CENTRO TECNOLÓGICO ZONA LESTE

FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE







METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA E
TECNOLÓGICA







APOSTILA DE ACOMPANHAMENTO





Prof. Dawson Izola


















AGOSTO de 2003
2
INTRODUÇÃO


A abordagem científica é um instrumento de divulgação e debate científico utilizado pela
comunidade acadêmica, onde os objetos de estudos são inclusive discutidos com outros
pesquisadores que trabalham com o mesmo tema. O veículo de comunicação são os Congressos
científicos divididos por área de atuação.

Os trabalhos são apresentados em forma de Artigos Científicos, Patentes, Projetos de
Pesquisa, Manuais, Livros, Dissertações e Teses. Estes documentos são elaborados segundo
normas da ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas.

Esta apostila, não tem como objetivo substituir publicações voltadas para a Metodologia
Científica, e sim auxiliar na elaboração de documentos.

Alguns artigos são de publicação livre, e estão disponíveis na Internet.












































3
ÍNDICE


METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA ................................................... 4
Ementa: .............................................................................................................................................. 4
PROGRAMA (18 Semanas) ............................................................................................................... 5
A NECESSIDADE DO CONHECIMENTO ......................................................................................... 7
Conceito de Pesquisa Científica ........................................................................................................ 7
Correlação entre Conhecimento Popular e Conhecimento Científico ............................................... 7
Característica do Conhecimento Popular .......................................................................................... 7
Conhecimento Científico .................................................................................................................... 8
Quatro Tipos de Conhecimento ......................................................................................................... 8
Ciência ................................................................................................................................................ 8
A Pesquisa Científica ......................................................................................................................... 8
Pesquisa Pura, Básica ou Teórica ..................................................................................................... 8
Pesquisa Aplicada ou Prática ............................................................................................................. 8
Pesquisa Bibliográfica ........................................................................................................................ 9
Pesquisa de Campo ........................................................................................................................... 9
Espécie de pesquisa científica ........................................................................................................... 9
Tendências e Preferências Pessoais ................................................................................................. 9
APTIDÃO ............................................................................................................................................ 9
TEMPO ............................................................................................................................................... 9
CIÊNCIAS AUXILIARES DA PESQUISA CIENTÍFICA.................................................................... 10
PROJETO DE PESQUISA ............................................................................................................... 12
Elaboração de um projeto de pesquisa ............................................................................................ 15
Estrutura do Projeto de Pesquisa..................................................................................................... 16
SÍNTESE DE ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO DE PESQUISA ..................... 16
Elaboração de Resumo: Dissertação, Artigo e Tese. ...................................................................... 19
CITAÇÕES ....................................................................................................................................... 19
CONSTRUÇÃO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................ 21
BIBLIOGRAFIA - Métodos e Técnicas de Pesquisa ........................................................................ 25
GRUPOS DE ESTUDOS E PROJETOS COMO INSTRUMENTO AO ENSINO E À PESQUISA
COM ALUNOS DE GRADUAÇÃO ................................................................................................... 31
PATENTE DE INVENÇÃO ............................................................................................................... 36
Vocábulos sobre métodos e técnicas de pesquisa .......................................................................... 39
Bibliografia complementar sugerida pelo professor ......................................................................... 46
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA (comentada) ....................................................................................... 48
APÊNDICE A – Exemplos de artigos científicos .............................................................................. 50
EQUIPO PARA EL ANÁLISIS DE LA OSCILACIÓN LATERAL DE AERONAVES ........................ 50
APENDICE B – Exemplo de Projeto de Pesquisa (Comentado) ..................................................... 68
PROPOSTA DE PROJETO ............................................................................................................. 68
APENDICE C – Exemplo de Patente ............................................................................................... 70
Apêndice D – Textos ........................................................................................................................ 74
Bertold Brecht ................................................................................................................................... 75
PALAVRÃO - UMA TERAPIA .......................................................................................................... 77
PRODUÇÃO ACADÊMICA DO PROFESSOR ................................................................................ 79











4
METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

Ementa:
O papel da Ciência e da Tecnologia; Tipos de Conhecimento; Método e Técnica; O Processo de
Leitura de e de Análise Textual; Citações e Bibliografias; Trabalhos Acadêmicos, Tipos,
Características e Composição Estrutural; O Projeto de Pesquisa Experimental Qualitativa e
Quantitativa; Apresentação Gráfica; Normas da ABNT.


Objetivos.
Desenvolver um conteúdo de conhecimentos abrangendo os elementos de Metodologia da
Pesquisa de Maneira a permitir ao aluno elaborar projeto de pesquisa, bem como trabalhos
científicos e tecnológicos.



Bibliografia
- SEVERINO, A. J., Metodologia do Trabalho Científico, 20
a.
Ed. São Paulo, Cortez, 1996.
- VARGAS, M., Metodologia da Pesquisa Tecnológica, Globo, Rio de Janeiro, 1995.
- RAMPAZZO, L, Metodologia Científica, Siciliano, São Paulo. 1998.


Metas (EXTRACURRICULARES)

Implementar atividades extracurriculares:
- Iniciação Científica;
- Consultorias;
- Produção acadêmica;
- Prestação de serviço;
- Laboratório de Prototipagem.

Metodologia da Pesquisa Científica e Tecnológica
CARGA HORÁRIA DISTRIBUIÇÃO DAS AULAS
SEMANAS X AULAS/SM = TOTAL = TEÓRICAS + PRÁTICAS +
AVALIAÇÃO
18 2 36 8 8 2









5
PROGRAMA (18 Semanas)
1. INTRODUÇÃO AO CURSO. (Sala de Aula). Apresentação do professor, plano de ensino,
metas curriculares e extracurriculares. Objetivo. Introdução científica e acadêmica.
2. GRUPOS DE PESQUISA. (Sala de Aula). PROJETOR DE SLIDES. Apresentação em
slides de atividades de Iniciação Científica e história tecnológica da conquista do espaço
no mundo e no Brasil. Conhecimento vulgar e conhecimento científico.
3. VÍDEO. AUDITÓRIO. Série Cosmos, Episódio I e II, Origem do Universo e a Origem da
Vida. Visão científica e popular.
4. EXPERIÊNCIA PRÁTICA. AULA TRABALHO. (Sala de Aula). Ensaio de dispersão da
informação com objetivo de se gerar dados para o 1
o
artigo científico do grupo de trabalho.
Trabalho em Grupo com artigo de formatação simplificada. Entrega em uma semana.
5. ARTIGO CIENTÍFICO. AULA PRÁTICA. (Sala de Aula). Normas e Técnicas. Citações
bibliográficas. Formatação. Busca nos sistemas de dados públicos. Divisão dos temas
para o desenvolvimento de um artigo científico escrito para apresentação em seminários.
(Entrega em duas semanas).
6. ARTIGO FORMA FINAL. (Sala de Aula). Revisão do Artigo Proposto (Dispersão da
Informação). Orientação para elaboração do artigo final.
7. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE SEMINÁRIOS. (Sala de Aula).
RETROPROJETOR. Apresentação de transparências.
8. DÚVIDAS DOS SEMINÁRIOS E ARTIGO FORMA FINAL. (Sala de Aula). Revisão do
artigo científico na forma final. Dúvidas dos Grupos para a apresentação dos seminários.
9. SEMINÁRIOS. AUDITÓRIO. Apresentação dos trabalhos na forma de Congressos
Científicos.
10. SEMINÁRIOS. AUDITÓRIO. Apresentação dos trabalhos na forma de Congressos
Científicos.
11. PATENTE DE INVENÇÃO. (Sala de Aula). Normas e técnicas do INPI para elaboração de
pedidos de privilégios e registro intelectual. Elaboração de uma patente simplificada
(Entrega em uma semana).
12. APRESENTAÇÃO DE PATENTE. AULA TRABALHO. (Sala de Aula). Apresentação da
Patente pelo grupo de trabalho com objetivo de aplicação da idéia ou nova tecnologia.
13. REVISÃO DA PATENTE. AULA PRÁTICA. (Sala de Aula). Revisão da Patente pelos
grupos de trabalho.
14. DEBATE EM GRUPOS. (Sala de Aula). A ciência e suas descobertas.
15. PROJETO DE PESQUISA. (Sala de aula). Normas e técnicas para elaboração de projetos
de pesquisa segundo as principais agências de fomento do Brasil. Elaboração de projeto
de pesquisa (Entrega em uma semana).
16. DIVISÃO DOS GRUPOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. (Sala de Aula). NPDT, normas
para ingresso no Núcleo de Pesquisas e Desenvolvimento Tecnológico, sugestão de
temas dos grupos de trabalho.
17. PROVA SEMESTRAL. (Sala de Aula). Prova dissertativa. 1 hora de duração, nota no
mesmo dia.
18. EXAME. AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA E DO PROFESSOR. (Sala de Aula). Nota final. O
exame consta de prova dissertativa e argüição oral (1 hora). A avaliação da disciplina é
realizada sem a presença do professor em sala de aula.


6
METODOLOGIA

Aulas expositivas, aulas práticas, e aulas trabalho.

- Palestras;
- Vídeos;
- Seminários;
- Trabalhos práticos;
- Debates em grupo.



CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

1
o
Artigo – 1,0
2
o
Artigo – 1,0
Seminários – 2,0
Patente – 1,0
Projeto de Pesquisa – 1,0
Prova – 2,0
Presença – 2,0 (100%)

N >= 7,0 – Aprovado.
N < 5,0 – Reprovado.
N >= 5,0 < 7,0 - Exame (N > = 5,0 ) Aprovado no exame.































7
A NECESSIDADE DO CONHECIMENTO
Conceito de Pesquisa Científica
A elaboração de um trabalho científico, definido monografia ou outro tipo de trabalho
(Tese, TCC, Dissertação de Mestrado, etc.) exige do pesquisador iniciante um trabalho intenso.
Tendo em vista a busca de uma ou mais resposta ao problema proposto. Essa busca, que mais se
assemelha a uma garimpagem intelectual denomina-se pesquisa.
É bem evidente que conhecimento, em geral, pode ser obtido de várias maneiras. O
camponês tem um conhecimento apropriado das plantas que cultiva, sabe a época de plantar, de
colher, etc. estas ações podem estar baseadas em conhecimentos aprendidos por imitação,
através da experiência pessoal ou de conhecimento internalizado pela educação formal,
transmitida por antecessores; pela tradição. Este homem pode, ainda, possuir um conhecimento
obtido por modo racional por transmissão e treinamento apropriado conduzido pela ciência. Este
agricultor sabe que o cultivo do mesmo tipo, todos os anos viria a exaurir o solo, passando-se a
cultivar diferentes tipos de plantações para se evitar tal procedimento. Ainda no período feudal
começou-se a cultivar duas faixas de terra e deixar uma terceira para alternar a produção e
conseqüentemente não ocorrer a exaustão do solo. No início da Revolução Agrícola não se
prende ao aparecimento, no século XVIII, de melhores arados, enxadas e outros tipos de
maquinaria, mas à introdução, na segunda metade do século XVII, da cultura do nabo e do trevo,
pois seu plantio evitava o desperdício de se deixar a terra em repouso: seu cultivo “revitalizava” o
solo, permitindo o uso constante. O conhecimento científico tende a aperfeiçoar e mudar, diante
de novas descobertas, conceitos anteriores tidos como verdadeiros.
Neste momento nós dispomos de duas categorias de informações na formação deste
conhecimento: O Conhecimento Popular (vulgar e empírico) e o Conhecimento Científico.
A pesquisa é classificada como científica quando satisfaz a determinadas condições. Seu
objeto deve ser perfeitamente definido de forma que possa ser reconhecível e identificável por
todos. O estudo deve acrescentar algo ao que já se sabe sobre o assunto e ser útil como fonte de
pesquisa, fornecendo elementos que permitam a verificação e a contestação das hipóteses
apresentadas, tendo em vista a sua continuidade.

Correlação entre Conhecimento Popular e Conhecimento Científico
O conhecimento vulgar ou popular, às vezes denominado senso comum, não se distingue
do conhecimento científico nem pela veracidade nem pela natureza do objeto conhecido: o que os
diferencia é a forma, o modo ou o método e os instrumentos do “conhecer”. Saber que
determinada planta necessita de uma grande quantidade “X” de água e que, se não a receber de
forma “natural”, deve ser irrigada, pode ser um conhecimento verdadeiro e comprovável mas, nem
por isso, científico. Para que isso corra, é necessário ir mais além: conhecer a natureza dos
vegetais, sua composição, seu ciclo de desenvolvimento e as particularidades que distinguem uma
espécie de outra. Dessa forma, patenteia-se dois aspectos:

a) a ciência não é o único caminho de acesso ao conhecimento e à verdade.
b) Um mesmo objeto ou fenômeno – uma planta, um mineral, uma comunidade ou as relações
entre chefes e subordinados – pode ser matéria de observação tanto para o cientista e outro ao
vulgar ou popular é a forma de observação.
Característica do Conhecimento Popular
“Se o „bom senso‟, apesar de sua aspiração à racionalidade e objetividade, só consegue
atingir essa condição de forma muito limitada, pode-se dizer que o conhecimento vulgar ou
popular, latu sensu, é o modo comum, corrente e espontâneo de conhecer, que se adquire no trato
direto com as coisas e os seres humanos: é o saber que preenche nossa vida diária e que se
possui sem o haver procurado ou estudado, sem a aplicação de um método e sem se haver
refletido sobre algo” (Babini, 1957:21).
Para Ander-Egg (1978:13-4), o conhecimento popular caracteriza-se por ser
predominantemente:
Superficial, isto é, conforma-se com a aparência, com aquilo que se pode comprovar
simplesmente estando junto das coisas: expressa-se por frases como “porque o vi”, “porque o
senti”, “porque o disseram”, “porque todo mundo o diz”;
Sensitivo, ou seja, referente a vivências, estados de ânimo e emoções da vida diária;
8
Subjetivo, pois é o próprio sujeito que organiza suas experiências e conhecimentos, tanto os
que adquire por vivência própria quanto os “por ouvir dizer”;
Assistemático, pois esta “organização” das experiências não visa a uma sistematização das
idéias, nem na forma de adquiri-las nem na tentativa de validá-las;
Acrítivo, pois, verdadeiros ou não, a pretensão de que esses conhecimentos o sejam não se
manifesta sempre de uma forma crítica.
Conhecimento Científico
Goode e Hatt indicam: “é a acumulação de conhecimentos sistemáticos”. Mário Bunge vai
mais adiante e diz que “o conhecimento é racional, sistemático, exato, verificável e, por
conseguinte, falível”. A verdade científica de hoje pode ser superada diante de novas descobertas.
Conclui-se que a ciência é todo um conjunto de atitudes e de atividades racionais, dirigido
ao sistemático conhecimento com objetivo limitado, capaz de ser submetido à verificação.
Em termos globais, a ciência visa aumentar o conhecimento ou melhorar a compreensão
acerca dos fenômenos já conhecidos. Exemplo: Ao pisar na lua em 2 de julho de 1969, aumentou-
se o nosso conhecimento sobre o nosso satélite.

Quatro Tipos de Conhecimento
Conhecimento
Popular
Conhecimento
Científico
Conhecimento Filosófico
Valorativo
Reflexivo
Assistemático
Verificável
Falível
Inexato
Real (factual)
Contingente
Sistemático
Verificável
Falível
Aproximadamente Exato
Valorativo
Racional
Sistemático
Não Verificável
Infalível
Exato
Ciência
A ciência é uma forma de proceder que se renova para: a) responder questionamentos; b)
solucionar problemas; c) desenvolver de modo mais efetivo os procedimentos de responder as
questões e de solucionar problemas. É certamente um modelo que se alcança pela pesquisa.

Qualidade Formal
A ciência caracteriza-se por ser instrumentação técnica, de teor formal, com visitas e
dominar a realidade.
O papel do cientista é estudar, pesquisar, sistematizar, teorizar sem, contudo, intervir,
influenciar, tomar posição no sentido de comprovar seu ponto de vista, sua maneira de conceber a
realidade. A qualidade do cientista está em ser competente formalmente.

Metodologia
É o estudo científico dos meios de obter o conhecimento humano. O Método. Diferencia-
se da Filosofia da Ciência, que trata descritivamente e especulativamente do conhecimento.

A Pesquisa Científica
Pesquisa científica é a realização concreta de uma investigação planejada, desenvolvida e
redigida de acordo com as normas da metodologia consagradas pela ciência.

Pesquisa Pura, Básica ou Teórica
Conforme o seu objetivo, a pesquisa é pura, básica ou teórica quando não tem por
finalidade a utilização prática, mas contribui para o avanço do conhecimento da teoria estudada.
Exemplo: A Origem do Universo

Pesquisa Aplicada ou Prática
A pesquisa classifica-se como aplicada ou prática quando é desenvolvida tendo-se em
vista sua utilização.
9
Exemplo: A busca de uma vacina contra a AIDS.

Pesquisa Bibliográfica
A pesquisa é bibliográfica quando o pesquisador utiliza-se de livros, revistas, documentos,
periódicos, enfim, registros impressos. Todo e qualquer trabalho científico inicia-se numa pesquisa
bibliográfica, que permite ao pesquisador conhecer o que já se estudou sobre o assunto.
Considerando o exemplo da pesquisa pura e o da aplicada, o ponto de partida para ambas
é o levantamento bibliográfico de tudo que já foi pesquisado a respeito do assunto.

Pesquisa de Campo
Se o pesquisador executa seu trabalho valendo-se de questionários aplicados ao objeto
de seu estudo, com a finalidade de coletar dados que lhe permitam responder ao problema, a
pesquisa é denominada de campo.

Fases da Pesquisa de Campo
Inicialmente devemos realizar uma pesquisa bibliográfica sobre o assunto em questão. Tal
estudo nos informará sobre a situação atual do problema, sobre os trabalhos já realizados a
respeito e sobre as opiniões reinantes; permitirá o estabelecimento de um modelo teórico inicial de
preferência, auxiliará no estabelecimento das variáveis e na própria elaboração do plano geral de
pesquisa.
Após a pesquisa bibliográfica prévia, de acordo com a natureza da pesquisa cumpre
determinar as técnicas de registro desses dados e as técnicas de sua análise posterior.

Espécie de pesquisa científica
Pesquisa teórica: tem por finalidade estruturar sistemas e modelos teóricos; ampliar
generalização, etc;
Pesquisa laboratorial: efetuada em laboratórios nas suas mais diversas e complexas formas;
Pesquisa bibliográfica;

QUALIFICAÇÃO DO PESQUISADOR E CRITÉRIOS PARA ESCOLHA DO ASSUNTO
Tendências e Preferências Pessoais
O pesquisador deve escolher um assunto correspondente ao seu gosto pessoal, que
sejam, preferencialmente, na sua área de atuação. Deve ter entusiasmo e dedicação, empenho e
perseverança no sentido de vencer os obstáculos.

APTIDÃO
Não basta gostar do assunto, é preciso aptidão, ser capaz de desenvolver o objeto de
estudo. Neste caso, aptidão significa formação cultural adequada ou específica, experiências ou
vivência na área em que se situa o assunto. Ex: assuntos de caráter agronômicos exigentes
aptidão ou capacidade agronômica; os de caráter filosóficos exigem capacidade ou aptidão para a
abstração, etc.

TEMPO
Antes do problema da escolha do assunto é importante considerar o tempo disponível e o
tempo necessário para levar a bom termo esta ou aquela pesquisa. É bem verdade que o
entusiasmo e a aptidão multiplicam a eficácia do trabalho, mas, não se pode optar por uma
assunto que exige muito mais tempo de pesquisa do que dispõe o pesquisador.

RELEVÂNCIA DA PESQUISA
O estudante imbuído do espírito científico não cede à tentação, ao comodismo, a
mediocridade de escolher assuntos pela sua aparente facilidade; ao contrário, procura assuntos
cujo estudo e o aprofundamento possa trazer à contribuição efetiva para o próprio
amadurecimento cultural, e alguma contribuição objetivo ao esclarecer melhor o problema, ao
corrigir uma falsa interpretação, ou aprimorar a definição de um conceito ambíguo, ao promover o
aprofundamento sobre o tema relevante pelo seu conteúdo e pela sua atualidade.
10
A maneira como se deu a canonização, em especial a evidência científica quanto ao
procedimento cuidadoso e analítico: comparando, aprovando, excluindo, usando uma metodologia
apropriada.

CIÊNCIAS AUXILIARES DA PESQUISA CIENTÍFICA
HERMENÊUTICA
A Hermenêutica é algo tradicional em metodologia da pesquisa, portanto se refere à arte
de interpretar textos e, sobretudo a comunicação humana. Parte da constatação de que a
realidade social, e nela, sobretudo o fenômeno da comunicação humana, possui dimensões tão
variadas, com várias nuanças misteriosas, que é mister atentar não só para o que se diz, mas
igualmente para o que não se diz.
Há na comunicação sentidos ocultos, cuja regra somente a Hermenêutica pode
restabelecer. Exemplo: o desenho de um peixe para informar que ali há um cristão. A leitura
apocalíptica é um exemplo bem marcante, em que ciladas interpretativas emergem a todo
momento.
Podemos afirmar que a Hermenêutica é a metodologia da interpretação.

FENOMENOLOGIA
É o estudo descritivo de um ou de um conjunto de fenômenos. A fenomenologia, entre
outras pretensões, é uma postura que prima pela modéstia do respeito à realidade social, sempre
mais abundante que os esquemas de captação. Em vez de partir de métodos prédios, ela faz o
caminho contrário. Parte da ponta para o começo. Isto é, de como um fenômeno se apresenta
para chegar a sua raiz. A partir daí segue a consciência crítica ou análise crítica.

SOCIOLOGIA
A sociologia é a ciência da sociedade. Estudos valores e as normas que existem de fato
na sociedade e tentar identificar e classificar as relações entre componentes da sociedade e
outras manifestações da vida social. Sem, no entanto, julgar a sociedade nem os homens de seus
atos. Não cabe a sociologia dizer como a sociedade deve ser, mas explicar como é.

OUTRAS
Antropologia e demais ciências humanas são suportes valiosos a pesquisa.

A Leitura
Paulo Freire, grande educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma
prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo ele, não só é possível analisar a própria
atitude face aos estudos, como também se pode estudar a relação com a leitura. Ele nos diz que o
ato de ler só se realiza mediante um espaço de relação lógica com o autor. Esta postura nos
remete à questão do pensar. Todavia, na época atual, época dos meios de comunicação de
massa, dos sistemas educacionais funcionalistas, de imediato não se consegue apreender
claramente as dificuldades inerentes ao trabalho teórico. Mas o ato de ler, que é um ato de
concentração, exige distanciamento e reflexão. É um fato que só se realiza mediante os
procedimentos lógicos de análise, síntese, interpretação, juízo crítico.
Deste modo, só seguindo uma série de atividades preparatórias é que se consegue
alcançar um nível de interpretação aprofundados de texto, onde afinal o sentidos se manifesta.

COMO LER
Dizia um professor de filosofia: "a inteligência humana é lenta". Isto pode significar que
passamos por um processo intelectual até vencermos os obstáculos pessoais e culturais e
alcançarmos a exata compreensão de uma mensagem esta nem sempre se mostra de imediato no
momento da comunicação. É necessário da nossa parte um espaço de tempo para que possamos
decodificar, assimilar, o que foi revelado no texto.
Deste modo, se quisermos descobrir a mensagem de um texto de modo abrangente,
temos de nos submeter a uma séria disciplina de trabalho:

1
o
- Delimitar a unidade de leitura que pode ser um capítulo, uma sessão ou até mesmo um
grande parágrafo. O que caracteriza a unidade de leitura é a apresentação no sentido de modo
global. Só após o entendimento dessa unidade é possível prosseguir na investigação de novas
unidades de leitura;
11
2
o
- Ler repetidas vezes o mesmo texto e certificar-se do alcance da compreensão verdadeira do
assunto em pauta, de quando as idéias principais de cada parágrafo; ao lado, na margem,
escrevendo uma ficha resumo.
PASSOS
a) Leitura Exploratória - É a fase em que se deve prestar atenção à diretriz do pensamento do
autor. Neste primeiro contato, dependendo das motivações da leitura, o leitor poderá levantar
outros elementos que possam esclarecer mais a leitura.
Nessa primeira leitura corrida não convém resumir bem sublinhar as idéias-chave. Todavia, é
possível elaborar um modo sucinto no esquema das grandes partes do texto, de preferências dos
três modelos da redação: introdução, desenvolvimento e conclusão, que expressa bem a estrutura
lógica do pensamento do autor. O esquema para visualizar um texto de modo global.
Poderá procurar dados sobre a vida e obra do autor, sobre o momento histórico que ele
viveu, sobre as influências históricas que recebeu e até mesmo se elucidar sobre o vocabulário
que ele usa.
b) Leitura Analítica - é a fase do exame do texto ou, como diz Paulo freire: fase “da relação de a
lógica com o autor do texto, cujo mediador não é o texto considerado formalmente, mas, o tema,
ou os temas nele tratados".
Nesta etapa é necessário deixar o autor falar para tentar perceber o que e como ele
apresenta o assunto. Quando estamos atentos ao texto geralmente surge na mente um conjunto
de perguntas cujo, as respostas revelam o sentido e o conteúdo da mensagem.

EXEMPLO DE PERGUNTAS:
1- de que fala o texto?
2- como está problematizado?
3- qual o fio condutor da explanação?
4- que tipo de raciocínio ele segue na argumentação?

Todavia, é necessário lembrar que a idéia central defendida pelo autor só pode tomar
corpo associada a outras que são chamadas de secundárias em relação à primeira.
Mas como trabalha esta fase de leitura?
A partir de unidades bem determinadas (parágrafos), tendo sempre à frente o tema
problema que é o fio condutor de todo texto. Neste trabalho de análise o texto é subdividido
refazendo toda a linha de raciocínio do autor. Para deixar as claras a idéia central no texto, é
fundamental a técnica de sublinhar.

DICAS
1. nunca sublinhar na primeira leitura.
2. só sublinhar as idéias principais e os pormenores significativos
3. elaborar um código a fim de restabelecer os sinais que identifiquem o seu modo pessoal de
empreender a leitura. Exemplo: um sinal de interrogação face aos pontos obscuros do parágrafo;
outro exemplo: um retângulo para colocar em destaque as palavras chave.
4. reconstruir o texto a partir das palavras sublinhadas em cada parágrafo além da leitura analítica
serve de base para a elaboração do resumo ou síntese do livro. Convém lembrar, que o resumo
não é uma redução de idéias apreendidas nos parágrafos mas é fundamentalmente a síntese das
idéias do pensamento do autor.

c) Leitura Interpretativa – O ato de compreender a si afirma no processo da interpretação, que
afinal expressa nossa capacidade de assimilação e crítica do texto.
Nessa nova etapa de interpretação já não mais estamos aprendendo apenas um fio
condutor do raciocínio do autor como na leitura analítica.
Estamos nos posicionando facilmente ao que ele diz, para isso precisamos muitas vezes de outras
fontes de consulta. Elas deverão servir para ampliar a nossa visão sobre o assunto e o autor e
deste modo servir de instrumento de avaliação do texto.
Este momento de crítica é um momento de muita ponderação, exige uma consciência dos
nossos pressupostos de análises diante dos pressupostos do autor. Se não houver distinção
provavelmente haverá interferência na compreensão dos fundamentos base da mensagem.
Também é possível se estabelecer critérios de julgamento, como originalidade, nova
contribuição a exploração do assunto com a coerência interna, etc. Todavia, esta postura
considerada o objetivo é por estar tão presa à diretriz de uma escola que pode até mesmo impedir
a autocrítica e nos induzir a uma postura crítica inadequada em relação ao assunto e ao autor.
12
O esforço de alto crítica nos permitir perceber os limites da certeza da nossa interpretação
como também possibilita prestar maior atenção aos argumentos apresentados pelo autor. Deste
modo, ficamos sensíveis a demonstração da verdade e o exercício da sua busca se torna o
sentido do nosso estudo e trabalho acadêmico.
d) Problematização - para termos certeza da compreensão do que foi lido, nada mais indicativo do
que o levantamento dos problemas do texto. Esse esforço nos faz rever todo texto, dando nos
elementos para reflexão pessoal e debate em grupo.

TÉCNICAS DE LEITURA
1. SKIMMING - Rápido correr de olhos sobre uma obra com a intenção de se obter um
conhecimento geral da mesma pode ser usado na leitura de o informativo (jornais, revistas); em
revisão de um tema a ser estudado; no levantamento bibliográfico sobre esse tema; na escolha de
livros de estudo ou lazer; na localização de datas e nomes, etc. Na consulta a dicionários e
enciclopédias.
2. Leitura Analítica - Método de estudo proposto por Severino que, tem como objetivos “fornecer
uma compreensão global do significado do texto; treinar a compreensão e interpretação crítica dos
textos; treinar o desenvolvimento do raciocínio lógico; e fornecer instrumentos para o trabalho
intelectual desenvolvido nos seminários, estudo dirigido no estudo pessoal ou em grupos,
confecção de resumos esquema, relatórios, etc”.

O autor relaciona cinco processos básicos da leitura analítica:
ANÁLISE TEXTUAL: preparação do texto: através de uma primeira leitura da unidade para se
adquirir uma visão geral da mesma. Nesta etapa levantam-se, as dificuldades relativas ao
vocabulário, fatos conceitos, obras e autor citados e buscam se os devidos esclarecimentos.
2.2- ANÁLISE TEMÁTICA: compreensão da unidade: identificação do tema do problema gerador
do texto, as idéias principais e secundárias. É a etapa que permite a reconstrução da linha de
raciocínio do autor e serve de base para a elaboração do resumo do texto.
2.3- ANÁLISE INTERPRETATIVA: interpretação crítica do texto: situação do texto no contexto da
vida e da obra do autor, bem como no contexto da cultura de sua especialidade como são
temáticas sugeridas pelos vários enfoques e colocações da tomada de posição própria a respeito
das idéias enunciadas; é exercício de uma atitude crítica frente às posições do autor em termos de
coerência da argumentação lógica na seqüênciação das idéias desenvolvidas, validade,
originalidade e profundidade dos argumentos empregados.
2.4- PROBLEMATIZAÇÃO - discussão do texto: “retomada geral de todo o texto, tendo em vista o
levantamento dos problemas mais relevantes para uma reflexão pessoal e ou discussão em
grupo”.
2.5 - SÍNTESE PESSOAL: reelaboração pessoal da mensagem: produção de um novo texto com
discussão e reflexões pessoais.

PROJETO DE PESQUISA
GÊNESE EXEMPLO DO PRIMEIRO PROJETO DE PESQUISA
Ninguém pode pretender retirar do vácuo um projeto de pesquisa. Ele tem seu processo
normal de nascimento. Evidentemente, a opção por um determinado tema o antecede. Seguem a
esta opção, as primeiras pesquisas em bibliografia genérica, os primeiros questionamentos, as
progressivas delimitações do assunto e a definição da compreensão e da extensão dos termos da
proposição iniciativa do tema. A rigor, não foi traçado o primeiro projeto de pesquisa, mas ele já
estava em processo de gestação.
O próximo passo consistirá na conversão do tema em problema porque a pesquisa só tem
sentido quando se desenvolvem na procura da solução para um problema. A clara enunciação da
hipótese é que determinará em última instância, os critérios para a leitura da bibliografia e para a
tomada de apontamentos de passagens relevantes para a confirmação ou não da hipótese.

ELEMENTOS DO PRIMEIRO PROJETO DE PESQUISA
Não basta que tenhamos em mente o projeto daquilo que se vai fazer. Cumpre que se
passe para o papel, que se escrevam, com cuidado aquilo que representa o fruto de um primeiro
esforço. Passar o projeto da cabeça para o papel é reconfortante, alivia a mente, põe um ponto
final na primeira fase do trabalho e réanima para a ação ordenada e eficiente da pesquisa.
Os elementos que deverão ser destacados neste primeiro projeto de pesquisa são os
seguintes:
13
a) enunciação do tema;
b) definição dos conceitos;
c) indicação clara e precisa da extensão dos conceitos, como finalidade de determinar o assunto
da pesquisa, distinguindo-a de tudo o mais que não versará;
d) indicação de circunstâncias, se houvera, para completar a delimitação da pesquisa, como seria
a circunstância de tempo, de espaço, de instrumento, etc.
e) de explicação e aumento da idéia principal retirada do tema bem como os pormenores que a
esta altura pareçam importantes;
f) ponderação sobre objetivos e sobre o alcance da pesquisa prevista, estabelecimento de
condições e viabilidade;
g) definir as fases posteriores e cronogramas para o seu cumprimento dentro das reais
possibilidades do pesquisador, para que evite as famosas "sinfonias inacabadas".
O primeiro projeto de pesquisa terminará com o restabelecimento da ordem a seguir no
levantamento bibliográfico (quando for o caso).

A Título de Exemplo
Recapitulemos tudo o que foi dito com exemplo concreto.
A Lei Complementar n
o
554/92, Conselho Federal de Educação, introduziu nos programas
dos Cursos Teológicos uma disciplina inteiramente nova nas áreas de Educação Moral e Cívica,
sob o título: "Fundamentos Filosóficos da Educação Moral".
Suponhamos que a cadeira exija uma pesquisa bibliográfica de término de curso; é
provável que o professor não apresente uma relação de temas (deixe a critério do aluno), embora
se coloque a área de exposição orientações, aberturas de esclarecimentos.
Geralmente, segue a esta exigência uma fase de desconforto, de preocupação, de
indecisão, de dificuldades, de angústias mesmo por parte dos alunos mais versáteis. É a fase
onde mais se ouve: " mas, o que é que eu vou fazer?"
O irmão Antônio recorreu a alguns manuais didáticos, percorreu os índices e se interessou
pelo título "Moral e Religião", e na aula seguinte apresentou esse tema.
O professor ouviu as explicações de Antônio e perguntou:
- Você não acha que este assunto anunciado é amplo demais?
Antônio concordou e, voltou a ler ou reler a bibliografia e genérica sobre o assunto, e
chegou a uma definição: "A moral religiosa esta necessariamente vinculada à religião, mas a moral
filosófica é autônoma relativamente à religião".
Houve um processo notável na delimitação do assunto, mas ainda parece amplo demais.
Seria necessário delimitar ainda mais o tema, apelando, por exemplo, para a circunstância de
tempo e espaço.
Antônio se empenha no trabalho de delimitar, de restringir, de especificar seu tema, e
acaba por enunciá-lo nos seguintes termos de:
"Conceito de fundamentação da moral científica em Anísio Teixeira".
Esse enunciado ganhou novas limitações da moral científica e não há outros aspectos do
problema e, ou se limitará a obra de um autor em lugar e tempo determinados e não as produções
de inúmeros autores que vieram e escreveram ao longo de 25 séculos.
Para um trabalho de pesquisa de nível superior estamos, diante de um bom tema, isto é,
de um assunto suficientemente delimitado. O tema é expresso em proposição significativa,
relevante e verificável, mediante pesquisa adequada às condições de um estudante. Mesmo
sendo ele do curso de teologia.
Antônio vai agora elaborar o seu primeiro projeto de pesquisa, que resultará no seguinte:
Centro de Formação Teológica Batista Nacional
Curso de Teologia
Disciplina: Metodologia da Pesquisa Científica
Aluno: Antônio Roberto de Sá Nunes Matsumoto
Projeto de pesquisa para atender a requisitos práticos da disciplina.

TÍTULO: Conceito de Fundamentação da Moral Científica em Anísio Teixeira

1. A esclarecer:

a) moral;
b) moral científica;
c) moral filosófica;
14
d) moral religiosa.

Definir cada um destes conceitos, coletando material para introdução do trabalho, bem
como para a súmula-história e enfoque da relevância atual do problema. Dessas definições
decorrerá clara e precisa delimitação do assunto.

2. Estudar a vida de Anísio Teixeira com o objetivo de elaborar sua biografia, acentuando os
períodos de sua vida e as circunstâncias nas quais abordou o problema em epígrafe.

3. Refraseamento para a explicação da idéia principal:

a) Estará à moral, por sua natureza necessariamente vinculada à religião? O
preceito que deve pautar a conduta só tem validade quando relacionados à religião? Os
fundamentos da moral são de caráter religioso?

b) Historicamente, a moral nasceu junto com a religião, antecedeu a religião? Há
quem afirme que a moral nasceu com a religião, nasceu da religião e se constituiu em território
religioso; outros aventam a possibilidade e defendem a validade da moral científica. Isto é, da
moral estabelecida por indução a partir da realidade e do meio onde o homem vive, e não deriva
por dedução a partir de dogmas religiosos ou de teses filosóficas que, entre esses últimos, figura
Anísio Teixeira discípulo e defensor de Jonh Dewey.

4. objetivo da pesquisa:

a) Comprovar o fato da fusão entre moral e religião. Consultar nesta primeira fase,
tratados gerais de história e filosofia;
b) Comprovar a relevância e a atualidade do problema quer para esclarecimento teórico,
quer pelos aspectos práticos.
c) Definir o pensamento de Anísio Teixeira a respeito da moral científica, comprovando,
através de textos, como ele entendeu e como procurou fundamentá-la.

A presente coleta de material será utilizada no corpo do presente trabalho.

5. O projeto definido o será elaborado ao final desta fase de pesquisa após a coleta e análise de
todo material previsto neste projeto provisório.

Projeto Definitivo

Monta-se o projeto definitivo quando nada mais houver a pesquisar e a esclarecer como
um rascunho mais desenvolvido, com uma indicação a cada passo, das fichas que devem ser
inseridas. Atenção: a ordem do projeto não obedecerá necessariamente a ordem da pesquisa,
mas a linha das idéias em perfeita ordem para a redação final.

Redação Final

a) Depois do trabalho de documentação, denominado heurística, depois do trabalho de
crítica, denominado Hermenêutica e depois da seleção do material dentro de um plano concreto e
definido, esboçado no resumo final, o pesquisador passa a professor que ensina, a redator que
escreve para defender a própria pesquisa.

b) Há normas técnicas para a redação de um trabalho de pesquisa assim como para a
redação de qualquer outro trabalho: estrutura lógica do texto, isto é, começo, meio e fim.
Introdução, Desenvolvimento e Conclusão.

Introdução: a introdução tem por finalidade apresentar o problema que vai estudar, acenar para o
seu estágio de desenvolvimento e para a relevância da pesquisa realizada. Deve conter os
seguintes itens:

a) Apresentação sumária do conteúdo (status questionis), isto é, estágio de desenvolvimento do
assunto mediante referência a tudo o que já se escreveu sobre ele;
15
b) Referencia às possibilidades de contribuição da pesquisa ao fim que se propõe;
c) Enfoque da idéia central que presidiu a pesquisa e do roteiro obedecido para atingir este
propósito;
d) Delimitação clara do campo da pesquisa.

Cumpre observar que a introdução deve ser bem cuidada. Embora apareça no início do
trabalho e, é a última parte a ser definitivamente redigida. Tem como característica principal a
brevidade a segurança e a modéstia, isto é, deve acenar para o histórico da questão, as partes do
corpo do trabalho. "O bom artista se conhece logo pela sua entrada em cena".

Desenvolvimento: Constituem a parte mais extensa. Tem por objetivo desenvolver a idéia
principal, analisando-a, ressaltando os pormenores mais importantes, discutindo hipóteses
divergentes e demonstrando através de documentação (citando-as).
Os títulos das partes, dos capítulos e de cada item devem exprimir clara, direta e
precisamente a idéia principal nele contida. E todas as partes devem estar articuladas
logicamente, a partir das idéias principal que gera a visão harmoniosa e equilibrada do todo.

Conclusão: A conclusão é a foz da pesquisa; é o ponto para o qual convergem os passos da
análise, da discussão, da demonstração, a busca de incorporação de um todo maior.
A conclusão deve ser breve, deve ser preparada tomando como base o corpo do trabalho.
Tem como finalidade reafirmar sinteticamente a idéia principal e os pormenores mais importantes
em plena luz do corpo do texto.


Aspectos Gráfico e Material de Redação

O objetivo da presente abordagem é contribuir para a maior uniformidade e correção
técnica na apresentação técnica e na apresentação de trabalhos escolares.

a) Ao redigir um trabalho o autor deve proceder como se estivesse preparando os originais
de um livro a serem encaminhados para edição tipográfica. A boa impressão é de fundamental
importância.

b) O papel deve ser de boa qualidade e de tamanho A4. O texto deve ser digitado em
espaço 1,5, com margens:
- Superior – 3,5 cm.
- Inferior – 2,5 cm.
- Direita – 2,5 cm.
- Esquerda – 4,0 cm.

Elaboração de um projeto de pesquisa
O projeto de pesquisa visa à ordenação de uma pesquisa científica de tal maneira que
viabilizem sua execução. O alcance do assunto pesquisado será determinado por alguns
parâmetros científicos, que servirão de guia para o pesquisador expor suas reflexões de forma
racional e compreensível.
A pesquisa científica precisa ser planejada antes da sua execução. Lakatos defende que o
projeto a partir de uma das etapas componentes do processo de elaboração, é a execução e a
apresentação da pesquisa, sendo esse planejamento realizado com extremo rigor; pois poderá
levar o pesquisador para caminhos em que encontrará dificuldades para solucionar ou apresentar
uma solução condizente com seu raciocínio. Portanto é imprescindível a elaboração de um projeto
de pesquisa como ponto de partida para o trabalho científico.
Não se podem abandonar os preceitos teóricos que cercam uma investigação científica.
Todo o processo exige uma comprovação dos dados apresentados e detalhamento do raciocínio
do pesquisador para evidenciar sua proposta de deixar claro, desde o projeto, quais são os
objetivos, a determinação do problema da pesquisa, a hipótese de que a elaboração do relatório
final resultará.
Antes da redação de um projeto de pesquisa, é importante que se faça uma pesquisa
inicial para colher informações sobre o assunto a ser pesquisado. E isso beneficia o pesquisador,
uma vez que aprimora seu conhecimento acerca do assunto e apresenta em qual estágio de
16
desenvolvimento com que se encontra o tema, bem como uma melhora no ordenamento de sua
proposta.
Antes da execução de qualquer atividade, é necessária a realização de um planejamento.
No entanto, muitos pesquisadores acham que isso pode ser dispensado e que as dificuldades
para a elaboração de um projeto de pesquisa pode causar desmotivação. Somente a experiência
lhes mostra que uma pesquisa iniciada sem projeto implica ações do tipo tentativas e erro, que
não deixa opções para eles vencerem os obstáculos que surgem e, nem tão pouco, permite
demonstrar a clareza de seu objetivo e as razões para sua pesquisa. Isso os torna inseguros e
reduplica seu esforço inicial, uma vez que cada barreira representa uma retomada do passo
anterior, sem definição do que está sendo realizado.
Em suma, o projeto de pesquisa dá ao pesquisador a oportunidade de conciliar os mais
diferentes elementos que cercam uma pesquisa científica e, ao mesmo tempo, torna possível a
identificação de prováveis obstáculos no transcorrer dessa investigação. Além disso, oferece
soluções possíveis por intermédio da determinação de preceitos metodológicos e da especificação
dos parâmetros intrínsecos ao assunto, isto é, da definição aos termos da pesquisa que evidencia
o significado destes para aquela.
Verificando a literatura que trata da elaboração de um projeto de pesquisa, é possível
verificar que as diversas propostas para tal realização apresentam alguns pontos coincidentes.
Na proposta aqui apresentada, procura se evidenciar alguns dos mais significativos itens
de um projeto de pesquisa, de maneira a tornar as elaborações, objetivas, claras e de fácil
compreensão tanto para o pesquisador quanto para o orientador da pesquisa.

Estrutura do Projeto de Pesquisa
Apesar de haver uma série de formulações de projeto de pesquisa é, preciso que o pesquisador
saiba que a estrutura apresentada tem sido utilizada nos últimos anos com grande aproveitamento por
grande parte dos pesquisadores orientados e pelos professores.
A critério do orientador, o projeto de pesquisa pode incluir ou suprimir alguns elementos,
para que ocorra uma aproximação do projeto com um assunto da pesquisa.
Durante a elaboração da redação do projeto ou de qualquer pesquisa científica, a
linguagem empregada deve ser impessoal, e evitando o uso de termos como: „eu acho‟;
„meu/minha‟; „e mostro com isso que...‟ e 'a pesquisa mostra que...‟
A estrutura de um projeto de pesquisa é composta dos elementos a seguir e, são
discutidos como exemplo:

1. Tema
2. Justificativa do Tema
3. Objetivo Geral
4.Objetivo Específico
5. Formulação do Problema da Pesquisa
6. Formulação da Hipótese da Pesquisa
7. Metodologia da Pesquisa
8. Definição dos Termos da Pesquisa
9. Bibliografia
10. Cronograma
11. Custos
Ver exemplo no Apêndice

SÍNTESE DE ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO DE PESQUISA
Prof. Gilberto de Andrade Martins
Projeto de pesquisa é um texto que define e mostra, com detalhes, o planejamento do
caminho a ser seguido na construção de um trabalho científico de pesquisa. É um
planejamento que impõe ao autor ordem e disciplina para execução do trabalho de acordo
com os prazos estabelecidos. O projeto de pesquisa é necessário para seu autor:
17
· Discutir suas idéias com colegas e professores em reuniões apropriadas. Iniciar contatos
com possíveis orientadores. Participar de seminários e encontros científicos. Apresentar
trabalho acadêmico à disciplina Metodologia da Pesquisa, ou assemelhadas. Solicitar
bolsa de estudos ou financiamento para o desenvolvimento da pesquisa. Participar de
concurso para ingresso em Programas de Pós-Graduação. Ser argüido por membros de
bancas de qualificação ao mestrado ou doutorado.
Como enfatizado em aulas e textos sobre metodologia: leia, leia, leia,... , capítulos, livros,
artigos etc. que tratam do assunto que você tem interesse e deseja estudar. Escolha,
dentro do assunto, o tema-problema que será investigado. Seja criativo no recorte que
dará ao seu tema, isto é: sob que ângulo, ou perspectiva você irá tratá-lo (esta é uma fase
decisiva, portanto “queime energias”, não se contente com “qualquer tema”). Expresse o
título de seu projeto de pesquisa. Lembre-se: um título bem colocado equivale a um
projeto.
Não há um único figurino para se elaborar um projeto de pesquisa. Uma proposta e
apresentada a seguir:
INTRODUÇÃO ou, se preferir, OBJETO DO ESTUDO
De forma discursiva (portanto, não itimizada), inicie colocando alguns antecedentes do
assunto/tema/problema escolhido. Nesta seção você deverá contextualizar o tema que
pretende investigar. Aponte tendências de ordem prática e teórica, pontos críticos e
preocupações. Exponha suas justificativas e razões para a escolha do tema, e a
perspectiva que pretende abordá-lo. Coloque as possíveis contribuições esperadas do
estudo. Em síntese, caracterize o objeto de sua futura pesquisa.
Enuncie os objetivos da pesquisa. Para tanto exponha respostas à pergunta: para que
fazer a pesquisa? Inicie a redação dos objetivos colocando o verbo no infinitivo, por
exemplo: caracterizar, buscar, aplicar, avaliar, determinar, enumerar, explicar, ... Se
pertinente, enuncie as hipóteses que pretende testar. (Veja pg. 31 do GUIA)
REVISÃO DA BIBLIOGRAFIA - QUADRO TEÓRICO
Alguns autores denominam esta seção de revisão da literatura, outros como referencial
teórico. Apresente o levantamento bibliográfico preliminar que dará suporte e
fundamentação teórica ao estudo. Não se trata de uma relação de referências
bibliográficas (nomes de livros, artigos e autores). Tente dar início à construção da
moldura conceitual sobre o tema que será pesquisado, mostrando ligações entre a
bibliografia a ser pesquisada e a situação problema que se pretende solucionar. Mencione
- faça citações: transcrições ipsis litteris - apresente, e discuta pelo menos um estudo que
tenha relação com o tema que você pretende desenvolver. Não confunda esta seção com
uma carta de intenção dos textos que você pretende ler. (Veja pg. 29 e 30 do GUIA. Para
citações pg. 68)
METODOLOGIA - Abordagem metodológica a ser empreendida
Justifique e descreva a abordagem metodológica que você pretende adotar – método
científico e técnicas de pesquisa. Nesta seção você deverá explicar como irá fazer,
conduzir, a sua pesquisa. Conforme a natureza da investigação, caracterize a população
objeto do estudo, bem como o plano amostral que será desenvolvido. Também, conforme
o caso, descreva o instrumento de coleta de dados. Se a pesquisa que se pretende
desenvolver é experimental, nesta seção é detalhada a relação de equipamentos
necessários.

ORÇAMENTO
18
CRONOGRAMA
Coloque as principais atividades que serão realizadas, e as datas em que tais eventos
acontecerão. Por exemplo:

Semana ou meses 1 2 3 4 5 ...
Atividades
Revisão da bibliografia X X X X X ...
Redação, etc. X X ...
...
BIBLIOGRAFIA
Referências bibliográficas utilizadas no trabalho, segundo as normas da ABNT.
Bibliografia:
MARTINS, Gilberto de Andrade. Manual para elaboração de monografias e
dissertações. São Paulo: Atlas, 2000.

COMO REDIGIR TRABALHOS CIENTÍFICOS
Há quem afirme que estudantes de graduação, pós-graduação, jovens pesquisadores e
atividades e a ocupar os diferentes cargos, sejam administrativos ou de decisão. Isso é verdade,
todavia eles precisam saber escrever corretamente, se pretendem alcançar êxito como
pesquisadores e professores.
Os requisitos para a redação de trabalhos científicos e técnicos são os mesmos : clareza,
inteireza, acuidade, simplicidade. Neste contexto, por conseguinte, a palavra cientista significa
cientista e tecnólogo; e a expressão escrito científico abrange escritos científicos e escritos
técnicos.
Escrever faz parte da Ciência. Não obstante, muitos cientistas e pesquisadores ( e pós-
graduandos) deixem de receber treinamento na arte de escrever. Há uma certa ironia no fato de
ensinarmos nossos alunos de pós-graduação e jovens pesquisadores a utilizarem instrumentos e
técnicas, muitas das quais jamais farão uso em sua vida profissional e, paradoxalmente, não os
ensinarmos a escrever, a transmitir os conhecimentos gerados. Escrever é o que eles precisam
tecnológos ou professores.
(Texto compilado e adaptado do Prefácio da obra "Os Cientistas Precisam Escrever - Guia de
Redação para Cientistas, Engenheiros e Estudantes", de autoria de Robert Barrass, por
Oswaldo Luiz Alves).
Bibliografia, em português, selecionada sobre o tema:
- Robert Barrass, "Os Cientistas Precisam Escrever - Guia de Redação para Cientistas,
Engenheiros e Estudantes", Ed. T.A. Queiroz e Editora USP, São Paulo, 1979 , 218 p.
- A. da Gama Kury, "Elaboração e Editoração de Trabalhos de Nível Universitário"
Fundação Casa de Rui Barbosa, Rio de Janeiro, 1980, 92 p.
19
- A. Magalhães, A. Houaiss, B. Silva et all., "Editoração Hoje", Ed. Fundação Getúlio
Vargas, 2
ª
Ed., Rio de Janeiro, 1981, 236 p.
Bibliografia, em inglês, selecionada sobre o tema :
- D. L. Carrol, "How to Prepare your Manuscript for a Publisher", Marlowe & Company,
New York, 1988, 102 p.
- K. L. Turabion, "A Manual for Writers of Term papers, Thesis and Dissertations"
Phoenix Books, University of Chicago Press, Chicago, 1960, 110 p.
- M. S. Samuels, "The Technical Writing Process", Oxford Press, New York, 1989, 311 p.
H. E. Meyer and J. M. Meyer, "How to Write: Communicating Ideas and Information", Barnes &
Noble Books, New York, 1993, 110 p.

Elaboração de Resumo: Dissertação, Artigo e Tese.

