Você está na página 1de 10

Realismo nas artes plásticas

Realismo
• O termo realismo, de uma maneira geral, é
utilizado na História da Arte para designar
representações objetivas, sendo utilizado
como sinônimo de naturalismo. Normalmente
implica numa não idealização dos objetos
representados e numa preferência por temas
ligados ao homem comum e à existência
cotidiana.
Os comedores de batata
Van Gogh
“Apliquei-me conscientemente em dar a ideia
de que essas pessoas que comem suas batatas,
sob a claridade do candeeiro, lavraram elas
mesmas a terra com as mãos que levam o
alimento ao prato; o quadro evoca, assim, o
trabalho manual e sugere que esses
camponeses merecm o alimento que ganharam
tão honestamente.”

Van Gogh em uma carta ao seu irmão, Théo.


• A palavra realismo designa uma maneira de
agir, de interpretar a realidade. Esse
comportamento caracteriza-se pela
objetividade, por uma atitude racional das
coisas pode ocorrer em qualquer tempo da
história.
• Em meados do século
XIX, Gustave Courbert,
com a crença na
pintura como uma
arte concreta, que
deveria ser aplicada ao
real, acaba por se
tornar o líder de um
movimento chamado O desespero
Realista, juntamente Gustave Courbet
com Édouard Manet.
• Courbet dizia: “Sou democrata, republicano,
socialista, realista, amigo da verdade e
verdadeiro”.
• Espero sempre ganhar a vida com minha arte,
sem me desviar um milímetro de meus princípios,
sem ter mentido à minha consciência nem por
um único momento, sem pintar sequer o que
pode ser coberto pela palma de minha mão para
agradar a alguém, ou para vender mais
facilmente. Sejamos verdadeiros mesmo que
feios! (Gustave Courbet)
OS QUEBRADORES DE PEDRA
• Aqui ele expõe o empobrecimento e a vida
miserável dos camponeses de seu país à época,
sem nenhuma esperança de melhoria de vida.

• A composição apresenta duas figuras masculinas:


uma bem mais jovem e outra mais velha, ambas
subjugadas pelo interminável trabalho braçal —
quebrar pedras para a construção de uma
estrada. A presença do garoto e do homem mais
velho deixa claro o ciclo infindável em que se
começa a trabalhar ainda muito moço e se
envelhece fazendo a mesma coisa nas classes
pobres. Ambos vestem roupas velhas e rasgadas,
atestando a pobreza em que vivem.
• Esse movimento,
especialmente forte na
França, reagia contra o
Romantismo e pregava
o fim dos temas ligados
ao passado (como
temas mitológicos)
ou representações religiosas em nome de uma
arte centrada na representação do homem da
época, em temas sociais e ligados à experiência
concreta.

Você também pode gostar