Você está na página 1de 4

lOMoARcPSD|10437805

Remova Marca d'água Wondershare


PDFelement

Correção Teste Filosofia 11 Estatuto do conhecimento


científico
Filosofia (Ensino Secundário (Portugal))

StuDocu is not sponsored or endorsed by any college or university


Downloaded by Joana Filipa (jfrf2005@gmail.com)
lOMoARcPSD|10437805

Remova Marca d'água Wondershare


PDFelement

Correção do Teste de Avaliação – Filosofia 11.º


Estatuto do conhecimento científico
Conhecimento vulgar e conhecimento científico
Ciência e construção – validade e verificabilidade das hipóteses
A racionalidade científica e a questão da objetividade

Grupo I

1.
1.1. D.
1.2. C.
1.3. B.
1.4. C.
1.5. D.
1.6. C.
1.7. D.
1.8. D.
1.9. A.
1.10. A.

Grupo II

1.
A indução (enquanto generalização) constitui, em termos lógicos, uma operação que
obriga a um salto do conhecido (de proposições particulares) para o desconhecido (para
proposições gerais). David Hume levantou o problema da indução, ao constatar que, para
conhecermos os fenómenos que encontramos na natureza, recorremos, justamente, à
indução. Apercebemo-nos de que existe uma regularidade no modo como os fenómenos
ocorrem, como se obedecessem a um princípio de uniformidade. Mas este princípio não
constitui uma verdade necessária (a priori), ele decorre do hábito ou costume: a partir da
experiência da conjunção constante de dois objetos (ou acontecimentos) distintos, somos
levados, por hábito, logo que aparece um objeto, a esperar aquele que habitualmente o
acompanha e a acreditar nessa experiência. Não é, pois, segundo Hume, possível provar
empiricamente a existência de uma relação necessária de causa e efeito entre os
fenómenos. Neste sentido, a generalização indutiva nada mais será do que uma mera
crença ou expectativa de que os factos se repitam daquele modo.

Se o princípio da uniformidade da natureza decorre do hábito, nenhum raciocínio que nele


se baseie pode garantir rigorosamente a verdade da sua conclusão. Ora, se aquilo que as
inferências indutivas propõem não é empiricamente justificável, então também não será
possível justificar, com rigor, aquilo que é proposto numa teoria ou lei científica que
decorra da generalização indutiva. O rigor e a verdade do conhecimento científico ficam,
deste modo, comprometidos. David Hume aponta, desta forma, o carácter ilusório do
indutivismo. E, apesar de admitir que o conhecimento científico se constrói por indução,
reconhece que ela não serve para justificar esse conhecimento.

1
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos 11

Downloaded by Joana Filipa (jfrf2005@gmail.com)


lOMoARcPSD|10437805

Remova Marca d'água Wondershare


PDFelement

2.
O critério da falsificabilidade é o critério de cientificidade proposto por Popper, segundo o
qual uma teoria é científica se, e só se, for falsificável, isto é, passível de ser submetida a
testes ou confrontada com a experiência e refutável através de dados empíricos.

Uma das críticas a esta perspetiva é a seguinte: o processo de refutação ou falsificação


não é o procedimento mais comum entre os cientistas. Alguns autores defendem que a
atitude falsificacionista não corresponde exatamente àquela que os cientistas demonstram
na atividade científica. Geralmente, os cientistas procuram confirmar aquilo que as teorias
científicas propõem e, mesmo que dada observação implique a rejeição de uma previsão,
isso não os demove de investigar no mesmo sentido. Por outro lado, é expectável que o
cientista se concentre mais nas previsões bem-sucedidas do que naquelas que são um
fracasso. Estas previsões são fundamentais para o progresso da ciência.

Uma segunda crítica diz-nos que, também ao nível da história da ciência, encontramos
episódios que parecem pôr em causa a perspetiva falsificacionista e a ideia de que a ciência
progride por meio de conjeturas e refutações. Copérnico, Galileu ou Newton, por exemplo,
não abandonaram as suas teorias na presença de factos que aparentemente as poderiam
falsificar.

