétricos devem possuir proteção contra sobrecorrentes (disjuntores ou fusíveis).
6.3 As partes vivas estão isoladas e/ou protegidas por barreiras ou invólucros.
Todo circuito deve dispor de condutor de proteção “fio-terra” e todas as massas da instalação estão
6.4
ligadas a condutores de proteção (salvo as exceções).
6.5 Todas as tomadas de corrente fixas devem ser do tipo com polo de aterramento (2P + T ou 3P+T).
Existência de dispositivo diferencial residual (DR) para proteção contra choques elétricos (salvo as
6.6
exceções do item 6.6).
Quando houver possibilidade dos componentes da instalação elétrica representarem perigo de incêndio
6.7
para os materiais adjacentes, deverá haver a devida proteção.
Os quadros de distribuição devem ser instalados em locais de fácil acesso.
6.8 Os quadros de distribuição devem ser providos de identificação e sinalização do lado externo, de forma
legível e não facilmente removível.

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 21


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Item da
Requisito para inspeção visual C NA
IT 41
Os componentes dos quadros devem ser identificados de tal forma que a correspondência entre
componentes e respectivos circuitos possa ser prontamente reconhecida, de forma legível e não
facilmente removível.
6.9 Sistema de proteção contra descargas atmosféricas (SPDA).
Os quadros, circuitos e linhas dos sistemas de segurança contra incêndio devem ser independentes dos
7.1.2
circuitos comuns.
As fontes de energia, os quadros, os circuitos e as linhas elétricas que alimentam equipamentos de
7.1.3 a segurança destinados ao combate e supressão de incêndio, à ventilação, à pressurização e ao controle de
7.1.5 fumaça devem estar devidamente protegidos com material resistente ao fogo ou enclausurados em
ambientes resistentes ao fogo.
Sala do motogerador e circuitos elétricos de segurança por ele alimentados estão em conformidade com
7.1.6
o item 7.1.6.
7.1.9 Circuitos de corrente alternada estão separados dos circuitos de corrente contínua.
8.1 e 8.3 ART específica do sistema elétrico (projeto, execução, inspeção, manutenção – conforme o caso).

Obs.

Avaliação geral das instalações elétricas:


Atesto, nesta data, que o sistema elétrico da edificação (incluindo o SPDA) foi inspecionado e verificado conforme as prescrições da NBR
5410/04 (capítulo “Verificação final”) e da NBR 5419/05, e encontra-se em conformidade, estando o proprietário e/ou responsável pelo uso
ciente das responsabilidades constantes do item 2.3.2 desta IT.

Data da inspeção:

_________________________________________ _________________________________________
Eng. Resp: Nome:
Título profissional: Proprietário ou Responsável pelo uso:
CREA Nº:

(obrigatório anexar ART que inclua a emissão deste atestado)

CONJUNTO MOTOR BOMBA - 23


BOMBA DE INCÊNDIO
Bombas de incêndio acopladas a motores elétricos

As bombas de incêndio dos sistemas de hidrantes e de mangotinhos podem dispor de dispositivos para acionamento
automático ou manual.
Quando o acionamento for manual devem ser previstas botoeiras do tipo “liga-desliga”, junto a cada hidrante ou mangotinho.
Na falta de energia da concessionária, as bombas de incêndio acionadas por motor elétrico podem ser alimentadas por um
gerador diesel.
Quando o abastecimento é feito por bomba de incêndio, deve possuir pelo menos uma bomba elétrica ou de combustão
interna, devendo ser utilizada para este fim.
A automatização da bomba principal ou de reforço deve ser executada de maneira que, após a partida do motor seu
desligamento seja somente manual no seu próprio painel de comando, localizado na casa de bombas.
Quando a(s) bomba(s) de incêndio for(em) automatizada(s), deve ser previsto pelo menos um ponto de acionamento manual
para a(s) mesma(s), instalado em local seguro da edificação e que permita fácil acesso.
O funcionamento automático é indicado pela simples abertura de qualquer ponto de hidrante da instalação.
As bombas de incêndio, devem atingir pleno regime em aproximadamente 30s após a sua partida.
As automatizações da bomba de pressurização (jockey) para ligá-la e desligá-la automaticamente e da bomba principal para
somente ligá-la automaticamente devem ser feitas através de pressostatos instalados conforme apresentado IT 22 , e ligados
nos painéis de comando e chaves de partida dos motores de cada bomba.
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 22
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
O painel de sinalização das bombas principal ou de reforço, elétrica ou de combustão interna, deve ser dotado de uma
botoeira para ligar manualmente tais bombas, possuindo sinalização ótica e acústica, indicando pelo menos os seguintes
eventos:
Bomba elétrica:
a) painel energizado; b) bomba em funcionamento; c) falta de fase; d) falta de energia no comando da partida.
C.1.16.2 Bomba de combustão interna:
a) painel energizado; b) bomba em funcionamento; c) baixa carga da bateria; d) chave na posição manual ou painel desligado
Verificar se o circuito de alimentação elétrica é independente da rede geral. Se instalada acima do nível da
água deverá possuir sucção com válvula de pé com crivo e tanque de escova.
Nos casos em que houver apenas uma bomba de incêndio, por motor à explosão, o sistema de partida deve ser sempre
automático.
Verificar se a bomba tem o dispositivo de acionamento manual, (botoeiras junto a cada hidrante), ou automático (tanque de
pressão, bomba de pressurização, chave de fluxo, pressostato).
Existindo mais de um motor a explosão, cada um deve ser dotado de seu próprio tanque de combustível, com suas respectivas
tubulações de alimentação para bomba injetora.
C.3.8 O motor a explosão deve possuir uma placa de identificação com as seguintes características:
a) nome do fabricante; b) tipo; c) modelo; d) número de série; e) potência em CV, considerando o regime contínuo de
funcionamento; f) rotações por minuto nominal.
Um painel de comando deve ser instalado no interior da casa de bombas, indicando bomba em funcionamento e sistema
automático desligado (chave seletora na posição manual).
As baterias do motor a explosão, localizadas na casa de bombas, devem ser mantidas carregadas por um sistema de flutuação
automática, por meio de um carregador duplo de baterias. O sistema de flutuação deve ser capaz de atender, independente,
aos dois jogos de baterias (principal e reserva). O sistema de flutuação automática deve ser capaz de carregar uma bateria
descarregada em até 24h, sem que haja danos às suas placas, determinando ainda, por meio de amperímetros e voltímetros, o
estado de carga de cada jogo de baterias.
Reservatório enterrado ou subterrâneo: reserva de incêndio cuja parte superior encontra-se instalada abaixo do nível do
terreno natural.

4.564 Reservatório semienterrado: reserva de incêndio cujo fundo se encontra instalado abaixo do nível do terreno natural e
com a parte superior acima do nível do terreno natural.
Reservatório ao nível do solo: reserva de incêndio cujo fundo se encontra instalado no mesmo nível do terreno natural.
Reservatório elevado: reserva de incêndio cujo fundo se encontra instalado acima do nível do terreno natural com a
tubulação formando uma coluna d’água. A pressão do sistema elevado nos hidrantes mangotinhos e chuveiros automáticos
será feito pela gravidades , queda de coluna d’água.
A altura manométrica total da bomba deve ser calculada para o hidrante mais desfavorável do sistema.
Reservatório elevado (ação da gravidade): Quando o abastecimento é feito somente pela ação da gravidade, o reservatório
elevado deve estar a altura suficiente para fornecer as vazões e pressões mínimas requeridas para cada sistema.

Quando a altura do reservatório elevado não for suficiente para fornecer as vazões e pressões requeridas, para os pontos dos
hidrantes ou mangotinhos mais desfavoráveis considerados no cálculo, deve-se utilizar uma bomba de reforço, em sistema
“by pass”, para garantir as pressões e vazões mínimas para aqueles pontos. A instalação desta bomba deve atender ao Anexo
C e demais itens desta IT22.

FUNCIONAMENTO DO SISTEMA
Deverá ser testado o hidrante mais distante em caso de reservatório subterrâneo. Em caso de reservatório
elevado deverá ser testado o hidrante do pavimento mais elevado.
Para teste do sistema, basta abrir o registro do hidrante acoplado a não mais de 30 metros de mangueira e ao
esguicho respectivo (para sistemas automatizados). Em caso do acionamento manual (por botoeiras), estas deverão estar
localizadas junto aos hidrantes, para o acionamento e desligamento da bomba de incêndio. Em caso de sistemas
automatizados, a bomba somente é desligada manualmente e no seu painel.

GERADOR - 24
É um sistema que na falta de energia da edificação, entra em operação para substituir temporariamente a energia
da edificação até volta da energia normal.
Esta é a sequência que deverá ser obedecida na realização de uma inspeção em grupo moto gerador.
1. O local onde está instalado deverá ser bem ventilado, não devendo servir de alojamento/depósito, não permitindo
também o acesso a pessoas não autorizadas. Deve-se garantir acesso controlado e desobstruído desde a área externa da
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 23
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
edificação até o grupo moto gerador. Na condição acima descrita, o GMG deve ser instalado em compartimento resistente ao fogo por
2 h, com acesso protegido por PCF P-90.
2. Se a quantidade de combustível ultrapassar 200 litros, deverá conter dique de contenção e carreta de PQS de 80BC.
3. O escapamento dos gases produzidos pelo motor deverá ter saída para o exterior.
4. Verificar se possui ponto de teste.
5. Verificar se é automatizado, isto é, se o motor parte automaticamente na falta de energia elétrica, sendo que o
tempo de comutação deverá ser de, no máximo 12 segundos, Nas edificações atendidas por grupo moto gerador, quando o
tempo de comutação do sistema for superior ao estabelecido pela NBR 10898/99, deve ser previsto sistema centralizado por
bateria ou bloco autônomo.
Para testar o sistema utilize o ponto de teste para verificar o funcionamento do sistema, caso não possua este
ponto de teste, fazer solicitação para o departamento da manutenção fazer o teste, conforme ART e NR10; (Somente
pessoal técnico poderá fazer qualquer tipo de manutenção em área de baixa ou alta tensão). Bombeiro Civil só poderá
fazer inspeção visual em baixa tensão conforme IT41, somente má conservação aparente, ou de descarga elétrica que
possa causar acidente e possibilidade de principio de incêndio.

ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA1 - 25
É um sistema de iluminação que entra em funcionamento na falta de energia elétrica na edificação, para uma
segura movimentação das pessoas nos corredores e escada de emergência, podendo ser alimentada por gerador ou bateria
ou acumuladores (não automotiva).
A INSPEÇÃO em sistemas de iluminação de emergência visa verificar se os mesmos estão em perfeitas condições de
funcionamento e que possam cumprir a finalidade por ocasião de uma emergência, onde a alimentação normal de energia
elétrica da edificação venha a ser interrompida. A seguir estão listados os itens comuns aos três sistemas de iluminação de
emergência (grupo moto gerador, por central de baterias e por blocos autônomos), que deverão ser verificados por
ocasião da inspeção;

Sistema Centralizado com Baterias


Os componentes da fonte de energia centralizada de alimentação do sistema de iluminação de emergência, bem como
seus comandos devem ser instalados em local não acessível ao público, sem risco de incêndio, ventilado e que não ofereça
risco de acidentes aos usuários.
Se houver baterias reguladas por válvulas, o painel de controle pode ser instalado no mesmo local das baterias. O local da
instalação deverá ser em lugar ventilado e protegido do acúmulo de gases.

A vida útil das baterias usadas nesse sistema deve ser de quatro anos, comprovado pelo fabricante.

Conjunto de blocos autônomos


As baterias para sistemas autônomos devem ser de chumbo-ácido selada ou níquel-cádmio, isenta de manutenção.
Considerações gerais
No caso de instalação aparente, a tubulação e as caixas de passagem devem ser metálicas ou em PVC rígido antichama,
conforme NBR 15465/08.
A distância máxima entre dois pontos de iluminação de emergência não deve ultrapassar 15 metros e entre o ponto de
iluminação e a parede 7,5 metros. Outro distanciamento entre pontos pode ser adotado, desde que atenda aos parâmetros da
NBR 10898/99.

Deve-se garantir um nível mínimo de iluminamento de 3 (três) lux em locais planos (corredores, halls, áreas de refúgio) e 5
(cinco) lux em locais com desnível (escadas ou passagens com obstáculos).

A tensão das luminárias de aclaramento e balizamento para iluminação de emergência em áreas com carga de incêndio
deve ser de, no máximo, de 30 Volts.

Para instalações existentes e na impossibilidade de reduzir a tensão de alimentação das luminárias, pode ser utilizado um
interruptor diferencial de 30mA, com disjuntor termomagnético de 10A. Recomenda-se a instalação de uma tomada externa
à edificação, compatível com a potência da iluminação, para ligação de um gerador móvel. Esta tomada deve ser acessível,
protegida adequadamente contra intempéries e devidamente identificada.

O Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo, na vistoria, poderá exigir que os equipamentos
utilizados no sistema de iluminação de emergência sejam certificados pelo Sistema Brasileiro de Certificação.
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 24
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Para a TUBULAÇÃO E FIAÇÃO devem ser exclusivas para o sistema e quando aparentes deverão ser metálicas. A
norma como exceção, permite que os eletrodutos para os sistemas de iluminação de emergência sejam também usados
para os sistemas de detecção e alarme de incêndio.
A distribuição das LUMINÁRIAS é feita de acordo com o tipo de sistema escolhido pelo projetista. As luminárias de balizamento
deverão ser instaladas a uma altura de 2,20m a 3,50m do piso e deverão estar distanciadas, no máximo, 15m umas das outras.
As luminárias de aclaramento deverão estar distanciadas uma das outras de, no máximo, quatro vezes a altura em que estiver
instalada em relação ao piso. Deverão oferecer quantidade suficiente deluz para que uma pessoa possa utilizar as rotas de fuga.
O nível de iluminação mínimo é de 5 lux em locais de desníveis, tais como: escadas, portas com altura inferior a 2,10m e
obstáculos, e de 3 lux em locais planos tais como: corredores, halls e locais de refúgio. Os sistemas de iluminação deverão
possuir uma autonomia mínima de uma hora, sem apresentar diminuição da intensidade de iluminação nesse período.

SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARMES DE INCÊNDIO2 - 26


Consiste em um conjunto de elementos planejadamente dispostos e adequadamente interligados, que fornecem
informações de princípios de incêndio, através de indicações sonoras e visuais.
Todo sistema deve ter duas fontes de alimentação. A principal é a rede do sistema elétrico da edificação, e a
auxiliar é constituída por baterias, nobreak ou gerador. Quando a fonte de alimentação auxiliar for constituída por bateria
de acumuladores ou “nobreak”, esta deve ter autonomia mínima de 24 horas em regime de supervisão, sendo que no
regime de alarme deve ser de, no mínimo, 15 minutos para suprimento das indicações sonoras e/ou visuais ou o tempo
necessário para o abandono da edificação. Quando a alimentação auxiliar for por gerador, também deve ter os mesmos
parâmetros de autonomia mínima.
As centrais de detecção e alarme devem ter dispositivo de teste dos indicadores luminosos e dos sinalizadores acústicos.
5.5 A central de detecção e alarme e o painel repetidor devem ficar em local onde haja constante vigilância humana e de fácil
visualização.
5.6 A central deve acionar o alarme geral da edificação, devendo ser audível em toda edificação.
5.6.1 Em locais de grande concentração de pessoas, o alarme geral pode ser substituído por um sinal sonoro (pré-alarme)
apenas na sala de segurança, junto à central, para evitar tumulto, com o intuito de acionar primeiramente a brigada de
incêndio para verificação do sinal de pré-alarme. No entanto, para esse caso, a central deve possuir um temporizador para o
acionamento posterior do alarme geral, com tempo de retardo de, no máximo, 2 minutos, caso não sejam tomadas as ações
necessárias para verificar o pré-alarme da central. Nesses tipos de locais, pode-se ainda optar por uma mensagem eletrônica
automática de orientação de abandono, como pré-alarme; sendo que só será aceita essa comunicação, desde que exista
brigada de incêndio na edificação. Mesmo com o pré-alarme na central de segurança, o alarme geral é obrigatório para toda
a edificação.
A distância máxima a ser percorrida por uma pessoa, em qualquer ponto da área protegida até o acionador manual mais
próximo, não deve ser superior a 30 metros.
Preferencialmente, os acionadores manuais devem ser localizados junto aos hidrantes.
Nos edifícios com mais de um pavimento, deve ser previsto pelo menos um acionador manual em cada pavimento. Os
mezaninos estarão dispensados desta exigência, caso o acionador manual do piso principal dê cobertura para a área do mezanino,
conforme item 5.7 da IT 19.
Nas edificações anteriores a 20 de março de 1983, o posicionamento dos acionadores manuais deverá ser junto
aos hidrantes; neste caso, exclui-se a exigência do item 5.7 desta Instrução Técnica.
Onde houver sistema de detecção instalado será obrigatória a instalação de acionadores manuais, exceto para ocupações das
divisões F-6, onde o acionador manual é opcional nas áreas de público e obrigatório nas demais áreas.
Nos locais onde não seja possível ouvir o alarme geral devido a sua atividade sonora intensa, será obrigatória a
instalação de avisadores visuais e sonoros.
Nos locais de reunião de público, tais como: casa de show, música, espetáculo, dança, discoteca, danceteria, salões
de baile etc.; onde se tem, naturalmente, uma situação acústica elevada, será obrigatória também a instalação de
avisadores visuais, quando houver a exigência do sistema de detecção ou de alarme.
Quando houver exigência de sistema de detecção para uma edificação, será obrigatória a instalação de detectores
nos entreforros e entrepisos (pisos falsos) que contenham instalações com materiais combustíveis.
Os elementos de proteção contra calor que contenham a fiação do sistema devem atender a IT 41/11 – Inspeção
visual em instalações elétricas de baixa tensão.
Os eletrodutos e a fiação devem atender à NBR 17240/10.
Os acionadores manuais instalados na edificação devem obrigatoriamente conter a indicação de funcionamento
(cor verde) e alarme (cor vermelha) indicando o funcionamento e supervisão do sistema, quando a central do sistema for
do tipo convencional. Quando a central for do tipo inteligente pode ser dispensada a presença dos leds nos acionadores,
desde que haja na central uma supervisão constante e periódica dos equipamentos periféricos (acionadores manuais,
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 25
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
indicadores sonoros, detectores etc.), sendo que, quando a central possuir o sistema de pré-alarme (conforme item 5.6.1),
obrigatoriamente deverá ter o led de alarme nos acionadores, indicando que o sistema foi acionado.
Nas centrais de detecção e alarme é obrigatório conter um painel/esquema ilustrativo indicando a localização com
identificação dos acionadores manuais ou detectores dispostos na área da edificação, respeitadas as características técnicas
da central. Esse painel pode ser substituído por um display da central que indique a localização do acionamento.
Em locais de ocupação de indústria e depósito com alto risco de propagação de incêndio, podem ser acrescentados
sistemas complementares de confirmação de indicação de alarme, tais como interfone, rede rádio etc, devidamente
sinalizados.
A colocação de leds de alto brilho, para aviso visual sobre as saídas de emergência pode ser acrescentada à
execução do sistema de alarme e detecção, nos locais onde a produção de fumaça seja esperada em grande quantidade.
Em edifícios residenciais com altura até 30 metros, o sistema de alarme pode ser substituído pelo sistema de
interfone, desde que cada apartamento possua um ramal ligado à central que deve ficar em portaria com vigilância humana
de 24 horas, e tenha fonte autônoma com duração mínima de 60 minutos.
As garagens de edifícios residenciais que se valerem do sistema de interfone como substituto do sistema de alarme, devem
possuir interfone devidamente sinalizado, conforme IT 20/11 - Sinalização de emergência, devendo ter pelo menos um
aparelho de interfone, o qual deve estar posicionado, no máximo, a 5 metros do acesso à rota de fuga.
Em locais em que a altura da cobertura do prédio prejudique a sensibilidade ou desempenho dos detectores, bem como
naqueles pontos em que não se recomenda o uso de detectores sobre equipamentos, devem ser usados detectores com tecnologias que
atuem pelo princípio de detecção linear.
Quando houver edificações ou áreas protegidas por subcentral, esta deverá estar interligada à central supervisionadora,
emitindo sinal simultâneo de alarme, podendo o alarme geral ser soado somente na edificação ou área protegida pela subcentral, mas
emitindo sinal de pré-alarme para a central. O alarme geral para toda a edificação será soado caso, em 2 minutos, não sejam tomadas
medidas de ação junto à central supervisionadora.
A utilização do sistema de detecção e alarme contra incêndio com tecnologia sem fio deve atender aos objetivos e desempenho
da Norma Brasileira, bem como, deve possuir certificação em laboratório reconhecido com laudo de ensaio.
Veremos agora os tipos de detectores e sua finalidade:
 DETECTOR ÓPTICO: É ideal para detectar um incêndio em sua fase inicial, muito antes do aparecimento de chamas. É
indicado para locais com atmosfera e aonde o primeiro indício de incêndio seja a emanação de fumaça.
 DETECTOR TERMOVELOCIMÉTRICO: É indicado para aqueles locais onde um incêndio pode iniciar-se com uma
elevação brusca de temperatura.
 DETECTOR IÔNICO DE FUMAÇA: É ativado ante a presença de produtos de combustão visíveis ou invisíveis, o qual é
ideal para detectar um incêndio em sua fase inicial, antes que se formem as chamas
Um sistema de alarme de incêndio é composto de:
*Central de controle. * Acionadores manuais. *Painel repetidor. *Detectores automáticos. *Indicadores (sonoros e
visuais). *Circuito de detecção. * Circuito de alarme. *Fonte de alimentação.

COMPARTIMENTAÇÃO1 - 27
É a divisão do edifício em células capacitadas a suportar a queima dos materiais combustíveis nela contidos,
impedindo o alastramento do incêndio, sendo a principal medida de proteção a ser adotada para que o fogo não se
propague.
Os principais propósitos da compartimentação são:
 Conter o fogo em seu ambiente de origem;
 Manter as rotas de fuga seguras contra os efeitos do incêndio;
 Facilitar as operações de combate e resgate;
A capacidade dos elementos construtivos de suportar a ação do incêndio, denomina-se “resistência ao fogo”, que
é o tempo durante o qual conservam suas características funcionais (vedação e/ou estrutural).
Existem dois tipos de compartimentações, sendo elas:
COMPARTIMENTAÇÃO VERTICAL: Destinada a impedir a propagação do incêndio entre andares e assume caráter
fundamental para o caso de edifícios altos. Ela pode ser obtida através dos seguintes dispositivos:
 Lajes corta-fogo;
 Entrepisos corta-fogo;
 Enclausuramento de poços de elevador e de monta-carga por meio de parede de compartimentação;
 Enclausuramento da escada através de paredes e portas corta-fogo;
 Registros corta-fogo em dutos que intercomunicam os pavimentos;
 Selagem corta-fogo de passagens de cabos elétricos e tubulações através das lajes;
 Utilização de abas verticais (parapeitos) ou abas horizontais resistentes ao fogo, que se projetem alem da
fachada.
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 26
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
COMPARTIMENTAÇÂO HORIZONTAL: Se destina a impedir a propagação do incêndio, evitando que grandes áreas
sejam afetadas, dificultando o controle do fogo.. A área destinada aos ocupantes dos edifícios antes de chegarem as
escadas protegidas (antecâmaras e átrios), e o hall dos elevadores em prédios altos de escritórios também devem ser
obrigatoriamente compartimentadas, através de paredes e portas corta-fogo, de forma a impedir, em qualquer hipótese, a
propagação do fogo e de seus efeitos. Recomenda-se que as divisórias internas, em edifícios altos, possuam resistência ao
fogo de, no mínimo, meia hora.
A compartimentação horizontal pode ser obtida através das seguintes disposições:
Paredes e portas corta-fogo; * Forros corta-fogo; * Registros corta-fogo nos dutos que transpassem as paredes corta-fogo;
*Selagem corta-fogo em passagens de cabos elétricos e tubulações através das paredes corta-fogo;
As PORTAS CORTA FOGO são equipamentos de proteção empregadas no enclausuramento de escadas de
emergência, proporcionando uma rota de fuga mais segura. A porta corta fogo (PCF) é um conjunto constituído de uma
porta, batente e acessórios, que impede ou retarda a propagação do fogo, calor e gases de um ambiente para outro. As PCF
devem permanecer fechadas, porem destrancadas, elas devem sempre abrir no sentido de saída, sem uso de chaves ou
ferramentas.

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA1 – 28
Finalidade
A sinalização de emergência tem como finalidade reduzir o risco de ocorrência de incêndio, alertando para os riscos existentes
e garantir que sejam adotadas ações adequadas à situação de risco, que orientem as ações de combate e facilitem a
localização dos equipamentos e das rotas de saída para abandono seguro da edificação em caso de incêndio.
Características da sinalização de emergência

Características básicas: A sinalização de emergência faz uso de símbolos, mensagens e cores, definidos IT20, que devem ser
alocados convenientemente no interior da edificação e áreas de risco, segundo os critérios IT20.
Tipos de sinalização: A sinalização de emergência divide-se em sinalização básica e sinalização complementar, conforme
segue:
Sinalização básica: A sinalização básica é o conjunto mínimo de sinalização que uma edificação deve apresentar, constituído
por quatro categorias, de acordo com sua função:
Proibição: Visa a proibir e coibir ações capazes de conduzir ao início do incêndio ou ao seu agravamento.
Alerta: Visa a alertar para áreas e materiais com potencial de risco de incêndio, explosão, choques elétricos e contaminação
por produtos perigosos.
Orientação e salvamento: Visa a indicar as rotas de saída e as ações necessárias para o seu acesso e uso.
Equipamentos: Visa a indicar a localização e os tipos de equipamentos de combate a incêndios e alarme disponíveis no
local.
Sinalização complementar: A sinalização complementar é o conjunto de sinalização composto por faixas de cor ou
mensagens complementares à sinalização básica, porém, das quais esta última não é dependente.
A sinalização complementar tem a finalidade de: Complementar, através de um conjunto de faixas de cor, símbolos ou
mensagens escritas, a sinalização básica, nas seguintes situações:
a. indicação continuada de rotas de saída;
b. indicação de obstáculos e riscos de utilização das rotas de saída;
c. mensagens específicas escritas que acompanham a sinalização básica, onde for necessária a complementação da mensagem
dada pelo símbolo.
Informar circunstâncias específicas em uma edificação ou áreas de risco, por meio de mensagens escritas;
Demarcar áreas para assegurar corredores de circulação destinados às rotas de saídas e acesso a equipamentos de combate a
incêndio e alarme, em locais ocupados por estacionamento de veículos, depósitos de mercadorias e máquinas ou
equipamentos de áreas fabris;
Identificar sistemas hidráulicos fixos de combate a incêndio.

Rotas de saída
Visa a indicar o trajeto completo das rotas de fuga até uma saída de emergência (indicação continuada).
Obstáculos
Visa a indicar a existência de obstáculos nas rotas de fuga, tais como: pilares, arestas de paredes e vigas, desníveis de piso,
fechamento de vãos com vidros ou outros materiais translúcidos e transparentes etc.
Mensagens escritas
Visa a informar o público sobre:
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 27
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
a. uma sinalização básica, quando for necessária a complementação da mensagem dada pelo símbolo;
b. as medidas de proteção contra incêndio existentes na edificação ou áreas de risco;
c. as circunstâncias específicas de uma edificação e áreas de risco;
d. a lotação admitida em recintos destinados a reunião de público.
Demarcações de áreas
Visa a definir um leiaute no piso, para informar aos usuários as rotas de saída e os equipamentos de combate a incêndio e
alarme, em áreas utilizadas para depósito de materiais, instalações de máquinas e ou equipamentos industriais e em locais
destinados a estacionamento de veículos.
Identificação de sistemas hidráulicos fixos de combate a incêndio
Visa a identificar, por meio de pintura diferenciada, as tubulações e acessórios utilizados para sistemas de hidrantes e
chuveiros automáticos quando aparentes.
PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS

Implantação da sinalização básica: Os diversos tipos de sinalização de emergência devem ser implantados em função de
características específicas de uso e dos riscos, bem como em função de necessidades básicas para a garantia da segurança
contra incêndio e pânico na edificação .
Sinalização de proibição: A sinalização de proibição apropriada deve ser instalada em local visível e a uma altura de 1,8 m
medida do piso acabado à base da sinalização, distribuída em mais de um ponto dentro da área de risco, de modo que pelo
menos uma delas possa ser claramente visível de qualquer posição dentro da área, distanciadas em no máximo 15 m entre si.
Sinalização de alerta : A sinalização de alerta apropriada deve ser instalada em local visível e a uma altura de 1,8 m medida
do piso acabado à base da sinalização, próxima ao risco isolado ou distribuída ao longo da área de risco generalizado,
distanciadas entre si em, no máximo, 15 m.
Sinalização de orientação e salvamento:
A sinalização de saída de emergência apropriada deve assinalar todas as mudanças de direção, saídas, escadas etc., e ser
instalada segundo sua função, a saber:
a. sinalização de portas de saída de emergência deve ser localizada imediatamente acima das portas, no máximo a 0,1 m da
verga, ou diretamente na folha da porta, centralizada a uma altura de 1,8 m medida do piso acabado à base da sinalização;
b. a sinalização de orientação das rotas de saída deve ser localizada de modo que a distância de percurso de qualquer ponto
da rota de saída até a sinalização seja de, no máximo, 15 m. Adicionalmente, essa também deve ser instalada, de forma que na
direção de saída de qualquer ponto seja possível visualizar o ponto seguinte, respeitado o limite máximo de 30 m. A
sinalização deve ser instalada de modo que a sua base esteja a 1,8 m do piso acabado;
c. a sinalização de identificação dos pavimentos no interior da caixa de escada de emergência deve estar a uma altura de 1,8 m
medido do piso acabado à base da sinalização, instalada junto à parede, sobre o patamar de acesso de cada pavimento, de tal
forma a ser visualizada em ambos os sentidos da escada (subida e descida);
d. a mensagem escrita “SAÍDA” deve estar sempre grafada no idioma português. Caso exista a necessidade de utilização de
outras línguas estrangeiras, devem ser aplicados textos adicionais;
e. em escadas contínuas, além da identificação do pavimento de descarga no interior da caixa de escada de emergência, deve-
se incluir uma sinalização de saída de emergência com seta indicativa da direção do fluxo através dos símbolos na parede
frontal aos lances de escadas e S5 acima da porta de saída, de forma a evidenciar o piso de descarga;
f. a abertura das portas em escadas não deve obstruir a visualização de qualquer sinalização

Sinalização de equipamentos de combate a incêndio


A sinalização apropriada de equipamentos de combate a incêndio deve estar a uma altura de 1,8 m, medida do piso acabado à
base da sinalização, e imediatamente acima do equipamento sinalizado. Ainda:
a. quando houver, na área de risco, obstáculos que dificultem ou impeçam a visualização direta da sinalização básica no plano
vertical, a mesma sinalização deve ser repetida a uma altura suficiente para a sua visualização;
b. quando a visualização direta do equipamento ou sua sinalização não for possível no plano horizontal, a sua localização deve
ser indicada a partir do ponto de boa visibilidade mais próxima. A sinalização deve incluir o símbolo do equipamento em
questão e uma seta indicativa, sendo que o conjunto não deve distar mais que 7,5 m do equipamento;
c. quando o equipamento encontrar-se instalado em pilar, devem ser sinalizadas todas as faces do pilar que estiverem
voltadas para os corredores de circulação de pessoas ou veículos;
d. quando se tratar de hidrante e extintor de incêndio instalados em garagem, área de fabricação, depósito e locais utilizados
para movimentação de mercadorias e de grande varejo deve ser implantada também a sinalização de piso.

