Você está na página 1de 32

Capítulo 1

Fundamentos da Cinemática
1.1 Preliminares
A Mecânica é o ramo da Física que tem por finalidade o estudo do movimento e do
repouso. É dividida em Cinemática, Dinâmica e Estática.
A Cinemática descreve o movimento de um corpo sem se preocupar com suas causas.
A Dinâmica estuda as causas do movimento. A Estática analisa as condições para se manter
um corpo equilibrado ou em repouso.
Nesta etapa iniciaremos a Cinemática, cujo método de descrição de movimentos
emprega, basicamente, as seguintes grandezas: espaço, tempo, velocidade e aceleração.

1.2 Conceitos Básicos de Cinemática


1. Ponto Material
Quando estudamos o movimento de um corpo, muitas vezes é necessário levarmos em
conta o seu comprimento, a sua largura e a sua altura. Porém, em certos casos, essas
dimensões (comprimento, largura e altura) são muito pequenas em relação ao percurso que
esse corpo vai descrever; aí então, desprezamos essas dimensões e consideramos o corpo
como se fosse um ponto material.

Considere um automóvel em duas situações de movimento.


Quando este automóvel fizer manobras dentro de uma garagem, ele não pode ser
encarado como um ponto material, porque devemos levar em conta o seu comprimento, largura
e a altura para que não haja colisão.
Mas quando este carro fizer o percurso de 20 km entre duas cidades A e B, como ilustra
a figura a seguir, ele pode ser considerado um ponto material, porque seus 4 m de comprimento
tornam-se desprezíveis se comparados aos 20 000 m de percurso.

2. Móvel
É muito comum no desenvolvimento teórico ou no enunciado de um exercício, falarmos
em corpos que estão associados ao nosso cotidiano, como o movimento de uma pessoa, de um
automóvel e assim por diante. Muitas vezes, não há necessidade de se especificar qual é o
corpo que está em movimento, se é uma moto, um carro ou uma bicicleta, então o chamamos
genericamente de móvel.

3. Referencial
Para descrever o movimento, o observador deve definir um sistema de referência ou
referencial em relação ao qual o móvel será analisado.

4. Movimento e Repouso
Dizemos que um corpo se encontra em movimento, sempre que a sua posição se
modificar, no decorrer do tempo, em relação a um certo referencial.

Note na figura a seguir que o passageiro no interior do ônibus está em repouso em


relação ao ônibus e ao motorista, porque a sua posição em relação a eles é sempre a mesma.
Já em relação ao observador fixo na Terra, tal passageiro está em movimento, porque sua
posição muda com o decorrer do tempo.
A Cinemática não estuda as causas dos movimentos, servindo então para ela qualquer
referencial.
Assim, se o referencial for o Sol, a Terra gira ao seu redor, e se o referencial for a Terra, o Sol
gira ao seu redor.

5. Trajetória
Consideremos um móvel que esteja em movimento para um dado referencial. Portanto,
a posição desse móvel, em relação ao referencial, altera-se no decorrer do tempo.
Se unirmos as sucessivas posições do móvel por uma linha contínua, obteremos a
trajetória descrita pelo móvel para o referencial adotado.

Na figura acima, P1, P2, P3, ... representam as sucessivas posições ocupadas pelo
móvel, correspondentes aos instantes t1, t2, t3, ... A curva obtida com a união das sucessivas
posições ocupadas pelo móvel é denominada trajetória.
Em determinadas situações, considerando-se dois referenciais diferentes, podemos ter
duas trajetórias diferentes. Observe a figura a seguir.

A lâmpada que se destaca do teto de um vagão (em tráfego uniforme nos trilhos) cai de
forma retilínea em relação ao vagão e, ao mesmo tempo, apresenta trajetória parabólica em
relação aos trilhos.

1.3 Espaço e Tempo


1. Localização
Para localizarmos um móvel num determinado instante, construímos um sistema de
referência cartesiana, que pode apresentar uma, duas ou três dimensões.
Para darmos a posição de um automóvel em trajetória retilínea, basta um único eixo
(movimento unidimensional), já que uma abcissa x desse eixo o localizará num certo instante.

Para identificarmos uma cidade no nosso planeta, precisamos de um sistema cartesiano


com dois eixos, x e y, determinando a sua latitude e longitude.

Agora, para identificarmos a posição de um avião em movimento na atmosfera, num


determinado instante, precisamos de um sistema cartesiano com três eixos, x, y e z,
determinando sua latitude, longitude e altitude.
2. Espaço
Quando conhecemos a trajetória descrita por um móvel, segundo um referencial,
podemos dispensar o uso de eixos cartesianos e definir a posição do móvel ao longo da
trajetória, tomando um ponto desta como referência. Este ponto de referência é denominado
origem (O) e a posição do móvel, espaço (s).

O espaço (s) de um móvel nos fornece a sua localização na trajetória, em relação à


origem dos espaços (s = 0). A distância do móvel à origem (O), medida ao longo da trajetória, é
precedida de um sinal algébrico (+) ou (–) para indicar a região da trajetória: à direita ou à
esquerda da origem, conforme a orientação escolhida para essa trajetória.
Um marco quilométrico de uma rodovia corresponde, na prática, à grandeza espaço.
Quando se diz que um carro está no km 32, isto indica que ele se posiciona a 32 km da
origem (km 0) da rodovia.

