Você está na página 1de 22

memórias científicas originais

A PESQUISA QUALITATIVA:
origens, desenvolvimento e utilização nas
dissertações do PPGCI/UFPB - 2008 a 2012

QUALITATIVE RESEARCH:
origins, development and utilization of dissertations PPGCI / UFPB - 2008 to 2012

Edvaldo Carvalho Alves


Doutor em Ciências Sociais pela Universidade São Carlos, Brasil.
Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da
Universidade Federal da Paraíba, Brasil.
E-mail: edvaldocalves@gmail.com

Mirian Albuquerque Aquino


Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil.
Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da
Universidade Federal da Paraíba, Brasil. Bolsista de Produtividade CNPq.
E-mail: miriabu@gmail.com

RESUMO: Discute as especificidades da pesquisa qualitativa por meio da reconstrução de seu processo de
desenvolvimento, em geral e, particularmente, no campo da Ciência da Informação. Explicita as
contribuições deste tipo de pesquisa para um conhecimento mais aprofundado da realidade social,
em especial, do fenômeno informacional e mapeia sua utilização nas dissertações defendidas no
Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação referente ao período de 2008 a 2012. Das
66 dissertações analisadas, verifica-se uma predominância da pesquisa de natureza qualitativa
nas duas linhas de pesquisa do PPGCI/UFPB, com a utilização de variados métodos, técnicas e
instrumentos de coleta e análise de dados característicos deste tipo de investigação, em especial,
a entrevista, análise documental, análise de conteúdo, semiótica e observação direta.

Palavras-chave: Pesquisa Qualitativa. Ciência da Informação. Dissertações Programa de Pós-Graduação em


Ciência da Informação.

ABSTRACT: Discusses the characteristics of qualitative research through the reconstruction of their development
process in general and particularly in the field of Information Science. Spells out the contributions of
such research to a deeper understanding of social reality, in particular, the phenomenon informational
maps and their use in dissertations in the Graduate Program in Information Science for the period
2008 to 2012. Of the 66 papers analyzed, there is a predominance of qualitative research in two lines
of research PPGCI / UFPB, with the use of various methods, techniques and tools for collecting and
analyzing data characteristic of this type of research, in particular, interviews, document analysis,
content analysis, semiotics and direct observation.

Keywords: Qualitative Research. Information Science. Dissertations Graduate Program in Information Science.

Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012 79
Edvaldo Carvalho Alves, Mirian Albuquerque Aquino

1 Introdução por clivagens, rupturas, tensões e conflitos do que


por acumulações progressivas.
A questão que orienta a discussão Assim, tomando como base essa
empreendida neste artigo indica que a pesquisa característica, este artigo realiza uma
qualitativa situa-se numa extensa e adversa reconstrução do processo histórico do surgimento
história nas disciplinas das Ciências Humanas. e desenvolvimento da pesquisa qualitativa e sua
Contudo, pode-se dizer, e já se tem como utilização nas pesquisas realizadas no programa
consenso no campo das Ciências Sociais, que a de Pós-Graduação em Ciência da Informação da
pesquisa qualitativa recobre hoje, como afirma UFPB. Para tanto, encontra-se dividido em três
Chizzotti (2003), um campo interdisciplinar e partes: na primeira, efetua-se uma caracterização
transdisciplinar, que percorre não só as ciências e uma definição do que vem a ser pesquisa
sociais e humanas, mas também algumas áreas qualitativa, delimitando sua contribuição
das ciências da natureza e da saúde1. Além disso, principal para a pesquisa social; na segunda,
vivencia-se, nesta área, uma pluralidade de partindo das sínteses realizadas por vários autores,
programas e estratégias de pesquisa que advogam em especial Flick (2009); Denzin e Lincoln
o estatuto qualitativo, adotando e, muitas (2006); Chizzotti (2003 e 2006); Bodgan;Biklen
vezes, mesclando e condensando, tradições e (1994), reconstruir-se-á o percurso, por meio da
paradigmas oriundos do marxismo, positivismo, adoção de uma periodização, que essa prática
construtivismo, fenomenologia, hermenêutica, de investigação seguiu, tendo ciência do caráter
teoria crítica etc. arbitrário e, na maioria das vezes, reducionista,
Como corolário, tem-se que, apesar das do enquadramento de processos históricos em
nuanças e da diversidade inerente à prática da períodos demarcados temporalmente; por último,
pesquisa qualitativa, é possível assegurar, de apresenta-se uma descrição e classificação, por
acordo com Poupart et al (2008), que os métodos, linha de pesquisa, das dissertações defendidas no
técnicas e instrumentos da pesquisa qualitativa PPGCI/UFPB de 2008 a 2012 que utilizaram a
são mais conhecidos, melhor aceitos e, às vezes, abordagem qualitativa.
até mais valorizados, do que no passado. No
entanto, este reconhecimento e prestígio que a 2 Conceituando a pesquisa qualitativa
pesquisa qualitativa goza atualmente no campo
científico, não “caiu do céu”, mas é o resultado de Diversos autores convergem para a ideia
um longo processo que se inicia no século XIX, que a pesquisa qualitativa não se sustenta em
com o surgimento das ciências que delimitam um conceito teórico e metodológico uniforme,
o homem como objeto de estudo - sociologia, havendo, pois, múltiplas abordagens que
antropologia, psicologia etc. -, e se prolonga embasam os debates, as discussões e as reflexões
durante todo o século XX, sendo marcado mais referentes a prática dessa pesquisa (FLICK, 2009);
(DENZIN; LINCOLN, 2006). Convergências e
divergências de pontos de vista são decorrentes
das diferentes perspectivas de desenvolvimento
1 Este campo, em especial os estudos na área da saúde
pública, vem trazendo, principalmente no Brasil, relativas à história da pesquisa qualitativa em
grandes contribuições para o desenvolvimento de vários países.
novas estratégias, técnicas e métodos de investigação
qualitativos. Sobre isso ver principalmente os estudos de Sendo assim, para conceituar a pesquisa
Minayo (1998, 2003 e 2005). qualitativa é mister, inicialmente, entendê-la

80 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012
A pesquisa qualitativa

como um campo mais amplo onde se encontra d) é extrinsecamente e intrinsecamente


“uma família integrada e complexa de termos, ideológico, dado que, no processo de
conceitos e suposições. Entre eles, estão as investigação, existe uma relação de co-
tradições associadas ao fundacionalismo determinação entre o pesquisador e seu
ao positivismo, ao pós-positivismo, ao pós- objeto, pois a visão de mundo de ambos
estruturalismo e às diversas perspectivas e/ou encontra-se impregnada ao longo de todo o
métodos de pesquisa relacionados aos estudos processo investigativo;
culturais e interpretativos” (DENZIN; LINCOLN, e) é essencialmente qualitativo, pois todo
2006, p. 16)”. Na literatura, é possível encontrar fenômeno social é o produto da ação
a pesquisa qualitativa circundada por uma humana, que, por sua vez, só é levada a
variedade de métodos, abordagens e materiais cabo por meio de motivações subjetivas, ou
empíricos e influenciada por posturas éticas e seja, crenças, valores, ideais, sentimentos
políticas. etc. que se encontram expressos nas
No campo da pesquisa social, a pesquisa instituições, estruturas e ações sociais.
qualitativa pode ser entendida como uma
práxis que visa a compreensão, a interpretação
Portanto, a pesquisa social tem seu
e a explicação2 de um conjunto delimitado de
foco na apreensão, tanto dos aspectos mais
acontecimentos que é a resultante de múltiplas
profundos da realidade, que a especificam e a
interações, dialeticamente consensuais e
tornam particular3, como os mais aparentes e
conflitivas, dos indivíduos, ou seja, os fenômenos
superficiais, que a generalizam e que são passíveis
sociais. Estes, além de possuírem as características
de quantificação. Historicamente a pesquisa
de serem o produto das ações humanas, segundo
qualitativa vem sendo definida em contraposição
Demo (1981) e Minayo (1992), possuem ainda
a pesquisa quantitativa, que tem na quantificação
outras características distintivas:
a única via de assegurar a validade/legitimidade
de uma generalização, pressuposto para a
a) são históricos, isto é, mudam, se
construção de leis, de acordo com o o modelo das
transformam ao longo do tempo, sendo,
ciências físico naturais.
portanto, transitórios e específicos;
No entanto, como nos adverte Denzin e
b) possuem consciência história, ou seja,
Lincoln (2006) a construção de uma definição
como produtos da ação dos indivíduos,
da pesquisa qualitativa deve levar em conta o
os fenômenos sociais recebem, destes,
complexo campo histórico onde ela se originou
sentidos e significados múltiplos;
e se desenvolveu, uma vez que ela adquiriu, ao
c) por não existirem independentemente dos
longo desse tempo, diferentes significados. Essa
indivíduos, só se manifestam por meio das
concepção também é corroborada por Groulx
ações, e sendo o investigador (pesquisador)
(2008), quando afirma que a pesquisa qualitativa
também um indivíduo social, se encontra
nos remete a um campo de práticas e discursos
em uma situação de identificação com o
diversificados e múltiplos. Contudo, apesar dessa
objeto em estudo;
pluralidade de significados, ambos os autores
2 É importante ressaltar que a pesquisa social também acreditam que seja possível construir uma
possui, desde sua origem, uma intenção prática, isto é, de
intervenção na realidade social, seja para transformá-la 3 E é justamente desse aspecto da realidade social que a
ou para conservá-la. pesquisa qualitativa irá se preocupar.

Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012 81
Edvaldo Carvalho Alves, Mirian Albuquerque Aquino

definição genérica do que vem a ser pesquisa Assim, para efeito de análise, é possível
qualitativa. Para Denzin e Lincoln (2006, p.17), afirmar que a presença, em maior o menor
grau, dessas características em uma investigação
A pesquisa qualitativa é uma atividade situada que científica lhe atribui uma natureza qualitativa.
localiza o observador no mundo. Consiste em um
conjunto de práticas materiais e interpretativas Dito isto, partamos agora para a reconstrução
que dão visibilidade ao mundo. Essas práticas do processo de desenvolvimento da pesquisa
transformam o mundo em uma série de
representações, incluindo as notas de campo, as qualitativa.
entrevistas, as conversas, as fotografias, as gravações
e os lembretes. Nesse nível, a pesquisa qualitativa
envolve uma abordagem naturalistica, interpretativa, 2 Breve histórico da pesquisa qualitativa
para mundo, o que significa que seus pesquisadores
estudam as coisas em seus cenários naturais,
tentando entender, ou interpretar, os fenômenos Como já ressaltado anteriormente, a
em termos dos significados que as pessoas e eles história da pesquisa qualitativa foi marcada mais
conferem.
por clivagens, rupturas, tensões e conflitos do
que por acumulações progressivas. Sua evolução
Nesta mesma linha de pensamento,
histórica, com todas essas questões e tensões – que
Minayo (2003, p. 21) define a pesquisa qualitativa
ainda estão presentes atualmente -, foi sintetizada,
como aquela que “trabalha com o universo de
como ressalta Chizzotti (2003), por vários autores
significados, motivos, aspirações, crenças, valores
nas quais se destacam as obras já clássicas de
e atitudes, o que corresponde a um espaço mais
Flick (2009); Denzin e Lincoln (2006); Erikson
profundo das relações, dos processos e dos
(1986); Bodgan e Biklen (1994); Vidich e Lyman
fenômenos que não podem ser reduzidos a
(2000), É importante destacar que todas essas
operacionalização de variáveis”.
obras discutem a evolução da pesquisa qualitativa
A partir destas definições, pode-se construir
em alguns países da Europa e nos EUA, sendo
um modelo ideal típico, na perspectiva weberiana,
inexistente uma discussão que recupere o seu
em que a pesquisa qualitativa se caracterizaria
percurso no Brasil. Os autores aqui mencionados
principalmente pelos seguintes atributos:
buscaram resumir suas transformações e destacar
os momentos mais significativos desse processo.
a) estudo dos fenômenos onde eles se No entanto, essas obras têm um recorte regional,
manifestam; focando as análises do desenvolvimento da
b) interação entre sujeito e objeto e pesquisa qualitativa em alguns paises da Europa,
reconhecimento da presença dos valores em especial a Alemanha, Inglaterra e França e nos
em todo o processo de investigação; EUA.
c) flexibilidade na utilização de tradições e Como exemplo disso, temos a periodização
paradigmas teóricos, métodos, técnicas e proposta por Denzin e Lincoln (2006) que,
instrumentos; erradamente, vem sendo utilizada por alguns
d) compreensão e interpretação dos significa- autores brasileiros para ilustrar o desenvolvimento
dos atribuídos e das intencionalidades dos da pesquisa qualitativa em geral, quando a análise
indivíduos sociais como objetivos da inves- é circunscrita ao espaço-tempo estadunidense.
tigação; No entanto, se levado em consideração essa
e) visão da realidade social como processo, particularidade da análise, ela pode servir de
resultado das interações entre os indivíduos referencial para se entender a evolução da
sociais. pesquisa qualitativa de uma forma geral. Para

82 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012
A pesquisa qualitativa

esses dois autores a pesquisa qualitativa nos EUA – interacionismo simbólico, construtivismo,
teria atravessado sete momentos, que não seriam etnomedologia, fenomenologia, teoria
estanques, mas que ainda hoje se entrecruzariam neomarxista, semiótica, o estruturalismo,
nas práticas investigativas que vem sendo feminismo e diversos paradigmas raciais/
desenvolvidas. étnicos -, e diversos métodos coexistem
O primeiro momento, denominado de como opções variadas para os pesquisadores.
Período tradicional, estender-se-ia do inicio Paralelamente, surgem outras abordagens,
do século XX até a Segunda Guerra Mundial, tais como o pós-estruturalismo (Barthes),
estando ligado a institucionalização da pesquisa o neopositivismo (Philips), o neomarxismo
como prática profissional, tendo a etnografia de (Althusser), o desconstrucionismo (Derrida) e a
Malinowiski (1916) como modelo, e os estudos etnometodologia (Garfinkel).
e propostas teórico-metodológicas produzidas O quarto momento, a Fase de Crise da
pelos estudos sociológicos dos membros da Representação, que abrange a segunda metade da
Escola de Chicago. É o momento onde a pesquisa década de 1980, tem como principal característica
qualitativa vai lançar seu olhar e ter como foco a defesa, e o posterior reconhecimento, que o
de suas preocupações o outro, entendido como o processo de exposição dos conhecimentos e dos
diferente, o exótico, o primitivo,– “proveniente de resultados de uma pesquisa é parte essencial
uma cultura considerada menos civilizada do que do processo de pesquisa. Assim, a pesquisa
a cultura do pesquisador” (DENZIN; LINCOLN, qualitativa se transforma em um processo de
2006, p. 15) , habitante de uma terra distante continuo de construções de versões (interpretações
como aquele que habitava a mesma sociedade do possíveis) sobre a realidade. É neste contexto, que
investigador, mas que se encontravam a margem, a questão da avaliação, isto é, da qualidade na
ou seja, os outsiders. pesquisa qualitativa se torna uma das principais
O segundo momento, a Fase Modernista se preocupações da reflexão metodológica, ou
estende do final da Segunda Guerra até a década seja, a crise da representação desloca a pesquisa
de 1970, tendo como sua principal característica, qualitativa para novas e críticas direções”
segundo Flick (2009), o esforço no sentido da (DENZIN;LINCOLN, 2006, p. 31).
formalização da pesquisa qualitativa por meio O quinto momento, a Fase de Substituição
da publicação de livros acadêmicos. Ocorre a das Teorias pelas Narrativas se processa durante
valorização do realismo social, do naturalismo e os anos 90, tendo como influência principal as
das etnografias, a apresentação das experiências teorias pós-modernas, há um deslocamento
de estudos rigorosos de processos sociais e para as teorias de curto alcance, em detrimento
a abordagem do desvio e do controle social das metateorias. Busca-se, nesse momento,
na sala de aula e na sociedade. Novas teorias compreender e interpretar problemas específicos,
interpretativas permitem dar voz às camadas locais e historicamente delimitados, sem a
marginalizadas da sociedade e o pós-positivismo pretensão de generalização. Na verdade, esse
tornou-se um forte paradigma epistemológico. momento busca “as teorias e as narrativas que
O terceiro momento, a Fase de Mistura se ajustem a situações e a problemas específicos,
de Gêneros – denominação cunhada por delimitados, locais e históricos (FLICK, 2009, p.
Geertz (1983) -, compreende o período até 27).
meados da década de 1980. Nesta fase múltiplos O sexto momento, a Fase pós-moderna
modelos teóricos de interpretação da realidade da redação etnográfica experimental, que tem

Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012 83
Edvaldo Carvalho Alves, Mirian Albuquerque Aquino

início no final dos anos 90, aprofunda as 2) O campo da pesquisa qualitativa,


discussões do período anterior, principalmente atualmente, pode ser caracterizado por
a questão da autoridade de se falar do outro, uma multiplicidade de opções, teóricas, de
a localização do autor (pesquisador) no texto, métodos, técnicas e instrumentos;
a validade, confiabilidade e capacidade de 3) Vive-se um momento de descobertas e
generalização da pesquisa qualitativa – é neste redescobertas, um vez que existe uma
momento que as teorias pós-estruturalistas assiduo debate sobre as formas de observar,
passam a ter uma influencia mais forte. Essa compreender, interpretar, argumentar e
fase dos estudos qualitativos procura entender escrever;
as crises ocasionadas pelas viradas críticas, 4) A pesquisa qualitativa passou a não
interpretativas, lingüísticas, feministas e retóricas mais poder ser vista a partir do
na pesquisa social, que desencadearam a crise paradigma positivista da neutralidade,
representacional e a crise de legitimação e uma vez que a classe, a raça, o gênero,
influenciaram uma terceira ao questionarem a etnia condicionam todo processo de
a possibilidade de transformação no mundo e investigação, transformado a pesquisa um
perceberem que “a sociedade é apenas e sempre processo multicultural.
um texto” (DENZIN: LINCOLN, 2006, p. 32).
O sétimo momento é denominado de Numa perspectiva mais universal, sem
Futuro da pesquisa qualitativa, e condensaria fazer referência a um espaço social delimitado,
todas as principais transformações significativas Chizzotti (2003, 2006) propõe também uma
que a pesquisa qualitativa sofreu no seu periodização do processo de desenvolvimento
percurso histórico de desenvolvimento. Essa da pesquisa qualitativa. Por possuir este
última fase, segundo Lincoln e Denzin (2006, caráter de maior abstração, entende-se que
p.390) abre espaço para “o discurso moral e o esta proposta pode ser utilizada como modelo
desenvolvimento das textualidades sagradas [e ideal típico – na perspectiva weberiana -, para a
pede] que as ciências sociais e as humanidades se compreensão dos processos históricos concretos
transformem em terrenos para conversas críticas de desenvolvimento da pesquisa qualitativa.
sobre a democracia. A raça, o gênero, a classe, a Na perspectiva de Chizzotti (2003, 2008),
nação, a liberdade e a comunidade”. o processo histórico da gênese e desenvolvimento
A partir dessa periodização histórica, da pesquisa qualitativa pode ser descrito a
Denzin e Lincoln (2006)4, ressaltam que é possível partir de cinco marcos temporais. O primeiro
extrair quatro conclusões a respeito da situação marco remontaria às origens dos esforços de
contemporânea da pesquisa qualitativa: pesquisa para entender a realidade social na
segunda metade do século XIX, tendo como
1) Os momentos históricos anteriores ainda base o romantismo, o idealismo alemão numa
estão presentes nas pesquisa atuais, seja perspectiva neokantiana, e as discussões
como legado ou conjunto de práticas; metodológicas sobre a autonomia do social
enquanto processo histórico/cultural específico
ou sua similitude com o reino natural. É neste
4 Na obra de Denzin e Lincoln (2006), Capítulo 1, de momento que as ciências que têm o homem
autoria de Vidch e Lyman, discute a evolução dos
métodos de pesquisa qualitativos na Sociologia e na
como objeto de estudo – a história, a economia,
Antropologia, propondo uma periodização diferente. a sociologia, psicologia - se separam da filosofia

84 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012
A pesquisa qualitativa

e começam seu processo de institucionalização de Sociologia de Chicago, que buscavam


por meio da realização de pesquisas empíricas e a tanto compreender, por meio do convívio, da
apresentação de seus resultados. observação e da coleta dos relatos orais, os
Estas pesquisas tiveram duas linhas significados e as motivações dos indivíduos que
mestras, sendo a primeira marcada pelos estudos constituíam os grupos sociais marginalizados
que se debruçaram sobre a condição da recém- e estigmatizados, como fundamentar um
nascida classe operária, descrevendo suas metodologia para estudar o “outro” alicerçada na
precárias condições de vida e de trabalho. Estes convivência com as pessoas nos espaços sociais
estudos utilizaram diversas técnicas e métodos onde os fatos se processam e nos relatos que
para a coleta e a análise das informações, dentre elas produzem de suas experiências utilizando a
eles registros médicos, documentos arquivísticos, linguagem da vida cotidiana. No pensamento de
levantamentos estatísticos etc. São exemplos Chizzotti (2006, p. 51), “a Escola de Chicago criou
desses estudos os trabalhos de Engels sobre um método interpretativo realista a partir das
a classe operária inglesa, de Le Play sobre os narrativas orais de histórias de vida cotidiana das
operários franceses entre outros. pessoas comuns, adotando um realismo literário
Na segunda linha, orientadas pela que utilizava a linguagem, as percepções, os
adequação da teoria darwinista para a explicação sentimentos e os pontos de vista dos pesquisados”.
da realidade social (darwinismo social) e pela O terceiro marco circunscreve o período
utilização do método comparativo, as pesquisas do pós-guerra até o inicio da década de 1970
buscaram identificar, por meio do estudo dos e representa, segundo este autor, a fase áurea
povos não europeus, os elos que explicariam o da pesquisa qualitativa, que experimenta
processo de evolução da humanidade, em um um processo de consolidação como modelo
movimento sincrônico ascendente de estágios. de pesquisa. Neste período se efetua uma
O segundo marco, que abrange a primeira reconstrução dos conceitos de objetividade,
metade do século XX, seria caracterizado por validade e fidedignidade, inspirados nas
três processos mais ou menos simultâneos: 1) proposições pós-positivistas. Mesmo com o
a institucionalização da antropologia como declínio do prestígio da Escola de Chicago e a
ciência, possuidora de um método (etnografia)5 ascensão da perspectiva estrutural-funcionalista
especifico para o estudo do outro - suas capitaneada por Merton e Parsons, novas
representações, ações e manifestações culturais teorias e propostas metodológicas de análise
-, a partir do convívio e da participação em da realidade social são gestadas tendo como
suas vidas por um determinado período de lastros, os fundamentos daquela escola, como a
tempo; 2) A profissionalização da pesquisa, Etnometodologia de Garfinkel, a Dramaturgia
com a concomitante criação do pesquisador Social de Goffman, o Construcionismo Social de
profissional, inicialmente representado pela figura Berger e Luckmann.
do etnógrafo. 3) as pesquisas realizadas por um Novas perspectivas e práticas também
grupo de pesquisadores ligados ao Departamento surgem oriundas da fenomenologia, da
hermenêutica, do marxismo e das teorias criticas
5 A etnografia, segundo Vidchi e Lyman, (2006), mesmo neomarxistas, colocando novos problemas
que tenha em Malinowiski sua referência maior, possui que se transformam em objetos de estudo de
um longa história que remonta as descrições de outros
povos na antiguidade e aos relatórios e descrições dos
culturas diferentes, grupos e subgrupos. Também
colonizadores do século XVI e XVII. neste momento há uma ampliação da pesquisa

Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012 85
Edvaldo Carvalho Alves, Mirian Albuquerque Aquino

científica, fruto do aumento do financiamento entre o Estado e a Sociedade. Todas as questões


público em decorrência Guerra Fria, com isso, da década anterior são aguçadas e as pesquisas
são criados institutos e centros de pesquisa, caminham para o reconhecimento de uma
onde programas de pesquisa são desenvolvidas pluralidade cultural, ressaltando a polivocalidade
em áreas diversas do conhecimento, fato que dos participantes. Novas orientações para a
corroborou significativamente para o incremento prática da pesquisa são esboçadas e propostas,
da pesquisa qualitativa em particular. tais como:
No quarto marco, que engloba as décadas
de 70 e 80, continua o processo de expansão a) O reconhecimento da poliformidade
do financiamento, tendo agora a entrada dos descritiva da vida e da cultura;
investimentos privados. Como conseqüência, b) A busca de legitimidade do texto científico
novas orientações e paradigmas surgem como no percurso sempre reflexivo do discurso e
o estruturalismo, o pós-estruturalismo, o pós- das práticas do autor;
modernismo, introduzindo novos temas e c) A validade da investigação encarada como
problemas de pesquisa com recorte de classe, a possibilidade de tradução da experiência
gênero, raça, etnia etc. Estas novas perspectivas humana em um texto;
também efetuam uma crítica a autoridade dos d) A compreensão das forças de natureza
textos científicos que buscam descrever de forma política, econômica e sócio-culturais que
fidedigna todos os significados vividos pelos perpassam todo o processo de pesquisa,
indivíduos em suas interações, as metanarrativas desde a escolha do objeto.
e aos métodos e técnicas de pesquisa que
buscavam respaldo no positivismo. Outro aspecto Percebe-se, assim, que uma plêiade de
relevante desse momento é o processo de fusão questões, tendências, orientações e, porque
transdisciplinar das ciências humanas e sociais, não, incertezas, improvisações e abertura se
que para Chizzotti (2008, p. 55), faz com que fixam de vez nas práticas e reflexões teóricas e
metodológicas da pesquisa qualitativa.
[...] cada autor transigindo com diversas disciplinas,
busca ampliar a legitimidade dos temas pesquisados
com conhecimentos de diferentes disciplinas, 3 Pesquisa na ciência da informação:
traduzindo-as em formas criativas e inovadoras. Os transitando do quantitativo para o
textos científicos socorrem-se de diferentes gêneros
literários para expor os significados extraídos de qualitativo
documentos, práticas, símbolos, como contos, relatos
de campo, experiência pessoal, casos etc. ou ainda,
buscam, por meio de analogias do mundo social com Os estudos iniciais em Ciência da
o teatro, drama, jogo, dança, gerando uma mixagem Informação mantêm uma proximidade com o
de estilística textual que, afirma Geertz (1998, p.35),
falta apenas “a teoria quântica apresentada em versos conjunto de ciências sociais que absorveram
ou uma biografia em álgebra”. os métodos das ciências da natureza. Mesmo
caracterizada como ciência social, esse campo
O quinto marco, que tem inicio na década de conhecimento ainda estuda os fatos sociais
de 90 e se estende até os dias atuais, tem como sob a ótica estatística e quantitativa e utiliza
pano de fundo as transformações macrosociais “de sociogramas para mapeamento dos fluxos
que se processam com o fim do Socialismo real de informação, a aplicação de questionários
e a emergência do modelo (neo)liberal como a grandes amostras de usuários e a busca de
paradigma único de estruturação das relações invariantes cognitivos para a construção de

86 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012
A pesquisa qualitativa

sistemas de informação são alguns exemplos e aos resultados da pesquisa [...] Posteriormente, a
ciência, seus agentes, práticas e conteúdos, ficarão
dessa abordagem” (ARAÚJO, 2003, p. 24). simetricamente imersos no campo mais amplo
É consenso entre os estudiosos que o da produção social de práticas, crenças, saberes e
discursos (GOMÉZ, 2001, p.10).
reconhecimento da Ciência da Informação como
uma ciência social ocorreu gradativamente a
partir do momento que as investigações nessa Na ciência da informação, segundo Wilson
área começaram a absorver o sujeito como central (2000), os pesquisadores começam a compreender
nos sistemas de informação e a utilizar métodos, a pesquisa qualitativa como apropriada para
teorias e processos inerentes as Ciências Sociais. o estudo das necessidades de informação,
A partir dessa inserção, reconhece-se também pois que permite revelar os acontecimentos
que o seu objeto é social em oposição aos que da vida cotidiana das pessoas que estão sendo
a consideram como eminentemente humana estudadas; descobrir os acontecimentos que
e social, pois se trata de um sistema social visam compreender as necessidades que
(ARAÚJO, 2007). Começa-se também a pensar existem e pressionar o indivíduo para a busca
que “os problemas estudados são fenômenos de informação de comportamento. Para Wilson
históricos, instituições, relações de poder, classes a pesquisa qualitativa possibilita compreender
sociais, manifestações culturais, etc.” As próprias que as informações tem significado na vida
verdades e compreensões produzidas por essas cotidiana das pessoas, proporciona uma melhor
ciências se relacionam com o processo histórico compreensão do usuário, projeta serviços de
(LOPES, 2001, p. 36). informação mais eficazes e cria teorias favoráveis
A pesquisa qualitativa na Ciência da aos estudos sobre o comportamento de busca e
Informação teve  suas  origens na Antropologia uso da informação.
Social através de Sociologia. Até a década de 1960, Na visão de Wilson (2000), a mudança
nos Estados Unidos, a escola de pensamento de foco da pesquisa quantitativa para pesquisa
dominante na sociologia era o funcionalismo sob qualitativa fortalece a proposição que a
a direção de Talcott Parsons cuja ênfase centra Ciência da Informação é uma ciência social
nas relações causais associadas ao positivismo que se associou aos métodos de pesquisa
com seu forte componente quantitativo e social para o desenvolvimento de modelos na
estatístico.  Os estudos realizados sobre os seres perspectiva da filosofia do social (e não física),
humanos eram redefinidos como objetos. A partir principalmente para   contextos comportamentais
do momento em que novos estudos começam a e organizacionais de busca de informação.
apreender os fatos sociais como subjetivamente
e socialmente  construídos  associa-se a pesquisa 4 A pesquisa qualitativa no PPGCI/UFPB
qualitativa a Ciência da Informação.
A criação do Programa de Pós-Graduação
A construção de novos discursos sobre as ciências em Ciência da Informação (PPGCI) da Universidade
no domínio das Ciências Sociais teria início nas Federal da Paraíba (UFPB) foi precedido pelo
primeiras décadas do século XX e, aos poucos,
a referência axiológica passaria do campo dos Mestrado em Biblioteconomia, instituído em 1977
critérios de explicação ao domínio do explicado. Os por meio da Resolução CONSEPE nº 203/77 -
estudos sociais da ciência caracterizar-se-iam, no
início, pela análise das ciências objetivada em suas primeiro mestrado desta área no Nordeste. Em
atividades e produtos, procedendo-se à aplicação de 1997 esse mestrado passa por uma reestruturação
metodologias empíricas e quantitativas ao estudo das
instituições de pesquisa, às práticas dos cientistas para a nova denominação Curso de Mestrado em

Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012 87
Edvaldo Carvalho Alves, Mirian Albuquerque Aquino

Ciência da Informação (CMCI). Funcionou com Até maio de 2012, quando completou quatro
este nome e estrutura até o ano de 2001 quando, anos de funcionamento, o PPGCI contava com um
devido a avaliação da CAPES, recebe nota 2 (dois) e total de 66 dissertações defendidas e depositadas em
é descredenciado. Importante salientar que em seus sua versão final, sendo 31 na linha de pesquisa Éti-
24 anos de funcionamento, o CMCI teve um total de ca, Gestão e Políticas de Informação e 35 na de Me-
148 dissertações defendidas (ARAÚJO; TENÓRIO; mória, Organização, Acesso e Uso da Informação.7
FARIAS, 2003). Estes dados demonstram certo equilíbrio na
O PPGCI/UFPB, em nível de mestrado, produção de dissertações entre as duas linhas do
inicia suas atividades no ano de 2007, com a programa, com um ligeiro predomínio (ver Gráfico
entrada da primeira turma. Tendo como área 1) da linha de Memória, Organização, Acesso e Uso
de concentração “Informação, Conhecimento e da Informação, o que pode ser atribuído ao maior
Sociedade”, objetiva, de acordo com a Resolução número de docentes historicamente credenciados
CONSEPE 06/2006,6 nesta linha pesquisa8.

Estimular ações de estudo e pesquisa por meio da Gráfico 1 - Percentual de Dissertações depositadas no
reflexão crítica a partir das temáticas das duas linhas
de pesquisa; Memória, Organização, Acesso e Uso da PPGCI/UFPB, por linha de pesquisa - 2008-2012
Informação e Ética, Gestão e Políticas da Informação,
como subsídios para à consolidação da científica da
área da Ciência da Informação em nível nacional e
internacional.