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 28


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Implantação da sinalização complementar
A sinalização complementar de indicação continuada das rotas de saída é facultativa e, quando utilizada, deve ser aplicada
sobre o piso acabado ou sobre as paredes de corredores e escadas destinadas a saídas de emergência, indicando a direção do
fluxo atendendo aos seguintes critérios:
a. o espaçamento entre cada uma delas deve ser de até 3 m na linha horizontal, medidas a partir das extremidades
internamente consideradas;
b. independente do critério anterior, deve ser aplicada a sinalização a cada mudança de direção;
c. quando aplicada sobre o piso, a sinalização deve estar centralizada em relação à largura da rota de saída;
d. quando aplicada nas paredes, a sinalização deve estar a uma altura constante entre 0,25 m e 0,5 m do piso acabado à base
da sinalização, podendo ser aplicada, alternadamente, à parede direita e esquerda da rota de saída.
A sinalização complementar de indicação de obstáculos ou de riscos nas circulações das rotas de saída deve ser implantada
toda vez que houver uma das seguintes condições:
a. desnível de piso; b. rebaixo de teto; c. outras saliências resultantes de elementos construtivos ou equipamentos que
reduzam a largura das rotas de saída, prejudicando a sua utilização; d. elementos translúcidos e transparentes, tais como
vidros, utilizados em esquadrias destinadas a portas e painéis (com função de divisórias ou de fachadas, desde que não
assentadas sobre muretas com altura mínima de 1 m).
Além das sinalizações previstas nesta IT20, as áreas de armazenamento de produtos perigosos devem ser sinalizadas de
acordo com a NBR 7500/09.
As sinalizações complementares destinadas à demarcação de áreas devem ser implantadas no piso acabado, através de
faixas contínuas com largura entre 0,05 m e 0,2 m, nas seguintes situações:
Na cor branca ou amarela, em todo o perímetro das áreas destinadas a depósito de mercadorias, máquinas e equipamentos
industriais etc, a fim de indicar uma separação entre os locais desses materiais e os corredores de circulação de pessoas e
veículos;
Na cor branca ou amarela, para indicar as vagas de estacionamento de veículos em garagens ou locais de carga e descarga;
Na cor branca, paralelas entre si e com o espaçamento variando entre uma e duas vezes a largura da faixa adotada,
dispostas perpendicularmente ao sentido de fluxo de pedestres (faixa de pedestres), com comprimento mínimo de 1,2 m,
formando um retângulo ou quadrado de pelo menos 1,2 m de largura por 1,8 m de comprimento, sem bordas laterais, nos
acessos às saídas de emergência, a fim de identificar o corredor de acesso para pedestres localizado junto a:
a. vagas de estacionamento de veículos;
b. depósitos de mercadorias.
As sinalizações complementares destinadas à identificação de sistemas hidráulicos fixos de combate a incêndio devem ser
implantadas da seguinte forma:
Para o sistema de proteção por hidrantes, as tubulações aparentes, não embutidas na alvenaria (parede e piso), devem ter
pintura na cor vermelha;
As portas dos abrigos dos hidrantes:
a. podem ser pintadas em outra cor, mesmo quando metálicas, combinando com a arquitetura e decoração do ambiente,
desde que as mesmas estejam devidamente identificadas com o dístico “incêndio” – fundo vermelho com inscrição na cor
branca ou amarela;
b. podem possuir abertura no centro com área mínima de 0,04 m², fechada com material transparente (vidro, acrílico etc),
identificado com o dístico “incêndio” – fundo vermelho com inscrição na cor branca ou amarela.
Os acessórios hidráulicos (válvulas de retenção, registros de paragem, válvulas de governo e alarme) devem receber pintura
na cor amarela;
A tampa de abrigo do registro de recalque deve ser pintada na cor vermelha;
Quando houver 2 ou mais registros de recalque na edificação, tratando-se de sistemas diferenciados de proteção contra
incêndio (sistema de hidrantes e sistema de chuveiros automáticos), deve haver indicação específica no interior dos
respectivos abrigos: inscrição “H” para hidrantes e “CA” ou “SPK” para chuveiros automáticos.
Requisitos

São requisitos básicos para que a sinalização de emergência possa ser visualizada e compreendida no interior da edificação ou
área de risco:
a. a sinalização de emergência deve destacar-se em relação à comunicação visual adotada para outros fins;
b. a sinalização de emergência não deve ser neutralizada pelas cores de paredes e acabamentos, dificultando a sua
visualização;

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 29


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
c. a sinalização de emergência deve ser instalada perpendicularmente aos corredores de circulação de pessoas e veículos,
permitindo-se condições de fácil visualização;
d. as expressões escritas utilizadas nas sinalizações de emergência devem seguir as regras, termos e vocábulos da língua
portuguesa, podendo, complementarmente, e nunca exclusivamente, ser adotada outra língua estrangeira;
e. as sinalizações básicas de emergência destinadas à orientação e salvamento, alarme de incêndio e equipamentos de
combate a incêndio devem possuir efeito fotoluminescente;
f. as sinalizações complementares de indicação continuada das rotas de saída e de indicação de obstáculos devem possuir
efeito fotoluminescente;
g. os recintos destinados à reunião de público, cujas atividades se desenvolvem sem aclaramento natural ou artificial
suficientes para permitir o acúmulo de energia no elemento fotoluminescente das sinalizações de saídas, devem possuir
luminária de balizamento com a indicação de saída (mensagem escrita e/ou símbolo correspondente), sem prejuízo do
sistema de iluminação de emergência, em substituição à sinalização apropriada de saída com o efeito fotoluminescente;
h. os equipamentos de origem estrangeira, instalados na edificação, utilizados na segurança contra incêndio, devem possuir as
orientações necessárias à sua operação na língua portuguesa.

Material
Os seguintes materiais podem ser utilizados para a confecção das sinalizações de emergência:
a. placas em materiais plásticos; b. chapas metálicas; c. outros materiais semelhantes.

6.5.1 Os materiais utilizados para a confecção das sinalizações de emergência devem atender às seguintes características:
a. possuir resistência mecânica; b. possuir espessura suficiente para que não sejam transferidas para a superfície da placa
possíveis irregularidades das superfícies onde forem aplicadas; c. não propagar chamas; d. resistir a agentes químicos e
limpeza; e. resistir à água; f. resistir ao intemperismo.

Devem utilizar elemento fotoluminescente para as cores brancas e amarelas dos símbolos, faixas e outros elementos
empregados para indicar:
a. sinalizações de orientação e salvamento; b. equipamentos de combate a incêndio e alarme de incêndio; c. sinalização
complementar de indicação continuada de rotas de saída; d. sinalização complementar de indicação de obstáculos e de riscos
na circulação de rotas de saída.
Os materiais que constituem a pintura das placas e películas devem ser atóxicos e não-radioativos, devendo atender às
propriedades colorimétricas, de resistência à luz e resistência mecânica.
O material fotoluminescente deve atender à norma NBR 13434-3/05 – requisitos e métodos de ensaio.
A sinalização de emergência complementar de rotas de saída aplicadas nos pisos acabados deve atender aos mesmos
padrões exigidos para os materiais empregados na sinalização aérea do mesmo tipo.
As demais sinalizações aplicadas em pisos acabados podem ser executadas em tinta que resista a desgaste, por um período
de tempo considerável, decorrente de tráfego de pessoas, veículos e utilização de produtos e materiais utilizados para limpeza
de pisos.
6.6 Manutenção
A sinalização de emergência utilizada na edificação e áreas de risco deve ser objeto de inspeção periódica para efeito
de manutenção, desde a simples limpeza até a substituição por outra nova, quando suas propriedades físicas e
químicas deixarem de produzir o efeito visual para as quais foram confeccionadas.

RESUMO
É obrigatória a sinalização em todas as edificações, onde terão as seguintes finalidades:
Orientar as rotas de fuga.  Identificar os riscos específicos.  Identificar os equipamentos de combate a incêndios.
Todas as saídas de emergências deverão obter a sinalização seja ela em parede pisos ou colunas.
A sinalização de tubulação usa-se as seguintes cores para identificação:
 Tubo Vermelho - Água para combate a incêndios
 Tubo Marrom - Água de esgoto
 Tubo Verde - Água potável
 Tubo Cinza - Fiação Elétrica
 Tubo Amarelo - Gás
A sinalização dos equipamentos de combate a incêndios será como se segue:
 Vertical: com setas, círculos e faixas

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 30


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
 Coluna
 Solo: que será obrigatória nos locais destinados a fabricação, depósitos, movimentação de mercadorias,
sendo dispensados nos edifícios destinados a lojas, escolas, igrejas, apartamentos e escritórios.

SAÍDAS DE EMERGÊNCIA2 - 29
As saídas de emergência verticais podem ser constituídas por escadas, antecâmaras ventiladas, portas e parede
corta-fogo, iluminação e sinalização de emergência. Estas devem ser projetadas para que a saída das pessoas por elas seja
segura, o que pode ser garantido através de alguns requisitos básicos:
 Existência de corrimão e/ou guarda corpo.
 Quando enclausuradas, serem constituídas com material incombustível.
 Quando não enclausuradas, além da incombustibilidade, oferecer elementos estruturais resistentes ao
fogo dentro das exigências dos órgãos competentes.
 Ter os pisos dos degraus e patamares revestidos com materiais resistentes à propagação superficial da
chama.
 Atender a todos os pavimentos, acima e abaixo da descarga, mas terminando obrigatoriamente no piso
desta.
 Ter pisos com condições antiderrapantes e que não se desgaste com o uso.
 Dimensões ideais das escadas para comportar os usuários em casos de emergência.
 Características geométricas adequadas de degraus e patamares.
 Estanqueidade à fumaça e gases quentes provenientes de um possível incêndio no interior da edificação.
As escadas (rotas de fugas verticais) são divididas nas seguintes categorias:
Escadas comuns ou não enclausuradas: São escadas de uso privativo ou coletivo sendo admitidas somente em
edificações de pequeno porte.
Escadas enclausuradas protegidas: Escada que possui suas caixas isoladas por paredes resistentes ao fogo no
mínimo por duas horas e suas portas corta-fogo.
Escadas enclausuradas à prova – de - fumaça: Escada cuja caixa é envolvida por paredes e portas corta-fogo, cujo
acesso se faz por antecâmara igualmente enclausurada ou por local aberto, evitando assim o fogo e a fumaça.
Durante o uso da edificação, os responsáveis pela sua administração devem preocupar-se com a manutenção das
saídas de emergências, pois são de fundamental importância para os Bombeiros. Portanto evite as seguintes situações:
 Obstrução do acesso as saídas de Emergência.
 Inexistência de sinalizações de acesso ás escadas de segurança.
 Falta de identificação dos pavimentos no interior da escada de segurança.
 Não coloque recipientes para lixo, vasos, bebedouros, armários ou cinzeiros no interior das escadas.
 Não coloque calços ou qualquer tipo de sistema que fixe as portas corta-fogo.
 Portas abrindo no sentido contrário ao trânsito de saída.
 Não utilize o duto de ventilação da escada de segurança para passagem de fiações e tubulações diversas,
principalmente de gás.
 Fechamento da veneziana de ventilação da escada de segurança não podem ser obstruídas por quadros
ou serem simplesmente fechadas.
 Inexistência da saída e/ou entrada de ar do duto de ventilação da escada de segurança, conforme
exigências técnicas.
 Fixação de materiais de acabamento do tipo combustível no interior da escada e portas corta-fogo.
Todo edifício deve proporcionar condições de abandono rápido e seguro a sua população em caso de incêndio ou
pânico, através das saídas de emergência. Na falta dessas indicações, providenciar orientadores, situados em locais
estratégicos, que auxiliem as pessoas no abandono da edificação.
Corrimão: É uma barra, cano ou pega similar, com superfície lisa, arredondada, contínua, localizada junto as
paredes ou guardas de escadas, rampas ou passagens para as pessoas nelas se apoiarem ou subir, descer ou deslocar. O
corrimão deve ser contínuo, sem obstruções em seu corpo, sem arestas vivas, com as extremidades voltadas para a parede
e bem fixadas, devendo estar situado em ambos os lados da escada a uma altura entre 80 e 95 cm, acima do nível do piso.
Guarda – Corpo: Toda saída de emergência deve ser protegida de ambos os lados por paredes ou guarda-corpo
contínuos sempre que houver desnível superior a 19 cm (para evitar quedas). A altura do guarda-corpo deve ser no
mínimo de 1,05m em áreas internas e 1,30m em áreas externas. Na falta destas condições deve-se providenciar
balizamentos com cabos, fitas ou barreiras minimizando o risco de queda.
Portas: As portas das rotas de saída devem abrir sempre no sentido de saída. A largura mínima de uma porta é de
80cm. As portas devem estar sempre destrancadas e desobstruídas. Nos locais com capacidade acima de 200 pessoas, as
portas devem ser dotadas de barra antipânico.
Rampa: É obrigatório o uso principalmente em hospitais e locais onde pessoas requerem cuidados especiais por
alguma limitação

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 31


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo

ELEVADORES - 30
O crescimento vertical de nossas cidades vem dando oportunidade ao aparecimento de um novo tipo de
ocorrência. Trata-se de pessoas retidas em elevadores, normalmente por falta de energia elétrica, por defeito no
mecanismo de paragem, ou então, por uso indevido do equipamento.
Nesse tipo de ocorrência os locais onde os bombeiros devem atuar são os seguintes:
 Casa de máquinas, que é o coração do sistema;
 Porta em pavimento, de vários modelos e conseqüentemente possuindo vários tipos de chaves;
 Porta de cabine e saídas de emergência.
Ao se atender uma ocorrência deste tipo, deve-se, como primeira providência, desligar a chave geral de corrente elétrica do
elevador acidentado. Esta providência é prioritária e dá tranqüilidade ao resgate, pois garante que a volta da energia não fará
qualquer acionamento da cabine.
Em seguida, o bombeiro deve se dirigir ao andar em que se supõe estar a cabine e, abrindo com chave apropriada a
porta de pavimento do andar imediatamente superior ou inferior, dependendo qual for a melhor opção para a retiradas das
pessoas presas. Porém deve- se ressaltar que esta operação só pode ter início após o desligamento da chave geral,
garantindo que o carro não se movimentará na retirada das pessoas presas.

INSTALAÇÃO DE GASES1 - 31
O GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP), mais conhecido por gás de cozinha, é um combustível formado pela mistura de
hidrocarbonetos com três ou quatro átomos de carbono (propano 50% e butano 50%) extraídos do petróleo, podendo
apresentar-se em mistura entre si e com pequenas frações de outros hidrocarbonetos. Ele tem a característica de ficar
sempre em estado liquido quando submetido a uma certa pressão, sendo por isto chamado de gás liquefeito de
petróleo.
De fácil combustão o GLP é inodoro, m a s , por motivo de segurança, uma substância do grupo MERCAPTAN é
adicionada ainda nas refinarias. Ela produz o cheiro característico percebido quando há algum vazamento de gás. O
GLP não é corrosivo, poluente e nem tóxico, mas se inalado em grande quantidade produz efeito anestésico.
Os botijões de 13kg são os recipientes mais usados. A válvula de saída de gás é acionada por uma mola, que
retorna automaticamente quando há a desconexão, mas neste caso existe uma válvula de segurança, o plugue-fusível, que
é fabricado com uma liga metálica de bismuto que derrete quando a temperatura ambiente atinge 78ºC. Alem dos botijões
de 13kg, existem também os de 2kg, utilizado muito em acampamento, de 20Kg, utilizado em empilhadeira, e de 45Kg e
90Kg, que é de utilização industrial.
Devemos tomar diversos cuidados quando de trata de GLP, sendo eles:
 O controle de vazamento sem fogo deve ser feito através da dispersão do gás, evitando o contato com
pessoas e fontes de ignição e eliminando o vazamento (fechando o registro da válvula, usando o estanca-gás,etc).
 O controle de vazamento sem fogo deve ser feito através da diminuição da quantidade de calor
produzido pelo fogo através de aplicação de nuvem de água.
 Deve-se tomar precaução para evitar a conversão de um fogo em botijão para uma explosão provocada
por gases acumulados após a extinção das chamas sem sanar o vazamento.
Não será permitida a utilização de GLP na forma de botijões e cilindros para o uso de “oxicorte”, solda ou similar em áreas internas às
edificações.
Nas portas de acesso, deverá estar escrito de forma bem visível "INFLAMÁVEL" e "NÃO FUME". A área de armazenagem de
GLP, incluindo a tomada de descarga e os seus aparelhos, será delimitada por um alambrado de material vazado que
permita boa ventilação e de altura mínima de 1,80 metros (um metro e oitenta centímetros).
Exigências para recipientes transportáveis de GLP com capacidade de volume até 13 Kg de GLP (0,032 m³ ou 32 litros)
Para locais que armazenem, para consumo próprio, cinco ou menos recipientes transportáveis, com massa líquida de até 13
kg de GLP, cheios, parcialmente cheios ou vazios, devem ser observados os seguintes requisitos.
*Possuir ventilação natural. * Protegidos do sol, da chuva e da umidade. *Estar afastado de outros produtos inflamáveis, de
fontes de calor e faíscas. *Estar afastado, no mínimo, 1,5 m de ralos, caixas de gordura e esgotos, bem como de galerias
subterrâneas e similares.
A utilização de recipientes com capacidade igual ou inferior a 13 kg de GLP é vedada no interior das edificações, exceto
para uso doméstico, nas condições abaixo.
Residências unifamiliares (casas térreas ou assobradadas).

Edificações multifamiliares existentes, de acordo com a legislação do Corpo de Bombeiros, desde que atendam aos requisitos
abaixo.
 Acondicionados em área com ventilação exterior efetiva e permanente.
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 32
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
 Exclusivo para uso doméstico.
Edificações residenciais multifamiliares constituídas em blocos, com altura máxima de 12 m, que atendam as condições de
isolamento de risco, nas seguintes condições.
 Instalado na área externa da edificação em pavimento térreo e rede de alimentação individual, por apartamento.
 A rede deve atender aos parâmetros de instalação da NBR 15526/09.
 O uso de botijão de 13 Kg será permitido, excepcionalmente nas condições abaixo, desde que em área externa e
ventilada e atendendo às condições de instalação do item 5.4.
“Trailers e barracas” em eventos temporários.
Nas demais ocupações, limitado a 1 recipiente para consumo, com proteção contra danos mecânicos e físicos e atendendo aos
demais requisitos do item 5.5.1.
A mangueira entre o aparelho e o botijão deve ser do tipo metálico flexível, de acordo com normas pertinentes, sendo
vedado o uso de mangueira plástica ou borracha.
Instalações internas de GLP
Para fins dos critérios de segurança, instalação e operação das centrais de GLP adota-se a norma NBR 15526/09, com inclusões
e adequações constantes nesta IT28.
As tubulações instaladas devem ser estanques e desobstruídas.
A instalação de gás deve ser provida de válvula de fechamento manual em cada ponto em que se tornar conveniente para a
segurança, operação e manutenção da instalação.
A tubulação não pode fazer parte de elemento estrutural.
A tubulação da rede interna não pode passar no interior dos locais descritos abaixo.
Dutos de lixo, ar condicionado e águas pluviais.
Reservatório de água.
Dutos para incineradores de lixo.
Poços e elevadores.
Compartimentos de equipamentos elétricos.
Compartimentos destinados a dormitórios, exceto quando destinada à conexão de equipamento hermeticamente isolado.
Poços de ventilação capazes de confinar o gás proveniente de eventual vazamento.
Qualquer vazio ou parede contígua a qualquer vão formado pela estrutura ou alvenaria, ou por estas e o solo, sem a devida
ventilação. Ressalvados os vazios construídos e preparados especificamente para esse fim (shafts) que devem conter apenas
as tubulações de gás, líquidos não inflamáveis e demais acessórios, com ventilação permanente nas extremidades. Estes
vazios devem ser visitáveis e possuir área de ventilação permanente e garantida.
Qualquer tipo de forro falso ou compartimento não ventilado.
Locais de captação de ar para sistemas de ventilação.
Todo e qualquer local que propicie o acúmulo de gás vazado.
Proteção
Em locais que possam ocorrer choques mecânicos, as tubulações, quando aparentes, devem ser protegidas.
As válvulas e os reguladores de pressão devem ser instalados de modo a permanecer protegidos contra danos físicos e
permitir fácil acesso, conservação e substituição a qualquer tempo.
Na travessia de elementos estruturais, deve ser utilizado um tubo-luva.
É proibida a utilização de tubulações de gás como aterramento elétrico.
Quando o cruzamento de tubulações de gás e condutores elétricos for inevitável, deve-se colocar entre elas um material
isolante elétrico.
Localização
As tubulações aparentes devem atender os requisitos abaixo.
Ter as distâncias mínimas entre a tubulação de gás e condutores de eletricidade de 0,3 m.
Ter um afastamento das demais tubulações suficiente para ser realizada manutenção nas mesmas.
Ter afastamento de, no mínimo, 2 m de para-raios e seus respectivos pontos de aterramento.
Em caso de superposição, a tubulação de gás deve ficar abaixo das demais.
Abrigos
Os abrigos de medidores de consumo de GLP devem possuir proteção por um extintor de pó 20-B:C.
Os abrigos, internos ou externos, devem permanecer limpos e não podem ser utilizados como depósito ou outro fim que não
aquele a que se destinam.
Ventilação dos abrigos das prumadas internas.
Os abrigos internos à edificação devem ser dotados de tubulação específica para ventilação.
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 33
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
O tubo utilizado para ventilação (escape do gás) deve ser metálico, com saída no pavimento de descarga e na cobertura da
edificação e com o dobro do diâmetro da tubulação de gás da prumada.
O tubo que interliga o shaft ao tubo de ventilação deve ser metálico, com bocal situado junto ao fechamento da parte inferior
do shaft, comprimento superior a 50 cm e ter sua junção com o tubo de ventilação formando um ângulo fechado de 45 graus.
Quando a tubulação for interna à edificação e os abrigos nos andares forem adjacentes a uma parede externa, pode ser
prevista uma abertura na parte inferior desse, dispensando-se a exigência do item anterior, com tamanho equivalente a,
no mínimo, duas vezes o da seção da tubulação, devendo ainda tal abertura ter distância de 1,2 m de qualquer outra.
Proteção por extintores para central de GLP Quantidade de GLP (kg) Quantidade / capacidade extintora
Até 270 1 / 20-B:C
271 a 1800 2 / 20-B:C
Acima de 1800 2 / 20-B:C + 1 / 80-B:C
FAIXA DE EXPLOSIVIDADE OU INFLAMABILIDADE é a faixa de valores de concentração dos gases entre os limites
de inflamabilidade inferior e superior expressado em porcentagem de volume de um vapor ou gás na atmosfera ambiente,
onde acima ou abaixo dos limites a propagação não ocorre.
Conforme o tipo de vazamento de GLP, utilizamos o procedimento mais adequado, proporcionando a extinção do vazamento
ou um maior segurança. Vazamento na mangueira: cortar a alimentação do fogo, fechando o registro; se não puder ser
feito, apague o fogo e rapidamente desconecta o cone (borboleta) da válvula do botijão.
Vazamento no registro: Colocar o estágio na posição FECHADO; se não puder ser feito, apague o fogo e remova o registro
do botijão.
Vazamento na válvula conectora ou de segurança: extinguir as chamas e colocar o estangás; se não puder fazer isso, não
extinguir a chama e resfriar as laterais até consumir todo o combustível.
Vazamento nas soldas (costuras): Extinguir o fogo e levar o botijão para local ventilado e aberto; se não puder fazer isso,
não extinguir as chamas, resfriar as laterais até consumir todo o combustível.
Para verificar se há algum vazamento após a extinção do fogo, fazemos um TESTE DE VAZAMENTO, que consiste
em passar uma esponja com água e sabão sobre a conexão do cone (borboleta) com a válvula. Se ainda houver vazamento,
surgirão bolhas. Orientar o usuário que o sabão só serve para verificar vazamentos e não para vedá-lo.
O GÁS NATURAL (gás encanado) é formado principalmente por metano, com pequenas quantidades de etano,
propano, butano e pentano. Este gás é mais leve do que o ar, Assim, tende a subir e difundir-se na atmosfera. Não é tóxico,
mas é classificado como asfixiante, pois em ambientes fechados pode tomar o lugar do ar atmosférico, conduzindo assim á
asfixia.
PROCEDIMENTOS

Instalações internas abastecidas por gás natural (GN)


Além do disposto na NBR 13103/11 e NBR 15526/09, a tubulação da rede interna não deve passar no interior de:
a. dutos de lixo, ar-condicionado e águas pluviais;
b. reservatório de água;
c. dutos para incineradores de lixo;
d. poços e elevadores;
e. compartimentos de equipamentos elétricos;
f. compartimentos destinados a dormitórios, exceto quando destinada à conexão de equipamento hermeticamente isolado;
g. poços de ventilação capazes de confinar o gás proveniente de eventual vazamento;
h. qualquer vazio ou parede contígua a qualquer vão formado pela estrutura ou alvenaria, ou por estas e o solo, sem a devida
ventilação. Ressalvados os vazios construídos e preparados especificamente para esse fim (shafts), os quais devem conter
apenas as tubulações de gás e demais acessórios, com ventilação permanente nas extremidades, sendo que estes vazios
devem ser sempre visitáveis e previstos em área com ventilação permanente e garantidos;
i. qualquer tipo de forro falso ou compartimento não ventilado, exceto quando utilizado tubo-luva;
j. locais de captação de ar para sistemas de ventilação;
k. todo e qualquer local que propicie o acúmulo de gás vazado;
l. paredes construídas com tijolos vazados observando a ressalva da letra “h”;
m. escadas enclausuradas, inclusive dutos de antecâmara.
Os registros, as válvulas e os reguladores de pressão devem ser instalados de modo a permanecer protegidos contra danos
físicos e a permitir fácil acesso, conservação e substituição a qualquer tempo.
As tubulações, quando aparentes, devem ser protegidas contra choques mecânicos.
Os abrigos internos ou externos devem permanecer limpos e não podem ser utilizados como depósito ou outro fim que não
aquele a que se destinam.

Ventilação dos abrigos das prumadas internas


APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 34
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Os abrigos internos à edificação devem ser dotados de tubulação específica para ventilação, conforme ilustração do Anexo
“A”.
O tubo utilizado para ventilação (escape do gás) deve ser metálico ou de PVC antichama, com saída na cobertura da edificação
e com o dobro do diâmetro de, no mínimo, uma vez e meia o diâmetro da tubulação de gás da prumada.
O tubo que interliga o shaft ao tubo de ventilação deve ser metálico ou de PVC antichama, com bocal situado junto ao
fechamento da parte superior do shaft, comprimento superior a 50 cm, ter sua junção com o tubo de ventilação formando um
ângulo fechado de 45 graus e possuir diâmetro mínimo de uma vez e meia o diâmetro da tubulação de gás que passa pelo
respectivo abrigo.
Quando a tubulação for interna à edificação e os abrigos nos andares forem adjacentes a uma parede externa, pode ser
prevista uma abertura na parte superior deste, dispensando-se a exigência do item anterior, com tamanho equivalente a, no
mínimo, duas vezes o da seção da tubulação, devendo ainda tal abertura ter distância de 1,2 m de qualquer outra.
5.1.6 Por ocasião da solicitação de vistoria junto ao Corpo de Bombeiros, devem ser apresentadas as Anotações de
Responsabilidade Técnica referentes à instalação ou manutenção do sistema de gás natural e estanqueidade da rede.