3. Função Horária do Espaço


Durante o movimento de um ponto material, a sua posição varia com o decorrer do
tempo. A maneira como a posição varia com o tempo é a lei do movimento ou função horária.

Na expressão acima, devemos ler:

As variáveis s e t têm unidades, que devem ser indicadas quando se representa a


função. Normalmente são utilizadas as unidades do Sistema Internacional (SI), ou seja:
• espaço metros (m)
• tempo segundos (s)

4. Sentidos de Tráfego
Quando o móvel caminha no sentido da orientação da trajetória, seus espaços (s) são
crescentes no decorrer do tempo. Denominamos este sentido de tráfego de progressivo.

Quando o móvel retrocede, caminhando contra a orientação da trajetória, seus espaços


(s) são decrescentes. Este sentido de tráfego é classificado como retrógrado.

5. Deslocamento Escalar
A grandeza física que indica, entre dois instantes, a variação de espaço do móvel é
denominada deslocamento escalar( s).

A figura abaixo apresenta os espaços ocupados por um móvel numa trajetória em dois
instantes diferentes.
Pela figura anterior, temos que, no instante t1 = 3s, o móvel encontra-se na posição s1 =
4 m, e, no instante t2 = 6 s, sua posição é s2 = 9 m. Podemos afirmar que, entre os instantes 3 s
e 6 s, o espaço do móvel variou de 5 m, ou seja, de 4 para 9 m. Essa variação de espaço
recebe o nome de deslocamento escalar ( s).
Quando o movimento for progressivo, o deslocamento escalar será positivo ( s > 0).
Quando retrógrado, será negativo ( s < 0).

6. Distância Percorrida
Distância percorrida (d) é a grandeza que nos informa quanto o móvel efetivamente
percorreu entre dois instantes.
Quando o sentido de tráfego do móvel se mantém, seja progressivo ou retrógrado, a distância
percorrida coincide com o módulo do deslocamento escalar ocorrido.

Capítulo 2
Movimento Uniforme – MU
2.1 Conceito
Se observarmos atentamente os movimentos que ocorrem ao nosso redor,
encontraremos vários exemplos de movimentos nos quais a velocidade escalar permanece
constante. Uma estrela no céu, as extremidades dos ponteiros de um relógio movimentam-se
com velocidade escalar constante. Também um pára-quedista, com o pára-quedas aberto há
algum tempo, cai com velocidade praticamente constante. Num modelo simplificado do átomo
de hidrogênio, dizemos que o elétron gira em torno do próton com velocidade escalar constante.
Esses movimentos, nos quais a velocidade escalar permanece constante, são
denominados movimentos uniformes.

2.2 Velocidade Escalar Constante


Um objeto encontra-se em movimento uniforme, em relação a um determinado
referencial, quando a sua velocidade escalar não varia no decorrer do tempo.
Sendo a velocidade escalar constante, o móvel percorre deslocamentos escalares iguais
em intervalos de tempos iguais, em qualquer tipo de trajetória, ou seja, o estudo do movimento
uniforme não depende da forma da trajetória.
A figura a seguir representa um movimento uniforme, em trajetória retilínea, com velocidade
escalar constante de 4 m/s.
Observe que a cada 1 s o móvel cumpre deslocamentos escalares iguais de 4 m.
No movimento uniforme, a velocidade escalar instantânea é constante e diferente de
zero, sendo igual à velocidade escalar média.

Esta velocidade escalar constante terá valor positivo quando o movimento for
progressivo e, valor negativo quando for retrógrado.

2.3 Diagrama Horário da Velocidade Escalar


Como no movimento uniforme a velocidade linear é constante positiva ou negativa,
podemos representá-la através do diagrama horário abaixo:

Propriedade
A variação de espaço ( s) de um movimento uniforme, num intervalo de tempo ( t), é
dada geometricamente à área sob o gráfico x t.

2.4 Função Horária do Espaço

Em destaque na figura, observamos que o móvel no instante t = 0 encontra-se no


espaço inicial S0. Após um tempo t, ele atinge a posição s.
Lembrando que no movimento uniforme o deslocamento escalar é dado através da
expressão , podemos deduzir sua função horária do espaço assim:

Observe que todo movimento uniforme terá este tipo de função horária do espaço, isto é,
trata-se de uma função matemática do primeiro grau, onde S0 e serão os seus coeficientes
linear e angular, respectivamente.

2.5 Diagrama Horário do Espaço


Já que a função horária do espaço de todo movimento uniforme é do primeiro grau, o
gráfico espaço x tempo terá a forma de uma reta inclinada, a partir do espaço inicial (S0).
Se for progressivo , o espaço será crescente no decorrer do tempo. Se
retrógrado , o espaço decrescerá com o tempo.
Observe que a declividade da reta (tg ) representa o coeficiente angular da função, isto
é:

 Exercícios Propostos
E1Um trem, medindo 60 m de comprimento, trafega com velocidade escalar constante de 10
m/s e demora 15 s para atravessar completamente uma ponte. Qual o comprimento da ponte?