Prof. Gilberto de Andrade Martins
Trata-se da apresentação concisa de todos os pontos relevantes do trabalho. Visa fornecer
elementos capazes para permitir ao leitor decidir sobre a necessidade de consulta integral do texto.
O resumo deve ressaltar a problemática que se pretendeu solucionar e explicar; os objetivos; a
abordagem metodológica empreendida; os resultados e as conclusões. Os resultados devem
evidenciar, conforme os achados da pesquisa: o surgimento de fatos novos, descobertas
significativas, contradições com teorias anteriores, bem como relações e efeitos novos verificados.
O resumo deve ser composto de uma seqüência corrente de frases concisas, e não de uma
enumeração de tópicos. Dar preferência ao uso da terceira pessoa do singular e do verbo na voz
ativa. Deve-se evitar o uso de parágrafos, o uso de frases negativas, símbolos, fórmulas, equações
e diagramas. O resumo é digitado com espaços simples entre linhas e deve abranger, no máximo,
uma página.
Recomenda-se que os resumos tenham as seguintes extensões:
a) para notas e comunicações breves, até 100 palavras;
b) para monografias e artigos, até 250 palavras;
c) para dissertações e teses, até 500 palavras.
A versão do resumo para a língua inglesa é o abstract.
Bibliografia:
MARTINS, Gilberto de Andrade. Manual para elaboração de monografias e dissertações. São
Paulo: Atlas, 2000.

CITAÇÕES
Em um trabalho científico devemos ter sempre a preocupação de fazer referências precisas às
idéias, frases ou conclusões de outros autores, isto é, citar a fonte (livro, revista e todo tipo de
material produzido gráfica ou eletronicamente) de onde são extraídos esses dados.
20
As citações podem ser:
- diretas, quando se referem à transcrição literal de uma parte do texto de um autor,
conservado-se a grafia, pontuação, idioma etc. (também são chamadas de citações
diretas), devem ser registradas no texto entre aspas;
- indiretas, quando são redigidas pelo(s) autor(es) do trabalho a partir das idéias e
contribuições de outro autor (podem ser chamadas também de citações indiretas),
portanto, consistem na reprodução do conteúdo e/ou idéia do documento original; devem
ser indicadas no texto com a expressão: conforme ... (sobrenome do autor).
As citações fundamentam e melhoram a qualidade científica do trabalho, portanto, elas têm a
função de oferecer ao leitor condições de comprovar a fonte das quais foram extraídas as idéias,
frases ou conclusões, possibilitando-lhe ainda aprofundar o tema/assunto em discussão. Têm
ainda como função, acrescentar indicações bibliográficas de reforço ao texto.
As fontes podem ser:
- primárias: quando é a obra do próprio autor que é objeto de estudo ou pesquisa;
- secundária: quando trata-se da obra de alguém que estuda o pensamento de outro autor
ou faz referência a ele.
Conforme a ABNT (NBR 6023), as citações podem ser registradas tanto em notas de rodapé
chamadas de Sistema Numérico, como no corpo do texto, chamado de Sistema Alfabético.
Na Universidade Anhembi Morumbi, faremos o registro de citações pelo Sistema Alfabético, que
coloca, imediatamente após as aspas finais do trecho citado, os elementos entre parênteses no
corpo do texto.
Os elementos são:
- sobrenome do autor em letras maiúsculas;
- data da publicação do texto citado;
- página(s) referenciada(s)
Exemplo: (SEVERINO, 2000, p. 190)
A primeira vez que uma obra é citada, deve-se fazer a citação seguindo-se o modelo acima; nas
subseqüentes, se não houver obra de outro autor entre uma e outra, elas podem aparecer
antecedidas das expressões latinas:
- ibidem (ou ibid.): quando a citação for do mesmo autor e mesma obra;
- idem (ou id.): quando a citação for do mesmo autor e obra diferente.
Exemplo: (Ibidem, p. 201) ou (Ibid., p. 201) (Idem, 1998, p. 42) ou (Id., 1998, p. 42)
Quando se utiliza uma fonte secundária, emprega-se a expressão apud (junto a, em), da seguinte
forma:
Exemplo: (DEMO apud BEHRENS, 1998, p. 32)
- CITAÇÕES DIRETAS
- CITAÇÕES INDIRETAS
- CITAÇÕES MISTAS
CITAÇÕES DIRETAS
Curtas
As citações curtas, com até 3 linhas, deverão ser apresentadas no texto entre aspas ou em itálico
e ao final da transcrição, faz-se a citação.

Exemplo 1:É neste cenário, que (...) a AIDS nos mostra a extensão que uma doença pode tomar
no espaço público. Ela coloca em evidência de maneira brilhante a articulação do biológico, do
político, e do social (HERZLICH e PIERRET, 1992, p. 7).
21
Exemplo 2: Segundo Paulo Freire, "transformar ciência em conhecimento usado apresenta
implicações epistemológicas porque permite meios mais ricos de pensar sobre o conhecimento..."
(1994, p. 161).
Longas
As citações longas, com mais de 3 linhas, deverão ser apresentadas entre aspas ou em itálico,
separadas do texto por um espaço. O trecho transcrito é feito em espaço simples de entrelinhas,
fonte tamanho 10, com recuo de 4 cm da margem esquerda. Ao final da transcrição, faz-se a
citação.
Exemplo: O objetivo da pesquisa era esclarecer os caminhos e as etapas por meio dos quais essa
realidade se construiu. Dentre os diversos aspectos sublinhados pelas autoras, vale ressaltar que:
(...) para compreender o desencadeamento da abundante retórica que fez com
que a AIDS se construísse como 'fenômeno social', tem-se freqüentemente
atribuído o principal papel à própria natureza dos grupos mais atingidos e aos
mecanismos de transmissão. Foi construído então o discurso doravante
estereotipado, sobre o sexo, o sangue e a morte (...) (HERZLICH e PIERRET,
1992, p.30).
CITAÇÕES INDIRETAS
Reproduz-se a idéia do autor consultado sem, contudo transcrevê-la literalmente. Nesse caso, as
aspas ou o itálico não são necessários, todavia, citar a fonte é indispensável.
Exemplo 1:De acordo com Freitas (1989, p. 37), a cultura organizacional pode ser identificada e
aprendida através de seus elementos básicos tais como: valores, crenças, rituais, estórias e mitos,
tabus e normas.
Exemplo 2: A cultura organizacional pode ser identificada e aprendida através de seus elementos
básicos tais como: valores, crenças, rituais, estórias e mitos, tabus e normas. Existem diferentes
visões e compreensões com relação à cultura organizacional. O mesmo se dá em função das
diferentes construções teóricas serem resultantes de opções de diferentes pesquisadores, opções
estas que recortam a realidade, detendo-se em aspectos específicos (FREITAS, 1989, p. 37).

Exemplo 3:É na indústria têxtil de São Paulo que temos o melhor exemplo da participação da
família na divisão do trabalho. A mulher, neste setor, tem uma participação mais ativa na gestão
dos negócios e os filhos um envolvimento precoce com a operação da empresa da família.
(DURAND apud BERHOEFTB, 1996, p. 35).
Exemplo 4:Pescuma e Castilho (2001, p. 36) apresentam detalhadamente a utilização da Internet
como fonte de pesquisa.

CITAÇÕES MISTAS
Diz respeito à utilização de expressões ou termos utilizados por outros autores inseridos no
trabalho. Neste caso, apenas a expressão ou termo é colocado entre aspas ou em itálico. A
citação da fonte continua sendo indispensável.
Exemplo : O papel do pesquisador é o de servir como veículo inteligente e ativo (LÜDKE e
ANDRÉ, 1986, 11) entre esse conhecimento acumulado na área e as novas evidências que serão
estabelecidas a partir da pesquisa.


CONSTRUÇÃO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Prof. Gilberto de Andrade Martins
Para que serve a normalização?
A utilização de normas técnicas na elaboração de TRABALHOS ACADÊMICOS é
fundamental para facilitar a comunicação e o intercâmbio da informação.
No Brasil existe a ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas, que é o fórum
nacional de normalização. Esse órgão é responsável pela emissão de todas as normas técnicas
22
brasileiras. A norma brasileira que padroniza as referências bibliográficas é a norma NBR-6023
(revisada em ago/2000), cujo resumo apresentaremos a seguir:
O que é uma referência bibliográfica?
“Referência Bibliográfica é o conjunto de elementos que permite a identificação, no todo ou em
parte, de documentos impressos ou registrados em diversos tipos de material”.(NBR-6023)
Quando se utiliza uma referência bibliográfica?
Após a elaboração de qualquer trabalho de pesquisa, devem-se indicar todas as fontes
efetivamente utilizadas. Relacionam-se as referências bibliográficas em lista própria, numerada
seqüencialmente, em ordem alfabética de sobrenome de autor e título. Esta lista vai ao final do
trabalho, com o nome de bibliografia. Quando o autor entender necessário são relacionadas duas
listas de referências bibliográficas: bibliografia consultada e bibliografia recomendada.
Como se constrói uma referência bibliográfica?
Geralmente, inicia-se a entrada pelo último sobrenome do autor seguidos dos prenomes (exceto
sobrenomes compostos), da mesma forma como consta do documento. Quando não houver
autoria (pessoal ou entidade), inicia-se pelo título. Nas explicações para composição das
referências atentar para:
(1) As setas referem-se ao número de espaços que devem ser dados.
(2) Pode-se utilizar negrito, itálico ou sublinhado para o título.
(3) Quando se tratar de obras consultadas on-line, são essenciais as informações sobre o
endereço eletrônico, apresentado entre os sinais < >, precedido da expressão: “Acesso em:”.
a) Referência para livro
SOBRENOME DO AUTOR, Nome.¯ Título do livro:¯ subtítulo.¯ Local de publicação
(cidade):¯ Editora,¯ data.¯ Número de páginas ou volumes.¯ (Nome e número da série)
Ex.: SCHAFF, Adam. História e verdade. São Paulo: Martins Fontes, 1992. 93 p.
b) Capítulo (ou parte) de livro
AUTOR DO CAPÍTULO.¯ Título do capítulo.¯ In: AUTOR DO LIVRO.¯ Título: ¯ Subtítulo do livro.¯ no
edição.¯ Local de publicação (cidade): ¯ Editora, ¯ ano.¯ Volume, ¯ capítulo. ¯ Páginas inicial-final da
parte.
Ex: WOOD, E. Planejamento estratégico e o processo de marketing In: SILVEIRA, Antonio.
Marketing em bibliotecas e serviços de informação. Brasília: IBICT, 1987. P.65-82.
b.1) Em meio eletrônico
Ex.: WOOD, E. Planejamento estratégico e o processo de marketing In: SILVEIRA, Antonio.
Marketing em bibliotecas e serviços de informação. Brasília: IBICT, 1987. Disponível em
<http//www.bdt.org.br/sma/entendendo/ atual.htm>. Acesso em: 8 mar. 1999.
c) Periódicos (revistas) consideradas no todo
TÍTULO DO PERIÓDICO.¯ Local de publicação (cidade): ¯ Editor, ¯ volume, ¯ número, ¯ mês ¯ ano.
Ex.: CIÊNCIA HOJE. São Paulo: Sociedade brasileira para o progresso da ciência, v.27, no160,
jun.2001.
23
d) Artigos de periódicos (revistas)
AUTOR¯ Título do artigo.¯ Título do periódico,¯ local de publicação (cidade),¯ no fascículo, ¯ páginas
inicial-final,¯ mês¯ ano.
Ex.: DAL PINO, Elizabete Gouveia. As fornalhas do universo. Ciência Hoje. São Paulo, v.27,
no160, p.30-37, maio 2001.
d.1) Em meio eletrônico
Ex.: SILVA, M. M. L. Crimes da era digital. Net, Rio de Janeiro, nov. 1998. Seção Ponto de Vista.
Disponível em: <http://www.brazilnet.com.br/contexts/brasilrevista.htm>. Acesso em 10 nov. 2001.
e) Artigos de jornal
AUTOR.¯ Título do artigo.¯ Título do jornal,¯ Local,¯ dia,¯ mês¯ ano.¯ No ou título do caderno, ¯ seção
ou suplemento,¯ páginas inicial-final.
Ex.: AZEVEDO, D. O presidente convida igrejas cristãs para um diálogo sobre o pacto. Folha de
São Paulo, São Paulo, 22 out. 1999. Caderno economia, p.13.
e.1) Em meio eletrônico
Ex.: AZEVEDO, D. O presidente convida igrejas cristãs para um diálogo sobre o pacto. Folha de
São Paulo, São Paulo, 22 out. 1999. Disponível em:
<http://www.providafamilia.org/pena_morte_nascituro.htm>.Acesso em: 22 out.
1999.
f) Documentos de eventos (congressos, seminários e encontros)
AUTOR DO TRABALHO APRESENTADO.¯ Título do trabalho.¯ In:¯ NOME DO
EVENTO,¯ n.,¯ data,¯ local.¯ Anais... ou Resumos... ou Proceedings...¯ Local:¯ Editora,¯ data.
¯ Páginas inicial-final do trabalho.
Ex.: BRAYNER, A R.; MEDEIROS, C.B. Incorporação do tempo em SEBD orientado a objetos. In:
SIMPÓSIO BRASILEIRO DE BANCO DE DADOS, 9., 1994, São Paulo. Anais... São Paulo: USP,
1994, p.16-24.
f.1) Em meio eletrônico
Ex.: SILVA. R. N.; OLIVEIA, R. Os limites pedagógicos do paradigma da qualidade total
na educação. In: CONGRESSO DE IENTIFICAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPE, 4.,
1996, Recife. Anais eletrônicos... Recife: UFPE, 1996. Disponível em:
<http://www.propesq.ufpe.br/anais/anais/educ/ce02.htm>. Acesso em: 21 jan. 1997.
g) Teses de doutorado / Dissertações de mestrado
SOBRENOME,¯ Nome.¯ Título:¯ subtítulo.¯ Data.¯ Volume ou páginas.¯ Tese ou dissertação ¯ (grau e
área de concentração)¯ –¯ Unidade de Ensino ou nome da escola,¯ instituição,¯ local.
Ex.: BARCELOS, M.F.P. Ensaio tecnológico, bioquímico e sensorial de soja e guandu enlatados no
estágio verde de maturação de colheita. 1998. 160 f. Tese (Doutorado em Nutrição) – Faculdade
de Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.
h) Legislação
24
NOME DO PAÍS, ESTADO OU MUNICÍPIO.¯ Nome do Ministério ou Secretaria.¯ Título
(especificando o tipo e o n. da legislação, dia, mês e ano da assinatura ou promulgação). ¯ Título
do jornal ou da coletânea,¯ local,¯ n. do volume,¯ n. do fascículo,¯ página,¯ dia,¯ mês ¯ ano da
publicação.¯ Seção ou parte.
Ex.: BRASIL. Medida provisória n. 1.569-9, de 11 de dezembro de 1997. Estabelece multa em
operações de importação, e dá outras providências. Diário Oficial (da) República Federativa do
Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 14 dez. 1997. Seção 1, p. 29514.
i) CD-Rom’s (no todo)
SOBRENOME,¯ NOME (ou INSTITUIÇÃO ou entrada pelo TÍTULO se não houver
autoria).¯ Título:¯ subtítulo.¯ Local:¯ Editora ou produtor,¯ data.¯ Descrição física.
Ex.: EMBRAPA. Pantanal: um passeio pelo paraíso ecológico. Rio de Janeiro: Sony Music, 1990. 1
CD-ROM.
j) Videocassete (fita de vídeo)
TÍTULO Principal ¯ Diretor ou Produtor ou Coordenador.¯ Local:¯ Produtora,¯ data. ¯ Descrição física
com detalhes de no de unidades,¯ duração em minutos,¯ sonoro ou mudo, ¯ legendas ou
dublagem,¯ colorido ou preto e branco,¯ dimensão em milímetros ou polegadas,¯ sistema de
gravação.¯ Série, se houver.¯ Notas especiais.
Ex.: ENERGIA nuclear. São Paulo: Encyclopaedia Britannica do Brasil, s.d. 1 fita de vídeo (24 min),
VHS, son., color.
l) Mapas
ENTIDADE. ou SOBRENOME,¯ Nome do autor ou responsável.¯ Título.¯ Local:¯ Editora,
¯ data.¯ Identificação do material,¯ detalhes físicos como cor,¯ dimensões,¯ escala.
Ex.: SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Economia e Planejamento. Instituto Geográfico e
Cartográfico. Regiões de governo do Estado de São Paulo: IEC, 1990. 1 mapa, color., 70cm
X98cm. Escala 1:500.000
m) Enciclopédia e dicionários
(1) NOME da enciclopédia.¯ Local de publicação:¯ Editora,¯ data.¯ Volume ou páginas.
Ex.: ENCICLOPÉDIA Delta. Rio de Janeiro: Delta, 1975. v.5
(2) AUTOR DO CAPÍTULO.¯ Título do capítulo.¯ In:¯ Título.¯ Local de publicação:¯ editora,
¯ data.¯ Páginas inicial-final do capítulo.
Ex.: FREIRE, J.G. Pater famílias. In: ENCICLOPÉDIA Luso-Brasileira Cultura Verbo. Lisboa:
Editorial Verbo, 1971. p.237.
(3) SOBRENOME,¯ Nome.¯ Título de dicionário.¯ Edição.¯ Local de publicação:¯ Editora,
¯ data.¯ Volume ou páginas

Ex.: AZEVEDO, Domingos. Grande dicionário português/francês. 9. ed. Lisboa: Bertrand, 1989. v.2.
(4) SOBRENOME,¯ Nome.¯ Título:¯ subtítulo.¯ Local:¯ Editora,¯ data.¯ Total de páginas, ¯ ilustrado,
quando for.¯ Série, se existir.¯ Notas especiais.
25
Ex.: GUIA Abril do Estudante. São Paulo: Abril, 2000. 262p. il.
(5) SOBRENOME,¯ Nome.¯ Título:¯ subtítulo.¯ Local:¯ Editora,¯ data.¯ Série, quando existir. ¯ Notas
especiais.
Ex.: ALMANAQUE Abril. São Paulo: Abril, 1998.
m.1) Em meio eletrônico
Ex.: ENCICLOPÉDIA Delta. Rio de Janeiro: Delta, 1975. v.5. Disponível em:
<http:www.prodal-sc.com.br/ciberjur/html>. Acesso em: 29 nov. 1999.

Bibliografia:
MARTINS, Gilberto de Andrade. Manual para elaboração de monografias e dissertações. São
Paulo: Atlas, 2000.

BIBLIOGRAFIA - Métodos e Técnicas de Pesquisa
Coordenação: Prof. Gilberto de Andrade Martins
Participação: Doutorando Carlos Renato Theóphilo

ALMEIDA, Maria Lucia Pacheco de. Como elaborar monografias. 4.ed. Belém/PA: Cejup, 1996.
ALVES, Rubem. Filosofia da ciência. São Paulo: Ars Poetica, 1996.
ALVES-MAZZOTTI, A. J., GEWANDSZNAJDER, F. O método nas ciências naturais e sociais:
pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira, 1998.
ANDRADE, Maria Terezinha Dias de. Técnica da pesquisa bibliográfica. 3.ed. São Paulo: USP-
Faculdade de Saúde Pública, 1972.
ASTI VERA, Armando. Metodologia da pesquisa científica. Trad. Maria Helena Guedes e Beatriz
Marques Magalhães. Porto Alegre: Globo, 1976.
BACHELARD, Gaston. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanalise
do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.
BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1994.
BARROS, A.J.P., LEHFELD, N. A. de S. Fundamentos de metodologia: um guia para a
iniciação científica. 3.ed. São Paulo: Makron Books, 2000.
BLAUG, Mark. A metodologia da economia, ou, como os economistas explicam. 2.ed. São
Paulo: Edusp, 1993.
BRANDÃO, C. R. (org.). Pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense. 1982.
BRANDÃO, C. R. Repensando a pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1984.
26
BRUYNE, Paul de, HERMAN, Jacques, SCHOUTHEETE, Marc de. Dinâmica da pesquisa em
ciências sociais. 5.ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991.
BUNGE, M. Epistemologia. São Paulo: Edusp, 1980.
CAMPBELL, Donald T., STANLEY, Julian C. Delineamentos experimentais e
quase-experimentais da pesquisa. São Paulo: EPU/EDUSP, 1979.
CARDOSO, Ciro Flamarion S., BRIGNOLI, Héctor Pérez. Os métodos da história. Trad. João
Maia. 3.ed. Rio de Janeiro: Graal, 1983.
CARDOSO, Ruth. (org.). A aventura antropológica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.
CARVALHO, M.C.M (org.). Metodologia científica: fundamentos e técnicas: construindo o
saber. 4.ed. Campinas, SP: Papirus, 1994.
CASTRO, Cláudio de Moura. A prática da pesquisa. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1978.
CERVO. A. L., BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 4.ed. São Paulo: Makron Books, 1996.
CHALMERS, A.F. O que é ciência, afinal? São Paulo: Brasiliense, 1993.
CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia. 6.ed. São Paulo: Ática, 1995.
CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 3.ed. São Paulo: Cortez, 1998.
COSTA, Solange Fátima Geraldo e outros. Metodologia da pesquisa: coletânea de termos.
João Pessoa: Idéia, 2000.
DEMO, Pedro. Avaliação qualitativa. 5.ed. Campinas, SP: Autores Associados, 1996.
DEMO, Pedro. Ciência, ideologia e poder: uma sátira às ciências sociais. São Paulo: Atlas,
1988.
da ciência. São Paulo: Atlas, 1987.
DEMO, Pedro. Introdução à metodologia
DEMO, Pedro. Metodologia científica em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1981.
DEMO, Pedro. Metodologia do conhecimento científico. São Paulo: Atlas, 2000.
DESCARTES, René. Discurso do método: apresentação e comentários de Denis Huisman:
tradução de Elza Moreira Marcelina. Brasília: UnB e Ática, 1989.
EASTERBY-SMITH, M., THORPE, R., LOWE, A. Pesquisa gerencial em administração: um
guia para monografias, dissertações, pesquisas internas e trabalhos em consultoria. São
Paulo: Pioneira, 1999.
ECO, Umberto. Como se faz uma tese. São Paulo: Perspectiva, 1983.
FAZENDA, Ivani (org.). A pesquisa em eduacação e as transformações do conhecimento.
Campinas, SP: Papirus, 1995.
FAZENDA, Ivani (org.). Metodologia da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez, 1989.
FAZENDA, Ivani. (org.). Novos enfoques da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez, 1992.
27
FEITOSA, Vera Cristina. Redação de textos científicos. 2.ed. Campinas/SP: Papirus, 1995.
FERNANDES, Ana Maria. Construção da ciência no Brasil e a SBPC. 2.ed. Brasília: Editora
UnB, 2000.
FEYRABEND, P. Contra o método. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.
FREITAS, H., MOSCAROLA, J. Análise de dados quantitativos & qualitativos: casos aplicados
usando o sphinx. Porto Alegre: Sphinx, 2000.
FREITAS, Henrique & JANISSEK, Raquel. Análise léxica e análise de conteúdo: técnicas
complementares, seqüenciais e recorrentes para exploração de dados qualitativos. Porto
Alegre: Sagra Luzzatto, 2000.
GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 3.ed. São Paulo: Atlas, 1996.
GIL, A. C. Métodos e técnicas da pesquisa social. São Paulo: 1987.
GIL, A. C. Técnicas de pesquisa em economia. São Paulo: 1991.
GODOY, Arilda Schmidt. Introdução à Pesquisa Qualitativa e suas possibilidades. Revista de
Administração de Empresas. São Paulo v. 35, n. 2, p. 57 - 63; n.3, p. 20 - 29; n.4, p. 65 - 71
mar/ag.1995.
GOLDENBERG, Mirian. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências
Sociais. 2.ed. Rio de Janeiro: Record, 1998.
GOODE, Willian J., HATT, Paul K. Métodos em pesquisa social. São Paulo: Nacional, 1969.
GRESSLER, L. A. Pesquisa educacional. São Paulo: Loyola, 1979.
HABERMAS, J. Conhecimento e interesse. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.
HAGUETTE, T. M. Metodologias qualitativas na sociologia. 4.ed. Petrópolis: Vozes, 1995.
HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Enciclopédia das ciências filosóficas em compêndio: 1830.
HEGENBERG, Leônidas. Etapas da investigação científica. São Paulo: EPU/EDUSP, 1976.
Trad. Paulo Meneses. São Paulo: Loyola, 1995.
HÜBNER, M. Martha. Guia para elaboração de monografias e projetos de dissertação e
doutorado. São Paulo: Pioneira/Mackenzie, 1998.
HÜHNE, Leda Miranda (org.). Metodologia científica. 7.ed. Riode Janeiro: Agir, 1997.
HÜHNE, Leda Miranda. (org.). Metodologia científica: caderno de textos e técnicas. 7.ed. Rio
de Janeiro: Agir, 1997.
INÁCIO FILHO, Geraldo. A Monografia na universidade. Campinas, SP: Papirus, 1995.
JAPIASSU, H. Questões epistemológicas. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980.
JAPIASSU, Hilton. Francis Bacon: o profeta da ciência moderna. São Paulo: Letras & Letras,
1995.
28
KERLINGER, Fred N. Metodologia da pesquisa em ciências sociais: um tratamento
conceitual.
São Paulo: EPU/EDUSP, 1980.
KERSCHER, M.A., KERSCHER, S.A. Monografia: como fazer. Rio de Janeiro: Thex, 1998.
KIDDER, Louise H. (org.). Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: EPU, 1987.
KÖCHE, José Carlos. Fundamentos de metodolocia científica: teoria da ciência e prática da
pesquisa. 14.ed. rev. ampl. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.
KUHN, T.S. A estrutura das revoluções científicas. 5.ed. São Paulo: Perspectiva, 1997.
LABES, Emerson Moisés. Questionário: do planejamento à aplicação na pesquisa.
Chapecó/SC: Grifos, 1998.
LAKATOS, E.M., MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. 3.ed. São Paulo:
Atlas, 1991.
LAKATOS, E.M.,MARCONI, M. de A. Metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1986.
LEFÈVRE, F., LEFÈVRE, A M. C., TEIXEIRA, J.J.V. (Orgs). O discurso do sujeito coletivo: uma
nova abordagem metodológica em pesquisa qualitativa. Caxias do Sul: EDUSC, 2000.
LEGRAND, Gerard. Dicionário de filosofia. Rio de Janeiro: Edições 70, 1991.
LEITE, Eduardo de Oliveira. A monografia jurídica. Porto Alegre: Fabris, 1985.
LUCKESI, Cipriano e outros. Fazer universidade: uma proposta metodológica. São Paulo:
Cortez, 1984.
LÜDKE, Menga & ANDRÉ, Marli E. D. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São
Paulo: EPU, 1986.
MACEDO, Neusa Dias de. Iniciação à pesquisa bibliográfica: guia do estudante para a
fundamentação do trabalho de pesquisa. 2.ed. São Paulo: Loyola, 1994.
MARCANTONIO, A.T., SANTOS, M.M., LEHFELD, N.A.S. Elaboração e divulgação do trabalho
científico. São Paulo: Atlas, 1993.
MARCONI, Marina de A. & LAKATOS, Eva. M. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1985.
MARTINS, Gilberto de Andrade & LINTZ, Alexandre. Guia para elaboração de monografia e
trabalhos de conclusão de curso. São Paulo: Atlas, 2000.
MARTINS, Gilberto de Andrade. Manual para elaboração de monografias e dissertações. 2.ed.
São Paulo: Atlas, 2000.
MARTINS, Gilberto de Andrade. Metodologias Convencionais e Não-convencionais e a
Pesquisa
em Administração. Caderno de Pesquisas em Administração - PPGA/FEA/USP, n. 1, p. 2 - 6,
janeiro 1995.
MARTINS, Gilberto de Andrade. Pesquisa sobre Administração: Abordagens Metodológicas.
Revista de Administração/USP, São Paulo, v 32. n. 3, p. 5 - 12, julho/setembro 1997.
29
MARTINS, Joel. Subsídio para redação de dissertação de mestrado e tese de doutorado.
3.ed. São Paulo: Moraes, 1991.
MATTAR, Fauze Najib. Pesquisa de marketing. São Paulo: Atlas, 1996. 2v.
MEDEIROS, João B. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. São
Paulo: Atlas, 1991.
MINAYO, M. C. de S.(org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 17.ed. Petrópolis:
Vozes, 2000.
MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.
OLIVA, Alberto (org.). Epistemologia: a cientificidade em questão. Campinas/SP: Papirus, 1990.
OLIVEIRA, Silvio Luiz de. Tratado de metodologia científica: projetos de pesquisa, TGI, TCC,
Monografias, Dissertações e Teses. São Paulo: Pioneira, 1997.
PEREIRA, J.C.R. Análise de dados qualitativos: estratégias metodológicas para as ciências
da saúde, humanas e sociais. 2.ed. São Paulo: Edusp, 1999.
POPPER, Karl S. A lógica da pesquisa científica. 2.ed. São Paulo: Cultrix, 1975.
RAMON Y CAJAL, Santiago. Regras e conselhos sobre a investigação científica. 3.ed. São
Paulo:
RAMOS, José Maria Rodrigues. Lionel Robbins: contribuição para a metodologia da
economia. São Paulo: Edusp, 1993.
REA, L.M., PARKER, R.A. Metodologia de pesquisa. São Paulo: Pioneira, 2000.
RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3.ed. São Paulo: Atlas, 1999.
T.A. Queiroz e Edusp, 1979.
RUDIO, V. V. Introdução a projetos de pesquisa. Petrópolis: Vozes, 1980.
SÁ, Elisabeth Shneider de. (org.). Manual de normalização de trabalhos técnicos, científicos e
culturais. 4.ed. Petrópolis/RJ, 1994.
SAGAN, Carl. O mundo assombrado pelos demônios: a ciência vista como uma vela no
escuro.
São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
SALOMON, D. V. Como fazer uma monografia. 9.ed. São Paulo: Martins Fonseca, 1999.
SAMPIERI, R.H., COLLADO, C.F., LUCIOP.B. Metodología de la investigagión. México:
McGraw-Hill, 1996.
SANTOS, J.A., PARRA FILHO, D. Metodologia científica. São Paulo: Futura, 1998.
SAVIANNI, D. Escola e democracia. São Paulo: Cortez, 1983.
SELLTIZ, Claire e outros. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: Herder, 1967.
SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do trabalho científico: diretrizes para o trabalho
científico-didático na universidade. 5.ed. São Paulo: Cortez & Moraes, 1980.
30
TACHIZAWA, Takeshy, MENDES, Gildásio. Como fazer monografia na prática. Rio de Janeiro:
FGV, 1998.
THIOLLENT, Michel. Crítica Metodológica, investigação social e enquete operária. 5.ed.
São Paulo, Polis, 1987.
THIOLLENT, Michel. Pesquisa-ação nas organizações. São Paulo: Atlas, 1997.
TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa
qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.
TRUJILLO, F. Alfonso. Metodologia da pesquisa científica. São Paulo: McGraw-Hill, 1982.
VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo:
Atlas, 1998.
VIEGAS, Waldyr. Fundamentos de metodologia científica. Brasília: Editora da UnB/Paralelo 15,
1999.
WATANABE, Lygia Araujo. Platão, por mitos e hipóteses: um convite à leitura dos diálogos.
São Paulo: Moderna, 1996.
WEBER, Max. Metodologia das Ciências Sociais. Trad. Augustin Wernet – introdução à edição
brasileira de Maurício Tragtenberg. São Paulo: Unicamp, 1992.
YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2.ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.



























31
GRUPOS DE ESTUDOS E PROJETOS COMO INSTRUMENTO AO ENSINO E À PESQUISA
COM ALUNOS DE GRADUAÇÃO

Dawson Tadeu Izola. M.Sc
1
1
Mestre em Engenharia Mecânica pela EESC-USP, Tecnólogo em Mecânica de Precisão pela FATEC-SP. Doutorando em
Engenharia Mecânica na EESC-USP. Coordenador de Equipe do Grupo de Estudos e Projetos “Lenda Pesquisa Educativa”
da Fatec-SP
Faculdade de Tecnologia de São Paulo.
Caixa Postal 2191 – CEP 01060-970 – São Paulo – SP
E-mail izoladaw@sc.usp.br


RESUMO

O mercado de trabalho, hoje globalizado, tem exigido cada vez mais do profissional. Desta
forma, o aluno que conclui um curso superior e vai para o mercado de trabalho, enfrenta um
grande desafio, que é mostrar, antes da sua contratação, a sua competência e capacidade. As
empresas, não mais procuram um profissional para comandar determinadas atividades. A
necessidade é de um profissional que identifique os problemas e sobretudo seja capaz de buscar,
dentro da sua formação, a solução. Várias Instituições de Ensino tem adotado sistemas de
empresa-escola que visam familiarizar o aluno com as atividades que ele irá desempenhar quando
deixar a Universidade. Experiências como as Empresas Juniores e Grupos de Pesquisas tem se
mostrado como uma grande diferenciação na formação de novos profissionais. Atividades de
formação profissional, são hoje, em muitas universidades, parte integrante da formação dos
alunos, alguns vêm na forma de projetos de fim de curso e participação de consultorias com a
orientação de professores. Não resta a menor dúvida que somente aqueles alunos que se
envolvem com projetos práticos é que conseguem passar da visão bidimensional da lousa onde
tudo funciona, para a visão tridimensional da prática, onde a experiência é fator determinante.
Palavras Chave: Grupos de Pesquisa, Ensino, Aperfeiçoamento.

STUDY GROUPS AND PROJECT GROUPS
AS AN INSTRUMENT IN THE TEACHING OF RESEARCH TO UNDERGRADUATE STUDENTS

ABSTRACT

The labour market, today globalized, has been demanding more and more from the
professional. In this way, the student that concludes a course at university level and is about to
enter the labour market faces a great challenge, that is to show at his recruiting, his competence
and capacity. The companies, not longer seek a professional to command certain activities. The
need is for a professional that identifies the problems and above all is capable of looking for, within
his undergraduate studies, the solution that he needs. Several teaching institutions been adopting
company internal education systems that seek to familiarise the student with the activities that he
will carry out when he/she leaves the University. Experiences such as Junior Enterprises and
research groups have been shown as a beneficial differentiation in the formation of new
professionals. Activities including professional formation, are today, included by a large number of
universities and are an integral part of the students' formation. Some come in the form of end of
course projects and participation in consultations with the teachers' orientation. There does not
remain the least doubt that only those students that finish having had practical projects are those
that get to pass beyond the bidimensional vision of the blackboard where everything works, to the
three-dimensional vision of practice, where experience is the decisive factor.

Keywords: Groups of Research; Teaching; Improvement.


32
1. HISTÓRICO
A Fatec-SP – Faculdade de Tecnologia de São Paulo, inovou, quando introduziu no seu
regimento os GEP‟s – Grupos de Estudos e Projetos. A idéia inicial era manter uma atividade
acadêmica, introduzindo alunos e professores no caminhar científico. Os GEP‟s, são responsáveis
por agregar alunos e professores em projetos de Iniciação Científica.
A criação dos GEP‟s previa um orçamento mínimo para o fomento dos projetos. Cerca de
48 Grupos foram criados, com propostas desde a melhoria na construção civil até projetos
sofisticados envolvendo automação utilizando equipamentos de última geração.
As agências de fomento, que normalmente financiam projetos acadêmicos restringiram a
ajuda que seria oferecida aos GEP‟s da Fatec-SP, principalmente pelo fato da Fatec, naquela
ocasião, ser uma Instituição voltada mais para o domínio tecnológico e mercado de trabalho. O
Grupo Lenda Pesquisa Educativa, fundado oficialmente na Fatec em 1992, por se tratar de um
Grupo, naquela época, composto apenas por alunos, não podia contar com o financiamento das
agências de fomento, onde se exige determinada titulação dos participantes.
O Grupo Lenda passou então a buscar alternativas para financiar os projetos de iniciação
na área aeronáutica. A primeira meta foi produzir em forma de manuais os estudos que estavam
sendo desenvolvidos, assim conseguiu-se publicar um manual didático, que comercializado se
transformou na primeira fonte de renda do Grupo. Esta iniciativa fez com que todos os esforços do
Grupo fossem direcionados para a produção de material didático e produtos educativos. Com a
alternativa de comercialização de produtos didáticos a responsabilidade da Instituição se limitou a
fornecer o espaço físico e o acesso aos laboratórios da Instituição, assim o Grupo Lenda não
interferia no orçamento da Instituição, pois passou a prover os seus próprios recursos. A cada
projeto concluído, passou-se a ter um orçamento para um projeto futuro, como apresenta
IZOLA(1993).
Outra forma utilizada para capitar recursos, foram as parcerias com empresas, que além
de proporcionar ao aluno experiência prática, pode também determinar uma situação real de
projeto. Alguns projetos desenvolvidos para empresas podem também ser utilizados em
laboratórios da Instituição, como é discutido por DEMING(1995)O objetivo principal do Grupo é
treinar e preparar o aluno para a vida acadêmica, desta forma a cada ano são publicados
trabalhos em Congressos Científicos. Nestes seis anos de atividade na Fatec-SP o Grupo Lenda
desenvolveu diversos projetos, além de participar de mostras de ciência, onde o nome da Fatec-
SP foi divulgado perante um público extremamente qualificado. Além dos Congressos, o Grupo
Lenda da Fatec-SP, também mantém um sistema de divulgação em revistas de banca, em troca
de publicidade, assim a cada matéria técnico escrita tem-se um espaço para divulgar os manuais
didáticos, fonte de receita para a realização de projetos.
2. INTRODUÇÃO
A atividade do aluno em Grupos de pesquisa tem-se mostrado como uma eficiente
ferramenta de aprendizado. Por intermédio das pesquisas o aluno coloca em prática os
conhecimentos adquiridos em sala de aula.
Uma pesquisa recente com empresas da área de exatas demonstrou que o setor de RH
tem preferido alunos para estágios que já possuam no seu Curriculum uma experiência junto às
atividades extracurriculares, como Iniciação Científica, Empresa Juniores e Grupos de Estudos.
Este resultado é facilmente compreendido, pois é muito mais rápido para um profissional se
adaptar a uma função quando ele já exerceu algo parecido, principalmente no período da
graduação, onde o cotidiano das aulas acaba tolhendo a sua criatividade e vocações.
Os Grupos de Pesquisas, são uma alternativa simples e de baixo custo para introduzir o
aluno no pensar organizado do mercado de trabalho ou da vida acadêmica como demonstra
CHALMERS(1994).
Os Grupos de Pesquisas, além de terem suas próprias atividades podem também exercer
papel importante na montagem de laboratórios, projetando e construindo equipamentos para
serem utilizados em aula. Vale ressaltar que estes equipamentos acabam por ter um custo muito
baixo, pois serão utilizados a infra-estrutura da escola e uma mão-de-obra, que apesar de ser
qualificada, é de baixo custo. Assim um Grupo de Pesquisa que estuda automação, pode
facilmente construir um laboratório de robótica, um Grupo na área aeronáutica pode equipar um
laboratório de mecânica dos fluidos e aerodinâmica.
33
3. DESCRIÇÃO DO MÉTODO
Os Grupos de Estudos e Projetos são estruturas simples, onde a Instituição de Ensino que
hospeda estas atividades despendem do mínimo possível. A única necessidade que pode interferir
na Instituição é o local físico, cerca de dez metros quadrados, com duas mesas e pelo menos um
computador, para edição de manuais e artigos.
O tema de trabalho ficará a cargo do Grupo e do professor orientador. As atividades
normalmente são determinadas pelo próprio curriculum da Universidade, pois são nas disciplinas
que o aluno encontrará motivação para aprofundar em determinados assuntos, como apresentado
em MARQUES(1998).
A equipe é composta por um professor orientador, por um aluno que é coordenador
discente e por pelo menos mais quatro estagiários. A remuneração do professor é através de
horas/atividades e dos alunos com bolsas de Iniciação Científica fornecidas pelas agências de
fomento ou pela própria Universidade.
No início das atividades tem-se a necessidade de um pequeno comprometimento
financeiro por parte da Instituição, para que se possa realizar o primeiro estudo e com ele prover
recursos para os trabalhos futuros.
A organização das atividades dos Grupos de Pesquisa deve obedecer a uma diretoria
para assuntos administrativos e técnicos. Esta diretoria comporia uma comissão formada pelos
professores orientadores e alunos coordenadores discentes de cada Grupo. Nesta estância serão
apresentados as propostas de realização de trabalhos e relatórios de atividades. As propostas
serão encaminhadas no início de cada ano letivo e julgadas pela comissão. O critério para
aprovação deve se restringir às necessidades e materiais para a realização do projeto e não pelo
mérito do projeto, tendo a Instituição condições materiais necessárias o projeto deve ser aprovado.
No final do ano letivo cada Grupo deve apresentar o relatório de atividades comparativo
com a proposta apresentada no início. A comissão julgará o trabalho e concederá ou não
autorização para o Grupo continuar as suas atividades.

4. RESULTADOS
Nas figura 1 e 2 tem-se a evolução das atividades desempenhadas pelo grupo de
pesquisa. Com a motivação de novos alunos, consegue-se aumentar o número de projetos e
consequentemente amealhar maiores recursos financeiros.

Produção acadêmica
0
2
4
6
8
10
12
14
1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998
Ano
(
n
)
Publicações em
Congressos
Manuais publicados
Livros publicados
Projetos
desenvolvidos

Figura 1 – Produção acadêmica

A cada Congresso Científico em que o grupo se inscreve, consegue-se motivar e treinar
novos componentes do grupo, assim em futuras oportunidades eles estarão apresentando os seus
próprios trabalhos em Congressos Científicos.
Quando a atividade do grupo alcança uma determinada repercussão, consegue-se uma
divulgação junto às empresas que têm atividades afins com o grupo, o que resulta em convites
34
para trabalhos em conjunto. Estas consultorias, além de treinar aluno e professor reverte para o
grupo recursos financeiros para novos projetos, como é discutido em PETEROSSI(1997).
A realização de palestras em escolas do segundo grau tem se mostrado como uma
importante ferramenta de divulgação científica e da Instituição sede, o que muitas vezes, acaba
por incentivar pessoas a escolherem determinada carreira ou curso.

Produção Tecnológica
0
2
4
6
8
10
12
14
1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998
Ano
(
n
)
Matérias em revista
de banca
Consultorias
Palestras
Pedidos de Patentes

Figura 2 – Produção tecnológica

A iniciativa de se criar uma atividade com alunos é algo que acaba por motivar os que
observam neste tipo de evento uma possibilidade para melhorar as suas aptidões, além de
melhorar as suas chances depois de formado. Na figura 3 tem-se a evolução do número de
componentes do grupo da Fatec-SP.

Componentes
0
5
10
15
20
1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998
Ano
(
n
)
Componentes

Figura 3 – Evolução do número de componentes do grupo da Fatec-SP

Com objetivo de divulgar as atividades em que o grupo de pesquisa está envolvido em
cada ano junto ao público interessado e às Universidades e Institutos de Pesquisas é publicado a
cada dois meses uma revistinha onde é apresentado os trabalhos que estão sendo objeto de
estudo. Além de ser um canal de comunicação onde o grupo recebe sugestões e críticas sobre o
trabalho, esta revistinha é oportunidade para que outros pesquisadores possam divulgar em forma
de conhecimento geral, os seus trabalhos. Na figura 4 tem-se a evolução do recebimento de
correspondência desde o início das atividades.

35
Correspondências
0
500
1000
1500
2000
1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998
Ano
(
n
)
Correspondências

Figura 4 – Evolução do número de correspondências recebidas anualmente

5. CONCLUSÃO
As atividades desempenhadas nos Grupos de Pesquisa tem-se mostrado como um bom
instrumento para o aperfeiçoamento do aluno e como agente motivador, visto que o aluno pode
dedicar um tempo para realizar projetos do seu interesse e vocação.
Para as Instituições as atividades como os Grupos de Pesquisa são fundamentais para o
aperfeiçoamento do seu corpo docente, pois a cada projeto desenvolvido o orientador adquire
novos conhecimentos.
Os Grupos de Pesquisas são também importante instrumento de divulgação para a
Instituição, o público externo fica impressionado quando lê matérias a respeito de atividades
acadêmicas desenvolvidas em Universidades, isto acaba por motivar o seu interesse por
determinada carreira ou curso.
As grandes Instituições utilizam a produção científica como agente quantificador da
qualidade de ensino, e não é para menos, pois não há como publicar um artigo sem que a
pesquisa tenha sido realizada, além do que Congressos Científicos congregam especialistas e
formadores de opinião.
Os assuntos estudados são temas de palestras e mostras de ciência em escolas e outras
Instituições, onde o nome da Instituição sede é divulgado.

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
CHALMERS, Alan. 1994, A fabricação da ciência. Editora da Unesp. 185p.
DEMING, W. E. 1995, The new economics, for industry, government, education. Cambridge, Ma.,
Massachusets Institute of Technology, Center for Advanced Engineerings Study.
IZOLA, D. T., 1993, Projeto para implantação do Núcleo de Tecnologia da Fatec-SP. Fatec-SP. 30
pág.
MARQUES, Juracy C. 1998, Uma concepção de Currículo para moldar o futuro. Educação
Brasileira v.20, n.40 jan/jul.
PETEROSSI, Helena G. 1997, Por uma Fatec melhor. Fatec-SP. 165p.







36
PATENTE DE INVENÇÃO
Todo invento original, no nível internacional, que seja útil e apresente potencial para
comercialização pode ser patenteado, em um ou mais países, assegurando aos titulares da
patente o direito de produção e exploração comercial do produto originado nos países em que foi
patenteado.
Quando Patentear um Invento
O invento deve ser original no nível internacional, apresentar potencial comercial e não
ser óbvio. Custo e dedicação significativos são requeridos dos escritórios de propriedade
intelectual e do inventor para depositar uma patente. Muitas invenções nunca são patenteadas,
algumas são retidas até que se completem ou o mercado esteja pronto para recebê-las, e só
algumas são processadas rapidamente. Portanto, várias questões devem receber resposta antes
que uma tecnologia seja patenteada.
Originalidade e viabilidade técnica
- Foi efetuada busca de patentes?
- O invento é original no nível internacional?
- Há um protótipo para demonstração?
Maturidade do invento
- A tecnologia não é prematura, dado o mercado atual?
- Os possíveis interessados perceberão a sua utilidade?
- O invento está pronto para produção em escala ou terá que ser
desenvolvido pelo licenciado?
- Quem deverá investir mais para torna-lo fabricável?
Mercado potencial
- Alguém precisa de tal invento?
- Há produtos similares no mercado?
- Em caso positivo, esta invenção é mais barata, melhor que os similares ou
apresenta outras vantagens sobre eles?
- Quem são os possíveis clientes para o invento?
- Quais são os diferentes mercados para o invento?
- Há estimativa de mercado atual e futuro?
Licenciamento
- O protótipo pode ser usado para facilitar o licenciamento?
- O inventor está interessado em demonstrar o invento aos potenciais
licenciadores?
Custos
- Será necessária patente internacional?
- O faturamento previsto cobrirá os custos de patenteamento?
Dificultadores
- Será possível impor e controlar o uso da patente?
- Necessita de aprovação ou certificação governamental?
37
Onde procurar Patentes
A base de dados Derwent World Patents ( http://dii.derwent.com ), oferece acesso on-
line a mais de 10 milhões de resumos de patentes de 40 países, incluindo as brasileiras,
catalogadas desde 1966. Os resumos são claros e concisos e contêm indexação por palavras-
chaves , que asseguram busca rápida e acurada. Esta base é conectada ao Web-of-Science
(WoS), podendo inclusive ser acessada através de qualquer patente citada em artigo do WoS.
As informações sobre as patentes podem ser procuradas de várias maneiras: pelos nomes dos
inventores ou titulares, por suas instituições, pelo número da patente ou código de classificação,
ou por palavras-chave que constem de seus títulos e resumos. Também podem ser encontradas
as citações de cada patente.
Além de ser um poderoso instrumento de pesquisa de patentes, o Derwent World Patents
permite o acompanhamento do processo mundial de geração de tecnologia. Derwent Innovations
Index.

Patentes na UNICAMP

Qualquer inovação tecnológica pode ser preservada através de registro junto ao INPI -
Instituto Nacional de Propriedade Industrial. A falta de registro poderá resultar na usurpação dos
direitos do inventor quanto à Propriedade Industria.
Procedimento para o registro de relatórios técnicos, marcas e softwares no Instituto
Nacional da Propriedade Industrial (INPI)
O relatório técnico sobre o invento será protocolado no INPI, após algumas semanas o mesmo
retornará com um número de registro. De posse do número e data de protocolo, será iniciado o
Processo que poderá culminar com a obtenção da Carta-Patente. A vigência do relatório técnico
será de 20 anos para patentes de invenção e de 15 anos para patentes de modelo de
utilidade.
Todo o processo deve ser acompanhado através das publicações semanais do INPI - Revista da
Propriedade Industrial - Seção I e II, para sanar eventuais ocorrências durante o trâmite para
obtenção da Carta-Patente. Para maiores informações entre em contato com o EDISTEC -
Escritório de Difusão e Serviços Tecnológicos da UNICAMP.

Links Relacionados
- Derwent Innovations Index
- INPI - Instituto Nacional de Propriedade Industrial
- USPTO - US Patent and Trademark Office
- European Patent Office
Veja mais links em: http://www.unicamp.br/prp/edistec/links.htm

Artigos Relacionados

Febre de patentes na universidade Gazeta Mercantil Dia: 10/05/00 Página: Primeira Página -
Laura Knapp de São Paulo Luiz Eugênio Araujo de Mello, Fernando Galembeck, Liliane Ventura
Schiabel, Fazal Chaudhry, Luiz Vicente Rizzo e Elibio Rech são todos professores ou
pesquisadores. Além do amor pela ciência, têm agora outro ponto em comum: a busca por um
número de registro que garanta o direito de propriedade para o resultado de suas pesquisas.
A febre para assegurar uma patente parece ter contagiado praticamente todas as áreas científicas.
A física Liliane Ventura Schiabel, coordenadora do Laboratório de Física Oftalmológica do campus
de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo(USP), pediu o registro de um equipamento que
mede, automática e velozmente, o raio de curvatura da córnea, com alcance maior do que os
similares importados. Chaudhry, professor do Departamento de Hidráulica e Saneamento da
Escola de Engenharia da USP de São Carlos, pretende negociar um sistema de
impermeabilização de edifícios que utiliza como matéria-prima subprodutos de outras indústrias.
Professor da Escola Paulista de Medicina, da Universidade Federal de São Paulo, Mello quer
registrar um medicamento contra epilepsia. Rizzo, do Departamento de Imunologia da Faculdade
de Medicina da USP, vai entrar com pedido para patentear um teste de diagnóstico de
toxoplásmose.
38
E Rech, coordenador de projeto da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, está
procurando garantir a propriedade intelectual de um método Multiplicação de plantas transgênicas
em alta freqüência. "Se quisermos fazer parte do primeiro time, temos de ter algo a oferecer", diz
Rech.
Até pouco tempo desprezada pela comunidade acadêmica, que via a publicação, de artigos em
revistas especializadas como o ápice do reconhecimento por seu trabalho, a patente está virando
um objetivo importante nas universidades brasileiras.
"Nós produzimos muito conhecimento novo, no Brasil de hoje, e deveríamos ser capazes, de fazer
o que os países ricos fazem: transformar conhecimentos adquiridos em inovação e em riqueza",
afirma Galembeck, coordenado geral e vice-reitor da Universidade Estadual de Campinas
(Unicamp).
"A obtenção de patentes está se tornando prioridade para nós", afirma Antônio Sérgio Pizarro
Fragomeni, secretário de Desenvolvimento Tecnológico do Ministério da Ciência e Tecnologia.
Mas, lembra ele, o importante é não apenas registrar produtos ou tecnologias, mas ir um passo
além e procurar licenciá-los. "É preciso transformar a patente em um negócio", afirma.
Instruções para o preenchimento do Formulário modelo 1.01 - Depósito de Pedido de Patente ou
de Certificado de Adição de Invenção.

I - PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO E OUTRAS INSTRUÇÕES
I.1. Este formulário, composto de 2 (duas) folhas, se destina a depósito de pedido de patente
(invenção ou modelo de utilidade) ou de certificado de adição de invenção.
I.2. O depositante deve ter conhecimento da Lei nº 9279/96 (LPI), dos Atos Normativos 127 e 130,
de 05/03/97 e do Guia do Usuário. Todos os documentos apresentados devem estar de acordo
com os mesmos.
I.3. Deve ser preenchido à máquina ou em letra de fôrma legível, sem emendas ou rasuras, com
tinta preta e indelével.
I.3.1. Pode ser impresso utilizando computador, mantendo o padrão de duas folhas, p. ex., por
programa gráfico ou um processador de texto, desde que sejam mantidas todas as suas
características, tais como papel tamanho A4 branco, tinta preta, margens e tipos de letras, folha
por folha.
I.3.2. Deve ser entregue à Recepção em 3 (três) vias, duas das quais serão retidas pelo INPI,
sendo a outra devolvida ao depositante, após protocolização, quando devidamente instruído o
pedido.
I.4. O Relatório Descritivo, Reivindicações, Desenhos (se houver) e Resumo devem ser entregues
em 3 (três) vias, para uso do INPI, sendo facultada a apresentação de mais duas vias, no máximo,
para restituição ao depositante após autenticação.
I.5. Para preenchimento da guia de recolhimento e pagamento da retribuição do depósito do
pedido, veja instruções no Guia do Usuário.
I.6. Os campos devem ser preenchidos da forma abaixo especificada:
- Campo 1. Depositante. Forneça o nome completo do depositante assim como todos os
demais dados solicitados. Confira atentamente. Atente para que o CEP fique indicado no
endereço, pois sua indicação incompleta ou incorreta poderá inviabilizar uma eventual
comunicação do INPI com o depositante. Caso haja mais de um depositante, assinale
"continua em folha anexa" e forneça todos os dados para cada um dos demais em uma
mesma folha suplementar.
- Campo 2. Natureza. Assinale a natureza do pedido que está sendo depositado. Escreva a
mesma também por extenso.
39
- Campo 3. Título. Escreva aqui o título completo, que deverá ser igual ao do Relatório
Descritivo.
- Campo 4. Pedido de Divisão. Quando se tratar de divisão de um pedido, forneça o
número e a data de depósito do pedido original.
- Campo 5. Prioridade Interna. Escreva o número e a data de depósito do pedido
brasileiro anterior que serve de base à reivindicação da prioridade interna.
- Campo 6. Prioridade Externa. Caso esteja sendo reivindicada prioridade de depósito
estrangeiro anterior, informe o nome ou sigla do país ou organização, o número e a data
da prioridade. No caso de estar sendo reivindicada prioridade de depósito estrangeiro
anterior com base em outro acordo que não a Convenção da União de Paris, indique o
acordo em folha anexa.
- Campo 7. Inventor. Forneça o nome completo do inventor assim como todos os demais
dados solicitados. Confira atentamente. Caso haja mais de um inventor, assinale "continua
em folha anexa" e forneça todos os dados para cada um dos demais em uma mesma
folha suplementar. Caso o inventor tenha optado pela não divulgação de seu nome,
assinale o local apropriado e forneça todos os dados em envelope, que deverá ser
entregue no ato do depósito.
- Campo 8. Declaração na forma do item 3.2 do Ato Normativo nº 127/97. Tendo sido
reivindicada prioridade externa para o pedido, o depositante pode apresentar declaração
de serem os dados, fornecidos no presente formulário, idênticos ao da certidão de
depósito ou documento equivalente do pedido cuja prioridade está sendo reivindicada, ao
invés de apresentar a tradução simples prevista no § 2o do Artigo 16 da LPI.
- Campo 9. Declaração de Divulgação anterior. Forneça todos os dados relativos à
divulgação ocorrida dentro do prazo de 12 (doze) meses anteriores à data de depósito do
pedido.
- Campo 10. Procurador. Quando tiver sido nomeado um procurador, forneça aqui os seus
dados. Os não residentes precisam constituir e manter um procurador residente no Brasil.
- Campo 11. Documentos Anexados. Assinale quais os documentos que estão sendo
apresentados junto com este formulário. Caso apresente anexos ou outros documentos
que não os especificados nos campos 11.1 a 11.8, assinale o item 11.9 "Outros". Indique
o número de folhas de cada um dos documentos. O número de folhas deverá incluir
somente o de uma das vias de cada documento, indicando, também, o número total de
folhas apresentadas (somente uma das vias de cada documento ).
Campo 12. Date e assine, carimbando ou escrevendo seu nome.

Vocábulos sobre métodos e técnicas de pesquisa
Prof. Gilberto de Andrade Martins

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - é o órgão responsável pela normatização
técnica no país; foi fundada em 1940, para fornecer a base necessária ao desenvolvimento
tecnológico brasileiro.
abstract ou summary - palavras de língua inglesa que significam resumo. É a tradução do termo
resumo para língua inglesa que deve integrar dissertação ou tese com a finalidade de facilitar a
divulgação do trabalho a nível internacional.
acervo - conjunto de documentos de um arquivo.
alcunha - nome acrescentado ao nome propriamente dito de uma pessoa, ou usado para substituí-
lo, denotativo seja de particularidades referentes a seu ofício, seja de um traço característico de
sua pessoa ou vida.
algoritmo - procedimento de cálculo em linguagem simbólica.
40
alínea - subdivisão de um parágrafo indicada por letra minúscula seguida de sinal de fechamento
de parênteses.
anexo, apêndice - matéria suplementar que se junta ao texto de uma publicação como
esclarecimento ou documentação, embora não constitua parte essencial da obra. Considera-se
apêndice quando o material for elaborado pelo próprio autor do trabalho e anexo, quando o
material se origina de outras fontes.
apud - citado por, conforme, segundo.
artigos de periódicos - são trabalhos técnicos, científicos ou culturais , escritos por um ou mais
autores, que seguem as normas editoriais do periódico a que se destinam.
autor - pessoa fundamentalmente responsável pela criação do conteúdo intelectual ou artístico de
uma obra.
bibliografia - lista bibliográfica com as referências bibliográficas de todas as obras utilizadas,
citadas ou não no texto, arranjadas por ordem alfabética. Alguns autores denominam tal lista por
bibliografia consultada.
bookmark - também chamado entrada de hotlist ou local favorito, um link salvo para um endereço
Web.
browser - programa usado para fazer a conexão com sites Web.
c. - capítulo; pode-se usar também cap.
CAb – grafado em caixa alta e baixa.
cabeçalho - nome, frase, expressão ou iniciais, colocados no alto de um registro bibliográfico, para
dar um ponto de acesso em catálogos, listas e outros suportes.
catálogos - instrumental de pesquisa elaborado segundo um critério temático, cronológico,
onomástico ou geográfico, incluindo todos os documentos pertencentes a um ou mais fundos,
descritos de forma sumária ou pormenorizada.
cf. - conforme
circa ou ca. - por volta de
citação - é a menção no texto, de informação colhida de outra fonte, para esclarecimento do
assunto em discussão ou para ilustrar ou sustentar o que se afirma.
coleção - conjunto de documentos, sem relação orgânica, aleatoriamente acumulados.
content list - sumário.
copyright - palavra inglesa, de uso internacional, indicativa de propriedades literária ou direito
autoral, e que, no verso da folha de rosto de uma obra, acompanha o nome do beneficiário e o ano
da primeira publicação para efeitos legais.
datas - o ano, os meses e os dias são indicados por extenso ou em algarismos arábicos. Os
meses podem ser abreviados por meio das três primeiras letras, seguidas de ponto quando
minúsculas e sem ponto quando maiúsculas, excetuando-se o mês de maio, que é escrito por
extenso. Os dias da semana podem ser abreviados: p. ex.: 3ª feira, sáb., dom. As horas são
indicadas de 0 h às 23 h, seguida, quando necessário, dos minutos e segundos. p. ex.: 13 h 23
41
min. 30,2 s. Não se coloca ponto para se separar o algarismo da milhar quando se indica um ano:
p. ex.: 1992 e não 1.992.
descritores (ou palavras-chave de artigos de periódicos) - são termos ou frases que expressam os
assunto do artigo e vêm obrigatoriamente depois do resumo.
diretório, cadastro, guia - obra de referência, periódica ou não, que informa nome, endereço,
tamanho das coleções, assuntos cobertos, recursos humanos e outros dados relativos a biblioteca
ou centros de informação e documentação.
draft - rascunho.
ed. - edição: Por exemplo: 6. ed. (a edição deve ser indicada em algarismos arábicos)
editor - nas referências bibliográficas, o nome do editor deve ser grafado como figura na
publicação referenciada, abreviando-se os prenomes, e suprimindo-se outros elementos que
designam a natureza jurídica ou comercial deste, desde que dispensáveis a sua identificação. p.
ex.: Kosmos (e não Kosmos Editora), Atlas (e não Editora Atlas)
editorial - artigo de fundo que exprime a opinião do órgão, em geral escrito pelo redator-chefe e
publicado com destaque.
elucidário - documento que se propõe esclarecer assuntos, termos obscuros ou duvidosos.
empírico - desprovido de teoria; relativo à observação de uma realidade externa ao indivíduo.
entrada - elemento levado em consideração para determinar a ordenação, tal como um nome, um
cabeçalho, um título em obras técnico-científicas.
epígrafe - citação colocada no início de uma obra, após a folha de rosto.
errata - lista de erros tipográficos ou de outra natureza, com as devidas correções e indicação das
páginas e linhas em que aparecem. É impressa geralmente em papel avulso ou encartado, que se
anexa à obra depois de impressa.
exempli gratia (e.g.) - por exemplo.
exórdio, preâmbulo, proêmio, prólogo ou introdução - parte inicial do trabalho onde se expõe o
argumento, os objetivos da obra e o modo de tratar o assunto.
falsa folha de rosto, ante-rosto, falso frontispício, olho - num livro, é a folha que precede a
folha de rosto e contém o título da obra.
fascículo - caderno ou grupo de cadernos de uma obra que se publica à medida que vai sendo
impressa; cada um dos números de uma publicação periódica que constitui volume bibliográfico.
ficha catalográfica - informações bibliográficas (catalogação na fonte) que deve aparecer na falsa
folha de rosto, ou, na falta desta, no verso da folha de rosto.
Figuras - como figuras são considerados: desenhos, gráficos, mapas, esquemas, fórmulas,
modelos, fotografias. As legendas devem ser inseridas abaixo de cada figura, com numeração
seqüente, algarismos arábicos, e iniciadas pela palavra FIGURA.
file - arquivo.
42
filiação científica - indicação da Instituição a que pertence(m) o(s) autor(es) de trabalhos
científicos: Departamento – Instituto ou Faculdade – Universidade (sigla) – Cidade – Estado –País.
folha de rosto, página de rosto, frontispício, portada - página que contém os elementos
essenciais à identificação da obra (autor, título, edição, imprenta local, editor e ano de publicação,
no caso de livro).
folheto - publicação não periódica, com um mínimo de 5 e um máximo de 48 páginas, revestida de
capa de papel ou cartolina.
fonte - qualquer documento que pode fornecer informações autorizadas.
glossário - vocabulário em que se explicam palavras obscuras ou referentes a determinada
especialidade técnica, científica, etc., geralmente apenso a um livro.
home page - documento principal em um site Web.
ibid. (ibidem) - na mesma obra.
id est (i.e.) - isto é.
id. (idem) - do mesmo autor.
Il. - abreviatura para indicação de ilustrações de qualquer natureza em referências bibliográficas.
ilustrações - aparecem no trabalho par explicar ou complementar o texto. Dividem-se em três
categorias: Tabelas, Quadros e Figuras.
imprenta - também denominada notas tipográficas, é parte da referência bibliográfica composta
dos seguintes elementos: local, editora e data de publicação.
In - inserido, contido em.
índice - trata-se de lista de entradas ordenadas segundo determinado critério, que localiza e
remete o leitor para as informações contidas num texto. Não deve ser confundido com sumário
(enumeração das principais divisões: capítulos, partes de um documento na mesma ordem em que
a matéria nele se sucede). O índice deve ser impresso no final da publicação. Sua ordenação
poderá ser alfabética ou sistemática por autor, assunto, pessoa e entidade, abreviatura, citação
etc.
índice cronológico - agrupa nomes e fatos importantes em relação cronológica de anos, períodos
ou épocas.
índice geral - relaciona em ordem alfabética, seguida do respectivo número da página, diversos
assuntos, nomes, lugares etc., contidos no relatório.
índice onomástico - agrupa assuntos, nomes, espécies etc. em relação preparada de acordo com
um sistema de classificação.
índice sistemático - agrupa assuntos, nomes, espécies etc. em relação preparada de acordo com
um sistema de classificação. Lista ou catálogos de nomes próprios.
inf. ou infra - abaixo.
inquérito - documento que relata a evolução e os resultados de uma sindicância ou interrogatório.
Pesquisa, sindicância.
43
ISBN - Numeração Internacional para Livro (International Standard Book Numbering), referência
um título.
ISSN - Numeração Internacional para Publicações Seriadas (International Standard Serial
Numbering) – sigla adotada internacionalmente para indicar o número padronizado de uma
publicação seriada (periódicos, jornais, anuários, revistas técnicas etc.). O ISSN deve ser impresso
em cada fascículo de uma publicação seriada, em posição destacada, no canto superior direito da
capa, na ficha catalográfica e logo acima da legenda bibliográfica da folha de rosto.
legenda bibliográfica - conjunto de informações essenciais destinados à identificação de um
periódico e os artigos nele contidos. Deve figurar no rodapé da folha de rosto e em cada uma das
páginas do texto, salvo no caso de jornais que a colocam no cabeçalho da página. P.EX. Revista
Telebrás, Brasília, volume 15, número 53, páginas 1 a 92, novembro de 1991. Na folha de rosto a
legenda deveria ser: R.Telebrás Brasília v.15 n.53 p.1-92 Nov./1991. Nas páginas do texto: Rev.
Telebrás, Brasília, 15(53): 1-35, nov.1991.
léxico - dicionário de formas raras ou difíceis, próprias de determinado autor ou de uma época
literária.
lista - enumeração de elementos de apresentação de dados e informações (gráficos, mapas,
tabelas, ilustrações, abreviaturas, siglas etc.) utilizadas na obra.
listas de figuras, ilustrações, tabelas, quadros, siglas, abreviaturas, símbolos, anexos etc. –
enumeração de elementos de um texto técnico – científico em ordem alfabética. As listas têm
apresentação similar à do sumário. Quando pouco extensas, podem figurar seqüencialmente na
mesma página. Não devem ser feitas listas com número inferior a cinco itens. Aparecem, em
páginas próprias, antes do sumário.
livro - publicação não-periódica, de conteúdo científico, literário ou artístico, formada por um
conjunto de folhas impressas, grampeadas, costuradas ou coladas em capa.
loc. cit. (loco citado) - no lugar citado.
n. - número
n/ref. - nossa referência.
NB - norma brasileira, emitida pela ABNT.
NBR - Norma Brasileira Registrada emitida pela ABNT.
notas - observações ou adiantamentos de detalhes do texto de uma obra, colocado no rodapé e/ou
no final do texto (final do capítulo, seção ou da própria obra).
notas e referências bibliográficas - lista bibliográfica com as referências bibliográficas e demais
notas, arranjadas numericamente, obedecendo a uma única seqüência, conforme ordem de
ocorrência no texto.
numeração de documento - empregam-se algarismos arábicos na identificação dos capítulos,
partes etc. (p. ex.: 1 1.1 1.1.3).
obra de referência - obra de uso auxiliar que permite obter informações sobre o assunto de
interesse, tais como: dicionários, enciclopédias, índices etc.
opus citatum (op. cit.) - obra já citada anteriormente.
p. - página
44
p. ex. - por exemplo
palavras-chave/keywords - relação de até sete palavras representativas do tema tratado no
trabalho, separadas entre si por ponto e vírgula.
papers - pequenos artigos científicos ou textos elaborados para comunicações em congressos.
Possuem a mesma estrutura formal de um artigo.
paráfrase - é o desenvolvimento, com palavras próprias, do texto de um livro ou de um documento
conservando-se as idéias originais.
parafrasear - é desenvolver ou reduzir o texto de um documento, mantendo-se a idéia original,
utilizando-se, porém, de termos pessoais.
passim - aqui e ali.
periódico - é a publicação editada em fascículos ou partes, a intervalos regulares ou não, por
tempo indeterminado, na qual colaboram diversas pessoas, sob uma direção constituída. Pode
tratar de vários assuntos em uma ou mais áreas do conhecimento.
posfácio - texto informativo ou explicativo que, redigido após a elaboração do texto, pode figurar
como complemento.
prefácio - parte opcional de livro. É constituído de palavras de esclarecimento, justificativa ou
apresentação, redigidas pelo autor, editor ou outra pessoa de reconhecida competência ou
autoridade.
prenome - elemento que vem em primeiro lugar na enunciação do nome completo de uma pessoa,
também chamado nome individual.
printer - cópia impressa do disquete.
pseudônimo - nome adotado por uma pessoa como substitutivo da designação oficial, usado para
identificá-la em certo ramo especial de suas atividades.
q. v. - queira ver
Quadro - representação tipo tabular que não emprega dados estatísticos. Devem ser numerados
consecutivamente, em algarismos arábicos, e encabeçados pelo título.
referee - avaliador de artigos submetidos a um periódico, congresso etc.
referência bibliográfica - é o conjunto de elementos que permite a identificação de documentos
impressos ou registrados em qualquer suporte físico, tais como: livros, periódicos e material
audiovisual.
referências bibliográficas - lista bibliográfica que inclui apenas referências das citações utilizadas
no texto e não indicadas em nota de rodapé. Lista bibliográfica de artigo periódico.
relatório - é a exposição escrita na qual se descrevem fatos verificados mediante pesquisas ou se
historia a execução de serviços ou de experiências. É geralmente acompanhado de documentos
demonstrativos, tais como tabelas, gráficos, estatísticas e outros.
repertório - instrumento de pesquisa no qual são descritos, pormenorizadamente, documentos
previamente selecionados, pertencentes a uma ou mais fontes, podendo ser elaborado segundo
um critério temático, cronológico, onomástico ou geográfico.
45
resumo (artigos de periódicos) - é a apresentação concisa do texto, destacando os aspectos de
maior interesse e importância. Na elaboração do resumo, deve-se observar o seguinte: não
ultrapassar 250 palavras; precede o texto quando na mesma língua; é transcrito ao final do artigo,
antes das referências bibliográficas, quando em outra língua.
resumo (dissertações e teses) - denominado Résumé em francês, Abstract em inglês, Resumen
em espanhol, Zusammenfassung em alemão, é a apresentação concisa do texto, destacando os
aspectos de maior interesse e importância. Não deve ser confundido com sumário.
resumo (livros) - é a apresentação concisa do texto, destacando os aspectos de maior interesse e
importância. É recomendado apenas para obras técnicas e científicas e está localizado
imediatamente antes do texto, devendo conter até 300 palavras.
roteiro (script) - documento que descreve a seqüência dos acontecimentos que forma o enredo de
um filme, peça teatral, programa de TV etc.
s/com. - sua comunicação.
s/ref. - sua referência.
senha (PIN: Personal Identification Number) - conjunto de caracteres numéricos ou pseudo-
alfabéticos, utilizado como chave secreta para identificação do usuário em transações em
automação bancária e comercial.
seq. (sequentia) - seguinte ou que se segue.
sinalética (lista bibliográfica) - sistema de fichário que reúne as referências das obras
consultadas e/ou citadas num trabalho.
sine loco (s.l.) - indica-se quando da falta do local da publicação da obra que se pretende
referenciar.
sine nomine (s.n.) - indica-se quando da falta de impressor e editora na obra que se pretende
referenciar.
site - uma localização na Internet.
sumário - é a enumeração das principais divisões, partes, capítulos, seções, na mesma ordem em
que se sucedem no texto. Não deve ser confundido com índice ou mesmo com resumo.
sumário (livros) - denominado Contents em inglês, Table des Matières em francês, Contenido em
espanhol, Inhalt em alemão, é a relação dos capítulos e seções do trabalho, na ordem em que
aparecem. Não deve ser confundido com índice, resumo ou lista.
sumário (publicações periódicas) - é a relação dos artigos que constituem o fascículo de um
periódico. O sumário deve indicar, para cada artigo: título do artigo; nome do autor; número da
primeira página, ligado ao título/autor por linha pontilhada.
suplemento - é a parte do periódico que apresenta material extraordinário, de complementação.
supra - acima.
t. - tomo, tomos
“thesaurus” - repositório de palavras-chave, com seus sinônimos, antônimos e palavras
relacionadas.
46
tamanhos de artigos – geralmente, laudas com 30 linhas de 70 toques e espaço 2, com o máximo
de 15 páginas (algumas Revistas permitem até 30 páginas).
título corrente - é a indicação do(s) autor(es) e do título breve do artigo, que aparece ao alto de
todas as páginas do artigo, exceto a primeira.
título corrente, cabeça ou cabeço - título, integral ou abreviado, da obra ou capítulo colocado no
alto de cada página. Em geral, o título do livro vem na página par e o do capítulo na página ímpar.
tomo - divisão física de uma obra, que pode coincidir ou não com o volume.
transliteração - é a ação de representar os sinais de um alfabeto por sinais de outro alfabeto.
v. - volume
vide (vid.) - ver a citação já referenciada. É melhor traduzir por ver.
videlicet (viz) - a saber
Web - World Wide Web - www.

Bibliografia complementar sugerida pelo professor
(Fora da norma ABNT)

1. A VIAGEM DE THEO, CATHERINE CLÉMENT – CIA DAS LETRAS – Romance das
religiões.
2. OS HERDEIROS DE DARWIN, MARCEL BLANC – SCRITTA – Estudo de Marcel Blanc
sobre o trabalho de Darwin.
3. SERÁ QUE DEUS JOGA DADOS? IAN STEWART – JORGE ZAHAR EDITOR. A nova
matemática do caos. Análise matemática de alguns números da natureza, utilizando
matemática elementar.
4. O CÉREBRO HUMANO, ISAAC ASIMOV – HEMUS. Romance de ficção científica.
5. NÓS ESTAMOS SÓS. ALFREDO NUNES BANDEIRA JR. – EDITORA INTERCIÊNCIA.
Uma humanidade solitária. Análise da possibilidade de vida inteligente extraterrestre.
6. O PENSAMENTO VIVO DE DARWIN, MARTIN CLARET. MARTIM CLARET EDITORES.
História de Darwin e o seu trabalho.
7. COMO VEJO O MUNDO ALBERT EINSTEIN. EDITORA NOVA FRONTEIRA.
Comentários sociais, políticos e científicos feitos pelo próprio Einstein.
8. EINSTEIN O ENIGMA DO UNIVERSO. RODEN. MARTIM CLARET. Abordagem filosófica
de Einstein.
9. TESTEMUNHO. DARCY REIBEIRO. SICILIANO. Fundamentos da origem da civilização
brasileira.
10. ISAAC NEWTON. PAULO SILVEIRA. EDIOURO. Bibliografia.
11. EINSTEIN POR ELE MESMO. ALBERT EINSTEIN. MARTIN CLARET. Fragmentos da
vida de Einstein.
12. EINSTEN E OUTROS ENSAIOS. J. LEITE LOPES. OS CADERNOS DA CULTURA. Obra
de Einstein.
13. NICOLAU COPÉRNICO COMMENTARIOULUS. NOVA STELLA. Obra de Copérnico.
14. VOAR TAMBÉM É COM OS HOMENS. O PENSAMENTO DE MÁRIO SHENBERG. JOSÉ
LUIZ GOLDFARB. EDUSP. História de um dos dez maiores físicos da história e ainda
brasileiro.
15. A INTELIGÊNCIA COLETIVA. PIERRE LÉVY. EDIÇÕES LOYOLA. Antropologia do
ciberespaço.
16. INFINITO EM TODAS AS DIREÇÕES. FREEMAN DYSON. EDITORA BEST SELLER. Do
Gene à conquista do universo.
47
17. INTRODUÇÃO À GEOFÍSICA ESPACIAL. VOLKER W. J. KIRCHHOFF. EDUSP.
Geofísica elementar.
18. MEMÓRIAS DAS TREVAS. JOÃO CARLOS TEIXEIRA GOMES. GERAÇÃO EDITORIAL.
Uma devassa na vida de Antônio Carlos Magalhães.
19. CRÔNICAS ITALIANAS. STENDHAL. EDUSP. Crônicas.
20. TRINTA ANOS ESTA NOITE. PAULO FRANCIS. CIA DAS LETRAS. Relato sobre o golpe
militar de 1964.
21. DIARIO DE VIAGEM. ALBERT CAMUS. RECORD. Relato de viagens e encontros com
personagens da história brasileira.
22. O CAPITAL DE MARX E O CAPITALISMO DE HOJE. ANTONY CUTLER. ZAHAR
EDITORES. 8 volumes sobre o projeto Marxista.
23. DOSSIÊ BRASIL. GENETON MORAES NETO. OBJETIVA. A história por trás da história
do país.
24. TELECOSMO A ERA PÓS-COMPUTADOR. GEORGE GILDER. EDITORA CAMPUS.
Projeção futurista.
25. O RELOJOEIRO CEGO. A TEORIA DA EVOLUÇÃO CONTRA O DESÍGNIO DIVINO. CIA
DAS LETRAS. Visão Darwinista.
26. ASTROBIOLOGIA. FLAVIO PEREIRA. TRAÇO DITORA. Estudo sobre a possibilidade de
vida fora da Terra.
27. RETALHOS CÓSMICOS. MARCELO GLEISER. CIA DAS LETRAS. Crônicas sobre
ciência publicadas no jornal Folha de São Paulo.
28. MUNDOS IMAGINADOS. FREEMAN DYSON. CIA DAS LETRAS. Programação genética.
29. NOTÍCIAS DO PLANALTO. MÁRIO SÉRGIO CONTI. CIA DAS LETRAS. A imprensa e
Fernando Collor.
30. EM BUSCA DE OUTROS MUNDOS. RONALDO ROGÉRIO DE FREITAS MOURÃO.
FRANCISCO ALVES. Observações e estudos do maior astrônomo brasileiro.
31. A MENSAGEM DAS ESTRELAS. GALILEU GALILEI. MUSEU DE ASTRONOMIA.
Observações e estudos de Galileu.
32. FILOSOFIA PARA PRINCIPIANTE. RICHARD OSBORNE. OBJETIVA. Pensamento dos
principais filósofos.
33. DISCURSO DO MÉTODO. RENÈ DESCARTES. EDITORA ÁTICA. Comentários sobre o
trabalho de Descartes.
34. DISCURSO SOBRE A ORIGEM E OS FUNDAMENTOS DA DESIGUALDADE ENTRE OS
HOMENS. ROUSSEAU. EDITORA UNB.
35. LEONARDO DA VINCI. EDIOURO. Bibliografia.
36. O LIVRO DAS RELIGIÕES. VICTOR HELLERN. CIA DAS LETRAS. Complexo estudo
sobre a origem das religiões.
37. HOMENS DE CIÊNCIA. ALESSANDRO GRECO. CONRAD LIVROS. Entrevistas com os
mais destacados cientistas da atualidade.
38. ETERNIDADE INVENTADA. DAWSON IZOLA. Romance de ficção científica.
39. HISTÓRIA DA MATEMÁTICA. RUBENS G. LINTZ. EDITORA DA FURB. Dois volumes.
Matemática ao longo da nossa história sob o ponto de vista cultural.
40. ATLAS CELESTE. RONALDO ROGÉRIO DE FREITAS MOURÃO. VOZES. Atlas.
41. EXPLICANDO A ASTRONÁUTICA. RONALDO ROGÉRIO DE FREITAS MOURÃO.
EDIOURO.
42. O CÉU. RODOLPHO CANIATO. EDITORA ÁTICA. Abordagem física da astronomia.
43. COSMONÁUTICA ENCICOLPÉDIA SOVIÉTICA. EDITORAL MIR. Programa espacial
soviético.
44. HISTÓRIA DOS FOGUETES NO BRASIL. DAWSON IZOLA. EDITORA ABAETÉ. História
dos primeiros foguetes brasileiros.
45. DE FOGUETEIRO E LOUCO TODO MUNDO TEM UM POUCO. DAWSON IZOLA.
História do Grupo Lenda da Fatec-SP.
46. SOMOS DIFERENTES. JAMES TREFIL. ROCCO. Estudo sobre a inteligência humana.
47. UMA BREVE HISTÓRIA DO TEMPO. STEPHEN W. HAWKING. ROCCO. Do Big Bang
aos buracos negros.
48. A DANÇA DO UNIVERSO. MARCELO GLEISER. CIA DAS LETRAS. Dos mitos da
criação ao Big Bang.
49. METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO. ANTONIO JOAQUIM SEVERINO.
CORTEZ.
50. EVOLUÇÃO DA VIDA. PRISMA. Visão antiga (30 anos atrás) da evolução.
48
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA (comentada)
Fora da norma da ABNT.

1- O Universo numa Casca de Noz – Stephen Hawking
Na lista dos mais vendidos, por várias semanas na categoria não-ficção. O autor é matemático,
astrofísico e doutor em cosmologia pela Universidade de Cambridge. Considerado o mais brilhante
físico desde Einstein. Neste livro explica os princípios que controlam o Universo.

2- Filosofia para não-filósofos – Jacquard e Planes
O autor é um cientista que consegue com clareza discutir temas relevantes. O livro é um
abecedário com perguntas e respostas sobre temas como biologia, ética, genética, matemática e
religião.

3- Assim falou Einstein – Alice Calprice
Esse livro é uma coletânia de mais de 550 citações do físico, organizadas de forma temática, feito
pela editora encarregada dos Clleted papers os Albert Einstein na Universidade de Princeton.
Além disso, têm o prefácio do físico Freeman Dayson.

4- Os irmãos Karamazov – Dostoievski
É um clássico da literatura universal. Na forma de romance o autor russo retrata diferentes formas
de personalidade em cada um dos irmãos e nos personagens do livro e com isso, expõe
preocupações sociais, religiosas e filosóficas, nos levando a compreender melhor o vasto painel
de dramas universais.

5- O Mundo de Sofia – Jostein Gaarder
Quem somos? De onde viemos? Sofia começa a receber postais anônimos que tratam destas
questões filosóficas e a partir daí o leitor é convidado a trilhar toda a história da filosofia ocidental
de forma bastante compreensível. O autor, professor de filosofia, é especializado em literatura
infanto-juvenil.

6- Em que crêem os que não crêem? – Umberto Eco e Carlo Maria Martini
Na forma de cartas, um dos maiores pensadores da atualidade e um cardeal da igreja católica
debatem neste livro sobre a existência de Deus, os fundamentos da ética e o respeito ao outro,
discutem o aborto, o papel das mulheres e muito mais.


7- Coleção Folha Explica – Nietzche
Um livrete com resumo da vida e obras de um dos pensadores mais provocativos da filosofia
moderna.

8- Coleção Folha explica – Macacos
È uma viagem pelo universo dos grandes primatas, fundamental para entender melhor o
comportamento humano.

9- Descartes em 90 minutos – Paul Strathern
Aristóteles em 90 minutos – Paul Strathern
Esses livretes fazem parte de uma coleção que usa textos irreverentes e curiosos sobre os
principais filósofos que empolgam o jovem leitor.
10- Gênios Ingênuos – Aguinaldo Prandini Ricieri
Neste livro o autor, professor do ITA, conta a trajetória da vida de Galois e Abel, dois jovens
matemáticos que revolucionaram a história da matemática.

11- O Livro de Ouro da Mitologia – Thomas Bulfinch
Essa é uma coletânea de histórias de deuses e heróis gregos e romanos. Da mesma editora
também é possível o Livro de Ouro da História do Brasil, do Universo e outros.

12- Os cem melhores poemas brasileiros do século – Ítalo Mariconi (seleção)
É uma coletânea dos principais poetas brasileiros. Também existe o livro dos cem melhores
contos.

49
13- Coiote – Roberto Freire
Esse é um romance onde o autor descreve novas possibilidades de relações humanas. O jovem
coiote põe em xeque convenções e acomodações.

14- Estação Carandiru – Dráuzio Varella
Ganhador do Prêmio jabuti em 1999. o brilhante médico retrata sua experiência de 10 anos de
trabalho voluntário na maior casa penitenciária do país de uma forma apaixonante.

15- Caçadas de Vida e de Morte – João Gilberto Rodrigues da Cunha
Ganhador do Prêmio Jabuti de 2000. o autor,um médico mineiro, surpreende e empolga o leitor
falando da colonização do triângulo Mineiro, desde o final do Império até os primeiros anos da
consolidação da república.

16- A casa das sete mulheres – Letícia Wierzchowski
A autora retrata a vida das mulheres da família de Bento Gonçalves que ficam recolhidas numa
estância durante a Revolução Farroupilha, a mais longa guerra civil no nosso país.

17- Princesa – A história real da vida das mulheres árabes – Jean P. Sasson
Esse livro é a denúncia de uma princesa saudita sobre a condição feminina no mundo árabe.

18- Filha da Fortuna – Isabel Allende
Esse e os demais livros da autora chilena são recheados de testemunhos históricos sobre a
Revolução Chilena e as relações latino-americanas.

19- As cinzas de Ângela – Frank McCourt
Ganhador do prêmio Pulitzer 1996. São as memórias de uma infância irlandesa, católica e
miserável. É um livro em que a memória é sinônimo de grande literatura.

20- Baudolino – Umberto Eco
O autor é uma referência no que diz respeito a conhecimento sobre a Idade Média. Esse é o seu
quarto romance que se passa entre 1152 e 1204.





























50
APÊNDICE A – Exemplos de artigos científicos


EQUIPO PARA EL ANÁLISIS DE LA OSCILACIÓN LATERAL DE AERONAVES

IZOLA, Dawson Tadeu
(1)
, CROCE, José A. Garcia
(2)
y CATALANO, Fernando Martini
(3)


Universidad de São Paulo
Sección de Ingeniería Mecánica – Universidade de São Paulo – Laboratorio de Aeronaves
Av. Dr. Carlos Botelho, 1456, São Carlos – SP – Brasil
Telf.:(+5516) 273-9333 Ext.3059 – Fax: (+5516) 274-9280 –
e-mail: izoladaw@sc.usp.br

(1) Maestro en Ing. Mecánica – USP – São Carlos (concediendo un doctorado del Laboratorio de Aronaves en al USP).
(2) Maestro en Ing. Mecánica – USP – São Carlos (concediendo un doctorado del Laboratorio de Aronaves en al USP).
(3) Ph.D. en Aerodinámica, Jefe del Laboratorio de Aeronaves de la Universidad de São Paulo, MRAeS, CEng.

RESUMEN
El equipo consiste en un eje montado en un juego de rodamientos conjugados axial y
radialmente. En la parte superior del eje se sujeta la aeronave que se va a ensayar en el túnel de
viento y en la parte inferior, un grupo de poleas es responsable del movimiento de un
potenciómetro. En la parte inferior del mismo eje, se sujeta un hasta en la que están un par de
resortes helicoidales. Después de haber sufrido la perturbación, la aeronave oscila y este
movimiento se identifica a través del potenciómetro que varía de 0 a 5 Voltios. La variación del
voltaje es transmitida a través de un equipo electrónico y pasada a une computadore personal.
Con los datos se construye un gráfico de ángulo de deslizamiento debido a la amortiguación. Con
estos parámetros se determinan las condiciones de estabilidad lateral de la aeronave y la razón de
declive de las oscilaciones.

Palabras-claves: oscilación lateral, recopilación de datos, ensayo aerodinámico.



EQUIPMENT FOR ANALYSIS OF THE LATERAL OSCILLATION OF AIRCRAFT
SUMMARY
The equipment consists of an axis set up on a group of axial and radially conjugated bearings.
The aircraft is fastened to be tested in the wind tunnel to the superior part of the axis and on the
lower part a group of pulleys is responsible for the movement of a potentiometer. On the same
axis, on the lower part, a stem is fastened to a pair of helical springs. On suffering a disturbance,
the aircraft oscillates and this movement is identified through the potentiometer that varies from 0
to 5 Volts. The variation in the voltage is transmitted through electronic equipment and passed to a
personal computer. A graph is plotted using the data with reference to the skidding angle due to the
decay ratio. With these parameters the conditions of lateral stability of the aircraft are determined
and the reason for the decline in the oscillations.
Key words: lateral oscillation, acquisition of data, aerodynamic test.
INTRODUCION
Una aeronave en vuelo, cuando sufre algún tipo de perturbación lateral, se inclina con
relación a su trayectoria inicial. Esta inclinación crea una sustentación en el estabilizador, que
produce una fuerza contraria a su inclinación. El movimiento oscilatorio puede durar fracciones de
segundos. Dicha oscilación puede causar un movimiento caótico que descontrola la aeronave,
como lo demuestra Glauert y Cowley (1921).
El ángulo de ataque vertical se mide entre la velocidad de la corriente de aire (con relación
a un observador fijo en la aeronave) y la dirección del eje de la misma. Se observa que, con un
ángulo de ataque vertical igual a cero, la sustentación en el estabilizador es nula, como puede
observarse en la Figura 1.
51

Fig. 1: Vuelo con ángulo de ataque cero.

Para determinar la estabilidad estática, se analiza la tendencia de la aeronave a volver a
su posición original después de la perturbación. La estabilidad estática está relacionada con la
posición relativa entre el CA y CG. Por otro lado, la estabilidad dinámica depende de la frecuencia
de la oscilación. Cuando una aeronave sufre una alteración lateral, comienza a volar en ángulo de
ataque (figura 2) y puede oscilar alrededor de su posición inicial de equilibrio.

Fig. 2: Inclinación de la aeronave en vuelo. (V=velocidad del aire con relación al observador)

Método de oscilación libre

Simmons y Bateman (1920), desarrollaron un método para el análisis de la estabilidad
direccional en dirigibles. El proceso consistía en suspender el modelo a ser estudiado en un
conjunto de hilos dentro de un túnel de viento. Después de una perturbación inicial, el modelo
oscila hasta que hay una amortiguación. Repitiendo el experimento con flujo y sin flujo de aire, se
determinan las fuerzas resistivas del equipo, quedando hacer la curvas de declive de las
oscilaciones. Este método se llama de Método de Oscilación Libre (Free Oscillation Method).
Durante la oscilación, tres términos pueden contribuir con el momento de guinada:

- momento de inercia;
- sumatoria de la amortiguación en la guinada y la fricción en la prueba rígida (o prueba
estática);
- sumatoria del momento aerodinámico y de la restricción del resorte.
La ecuación del sistema masa-resorte es dada por: (1)

( ) ( ) 0 .
0
2
2
= + + ÷ ÷ o
o o
k N V
dt
d
f N
dt
d
c
v r
(1)

La solución para esta ecuación es del tipo: (2)
( )
t
e t B t A
u
o O + O = sen cos (2)

La ecuación (2) puede escribirse así: (3)
( ) c o o
u
+ O = t e
t
sen . .
0
(3)

Sustituyendo los términos específicamente para el problema de oscilación estudiado,
se tiene una ecuación de la cual se extraen los puntos de desplazamiento máximo para cada
ciclo. Para el caso de que no haya viento, pueden hacerse simplificaciones, llegándose a las
siguientes ecuaciones:

|
|
.
|

\
|
=
÷
n
n
T o
o
u
1
ln
1
(4)
( )
1
2 u u ÷ = c N
r
(5)
52
2
5 , 0 VSb
N
n
r
r
p
= (6)

|
|
.
|

\
|
÷ + ÷ =
2
1
2
2
1
2
2
1 1
4 u u t
T T V
c
N
v
(7)
2
5 , 0 VSb
N
n
v
v
p
= (8)

Donde:
m = razón del declive wind-on;
m
1
= razón del declive wind-off;
c = momento de inercia del área de las aletas;
T = período wind on;
T
1
= período wind off;
V = velocidad del flujo de aire;
S = área del estabilizador;
b = envergadura del estabilizador.

DESCRIPCION DEL EQUIPO

El equipo usado consiste de un eje montado sobre un grupo de rolamientos conjugados
axial y radialmente. En la parte superior del eje se sujeta la aeronave y en la parte inferior, un
grupo de poleas, responsables por el movimento de un potenciómentro, registra las oscilaciones.
En el mismo eje, en la parte inferior, se fija un hasta en el que están un par de resortes.

Fig. 3: Equipo de Oscilación.

Leyenda de la figura 3 es:
1 - Modelo a ser ensayado;
2 - Abrazadera;
3 - Eje;
4 - Pared del túnel de viento;
5 - Fijación del grupo;
6 - Montaje de rolamientos;
7 - Lámina de fijación;
8 - Potenciómetro;
9 - Hasta para fijar el resorte;
10 - Polea;
11 - Resorte.

Después de sufrir la perturbación, la aeronave oscila y este movimento se identifica a
través del potenciómetros, que varía de 0 a 5 Voltios. La variación en el voltaje es codificada a
través de un equipo electrónico (PIC de estructura RISC con capacidad de 64Kbytes) y enviada
para una computadora personal a través de un programa en Qbasic. Este programa es
responsable por la recopilación de los datos enviados por el circuito eletrónico a través de una
puerta de serie de una computadora personal (PC). Dicho programa recibe las señales enviadas a
través del procesador PIC y graba los datos en 3 matrices en un archivo Data.log. Este archivo
53
puede leerse en softwares como EXCEL o Matlab. Con los datos de la planilla se construye el
gráfico de la oscilación y se calcula el declive (Figura 4).
Wind-off
0
1000
2000
3000
4000
0 2 4 6 8 10 12
Tempo (s)
A
m
p
l
i
t
u
d
e

Figura 4 – Ejemplo de la oscilación (wind-off).

Datos recuperados en el PIC
El microcontrolador de estrutura RISC incorpora un conversor externo de 12 Bits con
comunicación serial. Los datos se tranfieren para la computadora a través de la puerta serial. Los
datos se montan en una estructura hexadecimal en dos columnas: la 1
a
es el valor más
significante y la 2
a
es el menos significante.
Hay una variación de 0 a 5 Voltios del potenciómetro dividido por 4084, que es el paso
(step). Entonces:
0012 , 0
4084
5
Re = = (9)
El tiempo de recopilación de cada dato, se establece a través de la velocidade de recopilación
del equipo, que es de 9600 BPS–bytes por segundo.
s t 0024 , 0
9600
20
= =
(10)
Se tratan los datos recuperados a través de un PC en una planilla y se transforman de
hexadecimal para decimal.
Para hacer la transformación, se multiplica la Primera columna por 256 y se suma con la
Segunda.
Amplitude x = + ª 2 256 ª 1 (11)
El tiempo es el propio tiempo de recopilación de los datos. Cada valor se recupera a cada
0,0024s. De esta forma, el primer dato tiene un tiempo de 0,0024s y el segundo de 0,0048, hasta
que el ciclo de oscilaciones se concluya. El tiempo promedio de recopilación de datos fue,
alrededor, de 12 segundos en la condición wind-off, hasta que hubo la amortiguación total y el final
del ciclo de las oscilaciones. La situación sin viento (wind-off) fue el que presenta período más
grande, porque la amortiguación sólo se debió al efecto de los dos resortes.
En la situación wind-off, de una manera general , se recuperaron, aproximadamente, 5.000
líneas. En la tercera columna está el tiempo de cada dato y en la cuarta columna, la amplitud de
las oscilaciones. El gráfico de las oscilaciones fue hecho con la tercera y cuarta columna.

PROCEDIMIENTO EXPERIMENTAL
Considerando la razón de declive, se tiene:
1
ln
1
0
÷
=
n
T o
o
u
(4)
Donde el declive es la amplitud del primer pico dividida por el pico siguiente, y así
sucesivamente, aplicando después el logaritmo neperiano del promedio y multiplicándose por el
inverso del período promedio de las oscilaciones.
Este procedimiento se hace en las condiciones de winid-off y wind-on, substrayendo el
declive wind-on del de wind-off. El resultado es la razón de amortiguación referida al estabilizador,
porque las restricciones mecánicas (resorte y fricción), salen del resultado, ya que el modelo osciló
con el túnel desconectado. Se tiene así:
( )
off on Total
u u u ÷ = (12)
Con estos resultados se hace el gráfico relativo al declive de las oscilaciones. Variándose
el área del estabilizador, se modifican los valores del declive. A seguir se presenta un ejemplo
54
práctico en el que se utilizó un modelo de cohete para el ensayo, donde se probaron dos
estabilizadores diferentes: Estabilizador 1 - área = 0.0078 m
2
. Estabilizador 2 – área = 0.0067 m
2
.

Condiciones del ensayo:
Presión Atmosférica = 760 mm Hg = 0,76 m Hg
Temperatura =20
o
C = 273 K
Betz = 25,6,=> 0,0256 m H
2
O
p = 1,202052 Kg/cm
3

Velocidad del Flujo V = 19,78 m/s
Masa del Estabilizador = 0,0353 kg
Área del Estabilizador S = 0,0078 m
2
Momento de Inercia c = 0,001101 kg/m
2
Envergadura del estabilizador b = 0,067 m

Tabla 1 – Resultados del estabilizador 1
Período (s) ln u
Wind-off 0,520 -0,123 -0,237
Wind-on 0,439 -0,129 -0,293

Tabla 1A – Resultados del estabilizador 1
N
r

kgm
2
/s
n
r
N
v

kgm
2
/s
n
v
Wind-off - - - -
Wind-on -0,0001 -0,149 0,003 3,828

Datos experimentales del estabilizador 2:
Masa de las aletas = 0,03567 Kg
Área de las aletas S = 0,03567 Kg
Momento de Inercia c = 0,000956 Kg/m
2

Envergadura de la aleta b = 0,067 m

Tabla 2 – Resultados del estabilizador 2.
Período (s) ln u
Wind-off 0,5752 -0,132 -0,2297
Wind-on 0,4826 -0,139 -0,2888

Tabla 2A – Resultados del estabilizador 2.

N
r

kgm
2
/s
n
r
N
v

kgm
2
/s
n
v
Wind-off - - - -
Wind-on -0,0001 -0,158 0,0023 3,321

Con estos datos se construye el gráfico correspondiente al declive.
Decaimento das Oscilações
-0,2
-0,15
-0,1
-0,05
0
0 2 4 6
Número de Ciclos
L
n

(
F
i
0
/
F
i

(
n
-
1
)
Wind-off
Estabilizador 1
Estabilizador 2

Figura 5 – Declive de las oscilaciones.

55
-0,4
-0,35
-0,3
-0,25
-0,2
-0,15
-0,1
-0,05
0
A
d
i
m
e
n
s
i
o
n
a
l
1 2
Estabilizador
Razão de Decaimento
Wind-off
Wind-on

Figura 6 – Razón del declive.

CONCLUSIONES
El Método de Oscilación libre, desarrollado originalmente por SIMMONS (1920), para el
análisis de la estabilidad lateral en dirigibles, se mostró eficaz para el estudio con cohetes.
El equipo de oscilación desarrollado para este trabajo, además de usarse para los cohetes,
como lo demuestra IZOLA (1997), también puede usarse para otras aeronaves, como aviones y
dirigibles. Con el uso de un controlador de PIC, fue posible establecer el período exacto de las
oscilaciones. Siendo estos datos recuperados automáticamente a través de un software de
recopilación de datos, se pudo hacer un análisis preciso de los resultados, ya que la capacidad
del equipo es de 4084 puntos por segundo. Así se tiene una cantidad de datos en un intervalo
de tiempo fijo, no habiendo necesidad de establecer un promedio de los períodos, como fue
hecho en el experimento realizado por SIMMONS (1920).
Se puede concluir, que mientras más grande el estabilizador, más grande será la razón del
declive. Sin embargo, vale la pena destacar que, siendo más grande el área del estabilizador,
el rastro (la marca) debido al ángulo de ataque vertical también es más grande. Por lo tanto, el
estabilizador ideal debe ser aquel capaz de estabilizar lateralmente el modelo y que tenga la
menor área posible, como lo demuestra IZOLA y CATALANO (1997).
En el ejemplo dado, los dos estabilizadores satisfacen la condición de estabilidad, porque el
cono de las oscilaciones es convergente. De esta forma, puede escogerse el de área más
pequeña.
Para un mejor resultado, se debe combinar este experimento con otro, para la medida de
rastro (huella o deslizamiento).

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS
[1]GLAUERT, H and Cowley, W. L. The Efect of the Lag of the Downwash on the Longitudinal
Stability of an Aeroplane on the Rotary Derivative Mq. R&M. 1921.
[2]IZOLA, DAWSON TADEU – Análise da Oscilação Lateral de Foguetes Balísticos através do
Método de Oscilação Livre, Dissertação de Mestrado, EESC-USP, 1997.
[3]IZOLA, DAWSON TADEU and CATALANO, FERNANDO MARTINI.: Método de oscilação livre
para análise da perturbação lateral de um foguete em vôo balístico. III CIDIM – Congresso Ibero-
americano de Engenharia Mecânica. Cidade de Havana – Cuba. Anais. 1997.
[4]MORAES, Ricardo Ferreira, Santos, João Paulo Cursino. Uma Abordagem sobre Guiagem e
Controle de Mísseis. Revista Militar de
Ciência e Tecnologia. Vol. XIII – Nº 4 – 1996.
[5]SIMMONS, L. F. G. and A. R. C. Sc. E H.
Bateman, B. Sc. – A Method for Determining the Rotary Derivatives M
q
and N
r
of Models. -
R&M nº 665 – 1920.
[6]SIMMONS L. F. G. and A. R. C. Sc. E H. Bateman, B. Sc. – Note Relating to two Methods in use
for Determining Rotary Derivatives of Models. - R&M nº 711 – 1921.








56
Paper Number
CONTROLADOR DE ALTITUDE PARA AERONAVES RADIOCONTROLADAS

Dawson Tadeu Izola
José Antônio G. Croce
Fernando Martini Catalano
Universidade de São Paulo

Luiz H. Corrêa Bernardes
NOXXON Tecnologia

Departamento de Engenharia Mecânica - EESC-USP – Laboratório de Aeronaves
Avenida Dr. Carlos Botelho, 1456 - CEP 13560-250 São Carlos - SP - Brasil
TEL. + 55 16 274-3444 - Ramal 3059 FAX: +55 16 274-9280
E-mail: izoladaw@sc.usp.br
RESUMO
Aeronaves destinadas a obtenção de fotografias aéreas devem realizar o vôo paralelo ao solo
com variação de altitude inferior a 5 metros, para que não haja comprometimento da escala das
fotos. Mudando a altitude de vôo a aeronave pode também alterar o equilíbrio lateral e
longitudinal. Utilizando dois sensores para coleta de dados da aeronave, faz-se o controle de
altitude. Com um sensor de pressão estabelece-se o cálculo de altitude, e um acelerômetro é o
sensor de posição responsável pela estabilidade longitudinal da aeronave. Com um
computador de bordo fixa-se a altitude de vôo desejada ainda no solo, após a decolagem da
aeronave o sistema é acionado fazendo com que o avião atinja a altitude desejada. Utilizando
as equações dinâmicas responsáveis pelo equilíbrio da aeronave, residentes no computador de
bordo, interagindo com os observadores, estabelece-se a resposta do profundor capaz de
garantir a altitude desejada e a estabilidade longitudinal do avião. A ação do profundor é
responsável pelo movimento de subida e descida da aeronave. Ensaios em túnel de vento
demonstraram a eficiência do sistema, principalmente relativo à estabilidade longitudinal de
período curto.
INTRODUÇÃO
Para alterar a altitude de vôo em uma aeronave, altera-se o ângulo do profundor, este
movimento modifica o ângulo de ataque da aeronave fazendo com que aconteça a mudança na
altitude.
O sistema fixador de altitude desenvolvido consiste em um sensor de pressão que
estabelece uma relação entre a pressão atmosférica e a altitude.
Com o valor da pressão atmosférica , um software residente no computador de bordo
movimenta o profundor em ângulos de +5
o
, -5
o
e zero graus de acordo com o equilíbrio
longitudinal até que a altitude fixada seja alcançada.
Paralelo ao fixador de altitude, interage um giroscópio com sistema de controle que
funciona como aumento de estabilidade longitudinal, fazendo com que aconteça o amortecimento
das oscilações de período curto, no instante em que a aeronave estiver voando em ângulo de
ataque para atingir a altitude fixada.
Para se determinar a estabilidade estática, realizou-se uma análise sobre a tendência da
aeronave em retornar à sua posição original após a perturbação. A estabilidade estática está
relacionada com a posição relativa entre o CA e CG, por outro lado a estabilidade dinâmica
depende da freqüência de oscilação. Uma aeronave ao sofrer uma perturbação longitudinal passa
a voar em ângulo de ataque, e pode oscilar em torno de sua posição inicial de equilíbrio. Com
objetivo de identificar o período e a razão de decaimento das oscilações realizou-se um
experimento utilizando o Método de Oscilação Livre, descrito por SIMONNS (1920).
Para o desenvolvimento do sistema de controle de altitude, analisou-se o modelo com o
profundor com ângulo 0, 10, 20, -10 e -20 graus. O objetivo deste experimento foi para analisar a
estabilidade longitudinal da aeronave com a ação do profundor e estabelecer o ângulo do
profundor em que independente da velocidade aconteça uma razão de subida da aeronave sem
comprometimento da estabilidade longitudinal.
Quando a aeronave atingir a altitude fixada, o computador de bordo inicia o processo para
realizar as fotos aéreas. Por intermédio de um Pitot estabelece-se a velocidade do avião, com este
dado, o computador de bordo, controla o intervalo entre uma foto e a seguinte, fazendo com que
seja possível a montagem de mosaicos com a seqüência de 4 fotos.
57
DESCRIÇÃO DO EQUIPAMENTO
O equipamento utilizado para análise da estabilidade longitudinal consiste em uma haste
principal onde é fixado o modelo a ser ensaiado.
O modelo é fixado por intermédio de um rolamento. O eixo do rolamento é unido a um
potenciômetro que transmite a oscilação de forma análoga a um sistema codificador A/D
(analógico digital). Na parte inferior do modelo é fixado uma par de molas fixadas na haste
principal por uma haste transversal. O par de molas é responsável pelo incremento das oscilações
como descreveu SIMONNS (1920).