PRODUTOS PERIGOSOS1 – 32
O que são produtos perigosos?
Produtos perigosos: substâncias químicas com potencial lesivo à saúde humana e ao meio ambiente.

Produtos perigosos: tipo de substância que, por sua natureza ou pelo uso que o homem faz dela, representa um risco de
dano. Compreende substâncias inflamáveis, explosivas, corrosivas, tóxicas, radioativas e outras.

DEFINIÇÕES
São considerados produtos perigosos os listados no item 3.2.4. da Resolução nº 420/2004, da ANTT, e, em caso de produtos,
substâncias ou artigos novos, é de responsabilidade do fabricante seu enquadramento, respeitando o previsto nos itens
2.0.0.1. e 2.0.0.2 da respectiva resolução.
Considera-se emergência ambiental os derrames líquidos, escapes gasosos e vazamentos de produtos químicos e biológicos
naturais ou produzidos por processo industrial, que coloquem em risco a segurança pública da comunidade local.

PROCEDIMENTOS
Instalações
Em toda edificação ou área de risco que se manipule, produza ou armazene produtos perigosos deve ser prevista guarita ou
central de monitoramento das atividades.
As guaritas ou centrais de monitoramento devem ser instaladas em local seguro, afastadas dos locais de risco, de onde as
ações de controle de emergências ambientais devem ser coordenadas.
Nas guaritas ou centrais de monitoramento deve haver equipamentos de proteção individual (EPI), para a contenção de
vazamentos e para o resgate de pessoas em área contaminada, atendendo ao disposto no item 2.4 e item 5.3 desta IT.
Para cada tipo de produto perigoso manipulado, produzido ou armazenado deve ser indicado o tipo de EPI mais adequado ao
seu tratamento, com sua devida ficha de emergência.
As edificações e áreas de risco que recebam caminhões-tanque ou contêineres-tanque em seus pátios internos devem prever
pelo menos uma vaga para estacionamento de veículo com vazamento, para controle e contenção do produto transportado.
Quando a edificação ou área de risco dispuser de plataforma de carregamento, o responsável pela edificação pode indicar o
uso de uma de suas vagas para o estacionamento de veículo de que trata o item anterior.
ORIENTAÇÃO
Para a primeira pessoa que chega a um local de um acidente com produto perigoso:
 Proteja a si mesmo afastando-se a uma distância segura do local.
 Procure identificar o produto perigoso sem entrar no local, através do painel de segurança ou rótulo de
risco.
 Isole o local conforme a periculosidade do produto ( manual da PEBIQUIM ) ou por pelo menos 100
metros em todas as direções se não conseguir identificar o produto, mas não se esqueça, trata-se de um
material perigoso.
 Se tem certeza de que se trata de um produto perigoso não entre na área isolada sem proteção
adequada, nem mesmo para retirar pessoas acidentadas/contaminadas para que você não se torne mais um contaminado.
Aguarde socorro adequado.
 Chame o Corpo de Bombeiros/Policia Militar ou Defesa Civil do local, dando todas as informações
possíveis.
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 35
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
 Aproximar-se com o vento pelas costas;
 Retirar as pessoas do local do acidente e mantê-las afastadas;
 Evitar inalar gases, fumaça ou vapores, mesmo que não haja envolvimento de produtos perigosos.
 Não pisar nem tocar qualquer material derramado;
 Não pensar que os gases ou vapores não são nocivos apenas porque não tem cheiro.
Identificação e sinalização
A área de risco ou a parte da edificação que contém produtos perigosos deve ser identificada e sinalizada quanto aos riscos
existentes, nos termos da IT 20/11 – Sinalização de emergência e, complementarmente, por sinalização de classes de risco da
ONU, conforme Resolução nº 420/2004 da ANTT, podendo ser utilizada, alternativamente, a sinalização prevista na NFPA-704.
As embalagens que contém produtos perigosos fracionados também devem ser mantidas identificadas.
O acesso à área de risco deve ser restrito a pessoas autorizadas.
A seleção do método de extinção deve ser feita com cautela, uma vez que há muitos fatores a considerar em cada
caso. O uso de água pode ser ineficaz no combate ao fogo em determinados materiais, mas depende do método de
aplicação utilizado pode conter o incêndio.
Nesse caso devemos consultar a ficha de emergência que se encontra no veículo para saber que tipo de agente
utilizar no combate ao fogo.
A água é freqüentemente utilizada para diluir derramamentos e controlar vapores em caso de derramamento ou
vazamento. Entretanto, alguns produtos podem reagir violentamente, ou mesmo explodir, em contato com a água, por isso
a importância de verificar as fichas, que indicam os materiais para os quais há restrições quanto ao uso de água.
Todos os veículos que transportam produtos perigosos em território nacional têm a obrigatoriedade de possuir
nas suas laterais e na parte de trás, placas de identificação e rótulos de risco nas laterais e traseira do caminhão.
As placas de identificação possuem a coloração laranja e a numeração na coloração preta.
Como vimos na placa de identificação ao lado, a primeira fileira indica a classificação do produto, que nesse caso o X423
quer dizer que é um produto sólido, que libera vapores e é inflamável. A letra X que precede o número indica que o produto
não pode ser molhado com água. A segunda fileira indica o tipo do produto, que nesse caso o 2257 é correspondente ao
potássio.
CLASSE DOS PRODUTOS PERIGOSOS
1. Explosivos
2. Gases
3. Líquidos Inflamáveis
4. Sólidos Inflamáveis, Substâncias Sujeitas A Combustão Espontânea, Pois Em Contato Com Água Emite Gases
Inflamáveis
5. Substâncias Oxidantes, Perióxidos Orgânicos, Substâncias Tóxicas (Venenosas) , Substâncias Infectantes.
6. Tóxicos, nocivos e infectantes.
7. Materiais Radioativos
8. Corrosivos
9. Substâncias Perigosas Diversas
Os rótulos de risco indica o risco que o produto transportado representa, como podemos verificar abaixo, os 9 tipos de
risco existente.
EXPLOSIVOS
Subclasse 1.1 - Substâncias e artigos com risco de explosão em massa.
Subclasse 1.2 – Substâncias com risco de projeção sem risco de explosão em massa.
Subclasse 1.3 – Substâncias e artigos com risco de fogo e com pequeno risco de explosão de projeção, mas sem
risco de projeção em massa.
Subclasse 1.4 – Substâncias e artigos que não representam riscos significativos.
Subclasse 1.5 – Substâncias muito insensíveis com risco de explosão em massa.
Exemplo : DINITROFENOL
CLASSE E SUBCLASSE 1
Número representado pela ONU é 76, sua aparência é de cristais sólidos com amarelo, odor de mofo, afunda na Família
química-fenol/nitrocomposto se entrar em combustão deve ser combatido a uma distância segura ou local protegido , fazer
o abandono de toda a área ao redor. O comportamento desse produto ao fogo pode explodir se for sujeito ao calor ou a
chama. É um produto que emite gases venenosos quando aquecidos. Pode ser armazenado em temperatura ambiente; pois
pode detonar quando aquecido sob confinamento. Esse produto é usado para fabricação de corantes e explosivos ou anti
séptico para madeira.
GASES INFLAMÁVEIS
Subclasse 2.1 – GASES INFLAMÁVEIS.
Subclasse 2.2 – GASES NÃO INFLAMÁVEIS E NÃO TÓXICOS.
Subclasse 2.3 – GASES TÓXICOS.
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 36
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Exemplo : DIFLUORETANO.
É um gás comprimido liquefeito sem colaboração afunda e ferve na água , produz nuvem de vapor visível, irritante e
inflamável.
Família química : hidrocarboneto halogenado . Pode ser armazenado em temperatura ambiente.
LÍQUIDOS INFLAMÁVEIS
O que representa seu numero de riscos é a inflamabilidade do líquido ( vapores ) e os gases a um auto
aquecimento.
Exemplo : DICLOROPROPANO.
É um liquido aquoso , sem colaboração , odor suave, afunda na água, produz vapores irritantes e no fogo pode
explodir se for confinado. É usado para fabricar óleo , cera e resina.
SÓLIDOS INFLAMÁVEIS
É uma classe que contem substâncias sujeitas a combustão espontânea, pois em contato com água emite gases
inflamáveis.
O que representa seu número de riscos é a inflamabilidade dos sólidos sujeitos a um alto aquecimento. Essa
classe se divide em :
4.1 – Representa sólidos inflamáveis
4.2 – Representa substância sujeita a combustão espontânea
4.3 – Representa a substância em contato com água emite gases inflamáveis.
Exemplo : POTÁSSIO DE METÁLICO.
Tem uma aparência sólida prata – branco sem odor, reage violentamente a água pois emite gases inflamáveis e
explosivos , podendo ignizar espontaneamente no ar.

SUBSTÂNCIAS OXIDANTES PERIÓXIDOS ORGÂNICOS


O que representa seu número de riscos é o efeito oxidante que favorece ao incêndio .
Essa classe se divide em :
 – Substância oxidante.
 – Substância peróxido orgânico.
Exemplo : ÁCIDO PERCLÓRICO.
Seu número representado pela ONU é 558 , tem uma aparência em líquido , não tem cor nem odor , se entra em
combustão deve resfriar os recipientes e alagar todo o local com água , pois esse produto chega a 160º C e também pode
explodir e produz gases venenosos.
SUBSTÂNCIAS TÓXICAS( VENENOSAS ) E SUBSTÂNCIAS INFECTANTES
O que representa seu número de riscos é a toxicidade. Essa classe se divide em :
6.1- Representa substâncias tóxicas.
6.2 – Representa substâncias infectantes.
Exemplo : NAFTILAMINA
Tem uma aparência sólida de marrom claro para escuro , tem odor semelhante a amônia.
MATERIAIS RADIOATIVOS
O que representa seu número de riscos é a radioatividade.
Exemplo : CÉSIO 137
É uma peça metálica que se encontra em aparelhos hospitalares.
CORROSIVOS
São os gases que atacam quimicamente uma substância provocando a corrosão nas mesmas, tais como metal,
roupas e tecidos.
Exemplo : ÁCIDO CLOROSSULFÔNICO
Seu número representado pela Onu é 88 , sua aparência é sem coloração , puxando para amarelo claro, odor ocre
sufocante , reage violentamente a água , emite gás venenoso , é explosivo.
SUBSTÂNCIAS PERIGOSAS DIVERSAS
O que representa seu número de risco é o risco de violenta reação espontânea.
Exemplo : MISTURA DE FOSFATO DE AMÔNIA
Tem uma aparência sólida oxigenada , não tem odor , é um produto corrosivo , se inalado causará tosse e
dificuldade respiratória.
Condições específicas para gases perigosos

Nos locais que armazenem acima de 250 kg de gases infectantes, tóxicos ou corrosivos devem ser observados os seguintes
requisitos:
* Possuir ventilação natural; * Estar o recipiente protegido de intempéries; * Estar o recipiente afastado, no mínimo, 50 m
de outros gases envasados, se não houver compatibilidade entre os mesmos; * Estar ao recipiente afastado, no mínimo, de
1,5 m de ralos, caixas de gordura e de esgotos, bem como de galerias subterrâneas e similares, quando possuírem peso
específico maior que “1”; *Os locais de armazenamento de gases devem estar afastados, no mínimo, 150 m de locais de

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 37


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
reunião de público, escolas, hospitais e habitações unifamiliares, no caso de gases infectantes, tóxicos e corrosivos com limite
de tolerância abaixo de 500 mg/kg.
Treinamento : Os operadores devem ser capacitados para prevenir acidentes e para executar as primeiras ações
emergenciais envolvendo emergências com produtos perigosos.
A capacitação dos operadores deve ser realizada conforme programa do curso de Movimentação de Produtos Perigosos –
MOPP e conforme a IT 17/11 – Brigada de incêndio.
Instalações nucleares ou radioativas
Deve seguir as exigências de segurança contra incêndios em edificações previstas no Decreto Estadual nº 56.819/11, no que
couber, além das exigências específicas das normas do CNEN.
Na solicitação de vistoria final do CB, deve ser apresentada a autorização de funcionamento expedida pelo CNEN, de acordo
com as normas CNEN-NE 1.04, 6.02 e 6.04.
Equipamentos de proteção individual (EPI)
5.6.1 As edificações ou áreas de risco em que se produzam, manipulem ou armazenem produtos perigosos devem dispor de,
pelo menos, dois conjuntos de proteção individual para o atendimento de emergências, os quais devem consistir de:
5.6.1.1 Luvas de cano longo específicas para cada tipo de produto perigoso;
5.6.1.2 Capacetes de segurança;
5.6.1.3 Máscara panorâmica com filtro específico para o produto, máscara polivalente ou máscara autônoma, de
acordo com o tipo de proteção exigido;
5.6.1.4 Roupa de proteção individual para ações de controle de vazamentos (nível A, B ou C), específica para cada tipo de
produto;
5.6.1.5 Botas específicas para cada tipo de produto;
5.6.1.6 Todos os EPI devem ter Certificado de Aprovação.
Plano de emergência
5.7.1 O responsável pela edificação ou área de risco deve coletar e disponibilizar todas as informações necessárias para
estabelecer o diagnóstico prospectivo de possíveis situações emergenciais.
5.7.2 As informações sobre os riscos e os procedimentos emergenciais devem fazer parte do Plano de emergência para
produtos perigos, elaborado de acordo com a IT 16/11 – Plano de emergência contra incêndio, no que couber.
5.7.3 O Plano de emergência deve prever os procedimentos e o suporte necessário de recursos operacionais, administrativos
e gerenciais para minimizar os efeitos do incêndio, explosão ou vazamento envolvendo produtos perigosos que possam
colocar em risco a segurança pública da comunidade local.
5.7.4 O Plano de emergência deve prever formulário específico para atendimento de ocorrências com produtos perigosos que
possam contaminar o meio ambiente, nos termos previstos na NBR 14064/03.
5.7.5 O Plano de emergência deve contemplar:
5.7.5.1 Identificação dos riscos existentes, conforme mapa de riscos físicos, químicos e biológicos expressos na Portaria nº. 25,
de 29 de dezembro de 1994, do Ministério do Trabalho;
5.7.5.2 Identificação com círculos coloridos dos riscos físicos, químicos e biológicos, de acordo com sua grandeza;
5.7.5.3 Indicação do número de trabalhadores expostos aos riscos e o tempo de abandono da edificação;
5.7.5.4 Relação de produtos perigosos e as respectivas Fichas de emergência, bem como a identificação em planta de risco do
local em que esteja armazenado cada um dos produtos;
5.7.5.5 Seguir as orientações sobre sinalização e rotulagem de todas as embalagens, cofres de carga, contêineres-tanque,
contendores intermediários para granéis (IBCs), para acondicionamento e armazenagem de produtos, de acordo com a Parte 4
- Disposições relativas a embalagens e tanques, e Parte 6 - Exigências para fabricação e ensaio de embalagens, contentores
intermediários para granéis (IBCs), embalagens grandes e tanques portáteis, da Resolução nº. 420/2004 da ANTT;
5.7.5.6 Procedimento para acionamento do Corpo de Bombeiros local.
5.7.6 Aplica-se subsidiariamente o disposto na IT 16/11 – Plano de emergência contra incêndio.
5.8 Atendimento emergencial
Durante as emergências, as empresas devem disponibilizar técnicos de segurança do trabalho ou engenheiros de segurança
para assessorar as decisões do comando do Corpo de Bombeiros no local.
DESCONTAMINAÇÃO DAS VÍTIMAS
A vítima será retirada do local e depois passará pelo processo de descontaminação pela zona quente, zona morna
e fria, logo após esse processo estará a equipe de primeiros socorros.

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 38


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo

COMUNICAÇÃO - 33
Para o uso adequado das comunicações, é necessário o emprego de um linguajar apropriado, o que estabelece
acima de tudo uma disciplina na comunicação, ou “de rede”, propiciando a confiabilidade das comunicações.
Código Internacional “Q”.
Este código simplifica as mensagens, garantindo rapidez na comunicação, sem perda da confiabilidade e da clareza
das expressões.
QAP NA ESCUTA QRV AS ORDENS QRU NOVIDADES PRA MIM
QSJ DINHEIRO QRF REFEIÇÃO QTR HORARIO
QRX AGUARDE QTO BANHEIRO QTI ESTOU A CAMINHO
QRM INTERFERÊNCIA QSO CONVERSA QSP PONTE DE UM HT PARA OUTRO
QRA NOME DO OPERADOR QTC MENSAGEM QSL ENTENDIDA A MENSAGEM
QSA COMO RECEBE QTH LOCAL QSL ENTENDIDA A MENSAGEM
TKS OBRIGADO QRS MAIS DEVAGAR QRQ MAIS RAPIDO
QRX AGUARDE QRF REFEIÇÃO QTA CANCELA A MENSAGEM
QRT ENCERRA A TRANSMISSÃO
Alfabeto Fonético: Visa basicamente utilizar as expressões convencionadas para evitar confusão na recepção.
A - ALFA J - JULIET S - SIERRA
B - BRAVO K - KILO T - TANGO
C - CHARLLES L - LIMA U - UNIFORME
D - DELTA M - MIKE V - VICTOR
E - ECO N - NOVEMBER X - XINGU
F - FOXTROT O - OSCAR Z - ZULU
G - GOLF P - PAPA Y - YANKEE
H - HOTEL Q - QUEBEC W - WHISKY
I - INDIA R - ROMEU
Pronúncia de números: Quando da transmissão de numerais, estes deverão ser pronunciados como segue:
0 = ZE – RO -NEGATIVO 5 = CIN – CO -QUINTO
1 = U – NO-PRIMO -PRIMEIRO 6 = MEIA DÚZIA-SEXTO
2 = DO – IS-SEGUNDO 7 = SE – TE-SETIMO
3 = TRÊS-TERCEIRO 8 = OI – TO-OITAVO
4 = QUA – TRO-QUARTO 9 = NO – VE - NONO
Algumas empresas adotam um código próprio para maior segurança de informação (código 10).

ABANDONO DE ÁREA - 34
O Plano de abandono da Edificação tem como objetivo é definir
procedimentos para os membros da Brigada de Abandono a fim de que em situações de
emergência, os ocupantes do prédio possam abandoná-lo com segurança.
A constituição de uma Brigada de Abandono é de três em cada andar, sendo
eles responsáveis por colocar o plano de abandono em prática, sendo que um será o
Cabeça de Fila, o outro o Cerra Fila, e terceiro será o Backup.
Cada um terá suas atribuições definidas, sendo que:
Ao Cabeça de Fila compete:
 Colocar a braçadeira de identificação azul, no braço esquerdo.
 Posicionar-se próximo à porta de acesso à escada de emergência.
 Coordenar as pessoas para que entrem na escada de emergência, formando uma fila.
 Orientá-las a descer segurando o corre-mão do lado esquerdo, sem atropelos.
 Manter a calma e organização.
 Caminhar até o andar térreo, dirigindo-se às ruas laterais ao edifício.
Ao Cerra Fila compete:
 Colocar a braçadeira de identificação vermelha, no braço esquerdo.
 Orientar as pessoa para se dirigirem à escada de emergência.
 Certificar-se que todas as pessoas abandonaram o andar, vistoriando todos os compartimentos como
banheiros, embaixo das mesas, atrás de armários, etc.
 Se encontrar alguém com problemas, procurar um meio de levá-la até a escada de emergência.
 Ser o último a sair do andar.
Ao Back up compete:
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 39
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
 Colocar a braçadeira de identificação amarela, no braço esquerdo.
 Efetuar levantamento (antecipado) para verificar se existem pessoas com problemas físicos, emocionais,
ou mulheres grávidas e idosos, para que sejam auxiliados durante o abandono.
 Providenciar substituto para o Cabeça de Fila, Cerra Fila ou para si próprio em caso de férias ou
afastamento temporário ou permanente da empresa, dando ciência ao Departamento de Segurança.
 Durante o abandono, auxiliar o Cabeça de Fila e o Cerra Fila, ou na ausência de um destes, substituí-los
provisoriamente.
 Assim como o Cerra Fila, deverá ser o último a abandonar o andar.
 Comunicar-se com a segurança para receber instruções.
Ocorrendo qualquer sinistro (incêndio, ameaça de bombas etc), o plano de abandono será colocado em prática,
sendo que o bombeiro será acionado através do alarme de incêndio ou ramal. Este, irá até o andar que o solicitou e
analisará a situação, caso haja necessidade de abandonar o prédio, a supervisão de segurança será informada e
imediatamente será dado início ao plano de abandono do prédio.
O sinal para o abandono do prédio será dado com três toques consecutivos do alarme de incêndio, com intervalo
de cinco segundos entre eles.
O andar sinistrado terá prioridade para abandonar o prédio, sendo que muitas vezes não será preciso abandonar o
prédio todo, mas somente o andar sinistrado.
A função dos bombeiros ao ser acionado em situações de emergência são:
 Atender ao chamado de emergência, imediatamente.
 Efetuar salvamento a possíveis vítimas.
 Combater o incêndio.
 Informar ao Supervisor ou Agente Patrimonial, a necessidade de colocar o plano de abandono em prática.

CONTROLE DE PÂNICO - 35
Em situações de emergência, as pessoas que não estão preparadas para tal situação podem expressar variados
impulsos ligados pela emoção, ocasionando inúmeras mudanças corporais e comportamentais provocadas pelo PÂNICO,
fazendo com que as pessoas tenham diversas reações como fugir, ocultar-se, fingir-se desmaiado ou de morto entre outras.
Nessas situações a atenção deve-se fixar na ameaça imediata, para melhor calcular a resposta a ser dada, quando
isso não acontece nota-se uma crescente inquietação tirando do seu portador a real capacidade de análise do perigo e a
possibilidade mais lógica de procedimentos, tais como:
 Não ficar parado na janela sem nenhuma defesa, pois o fogo procura espaço para se queimar e irá buscá- lo caso não esteja
protegido. Tentar arrombar a parede com o impacto de qualquer objeto que seja resistente, caso fique isolado. Manter-se
vestido e com as roupas molhadas.  Caso fique preso dentro de uma sala, jogar pela janela tudo que possa queimar
facilmente como cortinas, tapetes, cadeiras, plásticos, etc.  Procure algo, como uma mesa deitada e o tampo voltado para o
fogo, para se proteger do calor irradiado, que se propaga em linha reta. Não tentar salvar objetos, e sim salvar sua vida
primeiramente.  Toque as portas com o dorso da mão, caso esteja quente não
abrir, caso esteja fria, abrir vagarosamente ficando atrás dela protegendo contra a parede, pois o fogo que poderá estar do
outro lado, poderá atingí-lo diretamente no rosto ao receber o jato frio da porta aberta.

ACIONAMENTO DO CORPO DE BOMBEIRO - 36


O solicitante, ao ligar para o Corpo de Bombeiros pedindo auxílio, poderá estar emocionalmente afetado. Por este
motivo, o Bombeiro deve demonstrar confiabilidade e ter sensibilidade para filtrar os dados que são realmente
importantes para atendimento da ocorrência, tais como:
 Endereço.
 Natureza da ocorrência.
 Pontos de referência para localização.
 Possíveis vítimas.
 Detalhes da edificação ou local.
 Telefone utilizado.
 Nome do solicitante.
 Outros dados de interesse para o atendimento ou que for perguntado.
A rapidez é fundamental para o atendimento da ocorrência, sendo assim, tão logo o Centro de Comunicação seja
informado do endereço e da natureza do sinistro, transmitirá os dados ao posto de bombeiro mais próximo do local.

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 40


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo

BALIZAMENTO EM HELIPONTO - 37
PREFÁCIO
Este manual oferece informações sobre os principais procedimentos de balizamento,embarque e desembarque de
passageiro
OBJETIVO :
O objetivo é oferecer aos pessoal de combate a incêndio e resgate informações essenciais necessárias permitindo
que tenham acesso ás naturezas reais de problemas específicos envolvidos no desempenho eficaz das operações de
combate a incêndio e resgate com as aeronaves.
NOMENCLATURA
1. HABILITAR = Heliponto com todos os equipamentos e pessoas capacitadas para o atendimento.
2. ESTRICAÇÃO = Procedimentos para retirar vítimas de uma aeronave.
3. CRASH = A queda de uma aeronave.
4. EQUIPE DE APOIO = Equipe que resfria outra equipe.
5. CHEFE DE LINHA = Responsável por uma ação.
6. COMANDANTE DE OPERAÇÕES = Responsável por todas as ações e combate à principio de incêndio.
O objetivo é oferecer aos alunos do treinamento de heliponto conhecimentos e informações básicas sobre o assunto.
HELIPONTOS & HELIPORTO
Helipontos são áreas predestinadas a pouso e decolagem de aeronaves de asas rotativas. (HELICOPTEROS).
Construídas dentro dos padrões estabelecidos pela portaria ICA e registrados ou homologada pelo Ministério Dos três poderes
(Aeronáutica).
Helipontos Elevados:construídos em base elevadas e topos de edifícios com áreas de embarque e desembarque
restritas e com grades de proteção.
Helipontos Base Solo: construído em áreas especificas e autorizado pela MAER (Ministério da Aeronáutica),
devendo haver um sistema de segurança e proteção contra incêndio composta de um sistema de combate fixo e móvel.
Heliportos: heliponto publico dotado de instalações e facilidades para apoio de helicópteros e de passageiros, tais
como : pátio de estacionamento, estação de embarque e desembarque de passageiros, locais de abastecimento, estação
de comunicação radio autorizada,equipamento de manutenção, etc.
TIPOS DE HELIPONTOS & HELIPORTOS
Heliponto Militar: é um heliponto construído em área da União, sob Jurisdição Militar (forças armadas) podendo
ser utilizadas por civis, desde que autorizadas pela autoridade a quem o heliponto é jurisdicionado.
Heliponto Privado: é um heliponto construído em área particular por empresa privada ou pessoa física e
destinado ao uso dos helicópteros de seus proprietários ou de pessoas por eles autorizadas, sendo vedadas a sua utilização
em caráter comercial.
Heliponto Publico: é um heliponto construído em área publica da União, Estado ou Município destinado ao uso de
helicópteros em geral.
Heliponto Hospitalar: é um heliponto construído em área de hospitais e Pronto Socorro podendo ser de base solo
ou elevado predestinado ao pouso e atendimento de emergência.
Caso haja hidrante no heliponto, este deve ser equipado com esguicho regulável.
Qualquer que seja o tipo de extintor utilizado deve haver pessoal habilitado para sua operação, conforme previsto na IT 17 –
Brigada de incêndio.
5.4.6.5 Pelo menos 2 dos homens encarregados da proteção contra incêndios e das operações de salvamento devem dispor
de EPI específico para fogo e salvamento (capa, bota, capacete, bala clava e luvas).
5.4.6.6 Deve haver, em local protegido e devidamente sinalizado, ferramentas portáteis de arrombamento, serra
manual para metais e escada articulada ou de apoio, com altura compatível com as dimensões do helicóptero.

Avisos de segurança
5.2.1 Em todos helipontos devem ser colocados cartazes contendo avisos de segurança, com vistas a evitar acidentes com
pessoas que transitem pela área de pouso e suas imediações. Tais avisos devem conter recomendações expressas,
principalmente para o caso de aproximação de pessoas, embarque de carga com ou sem pessoal, estando os rotores do
helicóptero em movimento.
Ênfase deve ser dada aos avisos visando evitar colisão de pessoas com o rotor de cauda dos helicópteros.
5.2.2 Não é permitido fumar dentro do raio de 15 m da área de pouso/decolagem, devendo ser afixados avisos de
“Proibido Fumar” em todos os pontos de acesso.

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 41


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Tabela de dimensionamento de Capacidade em Kg Quantidade de extintores e respectivas capacidades extintoras
extintores em helipontos Tipo de
heliponto
Helipontos ao nível do solo Até 4.500 Kg 04 (quatro) extintores de pó B:C de 20-B:C cada um;
02 (dois) extintores sobrerrodas de espuma mecânica de 40-B cada um.

Helipontos elevados Até 4.500 Kg 06 (seis) extintores de pó B:C de 20-B:C cada um;
01 (um) extintor sobrerrodas de pó B:C de 80-B:C;
03 (três) extintores sobrerrodas de espuma mecânica de 40-B cada um.

