Você está na página 1de 3191

2192

TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Processo nº 0002424-59.2012.8.14.0024
O MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL ingressou com Ação Penal em face de JÚNIOR
RODRIGUES FERNANDES e ELIEZER COSTA FREITAS, imputando a conduta descrita
na Lei no art. 33, da lei 11.343/2006.
Segundo narra a denúncia (p. 02/04), no dia 28.06.2012, por os acusados foram presas em
flagrante delito possuindo e portando aproximadamente 10 (dez) papelotes de crack.
A denúncia foi recebida em 22 de outubro de 2012 (fl. 54), sendo os denunciados citados
para apresentação de defesa preliminar (fl. 58/67), sendo apresentada resposta à acusação.
Não houve absolvição sumária, oportunidade em que se determinou a abertura de vista ao
MP e designou-se audiência de instrução e julgamento (fl. 69).
Laudo toxicológico definitivo apresentado (pag. 56), atestando POSITIVO para a substância
BENZOILMETILECGONINA.
Na audiência de instrução foram ouvidas as testemunhas arroladas pelo Ministério Público e
pela Defesa, sendo, ato contínuo, as acusadas interrogadas, nos termos do art. 185, do CPP.
O Ministério Público, em alegações finais argumenta restarem provadas materialidade e
autoria do crime de tráfico ilícito de entorpecente, requerendo, por isso a condenação das
acusadas nas penas do artigo 33 da Lei 11.343/2006, nos exatos termos da denúncia.
A defesa, por sua vez, em judiciosas conclusões, pugna pela absolvição fundamentando na
insuficiência de provas da traficância, requerendo a desclassificação para o delito de uso e
subsidiariamente o reconhecimento do tráfico privilegiado.
É o relatório do necessário.
FUNDAMENTO e DECIDO.
Cuida-se de ação penal pública incondicionada em que o representante do Parquet busca a
condenação de JÚNIOR RODRIGUES FERNANDES e ELIEZER COSTA FREITAS, pela
prática do crime de tráfico ilícito de entorpecentes.
Não há preliminares ou outras questões de ordem pública a serem apreciadas. Passo, pois, à
análise do mérito.
A princípio, mister ressaltar que o tráfico ilícito de entorpecentes, com sua conduta
tipificada no artigo 33 da Lei 11.343/2006, de redação abrangente, pune quem, sem
autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar, ofende um ou mais
dos 18 verbos constantes do tipo, consumando-se este crime com a prática efetiva de
qualquer das condutas. Configura-se o delito, inclusive, ainda que não haja a venda do
tóxico, mas evidenciada a posse ou transporte do produto destinado a consumo de outrem.
Feitas essas considerações, cumpre observar que, no tocante à existência da
MATERIALIDADE do delito de tráfico ilícito de entorpecentes, restou configurada no
presente feito com o objeto material do crime (substância entorpecente), nos seguintes
documentos: Auto de Apreensão; Auto Preliminar de Constatação; e Laudo Pericial Definitivo de
substância entorpecente.
Nos documentos mencionados, está tecnicamente explicitada a caracterização e
comprovação da ilicitude da substância apreendida como causadora de dependência física e
psíquica, conforme considerações exaradas no laudo definitivo citado. Foi confirmada que a
substância encontrada revela a presença de crack, de porte e uso vedado pela
regulamentação pertinente.
Portanto, patente restou a MATERIALIDADE do delito previsto no art. 33 da Lei nº
11.343/2006, não necessitando de mais delongas a esse respeito.
Outrossim, no tocante à AUTORIA do crime de tráfico ilícito de entorpecentes, cogente se
mostra analisar todo arcabouço probatório e circunstâncias fáticas para eventual imputação
segura dos agentes ao delito em comento.
De acordo com a prova colhida nos autos constata-se que os acusados portavam substância
entorpecente, quando foram surpreendidos pelos policiais, que tomaram conhecimento que
os acusados realizavam a atividade de avião, comercializavam entorpecentes e fazendo
entregas para usuários da região, o que foi corroborado pelos depoimentos prestados em
juízo, considerando ainda a quantidade de substância apreendida e o modo como estava
acondicionada e as circunstâncias da apreensão.
Na sede inquisitiva e no interrogatório em juízo, as acusadas negaram a prática delitiva.
Todavia, tais fatos foram comprovados em juízo, corroborando integralmente os
depoimentos por todos prestados na fase inquisitiva, bem como a substância apreendida e
2193
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

demais circunstâncias do delito.


Nesse prisma, da análise de todo conjunto probatório e as circunstâncias fáticas trazidas à
apreciação, principalmente considerando a quantidade e forma pela qual foi apreendida a
droga, a condição financeira dos acusados, dos depoimentos dos agentes que fizeram a
apreensão da droga, bem como por tudo mais que consta dos autos, tem-se cabalmente
demonstrada a autoria dos denunciados quanto à prática do delito de tráfico ilícito de
entorpecente materialmente evidenciado nas modalidades de vender e guardar.
As testemunhas presenciaram visualmente a substância portada pelos acusados.
Neste momento, imperioso tecer algumas considerações acerca do depoimento dos agentes
que atuaram no caso em análise.
Há duas correntes jurisprudenciais acerca da validade dos depoimentos dos milicianos, uma
torrencial que afirma neles existir o mesmo valor das demais testemunhas, e outra
minoritária que os colocam como suspeitos.
E há ainda outra intermediária, formada por uma mescla das duas, defendida pelo mestre
Adalberto José Q. T. de Camargo Aranha, que ensina:
em primeiro lugar, não está impedido de depor, por não ser testemunha inidônea, nem
suspeita; todavia, o valor de suas palavras é bem relativo, devendo necessariamente ser
cotejado com outros elementos, pois ao depor está dando conta do trabalho realizado, tendo
total interesse em demonstrar a legitimidade da investigação. (...) Concluindo: os policiais
não são suspeitos e, como tal, não estão impedidos de depor; porém, como ao deporem estão dando
conta da legitimidade do ato
praticado, seus depoimentos devem ser recebidos com reservas. (Da Prova no Processo
Penal; Saraiva; 6ª ed.; 2004; p. 170).
No entanto, no presente caso, vislumbro total credibilidade no depoimento dos policiais
ouvidos em Juízo, principalmente porque sustentado no fato de terem recebido informações
específicas de que os acusados realizavam o contato dos usuários com as drogas fornecidas
pelos traficantes, sendo surpreendidos por ocasião da busca efetuada.
Quanto ao valor dos depoimentos dos policiais citados, válido trazer à baila o seguinte
julgado do Superior Tribunal de Justiça:
STJ: Prova ¿ Testemunha ¿ Depoimento de policiais que realizaram o flagrante, colhidos no
auto de prisão e reafirmados em juízo, com plena observância do contraditório ¿ Idoneidade.
(...) É idônea a prova testemunhal colhida no auto de prisão em flagrante e reafirmada em
juízo, com plena observância do contraditório, mesmo constituída apenas por policiais que
realizaram o flagrante. (RT 771/556 - in Código de Processo Penal Interpretado: referências
doutrinárias, indicações legais, resenha jurisprudencial: atualizado até dezembro de
2002/Julio Fabrini Mirabete ¿ 10. ed. ¿ São Paulo: Atlas 2003, pág. 557).
Assim, mesmo que se pudesse visualizar alguma tendência por parte dos agentes em seus
depoimentos, verifico que tal não ocorreu nestes autos, pelo fato desses depoimentos
estarem em perfeita consonância com todas as demais provas e circunstâncias fáticas
apresentadas.
Indiscutível, nesse passo, a configuração de ao menos um dos diversos núcleos verbais do
tipo previsto no art. 33 da Lei 11.343/2006, qual seja, portar.
Assim, indene de dúvidas a configuração da figura típica de portar substância entorpecente
para fins de comercialização.
A autoria do delito em comento, como mencionando alhures, também se apresenta como
induvidosa, pelos depoimentos prestados, bem como nos demais elementos de convicção
insertos nos autos.
Dada a solidez do conjunto probatório existente no feito, não merece guarida a tese
defensiva de falta de provas, em que pese a argumentação expendida pelo Defensor do réu,
uma vez que os elementos de prova existentes nos autos se prestam plenamente ao
desiderato.
Portanto, patente restou configurada a conduta do acusado, como incurso no art. 33, da Lei
11.343/2006, sendo imperiosa a condenação pelos motivos acima aduzidos.
ANTE O EXPOSTO, e por tudo mais que dos autos consta, julgo PROCEDENTE a
pretensão punitiva contida na denúncia para CONDENAR os acusados JÚNIOR
RODRIGUES FERNANDES e ELIEZER COSTA FREITAS, como incursos nas penas do
artigo 33, caput, da Lei nº 11.343/2006.
Considerando tudo isso, observando as diretrizes do art. 68, do Código Penal e o princípio
2194
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

constitucional de individualização da pena, passo a fundamentar e individualizar a pena a ser


aplicada aos acusados, o que faço conjuntamente para evitar repetições desnecessárias.
A pena abstratamente cominada para o crime de tráfico ilícito de entorpecentes da Lei
11.343/2006 é de 05 a 15 anos de reclusão, e 500 a 1500 dias-multa.
Tendo em vista a dicção do art. 59, do Código Penal, passo a considerar as circunstâncias
judiciais.
Da análise valorativa da culpabilidade, verifico que o grau de reprovabilidade de sua
conduta foi normal à espécie. Não representa consideração na pena-base.
No tocante aos antecedentes, não há que se falar em consideração para fixação da pena-base,
em respeito ao princípio constitucional da não culpabilidade, posto que não há notícia sobre
condenação transitada em julgado em desfavor dos acusados.
Dos autos, não se extrai ter os acusados personalidades voltada à prática do crime, não
importando em consideração na pena-base.
Conduta social até então não maculada, pois dos autos não se infere elementos para
verificação do modo de vida dos acusados. Não deve ser considerada para fixação da penabase.
Deve-se atentar também aos motivos, que representam o móvel impulsionador do delito,
avaliados em razão da reprovação que merecem. Dos autos não se extrai a motivação, senão
aquela que é natural à espécie, notadamente o intuito de lucro fácil em detrimento da saúde
pública. Não existindo motivação específica, não há como ser considerada na pena na
primeira fase de sua fixação.
Da mesma forma, no tocante às circunstâncias, há que se considerar, a teor da dicção do art.
42, da Lei nº 11.343/2006, a natureza e quantidade da substância entorpecente que, no caso
concreto, se trata de apenas um tipo de substância (crack) e de uma quantidade capaz de
caracterizar a traficância, o que não destoa do tipo de penal, não merecendo valoração.
As consequências do crime, como todos os da espécie, são incalculáveis, mas há que se
considerar que, pelo conjunto probatório, trata-se de traficância de pequena monta, não
podendo ser consideradas para a pena-base.
Não há, outrossim, verificação acerca do comportamento da vítima, pois se revela em toda a
comunidade. Também não importa em fixação da pena-base acima do mínimo.
Ponderadas as circunstâncias judiciais favoráveis aos acusados, fixo a pena-base no mínimo
legal de 05 (cinco) anos de reclusão e 500 (quinhentos) dias-multa.
Na segunda fase da dosimetria da pena, não há circunstâncias agravantes ou atenuantes.
Por fim, na terceira fase, também não existem causas de aumento da pena.
Entretanto, aplicável o disposto no art. 33, § 4º, da Lei nº 11.343/2006. Os acusados são
primários, os antecedentes informados nos autos não revelam condenação e não há indícios
de que integrem organização criminosa.
Resta ser aferido o montante a ser reduzido da pena, tendo em consideração os patamares
fixados no dispositivo. Para essa aferição, já que silente o legislador a respeito, necessário
ter em consideração as circunstâncias judiciais do art. 59, do Código Penal, c/c. art. 42, da
Lei nº 11.343/2006. Conforme fundamentado quando da fixação da pena-base, são favoráveis aos
acusadas as circunstâncias judiciais. Desse modo, a diminuição pode
ocorrer no máximo, que está reservada somente àquelas hipóteses em que todas as
circunstâncias judiciais sejam amplamente favoráveis. Por outro lado, a diminuição no
mínimo estaria adstrita aos casos em que as circunstâncias judiciais fossem totalmente
desfavoráveis, o que também não é o caso dos autos. Reputa-se, assim, como justa a
diminuição da pena, considerando as balizas do dispositivo citado, em patamar máximo, ou
seja, em 2/3 (dois terços).
Assim, na terceira fase da dosimetria da pena, presente a causa especial de diminuição acima
descrita, diminuo a pena resultante da segunda fase em 2/3 (dois terços), resultando na pena
final de 1 (hum) anos e 08 (oito) meses de reclusão e 166 (cento e sessenta e seis) diasmulta.
Estabeleço o dia-multa, à míngua de elementos nos autos para verificação da condição
econômica do acusado, no valor unitário mínimo, ou seja, 1/30 do salário mínimo vigente à
época dos fatos.
Em assim sendo, não havendo causas de aumento ou de diminuição capazes de alterar a
pena aplicada, torno-a definitiva, fixando em 1 (hum) ano e 08 (oito) meses de reclusão e
166 (cento e sessenta e seis) dias-multa, no valor unitário mínimo de 1/30 do salário mínimo
vigente à época dos fatos.
Estabeleço o REGIME INICIALMENTE ABERTO para cumprimento da pena privativa da
2195
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

liberdade, tendo em vista o que preceitua o artigo 33, § 2º, alínea c, do Código Penal.
Considerando a pena em concreto, se faz necessário uma análise da prescrição, uma vez que
o Juiz, a qualquer tempo, pode declarar de ofício, findando definitivamente o assunto.
Conforme o quantum de pena aplicado, qual seja, 1 (hum) ano e 08 (oito) meses de reclusão
e 166 (cento e sessenta e seis) dias-multa, considerando os termos do art. 109, inciso V, do
CPB, verifico que entre o recebimento da denúncia (10 de dezembro de 2012) e a data da
sentença já se passaram mais de 4 (quatro anos), o que impõe o reconhecimento da
prescrição da pretensão executória, observando o art. 110, do CPB, o qual dispõe que A
prescrição depois de transitar em julgado a sentença condenatória regula-se pela pena
aplicada e verifica-se nos prazos fixados no artigo anterior, os quais se aumentam de um
terço, se o condenado é reincidente.
Considerando haver transcorrido tempo superior ao lapso prescricional entre o recebimento
da denúncia até o presente momento, com fulcro no art. 107, V, CPB c/c art. 110, do CPP,
DECLARO EXTINTA A PUNIBILIDADE de JÚNIOR RODRIGUES FERNANDES e
ELIEZER COSTA FREITAS, qualificados nos autos, relativamente ao presente caso.
Com relação aos demais bens apreendidos, descritos no termo de recebimento constante no
IPL, por serem de baixo valor econômico e como não foram requeridos por nenhum
interessado ao longo da instrução e nem se sabe de quem seriam, determino a sua doação
para Projetos Sociais cadastrados junto ao Tribunal de Justiça do Estado do Pará, nos termos
do art. 14, III, do Provimento n. 10/2008-CJRMB ou sua imediata destruição, caso não sejam passíveis de
qualquer aproveitamento econômico.
Feitas as necessárias anotações e comunicações, após o trânsito em julgado, arquivem-se e
baixem-se na distribuição os autos.
Ciência ao Ministério Público e à d. Defesa.
Publique-se.
Registre-se.
Intimem-se.
Cumpra-se.
Itaituba/Pa, 7 de dezembro de 2019.
FRANCISCO GILSON DUARTE KUMAMOTO SEGUNDO
Juiz de Direito Substituto

EDITAL DE INTIMAÇÃO COM PRAZO DE 60 (SESSENTA) DIAS

O Exmo. Sr. Dr. FRANCISCO GILSON DUARTE KUMAMOTO SEGUNDO, MM. Juiz de Direito,
respondendo pela Vara Criminal da Comarca de Itaituba, Estado do Pará, República Federativa do Brasil,
na forma da Lei, etc...

F A Z S A B ER aos que do presente EDITAL virem ou dele tiverem


conhecimento, que por este Juízo da Vara Criminal, se processam os autos da AÇÃO PENAL, processo nº
00013093220148140024, em que O MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL, move contra: JEFERSON
SILVA DOS SANTOS, que fica por este Edital os réus JEFERSON SILVA DOS SANTOS, brasileiro,
nascido em 02/05/1993, filho de Jorge Alcantara dos Santos e Ivaneide Bandeira Silva, residente à época
dos Fatos na 22ª Rua, nº 1162, Bom Remédio, Itaituba/PA, atualmente em local incerto e não sabido,
INTIMADO(S) da Sentença prolatada nos autos em referência, que declarou a absolvição dos réus
JEFERSON SILVA DOS SANTOS, nos termos do art. 392, § 1º do CPP. E para que se não aleguem
ignorância, mandou expedir o presente edital, este que será publicado e afixado na forma da Lei. Dado e
passado nesta Cidade e Comarca de Itaituba, Estado do Pará, aos nove (09) dia do mês de dezembro (12)
do ano de 2019 (dois mil e dezenove). Eu, Adriana de Araújo Carvalho, Auxiliar Judiciário, digitei e
subscrevi.

ADRIANA DE ARAUJO CARVALHO

Auxiliar Judiciário da Vara Criminal


2196
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

da Comarca de Itaituba-PA - Matrícula nº 170950 TJEPA

Portaria nº 4432/2018 GP

Documento assinado digitalmente.


2197
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

SECRETARIA DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL DE ITAITUBA

Número do processo: 0802494-96.2019.8.14.0024 Participação: EXEQUENTE Nome: LEAL & COSTA


LTDA Participação: ADVOGADO Nome: LUCIANE ALVES DE OLIVEIRA PEREIRA OAB: 740PA
Participação: EXECUTADO Nome: celpa ATO ORDINATÓRIOAtravés do presente, fica
devidamenteINTIMADO(S)a (s) parte (s)EXEQUENTE: LEAL & COSTA LTDA,por meio de seu patronoa
comparecer a audiência do tipoUNA (CONCILIAÇÃO, INSTRUÇÃO E JULGAMENTO), redesignada para
o dia 26/02/2020 15:00. ITAITUBA,9 de dezembro de 2019.
_______________________________________ GINA DOS REIS SANTOSServidor(a)(documento
assinado digitalmente na forma da Lei nº 11.419/06)DE ORDEM DO(A) MMº(ª). JUIZ(A) DE DIREITO
ADVERTÊNCIAS:-O comparecimento das pessoas físicas é pessoal à qualquer Audiência e o das
pessoas jurídicas deverá ser através de preposto autorizado a transigir, bem como devidamente
credenciado, nos termos do art. 9, parágrafo 4º, da lei 9.099/95.-A ausência injustificada do (a,s) autor
(a,s) à audiência importará aextinção do processo sem julgamento do mérito(Lei 9.099/95 art. 51, I), bem
como a sua condenação ao pagamento de custas processuais. O não comparecimento do (a,s) ré (u,s) à
audiência produzirá os efeitos daRevelia,presumindo-se como verdadeiros os fatos narrados na petição
inicial (lei n° 9.099/95, arts. 18, § 1°, e 20).-Eventual não comparecimento deverá ser justificadopor
atestado médico ANTES da abertura da audiência, o qual deverá elucidar sobre a impossibilidade de
locomoção para a audiência, sob as penas da lei.-Versando os autos sobre relação de consumo, fica (m)
o(a,s) demandado (a,s), desde logo, advertido(a,s) acerca da possibilidade de inversão do ônus da prova.-
Havendo assistência de advogados, os documentos apresentados para as audiências, inclusive
procurações e atos constitutivos das empresas, deverão serescaneados e juntados previamenteaos autos
do processo virtual pelos respectivos patronos.OBS: Este processo tramita através do sistema
computacional PJE, cujo endereço para consulta na web é http://pje.i.tj.pa.gov.br:8080/pje/login.seam.

Número do processo: 0005032-59.2014.8.14.0024 Participação: RECLAMANTE Nome: PEDRO


RODRIGUES FILHO Participação: ADVOGADO Nome: JESSICA BUENO DE AGUIAR OAB: 14532/PA
Participação: ADVOGADO Nome: MARIA CRISTINA PORTINHO BUENO OAB: 09-BPA Participação:
RECLAMADO Nome: CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S.A - CELPA Participação: ADVOGADO Nome:
FLAVIO AUGUSTO QUEIROZ MONTALVÃO DAS NEVES OAB: 12358/PAJUIZADO ESPECIAL CÍVEL E
CRIMINAL DA COMARCA DE ITAITUBATravessa Paes de Carvalho, s/n, Centro, anexo ao Fórum de
Justiça, CEP. 68.180-060, Tel: (093) 3518-9326 email: jeitaituba@tjpa.jus.br Decisão:Considerando o que
dispõe o Enunciado 66 - FONAJE: "Nos Juizados Especiais Cíveis, o juízo prévio de admissibilidade do
recurso será feito em primeiro grau."E ainda verificando-se a tempestividade e o preparo, recebo o recurso
inominado apenas no efeito devolutivo (art. 43 da Lei nº 9.099/95).Intime-se o recorrido para oferecer
resposta escrita, no prazo legal (art. 42, parágrafo 2º da Lei nº 9.099/95).Após, encaminhe-se os autos à
Egrégia Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Itaituba/PA, 28 de junho de 2018.
FLAVIO OLIVEIRA LAUANDEJuiz de Direito

Número do processo: 0113219-30.2015.8.14.0024 Participação: RECLAMANTE Nome: FRANCISCA


NEUDA DA SILVA Participação: ADVOGADO Nome: ROGERIO PORTELA NASCIMENTO OAB:
22586/PA Participação: ADVOGADO Nome: RODRIGO DE MOURA LARAS OAB: 781PA Participação:
RECLAMADO Nome: CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S.A - CELPA Participação: ADVOGADO Nome:
FLAVIO AUGUSTO QUEIROZ MONTALVÃO DAS NEVES OAB: 12358/PAJUIZADO ESPECIAL CÍVEL E
CRIMINAL DA COMARCA DE ITAITUBATravessa Paes de Carvalho, s/n, Centro, anexo ao Fórum de
Justiça, CEP. 68.180-060, Tel: (093) 3518-9326 email: jeitaituba@tjpa.jus.br Decisão:Considerando o que
dispõe o Enunciado 66 - FONAJE: "Nos Juizados Especiais Cíveis, o juízo prévio de admissibilidade do
recurso será feito em primeiro grau."E ainda verificando-se a tempestividade e o preparo, recebo o recurso
inominado apenas no efeito devolutivo (art. 43 da Lei nº 9.099/95).Intime-se o recorrido para oferecer
resposta escrita, no prazo legal (art. 42, parágrafo 2º da Lei nº 9.099/95).Após, encaminhe-se os autos à
Egrégia Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Itaituba/PA, 28 de junho de 2018.
FLAVIO OLIVEIRA LAUANDEJuiz de Direito
2198
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Número do processo: 0004710-68.2016.8.14.0024 Participação: RECLAMANTE Nome: NEUSA MARIA


SILVA Participação: ADVOGADO Nome: NIVALDO MORENO BENICIO OAB: 270PA Participação:
RECLAMADO Nome: CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S.A - CELPA Participação: ADVOGADO Nome:
FLAVIO AUGUSTO QUEIROZ MONTALVÃO DAS NEVES OAB: 12358/PAJUIZADO ESPECIAL CÍVEL E
CRIMINAL DA COMARCA DE ITAITUBATravessa Paes de Carvalho, s/n, Centro, anexo ao Fórum de
Justiça, CEP. 68.180-060, Tel: (093) 3518-9326 email: jeitaituba@tjpa.jus.br Decisão:Considerando o que
dispõe o Enunciado 66 - FONAJE: "Nos Juizados Especiais Cíveis, o juízo prévio de admissibilidade do
recurso será feito em primeiro grau."E ainda verificando-se a tempestividade e o preparo, recebo o recurso
inominado apenas no efeito devolutivo (art. 43 da Lei nº 9.099/95).Intime-se o recorrido para oferecer
resposta escrita, no prazo legal (art. 42, parágrafo 2º da Lei nº 9.099/95).Após, encaminhe-se os autos à
Egrégia Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Itaituba/PA, 28 de junho de 2018.
FLAVIO OLIVEIRA LAUANDEJuiz de Direito

Número do processo: 0005092-37.2011.8.14.0024 Participação: EXEQUENTE Nome: FRANCISCO DE


ASSIS CATIVO GUEDES Participação: ADVOGADO Nome: CLEUDE FERREIRA PAXIUBA OAB: 625PA
Participação: EXECUTADO Nome: OI- TELEMAR NORTE LESTE S/A Participação: ADVOGADO Nome:
ELADIO MIRANDA LIMA OAB: 086235/RJDespacho Intime-se a parte autora para manifestar sobre a
petição e documentos apresentados pela executada (id 11000467), no prazo de 5 dias, requerendo o que
entender de direito.Após, retornem os autos conclusos.Itaituba, 1 de dezembro de 2019.Francisco Gilson
Duarte Kumamoto SegundoJuiz de Direito

Número do processo: 0007452-37.2014.8.14.0024 Participação: RECLAMANTE Nome: EDIELMA


CASTRO DOS SANTOS Participação: ADVOGADO Nome: JESSICA BUENO DE AGUIAR OAB:
14532/PA Participação: ADVOGADO Nome: MARIA CRISTINA PORTINHO BUENO OAB: 09-BPA
Participação: RECLAMADO Nome: CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S.A - CELPA Participação:
ADVOGADO Nome: LIBIA SORAYA PANTOJA CARNEIRO OAB: 8049/PAJUIZADO ESPECIAL CÍVEL E
CRIMINAL DA COMARCA DE ITAITUBATravessa Paes de Carvalho, s/n, Centro, anexo ao Fórum de
Justiça, CEP. 68.180-060, Tel: (093) 3518-9326 email: jeitaituba@tjpa.jus.br Decisão:Considerando o que
dispõe o Enunciado 66 - FONAJE: "Nos Juizados Especiais Cíveis, o juízo prévio de admissibilidade do
recurso será feito em primeiro grau."E ainda verificando-se a tempestividade e o preparo, recebo o recurso
inominado apenas no efeito devolutivo (art. 43 da Lei nº 9.099/95).Intime-se o recorrido para oferecer
resposta escrita, no prazo legal (art. 42, parágrafo 2º da Lei nº 9.099/95).Após, encaminhe-se os autos à
Egrégia Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Itaituba/PA, 28 de junho de 2018.
FLAVIO OLIVEIRA LAUANDEJuiz de Direito

Número do processo: 0168222-67.2015.8.14.0024 Participação: RECLAMANTE Nome: VALFREDO


PEREIRA MARQUES JUNIOR Participação: ADVOGADO Nome: SUZY STEPHAN AMORIM DE SOUZA
OAB: 9783PA Participação: RECLAMADO Nome: CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S.A - CELPA
Participação: ADVOGADO Nome: LIBIA SORAYA PANTOJA CARNEIRO OAB: 8049/PAJUIZADO
ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL DA COMARCA DE ITAITUBATravessa Paes de Carvalho, s/n, Centro,
anexo ao Fórum de Justiça, CEP. 68.180-060, Tel: (093) 3518-9326 email: jeitaituba@tjpa.jus.br
Decisão:Considerando o que dispõe o Enunciado 66 - FONAJE: "Nos Juizados Especiais Cíveis, o juízo
prévio de admissibilidade do recurso será feito em primeiro grau."E ainda verificando-se a tempestividade
e o preparo, recebo o recurso inominado apenas no efeito devolutivo (art. 43 da Lei nº 9.099/95).Intime-se
o recorrido para oferecer resposta escrita, no prazo legal (art. 42, parágrafo 2º da Lei nº 9.099/95).Após,
encaminhe-se os autos à Egrégia Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Itaituba/PA,
28 de junho de 2018. FLAVIO OLIVEIRA LAUANDEJuiz de Direito
2199
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Número do processo: 0800261-34.2016.8.14.0024 Participação: RECLAMANTE Nome: HELLEN SUANE


CRUZ DA SILVA Participação: ADVOGADO Nome: FRANCISCO DE SOUSA SANTOS OAB: 964
Participação: RECLAMADO Nome: GOL LINHAS AÉREAS S/A Participação: ADVOGADO Nome:
MARCIO VINICIUS COSTA PEREIRA OAB: 84367/RJ Participação: ADVOGADO Nome: TIAGO LUIZ
RODRIGUES NEVES OAB: 10042/MAJUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL DA COMARCA DE
ITAITUBA Travessa Paes de Carvalho, s/n, Centro, anexo ao Fórum de Justiça, CEP. 68.180-060, Tel:
(093) 3518-9326 email: jeitaituba@tjpa.jus.br Processo: 0800261-34.2016.8.14.0024Autor:
RECLAMANTE: HELLEN SUANE CRUZ DA SILVARequerido: RECLAMADO: GOL LINHAS AÉREAS S/A
Despacho:R. H.As partes firmaram acordo sob id 2929392, estipulando que a reclamada pagaria à autora
o valor de R$ 3.000,00 a ser depositado na conta corrente da autora, constando no documento os
seguintes dados: Banco Bradesco, agência nº 0459,conta corrente nº 0036514, CPF 838.100.132-34, a
ser depositado até 20 dias após o protocolo que se deu em 16/11/2017.A reclamada peticiona sob id
3124402 comprovando o depósito de acordo com os dados fornecidos no termo de acordo em
29/11/2017.A parte autora afirma descumprimento do acordo, e junta extratos bancários do período,
comprovando a ausência de depósito no período, id 4814556.Ocorre que através do extrato juntado pela
autora no id 4814556 é possível identificar que o nº correto da conta é0036514-9, ou seja, o depósito não
foi concluído em razão faltar o dígito da conta corrente.Assim, considerando que a autora assinou o termo
de acordo no qual constou os dados da conta bancária informada, estava ciente dos dados contidos no
termo de acordo, entendo, assim, que não houve descumprimento pela parte ré, razão pela qual não deve
incidir a multa por descumprimento.Por fim, comprovado ainda que de fato não houve pagamento até a
presente data em razão do erro acima exposto, intime-se a executado, através de seus patronos
constituídos, se for o caso, para que, no prazo de 15 (quinze) dias, efetue o pagamento do montante da
condenação, atualizado com juros e correção monetária, conforme demonstrativo de cálculo apresentado,
sob pena de multa de 10% (dez por cento) e penhora em bens suficientes para a satisfação do débito.Em
caso de não pagamento, retorne conclusos para penhoraonline.Itaituba/PA, 28 de novembro de 2019.
Juiz(a) de Direito

Número do processo: 0002664-77.2014.8.14.0024 Participação: RECLAMANTE Nome: MERY KEULLY


DA SILVA BRITO Participação: ADVOGADO Nome: CARLA CRISTINA MARIALVA CAMARGO OAB:
6574 Participação: RECLAMADO Nome: ROBSON ROGERIO DE RAMOS COSTAJUIZADO ESPECIAL
CÍVEL E CRIMINAL DA COMARCA DE ITAITUBA Travessa Paes de Carvalho, s/n, Centro, anexo ao
Fórum de Justiça, CEP. 68.180-060, Tel: (093) 3518-9326 email: jeitaituba@tjpa.jus.br Processo:
0002664-77.2014.8.14.0024Autor: RECLAMANTE: MERY KEULLY DA SILVA BRITORequerido:
RECLAMADO: ROBSON ROGERIO DE RAMOS COSTA Despacho:Intime-se o executado, através de
seus patronos constituídos, se for o caso, para que, no prazo de 30 (trinta) dias comprove nos autos o
cumprimento da obrigação de fazer estipulada na sentença, conforme parte dispositiva, qual seja:Isso
posto, julgo procedente o pedido contido na inicial para determinar que o reclamado realize opagamento
do IPVA em atraso; bem como determino que o promovidotransfira para seu nome a titularidade do bem,
sob pena de multa de cinquenta reais ao dia, até o limite de R$ 20.000,00 (vinte mil reais), na forma do art.
186 c/c 927, ambos do Código Civil, e art. 487, I, do Código de Processo Civil, e por tudo mais o que
consta nos autos. Na hipótese de trânsito em julgado desta, aguarde-se o prazo de quinze dias para o
cumprimento voluntário da sentença, findo o qual deverá o débito ser atualizado com a incidência dos
juros de mora e da pena de multa de 10%, conforme artigo 523, § 1º, CPC, sendo necessária a intimação
para o seu cumprimento, conforme art. 52, IV, Lei nº 9.099-95, SOB PENA INCIDÊNCIA DE NOVA
MULTA DE 10 % A INCIDIR SOBRE O MONTANTE DA EXECUÇÃO.Intime-se ainda, no mesmo prazo
para que efetue o pagamento do montante da execução da multa por descumprimento, atualizado com
juros e correção monetária, conforme demonstrativo de cálculo apresentado, sob pena de multa de 10%
(dez por cento) e penhora em bens suficientes para a satisfação do débito.Indefiro o pedido de ofício ao
DETRAN, vez que a decisão nestes autos não pode afetar o interesse de uma terceira pessoa jurídica
que, inclusive, inclusive não compôs a lide e que possui regramento próprio para a transferência de
veículos, cabendo a responsabilidade às partes, por isso a incidência da multa sobre a obrigação de
fazer.Em caso de não pagamento, retorne conclusos para penhoraonline.Itaituba/PA, 28 de novembro de
2019. Juiz(a) de Direito
2200
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Número do processo: 0802981-03.2018.8.14.0024 Participação: EXEQUENTE Nome: MANUELA DA


SILVA SANTOS Participação: ADVOGADO Nome: MARIA CRISTINA PORTINHO BUENO OAB: 09-BPA
Participação: ADVOGADO Nome: JESSICA BUENO DE AGUIAR OAB: 14532/PA Participação:
EXECUTADO Nome: IVAN DA CONCEICAO RIBEIRO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL DA
COMARCA DE ITAITUBA Travessa Paes de Carvalho, s/n, Centro, anexo ao Fórum de Justiça, CEP.
68.180-060, Tel: (093) 3518-9326 email: jeitaituba@tjpa.jus.br Processo: 0802981-
03.2018.8.14.0024Autor: EXEQUENTE: MANUELA DA SILVA SANTOSRequerido: EXECUTADO: IVAN
DA CONCEICAO RIBEIRO Despacho:R. H.Proceda-se a atualização da dívida.Intime-se o executado,
através de seus patronos constituídos, se for o caso, para que, no prazo de 15 (quinze) dias, efetue o
pagamento do montante da condenação, atualizado com juros e correção monetária, conforme
demonstrativo de cálculo apresentado em petição de id 7894883, sob pena de multa de 10% (dez por
cento) e penhora em bens suficientes para a satisfação do débito.Em caso de não pagamento, retorne
conclusos para penhoraonline.Itaituba/PA, 17 de janeiro de 2019. Tainá Monteiro da CostaJuíza de Direito

Número do processo: 0004820-38.2014.8.14.0024 Participação: RECLAMANTE Nome: TEREZA AIRES


BRITO Participação: ADVOGADO Nome: JESSICA BUENO DE AGUIAR OAB: 14532/PA Participação:
ADVOGADO Nome: MARIA CRISTINA PORTINHO BUENO OAB: 09-BPA Participação: RECLAMADO
Nome: CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S.A - CELPA Participação: ADVOGADO Nome: LIBIA SORAYA
PANTOJA CARNEIRO OAB: 8049/PAJUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL DA COMARCA DE
ITAITUBATravessa Paes de Carvalho, s/n, Centro, anexo ao Fórum de Justiça, CEP. 68.180-060, Tel:
(093) 3518-9326 email: jeitaituba@tjpa.jus.br Processo:0004820-38.2014.814.0024Exequente:TEREZA
AIRES BRITOExecutado:CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S.A - CELPA Despacho:R. H.Intime-se as
partes para, no prazo de 15 (quinze) dias, manifestar quanto ao cumprimento da sentença.Não havendo
manifestação, arquive-se com as cautelas de praxe. Itaituba/PA, 28 de junho de 2018. FLAVIO OLIVEIRA
LAUANDEJuiz de Direito

Número do processo: 0004820-38.2014.8.14.0024 Participação: RECLAMANTE Nome: TEREZA AIRES


BRITO Participação: ADVOGADO Nome: JESSICA BUENO DE AGUIAR OAB: 14532/PA Participação:
ADVOGADO Nome: MARIA CRISTINA PORTINHO BUENO OAB: 09-BPA Participação: RECLAMADO
Nome: CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S.A - CELPA Participação: ADVOGADO Nome: LIBIA SORAYA
PANTOJA CARNEIRO OAB: 8049/PAJUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL DA COMARCA DE
ITAITUBATravessa Paes de Carvalho, s/n, Centro, anexo ao Fórum de Justiça, CEP. 68.180-060, Tel:
(093) 3518-9326 email: jeitaituba@tjpa.jus.br Processo:0004820-38.2014.814.0024Exequente:TEREZA
AIRES BRITOExecutado:CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S.A - CELPA Despacho:R. H.Intime-se as
partes para, no prazo de 15 (quinze) dias, manifestar quanto ao cumprimento da sentença.Não havendo
manifestação, arquive-se com as cautelas de praxe. Itaituba/PA, 28 de junho de 2018. FLAVIO OLIVEIRA
LAUANDEJuiz de Direito

Número do processo: 0118232-10.2015.8.14.0024 Participação: RECLAMANTE Nome: GESIRA DE


QUEIROZ OLIVEIRA Participação: ADVOGADO Nome: JOSE LUIS PEREIRA DE SOUSA OAB: 993
Participação: RECLAMADO Nome: CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S.A - CELPA Participação:
ADVOGADO Nome: LIBIA SORAYA PANTOJA CARNEIRO OAB: 8049/PAJUIZADO ESPECIAL CÍVEL E
CRIMINAL DA COMARCA DE ITAITUBATravessa Paes de Carvalho, s/n, Centro, anexo ao Fórum de
Justiça, CEP. 68.180-060, Tel: (093) 3518-9326 email: jeitaituba@tjpa.jus.br Decisão:Considerando o que
dispõe o Enunciado 66 - FONAJE: "Nos Juizados Especiais Cíveis, o juízo prévio de admissibilidade do
recurso será feito em primeiro grau."E ainda verificando-se a tempestividade e o preparo, recebo o recurso
inominado apenas no efeito devolutivo (art. 43 da Lei nº 9.099/95).Intime-se o recorrido para oferecer
resposta escrita, no prazo legal (art. 42, parágrafo 2º da Lei nº 9.099/95).Após, encaminhe-se os autos à
Egrégia Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Itaituba/PA, 28 de junho de 2018.
FLAVIO OLIVEIRA LAUANDEJuiz de Direito
2201
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Número do processo: 0004436-46.2012.8.14.0024 Participação: RECLAMANTE Nome: RAIMUNDO DAS


GRACAS ARAUJO Participação: ADVOGADO Nome: JOAO DUDIMAR DE AZEVEDO PAXIUBA OAB:
0783PA Participação: ADVOGADO Nome: JOSE RICARDO MORAES DA SILVA OAB: 6403 Participação:
RECLAMADO Nome: CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S.A - CELPA Participação: ADVOGADO Nome:
LIBIA SORAYA PANTOJA CARNEIRO OAB: 8049/PAJUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL DA
COMARCA DE ITAITUBATravessa Paes de Carvalho, s/n, Centro, anexo ao Fórum de Justiça, CEP.
68.180-060, Tel: (093) 3518-9326 email: jeitaituba@tjpa.jus.br Decisão:Considerando o que dispõe o
Enunciado 66 - FONAJE: "Nos Juizados Especiais Cíveis, o juízo prévio de admissibilidade do recurso
será feito em primeiro grau."E ainda verificando-se a tempestividade e o preparo, recebo o recurso
inominado apenas no efeito devolutivo (art. 43 da Lei nº 9.099/95).Intime-se o recorrido para oferecer
resposta escrita, no prazo legal (art. 42, parágrafo 2º da Lei nº 9.099/95).Após, encaminhe-se os autos à
Egrégia Turma Recursal do Tribunal de Justiça do Estado do Pará. Itaituba/PA, 28 de junho de 2018.
FLAVIO OLIVEIRA LAUANDEJuiz de Direito

Número do processo: 0800722-69.2017.8.14.0024 Participação: RECLAMANTE Nome: JONILSON


COSTA DE OLIVEIRA Participação: ADVOGADO Nome: SUZY STEPHAN AMORIM DE SOUZA OAB:
9783PA Participação: RECLAMADO Nome: CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S.A. - CELPA
Participação: ADVOGADO Nome: LIBIA SORAYA PANTOJA CARNEIRO OAB: 8049/PA JUIZADO
ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL DA COMARCA DE ITAITUBA Travessa Paes de Carvalho, s/n, Centro,
anexo ao Fórum de Justiça, CEP. 68.180-060, Tel: (093) 3518-9326 email: jeitaituba@tjpa.jus.br Processo:
0800722-69.2017.8.14.0024Autor: RECLAMANTE: JONILSON COSTA DE OLIVEIRARequerido:
RECLAMADO: CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S.A. - CELPA Despacho:Intime-se o executado,
através de seus patronos constituídos, se for o caso, para que, no prazo de 15 (quinze) dias, comprove
cumprimento integral do acordo firmado nos autos.Não comprovado o pagamento do acordo, fica desde já
intimado, para que, no mesmo prazo, efetue o pagamento do montante da condenação, atualizado com
juros e correção monetária, conforme demonstrativo de cálculo apresentado, sob pena de multa de 10%
(dez por cento) e penhora em bens suficientes para a satisfação do débito.Em caso de não pagamento,
retorne conclusos para penhoraonline.Itaituba/PA, 28 de novembro de 2019. Juiz(a) de Direito

Número do processo: 0800722-69.2017.8.14.0024 Participação: RECLAMANTE Nome: JONILSON


COSTA DE OLIVEIRA Participação: ADVOGADO Nome: SUZY STEPHAN AMORIM DE SOUZA OAB:
9783PA Participação: RECLAMADO Nome: CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S.A. - CELPA
Participação: ADVOGADO Nome: LIBIA SORAYA PANTOJA CARNEIRO OAB: 8049/PA JUIZADO
ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL DA COMARCA DE ITAITUBA Travessa Paes de Carvalho, s/n, Centro,
anexo ao Fórum de Justiça, CEP. 68.180-060, Tel: (093) 3518-9326 email: jeitaituba@tjpa.jus.br Processo:
0800722-69.2017.8.14.0024Autor: RECLAMANTE: JONILSON COSTA DE OLIVEIRARequerido:
RECLAMADO: CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S.A. - CELPA Despacho:Intime-se o executado,
através de seus patronos constituídos, se for o caso, para que, no prazo de 15 (quinze) dias, comprove
cumprimento integral do acordo firmado nos autos.Não comprovado o pagamento do acordo, fica desde já
intimado, para que, no mesmo prazo, efetue o pagamento do montante da condenação, atualizado com
juros e correção monetária, conforme demonstrativo de cálculo apresentado, sob pena de multa de 10%
(dez por cento) e penhora em bens suficientes para a satisfação do débito.Em caso de não pagamento,
retorne conclusos para penhoraonline.Itaituba/PA, 28 de novembro de 2019. Juiz(a) de Direito

Número do processo: 0802630-93.2019.8.14.0024 Participação: RECLAMANTE Nome: ALAN JOHNNES


LIRA FEITOSA Participação: RECLAMADO Nome: AZUL LINHAS AEREAS BRASILEIRAS S.A. ATO
ORDINATÓRIOAtravés do presente, fica devidamenteINTIMADO(S)a (s) parte (s)RECLAMANTE: ALAN
JOHNNES LIRA FEITOSA,por meio de seus patronoa comparecer a audiência do tipoUNA
(CONCILIAÇÃO, INSTRUÇÃO E JULGAMENTO), redesignada para o dia 20/02/2020 16:45. ITAITUBA,6
de dezembro de 2019. _______________________________________ GINA DOS REIS
2202
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

SANTOSServidor(a)(documento assinado digitalmente na forma da Lei nº 11.419/06)DE ORDEM DO(A)


MMº(ª). JUIZ(A) DE DIREITO OBS: Este processo tramita através do sistema computacional PJE, cujo
endereço para consulta na web é http://pje.i.tj.pa.gov.br:8080/pje/login.seam.
2203
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

SECRETARIA DO TERMO JUDICIÁRIO DE AVEIRO DA COMARCA DE ITAITUBA

RESENHA: 10/12/2019 A 10/12/2019 - SECRETARIA DA VARA UNICA DE AVEIRO DE ITAITUBA -


VARA: VARA UNICA DO TERMO DE AVEIRO DE ITAITUBA PROCESSO: 00006829420198141465
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FRANCISCO GILSON
DUARTE KUMAMOTO SEGUNDO Ação: Ação Penal - Procedimento Ordinário em: 10/12/2019
DENUNCIADO:ROBSON JARDEL DA SILVA FRANCO VITIMA:R. R. P. VITIMA:A. C. O. E.
Representante(s): MINISTERIO PUBLICO ESTADUAL (REP LEGAL) . Processo n. 0000682-
94.2019.8.14.1465 DECISÃO/MANDADO Trata-se de pedido de revogação de prisão preventiva em favor
de ROBSON JARDEL DA SILVA FRANCO, acusado pela prática do crime tipificado no art. 121, §2º, II Do
Código Penal (fls. 08/16). A prisão preventiva foi decreta em audiência de custódia nos autos da prisão em
flagrante, ao fundamento de que, em apertada síntese, presentes seus pressupostos para assegurar a
garantia da ordem pública, considerando as informações constantes nos autos. O Ministério Público
apresentou parecer pela manutenção da prisão preventiva, nos termos delineados à fl. 40. É O
RELATÓRIO. DECIDO. Da análise do pedido verifico que o pleito deve ser indeferido, tendo em vista que
os pressupostos da prisão preventiva, previstos no art. 312 do Código de Processo Penal, encontram-se
plenamente delineados, uma vez que demonstrada a existência do crime e indícios suficientes de autoria,
conforme corroboram os documentos constantes nos autos. Com efeito, a segregação do denunciado
mostra-se imperiosa não somente pela necessidade em se garantir a ordem pública, diante da gravidade
concreta do delito e as circunstâncias em que foi cometido, que demonstram a periculosidade do agente,
mas também da necessidade em se garantir a aplicação da lei penal. Ademais, percebe-se que o contexto
fático-jurídico ensejador da segregação provisória do réu encontra-se inalterado. Desse modo, acolhendo
a manifestação ministerial em sua totalidade e, somada aos fundamentos da presente decisão, INDEFIRO
o pedido de revogação de prisão preventiva, e MANTENHO a decisão que decretou a prisão preventiva
em todos os seus termos e fundamentos. Providenciem-se as intimações e expedientes necessários. Dê-
se ciência ao Ministério Público. Itaituba/Pa., 04 de dezembro de 2019. Francisco Gilson Duarte
Kumamoto Segundo Juiz de Direito

Número do processo: 0800364-83.2019.8.14.0073 Participação: REQUERENTE Nome: L. M. F. D. O.


Participação: ADVOGADO Nome: INGRIDE DAYANNE BARBOSA QUEIROZ SOUZA E SILVA OAB:
13724/RN Participação: REQUERIDO Nome: M. P. D. O. Participação: FISCAL DA LEI Nome: P. M.
P.PODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁCOMARCA DE
RURÓPOLISPROCESSO: 0800364-83.2019.8.14.0073AÇÃO: [Dissolução]REQUERENTE: Nome: LUCIA
MARIA FONSECA DE OLIVEIRAEndereço: CEL RODOLFO FERNANDES, 27, CENTRO, PORTALEGRE
- RN - CEP: 59810-000ADVOGADO: Advogado do(a) REQUERENTE: INGRIDE DAYANNE BARBOSA
QUEIROZ SOUZA E SILVA - RN13724REQUERIDO: Nome: MANOEL PEREIRA DE OLIVEIRAEndereço:
AVENIDA NOSSA SENHORA APARECIDA, 578, ARROZ, RURóPOLIS - PA - CEP: 68165-000DECISÃO
RH.Trata-se de Autos de ação de DIVORCIO LITIGIOSO COM PARTILHA DE BENS, configurando como
parte autora LUCIA MARIA FONSECA DE OLIVEIRA em face de MANOEL PEREIRA DE OLIVEIRA.É o
relatório. Decido.A autora visa o divórcio com partilha de bens, mas em sua inicial não menciona qual foi o
último domicilio do casal, considerando que informa que não tiveram filhos, e ponderando que o domicilio
do réu é de Aveiro, a competência para julgar a presente lide é do domicilio do réu.Nesse sentido anoto o
entendimento dos Tribunais:Art. 53. É competente o foro:I - para a ação de divórcio, separação, anulação
de casamento e reconhecimento ou dissolução de união estável:a) de domicílio do guardião de filho
incapaz;b) do último domicílio do casal, caso não haja filho incapaz;c) de domicílio do réu, se nenhuma
das partes residir no antigo domicílio do casal;Desta feita, com fundamento, no art. 53, I línea do CPC, é
competente para julgar a presente ação oTermo Judiciário de Aveiro/PA.Diante do exposto, reconheço a
incompetência deste Juízo e determino a remessa dos presentes autos para oTermo Judiciário de
Aveiro/PA, com as homenagens de estilo.Cumpra com as devidas baixas.Expedientes
necessários.Rurópolis/PA, 13-- de setembro de 2019. ODINANDRO GARCIA CUNHAJUIZ DE DIREITO
2204
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

COMARCA DE TAILÂNDIA

SECRETARIA DA 2ª VARA DE TAILÂNDIA

RESENHA: 02/12/2019 A 08/12/2019 - SECRETARIA DA 2ª VARA DE TAILANDIA - VARA: 2ª VARA DE


TAILANDIA PROCESSO: 00000337719998140074 PROCESSO ANTIGO: 199910000274
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Monitória em: 03/12/2019 REQUERENTE:BANCO DO BRASIL SA Representante(s): OAB 211.648 -
RAFAEL SGANZERLA DURAND (ADVOGADO) OAB 15201-A - NELSON WILIANS FRATONI
RODRIGUES (ADVOGADO) REQUERIDO:FERNANDO ANTONIO SOLIGO. Processo nº 0000033-
77.1999.8.14.0074 R.H. Tendo em vista declaração de fls. 219, defiro o pedido de fls. 218 e concedo o
prazo de 20 (vinte) dias para que a parte autora manifeste-se acerca do presente feito. Findo o prazo
supra, intime-se pessoalmente a parte autora para que realize as diligências necessárias, bem como,
manifeste seu interesse no prosseguimento do feito, no prazo de 05 (cinco) dias, sob pena de extinção do
processo sem resolução de mérito, nos termos do art. 485, III, §1º do Código de Processo Civil. Advirto,
ainda, à parte autora que a juntada de petição com intuito meramente protelatório, sem o cumprimento da
diligência determinada por este juízo, ensejará a extinção do processo. Cumpra-se. O presente servirá
como mandado. Tailândia, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito,
Titular da 2ª Vara de Tailândia/PA. PROCESSO: 00000737119998140074 PROCESSO ANTIGO:
199910000050 MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS
Ação: Monitória em: 03/12/2019 REU:JASPER & FERREIRA LTDA Representante(s): OAB 5526 - MARIO
AUGUSTO VIEIRA DE OLIVEIRA (ADVOGADO) REQUERENTE:BANCO DO BRASIL SA
Representante(s): OAB 15201-A - NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES (ADVOGADO) . Processo
nº: 0000073-71.1999.8.14.0074 Ante certidão de fls. 263 dos autos, assim como considerando que o réu
requereu a produção de prova pericial, intime-se o réu para que proceda o depósito dos honorários
periciais, no valor de R$ 6.540,00 (seis mil, quinhentos e quarenta reais) no prazo de 30 (trinta) dias, junto
ao BANPARÁ, em conta remunerada, à ordem do juízo, visando os fins previstos no art. 95 do CPC.
Observe-se que, este juízo, ao realizar consulta em subconta dos autos em epígrafe, na Conta Única do
Tribunal de Justiça, observou o valor de R$ 2.040,00 (dois mil e quarenta reais). Após, com os honorários
periciais já depositados nos autos, devidamente certificado, intime-se o perito para que inicie os trabalhos
devendo informar às partes acerca da realização do laudo pericial. Tailândia-Pa, 29 de novembro de 2019.
Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito, Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia-Pa PROCESSO:
00002849120158140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Inventário em: 03/12/2019 INVENTARIANTE:FABIANA
PEREIRA DA SILVA Representante(s): OAB 17370 - ANA MARIA MONTEIRO CAVALCANTE
(ADVOGADO) INVENTARIADO:DERIVAN SOUZA DO NASCIMENTO. Processo nº 0000284-
91.2015.8.14.0074 R.H, Considerando a certidão de fls. 29, determino a intimação do patrono da parte
autora para que indique o endereço atualizado da parte, no prazo de 15 (quinze) dias, sob pena de
extinção do processo, sem resolução do mérito. Tailândia-Pa, 27 de novembro de 2019. Aline Cristina
Breia Martins Juíza de Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia PROCESSO: 00003934520128140031
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Ação: Ação Civil Pública Cível em: 03/12/2019 AUTOR:MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO
DO PARA REQUERIDO:DOUGLAS BIANCARDI NASCIMENTO Representante(s): OAB 12998 - BRUNO
NATAN ABRAHAM BENCHIMOL (ADVOGADO) . Processo nº 0000393-45.2012.8.14.0074 R.H.
Considerando a certidão de fls. 148, encaminhe-se os autos ao Ministério Público. Tailândia-PA, 27 de
novembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito, titular da 2ª Vara da Comarca de
Tailândia PROCESSO: 00005253620138140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Comum Cível em: 03/12/2019 REQUERENTE:BANCO DO ESTADO DO PARA
Representante(s): OAB 11663 - WALCIMARA ALINE MOREIRA CARDOSO (ADVOGADO)
REQUERIDO:JAIRO DA CONCEIÇÃO MOTA. **** R.H. Renovem-se as diligências citatórias no endereço
declinado à fl. 104, em horário não comercial. Tailândia/PA, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA
BREIA MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia/PA PROCESSO:
00005892120048140074 PROCESSO ANTIGO: 200410001769
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
2205
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Procedimento Comum Cível em: 03/12/2019 REQUERIDO:DULCIMAR DA COSTA SUAVE


REQUERENTE:GERSON GOMES Representante(s): ALBERICO MESQUITA RIBEIRO (ADVOGADO)
REQUERIDO:FRANCISCO DA COSTA SUAVE Representante(s): GIOVANA CARLA A. NICOLETTI
(ADVOGADO) . Processo nº 0000589-21.2004.8.14.0074 R.H. Tendo em vista a certidão de trânsito em
julgado, vislumbrada nos autos, às fls. 258, os acórdãos de fls. 205/206 e 220, bem como decisão de fls.
257 e 257/v em que o Tribunal de Justiça manteve a sentença deste juízo a quo, in totum. Do mesmo
modo, considerando que o recurso interposto não fora recebido no efeito suspensivo, certifique a
secretaria judicial acerca do cumprimento da decisão de fls. 139/142. Após, conclusos. Tailândia, 02 de
dezembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ª Vara da Comarca de
Tailândia-PA PROCESSO: 00012453220158140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Monitória em: 03/12/2019 REQUERENTE:PLASMETAL INDUSTRIA E COMERCIO LTDA
Representante(s): OAB 15011 - CIBELE DE NAZARE MONTEIRO SARMENTO (ADVOGADO) OAB
16392 - ALFREDO DA SILVA LISBOA NETO (ADVOGADO) OAB 10491 - MARCELO DE OLIVEIRA
CASTRO RODRIGUES VIDINHA (ADVOGADO) REQUERIDO:J M O ARAUJO SERVICOS ME. Processo:
0001245-32.2015.8.14.0074 Recebido Hoje, Em análise dos autos, observo, que o autor juntou,
novamente, boleto de pagamento de custas, sem que se possa aferir visualmente a autenticação bancária
que comprove o pagamento das custas em questão (fls. 97). Assim, determino que o requerente cumpra,
integralmente, o despacho de fls. 94, no prazo de 15 (quinze) dias. Advirto ainda, veementemente, ao
autor que a juntada de petição com o intuito meramente protelatório, sem o cumprimento da diligência
determinada por esse juízo, ensejará a extinção do processo. Após, com ou sem manifestação,
devidamente certificado, conclusos. Tailândia, 28 de novembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza
de Direito, Titular da 2ª Vara de Tailândia. PROCESSO: 00012626320188140074 PROCESSO ANTIGO: --
-- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Comum Cível em: 03/12/2019 REQUERENTE:VALDENIR BATISTA MELO
Representante(s): OAB 20583 - HERBERT JUNIOR E SILVA (ADVOGADO) REQUERIDO:TV SBT
CANAL DE SAO PAULO SA Representante(s): OAB 15161 - NATASHA FRAZAO MONTORIL
(ADVOGADO) OAB 147.266 - MARCELO MIGLIORI (ADVOGADO) . Processo nº 0001262-
63.2018.8.14.0074 R.H. Ao compulsar os autos, em que pese certidão de fls. 145/v, a parte requerida fez-
se presente em audiência de instrução e julgamentos, conforme fls. 109 a 110/v. As partes apresentaram
alegações finais, conforme fls. 120/127. A causa está madura para decisão final. Conclusos para
sentença. Tailândia-Pa, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito,
Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia-PA. PROCESSO: 00016191420168140074 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS
Ação: Procedimento Sumário em: 03/12/2019 REQUERENTE:WALDOMIRO DANIEL DE FREITAS
Representante(s): OAB 17370 - ANA MARIA MONTEIRO CAVALCANTE (ADVOGADO)
REQUERIDO:CELPA CENTRAIS ELETRICAS DO PARA SA Representante(s): OAB 12358 - FLAVIO
AUGUSTO QUEIROZ MONTALVÃO DAS NEVES (ADVOGADO) . R.H, Determino a expedição de alvará
judicial, e transferência dos valores, em nome da patrona do requerente, conforme requerimento de
fls.196. Intime-se a parte ré para que promova voluntariamente o pagamento dos honorários advocatícios
da condenação, bem como os honorários advocatícios da reconvenção, no prazo de 15 (quinze) dias. Com
o comprovante de pagamento nos autos, fica desde já autorizada a expedição de alvará em nome da
causídica. Tailândia-PA, 29 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito
Titular da 2ª Vara de Tailândia PROCESSO: 00016671620118140074 PROCESSO ANTIGO:
201110010232 MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS
Ação: Inventário em: 03/12/2019 INVENTARIADO:ANTONIO SOARES DE AMORIM NETO
Representante(s): OAB 11581 - JOSE FERNANDES JUNIOR (ADVOGADO) OAB 11579 - ALBA VALERIA
PARREIRA DE FREITAS (ADVOGADO) INVENTARIADO:RITA DA SILVA AMORIM
INVENTARIANTE:NILSA DA SILVA AMORIM Representante(s): OAB 14542-A - CLESIO DANTAS
AZEVEDO (ADVOGADO) HERDEIRO:ALAILSON DA SILVA AMORIM Representante(s): OAB 11487 -
ADAILSON JOSE DE SANTANA (ADVOGADO) HERDEIRO:FRANCISCA DA SILVA AMORIM
Representante(s): OAB 14542-A - CLESIO DANTAS AZEVEDO (ADVOGADO) HERDEIRO:RAIMUNDO
EDSON DA SILVA AMORIM Representante(s): OAB 14542-A - CLESIO DANTAS AZEVEDO
(ADVOGADO) HERDEIRO:ODALEIA DA SILVA AMORIM Representante(s): OAB 11581 - JOSE
FERNANDES JUNIOR (ADVOGADO) OAB 11579 - ALBA VALERIA PARREIRA DE FREITAS
(ADVOGADO) HERDEIRO:SIMONE AMORIM DREWS Representante(s): OAB 11581 - JOSE
FERNANDES JUNIOR (ADVOGADO) OAB 11579 - ALBA VALERIA PARREIRA DE FREITAS
(ADVOGADO) . Processo nº 0001667-16.2011.8.14.0074 R.H. Defiro o pleito realizado às fls. 273/274. Por
2206
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

conseguinte, designo a data de 26 DE MARÇO DE 2020, ÀS 10:00 HORAS para realização de audiência
de conciliação. Intimem-se os seguintes herdeiros Antônio Carlos da Silva Amorim, Odaleia da Silva
Amorim, Simone Amorim Drews, Francisca da Silva Amorim, Nilcicleia Amorim da Silva, Klebio Amorim da
Silva e Nilcicleide Amorim da Silva, por meio de seus respectivos patronos, através do Diário de Justiça,
conforme pleiteado às fls. supra. Intimem-se os demais herdeiros, quais sejam, Alailson da Silva Amorim e
Raimundo Edson da Silva Amorim, pessoalmente para comparecimento na referida audiência.
Expedientes de praxe e diligências necessárias. SERVIRÁ A PRESENTE COMO MANDADO. Cumpra-se.
Tailândia-PA, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ª
Vara da Comarca de Tailândia-PA. PROCESSO: 00018061720198140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Guarda
em: 03/12/2019 REQUERENTE:M. L. C. Representante(s): OAB 24285 - DELMA TRINDADE SENA
(ADVOGADO) ENVOLVIDO:M. C. S. C. REQUERIDO:N. A. S. . **** R.H. Intime-se pessoalmente a parte
ré, para que promova o depósito/transferência dos valores referentes à pensão alimentícia de Maria
Cecília da Silva Cunha na Conta Corrente nº. 39589-7, Agência 1527-x, de titularidade do autor. A
requerida deverá se abster de comparecer ao local de trabalho do requerente e da companheira do
mesmo, com o intento de efetuar o pagamento dos referidos alimentos, sob pena de aplicação de multa
que arbitro no valor R$100,00 (cem reais), por ato de descumprimento. Intime-se a assistente social lotada
no Setor Social da Comarca de Tailândia para que se manifeste sobre a impugnação ao relatório de
estudo social apresentada às fls. 39/46, no prazo de 15 (quinze) dias. Após, encaminhem-se os autos ao
Ministério Público. Servirá a presente decisão como mandado. Tailândia/PA, 22 de novembro de 2019.
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia-PA.
PROCESSO: 00018080320078140074 PROCESSO ANTIGO: 200710014339
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Cumprimento de sentença em: 03/12/2019 REQUERENTE:WARLISON SILVA DA SILVA
Representante(s): CARLOS ALBERTO CAETANO (ADVOGADO) REP LEGAL:ADRIANA DE JESUS
SILVA Representante(s): CARLOS ALBERTO CAETANO (ADVOGADO) REQUERIDO:CIA SEGUROS
EXCELSIOR SA Representante(s): OAB 11307-A - ROBERTA MENEZES COELHO DE SOUZA
(ADVOGADO) OAB 114089 - FABIO JOAO SOITO (ADVOGADO) TERCEIRO:SEGURADORA LIDER
DOS CONSORCIOS DO SEGURO DPVAT SA. Processo: 0001808-03.2007.8.14.0074 R.H. Ante a
juntada de contrato de prestação de serviços, às fls. 197/198/, expeça-se Alvará Judicial em favor do
patrono do requerente, a título de honorários advocatícios, quais sejam, honorários contratuais e
sucumbenciais, nos dados bancários apresentados pela patrona. Quanto ao pleito referente a expedição
de alvará judicial pertinente a débitos funerários para com a parte autora, indefiro, visto tratar-se de
situação que não guarda qualquer relação com a prestação de serviços em questão, devendo o patrono
manejar a ação cabível para obtenção dos referidos valores. Cumpra-se o item I e II do despacho de fls.
170 Em seguida, ante o recolhimento de custas finais, determino o arquivamento do presente feito, com as
cautelas legais. Tailândia-PA, 27 de novembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito,
Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia-Pa. PROCESSO: 00018424820088140074 PROCESSO
ANTIGO: 200810014354 MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Ação: Procedimento Comum Cível em: 03/12/2019 REQUERENTE:CENTRAIS ELETRICAS DO
PARA S/A - CELPA Representante(s): OAB 6.100 - LUCIMARY GALVAO LEONARDO GARCES
(ADVOGADO) REQUERIDO:IMAFORT - IND. E COM. DE MAD. FORTALEZA LTDA. Processo: 0001842-
48.2008.8.14.0074 R.H. Ao compulsar os autos, vislumbra-se que não fora realizada a juntada de
elementos essenciais para o prosseguimento do feito, limitando-se a carrear apenas o boleto bancário e
comprovante de pagamento de boleto bancário de fls. 139/v e 140. Todavia, não fora juntado o relatório
das custas processuais. Cumpre destacar, que a Lei de nº. 8.328/15, a qual dispõe sobre o regimento de
custas e outras despesas processuais no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Pará estabelece em
seu art. 9º, §1º, que a comprovação do pagamento de custas e despesas processuais somente dará
mediante a juntada do boleto bancário correspondente e do relatório de conta do processo. Desta feita,
intime-se o requerido para que proceda a juntada do relatório de conta do processo supracitado, no prazo
de 15 (quinze) dias. Após, conclusos. Tailândia-PA, 28 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Juíza de Direito, Titular da 2ª Vara de Tailândia. PROCESSO: 00018694220198140074
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Ação: Procedimento Comum Cível em: 03/12/2019 REQUERENTE:FRANCISCO DE ASSIS
COSTA GOMES Representante(s): OAB 10284 - GIOVANA CARLA ALMEIDA NICOLETTI (ADVOGADO)
REQUERIDO:COMPANHIA SIDERURGICA NACINAL Representante(s): OAB 13.463 - JULIANA DE
ABREU TEIXEIRA (ADVOGADO) . Processo nº 0001869-42.2019.8.14.0074 Recebido Hoje, I- Intimem-se
as partes para que especifiquem as provas que pretendem produzir, indicando suas finalidades, no prazo
2207
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

comum de quinze dias. II- Após, com ou sem manifestação das partes, neste último caso devidamente
certificado, façam-se os autos conclusos. Tailândia, 22 de novembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins
Juiz de Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia. PROCESSO: 00021410720178140074 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS
Ação: Procedimento Sumário em: 03/12/2019 REQUERENTE:MADEIREIRA SEGREDO LTDA
Representante(s): OAB 6797 - RAIMUNDO CARLOS CAVALCANTE (ADVOGADO) REQUERIDO:ANAEL
ANTONIO MOREIRA REQUERIDO:BANCO REAL SA Representante(s): OAB 62192 - JOAO THOMAZ P
GONDIM (ADVOGADO) TERCEIRO:GONDIM ADVOGADOS ASSOCIADOS. **** R.H. Após compulsar
detidamente os autos, verifiquei que não fora efetivado qualquer bloqueio no bem objeto da demanda junto
ao Sistema Renajud. Ademais, cumpre ressaltar que o presente feito teve por objetivo a declaração de
inexistência do débito imputado à requerente pelo banco requerido e à exclusão do gravame sobre o
veículo apontado nos autos, não fazendo referência à nenhuma outra espécie de restrição que porventura
tenha sido imposta ao veículo em comento. Nesse sentido, intime-se a parte demandante para que, no
prazo de 15 (quinze) dias, demonstre que a restrição judicial indicada no petitório de fl. 103 possui relação
com a situação apreciada no bojo da presente demanda. Exaurido o prazo retro sem o cumprimento da
determinação, arquivem-se os autos com as cautelas legais. Tailândia/PA, 28 de novembro de 2019.
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia/PA PROCESSO:
00025363820138140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Procedimento Comum Cível em: 03/12/2019
REQUERENTE:BANCO DO BRASIL SOCIEDADE ANONIMA Representante(s): OAB 21078-A - JOSE
ARNALDO JANSSEN NOGUEIRA (ADVOGADO) OAB 44698 - SERVIO TULIO DE BARCELOS
(ADVOGADO) REQUERIDO:R PEREIRA DA SILVA E CIA LTDA Representante(s): OAB 1770 - ROMERO
MAGALHAES OLIVEIRA (ADVOGADO) REQUERIDO:ROGERIO PEREIRA DA SILVA
REQUERIDO:JOILMA TEODORA DE ARAÚJO SILVA. Processo nº 0002536-38.2013.8.14.0074 R.H.
Certifique, a Secretaria judicial, quanto a tempestividade da Contestação apresentada por intermédio da
Carta Precatória de fls. 129. Após, conclusos. Tailândia, 27 de novembro de 2019. Aline Cristina Breia
Martins Juíza de Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia-Pa. PROCESSO: 00026099720198140074
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Ação: Execução de Alimentos Infância e Juventude em: 03/12/2019 EXEQUENTE:A. S. D.
REPRESENTANTE:MARIA EDILENE VIEIRA DA SILVA EXEQUENTE:A. S. D. EXECUTADO:A. B. P. D. .
R.H. Anote-se o segredo de Justiça. Defiro os benefícios da gratuidade da justiça. Cite-se a parte
executada para, no prazo de 03 (três) dias, pagar o correspondente às 03 (três) parcelas do débito
alimentar anteriores a propositura da ação, assim como as que vencerem no curso do processo, provar
que já o fez ou justificar a impossibilidade de fazê-lo, sob pena de ter decretada a sua prisão civil pelo
prazo de 1 (um) a 3 (três) meses, independente de nova ordem judicial, ser levado a protesto o
pronunciamento judicial (art. 528, §3º, do CPC/2015), bem como ter incluído seu nome no cadastro de
inadimplentes (art. 782, §3º, CPC/2015). Na hipótese de exaurimento do prazo acima fixado, sem
pagamento das parcelas mencionadas ou sem apresentação de justificativa pelo executado, passo a
analisar, desde já, o pedido de prisão civil. Depreende-se da análise do caso em comento que o executado
não vem cumprindo com as suas obrigações paternas, agindo, dessa maneira, irresponsavelmente com
relação à parte exequente. Reza o artigo 227 da Constituição Federal que é dever da família, da
sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, dentre outros
direitos, o direito à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura e à
dignidade. Logo, quando o executado não cumpre com a sua obrigação alimentar está indo frontalmente
contra a disposição constitucional, eis que está negando o exercício de tais direitos à parte exequente. A
prisão do devedor por inadimplemento de obrigação alimentar está prevista em nosso ordenamento
jurídico, compreendendo esta a única hipótese de prisão civil autorizada pelo Pacto de São José da Costa
Rica, do qual o Brasil é signatário, senão vejamos: Artigo 7º - Direito à liberdade pessoal (...) Ninguém
deve ser detido por dívidas. Este princípio não limita os mandatos de autoridade judiciária competente
expedidos em virtude de inadimplemento de obrigação alimentar. Dispõe o § 3º, do artigo 528 do Código
de Processo Civil que se o devedor não pagar, nem se escusar, o juiz decretar-lhe-á a prisão pelo prazo
de 01 (um) a 03 (três) meses. Diante do exposto, não resta alternativa a este magistrado se não a
decretação da prisão do executado, visto que resta sobejamente comprovado nos autos a sua inércia no
cumprimento de sua obrigação. Quanto ao valor do débito, entendo que são devidas as três prestações
anteriores ao ajuizamento da ação e mais as que se venceram no curso da demanda. Isso posto, decreto
a prisão do executado, pelo período de 03 (três) meses, a qual deverá ser cumprida em seção especial da
Cadeia Pública ou outro estabelecimento compatível, conforme estabelece o art.201, do LEP, o qual
deverá ser posto em liberdade se adimplir o débito alimentar. Em caso de apresentação de justificativa
2208
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

pelo executado, colha-se a manifestação do Ministério Público. Expeça-se carta precatória à Comarca de
Governador Nunes Freire/MA, devendo ser enviado primeiramente o mandado de citação do executado.
Devolvida a deprecata com a diligência citatória cumprida e sem apresentação de justificativa pelo
executado ou sem adimplemento do débito, expeça-se mandado de prisão civil a ser encaminhado, via
carta precatória, à Comarca de Governador Nunes Freire/MA. Cumpra-se. Tailândia (PA), 29 de outubro
de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito PROCESSO: 00026410520198140074
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Ação: Alimentos - Lei Especial Nº 5.478/68 em: 03/12/2019 REQUERENTE:A. R. F. P.
REPRESENTANTE:L. I. F. REQUERENTE:L. H. F. P. REQUERIDO:R. S. P. . Vistos etc. ANA RITA
FURTADO PEREIRA e LUIS HENRIQUE FURTADO PEREIRA, representados por LINDALVA IPINOZA
FURTADO ingressou com a presente AÇ"O DE ALIMENTOS em face de RAIMUNDO DA SILVA
PEREIRA, todos qualificados nos autos do processo. No decorrer da lide, a parte demandante requereu
desistência da ação. É o breve relatório. Decido. Como cediço, a desistência da ação é apontada pelo
Código de Processo Civil, em seu art. 485, inciso VIII, como uma das causas de extinção do processo sem
resolução do mérito, já que a abdicação do direito de ação se dá quando o autor abre mão do processo e
não do direito material que eventualmente possa ter perante o demandado. Destarte, sendo faculdade
processual, deve o processo ser extinto sem resolução do mérito, consoante artigo acima referido,
malgrado a demanda possa ser novamente proposta em Juízo, vez que não se encontra presente o óbice
do § 4º, do referido artigo. Ex positis, extingo o presente processo sem julgamento de mérito, nos termos
do art. 200 c/c o art. 485, VIII, ambos do Código de Processo Civil. Sem custas. Publique-se, registre-se e
intimem-se. Com o trânsito em julgado, arquivem-se os autos com as cautelas legais. Tailândia-PA, 29 de
novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia
Página de 2 Fórum de: TAILÂNDIA Email: 2tailandia@tjpa.jus.br Endereço: Av. Belém nº 08 CEP: 68.695-
000 Bairro: CENTRO Fone: (91)3752-1311 PROCESSO: 00027003720128140074 PROCESSO ANTIGO:
---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Sumário em: 03/12/2019 REQUERENTE:JANILTON DE ALMEIDA COSTA
Representante(s): OAB 14542-A - CLESIO DANTAS AZEVEDO (ADVOGADO) REQUERIDO:LOJAS
OTOCH Representante(s): OAB 6479 - JOSE ARTUR DE OLIVEIRA MOREIRA (ADVOGADO) OAB
13371-A - RAUL AMARAL JUNIOR (ADVOGADO) REQUERIDO:BANCO BRADESCARD SA
Representante(s): OAB 15733-A - JOSE EDGARD DA CUNHA BUENO FILHO (ADVOGADO) OAB
19177-A - REINALDO LUIS TADEU RONDINA MANDALITI (ADVOGADO) . **** R.H. Defiro o pedido de fl.
172, com a advertência de que o não cumprimento da determinação judicial de fl. 170, ensejará a adoção
das medidas criminais cabíveis quanto à configuração do crime de desobediência. Após, certifique-se
conclusos. Tailândia/PA, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito
Titular da 2ª Vara de Tailândia/PA PROCESSO: 00030351720168140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Execução de Título Extrajudicial em: 03/12/2019 EXEQUENTE:GIOVANA CARLA ALMEIDA NICOLETTI
Representante(s): OAB 10284 - GIOVANA CARLA ALMEIDA NICOLETTI (ADVOGADO)
EXECUTADO:ALVES LEITE COMERCIO E SERVICOS LTDA EPP EXECUTADO:MARIA VANIA ALVES
LEITE. **** R.H. Indefiro o pedido de citação editalícia da executada Karina Dulce Alves Leite, uma vez
que a citação ficta é medida incompatível com o rito dos Juizados Especiais, conforme previsão expressa
do §2º, art. 18, da Lei nº. 9.099/95. Intime-se a parte exequente para que adote as providências que
entender cabíveis ao caso, no prazo de 15 (quinze) dias. Exaurido o prazo retro sem manifestação, intime-
se pessoalmente a parte exequente para que informe se possui interesse no prosseguimento do presente
processo, devendo cumprir o que foi determinado por este juízo, no prazo de 05 (cinco) dias, nos termos
do §1º do art. 485 do CPC, sob pena de extinção do processo sem análise do mérito. Tailândia/PA, 27 de
novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ª Vara da Comarca de
Tailândia/PA PROCESSO: 00030427720148140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Sumário em: 03/12/2019 REQUERENTE:WALLESON FERREIRA ROCHA
Representante(s): OAB 14558-A - CARLOS ALBERTO CAETANO (ADVOGADO) REQUERIDO:LIDER
SEGURADORA S A Representante(s): OAB 8770 - BRUNO MENEZES COELHO DE SOUZA
(ADVOGADO) OAB 13620 - NAOKI DE QUEIROZ SAKAGUCHI (ADVOGADO) REQUERIDO:BRADESCO
AUTORE CIA DE SEGUROS Representante(s): OAB 8770 - BRUNO MENEZES COELHO DE SOUZA
(ADVOGADO) OAB 13620 - NAOKI DE QUEIROZ SAKAGUCHI (ADVOGADO) . PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ 2ª Vara da Comarca de Tailândia Processo nº 0003042-
77.2014.8.14.0301 R.H. Tendo em vista a certidão de fls. 226, intime-se a parte autora para que informe a
este juízo se foi submetida à perícia médica, assim como apresente manifestação, acerca do interesse no
2209
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

prosseguimento no feito. Intime-se o autor, para que realize as diligências que entender cabíveis, no prazo
de 10 (dez) dias. Por conseguinte, caso não haja manifestação da requerente, intime-se pessoalmente a
parte autora para que realize as diligências necessárias, bem como, manifeste seu interesse no
prosseguimento do feito, no prazo de 05 (cinco) dias, sob pena de extinção do processo sem resolução de
mérito, nos termos do art. 485, III, §1º do Código de Processo Civil. Advirto, ainda, à parte autora que a
juntada de petição com intuito meramente protelatório, sem o cumprimento da diligência determinada por
este juízo, ensejará a extinção do processo. Cumpra-se. O presente servirá como mandado. Tailândia-Pa,
22 de novembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito, Titular da 2ª Vara da Comarca de
Tailândia-Pa Fórum Desembargador Sadi Montenegro Duarte - Av. Belém, n.º 08, Bairro Centro - CEP:
68.695-000 - Fone/fax: (91) 3752-1311 PROCESSO: 00035522720138140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Sumário em: 03/12/2019 REQUERENTE:MARCOS ANTONIO FERNANDES DA SILVA
Representante(s): OAB 13116 - MARINA GOMES NORONHA (DEFENSOR) REQUERIDO:EDERILTON
BISPO DE SOUSA. Processo nº 0003552-27.2013.8.14.0074 R.H. Tendo em vista a certidão de fls. 29,
bem como, em cumprimento ao que dispõe a Lei n. 5.738/93, §§1º ao 5º do art. 17, retornem os autos à
secretaria para emissão de certidão para fins de inscrição na dívida ativa, a qual deverá conter o valor das
custas, devendo esta ser encaminhada através de ofício à Secretaria de Planejamento/Coordenadoria
Geral de Arrecadação do TJPA, contendo a qualificação completa da parte condenada e os dados do
processo, nos termos do Ofício Circular n.010/2016-GP. Em seguida, ante a impossibilidade de a
Defensoria Pública designar Defensor Público para atuar no presente feito, assim como a impossibilidade
da parte autora em constituir advogado particular, suspendo o presente processo até a designação de
Defensor Público para esta Comarca. Cumpra-se. Tailândia, 27 de novembro de 2019. Aline Cristina Breia
Martins Juíza de Direito, titular da 2ª Vara de Tailândia PROCESSO: 00037245620198140074
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Ação: Procedimento Comum Cível em: 03/12/2019 REQUERENTE:MARINALVA PEREIRA DE
OLIVEIRA Representante(s): OAB 17075 - RAFAEL FERREIRA DE VASCONCELOS (ADVOGADO)
REQUERIDO:BANCO BADESCO SA. **** R.H. Intime-se pessoalmente a parte ré, para que, no prazo de
24 (vinte e quatro) horas, cumpra a determinação exarada na decisão de fl. 22, deixando de realizar os
descontos junto ao benefício de nº. 1049442439, no que tange ao contrato de empréstimo de nº.
809055620, sob pena de multa diária de R$1.000,00 (hum mil reais). Ademais, considerando que a
instrução processual se encontra finda, o pedido de levantamento do valor da multa será analisado por
ocasião da prolação da sentença. Após, conclusos para sentença. Servirá a presente decisão como
mandado. Tailândia/PA, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito
Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia-PA. PROCESSO: 00038158320188140074 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS
Ação: Reintegração / Manutenção de Posse em: 03/12/2019 REQUERENTE:VALLE
EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS LTDA Representante(s): OAB 10652-A - ROSEVAL RODRIGUES
DA CUNHA FILHO (ADVOGADO) REQUERIDO:MANOEL FAUSTINO ALMEIDA. PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ 2ª Vara da Comarca de Tailândia Processo nº 0003815-
83.2018.8.14.0074 R.H. Intime-se a parte autora para que manifeste-se, no prazo de 10 (dez) dias, sobre o
prosseguimento do feito, bem como a realização de diligências cabíveis, uma vez que o endereço
apresentado às fls. 125/126 para diligência do oficial de justiça, já fora apontado na inicial, inclusive com
diligência infrutífera, conforme certidão de fls. 123/v. Caso não haja manifestação do autor, intime-se este,
pessoalmente, no prazo de 05 (cinco) dias, sob pena de extinção do presente processo sem resolução do
mérito, nos termos do art. 485, III, §1º, do Código de Processo Civil. O presente servirá como mandado.
Tailândia-Pa, 27 de novembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito, Titular da 2ª Vara da
Comarca de Tailândia-Pa Fórum Desembargador Sadi Montenegro Duarte - Av. Belém, n.º 08, Bairro
Centro - CEP: 68.695-000 - Fone/fax: (91) 3752-1311 PROCESSO: 00040207820198140074 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS
Ação: Curatela em: 03/12/2019 INTERDITANDO:ROSALINA GOMES DE SOUZA Representante(s): OAB
23266 - ANDREW WILLIAN DE MORAIS SILVA (ADVOGADO) INTERDITO:M. V. G. S. . Processo nº
0004020-78.2019.8.14.0074 R.H. Intime-se a parte autora para que complemente a petição inicial,
apresentando elementos probatórios do alegado às fls. 17, no prazo de 15 (quinze) dias. Da mesma forma,
importante destacar, no caso concreto, que se faz necessário manejar ação de guarda para o pleito de
interdição, visto que a genitora do infante é a legitimada para ingressar com o presente feito. Ressalte-se
que, não atendido o referido despacho no prazo em questão, ocorrerá o indeferimento da petição inicial,
nos termos do art. 321, parágrafo único do CPC. Após, devidamente certificado, conclusos. Tailândia, 27
de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito, Titular da 2ª Vara de
2210
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Tailândia/PA. PROCESSO: 00042511820138140074 PROCESSO ANTIGO: ----


MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Comum Cível em: 03/12/2019 REQUERENTE:COOPERFORTE- COOPERATIVA DE
ECONOMIA E CREDITO MUTUO Representante(s): OAB 16780 - LUIS CARLOS MONTEIRO
LAURENCO (ADVOGADO) OAB 1141-A - CELSO DAVID ANTUNES (ADVOGADO) OAB 10011 - SADI
BONATTO (ADVOGADO) REQUERIDO:AFONSO HENRIQUES DE PAIVA PARAENSE. Processo nº
0004251-18.2013.8.14.0074 Vistos os autos. Ante certidão de fls. 110, intime-se a parte autora para que
proceda o recolhimento das custas para expedição de carta citatória, no prazo de 15 (quinze) dias. Nesse
sentido, ultrapassado o prazo supra, sem que haja qualquer manifestação nos autos, intime-se
pessoalmente a parte autora para que se manifeste sobre seu interesse no prosseguimento do feito,
devendo cumprir o que foi determinado por este juízo, no prazo de 05 (cinco) dias, nos termos do §1º do
art. 485 do CPC, sob pena de extinção do processo sem análise do mérito. Tailândia-Pa, 27 de novembro
de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito, Titular da 2ª Vara de Tailândia/PA.
PROCESSO: 00042907320178140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Busca e
Apreensão em Alienação Fiduciária em: 03/12/2019 REQUERENTE:BANCO GMAC S A Representante(s):
OAB 10422 - HIRAN LEAO DUARTE (ADVOGADO) OAB 10423 - ELIETE SANTANA MATOS
(ADVOGADO) REQUERIDO:DARLENE RANGEL DE AGUIAR BARBOSA. PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ 2ª Vara da Comarca de Tailândia Processo nº 0004290-
73.2017.8.14.0074 R.H. Considerando o recolhimento das custas devidas (fls. 34/v a 35/v), cumpra-se o
item II, do despacho de fls. 30. Tailândia-Pa, 27 de novembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza
de Direito, Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia-Pa Fórum Desembargador Sadi Montenegro Duarte
- Av. Belém, n.º 08, Bairro Centro - CEP: 68.695-000 - Fone/fax: (91) 3752-1311 PROCESSO:
00048541820188140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Requerimento de Reintegração de Posse em: 03/12/2019
REQUERENTE:VALLE EMPREEDIMENTOS IMOBILIARIOS LTDA Representante(s): OAB 10652-A -
ROSEVAL RODRIGUES DA CUNHA FILHO (ADVOGADO) REQUERIDO:LUCINETE SILVA E SILVA.
Processo nº 0004854-18.2018.8.14.0074 R.H. Mantenho a sentença de fls. 99, in totum, pelos
fundamentos já apresentados na decisão de fls. 105. Destarte, intime-se a parte autora para que proceda
o recolhimento das custas finais, no prazo de 15 (quinze) dias. Recolhidas as custas, arquive-se os autos.
Em não sendo recolhidas, devidamente certificado e, em cumprimento ao que dispõe a Lei n. 5.738/93,
§§1º ao 5º do art. 17, emita, a Secretaria Judicial, certidão para fins de inscrição na dívida ativa, a qual
deverá conter o valor das custas, devendo esta ser encaminhada através de ofício à Secretaria de
Planejamento/Coordenadoria Geral de Arrecadação do TJPA, contendo a qualificação completa da parte
condenada e os dados do processo, nos termos do Ofício Circular n.010/2016-GP. Cumpra-se Tailândia,
28 de novembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia-Pa.
PROCESSO: 00053537520138140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Usucapião em: 03/12/2019 REQUERENTE:ANTONIA ELIETE SILVA DE SOUZA Representante(s): OAB
11487 - ADAILSON JOSE DE SANTANA (ADVOGADO) OAB 20583 - HERBERT JUNIOR E SILVA
(ADVOGADO) REQUERIDO:ESPOLIO DE ANTONIO CLAUDIO DE SOUZA VIEIRA Representante(s):
OAB 10284 - GIOVANA CARLA ALMEIDA NICOLETTI (ADVOGADO) . Processo: 0005353-
75.2013.8.14.0074 R.H. Tendo em vista a certidão de fls. 193, reitere-se ofício de fls. 179, com a
determinação de cumprimento, no prazo de 15 (quinze) dias, inclusive com a advertência de que o não
cumprimento, da presente determinação judicial, ensejará a adoção das medidas criminais cabíveis quanto
à configuração do crime de desobediência. Cumpra-se. Tailândia-PA, 02 de dezembro de 2019 ALINE
CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito, titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia PROCESSO:
00053582420188140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Procedimento Comum Cível em: 03/12/2019
REQUERENTE:VINICIUS CARAFINI Representante(s): OAB 13620 - NAOKI DE QUEIROZ SAKAGUCHI
(ADVOGADO) REQUERIDO:R DOS SANTOS ALVES E CIA LTDA. **** R.H. Defiro o pleito de fls. 43/50.
Expeça-se mandado de penhora e avaliação dos bens declinados à fl. 110, objeto da demanda, no
endereço declinado à fl. 43 dos autos. Tailândia/PA, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia. PROCESSO: 00063816820198140074
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Ação: Averiguação de Paternidade em: 03/12/2019 REQUERENTE:A. G. S. S.
Representante(s): OAB 23266 - ANDREW WILLIAN DE MORAIS SILVA (ADVOGADO) ROSILENE
BEZERRA DA SILVA (REPRESENTANTE/NOTICIANTE) ENVOLVIDO:C. A. C. . Recebido Hoje, I-
2211
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Designo o dia 19 DE MARÇO DE 2020 ÀS 09:00 h para realização de coleta de material genético para
exame de DNA. II- Intimem-se pessoalmente as partes, por meio de mandado ou carta precatória, o que
for o caso, devendo constar advertência ao requerido que a recusa da realização do exame de DNA
poderá vir a gerar a presunção de paternidade. III- Oficie-se ao AME, solicitando-se a designação de um
profissional para realização de coleta do material genético. IV- A presente decisão servira como mandado.
V- Cumpra-se. Tailândia, 27 de novembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito Titular da
2ª Vara de Tailândia. PROCESSO: 00065895720168140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Busca e
Apreensão em Alienação Fiduciária em: 03/12/2019 REQUERENTE:PORTOBENS ADMINISTRADORA
DE CONSORCIOS LTDA Representante(s): OAB 24037-A - LEANDRO GARCIA (ADVOGADO) OAB
236655 - JEFERSON ALEX SALVIATO (ADVOGADO) REQUERIDO:GUAJARA COMERCIO DE
MADEIRAS E MATERIAIS PARA CONSTRUCAO LTDA ME. Processo nº 0006589-57.2016.8.14.0074
R.H. Intime-se a requerida, para que apresente nos autos cópia legível do acordo realizado com a autora,
no prazo de 15 (quinze) dias, com o fito de homologação do referido acordo. Com ou sem manifestação,
devidamente certificado os autos, voltem conclusos. Tailândia-PA, 27 de novembro de 2019. ALINE
CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia-Pa. PROCESSO:
00068830720198140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Alimentos - Lei Especial Nº 5.478/68 em: 03/12/2019
REQUERENTE:D. V. S. REPRESENTANTE:C. C. S. REQUERENTE:D. S. E. S. REQUERIDO:M. S. E. S.
AUTOR:MINISTERIO PUBLICO ESTADUAL TAILANDIA. Vistos etc. DAILA VITORIA SILVA e DANILO
SILVA E SILVA, representados por CLEONICE DA CONCEIÇÃO SILVA ingressou com a presente AÇ"O
DE ALIMENTOS em face de MIZAEL SILVA E SILVA, todos qualificados nos autos do processo. No
decorrer da lide, a parte demandante requereu desistência da ação. É o breve relatório. Decido. Como
cediço, a desistência da ação é apontada pelo Código de Processo Civil, em seu art. 485, inciso VIII, como
uma das causas de extinção do processo sem resolução do mérito, já que a abdicação do direito de ação
se dá quando o autor abre mão do processo e não do direito material que eventualmente possa ter perante
o demandado. Destarte, sendo faculdade processual, deve o processo ser extinto sem resolução do
mérito, consoante artigo acima referido, malgrado a demanda possa ser novamente proposta em Juízo,
vez que não se encontra presente o óbice do § 4º, do referido artigo. Ex positis, extingo o presente
processo sem julgamento de mérito, nos termos do art. 200 c/c o art. 485, VIII, ambos do Código de
Processo Civil. Sem custas. Publique-se, registre-se e intimem-se. Com o trânsito em julgado, arquivem-se
os autos com as cautelas legais. Tailândia-PA, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia Página de 2 Fórum de: TAILÂNDIA Email:
2tailandia@tjpa.jus.br Endereço: Av. Belém nº 08 CEP: 68.695-000 Bairro: CENTRO Fone: (91)3752-1311
PROCESSO: 00072368120188140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Comum Cível em: 03/12/2019 AUTOR:MARIZETE PEREIRA SILVAME Representante(s):
OAB 26352 - THAIS DANTAS ALVES (ADVOGADO) REU:CELPA CENTRAIS ELETRICAS DO PARA SA
Representante(s): OAB 4670 - LUIS OTAVIO LOBO PAIVA RODRIGUES (ADVOGADO) OAB 14665 -
PEDRO THAUMATURGO SORIANO DE MELLO FILHO (ADVOGADO) OAB 12436 - ANDREZA NAZARE
CORREA RIBEIRO (ADVOGADO) OAB 10653-B - WEILLIA FREIRE DE ABREU (ADVOGADO) . **** R.H.
Após compulsar os autos, verifiquei que o presente processo foi devidamente convertido do suporte físico
para o eletrônico, migrado e registrado no Sistema de Processo Judicial Eletrônico (PJE), conforme
certidão de encerramento de trâmite físico de processo, colacionada à fl. 169. Ademais, observei que o
feito se encontra em grau de recurso, tendo sido remetido à Turma Recursal em 31/05/2019, conforme
demonstrado à fl. 167. Nesse sentido, determino o arquivamento dos presentes autos físicos, devendo os
requerimentos das partes serem direcionados ao juízo competente. Tailândia/PA, 27 de novembro de
2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito PROCESSO: 00074767020188140074
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Ação: Procedimento Comum Cível em: 03/12/2019 REQUERENTE:ANTONIO MARTINS E
SILVA Representante(s): OAB 26352 - THAIS DANTAS ALVES (ADVOGADO) REQUERIDO:CENTRAIS
ELETRICA DO PARA CELPA Representante(s): OAB 4670 - LUIS OTAVIO LOBO PAIVA RODRIGUES
(ADVOGADO) OAB 14665 - PEDRO THAUMATURGO SORIANO DE MELLO FILHO (ADVOGADO) OAB
12436 - ANDREZA NAZARE CORREA RIBEIRO (ADVOGADO) OAB 16818 - LEONARDO MARTINS
MAIA (ADVOGADO) . **** R.H. Após compulsar os autos, verifiquei que o presente processo foi
devidamente convertido do suporte físico para o eletrônico, migrado e registrado no Sistema de Processo
Judicial Eletrônico (PJE), conforme certidão de encerramento de trâmite físico de processo, colacionada à
fl. 188. Ademais, observei que o feito se encontra em grau de recurso, tendo sido remetido à Turma
2212
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Recursal em 31/05/2019, conforme demonstrado à fl. 186. Nesse sentido, determino o arquivamento dos
presentes autos físicos, devendo os requerimentos das partes serem direcionados ao juízo competente.
Tailândia/PA, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito PROCESSO:
00075722220178140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Cumprimento de sentença em: 03/12/2019
REQUERENTE:BANCO RODOBENS S/A Representante(s): OAB 236655 - JEFERSON ALEX SALVIATO
(ADVOGADO) REQUERIDO:JOSINALDO SOARES DE SOUSA. Processo: 0007572-22.2017.8.14.0074
Recebido Hoje, Em análise dos autos, observo, que o autor recolheu, novamente, custas de diligências do
oficial de justiça (fls. 107), todavia, não é possível realizar a diligência pleiteada, sem o pagamento das
custas de expedição do mandado de intimação. Ademais, este juízo esclarece a questão de maneira
pormenorizada às fls. 99. Assim, determino que o requerente cumpra, integralmente, o despacho de fls.
99, no prazo de 15 (quinze) dias. Advirto ainda, veementemente, ao autor que a juntada de petição com o
intuito meramente protelatório, sem o cumprimento da diligência determinada por esse juízo, ensejará a
extinção do processo. Após, com ou sem manifestação, devidamente certificado, conclusos. Tailândia, 29
de novembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito, Titular da 2ª Vara de Tailândia.
PROCESSO: 00076227720198140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Comum Cível em: 03/12/2019 REQUERENTE:JOAO PAULO VIANA DA SILVA
Representante(s): OAB 24430 - ROFRAN PEIXOTO COSTA (ADVOGADO) REQUERIDO:BANCO
SANTANDER BRASIL SA. Processo nº 0007622-77.2019.8.14.0074 Vistos os autos. Defiro a gratuidade
processual. Trata-se de Ação Declaratória de Inexistência de Débito c/c indenização por danos morais
com pedido de tutela de urgência promovida por JOÃO PAULO VIANA DA SILVA em face de
SANTANDER FINANCIAMENTOS - EMPRESA DO CONGLOMERADO DO BANCO SANTANDER
BRASIL S/A, ambos qualificados nos autos do processo em referência. Em síntese, alega a autora que no
dia 12/03/2019, ao tentar abrir um crediário em loja de departamento, neste Município, foi impedido de
realizá-lo, vez que seu nome se encontrava negativado, junto ao órgão de proteção ao crédito SPC,
decorrente de um suposto débito com o banco requerido. Narra também que, jamais formalizou qualquer
contrato com a requerida que pudesse originar tal débito. Destaca que entrou em contato com o banco
réu, através do teleatendimento para solicitar explicações acerca do referido débito. Informa que
surpreendeu-se ao ser informada, pelo requerido, que a negativação decorrera de débitos oriundo do
cartão de crédito do banco Santander, no valor de R$ 11.120,00 (onze mil, cento e vinte reais). Aduz que,
além de ter seu nome negativado, decorrente de um débito de cartão de crédito que não solicitou, contraiu
ou utilizou, pelo banco requerido, alega que não recebera nenhuma comunicação formal sobre a inclusão
de seu nome no SPC ou acerca da existência do suposto débito. Pontua que, a inscrição do nome da
parte autora no cadastro de inadimplentes, inclusive sem prévia comunicação, lhe causou prejuízos nas
suas relações negociais. Relata o autor que passou por situação vexatória e constrangedora, sendo
ridicularizado diante de um amigo que o acompanhava e do próprio atendente, em sua agência bancária.
Por fim, postula, em sede de tutela provisória de urgência, a exclusão de seu nome dos órgãos de
proteção ao crédito, quais sejam, SPC e SERASA. No mérito, pleiteia a declaração de inexistência do
débito, assim como indenização por dano morais. Acostou à inicial os documentos de fls. 08/17 e 22/27. É
o breve relatório. Passo a análise do pedido de tutela antecipada. A tutela antecipada tem como escopo
antecipar total ou parcialmente os efeitos do provimento jurisdicional. O que se pretende com a tutela
antecipada é entregar ao autor a própria pretensão deduzida em juízo ou seus efeitos. Para o deferimento
da antecipação dos efeitos da tutela, segundo orientação do art. 300, do Código de Processo Civil, o
magistrado deverá perquirir acerca da existência de seus requisitos autorizadores, quais sejam: a
existência de elementos que evidenciem a probabilidade do direito, o perigo de dano ou o risco ao
resultado útil do processo, bem como a reversibilidade dos efeitos do provimento, devendo-se observar
que tais requisitos são concorrentes. Nesse sentido, compulsando os autos, observo que o requerente,
mediante o extrato de consulta do SPC (fls. 10) trouxe elementos suficientes a possibilitar a constatação,
em sede de cognição sumária, da probabilidade de seu direito. Ademais, verifico que a medida não tem
caráter irreversível, em que pese esta circunstância não representar óbice intransponível, já que muitas
vezes o prejuízo irreparável afirmado por quem pleiteia a tutela de urgência, o que no caso em tela é
consumidor hipossuficiente, opõe-se a impossibilidade de a situação retornar ao "status quo" em caso de
improcedência da demanda. Isso posto, DEFIRO A ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA, e
determino que a requerida, Banco Santander Brasil S/A, proceda a exclusão do nome do requerente, no
prazo de 02 (dois) dias, de qualquer cadastro restritivo de crédito (SPC, SERASA etc.), em razão do débito
objeto do presente feito. Destaco que, a adoção de multa se faz necessária em vista da possível
recalcitrância, pois tem como escopo obrigar o requerido e terceiros a dar eficácia à decisão. Assim, para
2213
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

o caso de descumprimento da presente decisão, fixo multa de R$ 200,00 (duzentos reais) por desconto
indevido até o limite de R$ 20.000 (vinte mil reais). Por se tratar de relação de consumo, inverto o ônus da
prova, para que a Requerida demonstre que a parte autora é devedora do débito impugnado, tudo nos
termos do artigo 6º, VIII do CDC. Cite-se a parte requerida, com antecedência de pelo menos 20 (vinte)
dias, para que compareça à AUDIÊNCIA DE CONCILIAÇÃO, QUE DESIGNO PARA O DIA 26 DE
MARÇO DE 2020, ÀS 12:00 HORAS. Intimem-se a parte autora. O não comparecimento injustificado das
partes a referido ato processual é considerado ato atentatório à dignidade da justiça, sujeito à penalidade
de multa, nos termos do art. 334, § 8º, do Código de Processo Civil. SERVIRÁ O PRESENTE COMO
MANDADO. Cumpra-se. Tailândia-PA, 29 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS
Juíza de Direito Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia. AV. BELÉM N.º 08 - BAIRRO SANTA MARIA
- TAILÂNDIA - PARÁ PROCESSO: 00077275420198140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Comum Cível em: 03/12/2019 REQUERENTE:EDIELSON FONTEL DE AVIZ
Representante(s): OAB 17075 - RAFAEL FERREIRA DE VASCONCELOS (ADVOGADO)
REQUERIDO:CELPA CENTRAIS ELETRICAS DO PARA SA. Processo nº 0007727-54.2019.8.14.0074
Vistos os autos. Trata-se de AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE DÉBITO C/C INDENIZAÇÃO
POR DANOS MORAIS COM PEDIDO DE TUTELA DE URGÊNCIA ajuizada por EDIELSON FONTES DE
AVIZ, em desfavor de CENTRAIS ELÉTRICAS DO PARÁ S.A - CELPA, todos qualificados nos autos do
processo em epígrafe. O Autor realizou o protocolo da petição inicial, bem como documentos que instruem
o processo, sendo que ao realizar a juntada de procuração nos autos, apresentou tão somente procuração
digitalizada, ou seja, não original. Este juízo, às fls. 19, determinou que o autor procedesse a devida
regularização da representação processual, no prazo de 15 (quinze) dias, sob pena de indeferimento da
inicial. A despeito da determinação, a parte autora deixou transcorrer o prazo em questão sem qualquer
providência, conforme se verifica às fls. 20/v. Vieram-me os autos conclusos. É o breve relatório. Decido. A
situação dos autos demonstra a inércia da parte autora, no que se refere à emenda do petitório inicial. A
parte autora, embora devidamente advertida das consequências de sua inércia, não cumpriu a diligência
determinada às fls. 19, restando, desse modo, configurada a hipótese que autoriza o indeferimento da
exordial e, consequentemente, a extinção do processo sem resolução do mérito, conforme preceitua o art.
321, parágrafo único c/c 485, I, ambos do Código de Processo Civil. Isso posto, julgo extinto o processo
sem resolução do mérito, nos termos do art. 485, inciso I, do CPC. Transitado em julgado, arquivem-se os
autos com as cautelas legais. Publique-se, registre-se e intime-se. Tailândia-Pa, 22 de novembro de 2019.
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito, Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia.
PROCESSO: 00080379420188140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Comum Cível em: 03/12/2019 REQUERENTE:ACJ COMERCIO DE DOCES BOMBONS E
SEMELHANTES EIRELI Representante(s): OAB 26352 - THAIS DANTAS ALVES (ADVOGADO)
REQUERIDO:CELPA CENTRAIS ELETRICAS DO PARA SA Representante(s): OAB 4670 - LUIS OTAVIO
LOBO PAIVA RODRIGUES (ADVOGADO) OAB 12436 - ANDREZA NAZARE CORREA RIBEIRO
(ADVOGADO) . **** R.H. Após compulsar os autos, verifiquei que o presente processo foi devidamente
convertido do suporte físico para o eletrônico, migrado e registrado no Sistema de Processo Judicial
Eletrônico (PJE), conforme certidão de encerramento de trâmite físico de processo, colacionada à fl. 141.
Ademais, observei que o feito se encontra em grau de recurso, tendo sido remetido à Turma Recursal em
31/05/2019, conforme demonstrado à fl. 140. Nesse sentido, determino o arquivamento dos presentes
autos físicos, devendo as partes direcionarem seus requerimentos ao juízo competente. Tailândia/PA, 27
de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito PROCESSO:
00085027420168140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Cumprimento de sentença em: 03/12/2019
REQUERENTE:OSMAR PELISER Representante(s): OAB 21832 - GIRLANE CAMPOS SOUTO PELISER
(ADVOGADO) REQUERIDO:ALEXANDRO VALADARES ALVES. Processo nº 0008502-
74.2016.8.14.0074 Vistos os autos. Ante certidão de fls. 57, intime-se a parte autora para que proceda o
recolhimento das custas complementares à diligência pleiteada às fls. 43, no prazo de 15 (quinze) dias,
tendo em vista tratar-se de dois endereços diferentes, por conseguinte, mais de uma diligência. Nesse
sentido, ultrapassado o prazo supra, sem que haja qualquer manifestação nos autos, intime-se
pessoalmente a parte autora para que se manifeste sobre seu interesse no prosseguimento do feito,
devendo cumprir o que foi determinado por este juízo, no prazo de 05 (cinco) dias, nos termos do §1º do
art. 485 do CPC, sob pena de extinção do processo sem análise do mérito. Tailândia-Pa, 27 de novembro
de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito, Titular da 2ª Vara de Tailândia/PA.
PROCESSO: 00092803920198140074 PROCESSO ANTIGO: ----
2214
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:


Monitória em: 03/12/2019 REQUERENTE:MPL INDUSTRIA E COMERCIO DE ROUPAS LTDA
Representante(s): OAB 31797 - DOUGLAS MARTINHO ARRAES VILELA (ADVOGADO) REQUERIDO:S
S M RAMALHO ME. Processo nº 0009280-39.2019.8.14.0074 R.H. Após compulsar os autos, verifiquei
que foram juntados, à título de emenda à inicial as fls. 39/44. Porém, a procuração apresentada às fls. 41
continua não sendo a procuração original visto tratar-se, tão somente, de cópia digitalizada. Assim, intime-
se a parte demandante para emendar à inicial, devendo promover a apresentação de procuração original,
no prazo de 15 (quinze) dias, sob pena de indeferimento da petição inicial, conforme orientação do art.
321, parágrafo único, do Código de Processo Civil. Ressalto que este juízo determina a emenda da
petição inicial, por duas vezes consecutivas, relativas ao mesmo fato. Ultrapassado o prazo, com ou sem a
emenda, voltem os autos conclusos. Cumpra-se. Tailândia-PA, 27 de novembro de 2019. ALINE
CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia. PROCESSO:
00093101120188140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Averiguação de Paternidade em: 03/12/2019 REQUERENTE:A.
L. C. S. Representante(s): OAB 20583 - HERBERT JUNIOR E SILVA (ADVOGADO)
REPRESENTANTE:A. C. S. REQUERIDO:G. S. C. Representante(s): OAB 23266 - ANDREW WILLIAN
DE MORAIS SILVA (ADVOGADO) . R.H. Intimem-se pessoalmente as partes para que se manifestem
acerca do resultado positivo do exame de DNA, no prazo de 15 (quinze) dias. Em face da prova da relação
de parentesco e do reclamo deduzido na inicial, denoto que persiste a presunção da necessidade dos
alimentos. Porém, uma vez que não está comprovada a renda mensal efetiva do réu, arbitro os alimentos
provisórios em favor do filho, que serão devidos a partir da intimação, no valor de 23% (vinte e três por
cento) do salário mínimo nacional, a ser pago diretamente à representante legal do menor mediante recibo
ou depositado na conta bancária que esta indicar, até o 5° dia útil de cada mês. Sem prejuízo, designo o
dia 18 DE MARÇO DE 2020 às 10:00h para realização de audiência UNA, devendo as partes
comparecerem acompanhadas de suas testemunhas, independentemente de intimação. P.R.I.C. A
presente decisão servirá como mandado. Tailândia, 27 de novembro de 2019 Aline Cristina Breia Martins
Juíza de Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia-Pa. PROCESSO: 00093254320198140074 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS
Ação: Busca e Apreensão em: 03/12/2019 REQUERENTE:PORTOSEG SA CREDITO FINANC E
INVESTIMENTO Representante(s): OAB 205.961 - ROSANGELA DA ROSA CORREA (ADVOGADO)
REQUERIDO:EDELSUITA SANTOS. **** R.H. Após compulsar os autos, verifiquei que os instrumento
procuratórios apresentados não são originais, tratando-se de cópias reprográficas (fls. 11/18). Ademais, a
parte autora não instruiu a petição inicial com documentação indispensável à propositura da ação. Desta
feita, determino o que segue: I - Intime-se a parte autora para, no prazo de 15 (quinze), emendar à inicial,
promovendo a juntada da via original do instrumento procuratório, da via original do contrato de
financiamento, bem como da notificação do devedor fiduciário acerca do débito discutido na presente
demanda, sob pena de indeferimento da petição inicial, conforme orientação do art. 321, parágrafo único,
do Código de Processo Civil. II - Intime-se a parte autora para proceder ao recolhimento das custas
iniciais, no prazo de 15 (quinze) dias, sob pena de cancelamento da distribuição do presente feito,
consoante disposição do art. 290, do Código de Processo Civil. III - Ultrapassado o prazo, com ou sem
cumprimento das determinações acima, devidamente certificado, voltem-me os autos conclusos. Cumpra-
se. Tailândia-PA, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito, Titular da
2ª Vara da Comarca de Tailândia-Pa PROCESSO: 00093809120198140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Guarda
em: 03/12/2019 REPRESENTANTE:E. S. E. S. Representante(s): OAB 24285 - DELMA TRINDADE SENA
(ADVOGADO) REQUERENTE:D. S. C. Representante(s): OAB 24285 - DELMA TRINDADE SENA
(ADVOGADO) REQUERIDO:Z. S. C. . **** Vistos os autos. ELIANE SOUSA E SOUZA ingressou com a
presente ação de guarda e revisional de alimentos em face de ZAQUEU SELINO DA CONCEIÇÃO,
ambos qualificados nos autos do processo em referência. No decorrer da lide, a parte demandante carreou
petição requerendo a desistência da ação (fl. 48). É o breve relatório. Decido. Como cediço, a desistência
da ação é apontada pelo Código de Processo Civil, em seu art. 485, inciso VIII, como uma das causas de
extinção do processo sem resolução do mérito, já que a abdicação do direito de ação se dá quando o
autor abre mão do processo e não do direito material que eventualmente possa ter perante o demandado.
Destarte, sendo faculdade processual, deve o processo ser extinto sem resolução do mérito, consoante
artigo acima referido, malgrado a demanda possa ser novamente proposta em Juízo, vez que não se
encontra presente o óbice do § 4º, do referido artigo. Ex positis, extingo o presente processo sem
julgamento de mérito, nos termos do art. 200 c/c o art. 485, VIII, ambos do Código de Processo Civil. Sem
custas. Publique-se, registre-se e intimem-se. Com o trânsito em julgado, arquivem-se os autos com as
2215
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

cautelas legais. Tailândia/PA, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de
Direito PROCESSO: 00094431920198140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Processo de Execução em: 03/12/2019 REQUERENTE:STATUS BIKE INDUSTRIA E COMERCIO DE
BICICLETAS LTDA EPP Representante(s): OAB 14826 - DANTE AGUIAR AREND (ADVOGADO)
REQUERIDO:A J DA SILVA TRAVASSO MOVEIS EIRELI. Processo: 0009443-19.2019.8.14.0074 R.H. 1.
Cuida-se de execução de título extrajudicial nos termos do art. 824 e seguintes do CPC/2015 uma vez que
intentada como execução de quantia certa. Presentes os requisitos específicos necessários ao
processamento da execução forçada. 2. Para o caso de pagamento, fixo os honorários de advogado a
serem pagos pelo executado em 10% do valor da causa (art. 827, CPC/2015), devendo constar do
mandado que caso o débito seja integralmente pago, no prazo de 03 (três) dias, a verba honorária será
reduzida pela metade (art. 827, § 1º, do CPC/2015). 3. Cite-se a executada para que, no prazo de 3 (três)
dias, efetue o pagamento da dívida (art. 829, CPC/2015), custas judiciais (cujo valor deverá ser informado
no mandado) e honorários advocatícios e para que, querendo, oponha-se à execução por meio de
embargos (instruídos com cópias das peças processuais relevantes), independentemente de penhora,
depósito ou caução (art. 914, CPC/2015), no prazo de 15 (quinze) dias, contados da data da juntada aos
autos do mandado de citação (art. 915, CPC/2015). Alertando-se, desde já, que no caso de embargos
manifestamente protelatórios, considerar-se-á conduta atentatória à dignidade da justiça e o devedor
poderá sujeitar-se ao pagamento de multa de até 20% sobre o valor em execução (arts. 918, Parágrafo
Único e 774, Parágrafo Único, ambos do CPC/2015). 4. Apresentados embargos, certifique-se acerca da
tempestividade e do recolhimento das custas correspondentes. Após, promova-se a conclusão dos autos.
5. O reconhecimento do crédito do exequente e o depósito de 30% do valor em execução (incluindo custas
e honorários de advogado), no prazo para oferta de embargos, permitirá à executada requerer seja
admitido o pagamento do saldo remanescente em até 6 (seis) parcelas mensais, acrescidas de correção
monetária e juros de 1% ao mês (art. 916, CPC/2015). 6. Se a parte executada, regularmente citada, não
efetuar o pagamento, proceda o Sr. Oficial de Justiça de imediato à penhora de bens e à sua avaliação,
lavrando-se o respectivo auto, devendo a constrição recair preferencialmente sobre os bens indicados pelo
credor na inicial da execução (art. 829, §§ 1º e 2º, CPC/2015) e incidindo sobre tantos bens quantos
bastem para o pagamento do principal atualizado, juros, custas e honorários advocatícios (art. 831,
CPC/2015). 7. Intimem-se da penhora o exequente e a executada, esta na pessoa de seu advogado e não
o tendo, pessoalmente (art. 841, §§ 1º e 2º, CPC/2015). Recaindo a penhora sobre bens imóveis, o
cônjuge do devedor também deverá ser intimado (art. 842, CPC/2015). 8. Caso a devedora não seja
localizada para ser intimada da penhora, deverá o Sr. Oficial de Justiça certificar detalhadamente as
diligências que realizou para fins de análise do disposto no artigo 841, §§ 3º e 4º, do CPC/2015). 9.
Cumpra-se. Tailândia/Pa, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito,
titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia SE NECESSÁRIO SERVIRÁ CÓPIA DESTE DESPACHO
COMO MANDADO, conforme autorizado pelo PROVIMENTO CJ/CI 003/2009, devendo a Sra. Diretora
observar o disposto nos artigos 3º e 4º de referida normativa. PROCESSO: 00094614020198140074
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Ação: Processo de Execução em: 03/12/2019 REQUERENTE:FREE ACTION MONTADORA
DE BICICLETAS LTDA Representante(s): OAB 14826 - DANTE AGUIAR AREND (ADVOGADO)
REQUERIDO:A J DA SILVA TRAVASSO MOVEIS EIRELI. **** R.H. 1. Cuida-se de execução de título
judicial nos termos do art. 824 e seguintes do CPC/2015 uma vez que intentada como execução de
quantia certa. Presentes os requisitos específicos necessários ao processamento da execução forçada. 2.
Para o caso de pagamento, fixo os honorários de advogado a serem pagos pelo executado em 10% do
valor da causa (art. 827, CPC/2015), devendo constar do mandado que caso o débito seja integralmente
pago, no prazo de 03 dias, a verba honorária será reduzida pela metade (art. 827, § 1º, do CPC/2015). 3.
Cite-se a parte executada para que, no prazo de 3 (três) dias, efetue o pagamento da dívida (art. 829,
CPC/2015), custas judiciais (cujo valor deverá ser informado no mandado) e honorários advocatícios e
para que, querendo, oponha-se à execução por meio de embargos (instruídos com cópias das peças
processuais relevantes), independentemente de penhora, depósito ou caução (art. 914, CPC/2015), no
prazo de 15 (quinze) dias, contados da data da juntada aos autos do mandado de citação (art. 915,
CPC/2015). Alertando-se, desde já, que no caso de embargos manifestamente protelatórios, considerar-
se-á conduta atentatória à dignidade da justiça e os devedores poderão sujeitar-se ao pagamento de multa
de até 20% sobre o valor em execução (arts. 918, Parágrafo Único e 774, Parágrafo Único, ambos do
CPC/2015). 4. Apresentados embargos, certifique-se acerca da tempestividade e do recolhimento das
custas correspondentes. Após, promova-se a conclusão dos autos. 5. O reconhecimento do crédito do
exequente e o depósito de 30% do valor em execução (incluindo custas e honorários de advogado), no
2216
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

prazo para oferta de embargos, permitirá à parte executada requerer seja admitido o pagamento do saldo
remanescente em até 6 (seis) parcelas mensais, acrescidas de correção monetária e juros de 1% ao mês
(art. 916, CPC/2015). 6. Se a parte executada, regularmente citada, não efetuar o pagamento, proceda o
Sr. Oficial de Justiça de imediato à penhora de bens e à sua avaliação, lavrando-se o respectivo auto,
devendo a constrição recair preferencialmente sobre os bens indicados pelo credor na inicial da execução
(art. 829, §§ 1º e 2º, CPC/2015) e incidindo sobre tantos bens quantos bastem para o pagamento do
principal atualizado, juros, custas e honorários advocatícios (art. 831, CPC/2015). 7. Intimem-se da
penhora o exequente e a executada, esta na pessoa de seu advogado e não o tendo, pessoalmente (art.
841, §§ 1º e 2º, CPC/2015). Recaindo a penhora sobre bens imóveis, o cônjuge do devedor também
deverá ser intimado (art. 842, CPC/2015). 8. Caso o devedor não seja localizado para ser intimado da
penhora, deverá o Sr. Oficial de Justiça certificar detalhadamente as diligências que realizou para fins de
análise do disposto no artigo 841, §§ 3º e 4º, do CPC/2015). Tailândia/PA, 22 de novembro de 2019.
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia/PA PROCESSO:
00094781320188140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Execução de Alimentos Infância e Juventude em: 03/12/2019
EXEQUENTE:M. E. C. S. EXEQUENTE:M. V. C. S. REPRESENTANTE:J. S. S. C. EXECUTADO:F. M. S. .
DEMANDANTE (S): NÃO INFORMADO DEMANDADO (A-S): NÃO INFORMADO Visto os autos. O
presente feito encontra-se paralisado há mais de um mês, em razão da não localização da parte autora no
endereço declinado nos autos, não tendo a demandante informado a este Juízo qualquer outro endereço
em que pudesse receber as comunicações dos atos judiciais do presente feito. Vieram-me os autos
conclusos. É o breve relatório. Decido. O art. 485, inciso III, do Código de Processo Civil estabelece que
processo será extinto, sem resolução de mérito, quando o autor deixar de promover atos e diligências de
sua incumbência, abandonando a causa por mais de 30 (trinta) dias. A parte autora, a despeito de não
encontrada em seu endereço, não informou a este Juízo a mudança deste, deixando de cumprir com seu
dever processual, de acordo com o que estabelece o art. 77, inciso IV, do CPC. Ademais, o processo foi
abandonado pela parte autora, a qual não interpôs qualquer manifestação nos autos até a presente data.
Isso posto, julgo extinto o processo, sem resolução do mérito, nos termos do art. 485, inciso III, do Código
de Processo Civil. Sem custas, em razão da gratuidade deferida. Publique-se, registre-se e intime-se.
Após o trânsito em julgado, arquive-se com as cautelas legais. Tailândia, 22 de novembro de 2019. ALINE
CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ªVara da Comarca de Tailândia. PROCESSO:
00095255020198140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Busca e Apreensão em: 03/12/2019 REQUERENTE:BAANCO
BRADESCO FINANCIAMENTOS SA Representante(s): OAB 20638-A - ANTONIO BRAZ DA SILVA
(ADVOGADO) REQUERIDO:ANDERSON LENO MONTEIRO. ***** R.H. Após compulsar os autos,
verifiquei que a procuração apresentada às fls. 56/64 consiste em uma cópia reprográfica. Desta feita,
intime-se a parte autora para emendar à nos exatos moldes da determinação de fls. 53, no prazo de 15
(quinze) dias, sob pena de indeferimento da petição inicial, conforme orientação do art. 321, parágrafo
único, do Código de Processo Civil. Ultrapassado o prazo, com ou sem a emenda, voltem os autos
conclusos. Cumpra-se. Tailândia-PA, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza
de Direito, Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia-Pa PROCESSO: 00095928320178140074
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Ação: Procedimento Sumário em: 03/12/2019 REQUERENTE:REGINA LUCIA ALVES DA
COSTA Representante(s): OAB 20583 - HERBERT JUNIOR E SILVA (ADVOGADO)
REQUERIDO:FACULDADE CENTRO EDUCACIONAL ELIA Representante(s): OAB 21934 - VANDER
CHRISTIAN NAZARE SILVA (ADVOGADO) . **** R.H. Intime-se a parte requerente para que se manifeste
acerca do conteúdo da certidão de fl. 133-verso, no prazo de 15 (quinze) dias, adotando as providências
cabíveis ao prosseguimento do feito. Não havendo requerimento no prazo estabelecido, arquivem-se os
autos com as cautelas legais. Tailândia/PA, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS
Juíza de Direito Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia/PA. Fórum Desembargador Sadi Montenegro
Duarte - Av. Belém, n.º 08, Bairro Centro - CEP: 68.695-000 - Fone/fax: (91) 3752-1311 PROCESSO:
00095936820178140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Procedimento Sumário em: 03/12/2019
REQUERENTE:ENDSON COSTA RODRIGUES Representante(s): OAB 20583 - HERBERT JUNIOR E
SILVA (ADVOGADO) OAB 14033 - ALYSSON VINICIUS MELLO SLONGO (ADVOGADO)
REQUERIDO:FACULDADE CENTRO EDUCACIONAL ELIA Representante(s): OAB 21934 - VANDER
CHRISTIAN NAZARE SILVA (ADVOGADO) . **** R.H. Intime-se a parte requerente para que se manifeste
acerca do conteúdo da certidão de fl. 135, no prazo de 15 (quinze) dias, adotando as providências cabíveis
ao prosseguimento do feito. Não havendo requerimento no prazo estabelecido, arquivem-se os autos com
2217
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

as cautelas legais. Tailândia/PA, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de
Direito Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia/PA. Fórum Desembargador Sadi Montenegro Duarte -
Av. Belém, n.º 08, Bairro Centro - CEP: 68.695-000 - Fone/fax: (91) 3752-1311 PROCESSO:
00096135920178140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Procedimento Sumário em: 03/12/2019
REQUERENTE:DARLENE RANGEL DE AGUIAR BARBOSA Representante(s): OAB 20583 - HERBERT
JUNIOR E SILVA (ADVOGADO) REQUERIDO:FACULDADE CENTRO EDUCACIONAL ELIA
Representante(s): OAB 21934 - VANDER CHRISTIAN NAZARE SILVA (ADVOGADO) . **** R.H. Intime-se
a parte requerente para que se manifeste acerca do conteúdo da certidão de fl. 125, no prazo de 15
(quinze) dias, adotando as providências cabíveis ao prosseguimento do feito. Não havendo requerimento
no prazo estabelecido, arquivem-se os autos com as cautelas legais. Tailândia/PA, 18 de novembro de
2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia/PA.
Fórum Desembargador Sadi Montenegro Duarte - Av. Belém, n.º 08, Bairro Centro - CEP: 68.695-000 -
Fone/fax: (91) 3752-1311 PROCESSO: 00098210920188140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Busca e
Apreensão em: 03/12/2019 REQUERENTE:BANCO ITAUCARD S.A Representante(s): OAB 27117-A -
FELIPE ANDRES ACEVEDO IBANEZ (ADVOGADO) REQUERIDO:JOSY NATALIA PEREIRA FURTADO.
Processo nº 0009821-09.2018.8.14.0074 R.H. Encaminhe-se os autos ao Egrégio Tribunal de Justiça,
conforme dispõe art. 1.010 §3º do Código de Processo Civil. Tailândia-PA, 27 de novembro de 2019. Aline
Cristina Breia Martins Juíza de Direito, titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia PROCESSO:
00099022120198140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Procedimento Comum Cível em: 03/12/2019
REQUERENTE:MARIA DE NAZARE SOUZA Representante(s): OAB 18503-A - SILVINHA DA SILVA
LEAO MOREIRA (ADVOGADO) REQUERIDO:EMPRESA TELEMAR NORTE LESTE SA. Processo nº
0009902-21.2019.8.14.0074 Vistos os autos. Defiro a gratuidade processual. Trata-se de Ação
Declaratória de Inexistência de Débito c/c indenização por danos morais com pedido de tutela de urgência
promovida por MARIA DE NAZARÉ SOUZA em face de TELEMAR NORTE LESTE S/A, ambos
qualificados nos autos do processo em referência. Em síntese, alega a autora que compareceu na
Delegacia de Polícia Civil de Castanhal - PA, no dia 25/11/2014 e, na oportunidade registrou Boletim de
Ocorrência nº 00280/2014.008807-1, informando que fora assaltada por dois bandidos que estavam em
uma moto, Honda Biz preta, sendo que os assaltantes subtraíram sua bolsa, a qual continha todos os seus
documentos pessoais: RG, CPF, CTPS e Título de eleitor. Narra também que, no dia 28/03/2019, procurou
o PROCON, do município de Castanhal-PA, com o fito de apresentar reclamação em face da requerida,
pois seu nome encontrava-se com restrição junto ao SPC/SERASA, referente a um Plano Oi fixo, de
número (91) 37113215, assim como Oi Velox e Oi TV. Destaca que jamais possuiu nenhum contrato de
prestação de serviços com a requerida e, por esta razão, contestou todas as cobranças em seu nome no
PROCON, mas não obteve nenhuma resposta. Por fim, postula, em sede de tutela provisória de urgência,
a retirada de seu nome dos cadastros de restrição de crédito, quais sejam, SPC e SERASA. Acostou à
inicial os documentos de fls. 08/17 e 22/27. É o breve relatório. Passo a análise do pedido de tutela
antecipada. A tutela antecipada tem como escopo antecipar total ou parcialmente os efeitos do provimento
jurisdicional. O que se pretende com a tutela antecipada é entregar ao autor a própria pretensão deduzida
em juízo ou seus efeitos. Para o deferimento da antecipação dos efeitos da tutela, segundo orientação do
art. 300, do Código de Processo Civil, o magistrado deverá perquirir acerca da existência de seus
requisitos autorizadores, quais sejam: a existência de elementos que evidenciem a probabilidade do
direito, o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo, bem como a reversibilidade dos efeitos
do provimento, devendo-se observar que tais requisitos são concorrentes. Nesse sentido, compulsando os
autos, observo que a requerente, mediante a juntada de reclamação junto ao PROCON (fls. 12), Boletim
de Ocorrência (fls. 13) e extrato de consulta do SPC (fls. 14) trouxe elementos suficientes a possibilitar a
constatação, em sede de cognição sumária, da probabilidade de seu direito. Ademais, verifico que a
medida não tem caráter irreversível, em que pese esta circunstância não representar óbice intransponível,
já que muitas vezes o prejuízo irreparável afirmado por quem pleiteia a tutela de urgência, o que no caso
em tela é consumidor hipossuficiente, opõe-se a impossibilidade de a situação retornar ao "status quo" em
caso de improcedência da demanda. Isso posto, DEFIRO A ANTECIPAÇÃO DOS EFEITOS DA TUTELA,
e determino que a requerida, Telemar Norte Leste S/A, proceda a exclusão do nome da requerente, no
prazo de 02 (dois) dias, de qualquer cadastro restritivo de crédito (SPC, SERASA etc.), em razão do débito
objeto do presente feito. Destaco que, a adoção de multa se faz necessária em vista da possível
recalcitrância, pois tem como escopo obrigar o requerido e terceiros a dar eficácia à decisão. Assim, para
o caso de descumprimento da presente decisão, fixo multa de R$ 500,00 (quinhentos reais), por dia de
2218
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

descumprimento, até o limite de R$ 20.000 (vinte mil reais). Por se tratar de relação de consumo, inverto o
ônus da prova, para que a Requerida demonstre que a parte autora é devedora do débito impugnado, tudo
nos termos do artigo 6º, VIII do CDC. Cite-se a parte requerida, com antecedência de pelo menos 20
(vinte) dias, para que compareça à AUDIÊNCIA DE CONCILIAÇÃO, QUE DESIGNO PARA O DIA 26 DE
MARÇO DE 2020, ÀS 11:00 HORAS. Intimem-se a parte autora. O não comparecimento injustificado das
partes a referido ato processual é considerado ato atentatório à dignidade da justiça, sujeito à penalidade
de multa, nos termos do art. 334, § 8º, do Código de Processo Civil. SERVIRÁ O PRESENTE COMO
MANDADO. Cumpra-se. Tailândia-PA, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS
Juíza de Direito Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia. AV. BELÉM N.º 08 - BAIRRO SANTA MARIA
- TAILÂNDIA - PARÁ PROCESSO: 00105197820198140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Alimentos - Lei Especial Nº 5.478/68 em: 03/12/2019 REQUERENTE:A. S. P. REPRESENTANTE:E. S. S.
REQUERIDO:J. F. P. . **** R.H. Chamo o processo à ordem para tornar sem efeito decisão de fl. 07, em
virtude de a parte autora residir na cidade de Tailândia/PA e não na cidade do Moju/PA, conforme
informação prestada à fl. 09. Defiro os benefícios da gratuidade da justiça. Anote-se como segredo de
Justiça. Cuida-se de ação de alimentos processada nos termos da Lei nº. 5.478/68 cumulada com os
artigos 1.695 e 1.696 do Código Civil. Em face da prova documental da relação de parentesco e do
reclamo deduzido na inicial, denoto que persiste a presunção da necessidade dos alimentos. Porém, uma
vez que não está comprovada a renda mensal efetiva do réu, arbitro os alimentos provisórios em favor de
sua filha, que serão devidos a partir da citação, no valor de 20% (vinte por cento) dos seus vencimentos e
vantagens (13º salário, férias, adicional noturno, horas extras, produtividade e outras vantagens, etc.),
excetuando-se tão somente os descontos obrigatórios (INSS e IRPF), a ser depositado em conta bancária
que a representante legal dos menores indicar. Designo o dia 18 DE MARÇO DE 2020, ÀS 11H00MIN,
para realização de audiência de conciliação, instrução e julgamento. Cite-se e intime-se o réu (com cópia
deste despacho e da inicial, advertindo-o que deverá trazer à audiência cópia do contracheque referente
ao último salário recebido ou outro comprovante de renda, importando a sua ausência em confissão e
revelia. Intime-se a parte autora a fim de que compareça à audiência, acompanhada de testemunhas,
independente de prévio depósito de rol, importando a sua ausência em extinção e arquivamento do feito.
Não havendo acordo, o réu poderá contestar, por intermédio de advogado ou defensor público, passando-
se, em seguida à oitiva das testemunhas (no máximo duas por cada parte). Por conseguinte, cientifique-se
o Ministério Público e intime-se, com fito de assumir a titularidade da presente ação, em decorrência do
disposto em enunciado da Súmula 594 do STJ, ipsi litteris: O Ministério Público tem legitimidade ativa para
ajuizar ação de alimentos em proveito de crianças e adolescentes independentemente do exercício do
poder familiar dos pais ou do fato de o menor se encontrar nas situações de risco descritas no artigo 98 do
ECA ou de quaisquer outros questionamentos acerca da existência ou eficiência da Defensoria Pública na
comarca. Após a devida ciência do Órgão Ministerial, encaminhem-se os autos à Distribuição desta
Comarca para que regularize o polo ativo da presente ação, figurando o Ministério Público, como autor, em
decorrência da substituição processual ora determinada. Oficie-se à Empresa Biopalma, para que
promova os descontos arbitrados nesta decisão diretamente na folha de pagamento do requerido, bem
como para que proceda ao depósito dos valores em conta bancária de titularidade da representante legal
dos menores. A CÓPIA DESTA DECISÃO SERVIRÁ COMO MANDADO, conforme autorizado pelo
PROVIMENTO CJ/CI 003/2009, devendo a Sra. Diretora observar o disposto nos artigos 3º e 4º de
referida normativa. Tailândia/PA, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de
Direito Titular da 2ª vara da Comarca de Tailândia/PA. PROCESSO: 00106318620158140074
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Ação: Cumprimento de sentença em: 03/12/2019 REQUERIDO:JHONATHAN MONTEIRO
OLIVEIRA REQUERENTE:DAMIAO RODRIGUES DE SOUSA Representante(s): OAB 17370 - ANA
MARIA MONTEIRO CAVALCANTE (ADVOGADO) . Processo nº 0010631-86.2015.8.14.0074 R.H. Tendo
em vista a certidão de fls. 65, bem como, em cumprimento ao que dispõe a Lei n. 5.738/93, §§1º ao 5º do
art. 17, retornem os autos à secretaria para emissão de certidão para fins de inscrição na dívida ativa, a
qual deverá conter o valor das custas, devendo esta ser encaminhada através de ofício à Secretaria de
Planejamento/Coordenadoria Geral de Arrecadação do TJPA, contendo a qualificação completa da parte
condenada e os dados do processo, nos termos do Ofício Circular n.010/2016-GP. Cumpra-se. Em
seguida, arquivem-se os autos com as cautelas legais. Tailândia, 27 de novembro de 2019. Aline Cristina
Breia Martins Juíza de Direito, titular da 2ª Vara de Tailândia PROCESSO: 00108396520188140074
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Ação: Execução de Alimentos Infância e Juventude em: 03/12/2019 EXEQUENTE:R. B. C. J.
REPRESENTANTE:C. S. C. EXEQUENTE:R. L. C. J. EXECUTADO:G. M. J. . Vistos etc., RICARDO
2219
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

BRENDO CONCEIÇÃO DE JESUS E RAQUEL LORRANE CONCEIÇÃO DE JESUS representados por


CLEONICE SILVA DA CONCEIÇÃO ingressou com a presente AÇ"O DE EXECUÇÃO ALIMENTOS em
face de GENIVAL MAGALHÃES DE JESUS, todos qualificados nos autos do processo. No decorrer da
lide, a parte demandante requereu desistência da ação. É o breve relatório. Decido. Como cediço, a
desistência da ação é apontada pelo Código de Processo Civil, em seu art. 485, inciso VIII, como uma das
causas de extinção do processo sem resolução do mérito, já que a abdicação do direito de ação se dá
quando o autor abre mão do processo e não do direito material que eventualmente possa ter perante o
demandado. Destarte, sendo faculdade processual, deve o processo ser extinto sem resolução do mérito,
consoante artigo acima referido, malgrado a demanda possa ser novamente proposta em Juízo, vez que
não se encontra presente o óbice do § 4º, do referido artigo. Ex positis, extingo o presente processo sem
julgamento de mérito, nos termos do art. 200 c/c o art. 485, VIII, ambos do Código de Processo Civil. Sem
custas. Publique-se, registre-se e intimem-se. Com o trânsito em julgado, arquivem-se os autos com as
cautelas legais. Tailândia-PA, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de
Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia Página de 2 Fórum de: TAILÂNDIA Email: 2tailandia@tjpa.jus.br
Endereço: Av. Belém nº 08 CEP: 68.695-000 Bairro: CENTRO Fone: (91)3752-1311 PROCESSO:
00108413520188140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Alvará Judicial em: 03/12/2019 REQUERENTE:CLAUDIANE
PEREIRA DA SILVA Representante(s): OAB 18503-A - SILVINHA DA SILVA LEAO MOREIRA
(ADVOGADO) MENOR:S. I. S. C. ENVOLVIDO:BANCO BRADESCO SA. Processo nº 0010841-
35.2018.8.14.0074 Vistos etc... Tratam os presentes autos de pedido de Alvará Judicial requerido por
CLAUDIANE PEREIRA DA SILVA e S.I.D.S.C, neste ato representado por CLAUDIANE PEREIRA DA
SILVA, objetivando o levantamento de valores existentes em nome do Sr. Flávio Borges Conceição junto
ao Banco Bradesco S/A. Os autores CLAUDIANE PEREIRA DA SILVA e S.I.D.S.C declaram que eram
companheira e filho do "de cujus", respectivamente, sendo herdeiros deixados pelo mesmo, juntando para
tanto cópia da certidão de óbito do Sr. Flávio Borges Conceição e documentos pessoais para comprovar o
parentesco com o "de cujus" alegado na inicial. Da mesma forma, a representante legal do requerente
S.I.D.S.C, CLAUDIANE PEREIRA DA SILVA, juntou certidão de nascimento da menor (fls. 07) para
comprovar, também, o parentesco com o de cujus. Constam nos autos ofício do órgão previdenciário
informando que não existem dependentes habilitados em nome do falecido. (fls. 19). Às fls. 23,
comprovante de valores existentes do de cujus, junto ao Banco Bradesco S/A. Em parecer de fls. 25, o
Ministério Público opinou favoravelmente à concessão do pleito. É o breve relatório. Vieram-me os autos
conclusos para decisão. Em análise dos autos, observo que a requerente CLAUDIANE PEREIRA DA
SILVA não conseguiu comprovar a relação de parentesco com o de cujus, uma vez que não juntou aos
autos qualquer elemento probatório que demonstrasse a relação de união estável alegada na inicial. Ora,
insta ressaltar que a presente ação não possui o condão de declarar a existência de relação de união
estável entre a requerente e o falecido, e por conseguinte, seu direito sucessório. Assim, não comprovou a
requerente, supracitada, as condições indispensáveis para recebimento dos valores pleiteados. Quanto ao
menor, S.I.D.S.C, resta comprovado nos autos que o requerente é herdeiro do falecido, fazendo, assim,
jus ao levantamento do crédito em comento, uma vez que a cadeia sucessória outorga aos descendentes,
em concorrência com companheiros, qualquer herança que haja. Não se vislumbra, nos autos, outros
descendentes do de cujus. O artigo 1.037 do Código Civil e sua combinação com o artigo 1º da Lei
6.858/80 dão guarida legal ao requerimento. ISSO POSTO, DEFIRO o pedido deduzido por S.I.D.S.C
representado por CLAUDIANE PEREIRA DA SILVA para o fim de determinar a expedição de ALVARÁ,
autorizando a respectiva representante legal do menor a receber, junto ao Banco Bradesco S/A, os valores
existentes em favor de FLÁVIO BORGES CONCEIÇÃO. Sem custas, ante a gratuidade da justiça.
Expeça-se Alvará Judicial. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. Transitada em julgado a decisão,
ARQUIVE-SE. Tailândia-PA, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de
Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia-Pa. PROCESSO: 00109002320188140074 PROCESSO ANTIGO: --
-- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Comum Cível em: 03/12/2019 REQUERENTE:AMA FILTROS LUBRIFICANTES LTDA EPP
Representante(s): OAB 11122 - LUIS GONZAGA ANDRADE CAVALCANTE (ADVOGADO) OAB 8965 -
MARCOS LUIZ ALVES DE MELO (ADVOGADO) REQUERIDO:ELIAS CUIMAR COSTA. Processo nº
0010900-23.2018.8.14.0074 R.H. Considerando que o executado não apresentou embargos à execução,
conforme certidão de fls. 35, intime-se a parte exequente para que se manifeste sobre certidão exarada
por oficial de justiça, fls. 34, vez que verifica-se que restou prejudicada a penhora dos bens do executado,
logo, o pleito do autor, visto que este não possui bens passíveis de penhora. Destarte, manifeste-se a
parte exequente indicando bens passíveis de penhora, do executado, no prazo de 15 (quinze) dias. Após,
devidamente certificado, conclusos. Tailândia-PA, 29 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA
2220
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia-Pa. PROCESSO: 00116797520188140074


PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Ação: Procedimento Comum Cível em: 03/12/2019 REQUERENTE:AQUILA PRISCILA VIANA
DA SILVA NERES Representante(s): OAB 20583 - HERBERT JUNIOR E SILVA (ADVOGADO)
REQUERIDO:CLUB MAIS ADMINISTRADORA DE CARTOES LTDA Representante(s): OAB 13620 -
NAOKI DE QUEIROZ SAKAGUCHI (ADVOGADO) OAB 4.676 - VALERIA CRISTINA BAGGIO DE
CARVALHO RICHTER (ADVOGADO) . R.H. Tendo em vista que já houve o pagamento voluntário da
condenação, determino a expedição de alvará judicial em favor da parte autora. Proceda-se a
transferência dos valores, conforme o requerimento de fls. 105, tendo em vista que o patrono da
requerente possui poderes expressos para isto, conforme procuração dos autos (fls.10). Caso não haja
mais nenhum requerimento, arquivem-se os autos com as cautelas legais. Tailândia, 27 de novembro de
2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia.
PROCESSO: 00122089420188140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Alvará
Judicial em: 03/12/2019 REQUERENTE:JOSE DE LIMA FERREIRA Representante(s): OAB 23264 -
PAULA JANAINA AZEVEDO DE OLIVEIRA MONTEIRA (ADVOGADO) OAB 23455 - RITA DE CASSIA
LIMA DE OLIVEIRA (ADVOGADO) . Processo nº 0012208-94.2018.8.14.0074 R.H. Ante o ofício de fls. 26,
oficie-se à Caixa Econômica Federal, para que informe as quotas do PIS, em nome da Sra. Francisca dos
Santos Teixeira Ferreira, ora cadastrada, no sistema desta empresa pública como Francisca Bispo dos
Santos Teixeira, visto que o período de atualização do sistema, motivo da impossibilidade de acesso às
informações supracitadas, apresentado pela Caixa Econômica findou em 31/07/2019. Assim, oficie-se a
empresa pública supracitada, com a determinação de cumprimento, no prazo de 10 (dez) dias, inclusive
com a advertência de que o não cumprimento, da presente determinação judicial, ensejará a adoção das
medidas criminais cabíveis quanto à configuração do crime de desobediência. Cumpra-se. Tailândia, 22 de
novembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito, Titular da 2ª Vara da Comarca de
Tailândia-PA. PROCESSO: 00123032720188140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Execução de Alimentos em: 03/12/2019 REPRESENTANTE:S. S. S. EXEQUENTE:S. E. S. S.
EXECUTADO:G. G. S. Representante(s): OAB 8657 - SALOMAO DOS SANTOS MATOS (ADVOGADO) .
**** AÇÃO DE EXECUÇÃO DE ALIMENTOS Exequente: SAMUEL ELOI DOS SANTOS SOUZA
Representante legal: SILVANETE SIQUEIRA DOS SANTOS Executado: GEOVAN PEREIRA GOMES
DECISÃO Vistos os autos. Defiro o pedido formulado à fl. 25, para o fim de autorizar o executado
GEOVAN PEREIRA GOMES à comparecer à Agencia da Caixa Econômica Federal desta cidade, para
recebimento e desbloqueio de seu Cartão Cidadão. Comunique-se à autoridade policial de Tailândia/PA
acerca da presente autorização, advertindo-se que o deslocamento do preso civil até à supracitada
agência bancária deverá ser realizado mediante escolta. Intime-se o executado. Servirá a presente
decisão como mandado/ofício. Tailândia/PA, 02 de dezembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia/PA PROCESSO: 00129017820188140074
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Ação: Execução de Alimentos em: 03/12/2019 EXEQUENTE:T. G. C. S. REPRESENTANTE:T.
R. C. EXECUTADO:G. G. S. Representante(s): OAB 8657 - SALOMAO DOS SANTOS MATOS
(ADVOGADO) . Processo nº 0012901-78.2018.8.14.0074 R.H. Considerando a justificativa de fls. 18/22,
encaminhe-se os autos ao Ministério Público. Tailândia-PA, 27 de novembro de 2019. Aline Cristina Breia
Martins Juíza de Direito, titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia PROCESSO:
00131749120178140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Busca e Apreensão em Alienação Fiduciária em: 03/12/2019
REQUERENTE:B V FINANCEIRA S A REQUERIDO:ELIZABETH JENNIFFER SANTOS BARDINI
REQUERENTE:B V FINANCEIRA S A CREDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO Representante(s):
OAB 13846-A - CRISTIANE BELINATI GARCIA LOPES (ADVOGADO) . Processo: 0013174-
91.2017.8.14.0074 R.H. Ao compulsar os autos, vislumbra-se que não fora realizada a juntada de
elementos essenciais para o prosseguimento do feito, limitando-se a carrear apenas o boleto bancário e
comprovante de pagamento de boleto bancário de fls. 51/52. Todavia, não fora juntado o relatório das
custas processuais. Cumpre destacar, que a Lei de nº. 8.328/15, a qual dispõe sobre o regimento de
custas e outras despesas processuais no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Pará estabelece em
seu art. 9º, §1º, que a comprovação do pagamento de custas e despesas processuais somente dará
mediante a juntada do boleto bancário correspondente e do relatório de conta do processo. Desta feita,
intime-se o requerido para que proceda a juntada do relatório de conta do processo supracitado, no prazo
de 15 (quinze) dias. Por conseguinte, caso não haja manifestação da requerente, intime-se pessoalmente,
2221
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

esta, para que realize as diligências necessárias, bem como, manifeste seu interesse no prosseguimento
do feito, no prazo de 05 (cinco) dias, sob pena de extinção do processo sem resolução de mérito, nos
termos do art. 485, III, §1º do Código de Processo Civil. Advirto, ainda, à parte autora que a juntada de
petição com intuito meramente protelatório, sem o cumprimento da diligência determinada por este juízo,
ensejará a extinção do processo. Cumpra-se. O presente servirá como mandado. Após, conclusos.
Tailândia-PA, 27 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito, Titular da 2ª
Vara de Tailândia. PROCESSO: 00316479620158140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Comum Cível em: 03/12/2019 REQUERENTE:GUAJARA COMERCIO DE MADEIRAS E
MATERIAIS PARA CONSTRUCAO LTDA ME Representante(s): OAB 10284 - GIOVANA CARLA
ALMEIDA NICOLETTI (ADVOGADO) REQUERIDO:MARTINS COMERCIO E SERVICOS DE
DISTRIBUICAO SA Representante(s): OAB 20583 - HERBERT JUNIOR E SILVA (ADVOGADO) OAB
52995 - LUIZ EDUARDO DA NOVA BAHIA BRITTO (ADVOGADO) OAB 36022 - MARCIO ALBAN
SALUSTINO (ADVOGADO) OAB 21278 - PATRICIA BRESSAN LINHARES GAUDENZI (ADVOGADO) .
Processo nº 0031647-96.2015.8.14.0074 R.H, Intime-se a parte autora para se manifestar sobre
fls.167/169, no prazo de 15 (quinze) dias. Após, conclusos. Tailândia-Pa, 28 de novembro de 2019. Aline
Cristina Breia Martins Juíza de Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia PROCESSO:
01456471220158140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Procedimento Comum Infância e Juventude em: 03/12/2019
REQUERIDO:LIDER SEGURADORA S A Representante(s): OAB 8770 - BRUNO MENEZES COELHO DE
SOUZA (ADVOGADO) REQUERENTE:VALDECI ALVES DE SOUSA Representante(s): OAB 14558-A -
CARLOS ALBERTO CAETANO (ADVOGADO) . **** R.H. Considerando que a parte autora não
compareceu ao exame pericial designado para o dia 09/11/2016, a despeito de ter sido devidamente
cientificada para tanto, promova-se a sua intimação pessoal para que informe, no prazo de 05 (cinco) dias,
se ainda possui interesse no prosseguimento do feito, nos termos do §1º do art. 485 do CPC, sob pena de
extinção do processo sem análise do mérito. Servirá o presente como mandado. Tailândia (PA), 29 de
novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito Fórum Desembargador Sadi
Montenegro Duarte - Av. Belém, n.º 08, Bairro Centro - CEP: 68.695-000 - Fone/fax: (91) 3752-1311
PROCESSO: 01626576920158140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Sumário em: 03/12/2019 REQUERENTE:G. N. R. J. Representante(s): OAB 14558-A -
CARLOS ALBERTO CAETANO (ADVOGADO) REPRESENTANTE:GUILHERME NUNES REDIVO
REQUERIDO:LIDER SEGURADORA S.A. Representante(s): OAB 14351 - MARILIA DIAS ANDRADE
(ADVOGADO) OAB 16292 - LUANA SILVA SANTOS (ADVOGADO) . Processo nº 0162657-
69.2015.8.14.0074 R.H, Considerando a certidão de fls. 135, determino a intimação do patrono da parte
autora para que indique o endereço atualizado da parte, no prazo de 15 (quinze) dias, sob pena de
extinção do processo, sem resolução do mérito. Tailândia-Pa, 22 de novembro de 2019. Aline Cristina
Breia Martins Juíza de Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia PROCESSO: 00039185620198140074
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): NADER CRISTINO DO
CARMO BATISTA Ação: Averiguação de Paternidade em: 04/12/2019 REQUERENTE:K. N.
Representante(s): OAB 23266 - ANDREW WILLIAN DE MORAIS SILVA (ADVOGADO)
REPRESENTANTE:E. D. S. Representante(s): OAB 23266 - ANDREW WILLIAN DE MORAIS SILVA
(ADVOGADO) REPRESENTANTE:L. S. N. Representante(s): OAB 23266 - ANDREW WILLIAN DE
MORAIS SILVA (ADVOGADO) REQUERIDO:MAX TRINDADE ASSUNCAO. ESTADO DO PARÁ PODER
JUDICIARIO COMARCA DE TAILANDIA/PA Av. Belém, nº 08, Bairro Centro - CEP: 68.695-000 -
Fone/fax: (91) 3752-1311 TERMO DE ENTREGA Aos três (03) dias do mês de dezembro do ano de dois
mil e dezenove (2019), nesta Cidade e Comarca de Tailândia, Estado do Pará, na sala onde funciona a
Secretaria Judicial da 2ª Vara Cível desta Comarca, e sendo aí, compareceu o Sr. ANDREW WILLIAN DE
MORAIS SILVA ocasiões em que consta como Advogado das partes , ao que consta nos autos do
Processo nº 0003918.56.2019.814.0074 - AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE , foi entregue
ao referido Senhor, por esta Secretaria, a Certidão de Nascimento averbada (original) , de (KALLEBE
NASCIMENTO ASSUNÇÃO), feita sob a matrícula 161299.0155.2019 1.00001.279.0000279.28 do
Cartório de Registro Civil de Tailândia /PA. E nada mais havendo, deu-se este termo por findo que lido e
achado conforme, vai devidamente assinado, pelo recebedor do referido documento
............................................. ANDREW WILLIAN DE MORAIS SILVA OAB.23.266 PROCESSO:
00039791420198140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
NADER CRISTINO DO CARMO BATISTA Ação: Divórcio Consensual em: 04/12/2019
REQUERENTE:ELIONILTON SANTANA DA COSTA Representante(s): OAB 23266 - ANDREW WILLIAN
2222
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

DE MORAIS SILVA (ADVOGADO) REQUERENTE:MARIA DOS MILAGRES OLIVEIRA Representante(s):


OAB 23266 - ANDREW WILLIAN DE MORAIS SILVA (ADVOGADO) . ESTADO DO PARÁ PODER
JUDICIARIO COMARCA DE TAILANDIA/PA Av. Belém, nº 08, Bairro Centro - CEP: 68.695-000 -
Fone/fax: (91) 3752-1311 TERMO DE ENTREGA Aos três (03) dias do mês de dezembro do ano de dois
mil e dezenove (2019), nesta Cidade e Comarca de Tailândia, Estado do Pará, na sala onde funciona a
Secretaria Judicial da 2ª Vara Cível desta Comarca, e sendo aí, compareceu o Sr. ANDREW WILLIAN DE
MORAIS SILVA ocasiões em que consta como Advogado das partes , ao que consta nos autos do
Processo nº 0003979.14.2019.814.0074 - AÇÃO DE DIVORCIO CONSENSUAL , foi entregue ao referido
Senhor, por esta Secretaria, a Certidão de Casamento averbada (original) , de (ELIONILTON SANTANA
DA COSTA E MARIA DOS MILAGRES OLIVEIRA), feita sob a matrícula 068510.0155.2014
2.00005.050.0001994.78 do Cartório de Registro Civil de /PA. E nada mais havendo, deu-se este termo
por findo que lido e achado conforme, vai devidamente assinado, pelo recebedor do referido documento
............................................. ANDREW WILLIAN DE MORAIS SILVA OAB.23.266 PROCESSO:
00001618820188140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Procedimento Comum Cível em: 05/12/2019
REQUERENTE:MARTA LEITE ZAVARIZE Representante(s): OAB 24285 - DELMA TRINDADE SENA
(ADVOGADO) REQUERIDO:CELPA CENTRAIS ELETRICAS DO PARA Representante(s): SILVEIRA,
ATHIAS, SORIANO DE MELO, GUIMARAES, PINHEIRO E SCAFF ASVOGADOS (SOCIEDADE DE
ADVOGADO) OAB 4670 - LUIS OTAVIO LOBO PAIVA RODRIGUES (ADVOGADO) OAB 12436 -
ANDREZA NAZARE CORREA RIBEIRO (ADVOGADO) . PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA
DO ESTADO DO PARÁ 2ª VARA DA COMARCA DE TAILÂNDIA AÇÃO REVISIONAL DE CONSUMO DE
ENERGIA ELETRICA C/C INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS PROCESSO N.° 0000161-
88.2018.8.14.0074 JUÍZA DE DIREITO: ALINE CRISTINA BREIA MARTINS REQUERENTE: MARTA
LEITE ZAVARIZE ADVOGADA: DRA. DELMA TRINDADE SENA, OAB/PA 24.285 REQUERIDO: CELPA -
CENTRAIS ELÉTRICAS DO PARÁ PREPOSTO: JHESE HELLEN MORAES CAMPOS ADVOGADA: DR.
MARCOS VENICIUS LISBOA RODRIGUES JUNIOR, OAB/PA23016 TERMO DE AUDIÊNCIA Aos 03
três) dias do mês de dezembro do ano de dois mil e dezenove (2019), às 10:00 h (dez horas), na sala de
audiência da 2ª Vara de Tailândia, presente a MMª JUÍZA DE DIREITO ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS, para a presente audiência de instrução e julgamento. Aberta a audiência, verificou-se a
presença da parte requerente, acompanhada de sua advogada DRA. DELMA TRINDADE SENA, OAB/PA
24.285, bem como a requerida CELPA- CENTRAIS ELETRICAS DO PARÁ, por meio de sua preposta Sr.
JHESE HELLEN MORAES RODRIGUES, portadora do RG N° 5184856 PC/PA, acompanhada de seu
advogado DR. MARCOS VENICIUS LISBOA RODRIGUES JUNIOR, OAB/PA23016. Em seguida, a MMª
juíza passou a colher o depoimento pessoal da parte autora, que as perguntas do juízo respondeu: que no
imóvel funciona uma loja de móveis, que não tinha conhecimento que no seu medidor havia
irregularidades, que não tinha conhecimento de que até em agosto de 2017 estaria pagando apenas a
taxa mínima de sua conta comercial trifásica, que a leitura do medidor não correspondia a leitura que vinha
na fatura por isso solicitou a troca do medidor, que seu consumo que vinha faturado na conta caiu muito
após a troca do medidor. Nada mais disse nem lhe foi perguntado. Ato continuo a MMª. Juíza passou a
colher o depoimento da testemunha do Sr. RONALDO JORGE GAMA NORONHA DA MOTTA RG n°
4578570 PC/PA, técnico em eletricidade, nascida em 25/11/1960, residente e domiciliada a Rua Juriti, n°
25, Bairro Santa Maria, nesta cidade, que às perguntas da advogada da parte autora respondeu: Que fez
uma análise técnica na área da requerente, que o consumo não era compatível com o que estava sendo
faturada, que tinha somente luminárias, que tinha duas centrais de ar, que a área é iluminada
naturalmente, que falou para a autora que ela tinha que solicitar uma inspeção com troca de medidor, que
que falou para trocar as lâmpadas para LED, que o medidor era por constante, que o medidor lê o real
consumo mas que esse consumo precisa ser multiplicado por uma variável para chegar ao valor total da
fatura, que o consumidor não tem conhecimento deste fato e por este motivo a leitura que consta no
medidor não corresponde ao usado, que estava certo em tese pelo cálculo, que após a troca caiu muito o
consumo faturado, que quando o técnico foi programar o medidor antigo foi feito errado, que ainda hoje
ainda está vindo alto de acordo com o que acha que é devido, que baixou muito após a troca do medido
mas continua alto de acordo com os equipamentos existentes no local, que a fatura é somente da loja, que
o escritório tem seu próprio conta contrato Nada mais disse nem lhe foi perguntado. Franqueada a palavra
ao advogado da ré, este respondeu: Que é matemático, que é técnico em engenheiro elétrico, que presta
assessoria as empresas, que trabalho 23 anos na CELPA, na parte de vistoria e fiscalização e
gerenciamento. Nada mais disse nem lhe foi perguntado. DELIBERAÇÃO EM AUDIÊNCIA: "Às partes,
para alegações finais no qual concedo o prazo sucessivo de 10 (dez) dias, primeiro para a acusação e em
seguida, para a defesa. Após, conclusos para sentença. Ciente os presentes". Nada mais havendo
2223
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

mandou a MMª Juíza encerrar o presente termo que lido e achado conforme vai devidamente assinado.
Eu, .............................., Raquel Platilha (Auxiliar Judiciário), subscrevi. JUÍZA DE DIREITO:
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
REQUERENTE:____________________________________________ ADVOGADA:
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
PREPOSTA:_______________________________________________ ADVOGADO:
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
TESTEMUNHA:_____________________________________________ PROCESSO:
00026125220198140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Procedimento Comum Cível em: 05/12/2019
REQUERENTE:SOLANGE FONTELES ALVES Representante(s): OAB 17075 - RAFAEL FERREIRA DE
VASCONCELOS (ADVOGADO) REQUERIDO:ABIECE CRISTOVAO GOES ALMEIDA. PODER
JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ 2ª VARA DA COMARCA DE TAILÂNDIA
AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS E MATERIAIS PROCESSO N.° 0002612-
52.2019.8.14.0074 JUÍZA DE DIREITO: ALINE CRISTINA BREIA MARTINS REQUERENTE: SOLANGE
FONTELES ALVES ADVOGADO: DR. RAFAEL FERREIRA DE VASCONCELOS, OAB/PA Nº. 17.075
REQUERIDO: ABIECE CRISTOVÃO GOES ALMEIDA ADVOGADA: DRA ARLINE BRIANNE ROCHA DE
LIMA, OAB/PA 21464 TERMO DE AUDIÊNCIA Aos 03 (três) dias do mês de dezembro do ano de dois mil
e dezenove (2019), às 12:00 h (doze horas), na sala de audiência da 2ª Vara de Tailândia, presente a MMª
JUÍZA DE DIREITO ALINE CRISTINA BREIA MARTINS, para a presente audiência de conciliação,
instrução e julgamento. Aberta a audiência, verificou-se a presença da parte requerente, acompanhada de
seu advogado DR. RAFAEL FERREIRA DE VASCONCELOS, OAB/PA Nº. 17.075, bem como a presença
do requerido, acompanhado de sua advogada DRA ARLINE BRIANNE ROCHA DE LIMA, OAB/PA 21464.
Instada a conciliação, esta resultou infrutífera, em virtude da ausência de proposta de acordo. Em seguida,
a parte ré apresentou contestação e documentos em 15 (quinze) laudas. Ato continuo, o patrono da
requerente se manifestou nos seguintes termos: " Quanto aos documentos apresentados juntos a defesa
ora protocolada tratam de matéria não relevante ao processo, portanto desnecessária a impugnação,
todavia, insta observar que o requerido junta documentos de liquidação do contrato de financiamento do
veículo que é objeto da presente lide e comprova que o pagamento do mesmo veículo somente ocorrera
posterior a data dos fatos que fundamentam a presente ação. Quanto a alegação preliminar de
ilegitimidade passiva basta a simples observação dos fatos inclusive aqueles narrados na pela de defesa
que demonstram o nexo causal entre os pedidos da peça exordial e a relação entre as partes. Sobretudo,
forçoso salientar mais uma vez que as provas produzidas e anexadas a exordial junto a delegacia de
polícia local e o quartel da polícia militar do município, comprovam a relação existente, em especial o uso
da estrutura policial militar pelo requerido a fim de obter vantagem naquele momento, retomando o veículo
sem as buscas das vias judiciais como deveria ser, portanto a preliminar trata-se de mera hermenêutica
que se combate apenas por zelo. No mais a peça contestatória busca apenas alterar a narrativa dos fatos
o que será comprovadamente demonstrado não se tratar da realidade do que ocorreu, nestes termos
reitera-se os pedidos iniciais." Dando prosseguimento a MMª juíza passou a se manifestar nos seguintes
termos: " Rejeito a preliminar de ilegitimidade passiva do requerido tendo em vista que o requerimento de
danos morais e materiais pleiteados pela autora tem direta relação com a conduta realizada pelo
requerido, sendo a qual teria lhe causado constrangimento em sua abordagem e na recuperação do
veículo. " Em provas, a parte requerente requer a oitiva de testemunhas e o depoimento pessoal da parte
ré. A parte ré nada requereu. Em seguida a MMª juíza passou a colher o depoimento pessoal da
requerente, que as perguntas do juízo respondeu: que quando comprou o veículo sabia que tinham duas
parcelas atrasadas, que verificou isto no banco, que comprou em fevereiro de 2018, que toda a situação
com o réu ocorreu em 18-08, que o seu irmão intermediou a compra do carro, que ele viu o anunciou no
Facebook, que ele disse que comprou de uma pessoa chamada Leandro, que pagou 10 mil para o seu
irmão repassar para o Leandro, que estava gravida e não procurou o Banco para quitar as parcelas
atrasadas, que planejava deixar para quitar o veículo no final do ano, que sabe que o banco dá um
desconto no final do ano, que ficou guardando dinheiro para quitar em dezembro, que o estava com sua
família em uma padaria, que foram abordados pelo requerido, que ele falou que o carro era "pipoca", que
disse que o carro era seu, que seu objetivo sempre foi quitar o veículo, que informou tal situação ao
requerido que o requerido pediu a documentação do carro, que a documentação estava em sua
residência, que o requerido de pronto acionou uma viatura da PM e a viatura se deslocou para a padaria,
que ele estava acompanhado pelo tenente Delson, que ele viu toda a situação, que lhe informaram que o
carro era todo errado, que foram até a casa da requerente, que ele entrou até a área de sua casa, que
pegou todos os documentos e chave reserva do carro, que falou que comprou o carro de forma correta,
2224
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

que depois ele exigiu que fosse entregue o DUTI, que o policial pegou de sua mão, que o requerido falou
que queria que a requerente quitasse o carro e tirasse este do seu nome, que ficou acordado que na
segunda feira a requerente iria procurar o banco para realizar a quitação do veículo e já fazer a
transferência para o seu nome, que ele disse que ia levar o carro para o quartel como garantia, que falou
que ficaria na cidade até o dia 30 de agosto, que ela teria este prazo para resolver a situação, que por este
motivo a depoente e seu marido acreditaram nas propostas e levara o veículo até o quarte, que foi
dirigindo o carro, que quando chegaram tinham vários policiais inclusive o tenente, que ele quis a chave,
que falou que não ia deixar a chave, que falou que então iam para delegacia, que seu marido falou para a
depoente para entregar a chave que deixou a chave no volante e ele colocou a chave para dentro do
quartel, que ele falou depois para o seu marido que tinha que lhe convencer a entregar a documentação
do carro, que na segunda foi de manhã negociar para quitar o carro, que ficaram de lhe dar uma resposta
no dia seguinte, que inclusive no dia em que entregou o veículo o tenente Delson lhe disse para não
entregar o documento que era para procurar o Banco e negociar o debito e na segunda feira retornar para
recuperar seu veículo, que fez isto, que chegou a negociar com o Banco o pagamento do débito em 5 mil
reais, que na segunda mesmo foi ao quartel e falou com o tenente Delson e este falou que o requerido
estava em missão e iria chegar a tarde, que voltou a tarde e o discurso do requerido mudou
completamente, que falou para a requerente que o carro era dele que já tinha tirado do quartel, que falou
que não tinha nada para resolver com a depoente, que mandou a depoente procurar seus direito, que o
requerido ainda lhe ofendeu e disse que mulher dele só servia para lavar roupa e cuidar de menino, que
era para o marido da depoente assumir a negociação e pegar os documentos do carro e entregar para ele,
que caso contrário iria entrar com uma ação contra a depoente, que tem medo que fora isso ele tente fazer
algo com a depoente, que ele nunca quis ir para a delegacia apesar de chamar por ele, que ele não lhe
ameaçou de prisão, que a depoente foi para DEPOL, que ele não compareceu, que ele compareceu
apenas no MP. Nada mais disse nem lhe foi perguntado. Franqueada a palavra a advogada do réu esta
respondeu: que tem o recibo do valor inicial que pagou no carro. Nada mais disse nem lhe foi perguntado.
Em seguida a MMª juíza passou a colher o depoimento pessoal do requerido, que as perguntas do juízo
respondeu: que passou o carro financiado, que não tinha condição de pagar, que passou para um homem
chamado Daniel em Ananindeua, que ele tinha lhe dado 5 mil reais que depois sumiu com o carro, que ele
se comprometeu a pagar o restante das parcelas e depois passar para o seu nome, que não fez um
contrato, que foi uma negociação somente verbal, que Daniel foi indicado por uma amigo seu, que por isso
confiou, que a venda foi no ano de 2016, que entre 2016 e 2018 não sabia onde estava o carro, que
verificou nos sistemas que o carro foi transferido para Barcarena, que nunca fez tal transferência, que veio
em Tailândia para uma missão juntamente com o IBAMA e acabou localizando o carro na cidade, que
procurou ver quem era o dono do carro, que nunca tinha vindo em Tailândia, que nem imaginava que iria
encontrar o carro aqui, que chamou uma viatura, que foram até a casa da requerente para ver os
documentos, que chamou a requerente para ir até o quartel, que sabe que o certo era ir até a delegacia,
que ela estava com um bebe e se exaltou muito por isso quis evitar constrangimento, que queria negociar,
que seu objetivo era que o casal quitasse o veículo e transferisse para o seu nome, que o marido da
requerente falou para o depoente que o irmão da requerente realizou a venda do veículo que este já
estaria acostumado a vender veículo neste tipo de situação, que estava devendo um valor para o marido
da requerente, que o carro ficou no quartel, que falou que eles tinham até uma segunda feira para quitar o
carro, que o marido da requerente falou que não tinha dinheiro e pediria emprestado, que iria arrumar 8 mil
para quitar o carro, que ainda lhe disse que lhe daria 2 mil por fora, que não aceitou, que entendeu que
isso seria uma propina e nunca aceitou propina, que eles não quiseram ir para a delegacia, que chamou
ele para ir a delegacia, que soube que tinha uma intimação para ser ouvido no Ministério Público, que
depois prestou esclarecimento no MP, que ficou até 30 de agosto em Tailândia, que ficou preocupado com
o irmão da requerente, que achou que ele poderia ir no quartel pegar o carro, que a polícia falou que ele
era de má índole, que por isso achou melhor mandar o carro embora para Belém, que já vendeu o carro,
que teve que pagar o empréstimo, que vendeu o carro por 14 mil reais, que na casa da requerente estava
ela e seu marido, que não destratou a dona Solange, que nunca falou para ela que lugar de mulher é em
casa cuidando de menino, que tem esposa que é evangélico, que não tem nenhum processo, que sempre
teve boa conduta, que não responde e nem nunca respondeu a nada administrativamente na polícia, que
na cidade tinham muitos rumores a respeito da conduta do irmão de Solange. Nada mais disse nem lhe foi
perguntado. Franqueada a palavra ao advogado da requerente esta respondeu: que seu erro foi não ter
levado para a DEPOL pois este era o correto, acionou a viatura da PM pois não conhecia a cidade,
chamou a PM pois estava apaisana e achou que seria o adequado pela sua segurança, que tinham 3
policias na viatura e mais um tenente, que a guarnição só ficou acompanhando a situação, que o motorista
ficou dentro da viatura e os demais policias do lado de fora, que nunca fez a ocorrência de furto ou roubo
2225
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

pois não foi roubado, que nunca entrou com nenhum processo pois não tem conhecimento deste tipo de
processo, que levou o carro para Belém na segunda pela manhã, que o fato ocorreu no sábado, que
acredita que este prazo não era o suficiente para que eles resolvessem a situação com o Banco, que foi
no sábado na DEPOL e não tinha delegado, que na segunda estava em missão com o IBAMA, que estava
fazendo segurança do IBAMA, que ficou apenas alojado no quartel, que chegou a ir na DEPOL mas foi
informado pela escrivã que tal problema seria cível e que não fizeram mais nada, que não se recorda o dia
em que procurou a DEPOL, que foi a primeira vez que teve carro, que por esse motivo acabou entregando
o DUT do veículo sem este estar quitado. Nada mais disse nem lhe foi perguntado. Ato continuo, a MMª
juíza passou a colher o depoimento da 1° testemunha da parte autora sra. SILVANETE MIRANDA
SOUSA, RG 8020916PC/PA, nascida em 12/04/1982, natural de Bom Jardim/MA, residente e domiciliada
na Av. Florianópolis, n° 271, Bairro Novo Horizonte, neste município, testemunha advertida e
compromissada nos termos da lei, quanto aos costumes nada declarou, que as perguntas do juízo
respondeu: que estava na frente de sua casa na hora que a atora chegou, que ela chegou dirigindo o
carro, que tinha uma viatura atrás dela, que no momento não sabia o que ocorria, que a requerente pediu
para a depoente segurar seu bebe, que ficou com o bebe em sua casa, que não presenciou as tratativas,
que não sabe o que ocorreu dentro da casa, que depois quando ela foi buscar a bebê ela lhe contou o que
tinha acontecido, que voltou já sem o carro, que disse que deixou o carro no quartel, que ela estava muito
nervosa, que ela disse que o carro que ela tinha comprado era de um rapaz, que não chegou a lhe contar
os detalhes. Nada mais disse nem lhe foi perguntado. Franqueada a palavra ao advogado da requerente
esta respondeu: que viu uns 5 policiais em frente a casa da requerente, que escutou os barulhos e por isso
foi para frente de casa, que escutou um falatório mais alto do que de costume, que ouviu o bebê de
Solange chorando muito, que tal situação chamou a sua atenção e saiu para ver o que estava
acontecendo, que o giroflex não estava ligado, que não se recorda do requerido presente em audiência,
que estava de noite, que todos os vizinhos ficaram curiosos e saíram para ver a situação, que ficou
assustada com a cena. Nada mais disse nem lhe foi perguntado. Franqueada a palavra a advogada do
requerido esta respondeu: que não está lembrada de quando assinou o contrato de compra e venda, que
acha que foi ano retrasado, que não sabe, que não leu o que assinou, que sabe que se trata de contrato
do carro mas que não leu o seu teor, que assinou o contrato a pedido da autora, que é sua vizinha, que
não sabe o valo a compra do carro e nem de quem ela comprou. Nada mais disse nem lhe foi perguntado.
Dando prosseguimento, a MMª juíza passou a colher o depoimento da 2° testemunha da parte autora sr.
GLEISSON FONTELIS ALVES, RG 5169933PC/PA, nascido em 05/06/1983, natural de Tailândia/PA,
residente e domiciliado na Rua 19, Casa 22, Bairro Jardim Primavera, neste município, quanto aos
costumes declarou ser irmão da parte autora motivo pelo qual não lhe foi deferido compromisso, que as
perguntas do juízo respondeu: que intermediou a compra e venda do veículo objeto da ação, que comprou
o veículo de Leandro, que ele tinha um restaurante perto do Posto Nando, que ele postou no Face, que viu
a postagem, que dizia que estava financiado, que foram verificar a situação do carro, que verificaram que
só tinha pago uma parcela, que estavam duas parcelas em atraso, que o carro era semi novo, que era
financiado já usado, que tinha 28 mil ainda para quitar tudo, que Leandro falou para a autora para
aguardar e não pagar o que estava atrasado, que era para esperar até dezembro e fazer uma proposta
menor ao Banco para quitar o carro, que o carro estava com documentos, chave reserva e manual, que
estava tudo certo, que o contrato saiu em seu nome pois foi o depoente que comprou o carro para a
autora, que ela pagou 10 mil de entrada, que ligaram para o banco e foi informado que se quisesse quitar
no dia o valor seria de aproximadamente R$ 11.700,00 reais, que só ficou sabendo depois da abordagem
do requerido, que falou que ela não deveria ter entregado o carro, que falou que ele não poderia ter feito
isso, que o carro não foi roubado, que ela lhe falou que ele só deixou o carro guardado no quartel e que
resolveria a situação na segunda, que no domingo de manhã passaram no quartel e o quarto já não estava
lá, que falou com o escrivão que este lhe informou que o certo seria ter deixado o carro na DEPOL, que
informou que o carro já não estava mais no quartel, que este lhe disse que então com certeza o requerido
já tinha levado o carro, que trabalha com venda de carro. Nada mais disse nem lhe foi perguntado.
Franqueada a palavra ao advogado da requerente esta respondeu: que não tem passagem pela polícia.
Nada mais disse nem lhe foi perguntado. Franqueada a palavra a advogada do requerido: que não chegou
a perguntar do carnê das parcelas, que a requerente queria um carro mais novo, que ela teve um bebê e
por isso vender a sua moto para comprar um carro, que não chegou a entrar em contato com o proprietário
do veículo para saber a real situação do carro. Nada mais disse nem lhe foi perguntado. O patrono da
parte requerente desiste da oitiva da testemunha AYAN ALVES SAMPAIO, o que foi homologado pelo
juízo. As partes dispensam a produção de alegações finais. DELIBERAÇÃO EM AUDIÊNCIA:
"Considerando que não há necessidade de produção de mais nenhuma prova dou por encerrada a
instrução processual. Façam-se os autos conclusos para sentença. Cientes os presentes." Nada mais
2226
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

havendo mandou a MMª Juíza encerrar o presente termo que lido e achado conforme vai devidamente
assinado. Eu, .............................., Raquel Platilha (Auxiliar Judiciário), subscrevi. JUÍZA DE DIREITO:
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
REQUERENTE:______________________________________________ ADVOGADO:
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
REQUERIDO:_______________________________________________ ADVOGADA:
_______________________________________________ 1° TESTEMUNHA:
___________________________________________ 2° TESTEMUNHA:
___________________________________________ PROCESSO: 00031425620198140074 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): NADER CRISTINO DO CARMO
BATISTA Ação: Averiguação de Paternidade em: 05/12/2019 REQUERENTE:A. G. R. Representante(s):
OAB 23266 - ANDREW WILLIAN DE MORAIS SILVA (ADVOGADO) REPRESENTANTE:ARTENIZIA
GOMES RODRIGUES Representante(s): OAB 23266 - ANDREW WILLIAN DE MORAIS SILVA
(ADVOGADO) REQUERIDO:GELBSON DA COSTA ALVES Representante(s): OAB 14542-A - CLESIO
DANTAS AZEVEDO (ADVOGADO) . ESTADO DO PARÁ PODER JUDICIARIO COMARCA DE
TAILANDIA/PA Av. Belém, nº 08, Bairro Centro - CEP: 68.695-000 - Fone/fax: (91) 3752-1311 TERMO DE
ENTREGA Aos quatro (04) dias do mês de dezembro do ano de dois mil e dezenove (2019), nesta Cidade
e Comarca de Tailândia, Estado do Pará, na sala onde funciona a Secretaria Judicial da 2ª Vara Cível
desta Comarca, e sendo aí, compareceu a Sra. ARTENIZIA GOMES RODRIGUES ocasiões em que
consta , ao que consta nos autos do Processo nº 0003142.56.2019.814.0074 - AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO
DE PATERNIDADE , foi entregue a referida Senhora, por esta Secretaria, a Certidão de Nascimento
averbada (original) , de (ALICE RODRIGUES ALVES), feita sob a matrícula 068510.0155.2007
1.00043.293.0023781.12 do Cartório de Registro Civil de Tailândia /PA. E nada mais havendo, deu-se este
termo por findo que lido e achado conforme, vai devidamente assinado, pelo recebedor do referido
documento ............................................. ARTENIZIA GOMES RODRIGUES RG.5610454 PROCESSO:
00038908820198140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Alimentos - Lei Especial Nº 5.478/68 em: 05/12/2019
REQUERENTE:L. S. S. M. REPRESENTANTE:THAYLENE POLLYANNE LICAR DE SOUZA
REQUERIDO:E. M. E. M. AUTOR:MINISTERIO PUBLICO ESTADUAL DE TAILANDIA. PODER
JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ 2ª VARA DA COMARCA DE TAILÂNDIA
AÇÃO DE ALIMENTOS PROCESSO N. º 0003890-88.2019.8.14.0074 JUÍZA DE DIREITO: DRA. ALINE
CRISTINA BREIA MARTINS PROMOTORA DE JUSTIÇA: DRA. ELY SORAYA SILVA CEZAR
REQUERENTE: LAURA SOPHIA SOUZA MORAES REPRESENTANTE LEGAL: THAYLENE
POLLYANNE LICAR DE SOUZA REQUERIDO: EDUARDO MORAES E MORAES TERMO DE
AUDIÊNCIA Aos 04 (quatro) dias do mês de dezembro de 2019 (dois mil e dezenove), às 10h30 (dez
horas e trinta minutos), na sala de audiência da 2ª Vara de Tailândia, presentes para esta audiência UNA
a MMª Juíza de Direito, DRA. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS, bem como a Promotora de Justiça
DRA. ELY SORAYA SILVA CEZAR. ABERTA A AUDIÊNCIA, verificou-se a presença da representante
legal da parte autora. Ausente a parte requerida, a qual não foi citada para comparecer ao presente ato
processual. Pela ordem, a parte autora informou que o requerido reside no mesmo endereço informado na
inicial, todavia, ressaltou que o requerido trabalha como Mototaxi, que é o único que usa camisa de manga
longa azul e vermelha e trabalha no ponto que fica ao lado da Praça do Cristo, em Abaetetuba/PA,
requerendo que este seja citado em seu endereço profissional. DELIBERAÇÃO EM AUDIÊNCIA: "Expeça-
se carta precatória à Comarca de Abaetetuba/PA, para que seja feita a citação e intimação do requerido,
no seu endereço profissional declinado nesta assentada para audiência de conciliação, instrução e
julgamento, a qual designo para o dia 18 de Março de 2020, às 11h00min. Ciente, a requerente, acerca da
data da audiência acima disposta". Nada mais havendo mandou a MMª. Juíza encerrar o presente termo
que lido e achado conforme vai devidamente assinado. Eu, _____________, Raquel Platilha (Auxiliar
Judiciário), digitei e subscrevi. JUIZA DE DIREITO: ________________________________________
PROMOTORA DE JUSTIÇA: _________________________________ REPRESENTANTE LEGAL:
__________________________________ PROCESSO: 00045488320178140074 PROCESSO ANTIGO: -
--- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): NADER CRISTINO DO CARMO BATISTA Ação:
Recurso Inominado Cível em: 05/12/2019 REQUERENTE:ALBA VALERIA PARREIRA DE FREITAS
Representante(s): OAB 11581 - JOSE FERNANDES JUNIOR (ADVOGADO) REQUERIDO:SARAIVA E
SICILIANO SA Representante(s): OAB 22554-A - DANILO ANDRADE MAIA (ADVOGADO) . C E R T I D Ã
O Em virtude das atribuições que me são conferidas por Lei, e em cumprimento a Ordem de Serviço nº
003/2019-2ª Vara Cível da Comarca de Tailândia, Art.3º, datado de 02/12/2019, certifico o transito em
julgado nos autos físicos, com o objetivo de promover seu encerramento no sistema Libra, onde o referido
2227
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