Figura 3 Detalhe do mancal

Depois de sofrer a perturbação, a aeronave oscila e este movimento é identificado através
do potenciômetro que varia de 0 a 5 Volts. O sinal é codificado para digital e gravado em uma
planilha através de um computador pessoal.


Figura 4 Equipamento de Oscilação


Figura 5 Detalhe da montagem com molas

A variação na voltagem é codificada através de um equipamento eletrônico (PIC de
estrutura RISC) e passada para um computador pessoal através de um programa em Qbasic.
58
O programa em Qbasic é responsável pela aquisição de dados enviados pelo circuito
eletrônico através da porta serial de um computador pessoal. Este programa, recebe sinais
enviados através do controlador PIC, e grava os dados em 3 matrizes em um arquivo Data.log,
este arquivo pode ser lido em softwares como o Excel ou Matlab. Com os dados da planilha plota-
se o gráfico da oscilação e calcula-se o decaimento (figura 6).
Wind-off
0
1000
2000
3000
4000
0 2 4 6 8 10 12
Tempo (s)
A
m
p
l
i
t
u
d
e

Figura 6 Exemplo de oscilação (wind-off)

Wind-on
0
1000
2000
3000
0 2 4 6 8
Tempo (s)
A
m
p
l
i
t
u
d
e

Figura 7 Exemplo de oscilação (wind-on)

A situação sem vento (wind-off) é a que apresenta período maior, pois o amortecimento é
somente devido ao efeito das duas molas.

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL
Utilizando o Método de Oscilação Livre descrito por SIMMONS(1920), foi construído o
modelo da aeronave com as mesmas características do aeromodelo responsável pelo sistema de
fotos aéreas. O modelo é analisado nas condições com vento e sem vento (wind-on e wind-off). As
oscilações são simuladas em um equipamento que permite ao modelo oscilar preso ao CG.

Características do Aeromodelo para foto aérea:
Envergadura: 1,8m;
Corda: 0,25 m;
Asa: Polidiedral;
Comandos: Leme e profundor;
Motor; 0,35 HP;
Hélice: 11 pol;
Massa: 1,2 kg;

O modelo foi construído em madeira balsa e entelado com plástico monokote. O modelo
está em escala 1:30.

Características do modelo para ensaio aerodinâmico:
Envergadura: 0,06m;
Corda: 0,008 m;
Asa: Polidiedral;
Comando: profundor;
Massa: 0,6 kg.

59
Através da comparação dos resultados (wind-off e wind-on) se estabelece as forças
resistivas do equipamento e o decaimento das oscilações. O objetivo do experimento é
estabelecer as derivadas de amortecimento longitudinal do modelo.
Para cálculo do momento de inércia, considerou-se a área e a massa do estabilizador,
como SIMMONS(1920), descreveu no experimento de oscilação livre que realizou utilizando
dirigíveis.
Utilizou-se o túnel de vento LAE-1, do Laboratório de Aeronaves da USP.


Figura 8 Túnel LAE1

Este túnel é de circuito aberto, tipo N.P.L., com câmara de ensaio hexagonal, fechada,
com área de seção transversal de 0,526 m
2
e comprimento de 1,63 m. Pode atingir velocidades
de até 60 m/s mas, durante os ensaios preferiu-se não ultrapassar a velocidade de 15 m/s, pelo
fato da fase mais crítica das oscilações acontecerem quando o avião voa em baixas velocidades.

Análise dos valores de N
v
e N
r
do modelo foram realizados utilizando as equações do
Método de Oscilação Livre descrito por SIMMONS(1920).
Determina-se os valores das derivadas n
v
e n
r
para serem analisados os momento de
arfagem devido ao deslizamento N
v
e o momento de arfagem devido a relação de N
r
do modelo.
dados:
Ln off = -0,10746
Período off = 0,2578 s
Ln on = -0,09519
Período on = 0,2558 s
Área do estabilizador: 0,004879 m
2

condições do ensaio:
Betz = 0,0103 mH
2
O
Temperatura = 25
o
C
Pressão = 0,75 Nm
2

Massa estabilizador = 0,077 kg
Envergadura = 0,119 m

Resultados:
Momento de inércia c = 0.001503 m.kg
Densidade do ar (p) = 1.166332 kg/m
3
Velocidade do fluxo V = 12.715343 m/s
Decaimento wind-off u = -0.416835
Decaimento wind-on u = -0.372127
Valor de Nr wind-on Nr = 0.000134 kgm
2
/s
Valor de nr wind-on nr = 0.131136
Valor de Nv wind-on Nv = 0.001267 kgm
2
/s
60
Valor de nv wind-on nv = 1.236154

O movimento do profundor é feito por intermédio de um atuador eletromecânico fabricado
pela FUTABA.
Utilizando um radiotransmissor movimentou-se o profundor para a coleta de dados na
oscilação.
O modelo foi construído com o profundor capaz de se movimentar em ângulos entre 30
graus positivos e 30 graus negativos.


Figura 9 Atuador eletromecânico

Para analisar a resposta do modelo com a ação do profundor, repetiu-se o experimento de
oscilação com o profundor em 10 e 20 graus positivos e 10 e 20 graus negativos.


Figura 10 Profundor em ângulo

RESUMO DOS RESULTADOS

Tabela 1 Resultados
Período (s) Ln u Nr
kgm
2
/s
nr Nv
kgm
2
/s
nv
Wind
off
0,2578 -0,1074

-0.4168 - - - -
Wind
on
0,2558 -0,0951 -0.3721

0.0001 0.1311 0.0012 1.2361
Wind
on
(10
o
)
0.1836

- 0.0883 -0.4812 -0.0001

-0.1474 0.0543 41.3900
Wind
on (20
o
)
0,2103 -0.0515

-0.2453 0.00001 0.0410 0.0029 2.3848
Wind
on
(-10
o
)
0,1930 -0,1411 -0.7311

-0.0009 -0.7817 0.0463 38.3209
Wind
on
(-20
o
)
0,2004 - 0.1535 -0.7660

-0.0010 -0.8683 0.0382

31.6269

61
Razão de decaimento com profundor em ângulo
-0,3
-0,2
-0,1
0
0 0,5 1 1,5 2 2,5 3 3,5 4
Número de ciclos (n)
L
n

(
F
i
0
/
F
i
n
)
Prof. 10
Prof. 20
Prof. -10
Prof. - 20

Figura 11 Razão de decaimento com profundor em ângulo

CALIBRAÇÃO DO SENSOR DE PRESSÃO

O sensor de pressão utilizado para a tomada do dado de altitude do modelo é um sensor
de pressão da Motorola, tipo MPX 5100. Para a calibração deste sensor, com a intenção de
relacionar o valor de sua saída com a altitude, montou-se um experimento que relacionou o dado
de saída do sensor com o valor correspondente em um micromanômetro do tipo de Betz. A Figura
12 apresenta a descrição do experimento.


Figura 12 Esquema geral do Experimento

Conforme pode ser visto na Figura 12, o sensor de pressão está ligado ao
micromanômetro de Betz e à seringa, formando assim um linha de pressão fechada. Assim,
quando é variada a posição do êmbolo da seringa, tanto o sensor de pressão quanto o Betz são
solicitados com a mesma pressão.
Com este procedimento é possível a calibração do sensor a partir da leitura obtida no
Betz.

y = 0,6462x - 3632,5
3024
3025
3026
3027
3028
3029
3030
3031
10304 10305 10306 10307 10308 10309
Pressão Atmosférica (mmH2O)
L
e
i
t
u
r
a

d
o

s
e
n
s
o
r

(
m
V
)

Figura 13 Relação entre pressão e a leitura do sensor

Com a relação gerada pela reta ajustada aos pontos lidos, chega-se a uma relação entre a
pressão em milímetros de coluna de água e a leitura correspondente no sensor de pressão. Isto
62
consiste no primeiro passo para a determinação da relação geral da leitura do sensor com a
altitude correspondente. Para determinar esta relação necessita-se primeiro de uma relação que
gere correspondência entre a pressão atmosférica e a altitude.
Como é de conhecimento geral, dentro da troposfera a altitude está linearmente
relacionada com a pressão atmosférica local. Desta forma, fazendo a correlação com os dados
disponíveis sobre a relação da pressão atmosférica com altitude e usando a equação gerada pela
reta ajustada no gráfico para calcular a leitura correspondente a cada pressão atmosférica
adotada, pode-se relacionar todas as variáveis.

y = -0,6661x + 2991,4
0
500
1000
1500
2000
2500
3000
3500
0 1000 2000 3000 4000
Altitude (metros)
L
e
i
t
u
r
a

S
e
n
s
o
r

(
m
V
)

Figura 14 Relação entre altitude e a leitura do sensor

Assim a equação da reta ajustada aos pontos da Figura 14 é a relação da altitude com a
leitura medida no sensor de altitude.

CALIBRAÇÃO DO PITOT
Para a calibração do Pitot relacionou-se a pressão lida no Betz com o valor gerado pelo
sensor, estabelecendo assim a equação da velocidade. O Pitot construído foi ligado às entradas
do sensor. Esta configuração foi de tal forma ajustada para que o sensor medisse diretamente a
pressão dinâmica do escoamento. As Figuras a seguir mostram os equipamentos construídos.


Figura 15 Tubo de Pitot


Figura 16 Montagem do tubo de Pitot
63

Figura 17 Tubo de Pitot no túnel

O procedimento experimental adotado consistiu em se variar a velocidade do túnel de
vento LAE-2 e fazer a leitura no sensor via aquisição de dados no computador. Como dado de
comparação, a variação de velocidades do túnel era lida em pressão dinâmica em um
micromanômetro de Betz. A seguir é mostrado os dados obtidos.

y = -3,0138x + 1217,3
0
5
10
15
20
25
30
396 397 398 399 400 401 402 403
Pd Sensor
P
d

B
e
t
z

Figura 18 Relação entre pressão a dinâmica e o sensor

A Figura 18 mostra o gráfico gerado pelos dados coletados. Foi ajustado um reta aos
dados gerados e desta forma tem-se a relação algébrica entre a leitura do sensor e a pressão
dinâmica. Fazendo ainda uso da equação de velocidade e pressão dinâmica, obtém-se
diretamente a velocidade como função da leitura do sensor. Estas relações serão programadas no
computador de bordo da aeronave para uso do sistema de fotos aéreas.

SISTEMA DE CONTROLE

Como elemento de controle dinâmico da aeronave usou-se um simples sistema de malha
aberta para controlar a altitude.
O sistema consiste em um seguidor de um sinal de altitude desejada colocado como uma
das entradas. Ainda tem-se outra entrada que consiste no sinal da leitura do sensor de altitude.
Os dois sinais são comparados e a diferença entre eles é enviada para o computador de
bordo da aeronave que enviará um sinal para o sistema que gera movimento no profundor.
Enquanto o computador de bordo não parar de acusar diferença entre as duas entradas o
sinal para o profundor não é desativado.
Como este sistema fixador de altitude não controla a estabilidade longitudinal da
aeronave, ainda faz parte do projeto o uso de um giroscópio com sistema de controle, que interage
em paralelo com o fixador de altitude. A seguir é apresentado o diagrama de blocos do sistema de
controle.

64

Figura 19 Diagrama de blocos do sistema de controle

O sinal de referência na entrada do sistema é um valor de altitude desejado que é gravado
no programa de controle. Nesta fase do experimento a altitude desejada foi fixada em 300 metros.
Pode-se ver pela Figura 19 que o giroscópio está colocado em paralelo com a entrada do servo, o
que torna possível o controle da estabilidade da aeronave mesmo quando em processo de subida
ou descida para atingir a altitude controlada.
O dado que é enviado ao computador de bordo sobre a velocidade é usado para o
controle da formação do mosaico de fotos que a aeronave tem como objetivo.


Figura 20 Equipamentos utilizados no controle

Com a análise experimental da aeronave com o profundor variando de (-20 a + 20) graus,
estabeleceu-se as condições de amortecimento.
A velocidade da aeronave foi fixada em 10m/s e o ângulo do profundor em 5 graus
positivos ou 5 graus negativos. Com estes dados a aeronave atinge a altitude fixada em 300
metros.
Ao atingir a altitude de 300 metros o computador de bordo posiciona o profundor com zero
grau e faz a leitura da velocidade por intermédio do Pitot..
Com o valor da velocidade estabelece-se o intervalo entre as fotos. Com estes dados
realiza-se uma seqüência de 4 fotos.

65
LÓGICA DO CONTROLE

Utilizando a equação gerada por intermédio da relação entre a altitude e o sensor de
pressão tem-se:

4 , 2991 6661 , 0 + ÷ = x y (1)

Onde:
y = Leitura do sensor
x = Altitude em metros

Assim:
Para 0 metros tem-se:

y = 2991,4

Para 300 metros tem-se:

y = 2791,570

Relação entre altitude zero e 300 metros:

y = 199,830

A diferença entre a leitura do sensor com altitude de zero metros e o valor com altitude de
300 metros é a variação na leitura do sensor independente da altitude de referência em que se
realizará o vôo.
Com a equação gerada por intermédio da relação do sensor com a velocidade tem-se:

3 , 1217 0138 , 3 + ÷ = x y (2)

Onde:
y = Pressão dinâmica no Betz (Pd)
x = valor da leitura no sensor

Utilizando p = 1,293 (atmosfera padrão), estabelece-se a velocidade.

p
Pd
v
2
= (3)

Assim:
293 , 1
2y
v = (3)

O programa de controle estabelece uma relação entre a velocidade da aeronave e o
tempo entre uma foto e outra, este controle possibilita a montagem de mosaicos com a seqüência
de fotos.
66

Figura 21 Fluxograma do programa de controle

O computador de bordo utilizado é o Basic Stamp, com capacidade de 64 Kbytes. Além do
fixador de altitude o computador de bordo controla a operação da câmara fotográfica,
estabelecendo o intervalo ótimo entre uma foto e outra.
O computador de bordo faz também a leitura de luminosidade por intermédio de um
sensor na própria câmara fotográfica, controlando assim a velocidade do obturador em função da
luz natural.
No final da seqüência de 40 fotos o computador de bordo desliga o fixador de altitude e
rebobina o filme.
O comando da aeronave via rádio é incrementado de forma que sempre que o operador
assumir o comando, o fixador de altitude seja desligado, evitando assim conflito de informações.




Figura 22 Exemplo de fotos aéreas
67
CONCLUSÕES
Os ensaios de estabilidade longitudinal demonstraram que a aeronave é estável
longitudinalmente, apresentando oscilações convergentes, com variação do profundor de –10, -20,
0, 10 e 20 graus de ângulo no profundor.
Observou-se a resposta da aeronave, com profundor em ângulo de 5 graus, até que se
atinja a altitude fixada de 300 metros, neste ensaio identificou-se a ineficiência do sistema para
amortecer as oscilações de período longo, fazendo com que a aeronave oscilasse até que fosse
atingida a altitude fixada.
A aeronave destinada à obtenção de fotos aéreas de pequeno formato pode servir de
alternativa de baixo custo para usuários, que não necessitem de alta definição nas imagens.
Neste trabalho desconsiderou-se a velocidade do avião para composição do sistema de
controle, visto que o computador de bordo utilizado não tem espaço na memória para trabalhar
com mais esta variável.
Para continuidade deste trabalho é importante aumentar a capacidade do computador de
bordo para que a resposta do profundor seja em função da velocidade, mantendo assim uma
inclinação ótima independendo da velocidade da aeronave.
Como foi utilizado um giroscópio com sistema de controle pronto, observou-se nos ensaios
que as oscilações de período longo não foram amortecidas a contento. Para trabalhos futuros, o
ideal é que o giroscópio faça parte do sistema de controle interagindo com o fixador de altitude.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BENDAT, J. S. The Hilbert Transform and Applications to Correlation Measurements. Brüel &
Kjaer. 1985.
BONNIN, J..: “Mécanique Expérimentale des Fluides”. Paris-França. A LA Même Librairie - 1964.
CATALANO, F. M. – Projeto, Construção e calibração de um Túnel Aerodinâmico de circuito
aberto Tipo N.P.L de Secção Transversal Hexagonal, Dissertação de Mestrado, EESC-USP, 1988.
COOK, G. E. – Ministry of Aviation ARC Current CP 523, London: 4.M.S), 1960.
CORRÊA, LUIZ HENRIQUE BERNARDES.: "Basic Stamp
©
Manual do Usuário". São Paulo - SP.
General Soft, 1995.
FOX, J. (1992). The Problem of Scale in Comunity resource Mangement. In: Environmental
Managment, Vol. 16, n
o
3.
GLAUERT, H and Cowley, W. L. The Efect of the Lag of the Downwash on the Longitudinal
Stability of an Aeroplane on the Rotary Derivative Mq. R&M.1921.
HEBBAR, S. K. at al. Hight-Angle-of-Atack Wind-Tunnel Investigation of a Multimission Vehicle.
AIAA. June 28. 1994.
HOERNER, F. SIGHARD.: “Fluid - Dynamic Drag”. Great Britain, 1965.
IZOLA , D. T. (1994). Foto Aérea com Foguetes de Pequeno Porte. Núcleo Discente de
Tecnologia. FATEC, São Paulo.
IZOLA, Dawson Tadeu.: “Lançamento de Micro-sonda com Câmara Fotográfica para Análise de
Solos”. In: Brazilian Symposium on Aerospace Technology, n.II – São José dos Campos - SP.
Anais . INPE 1994.
ROSKAM, Jan – Preliminary Calculation of Aerodynamic Thrust and Power Characteristics –
University of Kansas – Lawrence, Kansas, 1987.
SIMMONS, L. F. G. and A. R. C. Sc. E H. BATEMAN, B. Sc. A Method for Determining the Rotary
Derivatives M
q
and N
r
of Models. - R&M
nº 665 – 1920.
SIMMONS L. F. G. and A. R. C. Sc. E H. BATEMAN, B. Sc. Note Relating to two Methods in use
for Determining Rotary Derivatives of Models. - R&M nº
711 - 1921
THRANE, N at al. Pratical use of the Hilbert Transform. Brüel & Kjaer. Application Note. 1984.
W, L, COWLEY and H. GLAUERT – The Effect of the Lag of the Downwash on the Longitudinal
Stability of an Aeroplane and on the Rotary Derivative M
q
. - R&M nº 718 – 1921







68
APENDICE B – Exemplo de Projeto de Pesquisa (Comentado)
PROPOSTA DE PROJETO
Exemplo de proposta de projeto.

01- TÍTULO DO PROJETO
Pequeno resumo da proposta de projeto.

02- ÁREA DE ATUAÇÃO
Informática, Logística, Plásticos, Ciência aplicada,
Ciência pura.

03- CLASSIFICAÇÃO
Iniciação Científica.
Projeto tecnológico
Projeto de pesquisa

04- ORIENTADOR RESPONSÁVEL
Prof. Orientador do projeto.

05- EQUIPE ENVOLVIDA
Professores e alunos.

06- AUTOR(S)
Conforme a proposta de regimento

07- DATA DA SOLICITAÇÃO

07- DATA DE APROVAÇÃO PELO CONSELHO

08 – PARECER
Parecer do Conselho Diretor.

09 - JUSTIFICATIVA
Aplicação da pesquisa ou projeto proposto.

10- OBJETIVOS
Qual o principal objetivo a ser alcançado

11 - PARCERIAS COM EMPRESAS OU INSTITUIÇÕES
Empresa ou Instituição em parceria para desenvolvimento
do projeto.

12- METODOLOGIA
Estudo teórico, experimentação, estatística, etc.

13 - CRONOGRAMA ANUAL
Detalhado com metas a cada 4 meses.

14- PRODUTO FINAL (DETALHAMENTO)
Produto, artigo, monografia, patente, livro, manual, etc.

15 - HORÁRIOS DISPONÍVEIS PARA TRABALHO
Mínimo de 10 horas semanais.

16- FINALIDADE - UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS
Benefícios – beneficiados

17- RECURSOS MATERIAIS (LABORATÓRIOS E EQUIPAMENTOS)
Máquinas e equipamentos necessários ao projeto.
69

18 - RECURSOS FINANCEIROS
Valor estimado do projeto com detalhamento dos gastos.

19 – Referências Bibliográficas
Trabalhos acadêmicos utilizados no objeto de estudo segundo normas da ABNT.














































70
APENDICE C – Exemplo de Patente

“DIRIGÍVEL GEOESTACIONÁRIO”
Refere-se a presente invenção a uma aeronave geoestacionária com missão de
base fixa para retransmissão e coleta de dados atmosféricos por intermédio de uma antena e
sensores coletores. O equipamento consiste em uma aeronave mais leve que o ar atmosférico que
consegue a sustentação por intermédio de hidrogênio conseguido com a quebra das moléculas de
lítio líquido levado à bordo e que consiste no combustível da aeronave, obtendo assim oxigênio e
hidrogênio, que poderão ser utilizados também como comburente e oxidantes para funcionamento
dos motores a reação de posicionamento, a energia utilizada para a quebra das moléculas é
conseguida por intermédio de células solares dispostas ao longo do envelope. No desenho que
forma este relatório a Figura 1 constitui o sistema de retransmissão de dados com a aeronave
geoestacionada realizando a ponte (C) entre os pontos (A) e (B). Pela numeração, (1) corresponde
ao envelope do dirigível semi-rígido, (2) corresponde à carga útil da aeronave, compreendendo:
sistemas de navegação; sistemas de controle da aeronave; controle de empuxo; sistema de
aquisição de dados, sistema de retransmissão de dados. (3) corresponde à antena de
comunicação com bases em terra.














71
REIVINDICAÇÕES
1°) “DIRIGÍVEL GEOESTACIONÁRIO”, caracterizado por uma aeronave mais
leve que o ar, utilizando hidrogênio conseguido por intermédio da quebra das moléculas de lítio
líquido.
2°) “DIRIGÍVEL GEOESTACIONÁRIO”, de acordo com a reivindicação 1,
caracterizado por um sistema que permite à aeronave realizar missões de longa duração, pois
pode prover o gás necessário à sustentação.
3
o
) “DIRIGÍVEL GEOESTACIONÁRIO”, de acordo com as reivindicações 1 e 2 ,
caracterizado por um dirigível geoestacionário com missão de retransmissão de dados e
sensoriamento remoto.




















72
RESUMO DA INVENÇÃO
“DIRIGÍVEL GEOESTACIONÁRIO”
A presente invenção refere-se a um dirigível geoestacionário, capaz de realizar
missões de longa duração com vôo na alta atmosfera e com missão de retransmissão de dados e
sensoriamento remoto.


















73

Figura 1




















74
Apêndice D – Textos

JEAN PIAGET
Jean Piaget é o mais conhecido dos teóricos que defendem a visão interacionista do
desenvolvimento. Ele considerou que se estudasse cuidadosa e profundamente a maneira pela
qual as crianças constroem as noções fundamentais de conhecimento lógico, tais como:
tempo,espaço,objeto,causalidade e outros poderia compreender a gênese (ou seja, o nascimento)
e a evolução do conhecimento humano.
Daí o nome dado a sua ciência de Epistemologia Genética, que é entendida como o
estudo dos mecanismos do aumento dos conhecimentos.
Convém esclarecer que as teorias de Piaget têm comprovação em bases científicas. Ou seja, ele
não somente descreveu o processo de desenvolvimento da inteligência mas, experimentalmente,
comprovou suas teses.
IDÉIAS CENTRAIS DE SUA TEORIA
1 - A inteligência para Piaget é o mecanismo de adaptação do organismo a uma situação nova e,
como tal, implica a construção contínua de novas estruturas. Esta adaptação refere-se ao mundo
exterior, como toda adaptação biológica. Desta forma, os indivíduos se desenvolvem
intelectualmente a partir de exercícios e estímulos oferecidos pelo meio que os cercam.
2 - Para Piaget o comportamento é construído numa interação entre o meio e o indivíduo. Esta
teoria epistemológica (epistemo = conhecimento; e logia = estudo) é caracterizada como
interacionista.
3 - Sua teoria nos mostra que o indivíduo só recebe um determinado conhecimento se estiver
preparado para recebê-lo. Não existe um novo conhecimento sem que o organismo tenha já um
conhecimento anterior para poder assimilá-lo e transformá-lo. O que implica os dois pólos da
atividade inteligente: assimilação e acomodação. É assimilação a medida em que incorpora a seus
quadros todo o dado da experiência; é acomodação a medida em que a estrutura se modifica em
função do meio, de suas variações.
4 - O desenvolvimento do indivíduo inicia-se no período intra-uterino e vai até aos 15 ou 16 anos.
A construção da inteligência dá-se portanto em etapas sucessivas, com complexidades
crescentes, encadeadas umas às outras. A isto Piaget chamou de "construtivismo seqüencial".

















75
Bertold Brecht
Escritor e dramaturgo alemão. Adere desde muito cedo ao expressionismo e vê-se obrigado a
fugir da Alemanha em 1933, após escrever a Lenda do Soldado Morto, obra pacifista que provoca
a sua perseguição pelos nazis. Ao iniciar-se a Segunda Guerra Mundial começa uma longa
peregrinação por diversos países. Em 1947, perseguido pelo seu comunismo militante, vai para os
Estados Unidos. A partir de 1949, e até à sua morte, dirige na Alemanha Oriental uma companhia
teatral chamada do Berliner Ensemble.
A produção teatral de Brecht é abundante. No conjunto das suas obras tenta lançar um olhar
lúcido sobre o mundo moderno. Na Ópera de Três Vinténs dirige o seu olhar crítico para a
organização social. Na intenção de actualizar o teatro épico, escreve uma série de obras em que
recorre às canções e aos cartazes explicativos: Ascensão e Queda da Cidade de Mahagonny,
Santa Joana dos Matadores, O Terror e a Miséria no Terceiro Reich, Der Aufhaltsame Aufstieg
des Arturo Ui. Em O Senhor Puntila e o Seu Criado Matti e em A Boa Alma de Sé-Chuão recorre
às parábolas do teatro oriental. Em Vida de Galileu, obra que não deixa de aperfeiçoar desde a
sua primeira redacção, Brecht centra-se no papel e na responsabilidade do intelectual.
Bertolt Brecht é, além de dramaturgo, um importante teórico teatral. Nos seus Estudos sobre
Teatro expõe a sua concepção cénica, baseada na necessidade de estabelecer uma distância
entre o espectador e os personagens, a fim de que o ponto de vista crítico do autor desperte no
espectador uma tomada de consciência. Destaca-se também na poesia, de forte conteúdo social.

Se os tubarões fossem homens
“ Se os tubarões fossem homens, perguntou ao senhor K. a filha de sua
senhoria, eles seriam mais amáveis com os peixinhos? Certamente, disse ele.
Se os tubarões fossem homens, construiriam no mar grandes gaiolas para os
peixes pequenos, com todo tipo de alimento, tanto animal quanto vegetal.
Cuidariam para que as gaiolas tivessem sempre água fresca e tomariam toda
espécie de medidas sanitárias. Se, por exemplo, um peixinho ferisse a
barbatana, lhe fariam imediatamente um curativo, para que não morresse antes
do tempo. Para que os peixinhos não ficassem melancólicos, haveria grandes
festas aquáticas de vez em quando, pois os peixinhos alegres tem melhor
sabor do que os tristes. Naturalmente haveria também escolas nas gaiolas.
Nessas escolas os peixinhos aprenderiam como nadar para a goela dos
tubarões. Precisariam saber geografia, por exemplo, para localizar os
grandes tubarões que vagueiam descansadamente pelo mar. O mais importante
seria, naturalmente, a formação moral dos peixinhos. Eles seriam informados
de que nada existe de mais belo e mais sublime do que um peixinho que se
sacrifica contente, e que todos deveriam crer nos tubarões, sobretudo quando
dissessem que cuidam de sua felicidade futura. Os peixinhos saberiam que
este futuro só estaria assegurado se estudassem docilmente. Acima de tudo,
os peixinhos deveriam voltar toda inclinação baixa, materialista, egoísta e
marxista, e avisar imediatamente os tubarões, se um deles mostrasse tais
tendências. Se os tubarões fossem homens, naturalmente fariam guerras entre
si, para conquistar gaiolas e peixinhos estrangeiros. Nessas guerras eles
fariam lutar os seus peixinhos, e lhes ensinariam que há uma enorme
diferença entre eles e os peixinhos dos outros tubarões. Os peixinhos, iriam
proclamar, são notoriamente mudos, mas silenciam em linguas diferentes, e
por isso não podem se entender. Cada peixinho que na guerra matasse alguns
outros, inimigos, que silenciam em outra língua, seria condecorado com uma
pequena medalha de argaço e receberia um título de herói. Se os tubarões
fossem homens, naturalmente haveria também arte entre eles. Haveria belos
quadros, representando os dentes dos tubarões em cores soberbas, e suas
goelas como jardim que se brinca deliciosamente. Os teatros do fundo do mar
mostrariam valorosos peixinhos nadando com entusiasmo para as gargantas dos
tubarões, e a música seria tão bela, que seus acordes todos os peixinhos,
76
como orquestra na frente, sonhando, embalados, nos pensamentos mais doces,
se precipitariam nas gargantas dos tubarões. Também não faltaria uma
religião, se os tubarões fossem homens. Ela ensinaria que a verdadeira vida
dos peixinhos começa apenas na barriga dos tubarões. Além disso se os
tubarões fossem homens também acabaria a idéia de que os peixinhos são
iguais entre si. Alguns deles se tornariam funcionários e seriam colocados
acima dos outros. Aqueles ligeiramente maiores poderiam inclusive comer os
maiores. Isso seria agradável para os tubarões, pois eles teriam com maior
freqüência, bocados maiores para comer. E os peixinhos maiores detentores de
cargos, cuidariam da ordem entre os peixinhos, tornando-se professores,
oficiais, construtores de gaiolas, etc. Em suma, haveria uma civilização no
mar, se os tubarões fossem homens.”

BRECHT, Bertold. Histórias do Sr. Keuner. São Paulo, Brasiliense, 1982. p. 54-6.






















77
PALAVRÃO - UMA TERAPIA
(POR MILLÔR FERNANDES)

Os palavrões não nasceram por acaso. São recursos extremamente válidos e criativos
para prover nosso vocabulário de expressões que traduzem com a maior fidelidade nossos mais
fortes e genuínos sentimentos.

É o povo fazendo sua língua. Como o Latim Vulgar, será esse Português Vulgar que
vingará plenamente um dia. Sem que isso signifique a "vulgarização" do idioma, mas apenas sua
maior aproximação com a gente simples das ruas e dos escritórios, seus sentimentos, suas
emoções, seu jeito, sua índole.

"Pra caralho", por exemplo. Qual expressão traduz melhor a idéia de muita quantidade do
que "Pra caralho?” "Pra caralho" tende ao infinito, é quase uma expressão matemática. A Via-
Láctea tem estrelas pra caralho, o Sol é quente pra caralho, o universo é antigo pra caralho, eu
gosto de cerveja pra caralho, entende?

No gênero do "Pra caralho", mas, no caso, expressando a mais absoluta negação, está o
famoso "Nem fodendo!". O "Não, não e não!" e tampouco o nada eficaz e já sem nenhuma
credibilidade "Não, absolutamente não!" substituem.

O "Nem fodendo" é irretorquível, e liquida o assunto. Te libera, com a consciência
tranqüila, para outras atividades de maior interesse em sua vida. Aquele filho pentelho de 17 anos
te atormenta pedindo o carro pra ir surfar no litoral? Não perca tempo nem paciência. Solte logo
um definitivo "Marquinhos, presta atenção, filho querido”, NEM FODENDO!”. O impertinente se
manca na hora e vai pro Shopping se encontrar com a turma numa boa e você fecha os olhos e
volta a curtir o CD do Lupicínio”.

Por sua vez, o "porra nenhuma!" atendeu tão plenamente as situações onde nosso ego
exigia não só a definição de uma negação, mas também o justo escárnio contra descarados
blefes, que hoje é totalmente impossível imaginar que possamos viver sem ele em nosso cotidiano
profissional.

Como comentar a bravata daquele chefe idiota senão com um "é PhD porra nenhuma!", ou
"ele redigiu aquele relatório sozinho porra nenhuma!". O "porra nenhuma", como vocês podem ver,
nos provê sensações de incrível bem estar interior. É como se estivéssemos fazendo a tardia e
justa denúncia pública de um canalha. São dessa mesma gênese os clássicos "aspone",
"chepone", “repone" e, mais recentemente, o "prepone" - presidente de porra nenhuma.

Há outros palavrões igualmente clássicos. Pense na sonoridade de um "Puta-que-pariu!",
ou seu correlato "Puta-que-o-pariu!", falados assim, cadenciadamente, sílaba por sílaba...
Diante de uma notícia irritante qualquer um "puta-que-o-pariu!" dito assim te coloca outra vez em
seu eixo. Seus neurônios têm o devido tempo e clima para se reorganizar e sacar a atitude que lhe
permitirá dar um merecido troco ou o safar de maiores dores de cabeça.

E o que dizer de nosso famoso "vai tomar no cu!"? E sua maravilhosa e reforçadora
derivação "vai tomar no olho do seu cu!". Você já imaginou o bem que alguém faz a si próprio e
aos seus quando, passado o limite do suportável, se dirige ao canalha de seu interlocutor e solta:
"Chega! Vai tomar no olho do seu cu!". Pronto, você retomou as rédeas de sua vida, sua auto-
estima.
Desabotoa a camisa e saia à rua, vento batendo na face,olhar firme, cabeça erguida, um delicioso
sorriso de vitória e renovado amor-íntimo nos lábios.

E seria tremendamente injusto não registrar aqui a expressão de maior poder de definição
do Português Vulgar: "Fodeu!". E sua derivação mais avassaladora ainda: "Fodeu de vez!". Você
conhece definição mais exata, pungente e arrasadora para uma situação que atingiu o grau
máximo imaginável de ameaçadora complicação? Expressão, inclusive, que uma vez proferida
insere seu autor em todo um providencial contexto interior de alerta e autodefesa.

78
Algo assim como quando você está dirigindo bêbado, sem documentos do carro e sem
carteira de habilitação e ouve uma sirene de polícia atrás de você mandando você parar: O que
você fala? "Fodeu de vez!".

Sem contar que o nível de stress de uma pessoa é inversamente proporcional à
quantidade de "foda-se!" que ela fala. Existe algo mais libertário do que o conceito do "foda-se!"?
O "foda-se!" aumenta minha auto-estima, me torna uma pessoa melhor. Reorganiza as coisas. Me
liberta. “Não quer sair comigo? Então foda-se!".
“Vai querer decidir essa merda sozinho(a) mesmo? Então foda-se!".

O direito ao "foda-se!" deveria estar assegurado na Constituição Federal.
Liberdade, Igualdade, Fraternidade e Foda-se.















































79
PRODUÇÃO ACADÊMICA DO PROFESSOR
(Área de atuação e orientação de trabalhos acadêmicos)
TESES E DISSERTAÇÕES

IZOLA, D. T. (1997). Análise da oscilação lateral de foguetes balísticos através do método de
oscilação livre. São Carlos. 185p. Dissertação (Mestrado) – Escola de Engenharia de São Carlos,
Universidade de São Paulo.

IZOLA, D. T. (2003). Investigação de desempenho em aeróstatos de alta performance com
propulsão de cauda. Escola de Engenharia de São Carlos – EESC-USP. Tese (Doutorado)/ no
prelo/

TRABALHOS PUBLICADOS EM REVISTA INTERNACIONAL

IZOLA, D. T.; TAVARES, L. N.; CROCE, J. A. G.; CHAHADE, W. H. (2001). Sound measurement
for the qualification and quantification of crepitus in knee osteorthritis (oa), compared with
other conventional methods. In: CONGRESS OF THE INTERNATIONAL LEAGUE OF
ASSOCIATIONS FOR RHEUMATOLOGY, 20., Edmonton, Alberta, Canada, 2001.
Abstracts. Edmonton, Alberta, Canada. Journal of Rheumatology. suplement 63, v.28, p.33.

IZOLA, D. T.; CROCE, J. A.; CATALANO, F. M. (1999). Infomación Tecnológica: Equipo para el
análisis de la oscilación lateral de aeronaves, Revista Internacional CIT, La Serena – Chile.
1999.

IZOLA, D. T.; PICOLLO, P.; CATALANO, F. M. (1998). Automação e Instrumentação:
Aerofotografias de baixo custo como instrumento de monitoramento ambiental. Revista
Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.2, n2, p. 119-246, maio-ago.

CONGRESSOS INTERNACIONAIS

IZOLA, D.T. ; CATALANO, F. M. (1999). Study groups and project groups as an intrument in the
teaching of research and udergraduate students. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE
ENGENHARIA MECANICA,15., Águas de Lindóia, 1999. Abstracts. Águas de Lindóia,
EVENTUS.v.1, p.50.

IZOLA, D.T. ; CATALANO, F. M. (1999). Ocillation analysis of ballistics rockets by using free
ocillation. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA MECANICA,15., Águas de
Lindóia, 1999. Abstracts. Águas de Lindóia, EVENTUS.v.1, p.73.

IZOLA, D.T; CATALANO, F. M. (1998). Equipamento para Analise da oscilação lateral de
aeronaves. In: CONGRESSO CHILENO DE INGENIERÍA MECÁNICA, 8., Universid de
Concepción, 1998. Anais. Concepción, ACTAS. v.1 p. 985-989.

IZOLA, D.T. ; CATALANO, F. M. (1998). Medida de coeficiente de arrasto de foguetes balísticos
com balança aerodinâmica. In: CONGRESSO CHILENO DE INGENIERÍA MECÁNICA, 8.,
Universid de Concepción, 1998. Anais. Concepción, ACTAS. v.1 p. 1039-1043.

IZOLA, D. T.; PICCOLO, P. R.; CATALANO, F. M. (1998). Fotografias aéreas de baixo custo
como instrumento necessário ao ensino e a pesquisa. In: JORNADA DE EDUCAÇÃO EM
SENSORIAMENTO REMOTO NO AMBITO DO MERCOSUL, 01., . Balneário Camburiú,
Anais. Balneário Camburiú, INPE-CRI. v.1 p.109-112.

IZOLA, D. T.; CATALANO, F. M. (1998) Fotos aéreas de múltiplas escalas em único eixo. In:
CONGRESSO E EXPOSIÇÕES INTERNACIONAIS DE TECNOLOGIA DA MOBILIDADE -
SAE BRASIL, 7., São Paulo. 1998. Anais. São Paulo, SAE International, v. P 982918 .
80
IZOLA, D. T.; CROCE, J. A.; CATALANO, F. M. (1997). Determinação da margem estatística de
foguetes balísticos através da comparação entre CG e CA. In: CONGRESSO
IBEROAMERICANO DE INGENIERÍA MECÁNICA, 3., Facultad de Ingeniería Mecánica
Instituto Superior Politécnico José Antonio Echeverría. Anais. La Habana, Cuba. 1998.
CIDIM, v. 1.

IZOLA, D. T.; CATALANO, F. M. (1997). Método de oscilação livre para análise de perturbação
lateral de um foguete em vôo balístico. In: CONGRESSO IBEROAMERICANO DE
INGENIERÍA MECÁNICA, 3., Facultad de Ingeniería Mecánica Instituto Superior Politécnico
José Antonio Echeverría. Anais. La Habana, Cuba. 1997. CIDIM, v. 1.

IZOLA, D. T.; CATALANO, F. M. (1997). Levantamento aérofotogramétrico com foguete
monoestágio e monopropelente de combustível sólido. In: CONGRESSO
IBEROAMERICANO DE INGENIERÍA MECÁNICA, 3., Facultad de Ingeniería Mecánica
Instituto Superior Politécnico José Antonio Echeverría. Anais. La Habana, Cuba. 1997.
CIDIM, v. 1.

IZOLA, D. T. (1994). Lançamento de micro-sonda com câmera fotográfica para análise do solo. In:
SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TECNOLOGIA AEROESPACIAL - BSAT, 2., São Jose dos
Campos. Resumo dos Trabalhos. São Jose dos Campos, 1994. ITA. v. 1 p. 181-183.

CONGRESSOS NACIONAIS
IZOLA, D. T.; BOSSO, T. F.; SANDRONI, N. C.; MONTEFUSCO, P. F.; PEREZ, F.; PREVIS, J.;
MARIA, V. P. (2002). Monitoramento de veículos automotores pôr intermédio de sistema de
aquisição de dados. In: SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA, 4., São
Paulo. FATEC-SP. Anais. São Paulo, 2002. FATEC-SP. v.1 p.16.
IZOLA, D. T.; BERNARDES, L. H. C.; OIKAWA, R. A. (2002). Biometria aplicada ao controle de
acesso física. In: : SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA, 4., São
Paulo. FATEC-SP. Anais. São Paulo, 2002. FATEC-SP. v.1 p.17.

IZOLA, D. T.; LIMA, J. R.; GREGUI, R. G.; BERTELLI, P.; COMIN, U. (1999). Sistema de
recuperação de água utilizada em lava rápidos. In: ENCONTRO DE INICIAÇÃO
CIENTÍFICA – ENIC 99, 3., Universidade Cruzeira do Sul. Caderno de Resumos. São Paulo,
1999. UNICSUL.v.1 p.71.

IZOLA, D. T.; SANTOS, D. S.; FIGUEIREDO, F. M.; BUENO, M.; LEMES, R.C.; RODRIGUES,
S.R. (1999). Desenvolvimento de uma rampa de lançamento posicionadora para foguetes
balísticos em função da direção e velocidade do vento. In: ENCONTRO DE INICIAÇÃO
CIENTÍFICA – ENIC 99, 3., Universidade Cruzeira do Sul. Caderno de Resumos. São Paulo,
1999. UNICSUL.v.1 p..96-97.

IZOLA, D. T.; BUSCARIOLO, P. D.; RODRIGUES, R. S.; GONSALVES, S. A.; LIMA, J.R. (1999).
Projeto e construção de um medidor de empuxo para motor foguete utilizando o método da
extensometria (strain gage) . In: ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA – ENIC 99, 3.,
Universidade Cruzeira do Sul. Caderno de Resumos. São Paulo, 1999. UNICSUL.v.1 p.98.

IZOLA, D. T. (1999). Medidor de empuxo para motor foguete de combustível sólido utilizando
célula de carga e sistema de aquisição de dados. In: REUNIÃO ANUAL SBPC PUCRC,
51., Porto Alegre, Anais. (Comunicações). Porto Alegre, 1999. EPECE. v.1 p.73.

IZOLA, D. T.; BUENO, M.; RODRIGUES, R. S.; SANTOS, D. S.; FIGUEIREDO, F. M.; LEME, R.
C. (1999). Desenvolvimento de uma rampa de lançamento posicionadora para foguetes
balísticos em função da direção e velocidade do vento. In: REUNIÃO ANUAL SBPC
PUCRC, 51., Porto Alegre, Anais. (Comunicações). Porto Alegre, 1999. EPECE. v.1 p.96.


81
IZOLA, D. T.; GONÇALVES, S. A.; NETO, J.M.; BUENO, M. (1999). Desenvolvimento de um
equipamento para reutilização de óleo lubrificante. In: ENCONTRO DE INICIAÇÃO
CIENTÍFICA – ENIC 99, 3., Universidade Cruzeira do Sul. Caderno de Resumos. São Paulo,
1999. UNICSUL.v.1 p.99.

IZOLA, D. T.; RAYMUNDO, A. A. C.; HOUSSAMI, S.; LEME, R. C.; RAW, M.; SANTOS, M. C.;
GOLIN, E. C. (1998). Ensaio de empuxo e contra-rotativo de um motor ducted fan para
aeronave de decolagem vertical. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - ENGENHARIAS E EXATAS, 6., Universidade de São
Paulo. Cadernos de Resumos. São Carlos, 1998. TAMMARO EDITORIAL LTDA. v.2 p.387.

IZOLA, D. T.; PEREIRA, N. C.; GONÇALVES, S. A.; GREQUI, R. G.; FIGUEIREDO, F. M. (1998)
Estudo da velocidade de ejeção e pressão de combustão de um motor foguete
monopropelente utilizando medidor de empuxo. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO
CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - ENGENHARIAS E EXATAS, 6.,
Universidade de São Paulo. Cadernos de Resumos. São Carlos, 1998. TAMMARO
EDITORIAL LTDA. v.2 p.387.

IZOLA, D. T.; BUENO, M.; SILVA, U. C.; SITTON, E.; GOGONI, A. O. (1998). Experimento de
visualização com fumaça em uma aleta de foguete do tipo delta. In: SICUSP – SIMPÓSIO
DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - ENGENHARIAS E
EXATAS, 6., Universidade de São Paulo. Cadernos de Resumos. São Carlos, 1998.
TAMMARO EDITORIAL LTDA. v.2 p.388.

IZOLA, D. T.; MENDES, F. F.; FIGUEIREDO, F. M.; SANTOS, D. S.; RODRIGUES, R. S. (1998).
Ensaio hidrodinâmico de ogivas para foguetes balísticos. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE
INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - ENGENHARIAS E
EXATAS, 6., Universidade de São Paulo. Cadernos de Resumos. São Carlos, 1998.
TAMMARO EDITORIAL LTDA. v.2 p.388.

IZOLA, D. T.; BERTELLI, P.; GOGONI, A. O. (1998). Sistema para recuperação de água utilizada
em lava-rápidos. . In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - ENGENHARIAS E EXATAS, 6., Universidade de São
Paulo. Cadernos de Resumos. São Carlos, 1998. TAMMARO EDITORIAL LTDA. v.2 p.509.

IZOLA, D. T.; BUENO, M.; GONSALVES, S. A.; MACCARI, J. (1998). Sistema para recuperação
de Óleo queimado . In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - ENGENHARIAS E EXATAS, 6., Universidade de São
Paulo. Cadernos de Resumos. São Carlos, 1998. TAMMARO EDITORIAL LTDA. v.2 p.509.

IZOLA, D. T.; ANDRADE, G.F.; DIAS, P. R. (1997). Determinação teórica do alcance do foguete X-
40. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO
PAULO - ENGENHARIAS E EXATAS, 5., Universidade de São Paulo. Cadernos de
Resumos. São Paulo, 1997. IBRAPHEL GRAFICA E EDITORA.v. 2 p.274 .

IZOLA, D. T.; FERREIRA, G. A. (1997). Determinação teórica da pressão de combustão, empuxo
e velocidade de ejeção do combustível sólido, caso tipo arkas. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE
INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - ENGENHARIAS E
EXATAS, 5., Universidade de São Paulo. Cadernos de Resumos. São Paulo, 1997.
IBRAPHEL GRAFICA E EDITORA.v. 2 p.274 .

IZOLA, D. T.; BRAZ, A. J.; SOUZA, D. D.; DIAS, P. R. (1997). Experimentos de visualização
aerodinâmica com ogivas de foguetes utilizando túnel de fumaça. In: SICUSP – SIMPÓSIO
DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - ENGENHARIAS E
EXATAS, 5., Universidade de São Paulo. Cadernos de Resumos. São Paulo, 1997.
IBRAPHEL GRAFICA E EDITORA.v. 2 p.275 .



82
IZOLA, D. T.; VOEROES, J. E. I.; BERTELLI, P. S. S. (1997). Projeto e construção do
equipamento medidor pôr pêndulo para determinação de empuxo de motores foguetes. In:
SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO -
ENGENHARIAS E EXATAS, 5., Universidade de São Paulo. Cadernos de Resumos. São
Paulo, 1997. IBRAPHEL GRAFICA E EDITORA.v. 2 p.295 .

IZOLA, D. T.; SILVA, M. R.; BERTELLI, P. S. S. (1997). Determinação da pressão limite de tubo
para motor foguete através de teste hidrostático. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO
CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - ENGENHARIAS E EXATAS, 5.,
Universidade de São Paulo. Cadernos de Resumos. São Paulo, 1997. IBRAPHEL GRAFICA
E EDITORA.v. 2 p.295.

IZOLA, D. T.; PASSARINI, G. R.. (1997). Teste de tração para determinação da pressão limite do
tubo do motor foguete. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - ENGENHARIAS E EXATAS, 5., Universidade de São
Paulo. Cadernos de Resumos. São Paulo, 1997. IBRAPHEL GRAFICA E EDITORA.v. 2
p.296.

IZOLA, D. T.; PASSARINI, G. R.; MENDES, F. F.; BUENO, M.; ROGÉRIO, P. (1997). Projeto e
construção de um túnel para ensaios com fluídos. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO
CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO - ENGENHARIAS E EXATAS, 5.,
Universidade de São Paulo. Cadernos de Resumos. São Paulo, 1997. IBRAPHEL GRAFICA
E EDITORA.v. 2 p.296.

IZOLA, D. T.; BUENO, M. (1997). Projeto, construção e cálculo da combustão do pulso jato. In:
SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO -
ENGENHARIAS E EXATAS, 5., Universidade de São Paulo. Cadernos de Resumos. São
Paulo, 1997. IBRAPHEL GRAFICA E EDITORA.v. 2 p.297.

IZOLA, D. T. (1994). Lançamento de micro-sonda com câmera fotográfica para análise do solo. In:
REUNIÃO ANUAL SBPC UNIVERSIDADE FEDERALL DO ESPIRITO SANTO, 46., Vitória.
Anais (Comunicações). Vitória, 1994. SPIGE. v.1 p.108.

IZOLA, D. T. (1994). Combate às chuvas de granizo com foguetes anti-granizante. In: REUNIÃO
ANUAL SBPC UNIVERSIDADE FEDERALL DO ESPIRITO SANTO, 46., Vitória. Anais
(Comunicações). Vitória, 1994. SPIGE. v.1 p.109.

IZOLA, D. T.; BULBA, E. A. (1993). Lançamento de micro-sonda com câmera fotográfica para
análise do solo. In: V CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - UNESP, 4., Bauru.
Caderno de Resumos. Bauru, 1993. UNESP. v.1 p.66.