As duas linhas de pesquisa do Programa


– Memória, Organização, Acesso e Uso da
Informação e Ética, Gestão e Políticas Informação
-, tem por objetivos, respectivamente, desenvolver
pesquisas que discutam as questões teórico-
conceituais e metodológicas relacionadas com Fonte: Arquivos do PPGCI/UFPB.
a produção, apropriação, democratização,
representação, usos e impactos da informação, No que se refere à natureza das pesquisas
patrimônio cultural e identitário, as políticas de realizadas no PPGCI/UFPB, percebe-se uma
informação, inclusão, responsabilidade ética e predominância das pesquisas qualitativas, nas
social, metodologias de gestão da informação e duas linhas de pesquisa do programa. Do total de
do conhecimento e redes sociais organizacionais, 66 dissertações, 36 destas são definidas em suas
associadas ou não às tecnologias de suporte. metodologias como de natureza qualitativa; em seguida
aparecem as pesquisas denominadas de mistas, isto é,
de natureza quali-quantitativa, que somam um total de
6 É importante ressaltar que em março de 2012, devido
aprovação pela CAPES do funcionamento do programa 25 trabalhos; e, por fim, as pesquisas quantitativas, em
também em nível de Doutorado, o PPGCI passou a ser número de 05, conforme Tabela 1 a seguir.
regido pela Resolução CONSEPE 15/2011. Apesar de
mudar a estrutura curricular do programa, incluindo a
formação em nível de Doutorado, esta Resolução não 7 Estes dados foram levantados diretamente no arquivo das
alterou a área de concentração e as linhas de pesquisa dissertações defendidas e depositadas em sua versão final
do programa. A primeira turma do doutorado iniciará no PPGCI/UFPB até maio 2012.
suas atividades no semestre letivo 2012.2, a iniciar-se em 8 O maior peso de docentes na linha de Memória,
setembro do corrente ano, contando com 7 (sete) alunos. Organização, Acesso e Uso da Informação.

88 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012
A pesquisa qualitativa

Tabela 1 - Nº. de dissertações depositadas no PPGCI/UFPB,


por linha e natureza de pesquisa - 2008/2012

Tipo/Linha de pesquisa Ética Memória Total %


Qualitativa 16 20 36 54,5%
Quanti-Qualitativa 12 13 25 37,9%
Qualitativa 03 02 05 7,6%
Total 31 35 66 100,0%
Fonte: Arquivos do PPGCI/UFPB.

A distribuição percentual do total de Gráfico 3 - Percentual de dissertações depositadas


dissertações depositadas no PPGCI/UFPB, no no PPGCI/UFPB, pr linha e natureza da pesquisa
período compreendido de 2008 a maio/2012, de - 2008/2012
acordo com a natureza da pesquisa, encontra-se
ilustrada no Gráfico 2, que reafirma o predomínio
das pesquisas de natureza qualitativa.

Gráfico 2 - Percentual de dissertações depositadas no


PPGCI/UFPB, por natureza da pesquisa - 2008/2012

Fonte: Arquivos do PPGCI/UFPB.

Os dados acima demonstram uma


predominância das pesquisas de natureza
qualitativa em relação às de natureza
eminentemente quantitativa, o que pode vir a
ser um indicador de que a produção acadêmica
Fonte: Arquivos do PPGCI/UFPB. no campo da Ciência da Informação na Paraíba
vem adotando uma postura teórico-epistêmica
que apreende a informação como o resultado
Mesmo levando em consideração
das múltiplas interações humanas no quadro
uma diferenciação por linha de pesquisa,
de uma realidade social, histórica, espacial e
o percentual das pesquisas de natureza
culturalmente determinada, atravessada por
qualitativa ultrapassa mais da metade do total
contradições oriundas dos interesses antagônicos
de cada linha, conforme demonstra o Gráfico
dos sujeitos coletivos que a constituem e não
3. Observa-se, ainda, que o predomínio das
como um objeto concreto, externo, independente
pesquisas de natureza qualitativa é mais
e regido por leis invariáveis de causa e efeito.
expressivo na linha de memória (57,1%) em
A pesquisa social de natureza qualitati-
relação à linha de ética (51,6%).
va, por suas características intrínsecas, ressalta-

Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012 89
Edvaldo Carvalho Alves, Mirian Albuquerque Aquino

das mais acima, é o tipo de pesquisa que permite um total de 33 tipos diferentes de métodos e técni-
adentrar, de forma mais profunda, o universo dos cas de coleta e análise de dados (ver Tabela 2). Vale
fatores condicionantes/motivadores da ação huma- ressaltar aqui que foram verificadas 200 ocorrências
na, que é social em sua gênese e desdobramento, de utilizações de métodos, lembrando que uma dis-
e responsável pela produção do mundo humano, sertação pode utilizar mais de um tipo de método e
portanto, de seus fenômenos, e a informação é um técnica de coleta e análise de dados.
deles. Assim, utilizando-se da tipologia de Capur-
Tabela 2 - Número de utilizações dos métodos
ro (2003), seria possível afirmar que as pesquisas e técnicas de coleta e análise de dados nas
desenvolvidas no PPGCI/UFPB de 2008 a 2012 dissertações depositadas no PPGCI/UFPB -
2008/2012
enquadram-se, em sua maioria, no que este autor
denominou de paradigma social da informação. Tipo de método e técnica de
Nº de %
No entanto, também é significativa a pre- coleta e análise de dados
utilizações
sença das pesquisas mistas (quanti-quanlitativas), Entrevista 31 15,5%
Questionário 29 14,5%
que perfizeram um percentual de 37,9% das dis- Técnica de categorização 24 12,0%
sertações depositadas, o que indica uma compre- Análise documental 23 11,5%
ensão aberta para as possibilidades de triangula- Análise estatística 22 11,0%
Análise de conteúdo 14 7,0%
ção de métodos de abordagem, de coleta e análise Observação direta 13 6,5%
de dados, fato que possibilita uma apreensão, ao Semiótica 4 2,0%
mesmo tempo, mais ampla e profunda do recor- Análise de redes sociais 3 1,5%
Bibliometria 3 1,5%
te da realidade que se configurou como objeto de
Estudo de caso 3 1,5%
pesquisa. Pois, como ressalta Minayo (1993), não Mapas conceituais 3 1,5%
há uma contradição/oposição entre a pesquisa Pesquisa-ação 3 1,5%
Análise bibliográfica 2 1,0%
qualitativa e a quantitativa, o que existe é uma di- Análise crítica interpretativa a
ferença de natureza, ou seja, cada uma é capaz de luz do referencial teórico 2 1,0%
aprender níveis diferentes da realidade. A pesqui- Análise do discurso 2 1,0%
Arquitetura da informação 2 1,0%
sa quantitativa trabalhando o nível onde os dados Etnografia 2 1,0%
se apresentam de forma mais direta aos sentidos, Análise facetada 1 0,5%
denominado por Gurvitch (1955) de “ecológico/ Diagnóstico de arquivo 1 0,5%
Diário de campo 1 0,5%
morfológico”, passível de inferências estatísticas Engenharia semiótica 1 0,5%
e generalizações macro-sociais e econômicas; e a Grupo focal 1 0,5%
qualitativa trabalhando com os valores, crenças, Hermeneutico-dialética 1 0,5%
Método comparativo 1 0,5%
hábitos, motivos, atitudes e opiniões dos sujeitos/ Método de avaliação de
atores sociais, elementos que não se prestam ao comunicabilidade 1 0,5%
Método indiciário 1 0,5%
tratamento estatístico generalizante, mas a análise Métodos de representação e
compreensiva/interpretativa e dialética. classificação da informação 1 0,5%
Modelo de análise de usuários
Antes de finalizar estas reflexões, é importan- de David Ellis 1 0,5%
te também abordar a questão dos métodos e técni- Netnografia 1 0,5%
Sense making 1 0,5%
cas de coleta e análise de dados utilizados nas disser-
Teoria dos conceitos 1 0,5%
tações depositadas no PPGCI/UFPB até maio/2012. Teoria Durandiana do mito/
análise 1 0,5%
A partir do levantamento realizado nos arquivos
TOTAL 200 100,0%
do programa, percebeu-se que nas 66 dissertações Fonte: Arquivos do PPGCI/
depositadas no período supracitado, foi utilizado UFPB.