3.
Para Kuhn, o desenvolvimento da ciência está dependente de um paradigma ou modelo
científico, isto é, de um conjunto de teorias, factos, crenças e conhecimentos, regras,
técnicas e valores compartilhados e aceites pela maioria dos cientistas. Dizer-se que os
paradigmas são incomensuráveis equivale a afirmar que são incomparáveis e
incompatíveis. Não se pode comparar objetivamente aquilo que cada paradigma defende,
dado que eles correspondem a formas totalmente diferentes de explicar e prever os
fenómenos. Como o texto mostra, há termos que, quando integrados em diferentes
paradigmas, remetem para significados distintos.

Dado que cada paradigma corresponde a um modo qualitativamente diferente de olhar o


real, a verdade que cada um contém está circunscrita ao que nele se determina. Cada
paradigma é uma representação do real.

Grupo III

1.
Para Popper, o critério utilizado na escolha de teorias (ou, para usarmos a terminologia de
Kuhn, de paradigmas) científicas é o critério da falsificabilidade. São os contraexemplos
que, depois de sujeitos à experimentação e de atestada a sua verdade, determinam a
escolha de teorias rivais. Para Kuhn, o critério em causa é, em parte, interior aos
paradigmas. Além de critérios objetivos, como a exatidão, a consistência, o alcance, a
simplicidade e a fecundidade, há aspetos de ordem subjetiva, como as características
psicológicas individuais, que interferem na referida escolha.

Para Popper, a ciência, claramente, progride. As teorias substitutas têm maior grau de
correspondência à realidade, ou de aproximação à verdade, enquanto as teorias
substituídas se encontram mais distantes dela. Para Kuhn, o progresso da ciência é, no

2
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos 11

Downloaded by Joana Filipa (jfrf2005@gmail.com)


lOMoARcPSD|10437805

Remova Marca d'água Wondershare


PDFelement

mínimo, objeto de discussão. Sendo os paradigmas incomensuráveis, não se pode afirmar


que a ciência progride no sentido de uma maior aproximação à verdade. A mudança de
paradigma não significa necessariamente progresso no conhecimento.

Por último, no que se refere à objetividade do conhecimento científico, Popper é dela um


absoluto partidário. A ideia de “conhecimento sem conhecedor” advogada por Popper é
exemplificativa de que, na sua perspetiva, o conhecimento científico não se confunde com
o sujeito que o produz; é independente do sujeito e do contexto – e daí a relevância, como
o texto sugere, da “análise lógica do conhecimento científico”. A validação das teorias
obedece ao critério da falsificabilidade, e este garante a sua cientificidade. Alicerçada na
lógica, a ciência pode aspirar ao rigor e à objetividade. Para Kuhn, pelo contrário, o
conhecimento depende, em parte, do sujeito – de um sujeito integrado numa comunidade
científica. Além de fatores objetivos, há também aspetos subjetivos que interferem na
avaliação e na decorrente escolha de teorias rivais, o que compromete a objetividade da
ciência. Como Kuhn afirma, “cada grupo utiliza o seu próprio paradigma para argumentar
em defesa do próprio”. Dependente de critérios subjetivos, a ciência vê hipotecada a sua
objetividade.

Apesar do exposto, para nenhum dos autores a ciência é um conhecimento absolutamente


certo e indubitável. Para Popper, sendo a tentativa de falsificação o procedimento-base,
nenhuma teoria pode ser tomada como definitiva e absolutamente certa. Para Kuhn, sendo
a mudança na ciência pautada por critérios, em parte, subjetivos, a certeza, ou
indubitabilidade, não a pode caracterizar.

3
José Ferreira Borges · Marta Paiva · Orlanda Tavares · Novos Contextos 11

Downloaded by Joana Filipa (jfrf2005@gmail.com)

Você também pode gostar