Você está na página 1de 32

Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.

2
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

Gustavo Martins

Como Fazer Orçamento de Obras


de Maneira Eficiente
O Guia Absolutamente Completo

Versão 1.0

3
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

4
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

Índice

Como Fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente 3

Índice 5

Dedicatória 7

Agradecimentos 8

Sobre o autor 9

Quer se tornar um Engenheiro de Orçamentos? 10

O que vai aprender neste livro 11

Capítulo 1: Existe diferença entre orçamento e orçamentação? 12

Capítulo 2: Como é realizado o orçamento nas construtoras 14

Capítulo 3: As principais etapas de um bom orçamento de obras 16

3.1 Requisitos ou estudo das condicionantes 16

3.1.1 Leitura e interpretação do edital 17

3.1.2 Leitura e interpretação dos projetos e memorial descritivo 18

3.1.3 Visita Técnica 19

3.2 Composição de custos 19

3.3 Fechamento do Orçamento 20

Capítulo 4: Planilha e Composição dos Custos Unitários 22

4.1 A Planilha de Orçamento de Obras 22

4.2 A arte de extrair informações valiosas da Composição de Preços 24

5
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

4.2.1 O que é uma Composição de Preços Unitários 25

4.3 Fontes de acesso a bases de dados 31

Capítulo 5: Conclusão 32

6
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

Dedicatória

Dedico esse e-book a todos Engenheiros, Arquitetos e técnicos que estão en-
frentando esta crise econômica de cabeça erguida, levando a sério todos os man-
damentos éticos e moral da nossa profissão.

7
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

Agradecimentos

Agradeço a Deus, minha família e aos membros da nossa equipe do blog Enge-
nheiro de Custos que tornaram este projeto possível.
A todos os alunos e seguidores que acreditaram e acreditam neste projeto de
compartilhar conteúdos práticos de Engenharia Civil possa encurtar seu tempo
de aprendizado e ajudar na sua profissão a construir um futuro melhor.
Não posso deixar de citar também minha noiva, Leticia, que está comigo há
mais de 3 anos, me apoiando em cada decisão, em cada momento bom ou ruim.
Obrigado!

8
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

Sobre o autor

Gustavo Martins é Engenheiro e um empreendedor apaixonado, tra-


balha com engenharia de custos desde 2003 e desde 2014 atua com ví-
deos, blogs e mídias sociais na internet, desde que começou nesta jorna-
da, tornou-se professor de pós-graduação na área de orçamentos e fun-
dou dois blogs de renome na internet, Engenheiro de Custos e Engenha-
ria Minuto.
Está tentando fazer exercícios e dormir antes dos jogos da NBA.

9
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

Quer se tornar um Engenheiro de Orçamen-


tos?

Você já teve a sensação de achar complicado demais realizar orçamento de


obras?
Acredito que muitos quando se deparam com a primeira planilha de orçamen-
tos da vida, se sentem assim. E realizar orçamento de obras pode ser bem sim-
ples, mas não quer dizer que ser simples é ser fácil.
Olhando no meu próprio passado, quando tive a oportunidade do primeiro
contato, tive a mesma sensação. Não foi um amor à primeira vista, mas com o
tempo formamos uma boa relação de “ganha–ganha”.
Quando se aprende a realizar os mais diversos tipos de orçamento de obras, a
sensação é incrível e dificilmente você vai querer parar por aí.
Logo nesse primeiro e-book, você aprenderá o quão simples pode ser orçar
uma obra. Mas primeiro, você pode estar em dúvida, porque é tão importante me
especializar nessa área?
A reposta poderia ser longa e contar com no mínimo 7 motivos importantes,
mas vou focar em apenas um.
Vou citar um único e valioso motivo.
"Ela é a sua principal porta de entrada para o mercado de trabalho.."
Mas porque Gustavo?
Simples! Já vou explicar.
Se o destino natural de um recém-formado geralmente é o escritório, motivo
pelo qual ainda não se tem experiência em campo suficiente para assumir uma
obra.
Logo, se você não souber nada sobre orçar, planejar ou qualquer tema impor-
tante de uma rotina de escritório, sua chance de conseguir uma vaga cairá drasti-
camente. Seja em uma construtora de pequeno, médio ou de grande porte.

10
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

E acredite, com esse conteúdo ficará fácil entender e conhecer um ponto de


partida para todos os tipos de obras. Ter esse conhecimento pode fazer toda dife-
rença entre atuar ou não atuar na área.

