Você está na página 1de 6

Extras:

Ainda somos necessários, mas como peça de um jogo de


corporações poderosas
O verdadeiro motivo de Felipe Mascarenhas ter sido impulsionado como
escritor de sucesso

- Mas Ivan, se as IAs avançaram a ponto de conseguirem escrever coisas incríveis por elas
mesmas, simulando padrões de escrita de qualquer autor, porque não criam elas mesmos
autores fictícios e se livram de vez dos humanos?

- Por causa dos processos.

- Processos?

- Acontece que se não houver uma figura humana assinando pela obra da IA, a publicadora
digital pode ser acusada de plágio do padrão de escrita. Isso já foi feito mais de uma vez. O
mais bizarro: já foi feito uma vez orientado por uma IA assistente de um não escritor. Tem
que ver que, mesmo com o processo correndo digitalmente pelas IAs, no final é também um
corpo jurídico humano que assina, e a jurisprudência têm dado causa sempre para os
humanos, mesmo quando as máquinas concluem diferente em seus argumentos lógicos.
Além disso, as corporações sabem que precisam da figura “em carne e osso”, por dois
motivos: primeiro porque dá senso de realidade, pessoas podem ver a pessoa real em um
programa, esbarrar com ela em um restaurante, pedir autógrafos, etc. Mas o segundo - e
dizem por aí ser um motivo mais essencial - é que, todo processo relacionado à obra, uma
vez que você esteja com seu nome nela, vai pra você. Assim, a corporação tem uma trave
de proteção, onde o lixo resvala, vai pro autor mas não para ela. Você é só uma peça do
jogo, Phil. E não é a mais importante. Mas ora, aproveita, você antes era só um peão…
Agora já consegue dar seus pulos.

As oito sugestões da IA do escritor, no capítulo XIII - A Guerra das IAs

1. Segundo seu contrato, já posso escrever sua próxima história. Escreva


para induzir uma proposta ou ative o novo bio-fictio interpretador
BETA, para que seu momento de vida seja utilizado como uma inspiração
não literal em um universo ficcional.
2. Os usuários que têm utilizado o novo bio-fictio interpretador BETA
têm tido 86,5% de satisfação.
3. Sob os sóis de Sion teve um índice de desempenho de 94,75%. Os dados
sugerem que a taxa de sucesso não foi maior porque o histórico de
publicações autorais: anterior reduziu a conversão de novos leitores
em 2,5; limitou o público em até 52%; e impediu a negociação de cerca
de 28.000 vendas. O novo título tende a superar esse índice a taxa de
8%+ com o assistente editorial ativado.
4. Brumas: 89% do seu público consumidor não sabe o que significa a
palavra Brumas. A ideia de algo nebuloso, confuso pode ser
satisfatoriamente substituído por sombras, que dialogam com Sob os
sóis de Zion e deverão garantir uma compra extra do título antigo de
até +12%, considerando-se sua taxa mensal de depreciação.
5. As Brumas de Avalon, romance de Marion Zimmer Bradley do século XX é
tido como o primeiro romance proto-feminista moderno de sucesso em
escala. Você pode adquiri-lo aqui ou assistir alguma das 8 versões
cinematográficas para sua trilogia, incluindo a última de 4 anos
atrás. realizada inteiramente por IAs de nosso grupo e adaptada
dinamicamente a seu padrão de pensamento atual. Clique.
6. Caso decida manter “Brumas” como título, a associação com o título de
Bradley poderá render 3,7%+ de aceitação. O resultado pode ser
melhorado em até 32% caso haja engajamento em causas de gênero ou
minoritarismo cibernético no próximo mês. Deseja uma lista de
possíveis atividades e ONG’s financiáveis?
7. O bigdata acessível a toda IA cadastrada demonstra que, a proporção
de um vocabulário poético soturno ou negativo corresponde, com uma
margem de erro de 2% para cima ou para baixo, a uma taxa de 28,2% de
autores que passaram por depressões e conflitos existenciais. Seu
plano de usuário oferece descontos em tratamentos e medicamentos para
o problema, aproveite. (clique aqui para um mapeamento das melhores
possibilidades para você*).
*opções patrocinadas.
8. “Caso queira desabilitar minhas sugestões, por favor me avise
clicando aqui, ou aperte “control” e escreva normalmente: lerei
entendendo que está falando comigo.
Minibots voadores

THX-2108

Características:

● Autonomia energética de 100%*


● Chips conectados XINMIN, operando com ou sem IAs auxiliares
● Transporta objetos de até 100% de seu peso (355g)
● Habilitado a áudio e videoregistro com envio criptografado permanente
● Stealth mode opcional (consulte áreas autorizadas)

Deixe para trás os velhos drones de operação 100% manual ou semi-manual do século
XXI! Os novos minibots são unidades autômatas inteligentes e criativas, que trabalham
por você exatamente do jeito que você imaginou, ou melhor! O século XXII já chegou!

* Placas solares têm garantia de 3 anos. Tamanho ilustrativo. Disponível nas cores chrome-green, redbug e yellow-bee..

(Anúncio de minibots em 2082)


(Notícia de Jornal)

BMM NEWS - EXCLUSIVO


02/08/2067, Lauro Remo.

_________________________________________________________________

Eles estão entre nós


Vazam documentos comprovando a infiltração de bioroids no mercado
de trabalho, a testarem interação com humanos e seu reconhecimento.
SÃO PAULO - No mundo inteiro, há uma corrida pela fusão entre a
sofisticação atual da Inteligência Artificial com o quase milagroso
corpo biônico, que se tornou tão fiel ao humano que é quase
impossível de se reparar na diferença. De qualquer forma, não se
tinha notícia de que as chamadas Inteligências Corpo-Operativas -
ICO - estariam em fase de testes com humanos - ainda mais sem
que fossem anunciadas.

