Você está na página 1de 66

ZACARIAS

VOLTAR

INTRODUÇÃO

1. Título.-

O livro leva o nome do personagem cujas profecias apresenta. Zacarías, Heb.


Zekaryah, significa "Yahweh recorda", ou "Yahweh se acordou". Zacarías era
um nome comum entre os judeus.

2. Paternidade literária. -

Zacarías provavelmente era levita, e pôde ter sido sacerdote (Neh. 12: 16;
cf. Zac. 1: 1). Zacarías é chamado "filho do Iddo" no Esd. 5: 1 e 6:14; esta
designação pode entender-se pelo intercâmbio comum da palavra "filho" por
"neto" (ver com. 1 Crón. 2: 7).

É quase seguro que Zacarías nasceu em Babilônia. Começou seu ministério 16


anos depois da volta do cativeiro, ou seja em 520/519 A. C. Se houvesse
nascido depois da volta do cativeiro, sua chamada ao ministério
profético tivesse tido lugar em uma idade muito temprana. A data mais tardia
que apresenta em sua profecia é o 4.º ano do Darío (cap. 7: 1); entretanto, o
mais provável é que o profeta Zacarías vivesse até ver a terminação da
construção do templo uns anos depois, em 515 A. C. (ver com. Esd. 6: 15).

3. Marco histórico.-

Zacarías foi contemporâneo do Hageo (Zac. 1: 1; Hag. 1: 1). Para o fundo


histórico, ver as pp. 1095-1096. Ver também o T. III, pp. 322-324.

4. Tema.-

Tanto Zacarías como Hageo foram chamados Por Deus para animar a aqueles
judeus que, devido à oposição inimizade que culminou nos dias do falso
Esmerdis (522 A. C.), tinham deixado de construir o templo (ver T. III, pp.
71-72). As profecias do Zacarías "chegaram em tempo de grande incerteza e
ansiedade" quando "parecia-lhes com quão dirigentes a permissão concedida aos
judeus para edificar estava por lhes ser retirado" (PR 425). Suas mensagens, que
tratam da obra de Deus e os planos divinos para a restauração, tinham por
objeto animar o zelo decadente dos judeus. como resultado das mensagens
inspiradores e da liderança do Hageo e Zacarías, a construção do templo
logo foi terminada (Esd. 6: 14-15).

As mensagens do Zacarías, que descrevem o glorioso futuro de Jerusalém, foram


condicionais (Zac. 6: 15). Por causa de que os judeus, quando voltaram do
cativeiro, não cumpriram com as condições espirituais das quais
dependia sua prosperidade, não se cumpriu o propósito original das profecias.
Entretanto, certos aspectos se cumprirão na igreja cristã (ver pp.
32-38).

5. Bosquejo.-
I. Promessas de restauração, Zac. 1: 1 a 6: 15.

A. Introdução e exortação a seguir ao Senhor, 1: 1-6. 1108

B. Oito visões, 1: 7 a 6: 8.

1. Primeira visão: os cavaleiros, 1: 7-17.

2. Segunda visão: os quatro chifres e os quatro


carpinteiros, 1: 18-21.

3. Terceira visão: o varão com a corda de medir, 2:


1-13.

4. Quarta visão: Josué e Satanás, 3: 1-10.

5. Quinta visão: o candelabro de ouro e os dois


olivos, 4: 1-14.

6. Sexta visão: um cilindro que voava, 5: 1-4.

7. Sétima visão: o f e a mulher, 5: 5-11.

8. Oitava visão: os quatro carros, 6: 1-8.

C. O advento e a obra de Cristo: o Renovo, 6: 9-15.

II. Repreensão do pecado e exortação a Injustiça, 7: 1 a 8: 23.

A. Condenação do jejum feito com hipocrisia, 7: 1-14.

1. A delegação do Bet-o, 7: 1-3.

2. O jejum não sincero condenado, 7: 4-7.

3. Definição da religião verdadeira, 7: 8-1


0.

4. A rebelião voluntária e seus resultados, 7: 11-14.

B. A restauração apoiada na obediência, 8: 1-23.

III. A destruição do inimigo e a liberação do Israel, 9: 1 a 14: 2 1.

PRIMEIRA A. profecia, 9: 1 a 11: 17.

1. Destruição das nações pagãs vizinhas, 9:


9-17.

2. O Rei justo sobre um Israel unido, 9: 9-17.

3. Deus, não os ídolos, a origem do triunfo, 10: 1-7.

4. Reunião do povo de Deus de todas partes do


mundo, 10: 8-12.
5. A parábola do pastor, 11: 1-17.

B. A segunda profecia, 12: 1 a 14: 2 1.

1. As nações inimizades derrotadas, 12: 1-9.

2. derrama-se o espírito de graça e de súplica, 12:


10-14.

3. A purificação espiritual de Jerusalém, 13: 1-6.

4. O Bom Pastor é ferido, 13: 7-9.

5. A purificação de Jerusalém mediante uma guerra, 14:


1-7.

6. A renovação da terra e o Senhor reconhecido como


Rei, 14: 8-11.

7. Castigos sobre os pagãos, 14: 12-15.

8. Castigos sobre o remanescente que recusa render culto,


14: 16-21.

CAPÍTULO 1

1 Zacarías precatória ao arrependimento. 7 Visão dos cavalos 12 A oração


do anjo traz consoladoras promessas a Jerusalém. 18 Visão dos quatro
chifres e os quatro carpinteiros.

1 OITAVO ENEL mês do segundo ano do Darío, veio palavra do Jehová ao profeta
Zacarías filho do Berequías, filho do Iddo, dizendo:

2 Se zangou Jehová em grande maneira contra seus pais.

3 lhes diga pois: Assim há dito Jehová dos exércitos: lhes volte para mim, diz Jehová
dos exércitos.

4 Não sejam como seus pais, aos quais clamaram os primeiros profetas,
dizendo: Assim há dito Jehová dos exércitos: 1109 Lhes volte agora de seus
maus caminhos e de suas más obras; e não atenderam, nem me escutaram,
diz Jehová.

5 Seus pais, onde estão? e os profetas, têm que viver para


sempre?

6 Mas minhas palavras e meus regulamentos que mandei a meus servos os profetas, não
alcançaram a seus pais? Por isso voltaram eles e disseram: Como Jehová
dos exércitos pensou nos tratar conforme a nossos caminhos, e conforme a
nossas obras, assim o fez conosco.

7 Aos vinte e quatro dias do décimo primeiro mês, que é o mês do Sebat, em ao ano
segundo do Darío, veio palavra do Jehová ao profeta Zacarías filho do Berequías,
filho de lddo, dizendo:

8 Vi de noite, e hei aqui um varão que cavalgava sobre um cavalo alazão, o


qual estava entre os mirtos que havia na profundidade; e detrás dele havia
cavalos alazães, overos e brancos.

9 Então disse: O que são estes, Meu senhor? E me disse o anjo que falava
comigo: Eu te ensinarei o que são estes.

10 E aquele varão que estava entre os mirtos respondeu e disse?: Estes são os
que Jehová enviou a percorrer a terra.

11 E eles falaram com aquele anjo do Jehová que estava entre os mirtos, e
disseram: percorremos a terra, e hei aqui toda a terra está repousada e
quieta.

12 Respondeu o anjo do Jehová e disse: OH Jehová dos exércitos, até


quando não terá piedade de Jerusalém, e das cidades do Judá, com as
quais estiveste irado por espaço de setenta anos?

13 E Jehová respondeu boas palavras, palavras consoladoras, ao anjo que


falava comigo.

14 E me disse o anjo que falava comigo: Clama dizendo: Assim há dito Jehová
dos exércitos: Zelei com grande zelo a Jerusalém e ao Sión.

15 E estou muito irado contra as nações que estão repousadas; porque quando eu
estava zangado um pouco, eles agravaram o mal.

16 portanto, assim há dito Jehová: Eu me voltei para Jerusalém com


misericórdia; nela será edificada minha casa, diz Jehová dos exércitos, e
o prumo será tendido sobre Jerusalém.

17 Clama ainda, dizendo: Assim diz Jehová dos exércitos: Ainda transbordarão meus
cidades com a abundância do bem, e ainda consolará Jehová ao Sión, e escolherá
ainda a Jerusalém.

18 Depois elevei meus olhos e olhei, e hei aqui quatro chifres.

19 E pinjente ao anjo que falava comigo: O que são estes? E me respondeu: Estes
são os chifres que dispersaram ao Judá, ao Israel e a Jerusalém.

20 Me mostrou logo Jehová quatro carpinteiros.

21 E eu disse: O que vêm estes a fazer? E me respondeu, dizendo: Aqueles são


os chifres que dispersaram ao Judá, tanto que nenhum elevou sua cabeça; mas estes
vieram para fazê-los tremer, para derrubar os chifres das nações que
elevaram o corno sobre a terra do Judá para dispersá-la.

1.

Oitavo mês.

Chamado Bul antes do cativeiro (1 Rei. 6: 38), posteriormente, Marjesván ou


Jesván; nosso outubro-novembro.

segundo ano do Darío.

520 A. C. (ver T. III, pp. 100 - 102). Há uma breve historia do Darío no T.
III, pp. 72-74.
Filho do Iddo.

A respeito da genealogia do Zacarías, vê-la P. 1107.

2.

zangou-se.

Heb. qatsaf, término que indica uma intensa ira. "irritou-se muito" (BJ). Essa
palavra hebréia também se usa no Deut. 9: 19; ISA. 47: 6; etc.

3.

lhes volte.

Deus suplica ao povo que se arrependa para que receba o favor divino que o
capacitaria para realizar, livre de perigos, a obra da reedificación do
templo (ver P. 1107). Zacarías insiste com freqüência na necessidade de que
haja arrependimento e reforma (cap. 3: 7; 6: 15; 7: 7-10; 8: 16-17).

Há dito Jehová.

Esta frase se repete três vezes para lhe dar mais ênfase.

4.

Primeiros profetas.

Cf. 2 Rei. 17: 13-14; 2 Crón. 36: 15-17; Jer. 25: 3-9; 35: 15. Os homens
devessem aprender da experiência de seus antepassados (ROM. 15: 4; 1 Cor. 10:
11).

5.

Seus pais.

Devem meditar na sorte que correram estes para que não os acontezca o
mesmo.

Viver para sempre.

Os profetas eram 1110 mortais como aqueles a quem pregava; sem


embargo, suas palavras eram palavras de Deus. portanto, essas palavras eram
eternas e com toda certeza se cumpririam.

6.

Alcançaram.

Heb. nasag, "alcançar". Esta palavra aparece no Gén. 44: 4; Deut.28: 2, 15, 45.
As mensagens e os "regulamentos" finalmente causariam o castigo com que se
ameaçava.

Voltaram.

Heb. shub, vocábulo que se traduz "converter-se" com o sentido de arrepender-se,


em 1 Rei. 8: 47; Eze. 14: 6; 18: 30; assim poderia também traduzir-se aqui.

7.

décimo primeiro mês.

A data que aqui se dá é, aproximadamente, em 15 de fevereiro de 519 A. C., de


acordo com o calendário Juliano (ver T. III, P. 102). Zacarías havia
começado seu ministério profético uns três meses antes (Zac. 1: 1). A
seguinte data que aparece no livro está em cap. 7: 1. As oito visões
registradas (cap. 1: 8 a 6: 8) sem dúvida foram dadas neste intervalo. Alguns
supõem que todas foram dadas em uma "noite" (vers. 8); mas isso não se pode
provar.

8.

Vi.

A primeira visão tinha a finalidade de inspirar confiança no bondoso


propósito de Deus de restaurar a seu povo. Dava a segurança de que as
nações gentis seriam vencidas, e que, apesar da condição do Israel, se
levaria a cabo o misericordioso propósito de Deus se o povo cumpria com seu
parte (cap. 6: 15).

Na interpretação das visões do Zacarías deve se ter em conta que


embora o ensino geral das visões parece ser clara, não sempre é
evidente o significado dos detalhes. Isto se deve em parte a que as
visões, como as parábolas, contêm certos elementos necessários para
completar a narração ou apresentação, que não forzosamente têm valor
exegético. Outros elementos não são explicados pelo profeta ou por outros
escritores inspirados. Por isso não se pode saber seu significado com segurança
(ver. com. Eze. 1: 4; T. III, P. 1129).

A série de oito visões (cap. 1: 7 a 6: 8) apresenta uma narração profético


encadeada que expõe o propósito de Deus para os judeus quando retornassem
do cativeiro babilônico, e culmina com a vinda do Mesías e o
estabelecimento de seu reino (ver pp. 28-33). Esta série de visões foi
dada ao Zacarías em um momento de grande desânimo, quando parecia que os inimigos
do povo de Deus estavam por deter do todo a obra de reconstrução (ver
PR 427). Estas mensagens tinham o propósito de respirar aos repatriados e
lhes inspirar para que continuassem com fé em sua obra.

A primeira visão (cap. 1: 7-17) revela o plano de Deus para um Israel


estático. As nações pagãs estão "repousadas"; mas Deus anuncia seu
propósito de restaurar o templo como sua "casa" e de escolher "ainda a
Jerusalém" como o instrumento mediante o qual se levaria a cabo o propósito
divino da salvação dos homens. A segunda visão (cap. 1: 18-21)
descreve o dano que sofreu o Israel como nação devido ao cativeiro, e
proclama a intenção de Deus de reparar todo o dano que lhe tem feito. A
terceira visão (cap. 2: 1-13) assegura aos judeus a presença e a bênção
divinas na obra de reconstrução e no cumprimento da missão de
Israel no mundo. Na quarta visão (cap. 3: 1-10) Deus assegura a seu povo
que se interporá para proteger o de Satanás, seu máximo inimigo, e perdoará
os pecados do Israel que até aqui tinham dado a Satanás uma oportunidade para
interferir no cumprimento da vontade de Deus para o Israel como seu povo
(ver pp. 29-30). A quinta visão (cap. 4: 1-14) mostra o meio pelo qual
cumpriria-se a restauração de Jerusalém e a transformação do caráter:
"Com meu Espírito, há dito Jehová dos exércitos" (vers. 6). A sexta visão
(cap. 5: 1-4) apresenta o processo mediante o qual se investigará o pecado
entre o povo de Deus. A sétima visão (cap. 5: 5-11) descreve a
eliminação final e completa do pecado e dos pecadores de entre o povo
escolhido. A oitava visão (cap. 6: 1-8) apresenta a Deus fiscalizando os
assuntos da terra para o cumprimento de seu propósito divino, tal como se
apresentou nas visões anteriores, e assim assegura o êxito da missão de
Israel.

O profeta apresenta, depois da oitava visão, um quadro inspirado da


vinda do Mesías que "dominará em seu trono" (cap. 6: 13), e a reunião das
nações da terra diante do verdadeiro Deus (vers. 15). Tudo isto haveria
acontecido com toda segurança tal como se apresenta (cap. 1: 7 a 6: 15), se o Israel
tivesse obedecido diligentemente a voz do Senhor (cap. 6: 15). Cf. Deut. 28:
1, 14. Quanto à natureza condicional destas visões proféticas, ver
P. 36, e quanto ao fracasso do Israel como nação para receber as
bênções prometidas, ver pp. 32-35. 1111

Cavalo alazão.

"Vermelho" (BJ). O profeta não explica o significado da cor, e são vões as


especulações.

Mirtos.

Uma planta de verdor permanente, que dá flores brancas e um fruto aromático do


qual se faziam perfumes. Da mesma família desta árvore comum na Palestina
é o arrayán do Chile e Argentina.

Profundidade.

Heb. metsulah, "abismo", "precipício". Aqui provavelmente o nome de um


lugar geográfico ou de um vale.

Overos.

Heb. saroq; cor que têm as uvas (ISA. 16: 8) e estes cavalos. há-se
sugerido que eram negros, vermelhos, ou castanhos. Não é evidente o significado de
as cores, se é que o têm. Os comentadores têm feito várias
conjeturas, como esta: que as três cores representam os três poderes
mundiais: Babilônia, Persia e Grécia. Como o intérprete da visão não faz
menção alguma deste aspecto da apresentação profético, será melhor não
tratar de explicar as cores. Pode ser que só tenham servido para
distinguir os diferentes grupos de mensageiros.

9.

Que falava comigo.

Quer dizer, o anjo que interpretava. Este anjo deve distinguir do "varão
que estava entre os mirtos" (vers. 10) que é chamado "anjo do Jehová" (vers.
11).

10.

A percorrer a terra.
apresenta-se a estes mensageiros como que estão dando um relatório ao grande
Governante do universo a respeito dos assuntos da terra, especialmente de
Israel como povo escolhido de Deus que sofria o cativeiro e a opressão de
as nações pagãs circunvizinhas. Já cumpriram sua missão, e agora estão
preparados para informar.

11.

Quieta.

O programa de Deus parece estar paralisado. As nações não fazem nada para
socorrer e ajudar ao povo de Deus. E parece que o decreto para reedificar
na verdade está por ser anulado (ver P. 1096; PR 424-425).

12.

Não terá piedade?

O povo de Deus estava inseguro e desalentado. O templo permanecia


desolado; Jerusalém, em ruínas.

Setenta.

Alguns pensam que se faz referência aos 70 anos mencionados pelo Jeremías
(Jer. 25: 12; 29: 10; ver T. III, P. 100). Outros computam regresivamente desde
a data da visão em 519 A. C. (ver com. Zac. 1: 7), e chegam à data
589/588, quando Nabucodonosor começou o sítio contra Jerusalém (ver com. 2
Rei. 25: 1; T. III, pp. 102-103).