O que vai aprender neste livro


O verdadeiro objetivo é treinar os alunos para situações de maiores dificulda-
des e preparar para sentir confortável, já que no momento que for designado
para este serviço, estará calejado e resolverá facilmente.
Você vai entender a diferença entre orçamento e orçamentação, como eles são
realizado nas empresas e as principais etapas de um bom orçamento de obras.
E também aprender como realizar um orçamento de obras da mesma maneira
que venho utilizando nos últimos 12 anos. Você se tornará um Engenheiro prepa-
rado para atuar na área de custos.
Vamos ao aprendizado, então.

11
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

Capítulo 1: Existe diferença entre orçamento


e orçamentação?

O orçamento é o resultado de uma orçamentação.


Então, o orçamento é o produto e a orçamentação é o processo para chegar no
resultado.
Sendo assim, todo o processo abordado até a planilha final, estarei me referin-
do sempre ao processo de orçamentação. Nunca confunda um com o outro!
As estimativas de custos passam por um processo de previsão de como será
realizada a obra. Gosto muito de comparar com um jogo de xadrez, você sempre
tem que antecipar 4 ou 5 jogadas futuras do seu oponente.
Assim, podemos prever um ataque ou preparar um belo contra-ataque. E, no
caso de orçar estamos falando sobre estratégias de logísticas, custos de mão de
obra por região, alternativas de métodos construtivos, etc.
Logo, o seu maior adversário é o risco envolvido nessa previsão.
Dica: Estude o máximo possível o projeto, os requisitos, a localidade e os métodos
construtivos e principalmente, realize muitas simulações.
Sim, simulações de métodos construtivos diferentes, de custos de equipamen-
tos e alternativas para diminuir os custos na execução da obra pode ser a chave
entre ganhar ou perder uma licitação.
Mas, muito cuidado ao realiza-las, essa etapa exige certo grau de experiência e
conhecimento sobre como executar os serviços.
Se não tem domínio sobre o tipo de obra, trabalhe sempre em equipe e procu-
re “feedback” de coordenadores ou com um bom engenheiro de campo experien-
te.
E, já que falei sobre conhecer os serviços, essa sem dúvida é uma das caracte-
rísticas mais importante para um bom orçamentista.
Agora, se você não tem esse conhecimento, não se preocupe é por isso que cri-

12
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

ei o blog Engenheiro de Custos.


Outro aspecto importante é a leitura e interpretação dos projetos, mas falarei
mais sobre esse conceito daqui a pouco.
Voltando aos serviços, quanto mais informações detalhadas, com projetos bem
definidos, maiores as chances de o valor estar próximo da realidade, porém nun-
ca será exato.
“Sim, orçar é um trabalho de previsão e em alguns casos podemos conside-
rar um verdadeiro jogo de adivinhações”.
Nunca será possível acertar com precisão, mas podemos chegar a um preço de
venda o qual beneficie tanto as empresas quanto os contratantes.
Portanto, realizar todos os passos anteriores com qualidade é fundamental
para atingir o sucesso do orçamento e consequentemente da empresa. Atingindo
resultados com margens de erro aceitáveis tanto para mais quanto para menos.
E acredite, errar para mais nem sempre é vantagem para a construtora. A lon-
go prazo pode-se pagar um preço muito alto por falta de credibilidade, caso o
cliente descubra e acredite que o erro foi feito de má-fé.
Em todos os casos, sempre trabalhe com respeito e integridade com o contra-
tante/cliente.