PUBLICAÇÕES (Livros e Manuais)
LIVROS
IZOLA, D. T. (1997). Ninho das Águias – Academia da Força Aérea. São Paulo, Abaeté.

IZOLA, D. T. (1997). Para quem vive com a cabeça no mundo da lua. São Paulo, Abaeté

IZOLA, D. T. (1994). História dos Foguetes no Brasil – Instituto Militar de Engenharia .São Paulo,
FATEC-SP / FAT.

MANUAIS
IZOLA, D. T. (1994). Pulso-Jato Projeto e Construção. São Paulo, FATEC-SP.

IZOLA, D. T. (1996). Foguete para 2000 metros. São Paulo, FATEC-SP
83
IZOLA, D. T. (1996). Estato-Jato Projeto e Construção. São Paulo, FATEC-SP.

IZOLA, D. T. (1995). Micro Sonda para Baixa Atmosfera. São Paulo, FATEC-SP.

IZOLA, D. T. (1994). Foto Aérea com Foguetes de Pequeno Porte. São Paulo, FATEC-SP.

IZOLA, D. T. (1993). Métodos de Cálculos para Mini-Foguetes. São Paulo, FATEC-SP.

IZOLA, D. T. (1989). Técnicas de Construção de Mini-Foguetes. São Paulo, ITO-SP.

IZOLA, D. T. (1986). Software para Previsão do Tempo. Belo Horizonte, INETEC-MG.

ORIENTAÇÃO DE TRABALHOS
Monitoramento de veículos automotores pôr intermédio de sistema de aquisição de dados –
FATEC-ZL – 2002.

Biometria aplicada ao controle de acesso físico – FATEC-ZL – 2002.

Desenvolvimento de uma Aeronave VTOL – FATEC-SP –1998.

Sistema para reutilização de óleo queimado – FATEC-SP – 1998.

Sistema para recuperação de água – FATEC-SP – 1998.

Motor Ducted Fan – FATEC-SP – 1998.

Pulso-Jato Modelamento de pressão de combustão – FATEC-SP – 1997.

Projeto e Construção de um túnel de fumaça – FATEC-SP – 1997.

Projeto e Construção de um túnel de água - FATEC-SP – 1997.

Determinação de Velocidade de Ejeção de um Combustível Sólido através de calculo
Estequiométrico – FATEC-SP – 1997.

Medidor de Empuxo para foguetes de combustível sólido – FATEC-SP – 1997.

Teste Hidrostático para determinação da pressão limite em tubos FATEC-SP – 1996.

Motor Estato-Jato - FATEC-SP – 1996.

84
PATENTE DE INVENÇÃO

NÚCLEO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - FATEC-ZL, IZOLA, D. T.;
APARÍCIO, L. F. J.; GAVINO, F.; PERREJIL, N.; MATAR, F. C. (2003). Cápsula aérea lançada por
canhão de ar comprimido para filmagem e sensoriamento remoto. INPI-SP PI0300405-8.

IZOLA, D. T. (1993). Foto Aérea com Foguetes. INPI-SP PI9400896-5.

IZOLA, D. T. (1994). Sistema para reutilização de água. INPI-SP Provisório 002614.

IZOLA, D. T. (1994). Obtenção de aerofoto com foguete balístico. INPI-SP Provisório 002891.


2
INTRODUÇÃO

A abordagem científica é um instrumento de divulgação e debate científico utilizado pela comunidade acadêmica, onde os objetos de estudos são inclusive discutidos com outros pesquisadores que trabalham com o mesmo tema. O veículo de comunicação são os Congressos científicos divididos por área de atuação. Os trabalhos são apresentados em forma de Artigos Científicos, Patentes, Projetos de Pesquisa, Manuais, Livros, Dissertações e Teses. Estes documentos são elaborados segundo normas da ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. Esta apostila, não tem como objetivo substituir publicações voltadas para a Metodologia Científica, e sim auxiliar na elaboração de documentos. Alguns artigos são de publicação livre, e estão disponíveis na Internet.

3
ÍNDICE

METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA ................................................... 4 Ementa: .............................................................................................................................................. 4 PROGRAMA (18 Semanas) ............................................................................................................... 5 A NECESSIDADE DO CONHECIMENTO ......................................................................................... 7 Conceito de Pesquisa Científica ........................................................................................................ 7 Correlação entre Conhecimento Popular e Conhecimento Científico ............................................... 7 Característica do Conhecimento Popular .......................................................................................... 7 Conhecimento Científico .................................................................................................................... 8 Quatro Tipos de Conhecimento ......................................................................................................... 8 Ciência ................................................................................................................................................ 8 A Pesquisa Científica ......................................................................................................................... 8 Pesquisa Pura, Básica ou Teórica ..................................................................................................... 8 Pesquisa Aplicada ou Prática............................................................................................................. 8 Pesquisa Bibliográfica ........................................................................................................................ 9 Pesquisa de Campo ........................................................................................................................... 9 Espécie de pesquisa científica ........................................................................................................... 9 Tendências e Preferências Pessoais ................................................................................................. 9 APTIDÃO ............................................................................................................................................ 9 TEMPO ............................................................................................................................................... 9 CIÊNCIAS AUXILIARES DA PESQUISA CIENTÍFICA.................................................................... 10 PROJETO DE PESQUISA ............................................................................................................... 12 Elaboração de um projeto de pesquisa ............................................................................................ 15 Estrutura do Projeto de Pesquisa..................................................................................................... 16 SÍNTESE DE ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO DE PESQUISA ..................... 16 Elaboração de Resumo: Dissertação, Artigo e Tese. ...................................................................... 19 CITAÇÕES ....................................................................................................................................... 19 CONSTRUÇÃO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ................................................................ 21 BIBLIOGRAFIA - Métodos e Técnicas de Pesquisa ........................................................................ 25 GRUPOS DE ESTUDOS E PROJETOS COMO INSTRUMENTO AO ENSINO E À PESQUISA COM ALUNOS DE GRADUAÇÃO ................................................................................................... 31 PATENTE DE INVENÇÃO ............................................................................................................... 36 Vocábulos sobre métodos e técnicas de pesquisa .......................................................................... 39 Bibliografia complementar sugerida pelo professor ......................................................................... 46 BIBLIOGRAFIA SUGERIDA (comentada) ....................................................................................... 48 APÊNDICE A – Exemplos de artigos científicos .............................................................................. 50 EQUIPO PARA EL ANÁLISIS DE LA OSCILACIÓN LATERAL DE AERONAVES ........................ 50 APENDICE B – Exemplo de Projeto de Pesquisa (Comentado) ..................................................... 68 PROPOSTA DE PROJETO ............................................................................................................. 68 APENDICE C – Exemplo de Patente ............................................................................................... 70 Apêndice D – Textos ........................................................................................................................ 74 Bertold Brecht ................................................................................................................................... 75 PALAVRÃO - UMA TERAPIA .......................................................................................................... 77 PRODUÇÃO ACADÊMICA DO PROFESSOR ................................................................................ 79

4
METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

Ementa: O papel da Ciência e da Tecnologia; Tipos de Conhecimento; Método e Técnica; O Processo de Leitura de e de Análise Textual; Citações e Bibliografias; Trabalhos Acadêmicos, Tipos, Características e Composição Estrutural; O Projeto de Pesquisa Experimental Qualitativa e Quantitativa; Apresentação Gráfica; Normas da ABNT.

Objetivos. Desenvolver um conteúdo de conhecimentos abrangendo os elementos de Metodologia da Pesquisa de Maneira a permitir ao aluno elaborar projeto de pesquisa, bem como trabalhos científicos e tecnológicos.

Bibliografia a. - SEVERINO, A. J., Metodologia do Trabalho Científico, 20 Ed. São Paulo, Cortez, 1996. - VARGAS, M., Metodologia da Pesquisa Tecnológica, Globo, Rio de Janeiro, 1995. - RAMPAZZO, L, Metodologia Científica, Siciliano, São Paulo. 1998.

Metas (EXTRACURRICULARES) Implementar atividades extracurriculares: - Iniciação Científica; - Consultorias; - Produção acadêmica; - Prestação de serviço; - Laboratório de Prototipagem.

SEMANAS AVALIAÇÃO 18

Metodologia da Pesquisa Científica e Tecnológica CARGA HORÁRIA DISTRIBUIÇÃO DAS AULAS X AULAS/SM = TOTAL = TEÓRICAS + PRÁTICAS + 2 36 8 8 2

18. 13. DÚVIDAS DOS SEMINÁRIOS E ARTIGO FORMA FINAL. Normas e Técnicas. 17. (Sala de Aula). Revisão da Patente pelos grupos de trabalho. Trabalho em Grupo com artigo de formatação simplificada. 3. Origem do Universo e a Origem da Vida. O exame consta de prova dissertativa e argüição oral (1 hora). 11. 6. RETROPROJETOR. AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA E DO PROFESSOR. Série Cosmos. Apresentação do professor. Introdução científica e acadêmica. Apresentação da Patente pelo grupo de trabalho com objetivo de aplicação da idéia ou nova tecnologia. nota no mesmo dia. ARTIGO CIENTÍFICO. AUDITÓRIO. normas para ingresso no Núcleo de Pesquisas e Desenvolvimento Tecnológico. 15. PATENTE DE INVENÇÃO. (Sala de Aula). (Sala de Aula). REVISÃO DA PATENTE. AULA PRÁTICA. Elaboração de projeto de pesquisa (Entrega em uma semana). 8. SEMINÁRIOS. AUDITÓRIO. ARTIGO FORMA FINAL. (Sala de aula). Divisão dos temas para o desenvolvimento de um artigo científico escrito para apresentação em seminários. VÍDEO. PROVA SEMESTRAL. 10. Objetivo. EXAME. (Sala de Aula). EXPERIÊNCIA PRÁTICA. Entrega em uma semana. (Sala de Aula). Revisão do artigo científico na forma final. AULA TRABALHO. 14. A ciência e suas descobertas. AULA TRABALHO. Formatação. A avaliação da disciplina é realizada sem a presença do professor em sala de aula. plano de ensino.5 PROGRAMA (18 Semanas) 1. Dúvidas dos Grupos para a apresentação dos seminários. 9. Prova dissertativa. Busca nos sistemas de dados públicos. Revisão do Artigo Proposto (Dispersão da Informação). APRESENTAÇÃO DE PATENTE. Episódio I e II. AULA PRÁTICA. Conhecimento vulgar e conhecimento científico. Normas e técnicas do INPI para elaboração de pedidos de privilégios e registro intelectual. sugestão de temas dos grupos de trabalho. 1 hora de duração. (Sala de Aula). Apresentação de transparências. Apresentação dos trabalhos na forma de Congressos Científicos. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE SEMINÁRIOS. (Sala de Aula). (Entrega em duas semanas). AUDITÓRIO. 7. Elaboração de uma patente simplificada (Entrega em uma semana). DIVISÃO DOS GRUPOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Visão científica e popular. Apresentação em slides de atividades de Iniciação Científica e história tecnológica da conquista do espaço no mundo e no Brasil. GRUPOS DE PESQUISA. 2. 4. Nota final. 16. . Orientação para elaboração do artigo final. 12. Apresentação dos trabalhos na forma de Congressos Científicos. (Sala de Aula). Citações bibliográficas. PROJETO DE PESQUISA. NPDT. DEBATE EM GRUPOS. (Sala de Aula). INTRODUÇÃO AO CURSO. (Sala de Aula). SEMINÁRIOS. metas curriculares e extracurriculares. Ensaio de dispersão da o informação com objetivo de se gerar dados para o 1 artigo científico do grupo de trabalho. (Sala de Aula). (Sala de Aula). PROJETOR DE SLIDES. 5. (Sala de Aula). (Sala de Aula). Normas e técnicas para elaboração de projetos de pesquisa segundo as principais agências de fomento do Brasil.

Exame (N > = 5.0 Presença – 2. aulas práticas.0 – Reprovado.0 o 2 Artigo – 1.0 Projeto de Pesquisa – 1. e aulas trabalho. o . Debates em grupo.0 (100%) N >= 7. N < 5.0 Seminários – 2. Trabalhos práticos. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1 Artigo – 1.0 ) Aprovado no exame. Palestras.0 Patente – 1. N >= 5.0 – Aprovado. Vídeos. Seminários.6 METODOLOGIA Aulas expositivas.0 < 7.0 Prova – 2.0 .

definido monografia ou outro tipo de trabalho (Tese. um mineral. etc. através da experiência pessoal ou de conhecimento internalizado pela educação formal. pois seu plantio evitava o desperdício de se deixar a terra em repouso: seu cultivo “revitalizava” o solo. apesar de sua aspiração à racionalidade e objetividade. científico. deve ser irrigada. no século XVIII. às vezes denominado senso comum. Neste momento nós dispomos de duas categorias de informações na formação deste conhecimento: O Conhecimento Popular (vulgar e empírico) e o Conhecimento Científico. A pesquisa é classificada como científica quando satisfaz a determinadas condições. Ainda no período feudal começou-se a cultivar duas faixas de terra e deixar uma terceira para alternar a produção e conseqüentemente não ocorrer a exaustão do solo. TCC. estas ações podem estar baseadas em conhecimentos aprendidos por imitação. ainda. uma comunidade ou as relações entre chefes e subordinados – pode ser matéria de observação tanto para o cientista e outro ao vulgar ou popular é a forma de observação. só consegue atingir essa condição de forma muito limitada. da cultura do nabo e do trevo. estados de ânimo e emoções da vida diária. Correlação entre Conhecimento Popular e Conhecimento Científico O conhecimento vulgar ou popular. O estudo deve acrescentar algo ao que já se sabe sobre o assunto e ser útil como fonte de pesquisa. pode-se dizer que o conhecimento vulgar ou popular. seu ciclo de desenvolvimento e as particularidades que distinguem uma espécie de outra. sua composição. . ou seja.7 A NECESSIDADE DO CONHECIMENTO Conceito de Pesquisa Científica A elaboração de um trabalho científico. referente a vivências. fornecendo elementos que permitam a verificação e a contestação das hipóteses apresentadas. corrente e espontâneo de conhecer. é necessário ir mais além: conhecer a natureza dos vegetais. enxadas e outros tipos de maquinaria. conforma-se com a aparência. de melhores arados. Tendo em vista a busca de uma ou mais resposta ao problema proposto. tendo em vista a sua continuidade. o modo ou o método e os instrumentos do “conhecer”. Essa busca. permitindo o uso constante. Este agricultor sabe que o cultivo do mesmo tipo. que mais se assemelha a uma garimpagem intelectual denomina-se pesquisa. transmitida por antecessores. Dissertação de Mestrado. o conhecimento popular caracteriza-se por ser predominantemente: Superficial. Sensitivo. de colher. Para Ander-Egg (1978:13-4). que se adquire no trato direto com as coisas e os seres humanos: é o saber que preenche nossa vida diária e que se possui sem o haver procurado ou estudado. todos os anos viria a exaurir o solo. “porque todo mundo o diz”. pode ser obtido de várias maneiras. pela tradição. “porque o disseram”. b) Um mesmo objeto ou fenômeno – uma planta. No início da Revolução Agrícola não se prende ao aparecimento.) exige do pesquisador iniciante um trabalho intenso. Característica do Conhecimento Popular “Se o „bom senso‟. 1957:21). pode ser um conhecimento verdadeiro e comprovável mas. O conhecimento científico tende a aperfeiçoar e mudar. Este homem pode. diante de novas descobertas. mas à introdução. nem por isso. isto é. se não a receber de forma “natural”. não se distingue do conhecimento científico nem pela veracidade nem pela natureza do objeto conhecido: o que os diferencia é a forma. Para que isso corra. patenteia-se dois aspectos: a) a ciência não é o único caminho de acesso ao conhecimento e à verdade. na segunda metade do século XVII. “porque o senti”. latu sensu. com aquilo que se pode comprovar simplesmente estando junto das coisas: expressa-se por frases como “porque o vi”. Dessa forma. possuir um conhecimento obtido por modo racional por transmissão e treinamento apropriado conduzido pela ciência. é o modo comum. etc. sabe a época de plantar. em geral. Seu objeto deve ser perfeitamente definido de forma que possa ser reconhecível e identificável por todos. O camponês tem um conhecimento apropriado das plantas que cultiva. sem a aplicação de um método e sem se haver refletido sobre algo” (Babini. É bem evidente que conhecimento. Saber que determinada planta necessita de uma grande quantidade “X” de água e que. conceitos anteriores tidos como verdadeiros. passando-se a cultivar diferentes tipos de plantações para se evitar tal procedimento.

pois esta “organização” das experiências não visa a uma sistematização das idéias. Exemplo: A Origem do Universo Pesquisa Aplicada ou Prática A pesquisa classifica-se como aplicada ou prática quando é desenvolvida tendo-se em vista sua utilização. Diferenciase da Filosofia da Ciência. de teor formal. por conseguinte. Mário Bunge vai mais adiante e diz que “o conhecimento é racional. aumentouse o nosso conhecimento sobre o nosso satélite. falível”.8 Subjetivo. verificável e. com visitas e dominar a realidade. tomar posição no sentido de comprovar seu ponto de vista. Quatro Tipos de Conhecimento Conhecimento Popular Valorativo Reflexivo Assistemático Verificável Falível Inexato Conhecimento Científico Real (factual) Contingente Sistemático Verificável Falível Aproximadamente Exato Conhecimento Filosófico Valorativo Racional Sistemático Não Verificável Infalível Exato Ciência A ciência é uma forma de proceder que se renova para: a) responder questionamentos. a ciência visa aumentar o conhecimento ou melhorar a compreensão acerca dos fenômenos já conhecidos. influenciar. capaz de ser submetido à verificação. Pesquisa Pura. dirigido ao sistemático conhecimento com objetivo limitado. a pesquisa é pura. Básica ou Teórica Conforme o seu objetivo. É certamente um modelo que se alcança pela pesquisa. que trata descritivamente e especulativamente do conhecimento. Assistemático. mas contribui para o avanço do conhecimento da teoria estudada. contudo. nem na forma de adquiri-las nem na tentativa de validá-las. intervir. Acrítivo. básica ou teórica quando não tem por finalidade a utilização prática. exato. Exemplo: Ao pisar na lua em 2 de julho de 1969. a pretensão de que esses conhecimentos o sejam não se manifesta sempre de uma forma crítica. sistemático. verdadeiros ou não. A qualidade do cientista está em ser competente formalmente. Conclui-se que a ciência é todo um conjunto de atitudes e de atividades racionais. Metodologia É o estudo científico dos meios de obter o conhecimento humano. b) solucionar problemas. O Método. teorizar sem. O papel do cientista é estudar. sua maneira de conceber a realidade. Qualidade Formal A ciência caracteriza-se por ser instrumentação técnica. A Pesquisa Científica Pesquisa científica é a realização concreta de uma investigação planejada. sistematizar. desenvolvida e redigida de acordo com as normas da metodologia consagradas pela ciência. pois. c) desenvolver de modo mais efetivo os procedimentos de responder as questões e de solucionar problemas. tanto os que adquire por vivência própria quanto os “por ouvir dizer”. Conhecimento Científico Goode e Hatt indicam: “é a acumulação de conhecimentos sistemáticos”. . pois é o próprio sujeito que organiza suas experiências e conhecimentos. Em termos globais. pesquisar. A verdade científica de hoje pode ser superada diante de novas descobertas.

Fases da Pesquisa de Campo Inicialmente devemos realizar uma pesquisa bibliográfica sobre o assunto em questão. etc. experiências ou vivência na área em que se situa o assunto. Considerando o exemplo da pesquisa pura e o da aplicada. ao promover o aprofundamento sobre o tema relevante pelo seu conteúdo e pela sua atualidade. preferencialmente. ser capaz de desenvolver o objeto de estudo. Após a pesquisa bibliográfica prévia. a mediocridade de escolher assuntos pela sua aparente facilidade. . com a finalidade de coletar dados que lhe permitam responder ao problema. etc. TEMPO Antes do problema da escolha do assunto é importante considerar o tempo disponível e o tempo necessário para levar a bom termo esta ou aquela pesquisa. RELEVÂNCIA DA PESQUISA O estudante imbuído do espírito científico não cede à tentação. Ex: assuntos de caráter agronômicos exigentes aptidão ou capacidade agronômica. Espécie de pesquisa científica Pesquisa teórica: tem por finalidade estruturar sistemas e modelos teóricos. APTIDÃO Não basta gostar do assunto. Pesquisa laboratorial: efetuada em laboratórios nas suas mais diversas e complexas formas. QUALIFICAÇÃO DO PESQUISADOR E CRITÉRIOS PARA ESCOLHA DO ASSUNTO Tendências e Preferências Pessoais O pesquisador deve escolher um assunto correspondente ao seu gosto pessoal. Pesquisa de Campo Se o pesquisador executa seu trabalho valendo-se de questionários aplicados ao objeto de seu estudo. ampliar generalização. permitirá o estabelecimento de um modelo teórico inicial de preferência. documentos. ao corrigir uma falsa interpretação. não se pode optar por uma assunto que exige muito mais tempo de pesquisa do que dispõe o pesquisador. Deve ter entusiasmo e dedicação. Pesquisa bibliográfica. ao contrário. os de caráter filosóficos exigem capacidade ou aptidão para a abstração. Todo e qualquer trabalho científico inicia-se numa pesquisa bibliográfica. que sejam. na sua área de atuação. ao comodismo. revistas. registros impressos. enfim. Pesquisa Bibliográfica A pesquisa é bibliográfica quando o pesquisador utiliza-se de livros. É bem verdade que o entusiasmo e a aptidão multiplicam a eficácia do trabalho. procura assuntos cujo estudo e o aprofundamento possa trazer à contribuição efetiva para o próprio amadurecimento cultural. a pesquisa é denominada de campo. e alguma contribuição objetivo ao esclarecer melhor o problema. periódicos. auxiliará no estabelecimento das variáveis e na própria elaboração do plano geral de pesquisa. Neste caso. empenho e perseverança no sentido de vencer os obstáculos.9 Exemplo: A busca de uma vacina contra a AIDS. sobre os trabalhos já realizados a respeito e sobre as opiniões reinantes. ou aprimorar a definição de um conceito ambíguo. que permite ao pesquisador conhecer o que já se estudou sobre o assunto. Tal estudo nos informará sobre a situação atual do problema. mas. o ponto de partida para ambas é o levantamento bibliográfico de tudo que já foi pesquisado a respeito do assunto. de acordo com a natureza da pesquisa cumpre determinar as técnicas de registro desses dados e as técnicas de sua análise posterior. aptidão significa formação cultural adequada ou específica. é preciso aptidão.

excluindo. juízo crítico. Ele nos diz que o ato de ler só se realiza mediante um espaço de relação lógica com o autor. COMO LER Dizia um professor de filosofia: "a inteligência humana é lenta". sempre mais abundante que os esquemas de captação. Podemos afirmar que a Hermenêutica é a metodologia da interpretação. época dos meios de comunicação de massa. temos de nos submeter a uma séria disciplina de trabalho: 1 . de imediato não se consegue apreender claramente as dificuldades inerentes ao trabalho teórico. assimilar. e nela. Em vez de partir de métodos prédios. o . O que caracteriza a unidade de leitura é a apresentação no sentido de modo global. o que foi revelado no texto. OUTRAS Antropologia e demais ciências humanas são suportes valiosos a pesquisa.10 A maneira como se deu a canonização. é uma postura que prima pela modéstia do respeito à realidade social. Sem. portanto se refere à arte de interpretar textos e. que é mister atentar não só para o que se diz. Segundo ele. em que ciladas interpretativas emergem a todo momento. Isto pode significar que passamos por um processo intelectual até vencermos os obstáculos pessoais e culturais e alcançarmos a exata compreensão de uma mensagem esta nem sempre se mostra de imediato no momento da comunicação. aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Estudos valores e as normas que existem de fato na sociedade e tentar identificar e classificar as relações entre componentes da sociedade e outras manifestações da vida social. A fenomenologia. SOCIOLOGIA A sociologia é a ciência da sociedade. mas igualmente para o que não se diz. Deste modo. possui dimensões tão variadas. Parte da ponta para o começo. usando uma metodologia apropriada. aprovando. onde afinal o sentidos se manifesta. Não cabe a sociologia dizer como a sociedade deve ser. exige distanciamento e reflexão. Todavia.Delimitar a unidade de leitura que pode ser um capítulo. no entanto. entre outras pretensões. Exemplo: o desenho de um peixe para informar que ali há um cristão. julgar a sociedade nem os homens de seus atos. dos sistemas educacionais funcionalistas. como também se pode estudar a relação com a leitura. Isto é. na época atual. de como um fenômeno se apresenta para chegar a sua raiz. sobretudo a comunicação humana. Há na comunicação sentidos ocultos. que é um ato de concentração. É um fato que só se realiza mediante os procedimentos lógicos de análise. Esta postura nos remete à questão do pensar. só seguindo uma série de atividades preparatórias é que se consegue alcançar um nível de interpretação aprofundados de texto. A partir daí segue a consciência crítica ou análise crítica. Só após o entendimento dessa unidade é possível prosseguir na investigação de novas unidades de leitura. CIÊNCIAS AUXILIARES DA PESQUISA CIENTÍFICA HERMENÊUTICA A Hermenêutica é algo tradicional em metodologia da pesquisa. sobretudo o fenômeno da comunicação humana. ela faz o caminho contrário. A Leitura Paulo Freire. cuja regra somente a Hermenêutica pode restabelecer. Parte da constatação de que a realidade social. se quisermos descobrir a mensagem de um texto de modo abrangente. não só é possível analisar a própria atitude face aos estudos. uma sessão ou até mesmo um grande parágrafo. Deste modo. A leitura apocalíptica é um exemplo bem marcante. Mas o ato de ler. com várias nuanças misteriosas. FENOMENOLOGIA É o estudo descritivo de um ou de um conjunto de fenômenos. síntese. mas explicar como é. interpretação. grande educador da atualidade. É necessário da nossa parte um espaço de tempo para que possamos decodificar. em especial a evidência científica quanto ao procedimento cuidadoso e analítico: comparando.

dependendo das motivações da leitura.qual o fio condutor da explanação? 4. o tema. Neste primeiro contato. Nessa nova etapa de interpretação já não mais estamos aprendendo apenas um fio condutor do raciocínio do autor como na leitura analítica. Convém lembrar. O esquema para visualizar um texto de modo global.11 2 . DICAS 1. 2. escrevendo uma ficha resumo. Nessa primeira leitura corrida não convém resumir bem sublinhar as idéias-chave. cujo mediador não é o texto considerado formalmente. etc. elaborar um código a fim de restabelecer os sinais que identifiquem o seu modo pessoal de empreender a leitura. Neste trabalho de análise o texto é subdividido refazendo toda a linha de raciocínio do autor. sobre as influências históricas que recebeu e até mesmo se elucidar sobre o vocabulário que ele usa. é necessário lembrar que a idéia central defendida pelo autor só pode tomar corpo associada a outras que são chamadas de secundárias em relação à primeira. é possível elaborar um modo sucinto no esquema das grandes partes do texto. outro exemplo: um retângulo para colocar em destaque as palavras chave. de preferências dos três modelos da redação: introdução. reconstruir o texto a partir das palavras sublinhadas em cada parágrafo além da leitura analítica serve de base para a elaboração do resumo ou síntese do livro. 4.como está problematizado? 3. o leitor poderá levantar outros elementos que possam esclarecer mais a leitura. é fundamental a técnica de sublinhar. EXEMPLO DE PERGUNTAS: 1. Estamos nos posicionando facilmente ao que ele diz. de quando as idéias principais de cada parágrafo. Mas como trabalha esta fase de leitura? A partir de unidades bem determinadas (parágrafos). que expressa bem a estrutura lógica do pensamento do autor. Quando estamos atentos ao texto geralmente surge na mente um conjunto de perguntas cujo. Nesta etapa é necessário deixar o autor falar para tentar perceber o que e como ele apresenta o assunto. Se não houver distinção provavelmente haverá interferência na compreensão dos fundamentos base da mensagem. o . Todavia. na margem. b) Leitura Analítica .É a fase em que se deve prestar atenção à diretriz do pensamento do autor. Poderá procurar dados sobre a vida e obra do autor. como diz Paulo freire: fase “da relação de a lógica com o autor do texto. PASSOS a) Leitura Exploratória .que tipo de raciocínio ele segue na argumentação? Todavia. esta postura considerada o objetivo é por estar tão presa à diretriz de uma escola que pode até mesmo impedir a autocrítica e nos induzir a uma postura crítica inadequada em relação ao assunto e ao autor. Este momento de crítica é um momento de muita ponderação. que afinal expressa nossa capacidade de assimilação e crítica do texto. Para deixar as claras a idéia central no texto. exige uma consciência dos nossos pressupostos de análises diante dos pressupostos do autor. como originalidade.de que fala o texto? 2. as respostas revelam o sentido e o conteúdo da mensagem. mas. só sublinhar as idéias principais e os pormenores significativos 3. Todavia. para isso precisamos muitas vezes de outras fontes de consulta. ao lado. que o resumo não é uma redução de idéias apreendidas nos parágrafos mas é fundamentalmente a síntese das idéias do pensamento do autor. ou os temas nele tratados". Exemplo: um sinal de interrogação face aos pontos obscuros do parágrafo.Ler repetidas vezes o mesmo texto e certificar-se do alcance da compreensão verdadeira do assunto em pauta. tendo sempre à frente o tema problema que é o fio condutor de todo texto. nova contribuição a exploração do assunto com a coerência interna.é a fase do exame do texto ou. sobre o momento histórico que ele viveu. Elas deverão servir para ampliar a nossa visão sobre o assunto e o autor e deste modo servir de instrumento de avaliação do texto. Também é possível se estabelecer critérios de julgamento. nunca sublinhar na primeira leitura. c) Leitura Interpretativa – O ato de compreender a si afirma no processo da interpretação. desenvolvimento e conclusão.

mas ele já estava em processo de gestação. Deste modo.ANÁLISE INTERPRETATIVA: interpretação crítica do texto: situação do texto no contexto da vida e da obra do autor. Os elementos que deverão ser destacados neste primeiro projeto de pesquisa são os seguintes: .ANÁLISE TEMÁTICA: compreensão da unidade: identificação do tema do problema gerador do texto. 2. treinar o desenvolvimento do raciocínio lógico. A rigor. Esse esforço nos faz rever todo texto.Rápido correr de olhos sobre uma obra com a intenção de se obter um conhecimento geral da mesma pode ser usado na leitura de o informativo (jornais. na escolha de livros de estudo ou lazer. SKIMMING . Cumpre que se passe para o papel. alivia a mente.4. TÉCNICAS DE LEITURA 1. A clara enunciação da hipótese é que determinará em última instância.5 .discussão do texto: “retomada geral de todo o texto. tem como objetivos “fornecer uma compreensão global do significado do texto. confecção de resumos esquema. ficamos sensíveis a demonstração da verdade e o exercício da sua busca se torna o sentido do nosso estudo e trabalho acadêmico. com cuidado aquilo que representa o fruto de um primeiro esforço. 2. validade. as dificuldades relativas ao vocabulário.2. obras e autor citados e buscam se os devidos esclarecimentos. O autor relaciona cinco processos básicos da leitura analítica: ANÁLISE TEXTUAL: preparação do texto: através de uma primeira leitura da unidade para se adquirir uma visão geral da mesma. Na consulta a dicionários e enciclopédias. etc.3. Passar o projeto da cabeça para o papel é reconfortante. 2. Evidentemente. em revisão de um tema a ser estudado. tendo em vista o levantamento dos problemas mais relevantes para uma reflexão pessoal e ou discussão em grupo”. treinar a compreensão e interpretação crítica dos textos.para termos certeza da compreensão do que foi lido. as primeiras pesquisas em bibliografia genérica. na localização de datas e nomes. não foi traçado o primeiro projeto de pesquisa. bem como no contexto da cultura de sua especialidade como são temáticas sugeridas pelos vários enfoques e colocações da tomada de posição própria a respeito das idéias enunciadas. e fornecer instrumentos para o trabalho intelectual desenvolvido nos seminários. É a etapa que permite a reconstrução da linha de raciocínio do autor e serve de base para a elaboração do resumo do texto. fatos conceitos. revistas). os primeiros questionamentos. Ele tem seu processo normal de nascimento. dando nos elementos para reflexão pessoal e debate em grupo. a opção por um determinado tema o antecede.SÍNTESE PESSOAL: reelaboração pessoal da mensagem: produção de um novo texto com discussão e reflexões pessoais. as progressivas delimitações do assunto e a definição da compreensão e da extensão dos termos da proposição iniciativa do tema. é exercício de uma atitude crítica frente às posições do autor em termos de coerência da argumentação lógica na seqüênciação das idéias desenvolvidas. 2. O próximo passo consistirá na conversão do tema em problema porque a pesquisa só tem sentido quando se desenvolvem na procura da solução para um problema. relatórios. etc”. PROJETO DE PESQUISA GÊNESE EXEMPLO DO PRIMEIRO PROJETO DE PESQUISA Ninguém pode pretender retirar do vácuo um projeto de pesquisa. os critérios para a leitura da bibliografia e para a tomada de apontamentos de passagens relevantes para a confirmação ou não da hipótese. originalidade e profundidade dos argumentos empregados. d) Problematização . que se escrevam. ELEMENTOS DO PRIMEIRO PROJETO DE PESQUISA Não basta que tenhamos em mente o projeto daquilo que se vai fazer. Seguem a esta opção.PROBLEMATIZAÇÃO . as idéias principais e secundárias.12 O esforço de alto crítica nos permitir perceber os limites da certeza da nossa interpretação como também possibilita prestar maior atenção aos argumentos apresentados pelo autor. estudo dirigido no estudo pessoal ou em grupos.Método de estudo proposto por Severino que. 2. Leitura Analítica . no levantamento bibliográfico sobre esse tema. Nesta etapa levantam-se. nada mais indicativo do que o levantamento dos problemas do texto. põe um ponto final na primeira fase do trabalho e réanima para a ação ordenada e eficiente da pesquisa.

estabelecimento de condições e viabilidade. percorreu os índices e se interessou pelo título "Moral e Religião". mas a moral filosófica é autônoma relativamente à religião". O primeiro projeto de pesquisa terminará com o restabelecimento da ordem a seguir no levantamento bibliográfico (quando for o caso). de instrumento. voltou a ler ou reler a bibliografia e genérica sobre o assunto. para completar a delimitação da pesquisa. Antônio se empenha no trabalho de delimitar. Para um trabalho de pesquisa de nível superior estamos. A Título de Exemplo Recapitulemos tudo o que foi dito com exemplo concreto. aberturas de esclarecimentos. o que é que eu vou fazer?" O irmão Antônio recorreu a alguns manuais didáticos. por exemplo. de preocupação. de especificar seu tema. mas ainda parece amplo demais. Mesmo sendo ele do curso de teologia. e chegou a uma definição: "A moral religiosa esta necessariamente vinculada à religião. o A Lei Complementar n 554/92. introduziu nos programas dos Cursos Teológicos uma disciplina inteiramente nova nas áreas de Educação Moral e Cívica. de indecisão. O professor ouviu as explicações de Antônio e perguntou: . O tema é expresso em proposição significativa. de um assunto suficientemente delimitado. c) moral filosófica. ou se limitará a obra de um autor em lugar e tempo determinados e não as produções de inúmeros autores que vieram e escreveram ao longo de 25 séculos. de dificuldades. distinguindo-a de tudo o mais que não versará. d) indicação de circunstâncias. g) definir as fases posteriores e cronogramas para o seu cumprimento dentro das reais possibilidades do pesquisador. embora se coloque a área de exposição orientações. b) moral científica.13 a) enunciação do tema. e acaba por enunciá-lo nos seguintes termos de: "Conceito de fundamentação da moral científica em Anísio Teixeira". para que evite as famosas "sinfonias inacabadas". Esse enunciado ganhou novas limitações da moral científica e não há outros aspectos do problema e. Houve um processo notável na delimitação do assunto. é provável que o professor não apresente uma relação de temas (deixe a critério do aluno). para a circunstância de tempo e espaço. f) ponderação sobre objetivos e sobre o alcance da pesquisa prevista.Você não acha que este assunto anunciado é amplo demais? Antônio concordou e. que resultará no seguinte: Centro de Formação Teológica Batista Nacional Curso de Teologia Disciplina: Metodologia da Pesquisa Científica Aluno: Antônio Roberto de Sá Nunes Matsumoto Projeto de pesquisa para atender a requisitos práticos da disciplina. de angústias mesmo por parte dos alunos mais versáteis. A esclarecer: a) moral. e na aula seguinte apresentou esse tema. isto é. e) de explicação e aumento da idéia principal retirada do tema bem como os pormenores que a esta altura pareçam importantes. segue a esta exigência uma fase de desconforto. Conselho Federal de Educação. Antônio vai agora elaborar o seu primeiro projeto de pesquisa. de espaço. TÍTULO: Conceito de Fundamentação da Moral Científica em Anísio Teixeira 1. apelando. como finalidade de determinar o assunto da pesquisa. mediante pesquisa adequada às condições de um estudante. relevante e verificável. b) definição dos conceitos. diante de um bom tema. . sob o título: "Fundamentos Filosóficos da Educação Moral". É a fase onde mais se ouve: " mas. Suponhamos que a cadeira exija uma pesquisa bibliográfica de término de curso. se houvera. Seria necessário delimitar ainda mais o tema. etc. Geralmente. como seria a circunstância de tempo. c) indicação clara e precisa da extensão dos conceitos. de restringir.

Projeto Definitivo Monta-se o projeto definitivo quando nada mais houver a pesquisar e a esclarecer como um rascunho mais desenvolvido. comprovando. denominado Hermenêutica e depois da seleção do material dentro de um plano concreto e definido. Redação Final a) Depois do trabalho de documentação. depois do trabalho de crítica. estágio de desenvolvimento do assunto mediante referência a tudo o que já se escreveu sobre ele.14 d) moral religiosa. Deve conter os seguintes itens: a) Apresentação sumária do conteúdo (status questionis). denominado heurística. . Desenvolvimento e Conclusão. meio e fim. O projeto definido o será elaborado ao final desta fase de pesquisa após a coleta e análise de todo material previsto neste projeto provisório. A presente coleta de material será utilizada no corpo do presente trabalho. Introdução. isto é. por sua natureza necessariamente vinculada à religião? O preceito que deve pautar a conduta só tem validade quando relacionados à religião? Os fundamentos da moral são de caráter religioso? b) Historicamente. Refraseamento para a explicação da idéia principal: a) Estará à moral. isto é. 2. quer pelos aspectos práticos. a moral nasceu junto com a religião. 5. c) Definir o pensamento de Anísio Teixeira a respeito da moral científica. acentuando os períodos de sua vida e as circunstâncias nas quais abordou o problema em epígrafe. Introdução: a introdução tem por finalidade apresentar o problema que vai estudar. 3. tratados gerais de história e filosofia. mas a linha das idéias em perfeita ordem para a redação final. Dessas definições decorrerá clara e precisa delimitação do assunto. a redator que escreve para defender a própria pesquisa. Atenção: a ordem do projeto não obedecerá necessariamente a ordem da pesquisa. começo. Estudar a vida de Anísio Teixeira com o objetivo de elaborar sua biografia. das fichas que devem ser inseridas. esboçado no resumo final. objetivo da pesquisa: a) Comprovar o fato da fusão entre moral e religião. através de textos. outros aventam a possibilidade e defendem a validade da moral científica. coletando material para introdução do trabalho. antecedeu a religião? Há quem afirme que a moral nasceu com a religião. b) Comprovar a relevância e a atualidade do problema quer para esclarecimento teórico. o pesquisador passa a professor que ensina. acenar para o seu estágio de desenvolvimento e para a relevância da pesquisa realizada. bem como para a súmula-história e enfoque da relevância atual do problema. entre esses últimos. da moral estabelecida por indução a partir da realidade e do meio onde o homem vive. b) Há normas técnicas para a redação de um trabalho de pesquisa assim como para a redação de qualquer outro trabalho: estrutura lógica do texto. Isto é. Definir cada um destes conceitos. 4. com uma indicação a cada passo. e não deriva por dedução a partir de dogmas religiosos ou de teses filosóficas que. como ele entendeu e como procurou fundamentá-la. figura Anísio Teixeira discípulo e defensor de Jonh Dewey. Consultar nesta primeira fase. nasceu da religião e se constituiu em território religioso.

é o ponto para o qual convergem os passos da análise. é a última parte a ser definitivamente redigida. Aspectos Gráfico e Material de Redação O objetivo da presente abordagem é contribuir para a maior uniformidade e correção técnica na apresentação técnica e na apresentação de trabalhos escolares. é a execução e a apresentação da pesquisa.Superior – 3. ressaltando os pormenores mais importantes. Todo o processo exige uma comprovação dos dados apresentados e detalhamento do raciocínio do pesquisador para evidenciar sua proposta de deixar claro. Portanto é imprescindível a elaboração de um projeto de pesquisa como ponto de partida para o trabalho científico. dos capítulos e de cada item devem exprimir clara. "O bom artista se conhece logo pela sua entrada em cena". a busca de incorporação de um todo maior. Tem por objetivo desenvolver a idéia principal. da discussão. d) Delimitação clara do campo da pesquisa. Tem como finalidade reafirmar sinteticamente a idéia principal e os pormenores mais importantes em plena luz do corpo do texto.15 b) Referencia às possibilidades de contribuição da pesquisa ao fim que se propõe. a) Ao redigir um trabalho o autor deve proceder como se estivesse preparando os originais de um livro a serem encaminhados para edição tipográfica. Não se podem abandonar os preceitos teóricos que cercam uma investigação científica. da demonstração. as partes do corpo do trabalho. Elaboração de um projeto de pesquisa O projeto de pesquisa visa à ordenação de uma pesquisa científica de tal maneira que viabilizem sua execução. .Esquerda – 4. com margens: . pois poderá levar o pesquisador para caminhos em que encontrará dificuldades para solucionar ou apresentar uma solução condizente com seu raciocínio. Lakatos defende que o projeto a partir de uma das etapas componentes do processo de elaboração. Os títulos das partes. b) O papel deve ser de boa qualidade e de tamanho A4.5 cm. O texto deve ser digitado em espaço 1. quais são os objetivos. a partir das idéias principal que gera a visão harmoniosa e equilibrada do todo. Tem como característica principal a brevidade a segurança e a modéstia. Cumpre observar que a introdução deve ser bem cuidada. E isso beneficia o pesquisador. O alcance do assunto pesquisado será determinado por alguns parâmetros científicos. deve acenar para o histórico da questão.5 cm. .Inferior – 2. Antes da redação de um projeto de pesquisa. a hipótese de que a elaboração do relatório final resultará. Desenvolvimento: Constituem a parte mais extensa. sendo esse planejamento realizado com extremo rigor.Direita – 2. a determinação do problema da pesquisa. discutindo hipóteses divergentes e demonstrando através de documentação (citando-as). direta e precisamente a idéia principal nele contida. desde o projeto. analisando-a. A boa impressão é de fundamental importância. é importante que se faça uma pesquisa inicial para colher informações sobre o assunto a ser pesquisado.5 cm. isto é. A conclusão deve ser breve. Embora apareça no início do trabalho e.0 cm. uma vez que aprimora seu conhecimento acerca do assunto e apresenta em qual estágio de . que servirão de guia para o pesquisador expor suas reflexões de forma racional e compreensível. deve ser preparada tomando como base o corpo do trabalho.5. . E todas as partes devem estar articuladas logicamente. Conclusão: A conclusão é a foz da pesquisa. A pesquisa científica precisa ser planejada antes da sua execução. c) Enfoque da idéia central que presidiu a pesquisa e do roteiro obedecido para atingir este propósito.

Objetivo Geral 4.. objetivas. uma vez que cada barreira representa uma retomada do passo anterior. procura se evidenciar alguns dos mais significativos itens de um projeto de pesquisa. Metodologia da Pesquisa 8. bem como uma melhora no ordenamento de sua proposta. Em suma. ao mesmo tempo. Além disso. Isso os torna inseguros e reduplica seu esforço inicial. é possível verificar que as diversas propostas para tal realização apresentam alguns pontos coincidentes. É um planejamento que impõe ao autor ordem e disciplina para execução do trabalho de acordo com os prazos estabelecidos. torna possível a identificação de prováveis obstáculos no transcorrer dessa investigação. Custos Ver exemplo no Apêndice SÍNTESE DE ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE UM PROJETO DE PESQUISA Prof. Bibliografia 10. Verificando a literatura que trata da elaboração de um projeto de pesquisa. oferece soluções possíveis por intermédio da determinação de preceitos metodológicos e da especificação dos parâmetros intrínsecos ao assunto.. sem definição do que está sendo realizado. „e mostro com isso que. o projeto de pesquisa pode incluir ou suprimir alguns elementos. Estrutura do Projeto de Pesquisa Apesar de haver uma série de formulações de projeto de pesquisa é. o projeto de pesquisa dá ao pesquisador a oportunidade de conciliar os mais diferentes elementos que cercam uma pesquisa científica e. que não deixa opções para eles vencerem os obstáculos que surgem e.Objetivo Específico 5. Definição dos Termos da Pesquisa 9. muitos pesquisadores acham que isso pode ser dispensado e que as dificuldades para a elaboração de um projeto de pesquisa pode causar desmotivação. nem tão pouco.. Tema 2. Cronograma 11. A critério do orientador. a linguagem empregada deve ser impessoal. para que ocorra uma aproximação do projeto com um assunto da pesquisa.16 desenvolvimento com que se encontra o tema. são discutidos como exemplo: 1. é necessária a realização de um planejamento. permite demonstrar a clareza de seu objetivo e as razões para sua pesquisa. Antes da execução de qualquer atividade.‟ e 'a pesquisa mostra que. O projeto de pesquisa é necessário para seu autor: . isto é. Formulação da Hipótese da Pesquisa 7. Formulação do Problema da Pesquisa 6.. Durante a elaboração da redação do projeto ou de qualquer pesquisa científica. Na proposta aqui apresentada. Gilberto de Andrade Martins Projeto de pesquisa é um texto que define e mostra. Justificativa do Tema 3. preciso que o pesquisador saiba que a estrutura apresentada tem sido utilizada nos últimos anos com grande aproveitamento por grande parte dos pesquisadores orientados e pelos professores. No entanto. com detalhes. Somente a experiência lhes mostra que uma pesquisa iniciada sem projeto implica ações do tipo tentativas e erro. o planejamento do caminho a ser seguido na construção de um trabalho científico de pesquisa.‟ A estrutura de um projeto de pesquisa é composta dos elementos a seguir e. claras e de fácil compreensão tanto para o pesquisador quanto para o orientador da pesquisa. e evitando o uso de termos como: „eu acho‟. da definição aos termos da pesquisa que evidencia o significado destes para aquela. de maneira a tornar as elaborações. „meu/minha‟.

buscar. não se contente com “qualquer tema”). aplicar. descreva o instrumento de coleta de dados. 29 e 30 do GUIA. Solicitar bolsa de estudos ou financiamento para o desenvolvimento da pesquisa. Se a pesquisa que se pretende desenvolver é experimental. Iniciar contatos com possíveis orientadores. não itimizada)..17 · Discutir suas idéias com colegas e professores em reuniões apropriadas. Lembre-se: um título bem colocado equivale a um projeto. capítulos. Nesta seção você deverá contextualizar o tema que pretende investigar. e a perspectiva que pretende abordá-lo. Mencione .apresente. Não há um único figurino para se elaborar um projeto de pesquisa. dentro do assunto. Expresse o título de seu projeto de pesquisa. explicar. Participar de seminários e encontros científicos. Exponha suas justificativas e razões para a escolha do tema. livros. Não confunda esta seção com uma carta de intenção dos textos que você pretende ler. se preferir.faça citações: transcrições ipsis litteris . Também. enuncie as hipóteses que pretende testar. Conforme a natureza da investigação. nesta seção é detalhada a relação de equipamentos necessários. inicie colocando alguns antecedentes do assunto/tema/problema escolhido. conforme o caso. artigos etc. (Veja pg. ou perspectiva você irá tratá-lo (esta é uma fase decisiva. Para citações pg. Tente dar início à construção da moldura conceitual sobre o tema que será pesquisado. (Veja pg. Seja criativo no recorte que dará ao seu tema. . o tema-problema que será investigado. Coloque as possíveis contribuições esperadas do estudo. OBJETO DO ESTUDO De forma discursiva (portanto. Ser argüido por membros de bancas de qualificação ao mestrado ou doutorado. outros como referencial teórico. Enuncie os objetivos da pesquisa. Apresentar trabalho acadêmico à disciplina Metodologia da Pesquisa. Escolha.QUADRO TEÓRICO Alguns autores denominam esta seção de revisão da literatura. a sua pesquisa. e discuta pelo menos um estudo que tenha relação com o tema que você pretende desenvolver.. pontos críticos e preocupações. 31 do GUIA) REVISÃO DA BIBLIOGRAFIA . 68) METODOLOGIA .. que tratam do assunto que você tem interesse e deseja estudar. Participar de concurso para ingresso em Programas de Pós-Graduação. por exemplo: caracterizar. Em síntese.Abordagem metodológica a ser empreendida Justifique e descreva a abordagem metodológica que você pretende adotar – método científico e técnicas de pesquisa. . Aponte tendências de ordem prática e teórica. portanto “queime energias”. bem como o plano amostral que será desenvolvido. caracterize a população objeto do estudo. Se pertinente. Apresente o levantamento bibliográfico preliminar que dará suporte e fundamentação teórica ao estudo. ORÇAMENTO . Nesta seção você deverá explicar como irá fazer. mostrando ligações entre a bibliografia a ser pesquisada e a situação problema que se pretende solucionar. leia. determinar.. leia. Não se trata de uma relação de referências bibliográficas (nomes de livros. isto é: sob que ângulo. caracterize o objeto de sua futura pesquisa.. Como enfatizado em aulas e textos sobre metodologia: leia. Uma proposta e apresentada a seguir: INTRODUÇÃO ou. conduzir. avaliar. artigos e autores). enumerar. ou assemelhadas. Para tanto exponha respostas à pergunta: para que fazer a pesquisa? Inicie a redação dos objetivos colocando o verbo no infinitivo.

etc. Há uma certa ironia no fato de ensinarmos nossos alunos de pós-graduação e jovens pesquisadores a utilizarem instrumentos e técnicas. inteireza. Engenheiros e Estudantes". Neste contexto. COMO REDIGIR TRABALHOS CIENTÍFICOS Há quem afirme que estudantes de graduação. . e a expressão escrito científico abrange escritos científicos e escritos técnicos. 2000. Referências bibliográficas utilizadas no trabalho. "Os Cientistas Precisam Escrever .. T. Gilberto de Andrade. Bibliografia: MARTINS. Engenheiros e Estudantes". (Texto compilado e adaptado do Prefácio da obra "Os Cientistas Precisam Escrever . Rio de Janeiro. a transmitir os conhecimentos gerados. da Gama Kury...A. Isso é verdade. Manual para elaboração de monografias e dissertações. "Elaboração e Editoração de Trabalhos de Nível Universitário" Fundação Casa de Rui Barbosa. muitas das quais jamais farão uso em sua vida profissional e. simplicidade. São Paulo. segundo as normas da ABNT.18 CRONOGRAMA Coloque as principais atividades que serão realizadas.. por conseguinte.. A. . Ed. acuidade. 1980. jovens pesquisadores e atividades e a ocupar os diferentes cargos. não os ensinarmos a escrever. muitos cientistas e pesquisadores ( e pósgraduandos) deixem de receber treinamento na arte de escrever. e as datas em que tais eventos acontecerão. Queiroz e Editora USP. se pretendem alcançar êxito como pesquisadores e professores.. Escrever é o que eles precisam tecnológos ou professores. por Oswaldo Luiz Alves). 218 p. BIBLIOGRAFIA 1 X 2 X 3 X 4 X 5 X . Os requisitos para a redação de trabalhos científicos e técnicos são os mesmos : clareza. de autoria de Robert Barrass. Não obstante. X X . . sejam administrativos ou de decisão. São Paulo: Atlas. 92 p.Guia de Redação para Cientistas. selecionada sobre o tema:   Robert Barrass. Bibliografia. pós-graduação. Por exemplo: Semana ou meses Atividades Revisão da bibliografia Redação. paradoxalmente... em português. Escrever faz parte da Ciência. 1979 . todavia eles precisam saber escrever corretamente.Guia de Redação para Cientistas. a palavra cientista significa cientista e tecnólogo.

contradições com teorias anteriores. New York. E. 110 p. até 500 palavras. H. Barnes & Noble Books. selecionada sobre o tema :    D. L. "The Technical Writing Process". Oxford Press. B. até 250 palavras. Deve-se evitar o uso de parágrafos. .19  A. Silva et all. c) para dissertações e teses. Prof. Bibliografia: MARTINS. S. no máximo. Chicago. conforme os achados da pesquisa: o surgimento de fatos novos. Turabion. K. Rio de Janeiro. M. 1993. "How to Write: Communicating Ideas and Information". 236 p. 1960. São Paulo: Atlas. Fundação Getúlio ª Vargas. University of Chicago Press. equações e diagramas. CITAÇÕES Em um trabalho científico devemos ter sempre a preocupação de fazer referências precisas às idéias. 1981. fórmulas. O resumo é digitado com espaços simples entre linhas e deve abranger. 110 p. Ed. "Editoração Hoje". símbolos. A. Dar preferência ao uso da terceira pessoa do singular e do verbo na voz ativa. 311 p. 2 Ed. 1988. Elaboração de Resumo: Dissertação. a abordagem metodológica empreendida. em inglês. "A Manual for Writers of Term papers. o uso de frases negativas. Recomenda-se que os resumos tenham as seguintes extensões: a) para notas e comunicações breves.. até 100 palavras. Meyer. bem como relações e efeitos novos verificados. b) para monografias e artigos. A versão do resumo para a língua inglesa é o abstract. revista e todo tipo de material produzido gráfica ou eletronicamente) de onde são extraídos esses dados. descobertas significativas. Bibliografia. Visa fornecer elementos capazes para permitir ao leitor decidir sobre a necessidade de consulta integral do texto. Thesis and Dissertations" Phoenix Books. isto é.. Carrol. uma página. 2000. 1989. New York. Marlowe & Company. Os resultados devem evidenciar. 102 p. Manual para elaboração de monografias e dissertações. Gilberto de Andrade Martins Trata-se da apresentação concisa de todos os pontos relevantes do trabalho. Artigo e Tese. os resultados e as conclusões. L. New York. os objetivos. citar a fonte (livro. Meyer and J. Gilberto de Andrade. Houaiss. Samuels. Magalhães. O resumo deve ser composto de uma seqüência corrente de frases concisas. O resumo deve ressaltar a problemática que se pretendeu solucionar e explicar. "How to Prepare your Manuscript for a Publisher". e não de uma enumeração de tópicos. frases ou conclusões de outros autores. M.

