Você está na página 1de 3

INSS

INSTITUTO NACIONAL DE SEGURANÇA SOCIAL

Resenha Histórica sobre o surgimento da segurança Social Angolana

Falar de sistema de Segurança Social, impõe-nos, como é óbvio, fazer uma


retrospectiva sobre o que existiu no período colonial neste domínio, a quem
protegia e que instituições foram herdadas do passado.

Angola independente herdou as Caixas de Previdência Social de natureza classista que protegiam grupos
profissionais, como por exemplo os ferroviários, os funcionários dos correios, etc. herdou igualmente as
instituições de natureza mutualista, as quais estavam abertas para toda a população.

As Instituições existentes na altura da independência do país são as seguintes:


a) Caixa de Previdência do Pessoal do Caminho de Ferro de Benguela
b) Mutualidade de Angola
c) Montepio Geral de Angola
d) Montepio Ferroviário de Angola
e) Caixa de Auxílios dos Empregados dos Correios e Telecomunicações
f) Cofre de Previdência dos Funcionários Públicos de Angola
g) Caixa de Pensões e Aposentação do Pessoal das Alfândegas e,
h) Cofre de Previdência do Pessoal da Polícia Nacional.

Na maior parte das instituições atrás citadas praticavam geralmente as seguintes modalidades: Pensão de
reforma, Pensão de sobrevivência e Subsídio por morte.

Após a independência o Governo foi orientado para institucionalizar uma política nacional de segurança social.
Foram feitos estudos durante cerca de 10 anos enquanto paliativamente foram sendo tomadas algumas
medidas no sentido de alargar o âmbito pessoal de algumas modalidades enquadráveis no domínio da
segurança social.

Os primeiros diplomas surgiram em 1978, com a publicação do Decreto nº 130/78 de 9 de Dezembro, que
generaliza o direito à licença de maternidade a todas as mulheres trabalhadoras, o Decreto nº 132/78 de 9/12
que na sua alínea j) do artº 2º,. Mantêm em vigor os subsídios por morte e funeral e o Decreto nº 146/78 da
mesma data, que uniformiza e generaliza o montante do abono de família a todos trabalhadores por conta de
outrem.

A institucionalização do Sistema Nacional de Segurança Social, efectivou-se após a aprovação da Lei 18/90 de
27 de Outubro, seguida da devida regulamentação tendo em conta ao disposto no seu artº 86º que estabelece
a progressividade do Sistema. No entanto, foram respeitados os princípios gerais e universais que norteiam o
sistema de segurança social nomeadamente a universalidade, igualdade, eficácia, solidariedade e
participação.

O Que é a Segurança Social?


Podemos definir segurança Social como sendo um sistema de protecção social que a sociedade (Estado)
proporciona aos seus membros, mediante uma série de medidas públicas, contra a privação económico ou
social como consequência da diminuição ou perda dos salários, em caso de doença, maternidade, acidente de
trabalho e doença profissional, invalidez, velhice desemprego e morte.

A Quem a Segurança Social Protege?


De harmonia com o artº 4º da Lei 18/90 que estabelece o campo de aplicação pessoal, a Segurança Social,
protege todos os trabalhadores assalariados e os trabalhadores por conta própria, protege igualmente aqueles
que deixaram de trabalhar por limite de idade ou invalidez, os familiares a cargo dos trabalhadores abrangidos
pela segurança social e os estrangeiros que trabalhem no país quando existam acordos entre os seus países
de origem.

Modalidades Cobertas pelo Sistema de Segurança Social


A Convenção nº 102 da Organização Internacional do Trabalho, define a Norma Mínima da Segurança Social,
podendo aquela ser ampliada com a introdução de outros benefícios tendo em conta o desenvolvimento
económico de cada estado membro.
No nosso caso, a Lei 18/90, consagra no seu artigo 5º os ramos definidos pela norma mínima:
- Doença ou Acidente Comum
- Protecção na Maternidade
- Pensões de Velhice
- Pensões de Invalidez
- Pensões de Sobrevivência
- Prestações ás Famílias (Subsídio de Funeral, Morte e Abono de Família)
- Protecção no Desemprego e
- Protecção nos Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais.

Modalidade Já Assumidas
O Artigo 86º da Lei 18/90, estabelece a progressividade do sistema de segurança social. A assunção dos
encargos financeiros resultantes do direito ás prestações, vem sendo feita com assiduidade por forma a que
coexista a eficiência e eficácia no seu tratamento.

Assim, as primeiras modalidades que foram imediatamente regulamentadas e assumidas pelo INSS, são as
seguintes :

Protecção Social na Velhice (Dec. Nº 6-B/91. de 9 de Março)


Protecção na Maternidade (Dec. Nº 32-F/92, de 28 de Agosto)
Subsídio por Morte (Dec. Nº 20/91, de 1 de Junho)
Subsídio de Funeral /Dec. Nº 19/91, de 1 de Junho)
Pensão de Sobrevivência (Dec. Nº 49/91, de 16 de Agosto)

Há pouco menos de 2 anos, regulamentado o Abono de Família ( Dec. Nº 38/98 de 6 de Novembro), mas é
exclusivamente por enquanto, para os Pensionistas com familiares abrangidos.

Sobre o Instituto Nacional de Segurança Social


De acordo com a Lei 18/90, artigo 70ª, compete ao Estado zelar pela boa organização do sistema e o
cumprimento dos compromissos legalmente assumidos pela instituição gestora da segurança social definindo
que cabe ao Instituto Nacional da Segurança Social a gestão do regime geral da Segurança Social.

Nesta Lei, está definido que o Instituto Nacional de Segurança Social, é um organismo de direito público,
dotado de personalidade jurídica, autonomia administrativa e financeira, sob tutela do Ministério da
Administração Pública Emprego e Segurança Social, cuja organização interna está definido no Dec. Executivo
Conjunto nº 28/00 de 20 de Abril.

O Instituto, tem Serviços implantados em todas as Províncias do País.

Dados de Julho/2000
MAPA EVOLUTIVO DAS INSCRIÇÕES
DE CONTRIBUINTES E BENEFICIÁRIOS

ANOS BENEFICIÁRIOS
1992 127544
1993 162954
1994 183460
1995 249376
1996 268370
1997 285786
1998 294712
1999 321020
* 2000 328841

MAPA EVOLUTIVO DO NÚMERO DE PENSIONISTAS


PENSÃO DE REFORMA POR VELHICE

ANOS Nº PENSIONISTAS
1992 2036
1993 5719
1994 8222
1995 10741
1996 12234
1997 13585
1998 14641
1999 17096
*2000 17897

* Refere-se aos meses de Janeiro a Abril