Você está na página 1de 397

WAIS-III

Treinamento em
Interpretação Avançada
Sábado, 27/04, das 9h às 12h

Ministrante
Gean Antônio de Paula
Psicólogo (CRP 08/20781)
Formação em Neuropsicologia pelo HCFMUSP
Especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental
Especialista em Saúde Mental
1) WAIS-III: 3) Interpretações
Contribuições na Nomotéticas e
Mensuração da Idiográficas de
Inteligência ao Desempenho
Longo da Vida; (Modelos
2) O que os subtestes Bannatyne e
Roteiro do Encontro mensuram? – Horn);
Modelos de 4) Modelo de
avaliação dos Flanagan-Kaufman
processos de para Interpretação
desempenho Avançada de
(Análises de Resultados na
Bannatyne, CHC, WAIS-III
Baltes, Osgood,
Rapaport, Dean e
Guilford);
Bibliografia Primordial
Para que fins se presta uma
interpretação avançada da WAIS-III?
Para que fins se presta uma interpretação avançada da
WAIS-III?

O raciocínio neuropsicológico não se prende a pontuações de um


teste;
A compreensão do funcionamento do paciente subsidia a
interpretação dos escores de um teste
Para que fins se presta uma interpretação avançada da
WAIS-III?

O julgamento
Nomotético

O julgamento
Idiográfico
Para que fins se presta uma interpretação avançada da
WAIS-III?

A interpretação avançada analisa o que o subteste mensura e como


mensura: O PROCESSO DE EXECUÇÃO;
A interpretação avançada correlaciona funções principais e
acessórias de todos os subtestes;
A interpretação avançada prediz tipos esperados de erros, bem como
aspectos de imput, processamento e output
Para que fins se presta uma interpretação
avançada da WAIS-III?

14 Subtestes WAIS-III

Funções
Função Principal Tipos de Erros Imput Output
Acessórias
1) WAIS-III e a Inteligência ao Longo da Vida

Achados de pesquisas longitudinais correlacionando desempenho na


WAIS-III ao longo da adultez e envelhecimento forneceram diversos
insumos para políticas públicas em saúde nos EUA;
“O caminho para a velhice é pavimentado por uma perda constante e
implacável da função intelectual” (Wechsler, 1954)
1) WAIS-III e a Inteligência ao Longo da Vida
Idade e Escolaridade como Preditores
1) WAIS-III e a Inteligência ao Longo da Vida
Idade e Escolaridade como Preditores

Dependentes da
automatização
atencional
1) WAIS-III e a Inteligência ao Longo da Vida
Idade e Escolaridade como Preditores

Dependentes da
aculturação
1) WAIS-III e a Inteligência ao Longo da Vida
QI Verbal e QI de Execução ao Longo da Vida
1) WAIS-III e a Inteligência ao Longo da Vida
QI Verbal e QI de Execução ao Longo da Vida

Sensível às
demandas e
ocupação de
papéis sociais
ocupados
1) WAIS-III e a Inteligência ao Longo da Vida
QI Verbal e QI de Execução ao Longo da Vida

Sensível a processos
neurodegenerativos
avançados
1) WAIS-III e a Inteligência ao Longo da Vida
Os 4 Índices Fatoriais ao Longo da Vida
1) WAIS-III e a Inteligência ao Longo da Vida
ICV ao Longo da Vida
1) WAIS-III e a Inteligência ao Longo da Vida
ICV ao Longo da Vida

Subteste verbal com


exigências fluidas
1) WAIS-III e a Inteligência ao Longo da Vida
ICV ao Longo da Vida

Subtestes com altas correlações de


memória semântica
1) WAIS-III e a Inteligência ao Longo da Vida
IMO ao Longo da Vida
1) WAIS-III e a Inteligência ao Longo da Vida
IMO ao Longo da Vida

SNL com maior


demanda operacional?
1) WAIS-III e a Inteligência ao Longo da Vida
IMO ao Longo da Vida

Aritmética com forte


subsídio da memória
semântica?
1) WAIS-III e a Inteligência ao Longo da Vida
IOP ao Longo da Vida
1) WAIS-III e a Inteligência ao Longo da Vida
IOP ao Longo da Vida

Raciocínio Matricial não depende de


tempo, mas tem o mesmo padrão de
“envelhecimento” dos demais
1) WAIS-III e a Inteligência ao Longo da Vida
O Máximo e o Mínimo de Performance ao Longo da Vida
1) WAIS-III e a Inteligência ao Longo da Vida
O Máximo e o Mínimo de Performance ao Longo da Vida

49 anos: a idade de “ouro” para


demandas de inteligência cristalizada
1) WAIS-III e a Inteligência ao Longo da Vida
O Máximo e o Mínimo de Performance ao Longo da Vida

27 anos: a idade de “ouro” para


demandas de inteligência fluida
2) O que os subtestes mensuram?

Dos subtestes aos índices...


Dos índices aos QIs...
Dos QIs aos modelos de recategorização dos fatores de análise
(Bannatyne, CHC, Baltes, Osgood, Rapaport, Dean, Guilford)
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Vocabulário

Medida de vocabulário expressivo – capacidade de elaboração


discursiva;
Melhor medida do fator g;
Subteste “Hold”: sustenta por maior tempo a integridade das funções
cognitivas;
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Vocabulário

Dificuldade em pronunciar palavras ou incerteza de como expressar o


pensamento: sinais de alerta para acesso lexical e aspectos
sintáticos/semânticos do discurso;
Dizer com gestos: preferência pela comunicação não-verbal;
“Eu não sei” ou o fenômeno “ponta da língua”: acesso lexical
prejudicado?;
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Informação

Medida de conhecimento adquirido a partir da


cultura/família/educação;
Reflexo direto de capacidade de aprendizagem;
Subteste “Hold”, mas com menor dependência discursiva;
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Informação

Desempenho ruim pode não significar deterioração de bagagem


cristalizada: dificuldades anteriores em períodos críticos do
neurodesenvolvimento;
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Semelhanças

Tarefa verbal com maior envolvimento de demanda fluida – abstração;


Dificuldade crescente do par de palavras: de concretas a abstratas;
 Relações lógicas e formações de conceitos verbais;
 Medida mais forte de síntese verbal de conhecimento
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Semelhanças

Respostas rápidas ou abstratas a itens fáceis indicam associações


aprendidas, não um nível mais elevado de raciocínio abstrato;
Respostas que insistem na diferença do par ou do tipo “não sei” podem
indicar esquiva e fuga diante da complexidade crescente.
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Compreensão

Avaliação de julgamento social;


Relação com a avaliação do senso comum e capacidade de julgar
experiências prévias e seu próprio contexto ambiental;
Facilidade de argumentação e flexibilidade mental são requisitos
acessórios em alguns itens
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Compreensão

Tarefa com maior demanda de defesa discursiva - importante escopo


de avaliação da capacidade de elaborar ideias;
 Capacidade verbal ruim x julgamento social ruim
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Cubos

Medida primordial de visuoconstrução;


Um dos subtestes mais sensíveis à condições clínicas;
Organização e processamento visuoespacial por meio da decomposição
e síntese mental de elementos não verbais
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Cubos

Medida primordial de visuoconstrução;


Um dos subtestes mais sensíveis à condições clínicas;
Organização e processamento visuoespacial por meio da decomposição
e síntese mental de elementos não verbais
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Cubos

 Estilo de resolução de problema em estímulos não verbais: importante ponto


de observação;
 Nível de planejamento envolvido ou comportamento impulsivo na resposta;
 Busca de estratégias mais eficientes quando há aumento de cubos e rotação
da matriz;
 Obsessividade x Desleixo com detalhes;
 Violação da matriz ou do eixo corporal para executar a tarefa: percepção
visual comprometida?
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Completar Figuras

Medida maior de percepção visual;


Medida indireta de memória semântica: evocação do protótipo de uma
figura familiar;
Análise de respostas a partir da exigência do item: parte que falta ou
função do objeto faltante;
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Completar Figuras

Avaliação indireta de possível heminegligência visual;


Respostas motoras (apontamento) podem representar dificuldade de
acesso lexical;
Respostas “não sei” ou “nada falta” podem indicar oposição ou
inflexibilidade
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Raciocínio Matricial

Medida maior de raciocínio fluido;


Medida maior de resolução de problemas;
Livre de demandas linguísticas e de aquisição cultural;
Livre de manipulação motora;
Livre de tempo
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Raciocínio Matricial

Teste “insensível” a lesões adquiridas;


Nível de planejamento envolvido para se emitir uma resposta
(impulsividade?);
 Capacidade de distinguir e operacionalizar detalhes essenciais;
Demandas de raciocínio dedutivo e indutivo
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Raciocínio Matricial

Nível de raciocínio
implicado para a
resolução
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Arranjo de Figuras

Medida de raciocínio lógico sequencial;


Mediado por demandas linguísticas, apesar de ser um subteste de
execução/performance;
Componente indireto de avaliação de julgamento social ilustrado;
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Arranjo de Figuras

Capacidade de sequenciar eventos temporais;


Verificação de estruturação do pensamento e habilidades perceptivas
de raciocínio;
Contar a história verbalmente após uma montagem incomum pode
fornecer pistas importantes da construção do pensamento.
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Armar Objetos

Medida de interpretação e organização de elementos visuais;


Capacidade sintética de ver as partes de um todo e sintetizá-las em
uma figura reconhecível (recrutamento de memória semântica);
Uma das tarefas mais antigas para determinação de QI e uma das mais
polêmicas quanto ao seu alcance de predição
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Sequência de Número e Letras

Medida mais forte de memória de trabalho;


Envolve dupla manipulação e controle mental de informações;
Maior etapa de aquecimento (3 itens zerados para interrupção)
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Dígitos

Medidas mais populares de memória imediata e memória de trabalho;


Tarefa com menor influência no fator g de inteligência;
Ordem direta sensível a alterações auditivas e atenção concentrada
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Dígitos

Erros são por inversão de números ou esquecimento completo;


Tentativas de repetir os dígitos antes de o examinador completar a
série: indicação de impulsividade ou estratégia de verbalização para
melhor apreensão;
Acertar vários itens seguidos e errar os demais é diferente de acertar e
errar alternadamente
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Aritmética

Medida de memória de trabalho e cálculo mental;


Medida importante do fator g (seu peso se distribui em escala similar
nos construtos verbais e não verbais da inteligência);
Compreensão de enunciados verbais + capacidade de raciocínio
matemático + execução de cálculo mental = operações mediadas pelo
controle atencional
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Aritmética

Tarefa com maior ocorrência de ansiedade por parte de examinandos;


Maior ocorrência de ansiedade de performance e competitividade;
Qualidade do erro direciona profundamente o raciocínio sobre o
resultado final
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Códigos

Medida de velocidade de processamento;


Medida de atenção alternada;
Medida de memória imediata visuoespacial;
Medida de destreza visuomotora
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Códigos

Sinais de cansaço, tédio ou desatenção ocorrem durante a execução;


Etapas opcionais de aprendizagem incidental e cópia livre podem
auxiliar na determinação do tipo de erro
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Códigos
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Códigos
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Códigos
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Procurar Símbolos

Medida de velocidade de processamento para novas informações;


Medida de discriminação e julgamento perceptivo;
2) O que os subtestes mensuram?
Nível da Tarefa - Procurar Símbolos

Voltar a verificar símbolos seguidamente pode pressupor obsessividade


ou falhas em memória de trabalho;
Sinais de cansaço, fadiga, tédio ou desatenção podem aparecer
conforme o subteste avança, ainda mais por ser um dos últimos a ser
aplicado.
2) O que os subtestes mensuram?
Nível dos Índices – Compreensão Verbal (ICV)

Subtestes que medem habilidades verbais com o uso de raciocínio,


compreensão e conceituação;
 Exigências de conhecimento cristalizado, raciocínio verbal fluido e
memória de longo prazo;
Todos os subtestes mensuram a amplitude e profundidade de
conhecimento adquirido, bem como a aplicação do conhecimento
2) O que os subtestes mensuram?
Nível dos Índices – Compreensão Verbal (ICV)

QI VERBAL
Compreensão
Subtestes IMO
Apesar de CO não figurar entre os
subtestes do ICV, pode ser útil analisar
VC e IN (medidas verbais mais
ICV cristalizadas) comparando com CO e SM
Vocabulário
(medidas verbais mais fluidas)
Semelhanças
Informação
2) O que os subtestes mensuram?
Nível dos Índices – Compreensão Verbal (ICV)

Déficits em conhecimento cristalizado ou em recuperação de


informações podem não significar pontuações baixas em SM e CO, caso
o raciocínio e julgamento estejam preservados;
O padrão inverso também pode ocorrer
2) O que os subtestes mensuram?
Nível dos Índices – Organização Perceptual (IOP)

Subtestes avaliam o raciocínio a partir da percepção e a organização


visuoespacial;
CB e RM também recrutam organização perceptual e processamento
visual ativo (sintetizar, manipular, transformar e pensar com padrões
espaciais de estímulos
2) O que os subtestes mensuram?
Nível dos Índices – Memória Operacional (IMO)

Subtestes avaliam a capacidade de prestar atenção e lembrar


imediatamente em ordem correta ou manipulável e após uma única
apresentação de elementos;
Os dígitos na ordem direta também podem requerer manipulação
mental de informações na medida em que há maiores combinações de
dígitos
2) O que os subtestes mensuram?
Nível dos Índices – Memória Operacional (IMO)

AR avalia memória de trabalho de uma forma mais ecológica, além de


raciocínio fluido;
Também envolve recrutamento de raciocínio sequencial – engajamento
em uma resolução com passos a seguir
2) O que os subtestes mensuram?
Nível dos Índices – Velocidade de Processamento (IVP)

Subtestes medem velocidade de processamento mental e grafomotor;


São claramente tarefas de escaneamento e rastreio visual;
A velocidade de processamento requer capacidade de desempenhar
tarefas cognitivas fluentemente, automatizando-as na medida em que
o aprendizado consolida-se
2) O que os subtestes mensuram?
Nível dos Índices – Velocidade de Processamento (IVP)

Indicação de rapidez de processamento de informações simples ou


rotineiras;
 Baixa velocidade de processar informações rotineiras impactam em
demora para compreensão de informações novas;
Índice mais sensível a lesões adquiridas e epilepsias
2) O que os subtestes mensuram?
Nível dos Índices – Relações IMO x IVP

Aumento de velocidade de processamento leva a aumento da


capacidade de controle mental de informações e otimização do seu
espaço;
Otimização do controle mental leva a uma utilização mais eficaz de
recursos relacionados ao raciocínio fluido
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

17 13 13  Nossa paciente é uma mulher


48 14 14 de 43 anos, possuindo 18 anos
14
16 11
6
11
6 de escolaridade, vítima de TCE
7 6 6
com hematoma subdural em
4 4 4 DLPFC há 4 anos;
15 13 13
4 4 4
 Queixas de esquecimento,
24 17 17 distratibilidade e maior
5 9 impaciência diante de
29
8
15
7 7
mudanças na rotina;
6 9 9  Uso da tabela A.1 (Br) – p.199
9 7
65 47 42 32 17 13
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

