Você está na página 1de 5

DEPARTAMENTO DE QUÍMICA – ICEx – UFMG

QUI208 - QUÍMICA ANÁLITICA F

CURSO PRÁTICO REMOTO - 2o SEMESTRE DE 2021

Título da Prática: Determinação de NaCl em soro fisiológico 

RELATÓRIO

1) Reação (ões) Envolvida(s) na Prática

NaCl (aq) + AgNO3 (aq) → AgCl (s) + NaNO3 (aq)

Ind (aq) → H + (aq) + Ind - (aq)

2) Planejamento

O teor de NaCl em um soro fisiológico é determinado pela reação dos íons cloretos com

os íons prata, através do método de Fajans.

1. Pipeta - se a quantidade que foi calculada previamente na padronização da

solução de soro fisiológico e transferir - se para erlenmeyer de 250 mL;

2. Adiciona - se cerca de 30 mL de água destilada e três a cinco gotas de

diclorofluoresceína (indicador usado no método de Fajans);

3. Titular com a solução padrão de AgNO3 (0,05 mol/L). A solução que se

apresentava como amarelo translúcido virará amarelo turvo por conta da

precipitação. O fim da titulação é marcado pelo aparecimento da coloração rosa;

4. Calcular a porcentagem, em massa por volume, de cloreto de sódio

(MM = 58,5 g/mol) na amostra de soro fisiológico.

3) Cálculos
A concentração encontrada para a solução de nitrato de prata foi (0,05112 ± 0,0007)

mol/L. Considerando a estequiometria 1:1 da reação entre o AgNO3 e NaCl 0,9% m/v

estipulou-se o volume necessário de soro fisiológico para reagir com o volume da bureta

de AgNO3, 5mL.

 0,9g ------ 100 mL

x ------ 1000 mL

x = 9 g/L

 9g ----------- y 58,44g

X ------- 1 mol

x = 0, 154 mol de NaCl

 C1V1 = C2V2

0,154 mol . V1 = C2.V2

0,154 mol . V1 = 0,05112 mol . 0,005L

V1 = 1, 659 mL ≈ 2 mL

Foi aplicado um volume de soro fisiológico igual a 2 mL durante a prática.

Determinação de Cloreto em Soro Fisiológico pelo Método de Fajans

 6,37 mL

 6,53 mL

 6,48 mL

De modo que como o AgNO3 tem concentração 0,05112 mol/L podemos fazemos os

cálculos para descobrir a quantidade de mols no volume utilizado na titulação.

 0,05112 mol ------ 1000 mL

X ------ 6,37 mL

X = 0,3256.10-3 mol
 0,05112 mol ------ 1000 mL

Y ------- 6,53 mL

y = 0,3338.10-3 mol

 0,05112 mol ------ 1000 mL

Z ------ 6,48 mL

Z = 0,3313.10-3 mol

A partir disso, sabemos que essa quantidade de mols está em 2 mL. Com isso

conseguimos saber a concentração mol/L de cada uma das triplicatas.

 0,3256.10-3 mol ------ 2 mL

x ------ 1000 mL

x = 0,1628 mol/L

 0,3338.10-3 mol ------ 2 mL

y ------ 1000 mL

y = 0,1669 mol/L

 0,3313.10-3 mol ------ 2 mL

Z ------ 1000 mL

Z = 0,1656 mol/L

 Agora, transformamos a concentração (mol / L -1) para % m/V.

 0,01628 mol x 58,44g = 0,9514% m/v

 0,01669 mol x 58,44g = 0,9754% m/v

 0,01656 mol x 58,44g = 0,9681% m/v


Vag CNaCl CNaCl Média Desvio Intervalo de Erro

Titulação (mL) (mol/L-1) (%M/V) (%M/V) Padrão confiança relativo

(%M/V) 95% (%M/V) (%M/V)

1 6,37 0,1628 0,9514

2 6,53 0,1669 0,9754 0,97% 0,01 (0,97±0,03)% 7,7%

m/v m/v

3 6,48 0,1656 0,9681

Deste modo, segundo a titulação encontrou-se que a quantidade medida de solução

utilizada que foi de (0,97 ± 0,01)% m/v.

4) Resultado Final com Estatística

Portanto, no rótulo está apontado pelo fabricante que o Soro continha a concentração de

Cloreto de Sódio de 0,9% m/v. Pela titulação realizada, a concentração encontrada foi

próxima do relatado. Sendo assim possível calcular a imprecisão e precisão do

experimento que é dada pelo desvio padrão sobre a média encontrada.

 0,01/0,97 = 0,01% de imprecisão.

Certificando a eficácia e a qualidade com que o experimento foi executado. Por fim,

para determinar o intervalo de confiança dos resultados, é preciso utilizar a fórmula de

intervalo de confiança de 95% da estatística para uma distribuição do estilo T-Student.

 Intervalo de confiança de 95% = (0,97 ± 0,03)% m/v.

É possível calcular o erro relativo da prática em relação ao valor apresentado pelo

fabricante:

 0,07/0,9 = 0,077 ≈ 7,7%.


É um erro um pouco mais alto, porém provavelmente é devido à utilização de várias

medidas com diversos graus de incerteza.

Você também pode gostar