Você está na página 1de 57

CFP1.

06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

HARDWARE..............................................................................................................................................3
APRESENTAÇÃO GERAL DOS CLPS DA LINHA TSX 37 ..............................................................................3
A FLEXIBILIDADE DOS CLPS DA LINHA TSX 37.......................................................................................4
DESCRIÇÃO FÍSICA....................................................................................................................................4
Descrição Física do CLP TSX 37-10...................................................................................................4
Descrição Física dos CLPs TSX 37-21 / TSX 37-22............................................................................5
Descrição Física do Bloco de Extensão ..............................................................................................5
ALIMENTAÇÃO..........................................................................................................................................6
MÓDULOS DE I/O DISCRETOS ...................................................................................................................6
CANAIS CONTADORES ..............................................................................................................................6
Contadores Utilizando Entradas Discretas .........................................................................................7
Contadores Integrados no TSX 37-22..................................................................................................8
Módulos Contadores............................................................................................................................9
ENTRADAS E SAÍDAS ANALÓGICAS...........................................................................................................9
ESTRUTURA DE MEMÓRIA ......................................................................................................................10
BLOCO DE VIZUALIZAÇÃO...............................................................................................................11
VISUALIZAÇÃO DOS ESTADOS E FALHAS DOS MÓDULOS ........................................................................11
Visualizando o Estado do CLP ..........................................................................................................11
Visualizando os Estados de I/O .........................................................................................................12
Visualização de Falhas nos Módulos ................................................................................................12
VISUALIZAÇÃO DE OBJETOS DA LINGUAGEM .........................................................................................12
Word de Comando e de Estado ( %SW67 ) .......................................................................................12
Word de índice ( %SW68 ).................................................................................................................13
Word de endereçamento ( %SW69 ) ..................................................................................................14
PORTA DE COMUNICAÇÃO...............................................................................................................15
CONEXÕES ..............................................................................................................................................15
Terminal de Programação.................................................................................................................16
Painel do Operador ...........................................................................................................................16
Terminal de Programação e Painel do Operador .............................................................................17
CARTÕES DE COMUNICAÇÃO PCMCIA ........................................................................................18
CARACTERÍSTICAS FÍSICAS .....................................................................................................................18
DIAGNÓSTICOS VISUAIS DO CARTÃO PCMCIA......................................................................................19
CONEXÃO DO CARTÃO TSX SCP 114.....................................................................................................19
Conexão a um Barramento UNI-TELWAY ........................................................................................19
Conexão a um Barramento Modbus ..................................................................................................20
NORMA IEC - 1131 .................................................................................................................................21
GENERALIDADES ....................................................................................................................................21
A norma IEC 1131: história ..............................................................................................................21
Vantagens da norma IEC 1131-3 : ....................................................................................................21
A norma define: .................................................................................................................................21
Linguagens normalizadas :................................................................................................................21
Objetos linguagem.............................................................................................................................22
LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO ............................................................................................................22
Ladder Diagram ( LD )......................................................................................................................23
Function Block Diagram (FBD ) .......................................................................................................24
Function Block Diagram (IL) ............................................................................................................23
Structured Text (ST)...........................................................................................................................25
Sequential Function Chart ( SFC ) ....................................................................................................24
SOFTWARE PL7 MICRO ......................................................................................................................25
CARACTERÍSTICAS DO SOFTWARE ..........................................................................................................25
Ambiente do Software ........................................................................................................................25
BARRA DE MENU ....................................................................................................................................26
File.....................................................................................................................................................26
Edit ....................................................................................................................................................26
1
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Utilities ..............................................................................................................................................27
View ...................................................................................................................................................27
Application.........................................................................................................................................27
PLC....................................................................................................................................................27
Window ..............................................................................................................................................28
Debug ................................................................................................................................................28
Options ..............................................................................................................................................28
Help ...................................................................................................................................................28
FERRAMENTAS PARA CONSTRUÇÃO DAS APLICAÇÕES ...........................................................................29
O Toolbar ..........................................................................................................................................29
Paleta para a Construção da Aplicação em Ladder..........................................................................30
Debug Bar..........................................................................................................................................31
Status Bar ..........................................................................................................................................32
CONFIGURAÇÃO DO CLP ........................................................................................................................33
CONFIGURAÇÃO DAS VARIÁVEIS ............................................................................................................41
Variáveis de Memória (%Mi) ............................................................................................................42
Variáveis do Sistema (%Si)................................................................................................................42
Constantes (%Ki)...............................................................................................................................42
Variáveis do Bloco de Funções .........................................................................................................43
Variáveis de I/Os ...............................................................................................................................43
FORMATO DAS INSTRUÇÕES....................................................................................................................44
Instruções Booleanas.........................................................................................................................45
BLOCO DE FUNÇÕES ...............................................................................................................................45
Temporizadores .................................................................................................................................46
Contadores.........................................................................................................................................47
Monoestáveis .....................................................................................................................................48
Registradores.....................................................................................................................................49
Drums ................................................................................................................................................50
BLOCO DE COMPARAÇÃO .......................................................................................................................52
Bloco de Comparação Vertical..........................................................................................................52
Bloco de Comparação Horizontal ....................................................................................................52
ANIMATION TABLE .................................................................................................................................53
DOCUMENTATION ...................................................................................................................................55

2
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Hardware dos CLPs da linha TSX Micro 37


Apresentação geral dos CLPs da linha TSX 37:

A linha de CLPs TSX 37 consiste de três tipos de CLPs de modo a responder da melhor
maneira possível as necessidades de seus usuários:

• CLP TSX 37-10 :


 Compacto e modular;
 5 configurações básicas;
 Número de I/Os pode ser incrementado até:
o 112 com bornes para conexão;
o 184 com conectores HE10.

.
Aspecto físico do CLP modelo TSX 37-10

• CLP TSX 37-21:


 Modular;
 Memória de programa do usuário pode ser aumentada;
 Aceita um módulo de comunicação;
 Não tem módulos de I/O embutidos como padrão;
 Pode receber até: 140 I/Os com bornes para conexão;
 Configurações quanto à alimentação: AC, DC.

• O CLP TSX 37-22 é idêntico em muitas maneiras com o CLP TSX 37-21 com a adição de
funções de contagem rápida e E/S analógicas.

Aspecto físico dos CLPs modelo TSX 37-21 / TSX 37-22.

3
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

A Flexibilidade dos CLPs da Linha TSX 37:

A flexibilidade e a praticidade são algumas das grandes vantagens dos CLPs da linha TSX
37. Eles permitem a expansão do número de alojamentos (slot) para a inserção de módulos
através de um bloco (rack) de extensão e estes, no que diz respeito a I/Os discretos, são
fornecidos em 2 tamanhos:

• Tamanho padrão  ocupam duas posições de alojamento (slot);


• Tamanho reduzido  ocupam apenas uma posição de alojamento (slot).

Descrição Física:

Descrição Física do CLP TSX 37-10:

1. Bloco com dois alojamentos, integrando a alimentação, o processador e sua memória;

2. Pontos de montagem do CLP;


3. Bloco central de visualização;
4. Porta de comunicação (TER);
5. Botão de reinicialização (RESET);
6. Tampa para acesso aos terminais de alimentação;
7. Etiqueta a ser preenchida quando na troca de bateria;
8. Tampa para acesso à bateria opcional;
9. Módulo de 28 ou 64 I/Os, que por conveniência são colocados no primeiro alojamento;
10. Tampa de acesso para conexão do mini bloco de extensão;
11.Dispositivo para montagem em trilhos DIN.

4
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Descrição Física dos CLPs TSX 37-21 / TSX 37-22:


1. Bloco com três alojamentos, integrando a alimentação, o processador e sua memória básica;
2. Ponto de montagem do CLP;
3. Bloco central de visualização;
4. Porta de comunicação (TER);
5. Porta de comunicação auxiliar (AUX) para comunicação com a interface homem –
máquina;
6. Alojamento para um cartão de extensão de memória. Se nenhum cartão está presente, este
alojamento é equipado com um soquete que deve ser colocado no lugar; sua remoção causa
a parada do CLP.
7. Tampa para acesso aos terminais de alimentação;
8. Etiqueta a ser preenchida quando na troca da bateria;
9. Terminais de alimentação;
10. Alojamento para um cartão de comunicação;
11. Tampa de acesso à bateria opcional;
12. Conector para bloco de extensão, normalmente protegido por uma tampa removível;
13. Dispositivo para montagem em trilhos DIN;
14. Conectores para funções analógicas e de contagem integradas;

Descrição Física do Bloco de Extensão:


O bloco de extensão TSX RKZ 02 permite que dois alojamentos sejam adicionados a
um CLP; cada um deles é capaz de receber um módulo em formato padrão ou dois módulos em
formato reduzido.

5
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

1. Bloco com dois alojamentos de extensão;


2. Ponto de montagem para o bloco de extensão;
3. Parafuso para fixação da extensão à base;
4. Lâmpada indicadora mostrando a presença de alimentação de 24 VDC auxiliar (para relés
ou módulos analógicos);
5. Terminais de alimentação protegidos por uma tampa removível;
6. Conectores para a base do CLP.