E2Em quanto tempo uma composição ferroviária de 200 m de comprimento, a uma velocidade
constante de 72 km/h, realiza uma travessia de uma ponte de 50 m de comprimento?
E3O gráfico a seguir representa aproximadamente a velocidade escalar de um ciclista, em
função do tempo, durante uma viagem de 3,0 horas.
Determine, nesta viagem:
a) o deslocamento escalar do ciclista;
b) a sua velocidade escalar média.

E4Considere o texto abaixo:


Para enxergarmos qualquer objeto é necessário que ele envie luz até nossos olhos. Como a
velocidade da luz é finita, existe um tempo para que o percurso dessa luz seja cumprido até
nós. Logo, a visão que temos de algo é sempre uma imagem de seu passado.
Imagine que fosse possível um extraterrestre, em seu planeta posicionado a 10 anos-luz da
Terra, estar nos observando com seu telescópio neste momento.
a) A imagem por ele obtida mostraria a Terra em seu momento atual?
b) Aproximadamente, qual a distância em metros entre a Terra e o tal planeta?
Dados:
• velocidade da luz = c = 3,0 · 108 m/s
• 1 ano = 3,2 · 107 s.

E5A figura a seguir esquematiza a trajetória aproximada da Terra no seu movimento em trono
do Sol. Calcule o valor aproximado, necessário pra que a luz do sol alcance a Terra.

Dado: Velocidade da luz no vácuo=3,0.108 m/s.

E6Qual é, em km/h, a velocidade escalar média de uma pessoa que corre a pé 1200 m em 20
min?

E7A velocidade escalar média de um móvel durante a metade de um percurso é 30 km/h e esse
mesmo móvel tem a velocidade escalar média de 10 km/h, na metade restante desse mesmo
percurso. Determine a velocidade escalar média do móvel no percurso total.

E8É dada a função horária de um móvel em M.R.U.:


S = 20 – 4t (t em h e S em km).
Determine:
a)o espaço inicial e a velocidade inicial;
b)o tipo de movimento (progressivo ou retrógrado?)
c)o espaço do móvel em t = 2h
d)o instante quando o móvel está na posição cujo espaço é igual a 8 km.
e)o instante que o móvel passa na origem dos espaços (marco zero).
.
E9A função horária do espaço, para um movimento uniforme, é dada por:

Determine:
a) o espaço inicial e a velocidade escalar do movimento;
b) a posição do móvel para t = 30 s;
c) o instante no qual a posição do móvel é 20 m.

E10Um móvel, em movimento retilíneo e retrógrado, possui velocidade constante e de valor


absoluto igual a 5,0 m/s. No instante t = 0, ele se encontra em um ponto situado a 20 m à direita
da origem dos espaços. Supondo que a trajetória tenha orientação positiva para a direita,
determine:
a) a função horária do espaço;
b) o instante em que o móvel passa pela origem dos espaços.

E11A tabela a seguir apresenta as posições ocupadas por um móvel, em movimento uniforme,
em função do tempo.

Pede-se:
a) a partir dos dados da tabela, construa o diagrama horário do espaço e calcule a velocidade
escalar do móvel;
b) determine a posição (s0) do móvel no instante t = 0;
c) Escreva a função horária do espaço para esse móvel.

E12Dois carros A e B movimentam-se na mesma rodovia. No instante t = 0, suas posições e os


respectivos módulos de suas velocidades escalares constantes estão indicadas na figura
abaixo. Determine o ponto de encontro dos móveis.

Capítulo 3
Movimento
Uniformemente Variado – MUV
3.1 Aceleração Escalar Média
A aceleração escalar é a a grandeza física que nos indica o ritmo com que a velocidade
escalar de um móvel varia.
A aceleração é uma grandeza causada pelo agente físico força. Quando um móvel
receber a ação de uma força, ou de um sistema de forças, pode ficar sujeito a uma aceleração
e, conseqüentemente, sofrerá variação de velocidade.

Definição

Aceleração escalar média é a razão entre a variação de velocidade escalar instantânea e


o correspondente intervalo de tempo.

Assim, escrevemos:

No Sistema Internacional (SI), a unidade para a aceleração escalar média é o metro por
segundo por segundo (m/s/s), que abreviamos por m/s2. Outras unidades podem ser
utilizadas, tais como cm/s2 e km/h2.
A aceleração escalar média apresenta o mesmo sinal da variação de velocidade escalar
instantânea ( ), pois o intervalo de tempo ( ) é sempre positivo.
Quando informamos que num certo intervalo de tempo o móvel teve uma aceleração
escalar média de 2 m/s2, isto significa que em média a sua velocidade escalar esteve
aumentando de 2m/s a cada segundo. Por outro lado, uma aceleração escalar média de - 2
m/s2, quer dizer que sua velocidade escalar esteve diminuindo em média de 2 m/s a cada
segundo.

