Você está na página 1de 4

UNIVERSIDADE FEDERAL DO SEMI‐ÁRIDO – Campus Mossoró

CENTRO DE ENGENHARIAS ‐ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA E TECNOLOGIA


Disciplina: Resistência dos Materiais 1 ‐ Prof. Carlos Eduardo Aguiar Lima Rodrigues
Período 2021.1

ESTUDO DIRIGIDO & LISTA DE EXERCÍCIOS Nº 05


(Unidade II)

Data da entrega desta Lista de Exercícios:


Conforme SIGAA.

CONTEÚDO: Carga Axial


‐ Tensão Térmica: Efeito de temperatura (tópico 4.6)
‐ Concentração de tensão (tópico 4.7)
‐ Tensões residuais (tópico 4.9)

CARGA HORÁRIA: 4 horas-aula


(Carga Horária desta atividade para contabilizar frequência)

Orientações para a entrega da Lista de Exercício:


‐ Resolver em folha formato A4. Pode ser folha de caderno grande (não precisa destacar as folhas).
‐ Resolver de forma organizada e com letra legível.
‐ Não precisa escrever o enunciado das questões. Apenas apontar o número de cada questão.
‐ Resolver à mão. Se resolver à lápis‐grafite, escrever com força, de forma nítida.
‐ Organizar as folhas para entrega seguindo a sequência da lista de exercícios.
‐ Fotografar ou scanear cada página de exercícios e gerar um arquivo único, em PDF, para cada Lista de Exercícios.
‐ Nomear o arquivo PDF da seguinte forma: “Primeiro e Último nome do aluno - Lista Nº - RM1”,
ver exemplo: Pedro Cabral - Lista 00 - RM1.pdf
‐ Deverá colocar o nome completo e número de matrícula em todas as folhas, na parte superior esquerda da folha.
‐ A primeira página de cada Lista de Exercícios deverá conter estas informações:
Nome: Nº de Matrícula: Disciplina: Resistência dos Materiais 1
Lista de Exercícios Nº: 00 Professor: Carlos Eduardo A L Rodrigues
Conteúdo: Período Suplementar 2021.1
‐ A lista deverá ser entregue via upload no SIGAA.

ESTUDO DIRIGIDO

Orientações de leitura:
Ler a teoria dos tópicos 4.6, 4.7 e 4.9 do Livro “R.C. HIBBLER. RESIST. DOS MATERIAIS” (na 7ª.edição).

Texto Introdutório: Para facilitar a compreensão do conteúdo abordado no tema “Tensão Térmica”, observe que a
equação 4.4 (Hibbeler, pag.106) é a mesma equação já conhecida por todo estudante de engenharia, lá dos
estudos sobre Dilatação Térmica, em Física.

δ = α . ΔT . L ....................(Eq. 4.4, Hibbeler, pag.106)

ΔL = α . L0 . ΔT ..................(Eq. da dilatação térmica linear, dos estudos de Física)

A diferença entre ΔL e δ é puramente conceitual e ocorrem, ambos, devido à uma mesma variação
de temperatura ΔT. Todavia, ΔL corresponde à uma variação de comprimento que ocorre de fato, uma vez
que a peça ou estrutura tem, ao menos, uma extremidade livre e que permite a dilatação térmica. Enquanto
que δ corresponde à um mesmo incremente de variação de comprimento, mas que foi impedido de ocorrer
(dilatar) por conta das restrições de montagem. Ou seja, se a peça ou estrutura não estivesse impedida de
dilatar (ou contrair‐se), variaria suas dimensões na mesma quantidade de variação de comprimento ΔL.
Observe que o Procedimento de Análise para resolver problemas “estaticamente indeterminados”
envolvendo Dilatação Térmica é o mesmo do conteúdo anterior, ou seja, podem ser resolvidos (em geral)
pelos dois métodos: “Princípio da Superposição” e “Método de Análise de Força”.

LISTA DE EXERCÍCIOS

1. Explique como uma variação de temperatura gera tensões internas em uma estrutura ou conjunto
montado.

2. Aponte a equação integrativa para determinar/calcular a variação de deformação interna gerada por
uma variação de temperatura em uma estrutura ou conjunto montado, mas considerando que há um
gradiente de temperatura na peça ou estrutura, ou seja, que há uma variação de temperatura ao longo
do comprimento da peça. O que representa cada termo da equação?

3. Aponte as equações para determinar/calcular os níveis de tensão e de força interna gerada por uma
variação de temperatura em uma estrutura ou conjunto montado? (considerando agora uma situação
de equilibro, em que toda a peça ou estrutura está sob o mesmo ΔT ao longo de todo o comprimento).
O que representa cada termo dessas equações e quais as unidades de cada termo no S.I. ?