Alimentação:

Quando um CLP TSX 37-10, TSX 37-21 ou TSX 37-22 é alimentado por uma fonte
AC, esta não fornece 24 VDC para o bloco de extensão. Neste caso, se módulos de relés ou
analógicos estão presentes na extensão, uma alimentação auxiliar de 24 VDC deve ser
conectada aos terminais de alimentação do bloco de extensão.

A alimentação de 24 V da base do CLP fornece alimentação para seus sensores e para


os I/Os de extensão se requeridos, desde que o consumo de corrente seja menor ou igual a 400
mA. Se este não é o caso, use uma alimentação auxiliar de 24 VDC adicional.

Módulos de I/O Discretos:

Os CLPs da linha TSX 37 não possuem módulos de I/O integrados. Qualquer


necessidade relacionada a estas é sanada por meio do uso de módulos.
Os módulos de I/O discretos diferem-se não somente em seu formato (padrão para
módulos de I/O misto e reduzido para módulos de entrada ou de saída), mas também pela sua
modularidade (de quatro saídas a 64 entradas e saídas), pelo tipo de entradas (DC ou AC), pelo
tipo de saídas (transistor ou relé) e pelas conexões (bloco de bornes ou conectores HE10).
Estas entradas e saídas discretas são utilizadas para o acionamento de atuadores,
sensoriamento, etc.

Canais Contadores:

Os CLPs TSX 37 oferecem três métodos de contagem:

 usando as entradas discretas do primeiro módulo;


 usando canais contadores integrados no CLP TSX 37-22 ;
 usando módulos contadores que podem ser inseridos em qualquer posição disponível.

6
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Contadores Utilizando Entradas Discretas:

As quatro primeiras entradas do módulo discreto, localizado no primeiro alojamento do


CLP, fornecem dois canais contadores crescentes / decrescentes de 500 Hz independentes.

Dependendo do modo de funcionamento programado para o canal as entradas (1 e 2)


assumem uma função:

 Contador Crescente ou decrescente: 1 – entrada de pulsos


2 – entrada de "reset" (contagem crescente)
entrada de "preset" (contagem decrescente)
 Contador crescente / decrescente:
Primeira possibilidade – contador crescente / decrescente cuja direção da contagem é definido
por software:
1 - entrada de pulsos
2 - entrada de "reset" (contagem crescente)
entrada de "preset" (contagem decrescente)

Segunda possibilidade - contador crescente / decrescente cuja direção da contagem é definida


por hardware:
1 - entrada de pulsos
2 - seleção da direção da contagem: 0 – contagem decrescente
1 – contagem crescente

Terceira possibilidade – 1 contador crescente e 1 contador decrescente por canal:


1 - entrada de pulsos (contador crescente)
2 – entrada de pulsos (contador decrescente)

Quarta possibilidade – 2 entradas contadoras crescentes / decrescentes por canal com sinais
deslocados em 90o:
1 - entrada de pulsos
2 - entrada de pulsos
7
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Contadores Integrados no TSX 37-22:

O CLP TSX 37-22 possui dois canais contadores crescentes / decrescentes de 10 kHz
integrados independentes cujos parâmetros são definidos por software

Observando a figura acima podemos notar que as entradas A, B e Z permitem a


utilização de sinais com amplitude de +5V ou de +24V.

Dependendo do modo de funcionamento programado para o canal (11 ou 12) os


conjuntos de sinais A, B e Z assumem uma função:

 Contador Crescente ou decrescente: A - entrada de pulsos


B - não conectado
Z - não conectado

 Contador crescente / decrescente:

Primeira possibilidade – contador crescente / decrescente cuja direção da contagem é definido


por software;

A - entrada de pulsos
B - não conectado
Z – entrada marcadora de zero (veja nota)

8
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Segunda possibilidade - contador crescente / decrescente cuja direção da contagem é definida


por hardware;

A - entrada de pulsos
B - seleção da direção da contagem: 0 – contagem decrescente
1 – contagem crescente
Z - entrada marcadora de zero (veja nota)

Terceira possibilidade – 1 contador crescente e 1 contador decrescente por canal:


A - entrada de pulsos (contador crescente)
B - entrada de pulsos (contador decrescente)
Z - entrada marcadora de zero (veja nota)

Quarta possibilidade – 2 entradas contadoras crescentes / decrescentes por canal com sinais
deslocados em 90o:
A - entrada de pulsos
B - entrada de pulsos
Z - entrada marcadora de zero (veja nota)

Nota: A entrada marcadora de zero executa uma reinicialização da contagem quando:

 Contador crescente – a entrada "preset" está em nível lógico 1 e ocorre uma borda de
subida na entrada marcadora de zero;
 Contador decrescente - a entrada "preset" está em nível lógico 1 e ocorre uma borda de
descida na entrada marcadora de zero;

Módulos Contadores:
Os módulos contadores são indicados para aplicações onde a freqüência do sinal a ser
contado é alta. Estes módulos permitem a contagem de sinais de até 40 kHz, podendo ser
encontrados com um canal ou com dois canais independentes.

Estes módulos devem ser inseridos somente nos alojamentos da base.

Entradas e Saídas Analógicas:

O CLP TSX 37-22 é o único CLP da linha TSX 37 que possui recursos integrados
relativos ao processamento de sinais analógicos. Esse módulo integrado é constituído de oito
entradas e 1 saída, com conversores de oito bits, 0-10V. O uso desse módulo integrado é
indicado para aplicações de baixa performance.

9
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Nota: As entradas são numeradas de 2 a 9 e os módulos analógicos podem ser utilizados


somente na tarefa MAST.

Para aplicações de alta performance ou utilizando um modelo de CLP que não possua
um módulo analógico integrado utiliza-se módulos que podem ser inseridos em qualquer
posição disponível.

Estrutura de Memória:

A estrutura de memória do CLP TSX 3722 é composta por uma memória RAM onde
são executados os programas e uma memória Flash EPROM onde fica armazenada uma cópia
de backup do programa que está sendo executado. Caso seja necessário um espaço maior de
memória podemos conectar um cartão de memória PCMCIA, este possibilitaria um aumento de
memória de 32 ou 64 Kwords.

Para maior compreensão dessa estrutura de memória, observe a figura abaixo (sem
cartão de memória PCMCIA);

Dados – Ficam armazenadas as words de sistema, funções do FB (contadores,


temporizadores, monoestáveis, registradores e tambor (drums)), words internas ou words
comuns;
Programa – Descrição e execução das tarefas pré-definidas;
Constantes – Podem ser valores iniciais ou configuração de I/Os;
Backup – Local onde fica armazenada uma cópia do programa que está sendo executado
(memória Flash EPROM).

Como podemos observar acima é feito um backup através de uma memória Flash
EPROM do programa que está sendo executado, na falta de alimentação, por exemplo, o
programa fica armazenado.

10
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

O BLOCO DE VIZUALIZAÇÃO

Visualização dos Estados e Falhas dos Módulos:

O Bloco de visualização centraliza um grupo de serviços que são úteis para:

 Setup;
 Operação;
 Diagnóstico e
 Manutenção do CLP.

Fornecem informação sobre o modo corrente de visualização

Fornecem informação sobre a operação do CLP

Fornecem informação sobre os módulos no CLP ou na sua extensão

Visualizando o Estado do CLP:


A visualização do estado do CLP é feita por meio de cinco LEDs: RUN , TER ,I/O ,
ERR , BAT;

Aceso – uma aplicação está sendo executada


Piscando – execução da aplicação está parada
Apagado - nenhuma aplicação válida no CLP ou este está com falha

Aceso – troca de informações via porta de


comunicação
Aceso – falha em I/O
Aceso – falha na CPU do CLP
Piscando – nenhuma aplicação válida no CLP ou existe uma falha de bloqueio na aplicação

Aceso – falta de bateria


falha na bateria

11
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Visualizando os Estados de I/O:


A visualização dos estados de I/O é feita por meio de dois blocos de 32 LEDs no TSX
37-10 e por meio de três blocos de 32 LEDs no TSX 37-21 / TSX 37-22, que apresentam os
estados de I/O de dois ou três módulos simultaneamente. Estes módulos estão localizados nos
alojamentos dois ou três da base ou nos dois alojamentos do bloco de extensão.
Um curto pressionamento no botão do bloco de visualização seleciona o grupo a ser
apresentado:

• Base (o LED BASE é acesso)


• Bloco de extensão (o LED EXT é aceso).

Visualização de Falhas nos Módulos:


As falhas são apresentadas no modo diagnóstico, acessível por um pressionamento
longo (maior que 1 segundo) do botão no bloco de visualização, se uma entrada ou saída está
com falha, seu LED correspondente pisca rapidamente.
Se um módulo está com falha (módulo faltando, não está de acordo com a configuração,
módulo desligado, etc), todos os LEDs correspondentes a seu alojamento piscam lentamente.
Este modo permite a visualização de falhas em todos os módulos (módulos de I/O discretos,
módulos contadores, etc).