3.2 Aceleração Escalar Instantânea


De modo análogo à velocidade escalar instantânea, podemos obter a aceleração escalar
instantânea, partindo da expressão que nos fornece a aceleração escalar média ( / ),
fazendo tender a zero. Com este procedimento, a aceleração escalar média tende para um
valor denominado de aceleração escalar instantânea:

Em termos práticos, vamos determinar a aceleração instantânea da seguinte forma:

A aceleração escalar instantânea representa a aceleração do móvel num determinado


instante (t) e, mais precisamente, seu cálculo é feito através do processo de derivação, análogo
ao ocorrido com a velocidade escalar instantânea.
Em movimentos nos quais a velocidade escalar instantânea varia de quantidades iguais
em intervalos de tempo iguais, a aceleração escalar é uma constante. e, portanto, as
acelerações escalares instantânea e média apresentam o mesmo valor. Nestes casos, usamos
o termo aceleração escalar sem necessidade de especificar se é média ou instantânea.

3.3 Classificação
Sabemos que o velocímetro de um veículo indica o módulo de sua velocidade escalar
instantânea. Quando as suas indicações são crescentes, está ocorrendo um movimento variado
do tipo acelerado. Quando o velocímetro indica valores decrescentes, o movimento é
classificado como retardado.
De modo geral, podemos detalhar esses casos assim:
a) O móvel se movimenta com uma velocidade escalar instantânea, cujo módulo aumenta em
função do tempo. O movimento é denominado acelerado.

Para que isto ocorra, a aceleração escalar instantânea deve ser no mesmo sentido da
velocidade escalar instantânea, ou seja, e possuem o mesmo sinal.
b) O móvel se movimenta com velocidade escalar instantânea cujo módulo diminui em função
do tempo. O movimento é denominado retardado.
Para que isto ocorra, a aceleração escalar instantânea deve ser no sentido oposto ao da
velocidade escalar instantânea, ou seja, e possuem sinais opostos.

c) O móvel se movimenta com velocidade escalar instantânea constante em função do tempo.


O movimento é denominado uniforme. Para que isto ocorra, a aceleração escalar instantânea
deve ser nula ( = 0).

Observação:
Tanto o movimento acelerado quanto o retardado podem apresentar uma aceleração
escalar instantânea constante. Neste caso, o movimento recebe a denominação de
uniformemente acelerado ou retardado.

3.4 Diagrama Horário da Aceleração Escalar


Como no movimento uniformemente variado a aceleração escalar é constante
positiva ou negativa, podemos representá-la através do diagrama horário abaixo:

Propriedade
A variação de velocidade ( ) de um MUV, num intervalo de tempo ( t), é dada por:

Geometricamente, isto corresponde à área sob o gráfico a x t.


3.5 Função Horária da Velocidade Escalar
Considere um móvel trafegando em movimento uniformemente variado, com aceleração
escalar a.

Em destaque na figura acima, observamos que o móvel no instante t = 0 possui


velocidade escalar inicial 0. Após um tempo t, ele atinge a velocidade escalar .
Lembrando que = a t, podemos deduzir a função horária de sua velocidade assim:

Observe que todo MUV terá este tipo de função, isto é trata-se de uma função
matemática do 1º grau, onde 0 e a correspondem aos seus coeficientes linear e angular,
respectivamente.

3.6 Diagrama Horário da Velocidade Escalar


Já que a função horária da velocidade de todo MUV é do primeiro grau, o gráfico
velocidade x tempo terá a forma de uma reta inclinada, a partir da velocidade inicial 0.

Observe que a declividade da reta representa o coeficiente angular da função, ou seja:


3.7 Deslocamento Escalar
Vimos, no módulo anterior, que, no movimento uniformemente variado, a velocidade
escalar varia no tempo segundo uma função do primeiro grau (v = v0 + a t) e, portanto,
apresenta gráfico v x t como sendo uma reta inclinada.
Analogamente ao que ocorreu no estudo de movimento uniforme, a área compreendida
entre o gráfico v x t e o eixo dos tempos expressa o deslocamento escalar ocorrido no intervalo
de tempo escolhido.

Entre os instantes 0 e t, a área do trapézio destacado no gráfico acima representa o


deslocamento escalar efetuado pelo M.U.V.. Podemos, para facilitar o cálculo, dividir o trapézio
em um retângulo e um triângulo, de forma que, somando-se suas respectivas áreas, teremos o
deslocamento .

Esta expressão horária do 2o grau, denominada função horária do deslocamento,


permite calcular o deslocamento escalar ocorrido entre o instante inicial(t = 0) e um instante
final (t) qualquer, bastando que se conheça a velocidade escalar inicial (v0) do móvel e a sua
aceleração escalar (a).