A equipe de reportagem da BMM teve


acesso a documentos confidenciais do
Centro de Inteligência Artificial de São
Paulo e Seul, um dos mais sofisticados
institutos tecnológicos do mundo, em
cooperação científica Brasil/Coréia. Os
dados não são totalmente autorizados para publicação, mas uma foto em baixa
resolução com certificado desencriptador al-bt-2065 garante a sua autenticidade. No
documento, aparentemente há oito unidades como essa, a assumirem vidas
“normais” de humanos. Os próximos dias trarão as reações de políticos,
empresários e população ao vazamento de dados. Enquanto isso, perguntamos a
população em nosso blogue, e obtivemos opiniões muito controversas.

O que dizem os leitores da BMM e os especialistas

Para a dentista Michele Oleama, 34, já não há mais espaço para indivíduos
no planeta, sem perda de qualidade. “Esse tipo de iniciativa só vai aumentar a
reserva de mercado, construir mais um motivo para preconceitos, e possivelmente
diminuir direitos trabalhistas. Essa coisas comem, dormem? Não né? Pois é”. O cientista social Ralph Lomez, da
UFSP diz que “quando a sociedade passa por avanços sempre há os grupos que reagem mal”. Ele lembra
Bauman, criador da ideia de modernidade líquida: “os estudos neobaumanianos mostram que estamos vivendo
uma contemporaneidade vaporosa, o que aproxima o pensador de algum modo de Marx. Isso quer dizer que há
um caminho sem volta para a tecnologia, que talvez esteja acelerando nosso processo de extinção ao mesmo
tempo em que nos dá suporte. Já o advogado doutor em ciências bioeletrônicas questiona: “se um androide
desses cometer um crime, deve ser considerado um imputado? A sociedade deve se questionar, pois se ainda
entende, apesar do fracasso histórico, que a punição tem como objetivo de um lado o afastamento do sujeito
agressor, e do outro a correção deste para que possa retornar em condições de uma vida social, de que vida
estamos falando aqui, e de que correção? Os humanos fracassaram tanto em corrigir como em ser corrigidos, a
não ser nos lugares onde uma vida social menos desigual conseguiu ser razoavelmente implantada. Não é o
nosso caso”, diz.

Nem todos pensam de forma negativa. O estudante de biotecnologia Maurício Petroni, 18, aposta que
a inclusão de androides na sociedade é positiva: “devem ser mais perfeitos que nós, eu namoraria uma
inclusive. Ou será que já namorei e não sei?”. O professor Lomez também comenta: uma das vantagens do
suporte a que me referi é que androides podem representar companhia em um mundo cada vez mais
antissocial. Raquel Furnari, psicóloga do Observatório do Comportamento, explica que “no século XX muita
gente passou a substituir o contato humano pelo animal, mas já no XXI a revolução digital trouxe cada vez mais
a aproximação humano máquina. Isso não vai parar, as pessoas deveriam se preocupar mais com como cada
vez mais nos parecemos máquinas, não com o contrário. Afinal, deveríamos no mínimo defender que ser
humano é bom e todo mundo gosta. Infelizmente não é assim.

Entre opiniões positivas e negativas, as negativas chegavam a 76% em pesquisa feita há cinco anos
atrás pelo DATAFLOR. O BMM reencomendou a encomenda e hoje a desaprovação da vida androide caiu para
apenas 55%, quando informada, e 38% quando não informada. Mas a sociedade de lá para cá só está mais e
mais ligada às IAs, e há quem diga que não se pode mais viver sem elas. A questão é: mesmo se elas andarem
por aí? []
“Cenas Deletadas”

Fragmento Capítulo II - Estupefato

Mas havia algo estranho. Ele não se recordava de ter escrito ou ditado certas palavras.

E por outro lado, não havia produzido poesia, por exemplo, nem falado sobre os cantos dos
Sioneses, …

- Computador, veja o que recebi. Eu não escrevi isso, explique isso.


- Infelizmente, esses aplicativos estão sob operação pictografada de outra IA. Ajustar
os textos dessas mensagens pode causar ao autor problemas legais. Por essa
razão, como padrão não o tento. Deseja que eu ative a edição das mensagens
forçando a desencriptação? (aperte CONTROL e escreva SIM)

Fragmento cap XIX - Segredos de Maggie

- Eu não… Phil eu nasci diferente de você. Muito do que tenho por dentro é assim,
fios e peças.. O que para você são “aparelhos”, em mim são órgãos, tecidos… É
meu corpo.

Fragmento cap XXII - Entrevista em Palo Alto

Comprou o porteiro, não porque fosse “corruptível”, mas porque ele achava mesmo
Maggie uma pessoa estranha, simpatizava com o escritor, e “onde tem angu com caroço”
ele se sentia feliz em ajudar.

- Durante uma semana - instruiu o escritor - você vai tirar uma ou duas cartas , todos
os dias, do total de correspondências, e entregar as demais para a Dona Maggie,
como sempre fez. As cartas que estiverem contigo eu pego diretamente em minhas
saídas.

Fragmento Epílogo (storyboard):

Maggie e a IA vão visitar descontraidamente Violeta e o Escritor. No mês seguinte, eles


retribuem. O casal Violeta e escritor vão a cidade e visitam Maggie. Maggie conta que ela e
a IA agora têm um bebê. O bebê é a cara do escritor.

Você também pode gostar