13.

Palavras consoladoras.

A visão tinha o propósito de respirar ao povo.

14.

Zelei.

Cf. Joel 2: 18.

Sion.

Sem dúvida sinônimo de toda a cidade de Jerusalém (ver com. Sal. 48: 2).

15.

Repousadas.

Ver com. vers. 11. Deus tinha castigado aos israelitas devido a seus pecados;
mas só tinha estado "zangado um pouco", e seu plano era limitar os castigos.
Em troca, as "nações" tinham ido mais à frente do propósito de Deus, e
pretenderam subjugar permanentemente aos israelitas (cf. ISA. 10: 5-19).

16.

Será edificada.
Os vers. 16 e 17 mostram os bondosos propósitos de Deus para o remanescente.
As predições se cumpriram em parte. O templo foi reedificado e Jerusalém
restaurada. Mas a prosperidade que aqui se menciona nunca ocorreu plenamente.
O povo não cumpriu as condições espirituais das que dependia seu
prosperidade temporária; entretanto, os israelitas tiveram a oportunidade. A
visão tinha o propósito de reanimá-los e de lhes dar um grande estímulo para que
aproveitassem seus privilégios, que tinham descuidado. Ver pp. 32-35. O plano
de Deus para o Israel, momentaneamente interrompido pelo cativeiro, era agora
avançar de novo, e Israel devia recuperar os privilégios e as
responsabilidades da relação do pacto (ver P. 33).

18.

Quatro chifres.

A segunda visão (vers. 18-21; em hebreu, cap. 2: 1-4) apresenta o meio por
o qual Deus se dispunha a cumprir seu propósito. Os chifres se descrevem
claramente como os poderes que "dispersaram ao Judá, ao Israel e a Jerusalém"
(vers. 19; PR 426). O número "quatro" pode simbolizar universalidade, em
consonância com os quatro pontos cardeais (cf. Dão. 8: 8; 11: 4) aos
quais tinha sido dispersado o Israel (Zac. 1: 21; cf. cap. 2: 6; ver com. cap.
1: 8).

19.

Dispersaram.

Ver com. vers. 18.

20.

Carpinteiros.

Heb. jarash, "artesão". "Ferreiros" (BJ). O vocábulo descreve aos que


trabalham em pedra (Exo. 28: 11), madeira (2 Sam. 5: 11), metal (1 Sam. 13: 19),
etc. Se têm feito muitas conjeturas quanto à identidade destes quatro
artesãos. O número "quatro" poderia significar só "os quatro limites de
a terra" onde tinham sido pulverizados os expulsos do Israel (ISA. 11: 12).
Os artesãos representavam "os instrumentos 1112 usados pelo Senhor para
restaurar a seu povo e sua casa de culto" (PR 426).

21.

fazê-los tremer.

Do Heb. jarad, que na forma em que aqui se usa significa "assustar",


"aterrorizar". "espantá-los" (BJ). Ver com. vers. 18.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

12-16 PR 425

13 PR 428

17-21 PR 426
CAPÍTULO 2

1 Deus ordena medir a Jerusalém porque a Protege. 6 A redenção do Sión. 10


Promessa da presença de Deus.

1 ALCE depois meus olhos e olhei, e hei aqui um varão que tinha em sua mão um
corda de medir.

2 E lhe disse: aonde vai? E ele me respondeu: A medir a Jerusalém, para ver
quanta é sua largura, e quanta sua longitude.

3 E hei aqui, saía aquele anjo que falava comigo, e outro anjo lhe saiu ao
encontro,

4 e lhe disse: Corre, fala com este jovem, dizendo: Sem muros será habitada
Jerusalém,

por causa da multidão de homens e de ganho em meio dela.

5 Eu serei para ela, diz Jehová, muro de fogo em redor, e para glória
estarei em meio dela.

6 Né, né, fujam da terra do norte, diz Jehová, pois pelos quatro ventos
dos céus lhes pulverizei, diz Jehová.

7 OH Sión, a que mora com a filha de Babilônia, escape.

8 Porque assim há dito Jehová dos exércitos: Depois da glória me enviará ele a
as nações que lhes despojaram; porque o que vos touca, toca à menina de seu
olho.

9 Porque hei aqui eu elevo minha mão sobre eles, e serão despojo a seus servos, e
saberão que Jehová dos exércitos me enviou.

10 Canta e te alegre, filha do Sión; porque hei aqui venho, e morarei em meio de
ti, há dito Jehová.

11 E se unirão muitas nações ao Jehová naquele dia, e me serão por povo, e


morarei em meio de ti; e então conhecerá que Jehová dos exércitos me há
enviado a ti.

12 E Jehová possuirá ao Judá sua herdade na terra Santa, e escolherá ainda a


Jerusalém.

13 Rua toda carne diante do Jehová; porque ele se levantou de sua Santa
morada.

1.

Hei aqui um varão.

A terceira visão apresenta o triunfo do plano de Deus. A gloriosa


perspectiva que aqui se apresenta se teria completo no Israel se o povo
tivesse cooperado plenamente com o programa do céu. O homem do "corda
de medir" não é identificado. Não se precisa saber quem é para compreender a
visão.
2.

A medir a Jerusalém.

Este ato simbólico assegurava que Jerusalém seria reedificada.

3.

Outro anjo.

Há quatro personagens na visão simbólica: o homem da corda de medir, o


profeta e dois anjos.

4.

Este jovem.

apresentaram-se duas opiniões quanto à identidade deste jovem: (1) Que


é o homem da corda de medir (vers. 1). Neste caso, o fato de que o
jovem esteja em caminho para medir a cidade significa que vai fixar seus
limites; mas será interrompido em seu trabalho, e lhe dirá que a nova cidade
será de tamanho ilimitado; que transbordará seus limites anteriores, e chegará a
ser como uma cidade sem muralhas. (2) Que é Zacarías. Esta conclusão possivelmente
apóie-se na idéia de que a mensagem dada ao "jovem" em realidade era para
Zacarías. De qualquer modo, não importa quem recebeu a mensagem da visão
simbólica, pois o relato da visão comunicaria mais tarde a mensagem divina
a quem correspondia sabê-lo.

A palavra traduzida "este" também pode traduzir-se "esse" ou "aquele"; pelo


tanto, o 1113 adjetivo determinativo não ajuda para identificar ao "jovem".

5.

Muro de fogo.

Não se necessitam paredes materiais pois Deus mesmo protegerá a cidade (cf.
Sal. 125: 2).

6.

Fujam.

Cf. Jer. 51: 6, 45. Esta é uma nova exortação para quão judeus não
tinham retornado a Jerusalém aproveitando o decreto do Ciro (Esd. 1: 1-4),
para que voltassem para o Sión a fim de fugir dos tempos difíceis que
sobreviriam no reino persa. Ainda havia muitos judeus exilados em
Babilônia, não poucos dos quais viviam em paz e com riquezas. Sua prosperidade
impulsionava-os a não enfrentar-se a um futuro incerto que parecia lhes oferecer o
retorno a Jerusalém.

Terra do norte.

Assim se chama com freqüência a Babilônia no AT, porque os invasores que


vinham desse país entravam na Palestina pelo norte (ver com. Jer. 1: 14-15;
4: 6).

7.
OH Sión . . . escape.

Ou, "te salve". O propósito de Deus era trazer castigos sobre as nações que
tinham mantido cativo a seu povo (ver com. vers. 6).

Filha de Babilônia.

A mesma frase aparece em Sal. 137: 8. Compare-se com a expressão "filha de


Sión" (Asa. 52: 2; Lam. 4: 22; Zac. 2: 10).

8.

Depois da glória.

Ou "depois da glória". O significado desta frase é escuro. O hebreu


diz "enviou-me". Possivelmente "a glória" seja uma visão depois da qual o
profeta foi enviado a cumprir sua missão.

Menina.

Heb. babah. Esta palavra só aparece aqui e possivelmente signifique o globo ocular.
O Olho é extremamente sensível e de inestimável valor. Qualquer golpe que
caia sobre os Santos, cai sobre o Senhor (cf. ISA. 63: 9; Hech. 9: 15; Mat.
10: 40; 25: 34-46).

9.

Elevo.

Heb. nuf, "mover daqui para lá". Agitar a mão significa exercer poder
(ver ISA. 11: 15; 19: 16). O Senhor promete alterar as coisas de modo que
aqueles a quem o Israel tinha servido se convertessem em despojo para seu
povo.

Enviou-me.

Os créditos do profeta verdadeiro são o cumprimento de suas predições


(Deut. 18: 21-22).

10.

te alegre.

aconselha-se ao Sión a que se alegre em vista da gloriosa perspectiva. Se o


povo tivesse obedecido as mensagens de seus profetas, a cidade "poderia
haver-se destacado na glória da prosperidade como reina dos reino" (DTG
529-530). Deus teria arroxeado em meio dela e Jerusalém se teria convertido
na diadema de glória do mundo. Mas com o fracasso do Israel e o
cumprimento dos propósitos de Deus na semente espiritual -a igreja
cristã (ver pp. 38-39)-, o motivo de regozijo é agora a nova Jerusalém
que descende "do céu, de Deus" (Apoc. 21: 2).

11.

Unirão-se.
Cf. ISA. 14: 1; Miq. 4: 2. Deus tinha o propósito de que pessoas de todas
as nações se sentissem induzidas a unir-se com o Senhor quando observassem a
prosperidade do Israel e as vantagens de servir ao Deus verdadeiro (ver pp.
30-31). Mas o Israel, depois do exílio e tal como o tinha feito antes do
mesmo, negou-se a emprestar atenção à luz enviada do céu. Deus agora há
encarregado à igreja cristã que pregue o Evangelho em todo mundo,
para que "muitas nações" criam e sejam salvas (cf. Mat. 24: 14; 28: 19-20;
Mar. 16: 15-16; Hech. 1: 8; Apoc. 14: 6-12).

13.

Rua.

Como uma antecipação a estes sucessos grandiosos e gloriosos, se precatória ao


mundo a que espere com o devido temor e reverência (Sal. 76: 8-9). Assegura-se
que Deus mesmo se levantará de sua estado de aparente inatividade para castigar
aos ímpios e para salvar a seu povo (ver Sal. 44: 23-26).

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-5 PR 426

6-9 PR 440

8 CS 684; Ed 251; PR 400; PVGM 153 1114

CAPÍTULO 3

1 Restauração da igreja sob o símbolo do Josué, 8 Cristo, "o Renovo",


é prometido.

1 ME MOSTROU ao supremo sacerdote Josué, o qual estava diante do anjo de


Jehová, e Satanás estava a sua mão direita para lhe acusar.

2 E disse Jehová a Satanás: Jehová te repreenda, OH Satanás; Jehová que há


escolhido a Jerusalém repreenda. Não é este um tição arrebatado do incêndio?

3 E Josué estava vestido de vestimentas vis, e estava diante do anjo.

4 E falou o anjo, e mandou aos que estavam diante dele, dizendo: lhe tirem
essas vestimentas vis. E lhe disse: Olhe que tirei que ti seu pecado, e
tenho-te feito vestir de roupas de ornamento.

5 Depois disse: Ponham mitra limpa sobre sua cabeça. E puseram uma mitra
limpa sobre sua cabeça, e lhe vestiram as roupas. E o anjo do Jehová estava
em pé.

6 E o anjo do Jehová admoestou ao Josué, dizendo:

7 Assim diz Jehová dos exércitos: Se anduvieres por meus caminhos, e se


guardar meu regulamento, também você governará minha casa, também guardará meus
átrios, e entre estes que aqui estão te darei lugar.

8 Escuta pois, agora, Josué supremo sacerdote, você e seus amigos que se sintam
diante de ti, porque são varões simbólicos. Hei aqui, eu trago para meu servo
o Renovo.
9 Porque hei aqui aquela pedra que pus diante do Josué; sobre esta única
pedra há sete olhos; hei aqui eu gravarei sua escultura, diz Jehová dos
exércitos, e tirarei o pecado da terra em um dia.

10 Naquele dia, diz Jehová dos exércitos, cada um de vós convidará a


seu companheiro, debaixo de sua videira e debaixo de sua figueira.

1.

Mostrou-me.

A quarta visão (vers. 1-10) tem o propósito de mostrar o poder de Cristo


"para vencer ao acusador de seu povo" (PR 428). Foi dada em um tempo quando
"o firme progresso que faziam os edificadores do templo desconcertou e alarmou
às hostes do mal' (PR 427). Ver com. cap. 1: 8.

Josué.

O primeiro supremo sacerdote depois do cativeiro. No Esd. 2: 2 é chamado


"Jesúa", uma transliteración deste nomeie segundo a forma aramaica do nome em
lugar do hebreu, como é o caso aqui (ver com. Esd. 2: 2). Nesta visão
o supremo sacerdote representa ao Israel que comparece diante de Deus.

Anjo do Jehová.

Quer dizer, "o Anjo que é Jehová", que significa Cristo (cf. Jud. 9; ver PR
428-429; com. Exo. 23: 20-21).

Satanás.

Heb. hassatan, literalmente "o adversário". A palavra deriva do verbo


satan, ,"acusar", "atuar como adversário". O verbo aparece em Sal. 38: 20;
71: 13; 109: 4, 20, 29; Zac. 3: 1. O nome se aplica a um adversário terrestre
em 1 Sam. 29: 4; 2 Sam. 19: 22; 1 Rei. 5: 4; 11: 14, 23, 25; Sal. 109: 6, e a
um anjo no Núm. 22: 22, 32. Em cada uma destas referências o substantivo
hebreu está sem artigo. O nome aparece com artigo quatorze vezes no Job
1: 6 a 2: 7, e três vezes no Zac. 3: 1-2. Em cada um destes casos se há
traduzido como "Satanás". A mesma tradução se emprega em 1 Crón. 21: 1; aqui
não leva artigo no hebreu.

Para lhe acusar.

Enquanto Josué estava intercedendo diante Deus por seu povo, Satanás estava
perto para opor-se e desvirtuar seus esforços acusando ao Josué e a seu povo
de pecaminosidad (cf. 1 Ped. 5: 8; Apoc. 12: 10). Assinalava as transgressões
do Israel como uma razão para que o povo não recuperasse o favor divino (ver
PR 427-428; cf. Zac. 1: 11; 2: 12). Os israelitas não mereciam ser
restaurados à relação do pacto (ver com. Zac. 1: 16).

2.

Repreenda-te.

Era certo que o povo de Deus tinha pecado gravemente; mas tinha sofrido o
castigo do exílio, e muitos tinham sido induzidos ao arrependimento e à
humilhação. Nestas condições era correto, sem dúvida, que Deus os fora
propício.
Este.

faz-se referência ao Josué; mas também ele representava ao povo.

Tição.

Heb. 'ud, "tronco", "toco", possivelmente originalmente um pau que se usava para
atiçar 1115 o fogo. Esta palavra aparece no AT só aqui, na ISA. 7: 4 e
no Amós 4: 11. Os abrasadores fogos do cativeiro finalmente haveriam
consumido ao povo escolhido se Deus não houvesse meio doido o coração dos reis
pagãos para que favorecessem a seus filhos pulverizados, e se alguns deles não
tivessem respondido ao convite de que fugissem de Babilônia (Jer. 51: 6,45;
cf. Zac. 2: 6).

3.

Vestimentas vis.

Símbolo da baixeza do pecado (cf. ISA. 64: 6).

4.

Falou.

Tirar as vestimentas vis significava o perdão do pecado e a restauração


à graça de Deus. O vestido novo representava injustiça de Cristo que se
reparte ao pecador (PR 428-429).

5.

Mitra limpa.

Melhor, "turbante puro, limpo". A palavra que se traduz "poda" deriva do


verbo ahar, o qual tem vários significados: "ser limpo", "ser puro", "ser
ceremonialmente limpo", "ser declarado limpo". O turbante que antigamente
correspondia ao supremo sacerdote levava a inscrição "SANTIDADE Ao JEHOVÁ" (Exo.
28: 36-38). Colocar o "turbante puro" sobre o Josué significava que seus
transgressões tinham sido perdoadas e que estava em condições de atuar em
sua Santa função. O sacerdote e o povo recuperavam, pois, a graça de
Deus (vers. 9; ver com. vers.1).

7.

Se andasse.

A obediência produziria grandes bênções. Compare-se com as promessas


oferecidas ao Salomón (1 Rei. 3: 14).

Estes que aqui estão.

Anjos acompanhantes (ver PR 429).

8.

Escuta pois.
A importância da promessa que estava por pronunciar-se demandava a plena
atenção do sacerdote.

Varões simbólicos.

Melhor, "homens de maravilha". O vocábulo Heb. mofeth, traduzido aqui


"simbólicos", usa-se para referir-se às maravilhas que realizou Moisés diante
de Faraó (Exo. 4: 21; cf. Exo. 7: 3, 9; 11: 9- 10). Mofeth se traduz
"prodígio" em 2 Crón. 32: 31, e "sinal" em 1 Rei. 13: 3, 5; 2 Crón. 32: 24;
Eze. 12: 6; etc. Assim como Ezequiel foi um sinal (Heb. mofeth) para seu
geração (Eze. 12: 6, 11; 24: 24, 27), assim também os israelitas da
restauração deviam ser uma demonstração do que Deus está disposto a fazer
a favor dos que cooperam com os propósitos do céu. Eles deviam ser
"honrados como os escolhidos do céu entre as nações da terra" (PR
429).

Meu servo.

Título freqüentemente dado ao Mesías (ver com. ISA. 41: 8).