processo foi convertido em suporte eletrônico, migrado e registrado no Sistema de Processo Judicial
Eletrônico (PJE), ficando encerrada a tramitação fisicamente, buscando-se evitar a duplicidade de
processo em trâmite, para então, ter à sua continuidade somente pelo sistema eletrônico PJE. O referido é
verdade e dou fé. Tailândia, 04 de dezembro de 2019. .................................... Nader Cristino do Carmo
Batista Auxiliar Judiciário - 2ª Vara Civel Mat. 160.857 PROCESSO: 00053172320198140074 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS
Ação: Averiguação de Paternidade em: 05/12/2019 REQUERENTE:R. L. A. Representante(s): OAB 23266
- ANDREW WILLIAN DE MORAIS SILVA (ADVOGADO) REPRESENTANTE:Z. S. A. Representante(s):
OAB 23266 - ANDREW WILLIAN DE MORAIS SILVA (ADVOGADO) REQUERIDO:ENIVONALDO
AMORIM DA SILVA. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ 2ª VARA DA
COMARCA DE TAILÂNDIA AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE PROCESSO N. º 0005317-
23.2019.8.14.0074 JUÍZA DE DIREITO: DRA. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS REQUERENTE:
RAYZA LORRANE SILVA DE ARAUJO REPRESENTANTE LEGAL: ZILMA SILVA DE ARAUJO
ADVOGADO: DR. ANDREW WILLIAN DE MORAIS SILVA, OAB-PA 23.266 REQUERIDO: ENIVONALDO
AMORI DA SILVA TERMO DE AUDIÊNCIA Aos 04 (quatro) dias do mês de dezembro do ano de dois mil e
dezenove (2019), às 10h00 (dez horas), na sala de audiência da 2ª Vara de Tailândia, presente para esta
audiência de conciliação a MMª Juíza de Direito, DRA. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS, Ausente a
representante do Ministério Público. ABERTA A AUDIÊNCIA, verificou-se a presença da parte requerente,
acompanhada de seu advogado DR. ANDREW WILLIAN DE MORAIS SILVA, OAB-PA 23.266, bem como
a ausência da parte requerida, o qual não foi regularmente citado em virtude de atualmente estar viajando,
conforme certidão nos autos. A parte requerente informa que o requerido continua residindo no mesmo
endereço já informado anteriormente, contudo, acredita que este está se ocultando com o objetivo de não
receber as comunicações judiciais, tendo em vista que já sabe de forma informal a respeito deste
processo. Informa ainda o seu telefone de contato, qual seja (91) 9.9211-9639 (ZILMA) DELIBERAÇÃO
EM AUDIÊNCIA: "Renovem-se as diligências para o dia 18 DE MARÇO DE 2020, ÀS 11H30MIN. Cite-se a
parte requerida no endereço já informado, devendo o Oficial de Justiça atentar para que, caso verifique
que o requerido está se ocultando visando não receber as comunicações deste juízo, proceda a citação
por hora certa. O presente termo de audiência servirá como mandado. Cientes os presentes". Nada mais
havendo mandou a MM. Juíza encerrar o presente termo que lido e achado conforme vai devidamente
assinado. Eu, _____________, Raquel Platilha (Auxiliar Judiciário), digitei e subscrevi. JUIZA DE
DIREITO: ________________________________________ REQUERENTE:
____________________________________________ ADVOGADO:
______________________________________________ PROCESSO: 00062621020198140074
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Ação: Procedimento de Conhecimento em: 05/12/2019 REQUERENTE:MEGA COMUNICAÇÃO
VISUAL LTDA ME Representante(s): OAB 20583 - HERBERT JUNIOR E SILVA (ADVOGADO)
REQUERIDO:DOUGLAS DA SILVA COELHO. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE DO ESTADO DO
PARÁ 2ª VARA DA COMARCA DE TAILÂNDIA AÇÃO DE SUPRIMENTO JUDICIAL DO
CONSENTIMENTO PROCESSO N.º 0006262-10.2019.8.14.0074 JUÍZA DE DIREITO: DRA. ALINE
CRISTINA BREIA MARTINS REQUERENTE: MEGA COMUNICAÇÃO VISUAL LTDA ADVOGADO: DR.
NAOKI DE QUEIROZ SAKAGUCHI OAB/PA 13.620 REQUERIDO: DOUGLAS DA SILVA COELHO
TERMO DE AUDIÊNCIA Aos 04 (quatro) dias do mês de dezembro do ano de dois mil e dezenove (2019),
às 10h00 (dez horas), na sala de audiência da 2ª Vara de Tailândia, presente para esta audiência de
conciliação, a MMª Juíza de Direito, DRA. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS. Aberta a audiência,
verificou-se a presença da parte requerente, acompanhada de seu advogado, DR. NAOKI DE QUEIROZ
SAKAGUCHI OAB/PA 13.620, o qual requer a juntada de substabelecimento, bem como a ausência do
requerido, apesar de devidamente citado, conforme certidão de fls. 67. Instada a conciliação, esta resultou
infrutífera, em virtude da ausência do requerido. DELIBERAÇÃO EM AUDIÊNCIA: "Considerando a
ausência injustificada da parte ré, o que configura ato atentatório à dignidade da justiça, condeno-a ao
pagamento de 1% sobre o valor da causa, com fundamento no §8º, do art. 334, do NCPC. Tendo em vista
que a conciliação resultou infrutífera, deverá a parte ré apresentar contestação, nos termos do art. 335,
inciso I do NCPC. Apresentada resposta em tempo hábil, na qual o Réu suscite qualquer das questões
prévias previstas no art. 337 do Código de Processo Civil, abra-se vista a parte autora para que se
manifeste, tudo nos moldes do art. 351 do referido diploma legal. Após, com ou sem manifestação, neste
último caso devidamente certificado, voltem-me os autos conclusos. Cientes os presentes." Nada mais
havendo, mandou a MMª Juíza encerrar o presente termo que lido e achado conforme vai devidamente
assinado. Eu, __________________, Raquel Platilha (auxiliar judiciário) digitei e subscrevi. JUIZA DE
DIREITO: _______________________________________________ REQUERENTE:
2228
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
ADVOGADO______________________________________________________ PROCESSO:
00071819620198140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Procedimento Comum Cível em: 05/12/2019
REQUERENTE:FRANCISCA DE ANDRADE CUNHA Representante(s): OAB 26352 - THAIS DANTAS
ALVES (ADVOGADO) REQUERIDO:BANCO SAFRA S/A. 1 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE
JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ 2ª VARA DA COMARCA DE TAILÂNDIA AÇÃO ANULATÓRIA DE
NEGOCIO JURIDICO C/C RESTITUIÇÃO DE VALORES, REPETIÇÃO DE INDÉBITO E INDENIZAÇÃO
POR DANOS MORAIS PROCESSO: 0007181-96.2019.14.0074 JUÍZA DE DIREITO: DRA. ALINE
CRISTINA BREIA MARTINS REQUERENTE: FRANCISCA DE ANDRADE CUNHA ADVOGADA: DRA
THAIS DANTAS ALVES OAB-PA 26.352 REQUERIDO: BANCO SAFRA S/A PREPOSTO: YANCA DE
OLIVEIRA OZAKI ADVOGADO: DR. MARCOS VENICIUS LISBOA RODRIGUES JUNIOR, OAB/PA23016
TERMO DE AUDIÊNCIA Aos 03 (três) dias do mês de dezembro de 2019 (dois mil e dezenove), às 11:00h
(onze horas), na sala de audiência da 2ª Vara da Comarca de Tailândia/PA, onde se encontrava presente
a MMª Juíza de Direito, DRA. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS, para a presente audiência de UNA.
Aberta a audiência, verificou-se a presença da requerente, acompanhada de sua advogada DRA THAIS
DANTAS ALVES OAB-PA 26.352. Presente o requerido, por meio de sua preposta Sra. YANCA DE
OLIVEIRA OZAKI, portadora do RG N° 6894684 SSP/PA, acompanhada de seu advogado DR. MARCOS
VENICIUS LISBOA RODRIGUES JUNIOR, OAB/PA23016. Instada a conciliação, esta resultou infrutífera,
em virtude da ausência de proposta de acordo do banco réu. Em seguida, a parte ré apresentou
contestação e documentos em 44 (quarenta e quatro) laudas. Ato continuo, a patrona da requerente se
manifestou nos seguintes termos: "A autora impugna a contestação, bem ainda os contratos colacionados
pelas seguintes razões: de fato a autora anuiu com o contrato de empréstimo n° 3557728, todavia não
anuiu com qualquer contrato de refinanciamento como aduz a requerida de modo que nunca assinou
nenhum destes contratos trazidos pela requerida. A requerida tem por habito fazer envio de contratos via
correio depois de já ter efetuado a transação, prova disso informa que o contrato de n° 9816817 trata-se
de um refinanciamento do contrato n° 3616305, ora discutido ocorre excelência que este contrato se
encontra a sua disposição neste ato para observar que a requerente nunca assinou, tanto que o recebeu
pelo correio e o apresentou a sua causídica, oportunidade em que requer a juntada do contrato recebido
via correio. O que demonstra que tais contratos de refinanciamento são fraudulentos, ou seja, não teve
qualquer anuência da requerente, desta feita não se pode permitir que Bancos com o porte da requerida
façam aleatoriamente transações sem permissões, tão pouco absurdamente fazer envios posteriores via
correios. Logo reitera-se os pedidos elencados a peça exordial, bem como diante do contrato ora
apresentado pela requerida, diga-se falso, requer a inspeção judicial nos termos da lei 9.099/95. Nada
mais ". Ato continuo a MMª juíza passou a colher o depoimento pessoal da parte autora: Que nunca fez
um empréstimo com o Banco do Rio Grande do Sul, que não se recorda de ter feito nenhum empréstimo
anterior ao que fez com o Banco SAFRA. Nada mais disse nem lhe foi perguntado. Franqueada a palavra
ao advogado da ré este nada perguntou. Em provas, a parte requerente requer a juntada de contrato
enviado pelos correios a requerida, o qual esta sem sua assinatura. A parte ré nada requereu.
DELIBERAÇÃO EM AUDIÊNCIA: "Converto o julgamento em diligencia e passo a deliberar nos seguintes
termos: 1- Defiro a realização de inspeção grafotécnica no contrato realizado com a parte autora por meio
do CPC Renato Chaves, por entender que não se trata de Pericia complexa, podendo ser realizada no
âmbito dos juizados especiais. 2- Intime-se o Banco demandado para que apresente o contrato original no
prazo de 15 (quinze) dias, sob pena de não realização do ato postulado. Neste momento, a parte autora
procedeu a assinatura do auto de tomada de padrões gráficos para a realização da perícia. Com o
contrato original juntado aos autos, encaminhe-se a documentação ao CPC Renato Chaves para a
realização da Perícia. Cientes os presentes." Nada mais havendo, mandou a MMª Juíza mandou encerrar
o presente termo que lido e achado conforme vai devidamente assinado. Eu, ____________________,
Raquel Platilha (Auxiliar judiciário), digitei e subscrevi. JUIZA DE
DIREITO:______________________________________________
REQUERENTE:_________________________________________________
ADVOGADA:____________________________________________________ PREPOSTA:
___________________________________________________ ADVOGADO:
_____________________________________________________ 1 PROCESSO:
00072018720198140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Alimentos - Lei Especial Nº 5.478/68 em: 05/12/2019
REQUERENTE:R. N. B. REQUERENTE:V. N. B. REPRESENTANTE:A. L. N. REQUERIDO:G. F. L. B.
AUTOR:MINISTERIO PUBLICO ESTADUAL DE TAILANDIA. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE
2229
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ 2ª VARA DA COMARCA DE TAILÂNDIA AÇÃO DE ALIMENTOS


PROCESSO N. º 0007201-87.2019.8.14.0074 JUÍZA DE DIREITO: DRA. ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS PROMOTORA DE JUSTIÇA: DRA. ELY SORAYA DA SILVA CEZAR REQUERENTE: REBECA
NASCIMENTO BARBOSA E VERES NASCIMENTO BARBOSA REPRESENTANTE LEGAL: AILEEN DA
LUZ NASCIMENTO REQUERIDOGERMANO TRAVASSOS BARBOSA TERMO DE AUDIÊNCIA Aos 04
(quatro) dias do mês de dezembro do ano de dois mil e dezenove (2019), às 09:00 h (nove horas), na sala
de audiência da 2ª Vara de Tailândia, presente a MM.ª Juíza de Direito, DRA. ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Presente a representante do Ministério Público DRA. ELY SORAYA DA SILVA CEZAR. Aberta
a audiência, verificou-se a ausência da requerente, a qual estava devidamente intimada do presente ato,
conforme certidão nos autos, bem como a ausência do requerido. Ato contínuo, a MMª Juíza passou a
sentenciar, nos seguintes termos: "Vistos os autos, a audiência não foi realizada face a ausência da
autora, embora ciente desta audiência conforme consta em certidão. É o relatório. Decido. A requerente
estava ciente desta audiência conforme consta sua assinatura lançada aos autos, mas não compareceu
nem justificou sua ausência. A lei é clara ao determinar que o processo será arquivado se ausente o autor
da ação de alimentos e, consequentemente, extinto o feito como consta no artigo 7º da Lei nº5.478/68.
Pelo exposto, resolvo arquivá-lo e consequentemente julgar extinto o processo, sem resolução do mérito,
tendo em vista a ausência injustificada da autora na audiência de conciliação, instrução e julgamento, com
fulcro nos artigos 7º da Lei nº5.478/68 (Lei de Alimentos) e 485, inciso III e VIII, do Código Processual
Civil. Sem custas. Arquive-se com as cautelas legais. Cientes os presentes". Nada mais havendo mandou
a MMª Juíza encerrar o presente termo que lido e achado conforme vai devidamente assinado. Eu,
_________________, Raquel Platilha (Auxiliar judiciário), digitei e subscrevi. JUIZA DE DIREITO:
............................................................................................... PROMOTORA DE JUSTIÇA:
................................................................................. PROCESSO: 00072624520198140074 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS
Ação: Averiguação de Paternidade em: 05/12/2019 REQUERENTE:P. K. F. P. Representante(s): OAB
23266 - ANDREW WILLIAN DE MORAIS SILVA (ADVOGADO) REPRESENTANTE:MARIA OZIANE
PERREIRA PINTO Representante(s): OAB 23266 - ANDREW WILLIAN DE MORAIS SILVA (ADVOGADO)
REQUERIDO:SERGIO SOUSA LAMERA. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO
DO PARÁ 2ª VARA DA COMARCA DE TAILÂNDIA AÇÃO DE DE INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE
PROCESSO N. º 0007262-45.2019.8.14.0074 JUÍZA DE DIREITO: DRA. ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS PROMOTORA DE JUSTIÇA: DRA. ELY SORAYA DA SILVA CEZAR REQUERENTE: PAMELA
KAROLINE FERREIRA PINTO REPRESENTANTE LEGAL: MARIA OZIANE FERREIRA PINTO
ADVOGADO: DR. ANDREW WILLIAN DE MORAIS SILVA, OAB/PA 23.266 REQUERIDO: SERGIO
SOUSA LAMEIRA TERMO DE AUDIÊNCIA Aos 04 (quatro) dias do mês de dezembro do ano de dois mil
e dezenove (2019), às 09:30 h (nove horas e trinta minutos), na sala de audiência da 2ª Vara de Tailândia,
presente a MM.ª Juíza de Direito, DRA. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Presente a representante do
Ministério Público DRA. ELY SORAYA DA SILVA CEZAR. Aberta a audiência, verificou-se a ausência da
requerente, e de seu advogado e a ausência do requerido. DELIBERAÇÃO EM AUDIÊNCIA: "Suspendo o
processo pelo prazo de 06 (seis) meses, aguardando o comparecimento voluntário da parte autora. Findo
o prazo, certifique-se conclusos. Cientes os presentes.". Nada mais havendo mandou a MMª. Juíza
encerrar o presente termo que lido e achado conforme vai devidamente assinado. Eu,
_________________, Raquel Platilha (Auxiliar judiciário), digitei e subscrevi. JUIZA DE DIREITO:
............................................................................................... PROMOTORA DE JUSTIÇA:
................................................................................. PROCESSO: 00083424420198140074 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS
Ação: Guarda em: 05/12/2019 REQUERENTE:J. M. S. Representante(s): OAB 20018 - IRAN FARIAS
GUIMARAES (ADVOGADO) MENOR:H. D. S. R. REQUERIDO:G. L. R. Representante(s): OAB 23266 -
ANDREW WILLIAN DE MORAIS SILVA (ADVOGADO) . PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO PARÁ 2ª
VARA DA COMARCA DE TAILÂNDIA AÇÃO DE GUARDA PROCESSO N.º 0008342-44.2019.814.0074
JUÍZA DE DIREITO: ALINE CRISTINA BREIA MARTINS PROMOTORA DE JUSTIÇA: DRA. ELY
SOARYA SILVA CEZAR REQUERENTE: JHESSICA MOREIRA DA SILVA ADVOGADO: DR: IRAN
GUIMARÃES, OAB/PA Nº. 20.018 ENVOLVIDA: HIALYSON SAVI SILVA RODRIGUES REQUERIDO:
GLEISON LESSA RODRIGUES ADVOGADO: DR. ANDREW WILLIAN DE MORAIS SILVA, OAB-PA
23.266 TERMO DE AUDIÊNCIA Aos 04 (quatro) dias do mês de dezembro do ano de dois mil e dezenove
(2019), às 12h00 (doze horas), na sala de audiência da 2ª Vara de Tailândia, presente a MMª DRA ALINE
CRISTINA BREIA MARTINS, Juíza de Direito, presente a Representante do Ministério Público, DRA. ELY
SOARYA SILVA CEZAR, para a presente audiência de conciliação. Aberta a audiência, verificou-se a
presença da requerente, acompanhada de seu advogado DR. IRAN GUIMARÃES, OAB/PA Nº. 20.018, e
2230
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

a presença do requerido acompanhado de seu advogado DR. ANDREW WILLIAN DE MORAIS SILVA,
OAB-PA 23.266, o qual requer a juntada de procuração. Ato seguinte após dialogarem, as partes acharam
por bem pactuar acordo nos termos seguintes: I-DA GUARDA: As partes acordam que a guarda será
exercida unilateralmente pelo genitor; II- DIREITO DE CONVIVÊNCIA DA REQUERENTE: A) DOS FINAIS
DE SEMANA: A requerente terá direito de ficar com a criança em um final de semana por mês,
preferencialmente no primeiro final de semana, podendo a requerente pegar a criança na sexta-feira a
noite, devendo devolvê-la no domingo a noite, na casa do genitor. B) DAS FÉRIAS ESCOLARES: I-O
período de férias escolares de dezembro será dividido em dois períodos iguais, sendo a primeira metade
com o genitor e a outra metade com a genitora; II- Durante as férias de julho a criança ficará na residência
da genitora; III- A criança passará o natal na companhia do genitor e o ano novo com a genitora; C)- DO
PRAZO RECURSAL: As partes renunciam ao prazo recursal. DANDO PROSSEGUIMENTO PASSOU
ESTE MM. JUÍZO A DECIDIR O FEITO "Homologo o acordo entabulado pelas partes nesta audiência,
mandando que se obedeça fielmente ao pactuado. No mesmo diapasão, verifico que o pleito não encontra
óbice legal, ao passo que as partes são capazes, inexistindo, nesses casos, vícios ou nulidades a sanar.
Assim, diante do exposto, homologo o acordo e julgo extinto o processo com resolução de mérito, nos
termos do art. 487, inciso III do CPC. Sem custas, posto que defiro o benefício da gratuidade da justiça.
Homologo a renúncia ao prazo recursal. Cientes os presentes. Nada mais havendo mandou a MMª Juíza
encerrar o presente termo que lido e achado conforme vai devidamente assinado. Eu, ...............................,
Raquel Platilha (Auxiliar Judiciário), digitei e subscrevi. JUÍZA DE DIREITO:
.......................................................................................... PROMOTORA DE
JUSTIÇA:............................................................................... REQUERENTE:
..................................................................................................
ADVOGADO:....................................................................................................... REQUERIDO:
..................................................................................................
ADVOGADO:....................................................................................................... Av. Belém n.º 08 - Bairro
Santa Maria - Tailândia - Pará PROCESSO: 00123032720188140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Execução de Alimentos em: 05/12/2019 REPRESENTANTE:S. S. S. EXEQUENTE:S. E. S. S.
EXECUTADO:G. G. S. Representante(s): OAB 8657 - SALOMAO DOS SANTOS MATOS (ADVOGADO) .
Recebido Hoje, Defiro o pedido de fls.30/32. Expeça-se boleto para pagamento do valor indicado.
Tailândia-PA, 04 de dezembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito Titular da 2ª Vara de
Tailândia PROCESSO: 00000189720018140074 PROCESSO ANTIGO: 200110000673
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Execução de Título Extrajudicial em: 06/12/2019 EXECUTADO:ANTONIO SOARES DE AMORIN NETO
EXEQUENTE:BANCO DA AMAZONIA SA Representante(s): OAB 11471 - FABRICIO DOS REIS
BRANDAO (ADVOGADO) OAB 13221-A - CAIO ROGERIO DA COSTA BRANDAO (ADVOGADO) . ****
AÇÃO DE EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL Exequente: BANCO DA AMAZÔNIA S/A Executado:
ANTONIO SOARES DE AMORIM DESPACHO Vistos os autos. Trata-se de ação executiva promovida
pelo Banco da Amazônia S/A em face de ANTONIO SOARES DE AMORIM NETO, ambos qualificados
nos autos do processo em referência. À fl. 22, sobreveio aos autos a notícia do falecimento da parte
executada, a qual foi corroborada pela certidão de óbito de fl. 24. Ato contínuo, a parte exequente
requereu o prosseguimento do feito contra o espólio de Antônio Soares de Amorim Neto, bem como a
citação da esposa do executado, Sra. Rita da Silva Amorim (fl. 26). Citada (fl. 28-verso), a Sra. Rita da
Silva Amorim, na qualidade de representante do espólio, indicou à penhora o imóvel rural, situado na
Vicinal 18, Vila Bom Jesus, local onde se encontraria instalado o Projeto Coco, Zona Rural de Tailândia/PA
(fls. 30/31). Após requerimento da parte exequente (fl. 34), em 04/02/2004, foi procedida à penhora do
imóvel rural constituído de lotes contíguos denominados "Sítio Santo Antônio" e "Sítio Santa Rita",
localizados na Gleba 18 (Lotes nº. 04 e 09), neste município, o qual foi dado em garantia por ocasião da
assinatura da cédula rural hipotecária e pignoratícia FIR-078-96-0206/7 (fls. 38/51). Efetivada a
supracitada penhora, o feito tramitou por dez anos com a parte exequente tentando localizar os demais
bens dados em garantia pelo executado, bem como realizar a avaliação do bem já constrito no bojo da
presente demanda, conforme se observa nas petições de fl. 53 (protocolo em 25/042007), de fl. 56
(protocolo em 28/11/2007), de fl. 60 (protocolo em 19/08/2008), de fl. 67 (protocolo em 15/09/2014), de fls.
76/77 (protocolo em 29/09/2014), de fl. 113 (protocolo em 24/02/2015), de fl. 121 (protocolo em
24/08/2016), de fls. 132/135 (protocolo em 22/08/2018), fls. 139/142 ( protocolo em 28/02/2018). Em
23//07/2019, foi realizada a avaliação dos lotes contíguos denominados originalmente de "Sítio Santo
Antônio" e "Sítio Santa Rita", tendo o oficial de justiça atribuído ao imóvel o valor de R$436.076,00
(quatrocentos e trinta e seis mil e setenta e seis centavos) (fls.151/152). Vieram-me os autos conclusos.
2231
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Pois bem. Após detida análise do presente feito e de realização de consulta no Sistema Libra em nome de
Antônio Soares de Amorim Neto, constatei a existência de Ação de Inventário dos bens deixados pelo
executado, ajuizada em 20/07/2011 e em tramitação perante este juízo sob o nº. 0001667-
16.2011.8.14.0074. Ocorre que, compulsando os autos da ação supra, constatei que Rita da Silva Amorim
também já é falecida, sendo o espólio do executado representado por NILSA DA SILVA AMORIM. Desta
feita, intime-se a inventariante do espólio de Antônio Soares de Amorim Neto, no endereço constante dos
autos de nº. 0001667-16.2011.8.14.0074, para que se manifeste acerca do Auto de Avaliação colacionado
às fls. fls.151/152, bem como para que indique a localização dos demais bens relacionados à fl. 12 dos
presentes autos. Promova a Secretaria a alteração do nome da parte executada na capa dos autos.
Exaurido o prazo retro, com ou sem manifestação nos autos, voltem-me os autos conclusos. Tailândia/PA,
04 de dezembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ª Vara da
Comarca de Tailândia/PA. PROCESSO: 00001115419988140074 PROCESSO ANTIGO: 199810000241
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Consignação em Pagamento em: 06/12/2019 AUTOR:CAMILO E BOIBA LTDA Representante(s):
ADAUTO GONCALVES DOS SANTOS (ADVOGADO) GIOVANA CARLA A. NICOLETTI (ADVOGADO)
REU:SERMITAB - SINDICATO DOS EMPREGADOS RURAIS DE MOJU/PA REP LEGAL:PEDRO
MERCIDES DA COSTA REU:STRT - SINDICADO DOS TRAB. RURAIS DE TAILANDIA REP
LEGAL:JOSE DA PIEDADE FARIAS. Processo nº 0000111-54.1998.8.14.0074 Vistos os autos, Tendo em
vista as informações prestadas pelo Banpará, às fls. 122, bem como a planilha atualizada dos valores
depositados em juízo, de fls. 119/120, reitere-se, por derradeiro, ofício de fls. 115, devendo o Banpará
promover seu cumprimento em 15 (quinze) dias, advertindo-se que a omissão em responder ao
expediente judicial poderá configurar crime de desobediência, assim como a omissão em proceder o
devido cumprimento, em bloqueio Bacenjud dos ativos deste banco. Tailândia, 03 de dezembro de 2019.
Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito, Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia PROCESSO:
00002705120088140074 PROCESSO ANTIGO: 200810001715
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Comum Cível em: 06/12/2019 REQUERENTE:FRANCISCA LUCILEIDE MAGALHAES
ROCHA Representante(s): CARLOS ALBERTO CAETANO (ADVOGADO) REQUERIDO:CIA EXCELSIOR
DE SEGUROS Representante(s): ROBERTA MENZES COELHO DE SOUZA (ADVOGADO)
TERCEIRO:SEGURADORA LIDER DOS CONSORCIOS DO SEGURO DPVAT SA. Processo nº 0000270-
51.2008.8.14.0074 R.H. Ante a certidão de fls. 181, indefiro o pedido da parte autora, realizado às fls.
187/190. Cumpra, a Secretaria judicial, o item II do despacho de fls. 180, devendo, todavia, expedir Alvará
Judicial em favor do patrono da requerente, tão somente, a título de honorários advocatícios, in casu,
honorários sucumbenciais. No que tange ao requerente, determino a expedição de alvará judicial em seu
favor. Assim, intime-se pessoalmente o requerente. Após, ante o pagamento das custas finais pelo
requerido e sem qualquer pendência para o deslinde do feito, arquive-se, com as cautelas legais. Servira a
presente como mandado. Tailândia, 04 de dezembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito
Titular da 2ª Vara de Tailândia-Pa. PROCESSO: 00004508920168140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Comum Cível em: 06/12/2019 REQUERIDO:SEGURADORA LIDER CONSORCIOS DO
SEGURO DPVAT Representante(s): OAB 11307-A - ROBERTA MENEZES COELHO DE SOUZA
(ADVOGADO) REQUERENTE:IRANILDO MARTINS FONSECA Representante(s): OAB 14245-A -
THAISA CRISTINA CANTONI FRANCA (ADVOGADO) OAB 53400 - ROBERTO CESAR GOUVEIA
MAJCHSZAK (ADVOGADO) . Processo: 0000450-89.2016.8.14.0074 R.H. Reitere-se ofício de fls.159,
com a determinação de cumprimento, no prazo de 10 (dez) dias. Ressalto que o ofício em comento, já fora
reiterado para devido cumprimento, sendo que, até o presente momento não fora cumprida a
determinação judicial. Após, devidamente certificado, conclusos. Tailândia-PA, 04 de dezembro de 2019
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito, titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia
PROCESSO: 00005001820168140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Cumprimento de sentença em: 06/12/2019 REQUERIDO:SEGURADORA LIDER CONSORCIOS DO
SEGURO DPVAT SA Representante(s): OAB 8770 - BRUNO MENEZES COELHO DE SOUZA
(ADVOGADO) REQUERENTE:EDIMILSON COELHO DE ARAUJO Representante(s): OAB 14245-A -
THAISA CRISTINA CANTONI FRANCA (ADVOGADO) . Processo nº 0000500-18.2016.8.14.0074 R.H,
Considerando a certidão de fls. 167/v, determino a intimação do patrono da parte autora para que forneça
seus dados bancário, no prazo de 15 (quinze) dias, para expedição de alvará judicial referente a
honorários sucumbenciais. Cumpra-se. Tailândia-Pa, 04 de dezembro de 2019. Aline Cristina Breia
Martins Juíza de Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia PROCESSO: 00006733920118140074
2232
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

PROCESSO ANTIGO: 201110004368 MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ANTONIA


EUNICE DE ANDRADE VIANA Ação: Procedimento Sumário em: 06/12/2019 REQUERENTE:ERINEUDA
MARIA DA SILVA Representante(s): OAB 14558-A - CARLOS ALBERTO CAETANO (ADVOGADO)
REQUERIDO:CIA BRADESCO SEGUROS SA Representante(s): OAB 14351 - MARILIA DIAS ANDRADE
(ADVOGADO) OAB 16292 - LUANA SILVA SANTOS (ADVOGADO) . ATO ORDINATÓRIO Em virtude das
atribuições que me são conferidas por Lei e em cumprimento ao Provimento nº 006/2009-CJCI, Art. 1º, §
2º, Inc. XXII, datado de 25/05/09, visando à maior celeridade processual, concernente aos atos
processuais de mero expediente sem caráter decisório, ficam as partes devidamente intimadas para no
prazo de quinze(15) dias, procederem aos requerimentos pertinentes, tendo em vista o retorno dos
presentes autos da Instância Superior. Tailândia, 05 de dezembro de 2019. ......................................
Antonia Eunice de Andrade Viana Diretora de Secretaria da 2ª Vara Cível Matricula 2595-0 PROCESSO:
00007557320168140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Procedimento Comum Cível em: 06/12/2019
REQUERENTE:BANCO BRASIL SA Representante(s): OAB 44698 - SERVIO TULIO DE BARCELOS
(ADVOGADO) REQUERIDO:V S MONTEIRO ELETRICA ME REQUERIDO:WILSON BRANDAO
GONCALVES REQUERIDO:ILDA ROCHA OLIVEIRA. R.H. I- As consultas realizadas nos sistemas
INFOJUD, SIEL e BACENJUD retornaram o mesmo endereço declinado na inicial, com relação a
executada Ilda Rocha Oliveira. II- Dessa maneira, intime-se a parte autora para que adote as providencias
que entender cabíveis, visando o regular processamento do feito, no prazo de 15 (quinze) dias. III- Não
havendo manifestação, certifique-se. Tailândia-PA, 03 de dezembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins
Juíza de Direito Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia-PA. PROCESSO: 00012825920158140074
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Ação: Monitória em: 06/12/2019 REQUERENTE:BANCO DO BRASIL SA Representante(s):
OAB 21078-A - JOSE ARNALDO JANSSEN NOGUEIRA (ADVOGADO) OAB 44698 - SERVIO TULIO DE
BARCELOS (ADVOGADO) REQUERIDO:POPULAR CELULAR E INFORMATICA LTDA ME FARMACIA
W I LTDA ME Representante(s): OAB 20583 - HERBERT JUNIOR E SILVA (ADVOGADO)
REQUERIDO:WILSON BRANDAO GONCALVES Representante(s): OAB 20583 - HERBERT JUNIOR E
SILVA (ADVOGADO) REQUERIDO:ILDA ROCHA OLIVEIRA Representante(s): OAB 20583 - HERBERT
JUNIOR E SILVA (ADVOGADO) . Processo nº 0001282-59.2015.8.14.0074 R.H. Ao compulsar os autos,
observo que a parte ré não realizou o cumprimento voluntário da sentença de fls. 89 a 90/v. Assim, por
determinação do art. 523 §1º do CPC arbitro a multa de 10% (dez por cento) decorrente do
inadimplemento voluntário da obrigação no prazo legal, assim como honorários advocatícios em 10% (dez
por cento). Destarte, intime-se o patrono do exequente para que apresente planilha atualizada do débito.
Após, com a planilha nos autos, expeça-se mandado de penhora e avaliação de bens. A presente decisão
servirá como mandado. Tailândia-Pa, 03 de dezembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de
Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia-Pa. PROCESSO: 00015016720188140074 PROCESSO ANTIGO: --
-- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Execução de Título Extrajudicial em: 06/12/2019 REQUERENTE:SULMOVES TRANSPORTES LTDA
Representante(s): OAB 378379 - RODRIGO TERRA DE SOUZA (ADVOGADO) REQUERIDO:AO DE
OLIVEIRA MOVEIS ME. R.H. I- As consultas realizadas nos sistemas INFOJUD, RENAJUD e BACENJUD
retornaram o mesmo endereço declinado na inicial. II- Dessa maneira, intime-se a parte autora para que
adote as providencias que entender cabíveis, visando o regular processamento do feito, no prazo de 15
(quinze) dias. III- Não havendo manifestação, certifique-se. Tailândia-PA, 03 de dezembro de 2019. Aline
Cristina Breia Martins Juíza de Direito Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia-PA. PROCESSO:
00016916920148140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Busca e Apreensão em Alienação Fiduciária em: 06/12/2019
REQUERENTE:BANCO BRADESCO SOCIEDADE ANONIMA Representante(s): OAB 84206 - MARIA
LUCILIA GOMES (ADVOGADO) OAB 14918 - TALITA MARIA CARMONA DOS SANTOS (ADVOGADO)
OAB 18663 - SAMMARA ENITA CORREA VIEIRA (ADVOGADO) OAB 20455-A - MAURO PAULO
GALERA MARY (ADVOGADO) REQUERIDO:REI DA CARNE LTDA - ME. R.H. I- A consulta realizada no
sistema BACENJUD retornou o mesmo endereço declinado na inicial. II- Dessa maneira, intime-se a parte
autora para que adote as providencias que entender cabíveis, visando o regular processamento do feito,
no prazo de 15 (quinze) dias. III- Não havendo manifestação, certifique-se. Tailândia-PA, 03 de dezembro
de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia-PA.
PROCESSO: 00018371320148140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Comum Cível em: 06/12/2019 REQUERENTE:M. S. P. Representante(s): OAB 6797 -
RAIMUNDO CARLOS CAVALCANTE (ADVOGADO) OAB 17370 - ANA MARIA MONTEIRO
2233
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

CAVALCANTE (ADVOGADO) OAB 18475 - BRUNO CESAR BENTES FREITAS (ADVOGADO)


REQUERIDO:BANCO BRADESCO S/A Representante(s): OAB 19792-A - FELIPE GAZOLA VIERA
MARQUES (ADVOGADO) . R.H. Tendo em vista que já houve o pagamento voluntário da condenação,
determino a expedição de alvará judicial em favor da parte autora. Certifique-se a secretaria quanto ao
pagamento das custas processuais finais devidas, caso ainda não tenham sido pagas, intime-se a parte ré
para que promova o pagamento, no prazo de 15 (quinze) dias. Não havendo o pagamento, em
cumprimento ao que dispõe a Lei n. 5.738/93, §§1º ao 5º do art. 17, promova a secretaria a emissão de
certidão para fins de inscrição na dívida ativa, a qual deverá conter o valor das custas, devendo esta ser
encaminhada através de ofício à Secretaria de Planejamento/Coordenadoria Geral de Arrecadação do
TJPA, contendo a qualificação completa da parte condenada e os dados do processo, nos termos do
Ofício Circular n.010/2016-GP. Caso não haja mais nenhum requerimento nos autos, arquivem-se com as
cautelas legais. Tailândia, 03 de dezembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito
Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia. PROCESSO: 00025687720128140074 PROCESSO ANTIGO:
---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Homologação de Transação Extrajudicial em: 06/12/2019 REQUERENTE:ERINALDO ABREU RAMOS
REQUERENTE:CLEIDIANE ARAUJO MELO Representante(s): OAB 6479 - JOSE ARTUR DE OLIVEIRA
MOREIRA (ADVOGADO) MENOR:E. G. M. R. Representante(s): OAB 6479 - JOSE ARTUR DE
OLIVEIRA MOREIRA (ADVOGADO) . Processo nº 0002568-77.2012.8.14.0074 R.h Considerando o
acordo extrajudicial de fls.21, oficie-se a Empresa Belém Bioenergia Bioenergia Brasil S/A, com endereço
na Rodovia PA 150 KM 117, para efetivação dos descontos de 25% (vinte e cinco porcento) do salário
mínimo a ser descontado dos vencimentos de Erinaldo Abreu Ramos, a ser depositado na Conta
Poupança, Caixa Econômica, agência nº 2363, conta nº 01300003507-8 de titularidade da autora. Quanto
ao pleito de inclusão de descontos em FGTS e rescisão contratual, no acordo realizado, pondero que tal
pleito decorre de uma ação revisional de alimentos, o que não é matéria dos presentes autos. Expeça-se
ofício. Cumpra-se. Tailândia/PA, 03 de dezembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de
Direito, titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia PROCESSO: 00031492420148140074 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS
Ação: Busca e Apreensão em Alienação Fiduciária em: 06/12/2019 REQUERIDO:LUZENEIDE OLIVEIRA
BRANDAO REQUERENTE:RIO TIBAGI COMPANHIA SECURITIZADORA DE CRDITOS FINANCEIROS
Representante(s): OAB 13904-A - ACACIO FERNANDES ROBOREDO (ADVOGADO) . Processo:
0003149-24.2014.8.14.0074 Recebido Hoje, Em análise dos autos, observo que o autor apresentou pedido
de expedição de ofício ao Sistema INFOJUD, com a finalidade de obter informações acerca dos endereços
atualizados do requerido. Todavia, este juízo já realizou a consulta ao referido sistema, tendo inclusive
localizado endereço diverso da inicial e determinado expedição de mandado de busca e apreensão,
conforme fls. 63. Às fls. 66, este juízo determinou que a parte autora recolha as custas para cumprimento
do despacho supra, o que não ocorreu até o presente momento. Assim, determino que o requerente
cumpra, integralmente, o despacho de fls. 66, no prazo de 15 (quinze) dias. Advirto ainda,
veementemente, ao autor que a juntada de petição com o intuito meramente protelatório, sem o
cumprimento da diligência determinada por esse juízo, ensejará a extinção do processo. Após, com ou
sem manifestação, devidamente certificado, conclusos. Tailândia, 02 de dezembro de 2019. Aline Cristina
Breia Martins Juíza de Direito, Titular da 2ª Vara de Tailândia. PROCESSO: 00035568820188140074
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Ação: Requerimento de Reintegração de Posse em: 06/12/2019 REQUERENTE:VALLE
EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS LTDA Representante(s): OAB 10652-A - ROSEVAL RODRIGUES
DA CUNHA FILHO (ADVOGADO) REQUERIDO:RAIMUNDO ANTONIO BEZERRA PENA. Processo:
0003556-88.2018.8.14.0074 R.H. Em que pese a parte autora haver nomeado a petição de fls. 114/119 de
embargos de declaração, trata-se de pedido de reconsideração. Dessa feita, compulsando os autos,
observa-se que a parte autora se insurge contra a decisão prolatada às fls. 104, especificamente no que
concerne à determinação de recolhimento das custas finais, por entender que estas são indevidas. A
requerente assevera que as partes transacionaram quanto ao objeto da demanda antes da prolação da
sentença por este juízo, circunstância esta que dispensaria os litigantes do pagamento das custas
processuais remanescentes, nos termos do art. 90, §3º, do Código de Processo Civil. Ocorre, contudo,
que tal argumento não merece prosperar. O art. 90, do Código de Processo Civil estabelece claramente
que, na hipótese de ser proferida sentença com fundamento em desistência da ação, o ônus pelo
pagamento das custas processuais remanescentes será da parte que desistiu. Senão vejamos: Art. 90.
Proferida sentença com fundamento em desistência, em renúncia ou em reconhecimento do pedido, as
despesas e os honorários serão pagos pela parte que desistiu, renunciou ou reconheceu. No caso em
apreço, a demandante informou que não possuía mais interesse no prosseguimento do feito, em razão de
2234
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

ter celebrado um acordo com a parte requerida sobre a questão versada nos autos, pleiteando, em
seguida, a desistência da ação. Nesse sentido, a sentença de fls. 104 teve como fundamento o pedido de
desistência do feito, conforme petição de fls. 102, e não a homologação de transação realizada pelas
partes, até porque não foi juntado aos autos qualquer Termo de Acordo, especificando as obrigações
pactuadas pelos litigantes. Logo, ao contrário do que sustentado pela demandante, a situação em questão
não se enquadra do §3º, do art. 90, do CPC, de modo que não há que se falar em dispensa do pagamento
das custas processuais remanescentes. Diante do exposto, deverá a parte autora promover o
recolhimento das custas finais, se ainda pendentes, no prazo de 15 (dias), sob pena de inscrição em
dívida ativa. Tailândia/PA, 02 de dezembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito,
titular da 2ª Vara de Tailândia PROCESSO: 00037184920198140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Comum Cível em: 06/12/2019 REQUERENTE:LENO ALMEIDA GONCALVES
Representante(s): OAB 7821 - LENO ALMEIDA GONCALVES (ADVOGADO) REQUERIDO:LUIZ
PEREIRA ARAUJO. R.H. I- Compulsando os autos, percebe-se que realizadas as consultas nos sistemas
de informação RENAJUD e INFOJUD não foram localizados novos endereços. II- As consultas realizadas
nos sistemas BACENJUD e SIEL retornaram endereços distintos do endereço declinado na petição inicial.
III- Expeça-se novo mandado a ser cumprido, por meio de Oficial de Justiça, no endereço constante da
informação obtida nestes sistemas, primeiro para o endereço informado pelo Banco da Amazônia, sendo
esta infrutífera, expeça-se mandado, no endereço informado pelo SIEL. IV- A presente decisão servirá
como mandado. Tailândia-PA, 04 de dezembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito
Titular da 2ª Vara. PROCESSO: 00039376220198140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Carta
Precatória Cível em: 06/12/2019 DEPRECANTE:COMARCA DE ULIANOPOLIS ESTADO DO PARA
REQUERENTE:A. K. D. V. REPRESENTANTE:V. D. V. REQUERIDO:A. L. S. N. . **** CARTA
PRECATÓRIA CÍVEL Nº. 0003937-62.2019.8.14.0074 Deprecante: VARA ÚNICA DE ULIANÓPOLIS/PA
Requerente: ANA KAROLINA DANTAS DO VALE Representante Legal: VALÉRIA DANTAS DO VALE
Requerido: ANTONIO LIDEFONSO DA SILVA NETO Endereço: HARAS PARQUE PINDORAMA, TV.
PINHEIRO (ENTRE AS AVENIDAS CAMARU E PINHEIRO), BAIRRO VILA MACARRÃO, TAILÂNDIA/PA.
DESPACHO R.H. Intime-se o requerido para que compareça à audiência conciliatória a ser realizada no
Fórum da Comarca de Ulianópolis/PA, no dia 28 DE JANEIRO DE 2020, ÀS 13H45MIN. Após, informe-se
ao juízo deprecante o resultado da diligência realizada e arquivem-se os autos com as cautelas legais.
Servirá o presente despacho como mandado. Tailândia/PA, 29 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA
BREIA MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia/PA PROCESSO:
00042665020148140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Procedimento Comum Cível em: 06/12/2019
REQUERENTE:EDNA NUNES DA SILVA Representante(s): OAB 13620 - NAOKI DE QUEIROZ
SAKAGUCHI (ADVOGADO) REQUERENTE:S. S. F. REQUERIDO:MEDEFIL TRANSPORTES LTDA
Representante(s): OAB 14400 - PATRICK LIMA DE MATTOS (ADVOGADO) . PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ 2ª Vara da Comarca de Tailândia Processo nº 0004266-
50.2014.8.14.0301 R.H. Tendo em vista a certidão de fls. 254/v, intime-se a parte autora para que realize
as diligências que entender cabíveis, no prazo de 15 (quinze) dias. Por conseguinte, caso não haja
manifestação da requerente, intime-se pessoalmente a parte autora para que realize as diligências
necessárias, bem como, manifeste seu interesse no prosseguimento do feito, no prazo de 05 (cinco) dias,
sob pena de extinção do processo sem resolução de mérito, nos termos do art. 485, III, §1º do Código de
Processo Civil. Advirto, ainda, à parte autora que a juntada de petição com intuito meramente protelatório,
sem o cumprimento da diligência determinada por este juízo, ensejará a extinção do processo. Cumpra-se.
O presente servirá como mandado. Tailândia-Pa, 03 de dezembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins
Juíza de Direito, Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia-Pa Fórum Desembargador Sadi Montenegro
Duarte - Av. Belém, n.º 08, Bairro Centro - CEP: 68.695-000 - Fone/fax: (91) 3752-1311 PROCESSO:
00046694820168140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Execução de Título Extrajudicial em: 06/12/2019
REQUERENTE:TIM REQUERENTE:TIM CELULAR SA Representante(s): OAB 255427 - GUSTAVO
BARBOSA VINHAS (ADVOGADO) OAB 12903 - CELSON SIMOES VINHAS (ADVOGADO)
REQUERIDO:INDUSTRIA DE MADEIRAS QUARIQUARA LTDA. Processo: 0004669-48.2016.8.14.0074
Recebido Hoje, Em análise dos autos, observo, que o autor juntou às fls. 150 extrato de consulta
processual, todavia tal consulta não possui o condão de comprovar a quantidade de diligências
efetivamente recolhidas aferir visualmente a autenticação bancária que comprove o pagamento das custas
em questão (fls. 97). Assim, determino que o requerente cumpra, integralmente, o despacho de fls. 94, no
2235
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

prazo de 15 (quinze) dias. Advirto ainda, veementemente, ao autor que a juntada de petição com o intuito
meramente protelatório, sem o cumprimento da diligência determinada por esse juízo, ensejará a extinção
do processo. Após, com ou sem manifestação, devidamente certificado, conclusos. Tailândia, 02 de
dezembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito, Titular da 2ª Vara de Tailândia.
PROCESSO: 00051215820168140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Busca e
Apreensão em Alienação Fiduciária em: 06/12/2019 REQUERENTE:ADMINISTRADORA CONSORCIO
NACIONAL HONDA LTDA Representante(s): OAB 20868-A - HIRAN LEAO DUARTE (ADVOGADO)
REQUERIDO:RAIMUNDO NONATO OLIVEIRA DE LIMA REQUERIDO:MARIA OLIVEIRA DE LIMA.
PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ 2ª Vara da Comarca de Tailândia
Processo nº 0005121-58.2016.8.14.0074 R.H. Considerando que o referido processo encontrava-se
sentenciado às fls. 25 e que, este juízo proferiu retratação tácita desta, através do despacho de fls. 39 e
que, por tal quaestio a apelação impetrada pela parte autora não foi conhecida (fls. 52/v e 53). Chamo o
feito à ordem para tornar sem efeito a sentença de fls. supra. Do mesmo modo, Intime-se a parte autora
para que manifeste-se, no prazo de 10 (dez) dias, sobre o prosseguimento do feito, bem como a
realização de diligências cabíveis. Caso não haja manifestação do autor, intime-se este, pessoalmente, no
prazo de 05 (cinco) dias, sob pena de extinção do presente processo sem resolução do mérito, nos termos
do art. 485, III, §1º, do Código de Processo Civil. O presente servirá como mandado. Tailândia-Pa, 04 de
dezembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito, Titular da 2ª Vara da Comarca de
Tailândia-Pa Fórum Desembargador Sadi Montenegro Duarte - Av. Belém, n.º 08, Bairro Centro - CEP:
68.695-000 - Fone/fax: (91) 3752-1311 PROCESSO: 00051801720148140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Execução de Título Extrajudicial em: 06/12/2019 EXEQUENTE:BANCO DO BRASIL SOCIEDADE
ANONIMA Representante(s): OAB 21078-A - JOSE ARNALDO JANSSEN NOGUEIRA (ADVOGADO)
OAB 44698 - SERVIO TULIO DE BARCELOS (ADVOGADO) EXECUTADO:L SOAVE NETO ME
EXECUTADO:CINTIA MARKERLY SUAVE. R.H. I- As consultas realizadas nos sistemas SIEL, RENAJUD
e BACENJUD retornaram o mesmo endereço declinado na inicial. II- Dessa maneira, intime-se a parte
autora para que adote as providencias que entender cabíveis, visando o regular processamento do feito,
no prazo de 15 (quinze) dias. III- Não havendo manifestação, certifique-se. Tailândia-PA, 03 de dezembro
de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia-PA.
PROCESSO: 00053447920148140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Comum Cível em: 06/12/2019 REQUERENTE:JAILSON MORAES E MORAES
Representante(s): OAB 14558-A - CARLOS ALBERTO CAETANO (ADVOGADO) REQUERENTE:ESTER
NASCIMENTO DA SILVA Representante(s): OAB 14558-A - CARLOS ALBERTO CAETANO
(ADVOGADO) REQUERIDO:CAMPANHIA DE SEGUROS ALIANCA DO BRASIL REQUERIDO:BANCO
DO BRASIL SA Representante(s): OAB 21078-A - JOSE ARNALDO JANSSEN NOGUEIRA (ADVOGADO)
OAB 44698 - SERVIO TULIO DE BARCELOS (ADVOGADO) . Processo nº 0005344-79.2014.8.14.0074
R.H. Ante ausência de citação da requerida, Companhia de Seguro Aliança do Brasil, conforme fls. 56,
assim como, manifestação de fls. 121 informando endereço da parte em questão, nos autos, cite-se a
requerida para que, querendo, apresente contestação à presente demanda, no prazo de 15 (quinze) dias,
sob pena de se presumirem verdadeiros os fatos alegados pela parte autora na inicial. Transcorrido o
prazo supracitado, com ou sem resposta, neste último caso, devidamente certificado, façam-se conclusos.
Servirá o presente como mandado. Cumpra-se. Tailândia-PA, 12 de novembro de 2019. Aline Cristina
Breia Martins Juíza de Direito, titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia PROCESSO:
00056784020198140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Busca e Apreensão em: 06/12/2019 REQUERENTE:ADM DE
CON NAC HONDA LTDA Representante(s): OAB 84206 - MARIA LUCILIA GOMES (ADVOGADO)
REQUERIDO:SEBASTIAO BARBOSA DA SILVA. Processo nº 0005678-48.2019.8.14.0074 Vistos etc.
ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIO NACIONAL HONDA ingressou com a presente AÇÃO DE BUSCA
E APREENSÃO, em face de SEBASTIÃO BARBOSA DA SILVA, ambos qualificados nos autos do
processo em referência. No decorrer da lide, a parte demandante carreou petição requerendo a extinção
da demanda e, por conseguinte, arquivamento definitivo do feito, alegando a realização de transação
verbal e extrajudicial, bem como perda do objeto. É o breve relatório. Decido. In casu, a parte autora,
efetivamente pleiteou desistência, conforme se verifica no teor das fls. 41 e 41/v dos autos. Como cediço,
a desistência da ação é apontada pelo Código de Processo Civil, em seu art. 485, inciso VIII, como uma
das causas de extinção do processo sem resolução do mérito, já que a abdicação do direito de ação se dá
quando o autor abre mão do processo e não do direito material que eventualmente possa ter perante o
2236
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

demandado. Destarte, sendo faculdade processual, deve o processo ser extinto sem resolução do mérito,
consoante artigo acima referido, malgrado a demanda possa ser novamente proposta em Juízo, vez que
não se encontra presente o óbice do § 4º, do referido artigo. Quanto ao pleito de baixa de restrição judicial
no DETRAN, indefiro, visto que não há nos autos restrição judicial do bem em comento. Quanto ao pleito
de dispensa do pagamento de custas processuais remanescentes, antes a transação ter ocorrido antes da
prolação da sentença, indefiro. Ora, no caso em apreço, a demandante informou que não possuía mais
interesse no prosseguimento do feito, em razão de ter celebrado um acordo com a parte requerida sobre a
questão versada nos autos, pleiteando, em seguida, a extinção da ação, ou seja, desistência. Nesse
sentido, não se pode fundamentar este decisum na extinção por homologação de acordo até porque não
foi juntado aos autos qualquer Termo de Acordo, especificando as obrigações pactuadas pelos litigantes.
Logo, ao contrário do que sustentado pela demandante, a situação em questão não se enquadra do §3º,
do art. 90, do CPC, de modo que não há que se falar em dispensa do pagamento das custas processuais
remanescentes. Ex positis, extingo o presente processo sem julgamento de mérito, nos termos do art. 200
c/c o art. 485, VIII, ambos do Código de Processo Civil. Custas, se ainda pendentes, pelo autor. Publique-
se, registre-se e intimem-se. Com o trânsito em julgado, arquivem-se os autos com as cautelas legais.
Tailândia/PA, 03 de dezembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS JUÍZA DE DIREITO,
TITULAR DA 2ª VARA DA COMARCA DE TAILÂNDIA PROCESSO: 00063236520198140074
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA
M A R TINS Ação: A veriguação de P a t e rn id a d e e m: 0 6 / 1 2 / 2 0 1 9 RE Q UE RE NT E :I . A . C .
REPRESENTANTE:DANIELE DE ALMEIDA COSTA Representante(s): OAB 23266 - ANDREW WILLIAN
DE MORAIS SILVA (ADVOGADO) ENVOLVIDO:R. C. B. . Recebido Hoje, I- Designo o dia 12 DE MARÇO
DE 2020 ÀS 09:30 h para realização de coleta de material genético para exame de DNA. II- Intimem-se
pessoalmente as partes, por meio de mandado ou carta precatória, o que for o caso, devendo constar
advertência ao requerido que a recusa da realização do exame de DNA poderá vir a gerar a presunção de
paternidade. III- Oficie-se ao AME, solicitando-se a designação de um profissional para realização de
coleta do material genético. IV- A presente decisão servira como mandado/oficio. V- Cumpra-se. Tailândia,
02 de dezembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia.
PROCESSO: 00064299520178140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Sumário em: 06/12/2019 REQUERENTE:FABRICIO ARAUJO DE CARVALHO
Representante(s): OAB 13620 - NAOKI DE QUEIROZ SAKAGUCHI (ADVOGADO) REQUERIDO:SIEM
OFFSHORE DO BRASIL SA Representante(s): OAB 24205 - BIANCA ROSAS DE OLIVEIRA
(ADVOGADO) OAB 127.481 - LUIZ DE ANDRADE MENDES (ADVOGADO) OAB 46.072 - EDUARDO
HEITOR DA FONSECA MENDES (ADVOGADO) REQUERIDO:BANCO SANTADER SA
Representante(s): OAB 15208 - EDUARDO HENRIQUE ANGELIM MENDES SEGUNDO (ADVOGADO)
OAB 62192 - JOAO THOMAZ PRAZERES GONDIM (ADVOGADO) OAB 152229 - MARCELLE PADINHA
(ADVOGADO) . Vistos etc. Remetam-se os autos a Turma Recursal Tailândia/PA, 02 de dezembro de
2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito Página de 1 Fórum de: TAILÂNDIA Email:
2tailandia@tjpa.jus.br Endereço: Av. Belém nº 08 CEP: 68.695-000 Bairro: CENTRO Fone: (91)3752-1311
PROCESSO: 00066392020158140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Busca e
Apreensão em Alienação Fiduciária em: 06/12/2019 REQUERENTE:BANCO DO BRASIL SA
Representante(s): OAB 211648 - RAFAEL SGANZERLA DURAND (ADVOGADO)
REQUERIDO:FRANCISCA DOS SANTOS CONCEICAO. Processo nº 0006639-20.2015.8.14.0074 R.H,
Intime-se a parte autora para se manifestar sobre certidão de fls.79, no prazo de 15 (quinze) dias. Após,
devidamente certificado, conclusos. Tailândia-Pa, 03 de dezembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins
Juíza de Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia PROCESSO: 00071106520178140074 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS
Ação: Usucapião em: 06/12/2019 REQUERENTE:JOSE RODRIGUES CARNEIRO MARTINS
Representante(s): OAB -- - DEFENSORIA PUBLICA (DEFENSOR) REQUERIDO:JAZIVA PEREIRA
PINHEIRO REQUERIDO:MINERVINA PEREIRA DE ARAUJO REQUERIDO:RAIMUNDO WILSON
RODRIGUES DOS SANTOS REQUERIDO:AGENILSON OLIVEIRA DA SILVA REQUERIDO:ARLINDO
JOSE DOS SANTOS JUNIOR REQUERIDO:MARCELO DEMETRIOS DOS SANTOS. Processo:
0007110-65.2017.8.14.0074 R.H. Reitere-se ofício de fls. 59, com a determinação de cumprimento, no
prazo de 15 (quinze) dias, inclusive com a advertência de que o não cumprimento, da presente
determinação judicial, ensejará a adoção das medidas criminais cabíveis quanto à configuração do crime
de desobediência. Cumpra-se. Tailândia-PA, 02 de dezembro de 2019 ALINE CRISTINA BREIA MARTINS
Juíza de Direito, titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia PROCESSO: 00082827120198140074
2237
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA


MARTINS Ação: Execução de Alimentos Infância e Juventude em: 06/12/2019 EXEQUENTE:CAIO SILVA
ASSAD EXECUTADO:CARAN CALIL MOTA ASSAD. Processo nº 0008282-71.2019.8.14.0074 Anote-se o
segredo de Justiça. Defiro os benefícios da gratuidade da justiça. Cite-se o Executado, por intermédio de
Carta Precatória, em endereço de fls. 02, para pagar o correspondente às 03 (três) parcelas do débito
alimentar anteriores a propositura da ação, assim como as que vencerem no curso do processo, provar
que já o fez ou justificar a impossibilidade de fazê-lo, no prazo de 03 (três) dias, sob pena de ter decretada
a sua prisão civil pelo prazo de 1 (um) a 3 (três) meses, independente de nova ordem judicial, para tal
desiderato. Ressaltando que além da prisão civil, a ausência de pagamento poderá levado, o executado, a
protesto (art. 528, §3º, do CPC/2015), bem como ter incluído seu nome no cadastro de inadimplentes (art.
782, §3º, CPC/2015). Na hipótese de exaurimento do prazo acima fixado, sem pagamento das parcelas
mencionadas, no valor atual de R$ 3.376,38 (três mil, trezentos e setenta e seis reais e trinta e oito
centavos) ou sem apresentação de justificativa pelo executado, passo a analisar, desde já, o pedido de
prisão civil. Depreende-se da análise do caso em comento que o executado não vem cumprindo com as
suas obrigações paternas, agindo, dessa maneira, irresponsavelmente com relação ao filho. É sabido que
a prisão do devedor por inadimplemento de obrigação alimentar está prevista em nosso ordenamento
jurídico, compreendendo esta a única hipótese de prisão civil autorizada pelo Pacto de São José da Costa
Rica, do qual o Brasil é signatário, senão vejamos: Artigo 7º - Direito à liberdade pessoal (...) Ninguém
deve ser detido por dívidas. Este princípio não limita os mandatos de autoridade judiciária competente
expedidos em virtude de inadimplemento de obrigação alimentar. Dispõe o § 3º, do artigo 528 do Código
de Processo Civil que se o devedor não pagar, nem se escusar, o juiz decretar-lhe-á a prisão pelo prazo
de 01 (um) a 03 (três) meses. Diante do exposto, não resta outra alternativa a esta magistrada se não a
decretação da prisão do executado, visto que resta sobejamente comprovado nos autos a sua inércia no
cumprimento de sua obrigação. Quanto ao valor do débito, entendo que são devidas as duas prestações
anteriores ao ajuizamento da ação e mais as que se venceram no curso da demanda. Isso posto, decreto
a prisão do Sr. CARAN CALIL MOTA ASSAD, pelo período de 03 (três) meses, a qual deverá ser
cumprida em seção especial da Cadeia Pública ou outro estabelecimento compatível, conforme estabelece
o art.201, do LEP, o qual deverá ser posto em liberdade se adimplir o débito alimentar. Em caso de
apresentação de justificativa pelo executado, colha-se a manifestação do Ministério Público e, após,
retorne os autos conclusos. Em caso de ausência de pagamento da pensão alimentícia e efetiva prisão
civil, cadastre-se o requerido no Banco Nacional de Mandado de Prisão (BNMP). Expeça-se Carta
Precatória. Ciência ao Ministério Público. Cumpra-se. Tailândia/Pa, 02 de dezembro de 2019. Aline
Cristina Breia da Silva Juíza de Direito, Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia-PA. Fórum
Desembargador Sadi Montenegro Duarte - Av. Belém, n.º 08, Bairro Centro - CEP: 68.695-000 - Fone/fax:
(91) 3752-1311 PROCESSO: 00085598720198140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Comum Cível em: 06/12/2019 REQUERIDO:JOSE HAROLDO ALMEIDA ANTUNES
REQUERENTE:BACO DO BRASIL SA Representante(s): OAB 15201-A - NELSON WILIANS FRATONI
RODRIGUES (ADVOGADO) . AÇÃO DE EXECUÇÃO DE TÍTULO EXTRAJUDICIAL Exequente: BANCO
DO BRASIL S/A Executado: JOSÉ HAROLDO ALMEIDA ANTUNES DESPACHO R.H. 1. Cuida-se de
execução de título judicial nos termos do art. 824 e seguintes do CPC/2015 uma vez que intentada como
execução de quantia certa. Presentes os requisitos específicos necessários ao processamento da
execução forçada. 2. Para o caso de pagamento, fixo os honorários de advogado a serem pagos pelo
executado em 10% do valor da causa (art. 827, CPC/2015), devendo constar do mandado que caso o
débito seja integralmente pago, no prazo de 03 dias, a verba honorária será reduzida pela metade (art.
827, § 1º, do CPC/2015). 3. Cite-se a parte executada para que, no prazo de 3 (três) dias, efetue o
pagamento da dívida (art. 829, CPC/2015), custas judiciais (cujo valor deverá ser informado no mandado)
e honorários advocatícios e para que, querendo, oponha-se à execução por meio de embargos (instruídos
com cópias das peças processuais relevantes), independentemente de penhora, depósito ou caução (art.
914, CPC/2015), no prazo de 15 (quinze) dias, contados da data da juntada aos autos do mandado de
citação (art. 915, CPC/2015). Alertando-se, desde já, que no caso de embargos manifestamente
protelatórios, considerar-se-á conduta atentatória à dignidade da justiça e os devedores poderão sujeitar-
se ao pagamento de multa de até 20% sobre o valor em execução (arts. 918, Parágrafo Único e 774,
Parágrafo Único, ambos do CPC/2015). 4. Apresentados embargos, certifique-se acerca da
tempestividade e do recolhimento das custas correspondentes. Após, promova-se a conclusão dos autos.
5. O reconhecimento do crédito do exequente e o depósito de 30% do valor em execução (incluindo custas
e honorários de advogado), no prazo para oferta de embargos, permitirá à parte executada requerer seja
admitido o pagamento do saldo remanescente em até 6 (seis) parcelas mensais, acrescidas de correção
2238
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

monetária e juros de 1% ao mês (art. 916, CPC/2015). 6. Se a parte executada, regularmente citada, não
efetuar o pagamento, proceda o Sr. Oficial de Justiça de imediato à penhora de bens e à sua avaliação,
lavrando-se o respectivo auto, devendo a constrição recair preferencialmente sobre os bens indicados pelo
credor na inicial da execução (art. 829, §§ 1º e 2º, CPC/2015) e incidindo sobre tantos bens quantos
bastem para o pagamento do principal atualizado, juros, custas e honorários advocatícios (art. 831,
CPC/2015). 7. Intimem-se da penhora o exequente e a executada, esta na pessoa de seu advogado e não
o tendo, pessoalmente (art. 841, §§ 1º e 2º, CPC/2015). Recaindo a penhora sobre bens imóveis, o
cônjuge do devedor também deverá ser intimado (art. 842, CPC/2015). 8. Caso o devedor não seja
localizado para ser intimado da penhora, deverá o Sr. Oficial de Justiça certificar detalhadamente as
diligências que realizou para fins de análise do disposto no artigo 841, §§ 3º e 4º, do CPC/2015).
Tailândia/PA, 02 de dezembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito Titular da 2ª
Vara de Tailândia/PA PROCESSO: 00092650720188140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Procedimento Comum Cível em: 06/12/2019 REQUERENTE:MARIA JOSE ALVES DA SILVA
Representante(s): OAB 20583 - HERBERT JUNIOR E SILVA (ADVOGADO) . Processo: 0009265-
07.2018.8.14.0074 R.H. Considerando o ofício do INSS, de fls. 16, o qual informa que o de cujus não
possui dependentes habilitados, bem como, certidão de óbito de fls. 11, a qual informa possuir, o falecido,
filhos, os quais não são parte no processo, intime-se a parte autora para que esclareça a questão, no
prazo de 15 (quinze) dias. Após, conclusos. Tailândia-PA, 03 de dezembro de 2019. Aline Cristina Breia
Martins Juíza de Direito Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia-Pa. PROCESSO:
00095272020198140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Carta Precatória Cível em: 06/12/2019
DEPRECANTE:VIGEZIMA QUINTA VARA FORO CENTRAL CURITIBA PA REQUERENTE:CONSEG
ADMINISTRADORA DE CONSORCIOS LTDA REQUERIDO:ALAN PAULO RODRIGUES. PODER
JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ 2ª VARA DA COMARCA DE TAILÂNDIA
CARTA PRECATÓRIA Nº. 0009527-20.2019.8.14.0074 Deprecante: 25ª VARA CÍVEL DE CURITIBA/PR
Requerente: CONSEG ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIO LTDA Requerido: ALAN PAULO
RODRIGUES DESPACHO R.H. Cumpra-se a presente deprecata, conforme estabelecido à fl. 02 dos
autos. Após, informe-se ao juízo deprecante o resultado da diligência realizada e arquivem-se os autos
com as cautelas legais. Tailândia/PA, 29 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza
de Direito Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia/PA PROCESSO: 00098814520198140074
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA
MARTINS Ação: Procedimento de Conhecimento em: 06/12/2019 REQUERENTE:SERRARIA NOSSA
SENHORA DA CONCEIÇÃO LTDA Representante(s): OAB 25228 - IARA ANDRESSA DE OLIVEIRA
DAMASCENO (ADVOGADO) REQUERIDO:CELPA - CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S/A. Processo nº
0009881-45.2019.8.14.0074 R.H. Cumpra, a Secretaria judicial, o item II do despacho de fls. 21. Após,
conclusos. Tailândia, 02 de dezembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito Titular da 2ª
Vara de Tailândia-Pa. PROCESSO: 00100417020198140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Reintegração / Manutenção de Posse em: 06/12/2019 REQUERENTE:KATIA DA SILVA E SILVA
Representante(s): OAB 20583 - HERBERT JUNIOR E SILVA (ADVOGADO) REQUERIDO:NACIONAL DE
ALCUNHA. **** AÇÃO DE REINTREGRAÇÃO DE POSSE Requerente: KATIA DA SILVA E SILVA
Requerido: Nacional de alcunha "DANGO" DESPACHO R.H. A inicial não fornece elementos que
autorizem, "initio littis", a concessão do pleito liminar da autora, razão pela qual entendo imprescindível a
realização de audiência de justificação prévia para possível deferimento da medida liminar. Designo o dia
12 de dezembro de 2019, às 10h00min, para realização de audiência de justificação prévia. Intime-se a
parte autora, a qual deverá comparecer ao ato acompanhada de suas testemunhas, independentemente
de intimação. Cumpra-se como medida de urgência, em virtude da proximidade de realização do ato
processual. Tailândia/PA, 28 de novembro de 2019. ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Juíza de Direito
Titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia/PA PROCESSO: 00102391020198140074 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS
Ação: Execução de Alimentos em: 06/12/2019 EXEQUENTE:G. S. F. Representante(s): OAB 28526 -
JACIARA FONSECA DO NASCIMENTO (ADVOGADO) REPRESENTANTE:R. S. F. Representante(s):
OAB 28526 - JACIARA FONSECA DO NASCIMENTO (ADVOGADO) EXECUTADO:J. B. T. F. . Processo
nº 0010239-10.2019.8.14.0074 R.H. Ao compulsar os autos, verifico que o acordo extrajudicial, de fls.
12/13 estabelece como pensão alimentícia 02 (dois) salários mínimos acrescido de 16% (dezesseis por
cento) de um salário mínimo, destinado aos dois filhos dos acordantes. Todavia, o pleito de execução de
alimentos refere-se, tão somente, a um filho e no quantum de 01 (um) salário mínimo somados a 16%
2239
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

(dezesseis por cento de um salário mínimo). Da mesma feita, o pedido para que seja oficiado à Prefeitura
de Tailândia, para proceder os descontos pertinentes à pensão não correspondem aos valores
estabelecidos no acordo de fls. supra. Assim, considerando que os valores referentes a pensão alimentícia
e pedido divergem, intime-se a parte autora, para que, no prazo de 15 (quinze) dias, esclareça a este juízo
as questões acima apontadas. Cumpra-se. Tailândia-Pa, 02 de dezembro de 2019. ALINE CRISTINA
BREIA MARTINS Juíza de Direito, titular da 2ª Vara da Comarca de Tailândia Fórum Desembargador Sadi
Montenegro Duarte - Av. Belém, n.º 08, Bairro Centro - CEP: 68.695-000 - Fone/fax: (91) 3752-1311
PROCESSO: 00104590820198140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Busca e
Apreensão em: 06/12/2019 REQUERENTE:AIMORE CREDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SA
Representante(s): OAB 15201-A - NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES (ADVOGADO)
REQUERIDO:DJALMA SALES DE LIMA. Processo: 0010459-08.2019.8.14.0074 Recebido Hoje, Em
análise dos autos, observo que o autor juntou às fls. 40/42, boleto de custas e comprovante de pagamento
deste. Todavia, a determinação de fls. 38 versa sobre a juntada de relatório de conta do processo, assim
como acerca da petição inicial apócrifa. Determinação esta que não fora atendida pela parte autora. Desta
feita, determino que o requerente cumpra, integralmente, o despacho de fls. 38, no prazo de 15 (quinze)
dias. Advirto ainda, veementemente, ao autor que a juntada de petição com o intuito meramente
protelatório, sem o cumprimento da diligência determinada por esse juízo, ensejará a extinção do
processo. Após, com ou sem manifestação, devidamente certificado, conclusos. Tailândia, 02 de
dezembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito, Titular da 2ª Vara de Tailândia.
PROCESSO: 00120417720188140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação: Alvará
Judicial - Lei 6858/80 em: 06/12/2019 REQUERENTE:D. S. C. Representante(s): OAB 20583 - HERBERT
JUNIOR E SILVA (ADVOGADO) REQUERENTE:W. D. S. C. Representante(s): OAB 20583 - HERBERT
JUNIOR E SILVA (ADVOGADO) REPRESENTANTE:MARIA SILVA DOS SANTOS. Processo: 0012041-
77.2018.8.14.0074 R.H. Considerando o ofício do INSS, de fls. 30/39, o qual informa que o de cujus possui
como filho, também, Carlos Eduardo Silva dos Santos, o qual não é parte no processo, intime-se a parte
autora para que esclareça a questão, no prazo de 15 (quinze) dias. Após, conclusos. . Tailândia-PA, 02 de
dezembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito Titular da 2ª Vara da Comarca de
Tailândia-Pa. PROCESSO: 00121636120168140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Alimentos - Lei Especial Nº 5.478/68 em: 06/12/2019 REQUERENTE:I. S. S. Representante(s): OAB -- -
DEFENSORIA PUBLICA (DEFENSOR) REPRESENTANTE:L. S. S. S. REQUERIDO:A. C. P. S. . Visto os
autos. O presente feito encontra-se paralisado há meses, em virtude da inércia da parte autora em cumprir
os atos e diligências que lhe compete. Intimada pessoalmente para informar acerca de seu interesse no
prosseguimento desta ação, a autora mais uma vez não apresentou qualquer manifestação nos autos.
Vieram-me os autos conclusos. É o breve relatório. Decido. O art. 485, inciso III, do Código de Processo
Civil estabelece que processo será extinto, sem resolução de mérito, quando o autor deixar de promover
atos e diligências de sua incumbência, abandonando a causa por mais de 30 (trinta) dias. A parte autora, a
despeito de ter sido pessoalmente intimada, não informou a este Juízo seu interesse no prosseguimento
do feito, não interpondo qualquer manifestação nos autos até a presente data. Ora, não podem os autos
permanecer indefinidamente em cartório, sem que as partes se manifestem, uma vez que o impulso
processual não compete somente ao Poder Judiciário, sendo responsabilidade atribuída a todos os
integrantes da relação processual. Isso posto, julgo extinto o processo sem resolução do mérito, nos
termos do art. 485, inciso III, do Código de Processo Civil. Em caso de requerimento da parte autora, fica
desde já autorizado o desentranhamento dos documentos que instruíram a inicial. Sem custas, em razão
da gratuidade deferida. Com o trânsito em julgado, arquivem-se os autos com as cautelas legais. Publique-
se, registre-se e intimem-se. Tailândia, 02 de dezembro de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de
Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia PROCESSO: 01306476920158140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ALINE CRISTINA BREIA MARTINS Ação:
Cumprimento de sentença em: 06/12/2019 REQUERENTE:ARCO IRIS LABORATORIO CONSULTORIO
CLINICO E NUTRICIONAL LTDA ME Representante(s): OAB 10284 - GIOVANA CARLA ALMEIDA
NICOLETTI (ADVOGADO) REQUERIDO:RILDO GONCALVES DE MELO. PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE DO ESTADO DO PARÁ 2ª VARA DA COMARCA DE TAILÂNDIA Cumpra-se a decisão de
fls. 107, no endereço informado na petição de fls. 152158, conforme requerido. Tailândia, 02 de dezembro
de 2019. Aline Cristina Breia Martins Juíza de Direito Titular da 2ª Vara de Tailândia. PROCESSO:
00004919020158140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
NADER CRISTINO DO CARMO BATISTA Ação: Procedimento Comum Cível em: 07/12/2019
2240
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

REQUERENTE:WANDERSON COSTA DE SOUSA Representante(s): OAB 14558-A - CARLOS


ALBERTO CAETANO (ADVOGADO) REQUERIDO:LIDER SEGURADORA S A Representante(s): OAB
14351 - MARILIA DIAS ANDRADE (ADVOGADO) OAB 16292 - LUANA SILVA SANTOS (ADVOGADO) .
C E R T I D Ã O Em virtude das atribuições que me são conferidas por Lei, e em cumprimento a Ordem de
Serviço nº 003/2019-2ª Vara Cível da Comarca de Tailândia, Art.3º, datado de 02/12/2019, certifico o
transito em julgado nos autos físicos, com o objetivo de promover seu encerramento no sistema Libra,
onde o referido processo foi convertido em suporte eletrônico, migrado e registrado no Sistema de
Processo Judicial Eletrônico (PJE), ficando encerrada a tramitação fisicamente, buscando-se evitar a
duplicidade de processo em trâmite, para então, ter à sua continuidade somente pelo sistema eletrônico
PJE. O referido é verdade e dou fé. Tailândia, 06 de dezembro de 2019. .................................... Nader
Cristino do Carmo Batista Auxiliar Judiciário - 2ª Vara Cível Comarca de Tailândia-PA. Mat. 160.857
PROCESSO: 00007473620108140074 PROCESSO ANTIGO: 201010004608
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): NADER CRISTINO DO CARMO BATISTA Ação:
Procedimento Comum Cível em: 07/12/2019 REQUERENTE:GIOVANA CARLA ALMEIDA NICOLETTI
Representante(s): OAB 10284 - GIOVANA CARLA ALMEIDA NICOLETTI (ADVOGADO)
REQUERIDO:CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S/A - CELPA Representante(s): OAB 3210 - PEDRO
BENTES PINHEIRO FILHO (ADVOGADO) . C E R T I D Ã O Em virtude das atribuições que me são
conferidas por Lei, e em cumprimento a Ordem de Serviço nº 003/2019-2ª Vara Cível da Comarca de
Tailândia, Art.3º, datado de 02/12/2019, certifico o transito em julgado nos autos físicos, com o objetivo de
promover seu encerramento no sistema Libra, onde o referido processo foi convertido em suporte
eletrônico, migrado e registrado no Sistema de Processo Judicial Eletrônico (PJE), ficando encerrada a
tramitação fisicamente, buscando-se evitar a duplicidade de processo em trâmite, para então, ter à sua
continuidade somente pelo sistema eletrônico PJE. O referido é verdade e dou fé. Tailândia, 06 de
dezembro de 2019. .................................... Nader Cristino do Carmo Batista Auxiliar Judiciário - 2ª Vara
Cível Comarca de Tailândia-PA. Mat. 160.857 PROCESSO: 00026899520188140074 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): NADER CRISTINO DO CARMO
BATISTA Ação: Busca e Apreensão em Alienação Fiduciária em: 07/12/2019 REQUERENTE:BANCO
HONDA S A Representante(s): OAB 10422 - HIRAN LEAO DUARTE (ADVOGADO) OAB 10423 - ELIETE
SANTANA MATOS (ADVOGADO) REQUERIDO:MARINALVA GRAJAU LIMA. C E R T I D Ã O Em virtude
das atribuições que me são conferidas por Lei, e em cumprimento a Ordem de Serviço nº 003/2019-2ª
Vara Cível da Comarca de Tailândia, Art.3º, datado de 02/12/2019, certifico o transito em julgado nos
autos físicos, com o objetivo de promover seu encerramento no sistema Libra, onde o referido processo foi
convertido em suporte eletrônico, migrado e registrado no Sistema de Processo Judicial Eletrônico (PJE),
ficando encerrada a tramitação fisicamente, buscando-se evitar a duplicidade de processo em trâmite,
para então, ter à sua continuidade somente pelo sistema eletrônico PJE. O referido é verdade e dou fé.
Tailândia, 06 de dezembro de 2019. .................................... Nader Cristino do Carmo Batista Auxiliar
Judiciário - 2ª Vara Cível Comarca de Tailândia-PA. Mat. 160.857 PROCESSO: 00031414720148140074
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): NADER CRISTINO DO
CARMO BATISTA Ação: Procedimento Comum Cível em: 07/12/2019 REQUERIDO:LIDER
SEGURADORA S A Representante(s): OAB 14351 - MARILIA DIAS ANDRADE (ADVOGADO) OAB
16292 - LUANA SILVA SANTOS (ADVOGADO) ENVOLVIDO:GEDEAO PACHECO ALVES
REQUERENTE:MANOEL JORGE QUEIROZ ALVES Representante(s): OAB 14558-A - CARLOS
ALBERTO CAETANO (ADVOGADO) REQUERENTE:MARIA IVANILDE PACHECO ALVES
Representante(s): OAB 14558-A - CARLOS ALBERTO CAETANO (ADVOGADO) . C E R T I D Ã O Em
virtude das atribuições que me são conferidas por Lei, e em cumprimento a Ordem de Serviço nº
003/2019-2ª Vara Cível da Comarca de Tailândia, Art.3º, datado de 02/12/2019, certifico o transito em
julgado nos autos físicos, com o objetivo de promover seu encerramento no sistema Libra, onde o referido
processo foi convertido em suporte eletrônico, migrado e registrado no Sistema de Processo Judicial
Eletrônico (PJE), ficando encerrada a tramitação fisicamente, buscando-se evitar a duplicidade de
processo em trâmite, para então, ter à sua continuidade somente pelo sistema eletrônico PJE. O referido é
verdade e dou fé. Tailândia, 06 de dezembro de 2019. .................................... Nader Cristino do Carmo
Batista Auxiliar Judiciário - 2ª Vara Cível Comarca de Tailândia-PA. Mat. 160.857 PROCESSO:
00040889620178140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
NADER CRISTINO DO CARMO BATISTA Ação: Cumprimento de sentença em: 07/12/2019
REQUERENTE:F. R. O. Representante(s): OAB -- - DEFENSORIA PUBLICA (DEFENSOR)
REQUERIDO:F. F. O. . ESTADO DO PARÁ PODER JUDICIARIO COMARCA DE TAILANDIA/PA Av.
Belém, nº 08, Bairro Centro - CEP: 68.695-000 - Fone/fax: (91) 3752-1311 TERMO DE ENTREGA Aos
seis (06) dias do mês de dezembro do ano de dois mil e dezenove (2019), nesta Cidade e Comarca de
2241
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Tailândia, Estado do Pará, na sala onde funciona a Secretaria Judicial da 2ª Vara Cível desta Comarca, e
sendo aí, compareceu o Sr. FRANCISCO RIBEIRO DE OLIVEIRA ocasiões em que consta , ao que
consta nos autos do Processo nº 0004088.96.2017.814.0074 - AÇÃO DE TUTELA E CURATELA , foi
entregue ao referido Senhor, por esta Secretaria, a Certidão de Nascimento averbada (original) E Provisão
Original , de (FERNANDO DE FREITAS DE OLIVEIRA), feita sob a matrícula 068510.0155.1997
1.00007.177.0005153.79 do Cartório de Registro Civil de Tailândia /PA. E nada mais havendo, deu-se este
termo por findo que lido e achado conforme, vai devidamente assinado, pelo recebedor do referido
documento .......................................................................... FRANCISCO RIBEIRO DE OLIVEIRA
RG.1538108 PROCESSO: 00070494420168140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): NADER CRISTINO DO CARMO BATISTA Ação:
Procedimento Comum Cível em: 07/12/2019 REQUERENTE:FERNANDA SANTOS RIBEIRO
Representante(s): OAB 20583 - HERBERT JUNIOR E SILVA (ADVOGADO) REQUERIDO:CELPA
CENTRAIS ELETRICAS DO PARA Representante(s): OAB 14665 - PEDRO THAUMATURGO SORIANO
DE MELLO FILHO (ADVOGADO) OAB 12436 - ANDREZA NAZARE CORREA RIBEIRO (ADVOGADO) .
C E R T I D Ã O Em virtude das atribuições que me são conferidas por Lei, e em cumprimento a Ordem de
Serviço nº 003/2019-2ª Vara Cível da Comarca de Tailândia, Art.3º, datado de 02/12/2019, certifico o
transito em julgado nos autos físicos, com o objetivo de promover seu encerramento no sistema Libra,
onde o referido processo foi convertido em suporte eletrônico, migrado e registrado no Sistema de
Processo Judicial Eletrônico (PJE), ficando encerrada a tramitação fisicamente, buscando-se evitar a
duplicidade de processo em trâmite, para então, ter à sua continuidade somente pelo sistema eletrônico
PJE. O referido é verdade e dou fé. Tailândia, 06 de dezembro de 2019. .................................... Nader
Cristino do Carmo Batista Auxiliar Judiciário - 2ª Vara Cível Comarca de Tailândia-PA. Mat. 160.857
PROCESSO: 00806510520158140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): NADER CRISTINO DO CARMO BATISTA Ação:
Procedimento Comum Cível em: 07/12/2019 REQUERENTE:FRANCINALDO DOS SANTOS ARAUJO
Representante(s): OAB -- - DEFENSORIA PUBLICA (DEFENSOR) REQUERIDO:CELPA REDE
CENTRAIS ELETRICAS DO PARA SA Representante(s): OAB 10653-B - WEILLIA FREIRE DE ABREU
(ADVOGADO) OAB 6.100 - LUCIMARY GALVAO LEONARDO GARCES (ADVOGADO) . C E R T I D Ã O
Em virtude das atribuições que me são conferidas por Lei, e em cumprimento a Ordem de Serviço nº
003/2019-2ª Vara Cível da Comarca de Tailândia, Art.3º, datado de 02/12/2019, certifico o transito em
julgado nos autos físicos, com o objetivo de promover seu encerramento no sistema Libra, onde o referido
processo foi convertido em suporte eletrônico, migrado e registrado no Sistema de Processo Judicial
Eletrônico (PJE), ficando encerrada a tramitação fisicamente, buscando-se evitar a duplicidade de
processo em trâmite, para então, ter à sua continuidade somente pelo sistema eletrônico PJE. O referido é
verdade e dou fé. Tailândia, 06 de dezembro de 2019. .................................... Nader Cristino do Carmo
Batista Auxiliar Judiciário - 2ª Vara Cível Comarca de Tailândia-PA. Mat. 160.857 PROCESSO:
01036582620158140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
NADER CRISTINO DO CARMO BATISTA Ação: Busca e Apreensão em Alienação Fiduciária em:
07/12/2019 REQUERENTE:BANCO HONDA SA Representante(s): OAB 20868-A - HIRAN LEAO
DUARTE (ADVOGADO) REQUERIDO:BENEDITO DA SILVA OLIVEIRA. C E R T I D Ã O Em virtude das
atribuições que me são conferidas por Lei, e em cumprimento a Ordem de Serviço nº 003/2019-2ª Vara
Cível da Comarca de Tailândia, Art.3º, datado de 02/12/2019, certifico o transito em julgado nos autos
físicos, com o objetivo de promover seu encerramento no sistema Libra, onde o referido processo foi
convertido em suporte eletrônico, migrado e registrado no Sistema de Processo Judicial Eletrônico (PJE),
ficando encerrada a tramitação fisicamente, buscando-se evitar a duplicidade de processo em trâmite,
para então, ter à sua continuidade somente pelo sistema eletrônico PJE. O referido é verdade e dou fé.
Tailândia, 06 de dezembro de 2019. .................................... Nader Cristino do Carmo Batista Auxiliar
Judiciário - 2ª Vara Cível Comarca de Tailândia-PA. Mat. 160.857 PROCESSO: 00008243720188140074
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Alimentos - Lei
Especial Nº 5.478/68 em: REQUERENTE: E. O. T. REPRESENTANTE: J. P. O. REQUERIDO: E. C. T.
PROCESSO: 00056645620198140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Carta Precatória Cível em:
DEPRECANTE: J. D. P. V. C. E. E. A. P. REPRESENTADO: M. O. S. REPRESENTANTE: M. P.
PROCESSO: 00100211620188140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Pedido de Medida de Proteção em:
AUTOR: C. T. T. MENOR: S. M. E. PROCESSO: 00107198520198140074 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Processo de Apuração de Ato Infracional
em: REPRESENTANTE: M. P. E. T. REPRESENTADO: W. S. M. Representante(s): OAB 13620 - NAOKI
2242
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

DE QUEIROZ SAKAGUCHI (DEFENSOR DATIVO) VITIMA: I. S. S. PROCESSO:


00107423120198140074 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
---- Ação: Guarda em: REQUERENTE: R. F. S. Representante(s): OAB 14542-A - CLESIO DANTAS
AZEVEDO (ADVOGADO) REQUERENTE: C. C. S. Representante(s): OAB 14542-A - CLESIO DANTAS
AZEVEDO (ADVOGADO) MENOR: Y. S. S. O.