Observação
Para “navegar” entre os módulos ( seleção dos módulos da base ou externos e seleção
entre os 32 I/Os superiores e inferiores de um módulo de 64 I/Os ) utilizam-se curtos
pressionamentos no botão do bloco de visualização. Isto é válido tanto para o modo diagnóstico
quanto para o modo de visualização dos estados de I/O.

Visualização de Objetos da Linguagem:

Os objetos da linguagem são visualizados por meio de três blocos de 32 LEDs que,
quando o modo WORD está ativado, permite a visualização do valor de 256 bits ou de 16 words.
O modo WORD é ativado pelo posicionamento do bit %S69 em 1, sinalizado quando o
LED WRD está ligado.
É possível visualizar os bits %Mi ou %Si, words %MWi ou KWi ou os estados de I/Os
remotos de CLPs TSX 07.
Neste modo, o botão do bloco de visualização é utilizado para alternar entre os bytes da
word apresentada (byte de baixa ordem / byte de alta ordem) ou através das words a serem
apresentadas (primeiras quatro words então as próximas quatro words, etc).

A definição da forma de apresentação é feita por meio de três words do sistema:

Word de Comando e de Estado (%SW67):


de objeto (bits 0 – 3) : estes quatro bits configuram o tipo de objeto a ser visualizado
Tipo de Objeto (bits 0-3): estes quatro bits configuram o tipo de objeto a ser visualizado:
0 - %MWi (default)
1 - %SWi
2 - %KWi

12
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

8 - %Mi
9 - %Si
B - %I e %Q de CLPs TSX 07

Binário / Hexadecimal (bit 4): este bit configura a base numérica de visualização.
0 – binária
1 – hexadecimal (default)

Direção de movimento (bit 5): este bit configura a direção do movimento na tabela de words ou
no grupo de bits. O movimento é iniciado pelo pressionamento do botão do painel de
visualização.
0 – direção positiva (índice crescente)
1 – direção negativa (índice decrescente)

Apresentação do byte menos significativo / mais significativo (bits 6 e 7): estes bits
configuram o método para apresentação de uma word no modo hexadecimal.

Bit 7 Bit 6 Significado


0 0 Combinação proibida
0 1 Constante visualização do byte menos significativo
1 0 Constante visualização do byte mais significativo
1 1 Visualização alternada entre o byte menos significativo (2s) e o byte mais significativo (2s)

Erro (bit 15): este bit é posicionado para 1 quando algum parâmetro de configuração está
incoerente.
Quando este bit está em 1, os primeiros 16 LEDs da terceira parte do bloco de
visualização são ativados e os demais bits são irrelevantes.

Word de índice (%SW68):


A word de índice é dividida em 2 bytes: - índice corrente (bits 0 – 7)
- máximo índice (bits 8 – 15)
A finalidade de cada um desses bytes dependerá do tipo de objeto a ser apresentado:

WORD
As words apresentadas são gerenciadas na forma de tabela.
Índice corrente – posição corrente na tabela.
Máximo índice – tamanho máximo da tabela.

BITS
Os bits são sempre mostrados em grupos de 64.
Índice corrente – indica o número do grupo atualmente sendo apresentado.
Máximo índice – não é utilizado.

BITS DE I/Os REMOTOS


Os I/Os consecutivos de dois CLPs TSX 07 no barramento de I/O remoto são
apresentados nos dois primeiros blocos de visualização. As entradas são apresentadas pelos 16
LEDs localizados na parte superior dos blocos e as saídas pelos 16 LEDs na parte inferior.

Índice corrente: endereço de ligação do TSX 07 apresentado no primeiro bloco de


visualização.

Máximo índice: não é utilizado.

13
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

O índice corrente é apresentado pelos 16 LEDs localizados na parte inferior do terceiro


bloco de visualização. Cada pressionamento do botão do bloco de visualização incrementa ou
decrementa este índice de acordo com a direção de movimento configurado.

Word de endereçamento (%SW69):


Esta word contém o endereço da primeira word na tabela, ou seja, o endereço da
primeira word a ser apresentada.

A word %SW69 não é usada com bits. Para maior compreensão da configuração dessas
words observemos a figura abaixo;

14
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

PORTAS DE COMUNICAÇÃO

Como padrão, os CLPs TSX 37 integram uma ligação multifuncional por meio da porta
de comunicação.

Os CLPs TSX 37-10 tem uma porta de comunicação assinalada como TER.

Os CLPs TSX 37-21 e TSX 37-22 têm duas portas de comunicação distintas,
assinaladas como TER e AUX, que são funcionalmente idênticas.

Elas permitem conexão simultânea de um terminal de programação e de uma interface


homem - máquina.

Conexões:

A porta de comunicação assinalada como TER (comum a todos os tipos de CLPs da


linha TSX 37), pode ser usada para conectar qualquer dispositivo suportando o protocolo UNI-
TELWAY, e em particular dispositivos que não tenham sua própria fonte de alimentação
(terminal de programação FTX 117, cabo conversor RS 485 / RS 232, caixa de isolação TSX P
ACC 01, etc).

A porta de comunicação assinalada como AUX (encontrada nos CLPs TSX 37-21 e
TSX 37-22), pode ser usada somente para conectar dispositivos que tenham sua própria fonte de
alimentação (painel do operador, CLP, etc).

15
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Terminal de Programação:
Exemplos de conexão:

Nota: O cabo TSX P CU1030 não opera na porta de comunicação AUX dos CLPs TSX 37-21 e
TSX 37-22.

Painel do Operador:
Exemplos de conexão:

16
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Terminal de Programação e Painel do Operador:


A porta de comunicação do CLP pode manipular dois dispositivos simultaneamente: um
terminal de programação e um painel do operador.

Os CLPs TSX 37-21 e TSX 37-22 têm duas portas de comunicação e, portanto cada
porta pode receber um destes dispositivos. Devido ao terminal de programação FTX 117 não ter
sua própria fonte de alimentação, ele deve ser conectado a porta de comunicação TER.

Exemplo de conexão:

O CLPs TSX 37-10 tem somente uma porta de comunicação. Para conexão simultânea
de um terminal de programação e de um painel do operador, um caixa TSX P ACC 01 deve ser
usada.

Independente do tipo de CLP, outro dispositivo conectado pode ser removido sem
deterioração da operação do outro.

17
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

CARTÕES DE COMUNICAÇÃO PCMCIA


Os CLPs TSX 37-21 / TSX 37-22 são conectados em redes e em barramentos de
comunicação por meio de cartões de comunicação PCMCIA.

Cada cartão PCMCIA TSX SCP 111/ TSX SCP 114 suporta um padrão físico diferente.
Esta família de cartões consiste de dois produtos.

Os padrões físicos suportados pelos cartões são os seguintes:

• RS 232-D;
• RS 485 (compatível com o RS 422).

Os protocolos que podem ser usados para cada cartão PCMCIA são os seguintes:

• Protocolo Modbus / Jbus;


• Protocolo UNI-TELWAY;
Conexão do cartão PCMCIA

• Ligação assíncrona em modo caractere.

A determinação dos parâmetros (setup), o uso e a manutenção de cartões PCMCIA são


feitas usando o software de programação PL7 Micro para CLPs da linha TSX 37.

Características Físicas:

Os cartões PCMCIA consistem dos seguintes elementos:

1.Cartão.
2.Corpo.
3.Conector PCMCIA.
4.Tampa superior.
5.Tampa removível.
6.Cabo de conexão com ferrolho.

18
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Diagnósticos Visuais do Cartão PCMCIA:

Lâmpadas indicadoras

As lâmpadas indicadoras do cartão PCMCIA indicam tanto o modo de operação da


comunicação quanto fornecem diagnósticos do cartão.

ERR COM Significado Ação Corretiva


Dispositivo não está ligado Cheque a alimentação e a conexão com o cartão
Nenhum diálogo
Operação normal
NS Falha séria Troque o cartão
Falha operacional Cheque a configuração e a conexão ao barramento de
comunicação
Falha operacional Cheque configuração
Indicador aceso Indicador apagado Indicador piscando

NS: não significativo (a lâmpada indicadora pode estar em qualquer um dos estados descritos
anteriormente).

Conexão do Cartão TSX SCP 114:

Conexão a um Barramento UNI-TELWAY:


O cartão TSX SCP 114, com RS 485 como o suporte físico, é conectado a rede UNI-
TELWAY usando o cabo TSX SCP CU 4030, por meio do conector de cabos TSX SCA 50.

19
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Descrição do cabo TSX SCP CU 4030:

O conector PCMCIA miniatura de 20 pinos suporta os seguintes sinais:

Conexão a um Barramento Modbus:


O cartão TSX SCP 114 PCMCIA é conectado ao barramento Modbus por meio do cabo
de ligação serial TSX SCP CM 4030. Este cabo é conectado a caixa de junção TSX SCA 50.