Renovo.

Heb. tsemaj, "broto", "crescimento", sem símbolo do Mesías (ver Jer. 23: 5;
33: 15), quem seria a gloriosa Vergôntea que brotaria da casa do David.

9.

Pedra.

Não se explica claramente este simbolismo. Os comentadores têm feito várias


sugestões: que a pedra (Heb. 'ében) refere-se a Cristo, como na ISA. 8:
14; ou ao reino de Cristo, como em Dão. 2: 34-35, 44; ou que representa a
Zorobabel, como o "anel de selar" (Hag. 2: 23). Entretanto, o único
indício imediato quanto ao significado do simbolismo parece achar-se em
as palavras "Tirarei o pecado da terra em um dia". O ensino central
da visão foi a eliminação da culpa do Josué e do povo. Poderia
haver uma relação entre "esta única pedra" e "um dia".

10.

debaixo de sua videira.

Símbolo de paz e segurança, gozo e prosperidade (cf. ISA. 65: 17-25; Miq. 4:
1-5).

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-10 SC 140

1 PR 428; TM 34

1-2 TM 473

1-3 2JT 170; PVGM 153

1-4 DMJ 95; PR 236


1-5 TM 279

1-7 TM 18

2 CS 538; 2JT 171, 174, 177, 198; MC 119; MM 131; OE 340; PP 164; PR 431, 433;
TM 252

2-5 PR 428

2-6 FÉ 274

2-7 2JT 171-172; TM 36

3 PR 428

3-7 PVGM 155

4 2JT 174-175; PR 431; 2T 453; TM 526

4-5 2JT 178; PR 434; PVGM 189

7 2JT 174: PR 429, 431; PVGM 190, 370; 6T 298

8 2JT 172, 179; PR 429,435 1116

CAPÍTULO 4

1 O castiçal de ouro pressagia o bom êxito dos alicerces postos por


Zorobabel. 11 Os dois olivos representam aos dois ungidos.

1 VOLTOU o anjo que falava comigo, e despertou, como um homem que é


despertado de seu sonho.

2 E me disse: O que vê? E respondi: olhei, e hei aqui um candelabro todo de


ouro, com um depósito em cima, e seus sete abajures em cima do candelabro, e
sete tubos para os abajures que estão em cima dele;

3 E junto a ele dois olivos, o um à direita do depósito, e o outro a seu


esquerda.

4 Prossegui e falei, dizendo a aquele anjo que falava comigo: O que é isto,
meu senhor?

5 E o anjo que falava comigo respondeu e me disse: Não sabe o que é isto? E
pinjente: Não, Meu senhor.

6 Então respondeu e me falou dizendo: Esta é palavra do Jehová a


Zorobabel, que diz: não com força, a não ser com meu Espírito, há dito Jehová de
os exércitos.

7 Quem é você, OH grande monte? diante do Zorobabel será reduzido a


planície; ele tirará a primeira pedra com aclamações de: Graça, graça a
ela.

8 Veio palavra do Jehová a mim, dizendo:

9 As mãos do Zorobabel jogarão o alicerce desta casa, e suas mãos a


acabarão; e conhecerá que Jehová dos exércitos enviou a vós.

10 Porque os que menosprezaram o dia das pequenezes se alegrarão, e verão


o prumo na mão do Zorobabel. Estes sete são os olhos do Jehová, que
percorrem toda a terra.

11 Falei mais, e lhe disse: O que significam estes dois olivos à direita do
candelabro e a sua esquerda?

12 Falei ainda de novo, e lhe disse: O que significam os dois ramos de olivo que
por meio de dois tubos de ouro vertem de si azeite como ouro?

13 E me respondeu dizendo: Não sabe o que é isto? E pinjente: meu senhor, não.

14 E ele disse: Estes são os dois ungidos que estão diante do Senhor de toda a
terra.

1.

Despertou.

Este incidente serve de transição entre tina visão e outra. O profeta


possivelmente estava sumido em uma profunda meditação, e então sua atenção
foi dirigida a uma nova apresentação simbólica (cf. Dão. 8: 18; 10: 8-9; ver
com. cap. 1: 8).

2.

Candelabro.

Este simbolismo evidentemente é tirado do candelabro do santuário. O


candelabro do antigo tabernáculo tinha sete "lamparinas" (Exo. 25: 31-40).
No templo do Salomón havia dez castiçais: cinco à direita e cinco à
esquerda (1 Rei. 7: 49). Mas o candelabro desta visão não é como os
anteriores, e tem, além disso, suas lições peculiares que ensinar.

Depósito.

Continha o azeite que alimentava os sete abajures por meio de sete tubos.

3.

Olivos.

Segundo o vers. 12, essas árvores subministravam azeite para o depósito central
que, a sua vez, alimentava os abajures.

6.

Zorobabel.

Quanto à identidade e obra do Zorobabel, ver Esd. 2: 1 a 4: 5; também a


P. 1095. Zorobabel aqui representa a liderança e administração civil, assim
como Josué (Zac. 3: 1) representa a liderança religiosa da nação.

Com meu Espírito.


O azeite subministrado pelos olivos (vers. 3) simbolizava ao Espírito Santo
(PVGM 389). Só a graça divina podia vencer todos os obstáculos que
confrontavam os reedificadores (ver P. 1095) de Jerusalém. Zorobabel e seus
companheiros estavam deprimidos por sua reduzida capacidade e escassos recursos para
continuar com a obra de restauração frente à oposição de seus inimigos.
A visão mostrou que os propósitos de Deus para o Israel se obteriam não com
"exército" nem com "força" humana, a não ser mediante o Espírito de Deus e o poder
divino.

7.

Grande monte.

Símbolo das dificuldades aparentemente insuperáveis que Zorobabel tinha que


enfrentar para obter seu propósito (ver com. ISA. 2: 2).

Primeira pedra.

"Pedra de arremate" (BJ). Ao Zorobabel se dá a segurança de que ele terminará a


obra de restauração ao pôr a "pedra de arremate" com que culminaria tudo
(cf. 3JT 170).

Aclamações.

Sem dúvida os gritos de gozo 1117de os que contemplassem a colocação da


"pedra de arremate".

9.

Jogarão o alicerce.

Ver com. Esd. 3: 8.

Acabarão-a.

Ver com. Esd. 6: 15.

10.

Dia das pequenezes.

Quer dizer, o tímido progresso que, até então se obteve.

Alegrarão-se.

Quer dizer, ao alcançar o que parecia impossível.

Estes sete.

Sem dúvida se faz referência às sete abajures (vers. 2). Aqui se as


converte em um símbolo da onisciência e onipresença de Deus. "Não se
adormecerá nem dormirá o que guarda ao Israel" (Sal. 121: 4). Deus fiscaliza
os assuntos desta terra desde seu grande e elevado trono e cumpre os
propósitos de sua vontade. Nada passa inadvertido para ele (ver Sal. 139: 1-12;
com. Dão. 4: 17).

11.
O que significam estes . . .?

O significado dos dois olivos (vers. 3) ainda não tinha sido explicado.

14.

Os dois ungidos.

Os descreve como que estão "diante do Senhor". "Junto ao Senhor" (BJ). Em


o símbolo, os olivos proporcionavam azeite para os abajures (vers. 12). O
azeite simboliza ao Espírito Santo (ver com. vers. 6); portanto, os
ungidos representam os instrumentos celestiales por meio dos quais o
Espírito Santo é repartido aos seres humanos que estão plenamente
consagrados a seu serviço. "A missão dos dois ungidos é comunicar luz e
poder ao povo de Deus" (TM 510). Espera-se que os que recebem este dom
celestial comuniquem a outros estas bênções.

Juan o revelador também menciona dois olivos e estabelece um paralelo entre


estes e "os dois castiçais que estão em pé diante do Deus da terra"
(Apoc. 11: 4); e por meio destes símbolos identifica às duas testemunhas, que
"representam as Escrituras do Antigo Testamento e do Novo" (CS 310). Por
o tanto, embora os dois profetas viram símbolos similares, não era idêntico o
significado dos símbolos.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-14 CMC 275; PVGM 389-390; SC 140; 6T 458-459; TM 187, 383

1-4 PVGM 389, TM 518

1-6 PR 436

1-9 6T 458

2-3 2JT 366, 403-404; OE 388; PVGM 397; 7T 249

6 CS 247, 584; Ev 18; HAp 15; 2JT 283; 3JT 166; MB 185; NB 222; OE 265, 397; PR
438; PVGM 50, 389; 2T 608; 6T 50, 74; TM 188, 268, 518, 521; 3TS 387

7 3JT 170; PR 437-438

9 PR 438

10 CMC 52; 3JT 169; PR 437

10-14 6T 459

11 TM 518

11-14 CW 114; Ev 209; 2JT 366, 403-404; 3JT 149, 155; MM 184; OE 388; PR 436;
7T 249; TM 343, 345

12 PVGM 389; 7T 195

14 PVGM 389; TM 519


CAPÍTULO 5

1 O cilindro que voa contém caminhos maldições para ladrões e perjuros. 5 A


mulher dentro do f simboliza a condenação final de Babilônia.

1 DE NOVO elevei meus olhos e olhei, e hei aqui um cilindro que voava.

2 E me disse: O que vê? E respondi: Vejo um cilindro que voa, de vinte cotovelos de
comprido, e dez cotovelos de largura.

3 Então me disse: Esta é a maldição que sai sobre a face de toda a


terra; porque todo aquele que furta (como está de um lado do cilindro) será
destruído; e todo aquele que jura falsamente (como está do outro lado do cilindro)
será destruído.

4 Eu a tenho feito sair, diz Jehová dos exércitos, e virá à casa do


ladrão, e a casa do que jura falsamente em meu nome; e permanecerá em
meio de sua casa e a consumirá, com suas madeiras e suas pedras.

5 E saiu aquele anjo que falava comigo, 1118 e me disse: Alta agora seus olhos
e olhe o que é isto que sai.

6 E pinjente: O que é ? E ele disse: Esta é uma f que sai. Além disso disse: Esta é
a iniqüidade deles com toda a terra.

7 E hei aqui, levantaram a tampa de chumbo, e uma mulher estava sentada no meio
daquele f.

8 E ele disse: Esta é a maldade; e a jogou dentro do f, e jogo a massa de


chumbo na boca do f.

9 Alce logo meus olhos, e olhei, e hei aqui duas mulheres que saíam, e traziam
vento em suas asas, e tinham asas como de cegonha, e elevaram a f entre a
terra e os céus.

10 Pinjente ao anjo que falava comigo aonde levam o f?

11 E ele me respondeu: Para que lhe seja edificada casa no Sinar; e quando estiver
edificada casa em terra do Sinar; e quando estiver preparado o porão sobre seu
base.

1.

De novo.

Na sexta visão (Vers. 1-4) mostrou-se ao Zacarías, por meio de um cilindro que
voava, como trataria Deus aos israelitas que se negassem a trocar de
"vestimentas" (cap. 3: 4), e que se rebelassem contra a direção do Espírito
Santo (cap. 4: 6) Ver. Com. cap. 1: 8.

Cilindro.

No T. I, pp. 34-35 há uma descrição dos materiais que se usavam


antigamente para escrever. O cilindro que viu Zacarías possivelmente era de couro. Como
declara-se que o cilindro é "a maldição " (vers. 3), deduz-se que estava
escrito.
Que voava.

Provavelmente com o propósito de indicar que estava cumprindo sua obra.

2.

Disse-me.

O anjo que interpretava.

De comprimento.

Como Zacarías pôde calcular as dimensões do cilindro, este deve haver


aparecido completamente aberto. O cilindro tinha em medidas modernas 9 por
5 M. Estas dimensões concordam com as de lugar santo do tabernáculo (ver
com. Exo. 26: 1) e com as do pórtico do templo do Salomón (1 Rei. 6: 3), e
portanto alguns procuraram encontrar uma relação entre o "cilindro que
voava " e o santuário. Entretanto, embora a maldição emanou da
transgressão contra as pranchas de pedra dos dez mandamentos que estavam
no tabernáculo e no templo do Salomón, não há forma de demonstrar que essa
relação devia ser representada pela similitude entre as dimensões já
expostas. O cilindro era extraordinariamente grande e nele havia muito lugar
para escrever; por isso possivelmente as dimensões tinham o fim de mostrar a
magnitude da maldição .

3.

Furta.

Furtar representa as faltas contra os homens; jurar falsamente contra os


homens; jurar falsamente as ofensas contra Deus (ver com. Mat. 5: 33-37)
Estes dois maus podem ter sido muito comuns entre quão judeus voltaram
do exílio, e por isso se destacaram como exemplos de uma decadência geral de
a moral.

Será destruído.

Era necessário que o Israel da restauração fora puro para que realizasse
os propósitos de Deus. A visão da mudança das vestimentas do Josué (cap.
3) indicava a forma em que Deus trata o pecado. concederia-se perdão a toda
alma arrependida. Os que aceitassem as disposições divinas, seriam
revestidos com a perfeita justiça de Cristo. Entretanto, a fim de possuir o
manto de justiça de Cristo, exige-se aos homens que abandonem seu pecado
acariciado (ver PVGM 299). Segundo a visão, os que não aceitam isto serão
castigados com a maldição pronunciada pelo cilindro que voava.

4.

Virá à casa.

Não haverá escapatória para o pecado. A maldição chegaria à casa do ladrão


e do perjuro, e "permaneceria" na morada do transgressor até que houvesse
levado a cabo seu propósito, inclusive a destruição dos ocupantes da
casa.

5.
O que é isto.

A sétima visão (vers. 5-11) Simboliza a eliminação da iniqüidade da


terra (ver com. cap. 1: 8).

6.

Uma f.

Unidade de medida de cereais equivalente a 22 1t. Posto que um recipiente


dessa dimensão não era suficiente para conter a uma mulher (vers. 7), alguns
sugeriram que o propósito, inclusive a destruição era referir-se à forma
antes que ao volume.

Iniqüidade.

Literalmente, "olho". A mudança de uma letra em hebreu permite traduzir


"Iniqüidade" (RVR e LXX) ou "culpa" (BJ).

7.

Tampa.

Heb. kikkar, literalmente, "círculo", que aqui descreve o círculo ou disco de


chumbo que cobria o f.

8.

Maldade.

Esta mulher personifica a iniqüidade da apostasia do Israel que Deus


procurava eliminar. Deste modo a visão 1119 se relaciona com a anterior
(ver com. vers. 1-4).Em realidade, alguns consideram que as duas visões são
uma; mas não há dúvida de que são duas representações.

Jogou-a.

Durante a cena a mulher tratou sem dúvida de abandonar o f quando se levantou


a tampa; mas o anjo a encerrou dentro dele.

Massa de chumbo.

Quer dizer, a tampa de chumbo. Sem dúvida a tampa era pesada para que a mulher
ficasse encerrada dentro do f.

9.

Duas mulheres.

O anjo não explica por que se escolheram mulheres com asas de cegonha para
representar o instrumento por cujo meio seria tirada a iniqüidade, e seria
inútil especular quanto a isto (ver com. cap. 1: 8).

11.

Sinar.
Ver com. Dão. 1: 2. Nesta maneira se representa a Babilônia como o lugar
onde tem seu assento a iniqüidade. Os que saíram de Babilônia deveriam
ter deixado ali suas iniqüidades; entretanto, ainda então havia remedeio para
o pecado (Zac. 3: 1-5; ver com. cap. 5: 3). Assim como o povo escolhido de
Deus devia ser tirado de Babilônia, aqueles de entre o povo de Deus que não
permitissem que seu caráter fora transformado, deviam ser reunidos e tirados
do Israel para que fossem levados a Babilônia.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1-4 Ed 139

CAPÍTULO 6

1 Visão dos quatro carros. 9 As coroas do Josué simbolizam o templo e o


reino de Cristo, "o Renovo".

1 DE NOVO elevei meus olhos e olhei, e hei aqui quatro carros que saíam de entre
dois Montes; e aqueles Montes eram de bronze.

2 No primeiro carro havia cavalos alazães, no segundo carro cavalos


negros,

3 no terceiro carro cavalos brancos, e no quarto carro cavalos overos


ruços rodados.

4 Respondi então e pinjente ao anjo que falava comigo: meu senhor, o que é
isto?

5 E o anjo me respondeu e me disse: Estes são os quatro ventos dos


céus, que saem depois de apresentar-se diante do Senhor de toda a terra.

6 O carro com os cavalos negros saía para a terra do norte, e os


brancos saíram atrás deles, e os overos saíram para a terra do sul.

7 E os alazães saíram e se trabalharam em excesso por ir percorrer a terra. E disse:


Vão, percorram a terra. E percorreram a terra.

8 Logo me chamou, e me falou dizendo: Olhe, os que saíram para a terra


do norte fizeram repousar meu Espírito na terra do norte.

9 Veio para mim palavra do Jehová, dizendo:

10 Tira dos do cativeiro ao Heldai, ao Tobías e ao Jedaías, os quais


voltaram de Babilônia; e irá você naquele dia, e entrará em casa do Josías
filho do Sofonías.

11 Tomará, pois, prata e ouro, e fará coroas, e as porá na cabeça do


supremo sacerdote Josué, filho do Josadac.

12 E lhe falará, dizendo: Assim falou Jehová dos exércitos, dizendo:


Hei aqui o varão cujo nome é o Renovo, o qual brotará de suas raízes, e
edificará o templo do Jehová.

