Você está na página 1de 45

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL – UAB


CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO
ESPECIALIZAÇÃO EM EAD

HUMBERTO OLIVEIRA RIBEIRO

O IMPACTO DOS CURSOS SUPERIORES TECNOLÓGICOS EM


ADMINISTRAÇÃO REALIZADOS A DISTÂNCIA NO MERCADO DE
TRABALHO DO MUNICÍPIO DE ITABERABA
2

ITABERABA – BAHIA
2010
3

HUMBERTO OLIVEIRA RIBEIRO

O IMPACTO DOS CURSOS SUPERIORES TECNOLÓGICOS EM


ADMINISTRAÇÃO REALIZADOS A DISTÂNCIA NO MERCADO DE
TRABALHO DO MUNICÍPIO DE ITABERABA

Trabalho de Conclusão de Curso


apresentado como requisito parcial para a
obtenção do título de Especialista em
Educação a Distância.

ORIENTADORA:
PROFA. DRA. YUMARA LÚCIA VASCONCELOS

ITABERABA – BAHIA
2010
4

Este trabalho é dedicado a Josiene Cerqueira Ferreira Ribeiro


e Raquel Beatriz Ferreira Ribeiro, esposa e filha, pelo suporte
e compreensão nos momentos difíceis e angustiantes do
caminho trilhado.
5

AGRADECIMENTOS

A Deus, que direcionou a luta para o alcance, com nobreza, felicidade e


sensação do dever cumprido, dos objetivos desse trabalho.

À família, esposa e filha, pelo apoio incondicional em todos os momentos,


apesar de todas as dificuldades, ansiedades e angústias.

Aos professores, tutores e colegas do curso de pós-graduação –


Especialização em EAD, mediadores, amigos e parceiros, que muito contribuíram
com uma significativa parcela, nessa etapa de construção do conhecimento.

À orientadora, que somou nos momentos cruciais dessa pesquisa, sempre


motivando a prosseguir.

Muito Obrigado!
6

[...] mas os que esperam no Senhor renovarão


as suas forças; subirão com asas como águias;
correrão, e não se cansarão; andarão, e não se
fatigarão.

(Bíblia Sagrada, Isaías 40:31)


7

RESUMO

Essa pesquisa teve origem nas discussões geradas durante a disciplina Didática e
Planejamento de Ensino, do Curso de Especialização em Política do Planejamento
Pedagógico, oferecido pela Universidade do Estado da Bahia – UNEB, no ano de
2004, quando foi despertado o interesse em aprofundar os estudos acerca da
questão Educação a Distância (EAD), já que se afirmava ser essa modalidade de
ensino o futuro da educação no Brasil e no mundo. Acredita-se que o mercado de
trabalho do município de Itaberaba não tem absorvido os egressos dos cursos
superiores tecnológicos em Administração oferecidos na modalidade a distância;
que a maioria dos alunos que freqüentam tais cursos se interessa apenas pelo
diploma de nível superior e; que grande parte desses alunos já atua em áreas
diferentes das que estão cursando, buscou-se confirmar tais hipóteses. Com base
nesta reflexão é que se procurou nortear a pesquisa, buscando investigar o impacto
dos cursos superiores tecnológicos em administração realizados a distância no
mercado de trabalho do município de Itaberaba. O objetivo do estudo acabou por
encaminhar ao paradigma interpretativo, já que o interesse da pesquisa era
identificar qual o impacto dos cursos superiores tecnológicos em administração
realizados a distância no mercado de trabalho do município de Itaberaba, a partir de
suas concepções e das condições que a rodeiam. Assim sendo, essa pesquisa teve
uma natureza qualitativa, pois o interesse da pesquisa girou em torno do
entendimento de um fato particular – o impacto dos cursos superiores tecnológicos
em administração –, buscando compreendê-lo em um contexto particular – o
mercado de trabalho do município de Itaberaba. Utilizamos o método etnográfico
para essa pesquisa, por acreditar que o seu conjunto de técnicas para a coleta dos
dados acerca dos valores, práticas e comportamento do grupo pesquisado nos
ofereceria os subsídios necessários a um relato escrito fiel do fenômeno estudado.
Através dos questionários pôde-se traçar o perfil dos referidos sujeitos. Já as
entrevistas permitiram conhecer, através de informações objetivas, subjetivas e
informais, as áreas de atuação anteriores e posteriores à realização do curso por
parte dos atores da pesquisa. Este trabalho investigou o impacto dos cursos
superiores tecnológicos em administração realizados a distância no mercado de
trabalho do município de Itaberaba. Dessa forma, concluiu-se que é muito pequeno
o impacto dos cursos superiores tecnológicos em administração realizados a
distância no mercado de trabalho de Itaberaba, pois a grande maioria dos egressos
continua desempenhando as mesmas atividades ou nos mesmos cargos/funções
que antes de realizarem a graduação. Contudo, houve também muitos benefícios
para os referidos egressos, tais como melhoria salarial, satisfação pessoal e
melhoria na qualidade de vida dos mesmos, através dos conhecimentos adquiridos e
da aplicação prática dos mesmos em seu cotidiano.

PALAVRAS-CHAVES: Educação a Distância, Cursos Superiores Tecnológicos,


Administração, Mercado de Trabalho, Itaberaba-BA.
8

ABSTRACT

This research stems from discussions generated during the course Curriculum
Planning and Teaching of Specialization in Educational Policy Planning, offered by
University of Bahia - UNEB, in 2004, when he was awakened the interest in further
studies question about Distance Education (EAD), as it claimed to be this kind of
education the future of education in Brazil and worldwide. It is believed that the labor
market of the city of Itaberaba has absorbed the graduates of degree courses in
technology management offered in a distance, that most students who attend such
courses is interested only by the higher education qualifications and, that great of
these students already operates in areas different from those currently enrolled, we
attempted to confirm such hypotheses. Based on this reflection is that we tried to
guide the search in order to investigate the impact of technology in higher education
administration made the distance in the labor market in the city of Itaberaba. The
study objective was eventually go to the interpretative paradigm, since the interest of
the research was to identify the impact of technology in higher education
administration made the distance in the labor market in the city of Itaberaba from
their conceptions and conditions that surround. Therefore, this research had a
qualitative nature because the research interest revolved around the understanding
of a particular fact - the impact of technology in higher education administration -
seeking to understand it in a particular context - the labor market of the municipality
of Itaberaba. We used the ethnographic method for this research, believing that its
set of techniques for collecting data about the values, practices and conduct of the
research group in the subsidies needed to offer an accurate written account of the
phenomenon. Through the questionnaires it was possible to trace the profile of those
subjects. Have the interviews allowed us to know, through objective information,
subjective and informal areas of activity before and after the completion of the course
by the actors of the research. This study investigated the impact of technology in
higher education administration made the distance in the labor market in the city of
Itaberaba. Thus, we concluded that it is very small the impact of technology in higher
education administration made the distance in the job market Itaberaba because the
vast majority of graduates still performing the same activities or in the same positions
/ roles that before doing graduation. However, there were also many benefits for
those graduates, such as better pay, personal satisfaction and improved quality of life
for ourselves, through the knowledge and practical application of them in their daily
lives.