1998. 1992. frases ou conclusões. 1998. As citações fundamentam e melhoram a qualidade científica do trabalho. chamado de Sistema Alfabético. 42) Quando se utiliza uma fonte secundária. As fontes podem ser:   primárias: quando é a obra do próprio autor que é objeto de estudo ou pesquisa. nas subseqüentes. 42) ou (Id. 1998. p.. p. 32)    CITAÇÕES DIRETAS CITAÇÕES INDIRETAS CITAÇÕES MISTAS CITAÇÕES DIRETAS Curtas As citações curtas. 2000. do político. Conforme a ABNT (NBR 6023). p.. 190) A primeira vez que uma obra é citada. acrescentar indicações bibliográficas de reforço ao texto. elas podem aparecer antecedidas das expressões latinas:   ibidem (ou ibid. possibilitando-lhe ainda aprofundar o tema/assunto em discussão. Os elementos são:    sobrenome do autor em letras maiúsculas. p. devem ser registradas no texto entre aspas. faz-se a citação. indiretas. faremos o registro de citações pelo Sistema Alfabético. se não houver obra de outro autor entre uma e outra. . deve-se fazer a citação seguindo-se o modelo acima. deverão ser apresentadas no texto entre aspas ou em itálico e ao final da transcrição. as citações podem ser registradas tanto em notas de rodapé chamadas de Sistema Numérico.. que coloca.): quando a citação for do mesmo autor e mesma obra. imediatamente após as aspas finais do trecho citado. 7).): quando a citação for do mesmo autor e obra diferente. e do social (HERZLICH e PIERRET. com até 3 linhas. elas têm a função de oferecer ao leitor condições de comprovar a fonte das quais foram extraídas as idéias. Na Universidade Anhembi Morumbi.20 As citações podem ser:   diretas. da seguinte forma: Exemplo: (DEMO apud BEHRENS. 201) ou (Ibid. idioma etc. p.. portanto. data da publicação do texto citado. Ela coloca em evidência de maneira brilhante a articulação do biológico. secundária: quando trata-se da obra de alguém que estuda o pensamento de outro autor ou faz referência a ele... p. emprega-se a expressão apud (junto a. os elementos entre parênteses no corpo do texto. idem (ou id.) a AIDS nos mostra a extensão que uma doença pode tomar no espaço público. Exemplo: (Ibidem. quando se referem à transcrição literal de uma parte do texto de um autor. que (. p. em). quando são redigidas pelo(s) autor(es) do trabalho a partir das idéias e contribuições de outro autor (podem ser chamadas também de citações indiretas). (sobrenome do autor). consistem na reprodução do conteúdo e/ou idéia do documento original. (também são chamadas de citações diretas). 201) (Idem. como no corpo do texto. portanto. pontuação. conservado-se a grafia. página(s) referenciada(s) Exemplo: (SEVERINO. devem ser indicadas no texto com a expressão: conforme . Têm ainda como função. Exemplo 1:É neste cenário.

vale ressaltar que: (. rituais. detendo-se em aspectos específicos (FREITAS. 1986. todavia. Exemplo 4:Pescuma e Castilho (2001. Existem diferentes visões e compreensões com relação à cultura organizacional. com recuo de 4 cm da margem esquerda. Ao final da transcrição." (1994.) (HERZLICH e PIERRET. tabus e normas. estórias e mitos. apenas a expressão ou termo é colocado entre aspas ou em itálico... Gilberto de Andrade Martins Para que serve a normalização? A utilização de normas técnicas na elaboração de TRABALHOS ACADÊMICOS é fundamental para facilitar a comunicação e o intercâmbio da informação. que é o fórum nacional de normalização.. p. estórias e mitos. deverão ser apresentadas entre aspas ou em itálico. Exemplo: O objetivo da pesquisa era esclarecer os caminhos e as etapas por meio dos quais essa realidade se construiu. Exemplo 1:De acordo com Freitas (1989. Exemplo : O papel do pesquisador é o de servir como veículo inteligente e ativo (LÜDKE e ANDRÉ.. Esse órgão é responsável pela emissão de todas as normas técnicas . 11) entre esse conhecimento acumulado na área e as novas evidências que serão estabelecidas a partir da pesquisa. faz-se a citação. contudo transcrevê-la literalmente. 37). as aspas ou o itálico não são necessários. No Brasil existe a ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. sobre o sexo.21 Exemplo 2: Segundo Paulo Freire. crenças. p. tem-se freqüentemente atribuído o principal papel à própria natureza dos grupos mais atingidos e aos mecanismos de transmissão. p. (DURAND apud BERHOEFTB. O mesmo se dá em função das diferentes construções teóricas serem resultantes de opções de diferentes pesquisadores. 1989. com mais de 3 linhas. neste setor. tabus e normas. citar a fonte é indispensável. 1996. O trecho transcrito é feito em espaço simples de entrelinhas. A mulher. crenças. opções estas que recortam a realidade. Exemplo 3:É na indústria têxtil de São Paulo que temos o melhor exemplo da participação da família na divisão do trabalho. Longas As citações longas. A citação da fonte continua sendo indispensável. Foi construído então o discurso doravante estereotipado. o sangue e a morte (. CITAÇÕES MISTAS Diz respeito à utilização de expressões ou termos utilizados por outros autores inseridos no trabalho. a cultura organizacional pode ser identificada e aprendida através de seus elementos básicos tais como: valores. p. CONSTRUÇÃO DE REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Prof. 37). fonte tamanho 10. CITAÇÕES INDIRETAS Reproduz-se a idéia do autor consultado sem. Nesse caso. 1992. "transformar ciência em conhecimento usado apresenta implicações epistemológicas porque permite meios mais ricos de pensar sobre o conhecimento.) para compreender o desencadeamento da abundante retórica que fez com que a AIDS se construísse como 'fenômeno social'. rituais. p. Dentre os diversos aspectos sublinhados pelas autoras. p.. tem uma participação mais ativa na gestão dos negócios e os filhos um envolvimento precoce com a operação da empresa da família. separadas do texto por um espaço. 161). 36) apresentam detalhadamente a utilização da Internet como fonte de pesquisa. 35).30). Neste caso.. Exemplo 2: A cultura organizacional pode ser identificada e aprendida através de seus elementos básicos tais como: valores.

no160. devem-se indicar todas as fontes efetivamente utilizadas. Disponível em <http//www. inicia-se a entrada pelo último sobrenome do autor seguidos dos prenomes (exceto sobrenomes compostos).br/sma/entendendo/ atual. com o nome de bibliografia. precedido da expressão: “Acesso em:”.¯In: AUTOR DO LIVRO. publicação . ¯capítulo. de documentos impressos ou registrados em diversos tipos de material”. Planejamento estratégico e o processo de marketing In: SILVEIRA.¯Título do livro:¯subtítulo. A norma brasileira que padroniza as referências bibliográficas é a norma NBR-6023 (revisada em ago/2000). numerada seqüencialmente. 1999. são essenciais as informações sobre o endereço eletrônico. Antonio.¯Título: ¯Subtítulo do livro. (3) Quando se tratar de obras consultadas on-line.¯Local de (cidade):¯Editora. b) Capítulo (ou parte) de livro AUTOR DO CAPÍTULO. no todo ou em parte.: WOOD.27. ¯mês ¯ano.: SCHAFF.1) Em meio eletrônico Ex. São Paulo: Sociedade brasileira para o progresso da ciência. ¯número. jun. Esta lista vai ao final do trabalho. a) Referência para livro SOBRENOME DO AUTOR. Brasília: IBICT.¯Título do capítulo. Ex: WOOD. 1987. cujo resumo apresentaremos a seguir: O que é uma referência bibliográfica? “Referência Bibliográfica é o conjunto de elementos que permite a identificação. ¯volume.65-82. Como se constrói uma referência bibliográfica? Geralmente. c) Periódicos (revistas) consideradas no todo TÍTULO DO PERIÓDICO.¯no edição.22 brasileiras.(NBR-6023) Quando se utiliza uma referência bibliográfica? Após a elaboração de qualquer trabalho de pesquisa. da mesma forma como consta do documento. inicia-se pelo título.bdt. v. Marketing em bibliotecas e serviços de informação. Nome.htm>. b. Antonio. P.¯Número de páginas ou volumes. Acesso em: 8 mar. Brasília: IBICT. 93 p.org.2001. itálico ou sublinhado para o título.¯Local de publicação (cidade): ¯Editora. Marketing em bibliotecas e serviços de informação. Ex. (2) Pode-se utilizar negrito. Nas explicações para composição das referências atentar para: (1) As setas referem-se ao número de espaços que devem ser dados. ¯ano. Quando não houver autoria (pessoal ou entidade). ¯Páginas inicial-final da parte.: CIÊNCIA HOJE. São Paulo: Martins Fontes. 1987. Relacionam-se as referências bibliográficas em lista própria. E. Planejamento estratégico e o processo de marketing In: SILVEIRA.¯(Nome e número da série) Ex. apresentado entre os sinais < >. Adam. em ordem alfabética de sobrenome de autor e título. E. História e verdade.¯Volume.¯Local de publicação (cidade): ¯Editor.¯data. Quando o autor entender necessário são relacionadas duas listas de referências bibliográficas: bibliografia consultada e bibliografia recomendada. 1992.

São Paulo.F. p.¯Anais.¯Local:¯Editora. Crimes da era digital. Tese (Doutorado em Nutrição) – Faculdade de Engenharia de Alimentos. Rio de Janeiro.¯Título:¯subtítulo.¯Tese ou dissertação ¯(grau e área de concentração)¯–¯Unidade de Ensino ou nome da escola..¯mês¯ano.. 22 out. f) Documentos de eventos (congressos.Acesso em: 22 out.com. Ciência Hoje. 1997. Anais eletrônicos.: SILVA. São Paulo. D.¯dia. 2001. MEDEIROS.¯Título do periódico. Disponível em: <http://www. Folha de São Paulo. Acesso em: 21 jan. ¯páginas inicial-final. Recife: UFPE.. O presidente convida igrejas cristãs para um diálogo sobre o pacto.htm>.¯Título do artigo. Seção Ponto de Vista.: BARCELOS.. e) Artigos de jornal AUTOR.providafamilia.13.: BRAYNER. Caderno economia. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE BANCO DE DADOS. 9.¯Nome. As fornalhas do universo. h) Legislação .¯No ou título do caderno. 1999. M. M. 4.¯Título do jornal. 1998. v.: AZEVEDO. 1998. p. OLIVEIA. Universidade Estadual de Campinas...¯data. p.: AZEVEDO.1) Em meio eletrônico Ex. Net. seminários e encontros) AUTOR DO TRABALHO APRESENTADO..¯In:¯NOME DO EVENTO.brazilnet.1) Em meio eletrônico Ex.¯local..: SILVA. A R.27. no160. C.¯Volume ou páginas. ou Resumos.. São Paulo.¯no fascículo.propesq. d.¯páginas inicial-final. 160 f. Elizabete Gouveia.¯data. e. R. In: CONGRESSO DE IENTIFICAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPE. Recife.23 d) Artigos de periódicos (revistas) AUTOR¯Título do artigo. 1994. ou Proceedings.org/pena_morte_nascituro.¯mês¯ano.. Os limites pedagógicos do paradigma da qualidade total na educação.P.br/contexts/brasilrevista. nov. Ex.. maio 2001. bioquímico e sensorial de soja e guandu enlatados no estágio verde de maturação de colheita. Folha de São Paulo. 22 out. São Paulo. g) Teses de doutorado / Dissertações de mestrado SOBRENOME.¯local de publicação (cidade). O presidente convida igrejas cristãs para um diálogo sobre o pacto.¯n. Ex. 1996. Disponível em: <http://www..¯Local. N. M. São Paulo: USP.¯local.br/anais/anais/educ/ce02. Campinas.¯Data. Ex.. Incorporação do tempo em SEBD orientado a objetos. 1999..: DAL PINO. Ensaio tecnológico. Anais.¯instituição. ¯seção ou suplemento. R.30-37.1) Em meio eletrônico Ex. Ex. Acesso em 10 nov. 1996. D. ¯Páginas inicial-final do trabalho.htm>. L.htm>.ufpe. 1994. 1999.B. Disponível em: <http://www.16-24.. f.¯Título do trabalho.

¯ilustrado.¯dimensões.¯Seção ou parte. DF. Regiões de governo do Estado de São Paulo: IEC. 14 dez.5 (2) AUTOR DO CAPÍTULO. ed.: BRASIL.¯Título:¯subtítulo. 1997. 29514.¯NOME (ou INSTITUIÇÃO ou entrada pelo TÍTULO autoria).¯Título.¯local.¯Título ¯data. . J. i) CD-Rom’s (no todo) SOBRENOME. ESTADO OU MUNICÍPIO. Poder Executivo. Secretaria de Economia e Planejamento. In: ENCICLOPÉDIA Luso-Brasileira Cultura Verbo. Domingos. 1990. Lisboa: Bertrand.¯Nome.¯Notas especiais. do fascículo.¯mês ¯ano da publicação..¯Local de publicação:¯Editora.24 NOME DO PAÍS.G. Pantanal: um passeio pelo paraíso ecológico. quando for. Estabelece multa em operações de importação.¯n. j) Videocassete (fita de vídeo) TÍTULO Principal ¯Diretor ou Produtor ou Coordenador.¯dia.¯Volume de dicionário. mês e ano da assinatura ou promulgação). Diário Oficial (da) República Federativa do Brasil.: SÃO PAULO (Estado).¯data.¯duração em minutos.¯Título do capítulo.¯Total de páginas. se existir. Instituto Geográfico e Cartográfico. l) Mapas ENTIDADE.¯detalhes físicos como cor. 1975.¯Identificação do material. v.d. ¯Título do jornal ou da coletânea.¯Notas especiais. Ex. p. 1.¯escala. (3) SOBRENOME. 9.¯sonoro ou mudo.¯Nome do Ministério ou Secretaria. Medida provisória n. Brasília. son. São Paulo: Encyclopaedia Britannica do Brasil.¯data.¯Edição. p. de 11 de dezembro de 1997. 1 CD-ROM. s.¯sistema de gravação.¯Local:¯Editora ou produtor.237. da legislação. se não houver Ex.¯Local de publicação:¯editora. dia. páginas Ex. VHS. e dá outras providências. Escala 1:500. 1990.¯Volume ou páginas.¯Nome do autor ou responsável. Ex.¯Páginas inicial-final do capítulo.2.¯Título:¯subtítulo. do volume. ¯data.¯colorido ou preto e branco.¯Descrição física. 1 mapa. Ex. Rio de Janeiro: Sony Music. ¯legendas ou dublagem. Rio de Janeiro: Delta.¯data.¯In:¯Título. Pater famílias.¯Título (especificando o tipo e o n.¯n. (4) SOBRENOME.: FREIRE.¯Nome.¯Local:¯Produtora.000 m) Enciclopédia e dicionários (1) NOME da enciclopédia.¯dimensão em milímetros ou polegadas. Ex. ¯Descrição física com detalhes de no de unidades. Ex. Seção 1. color..¯página. ¯data.¯Local ou de publicação:¯Editora.¯Local:¯Editora.: EMBRAPA.569-9.¯data. 1 fita de vídeo (24 min). color.¯Série. Grande dicionário português/francês.¯Série.: ENERGIA nuclear. v. ou SOBRENOME. 1971. 1989.: ENCICLOPÉDIA Delta.: AZEVEDO.¯Local:¯Editora. 70cm X98cm. se houver. Lisboa: Editorial Verbo.

<http:www..ed. 1999. GEWANDSZNAJDER. A.¯Série. ALVES. Rio de Janeiro: Delta.1) Em meio eletrônico Ex. Como elaborar monografias. 2000. Maria Lucia Pacheco de. São Paulo: USPFaculdade de Saúde Pública. BARROS.25 Ex. 3. Maria Terezinha Dias de.ed. 2. v. 1984. Filosofia da ciência.5. m. LEHFELD. Maria Helena Guedes e Beatriz Marques Magalhães.¯Local:¯Editora. A.¯Nome. Lisboa: Edições 70. BARDIN. 1982. .Métodos e Técnicas de Pesquisa Coordenação: Prof. ou. C. Metodologia da pesquisa científica. (org.: ENCICLOPÉDIA Delta. BACHELARD. BIBLIOGRAFIA . Acesso em: 29 nov. J. (5) SOBRENOME.prodal-sc. São Paulo: Makron Books.br/ciberjur/html>. de S. Armando.: ALMANAQUE Abril. 3.: GUIA Abril do Estudante. São Paulo: Brasiliense. São Paulo: Pioneira. A. il. ¯Notas especiais.. R. R. quando existir.P.¯data. 2000. 1996. Mark. BLAUG.com. 1996. 1975. São Paulo: Ars Poetica. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanalise do conhecimento. Gaston. Fundamentos de metodologia: um guia para a iniciação científica. Pesquisa participante. Rio de Janeiro: Contraponto. ASTI VERA.ed. Técnica da pesquisa bibliográfica. L. São Paulo: Atlas. Gilberto de Andrade. 1996. Belém/PA: Cejup. C. 1993. 1976. Análise de conteúdo. Disponível em: Bibliografia: MARTINS. Ex. Porto Alegre: Globo. São Paulo: Abril.J. 1994. São Paulo: Edusp. BRANDÃO. BRANDÃO. ALVES-MAZZOTTI. 4. 2000. N. F. Manual para elaboração de monografias e dissertações. 262p.ed. como os economistas explicam. A metodologia da economia. Rubem.¯Título:¯subtítulo. Repensando a pesquisa participante. 1998. São Paulo: Brasiliense. 1972. 1998. Trad. Gilberto de Andrade Martins Participação: Doutorando Carlos Renato Theóphilo ALMEIDA.). ANDRADE. São Paulo: Abril. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa.

1995. Umberto. 1998. A prática da pesquisa. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil.. 5. Metodologia científica. 1978. Brasília: UnB e Ática. SP: Papirus. Pesquisa gerencial em administração: um guia para monografias. São Paulo: Edusp. René. Ruth. 1980.C. Rio de Janeiro: Francisco Alves. DEMO. . (org.ed. São Paulo: Cortez.). São Paulo: Cortez. STANLEY. 1989. Julian C. Metodologia do conhecimento científico. BUNGE. A.ed. L. 1996. 1996. 6. LOWE. Ciência. R. Pedro. Pesquisa em ciências humanas e sociais..26 BRUYNE. A. 4. afinal? São Paulo: Brasiliense. Pedro.M (org. DEMO.ed. M. Campinas. Pedro. Como se faz uma tese. CHIZZOTTI. BERVIAN. Delineamentos quase-experimentais da pesquisa. CARDOSO. 5. CHAUÍ. Solange Fátima Geraldo e outros. São Paulo: Pioneira. CASTRO. P. Trad. DEMO. Metodologia da pesquisa educacional. A. São Paulo: Ática. Campinas. Paul de. 1993. Antonio. FAZENDA. A. dissertações. Ivani. 1999. Dinâmica da pesquisa em ciências sociais. 4. Introdução à metodologia DEMO.. Metodologia da pesquisa: coletânea de termos. A pesquisa em eduacação e as transformações do conhecimento. FAZENDA. COSTA. pesquisas internas e trabalhos em consultoria. Convite à filosofia. experimentais e CARDOSO.). Rio de Janeiro: Paz e Terra. CHALMERS. São Paulo: Atlas. São Paulo: Perspectiva. 2000. Cláudio de Moura.ed. 1986. 1989. CARVALHO. A aventura antropológica. SP: Autores Associados. ideologia e poder: uma sátira às ciências sociais. 3. Pedro. Marc de. da ciência.. 1992. 1994. 1981.ed. Pedro. Os métodos da história. DEMO. 2000. Ciro Flamarion S. EASTERBY-SMITH.). Metodologia científica em ciências sociais. CERVO.). 1987. SP: Papirus. Marilena. O que é ciência. Ivani (org. M.ed. Ivani (org. SCHOUTHEETE. Rio de Janeiro: Graal. (org. 1995.F. São Paulo: Atlas. São Paulo: Atlas. Metodologia científica: fundamentos e técnicas: construindo o saber. São Paulo: Atlas. 1983. ECO. Héctor Pérez. Avaliação qualitativa. Campinas. 1983. M. Discurso do método: apresentação e comentários de Denis Huisman: tradução de Elza Moreira Marcelina. BRIGNOLI. Novos enfoques da pesquisa educacional. THORPE.). Epistemologia. João Maia. São Paulo: Makron Books. 1979.. São Paulo: EPU/EDUSP. Donald T. 3. CAMPBELL. 1988. São Paulo: Cortez. DESCARTES. Jacques. João Pessoa: Idéia.ed. FAZENDA. 1991. HERMAN.

Henrique & JANISSEK. Petrópolis: Vozes. 1969.ed. 57 . C. H. Leda Miranda. 1998. A. São Paulo: EPU/EDUSP. Rio de Janeiro: Agir. T. 1995. HATT.29. Porto Alegre: Sphinx. Guia para elaboração de monografias e projetos de dissertação e doutorado. 7. Análise léxica e análise de conteúdo: técnicas complementares. Rio de Janeiro: Record. A Monografia na universidade. 1977. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. Construção da ciência no Brasil e a SBPC. 1996. 1980. 1979. Trad. JAPIASSU.. Raquel. 35. HÜBNER. Contra o método. Introdução à Pesquisa Qualitativa e suas possibilidades. São Paulo v. 7. 1976. HÜHNE. 65 .71 mar/ag. Willian J. 3. Etapas da investigação científica. 1995. C. JAPIASSU. Geraldo. Metodologia científica: caderno de textos e técnicas. 2000. HEGEL. Ana Maria.ed. Brasília: Editora UnB. Riode Janeiro: Agir. Questões epistemológicas. Mirian. n. 1998. p. seqüenciais e recorrentes para exploração de dados qualitativos. São Paulo: Loyola. M. São Paulo: 1991. Enciclopédia das ciências filosóficas em compêndio: 1830. Campinas. Metodologias qualitativas na sociologia. FREITAS. A. Hilton. Arilda Schmidt.ed. 2. FEYRABEND. Análise de dados quantitativos & qualitativos: casos aplicados usando o sphinx. 1995. M. L. p.ed. Paul K. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas. A. Metodologia científica. 1997.ed. Métodos em pesquisa social. 1995. GIL. 4.1995. Técnicas de pesquisa em economia. Rio de Janeiro: Francisco Alves. J. n. GRESSLER. C. A. p. Leda Miranda (org. Rio de Janeiro: Zahar. 2. São Paulo: 1987.. FERNANDES. São Paulo: Letras & Letras. Pesquisa educacional. 2000. HABERMAS. SP: Papirus.27 FEITOSA.4. 2000. Conhecimento e interesse. Francis Bacon: o profeta da ciência moderna. INÁCIO FILHO. Paulo Meneses. n. J.). FREITAS. HEGENBERG. (org. MOSCAROLA.63. Métodos e técnicas da pesquisa social. GIL. São Paulo: Pioneira/Mackenzie. São Paulo: Loyola. P. Leônidas. GOLDENBERG. Porto Alegre: Sagra Luzzatto. Georg Wilhelm Friedrich.3. Vera Cristina.). H. GODOY. Rio de Janeiro: Francisco Alves. Campinas/SP: Papirus. 2. 1982. GIL.ed. 2. Revista de Administração de Empresas. HÜHNE. . 20 . 1995. GOODE. HAGUETTE. 1997. Martha. Redação de textos científicos. São Paulo: Nacional.ed.

V. Gilberto de Andrade. Porto Alegre: Fabris. T. LABES. C. M. F. KUHN. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. LEFÈVRE. 14. LEGRAND. M. LAKATOS. Marina de A. KERSCHER. 2 . Gerard. Alexandre. 1980. Revista de Administração/USP. n. 1998. Gilberto de Andrade & LINTZ. 5 . TEIXEIRA.MARCONI. São Paulo: EPU. Iniciação à pesquisa bibliográfica: guia do estudante para a fundamentação do trabalho de pesquisa. Neusa Dias de.ed. 1. MARCONI. São Paulo: EPU/EDUSP. São Paulo: Atlas. MARTINS. 1994..M. . MARCANTONIO. 1985. São Paulo: EPU. (Orgs). D.. 3. rev.T. Técnicas de pesquisa. MARTINS. Caderno de Pesquisas em Administração . A.ed. E. M. N. Pesquisa sobre Administração: Abordagens Metodológicas. julho/setembro 1997. Petrópolis.). Cipriano e outros. Eduardo de Oliveira. Metodologias Convencionais e Não-convencionais e a Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas. S. LEFÈVRE. 1986.A. 2000. Questionário: do planejamento à aplicação na pesquisa. 1985..28 KERLINGER. KIDDER. Monografia: como fazer. Gilberto de Andrade. KÖCHE. 2000. de A.M. MACEDO. Menga & ANDRÉ. 1987. Gilberto de Andrade. (org. p. Marli E.J. Louise H.. Chapecó/SC: Grifos. Caxias do Sul: EDUSC. 1986. Rio de Janeiro: Edições 70. RJ: Vozes. Metodologia da pesquisa em ciências sociais: um tratamento conceitual. São Paulo: Atlas..M. MARCONI. 2.S. n. São Paulo. São Paulo: Atlas. 2000.ed.A. O discurso do sujeito coletivo: uma nova abordagem metodológica em pesquisa qualitativa. São Paulo: Loyola. v 32. LAKATOS.6. & LAKATOS. Eva. M. Rio de Janeiro: Thex. MARTINS. E. A estrutura das revoluções científicas.. Emerson Moisés. LEITE. Guia para elaboração de monografia e trabalhos de conclusão de curso. ampl. 1984. de A. Fazer universidade: uma proposta metodológica. A monografia jurídica. LUCKESI. São Paulo: Perspectiva. 5.S. São Paulo: Atlas. Fundamentos de metodologia científica. 2. 1991. LÜDKE. M.PPGA/FEA/USP.. 1997.ed. 1998. 3. 1991. Fred N.ed. Fundamentos de metodolocia científica: teoria da ciência e prática da pesquisa. KERSCHER. São Paulo: Atlas. 1993. Manual para elaboração de monografias e dissertações. LEHFELD. A M. São Paulo: Cortez. janeiro 1995. José Carlos. p.A. SANTOS. Elaboração e divulgação do trabalho científico. MARTINS. Métodos de pesquisa nas relações sociais. Dicionário de filosofia.12. Metodologia científica. J. 1997.

1967. 3. Fauze Najib. D. São Paulo: Atlas. Campinas/SP: Papirus. São Paulo: Atlas. OLIVEIRA. A lógica da pesquisa científica. Monografias. método e criatividade.(org. científicos e culturais.ed. São Paulo: Companhia das Letras.B. 1983. D. São Paulo: Edusp.). Elisabeth Shneider de. 1999. 1996. Metodologia científica. M. V. C. V. Manual de normalização de trabalhos técnicos.F. 17.A. OLIVA. Métodos de pesquisa nas relações sociais.ed. T. Ciência com consciência. 1994. São Paulo: Herder. Introdução a projetos de pesquisa.).. C. R. PEREIRA.. 1998. 1997. 1980. 1999. Regras e conselhos sobre a investigação científica. MATTAR. MORIN. 2. São Paulo: Cultrix. RICHARDSON. São Paulo: Cortez & Moraes. São Paulo: Cortez. PARRA FILHO. TCC. J. SAGAN. SANTOS. Escola e democracia. humanas e sociais. L.M. RAMON Y CAJAL. COLLADO. 1993. 1991. 1991. V.ed. 2. R. J.ed. Antonio Joaquim. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. José Maria Rodrigues. Pesquisa social: métodos e técnicas... Silvio Luiz de.ed.R. D. Queiroz e Edusp.A. 1996. João B. Metodologia de pesquisa. resenhas. 1999. São Paulo: Edusp. Joel. 2000. 1996. São Paulo: Martins Fonseca. 1975. 1996. resumos. Epistemologia: a cientificidade em questão.29 MARTINS. Alberto (org. Tratado de metodologia científica: projetos de pesquisa. Petrópolis: Vozes. (org.A. 1979.ed. TGI. R. Edgar. 1990. Dissertações e Teses. MEDEIROS. México: McGraw-Hill. São Paulo: Pioneira. 5.ed. Como fazer uma monografia. SEVERINO. . SAVIANNI. SÁ. Subsídio para redação de dissertação de mestrado e tese de doutorado. 2v. SAMPIERI. Karl S.ed. Petrópolis: Vozes. Análise de dados qualitativos: estratégias metodológicas para as ciências da saúde. O mundo assombrado pelos demônios: a ciência vista como uma vela no escuro. 9.ed. São Paulo: Futura. Redação científica: a prática de fichamentos. 3. Claire e outros. POPPER.H. MINAYO. São Paulo: Atlas. São Paulo: Pioneira. São Paulo: Moraes. RUDIO. Metodologia do trabalho científico: diretrizes para o trabalho científico-didático na universidade. Petrópolis/RJ. 1980. PARKER. Santiago. J. Metodología de la investigagión.). 2000. Carl. REA.C. SALOMON. Pesquisa de marketing. LUCIOP. SELLTIZ. Pesquisa social: teoria. 4. 3. São Paulo: RAMOS. Lionel Robbins: contribuição para a metodologia da economia. de S.

Michel. Max. Gildásio. THIOLLENT. 1996. Crítica Metodológica. WEBER. Fundamentos de metodologia científica. Polis. Sylvia Constant. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. Porto Alegre: Bookman. São Paulo: Moderna. MENDES. WATANABE. São Paulo: Atlas. Michel. THIOLLENT. Takeshy. São Paulo. 1998. TRIVIÑOS. VERGARA. 1998.30 TACHIZAWA. São Paulo: Unicamp. Metodologia das Ciências Sociais. Lygia Araujo. 2001. Rio de Janeiro: FGV. Robert K. 1999. São Paulo: Atlas. Brasília: Editora da UnB/Paralelo 15. São Paulo: Atlas. São Paulo: McGraw-Hill. . Platão. TRUJILLO. YIN. VIEGAS. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. Pesquisa-ação nas organizações. Estudo de caso: planejamento e métodos. 1997.ed. 2.ed. Trad. 5. investigação social e enquete operária. Waldyr. F. por mitos e hipóteses: um convite à leitura dos diálogos. Augusto Nibaldo Silva. 1987. Augustin Wernet – introdução à edição brasileira de Maurício Tragtenberg. 1987. Metodologia da pesquisa científica. Alfonso. 1992. 1982. Como fazer monografia na prática.

Desta forma. the student that concludes a course at university level and is about to enter the labour market faces a great challenge. Improvement. Aperfeiçoamento. Activities including professional formation.Sc 1 1 Mestre em Engenharia Mecânica pela EESC-USP. para a visão tridimensional da prática. The need is for a professional that identifies the problems and above all is capable of looking for. today globalized. Keywords: Groups of Research. Palavras Chave: Grupos de Pesquisa. a solução. Atividades de formação profissional.31 GRUPOS DE ESTUDOS E PROJETOS COMO INSTRUMENTO AO ENSINO E À PESQUISA COM ALUNOS DE GRADUAÇÃO Dawson Tadeu Izola. parte integrante da formação dos alunos. Coordenador de Equipe do Grupo de Estudos e Projetos “Lenda Pesquisa Educativa” da Fatec-SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. Ensino. que é mostrar. enfrenta um grande desafio. included by a large number of universities and are an integral part of the students' formation. alguns vêm na forma de projetos de fim de curso e participação de consultorias com a orientação de professores. . within his undergraduate studies. Doutorando em Engenharia Mecânica na EESC-USP. Experiences such as Junior Enterprises and research groups have been shown as a beneficial differentiation in the formation of new professionals. the solution that he needs. has been demanding more and more from the professional. Experiências como as Empresas Juniores e Grupos de Pesquisas tem se mostrado como uma grande diferenciação na formação de novos profissionais. STUDY GROUPS AND PROJECT GROUPS AS AN INSTRUMENT IN THE TEACHING OF RESEARCH TO UNDERGRADUATE STUDENTS ABSTRACT The labour market.usp. M. dentro da sua formação. The companies.br RESUMO O mercado de trabalho. onde a experiência é fator determinante. tem exigido cada vez mais do profissional. Several teaching institutions been adopting company internal education systems that seek to familiarise the student with the activities that he will carry out when he/she leaves the University. where experience is the decisive factor. em muitas universidades. As empresas. In this way. antes da sua contratação. Várias Instituições de Ensino tem adotado sistemas de empresa-escola que visam familiarizar o aluno com as atividades que ele irá desempenhar quando deixar a Universidade. Teaching. Tecnólogo em Mecânica de Precisão pela FATEC-SP. Some come in the form of end of course projects and participation in consultations with the teachers' orientation. A necessidade é de um profissional que identifique os problemas e sobretudo seja capaz de buscar. Não resta a menor dúvida que somente aqueles alunos que se envolvem com projetos práticos é que conseguem passar da visão bidimensional da lousa onde tudo funciona. Caixa Postal 2191 – CEP 01060-970 – São Paulo – SP E-mail izoladaw@sc. that is to show at his recruiting. not longer seek a professional to command certain activities. to the three-dimensional vision of practice. his competence and capacity. não mais procuram um profissional para comandar determinadas atividades. são hoje. a sua competência e capacidade. There does not remain the least doubt that only those students that finish having had practical projects are those that get to pass beyond the bidimensional vision of the blackboard where everything works. o aluno que conclui um curso superior e vai para o mercado de trabalho. are today. hoje globalizado.

A criação dos GEP‟s previa um orçamento mínimo para o fomento dos projetos. O Grupo Lenda passou então a buscar alternativas para financiar os projetos de iniciação na área aeronáutica. Além dos Congressos. A cada projeto concluído. quando introduziu no seu regimento os GEP‟s – Grupos de Estudos e Projetos. são responsáveis por agregar alunos e professores em projetos de Iniciação Científica. . ser uma Instituição voltada mais para o domínio tecnológico e mercado de trabalho. por se tratar de um Grupo. Alguns projetos desenvolvidos para empresas podem também ser utilizados em laboratórios da Instituição. desta forma a cada ano são publicados trabalhos em Congressos Científicos. HISTÓRICO A Fatec-SP – Faculdade de Tecnologia de São Paulo. que comercializado se transformou na primeira fonte de renda do Grupo. As agências de fomento. INTRODUÇÃO A atividade do aluno em Grupos de pesquisa tem-se mostrado como uma eficiente ferramenta de aprendizado. pode também determinar uma situação real de projeto. Cerca de 48 Grupos foram criados. introduzindo alunos e professores no caminhar científico. Esta iniciativa fez com que todos os esforços do Grupo fossem direcionados para a produção de material didático e produtos educativos. além de terem suas próprias atividades podem também exercer papel importante na montagem de laboratórios. 2.32 1. Uma pesquisa recente com empresas da área de exatas demonstrou que o setor de RH tem preferido alunos para estágios que já possuam no seu Curriculum uma experiência junto às atividades extracurriculares. principalmente no período da graduação. pois passou a prover os seus próprios recursos. pois serão utilizados a infra-estrutura da escola e uma mão-de-obra. que além de proporcionar ao aluno experiência prática. A idéia inicial era manter uma atividade acadêmica. é de baixo custo. projetando e construindo equipamentos para serem utilizados em aula. onde o nome da FatecSP foi divulgado perante um público extremamente qualificado. Outra forma utilizada para capitar recursos. com propostas desde a melhoria na construção civil até projetos sofisticados envolvendo automação utilizando equipamentos de última geração. Com a alternativa de comercialização de produtos didáticos a responsabilidade da Instituição se limitou a fornecer o espaço físico e o acesso aos laboratórios da Instituição. pode facilmente construir um laboratório de robótica. Este resultado é facilmente compreendido. Vale ressaltar que estes equipamentos acabam por ter um custo muito baixo. naquela época. passou-se a ter um orçamento para um projeto futuro. além de participar de mostras de ciência. fundado oficialmente na Fatec em 1992. Assim um Grupo de Pesquisa que estuda automação. A primeira meta foi produzir em forma de manuais os estudos que estavam sendo desenvolvidos. também mantém um sistema de divulgação em revistas de banca. assim o Grupo Lenda não interferia no orçamento da Instituição. como é discutido por DEMING(1995)O objetivo principal do Grupo é treinar e preparar o aluno para a vida acadêmica. Empresa Juniores e Grupos de Estudos. assim conseguiu-se publicar um manual didático. Os Grupos de Pesquisas. Os GEP‟s. naquela ocasião. em troca de publicidade. que normalmente financiam projetos acadêmicos restringiram a ajuda que seria oferecida aos GEP‟s da Fatec-SP. fonte de receita para a realização de projetos. um Grupo na área aeronáutica pode equipar um laboratório de mecânica dos fluidos e aerodinâmica. o Grupo Lenda da Fatec-SP. onde se exige determinada titulação dos participantes. composto apenas por alunos. são uma alternativa simples e de baixo custo para introduzir o aluno no pensar organizado do mercado de trabalho ou da vida acadêmica como demonstra CHALMERS(1994). como Iniciação Científica. Nestes seis anos de atividade na Fatec-SP o Grupo Lenda desenvolveu diversos projetos. Os Grupos de Pesquisas. foram as parcerias com empresas. como apresenta IZOLA(1993). pois é muito mais rápido para um profissional se adaptar a uma função quando ele já exerceu algo parecido. O Grupo Lenda Pesquisa Educativa. principalmente pelo fato da Fatec. assim a cada matéria técnico escrita tem-se um espaço para divulgar os manuais didáticos. onde o cotidiano das aulas acaba tolhendo a sua criatividade e vocações. que apesar de ser qualificada. Por intermédio das pesquisas o aluno coloca em prática os conhecimentos adquiridos em sala de aula. não podia contar com o financiamento das agências de fomento. inovou.

Quando a atividade do grupo alcança uma determinada repercussão. para edição de manuais e artigos. consegue-se uma divulgação junto às empresas que têm atividades afins com o grupo. Esta diretoria comporia uma comissão formada pelos professores orientadores e alunos coordenadores discentes de cada Grupo. A organização das atividades dos Grupos de Pesquisa deve obedecer a uma diretoria para assuntos administrativos e técnicos. como apresentado em MARQUES(1998). A remuneração do professor é através de horas/atividades e dos alunos com bolsas de Iniciação Científica fornecidas pelas agências de fomento ou pela própria Universidade.33 3. Nesta estância serão apresentados as propostas de realização de trabalhos e relatórios de atividades. por um aluno que é coordenador discente e por pelo menos mais quatro estagiários. consegue-se aumentar o número de projetos e consequentemente amealhar maiores recursos financeiros. tendo a Instituição condições materiais necessárias o projeto deve ser aprovado. No final do ano letivo cada Grupo deve apresentar o relatório de atividades comparativo com a proposta apresentada no início. para que se possa realizar o primeiro estudo e com ele prover recursos para os trabalhos futuros. o que resulta em convites . A única necessidade que pode interferir na Instituição é o local físico. 4. O tema de trabalho ficará a cargo do Grupo e do professor orientador. Produção acadêmica 14 12 10 Publicações em Congressos Manuais publicados Livros publicados Projetos desenvolvidos (n) 8 6 4 2 0 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 Ano Figura 1 – Produção acadêmica A cada Congresso Científico em que o grupo se inscreve. pois são nas disciplinas que o aluno encontrará motivação para aprofundar em determinados assuntos. RESULTADOS Nas figura 1 e 2 tem-se a evolução das atividades desempenhadas pelo grupo de pesquisa. A comissão julgará o trabalho e concederá ou não autorização para o Grupo continuar as suas atividades. No início das atividades tem-se a necessidade de um pequeno comprometimento financeiro por parte da Instituição. com duas mesas e pelo menos um computador. assim em futuras oportunidades eles estarão apresentando os seus próprios trabalhos em Congressos Científicos. consegue-se motivar e treinar novos componentes do grupo. As propostas serão encaminhadas no início de cada ano letivo e julgadas pela comissão. Com a motivação de novos alunos. cerca de dez metros quadrados. A equipe é composta por um professor orientador. As atividades normalmente são determinadas pelo próprio curriculum da Universidade. DESCRIÇÃO DO MÉTODO Os Grupos de Estudos e Projetos são estruturas simples. O critério para aprovação deve se restringir às necessidades e materiais para a realização do projeto e não pelo mérito do projeto. onde a Instituição de Ensino que hospeda estas atividades despendem do mínimo possível.

esta revistinha é oportunidade para que outros pesquisadores possam divulgar em forma de conhecimento geral. Na figura 3 tem-se a evolução do número de componentes do grupo da Fatec-SP. Além de ser um canal de comunicação onde o grupo recebe sugestões e críticas sobre o trabalho. como é discutido em PETEROSSI(1997). acaba por incentivar pessoas a escolherem determinada carreira ou curso. Produção Tecnológica 14 12 10 8 6 4 2 0 1992 Matérias em revista de banca Consultorias Palestras Pedidos de Patentes 1993 1994 1995 1996 1997 1998 (n) Ano Figura 2 – Produção tecnológica A iniciativa de se criar uma atividade com alunos é algo que acaba por motivar os que observam neste tipo de evento uma possibilidade para melhorar as suas aptidões. . Na figura 4 tem-se a evolução do recebimento de correspondência desde o início das atividades. Estas consultorias. além de melhorar as suas chances depois de formado.34 para trabalhos em conjunto. os seus trabalhos. o que muitas vezes. além de treinar aluno e professor reverte para o grupo recursos financeiros para novos projetos. A realização de palestras em escolas do segundo grau tem se mostrado como uma importante ferramenta de divulgação científica e da Instituição sede. Componentes 20 15 (n) 10 Componentes 5 0 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 Ano Figura 3 – Evolução do número de componentes do grupo da Fatec-SP Com objetivo de divulgar as atividades em que o grupo de pesquisa está envolvido em cada ano junto ao público interessado e às Universidades e Institutos de Pesquisas é publicado a cada dois meses uma revistinha onde é apresentado os trabalhos que estão sendo objeto de estudo.

30 pág. Os Grupos de Pesquisas são também importante instrumento de divulgação para a Instituição.20. Alan. E. Ma. Por uma Fatec melhor. government.. visto que o aluno pode dedicar um tempo para realizar projetos do seu interesse e vocação. Juracy C. W.. DEMING. Para as Instituições as atividades como os Grupos de Pesquisa são fundamentais para o aperfeiçoamento do seu corpo docente. Uma concepção de Currículo para moldar o futuro. A fabricação da ciência. 1998. o público externo fica impressionado quando lê matérias a respeito de atividades acadêmicas desenvolvidas em Universidades. PETEROSSI. onde o nome da Instituição sede é divulgado. D. Editora da Unesp. The new economics. n. Fatec-SP. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CHALMERS. Fatec-SP. education. IZOLA. isto acaba por motivar o seu interesse por determinada carreira ou curso. 1995. 185p. . Educação Brasileira v. T. Helena G. pois a cada projeto desenvolvido o orientador adquire novos conhecimentos. 1993. 1997. 6. 165p. além do que Congressos Científicos congregam especialistas e formadores de opinião. As grandes Instituições utilizam a produção científica como agente quantificador da qualidade de ensino. for industry. e não é para menos. 1994. Center for Advanced Engineerings Study. Projeto para implantação do Núcleo de Tecnologia da Fatec-SP. MARQUES. CONCLUSÃO As atividades desempenhadas nos Grupos de Pesquisa tem-se mostrado como um bom instrumento para o aperfeiçoamento do aluno e como agente motivador. Massachusets Institute of Technology.35 Correspondências 2000 1500 (n) 1000 500 0 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 Correspondências Ano Figura 4 – Evolução do número de correspondências recebidas anualmente 5. pois não há como publicar um artigo sem que a pesquisa tenha sido realizada.40 jan/jul. Os assuntos estudados são temas de palestras e mostras de ciência em escolas e outras Instituições. Cambridge.

assegurando aos titulares da patente o direito de produção e exploração comercial do produto originado nos países em que foi patenteado. esta invenção é mais barata.36 PATENTE DE INVENÇÃO Todo invento original. melhor que os similares ou apresenta outras vantagens sobre eles? Quem são os possíveis clientes para o invento? Quais são os diferentes mercados para o invento? Há estimativa de mercado atual e futuro? Licenciamento   O protótipo pode ser usado para facilitar o licenciamento? O inventor está interessado em demonstrar o invento aos potenciais licenciadores? Custos   Será necessária patente internacional? O faturamento previsto cobrirá os custos de patenteamento? Dificultadores   Será possível impor e controlar o uso da patente? Necessita de aprovação ou certificação governamental? . Muitas invenções nunca são patenteadas. apresentar potencial comercial e não ser óbvio. Custo e dedicação significativos são requeridos dos escritórios de propriedade intelectual e do inventor para depositar uma patente. Originalidade e viabilidade técnica    Foi efetuada busca de patentes? O invento é original no nível internacional? Há um protótipo para demonstração? Maturidade do invento     A tecnologia não é prematura. algumas são retidas até que se completem ou o mercado esteja pronto para recebê-las. que seja útil e apresente potencial para comercialização pode ser patenteado. várias questões devem receber resposta antes que uma tecnologia seja patenteada. em um ou mais países. Quando Patentear um Invento O invento deve ser original no nível internacional. e só algumas são processadas rapidamente. no nível internacional. dado o mercado atual? Os possíveis interessados perceberão a sua utilidade? O invento está pronto para produção em escala ou terá que ser desenvolvido pelo licenciado? Quem deverá investir mais para torna-lo fabricável? Mercado potencial       Alguém precisa de tal invento? Há produtos similares no mercado? Em caso positivo. Portanto.