65 47 112 42 32 17 13

105 96 101 122 104 76 82

63 39 53 93 58 5 10

99 87 95 113 92 68 73
95 111 107 107 129 115 88 93
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

Diferença entre os QIs


parecem não ser
significativas.
Resultado homogêneo
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

E a diferença entre os
índices? A
homogeneidade se
mantém?
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

Com essa aparente


heterogeneidade de
resultados, o QIT pode, de
fato, demonstrar a
capacidade intelectual
GLOBAL da paciente?
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

Escala Verbal
apresenta resultados
homogêneos?
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

Escala de Execução
apresenta resultados
homogêneos?
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

ICV apresenta
resultados
homogêneos?
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

IOP apresenta
resultados
homogêneos?
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

IMO apresenta
resultados
homogêneos?
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

IVP apresenta
resultados
homogêneos?
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

14
11
4
4
17
15
9
13
6
6
13
9
7
7
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

14
11
4
4
17
15
9
13
6
6
13
9
7
7
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

Divide-se a Soma
dos Escores por
14 (ou 11, ou 13)

Divide-se a Soma
dos Escores
Verbais por 7 (ou
6) e dos Escores
de Execução por
7 (ou 5)
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

14
11
4
4
17
15
9
74
13
7
6
10,57
6
13
9
7
7
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

14
11
4
4
17
15
9
74 61
13
7 7
6
10,57 8,71
6
13
9
7
7
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

14 10,57
11 10,57
4 10,57
4 10,57
17 10,57
15 10,57
9 10,57
74 61
13 8,71
7 7
6 8,71
10,57 8,71
6 8,71
13 8,71
9 8,71
7 8,71
7 8,71
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

3,43
0,43
-6,57
-6,57
-6,57
4,43
-1,57
4,29
-2,71
-2,71
4,29
0,29
-1,71
-1,71
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

3,43
0,43
-6,57
-6,57
-6,57 Tabela B.3 (Br) –
4,43
p. 218
-1,57
4,29
-2,71
-2,71
4,29
0,29
-1,71
-1,71
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

0,05
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

0,05
2,31
2,23
2,84
3,82
2,25
2,82
3,15
2,55
2,91
3,08
2,41
3,12
2,57
4,19
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

0,05
3,43 2,31
0,43 2,23
-6,57 2,84
-6,57 3,82
-6,57 2,25
4,43 2,82
-1,57 3,15
4,29 2,55
-2,71 2,91
-2,71 3,08
4,29 2,41
0,29 3,12
-1,71 2,57
-1,71 4,19
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

Compara-se a Diferença da Média com o Valor Crítico,


desprezando o sinal:
_ Se Diferença da Média > Valor Crítico = Facilidade ou
Dificuldade
_ Se Diferença da Média < Valor Crítico = Desempenho
Normal – não se preenche as 3 últimas colunas
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

Para Diferença da Média > Valor Crítico:


_ Se o sinal for positivo (+): FACILIDADE
_ Se o sinal for negativo (-): DIFICULDADE
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

0,05
3,43 2,31 F
0,43 2,23
-6,57 2,84 D
-6,57 3,82 D
6,43 2,25 F
4,43 2,82 F
-1,57 3,15
4,29 2,55 F
-2,71 2,91
-2,71 3,08
4,29 2,41 F
0,29 3,12
-1,71 2,57
-1,71 4,19
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

0,05
3,43 2,31 F
0,43 2,23
-6,57 2,84 D
-6,57 3,82 D
6,43 2,25 F
4,43 2,82 F
-1,57 3,15
4,29 2,55 F
-2,71 2,91
-2,71 3,08
4,29 2,41 F
0,29 3,12
-1,71 2,57
-1,71 4,19
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

Tabela B.3 (Br) – p.218


Coluna “% Cumulativa”
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

<1

<1
<1
<1
<1
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

<1

<1
<1
<1
<1

1-2

1-2
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

0,05
3,43 2,31 F <1
0,43 2,23
-6,57 2,84 D <1
-6,57 3,82 D <1
6,43 2,25 F <1
4,43 2,82 F <1
-1,57 3,15
4,29 2,55 F 1-2
-2,71 2,91
-2,71 3,08
4,29 2,41 F 1-2
0,29 3,12
-1,71 2,57
-1,71 4,19
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

 O desempenho da paciente nos


subtestes VC, IN e CO destaca-se
positivamente quando comparado
ao seu desempenho geral. Esse
destaque é tão robusto que
aparece em menos de 1% da
amostra normativa, o que pode-se
hipotetizar em funções
consideravelmente facilitadoras
dentro de sua eficiência intelectual,
principalmente no que diz respeito
às habilidades verbais
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

 O desempenho da paciente nos


subtestes CF e RM destaca-se
positivamente quando comparado
ao seu desempenho geral. Esse
destaque é bastante considerável,
aparecendo apenas entre 1% e 2%
da amostra normativa, o que pode-
se hipotetizar em funções
consideravelmente facilitadoras
dentro de sua eficiência intelectual,
no que diz respeito às suas
habilidades não verbais
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

 O desempenho da paciente nos


subtestes AR e DG destaca-se
negativamente quando comparado
ao seu desempenho geral. Esse
destaque é bastante considerável,
aparecendo em menos de 1% da
amostra normativa, o que pode-se
hipotetizar em funções
consideravelmente dificultosas
dentro de sua eficiência intelectual,
no que diz respeito às suas
habilidades verbais
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

105 96
122 104
122 76
104 82

122 82
104 76
76 82
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

105 96
122 104
122 76
104 82

122 82
104 76
76 82
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

105 96 9
122 104 18

122 76 46
104 82 18

122 82 40

104 76 28
76 82 -6
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

105 96 9
122 104 18

122 76 46
104 82 18

122 82 40

104 76 28
76 82 -6
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

0,05
105 96 9 8,31
122 104 18 9,75
122 76 46 8,82
104 82 18 10,99
122 82 40 8,82

104 76 28 10,99

76 82 -6 10,17
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

0,05 Preenche-se todas as


105 96 9 8,31 células da coluna
18
“Frequência da
122 104 9,75
Diferença...”, mas
122 76 46 8,82 ressaltam-se aquelas em
104 82 18 10,99 que a diferença é maior
122 82 40 8,82 do que o valor crítico,
10,99
independentemente do
104 76 28
sinal
76 82 -6 10,17
_ Tabela B.2 (Br) – p.217
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

0,05
105 96 9 8,31 29,16
122 104 18 9,75 8,00

122 76 46 8,82 <0,01

104 82 18 10,99 6,3

122 82 40 8,82 <0,03

104 76 28 10,99 1,00

76 82 -6 10,17 58,4
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

 O desempenho da paciente em
tarefas com demandas de
expressão, conceituação e
abstração verbal é
consideravelmente discrepante
de seu desempenho em
paradigmas de controle mental
e velocidade de processamento
de informações. Essa
discrepância é tão robusta em
favor das habilidades verbais,
que ocorre em menos de 1% da
amostra normativa
2) O que os subtestes mensuram?
Formas de Análise Intraindividuais da Bateria - Exemplo

 As habilidades de controle e
manipulação mental de
informações, bem como de
velocidade de processamento
destas demonstram-se
consideravelmente inferiores às
habilidades mais representativas
da inteligência geral, sendo elas em
termos de inteligência fluida
(menos de 7% da amostra
normativa obteve discrepância
semelhante) e de inteligência
cristalizada (menos de 1% da
amostra normativa obteve
discrepância semelhante)
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Bannatyne

Bannatyne (psicólogo americano) investigou ao longo dos anos perfis


característicos em grupos de pessoas com dificuldades de
aprendizagem;
 Estes teriam melhores habilidades em tarefas visuoespaciais, mas
comprometimentos em habilidades de sequenciamento e de aquisição
de informações.
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Bannatyne

O modelo de Bannatyne permite fazer comparações em relação ao tipo


de processamento mais rentável ao paciente: sequencial x simultâneo
(construto visuoespacial);
O agrupamento do conhecimento adquirido tende a se distanciar dos
demais agrupamentos em pessoas com altas habilidades, mas com
dificuldades/transtornos de aprendizagem.
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Bannatyne

Modelo BANNATYNE de Reagrupamento de Testes WAIS-III


Conceitualização Habilidades Habilidades Conhecimento
Verbal Visuoespaciais Sequenciais Adquirido
Semelhanças Completar Aritmética Informação
Figuras
Vocabulário Cubos Dígitos Aritmética
Compreensão Armar Objetos Códigos Vocabulário
Raciocínio SNL
Matricial
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Horn

A composição da WAIS-III em um sistema bipartite corresponde ao


modelo amplo de Horn e Cattel:
_ Inteligência Cristalizada > QI VERBAL;
_ Inteligência Fluida > QI DE EXECUÇÃO
Horn e Kaufman propõem, na década de 90, a ampliação prática dessa
bipartidade em 10 habilidades amplas
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Horn

 Inteligência Fluida;
 Inteligência Cristalizada;
 Aquisição e Recuperação de Curto
Prazo;
 Inteligência Visual;
 Inteligência Auditiva;
Modelo de Horn e Kaufman
 Armazenamento e Recuperação de
Longo Prazo;
 Velocidade de Processamento
Cognitivo;
 Velocidade de Tomada de Decisão;
 Conhecimento Quantitativo
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Horn

A partir do modelo de Horn e Kaufman, pode-se reagrupar os subtestes


da WAIS-III em cinco domínios:
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Horn

Modelo HORN de Reagrupamento de Testes WAIS-III


Inteligência Inteligência Fluida Visualização Memória de Curto Velocidade de
Cristalizada Ampla Prazo Processamento
Informação Raciocínio Completar Figuras Aritmética Códigos
Matricial
Vocabulário Cubos Cubos Dígitos Procurar Símbolos
Compreensão Armar Objetos Armar Objetos SNL Armar Objetos
Semelhanças Semelhanças Raciocínio
Matricial
Arranjo de Figuras Arranjo de Figuras
Aritmética
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - CHC

 O modelo abarcado pelos


construtos de Cattell, Horn
e Carroll funciona como
uma cebola: camadas mais
amplas de inteligência
acobertam camadas
menores, devido às suas
especificidades;
 Habilidades amplas
requerem habilidades
estreitas para seus plenos
funcionamentos
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - CHC
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - CHC

Modelo CHC de Reagrupamento de Testes WAIS-III


Gc Gf Gv Gsm Gq Gs
Informação Raciocínio Completar Dígitos Aritmética Códigos
Matricial Figuras
Vocabulário Arranjo de SNL Procurar
Figuras Símbolos
Compreensão Cubos
Semelhanças Armar
Objetos
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Baltes

Baltes (psicólogo suíço, 1999) propôs um modelo de dois componentes


do desenvolvimento cognitivo baseado na utilidade dos construtos:
_ MECÂNICA da cognição: expressão de arquitetura neurofisiológica da
mente, intimamente ligado com processos evolutivos e ontogenéticos;
_ PRAGMÁTICA da cognição: o conhecimento adquirido na imersão do
sujeito na cultura
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Baltes

Aspectos mecânicos da cognição demonstram declínio linear ao longo


da vida, com maio aceleração na velhice;
Aspectos pragmáticos da cognição mostram pouca correlação com a
idade e sua defasagem ao longo da vida;
Ou seja, o modelo de Baltes se aproxima do modelo tradicional da
WAIS-III (QI Verbal e QI de Execução)
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Baltes

Modelo BALTES de Reagrupamento de Testes WAIS-III


Mecânica Cognitiva Pragmática Cognitiva
Raciocínio Matricial Vocabulário
Cubos Semelhanças
Arranjo de Figuras Informação
Completar Figuras Compreensão
Armar Objetos Aritmética
Códigos
Procurar Símbolos
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Osgood

Osgood (psicólogo holandês) propôs uma teoria da comunicação


sustentada por três dimensões:
_ Canais de Comunicação;
_ Níveis de Organização;
_ Fluxo de Comunicação
A WAIS-III mensura a capacidade de inteligência pela capacidade de
comunicação
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Osgood

Canais de comunicação: caminhos pelos quais o conteúdo da


comunicação se dá em fluxo;
Os subtestes verbais da WAIS-III se dão no canal AUDITIVO-VERBAL e os
subtestes de desempenho se dão no canal VISUAL-MOTOR;
 Pessoas com deficiências sensoriais ou motoras podem ser melhor
estudadas em seu desempenho nessa divisão
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Osgood

Níveis de organização: grau em que os hábitos de comunicação são


organizados pelo indivíduo
_ Nível representacional: pensamento complexo, com utilização de
operações mentais em várias camadas;
_ Nível automático: menor uso de comportamento voluntário, envolvendo
hábitos super aprendidos, com uso das redundâncias da experiência
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Osgood

Pontuações altas em “Completar Figuras” e “Códigos” com o restante


do QI de Execução mais baixo pode ilustrar o desempenho de uma
pessoa com eficiência intelectual limitada, mas com processamento
automático preservado
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Osgood

Fluxos de comunicação: aplicação de processos à aquisição e uso da


linguagem:
_ Recepção: reconhecer e compreender o que é visto/ouvido;
_ Associação: mediação da informação recebida pela manipulação mental
dos símbolos;
_ Expressão: ato de fazer uma resposta vocal, gestual ou
manipulativamente
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Osgood

“Cubos” e “Compreensão” são subtestes de excelente medida das 3


dimensões comunicativas;
Outros 8 subtestes se encaixam nessas distribuições propostas por
Osgood
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Osgood

Modelo OSGOOD de Reagrupamento de Testes WAIS-III


Canal Auditivo-Verbal Canal Visual-Motor Processo
Informação Completar Figuras Recepção
Semelhanças Raciocínio Matricial Integração
Dígitos Procurar Símbolos Armazenamento
Vocabulário Códigos Expressão
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Rapaport

Rapaport (psicólogo americano) foi pioneiro em estabelecer que o QI


não era fixo ou constante, enfatizando as influências da personalidade e
estimulação ambiental;
Os perfis de inteligência devem ser interpretados sob à luz da
personalidade e contexto cultural
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Rapaport

Cinco funções do pensamento afetam o desempenho nos subtestes da


WAIS-III:
_ Memória;
_ Formação de Conceitos;
_ Organização Visual;
_ Coordenação Visual-Motora;
_ Respostas Orientadoras
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Rapaport

A Memória e a Formação de Conceitos facilitam o acúmulo de


experiências;
A Organização Visual e a Coordenação Visual-Motora lidam com o papel
fundamental dos processos perceptivos no direcionamento do
comportamento e das manipulações motoras;
As respostas orientadoras incluem atenção, concentração e
antecipação, selecionando a orientação individual
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Rapaport

Modelo RAPAPORT de Reagrupamento de Testes WAIS-III

Memória Formação de Conceitos Organização Visual Coordenação Visomotora Respostas Orientadoras