KEY WORDS: Distance Education, Colleges Technology, Management, Labor


Market, Itaberaba-BA.
9

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO.................................................................................................. 8

2. EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E MERCADO DE TRABALHO......................... 14

2.1. Conceituando Educação a Distância........................................................ 16

2.2. Conhecendo o Mercado de Trabalho....................................................... 18

2.3. Educação a Distância e o universo do trabalho....................................... 20

3. ANÁLISE DOS DADOS.......................................................................... 24

3.1. Metodologia.............................................................................................. 24

3.2. Dos sujeitos pesquisados......................................................................... 25

3.3. Do questionário......................................................................................... 28

3.4. Das entrevistas......................................................................................... 29

CONSIDERAÇÕES FINAIS............................................................................... 32

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS................................................................. 34

ANEXOS............................................................................................................ 37
10

INTRODUÇÃO

Essa pesquisa teve origem nas discussões geradas durante a disciplina


Didática e Planejamento de Ensino, do Curso de Especialização em Política do
Planejamento Pedagógico, oferecido pela Universidade do Estado da Bahia –
UNEB, no ano de 2004, quando foi despertado o interesse em aprofundar os
estudos acerca da questão Educação a Distância (EAD), já que se afirmava ser essa
modalidade de ensino o futuro da educação no Brasil e no mundo.

Corroborando com tal afirmação, acerca das novas modalidades de ensino,


Aragão (2009, p. 25) ressalta que:
Os avanços das tecnologias da informação e comunicação
denominadas neste contexto de contemporâneas vêm possibilitando
novas compreensões sobre as possibilidades de ensinar e aprender,
baseadas em recursos que ligam, conectam e produzem relações
entre os sujeitos.

Outro fator que intensificou o desejo de pesquisar esta área diz respeito ao
fato de que o pesquisador atuou como tutor de sala em uma unidade local de uma
instituição de oferece cursos superiores na modalidade a distância no município de
Itaberaba. Dessa forma, considerou-se de extrema relevância um estudo
aprofundado em relação a esse tema, devido ao crescimento acelerado do número
de instituições e cursos superiores em nosso país, mas, infelizmente, esse
crescimento não está associado à qualidade de ensino, haja vista os resultados do
exame nacional de cursos (ENC) realizado pelo MEC todos os anos e apresentado
pela mídia, além do descredenciamento e fechamento de muitas instituições e,
encerramento e não reconhecimentos de cursos e, “[...] Nesse sentido, a Educação
a Distância (EaD) vem se tornando uma discussão fundamental para se refletir a
educação numa sociedade cada vez mais interconectada por redes tecnológicas”
(Aragão, 2009, p. 25).

Em verdade, A sociedade contemporânea, impactada pelo processo de


globalização, está fortemente marcada pela presença das Tecnologias da
Informação e Comunicação (TIC). Nessa conjuntura, as várias formas de
organização social expressam algum tipo de relação com os recursos tecnológicos,
11

podendo-se perceber os impactos causados por estes recursos no próprio sistema


educacional, o qual é também impelido pelas tecnologias e pelos avanços que elas
proporcionam.

Mas, de acordo com Ribeiro (2010, p. 12):

[...] vemos hoje uma “mercantilização” dos cursos superiores à


distância que utilizam, principalmente, a educação online, através
dos AVA, disponibilizados na Internet, para atenderem e atingirem
um número crescente de indivíduos que, por uma exigência do
mercado de trabalho e dos avanços tecnológicos, buscam a EaD
para alcançar a almejada qualificação profissional.

Deve-se então refletir sobre o impacto das tecnologias na sociedade


contemporânea, especialmente no contexto educacional, por se entender que a
educação também está sujeita às mudanças vivenciadas pela sociedade e seus
avanços tecnológicos.
Entretanto, é importante evitar uma visão negativista ou ameaçadora do
avanço tecnológico, tampouco pensar nas “novas tecnologias” como algo realmente
“novo”, considerando-se que se torna cada vez mais difícil classificar, na área
tecnológica, o que verdadeiramente é “novo” ou “velho”, pela velocidade com que
esses recursos evoluem.
Também não se pode negar que o contexto educacional vem recebendo as
influências desses avanços tecnológicos já há algum tempo, com a presença e o uso
de recursos como o computador para a aquisição e produção de textos e hipertextos
através da internet. Afinal, com o crescente número de cursos superiores no Brasil, a
EaD vem sendo desenvolvida para atender a demandas diversificadas da agenda no
novo espaço/tempo (Aragão 2009, p. 25). Sendo este,
[...] o principal desafio e trunfo para a expansão da EaD, entendida
como um processo educativo que envolve dierentes meios de
comunicação capazes de ultrapassar os limites de tempo e espaço e
permitir a interação dos sujeitos com as diversas fontes de
informação. (Aragão, 2009, p. 25)

No nosso município, por exemplo, já foram implantadas duas instituições


particulares de ensino superior à distância, sendo que uma delas encontrou
dificuldades para se manter em funcionamento. A outra trabalha com o sistema
presencial-conectado, onde os alunos assistem às aulas uma vez por semana em
um telão e desenvolvem as demais atividades à distância no ambiente virtual, cujo
12

pólo de Itaberaba começou a atuar em 2004 com os cursos superiores tecnológicos


em Administração e Turismo, entretanto o curso de turismo não vingou, uma vez que
não houve procura pelo mesmo nos anos seguintes, formando apenas a primeira
turma, já o curso de Administração continuou, sendo que se focou a primeira turma
de egressos do mesmo na pesquisa, afinal já concluíram a tempo suficiente de
encontrar (se é que há) vagas no mercado de trabalho desta cidade.

Compreender que o processo educacional não está dissociado do processo


social é entender que dominar os conhecimentos e recursos tecnológicos é também
saber se posicionar de maneira crítica diante de todo o conhecimento produzido pelo
ser humano.
Em uma sociedade com forte influência da globalização não é concebível
pensar uma educação moldada por uma sociedade tradicional. É imprescindível nos
conscientizarmos de que as mudanças sociais ocorridas atingem também o papel da
escola e do professor, exigindo mudanças dos mesmos. Faz-se necessária, então,
uma nova escola, adequada às novas demandas da sociedade e seus indivíduos.
Essa postura reflete o que se busca hoje em vários cursos superiores. Não é mais
possível se manter alheio às discussões referentes aos avanços tecnológicos e o
envolvimento destes com os mais diversos ambientes.
O saber tecnológico e suas produções vêm tecendo a vida cotidiana dos
indivíduos que buscam uma evolução profissional e vivenciam hoje as influências
dos avanços tecnológicos. O desenvolvimento intenso e frenético das TIC, aliado à
necessidade de qualificação de mão-de-obra, leva a uma reflexão profunda em
relação ao redimensionamento do papel da educação na sociedade atual,
apontando para uma discussão acerca dos reflexos que as TIC produzem na
educação como instituição formal de transmissão do conhecimento.
Essa exigência força os cidadãos que pretendem ingressar ou que já estão
inseridos nesse mercado, e pretendem se capacitar/reciclar/atualizar, a buscar cada
vez mais a realização (e conclusão) de cursos superiores, uma vez que as empresas
têm buscado pessoas com currículos recheados e diversificados, no que se refere
às áreas de atuação, além dos concursos que têm cobrado níveis de formação mais
altos para os cargos disponibilizados, oferecendo também melhores remunerações
para os graduados.
13

SIQUEIRA (2004)1, afirma que:


[...] os trabalhadores hoje se classificam em "ativos na rede",
"passivos na rede" e os "desconectados", e o tripé do sistema
econômico global (produtividade, competitividade e lucratividade)
depende de como as unidades econômicas estão conectadas nas
redes da economia pós-moderna e de como elas administram a
relação com os fluxos de informação. (SIQUEIRA, 2004)

Dessa forma os indivíduos têm buscado o tão almejado curso superior nas
instituições privadas de ensino superior à distância, nem sempre com o objetivo de
atuar na área de formação, mas sim de galgar uma melhor remuneração dentro do
plano de cargos e salários do serviço público (para os que já são concursados), a
“qualificação” para concorrer às vagas oferecidas pelos concursos.