Acima de 4.500 Kg 06 (seis) extintores de pó B:C de 20-B:C cada um;


01 (um) extintor sobrerrodas de pó B:C de 80-B:C;
05 (cinco) extintores sobrerrodas de espuma mecânica de 40-B cada
um.
LEGENDA DE DESIGNAÇÃO DE HELIPONTOS
Letra M no centro da área do pouso heliponto MILITAR
Letra P no centro da área de pouso heliponto PRIVADO
Letra H no centro da área de pouso heliponto PÚBLICO
Letra H + Cruz no centro da área de pouso heliponto HOSPITALAR

FORMAS & DIMENSÕES


2
Heliponto Quadrado 18 m lado área de segurança
2
12 m lado área de toque
2
5 m lado área de pouso
Heliponto Retangular 18 m lado menor área de segurança
2
12 m lado área de toque
2
5 m lado área de pouso
Heliponto Circular 12 m de raio de segurança
6 m de raio de segurança
5 m área de pouso
INDICADOR DO VENTO ( BIRUTA )
A Biruta é formada por um cone de nylon, que devera ficar acima do piso do heliponto, visível de
qualquer de qualquer setor com condições de girar livremente por ação do vento.
No caso de helipontos sinalizados para operação noturna, a biruta também devera ser iluminada.
SISTEMA DE ILUMINAÇÃO NOTURNA
Heliponto Retangular e Quadrado deverão ter no mínimo cinco lâmpadas nas suas laterais com distância entre
elas de cinco metros.
As sinalizações luminosas de balizamento para as aeronaves devem possuir autonomia mínima de 120 min para funcionamento na ausência
de fornecimento de energia elétrica pela concessionária local, de forma análoga ao sistema de iluminação de emergência.
EMBARQUE E DESEMBARQUE DE PASSAGEIROS
Ao reunir um grupo de pessoas para embarcar, dê-lhes conselhos de segurança e mantenha-os para trás e para o
lado da área de pouso. Isso Dara ao piloto facilidade para efetuar um pouso de emergência.
Os passageiros ou tripulantes devem se aproximar da aeronave pela frente (proa) jamais se aproximar da
aeronave pela retaguarda.
Depois de acomodados os passageiros nos seus respectivos assentos, afivelar seus cintos de segurança sem folga.
Fechar as portas e bagageiros, a bagagem deve sempre ser amarradas por rede própria no interior da aeronave.
No desembarque abrir a porta, soltar seu cinto de segurança, impedir que o passageiro se aproxime da cauda da
aeronave, tal procedimento poderá ser mortal ocasionando acidente fatal.
Este manual oferece informações sobre os principais procedimentos de balizamento, embarque e desembarque
de passageiros e combate a incêndio.
O objetivo é oferecer aos formandos do curso de heliponto total conhecimento e informações sobre as áreas de
pouso, generalidade das aeronaves, problemas específicos e princípios de incêndio junto as aeronaves.

REGRAS DE SEGURANÇA E CUIDADOS


 Aproximar-se ou afastar-se meio abaixado junto à aeronave,
 Em terreno inclinado, movimente-se pela descida,
 Aproximar-se ou afastar-se no campo de visão do piloto,
 Transportar objetos longos horizontalmente abaixo da cintura,
 Segurar objetos de uso pessoal firmemente junto ao corpo,
 Ao embarcar colocar o cinto de segurança logo ao entrar no helicóptero,
 Cuidado com animais de estimações ( gaiolas ).

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 42


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo

BALIZAMENTO

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 43


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo

AMEAÇA DE BOMBA - 38
CRISE
Segundo o FBI, CRISE é “Um evento ou situação crucial, que exige uma resposta especial da POLÍCIA, a fim de
assegurar uma solução aceitável.”
Solução Aceitável
 Salvar Vidas
 Aplicar a Lei
Gerenciamento de Crise é o processo de identificar, obter e aplicar os recursos necessários à antecipação,
prevenção e resolução de uma crise.

CRITÉRIO DE AÇÃO

Necessidade : Qualquer ação deve ser implementada, somente quando for indispensável.
Validade do Risco: Os riscos compensam os resultados?
Aceitabilidade: Toda ação deve ter embasamento Legal, Mora e Ético.

PERFIL DO TERRORISTA

inteligente * técnico * muito motivado *objetivo definido * Demonstração de força

O terrorista confecciona uma bomba e coloca em algum local, em seguida liga e diz que tem uma bomba que está em um
determinado local, chegando até o local realmente a bomba existe, mas se trata somente de uma ameaça.

Conclusão : Ele está provando que se quiser explodir aquele lugar ele consegue.
O QUE PODE SER UMA BOMBA?
Objetos, pacotes, ou qualquer coisa abandonada em locais extratégicos.
O QUE É LOCAL ESTRATÉGICO?
Recepção, escadas, hidrantes, portarias, banheiros, elevadores, casa de máquinas, entre outros.

CORRESPONDÊNCIA
NÃO RECEBER correspondência e pacotes que apresentarem:
 Manchas  Rígidos  Volumosas  Selos em excesso  Carimbos ou indicações de
restrições  Sem endereço de retorno  Vestígios de pó  Endereçamento ao cargo ou sem
destinatário  Enviado do exterior  Erros de português  Fios visíveis  Odor estranho
 Formato irregular  Com peso desigual concentrado em uma das partes

TIPOS DE BUSCA
Estas técnicas são desenvolvidas para efetuar a busca de artefatos não identificados em edificação desocupada,
método eficiente quando aplicado de forma criteriosa.

Zigue – Zague
Trata-se de uma busca em forma de zig-zag tendo como início uma extremidade do ambiente, sendo deslocado
até a outra áté o final do ambiente.
Espiral
Trata-se de uma forma em espiral de busca que começa no centro do ambiente e vai irradiando até alcançar as
paredes, técnica mais utilizada em ambientes abertos, tais como escritórios, agências bancárias, entre outras.

INTERLOCUÇÃO COM AMEAÇADOR


 Mantenha a Calma  Conversar com o ameaçador  Procurar obter o máximo de informações
 Perguntar onde esta a bomba  Com o que se parece  Qual o motivo da ameaça
 Identificar se o ameaçador tem algum sotaque  Identificar o sexo  A que hora esta programada
 Anotar as palavras exatas do ameaçador  Levar ao conhecimento de seu superior  Não se ausente do
serviço  Não mencione a ameaça a outras pessoas

PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA - 39
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
Todos os produtos químicos possuem um limite de tolerância, que é o limite máximo ao qual uma pessoa pode
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 44
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
ficar exposta durante 08 horas por dia sem adquirir uma doença ocupacional. Todo ambiente que possuir uma
concentração de contaminante acima do valor do LT é considerado uma área insalubre.
Quando existir uma área insalubre devem ser tomadas algumas medidas para eliminar o problema, quais sejam:
 Mudança no processo industrial (troca de matéria-prima)
 Instalação de equipamentos de Proteção Coletiva, também conhecidos por EPC’s (exaustores, capelas,etc)
 Aplicação de Equipamentos de Proteção Individual que atendem a necessidade de proteger o trabalhador.
Os equipamentos de Proteção Respiratória estão divididos em dois grandes grupos:
 Equipamentos Dependentes
 Equipamentos Independentes
EQUIPAMENTOS DEPENDENTES
São aqueles que dependem do oxigênio local para que o usuário possa respirar. Estes equipamentos só podem ser utilizados
quando conhecemos a concentração do oxigênio (que não pode ser inferior a 18% em volume ao nível do mar) e dos
contaminantes. São exemplos de equipamentos dependentes as máscaras com filtros. Observação: O conjunto formado por
máscara e filtro recebe o nome de respirador.

FILTROS RESPIRÁTORIOS
Os filtros são utilizados para a retenção dos contaminantes presentes no ar ambiente.
Os contaminantes que podem estar presentes são os seguintes:
 Aerodispersóides, que são partículas sólidas ou líquidas que ficam no ar
 Gases e Vapores tóxicos
Os filtros estão disponíveis em três tipos são eles:
 Filtro de ação mecânica
 Filtro de ação química
 Filtros combinados
FILTRO DE AÇÃO MECÂNICA.
São utilizados para retenção de aerodispersóides. Utilizam o mesmo princípio de barreira mecânica que uma rede
de pesca no mar, daí serem denominados filtros de ação mecânica. O material empregado para confecção destes filtros é o
papel (na verdade não é o mesmo tipo de papel que empregamos para escrever, mas sim uma polpa de celulose
especialmente tratada para este fim).
FILTROS DE AÇÃO QUÍMICA
Os filtros de ação química são utilizados para reter os gases e vapores.
O principio de retenção dos filtros químicos, como o nome já indica, é o de reações químicas, as quais ocorrem entre
gases e vapores tóxicos e um elemento de absorção ou adsorção.
Os filtros de ação química empregam o carvão ativo como agente de retenção de gases e vapores tóxicos devido a sua
microporosidade, que pode ser percebida quando observamos em um microscópio. A diferença básica entre um carvão
normal e o ativo é que os poros do ultimo estão totalmente limpos (o que se consegue através de ativação do carvão), o
que confere a ele um grau de adsorção muito elevado para quase qualquer tipo de gás ou vapor.
Os principais tipos de filtros químicos, com diferentes tipos de carvão, são os seguintes.
 Filtro A (marrom): utiliza carvão ativo simples sem impregnante, sendo recomendado para retenção de vapores
orgânicos de modo geral (gases e vapores de PH neutro)
 Filtro B (cinza): utiliza carvão ativo com impregnante á base de produtos alcalinos. É recomendado quando os
contaminantes forem gases ácidos, solventes halogenados, ácido cianídrico, fosfina, cloro, gases inorgânicos,
etc (todos os gases aqui indicados possuem características ácidas)
 Filtro E (amarelo): utiliza carvão ativo com impregnante específico para retenção de dióxido de enxofre.
Pode ser substituído pelo filtro com carvão tipo B.
 Filtro K (verde): utiliza carvão ativo com impregnante á base de produto ácido e é recomendado contra amônia,
aminas, hidrazinas, ou seja, substâncias que gerem gases e vapores alcalinos.
Existem ainda outros tipos de filtros químicos, tais como:

2
Filtro para CO (preto): o monóxido de carbono não é retido no carvão ativo, sendo, portanto, necessário o
emprego de outro método. Neste tipo de filtro é utilizado um catalisador metálico, que transforma o monóxido
de carbono em dióxido de carbono, com o auxílio do oxigênio do ar. É um tipo de filtro que possui vida muito
curta. Deve ser recomendado apenas para situações muito específicas.
 Filtro contra Mercúrio – Hg (vermelho): este tipo de filtro possui um coagulante de mercúrio como
impregnante do carvão ativo. Só deve ser recomendado em situações especiais.
 Filtro contra NO (azul): o monóxido de nitrogênio não é retido com facilidade por outros tipos de carvão ativo,
sendo, utilizado, desta forma, um impregnante diferenciado de pouco uso
 Filtro Multi Uso: Existem alguns filtros que possuem um carvão ativo especialmente preparado para reter não
apenas um tipo de contaminante mas uma grande mistura deles. Estes filtros são chamados de ABEK, uma vez que
o carvão nele contido consegue reter os mesmos gases e vapores que os filtros A,B,E e K.
VIDA ÚTIL DOS FILTROS.
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 45
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Tanto os filtros de ação química como os de ação mecânica, e também os combinados, possuem uma vida útil que
vai depender dos seguintes pontos:
 Concentração de contaminantes no ar  Tipo de contaminante  Tipo de trabalho executado
 Tamanho do filtro que está sendo empregado umidade relativa do ar  Estado em que se encontra o
respirador  Temperatura do ambiente
FILTROS COMBINADOS
Os filtros combinados, como o próprio nome indica são aqueles que combinam a ação química com a mecânica, Isto é,
possuem elemento filtrante de papel, bem como carvão ativo.
Os filtros combinados devem ser empregados quando a presença de gases e vapores tóxicos existirem em conjunto com a
presença de aerodispersóides.
TIPO DE MÁSCARA
Peça confeccionadas em neoprene (borracha sintética) ou silicone que, em conjunto com o filtro, isola as vias respiratórias
superiores dos contaminantes existentes no ambiente.
As máscaras podem ser semi faciais, quando apenas cobrem as vias aéreas superiores, ou faciais, quando cobrem toda face,
inclusive os olhos. Existe ainda uma classe especial de semi-máscara- denominadas máscaras de fuga – que são específicas
para abandono de áreas onde ocorre o vazamento de contaminantes.
No campo das semi-máscaras ainda encontramos mais um tipo de equipamento, que são as semi-máscaras
descartáveis (ou isentas de manutenção).
Máscaras Semi-Faciais : Também chamadas de semi-máscaras, são as de emprego mais comum nas industriais. De
maneira geral são simples e de fácil emprego. Cobrem apenas as vias aéreas superiores do usuário. São elas:
Máscaras Descartaveis: As máscaras descartáveis também recebem o nome de respiradores isentos de
manutenção. Apesar de serem confeccionados em materiais diferentes do mercado nos filtros mecânicos, elas passam pelo
mesmo teste de penetração inicial, bem como de resistência á inalação.
As máscaras descartáveis também possuem graus de filtração P1 P2 e P3, porém devem ser utilizadas em
situações onde a concentração dos aerodispersóides não é tão elevada. O motivo pelo qual as semi-máscaras descartáveis
não devem ser empregadas em locais onde a concentração não é tão elevada é que o desenho de uma máscara descartável
não veda o rosto do usuário da mesma maneira daquela que possui um corpo de borracha macio.
EQUIPAMENTOS INDEPENDENTES
Definição: os equipamentos independentes são aqueles que não dependem do ar atmosférico local para fornecer
ar (oxigênio) para que o usuário continue respirando. Está é a classe de equipamentos adequada para trabalhos em
ambientes onde a concentração de contaminantes é muito elevada, ou quando existe deficiência de oxigênio.
A fonte de ar respirável para o usuário pode ser proveniente de dois pontos diferentes:
 De um ambiente externo  De um reservatório hermético
Os equipamentos que se enquadram na primeira hipótese são chamados de equipamentos de linha de ar
mandado, o que significa que a fonte de ar para o usuário é o fluxo de ar que escoa por um sistema de mangueiras de ar
pressurizadas ou não.
Já os equipamentos que se enquadram na segunda hipótese são equipamentos que possuem uma reserva de ar
respirável – normalmente um cilindro de alta pressão – e são comumente chamados de equipamentos autônomos.
O nome equipamento autônomo provem do fato de esta segunda classe de equipamentos permitir o livre
movimento do usuário, enquanto que a primeira o limita a seguir sempre o caminho onde existem as mangueiras.
As aplicações destes tipos de equipamentos são diversas, e aqui falaremos um pouco mais sobre a sua utilização
prática.

PROTEÇÃO AUTÔNOMA - PA - 40
Os equipamentos autônomos diferem dos equipamentos de linha de ar basicamente pelo fato de os mesmos
possuírem uma reserva de ar respirável.
Existem dois grupos de equipamentos autônomos:
 Os de circuito aberto, que são aqueles onde o ar exalado pelo usuário escapa para o ambiente.
 Os de circuito fechado, que são aqueles onde o ar exalado pelo usuário é regenerado pelo equipamento.
Os equipamentos autônomos de circuito aberto são os mais comumente encontrados devido ao seu custo menor
e facilidade operacional maior. Já os equipamentos autônomos de circuito fechado são mais complexos, porém, para
algumas situações são essenciais.
A grande vantagem dos equipamentos autônomos em relação aos de linha de ar é a mobilidade, que nesse caso é
total.
EQUIPAMENTOS AUTÔNOMOS DE CIRCUITO ABERTO
Estes equipamentos podem ser divididos em cinco partes:
 Peça facial

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 46


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
 Válvula de demanda
 Regulador de pressão
 Suporte com arreios e cinto
 Cilindro de ar comprimido
PEÇA FACIAL : Atualmente os equipamentos considerados seguros são os que proporcionam o efetivo PP (Pressão Positiva).
Este efeito PP é conseguido através de um deslocamento da alimentação da válvula de demanda, que envia uma pequena
quantidade a mais de ar para a máscara facial, que, no entanto, não escoa para o ambiente, pois a mola que calça a válvula de
exalação da máscara atua em sentido contrário, criando assim, um colchão de ar com pressão interna maior que a
pressão externa. O fato deste tipo de equipamento ser considerado mais seguro é devido a este colchão de ar não permitir
que os contaminantes entrem, seja por uma ruptura do visor ou rachadura do corpo da máscara, etc. Nos equipamentos
autônomos fica muito evidenciada a necessidade de mascarilha interna, bem como a membrana acústica.
VÁLVULA DE DEMANDA: Em um equipamento autônomo a reserva de ar comprimido não é muito grande, portanto a
economia deste ar é essencial a válvula de demanda tem como único objetivo economizar o ar do cilindro, fornecendo a
quantidade necessária para que o usuário respire sem nenhuma dificuldade.Antigamente as válvulas de demanda eram
grandes, pesadas, de funcionamento duvidoso e desconfortáveis; no entanto, hoje em dia dispomos de válvulas de última
geração que são pequenas, extremamente confiáveis e de alto desempenho, além de não necessitarem de ferramentas
para manutenção básica.
REDUTOR DE PRESSÃO: É na verdade o coração da PA, pois recebe o ar comprimido a pressões muito elevadas e reduz a
pressões medianas de trabalho. A redução final da pressão é de responsabilidade da válvula de demanda.
A função do redutor de pressão não é só reduzir a pressão,mas também enviar ar a alta pressão para um manômetro de
indicação da quantidade de ar disponível dentro do cilindro, bem como possuir integrado a ele, ou a uma saída dele, um
alarme sonoro que soa quando a pressão do cilindro cai a um certo valor (+/- 55 bar), e, se possível, mais uma saída para uma
segunda conexão com mais de uma válvula de demanda; e por fim um sistema de segurança, que na verdade é uma válvula
de alívio, caso a pressão interna aumente muito.
O s redutores de pressão, principalmente os antigos trabalham com varias peças internas (cerca de 60 peças) e precisam
passar por revisões anuais (de preferência); já o novo redut or de pressão possui menos peças, opera com um novo princípio
e só necessita de uma checagem interna a cada 06 anos.
Outro ponto de extrema importância é que o novo redutor de pressão permite usar cilindros que trabalham com diferentes
pressões (ex.200 e 300 bar) sem nenhum tipo de ajuste.
SUPORTE COM ARREIOS E CINTO: Esta peça tem como função básica unir o redutor de pressão ao cilindro e mantê- los
junto ao usuário. Deve ser leve e anatômica. Os arreios e o cinto devem ser fortes e facilmente ajustáveis.
CILINDROS: Os cilindros podem ser confeccionados com diferentes tipos de metais. O mais comum e mais barato ainda é o
cilindro de aço, porém é o mais pesado. Há cerca de 16 anos surgiram novos tipos de cilindros (EUA) que empregam o
alumínio revestido com fibra (de vidro, Kevlar, e mais recentemente de carbono), que é denominado cilindro de composite.A
grande vantagem deste novo tipo de cilindro é o peso, mas, por outro lado, sua vida útil é mais curta (exige um
numero maior de teste hidrostático) e o preço é bem maior.
Vale ressaltar que os cilindros dos equipamentos autônomos trabalham com pressões muito elevadas (200/300 bar) e devem
passar por testes hidrostáticos a cada cinco anos no caso dos cilindros de aço, e três anos, quando de composite.
LIMPEZA DOS EQUIPAMENTOS: Lavar a peça facial com detergente neutro e água, pondo-a para secar em local fresco e
ventilado e á sombra. Solventes, tais como acetona, álcool e gasolina, não devem ser usados na higienização, pois atacam o
visor de acrílico. A higienização do restante do equipamento é feita com um pano limpo e úmido. O uso de um mesmo EPR
sem a devida higienização, possibilita o risco de contaminação por moléstias transmissíveis. Após o uso, uma peça facial
poderá conter sudorese, sangue, saliva e secreções, portanto a desinfecção é essencial para eliminação de microorganismos
como vírus, bactérias e fungos.

TRABALHO EM ESPAÇO CONFINADO - 41


INTRODUÇÃO
O trabalho em espaço confinado tem uma parcela representativa dos trabalhos realizados dentro das industrias ,
esse tipo de trabalho exige muitos cuidados pois os índices de acidentes tem crescido grandemente no Brasil e no mundo.
A seguir iremos demonstrar aos leitores desse trabalho os cuidados que os trabalhadores da área tem que estar
atentos , tenham uma boa leitura.
ESPAÇO CONFINADO
Espaço confinado é qualquer área ou espaço que não foi projetado para a continua ocupação, e que possua meios
limitados de entrada e saída, e na qual a ventilação é insuficiente para remover contaminantes perigosos ou
enriquecimento ou deficiência de oxigênio que possa existir ou se desenvolver. São exemplos de espaço confinado : caixas
de inspeção , galerias , torres , dutos , reatores , tanques de líquidos inflamáveis , escavações subterrâneas, dentro de
todos esses locais citados existem vários riscos que podemos classificá-los em : riscos químicos, físicos , biológicos ,
ergonômicos e incêndios.
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 47
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Riscos Químicos: São substâncias ou produtos químicos que podem contaminar um ambiente de trabalho, substância que
se encontradas em quantidades superiores aos limites estabelecidos por lei prejudicam a saúde humana, podem encontrar
na forma de gases vapores e aerodispersóides.
Riscos Físicos: São intercâmbios bruscos de energia entre o organismo e o ambiente, em quantidade superior aquém que o
organismo é capaz de suportar tais como: ruído, frio, calor, vibrações, pressões.
Riscos Biológicos: São os organismos prejudiciais que possam acarretar doenças: Vírus, bactérias, parasitas e fungos.
Riscos de Incêndio: É uma reação de oxidação, auto-sustentável, com liberação de luz, calor, fumaça e gases que podem ser
de classe: A , B , C e D.
ATMOSFERA DE RISCOS: Atmosfera de risco é quando a condição de uma atmosfera de um espaço confinado possa oferecer
riscos ao locl ou expor os trabalhadores ao perigo de morte, incapacitação, e restrições das habilidades de auto-resgate,
lesão ou doença aguda. Existem alguns riscos principais que iremos citar adiante:
DEFICIÊNCIA DE OXIGÊNIO : Podemos encontrar atmosferas ricas em oxigênio que contém mais de 23% de oxigênio do
volume, e atmosferas pobres de oxigênio que contém menos de 19,5% de oxigênio de volume. A deficiência de oxigênio poder
ser por deslocamento ( ex: vazamento de nitrogênio no espaço confinado ) e consumo de oxigênio ( ex: oxidação de superfície
metálica no interior de tanques ) ;
LIMITE DE INFLAMABILIDADE : Para o gás queimar, há necessidade de que esteja em uma mistura ideal com o ar atmosférico
e , portanto , se estiver numa concentração fora de determinados limites, não queimará. Cada gás ou vapor tem seus limites
próprios. Por exemplo, se num ambiente há menos de 1,4 % ou mais de 7,6% de vapor de gasolina não haverá combustão,
pois a concentração de vapor de gasolina nesse local está fora do que chamamos de mistura ideal , ou limites de
inflamabilidade.
SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS : Dependendo do lugar onde está sendo realizado o trabalho pode-se encontrar alguns
contaminantes que prejudicam a saúde com concentrações acima do Limite de Tolerância até Imediatamente Perigosa á Vida
e a Saúde – IPVS ( ex: monóxido de carbono LT acima de 25 ppm e IPVS de 1200 ppm) ou contaminantes que formam-se
durante o trabalho , exemplo de um processo de solda com a formação de fumos metálicos , ou gases resultantes de
lavagem de tanques , gases encontrados em galerias subterrâneas resultantes de deterioração de matérias orgânicas.
TREINAMENTO EM ESPAÇO CONFINADO :
Os trabalhos realizados em espaço confinado devem ser realizados com pessoas devidamente treinadas, pois os
riscos que oferecem como vimos são muitos , o treinamento serve para que trabalhador adquira capacitação,
conhecimento e habilidades necessárias para o desempenho seguro de suas obrigações.
O conteúdo desse treinamento será :
 definição de espaço confinado;  riscos de espaço confinado ;  identificação de espaço confinado ;
 avaliação de riscos ;  controle de riscos ;  calibração e/ou teste de resposta de instrumentos utilizados ;
 certificado do uso correto de equipamentos utilizados ;  resgate ;  primeiros socorros ;  ficha de permissão ;
Após o treinamento ser realizado com êxito o trabalhador estará apto a trabalhar no espaço confinado, antes de
adentrar no local deve conhecer os riscos e as medidas de prevenção que possam encontrar durante a entrada.
Informações sobre o modo, sinais ou sintomas e consequências da exposição de produtos que possa encontrar.
Todo trabalho deve ser feito com no mínimo duas pessoas: a pessoa que irá desempenhar o trabalho e o vigia.
VIGIA :
Os deveres do vigia são :
 conhecer os riscos e as medidas de prevenção que possam ser enfrentadas durante a entrada
 estar ciente dos riscos de exposição dos trabalhadores autorizados
 manter continuamente uma contagem do número de trabalhadores autorizados no espaço confinado e assegurar
que os meios usados para identificar os trabalhadores sejam exatos na identificação
 permanecer fora do espaço confinado junto a entrada , durante as operações , até que seja substituído por outro
vigia ;
 acionar a equipe de resgate quando necessário
 operar os movimentadores de pessoas em situações normais ou de emergência.
 Manter comunicação com os trabalhadores para monitorar o estado deles e para alertá-los quanto a
necessidade de abandonar o espaço confinado ;
 Não realizar tarefas que possam comprometer o dever primordial que é o de monitorar o proteger os
trabalhadores

EQUIPAMENTOS NECESSÁRIOS PRA TRABALHO EM ESPAÇO CONFINADO


Para realização do trabalho em espaço confinado é necessário alguns equipamentos que dividimos em :
 equipamentos de proteção individual ;  equipamentos de proteção respiratória ;
 equipamentos de ventilação mecânica ;  equipamentos de comunicação ;
 equipamentos de iluminação ;  equipamentos de detecção de gases e vapores ;
 equipamentos de primeiros socorros ;  equipamentos de proteção contra quedas ;
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇAO INDIVIDUAL
O equipamento de proteção individual tem a finalidade de neutralizar ou , na pior das hipóteses , atenuar a ação
do agente agressivo contra o corpo do usuário. Podemos classificar os EPI’s agrupando-os segundo a parte do corpo a que
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 48
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
se destina proteger..
Proteção para o crânio: Capacete , sua finalidade é proteger o crânio principalmente contra quedas de objetos
provenientes de níveis elevados , e esses capacetes são encontrados com abas frontais ou inteiriças ; esse último
proporciona maior área de proteção nos casos de queda de objetos e de contato elétrico.
Protetor para o rosto: São conhecidos pelo nome de protetor facial , sua finalidade é proteger o rosto cont ra impacto
de partículas, respingos de produtos químicos e ação de radiação caloríficas ou luminosas.
Protetor para os olhos: Os óculos de segurança têm a finalidade de proteger os olhos contra impactos de estilhaços ,
particulas , fagulhas , respingos de produtos químicos e metais fundentes , assim como contra radiações luminosas.
Proteção auricular: O protetor auricular tem a função de proteger o sistema auditivo de ruídos provenientes do ambiente de
trabalho não não deixando ultrapassar os limites previstos em lei.
Proteção para os membros superiores: A luva tem a função de proteger a mão de contato direto com materiais
cortantes, abrasivos, quentes e corrosivos. Grande parte das lesões são atenuadas pelo uso das luvas.
Proteção para os membros inferiores: O calçado de segurança tem a função de proteger os pés de quedas de objetos
pesados , para proteção contra esse risco é indicado o uso de sapato com biqueira de aço. Para proteção dos membros
inferiores encontramos também as perneiras que cobrem só a perna ou podem chegar até a coxa.
As perneiras longas são empregadas em trabalhos com produtos químicos, líquidos e corrosivos em ambos os caso tanto
curta como na longa existe uma pala que protege a entrada de corpos agressivos pelas possíveis frestas do cal çado.
Proteção do tronco: São aventais e vestimentas especiais que protegem os trabalhadores contra os mais variados agentes
agressivos . São eles :
Avental de raspa de couro : usados por soldadores é também contra so riscos de cortes e atritos tais como no
manuseio de chapas grandes com arestas cortantes.
Avental de fio sintético : usados para trabalhos a quente, não é inflamável , a fibra de vidro, por ser um pouco mais
leve , torna-se mais conveniente do que o amianto.
Avental de plástico : usados para o manuseio de ácidos ou produtos químicos , serve para evitar a umectação da
roupa do trabalhador.