13 O edificará o templo do Jehová, e ele levará glória, e se sentará e


dominará em seu trono, e haverá sacerdote a seu lado; e conselho de paz haverá entre
ambos.
14 As coroas servirão ao Helem, ao Tobías, ao Jedaías e ao Hen filho do Sofonías,
como memória no templo do Jehová.

15 E os que estão longe virão e ajudarão a edificar o templo do Jehová, e


conhecerão que Jehová dos exércitos enviou a vós. E isto
acontecerá se oyereis obedientes a voz de seu Jehová Dios.1120

1.

Quatro carros.

Das oito esta visões é possivelmente a mais escura de todas. A informação que
dá o anjo que interpreta é muito escassa. Alguns advertiram um parecido
com a visão do cap. 1: 8-11; mas é duvidoso até que ponto deve dar-se
ênfase a esse parecido. Ainda não se deu uma explicação plenamente
satisfatória dos diversos símbolos (ver com. cap. 1: 8).

Dois Montes.

Como foram apresentados em visão, não representam necessariamente lugares


geográficos. Mais tarde se diz que os carros saem da presença de Deus
(vers. 5).

Bronze.

Não se explica o significado do bronze. O profeta pode ter procurado


destacar a aparência e não o material. Não todos os elementos de tina visão
necessariamente têm valor interpretativo (ver com. cap. 1: 8).

2.

Cavalos alazães.

"Vermelhos" (BJ). As diversas cores dos cavalos (vers. 2-3) distinguiam os


carros que saíam em diversas direções (vers. 6-7).

5.

Ventos.

Heb. rujoth, singular, rúaj. Esta palavra aparece 377 vezes no AT. mais de
200 vezes se traduz "espírito"*, e 90 vezes, "vento"; e de diversas
maneiras o resto das ocasiões em que aparece. A tradução "vento" é
preferida na LXX e a BJ. Há uma frase hebréia idêntica que foi
traduzida "os quatro ventos do céu" (Dão. 8: 8).

6.

Terra do norte.

Como as rotas de invasão procedentes de Babilônia entravam na Palestina por


o norte, Babilônia já tinha sido designada como um poder do norte (ver com.
Jer. 1: 14-15). O término poderia aplicar-se corretamente aos persas que se
tinham empossado dos territórios de Babilônia. Os carros "que saem
depois de apresentar-se diante do Senhor de toda a terra" (Zac. 6: 5), sem
dúvida representam os instrumentos de Deus que efectúan em todo mundo
"silenciosa e pacientemente os conselhos da vontade de Deus" (Ed 169). A
alusão ao país do norte possivelmente simbolizava a influência exercida sobre os
governantes do reino da Persia para que favorecessem a obra de Deus. Nesse
tempo parecia "que a permissão concedida aos judeus para reedificar estava
por lhes ser retirado" (PR 425). Esta visão deve ter reanimado muito aos
desalentados edificadores, pois lhes assegurava que teria êxito a missão ao
país do norte: "Os que saíram para a terra do norte fizeram repousar meu
Espírito na terra do norte" (ver com. vers. 8). Pouco depois Darío
promulgou um novo decreto por meio do qual se permitia que avançasse a obra;
apoiava a empresa com recursos públicos e ameaçava a qualquer que pudesse
estorvaria (Esd. 6: 7-12).

Depois deles.

Alguns preferem traduzir "para o país do ocidente" (BJ), pois concorda


com a maneira em que pareciam sair os carros: por volta dos quatro pontos
cardeais. Mas para obter essa variante é necessário alterar ligeiramente o
hebreu. Pudesse ser que embora normalmente os cavalos brancos não eram
enviados para o norte, podem ter sido enviados nessa direção devido a
a crise que ali havia (ver com. "Terra do norte"). Em momentos de
emergência os instrumentos do céu se combinam com um propósito benéfico
(ver com. Dão. 10: 13).

7.

Os alazães.

Heb. 'amutstsim, do verbo 'amats, "ser forte", "ser valente". "Briosos


saíam" (BJ). A RVR usa a cor 'adummim que aparece no vers. 2, posto
que não se apresentou até aqui seu destino. Se se traduzir "fortes" ou
"briosos", poderia aplicar-se esta frase ao conjunto de cavalos. Entretanto,
a impaciência e o brio de todos os cavalos pode ter sido o propósito
do símbolo, para mostrar a velocidade com que o céu atuaria para eliminar
a incerteza e preocupação prevalecentes (ver com. vers. 6).

8.

Repousar meu Espírito.

Heb. rúaj, que aqui pode usar-se no sentido de "vontade" ou "volição" (ver
com. Anexo 12: 7). A expressão que refira à realização da vontade de
Deus na Persia. Quer dizer, a promulgação do decreto favorável para os
judeus (ver com. Zac. 6: 6). Cf. cap. 1: 11, 15.

9.

Palavra do Jehová.

Os vers. 9-15 apresentam um notável simbolismo da obra do Mesías. A obra


de restauração devia prosseguir até o glorioso clímax com a vinda do
Mesías e o estabelecimento de seu reino eterno (cf. vers. 13; ver com. cap. 1:
8).

10.

Tira de.
Nas oito visões (cap. 1: 7 a 6: 8) Zacarías foi só um observador. As
instruções que se dão aqui ao profeta possivelmente deviam levar-se a cabo como
parte da cerimônia inaugural do Josué como supremo sacerdote, quando se
reatassem os serviços de templo.1121

Do cativeiro.

Alguns sugeriram que os três homens mencionados eram representantes de


quão judeus ainda estavam em Babilônia, e que se apresentaram com
oferenda para o templo. A LXX em lugar dos nomes dá o significado
simbólico destes: "os principais", "os úteis" e "os que o hão
entendido".

Josías.

sugeriu-se que se trata do filho do Sofonías de 2 Rei. 25: 18, que era de
a "segunda" classe de sacerdotes dos anos finais do reino do Judá (cf.
Jer. 21: 1; 37: 3). Entretanto, como da conquista de Jerusalém (2 Rei.
25: 18-21) já tinham transcorrido 70 anos, é muito difícil que Sofonías fora o
pai do Josías deste relato, a menos que Josías fora agora extremamente
ancião.

11.

Josué.

Ver com. cap. 3: 1. O supremo sacerdote representa aqui ao Mesías, assim como no
cap. 3: 1-4 representa ao povo.

12.

Falará-lhe.

Isto é, ao Josué.

Renovo.

Heb. tsemaj (ver com. cap. 3: 8). Uma clara predição messiânica, reconhecida
como tal pelos Judeus.

Brotará.

Heb. tsamaj, "crescer", "brotar". De tsamaj deriva tsemaj, a palavra traduzida


"Renovo".

Edificará o templo.

A predição inclui mais que o templo material terminado pelo Zorobabel (Esd.
6: 14-15): o profeta vê antecipadamente a casa espiritual (ver com. Zac. 6:
15; cf. 1 Cor. 3: 16-17; F. 2: 19- 22; 1 Ped. 2: 3-5; CS 468).

13.

Edifícará.

A repetição é sem dúvida para dar ênfase.


Glória.

"É a Cristo a quem pertence a glória da redenção da raça queda" (CS


468).

Sacerdote.

Como Melquisedec, quem exercia o duplo ofício de sacerdote e rei (Luc. 1:


32-33; Heb. 5: 5-6, 10; 7: 1-2, 15-17; 8: 1-2), Cristo seria sacerdote e
finalmente subiria ao "trono do David seu pai" (ver Sal. 110: 1-4). Em seu
primeiro advento Cristo se fez idôneo para servir como Supremo Sacerdote no
santuário celestial (Heb. 2: 17), para tirar os pecados dos homens e
transformar seus caracteres. Em seu segundo advento virá para reinar sobre
eles como Rei (ver com. Mat. 25: 31).

Conselho de paz.

Esta frase descreve o convênio entre o Pai e o Filho para a salvação do


homem (ver 3JT 266; CS 468-469).

14.

Coroas.

Ou "coroa" (BJ).

Helem.

Possivelmente seja o "Heldai" do vers. 10.

Tobías.

Ver com vers. 10.

Jedaías.

Ver com. vers. 10.

Ao Hen.

Literalmente, "para a graça[ ou favor] do filho do Sofonías". A LXX traduz:


"Para o favor do filho do Sofonías".

15.

Que estão longe.

Os gentis que se uniriam ao reino messiânico (cf. ISA. 11: 9; 57: 13). Devido
ao completo fracasso do Israel literal, Deus está levando a cabo seu propósito
mediante a igreja cristã (F. 2: 19-22; 1 Ped. 2: 3-5; HAp 475-476; ver
pp. 30-38).

Se ouvissem.

Os Judeus poderiam ter formado o núcleo da casa espiritual de Deus; mas


as promessas para eles eram condicionais, como aqui se destaca claramente.
Com tudo e a pesar do fracasso humano, o propósito de Deus prosseguirá
firmemente e se cumprirá mediante aqueles que de toda nação constituem hoje
sua casa espiritual (ver pp. 37-38).

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

12 CS 468; HAp 476

12-13 DTG 138; PR 513; 8T 269

13 CS 468-469; PP 48

15 HAp 476 1122

CAPÍTULO 7

1 Os cativos perguntam quanto à abstinência e o jejum. 4 Zacarías


condena seu jejum. 8 O pecado, causa de seu cativeiro.

1 ACONTECEU que no quarto ano do rei Darío veio palavra do Jehová a


Zacarías, aos quatro dias do nono mês, que é Quisleu,

2 quando o povo do Bet-o tinha enviado ao Sarezer, com o Regem-melec e seus


homens, a implorar o favor do Jehová,

3 e a falar com os sacerdotes que estavam na casa do Jehová dos


exércitos, e a

os profetas, dizendo: Choraremos no quinto mês? Faremos abstinência


como temos feito já alguns anos?

4 Veio, pois, a mim palavra do Jehová dos exércitos, dizendo:

5 Fala a todo o povo do país, e aos sacerdotes, dizendo: Quando


jejuaram e choraram no quinto e no sétimo estes mês setenta anos,
jejuastes para mim?

6 E quando comem e bebem, não comem e bebem para vós mesmos?

7 Não são estas as palavras que proclamou Jehová por meio dos profetas
primeiros, quando Jerusalém estava habitada e tranqüila, e suas cidades em seus
arredores e o Neguev e a Sefela estavam também habitados?

8 E veio palavra do Jehová ao Zacarías, dizendo:

9 Assim falou Jehová dos exércitos, dizendo: Julguem conforme à verdade, e


façam misericórdia e piedade cada qual com seu irmão;

10 não oprimam à viúva, ao órfão, ao estrangeiro nem ao pobre; nem nenhum


pense mal em seu coração contra seu irmão.

11 Mas não quiseram escutar, antes voltaram as costas, e tamparam seus ouvidos
para não ouvir;

12 e puseram seu coração como diamante, para não ouvir a lei nem as palavras que
Jehová dos exércitos enviava por seu Espírito, por meio dos profetas
primeiros; veio, portanto, grande irritação de parte do Jehová dos exércitos.
13 E aconteceu que assim como ele clamou, e não escutaram, também eles clamaram,
e eu não escutei, diz Jehová dos exércitos;

14 mas sim os pulverizei com torvelinho por todas as nações que eles não
conheciam, e a terra foi desolada atrás deles, sem ficar quem fosse nem
viesse; pois converteram em deserto a terra desejável.

1.

Aconteceu.

Os vers. 1-3 contam de uma delegação procedente do Bet-o (ver com. vers. 2)
que perguntava se se devia continuar jejum que comemorava a desolação
de Jerusalém.

quarto ano.

A data que aqui se dá pode calcular-se aproximadamente como em 7 de dezembro


de 518 A. C. (ver T. III, P. 102), uns dois anos depois de que se deram as
visões anteriores (cap. 1: 1, 7). Posto que uns dois anos depois ficou
terminado o templo (Esd. 6: 15), sem dada tinha avançado muito a obra de
reedificación. Os sacerdotes já estavam "na casa do Jehová" (Zac. 7: 3).
devido a essa perspectiva otimista surgiu, naturalmente, a pergunta de se ainda
devia observar um jejum instituído em circunstâncias dolorosas.

Darío.

Darío I (ver T. III, pp. 72-74).

2.

Sarezer.

Nomeie babilonio que corresponde com o acadio Shar-utsur, filho e assassino de


Senaquerib (2 Rei. 19: 37). O homem estrangeiro sugere que Sarezer nasceu em
o exílio.

Seus homens.

Talvez os acompanhantes dos delegados.

A implorar.

Do Heb. jalah, que na forma que aqui aparece significa "abrandar",


"aplacar", "implorar". A BJ traduz: "Abrandar o rosto do Yahveh".

3.

Sacerdotes.

Intérpretes da lei (cf. Hag. 2: 11).

Na casa.

Ver com. vers. 1.

Profetas.
Sem dúvida Hageo e Zacarías, e possivelmente outros.

Choraremos?

Este jejum (vers. 5) comemorava a destruição de Jerusalém à mãos de


Nabucodonosor no 5.° mês de 586 A. C. 1123 (2 Rei 25: 8-9; Jer. 52: 12-14).
Ver com. cap. 8: 19.

Faremos abstinência?

De mantimentos e diversões.

4.

Palavra do Jehová.

A resposta se apresenta em várias partes, cada uma das quais começa com
esta fórmula característica (vers. 8; cap. 8: 1).

5.

Todo o povo.

A resposta interessava a todos, e não só aos do Bet-o.

Sétimo mês.

Segundo a tradição, este jejum comemorava o assassinato do Gedalías (2 Rei. 25:


22-26).

Setenta anos.

Desde 586 A. C., ano da destruição de Jerusalém (2 Rei. 25: 1-4) até esse
momento (ver com. Zac. 7: 1), tinham passado 70 anos (ver T. III, pp.
102-103). Isto é, computando o ano de outono a outono de 587/586 a 518/1517
resultavam 70 anos, usando o cômputo inclusivo (ver T. III, P. 102).

Para mim.

Esses jejuns eram um invento humano e não respondiam a nenhuma ordem divina.
Evidentemente não eram motivados por um verdadeiro arrependimento dos pecados
que tinham causado a destruição da cidade e do país.

6.

Para vós mesmos.

Sem ter em conta a Deus (cf. 1 Cor. 11: 17-22).

7.

Não são estas as palavras?

"Os primeiros profetas" tinham-nos admoestado repetidas vezes para que não
confiassem unicamente na observância de cerimônias externas (1 Sam. 15: 22;
Prov. 21: 3; etc.).
Tranqüila.

O contraste entre a prosperidade anterior dos israelitas e sua decadência


era um triste recordativo do que tinham perdido pela desobediência.

A Sefela.

O Neguev e a Sefela eram duas das três partes da Judea. A terceira era a
região de "as montanhas" ao redor de Jerusalém (ver com. Juec. 1: 9).

9.

Julguem conforme à verdade.

O profeta enumera vários aspectos de retidão moral que com freqüência se


tinham exigido (Exo. 23: 6-8; ISA. 32: 7; Jer. 22: 3; Miq. 2: 1-2).

10.

Não oprimam.

Cf. Exo. 22: 22-24; Deut, 10: 18-19; Jer. 7: 5-6; ISA. 58: 5-7.

11.

Voltaram as costas.

Como um boi que esquiva o jugo que está por lhe ser colocado (ver Neh. 9: 29;
Ouse. 4: 16).

Tamparam seus ouvidos.

Eram de tudo indiferentes à vontade de Deus.

12.

Diamante.

Heb. shamir, pedra muito duro, possivelmente esmeril (ver com. Eze. 3: 9). Um coração
duro como um diamante ou como uma pedra não recebe impressões. As
exortações mais vigorosas não produziram uma resposta. A ação foi
deliberada, um ato da vontade: Eles "puseram seu coração como diamante".

Lei.

Heb. torah, "instrução", "ensino" (ver com. Prov. 3: 1).

13.

Clamou.

Isto é, o Senhor. Poderiam haver-se evitado os severos castigos que


sobrevieram ao povo. Quando foi evidente que seria necessária a disciplina
do exílio para que se efetuasse uma reforma moral, foram ignorados os
clamores que pediam que desaparecesse o castigo (ver PR 217; ISA. 65: 12-14;
66: 4).
14.

Pulverizei-os.

A desobediência e a apostasia resultaram no cativeiro babilônico.

Eles não conheciam.

Cf. Deut. 28: 33, 49; Jer. 16: 13.

Desolada.

Ver Jer. 9: 9-16.

Terra desejável.

Ver Deut. 8: 7-10; Sal. 106: 24; Jer. 3: 19; Eze. 20: 6.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

8-14 6T 460

9-10 PR 520 1124

CAPÍTULO 8

1 A restauração de Jerusalém. 9 Deus anima ao povo a construir o templo,


pois seu favor estará com eles. 16 Lhes exige obras. 18 Promessa de gozo e
abundância.

1 VEIO para mim palavra do Jehová dos exércitos, dizendo:

2 Assim há dito Jehová dos exércitos: Zelei ao Sión com grande zelo, e com grande
ira a Zelei.

3 Assim diz Jehová: Eu restaurei ao Sión, e morarei em meio de Jerusalém; e


Jerusalém se chamará Cidade de La Verdade, e o monte do Jehová dos
exércitos, Monte de Santidade.

4 Assim há dito Jehová dos exércitos: Ainda têm que morar anciões e anciãs em
as ruas de Jerusalém, cada qual com estribilho em sua mão pela multidão dos
dias.

5 E as ruas da cidade estarão cheias de moços e moças que jogarão


nelas.