As informações sobre as patentes podem ser procuradas de várias maneiras: pelos nomes dos inventores ou titulares.Seção I e II. Fazal Chaudhry. Luiz Vicente Rizzo e Elibio Rech são todos professores ou pesquisadores. da Universidade Federal de São Paulo. ou por palavras-chave que constem de seus títulos e resumos. A falta de registro poderá resultar na usurpação dos direitos do inventor quanto à Propriedade Industria. pelo número da patente ou código de classificação. Para maiores informações entre em contato com o EDISTEC Escritório de Difusão e Serviços Tecnológicos da UNICAMP. Professor da Escola Paulista de Medicina. Chaudhry. pretende negociar um sistema de impermeabilização de edifícios que utiliza como matéria-prima subprodutos de outras indústrias. o raio de curvatura da córnea. incluindo as brasileiras. do Departamento de Imunologia da Faculdade de Medicina da USP. Liliane Ventura Schiabel. automática e velozmente. De posse do número e data de protocolo. após algumas semanas o mesmo retornará com um número de registro. .37 Onde procurar Patentes A base de dados Derwent World Patents ( http://dii. catalogadas desde 1966. Links Relacionados     Derwent Innovations Index INPI .Instituto Nacional de Propriedade Industrial USPTO . Além do amor pela ciência. vai entrar com pedido para patentear um teste de diagnóstico de toxoplásmose. A febre para assegurar uma patente parece ter contagiado praticamente todas as áreas científicas. o Derwent World Patents permite o acompanhamento do processo mundial de geração de tecnologia.US Patent and Trademark Office European Patent Office Veja mais links em: http://www. podendo inclusive ser acessada através de qualquer patente citada em artigo do WoS. com alcance maior do que os similares importados.br/prp/edistec/links. Além de ser um poderoso instrumento de pesquisa de patentes.htm Artigos Relacionados Febre de patentes na universidade Gazeta Mercantil Dia: 10/05/00 Página: Primeira Página Laura Knapp de São Paulo Luiz Eugênio Araujo de Mello. Procedimento para o registro de relatórios técnicos. Também podem ser encontradas as citações de cada patente. professor do Departamento de Hidráulica e Saneamento da Escola de Engenharia da USP de São Carlos. Derwent Innovations Index. A física Liliane Ventura Schiabel. Mello quer registrar um medicamento contra epilepsia.derwent.com ). Os resumos são claros e concisos e contêm indexação por palavraschaves .Revista da Propriedade Industrial .unicamp. A vigência do relatório técnico será de 20 anos para patentes de invenção e de 15 anos para patentes de modelo de utilidade. Fernando Galembeck. Todo o processo deve ser acompanhado através das publicações semanais do INPI . Esta base é conectada ao Web-of-Science (WoS). têm agora outro ponto em comum: a busca por um número de registro que garanta o direito de propriedade para o resultado de suas pesquisas. pediu o registro de um equipamento que mede. Patentes na UNICAMP Qualquer inovação tecnológica pode ser preservada através de registro junto ao INPI Instituto Nacional de Propriedade Industrial. que asseguram busca rápida e acurada. Rizzo. será iniciado o Processo que poderá culminar com a obtenção da Carta-Patente. por suas instituições. coordenadora do Laboratório de Física Oftalmológica do campus de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo(USP). oferece acesso online a mais de 10 milhões de resumos de patentes de 40 países. para sanar eventuais ocorrências durante o trâmite para obtenção da Carta-Patente. marcas e softwares no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) O relatório técnico sobre o invento será protocolado no INPI.

afirma.5.38 E Rech. I. I. I. Assinale a natureza do pedido que está sendo depositado. está procurando garantir a propriedade intelectual de um método Multiplicação de plantas transgênicas em alta freqüência. Natureza.4.2. margens e tipos de letras. Instruções para o preenchimento do Formulário modelo 1. mantendo o padrão de duas folhas. Confira atentamente. secretário de Desenvolvimento Tecnológico do Ministério da Ciência e Tecnologia. veja instruções no Guia do Usuário. I. a patente está virando um objetivo importante nas universidades brasileiras. I. Desenhos (se houver) e Resumo devem ser entregues em 3 (três) vias. Forneça o nome completo do depositante assim como todos os demais dados solicitados. se destina a depósito de pedido de patente (invenção ou modelo de utilidade) ou de certificado de adição de invenção. afirma Galembeck. o importante é não apenas registrar produtos ou tecnologias. mas ir um passo além e procurar licenciá-los.3. Escreva a mesma também por extenso. sendo a outra devolvida ao depositante. Até pouco tempo desprezada pela comunidade acadêmica. tinta preta. desde que sejam mantidas todas as suas características. sem emendas ou rasuras. I. Este formulário. "Nós produzimos muito conhecimento novo. Pode ser impresso utilizando computador. e deveríamos ser capazes. Mas. coordenado geral e vice-reitor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). I. composto de 2 (duas) folhas. sendo facultada a apresentação de mais duas vias. de 05/03/97 e do Guia do Usuário. "Se quisermos fazer parte do primeiro time. ex.3. temos de ter algo a oferecer". p. com tinta preta e indelével.1. Os campos devem ser preenchidos da forma abaixo especificada:  Campo 1. de fazer o que os países ricos fazem: transformar conhecimentos adquiridos em inovação e em riqueza". que via a publicação. após protocolização. Para preenchimento da guia de recolhimento e pagamento da retribuição do depósito do pedido. lembra ele. coordenador de projeto da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia.  . assinale "continua em folha anexa" e forneça todos os dados para cada um dos demais em uma mesma folha suplementar.6.01 . no máximo. de artigos em revistas especializadas como o ápice do reconhecimento por seu trabalho. dos Atos Normativos 127 e 130. Todos os documentos apresentados devem estar de acordo com os mesmos. Atente para que o CEP fique indicado no endereço. Reivindicações. pois sua indicação incompleta ou incorreta poderá inviabilizar uma eventual comunicação do INPI com o depositante. "É preciso transformar a patente em um negócio". duas das quais serão retidas pelo INPI. O depositante deve ter conhecimento da Lei nº 9279/96 (LPI). Deve ser entregue à Recepção em 3 (três) vias. Deve ser preenchido à máquina ou em letra de fôrma legível.3. Campo 2. para uso do INPI.1. tais como papel tamanho A4 branco. por programa gráfico ou um processador de texto. Caso haja mais de um depositante. quando devidamente instruído o pedido. afirma Antônio Sérgio Pizarro Fragomeni. no Brasil de hoje.2. folha por folha. para restituição ao depositante após autenticação. "A obtenção de patentes está se tornando prioridade para nós".PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO E OUTRAS INSTRUÇÕES I.Depósito de Pedido de Patente ou de Certificado de Adição de Invenção. Depositante. I . O Relatório Descritivo.. diz Rech.

o número total de folhas apresentadas (somente uma das vias de cada documento ). É a tradução do termo resumo para língua inglesa que deve integrar dissertação ou tese com a finalidade de facilitar a divulgação do trabalho a nível internacional.2 do Ato Normativo nº 127/97. indique o acordo em folha anexa. Date e assine.9 "Outros". Declaração de Divulgação anterior. Inventor.1 a 11. o número e a data da prioridade. seja de um traço característico de sua pessoa ou vida. assinale o local apropriado e forneça todos os dados em envelope. que deverá ser igual ao do Relatório Descritivo. acervo . Indique o número de folhas de cada um dos documentos. informe o nome ou sigla do país ou organização.procedimento de cálculo em linguagem simbólica. também.palavras de língua inglesa que significam resumo. Forneça todos os dados relativos à divulgação ocorrida dentro do prazo de 12 (doze) meses anteriores à data de depósito do pedido. Caso o inventor tenha optado pela não divulgação de seu nome. abstract ou summary .nome acrescentado ao nome propriamente dito de uma pessoa. Campo 4. Os não residentes precisam constituir e manter um procurador residente no Brasil. Escreva aqui o título completo. para fornecer a base necessária ao desenvolvimento tecnológico brasileiro. No caso de estar sendo reivindicada prioridade de depósito estrangeiro anterior com base em outro acordo que não a Convenção da União de Paris.39     Campo 3. Gilberto de Andrade Martins ABNT .      Campo 12. Campo 10. Campo 7. Forneça o nome completo do inventor assim como todos os demais dados solicitados. Confira atentamente. O número de folhas deverá incluir somente o de uma das vias de cada documento. Campo 5. Documentos Anexados. assinale o item 11. . Campo 8. ao invés de apresentar a tradução simples prevista no § 2o do Artigo 16 da LPI. Quando se tratar de divisão de um pedido.conjunto de documentos de um arquivo. carimbando ou escrevendo seu nome. fornecidos no presente formulário.8. o depositante pode apresentar declaração de serem os dados. foi fundada em 1940. Caso apresente anexos ou outros documentos que não os especificados nos campos 11. forneça o número e a data de depósito do pedido original. Procurador. Pedido de Divisão. Quando tiver sido nomeado um procurador. Tendo sido reivindicada prioridade externa para o pedido. Vocábulos sobre métodos e técnicas de pesquisa Prof. Campo 11. Prioridade Interna. Assinale quais os documentos que estão sendo apresentados junto com este formulário. algoritmo . forneça aqui os seus dados. idênticos ao da certidão de depósito ou documento equivalente do pedido cuja prioridade está sendo reivindicada. Caso esteja sendo reivindicada prioridade de depósito estrangeiro anterior. que deverá ser entregue no ato do depósito. Título. Campo 9.Associação Brasileira de Normas Técnicas . ou usado para substituílo. assinale "continua em folha anexa" e forneça todos os dados para cada um dos demais em uma mesma folha suplementar. denotativo seja de particularidades referentes a seu ofício. Prioridade Externa. Declaração na forma do item 3. alcunha . Caso haja mais de um inventor.é o órgão responsável pela normatização técnica no país. Escreva o número e a data de depósito do pedido brasileiro anterior que serve de base à reivindicação da prioridade interna. Campo 6. indicando.

catálogos . seguidas de ponto quando minúsculas e sem ponto quando maiúsculas. e que. Alguns autores denominam tal lista por bibliografia consultada. dos minutos e segundos.capítulo. para esclarecimento do assunto em discussão ou para ilustrar ou sustentar o que se afirma.são trabalhos técnicos. de informação colhida de outra fonte. expressão ou iniciais. content list . .: 3ª feira. indicativa de propriedades literária ou direito autoral. copyright . .subdivisão de um parágrafo indicada por letra minúscula seguida de sinal de fechamento de parênteses. seguida. autor . pode-se usar também cap. Os meses podem ser abreviados por meio das três primeiras letras. conforme. de uso internacional. Os dias da semana podem ser abreviados: p. os meses e os dias são indicados por extenso ou em algarismos arábicos. . bookmark . quando o material se origina de outras fontes.nome. excetuando-se o mês de maio. que é escrito por extenso. acompanha o nome do beneficiário e o ano da primeira publicação para efeitos legais. listas e outros suportes. coleção . um link salvo para um endereço Web. p.palavra inglesa.programa usado para fazer a conexão com sites Web. onomástico ou geográfico. dom. Considera-se apêndice quando o material for elaborado pelo próprio autor do trabalho e anexo. no verso da folha de rosto de uma obra. sáb. cabeçalho . arranjadas por ordem alfabética.também chamado entrada de hotlist ou local favorito.instrumental de pesquisa elaborado segundo um critério temático. aleatoriamente acumulados. browser .o ano.é a menção no texto. segundo. escritos por um ou mais autores.: 13 h 23 . que seguem as normas editoriais do periódico a que se destinam. colocados no alto de um registro bibliográfico. quando necessário.citado por.sumário. cronológico. embora não constitua parte essencial da obra. ex.pessoa fundamentalmente responsável pela criação do conteúdo intelectual ou artístico de uma obra.matéria suplementar que se junta ao texto de uma publicação como esclarecimento ou documentação. para dar um ponto de acesso em catálogos..por volta de citação . bibliografia .lista bibliográfica com as referências bibliográficas de todas as obras utilizadas. c. apêndice . incluindo todos os documentos pertencentes a um ou mais fundos. As horas são indicadas de 0 h às 23 h. descritos de forma sumária ou pormenorizada. CAb – grafado em caixa alta e baixa. ex.40 alínea . apud . cf. citadas ou não no texto.conforme circa ou ca. sem relação orgânica. anexo. científicos ou culturais .conjunto de documentos. datas . frase. artigos de periódicos .

falsa folha de rosto. Figuras .por exemplo.documento que se propõe esclarecer assuntos.como figuras são considerados: desenhos. esquemas. os objetivos da obra e o modo de tratar o assunto. com as devidas correções e indicação das páginas e linhas em que aparecem. gráficos. mapas.rascunho. (a edição deve ser indicada em algarismos arábicos) editor . que informa nome. ou. É impressa geralmente em papel avulso ou encartado. na falta desta. no verso da folha de rosto. diretório. guia . periódica ou não.parte inicial do trabalho onde se expõe o argumento. um título em obras técnico-científicas. é a folha que precede a folha de rosto e contém o título da obra. com numeração seqüente. Atlas (e não Editora Atlas) editorial . preâmbulo. fórmulas. epígrafe . algarismos arábicos.2 s. Não se coloca ponto para se separar o algarismo da milhar quando se indica um ano: p.) . relativo à observação de uma realidade externa ao indivíduo. exempli gratia (e. olho .informações bibliográficas (catalogação na fonte) que deve aparecer na falsa folha de rosto.citação colocada no início de uma obra. ex. ante-rosto. termos obscuros ou duvidosos. tamanho das coleções. após a folha de rosto. fascículo . cada um dos números de uma publicação periódica que constitui volume bibliográfico. file .elemento levado em consideração para determinar a ordenação. abreviando-se os prenomes.: Kosmos (e não Kosmos Editora). ed.são termos ou frases que expressam os assunto do artigo e vêm obrigatoriamente depois do resumo. assuntos cobertos.41 min. elucidário . exórdio. falso frontispício. em geral escrito pelo redator-chefe e publicado com destaque. draft . desde que dispensáveis a sua identificação.nas referências bibliográficas. o nome do editor deve ser grafado como figura na publicação referenciada. proêmio. prólogo ou introdução . ficha catalográfica . um cabeçalho. entrada . que se anexa à obra depois de impressa.992. fotografias. . descritores (ou palavras-chave de artigos de periódicos) .lista de erros tipográficos ou de outra natureza. e suprimindo-se outros elementos que designam a natureza jurídica ou comercial deste. ed.obra de referência.desprovido de teoria. empírico .edição: Por exemplo: 6.arquivo.artigo de fundo que exprime a opinião do órgão. recursos humanos e outros dados relativos a biblioteca ou centros de informação e documentação. . tal como um nome.: 1992 e não 1. ex. modelos. errata . 30. As legendas devem ser inseridas abaixo de cada figura.caderno ou grupo de cadernos de uma obra que se publica à medida que vai sendo impressa.g.num livro. endereço. cadastro. e iniciadas pela palavra FIGURA. p.

também denominada notas tipográficas. (ibidem) .qualquer documento que pode fornecer informações autorizadas.abreviatura para indicação de ilustrações de qualquer natureza em referências bibliográficas. Pesquisa. partes de um documento na mesma ordem em que a matéria nele se sucede).) .e.na mesma obra. científica. In . título. ibid. índice . . nomes. revestida de capa de papel ou cartolina.documento que relata a evolução e os resultados de uma sindicância ou interrogatório. folha de rosto.relaciona em ordem alfabética. imprenta local. editor e ano de publicação. home page . diversos assuntos.vocabulário em que se explicam palavras obscuras ou referentes a determinada especialidade técnica.do mesmo autor. índice geral .isto é. ilustrações . fonte . sindicância. citação etc. Não deve ser confundido com sumário (enumeração das principais divisões: capítulos. nomes. edição.42 filiação científica .indicação da Instituição a que pertence(m) o(s) autor(es) de trabalhos científicos: Departamento – Instituto ou Faculdade – Universidade (sigla) – Cidade – Estado –País. seguida do respectivo número da página. espécies etc. lugares etc. no caso de livro). Dividem-se em três categorias: Tabelas.agrupa assuntos.agrupa assuntos. índice sistemático . em relação preparada de acordo com um sistema de classificação.abaixo. períodos ou épocas. etc. com um mínimo de 5 e um máximo de 48 páginas.documento principal em um site Web. assunto. índice onomástico . id. que localiza e remete o leitor para as informações contidas num texto.inserido. Quadros e Figuras. O índice deve ser impresso no final da publicação. contidos no relatório. nomes. página de rosto. índice cronológico .agrupa nomes e fatos importantes em relação cronológica de anos. Lista ou catálogos de nomes próprios.aparecem no trabalho par explicar ou complementar o texto. espécies etc. pessoa e entidade. .página que contém os elementos essenciais à identificação da obra (autor. imprenta .. geralmente apenso a um livro. inf. ou infra . id est (i. inquérito . portada . abreviatura. editora e data de publicação. Il.. é parte da referência bibliográfica composta dos seguintes elementos: local. em relação preparada de acordo com um sistema de classificação. glossário . (idem) .publicação não periódica. folheto . frontispício. Sua ordenação poderá ser alfabética ou sistemática por autor. contido em.trata-se de lista de entradas ordenadas segundo determinado critério.

Na folha de rosto a legenda deveria ser: R. número 53.Telebrás Brasília v.Numeração Internacional para Publicações Seriadas (International Standard Serial Numbering) – sigla adotada internacionalmente para indicar o número padronizado de uma publicação seriada (periódicos. obra de referência . . novembro de 1991. Brasília. jornais. partes etc. ilustrações. cit. Nas páginas do texto: Rev. tabelas. – enumeração de elementos de um texto técnico – científico em ordem alfabética.).Norma Brasileira Registrada emitida pela ABNT.empregam-se algarismos arábicos na identificação dos capítulos. livro . Deve figurar no rodapé da folha de rosto e em cada uma das páginas do texto.enumeração de elementos de apresentação de dados e informações (gráficos. abreviaturas. anexos etc. ex. NBR .observações ou adiantamentos de detalhes do texto de uma obra.1-92 Nov. léxico . referência um título. antes do sumário. ilustrações. tais como: dicionários. (p. notas . legenda bibliográfica . costuradas ou coladas em capa.53 p. siglas. arranjadas numericamente. próprias de determinado autor ou de uma época literária.número n/ref. NB . no canto superior direito da capa.Numeração Internacional para Livro (International Standard Book Numbering). abreviaturas. anuários. p. podem figurar seqüencialmente na mesma página. obedecendo a uma única seqüência.publicação não-periódica. de conteúdo científico. siglas etc.conjunto de informações essenciais destinados à identificação de um periódico e os artigos nele contidos. nov. . revistas técnicas etc. . em posição destacada.EX. loc. Telebrás.) utilizadas na obra. numeração de documento ./1991. notas e referências bibliográficas .nossa referência.dicionário de formas raras ou difíceis. formada por um conjunto de folhas impressas. colocado no rodapé e/ou no final do texto (final do capítulo. Revista Telebrás. salvo no caso de jornais que a colocam no cabeçalho da página.norma brasileira. (loco citado) . na ficha catalográfica e logo acima da legenda bibliográfica da folha de rosto. grampeadas. volume 15. Aparecem. ISSN .obra já citada anteriormente. listas de figuras. cit. As listas têm apresentação similar à do sumário. literário ou artístico. conforme ordem de ocorrência no texto. tabelas. P.) . em páginas próprias. quadros.1991.3). mapas.43 ISBN .página . n. emitida pela ABNT.no lugar citado.obra de uso auxiliar que permite obter informações sobre o assunto de interesse. enciclopédias. seção ou da própria obra). índices etc.1 1. símbolos.lista bibliográfica com as referências bibliográficas e demais notas. páginas 1 a 92. lista . Não devem ser feitas listas com número inferior a cinco itens. Brasília. O ISSN deve ser impresso em cada fascículo de uma publicação seriada.: 1 1.15 n.1. Quando pouco extensas. opus citatum (op. 15(53): 1-35.

cópia impressa do disquete. gráficos. prefácio . Possuem a mesma estrutura formal de um artigo. sob uma direção constituída. mantendo-se a idéia original. .é o conjunto de elementos que permite a identificação de documentos impressos ou registrados em qualquer suporte físico.avaliador de artigos submetidos a um periódico. cronológico. ex.é a publicação editada em fascículos ou partes. onomástico ou geográfico. referee .pequenos artigos científicos ou textos elaborados para comunicações em congressos. É geralmente acompanhado de documentos demonstrativos. pseudônimo . redigido após a elaboração do texto.é o desenvolvimento. printer . pode figurar como complemento. . redigidas pelo autor. na qual colaboram diversas pessoas. periódico .é desenvolver ou reduzir o texto de um documento.relação de até sete palavras representativas do tema tratado no trabalho. v. justificativa ou apresentação. repertório . congresso etc. separadas entre si por ponto e vírgula. porém. e encabeçados pelo título. tais como: livros.44 p. editor ou outra pessoa de reconhecida competência ou autoridade. É constituído de palavras de esclarecimento. utilizando-se. paráfrase .texto informativo ou explicativo que. documentos previamente selecionados.por exemplo palavras-chave/keywords . de termos pessoais. podendo ser elaborado segundo um critério temático.aqui e ali. Pode tratar de vários assuntos em uma ou mais áreas do conhecimento. pertencentes a uma ou mais fontes.é a exposição escrita na qual se descrevem fatos verificados mediante pesquisas ou se historia a execução de serviços ou de experiências. Lista bibliográfica de artigo periódico.instrumento de pesquisa no qual são descritos.queira ver Quadro . relatório .representação tipo tabular que não emprega dados estatísticos.parte opcional de livro.lista bibliográfica que inclui apenas referências das citações utilizadas no texto e não indicadas em nota de rodapé. referências bibliográficas . posfácio . periódicos e material audiovisual. passim . estatísticas e outros. com palavras próprias. Devem ser numerados consecutivamente. papers .nome adotado por uma pessoa como substitutivo da designação oficial. usado para identificá-la em certo ramo especial de suas atividades. q. . parafrasear . também chamado nome individual. por tempo indeterminado. a intervalos regulares ou não. prenome . tais como tabelas. referência bibliográfica . do texto de um livro ou de um documento conservando-se as idéias originais.elemento que vem em primeiro lugar na enunciação do nome completo de uma pessoa. em algarismos arábicos. pormenorizadamente.

ligado ao título/autor por linha pontilhada. programa de TV etc. s/com. Resumen em espanhol. Não deve ser confundido com índice. utilizado como chave secreta para identificação do usuário em transações em automação bancária e comercial. precede o texto quando na mesma língua.45 resumo (artigos de periódicos) . capítulos.tomo. (sequentia) .n. seq. é a relação dos capítulos e seções do trabalho.l.denominado Résumé em francês. sumário .sua referência. tomos “thesaurus” . destacando os aspectos de maior interesse e importância. . peça teatral. na mesma ordem em que se sucedem no texto.conjunto de caracteres numéricos ou pseudoalfabéticos. . antes das referências bibliográficas. é a apresentação concisa do texto. sinalética (lista bibliográfica) .é a relação dos artigos que constituem o fascículo de um periódico.acima. número da primeira página. na ordem em que aparecem.é a parte do periódico que apresenta material extraordinário. Não deve ser confundido com sumário. destacando os aspectos de maior interesse e importância. devendo conter até 300 palavras.) . deve-se observar o seguinte: não ultrapassar 250 palavras.denominado Contents em inglês. é transcrito ao final do artigo.indica-se quando da falta de impressor e editora na obra que se pretende referenciar. sumário (publicações periódicas) . . resumo (livros) . para cada artigo: título do artigo.uma localização na Internet. com seus sinônimos. antônimos e palavras relacionadas. s/ref. Contenido em espanhol. site .é a apresentação concisa do texto. partes. quando em outra língua.) . Abstract em inglês. supra . resumo ou lista. O sumário deve indicar. Table des Matières em francês. É recomendado apenas para obras técnicas e científicas e está localizado imediatamente antes do texto.seguinte ou que se segue. destacando os aspectos de maior interesse e importância. roteiro (script) . suplemento . . Inhalt em alemão. sine loco (s.repositório de palavras-chave. de complementação. senha (PIN: Personal Identification Number) .sua comunicação. resumo (dissertações e teses) .documento que descreve a seqüência dos acontecimentos que forma o enredo de um filme. Na elaboração do resumo. t. nome do autor.sistema de fichário que reúne as referências das obras consultadas e/ou citadas num trabalho. sine nomine (s. Não deve ser confundido com índice ou mesmo com resumo.é a apresentação concisa do texto. Zusammenfassung em alemão. seções. sumário (livros) .é a enumeração das principais divisões.indica-se quando da falta do local da publicação da obra que se pretende referenciar.

FREEMAN DYSON. NICOLAU COPÉRNICO COMMENTARIOULUS. título corrente . SERÁ QUE DEUS JOGA DADOS? IAN STEWART – JORGE ZAHAR EDITOR. Antropologia do ciberespaço. OS HERDEIROS DE DARWIN.é a ação de representar os sinais de um alfabeto por sinais de outro alfabeto. Fundamentos da origem da civilização brasileira. 11. laudas com 30 linhas de 70 toques e espaço 2. 2. Bibliografia. ALBERT EINSTEIN. 5. exceto a primeira. EDUSP. EDIÇÕES LOYOLA. que aparece ao alto de todas as páginas do artigo. . 14. A VIAGEM DE THEO. OS CADERNOS DA CULTURA. 10. EDIOURO. EDITORA NOVA FRONTEIRA. EINSTEN E OUTROS ENSAIOS. MARTIN CLARET. JOSÉ LUIZ GOLDFARB. O CÉREBRO HUMANO. É melhor traduzir por ver. MARTIM CLARET. integral ou abreviado. da obra ou capítulo colocado no alto de cada página. NÓS ESTAMOS SÓS. J. 16. Fragmentos da vida de Einstein. Análise da possibilidade de vida inteligente extraterrestre. Abordagem filosófica de Einstein. A INTELIGÊNCIA COLETIVA. . RODEN. A nova matemática do caos. NOVA STELLA. tomo . título corrente. 3. PAULO SILVEIRA. O PENSAMENTO DE MÁRIO SHENBERG. DARCY REIBEIRO. LEITE LOPES. MARTIN CLARET.46 tamanhos de artigos – geralmente. PIERRE LÉVY. Análise matemática de alguns números da natureza. Em geral. TESTEMUNHO. – EDITORA INTERCIÊNCIA. ALFREDO NUNES BANDEIRA JR.World Wide Web .divisão física de uma obra. 9. COMO VEJO O MUNDO ALBERT EINSTEIN. 15. transliteração . utilizando matemática elementar.a saber Web .ver a citação já referenciada. CATHERINE CLÉMENT – CIA DAS LETRAS – Romance das religiões. EINSTEIN POR ELE MESMO. videlicet (viz) . v.volume vide (vid. que pode coincidir ou não com o volume. 13. Comentários sociais. com o máximo de 15 páginas (algumas Revistas permitem até 30 páginas). Obra de Einstein. MARCEL BLANC – SCRITTA – Estudo de Marcel Blanc sobre o trabalho de Darwin. VOAR TAMBÉM É COM OS HOMENS. O PENSAMENTO VIVO DE DARWIN. ISAAC ASIMOV – HEMUS. 8.é a indicação do(s) autor(es) e do título breve do artigo. Romance de ficção científica. 7. Bibliografia complementar sugerida pelo professor (Fora da norma ABNT) 1. SICILIANO. cabeça ou cabeço . Uma humanidade solitária. EINSTEIN O ENIGMA DO UNIVERSO. ISAAC NEWTON. História de um dos dez maiores físicos da história e ainda brasileiro. Obra de Copérnico. 12. o título do livro vem na página par e o do capítulo na página ímpar. políticos e científicos feitos pelo próprio Einstein. MARTIM CLARET EDITORES. 4.www. Do Gene à conquista do universo. 6. INFINITO EM TODAS AS DIREÇÕES. EDITORA BEST SELLER. História de Darwin e o seu trabalho.título.) .

47
17. 18. 19. 20. 21. 22. 23. 24. 25. 26. 27. 28. 29. 30. 31. 32. 33. 34. 35. 36. 37. 38. 39. 40. 41. 42. 43. 44. 45. 46. 47. 48. 49. 50. INTRODUÇÃO À GEOFÍSICA ESPACIAL. VOLKER W. J. KIRCHHOFF. EDUSP. Geofísica elementar. MEMÓRIAS DAS TREVAS. JOÃO CARLOS TEIXEIRA GOMES. GERAÇÃO EDITORIAL. Uma devassa na vida de Antônio Carlos Magalhães. CRÔNICAS ITALIANAS. STENDHAL. EDUSP. Crônicas. TRINTA ANOS ESTA NOITE. PAULO FRANCIS. CIA DAS LETRAS. Relato sobre o golpe militar de 1964. DIARIO DE VIAGEM. ALBERT CAMUS. RECORD. Relato de viagens e encontros com personagens da história brasileira. O CAPITAL DE MARX E O CAPITALISMO DE HOJE. ANTONY CUTLER. ZAHAR EDITORES. 8 volumes sobre o projeto Marxista. DOSSIÊ BRASIL. GENETON MORAES NETO. OBJETIVA. A história por trás da história do país. TELECOSMO A ERA PÓS-COMPUTADOR. GEORGE GILDER. EDITORA CAMPUS. Projeção futurista. O RELOJOEIRO CEGO. A TEORIA DA EVOLUÇÃO CONTRA O DESÍGNIO DIVINO. CIA DAS LETRAS. Visão Darwinista. ASTROBIOLOGIA. FLAVIO PEREIRA. TRAÇO DITORA. Estudo sobre a possibilidade de vida fora da Terra. RETALHOS CÓSMICOS. MARCELO GLEISER. CIA DAS LETRAS. Crônicas sobre ciência publicadas no jornal Folha de São Paulo. MUNDOS IMAGINADOS. FREEMAN DYSON. CIA DAS LETRAS. Programação genética. NOTÍCIAS DO PLANALTO. MÁRIO SÉRGIO CONTI. CIA DAS LETRAS. A imprensa e Fernando Collor. EM BUSCA DE OUTROS MUNDOS. RONALDO ROGÉRIO DE FREITAS MOURÃO. FRANCISCO ALVES. Observações e estudos do maior astrônomo brasileiro. A MENSAGEM DAS ESTRELAS. GALILEU GALILEI. MUSEU DE ASTRONOMIA. Observações e estudos de Galileu. FILOSOFIA PARA PRINCIPIANTE. RICHARD OSBORNE. OBJETIVA. Pensamento dos principais filósofos. DISCURSO DO MÉTODO. RENÈ DESCARTES. EDITORA ÁTICA. Comentários sobre o trabalho de Descartes. DISCURSO SOBRE A ORIGEM E OS FUNDAMENTOS DA DESIGUALDADE ENTRE OS HOMENS. ROUSSEAU. EDITORA UNB. LEONARDO DA VINCI. EDIOURO. Bibliografia. O LIVRO DAS RELIGIÕES. VICTOR HELLERN. CIA DAS LETRAS. Complexo estudo sobre a origem das religiões. HOMENS DE CIÊNCIA. ALESSANDRO GRECO. CONRAD LIVROS. Entrevistas com os mais destacados cientistas da atualidade. ETERNIDADE INVENTADA. DAWSON IZOLA. Romance de ficção científica. HISTÓRIA DA MATEMÁTICA. RUBENS G. LINTZ. EDITORA DA FURB. Dois volumes. Matemática ao longo da nossa história sob o ponto de vista cultural. ATLAS CELESTE. RONALDO ROGÉRIO DE FREITAS MOURÃO. VOZES. Atlas. EXPLICANDO A ASTRONÁUTICA. RONALDO ROGÉRIO DE FREITAS MOURÃO. EDIOURO. O CÉU. RODOLPHO CANIATO. EDITORA ÁTICA. Abordagem física da astronomia. COSMONÁUTICA ENCICOLPÉDIA SOVIÉTICA. EDITORAL MIR. Programa espacial soviético. HISTÓRIA DOS FOGUETES NO BRASIL. DAWSON IZOLA. EDITORA ABAETÉ. História dos primeiros foguetes brasileiros. DE FOGUETEIRO E LOUCO TODO MUNDO TEM UM POUCO. DAWSON IZOLA. História do Grupo Lenda da Fatec-SP. SOMOS DIFERENTES. JAMES TREFIL. ROCCO. Estudo sobre a inteligência humana. UMA BREVE HISTÓRIA DO TEMPO. STEPHEN W. HAWKING. ROCCO. Do Big Bang aos buracos negros. A DANÇA DO UNIVERSO. MARCELO GLEISER. CIA DAS LETRAS. Dos mitos da criação ao Big Bang. METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO. ANTONIO JOAQUIM SEVERINO. CORTEZ. EVOLUÇÃO DA VIDA. PRISMA. Visão antiga (30 anos atrás) da evolução.

48
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA (comentada) Fora da norma da ABNT. 1O Universo numa Casca de Noz – Stephen Hawking Na lista dos mais vendidos, por várias semanas na categoria não-ficção. O autor é matemático, astrofísico e doutor em cosmologia pela Universidade de Cambridge. Considerado o mais brilhante físico desde Einstein. Neste livro explica os princípios que controlam o Universo. 2Filosofia para não-filósofos – Jacquard e Planes O autor é um cientista que consegue com clareza discutir temas relevantes. O livro é um abecedário com perguntas e respostas sobre temas como biologia, ética, genética, matemática e religião. 3Assim falou Einstein – Alice Calprice Esse livro é uma coletânia de mais de 550 citações do físico, organizadas de forma temática, feito pela editora encarregada dos Clleted papers os Albert Einstein na Universidade de Princeton. Além disso, têm o prefácio do físico Freeman Dayson. 4Os irmãos Karamazov – Dostoievski É um clássico da literatura universal. Na forma de romance o autor russo retrata diferentes formas de personalidade em cada um dos irmãos e nos personagens do livro e com isso, expõe preocupações sociais, religiosas e filosóficas, nos levando a compreender melhor o vasto painel de dramas universais. 5O Mundo de Sofia – Jostein Gaarder Quem somos? De onde viemos? Sofia começa a receber postais anônimos que tratam destas questões filosóficas e a partir daí o leitor é convidado a trilhar toda a história da filosofia ocidental de forma bastante compreensível. O autor, professor de filosofia, é especializado em literatura infanto-juvenil. 6Em que crêem os que não crêem? – Umberto Eco e Carlo Maria Martini Na forma de cartas, um dos maiores pensadores da atualidade e um cardeal da igreja católica debatem neste livro sobre a existência de Deus, os fundamentos da ética e o respeito ao outro, discutem o aborto, o papel das mulheres e muito mais. 7Coleção Folha Explica – Nietzche Um livrete com resumo da vida e obras de um dos pensadores mais provocativos da filosofia moderna. 8Coleção Folha explica – Macacos È uma viagem pelo universo dos grandes primatas, fundamental para entender melhor o comportamento humano. 9Descartes em 90 minutos – Paul Strathern Aristóteles em 90 minutos – Paul Strathern Esses livretes fazem parte de uma coleção que usa textos irreverentes e curiosos sobre os principais filósofos que empolgam o jovem leitor. 10Gênios Ingênuos – Aguinaldo Prandini Ricieri Neste livro o autor, professor do ITA, conta a trajetória da vida de Galois e Abel, dois jovens matemáticos que revolucionaram a história da matemática. 11O Livro de Ouro da Mitologia – Thomas Bulfinch Essa é uma coletânea de histórias de deuses e heróis gregos e romanos. Da mesma editora também é possível o Livro de Ouro da História do Brasil, do Universo e outros. 12Os cem melhores poemas brasileiros do século – Ítalo Mariconi (seleção) É uma coletânea dos principais poetas brasileiros. Também existe o livro dos cem melhores contos.

49
13Coiote – Roberto Freire Esse é um romance onde o autor descreve novas possibilidades de relações humanas. O jovem coiote põe em xeque convenções e acomodações. 14Estação Carandiru – Dráuzio Varella Ganhador do Prêmio jabuti em 1999. o brilhante médico retrata sua experiência de 10 anos de trabalho voluntário na maior casa penitenciária do país de uma forma apaixonante. 15Caçadas de Vida e de Morte – João Gilberto Rodrigues da Cunha Ganhador do Prêmio Jabuti de 2000. o autor,um médico mineiro, surpreende e empolga o leitor falando da colonização do triângulo Mineiro, desde o final do Império até os primeiros anos da consolidação da república. 16A casa das sete mulheres – Letícia Wierzchowski A autora retrata a vida das mulheres da família de Bento Gonçalves que ficam recolhidas numa estância durante a Revolução Farroupilha, a mais longa guerra civil no nosso país. 17Princesa – A história real da vida das mulheres árabes – Jean P. Sasson Esse livro é a denúncia de uma princesa saudita sobre a condição feminina no mundo árabe. 18Filha da Fortuna – Isabel Allende Esse e os demais livros da autora chilena são recheados de testemunhos históricos sobre a Revolução Chilena e as relações latino-americanas. 19As cinzas de Ângela – Frank McCourt Ganhador do prêmio Pulitzer 1996. São as memórias de uma infância irlandesa, católica e miserável. É um livro em que a memória é sinônimo de grande literatura. 20Baudolino – Umberto Eco O autor é uma referência no que diz respeito a conhecimento sobre a Idade Média. Esse é o seu quarto romance que se passa entre 1152 e 1204.

50
APÊNDICE A – Exemplos de artigos científicos

EQUIPO PARA EL ANÁLISIS DE LA OSCILACIÓN LATERAL DE AERONAVES IZOLA, Dawson Tadeu , CROCE, José A. Garcia
(1) (2)

y CATALANO, Fernando Martini

(3)

Universidad de São Paulo Sección de Ingeniería Mecánica – Universidade de São Paulo – Laboratorio de Aeronaves Av. Dr. Carlos Botelho, 1456, São Carlos – SP – Brasil Telf.:(+5516) 273-9333 Ext.3059 – Fax: (+5516) 274-9280 – e-mail: izoladaw@sc.usp.br (1) (2) (3) Maestro en Ing. Mecánica – USP – São Carlos (concediendo un doctorado del Laboratorio de Aronaves en al USP). Maestro en Ing. Mecánica – USP – São Carlos (concediendo un doctorado del Laboratorio de Aronaves en al USP). Ph.D. en Aerodinámica, Jefe del Laboratorio de Aeronaves de la Universidad de São Paulo, MRAeS, CEng.

RESUMEN El equipo consiste en un eje montado en un juego de rodamientos conjugados axial y radialmente. En la parte superior del eje se sujeta la aeronave que se va a ensayar en el túnel de viento y en la parte inferior, un grupo de poleas es responsable del movimiento de un potenciómetro. En la parte inferior del mismo eje, se sujeta un hasta en la que están un par de resortes helicoidales. Después de haber sufrido la perturbación, la aeronave oscila y este movimiento se identifica a través del potenciómetro que varía de 0 a 5 Voltios. La variación del voltaje es transmitida a través de un equipo electrónico y pasada a une computadore personal. Con los datos se construye un gráfico de ángulo de deslizamiento debido a la amortiguación. Con estos parámetros se determinan las condiciones de estabilidad lateral de la aeronave y la razón de declive de las oscilaciones. Palabras-claves: oscilación lateral, recopilación de datos, ensayo aerodinámico.

EQUIPMENT FOR ANALYSIS OF THE LATERAL OSCILLATION OF AIRCRAFT SUMMARY The equipment consists of an axis set up on a group of axial and radially conjugated bearings. The aircraft is fastened to be tested in the wind tunnel to the superior part of the axis and on the lower part a group of pulleys is responsible for the movement of a potentiometer. On the same axis, on the lower part, a stem is fastened to a pair of helical springs. On suffering a disturbance, the aircraft oscillates and this movement is identified through the potentiometer that varies from 0 to 5 Volts. The variation in the voltage is transmitted through electronic equipment and passed to a personal computer. A graph is plotted using the data with reference to the skidding angle due to the decay ratio. With these parameters the conditions of lateral stability of the aircraft are determined and the reason for the decline in the oscillations. Key words: lateral oscillation, acquisition of data, aerodynamic test. INTRODUCION Una aeronave en vuelo, cuando sufre algún tipo de perturbación lateral, se inclina con relación a su trayectoria inicial. Esta inclinación crea una sustentación en el estabilizador, que produce una fuerza contraria a su inclinación. El movimiento oscilatorio puede durar fracciones de segundos. Dicha oscilación puede causar un movimiento caótico que descontrola la aeronave, como lo demuestra Glauert y Cowley (1921). El ángulo de ataque vertical se mide entre la velocidad de la corriente de aire (con relación a un observador fijo en la aeronave) y la dirección del eje de la misma. Se observa que, con un ángulo de ataque vertical igual a cero, la sustentación en el estabilizador es nula, como puede observarse en la Figura 1.

51 Fig. Este método se llama de Método de Oscilación Libre (Free Oscillation Method). pueden hacerse simplificaciones. desarrollaron un método para el análisis de la estabilidad direccional en dirigibles. 2: Inclinación de la aeronave en vuelo. Por otro lado. Cuando una aeronave sufre una alteración lateral. se determinan las fuerzas resistivas del equipo. la estabilidad dinámica depende de la frecuencia de la oscilación. Durante la oscilación. Para el caso de que no haya viento. llegándose a las siguientes ecuaciones:  N r  2c  1  1   n1   ln  T  n    (4) (5) . La ecuación del sistema masa-resorte es dada por: (1) c d 2 d  N r  f   V .N v  k 0   0 2 dt dt (1) La solución para esta ecuación es del tipo: (2)    A cos t  B sen t e t (2) La ecuación (2) puede escribirse así: (3)    0 . Después de una perturbación inicial. Repitiendo el experimento con flujo y sin flujo de aire. El proceso consistía en suspender el modelo a ser estudiado en un conjunto de hilos dentro de un túnel de viento. Fig. 1: Vuelo con ángulo de ataque cero. se tiene una ecuación de la cual se extraen los puntos de desplazamiento máximo para cada ciclo. sumatoria de la amortiguación en la guinada y la fricción en la prueba rígida (o prueba estática). La estabilidad estática está relacionada con la posición relativa entre el CA y CG. sumatoria del momento aerodinámico y de la restricción del resorte. quedando hacer la curvas de declive de las oscilaciones. tres términos pueden contribuir con el momento de guinada:    momento de inercia. Para determinar la estabilidad estática. sent    (3) Sustituyendo los términos específicamente para el problema de oscilación estudiado.e t . el modelo oscila hasta que hay una amortiguación. se analiza la tendencia de la aeronave a volver a su posición original después de la perturbación. (V=velocidad del aire con relación al observador) Método de oscilación libre Simmons y Bateman (1920). comienza a volar en ángulo de ataque (figura 2) y puede oscilar alrededor de su posición inicial de equilibrio.

registra las oscilaciones. 3 .5 VSb 2 c V (6)  2 1  1 2 2 4  2  2    1  T  T1    Nv nv  0.Fijación del grupo. En la parte superior del eje se sujeta la aeronave y en la parte inferior. responsables por el movimento de un potenciómentro. Este programa es responsable por la recopilación de los datos enviados por el circuito eletrónico a través de una puerta de serie de una computadora personal (PC). un grupo de poleas. que varía de 0 a 5 Voltios. Leyenda de la figura 3 es: 1 . período wind on.Modelo a ser ensayado. la aeronave oscila y este movimento se identifica a través del potenciómetros. 6 .Potenciómetro. velocidad del flujo de aire. momento de inercia del área de las aletas. En el mismo eje.Abrazadera. DESCRIPCION DEL EQUIPO El equipo usado consiste de un eje montado sobre un grupo de rolamientos conjugados axial y radialmente. 5 . período wind off. 2 .52 nr  Nv  Nr 0. 4 . 3: Equipo de Oscilación.Montaje de rolamientos.Hasta para fijar el resorte. Este archivo .log. 9 .5 VSb 2 Donde: m= m1 = c= T= T1 = V= S= b= (7) (8) razón del declive wind-on. en la parte inferior. se fija un hasta en el que están un par de resortes. razón del declive wind-off. 7 . Fig.Resorte. envergadura del estabilizador.Pared del túnel de viento.Polea. área del estabilizador. 10 . Dicho programa recibe las señales enviadas a través del procesador PIC y graba los datos en 3 matrices en un archivo Data. 8 . 11 .Lámina de fijación. La variación en el voltaje es codificada a través de un equipo electrónico (PIC de estructura RISC con capacidad de 64Kbytes) y enviada para una computadora personal a través de un programa en Qbasic.Eje. Después de sufrir la perturbación.

se establece a través de la velocidade de recopilación del equipo.0012 4084 (9) El tiempo de recopilación de cada dato. se tiene:   ln 1 T 0 n  1 (4) Donde el declive es la amplitud del primer pico dividida por el pico siguiente. el primer dato tiene un tiempo de 0. A seguir se presenta un ejemplo . de 12 segundos en la condición wind-off. que es de 9600 BPS–bytes por segundo. Los a datos se montan en una estructura hexadecimal en dos columnas: la 1 es el valor más a significante y la 2 es el menos significante. La situación sin viento (wind-off) fue el que presenta período más grande. Cada valor se recupera a cada 0. substrayendo el declive wind-on del de wind-off. En la situación wind-off.0024s 9600 (10) Se tratan los datos recuperados a través de un PC en una planilla y se transforman de hexadecimal para decimal. salen del resultado. De esta forma.53 puede leerse en softwares como EXCEL o Wind-offCon los datos de la planilla se construye el Matlab. Hay una variación de 0 a 5 Voltios del potenciómetro dividido por 4084. Datos recuperados en el PIC El microcontrolador de estrutura RISC incorpora un conversor externo de 12 Bits con comunicación serial. gráfico de la oscilación y se calcula el declive (Figura 4). aplicando después el logaritmo neperiano del promedio y multiplicándose por el inverso del período promedio de las oscilaciones. aproximadamente. t 20  0. Para hacer la transformación. que es el paso (step). 4000 3000 2000 1000 0 0 2 4 6 Tempo (s) 8 10 12 Amplitude Figura 4 – Ejemplo de la oscilación (wind-off). hasta que hubo la amortiguación total y el final del ciclo de las oscilaciones. la amplitud de las oscilaciones. 1ª x256  2ª  Amplitude (11) El tiempo es el propio tiempo de recopilación de los datos. Este procedimiento se hace en las condiciones de winid-off y wind-on. Variándose el área del estabilizador. Los datos se tranfieren para la computadora a través de la puerta serial. se recuperaron.0048. El gráfico de las oscilaciones fue hecho con la tercera y cuarta columna. alrededor. En la tercera columna está el tiempo de cada dato y en la cuarta columna. El tiempo promedio de recopilación de datos fue. PROCEDIMIENTO EXPERIMENTAL Considerando la razón de declive. porque las restricciones mecánicas (resorte y fricción). ya que el modelo osciló con el túnel desconectado. hasta que el ciclo de oscilaciones se concluya.0024s y el segundo de 0. se multiplica la Primera columna por 256 y se suma con la Segunda. de una manera general .000 líneas. porque la amortiguación sólo se debió al efecto de los dos resortes. se modifican los valores del declive. y así sucesivamente. 5. Se tiene así: Total  on  off  (12) Con estos resultados se hace el gráfico relativo al declive de las oscilaciones. El resultado es la razón de amortiguación referida al estabilizador.0024s. Entonces: Re  5  0.

237 Wind-on 0.828 Datos experimentales del estabilizador 2: Masa de las aletas = 0.0353 kg 2 Área del Estabilizador S = 0. donde se probaron dos 2 2 estabilizadores diferentes: Estabilizador 1 .158 0.54 práctico en el que se utilizó un modelo de cohete para el ensayo.03567 Kg Área de las aletas S = 0.76 m Hg o Temperatura =20 C = 273 K Betz = 25. .2297 Wind-on 0.78 m/s Masa del Estabilizador = 0.293 Tabla 1A – Resultados del estabilizador 1 Nr nr Nv nv 2 2 kgm /s kgm /s Wind-off Wind-on -0.0078 m 2 Momento de Inercia c = 0. Nr nr Nv nv 2 2 kgm /s kgm /s Wind-off Wind-on -0.0001 -0. Condiciones del ensayo: Presión Atmosférica = 760 mm Hg = 0.000956 Kg/m Envergadura de la aleta b = 0.área = 0.15 -0.0001 -0.2888 Tabla 2A – Resultados del estabilizador 2.129 -0.05 -0.202052 Kg/cm Velocidad del Flujo V = 19.0023 3.6.067 m Tabla 1 – Resultados del estabilizador 1 Período (s) ln  Wind-off 0. Estabilizador 2 – área = 0.149 0.1 -0.5752 -0. Período (s) ln  Wind-off 0.067 m Tabla 2 – Resultados del estabilizador 2.123 -0.4826 -0.139 -0.001101 kg/m Envergadura del estabilizador b = 0.003 3.321 Con estos datos se construye el gráfico correspondiente al declive. 0 Decaimento das Oscilações Ln (Fi0/Fi (n-1) -0.0078 m .132 -0.439 -0.0067 m .=> 0.520 -0.2 0 2 4 6 Número de Ciclos Wind-off Estabilizador 1 Estabilizador 2 Figura 5 – Declive de las oscilaciones.0256 m H2O 3  = 1.03567 Kg 2 Momento de Inercia c = 0.

Sc. and A. The Efect of the Lag of the Downwash on the Longitudinal Stability of an Aeroplane on the Rotary Derivative Mq. Bateman. Por lo tanto.35 -0. – Note Relating to two Methods in use for Determining Rotary Derivatives of Models. El equipo de oscilación desarrollado para este trabajo. Sc. que mientras más grande el estabilizador. 1997. se debe combinar este experimento con otro. Bateman.15 -0. Dissertação de Mestrado. and A. también puede usarse para otras aeronaves. Sc. De esta forma. se pudo hacer un análisis preciso de los resultados. R. Cidade de Havana – Cuba. .R&M nº 711 – 1921. H and Cowley. Revista Militar de Ciência e Tecnologia. C. L. G. R. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1]GLAUERT.3 -0. Así se tiene una cantidad de datos en un intervalo de tiempo fijo. [2]IZOLA. III CIDIM – Congresso Iberoamericano de Engenharia Mecânica. como fue hecho en el experimento realizado por SIMMONS (1920). además de usarse para los cohetes. [4]MORAES. L. como lo demuestra IZOLA y CATALANO (1997). Se puede concluir. – A Method for Determining the Rotary Derivatives Mq and Nr of Models. el rastro (la marca) debido al ángulo de ataque vertical también es más grande. Sin embargo. [5]SIMMONS.25 -0.1 -0. EESC-USP. el estabilizador ideal debe ser aquel capaz de estabilizar lateralmente el modelo y que tenga la menor área posible. 1921. Uma Abordagem sobre Guiagem e Controle de Mísseis. Para un mejor resultado. [6]SIMMONS L. F.05 0 1 Estabilizador 2 Adimensional Wind-off Wind-on Figura 6 – Razón del declive. B. XIII – Nº 4 – 1996. porque el cono de las oscilaciones es convergente. los dos estabilizadores satisfacen la condición de estabilidad. Anais. más grande será la razón del declive. para la medida de rastro (huella o deslizamiento). vale la pena destacar que. En el ejemplo dado. Santos. no habiendo necesidad de establecer un promedio de los períodos. Ricardo Ferreira. 1997. para el análisis de la estabilidad lateral en dirigibles. R&M.55 Razão de Decaimento -0. puede escogerse el de área más pequeña. Vol. W. João Paulo Cursino. Con el uso de un controlador de PIC. . C. CONCLUSIONES El Método de Oscilación libre. se mostró eficaz para el estudio con cohetes. F. FERNANDO MARTINI.4 -0. R&M nº 665 – 1920. Siendo estos datos recuperados automáticamente a través de un software de recopilación de datos. DAWSON TADEU and CATALANO. Sc. E H. ya que la capacidad del equipo es de 4084 puntos por segundo. como aviones y dirigibles. siendo más grande el área del estabilizador.2 -0. como lo demuestra IZOLA (1997). [3]IZOLA. E H.: Método de oscilação livre para análise da perturbação lateral de um foguete em vôo balístico. DAWSON TADEU – Análise da Oscilação Lateral de Foguetes Balísticos através do Método de Oscilação Livre. B. G. desarrollado originalmente por SIMMONS (1920). fue posible establecer el período exacto de las oscilaciones.

fazendo com que seja possível a montagem de mosaicos com a seqüência de 4 fotos. Croce Fernando Martini Catalano Universidade de São Paulo Luiz H. interage um giroscópio com sistema de controle que funciona como aumento de estabilidade longitudinal. Com um sensor de pressão estabelece-se o cálculo de altitude.SP . .EESC-USP – Laboratório de Aeronaves Avenida Dr. fazendo com que aconteça o amortecimento das oscilações de período curto. estabelece-se a resposta do profundor capaz de garantir a altitude desejada e a estabilidade longitudinal do avião. principalmente relativo à estabilidade longitudinal de período curto. no instante em que a aeronave estiver voando em ângulo de ataque para atingir a altitude fixada. residentes no computador de bordo.usp.CEP 13560-250 São Carlos . INTRODUÇÃO Para alterar a altitude de vôo em uma aeronave. Corrêa Bernardes NOXXON Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica . Ensaios em túnel de vento demonstraram a eficiência do sistema. O objetivo deste experimento foi para analisar a estabilidade longitudinal da aeronave com a ação do profundor e estabelecer o ângulo do profundor em que independente da velocidade aconteça uma razão de subida da aeronave sem comprometimento da estabilidade longitudinal.br RESUMO Aeronaves destinadas a obtenção de fotografias aéreas devem realizar o vôo paralelo ao solo com variação de altitude inferior a 5 metros. Mudando a altitude de vôo a aeronave pode também alterar o equilíbrio lateral e longitudinal. Utilizando as equações dinâmicas responsáveis pelo equilíbrio da aeronave. com este dado. realizou-se uma análise sobre a tendência da aeronave em retornar à sua posição original após a perturbação. interagindo com os observadores. para que não haja comprometimento da escala das fotos. 10. um software residente no computador de bordo o o movimenta o profundor em ângulos de +5 . Utilizando dois sensores para coleta de dados da aeronave. Com um computador de bordo fixa-se a altitude de vôo desejada ainda no solo. descrito por SIMONNS (1920). e pode oscilar em torno de sua posição inicial de equilíbrio.56 Paper Number CONTROLADOR DE ALTITUDE PARA AERONAVES RADIOCONTROLADAS Dawson Tadeu Izola José Antônio G. Paralelo ao fixador de altitude. 20. faz-se o controle de altitude. o computador de bordo. Por intermédio de um Pitot estabelece-se a velocidade do avião. + 55 16 274-3444 . -10 e -20 graus. altera-se o ângulo do profundor. Com o valor da pressão atmosférica . -5 e zero graus de acordo com o equilíbrio longitudinal até que a altitude fixada seja alcançada. analisou-se o modelo com o profundor com ângulo 0. controla o intervalo entre uma foto e a seguinte. este movimento modifica o ângulo de ataque da aeronave fazendo com que aconteça a mudança na altitude. Uma aeronave ao sofrer uma perturbação longitudinal passa a voar em ângulo de ataque. 1456 . A estabilidade estática está relacionada com a posição relativa entre o CA e CG.Ramal 3059 FAX: +55 16 274-9280 E-mail: izoladaw@sc. após a decolagem da aeronave o sistema é acionado fazendo com que o avião atinja a altitude desejada. e um acelerômetro é o sensor de posição responsável pela estabilidade longitudinal da aeronave. Quando a aeronave atingir a altitude fixada. O sistema fixador de altitude desenvolvido consiste em um sensor de pressão que estabelece uma relação entre a pressão atmosférica e a altitude. Carlos Botelho. Para se determinar a estabilidade estática.Brasil TEL. A ação do profundor é responsável pelo movimento de subida e descida da aeronave. Para o desenvolvimento do sistema de controle de altitude. o computador de bordo inicia o processo para realizar as fotos aéreas. por outro lado a estabilidade dinâmica depende da freqüência de oscilação. Com objetivo de identificar o período e a razão de decaimento das oscilações realizou-se um experimento utilizando o Método de Oscilação Livre.