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA- 42


O equipamento de proteção respiratória tem a finalidade de impedir que as vias aéreas sejam veículos de gases ou
outras substâncias nocivas ao organismo. Esses EPI’s são os que assumem maior responsabilidade na preservação da
integridade física dos trabalhadores.
Existem vários tipos de equipamentos de proteção respiratória :
EQUIPAMENTOS DEPENDENTES : que dependem do oxigênio local para que o usuário possa respirar. só podem ser
usados quando conhecemos a concentração de oxigênio do ambiente ( que não pode ser inferior a 18% em volume ao nível
do mar ) , e dos contaminantes .
Esses equipamentos são dotados de máscara e de filtro recebendo o nome do respirador.
Filtro de ação mecânica: Material fibroso que retém as partículas de poeiras, fumos, névoas, etc.
Filtro de ação química: Composto de um receptáculo cheio de carvão ativo absorvente de determinados vapores , tais
como os derivados de petróleo , de álcool , etc.
Filtro combinado: São os filtros que combinam a ação química e a mecânica.
Os principais tipos de filtros químicos , com diferentes tipos de carvão , são os seguintes :
Existem vários tipos de máscaras :
Máscara semi-facial: cobre parcialmente o rosto, mais precisamente boca e nariz.
Máscara facial: cobre todo o rosto, havendo nesse caso um visor panorâmico.
Equipamento independente: são equipamentos que não dependem do ar atmosférico local para fornecer ar ( oxigênio )
para que o usuário continue respirando. Esta é a classe de equipamentos adequada para trabalhos em ambientes onde a
concentração de contaminantes é muito elevada, ou quando existe deficiência de oxigênio.
A fonte de ar respirável para o usuário pode ser proveniente de dois pontos diferentes:
De um ambiente externo : equipamento de linha de ar.
De um reservatório hermético: equipamento autônomo.
EQUIPAMENTO DE LINHA DE AR : a linha de ar deve sempre fornecer pronta quantidade de ar respirável ao
usuário independentemente do tipo de trabalho a ser executado. Um ponto de extrema importância é a qualidade do ar
comprimido que será fornecido ao usuário deve ser isento de:
* Pó e poeira * Óleo ( neblina ) * Água ( geralmente emulsionada com óleo ) * Odores incômodos * Gases e vapores tóxicos
Para garantir a qualidade do ar respirável em uma linha de ar existem equipamentos específicos para purificar o ar
comprimido.
EQUIPAMENTO AUTÔNOMO : os equipamentos autônomos diferem só de equipamentos de linha de ar
basicamente pelo fato de os mesmos possuírem uma reserva de ar respirável. A grande vantagem dos equipamentos
autônomos em relação aos de linha de ar é a mobilidade que nesse caso é total.
EQUIPAMENTOS DE VENTILAÇÃO MECÂNICA
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 49
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Em diversos processos industriais (como soldagem , manipulação de pós , líquidos voláteis , etc.) há emissão de
poluentes que podem representar uma séria ameaça à saúde dos trabalhadores.Exaustão mecânica é o método
mais eficiente para captar estes poluentes antes que atinjam a zona de respiração dos operadores ou contaminem o
ambiente de trabalho, levando parte ou todos os poluentes através de tubos flexíveis para fora do espaço confinado
tornando o ambiente mais saudável para o trabalhador. Existem equipamentos que também insuflam gases inertes
procedimento chamado de inertização, que é um procedimento de segurança num espaço confinado que visa evitar uma
atmosfera potencialmente explosiva através do deslocamento da mesma por um fluído inerte. Este procedimento
produz uma atmosfera IPVS ( Imediatamente Perigosa a Vida ou a Saúde ) deficiente de oxigênio.
EQUIPAMENTOS DE COMUNICAÇÃO
São equipamentos que não são capazes de liberarem energia elétrica ( faísca ) ou térmica suficiente para , em
condições normais ( isto é abrindo ou fechando o circuito ) ou anormais ( por exemplo , curto-circuito ou falta à terra ) ,
causar a ignição de uma dada atmosfera explosiva, conforme expresso no certificado de fabricante.
EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO
Iluminação conseguida através de luminária em total condição de estanqueidade, além de dotadas de fiação ou
cabeamento sem emendas de preferência em toda a sua extensão. Deve se ter também sistema ou equipamento de
iluminação de emergência que possa vir a ser acionado sempre que vier a ocorrer falha na iluminação normal.
EQUIPAMENTOS DE DETECÇÃO DE GASES E VAPORES
Antes de começar o trabalho no espaço confinado é medido.a concentração do contaminante tóxico ou inflamável
, que possivelmente esteja presente comum equipamento de leitura chamado de explosímetro e também da concentração
de oxigênio devem ser medidas antes que seja permitida a entrada de qualquer pessoa em espaço confinado com
oxímetro. Deve-se também, fazer a leitura durante todo o tempo de trabalho, esse monitoramento das concentrações e
uma ventilação forçada devem ser mantidos, mesmo que as concentrações medidas inicialmente estejam abaixo do limite
de tolerância dessas substâncias e que o teor de oxigênio não esteja abaixo do normal. Vale reforçar que em espaço
confinado, qualquer concentração de oxigênio que esteja abaixo de 21% é uma prova de que o local não é adequadamente
ventilado.
EQUIPAMENTOS DE PRIMEIROS SOCORROS
São equipamentos que são usados em caso de acidentes com os trabalhadores do espaço confinado como :
 colar cervical  prancha estabilizador de pescoço ataduras  tesoura
EQUIPAMENTOS CONTRA QUEDAS
Para realização de serviços em espaços confinados com risco de queda, equipamentos adequados que
garantam, em qualquer situação , conforto e segurança do trabalhador nas três operações fundamentais:
 fácil movimentação de subida/descida  proteção contra eventual queda  rápido e fácil resgate por um só vigia
Para efetuar as operações acima, são usados suportes de ancoragem, guinchos, trava-quedas, cinturões de
segurança, cadeiras suspensas, cabos de aço ou cordas que, criteriosamente combinados oferecem solução prática e
segura.
Para escolha adequada de usar corda ou cabo de aço devem ser considerados os seguintes aspectos :
 para segurança contra perigo de faísca em espaço confinado com atmosfera potencialmente explosiva é
comum usar equipamentos com corda sintética ou cabo de aço com revestimento sintético.
 Em serviços envolvendo solda, máquinas de corte ou produtos ácidos, costuma-se usar cabo de aço.
 Em locais com risco de contato com fiação energizada, costuma-se usar corda devido à sua baixa
condutividade elétrica.
 Nas indústrias farmacêuticas e alimentícias ,é normal usar cabo de aço inoxidável.
 Em locais com risco de haver movimentação do cabo sobre quinas cortantes de concreto ou aço, durante
uma emergência, adota-se o robusto cabo de aço com 8 mm de diâmetro, carga de ruptura de 3480 kg.
PERMISSÃO DE ENTRADA E TRABALHO
A permissão de entrada e trabalho a PET em anexo é que documenta a conformidade das condições locais e
autoriza a entrada em cada espaço confinado. A permissão completa estará disponível para todos os trabalhadores
autorizados, pela sua fixação na entrada ou por quaisquer outros meios igualmente efetivos.
A permissão de entrada será encerrada ou cancelada quando :
 as operações de entrada cobertas tiverem sido completadas
 uma condição não prevista ocorrer dentro ou nas proximidades do espaço confinado
 houver a saída, pausa ou interrupção dos trabalhos em espaços confinados
PERMISSÃO DE ENTRADA EM ESPAÇO CONFINADO
Nome da empresa _
Local do espaço confinado _ Espaço confinado nº
Data e horário da emissão Data e horário do término _ _
Trabalho a ser realizado _ _
Vigia _ Equipe de resgate _ _
Supervisor de entrada _

PROCEDIMENTOS QUE DEVEM SER COMPLETADOS ANTES DA ENTRADA


APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 50
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Isolamento S( ) N( )
Teste inicial da atmosfera : horário
Oxigênio % O2
Inflamáveis % LIE
Gases/vapores tóxicos ppm
Poeiras/fumos/névoa tóxica mg/m3
Nome legível/assinatura do supervisor dos testes
Bloqueios, travamento e etiquetagem N/A ( )S ( )N
Purga e/ou lavagem_ N/A ( )S ( )N
Ventilação/exaustão – tipo e equipamento N/A ( )S ( )N
Teste após ventilação e isolamento : horário
Oxigênio % O2> 19,5% ou > 23,0 %
Inflamáveis % LIE < 10%
Gases/vapores tóxicos ppm
Poeiras/fumos/névoa tóxica_ mg/m3
Nome legível/assinatura do supervisor dos testes
Iluminação geral N/A ( )S ( )N
Procedimentos de comunicação N/A ( )S ( )N
Procedimentos de resgate N/A ( )S ( )N
Procedimentos e proteção de movimentação vertical N/A ( )S ( )N
Treinamento de todos os trabalhadores ? É atual ? S( ) N( )
Equipamentos
Equipamento de monitoramento continuo de gases adequado para trabalho
em áreas explosivas de leitura direta com alarmes em :
Condições S( ) N( )
Lanternas N/A ( )S ( )N
Roupa de proteção N/A ( )S ( )N
Extintores de incêndio N/A ( )S ( )N
Capacetes, botas, luvas N/A ( )S ( )N
Equip. proteção respiratória /autônomo ou sis. De ar mandado com cilindros
de escape_ N/A ( )S ( )N
Cinturão de segurança e linhas de vida para trabalhadores autorizados ( )S ( )N
Cinturão de segurança e linhas de vida para a equipe de resgate N/A ( )S ( )N
Escada N/A ( )S ( )N
Equipamentos de movimentação vertical/suportes externos N/A ( )S ( )N
Equipamentos de comunicação eletrônica adequado para trabalho em áreas potencialmente
explosivas N/A ( )S ( )N
Equipamento de proteção respiratória autônomo ou sistema de ar mandado com cilindro de escape
para a equipe de resgate? S( ) N( )
Equipamentos elétricos e eletrônicos adequados para o trabalho em áreas potencialmente
Explosivas N/A ( )S ( )N

PROCEDIMENTOS QUE DEVEM SER COMPLETADOS DURANTE O DESENVOLVIMENTO DOS TRABALHOS


Permissão de trabalhos a quente N/A ( )S ( )N
PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA E RESGATE :
Tel. e contatos : Ambulância Bombeiros Segurança
Legenda : N/A = não se aplica N= não S= sim
A entrada não pode ser permitida se algum campo não for preenchido ou contiver a marca na coluna
¨não¨ .
A falta de monitoramento continuo da atmosfera no interior do espaço confinado , alarme, ordem do vigia ou
qualquer situação de risco à segurança dos trabalhadores , implica o abandono imediato da área.
Qualquer saída de toda equipe por qualquer motivo implica a emissão de nova permissão de entrada. Esta
permissão de entrada deverá ficar exposta no local de trabalho até o seu término. Após o trabalho, está permissão deverá
ser arquivada.
Roupa de proteção N/A ( )S ( )N
Extintores de incêndio N/A ( )S ( )N
Capacetes, botas, luvas N/A ( )S ( )N
Equip. proteção respiratória /autônomo ou sis. De ar mandado com cilindros
de escape N/A ( )S ( )N
Cinturão de segurança e linhas de vida para trabalhadores autorizados ( )S ( )N
Cinturão de segurança e linhas de vida para a equipe de resgate N/A ( )S ( )N
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 51
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Escada N/A ( )S ( )N
Equipamentos de movimentação vertical/suportes externos N/A ( )S ( )N
Equipamentos de comunicação eletrônica adequado para trabalho em áreas potencialmente
explosivas N/A ( )S ( )N
Equipamento de proteção respiratória autônomo ou sistema de ar mandado com cilindro de escape
para a equipe de resgate? S( ) N( )
Equipamentos elétricos e eletrônicos adequados para o trabalho em áreas potencialmente
Explosivas N/A ( )S ( )N

PROCEDIMENTOS QUE DEVEM SER COMPLETADOS DURANTE O DESENVOLVIMENTO DOS TRABALHOS


Permissão de trabalhos a quente N/A ( )S ( )N

PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA E RESGATE :


Tel. e contatos : Ambulância Bombeiros Segurança

Legenda : N/A = não se aplica N= não S= sim


A entrada não pode ser permitida se algum campo não for preenchido ou contiver a marca na coluna “NÃO”.
A falta de monitoramento continuo da atmosfera no interior do espaço confinado , alarme, ordem do vigia ou
qualquer situação de risco à segurança dos trabalhadores , implica o abandono imediato da área.
Qualquer saída de toda equipe por qualquer motivo implica a emissão de nova permissão de entrada. Esta
permissão de entrada deverá ficar exposta no local de trabalho até o seu término. Após o trabalho, está permissão
deverá ser arquivada.

ABANDONO
As atividades do vigia de monitoração dentro e fora do espaço determinam se há segurança para os
trabalhadores permanecerem no interior do espaço. Devendo o mesmo ordenar aos trabalhadores o abandono
imediato do espaço confinado sob quaisquer das seguintes condições :
 se o vigia detectar uma condição de perigo
 se o vigia detectar uma situação externa ao espaço que possa causar perigo aos trabalhadores
 se o vigia não puder desempenhar efetivamente e de forma segura todos os seus deveres
 NR-33: Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaço Confinado
 NBR-14787: Espaço Confinado – Prevenção de acidentes , procedimentos e medidas de proteção
 NBR-12246: Prevenção de acidentes
 NBR-14606: Postos de serviço – Entrada em espaço confinado

SALVAMENTO EM ALTURA – 43
CADEIRA SUSPENSA (Inserido pela Portaria SIT n.º 13, de 9 de julho de 2002)
18.15.49 Em quaisquer atividades em que não seja possível a instalação de andaimes, é permitida a utilização de
cadeira suspensa (balancim individual).
18.15.50 A sustentação da cadeira suspensa deve ser feita por meio de cabo de aço ou cabo de fibra sintética.
(Alterado pela Portaria SIT n.º 13, de 9 de julho de 2002)
18.15.51 A cadeira suspensa deve dispor de:
a) sistema dotado com dispositivo de subida e descida com dupla trava de segurança, quando a sustentação for
através de cabo de aço; (Alterado pela Portaria SIT n.º 13, de 9 de julho de 2002)
b) sistema dotado com dispositivo de descida com dupla trava de segurança, quando a sustentação for por meio de cabo de
fibra sintética;
c) requisitos mínimos de conforto previstos na NR 17 – Ergonomia;
d) sistema de fixação do trabalhador por meio de cinto. (Inserido pela Portaria SIT n.º 13, de 9 de julho de 2002)
18.15.52 O trabalhador deve utilizar cinto de segurança tipo pára-quedista, ligado ao trava-quedas em cabo-guia
independente.
18.15.53 A cadeira suspensa deve apresentar na sua estrutura, em caracteres indeléveis e bem visíveis, a razão social
do fabricante e o número de registro respectivo no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica – CNPJ. (Alterado pela
Portaria SIT n.º 13, de 9 de julho de 2002)
18.15.54 É proibida a improvisação de cadeira suspensa.
18.15.55 O sistema de fixação da cadeira suspensa deve ser independente do cabo-guia do trava-quedas.
18.15.56 Ancoragem (Inserido pela Portaria SIT n.º 157, de 10 de abril de 2006)
18.15.56.1 As edificações com no mínimo quatro pavimentos ou altura de 12m (doze metros), a partir do nível do
térreo, devem possuir previsão para a instalação de dispositivos destinados à ancoragem de equipamentos de
sustentação de andaimes e de cabos de segurança para o uso de proteção individual, a serem utilizados nos serviços

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 52


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
de limpeza, manutenção e restauração de fachadas.
18.15.56.2 Os pontos de ancoragem devem:
a) estar dispostos de modo a atender todo o perímetro da edificação;
b) suportar uma carga pontual de 1.200 Kgf (mil e duzentos quilogramas-força);
c) constar do projeto estrutural da edificação;
d) ser constituídos de material resistente às intempéries, como aço inoxidável ou material de características
equivalentes.
18.15.56.3 Os pontos de ancoragem de equipamentos e dos cabos de segurança devem ser independentes.
18.15.56.4 O item 18.15.56.1 desta norma regulamentadora não se aplica às edificações que possuírem projetos
específicos para instalação de equipamentos definitivos para limpeza, manutenção e restauração de fachadas.
PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Inserido pela Portaria SIT n.º 40, de 7 de março de 2008)
As plataformas de trabalho aéreo devem atender ao disposto no Anexo IV desta Norma Regulamentadora.
(Inserido pela Portaria SIT n.º 40, de 7 de março de 2008)
NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO
18.16 Cabos de Aço e Cabos de Fibra Sintética
18.16.1 É obrigatória a observância das condições de utilização, dimensionamento e conservação dos cabos de aço
utilizados em obras de construção, conforme o disposto na norma técnica vigente NBR 6327/83 - Cabo de Aço/Usos
Gerais da ABNT.
18.16.2 Os cabos de aço de tração não podem ter emendas nem pernas quebradas que possam vir a comprometer sua
segurança. (Alterado pela Portaria SIT n.º 13, de 9 de julho de 2002)
18.16.2.1 Os cabos de aço devem ter carga de ruptura equivalente a, no mínimo, 5(cinco) vezes a carga máxima de
trabalho a que estiverem sujeitos e resistência à tração de seus fios de, no mínimo, 160 kgf/mm2 (cento e sessenta
quilogramas-força por milímetro quadrado). (Incluído pela Portaria SIT n.º 13, de 9 de julho de 2002)
18.16.3 Os cabos de aço e de fibra sintética devem ser fixados por meio de dispositivos que impeçam seu
deslizamento e desgaste. (Alterado pela Portaria SIT n.º 13, de 9 de julho de 2002)
18.16.4 Os cabos de aço e de fibra sintética devem ser substituídos quando apresentarem condições que
comprometam a sua integridade em face da utilização a que estiverem submetidos. (Alterado pela Portaria SIT n.º
13, de 9 de julho de 2002)
18.16.5 Os cabos de fibra sintética utilizados para sustentação de cadeira suspensa ou como cabo-guia para fixação
do trava-quedas do cinto de segurança tipo pára-quedista, deverá ser dotado de alerta visual amarelo. (Incluído pela.
18.16.6 Os cabos de fibra sintética deverão atender as especificações constantes do Anexo I - Especificações de
Segurança para Cabos de Fibra Sintética, desta NR. (Incluído pela Portaria SIT n.º 13, de 9 de julho de 2002)
ANEXO I - ESPECIFICAÇÕES DE SEGURANÇA PARA CABOS DE FIBRA SINTÉTICA
(Incluído pela Portaria SIT n.º 13, de 9 de julho de 2002)
1. O Cabo de fibra sintética utilizado nas condições previstas do subitem 18.16.5 deverá atender as especificações
previstas a seguir:
a) deve ser constituído em trançado triplo e alma central.
b) Trançado externo em multifilamento de poliamida.
c) Trançado intermediário e o alerta visual de cor amarela em multifilamento de polipropileno ou poliamida na cor
amarela com o mínimo de 50% de identificação, não podendo ultrapassar 10%(dez por cento) da densidade linear.
d) Trançado interno em multifilamento de poliamida.
e) Alma central torcida em multifilamento de poliamida.
f) Construção dos trançados em máquina com 16, 24, 32 ou 36 fusos.
g) Número de referência: 12 (diâmetro nominal em mm.).
h) Densidade linear 95 + 5 KTEX(igual a 95 + 5 g/m).
i) Carga de ruptura mínima 20 KN.
j) Carga de ruptura mínima de segurança sem o trançado externo 15 KN.
2. O cabo de fibra sintética utilizado nas condições previstas no subitem 18.16.5 deverá atender as prescrições de
identificação a seguir:
a) Marcação com fita inserida no interior do trançado interno gravado NR 18.16.5 ISO 1140 1990 e fabricante com CNPJ.
b) Rótulo fixado firmemente contendo as seguintes informações:
I. Material constituinte: poliamida
II. Número de referência: diâmetro de 2mm
III. Comprimentos em metros
c) Incluir o aviso: "CUIDADO: CABO PARA USO ESPECÍFICO EM CADEIRAS SUSPENSAS E CABO-GUIA
DE SEGURANÇA PARA FIXAÇÃO DE TRAVA-QUEDAS".
3. O cabo sintético deverá ser submetido a Ensaio conforme Nota Técnica ISO 2307/1990, ter avaliação de carga
ruptura e material constituinte pela rede brasileira de laboratórios de ensaios e calibração do Sistema Brasileiro de
Metrologia e Qualidade Industrial.
Conceito de Salvamento em Altura
Atividade de bombeiro especializada no salvamento de vítimas em local elevado,
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 53
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
através do uso de equipamentos e técnicas específicas, com vistas ao acesso e remoção do
local ou condição de risco à vida, de quem não consiga sair por si só, em segurança.
Carga de Segurança de Trabalho: Corresponde a 20% da carga de ruptura. É o esforço a que um cabo poderá ser
submetido, considerando-se o coeficiente de segurança Carga máxima a que se deve submeter um cabo.
CUIDADOS COM O CABO
Para prolongar a vida útil de um cabo, e empregá-lo em condições de segurança, deve-se seguir algumas regras básicas:
 Não friccionar o cabo contra arestas vivas e superfícies abrasivas.
 Não submeter o cabo a tensões desnecessárias.
 Evitar o contato do cabo com areia, terra, graxas e óleos.
 Evitar arrastar o cabo sobre superfícies ásperas.
 Não ultrapassar a Carga de Segurança de Trabalho durante o tensionamento do cabo.
 Lavar o cabo após o uso, em caso de necessidade.
 Não guardar cabos úmidos. Caso necessário, secá-los na sombra, em local arejado.
Seria interessante que cada cabo possuísse uma ficha, onde deveriam ser lançadas as descrições de todas as atividades
que com ele foram praticadas, para que, após determinado período, fosse descarregado, evitando, desta maneira, a
ocorrência de eventuais acidentes.
Os cabos de fibra natural são susceptíveis à ação de microorganismos, umidade e a outros fatores que acabam por
deteriorá-los.
Os cabos de fibra sintética não são tão susceptíveis às ações acima mencionadas. No entanto, também
apresentam limitações, como, por exemplo, a não resistência a contato direto com produtos químicos.
PARTES DE UM CABO
Para facilitar a manipulação de um cabo, faz-se necessário identificar suas principais partes:
 Alça - é uma volta ou curva em forma de “U” realizada em um cabo.
 Cabo - conjunto de cordões produzidos com fibras naturais ou sintéticas, torcidos ou trançados entre
si.
 Chicote - extremos livres de um cabo, nos quais normalmente se realiza uma falcaça.
TIPOS DE CABOS
Constituição dos Cabos
Considerando que todos os equipamentos dos serviços de bombeiros
trabalham próximos ao limite máximo de sua capacidade, é necessário que cada
um possa conhecer algumas características técnicas do material, materiais
constitutivos, tipos de cabos, etc.
Cabos de Fibra de Origem Natural
Da natureza é possível extrair fibras destinadas à fabricação de cabos. Ao conjunto de fibras dá-se o nome de fios,
os quais por sua vez formam os cordões e por fim os cabos propriamente ditos.
As fibras de origem natural mais utilizadas no fabrico de cabos são: manilha, sisal, juta, algodão e cânhamo.
Geralmente os cabos de fibra natural levam o nome da planta da qual a fibra foi obtida. Com o objetivo de
aumentar a durabilidade do cabo, preservando-o contra o calor e a umidade, os mesmos são impregnados com óleo
durante sua manufatura, o que lhes confere um aumento de 10% no peso.
Cabos de Fibra de Origem Sintética
Com matérias plásticas fabricadas pelo homem, e que possam ser esticadas em forma de fios, produzem-se cabos
de excelente qualidade. As fibras sintéticas mais utilizadas na confecção de cabos são os polímeros derivados de petróleo,
como por exemplo o poliéster, a poliamida, o polietileno e o polipropileno.
Os cabos de fibra sintética, quando comparados aos cabos de fibra natural de mesmo diâmetro, apresentam maior
resistência, maior elasticidade e duram mais.
Tipos de Cabos
Os cabos são designados de acordo com a combinação de seus elementos constitutivos. Basicamente são divididos
em torcidos e trançados.
Os cabos torcidos, normalmente não apresentam elasticidade, sendo portanto considerados estáticos.
Os cabos trançados, por apresentarem coeficiente variável de elasticidade, são, na maioria das vezes, dinâmicos.
PRINCIPAIS NÓS VOLTAS E LAÇADAS NÓS BÁSICOS
Estes nós são geralmente usados para impedir que um pedaço de cabo, corda ou fio, barbante ou mesmo peças
pequenas, corram num olhal, isto é, passem por uma abertura. É o popular nó feito na ponta de uma linha de costura. Na
marinha, este nó é usado também para fazer peso em cordas ou fios. São adotados ainda em acampamentos ,atividades
de montanhismo e pesca
VOLTAS : Nós de voltas são usados para prender um cabo a uma estaca,gancho,tronco,anel ou grade ou a outro cabo
que não esteja amarrando nada. Existem vários tipos de nós de volta, que são muitos usados por marinheiros para
ancorar, atar e amarrar, pois podem suportar forte tensão.
LAÇADAS ou COTES: Laçadas são feitas para serem arremessadas por cima de objetos, ao contrario de voltas, que são
amarradas diretamente em torno de objetos e seguem o seu formato. Laçadas são os nós formados pela ponta do cabo
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 54
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
ou fio, dobrados em um olhal ou laço e depois amarrados na sua parte fixa que o nó fique bem preso.
NÓ SIMPLES: É à base da maioria de outros nós. Ele próprio é usado como um simples nó terminal na ponta de
uma linha ou cabo. Não é muito empregado por marinheiros por ser extremamente difícil de desfazer quando cabo
estiver molhado. Se estiverem amarrados em objetos pequenos também podem ser difíceis de desfazer.
NÓ DE SANGUE: Seu nome popular tem uma triste origem: este nó era usado nas pontas de chicotes para açoitar
soldados e marinheiros ingleses prática que só foi oficialmente abolida em 1948. Outro uso é como terminal nos cabos
usados como cintos pelos monges capuchinhos. Apesar de ser difícil desfazê-lo quando o cabo estiver molhado, os
marinheiros o adotam também como nó terminal ou para amarrar pesos e prender objetos pequenos. Este nó
é conhecido também como Nó de Frade.
NÓ DE MONGE: Este nó usado para velejar, principalmente quando um cabo ou uma corda precisa e peso para ser
arremessado ao mar ou para bordo de um outro barco. Os cabos para fazer o nó devem ter de ½ a ¾ de polegada de
diâmetro, e mais de 80 pés (cerca de 25 metros) de comprimento. Devem flutuar e ser suficientemente fortes para
agüentar o peso de um homem. Também é conhecido como nó de arremesso. O nome Nó de Monge vem de seu uso
nas pontas dos cabos que os monges usam como cinto.
NÓ DIREITO: Este nó é conhecido desde idade da pedra. Os gregos antigos o chamavam de nó de Hércules. Também era
usado na Roma antiga. É um nó cujas pontas são puxadas através da alça para formar as duas voltas. Este nó deve ser
usado quando os cabos são do mesmo diâmetro e não estão sujeitos à pressão. Se tiver que ser usado em cabos que
suportarão peso necessitará de nós terminais nas pontas. Atenção: este nó não é seguro para unir as pontas de dos
cabos e nunca deve ser usado com canos de diâmetros diferentes. É também conhecido como nó quadrado.
NÓ OITO: Também conhecido com a Trempe, este nó entrelaçado é considerado como símbolo de afeto, aparecendo na
heráldica como símbolo de amor fiel. Feito na ponta de um cabo ou fio é muito usado por marinheiros no Nó Corrediço.
NÓ LAIS DE GUIA: Este nó é simples, forte e estável. É um dos mais conhecidos e usados, especialmente por
marinheiros. Geralmente é amarrado para formar uma alça fixa na extremidade de um fio ou para fixar o cabo a um
objeto. No mar é usado para içar, unir ou em trabalhos de salvamento.
Para garantir a segurança, termine o Lais de Guia com um nó terminal para impedir que o mesmo fique corrediço. Alem
de não escorregar, pode ser rapidamente desatado quando a linha estiver sob tensão. Sua grande desvantagem é
que, se for atado a um cabo duro, pode se desfazer facilmente.
VOLTA SIMPLES: Esta volta é um pouco grosseira, mas extremamente útil quando o nó terminá-lo é necessário. É na
verdade o nó que a maioria das pessoas fazem quando precisam, amarrar a ponta de um cabo. A desvantagem é que, por ser
o pedaço em que, por ser difícil de se desfazer, o pedaço em que está provavelmente terá de ser cortado depois do uso.
LAÇADA EM OITO DUPLO: É um nó de difícil ajuste e, que, mesmo com o peso, não se desfaz com facilidade. É
relativamente simples,permanecendo fixo mesmo quando usado num cabo áspero. Sua vantagem é a aparência
inconfundível, podendo ser checado rapidamente pelos montanhesas.
FIEL PELA PONTA
FIEL NO MEIO DA CORDA
Acondicionamento de Cabos
O acondicionamento de cabos poderá ocorrer de várias formas e, dentre elas, podemos citar o aduchamento em voltas
completas e paralelas e o acondicionamento em bolsas.
No primeiro caso, deve-se realizar voltas com o comprimento de uma abertura de braços ou de um gabarito fixo, de forma
que todas as voltas possuam o mesmo tamanho. Em um dos chicotes faz-se uma alça e, com o outro chicote, ao término do
acondicionamento, fazem-se voltas em torno da massa do cabo.
Uma outra maneira de se acondicionar cabos é em sacolas de lona (ou bolsas). Este método apresenta-se extremamente
prático, tanto no momento de acondicionamento, como também durante o seu emprego. O único inconveniente deste
método é o fato de inexistir circulação de ar no interior de sacolas de lona. Caso o cabo se molhe, e permaneça acondicionado
na sacola, será rapidamentedanificado. Por outro lado, este método assegura que o cabo permanecerá livre de cocas e
outras torções, as quais prejudicam o desenvolvimento das atividades de bombeiros, e que será sacado de maneira
ordenada, devendo, para tanto, ter um de seus chicotes fixado no fundo da bolsa. As dimensões da bolsa devem ser
compatíveis com o volume dos cabos a serem acondicionados.
Acondicionamento em Sacolas e Bolsas
Este método apresenta-se extremamente pratico, tanto no momento de acondicionamento, como também durante o seu
emprego. O único inconveniente é o fato de não existir circulação de ar no interior das sacolas de lona. Caso o cabo
molhe, e permaneça acondicionado na sacola, será rapidamente danificado. Por outro lado, este método assegura que o cabo
permanecera livre de torções, as quais prejudicam o desenvolvimento das atividades dos bombeiros, e que será sacado de
maneira ordenada, devendo, para tanto, ter um de seus chicotes fixado ao fundo da bolsa.
As dimensões da bolsa devem ser compatíveis com o volume dos cabos a serem acondicionados.
Cadeirinha: é um conjunto de fitas que fica na cintura e nas pernas, ligando o “Bombeiro” ao cabo através do freio.
Existem modelos totalmente ajustáveis, nas pernas e na cintura.
Freio oito : È o aparelho vai dar toda a segurança, vai controlar a velocidade de descida e também ira fazer a segurança
ao companheiro que estiver fazendo o resgate.
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 55
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
FREIO AUTOMATICO: Mais conhecido com gri-gri ou ID, muito seguro sendo exigido para trabalho em altura.
Mosquetões : È o segundo item mais importante de segurança, argola de fecho rápido usada para clipar o freio á
cadeirinha. o cabo e o Bombeiro. Feitos de uma liga especial de alumínio, podem resistir até mais 3 mil kg
Capacete: Diminui em cinco vezes o risco de morte numa queda. É sensato o uso do capacete, use cores chamativas,
como: vermelho, branco, amarelo...
Falcaça: Utilizado para dar acabamento a extremidade do cabo, para evitar que o mesmo desfie.