13
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

Capítulo 2: Como é realizado o orçamento nas


construtoras

Aqui temos duas vertentes, os das grandes e pequenas empresas. E em cada


uma delas, existe uma peculiaridade.
Nas grandes empresas, temos departamentos dedicados a realizar orçamentos
com uma equipe treinada e bem estruturada. Elas geralmente utilizam softwares
ERP, integrando todas as áreas da construtora, armazenando históricos de últi-
mas compras com informações valiosas. Saber essas informações e adotar parâ-
metros de obras recentes pode economizar um bom tempo em cotação de preços.
Já nas pequenas empresas, geralmente o proprietário realiza os próprios or-
çamentos com base em sua experiência. Quando se realiza obras do mesmo tipo
na mesma região, esses orçamentos tendem a estar corretos e próximos da reali-
dade.
Mas, apesar de presenciar esse tipo de orçamento com sucesso, não aconselho
que se utilize como parâmetro. Uma única alteração no memorial descritivo sem
a devida atenção do proprietário pode haver consequências graves. Um único
erro pode comprometer todo o trabalho e histórico de sucesso da empresa.
Outra péssima prática é a distância entre o orçamentista e o engenheiro de
campo. Infelizmente já presenciei discussões intermináveis sobre quem errou:
A obra ou o orçamento?
A obra que foi mal executada, ou o orçamento com quantitativos e preços fora
da realidade, impossibilitando o lucro. Geralmente, vejo a obra sendo idolatrada
em casos de sucesso e o orçamento sendo crucificado em casos de fracasso.
Talvez, por uma velha cultura impregnada de que a obra gera dinheiro e o es-
critório gera somente despesas. O que está longe de ser uma verdade.
“Só existe obra porque existiu orçamento" – acabei de inventar essa.
Enfim, tirando meu péssimo gosto para brincar, o conceito aqui é o mais im-
portante que você precisa entender. Caso contrário não existiria obra e nem “di-

14
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

nheiro”, mas na realidade isso é esquecido rapidamente pelos coordenadores e


proprietários.
E, se algum momento houver prejuízo, esteja preparado. A responsabilidade
irá bater em sua porta.
Mas Gustavo, não existe uma maneira de evitar esse tipo de situação?
Obrigado por perguntar. E a resposta é sim, existe!
Existe uma maneira de evitar e melhorar esse tipo de situação. Quando se tem
os dois lados da empresa trabalhando juntos, no processo de orçamenta-
ção e acompanhamento da execução. Comparando assim, o previsto no orçamen-
to com o realizado na obra.
Logo, se o engenheiro de campo participou do processo de orçamentação, difi-
cilmente ele irá acusar o orçamentista. Afinal, ele também foi responsável pe-
la validação do orçamento.
Sem contar, que de quebra você consegue identificar o que foi previsto que es-
tava fora e arrumar para os próximos! Excelente! Todos ganham! E a sua empresa
agradece.

15
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

Capítulo 3: As principais etapas de um bom


orçamento de obras

Tudo o que vimos até agora é sobre o processo de orçamentação, no qual ire-
mos obter ao final, nossa planilha de preço de venda da obra. E, para falar sobre
orçamentação você precisa entender as principais etapas desse processo:
 Requisitos ou estudo das condicionantes;
 Composição de custos;
 Fechamento do orçamento.
Para iniciar um orçamento, vamos utilizar todo o tipo de requisitos que pode-
rá ser levantando através de projetos, memorial descritivo ou visita técnica. E a
partir desse ponto começamos a quantificar os serviços.
Não esquecendo, que saber em detalhes como executa um serviço pode ajudar
bastante nesse processo. Isso é facilmente resolvido com experiência, livros, cur-
sos sobre como executar os serviços, blogs, vídeos, visitas em obras, etc.
Logo, já que iniciamos a quantificação, ler e interpretar os projetos se torna
essencial para seguir com o quantitativo. Afinal, um trabalho depende exclusiva-
mente do outro. E, para fechar essa etapa realizamos as cotações de insumos e
pesquisas sobre custos de mão de obras, empreitada ou própria.
Enfim, levantamos os custos indiretos, aplicamos os impostos e a margem de
lucro desejada. Obtendo finalmente o preço de venda da obra.
Simples assim!

3.1 Requisitos ou estudo das condicionantes


Para começarmos o orçamento, precisamos de algumas informações.
Qual o tipo de obra?
Como está o local da obra? Precisa ser realizado algum tipo de serviço de ter-

