Você está na página 1de 3

NOME:GEICIELE VIEIRA DE SOUZA RA:1825172-5

MÓDULO:54 DISCIPLINA: OFICINA DE


INSTRUMENTOS TÉCNICOS
OPERATIVOS

MAPA – OFICINA DE INSTRUMENTOS TÉCNICOS OPERATIVOS

Relatório:

O presente trabalho, resultante da atividade avaliativa, MAPA - SER - OFICINA


DE INSTRUMENTOS TÉCNICOS OPERATIVOS tem por finalidade verificar
os instrumentos e técnicas utilizados pelo profissional de Serviço Social na
preparação do Estudo Social, que resultará na elaboração do Parecer Social.
Com o objetivo primordial de aprofundar o conhecimento em torno da temática
relacionada.

Utilizamos como subsidio para estudo e parecer o caso em tela a


documentação apresentada, referente a guarda de dois menores requerida
pela avo materna Dona Maria da silva, bem como os instrumentais serão,
visitas e entrevistas domiciliares para comprovar situação sócio econômica
familiar adequada, onde irá constatar se é, um ambiente propicio para
formação da criança, especialmente pela existência do elemento sentimental: a
afeição, que exerce uma ação que supera qualquer ameaça ou castigo.

Cabe mencionar que a importância da reflexões iniciais sobre o caso proposto


nos permitirá utilizar do instrumento técnico operativo, que no caso é A
Observação, sendo uma técnica muito utilizada, e pode ser traduzida em: ouvir
com atenção, não fazer pré julgamentos e/ou discriminação. Envolve atitudes
de perceber, tomar conhecimento de uma situação/demanda ou acontecimento
que possa ajudar a explicar ou a compreender a realidade com o qual o
profissional está intervindo.

1
Evidenciamos que a convivência dos menores com a mãe ou em abrigos, cria
inevitavelmente, sérios problemas para as crianças envolvidas. No primeiro
momento os problemas são puramente emocionais, mas a partir do instante em
que inicia vida nova longe de um membro familiar onde há afeto, no caso a avo
materna, começam a ficar claras outras grandes implicações. Dentre elas é o
"conflito" formado diante do pedido de modificação da guarda.

A família é o espaço indispensável para a garantia da


sobrevivência de desenvolvimento e da proteção integral
dos filhos e demais membros, independente do arranjo
familiar ou da forma com que vêm se estruturando.
(KALOUSTIAN,1994, p.12).

Dentro desse contexto de família, apesar de todos os seus momentos de


crise Faz-se necessário o questionamento sobre a função de cuidar e de
socializar as crianças pois elas passam por transformações e adequações,
ampliando seus papéis sociais. A superação dos conflitos nesta fase
dependerá das experiências familiares vividas por elas.

A satisfação das necessidades básicas do grupo familiar é extremamente


valorizada, e esperada no contexto social. Este é um dos motivos que leva
a melhor decisão de que seria viável para os menores ficar com a avo
materna, a convivência em um ambiente significativo para os mesmos
implicara no seu desenvolvimento perante a sociedade.

O estatuto da Criança e do Adolescente tem por embasamento a proteção


integral da criança e do adolescente, segundo o direito fundamental
constado no:

art. 4° — E dever da família, da comunidade, da sociedade


ern geral e do Poder Público, assegurar, com absoluta
prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à
saúde, à alimentação, a educação, ao esporte, ao lazer, à
profissionalização, a cultura, a dignidade, ao respeito, à
liberdade e a convivência familiar e comunitária.
(ECA,1995, p. 9).

2
Portanto concluímos que a elaboração deste trabalho nos proporcionou o
aprofundamento de nossos conhecimentos a respeito da importância do
Parecer Social para a tomada de decisão do juiz. E temos consciência que,
durante nossa atuação, muitos aspectos deverá ser abordados para melhor
decisão.Por fim consideramos que atuação do profissional de Serviço Social
depende em grande parte de sua visão de pensar referente a realidade social.
E quanto mais consciente estiver desta percepção, mais claro será o seu
posicionamento diante da realidade e da sua perspectiva de ação.

REFERENCIA

KALOUSTIAJNI, Silvio Manoug. FAMÍLIA BRASILEIRA A BASE DE TUDO.


São Paulo: Cortez 1994.

ROMERA, Mário. O instituto da guarda no Estatuto da Criança e do


Adolescente. In. Cadernos de Direito da e do Adolescente ll. São pauto.
Malheiros 1995.

Você também pode gostar