3.8 Velocidade Escalar Média no M.U.V.


Sabemos que a razão fornece a velocidade escalar média de qualquer movimento.
Entretanto, no M.U.V., ela também pode ser calculada através da média aritmética das
velocidades instantâneas inicial (v0) e final (v). Observe a demonstração a seguir:
De modo geral, a velocidade escalar média no M.U.V. pode ser determinada entre dois
instantes quaisquer (t1 e t2), obtendo-se a média aritmética das velocidades escalares desses
instantes (v1 e v2), ou seja:

3.9 Equação de Torricelli


A equação de Torricelli é uma expressão que relaciona as três grandezas fundamentais
do M.U.V. : velocidade, aceleração e variação de espaço, independentemente do tempo.
A determinação da equação de Torricelli é feita a partir da fusão das funções horárias da
velocidade e do deslocamento, com a eliminação da grandeza tempo. Observe:

Substituindo esse valor de t na função horária do deslocamento, temos:

Desenvolvendo, matematicamente, a expressão acima, vem:

3.10 Função Horária do Espaço


Podemos obter a relação espaço-tempo do M.U.V. por meio da função horária do
deslocamento, já demonstrada. Observe:

Portanto, todo movimento uniformemente variado possui função horária do espaço do


segundo grau, sendo s0 , v0 e a/2 os coeficientes da função.
3.11 Diagrama Horário do Espaço
A representação gráfica de toda função matemática do segundo grau é uma parábola.
Como a função horária do espaço do M.U.V. é do 2o grau, o gráfico s x t será parabólico.

A concavidade da parábola do gráfico s x t será voltada para cima quando a aceleração


escalar do M.U.V. for positiva. Se a aceleração escalar for negativa, a concavidade da
parábola será voltada para baixo.
Repare que o vértice da parábola, do gráfico s x t acima, ocorre no instante ( ti ) de
inversão do sentido de movimento, que deixa de ser progressivo para ser retrógrado, ou vice-
versa.
Dessa forma, o instante do vértice da parábola, no gráfico s x t, sempre representa o momento
em que a velocidade do móvel é nula (v = 0).

 Exercícios Propostos
E13Um móvel possui velocidade escalar de 5,0 m/s. Sendo acelerado durante 10 s, atinge a
velocidade escalar de 25 m/s. Determine a aceleração escalar média para esse móvel.

E14Um automóvel, movimentando-se a 90 km/h, é freado e pára em 10 s. Determine a


aceleração escalar média durante a frenagem.

E15Um ponto material desloca-se sobre uma trajetória retilínea obedecendo à função horária do
espaço abaixo:

Classifique o movimento no instante t = 2 s, indicando se é progressivo ou retrógrado e se é


acelerado ou retardado.

E16Um automóvel com velocidade escalar de 90 km/h (ou seja, 25 m/s) é freado uniformemente
e pára após 10 s. Analisando esta frenagem, calcule:
a) a aceleração escalar do carro;
b) o seu deslocamento escalar até parar.

E17Um carro parte do repouso com uma aceleração escalar constante de 2,0 m/s2 e percorre 25
m. Nesse percurso:
a) qual a velocidade escalar final atingida pelo carro?
b) qual a sua velocidade escalar média?
E18A tabela a seguir fornece, em função do tempo, a velocidade escalar de uma pequena
esfera que desliza ao longo de uma rampa com aceleração constante.

Pede-se:
a) a aceleração escalar da esfera;
b) a função horária de sua velocidade;
c) o gráfico velocidade x tempo

E19Um carro parte do repouso e mantém uma aceleração escalar de 2,0 m/s2 durante 10 s.
Imediatamente após ele é freado bruscamente, vindo a diminuir sua velocidade escalar a uma
taxa constante de - 4,0 m/s2 até parar.
a) Determine a duração total deste movimento.
b) Construa os diagramas horários da velocidade e da aceleração escalares.
E20A velocidade escalar de um móvel varia com o tempo, a partir de t = 0, conforme a função:

a) Determine a sua velocidade inicial e sua aceleração escalar?


b) Em que faixa de tempo o movimento é retardado?

E21A função horária do espaço de um móvel é dada por:

Determine para esse movimento:


a) o espaço inicial (s0), a velocidade inicial (v0) e a aceleração escalar (a);
b) a função horária de sua velocidade.

E22O gráfico abaixo representa a posição (espaço) em função do tempo para o movimento de
uma partícula, que tem aceleração escalar constante.

Pede-se:
a) o instante (t) em que a partícula pára;
b) a sua velocidade escalar inicial (v0)0;
c) a sua aceleração escalar (a);
d) a função horária do espaço do móvel.
Capítulo 4
Introdução à Dinâmica
4.1 Preliminares
A Dinâmica é o ramo da Mecânica que estuda as causas do movimento de um corpo.
Estas causas estão relacionadas às forças que atuam sobre ele. Dessa maneira, o conceito de
força é de fundamental importância no estudo da Dinâmica.

4.2 Conceito de Força


Tomemos um corpo inicialmente em repouso. Esse corpo jamais conseguirá sair do
estado de repouso, a menos que receba a ação de uma força resultante não-nula.
Um corpo sozinho não exerce força sobre si mesmo. Logo:

É importante lembrar que a grandeza física, força, é uma grandeza vetorial, isto é, para
caracterizá-la precisamos definir sua intensidade (módulo), sua direção de atuação e seu
sentido.

Quando assinalamos uma força (F) num corpo, usando um vetor (seta), queremos
simbolizar a ação que ele está sofrendo de um outro corpo. Logo, o número de forças que um
corpo recebe está associado ao número de interações das quais ele participa.
4.3 Efeitos de Forças
Podemos reconhecer a existência de forças pelos efeitos que produzem quando
aplicadas a um corpo.

1. Deformação
A deformação é um dos efeitos causados pela força. Por exemplo, quando você chuta
uma bola, no ponto de contato entre o pé e a bola ocorre uma deformação.