Número do processo: 0800038-23.2019.8.14.0074 Participação: RECLAMANTE Nome: JOAQUIM


CANDIDO CARVALHO Participação: ADVOGADO Nome: NILCILENE DA SILVA PORTILHO OAB:
29469/PA Participação: RECLAMADO Nome: BANCO ITAU BMG CONSIGNADO S.A. PODER
JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ 2ª VARA DA COMARCA DE TAILÂNDIA
PROCEDIMENTO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436)Autos nº. 0800038-
23.2019.8.14.0074RECLAMANTE: JOAQUIM CANDIDO CARVALHONome: JOAQUIM CANDIDO
CARVALHOEndereço: RUA UXI, 70, PALMARES, TAILâNDIA - PA - CEP: 68695-000 RECLAMADO:
BANCO ITAU BMG CONSIGNADO S.A.Nome: BANCO ITAU BMG CONSIGNADO S.A.Endereço: Centro
Empresarial Itaú Conceição, Praça Alfredo Egydio de Souza Aranha 100, Parque Jabaquara, SãO PAULO
- SP - CEP: 04344-902 DECISÃO INTERLOCUTÓRIA Aplico ao feito o rito da Lei nº. 9.099/95Defiro a
justiça gratuita, nos termos da Lei nº. 1.060/50.Tratam os autos de ação declaratória de inexistência de
débito c/c repetição do indébito c/c indenização por danos morais e pedido de tutela provisória de urgência
e evidência movida porJOAQUIM CANDIDO DE CARVALHOem desfavor deBANCO ITAU CONSIGNADO
S.A.Arguiu o autor ser analfabeto, beneficiário de aposentadoria por idade perante o INSS, tendo por
banco pagador o Banco do Brasil.Narra que, ao comparecer no Banco Brasil recebeu a informação acerca
da existência de vários empréstimos consignados em seu nome. Ressalta que, inicialmente acreditou ser
um erro no sistema do INSS. Dessa feita, dirigiu-se até o INSS para colher informações sobre os valores
indicados no banco e, ora divergentes, visto que não havia pactuado empréstimos consignados.Informa
que recebera no INSS, extrato de empréstimos consignados o qual indica a ocorrência de vários
empréstimos, não contratados pelo autor, com o banco réu, empréstimos esses que o autor
desconhecia.Relata que o primeiro empréstimo com inclusão em 19/09/2017 no valor de R$ 5.424,43
(cinco mil, quatrocentos e vinte e quatro reais e quarenta e três centavos) para ser pago em 60 parcelas
de R$ R$ 163,17 (cento e sessenta e três reais e dezessete centavos) com o primeiro desconto efetivado
na sua conta em 10/2017. O segundo empréstimo com inclusão em 21/10/2017 no valor de R$ 2.650,52
(dois mil, seiscentos e cinquenta reais e cinquenta e dois centavos) de R$ 81,00 (oitenta e um reais), com
o primeiro desconto previsto para 11/2017. O terceiro empréstimo foi incluso no sistema em 18/01/2018 no
valor de R$ 158,29 (cento e cinquenta e oito reais e vinte e nove centavos) para ser pago em 60 parcelas
de R$ 4,82 (quatro reais e oitenta e dois centavos), com o primeiro desconto previsto para
02/2018.Destaca que tais valores vêm sendo descontado mensalmente de sua aposentadoria, sem que
tenha recebido nenhum valor do banco réu, fazendo, inclusive com que o autor enfrente problemas
financeiros.Por fim, postula, liminarmente, a suspensão dos descontos mensais na aposentadoria do autor,
relacionado aos contratos de empréstimo consignado, supostamente firmados com o Requerido e tutela
provisória de evidência para que o réu colacione aos autos os contratos de empréstimos consignados
objeto do presente feito. No mérito, a declaração de inexistência do débito, pagamento de indenização a
títulos de danos morais e materiais, sendo este último fixado na quantia correspondente ao dobro dos
pagamentos indevidamente realizados.Acostou à inicial os documentos de fls. 18/66 dos autos
eletrônicos.É o breve relatório. Passo à análise do pedido de tutela de urgência.A tutela provisória de
urgência tem como escopo antecipar total ou parcialmente os efeitos do provimento jurisdicional. O que se
pretende com a referida tutela é entregar ao autor a própria pretensão deduzida em juízo ou seus
efeitos.Para o deferimento da tutela provisória, segundo orientação do art. 300, do Código de Processo
Civil, o magistrado deverá perquirir acerca da existência de seus requisitos autorizadores, quais sejam: a
existência de elementos que evidenciem a probabilidade do direito, o perigo de dano ou o risco ao
resultado útil do processo, bem como a reversibilidade dos efeitos do provimento, devendo-se observar
que tais requisitos são concorrentes.Nesse sentido, compulsando os autos, observo que o requerente,
mediante a juntada do Extrato de Empréstimos Consignados (fls. 23/24), bem como comprovante de
pagamento demonstrativo do INSS, relativo ao lapso temporal dos descontos indicados na inicial, de fls.
25/62, assim como Boletim de Ocorrência de fls. 64, trouxeram elementos suficientes a possibilitar a
constatação, em sede de cognição sumária, da probabilidade de seu direito.Ademais, verifico que a
medida não tem caráter irreversível, em que pese esta circunstância não representar óbice intransponível,
já que muitas vezes o prejuízo irreparável afirmado por quem pleiteia a tutela de urgência, o que no caso
2243
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

em tela é consumidor hipossuficiente, opõe-se a impossibilidade de a situação retornar ao status quo em


caso de improcedência da demanda.Isso posto,DEFIRO A TUTELA LIMINAR PLEITEADA, e determino
que o Banco requerido deixe de realizar, de imediato, os descontos junto a aposentadoria da parte autora,
referente aos contratos de empréstimo consignadode números 577975280, no valor de R$ 158,29 (cento e
cinquenta e oito reais e vinte e nove centavos), 575665564 no valor de R$ 2.650,52 (dois mil, seiscentos e
cinquenta reais e cinquenta e dois centavos) e 571459961 no valor de R$ 5.424,43 (cinco mil,
quatrocentos e vinte e quatro reais e quarenta e três centavos).Destaco que, a adoção de multa se faz
necessária em vista da possível recalcitrância, pois tem como escopo obrigar o requerido e terceiros a dar
eficácia à decisão. Assim, para o caso de descumprimento da presente decisão, fixo multa diária de R$
500,00 (quinhentos reais) por desconto indevido até o limite de R$ 20.000 (vinte mil reais).Por se tratar de
relação de consumo, inverto o ônus da prova, para que o Banco Requerido demonstre que a parte autora
é devedora do débito impugnado, tudo nos termos do artigo 6º, VII I do CDC.No que tange ao pedido
liminar pela tutela provisória de evidência, indefiro, visto que não vislumbro a incidência dos requisitos
autorizadores previsto no art. 311 do CPC. Ademais, a apresentação dos documentos referentes aos
contratos supracitados está açambarcados pelo ônus da prova, o qual fora invertido conforme vislumbrado
alhures.Cite-se a parte requerida para comparecer à audiência de conciliação, instrução e julgamento que
será realizada em14 DE ABRIL DE 2020, ÀS 09:00 HORAS, advertindo-se que sua ausência no ato
processual designado ensejará a decretação de sua revelia, presumindo-se como verdadeiras as
alegações fáticas da Requerente.Na hipótese de restar frustrada a tentativa conciliatória, o processo será
instruído e a sentença será proferida em audiência, considerando o caráter uno do rito processual. O não
comparecimento da Requerente ensejará o arquivamento do presente processo.Intimem-se as
partes.Servirá a presente como mandado.Cumpra-se. Tailândia, 28 de novembro de 2019 ALINE
CRISTINA BREIA MARTINSJuíza de Direito Titular da 2ª vara da Comarca de Tailândia/PA.
2244
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

COMARCA DE RURÓPOLIS

SECRETARIA DA VARA ÚNICA DE RURÓPOLIS

Número do processo: 0800211-84.2018.8.14.0073 Participação: REQUERENTE Nome: ELISANDRA


MARTINS DE LIMA Participação: REQUERIDO Nome: DOUGLAS RIBEIRO ALVES Participação: FISCAL
DA LEI Nome: PARA MINISTERIO PUBLICOPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO
DO PARÁCOMARCA DE RURÓPOLIS0800211-84.2018.8.14.0073[Alimentos, Guarda]REQUERENTE:
Nome: ELISANDRA MARTINS DE LIMAEndereço: AV. PRESIDENTE EMÍLIO G. MÉDICE, 1450, ENTRE
A TRANCEDO NENVES E PAULO FREIRE, LAGOA, RURóPOLIS - PA - CEP: 68165-000REQUERIDO:
Nome: DOUGLAS RIBEIRO ALVESEndereço: AVENIDA JOÃO PESSOA, 35, rereferência WR
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO, CENTRO, TAILâNDIA - PA - CEP: 68695-
000DESPACHO/MANDADORH. 1.Designo o dia13/02/2020, às 09h00m, para audiência de conciliação,
instrução e julgamento.2.Cabe aos advogados constituídos pelas partes informarem ou intimar cada
testemunha por si arroladas, observadas as regras do artigo 445, do CPC.3. Em se tratando de
testemunha arrolada pela Defensoria Pública, expeça-se mandado para intimação das respectivas
testemunhas, exceto se houver compromisso de apresentar em audiência independente de intimação.4.
Ficam as partes desde já advertidas que deverão vir à audiência preparadas para apresentação de
alegações finais na forma oral, nos termos do art. 364 CPC.Intimem-se. Cumpra-se. Servirá o presente
despacho, por cópia digitalizada, comoMANDADO DE INTIMAÇÃO, nos termos do Prov. Nº 03/2009 da
CJRMB ? TJE/PA, com a redação que lhe deu o Prov. Nº 011/2009 daquele órgão correcional. Cumpra-se
na forma e sob as penas da lei.Rurópolis, 19 de novembro de 2019. ODINANDRO GARCIA CUNHAJuiz
de Direito
2245
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

COMARCA DE URUARÁ

SECRETARIA DA VARA ÚNICA DE URUARÁ

RESENHA: 07/12/2019 A 09/12/2019 - SECRETARIA DA VARA UNICA DE URUARA - VARA: VARA


UNICA DE URUARA PROCESSO: 00002980720128140066 PROCESSO ANTIGO: 201210002246
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): MANOEL CÂNDIDO RIBEIRO Ação: Processo de
Apuração de Ato Infracional em: 09/12/2019 VITIMA:M. S. M. VITIMA:J. S. S. AUTOR:JUSTICA PUBLICA
ESTADUAL INFRATOR:ROGERIO SANTOS PEREIRA. CERTIDÃO DE TRÂNSITO EM JULGADO
Certifico que no dia 05/12/2019, transitou livremente em julgado a Sentença proferida nos Autos do
Processo nº 0000298-07.2012.8.14.0066. O referido é verdade e dou fé. Uruará/PA, 07 de dezembro de
2019. MANOEL CÂNDIDO RIBEIRO Diretor de Secretaria TERMO DE ARQUIVAMENTO Aos 07/12/2019,
arquivei os presentes autos. Para constar lavrei o presente termo. MANOEL CÂNDIDO RIBEIRO Diretor
de Secretaria PROCESSO: 00009366920148140066 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): MANOEL CÂNDIDO RIBEIRO Ação: Execução de
Título Judicial em: 09/12/2019 EXEQUENTE:JOSE DE SOUSA Representante(s): OAB 9518-A -
JURANDIR PEREIRA BRAGANCA (ADVOGADO) EXECUTADO:MUNICIPIO DE URUARA PREFEITURA
MUNICIPAL. CERTIDÃO DE TRÂNSITO EM JULGADO Certifico que no dia 26/11/2019, transitou
livremente em julgado a Sentença proferida nos Autos do Processo nº 0000936-69.2014.8.14.0066. O
referido é verdade e dou fé. Uruará/PA, 07 de dezembro de 2019. MANOEL CÂNDIDO RIBEIRO Diretor
de Secretaria TERMO DE ARQUIVAMENTO Aos 07/12/2019, arquivei os presentes autos. Para constar
lavrei o presente termo. MANOEL CÂNDIDO RIBEIRO Diretor de Secretaria PROCESSO:
00039864020138140066 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
MANOEL CÂNDIDO RIBEIRO Ação: Procedimento de Conhecimento em: 09/12/2019
REQUERENTE:JANETE MANDRICK Representante(s): OAB 17112-A - JANETE MANDRICK
(ADVOGADO) REQUERIDO:EMPRESA DE TELEFONIA CELULAR VIVO Representante(s): OAB 29.320
- WILKER BAUHER VIEIRA LOPES (ADVOGADO) . CERTIDÃO DE TRÂNSITO EM JULGADO Certifico
que no dia 04/12/2019, transitou livremente em julgado a Sentença proferida nos Autos do Processo nº
0003986-40.2013.8.14.0066. O referido é verdade e dou fé. Uruará/PA, 07 de dezembro de 2019.
MANOEL CÂNDIDO RIBEIRO Diretor de Secretaria TERMO DE ARQUIVAMENTO Aos 07/12/2019,
arquivei os presentes autos. Para constar lavrei o presente termo. MANOEL CÂNDIDO RIBEIRO Diretor
de Secretaria PROCESSO: 00040147120148140066 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): MANOEL CÂNDIDO RIBEIRO Ação: Reintegração
/ Manutenção de Posse em: 09/12/2019 REQUERENTE:MARILENE DE ALMEIDA FREITAS
Representante(s): OAB 9518-A - JURANDIR PEREIRA BRAGANCA (ADVOGADO) REQUERIDO:VULGO
ELINHO. CERTIDÃO DE TRÂNSITO EM JULGADO Certifico que no dia 04/12/2019, transitou livremente
em julgado a Sentença proferida nos Autos do Processo nº 0004014-71.2014.8.14.0066. O referido é
verdade e dou fé. Uruará/PA, 07 de dezembro de 2019. MANOEL CÂNDIDO RIBEIRO Diretor de
Secretaria TERMO DE ARQUIVAMENTO Aos 07/12/2019, arquivei os presentes autos. Para constar lavrei
o presente termo. MANOEL CÂNDIDO RIBEIRO Diretor de Secretaria PROCESSO:
00050042320188140066 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
MANOEL CÂNDIDO RIBEIRO Ação: Interdição em: 09/12/2019 INTERDITANDO:MARCIA JARENCO
GONCALVES Representante(s): OAB 17112-A - JANETE MANDRICK (ADVOGADO) INTERDITO:INES
JARENCO. CARTA PRECATÓRIA CÍVEL - AVERBAÇÃO DA INTERDIÇÃO (JUSTIÇA GRATUITA)
PROCESSO Nº 0005004-23.2018.8.14.0066 AÇÃO DE INTERDIÇÃO E CURATELA REQUERENTE:
MARCIA JARENCO GONÇALVES INTERDITADO: INÊS JARENCO CERTIDÃO DE NASCIMENTO: Nº
4.660 - LIVRO A-6, FOLHAS Nº 215 LOCAL DA DILIGÊNCIA: CARTÓRIO DO REGISTRO CIVIL DE
PESSOAS NATURAIS DO MUNICÍPIO DE ARARUNA - COMARCA DE PEABIRU/PR DEPRECANTE:
Excelentíssimo Senhor Doutor ANTÔNIO FERNANDO DE CARVALHO VILAR, Juiz de Direito da Vara
Agrária da Comarca de Altamira/PA, respondendo pela Comarca de Uruará/PA. DEPRECADO: Juízo de
Direito da Comarca de Peabiru/PR PRAZO: 30 dias OBJETO DA CARTA: intimar o cartório de registro civil
da comarca de Peabiru/PR, ou a quem for competente, para proceder a averbação da sentença de
interdição de INÊS JARENCO, às margens do assento de nascimento nº 4.660, livro A-6, folhas 215.
DOCUMENTOS ANEXOS: petição inicial, Sentença, Certidão de Trânsito em Julgado, Certidção do Livro
E, Mandado de Averbação e documentos necessários. Ao Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito
2246
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

da COMARCA DE PEABIRU Estado do Paraná, ou a quem o substituir, que dos autos do processo acima
referido foi extraída a presente Carta Precatória a fim de que Vossa Excelência se digne ordenar a
realização das diligências ora deprecadas, nos termos e de acordo com a peça fielmente transcrita em
duas folhas devidamente autenticadas, que fica fazendo parte integrante desta carta. Encarece ademais a
devolução da presente no prazo marcado, para os fins de direito. Uruará/PA, 09 de dezembro de 2019. Eu,
_____ (Tatiana do Socorro Oliveira Figueiredo) - Auxiliar Judiciário, o digitei. MANOEL CÂNDIDO
RIBEIRO Diretor de Secretaria Provimento 006/2009-CJCI PROCESSO: 00005247020168140066
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Divórcio
Litigioso em: REQUERENTE: F. C. S. S. Representante(s): OAB 17112-A - JANETE MANDRICK
(ADVOGADO) REQUERIDO: L. B. S. Representante(s): OAB 20360 - FERNANDA ALMEIDA DE
ANDRADE NASCIMENTO (CURADOR ESPECIAL) PROCESSO: 00007617020178140066 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Processo de Apuração de
Ato Infracional em: AUTOR: A. J. P. E. INFRATOR: F. S. S. VITIMA: V. S. P. PROCESSO:
00011811220168140066 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
---- Ação: Processo de Apuração de Ato Infracional em: AUTOR: A. J. P. E. INFRATOR: J. S. S. VITIMA:
N. S. F. PROCESSO: 00014246320108140066 PROCESSO ANTIGO: 201010008949
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Pedido de Medida de Proteção em:
ENVOLVIDO: D. N. B. REPRESENTANTE: C. J. N. AUTOR: C. T. C. E. A. ACUSADO: J. M. PROCESSO:
00024092220168140066 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
---- Ação: Averiguação de Paternidade em: REQUERENTE: M. S. O. Representante(s): OAB 17112-A -
JANETE MANDRICK (ADVOGADO) ENVOLVIDO: M. S. O. REQUERIDO: M. G. S. Representante(s):
OAB 14777 - PRISCILA CAVALCANTE DE MOURA (ADVOGADO) OAB 21975 - ADRIANA DA ROCHA
PELISER (ADVOGADO) OAB 20360 - FERNANDA ALMEIDA DE ANDRADE NASCIMENTO
(ADVOGADO) PROCESSO: 00030631420138140066 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Processo de Apuração de Ato Infracional
em: AUTOR: M. P. E. U. P. REPRESENTADO: E. M. R. J. REPRESENTADO: D. A. A. REPRESENTADO:
A. A. A. PROCESSO: 00046059120188140066 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Averiguação de Paternidade em:
REQUERENTE: J. C. M. S. Representante(s): OAB 20360 - FERNANDA ALMEIDA DE ANDRADE
NASCIMENTO (ADVOGADO) ENVOLVIDO: T. D. S. C. REQUERIDO: E. C. S. S. PROCESSO:
00098009120178140066 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
---- Ação: Boletim de Ocorrência Circunstanciada em: AUTOR: A. J. P. E. INFRATOR: J. L. S. VITIMA: V.
M. A. PROCESSO: 01067373720158140066 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Processo de Apuração de Ato Infracional
em: AUTOR: A. J. P. E. INFRATOR: P. H. S. A. VITIMA: A. C.
2247
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

COMARCA DE REDENÇÃO

SECRETARIA DA 1ª VARA CÍVEL E EMPRESARIAL DE REDENÇÃO

Número do processo: 0801798-94.2019.8.14.0045 Participação: AUTOR Nome: DOMINGOS PEREIRA


BARROSO Participação: ADVOGADO Nome: WDSON OLIVEIRA DE SOUZA RODRIGUES OAB:
27514/PA Participação: ADVOGADO Nome: ILYLLIAN SILVA DA CRUZ OAB: 28265/PA Participação:
RÉU Nome: INSS MARABÁ Participação: RÉU Nome: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIALC E
R T I D Ã O CERTIFICO, conforme as atribuições a mim conferidas por lei, que a contestação ID
13033016 e a réplica a contestação ID 13447667 são tempestivas.NADA MAIS. O referido é verdade e
dou fé. Redenção, 09/12/2019. ROBISON MAURILIO DA SILVAAnalista JudiciárioMatricula 51314 ATO
ORDINATÓRIO Nos termos do artigo 152, VI, do Código do Código de Processo Civil, conjugado com
artigo 16, inciso II, da Ordem de Serviço nº 001/2018, intimem-se as partes para no prazo comum de cinco
(05) dias, dizer se concordam com o julgamento antecipado da lide ou, caso contrário, que especifiquem
motivadamente as provas que pretendem produzir e os fatos controvertidos que por meio delas pretendem
comprovar. Redenção, 09/12/2019. ROBISON MAURILIO DA SILVADiretor de SecretariaMatrícula 51314

Número do processo: 0801417-23.2018.8.14.0045 Participação: EXEQUENTE Nome: ESTADO DO PARA


Participação: EXECUTADO Nome: JORGE MORAES CAMARGO - MEPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL
DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁCOMARCA DE REDENÇÃO1ª VARA CÍVEL E
EMPRESARIALNÚMERO DO PROCESSO:0801417-23.2018.8.14.0045POLO ATIVO:EXEQUENTE:
ESTADO DO PARAPOLO PASSIVO:EXECUTADO: JORGE MORAES CAMARGO - MEVistos,
etc.Manifestação de desistência acostada aos autos.RELATADO. DECIDO.O direito de desistir da ação é
conceituado pela doutrina como sendo ato unilateral do demandante, a princípio sem necessidade do
consentimento do réu, pelo qual ele abdica expressamente da sua posição processual (autor), adquirida
após o ajuizamento da causa. Está-se, pois,in casu, diante de circunstância que requer pura e
simplesmente aplicação da regra contida no art. 485, VIII, do Código de Processo Civil, uma vez que se
trata, a bem da verdade, de desistência da parte autora no prosseguimento do processo,litteris:O juiz não
resolverá o mérito quando:VIII homologar a desistência da ação.Ante o exposto,e consequência,com
fundamento na disposição legal do artigo 485, VIII, do CPC, HOMOLOGO adesistência.Custas na forma
da lei. Sendo caso de gratuidade já deferida, suspendo a exigibilidade.Publique-se. Intime-
se.Redenção/PA, 25 de outubro de 2019.Leonila Maria de Melo Medeiros Juíza de Direito

Número do processo: 0801218-98.2018.8.14.0045 Participação: AUTOR Nome: ANTONIA PEREIRA DA


SILVA Participação: ADVOGADO Nome: ELAINE BUENO NEVES OAB: 24927/PA Participação: RÉU
Nome: BURITI IMOVEIS LTDAPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO
PARÁCOMARCA DE REDENÇÃO1ª VARA CÍVEL E EMPRESARIALNÚMERO DO
PROCESSO:0801218-98.2018.8.14.0045POLO ATIVO:AUTOR: ANTONIA PEREIRA DA SILVAPOLO
PASSIVO:RÉU: BURITI IMOVEIS LTDAVistos, etc.Manifestação de desistência acostada aos
autos.RELATADO. DECIDO.O direito de desistir da ação é conceituado pela doutrina como sendo ato
unilateral do demandante, a princípio sem necessidade do consentimento do réu, pelo qual ele abdica
expressamente da sua posição processual (autor), adquirida após o ajuizamento da causa. Está-se, pois,in
casu, diante de circunstância que requer pura e simplesmente aplicação da regra contida no art. 485, VIII,
do Código de Processo Civil, uma vez que se trata, a bem da verdade, de desistência da parte autora no
prosseguimento do processo,litteris:O juiz não resolverá o mérito quando:VIII homologar a desistência da
ação.Ante o exposto,e consequência,com fundamento na disposição legal do artigo 485, VIII, do CPC,
HOMOLOGO adesistência.Defiro a gratuidade da justiça.Publique-se. Intime-se.Redenção/PA, 4 de
novembro de 2019.Leonila Maria de Melo Medeiros Juíza de Direito
2248
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Número do processo: 0801218-98.2018.8.14.0045 Participação: AUTOR Nome: ANTONIA PEREIRA DA


SILVA Participação: ADVOGADO Nome: ELAINE BUENO NEVES OAB: 24927/PA Participação: RÉU
Nome: BURITI IMOVEIS LTDAPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO
PARÁCOMARCA DE REDENÇÃO1ª VARA CÍVEL E EMPRESARIALNÚMERO DO
PROCESSO:0801218-98.2018.8.14.0045POLO ATIVO:AUTOR: ANTONIA PEREIRA DA SILVAPOLO
PASSIVO:RÉU: BURITI IMOVEIS LTDAVistos, etc.Manifestação de desistência acostada aos
autos.RELATADO. DECIDO.O direito de desistir da ação é conceituado pela doutrina como sendo ato
unilateral do demandante, a princípio sem necessidade do consentimento do réu, pelo qual ele abdica
expressamente da sua posição processual (autor), adquirida após o ajuizamento da causa. Está-se, pois,in
casu, diante de circunstância que requer pura e simplesmente aplicação da regra contida no art. 485, VIII,
do Código de Processo Civil, uma vez que se trata, a bem da verdade, de desistência da parte autora no
prosseguimento do processo,litteris:O juiz não resolverá o mérito quando:VIII homologar a desistência da
ação.Ante o exposto,e consequência,com fundamento na disposição legal do artigo 485, VIII, do CPC,
HOMOLOGO adesistência.Defiro a gratuidade da justiça.Publique-se. Intime-se.Redenção/PA, 4 de
novembro de 2019.Leonila Maria de Melo Medeiros Juíza de Direito

Número do processo: 0801063-95.2018.8.14.0045 Participação: EXEQUENTE Nome: ESTADO DO PARA


Participação: EXECUTADO Nome: M. NASCIMENTO MELO EIRELI - MEPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL
DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁCOMARCA DE REDENÇÃO1ª VARA CÍVEL E
EMPRESARIALNÚMERO DO PROCESSO:0801063-95.2018.8.14.0045POLO ATIVO:EXEQUENTE:
ESTADO DO PARAREPRESENTANTE: JAIR SA MAROCCO, ADRIANA MOREIRA BESSA SIZOPOLO
PASSIVO:EXECUTADO: M. NASCIMENTO MELO EIRELI - MEVistos, etc.Manifestação de desistência
acostada aos autos.RELATADO. DECIDO.O direito de desistir da ação é conceituado pela doutrina como
sendo ato unilateral do demandante, a princípio sem necessidade do consentimento do réu, pelo qual ele
abdica expressamente da sua posição processual (autor), adquirida após o ajuizamento da causa. Está-
se, pois,in casu, diante de circunstância que requer pura e simplesmente aplicação da regra contida no art.
485, VIII, do Código de Processo Civil, uma vez que se trata, a bem da verdade, de desistência da parte
autora no prosseguimento do processo,litteris:O juiz não resolverá o mérito quando:VIII homologar a
desistência da ação.Ante o exposto,e consequência,com fundamento na disposição legal do artigo 485,
VIII, do CPC, HOMOLOGO adesistência.Custas na forma da lei. Sendo caso de gratuidade já deferida,
suspendo a exigibilidade.Publique-se. Intime-se.Redenção/PA, 25 de outubro de 2019.Leonila Maria de
Melo Medeiros Juíza de Direito

Número do processo: 0801196-40.2018.8.14.0045 Participação: EXEQUENTE Nome: ESTADO DO PARA


Participação: EXECUTADO Nome: VALDEMIR CAVALCANTI DE LIMAPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL
DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁCOMARCA DE REDENÇÃO1ª VARA CÍVEL E
EMPRESARIALNÚMERO DO PROCESSO:0801196-40.2018.8.14.0045POLO ATIVO:EXEQUENTE:
ESTADO DO PARAREPRESENTANTE: JOSE EDUARDO CERQUEIRA GOMES, ADRIANA MOREIRA
BESSA SIZOPOLO PASSIVO:EXECUTADO: VALDEMIR CAVALCANTI DE LIMAVistos, etc.Manifestação
de desistência acostada aos autos.RELATADO. DECIDO.O direito de desistir da ação é conceituado pela
doutrina como sendo ato unilateral do demandante, a princípio sem necessidade do consentimento do réu,
pelo qual ele abdica expressamente da sua posição processual (autor), adquirida após o ajuizamento da
causa. Está-se, pois,in casu, diante de circunstância que requer pura e simplesmente aplicação da regra
contida no art. 485, VIII, do Código de Processo Civil, uma vez que se trata, a bem da verdade, de
desistência da parte autora no prosseguimento do processo,litteris:O juiz não resolverá o mérito
quando:VIII homologar a desistência da ação.Ante o exposto,e consequência,com fundamento na
disposição legal do artigo 485, VIII, do CPC, HOMOLOGO adesistência.Sem custas, ante a isenção
inerente à parte exequente.Publique-se. Intime-se.Redenção/PA, 6 de novembro de 2019.Leonila Maria de
Melo Medeiros Juíza de Direito

Número do processo: 0801427-67.2018.8.14.0045 Participação: AUTOR Nome: BRADESCO S.A.


Participação: ADVOGADO Nome: FREDERICO DUNICE PEREIRA BRITO OAB: 21822/DF Participação:
2249
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

RÉU Nome: LUCIANA ANGEL LIMA GOMESVistos, etc. O processo encontra-se com tramitação regular.
As partes transigiram com a finalidade de encerrar o litígio. Relato. Decido. Inicialmente, impende ressaltar
que a questão tratada nos presentes autos cingiu-se pela autocomposição, propiciando, assim, o fim do
descontentamento entre as partes, as quais transigiram e realizaram acordo.Com efeito, o art. 487, III, b,
do Código de Processo Civil, preconiza ser o presente caso hipótese de extinção do feito com exame do
mérito, litteris:Haverá resolução do mérito quando o juiz:III homologarb) a transação.Diante do exposto,
HOMOLOGO, por sentença, a transação celebrada entre as partes, a qual passa a integrar a presente
decisão e, como consequência, JULGO EXTINTO o processo com exame do mérito, nos termos do art.
487, III, b,do CPC.Eficácia de título executivo judicial, nos termos do artigo 515, II, do NCPC. Custas pelo
requerido, conforme disposição em acordo. Com o trânsito em julgado, arquive-se. Publique-se. Intime-se.
Redenção/PA, 30 de outubro de 2019. LEONILA MARIA DE MELO MEDEIROSJuíza de direito

Número do processo: 0801427-67.2018.8.14.0045 Participação: AUTOR Nome: BRADESCO S.A.


Participação: ADVOGADO Nome: FREDERICO DUNICE PEREIRA BRITO OAB: 21822/DF Participação:
RÉU Nome: LUCIANA ANGEL LIMA GOMESVistos, etc. O processo encontra-se com tramitação regular.
As partes transigiram com a finalidade de encerrar o litígio. Relato. Decido. Inicialmente, impende ressaltar
que a questão tratada nos presentes autos cingiu-se pela autocomposição, propiciando, assim, o fim do
descontentamento entre as partes, as quais transigiram e realizaram acordo.Com efeito, o art. 487, III, b,
do Código de Processo Civil, preconiza ser o presente caso hipótese de extinção do feito com exame do
mérito, litteris:Haverá resolução do mérito quando o juiz:III homologarb) a transação.Diante do exposto,
HOMOLOGO, por sentença, a transação celebrada entre as partes, a qual passa a integrar a presente
decisão e, como consequência, JULGO EXTINTO o processo com exame do mérito, nos termos do art.
487, III, b,do CPC.Eficácia de título executivo judicial, nos termos do artigo 515, II, do NCPC. Custas pelo
requerido, conforme disposição em acordo. Com o trânsito em julgado, arquive-se. Publique-se. Intime-se.
Redenção/PA, 30 de outubro de 2019. LEONILA MARIA DE MELO MEDEIROSJuíza de direito

Número do processo: 0801092-48.2018.8.14.0045 Participação: EXEQUENTE Nome: SOCIEDADE DE


EDUCACAO, CULTURA E TECNOLOGIA DA AMAZONIA S/A Participação: ADVOGADO Nome:
ROSEVAL RODRIGUES DA CUNHA FILHO OAB: 10652-A/PA Participação: EXECUTADO Nome: JOSE
DEUZENI JUNIOR ANDRADE CORREA Participação: EXECUTADO Nome: DIVINO APARECIDO DOS
SANTOS Participação: EXECUTADO Nome: MARIA DE JESUS RODRIGUES DE ANDRADEPODER
JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁCOMARCA DE REDENÇÃO1ª VARA CÍVEL
E EMPRESARIALNÚMERO DO PROCESSO:0801092-48.2018.8.14.0045POLO ATIVO:EXEQUENTE:
SOCIEDADE DE EDUCACAO, CULTURA E TECNOLOGIA DA AMAZONIA S/APOLO
PASSIVO:EXECUTADO: JOSE DEUZENI JUNIOR ANDRADE CORREA, DIVINO APARECIDO DOS
SANTOS, MARIA DE JESUS RODRIGUES DE ANDRADEVistos, etc.Manifestação de desistência
acostada aos autos.RELATADO. DECIDO.O direito de desistir da ação é conceituado pela doutrina como
sendo ato unilateral do demandante, a princípio sem necessidade do consentimento do réu, pelo qual ele
abdica expressamente da sua posição processual (autor), adquirida após o ajuizamento da causa. Está-
se, pois,in casu, diante de circunstância que requer pura e simplesmente aplicação da regra contida no art.
485, VIII, do Código de Processo Civil, uma vez que se trata, a bem da verdade, de desistência da parte
autora no prosseguimento do processo,litteris:O juiz não resolverá o mérito quando:VIII homologar a
desistência da ação.Ante o exposto,e consequência,com fundamento na disposição legal do artigo 485,
VIII, do CPC, HOMOLOGO adesistência.Custas na forma da lei. Sendo caso de gratuidade já deferida,
suspendo a exigibilidade.Publique-se. Intime-se.Redenção/PA, 25 de outubro de 2019.Leonila Maria de
Melo Medeiros Juíza de Direito

Número do processo: 0801092-48.2018.8.14.0045 Participação: EXEQUENTE Nome: SOCIEDADE DE


EDUCACAO, CULTURA E TECNOLOGIA DA AMAZONIA S/A Participação: ADVOGADO Nome:
ROSEVAL RODRIGUES DA CUNHA FILHO OAB: 10652-A/PA Participação: EXECUTADO Nome: JOSE
DEUZENI JUNIOR ANDRADE CORREA Participação: EXECUTADO Nome: DIVINO APARECIDO DOS
SANTOS Participação: EXECUTADO Nome: MARIA DE JESUS RODRIGUES DE ANDRADEPODER
2250
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁCOMARCA DE REDENÇÃO1ª VARA CÍVEL


E EMPRESARIALNÚMERO DO PROCESSO:0801092-48.2018.8.14.0045POLO ATIVO:EXEQUENTE:
SOCIEDADE DE EDUCACAO, CULTURA E TECNOLOGIA DA AMAZONIA S/APOLO
PASSIVO:EXECUTADO: JOSE DEUZENI JUNIOR ANDRADE CORREA, DIVINO APARECIDO DOS
SANTOS, MARIA DE JESUS RODRIGUES DE ANDRADEVistos, etc.Manifestação de desistência
acostada aos autos.RELATADO. DECIDO.O direito de desistir da ação é conceituado pela doutrina como
sendo ato unilateral do demandante, a princípio sem necessidade do consentimento do réu, pelo qual ele
abdica expressamente da sua posição processual (autor), adquirida após o ajuizamento da causa. Está-
se, pois,in casu, diante de circunstância que requer pura e simplesmente aplicação da regra contida no art.
485, VIII, do Código de Processo Civil, uma vez que se trata, a bem da verdade, de desistência da parte
autora no prosseguimento do processo,litteris:O juiz não resolverá o mérito quando:VIII homologar a
desistência da ação.Ante o exposto,e consequência,com fundamento na disposição legal do artigo 485,
VIII, do CPC, HOMOLOGO adesistência.Custas na forma da lei. Sendo caso de gratuidade já deferida,
suspendo a exigibilidade.Publique-se. Intime-se.Redenção/PA, 25 de outubro de 2019.Leonila Maria de
Melo Medeiros Juíza de Direito

Número do processo: 0801092-48.2018.8.14.0045 Participação: EXEQUENTE Nome: SOCIEDADE DE


EDUCACAO, CULTURA E TECNOLOGIA DA AMAZONIA S/A Participação: ADVOGADO Nome:
ROSEVAL RODRIGUES DA CUNHA FILHO OAB: 10652-A/PA Participação: EXECUTADO Nome: JOSE
DEUZENI JUNIOR ANDRADE CORREA Participação: EXECUTADO Nome: DIVINO APARECIDO DOS
SANTOS Participação: EXECUTADO Nome: MARIA DE JESUS RODRIGUES DE ANDRADEPODER
JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁCOMARCA DE REDENÇÃO1ª VARA CÍVEL
E EMPRESARIALNÚMERO DO PROCESSO:0801092-48.2018.8.14.0045POLO ATIVO:EXEQUENTE:
SOCIEDADE DE EDUCACAO, CULTURA E TECNOLOGIA DA AMAZONIA S/APOLO
PASSIVO:EXECUTADO: JOSE DEUZENI JUNIOR ANDRADE CORREA, DIVINO APARECIDO DOS
SANTOS, MARIA DE JESUS RODRIGUES DE ANDRADEVistos, etc.Manifestação de desistência
acostada aos autos.RELATADO. DECIDO.O direito de desistir da ação é conceituado pela doutrina como
sendo ato unilateral do demandante, a princípio sem necessidade do consentimento do réu, pelo qual ele
abdica expressamente da sua posição processual (autor), adquirida após o ajuizamento da causa. Está-
se, pois,in casu, diante de circunstância que requer pura e simplesmente aplicação da regra contida no art.
485, VIII, do Código de Processo Civil, uma vez que se trata, a bem da verdade, de desistência da parte
autora no prosseguimento do processo,litteris:O juiz não resolverá o mérito quando:VIII homologar a
desistência da ação.Ante o exposto,e consequência,com fundamento na disposição legal do artigo 485,
VIII, do CPC, HOMOLOGO adesistência.Custas na forma da lei. Sendo caso de gratuidade já deferida,
suspendo a exigibilidade.Publique-se. Intime-se.Redenção/PA, 25 de outubro de 2019.Leonila Maria de
Melo Medeiros Juíza de Direito

Número do processo: 0801092-48.2018.8.14.0045 Participação: EXEQUENTE Nome: SOCIEDADE DE


EDUCACAO, CULTURA E TECNOLOGIA DA AMAZONIA S/A Participação: ADVOGADO Nome:
ROSEVAL RODRIGUES DA CUNHA FILHO OAB: 10652-A/PA Participação: EXECUTADO Nome: JOSE
DEUZENI JUNIOR ANDRADE CORREA Participação: EXECUTADO Nome: DIVINO APARECIDO DOS
SANTOS Participação: EXECUTADO Nome: MARIA DE JESUS RODRIGUES DE ANDRADEPODER
JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁCOMARCA DE REDENÇÃO1ª VARA CÍVEL
E EMPRESARIALNÚMERO DO PROCESSO:0801092-48.2018.8.14.0045POLO ATIVO:EXEQUENTE:
SOCIEDADE DE EDUCACAO, CULTURA E TECNOLOGIA DA AMAZONIA S/APOLO
PASSIVO:EXECUTADO: JOSE DEUZENI JUNIOR ANDRADE CORREA, DIVINO APARECIDO DOS
SANTOS, MARIA DE JESUS RODRIGUES DE ANDRADEVistos, etc.Manifestação de desistência
acostada aos autos.RELATADO. DECIDO.O direito de desistir da ação é conceituado pela doutrina como
sendo ato unilateral do demandante, a princípio sem necessidade do consentimento do réu, pelo qual ele
abdica expressamente da sua posição processual (autor), adquirida após o ajuizamento da causa. Está-
se, pois,in casu, diante de circunstância que requer pura e simplesmente aplicação da regra contida no art.
485, VIII, do Código de Processo Civil, uma vez que se trata, a bem da verdade, de desistência da parte
autora no prosseguimento do processo,litteris:O juiz não resolverá o mérito quando:VIII homologar a
desistência da ação.Ante o exposto,e consequência,com fundamento na disposição legal do artigo 485,
2251
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

VIII, do CPC, HOMOLOGO adesistência.Custas na forma da lei. Sendo caso de gratuidade já deferida,
suspendo a exigibilidade.Publique-se. Intime-se.Redenção/PA, 25 de outubro de 2019.Leonila Maria de
Melo Medeiros Juíza de Direito

PROCESSO: 00060058220138140045 PROCESSO ANTIGO: ---


MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): LEONILA MARIA DE MELO MEDEIROS Ação:
Processo de Execução em: 08/10/2019---REQUERENTE:COOPERATIVA DE CREDITO DE LIVRE
ADMISSAO DE ASSOCIADOS DO SUDESTE PARAENSE - SICREDI CARAJAS - PA Representante(s):
OAB 11.751 - JOSE HENRIQUE S VIGO (ADVOGADO) OAB 12809 - ANDRE ASSIS ROSA
(ADVOGADO) REQUERIDO:GARCIA & LEMES LTDA REQUERIDO:VALCILENE DA PENHA GARCIA
REQUERIDO:JOSE VANDERLI LEMES. ATO ORDINATÓRIO Nos termos do Provimento 006/2009 ¿
CJCI/TJE-PA c/c art. 1º, § 2º, XI, do Provimento nº. 006/2006 CJRMB/TJE-PA, considerando a
necessidade do recolhimento de custas para o cumprimento das citaç¿es, fica(m) a(s) parte(s)
requerente(s), a providenciar, o recolhimento para o normal prosseguimento do feito. Redenç¿o, 04 de
dezembro de 2019. ROBISON MAURILIO DA SILVA Diretor de Secretaria, em exercício. Mat. 51314

PROCESSO: 00819137720158140045 PROCESSO ANTIGO: ---


MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): LEONILA MARIA DE MELO MEDEIROS Ação:
Execução de Título Extrajudicial em: 08/10/2019---REQUERENTE:SECTA SOCIEDADE DE EDUCACAO
CULTURAL E TECNOLOGIA DA AMAZO Representante(s): OAB 29010 - JOSUE RUFINO ALVES
(ADVOGADO) REQUERIDO:SILBERTO SILVA CAMPOS. ATO ORDINATÓRIO Nos termos do
Provimento 006/2009 ¿ CJCI/TJE-PA c/c art. 1º, § 2º, XI, do Provimento nº. 006/2006 CJRMB/TJE-PA,
considerando a necessidade do recolhimento de custas para o cumprimento do mandado, fica(m) a(s)
parte(s) requerente(s), a providenciar, o recolhimento para o normal prosseguimento do feito. Redenç¿o,
04 de dezembro de 2019. ROBISON MAURILIO DA SILVA Diretor de Secretaria, em exercício. Mat.
51314

PROCESSO: 00076033220178140045 PROCESSO ANTIGO: ---


MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): LEONILA MARIA DE MELO MEDEIROS Ação:
Dissolução e Liquidação de Sociedade em: 07/11/2019---REQUERENTE:ELIZANGELA RIBEIRO DA
SILVA Representante(s): OAB 10103-A - KALLIL JORGE NASCIMENTO FERREIRA (ADVOGADO)
REQUERIDO:A BOA COMPRA TECIDOS LTDA ME REQUERIDO:CARLOS FERREIRA DA SILVA. Vistos
etc. O processo encontra-se com tramitação regular. Em audiência de conciliação as partes
entabularam acordo e solicitaram homologação da avença celebrada, com a finalidade de encerrar o
litígio. Relato. Decido. A questão tratada nos presentes autos cingiu-se pela autocomposição,
propiciando, assim, o fim do descontentamento entre as partes, as quais transigiram e realizaram acordo.
Com efeito, o art. 487, III, b, do Código de Processo Civil, preconiza ser o presente caso hipótese de
extinção do feito com exame do mérito, litteris: ¿Haverá resolução do mérito quando o juiz: III -
homologar b) a transação¿. Diante do exposto, HOMOLOGO, por sentença, a transação
celebrada entre as partes, a qual passa a integrar a presente decisão e, como consequência, JULGO
EXTINTO o processo com exame do mérito, nos termos do art. 487, III, b, do Código de Processo Civil.
Eficácia de título executivo judicial, nos termos do artigo 515, II, do NCPC. Custas pro rata, na
forma da lei. Honorários advocatícios nos termos pactuados. Por força da renúncia expressa ao
prazo recursal, certifique-se o trânsito em julgado e, cumpridas todas as diligências determinadas,
certifique-se e arquivem-se os autos, com as baixas devidas. Publique-se. Intime-se. Expeça-se.
Serve o presente como MANDADO. Redenção/PA, 07 de novembro de 2019. LEONILA MARIA DE
MELO MEDEIROS Juíza de Direito Titular da 1º Vara Cível e Empresarial 1
2252
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

PROCESSO: 00068943120168140045 PROCESSO ANTIGO: ---


MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): LEONILA MARIA DE MELO MEDEIROS Ação:
Procedimento Comum Cível em: 07/11/2019---REQUERENTE:NELSON DA SILVA Representante(s):
OAB 12088 - CARLOS EDUARDO TEIXEIRA CHAVES (ADVOGADO) OAB 22652-A - RAYNERY
RARISON OLIVEIRA SIQUEIRA (ADVOGADO) OAB 25466 - GIULIA ALMEIDA PRADO LORDEIRO
SROCZYNSKI (ADVOGADO) OAB 25897-B - RAQUEL ARAÚJO FERNANDES GONÇALVES
(ADVOGADO) REQUERIDO:HAPVIDA ASSISTENCIA MEDICA LTDA Representante(s): OAB 16470 -
IGOR MACEDO FACO (ADVOGADO) OAB 18663 - ISAAC COSTA LAZARO FILHO (ADVOGADO) .
Vistos etc. O processo encontra-se com tramitação regular. Em audiência de conciliação as
partes entabularam acordo e solicitaram homologação da avença celebrada, com a finalidade de encerrar
o litígio. Relato. Decido. A questão tratada nos presentes autos cingiu-se pela autocomposição,
propiciando, assim, o fim do descontentamento entre as partes, as quais transigiram e realizaram acordo.
Com efeito, o art. 487, III, b, do Código de Processo Civil, preconiza ser o presente caso hipótese de
extinção do feito com exame do mérito, litteris: ¿Haverá resolução do mérito quando o juiz: III -
homologar b) a transação¿. Diante do exposto, HOMOLOGO, por sentença, a transação
celebrada entre as partes, a qual passa a integrar a presente decisão e, como consequência, JULGO
EXTINTO o processo com exame do mérito, nos termos do art. 487, III, b, do Código de Processo Civil.
Eficácia de título executivo judicial, nos termos do artigo 515, II, do NCPC. Custas pro rata, na
forma da lei. Honorários advocatícios nos termos pactuados. Por força da renúncia expressa ao
prazo recursal, certifique-se o trânsito em julgado e, cumpridas todas as diligências determinadas,
certifique-se e arquivem-se os autos, com as baixas devidas. Publique-se. Intime-se. Expeça-se.
Serve o presente como MANDADO. Redenção/PA, 07 de novembro de 2019. LEONILA MARIA DE
MELO MEDEIROS Juíza de Direito Titular da 1º Vara Cível e Empresarial 1

PROCESSO: 00023652620108140045 PROCESSO ANTIGO: 201010010770


MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): LEONILA MARIA DE MELO MEDEIROS Ação:
Procedimento de Liquidação em: 07/11/2019---REQUERIDO:TELEMAR NORTE LESTE S/A
Representante(s): OAB 86235 - ELADIO MIRANDA LIMA (ADVOGADO) REQUERENTE:METAL
PECAS PARA TRATORES LTDA Representante(s): OAB 13040 - ANDREIA CRISTINA PEREIRA DE
ARVELOS (ADVOGADO) . Vistos etc. O processo encontra-se com tramitação regular. Em
audiência de conciliação as partes entabularam acordo e solicitaram homologação da avença celebrada,
com a finalidade de encerrar o litígio. Relato. Decido. A questão tratada nos presentes autos
cingiu-se pela autocomposição, propiciando, assim, o fim do descontentamento entre as partes, as quais
transigiram e realizaram acordo. Com efeito, o art. 487, III, b, do Código de Processo Civil, preconiza
ser o presente caso hipótese de extinção do feito com exame do mérito, litteris: ¿Haverá resolução
do mérito quando o juiz: III - homologar b) a transação¿. Diante do exposto,
HOMOLOGO, por sentença, a transação celebrada entre as partes, a qual passa a integrar a presente
decisão e, como consequência, JULGO EXTINTO o processo com exame do mérito, nos termos do art.
487, III, b, do Código de Processo Civil. Eficácia de título executivo judicial, nos termos do artigo 515,
II, do NCPC. Custas pro rata, na forma da lei. Honorários advocatícios nos termos pactuados.
Por força da renúncia expressa ao prazo recursal, certifique-se o trânsito em julgado e, cumpridas
todas as diligências determinadas, certifique-se e arquivem-se os autos, com as baixas devidas.
Publique-se. Intime-se. Expeça-se. Serve o presente como MANDADO. Redenção/PA, 07 de
novembro de 2019. LEONILA MARIA DE MELO MEDEIROS Juíza de Direito Titular da 1º Vara Cível e
Empresarial 1

PROCESSO: 00052635720138140045 PROCESSO ANTIGO: ---


MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): LEONILA MARIA DE MELO MEDEIROS Ação:
Procedimento de Conhecimento em: 28/11/2019---REQUERENTE:JOSE CARLOS CARNEIRO DE
SOUSA Representante(s): OAB 13533-A - GILBERTO DE PINHO OLIVEIRA (ADVOGADO)
REQUERIDO:INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Vistos, etc. Trata-se de Concessão de
Aposentadoria por Invalidez, com pedido alternativo de estabelecimento de auxílio-doença ajuizada por
JOSÉ CARLOS CARNEIRO DE SOUSA em face do INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL -
INSS, que tramitou inicialmente perante a justiça federal, na subseção de Redenção/PA, na qual o
requerente noticia ser segurado da Previdência Social e, por problema de saúde decorrente de acidente
de trabalho, não consegue mais desempenhar sua função laborativa de trabalhador rural. Deferida a
gratuidade processual e designada a perícia, com nomeação do perito (fls. 25). Laudo de perícia médica
2253
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

juntado às fls. 28/32, onde foi restou atestada incapacidade em decorrência de acidente de trabalho.
Decisão reconhecendo a incompetência da justiça federal e determinação de remessa ao juízo estadual (fl.
34). Reconhecida a competência da justiça comum, mantida a concessão dos benefícios da justiça
gratuita, indeferido o pedido de antecipação dos efeitos da tutela, determinada a conversão do rito sumário
em ordinário e a citação da requerida (fls 49/51). Citada, a ré não ofereceu contestação, sendo decretada
a sua revelia às fls. 56/57. Laudo de perícia médica por médico neurologista especializado juntado às fls.
65/66, onde foi restou atestada incapacidade definitiva em decorrência de acidente de trabalho, estando o
autor incapacitado permanentemente para o exercício de sua função habitual, devido à sequelas
cognitivas, instabilidade de humor, déficit de memória, lentidão de raciocínio, distúrbio de equilíbrio,
anosmia e hipoacusia. Após alegações finais das partes, seguiram os autos para sentença. É o relatório.
Fundamento e decido. A causa encontra-se em termos para julgamento, pois realizada a competente
perícia médica, bem como trazidos aos autos os documentos necessários ao seu processamento.
Portanto, desnecessária a dilação probatória, havendo elementos suficientes para a cognição deste juízo,
nos termos do artigo 355, inciso I, do CPC. Não se fazem presentes matérias de natureza processual, o
feito encontra-se em ordem e as partes estão devidamente representadas, restando somente a apreciação
do mérito da causa. A antecipação dos efeitos da tutela solicitada foi indeferida às fls. 49/51. A
aposentadoria por invalidez, uma vez cumprida, quando for o caso, a carência exigida, é devida ao
segurado que, estando ou não em gozo de auxílio-doença, for considerando incapaz e insusceptível de
reabilitação para o exercício de atividade que lhe garanta a subsistência, e ser-lhe-á paga enquanto
permanecer nesta condição (Lei nº 8.213/91). A concessão desse benefício depende de período de
carência de 12 (doze) prestações mensais (Lei nº 8.213/91, art. 25, I), exceto nos casos de acidente de
qualquer natureza ou causa e de doença profissional ou do trabalho, bem como nos casos de segurados
que, após filiar-se ao Regime Geral da Previdência Social, for acometido de alguma das doenças e
afecções especificadas em lista elaborada pelos Ministérios da Saúde e do Trabalho e da Previdência
Social ( Lei n. 8.213/91, art. 26, II e 151). Portanto, são três os requisitos exigidos para a concessão do
benefício: cumprimento da carência; incapacidade total e permanente para o trabalho e qualidade de
segurado. Quanto ao auxílio-doença, exige-se que a incapacidade: (I) se total, seja temporária, fazendo o
segurado jus ao benefício até sua recuperação; (II) e se parcial, seja temporária ou definitiva, quando
então o benefício deve ser concedido até a recuperação ou reabilitação do segurado para o exercício de
outras atividades, conforme o caso. Na conclusão apresentada pelo perito em seu laudo consta que ¿1. O
periciando é portador de sequela de traumatismo cranioencefálico grave. 2. Paciente definitivamente
incapacitado para o desempenho de suas atividades laborativas devido à sequelas cognitivas, labilidade
de humor, déficit de memória, lentidão de raciocínio, distúrbio de equilíbrio, anosmia e hipoacusia¿.
Cumpre acrescentar, no caso do trabalhador rural, com definição prevista no artigo 11, inciso VII, da Lei
8.213/91, basta comprovar atividade rural no período de um ano, ainda que de forma descontínua, através
de documentos mais prova testemunhal, na forma do Artigo 39, I, do mesmo diploma legal. Neste caso,
não é obrigatória a contribuição. O benefício de aposentadoria por invalidez rural será devido estando ou
não o segurado em gozo de auxílio-doença, quando o mesmo for considerado incapaz para o trabalho na
roça. Nessa senda, é o entendimento da jurisprudência: REEXAME NECESSÁRIO E APELAÇÃO CÍVEL.
APOSENTADORIA POR INVALIDEZ. REQUISITOS DO ART. 42 DA LEI 8213/91. INCAPACIDADE
PARCIAL PARA TODA E QUALQUER FUNÇÃO ATESTADA EM LAUDO PERICIAL. NÃO VINCULAÇÃO.
ASPECTOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS DO SEGURADO. BENEFÍCIO DEVIDO.
ALEGAÇÃO DE QUE A APOSENTADORIA DEVE SER CONTADA A PARTIR DA JUNTADA DO LAUDO
PERICIAL. AFASTADA. APELAÇÃO CONHECIDA E NÃO PROVIDA. SENTENÇA PARCIALMENTE
REFORMADA EM SEDE DE REEXAME NO QUE TANGE AO MARCO INICIAL DO BENEFÍCIO E DOS
JUROS MORATÓRIOS. 1. O STJ, no julgamento do RESP 1.101.727, submetido ao rito dos recursos
repetitivos (tema 16), decidiu que autarquia previdenciária equipara-se à Fazenda Pública em
prerrogativas e privilégios, não sendo exigível do INSS o depósito prévio do preparo como condição de
admissibilidade do recurso, podendo tal pagamento realizar-se no final do processo. A autarquia não está
isenta das custas devidas perante à Justiça Estadual, mas poderá pagá-las ao final da demanda, se
vencido. Súmula 483 do STJ. 2. O apelado é portador de lesão definitiva e deformitante situada na porção
distal do membro inferior direito, com achado clínico de encurtamento do referido membro em relação ao
esquerdo além de marcha claudicante. 3. O laudo judicial aponta incapacidade total para a função
habitualmente exercida pelo apelado (lavrador) e, apesar de sugerir a possibilidade de reabilitação
funcional para atividades compatíveis com as limitações, essa circunstância, por si só, não conduz à
inviabilidade da concessão da aposentadoria por invalidez, pois é necessário, sobretudo, analisar as
condições socioeconômicas e culturais do apelado, de modo que se possa aferir com racionalidade as
suas chances de reinserção no mercado de trabalho. 4. O apelado é trabalhador rural não alfabetizado,
2254
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

idoso, contando com 64 anos de idade. As condições físicas apresentadas; a gravidade do acidente e o
laudo expedido pelo médico perito judicial. Todas essas condições caracterizam o direito à aposentadoria
por invalidez acidentária, máxime o quadro fático real, visto com amplitude nas circunstâncias da vida e na
situação do apelado. 5. Ostentando sérias restrições físicas, resta claro que não possui a menor
perspectiva de aceitação do mercado de trabalho porque a utilização de intenso esforço físico é
pressuposto para atividades profissionais braçais ou correlatas, devendo-se concluir que efetivamente
restam preenchidos os requisitos necessários à concessão do benefício de aposentadoria por invalidez
acidentária. Precedentes do STJ e deste egrégio tribunal. 6. Alegação de que o benefício é devido a partir
da juntada do laudo. Afastada. 7. Apelação do INSS conhecida e não provida. 8. Reexame necessário
conhecido. Reforma parcial da sentença para fixar como marco inicial do benefício a data da citação
válida, pois não houve requerimento administrativo de aposentadoria por invalidez (súmula 576 do STJ),
bem como, para estabelecer que os juros incidam a partir da citação válida, conforme Súmula 204 do STJ
e art. 219 do cpc/73, em vigor à época. 9. À unanimidade. (TJPA - AP/RN: 00069517020128140051,
Relator: MARIA ELVINA GEMAQUE TAVEIRA, PRIMEIRA TURMA DE DIREITO PÚBLICO, Data de
Publicação: 03/04/2018) PREVIDENCIÁRIO. AUXÍLIO DOENÇA. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ.
TRABALHADORA RURAL. INÍCIO DE PROVA MATERIAL CORROBORADO POR PROVA
TESTEMUNHAL. IDÔNEA. INCAPACIDADE TOTAL E PERMANENTE. 1. Concedida a tutela específica
na sentença para implantação do benefício, é cabível o recurso de apelação e imperativo o seu
recebimento apenas no efeito devolutivo. 2. Ao trabalhador rural é expressamente garantido o direito à
percepção de aposentadoria por invalidez ou auxílio doença, no valor de um salário mínimo, desde que
comprove o exercício da atividade rural, ainda que de forma descontínua, por período equivalente ao da
carência exigida por Lei, sendo desnecessária, portanto, a comprovação dos recolhimentos ao RGPS,
bastando o efetivo exercício da atividade campesina por tempo equivalente ao exigido para fins de
carência. 3. Início de prova material do exercício de atividade rural, corroborada por idônea prova
testemunhal. 4. Laudo pericial conclusivo pela existência de incapacidade total e permanente. 5. Presentes
os requisitos, faz jus o autor à percepção do benefício de auxílio doença e à sua conversão em
aposentadoria por invalidez. 6. A correção monetária, que incide sobre as prestações em atraso desde as
respectivas competências, e os juros de mora devem ser aplicados de acordo com o Manual de
Orientação de Procedimentos para os Cálculos na Justiça Federal, observando-se a aplicação do IPCA-E
conforme decisão do e. STF, em regime de julgamento de recursos repetitivos no RE 870947, e o decidido
também por aquela Corte quando do julgamento da questão de ordem nas ADIs 4357 e 4425. 7. Os juros
de mora incidirão até a data da expedição do precatório/RPV, conforme decidido em 19.04.2017 pelo
Pleno do e. STF quando do julgamento do RE 579431, com repercussão geral reconhecida. A partir de
então deve ser observada a Súmula Vinculante nº 17. 8. Os honorários advocatícios devem observar as
disposições contidas no inciso II, do § 4º, do Art. 85, do CPC, e a Súmula 111, do e. STJ. 9. A autarquia
previdenciária está isenta das custas e emolumentos, nos termos do Art. 4º, I, da Lei 9.289/96, do Art. 24-
A da Lei 9.028/95, com a redação dada pelo Art. 3º da MP 2.180-35/01, e do Art. 8º, § 1º, da Lei 8.620/93.
10. Remessa oficial, havida como submetida, e apelação providas em parte. (TRF03 - AC:
00070451620174039999, Relator: PAULO OCTÁVIO BAPTISTA PEREIRA, DÉCIMA TURMA, Data de
Publicação: 11/03/2019) Denota-se do cotejo dos autos processuais que o autor comprovou a
qualidade de trabalhador rural através de prova documental (fls. 20). Diante do exposto, preenchidos
os requisitos para concessão do benefício pugnado, JULGO PROCEDENTE o pedido, nos termos do
artigo 487, I, do CPC, para CONDENAR a autarquia previdenciária a conceder o benefício de
aposentadoria por invalidez de JOSÉ CARLOS CARNEIRO DE SOUSA, desde o requerimento
administrativo, sendo a renda mensal inicial - RMI no valor de 01(um) salário mínimo, sob pena de multa
diária de R$ 100,00 (cem reais), limitada num primeiro momento ao triplo do valor do benefício.
Defiro o pedido de justiça gratuita formulado pelo autor. Sobre a condenação de natureza
pecuniária incidirá correção monetária e juros de mora. As diferenças vencidas deverão ser apuradas
e corrigidas monetariamente a partir de cada vencimento, segundo o INPC, nos termos do artigo 41-A da
Lei nº 8.213/91, bem como acrescidas de juros de mora mensais a partir da citação (Súmula 204 - STJ),
fixados segundo a remuneração da Caderneta de Poupança, na forma do art. 1º-F da Lei nº 9.494/97.
Deixo de condenar o réu no pagamento das custas processuais, considerando-se a isenção legal de
que goza e o fato de ser a parte autora beneficiária da justiça gratuita. Por outro lado, deverá arcar com o
pagamento de honorários advocatícios da parte adversa, os quais fixo em 10%, a teor do artigo 85, § 3º, I,
do CPC, sobre o somatório das prestações vencidas e não pagas, até a sentença, devidamente
atualizadas de conformidade aos índices oficiais, a partir da citação (Súmula 111, STJ). Transitado
em julgado, arquive-se Publique-se. Intime-se. Expeça-se o necessário. Arquive-se. Serve o
presente como MANDADO. Redenção/PA, 27 de novembro de 2019. LEONILA MARIA D EMELO
2255
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

MEDEIROS Juíza de Direito Titular da 1º Vara Cível e Empresarial

PROCESSO: 00588303220158140045 PROCESSO ANTIGO: ---


MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): LEONILA MARIA DE MELO MEDEIROS Ação:
Cumprimento de sentença em: 28/11/2019---REQUERENTE:MARIA IZABEL DA SILVA Representante(s):
OAB 19402 - ROSILENE SOARES DA SILVA (ADVOGADO) OAB 7911-B - RICARDO HENRIQUE
QUEIROZ DE OLIVEIRA (ADVOGADO) REQUERIDO:CLARO S A Representante(s): OAB 19792-A -
FELIPE GAZOLA VIERA MARQUES (ADVOGADO) OAB 41486 - RAFAEL GONCALVES ROCHA
(ADVOGADO) . Vistos, etc. Trata-se de Ação de Declaração de Inexistência de Débito c/c Repetição do
Indébito e Indenização por Danos Morais com Pedido de Liminar proposta por MARIA IZABEL DA SILVA
em face da CLARO S.A., pelos motivos expostos na peça de ingresso. Após sentença transitada em
julgado, a parte ré informou o cumprimento das obrigações (fls. 96/97) de forma voluntária. Relato.
DECIDO. Diz o art. 924, inciso II, do CPC, que a execução será extinta quando a obrigação for satisfeita.
Assim, constatando que a parte ré noticiou o cumprimento das obrigações determinadas pelo juízo de
forma voluntária, inexiste, pois, crédito a ser executado, motivo pelo qual não vejo óbice em determinar a
extinção da execução, nos termos do art. 924, II, do CPC. ISTO POSTO, nos termos do art. 924, II, do
CPC, extingo o processo com resolução do mérito. Expeça-se o competente alvará. Custas e honorários
na forma da sentença de fl. 92/93. INTIME-SE a Requerida para promover a quitação dos honorários
advocatícios da demandante, considerando não houve comprovação da quitação dos honorários pela
parte ré, como informado pela autora às fls.102. Após a comprovação da quitação dos honorários pela
demandada, bem como o trânsito em julgado, ARQUIVE-SE. Publique-se. Intime-se. Redenção/PA, 27 de
novembro de 2019. LEONILA MARIA DE MELO MEDEIROS Juíza de direito
2256
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

SECRETARIA DA VARA CRIMINAL DE REDENÇÃO

PROCESSO: 00128384320188140045 PROCESSO ANTIGO: ---


MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): HAROLDO SILVA DA FONSECA Ação: Ação Penal
- Procedimento Ordinário em: 08/11/2019---VITIMA:C. F. S. DENUNCIADO:IGOR LANDIM DE OLIVEIRA
Representante(s): OAB 19379 - OLIRIOMAR AUGUSTO PANTOJA MONTEIRO (ADVOGADO) OAB
24315 - KAIRO UBIRATAN DIAS BESSA (ADVOGADO) DENUNCIANTE:MINISTERIO PUBLICO DO
ESTADO DO PARA. ãDESPACHO Intime-se o advogado de defesa para que, no prazo de 05 (cinco) dias,
se manifeste acerca do embargo de declarações. Redenção ¿ PA, 08 de novembro de 2019 HAROLDO
SILVA DA FONSECA Juiz de Direito

ATO ORDINATÓRIO ¿ PROCESSO CRIME Nº 0004132-73.2008.8.14.0045 ¿ FRANCISCO ALVES DE


SOUSA (ADVOGADO: GLEYDSON DA SILVA ARRUDA, inscrito na OAB/PA 11.572-A). Com base no
art. 1º, § 1º, inciso VII, do Provimento nº 006/2006-CJRMB, ratificado pelo Provimento nº 006/2009-CJCI,
FICA o senhor advogado aqui identificado, devidamente intimado para que compareça à audiência de
instrução e julgamento designada para o dia 05 de Dezembro de 2019 às 10h00min. Redenção, 20 de
Novembro de 2019. Gláucia Helena Silva Sousa - Diretora de secretaria.

TERMO DE AUDIÊNCIA

Processo: 0011738-58-2015.814.0045

RÉ (U)(S): JHON WESLEY PESSOA MARTINS e MATHEUS SENNA DA SILVA

Aos 13 dias do mês de Setembro do ano de dois mil e dezenove (13/09/2019) às 09h00min, nesta
cidade e Comarca de Redenç¿o, Estado do Pará, na sala de audiências da Vara Criminal, onde se achava
o MMº. Juiz de Direito, Drº. MARCIO DANIEL COELHO CARUNCHO, foi aberta a audiência de Instruç¿o
e Julgamento e após o preg¿o, verificou-se presente a representante do Ministério Publico, DR.ª
LORENA MOURA BARBOSA DE MIRANDA; Presente o Dr. VALDERCI DIAS SIM¿O, Defensor Público,
atuando na defesa de JHON WESLEY. Presente o DR. CARLUCIO FERREIRA, Advogado atuando na
defesa de MATHEUS SENNA, requereu neste ato prazo de 05 dias para juntar substabelecimento.
Presente o réu JHON WESLEY PESSOA MARTINS e ausente MATHEUS SENNA DA SILVA. Presente
às testemunhas arroladas pela acusaç¿o GUSTAVO ELOI JELONSCHEK, MARIA BETANIA PEREIRA
VIANA e ausentes às testemunhas GIBSON PEREIRA VIANA(n¿o intimado, conforme certid¿o de fls.
81), GILSON FERREIRA VIANA (embora intimado às fls. 81), MICHAEL ARAÚJO DE OLIVEIRA (n¿o
intimado, conforme certid¿o de fls. 83), ADRIANA PEREIRA DOS SANTOS (n¿o expedido mandado de
intimaç¿o), CLAUDEMIR GASPARINO DA SILVA (n¿o intimado, conforme certid¿o de fls. 78), RAFAEL
ALVES DA SILVA(n¿o intimado, conforme certid¿o de fls. 85), IPC-ALLISSON DOS SANTOS PEREIRA,
DPC-WASHINGTON SANTOS DE OLIVEIRA, IPC-CARLOS EDUARDO MULLER E SANTOS e DPC-
ALECIO JANUNES NETO (os policiais civis n¿o foram requisitados, nem expedido mandado de
intimaç¿o). Ausente às testemunhas arroladas pela defesa de MATHEUS SENNA BRUNO BRANDALISE
e BRINDILLA PROENÇA ALVES DE ANDRADE. Ausente às testemunhas arroladas pela defesa de
JHON WESLEY, HEVERSON FARIA DE MELO. As testemunhas GUSTAVO VIANA e MARIA BETANIA
ao serem indagadas se tinham constrangimentos de prestar depoimento na presença do acusado
manifestaram que n¿o queriam ser ouvidas na presença dos mesmos, o que foi deferido pelo MM Juiz. Em
seguida passou o MM Juiz a oitiva da vítima GUSTAVO VIANA . A Defensoria Pública, ao verificar os
autos, constatou às fls. 59 do IPL uma procuraç¿o em nome do Dr. LUCAS DE QUEIROZ CLEMENTE
atuando na defesa de JHOM WESLEY, momento em que indagou o referido acusado se desejaria
permanecer com seu advogado habilitado este respondeu que n¿o tinha mais condiç¿es financeiras para
pagá-lo e queria ser assistido pela Defensoria Pública. A defesa em manifestaç¿o ¿MM Juiz a defesa
requer seja reconhecida desde já a nulidade do ato processual uma vez que uma das vítimas n¿o foi
localizada e a informaç¿o mencionada nos autos pelo Sr. Oficial de Justiça é imprecisa. O CPP prevê que
2257
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

o depoimento das vítimas deve anteceder o depoimento das testemunhas quer seja se acusaç¿o ou de
defesa, assim sendo solicito, caso seja levado adiante a presente oitiva, que seja declarada a nulidade
processual do referido ato. É o que se requer.¿ O MP n¿o vislumbra qualquer prejuízo pela invers¿o do
ato processual. O MM Juiz ¿Em análise ao requerimento formulado pela Defensoria Pública, verifico n¿o
existir a pretensa nulidade almejada. Explico. Consigno, antes, no entanto, que foi realizada a oitiva da
vítima GUSTAVO VIANA e que a próxima testemunha de acusaç¿o a ser ouvida é a Sra. MARIA
BETANIA VIANA DE OLIVEIRA, m¿e da pessoa retromencionada. É certo que, o CPP disp¿e que a vítima
deve, realmente, ser ouvida antes das demais testemunhas de acusaç¿o. Ocorre que referido dispositivo
n¿o deve ser interpretado literalmente, mas sim sob a lente do que disp¿e a LEX MATER, visto que se
trata o caso em apreço de julgamento de réus presos, devendo, assim, ser sopesada o argumento trazido
pela defesa com a razoável duraç¿o do processo em sua vertente como direito fundamental. Nesse passo,
registro também que a jurisprudência sufragada pelos tribunais superiores é de que n¿o existe a
declaraç¿o de nulidade sem demonstraç¿o do prejuízo efetivo. É o que ocorre, na espécie. Como já foi
dito a testemunha a ser ouvida é m¿e do primeira vítima e também testemunha de acusaç¿o, pelo que, à
luz do parecer ministerial, entendo que n¿o restou demonstrado prejuízo em dar continuidade a presente
instruç¿o com a oitiva da mencionada testemunha, n¿o de olvidando, ainda, o Principio da Economia
Processual. INDEFIRO, portanto, o requerimento da Defensoria Pública.¿ Assim passou o MM Juiz a oitiva
da testemunha MARIA BETANIA. Instado a manifestar acerca das testemunhas ausentes a representante
do MP insistiu na oitivas dos policiais civis requerendo expediç¿o de mandado de intimaç¿o e ofício
requisitório, requereu expediç¿o de mandado de conduç¿o coercitiva para GILSON PEREIRA, nova
intimaç¿o da testemunha MICHAEL ARAUJO no endereço constante nos autos para que a Tia informe o
atual endereço no estado de Goiás, intimar novamente a testemunha CLAUDEMIR no endereço constante
nos autos e com relaç¿o a vítima RAFAEL ALVES DA SILVA o MP requer seja expedida Carta Precatória
no endereço Rua José Eduardo, QD 55, LT 16, Confresa/MT. A defesa de MATHEUS SENNA manifestou,
em relaç¿o às testemunhas ausentes, que na próxima data compareceriam independente de intimaç¿o. A
DPE requereu seja intimada a testemunha HEVERSON no endereço constante às fls. 44. DELIBERAÇ¿O
EM AUDIÊNCIA: ¿Considerando a manifestaç¿o do MP, redesigno audiência de para o dia 14 de janeiro
de 2020, às 10h00. Requisite-se e intimem-se os Policiais Civis. Expeça-se mandado de conduç¿o
coercitiva para a testemunha GILSON PEREIRA. Intime-se a testemunha MICHAEL(oficial informar,
através da tia, o endereço no Goiás) e CLAUDEMIR ambos no endereço constante nos autos. Expeça-se
Carta Precatória no endereço apresentado pelo MP para oitiva da vítima RAFAEL ALVES. Seja intimado a
testemunha de defesa do réu JHON WESLEY, qual seja, HEVERSON no endereço constante às fls. 44.
As testemunhas de defesa de MATHEUS SENNA comparecer¿o independente de intimaç¿o. Requisite-se
novamente os réus nas unidade prisionais em que se encontram custodiados. Intimados os presentes.
Cumpra-se.¿ Os registros desta audiência constar¿o por meio de áudio e vídeo. Nada mais
havendo, encerro o presente termos às 11h52min. Eu, ____ (Samela de Abreu Cavalcante), Auxiliar
Judiciária de gabinete digitei e conferi.

MARCIO DANIEL COELHO CARUNCHO

Juiz de Direito

LORENA MOURA BARBOSA DE MIRANDA

Promotora de Justiça

VALDERCI DIAS SIM¿O

Defensor Público

CARLUCIO FERREIRA

Advogado
2258
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

ATO ORDINATÓRIO ¿ PROCESSO CRIME Nº 0011738-58.2015.8.14.0045 ¿ MATHEUS SENNA DA


SILVA (ADVOGADO: CARLÚCIO FERREIRA, inscrito na OAB/PA 8.612). Com base no art. 1º, § 1º,
inciso VII, do Provimento nº 006/2006-CJRMB, ratificado pelo Provimento nº 006/2009-CJCI, FICA o
senhor advogado aqui identificado, devidamente intimado para que compareça à audiência de instrução e
julgamento designada para o dia 14 DE JANEIRO DE 2020 às 10h00min. Redenção, 09 de DEZEMBRO
de 2019. Gláucia Helena Silva Sousa - Diretora de secretaria.

TERMO DE AUDIÊNCIA

Processo: 0011738-58-2015.814.0045

RÉ (U)(S): JHON WESLEY PESSOA MARTINS e MATHEUS SENNA DA SILVA

Aos 13 dias do mês de Setembro do ano de dois mil e dezenove (13/09/2019) às 09h00min, nesta
cidade e Comarca de Redenç¿o, Estado do Pará, na sala de audiências da Vara Criminal, onde se achava
o MMº. Juiz de Direito, Drº. MARCIO DANIEL COELHO CARUNCHO, foi aberta a audiência de Instruç¿o
e Julgamento e após o preg¿o, verificou-se presente a representante do Ministério Publico, DR.ª
LORENA MOURA BARBOSA DE MIRANDA; Presente o Dr. VALDERCI DIAS SIM¿O, Defensor Público,
atuando na defesa de JHON WESLEY. Presente o DR. CARLUCIO FERREIRA, Advogado atuando na
defesa de MATHEUS SENNA, requereu neste ato prazo de 05 dias para juntar substabelecimento.
Presente o réu JHON WESLEY PESSOA MARTINS e ausente MATHEUS SENNA DA SILVA. Presente
às testemunhas arroladas pela acusaç¿o GUSTAVO ELOI JELONSCHEK, MARIA BETANIA PEREIRA
VIANA e ausentes às testemunhas GIBSON PEREIRA VIANA(n¿o intimado, conforme certid¿o de fls.
81), GILSON FERREIRA VIANA (embora intimado às fls. 81), MICHAEL ARAÚJO DE OLIVEIRA (n¿o
intimado, conforme certid¿o de fls. 83), ADRIANA PEREIRA DOS SANTOS (n¿o expedido mandado de
intimaç¿o), CLAUDEMIR GASPARINO DA SILVA (n¿o intimado, conforme certid¿o de fls. 78), RAFAEL
ALVES DA SILVA(n¿o intimado, conforme certid¿o de fls. 85), IPC-ALLISSON DOS SANTOS PEREIRA,
DPC-WASHINGTON SANTOS DE OLIVEIRA, IPC-CARLOS EDUARDO MULLER E SANTOS e DPC-
ALECIO JANUNES NETO (os policiais civis n¿o foram requisitados, nem expedido mandado de
intimaç¿o). Ausente às testemunhas arroladas pela defesa de MATHEUS SENNA BRUNO BRANDALISE
e BRINDILLA PROENÇA ALVES DE ANDRADE. Ausente às testemunhas arroladas pela defesa de
JHON WESLEY, HEVERSON FARIA DE MELO. As testemunhas GUSTAVO VIANA e MARIA BETANIA
ao serem indagadas se tinham constrangimentos de prestar depoimento na presença do acusado
manifestaram que n¿o queriam ser ouvidas na presença dos mesmos, o que foi deferido pelo MM Juiz. Em
seguida passou o MM Juiz a oitiva da vítima GUSTAVO VIANA . A Defensoria Pública, ao verificar os
autos, constatou às fls. 59 do IPL uma procuraç¿o em nome do Dr. LUCAS DE QUEIROZ CLEMENTE
atuando na defesa de JHOM WESLEY, momento em que indagou o referido acusado se desejaria
permanecer com seu advogado habilitado este respondeu que n¿o tinha mais condiç¿es financeiras para
pagá-lo e queria ser assistido pela Defensoria Pública. A defesa em manifestaç¿o ¿MM Juiz a defesa
requer seja reconhecida desde já a nulidade do ato processual uma vez que uma das vítimas n¿o foi
localizada e a informaç¿o mencionada nos autos pelo Sr. Oficial de Justiça é imprecisa. O CPP prevê que
o depoimento das vítimas deve anteceder o depoimento das testemunhas quer seja se acusaç¿o ou de
defesa, assim sendo solicito, caso seja levado adiante a presente oitiva, que seja declarada a nulidade
processual do referido ato. É o que se requer.¿ O MP n¿o vislumbra qualquer prejuízo pela invers¿o do
ato processual. O MM Juiz ¿Em análise ao requerimento formulado pela Defensoria Pública, verifico n¿o
existir a pretensa nulidade almejada. Explico. Consigno, antes, no entanto, que foi realizada a oitiva da
vítima GUSTAVO VIANA e que a próxima testemunha de acusaç¿o a ser ouvida é a Sra. MARIA
BETANIA VIANA DE OLIVEIRA, m¿e da pessoa retromencionada. É certo que, o CPP disp¿e que a vítima
deve, realmente, ser ouvida antes das demais testemunhas de acusaç¿o. Ocorre que referido dispositivo
n¿o deve ser interpretado literalmente, mas sim sob a lente do que disp¿e a LEX MATER, visto que se
trata o caso em apreço de julgamento de réus presos, devendo, assim, ser sopesada o argumento trazido
pela defesa com a razoável duraç¿o do processo em sua vertente como direito fundamental. Nesse passo,
registro também que a jurisprudência sufragada pelos tribunais superiores é de que n¿o existe a
declaraç¿o de nulidade sem demonstraç¿o do prejuízo efetivo. É o que ocorre, na espécie. Como já foi
2259
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

dito a testemunha a ser ouvida é m¿e do primeira vítima e também testemunha de acusaç¿o, pelo que, à
luz do parecer ministerial, entendo que n¿o restou demonstrado prejuízo em dar continuidade a presente
instruç¿o com a oitiva da mencionada testemunha, n¿o de olvidando, ainda, o Principio da Economia
Processual. INDEFIRO, portanto, o requerimento da Defensoria Pública.¿ Assim passou o MM Juiz a oitiva
da testemunha MARIA BETANIA. Instado a manifestar acerca das testemunhas ausentes a representante
do MP insistiu na oitivas dos policiais civis requerendo expediç¿o de mandado de intimaç¿o e ofício
requisitório, requereu expediç¿o de mandado de conduç¿o coercitiva para GILSON PEREIRA, nova
intimaç¿o da testemunha MICHAEL ARAUJO no endereço constante nos autos para que a Tia informe o
atual endereço no estado de Goiás, intimar novamente a testemunha CLAUDEMIR no endereço constante
nos autos e com relaç¿o a vítima RAFAEL ALVES DA SILVA o MP requer seja expedida Carta Precatória
no endereço Rua José Eduardo, QD 55, LT 16, Confresa/MT. A defesa de MATHEUS SENNA manifestou,
em relaç¿o às testemunhas ausentes, que na próxima data compareceriam independente de intimaç¿o. A
DPE requereu seja intimada a testemunha HEVERSON no endereço constante às fls. 44. DELIBERAÇ¿O
EM AUDIÊNCIA: ¿Considerando a manifestaç¿o do MP, redesigno audiência de para o dia 14 de janeiro
de 2020, às 10h00. Requisite-se e intimem-se os Policiais Civis. Expeça-se mandado de conduç¿o
coercitiva para a testemunha GILSON PEREIRA. Intime-se a testemunha MICHAEL(oficial informar,
através da tia, o endereço no Goiás) e CLAUDEMIR ambos no endereço constante nos autos. Expeça-se
Carta Precatória no endereço apresentado pelo MP para oitiva da vítima RAFAEL ALVES. Seja intimado a
testemunha de defesa do réu JHON WESLEY, qual seja, HEVERSON no endereço constante às fls. 44.
As testemunhas de defesa de MATHEUS SENNA comparecer¿o independente de intimaç¿o. Requisite-se
novamente os réus nas unidade prisionais em que se encontram custodiados. Intimados os presentes.
Cumpra-se.¿ Os registros desta audiência constar¿o por meio de áudio e vídeo. Nada mais
havendo, encerro o presente termos às 11h52min. Eu, ____ (Samela de Abreu Cavalcante), Auxiliar
Judiciária de gabinete digitei e conferi.

MARCIO DANIEL COELHO CARUNCHO

Juiz de Direito

LORENA MOURA BARBOSA DE MIRANDA

Promotora de Justiça

VALDERCI DIAS SIM¿O

Defensor Público

CARLUCIO FERREIRA

Advogado

ATO ORDINATORIO: PROCESSO: 00055975720148140045 PROCESSO ANTIGO: ---


MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): HAROLDO SILVA DA FONSECA Ação: Ação Penal
- Procedimento Ordinário em: 13/10/2015---AUTOR:MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO PARA
DENUNCIADO:RAMON SANTOS DA SILVA Representante(s): OAB 19158-A - WAGNER COELHO
ASSUNCAO (ADVOGADO) VITIMA:J. S. S. VITIMA:S. S. P. VITIMA:J. S. S. VITIMA:F. S. . DESPACHO
R.h. Certifique à senhora diretora de secretaria se o recurso interposto pela Defesa é tempestivo. Caso
positivo, recebo o recurso no seu efeito devolutivo. Feito isso, vista ao Ministério Público para apresentar
contrarrazões ao recurso. Tudo feito, encaminhem-se os autos ao E. Tribunal de Justiça do Estado do
Pará, com as nossas homenagens. Cumpra-se. Redenção, em 13 de outubro de 2015. HAROLDO SILVA
DA FONSECA Juiz de Direito
2260
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

PROCESSO: 00034828020068140045 PROCESSO ANTIGO: 200620004628


MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): HAROLDO SILVA DA FONSECA Ação: Ação Penal
de Competência do Júri em: 11/11/2019---ACUSADO:JOSENILDO ARAUJO MENDES Representante(s):
OAB 8612 - CARLUCIO FERREIRA (ADVOGADO) ACUSADO:GESSI PEREIRA AMORIM
ACUSADO:SANDRO RIVELINO DA SILVA CASTRO Representante(s): OAB 8544 - ARTHUR VIVALDO
SILVA DE ANDRADE (ADVOGADO) ACUSADO:RAIMUNDO MONTEIRO RIBEIRO Representante(s):
OAB 11111 - DEFENSORIA PUBLICA (DEFENSOR) ACUSADO:JAILSON DE QUEIROZ
Representante(s): OAB 8612 - CARLUCIO FERREIRA (ADVOGADO) . DESPACHO 1. Certifique-se se
foi cumprido o despacho de fls. 823. 2. Em relação ao acusado Sandro Rivelino da Silva Castro, ante a
procuração juntada às fls. 824.v., intime-se o patrono constituído nos autos acerca da sentença de
pronúncia de fls. 803/815. 3. Em tendo sido cumprido o despacho de fls. 823, certifique-se o transcurso do
prazo para a apresentação das razões recursais e vistas à Defensoria. 4. Sobrevindo razões, ao Ministério
Público para contrarrazoar no prazo legal. 5. Após, encaminhe-se os autos ao Egrégio Tribunal de Justiça,
com as nossas homenagens, sem a necessidade de retorno dos autos a este gabinete. Redenção-PA, 11
de novembro de 2019 HAROLDO SILVA DA FONSECA Juiz de Direito
2261
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

SECRETARIA DA 2ª VARA CÍVEL E EMPRESARIAL DE REDENÇÃO

Número do processo: 0800547-41.2019.8.14.0045 Participação: REQUERENTE Nome: EVA EDILEUZA


MENDES COSTA Participação: ADVOGADO Nome: CRISTIANE FARIA BUENO OAB: 28884-B/PA
Participação: ADVOGADO Nome: RICARDO HENRIQUE QUEIROZ DE OLIVEIRA OAB: 11-B
Participação: REQUERIDO Nome: JOAO BATISTA DA SILVA PODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE
JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ2ª Vara Cível e Empresarial da Comarca de Redenção/PA PROCESSO
Nº: 0800547-41.2019.8.14.0045Advogados do(a) REQUERENTE: CRISTIANE FARIA BUENO - PA28884-
B, RICARDO HENRIQUE QUEIROZ DE OLIVEIRA - 11-BNome: EVA EDILEUZA MENDES
COSTAEndereço: Rua Monte Negro, 73, Morada da Paz, REDENçãO - PA - CEP: 68550-464 Nome:
JOAO BATISTA DA SILVAEndereço: Rua Caiapós, 30, Morada da Paz, REDENçãO - PA - CEP: 68550-
480 DECISÃO Recebo a petição de ID n° 8834675 como Embargos de Declaração interpostos por EVA
EDILEUZA MENDES COSTA insurgindo contra decisão proferida nos autos.Para tanto, alega a
embargante que a decisão embargada contém erro material.É o relatório do necessário. Decido.Apriori, Os
embargos de declaração, pela perspectiva legal estampada no art. 1022 do CPC, visam sanar eventuais
obscuridades, ambiguidade, contradição ou omissão da sentença, razão pela qual prevalece o
entendimento de que esse tipo recursalsui generispossui devolutividade vinculada a essas matérias, ao
contrário da maioria dos demais recursos que possuem devolutividade plena. Outrossim, verifico que não
assiste razão ao embargante. Com efeito, infere-se dos autos que, a decisão embargada tão somente
concedeu prazo para apresentação de documentos que comprovem a hipossuficiência alegada pela parte
autora, sendo que, pelos motivos alegados no referido recurso, esta não os apresentou. Portanto, não há
que se falar em decisão que, eventualmente, tenha indeferido o benefício da justiça gratuita, tendo em
vista que esta não foi proferida nos autos.Destarte, ante a ausência de quaisquer das hipóteses previstas
no artigo 1022 do Código de Processo Civil,REJEITOos embargos de declaração opostos.No mais, recebo
a inicial e defiro os benefícios da justiça gratuita, com suspensão de exigibilidade das custas processuais,
podendo ser a medida revertida caso se mostrem outras as condições da parte autora.Com relação ao
pleito liminar, entendo conveniente a realização de justificação prévia do alegado antes de decidir o
referido pedido, razão pela qual designoO DIA 05 DE FEVEREIRO DE 2020, ÀS 10H30MIN, para
audiência de justificação prévia, em conformidade com o art. 300, §2º do CPC.CITE-SE/INTIME-SE a
parte ré, por intermédio de Oficial de Justiça, para comparecer à audiência, em que poderá intervir, desde
que o faça por intermédio de advogado.Ressalto que o prazo para contestar contar-se-á a partir da
intimação da decisão que deferir ou não a medida pleiteada.Intime-se a parte requerente via
DJE/PA.Expeça-se o necessário.Cumpra-se, SERVINDO ESTA DECISÃO COMO MANDADO.