Informação Vocabulário Completar Figuras Cubos Dígitos (atenção)

Vocabulário Semelhanças Arranjo de Figuras Armar Objetos Aritmética (concentração)

Raciocínio Matricial Raciocínio Matricial Procurar Símbolos SNL (concentração)

Cubos Completar Figuras


(concentração)
Arranjo de Figuras
(antecipação)
Armar Objetos (antecipação)

Códigos (concentração)

Procurar Símbolos
(concentração)
Compreensão (emocional)
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Dean

Dean (psicólogo britânico) propõe a partir da WAIS-R, uma forma de


reagrupamento dos subtestes a partir de perfis de habilidades
individuais;
Perfil Modelar: Capacidade Geral
_ melhores medidas do fator geral g (> 0,7): apresenta a melhor medida
de capacidade cognitiva do sujeito para lidar com as exigências de uma
sociedade cada vez mais técnica
_ Subtestes: VC, SM, IN, CO, AR, CB, RM e PS
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Dean

 Seis perfis derivados:


_ Pensamento Abstrato: ir além do concreto na manipulação de conceitos;
_ Memória Remota: recordação de elementos codificados há mais de um mês;
_ Memória Visual: compenentes mnêmicos da memória de curto e longo prazo
visuais;
_ Memória Auditiva: componentes mnêmicos da memória de curto e longo
prazo auditivas;
_ Compreensão Social: medida de entendimento social do indivíduo;
_ Velocidade Visomotora: organização visual e feedback contínuo na execução
motora de tarefas espaciais
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Dean

 Seis perfis derivados:


_ Pensamento Abstrato: ir além do concreto na manipulação de conceitos;
_ Memória Remota: recordação de elementos codificados há mais de um mês;
_ Memória Visual: compenentes mnêmicos da memória de curto e longo prazo
visuais;
_ Memória Auditiva: componentes mnêmicos da memória de curto e longo
prazo auditivas;
_ Compreensão Social: medida de entendimento social do indivíduo;
_ Velocidade Visomotora: organização visual e feedback contínuo na execução
motora de tarefas espaciais
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho – Dean

Modelo DEAN de Reagrupamento de Testes WAIS-III


Pensamento Memória Memória Memória Compreensão Velocidade
Abstrato Remota Visual Auditiva Social Visomotora
Semelhanças Informação Completar Dígitos Compreensão Armar Objetos
Figuras
Cubos Completar Códigos Aritmética Arranjo de Códigos
Figuras Figuras
Raciocínio Procurar SNL Procurar
Matricial Símbolos Símbolos
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Guilford

O modelo de estrutura intelectual de Guilford serviu de base para a


construção dos índices fatoriais do sistema Wechsler
Se baseia em um modelo de dupla interação entre operações e
conteúdo
2) O que os subtestes mensuram?
Modelos de Análise de Desempenho - Guilford

Esqueleto da Forma de Apreensão Intelectual de Guilford


Operações Descrição
Cognição Consciência imediata, reconhecimento ou compreensão de estímulos
Memória Retenção de informação
Avaliação Fazer julgamentos sobre informações em termos de um padrão conhecido
Produção Convergente Resposta única ou melhor a um estímulo
Produção Divergente Respostas criativas e variáveis a um estímulo
Conteúdo Descrição
Figural Descrição de formas ou objetos concretos
Simbólico Descrição de números, letras ou quaisquer símbolos codificáveis
Semântico Palavras e ideias que transmitem significado
Comportamental Não verbal, envolvendo interações humanas
Modelo GUILFORD de Reagrupamento de Testes WAIS-III
Subtestes WAIS-III Cognição Memória Avaliação Produção Produção
Convergente Divergente
Vocabulário Semântico Semântico
Semelhanças Semântico Semântico
Informação Semântico
Compreensão Semântico Semântico
Completar Figuras Figural Figural
Cubos Figural Figural
Raciocínio Matricial Figural Figural
Arranjo de Figuras Semântico Semântico
Armar Objetos Figural Figural
Aritmética Semântico Simbólico
Dígitos Simbólico
SNL Simbólico
Códigos Simbólico Simbólico
Procurar Símbolos Figural Figural
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes

 Relançaremos o olhar sobre os 14 subtestes, agora munidos dos modelos de


análise de desempenho, sendo eles:
_ Olhar Fatorial;
_ Categorizações de Bannatyne;
_ Modificações de Horn da Dicotomia “Inteligência Fluida x Cristalizada”;
_ Interpretação Psicolinguistica de Osgood;
_ Análise Clínica de Rapaport;
_ Perfil de Capacidade Individual do Dean;
_ Modelo de Estrutura de Intelecto de Guilford
2) O que os subtestes mensuram?
Dissecando os Subtestes Novamente – Vocabulário
Modelos de Análise Habilidade
WAIS-III Compreensão Verbal
Bannatyne Conceitualização Verbal/Conhecimento Adquirido

Horn Inteligência Cristalizada


CHC Camada Ampla: Inteligência Cristalizada
Camada Restrita: Desenvolvimento
Linguístico/Conhecimento Lexical
Baltes Pragmática
Osgood Canal Auditivo-Verbal/Nível Representacional/Expressão
Verbal
Rapaport Memória
Guilford Cognição Semântica
Outros Capacidade de Aprendizagem
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Vocabulário - Influências

Oportunidades Culturais;
Curiosidade Intelectual;
Capacidade de Leitura;
Riqueza do ambiente prévio;
Aprendizagem escolar
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Vocabulário – Habilidades Únicas

Desenvolvimento da Linguagem;
Conhecimento do Nível da Palavra
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Vocabulário – Análise Clínica

Boa estimativa de inteligência pré-mórbida;


Perseveração em padrões de introdução de respostas semelhantes;
Aumento de glicose ao redor do lobo temporal esquerdo e direito
(menos proeminente) durante o desempenho da tarefa;
Longa duração da tarefa pode por em análise a relação custo/benefício
do seu uso para pacientes com alta fatigabilidade;
Bom parâmetro de diferenciação diagnóstica entre danos cerebrais e
transtornos do pensamento
2) O que os subtestes mensuram?
Dissecando os Subtestes Novamente – Semelhanças
Modelos de Análise Habilidade
WAIS-III Compreensão Verbal
Bannatyne Conceitualização Verbal

Horn Inteligência Cristalizada/Fluida


CHC Camada Ampla: Inteligência Cristalizada
Camada Restrita: Desenvolvimento
Linguístico/Conhecimento Lexical
Baltes Pragmática
Osgood Canal Auditivo-Verbal/Nível
Representacional/Associação Auditiva
Rapaport Formação Conceitual
Guilford Cognição Semântica (relações e transformações)
Outros Capacidade de Aprendizagem/Distinção de Detalhes
Essenciais dos Não Essenciais/Raciocínio Verbal
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Semelhanças - Influências

Flexibilidade Cognitiva;
Intereses;
Negativismos;
Pensamentos Concretos;
Hábitos de Leitura
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Semelhanças – Habilidades Únicas

Pensamento Lógico Abstrato (Categórico)


2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Semelhanças – Análise Clínica

 Semelhanças é subteste verbal menos afetado por aprendizagem prévia e


educação formal;
 Desempenhos contínuos de 1 ponto: pensamento mais concreto –
desempenhos de 2 oscilando para 0 podem ter melhor grau de abstração;
 Desempenho bastante vulnerável a psicopatologia de base;
 Escores muito sensíveis às lesões de hemisfério esquerdo em lobo
frontotemporal;
 Pacientes com lesões adquiridas tendem a fracassar em produzir respostas de
2 pontos
2) O que os subtestes mensuram?
Dissecando os Subtestes Novamente – Aritmética
Modelos de Análise Habilidade
WAIS-III Memória Operacional
Bannatyne Habilidades Sequenciais/Conhecimento Adquirido

Horn Inteligência Fluida/Memória de Curto Prazo


CHC Camada Ampla: Inteligência Fluida
Camada Restrita: Conhecimento Quantitativo

Baltes Pragmática
Osgood Canal Auditivo-Verbal/Nível Representacional

Rapaport Concentração
Guilford Memória de Símbolos/Cognição Semântica
Outros Sequenciamento Auditivo/Codificação de Informação/Memória
de Longo Prazo/Raciocínio Numérico
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Aritmética - Influências

Atenção;
Ansiedade;
Dificuldades de Aprendizagem;
Aprendizagem Escolar;
Trabalho sob Pressão
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Aritmética – Habilidades Únicas

Habilidade Computacional;
Conhecimento Quantitativo
Subteste com maior correlação: VOCABULÁRIO e
INFORMAÇÃO
Menor Correlação: ARMAR OBJETOS
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Aritmética – Análise Clínica

Para pacientes com comprometimento adaptativo, o subteste mede


habilidades semelhantes às competências sociais porque os itens iniciais
envolvem noções monetárias;
Para pacientes com lesões do hemisfério direito, pode ser útil
considerar a aplicação dos itens 1 a 3 (uso de cubos);
Formato oral do teste mascara possível alexia numeral;
Desempenho ruim pode estar relacionado a danos em lobo temporal e
parietal esquerdos.
2) O que os subtestes mensuram?
Dissecando os Subtestes Novamente – Dígitos

Modelos de Análise Habilidade


WAIS-III Memória Operacional
Bannatyne Habilidades Sequenciais

Horn Memória de Curto Prazo


CHC Camada Ampla: Memória de Curto Prazo

Baltes Mecânica
Osgood Canal Auditivo-Verbal/Nível Automático/Nível Representacional
(OI)
Rapaport Atenção
Guilford Memória de Símbolos
Outros Sequenciamento Auditivo/Codificação de Informação/Memória
de Longo Prazo/Alerta Mental
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Dígitos - Influências

Capacidade passiva de estimulação;


Amplitude atencional;
Ansiedade;
Distração;
Negativismo
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Dígitos – Habilidades Únicas

Recuperação Imediata Mnemônica;


Alcance de Memória;
Reversibilidade;
Subteste com maior correlação: SNL
Subteste com menor correlação: ARMAR OBJETOS
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Dígitos – Análise Clínica

Subteste bastante sensível a estados transitórios (condições de


testagem);
Dígitos OD é menos sensível a processos demenciais e de toxicidade do
que o desempenho em Dígitos OI;
Largas diferenças (acima de 5) entre o span OD e OI são incomuns em
pessoas saudáveis, mas bastante característicos em pacientes com
lesões adquiridas
2) O que os subtestes mensuram?
Dissecando os Subtestes Novamente – Informação

Modelos de Análise Habilidade


WAIS-III Compreensão Verbal
Bannatyne Conhecimento Adquirido

Horn Inteligência Cristalizada


CHC Camada Ampla: Inteligência Cristalizada
Camada Restrita: Informações Gerais
Baltes Pragmática
Osgood Canal Auditivo-Verbal/Nível Representacional/Recepção
Auditiva
Rapaport Memória
Guilford Memória de Conteúdo Semântico
Outros Memória de Longo Prazo
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Informação - Influências

Prontidão para a influência ambiental;


Oportunidades culturais;
Curiosidade e esforço intelectual;
Hábitos de leitura;
Riqueza do ambiente precoce
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Informação – Habilidades Únicas

Gama de conhecimentos factuais


Subteste com maior correlação: VOCABULÁRIO
Subteste com menor correlação: CÓDIGOS
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Informação – Análise Clínica

Boa estimativa de funcionamento pré-mórbido;


Pontuações baixas podem sinalizar tendência a desistir facilmente ou
hostilidade a uma tarefa “escolarizada”;
Quadros epilépticos do lobo temporal podem comprometer o resultado
2) O que os subtestes mensuram?
Dissecando os Subtestes Novamente – Compreensão

Modelos de Análise Habilidade


WAIS-III Compreensão Verbal
Bannatyne Conceitualização Verbal

Horn Inteligência Cristalizada


CHC Camada Ampla: Inteligência Cristalizada
Camada Restrita: Desenvolvimento Linguístico/Informações
Gerais
Baltes Pragmática
Osgood Canal Auditivo-Verbal/Nível Representacional

Rapaport Julgamento
Guilford Avaliação de Implicações Semânticas
Outros Relações de Causa e Efeito/Expressão Verbal
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Compreensão - Influências

Desenvolvimento de Senso Moral


Oportunidades culturais;
Pensamento Concreto
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Compreensão – Habilidades Únicas

Demonstração de informações práticas;


Avaliação e uso de experiências passadas;
Generalização (Provérbios);
Conhecimento de Padrões Comportamentais;
Subteste com maior correlação: VOCABULÁRIO
Subteste com menor correlação: CÓDIGOS
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Compreensão – Análise Clínica

Subteste com maiores correlações entre a esfera emocional e


intelectual;
Abordagens mais convencionais são melhores pontuadas do que
respostas criativas;
Conteúdo de respostas pode sinalizar áreas de conflito emocional, tais
como:
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Compreensão – Análise Clínica

Passivo-dependente: “Espero até ser encontrado” se estiver perdido na


floresta;
Fóbica: “Lave as roupas porque os germes matam”;
Inadimplente: “Abra e pegue o dinheiro”;
Ingênuo: “Terra do campo é melhor, mais bonita”;
Em geral, padrões ativos de comportamento se contrapõem a
dependência passiva nesse subteste
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Compreensão – Análise Clínica

Mais sensível subteste a lesões do hemisfério esquerdo;


Boa medida de inteligência pré-mórbida a pacientes com lesões de
hemisfério direito ou difusas
2) O que os subtestes mensuram?
Dissecando os Subtestes Novamente – SNL

Modelos de Análise Habilidade


WAIS-III Memória Operacional
Bannatyne Habilidades Sequenciais

Horn Memória de Curto Prazo


CHC Camada Ampla: Memória de Curto Prazo

Baltes Mecânica
Osgood Canal Auditivo-Verbal/Nível Representacional/Associação
Auditiva
Rapaport Respostas Orientadoras
Guilford Memória Simbólica
Outros Codificação de Informação/Habilidade de Planejamento
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – SNL - Influências

Capacidade de estimulação passiva;


Atenção;
Ansiedade;
Concentração;
Flexibilidade;
Analfabetismo/Dislexia;
Dificuldades de Aprendizagem
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – SNL – Habilidades Únicas

Facilidades com sequências super aprendidas;


Memória Operacional (representante da teoria CHC)
Subteste com maior correlação: ARITMÉTICA
Subteste com menor correlação: ARMAR OBJETOS
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – SNL – Análise Clínica

 Problemas de sequenciamento podem ser mais proeminentes do que de


memória de curto prazo;
 Uso de estratégias de visualização mental em Dígitos OI podem ser recrutadas
em SNL;
 Três ensaios para cada item oferecem a oportunidade de treino de
estratégias;
 Erros em sequência de letras, maiores do que em números, sugerem padrões
disfuncionais de conversão grafema-fonema/consciência fonológica;
 SNL não encontra respaldo no mundo real: boa medida de raciocínio fluido
2) O que os subtestes mensuram?
Dissecando os Subtestes Novamente – Completar Figuras