Descrição do cabo TSX SCP CM 4030

O conector PCMCIA miniatura de 20 pinos suporta os seguintes sinais:

Importante:

No momento da ligação de um CLP em rede por meio de um cartão PCMCIA deve-se ter em mente
que o tipo de cartão e o tipo de cabo utilizado dependerá do padrão físico e do protocolo utilizados
na rede.

20
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

NORMA IEC - 1131

Generalidades:

História da norma IEC 1131:

A “International Electrotechnical Commission” (IEC) designa ao “Comitê de


Investigação 65A” a definição de uma norma específica referente aos Controladores Lógicos
Programáveis com o objetivo de responder a crescente complexidade dos sistemas de controle e
a diversidade de controladores incompatíveis entre si.
Contendo:

IEC 1131-1- Informações gerais (1992)


IEC 1131-2- Especificações e ensaios de equipamentos (1992)
IEC 1131-3- Linguagens de programação (1993)
IEC 1131-4- Recomendações ao usuário
IEC 1131-5- Especificações de serviços de mensagem

Vantagens da norma IEC 1131-3:


• Diminuição dos problemas de formação;
• Homogeneidade na documentação das aplicações: estrutura de programas idêntica, objetos
pré-definidos, etc.
• Variedade de linguagens standard: cada função de uma aplicação pode ser programada na
linguagem que melhor se adapte para assegurar o melhor resultado.
• Facilidade para a portabilidade dos programas;

A norma define:
Para todas as linguagens de programação (LAD, list, grafcet ...)
• A sintaxe e representação gráfica dos objetos,
• A estrutura de programas
• A declaração de variáveis.

Linguagens normalizadas:
• LADDER DIAGRAM (LD) - linguagem (diagrama) de contatos;
• FUNCTION BLOCK DIAGRAM (FBD) - esquema de blocos funcionais;
• INSTRUCTION LIST (IL) - lista de instruções;
• STRUCTURED TEXT (ST) - texto estruturado;
• SEQUENTIAL FUNCTION CHART (SFC) - diagrama funcional de seqüências.

21
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Objetos linguagem:
Os objetos pré-definidos deveram ter o nome e o tipo declarado pelo programador.

Objetos pré-definidos estão definidos em 3 zonas: 1. Zona memória (%M) ;


2. Zona de entradas (%I) ;
3. Zona de saídas (%Q) ;

Podem ser: • bits (X);


• bytes (B) ;
• words (W) ;
• double word (D) ;
• word long (L) de 64 bits .( L 12 )

Exemplos:
word da zona de entradas: %IW53
word da zona memória: %MW30
bit da zona memória: %MX41 ou %M41
double word da zona memória: %MD48
tabela de oito words: %MW4:8
Bit extraído de word: %MW0:X4
bit da zona de saídas: %QX21 ou %Q21

Linguagens de programação:

Abaixo estão descritas as principais características das principais linguagens de


programação;

Ladder Diagram ( LD )

• Elementos gráficos organizados em linhas conectadas por barras de alimentação;


• Forma gráfica dos elementos imposta;
• Elementos utilizados - contatos, bobinas, funções, blocos funcionais,
• Elementos de controle de programa (salto, return,...).

Exemplos

22
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Function Block Diagram (FBD):

• representação de funções por blocos ligadas um a outro;


• nenhuma conexão entre saídas de blocos de função;
• Formação de uma rede: da saída de um bloco funcional a entrada de outro;
• Nome da rede definida à direita por " : “

Exemplos

Function Block Diagram (IL):

• Séries de instruções: cada uma deve começar em uma nova linha


• Uma instrução = um operador + um ou mais operandos separados por vírgulas
• Nomes opcionais seguidos por :¨
• Comentário opcional deve formar o último elemento de uma linha e ser definido entre (*);
• Blocos de função ligados por um operador específico (CAL) utilizando entradas do bloco
funciona como operadores.

Exemplo

Label Operador Operando Comentario

MARCHA : LD %IX1 (* pulsador *)


ANDN %MX5
ST %QX2 (* marcha *)
L10 : LD %IW12
ADD 1
ST %MW41
JMP SET_OUT

23
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Structured Text (ST):


• Sintaxe similar ao PASCAL, permitindo a descrição de estruturas algorítmicas complexas.
• Sucessão de enunciados para a destinação de variáveis, o controle de funções e blocos de
função usando operadores, repetições, execuções condicionais.
• Os enunciados devem terminar com " ; "

Exemplo
=1
WHILE J<=100 & X1<>X2 DO
=J+2;
END_WHILE;

Sequential Function Chart (SFC):

• descrever funções de controle seqüencial;


• responsável pelo ponto de partida: a norma GRAFCET IEC 848;
• etapas representadas graficamente por um bloco ou literalmente por uma construção comum
as linguagens IL e ST:
• transições representadas graficamente por uma linha horizontal ou literalmente pela
construção:
• condição de transição em linguagem LD, FBD, IL ou ST;
• ações associadas às etapas: variáveis booleanas ou um trecho de programa escrito em uma
das cinco linguagens;
• associação entre ações e etapas de forma gráfica ou literal;
• propriedades (qualificações) de ação que permitem temporizar a ação, criar pulsos, de
memorizar, etc.

Exemplo
+ ----+ ---- +
l V A1 l
+ - ---+ ---- +
l
+ NO T_
l FILL
+ ---- + ---- + + --- + -------------------- +
l FILL l---------- l P l SILO _VALVE l
+ ---- + ---- + + --- + -------------------- +
l
+ RE A DY

24
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

SOFTWARE PL7 MICRO

Características do Software
O software Pl7 Micro é uma
poderosa ferramenta executada em ambiente
Windows e através do menu principal, do
toolbar e do status bar, nos permite construir
qualquer aplicação de uma forma bem
simples e fácil. Outra característica
importante quanto à transferência das
aplicações elaboradas para o CLP é a
possibilidade de modificação destas
aplicações com o programa em operação
(rodando).
Podemos observar estas
características com mais detalhes quando
estivermos desenvolvendo uma aplicação a
partir do software PL7 Micro.

Ambiente do Software:
Agora que já definimos todas as
características quanto ao tipo de linguagem, tipo de PLC, módulos a serem utilizados, etc (isso
tudo é tratado com detalhes no guia prático), a tela para construção de uma nova aplicação se
apresentará da seguinte maneira;

25
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

As descrições dos objetos disponíveis para a utilização da tela de construção das


aplicações (figura anterior), estão descritas com mais detalhes a seguir.

Barra de Menu:

Na barra de menu temos disponíveis as funções; File, Edit, Utilities, View, Application,
PLC, Debug, Options, Windows e ? (help), estas funções nos auxiliam no desenvolvimento de
nossas aplicações e estão demonstradas e escritas com detalhes a seguir;

File:

• Cria, abre ou fecha uma nova aplicação feita no PL7 Micro;

• Salva uma aplicação criada;

• Importa / Exporta uma aplicação, programa ou símbolo;

• Substitui um endereço, símbolo ou instrução feita na aplicação


• Converte programas criados no PL7 – 2;
• Imprime e define os parâmetros de impressão;

• Sai do programa;
• Nome da aplicação que esta sendo executada no momento
(.STX).

Edit:

• Desfaz a última ação;

• Recorta, copia, cola, move ou deleta um elemento;

• Inseri um espaço para se adicionar novos elementos;


• Inseri um comentário;
• Seleciona um Rung (lista de seqüência de instruções)
• Confirma ou modifica a posição de um elemento;

• Acesso a um Rung em específico.

26
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Utilities:

• Inicializa uma seqüência de animação;


• Acesso aos conteúdos de uma subrotina;

• Faz a animação ou paralisa as variáveis do programa.

View:

• Mostra um endereç ou símbolo;

• Modos de visualização;

• Oculta ou não a Paleta dos objetos.

Application:

• Relaciona uma variável aos diversos pontos de sua aplicação (Ref. Cruzadas);
• Configura os módulos que serão utilizados na aplicação;
• Configura as variáveis que serão utilizadas (TM, MN, C, etc..);
• Permite criar ou selecionar um modo ou subrotina;
• Seleciona a documentação a ser impressa;
• Cria uma seqüência para utilizar uma animação;
• Acesso ao editor e funções da biblioteca.

PLC:

• Conecta-se ao CLP;
• Define os endereços de memória do CLP que serão
utilizados pela aplicação;
• Transfere ou compara um programa enviado para o CLP;
• Descreve as condições da memória do CLP;
• Executa, para ou inicializa a execução de uma aplicação
que já foi transferida para o CLP;
• Cria um backup ou executa um diagnóstico da aplicação.

27
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Window:

• Exibi as janelas das aplicações que estão sendo analisadas em


modo cascata, com título vertical ou horizontal;
• Organiza os ícones;
• Fecha uma ou todas as janelas;

• Aplicações presentes.