6 Assim diz Jehová dos exércitos: Se isto parecerá maravilhoso aos olhos do
remanescente deste povo naqueles dias, também será maravilhoso diante de
meus olhos? diz Jehová dos exércitos.

7 Assim há dito Jehová dos exércitos: Hei aqui, eu salvo a meu povo da
terra do oriente, e da terra onde fica o sol;

8 e os trarei, e habitarão em meio de Jerusalém; e me serão por povo, e eu


serei a eles Por Deus na verdade e em justiça.
9 Assim há dito Jehová dos exércitos: Esforcem-se suas mãos, os que ouvem
nestes dias estas palavras da boca dos profetas, desde dia que se
jogou o alicerce à casa do Jehová dos exércitos, para edificar o templo.

10 Porque antes destes dias não houve pagamento de homem nem pagamento de besta, nem
houve paz para o que saía nem para o que entrava, a causa do inimigo; e eu
deixei a todos os homens cada qual contra seu companheiro.

11 Mas agora não o farei com o remanescente deste povo como naqueles dias
passados, diz Jehová dos exércitos.

12 Por que haverá semente de paz; a videira dará seu fruto, e dará seu produto a
terra, e os céus darão seu rocio; e farei que o remanescente deste povo
possua tudo isto.

13 E acontecerá que como foram maldição entre as nações, OH casa do Judá e


casa do Israel, assim lhes salvarei e serão bênção. Não temam, mas esforcem-se
suas mãos.

14 Porque assim há dito Jehová dos exércitos: Como pensei lhes fazer mal quando
seus pais provocaram a ira, diz Jehová dos exércitos, e não me
arrependi,

15 assim ao contrário pensei fazer bem a Jerusalém e à casa do Judá em


estes dias; não temam.

16 Estas são as coisas que têm que fazer: Falem verdade cada qual com seu
próximo; julguem segundo a verdade e o condizente à paz em suas portas.

17 E nenhum de vós pense mal em seu coração contra seu próximo, nem amem
o juramento falso; porque todas estas são coisas que aborreço, diz Jehová.

18 Veio para mim palavra do Jehová dos exércitos, dizendo:

19 Assim há dito Jehová dos exércitos: O jejum do quarto mês, o jejum do


quinto, o jejum do sétimo, e o jejum do décimo, converterão-se para a
casa do Judá em gozo e alegria, e em festivas solenidades. Amem, pois, a
verdade e a paz.

20 Assim há dito Jehová dos exércitos: Ainda virão povos, e habitantes de


muitas cidades;

21 e virão os habitantes de uma cidade a outra, e dirão: vamos implorar o


favor do Jehová, e a procurar o Jehová dos exércitos. Eu também irei.

22 E virão muitos povos e fortes nações a procurar o Jehová dos


exércitos em Jerusalém, e a implorar o favor do Jehová.

23 Assim há dito Jehová dos exércitos: Naqueles dias acontecerá que dez
homens das nações de toda língua tirarão do manto a um Judeu, dizendo:
Iremos com vós, porque ouvimos que Deus está com vós. 1125

1.

Veio para mim palavra.

Os vers. 1-8 descrevem a promessa de Deus de morar com seu povo em uma
Jerusalém restaurada e plenamente povoada.

2.

Assim há dito Jehová.

Esta fórmula aparece dez vezes no cap. 8. A repetição certifica que a


promessa divina era digna de confiança. Em cada caso, com exceção de um
(vers. 3), emprega-se a forma mais completa: "Assim há dito Jehová dos
exércitos".

Celéa Sión com grande zelo.

Cf. Joel 2: 18.

3.

restaurei.

O fato de que a restauração da cidade e do templo estivesse então em


marcha indicava que Deus havia tornado para estar com seu povo (cap. 2: 10). O
que se tinha alcançado até então era só o começo do que Deus se
propunha fazer a favor de Jerusalém.

Verdade.

Heb. 'émeth, "firmeza", "integridade", "confiabilidade", "estabilidade",


"fidelidade", "verdade". "Fidelidade" (BJ). A LXX traduz: "A cidade verdadeira".

Monte de Santidade.

Aqui é sinônimo de Jerusalém (cf. ISA. 27: 13; 66: 20).

4.

Ainda têm que morar.

Os vers. 4-15 descrevem a Jerusalém como poderia ter sido através dos
séculos (ver pp. 29-32). O propósito de Deus era que o Israel restaurado
aceitasse o glorioso destino que fazia muito se preparou para ele. Se
tivesse estado disposto a obrar em harmonia com os propósitos do céu,
tivesse podido desfrutar da prosperidade temporária e o poder espiritual que
aqui se descrevem. Jerusalém "poderia haver-se destacado na glória da
prosperidade, como reina dos reino, livre na força do poder dado por seu
Deus" (DTG 529-530). Entretanto, as promessas lhes foram dadas com a
"condição de que obedecessem" (PR 519), e Israel não cumpriu o propósito
divino (ver pp. 32-35).

Pela multidão dos dias.

A longevidade teria sido a recompensa da obediência (cf. Gén. 15: 15; Exo.
20: 12; Deut. 4: 10; Sal. 91: 16; ver com. ISA. 65: 20; P. 29). Uma morte
prematura se considerava como tão castigo pelo pecado (Sal. 55: 23).

5.

Moços e moças.
Indício de um bom aumento da população e de uma segurança restaurada (Ouse.
1: 10).

6.

Maravilhoso.

Do Heb. pá', "ser extraordinário", "ser maravilhoso", "ser muito


difícil" (Gén. 18: 14; Deut. 17: 8; etc.). "Impossível" (BJ). Se se entender
assim, aqui há uma recriminação por falta de fé. Se ao Israel faltava a fé
necessária, o que Deus tinha projetado fazer resultaria "muito difícil"
para o Senhor.

7.

Eu salvo.

Deus salvaria a seu povo disperso e o "traria" (vers. 8) de novo a seu


própria terra. Uma vez mais "habitará" em paz e segurança, e será "meu povo"
(vers. 8).

Oriente.

As duas direções mencionadas neste versículo podem simbolizar uma


extensão universal (Sal. 50: 1; Mau. 1: 11; Mat. 8: 11).

8.

Serão-me por povo.

Promessa de que o pacto se renovaria (cf. Jer. 31: 33).

9.

Esforcem-se suas mãos.

Exortação a ser valentes (Juec. 7: 11; ISA. 35: 3).

Nestes dias.

O tempo que então era presente contrastava com o tempo de "os profetas
primeiros" (cap. 7: 7). Os profetas a que aqui se faz referência, Hageo e
Zacarías, reanimaram aos repatriados para que jogassem "o alicerce" do
templo e o edificassem (Esd. 6: 14; PR 419-424, 438).

10.

antes destes dias.

Alusão ao lapso de inatividade (Esd. 4) que seguiu à colocação do primeiro


fundamento do templo depois da volta do cativeiro. Não havia "pagamento"
porque a terra não produzia e prevalecia uma grande pobreza (Hag. 1: 11; 2: 17).

Não "houve paz" devido a que os povos hostis da terra se opunham à


obra da reconstrução do templo (Esd. 4: 4). As palavras "cada qual
contra seu companheiro" indicam dissensões internas entre os Judeus repatriados,
além da oposição externa.

11.

Não o farei.

A atitude de Deus trocou para com "o remanescente" devido a sua nova diligência
na obra de restauração (Hag. 2: 18-19). "Como naqueles dias passados" se
refere ao lapso de inatividade mencionado no vers. 10.

12.

Dará seu fruto.

As colheitas ficariam a salvo dos inimigos (cf. Lev. 26: 16) e assim
permaneceria "seu fruto" (cf. Lev. 26: 4-6).

13.

Maldição.

Cf. Jer. 24: 9.

Casa do Judá.

O fato de que se mencionem tanto a casa do Judá como a do Israel, mostra


que na restauração deviam participar descendentes das 12 tribos (cf.
Jer. 50: 17-20, 33-34). Parece evidente que tinham retornado alguns de cada
uma das 12 tribos (ver com. Esd. 6: 17).

Bênção.

Quanto ao papel do Israel da restauração, ver pp. 29-32.

14.

Não me arrependi.

Ver com. cap. 7: 13. 1126

15.

Fazer bem.

Cf. Jer. 31: 28. O profeta contrasta o passado com o futuro.

16.

Têm que fazer.

As gloriosas promessas dependiam da obediência. Os vers. 16-17 põem


ênfase nas virtudes morais (ver com. Miq. 6: 8; pp. 29-30).

19.

Jejum.
Voltando para a pergunta original (cap. 7: 3, 5), Deus declara que esses jejuns
que comemoravam calamidades prévias se trocariam em ocasiões de gozo. Os
jejuns dos quarto meses" e "quinto" (Tammuz e Ab) sem dada comemoravam a
queda e a destruição de Jerusalém à mãos dos babilonios (2 Rei. 25: 1-9;
Jer. 52: 12-16); o do "sétimo" mês (Tisri), possivelmente o assassinato do Gedalías e
a fuga ao Egito (2 Rei. 25: 22-26; Jer. 41: 1-2; cf. Zac. 7: 5); o do
"décimo" mês (Tebet), talvez a ocasião quando Nabucodonosor começou o sítio
contra Jerusalém (2 Rei. 25: 1-2; Jer. 52: 4).

20.

Povos.

A excelente condição do Israel tinha que ser tina demonstração para todas as
nações dos benefícios e resultados de um sincero culto ao Yahweh. Como
corolário, muitas dessas nações seriam induzidas a render culto ao Jehová
(ver pp. 30-31).

21.

vamos implorar.

Isaías descreve este mesmo movimento (ver com. ISA. 2: 2-4).

22.

Procurar o Jehová.

Maravilhosos teriam sido os resultados se, ao voltar do exílio, os


israelitas tivessem completo seu glorioso destino. Toda a terra teria estado
preparada para o primeiro advento de Cristo (ver pp. 31-32; PR 519-520).

23.

Toda língua.

Aqui se representa um movimento universal.

Tomarão.

Um símbolo que destaca mais os alcances do movimento missionário. Foi uma


verdadeira tragédia que os israelitas se separassem de seu "glorioso destino, e
guardassem, egoístamente para si o que teria repartido sanidade e vida
espiritual a incontáveis multidões" (PR 520).

Esta lição é para o "Israel de Deus" (Gál. 6: 16). Agora Deus está
realizando seus propósitos mediante sua igreja na terra (pp. 37-38). Os
membros devem disseminar a luz da verdade em todas as nações (Apoc. 14:
6). A religião do Jesucristo deve ser tão atraente em suas vidas que outros se
sintam induzidos a render sua existência ao Salvador. A igreja de Deus deve
constituir-se agora em tina bênção para o mundo (Zac. 8: 13).

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

3, 7-8, 12-13 PR 519-520

13 PR 422
16 MeM 240; PR 520

CAPÍTULO 9

1 Deus defende a sua igreja. 9 Sión é exortada a regozijar-se pela vinda


de Cristo e seu reino aprazível. 12 Promessas divinas de vitória e defesa.

1 A PROFECIA da palavra do Jehová está contra a terra do Hadrac e sobre


Damasco; porque ao Jehová devem olhar os olhos dos homens, e de todas as
tribos do Israel.

2 Também Hamat será compreendida no território de este; Tiro e Sidón, embora


sejam muito soube.

3 Bem que Tiro se edificou fortaleza, e amontoou prata como pó, e ouro como
lodo das ruas,

4 hei aqui, o Senhor laa empobrecerá, e ferirá no mar seu poderio, e ela será
consumida de fogo.

5 Verá Ascalón, e temerá; Gaza também, e se doerá em grande maneira; do mesmo modo
Ecrón, porque sua esperança será confundida; e perecerá o rei da Gaza, e
Ascalón não será habitada.

6 Habitará no Asdod um estrangeiro, e 1127 porei fim à soberba dos


filisteus.

7 Tirarei o sangue de sua boca, e suas abominações de entre seus dentes, e


ficará também um remanescente para nosso Deus, e serão como capitães no Judá,
e Ecrón será como o Jebuseo.

8 Então acamparei ao redor de minha casa como um guarda, para que nenhum vá
nem venha, e não passará mais sobre eles o opressor; porque agora olharei com meus
olhos.

9 Te alegre muito, filha do Sión; dá vozes de júbilo, filha de Jerusalém; hei aqui
seu rei virá a ti, justo e salvador, humilde, e cavalgando sobre um asno,
sobre um pollino filho de asna.

10 E do Efraín destruirei os carros, e os cavalos de Jerusalém, e os arcos


de guerra serão quebrados; e falará paz às nações, e seu senhorio será de
mar a mar, e do rio até os fins da terra.

11 E você também pelo sangue de seu pacto será salva; eu tirei seus presos
da cisterna em que não há água.

12 Lhes volte para a fortaleza, OH prisioneiros de esperança; hoje também vos anúncio
que lhes restaurarei o dobro.

13 Porque hei entesado para mim ao Judá como arco, e fiz ao Efraín sua flecha, e
despertarei a seus filhos, OH Sión, contra seus filhos, OH a Grécia, e te porei como
espada de valente.

14 E Jehová será visto sobre eles, e seu dardo sairá como relâmpago; e Jehová
o Senhor tocará trompetista, e irá entre torvelinhos do austro.
15 Jehová dos exércitos os amparará, e eles devorarão, e pisarão as
pedras da funda, e beberão, e farão estrépito como tirados de vinho; e se
encherão como tigela, ou como chifres do altar.

16 E os salvará naquele dia Jehová seu Deus como rebanho de seu povo; porque
como pedras de diadema serão enaltecidos em sua terra.

17 Porque quanta é sua bondade, e quanta sua formosura! O trigo alegrará aos
Jovens, e o vinho às donzelas.

1.

Profecia.

Heb. massa', "uma declaração profética", "um oráculo" (ver com. ISA. 13: 1).

Hadrac.

Provavelmente Jattarikka das inscrições assírias, território de Síria


limítrofe do Hamat.

Sobre Damasco.

Sobre Damasco recairia a profecia. Seria uma mensagem condenatória para essa
cidade.

Devem olhar os olhos.

Não é claro o significado desta expressão. A LXX traduz: "Pois o Senhor


contempla a todos os homens, e a todas as tribos do Israel". A variante:
"Porque do Yahveh a fonte do Aram" (BJ) requer a mudança de duas letras que
em hebreu são muito parecidas.

2.

Hamat.

Cidade a 190 km ao nordeste de Damasco.

Tiro e Sidón.

Quanto a uma descrição de Tiro e dos castigos que cairiam sobre Tiro e
Sidón como se apresentam nos vers. 3 e 4, ver com. Eze. 26 a 28. A
descrição do Zacarías é muito parecida com o quadro do Ezequiel, que é mais
detalhado.

5.

Ascalón.

A queda da grande cidade de Tiro provocaria desalento e temor nos vizinhos


de Tiro, as principais cidades de Filistéia que aqui se nomeiam. Compare-se
com a profecia do Ezequiel contra os filisteus (Eze. 25: 15-17).

6.

Estrangeiro.
"Bastardo" (BJ). Filho ilegítimo estrangeiro de nascimento (ver com. Deut. 23:
2).

7.

O sangue.

Sem dúvida se refere à prática pagã de beber o sangue dos sacrifícios


ou de comer os sacrifícios com seu sangue. proibia-se estritamente que os
israelitas ingerissem sangue (Lev. 17: 10, 12).

Abominações.

Cf. ISA. 66: 3, 17.

Para nosso Deus.

O remanescente abandonaria suas práticas idólatras e se uniria com o Israel.

Capitães.

Heb. 'alluf. A mudança de um ponto vocálico permite a tradução "mil",


"família" (BJ), ou "clã" (cf. Núm. 1: 16; 10: 4; 1 Sam. 10: 19). Os que se
unissem com o Senhor chegariam a ser como uma das famílias ou dos clãs
do Judá.

Jebuseo.

Os jebuseos foram os antigos habitantes da fortaleza do Sión. Este


povo não foi inteiramente destruído, a não ser reduzido à servidão (1 Rei. 9:
20-21). Não é de tudo claro o que quer dizer o profeta com esta
comparação. Possivelmente predizia a absorção dos filisteus no Estado de
Israel.

8.

Acamparei.

Deus defenderia ao Israel de seus inimigos. 1128

Nenhum vá nem venha.

Referência às incursões de um inimigo ou a ataques em diversos lugares.

Agora olharei.

Deus agora tem em conta a condição do Israel e se propõe lhe dar ajuda (ver
Exo. 3: 7, 9).

9.

te alegre muito.

Se precatória ao Sión para que se regozije, porque a salvação que lhe promete
cumprirá-se mediante a vinda de seu Rei, o Mesías.
Justo.

Heb. tsaddiq, palavra que aparece mais de 200 vezes no AT. Pode traduzir-se
"justo" e "reto". Em outros lugares o término se usa para o Mesías. Jeremías
declarou: "Levantarei o David renovo justo" que será chamado "Jehová, Justiça
nossa [Heb. tsédeq, da mesma raiz de tsaddiq]" (Jer. 23: 5-6). Alguns vêem
em tsaddiq também o significado de "triunfante" ou "vindicado" (RSV, NASB).
Esta ideia deriva de observar que o que recebe o que lhe corresponde em
justiça, trunfa dessa maneira. Embora uma definição tal está em harmonia com
o contexto, é duvidoso que deva aplicar-lhe esse significado. A retidão moral
é um dos atributos intrínsecos do Mesías. Cristo desenvolveu um caráter
perfeito em sua humanidade, e oferece reparti-lo a todos os que o aceitam pela
fé. "Todas nossas justiças" são "como trapo de imundície" (ISA. 64: 6);
mas Jesus foi feito para nós "sabedoria, justificação, santificação e
redenção" (1 Cor. 1: 30).