Sendo assim, torna-se importante identificar se há egressos dos cursos


superiores tecnológicos em administração atuando em suas áreas de formação,
confrontar as áreas de atuação desses egressos antes e depois de sua formação e,
analisar o perfil dos mesmos.

Acredita-se que o mercado de trabalho do município de Itaberaba não tem


absorvido os egressos dos cursos superiores tecnológicos em Administração
oferecidos na modalidade a distância; que a maioria dos alunos que freqüentam tais
cursos se interessa apenas pelo diploma de nível superior e; que grande parte
desses alunos já atua em áreas diferentes das que estão cursando, buscou-se
confirmar tais hipóteses.

Dessa forma, considerou-se de extrema relevância um estudo aprofundado


em relação a esse tema, pois o mesmo é fator de considerável influência no
mercado de trabalho brasileiro, com o objetivo de responder uma importante
questão: de que forma os cursos superiores tecnológicos em Administração,
oferecidos na modalidade à distância, têm impactado o mercado de trabalho do
Município de Itaberaba?

Para subsidiar as pesquisas foram utilizados os textos de autores que tratam


das seguintes categorias: tecnologias da informação e comunicação, educação a
distância e, mercado de trabalho. Levy (2000), por exemplo, trata da cibercultura e
da inteligência coletiva, destacando a antropologia do ciberespaço; Kenski (2003)
faz uma distinção em relação ao uso das tecnologias no ensino presencial e no

1
Disponível em: http://www.angelfire.com/sk/holgonsi/sociedaderede.html. Acessado em: 25.04.2009.
14

ensino a distância; Belloni (2009) trata especificamente de educação a distância;


Pereira (1997) e Navarro (2006) falam sobre o mercado de trabalho; Gílio (2000)
traça um quadro comparativo da relação entre trabalho e educação e; Barros (2003)
se dedica à relação entre educação a distância e o universo do trabalho.
Dessa maneira, considerando-se que em nosso município existem cursos
superiores tecnológicos voltados para a formação de administradores neste
município, que merecem uma investigação no sentido de descobrir se realmente têm
impactado esse mercado, resolveu-se realizar esta pesquisa.

Com base nesta reflexão é que se procurou nortear a pesquisa, buscando


investigar o impacto dos cursos superiores tecnológicos em administração
realizados a distância no mercado de trabalho do município de Itaberaba.

A pesquisa foi realizada com aproximadamente 33% dos egressos da


primeira turma do Curso Tecnológico em Administração, oferecido pela Universidade
Norte do Paraná – UNOPAR, através do Pólo de Itaberaba, abrangendo os
graduados residentes no próprio município.

Para alcançar os objetivos dessa pesquisa, foram utilizados os seguintes


recursos: observação; entrevistas semi-estruturadas e; aplicação de questionários,
os quais estão melhor descritos no capítulo referente à análise dos dados.

Considerar-se-á esta pesquisa de fundamental importância para a educação,


pois poderá despertar em educadores e gestores educacionais o interesse acerca
de um problema, muitas vezes silencioso, que tem afetado substancialmente a
sociedade local. Esta pesquisa também é de grande relevância para as áreas como
Sociologia e Serviço Social, além de estimular o interesse de outros pesquisadores
por um tema pouco explorado.

O capítulo I mostra a relação entre a educação a distância e o mercado de


trabalho, conceituando EAD, definindo mercado de trabalho e correlacionando-os.
O capítulo II contém a análise dos dados, detalhando a metodologia e,
apresentando os sujeitos da pesquisa, bem como os resultados obtidos com os
instrumentos utilizados.
Nas considerações finais destacam-se os principais pontos da pesquisa,
refletindo-se de maneira crítica os resultados obtidos através dos dados coletados.
15

Também nessa fase final do trabalho, são apontadas recomendações atinentes ao


tema pesquisado.
16

2. EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E MERCADO DE TRABALHO

As mudanças ocorridas no Brasil nos últimos anos são fruto das aceleradas
transformações que vêm acontecendo em todo o mundo e gerando um novo
paradigma para a sociedade, onde a formação do individuo se coloca como fator
estratégico para a competitividade, a produtividade e o desenvolvimento.

A todo instante acontecem alianças, fusões e aquisições nos setores da


informática e da comunicação em todo o planeta, e são divulgadas com a mesma
velocidade e intensidade que ocorrem. Tudo isso, graças ao desenvolvimento
frenético das novas tecnologias da informação e comunicação (TICs).

A essa cultura contemporânea fortemente marcada pelas tecnologias digitais,


com o seu conjunto de técnicas, práticas, modos de pensamento e valores, Lévy
(2000), denomina de cibertura e ao novo meio de comunicação possibilitado pelas
TICs, e que surge da interconexão mundial de computadores, ele cama de
ciberespaço.

E, para este autor,

[...] o crescimento do ciberespaço resulta de um movimento


internacional de jovens ávidos para experimentar, coletivamente,
formas de comunicação diferentes daquelas que as mídia clássicas
propõem. [...] estamos vivendo a abertura de um novo espaço de
comunicação. (Lévy, 2000: p. 11)

Podemos denominar esse novo espaço como comunidade virtual, a qual


supera a barreira estabelecida pelo espaço e pelo temo. Essa comunidade ou
ambiente também podem estar a serviço da educação, passando então a chamar-se
ambiente virtual de aprendizagem (AVA).

As discussões em relação ao “espaço-tempo” escolar não são recentes, e


vastos são os escritos acerca do assunto, contudo, com o acelerado e desenfreado
avanço das novas tecnologias da informação e comunicação (TICs), o tema é cada
vez mais recorrente nos debates estabelecidos na área educacional, mais
especificamente, em educação a distância.
17

Preti (1998), por exemplo, afirma que:

Nestas duas últimas décadas observamos, em todos os continentes,


uma expansão da modalidade de Educação a Distância. Países têm
investido na criação de universidades dedicadas unicamente a
atuarem nesta modalidade. [...] A maioria delas atendendo a mais de
100 mil estudantes e oferecendo cursos os mais variados. (PRETI:
1998, p. 19)

Essa expansão é imposta pela necessidade da educação continuada, uma


vez que o acesso às escolas presenciais, principalmente instituições de ensino
superior, é restrito, e vai de encontro ao próprio perfil da população mundial atual,
que tem pouco tempo para estar em um local pré-determinado para estudar, devido,
sobretudo, ao fato de precisar trabalhar e dar prioridade a isso.