Debug:

• Controla as tarefas;

• Nesse bloco de funções pode-se determinar um


início e um final que será executado o programa
para se fazer uma verificação, por exemplo (step-
by-step);

• Breakpoint;

• Opções para se fazer o monitoramento das


aplicações.

Options:

• Seleciona um disco e diretório de trabalho;


• Habilita ou não a barra de Toolbar;
• Habilita ou não a barra de Status Bar;
• Habilita ou não a barra de Debug Bar.

Help:

• Seleciona o tipo de ajuda;

• Ajuda sobre a conversão do PL7-2.

28
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Ferramentas para Construção das Aplicações:

Temos disponíveis vários conjuntos de ícones para a construção das aplicações em


LADDER que nos proporciona um acesso mais rápido às funções disponíveis;

O Toolbar:

Caso esta barra não esteja visível na tela de construção, Clique em Options no menu
principal e escolha a opção Toolbar. Abaixo estão demonstradas a barra do toolbar e uma breve
descrição da função dos botões;

Organiza as janelas de forma vertical


Organiza as janelas de forma horizontal
Organiza as janelas em cascata
Hab./Desab. a animação dos elementos
Para a execução de um programa no CLP
Executa o programa no CLP
Conecta o CLP (on line)
Desconecta o CLP (off line)
Transfere os dado do CLP para o terminal

Funções da biblioteca;
Configuração de animações;
Editor de documentos;
Adiciona um objeto;
Editor de variáveis;
Seleciona uma tarefa;
Configuração do CLP;
Vá para um determinado Rung (selecionado);
Confirma as ações;
Volta à ação anterior;
Imprime toda ou parte da aplicação;
Salva a aplicação.

29
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Paleta para a Construção da Aplicação em Ladder:

Para facilitar a construção em LADDER, temos a disposição um Paleta com botões que
nos permitem construir uma aplicação com mais facilidade, através deste podemos acessar os
contatos (NA/NF), Blocos comparadores (COMP), temporizadores (TM), contadores (C),
monoestáveis (MN), registradores (R), tambor (drums) (DR), blocos de funções pré-definidas
(PID, etc), blocos para construção de sub-rotinas, etc.

Abaixo estão demonstrados a Paleta de botões e uma breve descrição de cada botão;

Bloco de funções pré-definidas (PID, etc...)


Bloco de funções (TM, C, MN, R, DR)
Bloco para acessar as subrotinas
Bloco de comparação 2 col. e 4 lin.
Bloco de comparação 2 col. e 1 lin.
B Bloco de operações
Constrói um salto (jump)
Seta o bit associado para 0 qdo. este recebe nível 1

Seta o bit associado para 1 quando este recebe nível 1


Seta o bit associado para um valor inverso
Seta o bit associado para um valor recebido
Constrói uma linha em vários blocos
Constrói uma linha na vertical
Constrói uma linha em um bloco
Contato N
Contato P
Contato normalmente fechado
Contato normalmente aberto

Caso esta paleta não esteja visível, clique um View no menu principal e escolha a opção
Palette.

Maiores detalhes sobre o uso desses botões poderão ser esclarecidos quando se estiver
construindo uma aplicação (Guia Prático do Treinamento).

30
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Debug Bar:

Assim como temos o Toolbar, o Paleta de Botões e o Status Bar (será visto adiante),
temos também o Debug Bar que é utilizado para acessar algumas funções de configuração do
programa que está sendo executado (isto quando o micro está conectado ao CLP). Caso esta
barra de ferramenta não esteja visível na tela principal, clique em Options no menu principal e
escolha a opção Debug Bar.

A Paleta de funções do Debug Bar está demonstrada abaixo com uma breve descrição
de suas funções;

Execução das tarefas event


Execução das tarefas fast
Execução das tarefas master
Monitora as tarefas enviadas para o CLP
Mostra o estado do CPU do CLP na tela

Mostra na nela apenas o paço selecionado de um programa qualquer


Sai do modo step-by-step
Retorna ao módulo de uma subrotina
Aciona o módulo de uma subrotina
Pula para uma próxima seqüência ou rung
Inicia uma tarefa
Acessa um breakpoint inserido
Deleta um breakpoint
Inseri um breakpoint

Obs: Esta Paleta de funções só pode ser ativada quando o micro está interligado ao CLP

31
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Status Bar:

Para auxiliar na visualização quanto à comunicação do CLP como micro, temos


disponível uma barra que fica localizada na parte inferior da tela principal. Esta barra está
demonstrada abaixo com uma breve descrição de suas funções;

Indicador de animação
Endereço Network
Status do CLP

Indica se o programa está sendo executado ou não


Modo de operação
Identifica um elemento selecionado

32
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Configuração do CLP:

Quando estamos na tela do software do nosso CLP (nosso caso o PL7 Micro) e temos
como intenção construir uma nova aplicação, a primeira coisa que se deve fazer é configurar o
software para que este se comunique corretamente com o CLP. Nesta configuração é definido o
modelo do CLP que estará recebendo o programa, os módulos que estão sendo utilizados no
CLP, o cartão que estará sendo utilizado para a expansão de memória (se estiver sendo utilizado
um cartão para a expansão de memória), enfim, todos os parâmetros que devem ser
configurados para que o software se identifique com o modelo do CLP que estará recebendo o
programa.

Para fazer estas configurações devemos seguir uma seqüência. Primeiro, estando na tela
de construção das aplicações, é preciso selecionar a função que nos possibilitará fazer esta
configuração, está função pode ser acessada clicando-se sobre a opção Application no menu
principal ou através do ícone de configuração demonstrado abaixo;

Após ter selecionado a função de configuração (tanto através do menu principal como
através do ícone) se abrirá uma janela que nos permitirá fazer a configuração do software e
hardware do nosso CLP.
1.1
1.2
1.4
1.3

1.5

1.6

1.7 1.8 1.9

33
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Como podemos perceber na figura anterior, a janela de configuração nos possibilita


definir todos os parâmetros quanto a software e hardware do CLP, todas estas definições são
descritas a seguir;

• Janela drop-down (1.1): Através desta janela é possível definir qual o modelo de CLP que
estaremos utilizando (TSX 3722 V1.5, no nosso caso).

• Configuração do Hardware (1.2): Este botão tem por finalidade fazer a configuração do
hardware do CLP, quando habilitado ele acessa esta janela que estamos analisando (página
anterior) para ser feita a configuração do hardware.

• Configuração do Software (1.3): Este botão nos permite fazer a configuração do software
(CPU do CLP). Clicando sobre ele abre-se uma janela como demonstrado a seguir;

Observando a janela acima, podemos perceber que é possível se limitar o número de


funções do bloco de funções.

• Bloco de Extensão (1.4): No caso de estarmos utilizando um bloco para extensão de


módulos, dando um duplo clique sobre os retângulos demonstrados na figura, podemos
configurar os módulos que estaremos utilizando como extensão.

• E/S Analógicas On Board (1.5): Esse retângulo nos permite configurar os parâmetros das
entradas e saídas analógicas internas (On Board), dando um duplo clique sobre esse
retângulo será aberta uma janela como demonstrada a seguir;

34
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Como podemos notar observando a figura acima, através desta janela podemos
configurar a variação (range) se será feita a partir de um valor de tensão ou corrente, a filtragem
do sinal (Filtering) e através das opções contidas no campo Fallback Mode on Failure podemos
definir, em caso de uma falha ou problema qualquer que possa ocorrer, se o valor que estava
contido na E/S analógica é armazenado e retornado quando for resolvido o problema (opção
Maintain Current Value ) ou se o valor retornado será zero (opção Fallback to zero).

• Contadores On Board (1.6): Além dos módulos contadores que podem ser incrementados
(TSXCTZ2A, por exemplo), temos disponíveis dois contadores internos. Para configurá-los
devemos dar um duplo clique sobre o retângulo Counting (fig. 1.6), feito isto, abrirá uma
janela como demonstrado abaixo;

Como podemos observar na janela acima temos disponíveis duas janelas drop-down que
nos possibilita selecionar qual dos contadores estamos configurando (janela Counter) o tipo de
contagem que será executada, se crescente, decrescente ou crescente/decrescente (janela
Function).

Após ter selecionado um dos contadores com um tipo de contagem qualquer (crescente
para o contador zero, por exemplo) se abrirá uma janela como demonstrado abaixo;

35
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Como podemos perceber na figura acima, podemos determinar para o contador zero se
contagem será feita por borda de subida ou descida, se ocorrerá a partir de um evento (opção
EVT), o tipo de tarefa (MAST ou TASK), se o sinal será retornado através de componentes
sólidos (Solid State Contact) ou contato mecânico (Mechanical Contact) através da opção Input
Interface. Podemos também determinar através da opção Action wen Crossing Setpoint se
quando o contador finalizar uma contagem preestabelecida irá ser resetado (Reset Counter) ou
permanecerá em um valor final qualquer de contagem (opção Do not Reset Counter).