16
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

raplanagem? ou está pronta para iniciar? Acesso? É complicado? Trânsito? Dis-


tancia para possíveis fretes?
Tem água e luz disponível, vou conseguir realizar ligações provisórias ou terei
de utilizar outros meios? E por aí vai, análise do solo, tipo de fundação, alvenaria,
revestimento, instalações…
Para obter esses requisitos, verificamos com o cliente, retiramos do projeto
executivo (arquitetura, estrutura, instalações, paisagismo, impermeabilização,
etc.) e também através do memorial descritivo da obra.
E observando a rotina de pequenas e medias empresas, em inúmeras vezes
você não tem acesso aos projetos executivos para realizar o orçamento.
Sim, infelizmente essa é a realidade de muitas construtoras.
Pensando nisso e tentando minimizar esse problema eu criei um método com
anos de aprendizado para ensinar essas estimativas.
O verdadeiro objetivo é treinar os alunos para situações de maiores dificulda-
des e preparar para sentir confortável, já que no momento que obtiver todos os
projetos, estará calejado e resolverá facilmente.
Afinal, se sem o projeto você deu conta, com os projetos vai ser “moleza”.
O curso é um verdadeiro sucesso, com quase mil alunos no momento em que
escrevo. Enfim, voltando para o e-book.
Para aprofundar nesse estudo das condicionantes você precisa entender os 3
passos importantes desse processo.
1. Leitura e interpretação do edital
2. Leitura e interpretação dos projetos e memorial descritivo
3. Visita técnica

3.1.1 Leitura e interpretação do edital


O edital é o documento que define as regras para participação em licitações,
no caso de obras ele define as regras do projeto. E para ler e interpretar um edital
é fácil, geralmente começa com as definições de data e horário de entrega dos
envelopes (Proposta e Habilitação).

17
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

E ao longo do documento você identifica os requisitos de cada envelope, com


as especificações de cada item. Logo na entrega os documentos serão analisados e
o melhor preço com todas as exigências atendidas será a vencedora da licitação.
O importante é entender que existem alguns aspectos na leitura e interpreta-
ção que serão essenciais para a elaboração da proposta:
 Prazo da obra;
 Penalidades por atraso;
 Medições, pagamentos e se existem reajustes ou possíveis aditivos em caso
de erro no quantitativo pelo órgão público;
 Os horários de trabalho das equipes;
 Seguros, como exemplo caução de participação ou de contrato, geralmente
de 1% e 5% respectivamente.
 Obrigações do contratante para facilitar o acesso e instalações provisórias
de água e luz.
E, talvez o ponto mais importante é de sempre conferir os quantitativos da
planilha fornecida no edital. Com os projetos dá perfeitamente para conferir, se
atente aos itens mais relevantes de uma curva ABC de serviços por exemplo.
Assim, pode-se evitar grandes perdas em contratos de licitações com uma
simples conferência.

3.1.2 Leitura e interpretação dos projetos e memorial descritivo


Realizar uma boa leitura e interpretação do projeto é essencial para inserir no
orçamento de obras tudo aquilo que o projetista e o cliente ambiciosamente defi-
niram como parte importante do produto final. E que se espera ser executado e
entregue pelo construtor.
Se a leitura for errada, faltará escopo no orçamento, mas pode ter certeza que
na hora da execução haverá cobrança sobre os requisitos previamente definidos.
Muito cuidado nessa etapa! O produto final será criado a partir dessas informa-
ções técnicas.

18
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

3.1.3 Visita Técnica


Uma visita técnica sempre é bem-vinda antes de realizar qualquer tipo de
obra. Logo, torna-se uma boa prática para evitar surpresas na hora de executar o
contrato.
Assim, podemos listar alguns dos itens mais importantes para levantar na visi-
ta e aproveitar ao máximo desse dia dedicado exclusivamente a essa tarefa, va-
mos ver juntos:
 Registrar o local e os pontos chaves, através de fotos para mais tarde con-
sultar em caso de dúvida;
 Analisar o estado das vias de acesso a futura obra;
 Verificar o acesso de equipamentos, materiais e disponibilidade de mão de
obra daquela região;
Tire o máximo de informações importantes para a elaboração do orçamento
de obras. Muitas empresas com receio de esquecimento dos profissionais forne-
cem modelos de levantamento com perguntas padronizadas. Assim, diminui o
esquecimento e melhora o processo de levantamento de dados.

3.2 Composição de custos


Agora ficou fácil continuar o orçamento de obras. Com todos os requisitos em
mãos é hora de identificar e quantificar os serviços.
Apesar de simples, essa etapa precisa ser realizada com muita cautela, um pe-
queno erro no quantitativo de um serviço pode colocar todo o trabalho a perder.
Feito o quantitativo, vamos para o custo direto. Que é simplesmente inserir os
preços unitários dos serviços levantados. Considera-se como custo direto todos
os ônus realizados diretamente em campo.
Geralmente cada empresa possui suas próprias bases de dados com composi-
ção de custos. Ou, se não possuem, deveriam. Levantar suas próprias base de
composição é uma vantagem competitiva absurda com quem não tem ideia de
quanto custa 1 m²de um determinado serviço.
As composições de custos demonstram nossos gastos por unidade de serviço.