Assim, faz-se

[...] necessário, portanto, buscar encontrar soluções que utilizem


técnicas capazes de ampliar o esforço pedagógico dos professores e
formadores. Audiovisual, “multimídia” interativa, ensino assistido por
computador, televisão educativa, cabo, técnicas clássicas de ensino
a distância [...]. (Lévy, 2000: p.169)

De acordo com o próprio autor, as escolas e universidades virtuais custam


menos que as escolas e universidades presenciais.

Dessa maneira,

A Educação a Distância, por sua flexibilidade e economia de escala,


tem sido chamada para dar uma resposta aos desafios político-
social, econômico, pedagógico e tecnológico, postos à sociedade
com a implantação do programa neoliberal, a globalização da
economia e a introdução das novas tecnologias no sistema produtivo
e de comunicação. (PRETI: 1998, p. 20)

Essa resposta se dá, principalmente, ao impacto causado pelo processo de


globalização em que o mundo está inserido já há algum tempo, exigindo dos
cidadãos qualificação para a inserção e/ou permanência em um mercado de
trabalho cada vez mais concorrido. Isso, aliado ao desenvolvimento tecnológico,
força o indivíduo a buscar novas formas de se qualificar para estar presente e
“conectado” a essa sociedade pós-moderna.

Portanto, vê-se que há uma forte ligação entre educação, tecnologia e


mercado de trabalho, uma conexão que leva a reflexões sobre o espaço-tempo
18

escolar como objeto da historia da educação, especialmente da educação a


distância.

2.1. Conceituando Educação a Distância

De acordo com Belloni (2009: p. 3), “[...] a intensificação do processo de


globalização gera mudanças em todos os níveis e esferas da sociedade [...], criando
novos estilos de vida, e novas maneiras de ver o mundo e de aprender” (BELLONI,
2009: p. 3). Essa interconexão transforma as relações espaço-tempo e,
conseqüentemente, as formas de operar da própria sociedade.

Na era digital, é o saber que viaja veloz nas estradas virtuais da


informação. Não importa o lugar em que o aluno estiver: em casa,
em um barco, no hospital, no trabalho. Ele tem acesso ao
conhecimento disponível nas redes, e pode continuar a aprender.
(KESKI, 2003: p. 32)

Essas transformações estão sempre acompanhadas de evoluções e


revoluções tecnológicas, que adentram ou invadem o cotidiano das pessoas, pois
algumas gostam e se sentem à vontade com o aparato tecnológico, já outras se
sentem desconfortáveis e forçadas a se adaptarem a esse mundo eletrônico/digital.

Para Belloni (2009: p. 4):

Tais mudanças – no processo econômico, na organização e gestão


do trabalho, no acesso ao mercado de trabalho, na cultura cada vez
mais mediatizada e mundializada – requerem transformações nos
sistemas educacionais que cedo ou tarde vão assumindo novas
funções e enfrentando novas dificuldades.

A educação a distância aparece no contexto social contemporâneo como uma


modalidade extremamente pronta para atender às exigências educacionais geradas
pelas mudanças da nova ordem econômica mundial, principalmente se aliada às
novas tecnologias que globalizam as informações, através de toda a sua
parafernália, como os canais de televisão, as redes telemáticas2 e os equipamentos
multimídia.

2
Redes telemáticas: Conjunto de serviços informáticos fornecidos através de uma rede de
telecomunicações.
19

O ciberespaço abre novas possibilidades e configurações para as


pessoas aprenderem. Dispostas, informais, com muita vontade de
aprender o que lhes interessa, sem discriminações, sem
deslocamentos físicos, reunidas virtualmente em “comunidades
virtuais”, essas pessoas inauguram uma nova era para a educação.
(KESKI, 2003: p. 102)

Segundo Belloni (2009: p. 27, apud PETERS, 1973),

Educação a distância é um método de transmitir conhecimento,


competências e atitudes que é racionalizado pela aplicação de
princípios organizacionais e de divisão do trabalho, bem como pelo
uso intensivo de meios técnicos, especialmente com o objetivo de
reproduzir material de ensino de alta qualidade, o que torna possível
instruir um maior número de estudantes, ao mesmo tempo, onde
quer que eles vivam. É uma forma industrializada de ensino
aprendizagem.

A autora afirma que, apesar das críticas de muitos outros teóricos e


instituições, que alegam que Peters defende o fordismo 3 e modelos industrialistas de
educação, este conceito (que aplica o ‘paradigma’ econômico à EAD), é um dos
poucos que não descrevem a educação a distância a partir da perspectiva do ensino
convencional de sala de aula.

Assim, mesmo com as discordâncias,

[...] a EAD pode ser vista como um produto e um processo da


modernidade: suas características básicas (sistemas administrativos,
redes de distribuição e processos de distribuição impressa)
assemelham-se às características das sociedades modernas com
produção de massa e culturas de consumo e de gestão muito
desenvolvidas. (BELLONI, 2009: p. 15)

Vale ressaltar ainda que a ênfase recebida pela educação a distância, hoje,
faz parecer algo inovador, quando na verdade existe desde o início das civilizações
egípcias, gregas e romanas. Esta modalidade se desenvolveu, basicamente, graças
ao avanço das TICs, principalmente através do computador e da internet e sua
plataforma web.

3
Fordismo é um sistema de produção industrial caracterizado por: um elenco limitado de produtos
estandardizados; métodos de produção de massa; automação usando máquinas dedicadas à
produção de um produto determinado; força de trabalho segmentada responsável por tarefas
fragmentadas e especializadas; controle centralizado; e organização hierárquica e burocrática.
(BELLONI, 2009: p. 12, apud RAGGAT, 1993: p. 23)
20

E com essas evoluções e transformações vai-se permitindo um retorno cada


vez maior de jovens e adultos à educação formal, contribuindo assim para uma
maior democratização do ensino e a redução das desigualdades sociais.

Figura 1: Gílio (2000: p. 43)

Na verdade, pode-se inferir que os paradigmas da sociologia industrial


adentram no campo da educação a distância, através da demanda provocada pelas
mudanças na produção econômica e na organização do trabalho, como da influência
dos paradigmas de organização interna das instituições educacionais, suas
concepções e estratégias.

2.2. Conhecendo o Mercado de Trabalho

As mudanças impostas pela globalização a todos os setores da sociedade


também afetam o mercado de trabalho, uma vez que o mesmo é diretamente
afetado pela economia em todos os seus estágios, sejam eles de crise e recessão
ou de crescimento e/recuperação.

Segundo Pereira (1997: p.15),

O mercado de trabalho, já há alguns anos, vem passando por


significativas, rápidas e constantes transformações de caráter local,
setorial, conjuntural e estrutural. Esse fenômeno mundial vem
afetando todos os povos e todas as economias do planeta. Mais
recentemente e de maneira mais acelerada, por conta do que
conhecemos por globalização que, entre outras razões, impõe às
empresas a necessidade de ajustes profundos e muitas vezes
imediatos em suas estruturas de produção e de serviços, como
21

forma de conseguirem a competitividade necessária para a sua


sobrevivência.

