Você está na página 1de 2

Universidade Estácio de Sá.

Direito Penal I.
Exercícios de Revisão.

1) O crime de latrocínio (art.157§3º, parte final do CP) comporta dois tipos penais o
homicídio e o roubo. Diante desta figura típica responda: o que se entende por
conflito aparente de normas e qual o princípio utilizado para solução do referido
conflito aparente de normas?

R. A questão versa sobre a ocorrência de verdadeiro conflito aparente de normas


a ser solucionado pelo princípio da consunção ou absorção, pois, neste caso, o
crime de latrocínio, delito complexo, absorverá os delitos de homicídio e roubo.
Ocorre o denominado conflito de normas, quando, diante de determinado caso
concreto, várias leis são aparentemente aplicáveis, mas apenas uma tem real
incidência face ao princípio que veda a dupla punição. Possui como pressupostos
a unidade de fatos e pluralidade de leis.

2) Alex decidido a matar seu cunhado Hélio aproveita-se do fato de tê-lo dormindo
no sofá da sua casa após um churrasco e o mata por meio de 20 marteladas.
Belízia, mulher de Alex e irmã de Hélio, ouve os gritos de seu irmão de seu
quarto e corre à sala quando,então, depara-se com o corpo ensangüentado e
com o seu marido segurando o martelo. Desesperada com a cena telefona para a
polícia sendo Alex preso em flagrante delito. Disto resulta o indiciamento de Alex
pela conduta de homicídio qualificado previsto no art. 121, §2°, III do CP.
Considerando que o meio empregado por Alex não está elencado expressamente
no rol do art. 121, §2°, III do CP é correto afirmar-se que foi empregada
analogia ou interpretação analógica para qualificar a sua conduta? Responda
justificadamente.

R. A questão versa sobre a distinção entre integração e interpretação da Lei


Penal e, consequentemente, da distinção entre analogia e interpretação analógica.
No caso em exame, a conduta de Alex restou tipificada por aplicação da
denominada interpretação analógica que, como bem assevera Luiz Flávio Gomes,”
ocorre quando o legislador emprega uma cláusula genérica após ter descrito
fórmula(s) específica(s)”.1

Neste sentido, cabe transcrever trecho de decisão proferida pela Sexta Turma do
Superior Tribunal de Justiça em sede de Recurso Especial:
A crueldade de que trata o artigo 121, parágrafo 2º, inciso III, do Código Penal está,
desenganadamente, situada na natureza do meio utilizado pelo agente para a prática
delituosa e, não, à forma como se perfaz o ilícito. Ademais, tal dispositivo, após citar
hipóteses casuísticas tais como emprego de veneno, fogo, explosivo, asfixia e tortura, exige,
alternativamente, para que incida, mediante fórmula genérica, que o agente se utilize de
qualquer "outro meio (...) cruel", reclamando, assim, potencialidade de causação de
padecimento análogo aos das hipóteses expressamente elencadas. Trata-se, pois, de hipótese
de interpretação analógica ou intra legem (STJ, Resp n. 210085/PR, Sexta Turma, Rel. Min.
Hamilton Carvalhido, julgado em 21/02/2002).

1
GOMES, Luiz Flávio, Coord. Direito Penal. Parte Geral. São Paulo: RT, v.2, Décima
Sétima Seção, capítulo 5, p.76.
3) O princípio da legalidade, aliado ao princípio da anterioridade, assegura que
não há crime sem lei anterior que o defina. Considerando-se que o agente tenha
sido condenado por sentença transitada em julgado, cujo crime a lei não mais
considera como fato punível
a) observar-se-á cessação de todos os efeitos da sentença penal condenatória,
bem como todos os efeitos civis da respectiva condenação;
b) observar-se-á cessação de todos os efeitos da sentença penal condenatória,
inclusive quando em fase de execução de sentença, em virtude dessa lei posterior;
c) não se observará nenhum efeito, uma vez que a sentença com trânsito em
julgado decide de forma definitiva o mérito da causa;
d) observar-se-á redução da pena de um a dois terços, punindo-se o fato como
crime tentado.

R. Letra B, consoante o disposto no art.2º, do Código Penal. Cabe salientar que


cessam apenas os efeitos penais da condenação.

4)Roberval apaixona-se por sua secretária Alexandra e com ela mantém um


relacionamento extraconjugal. Violeta, esposa de Roberval toma conhecimento
do referido relacionamento por meio de uma carta anônima que indica local e
hora no qual a mesma poderá encontrar o casal. Ocorre que, o local utilizado por
Roberval para seus encontros românticos é um imóvel pertencente a ele e
Violeta. Desta forma, no dia e hora indicados pela carta (10 de março de 2005)
Violeta, munida com as chaves do imóvel que também lhe pertence, ingressa no
mesmo e depara-se com Roberval e Alexandra sexualmente envolvidos.
Considerando a entrada em vigor da lei 11.106 de 28-3-2005 na data de sua
publicação responderá criminalmente Roberval pela prática da conduta típica de
adultério previsto no art. 240 do Código Penal? Responda fundamentadamente
indicando a natureza (espécie) da norma penal contida na lei n. 11.106/05.

R. A questão versa sobre o conflito de leis penais no tempo, no qual houve a


abolitio criminis do tipo penal previsto no art.240, do Código Penal a ser
solucionado pelo princípio da retroatividade da lei mais benéfica, consoante o
disposto no art.2º,caput, do Código Penal.Compreende-se como retroatividade
da lei penal, a capacidade desta para regular fatos praticados antes do início da
sua vigência.