Modelos de Análise Habilidade


WAIS-III Organização Perceptual
Bannatyne Habilidades Visuoespaciais

Horn Visualização Ampla


CHC Camada Ampla: Processamento Visual/Inteligência Cristalizada
Camada Restrita: Informações Gerais
Baltes Mecânica
Osgood Canal Visual-Motor/Nível Representacional e
Automático/Recepção Visual
Rapaport Organização Visual/Concentração
Guilford Cognição e Avaliação de Figuras
Outros Processamento Holístico/Distinção de Detalhes Essenciais de
Não Essenciais/Encerramento Visual
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Completar Figuras -
Influências

Capacidade de Tomada de Decisão Incerta;


Prontidão Ambiental;
Negativismo (“Nada está faltando”);
Flexibilidade de Fechamento;
Reconhecimento Visual
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Completar Figuras – Habilidades
Únicas

Flexibilidade de Fechamento;
Reconhecimento Visual
Subteste com maior correlação: ARMAR OBJETOS
Subteste com menor correlação: DÍGITOS
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Completar Figuras – Análise Clínica

Incapacidade de reconhecer o fechamento de objetos ou


reconhecimentos bizarros podem sugerir distorção da realidade ou
psicopatologias;
Funções resilientes à danos cerebrais adquiridos, em especial no
hemisfério esquerdo (respostas por apontamento)
2) O que os subtestes mensuram?
Dissecando os Subtestes Novamente – Código

Modelos de Análise Habilidade


WAIS-III Velocidade de Processamento
Bannatyne Habilidades Sequenciais

Horn Velocidade Decisória


CHC Camada Ampla: Velocidade de Processamento
Camada Restrita: Sustentação do Desempenho
Baltes Mecânica
Osgood Canal Visual-Motor/Nível Representacional e
Automático/Expressão Manual
Rapaport Coordenação Visomotora/Concetração
Guilford Produção Convergente e Avaliação de Símbolos
Outros Codificação de Informação/Capacidade de
Aprendizagem/Percepção Visual de Estímulos Abstratos
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Código - Influências

Ansiedade;
Perfeccionismo com Detalhes;
Distratibilidade;
Dificuldade de Aprendizagem;
Trabalho sob pressão de tempo
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Código – Habilidades Únicas

Capacidade de seguir instruções;


Habilidades com papel e lápis;
Velocidade Psicomotora;
Trabalho seriado “clerical work”
Subteste com maior correlação: PROCURAR SÍMBOLOS
Subteste com menor correlação: ARMAR OBJETOS
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Código – Análise Clínica

Pares de símbolos memorizados: capacidade de aprendizagem


incidental e estratégias eficientes;
Erros mais comuns acontecem na primeira linha;
Mudanças nas taxas de respostas a cada 30s podem sugerir fadiga ou
desmotivação;
Muitas pessoas utilizam-se de codificação verbal como estratégia
associativa;
Subteste sensível a dano cerebral, mas não a sua lateralização;
2) O que os subtestes mensuram?
Dissecando os Subtestes Novamente – Cubos

Modelos de Análise Habilidade


WAIS-III Organização Perceptual
Bannatyne Habilidades Visuoespaciais

Horn Inteligência Fluida


CHC Camada Ampla: Processamento Visual
Camada Restrita: Relações Espaciais
Baltes Mecânica
Osgood Canal Visual-Motor/Nível Representacional/Expressão Manual

Rapaport Coordenação Visomotora/Formação de Conceitos (Síntese)


Guilford Cognição e Avaliação de Relações Figurais
Outros Reprodução de Modelos/Processamento Holístico/Síntese
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Cubos - Influências

Estilo cognitivo (dependência de modelo);


Percepção Visual;
Trabalho sob pressão de tempo
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Cubos – Habilidades Únicas

Análise do todo em componentes;


Formação de conceitos visuais;
Visualização Espacial
Subteste com maior correlação: ARMAR OBJETOS
Subteste com menor correlação: DÍGITOS
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Cubos – Análise Clínica

 Abordagem de resolução de problemas: tentativa e erro x processamento


holístico;
 Soluções bizarras (construção em cima do estímulo ou verticalmente)
sugerem distorções de realidade;
 Pacientes com lesão cerebral direita podem ter dificuldades em linhas
diagonais extensas;
 Menos vulnerável a lesão esquerda (exceto com o lobo parietal envolvido) –
estes podem cometer erros em pequenos detalhes;
 Natureza analítica e sintética exigem participação de ambos os hemisférios;
 Erros localizados contralateralmente à lesão hemisférica
2) O que os subtestes mensuram?
Dissecando os Subtestes Novamente – Raciocínio Matricial

Modelos de Análise Habilidade


WAIS-III Organização Perceptual
Bannatyne Habilidades Visuoespaciais

Horn Inteligência Fluida/Visualização Ampla


CHC Camada Ampla: Processamento Visual

Baltes Mecânica
Osgood Canal Visual-Motor/Nível Representacional/Associação Visual

Rapaport Organização Visual


Guilford Produção Convergente, Avaliação e Cognição Figural
Outros Raciocínio Não Verbal/Processamento Holístico/Síntese
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Raciocínio Matricial -
Influências

Capacidade de tomada de decisões incertas;


Estilo cognitivo (dependência de modelo);
Efeito “Color Blindness”;
Flexibilidade;
Concretude;
Percepção Visual
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Raciocínio Matricial – Habilidades
Únicas

Raciocínio Analógico;
Indução de regras;
Resolução de problemas sem limite de tempo
Subteste com maior correlação: CUBOS
Subteste com menor correlação: CÓDIGO
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Raciocínio Matricial – Análise
Clínica

Respostas acima de 45s podem indicar reflexividade, obsessividade ou


confusão;
Pacientes com percepção visual comprometida tendem a se sentirem
sobrecarregados com pranchas multicoloridas;
Itens que dependem da forma: 17, 19, 20 e 21 x Itens que dependem da
cor: 15, 16, 18, 22;
Negligência visual se os erros se localizam especificamente em um
quadrante;
Sistema noradrenérgico hiperativado nessa tarefa
2) O que os subtestes mensuram?
Dissecando os Subtestes Novamente – Arranjo de Figuras

Modelos de Análise Habilidade


WAIS-III Organização Perceptual
Bannatyne Habilidades Sequenciais

Horn Inteligência Fluida/Cristalizada


CHC Camada Ampla: Processamento Visual/Inteligência Cristalizada
Camada Restrita: Visualização/Informações Gerais
Baltes Mecânica
Osgood Canal Visual-Motor/Nível Representacional/Associação Visual

Rapaport Organização Visual/Antecipação


Guilford Produção Convergente de Conteúdo Semântico
Outros Relações de Causa e Efeito/Síntese/Sequenciamento Visual
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Arranjo de Figuras -
Influências

Criatividade
Oportunidade culturais;
Exposição a histórias em quadrinhos;
Trabalho sob pressão de tempo
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Arranjo de Figuras – Habilidades
Únicas

Antecipação de Consequências;
Compreensão e dimensionamento de uma situação total;
Sequenciamento temporal
Subteste com maior correlação: INFORMAÇÃO
Subteste com menor correlação: CÓDIGO
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Arranjo de Figuras – Análise Clínica

 Verbalização da história montada permite melhor avaliação da compreensão das


respostas;
 Respostas bizarras podem sugerir alterações de pensamento:
_ SAMUEL: “Ele se transforma em uma mulher no táxi e fica quente e excitado”;
 Falha em percepção visual pode ser confrontada com o desempenho em
“Completar Figuras” ou “Procurar Símbolos”;
 Falha em itens ocasionais podem relacionar-se ao contexto cultural do paciente;
 Lesões no lobo temporal anterior direito podem influenciar o desempenho;
 Arranjo dos cartões pode-se dar em linha vertical em pacientes com negligência do
campo visual
2) O que os subtestes mensuram?
Dissecando os Subtestes Novamente – Procurar Símbolos

Modelos de Análise Habilidade


WAIS-III Velocidade de Processamento
Dean Velocidade Visomotora

Horn Velocidade de Análise


CHC Camada Ampla: Velocidade de Processamento
Camada Restrita: Sustentação do Desempenho
Baltes Mecânica
Osgood Canal Visual-Motor/Nível Automático/Recepção Visual

Rapaport Concentração
Guilford Produção Convergente e Avaliação Figural
Outros Acurácia/MCP/Coordenação Visomotora
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Procurar Símbolos -
Influências

Ansiedade;
Distratibilidade;
Dificuldades de aprendizagem;
Motivação;
Obsessividade;
Percepção Visual
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Procurar Símbolos – Habilidades
Únicas

Velocidade de pesquisa visual;


Velocidade perceptual
Subteste com maior correlação: CÓDIGO
Subteste com menor correlação: DÍGITOS
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Procurar Símbolos – Análise Clínica

Fadiga e tédio podem se apresentar mais realçadamente por ser um dos


últimos subtestes aplicados;
Possibilidade de curva de aprendizagem/rendimento em blocos de 30s;
Memória de Curto Prazo Visual bastante recrutada no uso de estratégias
mais eficazes
2) O que os subtestes mensuram?
Dissecando os Subtestes Novamente – Armar Objetos

Modelos de Análise Habilidade


WAIS-III Não compõe índices (Organização Perceptual)
Bannatyne Habilidades Visuoespaciais

Horn Inteligência Fluida/Visualização Ampla


CHC Camada Ampla: Processamento Visual
Camada Restrita: Relações Espaciais
Baltes Mecânica
Osgood Canal Visual-Motor/Nível Representacional

Rapaport Coordenação visomotora/Antecipação


Guilford Cognição e Avaliação de Figura
Outros Síntese/Processamento Holístico/Fechamento Visual
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Armar Objetos -
Influências

Capacidade de tomada de decisão incerta;


Estilo cognitivo (dependência de modelo);
Experiência com quebra-cabeças;
Flexibilidade;
Trabalho sob pressão de tempo
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Armar Objetos – Habilidades
Únicas

Antecipação de relação entre as partes;


Velocidade de fechamento visual
Subteste com maior correlação: CUBOS
Subteste com menor correlação: DÍGITOS e SNL
2) O que os subtestes mensuram?
Voltando a Dissecar os Subtestes – Armar Objetos – Análise Clínica

Dificuldade aumentada nos objetos do “elefante” e “borboleta” pela


eliminação de pistas desenhadas em algumas peças;
Respostas por empilhamento de peças podem sugerir distorções da
realidade;
Pacientes com lesões no hemisfério esquerdo cometem erros em
detalhes, mas mantêm a gestalt da figura
2) O que os subtestes mensuram?
Worksheets by Subtest – Habilidades Compartilhadas

A seguir, são apresentadas planilhas de verificação de desempenho do


paciente em cada subteste da WAIS-III, no que diz respeito a:
_ Que tipo de estímulo o paciente tem para responder?
_ Como as informações são processadas?
_ Quão é bem lembrada a resposta?
_ De que forma a resposta é dada?
Antes, vamos nos atentar ao rol das habilidades compartilhadas em
todos os subtestes
Habilidades de Input WAIS-III

Subtestes Verbais Subtestes de Execução


Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM

Atenção

Canal Auditivo

Direções Verbais
Complexas
Distinção de
Detalhes Essenciais
Codificação

Direções Verbais
Simples
Compreensão de
Instruções Longas
Compreensão de
Palavras
Canal Visual

Percepção Visual
Abstrata
Percepção Visual de
Estímulos
Significativos
Habilidades de Integração e Armazenamento WAIS-III

Subtestes Verbais Subtestes de Execução


Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM

Realização

Conhecimento
Adquirido
Cognição

Senso Comum

Formação de
Conceitos
Produção
Convergente
Habilidades
Cristalizadas
Conhecimento
Cultural
Avaliação

Facilidade com
Números
Cognição Figural
Habilidades de Integração e Armazenamento WAIS-III

Subtestes Verbais Subtestes de Execução


Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM

Avaliação Figural

Raciocínio Fluido

Bagagem de
Informação
Habilidades Gerais

Manipulação Verbal
Abstrata
Processamento
Holístico
Funções Cerebrais
Integradas
Desenvolvimento
da Linguagem
Capacidade de
Aprendizagem
Conhecimento
Lexical
Memória de Longo
Prazo
Habilidades de Integração e Armazenamento WAIS-III

Subtestes Verbais Subtestes de Execução


Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM

Memória

Raciocínio Não
Verbal
Planejamento

Raciocínio Geral

Reprodução de
Modelos
Cognição Semântica

Conteúdo
Semântico
Processamento
Sequencial
Memória de Curto
Prazo
Processamento
Simultâneo
Compreensão Social
Habilidades de Integração e Armazenamento WAIS-III

Subtestes Verbais Subtestes de Execução


Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM

Habilidades
Visuoespaciais
Relações Espaciais

Visualização
Espacial
Conteúdo Simbólico

Síntese

Aprendizagem por
Tentativa e Erro
Formação de
Conceitos Verbais
Raciocínio Verbal

Processamento
Visual
Sequenciamento
Visual
Habilidades de Output WAIS-III

Subtestes Verbais Subtestes de Execução


Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM

Expressão Verbal
Complexa
Expressão Verbal
Simples
Organização Visual

Coordenção
Visuomotora
Influências que Afetam a Resposta WAIS-III

Subtestes Verbais Subtestes de Execução


Influências
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM

Resposta na
Incerteza
Alerta ao Meio

Ansiedade

Amplitude
Atencional
Dependência de
Modelo
Concentração

Oportunidades
Culturais
Distratibilidade

Flexibilidade

Curiosidade
Intelectual
Dificuldades de
Aprendizagem
Influências que Afetam a Resposta WAIS-III

Subtestes Verbais Subtestes de Execução


Influências
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM

Motivação

Negativismo

Obsessividade

Variabilidade de
Fontes de Leitura
Pensamento
Concreto
Persistência

Sustentação de
Desempenho
Riqueza de
Ambiente Pregresso
Aprendizagem
Escolar
Percepção Visual

Trabalho sob
Pressão de Tempo
2) O que os subtestes mensuram?
Worksheets by Subtest – Habilidades Compartilhadas