Número do processo: 0800547-41.2019.8.14.0045 Participação: REQUERENTE Nome: EVA EDILEUZA


MENDES COSTA Participação: ADVOGADO Nome: CRISTIANE FARIA BUENO OAB: 28884-B/PA
Participação: ADVOGADO Nome: RICARDO HENRIQUE QUEIROZ DE OLIVEIRA OAB: 11-B
Participação: REQUERIDO Nome: JOAO BATISTA DA SILVA PODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE
JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ2ª Vara Cível e Empresarial da Comarca de Redenção/PA PROCESSO
Nº: 0800547-41.2019.8.14.0045Advogados do(a) REQUERENTE: CRISTIANE FARIA BUENO - PA28884-
B, RICARDO HENRIQUE QUEIROZ DE OLIVEIRA - 11-BNome: EVA EDILEUZA MENDES
COSTAEndereço: Rua Monte Negro, 73, Morada da Paz, REDENçãO - PA - CEP: 68550-464 Nome:
JOAO BATISTA DA SILVAEndereço: Rua Caiapós, 30, Morada da Paz, REDENçãO - PA - CEP: 68550-
480 DECISÃO Recebo a petição de ID n° 8834675 como Embargos de Declaração interpostos por EVA
EDILEUZA MENDES COSTA insurgindo contra decisão proferida nos autos.Para tanto, alega a
embargante que a decisão embargada contém erro material.É o relatório do necessário. Decido.Apriori, Os
embargos de declaração, pela perspectiva legal estampada no art. 1022 do CPC, visam sanar eventuais
obscuridades, ambiguidade, contradição ou omissão da sentença, razão pela qual prevalece o
entendimento de que esse tipo recursalsui generispossui devolutividade vinculada a essas matérias, ao
contrário da maioria dos demais recursos que possuem devolutividade plena. Outrossim, verifico que não
assiste razão ao embargante. Com efeito, infere-se dos autos que, a decisão embargada tão somente
concedeu prazo para apresentação de documentos que comprovem a hipossuficiência alegada pela parte
autora, sendo que, pelos motivos alegados no referido recurso, esta não os apresentou. Portanto, não há
que se falar em decisão que, eventualmente, tenha indeferido o benefício da justiça gratuita, tendo em
2262
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

vista que esta não foi proferida nos autos.Destarte, ante a ausência de quaisquer das hipóteses previstas
no artigo 1022 do Código de Processo Civil,REJEITOos embargos de declaração opostos.No mais, recebo
a inicial e defiro os benefícios da justiça gratuita, com suspensão de exigibilidade das custas processuais,
podendo ser a medida revertida caso se mostrem outras as condições da parte autora.Com relação ao
pleito liminar, entendo conveniente a realização de justificação prévia do alegado antes de decidir o
referido pedido, razão pela qual designoO DIA 05 DE FEVEREIRO DE 2020, ÀS 10H30MIN, para
audiência de justificação prévia, em conformidade com o art. 300, §2º do CPC.CITE-SE/INTIME-SE a
parte ré, por intermédio de Oficial de Justiça, para comparecer à audiência, em que poderá intervir, desde
que o faça por intermédio de advogado.Ressalto que o prazo para contestar contar-se-á a partir da
intimação da decisão que deferir ou não a medida pleiteada.Intime-se a parte requerente via
DJE/PA.Expeça-se o necessário.Cumpra-se, SERVINDO ESTA DECISÃO COMO MANDADO.

Número do processo: 0800831-49.2019.8.14.0045 Participação: DEPRECANTE Nome: J. D. D. D. 2. V. C.


D. C. D. I. M. Participação: DEPRECADO Nome: C. D. R. -. Participação: EXECUTADO Nome: J. E. A. D.
S. Participação: ADVOGADO Nome: ANNA PAULA MONTEIRO DE MATOS OAB: 7056/TO Participação:
ADVOGADO Nome: CARLOS EDUARDO GODOY PERES OAB: 11780-A/PA Participação:
REQUERENTE Nome: M. D. A. P. Participação: REQUERENTE Nome: I. A. D. S. PODER
JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ2ª Vara Cível e Empresarial da Comarca de
Redenção/PA PROCESSO Nº: 0800831-49.2019.8.14.0045Nome: JUIZO DE DIREITO DA 2ª VARA
CIVEL DA COMARCA DE IMPERATRIZ MAEndereço: Rua Rui Barbosa, S/N, Centro, IMPERATRIZ - MA
- CEP: 65900-440 Nome: COMARCA DE REDENÇÃO -PARÁEndereço: Rua Pedro Coelho de Camargo,
S/N, Park dos Buritis, REDENçãO - PA - CEP: 68552-778 DESPACHO Considerando o Ofício de ID nº
14988042, bem como os documentos anexos a este, CUMPRA-SE a Decisão prolatada pelo juízo
deprecante na sua integralidade. Considerando, ainda, a urgência da determinação, autorizo o
cumprimento em regime de plantão. CUMPRA-SE.
2263
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

SECRETARIA DA VARA AGRÁRIA DE REDENÇÃO

PROCESSO: 00008148020098140050, Ação: Usucapião em: 18/06/2019-REQUERIDO:JOSE MARCOS


MONTEIRO; REQUERIDO:CONCEICAO JORGE LUIZ Representante(s): OAB 12088 - CARLOS
EDUARDO TEIXEIRA CHAVES (ADVOGADO) OAB 13445 - EDUARDO RIBEIRO DA SILVA
(ADVOGADO) OAB 13168-A ¿ MARCELO FARIAS MENDANHA (ADVOGADO) OAB 12069 -
FERNANDA SOUZA TEODORO (ADVOGADO)REQUERIDO:ESPOLIO DE EUFRASIO PEREIRA LUIZ
REQUERIDO:LUCIA HELENA CARDOSO MONTEIRO REQUERIDO:GRECON INVESTIMENTOS E
PARTICIPACOES LTDA, SOCIEDADE EMPRESARIA LTDA; REQUERENTE:JOAO PAULO
RODRIGUES CARDOSO Representante(s):OAB 6234-B - JOAO ROBERTO DIAS DE OLIVEIRA
(ADVOGADO) ALVARO ROQUE SILIPRANDI (ADVOGADO) REQUERIDO:EUFRASIO PEREIRA LUIZ
JUNIOR REQUERIDO:GISLAINE KARLA LUIZ REQUERIDO:ROSSANY PAOLA LUIZ TOLEDO
REQUERIDO:ROBERTO CARLOS GONCALVES DE TOLEDO TERCEIRO:CELSO JOSE PEREIRA.ATO
ORDINATÓRIO. Considerando a devolução da carta de citação de VALE VERDE DO ARAGUAIA/SA com
a seguinte anotação, destinatário mudou-se, fica a parte autora intimada para manifestar sobre referido
documento. Redenção/PA, 09 de Dezembro de 2019. PAULA GUIRRA DE CARVALHO Diretora de
Secretaria ¿ mat. 83895.
2264
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

SECRETARIA DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL DE REDENÇÃO

Número do processo: 0800361-86.2017.8.14.0045 Participação: EXEQUENTE Nome: BANCO


BRADESCO SA Participação: ADVOGADO Nome: NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES OAB:
15201/PA Participação: EXECUTADO Nome: RAFAEL SOUZA DA SILVA Participação: ADVOGADO
Nome: GIORGY WILLIAN GOMES LUZ OAB: 49109/GOATO ORDINATÓRIOEm cumprimento ao item V
da Decisão de ID n.º 13126220, considerando o resultado negativo da tentativa de penhora online em face
da parte executada, fica o exequente intimada para, no prazo de 05 (cinco) dias se manifestar, requerendo
o que entender de direito e atualizando os cálculos, prazo o qual transcorridoin albis, os autos irão
conclusos para extinção da etapa de cumprimento. NADA MAIS.

Número do processo: 0802477-94.2019.8.14.0045 Participação: RECLAMANTE Nome: ANGELITA


REGINA M BENTHIEN Participação: ADVOGADO Nome: LEONARDO SILVA SANTOS OAB: 16055/PA
Participação: RECLAMADO Nome: celpa Participação: ADVOGADO Nome: FLAVIO AUGUSTO QUEIROZ
MONTALVÃO DAS NEVES OAB: 12358/PAATO ORDINATÓRIONos termos do Provimento 006/2009 ?
CJCI/TJE-PA c/c art. 1º, § 2º, I, do mesmo CJRMB/TJE-PA, designo audiência de conciliação nos
presentes autos, a ser realizada na data de27/02/2020, 09h30min, ficando por meio deste intimadas as
partes. Ressalta-se que a ausência injustificada da parte autora resultará na extinção do feito e em sua
condenação às custas processuais e, a da parte ré, poderá resultar na decretação de sua revelia,
presumindo-se verdadeiros os fatos alegados pela demandante. NADA MAIS.

Número do processo: 0800758-48.2017.8.14.0045 Participação: EXEQUENTE Nome: SAMER AL HAZEM


Participação: ADVOGADO Nome: FLAVIO PALMEIRA ALMEIDA OAB: 253GO/GO Participação:
EXECUTADO Nome: SAGRA CECILIA DROSGHIC BRAGAATO ORDINATÓRIOEm cumprimento ao item
IV da Decisão de ID n.º 11641866, considerando o resultado negativo da tentativa de RENAJUD, fica a
parte exequente intimada para, no prazo de 05 (cinco) dias se manifestar, requerendo o que entender de
direito e atualizando os cálculos, sob pena de extinção do módulo de cumprimento. NADA MAIS.

Número do processo: 0004414-56.2011.8.14.0045 Participação: EXEQUENTE Nome: VANDERLEY


APARECIDO PEREIRA Participação: ADVOGADO Nome: KALLIL JORGE NASCIMENTO FERREIRA
OAB: 10103/PA Participação: EXECUTADO Nome: BANCO PAN S.A. Participação: ADVOGADO Nome:
ANTONIO DE MORAES DOURADO NETO OAB: 23255/PEATO ORDINATÓRIOEm cumprimento ao item
II da Decisão de ID n.º 12752348, fica a parte exequente intimada para, no prazo de 10 (dez) dias, se
manifestar sobre as razões suscitadas pelo executado em sede de impugnação ao cumprimento definitivo
da sentença.

Número do processo: 0005987-95.2012.8.14.0045 Participação: EXEQUENTE Nome: FRANCISCA


ANTERO SOARES Participação: ADVOGADO Nome: CASSILENE PEREIRA MILHOMEM OAB: 141PA
Participação: EXECUTADO Nome: BANCO CETELEM S/A Participação: ADVOGADO Nome: DIEGO
MONTEIRO BAPTISTA OAB: 153999/RJCERTIDÃOCertifico e dou fé que a sentença retro transitou em
julgado no dia 29/11/2019, haja vista a ausência de interesse recursal.

Número do processo: 0801224-71.2019.8.14.0045 Participação: RECLAMANTE Nome: VALDERCI DIAS


SIMAO Participação: ADVOGADO Nome: NADIELLY DANTAS CARVALHO OAB: 25666/PA Participação:
ADVOGADO Nome: ANA CAROLINA COSTA DE ALMEIDA OAB: 25659/PA Participação: RECLAMADO
Nome: Claro S.A.PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO PARÁCOMARCA DE REDENÇÃOSECRETARIA
2265
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

DA VARA DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINALPROCESSO Nº: 0801224-71.2019.8.14.0045ATO


ORDINATÓRIO Em vista do disposto no art. 42,§2ºda Lei 9.099/95 e da prévia autorização da MM. Juíza
desta Vara de Juizado Especial Cível e Criminal, e ante o Recurso Inominado TEMPESTIVO apresentado
nos presentes autos, INTIMO a parte recorrida, por seus advogados legalmente constituídos, para,
querendo, oferecer contrarrazões ao referido Recurso,no prazo de 10 (dez) dias. Redenção,6 de
dezembro de 2019. PATRICIA DE CÁSSIA TEIXEIRA ROSADiretora de SecretariaMatrícula 7914-6

Número do processo: 0801391-88.2019.8.14.0045 Participação: RECLAMANTE Nome: MAIKO JULLIEN


ROCHA DOS SANTOS Participação: ADVOGADO Nome: TULIO JOSE FERREIRA LIMA OAB: 24671/PA
Participação: ADVOGADO Nome: ALEX LUIZ KONZEN OAB: 25421/PA Participação: RECLAMADO
Nome: celpa Participação: ADVOGADO Nome: FLAVIO AUGUSTO QUEIROZ MONTALVÃO DAS NEVES
OAB: 12358/PAATO ORDINATÓRIOEm cumprimento à Decisão de ID n.º 12738037, designo audiência
de instrução e julgamento nos presentes autos, a ser realizada na data14/04/20, às 11h00min, ficando por
meio deste intimadas as partes. Ressalta-se que a ausência da parte autora, de forma injustificada,
resultará na extinção do feito e em sua condenação às custas processuais e, a da parte ré, resultará na
presunção de veracidade do fatos alegados pela parte autora. Por fim, ficam advertidas as partes que
eventuais novas provas documentais deverão ser eletronicamente juntadas aos autos até a abertura da
audiência designada, sob pena de preclusão. NADA MAIS.

Número do processo: 0002028-77.2016.8.14.0045 Participação: EXEQUENTE Nome: KENEDY


BARBOSA DE SOUSA Participação: ADVOGADO Nome: WALLY QUEIROZ MUNIZ OAB: 18652
Participação: EXECUTADO Nome: DINHO SANTOS (BLOGDODINHOSANTOS)CERTIDÃO/ATO
ORDINATÓRIOPara os devidos fins, certifico e dou fé que, considerando sua condição de revel, o prazo
ofertado à parte ré, para que procedesse ao pagamento voluntário dos valores aos quais foi condenado ou
para que apresentasse nos autos embargos à execução, transcorreuin albis. Nessa linha, fica a parte
exequente intimada para, no prazo de 05 (cinco) dias, atualizar os cálculos que devem instruir o pleito de
indisponibilidade de ativos financeiros. NADA MAIS.
2266
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

COMARCA DE PARAGOMINAS

SECRETARIA DA 1ª VARA CÍVEL E EMPRESARIAL DE PARAGOMINAS

RESENHA: 30/11/2019 A 02/12/2019 - SECRETARIA DA 1ª VARA CIVEL E EMPRESARIAL DE


PARAGOMINAS - VARA: 1ª VARA CIVEL E EMPRESARIAL DE PARAGOMINAS PROCESSO:
00015961820128140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação: Execução de Título Judicial em: 01/12/2019
REQUERENTE:CACTUS CONSTRUÇÕES INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Representante(s): OAB
15441-B - DIEGO SAMPAIO SOUSA (ADVOGADO) REPRESENTANTE:NORMINO FERNANDES FILHO
Representante(s): OAB 17772-B - SERGIO DE BARROS BIANCHI COSTA (ADVOGADO)
REQUERIDO:MUNICIPIO DE PARAGOMINAS PREFEITURA MUNICIPAL Representante(s): OAB 8798-B
- MARIO ALVES CAETANO (PROCURADOR(A)) OAB 14972 - TYCIA BICALHO DOS SANTOS
(ADVOGADO) REQUERENTE:SERGIO DE BARROS BIANCHI COSTA. DESPACHO: Defiro o pedido de
fls. 264/265. Expeça-se o Alvará. Em seguida, diga o exequente se ainda tem interesse no feito. Cumpra-
se. Paragominas (PA), 29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO:
00029390520198140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação: Execução de Título Extrajudicial em: 01/12/2019
REQUERENTE:INDUSTRIA E COMERCIO DE MADEIRAS DUNORTE LTDA Representante(s): OAB
8798-B - MARIO ALVES CAETANO (ADVOGADO) OAB 21364 - YAGO OLIVEIRA DE SORDI
(ADVOGADO) REQUERIDO:JAIME IRAN DAMASCENO SILVA REQUERIDO:SONALIA ABREU SOUSA.
DESPACHO: Assiste razão o patrono da exequente em sua manifestação de fls. 33, pelo que, chamo o
feito à ordem, para determinar que a Secretaria providencie o cadastramento e a inclusão da executada
SONÁLIA ABREU SOUSA, conforme consta na exordial às fls. 03, no Sistema Libra e na Capa do
processo, devendo ainda, ser cumprido o despacho de fls. 29 em relação a ela, verificando-se o correto
recolhimento das custas. Em seguida, intime-se o exequente para que se manifeste sobre a Certidão de
fls. 32, requerendo o que entender de direito. Cumpra-se. Paragominas (PA), 29/11/2019. Fernanda
Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00032151220148140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação: Execução
de Título Extrajudicial em: 01/12/2019 REQUERENTE:BANCO DO ESTADO DO PARA S/A
Representante(s): OAB 17640 - MYLLENA BORBUREMA DE OLIVEIRA (ADVOGADO) OAB 10270 -
LETICIA DAVID THOME (ADVOGADO) REQUERIDO:LINDA VANIRA GOMES DE JESUS
REQUERIDO:JOSE PEDRO SOUZA DOS SANTOS. DESPACHO: Defiro os pedidos dos itens "a" e "b" de
fls. 164/165. Quanto aos demais pedidos, indefiro-os, no momento. Dentre os Princípio que regem o
Processo de Execução temos o da Menor Onerosidade do Executado, devendo ser oportunizado a ele o
Pagamento Voluntário e a Nomeação de Bens à Penhora. Cumpra-se. Paragominas (PA), 29/11/2019.
Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00065332720198140039 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA
Ação: Busca e Apreensão em Alienação Fiduciária em: 01/12/2019 REQUERENTE:YAMAHA
ADMINISTRADORA DE CONSORCIO LTDA Representante(s): OAB 21984-A - JOSÉ AUGUSTO DE
REZENDE JÚNIOR (ADVOGADO) REQUERIDO:RONALDO GOMES DA SILVA PEREIRA. Processo nº
0006533-27.2019.8.14.0039 Ação de Busca e Apreensão Requerente(s): YAMAHA ADMINISTRADORA
DE CONSÓRCIO LTDA Executado(s): RONALDO GOMES DA SILVA PEREIRA Vistos, etc. Trata-se de
Ação de Busca e Apreensão proposta por YAMAHA ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIO LTDA em face
de RONALDO GOMES DA SILVA PEREIRA, todos já devidamente qualificados na exordial. As custas
iniciais não foram devidamente recolhidas, pelo que, foi determinada a intimação do autor para
complementá-las. O autor recolheu as custas, porém, ainda de forma errada, conforme Certidão da UNAJ
de fls. 32. Novamente intimado o autor recolheu as custas devidas (fls. 35/37). Antes mesmo do despacho
inicial, o autor às fls. 38/39 requereu a Desistência da Ação, com a consequente Extinção sem Julgamento
do Mérito, por não mais ter interesse no seu prosseguimento, e a baixa dos gravames. Desnecessária a
intervenção do Ministério Público por não se tratar de nenhum dos casos previstos no art. 178 do CPC.
Diante disso, JULGO EXTINTO O PROCESSO, SEM JULGAMENTO DO MÉRITO, com fulcro no art. 485,
Inciso VIII do CPC. Custas remanescentes, se houverem, pelo Autor. Não foram impostas restrições por
esse Juízo, que sequer proferiu o despacho inicial. Cumpra-se. P.R.I. Paragominas (PA), 29/11/2019.
Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00074167120198140039 PROCESSO
2267
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA


Ação: Procedimento Comum Cível em: 01/12/2019 REQUERENTE:CARLOS LAMARCK MAGNO
BARBOSA Representante(s): OAB 27970 - TARIK RAJEH FERREIRA (ADVOGADO)
REQUERIDO:ESTADO DO PARÁ. DESPACHO: Mantenho a decisão agravada pelos seus próprios
fundamentos. Intime-se para Réplica e para recolhimento das custas sob pena de preclusão. Cumpra-se.
Paragominas (PA), 29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO:
00096635920188140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação: Execução de Título Extrajudicial em: 01/12/2019
REQUERENTE:COOPERATIVA DE CREDITO POUPANCA E INVESTIMENTO VERDE PARA SICREDI
VERDE PARA Representante(s): OAB 23211-A - GIANPAOLO ZAMBIAZI BERTOL ROCHA
(ADVOGADO) OAB 24402 - AMANDA RODRIGUES MAUÉS MELO (ADVOGADO) OAB 25983 - HEVYLA
MOZER ANDRADE RABELO (ADVOGADO) OAB 27838 - LUCAS DE MELLO LOPES (ADVOGADO)
OAB 28133 - REBECA SILVA BIASI (ADVOGADO) REQUERIDO:BELTRAO MAQUINAS COMERCIO E
SERVICOS EIRELI ME REQUERIDO:EDNILSON DE MELO REQUERIDO:THIAGO BERTOLLA BORIAN.
DESPACHO: Indefiro no momento os pedidos de fls. 63. Ainda existem diligências de citação pendentes
requeridas pelo exequente com endereço fornecido, que será cumprido mediante Carta Precatória.
Cumpra-se o despacho de fls. 62. Paragominas (PA), 29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de
Direito. 1 AJ PROCESSO: 00006318220068140039 PROCESSO ANTIGO: 200610005339
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação: Execução
de Título Extrajudicial em: 02/12/2019 EXEQUENTE:BANCO AMAZONIA SA BASA Representante(s):
OAB 7535 - SAMUEL NYSTRON DE ALMEIDA BRITO (ADVOGADO) ANTONIO PAULO DA COSTA
NUNES (ADVOGADO) ROSIMAR SOCORRO DE SOUZA RAMOS (ADVOGADO) ARIELSON RIBEIRO
LIMA (ADVOGADO) EXECUTADO:FABRICIO DOS REIS BRANDAO EXECUTADO:RENATA ZOPPE
BRANDAO EXECUTADO:JOAO CARLOS ZOPPE BRANDAO EXECUTADO:URIEL ZOPPE BRANDAO
ADVOGADO:ROSIMAR SOCORRO DE SOUZA RAMOS EXECUTADO:IMASEL INDUSTRIA
MADEIREIRA SANTA ELIZA LTDA Representante(s): OAB 15875 - MARCOS VINICIUS COROA SOUZA
(ADVOGADO) EXECUTADO:ELIANA MARIA DE S. BRANDAO TERCEIRO:OSMAR SCARAMUSSA
Representante(s): OAB 8798-B - MARIO ALVES CAETANO (ADVOGADO) . DESPACHO: Apresente o
arrematante Certidão atualizada do imóvel contendo as Penhoras que pretende dar baixa, para que esse
Juízo possa identificar suas origens. Cumpra-se. Paragominas (PA), 02/12/2019. Fernanda Azevedo
Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00006337220068140039 PROCESSO ANTIGO:
200610005355 MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA
Ação: Execução de Título Extrajudicial em: 02/12/2019 EXEQUENTE:BANCO AMAZONIA SA BASA
Representante(s): OAB 7535 - SAMUEL NYSTRON DE ALMEIDA BRITO (ADVOGADO) ANTONIO
PAULO DA COSTA NUNES (ADVOGADO) ROSIMAR SOCORRO DE SOUZA RAMOS (ADVOGADO)
ARIELSON RIBEIRO LIMA (ADVOGADO) EXECUTADO:FABRICIO DOS REIS BRANDAO
EXECUTADO:JOAO CARLOS ZOPPE BRANDAO EXECUTADO:MADEIREIRAS SAO FRANCISCO
LTDA Representante(s): OAB 15875 - MARCOS VINICIUS COROA SOUZA (ADVOGADO)
EXECUTADO:URIEL ZOPPE BRANDAO ADVOGADO:ROSIMAR SOCORRO DE SOUZA RAMOS.
DESPACHO: Aguarde-se o cumprimento dos autos em apenso, em seguida, e após a resposta, voltem-me
conclusos. Cumpra-se. Paragominas (PA), 29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ
PROCESSO: 00025940920088140039 PROCESSO ANTIGO: 200810014859
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação:
Procedimento Comum Cível em: 02/12/2019 REQUERENTE:CARLOS CEZAR FERRARI BONFANTI
Representante(s): ARY DE FREITAS VELOSO (ADVOGADO) REQUERIDO:MARCO ANTONIO BARROS
DE LIMA Representante(s): OAB 12358 - FLAVIO AUGUSTO QUEIROZ DAS NEVES (ADVOGADO) .
Decisão Quanto ao expediente encaminhado pela 2ª Vara Cível e Empresarial de Paragominas e juntado
às fls. 692/3, oficie-se em resposta, informando que o pedido de atualização do débito exequendo
ingressou em juízo muito tempo depois da homologação de acordo celebrado entre as partes, já transitado
em julgado, e inclusive de decisão proferida por este juízo não reconhecendo a fraude à execução alegada
pelo exequente do processo em tramitação na 2ª Vara Cível e Empresarial de Paragominas, devendo ser
anexados ao expediente cópias dos documentos de fls. 625/628, 641/641-v, 654/7, 676/7684/7, 691 e
desta decisão, os quais demonstram a desídia do exequente que, podendo receber os valores integrais do
valor penhorado no rosto dos autos, peticionou em conjunto com o exequente dos autos em tramitação
nesta unidade judiciária, sem fazer qualquer ressalva e somente reaparecendo nos autos, após a
homologação do acordo. Como é cediço, vigora a máxima: O direito não socorre aos que dormem.
Conhecedores da extrema litigiosidade nestes autos, era de se esperar dos causídicos mais cautela,
ressalvando valores ainda pendentes de quitação e que buscava a atualização do débito no juízo de
2268
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

origem, não cabendo transferir a este juízo a responsabilidade por uma obrigação que é do advogado.
Prossiga-se com os ulteriores atos, atualizando os valores ainda depositados em juízo e expedindo-se
alvará de levantamento em favor da 4ª transigente, Sra. MARIA CRISTINA VIEIRA BARROS DE LIMA,
referente aos valores integrais ainda depositados em juízo, conforme cláusula 2ª do acordo celebrado
entre as partes. Intime-se ainda o Sr. Dalton Henrique Paes, conforme determinado às fls. 691, in fine.
Paragominas/PA, 02 de dezembro de 2019. FERNANDA AZEVEDO LUCENA Juíza de Direito
PROCESSO: 00029922220118140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação: Monitória
em: 02/12/2019 REQUERENTE:TAMADIL PEÇAS E SERVIÇOS LTDA EPP Representante(s): OAB
15441-B - DIEGO SAMPAIO SOUSA (ADVOGADO) REQUERIDO:JOSÉ PEREIRA PRUDÊNCIO.
DESPACHO: Diante da resposta do endereço do(a) Requerido(a) fornecida pelo BACENJUD, ao Autor
para indique o endereço onde a Citação deverá ser cumprida. Caso todos os endereços fornecidos já
tenham sido diligenciados, providencie o endereço atualizado para fins de Citação ou requeira o que
entender de direito. Cumpra-se. Paragominas (PA), 02/12/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de
Direito. 1 AJ PROCESSO: 00069975120198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação:
Procedimento Comum Cível em: 02/12/2019 REQUERENTE:ANTONIA PEREIRA DA SILVA
Representante(s): OAB 22167 - JOSÉ ANACLETO FERREIRA GARCIAS (ADVOGADO)
REQUERIDO:ESTADO DO PARA. DESPACHO: Passo a analisar as Preliminares arguidas pelo Estado.
Litisconsórcio Passivo Necessário do Estado com a SUSIPE e necessidade de Citação dos Herdeiros:
Quando pela natureza da relação jurídica debatida, que geralmente reclama tutela constitutiva, é exigida a
participação de mais de um réu ou mais de um autor no processo, ou seja, de todos que são titulares de
um mesmo direito subjetivo ou ligados por um único vínculo jurídico, sendo a obrigatoriedade do
litisconsórcio definida, não pelo direito processual, mas pelo direito material controvertido (secundum
tenorem rationis), temos, sobrepondo-se à autonomia da vontade dos litigantes, nesses casos, o
litisconsórcio necessário (artigo 114 do Código de Processo Civil). A Responsabilidade entre os entes do
Estado e o próprio nas Ações de Indenização por Danos Morais é Solidária, e Litisconsórcio Facultativo,
entendimento firmado em sede de Repercussão Geral pelo STF, cabendo ao autor da demanda escolher
contra quem quer demandar, se um deles ou todos eles, pelo que devem ser rechaçadas as Preliminares
do Estado. Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do Código de Processo Civil, faculto às partes o prazo
comum de 10 (dez) dias para que apontem, de maneira clara, objetiva e sucinta, as questões de fato e de
direito que entendam pertinentes ao julgamento da lide. Quanto às questões de fato, deverão indicar a
matéria que consideram incontroversa, bem como aquela que entendem já provada pela prova trazida,
enumerando nos autos os documentos que servem de suporte a cada alegação. Com relação ao restante,
remanescendo controvertida, deverão especificar as provas que pretendem produzir, justificando, objetiva
e fundamentadamente, sua relevância e pertinência. O silêncio ou o protesto genérico por produção de
provas serão interpretados como anuência ao julgamento antecipado, indeferindo-se, ainda, os
requerimentos de diligências inúteis ou meramente protelatórias. Quanto às questões de direito, para que
não se alegue prejuízo, deverão, desde logo, manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício pelo
juízo, desde que interessem ao processo. Com relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas partes,
deverão estar de acordo com toda a legislação vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até o
esgotamento pelos litigantes, e cujo desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-
se, ainda, que não serão consideradas relevantes as questões não adequadamente delineadas e
fundamentadas nas peças processuais, além de todos os demais argumentos insubsistentes ou
ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via DJE. Não havendo requerimentos de provas,
manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo
manifestação das partes, voltem-me Conclusos para Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA),
02/12/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00082016720188140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO
LUCENA Ação: Procedimento Comum Cível em: 02/12/2019 REQUERENTE:ITALO MAGNO
RODRIGUES LOBO Representante(s): OAB 21409 - EMANUEL DE FRANÇA JUNIOR (ADVOGADO)
OAB 21602 - MARCO ANTONIO DE AZEVEDO ALVES MACHADO FILHO (ADVOGADO)
REQUERIDO:ESTADO DO PARA. Processo nº 0008201-67.2018.8.14.0039 Cobrança de Reajuste
Salarial Requerente(s): ITALO MAGNO RODRIGUES LOBO Requerido(s): ESTADO DO PARÁ
SENTENÇA Vistos, etc. Trata-se de Cobrança de Reajuste Salarial apresentada por ITALO MAGNO
RODRIGUES LOBO em face do ESTADO DO PARÁ, todos devidamente qualificados na exordial. Alega
que desde 2016 deixou de receber o reajuste salarial previsto na Lei n. 6.827/2006, em razão disso seu
soldo encontra-se congelado desde 2016, sendo inferior a um salário mínimo. Sustenta que a Súmula
2269
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Vinculante 4 do Supremo Tribunal Federal e a teoria da reserva do possível não podem ser utilizados para
impedir o legítimo direito da parte autora em ter seu reajuste anual previsto na Constituição Federal. Aduz
que, em razão da omissão estatal, sua remuneração já sofreu uma perda significativa desde 2016. Requer
a condenação do réu à obrigação de fazer consistente em reajustar seu soldo de acordo com a Lei n.
6.827/06 e a pagar à parte autora o valor de R$ 7.742,70. Inicial e documentos às fls. 02/48. DECIDO.
Defiro a Gratuidade requerida. Compulsando-se os autos, verifica-se que, desde 2006, com a entrada em
vigor da Lei n. 6.827/2006, o autor, pertencente à carreira militar do Estado do Pará, vinha recebendo
reajustes anuais em seu soldo vinculados ao salário mínimo, pois assim dispõe a referida lei: Art. 2º O
valor do soldo de soldado não poderá ser inferior ao valor do salário mínimo. Ainda segundo a narrativa da
inicial e conforme se verifica pelos documentos a ela anexados, a partir de 2016, o réu deixou de aplicar a
referida lei ao argumento de sua inconstitucionalidade reconhecida pela súmula vinculante n. 4 e em razão
da necessidade de adequação das contas públicas à Lei de Responsabilidade Fiscal. Verifica-se pelos
holerites apresentados pelo autor que diversas vantagens estão atreladas ao seu soldo, calculados sobre
ele em percentuais variados. Por essa razão, o aumento do soldo de acordo com o salário mínimo implica
na indexação vedada pelo art. 7º, inc. V, in fine, da Constituição Federal que assim dispõe: V - Salário
mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender às suas necessidades vitais básicas e
às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e
previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua
vinculação para qualquer fim; Segundo a interpretação do Supremo Tribunal Federal, ao editar a súmula
vinculante, não é possível que alguém, seja servidor público ou empregado do setor privado, salvo as
ressalvas previstas no próprio texto constitucional, perceba valores inferiores ao salário mínimo, tendo em
vista a totalidade de sua remuneração/vencimentos, salário, soldo. Assim, verifica-se que o autor está
longe de receber valor inferior ao salário mínimo pelos holerites por ele apresentados, pois, apesar do
soldo inferior ao salário mínimo, as vantagens que sobre ele incidem em percentuais variados fazem com
que o valor líquido que percebe supera o salário mínimo. Sendo forçoso reconhecer a aplicação ao caso
da súmula vinculante n. 4 do STF que dispõe: Salvo nos casos previstos na Constituição, o salário mínimo
não pode ser usado como indexador de base de cálculo de vantagem de servidor público ou de
empregado, nem ser substituído por decisão judicial. Neste sentido, tem se posicionado a jurisprudência
do Egrégio TJPA, cuja ementa transcrevo a seguir: PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO
ESTADO DO PARÁ TURMA RECURSAL PERMANENTE EXCLUSIVA DOS JUIZADOS ESPECIAIS
RECURSO INOMINADO N° 0800164-57.2016.8.14.0954 RECORRENTE: DEISE BENJAMIM COUTO
RECORRIDO (A): ESTADO DO PARÁ ORIGEM: JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA FAZENDA PÚBLICA DE
BELÉM RELATORA: JUÍZA DANIELLE DE CÁSSIA SILVEIRA BÜHRNHEIM EMENTA: JUIZADO
ESPECIAL DA FAZENDA PÚBLICA. RECURSO INOMINADO. POLICIAL MILITAR. SOLDO FIXADO EM
VALOR MENOR QUE O SALÁRIO MÍNIMO. POSSIBILIDADE. O TOTAL DA REMUNERAÇÃO NÃO
DEVE SER INFERIOR AO SALÁRIO MÍNIMO. PEDIDO IMPROCEDENTE. SENTENÇA MANTIDA.
RECURSO CONHECIDO E NÃO PROVIDO. 1. Trata-se de Recurso Inominado do autor interposto contra
sentença proferida pelo Juizado Especial Cível da Fazenda Pública de Belém que julgou improcedente o
pedido do autor na ação ordinária de obrigação de fazer com pedido de tutela antecipada. 2. A autora
informa que é Soldado, foi incluída no efetivo da polícia militar do Estado do Pará e atualmente encontra-
se no 6ª Companhia Independente da Polícia Militar, contudo o valor do soldo que percebeu em
janeiro/2016 - R$788,00 - é inferior ao valor do salário mínimo vigente - R$880,00. Aduz que a Lei
6.827/2006, em seu art. 2º, prevê que o soldo de cabo não poderá ser inferior ao salário mínimo. Desse
modo, requereu que seja determinado ao réu que providencie imediatamente o pagamento das diferenças
não pagas à autora, bem como o pagamento definitivo, assegurando-se o direito da requerente em ter o
soldo reajustado ao valor do salário mínimo do ano corrente, R$880,00 (oitocentos e oitenta reais), bem
como que seja tal reajuste incidido sobre as demais verbas percebidas pelo militar. 3. O juízo de origem,
em sentença, julgou improcedente o pedido do autor, por entender que o que não pode ser menor que o
salário mínimo é a remuneração total e não somente o soldo. 4. A autora interpôs recurso inominado
requerendo os mesmos pedidos da inicial. 5. Não merece reforma a sentença de 1º grau. 6. Inicialmente,
defiro o pedido de justiça gratuita. 7. De acordo com a Lei Estadual nº. 6.827, de 07 de fevereiro de 2006,
em seu art.2º que dispõe sobre o Soldo dos Efetivos das Corporações Militares do Estado do Pará, e
estabelece que o soldado não poderá ter o valor do seu soldo abaixo do salário mínimo. 8. Contudo, de
acordo com o entendimento STF, tal dispositivo deve ser interpretado de acordo com os art. 7º, IV, e 39, §
3º, ambos da Constituição Federal, de onde se extrai que a remuneração total dos servidores não pode
ser inferior ao salário mínimo, mas não o soldo, que corresponde a uma parte de seus vencimentos. Nesse
sentido, jurisprudências a seguir: AGRAVO REGIMENTAL EM AGRAVO DE INSTRUMENTO. POLICIAL
MILITAR. SOLDO FIXADO EM VALOR INFERIOR AO SALÁRIO MÍNIMO. POSSIBILIDADE. A
2270
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

jurisprudência do Supremo Tribunal Federal entende que a garantia do salário mínimo é aplicável à
remuneração global do policial militar e não ao vencimento básico ou soldo. Precedentes. Agravo
regimental a que se nega provimento. (STF - AI 547623 RS - Órgão Julgador: Primeira Turma. Relator
Min. ROBERTO BARROSO Publicação - DJE 25-03-2014. Julgamento 25 de Fevereiro de 2014).
SERVIDOR PÚBLICO. BRIGADA MILITAR. VENCIMENTO BÁSICO. SOLDO INFERIOR AO SALÁRIO
MÍNIMO. POSSIBILIDADE, DESDE QUE O TOTAL DA REMUNERAÇÃO SEJA SUPERIOR. O
vencimento básico do servidor público militar não se vincula ao valor do salário mínimo por expressa
vedação constitucional. Deve-se considerar o total de seus vencimentos para aferir a garantia do valor
mínimo posto no art. 7º, IV, da CF-88. A matéria foi enfrentada pelo Tribunal Pleno do Supremo Tribunal
Federal (RE 198.982), dirimindo a controvérsia sobre o tema. Orientação referendada no verbete nº 16 de
sua Súmula Vinculante. Entendimento pacificado no seio desta Corte. Improcedência mantida.
APELAÇÃO IMPROVIDA. (Apelação Cível Nº 70043346394, Terceira Câmara Cível, Tribunal de Justiça
do RS, Relator: Nelson Antônio Monteiro Pacheco, Julgado em 28/08/2014). 9. Destarte, pela análise do
comprovante de pagamento apresentado, verifica-se que a autora percebe o valor bruto de R$3.558,39 e o
valor líquido de R$2.169,13, valores que são superiores ao salário mínimo vigente, portanto, não merece
ser acolhido o pedido da recorrente. 10. Ante o exposto, conheço do recurso, porém nego-lhe provimento.
Sentença mantida por seus próprios fundamentos. A súmula de julgamento servirá de acórdão. Condeno o
recorrente no pagamento de custas processuais e honorários advocatícios no importe de 20% sobre o
valor da causa, ficando suspensa a cobrança, vez que beneficiário da justiça gratuita. Belém, 14 de junho
de 2017. DANIELLE DE CASSIA SILVEIRA BÜHRNHEIM Juíza Relatora - Turma Recursal Permanente
dos Juizados Especiais (120844, Não Informado, Rel. DANIELLE DE CASSIA SILVEIRA BUHRNHEIM,
Órgão Julgador Turma Recursal, Julgado em 2017-06-14, Publicado em 2017-07-03) Portanto, diante do
regime da súmula vinculante previsto na Constituição Federal no art. 103-A e na sua regulamentação
prevista na Lei n. 11.417/2006 e da perfeita adequação do caso concreto ao verbete sumular, impõe-se ao
juízo o reconhecimento da improcedência do pedido do autor, sob pena de sofrer eventual reclamação
perante o Supremo Tribunal Federal, conforme assentado no § 3º do art. 103-A da CF, que transcrevo a
seguir: Art. 103-A. O Supremo Tribunal Federal poderá, de ofício ou por provocação, mediante decisão de
dois terços dos seus membros, após reiteradas decisões sobre matéria constitucional, aprovar súmula
que, a partir de sua publicação na imprensa oficial, terá efeito vinculante em relação aos demais órgãos do
Poder Judiciário e à administração pública direta e indireta, nas esferas federal, estadual e municipal, bem
como proceder à sua revisão ou cancelamento, na forma estabelecida em lei. (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 45, de 2004) (...); §3º Do ato administrativo ou decisão judicial que contrariar a súmula
aplicável ou que indevidamente a aplicar, caberá reclamação ao Supremo Tribunal Federal que, julgando-
a procedente, anulará o ato administrativo ou cassará a decisão judicial reclamada, e determinará que
outra seja proferida com ou sem a aplicação da súmula, conforme o caso. (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 45, de 2004) Porém, deve-se reconhecer que, ao deixar de aplicar o índice previsto na
Lei n. 6.827/2006, sem que tenha sido editada nova lei para prever outro índice, é óbvio que o réu incide
em omissão inconstitucional, na medida que a Constituição Federal prevê em seu art. 37 que a
remuneração dos servidores deverá ter revisão anual a fim de preservar seu poder aquisitivo frente às
perdas inflacionárias, podendo o autor buscar por outros meios judiciais cabíveis a correção dessa
omissão inconstitucional, através de seus órgãos de classe, sob pena de se perpetuar essa grave omissão
estatal, violadora do texto constitucional. DISPOSITIVO Inúmeras demandas já foram ajuizadas sobre a
mesma matéria e Julgadas Improcedentes com fundamento na Súmula Vinculante 4 do Supremo Tribunal
Federal. Diante do exposto, com fulcro na súmula 4 do STF, Rejeito Liminarmente a presente demanda,
julgando improcedente o pedido do autor, extinguindo o processo nos termos do art. 332, I, do CPC.
Condeno o autor ao pagamento de custas, ficando suspensa a exigibilidade em razão da gratuidade de
justiça deferida. Transitada em julgado, dê-se baixa e arquivem-se os autos. Cumpra-se. P.R.I.
Paragominas/PA, 02/12/2019. FERNANDA AZEVEDO LUCENA Juíza de Direito 6 AJ PROCESSO:
00094392420188140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação: Procedimento Comum Cível em: 02/12/2019
REQUERENTE:IRACILDA FELIZ SOUZA CUNHA Representante(s): LIANE BENCHIMOL DE MATOS
ALBANO (DEFENSOR) REQUERIDO:MUNICIPIO DE PARAGOMINAS DENUNCIADO:LUCIANA VIERIA
BARROS DE LIMA FERRARI. DECISÃO INTERLOCUTÓRIA Trata-se de ação de indenização na qual a
parte autora alega erro médico no âmbito do atendimento hospitalar mantido pelo réu. DOS PONTOS
CONTROVERTIDOS E DAS PROVAS Passo à fixação dos pontos controvertidos: 1) se houve ou não erro
médico - se foi ou não realizado o procedimento de laqueadura ou se foi realizado corretamente
(imperícia); 2) se a gravidez decorreu do percentual de falha previsto para ocorrer em tais procedimentos;
3) se estão ou não presentes os requisitos da responsabilidade civil, em especial, o nexo causal entre a
2271
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

alegada gravidez e a suposta imperícia do agente público; 4) a existência ou não dos danos morais e
materiais alegados e as respectivas extensões. Em face do princípio da colaboração, intimem-se as partes
para indicarem outros pontos controvertidos que não estejam incluídos no rol acima. Outrossim,
considerando o que dispõe o art. 373, § 1º, do CPC/2015, "nos casos previstos em lei ou diante de
peculiaridades da causa relacionadas à impossibilidade ou à excessiva dificuldade de cumprir o encargo
nos termos do caput ou à maior facilidade de obtenção da prova do fato contrário, poderá o juiz atribuir o
ônus da prova de modo diverso, desde que o faça por decisão fundamentada, caso em que deverá dar à
parte a oportunidade de se desincumbir do ônus que lhe foi atribuído", considerando, ainda, que é notória
a hipossuficiência técnica e financeira da autora, cidadã comum, frente ao ente público, inverto o ônus da
prova em favor da parte autora. Ante o exposto, com base nos pontos controvertidos fixados e nos que
vierem a ser indicados pelas partes e ainda a presente decisão invertendo o ônus da prova, intimem-se as
partes para dizerem quais as provas que pretendem produzir. Paragominas/PA, 02 de dezembro de 2019.
FERNANDA AZEVEDO LUCENA Juíza de Direito PROCESSO: 00097464120198140039 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA
Ação: Procedimento Comum Cível em: 02/12/2019 REQUERENTE:JOAO BATISTA DE OLIVEIRA FILHO
Representante(s): OAB 14229-B - ANGELA MARCIA CASSINI LEITE (ADVOGADO) OAB 24504-A -
DINAINA SANDES PINHEIRO (ADVOGADO) REQUERIDO:VOTORANTIM CIMENTOS S A. Decisão
Mantenho a decisão agravada pelos seus próprios fundamentos. Não havendo informação nos autos de
qualquer decisão da segunda instância, prossiga-se em seus ulteriores atos. Paragominas/PA, 02 de
dezembro de 2019. FERNANDA AZEVEDO LUCENA Juíza de Direito PROCESSO:
00003155520088140039 PROCESSO ANTIGO: 200810001690
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação: Execução
Fiscal em: 30/11/2019 EXEQUENTE:ESTADO DE PARA FAZENDA PUBLICA ESTADUAL
EXECUTADO:PETROLUB COMERCIO DE COMBUSTIVEL E LUBRIFICANTE DERIV PETROLEO LTDA
Representante(s): OAB 15326 - MAURICIO ALBUQUERQUE COELHO (ADVOGADO) OAB 11962 -
ADRIANA AFONSO NOBRE (ADVOGADO) EXECUTADO:RONALDO CURSAGE MAFRA
Representante(s): OAB 15326 - MAURICIO ALBUQUERQUE COELHO (ADVOGADO)
EXECUTADO:ARNALDO CASSIANO MAFRA NETO. DESPACHO: Indefiro o pedido de fls. 80/81. Cabe
ao credor aceitar ou não a indicação dos bens ante a ordem preferencial ditada pelo CPC. Manifestou-se o
Fisco às fls. 78 pela não aceitação. Quanto ao pedido de fls. 74, também indefiro-o, vez que o débito
Fiscal foi inscrito no ano de 2007, época em que ainda era Sócio da empresa, só se retirando no ano de
2017 conforme se verifica às fls. 75. Cumpra-se o despacho de fls. 79. Paragominas (PA), 29/11/2019.
Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00015246020148140039 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA
Ação: Execução de Título Extrajudicial em: 30/11/2019 REQUERENTE:BANCO DO ESTADO DO PARA
Representante(s): OAB 10270 - LETICIA DAVID THOME (ADVOGADO) OAB 12501 - CARLOS ANDRE
DA FONSECA GOMES (ADVOGADO) OAB 17640 - MYLLENA BORBUREMA DE OLIVEIRA
(ADVOGADO) OAB 17337 - THIAGO DOS SANTOS ALMEIDA (ADVOGADO) REQUERIDO:MARIA
ALICE FERREIRA DE SOUZA Representante(s): OAB 22167 - JOSÉ ANACLETO FERREIRA GARCIAS
(ADVOGADO) REQUERIDO:MARIVAN MENDES E SILVA Representante(s): OAB 22167 - JOSÉ
ANACLETO FERREIRA GARCIAS (ADVOGADO) REQUERIDO:MARIA DE NAZARE NASCIMENTO DA
SILVA. DESPACHO: Intime-se por edital e caso não haja o comparecimento da Sra. Maria de Nazaré
Nascimento da Silva, cumpra-se o despacho de fls. 363. Intime-se o exequente, para que diga se ainda
tem interesse no feito, com as advertências do art. 485, III do CPC. Cumpra-se. Paragominas (PA),
29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00017542920198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO
LUCENA Ação: Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:MARIA MACHADO DA
SILVA Representante(s): OAB 26338-A - OTÁVIO SOCORRO ALVES SANTA ROSA (ADVOGADO)
REQUERIDO:COMPANHIA DE SEGUROS PREVIDENCIA DO SUL PREVISUL Representante(s): OAB
18668 - LAURA AGRIFOGLIO VIANNA (ADVOGADO) REQUERIDO:BANCO BRADESCO S A
Representante(s): OAB 15201-A - NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES (ASSISTENTE DE
ACUSAÇÃO ) . DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do Código de Processo Civil, faculto às
partes o prazo comum de 10 (dez) dias para que apontem, de maneira clara, objetiva e sucinta, as
questões de fato e de direito que entendam pertinentes ao julgamento da lide. Quanto às questões de fato,
deverão indicar a matéria que consideram incontroversa, bem como aquela que entendem já provada pela
prova trazida, enumerando nos autos os documentos que servem de suporte a cada alegação. Com
relação ao restante, remanescendo controvertida, deverão especificar as provas que pretendem produzir,
justificando, objetiva e fundamentadamente, sua relevância e pertinência. O silêncio ou o protesto genérico
2272
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

por produção de provas serão interpretados como anuência ao julgamento antecipado, indeferindo-se,
ainda, os requerimentos de diligências inúteis ou meramente protelatórias. Quanto às questões de direito,
para que não se alegue prejuízo, deverão, desde logo, manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício
pelo juízo, desde que interessem ao processo. Com relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas
partes, deverão estar de acordo com toda a legislação vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até
o esgotamento pelos litigantes, e cujo desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-
se, ainda, que não serão consideradas relevantes as questões não adequadamente delineadas e
fundamentadas nas peças processuais, além de todos os demais argumentos insubsistentes ou
ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via DJE. Não havendo requerimentos de provas,
manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo
manifestação das partes, voltem-me Conclusos para Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA),
29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00028221920168140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO
LUCENA Ação: Ação Civil Pública Cível em: 30/11/2019 AUTOR:MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO
PARA REQUERIDO:F M INDUSTRIA E COMERCIO DE CARVA LTDA. DESPACHO: Ao autor para
Réplica à Contestação. Cumpra-se. Paragominas (PA), 29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de
Direito. 1 AJ PROCESSO: 00032551820198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação:
Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:ANTONIA GEANE DE SOUSA FREITAS
Representante(s): OAB 14229-B - ANGELA MARCIA CASSINI LEITE (ADVOGADO)
REQUERIDO:MULTIMARCAS ADMINISTRADORA DE CONSORCIOS LTDA Representante(s): OAB
18949 - KELY VILHENA DIB TAXI JACOB (ADVOGADO) . DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e
10º, do Código de Processo Civil, faculto às partes o prazo comum de 10 (dez) dias para que apontem, de
maneira clara, objetiva e sucinta, as questões de fato e de direito que entendam pertinentes ao julgamento
da lide. Quanto às questões de fato, deverão indicar a matéria que consideram incontroversa, bem como
aquela que entendem já provada pela prova trazida, enumerando nos autos os documentos que servem
de suporte a cada alegação. Com relação ao restante, remanescendo controvertida, deverão especificar
as provas que pretendem produzir, justificando, objetiva e fundamentadamente, sua relevância e
pertinência. O silêncio ou o protesto genérico por produção de provas serão interpretados como anuência
ao julgamento antecipado, indeferindo-se, ainda, os requerimentos de diligências inúteis ou meramente
protelatórias. Quanto às questões de direito, para que não se alegue prejuízo, deverão, desde logo,
manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício pelo juízo, desde que interessem ao processo. Com
relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas partes, deverão estar de acordo com toda a legislação
vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até o esgotamento pelos litigantes, e cujo
desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-se, ainda, que não serão consideradas
relevantes as questões não adequadamente delineadas e fundamentadas nas peças processuais, além de
todos os demais argumentos insubsistentes ou ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via
DJE. Não havendo requerimentos de provas, manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o
Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo manifestação das partes, voltem-me Conclusos para
Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA), 29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ
PROCESSO: 00041888820198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação:
Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:ANTHONY ANGELY DEMETERKO FAIOLLA
Representante(s): OAB 8012-B - MIGUEL SZAROAS NETO (ADVOGADO) REQUERIDO:HERBINORTE
PRODUTOS AGROPECUARIOS LTDA Representante(s): OAB 8599 - LUIS GOMES LIMA JUNIOR
(ADVOGADO) OAB 10861 - ARIANE LARISSA SILVA SALES (ADVOGADO) . DESPACHO: Com
fundamento nos arts. 6º e 10º, do Código de Processo Civil, faculto às partes o prazo comum de 10 (dez)
dias para que apontem, de maneira clara, objetiva e sucinta, as questões de fato e de direito que
entendam pertinentes ao julgamento da lide. Quanto às questões de fato, deverão indicar a matéria que
consideram incontroversa, bem como aquela que entendem já provada pela prova trazida, enumerando
nos autos os documentos que servem de suporte a cada alegação. Com relação ao restante,
remanescendo controvertida, deverão especificar as provas que pretendem produzir, justificando, objetiva
e fundamentadamente, sua relevância e pertinência. O silêncio ou o protesto genérico por produção de
provas serão interpretados como anuência ao julgamento antecipado, indeferindo-se, ainda, os
requerimentos de diligências inúteis ou meramente protelatórias. Quanto às questões de direito, para que
não se alegue prejuízo, deverão, desde logo, manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício pelo
juízo, desde que interessem ao processo. Com relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas partes,
deverão estar de acordo com toda a legislação vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até o
2273
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

esgotamento pelos litigantes, e cujo desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-
se, ainda, que não serão consideradas relevantes as questões não adequadamente delineadas e
fundamentadas nas peças processuais, além de todos os demais argumentos insubsistentes ou
ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via DJE. Não havendo requerimentos de provas,
manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo
manifestação das partes, voltem-me Conclusos para Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA),
29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00043741420198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO
LUCENA Ação: Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:JUDITE DAS NEVES SILVA
Representante(s): OAB 15356 - RAPHAEL REIS DE SOUSA (ADVOGADO) REQUERIDO:MUNICIPIO DE
PARAGOMINAS. DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do Código de Processo Civil, faculto
às partes o prazo comum de 10 (dez) dias para que apontem, de maneira clara, objetiva e sucinta, as
questões de fato e de direito que entendam pertinentes ao julgamento da lide. Quanto às questões de fato,
deverão indicar a matéria que consideram incontroversa, bem como aquela que entendem já provada pela
prova trazida, enumerando nos autos os documentos que servem de suporte a cada alegação. Com
relação ao restante, remanescendo controvertida, deverão especificar as provas que pretendem produzir,
justificando, objetiva e fundamentadamente, sua relevância e pertinência. O silêncio ou o protesto genérico
por produção de provas serão interpretados como anuência ao julgamento antecipado, indeferindo-se,
ainda, os requerimentos de diligências inúteis ou meramente protelatórias. Quanto às questões de direito,
para que não se alegue prejuízo, deverão, desde logo, manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício
pelo juízo, desde que interessem ao processo. Com relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas
partes, deverão estar de acordo com toda a legislação vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até
o esgotamento pelos litigantes, e cujo desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-
se, ainda, que não serão consideradas relevantes as questões não adequadamente delineadas e
fundamentadas nas peças processuais, além de todos os demais argumentos insubsistentes ou
ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via DJE. Não havendo requerimentos de provas,
manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo
manifestação das partes, voltem-me Conclusos para Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA),
29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00043862820198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO
LUCENA Ação: Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:RONNILTON DA SILVA
CHAVES Representante(s): OAB 12541 - DIOGO MARCELL SILVA NASCIMENTO ELUAN (DEFENSOR)
REQUERIDO:DEPARTAMENTO DE TRANSITO DO ESTADO DO PARÁ - DETRAN/PA. DESPACHO:
Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do Código de Processo Civil, faculto às partes o prazo comum de 10
(dez) dias para que apontem, de maneira clara, objetiva e sucinta, as questões de fato e de direito que
entendam pertinentes ao julgamento da lide. Quanto às questões de fato, deverão indicar a matéria que
consideram incontroversa, bem como aquela que entendem já provada pela prova trazida, enumerando
nos autos os documentos que servem de suporte a cada alegação. Com relação ao restante,
remanescendo controvertida, deverão especificar as provas que pretendem produzir, justificando, objetiva
e fundamentadamente, sua relevância e pertinência. O silêncio ou o protesto genérico por produção de
provas serão interpretados como anuência ao julgamento antecipado, indeferindo-se, ainda, os
requerimentos de diligências inúteis ou meramente protelatórias. Quanto às questões de direito, para que
não se alegue prejuízo, deverão, desde logo, manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício pelo
juízo, desde que interessem ao processo. Com relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas partes,
deverão estar de acordo com toda a legislação vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até o
esgotamento pelos litigantes, e cujo desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-
se, ainda, que não serão consideradas relevantes as questões não adequadamente delineadas e
fundamentadas nas peças processuais, além de todos os demais argumentos insubsistentes ou
ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via DJE. Não havendo requerimentos de provas,
manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo
manifestação das partes, voltem-me Conclusos para Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA),
29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00043932020198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO
LUCENA Ação: Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:ROSALBA SUZANY REIS
DE LIMA Representante(s): OAB 15356 - RAPHAEL REIS DE SOUSA (ADVOGADO)
REQUERIDO:MUNICIPIO DE PARAGOMINAS. DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do
Código de Processo Civil, faculto às partes o prazo comum de 10 (dez) dias para que apontem, de
maneira clara, objetiva e sucinta, as questões de fato e de direito que entendam pertinentes ao julgamento
2274
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

da lide. Quanto às questões de fato, deverão indicar a matéria que consideram incontroversa, bem como
aquela que entendem já provada pela prova trazida, enumerando nos autos os documentos que servem
de suporte a cada alegação. Com relação ao restante, remanescendo controvertida, deverão especificar
as provas que pretendem produzir, justificando, objetiva e fundamentadamente, sua relevância e
pertinência. O silêncio ou o protesto genérico por produção de provas serão interpretados como anuência
ao julgamento antecipado, indeferindo-se, ainda, os requerimentos de diligências inúteis ou meramente
protelatórias. Quanto às questões de direito, para que não se alegue prejuízo, deverão, desde logo,
manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício pelo juízo, desde que interessem ao processo. Com
relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas partes, deverão estar de acordo com toda a legislação
vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até o esgotamento pelos litigantes, e cujo
desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-se, ainda, que não serão consideradas
relevantes as questões não adequadamente delineadas e fundamentadas nas peças processuais, além de
todos os demais argumentos insubsistentes ou ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via
DJE. Não havendo requerimentos de provas, manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o
Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo manifestação das partes, voltem-me Conclusos para
Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA), 29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ
PROCESSO: 00043940520198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação:
Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:ESTEFANEA DE ANDRADE GARUZZI
Representante(s): OAB 15356 - RAPHAEL REIS DE SOUSA (ADVOGADO) REQUERIDO:MUNICIPIO DE
PARAGOMINAS. DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do Código de Processo Civil, faculto
às partes o prazo comum de 10 (dez) dias para que apontem, de maneira clara, objetiva e sucinta, as
questões de fato e de direito que entendam pertinentes ao julgamento da lide. Quanto às questões de fato,
deverão indicar a matéria que consideram incontroversa, bem como aquela que entendem já provada pela
prova trazida, enumerando nos autos os documentos que servem de suporte a cada alegação. Com
relação ao restante, remanescendo controvertida, deverão especificar as provas que pretendem produzir,
justificando, objetiva e fundamentadamente, sua relevância e pertinência. O silêncio ou o protesto genérico
por produção de provas serão interpretados como anuência ao julgamento antecipado, indeferindo-se,
ainda, os requerimentos de diligências inúteis ou meramente protelatórias. Quanto às questões de direito,
para que não se alegue prejuízo, deverão, desde logo, manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício
pelo juízo, desde que interessem ao processo. Com relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas
partes, deverão estar de acordo com toda a legislação vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até
o esgotamento pelos litigantes, e cujo desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-
se, ainda, que não serão consideradas relevantes as questões não adequadamente delineadas e
fundamentadas nas peças processuais, além de todos os demais argumentos insubsistentes ou
ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via DJE. Não havendo requerimentos de provas,
manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo
manifestação das partes, voltem-me Conclusos para Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA),
29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00043958720198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO
LUCENA Ação: Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:ROSANGELA CHAVES
Representante(s): OAB 15356 - RAPHAEL REIS DE SOUSA (ADVOGADO) REQUERIDO:MUNICIPIO DE
PARAGOMINAS. DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do Código de Processo Civil, faculto
às partes o prazo comum de 10 (dez) dias para que apontem, de maneira clara, objetiva e sucinta, as
questões de fato e de direito que entendam pertinentes ao julgamento da lide. Quanto às questões de fato,
deverão indicar a matéria que consideram incontroversa, bem como aquela que entendem já provada pela
prova trazida, enumerando nos autos os documentos que servem de suporte a cada alegação. Com
relação ao restante, remanescendo controvertida, deverão especificar as provas que pretendem produzir,
justificando, objetiva e fundamentadamente, sua relevância e pertinência. O silêncio ou o protesto genérico
por produção de provas serão interpretados como anuência ao julgamento antecipado, indeferindo-se,
ainda, os requerimentos de diligências inúteis ou meramente protelatórias. Quanto às questões de direito,
para que não se alegue prejuízo, deverão, desde logo, manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício
pelo juízo, desde que interessem ao processo. Com relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas
partes, deverão estar de acordo com toda a legislação vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até
o esgotamento pelos litigantes, e cujo desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-
se, ainda, que não serão consideradas relevantes as questões não adequadamente delineadas e
fundamentadas nas peças processuais, além de todos os demais argumentos insubsistentes ou
ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via DJE. Não havendo requerimentos de provas,
2275
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo
manifestação das partes, voltem-me Conclusos para Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA),
29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00044105620198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO
LUCENA Ação: Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:MARTA CARDOSO DA
SILVA Representante(s): OAB 15356 - RAPHAEL REIS DE SOUSA (ADVOGADO)
REQUERIDO:MUNICIPIO DE PARAGOMINAS. DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do
Código de Processo Civil, faculto às partes o prazo comum de 10 (dez) dias para que apontem, de
maneira clara, objetiva e sucinta, as questões de fato e de direito que entendam pertinentes ao julgamento
da lide. Quanto às questões de fato, deverão indicar a matéria que consideram incontroversa, bem como
aquela que entendem já provada pela prova trazida, enumerando nos autos os documentos que servem
de suporte a cada alegação. Com relação ao restante, remanescendo controvertida, deverão especificar
as provas que pretendem produzir, justificando, objetiva e fundamentadamente, sua relevância e
pertinência. O silêncio ou o protesto genérico por produção de provas serão interpretados como anuência
ao julgamento antecipado, indeferindo-se, ainda, os requerimentos de diligências inúteis ou meramente
protelatórias. Quanto às questões de direito, para que não se alegue prejuízo, deverão, desde logo,
manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício pelo juízo, desde que interessem ao processo. Com
relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas partes, deverão estar de acordo com toda a legislação
vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até o esgotamento pelos litigantes, e cujo
desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-se, ainda, que não serão consideradas
relevantes as questões não adequadamente delineadas e fundamentadas nas peças processuais, além de
todos os demais argumentos insubsistentes ou ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via
DJE. Não havendo requerimentos de provas, manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o
Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo manifestação das partes, voltem-me Conclusos para
Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA), 29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ
PROCESSO: 00044373920198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação:
Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:CLEBSON SANTOS SOUSA
Representante(s): OAB 26338-A - OTÁVIO SOCORRO ALVES SANTA ROSA (ADVOGADO) OAB 27480-
A - LUIZ OTAVIO SILVA ANGELINI (ADVOGADO) REQUERIDO:BANCO DO BRASIL S A
Representante(s): OAB 15201-A - NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES (ADVOGADO) .
DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do Código de Processo Civil, faculto às partes o prazo
comum de 10 (dez) dias para que apontem, de maneira clara, objetiva e sucinta, as questões de fato e de
direito que entendam pertinentes ao julgamento da lide. Quanto às questões de fato, deverão indicar a
matéria que consideram incontroversa, bem como aquela que entendem já provada pela prova trazida,
enumerando nos autos os documentos que servem de suporte a cada alegação. Com relação ao restante,
remanescendo controvertida, deverão especificar as provas que pretendem produzir, justificando, objetiva
e fundamentadamente, sua relevância e pertinência. O silêncio ou o protesto genérico por produção de
provas serão interpretados como anuência ao julgamento antecipado, indeferindo-se, ainda, os
requerimentos de diligências inúteis ou meramente protelatórias. Quanto às questões de direito, para que
não se alegue prejuízo, deverão, desde logo, manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício pelo
juízo, desde que interessem ao processo. Com relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas partes,
deverão estar de acordo com toda a legislação vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até o
esgotamento pelos litigantes, e cujo desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-
se, ainda, que não serão consideradas relevantes as questões não adequadamente delineadas e
fundamentadas nas peças processuais, além de todos os demais argumentos insubsistentes ou
ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via DJE. Não havendo requerimentos de provas,
manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo
manifestação das partes, voltem-me Conclusos para Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA),
29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00044729620198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO
LUCENA Ação: Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:NELMA DE JESUS
EVANGELISTA VIEIRA Representante(s): OAB 24391 - DEUSDETE ALVES PEREIRA FILHO
(ADVOGADO) REQUERIDO:INSTITUTO DA PREVIDENCIA MUNICIPAL DE PARAGOMINAS IPMP.
DESPACHO: Ante a Contestação apresentada pelo requerido a designação de audiência de tentativa de
conciliação é desnecessária. Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do Código de Processo Civil, faculto às
partes o prazo comum de 10 (dez) dias para que apontem, de maneira clara, objetiva e sucinta, as
questões de fato e de direito que entendam pertinentes ao julgamento da lide. Quanto às questões de fato,
2276
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

deverão indicar a matéria que consideram incontroversa, bem como aquela que entendem já provada pela
prova trazida, enumerando nos autos os documentos que servem de suporte a cada alegação. Com
relação ao restante, remanescendo controvertida, deverão especificar as provas que pretendem produzir,
justificando, objetiva e fundamentadamente, sua relevância e pertinência. O silêncio ou o protesto genérico
por produção de provas serão interpretados como anuência ao julgamento antecipado, indeferindo-se,
ainda, os requerimentos de diligências inúteis ou meramente protelatórias. Quanto às questões de direito,
para que não se alegue prejuízo, deverão, desde logo, manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício
pelo juízo, desde que interessem ao processo. Com relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas
partes, deverão estar de acordo com toda a legislação vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até
o esgotamento pelos litigantes, e cujo desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-
se, ainda, que não serão consideradas relevantes as questões não adequadamente delineadas e
fundamentadas nas peças processuais, além de todos os demais argumentos insubsistentes ou
ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via DJE. Não havendo requerimentos de provas,
manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo
manifestação das partes, voltem-me Conclusos para Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA),
29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00045803320168140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO
LUCENA Ação: Busca e Apreensão em Alienação Fiduciária em: 30/11/2019 REQUERIDO:DAVI COELHO
SANTANA REQUERENTE:COOPERATIVA DE CREDITO DE LIVRE ADMISSAO DE ASSOCIADOS DO
NORDESTE DO PARA - SICREDI NORDESTE PA Representante(s): OAB 21888 - BARBARA DA SILVA
RONI LEAL (ADVOGADO) OAB 23211-A - GIANPAOLO ZAMBIAZI BERTOL ROCHA (ADVOGADO) OAB
24402 - AMANDA RODRIGUES MAUÉS MELO (ADVOGADO) OAB 25983 - HEVYLA MOZER ANDRADE
RABELO (ADVOGADO) OAB 27838 - LUCAS DE MELLO LOPES (ADVOGADO) OAB 28133 - REBECA
SILVA BIASI (ADVOGADO) . DESPACHO: Defiro o pedido de fls. 154. Cite-se por edital. Cumpra-se.
Paragominas (PA), 29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO:
00054792620198140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação: Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019
REPRESENTANTE:EDSON RICARDO SOARES PEREIRA REQUERENTE:FABIO AUGUSTO SANTOS
PEREIRA REPRESENTANTE:MARIZETE SANTOS PEREIRA Representante(s): OAB 5201 - ELDELY DA
SILVA HUBNER (ADVOGADO) REQUERIDO:JUPARANA COMERCIAL AGRICOLA LTDA
Representante(s): OAB 1623-A - MARCUS VINICIUS DE CARVALHO REZENDE REIS (ADVOGADO) .
DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do Código de Processo Civil, faculto às partes o prazo
comum de 10 (dez) dias para que apontem, de maneira clara, objetiva e sucinta, as questões de fato e de
direito que entendam pertinentes ao julgamento da lide. Quanto às questões de fato, deverão indicar a
matéria que consideram incontroversa, bem como aquela que entendem já provada pela prova trazida,
enumerando nos autos os documentos que servem de suporte a cada alegação. Com relação ao restante,
remanescendo controvertida, deverão especificar as provas que pretendem produzir, justificando, objetiva
e fundamentadamente, sua relevância e pertinência. O silêncio ou o protesto genérico por produção de
provas serão interpretados como anuência ao julgamento antecipado, indeferindo-se, ainda, os
requerimentos de diligências inúteis ou meramente protelatórias. Quanto às questões de direito, para que
não se alegue prejuízo, deverão, desde logo, manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício pelo
juízo, desde que interessem ao processo. Com relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas partes,
deverão estar de acordo com toda a legislação vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até o
esgotamento pelos litigantes, e cujo desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-
se, ainda, que não serão consideradas relevantes as questões não adequadamente delineadas e
fundamentadas nas peças processuais, além de todos os demais argumentos insubsistentes ou
ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via DJE. Não havendo requerimentos de provas,
manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo
manifestação das partes, voltem-me Conclusos para Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA),
29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00058967620198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO
LUCENA Ação: Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:MARGARETH SOUSA
COSTA Representante(s): OAB 15356 - RAPHAEL REIS DE SOUSA (ADVOGADO)
REQUERIDO:MUNICIPIO DE PARAGOMINAS. DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do
Código de Processo Civil, faculto às partes o prazo comum de 10 (dez) dias para que apontem, de
maneira clara, objetiva e sucinta, as questões de fato e de direito que entendam pertinentes ao julgamento
da lide. Quanto às questões de fato, deverão indicar a matéria que consideram incontroversa, bem como
aquela que entendem já provada pela prova trazida, enumerando nos autos os documentos que servem
2277
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

de suporte a cada alegação. Com relação ao restante, remanescendo controvertida, deverão especificar
as provas que pretendem produzir, justificando, objetiva e fundamentadamente, sua relevância e
pertinência. O silêncio ou o protesto genérico por produção de provas serão interpretados como anuência
ao julgamento antecipado, indeferindo-se, ainda, os requerimentos de diligências inúteis ou meramente
protelatórias. Quanto às questões de direito, para que não se alegue prejuízo, deverão, desde logo,
manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício pelo juízo, desde que interessem ao processo. Com
relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas partes, deverão estar de acordo com toda a legislação
vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até o esgotamento pelos litigantes, e cujo
desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-se, ainda, que não serão consideradas
relevantes as questões não adequadamente delineadas e fundamentadas nas peças processuais, além de
todos os demais argumentos insubsistentes ou ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via
DJE. Não havendo requerimentos de provas, manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o
Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo manifestação das partes, voltem-me Conclusos para
Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA), 29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ
PROCESSO: 00058976120198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação:
Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:MONICA CARDOSO DE SOUSA
Representante(s): OAB 15356 - RAPHAEL REIS DE SOUSA (ADVOGADO) REQUERIDO:MUNICIPIO DE
PARAGOMINAS. DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do Código de Processo Civil, faculto
às partes o prazo comum de 10 (dez) dias para que apontem, de maneira clara, objetiva e sucinta, as
questões de fato e de direito que entendam pertinentes ao julgamento da lide. Quanto às questões de fato,
deverão indicar a matéria que consideram incontroversa, bem como aquela que entendem já provada pela
prova trazida, enumerando nos autos os documentos que servem de suporte a cada alegação. Com
relação ao restante, remanescendo controvertida, deverão especificar as provas que pretendem produzir,
justificando, objetiva e fundamentadamente, sua relevância e pertinência. O silêncio ou o protesto genérico
por produção de provas serão interpretados como anuência ao julgamento antecipado, indeferindo-se,
ainda, os requerimentos de diligências inúteis ou meramente protelatórias. Quanto às questões de direito,
para que não se alegue prejuízo, deverão, desde logo, manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício
pelo juízo, desde que interessem ao processo. Com relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas
partes, deverão estar de acordo com toda a legislação vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até
o esgotamento pelos litigantes, e cujo desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-
se, ainda, que não serão consideradas relevantes as questões não adequadamente delineadas e
fundamentadas nas peças processuais, além de todos os demais argumentos insubsistentes ou
ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via DJE. Não havendo requerimentos de provas,
manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo
manifestação das partes, voltem-me Conclusos para Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA),
29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00059149720198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO
LUCENA Ação: Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:ROBERTA MACEDO DE
OLIVEIRA Representante(s): OAB 15356 - RAPHAEL REIS DE SOUSA (ADVOGADO)
REQUERIDO:MUNICIPIO DE PARAGOMINAS. DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do
Código de Processo Civil, faculto às partes o prazo comum de 10 (dez) dias para que apontem, de
maneira clara, objetiva e sucinta, as questões de fato e de direito que entendam pertinentes ao julgamento
da lide. Quanto às questões de fato, deverão indicar a matéria que consideram incontroversa, bem como
aquela que entendem já provada pela prova trazida, enumerando nos autos os documentos que servem
de suporte a cada alegação. Com relação ao restante, remanescendo controvertida, deverão especificar
as provas que pretendem produzir, justificando, objetiva e fundamentadamente, sua relevância e
pertinência. O silêncio ou o protesto genérico por produção de provas serão interpretados como anuência
ao julgamento antecipado, indeferindo-se, ainda, os requerimentos de diligências inúteis ou meramente
protelatórias. Quanto às questões de direito, para que não se alegue prejuízo, deverão, desde logo,
manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício pelo juízo, desde que interessem ao processo. Com
relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas partes, deverão estar de acordo com toda a legislação
vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até o esgotamento pelos litigantes, e cujo
desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-se, ainda, que não serão consideradas
relevantes as questões não adequadamente delineadas e fundamentadas nas peças processuais, além de
todos os demais argumentos insubsistentes ou ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via
DJE. Não havendo requerimentos de provas, manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o
Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo manifestação das partes, voltem-me Conclusos para
2278
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA), 29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ
PROCESSO: 00059158220198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação: Ação Civil
Pública Infância e Juventude em: 30/11/2019 AUTOR:MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO PARA
REQUERIDO:ESTADO DO PARA INTERESSADO:RAIMUNDA PEREIRA DA SILVA. Processo nº
0005915-82.2019.8.14.0039 Ação Civil Pública Requerente(s): MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO
PARÁ Requerido(s): ESTADO DO PARÁ Vistos, etc. Trata-se de Ação Civil Pública intentada pelo
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ, em desfavor do ESTADO DO PARÁ. Deferida a Tutela
Antecipada aos 03/07/2019, às fls. 23/25, foi determinada a Intimação do Estado para cumprimento da
decisão. Em seguida o MP comunicou que a tutela não havia sido cumprida pelo Estado e requereu
providências aos 11/07/2019. Novo despacho estipulando prazo para cumprimento da decisão
anteriormente proferida, às fls. 51, datado de 11/07/2019. O Estado foi intimado aos 04/07/2019 da Tutela
deferida e aos 11/07/2019 do despacho que determinou o cumprimento da decisão. Uma terceira decisão
determinando o cumprimento da Tutela deferida foi proferido aos 16/07/2019, às fls. 73/75, sendo o
Secretário de Saúde intimado aos 16/07/2019. Ato contínuo, antes mesmo dos autos serem enviados para
fins de Citação conforme determinação legal, certificou o funcionário do MP que por contato telefônico, lhe
foi informado que após o cumprimento da tutela, a paciente veio a óbito (fls. 92). O MP requereu a
Extinção pela perda do objeto da ação. Vieram-me os autos Conclusos. É O RELATÓRIO. PASSO A
DECIDIR. Verifica-se que após o deferimento da Tutela de Urgência, e, pouco após o seu cumprimento,
que teve uma certa demora, vez que foram proferidas 3 (três) decisões desse Juízo até que o Estado
cumprisse, a paciente veio a Óbito, conforme foi noticiado a esse Juízo pelo MP. Requereu o MP a
Extinção do Processo pela Perda Superveniente do Interesse de Agir. Diante disso, JULGO EXTINTO O
PROCESSO, COM JULGAMENTO DO MÉRITO, com fulcro no art. 485, VIII e VI do CPC. Sem Custas e
Honorários em face da natureza da Ação. P.R.I. Após o Trânsito em Julgado, Certifique-se e Arquivem-se
os autos sem necessidade de nova conclusão. Cumpra-se. Paragominas (PA), 29/11/2019. homenagens,
p r o c e d e n d o - s e
CERTI________________________________________________________________________________
______________Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito 2 AJ PROCESSO: 00059313620198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO
LUCENA Ação: Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:ELIANE PEREIRA LOPES
Representante(s): OAB 15356 - RAPHAEL REIS DE SOUSA (ADVOGADO) REQUERIDO:MUNICIPIO DE
PARAGOMINAS. DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do Código de Processo Civil, faculto
às partes o prazo comum de 10 (dez) dias para que apontem, de maneira clara, objetiva e sucinta, as
questões de fato e de direito que entendam pertinentes ao julgamento da lide. Quanto às questões de fato,
deverão indicar a matéria que consideram incontroversa, bem como aquela que entendem já provada pela
prova trazida, enumerando nos autos os documentos que servem de suporte a cada alegação. Com
relação ao restante, remanescendo controvertida, deverão especificar as provas que pretendem produzir,
justificando, objetiva e fundamentadamente, sua relevância e pertinência. O silêncio ou o protesto genérico
por produção de provas serão interpretados como anuência ao julgamento antecipado, indeferindo-se,
ainda, os requerimentos de diligências inúteis ou meramente protelatórias. Quanto às questões de direito,
para que não se alegue prejuízo, deverão, desde logo, manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício
pelo juízo, desde que interessem ao processo. Com relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas
partes, deverão estar de acordo com toda a legislação vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até
o esgotamento pelos litigantes, e cujo desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-
se, ainda, que não serão consideradas relevantes as questões não adequadamente delineadas e
fundamentadas nas peças processuais, além de todos os demais argumentos insubsistentes ou
ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via DJE. Não havendo requerimentos de provas,
manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo
manifestação das partes, voltem-me Conclusos para Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA),
29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00059322120198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO
LUCENA Ação: Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:NAIR DOS SANTOS SOUZA
Representante(s): OAB 15356 - RAPHAEL REIS DE SOUSA (ADVOGADO) REQUERIDO:MUNICIPIO DE
PARAGOMINAS. DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do Código de Processo Civil, faculto
às partes o prazo comum de 10 (dez) dias para que apontem, de maneira clara, objetiva e sucinta, as
questões de fato e de direito que entendam pertinentes ao julgamento da lide. Quanto às questões de fato,
deverão indicar a matéria que consideram incontroversa, bem como aquela que entendem já provada pela
prova trazida, enumerando nos autos os documentos que servem de suporte a cada alegação. Com
2279
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

relação ao restante, remanescendo controvertida, deverão especificar as provas que pretendem produzir,
justificando, objetiva e fundamentadamente, sua relevância e pertinência. O silêncio ou o protesto genérico
por produção de provas serão interpretados como anuência ao julgamento antecipado, indeferindo-se,
ainda, os requerimentos de diligências inúteis ou meramente protelatórias. Quanto às questões de direito,
para que não se alegue prejuízo, deverão, desde logo, manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício
pelo juízo, desde que interessem ao processo. Com relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas
partes, deverão estar de acordo com toda a legislação vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até
o esgotamento pelos litigantes, e cujo desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-
se, ainda, que não serão consideradas relevantes as questões não adequadamente delineadas e
fundamentadas nas peças processuais, além de todos os demais argumentos insubsistentes ou
ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via DJE. Não havendo requerimentos de provas,
manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo
manifestação das partes, voltem-me Conclusos para Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA),
29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00059330620198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO
LUCENA Ação: Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:CONCEICAO PINHEIRO
FILHO Representante(s): OAB 15356 - RAPHAEL REIS DE SOUSA (ADVOGADO)
REQUERIDO:MUNICIPIO DE PARAGOMINAS. DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do
Código de Processo Civil, faculto às partes o prazo comum de 10 (dez) dias para que apontem, de
maneira clara, objetiva e sucinta, as questões de fato e de direito que entendam pertinentes ao julgamento
da lide. Quanto às questões de fato, deverão indicar a matéria que consideram incontroversa, bem como
aquela que entendem já provada pela prova trazida, enumerando nos autos os documentos que servem
de suporte a cada alegação. Com relação ao restante, remanescendo controvertida, deverão especificar
as provas que pretendem produzir, justificando, objetiva e fundamentadamente, sua relevância e
pertinência. O silêncio ou o protesto genérico por produção de provas serão interpretados como anuência
ao julgamento antecipado, indeferindo-se, ainda, os requerimentos de diligências inúteis ou meramente
protelatórias. Quanto às questões de direito, para que não se alegue prejuízo, deverão, desde logo,
manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício pelo juízo, desde que interessem ao processo. Com
relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas partes, deverão estar de acordo com toda a legislação
vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até o esgotamento pelos litigantes, e cujo
desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-se, ainda, que não serão consideradas
relevantes as questões não adequadamente delineadas e fundamentadas nas peças processuais, além de
todos os demais argumentos insubsistentes ou ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via
DJE. Não havendo requerimentos de provas, manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o
Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo manifestação das partes, voltem-me Conclusos para
Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA), 29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ
PROCESSO: 00059348820198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação:
Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:MILENA DA SILVA LIMA Representante(s):
OAB 15356 - RAPHAEL REIS DE SOUSA (ADVOGADO) REQUERIDO:MUNICIPIO DE PARAGOMINAS.
DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do Código de Processo Civil, faculto às partes o prazo
comum de 10 (dez) dias para que apontem, de maneira clara, objetiva e sucinta, as questões de fato e de
direito que entendam pertinentes ao julgamento da lide. Quanto às questões de fato, deverão indicar a
matéria que consideram incontroversa, bem como aquela que entendem já provada pela prova trazida,
enumerando nos autos os documentos que servem de suporte a cada alegação. Com relação ao restante,
remanescendo controvertida, deverão especificar as provas que pretendem produzir, justificando, objetiva
e fundamentadamente, sua relevância e pertinência. O silêncio ou o protesto genérico por produção de
provas serão interpretados como anuência ao julgamento antecipado, indeferindo-se, ainda, os
requerimentos de diligências inúteis ou meramente protelatórias. Quanto às questões de direito, para que
não se alegue prejuízo, deverão, desde logo, manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício pelo
juízo, desde que interessem ao processo. Com relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas partes,
deverão estar de acordo com toda a legislação vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até o
esgotamento pelos litigantes, e cujo desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-
se, ainda, que não serão consideradas relevantes as questões não adequadamente delineadas e
fundamentadas nas peças processuais, além de todos os demais argumentos insubsistentes ou
ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via DJE. Não havendo requerimentos de provas,
manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo
manifestação das partes, voltem-me Conclusos para Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA),
2280
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00060509420198140039


PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO
LUCENA Ação: Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:LOURDES DA SILVA
PINHEIRO Representante(s): OAB 24391 - DEUSDETE ALVES PEREIRA FILHO (ADVOGADO)
REQUERIDO:MUNICIPIO DE PARAGOMINAS REQUERIDO:INSTITUTO DA PREVIDENCIA MUNICIPAL
DE PARAGOMINAS IPMP. DESPACHO: Diante da Certidão de fls. 61 e com fundamento no art. 344 do
CPC, Decreto à Revelia da Requerida, com todos os seus efeitos. Voltem-me Conclusos para Sentença.
Cumpra-se. Paragominas (PA), 30/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito 1 AJ PROCESSO:
00075621520198140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação: Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019
REQUERENTE:JORGE ALBERTO MOREIRA JUNIOR Representante(s): OAB 25983 - HEVYLA MOZER
ANDRADE RABELO (ADVOGADO) REQUERIDO:ANTONIO WILSON PLACIDO PASTANA. DESPACHO:
Ao autor para que se manifeste sobre a petição apresentada pelo DETRAN às fls. 55/63. Cumpra-se.
Paragominas (PA), 29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO:
00082862420168140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação: Execução de Título Extrajudicial em: 30/11/2019
REQUERENTE:COOPERATIVA DE CREDITO DE LIVRE ADMISSAO DE ASSOCIADOS DO NORDESTE
DO PARA - SICREDI NORDESTE PA Representante(s): OAB 19847 - TAYNA SANTIAGO SEZANA
(ADVOGADO) OAB 13311 - EDUARDO ALVES MARCAL (ADVOGADO) OAB 24504-A - DINAINA
SANDES PINHEIRO (ADVOGADO) REQUERIDO:JACICLEIDE DOS REIS LIMA
REQUERIDO:JACICLEIDE DOS REIS LIMA. DESPACHO: Com fundamento no art. 921, §1º do NCPC,
Suspendo a Execução pelo Prazo de 1 Ano. Findo esse Prazo, Certifique a Secretaria se houve
manifestação do Exequente, e, em caso Negativo, volte-me para os fins do §2º do mesmo artigo
(Arquivamento). Determinado o Arquivamento, em conformidade com o §4º do art. 921 do NCPC,
aguarde-se a fruição do Prazo Prescricional. Cumpra-se. Paragominas (PA), 29/11/2019. Fernanda
Azevedo Lucena Juíza de Direito. AJ PROCESSO: 00083018520198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação:
Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:HUMBERTO DOS SANTOS GEMAQUE
Representante(s): OAB 15356 - RAPHAEL REIS DE SOUSA (ADVOGADO) REQUERIDO:MUNICIPIO DE
PARAGOMINAS. DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do Código de Processo Civil, faculto
às partes o prazo comum de 10 (dez) dias para que apontem, de maneira clara, objetiva e sucinta, as
questões de fato e de direito que entendam pertinentes ao julgamento da lide. Quanto às questões de fato,
deverão indicar a matéria que consideram incontroversa, bem como aquela que entendem já provada pela
prova trazida, enumerando nos autos os documentos que servem de suporte a cada alegação. Com
relação ao restante, remanescendo controvertida, deverão especificar as provas que pretendem produzir,
justificando, objetiva e fundamentadamente, sua relevância e pertinência. O silêncio ou o protesto genérico
por produção de provas serão interpretados como anuência ao julgamento antecipado, indeferindo-se,
ainda, os requerimentos de diligências inúteis ou meramente protelatórias. Quanto às questões de direito,
para que não se alegue prejuízo, deverão, desde logo, manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício
pelo juízo, desde que interessem ao processo. Com relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas
partes, deverão estar de acordo com toda a legislação vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até
o esgotamento pelos litigantes, e cujo desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-
se, ainda, que não serão consideradas relevantes as questões não adequadamente delineadas e
fundamentadas nas peças processuais, além de todos os demais argumentos insubsistentes ou
ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via DJE. Não havendo requerimentos de provas,
manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo
manifestação das partes, voltem-me Conclusos para Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA),
29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00083182420198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO
LUCENA Ação: Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:MARIA DE NAZARE
SANTOS DA LUS Representante(s): OAB 15356 - RAPHAEL REIS DE SOUSA (ADVOGADO)
REQUERIDO:MUNICIPIO DE PARAGOMINAS. DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do
Código de Processo Civil, faculto às partes o prazo comum de 10 (dez) dias para que apontem, de
maneira clara, objetiva e sucinta, as questões de fato e de direito que entendam pertinentes ao julgamento
da lide. Quanto às questões de fato, deverão indicar a matéria que consideram incontroversa, bem como
aquela que entendem já provada pela prova trazida, enumerando nos autos os documentos que servem
de suporte a cada alegação. Com relação ao restante, remanescendo controvertida, deverão especificar
as provas que pretendem produzir, justificando, objetiva e fundamentadamente, sua relevância e
2281
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

pertinência. O silêncio ou o protesto genérico por produção de provas serão interpretados como anuência
ao julgamento antecipado, indeferindo-se, ainda, os requerimentos de diligências inúteis ou meramente
protelatórias. Quanto às questões de direito, para que não se alegue prejuízo, deverão, desde logo,
manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício pelo juízo, desde que interessem ao processo. Com
relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas partes, deverão estar de acordo com toda a legislação
vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até o esgotamento pelos litigantes, e cujo
desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-se, ainda, que não serão consideradas
relevantes as questões não adequadamente delineadas e fundamentadas nas peças processuais, além de
todos os demais argumentos insubsistentes ou ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via
DJE. Não havendo requerimentos de provas, manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o
Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo manifestação das partes, voltem-me Conclusos para
Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA), 29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ
PROCESSO: 00083381520198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação:
Procedimento Comum Cível em: 30/11/2019 REQUERENTE:RONILDO WILHAMES GONCALVES DA
CUNHA Representante(s): OAB 15356 - RAPHAEL REIS DE SOUSA (ADVOGADO)
REQUERIDO:MUNICIPIO DE PARAGOMINAS. DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do
Código de Processo Civil, faculto às partes o prazo comum de 10 (dez) dias para que apontem, de
maneira clara, objetiva e sucinta, as questões de fato e de direito que entendam pertinentes ao julgamento
da lide. Quanto às questões de fato, deverão indicar a matéria que consideram incontroversa, bem como
aquela que entendem já provada pela prova trazida, enumerando nos autos os documentos que servem
de suporte a cada alegação. Com relação ao restante, remanescendo controvertida, deverão especificar
as provas que pretendem produzir, justificando, objetiva e fundamentadamente, sua relevância e
pertinência. O silêncio ou o protesto genérico por produção de provas serão interpretados como anuência
ao julgamento antecipado, indeferindo-se, ainda, os requerimentos de diligências inúteis ou meramente
protelatórias. Quanto às questões de direito, para que não se alegue prejuízo, deverão, desde logo,
manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício pelo juízo, desde que interessem ao processo. Com
relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas partes, deverão estar de acordo com toda a legislação
vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até o esgotamento pelos litigantes, e cujo
desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-se, ainda, que não serão consideradas
relevantes as questões não adequadamente delineadas e fundamentadas nas peças processuais, além de
todos os demais argumentos insubsistentes ou ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via
DJE. Não havendo requerimentos de provas, manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o
Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo manifestação das partes, voltem-me Conclusos para
Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA), 29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ
PROCESSO: 00083399720198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação:
Procedimento de Conhecimento em: 30/11/2019 REQUERENTE:IZAIAS DO NASCIMENTO ALMEIDA
Representante(s): OAB 15356 - RAPHAEL REIS DE SOUSA (ADVOGADO) REQUERIDO:MUNICIPIO DE
PARAGOMINAS. DESPACHO: Com fundamento nos arts. 6º e 10º, do Código de Processo Civil, faculto
às partes o prazo comum de 10 (dez) dias para que apontem, de maneira clara, objetiva e sucinta, as
questões de fato e de direito que entendam pertinentes ao julgamento da lide. Quanto às questões de fato,
deverão indicar a matéria que consideram incontroversa, bem como aquela que entendem já provada pela
prova trazida, enumerando nos autos os documentos que servem de suporte a cada alegação. Com
relação ao restante, remanescendo controvertida, deverão especificar as provas que pretendem produzir,
justificando, objetiva e fundamentadamente, sua relevância e pertinência. O silêncio ou o protesto genérico
por produção de provas serão interpretados como anuência ao julgamento antecipado, indeferindo-se,
ainda, os requerimentos de diligências inúteis ou meramente protelatórias. Quanto às questões de direito,
para que não se alegue prejuízo, deverão, desde logo, manifestar-se sobre a matéria cognoscível de ofício
pelo juízo, desde que interessem ao processo. Com relação aos argumentos jurídicos trazidos pelas
partes, deverão estar de acordo com toda a legislação vigente, que, presume-se, tenha sido estudada até
o esgotamento pelos litigantes, e cujo desconhecimento não poderá ser posteriormente alegado. Registre-
se, ainda, que não serão consideradas relevantes as questões não adequadamente delineadas e
fundamentadas nas peças processuais, além de todos os demais argumentos insubsistentes ou
ultrapassados pela jurisprudência reiterada. Intimem-se via DJE. Não havendo requerimentos de provas,
manifestem-se ainda sobre a concordância ou não com o Julgamento Antecipado da Lide. Não havendo
manifestação das partes, voltem-me Conclusos para Sentença. Cumpra-se. Paragominas (PA),
29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00084196120198140039
2282
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO


LUCENA Ação: Ação Civil Pública Cível em: 30/11/2019 AUTOR:O MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO
DO PARA REQUERIDO:KEILANE DE JESUS DELPUPO SPERANDIO. DESPACHO: Defiro o pedido do
MP de fls. 152v. Cite-se no endereço fornecido. Redesigno a audiência para o dia 22/04/2020, às 11:00hs,
devendo a Secretaria providenciar a Citação e as Intimações necessárias. Cumpra-se. Paragominas (PA),
29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00108888520168140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO
LUCENA Ação: Embargos à Execução em: 30/11/2019 EMBARGANTE:EVA DA CONCEICAO SOUZA
Representante(s): OAB 13853 - HESIO MOREIRA FILHO (ADVOGADO) OAB 16777 - BRUNO SOARES
FIGUEIREDO (ADVOGADO) EMBARGADO:BANCO HONDA SA Representante(s): OAB 10219 -
MAURICIO PEREIRA DE LIMA (ADVOGADO) OAB 10422 - HIRAN LEAO DUARTE (ADVOGADO) OAB
10423 - ELIETE SANTANA MATOS (ADVOGADO) . DESPACHO: 1. Considerando que já houve o trânsito
em julgado da sentença e que o valor da condenação é líquido, defiro o pedido de cumprimento de
sentença de honorários advocatícios. 2. Intime-se o executado, na pessoa de seu Advogado, ou a ele
mesmo se não tiver Advogado constituído, conforme art. 513, §2º, Inciso I, (e entendimento
Jurisprudencial do STJ, cujo entendimento Majoritário é de que a Intimação é feita preferencialmente na
pessoa do Advogado) para que efetue o pagamento da condenação no prazo de 15 (quinze) dias,
devendo constar do mandado que caso não o faça voluntariamente o montante da condenação será
acrescido de multa no percentual de 10% (dez por cento), devidos a partir do trânsito em julgado da
sentença (art. 523 e 523 §1º do Novo CPC). 3. Para o caso de pagamento, fixo os honorários de advogado
a serem pagos pelo executado em 10% do valor da causa (art. 523, §1º do Novo CPC), devendo constar
do mandado que caso o débito seja integralmente pago a verba honorária será reduzida pela metade (art.
827, §1º do Novo CPC). 4. Caso não seja pago o débito no prazo assinalado, e considerando que há
requerimento do credor defiro a penhora de bens suficientes para a garantia do Juízo, devendo o credor
ser intimado para que exerça o direito de indicá-lo, no prazo de 48 horas, sob pena de devolução de tal
prerrogativa ao devedor. 5. Do mandado de cumprimento de sentença deverá constar que o devedor
poderá apresentar impugnação no prazo legal. 6. Caso seja requerida a penhora de valor que se encontre
em instituição bancária faça conclusão dos autos para realização da penhora on line. 7. Apresentada
Impugnação ao Cumprimento de Sentença, certifiquem-se a tempestividade e após intimem-se o
exequente para que se manifeste em 15 (quinze) dias. 8. Não sendo encontrado o devedor para ser citado
ou havendo suspeita de que se esconde para não sê-lo, deverá o Sr. Oficial de Justiça proceder ao arresto
de tantos bens quantos bastem para garantir a execução (art. 830, Caput do Novo CPC). 9. Nos 10 (dez)
dias seguintes à efetivação do arresto, o oficial de justiça deverá procurar o devedor duas vezes, em dias
distintos e, havendo suspeita de ocultação, realizará a citação com hora certa, certificando
pormenorizadamente o ocorrido (art. 830, §1º do Novo CPC). Incumbe ao exequente requerer a citação
por edital, uma vez frustradas a pessoal e a com hora certa (art. 830, §2º do Novo CPC). Aperfeiçoada a
citação ou findo o prazo do edital, e transcorrido o prazo de pagamento, o arresto converter-se-á em
penhora, independentemente de termo (art. 830, §3º do Novo CPC). 10. Se o executado, regularmente
citado, não efetuar o pagamento, proceda o Sr. Oficial de Justiça de imediato à penhora de bens e à sua
avaliação, lavrando-se o respectivo auto, devendo a constrição recair preferencialmente sobre os bens
indicados pelo credor na inicial da execução (art. 829, §§ 1º e 2º, do Novo CPC) e incidindo sobre tantos
bens quantos bastem para o pagamento do principal atualizado, juros, custas e honorários advocatícios
(art. 831, do Novo CPC). 11. Cumpra-se. Paragominas(PA), 29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza
de Direito 2 AJ PROCESSO: 00117658820178140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação: Ação Civil
de Improbidade Administrativa em: 30/11/2019 AUTOR:MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO PARA
REQUERIDO:PAULO POMBO TOCANTINS Representante(s): OAB 14972 - TYCIA BICALHO DOS
SANTOS (ADVOGADO) REQUERIDO:MARIA DA ANUNCIACAO ALVES DE SOUZA SARMENTO DE
LIRA Representante(s): OAB 6635 - ARY FREITAS VELOSO (ADVOGADO) REQUERIDO:TESSIO
JORDANE SOUSA LIMA Representante(s): OAB 6635 - ARY FREITAS VELOSO (ADVOGADO)
REQUERIDO:HUMBERTO SOUSA LIMA JUNIOR Representante(s): OAB 6635 - ARY FREITAS VELOSO
(ADVOGADO) PROMOTOR:REGINALDO CESAR LIMA ALVARES. DESPACHO: Designo Audiência de
Instrução prevista no art. 358 do CPC para o dia 12/02/2020, às 10:30hs, devendo a Secretaria
providenciar as intimações necessárias. Anteriormente, o CPC dispunha que o rol de testemunhas deveria
ser apresentado em um prazo fixado pelo juiz. Em casos de omissão, o prazo seria de 10 dias antes da
audiência de instrução e julgamento. Já no novo CPC, esse prazo é comum para ambas as partes, ainda
mediante fixação do juiz, mas não poderá ser superior a 15 dias. Assim, fixo o prazo comum de 15
(quinze) dias para que as partes apresentem rol de testemunhas, conforme reza o art. 357, §4º do CPC.
2283
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Intimem-se as partes e seus Patronos, devendo conter as advertências dos Parágrafos 1º, 2º e 3º do art.
455 do CPC. Cumpra-se. Paragominas (PA), 29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1
AJ PROCESSO: 00127502320188140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação: Execução
de Título Extrajudicial em: 30/11/2019 REQUERENTE:EDCARLOS TORRE MARTINS Representante(s):
OAB 23784-A - GUINTER REINKE (ADVOGADO) REQUERIDO:ALVARO AUGUSTO GONCALVES DA
MOTA FILHO. DESPACHO: Não trazendo nenhuma justificativa para o não pagamento do parcelamento
no prazo assinalado na(s) guia(s), e, vez que a responsabilidade para emissão e pagamento é exclusiva
da parte, e para que não haja prejuízos a parte, Defiro a emissão de nova Guia de Custas, em pagamento
único, ou seja, todas as parcelas remanescentes, com fundamento no art. 7º, §1º da Portaria Conjunta nº
3/2017-GP/VP/CJRMB/CJCI. Prazo de 15 (quinze) dias para vencimento. Intime-se para pagamento,
devendo conter as Advertências do art. 321, §1º do CPC. Em seguida, a UNAJ para que diga se o
processo encontra-se em ordem quanto ao recolhimento das custas. Cumpra-se. Paragominas (PA),
29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucenahomenagens, procedendo-se
CERTI________________________________________________________________________________
______________ Juíza de Direito 1 AJ PROCESSO: 00851149520158140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação: Execução
de Título Judicial em: 30/11/2019 EXEQUENTE:BANCO HONDA SA Representante(s): OAB 10219 -
MAURICIO PEREIRA DE LIMA (ADVOGADO) OAB 10422 - HIRAN LEAO DUARTE (ADVOGADO) OAB
10423 - ELIETE SANTANA MATOS (ADVOGADO) EXECUTADO:EVA DA CONCEICAO SOUZA
Representante(s): OAB 13853 - HESIO MOREIRA FILHO (ADVOGADO) OAB 16777 - BRUNO SOARES
FIGUEIREDO (ADVOGADO) . DESPACHO: 1. Considerando que já houve o trânsito em julgado da
sentença e que o valor da condenação é líquido, defiro o pedido de cumprimento de sentença de
honorários advocatícios. 2. Intime-se o executado, na pessoa de seu Advogado, ou a ele mesmo se não
tiver Advogado constituído, conforme art. 513, §2º, Inciso I, (e entendimento Jurisprudencial do STJ, cujo
entendimento Majoritário é de que a Intimação é feita preferencialmente na pessoa do Advogado) para que
efetue o pagamento da condenação no prazo de 15 (quinze) dias, devendo constar do mandado que caso
não o faça voluntariamente o montante da condenação será acrescido de multa no percentual de 10%
(dez por cento), devidos a partir do trânsito em julgado da sentença (art. 523 e 523 §1º do Novo CPC). 3.
Para o caso de pagamento, fixo os honorários de advogado a serem pagos pelo executado em 10% do
valor da causa (art. 523, §1º do Novo CPC), devendo constar do mandado que caso o débito seja
integralmente pago a verba honorária será reduzida pela metade (art. 827, §1º do Novo CPC). 4. Caso não
seja pago o débito no prazo assinalado, e considerando que há requerimento do credor defiro a penhora
de bens suficientes para a garantia do Juízo, devendo o credor ser intimado para que exerça o direito de
indicá-lo, no prazo de 48 horas, sob pena de devolução de tal prerrogativa ao devedor. 5. Do mandado de
cumprimento de sentença deverá constar que o devedor poderá apresentar impugnação no prazo legal. 6.
Caso seja requerida a penhora de valor que se encontre em instituição bancária faça conclusão dos autos
para realização da penhora on line. 7. Apresentada Impugnação ao Cumprimento de Sentença,
certifiquem-se a tempestividade e após intimem-se o exequente para que se manifeste em 15 (quinze)
dias. 8. Não sendo encontrado o devedor para ser citado ou havendo suspeita de que se esconde para
não sê-lo, deverá o Sr. Oficial de Justiça proceder ao arresto de tantos bens quantos bastem para garantir
a execução (art. 830, Caput do Novo CPC). 9. Nos 10 (dez) dias seguintes à efetivação do arresto, o oficial
de justiça deverá procurar o devedor duas vezes, em dias distintos e, havendo suspeita de ocultação,
realizará a citação com hora certa, certificando pormenorizadamente o ocorrido (art. 830, §1º do Novo
CPC). Incumbe ao exequente requerer a citação por edital, uma vez frustradas a pessoal e a com hora
certa (art. 830, §2º do Novo CPC). Aperfeiçoada a citação ou findo o prazo do edital, e transcorrido o prazo
de pagamento, o arresto converter-se-á em penhora, independentemente de termo (art. 830, §3º do Novo
CPC). 10. Se o executado, regularmente citado, não efetuar o pagamento, proceda o Sr. Oficial de Justiça
de imediato à penhora de bens e à sua avaliação, lavrando-se o respectivo auto, devendo a constrição
recair preferencialmente sobre os bens indicados pelo credor na inicial da execução (art. 829, §§ 1º e 2º,
do Novo CPC) e incidindo sobre tantos bens quantos bastem para o pagamento do principal atualizado,
juros, custas e honorários advocatícios (art. 831, do Novo CPC). 11. Cumpra-se. Paragominas(PA),
29/11/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito 2 AJ PROCESSO: 00038329320198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Alimentos - Lei
Especial Nº 5.478/68 em: REQUERENTE: I. P. A. REPRESENTANTE: V. P. S. Representante(s): OAB
17746-A - REGINA SALLA DALACORT (ADVOGADO) REQUERIDO: E. S. A. Representante(s): OAB
6977 - LUIZ CARLOS DOS ANJOS CEREJA (ADVOGADO) PROCESSO: 00047820520198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Divórcio
2284
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Litigioso em: REQUERENTE: V. F. S. Representante(s): OAB 12925 - ANA LAURA MACEDO SA


(DEFENSOR) REQUERIDO: M. S. O. S. PROCESSO: 00048098520198140039 PROCESSO ANTIGO: ---
- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Divórcio Litigioso em: REQUERENTE:
R. N. G. M. Representante(s): OAB 12925 - ANA LAURA MACEDO SA (DEFENSOR) REQUERIDO: E. S.
T. PROCESSO: 00064986720198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Cumprimento de sentença em:
REQUERENTE: L. S. M. M. Representante(s): OAB 16088-B - URSULA DINI MASCARENHAS
(DEFENSOR) REQUERIDO: A. S. M. Representante(s): OAB 5201 - ELDELY DA SILVA HUBNER
(ADVOGADO) PROCESSO: 00067971520178140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Execução de Título Judicial em:
REQUERENTE: I. L. C. S. REQUERIDO: J. J. C. P. REPRESENTANTE: A. C. S. Representante(s): OAB
12541 - DIOGO MARCELL SILVA NASCIMENTO ELUAN (DEFENSOR) PROCESSO:
00073639020198140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
---- Ação: Divórcio Litigioso em: REQUERENTE: P. R. S. REQUERIDO: O. A. S. PROCESSO:
00094981220188140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
---- Ação: Alimentos - Lei Especial Nº 5.478/68 em: REQUERENTE: N. N. M. REPRESENTANTE: R. N. C.
REQUERIDO: E. M. C. PROCESSO: 00102175720198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Guarda em: REQUERENTE: R. R. V.
Representante(s): OAB 16088-B - URSULA DINI MASCARENHAS (DEFENSOR) MENOR: J. L. M. O.
MENOR: L. R. M. L. MENOR: J. L. M. L. MENOR: J. M. R. M. MENOR: A. L. M. E. MENOR: R. L. R. M.
REQUERIDO: J. L. R. M. REQUERIDO: O. C. O. REQUERIDO: W. D. E. R. PROCESSO:
00133062520188140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
---- Ação: Divórcio Litigioso em: REQUERENTE: C. S. N. REQUERIDO: P. A. N. L.

RESENHA: 04/12/2019 A 04/12/2019 - SECRETARIA DA 1ª VARA CIVEL E EMPRESARIAL DE


PARAGOMINAS - VARA: 1ª VARA CIVEL E EMPRESARIAL DE PARAGOMINAS PROCESSO:
00006357720128140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação: Apelação Cível em: 04/12/2019 REQUERENTE:SAMUEL
MARQUES BRAGA Representante(s): OAB 15811 - DENNIS SILVA CAMPOS (ADVOGADO)
REQUERIDO:ESTADO DO PARA. DESPACHO: Ante a existência de Ações Rescisórias em trâmite, e da
decisão da Tutela Antecipada Suspendendo o processo até decisão final, mantenha-se Suspenso.
Cumpra-se. Paragominas (PA), 04/12/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ
PROCESSO: 00011085820158140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação: Apelação
Cível em: 04/12/2019 REQUERENTE:PEDRO DE OLIVEIRA BORDALO JUNIOR Representante(s): OAB
15811 - DENNIS SILVA CAMPOS (ADVOGADO) REQUERIDO:ESTADO DO PARA. DESPACHO: Ante a
existência de Ações Rescisórias em trâmite, e da decisão da Tutela Antecipada Suspendendo o processo
até decisão final, mantenha-se Suspenso. Cumpra-se. Paragominas (PA), 04/12/2019. Fernanda Azevedo
Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00095437920198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação:
Procedimento Comum Cível em: 04/12/2019 REQUERENTE:MARIA BRANDAO DA SILVA SANTOS
Representante(s): LIANE BENCHIMOL DE MATOS ALBANO (DEFENSOR) INTERESSADO:CONCEICAO
DE MARIA DA SILVA SANTOS REQUERIDO:MUNICIPIO DE PARAGOMINAS. DESPACHO: O despacho
de fls. 30 dirigia-se a DP, mas, por erro de digitação, foi encaminhado ao MP. Assim, cumpra-se o
despacho de fls. 30 encaminhando-se a DP para manifestação. Paragominas (PA), 04/12/2019. Fernanda
Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00129060720118140051 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação: Execução
Contra a Fazenda Pública em: 04/12/2019 REQUERENTE:JOSENIAS COSTA ALMEIDA
Representante(s): OAB 15811 - DENNIS SILVA CAMPOS (ADVOGADO) REQUERIDO:ESTADO DO
PARA. DESPACHO: Ante a existência de Ações Rescisórias em trâmite, e da decisão da Tutela
Antecipada Suspendendo o processo até decisão final, mantenha-se Suspenso. Cumpra-se. Paragominas
(PA), 04/12/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00135974420118140051
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO
LUCENA Ação: Execução Contra a Fazenda Pública em: 04/12/2019 REQUERENTE:GILSON FERREIRA
MARTINS Representante(s): OAB 15811 - DENNIS SILVA CAMPOS (ADVOGADO)
REQUERIDO:ESTADO DO PARA. DESPACHO: Ante a existência de Ações Rescisórias em trâmite, e da
2285
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

decisão da Tutela Antecipada Suspendendo o processo até decisão final, mantenha-se Suspenso.
Cumpra-se. Paragominas (PA), 04/12/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ
PROCESSO: 00136564020118140051 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): FERNANDA AZEVEDO LUCENA Ação: Execução
Contra a Fazenda Pública em: 04/12/2019 REQUERENTE:WALDENIR RIBEIRO SOUZA
Representante(s): OAB 15811 - DENNIS SILVA CAMPOS (ADVOGADO) REQUERIDO:ESTADO DO
PARA. DESPACHO: Ante a existência de Ações Rescisórias em trâmite, e da decisão da Tutela
Antecipada Suspendendo o processo até decisão final, mantenha-se Suspenso. Cumpra-se. Paragominas
(PA), 04/12/2019. Fernanda Azevedo Lucena Juíza de Direito. 1 AJ PROCESSO: 00002667320188140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Guarda em:
REQUERENTE: M. A. S. S. Representante(s): OAB 16088-B - URSULA DINI MASCARENHAS
(DEFENSOR) MENOR: D. S. A. MENOR: E. S. A. REQUERIDO: C. B. A. PROCESSO:
00016925720088140039 PROCESSO ANTIGO: 200810009496
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Alimentos - Lei Especial Nº 5.478/68 em:
REP LEGAL: K. O. S. REP LEGAL: F. M. C. S. REQUERENTE: L. A. O. B. REQUERIDO: A. S. B.
PROCESSO: 00039480220198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Execução de Alimentos Infância e
Juventude em: REQUERENTE: L. F. C. S. REPRESENTANTE: R. N. C. S. Representante(s): OAB 13466
- LUCIANA TARCILA VIEIRA GUEDES (DEFENSOR) REQUERIDO: J. F. S. N. PROCESSO:
00066597720198140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
---- Ação: Execução de Alimentos Infância e Juventude em: REQUERENTE: H. V. L. R.
REPRESENTANTE: H. K. L. B. Representante(s): OAB 16088-B - URSULA DINI MASCARENHAS
(DEFENSOR) REQUERIDO: G. R. B. PROCESSO: 00071831120188140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Procedimento Comum Cível em:
REQUERENTE: I. P. L. Representante(s): OAB 12541 - DIOGO MARCELL SILVA NASCIMENTO ELUAN
(DEFENSOR) REQUERIDO: S. A. S. PROCESSO: 00121945520178140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Cumprimento de sentença em:
REQUERENTE: D. J. G. S. Representante(s): OAB 12399 - MAXIELY SCARAMUSSA BERGAMIN
(ADVOGADO) OAB 25895 - LAIS MOREIRA DE OLIVEIRA (ADVOGADO) REQUERIDO: P. L. S.
Representante(s): OAB 18307 - CARLOS FELIPE ALVES GUIMARAES (ADVOGADO) PROCESSO:
00147924520188140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
---- Ação: Alimentos - Lei Especial Nº 5.478/68 em: REQUERENTE: D. M. S. Representante(s): OAB
18671 - MAIRA THERESA GOYARA AMORIM MOMONUKI (ADVOGADO) OAB 29168-A - GIULIANA
MOTTA VAN TOL (ADVOGADO) REQUERIDO: J. C. F. S. Representante(s): OAB 5201 - ELDELY DA
SILVA HUBNER (ADVOGADO)

RESENHA: 06/12/2019 A 06/12/2019 - SECRETARIA DA 1ª VARA CIVEL E EMPRESARIAL DE


PARAGOMINAS - VARA: 1ª VARA CIVEL E EMPRESARIAL DE PARAGOMINAS PROCESSO:
00000784720028140039 PROCESSO ANTIGO: 200010000611
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Ação:
Execução de Título Extrajudicial em: 06/12/2019 AUTOR:BANCO DO ESTADO DO PARA SA
Representante(s): OAB 10270 - LETICIA DAVID THOME (ADVOGADO) OAB 8988 - ANA CRISTINA
SILVA PEREIRA (ADVOGADO) ADVOGADO:PAULO GIROUX REU:ALBERTO CUNHA SANTOS
REU:ELADIO FREIRE BATISTA. ESTADO DO PARÁ - PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE
PARAGOMINAS ATO ORDINATÓRIO Nos termos do art. 93 XIV da CF/88 e cumprindo o disposto no
Provimento nº 006/2009-CJCI c/c o art. 1º, § 2º, XI, do Provimento 006/2006-CJRMB/TJEPA, INTIME-SE a
parte REQUERENTE para o pagamento das CUSTAS FINAIS no prazo de 15 (QUINZE) DIAS, sob pena
de Inscrição na Dívida Ativa do Estado. Paragominas (PA), 06/12/2019. MAGDA ROSANNE LEITE DE
LACERDA Diretora de Secretaria da 1ª Vara da Comarca de Paragominas/PA, em exercício PROCESSO:
00001443120168140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Ação: Cumprimento de sentença em: 06/12/2019
REQUERENTE:REGINA LUCIA BARBOSA DE SOUSA Representante(s): OAB 5201 - ELDELY DA SILVA
HUBNER (ADVOGADO) OAB 21888 - BARBARA DA SILVA RONI LEAL (ADVOGADO)
REQUERIDO:BANCO BRADESCO SA Representante(s): OAB 15733-A - JOSE EDGARD DA CUNHA
BUENO FILHO (ADVOGADO) OAB 12008 - MAURA POLIANA SILVA RIBEIRO (ADVOGADO) OAB
19177-A - REINALDO LUIS TADEU RONDINA MANDALITI (ADVOGADO) . ESTADO DO PARÁ - PODER
2286
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

JUDICIÁRIO COMARCA DE PARAGOMINAS ATO ORDINATÓRIO De ordem da MMª Juíza de Direito da


1ª Vara Cível, Drª Fernanda Azevedo Lucena, INTIME-SE o Executado, para no prazo 05 (cinco) dias
informar o DÍGITO DA AGÊNCIA para fins de emissão do Alvará Judicial, tendo em vista ser um campo
obrigatório no Sistema. Paragominas (PA), 06/12/2019. MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Analista
Judiciário da 1ª Vara Cível da Comarca de Paragominas/PA PROCESSO: 00007538220148140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): MAGDA ROSANNE
LEITE DE LACERDA Ação: Execução de Título Extrajudicial em: 06/12/2019 REQUERIDO:TRATORMIL
PEÇAS E SERVIÇOS LTDA ME REQUERIDO:MILTON CESAR BORTOLETO
REQUERENTE:COOPERATIVA DE CREDITO DE LIVRE ADMISSAO DE ASSOCIADOS DO NORDESTE
DO PARA SICREDI NORDESTE PA Representante(s): OAB 17409 - ANDREZA REGO BARBOSA
(ADVOGADO) OAB 13311 - EDUARDO ALVES MARCAL (ADVOGADO) OAB 24504-A - DINAINA
SANDES PINHEIRO (ADVOGADO) . ESTADO DO PARÁ - PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE
PARAGOMINAS ATO ORDINATÓRIO Nos termos do art. 93 XIV da CF/88 e cumprindo o disposto no
Provimento nº 006/2009-CJCI c/c o art. 1º, § 2º, XI, do Provimento 006/2006-CJRMB/TJEPA, INTIME-SE a
parte AUTORA para o pagamento das CUSTAS INTERMEDIÁRIAS NO PRAZO DE 30 (TRINTA) DIAS
referentes à(s) diligência(s) anteriormente deferida(s), ficando a realização do ato sobrestada até o ulterior
pagamento. Ressalta-se que caso não haja o recolhimento, os autos serão extintos por falta de interesse
no prosseguimento do feito com arrimo no art. 485, III, do CPC. Paragominas (PA), 06/12/2019. MAGDA
ROSANNE LEITE DE LACERDA Diretora de Secretaria da 1ª Vara da Comarca de Paragominas/PA, em
exercício PROCESSO: 00009679720198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Ação:
Execução de Título Extrajudicial em: 06/12/2019 REQUERENTE:BANCO BRADESCO SA
Representante(s): OAB 20455-A - MAURO PAULO GALERA MARY (ADVOGADO)
REQUERIDO:DISTRIBUIDORA E TRANSPORTADORA BOM PRECO LTDA REQUERIDO:BLENDA
MARQUES DE LIMA CABRAL. ESTADO DO PARÁ - PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE
PARAGOMINAS ATO ORDINATÓRIO Nos termos do art. 93 XIV da CF/88 e cumprindo o disposto no
Provimento nº 006/2009-CJCI c/c o art. 1º, § 2º, XI, do Provimento 006/2006-CJRMB/TJEPA, INTIME-SE a
parte AUTORA para o pagamento das CUSTAS INTERMEDIÁRIAS NO PRAZO DE 30 (TRINTA) DIAS
referentes à(s) diligência(s) anteriormente deferida(s), ficando a realização do ato sobrestada até o ulterior
pagamento. Ressalta-se que caso não haja o recolhimento, os autos serão extintos por falta de interesse
no prosseguimento do feito com arrimo no art. 485, III, do CPC. Paragominas (PA), 06/12/2019. MAGDA
ROSANNE LEITE DE LACERDA Diretora de Secretaria da 1ª Vara da Comarca de Paragominas/PA, em
exercício PROCESSO: 00010912720128140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Ação:
Execução de Título Extrajudicial em: 06/12/2019 EXEQUENTE:HSBC BANK BRASIL SA BANCO
MULTIPLO Representante(s): OAB 16.814-A - MAURICIO COIMBRA GUILHERME FERREIRA
(ADVOGADO) OAB 6686 - CARLA SIQUEIRA BARBOSA (ADVOGADO) OAB 20638-A - ANTONIO BRAZ
DA SILVA (ADVOGADO) EXECUTADO:MARCOS ROBERTO RAUBER. ESTADO DO PARÁ - PODER
JUDICIÁRIO COMARCA DE PARAGOMINAS ATO ORDINATÓRIO Nos termos do art. 93 XIV da CF/88 e
cumprindo o disposto no Provimento nº 006/2009-CJCI c/c o art. 1º, § 2º, XI, do Provimento 006/2006-
CJRMB/TJEPA, INTIME-SE a parte REQUERENTE para o pagamento das CUSTAS FINAIS no prazo de
15 (QUINZE) DIAS, sob pena de Inscrição na Dívida Ativa do Estado. Paragominas (PA), 06/12/2019.
MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Diretora de Secretaria da 1ª Vara da Comarca de
Paragominas/PA, em exercício PROCESSO: 00013058620058140039 PROCESSO ANTIGO:
200510011702 MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): MAGDA ROSANNE LEITE DE
LACERDA Ação: Execução de Título Judicial em: 06/12/2019 EXEQUENTE:FAZENDA PUBLICA
ESTADUAL ADVOGADO:TATIANA SELIGMANN LEDO EXECUTADO:TRIUNFO IND. E COM. DE
PRODUTOS ALIMENTICIOS LTDA EPP. ESTADO DO PARÁ - PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE
PARAGOMINAS ATO ORDINATÓRIO Nos termos do art. 93 XIV da CF/88 e cumprindo o disposto no
Provimento nº 006/2009-CJCI c/c o art. 1º, § 2º, XI, do Provimento 006/2006-CJRMB/TJEPA, INTIME-SE o
EXECUTADO para o pagamento das CUSTAS FINAIS no prazo de 15 (QUINZE) DIAS, sob pena de
Inscrição na Dívida Ativa do Estado. Paragominas (PA), 06/12/2019. MAGDA ROSANNE LEITE DE
LACERDA Diretora de Secretaria da 1ª Vara da Comarca de Paragominas/PA, em exercício PROCESSO:
00014733520018140039 PROCESSO ANTIGO: 200010000442
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Ação:
Execução de Título Extrajudicial em: 06/12/2019 REPRESENTANTE:SERGIO CARDOSO BASTOS
REU:VALDOMIR CIPRANDI Representante(s): OAB 20920-A - SILVINO ALMEIDA DE SOUSA
(ADVOGADO) REQUERENTE:BANCO DO BRASIL SA Representante(s): OAB 15.021-A - NELSON
2287
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

WILIANS FRATONI RODRIGUES (ADVOGADO) OAB 16637-A - RAFAEL SGANZERLA DURAND


(ADVOGADO) . ESTADO DO PARÁ - PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE PARAGOMINAS ATO
ORDINATÓRIO Nos termos do art. 93 XIV da CF/88 e cumprindo o disposto nos Provimentos nº
006/2009-CJCI e nº 006/2006-CJRMB/TJEPA, INTIME-SE a parte REQUERIDA para o pagamento das
CUSTAS FINAIS no prazo de 15 (QUINZE) DIAS, sob pena de Inscrição na Dívida Ativa do Estado. Após,
o devido pagamento, conclusos para a Sentença. Paragominas (PA), 06/12/2019. MAGDA ROSANNE
LEITE DE LACERDA Diretora de Secretaria da 1ª Vara da Comarca de Paragominas/PA, em exercício
PROCESSO: 00018499020108140039 PROCESSO ANTIGO: 201010011801
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Ação:
Execução de Título Judicial em: 06/12/2019 REQUERIDO:ROSA MADEIREIRA LTDA Representante(s):
FABIANO VIEIRA GONCALVES (ADVOGADO) REQUERENTE:EDINAIR SILVA ANET DE ARAUJO
Representante(s): OAB 5201 - ELDELY DA SILVA HUBNER (ADVOGADO) . ESTADO DO PARÁ -
PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE PARAGOMINAS ATO ORDINATÓRIO Nos termos do art. 93 XIV da
CF/88 e cumprindo o disposto no Provimento nº 006/2009-CJCI c/c o art. 1º, § 2º, XI, do Provimento
006/2006-CJRMB/TJEPA, INTIME-SE a parte AUTORA para o pagamento das CUSTAS
INTERMEDIÁRIAS NO PRAZO DE 30 (TRINTA) DIAS referentes à(s) diligência(s) anteriormente
deferida(s), ficando a realização do ato sobrestada até o ulterior pagamento. Ressalta-se que caso não
haja o recolhimento, os autos serão extintos por falta de interesse no prosseguimento do feito com arrimo
no art. 485, III, do CPC. Paragominas (PA), 06/12/2019. MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Diretora
de Secretaria da 1ª Vara da Comarca de Paragominas/PA, em exercício PROCESSO:
00029651320138140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Ação: Execução de Título Judicial em: 06/12/2019
REQUERENTE:G E FOMENTO MERCANTIL LTDA Representante(s): OAB 17022 - ROVICTO
MOSCHEH COVRE (ADVOGADO) OAB 17028 - THIAGO BATISTA GERHARDT (ADVOGADO) OAB
18396 - LARISSA DOS SANTOS FERREIRA (ADVOGADO) OAB 22096 - NATHALY DA SILVA CORREA
(ADVOGADO) OAB 24668 - ANTONIO RAFAEL CALDAS PENA (ADVOGADO) REQUERENTE:EDSON
PEZZIN REQUERIDO:MÁRCIA XAVIER DOS REIS. ESTADO DO PARÁ - PODER JUDICIÁRIO
COMARCA DE PARAGOMINAS ATO ORDINATÓRIO Nos termos do art. 93 XIV da CF/88 e cumprindo o
disposto no Provimento nº 006/2009-CJCI c/c o art. 1º, § 2º, XI, do Provimento 006/2006-CJRMB/TJEPA,
INTIME-SE a parte AUTORA para o pagamento das CUSTAS INTERMEDIÁRIAS NO PRAZO DE 30
(TRINTA) DIAS referentes à(s) diligência(s) anteriormente deferida(s), ficando a realização do ato
sobrestada até o ulterior pagamento. Ressalta-se que caso não haja o recolhimento, os autos serão
extintos por falta de interesse no prosseguimento do feito com arrimo no art. 485, III, do CPC.
Paragominas (PA), 06/12/2019. MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Diretora de Secretaria da 1ª
Vara da Comarca de Paragominas/PA, em exercício PROCESSO: 00030547020128140039 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): MAGDA ROSANNE LEITE DE
LACERDA Ação: Monitória em: 06/12/2019 REQUERENTE:HSBC BANK BRASIL SA BANCO MULTIPLO
Representante(s): OAB 16.814-A - MAURICIO COIMBRA GUILHERME FERREIRA (ADVOGADO) OAB
19791-A - SIMONE APARECIDA SARAIVA LIMA (ADVOGADO) REQUERIDO:FRANCISCO CARLOS DE
SOUSA CALACA. ESTADO DO PARÁ - PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE PARAGOMINAS ATO
ORDINATÓRIO Nos termos do art. 93 XIV da CF/88 e cumprindo o disposto no Provimento nº 006/2009-
CJCI c/c o art. 1º, § 2º, XI, do Provimento 006/2006-CJRMB/TJEPA, INTIME-SE a parte REQUERENTE
para o pagamento das CUSTAS FINAIS no prazo de 15 (QUINZE) DIAS, sob pena de Inscrição na Dívida
Ativa do Estado. Paragominas (PA), 06/12/2019. MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Diretora de
Secretaria da 1ª Vara da Comarca de Paragominas/PA, em exercício PROCESSO:
00044097120198140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Ação: Busca e Apreensão em Alienação Fiduciária em:
06/12/2019 REQUERENTE:TRADICAO ADMINISTRADORA DE CONSORCIO LTDA Representante(s):
OAB 27477-A - BRUNO HENRIQUE DE OLIVEIRA VANDERLEI (ADVOGADO) REQUERIDO:MARIA
DAS GRACAS PEREIRA DA SILVA. ESTADO DO PARÁ - PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE
PARAGOMINAS ATO ORDINATÓRIO Nos termos do art. 93 XIV da CF/88 e cumprindo o disposto no
Provimento nº 006/2009-CJCI c/c o art. 1º, § 2º, XI, do Provimento 006/2006-CJRMB/TJEPA, INTIME-SE a
parte AUTORA para o pagamento das CUSTAS INTERMEDIÁRIAS NO PRAZO DE 30 (TRINTA) DIAS
referentes à(s) diligência(s) anteriormente deferida(s), ficando a realização do ato sobrestada até o ulterior
pagamento. Ressalta-se que caso não haja o recolhimento, os autos serão extintos por falta de interesse
no prosseguimento do feito com arrimo no art. 485, III, do CPC. Paragominas (PA), 06/12/2019. MAGDA
ROSANNE LEITE DE LACERDA Diretora de Secretaria da 1ª Vara da Comarca de Paragominas/PA, em
exercício PROCESSO: 00070169120188140039 PROCESSO ANTIGO: ----
2288
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Ação:


Execução Fiscal em: 06/12/2019 EXEQUENTE:ESTADO DO PARA FAZENDA PUBLICA ESTADUAL
Representante(s): OAB 14075 - JAIR SA MAROCCO (PROCURADOR(A)) EXECUTADO:ITAIPU NORTE
COMERCIO DE MAQUINAS E VEICULOS LTDA Representante(s): OAB 23655 - CAMILA DO AMARAL
DINIZ (ADVOGADO) OAB 60.703 - ROBSON LUIZ FERREIRA (ADVOGADO) OAB 184.142 - CAMILA DE
ARAUJO LAMOGLIA (ADVOGADO) . ESTADO DO PARÁ - PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE
PARAGOMINAS ATO ORDINATÓRIO Nos termos do art. 93 XIV da CF/88 e cumprindo o disposto no
Provimento nº 006/2009-CJCI c/c o art. 1º, § 2º, XI, do Provimento 006/2006-CJRMB/TJEPA, INTIME-SE o
EXECUTADO para o pagamento das CUSTAS FINAIS no prazo de 15 (QUINZE) DIAS, sob pena de
Inscrição na Dívida Ativa do Estado. Paragominas (PA), 06/12/2019. MAGDA ROSANNE LEITE DE
LACERDA Diretora de Secretaria da 1ª Vara da Comarca de Paragominas/PA, em exercício PROCESSO:
00070287620168140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Ação: Execução de Título Judicial em: 06/12/2019
REQUERENTE:BANCO DO BRASIL Representante(s): OAB 17066 - LUISE NUNES DE MELO
(ADVOGADO) OAB 44698 - SERVIO TULIO DE BARCELOS (ADVOGADO) REQUERIDO:FENORTE
FERRAGENS DO NORTE LTDA EPP Representante(s): OAB 8033 - FABIANO VIEIRA GONCALVES
(ADVOGADO) REQUERIDO:MAURIVANY DOS SANTOS SANTOS REQUERIDO:ALMIR SEBASTIAO
BALLA. ESTADO DO PARÁ - PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE PARAGOMINAS ATO ORDINATÓRIO
Nos termos do art. 93 XIV da CF/88 e cumprindo o disposto no Provimento nº 006/2009-CJCI c/c o art. 1º,
§ 2º, XI, do Provimento 006/2006-CJRMB/TJEPA, INTIME-SE a parte AUTORA para o pagamento das
CUSTAS INTERMEDIÁRIAS NO PRAZO DE 30 (TRINTA) DIAS referentes à(s) diligência(s) anteriormente
deferida(s), ficando a realização do ato sobrestada até o ulterior pagamento. Ressalta-se que caso não
haja o recolhimento, os autos serão extintos por falta de interesse no prosseguimento do feito com arrimo
no art. 485, III, do CPC. Paragominas (PA), 06/12/2019. MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Diretora
de Secretaria da 1ª Vara da Comarca de Paragominas/PA, em exercício PROCESSO:
00079069320198140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Ação: Busca e Apreensão em Alienação Fiduciária em:
06/12/2019 REQUERENTE:BANCO BRADESCO S/A Representante(s): OAB 20455-A - MAURO PAULO
GALERA MARY (ADVOGADO) REQUERIDO:MAURICIO RODRIGUES DA SILVA. ESTADO DO PARÁ -
PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE PARAGOMINAS ATO ORDINATÓRIO Nos termos do art. 93 XIV da
CF/88 e cumprindo o disposto no Provimento nº 006/2009-CJCI c/c o art. 1º, § 2º, XI, do Provimento
006/2006-CJRMB/TJEPA, considerando que a parte procedeu ao recolhimento de custas on-line, remeto
os autos à UNAJ para verificar se as custas estão corretas. Paragominas (PA), 06/12/2019. MAGDA
ROSANNE LEITE DE LACERDA Diretora de Secretaria da 1ª Vara da Comarca de Paragominas, em
exercício PROCESSO: 00126007620178140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Ação:
Execução de Título Judicial em: 06/12/2019 REQUERENTE:MAVENKO REPRESENTACOES LTDA
Representante(s): OAB 23784-A - GUINTER REINKE (ADVOGADO) REQUERIDO:ARTHUR EROVILDES
DA SILVA LOBATO. ESTADO DO PARÁ - PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE PARAGOMINAS ATO
ORDINATÓRIO Nos termos do art. 93 XIV da CF/88 e cumprindo o disposto no Provimento nº 006/2009-
CJCI c/c o art. 1º, § 2º, XI, do Provimento 006/2006-CJRMB/TJEPA, INTIME-SE a parte AUTORA para o
pagamento das CUSTAS INTERMEDIÁRIAS NO PRAZO DE 30 (TRINTA) DIAS referentes à(s)
diligência(s) anteriormente deferida(s), ficando a realização do ato sobrestada até o ulterior pagamento.
Ressalta-se que caso não haja o recolhimento, os autos serão extintos por falta de interesse no
prosseguimento do feito com arrimo no art. 485, III, do CPC. Paragominas (PA), 06/12/2019. MAGDA
ROSANNE LEITE DE LACERDA Diretora de Secretaria da 1ª Vara da Comarca de Paragominas/PA, em
exercício PROCESSO: 01021505320158140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Ação:
Execução de Título Judicial em: 06/12/2019 REQUERENTE:BANCO DO BRASIL SA Representante(s):
OAB 267026 - MARCEL VAJSENBEK (ADVOGADO) OAB 21078-A - JOSE ARNALDO JANSSEN
NOGUEIRA (ADVOGADO) OAB 44698 - SERVIO TULIO DE BARCELOS (ADVOGADO)
REQUERIDO:GRANJA FRIGOAVES LTDA ME REQUERIDO:ELOIZA ELANE GOMES ALVES
REQUERIDO:VINICIUS PATEZ ALVES. ESTADO DO PARÁ - PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE
PARAGOMINAS ATO ORDINATÓRIO Nos termos do art. 93 XIV da CF/88 e cumprindo o disposto no
Provimento nº 006/2009-CJCI c/c o art. 1º, § 2º, XI, do Provimento 006/2006-CJRMB/TJEPA, INTIME-SE a
parte AUTORA para o pagamento das CUSTAS INTERMEDIÁRIAS NO PRAZO DE 30 (TRINTA) DIAS
referentes à(s) diligência(s) anteriormente deferida(s), ficando a realização do ato sobrestada até o ulterior
pagamento. Ressalta-se que caso não haja o recolhimento, os autos serão extintos por falta de interesse
2289
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

no prosseguimento do feito com arrimo no art. 485, III, do CPC. Paragominas (PA), 06/12/2019. MAGDA
ROSANNE LEITE DE LACERDA Diretora de Secretaria da 1ª Vara da Comarca de Paragominas/PA, em
exercício PROCESSO: 01161185320158140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Ação:
Execução de Título Judicial em: 06/12/2019 REQUERENTE:ATACADÃO SÃO JOÃO LTDA
REQUERENTE:HASSAN YUSUF Representante(s): OAB 15201 - JACK ADIB AL HADDAD (ADVOGADO)
REQUERIDO:DISTRIBUIDORA J E LTDA EPP REQUERIDO:JOAQUIM DE OLINDA CARVALHO
JUNIOR REQUERIDO:MARIA SHEILA MACHADO DE SOUSA. ESTADO DO PARÁ - PODER
JUDICIÁRIO COMARCA DE PARAGOMINAS ATO ORDINATÓRIO Nos termos do art. 93 XIV da CF/88 e
cumprindo o disposto no Provimento nº 006/2009-CJCI c/c o art. 1º, § 2º, XI, do Provimento 006/2006-
CJRMB/TJEPA, INTIME-SE a parte AUTORA para o pagamento das CUSTAS INTERMEDIÁRIAS NO
PRAZO DE 30 (TRINTA) DIAS referentes à(s) diligência(s) anteriormente deferida(s), ficando a realização
do ato sobrestada até o ulterior pagamento. Ressalta-se que caso não haja o recolhimento, os autos serão
extintos por falta de interesse no prosseguimento do feito com arrimo no art. 485, III, do CPC.
Paragominas (PA), 06/12/2019. MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Diretora de Secretaria da 1ª
Vara da Comarca de Paragominas/PA, em exercício

RESENHA: 09/12/2019 A 09/12/2019 - SECRETARIA DA 1ª VARA CIVEL E EMPRESARIAL DE


PARAGOMINAS - VARA: 1ª VARA CIVEL E EMPRESARIAL DE PARAGOMINAS PROCESSO:
00064458620198140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Ação: Embargos à Execução em: 09/12/2019
EMBARGANTE:GIRLENE DEPRA TIUSSI Representante(s): LIANE BENCHIMOL DE MATOS ALBANO
(DEFENSOR) EMBARGANTE:MARCOS ALBERTO TIUSSI Representante(s): LIANE BENCHIMOL DE
MATOS ALBANO (DEFENSOR) EMBARGADO:BANCO DO BRASIL Representante(s): OAB 15201-A -
NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES (ADVOGADO) . ESTADO DO PARÁ - PODER JUDICIÁRIO
COMARCA DE PARAGOMINAS SECRETARIA DA 1ª VARA CÍVEL DESIGNAÇÃO DE AUDIÊNCIA De
ordem da MMª Juíza de Direito Titular da 1ª Vara Cível, Dra. FERNANDA AZEVEDO LUCENA, DESIGNO
a AUDIÊNCIA, para o dia 07/04/2020, às 09:30h, na sala de audiências da 1ª Vara Cível e Empresarial de
Paragominas, no Fórum Dr. Célio de Rezende e Miranda, R. Ilhéus, s/n " B: Industrial, Paragominas/PA.
Intime-se. Paragominas/PA, 09/12/2019. MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Diretora de Secretaria
da 1ª Vara Cível de Paragominas, em exercício

RESENHA: 09/12/2019 A 09/12/2019 - SECRETARIA DA 1ª VARA CIVEL E EMPRESARIAL DE


PARAGOMINAS - VARA: 1ª VARA CIVEL E EMPRESARIAL DE PARAGOMINAS PROCESSO:
00064458620198140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
MAGDA ROSANNE LEITE DE LACERDA Ação: Embargos à Execução em: 09/12/2019
EMBARGANTE:GIRLENE DEPRA TIUSSI Representante(s): LIANE BENCHIMOL DE MATOS ALBANO
(DEFENSOR) EMBARGANTE:MARCOS ALBERTO TIUSSI Representante(s): LIANE BENCHIMOL DE
MATOS ALBANO (DEFENSOR) EMBARGADO:BANCO DO BRASIL Representante(s): OAB 15201-A -
NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES (ADVOGADO) . ESTADO DO PARÁ - PODER JUDICIÁRIO
COMARCA DE PARAGOMINAS EDITAL DE INTIMAÇÃO COM O PRAZO DE 30 DIAS Nos termos do art.
93, XIV da CF/88, e, em cumprimento à Portaria n° 2/2007-GJ, que segue determinação do Provimento
006/2006-CJRMB. FAZ SABER a quantos o presente Edital virem ou dele conhecimento tiverem, que tem
curso por este Juízo e Secretaria da 1ª Vara, uma Ação de Embargos à Execução, Processo n.º 0006445-
86.2019.814.0039, movida por GIRLENE DEPRA TIUSSI E MARCOS ALBERTO TIUSSI em face de
BANCO DO BRASIL, encontrando-se os embargantes GIRLENE DEPRA TIUSSI E MARCOS ALBERTO
TIUSSI, em local incerto e não sabido, ficam por este edital devidamente INTIMADOS para comparacer à
AUDIÊNCIA DE CONCILIAÇÃO DESIGNADA para o dia 07/04/2020 às 09:30h, no Fórum Célio Miranda,
sito à Rua Ilhéus, s/n, Módulo II, Paragominas/PA. E, para que chegue ao conhecimento dos interessados
e não possam de futuro alegar ignorância, expedi o presente e outros iguais que serão publicados e
afixados na forma da Lei. Dado e passado nesta cidade e Comarca de Paragominas, aos 09 (nove) dias
do mês de dezembro do ano 2019. Eu, _____ (Luciane Dias Oliveira da Costa), Auxiliar Judiciário, o
digitei. CERTIFICO QUE, NA DATA DE ___/12/2019, AFIXEI NO QUADRO DE AVISOS NO ÁTRIO DO
FÓRUM LOCAL O PRESENTE EDITAL. __________________________________ MAGDA ROSANNE
2290
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

LEITE DE LACERDA Diretora de Secretaria da 1ª Vara da Comarca de Paragominas/PA, em exercício

Número do processo: 0800900-02.2019.8.14.0039 Participação: AUTOR Nome: FAUSTO MONTEIRO


GOMES Participação: ADVOGADO Nome: RANIELE XAVIER DE JESUS SILVA OAB: 26739/PA
Participação: RÉU Nome: BELCHIOR PEREIRA DE SOUZA Participação: RÉU Nome: NICANOR GOMES
DA SILVA Participação: RÉU Nome: JUCEPA - Junta Comercial do Estado do ParáPODER JUDICIÁRIO
DO ESTADO DO PARÁCOMARCA DE PARAGOMINAS1ª VARA CÍVEL E EMPRESARIAL DE
PARAGOMINAS Ação Declaratória cumulada com indenização por danos moraisAutor: FAUSTO
MONTEIRO GOME:Rua: Tapajós, Vila Box, Bairro Jaderlandia, CEP: 68627-513, Cidade deParagominas,
Estado do Pará1º Réu: BELCHIOR PEREIRA DE SOUSA:Rua: Bernardo Saião, nº 78
Centro,Paragominas/PA. CEP: 68625-150;2º Réu: NICANOR GOMES DA SILVA:Cidade de SãoJoão de
Pirabas;3º Réu: JUNTA COMECIAL DO ESTADO DO PARÁ - JUCEPA,:Av. Magalhães Barata, nº1.234,
Ed. Princesa Isabel, Rua São Brás, CEP: 66060-281, Belém ? PA. Decisão
Interlocutória/Ofício/Mandado/Carta Trata-se de pedido de tutela provisória de urgência formulado por
FAUSTO MONTEIRO GOMES em face de BELCHIOR PEREIRA DE SOUSA e outros, no qual alega que
é pessoa idosa, de baixa renda e que nunca participou de qualquer sociedade empresaria, porém, ao
pleitear benefício assistencial perante o INSS teve seu pedido negado, sob a justificativa de que fazia
parte de sociedade empresária SGS ? Construções e Serviços Ltda. Aduz que se trata de fraude e que
isso está acarretando sérios prejuízos ao autor que não pode receber o benefício assistencial.
Sustentando a presença dos requisitos da tutela provisória de urgência, requer que seja excluído do
quadro societário.DECIDO.O deferimento da tutela provisória de urgência, requer a presença dos
requisitos previstos no art. 300 do CPC.Compulsando-se os autos, verifica-se que há documentos que se
constituem elementos que comprovam a probabilidade do direito alegado. Ademais, as regras da
experiência ordinária demonstram que é comum o tipo de fraude relatada nos autos. O nome do autor, que
é pessoa idosa e de baixa renda, sendo usado para fins ilícitos.Indubitável a existência de dano de difícil
reparação se o nome do autor permanecer no ato constitutivo da sociedade empresária. A restrição
indevida do crédito do autor em razão do inadimplemento contratual que acompanha este tipo de fraude,
tanto em relação aos credores particulares quanto à Fazenda Pública, bem como o fato de estar
impossibilitado de obter benefício assistencial junto à autarquia previdenciária que venha prover seu
sustento, e até mesmo em relação à preservação da boa-fé de terceiros, impõe-se a intervenção judicial
no caso com o deferimento da tutela antecipada.Diante do exposto, presentes os requisitos do art. 300 do
CPC e com fulcro no art. 40, § 1º, do Decreto 1.800/96, defiro a antecipação da tutela para que sejam
sustados os efeitos do ato de constituição da sociedade empresária no que se refere ao autor até decisão
final deste juízo, devendo a terceira ré JUCEPA ser intimada para providenciar o cumprimento da presente
decisão no prazo de 10 dias, comunicando ao juízo, sob pena de multa diária de R$ 1.000,00 (um mil
reais), limitada a R$ 30.000,00 (trinta mil).Outrossim, considerando o litisconsório passivo necessário da
sociedade empresária, SGS ? Construções e Serviços Ltda, providencie o autor sua inclusão no polo
passivo da demanda, sob pena de extinção e revogação da tutela provisória ora deferida. .Intimem-se.
Após a emenda à inicial, venham conclusos.Servirá cópia desta decisão como mandado/ofício/carta.
Paragominas/PA, 12 de novembro de 2019. FERNANDA AZEVEDO LUCENAJuíza de Direito

PROCESSO: 00030482420168140039 PROCESSO ANTIGO: ---


MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): RACHEL ROCHA MESQUITA DA COSTA Ação:
Embargos à Execução em: 26/11/2019---EMBARGANTE:LEANDRO ARAUJO PRUDENTE FREIRE
EMBARGANTE:INCOR - INSTITUTO DO CORAÇÃO DE PARAGOMINAS LTDA - ME Representante(s):
OAB 27171 - CARLOS ARAÚZ FILHO (ADVOGADO) OAB 16465 - FELIPE GARCIA LISBOA BORGES
(ADVOGADO) OAB 16458 - NATASHA ROCHA VALENTE (ADVOGADO) OAB 17022 - ROVICTO
MOSCHEH COVRE (ADVOGADO) OAB 16520-A - TIBERIO CESAR SAMPAIO TEIXEIRA (ADVOGADO)
OAB 41511 - RODRIGO LAYNES MILLA (ADVOGADO) OAB 37906 - FLAVIO ALEXANDRE SOUZA
(ADVOGADO) EMBARGADO:BANCO BRADESCO SA Representante(s): OAB 128341 - NELSON
WILLIANS FRATONI RODRIGUES (ADVOGADO) . DESPACHO: A publicação da sentença se deu
em nome do advogado que ainda estava habilitado nos autos, e ainda assim, o renunciante tem de
representar seu cliente por 10 (dez) dias após a renúncia, conforme previsão do art. 5º, §3º da Lei nº
8.906/1994. Aguarde-se o trânsito em julgado da decisão, arquivando-se em seguida.
2291
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Cumpra-se. Paragominas (PA), 25/11/2019. Rachel Rocha Mesquita Juíza de Direito. 1 AJ


2292
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

SECRETARIA DA 2ª VARA CÍVEL E EMPRESARIAL DE PARAGOMINAS

Número do processo: 0801665-70.2019.8.14.0039 Participação: AUTOR Nome: RESIDENCIAL JARDIM


AMERICA LTDA Participação: ADVOGADO Nome: ROSEVAL RODRIGUES DA CUNHA FILHO OAB:
10652-A/PA Participação: RÉU Nome: MARA MARIA TEIXEIRAATO ORDINATÓRIO0801665-
70.2019.8.14.0039 De ordem do MM° Juiz de Direito da 2ª Vara Cível e Empresarial de Paragominas,
procedo por meio desta, com fulcro no art. 290 do CPC, à intimação da parte requerente, através de seu
advogado (a), para que, no prazo de 15 dias, efetue o recolhimento das custas iniciais da presente ação,
sob pena de a inércia ocasionar o cancelamento da distribuição.Paragominas, 6 de dezembro de 2019.
JOSÉ FELIZARDO ESMERALDO NETODiretor de Secretaria da 2ª Vara Cível e Empresarial daComarca
de Paragominas FERNANDA RODRIGUES LAGARESAnalista Judiciária da 2ª Vara Cível e Empresarial
daComarca de Paragominas GILVONETE MARIA DE SANTANAAuxiliar de Secretaria da 2ª Vara Cível e
Empresarial daComarca de Paragominas ISMAEL FREIRES DE SOUSAAuxiliar Judiciário da 2ª Vara
Cível e Empresarial daComarca de Paragominas SOLANGE MARIA DE SANTANAAuxiliar de Secretaria
da 2ª Vara Cível e Empresarial da

Número do processo: 0801667-40.2019.8.14.0039 Participação: REQUERENTE Nome: REDEX


TELECOMUNICACOES LTDA Participação: ADVOGADO Nome: ANDRE FELIPE FOGACA LINO OAB:
234168/SP Participação: REQUERIDO Nome: VIA BRASIL NETWORK EIRELI - EPPATO
ORDINATÓRIO0801667-40.2019.8.14.0039 De ordem do MM° Juiz de Direito da 2ª Vara Cível e
Empresarial de Paragominas, procedo por meio desta, com fulcro no art. 290 do CPC, à intimação da
parte requerente, através de seu advogado (a), para que, no prazo de 15 dias, efetue o recolhimento das
custas iniciais da presente ação, sob pena de a inércia ocasionar o cancelamento da
distribuição.Paragominas, 6 de dezembro de 2019. JOSÉ FELIZARDO ESMERALDO NETODiretor de
Secretaria da 2ª Vara Cível e Empresarial daComarca de Paragominas FERNANDA RODRIGUES
LAGARESAnalista Judiciária da 2ª Vara Cível e Empresarial daComarca de Paragominas GILVONETE
MARIA DE SANTANAAuxiliar de Secretaria da 2ª Vara Cível e Empresarial daComarca de Paragominas
ISMAEL FREIRES DE SOUSAAuxiliar Judiciário da 2ª Vara Cível e Empresarial daComarca de
Paragominas SOLANGE MARIA DE SANTANAAuxiliar de Secretaria da 2ª Vara Cível e Empresarial da

Número do processo: 0801695-08.2019.8.14.0039 Participação: REQUERENTE Nome: BANCO DO


BRASIL SA Participação: ADVOGADO Nome: SERVIO TULIO DE BARCELOS OAB: 21148/PA
Participação: REQUERIDO Nome: GRANJA FRIGOAVES LTDA - ME Participação: REQUERIDO Nome:
VINICIUS PATEZ ALVESATO ORDINATÓRIO0801695-08.2019.8.14.0039 De ordem do MM° Juiz de
Direito da 2ª Vara Cível e Empresarial de Paragominas, procedo por meio desta, com fulcro no art. 290 do
CPC, à intimação da parte requerente, através de seu advogado (a), para que, no prazo de 15 dias, efetue
o recolhimento das custas iniciais da presente ação, sob pena de a inércia ocasionar o cancelamento da
distribuição.Paragominas, 9 de dezembro de 2019. JOSÉ FELIZARDO ESMERALDO NETODiretor de
Secretaria da 2ª Vara Cível e Empresarial daComarca de Paragominas FERNANDA RODRIGUES
LAGARESAnalista Judiciária da 2ª Vara Cível e Empresarial daComarca de Paragominas GILVONETE
MARIA DE SANTANAAuxiliar de Secretaria da 2ª Vara Cível e Empresarial daComarca de Paragominas
ISMAEL FREIRES DE SOUSAAuxiliar Judiciário da 2ª Vara Cível e Empresarial daComarca de
Paragominas SOLANGE MARIA DE SANTANAAuxiliar de Secretaria da 2ª Vara Cível e Empresarial da

PROCESSO: 00107010920188140039 PROCESSO ANTIGO: ---


MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): RACHEL ROCHA MESQUITA DA COSTA Ação:
Exibição de Documento ou Coisa Cível em: 29/11/2019---REQUERENTE:ATILIO MATHEUS BEZ
FONTANA SILVA Representante(s): OAB 24504-A - DINAINA SANDES PINHEIRO (ADVOGADO)
REQUERIDO:HERBINORTE PRODUTOS AGROPECUARIOS LTDA Representante(s): OAB 17437 -
THALYNE SANTOS SILVA (ADVOGADO) OAB 8599 - LUIS GOMES LIMA JUNIOR (ADVOGADO) .
2293
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

DECISÃO PROCESSO: 0010701-09.2018.8.14.0039 Trata-se de ação


de exibição de documentos c/c tutela de urgência proposta por ATILIO MATHEUS BEZ FONTANA SILVA
em face de HERBINORTE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS LTDA, estando as partes devidamente
qualificadas na presente ação. Com a inicial vieram documentos, fls.13/66. Em despacho
à fl.67, facultou-se a parte autora a comprovação da insuficiência de recursos, ocasião em que a mesma
recolheu as custas pertinentes para o ato. Em continuidade, determinou-se a
apresentação, pelo réu, de cópias autenticadas das duplicatas, todas as notas fiscais, com respectivos
canhotos dos produtos/defensivos faturados, bem como relatório dos defensivos efetivamente entregues,
fl.74. A requerida, apesar de devidamente intimada, se manteve inerte, em nova decisão,
foi determinada a apresentação de documentos, fl.86. O réu veio aos autos e
apresentou documentos, fls.101/148. O requerente, em nova manifestação, fls.149/154,
pugnou pela remessa dos presentes a 1ª Vara Cível e Empresarial desta comarca, em função de na
mesma, haver demanda envolvendo as mesmas partes, mesma causa de pedir, bem como em função de
o referido Juízo ser prevento em relação a este. O relato é o bastante para compreensão
dos autos. No presente caso verifiquei e existência de conexão entre estes autos e os de
n° 0010020-39.2018.8.14.0039, em tramitação junto à 1ª Vara Cível e Empresarial desta Comarca.
A competência é determinada no momento do registro ou da distribuição da petição
inicial (cf. artigo 43 do CPC), atos que tornam prevento o juízo, na dicção do artigo 59 do mesmo Estatuto.
De acordo com o artigo 55 do CPC, ¿reputam-se conexas 2 (duas) ou mais ações
quando lhes for comum o pedido ou a causa de pedir.¿ E o parágrafo único do artigo 55, combinado com
artigo 58, determina que as demandas conexas serão reunidas no juízo prevento (CPC, artigo 59) para
decisão conjunta, salvo se um deles já houver sido sentenciado (súmula 235 do STJ).
Tendo em vista que os autos distribuídos à 1ª Vara possuem data de distribuição anterior
à data de distribuição destes autos e, considerando ainda que a conexão resta visualizada pela mesma
causa de pedir, seja ela próxima ou remota, como admite a jurisprudência. AGRAVO DE INSTRUMENTO -
CONTRATOS RELATIVOS A LOTEAMENTO EM COMUM - DEMANDAS COM CONTRATOS
ESPECÍFICOS E CADA QUAL COM SUAS PECULIARIDADES - ANÁLISE DO CASO EM CONCRETO -
IRREGULARIDADE DO SISTEMA DE ESGOTO - PROBLEMA VERIFICÁVEL EM TODO O
LOTEAMENTO E INDEPENDENTEMENTE DO CONTRATO RELACIONADO À LOCALIDADE - PERIGO
DE SE PROFERIREM DECISÕES CONFLITUOSAS - NECESSIDADE DE CONEXÃO PROCESSUAL -
AGRAVO IMPROCEDENTE. (TJPR - 7ª C.Cível - AI - 975433-8 - Cascavel - Rel.: Luiz Antônio Barry -
Unânime - - J. 30.04.2013) Conflito de competência negativo. Existência de conexão. Identidade de partes.
Desnecessidade. Reunião de ações conexas. Nos termos do art. 103 reputam-se conexas duas ou mais
ações, quando lhes for comum o objeto ou a causa de pedir. Assim, a conexão é um vínculo de
semelhança entre causas pendentes, sendo desnecessária para sua configuração a identidade de partes.
De acordo com o art. 105 do CPC, a reunião de ações conexas depende da análise casuística a ser
efetivada pelos juízos da causa, no sentido de verificar se a adoção da medida se mostra aconselhável e
consentânea com a finalidade do instituto, o qual visa a economia processual, a celeridade e a
possibilidade de decisões conflitantes que causem insegurança jurídica. (TJ-RO - CC:
00010344120118220000 RO 0001034-41.2011.822.0000, Relator: Desembargador Walter Waltenberg
Silva Junior, Data de Julgamento: 22/03/2011, 2ª Câmara Especial, Data de Publicação: Processo
publicado no Diário Oficial em 25/03/2011.) Assim, tendo em vista que se trata de caso específico,
havendo outra demanda da mesma natureza envolvendo as mesmas partes, a prudência recomenda a
reunião dos processos em nome da celeridade e economia processual, evitando-se ainda decisões
conflitantes (art. 55, § 3° do CPC), DECLINO da competência e determino a remessa dos autos ao Juízo
prevento 1ª Vara Cível e Empresarial desta Comarca. Cumpra-se. Paragominas/PA, 25 de novembro de
2019. RACHEL ROCHA MESQUITA DA COSTA Juíza de Direito

PROCESSO: 00040368420128140039 PROCESSO ANTIGO: ---


MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): RACHEL ROCHA MESQUITA DA COSTA Ação:
Cumprimento de sentença em: 08/11/2019---REQUERENTE:GELDSON PEZZIN Representante(s): OAB
15441-B - DIEGO SAMPAIO SOUSA (ADVOGADO) OAB 17772-B - SERGIO DE BARROS BIANCHI
COSTA (ADVOGADO) REQUERIDO:FADLO BICALHO CASTRO. DESPACHO Proc. N° 0004036-
84.2012.8.14.0039 1-Em função do dever de cautela, que deve nortear as decisões judiciais, em especial
por tratar-se de valores bloqueados através de BACENJUD, determino que se certifique nos autos, com a
observância das cautelas de praxe, se houve decurso do prazo, atinente ao requerido, sem qualquer
2294
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

manifestação. 2-Após, em havendo decurso do prazo sem manifestação, transformo a indisponibilidade


em penhora e defiro o pedido constante à fl.79, referente a liberação dos valores bloqueados, ciente a
secretaria desta vara, que deve ser observado se houve recolhimento de custas para o ato, caso negativo,
intime-se para que proceda ao recolhimento. 3-Na hipótese de não ter ocorrido o decurso do prazo,
oportunizado ao requerido, aguarde-se em secretaria o transcurso do mesmo e após, em não havendo
manifestação, proceda a secretaria, nos termos do determinado no item 2. 4-Na oportunidade, determino,
desde logo, que o exequente atualize o débito, apresentado demonstrativo atualizado da dívida, caso
requeira nova consulta ao sistema BACENJUD, deve proceder ao recolhimento antecipado das custas, ou,
indique bens à penhora, tudo no prazo legal, sob pena de extinção do processo. Intime-se. Cumpra-se.
Paragominas, 05 de novembro de 2019. RACHEL ROCHA MESQUITA DA COSTA Juíza de Direito.

PROCESSO: 00092779220198140039 PROCESSO ANTIGO: ---


MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): RACHEL ROCHA MESQUITA DA COSTA Ação:
Procedimento Comum Cível em: 16/10/2019---REQUERENTE:JOAO DAMASCENA CARDOSO
Representante(s): OAB 29477-A - RANIERY ANTONIO RODRIGUES DE MIRANDA (ADVOGADO)
REQUERIDO:BANCO VOTORANTIM S A. DECISÃO Processo N° 0009277-92.2019.8.14.0039 Vistos,
JOÃO DAMASCENA CARDOSO, ingressou com AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE
RELAÇÃO JURÍDICA C/C REPETIÇÃO DO INDÉBITO, DANOS MORAIS E COM PEDIDO TUTELA DE
URGÊNCIA em face de BANCO VOTORANTIM S.A. Em síntese, alega a parte autora que é filiada ao
INSS - Instituto do Seguro Social e encontra-se na condição de beneficiária mediante o recebimento de
aposentadoria por idade. O requerente alega que em virtude de redução do valor de seu benefício, se
dirigiu a agência do INSS mais próxima, na data de 19/11/2018, e descobriu a existência de suposto
empréstimo consignado no valor de R$ 676,09 (seiscentos e setenta e seis reais e nove centavos), tendo
tão somente em tal momento tomado conhecimento do desconto indevido. Aduz que os descontos
indevidos na conta do requerente, causaram redução inesperada de seu benefício previdenciário,
ocasionando vários transtornos ao mesmo. É O BREVE RELATO. DECIDO. Defiro a gratuidade pleiteada.
A parte autora alega que o requerido vem realizando descontos no valor de R$ 22.00 (vinte e dois reais)
de seus rendimentos mensais, decorrentes de contratos de empréstimo realizados em seu nome pela
instituição financeira sem contratação legal. Requer a tutela provisória de urgência para que seja
determinada a abstenção de qualquer desconto. Para que seja concedida a tutela pretendida, o artigo 300
do Código de Processo Civil exige a presença de elementos que evidenciem a probabilidade do direito e o
perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo, nesses termos, não compreendo estarem
presentes os requisitos para concessão da liminar pleiteada, tendo em vista a ação ter sido ajuizada mais
de sete anos após a inclusão do contrato. Dessa forma, compreendo que a prova juntada aos autos, neste
momento, não permite a conclusão de plausibilidade do direito, do requerente, no mais existe apenas uma
versão dos fatos, compreendo necessário uma maior dilação probatória e dessa forma, imperioso se
mostra o INDEFERIMENTO da liminar requerida. A autora afirma ainda, que vem sofrendo inúmeros
descontos em sua conta desde de 02/2012 e apenas ingressou com a demanda nesta ocasião, pleiteando
o ressarcimento em dobro dos descontos liminarmente, ocorre que não visualizo, em função das
informações acima narradas, o perigo da demora alegado, ante o prolongado lapso temporal, em que os
descontos vem sendo efetuados, sem insurgência do demandante, que frise-se anuiu com os respectivos
pagamentos das prestações do contrato diretamente em débito em conta que recebe seu benefício
mensal. Em face do exposto, INDEFIRO a liminar requerida e determino na oportunidade, que o
requerente emende a inicial, nos termos do versa o artigo 330º, §2º e §3º do CPC, para o fim de indicar e
pormenorizar dentre as obrigações contratuais, aquela que pretende controverter, além de quantificar o
valor incontroverso, que deve continuar a ser pago no tempo e modo contratados. Diante das
especificidades da causa e de modo a adequar o rito processual às necessidades do conflito, deixo para
momento oportuno a análise da convivência da audiência de conciliação. (CPC, art. 139, VI e Enunciado
nº 35 da ENFAM). Isto porque não há pauta disponível próxima ponderando pelo direito fundamental
constitucional à duração razoável do processo e dos meios que garantam sua celeridade de tramitação
(art. 5º, LXXVIII da CF) e o princípio processual de que não há nulidade sem prejuízo, especialmente
considerando que é facultada a conciliação às partes em qualquer momento do processo. Cite(m)-se
o(s) requerido(s) para integrar a relação jurídico-processual (CPC, artigo 238) e oferecer contestação, por
petição, no prazo de 15 (quinze) dias úteis (CPC, artigos 219 e 335), sob pena de revelia e presunção de
veracidade das alegações de fato aduzidas pelo autor (CPC, artigo 344), cujo termo inicial será a data
prevista no artigo 231 do CPC, de acordo com o modo como foi feita a citação (CPC, artigo 335, III).
2295
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Sendo arguida em defesa quaisquer matérias no artigo 337 do CPC dê-se vistas réplica no prazo de 15
(quinze) dias de acordo com o artigo 351 do CPC. Serve o presente como mandado. Diligência
necessárias. Intimem-se. Cumpra-se. Paragominas (PA), 23 de setembro de 2019. RACHEL
ROCHA MESQUITA DA COSTA Juíza de direito.