Todas essas configurações são válidas para o modo Configuration, temos também
disponíveis as configurações para o modo Adjust, selecionado esse modo se abrirá uma janela
como demonstrado na figura abaixo;

36
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Como podemos observar na figura anterior através dessa janela podemos configurar os
valores iniciais e finais de contagem.

• CPU do TSX 3722 (1.7): Dando um duplo clique sobre a escrita TSX 3722, como
demonstrado (fig. 1.7) se abrirá uma janela como demonstrado abaixo;

Como demonstrado na figura acima, através dessa janela que é aberta podemos
determinar um nome para a aplicação, os modos de operação, o tipo de tarefa, os tempos de
watchdog e tempo de execução das tarefas (caso tenha sido selecionado o tipo de tarefa Cyclic).
Caso estivermos utilizando um cartão para a expansão de memória devemos configurar este no
campo Memory Card abrindo a janela drop-down localizada no canto inferior direito. Os cartões
disponíveis para a expansão de memória são de 32Kbytes e 64 Kbytes.

• Comunicação (1.8): Temos também disponível o retângulo Comm (fig.1.8) que nos permite
configurar todos os parâmetros de comunicação do CPL com algum dispositivo externo
(terminal de programação, software supervisório, MMI, etc). Dando um duplo-clique sobre
este retângulo se abrirá uma janela como demonstrado a seguir;

37
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Como demonstrado na figura acima, podemos configurar o TSX 3722 como mestre ou
escravo, o protocolo de comunicação em que os dispositivos (micro, MMI, supervisório, etc)
estarão se comunicando que no nosso caso é o Uni-Telway Link. Na situação de se utilizar um
cartão PCMCIA para a interligação do CLP com um software supervisório, por exemplo, deve-
se mudar a opção do canal de comunicação, isto é feito abrindo-se a janela drop-down
localizada no canto superior esquerdo da janela demonstrada acima (deve ser mudado da opção
channel 0 para a opção channel 1). Realizada esta mudança será aberta uma janela como
demonstrada a seguir;

38
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Como podemos notar foi modificado o canal de comunicação de modo que agora já se é
possível utilizar um cartão PCMCIA no CLP para a comunicação com um software
supervisório, por exemplo, porém é preciso ainda definir alguns parâmetros (demonstrado na
figura anterior) como o tipo de cartão que estará sendo utilizado, configurar o CLP como Master
ou Slave, determinar o protocolo de comunicação em que os dispositivos estarão se
comunicando (no nosso caso o MODBUS) e definir os parâmetros de transmissão.

• Módulos de E/S: Toda vez que se deseja utilizar um módulo de E/S deve-se configurar
o CLP para que este reconheça o modelo e conseqüentemente o tipo de módulo que estará sendo
utilizado no espaço reservado para os módulos, esses módulos são conectados na base do CLP.
De acordo com o modelo do módulo que será selecionado, o software já trás uma janela
(planilha) que será aberta para configuração dos parâmetros desse módulo.

Para melhor compreensão do reconhecimento do módulo, que é feito pelo CLP, vamos
configurar um módulo já conectado no bloco do CLP, vamos supor que estivéssemos
conectados nas entradas 1 e 2 do bloco do CLP o módulo de I/O digitais TSX DMZ28DR (16
entradas e 12 saídas), para configurar este módulo devemos dar um duplo clique sobre o espaço
reservado ao módulo como demonstrado abaixo;
Duplo Clique

Dando um duplo clique sobre o espaço como demonstrado acima se abrirá uma janela
com a opção de todos os módulos que poderíamos configurar para fixar sobre essa área
reservada no bloco do CLP. O módulo que iremos configurar é um módulo de E/S digital, como
já foi dito, portanto;

39
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

No campo Family está à opção de todos os módulos que podemos configurar para fixar
sobre a parte do bloco selecionada, no caso desse espaço que nós selecionamos só podemos
conectar módulos digitais com um dos modelos descritos no campo Module, se fossemos
conectar um módulo de E/S analógico, de contador ou qualquer outro módulo, deveríamos
selecionar outro espaço disponível no bloco do CLP que nos desse a opção de configurar o
módulo correspondente.

Selecionado o tipo do módulo no campo Family e o modelo correspondente no campo


Module podemos clicar em OK e o módulo foi reconhecido pelo sistema. Agora em vez de
aparecer o espaço em branco o espaço aparecerá em amarelo com o modelo do módulo descrito;

Módulo Configurado

Após ter configurado o módulo como acabamos de fazer, toda vez que dermos um
duplo clique sobre o espaço selecionado será apresentada uma janela com todas as propriedades
referentes a esse objeto.

No nosso caso por se tratar de um módulo digital se abrirá a janela a seguir;

40
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Como podemos perceber na janela acima podemos configurar todos os parâmetros


referentes as E/S digitais, se tivéssemos configurado um outro módulo qualquer (contador, E/S
analógico, etc) poderíamos configurar os parâmetros referentes a esse módulo.

Configuração das Variáveis:

Podemos através de várias janelas (planilhas) fazer a configuração ou declarar todas as


variáveis que possam estar envolvidas no sistema. Essas variáveis podem ser internas (posições
de memória), podem ser constantes de sistema (estas só podem ser declaradas) ou temos
também a possibilidade de definir as variáveis dos FBs (contadores, registradores, drums,
monoestáveis e temporizadores).
Para ser feita a seleção do que estará sendo configurado devemos acessar a opção
Application no menu principal e Variables no sub menu, feito isto se abrirá uma janela como
demonstrado abaixo;

41
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Variáveis de Memória (%Mi):


Temos disponíveis no sistema 256 Words e como podemos observar na figura anterior,
na janela de configuração das variáveis temos uma janela drop-down (canto superior esquerdo)
que nos permite selecionar se estaremos fazendo a seleção à configuração das variáveis de
memória, do sistema (estas só podem ser declaradas e não configuradas), de uma constante
qualquer ou se estaremos configurando alguns dos FBs (contadores, temporizadores,
monoestáveis, drums e registradores).

Para fazermos a configuração das variáveis interna de memória, devemos selecionar a


opção MEMORY na janela drop-down. Feito isto basta determinarmos se estaremos se tratando
de um Ebool (% Mi), um Byte (%MBi), uma Word (%MWi), uma Doble Word (%MDi), ou
uma tipo de dado Real (%MFi), esta seleção é feita através da janela drop-down como
demonstrado na figura anterior (canto superior direito). Agora deve-se atribuir uma cadeia de
caracteres no campo Symbol e inserir algum comentário, se necessário, no campo Comment.

Após ter sido definido um nome (campo Symbol) para uma das posições de memória
qualquer, toda vez que for digitado esse nome na aplicação esta variável será declarada
(%MW3, por exemplo).

Variáveis do Sistema (%Si):


No sistema, temos já pré-definido 128 variáveis que não podem ser alteradas, porém,
podem ser declaradas a qualquer momento que se esteja construindo uma aplicação qualquer.

Para ser exibida a janela que nos permite declarar uma cadeia de caracteres, que nos
permita declarar uma variável do sistema qualquer, devemos selecionar na janela drop-down a
opção SYSTEM, feito isto se abrirá uma janela como demonstrado a seguir;

Como demonstrado na figura acima, quando se trata da configuração de variáveis do


sistema, basta definir o tipo das variáveis de sistema que serão utilizadas, no caso acima foram
definidas as variáveis do tipo EBOOL (poderia ter sido definido como WORD). O próximo
passo seria apenas definir uma cadeia de caracteres no campo Symbol que podemos definir um
nome que será utilizado para declarar a variável correspondente e se necessário, poderia ser
feito uma observação qualquer no campo Comment.

Constantes (%Ki):
Temos disponíveis no sistema 128 constantes que podem receber um valor qualquer e
serem declaradas também através de uma cadeia de caracteres. Para se configurar as variáveis
de uma constante, o procedimento é semelhante ao procedimento utilizado para fazer a
configuração das variáveis de memória e do sistema;

42
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Como podemos perceber na figura acima, utilizamos novamente as janelas drop-down


para fazer a seleção da variável que será parametrizada (neste caso: CONSTANTS) e definir o
tipo dessas variáveis (BYTE). Falta agora inserir no campo Symbol um nome para que possamos,
através desse nome, declarar a variável correspondente. Feito isto, deve-se inserir um valor no
campo Value e definir sua base (defina como decimal se no campo Value for digitado um valor
decimal), é bastante interessante também inserir algum comentário que identifique a constante
definida, este pode ser inserido no campo Comment.

Variáveis do Bloco de Funções:


Selecionando a opção PREDEFINED FB, através da janela drop-down podemos
configurar todas as funções contidas no bloco de funções (contadores, temporizadores,
monoestáveis, registradores e drums) que podem ser utilizadas na aplicação que esteja se
construindo e, na janela drop-down ao lado, podemos selecionar qual função estaremos
parametrizando e será visto com mais detalhes na parte dos blocos de funções;

Seleciona a função a ser configurada

Variáveis de I/Os:
A opção I/O nos traz uma janela (planilha) que nos possibilita representar uma entrada,
saída ou I/O qualquer que esteja conectado em algum módulo numa posição qualquer do CLP
Base ou até mesmo no bloco de extensão.