A seguir, as planilhas a serem preenchidas de cada subteste


Habilidades Compartilhadas - VOCABULÁRIO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo
Compreensão de Palavras
Realização
Cognição
Conhecimento Adquirido
Habilidades Cristalizadas
Formação de Conceitos
Manipulação de Conceitos Verbais
Desenvolvimento da Linguagem
Capacidade de Aprendizagem
Bagagem de Informação
Habilidades Gerais
Conhecimento Lexical
Memória de Longo Prazo
Cognição Semântica
Conteúdo Semântico
Conceitualização Verbal
Expressão Verbal Extensa
Oportunidades Culturais
Curiosidade Intelectual
Dificuldades de Aprendizagem
Aprendizagem Escolar
Variabilidade de Leitura
Riqueza do Ambiente Inicial
Habilidades Compartilhadas - COMPLETAR FIGURAS - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Atenção
Distinção de Detalhes Essenciais
Direção Verbal Simples
Canal Visual
Percepção Visual com Significado
Cognição
Avaliação
Raciocínio Fluido
Cognição Figural
Avaliação Figural
Processamento Holístico
Processamento Simultâneo
Habilidades Visuoespaciais
Memória Visual
Processamento Visual
Organização Visual
Trabalho sob Pressão de Tempo
Tomada de Decisão Incerta
Alerta ao Meio
Estilo Cognitivo Dependente
Concentração
Negativismo
Habilidades Compartilhadas - RACIOCÍNIO MATRICIAL - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Direção Verbal Complexa
Distinção de Detalhes Essenciais
Canal Visual
Percepção Visual Abstrata
Cognição
Produção Convergente
Avaliação
Raciocínio Fluido
Habilidades Gerais
Cognição Figural
Avaliação Figural
Raciocínio Geral
Processamento Holístico
Capacidade de Aprendizagem
Raciocínio Não Verbal
Processamento Simultâneo
Visualização Espacial
Síntese
Processamento Visual
Organização Visual
Tomada de Decisão Incerta
Estilo Cognitivo Dependente
Flexibilidade
Pensamento Concreto
Percepção Visual Alterada
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo
Compreensão de Instruções Longas
Realização
Conhecimento Adquirido
Habilidades Cristalizadas
Conhecimento Cultural
Bagagem de Informação
Habilidades Gerais
Memória de Longo Prazo
Memória
Conteúdo Semântico
Expresão Vocal Simples
Alerta ao Meio
Oportunidades Culturais
Curiosidade Intelectual
Dificuldades de Aprendizagem
Aprendizagem Escolar
Variabilidade de Leitura
Riqueza do Ambiente Inicial
Habilidades Compartilhadas - DÍGITOS - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Atenção
Canal Auditivo
Codificação
Compreensão de Palavras
Facilidade com Números
Raciocínio Fluido
Memória
Habilidades Sequenciais
Memória de Curto Prazo
Conteúdo Simbólico
Expresão Vocal Simples
Ansiedade
Amplitude Atencional
Distratibilidade
Dificuldades de Aprendizagem
Flexibilidade
Negativismo
Habilidades Compartilhadas - COMPREENSÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo
Compreensão de Instruções Longas
Realização
Senso Comum
Habilidades Cristalizadas
Conhecimento Cultural
Avaliação
Habilidades Gerais
Desenvolvimento Linguístico
Raciocínio Geral
Conteúdo Semântico
Compreensão Social
Conceitualização Verbal
Raciocínio Verbal
Expressão Verbal Extensa
Oportunidade Cultural
Negativismo
Pensamento Concreto
Habilidades Compartilhadas - ARITMÉTICA - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Atenção
Canal Auditivo
Codificação
Compreensão de Instruções Longas
Realização
Conhecimento Adquirido
Cognição
Facilidade com Números
Raciocínio Fluido
Habilidades Gerais
Memória de Longo Prazo
Memória
Raciocínio Geral
Cognição Semântica
Conteúdo Semântico
Habilidades Sequenciais
Conteúdo Simbólico
Expresão Vocal Simples
Ansiedade
Amplitude Atencional
Concentração
Distratibilidade
Dificuldades de Aprendizagem
Aprendizagem Escolar
Trabalho sob Pressão de Tempo
2) O que os subtestes mensuram?
Worksheets by Subtest – Habilidades Compartilhadas - Instruções
2) O que os subtestes mensuram?
Worksheets by Subtest – Habilidades Compartilhadas - Instruções
2) O que os subtestes mensuram?
Worksheets by Subtest – Habilidades Compartilhadas - Instruções

Preenche-se P (POSITIVO) a cada subteste em que o sujeito atingiu pelo


menos 1 ponto acima da média dos subtestes em questão (média dos
verbais ou médias dos de execução);
Preenche-se N (NEGATIVO) a cada subteste em que o sujeito atingiu
pelo menos 1 ponto abaixo da média dos subtestes em questão (média
dos verbais ou média dos de execução);
Preenche-se 0 (NEUTRO) a cada subteste em que a pontuação variou
menos do que 1 ponto em relação à média dos subtestes em questão
Habilidades Compartilhadas - VOCABULÁRIO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P
Compreensão de Palavras P
Realização P
Cognição P
Conhecimento Adquirido P
Habilidades Cristalizadas P
Formação de Conceitos P
Manipulação de Conceitos Verbais P
Desenvolvimento da Linguagem P
Capacidade de Aprendizagem P
Bagagem de Informação P
Habilidades Gerais P
Conhecimento Lexical P
Memória de Longo Prazo P
Cognição Semântica P
Conteúdo Semântico P
Conceitualização Verbal P
Expressão Verbal Extensa P
Oportunidades Culturais P
Curiosidade Intelectual P
Dificuldades de Aprendizagem P
Aprendizagem Escolar P
Variabilidade de Leitura P
Riqueza do Ambiente Inicial P
Habilidades Compartilhadas - VOCABULÁRIO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Palavras 0 P N N
Realização P 0N P P
Cognição 0N P P N N P
Conhecimento Adquirido P N P
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0
Formação de Conceitos 0 P N
Manipulação de Conceitos Verbais 0 P
Desenvolvimento da Linguagem 0 P P
Capacidade de Aprendizagem P N N P
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Conhecimento Lexical 0 P
Memória de Longo Prazo P N P
Cognição Semântica 0N P
Conteúdo Semântico P 0N P P 0
Conceitualização Verbal 0 P P
Expressão Verbal Extensa 0 P P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P P P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
2) O que os subtestes mensuram?
Worksheets by Subtest – Habilidades Compartilhadas - Instruções
Habilidades Compartilhadas - VOCABULÁRIO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Palavras 0 P N N
Realização P 0N P P
Cognição 0N P P N N P
Conhecimento Adquirido P N P
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0
Formação de Conceitos 0 P N
Manipulação de Conceitos Verbais 0 P
Desenvolvimento da Linguagem 0 P P
Capacidade de Aprendizagem P N N P
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Conhecimento Lexical 0 P
Memória de Longo Prazo P N P
Cognição Semântica 0N P
Conteúdo Semântico P 0N P P 0
Conceitualização Verbal 0 P P
Expressão Verbal Extensa 0 P P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P P P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
2) O que os subtestes mensuram?
Worksheets by Subtest – Habilidades Compartilhadas - Instruções
Habilidades Compartilhadas - VOCABULÁRIO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Palavras 0 P N N
Realização P 0N P P
Cognição 0N P P N N P
Conhecimento Adquirido P N P
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0
Formação de Conceitos 0 P N
Manipulação de Conceitos Verbais 0 P
Desenvolvimento da Linguagem 0 P P
Capacidade de Aprendizagem P N N P
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Conhecimento Lexical 0 P
Memória de Longo Prazo P N P
Cognição Semântica 0N P
Conteúdo Semântico P 0N P P 0
Conceitualização Verbal 0 P P
Expressão Verbal Extensa 0 P P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P P P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
2) O que os subtestes mensuram?
Worksheets by Subtest – Habilidades Compartilhadas - Instruções
2) O que os subtestes mensuram?
Worksheets by Subtest – Habilidades Compartilhadas - Instruções

Após preenchimento da planilha, determinar forças e fraquezas em


termos das habilidades verificadas
2) O que os subtestes mensuram?
Worksheets by Subtest – Habilidades Compartilhadas - Instruções

Nº Subtestes que Apontam Regra para Estabelecimento de Regra para Estabelecimento de


Habilidade Compartilhada Força Fraqueza
2 ou menos Todos os subtestes devem estar Todos os subtestes devem estar
acima da média abaixo da média
3 ou 4 Pelo menos 2 ou 3 subtestes Pelo menos 2 ou 3 subtestes
acima da média e um neutro abaixo da média e um neutro
5 ou mais Pelo menos 4 subtestes acima da Pelo menos 4 subtestes abaixo da
média e apenas um neutro ou média e apenas um neutro ou
abaixo da média acima da média
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P
Conhecimento Adquirido P N P
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0
Conhecimento Cultural P P
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P 0 P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P 7 subtestes
Conhecimento Adquirido P N P compartilham
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0 “Canal
Conhecimento Cultural P P Auditivo”
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P 0 P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P 3P
Conhecimento Adquirido P N P 3N
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0 1 Neutro
Conhecimento Cultural P P
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P 0 P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P Não é força ou
Conhecimento Adquirido P N P fraqueza
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0
Conhecimento Cultural P P
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P 0 P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P 3 subtestes
Conhecimento Adquirido P N P compartiham
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0 “Compreensão
Conhecimento Cultural P P de Instruções
Bagagem de Informação P P Longas”
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P 0 P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P 2P
Conhecimento Adquirido P N P 1N
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0 0 Neutro
Conhecimento Cultural P P
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P 0 P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P Não é força ou
Conhecimento Adquirido P N P fraqueza
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0
Conhecimento Cultural P P
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P 0 P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P 5 subtestes
Conhecimento Adquirido P N P compartilham
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0 “Realização”
Conhecimento Cultural P P
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P 0 P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P 3P
Conhecimento Adquirido P N P 1N
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0 1 Neutro
Conhecimento Cultural P P
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P 0 P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P Não é força ou
Conhecimento Adquirido P N P fraqueza
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0
Conhecimento Cultural P P
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P 0 P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P 3 subtestes
Conhecimento Adquirido P N P compartilham
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0 “Conhecimento
Conhecimento Cultural P P Adquirido”
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P 0 P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P 2P
Conhecimento Adquirido P N P 1N
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0 0 Neutro
Conhecimento Cultural P P
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P 0 P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P Não é força ou
Conhecimento Adquirido P N P fraqueza
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0
Conhecimento Cultural P P
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P 0 P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P 5 subtestes
Conhecimento Adquirido P N P compartilham
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0 “Habilidades
Conhecimento Cultural P P Cristalizadas”
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P 0 P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P 3P
Conhecimento Adquirido P N P 0N
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0 2 Neutros
Conhecimento Cultural P P
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P 0 P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P Não é força ou
Conhecimento Adquirido P N P fraqueza
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0
Conhecimento Cultural P P
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P 0 P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P 2 subtestes
Conhecimento Adquirido P N P compartilham
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0 “Conhecimento
Conhecimento Cultural P P Cultural”
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P 0 P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P 2P
Conhecimento Adquirido P N P 0N
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0 0 Neutro
Conhecimento Cultural P P
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P 0 P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P FORÇA
Conhecimento Adquirido P N P
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0
Conhecimento Cultural P P
Bagagem de Informação P P
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P
Oportunidades Culturais P P P 0
Curiosidade Intelectual P 0 P
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P
Riqueza do Ambiente Inicial P P
Habilidades Compartilhadas - INFORMAÇÃO - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Canal Auditivo P 0N P P N N
Compreensão de Instruções Longas P N P P
Realização P 0N P P
Conhecimento Adquirido P N P
Habilidades Cristalizadas P 0 P P 0
Conhecimento Cultural P P Sim
Bagagem de Informação P P Sim
Habilidades Gerais P 0N P P N P
Memória de Longo Prazo P N P P
Memória P N N N 0
Conteúdo Semântico P 0N P P N 0
Expresão Vocal Simples P N P P N N
Alerta ao Meio P N P Sim
Oportunidades Culturais P P P 0 Sim
Curiosidade Intelectual P 0 P Sim
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Aprendizagem Escolar P N P
Variabilidade de Leitura P 0 P Sim
Riqueza do Ambiente Inicial P P Sim
2) O que os subtestes mensuram?
Worksheets by Subtest – Habilidades Compartilhadas - Interpretação

