Você está na página 1de 30

Diálise Peritoneal

DPI
CAPD
DPA
História
• 1923: Diálise peritoneal usada pela 1ª vez (Ganter)
• 1956: Primeiro rim artificial
• 1960: Scribner inicia a técnica da Diálise Peritoneal
• 1964: cateter de longa permanência, que mais tarde é
modificado pelo Dr. Tenckhoff.
• 1976: criação da Diálise Peritoneal Contínua (frascos de vidros e
posteriormente, bolsas flexíveis)
• 1978: CAPD Diálise Peritoneal Ambulatorial Contínua
• 1980: Dr. Miguel Carlos Riella , na cidade de Curitiba, Estado do
Paraná, introduz o Conceito da Terapia Ambulatorial Contínua,
tornando-se o pioneiro do tratamento de CAPD no Brasil.
Usava-se o Sistema Standard, composto por um único segmento
de linha, que ao mesmo tempo conectava-se ao paciente e à
bolsa de diálise. O sistema era mantido fechado junto ao
paciente durante o período inter-trocas.
História
• A enfermeira Daisy Doris Pasqual: papel
fundamental na introdução e desenvolvimento do
Programa Educacional que habilitava e capacitava
o paciente e um membro da família para a
realização domiciliar da terapia CAPD.

• 1983:Ministério da Saúde regulamenta a terapia


de CAPD no Brasil. Inicia a produção nacional
de soluções de CAPD e a distribuição domiciliar
do sistema de bolsas em todo o território
nacional.
A partir dos anos 80:
EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE CONEXÃO DE CAPD

• 1980 – 1990: Sistema Standard


Não descartável e não desconectável
Um episódio de peritonite a cada 8 meses

• 1985 – 1990: Sistema "O-Set"


Não descartável e desconectável
Um episódio de peritonite a cada 16 meses

• 1990 – 1994: Sistema de Desconexão Descartável - SDD


Descartável e Desconectável
Um episódio de peritonite a cada 24 meses

• 1990: Diálise Peritoneal Automática

• 1994 – 2000: Sistema Ultrabag


Descartável e Desconectável
Um episódio de peritonite a cada 36 meses
Escolha da terapia renal substitutiva
• Apresentar todas as opções ao paciente e
família
• Benefícios e limitações
• Estilo de vida:
» Independência
» Deslocamento
» Profissional e escolar
» Viagens
• Compromisso com tratamento e cuidados
• Apoio familiar
• Idade
• Permeabilidade do peritônio
Cuidado Integrado
• Alternância
entre as
terapias
Diálise Peritoneal
• Objetivos:
• Remoção de substâncias tóxicas do sangue
» U, C, K...
• Eliminação do excesso de água

• 2 processos:
• 2 soluções de diferentes concentrações em contato
• DIFUSÃO
• OSMOSE
Diálise Peritoneal
• Processo intracorpóreo

• Peritônio:
– Membrana serosa, semipermeável
– Reveste e protege órgãos abdominais
– Equivalente ao capilar da hemodiálise
– Ricamente vascularizado
– Delimita um espaço fechado virtual
»Cavidade peritoneal
Diálise peritoneal
• Consiste em:
– Infusão da solução

– Permanência na cavidade
peritoneal diálise

– Drenagem
Solução de diálise
• Composição similar à do sangue:
– Eletrólitos: Na, Cl, Ca, Mg, lactato ou acetato
» Opção: baixo cálcio

– Glicose: agente osmótico


» Opções: 1,5%
2,5%
4,25%
• Volume: de 1000 a 6000 ml
Solução de diálise
• Ajustadas de acordo com as
necessidades de cada paciente

– Hipercalcemia: cálcio
– Hipocalemia: K
– Hipercatabolismo: volume
– Hipervolemia: glicose a 4,25%
Acesso a cavidade peritoneal
• Cateter
– TENCKHOFF
– SWAN-NECK

• 3 segmentos:
– Intraperitoneal
– Intramural
– Externo
Cateter de Tenckhoff
Acesso a cavidade peritoneal