2. Alteração de Velocidade
Outro efeito que a força pode produzir no corpo é a alteração de sua velocidade, que
consiste num aumento ou numa diminuição do módulo da velocidade, ou alteração da direção
da velocidade. No exemplo acima, além do pé do jogador deformar a bola, simultaneamente
seu chute altera a velocidade da bola.

3. Equilíbrio
O equilíbrio é outro efeito causado pela força. Por exemplo, você prende um corpo
através de um fio num suporte. A força do fio no corpo produz um equilíbrio, evitando que ele
caia pela ação da gravidade terrestre.

4. Medida de Forças
A intensidade de uma força pode ser medida através de um aparelho denominado
dinamômetro.
O dinamômetro é um instrumento constituído de uma mola que se deforma quando
recebe a ação de uma força. Logo, para cada deformação produzida, temos o dispositivo
indicando a intensidade da força aplicada.
No SI, a unidade de medida de força é o newton (N). Eventualmente pode-se utilizar a
unidade prática quilograma-força (kgf), sendo que 1 kgf = 9,8 N.
5. Tipos de Forças
As forças trocadas entre os corpos podem ser de contato ou de campo (ação à
distância). Destacamos, a seguir, as orientações (direção e sentido) de algumas dessas forças
que usaremos na Dinâmica.

5.1 Força Peso


Denomina-se força peso a força de campo gravitacional que a Terra exerce sobre
qualquer objeto colocado próximo à sua superfície. Ela tem direção vertical e sentido para
baixo.

5.2 Força de Tração


É a força de contato aplicada por um fio (ou eventualmente por uma barra) sobre um
corpo. A força de tração tem a direção do fio e sentido de puxar.

5.3 Força Normal


A força de reação normal de apoio, ou simplesmente força normal , é a força de
empurrão que uma superfície exerce sobre um corpo nela apoiado.
Quando um bloco (um livro, por exemplo) encontra-se em repouso sobre uma mesa, ele recebe
da mesa uma força de compressão que impede a sua penetração sobre ela devido à ação da
força peso.
A força normal tem direção perpendicular às superfícies de contato e sentido de empurrar.

5.4 Força de Atrito


Quando se lança um corpo sobre uma mesa comum horizontal, ele pára após percorrer
uma certa distância. Isso significa que houve uma resistência ao seu movimento. Essa
resistência altera a velocidade do corpo e é, portanto, medida por uma força.
Essa força de contato motivada por asperezas superficiais recebe o nome de força de

atrito .

Tal força de atrito é paralela às superfícies de contato e se opõe ao deslizamento


relativo ou à tendência de escorregamento.

6. Resultante das Forças


Na maioria das situações práticas, o corpo em estudo fica sujeito a várias forças que
agem simultaneamente: um carro movimenta-se numa estrada; um lustre preso ao teto através
de correntes, etc. Normalmente, é possível substituir todas as forças aplicadas por uma única,
chamada de resultante das forças ou força resultante , cuja característica principal é a de
produzir o mesmo efeito que todas as forças juntas.
Devemos tomar muito cuidado com a resultante, porque ela não é uma força aplicada no corpo
e sim a que substitui as forças atuantes. Quando não-nula, a força resultante produz variações
na velocidade do corpo.
Se n forças agem simultaneamente sobre um objeto, podemos obter a resultante das
forças através da adição vetorial das n forças aplicadas. Assim temos:
Capítulo 5
As Leis de Newton
5.1 Primeira Lei de Newton
1. Introdução
Durante séculos, o estudo do movimento e suas causas tornou-se o tema central da
filosofia natural. Entretanto, somente na época de Galileo e Newton foi realizado extraordinário
progresso na solução do mesmo.

Galileu Galilei Isaac Newton

O inglês Isaac Newton (1642-1727), nascido no natal do ano da morte de Galileu, foi o
principal arquiteto da Mecânica clássica. Ele conseguiu sintetizar as idéias de Galileu e de
outros que o precederam, reunindo-as em três leis, publicadas pela primeira vez em 1686, no
livro Principia Mathematica Philosophiae Naturalis.
Para que possamos entender a essência de tais leis, necessitamos antes apresentar algumas
idéias de Galileu sobre o movimento.

2. Conceito de Inércia
Antes de Galileo, a maioria dos pensadores acreditava que um corpo em movimento
encontraria-se num estado forçado, enquanto que o repouso seria o seu estado natural.
A experiência diária parece confirmar essa afirmativa. Quando depositamos um livro
sobre uma mesa é fácil constatar seu estado natural de repouso. Se colocarmos o livro em
movimento, dando-lhe apenas um rápido empurrão, notamos que ele não irá se mover
indefinidamente: o livro deslizará sobre a mesa até parar. Ou seja, é fácil observar que cessada
a força de empurrão da mão, o livro retorna ao seu estado natural de repouso. Logo, para que o
livro mantenha-se em movimento retilíneo uniforme é necessária a ação contínua de uma força
de empurrão.