19
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

E, em cada serviço, seus respectivos insumos necessários para execução.


Depois dos custos diretos, devemos levantar os custos indiretos. E, por sinal
correspondem ao oposto do direto, é todo custo que não é assimilado com os
serviços de campo, mas que são necessários para que eles sejam executados.
Devemos nessa etapa, levantar os custos de escritório, celular, automóvel, en-
genheiro, mestre de obras, etc.
Começamos então a cotação de todos os insumos da composição, direto e indi-
reto. Com todos os custos em mãos, podemos utilizar o departamento de supri-
mentos para ajudar nesse procedimento.
Para finalizar a composição de custos, é necessário inserir os valores dos en-
cargos sociais trabalhistas. Essa porcentagem vai depender muito de cada cons-
trutora e sua região, geralmente fica entre 105 a 135%. E, significa se a hora ho-
mem de um carpinteiro é, por exemplo:
R$ 5,00/h – custo direto, para o empregador o custo no mínimo sairá
por R$ 10,25/h, utilizando um encargo de 105%.
Sim, acredito que agora você entenda quando seu diretor chega na obra e vê
aquele monte de funcionários parado, o desespero que bate não é à toa.
Essa alta porcentagem é resultado dos inúmeros impostos que incidem sobre
a hora-homem e aos direitos dos trabalhadores (férias, décimo terceiro, aviso
prévio, etc.).

3.3 Fechamento do Orçamento


Para finalizar nosso orçamento detalhado com todas as etapas, restou apenas
inserir a lucratividade desejada e os impostos. Esses valores são bem variados,
principalmente lucro, que irá depender de cada empresa.
Desde a necessidade de ganhar uma obra até o risco embutido na proposta. E,
para realizar essa última etapa, utilizamos o BDI, que será aplicado sobre o custo
direto da obra. Esse fator irá representar na planilha o custo indireto, lucro e im-
posto.
Existe uma fórmula bem simples para o BDI. Assunto pelo qual renderia outro
guia completo. A definição mais simples de BDI é Benefícios (lucro) + Despesas

20
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

Indiretas.
E, após todos os passos anteriores, nasce nossa planilha de obras com todos os
serviços levantados corretamente sem esquecer nenhum detalhe importante.
Assim, geramos nossa planilha de preços, dependendo do sistema que você
utilizar, facilmente podemos emitir relatórios de curvas, composições, Leis Soci-
ais e BDI. Utilize esses relatórios para indicar quais os serviços devem ser revisa-
dos e quais em hipótese nenhuma pode ter algum tipo de desvio.

21
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

Capítulo 4: Planilha e Composição dos Custos


Unitários

Seguindo as principais etapas de um bom orçamento de obras do capítulo an-


terior, precisamos de 7 passos essenciais para elaborar uma planilha de orça-
mento de obra sem erros:

1. Atribuir uma composição de preços para cada serviço levantado do projeto;


2. Levantar os custos indiretos e custos de acessórios.
3. Inserir os impostos e definir o lucro desejado.
4. Encontrar nosso preço de venda.
5. Calcular nosso BDI
6. Aplicar o BDI linearmente em toda a planilha.
7. Realizar o fechamento da planilha com o preço de venda.

Vou utilizar uma planilha de orçamento de obra já com todos os 7 pas-


sos realizado. E para que fique bem detalhado, vou explicar cada item da planilha
e da composição de preços unitários.

4.1 A Planilha de Orçamento de Obras


Por mais básico que possa parecer, quero ter certeza que não haverá dúvidas
sobre a planilha de orçamento de obras. Logo, irei passar em todos os campos do
modelo disponível.

22
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

1. BDI utilizado na planilha = 30%


2. Encargos Sociais adotado = 122%
3. Código, indica uma sequência lógica da obra ou apenas um critério de con-
trole da empresa, nesse exemplo mantive os códigos da TCPO 14, que foi a
base que utilizei nessa planilha.
4. Descrição – Nessa coluna é inserido a descrição dos serviços, lembra ante-
riormente anterior que após o levantamento dos requisitos começamos a
levantar quais serviços são necessários para realizar a obra? Então, é nessa
coluna que mostra qual serviço foi considerado.
5. Unidade do serviço, em que medida ele foi considerado, área, volume, me-
tros, unidade ou verba.
6. Quantidade, todas as quantidades levantadas com projeto, memorial des-
critivos, são inseridas nessa etapa.
7. Preços unitários de cada serviço, aqui estão sendo considerados os valo-

23
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

res de materiais, mão de obra, custos indiretos, lucro e impostos.