Salvador.

Do Heb. yasha', "salvar". Yasha' é a raiz verbal do nome "Jesus" (ver


com. Mat. 1: 1, 21). Na forma nifal, na qual aparece aqui, significa "ser
vitorioso". Daí que seja correto traduzir também "vitorioso" (BJ, DHH,
VM).

Humilde.

Quanto a este atributo do Mesías, ver Mat. 11: 29; Fil. 2: 5-8.

Sobre um asno.

Sobre o cumprimento desta profecia, ver com. Mat. 21: 1-11.

10.

Destruirei.

Uma predição da abolição final da guerra. Efraín e Jerusalém


representam, respectivamente, às dez tribos do reino do norte, do Israel,
e às duas tribos que constituíam o reino do sul, do Judá. Os dois formavam,
em conjunto, toda a nação Judia.

Às nações.

Finalmente seria vencida toda oposição inimizade contra o povo do Israel


(Joel 3: 1-17; Zac. 14: 1-9; ver a P. 32).

Fins da terra.

Uma indicação do domínio universal do reino do Mesías (ver a P. 32).

11.

Você também.

Deus se dirige ao povo de seu pacto.

Pacto.
Possivelmente seja, em términos gerais, uma referência ao pacto feito com o homem
no Éden (Gén. 3: 15), e renovado com o Abraão (Gén. 22: 18). Este pacto chegou
a conhecer-se como o novo pacto (Heb. 8: 8-12; PR 387-388).

tirei.

Ou "tirarei". "Soltarei' (BJ). Referência a quão israelitas ainda estavam


cativos em terras estrangeiras.

12.

lhes volte.

A exortação divina para que os prisioneiros pulverizados fora do país


aceitassem a liberação. A fortaleza é Sión, defendida Por Deus e símbolo de
a salvação divina (cf. Miq. 4: 8).

Prisioneiros de esperança.

Repatriado-los pensavam que eram prisioneiros das circunstâncias; mas Deus


assegura-lhes que há esperança de liberação se escutarem sua voz (cap. 6: 15; ver
com. Mat. 7: 24-27).

Hoje também.

Apesar das condições desfavoráveis.

Dobro.

Cf. ISA. 61: 7.

13.

Hei entesado . . . ao Judá.

Deus, como um guerreiro preparado para a batalha, emprega ao Judá como seu arco; e a
Efraín (Israel), como sua flecha.

Grécia.

Aqui talvez seja um símbolo dos países onde tinham sido expulsos os
Judeus (ver Joel 3: 6).

14.

Será visto.

Assim se descreve poeticamente a intervenção do Jehová. Cf. Sal. 18: 14.

Torvelinhos.

Cf. Job 37: 9.

15.

Amparará-os.
Continua a descrição poética do vers. 14. O símbolo é extremamente
dramático. A matança dos inimigos é comparada com um sacrifício, e se
descreve aos atacantes como ébrios com o sangue de suas vítimas.

16.

Salvará-os.

investiriam-se as coisas: os que tinham sido pisados e oprimidos brilhariam


como as pedras preciosas de uma coroa.

Serão enaltecidos.

Se se supuser uma mudança de letras no hebreu, pode-se ler "cintilante",


"reluzente". "Serão pedras de diadema resplandecentes" (BJ).

17.

Sua bondade.

elogia-se ao Senhor, ao capitalista Libertador (ver DTG 17).

Trigo.

O trigo e o vinho novo ("mosto", BJ) representam abundância e produtividade.


Haveria provisão abundante para as necessidades da vida quando Deus
restaurasse a seu povo em sua herdade. 1129

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

9 CS 456; DTG 523, 527, 543; P 244

12 EC 106; FÉ 290, 370; 2JT 517; 3JT 211;

MM 335; PR 194, 280; SC 290; IT 268;

2T 510; 4T 633; 8T 124

15-16 HAp 71

16 DMJ 75; OE 534; PVGM 104

16-17 DTG 17

CAPÍTULO 10

1 Deve buscar-se deus e não aos ídolos. 5 Assim como castigou o pecado em seu
rebanho, assim mesmo os salvará e restaurará.

1 PEÇAM ao Jehová chuva na estação tardia. Jehová fará relâmpagos, e vos


dará chuva abundante, e erva verde no campo a cada um.

2 Porque os terafines deram vãos oráculos, e os adivinhos viram


mentira, falaram sonhos vãos, e vão é seu consolo; pelo qual o povo
vaga como ovelhas, e sofre porque não tem pastor.

3 Contra os pastores se acendeu minha irritação, e castigarei aos chefes; mas


Jehová dos exércitos visitará seu rebanho, a casa do Judá, e os porá como
seu cavalo de honra na guerra.

4 dele sairá pedra angular, dele a cavilha, dele o arco de guerra, dele
também todo apremiador.

5 E serão como valentes que na batalha pisam ao inimigo no lodo das


ruas; e brigarão, porque Jehová estará com eles; e os que cavalgam em
cavalos serão envergonhados.

6 Porque eu fortalecerei a casa do Judá, e guardarei a casa do José, e os farei


voltar; porque deles terei piedade, e serão como se não os houvesse
descartado; porque eu sou Jehová seu Deus, e os ouvirei.

7 E será Efraín como valente, e se alegrará seu coração como a causa do vinho;
seus filhos também verão, e se alegrarão; seu coração se gozará no Jehová.

8 Eu os chamarei com um sabido, e os reunirei, porque os redimi; e serão


multiplicados tanto como foram antes.

9 Bem que os pulverizarei entre os povos, até em longínquos países se lembrarão


de mim; e viverão com seus filhos, e voltarão.

10 Porque eu os trarei da terra do Egito, e os recolherei de Assíria; e os


trarei para a terra do Galaad e do Líbano, e não lhes bastará.

11 E a tribulação passará pelo mar, e ferirá no mar as ondas, e se


secarão todas as profundidades do rio; e a soberba de Assíria será
derrubada, e se perderá o cetro do Egito.

12 E eu os fortalecerei no Jehová, e caminharão em seu nome, diz Jehová.

1.

Ao Jehová.

Zacarías afirma que para que o povo de Deus receba as bênções


prometidas, deve as buscar no Senhor e não nos ídolos (vers. 2). A
segurança da abundância (cap. 9: 17) faz que o profeta admoeste a seu
povo para que confie só em Deus para obter seus benefícios materiais e
espirituais.

Chuva na estação tardia.

Esta chuva vinha na primavera, ao fim da época das chuvas, e se


necessitava para que maturassem os cereais antes da colheita (Deut. 11: 14).
A chuva temprana começava a época chuvosa, no outono, e estimulava o
crescimento da semente que se acabava de semear (ver o T. 11, P. 112). As
chuvas tempranas e tardias copiosas eram tão símbolo do cuidado e favor de
Deus, de suas bênções temporárias e espirituais (ISA. 30: 23; Jer. 5: 24;
Joel 2: 23).

Relâmpagos.

Heb. jaziz, "relâmpago" ou "trovão". Se emprega a figura da chuva tardia


para descrever o derramamento especial do Espírito Santo nos últimos dias
(ver com. Joel 2: 23). Agora é o tempo da 1130 "chuva na estação
tardia", quando os homens devessem elevar ferventes solicite para que se
desenvolva rapidamente a graça espiritual que preparará à igreja para a
vinda do Filho do Homem (ver HAp 21-22; TM 506).

2.

Terafines.

Deuses domésticos, geralmente estatuetas antropomorfas (ver com. Gén. 31:


19).

Vãos.

Respostas sem nenhum valor, completamente inúteis.

Adivinhos.

Os que se gabavam de que revelavam a vontade dos deuses (Jer. 29: 8).

Vaga.

A confiança nesses enganadores levou aos israelitas ao cativeiro.

Que não tem pastor.

Possivelmente seja uma referência a que não tinham rei para guiá-los e protegê-los (cf.
Ouse. 3: 4).

3.

Os pastores.

O contexto implicaria que esses falsos pastores eram os caudilhos apóstatas de


Israel, os príncipes, sacerdotes e profetas a quem Deus pedia contas de um
modo especial por todas as desventuras que tinham sobrevindo ao Israel devido
ao cativeiro (ISA. 3: 12; 9: 16; cf. 2: 8, 26-27; 8: 1-2; 10: 21; 32: 32; Eze.
22: 23-31; 34: 2-10; etc.). No Zac. 11: 15, 17 se diz tacitamente que esses
falsos pastores tinham abandonado a seus rebanhos; e no cap. 10: 2 se apresenta
ao povo do Israel como ovelhas desencaminhadas porque não têm pastor que as
conduza devidamente (cf. Jer. 5: 1-8; Eze. 34: 5; etc.).

Outros sugeriram que os "pastores" representam aos reis pagãos que


governaram ao Israel durante o tempo quando "não" tinha "pastor" (vers. 2)
próprio. Deus tinha usado a esses "pastores" pagãos como seus instrumentos para
castigar a seu povo (ISA. 10: 5-6); mas eles tinham sido excessivamente
cruéis com o povo de Deus.

Seu rebanho.

Deus prodigalizaria suas bênções sobre seu rebanho e faria que seu povo fora
forte para vencer a seus inimigos (cap. 9: 13).

4.

Pedra angular.

Ou "o Ângulo" (BJ). Esta figura põe de relevo a firmeza e segurança do Judá.
Os Judeus consideravam este versículo como uma predição messiânica.

Cavilha.

Compare-se com o "prego" da ISA. 22: 23.

5.

Valentes.

A presença de Deus devesse assegurar ao povo escolhido um completo triunfo


sobre seus inimigos. Estas promessas de vitória "eram-lhes feitas a condição de
que obedecessem" (PR 519), e nunca se cumpriram no Israel devido a seu
obstinação em não ser fiel ao propósito divino.

6.

Casa do Judá.

O reino do sul (1 Rei. 11: 31-32).

Casa do José.

As dez tribos que formavam o reino do norte do Israel recebem este nome,
porque a mais numerosa e destacada das tribos do norte era a do Efraín, um
filho do José (Gén. 41: 50-52).

Como se.

Deus prometeu aos repatriados uma restauração completa e generosa. Se


tivessem cooperado com os propósitos do céu, logo tivessem desfrutado de
uma prosperidade que não se teria diferenciado da que antes tinham gozado
(ver pp. 33-34).

Este pode ser também o caso do pecador. Embora seja culpado de graves
transgressões, pode obter um perdão pleno e generoso. Quando aceita a
justiça de Cristo pela fé, Deus o recebe como se nunca tivesse pecado (DC
57).

7.

Efraín.

Quer dizer o reino do norte. Às dez tribos "não lhes prometeu uma
restauração completa de seu poder anterior na Palestina", devido a seu pecado
(PR 222); entretanto, um glorioso destino aguardava os membros dessas
tribos que se amealhassem ao Senhor e se unissem com o remanescente do Judá.

8.

Assobio.

A LXX apresenta assim a primeira frase: "Farei-lhes um sinal".

10.

Egito.
Ver Jer. 43: 44 a respeito de quão judeus viviam no Egito.

Assíria.

Aqui representa ao território de Assíria dominado pela Persia (ver com. Esd. 6:
22).

Galaad. . . Líbano.

Países nas fronteiras oriental e norte do Israel, que primeiro foram


despovoados pelos assírios (2 Rei. 15: 29; ver com. 1 Crón. 5: 26).

11.

Pelo mar.

Referência ao milagre do mar Vermelho (Exo. 14). Deus outra vez estava disposto a
atuar milagrosamente para liberar a seu povo.

Rio.

"Nilo" (BJ). Heb. ye'or palavra que com freqüência designa ao Nilo (Exo. 1: 22;
2: 3; etc.; ver com. Exo. 2: 10). Entretanto, ye'or também pode aplicar-se a
outras correntes de água. Em Dão. 12: 5-7 se refere ao Tigris. Alguns pensam
que aqui se aplica ao Eufrates, que cruzariam quão exilados voltavam de
Babilônia em sua viagem de volta a Jerusalém. Tendo neste conta
paralelismo, outros pensam que se refere ao Nilo.

Derrubada.

Seriam castigadas as nações 1131 que tinham mantido em cativeiro ao


povo de Deus (veja-se ISA. 10: 12; 13: 1-22; Eze. 29 a 32; etc.).

12.

Caminharão.

A LXX traduz "glorificarão-se", o qual necessita a mudança de uma letra no


hebreu. Cf. Miq. 4: 5. Na BJ diz: "Glorificarão-se".

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1 Ev 508; HAp 45; 2JT 69; 3JT 211; MeM 61;

MM 335; P 271; TM 515

11 PR 270

CAPÍTULO 11

1 A destruição de Jerusalém. 3 Os escolhidos de Deus serão apascentados; o


resto, rechaçado. 10 Os cajados Graça e Ataduras são quebrados pelo
rejeição a Cristo. 15 Símbolo e maldição do pastor insensato.

1 OH LIBANO, abre suas portas, e consuma o fogo seus cedros.


2 Aúlla, OH cipreste, porque o cedro caiu, porque as árvores magníficas são
derrubados. Uivem, carvalhos de Apóiam, porque o bosque espesso é derrubado.

3 Voz de uivo de pastores, porque sua magnificência é assolada; estrondo de


rugidos de cachorrinhos de leões, porque a glória do Jordão é destruída.

4 Assim há dito Jehová meu Deus: Apascenta as ovelhas da matança,

5 às quais matam seus compradores, e não se têm por culpados; e o que


vende-as, diz: Bendito seja Jehová, porque enriqueci; nem seus pastores
têm piedade delas.

6 portanto, não terei já mais piedade dos moradores da terra, diz


Jehová; porque hei aqui, eu entregarei os homens cada qual em mão de seu
companheiro e em mão de seu rei; e assolarão a terra, e eu não os liberarei de seus
mãos.

7 Apascentei, pois, as ovelhas da matança, isto é, aos pobres do rebanho.


E tomei para mim dois cajados: ao um pus por nomeie Graça, e ao outro Ataduras;
e apascentei as ovelhas.

8 E destruí a três pastores em um mês; pois minha alma se impacientou contra eles,
e também a alma deles me aborreceu .

9 E pinjente: Não lhes apascentarei; a que muriere, que mora; e a que se perder,
que se perca; e as que ficarem, que cada uma vírgula a carne de sua companheira.

10 Tomei logo meu cajado Graça, e o quebrei, para romper meu pacto que consertei
com todos os povos.

11 E foi desfeito nesse dia, e assim conheceram os pobres do rebanho que


olhavam para mim, que era palavra do Jehová.

12 E os pinjente: Se lhes parecer bem, me dêem meu salário; e se não, deixem. E


pesaram por meu salário trinta peças de prata.

13 E me disse Jehová: Joga-o ao tesouro; formoso preço com que me hão


apreciado! E tomei as trinta peças de prata, e as joguei na casa do Jehová
ao tesouro.

14 Quebrei logo o outro cajado, Ataduras, para romper a irmandade entre o Judá e
Israel.

15 E me disse Jehová: Toma ainda os ferramentas agrícolas de um pastor insensato;

16 porque hei aqui, eu levanto na terra a um pastor que não visitará as


perdidas, nem procurará a pequena, nem curará a perniquebrada, nem levará a
cansada nas costas, mas sim comerá a carne da gorda, e romperá seus pezuñas.

17 Ai do pastor inútil que abandona o gado! Fira a espada seu braço, e


seu olho direito; do todo se secará seu braço, e seu olho direito será inteiramente
escurecido.

1.

Abre suas portas.


Há muita diferença de opiniões quanto à forma de interpretar o
simbolismo do cap. 11. A linguagem é extremamente figurada e o profeta dá tão
poucas explicações, que é impossível ser dogmático quanto a seus ensinos.
Quanto à interpretação se hão sustenido dois principais pontos de
vista: (1) Que a 1132 passagem é uma antecipação do castigo que cairia sobre os
judeus por seu rechaço da condução de Deus, especialmente do Mesías; (2)
que a passagem é um repasse da história do Israel apresentado em forma de
parábola, para lhes admoestar do que poderia lhes sobrevir por seus
transgressões futuras. No seguinte parágrafo se apresenta brevemente este
último enfoque como uma possível interpretação. Entretanto, a outra
interpretação também é aceitável.

Os vers. 1-3 se entenderam de diversas formas, entre elas, as seguintes:


(1) Que predizem uma continuação do asolamiento transitivo que viria antes
de que se cumprissem as gloriosas perspectivas do cap. 10: 5-12. (2) Que
representam uma advertência do castigo que indevidamente ressaltaria de uma
maior desobediência e apostasia. (3) Que são um lamento pela queda de Assíria
e Egito, cuja humilhação se predisse (cap. 10: 11). (4) Que são um repasse de
as desolações que já tinham ocorrido e de suas causas, como uma advertência
para a geração de então.

Cedros.

Com freqüência as invasões eram acompanhadas de uma desenfreada destruição


de valiosos bosques. Entretanto, o cedro, o cipreste e o carvalho possivelmente se
usam aqui para simbolizar aos caudilhos proeminentes ou às nações mesmas.

3.

Uivo de pastores.

Ver com. cap. 10: 3.

Glória.

Heb. gaon, possivelmente aqui a espessura que cobria as bordas do Jordão, e que uma
vez esteve infestada de leões (ver com. Jer. 12: 5).

4.

Apascenta.

Deus ordena ao profeta que como seu representante cuide sua grei.