O eixo do rolamento é unido a um potenciômetro que transmite a oscilação de forma análoga a um sistema codificador A/D (analógico digital). O par de molas é responsável pelo incremento das oscilações como descreveu SIMONNS (1920). O modelo é fixado por intermédio de um rolamento. Na parte inferior do modelo é fixado uma par de molas fixadas na haste principal por uma haste transversal. a aeronave oscila e este movimento é identificado através do potenciômetro que varia de 0 a 5 Volts. Figura 4 Equipamento de Oscilação Figura 5 Detalhe da montagem com molas A variação na voltagem é codificada através de um equipamento eletrônico (PIC de estrutura RISC) e passada para um computador pessoal através de um programa em Qbasic. .57 DESCRIÇÃO DO EQUIPAMENTO O equipamento utilizado para análise da estabilidade longitudinal consiste em uma haste principal onde é fixado o modelo a ser ensaiado. Figura 3 Detalhe do mancal Depois de sofrer a perturbação. O sinal é codificado para digital e gravado em uma planilha através de um computador pessoal.

Comandos: Leme e profundor. Este programa.06m. foi construído o modelo da aeronave com as mesmas características do aeromodelo responsável pelo sistema de fotos aéreas. Características do Aeromodelo para foto aérea: Envergadura: 1.log. Corda: 0. Comando: profundor. Com os dados da planilha plotase o gráfico da oscilação e calcula-se o decaimento (figura 6). Motor. Massa: 1. . Wind-off 4000 3000 2000 1000 0 0 2 4 6 Tempo (s) 8 10 12 Amplitude Figura 6 Exemplo de oscilação (wind-off) Wind-on 3000 2000 1000 0 0 2 4 Tempo (s) 6 8 Amplitude Figura 7 Exemplo de oscilação (wind-on) A situação sem vento (wind-off) é a que apresenta período maior.58 O programa em Qbasic é responsável pela aquisição de dados enviados pelo circuito eletrônico através da porta serial de um computador pessoal.6 kg. pois o amortecimento é somente devido ao efeito das duas molas. este arquivo pode ser lido em softwares como o Excel ou Matlab. 0.2 kg. Hélice: 11 pol.008 m. Asa: Polidiedral. Asa: Polidiedral. As oscilações são simuladas em um equipamento que permite ao modelo oscilar preso ao CG. O modelo é analisado nas condições com vento e sem vento (wind-on e wind-off). O modelo foi construído em madeira balsa e entelado com plástico monokote. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Utilizando o Método de Oscilação Livre descrito por SIMMONS(1920).35 HP. Massa: 0.25 m.8m. e grava os dados em 3 matrizes em um arquivo Data. Corda: 0. Características do modelo para ensaio aerodinâmico: Envergadura: 0. O modelo está em escala 1:30. recebe sinais enviados através do controlador PIC.

077 kg Envergadura = 0.10746 Período off = 0.526 m e comprimento de 1. tipo N..131136 Valor de Nv wind-on Nv = 0.000134 kgm /s Valor de nr wind-on nr = 0. Utilizou-se o túnel de vento LAE-1.59 Através da comparação dos resultados (wind-off e wind-on) se estabelece as forças resistivas do equipamento e o decaimento das oscilações. durante os ensaios preferiu-se não ultrapassar a velocidade de 15 m/s. pelo fato da fase mais crítica das oscilações acontecerem quando o avião voa em baixas velocidades.001503 m.2558 s 2 Área do estabilizador: 0.0103 mH2O o Temperatura = 25 C 2 Pressão = 0. Análise dos valores de Nv e Nr do modelo foram realizados utilizando as equações do Método de Oscilação Livre descrito por SIMMONS(1920).001267 kgm /s 2 2 .L.119 m Resultados: Momento de inércia c = 0.166332 kg/m Velocidade do fluxo V = 12. fechada.kg 3 Densidade do ar () = 1.09519 Período on = 0.715343 m/s Decaimento wind-off  = -0.63 m.2578 s Ln on = -0. considerou-se a área e a massa do estabilizador. 2 com área de seção transversal de 0.P. descreveu no experimento de oscilação livre que realizou utilizando dirigíveis. Determina-se os valores das derivadas nv e nr para serem analisados os momento de arfagem devido ao deslizamento Nv e o momento de arfagem devido a relação de Nr do modelo. O objetivo do experimento é estabelecer as derivadas de amortecimento longitudinal do modelo. com câmara de ensaio hexagonal.004879 m condições do ensaio: Betz = 0. Pode atingir velocidades de até 60 m/s mas. dados: Ln off = -0. como SIMMONS(1920). do Laboratório de Aeronaves da USP.75 Nm Massa estabilizador = 0.416835 Decaimento wind-on  = -0. Para cálculo do momento de inércia. Figura 8 Túnel LAE1 Este túnel é de circuito aberto.372127 Valor de Nr wind-on Nr = 0.

1311 -0.7660 -0.1836 Ln -0.1535 -0.0.3721 -0.0543 nv 1.2004 .60 Valor de nv wind-on nv = 1.3848 38.2578 0.0. O modelo foi construído com o profundor capaz de se movimentar em ângulos entre 30 graus positivos e 30 graus negativos. Figura 10 Profundor em ângulo RESUMO DOS RESULTADOS Tabela 1 Resultados Período (s) Wind off Wind on Wind on o (10 ) Wind o on (20 ) Wind on o (-10 ) Wind on o (-20 ) 0.2558 0. repetiu-se o experimento de oscilação com o profundor em 10 e 20 graus positivos e 10 e 20 graus negativos.1074 -0.7817 0.0463 2.6269 . Figura 9 Atuador eletromecânico Para analisar a resposta do modelo com a ação do profundor.0010 -0.236154 O movimento do profundor é feito por intermédio de um atuador eletromecânico fabricado pela FUTABA.4168 -0. Utilizando um radiotransmissor movimentou-se o profundor para a coleta de dados na oscilação.2453 -0.3900 0.0012 0.3209 0.0001 -0.0009 0.2103 0.4812 Nr 2 kgm /s 0.00001 -0.0515 -0.0410 -0.1930 -0.0001 nr 0.0029 0.1474 Nv 2 kgm /s 0.0951 .7311 0.0883  -0.8683 0.1411 -0.2361 41.0382 31.

5 2 2. tanto o sensor de pressão quanto o Betz são solicitados com a mesma pressão.1 -0. Assim. A Figura 12 apresenta a descrição do experimento. Figura 12 Esquema geral do Experimento Conforme pode ser visto na Figura 12. formando assim um linha de pressão fechada. . 3031 Leitura do sensor (mV) y = 0. chega-se a uma relação entre a pressão em milímetros de coluna de água e a leitura correspondente no sensor de pressão. quando é variada a posição do êmbolo da seringa. 20 Prof. Com este procedimento é possível a calibração do sensor a partir da leitura obtida no Betz.5 3030 3029 3028 3027 3026 3025 3024 10304 10305 10306 10307 10308 10309 Pressão Atmosférica (mmH2O) Figura 13 Relação entre pressão e a leitura do sensor Com a relação gerada pela reta ajustada aos pontos lidos. tipo MPX 5100. 10 Prof.20 Figura 11 Razão de decaimento com profundor em ângulo CALIBRAÇÃO DO SENSOR DE PRESSÃO O sensor de pressão utilizado para a tomada do dado de altitude do modelo é um sensor de pressão da Motorola.61 Razão de decaimento com profundor em ângulo Ln (Fi0/Fin) 0 -0. Para a calibração deste sensor. montou-se um experimento que relacionou o dado de saída do sensor com o valor correspondente em um micromanômetro do tipo de Betz.5 4 Número de ciclos (n) Prof.6462x . com a intenção de relacionar o valor de sua saída com a altitude. Isto .5 3 3. o sensor de pressão está ligado ao micromanômetro de Betz e à seringa. -10 Prof.3 0 0.5 1 1.2 -0.3632.

fazendo a correlação com os dados disponíveis sobre a relação da pressão atmosférica com altitude e usando a equação gerada pela reta ajustada no gráfico para calcular a leitura correspondente a cada pressão atmosférica adotada.4 3000 2500 2000 1500 1000 500 0 0 1000 2000 Altitude (metros) 3000 4000 Figura 14 Relação entre altitude e a leitura do sensor Assim a equação da reta ajustada aos pontos da Figura 14 é a relação da altitude com a leitura medida no sensor de altitude. Esta configuração foi de tal forma ajustada para que o sensor medisse diretamente a pressão dinâmica do escoamento. CALIBRAÇÃO DO PITOT Para a calibração do Pitot relacionou-se a pressão lida no Betz com o valor gerado pelo sensor. As Figuras a seguir mostram os equipamentos construídos.62 consiste no primeiro passo para a determinação da relação geral da leitura do sensor com a altitude correspondente.6661x + 2991. Desta forma. pode-se relacionar todas as variáveis. Para determinar esta relação necessita-se primeiro de uma relação que gere correspondência entre a pressão atmosférica e a altitude. dentro da troposfera a altitude está linearmente relacionada com a pressão atmosférica local. O Pitot construído foi ligado às entradas do sensor. Como é de conhecimento geral. estabelecendo assim a equação da velocidade. 3500 Leitura Sensor (mV) y = -0. Figura 15 Tubo de Pitot Figura 16 Montagem do tubo de Pitot .

obtém-se diretamente a velocidade como função da leitura do sensor. a variação de velocidades do túnel era lida em pressão dinâmica em um micromanômetro de Betz. . ainda faz parte do projeto o uso de um giroscópio com sistema de controle. Como este sistema fixador de altitude não controla a estabilidade longitudinal da aeronave. O sistema consiste em um seguidor de um sinal de altitude desejada colocado como uma das entradas. Os dois sinais são comparados e a diferença entre eles é enviada para o computador de bordo da aeronave que enviará um sinal para o sistema que gera movimento no profundor.3 20 15 10 5 0 396 397 398 399 400 401 402 403 Pd Sensor Figura 18 Relação entre pressão a dinâmica e o sensor A Figura 18 mostra o gráfico gerado pelos dados coletados. Enquanto o computador de bordo não parar de acusar diferença entre as duas entradas o sinal para o profundor não é desativado. 30 25 Pd Betz y = -3. Foi ajustado um reta aos dados gerados e desta forma tem-se a relação algébrica entre a leitura do sensor e a pressão dinâmica.0138x + 1217. Como dado de comparação. SISTEMA DE CONTROLE Como elemento de controle dinâmico da aeronave usou-se um simples sistema de malha aberta para controlar a altitude. A seguir é mostrado os dados obtidos. que interage em paralelo com o fixador de altitude. Ainda tem-se outra entrada que consiste no sinal da leitura do sensor de altitude. Estas relações serão programadas no computador de bordo da aeronave para uso do sistema de fotos aéreas. A seguir é apresentado o diagrama de blocos do sistema de controle.63 Figura 17 Tubo de Pitot no túnel O procedimento experimental adotado consistiu em se variar a velocidade do túnel de vento LAE-2 e fazer a leitura no sensor via aquisição de dados no computador. Fazendo ainda uso da equação de velocidade e pressão dinâmica.

A velocidade da aeronave foi fixada em 10m/s e o ângulo do profundor em 5 graus positivos ou 5 graus negativos. Figura 20 Equipamentos utilizados no controle Com a análise experimental da aeronave com o profundor variando de (-20 a + 20) graus. Nesta fase do experimento a altitude desejada foi fixada em 300 metros.64 Figura 19 Diagrama de blocos do sistema de controle O sinal de referência na entrada do sistema é um valor de altitude desejado que é gravado no programa de controle. o que torna possível o controle da estabilidade da aeronave mesmo quando em processo de subida ou descida para atingir a altitude controlada. Com o valor da velocidade estabelece-se o intervalo entre as fotos.. Ao atingir a altitude de 300 metros o computador de bordo posiciona o profundor com zero grau e faz a leitura da velocidade por intermédio do Pitot. O dado que é enviado ao computador de bordo sobre a velocidade é usado para o controle da formação do mosaico de fotos que a aeronave tem como objetivo. Pode-se ver pela Figura 19 que o giroscópio está colocado em paralelo com a entrada do servo. estabeleceu-se as condições de amortecimento. . Com estes dados realiza-se uma seqüência de 4 fotos. Com estes dados a aeronave atinge a altitude fixada em 300 metros.

4 Para 300 metros tem-se: y = 2791. v Assim: 2 Pd  (3) v 2y 1. este controle possibilita a montagem de mosaicos com a seqüência de fotos.293 (3) O programa de controle estabelece uma relação entre a velocidade da aeronave e o tempo entre uma foto e outra.3 Onde: y = Pressão dinâmica no Betz (Pd) x = valor da leitura no sensor (2) Utilizando  = 1.4 Onde: y = Leitura do sensor x = Altitude em metros Assim: Para 0 metros tem-se: y = 2991. .293 (atmosfera padrão). estabelece-se a velocidade.0138x  1217.65 LÓGICA DO CONTROLE Utilizando a equação gerada por intermédio da relação entre a altitude e o sensor de pressão tem-se: y  0.570 Relação entre altitude zero e 300 metros: y = 199.6661x  2991.830 (1) A diferença entre a leitura do sensor com altitude de zero metros e o valor com altitude de 300 metros é a variação na leitura do sensor independente da altitude de referência em que se realizará o vôo. Com a equação gerada por intermédio da relação do sensor com a velocidade tem-se: y  3.

66 Figura 21 Fluxograma do programa de controle O computador de bordo utilizado é o Basic Stamp. Figura 22 Exemplo de fotos aéreas . O computador de bordo faz também a leitura de luminosidade por intermédio de um sensor na própria câmara fotográfica. Além do fixador de altitude o computador de bordo controla a operação da câmara fotográfica. evitando assim conflito de informações. O comando da aeronave via rádio é incrementado de forma que sempre que o operador assumir o comando. controlando assim a velocidade do obturador em função da luz natural. com capacidade de 64 Kbytes. estabelecendo o intervalo ótimo entre uma foto e outra. No final da seqüência de 40 fotos o computador de bordo desliga o fixador de altitude e rebobina o filme. o fixador de altitude seja desligado.

até que se atinja a altitude fixada de 300 metros. Construção e calibração de um Túnel Aerodinâmico de circuito aberto Tipo N. Sc. A LA Même Librairie . BATEMAN. L.SP. The Hilbert Transform and Applications to Correlation Measurements. Neste trabalho desconsiderou-se a velocidade do avião para composição do sistema de controle. 1994. Sc.: “Mécanique Expérimentale des Fluides”. J. Jan – Preliminary Calculation of Aerodynamic Thrust and Power Characteristics – University of Kansas – Lawrence. 1965. G.P. AIAA.II – São José dos Campos .R&M nº 711 .: “Lançamento de Micro-sonda com Câmara Fotográfica para Análise de Solos”. Anais . GLAUERT. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BENDAT. COOK. HEBBAR. June 28. 1985. H and Cowley. The Problem of Scale in Comunity resource Mangement. observou-se nos ensaios que as oscilações de período longo não foram amortecidas a contento. Brüel & Kjaer. R&M. L. SIGHARD. K. São Paulo. LUIZ HENRIQUE BERNARDES. W. n. -20. EESC-USP.SP. B. COWLEY and H. BATEMAN. Hight-Angle-of-Atack Wind-Tunnel Investigation of a Multimission Vehicle. F.S). Para trabalhos futuros. 0. D. L. neste ensaio identificou-se a ineficiência do sistema para amortecer as oscilações de período longo. 10 e 20 graus de ângulo no profundor. SIMMONS L. mantendo assim uma inclinação ótima independendo da velocidade da aeronave. Great Britain. Sc. (1994). Pratical use of the Hilbert Transform. 1988. Paris-França. J. London: 4. In: Brazilian Symposium on Aerospace Technology. E. – Ministry of Aviation ARC Current CP 523.R&M nº 718 – 1921 . GLAUERT – The Effect of the Lag of the Downwash on the Longitudinal Stability of an Aeroplane and on the Rotary Derivative Mq. M. C. INPE 1994. (1992). ROSKAM. – Projeto. que não necessitem de alta definição nas imagens. IZOLA .L de Secção Transversal Hexagonal.67 CONCLUSÕES Os ensaios de estabilidade longitudinal demonstraram que a aeronave é estável longitudinalmente. visto que o computador de bordo utilizado não tem espaço na memória para trabalhar com mais esta variável. FOX..Dynamic Drag”. and A. G.M. R. HOERNER. Vol. Application Note. 16. E H. apresentando oscilações convergentes. Note Relating to two Methods in use for Determining Rotary Derivatives of Models.1921. In: Environmental o Managment. 1960. Sc. and A. FATEC. The Efect of the Lag of the Downwash on the Longitudinal Stability of an Aeroplane on the Rotary Derivative Mq. Foto Aérea com Foguetes de Pequeno Porte. o ideal é que o giroscópio faça parte do sistema de controle interagindo com o fixador de altitude. A aeronave destinada à obtenção de fotos aéreas de pequeno formato pode servir de alternativa de baixo custo para usuários. T. at al. Para continuidade deste trabalho é importante aumentar a capacidade do computador de bordo para que a resposta do profundor seja em função da velocidade. Observou-se a resposta da aeronave. IZOLA.: “Fluid . General Soft. 1984. J. 1995.R&M nº 665 – 1920. W. Brüel & Kjaer. Dissertação de Mestrado. F. Como foi utilizado um giroscópio com sistema de controle pronto. A Method for Determining the Rotary Derivatives Mq and Nr of Models.1921 THRANE. CATALANO. com variação do profundor de –10. N at al. Kansas. S. . Dawson Tadeu. Núcleo Discente de Tecnologia. 1987. . SIMMONS. F. . C. E H.: "Basic Stamp Manual do Usuário". F. B. G. R.1964. com profundor em ângulo de 5 graus. n 3. fazendo com que a aeronave oscilasse até que fosse atingida a altitude fixada. S. CORRÊA. BONNIN. São Paulo .

68 APENDICE B – Exemplo de Projeto de Pesquisa (Comentado) PROPOSTA DE PROJETO Exemplo de proposta de projeto.DATA DE APROVAÇÃO PELO CONSELHO 08 – PARECER Parecer do Conselho Diretor. Plásticos.EQUIPE ENVOLVIDA Professores e alunos. 06. Ciência pura. patente.PRODUTO FINAL (DETALHAMENTO) Produto. 13 .RECURSOS MATERIAIS (LABORATÓRIOS E EQUIPAMENTOS) Máquinas e equipamentos necessários ao projeto. Projeto tecnológico Projeto de pesquisa 04. experimentação. 09 . 01.AUTOR(S) Conforme a proposta de regimento 07. livro. artigo. 10. 14.JUSTIFICATIVA Aplicação da pesquisa ou projeto proposto.ORIENTADOR RESPONSÁVEL Prof. estatística.UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS Benefícios – beneficiados 17.HORÁRIOS DISPONÍVEIS PARA TRABALHO Mínimo de 10 horas semanais. 12.PARCERIAS COM EMPRESAS OU INSTITUIÇÕES Empresa ou Instituição em parceria para desenvolvimento do projeto. Ciência aplicada. etc.ÁREA DE ATUAÇÃO Informática. 02. etc.OBJETIVOS Qual o principal objetivo a ser alcançado 11 . 03. Orientador do projeto. 16.METODOLOGIA Estudo teórico.CRONOGRAMA ANUAL Detalhado com metas a cada 4 meses. 05. manual. 15 . monografia. .DATA DA SOLICITAÇÃO 07.TÍTULO DO PROJETO Pequeno resumo da proposta de projeto.FINALIDADE . Logística.CLASSIFICAÇÃO Iniciação Científica.

19 – Referências Bibliográficas Trabalhos acadêmicos utilizados no objeto de estudo segundo normas da ABNT.69 18 . .RECURSOS FINANCEIROS Valor estimado do projeto com detalhamento dos gastos.

controle de empuxo. (2) corresponde à carga útil da aeronave. No desenho que forma este relatório a Figura 1 constitui o sistema de retransmissão de dados com a aeronave geoestacionada realizando a ponte (C) entre os pontos (A) e (B). O equipamento consiste em uma aeronave mais leve que o ar atmosférico que consegue a sustentação por intermédio de hidrogênio conseguido com a quebra das moléculas de lítio líquido levado à bordo e que consiste no combustível da aeronave. a energia utilizada para a quebra das moléculas é conseguida por intermédio de células solares dispostas ao longo do envelope.70 APENDICE C – Exemplo de Patente “DIRIGÍVEL GEOESTACIONÁRIO” Refere-se a presente invenção a uma aeronave geoestacionária com missão de base fixa para retransmissão e coleta de dados atmosféricos por intermédio de uma antena e sensores coletores. sistema de aquisição de dados. Pela numeração. . compreendendo: sistemas de navegação. que poderão ser utilizados também como comburente e oxidantes para funcionamento dos motores a reação de posicionamento. sistema de retransmissão de dados. obtendo assim oxigênio e hidrogênio. (1) corresponde ao envelope do dirigível semi-rígido. sistemas de controle da aeronave. (3) corresponde à antena de comunicação com bases em terra.

2) “DIRIGÍVEL GEOESTACIONÁRIO”.71 REIVINDICAÇÕES 1) “DIRIGÍVEL GEOESTACIONÁRIO”. de acordo com as reivindicações 1 e 2 . utilizando hidrogênio conseguido por intermédio da quebra das moléculas de lítio líquido. de acordo com a reivindicação 1. pois pode prover o gás necessário à sustentação. caracterizado por um sistema que permite à aeronave realizar missões de longa duração. caracterizado por um dirigível geoestacionário com missão de retransmissão de dados e sensoriamento remoto. 3 ) “DIRIGÍVEL GEOESTACIONÁRIO”. caracterizado por uma aeronave mais leve que o ar. o .

capaz de realizar missões de longa duração com vôo na alta atmosfera e com missão de retransmissão de dados e sensoriamento remoto. .72 RESUMO DA INVENÇÃO “DIRIGÍVEL GEOESTACIONÁRIO” A presente invenção refere-se a um dirigível geoestacionário.

73 Figura 1 .

Para Piaget o comportamento é construído numa interação entre o meio e o indivíduo. de suas variações. Ele considerou que se estudasse cuidadosa e profundamente a maneira pela qual as crianças constroem as noções fundamentais de conhecimento lógico. implica a construção contínua de novas estruturas. é acomodação a medida em que a estrutura se modifica em função do meio. os indivíduos se desenvolvem intelectualmente a partir de exercícios e estímulos oferecidos pelo meio que os cercam. e logia = estudo) é caracterizada como interacionista. que é entendida como o estudo dos mecanismos do aumento dos conhecimentos. o nascimento) e a evolução do conhecimento humano. É assimilação a medida em que incorpora a seus quadros todo o dado da experiência. A isto Piaget chamou de "construtivismo seqüencial".74 Apêndice D – Textos JEAN PIAGET Jean Piaget é o mais conhecido dos teóricos que defendem a visão interacionista do desenvolvimento. Convém esclarecer que as teorias de Piaget têm comprovação em bases científicas. tais como: tempo. . IDÉIAS CENTRAIS DE SUA TEORIA 1 .A inteligência para Piaget é o mecanismo de adaptação do organismo a uma situação nova e. O que implica os dois pólos da atividade inteligente: assimilação e acomodação.O desenvolvimento do indivíduo inicia-se no período intra-uterino e vai até aos 15 ou 16 anos. Desta forma. como toda adaptação biológica. 2 . 3 . com complexidades crescentes. comprovou suas teses. Não existe um novo conhecimento sem que o organismo tenha já um conhecimento anterior para poder assimilá-lo e transformá-lo. A construção da inteligência dá-se portanto em etapas sucessivas. Esta teoria epistemológica (epistemo = conhecimento. encadeadas umas às outras.causalidade e outros poderia compreender a gênese (ou seja.Sua teoria nos mostra que o indivíduo só recebe um determinado conhecimento se estiver preparado para recebê-lo. experimentalmente. 4 .espaço. ele não somente descreveu o processo de desenvolvimento da inteligência mas. Ou seja. Esta adaptação refere-se ao mundo exterior. como tal. Daí o nome dado a sua ciência de Epistemologia Genética.objeto.

naturalmente fariam guerras entre si. escreve uma série de obras em que recorre às canções e aos cartazes explicativos: Ascensão e Queda da Cidade de Mahagonny. com todo tipo de alimento. haveria grandes festas aquáticas de vez em quando. perguntou ao senhor K. Em Vida de Galileu. Eles seriam informados de que nada existe de mais belo e mais sublime do que um peixinho que se sacrifica contente. um peixinho ferisse a barbatana. se um deles mostrasse tais tendências. Na intenção de actualizar o teatro épico. e que todos deveriam crer nos tubarões. naturalmente haveria também arte entre eles. representando os dentes dos tubarões em cores soberbas. e a música seria tão bela. a fim de que o ponto de vista crítico do autor desperte no espectador uma tomada de consciência. perseguido pelo seu comunismo militante. materialista. Naturalmente haveria também escolas nas gaiolas. Adere desde muito cedo ao expressionismo e vê-se obrigado a fugir da Alemanha em 1933. a formação moral dos peixinhos. por exemplo. que silenciam em outra língua. e lhes ensinariam que há uma enorme diferença entre eles e os peixinhos dos outros tubarões. tanto animal quanto vegetal. Acima de tudo. inimigos. Nos seus Estudos sobre Teatro expõe a sua concepção cénica. Brecht centra-se no papel e na responsabilidade do intelectual. mas silenciam em linguas diferentes. após escrever a Lenda do Soldado Morto. O mais importante seria.75 Bertold Brecht Escritor e dramaturgo alemão. para conquistar gaiolas e peixinhos estrangeiros. e por isso não podem se entender. Os teatros do fundo do mar mostrariam valorosos peixinhos nadando com entusiasmo para as gargantas dos tubarões. construiriam no mar grandes gaiolas para os peixes pequenos. além de dramaturgo. Haveria belos quadros. Nessas escolas os peixinhos aprenderiam como nadar para a goela dos tubarões. naturalmente. Cuidariam para que as gaiolas tivessem sempre água fresca e tomariam toda espécie de medidas sanitárias. Santa Joana dos Matadores. Os peixinhos. são notoriamente mudos. para localizar os grandes tubarões que vagueiam descansadamente pelo mar. seria condecorado com uma pequena medalha de argaço e receberia um título de herói. e até à sua morte. Se os tubarões fossem homens. Se os tubarões fossem homens “ Se os tubarões fossem homens. um importante teórico teatral. os peixinhos deveriam voltar toda inclinação baixa. obra pacifista que provoca a sua perseguição pelos nazis. A partir de 1949. Nessas guerras eles fariam lutar os seus peixinhos. Na Ópera de Três Vinténs dirige o seu olhar crítico para a organização social. Bertolt Brecht é. vai para os Estados Unidos. e avisar imediatamente os tubarões. Cada peixinho que na guerra matasse alguns outros. Precisariam saber geografia. sobretudo quando dissessem que cuidam de sua felicidade futura. baseada na necessidade de estabelecer uma distância entre o espectador e os personagens. Ao iniciar-se a Segunda Guerra Mundial começa uma longa peregrinação por diversos países. Em O Senhor Puntila e o Seu Criado Matti e em A Boa Alma de Sé-Chuão recorre às parábolas do teatro oriental. de forte conteúdo social. . Para que os peixinhos não ficassem melancólicos. pois os peixinhos alegres tem melhor sabor do que os tristes. a filha de sua senhoria. obra que não deixa de aperfeiçoar desde a sua primeira redacção. Se os tubarões fossem homens. iriam proclamar. dirige na Alemanha Oriental uma companhia teatral chamada do Berliner Ensemble. A produção teatral de Brecht é abundante. egoísta e marxista. para que não morresse antes do tempo. Se os tubarões fossem homens. e suas goelas como jardim que se brinca deliciosamente. Se. que seus acordes todos os peixinhos. disse ele. eles seriam mais amáveis com os peixinhos? Certamente. O Terror e a Miséria no Terceiro Reich. Os peixinhos saberiam que este futuro só estaria assegurado se estudassem docilmente. No conjunto das suas obras tenta lançar um olhar lúcido sobre o mundo moderno. Der Aufhaltsame Aufstieg des Arturo Ui. Em 1947. lhe fariam imediatamente um curativo. Destaca-se também na poesia. por exemplo.

cuidariam da ordem entre os peixinhos. se os tubarões fossem homens. tornando-se professores.” BRECHT. p. Keuner. Bertold. bocados maiores para comer. construtores de gaiolas. Histórias do Sr. se os tubarões fossem homens. oficiais. 1982. Brasiliense. Isso seria agradável para os tubarões. Também não faltaria uma religião.76 como orquestra na frente. sonhando. Em suma. Além disso se os tubarões fossem homens também acabaria a idéia de que os peixinhos são iguais entre si. nos pensamentos mais doces. . São Paulo. haveria uma civilização no mar. Ela ensinaria que a verdadeira vida dos peixinhos começa apenas na barriga dos tubarões. Alguns deles se tornariam funcionários e seriam colocados acima dos outros. pois eles teriam com maior freqüência. Aqueles ligeiramente maiores poderiam inclusive comer os maiores. 54-6. embalados. se precipitariam nas gargantas dos tubarões. etc. E os peixinhos maiores detentores de cargos.

inclusive. será esse Português Vulgar que vingará plenamente um dia. O "Não. Diante de uma notícia irritante qualquer um "puta-que-o-pariu!" dito assim te coloca outra vez em seu eixo. para outras atividades de maior interesse em sua vida. sílaba por sílaba. falados assim. Desabotoa a camisa e saia à rua. seu jeito. eu gosto de cerveja pra caralho. mas apenas sua maior aproximação com a gente simples das ruas e dos escritórios. "chepone". Pronto. expressando a mais absoluta negação. está o famoso "Nem fodendo!". entende? No gênero do "Pra caralho". que hoje é totalmente impossível imaginar que possamos viver sem ele em nosso cotidiano profissional.77 PALAVRÃO . NEM FODENDO!”. cabeça erguida. filho querido”. Qual expressão traduz melhor a idéia de muita quantidade do que "Pra caralho?” "Pra caralho" tende ao infinito. É como se estivéssemos fazendo a tardia e justa denúncia pública de um canalha. Aquele filho pentelho de 17 anos te atormenta pedindo o carro pra ir surfar no litoral? Não perca tempo nem paciência. com a consciência tranqüila. o "prepone" . O "Nem fodendo" é irretorquível. "Pra caralho". Você conhece definição mais exata. Solte logo um definitivo "Marquinhos. Como o Latim Vulgar. Por sua vez. mas. absolutamente não!" substituem. mais recentemente. que uma vez proferida insere seu autor em todo um providencial contexto interior de alerta e autodefesa. É o povo fazendo sua língua. vento batendo na face. E seria tremendamente injusto não registrar aqui a expressão de maior poder de definição do Português Vulgar: "Fodeu!". sua autoestima. São dessa mesma gênese os clássicos "aspone".UMA TERAPIA (POR MILLÔR FERNANDES) Os palavrões não nasceram por acaso.. Há outros palavrões igualmente clássicos. como vocês podem ver. “repone" e. o "porra nenhuma!" atendeu tão plenamente as situações onde nosso ego exigia não só a definição de uma negação. sua índole. um delicioso sorriso de vitória e renovado amor-íntimo nos lábios. Como comentar a bravata daquele chefe idiota senão com um "é PhD porra nenhuma!". ou seu correlato "Puta-que-o-pariu!". nos provê sensações de incrível bem estar interior. Seus neurônios têm o devido tempo e clima para se reorganizar e sacar a atitude que lhe permitirá dar um merecido troco ou o safar de maiores dores de cabeça. ou "ele redigiu aquele relatório sozinho porra nenhuma!". é quase uma expressão matemática. Te libera. e liquida o assunto. por exemplo.presidente de porra nenhuma. A ViaLáctea tem estrelas pra caralho. E sua derivação mais avassaladora ainda: "Fodeu de vez!". O impertinente se manca na hora e vai pro Shopping se encontrar com a turma numa boa e você fecha os olhos e volta a curtir o CD do Lupicínio”. E o que dizer de nosso famoso "vai tomar no cu!"? E sua maravilhosa e reforçadora derivação "vai tomar no olho do seu cu!".olhar firme. passado o limite do suportável. Você já imaginou o bem que alguém faz a si próprio e aos seus quando. o universo é antigo pra caralho. São recursos extremamente válidos e criativos para prover nosso vocabulário de expressões que traduzem com a maior fidelidade nossos mais fortes e genuínos sentimentos. Sem que isso signifique a "vulgarização" do idioma.. O "porra nenhuma". se dirige ao canalha de seu interlocutor e solta: "Chega! Vai tomar no olho do seu cu!". suas emoções. pungente e arrasadora para uma situação que atingiu o grau máximo imaginável de ameaçadora complicação? Expressão. o Sol é quente pra caralho. seus sentimentos. Pense na sonoridade de um "Puta-que-pariu!". . presta atenção. você retomou as rédeas de sua vida. cadenciadamente. não e não!" e tampouco o nada eficaz e já sem nenhuma credibilidade "Não. no caso. mas também o justo escárnio contra descarados blefes.

. sem documentos do carro e sem carteira de habilitação e ouve uma sirene de polícia atrás de você mandando você parar: O que você fala? "Fodeu de vez!".78 Algo assim como quando você está dirigindo bêbado. O direito ao "foda-se!" deveria estar assegurado na Constituição Federal. Me liberta. Sem contar que o nível de stress de uma pessoa é inversamente proporcional à quantidade de "foda-se!" que ela fala. “Vai querer decidir essa merda sozinho(a) mesmo? Então foda-se!". Existe algo mais libertário do que o conceito do "foda-se!"? O "foda-se!" aumenta minha auto-estima. Liberdade. me torna uma pessoa melhor. Igualdade. “Não quer sair comigo? Então foda-se!". Fraternidade e Foda-se. Reorganiza as coisas.

(1999). T. 1998. Study groups and project groups as an intrument in the teaching of research and udergraduate students. Universidade de São Paulo. p. Anais.. Revista Internacional CIT. (1998) Fotos aéreas de múltiplas escalas em único eixo. Medida de coeficiente de arrasto de foguetes balísticos com balança aerodinâmica. Dissertação (Mestrado) – Escola de Engenharia de São Carlos.1 p. Águas de Lindóia. D. Águas de Lindóia. (1998). H. Análise da oscilação lateral de foguetes balísticos através do método de oscilação livre. IZOLA. 119-246. In: CONGRESSO CHILENO DE INGENIERÍA MECÁNICA. Abstracts. Tese (Doutorado)/ no prelo/ TRABALHOS PUBLICADOS EM REVISTA INTERNACIONAL IZOLA. EVENTUS. .T. INPE-CRI. Escola de Engenharia de São Carlos – EESC-USP. P. Investigação de desempenho em aeróstatos de alta performance com propulsão de cauda. Ocillation analysis of ballistics rockets by using free ocillation. Anais. 2001. Concepción. Abstracts. suplement 63. F. 985-989. 20.T.T. IZOLA. (2001). ACTAS. (1999). Edmonton. Águas de Lindóia.T. F. IZOLA. In: CONGRESSO E EXPOSIÇÕES INTERNACIONAIS DE TECNOLOGIA DA MOBILIDADE SAE BRASIL... TAVARES. M. Equipamento para Analise da oscilação lateral de aeronaves. M. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA MECANICA. (1998). G. M. T. N. v. M. . CATALANO.50. W.. T.73. Journal of Rheumatology. 1999. D. v. Abstracts. Universid de Concepción. D. 1998. F. CONGRESSOS INTERNACIONAIS IZOLA. maio-ago. São Paulo. J. CATALANO. D. 1998. n2. SAE International. Infomación Tecnológica: Equipo para el análisis de la oscilación lateral de aeronaves. A. 1039-1043. Fotografias aéreas de baixo custo como instrumento necessário ao ensino e a pesquisa.1 p. D.. Universid de Concepción. J. CATALANO. L. Anais. Alberta. D. In: CONGRESS OF THE INTERNATIONAL LEAGUE OF ASSOCIATIONS FOR RHEUMATOLOGY. 185p.. CROCE. In: JORNADA DE EDUCAÇÃO EM SENSORIAMENTO REMOTO NO AMBITO DO MERCOSUL. T. PICCOLO. A. CATALANO. Águas de Lindóia.. In: CONGRESSO CHILENO DE INGENIERÍA MECÁNICA.15. IZOLA. F. D. Edmonton. 1999.. M.v. T. CROCE. D. v. p. São Carlos. IZOLA.. . M. Canada. F. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA MECANICA. p. 1999. São Paulo.109-112. v. P.28. D.. D. Balneário Camburiú.. CATALANO.33. D. (1999). PICOLLO. (1998). ACTAS. 01.1. M. M. (2003)..15. P 982918 . v. (1998). IZOLA. CATALANO.v. Automação e Instrumentação: Aerofotografias de baixo custo como instrumento de monitoramento ambiental. F. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. Balneário Camburiú.. F. (1997). CHAHADE. Concepción.. La Serena – Chile. T. CATALANO. Canada. compared with other conventional methods. . 8. Anais. 8.. . 7.2. IZOLA. T.79 PRODUÇÃO ACADÊMICA DO PROFESSOR (Área de atuação e orientação de trabalhos acadêmicos) TESES E DISSERTAÇÕES IZOLA. Sound measurement for the qualification and quantification of crepitus in knee osteorthritis (oa). IZOLA.1. v.. CATALANO. EVENTUS. Alberta. p. R.. F.1 p.

F. (2002).96.1 p.. (Comunicações). Anais.. v. GONSALVES. M. 181-183. IZOLA. São Paulo. S. (1999). Caderno de Resumos. Anais. PEREZ. 1999. C.BSAT. FIGUEIREDO. F. GREGUI.. CIDIM.1 p. RODRIGUES. In: : SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TECNOLOGIA AEROESPACIAL . 1. D. Método de oscilação livre para análise de perturbação lateral de um foguete em vôo balístico. 1.. 3. CATALANO. D. São Jose dos Campos. v.. D. In: SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA. Levantamento aérofotogramétrico com foguete monoestágio e monopropelente de combustível sólido. Anais. 2002. EPECE. 1994. 1999. 3. 1999. U. v. M. Lançamento de micro-sonda com câmera fotográfica para análise do solo. Medidor de empuxo para motor foguete de combustível sólido utilizando célula de carga e sistema de aquisição de dados.96-97.80 IZOLA. T. J.C. CIDIM. Porto Alegre. LIMA... R. A. 1999.. 1. MONTEFUSCO.. (1999). M. (1999). Cuba. 51. D. CROCE.. Cuba.. D. F.1 p. São Paulo.. IZOLA. R. T. D. EPECE.. BOSSO. In: CONGRESSO IBEROAMERICANO DE INGENIERÍA MECÁNICA.. In: CONGRESSO IBEROAMERICANO DE INGENIERÍA MECÁNICA. L.. São Paulo..... São Paulo. T. UNICSUL. 2. N. Resumo dos Trabalhos. Biometria aplicada ao controle de acesso física. BERNARDES. BUENO. M. D. 51.1 p. In: ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA – ENIC 99.. OIKAWA.1 p. Projeto e construção de um medidor de empuxo para motor foguete utilizando o método da extensometria (strain gage) .v.17. S.73. IZOLA. v. T. La Habana. D. FATEC-SP. D.. (1999). T. R. IZOLA. FATEC-SP... LEMES.v. Desenvolvimento de uma rampa de lançamento posicionadora para foguetes balísticos em função da direção e velocidade do vento. Anais.. Anais. 3. T. Facultad de Ingeniería Mecánica Instituto Superior Politécnico José Antonio Echeverría. Facultad de Ingeniería Mecánica Instituto Superior Politécnico José Antonio Echeverría. IZOLA. (1997). S. v. In: REUNIÃO ANUAL SBPC PUCRC.. IZOLA. LIMA. São Paulo...1 p. D. R. CATALANO. CATALANO. Porto Alegre. In: REUNIÃO ANUAL SBPC PUCRC. In: CONGRESSO IBEROAMERICANO DE INGENIERÍA MECÁNICA. (2002).71. Universidade Cruzeira do Sul. Porto Alegre. (1997). (1999). 1999. UNICSUL. São Jose dos Campos. Caderno de Resumos. Caderno de Resumos. G. P. 1998. UNICSUL. T.. IZOLA. S... H.v.R. Anais. FIGUEIREDO. ITA. 2002. T. La Habana. BERTELLI. IZOLA. Porto Alegre.. T. BUENO. T. M. BUSCARIOLO. V.. D. COMIN. C. S. Cuba. São Paulo. F.. PREVIS. F. (Comunicações). S.. 3. v. La Habana. RODRIGUES. 4. FATEC-SP. 3.. C.16. P. 4. SANDRONI.. F... São Paulo. SANTOS.98. F. 1997. Anais. D. 1 p. CIDIM.. D. A.R. SANTOS. Universidade Cruzeira do Sul. Facultad de Ingeniería Mecánica Instituto Superior Politécnico José Antonio Echeverría. 1997. J. P. . M.. MARIA. FATEC-SP. R.. RODRIGUES. Universidade Cruzeira do Sul. T. T. D. Determinação da margem estatística de foguetes balísticos através da comparação entre CG e CA. (1997)..1 p. In: ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA – ENIC 99. J. P. R. v. LEME. (1994). R. F. M. A. 3. IZOLA. Sistema de recuperação de água utilizada em lava rápidos. J. v. Desenvolvimento de uma rampa de lançamento posicionadora para foguetes balísticos em função da direção e velocidade do vento. CONGRESSOS NACIONAIS IZOLA. In: ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA – ENIC 99. Monitoramento de veículos automotores pôr intermédio de sistema de aquisição de dados.

IZOLA. (1998). BERTELLI. T. G. v..99. 6. BRAZ. TAMMARO EDITORIAL LTDA. 6. T. S. 1997. G. TAMMARO EDITORIAL LTDA. T.2 p. Ensaio de empuxo e contra-rotativo de um motor ducted fan para aeronave de decolagem vertical. (1997). São Carlos. ..ENGENHARIAS E EXATAS. Experimentos de visualização aerodinâmica com ogivas de foguetes utilizando túnel de fumaça. D. RAW. São Paulo.. S.274 . TAMMARO EDITORIAL LTDA.. D.. R. (1997). (1998). 1999. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO . Cadernos de Resumos. Cadernos de Resumos. 1998. E. 1998.. NETO. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO .. BUENO. HOUSSAMI.509. C.. 5... M. (1998). C. Universidade de São Paulo. v.ENGENHARIAS E EXATAS.1 p.v. 6.2 p. DIAS. M. 1997. GREQUI. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO . BUENO. C. A. IZOLA.. Cadernos de Resumos. Universidade de São Paulo. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO . Universidade de São Paulo. SANTOS. 6.F. caso tipo arkas. IZOLA. SITTON. SANTOS.ENGENHARIAS E EXATAS. 5. D. Universidade de São Paulo.275 . Universidade Cruzeira do Sul.387. RAYMUNDO. MACCARI. O. IZOLA. São Carlos. A. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO . (1999). v. PEREIRA. São Paulo. N. M.. J.v. E.. 1998. A. S. D. GONÇALVES.. Universidade de São Paulo. C.. A. IZOLA. T. 3. IZOLA. FIGUEIREDO. J. A.. SILVA. U.. FERREIRA.387.ENGENHARIAS E EXATAS. TAMMARO EDITORIAL LTDA. In: ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA – ENIC 99. Universidade de São Paulo. GOGONI. F. D. T. Caderno de Resumos... R... S. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO . São Carlos. GOLIN.ENGENHARIAS E EXATAS. T. Experimento de visualização com fumaça em uma aleta de foguete do tipo delta. (1998) Estudo da velocidade de ejeção e pressão de combustão de um motor foguete monopropelente utilizando medidor de empuxo.v.. 1998... S. Universidade de São Paulo. C.. Universidade de São Paulo.ENGENHARIAS E EXATAS. BUENO. 5. IBRAPHEL GRAFICA E EDITORA. 2 p. Sistema para recuperação de Óleo queimado .2 p. D. D. IBRAPHEL GRAFICA E EDITORA. R.274 . D. SOUZA. Sistema para recuperação de água utilizada em lava-rápidos. Cadernos de Resumos.. TAMMARO EDITORIAL LTDA. UNICSUL. D.81 IZOLA. DIAS. D. empuxo e velocidade de ejeção do combustível sólido..ENGENHARIAS E EXATAS. IZOLA. GOGONI. R. M..388. GONSALVES... G. D. v.. A.. (1997). 6. Cadernos de Resumos.. Determinação teórica do alcance do foguete X40... P.M. F. A. Cadernos de Resumos. LEME. São Paulo. A. (1998). 1997. São Paulo.ENGENHARIAS E EXATAS. P. IBRAPHEL GRAFICA E EDITORA. C. 2 p. T. T. v. 1998. Cadernos de Resumos.388. M. IZOLA. O. São Carlos. Determinação teórica da pressão de combustão.2 p. TAMMARO EDITORIAL LTDA. MENDES. D. . 2 p. T.2 p. Universidade de São Paulo. (1998). Ensaio hidrodinâmico de ogivas para foguetes balísticos. v. 1998.v. T. 6. São Carlos. M. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO . ANDRADE.ENGENHARIAS E EXATAS. GONÇALVES. Cadernos de Resumos. São Carlos. FIGUEIREDO. Cadernos de Resumos. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO . F... S. Desenvolvimento de um equipamento para reutilização de óleo lubrificante. P.2 p. M. RODRIGUES..... IZOLA. J. A. R.509.. F. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO . D.

UNESP.. Cadernos de Resumos. BERTELLI.. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO . BUENO. São Paulo. T. Anais (Comunicações).297. In: REUNIÃO ANUAL SBPC UNIVERSIDADE FEDERALL DO ESPIRITO SANTO. P. Projeto. S.66. Vitória.108. M. 5. T. São Paulo. IZOLA. 2 p. IZOLA. T. Pulso-Jato Projeto e Construção. IZOLA. In: REUNIÃO ANUAL SBPC UNIVERSIDADE FEDERALL DO ESPIRITO SANTO. 46. Vitória. M. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO . construção e cálculo da combustão do pulso jato. D. São Paulo. D. MENDES. Bauru. (1997). Universidade de São Paulo. D. BERTELLI.v. S. 1997. T. Projeto e construção do equipamento medidor pôr pêndulo para determinação de empuxo de motores foguetes. IBRAPHEL GRAFICA E EDITORA. D. 5. IZOLA. Para quem vive com a cabeça no mundo da lua. FATEC-SP . A.1 p.. D.São Paulo. (1994). M. FATEC-SP. Vitória. São Paulo. J. Abaeté IZOLA. Teste de tração para determinação da pressão limite do tubo do motor foguete. T. D. v. IZOLA. Anais (Comunicações). Universidade de São Paulo. PASSARINI. T.ENGENHARIAS E EXATAS.. Abaeté. T. SPIGE. História dos Foguetes no Brasil – Instituto Militar de Engenharia . D.. ROGÉRIO. T.v. BULBA. D. T.. 1994... I.. S. v. Lançamento de micro-sonda com câmera fotográfica para análise do solo.. 2 p. (1996).296. São Paulo. 5.1 p. BUENO. 1997. Universidade de São Paulo. 4.v...109. (1993). (1997). VOEROES. Ninho das Águias – Academia da Força Aérea.ENGENHARIAS E EXATAS. Universidade de São Paulo. 2 p. 5. PASSARINI. R. SILVA. Cadernos de Resumos. IBRAPHEL GRAFICA E EDITORA. 5. Cadernos de Resumos. Lançamento de micro-sonda com câmera fotográfica para análise do solo. IZOLA. (1997). 2 p. Cadernos de Resumos. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIAS E EXATAS. IBRAPHEL GRAFICA E EDITORA. Cadernos de Resumos. In: V CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA . R. 1997. T. IZOLA. Projeto e construção de um túnel para ensaios com fluídos. São Paulo. Determinação da pressão limite de tubo para motor foguete através de teste hidrostático... (1997). 1997.. (1997). (1997).v.. MANUAIS IZOLA.82 IZOLA. Vitória. 2 p. S. IZOLA. D. (1994). (1997). São Paulo. 46. Combate às chuvas de granizo com foguetes anti-granizante.. São Paulo.295. D. P. E.. Caderno de Resumos. (1994). T. Foguete para 2000 metros. 1994. Universidade de São Paulo. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO . v. P. E. T. São Paulo..295 .. PUBLICAÇÕES (Livros e Manuais) LIVROS IZOLA. D. 1993. (1994). IBRAPHEL GRAFICA E EDITORA. D.1 p.v.296. T. 1997. FATEC-SP / FAT. Bauru. SPIGE. F. F. IZOLA. In: SICUSP – SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ENGENHARIAS E EXATAS. UNESP. IBRAPHEL GRAFICA E EDITORA. G. G.ENGENHARIAS E EXATAS. D. R.

Medidor de Empuxo para foguetes de combustível sólido – FATEC-SP – 1997. São Paulo. T. D. (1993). D. Motor Ducted Fan – FATEC-SP – 1998. Estato-Jato Projeto e Construção. (1995). FATEC-SP. São Paulo. FATEC-SP. Sistema para reutilização de óleo queimado – FATEC-SP – 1998. T. T. Belo Horizonte. Desenvolvimento de uma Aeronave VTOL – FATEC-SP –1998. Sistema para recuperação de água – FATEC-SP – 1998. (1989). D. . Software para Previsão do Tempo. (1994). Biometria aplicada ao controle de acesso físico – FATEC-ZL – 2002. São Paulo. Micro Sonda para Baixa Atmosfera. Foto Aérea com Foguetes de Pequeno Porte. (1986). FATEC-SP. ITO-SP. T. INETEC-MG.83 IZOLA. Teste Hidrostático para determinação da pressão limite em tubos FATEC-SP – 1996. D. Projeto e Construção de um túnel de fumaça – FATEC-SP – 1997. Projeto e Construção de um túnel de água . IZOLA. T. Técnicas de Construção de Mini-Foguetes. Determinação de Velocidade de Ejeção de um Combustível Sólido através de calculo Estequiométrico – FATEC-SP – 1997. ORIENTAÇÃO DE TRABALHOS Monitoramento de veículos automotores pôr intermédio de sistema de aquisição de dados – FATEC-ZL – 2002. Pulso-Jato Modelamento de pressão de combustão – FATEC-SP – 1997. Métodos de Cálculos para Mini-Foguetes. IZOLA. (1996). Motor Estato-Jato . T. São Paulo. D. FATEC-SP.FATEC-SP – 1997. IZOLA.FATEC-SP – 1996. São Paulo. D. IZOLA. IZOLA.

D.. Cápsula aérea lançada por canhão de ar comprimido para filmagem e sensoriamento remoto. PERREJIL. INPI-SP Provisório 002614. J. T. GAVINO. INPI-SP PI0300405-8. D. N.84 PATENTE DE INVENÇÃO NÚCLEO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO . L. IZOLA. Obtenção de aerofoto com foguete balístico. (1993). IZOLA. F.. INPI-SP PI9400896-5. IZOLA... F. C. (1994). MATAR. T. F. IZOLA. Sistema para reutilização de água. .FATEC-ZL. D. Foto Aérea com Foguetes. T. D. (2003). (1994). INPI-SP Provisório 002891. APARÍCIO. T.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful

Master Your Semester with Scribd & The New York Times

Special offer: Get 4 months of Scribd and The New York Times for just $1.87 per week!

Master Your Semester with a Special Offer from Scribd & The New York Times