Você está na página 1de 2

COMO SE FORMA O ARCO-ÍRIS?

Para dar esta resposta será necessário lembrar alguns princípios da Fïsica, particularmente da Luz.
Trata-se de um problema de Óptica, claramente examinado e provado por René Descartes, o mesmo
que idealizou o fantástico experimento de separação da luz do sol ( luz branca ) em sete diferentes
cores, através do prisma.
(Esta é uma experiência fácil de se realizar. Peça informações ao seu professor de Fïsica.)
Descartes simplificou o estudo do Arco-íris através do estudo de uma Gota Dágua e de como ela
reage a um raio de luz.
Descartes descreve como colocou uma grande esfera, simulando uma grande gota de água, na luz
do sol, observando como ela se refletia, o que pode ser comprovado pelo desenho de uma única
gota de água.
Ele escreveu : "Eu peguei uma caneta e fiz um cálculo acurado do conjunto de raios que incidiam
em diferentes pontos do globo de água, para determinar em que ângulos, depois de duas refrações e
uma ou duas reflexões eles chegarão ao olho, e então encontrei que após uma reflexão e duas
refrações há muito maior número de raios que podem ser vistos em um ângulo de quarenta e um até
quarenta e dois graus, do que em qualquer outro ângulo menor, e de que não há nenhum que possa
ser visto em um ângulo maior ´.
É esta concentração de raios perto do menor desvio que dá origem ao arco do Arco-íris. Este raio é
denominado de Raio Descartes ou do Arco-íris. Em outras palavras, o Arco-íris se forma
exclusivamente entre os ângulos de 40 a 42 graus, em relação do observador aos raios de sol. Em
qualquer outro ângulo ele não pode ser observado.
Acontece, entretanto, que quando chove, milhões de gotas caindo, dão origem à formação de arco-
íris em diferentes porções do céu, fazendo com que o ângulo não precise ser tão exato assim.
Uma gota de chuva típica é esférica e portanto seu efeito sobre a luz do sol é simétrica ao redor de
um eixo através do centro da gota e o caminho da luz ( neste caso o sol ) . Ao pôr do sol o Arco-íris
apresenta o maior arco; só não é visto um círculo completo porque o horizonte da terra o impede;
quanto mais alto o sol, durante o Arco-íris, menor será o semi-círculo formado.
Deve-se considerar, ainda, que as gotas de chuva possuem vários formatos ao cair, em razão da
resistência do ar ou dos ventos. Só as gotas redondas e de preferência menores ( como ao final das
chuvas ) são as melhores para produzir o Arco-íris. Deve-se ainda recordar que, em face da
distância do sol, todos os raios que incidem numa gota de chuva podem ser consideradas paralelos.
Arco íris, um fenômeno óptico

O arco-íris é um fenômeno óptico que se forma em razão da separação das cores que formam a luz
solar. Ele pode ser observado sempre que existirem gotículas de água suspensas na atmosfera e a luz
solar estiver brilhando acima do observador em baixa altitude ou ângulo, ou seja, ele pode acontecer
durante ou após uma chuva. Esse acontecimento ocorre em razão da dispersão da luz.

Dispersão é o fenômeno que causa a separação de uma onda em vários componentes espectrais.

A luz do sol é uma onda de luz branca formada por várias cores, quando essa luz incide sobre uma
gota de água os raios luminosos penetram nela e são refratados, sofrendo assim a dispersão. O feixe
de luz colorido, dentro da gota, é refletido sobre a superfície interna da mesma e sofre novo
processo de refratação, motivo que provoca a separação das cores que um observador consegue ver.
É evidente que essa dispersão ocorre com todas as gotas de água que estiverem na superfície
recebendo a luz proveniente do Sol.

O arco-íris não existe, trata-se de uma ilusão de óptica cuja visualização depende da posição relativa
do observador. É importante salientar que todas as gotas de água refratam e refletem a luz da mesma
forma, no entanto, apenas algumas cores resultantes desse processo é que são captadas pelos olhos
do observador.