PRIMEIROS SOCORROS
Podemos definir como PRIMEIROS SOCORROS, as medidas imediatas aplicadas a uma vítima fora de o ambiente
hospitalar, executadas por pessoa treinada para realizar a manutenção dos sinais vitais e evitar o agravamento das lesões já
existentes.

LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA - 44
ÉTICA PROFISSIONAL
Conceito: É a ciência do comportamento moral na sociedade, relativo aos costumes.
A moral é ação e a ética é a norma. A educação é o que vai fundamentar a ética sendo orientada de valores, de justiça
social e dos direitos de cidadania.
LEGALIDADE NO ATENDIMENTO DE OCORRÊNCIAS
IMPRUDÊNCIA
Definição: Expor-se a si próprio e/ou a outrem a um risco ou perigo sem as precauções necessárias para evitá-los. Exemplo: É
imprudente o bombeiro que dirige um veículo de emergência sem colocar o cinto de segurança, ou ainda, excedendo o
limite de velocidade permitido na via.
IMPERÍCIA
Definição: Falta de conhecimento técnico ou destreza em determinada arte ou profissão.
Exemplo: (Medicar) É um ato de imperícia a aplicação de uma injeção por parte de um bombeiro que desconhece os
detalhes da adequada técnica de como fazê-lo.
NEGLIGÊNCIA: Definição: Descumprimento dos deveres elementares correspondentes a determinada arte ou profissão.
Exemplos: É negligente o bombeiro que deixa de monitorar os sinais vitais de uma vítima traumatizada, durante seu
transporte do local do acidente até o hospital (Ver Art. 13, § 2º, letra “a” combinado com o Art. 121, § 3º - homicídio
culposo).
OMISSÃO DE SOCORRO: Forma Legal de Acordo com o Código Penal - Art. 135. Deixar de prestar assistência, quando possível
fazê-lo sem risco pessoal, à criança abandonada ou extraviada, ou à pessoa inválida ou ferida, ao desamparo ou em grave e
iminente perigo; ou não pedir, nesses casos, o socorro da autoridade pública.
PREVARICAÇÃO: Definição: Deixar o funcionário público de praticar ato de ofício.
CONSENTIMENTO NO ATENDIMENTO
Definição: O bombeiro deverá obter o consentimento formal da vítima para lhe prestar o atendimento de emergência.
Situações:
• Adulto consciente e mentalmente capaz que não recuse formalmente o atendimento;
• Criança ou adolescente, cujos pais ou tutores legais, dêem seu consentimento no atendimento ou que não estejam no
local da ocorrência;
CONSENTIMENTO IMPLÍCITO: Definição: Nas situações de emergência em que o paciente esteja inconsciente, confuso ou
gravemente ferido, ou ainda em condições em que seja impossível obter o seu consentimento, preste imediatamente
Assistência.
DIREITOS DO PACIENTE: Definição: Como bombeiro, você não deve comentar os detalhes do atendimento de um
paciente com seus amigos, familiares ou pessoas da comunidade (incluindo imprensa ou outros órgãos de comunicação).
SIGILO PROFISSIONAL: Definição: Em contato diário com funcionários, pacientes e familiares, o profissional da área de
resgate, como ser humano e profissional defronta- se com problemas que pode revelar, que não pode revelar ou que não
deve revelar. A necessidade do sigilo não se aplica quando você é questionado pelos policiais civis ou militares presentes
no local, equipe de Resgate, pelo médico responsável pelo atendimento do paciente no hospital.
RESPONSABILIDADE PELOS PERTENCES DA VÍTIMA: Objetos pessoais portados pela vítima, mesmo roupas ou calçados
danificados, devem ser relacionados no RAPH e entregues à pessoa responsável devidamente qualificada ou à Chefia de
Enfermagem, Somente no hospital.
ATENDIMENTO A VÍTIMA SEXO FEMININO
Alguns cuidados são necessários para evitar constrangimentos à vítima ou questionamentos sobre a conduta ética do
BOMBEIRO:
Evitar a exposição desnecessária de seu corpo durante o atendimento
Avaliar a necessidade de se permitir um acompanhante, preferencialmente do sexo feminino durante todo o
atendimento
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 56
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
 Atentar para o uso inadequado de palavras que possam constranger.
CONSTATAÇÃO DE ÓBITO EM LOCAL DA OCORRÊNCIAAs situações em que pelos traumas sofridos pela vítima e pelas
características que indiquem morte tardia sejam inviáveis quaisquer medidas de atendimento pré -hospitalar, a Central de
Operações deve ser informada imediatamente.
São sinais que indicam a morte evidente:
 Decapitação; Esmagamento de cabeça; Calcinação ou carbonização; Estado de putrefação;
 Rigidez cadavérica; Seccionamento de tronco;
Providências nas situações de óbito evidente:
 Cobrir o cadáver com lençol descartável;
 Solicitar serviços competentes para providências legais;
 Preservar o local de crime, até a chegada do policiamento local;
 Preservar as informações das vítimas, fornecendo-as somente a autoridades;
 Preservar a imagem da vítima não permitindo fotos e filmagens pela imprensa;
 Respeitar o cadáver é dever de todo bombeiro.

PSICOLOGIA NA EMERGÊNCIA – 45
Consciência moral: É o senso ético de cada ser humano, ou seja, é uma voz interna que nos diz o que é certo ou errado. É a
avaliação que nós fazemos de nossos próprios atos, sentimentos de dever.
O homem enquanto indivíduo social: O comportamento humano é ditado pela sociedade e esta sofre alterações na
medida em que o homem avança em seus conhecimentos tecnológicos e científicos. Com isso, muitos costumes, ideias e
valores passam a ser questionados dia-a-dia, caminhando para uns, rumo á evolução, para outros, rumo aos caos.
Porém, a sociedade é extremamente conservadora e o indivíduo que porventura adotar um comportamento que venha a
destoar dos padrões preestabelecidos, será discriminado ou marginalizado. Assim, veja alguns tipos de comportamentos
que sofrem este tipo de discriminação.
Tipos de discriminação:
Homossexualidade; Alcoolismo; Tabagismo; Aborto; Entorpecentes; Homicídio, Suicídio.
Condições humanas: É condição humana viver e morrer, independente da vontade própria de cada um adentrando – se
no campo de valores religiosos. Assim, qualquer atitude que interfira neste processo é questionada causando polêmica em
função das crenças individuais.

PSICOLOGIA APLICADA NO PERFIL DO BOMBEIRO


Responsabilidade:
O indivíduo será responsável:
Se tomar uma atitude consciente a frente determinados valores com total liberdade física e psicológica;
 Saber o que fazer, A hora de fazer e Se deve ou não fazer;
Honestidade: Está relacionada com a confiança que é depositada em nós para:
Prover o bem ao cidadão, Preservar a vida da vítima, Manter os direitos da vítima;
Dizer a verdade sempre, Assumir nossos erros e Ser honesto com a vítima.
Lealdade: Ser leal à sua profissão é:
Agir com convicção de que seu comportamento vai promover os legítimos interesses da organização;
Não agir com interesses próprios, Não utilizar a posição da sua profissão na sociedade para tirar proveitos próprios.
Comportamento: O Bombeiro precisa ter um excelente comportamento:
Tanto em serviço quanto em descanso, Ele precisa ter postura e levar consigo o amor pelo que faz onde quer que esteja.
Competência: É ser capacitado para algo.
Nem sempre é possível acumular todo conhecimento exigido por determinada tarefa, mas é necessário que se tenha
postura ética de recusar serviços quando não se tenha a devida capacitação para executá-lo.
Prudência: Ter segurança, Sabedoria nas decisões a serem tomadas, exige cuidados nos casos de decisões sérias e graves e
precaução para evitar atendimentos apressados e sem técnica.
Coragem: Todo profissional precisa ter coragem, pois ela nos ajuda:
 A reagir a críticas quando injustas, A não ter medo de defender a verdade e a justiça, A ter eficiência do trabalho e a
tomar decisões indispensáveis e importantes.
Perseverança: É necessária para o profissional pois todo trabalho está sujeito à:
 Incompreensões, Insucessos e Fracassos.
Compreensão: Ajuda muito o profissional pois:
Ele é bem aceito pelos que deles dependem, Facilita o trabalho em equipe e realiza muito em benefício de uma atividade
profissional.
Humildade: O profissional precisa ter humildade suficiente para:
 Admitir que não é o dono da verdade, Reconhecer suas limitações, Dispor-se a aprender coisas novas;
 Reconhecer que precisa de constante aperfeiçoamento.
Justiça: É uma qualidade tão importante que assume características do dever:
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 57
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
 A defender os verdadeiros valores sociais;
 Assumir uma posição justa nas situações que terá que enfrentar.
Otimismo: O profissional precisa e deve ser otimista para:
 Acreditar na capacidade da realização da pessoa humana, Enfrentar o futuro com energia;
 Nunca desistir da vítima e nem de si próprio;
Cooperação: É importante para que o profissional possa:
 Trabalhar em equipe, Em harmonia com todos os outros;
 Para que a vítima receba um tratamento excelente e rápido;
Criatividade: É necessária para que o profissional possa:
 Ser capaz de improvisar uma ação, Capaz de improvisar uma ferramenta que não possui na hora da
ocorrência e solucionar uma situação inesperada.
Iniciativa: O profissional precisa ter iniciativa para:
 Fazer o procedimento sem esperar que alguém mande;
 Realizar qualquer procedimento com segurança;
Amor a Profissão: É fundamental ao profissional para:
 Que ele possa inspirar confiança à vítima, Transmitir calma à ela, Respeitar os limites da vítima;
 Respeitar a intimidade da vítima e amar a vida de cada indivíduo como se fosse a sua.

BIOSEGURANÇA - 46
Conceito: Significa VIDA + SEGURANÇA, em sentido amplo é conceituada como a vida livre de perigos. De forma mais ampla,
entende-se biossegurança como o conjunto de medidas que contribuem para a segurança da vida.
Assim, normas de biossegurança englobam todas as medidas que visam evitar riscos físicos (temperatura), ergonômicos
(posturais), químicos (substâncias tóxicas), biológicos (agentes infecciosos) e psicológicos (como estresse). Representando a
maior preocupação do trabalho de resgate, os riscos biológicos devem ser constantemente combatidos, prioritariamente de
forma preventiva.
DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS
São enfermidades causadas por microorganismos (bactérias, vírus ou parasitas) que são transmitidas à outra pessoa
através da água, alimentos, ar, sangue, fezes, fluídos corporais (saliva, muco ou vômito) ou ainda, pela picada de insetos
transmissores de doenças.
AIDS infecção por HIV; Hepatite A; Hepatite B; Hepatite C; Tuberculose; Doenças Meningocócicas;
Transmissão das Doenças Infectocontagiosas:
A transmissão pode-se se dar pelo contato direto e indireto:
Contato direto: Caracterizado pelo contato pessoa-pessoa, por gotículas de saliva (expelidas pela tosse), pelo beijo, por
relações sexuais ou diretamente pela pele.
 Contato indireto: Caracterizado pela a transmissão por meio de alimentos, vetores (mosquito para a dengue ou a
malária, urina do rato para a leptospirose etc.), ou objetos contaminados (roupas, equipamentos etc.).
Principais Formas de Contágio no Atendimento de Resgate
Contaminação das mãos do bombeiro no contato direto com rádio de comunicação, maçanetas, alça de sacola de PS,
puxadores de portas, macas contaminados;
 Exposição direta dos olhos, boca e mãos do bombeiro às secreções da vítima;
 Inalação de vírus e bactérias no ambiente onde a vítima se encontra;
 Acidente com agulhas contaminadas no interior de viatura (USA – UR);

PRECAUÇÕES PADRÃO
Recomenda-se a adoção das precauções padrão, evitando-se a transmissão por sangue, fluidos corporais, secreções e
excreções com ou sem sangue visível. São elas:
 Lavagem das mãos após tocar: sangue, fluidos corporais, excreções e itens contaminados, imediatamente após retirar
luvas
Uso de luvas para manipular sangue, fluidos corporais, secreções, excreções e itens contaminados;
Uso de máscaras e protetores oculares para olhos, nariz e boca durante procedimentos
Uso de aventais limpos não-estéreis, impermeáveis quando necessário.
EQUIPAMENTOS - EPI’S
Luvas, Luva Estéril, Máscaras de RCP, Óculos, Protetor Facial, Avental
Considerações especiais com as precauções padrão:
É de responsabilidade de todo bombeiro limitar a possibilidade de infecção cruzada entre as vítimas.
 No local da ocorrência recolher todo o material utilizado para o atendimento à vítima.
 Considerar toda vítima como provável fonte de transmissão de doença infectocontagiosa.
 Trocar o uniforme, quando houver exposição direta com secreções da vítima.

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 58


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo

Atenção: Não existe razão que justifique o esquecimento das precauções padrão de biossegurança.

AVALIAÇÃO DE CENA - 47
 Adotar as Precauções Universais de Segurança no contato com a vítima (EPI apropriado);
 Avaliar e assegurar a cena de emergência, precavendo-se, isolando ou eliminando riscos para si e para a vítima;
 Prestar informações imediatas a Central de Operações sobre a situação encontrada e solicitar o apoio
necessário para a solução da ocorrência;
 Para se avaliar uma cena de determinada ocorrência usamos a Análise Secundária Subjetiva que consiste em:
 Relacionar o local com a vítima, Obter informações médicas, Questionar a vítima, Questionar as testemunhas.
Existem 3 perguntas fundamentais para uma avaliação de cena:
 Situação atual?
 Riscos potenciais?
 O que posso fazer?
Em uma ocorrência para que a vítima não tenha nenhum dano que venha a prejudicar sua vida a corrente não
pode se romper em nenhum dos pontos:
 Acionamento 193
 Serviço de emergência
 Atendimento inicial
 Transporte em ambulância
 Atendimento hospitalar
 Reabilitação

ANÁLISE PRIMÁRIA - 48
Essa é a primeira análise que você realiza na vitima, onde se segue um método de exame dando ao bombeiro uma
sistemática e lógica forma de identificar e avaliar os problemas da vitima, estabelecendo prioridades de tratamento.
Esse método de exame é chamado de Análise Primária, na qual você deve rapidamente identificar problemas que colocam o
paciente em risco de vida iminente, determinando a gravidade de suas lesões e tratar esses problemas tão rápido
quanto possível.
A) Airway Estabilizar a coluna cervical manualmente, constatar responsividade e certificar-se da permeabilidade das vias
aéreas.
B) Breathing Verificar respiração.
C) Circulation Verificar circulação.
D) DisabilityRealizar exame neurológico.
E) Exposition- Expor a vítima.
ANALISE PRIMÁRIA DEVE SER REALIZADA NESTA SEGUINTE ORDEM:
1.Nível De Consciência
2.Liberar as Vias Aéreas
3.Checar Presença de Sinais Vitais
4.Grandes Hemorragias
5.Perfusão Periférica
6.Sinais Vitais
1. Apoiar a cabeça da vítima para evitar movimentação até a colocação do colar cervical e do apoio lateral de cabeça.
2. Chamar a vítima pelo menos três vezes ou chame-a pelo nome se souber tocando em seu ombro sem movimentá-la.
3. SE A VÍTIMA ESTIVER CONSCIENTE
4. Apresentar-se, dizendo o seu nome e informar-lhe que é da equipe de Bombeiros Civis;
5. Indagar se pode ajudá-la (obtenha o consentimento).
6. Questionar sobre o ocorrido;
7. Questionar a sua queixa principal;
8. Informar que vai examiná-la e a importância verificar se as vias aéreas estão pérvias, analisando presença de secreções ou
vômitos, dificuldade respiratória causada por trauma visível no pescoço.
9. SE A VÍTIMA ESTIVER INCOSCIENTE
10. Comunicar esta situação para a Central de Operações;
11. Fazer abertura das vias aéreas, através de uma das técnicas abaixo, de acordo com as condições da vítima:
 Manobra de TRIPLICE MANOBRA;
 Manobra de TRAÇÃO DO QUEIXO;
Manobra de extensão da cabeça, nos casos em que não há suspeita de trauma de coluna cervical,
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 59
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
CHIN LIFT.
Tríplice Manobra: (Executada por equipe de Resgate em vítima de trauma).
a) Posicionar-se atrás da cabeça da vítima;
b) Colocar as mãos espalmadas lateralmente a sua cabeça, com os dedos voltados para frente, mantendo-a na posição
neutra;
c) Posicionar os dedos indicadores e médios das mãos, em ambos os lados da cabeça da vítima;
d) Posicionar os dois dedos polegares sobre o queixo da vítima;
e) Simultaneamente, fixar a cabeça da vítima com as mãos, elevar a mandíbula com os indicadores e médios, abrindo a boca
com os polegares.
Manobra de Tração do Queixo: (Executada por bombeiro atendendo isoladamente uma vítima de trauma).
a) Apóie com uma das mãos a testa da vítima evitando que a cabeça se mova;
b) Segurar o queixo da vítima com o polegar e o indicador da outra mão e tracioná-lo para cima e em seguida efetuar
a abertura da boca.
Manobra de Extensão da Cabeça: Também conhecida como manobra de inclinação da cabeça-elevação do queixo -
executada em vítimas em que não há suspeita de lesão TRM;
a) Posicionar uma das mãos sobre a testa e a outra com os dedos indicador e médio tocando o queixo da vítima;
b) Mantendo apoio com a mão sobre a testa, elevar o mento da vítima;
c) Simultaneamente, efetuar uma leve extensão do pescoço;
d) Fazer todo o movimento de modo a manter a boca da vítima aberta.
Verificar a respiração da vitima
a) Liberar as VAS da vítima através da manobra indicada;
b) Observar os movimentos do tórax;
Apalpe o pulso carotídeo em vítimas acima de 1 ano de idade que se encontre inconsciente
No caso de vítimas com idade abaixo de 1 ano, palpar a artéria braquial.
 Em vítimas com idade superior a 1 ano, se deve palpar a artéria carótida;
 Em vítimas com idade inferior a 1 ano, se deve palpar a artéria braquial;
 Empregar os dedos indicador e médio;
 Posicionar as polpas digitais lateralmente os dedos até a cartilagem e a musculatura do pescoço;
 Aliviar a pressão dos dedos até sentir o pulsar da artéria.
Verificar a presença de hemorragias que impliquem em necessidade de controle imediato e aplicar a técnica de
estancar.
1) Visualizar a parte anterior do corpo da vítima;
2) Apalpar a parte posterior do corpo da vítima;
3) Dar atenção inicialmente às hemorragias intensas, direcionando o exame da cabeça em direção aos pés;
4) Procurar por poças e manchas de sangue nas vestes.
Verificar a perfusão capilar na extremidade
1) Pressione a polpa digital ou (unha) e observe o retorno sanguíneo:
2) Hemorragia interna ou externa devem ser suspeitadas quando houver constatação de irregularidade na perfusão
capilar.

PERFUSÃO MOTIVADOR DE ALTERAÇÕES


Retorna-se em até 2 segundos Norma
Retorna-se após 2 segundos l Interna
Hemorragia
Se não retorna Choque / PCR

ANÁLISE SECUNDÁRIA - 49
Processo ordenado que visa descobrir lesões que, se não tratados, poderão ameaçar a vida, através da
interpretação dos achados na verificação dos sinais vitais, exame físico e na entrevista. Através da avaliação dos sinais e
sintomas apresentados pela vítima o bombeiro poderá determinar o tipo de emergência e os procedimentos específicos.
Uma parte da análise é objetiva, através do exame dos sinais vitais e do corpo da vítima e a outra é subjetiva, através de
dados colhidos em entrevista.
SINAIS VITAIS E SINAIS DIAGNÓSTICOS
Toda lesão ou doença tem formas peculiares de se manifestar e isso pode ajudá- lo no descobrimento do tipo de
problema que afeta a vítima. Estes indícios são divididos em dois grupos: os sinais e os sintomas.
Alguns são bastante óbvios, mas outros indícios importantes podem passar despercebidos, a menos que você examine
a vítima cuidadosamente, da cabeça aos pés.
SINAIS São detalhes que você poderá descobrir fazendo o uso dos sentidos durante a avaliação da vítima.
SINTOMAS São sensações que a vítima experimenta e é capaz de descrever.
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 60
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Pode ser necessário que o bombeiro faça perguntas para definir a presença ou ausência de sintomas. Pergunte exatamente
a onde dói, e considere sempre o que a vítima falar.
EXAMINE DA CABEÇA AOS PÉS - Refere-se à apalpação e inspeção visuais realizadas pelo bombeiro, de forma padronizada,
buscando identificar na vítima, sinais de uma lesão.
Proceder ao exame da cabeça aos pés, observando:
Refere-se à apalpação e inspeção visuais realizadas pelo bombeiro, de forma padronizada, buscando identificar na vítima,
sinais de uma lesão.
Proceder ao exame da cabeça aos pés, observando:
1. PALPAÇÃO DA TRAQUEIA
 Ferimentos ou deformidades; Desvio de traqueia, comum em lesão direta no pescoço, Resistencia ou dor ao
movimento; Crepitação óssea;
2. PALPAÇÃO DA COLUNA VERTEVRAL
• Ferimentos ou deformidades; Dor à palpação; Crepitação óssea; Instabilidade da estrutura óssea.
3. CABEÇA, FACE, PUPILAS, OUVIDOS CAVIDADE NASAL, CAVIDADE ORAL
• Crepitação óssea, Ferimentos ou deformidades; Secreção pela boca, nariz e/ou ouvidos; hálito; Dentes quebrados,
próteses dentárias;
4. TÓRAX E ABDOME
• Ferimentos, contusões, escoriações; Dor à palpação; Rigidez da parede abdominal (abdome em tábua).
5. CINTURA PELVE E NÁDEGAS
• Ferimentos ou deformidades; Dor à palpação; Crepitação óssea; Instabilidade da estrutura óssea.
6. MEMBROS INFERIORES E EXTREMIDADES
• Ferimentos ou deformidades; Resposta motora, para avaliar lesão de nervos; Perfusão capilar, para avaliar lesão arterial
ou sinais de choque;

SEQUÊNCIA DA ANALISE
1. Palpação da Cervical com Traqueia
2. Colocar o colar cervical
3. Coluna Vertebral
4. Osso Frontal para o Occipital
5. Estrutura da Face
6. Pupilas
7. Ouvidos
8. Cavidade Nasal
9. Cavidade Oral
10. Maxilar
11. Mandíbula
12. Clavículas
13. Caixa Torácica
14. Quadrantes Abdominais
15. Cintura Pelve
16. Membros Inferiores – MMII
17. Perfusão Periférica Deficitária – MIE, MID
18. Sensibilidade – MIE, MID
19. Membros Superiores – MMSS
20. Perfusão Periférica Deficitária – MSE, MSD
21. Sinais Vitais

SISTEMA RESPIRATÓRIO - Vias Aéreas - 50


O caminho que o oxigênio faz do meio ambiente até a célula é longo e se inicia pelas vias aéreas. As vias aéreas se
dividem em superiores e inferiores.
Vias Aéreas Superiores
São compostas pela cavidade nasal, cavidade oral e faringe. O ar passa inicialmente através das cavidades nasais
onde é filtrado, aquecido e umedecido.
A faringe se localiza posteriormente às cavidades nasal e oral e se divide em uma proporção superior ou
nasofaringe, uma porção média ou orofaringe e uma porção inferior ou hipofaringe. A cavidade oral, a orofaringe e a
hipofaringe são passagens comuns ao aparelho digestivo e respiratório.
Na porção distal da hipofaringe o trato respiratório e o digestivo se separam.
Posteriormente, se encontra a abertura superior do esôfago e anteriormente a laringe, que é a primeira parte das
vias aéreas inferiores. Os alimentos sólidos e líquidos que chegam a faringe passam ao esôfago e os gases à laringe.
Guardando a abertura superior da laringe existe uma membrana com mecanismo valvular chamada epiglote.
Durante a deglutição a epiglote se abaixa fechando a laringe e direcionando os alimentos para o esôfago. Durante a
inspiração e a expiração ela se eleva abrindo a laringe para a passagem de gases.
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 61
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
O aparelho respiratório é composto pelas vias aéreas, que já foram detalhadas acima, e pelos pulmões. O ser
humano possui dois pulmões: um direito e um esquerdo, localizados dentro do tórax. O tórax é um cilindro oco formado
por doze pares de costelas que se articulam com a coluna vertebral e anteriormente com o esterno.
Os pulmões ocupam as porções laterais da cavidade torácica. A porção central do tórax é chamada de mediastino
e contém a traqueia, os brônquios principais, o esôfago torácico, o coração e os grandes vasos torácicos. Todas estas
estruturas podem ser lesadas nos traumatismos torácicos.
Os pulmões são órgãos macios, esponjosos e elásticos e contem milhões de microscópicos sacos de ar em formato
de cacho de uva chamados alvéolos pulmonares. Estão suspensos dentro da cavidade torácica apenas por alguns
ligamentos e pelos hilos que contém seus vasos e brônquios e os ligam às estruturas do mediastino.
COMPLICAÇÕES DAS ANÁLISES – Obstrução das VAS – 51
Asfixia: Se por qualquer motivo o caminho que o ar percorre até os pulmões estiver obstruído é óbvio que haverá interrupção
do fluxo respiratório normal, na maioria dos casos está obstrução pode ocorrer por tais motivos:
Ovace: Engasgamento por resto alimentares, corpos externos introduzidos pela boca / nariz, próteses quebradas, etc.
Obstrução causada pela língua: Principal causa em vítimas inconscientes devido ao relaxamento da língua.
Obstrução de glote: Edema local por inalação de gases aquecidos, trauma causado por tentativas de entubação traqueal
sem sucesso;
Obstrução causada por hemorragia: Epistaxe, ferimentos em cavidade oral, hemorragia digestiva alta.
Obstrução causada por meio liquido: Água, secreções, líquido proveniente do estômago.
DESOBSTRUÇÃO
Vítimas com obstrução parcial
Observe se a vítima pode respirar, tossir, falar ou chorar.
 Caso Positivo: Orientar para continuar tossindo e não interferir. Deixar que a vítima encontre uma posição de
conforto ou mantenha em decúbito elevado (semi-sentado).
 Caso Negativo: Tratar como obstrução total.

TIPOS E TÉCNICAS PARA DESOBSTRUÇÃO


Exploração Cavidade Oral, Chin Lift ,Tração do Queixo,Tríplice Manobra, Manobra de Heimlich ,Tapotagem,

PARADA RESPIRATÓRIA – 52
Podemos definir a parada respiratória como uma supressão súbita dos movimentos respiratórios, podendo ser ou
não, acompanhada de parada cardíaca.
Em caso de parada respiratória, siga as instruções a seguir:

IDADE VENTILAÇÃO TEMPO TÉCNICA DE VENTILAÇÃO


DE 0 A 1 ANO 1 2 Seg./min UTILIZANDO REANIMADOR MANUAL

DE 1 A 8 ANOS 1 3 Seg./min UTILIZANDO REANIMADOR MANUAL

ACIMA DE 8 ANOS 1 5 Seg./min UTILIZANDO REANIMADOR MANUAL

NOMENCLATURA
Dispnéia: Falta de ar é um sintoma no qual a pessoa tem desconforto para respirar.
Ortopnéia: Dispnéia com a pessoa deitada na horizontal.
Taquipnéia: Aumento da freqüência da respiração.
Apnéia: Parada temporária da respiração.
Bradipnéia: Diminuição da freqüência e profundidade da respiração.
PROCEDIMENTO - POP
Se a vítima apresentar qualquer alteração na respiração como a dispnéia, a equipe de bombeiros deve conversar com a vítima
tentar acalma – lá e remover imediatamente para o hospital, em situações clínicas colocar a vítima semi - sentada se a
situação agravar como uma parada respiratória, devemos iniciar o procedimento de ventilações.
Anotar o ocorrido e informar a equipe médica todas as informações pertinentes.
SISTEMA CARDÍACO – Coração - 53
O coração localiza-se no tórax logo atrás do esterno e acima do diafragma. Está contido dentro de um saco de tecido fibroso e
inelástico chamado de saco pericárdico. O saco pericárdico possui no seu interior uma pequena quantidade de fluido com
função lubrificante que serve para que as contrações cardíacas se façam sem que o coração sofra atrito.
Uma parede chamada septo separa o coração em um lado direito e um lado esquerdo que não apresentam comunicação
direta entre si. Cada lado apresenta uma câmara superior chamada de átrio e uma câmara inferior chamada de ventrículo.