Da matança.

Quer dizer, destinadas à matança. Como não era atendida, esta seria a sorte
da grei.

5.

Compradores.

Os maus pastores do vers. 3, que traficavam com elas e entretanto tinham


a audácia de benzer ao Jehová por sua boa sorte de fazê-lo (vers. 5).
Cegados por sua egolatria, não se consideravam culpados quando maltratavam
pecaminosamente à grei.
6.

Eu entregarei.

Estes opressores seriam entregues nas mãos de outras nações que, a sua vez,
oprimiriam-nos. O Senhor faz responsáveis aos dirigentes do trato que dão
aos filhos de Deus (cf. ISA. 10: 5-7, 12; ver com. Dão. 4: 17).

7.

Graça.

Heb. não'am, "amizade", "bondade". A palavra se relaciona com o vocábulo


ugarítico n'm , que significa "graça", quer dizer no sentido de "encanto"
"beleza". Não'am aparece sete vezes no AT, e duas vezes se traduziu
"graça" (Zac. 11: 7, 10), "formosura" (Sal. 27: 4), "luz' ["doçura", BJ]
(Sal. 90: 17), "suaves" (Prov. 15: 26), "podas" ["suaves", BJ] (Prov. 16: 24)
e "deleitosas" (Prov. 3: 17). Como a ruptura do cajado representava o
quebrantamento do pacto (Zac. 11: 10), o cajado pode considerar-se como um
símbolo do pacto.

Ataduras.

"União" (BJ). Heb. jobelim, vocábulo relacionado com jébel, que significa
"corda" ou "soga". portanto, jobelim deve significar "união". Segundo o
vers. 14, este cajado significa a irmandade entre o Judá e Israel.

Deus entrou em um pacto solene com seu povo (Exo. 19: 5-6; 24: 3-8). Tinha o
propósito de que os israelitas, como uma nação Santa e unida, fossem uma
bênção no mundo (ver Gén. 12: 2; pp. 29-32). As duas varas simbolizavam
os bondosos propósitos de Deus para seu povo.

8.

Três pastores.

É impossível aplicar com certeza este símbolo a indivíduos ou cargos


específicos. É melhor entender este texto em seu ensino geral, ou seja:
que Deus liberou a seu povo de toda oposição e de seus dirigentes opressivos.
Fez todo o possível para que tivessem êxito seus planos quanto ao Israel (ver
com. ISA. 5: 4; Zac. 10: 3).

9.

Não lhes apascentarei.

Deus decidiu isto quando o povo persistentemente recusou aceitar seu


condução (2 Rei. 18: 12; 2 Crón. 36: 14-16).

10.

Quebrei.

Este símbolo representava a ruptura do pacto (ver com. vers. 7).

11.
Conheceram.

Os audazes e céticos do povo tinham posto em dúvida o cumprimento de


as ameaças divinas. Como exemplo de uma atitude tal, ver com. Eze. 11: 3.
O cumprimento das predições comprovava a integridade da mensagem
divino.

12.

me dêem meu salário.

Zacarías fala em representação do Pastor principal, e se dirige a toda a


grei dos israelitas e lhes pede seu salário. Pergunta-a põe de relevo a
enorme ingratidão do povo. O profeta deixa o pagamento de seu salário de acordo
com o sentido de justiça deles.

Trinta peças de prata.

Indubitavelmente se refere a siclos, o qual dá um peso de 11,4 g, ou seja 342 g


em total 1133 (ver T. 1, P. 173). Esta pequena soma refletia o mísero
agradecimento dos israelitas pelo que Deus tinha feito por eles.
Trinta siclos era o preço de um escravo (Exo. 21: 32); mas o siclo mais
antigo tinha um peso diferente ao que se usava no tempo do Zacarías (ver
T. 1, P. 173 e com. Exo. 21: 32).

Quanto ao cumprimento dos vers. 12 e 13 na vida de nosso Senhor, ver


com. Mat. 27: 3-10.

13.

Joga-o ao tesouro.

Não se dá a razão nem se declara por que a oferenda se entregou a "a casa de
Jehová".

14.

Quebrei.

explica-se imediatamente o significado deste ato simbólico (ver com. vers.


7). Quanto à divisão do reino, ver 1 Rei. 11: 26-37; 12: 13-20.

15.

Toma.

Como o povo de Deus tinha rechaçado ao Bom Pastor, ordena ao Zacarías


(vers. 4) que se faça cargo dessa função e tome "os ferramentas agrícolas" de um "pastor
insensato" (Heb. 'ewil, "torpe", "inútil").

16.

Comerá a carne.

Uma representação gráfico-simbólica do que aconteceu ao Israel quando


rechaçou a condução de Deus, renunciou ao amparo divino, e a nação foi
presa de nações hostis.

17.

A espada.

Solene advertência para os que desempenham a liderança da grei, para que


não sejam achados infiéis na tarefa que lhes confiou.

CAPÍTULO 12

1 Jerusalém, taça que fará tremer, 3 e pedra pesada para seus adversários. 6
A vitoriosa restauração do Judá. 9 O arrependimento de Jerusalém.

1 PROFECIA da palavra do Jehová a respeito do Israel. Jehová, que estende os


céus e capa a terra, e forma o espírito do homem dentro dele, há
dito:

2 Hei aqui eu ponho a Jerusalém por taça que fará tremer a todos os povos de
ao redor contra Judá, no sítio contra Jerusalém.

3 E naquele dia eu porei a Jerusalém por pedra pesada a todos os povos;


todos os que a carregarem serão despedaçados, bem que todas as nações de
a terra se juntarão contra ela.

4 Naquele dia, diz Jehová, ferirei com pânico a todo cavalo, e com loucura ao
cavaleiro; mas sobre a casa do Judá abrirei meus olhos, e a todo cavalo dos
povos ferirei com cegueira.

5 E os capitães do Judá dirão em seu coração: Têm força os habitantes de


Jerusalém no Jehová dos exércitos, seu Deus.

6 Naquele dia porei aos capitães do Judá como braseiro de fogo entre lenha,
e como tocha ardendo entre feixes; e consumirão a mão direita e a sinistra a
todos os povos ao redor; e Jerusalém será outra vez habitada em seu lugar, em
Jerusalém.

7 E liberará Jehová as lojas do primeiro Judá, para que a glória da casa


do David e do habitante de Jerusalém não se engrandeça sobre o Judá.

8 Naquele dia Jehová defenderá ao morador de Jerusalém; que entre eles


for débil, naquele tempo será como David; e a casa do David como Deus,
como o anjo do Jehová diante deles.

9 E naquele dia eu procurarei destruir a todas as nações que vinieren contra


Jerusalém.

10 E derramarei sobre a casa do David, e sobre os moradores de Jerusalém,


espírito de graça e de oração; e olharão para mim, a quem transpassaram, e
chorarão como se chora por filho unigénito, afligindo-se por ele como quem se
aflige pelo primogênito.

11 Naquele dia haverá grande pranto em Jerusalém, como o pranto do Hadad-rimón


no vale do Meguido.

12 E a terra lamentará, cada linhagem à parte; os descendentes da casa de


David por si, e suas mulheres por si; os descendentes da casa do Natán por
sim, e suas mulheres por si;

13 Os descendentes da casa do Leví por si, e suas mulheres por si; os


descendentes do Simei por si, e suas mulheres por si;

14 as outras linhagens, cada um por si, e suas mulheres por si. 1134

1.

Profecia.

Os cap. 12-14 constituem a segunda "profecia" (ver com. cap. 9: 1). Este
mensagem profética pode ser titulado: "O triunfo do programa de Deus".

2.

Taça que fará tremer.

Compare-se com uma figura similar na ISA. 51: 17; Jer. 25: 15-18; 51: 57; Hab.
2: 16.

O sítio.

Ver a P. 32 e com. cap. 14: 2.

3.

Pedra pesada.

Jerusalém seria como uma rocha muito pesada para ser levantada e, sem dúvida,
com bordos ásperos e dentados.

Serão despedaçados.

Heb. Ñarat, verbo que só aparece aqui e no Lev. 21: 5, onde descreve as
"incisões" (BJ) feitas voluntariamente, e que estavam proibidas aos
israelitas. A construção hebréia é enfática e significa: "certamente serão
cortados". O amparo especial de Deus descansaria sobre seu povo. Os
que tratassem de feri-lo, feririam-se si mesmos.

4.

Ferirei.

Estas palavras devem ter sido especialmente consoladoras para o Zorobabel e seus
colaboradores em um tempo quando o futuro parecia escuro e o inimigo
procurava deter a obra de Deus (Hag. 2: 22; ver a P. 32).

6.

Capitães.

Heb. 'alluf. Uma leve mudança nos pontos vocálicos (T. I, P. 29) dá a
variante 'alef, que pode traduzir-se "milhares" (1 Sam., 20: 19), ou "clãs"
(RSV), "chefes de família" (BJ). Ver com. Miq. 5: 2. Respirados pelas
evidências do poder protetor de Deus, os clãs do Judá alargariam seus
fronteiras e ocupariam todo o território que Deus lhes tinha atribuído (ver pp.
31-32).

7.

Não se engrandeça.

como resultado da exaltação das zonas rurais, a glória dos


territórios da Judá camponesa igualaria a da cidade capital, Jerusalém
mesma.

8.

Como David.

Estas promessas de receber poder vencedor se cumpririam no remanescente do Judá.


esperava-se que depois de sua volta do cativeiro os hebreus cooperassem
plenamente com os propósitos do céu. Uma nação que se apóia em Deus é
invencível. Cada indivíduo também pode recorrer a essas promessas em seus
luta contra a tentação e em suas vitórias para o Senhor (ver DTG 215- 216).

Quanto à aplicação desta profecia para a igreja cristã, ver pp.


37-38; HAp 39-40.

9.

Procurarei destruir.

Segurança adicional de vitória sobre toda oposição inimizade,

10.

Graça.

Heb. jen, palavra com dois matizes básicos de significado: (1) "qualidades que
fazem que alguém seja agradável", "encanto" (Prov. 11: 16; 22: 1); "favor", se
encontra com freqüência na expressão "achar graça" (Gén. 18: 3; 19: 19;
32: 5; etc.). Jen deriva da raiz janan, que significa "ser bondoso".

Oração.

Heb. tajanuni , da raiz janan. A palavra traduzida "graça" (ver com.


"graça") também deriva desta raiz. Tajanu significa "petição de um
favor".

A predição sobre o derramamento de um "espírito de graça e de oração"


foi entendida de diversas formas. A expressão "espírito de graça" poderia
interpretar-se com o significado de um espírito que busca um favor. Se este for
o significado, então a segunda expressão, "[espírito] de oração", está
basicamente justaposta à primeira, e a frase poderia expressar-se assim: "Um
espírito que busca um favor", quer dizer, "um espírito que pede um favor". Assim
entendido, o profeta aqui prevê um amplo reavivamiento espiritual causado por
uma nova compreensão da gravidade do pecado e caracterizado por uma
fervente busca da justiça de Cristo. Contemplando ao Mesías
"transpassado", vendo nele o cumprimento de todos os símbolos do AT,
percebendo como nunca antes o maravilhoso amor de Deus na dádiva de seu
Filho, os homens lamentariam profundamente os defeitos passados de seu
caráter.
O lamento como quem "chora por filho unigénito" também poderia ser dor por
a morte do Mesías, uma dor como o que teria experiente uma nação
preparada para receber ao Mesías. Zacarías apresenta aqui o futuro do Israel
como pôde ter sido. O propósito de Deus era que toda a terra estivesse
preparada para o primeiro advento de Cristo (ver PR 519-520). Quão
diferente teria sido a história da nação Judia e de Jerusalém se o
povo tivesse aceito o dom de Deus concedido em seu amado Filho! (Ver DTG
528-530.) Se tivesse vindo a uma nação preparada para lhe receber, e se ele
tivesse sido "transpassado" súbitamente, quão profundo teria sido a dor de
eles! A intensidade de sua dor se teria incrementado ao compreender que seus
pecados lhe tinham ocasionado a morte.

Entretanto, estas palavras acharão ainda outro cumprimento. No Mat. 24: 30


parece 1135 que há uma alusão ao Zac. 12: 10: "Então lamentarão todas as
tribos da terra, e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do
céu, podendo e grande glorifica"; e também no Apoc. 1: 7: "Hei aqui que vem
com as nuvens, e todo olho lhe verá, e os que lhe transpassaram; e todos os
linhagens da terra farão lamentação por ele". A palavra que se traduz
"lamentação" no Apoc. 1: 7, é a mesma que se traduz "lamentarão" no Mat.
24: 30, e é a que se emprega na LXX no Zac. 12: 10. O lamento que aqui se
apresenta descreve o caso dos que rechaçaram a Cristo em seu primeiro
advento. Quando o virem com toda sua glória em seu segundo advento,
compreenderão plenamente toda a importância do que fizeram (ver DTG 533).
Sem dúvida "os inimigos mais acérrimos de sua verdade e de seu povo" (CS 694) de
outros séculos também estão incluídos na predição que aqui se faz (ver P
179).

Transpassaram.

Heb. daqar, palavra que se usa freqüentemente com o significado de transpassar


com uma arma (Núm. 25: 8; Juec. 9: 54; 1 Sam. 31: 4; 1 Crón. 10: 4). Juan faz
notar que esta passagem se cumpriu quando um dos soldados romanos transpassou o
flanco de Cristo (Juan 19: 37).

11.

Hadad-rimón.

Palavra composta com os dois nomes de um Deus semítico: Hadad e Rimón. Não é
claro o significado do término. Alguns acreditam que Hadad-rimón era um lugar
no vale perto do Meguido, e que a referência é à morte do Josías,
quem recebeu feridas mortais quando atacou ao Necao, rei do Egito, no vale
do Meguido. A morte do rei produziu um duelo especial (2 Crón. 35: 20-25).
feito-se vários esforços para identificar o lugar, mas foram em vão.
Outros acreditam que "o pranto do Hadadrimón" refere-se a algum rito pagão. O
feito de que este nome esteja composto pelos duas de uma deidade pagã -Hadad
e Rimón-, pode apoiar este último ponto de vista.

12.

Cada linhagem à parte.

A contagem de diversas famílias nos vers. 12 e 13, que termina com a


expressão "tudas as outras linhagens" (vers. 14), apresenta o quadro de um
lamento general. "A casa do David" representa a família real. Natán era filho
do David (1 Crón. 3: 5). Possivelmente o mencione aqui especificamente porque
Zorobabel era descendente do David através do Natán (Luc. 3: 27, 31). Os
levita representam aos dirigentes espirituais. A respeito da família de
Simei, ver Núm. 3: 17-18, 21.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

8 DMJ 56; HAp 39; 2JT 381; 3JT 210; PVGM 106; 5T 81

10 DTG 533

CAPÍTULO 13

1 Um manancial para desencardir a Jerusalém, 2 da idolatria e os falsos


profetas. 7 A morte de Cristo, e prova e purificação de uma terceira parte
dos habitantes da terra.

1 NAQUELE tempo haverá um manancial aberto para a casa do David e para os


habitantes de Jerusalém, para a purificação do pecado e da imundície.

2 E naquele dia, diz Jehová dos exércitos, tirarei da terra os


nomes das imagens, e nunca mais serão recordados; e também farei cortar de
a terra aos profetas e ao espírito de imundície.

3 E acontecerá que quando algum profetizar ainda, dirão-lhe seu pai e sua mãe
que o engendraram: Não viverá, porque falaste mentira no nome de
Jehová; e seu pai e sua mãe que o engendraram lhe transpassarão quando
profetizasse.

4 E acontecerá naquele tempo, que todos os profetas se envergonharão de seu


visão quando profetizassem; nem nunca mais vestirão o manto felpudo para mentir.
1136

5 E dirá: Não sou profeta; lavrador sou da terra, pois estive no campo
desde minha juventude.

6 E lhe perguntarão: O que feridas são estas em suas mãos? E ele responderá: Com
elas fui ferido em casa de meus amigos.

7 Te levante, OH espada, contra o pastor, e contra o homem meu companheiro,


diz Jehová dos exércitos. Fere o pastor, e serão dispersadas as ovelhas;
e farei voltar minha mão contra os pequeñitos.

8 E acontecerá em toda a terra, diz Jehová, que as duas terceiras partes


serão cortadas nela, e se perderão; mas a terceira ficará nela.

9 E meterei no fogo à terceira parte, e os fundirei como se funde a


prata, e os provarei como se prova o ouro. O invocará meu nome, e eu o
ouvirei, e direi: meu povo; e ele dirá: Jehová é meu Deus.

1.

Naquele tempo.

Referência especial ao dia do Mesías já mencionado (cap. 12: 10. A vinda do


Redentor chamaria de um modo especial a atenção dos homens às medidas
que Deus dispôs quanto ao pecado. Sempre tinha existido um manancial
aberto. Os homens sempre tinham podido obter o perdão do pecado
mediante a fé em um Salvador vindouro. Mas tinham desprezado em máximo grau
o que se havia provido para sua salvação. Agora devia estender uma nova
convite.

2.

Tirarei.

Nos vers. 2-5 se prediz que a terra seria desencardida de ídolos e falsos
profetas. A forma em que seriam aborrecidos os falsos profetas se ilustra
graficamente invocando uma lei similar ao antigo código aplicável aos filhos
apóstatas (Deut. 13: 6- 10; cf. Deut. 18: 20). Israel tinha sofrido de tão modo
especial a praga dos falsos profetas (Jer. 23: 9-40; Eze. 13: 1-23). No
nova ordem que Deus se propunha estabelecer depois do primeiro advento do
Mesías, tinha especial importância que fossem eliminados todos os falsos
professores religiosos e que se silenciassem seus ensinos enganosos.