Esta janela está demonstrada a seguir:

43
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria
Opção para verificar os estados de I/O através
de endereços já pré definidos (campo Address)
Endereço do módulo (posição na base ou rack)

Como podemos observar na janela acima, temos vários endereços (campo Address) das
posições de I/O e através desses podemos localizar uma posição da base, um módulo e entrada
ou saída em específico para teste ou verificação quanto a erros.

Para melhor compreensão dos endereços de memória descritos no campo Address,


iremos pegar como exemplo o endereço %MW0.MOD.3;

Símbolo

Indica que é o módulo localizado na posição 5 que será analizado

%I5.MOD.ERR

Indica que a entrada será acionada se ocorrer um erro no módulo

Indica que o que será testado será um módulo

Como podemos perceber acima, foi descrita uma entrada que poderia ser acionada pelo
sistema em uma possível condição de erro. Poderíamos também utilizar uma posição de
memória ao invés de um I/O (%MW0.MOD.3).

Formato das Instruções:

De acordo com a norma IEC 1131, estaremos descrevendo todas as funções que temos
disponíveis no editor de aplicações do software PL 7 Micro.

Para maior compreensão das instruções que serão descritas adiante, tem-se abaixo a
identificação destas;

44
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

%I Entrada do CLP;
%Q Saída do CLP;
%M Bit Interno;
%S Bit do Sistema;
%BLK Bit dos blocos de funções.

Instruções Booleanas
As funções booleanas podem ser declaradas através de um endereço de memória
qualquer (bit interno) ou através de módulos de E/S digitais (bit de I/O)
As instruções booleanas que temos disponíveis no sistema estão descritas a seguir;

Símbolo Código Operando

LD %I, %Q, %M, %S, %BLK

LDN %I, %Q, %M, %S, %BLK

LDR %I, %Q, %M

LDF %I, %Q, %M

ST %Q, %M, %FBs

S %Q, %M, %FBs

R %Q, %M, %FBs

STN %Q, %M, %FBs

Blocos de Função:

Através do bloco de funções podemos inserir contadores, temporizadores,


registradores, monoestáveis e drums. Estando na janela que nos possibilita a construção das
aplicações em ladder, para selecionar uma função devemos clicar sobre o ícone FB localizado
no Paleta de ícones para construção de aplicações em ladder;

Todas as funções que estaremos descrevendo podem ser parametrizadas também através
das planilhas das variáveis quando se deseja declarar qualquer uma dessas funções através de
um Symbol como já foi visto com detalhes nos tópicos anteriores.

Após ter clicado sobre o ícone FB (fig. anterior) se abrirá uma janela como demonstrado
abaixo;

45
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Todas as funções disponíveis no bloco podem ser acessadas dando um duplo clique
sobre uma das opções como demonstrado acima e estão descritas a seguir com detalhes que
torne possível a utilização destas em uma aplicação qualquer;

Temporizadores:

Selecionando a opção TM o bloco temporizador será inserido na aplicação como


demostrado abaixo;

Gera um pulso quando é finalizada a contagem

Inicializa a contagem

Modo em que o temporizador estará trabalhando

Quanto à configuração dos temporizadores, estas podem ser feitas de três modos. Para
uma melhor compreendermos o funcionamento dos modos de funcionamento, temos as cartas
de tempo dispostas a seguir;

- Modo TP (Monoestável) - Modo TOF (Of-relay) - Modo TON (On-relay)

%TMI.V – Valor corrente (atual)


%TMI.P - Valor de preset (pré-definido)
TB – Base de tempo
MODIFY Y/N – Possibilita (Y) ou não (N) a modificação do valor de preset
Q – Acionado de acordo com o modo pré-definido
IN – Aciona o temporizador

46
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Após ter inserido o temporizador na aplicação, deve-se configurá-lo para que a


aplicação possa ser executada da maneira desejada. Para isto devemos selecionar a opção
Application no menu principal e a opção Variables no sub menu (mais detalhes sobre esta
função podem ser encontrados no tópico “Configuração das Variáveis”, visto anteriormente).

Feito isto se abrirá uma janela e devemos selecionar a opção TM na janela drop-down
para configurarmos os parâmetros do temporizador;
Esta janela nos permite Esta função nos permite
selecionar o FB (Bloco de selecionar qual a função do FB
funções).

Como podemos perceber na figura anterior, dependendo da função selecionada temos


uma janela (planilha) que será aberta para sua parametrização, no caso acima está sendo
selecionado o grupo de temporizadores (TM). No campo Address estão contidos os endereços
correspondentes aos temporizadores que serão configurados; no campo Symbol pode ser
digitado qualquer nome que identifique o temporizador correspondente para ser utilizado na
aplicação; o campo Preset deve ser preenchido com um valor de preset caso a opção PT (que
pode ser habilitada no campo Mode) esteja selecionada; no campo TB podemos determinar uma
base de tempo em que será feita esta temporização e a nível de identificação poderíamos inserir
um comentário qualquer através do campo Comment. Temos disponíveis no sistema 64
temporizadores.

Contadores:
Selecionando a opção C o bloco contador será inserido na aplicação como demostrado
abaixo;
É acionado quando o valor de contagem passa de 0 para 9999
Reseta o contador

É acionado quando o valor de preset é igual ao valor de contagem


Preseta o contador
Incrementa o valor da contagem
(counter up)

É acionado quando o valor de contagem passa de 9999 para 0


Decrementa o valor da contagem
(counter Down)

A seleção da planilha de parametrização dos contadores ocorre da mesma maneira que


das outras funções, porém, a opção a ser selecionada é a C (counting);

47
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Como podemos observar na figura anterior o parâmetro principal que deve ser
configurado é o campo Preset, este parâmetro determina o valor de contagem que será realizado
pelo contador e os demais campos são semelhantes ao temporizador. Temos na planilha de
configuração 32 temporizadores que podem ser utilizados.

Monoestáveis:

Selecionando a opção MN o bloco monoestável será inserido na aplicação como


demostrado a seguir;

%MNi Gera um pulso de acordo com um tempo


Habilita a entrada definido (monoestável)

Base de tempo Valor de preset

Carta de tempo do funcionamento do monoestável;


S – Start
R – Saída
%MNI.P – Valor de preset
%MNI.V – Valor corrente (atual)
MODIF: Y/N – Possibilita (Y) ou não (N) o modo de ajuste ou reajuste do valor de preset

48
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Após ter sido selecionado a opção MN na janela de configuração das variáveis pode-se
já definir os parâmetros dos monoestáveis. Para isto selecione o endereço do monoestável
correspondente ao que estará sendo utilizado na aplicação (campo Address);

Como podemos perceber na figura acima, o único parâmetro que diferencia a configuração
dos monoestáveis da configuração dos temporizadores, é que o valor digitado no campo Preset
será o valor que determinará o tempo em que o monoestável permanecerá em nível alto (de
acordo com a base de tempo definida no campo TB) e o valor digitado no campo Preset da
planilha de configuração dos temporizadores significa o valor que será assumido quando
finalizar a temporização (caso a opção TP esteja habilitada no campo Mode da planilha de
configuração dos temporizadores). Neste sistema temos disponíveis oito monoestáveis que
podem ser configurados.

Registradores:
Após ter selecionado a opção R o bloco monoestável será inserido na aplicação como
demostrado abaixo;
Reseta a entrada
Indica se a pilha está
%Ri vazia
Armazena um dado no registrador de
entrada

Armazena um dado no registrador de Indica se o registrador está cheio


saída

Temos disponíveis no sistema quatro registradores que podem ser configurados através
da planilha de configuração das variáveis como demonstrado a seguir;

49
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Como podemos observar acima, no campo Lenght indica o tamanho do registrador de


memória que no caso acima é de 16 bits (word), no campo Mode temos duas opções
disponíveis; LIFO e FIFO. LIFO (Last In, First Out) significa que o primeiro dado que foi
armazenado na pilha de memória será o primeiro a ser carregado e assim sucessivamente. FIFO
(First In, First Out) significa que o último dado que foi armazenado na pilha de memória será o
primeiro dado a ser carregado, o penúltimo dado será o próximo e assim sucessivamente.

Tambores (Drums):
Após ter selecionado a opção R o bloco monoestável será inserido na aplicação como
demonstrado abaixo;

Retorna o valor a 0
Indica quando a seqüência é encerrada

Base de tempo
Avança p/ o próximo passo
Número de passos

Temos no sistema sete drums que podem ser configurados através da planilha das
variáveis. Abaixo temos demonstrado a janela de configuração que nos possibilita parametrizar
um drum qualquer que será utilizado de acordo com seu endereço (campo Address);

50
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Como demonstrado na figura acima, assim como ocorre com os outros blocos de
funções, podemos declarar também um drum em uma aplicação qualquer através de um Symbol
(cadeia de caracteres). Podemos limitar o número de passos que serão executados acessando a
janela drop-down do campo Step, o número máximo de passos que podem ser executados de
acordo com uma unidade de tempo definida no campo TB são 16 passos.

