Você está na página 1de 5

Aos alunos do CETTE – Centro de Treinamento de Tiro Esportivo

do Fluminense Football Club e demais atiradores.

Hoje, como atleta, instrutora e Diretora do Tiro FLU, sinto-me na obrigação de


intensificar a divulgação das informações e experiências reunidas por campeões, as
quais você cuidadosamente irá estudar e encontrará ajuda para ampliar seu
desempenho.

Em 1983 a pedido do nosso Grande Benemérito Atleta do FFC, Luiz de Freitas


Novaes, o presidente da CBTA – Hugo de Sá Campello Filho, trouxe da Alemanha o
livro do campeão de tiro soviético MAKHMOUD UMAROW, médico ligado à psicologia
esportiva, formado pela Academia Militar de Medicina, aliava seus dotes esportivos
ao intenso trabalho pedagógico.
Promoveu pesquisas e publicou vários artigos, que foram considerados de grande
importância para a Seleção Soviética e Atiradores Desportivos.

O livro “A PSIQUE DO ATIRADOR” foi entregue à comunidade do Tiro do Brasil, em


1987, como mais um apoio indispensável à formação do atirador de competição.
Gestão do Cel. Hugo de Sá Campello Filho, época em que alguns atiradores eram
felizes e não sabiam.

DISTRAÇÃO: A INIMIGA DO CAMPEÃO

Na competição, alguns atiradores iniciantes encontram-se sob tensão nervosa e


aumento de capacidade de reação, produzidas pelo senso de responsabilidade e
emoção.

Os vários fatores que contribuem para uma diminuição do desempenho


manifestam-se, sobretudo, de duas formas:

1- Por um lado, pelo desvio da atenção dirigida para a visada e para o disparo
calmo no momento exato;

2- Por outro, pelo aumento do nervosismo de competição.

Para reduzir estes fatores negativos, é necessário: primeiro, usando a força de


vontade, concentrar-se, nos fundamentos necessários, ou seja, na técnica do tiro;
segundo, ampliar a experiência da competição desportiva, aumentando, assim, a
capacidade de não se deixar influenciar pelos fatores negativos que possam tirar à
calma.

_______________________________________________________________
Existem também muitos outros fatores que pioram a concentração:

· Influência do nervosismo pré-competitivo:


Se fosse possível a abstração do motivo da competição, que vai haver um
resultado, que há pessoas interessadas no número de pontos, etc., o atirador
conseguiria atirar tão bem e calmamente como no treino.
Os resultados da maioria dos atiradores decrescem assim que no seu pensamento
toma forma que o resultado será computado.

Desse momento em diante, desaparece a calma, surgem inibições, medo antes do


atirar e outras perturbações que trazem a diminuição dos resultados.

· Distrações ambientais e influências de assistentes.


Há muitas influencias externa, do meio-ambiente que atuam com mais força e mais
rapidamente. A mais importante é a presença dos espectadores que, apenas com
ela, influenciam e contribuem para o nervosismo do atirador.

Pode acontecer até que um atirador inexperiente se torne incapaz de atirar bem,
pela simples presença de espectadores. Tal reação dependerá das características
próprias de cada atirador.
Um atirador que não esteja acostumado a público pode ter a impressão que o
mesmo se interessa especialmente por seu resultado, o que aumentará muito seu
nervosismo. Esse pensamento persegue, insistentemente, o atirador, distrai sua
atenção da competição, perturbando seu desempenho.
Um atirador tímido, modesto, inibido, sofre maior influência da presença de
espectadores. Conhecem-se casos de atiradores que em campeonatos disparam
tiros ruins apenas por observações de terceiros.
Se a atenção no disparo for distraída é de conhecimento geral que não se pode
atirar bem.

Desvie sua atenção dos espectadores – Desligue-se da vizinhança.


Espectadores influenciam o ambiente não só com sua presença como também
porque fazem barulho, conversam e fazem observações.
Isso influencia, sobremaneira, o atirador, quando pensa que a opinião é contrária a
ele. Reage, então, com grande sensibilidade e até doentiamente a cada observação
do espectador, achando que se refere a ele. Dessa forma, é necessário e até
imprescindível que durante a competição o atirador desvie a sua atenção dos
espectadores.

Como por exemplo, podemos citar o, várias vezes campeão mundial de carabina,
Wassilj Borisov que entra no stand completamente concentrado.
Até aí ele concentra seus pensamentos apenas na disputa que se apresenta, fica
sozinho, parece ensimesmado, afasta-se de curiosos e não conversa.
Durante a prova não se deixa abstrair com o cenário da competição, quase
não se vira e se desprender completamente da vizinhança.

Presença de espectadores é natural. Faz parte da competição.


O acostumar-se a assistentes é muito natural. Faz parte da competição.

Muitas vezes o atirador acostumado a espectadores não se deixa influenciar e até


mesmo os ignora, como podemos observar:

Jassinski conta que ao ganhar o campeonato europeu de 1955 de pistola livre onde
bateu o recorde mundial com 566 pontos, nem mais se apercebia da presença de
estranhos, nem de onde se encontrava. Esse estado de espírito aliado à grande
concentração possibilitou a excelência do resultado. Essa concentração em
campeonato não seria possível, ou pelo menos seria dificultada, caso o atirador não
estivesse acostumado à presença de espectadores, ou seja, caso ele não tivesse
experiência de disputas.
Quando o atirador se acostuma à presença de espectadores, isto se torna um fato
positivo. Sua presença torna-se fator necessário e animador.
Eles animam o atirador, obrigam-no a iniciar a competição com toda energia e
a procurar o sucesso.
Praticamente conhecem-se casos de atiradores que em campeonatos disparam tiros
ruins apenas por observações de terceiros.
Se a atenção no disparo for distraída é de conhecimento geral que não se pode
atirar bem. Se a atenção no disparo for distraída é de conhecimento geral
que não se pode atirar bem.