Orientações de Estudo:

‐ Estude os Exemplos Resolvidos 4.10, 4.11 e 4.12 (Hibbeler, pag. 107 e 108). relativo
ao assunto de Tensões Térmicas.
(Não precisa entregar/enviar as suas resoluções destes Exemplos Resolvidos.)

4. Resolva os Problemas a seguir. Inclua/Faça Diagrama de Corpo Livre – DCL em todas as resoluções.

4.70 (Hibbeler, pag. 109) 4.74 (Hibbeler, pag. 109)


4.72 (Hibbeler, pag. 109) 4.76 (Hibbeler, pag. 109)
4.73 (Hibbeler, pag. 109) 4.84 (Hibbeler, pag. 110)

5. O que é Fator de Concentração de Tensão? E como se calcula? (tópico 4.7, Hibbeler, pag 111)

6. Mencione três exemplos reais em que encontramos a presença de concentradores de tensão e que,
devemos leva‐los em consideração nos cálculos de dimensionamento. (tópico 4.7, Hibbeler, pag 111)

Orientações de Estudo:

‐ Estude os Exemplos Resolvidos 4.13, 4.14 e 4.12 (Hibbeler, pag. 113). relativo ao
assunto de Concentradores de Tensão.
(Não precisa entregar/enviar as suas resoluções destes Exemplos Resolvidos.)

7. Resolva os Problemas a seguir. Inclua/Faça Diagrama de Corpo Livre – DCL em todas as resoluções.

4.87 (Hibbeler, pag. 118) 4.88 (Hibbeler, pag. 118)


8. O que é Tensão Residual? Como essas tensões residuais podem ser desenvolvidas em uma estrutura ou
peça? (tópico 4.9, Hibbeler, pag 116)

9. (Pesquise na internet) O que é Concreto Protendido?

10. Agora, como base nos seus conhecimentos sobre Tensões Residuais e sobre Concreto Protendido,
Explique brevemente como o conceito sobre Tensões Residuais está aplicado na concepção do Concreto
Protendido?

Orientações de Estudo:
‐ Estude o Exemplo Resolvido 4.17 (Hibbeler, pag. 117) relativo ao assunto de Tensões
Residuais.
(Não precisa entregar/enviar as suas resoluções destes Exemplos Resolvidos.)

Para uma maior compreensão sobre Tensões Residuais, assista aos vídeos:

https://www.youtube.com/watch?v=szntyB6Y7Jw
O que são e como surgem as tensões residuais na soldagem
No primeiro minuto deste vídeo é explicado o que são tensões residuais de uma forma geral. Na
sequência, a explicação de como são geradas tensões residuais em processos de soldagem mostra muito
bem como são formadas tensões residuais devido gradientes térmicos de uma forma geral.

https://www.youtube.com/watch?v=2AihfVX13B4
Como funciona o Concreto Protendido

https://www.youtube.com/watch?v=T9ovaDHJpis
Você sabe o que é o Concreto Protendido?
Com uma correção sobre o que o colega no vídeo explica: Quando ele se refere alongar (ou deformar)
o aço na produção do concreto protendido “até o limite de escoamento”, o que ele quis dizer é
“tensionar o aço, alongando este dentro da faze elástica”. No entanto, o equívoco do colega é que não
pode alongar até o Limite de Escoamento ou próximo deste! Do contrário, quando a viga protendida for
solicitada em flexão (como no vídeo), o aço dentro da estrutura de concreto ultrapassaria o Limite de
Escoamento e, então, sofreria deformação plástica, comprometendo o desempenho da viga.
Questão Extra (OPCIONAL)

1. No problema a seguir, o bloco rígido pesa 400kN e está suportado por três postes A, B e C.
Os postes A e B, nas laterais, são de concreto de alta resistência. O poste central “C” é feito de Aço
A36. Todos os três postes tem o mesmo comprimento inicial, medido à mesma temperatura e antes de
terem sido carregados com o bloco. Cada poste tem área de seção transversal de 5.000mm2.

a) Determine a tensão normal média desenvolvida em cada um dos


três postes, quando o poste C for resfriado de modo que sua
temperatura reduza em 20°C (ou seja, ΔT de ‐20°C).
b) Com essa variação de temperatura, o poste C irá sofre deformação
plástica ou permanecerá apenas com deformação elástica?
c) Com essa variação de temperatura, os postes A e B irão falhar?
(A Norma Brasileira (NBR) 12655/2015, da Associação Brasileira de
Normas Técnicas (ABNT), define que um concreto é de alta resistência
quando sua resistência à compressão aos 28 dias for superior à 50 MPa.)

Você também pode gostar