Figura 2: GÍLIO (2000: p. 23)

Assim, atualmente, discute-se muito acerca dessa nova realidade do mercado


de trabalho, ou sobre o quanto tem sido difícil conseguir um bom emprego ou até
mesmo mantê-lo. Na verdade, ainda não se tem “uma nítida idéia da intensidade
dessas transformações [...], o que impede medir a exata extensão dos seus danos e
problemas e, também, dos benefícios” (PEREIRA, 1997: p. 15).

Contudo,

A cada transformação, a cada avanço tecnológico, a cada decisão


política, observa-se um acontecimento comum: pessoas são
colocadas em disponibilidade no mercado de trabalho, muitas vezes
sem a devida assistência, sem treinamento [...]. É um salve-se quem
puder. (PEREIRA, 1997: P. 15)

Em momentos de crise, ou mesmo de redução de custos visando aumento de


lucros, as empresas não costumam hesitar em demitir um determinado contingente
de seus funcionários, e, normalmente, os mais atingidos são os menos qualificados,
ou seja, aqueles que não possuem um grau de formação mais elevado ou que tem
poucos cursos de capacitação.
22

Assim, de acordo com Pereira (2009: p. 16), “[...] temos de precaver-nos e


capacitar-nos para enfrentar a situação, antes, durante e depois das transformações
e suas conseqüências – que são o risco de perda do nosso trabalho e renda”.

E, conforme Navarro (2006: pp. 50-51),

No mundo do trabalho, o aprendizado tem de ser continuo. Por um


lado, porque o conhecimento evolui sem parar e o profissional tem,
no mínimo, de se manter atualizado com as novas técnicas,
conceitos e práticas de sua profissão. Por outro, porque o ser
humano que ele é necessita continuar evoluindo, adquirindo
habilidades e desenvolvendo competências.

Além disso,

Hoje, podem-se fazer aproximadamente 400 cursos por e-learning


(ensino a distância) oferecido por escolas e universidades via
conexão pela internet. São aulas de aperfeiçoamento, graduação,
pós-graduação e até MBA que o profissional pode receber no
computador de casa ou do escritório. (NAVARRO, 2006: p. 51)

Desse modo, mostra imprescindível a necessidade de qualificação e


capacitação, tanto pessoal quanto profissional, por parte do trabalhador que deseja
se inserir, manter e/ou evoluir no mercado de trabalho globalizado, pois, “A
educação, sobretudo a profissionalizante, é um dos pontos em comum e elemento
essencial na experiência histórica de desenvolvimento dos países industrializados”
(GÍLIO, 2000: p. 23).

2.3. Educação a distância e o universo do trabalho

Segundo Barros (2003), atualmente, as concepções de educação no Brasil se


apresentam num contínuo processo de transformações sociais, políticas e
econômicas, propiciados pela dinâmica das relações e trabalho e dos avanços
tecnológicos.

Nesse contexto, uma das principais missões da educação é formar cidadãos


críticos, reflexivos e aptos a se adaptarem à flexibilização do universo do trabalho,
bem como de uma sociedade em modernização constante.
23

Ainda de acordo com Barros (2003),

A universalização legitima-se por meio de decisões políticas como a


ênfase no desenvolvimento da educação a distância, que tem como
um dos objetivos prioritários atender à educação de jovens e adultos
e cujas facilidade são caracterizadas pelo fácil acesso, menor custo
e pela priorização dos objetivos de educação para o universo do
trabalho. (BARROS, 2003: p. 22)

A educação a distância é um processo de ensino/aprendizagem mediado por


tecnologias e, de acordo com Belloni (2009), tem outras características, como a
distinção de espaço e tempo, a necessidade de desenvolver a aprendizagem
autônoma e a prioridade desta para o desenvolvimento dos alunos adultos.

Segundo Litwin (2001: p. 19, apud Barros, 2003: pp. 22-23),

Os projetos de educação a distância destinados a uma população


adulta permitem responder pontualmente a seus interesses e a suas
vocações vinculados à produção, visto que, graças a seu alto grau
de flexibilidade, podem adaptar-se aos novos desenvolvimentos.
Também possibilitam a adoção e técnicas e estratégias novas,
permitem mudanças nas orientações para o trabalho e,
essencialmente, transformam a educação permanente em um
espaço à disposição dos alunos sempre mutável, múltiplo, atento aos
interesses da produção e aos desafios científicos e tecnológicos.

Com fundamento nessas considerações, faz-se necessária a desconstrução


do industrialismo educacional que ainda predomina na educação a distância, a fim
de proporcionar novas forma de educação.

Na figura 3 (abaixo), por exemplo, pode-se ver a distribuição dos


trabalhadores com mais de 25 anos de idade e seu grau de escolaridade, bem como
o setor de atividade.
24

Figura 3: GÍLIO (2000: p. 87)

Outra reflexão muito interessante nesse cenário e que deve ser analisada é o
de demanda ocupacional que, para Fidalgo e Machado (2000: p. 262, apud
BARROS, 2003: p. 24) são:

Ocupação e Profissão – os dois termos se referem a atividades


especializadas, condicionadas ao tipo de estratificação social e ao
grau de divisão do trabalho atingido por uma determinada
sociedade... Do ponto de vista do Ministério do Trabalho e do
Emprego, o termo ocupação faz parte de um sistema de
classificação. Neste contexto, a ocupação é conceituada como o
conjunto articulado de funções, tarefas e operações, que constituem
as obrigações atribuídas aos trabalhadores, destinadas à obtenção
de produtos e serviços.

Para Gílio (2000), existem dois motivos que preocupam os trabalhadores da


atualidade e o levam a buscar a qualificação para o mercado de trabalhos, iniciarem
uma carreira e permanecer nela, podendo assim disputar novas oportunidades de
mobilidade social (conforme figura 4).
25

Figura 4: GÍLIO (2000: p. 29)

Assim, nesse cenário, a educação a distância surge no Brasil como uma


tendência para atender à formação dos trabalhadores, visando a democratização do
ensino.

E,

No Brasil, especificamente, a educação a distância tem como um dos


principais objetivos democratizar o acesso à educação, além disso,
proporcionar a uma grande quantidade de alunos os conhecimentos
e os níveis de ensino necessários à atualização, ao conhecimento e
à melhoria de atitudes no trabalho, além do aumento dos índices de
qualificação educacional da população. (BARROS, 2003: pp. 177-
178)

Dessa maneira, pode-se ver a importância da educação a distância para o


universo do trabalho, bem como para a qualificação pessoal e profissional dos
indivíduos e a democratização do ensino no Brasil.
26

3. ANÁLISE DOS DADOS

3.1. Metodologia

A fim de alcançar os objetivos propostos, foram usados os métodos e técnicas


possíveis quanto ao tempo disponível e à natureza dos dados coletados. O objetivo
do estudo acabou por encaminhar ao paradigma interpretativo, já que o interesse da
pesquisa era identificar qual o impacto dos cursos superiores tecnológicos em
administração realizados a distância no mercado de trabalho do município de
Itaberaba, a partir de suas concepções e das condições que a rodeiam. Assim
sendo, essa pesquisa teve uma natureza qualitativa, pois o interesse da pesquisa
girou em torno do entendimento de um fato particular – o impacto dos cursos
superiores tecnológicos em administração –, buscando compreendê-lo em um
contexto particular – o mercado de trabalho do município de Itaberaba.