8. Preço total é a multiplicação do preço unitário pela quantidade do serviço.

Assim, vimos em detalhes as partes mais importantes de uma planilha de or-


çamento de obra. Se você nunca tinha visto uma planilha na sua vida, essa é uma
planilha real que você terá contato em toda sua carreira de engenheiro. Sendo,
orçamentista, engenheiro de obras, coordenador, diretor, analista, arquiteto e
técnico.
Enfim, não importa em qual área você irá atuar na engenharia civil, sempre
haverá uma planilha de orçamento de obra para ser analisada e utilizada. Com ela
podemos identificar apenas com uma leitura rápida, os tipos de serviços a serem
executados nas obras e se os valores unitários estão coerentes com a realidade da
empresa.
Com experiência essa leitura será automática, torna-se fácil identificar qual ti-
po de obra estaremos realizando e se a empresa terá condições de executar. As-
sim, podemos identificar uma oportunidade ou nem perder muito tempo, depen-
dendo apenas de “uma olhadinha” na planilha de orçamento de obra.
Caso, você seja mais experiente, talvez, até aqui tenha sido bem básico, mas
sempre é bom rever os conceitos básicos e relembrar pontos importantes da or-
çamentação. Prometo aumentar o nível conforme vou explicando as composições
de preços unitários.

4.2 A arte de extrair informações valiosas da Composição


de Preços
Algumas vezes citei sobre ela, além de ser minha parte favorita na orçamenta-
ção, as composições de preços se bem utilizada e interpretada pode servir como
“ouro” na sua carreira. Uma boa base nesse assunto pode ser a resposta das dúvi-
das mais frequentes que recebo, entre elas:
“Gustavo, como fazer o pedido de materiais dos serviços orçado”?
“Gustavo, como calcular o tempo das atividades da obra”?

24
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

“Gustavo, como saber se o preço do empreiteiro está de acordo com o que empre-
sa recebe do contrato”?
Sim, minha caixa de e-mail fica lotada com esse tipo de pergunta e sempre é
uma satisfação tentar responder a todos. E, em algumas épocas torna-se huma-
namente impossível, mas sempre me esforço para conseguir atender. Mas agora,
tenho certeza que ficará mais fácil de entender como podemos utilizar a compo-
sição para respondê-las.

4.2.1 O que é uma Composição de Preços Unitários


É chamada de composição de preços unitários ou CPU a atividade de relacio-
nar todos os custos envolvidos de um serviço. Em cada composição é listado os
insumos necessários para execução de 1 unidade do serviço.
Quando cito sobre históricos de obras e estimativas de custos, a composição é
a ferramenta mais utilizada para verificar o que deu e o que não deu certo na exe-
cução da obra. Logo, ela fornece uma ótima oportunidade de controlar os custos,
já que é possível verificar qual insumo está coerente e qual deve ser reajustado
nos próximos orçamentos.
Tudo isso, após a execução dos serviços ou mesmo em andamento, já que an-
tes, temos apenas a possibilidade de orçar e estimar. Por isso, possuir esses histó-
ricos é uma vantagem absurda para o construtor, para um controle eficiente de
custos e evitar surpresas.
Os insumos mais comuns nas composições, é o de mão de obra, material e
equipamento. Vamos ver na prática como ler uma composição da TCPO 14 e em
seguida, como interpreta-la.

