Você está na página 1de 2

O ENSINO DA FÍSICA A PARTIR DO GÊNERO LITERÁRIO

FÁBULA
Rosane Tavares de Almeida

Curso de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências / Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do
Rio de Janeiro (IFRJ) / profaro@hotmail.com

Palavras-chave: Ensino de Física, Fábulas, Interdisciplinaridade e Literatura.

1- Introdução

O ensino de física, disciplina conhecida na educação básica apenas por alunos do


ensino médio, é algo muito distante e desconhecido dos alunos do ensino fundamental. Até
mesmo no ensino médio, seus conteúdos são percebidos de maneira distante e
fragmentados. Professores de física, assim como os de outras disciplinas, mantêm-se
isolados em seus campos do saber, seus conhecimentos quase nunca se cruzam e às vezes
estão muito afastados da realidade de seus alunos, impossibilitando-os de um aprendizado
verdadeiramente significativo e aplicável.
A interdisciplinaridade visa romper com a fragmentação desse conhecimento.
Segundo Ivani Fazenda, “o pensar e o agir interdisciplinar se apóiam no princípio de que
nenhuma fonte de conhecimento é em si só completa, e de que é no diálogo com outras
formas do conhecimento, que surgem novos desdobramentos na compreensão da
realidade” (FAZENDA, 1979, p. 89).
Uma proposta de aprendizado interdisciplinar deve ser consciente de seus objetivos,
de suas barreiras e de sua necessidade. Deve acontecer com respeito, humildade e, segundo
a mesma autora (p. 39), com “(...) ousadia de busca, da pesquisa, do desejo de criar, de
inovar, de ir além”.
O presente trabalho tem como objetivo aproximar alguns conceitos da física de
alunos do ensino fundamental. Para isso escolheu-se uma proposta interdisciplinar onde a
literatura, além de promover o prazer pela leitura, possibilita o reconhecimento de
fenômenos físicos presentes em nosso dia a dia. O gênero textual escolhido foi o narrativo
e nele a leitura de fábulas se justifica por ser rápida, de fácil compreensão e por estar
próxima de nossa realidade.

2- Objetivos

O assunto da Ciência deve ser compartilhado a todos, e definitivamente tornar-se


assunto social.
É imprescindível, deste modo, um ensino de Ciências que prepare o cidadão para
compreender seus mais amplos significados e implicações, sua natureza, suas limitações, seus
potenciais dentro da sociedade. Uma das múltiplas possibilidades que se abrem para um ensino
de Ciências voltado neste sentido está em olhar para uma das matérias culturais menos
lembradas quando se pensa nesta disciplina: a literatura.
Uma das propostas da literatura é permitir com que o Homem se veja e se compreenda
no mundo. Acreditamos que a física também tem essa visão, só que nela o Homem passa a
compreender o mundo através do conhecimento e da compreensão de seus fenômenos.
O trabalho em questão tem como objetivo principal aproximar os alunos de conceitos da
Física através da leitura de fábulas, gênero literário escolhido por estar próxima de suas
realidades e por ser de fácil compreensão. Além disso, proporcionar a leitura, expandir o
universo de interpretações através da linguagem e interligar os conhecimentos de variadas áreas
para que o aprendizado torne-se significativo.
3- Metodologia

Apresentação e leitura de duas fábulas de Esopo: A lebre e a tartaruga e O cachorro e


sua sombra. Através das leituras, proporcionar um encontro interdisciplinar entre Língua
Portuguesa, Literatura, Física, Educação Física, Artes, Sociologia e Matemática onde se
abordariam os conceitos físicos de Movimento e Reflexão aproximando-os do dia a dia dos
alunos. Seriam propostas encenações, aulas práticas para reforço do aprendizado de tais
conceitos, problemas matemáticos (equação do 1º grau) para resolver percurso e velocidade,
corridas entre alunos, debates sobre valores e atitudes humanas, entre outros.
A ideia aqui não é o aprofundamento de conceitos físicos, nem tampouco abordá-los de
forma complexa, mas aproximá-los de forma simples da vida e dos conhecimentos dos
educandos, fazer com que eles se reconheçam em cada um deles. A fábula, sendo a metáfora da
vida humana, nos permite fazê-lo satisfatoriamente.

4- Resultados e Discussões

Para o físico e educador da Universidade de São Paulo (USP), Luis Carlos de Menezes
(2009, p.90), “a leitura e a escrita, sendo essenciais na formação escolar e humana, merecem
atenção especial dos professores de diversas áreas” e ainda mais, da existência de uma política
educacional efetiva para sua realização.
A crença de que Ciência nada tem a ver com Português levou e ainda leva a dois graves
analfabetismos: o científico e o literário. Uma maneira de contornar esse problema é fazer o
caminho inverso ao já realizado pelos escritores que visitam a Ciência: visitar a literatura.
A proposta deste trabalho é interdisciplinar e ainda não obteve resultados, pois nunca
fora apresentado antes, mas é importante dizer que romper a barreira entre ciência e literatura
requer disposição e tempo de todos os atores envolvidos no processo educacional, e também do
reconhecimento de ser possível e necessária a integração dos saberes para uma formação
integral do Homem.

5- Conclusão

A metodologia de ensino enfatizada neste trabalho permite ao educando observar,


entender e interpretar fenômenos físicos em situações vivenciais a partir da leitura de fábulas.
Propõe também disseminar crenças que coloquem a ciência tão afastada de suas vidas e assim
difícil na sua compreensão, destinada apenas a cientistas.
Essa proposta interdisciplinar certamente proporcionaria aos alunos uma maior
apreensão dos conteúdos, pois não os fragmentariam destacando especificidades variadas e tão
longe de suas realidades.
Unir ciência, mais especificamente aqui física à literatura é quebrar barreiras, criar
pontes na promoção de um aprendizado significativo e real. As fábulas, assim como qualquer
gênero textual, promovem esta possibilidade. Como na física, também há nelas vida, pois o
Homem se faz presente e eterno enquanto existir linguagem.

6- Referências Bibliográficas

FAZENDA, Ivani C. A. Integração e Interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade


ou ideologia. São Paulo: Edições Loyola, 1979.

MENEZES, Luis C. de (2009), “A língua em todas as disciplinas”. Revista Nova Escola,


221, 90.