Os falsos profetas e os professores religiosos falsos foram desde antigo uma


calamidade

para a igreja de Deus, e continuarão sendo-o até o fim do tempo (Mat.


24: 24; 2 Lhes. 2: 9-10; Apoc. 13: 13-14). O único remédio contra seus
ensinos enganosos é que a mente esteja bem fortalecida com as verdades de
a Bíblia (ver com. Eze. 22: 25).

6.

Em suas mãos.

Literalmente, "entre suas mãos" (BJ). Alguns interpretam que esta frase
significa "costas", comparando-a com a expressão "entre as costas" (2 Rei.
9: 24). O dardo que feriu o Joram "entre os ombros" (BJ) saiu-lhe pelo
coração. Entretanto, a palavra ali é "braços" (Heb. zero'im) e não "mãos"
(Heb. yadim), e não podemos estar seguros de que as duas expressões sejam
idênticas em seu significado. Pergunta-a a respeito dessas feridas parece estar
dirigida, segundo o contexto, ao falso profeta convertido (Zac. 13: 5-6).
Alguns intérpretes aplicaram este texto a Cristo, como uma predição do
flagelamiento e as feridas que lhe infligiram os que deviam ter sido seus
amigos (Mat. 27: 26; Mar. 14: 65; 15: 15; Luc. 22: 63; Juan 19: 1, 17- 18).
Mas isto tem que fazer-se mediante uma aplicação secundária, ou fazendo uma
separação depois do Zac. 13: 5 e relacionando o vers. 6 com o vers. 7, que
é tina clara profecia a respeito de Cristo (Mat. 26: 31).

7.

Fere o pastor.

Jesus se aplicou a si mesmo estas palavras (Mat. 26: 31). As ovelhas estavam
pulverizadas quando seus discípulos fugiram antes de que fora levado para ser
julgado e incerto (Mat. 26: 56; Juan 16: 32).

Farei voltar minha mão.

Esta frase pode entender-se para bem, como na ISA. 1: 25, ou para mau, como em
Amós 1: 8. No primeiro caso, é uma segurança de consolo e amparo para
seus "pequeñitos"; no segundo, uma predição de que haveria dificuldades e
angústias que se estenderiam até sobre os fracos e humildes da grei.
8.

Serão cortadas.

Zacarías antecipa as condições que teriam existido e os acontecimentos


que teriam ocorrido se o Israel houvesse cooperação com os planos e propósitos
do céu (ver P. 32). Um grande número, embora não todos, teriam aceito ao
Mesías. Sua morte teria sido seguida por tempos de grande angustia, sem tempo
quando seriam separados os que não estiveram dispostos a aceitar ao Mesías, e
um tempo de purificação (vers. 9) para os que fossem seus seguidores. A
proporção que aqui se dá (dois terços separados e um terço que permaneceria )
1137 não precisa ser tomada em um sentido absoluto, embora sem dúvida então,
como também depois, a maioria rechaçaria a salvação oferecida Por Deus
(Mat. 22: 14).

9.

meu povo.

Deus estabeleceria de novo seu pacto com o remanescente desencardido. Cf. Eze. 37:
23; Ouse. 2: 23.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

1 2JT 485; PP 438; PR 513; 4T 59, 625; TM 458

6 HAp 184; P 179; SR 430

7DTG 447,637; PR 510

9 7T 52, 274

CAPÍTULO 14

1 Os destruidores de Jerusalém a despojam. 4 A vinda de Cristo e as


obrigado de seu reino. 12 Praga contra os inimigos de Jerusalém. 16 O remanescente
voltará para Senhor, 20 e sua bota de cano longo será santo.

1 HEI AQUI, o dia do Jehová vem, e em meio de ti serão repartidos vocês


despojos.

2 Porque eu reunirei a todas as nações para combater contra Jerusalém; e a


cidade será tomada, e serão saqueadas as casas, e violadas as mulheres; e a
metade da cidade irá em cativeiro, mas o resto do povo não será talhado
da cidade.

3 Depois sairá Jehová e brigará com aquelas nações, como brigou no dia
da batalha.

4 E se afirmarão seus pés naquele dia sobre o monte dos Olivos, que está
em frente de Jerusalém ao oriente; e o monte dos Olivos se partirá por em
médio, para o oriente e para o ocidente, fazendo um vale muito grande; e
a metade do monte se apartará para o norte, e a outra metade para o sul.

5 E fugirão ao vale dos Montes, porque o vale dos Montes chegará até
Azal; fugirão da maneira que fugiram por causa do terremoto nos dias de
Uzías rei do Judá; e virá Jehová meu Deus, e com ele todos os Santos.

6 E acontecerá que nesse dia não haverá luz clara, nem escura.

7 Será um dia, o qual é conhecido do Jehová, que não será nem dia nem noite; mas
acontecerá que ao cair a tarde haverá luz.

8 Acontecerá também naquele dia, que sairão de Jerusalém água vivas, a


metade delas por volta do mar oriental, e a outra metade por volta do mar ocidental,
no verão e no inverno.

9 E Jehová será rei sobre toda a terra. Naquele dia Jehová será um, e um
seu nome.

10 Toda a terra se voltará como planície desde a Geba até o Rimón ao sul de
Jerusalém; e esta será enaltecido, e habitada em seu lugar da porta de
Benjamim até o lugar da primeira porta, até a porta do Ângulo, e
da torre do Hananeel até os lagares do rei.

11 E morarão nela, e não haverá nunca mais maldição, mas sim Jerusalém será
habitada confidencialmente.

12 E esta será a praga com que ferirá Jehová a todos os povos que brigaram
contra Jerusalém: a carne deles se corromperá estando eles sobre seus pés,
e se consumirão nas conchas seus olhos, e a língua lhes desfará em sua boca.

13 E acontecerá naquele dia que haverá entre eles grande pânico enviado por
Jehová; e travará cada um da mão de seu companheiro.

14 E Judá também brigará em Jerusalém. E serão reunidas as riquezas de todas


as nações de ao redor: ouro e prata, e roupas de vestir, em grande abundância.

15 Assim também será a praga dos cavalos, dos mulos, dos camelos, de
os asnos, e de todas as bestas que estiveram naqueles acampamentos.

16 E todos os que sobreviveram das nações que vieram contra Jerusalém,


subirão de ano em ano para adorar ao Rei, ao Jehová dos exércitos, e a
celebrar a festa dos tabernáculos.

17 E acontecerá que os das famílias da terra que não subirem a


Jerusalém para adorar ao Rei, Jehová dos exércitos, no1138 virá sobre
eles chuva.

18 E se a família do Egito não subir e não viniere, sobre eles não haverá
chuva; virá a praga com que Jehová ferirá as nações que não subirem a
celebrar a festa dos tabernáculos.

19 Esta será a pena do pecado do Egito, e do pecado de todas as nações


que não subirem para celebrar a festa dos tabernáculos.

20 Naquele dia estará gravado sobre as campainhas dos cavalos: SANTIDADE


Ao JEHOVÁ; e as panelas da casa do Jehová serão como os tigelas do altar.

21 E toda panela em Jerusalém e Judá será consagrada ao Jehová dos exércitos; e


todos os que sacrificassem virão e tirarão delas, e cozerão nelas; e não
haverá naquele dia mais mercado na casa do Jehová dos exércitos.
1.

Hei aqui.

O cap. 14 é uma descrição dos acontecimentos relacionados com a


segunda vinda do Mesías, quanto a como teria sido esse sucesso espetacular
se os israelitas que voltaram do cativeiro tivessem completo com seu destino
(ver 32). Como se apartaram vez detrás vez de seus elevados privilégios, e
finalmente rechaçaram ao Mesías (Hech. 3: 13-15), Deus se separou deles.
Agora ele leva a cabo seus propósitos mediante a igreja cristã (ver pp).
37-38). Terá que tomar cuidado quando se aplicam as profecias do Zac. 14 a
nossos dias. Devem observar-se cuidadosamente os princípios esboçados em
as pp. 27-40 quando se interpretar Zac. 14; do contrário pode chegar-se a
conclusões indefensáveis. Ver com. Eze. 38: 1.

2.

Reunirei a todas as nações.

Ver a P. 32. Este quadro é similar ao que apresentou Joel (ver com. Joel 3:
1-2). A prosperidade do Israel teria causado a inimizade das nações que
aparecem aqui como reunidas Por Deus contra Jerusalém (cf. Eze. 38: 10); sem
embargo, Zacarías chama a atenção a tão detalhe desta batalha que não é
mencionado por outros profetas: a invasão do Judá e de Jerusalém teria um
êxito parcial.

Não será talhado.

O resíduo que não seria separado corresponde sem dada com os Justos, os que
passaram pelo "fogo" e foram refinadas "como se funde a prata" (cap. 13:
9). O propósito de permitir que o ataque tivesse sem êxito parcial seria o
de cortar aos pecadores do Sión (cf. cap. 13: 7-9).

3.

Depois.

Quer dizer, depois do êxito parcial do inimigo e da eliminação dos


pecadores. Este quadro é paralelo com o do Joel 3: 16 e Eze. 38: 18-23.

4.

Monte dos Olivos.

Ver com. Mat. 21: 1.

Partirá-se.

Os vers. 4 e 5 descrevem violentas mudanças físicas na superfície da


terra, que acompanhariam à intervenção divina para destruir às nações
inimizades. O quadro detalhado corresponde com os sucessos que teriam ocorrido
se Jerusalém tivesse permanecido para sempre (ver PR 31- 32, 412-413; DTG 530;
com. vers. 1). Algumas costure se cumprirão quando a nova Jerusalém descenda
ao fim dos mil anos. Entretanto, não se devem aplicar assim todos os detalhes
(ver CS 720-721).

5.
Fugirão.

Uma mudança nos pontos vocálicos (ver T. I, pp. 25-30) dá a variante "serão
encerrados". Esta mudança coincide com a LXX e os tárgumes. Ambos os significados
são lógicos dentro do contexto.

Montes.

Literalmente, "meus Montes" (BJ).

Azal.

Heb. 'atsal. Este lugar não pode identificar-se. A LXX traduz Iasol, que possivelmente
identifique-se com o wadi Yatsul que desemboca no Cedrón.

Terremoto.

É quase seguro que seja o terremoto ao que se refere Amós 1: 1.

Virá.

Aqui se prediz a vinda de Cristo dentro das circunstâncias mencionadas em


o comentário do vers. 1. Em quando à aplicação desta profecia ao
descida da nova Jerusalém depois do milênio, ver Apoc. 21: 2; cf. CS
720-721.

Santos.

Heb. qadosh, palavra que se aplica no AT tanto a homens (Deut. 33: 3; etc.)
como a anjos (ver com. Job 15: 15; cf. Jud. 14).

6.

Clara.

Este versículo não é muito claro em hebreu. A LXX traduz: "Nesse dia não haverá
luz nem frio nem geada". Uma leve mudança no hebreu dá a variante "frio" (BJ)
em vez de "luz". Parece que fica ênfase na ausência de frio.
Aparentemente se prediz uma mudança nas condições climáticas.
Desapareceriam as agostadoras geladas.

7.

Um dia.

Ou "um dia único", ou possivelmente "contínuo". Em sua aplicação ao futuro, este


versículo acha seu cumprimento na declaração: "Ali não haverá noite" (Apoc.
21: 25; ver com. Zac. 14: 1). 1139

8.

Água vivas.

Esta profecia é paralela com o Eze. 47: 1-12 e descreve as condições que
poderiam ter existido (ver com. Eze. 47: 1; Apoc. 22: 1).
Mar oriental . . . mar ocidental.

Quer dizer, o mar Morto e o mediterrâneo respectivamente (ver com. Núm. 3:


23).

9.

Será rei.

O acontecimento culminante que antecipavam com desejo os antigos profetas e


os justos (cf. Dão. 7: 13-14; Apoc. 11: 15).

10.

Como planície.

Predição de outras mudanças topográficas que aconteceriam além dos


mencionados no vers. 4. A região aqui mencionada tinha sido antes
montanhosa.

Geba.

Um lugar a 9 km ao nordeste de Jerusalém, que aqui se usa para representar


o extremo norte do Judá (ver com. 2 Rei. 23: 8).

Rimón.

Sem dúvida Em-rimón, a 14 km ao norte da Beerseba, hoje Kirbet Umer Ramamin,


lugar que corresponde com o extremo sul do Judá. Cf. 2 Rei. 23: 8, onde se
usam a Geba e a Beerseba como os extremos norte e sul respectivamente.

Porta de Benjamim.

Pode ser quão mesma a porta das Ovelhas, na esquina nordeste do muro
(ver o mapa na P. 523).

primeira porta.

Esta porta não se pode identificar com certeza. Contudo, as especificações


são bastante claras embora não se conheça sua localização.

Porta do Ângulo.

Mencionada com este mesmo nome no Jer. 31: 38 e como "porta da esquina"
(2 Rei. 14: 13). Acredita-se que era a porta da esquina noroeste do muro. Assim
indica Zacarías este limites e oeste da cidade.

Torre do Hananeel.

Torre na muralha do norte (ver o mapa na P. 523).

Lagares do rei.

Não os pode se localizar com certeza; mas sem dúvida estavam na parte sul da
cidade, possivelmente perto do horta do rei (ver com. Neh. 3: 15). Deste modo, a
torre do Hananeel e os lagares do rei indicam os limites norte e sul da
cidade. O quadro da última parte do Zac. 14: 10 mostra uma cidade bem
povoada.

11.

Nunca mais maldição.

Se a nação tivesse contínuo cumprindo seu destino divino, a cidade haveria


permanecido para sempre (ver a P. 32; CS 21; cf. DTG 530).

12.

A praga.

O profeta volta a ocupar-se da sorte das nações atacantes de


Jerusalém. Os atacantes sofreriam o flagelo de uma terrível praga,
extraordinariamente rápida em seu destructividad. A praga criaria um estado de
frenesi e de pânico que resultaria em um extermínio mútuo (vers. 13).

14.

Brigará em Jerusalém.

Também pode traduzir-se "combaterá contra Jerusalém" (Ausejo). Segundo o vers.


2, Jerusalém tinha cansado ante o inimigo. Embora Yahweh lutava por Jerusalém
(vers. 12 e 13), o povo também tinha uma parte que desempenhar.

15.

Praga dos cavalos.

A praga que caiu sobre os homens (vers. 12 e 13) também cairia sobre as
bestas de carga dos inimigos e sobre seu gado.

16.

Subirão.

O propósito da bênção divina sobre o Israel era dar uma demonstração do


que Deus estava disposto a fazer por todas as nações. Intimidados pelos
sucessos recentes e seguros da boa disposição de Deus para aceitar o
culto de todos os homens, os sobreviventes das nações atacantes
procurariam o Deus do Israel e subiriam ano detrás ano para render culto em
Jerusalém (ver P. 32).

Festa dos tabernáculos.

Ver em com. Lev. 23: 34, 40 uma descrição desta festa. Zacarías descreve
uma etapa na restauração preliminar ao fim do tempo de graça e a
erradicação final do pecado e dos pecadores, tal como teriam acontecido as
coisas se os Judeus tivessem sido fiéis (ver pp. 31-32). O mesmo acontece com
certas passagens do Isaías (ver com. ISA. 65: 17, 20).

17.

Que não subirem.

Este versículo apóia a observação feita no comentário do vers. 16, onde


o profeta descreve uma etapa preliminar da restauração completa da
terra. Ainda haveria perigo de rebelião, e aos que se sentissem inclinados
a rebelar-selhes adverte do castigo resultante.

18.

Egito.

Possivelmente o menciona devido a sua larga história de rebelião contra Deus, ou


simplesmente como uma ilustração do que ocorre com todas as nações. Sem
dúvida teria estado entre as nações atacantes de Jerusalém (vers. 2), e entre
seus sobreviventes haveria então alguns que fossem adoradores do Jehová
(vers. 16). A terra do Egito dependia do Nilo para sua rega. A falta de
chuva nas fontes do rio tivesse significado um completo desastre
econômico para a nação.

20.

Campainhas dos cavalos.

Os cavalos 1140 possivelmente fossem dos que viajavam a Jerusalém procedentes de


todos os países. Anteriormente os cavalos de outras nações que se
aproximavam de Jerusalém eram com freqüência um sinal de guerra. Agora os
sons do repicar dos adornos dos cavalos eram uma música grata
pois significavam que grupos de adoradores se aproximavam de Jerusalém. A
inscrição "SANTIDADE Ao JEHOVÁ", que antigamente estava na mitra do supremo
sacerdote (Exo. 28: 36- 37), agora era o lema dos adoradores.

As panelas.

A menção de panelas e tigelas nos vers. 20 e 21 parece referir-se à


necessidade de consagrar um grande número de utensílios devido aos muitíssimos
adoradores que iriam a Jerusalém.

21.

Mercado.

Em uma ordem econômica aonde fossem bem-vindos os membros de

todas as nações, ninguém séria excluído devido a sua nacionalidade. Entretanto,


os mercados da classe dos que Jesus arrojou do templo (Mat. 21: 12) não
seriam tolerados.

COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE

4 DTG 769; P 17, 51, 53, 291; SR 417; IT 67

4-5 CS 720

7 PP 241

9 CS 721; DMJ 89; PP 355

12 SR 415

12-13 CS 715
13 P 289 1141

Interesses relacionados