PROCESSO: 00092804720198140039 PROCESSO ANTIGO: ---


MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): RACHEL ROCHA MESQUITA DA COSTA Ação:
Procedimento Comum Cível em: 18/10/2019---REQUERENTE:JOAO DAMASCENA CARDOSO
Representante(s): OAB 29477-A - RANIERY ANTONIO RODRIGUES DE MIRANDA (ADVOGADO)
REQUERIDO:BANCO ITAU CONSIGNADO S A. DECISÃO Proc. N° 0009280-47.2019.8.14.0039 JOÃO
DAMASCENA CARDOSO, ingressou com AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE RELAÇÃO
JURÍDICA C/C REPETIÇÃO DO INDÉBITO E INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS COM PEDIDO
TUTELA DE URGÊNCIA em face de BANCO ITAÚ CONSIGNADO S.A. Em síntese, alega a parte autora,
que recebe benefício previdenciário, ocorre que após constatar a redução de valores deste, dirigiu-se a
agência do Instituto Nacional do Seguro Social, ocasião em que alega, ter tomado conhecimento da
existência de um empréstimo consignado, proveniente de avença supostamente celebrada com o
requerido, negócio jurídico contestado pela parte autora, que afirma nunca ter efetuado o mesmo. Aduz,
que referida relação jurídica é indevida, afirmando ainda, que os descontos efetuados, na conta do autor,
causaram redução inesperada de seu benefício previdenciário, ocasionando vários transtornos ao
mesmo. É o breve relato. Decido. Defiro a gratuidade pleiteada. A parte autora alega, que o requerido
vem realizando descontos em seus rendimentos mensais, decorrentes de contrato de empréstimo
realizado em seu nome, pela instituição financeira, sem contratação legal. Requer a tutela provisória de
urgência, para que seja determinada a abstenção de qualquer desconto em seu benefício previdenciário.
Para que seja concedida a tutela pretendida, o artigo 300 do Código de Processo Civil exige a presença de
elementos que evidenciem a probabilidade do direito e o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do
processo, nesses termos, não compreendo estarem presentes os requisitos para concessão da liminar
pleiteada. De saída, vislumbro que não houve apresentação do contrato discutido, nem requerimento
liminar de exibição de documentos, sendo o mesmo, indispensável para o deslinde do feito, em especial,
para análise do pedido de interrupção/suspensão dos descontos perpetrados. Compulsando os autos,
frente a ausência do contrato originário firmado entre as partes, resta inviabilizado o exame da medida
liminar requerida, visto que não se tem como analisar as estipulações contraídas, na ocasião em que o
mesmo foi firmado. Dessa forma, compreendo que a prova juntada aos autos, neste momento, não
permite a conclusão de plausibilidade do direito, do requerente, no mais existe apenas uma versão dos
fatos, compreendo necessário uma maior dilação probatória e dessa forma, imperioso se mostra o
INDEFERIMENTO da liminar requerida. Importante ressaltar ainda, que a parte autora que sofreu
inúmeros descontos em seu benefício, apenas ingressando com a demanda nesta ocasião, pleiteando a
suspensão dos descontos liminarmente, ocorre que não visualizo, em função das informações acima
narradas, o perigo da demora alegado, ante o prolongado lapso temporal em que os descontos vêm sendo
efetuados, sem insurgência do demandante, no mais, frente a indicação da data de início do contrato,
apontado nos autos, resta evidente, que os descontos não podem ser considerados como fato atual, não
existindo, dessa forma, verossimilhança ou urgência no pedido, requisitos indispensáveis para o
deferimento do pleito liminar. Em face do exposto, INDEFIRO a liminar requerida e determino na
oportunidade, que o requerente emende a inicial, apresentando comprovante de residência atualizado,
emitido nos últimos três meses, sob pena de indeferimento da peça de início. Diante das especificidades
da causa e de modo a adequar o rito processual às necessidades do conflito, deixo para momento
oportuno a análise da convivência da audiência de conciliação. (CPC, art. 139, VI e Enunciado nº 35 da
ENFAM). Isto porque não há pauta disponível próxima ponderando pelo direito fundamental constitucional
à duração razoável do processo e dos meios que garantam sua celeridade de tramitação (art. 5º, LXXVIII
da CF) e o princípio processual de que não há nulidade sem prejuízo, especialmente considerando que é
facultada a conciliação às partes em qualquer momento do processo. Cite(m)-se o(s) requerido(s) para
integrar a relação jurídico-processual (CPC, artigo 238) e oferecer contestação, por petição, no prazo de
15 (quinze) dias úteis (CPC, artigos 219 e 335), sob pena de revelia e presunção de veracidade das
alegações de fato aduzidas pelo autor (CPC, artigo 344), cujo termo inicial será a data prevista no artigo
231 do CPC, de acordo com o modo como foi feita a citação (CPC, artigo 335, III). Sendo arguida em
defesa quaisquer matérias no artigo 337 do CPC dê-se vistas réplica no prazo de 15 (quinze) dias de
acordo com o artigo 351 do CPC. Considerando que se trata de matéria de instrução, inverto desde logo, o
2296
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

ônus da prova nos termos do artigo 6º, VIII do CDC, inclusive pelo critério de melhor aptidão para a prova,
determinando que o banco traga cópia do contrato, comprovante de depósito do valor do empréstimo ou
qualquer outro documento que comprove a regularidade dos descontos efetuados no benefício
previdenciário do requerente. Observe-se a prioridade de tramitação nos termos do artigo 1.048, I do CPC.
Na oportunidade, esclareço ainda, que podem incorrer em penalidades, as partes que formularem
pretensão ou apresentarem defesa quando cientes de que são destituídos de fundamento; nos termos do
artigo 77, II do CPC. Paragominas/PA, 09 de outubro de 2019 RACHEL ROCHA

Processo: 0015476-67.2018.8.14.0039. REQUERENTE: BANCO BRADESCO SA. ADVOGADO: OAB/DF


21822 FREDERICO DUNICE P. BRITO. REQUERIDO: JOSICLEYTON CHAVES PEREIRA. DESPACHO
PROCESSO: N° 0015476-67.2018.8.14.0039 1-Como é sabido, à toda causa deve ser atribuído um valor
certo (CPC/2015, artigo 291), o qual deverá observar as hipóteses elencadas no artigo 292 do CPC/2015,
bem como o proveito econômico da parte almejado com a demanda. 2- Compulsando os autos,
depreende-se que a parte requerente atribuiu como valor da causa a importância de R$9.271,98 (nove mil
duzentos e setenta e um reais e noventa e oito centavos) contudo, nas ações de busca e apreensão
fundamentadas no decreto-lei n° 911/69, o valor econômico perseguido pelo autor é o saldo devedor do
contratante, constituído pelas parcelas vencidas e vincendas, o qual deve ser utilizado como valor da
causa, excluindo-se, portanto, as parcelas pagas pelo devedor. 3-Dessa forma, determino que intime-se a
parte autora, para que emende o valor da causa no prazo de 10 (dez) dias, sob as penas legais. 4-Em
havendo decurso do prazo, sem cumprimento, intime-se pessoalmente a parte autora, sobre seu interesse
no prosseguimento do feito, ocasião em que deve cumprir na íntegra o acima determinado, ou seja,
emendar o valor da causa. 5-Na hipótese de regularmente cumprida a emenda determinada, proceda à
secretaria a remessa dos presentes autos à UNAJ, para complementação das custas cabíveis para o ato.
Intime-se. Cumpra-se. Paragominas, 03 de outubro de 2019. RACHEL ROCHA MESQUITA DA COSTA
Juíza de Direito. 2ª Vara Cível de Paragominas

Processo: 0003051-18.2012.8.14.0039. AÇÃO DE DE OBRIGAÇÃO DE FAZER C/C REPARAÇÃO DE


DANOS MORAIS E MATERIAIS COM PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA. REQUERENTE: SANTINHA
MARQUES SILVA. ADVOGADO: OAB/PA 17772-B SERGIO DE BARROS BIANCHI COSTA.
REQUERIDO: UNIMED BELEM COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO. ADVOGADO: OAB/PA 20575
SUZY BRITO SOUSA. ATO ORDINATÓRIO De ordem do MMº Juiz de Direito da 2ª Vara Cível desta
Comarca e nos termos do art. 93. XIV da CF/88, e, em cumprimento à Portaria nº 2/2007-GJ e ao
provimento 006/2009-CJCI procedo por meio desta, à intimação das partes, através de seu(s) advogados,
para no prazo de 15 dias, requerer o que entender de direito. Paragominas, 8 de outubro de 2019 JOSÉ
FELIZARDO ESMERALDO NETO Diretor de Secretaria da 2ª Vara Cível e Empresarial da Comarca de
Paragominas FERNANDA RODRIGUES LAGARES Analista Judiciária da 2ª Vara Cível e Empresarial da
Comarca de Paragominas GILVONETE MARIA DE SANTANA Auxiliar de Secretaria da 2ª Vara Cível e
Empresarial da Comarca de Paragominas ISMAEL FREIRES DE SOUSA Auxiliar Judiciário da 2ª Vara
Cível e Empresarial da Comarca de Paragominas SOLANGE MARIA DE SANTANA Auxiliar de Secretaria
da 2ª Vara Cível e Empresarial da Comarca de Paragominas
2297
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

SECRETARIA DA VARA CRIMINAL DE PARAGOMINAS

RESENHA: 09/12/2019 A 09/12/2019 - SECRETARIA DA VARA CRIMINAL DE PARAGOMINAS - VARA:


VARA CRIMINAL DE PARAGOMINAS PROCESSO: 00661254120158140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): RENATA DO SOCORRO BATISTA SEPEDA Ação:
Ação Penal - Procedimento Ordinário em: 09/12/2019 VITIMA:M. H. S. DENUNCIADO:RODRIGO
PAULINO MEDEIROS DENUNCIADO:HYGSON KASSYDY LAMEIRA VIEIRA
DENUNCIANTE:MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO PARA. E D I T A L D E C I T A Ç " O (PRAZO
DE 15 DIAS) PROCESSO Nº 0066125-41.2015.8.14.0039 Denunciado: RODRIGO PAULINO MEDEIROS,
brasileiro, natural de Paragominas/PA, nascido em 03/04/1993, filho de Maria Brígida de Medeiros,
atualmente em local incerto e não sabido. Capitulação Penal: Art. 158, caput e § 1º, e art. 288, caput e
parágrafo único, ambos do código penal e art. 244-B, lei nº 8.069/90. De ordem do MM. Juiz de Direito, Dr.
DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO, Vara Criminal/Execução Penal desta Comarca (atos de mero
expediente delegados pelo Juízo) faço saber aos que este lerem ou dele tomarem conhecimento que pelo
Ministério Público foi denunciado: RODRIGO PAULINO MEDEIROS, estando atualmente em lugar incerto
e não sabido. E como não foi encontrada para ser citado pessoalmente, expede-se o presente EDITAL,
com prazo de 15 (quinze) dias, para tomar ciência da ação penal em referência e apresentar, por meio de
advogado, resposta à acusação, no prazo de 10 (dez) dias, podendo arguir preliminares e alegar tudo o
que interesse à sua defesa, oferecer documentos e justificações, especificar as provas pretendidas e
arrolar testemunhas, qualificando-as e requerendo suas intimações, quando necessário, nos autos do
Processo Crime acima qualificado. Se o acusado citado não apresentar defesa e não constituir defensor, o
supracitado será assistido pela Defensoria Pública. Paragominas (PA), 09 de Dezembro de 2019.
RENATA DO SOCORRO BATISTA SEPEDA Diretora de Secretaria em exercício da Vara
Criminal/Execução Penal Comarca de Paragominas

RESENHA: 05/12/2019 A 06/12/2019 - SECRETARIA DA VARA CRIMINAL DE PARAGOMINAS - VARA:


VARA CRIMINAL DE PARAGOMINAS PROCESSO: 00044539020198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Carta Precatória Criminal em: 05/12/2019 AUTOR:A JUSTICA PUBLICA DENUNCIADO:JOELSON
PEREIRA FERREIRA JUIZO DEPRECANTE:JUIZO DE DIREITO DA COMARCA DE SAO DOMINGOS
DO CAPIM PA. CARTA PRECATÓRIA AUTOS DO PROCESSO Nº 0004453-90.2019.8.14.0039
TESTEMUNHA DO MP: JOACIR ARAUJO CHAVES ENDEREÇO: QUARTEL DA PM/PA
DESPACHO/MANDADO/OFÍCIO Por se tratar de réu solto e em razão da pauta de audiências, designo a
audiência para o dia 4 de fevereiro de 2020, às 11h10min. Comunique-se ao Juízo Deprecante,
encaminhando cópia da certidão retro que justifica a ausência da testemunha. Intimem-se. Paragominas, 4
de dezembro de 2019 DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito PROCESSO:
00103579120198140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação: Ação Penal - Procedimento Ordinário em: 05/12/2019
VITIMA:O. E. DENUNCIADO:DARLEANE CAMPOS COSTA DENUNCIANTE:O MINISTERIO PUBLICO
DO ESTADO DO PARA. AÇÃO PENAL AUTOS DO PROCESSO Nº. 0010357-91.2019.8.14.0039
DECISÃO INTERLOCUTÓRIA/ OFÍCIO/ MANDADO Sem preliminares a analisar (fls. 76/77) recebo a
denúncia por estar em consonância com o disposto do artigo 41 do Código de Processo Penal e não se
encontrarem presentes quaisquer das hipóteses previstas no artigo 395 do Código de Processo Penal e
não ser caso de absolvição sumária, do artigo 397, CPP, conforme redação dada pela Lei 11.719/08.
Designo audiência de instrução e julgamento para o dia 16 de janeiro de 2020, às 11h, devendo-se intimar
os réus, as testemunhas arroladas pelo Ministério Público, bem como aquelas arroladas nas respostas por
escrito, de acordo com o que dispõe o artigo 400 do Código de Processo Penal. Intimem-se. Ciência ao
Ministério Público e a Defensoria Pública. Paragominas, 4 de dezembro de 2019 DAVID GUILHERME DE
PAIVA ALBANO Juiz de Direito PROCESSO: 00106079520178140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Carta Precatória Criminal em: 05/12/2019 AUTOR:A JUSTICA PUBLICA DENUNCIADO:FRANCISCO
BALBINO DO NASCIMENTO JUIZO DEPRECANTE:JUIZO DE DIREITO DA COMARCA DE
PARAUPEBAS PA. AUTOS DO PROCESSO Nº 0010607-95.2017.8.14.0039 DESPACHO Cumprida a
Carta Precatória, devolva-se por e-mail e/ou malote digital. Após, certifique-se e arquivem-se.
2298
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Paragominas, 3 de dezembro de 2019 DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito


PROCESSO: 00109363920198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Ação Penal - Procedimento Ordinário em: 05/12/2019 VITIMA:O. E. DENUNCIADO:JEFFERSON
MARDEM GOMES SOARES DENUNCIANTE:O MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO PARA. PODER
JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ VARA CRIMINAL - COMARCA DE
PARAGOMINAS AÇÃO PENAL AUTOS DO PROCESSO Nº. 0010936-39.2019.8.14.0039 RÉU:
JEFFERSON MARDEM GOMES SOARES LOCAL DE CUMPRIMENTO: CRRP DECISÃO
INTERLOCUTÓRIA / MANDADO 1. Recebo a denúncia, por estar em consonância com o disposto do
artigo 41 do Código de Processo Penal e não se encontrarem presentes quaisquer das hipóteses previstas
no artigo 395 do Código de Processo Penal. 2. Cite-se o réu para responder por escrito a acusação, no
prazo de 10 (dez) dias (art. 396 do CPP). Quando do cumprimento do mandado de citação, o Sr. Oficial
deverá perguntar ao réu se possui advogado ou se deseja que sua defesa seja patrocinada pela
Defensoria Pública. 3. Caso o réu informe que não tem advogado e que deseja ser assistido pela
Defensoria Pública, o Oficial de Justiça já deverá certificar na devolução do mandado e os autos devem
ser encaminhados àquela instituição, sem necessidade de conclusão ao gabinete. Paragominas, 3 de
dezembro de 2019 DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito PROCESSO:
00109563020198140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação: Ação Penal - Procedimento Ordinário em: 05/12/2019
VITIMA:O. E. DENUNCIADO:JHONE GOMES SIEBRA DENUNCIANTE:O MINISTERIO PUBLICO DO
ESTADO DO PARA. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ VARA
CRIMINAL - COMARCA DE PARAGOMINAS AÇÃO PENAL AUTOS DO PROCESSO Nº. 0010956-
30.2019.8.14.0039 RÉU: JHONE GOMES SIEBRA LOCAL DE CUMPRIMENTO: CRRP DECISÃO
INTERLOCUTÓRIA / MANDADO 1. Recebo a denúncia, por estar em consonância com o disposto do
artigo 41 do Código de Processo Penal e não se encontrarem presentes quaisquer das hipóteses previstas
no artigo 395 do Código de Processo Penal. 2. Cite-se o réu para responder por escrito a acusação, no
prazo de 10 (dez) dias (art. 396 do CPP). Quando do cumprimento do mandado de citação, o Sr. Oficial
deverá perguntar ao réu se possui advogado ou se deseja que sua defesa seja patrocinada pela
Defensoria Pública. 3. Caso o réu informe que não tem advogado e que deseja ser assistido pela
Defensoria Pública, o Oficial de Justiça já deverá certificar na devolução do mandado e os autos devem
ser encaminhados àquela instituição, sem necessidade de conclusão ao gabinete. Paragominas, 3 de
dezembro de 2019 DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito PROCESSO:
00112785020198140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação: Ação Penal - Procedimento Ordinário em: 05/12/2019
VITIMA:O. E. DENUNCIADO:RAYNARA SILVA CORREA DENUNCIANTE:MINISTERIO PUBLICO DO
ESTADO DO PARA. AÇÃO PENAL AUTOS DO PROCESSO Nº. 0011278-50.2019.8.14.0039 DECISÃO
INTERLOCUTÓRIA/ OFÍCIO/ MANDADO/ALVARÁ DE SOLTURA Sem preliminares a analisar (fls. 57/58)
recebo a denúncia por estar em consonância com o disposto do artigo 41 do Código de Processo Penal e
não se encontrarem presentes quaisquer das hipóteses previstas no artigo 395 do Código de Processo
Penal e não ser caso de absolvição sumária, do artigo 397, CPP, conforme redação dada pela Lei
11.719/08. Designo audiência de instrução e julgamento para o dia 12 de março de 2020, às 9h, devendo-
se intimar a ré, as testemunhas arroladas pelo Ministério Público, bem como aquelas arroladas nas
respostas por escrito, de acordo com o que dispõe o artigo 400 do Código de Processo Penal. Passo a
analisar o pedido de SUBSTITUIÇÃO DA PRISÃO PREVENTIVA POR PRISÃO DOMICILIAR formulado
pela ré, através da Defensoria Pública (fls. 43/46). Alega, em síntese, que não estão presentes os
requisitos da prisão preventiva, sendo a ré primária, portadora de bons antecedentes, possui residência
fixa e 2 (dois) anos filhos menores que são dependentes dela por ser a única responsável (HC n.º
143641/STF). Juntou documentos. O Ministério Público se manifestou (fls. 49/52). É o relatório. Decido. De
acordo com o §6º do artigo 282, a prisão preventiva é excepcional e será determinada quando não for
cabível a sua substituição por outra medida. Analisando os autos, verifico que atualmente é caso de
revogação da prisão preventiva, em razão do que dispõe o artigo 318, V, CPP, pois comprovou possuir
dois filhos menores de 12 (doze) anos, em razão da ré já ter sido citada e ter apresentado a defesa
preliminar. Destaco que é o primeiro processo que ela responde. Ante o exposto, com fulcro no artigo 282,
§2º, e artigo 316, ambos do CPP, REVOGO A PRISÃO PREVENTIVA da indiciada RAYNARA SILVA
CORREA, e concedo a liberdade provisória com aplicação das seguintes medidas cautelares, com escopo
no artigo 319, do CPP, para assegurar a instrução criminal: I - Apresentar um comprovante de residência
atual e um número de telefone para contato na Secretaria da Vara Criminal de Paragominas/PA até o dia
13 de dezembro de 2019. Qualquer alteração de endereço deverá ser comunicada ao juízo. II -
2299
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Comparecimento mensalmente em juízo, até o 10º dia do mês, sendo prorrogável para o dia útil posterior,
caso termine em sábado, domingo ou feriado, enquanto durar este processo-crime. III - Proibição de
utilizar drogas, portar arma de fogo e cometer novos delitos. IV - Proibição de se ausentar da Comarca de
Paragominas por mais de 30 (trinta) dias, sem comunicar ao juízo, enquanto durar este processo-crime. V
- Comparecer em todos os atos do processo. O descumprimento de qualquer destas medidas poderá
ocasionar a decretação da prisão preventiva! Prestigiando o Provimento 003/2009 - CJ que normatiza o
procedimento que dispensa a elaboração de mandado de citação para o ato de comunicação do réu em
atenção ao princípio constitucional da razoável duração do processo, bem como os princípios da
eficiência, economia e celeridade processual, servirá o presente como mandado, ofício e ALVARÁ DE
SOLTURA, se por outro motivo não estiver presa. Intimem-se. Ciência ao Ministério Público e a Defensoria
Pública. Cumpra-se. Paragominas, 5 de dezembro de 2019 DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz
de Direito PROCESSO: 00119964720198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Ação Penal - Procedimento Ordinário em: 05/12/2019 VITIMA:O. E. DENUNCIADO:FLAVIO ALBERTO
MARTINS RODRIGUES DENUNCIANTE:O MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO PARA. AÇÃO
PENAL AUTOS DO PROCESSO Nº. 0011996-47.2019.8.14.0039 RÉU: FLAVIO ALBERTO MARTINS
RODRIGUES LOCAL DE CUMPRIMENTO: CRRP DECISÃO INTERLOCUTÓRIA / MANDADO 1. Recebo
a priori a denúncia, por estar em consonância com o disposto do artigo 41 do Código de Processo Penal e
não se encontrarem presentes quaisquer das hipóteses previstas no artigo 395 do Código de Processo
Penal, conforme redação dada pela Lei 11.719/08. 2. Notifique-se a ré para responder por escrito a
acusação, no prazo de 10 (dez) dias (art. 396 do CPP e art. 55, Lei nº 11.343/06). Quando do
cumprimento do mandado de citação, o Sr. Oficial deverá perguntar a ré se possui advogado ou se deseja
que sua defesa seja patrocinada pela Defensoria Pública. 3. Caso a ré informe que não tem advogado e
que deseja ser assistido pela Defensoria Pública, o Oficial de Justiça já deverá certificar na devolução do
mandado e os autos devem ser encaminhados àquela instituição, sem necessidade de conclusão ao
gabinete. 4. Deixo para analisar o pedido de substituição da prisão preventiva por prisão domiciliar, após a
notificação da ré e apresentação da Defesa. Requisite-se o laudo toxicológico definitivo, estabelecendo o
prazo de 10 (dez) dias para a resposta, por se tratar de réu preso. Paragominas, 5 de dezembro de 2019
DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito PROCESSO: 00126365020198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE
PAIVA ALBANO Ação: Carta Precatória Criminal em: 05/12/2019 AUTOR:A JUSTICA PUBLICA
REU:ZAFENATE PANEIA PINTO DE OLIVEIRA JUIZO DEPRECANTE:JUIZO DE DIREITO DA
COMARCA DE IPIXUNA DO PARA TESTEMUNHA:CLEENI PINHEIRO MOTA. CARTA PRECATÓRIA
AUTOS DO PROCESSO Nº 0012636-50.2019.8.14.0039 TESTEMUNHA: CLEENI PINHEIRO MOTA
ENDEREÇO: RUA MARINETE RAMALHO, 25, PROMISSÃO III, PARAGOMINAS/PA
DESPACHO/MANDADO/OFÍCIO Por se tratar de réu solto e em razão da pauta de audiências, designo a
audiência para o dia 18 de fevereiro de 2020, às 10h30min. Comunique-se ao Juízo Deprecante. Intimem-
se. Paragominas, 4 de dezembro de 2019 DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito
PROCESSO: 00127161420198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Carta Precatória Criminal em: 05/12/2019 AUTOR:A JUSTICA PUBLICA REU:HAMILTON FRIRE DE
SOUZA Representante(s): OAB 17383 - ANDRE PEREIRA CLIMACO DE SOUZA (ADVOGADO) JUIZO
DEPRECANTE:JUIZO DE DIREITO DA COMARCA DE IMPERATRIZ MA. AUTOS DO PROCESSO Nº
0012716-14.2019.814.0039 DESPACHO Cumpra-se. Paragominas, 3 de dezembro de 2019 DAVID
GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito PROCESSO: 00128175120198140039 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA
ALBANO Ação: Carta Precatória Criminal em: 05/12/2019 AUTOR:A JUSTICA PUBLICA
DENUNCIADO:FRANCINALDO DANIEL PEREIRA VITIMA:C. C. S. VITIMA:M. G. B. JUIZO
DEPRECANTE:JUIZO DE DIREITO DA COMARCA DE IPIXUNA DO PARA. CARTA PRECATÓRIA
AUTOS DO PROCESSO Nº 0012817-51.2019.8.14.0039 RÉU: FRANCINALDO DANIEL PEREIRA
ENDEREÇO: RUA AYRTON SENNA, Nº 03, PARAGOMINAS/PA DESPACHO/MANDADO/OFÍCIO Por se
tratar de réu solto e em razão da pauta de audiências, designo a audiência para o dia 4 de fevereiro de
2020, às 11h20min. Comunique-se ao Juízo Deprecante. Intimem-se. Paragominas, 4 de dezembro de
2019 DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito PROCESSO: 00128183620198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE
PAIVA ALBANO Ação: Carta Precatória Criminal em: 05/12/2019 AUTOR:A JUSTICA PUBLICA
ACUSADO:ELIAS DE JESUS LOPES JUIZO DEPRECANTE:JUIZO DE DIREITO DA COMARCA DE SAO
MIGUEL DO GUAMA PA TESTEMUNHA:ANTONIA JAQUELINE DOS SANTOS. CARTA PRECATÓRIA
2300
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

AUTOS DO PROCESSO Nº 0012818-36.2019.8.14.0039 TESTEMUNHA:ANTÔNIA JAQUELINE SANTOS


ENDEREÇO: RUA MENESTRITE, 22, PARAGOMINAS/PA DESPACHO/MANDADO/OFÍCIO Por se tratar
de réu solto e em razão da pauta de audiências, designo a audiência para o dia 4 de fevereiro de 2020, às
11h30min. Comunique-se ao Juízo Deprecante. Intimem-se. Paragominas, 4 de dezembro de 2019 DAVID
GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito PROCESSO: 00129777620198140039 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA
ALBANO Ação: Carta Precatória Criminal em: 05/12/2019 AUTOR:A JUSTICA PUBLICA REU:EDNARA
CASTRO DE MIRANDA JUIZO DEPRECANTE:JUIZO DE DIREITO DA JUSTICA MILITAR DE BOA
VISTA RR. AÇÃO PENAL AUTOS DO PROCESSO Nº. 0012977-76.2019.8.14.0039 DESPACHO
Cumpra-se Paragominas, 5 de dezembro de 2019 DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de
Direito PROCESSO: 00129811620198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Carta Precatória Criminal em: 05/12/2019 AUTOR:A JUSTICA PUBLICA DENUNCIADO:JANILO
CARNEIRO DE ALMEIDA DA SILVA JUIZO DEPRECANTE:JUIZO DE DIREITO DA COMARCA DE
SALVATERRA PA. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ VARA
CRIMINAL DA COMARCA DE PARAGOMINAS CARTA PRECATÓRIA AUTOS DO PROCESSO Nº
0012981-16.2019.8.14.0039 DESPACHO Oficie-se ao Juízo Deprecante para que informe se a presente
Carta Precatória é para oferecer a proposta de suspensão condicional do processo e/ou para intimar e
realizar o interrogatório do réu como consta, pois caso seja para realizar o interrogatório há necessidade
do envio da defesa preliminar e da oitiva das testemunhas, estabelecendo o prazo de 5 (cinco) dias.
Paragominas, 3 de dezembro de 2019 DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito
PROCESSO: 00129829820198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Carta Precatória Criminal em: 05/12/2019 AUTOR:A JUSTICA PUBLICA ACUSADO:RONALDO
RODRIGUES DA SILVA JUIZO DEPRECANTE:JUIZO DE DIREITO DA COMARCA DE TOME ACU PA.
CARTA PRECATÓRIA AUTOS DO PROCESSO Nº 0012982-98.2019.8.14.0039
DESPACHO/MANDADO/OFÍCIO Cumpra-se. Paragominas, 3 de dezembro de 2019 DAVID GUILHERME
DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito PROCESSO: 00129968220198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Carta Precatória Criminal em: 05/12/2019 AUTOR:A JUSTICA PUBLICA ACUSADO:EDSON EVERTON
SANTOS JUIZO DEPRECANTE:JUIZO DE DIREITO DA COMARCA DE BENEVIDES PA. CARTA
PRECATÓRIA AUTOS DO PROCESSO Nº 0012996-82.2019.8.14.0039 VÍTIMA: LIDIANE DE SOUSA
SILVA ENDEREÇO: AV. MONTE LÍBANO, Nº 09, SERRARIA CIMPA, PARAGOMINAS/PA
DESPACHO/MANDADO/OFÍCIO Por se tratar de réu solto e em razão da pauta de audiências, designo a
audiência para o dia 4 de fevereiro de 2020, às 11h. Comunique-se ao Juízo Deprecante. Intimem-se.
Paragominas, 3 de dezembro de 2019 DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito
PROCESSO: 00033676620108140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Ação Penal - Procedimento Ordinário em: 06/12/2019 DENUNCIADO:MINISTERIO PUBLICO DO
ESTADO DO PARA DENUNCIADO:JOBSON SARMENTO DOS SANTOS SOUZA DENUNCIADO:P. R. F.
C. DENUNCIADO:REGINALDO CESAR LIMA ALVARES. PRISÃO EM FLAGRANTE AUTOS DO
PROCESSO Nº 0003367-66.2010.8.14.0039 DESPACHO Proceda-se o recambiamento do preso e
certifique-se sobre a sua citação. Paragominas/PA, 6 de dezembro de 2019 DAVID GUILHERME DE
PAIVA ALBANO Juiz de Direito PROCESSO: 00059357320198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Ação Penal - Procedimento Ordinário em: 06/12/2019 VITIMA:O. E. DENUNCIADO:FABIO SANTOS
SIQUEIRA DENUNCIANTE:MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO PARA. AUTOS DO PROCESSO Nº
0005935-73.2019.814.0039 DECISÃO/MANDADO/OFÍCIO Trata-se de PEDIDO DE RESTITUIÇÃO DE
COISA APREENDIDA formulado por ANDREIA DE MATOS DA SILVA, por meio de Advogado constituído.
A requerente pleiteia a restituição de uma motocicleta Honda/Pop 1101, ano de fabricação 2016 e modelo
2017, Renavam nº 0110742114-1, chassi nº 9C2JB0100HR238805, placa QEJ- 9831, cor vermelha, que
se encontra sob custódia da Delegacia de Paragominas, por ter sido apreendida durante a prisão em
flagrante de Fábio Santos Siqueira, em 2 de julho de 2019. O pedido em questão veio instruído com
procuração, cópia de documentos da requerente e do bem apreendido - fls. 5/9- apenso. Os autos foram
encaminhados ao Ministério Público, que se manifestou favoravelmente a concessão do pleiteado, fls.
10/11- apenso. É o breve relatório. DECIDO. A requerente pleiteia a restituição de uma motocicleta
Honda/Pop 1101, ano de fabricação 2016 e modelo 2017, Renavam nº 0110742114-1, chassi nº
9C2JB0100HR238805, placa QEJ- 9831, cor vermelha, que foi apreendida com o réu Fábio Santos
2301
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Siqueira, por ocasião de sua prisão em flagrante pela suposta prática do crime de porte ilegal de arma de
fogo de uso proibido. Dessa forma, com o material probatório carreado aos autos constata-se que assiste
direito a requerente, haja vista ser a proprietária da motocicleta. Assim, nos termos do art. 120 do CPP,
determino a restituição a requerente ANDREIA DE MATOS DA SILVA, o uma motocicleta Honda/Pop
1101, ano de fabricação 2016 e modelo 2017, Renavam nº 0110742114-1, chassi nº
9C2JB0100HR238805, placa QEJ- 9831, cor vermelha. Procedam-se as comunicações necessárias.
Ciência ao Ministério Público e ao Advogado do requerente Dr. Maxwell Honorato Silva Souza, OAB/PA Nº
25.406, por meio do Diário de Justiça. P. R. I. C. Paragominas, 6 de dezembro de 2019 DAVID
GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito PROCESSO: 00093498420168140039 PROCESSO
ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA
ALBANO Ação: Inquérito Policial em: 06/12/2019 INDICIADO:APURACAO VITIMA:M. B. F. VITIMA:R. H.
L. AUTORIDADE POLICIAL:BRUNA PAOLUCCI TARALLO. QUEBRA DE SIGILO DE DADOS
TELEFÔNICOS AUTOS DO PROCESSO Nº 0009349-84.2016.814.0039 SIGILOSO DECISÃO
INTERLOCUTÓRIA/MANDADO/OFÍCIO Trata-se de REPRESENTAÇÃO DE QUEBRA DE SIGILO DE
DADOS TELEFÔNICOS, formulado pelo Delegado de Polícia Civil, Dr. Eder Silva de Oliveira, nos IMEIS
dos aparelhos celulares indicados às 113/114, em razão de serem objetos subtraídos em 7 de julho de
2016, quando a vítima MANOEL BALBINO, motorista da Empresa Transportadora Atlas Ltda, trafegava
pela BR-010, KM 134, sentindo Uilianópolis/Paragominas, conduzindo o veículo Scania/P 340, placa HIJ-
0285, em nome da Empresa Rodoviário HAMA LTDA-ME e Reboque SR/RANDON, PLACA OZZ-0574, ao
tentar retornar na via, acabou tombando, momento em que teve a carga saqueada pelos populares. A
carga continha diversos itens, como: medicamentos e aparelhos eletrônicos - principalmente aparelhos
celulares. Diante disso, à Autoridade Policial representou pela medida cautelar nos IMEIS indicados. O
Ministério Público se manifestou favoravelmente ao pedido (fls. 118/120). É o relatório. Decido. No
presente caso, verifico que a presente medida cautelar tem por escopo identificar a autoria do fato
criminoso, ora perpetrado contra a vítima. Com efeito, de acordo com o art. 5º, inciso XII, da Constituição
Federal: "é inviolável o sigilo da correspondência e das comunicações telegráficas, de dados e das
comunicações telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei
estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução processual penal;" Todavia, tal direito não é
absoluto, permitindo a mitigação da tutela constitucional por meio de um juízo de ponderação de
interesses a ser exercido no caso concreto. Na hipótese versada, verifico que a decretação da medida
restritiva a direito fundamental está justificada, tendo em vista que seria possível identificar quem estaria
na posse dos diversos aparelhos celulares subtraídos. No entanto, tais informações não são protegidas
por reserva constitucional de jurisdição, como anotado pela autoridade policial, visto que o teor das
comunicações efetuadas pelo telefone e os dados transmitidos por via telefônica são abrangidos pela
inviolabilidade do sigilo - artigo 5º, inciso XII, da Constituição Federal, sendo indispensável a prévia
autorização judicial para a sua quebra, o que não ocorre no que tange aos dados cadastrais, externos ao
conteúdo das transmissões telemáticas, pois o direito ao sigilo dos dados telefônicos não está abarcado
pela cláusula de reserva de jurisdição, por falta de previsão para tanto. Nesse sentido, ensina Renato
Brasileiro de Lima1 "Destarte, o objeto da lei n.º 9.296/96 não abrange a quebra do sigilo de dados
telefônicos. Como já se manifestou a jurisprudência, a Lei n.º 9.296/96 é aplicável apenas às
interceptações telefônicas (atuais, presentes), não alcançando os registros telefônicos relacionados a
comunicações passadas. Logo, a quebra do sigilo dos dados telefônicos contendo os dias, os horários, a
duração e os números das linhas chamadas e recebidas, não se submete à disciplina das interceptações
telefônicas regidas pela lei 9.296/96. Em outras palavras, a proteção a que se refere o art. 5º, inciso XII, da
Constituição Federal, é da comunicação de dados, e não dos dados em si mesmos. Portanto,
diversamente da interceptação telefônica, a quebra do sigilo de dados telefônicos não está submetida à
clausula de reserva de jurisdição. Logo, além da autoridade judiciária competente, Comissões
Parlamentares de Inquérito também podem determinar a quebra do sigilo de dados telefônicos com base
em seus poderes de investigação (CF, art. 28, §3º), desde que o ato deliberativo esteja devidamente
fundamentado." Este também é o entendimento do Supremo Tribunal Federal2 EMENTA: PROCESSUAL
PENAL. HABEAS CORPUS SUBSTITUTIVO. ROUBO, DESCAMINHO E TRÁFICO DE DROGAS.
ALEGADA VIOLAÇÃO AO SIGILO DAS COMUNICAÇÕES TELEFÔNICAS. INOCORRÊNCIA. 1. A
obtenção direta pela autoridade policial de dados relativos à hora, ao local e à duração das chamadas
realizadas por ocasião da prática criminosa não configura violação ao art. 5º, XII, da CF/88. Precedentes.
2. Habeas Corpus a que se nega seguimento. Diante do exposto, DEFIRO a quebra do sigilo de dados
telefônicos nos IMEIS: a.1) IMEI 1: 353506056760670, IMEI 2: 353506056810707, IMEI 3:
353506056860736; a.2) IMEI 1: 353506056800369; IMEI 2: 35306056850398, IMEI 3: 353506056900425;
a.3) IMEI 1: 353506056804338, IMEI 2: 353506056854366, IMEI 3: 353506056904393; a.4) IMEI 1:
2302
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

353506056798878, IMEI 2: 353506056848905, IMEI 3: 353506056898934; a.5) IMEI 1:


353506056790164, IMEI 2: 353506056840191, IMEI 3: 353506056890220; a.6) IMEI 1:
353506056789471, IMEI 2: 353506056839508, IMEI 3: 353506056889537; a.7) IMEI 1:
353506056806465, IMEI 2: 353506056856494, IMEI 3: 353506056906521; a.8) IMEI 1:
353506056789489, IMEI 2: 353506056839516, IMEI 3: 353506056889545; a.9) IMEI 1:
353506056798480, IMEI 2: 353506056848517, IMEI 3: 353506056898546; a.10) IMEI 1:
353506056865703, IMEI 2: 353506056815730, IMEI 3: 353506056865768, no período de 3 de maio de
2016 até o fim do período da quebra de sigilo telefônico, para que sejam cumpridas pelas operadoras TIM,
VIVO, OI e CLARO, nos seguintes termos: 1- Seja apresentado os fluxogramas das ligações originadas e
recebidas com sias identificações cadastrais subsequentes e antecedentes, IME"S, CHIPS, SERIAIS,
dados de cartões de recarga, extrato decodificado e localização geográfica das ERB"S; 2- Seja
fornecimento "extrato de ligações com IDENTIFICAÇÃO DE IMEI DO CHAMANTE E DO CHAMADO",
detalhadas, originadas, recebidas, tentadas e não atendidas, inclusive com verificação, informação extrato
decodificado e localização geográfica das ERB"S inerentes, em planilha eletrônica de terminação .xls
(planilha eletrônica de Microsoft Excel) gravado em mídia magnética ou óptica (CD-ROM) ou mesmo
através de envio para o e-mails: nip@nippcpa.com, ou em caso de urgência, para o Núcleo de Inteligência
Policial em Belém/PA, por meio do telefone/fax (91) 3222-2554, bem como para à Autoridade Policial
solicitante supracitada, lotado na Delegacia de Polícia Civil de Paragominas/PA. Dr. Eder Silva Oliveira, e-
mails: eder.oliveira@policiacivil.pa.gov.br, ederlawyer@hotmail.com e ederlawyer@gmail.com, no período
de 3 de maio de 2016 até o fim do período da quebra de sigilo telefônico; 3- Que as operadoras iniciem os
serviços técnicos e prestem as informações necessárias, previamente, com o simples recebimento de
Alvarás Judiciais; 4- Que a operadora de telefonia forneça a identificação e a quebra de sigilo de dados
cadastrais do(s) número do terminal vinculado ao assinante/usuário, e de todos os terminais que com ele
mantiverem contato e interlocutores indiretos relevantes à investigação, bem como se os assinantes
possuem terminais a eles vinculados, por nome ou cadastro geral de pessoa física - CPF; 5- Que seja
concedido a Autoridade Policial subscritora, poderes para mediante ofício, determinar a operadora de
telefonia que inclua ou exclua agentes (analistas) na operação, a fim de cadastrá-los, para que tenham
acesso aos sistemas de acompanhamento tal qual o VIGIA e SENHA para realizar a solicitação de
extratos de contas reversa com identificação de IMEI e ERB; 6- Que as operadoras de telefonia forneçam
o extrato de conexões EDGE (2G), 3G, ou 4G, dos Alvos e outros numerais indicados pela Autoridade ou
seus agentes, informando a ERB, IP, Data e Horário da conexão em Planilha XLS (Excel) e PDF; 7- Que
as operadoras de telefonia forneçam o histórico de chamadas de qualquer ERB (Antena) indicada pela
Autoridade Policial no decorrer da referida medida cautelar, em arquivo de Excel (.xls) e PDF, mediante
requisição por ofício ao Delegado de Polícia; 8- A expedição dos respectivos MANDADOS JUDICIAIS, de
forma a possibilitar às operadoras de telefonia, através de suas respectivas direções, o envio com a
máxima urgência das informações acima requeridas e efetivação dos pleitos; 9- Autorizo que as
operadoras de telefonia liberem Login e Senha de acesso ao Portal Jud, VIGIA das operadoras (OI, TIM,
VIVO e CLARO), INFORGUARD e acesso aos históricos de chamadas através de listagem de ligações ou
conta reversa, com identificação de IMEI utilizado pelo numeral ou identificação do numeral através do
IMEI, indicado a respectiva ERB utilizada, DURANTE A MEDIDA CAUTELAR, em favor do Delegado de
Polícia, Dr. Eder Silva Oliveira, e-mails: eder.oliveira@policiacivil.pa.gov.br, ederlawyer@hotmail.com e
ederlawyer@gmail.com, bem como de outros agentes indicados pela Autoridade Policial. 10- As presentes
informações deverão ser remetidas, também, a este JUÍZO, no prazo de 48horas, nos respectivos
endereços de e-mail: david.albano@tjpa.jus.br, pertencente ao Juiz Titular da Vara Criminal da Comarca
de Paragominas, David Guilherme de Paiva Albano. A tramitação da medida e expedição dos respectivos
ofícios ficarão a cargo da Diretora de Secretaria desta comarca, em exercício, Sra. Renata Sepeda. A
medida deve ser cumprida imediatamente após a ciência desta decisão, que servirá de mandado-ofício.
Comunique-se à Autoridade Policial. Ciência ao Ministério Público. Paragominas, 6 de dezembro de 2019
DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito 1 LIMA, Renato Brasileiro de. Legislação Penal
Especial Comentada. 2. ed. Salvador/BA: JusPodivm, 2014. p. 142. 2 STF. HABEAS CORPUS 124.322
RIO GRANDE DO SUL. RELATOR: MIN. ROBERTO BARROSO. 21/09/2015. PROCESSO:
00094181420198140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação: Ação Penal - Procedimento Ordinário em: 06/12/2019
VITIMA:A. E. L. S. DENUNCIADO:ADAMO CORREIA FEITOSA DENUNCIADO:ALESSANDRO PEREIRA
DE CARVALHO DENUNCIANTE:MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO PARA. AÇÃO PENAL AUTOS
DO PROCESSO Nº. 0009418-14.2019.8.14.0039 DECISÃO INTERLOCUTÓRIA/ OFÍCIO/ MANDADO
Sem preliminares a analisar (fls. 55/56) recebo a denúncia por estar em consonância com o disposto do
artigo 41 do Código de Processo Penal e não se encontrarem presentes quaisquer das hipóteses previstas
2303
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

no artigo 395 do Código de Processo Penal e não ser caso de absolvição sumária, do artigo 397, CPP,
conforme redação dada pela Lei 11.719/08. Designo audiência de instrução e julgamento para o dia 16 de
janeiro de 2020, às 9h, devendo-se intimar os réus, as testemunhas arroladas pelo Ministério Público, bem
como aquelas arroladas nas respostas por escrito E OS PRESOS QUE FORAM OUVIDOS DEPOIS DA
DEFESA PRELIMINAR EM CUMPRIMENTO A COTA MINISTERIAL, de acordo com o que dispõe o artigo
400 do Código de Processo Penal. Intimem-se. Ciência ao Ministério Público e a Defensoria Pública.
Paragominas, 6 de dezembro de 2019 DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito
PROCESSO: 00116361520198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Ação Penal - Procedimento Ordinário em: 06/12/2019 VITIMA:A. C. O. E. DENUNCIADO:JOSE MANOEL
DA SILVA SILVA Representante(s): OAB 6977 - LUIZ CARLOS DOS ANJOS CEREJA (ADVOGADO)
DENUNCIANTE:O MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO PARA. AÇÃO PENAL AUTOS DO
PROCESSO Nº. 0011636-15.2019.8.14.0039 DECISÃO INTERLOCUTÓRIA/OFÍCIO/
MANDADO/ALVARÁ DE SOLTURA Cadastre-se o nome do advogado da procuração no Sistema LIBRA.
Sem preliminares a analisar (fls. 72/74), recebo a denúncia por estar em consonância com o disposto do
artigo 41 do Código de Processo Penal e não se encontrarem presentes quaisquer das hipóteses previstas
no artigo 395 do Código de Processo Penal e não ser caso de absolvição sumária, do artigo 397, CPP,
conforme redação dada pela Lei 11.719/08. Designo a audiência de instrução e julgamento para o dia 2 de
abril de 2020, às 9h, devendo-se intimar o réu, as testemunhas arroladas pelo Ministério Público, bem
como aquelas arroladas nas respostas por escrito, de acordo com o que dispõe o artigo 400 do Código de
Processo Penal. Passo a analisar o pedido de revogação de prisão preventiva (fls. 50/68) e em razão da
visita carcerária realizada nesta semana na qual detectou a superlotação do CRRPA. De acordo com o §6º
do artigo 282 do Código de Processo Penal, a prisão preventiva é excepcional e será determinada quando
não for cabível a sua substituição por outra medida. No caso em tela, verifico que no momento não há
necessidade da manutenção da prisão preventiva, pois já houve a citação do réu e a apresentação de
defesa preliminar através do seu advogado. Em razão da quantidade de droga apreendida e caso venha a
ser caracterizado o tráfico, a pena a ser aplicada em caso de eventual condenação será em regime aberto
ou semiaberto, não necessitando que o réu fique custodiado cautelarmente atualmente. Há necessidade
das medidas cautelares, para assegurar a instrução criminal e a eventual aplicação da lei penal. Diante
disso REVOGO a prisão preventiva decretada e concedo a liberdade provisória ao réu JOSE MANOEL DA
SILVA SILVA, nos termos do artigo 316 do Código de Processo Penal, aplicando as seguintes medidas
cautelares, nos termos do artigo 319, para assegurar a instrução criminal e a eventual aplicação da lei
penal: I - Apresentar um comprovante de residência atual 3 um número de telefone para contato na
Secretaria da Vara Criminal de Paragominas/PA até o dia 13 de dezembro de 2019. Qualquer alteração de
endereço deverá ser comunicada ao juízo. II - Comparecimento bimestral em juízo, até o 10º dia do mês
(fevereiro, abril, junho, outubro e dezembro), sendo prorrogável para o dia útil posterior, caso termine em
sábado, domingo ou feriado, enquanto durar este processo-crime. Deverá apresentar um documento de
identificação com foto no momento do comparecimento. III - Proibição de utilizar drogas, portar arma de
fogo e cometer qualquer outro delito. IV - Proibição de se ausentar da Comarca de Paragominas por mais
de 30 (trinta) dias, sem comunicar ao juízo, enquanto durar este processo-crime. O descumprimento de
qualquer destas medidas poderá ocasionar a decretação da prisão preventiva! Prestigiando o Provimento
003/2009 - CJ que normatiza o procedimento que dispensa a elaboração de mandado de citação para o
ato de comunicação do réu em atenção ao princípio constitucional da razoável duração do processo, bem
como os princípios da eficiência, economia e celeridade processual, servirá o presente como mandado e
ALVARÁ DE SOLTURA. Requisite-se o laudo toxicológico definitivo, estabelecendo o prazo de 15 (quinze)
dias para a resposta. Intimem-se. Ciência ao Ministério Público e a Defesa. Paragominas, 6 de dezembro
de 2019 DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito PROCESSO: 00132168020198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE
PAIVA ALBANO Ação: Auto de Prisão em Flagrante em: 06/12/2019 FLAGRANTEADO:BENILSON
SANTOS DOS SANTOS VITIMA:F. J. S. M. VITIMA:J. S. M. . AUTOS DO PROCESSO Nº 0013216-
80.2019.814.0039 FLAGRANTEADO: BENILSON SANTOS DOS SANTOS TERMO DE AUDIÊNCIA Ao
seis (6) dia do mês de dezembro (12) do ano de dois mil e dezenove (2019), às 14h56min, nesta Vara
Criminal de Paragominas, no prédio do Fórum, na sala de audiências da Vara Criminal, se encontravam
presentes o MM. Juiz de Direito Dr. DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO, o Ministério Público Dra.
LILIANE CARVALHO RODRIGUES DE OLIVEIRA, o flagranteado BENILSON SANTOS DOS SANTOS,
assistido pelo Defensor Público Dr. DIOGO MARCELL SILVA NASCIMENTO ELUAN, para participarem
da audiência. Aberta a audiência de custódia, o flagranteado desejou ser assistido pelo Defensor Público.
Em seguida, não foi possível o preenchimento do sistema SISTAC em razão da sua inoperância.
2304
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Assegurada a entrevista entre o flagranteado e o Defensor Público, foi realizada a oitiva do custodiado que
às perguntas do Juiz respondeu: Que foi agredido por populares, mas também sofreu agressão por parte
de dois policiais de farda verde, só que não consegue identifica-los. O Ministério Público se manifestou
pela homologação do auto de prisão em flagrante e a conversão da prisão em preventiva. A Defesa, por
sua vez, requereu a aplicação das medidas cautelares diversas da prisão. O MM. Juiz DECIDIU:
DECISÃO/MANDADO/OFÍCIO Vistos etc. O Delegado de Polícia Civil do Município de Paragominas, Dr.
Saulo Rezende Ribeiro, informou a este Juízo a prisão em flagrante de BENILSON SANTOS DOS
SANTOS, efetuada no dia 6 de dezembro de 2019, por volta das 00h55min, por infringir, supostamente, o
art. 157 §2º-A, inciso I, do Código Penal, tendo como vítimas Frank Jasson dos Santos Maia e Jasson dos
Santos Maia. A Autoridade Policial representou pela prisão preventiva do flagranteado. Sabe-se que o
flagrante é a única modalidade de prisão que pode ocorrer sem que haja determinação judicial, ou seja, a
análise da legalidade ou não da custódia tem caráter diferido, sendo observada posteriormente pelo juiz,
de forma que, sendo tipo de segregação em que não há ordem judicial, deve observar na íntegra, todos os
requisitos legais, sob pena de relaxamento. De acordo com os autos, no dia 6 de dezembro de 2019, por
volta das 00h55min, as vítimas estavam caminhando na companhia de mais duas pessoas, na Rua Café
Filho, próximo academia Inova, bairro Uraim, Paragominas/PA, quando foram abordados pelo
flagranteado, que munido com uma arma de fogo, tipo caseira, anunciou o assalto e mandou que todos
deitassem no chão. Nessa oportunidade, a vítima FRANK JASSON, reagiu e passou a travar luta corporal
com o flagranteado, que acabou atingido com uma coronhada a vítima. Diante disso, a segunda vítima,
JASSON, foi ajudar seu irmão, e conseguiu mobilizar o flagranteado, enquanto a Polícia Militar não
chegava. Nada foi subtraído. O flagranteado confessou ter praticado o delito. Auto de exibição e
apreensão de objeto (fl. retro). Certidão de antecedentes criminais (fls. retro). É o relato sucinto. Decido.
Ensina o ilustre Jurista e Desembargador GUILHERME DE SOUZA NUCCI em sua obra PRISÃO E
LIBERDADE - De acordo com a Lei 12.403/2011: Recebendo o referido auto, a primeira providência é
checar a sua legalidade, ou seja, analisar se a prisão foi realizada corretamente, de maneira intrínseca (se
era caso de flagrante delito, conforme o art. 302 do CPP) e de modo extrínseco (se todas as formalidades
legais dos arts. 306 e 307 foram devidamente cumpridas). A falha em qualquer dos requisitos (intrínsecos
ou extrínsecos) provoca a ilegalidade da prisão em flagrante, devendo o magistrado relaxá-la (art. 310,
inciso I). Na prática, significa perder o flagrante a sua força prisional, devendo o juiz expedir o alvará de
soltura, colocando o sujeito em liberdade, sem qualquer condição ou pagamento de fiança. (Ed. Revista
dos Tribunais, 3ª Ed. 2013, páginas 78 e 79) Compulsando os autos, observo que todos os requisitos
formais do auto de prisão em flagrante foram observados pela autoridade policial, tais como nota de culpa,
ciência dos direitos constitucionais, ciência das garantias constitucionais e comunicação da prisão à
família do flagranteado. Com relação ao pressuposto material da prisão em flagrante, vislumbro a sua
presença, eis que o flagranteado foi mobilizado pelas vítimas no momento após ter anunciado o assalto,
havendo o flagrante próprio, previsto no art. 302, inciso I, do CPP. Diante do exposto, homologo o
presente auto de prisão em flagrante de BENILSON SANTOS DOS SANTOS, mantendo a capitulação
penal, por ora. Passo a manifestar-me sobre a possibilidade de conversão da prisão em preventiva,
concessão de liberdade ou imposição de outra medida cautelar, nos termos dos artigos 282, c/c 310 e 319
do CPP. Entendo que presente os dois requisitos para prisão preventiva, o fumus comissi delicti e o
periculum libertatis, nos termos dos artigos 311 e 312 do CPP. A situação em exame diz respeito à
suposta prática do delito de roubo majorado. No caso em tela a concessão da liberdade provisória do
flagranteado poderá vir a estimular condutas de mesma natureza, as quais têm gerado profunda revolta e
indignação da comunidade local, abalando a ordem pública. Além disso, o flagranteado confessou o crime
e narrou. Isto comprova que é necessária a segregação dele para que não atrapalhe a instrução criminal
que ainda não se iniciou e não ameace a vítima e testemunhas. Assim, converto a prisão em flagrante em
prisão preventiva de BENILSON SANTOS DOS SANTOS, nos termos do artigo 310, inciso II, combinado
com o artigo 312, ambos do CPP. A presente decisão serve como mandado de prisão em desfavor do
flagranteado. Transfira-se IMEDIATAMENTE os presos para o Centro de Recuperação Regional de
Paragominas. Oficie-se à autoridade policial dando-lhe ciência desta decisão, a fim de que conclua o
inquérito policial, no prazo legal, sob pena da prisão se tornar ilegal. Intimem-se. COMUNIQUE-SE O
JUÍZO DE CANAÃ DOS CARAJÁS SOBRE A PRISÃO DO FLAGRANTEADO. Cumpra-se. SERVIRÁ O
PRESENTE TERMO COMO CERTIDÃO DE COMPARECIMENTO. E como nada mais houvesse, foi
tomado este termo por findo, que lido e achado conforme, vai por todos assinado. Juiz de Direito:
____________________________________________________________ Ministério Público:
__________________________________________________________ Defensor Público:
__________________________________________________________ Custodiado:
_______________________________________________________________ RUA ILHÉUS, S/N,
2305
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

BAIRRO CÉLIO MIRANDA, CEP. 68.626-060 Telefone: (91) 3729-9700 - 1crimparagominas@tjpa.jus.br


PROCESSO: 00132176520198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Auto de Prisão em Flagrante em: 06/12/2019 FLAGRANTEADO:JEFERSON CARLOS SOUSA FREIRE.
AUTOS DO PROCESSO Nº 0013217-65.2019.814.0039 FLAGRANTEADO: JEFERSON CARLOS
SOUSA FREIRE TERMO DE AUDIÊNCIA Ao seis (6) dia do mês de dezembro (12) do ano de dois mil e
dezenove (2019), às 14h40min, nesta Vara Criminal de Paragominas, no prédio do Fórum, na sala de
audiências da Vara Criminal, se encontravam presentes o MM. Juiz de Direito Dr. DAVID GUILHERME DE
PAIVA ALBANO, o Ministério Público Dra. LILIANE CARVALHO RODRIGUES DE OLIVEIRA, o
flagranteado JEFERSON CARLOS SOUSA FREIRE, assistido pelo Defensor Público Dr. DIOGO
MARCELL SILVA NASCIMENTO ELUAN, para participarem da audiência. Aberta a audiência de custódia,
o flagranteado desejou ser assistido pelo Defensor Público. Em seguida, não foi possível o preenchimento
do sistema SISTAC em razão da sua inoperância. Assegurada a entrevista entre o flagranteado e o
Defensor Público, foi realizada a oitiva do custodiado que às perguntas do Juiz respondeu: Que foi
agredido por um policial da Rotam "DA SILVA". O Ministério Público requereu a homologação do auto de
prisão em flagrante e a conversão da prisão em preventiva. A Defesa por sua, requereu aplicação de
medidas cautelares diversas da prisão. O MM. Juiz DECIDIU: DECISÃO/MANDADO/OFÍCIO/ALVARÁ DE
SOLTURA Vistos etc. O Delegado de Polícia do Município de Paragominas, Dr. Saulo Rezende Ribeiro,
informou a este Juízo a prisão em flagrante de JEFFERSON CARLOS SOUSA FREIRE, efetuada no dia 5
de dezembro de 2019, por volta das 18h30min, por infringir, supostamente, o art. 33, da Lei nº
11.343/2006. A Autoridade Policial representou pela prisão preventiva do flagranteado. Sabe-se que o
flagrante é a única modalidade de prisão que pode ocorrer sem que haja determinação judicial, ou seja, a
análise da legalidade ou não da custódia tem caráter diferido, sendo observada posteriormente pelo juiz,
de forma que, sendo tipo de segregação em que não há ordem judicial, deve observar na íntegra, todos os
requisitos legais, sob pena de relaxamento. De acordo com os autos, no dia 5 de dezembro de 2019, por
volta das 18h30min, policiais militares estavam realizando rondas na Lídia Carneiro, bairro Promissão III,
Paragominas/PA, quando receberam informações de um popular, que o flagranteado estaria
comercializando entorpecentes na sua residência de nº 178. Diante disso, os policiais se deslocaram até o
local informado, ocasião em que encontraram o flagranteado em frente a sua residência e realizaram sua
revista pessoal, mas nada foi encontrado com ele. Em razão disso, os policiais solicitaram a autorização
para entrar no imóvel, tendo o flagranteado autorizado, momento em que foi encontrado no local 6 (seis)
porções pequenas conhecida como cocaína em pedra, pesando aproximadamente 30g e o valor de R$
510,00 (quinhentos e dez reais). O flagranteado confessou perante à Autoridade Policial que adquiriu os
entorpecentes para poder comercializá-los. Auto de exibição e apreensão de objeto (fl. retro). Laudo
toxicológico provisório (fl. retro). Certidão de antecedentes criminais (fl. retro). É o breve relato sucinto.
DECIDO. Ensina o ilustre Jurista e Desembargador GUILHERME DE SOUZA NUCCI em sua obra
PRISÃO E LIBERDADE - De acordo com a Lei 12.403/2011: Recebendo o referido auto, a primeira
providência é checar a sua legalidade, ou seja, analisar se a prisão foi realizada corretamente, de maneira
intrínseca (se era caso de flagrante delito, conforme o art. 302 do CPP) e de modo extrínseco (se todas as
formalidades legais dos arts. 306 e 307 foram devidamente cumpridas). A falha em qualquer dos requisitos
(intrínsecos ou extrínsecos) provoca a ilegalidade da prisão em flagrante, devendo o magistrado relaxá-la
(art. 310, inciso I). Na prática, significa perder o flagrante a sua força prisional, devendo o juiz expedir o
alvará de soltura, colocando o sujeito em liberdade, sem qualquer condição ou pagamento de fiança. (Ed.
Revista dos Tribunais, 3ª Ed. 2013, páginas 78 e 79) Compulsando os autos, observo que todos os
requisitos formais do auto de prisão em flagrante foram observados pela autoridade policial, tais como nota
de culpa, ciência dos direitos constitucionais e ciência das garantias constitucionais e houve comunicação
da prisão à família do flagranteado. Com relação ao pressuposto material da prisão em flagrante,
vislumbro a sua presença, eis que o flagranteado foi preso, suspostamente, com entorpecentes na sua
residência, caracterizando o flagrante próprio, previsto no artigo 302, inciso II, do CPP. Diante do exposto,
homologo o presente auto de prisão em flagrante de JEFFERSON CARLOS SOUSA FREIRE,
conservando por ora a capitulação penal. Passo a manifestar-me sobre a possibilidade de conversão da
prisão em preventiva, concessão de liberdade ou imposição de outra medida cautelar, nos termos dos
artigos 282, c/c 310 e 319 do CPP. Entendo que NÃO se encontram presentes os requisitos para prisão
preventiva, o fumus comissi delicti e o periculum libertatis, nos termos dos artigos 311 e 312 do CPP. A
situação em exame diz respeito à suposta prática do delito capitulados no art. 33, da Lei nº 11.343/2006.
No caso em tela, observo que o tipo de droga, a quantidade e a forma como foi encontrada, indicam que
há uma situação limite entre o "uso de substância entorpecente" e o "tráfico de drogas", que deverá ser
analisada pelo Ministério Público quando oferecer ou não a denúncia, em que pese a declaração do
2306
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

flagranteado. Enquanto isso, o flagranteado não pode permanecer preso por este fato, pois eventual
desclassificação para uso não impõe pena de prisão e eventual condenação por tráfico poderá ser feita
inclusive em regime aberto. De acordo com o §6º do artigo 282, a prisão preventiva é excepcional e será
determinada quando não for cabível a sua substituição por outra medida. Ante o acima exposto, com base
no artigo 310, inciso III do CPP, não vislumbro a necessidade da custódia cautelar, destarte, concedo a
liberdade provisória a JEFFERSON CARLOS SOUSA FREIRE com vinculação a todos os atos do
processo, bem como, determino a aplicação das seguintes medidas cautelares previstas no artigo 319, do
CPP: I - Comparecimento mensalmente em juízo, até o 10º dia de cada mês, sendo prorrogável para o dia
útil posterior, caso termine em sábado, domingo ou feriado, enquanto durar o Inquérito Policial e eventual
processo-crime; II - Apresentação de comprovante de residência e número de telefone para contato até o
dia de 10 de dezembro de 2019; III - Proibição de frequentar bares e portar arma de fogo; IV - Proibição de
se ausentar da Comarca de Paragominas por mais de 30 (trinta) dias, enquanto durar o Inquérito Policial e
eventual processo-crime, salvo com Autorização Judicial; V - Comparecer a todos os atos do processo; O
autuado deverá comparecer em juízo após o primeiro dia útil da sua soltura, para assinar termo de
compromisso, sob pena de ser revogado o benefício, com a expedição de mandado de prisão contra sua
pessoa. Oficie-se à Autoridade Policial comunicando a presente decisão e para que encaminhe o inquérito
policial no prazo legal, bem como o laudo toxicológico definitivo. Intime-se o flagranteado das medidas
cautelares determinadas, cientificando-o que o não cumprimento acarretará a decretação de sua prisão
preventiva. SERVIRÁ A PRESENTE DECISÃO COMO MANDADO/OFÍCIO/ALVARÁ DE SOLTURA.
SERVIRÁ O PRESENTE TERMO COMO CERTIDÃO DE COMPARECIMENTO. E como nada mais
houvesse, foi tomado este termo por findo, que lido e achado conforme, vai por todos assinado. Juiz de
Direito: ____________________________________________________________ Ministério Público:
__________________________________________________________ Defensor Público:
__________________________________________________________ Custodiado:
_______________________________________________________________ RUA ILHÉUS, S/N,
BAIRRO CÉLIO MIRANDA, CEP. 68.626-060 Telefone: (91) 3729-9700 - 1crimparagominas@tjpa.jus.br
PROCESSO: 00132367120198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Auto de Prisão em Flagrante em: 06/12/2019 FLAGRANTEADO:JOAO VICTOR MARTINS DA SILVA
VITIMA:F. A. G. VITIMA:M. S. S. . AUTOS DO PROCESSO Nº 0013236-71.2019.8.14.0039
FLAGRANTEADO: JOÃO VICTOR MARTINS DA SILVA TERMO DE AUDIÊNCIA Ao seis (6) dia do mês
de dezembro (12) do ano de dois mil e dezenove (2019), às 14h25min, nesta Vara Criminal de
Paragominas, no prédio do Fórum, na sala de audiências da Vara Criminal, se encontravam presentes o
MM. Juiz de Direito Dr. DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO, o Ministério Público Dra. LILIANE
CARVALHO RODRIGUES DE OLIVEIRA, o flagranteado JOÃO VICTOR MARTINS DA SILVA, assistido
pelo Defensor Público Dr. DIOGO MARCELL SILVA NASCIMENTO ELUAN, para participarem da
audiência. Aberta a audiência de custódia, o flagranteado desejou ser assistido pelo Defensor Público. Em
seguida, não foi possível o preenchimento do sistema SISTAC em razão da sua inoperância. Assegurada
a entrevista entre o flagranteado e o Defensor Público, foi realizada a oitiva do custodiado que às
perguntas do Juiz respondeu: Não foi agredido, nem sofreu maus-tratos no momento da prisão. O
Ministério Público se manifestou pela homologação do auto de prisão em flagrante e a manutenção da
fiança arbitrada em sede policial. A Defesa, por sua vez, requereu a dispensa da fiança arbitrada. O MM.
Juiz DECIDIU: DECISÃO/MANDADO/OFÍCIO Vistos etc. O Delegado de Polícia Civil do Município de
Paragominas, Dr. Saulo Ribeiro Rezende, informou a este Juízo a prisão em flagrante de JOÃO VICTOR
MARTINS DA SILVA efetuada no dia 5 de dezembro de 2019, por volta das 08h50min, por infringir,
supostamente, o artigo 155, caput, do CPB. A Autoridade Policial arbitrou fiança no valor de R$ 1.200,00
(Hum mil e duzentos reais), contudo, não foi recolhida. Sabe-se que o flagrante é a única modalidade de
prisão que pode ocorrer sem que haja determinação judicial, ou seja, a análise da legalidade ou não da
custódia tem caráter diferido, sendo observada posteriormente pelo juiz, de forma que, sendo tipo de
segregação em que não há ordem judicial, deve observar na íntegra, todos os requisitos legais, sob pena
de relaxamento. De acordo com os autos, no dia 5 de dezembro de 2019, por volta das 08h50min, uma
equipe da Polícia Militar foi abordada pelo nacional Matheus dos Santos Silva, o qual informou que havia
sido vítima de furto, tendo sua bicicleta sido subtraída. Matheus informou, ainda, que o autor do furto
estava anunciando a sua bicicleta furtada nas redes sociais, tendo a vítima, inclusive, marcado com ao
autor do furto para "comprar" a bicicleta. Quando chegara, ao autor do furto este foi identificado como
sendo JOÃO VICTOR MARTINS DA SILVA, sendo que este confessou a prática do crime e disse que já
havia vendido a bicicleta para uma mulher identificada como Ana Lúcia Coqueiro Siqueira. Em seguida, a
GU 1903 foi até a residência de Ana Lúcia e apreendeu a bicicleta da vítima (Caloi, cor preta). Além disso,
2307
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

quando João Victor foi abordado, ele estava na posse de uma bicicleta HOUSTON Vivid, cor branca com
rosa. Todos foram conduzidos para a delegacia, e ao chegarem na delegacia, identificaram o proprietário
da bicicleta HOUSTON como sendo o nacional Francisco Antônio Gonzaga. Após Francisco compareceu à
delegacia e afirmou que sua bicicleta foi furtada neste dia, pela manhã. Perante a autoridade policial o
flagranteado confessou a prática dos furtos das bicicletas. Certidão de antecedentes criminais (fls. retro). É
o relato sucinto. Decido. Ensina o ilustre Jurista e Desembargador GUILHERME DE SOUZA NUCCI em
sua obra PRISÃO E LIBERDADE - De acordo com a Lei 12.403/2011: Recebendo o referido auto, a
primeira providência é checar a sua legalidade, ou seja, analisar se a prisão foi realizada corretamente, de
maneira intrínseca (se era caso de flagrante delito, conforme o art. 302 do CPP) e de modo extrínseco (se
todas as formalidades legais dos arts. 306 e 307 foram devidamente cumpridas). A falha em qualquer dos
requisitos (intrínsecos ou extrínsecos) provoca a ilegalidade da prisão em flagrante, devendo o magistrado
relaxá-la (art. 310, inciso I). Na prática, significa perder o flagrante a sua força prisional, devendo o juiz
expedir o alvará de soltura, colocando o sujeito em liberdade, sem qualquer condição ou pagamento de
fiança. (Ed. Revista dos Tribunais, 3ª Ed. 2013, páginas 78 e 79). Compulsando os autos, observo que
todos os requisitos formais do auto de prisão em flagrante foram observados pela autoridade policial, tais
como nota de culpa, ciência dos direitos constitucionais, ciência das garantias constitucionais e
comunicação da prisão à família do flagranteado. Com relação ao pressuposto material da prisão em
flagrante, vislumbro a sua presença, eis que o flagranteado teria sido preso após ter supostamente furtado
a bicicleta HOUSTON vivid , cor branca com rosa, pertencente ao nacional Frncisco Antônio Gonzaga, na
manhã do dia 5 de dezembro de 2019. Diante do exposto, homologo o presente auto de prisão em
flagrante JOÃO VICTOR MARTINS DA SILVA, conservando por ora a capitulação penal. Passo a
manifestar-me sobre a possibilidade de conversão da prisão em preventiva, concessão de liberdade ou
imposição de outra medida cautelar, nos termos do art. 282, c/c 310 e 319 do CPP. Considerando que até
o presente momento não houve o recolhimento da fiança arbitrada pela Autoridade Policial e, em razão da
impossibilidade do custodiado em pagá-la, REDUZO-A a 1/2 (um meio) do salário mínimo vigente, nos
termos do artigo 325, §1º, inciso I, c/c artigo 350, todos do Código de Processo Penal, ficando em R$
499,00 (quatrocentos e noventa e nove reais) mais as taxas da SEFA, além de aplica-lhe, as seguintes
medidas cautelares: I - Comparecimento trimestral em juízo (novembro, fevereiro, maio e agosto), até o
10º dia de cada mês, sendo prorrogável para o dia útil posterior, caso termine em sábado, domingo ou
feriado, enquanto durar o Inquérito Policial e eventual processo-crime. II - Apresentação de comprovante
de residência e número de telefone para contato até o dia de 10 de dezembro de 2019. III - Proibição de
frequentar bares. IV - Proibição de se ausentar da Comarca de Paragominas, enquanto durar o Inquérito
Policial e eventual processo-crime. V - Comparecer a todos os atos do processo. Recolhida a fiança,
ponha imediatamente o custodiado em LIBERDADE, se por outro motivo não se encontrar preso,
independentemente de nova decisão. O descumprimento de qualquer destas medidas poderá ocasionar a
decretação da prisão preventiva! Oficie-se à autoridade policial dando-lhe ciência desta decisão, para o
seu imediato cumprimento. Dê-se ciência ao Ministério Público e à Defensoria Pública. Cumpra-se.
SERVIRÁ O PRESENTE TERMO COMO CERTIDÃO DE COMPARECIMENTO. E como nada mais
houvesse, foi tomado este termo por findo, que lido e achado conforme, vai por todos assinado. Juiz de
Direito: ____________________________________________________________ Ministério Público:
__________________________________________________________ Defensor Público:
__________________________________________________________ Custodiado:
_______________________________________________________________ RUA ILHÉUS, S/N,
BAIRRO CÉLIO MIRANDA, CEP. 68.626-060 Telefone: (91) 3729-9700 - 1crimparagominas@tjpa.jus.br
PROCESSO: 00132375620198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Auto de Prisão em Flagrante em: 06/12/2019 FLAGRANTEADO:JOSE NILSON FERREIRA NOVAIS
VITIMA:C. G. R. . AUTOS DO PROCESSO Nº 0013237-56.2019.814.0039 FLAGRANTEADO: JOSÉ
NILSON FERREIRA NOVAIS TERMO DE AUDIÊNCIA Ao seis (6) dia do mês de dezembro (12) do ano de
dois mil e dezenove (2019), às 15h40min, nesta Vara Criminal de Paragominas, no prédio do Fórum, na
sala de audiências da Vara Criminal, se encontravam presentes o MM. Juiz de Direito Dr. DAVID
GUILHERME DE PAIVA ALBANO, o Ministério Público Dra. LILIANE CARVALHO RODRIGUES DE
OLIVEIRA, o flagranteado JOSÉ NILSON FERREIRA NOVAIS, assistido pelo Defensor Público Dr.
DIOGO MARCELL SILVA NASCIMENTO ELUAN, para participarem da audiência. Aberta a audiência de
custódia, o flagranteado desejou ser assistido pelo Defensor Público. Em seguida, não foi possível o
preenchimento do sistema SISTAC em razão da sua inoperância. Assegurada a entrevista entre o
flagranteado e o Defensor Público, foi realizada a oitiva do custodiado que às perguntas do Juiz
respondeu: Que não sofreu tortura e nem maus-tratos. O Ministério Público requereu a homologação do
2308
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

auto de prisão em flagrante e a conversão da prisão em preventiva. A Defesa por sua, requereu aplicação
de medidas cautelares diversas da prisão. O MM. Juiz DECIDIU: DECISÃO/MANDADO/OFÍCIO Vistos etc.
A Delegada de Polícia do Município de Paragominas, Dra. Amanda Pereira da Costa, informou a este
Juízo a prisão em flagrante de JOSÉ NILSON FERREIRA NOVAIS, efetuada no dia 6 de dezembro 2019,
por infringir, supostamente, o art. 121, §2º-A, inciso II, do Código Penal, tendo como vítima CLAUDIENE
GOMES DOS REIS. A Autoridade Policial representou pela prisão preventiva do flagranteado. Sabe-se
que o flagrante é a única modalidade de prisão que pode ocorrer sem que haja determinação judicial, ou
seja, a análise da legalidade ou não da custódia tem caráter diferido, sendo observada posteriormente
pelo juiz, de forma que, sendo tipo de segregação em que não há ordem judicial, deve observar na íntegra,
todos os requisitos legais, sob pena de relaxamento. Consta nos autos que no dia 3 de dezembro de 2019,
houve um feminicídio em desfavor de Claudiene Gomes dos Reis, ocorrido na Vila do CAIP, zona rural de
Paragominas/PA. Segundo os autos, testemunhas oculares afirmaram que por volta das 2h40min, do dia 3
de dezembro de 2019, José Nilson Ferreira Novais invadiu a casa da sua ex-companheira, localizada na
R. Santa Amaro, 254, CAIP, Paragominas/PA, portando uma espingarda, rendeu a mãe da vítima e seus
dois irmãos que estavam na residência e entrou no quarto de Claudiene. Em seguida, teria colocado a
vítima de costas e atirado na região infraescapular direita da vítima, possivelmente com uma espingarda
calibre 28, em razão disso a vítima teria ido a óbito no local após o disparo. Além da mãe da vítima e dos
dois irmãos, estavam na residência, mais precisamente no quanto da vítima, os três filhos de Claudiene e
José (flagranteado). Após o fato, José Nilson fugiu do local. Após tomarem conhecimento dos fatos, várias
equipes da polícia passaram a empreender diligências, de forma ininterrupta, para localizar José Nilson,
sendo que, no dia 6 de dezembro de 2019, por volta das 21h15min, a polícia recebeu uma denúncia
anônima de que José Nilson estava escondido na Vila Bacaba ou Vila União, mais precisamente na Rua
do Meio, na última casa do lado esquerdo. Imediatamente, policiais foram até o local e encontraram José
Nilson dormindo em uma rede, momento em que o prenderam em flagrante pelo feminicídio cometido
contra Claudiene. Perante à Autoridade Policial, o flagranteado disse que estava sob efeito de álcool e
disse que não se lembra de ter matado a ex-companheira Claudiene e que apareceu na casa de um
homem no dia 5 de dezembro de 2019. Disse, ainda, que não se lembra onde conseguiu a arma e que
soube que havia matado Claudiene na data anterior à prisão. Declarou, também, que o efeito do álcool
durou dois dias para passar e que não se lembra onde abandonou a moto e a arma usada no crime.
Certidão de antecedentes criminais (fl. retro). É o relato sucinto. Decido. Ensina o ilustre Jurista e
Desembargador GUILHERME DE SOUZA NUCCI em sua obra PRISÃO E LIBERDADE - De acordo com a
Lei 12.403/2011: Recebendo o referido auto, a primeira providência é checar a sua legalidade, ou seja,
analisar se a prisão foi realizada corretamente, de maneira intrínseca (se era caso de flagrante delito,
conforme o art. 302 do CPP) e de modo extrínseco (se todas as formalidades legais dos arts. 306 e 307
foram devidamente cumpridas). A falha em qualquer dos requisitos (intrínsecos ou extrínsecos) provoca a
ilegalidade da prisão em flagrante, devendo o magistrado relaxá-la (art. 310, inciso I). Na prática, significa
perder o flagrante a sua força prisional, devendo o juiz expedir o alvará de soltura, colocando o sujeito em
liberdade, sem qualquer condição ou pagamento de fiança. (Ed. Revista dos Tribunais, 3ª Ed. 2013,
páginas 78 e 79) Compulsando os autos, observo que todos os requisitos formais do auto de prisão em
flagrante foram observados pela autoridade policial, tais como nota de culpa, ciência dos direitos
constitucionais e ciência das garantias constitucionais e comunicação da prisão à família do flagranteado.
Com relação ao pressuposto material da prisão em flagrante, vislumbro a sua presença, pois, conforme o
art. 302, incisos I a IV, do Código de Processo Penal veicula rol taxativo de três modalidades de prisão em
flagrante. Os incisos I e II tratam da situação de flagrância em sentido estrito, ou seja, quando o autor do
fato é preso durante o cometimento da infração ou quando acaba de cometê-la. O inciso III, por seu turno,
trata do estado de flagrância denominado pela doutrina como flagrante impróprio ou quase-flagrante, ou
seja, daquele que é perseguido, logo após, em situação que faça presumir seja o autor da infração. Já o
inciso IV, trata do flagrante presumido, retratando a prisão daquele que é encontrado, logo depois, com
instrumentos, armas, objetos ou papéis que façam presumir ser ele autor da infração. No presente caso, o
flagranteado foi perseguido, logo após, supostamente ter praticado a infração penal em exame, após uma
denúncia anônima onde ele estaria, caracterizando o flagrante impróprio, previsto no artigo 302, inciso III,
do CPP. Destaco por fim que desde que ocorreu o crime, a polícia iniciou uma perseguição e investigação
até levar a prisão dos flagranetado. Diante do exposto, homologo o presente auto de prisão em flagrante
de JOSÉ NILSON FERREIRA NOVAIS, conservando por ora a capitulação penal. Passo a manifestar-me
sobre a possibilidade de conversão da prisão em preventiva, concessão de liberdade ou imposição de
outra medida cautelar, nos termos do art. 282, c/c 310 e 319 do CPP. Entendo que presentes os dois
requisitos para prisão preventiva, o fumus comissi delicti e o periculum libertatis, nos termos dos arts. 311
e 312 do CPP. O fumus comissi delicti corresponde aos pressupostos da prisão preventiva flagranteado na
2309
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

parte final do art. 312, do CPP, quais sejam, a prova da existência do crime e indícios suficientes de
autoria. A situação em exame diz respeito à suposta prática do delito capitulado no art. 121, §2º-A, II, do
Código Penal. A materialidade do delito está, inicialmente, consubstanciada no auto de prisão em
flagrante, boletim de ocorrência e requisição de perícia - remoção e necropsia da vítima. Relativamente
aos indícios de autoria, em cognição sumária e provisória, tenho como demonstrados, por meio dos
depoimentos das testemunhas. A exigência normativa é a presença de indícios suficientes de autoria para
embasar a prisão preventiva e não certeza irretorquível. E indícios suficientes encontram-se presentes em
virtude dos elementos de cognição reunidos no procedimento policial. Certo é que as provas produzidas
até o momento não afastam os indícios da autoria delitiva do flagranteado. Não se tratando,
evidentemente, da decretação da prisão processual com base em meras conjecturas e suposições. Em
verdade, a situação concreta, existente, nos autos, revela a imperatividade da custódia. Além da prova da
existência do crime e indícios de autoria, o art. 312, do CPP diz, ainda, que a prisão preventiva somente
poderá ser decretada como garantia da ordem pública, da ordem econômica, por conveniência da
instrução criminal ou para assegurar a aplicação da lei penal (é o periculum libertatis). No caso vertente,
reputo que a liberdade do flagranteado representa risco à ordem pública, porque pode vir a estimular
condutas de mesma natureza, ou outras, e essas ações geram profunda revolta e indignação da
comunidade local. Ademais, o crime praticado possui pena máxima superior a 4 (quatro) anos, encontra-
se, portanto, no rol do artigo 313 do Código de Processo Penal (inciso I), restando preenchidas as
condições de admissibilidade da prisão preventiva. Há, ainda, a necessidade de prisão cautelar, para
assegurar a instrução criminal e para eventual aplicação da lei penal, pois em liberdade pode ameaçar
testemunhas. Assim, converto a prisão em flagrante em prisão preventiva de JOSÉ NILSON FERREIRA
NOVAIS, nos termos do artigo 310, inciso II, combinado com o artigo 312, ambos do CPP, pois prima
facie, há prova da existência do crime e indícios suficientes de autoria. A presente decisão serve como
mandado de prisão em desfavor do flagranteado. Transfira-se o preso para o CRRPA. Prestigiando o
Provimento 003/2009 - CJ que normatiza o procedimento que dispensa a elaboração de mandado de
citação para o ato de comunicação do réu em atenção ao princípio constitucional da razoável duração do
processo, bem como os princípios da eficiência, economia e celeridade processual, servirá o presente
como mandado de prisão/ofício. Cumpra-se. SERVIRÁ O PRESENTE TERMO COMO CERTIDÃO DE
COMPARECIMENTO. E como nada mais houvesse, foi tomado este termo por findo, que lido e achado
conforme, vai por todos assinado. Juiz de Direito:
____________________________________________________________ Ministério Público:
__________________________________________________________ Defensor Público:
__________________________________________________________ Custodiado:
_______________________________________________________________ RUA ILHÉUS, S/N,
BAIRRO CÉLIO MIRANDA, CEP. 68.626-060 Telefone: (91) 3729-9700 - 1crimparagominas@tjpa.jus.br
PROCESSO: 00058699320198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Inquérito Policial em: INDICIADO: B. S.
B. INDICIADO: F. I. S. INDICIADO: T. G. F. VITIMA: H. P. A. L. PROCESSO: 00117176120198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Inquérito
Policial em: REPRESENTANTE: E. S. O. REPRESENTADO: A. VITIMA: E. N. C. PROCESSO:
00117176120198140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
---- Ação: Inquérito Policial em: VITIMA: E. N. C. INDICIADO: A. PROCESSO: 00127976020198140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Carta
Precatória Criminal em: AUTOR: A. J. P. REU: R. A. S. VITIMA: M. L. JUIZO DEPRECANTE: J. D. C. U. P.
PROCESSO: 00130418620198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Pedido de Prisão Preventiva em:
REPRESENTANTE: P. P. O. M. REPRESENTADO: W. M. C. REPRESENTADO: E. L. M. S. PROCESSO:
00131561020198140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
---- Ação: Medidas Protetivas de urgência (Lei Maria da Penha) Cri em: VITIMA: M. S. R. R. AUTOR REU:
R. R. R.

RESENHA: 09/12/2019 A 09/12/2019 - SECRETARIA DA VARA CRIMINAL DE PARAGOMINAS - VARA:


VARA CRIMINAL DE PARAGOMINAS PROCESSO: 00003825520138140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Ação Penal - Procedimento Ordinário em: 09/12/2019 AUTOR:MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO
PARA DENUNCIADO:ANTONIO CLEBSON DA COSTA FERREIRA DENUNCIADO:FRANCISCO
2310
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

MARCOS PARAIBANO VITIMA:F. L. A. PROMOTOR:ANA CAROLINA VILHENA GONCALVES DE


AZEVEDO. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ VARA CRIMINAL -
COMARCA DE PARAGOMINAS AUTOS DO PROCESSO Nº 0000382-55.2013.8.14.0039 TERMO DE
AUDIÊNCIA Aos cinco (5) dias do mês de dezembro (12) do ano de dois mil e dezenove (2019), às
11h30min, nesta Vara Criminal de Paragominas, no prédio do Fórum, na sala de audiências da Vara
Criminal, se encontravam presentes o MM. Juiz de Direito Dr. David Guilherme de Paiva Albano, o
Ministério Público Dra. Liliane Carvalho Rodrigues de Oliveira e o Defensor Público Dr. Mauricio Pereira
dos Santos para participarem da audiência. Os depoimentos são gravados e registrados em mídia que
acompanha o presente termo. Ausentes os réus, pois não foram localizados no endereço informado. Em
seguida, o MM. Juiz DECIDIU: Considerando que os réus não foram localizadas no endereço informado e
não compareceram ao ato, DECRETO a sua revelia, nos termos do art. 367, CPP. Em seguida, o MM. Juiz
realizou a oitiva da vítima Flaviane Lopes Amorim, da testemunha do MP Emídio Campelo da Silva Filho,
que deixou de ser compromissada por ser genitor da vítima. O MP desistiu da oitiva das testemunhas
ausentes. Sem testemunhas pela Defesa. Restou prejudicado o interrogatório dos réus. Sem diligências
pelo MP e pela Defesa. Em seguida, o MP apresentou alegações finais nos seguintes termos: "MM. Juiz,
considerando a pena do delito em tela e a data dos fatos, em caso de eventual condenação com as provas
produzidas nestes autos, esta será a mínima, motivo pelo qual o MP requerer o reconhecimento da
prescrição virtual, em razão do princípio da utilidade processual, como medida de justiça e economia
processual - art. 386, VII, CPP.". A Defesa concorda com a manifestação ministerial. Em seguida, o MM.
Juiz SENTENCIOU: Inicialmente, cabe ressaltar que há mais de 3.300 (três mil e trezentos) processos
nesta Vara em andamento. Sobre a prescrição, conceitua o jurista Fernando Capez: "É a perda do direito-
poder-dever de punir pelo Estado em face do não exercício da pretensão punitiva (interesse em aplicar a
pena) ou da pretensão executória (interesse de executá-la) durante certo tempo. O não exercício da
pretensão punitiva acarreta a perda do direito de impor a sanção. Então, só ocorre antes de transitar em
julgado a sentença final (RT, 601/433). O não exercício da pretensão executória extingue o direito de
executar a sanção imposta. Só ocorre, portanto, após o trânsito em julgado da sentença condenatória. (in
Curso de Direito Penal - Parte Geral - Volume 1, Editora Saraiva, Página 614)" O interesse de agir se
concretiza na exigência de um resultado útil do processo e, portanto, da jurisdição, devendo o Juiz verificar
a existência de uma concreta utilidade do processo ao autor. Assim, o interesse de agir é condicionado à
utilidade potencial da tutela jurisdicional, que consiste na aptidão objetiva do provimento jurisdicional para
conferir alguma vantagem ou benefício jurídico efetivo, segundo o sistema jurídico vigente. Condiciona-se,
ainda, o interesse de agir à atualidade, ou seja, é preciso que, desde a propositura da ação até o
encerramento definitivo do processo, a jurisdição esteja apta, pelo menos em tese, a provocar um
resultado útil. E em assim sendo, é possível que o interesse de agir esteja presente na propositura da
ação, desaparecendo, todavia, no curso do processo. A hipótese de falta de interesse de agir, pela
ocorrência da prescrição em perspectiva, é trazida por Ada Pellegrini Grinover, Antônio Scarance
Fernandes e Antônio Magalhães Gomes Filho, dentre outros, para demonstrar que o interesse-utilidade
compreende a ideia de que o provimento pedido deve ser eficaz. A prática de uma infração penal tem
como resultado, pelo menos em princípio, a aplicação de uma pena privativa de liberdade, restritiva de
direitos e/ou multa, sendo necessário que tal consequência possa ser vislumbrada, tanto quando da
propositura da ação penal, como no seu curso, porquanto a probabilidade de inexistência de decisão
condenatória eficaz, a ser atingida pela prescrição retroativa, torna inútil o provimento jurisdicional
pleiteado. Portanto, para justificar a necessidade do processo, deve o juiz verificar se a pena
eventualmente aplicada, na hipótese de condenação, poderá ser efetivamente executada, i. e., se não
será atingida pelo decurso do prazo prescricional da pretensão punitiva, pois, ao contrário, "Para que se
instaurar o processo quando, pelos elementos colhidos na investigação, percebe-se que, em face da
provável pena a ser aplicada, haverá prescrição retroativa? Para que, nessas circunstâncias, obrigar o réu
a se submeter a um processo inútil?" (A reação defensiva à imputação, ANTONIO SCARANCE
FERNANDES. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p. 296.). Nessa conjuntura, reconhecida a
possibilidade de inutilidade do processo e da própria jurisdição, eis que, mesmo que houvesse, ao final,
uma sentença condenatória, esta não produziria qualquer efeito, posto que haveria o reconhecimento da
prescrição da pretensão punitiva retroativa, é dever do juiz, declarar a extinção da punibilidade, pelo
advento da prescrição em perspectiva. Celso Delmanto, ilustre defensor da possibilidade do
reconhecimento da prescrição em perspectiva, afirma que "Não há sentido em admitir-se a persecução
penal quando ela é natimorta, já que o "poder de punir", se houver condenação, fatalmente encontrar-se-á
extinto. Perder-se-ia todo o trabalho desempenhado, até mesmo para efeitos civis, já que, ao final, estaria
extinta a própria pretensão punitiva ("ação penal"). De outra parte, submeter alguém aos dissabores de um
processo penal, tendo a certeza de que este será inútil, constitui constrangimento ilegal" 10. (Código Penal
2311
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Comentado. 6. ed. Rio de Janeiro: Renovar: 2002, p. 218). A Súmula nº 438 do Superior Tribunal de
Justiça que trata sobre o tema não é vinculante. No caso em tela, em razão da pena abstrata do delito e
do exame das circunstâncias judiciais e legais revela que, na pior das hipóteses, ainda que houvesse
condenação, a pena privativa de liberdade aplicada seria atingida pela prescrição. Além disso, analisando
os autos verifiquei que o suposto acusado não foi encontrado para ser intimado, bem como estava ausente
nas audiências de suspensão. Em virtude disto, o representante do Ministério Público requereu a
aplicação da prescrição em perspectiva, pois além de dispendioso para o Estado, seria um desperdício
temporal submeter alguém a um processo criminal que, ao final, será fulminado pela prescrição real. ISTO
POSTO, de acordo com o que consta nos autos, com fundamento nos artigos 107, IV, do Código Penal e
dos artigos 3º e 61 do Código de Processo Penal, e, considerando a quantidade de eventual pena a ser
aplicada em caso de hipotéticas condenações, declaro, por analogia ao instituto da prescrição da
pretensão punitiva retroativa EXTINTA A PUNIBILIDADE de FRANCISCO MARCOS PARAIBANO e
ANTONIO CLEBSON DA COSTA PFERREIRA, pelos fatos narrados nestes autos. Sem custas. Publique-
se. Registre-se. O Ministério Público e a Defesa saem cientes e informaram que não irão recorrer.
Considerando o trânsito em julgado, arquivem-se. SERVIRÁ O PRESENTE TERMO COMO CERTIDÃO
DE COMPARECIMENTO. E como nada mais houvesse, foi tomado este termo por findo, que lido e
achado conforme, vai por todos assinado. Juiz de Direito:
____________________________________________________________ Ministério Público:
__________________________________________________________ Defensor Público:
_________________________________________________________ RUA ILHÉUS, S/N, BAIRRO
CÉLIO MIRANDA, CEP. 68.626-060 Telefone: (91) 3729-9700 - 1crimparagominas@tjpa.jus.br
PROCESSO: 00008991120118140039 PROCESSO ANTIGO: 201120004788
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Ação Penal de Competência do Júri em: 09/12/2019 AUTOR:MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO
PARA PROMOTOR:BRENDA CORREA LIMA VITIMA:F. P. N. DENUNCIADO:ANTONIO HELIO DA
SILVA FIGUEREDO. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ VARA
CRIMINAL - COMARCA DE PARAGOMINAS AUTOS DO PROCESSO Nº 0000899-11.2011.8.14.0039
TERMO DE AUDIÊNCIA Aos cinco (5) dias do mês de dezembro (12) do ano de dois mil e dezenove
(2019), às 9h30min, nesta Vara Criminal de Paragominas, no prédio do Fórum, na sala de audiências da
Vara Criminal, se encontravam presentes o MM. Juiz de Direito Dr. David Guilherme de Paiva Albano, o
Ministério Público Dr. Carlos Lamarck Magno Barbosa, o réu Antonio Helio da Silva Figueredo, assistido
pelo Defensor Público Dr. Mauricio Pereira dos Santos para participarem da audiência. Os depoimentos
são gravados por áudio e vídeo e a mídia se encontra em anexo a este termo. Aberta o MP requereu a
palavra: "MM. Juiz, após a análise dos autos, nota-se que trata-se de lesão corporal leve, posto que,
conforme documentos - denúncia inclusive -, o réu poderia continuar a realizar as lesões e não o fez por
conta própria. Cabe destacar Exa; que consta apenas boletim médico atestado possível lesão grave,
contudo desde 2011 não foi realizado a imprescindível perícia pública - art. 158, CPP e pedi-la na atual
data seria inócuo, posto que já passados 8 (oito) anos do fato - assim deve entender-se como lesão leve -
art. 5º, LVII, CF/88. O fato teria ocorrido em 11 de fevereiro de 2011. E por tratar-se de lesão leve,
requerer o reconhecimento da prescrição na presente data - art. 109, VI c/c art. 129, caput, todos do CP."
A defesa concordou com a manifestação ministerial. Em seguida, o MM. Juiz SENTENCIOU: Vistos etc.
Relatório dispensado. Analisando os autos, verifico que já ocorreu a prescrição em razão de restar
caracterizado apenas o crime de lesão corporal leve. ISTO POSTO, de acordo com o que consta nos
autos, com fundamento nos artigos 107, IV, do Código Penal e dos artigos 3º e 61 do Código de Processo
Penal, declaro, EXTINTA A PUNIBILIDADE de Antonio Helio da Silva Figueredo, pelos fatos narrados
nestes autos. O Ministério Público, o réu e a Defesa saem cientes e informaram que não irão recorrer.
Considerando o trânsito em julgado, arquivem-se. O PRESENTE TERMO VALERÁ COMO CERTIDÃO DE
COMPARECIMENTO. E como nada mais houvesse, foi tomado este termo por findo, que lido e achado
conforme, vai por todos assinado. Juiz de Direito:
____________________________________________________________ Ministério Público:
__________________________________________________________ Defensor
Público:___________________________________________________________ Réu:
____________________________________________________________________ RUA ILHÉUS, S/N,
BAIRRO CÉLIO MIRANDA, CEP. 68.626-060 Telefone: (91) 3729-9700 - 1crimparagominas@tjpa.jus.br
PROCESSO: 00022866020118140039 PROCESSO ANTIGO: 201120010389
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Ação Penal - Procedimento Ordinário em: 09/12/2019 AUTOR:MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO
PARA VITIMA:A. C. O. E. PROMOTOR:REGINALDO CESAR LIMA ALVARES
2312
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

DENUNCIADO:FRANCISCO ANTONIO DE SOUSA Representante(s): OAB 6977 - LUIZ CARLOS DOS


