Você está na página 1de 1

PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL

Wilson nunca assimilou bem a separação com Bruna. Estavam namorando há 02 (dois) anos, mas Bruna resolveu encerrar a relação, pois já estava
desgastada por conta das reiteradas cenas de ciúmes de Wilson. No dia 06 de maio de 2021, Wilson se encontra na sua residência, na cidade de
Niterói/RJ, conectado à internet e navegando por suas redes sociais, quando visualizou uma foto da sua ex-namorada abraçando Naldinho, rapaz que
costuma “dar um tapa” na barba e cabelo. Irritado com a cena, Wilson, com o intuito de macular a honra do rival, publicou o seguinte comentário:
“não sei como você pode namorar o responsável por diversos estabelecimentos destinados à prática da contravenção penal consistente em jogos de
azar, tanto que um deles havia sido interditado no dia anterior”, e, na sequência, afirmou, ainda, que Naldinho era ladrão e estelionatário. No
mesmo dia, Guilherme Pedrozo e Luiz Henrique, dançarinos de funk e amigos de Naldinho, o advertiram a olhar sua rede social, momento em que
visualizou a publicação com os comentários ofensivos de Wilson no perfil pessoal de Bruna. Envergonhado, ficou sem reação, não conseguindo
disfarçar o constrangimento. Passados alguns dias da data dos fatos, Naldinho procurou seu escritório de advocacia e narrou a conduta de Wilson
que o deixou envergonhado, pedindo providências na seara criminal. Você, na qualidade de advogado(a) de Naldinho, deve assisti-lo. Informa-se que
a cidade de Niterói, no Estado do Rio de Janeiro, possui Varas Criminais e Juizados Especiais Criminais. Com base somente nas informações de que
dispõe e nas que podem ser inferidas pelo caso concreto acima, redija a peça cabível, sustentando, para tanto, as teses jurídicas pertinentes,
datando-a, ainda, no último dia do prazo. (Valor: 5,00)
Obs.: A peça deve abranger todos os fundamentos de Direito que possam ser utilizados para dar respaldo à pretensão. A simples menção ou
transcrição do dispositivo legal não confere pontuação.
QUESTÃO 1
Decidido a praticar crime de furto, a fim de trocar os objetos subtraídos por droga, Wilson, que responde a processo por estelionato, ingressa na
residência de um vizinho e subtrai uma TV. Chegando em casa, narra o fato para sua mãe, que o convence a devolver o aparelho subtraído. No dia
seguinte, Wilson atende à sugestão da mãe e devolve o bem para a vítima, narrando todo o ocorrido ao lesado, que, por sua vez, comparece à
delegacia e promove o registro próprio. Após conclusão do inquérito policial, o Ministério Público oferece denúncia contra Wilson, imputando-lhe a
prática do crime previsto no artigo 155, “caput”, do Código Penal. Após o recebimento da denúncia, Wilson é devidamente citado, não apresentando,
todavia, a resposta à acusação e nem constituiu defensor para apresentá-la. Diante da inércia de Wilson, o Magistrado decretou sua revelia e
designou audiência de instrução e julgamento. Encerrada a instrução, o Ministério Público pugnou pela condenação do réu nos termos da denúncia.
Considerando as informações narradas, responda, na condição de advogado(a) nomeado para acompanhar Wilson a partir da audiência de instrução,
na ocasião da apresentação dos memoriais escritos:
A) Qual argumento de direito processual poderia ser alegado em busca da anulação do processo a partir da citação de Wilson? Justifique. (Valor:
0,65)
B) Qual argumento de direito material deverá ser apresentado em busca de redução da sanção penal na hipótese de eventual sentença condenatória?
Justifique. (Valor: 0,60)
QUESTÃO 2
Naldinho, jovem rebelde, respondendo a inquérito policial por embriaguez ao volante, previsto no artigo 306 da Lei 9503/97 (CTB), nutre séria
inimizade em relação à Guilherme, vulgo “Guigui”, por conta de um concurso de dança vencido por este. Inconformado com o resultado, Naldinho
sai à procura de Guilherme, que conta com 35 anos de idade, com a intenção de lesioná-lo. Naldinho encontrou Guilherme conversando com Rebeca,
senhora de 65 anos de idade. Ao avistar o desafeto, Naldinho pega uma pesada pedra e a joga buscando lesionar Guilherme, atingindo, todavia, o
rosto da senhora que estava ao lado da vítima pretendida. Guilherme, que não sofreu qualquer lesão, tenta salvar a senhora, levando-a ao hospital,
sendo constatado, na sequência, debilidade permanente de função, já que teve limitada a visão do olho direito. Diante disso, após conclusão do
respectivo inquérito policial, o Ministério Público ofereceu denúncia contra Naldinho, não oferecendo proposta de suspensão condicional do