Utilizamos o método etnográfico para essa pesquisa, por acreditar que o seu
conjunto de técnicas para a coleta dos dados acerca dos valores, práticas e
comportamento do grupo pesquisado nos ofereceria os subsídios necessários a um
relato escrito fiel do fenômeno estudado. Para tanto, utilizamos os seguintes
instrumentos para a coleta das informações: observação (sistemática), questionário
(fechado) e entrevistas (semi-dirigidas).

Para a análise do local de trabalho dos sujeitos pesquisados, utilizou-se a


observação sistemática, o que permitiu observar e analisar a atuação profissional
dos mesmos. Através dos questionários pôde-se traçar o perfil dos referidos sujeitos.
Já as entrevistas permitiram conhecer, através de informações objetivas, subjetivas
e informais, as áreas de atuação anteriores e posteriores à realização do curso por
parte dos atores da pesquisa.
27

3.2. Dos sujeitos pesquisados

A instituição de ensino superior que oferecia os cursos superiores


tecnológicos em administração está em funcionamento no município desde o 2º
semestre do ano de 2004, quando foram oferecidos à comunidade dois cursos
superiores na modalidade à distância, através do sistema presencial conectado (ao
vivo), em que o discente assiste a aulas uma vez por semana, estando dividida em
uma aula-atividade e uma tele-aula em um telão, ambos com o acompanhamento de
um tutor de sala e um tira-dúvidas via chat, e desenvolve as demais atividades no
ambiente virtual, com o apoio de tutores eletrônicos.

Além do curso já citado, o pólo presencial de Itaberaba também ofereceu o


curso superior tecnológico em turismo, que contou apenas com a primeira turma, já
que não houve mais demanda para o mesmo nos semestres seguintes. Quanto ao
curso superior tecnológico em administração continuou e podia ser concluído em
dois anos e meio, contudo o mesmo teve seu currículo reformulado pela Resolução
CONSEPE 556/06 de 25/09/06 e Protocolo e-MEC 200803846, que também o
transformou em bacharelado e determinou sua realização em no mínimo 8 (oito)
semestres, a partir de então.

Quanto aos egressos da primeira turma, que ingressou na unidade de ensino


no semestre 2004.2, divididos em duas salas, após vestibular realizado no meio
daquele ano, 51 (cinqüenta e um) concluíram o Curso Superior de Tecnologia em
Administração de Pequenas e Médias Empresas no 2º semestre de 2006, após 5
(cinco) semestres de estudos.

Após consulta ao pólo presencial da unidade de ensino em Itaberaba, alguns


desses egressos foram contatados e informaram que pelo menos um dos demais
faleceu, outro está residindo fora do país e outros quatro estão morando em outras
cidades da Bahia. Sendo assim, restaram 45 (quarenta e cinco) indivíduos, dos
quais foram escolhidos 15 (quinze) foram selecionados para a pesquisa, ou seja,
uma amostra de 33% do universo possível, quantidade esta considerada satisfatória
para a obtenção de resultados consistentes.
28

Dentro do universo pesquisado pôde-se constatar que a sua grande maioria é


composta de pessoas com mais de 30 anos, tendo apenas dois que ainda não
completaram tal idade.

TABELA 1
PERFIL DOS SUJEITOS PESQUISADOS
QUANTO À IDADE

Entre 20 de 30 anos Acima de 30 anos

02 13

Fonte: Tabulação dos dados coletados

Perfil dos sujeitos pesquisados - quanto à idade

Entre 20 e 30 anos
Acima de 30 anos

No que diz respeito ao gênero dos sujeitos pesquisados, 09 (nove) são do


sexo masculino e 06 (seis) do sexo feminino, mostrando uma maioria de homens
dentro do universo da pesquisa.

TABELA 2
PERFIL DOS SUJEITOS PESQUISADOS
QUANTO AO GÊNERO

Masculino Feminino

09 06

Fonte: Tabulação dos dados coletados

Perfil dos sujeitos pesquisados quanto ao gênero

40%
Masculino
Feminino
60%
29

No tocante à realização de cursos de graduação (presenciais) anteriores ao


tecnológico em administração, apenas um dos envolvidos na pesquisa confirmou ter
realizado, no caso o curso de Engenharia Civil.

TABELA 3
PERFIL DOS SUJEITOS PESQUISADOS
QUANTO À REALIZAÇÃO DE OUTRA GRADUAÇÃO

Sim Não

1 14

Fonte: Tabulação dos dados coletados

Perfil dos sujeitos pesquisados quanto à


realização de outra graduação

14

12

10

Sim
8
Não
6

0
1

Já no que se refere à realização de algum curso na modalidade à distância


antes da graduação, todos os pesquisados foram unânimes em responder
negativamente, o que mostra que os mesmos adentraram em um mundo ainda
desconhecidos para eles, sendo o curso superior a sua primeira experiência com a
EAD.

TABELA 4
PERFIL DOS SUJEITOS PESQUISADOS
QUANTO À REALIZAÇÃO DE OUTROS CURSOS À DISTÂNCIA

Sim Não

0 15

Fonte: Tabulação dos dados coletados


30

3.3. Do Questionário

O questionário constou de 05 (cinco) questões fechadas, permitindo apenas


as respostas “entre 20 e 30 anos” ou “acima de 30 anos”, no que concerne à idade
dos sujeitos da pesquisa, “masculino” ou “feminino”, para o sexo dos mesmos e
“sim” ou “não” para as outras duas questões, sendo que a 5ª e última questão não
precisou ser respondida em decorrência da unanimidade (negativa) das respostas à
questão 4. Através dele buscamos traçar, objetivamente, o perfil dos indivíduos
pesquisados:

O quadro abaixo mostra a tabulação das respostas dadas pelos atores da


pesquisa:

QUADRO 1
Perfil dos atores pesquisados

Idade
Questão Entre 20 e 30 anos Acima de 30 anos
01 2 -13
Sexo
Questão Masculino Feminino
02 09 06
Fez algum outro Curso de Formação Superior antes
Questão Sim Não
03 01 14
Já fez algum curso na modalidade distância antes da graduação?
Questão Sim Não
04 00 15

Fonte: Dados coletados através da aplicação de questionário

Em relação à questão “1”, pôde-se constatar que a maioria dos egressos do


curso superior em administração já passou dos 30 anos de idade, sendo assim,
infere-se que os mesmos iniciaram sua graduação já com idade avançada.
31

Já em relação à questão “2”, apenas 06 atores do universo da pesquisa são


mulheres, apresentando uma predominância do universo masculino entres os
sujeitos pesquisados.

Vale ressaltar que em relação a este ponto não se pode afirmar que na
totalidade dos egressos a maioria também seja de homens, uma vez que a pesquisa
se restringiu a apenas um terço dos graduados.

Em relação à questão “3”, apenas um egresso já havia concluído uma


graduação antes do curso tecnológico em administração, já na entrevista pode-se
confirmar que se trata do curso de Engenharia Civil.