25
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

1. Código: indica qual o código do serviço e dos insumos, repare que em negri-
to está o código do serviço e abaixo sem negrito, os de insumos.
2. Descrição: como o próprio nome sugere, indica a descrição do serviço (ne-
grito) e dos insumos (novamente aqui, sem negrito).
Nesse caso, estamos utilizando uma composição do serviço:
Alvenaria de vedação com blocos cerâmicos furados 9x19x19 cm furos hori-
zontais, espessura da parede de 9cm, juntas de 10 mm com argamassa mista de
cal hidratada e areia sem peneirar traço 1:4, com 100 kg de cimento.
Já os insumos, que são necessários para execução desse serviço:
Pedreiro, servente, bloco cerâmico e argamassa mista.
3. Unidade: representa em qual unidade estamos trabalhando, tanto o serviço
como o insumo. Repare que para a descrição do serviço de Alvenaria está
em m².
Os insumos, esses encontramos em h (homem-hora) para Pedreiro e Servente,
unidade para bloco e m³ de argamassa. Podemos encontrar kg, m², m, un, para
materiais e h (hora de máquina) para equipamentos. O que significa que todos os
insumos relacionados na composição são necessários para executar 1 m² de al-
venaria.
4. Classe: qual classe o insumo está inserido:
MOD – mão de obra MAT – material SER – serviço
Lembrando, que está composição é típica da TCPO 14. Dependendo da sua ba-
se pode haver algumas mudanças de nomenclatura, mas entendendo o conceito
de um tipo, as outras são bem parecidas.
5. Coeficiente: em algumas bases “Índices”, representa a incidência de cada
insumo para executar 1 unidade do serviço.
Traduzindo, com nosso exemplo:
Podemos afirmar que é necessário 0,64 horas de Pedreiro para executarmos 1
m²de alvenaria.
Então vamos analisar mais um insumo: são necessários, 27,20 unidades de
blocos cerâmico, para executarmos 1 m² de alvenaria! Fácil, não acha?

26
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

E, apesar de simples, quando tinha acabado de sair da faculdade e encontrava


com engenheiros mais experientes era incrível e ao mesmo tempo “assustador”,
que a maioria não entendia quase nada sobre esse tema.
Voltando para a composição, mas Gustavo esses coeficientes/índices dos in-
sumos são chutes? Ou é calculado isso tudo?
Boa pergunta! Não é chute. No caso da TCPO, que existe há mais de 56 anos é
revisada e atualizada todos os anos, os seus coeficientes de consumo de mão de
obra, materiais e equipamentos.
Tem como conferir os coeficientes? Sim, claro. E indico que se-
ja comparado com o consumo da sua empresa. Vamos verificar o consumo
de 27,20 unidades de bloco cerâmico da nossa composição.
Nossa alvenaria de bloco cerâmico é de 9x19x19 cm. Conforme a descrição do
nosso serviço nossa alvenaria tem uma espessura de 9cm e juntas de 10mm.
Sendo assim, vamos encontrar a área frontal do bloco, através da formula:

Onde:
n = unidades por m² b1= comprimento do bloco b2 = Altura do bloco
eh = espessura das juntas horizontais ev = espessura das juntas verticais

Foi considerado nessa composição uma perda de 8,80% nos blocos cerâmico.

Essas perdas são consideradas pelo transporte, manuseio e cortes de blocos

27
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

nas obras.
6. Preço unitário: é o custo unitário de cada insumo utilizado na composição.
7. Preço total: é custo total do insumo, é resultado da multiplicação do preço
unitário pelo coeficiente de consumo. A somatória dessa coluna irá resultar no
total sem taxas.
8. Mão de obra: Somatória de todos os custos de mão de obra e hora maquina
dos equipamentos das composições.
Observe que na composição não foi considerado apenas os insumos de clas-
se MOD, mas também é inserido um valor de 0,62 do insumo SER. Para entender
como esse valor de 6,24 de mão de obra foi considerado, teremos que analisar
uma composição dentro de outra composição, mais conhecida como composição
auxiliar. Argamassa mista de cal hidratada e areia sem peneirar traço 1:4, com
adição de 100 kg de cimento.

Mas, observando a composição auxiliar, existe outro insumo da classe SER.


Portanto, vamos abrir mais uma vez. Dessa vez, vamos observar o SER
de Argamassa de cal hidratada e areia sem peneirar traço 1:4.

28
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

Assim, podemos começar a entender aquele valor de M.O da composição prin-


cipal. Analisando, essa composição, temos R$ 38,80 (preço total) de Servente, que
corresponde a 8 horas para executar 1m³ de Argamassa. Ok, R$ 38,80 de M.O,
corresponde a 16,26% do valor total c/ taxa de R$ 238,60.
Legal! Até aí tudo bem!?
Observe que nas duas composições auxiliares, o valor de LS (encar-
gos) e BDI estão zerados. E, está correto, pois esses valores serão inseridos so-
mente na composição principal.