Para determinar uma seqüência que se queira seguir de acordo com o número de passos
do drum, basta clicar sobre o botão do campo Step... correspondente ao drum que está sendo
configurado. Clicando sobre um desses botões se abrirá a seguinte janela;
Step

Campo onde serão inseridas as


variáveis correspondentes aos
bits (seqüência lógica) e passos
que serão realizados.

Bit

Nesta planilha para configuração dos passos e seqüência lógica do drum, basta clicar
sobre os quadrados correspondentes e estes irão assumir um nível alto de acordo com a lógica
desejada.
Para maior compreensão do funcionamento do drum, tem-se sua carta de tempo descrita
a seguir;

U - Entrada onde são gerados os pulsos para a mudança de passos;


R - Reseta o DR (Volta ao passo inicial);
DRi.S - Número do passo atual;
DRi.F - Acionado quando o último passo é executado;
DRi.V - Marca o tempo de cada passo (de acordo com a unidade de tempo definida em
TB).

51
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Bloco de Comparação:

Além de todas as funções que temos disponíveis nos blocos de funções, temos também
dois blocos de comparação que nos permite fazer comparações entre dois valores. Esses valores
podem ser declarados a partir de valores gravados em posições de memória, bits do sistema,
resultado de operações, a partir de uma lógica qualquer pré-definida, etc.

Os dois blocos que temos disponíveis no sistema estão descritos a seguir;

Bloco de Comparação Vertical:


Este bloco faz a comparação entre dois valores e emiti o resultado se baseando em
quatro situações. Para inserir um bloco de comparação vertical devemos (na tela de construção
em ladder) selecione o ícone COMP V localizado na Paleta de ícones de construção das
aplicações;

Clicando sobre ícone (demonstrado acima) será habilitado o bloco de comparação


vertical;
Quando habilitado faz a comparação Habilitado quando OP1 é maior que OP2

Operando número 1 Habilitado quando OP1 é igual ao OP2

Habilitado quando OP1 é menor que OP2

Operando número 2
Habilitado quando OP1 é diferente do OP2

OBS: A comparação dos operandos só pode ser feita utilizando-se Words (16 bits) ou
valores imediatos.

Bloco de Comparação Horizontal


Este bloco faz a comparação entre dois valores que pode ser duas words ou valores
imediatos para selecionar esta função basta clicar sobre o ícone COMP H localizado na Paleta
de ícones de construção das aplicações;

Clicando sobre ícone (demonstrado acima) será habilitado o bloco de comparação


horizontal;

52
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Como podemos observar acima, esse bloco é bastante interessante quando desejamos
obter um valor booleano, por exemplo, para isso seria habilitado uma saída ou um bloco de
operação contendo uma expressão que estaria dependendo do valor da comparação de duas
words.

Tabela de Animação (Animation Table):

Através da Tabela de Animação podemos acompanhar em tempo real o funcionamento


do circuito e através deste visualizar o valor atual das variáveis dos temporizadores, contadores,
monoestáveis, registradores, tambores e funções booleanas que estejam envolvidas em uma
aplicação pré-definida qualquer.

Existem várias possibilidades de utilizarmos a Tabela de Animação, podemos utilizar a


configuração automática que nos possibilita selecionar uma rung qualquer e, verificarmos o
funcionamento deste podendo alterar o valor de qualquer função para testar alguma condição ou
maior compreensão do funcionamento do circuito. Temos também a possibilidade de criarmos
várias planilhas de animação definindo quais variáveis serão mostradas em cada planilha
(através desta também podemos alterar o valor de qualquer variável).

Estando com uma aplicação já construída, para utilizarmos o Animation Table no modo
automático basta selecionarmos o Rung que desejamos fazer a animação e, no menu principal
clicar sobre a opção Utilities e selecionar a opção Initialize Animation Table no sub menu.
Feito isto será aberta uma janela como demonstrado a seguir;

Número p/ identificação da TABLE de animação Nesses campos são mostrados todos os


Campo para inserção dos valores ou valores atuais das variáveis selecionadas
endereços Endereços de memória ou I/O
que será analisado

Qdo. Um bit é forçado a um valor 0 ou 1,


isto é mostrado neste campo

Força um valor binário a um bit qualquer Define a base que será utilizada para demostrar os
acontecimentos (BIN, ASC, DEC, Real, etc.)

Como podemos observar na figura anterior fica bem fácil a visualização dos
acontecimentos de acordo com uma lógica pré-determinada, porém se quisermos fazer a
observação do valor de variáveis que não estejam em um mesmo rung, ou até mesmo estejam
declaradas a partir de uma sub rotina ou outra tarefa, teremos que utilizar o modo manual.

53
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Para utilizar o modo manual devemos selecionar a opção Application no menu principal
e Animation Table no sub menu. Feito isto aparecerá a seguinte janela;

Como podemos perceber na janela acima, podemos criar, abrir deletar ou renomear uma
planilha de Animation Table, temos também o campo Comment para inserir um comentário
qualquer que auxilie na localização dessa tabble. No nosso caso iremos criar uma nova planilha
de animações e nesta inserir uma variável qualquer que esteja localizada em “qualquer parte” da
aplicação (sub rotina, tarefas, etc).

Para criar esta nova planilha devemos clicar sobre o botão Create, feito isto se abrirá
uma nova planilha.

Após inserir todos os dados nessa planilha, iremos fechar esta janela. Quando tentarmos
fechar esta , será emitida uma mensagem pelo sistema , esta mensagem significa se queremos
anular a criação da nova table ou não, devemos selecionar a opção “Não”.

Selecionado a opção não se abrirá uma janela como demonstrado abaixo;


Nome atribuído a Table para sua identificação

Preenchido os campos como demonstrado na figura anterior, já está criado a nova Table
e podemos acessá-la toda vez que for necessário fazer o monitoramento dessas variáveis.

54
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Documentação:

Uma função muito interessante para diagnosticar e construir uma documentação de uma
aplicação qualquer é a função Documentation. Esta função nos possibilita selecionar a descrição
de quais parâmetros serão impressos nos gerando uma documentação completa de uma
aplicação qualquer. Os documentos selecionados são marcados com um quadradinho vermelho.

Para acessar essa função devemos selecionar a opção Application no menu principal e
Documentation no submenu, feito isto se abrirá uma janela como demonstrado a seguir;

Imprime o conteúdo do que foi


selecionado (número de páginas)

Seleciona as configurações físicas


para serem impressas
Seleciona as configurações do Rack

Seleciona as configurações dos


módulos conectados ao rack

Seleciona as configurações do
software

Imprime um layout da aplicação

Seleciona o ladder ou Instruction


List de quais tarefas serão impressos

Como podemos observar na janela acima ficaram alguns quadrados sem uma descrição,
foi feito isto para que possamos analisar cada uma destas opções.

Clicando com o botão direito sobre a escrita Footer , será aberta uma janela dentro da
janela Documentation já aberta, na qual selecionamos Parameters;

Clicar sobre a escrita Title Page Janela Parameters que será aberta ao
clicar sobre a escrita Title Page
Clicando sobre a escrita General Information será aberta uma janela como demonstrada
a seguir; Campos da janela Parameters para que seja
Clicar sobre a escrita General Information
impresso na documentação o nome do projetista
(campo Designer ) e o nome do Projeto (campo
Project ) caso seja habilitado a opção
correspondente

Clicando sobre a escrita Program com o botão direito e em seguida em Parameters:


será aberta uma janela como demonstrada a seguir;

Campo que será aberta ao clicar sobre a escrita


General Information para ser digitado um
comentário ou informação qualquer que seja útil 55
a nível de aviso ou identificação
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Janela Parameters que será aberta ao


clicar sobre a escrita Program/Parameters

Opções para configuração de como serão


impressos os diagramas feitos em Instruction
List ou em Ladder

Se utilizado o
modo endereço
ou símbolos

Clicando sobre a escrita Data e em seguida Parameters será aberta uma janela como
demonstrada a seguir;
Clicar sobre a escrita Data

Janela Parameters que será aberta ao


clicar sobre a escrita Data

Opções para configuração de como serão


impressos os diagramas feitos em Instruction
List ou em Ladder (se utilizado o modo endereço
ou símbolos)

56
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003
CFP1.06 - NAI Guia de Treinamento - CLP Telemecanique - Teoria

Clicando sobre a escrita Cross Rreferences e em seguida Parameters será aberta uma
janela como demonstrada a seguir;
Clicar sobre a escrita Cross References

Janela Parameters que será aberta ao


clicar sobre a escrita Variable cross
references

Opções para configuração de


apresentar endereços ou
símbolos

Após ter preenchido todos os campos das janelas como mostrado nas figuras anteriores
toda a documentação referente a aplicação será impressa de acordo com a configuração dos
parâmetros como já foi dito.

57
AndreLLenz SENAI – SP – NAI – CFP1.06 04/2003