processo, sob o argumento de que responde a inquérito policial pela prática, em tese, do crime de embriaguez ao volante, imputando-lhe a prática
do crime de lesão corporal grave, com a causa de aumento de pena por ter sido praticado contra pessoa maior de 60 (sessenta) anos, nos termos do
artigo 129, §§ 1º e 7º, do Código Penal. Ao final da regular instrução, o Magistrado condenou Naldinho nos termos da denúncia, fixando a pena de
01 ano e 04 meses de reclusão, por conta da causa de aumento de pena previsto no artigo 129, § 7º, do Código Penal. Considerando as informações
narradas, responda, na condição de advogado(a) de Naldinho:
A) Agiu corretamente o Ministério Público ao não formular proposta de suspensão condicional do processo? Justifique. (Valor: 0,60)
B) Qual argumento de direito material deverá ser apresentado em busca de redução da sanção penal imposta na sentença condenatória? Justifique.
(Valor: 0,65)
Obs.: O(a) examinando(a) deve fundamentar as respostas. A mera citação do dispositivo legal não confere pontuação.
QUESTÃO 3
Wilson recém havia completado 20 (vinte) anos de idade, e, além do aniversário, comemorava também sua aprovação no vestibular para ingressar
no curso de Engenharia Elétrica. No dia 04.03.2015, primeiro dia de aula, como era de tradição, os veteranos prepararam a recepção aos calouros do
curso de Engenharia Elétrica. As brincadeiras dos acadêmicos transcorriam normalmente até que um grupo de veteranos passou a obrigar os
calouros a ingerirem bebida alcoólica. Wilson, que não estava acostumado a ingerir bebida alcoólica, negou-se a participar da “brincadeira”. Não
obstante sua negativa, foi forçado a ingerir quase uma garrafa de cachaça pura, ficando completamente embriagado. Por conta do seu estado etílico,
Wilson pegou uma barra de ferro e desferiu um violento golpe contra Fabinho, um dos veteranos do Curso de Engenharia, mas que não participava
do grupo que obrigou os calouros a ingerirem bebida alcoólica, causando-lhe lesões corporais graves, já que ficou incapacitado para as ocupações
habituais por mais de trinta dias. Diante disso, o Ministério Público ofereceu denúncia contra Wilson, imputando-lhe a prática do delito do artigo 129,
§ 1º, inciso I, do Código Penal. Após regular processamento e encerramento da instrução, o Ministério Público pugnou pela condenação nos termos
da denúncia. A defesa foi intimada no dia 12 de agosto de 2016 (sexta-feira). Analise o caso narrado e, com base apenas nas informações dadas,
responda, fundamentadamente, aos itens a seguir.
A) Qual o meio de impugnação, diverso de habeas corpus, a defesa de Wilson deverá utilizar e qual o último dia do prazo para sua apresentação?
(Valor: 0,60)
B) Qual tese de direito material deve ser invocada em favor de Wilson e o pedido correspondente? (Valor: 0,65)
QUESTÃO 4
Luiziney, jovem de 22 anos, teve um curto relacionamento amoroso com Marivânia, de 63 anos. Inconformado com o término do relacionamento
por iniciativa de sua amada e querendo adquirir um veículo Honda Civic ano 2008, Luiziney, no dia 23 de março de 2021, utilizando-se de meios
eletrônicos para captação de dados bancário de sua ex-namorada, consegue acessar a conta bancária de Marivânia, efetuando três transferências
pela internet, que totalizaram o valor de R$ 33.500,00 (trinta e três mil e quinhentos reais) da conta corrente de Marivânia no Banco do Brasil, sem o
seu consentimento, para a sua conta pessoal.
Ao perceber o valor a menor em sua conta, Marivânia registrou ocorrência na delegacia de polícia da Comarca de Porto Alegre, local em que reside e
onde está localizada a agência do Banco do Brasil na qual possui conta. Posteriormente, Luiziney restou indiciado pelo crime de furto qualificado
pela fraude, nos termos do artigo 155, parágrafo 4°-B do CP, incluído pela Lei 14.155/2021, com vigência a partir de 28 de maio de 2021,
confessando o delito. O Ministério Público oferece denúncia pelo crime em questão e deixa de oferecer o ANPP considerando que tal crime possui
pena mínima de 4 anos, o que inviabiliza tal benesse, nos termos do artigo 28-A do CPP.
Considerando exclusivamente os dados narrados acima, pergunta-se:
A) Qual a tese de direito material cabível para questionar a capitulação delitiva efetuada pelo Ministério Público? (Valor: 0,60)
B) Considerando que Luiziney é primário e que nunca respondeu a outro processo criminal, seria possível a celebração do acordo de não persecução
penal? (Valor: 0,65)

Você também pode gostar