Você está na página 1de 4

As abelhas melíferas organizam-se em três classes principais: as operárias, que

providenciam a alimentação, a rainha que põe os ovos e o zangão, que se acasala com
a rainha. Uma colônia de tamanho médio compreende: Uma rainha cerca de cem
zangões e setenta mil operariam.

Fêmeas estéreis as operárias desempenham funções diferenciadas em uma


colméia, conforme a sua “idade”. Assim, as mais jovens dedicam-se, durante quatorze
dias, a nutrição das larvas, Zangões e da rainha. Ao fim desse período, tornam-se
coletoras (ou campineiras), saindo em busca de alimento pelos campos.

Com vinte e um dias de vida, deixam as tarefas de coleta e voltam aos trabalhos no
interior da colméia. Suas glândulas secretoras de cera são ativadas e elas
transformam-se em “pedreiros”, passando a construir e consertar as células, dentro
das quais armazenam o pólen e mel.

A operária em sua ultima fase de vida dedica-se a limpar a colméia, a fazer curtos
vôos de treinamento nos arredores e a prestar seu “serviço militar”, permanecendo de
guarda junto à entrada e ferroando os intrusos.

Na evolução da vida, as abelhas surgiram há cerca de cem milhões de anos, junto


com o desenvolvimento das flores. Desde então, esses dois grupos biológicos mantêm
intensa relação de dependência recíproca (simbiose): a abelha encontra nas flores o
néctar e o pólen indispensáveis à sua sobrevivência; por sua vez, uma parte do pólen
adere ao seu corpo e é transportada para longe, onde irá fecundar outra flor.

Já o néctar vai para o papo ou “estomago de mel” da abelha, onde a ação de


enzimas salivares inicia transformação em mel. Levado para a colméia, este é
expelido e armazenado nas células.
Patas
A abelha é hexápode, tem três pares de patas. Utiliza o primeiro para limpar as
antenas, protegendo-as da poeira. O segundo serve de apoio para o corpo e o terceiro
par, chamado patas coletoras, servem para transportar pólen. Nas patas coletoras fica
(na tíbia) o recipiente para o pólen: corbícula, espécie de cesta. Ainda no terceiro par
fica o esporão, com o qual a abelha recolhe o pólen e, cruzando as patinhas, deposita
—o com a esquerda na corbícula direita e com a direita na corbícula esquerda.
Patas, Necessárias para transportá-las até a casa das Irmãs e Transportar o
conhecimento que adquirem.

Língua
A língua, ou lígula move-se num canal formado pelas maxilas e os palpos lábias,
terminando num tufo de pêlos que, como uma esponja, absorve os sucos da flor.
Língua. Como esponja para absorver tudo que é bom, para ser transformado. Em
bons ensinamentos.
Mandíbula e maxilar
São órgãos responsáveis por amassar as escamas de cera que a abelha expele do
abdômen, utilizadas depois para construir os favos. Têm também a função de abrir as
anteras das flores – para extrair o pólen; varrer a colméia; e mutilar os inimigos.
As escrituras, função de abrir as escrituras e extrair o melhor do conteúdo.
Antenas
Órgãos do olfato e do tato são extremamente sensíveis. As abelhas, farejando com
as antenas na escuridão, são capazes de construir favos perfeitamente geométricos.
Antenas ter sensibilidade de saber oque e como o que a irmã precisa, (como
Ajudar).

Órgãos da visão
Os ocelos, em número de três e disposto em triângulo na parte superior da cabeça,
possibilitam que a abelha enxergue de perto no escuro. Os olhos compostos – um de
cada lado da cabeça de superfície hexagonal, permite uma visão panorâmica dos
objetos afastados, aumentando-os 60 vezes.
Visão, enxergar muito bem, ter olho mágico para ver até oque as irmãs, não estão
expressando até 60 vezes maior, enxergar além.
Ferrão
O ferrão serve para injetar o veneno no corpo do inimigo. Na fuga da abelha
operaria, quase, o ferrão deixa o ferrão na vitima, morrendo um ou dois dias depois
por isso.
Defesa. Toda a ação tem uma reação, toda ação ríspida tem uma conseqüência,
pode até não morrer por ter magoado uma irmã. Mas pode morrer espiritualmente
para o Senhor.

Asas

As asas são formadas por duas membranas super postas, reforçadas por nervuras
ramificadas. Os pares de trás são menores e munidos de ganchinhos, com os quais a
abelha, durante o vôo, prende as duas asas formando uma só.
“Força de vontade” e “Disponibilidade”.(Abstrata) Asas. Reforçadas para ir
voando, se as Irmãs precisarem de ajuda e pedirem ajuda.

Sistema de defesa

A abelha operária (ou obreira), preocupada com sua própria sobrevivência e


encarregada da proteção da colméia como um todo, tem um ferrão na parte traseira
para ataque em situações de suposto perigo. Esse ferrão tem apenas farpas, o que
impede que seja retirada com facilidade da pele humana.

Vida das abelhas.

As abelhas são insetos sociais que vivem em colônias. Elas são conhecidas há
mais de 40.000 anos e as que mais se prestam para a polinização, ajudando
enormemente a agricultura, produção de mel, geléia real, cera, própolis e pólen, são as
abelhas pertencentes ao gênero Apis.
Insetos laboriosos, disciplinados, a abelha convite num sistema de extraordinária
organização: em cada colméia existem cerca de 80.000 abelhas e cada colônia é
construída por uma única rainha, centenas de zangões e milhares de operárias.

Abelha Rainha

A rainha é personagem central e mais importante da colméia. Seu tamanho é quase


duas vezes maior do que o das operárias, e sua única função do ponto de vista
biológico, é a postura de ovos. Única fêmea com capacidade de reprodução, a rainha
nasce de um ovo fecundado, e é criada numa célula especial – diferente dos alvéolos
hexagonais que formam os favos – uma cápsula denominada realeira, na qual é
alimentada pelas operárias com a geléia real, produto riquíssimo em proteínas,
vitaminas e hormônios sexuais. A geléia real e o único e exclusivo alimento da abelha
rainha, durante toda a vida. E a partir do nono dia, ela já está preparada para realizar
seu vôo nupcial, quando, estão, será fecundada pelos zangões. Caso apareça outra
rainha na colméia amba lutarão até que uma delas morra.
Nossa abelha rainha é personagem central e é de extreme importância que a
obedecemos. Do ponto de vista Espiritual. Ela é responsável pela “postura” ou
instruções dos ovos de conhecimento. Todos os dias em todos os momentos ela
põe suas orações, seu amor seu trabalho e talentos em prol de suas abelhas
operárias a sua família e seu zangão (marido).
Devemos alimentá-la sempre com que existe de melhor em nós, nossa geléia
real. (nosso amor, carinho, dedicação, e gratidão).