90 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012
A pesquisa qualitativa

A partir da Tabela 2, se identifica que 5 Considerações finais


dos 33 métodos utilizados, um conjunto de 07
representa 78% do total de utilizações. São eles,
Os resultados deste estudo apresentam um
em ordem decrescente de utilização: i) Entrevista;
ii) Questionário; iii) Técnica de categorização; panorama das pesquisas realizadas no PPGCI
iv) Análise documental; v) Análise estatística; vi) referente ao período de 2008 a 2012 nas duas
Análise de conteúdo; e vii) Observação direta. linhas de pesquisa desse Programa, de modo
A distribuição percentual de utilização destes
que o corpus da análise permitiu constatar uma
métodos pode ser visualizada no Gráfico 4.
predominância das pesquisas qualitativas nessas
Gráfico 4 - Percentual de uso dos métodos mais linhas, sendo que o percentual das pesquisas de
utilizados nas dissertações depositadas no PPG- natureza qualitativa ultrapassa mais da metade
CI/UFPB - 2008/2012. do total de cada linha, conforme demonstrado no
Gráfico 3. Observa-se, ainda, que o predomínio
das pesquisas de natureza qualitativa é mais
expressivo na linha de memória (57,1%) em
relação à linha de ética (51,6%).
Na comparação da utilização das
abordagens qualitativas, abordagens quantitativas
e abordagens mistas (quali-quanti), utilizadas
nas pesquisas, percebem-se alguns avanços
em relação às pesquisas, de caráter qualitativo.
Destarte, pode-se afirmar que a produção
Fonte: Arquivos do PPGCI/UFPB.
científica no campo da Ciência da Informação,
Considerando apenas as dissertações cuja no PPGCI/UFPB, vem caminhando no sentido
natureza da pesquisa é identificada como sendo da superação do paradigma positivista, centrado
qualitativa, tem-se um total de 36 trabalhos, nos quais na falsa idéia de que a objetividade científica
se encontrou 100 utilizações de diferentes métodos e estaria ligada, de forma umbilical, a isenção e
técnicas de coleta e análise de dados. Neste universo,
os 07 métodos mais utilizados representam 75% do distanciamento do pesquisar em relação ao objeto
total e estão detalhados no Gráfico 5. de estudo, representado pela pseudo neutralidade
da representação numérica do real, inerente as
Gráfico 5 - Percentual de uso dos métodos mais uti- abordagens quantitativas.
lizados nas dissertações depositadas no PPGCI/UFPB Assim, esperamos que esse deslocamento
- 2008/2012 que são de natureza QUALITATIVA
do quantitativo para o qualitativo, como
também suas imbricações, nas pesquisas em
Ciência da Informação possa avançar cada vez
mais se aproximando de perspectivas teórico-
metodológicas tais como: o interpretativismo,
construtivismo, hermenêutica, teoria feminista,
discursos racializados, teoria crítica, modelos
marxistas, estudos culturais e teoria queer;
estratégias de pesquisa: a triangulação (MINAYO,
2005), bricolagem (KINCHELOE; BERRY,
Fonte: Arquivos do PPGCI/UFPB. 2007; OLIVEIRA, 2010), multireferencialidade

Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012 91
Edvaldo Carvalho Alves, Mirian Albuquerque Aquino

(ARDOINO; BARBIER; GIUST-DESPRAIRIES, CAPURRO, R. Epistemologia e ciência da


1998) e multidimensionalidade (MORIN, 2000) informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE
e técnicas de análises: discurso do sujeito coletivo PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO,
análise de discurso, análise do discurso crítico, 5., 2003, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte:
ENANCIB, 2003.
análise da conversação, método autobiográfico,
netnografia, etnografia aplicada, métodos visuais, CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas
história de vida, método histórico. e sociais. São Paulo: Cortez, 2006.
A partir desses avanços em relação à CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e
utilização das pesquisas qualitativas, a Ciência da sociais: evolução e desafios. Revista Portuguesa
Informação rompe com a barreira que prioriza de Educação, v. 16, n.2, Universidade de Minho:
apenas as temáticas, metodologias e técnicas Braga, 2003.
consideradas universais para também privilegiar
DEMO, P. A metodologia científica das ciências
classe, raça/etnia, gênero; deficiência, geracional, sociais. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1981.
pois “o ato de pesquisa não pode mais ser visto
a partir de dentro de uma perspectiva neutra DENZIN, N. K; LINCOLN, I.O planejamento da
pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto
ou objetiva”(LINCOLN;DENZIN, 2006, p.32)
Alegre: Artmed, 2006.
fazendo da pesquisa na área, como um todo,
“um processo multicultural”, multireferencial e ERICKSON, F. Qualitative Research on Teaching.
multidimensional. In: M. C., Winttrok. Handbook of Research on
Teaching. New York: Macmillan. 1986.
Referências FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa.
Porto Alegre: Artmed/Bookmann, 2009.
ARAUJO, E. A.de; TENÓRIO, J. K.G.;FARIAS,S.
N.de. A produção do conhecimento na ciência da GEERTZ, C. A Interpretação das culturas. Rio
informação: análise das dissertações produzidas de Janeiro: Ed. Guanabara. 1989.
no Curso de Mestrado em Ciência da Informação- GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N. 0.
CMCI/UFPB no período de 1997/2001. In: Datagramazero, Rio de Janeiro, v. 1, n. 6, artigo 3,
ENANCIB, 5., 2003, Belo Horizonte. Anais... Belo dez. 2000. Disponível em <http://www.dgz.org.br/
Horizonte, 2003. CD-ROM. dez00/F_I_art.htm>. Acesso em: 28 de ago. 2012.
ARAÚJO, C. A. A. A ciência da informação como GROULX, L. H.Contribuição da pesquisa
ciência social. Ciência da Informação, Brasília, v. qualitativa à pesquisa social .In: Poupart,
32, n. 3, p. 21-27, set./dez. 2003. Jean et al. A pesquisa qualitativa: enfoques
epistemológicos e metodológicos.Petrópolis, RJ:
ARDOINO, J., BARBIER, R., GIUST- Vozes, 2008.
DESPRAIRIES, F., (1998) Entrevista com
Cornelius Castoriadis. In: BARBOSA, J.G., GURVITCH, G. Determinismes Sociaux et
(coord.). Multirreferencialidade nas ciências e Liberté Humaine. Paris: Presses Universitaires de
na educação. São Carlos: Editora da UFSCar, p. France, 1995.
50-72.
KINCHELOE, J. L.; BERRY, K. S. Pesquisa em
BOGDAN, R.; BIKLEN, S. - Características educação: conceituando a bricolagem. Porto Alegre:
da investigação qualitativa. In: Investigação Artmed, 2007.
qualitativa em educação: uma introdução à LOPES, M. I. V. de. Pesquisa em Comunicação. 5. ed.
teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994. São Paulo: Loyola, 2001.

92 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012
A pesquisa qualitativa

MALINOWSKI, B. Os argonautas do pacífico MORIN, E. Da necessidade de um pensamento


ocidental. São Paulo: Abril Cultural, 1916. complexo. In: Francisco Menezes Martins e
Juremir Machado da Silva (org), Para navegar
MINAYO, M. C. de S. (Org.). O desafio do no século XXI. Porto Alegre: Sulina/Edipucrs.
conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 2000.
São Paulo: HUCITEC, 1992.
POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa:
MINAYO, M. C. de S. (Org.). Pesquisa Social. 22 enfoques epistemológicos e metodológicos.
ed. Petrópolis: Vozes, 2003. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.
MINAYO, M. C. de S.; ASSIS, S. G. de; SOUZA, E. VIDICH, A. J., LYMANN, Satanford M. Métodos
R. de. Avaliação por triangulação de métodos: qualitativos: sua história na sociologia e na
abordagem de programas sociais. Rio de Janeiro, antropologia. In: DENZIN, N. K; LINCOLN, I.O
Fiocruz, 2005. planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e
MINAYO, M. C. de S.; SANCHES, O. Quantitativo- abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006.
Qualitativo: oposição ou complementariedade? WILSON, T. D. Recent trends in user studies:
Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, nº 9, action research and qualitative methods.
jul/set, 1993. Information Research, v. 5, n. 3, s. p., Apr 2000.

Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012 93
Edvaldo Carvalho Alves, Mirian Albuquerque Aquino

APÊNDICE

QUADRO-SÍNTESE DAS DISSERTAÇÕES DEPOSITADAS NO PPGCI/UFPB

DE 2008 A MAIO/2012
Ano
Linha de Natureza da Métodos e técnicas de
Título da Dissertação da
pesquisa pesquisa coleta e análise de dados
defesa
ANÁLISE DO DESENVOLVIMENTO
Análise estatística
DOS ESTÁGIOS DE COMPETÊNCIA
Entrevista
INFORMACIONAL EM ESTUDANTES Ética e Quanti-
2008 Mapas Conceituais
DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM Gestão qualitativa
Questionário
BIBLIOTECONOMIA DA UNIVERSIDADE
Técnica de categorização
FEDERAL DA PARAÍBA-UFPB
Análise estatística
USABILIDADE DO PORTAL DE Ética e Quanti- Entrevista
2008
PERIÓDICOS DA CAPES Gestão qualitativa Questionário
Técnica de categorização
COMPETÊNCIA INFORMACIONAL:
Análise estatística
gestão da informação no contexto dos Ética e Quanti-
2008 Questionário
docentes do curso de Medicina da Faculdade Gestão qualitativa
Técnica de categorização
de Ciências Médicas da Paraíba – PB
MODELO DE ACEITAÇÃO DE
TECNOLOGIA (TAM) APLICADO
AO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA Ética e Análise estatística
2008 Quantitativa
BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE Gestão Questionário
(BVS) NAS ESCOLAS DE MEDICINA DA
REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE
DIMENSÕES METACOGNITIVAS NO
COMPORTAMENTO DE BUSCA DE Entrevista
INFORMAÇÃO: Estudo de usuário no 2008 Memória Qualitativa Modelo de análise de
Arquivo Público do Estado do Maranhão usuários de David Ellis
(APEM)
Entrevista
FOLKSONOMIA COMO ESTRATÉGIA DE
Netnografia
INDEXAÇÃO DOS BIBLIOTECÁRIOS NO 2008 Memória Qualitativa
Observação direta
DEL.ICIO.US.
Técnica de categorização
Análise de conteúdo
EXCLUSÃO INFORMACIONAL E
Ética e Análise documental
EXCLUSÃO SOCIAL: o caso da comunidade 2009 Qualitativa
Gestão Entrevista
santa clara em João Pessoa – PB
Observação direta

94 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012
A pesquisa qualitativa

O SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA CAPES


NA VISÃO DOS GESTORES DOS Ética e Análise de conteúdo
2009 Qualitativa
PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA Gestão Questionário
UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
A INFLUÊNCIA DAS POLÍTICAS
Análise documental
DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E Ética e
2009 Qualitativa Entrevista
TECNOLÓGICA PARA AS BIBLIOTECAS Gestão
Técnica de Categorização
UNIVERSITÁRIAS
POR UMA ÉTICA DA INFORMAÇÃO: Entrevista
Ética e
os desafios de uma nova sociabilidade na 2009 Qualitativa Observação direta
Gestão
dinâmica informacional do Orkut Técnica de categorização
DIMENSÕES DA GESTÃO DA
INFORMAÇÃO NO CAMPO DA CIÊNCIA Ética e Quanti- Análise de conteúdo
2009
DA INFORMAÇÃO: uma revelação da Gestão qualitativa Análise documental
produção científica do ENANCIB
INSTITUIÇÕES-MEMÓRIA: modelos
Análise bibliográfica
institucionais de proteção ao patrimônio
2009 Memória Qualitativa Análise documental
cultural e preservação da memória na cidade
Observação Direta
de João Pessoa-PB
Análise crítica
IDENTIDADES AFRODESCENDENTES: interpretativa a luz do
acesso e democratização da informação na 2009 Memória Qualitativa referencial teórico
cibercultura Entrevista
Questionário
Análise crítica e
CONSCIÊNCIA DA RESPONSABILIDADE interpretativa a luz do
Quanti-
SOCIAL E ETNICA NOS PROGRAMAS DE 2009 Memória referencial teórico
qualitativa
PÓS-GRADUAÇÃO DA UFPB Análise documental
Análise estatística
Análise documental
DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NA Quanti- Análise estatística
2009 Memória
INTERNET: análise da revista ComCiência qualitativa Arquitetura da informação
Técnica de Categorização
Análise documental
MODELO ORIENTADOR PARA
Análise estatística
CONSTRUÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE Quanti-
2009 Memória Entrevista
PRESERVAÇÃO DIGITAL: Estudo de Caso qualitativa
Observação direta
do Banco de Teses e Dissertações da UFPE
Técnica de Categorização
VIABILIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DE
COMUNIDADES DE PRÁTICA (COP) PARA Diário de campo
Ética e
A GESTÃO E COMPARTILHAMENTO DA 2010 Qualitativa Entrevista
Gestão
INFORMAÇÃO NA BIBLIOTECA CENTRAL Etnografia
DO UNIPÊ

Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012 95
Edvaldo Carvalho Alves, Mirian Albuquerque Aquino

ANÁLISE DAS BARREIRAS NA


COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO
Ética e Entrevista
PARATOMADA DE DECISÃO: o caso 2010 Qualitativa
Gestão Técnica da categorização
do Instituto de Metrologia e Qualidade
Industrial da Paraíba
HIPERTEXTO E GROUPWARE:
Ética e Grupo focal
diretrizes para a criação da rede virtual de 2010 Qualitativa
Gestão Pesquisa-ação
aprendizagem ppgci.net
Análise de conteúdo
COMPETÊNCIA INFORMACIONAL: um
Ética e Quanti- Análise estatística
estudo com os professores associados I do 2010
Gestão qualitativa Entrevista
centro de tecnologia da UFPB
Questionário
VIABILIDADE DE FORMAÇÃO DE
REDES ESPONTÂNEAS PESSOAIS DE Análise documental
CONHECIMENTOS ENTRE DOCENTES Ética e Quanti- Análise estatística
2010
DE PÓS-GRADUAÇÃO DAS ÁREAS Gestão qualitativa Mapas conceituais
DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO E Questionário
ADMINISTRAÇÃO DA UFPB
INDICADORES DE PRODUÇÃO DOS
GRUPOS DE PESQUISA DO INSTITUTO Ética e Bibliometria
2010 Quantitativo
FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E Gestão Questionário
TECNOLOGIA DA PARAÍBA
ARQUIVO LITERARIO JOSÉ LINS DO Análise documental
2010 Memória Qualitativa
REGO: lugar de memória e informação Observação direta
Análise documental
AFRODESCENDÊNCIA, MEMÓRIA E
Análise do discurso
TECNOLOGIA: uma aplicação do conceito
2010 Memória Qualitativa Arquitetura da informação
de informação etnicorracial ao projeto “A
Hermeneutico-dialética
Cor da Cultura”
Semiótica
INFORMAÇÃO, IMAGEM E MEMÓRIA:
uma análise de discurso em jornais
Análise documental
da imprensa negra da Biblioteca da 2010 Memória Qualitativa
Análise do discurso
Universidade Federal do Ceará – Campus
Cariri
Diagnóstico de arquivo
ARQUIVOS JUDICIÁRIOS: uma proposta Entrevista
de organização do acervo de caráter 2010 Memória Qualitativa Observação direta
permanente Questionário
Técnica de categorização

96 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012
A pesquisa qualitativa

MAPA CONCEITUAL DE UMA


ONTOLOGIA DE DOMINIO DO Mapas conceituais
PATRIMONIO CULTURAL BRASILEIRO: 2010 Memória Qualitativa Semiótica
um percurso pelos caminhos de Pierce, Teoria dos conceitos
Dahlberg, Novak
Análise de conteúdo
UM OLHAR PARA A EDUCAÇÃO DE
Quanti- Análise estatística
USUÁRIOS DO SISTEMA INTEGRADO 2010 Memória
qualitativa Observação direta
DE BIBLIOTECAS DA UFPE
Questionário
Análise de conteúdo
NECESSIDADADES E USOS DA
Quanti- Entrevista
INFORMAÇÃO: um estudo com médicos de 2010 Memória
qualitativa Questionário
unidades de saúde da família
Sense making
LAPSO DA MEMÓRIA: um estudo sobre Análise documental
Quanti-
a preservação digital e o acesso a uma 2010 Memória Análise estatística
qualitativa
hemeroteca jornalística Observação Direta
BIBLIOTECA DIGITAL BRASILEIRA DE Análise documental
Quanti-
TESES E DISSERTAÇÕES: uma estratégia de 2010 Memória Análise estatística
qualitativa
preservação da memória Questionário
SERVIÇOS INFORMACIONAIS VIA WEB: Análise estatística
Quanti-
conjuntura atual da biblioteca central da 2010 Memória Questionário
qualitativa
Universidade Estadual da Paraíba Técnica da categorização
SERVIÇOS INFORMACIONAIS VIA WEB: Análise estatística
Quanti-
CONJUNTURA ATUAL DA BIBLIOTECA 2010 Memória Questionário
qualitativa
CENTRAL DA UEPB Técnica de Categorização
ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NO
COMÉRCIO ELETRÔNICO DE LIVROS Análise estatística
2010 Memória Quantitativa
NO BRASIL: dimensões que norteiam a Questionário
e-satisfação do usuário.
USO DO PORTAL DE PERIÓDICOS DA
CAPES PELOS ALUNOS DO PROGRAMA Análise estatística
2010 Memória Quantitativa
DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUTOS Questionário
NATURAIS E SINTÉTICOS BIOATIVOS
A IDENTIDADE DA CIÊNCIA DA
INFORMAÇÃO BRASILEIRA NO
Análise bibliográfica
CONTEXTO DAS PERSPECTIVAS Ética e
2011 Qualitativa Análise documental
HISTÓRICAS DA PÓS-GRADUAÇÃO Gestão
Método indiciário
análise dos conteúdos programáticos dos
PPGCI’S
INFORMAÇÃO E INCLUSÃO: uma análise Análise de conteúdo
Ética e
das políticas públicas de inclusão digital da 2011 Qualitativa Análise documental
Gestão
Prefeitura Municipal de João Pessoa Entrevista

Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012 97
Edvaldo Carvalho Alves, Mirian Albuquerque Aquino

A INCLUSÃO DE BIBLIOTECÁRIOS
Ética e Análise de conteúdo
NAS POLÍTICAS NACIONAIS DE 2011 Qualitativa
Gestão Entrevista
BIBLIOTECAS PUBLICAS

PRÁTICAS INFORMACIONAIS E
VELHICE: análise do fluxo informacional Ética e Análise de conteúdo
2011 Qualitativa
dentro de asilo na cidade de Cuité e sua Gestão Entrevista
contribuição para inclusão da pessoa idosa
COMPETÊNCIAS EM INFORMAÇÃO NA
Análise de conteúdo
EDUCAÇÃO SUPERIOR: um estudo com Ética e
2011 Qualitativa Entrevista
os professores do curso de Agronomia do Gestão
Pesquisa-ação
Campus da UFC no Cariri
CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO E Entrevista
AMBIENTES COLABORATIVOS DE Ética e Estudo de caso
2011 Qualitativa
APRENDIZAGEM: um estudo de caso da Gestão Observação direta
plataforma moodle – UFPB Técnica de categorização
A INCLUSÃO DA COMUNIDADE Entrevista
Ética e
SANTA CLARA NA SOCIEDADE DA 2011 Qualitativa Pesquisa-ação
Gestão
INFORMAÇÃO Técnica de categorização
A ADOÇÃO DA INFORMAÇÃO Análise estatística
NA GESTÃO DA APRENDIZAGEM Entrevista
Ética e Quanti-
ORGANIZACIONAL: a experiência em um 2011 Estudo de caso
Gestão qualitativa
programa de pós-graduação em ciência da Questionário
informação Técnica de categorização
Análise estatística
Entrevista
INFORMAÇAO E ARQUIVOS: os caminhos Ética e Quanti-
2011 Estudo de caso
da gestão de documentos na UFPB Gestão qualitativa
Questionário
Técnica de categorização
Análise estatística
MODELOS DE GESTÃO DO
Entrevista
CONHECIMENTO EM MICRO E Ética e Quanti-
2011 Observação direta
PEQUENAS EMPRESAS: estudo em Gestão qualitativa
Questionário
empresas de bases tecnológicas
Técnica de categorização
ANALISANDO CONTEÚDOS E
MAPEANDO CONCEITOS NA GESTÃO
Ética e Quanti- Bibliometria
DA INFORMAÇÃO EM PERIÓDICOS 2011
Gestão qualitativa Técnica de categorização
ELETRÔNICOS: um estudo do periódico
secundário PBCIB

98 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012
A pesquisa qualitativa

REPOSITÓRIO DE
COMPARTILHAMENTO DE Análise de redes sociais
2011 Memória Qualitativa
INFORMAÇÕES: análise de twitter de Técnica de categorização
vereadores de João Pessoa
Análise documental
ACESSO E MEMÓRIA: a informação nas Entrevista
2011 Memória Qualitativa
arquidioceses da Paraíba e de Olinda/Recife Método comparativo
Questionário
VOZES DO SILÊNCIO: memória, Análise documental
representações e identidades no museu do 2011 Memória Qualitativa Entrevista
Ceará Técnica de Categorização
JORNAL <<A IMPRENSA>> COMO
FONTE DE INFORMAÇÃO E MEMÓRIA Análise documental
2011 Memória Qualitativa
DA PRODUÇÃO EDITORIAL PARAIBANA Técnica de categorização
NO SÉCULO XX (1912 A 1942)
A TEORIA DA CLASSIFICAÇÃO
FACETADA NA MODELAGEM DE Análise facetada
2011 Memória Qualitativa
DADOS EM BANCO DE DADOS Questionário
COMPUTACIONAIS
MITOS DA CULTURA AFRICANA: Entrevista
elementos de informação e preservação Etnografia
2011 Memória Qualitativa
da memória na Comunidade Quilombola Teoria Durandiana do
Alcantarense de Itamatatiua mito/análise
PRÁTICA INFORMACIONAI EM Entrevista
CONTEXTO MUSEOLÓGICO: o museu 2011 Memória Qualitativa Observação Direta
casa de José Américo Semiótica
CONSTRUÇÃO E ANÁLISE DO
Análise documental
INVENTÁRIO DO PATRIMÔNIO Quanti-
2011 Memória Métodos de representação e
RELIGIOSO PARAIBANO: informação qualitativa
classificação da informação
como representação social
Análise estatística
ARQUITETURA DE INFORMAÇÃO E Engenharia semiótica
Quanti-
ENGENHARIA SEMIÓTICA: um estudo de 2011 Memória Método de avaliação de
qualitativa
caso da Intranet Unimed João Pessoa comunicabilidade
Questionário
PERIODICOS ELETRONICOS
Análise estatística
CIENTIFICOS: os recursos web enquanto Quanti-
2011 Memória Questionário
proposta para a pontencialização da qualitativa
Técnica de categorização
comunicação científica
RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS
Ética e Análise de conteúdo
AÇÕES DE EXTENSÃO DO PROGRAMA 2012 Qualitativa
Gestão Questionário
INICIATIVA NEGRAS: trocando experiências

Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012 99
Edvaldo Carvalho Alves, Mirian Albuquerque Aquino

INFORMAÇÃO E INCLUSÃO
Entrevista
ACADÊMICA: um estudo sobre as Ética e
2012 Qualitativa Questionário
necessidades socioinformacionais dos Gestão
Técnica de categorização
universitários cegos da UFPB
A ESTRUTURA DO FLUXO
INFORMACIONAL DO SISTEMA Análise de redes sociais
Ética e Quanti-
NACIONAL DE TRANSPLANTES: uma 2012 Entrevista
Gestão qualitativa
investigação sob a óptica da análise de redes Questionário
sociais
Análise de redes sociais
REDES SOCIAIS NO CONTEXTO DAS
Ética e Quanti- Entrevista
POLITICAS PUBLICAS DO PROJOVEN 2012
Gestão qualitativa Questionário
URBANO NO ESTADO DA PARAÍBA
Técnica de categorização
O PERFIL TEMÁTICO, TEÓRICO E
Ética e Análise documental
METODOLÓGICO DAS DISSERTAÇÕES 2012 Quantitativa
Gestão Bibliometria
DO PPGCI/UFPB – PERÍODO 2008 -2010
MEMÓRIA EXERCITADA: o direito de
Análise de conteúdo
acesso a informação no âmbito dos arquivos 2012 Memória Qualitativa
Análise documental
permanentes

PROPOSTA DE CATEGORIZAÇÃO DOS Análise de conteúdo


EX-VOTOS DO CASARÃO: o museu vivo 2012 Memória Qualitativa Entrevista
de Padre Cícero em Juazeiro do Norte -CE Observação direta

INFORMAÇÃO E ARTE: memórias e


representaçãodo acervo do núcleo de arte 2012 Memória Qualitativa Análise documental
contemporânea da Paraíba
REDE HUMANA DE RELAÇÕES: relações
Análise documental
de sociabilidade a partir de arcevo fotográfico 2012 Memória Qualitativa
Semiótica
de José Simeão Leal
ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO Análise de conteúdo
Quanti-
APLICADA A LEITORES DE E-BOOK: 2012 Memória Análise estatística
qualitativa
avaliando a interface do Kindle III wifi Questionário

100 Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.22, p. 79-100, Número Especial 2012

Você também pode gostar