Quanto à questão “4”, todos os pesquisados foram unânimes em dizer que


nunca haviam feito um curso na modalidade à distância antes da graduação, o que
mostra a inexperiência dos mesmos em EAD antes de adentrar no universo
acadêmico do ensino superior.

Em relação à questão “5”, a mesma não precisou ser respondida, pois


perguntava a quantidade de cursos realizados à distância antes da graduação em
caso de resposta positiva à 4ª questão.

3.4. Das Entrevistas

As entrevistas constaram de 05 perguntas para os sujeitos da pesquisa,


permitindo aos mesmos se expressarem de forma livre e espontânea, justificando
suas repostas. A primeira pergunta busca inquirir os interlocutores quanto ao motivo
da sua escolha pelo curso de administração, já a duas perguntas seguintes focam as
áreas de atuação dos entrevistados, ande e depois da graduação e, por fim, as duas
últimas questionam os sujeitos quanto às mudanças ocorridas em seu trabalho e em
sua vida em decorrência da formação acadêmica dos mesmos. Através destas
entrevistas procurou-se descobrir qual o impacto do curso tecnológico em
administração no mercado de trabalho de Itaberaba e nas vidas dos egressos,
fazendo as seguintes perguntadas:
32

1. Porque decidiu fazer o curso Tecnológico em Administração?

2. Em que trabalhava antes?

3. Em que trabalha agora?

4. Em que a sua formação tem ajudado no seu trabalho?

5. O que mudou na sua vida após a realização do curso?

Em relação à 1ª pergunta, 05 (cinco) egressos afirmaram que desejavam


fazer um curso de nível superior, sendo que um deles justificou ter sido o curso
tecnológico em administração uma das poucas opções no município. Quatro
entrevistados responderam que queriam ampliar seus conhecimentos. Outros quatro
disseram que já atuavam na área de administração, mas não possuíam graduação,
aproveitaram para se especializarem. E os dois restantes informaram que queriam
aprender a melhor gerenciar seus próprios negócios. Assim a maioria afirma que
queria obter o tão almejado nível superior e aquela foi a oportunidade que tanto
buscavam, sendo que uma professora disse que desejava muito ter uma graduação
em Administração ou Matemática, oportunidade que lhe ocorreu naquele momento.

Quanto à 2ª pergunta, 04 (quatro) egressos responderam que antes de iniciar


o curso de administração eram funcionários públicos, sendo um coordenador
administrativo, uma agente administrativa em um colégio, um coordenador de
recursos humanos e uma secretária. Dois eram professores, um de matemática e
outro de educação física (os quais continuaram em suas respectivas áreas).
Tivemos ainda dois empresários, um gerente de banco, um técnico em
contabilidade, um engenheiro civil, um gerente de empresa de serviços
terceirizados, um vendedor de motos, uma secretária particular e uma manicure.

Em relação à 3ª pergunta, os 04 (quatro) egressos que eram funcionários


públicos antes da graduação, continuaram no serviço público, sendo que aquele que
era coordenador administrativo passou para o cargo de administrador geral, aquela
que era agente administrativa agora é conselheira tutelar e os outros dois continuam
em suas funções anteriores. Quanto aos dois professores, também permaneceram
na mesma atividade, sendo que a professora de matemática fez um curso de
especialização em matemática e agora faz sua segunda graduação à distância,
33

também em matemática. Em relação aos dois empresários, também continuaram


com suas empresas, sendo que afirmaram que passaram a administrá-las melhor
em decorrência do curso. O gerente de banco, o técnico em contabilidade e o
engenheiro também continuaram com suas funções, sendo que os dois últimos
alegaram ter melhorado a administração de seus escritórios. Já o gerente de
serviços terceirizados passou administrador de empresas, exercendo efetivamente a
função para a qual se graduou. O antigo vendedor agora é corretor de imóveis, a
secretária particular passou para o serviço público, mas na mesma função e a antiga
manicrue agora atua como auxiliar de enfermagem.

Quanto à 4ª pergunta, todos afirmaram que a formação em administração os


tem ajudado em suas atuais áreas de atuação, seja com a aplicação prática dos
conhecimentos obtidos, seja com a realização de concursos públicos, ou o
aperfeiçoamento de suas atividades. Muitos afirmaram ainda que o curso tem lhes
auxiliado no que se refere à gestão financeira e de pessoas em seus respectivos
cargos/funções, bem como das próprias instituições em que trabalham.

Em relação à 5ª pergunta, todos responderam que também houve mudanças


significativas em sua própria vida, seja na auto-estima e status social, ou na própria
organização pessoal, nas áreas financeiras, gestão do tempo, até à aquisição de
novos conhecimentos, segurança e auto-afirmação. Para alguns houve inclusive
melhoria salarial e, conseqüentemente, melhoria da qualidade de vida. Outros foram
evasivos e optaram por não de aprofundar em suas respostas.

A partir das entrevistas, constatou-se que poucos egressos mudaram


efetivamente de cargo/função em decorrência do curso que fizeram, contudo a
grande maioria de desenvolveu e cresceram em suas respectivas áreas de atuação,
havendo uma melhoria significativa em sua própria qualidade de vida.
34

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Este trabalho investigou o impacto dos cursos superiores tecnológicos em


administração realizados a distância no mercado de trabalho do município de
Itaberaba. Para tanto, procurou-se nortear a pesquisa, buscando alcançar os
seguintes objetivos: analisar o perfil dos egressos dos cursos superiores
tecnológicos em administração; confrontar as áreas de atuação desses egressos
antes e depois de sua formação e; identificar se os mesmos estão atuando em suas
áreas de formação.

Assim sendo, chegamos às seguintes considerações:

 A maioria dos egressos dos cursos superiores tecnológicos em


administração é do sexo masculino (60%) e aproximadamente 86% já
passou dos 30 anos de idade. Nunca haviam feito um curso à distância
antes e apenas 1 (um) já havia concluído um curso superior antes.

 Há poucos egressos dos cursos superiores tecnológicos em


administração atuando em suas áreas de formação;

 A grande maioria deles, cerca de 66%, permaneceram nos mesmos


cargos/funções que já desempenhavam antes da graduação;

 Apenas 13% dos referidos egressos mudaram de cargo/função em


decorrência de sua formação;

 27% dos desses egressos fizeram o curso para melhor administrar as


empresas/escritórios que já tinham, enquanto que outros 13% o
fizeram apenas para se especializarem nas atividades que já
desempenhavam.
35

Dessa forma, concluiu-se que é muito pequeno o impacto dos cursos


superiores tecnológicos em administração realizados a distância no mercado de
trabalho de Itaberaba, pois a grande maioria dos egressos continua desempenhando
as mesmas atividades ou nos mesmos cargos/funções que antes de realizarem a
graduação. Contudo, houve também muitos benefícios para os referidos egressos,
tais como melhoria salarial, satisfação pessoal e melhoria na qualidade de vida dos
mesmos, através dos conhecimentos adquiridos e da aplicação prática dos mesmos
em seu cotidiano.

Recomenda-se, principalmente às instituições de ensino superior, sejam


presenciais ou a distância, que se faça uma estudo de impacto de demanda acerca
dos cursos a serem implantado no município de Itaberaba, a fim de que haja
efetivamente uma utilização da mão de obra formada por parte do mercado de
trabalho.
36

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARAGÃO, Claudia et al. Comunidades Virtuais de Aprendizagem. Salvador:


Empresa Gráfica da Bahia, 2009.

