Você está na página 1de 2

c 

 c    


  
` p Contrário ao modo como muitos definem surdez ± isto é, como um impedimento
auditivo ± pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos (Wrigley
` `
2 p esafios para a formação de profissionais na área da surdez UFSC Prof Ronice
Müller de Quadros
 p esafios Formação de profissionais qualificados para serem efetivos multiplicadores
Mestrado e outorado em Educação Mestrado e outorado em Lingüística
4 p esafios Qualificação dos profissionais que atuam na educação de surdos e no ensino
da língua de sinais brasileira
5 p Cursos propostos Curso de Graduação em Letras Licenciatura Língua Brasileira de
Sinais - UFSC Curso de Especialização em Educação de Surdos ± CEFET/SC Curso
de Especialização Tradutor e Intérprete de Língua de Sinais Brasileira ± VIAS
 p Algumas justificativas emanda (cerca de 2   surdos deveriam estar na rede de
ensino Razões históricas movimentos de surdos iniciados pela Federação Nacional
de Educação e Integração de Surdos desde ` Legislação específica
 p Lei nº ` 4, de 24 de abril de 22 Art `º É reconhecida como meio legal de
comunicação e expressão a Língua Brasileira de Sinais - Libras e outros recursos de
expressão a ela associados
8 p Art 4º O sistema educacional federal e os sistemas educacionais estaduais, municipais
e do istrito Federal devem garantir a inclusão nos cursos de formação de Educação
Especial, de Fonoaudiologia e de Magistério, em seus níveis médio e superior, do
ensino da Língua Brasileira de Sinais - Libras, como parte integrante dos Parâmetros
Curriculares Nacionais - PCNs, conforme legislação vigente
 p efinições das políticas públicas para a educação de surdos Criação de cursos
noturnos e supletivos de primeiro e segundo graus para surdos com professores surdos
ou ouvintes usuários de Língua de Sinais ou intérpretes; Garantia e ampliação de
escolas para surdos de educação infantil, ensino fundamental e médio;
` pefinições das políticas públicas para a educação de surdos Investimento numa
política direta para a formação de professores surdos e acesso profissional e
Reconhecimento da profissão de intérprete de língua de sinais, bem como de
instrutor/professor de língua de sinais
`` pRelevância nacional Os cursos oferecidos estarão atingindo uma clientela em nível
nacional com o devido suporte, que garantirá o acesso e a permanência dos
candidatos Esses alunos formados, por sua vez, poderão atuar no ensino formal,
apresentando mais qualificação para o atendimento dos alunos surdos na rede regular
de ensino possibilitando também a garantia de seu acesso e permanência no contexto
educacional
`2 pRelevância internacional O Brasil passará a integrar o rol dos países que oferecem a
formação destes profissionais, inaugurando um processo educacional que abarcará a
formação em grande escala e atingirá o país inteiro através do ensino a distância de
qualidade
` pCurso de Graduação em Letras Licenciatura - Libras NÚCLEO E FORMAÇÃO
BÁSICA Lingüística Geral Sociolingüística Psicolingüística Lingüística Aplicada ao
Ensino de Línguas Análise do iscurso Fundamentos da Educação de Surdos História
da Educação de Surdos Teorias da educação e estudos surdos
`4 pNÚCLEO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTEÚOS E FORMAÇÃO
ESPECÍFICA Leitura e Produção de Textos Morfologia Sintaxe Fonética e Fonologia
Semântica e Pragmática Tradução e interpretação da língua de sinais Inglês
instrumental I e II
`5 pNÚCLEO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTEÚOS E FORMAÇÃO
ESPECÍFICA Língua de Sinais Brasileira I, II, III, IV, V, VI Escrita de Sinais I, II e
III Literatura Visual Produção Textual Acadêmica Indrodução aos Estudos
gramaticais Teoria da Tradução
` pCONTEÚOS E FORMAÇÃO PEAGÓGICA idática de ensino e a criança
surda I e II Psicologia da Educação de Surdos Educação de Surdos e Novas
Tecnologias Prática de Ensino em Literatura Prática de Ensino em Língua de Sinais
Brasileira como L2 Prática de Ensino em Língua de Sinais Brasileira como L` Escrita
da Língua de Sinais Estágio em Literatura Visual Estágio em Língua de Sinais
Brasileira
` pNÚCLEO E FORMAÇÃO PARA A PESQUISA Monografia I Monografia II
NÚCLEO FLEXÍVEL isciplinas optativas
`8 pCurso de Especialização Tradutor e Intérprete de Libras ` Ambientes Virtuais de
Aprendizagem 2 Metodologia do Ensino Superior ± ` parte O Intérprete de
Língua de Sinais na Educação de Surdos 4 História do Profissional Intérprete de
Língua de Sinais
` pCurso de Especialização Tradutor e Intérprete de Libras  Tradução e Interpretação
I  Princípios Éticos do Profissional Intérprete 8 Tradução e Interpretação II 
Laboratório de Tradução e Interpretação ` Saúde Laboral `` Metodologia do
Ensino Superior ± 2 parte
2 pCurso de Especialização em Educação de Surdos ` Ambientes Virtuais de
Aprendizagem 2 Metodologia do Ensino Superior ± ` parte   A História da
Educação de Surdos 4 Políticas Educacionais para Surdos 5 Estudos Culturais e
Estudos Surdos
2` pCurso de Especialização em Educação de Surdos  Fundamentos da Educação de
Surdos I  Identidade e Cultura Surda 8 Fundamentos da Educação de Surdos II
 Metodologia do Ensino de Línguas na Educação de Surdos ` Metodologia do
Ensino Superior ± 2 parte
22 pAs pesquisas em andamento ± www ges ufsc br Pedagogia de Surdos Aspectos
específicos das práticas dos professores surdos
2 pAs pesquisas em andamento ± www ges ufsc br História da educação de surdos
24 pAs pesquisas em andamento ± www ges ufsc br O intérprete de língua de sinais no
ensino superior O processamento da interpretação sinal-voz
25 pAs pesquisas em andamento ± www ges ufsc br O currículo do ensino da língua de
sinais nas escolas de surdos A constituição da subjetividade dos alunos ouvintes
adquirindo a língua de sinais como L2
2 pAs pesquisas em andamento ± www ges ufsc br As origens da língua de sinais
brasileira Políticas lingüísticas e a educação de surdos
2 pAs pesquisas em andamento ± www ges ufsc br A aquisição da sintaxe da língua de
sinais brasileira A aquisição dos gestos em crianças surdas e crianças ouvintes
28 pNo caso dos surdos, faz-se necessário franquear-lhes a palavra, quer dizer, antes de
escreverem nosso idioma, deveriam poder se narrarem em sinais, e suas narrativas
precisariam ser acolhidas por uma escuta também em sinais (Souza,22