Você está na página 1de 5

BAAL – OS 5 ELEMENTOS

Lúcifer e seus 4 Grandes Príncipes, Belzebu, Astaroth, Asmodeo e Leviathan – que formam a sigla
BAAL – são representados cada um por um elemento diferente na terra. Leviathan é o elemento
água, e em outro estudo falamos bastante sobre ele.

Belzebu Principal Atuação é no Oriente; Índia, China e Mongólia. Seu elemento é o Fogo. Ele é o
primeiro grande príncipe. Conhecido como Senhor das Moscas. O fogo é o elemento que tudo
consome. Isso faz alusão ao modo como ele age. Belzebu se alimenta do Fogo.

O fogo por si só gera energia térmica e luminosa; um grande incêndio gera muito mais energia. Um
vulcão em erupção, por exemplo, é uma enorme fonte de energia. Parte da energia de Belzebu vem
dos vulcões.

Por sinal, muitas culturas antigas, em vários pontos do mundo, faziam dos vulcões o lugar ideal para
sacrifícios humanos. Isso também acontecia nas Américas, na era pré-colombiana. O vulcão Masaya,
por exemplo, na Nicarágua, era chamado pelos nativos de “Boca do Inferno”, uma verdadeira
passagem para o Abismo. Ali se sacrificavam crianças para apaziguar os deuses. Da mesma forma,
“A Donzela” é uma múmia que faz parte de uma descoberta arqueológica chamada “Crianças de
Llullaillaco”, sacrificadas no vulcão de mesmo nome, na fronteira do Chile com a Argentina, a mais de
6.700 metros de altitude. E temos os Incas, é claro. Havia vários tipos de rituais, chamados
capaccocha: os que eram realizados em templos, como o Templo do Sol, mas também nos vulcões,
como o Misti e o Ampato, que ficam no Peru. Geralmente, sacrificavam-se crianças. Durante seis
meses elas eram submetidas a uma alimentação específica, depois caminhavam de Cuzco até a base
do vulcão, na companhia de suas mães e outros encarregados do ritual. A múmia de uma criança foi
encontrada em Ampato. Uma menina em torno de 12 anos que teria sido usada em um ritual de
oferenda aos deuses, no século XV. O que impressiona nessa múmia é o estado de conservação, em
função da altitude, quase 6.300 metros, e da temperatura local de 20 graus negativos. Belzebú está
ligado às disseminações de pragas, doenças e enfermidades. Isso certamente nos faz lembrar das
péssimas condições de higiene e de saúde em toda aquela região; e das Moscas! Se Belzebu retira
sua energia diretamente do fogo, então porque sacrifícios humanos?

Seu principal escudeiro da Guarda de Honra é Nosferatus, o responsável por destruir e consumir as
energias, “sugar energias”. Toda a atuação dele é no sentido de consumir: ânimo, saúde, bem estar,
etc.! Nosferatus - o responsável por destruir e consumir as energias, “sugar energias”. Sob seu
Comando estão os Sadraques. Sadraques são espíritos de morte que estão sob o domínio de
Nosferatus e que pertencem à uma casta bem inferior. São demônios que atuam principalmente em
cemitérios e agem na mente das pessoas causando tristeza e abatimento muito intensos, abrindo
portas à atuação de Entidades mais poderosas. Nosferatus é o mesmo no Egito Antigo, chamado de
Anúbis e no Salmo 91 é chamado de Terror Noturno. Dhamiam – deus dos mortos -, e também
capitão dos Sadraques – vampiros que sugam energia vital, espíritos opressores dos cemitérios. O
Culto a Anúbis – o deus das necrópoles – veio de Abidos, que é considerado um dos mais
importantes sítios arqueológicos do Egito, local de muitos templos antigos e uma necrópole real onde
os primeiros faraós foram sepultados. As imagens de Anúbis mostram chacal, ou um corpo humano
com a cabeça canina. Sua presença era tão importante nos rituais de morte que um sacerdote
presidia momento do embalsamamento de um faraó usando uma máscara com a esfinge do deus.
Nosferatus então presidia toda a cerimônia de mumificação dos faraós. Dentro da hierarquia de
Belzebu também encontramos Bélfegor, conhecido como o Grande Minotauro, se encontra hoje
preso no Abismo esperando para ser solto por ocasião do Toque das Trombetas Bíblicas. e
Behemoth o Hipopótamo Destruidor do Inferno.
Astaroth, do qual nos lembramos ao falar de Salomão. É o segundo grande príncipe. Principal
Atuação é na África, Austrália, Nova Zelândia. Seu Elemento é a Terra. O que significa que retira sua
energia do próprio planeta. Astaroth – é um demônio de confusão e engano que está ligado à Era
Mística, dos cristais, dos duendes, das pirâmides e tudo o que se propaga através do Movimento
Nova Era. A questão do elemento Terra faz mais alusão ao mundo material. Quero dizer que tudo o
que prende o ser humano ao mundo horizontal, ao “Ter”, é influenciado por Astaroth. Ele está também
ligado ao domínio das riquezas da Terra e sua cobiça pelos homens. A Terra tem várias fontes de
energia, embora nem todas sejam úteis aos demônios. Astaroth e os de sua casta se alimentam da
energia geotérmica produzida pelo calor que vem do interior da Terra. O núcleo da Terra é formado,
em sua maior parte, por uma esfera de ferro líquido com temperaturas superiores a 4.000ºC, e
pressão equivalente à de 1,3 milhões de atmosferas. Sob essas condições, o ferro se torna tão líquido
quanto a água dos oceanos. Somente no centro dessa esfera, onde as temperaturas chegam a
6.000ºC e as pressões são ainda maiores é que o ferro volta a se solidificar. Embora a energia
geotermal seja importante, Astaroth também utiliza a energia mineral de cada solo, pois cada solo tem
uma composição diferente.
A Grande Câmara do rei na Grande Pirâmide de Quéops é cheia de Cristal de Quartzo. Em
Stonehenge também, no solo. O quartzo é um dos minerais mais abundantes na Terra, e o quartzo
incolor é chamado cristal de rocha. Não é por acaso que muitos acreditam que as pedras preciosas
são fontes naturais de energização, capazes de equilibrar nossos campos energéticos e funcionar
como armazenadoras e captadoras naturais, já que recebem, transmitem e transmutam energia. Os
relatos do uso de pedras como tratamento vêm desde a Antiguidade. Os antigos usavam os cristais
para focar e canalizar energias de movo individual ou sideral. Nesse último caso, por meio dos
monumentos de pedra.