____. Trabalho colaborativo na web. Salvador: UNEB/EAD, 2009.

BARROS, Aidil de Jesus Paes de; LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Projeto de
Pesquisa: Propostas metodológicas. Petrópolis: Vozes, 1990. 17ªed.

BARROS, Daniela Malaré Vieira. Educação a distância e o universo do trabalho.


Bauru, SP: Edusc, 2003.

CERQUEIRA, Márcia Santos e FAGUNDES, Tereza Cristina Pereira Carvalho.


Trabalho de Conclusão de Curso. UNEB: 2009.

BELLONI, Maria Luiza. Educação a distância. Campinas, SP: Autores Associados,


2009.

FAGUNDES, Tereza Cristina Pereira Carvalho. Metodologia da pesquisa. –


Especialização em EAD. Salvador: UNEB/ EAD, 2009.

FAZENDA, Ivani. Metodologia da Pesquisa Educacional. 5ª ed. São Paulo: Cortez,


1999.

FERREIRA, Simone de Lucena. Currículo e educação a distância. Salvador: UNEB/


EAD, 2009.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Editora Atlas,
2008. 4ª ed.

GÍLIO, Ismael. Trabalho e educação: Formação profissional e mercado de trabalho.


São Paulo: Nobel, 2000.

GONÇALVES, Hortência de Abreu. Manual de Projetos de Pesquisa Científica. São


Paulo: Avercamp, 2007.
37

HIBEIRO, Humberto O. As implicações dos avanços tecnológicos para a educação.


In: Revista MC Publicidade. Ano VIII – Abril 2010 – edição 101. Itaberaba-BA.

KENSKI, Vani Moreira. Tecnologias e educação presencial e educação a distância.


Campinas, SP: Papirus, 2003.

LÉVY, Pierre. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 6º ed.


São Paulo: Edições Loyola, 2010.

____. As Tecnologias da Inteligência: o futuro do pensamento na era da informática.


São Paulo: Editora 34, 2004.

____. Cibercultura. 2ª ed. São Paulo: Editora 34, 2000.

MARTINS, Jorge dos Santos. Guia para elaboração de Projetos de Pesquisa.


Salvador: [s/n], 1998. 68p.

MATOS OLIVEIRA, Maria Olivia. Metodologia do ensino superior. Salvador: UNEB/


EAD, 2009.

MORAES, Reginaldo C. Educação e ensino superior: introdução didática a um tema


polêmico. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2010.

NAVARRO, Leila. O que a universidade não ensina e o mercado de trabalho exige.


São Paulo: Saraiva, 2006.

PALHARES, Roberto. A Educação a distância nos sistemas de ensino e sua


influência no mercado de trabalho. Disponível em:
http://www.abed.org.br/seminario2005/imprensa.htm Acessado em: 22/12/2009

PEREIRA, Paulo. Enfrentando o mercado de trabalho. São Paulo: Nobel, 1997.

PESCUMA, Derna; CASTILHO, Antonio Paulo F. de. Projeto de Pesquisa - O que é?


Como fazer?: um guia para sua elaboração. São Paulo: Olho d'Água, 2005.

PRETI, Oreste. Educação a distância e globalização: desafios e tendências. Brasília:


Revista brasileira de estudos pedagógicos, v. 79, n. 191, p. 19-30, jan./abr. 1998.
38

____. Educação a distância: uma prática educativa mediadora e mediatizada.


Disponível em: http://www.diaadia.pr.gov.br/ead/arquivos/File/Textos/Pretti.doc.
acessado em: 22/12/2009.

RICHARDSON, Jarry Roberto. Pesquisa Social: Métodos e Técnicas. São Paulo:


Atlas, 1989.

ROCHA, Telma Brito. Avaliação e EAD. Salvador: UNEB/ EAD, 2010.

RUDIO, Franz Victor. Introdução ao Projeto de Pesquisa Científica. Petrópolis:


Vozes, 1983.

SALES, Mary Valda Souza. Design e elaboração de material didático. Salvador:


UNEB/ EAD, 2009.

SANTANA, Camila; ALVES, Lynn. Psicologia ecológica. Salvador: UNEB/NEAD,


2009.

SIQUEIRA, Holgonsi Soares Gonçalves. Sociedade em rede: conexões e


desconexões. Disponível em:
http://www.angelfire.com/sk/holgonsi/sociedaderede.html. Acessado em: 25/04/2009.

VALENTE, Vânia Rita. Mediação pedagógica. Salvador: UNEB / GEAD, 2010.

VASCONCELOS, Yumara Lucia. Elaborando a introdução de um trabalho


monográfico. Disponível em: http://yumara.com.br/mod/resource/view.php?id=246.
Acessado em: 30/05/2010.

____. Elementos de uma monografia. Disponível em:


http://yumara.com.br/file.php/1/Elementosdeumamonografiaartigo.pdf. Acessado em:
30/05/2010.

____. Estrutura da monografia. Disponível em:


http://yumara.com.br/mod/resource/view.php?id=505. Acessado em: 30/05/2010.

____. Monografia. Disponível em: http://yumara.com.br/mod/resource/view.php?


id=242. Acessado em: 30/05/2010.
39

ANEXOS
40

Anexo 1

QUESTIONÁRIO

Perfil dos atores pesquisados:

Idade: ( ) Entre 20 e30 anos ( ) Acima dos 30 anos

Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino

Fez algum outro Curso de Formação Superior antes:

( ) Sim ( ) Não

Já fez algum curso na modalidade distância antes da graduação?


( ) Sim ( ) Não

Em caso positivo, quantos?


( ) Um ( ) Dois ( ) Acima de dois
41

Anexo 2

ENTREVISTA SEMI-ESTRUTURADA

6. Porque decidiu fazer o curso Tecnológico em Administração?

7. Em que trabalhava antes?

8. Em que trabalha agora?

9. Em que a sua formação tem ajudado no seu trabalho?

10. O que mudou na sua vida após a realização do curso?


42

Anexo 3

Informações sobre o curso de bacharelado em administração


43

Anexo 4
44

Anexo 5

GABINETE DO MINISTRO

PORTARIA Nº 3.496, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2002

O Ministro de Estado da Educação, usando da competência que lhe foi delegada


pelos Decretos nº 1.845, de 28 de março de 1996, e nº 3.860, de 9 de julho de
2001, alterado pelo Decreto nº 3.908, de 4 de setembro de 2001, e tendo em vista o
Parecer nº 402/2002, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de
Educação, conforme consta do Processo nº 23000.013108/2000-76, do Ministério da
Educação, resolve:

Art. 1º Credenciar, para educação a distância, pelo prazo de três anos, a


Universidade Norte do Paraná, mantida pela União Norte do Paraná, ambas com
sede na cidade de Londrina, no Estado do Paraná, com a autorização do Curso
Normal Superior, com as habilitações Licenciatura para a Educação Infantil e
Licenciatura para os Anos Iniciais do Ensino Fundamental.

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

PAULO RENATO SOUZA

DOU 242, 16/12/2002 , Seção 1


45

Anexo 6