O que tornou o desempenho da paciente tão eficaz em tarefa que


mensura a aquisição de informações culturais e escolares ao longo da
vida, foi a bagagem de conhecimento cultural e de assuntos gerais,
oriundo de uma possível curiosidade intelectual, oportunidades de
aprendizado e hábitos consolidados de leitura com conteúdo variável
Habilidades Compartilhadas - DÍGITOS - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Atenção N N N P N N
Canal Auditivo P 0N P P N N N
Codificação N N N N N
Compreensão de Palavras 0N P N N
Facilidade com Números N N N N
Raciocínio Fluido 0N N N N 0N P
Memória P N N N N
Habilidades Sequenciais N N N N
Memória de Curto Prazo N N N N
Conteúdo Simbólico N N N N
Expresão Vocal Simples P N N N
Ansiedade N N N N N
Amplitude Atencional N N N N
Distratibilidade N N N N N
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Flexibilidade 0 N N N P
Negativismo 0 P N N P
Habilidades Compartilhadas - DÍGITOS - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação 6 subtestes
Habilidades compartilham
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Atenção N N N P N N “Atenção”
Canal Auditivo P 0N P P N N N
Codificação N N N N N
Compreensão de Palavras 0N P N N
Facilidade com Números N N N N
Raciocínio Fluido 0N N N N 0N P
Memória P N N N N
Habilidades Sequenciais N N N N
Memória de Curto Prazo N N N N
Conteúdo Simbólico N N N N
Expresão Vocal Simples P N N N
Ansiedade N N N N N
Amplitude Atencional N N N N
Distratibilidade N N N N N
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Flexibilidade 0 N N N P
Negativismo 0 P N N P
Habilidades Compartilhadas - DÍGITOS - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação 1P
Habilidades 5N
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Atenção N N N P N N 0 Neutro
Canal Auditivo P 0N P P N N N
Codificação N N N N N
Compreensão de Palavras 0N P N N
Facilidade com Números N N N N
Raciocínio Fluido 0N N N N 0N P
Memória P N N N N
Habilidades Sequenciais N N N N
Memória de Curto Prazo N N N N
Conteúdo Simbólico N N N N
Expresão Vocal Simples P N N N
Ansiedade N N N N N
Amplitude Atencional N N N N
Distratibilidade N N N N N
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Flexibilidade 0 N N N P
Negativismo 0 P N N P
Habilidades Compartilhadas - DÍGITOS - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza É FRAQUEZA
Atenção N N N P N N
Canal Auditivo P 0N P P N N N
Codificação N N N N N
Compreensão de Palavras 0N P N N
Facilidade com Números N N N N
Raciocínio Fluido 0N N N N 0N P
Memória P N N N N
Habilidades Sequenciais N N N N
Memória de Curto Prazo N N N N
Conteúdo Simbólico N N N N
Expresão Vocal Simples P N N N
Ansiedade N N N N N
Amplitude Atencional N N N N
Distratibilidade N N N N N
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Flexibilidade 0 N N N P
Negativismo 0 P N N P
Habilidades Compartilhadas - DÍGITOS - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Atenção N N N P N N
5 subtestes
Canal Auditivo P 0N P P N N N
compartilham
Codificação N N N N N
Compreensão de Palavras 0N P N N
“Codificação”
Facilidade com Números N N N N
Raciocínio Fluido 0N N N N 0N P
Memória P N N N N
Habilidades Sequenciais N N N N
Memória de Curto Prazo N N N N
Conteúdo Simbólico N N N N
Expresão Vocal Simples P N N N
Ansiedade N N N N N
Amplitude Atencional N N N N
Distratibilidade N N N N N
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Flexibilidade 0 N N N P
Negativismo 0 P N N P
Habilidades Compartilhadas - DÍGITOS - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Atenção N N N P N N
0P
Canal Auditivo P 0N P P N N N
5N
Codificação N N N N N
Compreensão de Palavras 0N P N N
0 Neutro
Facilidade com Números N N N N
Raciocínio Fluido 0N N N N 0N P
Memória P N N N N
Habilidades Sequenciais N N N N
Memória de Curto Prazo N N N N
Conteúdo Simbólico N N N N
Expresão Vocal Simples P N N N
Ansiedade N N N N N
Amplitude Atencional N N N N
Distratibilidade N N N N N
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Flexibilidade 0 N N N P
Negativismo 0 P N N P
Habilidades Compartilhadas - DÍGITOS - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Atenção N N N P N N
É FRAQUEZA
Canal Auditivo P 0N P P N N N
Codificação N N N N N
Compreensão de Palavras 0N P N N
Facilidade com Números N N N N
Raciocínio Fluido 0N N N N 0N P
Memória P N N N N
Habilidades Sequenciais N N N N
Memória de Curto Prazo N N N N
Conteúdo Simbólico N N N N
Expresão Vocal Simples P N N N
Ansiedade N N N N N
Amplitude Atencional N N N N
Distratibilidade N N N N N
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Flexibilidade 0 N N N P
Negativismo 0 P N N P
Habilidades Compartilhadas - DÍGITOS - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Atenção N N N P N N
Canal Auditivo P 0N P P N N N
Codificação N N N N N
Compreensão de Palavras 0N P N N
Facilidade com Números N N N N 4 subtestes
Raciocínio Fluido 0N N N N 0N P compartilham
Memória P N N N N
“Habilidades
Habilidades Sequenciais N N N N
Sequenciais”
Memória de Curto Prazo N N N N
Conteúdo Simbólico N N N N
Expresão Vocal Simples P N N N
Ansiedade N N N N N
Amplitude Atencional N N N N
Distratibilidade N N N N N
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Flexibilidade 0 N N N P
Negativismo 0 P N N P
Habilidades Compartilhadas - DÍGITOS - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Atenção N N N P N N
Canal Auditivo P 0N P P N N N
Codificação N N N N N
Compreensão de Palavras 0N P N N
Facilidade com Números N N N N 0P
Raciocínio Fluido 0N N N N 0N P 4N
Memória P N N N N
0 Neutro
Habilidades Sequenciais N N N N
Memória de Curto Prazo N N N N
Conteúdo Simbólico N N N N
Expresão Vocal Simples P N N N
Ansiedade N N N N N
Amplitude Atencional N N N N
Distratibilidade N N N N N
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Flexibilidade 0 N N N P
Negativismo 0 P N N P
Habilidades Compartilhadas - DÍGITOS - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Atenção N N N P N N
Canal Auditivo P 0N P P N N N
Codificação N N N N N
Compreensão de Palavras 0N P N N
Facilidade com Números N N N N É FRAQUEZA
Raciocínio Fluido 0N N N N 0N P
Memória P N N N N
Habilidades Sequenciais N N N N
Memória de Curto Prazo N N N N
Conteúdo Simbólico N N N N
Expresão Vocal Simples P N N N
Ansiedade N N N N N
Amplitude Atencional N N N N
Distratibilidade N N N N N
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Flexibilidade 0 N N N P
Negativismo 0 P N N P
Habilidades Compartilhadas - DÍGITOS - WAIS-III
Subtester Verbais Subtestes de Execução Intepretação
Habilidades
IN SM AR VC CO DG SNL CF CD AF CB AO PS RM Força Fraqueza
Atenção N N N P N N Sim
Canal Auditivo P 0N P P N N N
Codificação N N N N N Sim
Compreensão de Palavras 0N P N N
Facilidade com Números N N N N Sim
Raciocínio Fluido 0N N N N 0N P
Memória P N N N N Sim
Habilidades Sequenciais N N N N Sim
Memória de Curto Prazo N N N N Sim
Conteúdo Simbólico N N N N Sim
Expresão Vocal Simples P N N N
Ansiedade N N N N N Sim
Amplitude Atencional N N N N Sim
Distratibilidade N N N N N Sim
Dificuldades de Aprendizagem P N P N N N N
Flexibilidade 0 N N N P
Negativismo 0 P N N P
2) O que os subtestes mensuram?
Worksheets by Subtest – Habilidades Compartilhadas - Interpretação

O que tornou o desempenho do paciente tão comprometido em tarefa


que avalia memória imediata e controle mental de informações em
curto prazo, pode ser explicado por dificuldades atencionais, codificação
de dados simbólicos não contextualizados e postos em sequência.
Fenômenos tais como ansiedade e distratibilidade durante a tarefa
também podem ter comprometido seu resultado final.
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelos de Bannatyne e Horn

Os modelos interpretativos de Bannatyne e Horn são sugestões de


análises diferenciadas dos resultados gerais da WAIS-III;
São sistemas suplementares de análise ao modelo oficial do
instrumento
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelos de Bannatyne e Horn - Relembrando

Modelo BANNATYNE de Reagrupamento de Testes WAIS-III


Conceitualização Habilidades Habilidades Conhecimento
Verbal Visuoespaciais Sequenciais Adquirido
Semelhanças Completar Aritmética Informação
Figuras
Vocabulário Cubos Dígitos Aritmética
Compreensão Armar Objetos Códigos Vocabulário
Raciocínio Procurar
Matricial Símbolos
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelos de Bannatyne e Horn - Relembrando

Modelo HORN de Reagrupamento de Testes WAIS-III


Inteligência Inteligência Fluida Visualização Memória de Curto Velocidade de
Cristalizada Ampla Prazo Processamento
Informação Raciocínio Completar Figuras Aritmética Códigos
Matricial
Vocabulário Cubos Cubos Dígitos Procurar Símbolos
Compreensão Armar Objetos Armar Objetos SNL Armar Objetos
Semelhanças Semelhanças Raciocínio
Matricial
Arranjo de Figuras Arranjo de Figuras
Aritmética
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne

Passo 1: Obtenha os pontos ponderados de cada subteste possível no


modelo proposto por Bannatyne
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne

Modelo BANNATYNE de Reagrupamento de Testes WAIS-III


Conceitualização Habilidades Habilidades Conhecimento
Verbal Visuoespaciais Sequenciais Adquirido
SM = 11 CF = 13 AR = 4 IN = 17
VC = 14 CB = 6 DG = 4 AR = 4
CO = 15 AO = 7 CD = 6 VC = 14
RM = 13 PS = 7
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne

Passo 2: Some os pontos ponderados referentes a cada categoria do


modelo de Bannatyne
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne

Modelo BANNATYNE de Reagrupamento de Testes WAIS-III


Conceitualização Habilidades Habilidades Conhecimento
Verbal Visuoespaciais Sequenciais Adquirido
SM = 11 CF = 13 AR = 4 IN = 17
VC = 14 CB = 6 DG = 4 AR = 4
CO = 15 AO = 7 CD = 6 VC = 14
RM = 13 PS = 7
= 40 = 39 = 21 = 35
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne

Passo 3: Multiplique cada soma pelo valor indicado para cada categoria
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne

Modelo BANNATYNE de Reagrupamento de Testes WAIS-III

Processo Conceitualização Habilidades Habilidades Conhecimento


Verbal Visuoespaciais Sequenciais Adquirido

Soma 40 39 21 35
Multiplique 1,8 1,5 1,6 1,9
por
Total 72 58,5 33,6 66,5
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne

Passo 4: Some ao resultado a constante indicada para cada categoria. Os


resultados são iguais aos pontos compostos do paciente (M=100;
DP=15)
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne

Modelo BANNATYNE de Reagrupamento de Testes WAIS-III

Processo Conceitualização Habilidades Habilidades Conhecimento


Verbal Visuoespaciais Sequenciais Adquirido

Produto 72 58,5 33,6 66,5


Some mais 46 40 36 43
Total 118 98,5 69,6 109,5
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne

Passo 5: Arrendonde os valores para o número inteiro mais próximo


3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne

Modelo BANNATYNE de Reagrupamento de Testes WAIS-III

Processo Conceitualização Habilidades Habilidades Conhecimento


Verbal Visuoespaciais Sequenciais Adquirido

Pontos 118 99 70 110


Compostos
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne – Pontos Fortes e Fracos

Passo 1: Insira a pontuação composta de cada uma das 4 categorias de


Bannatyne
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne – Pontos Fortes e Fracos

Modelo BANNATYNE de Reagrupamento de


Testes WAIS-III
Categoria Pontos
Compostos

Conceitualização Verbal 118


Habilidades Visuoespaciais 99
Habilidades Sequenciais 70
Conhecimento Adquirido 110
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne – Pontos Fortes e Fracos

Passo 2: Calcule a média das quatro pontuações compostas e arredonde


para o número inteiro mais próximo
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne – Pontos Fortes e Fracos
Modelo BANNATYNE de Reagrupamento de
Testes WAIS-III
Categoria Pontos
Compostos
Conceitualização Verbal 118
Habilidades Visuoespaciais 99
Habilidades Sequenciais 70
Conhecimento Adquirido 110
SOMA 397
MÉDIA 99,25
ARREDONDADO 99
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne – Pontos Fortes e Fracos

Passo 3: Subtraia a pontuação composta média do paciente de cada


uma das quatro pontuações compostas das categorias, reproduzindo o
resultado na coluna “Diferença”
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne – Pontos Fortes e Fracos

Modelo BANNATYNE de Reagrupamento de Testes WAIS-III

Categoria Pontos Média dos Diferença


(Pontos Compostos – Média dos
Compostos Compostos Compostos)

Conceitualização Verbal 118 99 19


Habilidades Visuoespaciais 99 99 0
Habilidades Sequenciais 70 99 -29
Conhecimento Adquirido 110 99 11
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne – Pontos Fortes e Fracos

Passo 4: Determine se a diferença é estatisticamente significativa nos


níveis 0,05 ou 0,01 baseado nas significâncias fornecidas para cada
categoria
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne – Pontos Fortes e Fracos

Modelo BANNATYNE de Reagrupamento de Testes WAIS-III

Categoria Pontos Média dos Diferença Significância A Diferença é


(Pontos Compostos –
Compostos Compostos Média dos Compostos)
Estatística Significativa?
(p<0,05) (despreze o sinal)

Conceitualização 118 99 19 7 Sim


Verbal
Habilidades 99 99 0 8 Não
Visuoespaciais
Habilidades 70 99 -29 8 Sim
Sequenciais
Conhecimento 110 99 11 7 Sim
Adquirido
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne – Pontos Fortes e Fracos

Passo 5: Determine as forças e fraquezas a partir das categorias que


obtiveram significância estatística; o sinal “+” refere-se a uma FORÇA; o
sinal “-” refere-se a uma FRAQUEZA
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne – Pontos Fortes e Fracos

Modelo BANNATYNE de Reagrupamento de Testes WAIS-III

Categoria Pontos Média dos Diferença Significância A Diferença é Forças Fraqueza


Compostos Compostos (Pontos Estatística Significativa?
Compostos –
Média dos (p<0,05) (despreze o sinal)
Compostos)

Conceitualização 118 99 19 7 Sim X


Verbal
Habilidades 99 99 0 8 Não
Visuoespaciais
Habilidades 70 99 -29 8 Sim X
Sequenciais
Conhecimento 110 99 11 7 Sim X
Adquirido
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Bannatyne – Possível Interpretação

O desempenho da paciente em demandas verbais com recrutamento de


capacidades de conceitualização, manipulação e julgamento, é
consideravelmente mais eficaz do que outros atributos cognitivos de
acordo com seu perfil. O mesmo se pode dizer dos atributos oriundos
da aquisição de conhecimento formal ao longo da sua vida. Entretanto,
em demandas que exigem processamento de informações
sequencialmente para se obter a resposta satisfatória, a paciente
apresenta importante dificuldade, sendo a mais contundente de acordo
com seu perfil cognitivo global.
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Horn

Passo 1: Obtenha os pontos ponderados de cada subteste possível no


modelo proposto por Horn
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Horn

Modelo HORN de Reagrupamento de Testes WAIS-III


Inteligência Inteligência Fluida Visualização Memória de Curto Velocidade de
Cristalizada Ampla Prazo Processamento
IN = 17 RM = 13 CF = 13 AR = 9 CD = 6
VC = 14 CB = 6 CB = 6 DG = 4 PS = 7
CO = 15 AO = 7 AO = 7 SNL = 9 AO = 7
SM = 11 SM = 11 RM = 13
AF = 9 AF = 9
AR = 4
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Horn

Passo 2: Some os pontos ponderados referentes a cada categoria do


modelo de Horn
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Horn

Modelo HORN de Reagrupamento de Testes WAIS-III


Inteligência Inteligência Fluida Visualização Memória de Curto Velocidade de
Cristalizada Ampla Prazo Processamento
IN = 17 RM = 13 CF = 13 AR = 9 CD = 6
VC = 14 CB = 6 CB = 6 DG = 4 PS = 7
CO = 15 AO = 7 AO = 7 SNL = 9 AO = 7
SM = 11 SM = 11 RM = 13
AF = 9 AF = 9
AR = 4
= 66 = 50 = 39 = 22 = 20
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Horn

Passo 3: Multiplique cada soma pelo valor indicado para cada categoria
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas -
Modelo de Horn

Modelo HORN de Reagrupamento de Testes WAIS-III

Processo Inteligência Inteligência Visualização Memória de Velocidade de


Cristalizada Fluida Ampla Curto Prazo Processamento

Soma 66 50 39 22 20
Multiplique 1,2 1,1 1,5 Nada 1,9
por
Total 79,2 55 58,5 22 38
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas -
Modelo de Horn

Passo 4: Some ao resultado a constante indicada para cada categoria. Os


resultados são iguais aos pontos compostos do paciente (M=100;
DP=15)
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Horn

Modelo HORN de Reagrupamento de Testes WAIS-III

Processo Inteligência Inteligência Visualização Memória de Velocidade de


Cristalizada Fluida Ampla Curto Prazo Processamento

Produto 79,2 55 58,5 22 38


Some mais 40 34 40 Nada 43
Total 119,2 88 98,5 22 71
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Horn

Passo 5: Arredonde os valores para o número inteiro mais próximo


3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Horn

Modelo HORN de Reagrupamento de Testes WAIS-III

Processo Inteligência Inteligência Visualização Memória de Velocidade de


Cristalizada Fluida Ampla Curto Prazo Processamento

Pontos Compostos 119 88 99 76 71


Reproduz-se
exatamente o
IMO (ponto
composto) do
paciente
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Horn – Pontos Fortes e Fracos

Passo 1: Insira a pontuação composta de cada uma das 5 categorias de


Horn
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Horn – Pontos Fortes e Fracos