Em Stonehenge, existe uma imensa concentração de energia, embora essa taxa não seja constante.
Os níveis também dependem de vários outros fatores, como a posição da Terra em relação ao sol, à
lua e a outros planetas. As flutuações energéticas acontecem e a concentração é maior em algumas
datas; como no solstício de inverno, a noite mais longa do ano. Nessa data, abre-se ali um Portal
Dimensional muito poderoso. Por ele passaram as pedras que formaram o Círculo Mágico.

As pedras de Stonehenge atravessaram o Portal por meio de Magia. Assim como demônios e
humanos podem atravessar portais, as pedras também podem. Elas precisavam ser transportadas
para o local exato de alguma forma. Merlin – Um dos arquitetos da Stonehenge – possuía muito
poderes mágicos. O mesmo aconteceu em Avebury. Lá também existem Círculos Mágicos de pedras
que, embora menos explorados turisticamente, são bem maiores, ainda que algumas das pedras
tenham desaparecido. Outras foram destruídas no século XVIII, porque a população local achava que
antigamente ali eram realizados sacrifícios pagãos, não estavam errados, e que a energia do lugar
era “ruim”. Outra maneira de aumentar o potencial energético da Terra é quando ela se “inquieta”, por
meio de terremotos. Os tsunamis têm o mesmo efeito. É interesse das entidades, às vezes, provocar
esses eventos, pois, como eu já disse, eles têm poder sobre os elementos.

Asmodeo o terceiro grande príncipe. Principal Atuação é na America do Norte; Estados Unidos. Seu
Elemento é o AR. O seu braço direito (na Guarda de Honra) é Dagon, é um Principado capaz de
causar tempestades, furacões, maremotos etc. Notam a influencia dos Poderes dos Ares? Percebe-se
que tipo de coisa é muito comum na América do Norte. O nome de Asmodeo é mencionado no livro
apócrifo de Tobias e também no Talmud. 

Abadom, no qual é citado na bíblia, vem da mesma hierarquia de Asmodeo. Abadom ou Apolion vem
do hebraico que significa destruição. O anjo do Abismo que irá liderar o exército de gafanhotos.
Embora a energia eólica possa funcionar como fonte de energia para os demônios do ar, por meio de
ciclones, tornados ou um furacão tropical, a recarga da energia de Asmodeo está ligada aos campos
magnéticos da própria Terra. Especialmente nos centros geodésicos das placas tectônicas.
O que é centro geodésico? É exatamente o centro de uma região geográfica medida. Por exemplo,
a Pangeia era o centro geodésico, antes do afastamento das placas, formarem-se os continentes de
hoje. Na América do Sul, o Brasil é o centro geodésico. Em Cuiabá, no Mato Grosso. O lugar exato
está numa praça que antes era conhecida como Campo d’Ourique, lugar onde se puniram escravos e
eram realizadas as cavalhadas e touradas.

