Você está na página 1de 2

Relatório da simulação de um IRMA

Um IRMA é um ensaio radioimunológico, ou seja, utiliza, no seu mecanismo, dois anticorpos


radioactivamente marcados, que permite a medição dos níveis séricos da hormona paratiroideia
(PTH). Este é um factor indicador da saúde óssea de um indivíduo, daí a relevância clínica da sua
quantificação.

Partindo dos dados fornecidos, foi construída a tabela seguidamente apresentada, onde
constam as contagens por minuto (CPM), a sua equivalência em percentagem, bem como a
correspondente concentração de PTH. Esta concentração foi determinada com recurso à curva de
calibração da qual resultou uma relação matemática.

Medições:

CPM
Tubo CPM Média CPM Percentagem PTH (pg/ml)
corigido
261302
T 260714,5 260601 378,5824278 -
260127
95
A 113,5 0 0 0
132
700
B 732 618,5 0,898512406 15
764
1900
C 1830 1716,5 2,493607996 50
1760
4899
D 3455,5 3342 4,855017723 150
2012
15650
E 15375 15261,5 22,17081178 500
15100
40419
F 39708 39594,5 57,52004765 1500
38997
68667
G 68949,5 68836 100 3000
69232
1190
A1 1278,5 1165 1,69242838 48,72501307
1367
7856
A2 8243 8129,5 11,80995409 340,0085784
8630
56454
A3 55943 55829,5 81,10509036 2335,015551
55432

Gráfico (log-log) da
concentração de PTH (pg/mL)
10000 Equação da recta
y = 28,793x
1000
PTH (pg/mL)

Concentração
100 PTH

10 Linear
(Concentração
1
PTH)
0,1 1 10 100
Percentagem "binding"
Resumo:

Paciente PTH (pg/mL) Cálcio Diagnóstico Diferencial


A1 48,725013 Hipocalcémia Hipoalbuminemia

A2 340,00858 Hipocalcémia Deficiência Vit. D ou doença renal

A3 2335,0156 Hipocalcémia Hiperparatiroidismo primário

Diagnósticos diferenciais propostos e justificação:

Caso 1:

Este paciente apresenta hipocalcémia e tem valores normais de PTH (aproximadamente 48 pg/mL).
Supomos então que ele poderá ter um problema na albumina, que pode ser causado por um falha
na sua produção no fígado, ou por uma má dieta, uma vez que baixos valores de albumina vão levar
a uma diminuição da concentração de cálcio devido à incapacidade do seu transporte no sangue e
fraco reconhecimento por transportadores membranares diminuindo a sua disponibilidade.

Caso 2:

Trata-se de uma situação em que o doente está em hipocalcémia, mas tem uma concentração
elevada de PTH (aproximadamente 340 pg/mL). Isto pode ser provocado por uma deficiência na
Vitamina D ou por uma doença renal que irá causar uma situação de hiperparatiroidismo
secundário.

A vitamina D é responsável por aumentar a absorção de cálcio. Se esta estiver baixa, a concentração
de cálcio também estará baixa, o que provoca um aumento da produção de PTH.

Por outro lado, ao padecer de uma doença renal, o organismo vai estar a excretar excessivamente
cálcio e a reter fosfato, no entanto, a PTH vai elevar-se para tentar repor os valores. Também em
casos de insuficiência renal podem ocorrer alterações ao nível da síntese de 1,25(OH)2 cuja
concentração irá diminuir e como tal a capacidade de absorção de cálcio em vários sistemas com o
digestivo e ao nível do osso.

Caso 3:

Nesta situação verifica-se que o indivíduo está em hipercalcemia e apresenta valores para a
concentração de PTH excessivamente elevados (aproximadamente 2335 pg/mL). Esta pode ser
justificada por um Hipertiroidismo primário, em que a glândula paratireóide está híper-estimulada.
Diagnósticos mais precisos podem incluir adenoma, hiperplasia ou carcinoma das paratiróides. A
hipercalcemia justifica-se pela mesma razão do caso anterior (aumento da PTH).

Realizado pelos alunos:

Pedro Magalhães – 62449

Catarina Freitas - 62489

Patrícia Santos – 62491

José Moreira - 63434