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 62


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Os átrios possuem a função de coletar o sangue o passar aos ventrículos que são bem mais musculosos e tem a função de
bombear o sangue para as circulações sistêmica e pulmonar.
O coração bombeia em média 5 litros de sangue por minuto quando em repouso.
O volume de sangue bombeado por cada lado do coração em um minuto é chamado de débito cardíaco. A contração dos
ventrículos é chamada de sístole e o seu relaxamento de diástole.
A frequência com que o coração contrai é denominada de frequência cardíaca.
Frequência cardíaca pela faixa etária:Idade acima de 8 anos: 60 a 100 BPM (batimentos por minuto )
Idade entre 1 a 8 anos: 80 a 100 BPM:
Idade entre 0 a 1 ano: 100 a 160 BPM.
PARADA CARDIO RESPIRATÓRIA - 54
A parada cardíaca é definida como uma cessação súbita e inesperada dos batimentos cardíacos. O coração para de
bombear o sangue para o organismo e os tecidos começam a sofrer os efeitos da falta de oxigênio. O cérebro, centro
essencial do organismo, começa a morrer após cerca de quatro minutos privado de oxigênio.
REANIMAÇÃO CARDIO PULMONAR
A RCP é um procedimento de emergência aplicado quando constatamos que a vítima teve uma parada das
atividades do coração e do pulmão.
Quando isso ocorre é possível ao bombeiro em trabalho com equipe, através da combinação de compressões torácicas
e ventilação com reanimador manual, mantenha artificialmente a circulação e a respiração da vítima até que haja um
socorro médico adequado.

IDADE VENTILAÇÃO MASSAGEM OBSERVAÇÃO


30 (100 p/min)
DE 0 A 1 ANO 2 UTILIZANDO DEDO INDICADOR E MÉDIO
30 (100 p/min)
DE 1 A 8 ANOS 2 UTILIZANDO UMA MÃO
30 (100 p/min)
ACIMA DE 8 ANOS 2 UTILIZANDO AS DUAS MÃOS

Sequencia no atendimento de RCP ou ACE para socorristas que atuam isoladamente sem equipamento :
C – A – B (compressões torácicas, vias aéreas, respiração) em adultos crianças ou bebês).
Afrequência deve ser no mínimo de 100 por minuto em 2 minutos. Até a equipe chegar.
POSICIONAMENTO ADEQUADO
 Posicione a vítima em DDH em superfície plana;
 Posicione-se adequadamente à 90 em relação à vítima;
 Localize o ponto correto da massagem de acordo com a faixa etária;
 Deprima o esterno do adulto 5 cm , em criança 4cm;
 Sempre utilize o peso de seu corpo, nunca a força de seus braços;
 Observe os sinais que o RCP esta funcionando tais como: Pele rosada, movimentos, espasmos, tosse, etc.
 Nunca comprima acima da linha dos mamilos ou em cima do processo xifoide.

SITUAÇÕES EM QUE O SOCORRISTA NÃO INICIARÁ A RCP


Nos Casos em que a vítima apresentar sinais de morte evidente:
 Decapitação , Esmagamento completo de cabeça ou tórax , Calcinação ,Presença de sinais tardios de morte
como rigidez cadavérica, putrefação, manchas hipostáticas, Seccionamento do tronco, Determinação por
médico (morte atestada por médico no local).

DEA – DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO - 55


INTRODUÇÃO
Sabemos que a maioria das mortes súbitas por problemas cardíacos acontece longe dos hospitais e este é o principal motivo
para a existência dos Programas de Treinamento em Reanimação Cardiopulmonar e Desfibrilação Automático por Pessoal
Leigo (não médico). A desfibrilação precoce faz parte do terceiro elo do conceito de reanimação cardiopulmonar denominado
“Corrente da Sobrevivência”.
A desfibrilação é o processo que consiste no uso terapêutico da corrente elétrica, administrada em grande
intensidade e por períodos extremamente breves. O choque desfibrilador despolariza, temporariamente, um coração que
esteja pulsando de modo irregular, permitindo assim que uma atividade de contração mais coordenada se inicie.
Não se pretende com esse processo parar o coração, mas sim eliminar certos ritmos letais (arritmias cardíacas) e
possibilitar as condições para que o coração retorne ao ritmo normal, espontaneamente.
COMO FUNCIONA A DESFIBRILAÇÃO EXTERNA AUTOMÁTICA
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 63
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
As células cardíacas funcionam através de estímulo elétrico proveniente do nodo sinoatrial que é responsável pela gênese
do estímulo elétrico no coração.
A partir do nodo sinusal o estímulo elétrico percorre os nervos cardíacos e suas ramificações, permitindo a
sincronia dos movimentos das câmaras cardíacas (sístole e diástole).
Distúrbios na condução elétrica cardíaca, causados por várias doenças podem gerar arritmias malignas que impedem o
bombeamento eficaz de sangue pelo coração.
Certas arritmias são consideradas paradas cardíacas, tais como: fibrilação ventricular, taquicardia ventricular sem pulso,
atividade elétrica sem pulso e assistolia. A corrente elétrica aplicada sobre o tórax da vítima através das pás do
Desfibrilador Externo Automático (DEA) atravessa o miocárdio (tecido muscular cardíaco) com o objetivo de eliminar 2 dos
tipos de arritmias cardíacas malignas (fibrilação ventricular ou taquicardia ventricular sem pulso).
Depois da eliminação da arritmia maligna as células cardíacas estão aptas a receber um novo estímulo elétrico,
normalmente, proveniente do nodo sinoatrial. Desta forma, o coração volta a apresentar contração (sístoles) e
relaxamento (diástoles) de forma efetiva, o que gera a circulação sanguínea com as pressões sistólica (máxima) e diastólica
(mínima).
CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO EQUIPAMENTO:
 Operam com baterias recarregáveis
 Possuem eletrodos descartáveis
 Acondicionados em maletas
 Mensagens pré-gravadas de sequências de procedimentos servem para orientar os passos da operação
 Ilustrações no corpo do aparelho, facilitam a operação do equipamento
 Alguns modelos possuem cartão digital de memória para gravação de som durante a utilização que
podem ser repassados a um computador
 Resistente ou não a impactos conforme o tipo de atividade destinada ao aparelho.

INDICAÇÃO PARA USO DO DEA:


Os DEA devem ser utilizados somente depois de confirmada a parada cardíaca através da observação da ausência
dos seguintes sinais:
 Ausência de resposta verbal (inconsciente);
 Ausência de respiração efetiva depois da liberação das vias aéreas;
MOMENTO ADEQUADO PARA O EMPREGO DO DEA:
 Quando a parada cardíaca for TESTEMUNHADA priorize a utilização do DEA logo que constatar a parada
cardíaca.
 Quando a parada cardíaca NÃO FOI TESTEMUNHADA ou ocorreu há mais de 5 minutos, execute 100
compressões torácicas por minuto (2 minutos) para depois utilizar o DEA. Nestes casos, será
necessário criar condições propícias para que o coração receba o choque em uma fibrilação ventricular
fortalecida pela RCP.
SITUAÇÕES QUE DEVEMOS SE ATENTAR:
 A vítima não pode estar na água ou próxima dela (ex. Na beira de uma piscina);
 Existência de marca-passo implantado no tórax;
 Adesivos na pele da vítima;
 Presença de adornos de metais próximo a região torácica;
 Presença de pelos no tórax;
 Utilizar o DEA em Gestantes;
PROCEDIMENTO - POP
 Inicie a RCP por 2 minutos;
 Posicione o aparelho ao lado esquerdo da vítima;
 1º Ação é ligar o DEA exponha o tórax da vítima, se houver pelos fazer a tricotomia;
 Secar a região com uma toalha;
 Remova o adesivo e cole no tórax da vítima, adesivar os eletrodos;
 Afaste - se da vítima e aperte o botão de tratamento indicado pelo DEA;
 Se o DEA não indicar o Choque inicie a RCP por 2 minutos, sem retirar os eletrodos;
 Encaminhar imediatamente ao Serviço de Atendimento Médico de Emergência.
Se o equipamento ainda possuir a programação de 3 choques consecutivos
Recomendará 2 minutos de RCP depois da série de 3 choques. Um cronômetro regressivo marcará o tempo a ser
dispensado na reanimação cardiopulmonar.
Mensagem de voz indicará que o bombeiro deve se afastar da vítima para análise do ritmo cardíaco. Siga as
instruções fornecidas para o desfibrilador externo automático em uso.
Se houver o retorno dos sinais vitais, remova a vítima para o hospital.
DEA monitorizam, continuamente, o ritmo cardíaco e se houver recorrência de FV ou TV sem pulso, avisam o
operador sobre a necessidade de choque.
É imprescindível que a vítima receba atendimento médico para manter sua estabilidade no período pós-
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 64
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
reanimação.

SISTEMA CIRCULATÓRIO - 56
O aparelho circulatório (cardiovascular) é o responsável pela circulação do sangue através de todo o organismo.
Seus componentes são o sangue, o coração e os vasos sanguíneos.
O sangue circula através de dois circuitos paralelos: a circulação pulmonar e a circulação sistêmica. A circulação
sistêmica (grande circulação) carrega o sangue oxigenado (arterial) desde o ventrículo esquerdo para todas as regiões do
organismo e traz de volta o sangue pobre em oxigênio (venoso) até o átrio direito. A circulação pulmonar (pequena
circulação) leva o sangue pobre em oxigênio desde o ventrículo direito até os pulmões e o traz o sangue oxigenado de volta
até o átrio esquerdo.
SANGUE
É um fluído complexo composto de uma parte líquida e de elementos celulares. A parte líquida do sangue é chamada de
plasma e contem várias substâncias entre as quais os anticorpos e os fatores da coagulação. Os elementos celulares são as
hemácias (glóbulos vermelhos, os leucócitos (glóbulos brancos) e as plaquetas.
Vasos sanguíneos: São as artérias, arteríolas, capilares, veias e vênulas.
Artérias: São os vasos que saem levando sangue do coração para a circulação pulmonar ou sistêmica.
A principal artéria do organismo é a aorta, que se origina do ventrículo esquerdo e termina no abdome onde se
bifurca formando as artérias ilíacas comuns que irrigam os membros inferiores. A aorta dá origem a vários ramos que
irrigam praticamente todos as partes do corpo.
Arteríolas: As artérias vão se bifurcando e se ramificando até formarem as arteríolas que são os vasos arteriais de menor
calibre antes de se chegar nos capilares. As arteríolas possuem na sua parede músculo liso que responde a estímulos
nervosos ou endócrinos se contraindo ou relaxando.
Capilares: São os vasos sanguíneos de menor calibre e sua parede pode ter apenas uma camada de células de
espessura. Estão distribuídos por todo o organismo formando uma rede que está em intimo contato com todas as células.
Veias: Após banharem todos os tecidos os capilares se agrupam formando veias de calibre menores chamadas de
válvulas. As válvulas vão se agrupando em veias cada vez mais calibrosas que finalmente desembocam em uma das duas
veias cava. A veia cava superior drena todo o sangue venoso da metade superior do corpo e a veia cava inferior da metade
interior. Ambas desembocam no átrio direito.
FUNÇÕES
É responsável por conduzir elementos essenciais para todos os tecidos do corpo: oxigênio para as células,
hormônios para os tecidos, condução de dióxido de carbono para sua eliminação nos pulmões, coleta de excreções
metabólicas, entrega de excreções nos órgãos excretores, como os rins, transporte de hormônio, tem importante papel no
sistema imunológico na defesa contra infecções. Transporte de nutrientes até às células.
FERIMENTOS - 57
Podem ser definidos como uma agressão à integridade residual;
Dependendo da localização, profundidade e extensão, podem representar risco de morte para a vítima pela perda
sanguínea que podem afetar órgãos internos.
Os ferimentos podem ser classificados em:
 Escoriações: São lesões superficiais.
 Incisivo: São lesões de bordas regulares produzidas por objetos cortantes.
 Lacerações: São lesões de bordas irregulares, produzidas por objetos rombos.
 Avulsões: Arrancamento de determinadas partes do corpo.
 Perfuro contusos: São lesões causadas pela penetração de projéteis ou objetos pontiagudos através da
pele.
HEMORRAGIA - 58
Hemorragia significa perca de sangue. As hemorragias podem ser definidas como uma considerável perda do
volume sanguíneo circulante.
A hemorragia é dividida em duas condições: HEMORRAGIA INTERNA, que é a perda aguda de sangue para o meio
interno, e HEMORRAGIA EXTERNA, que é o extravasamento de sangue para o meio externo, podendo essa ser
de três tipos: Arterial, quando há um rompimento de artéria, Venosa, quando há um rompimento da veia e
Capilar, quando há o rompimento de vasos.
SINAIS INICIAIS NAS HEMORRAGIAS:
 Palidez, Sudorese, Agitação, Pele fria, Fraqueza, Pulso fraco e rápido.
Suspeitar de hemorragia interna:
 Ferimentos penetrantes no crânio, Sangue ou fluídos sanguinolentos drenando pelo nariz ou orelha,
Vômito ou tosse com sangue.
Suspeitar de hemorragia externa:
Durante a análise primária, o bombeiro deverá através da palpação e da visualização do corpo do acidentado, constatar:
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 65
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Saída de sangue através de ferimentos abertos, Presença de sangue nas vestes, Presença de sangue no local.
PROCEDIMENTO - POP
Os são utilizado conforme a condição e o tipo de hemorragia, sendo eles os seguintes:
 Compressão Digital com compressas de gazes umedecidas com soro fisiológico
 Elevação do membro
 Tamponamento com ataduras e bandagens

SISTEMA DIGESTÓRIO - 59
É o conjunto de órgãos responsável pela digestão e absorção dos alimentos. Inicia-se na boca e termina no ânus.
Compõem-se do tubo digestivo e de glândulas acessórias. Os órgãos do tubo digestivo são a boca, faringe, esôfago,
estômago, intestino delgado.
Todas as células do organismo necessitam de nutrientes para o seu metabolismo normal. O aparelho digestivo
processa estes alimentos de modo a produzir substâncias nutrientes em uma forma que possa ser absorvida e aproveitada
pelas células. Tal processo chama-se digestão.
A fim de facilitar a descrição da localização das lesões e sintomas abdominais o abdome é dividido em algumas
regiões usando para isto referências anatômicas.

REGIÃO LESADA ÓRGÃOS POSSIVELMENTE ATINGIDOS

Quadrante Superior Direito Fígado, vesícula biliar, pâncreas, estômago, diafragma, rim.

Quadrante Superior Esquerdo Baço, estômago, rim esquerdo e diafragma.

Quadrante Inferior Direito Intestino delgado, cólon direito, vasos ilíacos.

Quadrante Inferior Esquerdo Intestino delgado, cólon esquerdo, reto.

EVISCERAÇÃO - 60
Trata-se da lesão que permite que a cavidade abdominal fique em contato com o meio externo, e em virtude deste
tipo de ferimento, as vísceras ou parte delas podem ficar expostas.
PROCEDIMENTO - POP
 Não recolocar as vísceras no abdome;
 Curativo estéril e oclusivo;
 Fazer antissepsia com SF 0,9% e compressa de gases umedecida sempre no sentido de dentro para fora;
 Cobrir o ferimento com plástico estéril e fechar os quatros pontos com esparadrapo;
PNEUMOTÓRAX - 61
Trata-se de uma lesão que permite que a cavidade torácica fique em contato com o meio externo, possibilitando a
entrada e saída do ar pelo ferimento, visualizamos, pois, provoca ruído e bolhas quando misturado com o sangue da
hemorragia (HEMOTÓRAX).
PROCEDIMENTO - POP
 Curativo com válvula de escape não estéril;
 Fazer antissepsia com SF 0,9% e compressa de gaze umedecida;
 Cobrir o ferimento com plástico estéril e fechar três lados com esparadrapo deixando no quarto lado
uma válvula de 1 cm de espaço.

SISTEMA TEGUMENTAR - 62
O tegumento humano, mais conhecido como pele, é formado por três camadas distintas, firmemente unidas entre si: a
epiderme, derme e a hipoderme.
A epiderme é um epitélio, formado por várias camadas de células achatadas (epitélio pavimentoso).
A derme, é um tecido conjuntivo que contém fibras proteicas, vasos sanguíneos, terminações nervosas, órgãos sensoriais e
glândulas.
A hipoderme rico em fibras e em células que armazenam gordura, atua como reserva energética, proteção contra choques
mecânicos e isolante térmico.

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 66


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Unhas e pelos são constituídos por células epidérmicas queratinizadas, mortas e compactadas. Na base da unha ou do pelos
há células que se multiplicam, empurrando as células mais velhas para cima. Estas, ao acumular queratina, morrem e se
compactam, originando a unha ou pelos.
Cada pelo está ligado a um pequeno músculo eretor, que permite sua movimentação, e a uma ou mais glândulas
sebáceas, que se encarregam de sua lubrificação.
QUEIMADURAS - 63
É uma lesão produzida no tecido de revestimento do organismo.
TIPO DE QUEIMADURA, que são: Química, Térmica, Radioativa, Luz Intensa, Elétrica.
De acordo com a profundidade, a queimadura é classificada em:
Primeiro Grau: Atinge somente a epiderme, sendo caracterizada por dor local e vermelhidão da área atingida.
PROCEDIMENTO – POP
 Lavar a queimadura com água destilada por 5 minutos.
 Não cobrir o ferimento não a necessidade de encaminhar para o hospital.
Segundo Grau: Atinge a epiderme e derme, caracterizada por dor local, vermelhidão e formação de bolhas
(flictemas).
PROCEDIMENTO – POP
 Lavar o local com água destilada e nunca estourar as bolhas.
 Não cobrir o ferimento não a necessidade de encaminhar para o hospital.
 Terceiro Grau: Atinge o tecido de revestimento, alcançando o tecido muscular, p odendo chegar até os ossos, sendo
caracterizado pela pele escurecida e ausência de dor.
PROCEDIMENTO – POP
 Lavar o local com água destilada e cobrir o ferimento com compressa de gases não aderente e atadura de rayon.
 Encaminhar para o hospital o mais breve possível.

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO - 64


Os músculos são formados por um tecido especial que possui a capacidade de contrair-se quando estimulado. Todos os
movimentos do corpo resultam da atividade dos músculos, quer seja o movimento voluntário de andar ou correr ou o
movimento invisível a olho nu da contração de um vaso sanguíneo.
Existem três tipos de músculos no corpo humano: músculos esqueléticos, músculos lisos e músculo cardíaco. Cada tipo tem
características próprias e desempenha funções distintas.
Músculos esqueléticos - São chamados de esqueléticos porque estão ligados aos ossos do esqueleto.
Músculos lisos - São chamados de lisos por não apresentarem estriações á microscopia.
Músculo cardíaco - Tipo de músculo especial que possui estriações à microscopia, mas que é involuntário.
Além de dar sustentação ao corpo, o esqueleto protege os órgãos internos e fornece pontos de apoio para a fixação
dos músculos. Ele constitui-se de peças ósseas (ao todo 206 ossos no indivíduo adulto) e cartilaginosas articuladas, que
formam um sistema de alavancas movimentadas pelos músculos. O esqueleto é dividido em duas partes:
Esqueleto axial: Formado pela caixa craniana, coluna vertebral e caixa torácica.
Esqueleto apendicular: Compreende a cintura escapular, formada pelas escápulas e clavículas; cintura pélvica, formada
pelos ossos ilíacos (da bacia) e o esqueleto dos membros (superiores ou anteriores e inferiores ou posteriores).
Coluna vertebral - Eixo principal de sustentação do corpo humano. É composto de 33 ossos chamados de vértebras.
Está dividida em cinco regiões.
Cervical - Composto por sete vértebras, localizada no pescoço.
Torácica - Composto de doze vértebras, na região do tronco.
Lombar - Composto de cinco vértebras, na parte inferior do tronco.
Sacral - Composto de cinco vértebras fundidas formam o osso sacro.
Coccígea - Composto de quatro vértebras fundidas formam o cóccix.

FRATURAS - 65
Podemos definir uma fratura como sendo a perda, total ou parcial, da continuidade de um osso. A fratura pode ser
simples (fechada) ou exposta (aberta).
Na fratura simples não há o rompimento da pele sobre a lesão e nas expostas sim, isto é, o osso fratura do fica
exposto ao meio ambiente, possibilitando sangramentos e um aumento do risco de infecção.
O bombeiro poderá identificar também através dos sinais e sintomas como: deformidades, edemas, hematomas,
exposições ósseas, palidez ou cianose das extremidades e ainda, redução de temperatura no membro fraturado.
A imobilização provisória é o socorro mais indicado no tratamento de fraturas ou suspeitas de fraturas. Quebra de
um osso. Ruptura total ou parcial de um osso. Perda da continuidade óssea.
CONDIÇÕES DE FRATURAS
• Fechada (simples): A pele não foi perfurada pelas extremidades ósseas;
• Aberta (exposta): O osso se quebra, atravessando a pele, ou existe uma ferida associada que se estende
desde o osso fraturado até a pele.
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 67
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
PROCEDIMENTO – POP
Fratura no osso, imobilizar uma articulação abaixo e outra articulação acima.
Fratura na articulação, imobilizar um osso abaixo e outro osso acima.
LUXAÇÃO
A luxação é uma lesão onde as extremidades ósseas que formam uma articulação ficam deslocadas,
permanecendo desalinhadas e sem contato entre si.
É o desalinhamento das extremidades ósseas de uma articulação fazendo com que as superfícies articulares percam o
contato entre si.
ENTORSE
Pode ser definida como uma separação momentânea das superfícies ósseas, ao nível da articulação. É a torção ou
distensão brusca de uma articulação além de seu grau normal de amplitude.
A lesão provocada pela deformação brusca, geralmente produz o estiramento dos ligamentos na articulação ou perto dela.
Os músculos e os tendões podem ser estirados em excesso e rompidos por movimentos repentinos e violentos.
RAZÕES PARA A IMOBILIZAÇÃO PROVISÓRIA
Evitar ou minimizar a dor: Prevenindo a movimentação de fragmentos ósseos fraturados ou dos ossos de uma articulação
luxada ou com entorse.
A) Lesões futuras de músculos, nervos e vasos sanguíneos pelos fragmentos ósseos.
B) Rompimento da pele e conversão de uma fratura fechada em aberta (mais perigosa devido à contaminação direta e
possível infecção).
TIPOS DE IMOBILIZAÇÕES
Talas rígidas: Seguem um formato no alinhamento do membro;
Talas moldáveis: Permitem moldagem na forma do segmento lesado;
Prancha longa: Imobilização de corpo inteiro em plano rígido;
Bandagens triangulares: Fixador de talas e imobilizador para luxações e entorses de membros;
Colete Imobilizador Dorsal – KED: Utilizado para imobilizar a coluna vertebral, e manter a vítima na posição que ela se
encontra.
Prancha curta: Coluna vertebral
MATERIAIS PARA EXECUTAR O PROCEDIMENTO
 Talas moldáveis, pranchas longas, KED, colar cervical.
REGRAS GERAIS PARA IMOBILIZAÇÕES
Priorizar o atendimento das lesões que ameacem a vida, detectadas na análise primária.
 Imobilizar fraturas antes de movimentar o acidentado, exceto, nos casos de risco iminente de morte para a
vítima ou BOMBEIRO, a posição da vítima estiver obstruindo suas vias aéreas, sua posição impede a
realização da análise primária ou para garantir acesso a uma vítima mais grave.
 NUNCA tentar alinhar o osso fraturado.
 NUNCA tentar reintroduzir um osso exposto.
 Expor o local do ferimento e remover adornos como relógio, pulseiras e anéis das extremidades afetadas.
 Cobrir ferimentos com gaze estéril seca, fixando com atadura de crepe ou bandagem.
 Imobilizar o membro com o mínimo de movimentação possível, em posição mais próxima da anatômica,
conforme POP específicos.
PROCEDIMENTO – POP Colete Imobilizador Dorsal
Utilizar colete imobilizador dorsal em vitimas que análise primaria estabeleça A B C estáveis Nos casos de vitimas
instáveis aplica se a técnica de extricação rápida.
1º Acessar a vitima e realizar, manualmente , a estabilização da cabeça .
2º Aplicar o colar cervical na sequencia da analise secundaria.
3º Preparar o colete imobilizador dorsal.
4º Acessar lateralmente a vitima, apoiar uma das mãos no dorso e a outra sobre o tórax
em movimento sincronizado , em monobloco , posicionar o corpo da vitima para frente criando um espaço para inserção do
colete .
5º Colocar o colete entre a vitima e o encosto (banco , parede), centralizando o .
6º Reposicionar a vitima contra o equipamento em movimento sincronizado.
7º Ajustar as abas do equipamento sob as axilas.
8º Ajustar os tirantes do equipamento , na seguinte ordem :
Tirante abdominal (central)
Tirante pélvico (inferior)
Tirante torácico (superior)
Tirante dos membros inferiores (quadris)
9º Observar necessidade de preencher espaço existente entre a cabeça e o colete com o uso da almofada do equipamento.
10º Fixar a cabeça com os tirantes do queixo e da testa.
11º Preencher o espaço entre os membros inferiores com um cobertor dobrado fixando com bandagem triangular na altura
do tornozelo, abaixo do joelho e no terço médio da coxa.

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 68


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
12º Restringir os punhos da vitima com bandagem triangular, antes de remove lá.
13º Revisar todos os tirantes bem como o ajuste do equipamento.
14º Ajustar o tirante torácico quando a estratégia de mover a vitima estiver finalizada.
15º Assim que colocar a vítima na prancha, soltar os tirantes da cintura pélvica e a restrição das mãos da vítima.
16º Encaminhar para o hospital, somente sob autorização médica ira realizar a retirada do equipamento.

SISTEMA NERVOSO - 66
O sistema nervoso se distribui por todos tecidos do organismo humano.
E responsável pela regulação e integração da função dos órgãos, pela captação de estímulos do meio-ambiente e é sede de
todas as atividades mentais e comportamentais humanas.Devido à sua função essencial à vida, a principal parte dele está
bem protegida dentro de estruturas ósseas. Ainda assim está sujeito a lesões e de fato aproximadamente metade das
mortes por trauma decorrem de lesões do sistema nervoso.
Anatomicamente o sistema nervoso é dividido em duas partes: o sistema nervoso central e o sistema nervoso periférico.
Funcionalmente o sistema nervoso é dividido em sistema nervoso somático e sistema nervoso autônomo.O sistema
nervoso somático regula as atividades sobre as quais há controle voluntário, enquanto o sistema nervoso autônomo
regula as atividades involuntárias essenciais ao funcionamento do organismo como a respiração, digestão, vasodilatação
e vasoconstrição, entre muitas outras.
Sistema Nervoso Central
É composto pelo encéfalo e pela medula espinhal. O encéfalo está contido dentro da cavidade craniana enquanto a medula
espinhal está contida dentro do canal medular na coluna vertebral.
Sistema Nervoso Periférico
O sistema nervoso periférico é composto de 31 pares de nervos que saem da medula espinhal (nervos raquidianos) e
12 pares de nervos que saem do crânio (nervos cranianos).
Cérebro - É a parte mais volumosa do encéfalo. Divide-se em metades direita e esquerda, os hemisférios.
Cerebelo - Localizado na região posterior da cavidade craniana logo abaixo do lobo occipital do cérebro. É
responsável pelo equilíbrio e pela coordenação dos movimentos do corpo.
Tronco encefálico - É a porção inferior do encéfalo. Se comunica com a medula espinhal, com a qual está em
continuidade, através de uma grande abertura na base do crânio chamada de forame magno.
Medula Espinhal - E um cilindro achatado que desce pelo interior da coluna vertebral. Sua principal função é fazer a
intercomunicação entre o encéfalo e o corpo.
Sistema nervoso somático - Controla as atividades voluntárias do corpo.
Sistema nervoso autônomo - Também chamado de sistema nervoso vegetativo ou involuntário.