A origem do Campo Magnético Terrestre ainda é incerta, mas a ciência admite que seja decorrente
das intensas correntes elétricas que circulam no interior da Terra. Apesar de conhecidas pelos
chineses e hindus há milênios, o primeiro ocidental a teorizar as linhas energéticas que passam pela
superfície do planeta foi Pitágoras. Entretanto, o assunto só se “popularizou” no começo do século
XX, quando tentavam encontrar resposta para a imensa quantidade de eventos “inexplicáveis” ao
redor do mundo, incluindo o Triângulo das Bermudas, o Lago Angikuni, a Anomalia do Atlântico Sul e
outras regiões de fenômenos magnéticos estranhos. Teoricamente, haveria relação com esses fluxos
de energia. Mesmo assim, muitos ignoraram a existência deles.

As Pirâmides já mencionadas e os Círculos de Pedra, a energia terrestre que passa por eles não
está “parada”, do mesmo modo que a energia vital no corpo humano. A energia magnética da Terra
corre por uma variedade de caminhos, determinados matematicamente e geometricamente: as
Linhas de Ley. Além dela, a Terra produz energia telúrica, e quando elas confluem, formam nodos
muito energéticos.

Os “Sólidos de Platão” são apenas 5: trata-se de poliedros convexos cujas faces são polígonos
regulares. Eles foram associados aos elementos, que também são 5. Os 5 sólidos de Platão são: o
Tetraedro, o Cubo, o Octaedro, o Dodecaedro e o Icosaedro, classificados de acordo com o número
de faces, respectivamente 4, 6, 8, 12 e 20. Esses sólidos platônicos, ou “corpos cósmicos”, foram
nomes dados depois que Platão os empregou para explicar a Natureza, em um texto de seu diálogo
filosófico “Timeu”, associando cada elemento a um dos sólidos. Ele dizia haver uma ligação entre a
estrutura geométrica dos componentes básicos da matéria, os átomos, descritos bem depois, e os
sólidos descritos. Quer dizer, na Grécia Antiga, acreditava-se que a matéria fosse feita dessas
estruturas. Mas não se limitava a isso. Para os antigos, a matéria também tinha seu lado místico. Por
isso, os sólidos foram associados aos elementos, afinal, deles derivava a vida.

O Fogo é o Tetraedro; a Terra é o Cubo; Ar é o Octaedro; Água é Icosaedro. E havia um quinto


elemento, que Platão associa ao Dodecaedro e que seria a própria essência do Universo, aquilo com
que Deus “organizou todas as constelações”.

As diversas Numerologias surgiram como reflexo de realidades outras que vão muito além dos
próprios números. Na numerologia pitagórica, 600 anos a.C. os ritmos cósmicos manifestavam-se por
relações numéricas, e a geometria seria uma ciência oculta, uma espécie de assinatura de Deus a ser
descoberta por trás das relações matemáticas. Posteriormente, Johannes Kepler associou a
geometria à Astronomia, tentando associar os sólidos platônicos para entender a posição dos
planetas em relação ao sol e suas órbitas, pois, para ele, um Universo perfeito deveria incorporar
aquela geometria elementar. Mais tarde ainda, notou-se que a arquitetura empregada em muitos
projetos arquitetônicos, em diversas épocas da História, seguia princípios matemáticos, como a Lei
Áurea, por meio do PHI. E até mesmo a natureza orgânica e inorgânica era descrita, muitas vezes,
sob princípios geométricos. Durante a Idade Média, o modelo pitagórico surgiu em textos alquímicos:
era chamado de “Esfera Celestial”.

Foram as Escolas Pitagóricas que reuniram todos os sólidos de Platão dentro de uma única esfera,
e o resultado foi um mapa de linhas por toda essa esfera, incluindo 120 grandes círculos e 4.862
pontos. A projeção do modelo esférico pitagórico levou à demarcação de pontos específicos na
superfície do planeta, algo como que um reflexo do infinito sobre o finito. As tais linhas se conectam e
é como se o planeta tivesse chakras. O modelo pitagórico é um reflexo das Linhas de Ley,
principalmente, e, portanto, dos chakras energéticos da própria Terra. É um Mapa de Portais. De
onde poderiam ser abertos os Portais. É por esse motivo que o Triângulo das Bermudas faz parte
do mapa como um ponto energético importante. Ao estudar essas linhas energéticas, notam-se
“coincidências”, elas passam sobre grandes monumentos antigos, centros geodésicos, picos de
montanhas e nascentes de grandes cursos d’água, além de locais onde ocorreram, ou ocorrem,
eventos “inexplicáveis”. Nos principais cruzamentos dessas linhas há cidades importantes, como
Roma, Atenas, Delfos, Jerusalém, Constantinopla, Meca, dentre outras. Cidades que se
desenvolveram ao redor de oráculos, círculos de pedra, templos importantes ou monumentos antigos.