Galileu, entretanto, foi contra essa idéia de movimento ser um estado necessariamente
forçado, argumentando que o livro só interrompeu seu deslizamento (vindo a parar) em razão
da existência de atrito com a mesa. Isto é, se lançássemos o livro sobre uma mesa menos
áspera, haveria menos resistência ao seu deslizamento. Se o seu lançamento ocorresse sobre
uma mesa perfeitamente polida, livre de atritos, o livro manter-se-ia em movimento retilíneo
uniforme indefinidamente, sem a necessidade de estar sendo continuamente empurrado.
Em virtude disso, Galileu conclui ser uma tendência natural dos corpos a manutenção
de seu estado de repouso ou de seu estado de movimento retilíneo uniforme, promovendo
aos corpos uma propriedade denominada inércia.
Assim, todo corpo em repouso tende a permanecer em repouso e todo corpo em
movimento tende a permanecer em movimento retilíneo uniforme.
No cotidiano, notamos essas tendências ao observarmos uma pessoa de pé no interior de um
ônibus. Quando o ônibus arranca, o passageiro por inércia tende a permanecer em repouso em
relação ao solo terrestre. Como o ônibus vai para frente, a pessoa que não estava se
segurando cai para trás no ônibus.

Agora, se o ônibus estivesse em movimento e de repente freasse, a pessoa cairia para


frente. Graças à inércia, o passageiro exibe, nesse caso, sua vontade de continuar em
movimento em relação ao solo terrestre: o ônibus pára, o passageiro não.

Logo, o cinto de segurança nos automóveis tem a função de proteger o passageiro da


inércia de seu movimento, no caso de uma freada brusca ou colisão.

3. Princípio da Inércia ou Primeira Lei de Newton


Sintetizando a idéia de inércia de Galileo, Newton enunciou sua primeira lei nestas palavras:

Tradução do Principia.

Notamos, no enunciado acima, a clara intensão de se definir força como o agente que
altera a velocidade do corpo, vencendo assim a inércia (tendência natural de manter
velocidade). Podemos concluir, então, que um corpo livre de ação de forças, ou com resultante
de forças nula, conservará (por inércia) sua velocidade constante.
Ou seja:

Em resumo, podemos esquematizar o princípio da inércia assim:


4. Referencial Inercial
Sistema de referência inercial é aquele relativo ao qual um corpo permanece em
repouso ou em movimento retilíneo uniforme, quando nenhuma força (ou resultante) atua sobre
ele. Isto é, um referencial inercial é aquele em que a primeira lei de Newton descreve
corretamente o movimento de um corpo em equilíbrio.
Normalmente, adota-se como sistema de referência inercial todo sistema de referência
em repouso ou em translação retilínea e uniforme em relação às estrelas fixas, que são
estrelas que aparentam manter fixas suas posições no céu após muitos séculos de
observações astronômicas.

Para a grande parte dos problemas de Dinâmica, envolvendo movimentos de curta


duração na superfície terrestre, podemos considerar um sistema de referência fixo na superfície
da Terra como inercial. Muito embora, a Terra não seja um perfeito referencial inercial por
causa da sua rotação e translação curvilínea.
Quando um ônibus arranca, freia ou executa uma curva, ele possui aceleração em relação ao
solo. Nessas situações, os passageiros não podem justificar seus comportamentos pela
Dinâmica newtoniana, quando tomam o ônibus como referencial. Em tais casos, cada
passageiro deve ter seu movimento analisado em relação ao solo terrestre (referencial inercial).

5.2 Segunda Lei de Newton


1. Introdução
De acordo com o princípio da inércia, se a resultante de forças atuantes num corpo for
nula, o corpo consegue manter, por inércia, sua velocidade constante, ou seja, não possui
aceleração. Logo, força consiste num agente físico capaz de produzir aceleração, alterando o
estado de repouso ou de movimento dos corpos.

2. Princípio Fundamental ou Segunda Lei de Newton


Quando uma força resultante está presente em uma partícula, esta adquire uma
aceleração na mesma direção e sentido da força, segundo um referencial inercial.

A relação, nesse caso, entre a causa (força resultante) e o efeito (aceleração adquirida)
constitui o objetivo principal da segunda lei de Newton, cujo enunciado pode ser simplificado
assim:
Isso significa que, sendo a massa do corpo constante, a força resultante e a aceleração
produzida possuem intensidades diretamente proporcionais. Ou seja, quanto mais intensa for a
força resultante, maior será a aceleração adquirida pelo corpo.

Logo, a relação entre as intensidades de e constitui uma função linear, onde a


massa (constante) corresponde à declividade (tg ) da semi-reta do gráfico .

3. Massa – Medida da Inércia


Os gráficos abaixo representam a relação força resultante x aceleração adquirida para
dois corpos A e B de massas diferentes (gráficos com declividades diferentes).

Observe que, para um mesmo valor (F) de força resultante, a intensidade da aceleração
adquirida pelo corpo A é menor que a adquirida por B, ou seja, o corpo A tende a variar menos
a sua velocidade que B. Isso evidencia que o corpo A oferece maior resistência à alteração de
sua velocidade, isto é, o corpo A possui maior inércia. A partir do gráfico acima,temos:
Portanto, a massa de um corpo deve ser vista como uma propriedade da matéria que
indica a resistência do corpo à alteração de sua velocidade, ou seja, a massa mede a sua
inércia.