Fatores nocivos que interferem nos resultados:

· Sucesso nos tiros - Outro motivo para resultados menores em competição é o


sucesso nos tiros. Desde que vá tudo bem, o atirador não deve relaxar. Se não
tomar cuidado será presa fácil.

· Tiro regular - O tiro regular diminui a tensão e acalma. Todo atirador tem que
prestar muita atenção até o último disparo.

· Caça ao dez - Na caça do dez o atirador se esquece que os tiros têm que ser
disparados com precisão. A necessidade de acertar um dez no alvo também
leva a perda da atenção no que dificulta a obtenção do resultado. É necessário
tomar todas as medidas até o disparo.

· Desânimo - O mal resultado de um tiro decepciona e surpreende o atirador e


estraga sua disposição. Se isso acontecer mais vezes pode até ser dominado pelo
desânimo.

· Pressa em disparar – Não se deve ter pressa em disparar, enquanto outros


pensamentos ocuparem a mente.

· Tiros ruins – Não se deve perder a disposição se o resultado dos tiros não é
bom, nem perder a calma ou falhar. É necessário analisar friamente o motivo do
erro e procurar não repeti-lo. Um, dois, três ou até mais tiros ruins podem ser
consertados até o final da disputa se o atirador não perder seu autocontrole e
perseguir o bom resultado. É condição para a vitória que o atirador tenha
autoconfiança durante todo o tempo da competição.

· Problema no mecanismo de disparo – O resultado do atirador num torneio


também pode ser prejudicado quando houver algum problema no mecanismo de
disparo. Os movimentos do atirador tornam-se contraídos, por demais cautelosos e
a atenção será perturbada pelo temor de um disparo acidental. Para afastar esse
temor negativo é necessário que a arma esteja sempre em perfeitas
condições. Também é aconselhável não regular o gatilho para muito leve. Um
disparo muito rápido leva o atirador a muito cuidado, o que é prejudicial. O medo
de que a arma no momento do tiro possa desviar “gatilhar”, pode ser motivo de
péssimos resultados, o pensamento de que a arma no momento do tiro possa se
desviar do alvo traz tensão ao atirador. O tiro é retardado, a tensão muscular
diminui, a situação estável da arma é perdida. Se o tiro partir nessa situação
ele realmente será ruim.
Não se deve dar tiro algum quando houver a mais leve dúvida de que não
sairá perfeito.

Pense no ato de disparar, sem pensar no valor do tiro dado.


Praticamente conhecem-se casos de atiradores que em campeonatos disparam tiros
ruins apenas por observações de terceiros.
Se a atenção no disparo for distraída é de conhecimento geral que não se pode
atirar bem.

_______________________________________________________________
Algumas emoções que prejudicam o resultado:

“O corpo reage de acordo com a mente”

Muitas vezes se observa a queda de resultado do atirador, em meio a uma


competição. Deve-se procurar o motivo na mente do atirador.

INSEGURANÇA

· Insegurança ao disparar – A insegurança também ocorre quando os impactos


não estão onde o atirador julga: surge à insegurança ao disparar, o atirador fica
irritado; perde a confiança na sua arma, na munição e em si mesmo.

· Tiros azarados – A insegurança também ocorre quando há tiros azarados logo


no início da competição, na maioria das vezes, por pressa e falta de concentração.

· Pane de dedo – Quando há desarmonia no movimento (demora no ato do


disparo), que pode ocorrer por inibição no sistema nervoso central. Essa
desarmonia se revela no retardo do tiro – demora no movimento de disparar. Isso
acontece quando a arma está parada no alvo e o tiro não sai. O dedo “não aperta”
o gatilho. O tiro sai atrasado quando a arma já não está estável. Como reação,
ocorre insegurança no atirador.

MEDO

· Medo de um erro no tiro – Se o atirador tiver esse pensamento, geralmente o


próximo tiro não será bom, pois a concentração foi quebra. Isso é fácil de explicar,
pois o corpo reage de acordo com a mente. O medo do disparo também pode
ser sinal de cansaço. Ao perceber esse sinal o atirador deve parar, descansar e
procurar reencontrar a autoconfiança por auto-sugestão Se o cansaço
aumentar e, consequentemente, decair o resultado dos tiros, na maioria dos casos,
instintivamente, aparece o desejo de parar de atirar.
Infelizmente, esse desejo nem sempre é seguido e continua-se achando que “deve
dar”.

· Luta com a falta de tempo - A atenção do atirador também pode ser desviada
pelo medo da FALTA de tempo. Não é possível atirar-se bem, quando se tem
presente no pensamento sob essas condições só é alcançado por acaso. Há muitos
exemplos de bons atiradores com resultados baixos, somente pela FALTA do tempo
que, indubitavelmente leva o atirador ao desvio da concentração e como
consequencia os tiros não são mais dados com atenção, porém, negligentes e
apressadamente.
Referência: Psique do Atirador – M. Umarow.

Angelamaria Rosa Lachtermacher


Grande Benemérita Atleta
Instrutora de Tiro

“Está provado que não existe pensamento que não influa no corpo”