Voltando para nossa primeira composição auxiliar, temos o SER de Argamassa


de cal hidratada e areia sem peneirar traço 1:4, preço total de R$ 218,80. Logo,
16,26% de R$ 218,80 = 35,58 + 9,70 (Servente) = 45,28 de M.O. Simples, agora
vamos voltar a nossa composição principal de Alvenaria.

29
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

Agora, é necessário apenas entender que o valor de R$ 276,30 do insumo de


classe SER Argamassa mista, 45,28 é de M.O, correspondendo há 16,39% do valor
total do serviço. Logo, dos R$ 3,81 do preço total do insumo, R$ 0,62 é de mão de
obra.
Você agora pode estar se perguntando. Gustavo, tudo isso para justificar 62
centavos? Não, tudo isso para fixar melhor os conceitos de composição de pre-
ços e também entender que esse valor não “brotou do nada”. Podemos concluir
que o motivo pelo qual temos 6,24 de M.O. É resultante de 3,78 (Pedreiro)
+ 1,84 (Servente) + 0,62 (Argamassa) = 6,24.
9. Outro: para encontrar esse valor, basta somar os insumos de materiais.
10. Total sem taxa: é a somatória de todos os valores da coluna preço total,
corresponde ao custo direto do serviço.
11. Valor LS: é o valor dos encargos da mão de obra. LS significa Leis Sociais.
Nessa planilha, considerei uma LS de 122%. Portanto, para encontrar nossos
encargos basta multiplicar o valor de M.O por 122%.

12. Valor BDI: Benefícios + Despesas indiretas. Para obter o valor do BDI,
precisamos aplica-lo sobre o valor s/ taxa + LS.
Sim, o BDI também se aplica sobre a mão de obra. Nessa planilha, considerei
um BDI de 30%.

13. Valor total do serviço: é a somatória de total sem taxa + valor de LS + va-
lor de BDI.

30
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

4.3 Fontes de acesso a bases de dados


Existem diversos tipos de fontes de composições de preços unitários, vai de-
pender muito do tipo de obra que a empresa realiza e o tamanho do interesse por
uma fonte confiável de dados para tirar como parâmetro para suas obras.
Já falei sobre isso anteriormente, mas vou repetir. “Não existe base de compo-
sição de preços unitários melhor, que a da própria empresa”. Porém, vou deixar
as opções de bases disponíveis, gratuitas e pagas.
1. TCPO da Pini
Preciso deixar claro, que não ganho absolutamente nada em recomendar
a TCPO, mas além de ser a base utilizada nesse e-book, ainda recomendo porque
utilizo e me ajuda bastante nos orçamentos. Sua única desvantagem é ser paga.
2. FDE – Fundação para o Desenvolvimento da Educação
Já utilizei muito como opção gratuita, apesar de sua base ser referenciada para
construção e reformas de escolas, alguns serviços são bem próximos da TCPO.
3. SINAPI
Não utilizo muito, mas em casos de orçamento para a minha casa, minha vida é
essencial e é gratuita.
4. DER-SP
Além da base completa de infraestrutura, é possível consultar materiais de au-
xilio de serviço com cortes e descrições bem detalhadas dos serviços. (Gratuita)
Citei as composições que mais utilizei até hoje, mas temos outras boas opções
gratuitas e pagas.
Recomendo que faça uma pesquisa e utilize algumas antes de definir qual uti-
lizar em sua empresa.

31
Como fazer Orçamento de Obras de Maneira Eficiente - Versão 1.0

Capítulo 5: Conclusão

Elaborar um orçamento detalhado não é fácil, mas pode sim ser simples. Mes-
mo que comece sem experiência, existe uma vantagem competitiva que pode co-
locar você alguns quilômetros à frente da concorrência.
E essa vantagem se chama conhecimento.
Ler um e-book sobre esse assunto me mostra que você tem interesse na área e
está buscando por conhecimento.
Parabéns por ter chego até aqui.
Quer se tornar Especialista em Custos? Recomendo o treinamento oficial do
blog Engenheiro de Custos.
Esse é o primeiro e-book da Engenharia de Custos.
E caso ele tenha sido útil para você, aproveite para compartilha-lo com um
amigo que precise de dicas como essas para colocar em prática conceitos de or-
çamento de obras.
E será uma grande honra contar com você nessa jornada. Porque juntos somos
mais fortes. Afinal, ser Engenheiro de Custos é muito mais que preencher uma
planilha.
Forte Abraço e até o próximo e-book!

32

Você também pode gostar