4. Unidades de Medida
A unidade de massa no Sistema Internacional (SI) é o quilograma (kg), padrão definido
por um cilindro de platina conservado no museu de Sèvres, em Paris.
Podemos definir a unidade de força newton (N) pela segunda lei de Newton, relacionando-a
com as unidades internacionais de massa e aceleração. Observe:
• unidade de massa u(m) = kg
• unidade de aceleração
• u(F) = u(m) :

Ou seja:

5.3 Terceira Lei de Newton


1. Introdução
Sabemos que força é fruto da interação, ou seja, uma força atuante em um corpo
representa a ação que este corpo recebe de um outro corpo.
Isaac Newton percebeu que toda ação estava associada a uma reação, de forma que, numa
interação, enquanto o primeiro corpo exerce força sobre o outro, também o segundo exerce
força sobre o primeiro. Assim, em toda interação teríamos o nascimento de um par de forças: o
par ação-reação.

2. Lei da Ação e Reação


O Princípio da Ação e Reação constitui a Terceira Lei de Newton e pode ser enunciado
assim:

Se um corpo A aplicar uma força sobre um corpo B, receberá deste uma força de mesma
intensidade, mesma direção e sentido oposto à força que aplicou em B.

Podemos observar essa troca de forças entre dois corpos, por exemplo, na colisão
abaixo.
A força que A exerce em B ( ) e a correspondente força que B exerce em A ( )
constituem o par ação-reação dessa interação de contato (colisão). Essas forças possuem
mesma intensidade, mesma direção e sentidos opostos.
Ou seja:

Ao aplicarmos a terceira lei de Newton, não podemos esquecer que as forças de ação e
reação:
a) estão associadas a uma única interação, ou seja, correspondem às forças trocadas entre
apenas dois corpos;
b) têm sempre a mesma natureza (ambas de contato ou ambas de campo), logo, possuem o
mesmo nome (o nome da interação);
c) atuam sempre em corpos diferentes, logo, não se equilibram.

3. Exemplos de Interações
Observe a seguir os pares ação-reação de algumas básicas interações de campo e de
contato.

3.1 Interações de campo

3.2. Interações de contato

 Exercícios Propostos
E24Sobre um corpo de dimensões desprezíveis, atuam duas forças, cujas intensidades são:F1 =
8,0 N e F2 = 6,0.
Entre quais valores se situa a intensidade da força resultante?

E25Uma partícula encontra-se sob a ação exclusiva de três forças, como indica a figura em
escala. Qual a intensidade, a direção e o sentido da resultante dessas forças atuantes?
E26Um automóvel faz uma curva. Existe força resultante agindo nele?

E27Um bloco, depositado sobre um plano inclinado, permanece em repouso como ilustra a
figura.

a) Usando vetores, indique as orientações das forças peso, normal e atrito atuantes no bloco.
b) O que se pode afirmar sobre a resultante das forças que atuam no bloco?

E28O filósofo grego Aristóteles (384 a.C.- 322 a.C.) afirmava aos seus discípulos:
“Para manter um corpo em movimento, é necessário a ação contínua de uma força sobre ele.”
Esta proposição é verdadeira ou falsa?

E29É correto afirmar que os planetas mantêm seus movimentos orbitais por inércia?

E30Um elevador de um prédio de apartamentos encontra-se, durante um certo tempo, sob a


ação exclusiva de duas forças opostas: o peso e a tração do cabo, ambas de intensidade igual
a 2 000 N.
O elevador está parado?

E31Observe a figura a seguir.


Sobre uma mesa horizontal lisa, uma esfera deixa de executar seu movimento circular
uniforme e sai tangente à curva, após o rompimento do fio que garantia sua circulação.
Qual o tipo de movimento que a esfera realiza após o rompimento do fio? Justifique.

E32O diagrama a seguir mostra a variação do módulo da aceleração de duas partículas A e


B em função da intensidade da força resultante (FR) sobre elas.

Calcule a massa de cada partícula.

E33O esquema abaixo mostra uma partícula de massa 2,0 kg sujeita à ação exclusiva de duas
forças perpendiculares entre si, cujos módulos são: F1 = 6,0 N e F2 = 8,0 N.

a) Qual o módulo da aceleração da partícula?


b) Orientando-se convenientemente tais forças, qual o módulo da maior aceleração que a
resultante dessas forças poderia produzir na partícula?

E34Uma bola de peso igual a 1 N encontra-se em repouso, suspensa através de um fio ao teto
de uma sala. Considere que ela esteja sujeita a ação exclusiva de seu peso ( ) e da força de
tração do fio ( ), como ilustra o esquema ao lado.

a) Qual o módulo da força de tração?


b) As forças e constituem um par ação-reação?
E35A figura a seguir mostra uma caixa de massa 50 kg sendo erguida verticalmente, com
aceleração ascendente de 1,0 m/s2, por um elevador de um prédio. Adote g = 10 m/s2.

a) Quais as intensidades das forças atuantes na caixa durante sua elevação ?


b) Qual a intensidade da força exercida pela caixa sobre o piso do elevador?

Você também pode gostar