EMERGÊNCIAS CLÍNICAS - 67
Doença pode ser entendida como um desequilíbrio das funções que mantém a vida de um organismo. Entendem- se como
sintomas as queixas da vítima. Sinais são evidências que podem ser detectados por meio da observação, audição ou
palpação.
Reconhecer a emergência CLÍNICA é fundamental, pois pode reduzir a morbidade e a mortalidade decorrentes da
emergência.
URGÊNCIA CLÍNICA
São as condições de desequilíbrio do organismo que não envolvem a violência como causas que as originaram , cujos
sinais e sintomas identificam a necessidade de atenção médica precoce.
ANGINA
A angina de peito pode ser entendida como uma dor caracterizada por uma sensação intensa constrição no tórax.
Geralmente esta associada a um suprimento sanguíneo insuficiente para o coração. A angina se agrava ou se produz com o
exercício ou se alivia com repouso ou medicamentos vasodilatadores das artérias coronárias. Seu principal sintoma é uma
dor no peito ou sensação de opressão (Que aparece e aumenta com esforço físico).
Essa dor poderá irradiar se para a mandíbula e os braços.
Na dúvida, considerar toda dor no peito, sem explicação , como uma possível angina . As vitimas conscientes de sua condição
, geralmente , tomam medicamentos para aliviar esta dor.
IAM – INFARTO AGUDO MIOCÁRDIO
É a morte do músculo cardíaco decorrente da privação de oxigênio fornecido por meio do sangue proveniente das artérias
coronárias.
Fisiopatologia - O infarto agudo do miocárdio ocorre pela obstrução aguda das artérias coronárias, responsáveis pelo
suprimento de sangue ao coração.
SINAIS E SINTOMAS IAM
Dor precordial, do tipo queimação, em peso (opressão), ardência podendo irradiar para os membros superiores, a dor pode
não ser precordial, podendo localizar-se na região epigástrica, no pescoço, Sensação de morte iminente , Palidez, sudorese e

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 69


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
mal estar.
PROCEDIMENTO - POP
 Consiste basicamente no acionamento do socorro especializado, no entanto, o BOMBEIRO poderá ajudar a
vítima, colocando-a numa posição semi-sentado), para facilitar a respiração, afrouxando roupas apertadas e
mantendo o calor corporal da vítima.
 Caso a vítima esteja em PCR, acione o SEM e inicie imediatamente as manobras de RCP.

AVE – ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO


O acidente vascular encefálico (AVE) é uma condição caracterizada pela alteração do suprimento sanguíneo para os órgãos
do encéfalo (cérebro, cerebelo e tronco cerebral).
Em geral acomete mais o cérebro.
Principais Causas:
 Trombose Cerebral - Causada quando um coágulo obstrui uma artéria cerebral, impedindo que o sangue oxigenado
nutra a porção correspondente do cérebro.
 Hemorragia Cerebral - Também chamado de derrame cerebral, é quando uma artéria se rompe deixando uma área do
cérebro sem nutrição.
 Sinais e Sintomas AVE
Dor de cabeça intensa – Cefaleia, Dificuldade motora e de equilíbrio; Desmaio / Convulsão, Fala desarticulada e debilidade
facial, Dificuldade visual, Perda do controle urinário e intestinal.
PROCEDIMENTO - POP
 O BOMBEIRO deverá estar preparado para insuflar ou realizar manobras de RCP. Mantenha a vítima em
repouso e manipule-a com cuidado e lentamente, mantenha seu corpo aquecido, não dê nada para ela beber ou comer
e mantenha-a na posição de recuperação.

CONVULSÃO
A convulsão pode ser conceituada como uma contração violenta, ou uma série de contrações dos músculos
voluntários, com ou sem perda da consciência por parte da vítima. Suas causas mais comuns são a epilepsia e a febre alta.
Sinais e Sintomas de convulsão
 Perda da consciência. A vítima poderá cair e sofrer um trauma,
 Rigidez do corpo, especialmente do pescoço e extremidades,
 Pode ocorrer cianose ou até parada respiratória.
 Em algumas ocasiões, há perda do controle dos esfíncteres urinário e anal.
 Depois das convulsões a vítima recupera o seu estado de consciência lentamente. Pode ficar confuso por
um certo tempo e ter amnésia ( perca da memória temporariamente) do episódio.
PROCEDIMENTO - POP
 Proteger a vítima de qualquer perigo, afastando objetos ao seu redor;
 Proteger a cabeça da vítima; posicionar imediatamente a vítima em decúbito lateral, evitando que aspire
secreções, permitindo a queda da base da língua e a liberação das VAS;
 Fazer antissepsia das VAS e checar sinais vitais;
 Afrouxar suas vestes, para maior ventilação;
 Transportar a vítima para o hospital.
SÍNCOPE – DESMAIO
O desmaio pode ser definido como uma momentânea perda da consciência, que geralmente não dura mais que alguns
minutos e é causada pela diminuição temporária do fluxo sanguíneo que nutre o cérebro.
Principais Causas
 Hipotensão;
 Hipoglicemia;
 O desmaio pode ser uma reação à dor ou ao medo, ou resultante de perturbação emocional;
 Exaustão ou falta de alimentação, entretanto, o restabelecimento da vítima é normalmente rápido e
completo.
Sinais e Sintomas
 Palidez,
 Pulso fraco e lento,
 Falta de equilíbrio,
 Inconsciência
Diante de uma vítima que sofreu um desmaio, o BOMBEIRO tranquilizar a vítima, mantendo- a numa posição confortável.
PROCEDIMENTO - POP
Existe dois tipos de procedimentos a forma de executá-los dependerá da condição que a vítima estiver.
Situação Clínica: Quando não tiver suspeita de lesões traumáticas.
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 70
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Checar nível de consciência, checar sinais vitais e colocar a vítima em posição de recuperação e aguardar até o retorno da
consciência, conversar com a vítima e libera - lá em seguida.
 Situação Traumática: Quando através da avaliação de cena o BOMBEIRO identificar suspeita de lesões traumáticas na
vítima.
Iniciar o procedimento de análise primária conforme prioridade no atendimento;
Iniciar análise secundária e imobilizar a vítima com colar cervical e encosto lateral;
Imobilizar a vítima na prancha e remover para o hospital.
Lembrando este procedimento é devido ao trauma e não ao desmaio.
DIABETES MELITTUS
O diabetes mellitus é uma doença sistêmica causada pelo excesso de glicose na circulação sanguínea (hiperglicemia).
A falta de tratamento ou o tratamento inadequado pode resultar em complicações agudas ou crônicas. O tratamento
adequado pode retardar o aparecimento das complicações.
O excesso de glicose na circulação sanguínea (hiperglicemia) leva ao fenômeno denominado glicosilação.
A glicose circulante em excesso acaba impregnando os tecidos dos sistemas circulatório, nervoso, entre outros.
O excesso de glicose na circulação coexiste com a carência deste elemento no interior da célula. Isto ocorre por causa da
falta de insulina, que é um hormônio produzido no pâncreas.
Sem insulina suficiente, a glicose não pode ser transportada para o interior da célula. A carência intracelular de glicose
desencadeia a utilização de outras fontes de energia, como as gorduras e proteínas.
Sinais e Sintomas - DM
Hálito cetótico, que pode confundir com o hálito etílico (cheiro de maça podre)
Dispnéia: (respiração DIFÍCIL), alteração do nível de consciência, perda urinária considerável (poliúria), sensação de
sede e fome, coma.
É importante colher informações sobre os antecedentes da vítima, lembrando de perguntar sobre o diabetes, além de
doenças pregressas, uso de medicamentos e infecções prévias.
HIPOGLICEMIA
A hipoglicemia é uma condição onde a quantidade de glicose circulante no sangue encontra -se abaixo de 40 mg/dl.
Nesta condição, o paciente pode apresentar sinais e sintomas que podem ser verificados pelo Bombeiro, que passa a
suspeitar de um provável quadro hipoglicêmico.
Sinais e Sintomas Hipoglicemia
Irritação, Tremor, Sudorese, Desmaio, Taquicardia (aumento dos batimentos cardíacos); Palidez podem manifestar-se sem
hipoglicemia moderada.
PROCEDIMENTO - POP
 Reconhecer o quadro clínico rapidamente;
 Transporte imediato;
 Manter a permeabilidade das vias aéreas em VÍTIMAS inconscientes;
 Transportar as vítimas em posição de recuperação.
ESTADO DE CHOQUE
Conjunto de alterações orgânicas devido a uma inadequada perfusão e consequentes falta de oxigenação dos órgãos e
tecidos, denominado choque hemodinâmico.Inicialmente devemos entender o termo “perfusão”, ou seja, a circulação
de sangue dentro de um órgão. A perfusão mantém viva as células do corpo através do suprimento de nutrientes. Se a
perfusão é deficitária o órgão entra em sofrimento e morre.
O choque hemodinâmico classifica-se de acordo com o mecanismo predominante em:
 Choque Neurogênico ,Choque Cardiogênico, Choque Anafilático , Choque Séptico, Choque Hipovolêmico
Choque Hipotérmico, Choque Circulatório
Choque Neurogênico - Esse tipo de choque é decorrente de uma lesão na medula espinhal. Esta lesão leva a paralisia da
parede das artérias devido a interrupção da comunicação com o sistema nervoso central causando uma imensa
vasodilatação na periferia do corpo da vítima.
Sinais e Sintomas - Os sinais marcantes são: diminuição da pressão arterial e dos batimentos cardíacos
(hipotensão com bradicardia), pele rosada devido a vasodilatação dos vasos sanguíneos na superfície da pele.
Choque Cardiogênico - Trata-se de diminuição da circulação e oxigenação inadequadas dos órgãos e tecidos, graças à
falência do coração. No choque cardiogênico o volume de sangue no corpo é mantido. No entanto, a quantidade de sangue
bombeada pelo coração esta diminuída, devido á falha do coração.
Sinais e Sintomas - Taquipnéia: (respiração rápida e superficial), Taquicardia: pulso rápido e (fraco), Pele fria, pálida e
úmida, face pálida e Cianótica, Hipotensão, Sudorese, Ansiedade.
Choque Anafilático - O choque anafilático é uma reação alérgica aguda a medicamentos, picadas de insetos, comidas,
poeiras e outros agentes. Instala-se rapidamente, logo após o contato com a substância a qual a vítima é alérgica.
Sinais e Sintomas - Perfusão Periférica lenta ou nula, respiração curta, tonturas e desmaio, sede, tremor e agitação, rosto e
peito vermelho, coçando, queimando, edemaciado, dificuldade respiratória, edema de face e lábios (anafilático).
Choque Séptico - É um choque causado por toxinas liberadas por bactérias no organismo humano. Decorrente de estados
infecciosos bacterianos graves onde há liberação de toxinas que lesam as paredes dos vasos sanguíneos.
PROCEDIMENTO - POP
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 71
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
Conduta no estado de choque cardiogênico, séptico, hipotérmico e anafilático:
 Efetuar a análise primária e secundária e tratar os problemas em ordem de prioridade;
 Acionar e aguardar o SAV ou efetuar o transporte imediato;
 Manter a vítima em decúbito dorsal com a cabeceira ELEVADA á 20 centímetros;
 Monitorar os sinais vitais constantemente.
Observação
 Vítimas inconscientes requerem posicionamento em decúbito dorsal
 Nunca ofereça líquidos para ingestão a uma pessoa com sinais ou sintomas de choque
 Pode-se aliviar a sede da vítima umedecendo seus lábios com uma gaze embebida em água.
Choque Circulatório - É quando a circulação sanguínea não é mais fornecida a um ou mais membros.
Choque Hipotérmico - É causado pela diminuição da temperatura do corpo, normalmente a temperatura do corpo é
constante, por volta dos 37ºC.
Choque Hipovolêmico - No choque hipovolêmico há redução do volume circulante com a perda de sangue e com isso, a
volemia torna-se instável. Comuns nos casos de grandes hemorragias (externas ou internas), queimaduras extensas,
desidratação.
Sinais e Sintomas - Taquipnéia, Taquicardia: pulso rápido e (fraco), Pele fria, pálida e úmida, Face pálida e Cianótica,
Hipotensão, Sudorese, Ansiedade, Confusão mental, Fraqueza muscular, Distúrbios visuais.
PROCEDIMENTO – POP
Conduta no estado de choque hipovolêmico, circulatório e neurogênico.
 Efetuar a análise primária e secundária e tratar os problemas em ordem de prioridade
 Acionar e aguardar o SAV – ou efetuar o Transporte Imediato
 Checar circulação e controlar hemorragias
 Imobilizar fraturas de extremidades, desde que não retarde a aplicação de transporte imediato
 Posicionar e transportar a vitima em decúbito dorsal horizontal DDH
 Monitorar os sinais vitais constantemente.

PARTO EMERGENCIAL Emergência Obstétrica – 68


No decurso da gravidez, algumas intercorrências podem ameaçar a vida da mãe e/ou da criança, configurando situações
de emergência que exijam a intervenção do BOMBEIRO.
Além disso, os bombeiros podem ser acionados para assistir ao trabalho de parto normal, desencadeado na via pública. Isso
justifica prepará-los para atuar nas emergências obstétricas: parto normal, parto prematuro.
Definições
 Obstetrícia: É a especialidade médica que cuida da gestante desde a fecundação até o puerpério (pós- parto). Envolve
três fases:
 Gravidez: Da concepção ao trabalho de parto.
 Parto: Período durante o qual a criança e a placenta são expelidos do corpo da mãe para o mundo exterior.
 Pós-parto (puerpério): período no qual os órgãos de reprodução restauram suas condições e tamanhos primitivos,
durando aproximadamente seis semanas.
Estruturas Próprias da Gravidez: São formadas somente na gestação, juntamente com o feto.
Âmnio (Bolsa D'água): Saco fino e transparente que mantém o feto suspenso no líquido amniótico. Este saco é
limitado por uma membrana macia, escorregadia e brilhante. Nela é que a criança fica, movendo-se e flutuando.
Funções mais Importantes do Líquido Amniótico:
 Proteger o feto contra pancadas;
 Permitir liberdade de movimentos ao feto;
 Manter a temperatura fetal;
 Ajudar a alargar o canal vaginal no trabalho de parto,
 Limpar o canal do parto (quando as membranas se rompem), lavando-o e lubrificando-o.
Placenta: No terceiro mês de gestação, outra importante estrutura estará formada: a placenta, que é uma estrutura carnosa,
em forma de prato. No final da gravidez, ela mede cerca de 20 cm de diâmetro e 2,5 cm de espessura, assim também os
ramos projetados pela estrutura destinada a nutrir o feto se apropriam de fina camada do leito uterino, formando a placenta,
órgão que supre o feto de alimentos e oxigênio. De superfície macia e brilhante, deixa ver grande número de vasos
sanguíneos.
Cordão Umbilical: A placenta e a criança estão conectadas por meio do cordão umbilical. Ligado ao centro da placenta, o
cordão vai até a parede abdominal da criança, onde penetra umbigo. Ele tem mais ou menos 50 cm de comprimento e
2 cm de diâmetro. Contêm duas artérias e uma veia de grosso calibre, enroladas uma sobre a outra.
Parto Normal: É O processo pelo qual a criança é expelida do útero, compreendendo três períodos: dilatação, expulsão e
dequitação da placenta.
Período de Dilatação: Primeiro período do trabalho de parto, que começa com os primeiros sintomas e termina com a
completa dilatação do canal vaginal.
O sinal mais importante neste período de dilatação são as contrações do útero, que fazem com que o colo se dilate de
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 72
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
O a 10 cm.
As contrações uterinas são reconhecidas pela dor tipo cólica referida pela gestante e pelo endurecimento do útero,
perceptível à palpação do abdômen.
PROCEDIMENTO - POP
 Tranquilize a gestante. Demonstre uma atitude alegre, simpática e encorajadora para com ela.
 Observe e anote as características das contrações: frequência, duração e intensidade.
 A presença do "sinal" (tampão, sem sangramento vivo em quantidade substancial) sugere estar havendo
rápido desenvolvimento para o parto, particularmente se associado a frequentes e fortes contrações.
 Insista para que a paciente não faça força e, em vez disso, encoraje-a para que respire ofegantemente
durante as contrações (respiração de "cachorrinho cansado"). Durante o primeiro período do trabalho, as
contrações uterinas são involuntárias e destinam-se a dilatar o colo uterino e não a expulsar o feto.
Período de Expulsão
A paciente começa a fazer força espontaneamente. Há repentino aumento nas descargas vaginais. Algumas vezes os
líquidos são claros, com leve sangramento. Isso indica que a cabeça da criança está passando através do canal do parto, já
completamente dilatado.
A paciente tem a sensação de necessidade de evacuar, sintoma decorrente da pressão exercida pela cabeça do feto no
períneo e, consequentemente, contra o reto.
As membranas rompem e extravasam líquido amniótico. Embora a "bolsa“ possa romper se a qualquer hora, é mais
frequente seu rompimento no começo do segundo período. Esses são sinais tardios e anunciam que o aparecimento da
criança poderá ser observado a qualquer nova contração. Episódios de vômito a essa altura são frequentes. Caso haja
vômito, cuide para não ocorrer aspiração e obstrução da via aérea.
Coroamento: a abertura vaginal ficará abaulada e o polo cefálico da criança poderá ser visto. Isso é o coroamento, o último
sintoma antes que a cabeça e o resto da criança nasçam.
Deixe o bebê sobre o abdômen da mãe, em decúbito lateral, com a cabeça rebaixada, para drenar fluidos contidos na via
aérea.
Limpeza das vias aéreas: limpe a boca por fora, com compressas de gaze.
Enrole a gaze no dedo indicador para limpar por dentro a boca do recém - Nascido (RN), sempre delicadamente, tentando
retirar corpos estranhos e muco. Observe que o RN respira primeiramente pelo nariz, daí sua desobstrução é tão importante
quanto a da boca. As manobras de desobstrução da via aérea devem ser feitas sempre, que o RN não conseguir respirar.
Estimule a criança, friccionando-a com a mão. Não bata na criança. Pode fazer cócegas nas plantas dos pés, com o dedo
indicador.
Quando a criança começar a respirar, volte sua atenção para a mãe e o cordão umbilical. Caso as vias aéreas tenham sido
desobstruídas e o RN não tenha começado a respirar, inicie manobras de ressuscitação.
Faça respiração artificial sem equipamentos: respiração boca a boca ou boca nariz-boca. Faça uma ou duas insuflações. Caso
a criança consiga respirar sozinha, deixe que o faça. Caso contrário, inicie a RCP.
Continuar até que a criança comece a respirar ou que um médico ateste o óbito. Transporte à criança a um hospital o
quanto antes. Depois que a criança estiver respirando, concentre sua atenção no cordão umbilical.
Clampeie o cordão aproximadamente 15 a 20 cm do abdômen do RN. A aproximadamente 2,5cm do primeiro cordão,
clampeie o segundo.
Envolva a criança em lençol limpo e cobertores e passe-a ao cuidado de um colega.
A criança deve ser mantida em decúbito lateral, com a cabeça levemente mais baixa que o resto do corpo.
Coloque uma fita no braço do bebê e no braço da mãe com o nome completo e número do RG da mãe, para evitar trocas
de bebês no hospital.
Dequitação Placentária
O terceiro período estende-se desde a hora em que a criança nasce até a eliminação da placenta, que normalmente
acontece em até 30 minutos. Junto com ela vem uma a duas xícaras de sangue. Não se alarme, porque é normal. Não puxe a
placenta: aguarde sua expulsão natural. Retirada, envolver a placenta num plástico estéril, e leve-a ao hospital, juntamente
com a mãe e a criança, para ser examinada quanto à possibilidade de algum pedaço ter ficado na cavidade uterina.
Uma compressa estéril (Zobec) pode ser colocada na abertura vaginal na calcinha da gestante após a saída da placenta.
Observação. Converse com a mãe sempre, a mantenha consciente se caso ficar inconsciente inicie análise primária
conforme ordem de prioridade.
Apresentação Inicial de Pé ou Mão ou Cordão Umbilical
Cordão umbilical ou um pé ou uma mão saindo primeiro do canal de parto.
Cuidados de Emergência
 Transporte rapidamente a mãe para um serviço de emergência, tomando especial cuidado para não machucar
a parte exteriorizada. Não tente repor a parte em prolapso para dentro do canal.
 Se um pé, ou mão, ou o cordão estiver para fora, cubra com material estéril (gaze ou toalha).
 No caso do cordão fora, seja ágil: a criança pode estar em perigo, causado pela compressão do cordão entre a
cabeça e o canal de parto. Enquanto o cordão estiver comprimido, a criança não receberá quantidades adequadas
de sangue e oxigênio.
PARTOS MÚLTIPLOS
APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 73
ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo
O parto de gêmeos não deve ser considerado, em princípio, uma complicação; em partos normais, será como fazer o de
uma só criança a cada vez. Os partos sucessivos podem ocorrer com alguns minutos de diferença. Depois que a
primeira criança nasceu, clampe o cordão como faria no parto simples.
Faça o mesmo na(s) outra(s) criança(s).
Nascimentos múltiplos acontecem frequentemente antes de a gestação ir a término. Por isso, gêmeos devem ser
considerados prematuros; lembre-se de mantê-los aquecidos.

TRANSPORTE DE VÍTIMAS - 69
O transporte de vítima serve para retirar a vítima do local aonde ela se encontra e levá-la para uma ambulância ou algum
lugar onde irão dar continuidade no socorro, sendo que para colocarmos a vítima em uma prancha temos as seguintes
formas:
Existem algumas maneiras de transportar a vítima sem o uso de prancha, sendo elas:
TRANSPORTE NAS COSTAS: Estando a vítima de pé, o socorrista vira as costas para ele e passa os braços do acidentado em
torno do seu pescoço, o socorrista em seguida inclina o corpo um pouco para frente elevando a vítima e conduzindo-a.
TRANSPORTE EM CADEIRINHA: Os dois bombeiros com os braços faz um entrelaçamento tal que forme um pequeno
assento. A vítima irá sentar nesse entrelaçado e poderá ainda amparar-se se segurando ao pescoço dos dois, ao ser
transportado.
CADEIRA DE RODAS: Utilizado para transportar pessoas que tenha debilidade parcial ou não. Para colocar o paciente na
cadeira de rodas, se o paciente estiver sentado o bombeiro vai passar um dos braços por baixo das pernas na altura do joelho
do paciente, o outro braço.
GIRO EM MONOBLOCO: Define-se como giro da vitima de uma posição em decúbito dorsal para uma posição de decúbito
lateral.
ELEVAÇÂO A CAVALEIRO: Define-se como a elevação da vítima em uma altura de 20 cm para coloca-la na prancha.
CHAVE DE “RAUTECK” Empregar este procedimento somente quando:
 For imprescindível para acessar a vítima mais grave;
 Local de risco iminente para vítima e/ou bombeiro;
 Houver risco à vida da vítima que exija o transporte imediato e houver apenas um bombeiro.

MÉTODO START - 70
O primeiro BOMBEIRO que chega numa cena da emergência com múltiplas vítimas enfrenta um grande problema. A
situação é diferente e seus métodos usuais de resposta e operação não são aplicáveis.
Este profissional deve modificar sua forma rotineira de trabalho buscando um novo método de atuação que lhe permita
responder adequadamente a situação.
Como poderão então esses bombeiros prestar um socorro adequado?
Obviamente, se eles voltarem sua atenção para a reanimação de uma ou mais vítimas, as outras potencialmente
recuperáveis poderão morrer.
Portanto, logo que chegam na cena, esses primeiros bombeiros devem avaliá-la, pedir reforços adicionais e assegurar
o local para, só então, dedicarem-se a seleção das vítimas enquanto as novas unidades de socorro deslocam-se para o local
da emergência.
TRIAGEM
Processo utilizado em situações onde a emergência ultrapassa a capacidade de resposta da equipe de socorro. Utilizado para
alocar recursos e hierarquizar vítimas de acordo com um sistema de prioridades, de forma a possibilitar o atendimento
e o transporte rápido do maior número possível de vítimas.
Triagem – Termo dado ao reconhecimento da situação e seleção das vítimas por prioridades na cena da emergência.
Palavra de origem francesa que significa “pegar, selecionar ou escolher”.
Podemos conceituar a triagem como sendo um processo utilizado em situações onde a emergência ultrapassa a capacidade
de resposta da equipe de socorro.
É de responsabilidade do bombeiro que primeiro chegar ao local do acidente múltiplo, montar um esquema e separar as
peças de um desastre de forma a propiciar o melhor cuidado possível a cada pessoa envolvida, solicitando recursos
adicionais e reforço para atender adequadamente a ocorrência.
Em resumo, o processo de triagem é usado quando a demanda de atenção supera nossa capacidade de resposta e, portanto,
devemos direcionar nossos esforços para salvar o maior número de vítimas possível, escolhendo aquelas que apresentam
maiores possibilidades de sobrevivência.

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 74


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo

S Simple Simples
T Triage Triagem
A And e
R Rapid Rápido
T Treatment Tratamento

APLICABILIDADE DO SISTEMA SITUAÇÕES


 Grande número de vítimas;
 Grande prejuízo ao trânsito urbano
 Necessidade de grande abastecimento de água;
 Existência de pessoas desabrigadas;
 Dano ao meio ambiente;
 Necessidade de outros órgãos envolvidos;
DESCRIÇÃO
 Zona Quente: Centro da catástrofe onde são realizadas as operações de bombeiros.
 Zona Morna: É a área de apoio a zona quente onde estará o corredor de saída de vítimas e entrada de
equipamentos e pessoal.
 Zona Fria: Posto de Comando, Posto Médico e Base de decolagem.
CÓDIGO DE CORES NO PROCESSO DE TRIAGEM
Cor VERMELHA: Significa primeira prioridade: São as vítimas que apresentam sinais e sintomas que demonstram um estado
crítico e necessitam tratamento e transporte imediato.
Cor AMARELA: Significa segunda prioridade: São as vítimas que apresentam sinais e sintomas que permitem adiar a
atenção e podem aguardar pelo transporte.
Cor CINZA: Significa terceira prioridade (morte clínica); lesões obviamente mortais ou para identificação de cadáveres.
Cor VERDE: Significa sem prioridade: São as vítimas que apresentam lesões menores ou sinais e sintomas que não requerem
atenção imediata.
CRITÉRIOS UTILIZADOS NO MÉTODO START
O método utiliza tirante colorido ou cartões e baseia-se em três critérios para classificar as vítimas, ou seja: A
frequência respiratória / A perfusão / Nível de consciência.
Frequência Respiratória: Se a frequência respiratória é superior a 30 rpm, receberá uma etiqueta / fita de cor vermelha.
Caso a respiração esteja normal (menor de 30 rpm), o bombeiro vai ao passo seguinte.
Perfusão Capilar: Verifica-se a perfusão capilar através da prova do enchimento capilar. Se o enchimento capilar é superior
a 2 segundos, a vítima deverá receber a etiqueta / fita de cor vermelha. Se o enchimento capilar é inferior a 2 segundos, o
bombeiro vai ao passo seguinte.
Nível de consciência: Se a vítima não consegue executar ordens simples emanadas pelo bombeiro, deverá receber a
etiqueta/fita de cor vermelha. Se a vítima executa corretamente as ordens simples recebidas, receberá a etiqueta/fita de
cor amarela.
PRIMEIRO PASSO: O bombeiro entra na cena da emergência, identifica e conduz (poderá ser utilizado um megafone
para isso) as vítimas que podem caminhar para uma área de concentração previamente delimitada.
Estas vítimas receberão uma identificação verde, entretanto, esse não é o momento de rotulá-las com etiquetas ou
fitas, sendo que tal providência será realizada posteriormente e de forma individual.
SEGUNDO PASSO: Os bombeiros iniciam a avaliação das vítimas que permaneceram na cena de emergência e que não
apresentam condições de caminhar.
Deverá ser avaliada a respiração. A respiração está normal ou ausente? Se estiver ausente, abra imediatamente as VAS
para determinar se as respirações iniciam espontaneamente.
Se a vítima continua sem respirar, recebe a etiqueta/fita de cor cinza. Se a vítima necessita ajuda para manter as VAS
abertas e sua frequência respiratória é superior a 30 rpm, receberá uma etiqueta/fita de cor vermelha. Caso a
respiração esteja normal (menor de 30 rpm), vá ao passo seguinte.
TERCEIRO PASSO: Verifique a perfusão através da prova do enchimento capilar. Se o enchimento capilar é superior a 2
segundos, a vítima deverá receber a etiqueta/fita de cor vermelha. Se o enchimento capilar é inferior a 2 segundos, vá ao
passo seguinte. Hemorragias devem ser tratadas por BOMBEIROS que não esteja envolvido no processo de triagem.
QUARTO PASSO: Verifique o nível de consciência da vítima. Se a vítima não consegue executar ordens simples emanadas
pelo BOMBEIRO, deverá receber a etiqueta / fita de cor vermelha. Se a vítima executa corretamente as ordens
simples, receberá a etiqueta/fita de cor amarela.

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 75


ABCESP - Academia de Bombeiro Civil do Estado de São Paulo

ORDEM DE PRIORIDADE
1) Priorizar o atendimento das vítimas realizando a análise primária, quando o número de vítimas não superar os
recursos de equipe e viaturas disponíveis no local (região).
2) Atender e estabilizar inicialmente as vítimas que tenham comprometimento das vias aéreas, priorizando seu
transporte.
3) Atender e estabilizar como segunda prioridade as vítimas com comprometimento da respiração, assim como o
seu transporte.
4) Atender e estabilizar como terceira prioridade as vítimas com comprometimento circulatório, assim como seu
transporte.
5) Atender e estabilizar como quarta prioridade as vítimas com comprometimento neurológico, assim como seu
transporte.

OBSERVAÇÃO: Será conforme a quantidade de bombeiros presente no local, devemos seguir um padrão de
atendimento 1º bombeiro será o líder da ocorrência e o restante deve se dividir em equipes de analises e para transportar
as vítimas.

APOSTILA DE FORMAÇÃO DE BOMBEIRO CIVIL - 220H 76

Você também pode gostar