• Implante do cateter
Cuidados diários com o cateter
1. Observar local de saída
 Hiperemia
 Dor
 Inflamação/secreção
2. Observar rachaduras e extravasamentos no cateter
3. Fazer pressão delicada no trajeto e verificar se há dor
ou secreção
4. Banho: lave a pele ao redor com sabão neutro,
esfregue delicadamente e enxágüe bem
5. Seque o local com toalha limpa e fixe o equipo à pele
com fita adesiva
Modalidades
• Método:
– Manual: DPI e CAPD
– Automatizado: DPA

• Regime:
– Intermitente: DPI
– Contínuo: CAPD e DPA
Regime Intermitente:
trocas x abdome seco
1. DP Ambulatorial Diária:
• Trocas freqüentes durante o dia a cada 3-4 hs
• Drenagem da solução antes de dormir
• Indicação: alta permeabilidade e osmose dificultada

2. DP Intermitente:
• Hospitalar
• Trocas a cada 1-2 hs, por 24 hs, 2 x por semana
• Abdome seco nos dias entre as diálises
• Indicação: alta permeabilidade e função renal residual
significativa
Regime Intermitente:
trocas x abdome seco

3. DP Noturna:
• Máquina cicladora
• Trocas durante o sono, entre 8 e 12 hs
• Abdome seco durante o dia.
Regime Intermitente:
trocas x abdome seco
Cuidado de enfermagem ao paciente em DPI:
• Promover o conforto durante o procedimento
• Manter a infusão e drenagem da solução
• Monitorizar alterações
• Condições hidroeletrolíticas
• Peso
• SSVV
• Ganhos e perdas
• Observar sinais de complicações
Regime Contínuo:
trocas x abdome cheio

Tratamento domiciliar qualidade de vida


Diálise constante, lenta há solução de diálise
na cavidade durante as 24 horas do dia

1. DP Ambulatorial Contínua – CAPD:

– Drenagem e infusão por gravidade


– Menor flutuação nos parâmetros bioquímicos
Regime Contínuo:
trocas x abdome cheio

– Sistema fechado de
bolsas plásticas
flexíveis,
descartáveis, unidas
por um equipo em Y
Regime Contínuo:
trocas x abdome cheio
Regime Contínuo:
trocas x abdome cheio
– 4 trocas de bolsas ao dia

ao acordar almoço fim da tarde noite

drenagem de 20 min
– Duração: 30 minutos
infusão de 10 min
Regime Contínuo:
trocas x abdome cheio

1. Drenagem: remoção do líquido da cavidade por gravidade.

2. Infusão: introdução da nova solução de diálise na cavidade


através do cateter.

3. Permanência: É um período no qual a solução de diálise


permanece dentro da cavidade peritoneal com uma duração
média de 4 a 6 horas, de acordo com a prescrição médica.
Regime Contínuo:
trocas x abdome cheio
2. DP Automatizada – DPA:
– 3 a 5 ciclos durante a noite
– Permanência longa durante o dia
– Total liberdade durante o dia
– Uso de máquina cicladora portátil
– Bolsas adaptadas a um equipo cassete, de uso
único que é conectado ao cateter do paciente.
Regime Contínuo:
trocas x abdome cheio
– Máquina cicladora:
• Controla a infusão, permanência e drenagem
• Software: guia o usuário passo a passo
• Exigência: energia elétrica
• Aquece o líquido de diálise
• Controla o fluxo, volume total infundido e de drenagem
• Atualmente: pequeno porte
silenciosas
• Drenagem: esgoto linha de extensão longa
Regime Contínuo:
trocas x abdome cheio
– Máquina cicladora:
Diferenças entre CAPD e DPA
• DPA
Troca 1 vez ao dia < risco de infecção
Infusão precisa de volume (60ml a 3l)
Automática; independe da gravidade
Drenagem em ralo sanitário
Bolsas de grande volume (6l)
Benefícios do regime contínuo:
DPA e CAPD
• Preserva a função renal residual
Benefícios do regime contínuo:
DPA e CAPD
• Diálise lenta e estável
• > estabilidade cardíaca e controle da PA
• < variação de peso
• > controle da anemia
• Auto-cuidado
• Preservação dos vasos
• Independência, liberdade, flexibilidade de
horário

Você também pode gostar