Você está na página 1de 6

Noções de acessibilidade

arquitetônica para avaliação de


projetos e edificações

Conceitos importantes para


projetos arquitetônicos
acessíveis

Prof. Clayton Silva Mendes


Conceitos importantes para projetos arquitetônicos acessíveis1

1. Qual o objetivo de elaborarmos projetos arquitetônicos acessíveis?

Promover igualdade de direitos a todas as pessoas, com garantia de:

 Independência (diferente de autonomia);


 Conforto (baixo esforço);
 Segurança (evitar acidentes).

Gestantes, crianças, obesos, deficientes e idosos somam cerca de 70% da população.


(RONCHETI, 2016)

2. O que as normas legais nos orientam?

O Decreto nº 5.296/2004 veio para estabelecer oportunidades e condições para o


desenvolvimento de uma política nacional de acessibilidade, considerando e respeitando as
atribuições das diferentes esferas de governo, bem como a realidade e a diversidade dos
municípios e estados. A grande mudança estrutural ocorrida em 2004 com a publicação
deste decreto, foi que o Decreto anterior, nº 3298/99 dispunha que as edificações deveriam
garantir o acesso ao serviço, já o Decreto nº 5.296/04 exige que se garanta o acesso ao
ambiente (MENDES, 2018).

Exemplo:

Com a exigência de acesso ao serviço, uma escola de dois pavimentos que não
possui rampa nem elevador poderia alocar um aluno cadeirante em uma sala no
pavimento térreo, desta forma ela estaria garantindo ao aluno acesso ao serviço;
ele não seria prejudicado na oferta de ensino.

De acordo com o novo decreto, a escola deve fornecer acesso ao ambiente, ou


seja, não basta apenas garantir a oferta de ensino, o aluno cadeirante deve ter
acesso à todos os pavimentos existentes na edificação.

1
Clayton Silva Mendes possui graduação em Engenharia Ambiental, Especialização em Educação Ambiental, Licenciatura em
Geografia, Mestrado em Planejamento e Análise de Políticas Públicas e Doutorando em Ciência, Tecnologia e Sociedade.
Atualmente é servidor licenciado no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais e possui
experiência em implantação e acompanhamento de processos e legislações educacionais, abertura cursos, registros e controles
acadêmicos e planejamento e análise de políticas públicas.
Basicamente o Decreto nº 5296/2004 2 determina que o atendimento diferenciado
inclua:

 Espaços, instalações e mobiliário acessíveis;


 Área especial para embarque, desembarque e estacionamento;
 Sinalização ambiental;
 Edificações de uso público, coletivo e privado;
 Importante: acima de 5mm é desnível, barreira física.

No Brasil, as Normas Técnicas são elaboradas pela Associação Brasileira de Normas


Técnicas (ABNT), associação civil sem fins lucrativos fundada em 1940, sendo considerada de
utilidade pública pela Lei nº 4.150 de 21 de novembro de 1962. A NBR nº 9.050 foi criada em
1985 e passou por três revisões até o momento: uma em 1994, outra em 2004 (com uma
versão corrigida em 2005) e a utilizada atualmente publicada em 2015, cujos critérios e
parâmetros técnicos devem ser observados quanto ao projeto, construção, instalação e
adaptação de edificações, seja no meio urbano ou rural, em relação às condições de
acessibilidade (MENDES, 2018).
A atual NBR nº 9050/2015 estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem
observados quanto ao projeto, construção, instalação e adaptação do meio urbano e rural, e
de edificações às condições de acessibilidade. Esta norma visa proporcionar a utilização de
maneira autônoma, independente e segura do ambiente, edificações, mobiliário,
equipamentos urbanos e elementos à maior quantidade possível de pessoas,
independentemente de idade, estatura ou limitação de mobilidade ou percepção (MENDES,
2018).

Principal mudança desde a última NBR:

Adaptado de: Ronchetti (2016)

NBR9050/04 – Na adaptação de edificações e equipamentos urbanos existentes deve ser


previsto no mínimo um acesso, vinculado através de rota acessível à circulação principal e às
circulações de emergência, quando existirem. Nestes casos a distância entre cada entrada
acessível e as demais não pode ser superior a 50 metros.

NBR9050/15 – Nas edificações e equipamentos urbanos todas as entradas, bem como as


rotas de interligação às principais funções do edifício devem ser acessíveis. Na adaptação de
edificações e equipamentos urbanos existentes, todas as entradas deverão ser acessíveis e
caso não seja possível, devem ser adaptados o maior número de acessos. Nestes casos, a
distância entre cada entrada acessível e as demais não pode ser superior a 50 metros, sendo

2
Para acessar o Decreto nº 5.296/2004, utilize o link: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-
2006/2004/Decreto/D5296.htm
que a entrada predial principal ou pelo acesso de maior número de pessoas tem a
obrigatoriedade de atender todas as condições de acessibilidade.

Lembrando:

Decreto nº 5296/2004 – O que adaptar versus NBR-9050/2015 – Como adaptar

Decreto nº 3298/99 – Acesso ao serviço versus Decreto 5296/04 – Acesso ao ambiente

 Ainda não há exigência para residências (da porta pra dentro) e áreas de uso restrito
(não inclui área de funcionários).
 Princípio da razoabilidade: se já tiver uma entrada acessível poderá haver acordo
mediante justificativa técnica.

Referências Bibliográficas:
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Acessibilidade de pessoas portadoras de
deficiências a edificações, espaço, mobiliário e equipamentos urbanos: NBR 9050. Rio de
Janeiro, 2015.

BRASIL. Decreto nº 5.296 de 02 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nos 10.048, de 8


de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e
10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para
a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade
reduzida, e dá outras providências. Brasília, DF, dez 2004.

MENDES, C. S. Análise das condições de acessibilidade em equipamentos públicos


educacionais no município de Passos – MG. 2018. 163 f. Monografia (Mestrado) - Curso de
Mestrado em Planejamento e Análise de Políticas Públicas. Universidade Estadual Paulista,
Faculdade de Ciências Humanas e Sociais. Franca, 2018.

MENDES, C. S. FERREIRA, Mauro. Análise de acessibilidade em escolas públicas no município


de Passos/MG. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E
DESENVOLVIMENTO SOCIAL, 2., 2016, Franca. Anais... . Franca: Unesp, 2016. Disponível em:
<https://www.franca.unesp.br/Home/Pos-graduacao/-
planejamentoeanalisedepoliticaspublicas/iisippedes2016/texto-completo-sippedes-clayton-
s-mendes.pdf>. Acesso em: 24 out. 2018.

RONCHETTI, E. Acessibilidade Aplicada. EAE Educação Continuada, 2016.


O texto Noções de acessibilidade arquitetônica para avaliação de projetos e edificações – Conceitos
importantes para projetos arquitetônicos acessíveis de Clayton Silva Mendes está licenciado com uma
Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional. Para saber mais sobre os tipos de
licença, visite http://creativecommons.org.br/as-licencas
http://poca.ufscar.br/

Você também pode gostar