Um pesquisador do século XX localizou vários pontos críticos onde ocorria o maior número de
acidentes ou desaparecimentos de barcos e aviões no planeta. Foi resultado de uma extensa e
minuciosa compilação de relatórios da Marinha de vários países. Ao comparar esses pontos com o
modelo esférico de Platão/Pitágoras, “coincidentemente”, ele chegou aos pontos principais do
icosaedro projetado no planeta. Uma maneira de fazer evoluir esse mapa de linhas e nodos foi cruzar,
de maneira sistemática, outros pontos, obtendo figuras piramidais ao redor de todo o planeta. Essas
formas piramidais explicam caminhos que as aves migratórias seguem, marcam locais sagrados ou
pontos onde se garantem ter havido a visão de “UFOs”.

Os UFOs foram acidentes de percurso. Não era para eles terem sido vistos. UFOs são naves
espaciais extradimensionais. São naves de outras dimensões. São meios de transporte. Como as tais
“Carruagens de fogo” citado na bíblia. Os Portais servem para passagem. E houve experimentos
para aprender a manipular essas naves, o que não tinha nada a ver com a Humanidade. Era um
artefato de para uso exclusivo de transporte para estas passagens dimensionais. E esses UFOs
foram visto justamente em uma das regiões energéticas. Parece que as linhas energéticas, embora
geradas pela Terra, não estão restritas aos planos do nosso planeta. Elas poderiam invadir outras
dimensões. Por isso não há parâmetros geométricos terrenos perfeito para explicar tais fenômenos.

As linhas energéticas, particularmente as Linhas de Ley, têm poder sobrenatural. Isso tudo é possível
porque foi Deus quem as criou. Porém, os demônios fazem uso delas por meio de um conhecimento
que já tinham, de modo a estabelecer pontos de contato com as dimensões do Abismo. Por isso
esses locais são propícios para evocar poderes demoníacos e desenvolver capacidades mágicas.
Poderes da Alta Magia.

Na fronteira da Suíça com a França, existe um acelerador de partículas – cujo local é fonte de energia
nuclear – é o Lage Hadron Collider, ou LHC, o maior acelerador de partículas do mundo. Seu objetivo
era reproduzir o Big Bang para entender melhor o Universo. O LHC é uma incrível fonte de energia
para as entidades.

Lúcifer - Seu Principal reduto é nos Estados Unidos, de onde Governa o Mundo hoje. Seu Elemento
é a Energia Pura também chamada Ectoplasma. É o maioral de todos os demônios. Ele tem sob seu
comando os 4 Grandes Príncipes, e juntos atuam por todo o Globo. Lúcifer ocupa a 12ª dimensão
espiritual e os seus 4 Grandes Príncipes ocupam a 9ª dimensão.

O Quinto Elemento é um pouco diferente. E é uma fonte de energia desconhecida ao ser Humano. O
Quinto elemento é o Ectoplasma. O Ectoplasma é algo produzido pelo ser humano que pode ser
liberado em determinadas condições, produzindo fenômenos diversos, como acreditam os que se
dizem médiuns. Já a Ciência comprova a existência de um tipo de energia produzida pelo ser
humano, mas que ainda não é muito bem compreendida. Isto é, Energia Vital. Todo ser vivo possui;
é a energia da vida. Hoje a Medicina sabe explicar, por exemplo, como o corpo produz energia
térmica ou energia cinética, como se comporta a cascata de reações que levam à produção de ATP,
como se propaga o potencial de ação nervoso, que é pura energia elétrica. Tudo isso o homem
entende, dentre muitos outros conhecimentos que a Ciência detém. No entanto, não conseguimos
explicar exatamente como funciona a “energia da vida”, como ela é produzida ou como é liberada. A
principal fonte de energia do Quinto Elemento é o próprio quinto elemento. Ou seja: energia vital. Com
a morte, com o desabamento do corpo físico, a energia vital é liberada completamente. Por isso que
os demônios sabem perfeitamente se alguém está vivo ou não. Lúcifer precisa de energia vital e
como ele a consegue? Lúcifer se alimenta da morte. A morte é vida para ele. Por isso que ele exige
Sacrifícios Humanos.

Lucifér almeja sempre maiores sacrifícios, pois é deste ato que sua energias e fome é saciada. Pois é
na morte que essa energia é liberada do corpo humano sob circunstancia de desespero e medo. Por
exemplo: Jesus antes de ser pregado na cruz chegou num estado de serenidade total da alma. Coisa
esta que somente os cristãos ligados ao Pai, pode chegar no momento da Morte, pois caso contrário,
a pessoa ficaria com bastante Medo da Morte, o que ocasionaria a liberação de bastante energia vital.
E isto seria um prato cheio para Lucifér se alimentar. Lúcifer hoje já gerou o seu Filho, o chamado
Anticristo, que em breve governará este mundo por 7 anos.

Você também pode gostar