Modelo HORN de Reagrupamento de Testes


WAIS-III
Categoria Pontos
Compostos

Inteligência Cristalizada 119


Inteligência Fluida 88
Visualização Ampla 99
Memória de Curto Prazo 76
Velocidade de Processamento 71
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Horn – Pontos Fortes e Fracos

Passo 2: Calcule a média das cinco pontuações compostas e arredonde


para o número inteiro mais próximo
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Horn – Pontos Fortes e Fracos
Modelo HORN de Reagrupamento de Testes WAIS-III

Categoria Pontos
Compostos
Inteligência Cristalizada 119
Inteligência Fluida 88
Visualização Ampla 99
Memória de Curto Prazo 76
Velocidade de Processamento 71
SOMA 453
MÉDIA 90,6
ARREDONDADO 91
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Horn – Pontos Fortes e Fracos

Passo 3: Subtraia a pontuação composta média do paciente de cada


uma das quatro pontuações compostas das categorias, reproduzindo o
resultado na coluna “Diferença”
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Horn – Pontos Fortes e Fracos

Modelo HORN de Reagrupamento de Testes WAIS-III

Categoria Pontos Média dos Diferença


(Pontos Compostos – Média dos
Compostos Compostos Compostos)

Inteligência Cristalizada 119 91 28


Inteligência Fluida 88 91 -3
Visualização Ampla 99 91 8
Memória de Curto Prazo 76 91 -15
Velocidade de Processamento 71 91 -20
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Horn – Pontos Fortes e Fracos

Passo 4: Determine se a diferença é estatisticamente significativa nos


níveis 0,05 ou 0,01 baseado nas significâncias fornecidas para cada
categoria
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Horn – Pontos Fortes e Fracos
Modelo HORN de Reagrupamento de Testes WAIS-III

Categoria Pontos Média dos Diferença Significância A Diferença é


(Pontos Compostos –
Compostos Compostos Média dos Compostos)
Estatística Significativa?
(p<0,05) (despreze o sinal)

Inteligência 119 91 28 7 Sim


Cristalizada
Inteligência Fluida 88 91 -3 8 Não

Visualização Ampla 99 91 8 9 Não

Memória de Curto 76 91 -15 8 Sim


Prazo
Velocidade de 71 91 -20 11 Sim
Processamento
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Horn – Pontos Fortes e Fracos

Passo 5: Determine as forças e fraquezas a partir das categorias que


obtiveram significância estatística; o sinal “+” refere-se a uma FORÇA; o
sinal “-” refere-se a uma FRAQUEZA
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Horn – Pontos Fortes e Fracos

Modelo HORN de Reagrupamento de Testes WAIS-III

Categoria Pontos Média dos Diferença Significância A Diferença é Forças Fraqueza


Compostos Compostos (Pontos Estatística Significativa?
Compostos –
Média dos (p<0,05) (despreze o sinal)
Compostos)

Inteligência 119 91 28 7 Sim X


Cristalizada
Inteligência Fluida 88 91 -3 8 Não

Visualização Ampla 99 91 8 9 Não

Memória de Curto 76 91 -15 8 Sim X


Prazo
Velocidade de 71 91 -20 11 Sim X
Processamento
3) Interpretações Nomotéticas e Idiográficas
Modelo de Horn – Possível Interpretação

O desempenho da paciente no que diz respeito a habilidades mais


cristalizadas da inteligência, oriundas da aquisição de cultura, linguagem
e informações ao longo da vida, é consideravelmente eficaz quando se
compara estas com seu perfil global de funcionamento cognitivo. Por
outro lado, demandas envolvendo proficiência da cognição, onde se
alocam recursos de controle mental e velocidade de processamento de
informações, estão fundamentalmente aquém deste perfil global
cognitivo, possibilitando aventar em fraquezas idiográficas.
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Alan Kaufman e Dawn Flanagan (psicólogos americanos) propuseram


em 2004, uma abordagem diferenciada de análise ipsiativa de
resultados da WISC-IV;
Abordagem fortemente amparada na teoria CHC de inteligência;
O modelo se ampara também na interpretação clínica de agrupamento
de subtestes a partir de suas funções principais/acessórias e no
significado clínico da variabilidade da pontuação
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Ilustraremos com o exemplo de pontuações


da paciente do encontro anterior:
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Passo 1: DETERMINAR A MELHOR FORMA DE SUMARIZAR O


FUNCIONAMENTO INTELECTUAL GLOBAL DA PACIENTE
1A – Para isso, vamos determinar se o QI total é interpretável,
subtraindo o Índice Fatorial (ICV, IOP, IMO ou IVP) de menor pontuação
composta do Índice Fatorial de maior pontuação composta.
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

IMO = Menor
pontuação

ICV = Maior
pontuação
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Índice ICV IMO Diferença


Ponto Composto 122 76 46
Maior Índice Menor Índice
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III
Índice ICV IMO Diferença
Ponto Composto 122 76 46
Maior Índice Menor Índice

A diferença é menor do que 23 pontos? (1,5 DP)

_ SIM = Então o QI total é interpretável e uma medida válida de


estimativa do funcionamento intelectual do paciente;

_ NÃO (e também =23): Então o QI total não é interpretável.


Seguiremos ao passo 1B
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

1B: Determinar se o GAI pode ser usado para representar fielmente o


funcionamento intelectual global da paciente; para tanto, calcularemos
a diferença entre os pontos compostos do ICV e do IOP da paciente;
GAI (General Ability Index) – Índice de Habilidades Gerais: corresponde
ao sumário de resultados das habilidades mais elementares e
representativas do funcionamento intelectual, sendo de ordem verbal e
não verbal. Representa ao conjunto das habilidades medidas pelo ICV e
pelo IOP, que são os índices de maiores contribuições ao QI total,
excetuando as demandas de controle mental (IMO) e velocidade de
processamento (IVP) de informações.
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Índice ICV IOP Diferença


Ponto Composto 122 104 18
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III
Índice ICV IOP Diferença
Ponto Composto 122 104 18

A diferença é menor do que 23 pontos? (1,5 DP)

_ SIM = Então o GAI é interpretável e uma medida válida de


estimativa do funcionamento intelectual do paciente;

_ NÃO (e também =23): Então o GAI não é interpretável.


Seguiremos ao passo 2
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Ainda no passo 1B: como o GAI da paciente pode ser utilizado,


atribuiremos a ele a pontuação composta. Para tanto, soma-se os
pontos ponderados dos 3 subtestes do ICV e dos 3 subtestes do IOP.
Esta soma será convertida em pontos compostos mediante consulta à
Tabela C.1

Subteste VC SM IN RM CB CF Soma
Ponto Ponderado 14 11 17 13 6 13 74
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

 Tabela C.1 -
Conversão da
soma de pontos
ponderados (ICV
e IOP) em ponto
composto do GAI
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III
Subteste VC SM IN RM CB CF Soma GAI %il IC 95%
Ponto 14 11 17 13 6 13 74 115 84 109-120
Ponderado

 Possível interpretação: O QI total da paciente foi de 101 pontos, porém devido às grandes
flutuações de desempenho entre os índices que compõem esta medida, possivelmente ela
possa não vir a corresponder fidedignamente ao funcionamento intelectual global da paciente.
Para tanto, podemos nos servir da pontuação do Índice de Habilidades Gerais (GAI), sendo
representado pelas medidas do ICV e do IOP. O GAI serve de propósito a mensurar as
capacidades mais elementares da eficiência intelectual sendo tanto em habilidades verbais,
quanto em não verbais. Sua diferença para o QI total é de que não apresenta em sua pontuação,
a medida da capacidade de controle mental de informações e de velocidade de processamento.
Assim sendo, o GAI da paciente foi de 115 pontos, com 95% de chances de esta pontuação
oscilar entre 109 e 120 pontos. Esta pontuação foi superior a 84% das pessoas que compõem a
amostra normativa, de mesma faixa etária da paciente.
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Passo 2: Em caso de GAI não interpretável, determinaremos aqui se


cada um dos índices fatoriais pode ser utilizado para representar o
funcionamento da paciente, ou seja, se eles são interpretáveis.
Para tanto, em cada um dos índices, calcularemos a diferença de pontos
ponderados entre o subteste de maior pontuação e o de menor
pontuação, dentro de cada índice (válido apenas para os subtestes
principais)
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III
Subtestes ICV Informação Semelhanças Diferença
Ponto Ponderado 17 11 6
Maior ponto Menor ponto
Subtestes IOP Raciocínio Matricial Cubos Diferença
Ponto Ponderado 13 6 7
Maior ponto Menor ponto

Subtestes IMO Dígitos Aritmética Diferença


Ponto Ponderado 4 4 0
Maior ponto Menor ponto
Subtestes IVP Procurar Símbolos Código Diferença
Ponto Ponderado 7 6 1
Maior ponto Menor ponto
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III
Subtestes ICV Informação Semelhanças Diferença
Ponto Ponderado 17 11 6
Maior ponto Menor ponto

A diferença é menor do que 5 pontos?

_ SIM = Então o índice é interpretável e uma medida válida de


estimativa do que aquele índice se propõe a medir;

_ NÃO (e também para = 5): Então o índice não é interpretável.


Seguiremos ao passo 3
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III
Subtestes ICV Informação Semelhanças Diferença Interpretável
Ponto Ponderado 17 11 6 NÃO
Maior ponto Menor ponto
Subtestes IOP Raciocínio Matricial Cubos Diferença Interpretável
Ponto Ponderado 13 6 7 NÃO
Maior ponto Menor ponto

Subtestes IMO Dígitos Aritmética Diferença Interpretável


Ponto Ponderado 4 4 0 SIM
Maior ponto Menor ponto
Subtestes IVP Procurar Símbolos Código Diferença Interpretável
Ponto Ponderado 7 6 1 SIM
Maior ponto Menor ponto
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Passo 3: Determinar quais são as forças e dificuldades normativas a


partir dos índices interpretáveis no Passo 2;
Comparação da pontuação composta com a NORMA
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Índice Ponto Composto DIFICULDADE DENTRO DA FORÇA


Interpretável NORMATIVA NORMALIDADE NORMATIVA
(<85) (85-115) (>115)
ICV 101 X
IOP 117 X
IMO 82 X
IVP 109 X
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

No caso da paciente do exemplo, só o IMO e o IVP são interpretáveis

Índice Ponto Composto DIFICULDADE DENTRO DA FORÇA


Interpretável NORMATIVA NORMALIDADE NORMATIVA
(<85) (85-115) (>115)
IMO 76 X
IVP 82 X
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Passo 4: Determinar as forças e dificuldades individuais a partir dos


índices interpretáveis;
Análise ipsiativa, comparando a paciente com ela mesma.
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

4A: Calcule a média dos quatro índices fatoriais da WAIS-III, incluindo os


não interpretáveis

Índice ICV IOP IMO IVP Soma Média


(Soma/4)
Ponto Composto 122 104 76 82 384 96
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

4B: Na tabela a seguir, preencha:


_ Na coluna 1, os índices interpretáveis
Índice
Interpretável
(1)
ICV
IOP
IMO
IVP
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

4B: Na tabela a seguir, preencha:


_ Na coluna 2, os pontos compostos dos índices interpretáveis;
Índice Ponto
Interpretável Composto (2)
(1)
ICV 122
IOP 104
IMO 76
IVP 82
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

4B: Na tabela a seguir, preencha:


_ Na coluna 3, a média dos índices da WAIS-III (obtida no passo 4A);
Índice Ponto Média de
Interpretável Composto (2) todos os
(1) Índices WAIS-III
(3)
ICV 122 96
IOP 104 96
IMO 76 96
IVP 82 96
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

 4B: Na tabela a seguir, preencha:


_ Na coluna 4, a diferença entre o ponto composto dos índices interpretáveis e a média
dos quatro índices da WAIS-III
Índice Ponto Média de Diferença (4)
Interpretável Composto (2) todos os (Col. 3 – Col. 2)
(1) Índices WAIS-III
(3)
ICV 122 96 26
IOP 104 96 8
IMO 76 96 -20
IVP 82 96 -14
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

 4B: Na tabela a seguir,


preencha:
_ Na coluna 5, o valor crítico
necessário para atingir a
significância estatística de
cada índice interpretável
(consulta à Tabela A.4)
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

 No caso da paciente do
exemplo, a mesma tem 43
anos:
 Usaremos o nível de
significância 0,05;
 Os valores achados serão
reproduzidos na coluna 5
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

 4B: Na tabela a seguir, preencha:


_ Na coluna 5, o valor crítico necessário para atingir a significância estatística de cada
índice interpretável
Índice Ponto Média de Diferença (4) Valor Crítico (5)
Interpretável Composto (2) todos os (Col. 3 – Col. 2)
(1) Índices WAIS-III
(3)
ICV 122 96 26 5,7
IOP 104 96 8 6,5
IMO 76 96 -20 6,6
IVP 82 96 -14 7,8
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

 4B: Na tabela a seguir, preencha:


_ Na coluna 6, FI (força individual) para as diferenças da coluna 4 que superarem o valor crítico da
coluna 5 (sinal positivo), ou DI (dificuldade individual) para as diferenças da coluna 4 que superarem o
valor crítico da coluna 5 (sinal negativo)
Índice Ponto Média de Diferença (4) Valor Crítico (5) Força
Interpretável Composto (2) todos os (Col. 3 – Col. 2) Individual ou
(1) Índices WAIS-III Dificuldade
(3) Individual? (6)
ICV 122 96 26 5,7 FI
IOP 104 96 8 6,5 FI
IMO 76 96 -20 6,6 DI
IVP 82 96 -14 7,8 DI
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

No exemplo da paciente, usaremos apenas os dados do IMO e do IVP, já


que foram os índices interpretáveis obtido no Passo 2

Índice Ponto Média de Diferença (4) Valor Crítico (5) Força


Interpretável Composto (2) todos os (Col. 3 – Col. 2) Individual ou
(1) Índices WAIS-III Dificuldade
(3) Individual? (6)
ICV 122 96 26 5,7 FI
IOP 104 96 8 6,5 FI
IMO 76 96 -20 6,6 DI
IVP 82 96 -14 7,8 DI
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

4C: Determinar se a força ou dificuldade individual é rara (frequência de


menos de 10% na amostra normativa) ou não
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Preencher na tabela abaixo:


_ Coluna 1: Índices Interpretáveis
Índice
Interpretável
(1)
ICV
IOP
IMO
IVP
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Preencher na tabela abaixo:


_ Coluna 2: Diferença obtida na Coluna 4 do Passo 4B
Índice Diferença (2)
Interpretável
(1)
ICV 26
IOP 8
IMO -20
IVP -14
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Preencher na tabela abaixo:


_ Coluna 3: As forças e dificuldades individuais obtidas na Coluna 6 do
Passo 4B
Índice Diferença (2) Força
Interpretável Individual ou
(1) Dificuldade
Individual? (3)
ICV 26 FI
IOP 8 FI
IMO -20 DI
IVP -14 DI
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Preencher na tabela abaixo:


_ Coluna 4: Valores Críticos para se atingir a significância estatística (p
<0,05) – os valores são fixos
Índice Diferença (2) Força Valor Crítico (4)
Interpretável Individual ou
(1) Dificuldade
Individual? (3)
ICV 26 FI 15,5
IOP 8 FI 14,8
IMO -20 DI 15,8
IVP -14 DI 17,7
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

 Preencher na tabela abaixo:


_ Coluna 5: SIM para quando a Coluna 2 superar ou igualar a Coluna 4 (não importando o sinal); ou NÃO,
para quando a Coluna 2 for menor do que a Coluna 4

Índice Diferença (2) Força Valor Crítico (4) A diferença é


Interpretável Individual ou RARA? (5)
(1) Dificuldade
Individual? (3)
ICV 26 FI 15,5 SIM
IOP 8 FI 14,8 NÃO
IMO -20 DI 15,8 SIM
IVP -14 DI 17,7 NÃO
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Como os únicos índices interpretáveis do exemplo é o IMO e o IVP,


usaremos apenas eles para análise posterior
Índice Diferença (2) Força Valor Crítico (4) A diferença é
Interpretável Individual ou RARA? (5)
(1) Dificuldade
Individual? (3)
ICV 26 FI 15,5 SIM
IOP 8 FI 14,8 NÃO
IMO -20 DI 15,8 SIM
IVP -14 DI 17,7 NÃO
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Passo 5: Determinar os RECURSOS e PREOCUPAÇÕES na análise dos


índices interpretáveis da paciente:
O índice será um RECURSO quando for interpretável, uma força
normativa, uma força individual e rara;
O índice será uma PREOCUPAÇÃO quando for interpretável, uma
dificuldade normativa, uma dificuldade individual e rara
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Índices da Ponto O índice é Força Força Força RECURSO (REC)


WAIS-III Composto interpretável? Normativa Individual (FI) Individual ou ou
(Passo 2) (FN) ou ou Dificuldade Dificuldade PREOCUPAÇÃO
Dificuldade Individual Individual (PRE)?
Normativa (DI)? RARA (R) ou
(DN)? (Passo 4B) NÃO RARA
(Passo 3) (NR)
(Passo 4C)
ICV 122 Não X X X X
IOP 104 Não X X X X
IMO 76 Sim DN DI R PRE
IVP 82 Sim DN DI NR X
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Sugestão descritiva: “O desempenho da paciente no que diz respeito à


demandas de controle e manipulação mental de informações, bem
como de velocidade de processamento demonstra-se prejudicado tanto
comparado à amostra normativa de mesma faixa etária da paciente,
quanto ao seu próprio funcionamento intelectual geral. Em especial sua
capacidade de memória operacional demonstrou-se uma preocupação
de alta prioridade pelo fato de seu prejuízo ser raro quando comparado
à pessoas da sua mesma faixa etária.”
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Passo 6: Determine até seis comparações clínicas a partir do


reagrupamento dos subtestes da WAIS-III em oito CLUSTERS
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III
Semelhanças

Compreensão Vocabulário
Verbal Informação

Compreensão

Modo de
Cubos
agrupamento Organização
Perceptual Completar Figuras

tradicional da WAIS-III G Raciocínio Matricial

Arranjo de Figuras

Memória Dígitos
Operacional
Aritmética

SNL

Velocidade de Códigos
Processamento Procurar Símbolos

Armar Objetos
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III
Semelhanças
Gc Vocabulário

Informação

Modo de Compreensão

agrupamento em
Gv Cubos
CINCO FATORES, Completar Figuras
G
conforme Flanagan e Raciocínio Matricial
Gf
Kaufman (2004) Arranjo de Figuras

Dígitos

Gsm Aritmética

SNL

Códigos

Gs Procurar Símbolos

Armar Objetos
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

 Os cinco fatores então desdobram-se em OITO CLUSTERS:


1- Raciocínio Fluido (Gf)
2- Processamento Visual (Gv)
3- Raciocínio Fluido Não Verbal (Gf-nonverbal)
4- Raciocínio Fluido Verbal (Gf- verbal)
5- Conhecimento Lexical (Gc- VL)
6- Informações Gerais (Gc-KO)
7- Memória de Longo Prazo (Gc - LTM)
8- Memória de Curto Prazo (Gsm - MW)
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Raciocínio Fluido (Gf)


_ Raciocínio Matricial + Arranjo de Figuras + Aritmética
_ Operações mentais que o paciente utiliza quando confrontado com uma
nova tarefa que não pode ser executada automaticamente. Incluem
formar e reconhecer conceitos, perceber relações entre padrões, realizar
inferências e resolver problemas
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Processamento Visual (Gv)


_ Cubos + Completar Figuras
_ Englobam a capacidade de gerar, perceber, analisar, sintetizar,
armazenar, recuperar manipular e transformar os padrões e estímulos
visuais.
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Raciocínio Fluido Não Verbal (Gf-nonverbal)


_ Raciocínio Matricial + Arranjo de Figuras
_ Este cluster é menos amplo do que o cluster “Raciocínio Fluido" e tira a
ênfase das exigências linguísticas, não necessitando de linguagem
expressiva e é resultante de estímulos visuais
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Raciocínio Fluido Verbal (Gf- verbal)


_ Semelhanças + Compreensão
_ Este cluster é definido como a amplitude e profundidade de
conhecimento acumulado de cultura de uma pessoa e da utilização eficaz
desse conhecimento.
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Conhecimento Lexical (Gc- VL)


_ Vocabulário + Semelhanças
_ Tanto Vocabulário quanto Semelhanças primariamente medem
conhecimento lexical, que é definida como a extensão do vocabulário, e
podem ser entendidas em termos de significado da palavra correta.
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Informações Gerais (Gc-KO)


_ Compreensão + Informação
_ Estes subtestes medem principalmente a capacidade de informação
geral, a qual é definida como a gama do conhecimento geral de um
indivíduo
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Memória de Longo Prazo (Gc - LTM)


_ Vocabulário + Informação
_ Medem, em maior ou menor grau, a capacidade estreita de informações
gerais. No entanto, como tanto o subteste Vocabulário quanto o subteste
Informações representam o conhecimento que é armazenado na memória
de longo prazo, o cluster é nomeado como Memória de Longo Prazo
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Memória de Curto Prazo (Gsm - MW)


_ SNL + Dígitos
_ Definida como a capacidade de apreender e reter informações na
consciência imediata e usá-las dentro de alguns segundos. SNL e Dígitos
Ordem Inversa medem a capacidade limitada de memória operacional,
que é definida como a capacidade de armazenar temporariamente e
executar um conjunto de operações cognitivas sobre a informação que
requer a atenção dividida e a gestão da capacidade limitada da memória
de curto prazo.
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

6A: Determine se cada CLUSTER é unitário e pode ser interpretável.


Para tanto, em cada um dos clusters, calcularemos a diferença de
pontos ponderados entre o subteste de maior pontuação e o de menor
pontuação, dentro de cada cluster;
 A análise em clusters só é possível se for aplicado 13 subtestes da
WAIS-III (“Armar Objetos” é o único dispensável nesta etapa)
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III
Subtestes Gf Raciocínio Matricial Aritmética Diferença
Ponto Ponderado 13 4 7
Maior ponto Menor ponto
Subtestes Gv Completar Figuras Cubos Diferença
Ponto Ponderado 13 6 7
Maior ponto Menor ponto

Subtestes Gf-nonverbal Raciocínio Matricial Arranjo de Figuras Diferença


Ponto Ponderado 13 9 4
Maior ponto Menor ponto
Subtestes Gf-verbal Compreensão Semelhanças Diferença
Ponto Ponderado 15 11 4
Maior ponto Menor ponto
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III
Subtestes Gc-VL Vocabulário Semelhanças Diferença
Ponto Ponderado 14 11 3
Maior ponto Menor ponto
Subtestes Gc-K0 Informação Compreensão Diferença
Ponto Ponderado 17 15 2
Maior ponto Menor ponto

Subtestes Gc-LTM Informação Vocabulário Diferença


Ponto Ponderado 17 14 3
Maior ponto Menor ponto
Subtestes Gsm-WM SNL Dígitos Diferença
Ponto Ponderado 9 4 4
Maior ponto Menor ponto
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III
Subtestes Gf Raciocínio Matricial Aritmética Diferença
Ponto Ponderado 13 4 7
Maior ponto Menor ponto

A diferença é menor do que 5 pontos?

_ SIM = Então o cluster é interpretável e uma medida válida de


estimativa do que aquele índice se propõe a medir;

_ NÃO (e também para = 5): Então o cluster não é interpretável.


E não faremos comparações clínicas com esses clusters
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III
Subtestes Gf Raciocínio Matricial Aritmética Diferença
Ponto Ponderado 13 4 7
Maior ponto Menor ponto
Subtestes Gv Completar Figuras Cubos Diferença
Ponto Ponderado 13 6 7
Maior ponto Menor ponto

Subtestes Gf-nonverbal Raciocínio Matricial Arranjo de Figuras Diferença


Ponto Ponderado 13 9 4
Maior ponto Menor ponto
Subtestes Gf-verbal Compreensão Semelhanças Diferença
Ponto Ponderado 15 11 4
Maior ponto Menor ponto
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III
Subtestes Gc-VL Vocabulário Semelhanças Diferença
Ponto Ponderado 14 11 3
Maior ponto Menor ponto
Subtestes Gc-K0 Informação Compreensão Diferença
Ponto Ponderado 17 15 2
Maior ponto Menor ponto

Subtestes Gc-LTM Informação Vocabulário Diferença


Ponto Ponderado 17 14 3
Maior ponto Menor ponto
Subtestes Gsm-WM SNL Dígitos Diferença
Ponto Ponderado 9 4 5
Maior ponto Menor ponto
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

6B: Calcule a pontuação composta de cada cluster interpretável, a partir


da soma de pontos ponderados dos subtestes que compõem cada
cluster
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

_ 1º Somar os pontos ponderados dos clusters interpretáveis


Cluster Gf RM AF AR Soma Cluster Gc-VL VC SM Soma
Ponto Ponderado 13 9 4 26 Ponto Ponderado 14 11 25
Cluster Gv CB CF Soma Cluster Gc-K0 CO IN Soma
Ponto Ponderado 6 13 19 Ponto Ponderado 15 17 32
Cluster Gf-nonverbal RM AF Soma Cluster Gc-LTM VC IN Soma
Ponto Ponderado 13 9 22 Ponto Ponderado 14 17 31
Cluster Gf-verbal SM CO Soma Cluster Gsm-WM DG SNL Soma
Ponto Ponderado 11 15 26 Ponto Ponderado 4 9 13
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

_ 2º Converter a soma de pontos ponderados em pontos compostos, a


partir da consulta às tabelas C.2 a C.9 (cada cluster possui sua tabela)
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Cluster Gf RM AF AR Soma Ponto Cluster Gc-VL VC SM Soma Ponto


Composto Composto
Ponto Ponderado 13 9 4 26 92 Ponto Ponderado 14 11 25 113
Cluster Gv CB CF Soma Cluster Gc-K0 CO IN Soma
Ponto Ponderado 6 13 19 97 Ponto Ponderado 15 17 32 133
Cluster Gf-nonverbal RM AF Soma Cluster Gc-LTM VC IN Soma
Ponto Ponderado 13 9 22 106 Ponto Ponderado 14 17 31 129
Cluster Gf-verbal SM CO Soma Cluster Gsm-WM DG SNL Soma
Ponto Ponderado 11 15 26 116 Ponto Ponderado 4 9 13 80
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Para o exemplo da paciente, só usaremos os clusters em amarelo


(interpretáveis)
Cluster Gf RM AF AR Soma Ponto Cluster Gc-VL VC SM Soma Ponto
Composto Composto
Ponto Ponderado 13 9 4 26 92 Ponto Ponderado 14 11 25 113
Cluster Gv CB CF Soma Cluster Gc-K0 CO IN Soma
Ponto Ponderado 6 13 19 97 Ponto Ponderado 15 17 32 133
Cluster Gf-nonverbal RM AF Soma Cluster Gc-LTM VC IN Soma
Ponto Ponderado 13 9 22 106 Ponto Ponderado 14 17 31 129
Cluster Gf-verbal SM CO Soma Cluster Gsm-WM DG SNL Soma
Ponto Ponderado 11 15 26 116 Ponto Ponderado 4 9 13 80
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

6C: Providencie as comparações clínicas entre os clusters. Para isso,


calcule a diferença (pontos compostos) entre eles e compare com o
valor crítico exposto na Coluna 3 (valores fixos). Se a diferença obtida
for maior ou igual ao valor crítico (independente do sinal), preencha
com SIM na Coluna 4. Se a diferença obtida for menor do que o valor
crítico, preencha com NÃO na Coluna 4;
As comparações só são feitas entre clusters interpretáveis (ver passo 6B)
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Comparação Clínica Cálculo da Diferença (Pt. Composto) Valor Crítico A diferença é RARA?

Gf x Gv 92 – 97 = -5 21 Não
Gf-nonverbal x Gv 106 – 97 = 9 24 Não
Gf-nonverbal x Gf-verbal 106 – 116 = -10 24 Não
Gc-VL x Gc-K0 113 – 133 = -20 17 Sim
Gc-LTM x Gsm-WM 129 – 80 = 49 24 Sim
Gc-LTM x Gf-Verbal 129 – 116 = 13 17 Não
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Apenas as comparações em amarelo serão utilizadas por conter clusters


interpretáveis
Comparação Clínica Cálculo da Diferença (Pt. Composto) Valor Crítico A diferença é RARA?

Gf x Gv 92 – 97 = -5 21 Não
Gf-nonverbal x Gv 106 – 97 = 9 24 Não
Gf-nonverbal x Gf-verbal 106 – 116 = -10 24 Não
Gc-VL x Gc-K0 113 – 133 = -20 17 Sim
Gc-LTM x Gsm-WM 129 – 80 = 49 24 Sim
Gc-LTM x Gf-Verbal 129 – 116 = 13 17 Não
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

Sugestão descritiva: “Isto pode indicar que a paciente tem bom


conhecimento de informação efetiva, mas pode-lhe faltar facilidade com
palavras e dificuldade de argumentação. Pode não ser capaz de
comunicar tão eficientemente seus pensamentos. Sua compreensão
pode ser prejudicada quando se depara com assuntos novos.”
4) Modelo de Flanagan-Kaufman para Interpretação
Avançada de Resultados na WAIS-III

 Resumo de achados da paciente:


_ QIT não interpretável;
_ GAI (115) interpretável;
_ IMO (76) e IVP (82) interpretáveis;
_ IVP como dificuldade normativa e individual;
_ IMO como preocupação de alta prioridade;
_ Gc-LTM (129) e Gc-K0 (133) com pontuações muito superiores;
_ Diferença rara entre conhecimento lexical e informações gerais, sendo este
maior
Muito obrigado!

Você também pode gostar