ANJOS CEREJA (ADVOGADO) . PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ
VARA CRIMINAL - COMARCA DE PARAGOMINAS AUTOS DO PROCESSO Nº 0002286-
60.2011.8.14.0039 TERMO DE AUDIÊNCIA Aos três (3) dias do mês de dezembro (12) do ano de dois mil
e dezenove (2019), às 10h50min, nesta Vara Criminal de Paragominas, no prédio do Fórum, na sala de
audiências da Vara Criminal, se encontravam presentes o MM. Juiz de Direito Dr. David Guilherme de
Paiva Albano, o MP Dra. Liliane Carvalho Rodrigues de Oliveira e o advogado do réu Dr. Luiz Carlos dos
Anjos Cereja - OAB/PA nº 6.977 para participarem da audiência. Ausente o réu, apesar de devidamente
intimado. Aberta a audiência, o Ministério Público requereu a palavra: "MM. Juiz, considerando a pena do
delito em tela e a data dos fatos, em caso de eventual instrução criminal e pena, esta será a mínima,
motivo pelo qual o MP requerer o reconhecimento da prescrição virtual, em razão do princípio da utilidade
processual, como medida de justiça e economia processual - art. 386, VII, CPP.". A Defesa concorda com
a manifestação ministerial. Em seguida, o MM. Juiz SENTENCIOU: Inicialmente, cabe ressaltar que há
mais de 3.300 (três mil e trezentos) processos nesta Vara em andamento. Sobre a prescrição, conceitua o
jurista Fernando Capez: "É a perda do direito-poder-dever de punir pelo Estado em face do não exercício
da pretensão punitiva (interesse em aplicar a pena) ou da pretensão executória (interesse de executá-la)
durante certo tempo. O não exercício da pretensão punitiva acarreta a perda do direito de impor a sanção.
Então, só ocorre antes de transitar em julgado a sentença final (RT, 601/433). O não exercício da
pretensão executória extingue o direito de executar a sanção imposta. Só ocorre, portanto, após o trânsito
em julgado da sentença condenatória. (in Curso de Direito Penal - Parte Geral - Volume 1, Editora Saraiva,
Página 614)" O interesse de agir se concretiza na exigência de um resultado útil do processo e, portanto,
da jurisdição, devendo o Juiz verificar a existência de uma concreta utilidade do processo ao autor. Assim,
o interesse de agir é condicionado à utilidade potencial da tutela jurisdicional, que consiste na aptidão
objetiva do provimento jurisdicional para conferir alguma vantagem ou benefício jurídico efetivo, segundo o
sistema jurídico vigente. Condiciona-se, ainda, o interesse de agir à atualidade, ou seja, é preciso que,
desde a propositura da ação até o encerramento definitivo do processo, a jurisdição esteja apta, pelo
menos em tese, a provocar um resultado útil. E em assim sendo, é possível que o interesse de agir esteja
presente na propositura da ação, desaparecendo, todavia, no curso do processo. A hipótese de falta de
interesse de agir, pela ocorrência da prescrição em perspectiva, é trazida por Ada Pellegrini Grinover,
Antônio Scarance Fernandes e Antônio Magalhães Gomes Filho, dentre outros, para demonstrar que o
interesse-utilidade compreende a ideia de que o provimento pedido deve ser eficaz. A prática de uma
infração penal tem como resultado, pelo menos em princípio, a aplicação de uma pena privativa de
liberdade, restritiva de direitos e/ou multa, sendo necessário que tal consequência possa ser vislumbrada,
tanto quando da propositura da ação penal, como no seu curso, porquanto a probabilidade de inexistência
de decisão condenatória eficaz, a ser atingida pela prescrição retroativa, torna inútil o provimento
jurisdicional pleiteado. Portanto, para justificar a necessidade do processo, deve o juiz verificar se a pena
eventualmente aplicada, na hipótese de condenação, poderá ser efetivamente executada, i. e., se não
será atingida pelo decurso do prazo prescricional da pretensão punitiva, pois, ao contrário, "Para que se
instaurar o processo quando, pelos elementos colhidos na investigação, percebe-se que, em face da
provável pena a ser aplicada, haverá prescrição retroativa? Para que, nessas circunstâncias, obrigar o réu
a se submeter a um processo inútil?" (A reação defensiva à imputação, ANTONIO SCARANCE
FERNANDES. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p. 296.). Nessa conjuntura, reconhecida a
possibilidade de inutilidade do processo e da própria jurisdição, eis que, mesmo que houvesse, ao final,
uma sentença condenatória, esta não produziria qualquer efeito, posto que haveria o reconhecimento da
prescrição da pretensão punitiva retroativa, é dever do juiz, declarar a extinção da punibilidade, pelo
advento da prescrição em perspectiva. Celso Delmanto, ilustre defensor da possibilidade do
reconhecimento da prescrição em perspectiva, afirma que "Não há sentido em admitir-se a persecução
penal quando ela é natimorta, já que o "poder de punir", se houver condenação, fatalmente encontrar-se-á
extinto. Perder-se-ia todo o trabalho desempenhado, até mesmo para efeitos civis, já que, ao final, estaria
extinta a própria pretensão punitiva ("ação penal"). De outra parte, submeter alguém aos dissabores de um
processo penal, tendo a certeza de que este será inútil, constitui constrangimento ilegal" 10. (Código Penal
Comentado. 6. ed. Rio de Janeiro: Renovar: 2002, p. 218). A Súmula nº 438 do Superior Tribunal de
Justiça que trata sobre o tema não é vinculante. No caso em tela, em razão da pena abstrata do delito e
do exame das circunstâncias judiciais e legais revela que, na pior das hipóteses, ainda que houvesse
condenação, a pena privativa de liberdade aplicada seria atingida pela prescrição. Além disso, analisando
os autos verifiquei que o suposto acusado não foi encontrado para ser intimado, bem como estava ausente
nas audiências de suspensão. Em virtude disto, o representante do Ministério Público requereu a
aplicação da prescrição em perspectiva, pois além de dispendioso para o Estado, seria um desperdício
2313
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

temporal submeter alguém a um processo criminal que, ao final, será fulminado pela prescrição real. ISTO
POSTO, de acordo com o que consta nos autos, com fundamento nos artigos 107, IV, do Código Penal e
dos artigos 3º e 61 do Código de Processo Penal, e, considerando a quantidade de eventual pena a ser
aplicada em caso de hipotéticas condenações, declaro, por analogia ao instituto da prescrição da
pretensão punitiva retroativa EXTINTA A PUNIBILIDADE de FRANCISCO ANTONIO DE SOUSA, pelos
fatos narrados nestes autos. Sem custas. Publique-se. Registre-se. O Ministério Público e a Defesa saem
cientes e informaram que não irão recorrer. Considerando o trânsito em julgado, arquivem-se. SERVIRÁ O
PRESENTE TERMO COMO CERTIDÃO DE COMPARECIMENTO. E como nada mais houvesse, foi
tomado este termo por findo, que lido e achado conforme, vai por todos assinado. Juiz de Direito:
____________________________________________________________ MP:
_____________________________________________________________________ Advogado:
________________________________________________________________ RUA ILHÉUS, S/N,
BAIRRO CÉLIO MIRANDA, CEP. 68.626-060 Telefone: (91) 3729-9700 - 1crimparagominas@tjpa.jus.br
PROCESSO: 00084796820188140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Ação Penal - Procedimento Ordinário em: 09/12/2019 VITIMA:Y. K. S. O. DENUNCIADO:MARCOS
ANDRE DE JESUS MARTINS DENUNCIANTE:MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO PARA. PODER
JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ VARA CRIMINAL - COMARCA DE
PARAGOMINAS AUTOS DO PROCESSO Nº 0008479-68.2018.8.14.0039 TERMO DE AUDIÊNCIA Aos
seis (6) dias do mês de dezembro (12) do ano de dois mil e dezenove (2019), às 13h30min, nesta Vara
Criminal de Paragominas, no prédio do Fórum, na sala de audiências da Vara Criminal, se encontravam
presentes o MM. Juiz de Direito Dr. David Guilherme de Paiva Albano, o Ministério Público Dra. Liliane
Carvalho Rodrigues de Oliveira, o réu Marcos Andre de Jesus Martins, assistido pelo Defensor Público Dr.
Diogo Marcell Silva Nascimento Eluan para participarem da audiência. Os depoimentos são gravados por
áudio e vídeo e a mídia se encontra em anexo a este termo. Aberta a audiência, o MM. Juiz realizou a
oitiva das testemunhas do MP Wendel Silva de Oliveira, que deixou de ser compromissada em razão de
ser amigo do réu, Rafael Sousa de Freitas, devidamente compromissada. O MP requereu a desistência da
oitiva da vítima e das demais testemunhas. Sem testemunhas pela Defesa. O réu em seu interrogatório
exerceu o direito constitucional ao silêncio. Sem diligências e requerimentos pelo MP e pela Defesa. O MP
apresentou alegações finais nos seguintes termos: ""MM. Juiz, consta nos autos que o bem subtraído não
foi recuperado, nem encontrado com o réu, nem com o adolescente que o acompanhava. A única prova
que consta nos autos é um suposto reconhecimento feito pela vítima o que não é suficiente para a
condenação. Assim, requer a absolvição do réu, nos termos do art. 386, VII, CPP e o arquivamento do
feito - art. 414, CPP." A defesa concordou com a manifestação ministerial. Em seguida, o MM. Juiz
SENTENCIOU: Trata-se de ação penal proposta pelo Ministério Público em face de Marcos Andre de
Jesus Martins ao qual é imputada a conduta prevista no art. 157, §2º, inciso II, do Código Penal e no artigo
244-B, ECA, pelos fatos descritos na denúncia que teriam ocorrido em 16 de julho de 2018. Durante a
audiência de instrução foram ouvidas duas testemunhas. O MP e a Defesa requereram a absolvição em
alegações finais. É o relatório. Decido. No presente caso, ao analisar as provas produzidas durante a
instrução criminal, verifica-se a carência probatória para uma condenação, pois, a prova plena e cabal da
acusação, delimita-se apenas na denúncia. In dubio pro reo. Não há provas contundentes e robustas que
o réu tenha praticado o delito. Assim, assiste razão o MP e a Defesa: impõe-se a absolvição do réu. Ante o
acima exposto, julgo IMPROCEDENTE a ação penal, para ABSOLVER o réu Marcos Andre de Jesus
Martins, já qualificado, da imputação que lhe foi feita, nos termos do artigo 386, inciso VII (não haver
provas suficientes para a condenação), do Código de Processo Penal. As partes saem cientes e
informaram que não irão recorrer. Considerando o trânsito em julgado, arquivem-se. O PRESENTE
TERMO VALERÁ COMO CERTIDÃO DE COMPARECIMENTO. E como nada mais houvesse, foi tomado
este termo por findo, que lido e achado conforme, vai por todos assinado. Juiz de Direito:
____________________________________________________________ Ministério Público:
__________________________________________________________ Defensor Público:
__________________________________________________________ Réu:
____________________________________________________________________ RUA ILHÉUS, S/N,
BAIRRO CÉLIO MIRANDA, CEP. 68.626-060 Telefone: (91) 3729-9700 - 1crimparagominas@tjpa.jus.br

RESENHA: 09/12/2019 A 09/12/2019 - SECRETARIA DA VARA CRIMINAL DE PARAGOMINAS - VARA:


VARA CRIMINAL DE PARAGOMINAS PROCESSO: 00007098820118140039 PROCESSO ANTIGO: ----
2314
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:


Ação Penal - Procedimento Ordinário em: 09/12/2019 AUTOR:MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO
PARA DENUNCIADO:JOSE EDIVALDO FERNANDES FREITAS Representante(s): OAB 24391 -
DEUSDETE ALVES PEREIRA FILHO (ADVOGADO) VITIMA:T. C. V. PROMOTOR:MARCELA
CHRISTINE FERREIRA DE MELO CASTELO BRANCO. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA
DO ESTADO DO PARÁ VARA CRIMINAL - COMARCA DE PARAGOMINAS AUTOS DO PROCESSO Nº
0000709-88.2011.8.14.0039 TERMO DE AUDIÊNCIA Aos cinco (5) dias do mês de dezembro (12) do ano
de dois mil e dezenove (2019), às 9h30min, nesta Vara Criminal de Paragominas, no prédio do Fórum, na
sala de audiências da Vara Criminal, se encontravam presentes o MM. Juiz de Direito Dr. David Guilherme
de Paiva Albano, o Ministério Público Dr. Carlos Lamarck Magno Barbosa, o réu José Edivaldo Fernandes,
acompanhado do seu advogado Dr. Deusdete Alves Pereira Filho - OAB/PA nº 24.391 para participarem
da audiência. Os depoimentos são gravados por áudio e vídeo e a mídia se encontra em anexo a este
termo. Aberta a audiência, o MM. Juiz realizou a oitiva da vítima Thaiane Cunha Vieira, da testemunha do
MP Maria do Socorro Lima Gomes, que deixou de ser compromissada por ser mãe de criação da vítima,
Thainar Cunha Vieira, que deixou de ser compromissada por ser irmã da vítima, Marcia dos Santos Costa,
devidamente compromissada e Maria Rosi Gomes Sales, que deixou de ser compromissada por ser
esposa do réu. O MP insistiu na oitiva da testemunha Dr. José Ivanildo da Costa Navegantes em razão da
necessidade de esclarecimento do laudo por ele realizado. Presentes ainda as testemunhas de Defesa
que irão comparecer a nova audiência independentemente de intimação. Em seguida, o MM. Juiz
DELIBEROU: À Secretaria, para certificar sobre o cumprimento ou não da Carta Precatória expedida para
a oitiva da testemunha Dr. José Ivanildo. O PRESENTE TERMO VALERÁ COMO CERTIDÃO DE
COMPARECIMENTO. E como nada mais houvesse, foi tomado este termo por findo, que lido e achado
conforme, vai por todos assinado. Juiz de Direito:
____________________________________________________________ Ministério Público:
__________________________________________________________
Advogado:________________________________________________________________ Réu:
____________________________________________________________________ RUA ILHÉUS, S/N,
BAIRRO CÉLIO MIRANDA, CEP. 68.626-060 Telefone: (91) 3729-9700 - 1crimparagominas@tjpa.jus.br
PROCESSO: 00087971720198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Ação Penal - Procedimento Ordinário em: 09/12/2019 VITIMA:O. E. DENUNCIADO:ADRIANA TEIXEIRA
NOGUEIRA DENUNCIANTE:MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO PARA. AÇÃO PENAL AUTOS DO
PROCESSO Nº. 0008797-17.2019.8.14.0039 DECISÃO INTERLOCUTÓRIA/ OFÍCIO/
MANDADO/ALVARÁ DE SOLTURA Proceda-se a renumeração das folhas. Sem preliminares a analisar
(fls. 89/90) recebo a denúncia por estar em consonância com o disposto do artigo 41 do Código de
Processo Penal e não se encontrarem presentes quaisquer das hipóteses previstas no artigo 395 do
Código de Processo Penal e não ser caso de absolvição sumária, do artigo 397, CPP, conforme redação
dada pela Lei 11.719/08. Designo audiência de instrução e julgamento para o dia 2 de abril de 2020, às
9h45min, devendo-se intimar a ré, as testemunhas arroladas pelo Ministério Público, bem como aquelas
arroladas nas respostas por escrito, de acordo com o que dispõe o artigo 400 do Código de Processo
Penal. Passo a analisar o pedido de SUBSTITUIÇÃO DA PRISÃO PREVENTIVA POR PRISÃO
DOMICILIAR formulado pela ré, através da Defensoria Pública (fls. 74/78). Alega, em síntese, que não
estão presentes os requisitos da prisão preventiva, sendo a ré primária, portadora de bons antecedentes,
possui residência fixa e 2 (dois) anos filhos menores que são dependentes dela por ser a única
responsável (HC n.º 143641/STF). Juntou documentos. O Ministério Público se manifestou (fls. 82/84). É o
relatório. Decido. De acordo com o §6º do artigo 282, a prisão preventiva é excepcional e será
determinada quando não for cabível a sua substituição por outra medida. Analisando os autos, verifico que
atualmente é caso de revogação da prisão preventiva, em razão do que dispõe o artigo 318, V, CPP, pois
comprovou possuir três filhos menores de 12 (doze) anos, em razão da ré já ter sido citada e ter
apresentado a defesa preliminar. Destaco que é o primeiro processo que ela responde. Ante o exposto,
com fulcro no artigo 282, §2º, e artigo 316, ambos do CPP, REVOGO A PRISÃO PREVENTIVA da
indiciada ADRIANA TEIXEIRA NOGUEIRA, e concedo a liberdade provisória com aplicação das seguintes
medidas cautelares, com escopo no artigo 319, do CPP, para assegurar a instrução criminal: I - Apresentar
um comprovante de residência atual e um número de telefone para contato na Secretaria da Vara Criminal
de Paragominas/PA até o dia 13 de dezembro de 2019. Qualquer alteração de endereço deverá ser
comunicada ao juízo. II - Comparecimento mensalmente em juízo, até o 10º dia do mês, sendo prorrogável
para o dia útil posterior, caso termine em sábado, domingo ou feriado, enquanto durar este processo-
crime. III - Proibição de utilizar drogas, portar arma de fogo e cometer novos delitos. IV - Proibição de se
2315
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

ausentar da Comarca de Paragominas por mais de 30 (trinta) dias, sem comunicar ao juízo, enquanto
durar este processo-crime. V - Comparecer em todos os atos do processo. O descumprimento de qualquer
destas medidas poderá ocasionar a decretação da prisão preventiva! Prestigiando o Provimento 003/2009
- CJ que normatiza o procedimento que dispensa a elaboração de mandado de citação para o ato de
comunicação do réu em atenção ao princípio constitucional da razoável duração do processo, bem como
os princípios da eficiência, economia e celeridade processual, servirá o presente como mandado, ofício e
ALVARÁ DE SOLTURA, se por outro motivo não estiver presa. Intimem-se. Ciência ao Ministério Público e
a Defensoria Pública. Cumpra-se. Paragominas, 9 de dezembro de 2019 DAVID GUILHERME DE PAIVA
ALBANO Juiz de Direito PROCESSO: 00088422120198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Carta Precatória Criminal em: 09/12/2019 AUTOR:A JUSTICA PUBLICA ACUSADO:FRANCISCO DE
ASSIS DE SOUSA SILVA JUIZO DEPRECANTE:JUIZO DE DIREITO DA COMARCA DE CAXIAS MA.
PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ VARA CRIMINAL - COMARCA DE
PARAGOMINAS AUTOS DO PROCESSO Nº 0008842-21.2019.8.14.0039 TERMO DE AUDIÊNCIA Aos
cinco (5) dias do mês de dezembro (12) do ano de dois mil e dezenove (2019), às 11h30min, nesta Vara
Criminal de Paragominas, no prédio do Fórum, na sala de audiências da Vara Criminal, se encontravam
presentes o MM. Juiz de Direito Dr. David Guilherme de Paiva Albano, o Ministério Público Dr. Carlos
Lamarck Magno Barbosa, o réu Francisco de Assis de Sousa Silva, vulgo "Amarelinho", assistido pelo
Defensor Público Dr. Mauricio Pereira dos Santos porque o réu declarou que desejava ser assistido por
ele. Os depoimentos são gravados por áudio e vídeo e a mídia se encontra em anexo a este termo. Aberta
a audiência, assegurado os direitos legais e constitucionais, foi realizado o interrogatório do réu Francisco
de Assis de Sousa Silva. O MM. Juiz DELIBEROU: Cumprida a Carta Precatória, devolva-se com as
homenagens e cautelas de estilo. Encaminhe-se cópia do presente termo por e-mail/malote digital. Após,
certifiquem-se e arquivem-se. E como nada mais houvesse, foi tomado este termo por findo, que lido e
achado conforme, vai por todos assinado. Juiz de Direito:
____________________________________________________________ Ministério Público:
__________________________________________________________ Defensor
Público:___________________________________________________________ RUA ILHÉUS, S/N,
BAIRRO CÉLIO MIRANDA, CEP. 68.626-060 Telefone: (91) 3729-9700 - 1crimparagominas@tjpa.jus.br
PROCESSO: 00098035920198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Carta Precatória Criminal em: 09/12/2019 AUTOR:A JUSTICA PUBLICA REU:RAFAEL COSTA
BARROSO Representante(s): OAB 44149 - ANTHONNY QUEIROZ CARNEIRO (ADVOGADO) REU:E
OUTROS JUIZO DEPRECANTE:JUIZO DE DIREITO DA COMARCA DE CAMACAN BA REU:GILVANA
GOMES GUIMARAES Representante(s): OAB 53671 - SHEYLLA SANTOS SANTANA (ADVOGADO) .
PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ VARA CRIMINAL - COMARCA DE
PARAGOMINAS AUTOS DO PROCESSO Nº 0009803-59.2019.8.14.0039 TERMO DE AUDIÊNCIA Aos
cinco (5) dias do mês de dezembro (12) do ano de dois mil e dezenove (2019), às 11h30min, nesta Vara
Criminal de Paragominas, no prédio do Fórum, na sala de audiências da Vara Criminal, se encontravam
presentes o MM. Juiz de Direito Dr. David Guilherme de Paiva Albano, o Ministério Público Dr. Carlos
Lamarck Magno Barbosa, o réu Rafael Costa Barroso, acompanhado do seu advogado Dr. Rovicto
Moschen Covre - OAB/PA nº 17.022, que irá apresentar a procuração/substabelecimento no prazo de 5
(cinco) dias e o Defensor Público Dr. Mauricio Pereira dos Santos que assiste aos outros réus, para
participarem da audiência. Os depoimentos são gravados por áudio e vídeo e a mídia se encontra em
anexo a este termo. Aberta a audiência, assegurado os direitos legais e constitucionais, foi realizado o
interrogatório do réu Rafael Costa Barroso. O MM. Juiz DELIBEROU: Cumprida a Carta Precatória,
devolva-se com as homenagens e cautelas de estilo. Encaminhe-se cópia do presente termo por e-
mail/malote digital. Após, certifiquem-se e arquivem-se. E como nada mais houvesse, foi tomado este
termo por findo, que lido e achado conforme, vai por todos assinado. Juiz de Direito:
____________________________________________________________ Ministério Público:
__________________________________________________________ Defensor
Público:___________________________________________________________ Advogado do réu Rafael
- Dr. Rovicto: _________________________________________ Réu:
____________________________________________________________________ RUA ILHÉUS, S/N,
BAIRRO CÉLIO MIRANDA, CEP. 68.626-060 Telefone: (91) 3729-9700 - 1crimparagominas@tjpa.jus.br
PROCESSO: 00104167920198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Carta Precatória Criminal em: 09/12/2019 AUTOR:A JUSTICA PUBLICA REU:ANTONIO MARCOS FIUZA
2316
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

DE SOUZA Representante(s): OAB 231509 - JOSE SETIMO RICARDO (ADVOGADO) JUIZO


DEPRECANTE:JUIZO DE DIREITO DA COMARCA DE SAO BERNARDO DO CAMPO SP. PODER
JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ VARA CRIMINAL - COMARCA DE
PARAGOMINAS AUTOS DO PROCESSO Nº 0010416-79.2019.8.14.0039 TERMO DE AUDIÊNCIA Aos
cinco (5) dias do mês de dezembro (12) do ano de dois mil e dezenove (2019), às 11h30min, nesta Vara
Criminal de Paragominas, no prédio do Fórum, na sala de audiências da Vara Criminal, se encontravam
presentes o MM. Juiz de Direito Dr. David Guilherme de Paiva Albano, o Ministério Público Dr. Carlos
Lamarck Magno Barbosa, o réu Francisco de Assis de Sousa Silva "Amarelinho", assistido pelo Defensor
Público Dr. Mauricio Pereira dos Santos porque o réu declarou que desejava ser assis. Os depoimentos
são gravados por áudio e vídeo e a mídia se encontra em anexo a este termo. Aberta a audiência, o MM.
Juiz realizou a oitiva da testemunha do MP Dr. Marcelino Kielmanowicz Amazonas devidamente
compromissada. O MM. Juiz DELIBEROU: Cumprida a Carta Precatória, devolva-se com as homenagens
e cautelas de estilo. Encaminhe-se cópia do presente termo por e-mail/malote digital. Após, certifiquem-se
e arquivem-se. E como nada mais houvesse, foi tomado este termo por findo, que lido e achado conforme,
v a i p o r t o d o s a s s i n a d o . J u i z d e D i r e i t o :
____________________________________________________________ Ministério Público:
__________________________________________________________ Defensor
Público:___________________________________________________________ RUA ILHÉUS, S/N,
BAIRRO CÉLIO MIRANDA, CEP. 68.626-060 Telefone: (91) 3729-9700 - 1crimparagominas@tjpa.jus.br
PROCESSO: 00106765920198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Carta Precatória Criminal em: 09/12/2019 AUTOR:A JUSTICA PUBLICA DENUNCIADO:ADRIANO
NUNES MESSIAS JUIZO DEPRECANTE:JUIZO DE DIREITO DA COMARCA DE ARAGUAINA TO.
PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ VARA CRIMINAL - COMARCA DE
PARAGOMINAS AUTOS DO PROCESSO Nº 0010676-59.2019.8.14.0039 TERMO DE AUDIÊNCIA Aos
cinco (5) dias do mês de dezembro (12) do ano de dois mil e dezenove (2019), às 12h15min, nesta Vara
Criminal de Paragominas, no prédio do Fórum, na sala de audiências da Vara Criminal, se encontravam
presentes o MM. Juiz de Direito Dr. David Guilherme de Paiva Albano, o Ministério Público Dra. Liliane
Carvalho Rodrigues de Oliveira e o Defensor Público Dr. Mauricio Pereira dos Santos para participarem da
audiência. Ausente o réu Adriano Nunes Messias, pois não foi localizado, conforme certidão retro. Aberta a
audiência, o MM. Juiz DELIBEROU: Considerando o teor da certidão retro, não foi possível cumprir a
Carta Precatória Devolva-se com as homenagens e cautelas de estilo. Encaminhe-se cópia do presente
termo por e-mail/malote digital e da certidão retro. Após, certifiquem-se e arquivem-se. E como nada mais
houvesse, foi tomado este termo por findo, que lido e achado conforme, vai por todos assinado. Juiz de
Direito: ____________________________________________________________ Ministério Público:
__________________________________________________________ Defensor
Público:___________________________________________________________ RUA ILHÉUS, S/N,
BAIRRO CÉLIO MIRANDA, CEP. 68.626-060 Telefone: (91) 3729-9700 - 1crimparagominas@tjpa.jus.br
PROCESSO: 00111762820198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Pedido de Prisão Preventiva em: 09/12/2019 INDICIADO:RODRIGO PAULINO MEDEIROS
INDICIADO:MARIA BRIGIDA DE MEDEIROS VITIMA:J. M. O. . PEDIDO DE PRISÃO PREVENTIVA
AUTOS DO PROCESSO Nº. 0011176-28.2019.814.0039 DECISÃO INTERLOCUTÓRIA/OFÍCIO Trata-se
de REPRESENTAÇÃO pela PRISÃO PREVENTIVA apresentado pelo Delegado de Polícia deste
Município, Dr. Eder Silva de Oliveira, em desfavor de RODRIGO PAULINO MEDEIROS, vulgo
"RODRIGUINHO", já qualificado nos autos, com fundamento nos artigos 311, 312, e seguintes, do Código
de Processo Penal. De acordo com a Representação, no dia 3 de outubro de 2019, por volta das
19h30min, o representado, munido com uma arma de fogo, subtraiu das vítimas JULIANA OLIVEIRA,
JÉSSICA PEREIRA e MÁRCIA DA COSTA, três aparelhos celulares, quando elas se encontravam na Rua
Presidente Médici, nº 149, bairro Angelim, Paragominas/PA. Segundo os autos, a vítima JULIANA
descobriu que o autor do crime seria o investigado RODRIGO PAULINO MEDEIROS, vulgo
"RODRIGUINHO", que usou sua motocicleta para praticar o delito de roubo. O representado foi ouvido em
sede policial e negou as acusações, afirmando que emprestou sua motocicleta Honda Pop, cor preta,
placa FUO-2366, para um conhecido chamado por "LEOZINHO DE BELÉM", e ele praticou o crime de
roubo. O Ministério Público se manifestou desfavorável (fls. retro). É o relatório. Decido. Entendo não se
tratar, ainda, de decretar a custódia cautelar do representado. A prisão preventiva é uma medida cautelar
constituída da privação da liberdade do acusado ou indiciado, decretada pela autoridade judiciária, diante
da existência dos pressupostos legais, para assegurar os interesses sociais de segurança1. Tem por
2317
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

objetivo a garantia da ordem pública, da ordem econômica, a preservação da instrução criminal ou a fiel
execução da pena. Por certo, não vislumbro nenhum dos requisitos apontados, presentes no caso em
análise, uma vez que o representado foi ouvido perante a Autoridade Policial e negou as acusações.
Assim, decretar a prisão do representado neste momento é inverter a razão de ser do instituto da prisão
preventiva, transformando-a em regra, quando deve, obrigatoriamente, ser tratada como exceção. A
liberdade prevalece sempre, só abrindo espaço à restrição da liberdade em casos de comprovada
necessidade, adequação e proporcionalidade, vetores que devem nortear o instituto. A prisão em um
Estado Democrático de Direito deve ter esse cariz. A jurisprudência corrobora o que fora aqui afirmado.
Confira-se. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO. HOMICÍDIOS QUALIFICADOS CONSUMADOS.
INDEFERIMENTO DE PRISÃO PREVENTIVA. INCONFORMIDADE DO MINISTÉRIO PÚBLICO. A peça
recursal, na forma como apresentada, descreveu suficientemente a causa de pedir, razão pela qual é o
caso de conhecimento do recurso do Ministério Público. Vencido o Relator que não o conhecia. No mérito,
contudo, ao contrário do que aduzido nas razões recursais, inexistem nos autos elementos que apontem a
imperiosa necessidade de segregação dos recorridos. Não se nega, aqui, a gravidade do fato e sua
repercussão. Consta que o crime foi cometido em decorrência do tráfico de drogas e seus consectários
comerciais, praticado por meio de recurso que lhe dificultou a defesa e resultou perigo comum. Não se
refuta que esses dados possam configurar abalo à ordem pública, e que em outros processos esta
Relatora tem decretado prisões preventivas em situações semelhantes. Ocorre que a gravidade do delito,
por si só, não é suficiente para o decreto da medida extrema. A prisão fundamentada apenas na gravidade
do crime acaba se transmutando mais em antecipação de pena do que propriamente em provimento
cautelar. Logo, presume-se que a ordem pública, a instrução criminal e a aplicação da lei penal não
estejam sendo prejudicadas, motivo pelo qual não subsiste, no caso concreto, a necessidade da
segregação com base no art. 312 do CPP. POR MAIORIA, CONHECERAM DO RECURSO VENCIDO O
RELATOR QUE NÃO O CONHECIA E, NO MÉRITO, Á UNANIMIDADE NEGARAM-LHE PROVIMENTO.
(Recurso em Sentido Estrito Nº 70066594003, Segunda Câmara Criminal, Tribunal de Justiça do RS,
Relator: Victor Luiz Barcellos Lima, Julgado em 25/08/2016) Diante de tais considerações, INDEFIRO O
PEDIDO DE PRISÃO PREVENTIVA formulada pela Autoridade Policial, vez que não existem nos autos
elementos concretos que preencham os pressupostos exigidos para a constrição cautelar da liberdade do
representado RODRIGO PAULINO MEDEIROS, vulgo "RODRIGUINHO". Sem prejuízo, encaminhem-se
os autos ao Ministério Público, para providências cabíveis, uma vez que o inquérito policial foi encerrado.
Dê ciência a Autoridade Policial e ao Ministério Público. Cumpra-se. Paragominas, 9 de dezembro de 2019
DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito 1 Paulo Rangel aduz que: "A Lei 12.403/2011,
exige, expressamente, que para que seja decretada a prisão preventiva (bem como qualquer medida
cautelar) haja necessidade e adequação da medida, evitando-se, assim, que seja decretada uma custódia
cautelar sem necessidade. No Brasil a prisão preventiva foi banalizada. Pessoas que deveriam estar soltas
foram presas desnecessariamente. Outras, que deveriam estar presas, permaneceram soltas,
inexplicavelmente, durante o processo. Para tanto, a lei exige a demonstração da necessidade e da
adequação da medida, sob pena de ilegalidade em sua adoção." (Direito Processual Penal. 22ª ed. Atlas,
2014, p.801) PROCESSO: 00113962620198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Pedido de Prisão Preventiva em: 09/12/2019 VITIMA:C. F. S. REU:M. A. B. R. DENUNCIADO:HYGSON
KASSYDY LAMEIRA VIEIRA DENUNCIADO:IVO MONTEIRO PEREIRA DENUNCIADO:ADIEMISON
ARAUJO DE SOUSA Representante(s): OAB 16777 - BRUNO SOARES FIGUEIREDO (ADVOGADO)
DENUNCIANTE:O MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO PARA. BUSCA E APREENSÃO
DOMICILIAR AUTOS DO PROCESSO Nº 0011396-26.2019.814.0039 DECISÃO/MANDADO/OFÍCIO
Vistos etc. O Delegado de Polícia desta Comarca de Paragominas, Dr. Marcellino Kielmanowics
Amazonas, representou pela BUSCA E APREENSÃO DOMICILIAR, no endereço declinado à fl. 67-v, com
fundamento nos artigos 240 e seguintes, do CPP. De acordo com a Representação, a medida cautelar se
faz necessária em razão de se obter as imagens que comprovam o porte de arma de fogo pelo réu
ADIEMISON ARAÚJO DE SOUSA, ocorrido em 21/10/19. O Ministério Público se manifestou
favoravelmente ao pedido (fls. retro). É o relatório. Decido. De acordo com o artigo 240, §1º, alíneas "a",
"b", "d", "e", "h", do CPP, a busca e apreensão domiciliar tem a finalidade de não fazer desaparecer as
provas do crime, de modo a apreender todos os instrumentos e todos os objetos que tiverem relação com
o delito, podendo a medida acautelatória ser tomada anteriormente a qualquer procedimento policial ou
judicial, pela autoridade que tem conhecimento da infração penal. Neste sentido, é o seguinte decisório
judicial: "A teor do art. 6º, II, do CPP, pode a autoridade judicial, ao tomar conhecimento de fato delituoso,
determinar a busca e apreensão de objetos relacionados com o mesmo, ante da instauração do respectivo
inquérito" (RT 665/333). Ante o exposto e com fulcro no artigo 240, §1º, alíneas "a", "b", "d", "e", "h", do
2318
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

CPP, havendo indícios do crime porte ilegal de arma de fogo, defiro a busca e apreensão domiciliar a fim
de descobrir objetos necessários à prova de infração ou à defesa do investigado e colher qualquer
elemento de convicção, no domicílio a seguir discriminado: 1) AVENIDA AYRTON SENNA, Nº 398,
BAIRRO JADERLÂNDIA, PARAGOMINAS/PA. A Autoridade Policial deverá ter o zelo para que, durante o
cumprimento desta ordem, não haja exposição midiática do citado endereço e se atentar para o disposto
no artigo 245 do CPP, em especial o previsto no § 7º, ou seja, a lavratura do auto circunstanciado.
Expeça-se mandado de busca e apreensão ao domicílio acima mencionado, onde deverá ser cumprido,
nos exatos termos do artigo 245 e parágrafos do CPP. Assim como, em casa habitada, a busca será feita
de modo que não moleste os moradores mais do que o indispensável para o êxito da diligência, nos
termos do artigo 248 do CPP. Em Segredo de Justiça, até a comunicação do efetivo cumprimento. Oficie-
se à Autoridade Policial. Publique-se e intime-se. Ciência ao Ministério Público. Cumpra-se. Servirá a
presente decisão como MANDADO/OFÍCIO. Paragominas, 9 de dezembro de 2019 DAVID GUILHERME
DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito PROCESSO: 00113962620198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Pedido de Prisão Preventiva em: 09/12/2019 VITIMA:C. F. S. REU:M. A. B. R. DENUNCIADO:HYGSON
KASSYDY LAMEIRA VIEIRA DENUNCIADO:IVO MONTEIRO PEREIRA DENUNCIADO:ADIEMISON
ARAUJO DE SOUSA Representante(s): OAB 16777 - BRUNO SOARES FIGUEIREDO (ADVOGADO)
DENUNCIANTE:O MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO PARA. AÇÃO PENAL AUTOS DO
PROCESSO Nº. 0011396-26.2019.8.14.0039 RÉU: ADIEMISON ARAÚJO DE SOUSA LOCAL DE
CUMPRIMENTO: CRRP RÉU: HYGSON KASSYDY LAMEIRA VIEIRA LOCAL DE CUMPRIMENTO: RUA
PORTO ALEGRE, Nº 51, BAIRRO LAÉRCIO CABELINE, PARAGOMINAS/PA, 91-99811-7175 RÉU: IVO
MONTEIRO PEREIRA LOCAL DE CUMPRIMENTO: AVENIDA AGENOR ALVES, Nº 169, BAIRRO
PROMISSÃO I, PARAGOMINAS/PA RÉ: MARIA ALCIONE BARROSO RODRIGUES LOCAL DE
CUMPRIMENTO: QUADRA 03, CASA 22, MORADA DO SOL, PARAGOMINAS/PA, CEP: 68.625-050
DECISÃO INTERLOCUTÓRIA / MANDADO 1. Recebo a denúncia e o seu aditamento, por estar em
consonância com o disposto do artigo 41 do Código de Processo Penal e não se encontrarem presentes
quaisquer das hipóteses previstas no artigo 395 do Código de Processo Penal. 2. Citem-se os réus para
responderem por escrito a acusação, no prazo de 10 (dez) dias (art. 396 do CPP). Quando do
cumprimento do mandado de citação, o Sr. Oficial deverá perguntar aos réus se possuem advogado ou se
desejam que sua defesa seja patrocinada pela Defensoria Pública. 3. Caso os réus informem que não tem
advogado e que desejam ser assistidos pela Defensoria Pública, o Oficial de Justiça já deverá certificar na
devolução do mandado e os autos devem ser encaminhados àquela instituição, sem necessidade de
conclusão ao gabinete. 4. A defesa do réu ADIEMISON ARAUJO DE SOUSA apresentou resposta antes
do aditamento e do recebimento da denúncia. Ao advogado do réu, para ratificar a já apresentada ou
apresentar nova defesa, no prazo de 10 (dez) dias, para evitar qualquer alegação de nulidade. Assim,
deixo para analisar o pedido de Substituição da Prisão Preventiva após a manifestação da Defesa. 5. Sem
prejuízo, encaminhem-se os autos ao Ministério Público para se manifestar quanto a representação por
medida sigilosa de fl. 67-v, com relação aos denunciados Ivo e Hygson. 6. Certifique-se a publicação desta
decisão. Paragominas, 9 de dezembro de 2019 DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito
PROCESSO: 00113962620198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Pedido de Prisão Preventiva em: 09/12/2019 VITIMA:C. F. S. REU:M. A. B. R. DENUNCIADO:HYGSON
KASSYDY LAMEIRA VIEIRA DENUNCIADO:IVO MONTEIRO PEREIRA DENUNCIADO:ADIEMISON
ARAUJO DE SOUSA Representante(s): OAB 16777 - BRUNO SOARES FIGUEIREDO (ADVOGADO)
DENUNCIANTE:O MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO PARA. QUEBRA DE SIGILO DE DADOS
TELEFÔNICOS AUTOS DO PROCESSO Nº 0011396-26.2019.814.0039 SIGILOSO DECISÃO
INTERLOCUTÓRIA/MANDADO/OFÍCIO Trata-se de representação pela quebra do sigilo telefônico dos
dados armazenados nos aparelhos celulares indicados às fls. 134/135, requerido pela Autoridade Policial,
Dr. Marcellino Kielmanowicz Amazonas, no curso de investigação criminal, instaurada para apurar a
prática dos crimes de dano qualificado, incêndio, porte ilegal de arma de fogo. Em síntese, no dia 18 de
outubro de 2019, a vítima CÉSAR FLÁVIO SODRÉ GOMES, teve seu veículo automotor incendiado na Av.
Araruna, próximo ao Hospital São Paulo, por 4 (quatro) homens encapuzados, conforme foi registrado por
câmeras de segurança da rua. Consta nos autos que a ré MARIA ALCIONE BARROS RODRIGUES era
quem dirigia o veículo automotor Gol, placa NSP 9354, sendo ela no primeiro se passado por vítima e,
logo após foi constatada a sua participação no evento delituoso. A vítima CÉSAR FLÁVIO SODRÉ
GOMES apontou o único suspeito do delito como o réu ADIEMISON ARAÚJO DE SOUSA, pois estava
devendo para ele R$ 300,00 (trezentos reais) referente ao pagamento de um celular e sofreu ameaças
com exercício de arma de fogo, para realizar o pagamento. Em diligências, a Polícia Civil apreendeu o
2319
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

aparelho celular de Maria Alcione, o filho dela Victor Aparecido Ferreira Campos e de Adiemison Araújo de
Sousa. Dessa maneira, destacou a Autoridade Policial ser clarividente a possibilidade de quebra de sigilo
telefônico por meio de ordem judicial, o que se faz necessário no caso em evidência, tendo em vista a
investigação criminal iniciada e a possibilidade de colheitas de robustas provas nos aparelhos celulares
em evidência que ligue os investigados a autoria do delito. O Ministério Público se manifestou
favoravelmente ao pedido (fls. retro). É o relatório. Decido. Embora a situação retratada nos autos não
esteja protegida pela Lei nº 9.296/1996 nem pela Lei nº 12.965/2014, haja vista não se tratar de quebra
sigilo telefônico por meio de interceptação telefônica, ou seja, embora não se trate violação da garantia de
inviolabilidade das comunicações, prevista no art. 5º, inciso XII, da CF, é necessária a autorização judicial
para a quebra do sigilo dos dados armazenados, haja vista a garantia, igualmente constitucional, à
inviolabilidade da intimidade e da vida privada, prevista no art. 5º, inciso X, da CF. Ante o exposto,
DEFIRO o pedido de quebra do sigilo telefônico dos dados armazenados em aplicativos, mídias móveis e
memória dos aparelhos celulares: · 1 SAMSUNG J4, com IMEIS 353791104856221 e 353792104856229; ·
1 MOTOROLA MOTO G6 PLUS, IMEIS 359540091950990 e 359540091951006; · SAMSUNG NOT 9,
IMEIS 359989090836306 e 35990090836304. Fica expressamente vedada a quebra de dados de outros
números não discriminados nesta decisão. A operacionalização da extração dos dados deverá ser
executada pelo pela Polícia Civil do Estado do Pará. A Autoridade responsável pela investigação e que
terá acesso às informações é o Delegado de Polícia Civil, Dr. Marcellino Kielmanowicz Amazonas,
devendo os dados serem encaminhados ao mesmo e a este Juízo. A tramitação da medida e expedição
dos respectivos ofícios ficarão a cargo da Sra. Diretora de Secretaria, em exercício, Renata Sepeda. Esta
decisão SERVIRÁ DE MANDADO e OFÍCIO de comunicação, no que for necessário conforme autorizado
pelo PROVIMENTO CJ/CI 003/2009. Determino que tão logo seja dado cumprimento da presente ordem,
os autos sejam encaminhados ao Ministério Público para imediata ciência, para que o Representante do
Ministério Público, caso queira, intervenha a respeito do procedimento. Paragominas, 9 de dezembro de
2019 DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito PROCESSO: 00122777120178140039
PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE
PAIVA ALBANO Ação: Pedido de Prisão Preventiva em: 09/12/2019 VITIMA:D. A. F.
DENUNCIADO:IDERLINO CORDEIRO CHAVES Representante(s): OAB 25406 - MAXWELL HONORATO
SILVA SOUZA (ADVOGADO) DENUNCIANTE:MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO PARA
DENUNCIADO:VERA LUCIA AMARAL QUEIROZ. AUTOS DO PROCESSO Nº 0012277-
71.2017.814.0039 DESPACHO Ao MP, para apresentar razões de Apelação. Paragominas, 9 de
dezembro de 2019 DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito PROCESSO:
00132964420198140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação: Auto de Prisão em Flagrante em: 09/12/2019
FLAGRANTEADO:VANESSA MENDES VITIMA:T. T. S. . PRISÃO EM FLAGRANTE AUTOS DO
PROCESSO Nº 0013296-44.2019.814.0039 DECISÃO/MANDADO/OFÍCIO Vistos etc. Preliminarmente,
deixo de aplicar o Provimento Conjunto Nº 01/2016 do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado do Pará, que
regulamenta a Audiência de Custódia no Âmbito do Poder Judiciário do Estado do Pará, publicado na
Edição nº 5954/2016 - Segunda-Feira, 25 de Abril de 2016, em razão da flagranteada se encontrar em
liberdade após o recolhimento da fiança arbitrada perante Autoridade Policial. O Delegado de Polícia Civil
do Município de Paragominas, Dr. Marcellino Kielmanowicz Amazonas, informou a este Juízo a prisão em
flagrante de VANESSA MENDES, efetuada no dia 8 de dezembro de 2019, por volta das 16h30min, por
infringir, supostamente, os arts. 129, caput c/c 163, inciso I, ambos do Código Penal. A Autoridade Policial
arbitrou fiança no valor de R$ 665,35 (seiscentos e sessenta e cinco reais e trinta e cinco centavos), que
foi recolhida. Sabe-se que o flagrante é a única modalidade de prisão que pode ocorrer sem que haja
determinação judicial, ou seja, a análise da legalidade ou não da custódia tem caráter diferido, sendo
observada posteriormente pelo juiz, de forma que, sendo tipo de segregação em que não há ordem
judicial, deve observar na íntegra, todos os requisitos legais, sob pena de relaxamento. Noticiam os autos,
que no dia no dia 8 de dezembro de 2019, por volta das 16h30min, na Arena Society Kick Bola, situada na
Rua Marcos Odilon, sn, bairro JK, Paragominas/PA, após a realização de um torneio de futebol, a vítima
THAIS TENÓRIO DOS SANTOS, que estava na torcida, gritou ao time perdedor que era ruim. Nesse
momento a flagranteada VANESSA MENDES, do time adversário, estava passando e acabou desferindo
um soco no rosto da vítima, que usa óculos de grau e teve o seu objeto quebrado, assim como seu olho
machucado em decorrência da agressão. Após a agressão, a flagranteada foi embora do local e se
apresentou perante à Autoridade Policial, vindo a ser presa em flagrante. A vítima disse que no calor na
emoção disse que o time adversário era ruim e que não xingou a flagranteada. A flagranteada confessou
ter praticado o delito. Termo de fiança (fl. retro). É o relato sucinto. Decido. Ensina o ilustre Jurista e
Desembargador GUILHERME DE SOUZA NUCCI em sua obra PRISÃO E LIBERDADE - De acordo com a
2320
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Lei 12.403/2011: Recebendo o referido auto, a primeira providência é checar a sua legalidade, ou seja,
analisar se a prisão foi realizada corretamente, de maneira intrínseca (se era caso de flagrante delito,
conforme o art. 302 do CPP) e de modo extrínseco (se todas as formalidades legais dos arts. 306 e 307
foram devidamente cumpridas). A falha em qualquer dos requisitos (intrínsecos ou extrínsecos) provoca a
ilegalidade da prisão em flagrante, devendo o magistrado relaxá-la (art. 310, inciso I). Na prática, significa
perder o flagrante a sua força prisional, devendo o juiz expedir o alvará de soltura, colocando o sujeito em
liberdade, sem qualquer condição ou pagamento de fiança. (Ed. Revista dos Tribunais, 3ª Ed. 2013,
páginas 78 e 79) Compulsando os autos, observo que todos os requisitos formais do auto de prisão em
flagrante foram observados pela autoridade policial, tais como nota de culpa, ciência dos direitos
constitucionais e ciência das garantias constitucionais e houve comunicação da prisão à família da
flagranteada. Com relação ao pressuposto material da prisão em flagrante, vislumbro a sua presença, eis
que a flagranteada foi presa, logo após ter supostamente agredido a vítima e danificado seus óculos,
caracterizando o flagrante próprio, previsto no artigo 302, inciso II, do CPP. Diante do exposto, homologo o
presente auto de prisão em flagrante de VANESSA MENDES, conservando por ora a capitulação penal e
a fiança arbitrada. Aguarde-se a conclusão do Inquérito Policial. Dê-se ciência ao Ministério Público e a
Defensoria Pública. Cumpra-se. Paragominas, 9 de dezembro de 2019 DAVID GUILHERME DE PAIVA
ALBANO Juiz de Direito PROCESSO: 00139056120188140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Pedido de Prisão Preventiva em: 09/12/2019 VITIMA:F. C. O. DENUNCIADO:JOSE LUIS PONTES DE
ALMEIDA Representante(s): OAB 22530 - LUANA PEIXOTO TOURINHO (ADVOGADO)
DENUNCIANTE:MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO PARA DENUNCIADO:CLADENILSON
PEREIRA FERREIRA Representante(s): OAB 6977 - LUIZ CARLOS DOS ANJOS CEREJA (ADVOGADO)
. AUTOS DO PROCESSO Nº 0013905-61.2018.814.0039 DESPACHO Ao MP. Paragominas, 9 de
dezembro de 2019 DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito PROCESSO:
00561153520158140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação: Ação Penal - Procedimento Ordinário em: 09/12/2019
DENUNCIADO:ELVINO ALBUQUERQUE DE OLIVEIRA Representante(s): OAB 18671 - MAIRA
THERESA GOYARA AMORIM MOMONUKI (ADVOGADO) VITIMA:B. M. N. AUTOR:MINISTERIO
PUBLICO DO ESTADO DO PARA. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO
PARÁ VARA CRIMINAL - COMARCA DE PARAGOMINAS AÇÃO PENAL AUTOS DO PROCESSO Nº.
0056115-35.2015.8.14.0039 DECISÃO Defiro. Paragominas, 2 de dezembro de 2019 DAVID GUILHERME
DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito PROCESSO: 00047855720198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Inquérito Policial em: VITIMA: S. S. F.
INDICIADO: S. I. PROCESSO: 00111762820198140039 PROCESSO ANTIGO: ----
MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): ---- Ação: Pedido de Prisão Preventiva em:
REPRESENTANTE: E. S. O. REPRESENTADO: R. P. M. REPRESENTADO: M. B. M. PROCESSO:
00132384120198140039 PROCESSO ANTIGO: ---- MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A):
---- Ação: Medidas Protetivas de urgência (Lei Maria da Penha) Cri em: VITIMA: M. S. A. A. AUTOR REU:
P. R. F. A.

PROCESSO: 00057495020198140039 PROCESSO ANTIGO: ---


MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Ação:
Ação Penal - Procedimento Ordinário em: 11/11/2019---VITIMA:O. E. DENUNCIADO:JOSIMAR BALBINO
DOS SANTOS Representante(s): RANIELE XAVIER DE JESUS SILVA OAB/PA 26739(ADVOGADO)
DENUNCIANTE: MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO PARA. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE
JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ VARA CRIMINAL DA COMARCA DE PARAGOMINAS AÇÃO PENAL
AUTOS DO PROCESSO Nº 0005749-50.2019.8.14.0039 RÉU: JOSIMAR BALBINO DOS SANTOS
SENTENÇA Vistos etc. JOSIMAR BALBINO DOS SANTOS, nascido em 22 de dezembro
de 1983, já qualificado nos autos, foi denunciado perante este Juízo, como incurso no artigo 33, caput, da
Lei nº 11.343/2006 (¿Tráfico de drogas¿). Segundo a denúncia, no dia 29 de junho de 2019, por
volta das 12h15min, por meio de ronda ostensiva, a guarnição policial avistou o réu em atitude suspeita na
Rod. PA 125, próximo ao Terminal Velho, Centro, Paragominas/PA. Consta dos autos, que
quando a polícia se aproximou do réu este tentou se desfaze de 1 (um) saco plástico, no qual continha 13
(treze) trouxas de substância análoga ao ¿oxi¿, pesando aproximadamente 5 (cinco) gramas.
Durante a ação a polícia apreendeu com Ronald, aproximadamente, 0,3 gramas de cocaína e,
2321
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

com o réu, 5 (cinco) trouxas de cocaína pesando 1,9 gramas. Na ocasião, os policiais apreenderam a
substância e solicitaram que o réu apresentasse seu documento de identificação, sendo que o réu
informou que seu documento estava em sua residência. Quando chegaram na residência do réu,
após este autorizar a entrada, os policiais encontraram em seu quarto, precisamente em cima da cama,
uma mochila contendo os seguintes objetos: 1 (um) tablete de substância análoga À MACONHA,
PESANDO APROXIMADAMENTE 1,068kg (um quilo e sessenta e oito gramas); 7 (sete) invólucros de
substância análoga ao ¿oxi¿, pesando aproximadamente 329g (trezentos e vinte e nove gramas); 1 (um)
invólucro de substância análoga à cocaína, pesando aproximadamente 100g (cem gramas), 2 (duas)
balanças de precisão; 2 (duas) tesouras; 1 (um) carretel de linha; 1 (um) rolo de fita adesiva; embalagens
plásticas; 1 (um) aparelho celular da marca MOTOROLA e; a quantia em espécie de R$36,00 (trinta e seis
reais), encontrada na carteira do réu. O réu foi preso em flagrante e conduzido para a delegacia.
Auto de Exibição e Apreensão de Objeto (fl. 25/29) Laudo Provisório de Constatação de
Substância Entorpecente (fl. 30). Laudo Toxicológico Definitivo (fl. 64/65) Decisão
determinando a notificação do réu para apresentar defesa e recebendo, a priori, a denúncia, em 9 de julho
de 2019 (fl. 53). O réu foi devidamente notificado e apresentou defesa (fls. 61/62). A
denúncia foi recebida e designada audiência de instrução e julgamento (fl. 63). Na audiência de
instrução e julgamento no dia 24 de setembro de 2019, as testemunhas não compareceram. O Ministério
Público insistiu na oitiva das testemunhas ausentes. Foi designada nova audiência. Na audiência
de instrução e julgamento no dia foram ouvidas as testemunhas do Ministério Público PAULO GOMES
PEREIRA, WELLYSON FERNANDO VIANA DA SILVA e BRENNO RIBEIRO CARDOSO. Não houve
testemunha de defesa. O réu foi interrogado (fls. 95/96). Em Memoriais Finais, o Ministério
Público requereu a condenação do réu, pelo crime previsto no art. 33, caput, da Lei nº 11.343/2006, nos
termos da denúncia (fls. 95/96). A defesa do réu, em Alegações Finais, requereu a absolvição do
réu pelo crime de tráfico, pois este não era o proprietário da droga. Requereu, ainda, a revogação da
prisão preventiva, por não estarem mais presentes os requisitos do art. 312 e pelo decurso do tempo da
instrução do processo. Vieram os autos conclusos para a sentença. É o relatório.
Decido. A pretensão punitiva é PROCEDENTE. 1- MATERIALIDADE: A
materialidade do delito restou demonstrada pelo Laudo Toxicológico Definitivo, com a conclusão que da
análise dos produtos encontrados, obteve-se o resultado positivo para as substâncias químicas
Cannabissativa L., conhecida vulgarmente como ¿MACONHA¿ e benzoilmetilecgonina, princípio ativo da
¿COCAÍNA¿ (fls. 74/77) e pelos depoimentos prestados. 2- AUTORIA: Restou provada a
responsabilidade penal do réu JOSIMAR BALBINO DOS SANTOS pela prática do delito tipificado no artigo
33, caput, da Lei nº 11.343/2006, pelas declarações dos policiais que efetuaram a sua prisão e pela
declaração do réu de que estava de posse das trouxas da substância entorpecente, quando foi abordado
pelos policiais Vejamos os depoimentos prestados em juízo: A testemunha do Ministério
Público, o policial militar PAULO GOMES PEREIRA, disse que estavam fazendo ronda e perceberam que
o réu se desfez de um objeto, próximo ao Terminal Velho. Foi então que foram fazer a revista do réu e
encontraram droga. Os policiais então pediram os documentos do réu e ele disse que estavam na sua
residência. Os policiais se deslocaram até a residência do réu e este permitiu a entrada, foi quando os
policiais encontraram mais drogas em cima da cama do réu. A droga estava dentro da mochila do réu.
Também foram encontradas balanças de precisão no local. A testemunha do Ministério Público, o
policial WELLYSON FERNANDO VIANA DA SILVA, disse que estavam realizando policiamento nas
proximidades do Terminal Velho, quando observaram que o réu estava com um saco na mão e se desfez
do saco. De imediato foram abordar o réu, realizaram a busca pessoal, pegaram o saco e constataram que
tinha droga. Perguntaram onde ele morava e foram buscar os documentos do réu. Chegando na
residência, o réu permitiu a entrada dos policiais e estes encontraram uma bolsa no quarto, com droga
dentro. A testemunha do Ministério Público, o policial militar BRENNO RIBEIRO CARDOSO, disse
que estavam fazendo ronda próximo ao Terminal Velho e avistaram o réu, o qual, ao ver a guarnição,
jogou foram um pacotinho. Abordaram o réu e encontraram o pacote próximo dele, um pacote com drogas.
Após, os policiais indagaram sobre a documentação do réu, o qual informou que estava na casa dele.
Foram até a casa do réu e também encontraram droga lá dentro. A droga foi encontrada dentro de uma
bolsa, em cima da cama. O réu JOSIMAR BALBINO DOS SANTOS, 35 anos, nascido em 22 de
dezembro de 1983, disse que é verdadeira a acusação de que ele estava com droga. Tinha umas 8 (oito),
sendo que pagou R$80,00 pela droga. A casa para a qual levou os policiais era de Taiane, sua namorada
que possui 28 anos, mas ele dormia de vez em quando lá. A casa dele é na Rua da Paz, nº 35, em que
mora com a irmã. Morava há pouco tempo com Taiane, uns três dias. Taiane viajou 1 dia antes e deixou a
chave da casa com ele. Quando os policiais chegaram encontraram a droga embaixo da cama, na
mochila. Taiane nunca comentou que vendia drogas e ele não sabe como a droga foi parar lá.
2322
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Verifica-se que os depoimentos testemunhais, aliados a apreensão dos entorpecentes, não


deixam dúvidas de que o réu JOSIMAR BALBINO DOS SANTOS comercializava entorpecentes.
Registre-se que a palavra dos policiais não pode ser tida como reserva, pois não há razão para se
acreditar que os policiais intencionalmente combinaram para incriminarem injustamente o réu.
Tais depoimentos devem ser valorizados de forma idêntica a qualquer outro, só cedendo lugar à
prova em sentido contrário a ser produzida pela defesa, que não foi o caso dos autos. Segundo
entendimento jurisprudencial majoritário, o depoimento de um policial tem o mesmo valor probante que o
de um civil, ambos respondendo pelo falso testemunho que possam prestar, pelo que só deve ser rejeitado
quando seguramente infirmado por outro elemento da prova, o que certamente não ocorre no presente
feito (destaquei). Assim, o depoimento prestado por policiais tem validade, havendo presunção ¿juris
tantum¿ de que agem escorreitamente no exercício de suas funções (RJTJESP, ed. LEX, 136/476 e 495,
135/493, 129/501, 125/563, 122/489, 115/253, 107/457, 97/467, 95/468, 93/400, 90/496, 81/391 e 70/371).
E, ainda: ¿PROVA CRIMINAL. Testemunha. Hipótese de tóxico. Depoimento prestado por
policial. Validade. Servidores que não estão impedidos de depor. Testemunhas, ademais, que não foram
sequer contraditados em Juízo. Recurso provido. Os policiais militares, como qualquer outra pessoa não
estão impedidos de depor e seus testemunhos não podem e não devem ser, de modo algum, de forma
apriorística, considerando suspeitos, apenas em decorrência da condição de policial. (relator Ângelo
Galluci Apelação Criminal nº 153.694-3-São Paulo 26.09.94)¿ - Grifos não originais. Em que pese
o réu negar a comercialização do entorpecente, confirmando, apenas, que foram encontrados 8 pacotes
da substância em sua posse, comprados para consumo, tal informação não condiz com as provas
constantes dos autos, sobretudo pelas declarações das testemunhas de que encontraram maior
quantidade de droga na residência do réu, bem como outros objetos utilizados para comercialização do
entorpecente, como balança de precisão. Dispõe o artigo 33, caput, da Lei nº 11.343/2006 que o
crime de tráfico de drogas consiste em importar, exportar, remeter, preparar, produzir, fabricar, adquirir,
vender, expor à venda, oferecer, ter em depósito, transportar, trazer consigo, guardar, prescrever,
ministrar, entregar a consumo ou fornecer drogas, ainda que gratuitamente, sem autorização ou em
desacordo com determinação legal ou regulamentar. Assim observa-se que o réu praticou três núcleos do
tipo. O crime previsto no artigo 33, caput, da Lei 11.343/06 é daqueles crimes que a doutrina
classifica como de ação múltipla ou de conteúdo variado, por ter vários núcleos, bastando à realização de
quaisquer das condutas previstas em quaisquer desses núcleos para que esteja consumado o delito.
Assim, não há dúvidas quanto à autoria e materialidade do delito, de sorte que ao agir como agiu,
o réu JOSIMAR BALBINO DOS SANTOS incorreu numa das condutas previstas como puníveis pelo artigo
33, caput, da Lei nº 11.343/2006. Desta feita, não deve prevalecer a tese da defesa de que o réu merece
ser absolvido, pois não era o proprietário da droga, tendo em vista que, restou comprovado, que a droga
apreendida estava na posse réu e, que de acordo com as circunstâncias e forma de acondicionamento da
droga encontrada, esta era destinada à comercialização. Desnecessário discorrer sobre os efeitos
deletérios do comércio ilegal de substâncias entorpecentes no seio da sociedade. Daí a criminalização de
tais condutas, sua apuração e punição rigorosa. Revela-se, impossível, portanto, a absolvição
pretendida pela defesa, pois a prova produzida é robusta e suficiente para a condenação. Isto
posto, JULGO PROCEDENTE o pedido formulado na denúncia para CONDENAR o réu JOSIMAR
BALBINO DOS SANTOS, nas sanções prevista pelo artigo 33, caput da Lei nº 11.343/2006.
Passo, então, à dosimetria da pena, em consonância com o artigo 68, do Código Penal.
O artigo 59, do Código Penal estabelece que, na fase da aferição das circunstâncias judiciais, o
juiz deve, na fixação da pena, atentar para a culpabilidade, os antecedentes, a conduta social, a
personalidade do agente, aos motivos, as circunstâncias e consequências do crime, bem como o
comportamento da vítima, conforme seja necessária para a reprovação e a prevenção do crime.
No entanto, o artigo 42, da Lei nº 11.343/2006 dispõe: ¿O juiz, na fixação das penas, considerará,
com preponderância sobre o previsto no artigo 59 do Código Penal, a natureza e a quantidade da
substância ou do produto, a personalidade e a conduta social do agente¿. Analisadas as
diretrizes do artigo 59, do Código Penal, denoto que o réu agiu com culpabilidade normal; o réu não possui
registro de antecedentes criminais; poucos elementos foram coletados a respeito de sua conduta social e
personalidade; o motivo do crime se constituiu pelo desejo de lucro rápido e fácil, inerente a grande
maioria dos crimes; as circunstâncias do crime se encontram relatadas nos autos, não constituindo causa
de aumento de pena; o crime produziu consequências negativas, mas aquelas que todos os crimes da
mesma espécie produzem, pois fomenta a dependência química. Não existem elementos nos autos para
se aferir a situação econômica do réu. Tendo em vista as circunstâncias judiciais do artigo 59, do
Código Penal e do artigo 42, da Lei nº 11.343/2006, aplico a pena de 5 (cinco) anos de reclusão e 500
(quinhentos) dias-multa. Não vislumbro a presença de circunstâncias atenuantes e agravantes.
2323
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Entendo cabível a causa de diminuição prevista no artigo 33, §4º, da Lei nº 11.343/2006, pois o
réu é primário, tem bons antecedentes e não há prova nos autos de que este se dedique às atividades
criminosas e nem integre organização criminosa. Por este motivo, diminuo 1/6 (um sexto) da pena,
passando-a para 4 (quatro) anos e 2 (dois) meses de reclusão e 416 (quatrocentos e dezesseis) dias-
multa, tornando-a definitiva. O valor do dia-multa é o mínimo legal porquanto não há prova da
capacidade financeira do réu. Assim, cada dia é o equivalente a um trigésimo do salário mínimo vigente ao
tempo do fato delituoso, observado o disposto pelo artigo 60, do Código Penal. Em consonância
com o disposto pelo artigo 33, §2º, alínea ¿b¿, do Código Penal, o réu deverá iniciar o cumprimento da
pena em regime semiaberto, considerando a quantidade de pena aplicada. Ressaltando ser
incabível a substituição da pena, prevista no artigo 44 do Código Penal, em razão da pena aplicada, bem
como não é possível a aplicação da suspensão condicional da pena, prevista no artigo 77 do Código
Penal. Em decorrência de ainda estarem presentes os motivos da decretação da custódia
preventiva da sentenciada, consubstanciados pelos pressupostos à prisão (fumus comissi delicti), os quais
se encontram relacionados no bojo desta decisão (materialidade e autoria) e, ainda, a vista da presença
de fundamento à reprimenda legal (periculum libertatis), o qual se revela necessidade de se assegurar a
aplicação da lei penal, pois em liberdade o réu poderia fugir em razão da sua condenação, além de servir
de exemplo para não abalar a ordem pública, pois demonstrará a aplicação da lei penal, mantenho a
prisão preventiva e, em consequência, nego-lhe o direito de recorrer em liberdade. Sobre a
possibilidade de manutenção da prisão cautelar e o regime prisional semiaberto, transcrevo:
INFORMATIVO STJ - Nº 540 - QUINTA TURMA DIREITO PROCESSUAL PENAL. COMPATIBILIDADE
ENTRE A PRISÃO CAUTELAR E O REGIME PRISIONAL SEMIABERTO FIXADO NA SENTENÇA. Há
compatibilidade entre a prisão cautelar mantida pela sentença condenatória e o regime inicial semiaberto
fixado nessa decisão, devendo o réu, contudo, cumprir a respectiva pena em estabelecimento prisional
compatível com o regime inicial estabelecido. Precedentes citados: HC 256.535-SP, Quinta Turma, DJe
20/6/2013; e HC 228.010-SP, Quinta Turma, DJe 28/5/2013. HC 289.636-SP, Rel. Min. Moura Ribeiro,
julgado em 20/5/2014. Oportunamente, após o trânsito em julgado desta sentença, tomem-se as
seguintes providências: 1. Lance-se o nome do réu no rol dos culpados; 2. Proceda-se o recolhimento
do valor atribuído a título de pena pecuniária, em conformidade com o disposto pelos artigos 50, do Código
Penal e 686 do Código de Processo Penal. 3. Oficie-se ao Tribunal Regional Eleitoral do Pará,
comunicando a condenação do réu, com sua devida identificação, acompanhada de fotocópia da presente
decisão, para cumprimento do disposto nos artigos 71, §2º, do Código Eleitoral c/c artigo 15, III, da
Constituição Federal. 4. Expeça-se guia de recolhimento em desfavor do réu, provisória ou definitiva,
conforme o caso. Deixo de aplicar a regra contida na Lei nº 12.736, de 30 de novembro de 2012,
que deu novas regras ao instituto da detração penal, por ser a mesma, em meu entender, inconstitucional,
em razão da violação do princípio da individualização da pena, do princípio do juiz natural e do princípio da
isonomia. A individualização da pena (artigo 5º, inciso XLVI, CF) desenvolve-se em três etapas: a
legislativa (cabendo à lei determinar de modo proporcional a espécie de pena, inclusive mínima e máxima,
que integrarão o preceito secundário de cada tipo penal, podendo ser aplicadas alternativamente ou
cumulativamente) a judicial (competindo ao juiz realizar a dosimetria da sanção com base no sistema
trifásico, estabelecer o regime inicial de seu cumprimento e deferir eventual substituição por pena
alternativa) e a executória (cujas diretrizes estão previstas no Código Penal e na Lei das Execuções
Penais). A nova lei, no entanto, juntou a etapa judiciária e a etapa de execução da pena, ao
estabelecer que ao proferir sentença poderá o Juiz promover de regime o condenado sem atentar para a
análise do seu mérito, requisito este expressamente previsto no art. 112 da Lei de Execução Penal, que
dispõe: ¿A pena privativa de liberdade será executada em forma progressiva com a transferência para
regime menos rigoroso, a ser determinada pelo juiz, quando o preso tiver cumprido ao menos um sexto da
pena no regime anterior e ostentar bom comportamento carcerário, comprovado pelo diretor do
estabelecimento, respeitadas as normas que vedam a progressão¿. Com efeito, a Lei de
Execução Penal, que é especial, contém normas que devem ser observadas para a correta
individualização da pena. O condenado deverá cumprir a pena privativa de liberdade em etapas cada vez
menos rigorosas até obter a liberdade, devendo, para tanto, ser observado seu mérito. Sem essa análise
do merecimento para a progressão de regime, inclusive com a realização do exame criminológico quando
necessário, está sendo violado o disposto no artigo 5º, XLVI, da Constituição Federal, que dispõe sobre a
individualização da pena. A Lei a ser observada por ocasião da progressão de regime é a das
Execuções Penais, que é especial e traz os requisitos necessários, que devem ser analisados pelo Juiz
Natural da causa, que é o das Execuções Penais e não o prolator da sentença. Destarte, somente
com o preenchimento dos requisitos previstos no artigo 112 da Lei de Execução Penal é que poderá ser
deferida a progressão de regime pelo Juiz das Execuções Criminais, observado o princípio do juiz natural
2324
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

(art. 5º, LIII, CF), a teor do disposto no artigo 66, inciso III, alínea ¿b¿, da Lei das Execuções Penais.
E se não bastassem esses argumentos, haverá situações em que pessoas condenadas
exatamente às mesmas penas e pelos mesmos crimes terão tratamento totalmente diferente em situações
iguais, com evidente violação ao princípio da isonomia. Assim, v.g, aquela pessoa condenada à pena
privativa de liberdade e que tenha sido presa provisoriamente terá abatido o período pelo próprio Juiz da
Condenação para fins de progressão, podendo ser diretamente promovida de regime sem a observância
do mérito; ao passo que o condenado, que não tenha cumprido prisão provisória, deverá obter a
progressão com o preenchimento dos requisitos do artigo 112 da Lei das Execuções Penais a serem
analisados pelo Juiz das Execuções Criminais. Há, portanto, tratamento desigual, ou seja, pessoas sendo
julgadas de forma totalmente diferente em situações iguais, violando, assim, o princípio constitucional da
isonomia (art. 5º, ¿caput¿, da CF). Ressalto, por fim, que a aplicação da nova lei, em alguns
casos, geraria também a denominada progressão por salto, o que é inadmissível, notadamente diante dos
termos da recente Súmula 491 do E. STJ. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. Ciência
ao Ministério Público e a Defesa. Após o trânsito em julgado, arquivem-se. Paragominas,
11 de novembro de 2019 DAVID GUILHERME DE PAIVA ALBANO Juiz de Direito
2325
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

SECRETARIA DA VARA DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL DE PARAGOMINAS

Número do processo: 0800089-42.2019.8.14.0039 Participação: RECLAMANTE Nome: GUILHERMINA


RODRIGUES DOS SANTOS Participação: ADVOGADO Nome: MARCILIO NASCIMENTO COSTA OAB:
1110/TO Participação: ADVOGADO Nome: RANIERY ANTONIO RODRIGUES DE MIRANDA OAB:
4018/TO Participação: RECLAMADO Nome: BANCO PAN S/A. Participação: ADVOGADO Nome:
ANTONIO DE MORAES DOURADO NETO OAB: 23255/PESENTENÇA Processo n° 0800089-
42.2019.8.14.0039RECLAMANTE: GUILHERMINA RODRIGUES DOS SANTOSRECLAMADO: BANCO
PAN S/A. Relatório dispensado, nos termos do art.38, da Lei nº. 9.099/95. De início é útil lembrar que, no
caso, há inegável relação de consumo entre as partes. A demandada figura como fornecedora de serviços,
como podemos inferir da análise do artigo 3, §2º do CDC, em que preceitua:?Fornecedor é toda pessoa
física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira, bem como os entes despersonalizados, que
desenvolvem atividade de produção, montagem, criação, construção, transformação, importação,
exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou prestação de serviços; § 2°Serviço é qualquer
atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária,
financeira, de crédito e securitária[..]?.Grifos não constam no original. Sendo certo que a parte
demandante é, inegavelmente, consumidora final de tal serviço. De tal modo, é aplicável à espécie o
diploma protetivo dos direitos do consumidor (Lei nº 8.078/90).A lide, portanto, deve ser solucionada nos
termos do que determina referido diploma legal.Na espécie, tem vez a aplicação da norma de inversão do
ônus da prova, previsto no art.6º, inciso VIII, do Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/90). Além
disso, apreciando as circunstâncias concretas e visando à facilitação da defesa dos direitos do
consumidor, tenho como caracterizada, na espécie, a necessidade de inversão do ônus da prova
processual.Assim porque, a princípio, estaria o autor em desigualdade de condições técnicas em relação à
ré, que com mais facilidade poderia demonstrar a veracidade de suas alegações.Em síntese, a parte
Autora informa que recebe benefício previdenciário e percebeu uma redução no valor de seus proventos.
A seguir, emitiu extrato e tomou conhecimentoque o desconto realizado se refere a?Reserva de Margem
de Cartão de Crédito?, em virtude de contrato de empréstimo na modalidade de cartão de crédito.A autora
nega a contratação de empréstimo através da modalidade cartão de crédito.Em defesa, o banco réu alega
que as partes celebraram contrato de empréstimo através de cartão de crédito, o qual está em total
consonância com a legislação pertinente. Diz que o desconto realizado em folha é capaz de liquidar a
dívida, pois não há a incidência de juros sob juros.Ademais, informa que realizou o pagamento do valor
emprestado através de TED em conta de titularidade da autora, apresentado a transferência e o termo de
adesão ao cartão de credito, requerendo a improcedência da ação.Passo a análise da preliminar alegada
em contestação.-Da preliminar de incompetência do juizado especial:Em contestação, a parte requerida
requer a realização de perícia e suscita a incompetência do juizado especial para o prosseguimento da
ação.Apreliminar merece ser indeferida, pois a causa não tem natureza complexa, não sendo necessária a
realização de perícia, sendo assim firmada a competência do Juizado Especial para o deslinde do
presente feito.Após a análise da preliminar, passo ao mérito.A questão controvertida diz respeito, em
suma, à suposta existência de vício de vontade e de falha do dever de informação quando da contratação,
pela demandante, de cartão de crédito com margem consignável.Aplicando-se a regra da inversão do
ônus da prova, cabia à requerida trazer aos autos prova de que a parte autora foi devidamente
cientificada, a teor do artigo 52, da Lei no.8.078/90, do preço do produto; dos juros; dos acréscimos;do
número e da periodicidade das parcelas e da soma total a pagar, com e sem financiamento.Cabia, pois, à
instituição financeira provar que a parte autora tinha plena ciência de que contratava um cartão de crédito.
Mas a demandada não produziu tal prova, limitando-se a trazer aos autos um contrato, cujo conteúdo era
certamente desconhecido da parte autora.Em que pese a situação já está consolidada, pois a celebração
do contrato ocorreu em 2016 e várias parcelas já foram adimplidas, percebe-se que não ocorreu a
informação sobre o valor total e o tempo de pagamento.No Termo de Adesão do Cartão de Crédito
Consignadode ID:11966471não há indicação do período/quantidade de parcelas e do valor líquido da
quitação.Na modalidade de cartão de crédito com reserva de margem consignável não há ilegalidade, mas
a instituição financeira, antes mesmo da contratação e ainda durante a execução da relação jurídica deve
informar o cliente acerca do valor do empréstimo, da quantidade de parcelas a pagar, da possibilidade de
pagamento antecipado e ainda do valor líquido para quitação.A relativização do pacta sunt servanda é
medida que se impõe, já que é presumível a vulnerabilidade técnica do consumidor, consubstanciada na
deficiência de conhecimentos técnicos específicos para a compreensão das estipulações de cunho
técnico-financeiro e de cálculos contidas nos contratos de adesão, devendo, pois, serem consideradas
2326
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

nulas cláusulas eivadas de vício e abuso, desvirtuando a função social do contrato, em especial os
contratos sob a égide da legislação consumerista. Sobre a abusividade de tal conduta, já decidiu o E.
Tribunal de Justiça de São Paulo:CONTRATO. CARTÃO DE CRÉDITO COM RMC (RESERVA DE
MARGEM CONSIGNADA). APOSENTADORIA. CLIENTE COM MARGEM DE EMPRÉSTIMOS
CONSIGNADOS ESGOTADA. LIBERAÇÃO DE CRÉDITO DESPROPORCIONAL À CAPACIDADE DE
PAGAMENTO DO APOSENTADO, COM IMPOSIÇÃO DO SAQUE MEDIANTE CARTÃO DE CRÉDITO E
COM EXIGÊNCIA DA TOTALIDADE DO VALOR EMPRESTADO, DE UMA ÚNICA VEZ, NA FATURA
SEGUINTE. BURLA DO TETO DE DESCONTOS MENSAIS PREVISTOS EM LEI. DÍVIDA QUE SE
TORNOU IMPAGÁVEL. ABUSIVIDADE. 1. O autor, um aposentado que recebia do INSS pouco mais de
um salário mínimo, já se encontrava com a margem de 30% comprometida por conta de empréstimos
consignados celebrados com outras instituições financeiras. 2. Por conta disso, foi aberta a linha de
crédito, com celebração de contrato de cartão de crédito com RMC (reserva de margem consignada), cujo
limite era desproporcional à capacidade de pagamento do cliente e cujos valores sacados eram exigidos
de uma única vez, na fatura seguinte do cartão de crédito, imposto como forma de saque dos valores
previamente creditados em conta a título pelo banco. 3.Assim, o cliente se via obrigado ao uso do cartão
de crédito para sacar o dinheiro depositado pelo banco em sua conta, dando brecha para que o credor
lançasse o alto valor sacado na fatura seguinte do cartão de crédito, tornando impagável a dívida (já que a
RMC quitava apenas os encargos e "rolava" o principal para a próxima fatura, para servir de base para a
cobrança de novos encargos, numa ciranda sem fim. 4. A forma de cobrança era nitidamenteabusiva, seja
por escravizar o consumidor a uma dívida que o acompanharia ao túmulo; seja porveicular um
"empréstimo" sem termo final e sem desconto de parcelas (prevista apenas a amortização dos encargos,
mediante RMC). 5. A abusividade foi reconhecida em Ação CivilPública movida pela Defensoria da União
do Maranhão. 6. Cabe reconhecer a ilegalidade do contrato em análise nos autos. Porém, tendo o autor se
valido do dinheiro "emprestado", quantias descontadas a título de RMC devem servir para amortizar o
débito. 7. Não vingam, entretanto, as pretensões de declaração de inexistência do débito, de liberação do
RMC, de repetição do indébito e de reparação por danos morais. Afinal, o autor sacou as mencionadas
importâncias, cabendo arcar com o pagamento do crédito usufruído. 8.Deverá o banco, contudo,recalcular
a forma de pagamento dos valores sacados, de maneira que tenham como limite astaxas de juros
pactuadas, mas que o crédito seja parcelado em tantas parcelas fixas quanto bastem para a quitação da
dívida, respeitado, como valor das parcelas, o percentual de 5% sobre o valor líquido da aposentadoria do
autor. 9. Recurso parcialmente provido.(TJSP; Apelação1042609-09.2017.8.26.0576; Relator (a): Melo
Colombi; Órgão Julgador: 14ª Câmara de DireitoPrivado; Foro de São José do Rio Preto - 2ª Vara Cível;
Data do Julgamento: 22/03/2018; Data deRegistro: 22/03/2018). Grifos não constam no original. Nem se
alegue que a requerida não agiu com culpa, já que, nos termos do artigo 14, do CDC, sua
responsabilidade é objetiva.O valor sacado, entretanto, foi utilizado pela parte autora. Esta, então, deve
restituir o valor à instituição financeira,mas não com pagamento de encargos rotativos de cartão de crédito,
e sim como pagamento de um empréstimo com taxas médias de mercado.O contrato celebrado entre as
partes deve ser adequado para contrato de empréstimo consignado.Neste sentido:AÇÃO
DECLARATÓRIA CUMULADA COM INDENIZATÓRIA POR DANOS MORAIS E REPETIÇÃO DE
INDÉBITO CARTÃO DE CRÉDITO CONSIGNADO RESERVA DE MARGEM CONSIGNÁVEL RMC -
Intenção do autor de contratação de empréstimo consignado, porém houve disponibilização de cartão de
crédito. Liberação do dinheiro com descontos no benefício previdenciário do valor mínimo para
pagamento, sem abatimento do valor principal, causando onerosidade excessiva ao consumidor. Sentença
de improcedência. Pretensão de reforma. ADMISSIBILIDADE: Contrato firmado de forma que torna
impossível o pagamento da dívida. Art. 51, IV do CDC. Contrato nulo.Adequação do contrato para a
modalidade de empréstimo consignado. Dano moral configurado e que deve serreparado. Incabível, por
outro lado, a devolução das parcelas já descontadas. RECURSO PARCIALMENTE PROVIDO.(TJSP;
Apelação 1002166-59.2017.8.26.0400; Relator (a): IsraelGóes dos Anjos; Órgão Julgador: 37ª Câmara de
Direito Privado; Foro de Olímpia - 3ª Vara Cível; Data do Julgamento: 20/03/2018; Data de Registro:
22/03/2018. Grifos não constam no original. Desta forma, tendo a parte autora recebido o dinheiro oriundo
do empréstimo realizado com o banco requerido, não resta configurada a repetição de indébito.A conduta
ilícita da ré causou danos morais à parte requerente.Esta pretendia celebrar um contrato de empréstimo
como qualquer outro, mas acabou por assinar um contrato que previa pagamentos eternos ao banco.Está
configurado o dano moral puro, independentemente da prova objetiva do abalo à honra e à reputação
sofrida pela parte autora, que se permite, na hipótese, presumir, gerando direito a ressarcimento.Provado
o ato ilícito e o dano moral, resta fixar o valor da indenização.No que se refere à quantificação do valor da
indenização, como assente doutrina e jurisprudência, se justifica, de um lado, pela ideia de punição ao
infrator, e, de outro, como uma compensação pelo dano suportado pela vítima em virtude do
2327
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

comportamento daquele.Nesse tema, a indenização não deve ser tal que traduza enriquecimento sem
causa, e nem tão ínfima, que traduza, por via reflexa, despreocupação com eventual reincidência na
prática. Em hipóteses como a dos autos, de resto, e à falta de critério legal objetivo, sobrelevam as
condições econômicas das partes e a intensidade da culpa.Presente essa conjugação de fatores limito a
condenação aR$5.000,00 (cinco mil reais)quantidade que se mostra suficiente para a justa reparação e
que não destoa do padrão usualmente entendido como razoável em casos análogos.Aliás, em casos de
contornos semelhantes:DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE NEGÓCIO JURÍDICO C/C. DE
REPETIÇÃO DE INDÉBITO E INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL. EMPRÉSTIMO EM CARTÃO DE
CRÉDITO EM VEZ DE EMPRÉSTIMO PESSOAL CONSIGNADO. REFINANCIAMENTO DO SALDO.
POSSIBILIDADE. (...) 2. As parcelas pagas pelo autor não são indevidas, pois o consumidor efetuou a
contratação, fato incontroverso, embora não seja objeto do presente recurso. Incontroverso, da mesma
forma, os descontos em folha de pagamento referente à contratação do consignado, que entendia a parte
consumidora ser de empréstimo pessoal em folha. 3. Como bem fundamentado pelo magistrado singular,o
consumidor acreditou que estava contratando uma variante de empréstimo pessoal, em prestações fixas,
ou seja, pagando o financiamento com as parcelas descontadas mensalmente de sua margem
consignável, sendo a única "compra" o valor de R$ 1.569,00 que o autor realizou pagamento parcelado
(R$ 56,03) durante todos os meses, restando evidente que o consumidor não entendeu o contrato e foi
induzido em erro pensando que se tratava da parcela mensal do financiamento de crédito pessoal.4. No
caso, o magistrado singular entendeu que não procede a pretensão do autor de repetição do que foi pago
em dobro, já que não devolverá o valor do crédito recebido em empréstimo, porque as parcelas pagas não
são indevidas, mas o saldo do valor devedor do contrato é que é indevido, porque não é mais permitido o
refinanciamento (rotativo) do saldo devedor do cartão de crédito além dos 30 (trinta) dias, conforme
orientação do BACEN. 5. Isto porque, o Governo Federal promoveu uma reforma microeconômica
(Resolução 4.549, do Banco Central, de 26/01/2017) que limitou o uso do rotativo pelo prazo máximo de
30 dias, para coibir o uso indiscriminado e obrigar as instituições financeiras a oferecerem uma solução de
parcelamento para o cartão de crédito, mais favorável e vantajosa ao consumidor, para evitar que a dívida
não se acumule, e se torne impagável, como no caso dos autos. 6. Dessa forma, o saldo devedor deverá
ser refinanciado pelo banco ao consumidor, nos termos definidos e determinados na sentença de primeiro
grau. Sentença mantida. (...) NEGARAM PROVIMENTO AO APELO DO RÉU. UNÂNIME. (Apelação Cível
Nº 70073682551, Vigésima Terceira Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Clademir José
Ceolin Missaggia, Julgado em 29/08/2017) APELAÇÃO CÍVEL. CONTRATOS DE CARTÃO DE
CRÉDITO.Em consonância, segue a turma recursal dos juizados especiais do TJPA:Processo nº 0800120-
96.2018.8.14.0039Recorrente: ODETE CHAVES DOS REISRecorrido: BANCO CETELEM S.A.Relatora:
GIOVANA DE CASSIA SANTOS DE OLIVEIRAOrigem: VARA DO JUIZADO ESPECIAL DE
PARAGOMINAS. EMENTA: JUIZADOS ESPECIAIS CÍVEIS. RECURSO INOMINADO. CARTÃO DE
CRÉDITO COM RESERVA DE MARGEM CONSIGNÁVEL. ERRO ESSENCIAL QUANTO AO NEGÓCIO
JURÍDICO. INCIDÊNCIA DA LEI 8.078/90. EMPRÉSTIMO BANCÁRIO ASSOCIADO A CARTÃO DE
CRÉDITO. CONSUMIDOR QUE IMAGINANDO ESTAR CONTRATANDO UM EMPRÉSTIMO
CONSIGNADO, COM JUROS MAIS BAIXOS, ADERIU A NEGÓCIO JURÍDICO DIVERSO -
CONSIGNAÇÃO DE DESCONTOS PARA PAGAMENTO DE EMPRÉSTIMO E CARTÃO DE CRÉDITO -
VALOR MÍNIMO DO CARTÃO DESCONTADO TODO MÊS DA FOLHA DE PAGAMENTO.
CRESCIMENTO DESENFREADO DA DÍVIDA. CONDUTA ABUSIVA. VIOLAÇÃO AO DEVER
INFORMACIONAL. NÃO INFORMAÇÃO ACERCA DA TAXA DE JUROS APLICÁVEL NA OPERAÇÃO.
INEXISTÊNCIA DO DEVER DE INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR. DANO MATERIAL NÃO
DEMONSTRADO. DANOS MORAIS CONFIGURADOS. RECURSO CONHECIDO E PROVIDO
PARCIALMENTE. Em face do exposto e considerando tudo o mais que consta dos autos, com fulcro no
artigo 487, I do NCPC,JULGO PARCIALMENTE PROCEDENTEo pedido para:a) DECLARAR inexigívela
dívida da forma como pactuada;b) CONDENAR a requerida aconverter o contrato de cartão de crédito
consignado em empréstimo consignadoea aplicar os valores pagos a título de RMC, inclusive juros e
demais encargos, para amortização do débito da parte autora,ficando autorizada a compensação de
valores.c) CONDENAR o banco requerido ao pagamentode indenização por DANO MORAL
correspondente a R$5.000,00 (cinco mil reais)devendo o valor ser corrigido monetariamente pelo INPC e
com juros de mora de 1% ao mês, ambos a partir do evento danoso (Súmula 54 do STJ).d) INDEFIRO o
pedido de repetição de indébito, nos termos acima expostos. Defiro os benefícios da Justiça Gratuita a
parte autora.Nos termos do artigo 55, da Lei nº 9.099/95, indevida a fixação de honorários advocatícios e
custas processuais em primeiro grau.Eventual recurso deverá ser interposto no prazo dedez dias úteis,
contados da ciência da sentença, acompanhado das razões e do pedido do recorrente, que deverá
efetuar, nas quarenta e oito horas seguintes à interposição, o preparo do recurso, consistente no
2328
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

pagamento de todas as despesas processuais, inclusive aquelas dispensadas em primeiro grau de


jurisdição, na forma dos artigos 42, §1º e 54, parágrafo único, da Lei nº 9.099/95.Caso interposto recurso
inominado, ante a dispensa do juízo de admissibilidade nesta instância, remeta-se os presentes autos à
Turma Recursal, nos termos do art. 1.010, §3º, NCPC c/c art. 41 da Lei 9.099/95 c/c Enunciado nº 474, do
Fórum Permanente dos Processualistas Civis.Certificado o trânsito em julgado, aguarde-se o prazo de
quinze dias para cumprimento voluntário da sentença. Em não sendo cumprida, aguarde-se solicitação do
interessado para que se proceda à execução, a teor do disposto no art. 52, inciso IV, da Lei n° 9.099/95.
Ainda na hipótese de não cumprimento, aplicar-se-á subsidiariamente o disposto no art. 523 e ss, do
NCPC, no que for pertinente.Caso ocorra o cumprimento voluntário da sentença, informo que os valores
deverão ser pagos através de depósito judicial junto ao BANPARÁ.Com o trânsito em julgado, inexistindo
outras providências a serem adotadas, arquive-se.Serve a presente decisão
comomandado/comunicação/ofício.P.R.I.C.Paragominas, 09 de dezembro de 2019. WANDER LUÍS
BERNARDOJUIZ DE DIREITO

Número do processo: 0800232-31.2019.8.14.0039 Participação: EXEQUENTE Nome: DANIEL AUGUSTO


FERNANDES Participação: ADVOGADO Nome: PAULO SERGIO DE ABREU LOUREIRO JUNIOR OAB:
23308/PA Participação: EXECUTADO Nome: MOACIR RAMOS DA SILVAProc.:0800232-
31.2019.8.14.0039 Exequente:DANIEL AUGUSTO FERNANDESExecutado:MOACIR RAMOS DA SILVA
DESPACHO Em apreço à manifestação do exequente, onde requer a penhora e leilão do
veículoHONDA/CG 125 TITAN KS,PLACA:JUD1650, destaco que, em atendimento ao pedido, procedi à
pesquisa via Renajud, sendo este o único veículo localizado em nome do executado.Tal veículo apresenta
embaraço judicial anterior oriundo da Justiça do Trabalho, como bem comprova o documento anexo.Além
disso, o valor perseguido pelo exequente (R$ 20.186,60) está muito além do valor de veículo (R$ 3.224,00
- anexo), isso sem considerar eventual deterioração do mesmo quando eventualmente avaliado
fisicamente, não olvidando-se ainda que referido veículo já garante possível feito executório em outros
dois processos trabalhistas.Nesse contexto, intime-se o exequente para que, em cinco dias, manifeste-se,
salientando desde já que a extinção do feito em decorrência da ausência momentânea de bens
penhoráveis, ou efetivamente suficientes a satisfação do crédito, é dadasem resolução do mérito,
possibilitando ao exequente a retomada do feito executório tão logo localize bens suficientes à satisfação
do que lhe é devido, sendo-lhe facultado permanecer na posse da Certidão prevista noart. 517, §§ 1° e 2°
do CPC, para eventual protesto.Intime-se.Paragominas (PA), 05 de dezembro de 2019. WANDER LUÍS
BERNARDOJuiz de Direito

Número do processo: 0801234-36.2019.8.14.0039 Participação: RECLAMANTE Nome: JUAREZ SILVA


DE SOUZA Participação: ADVOGADO Nome: SANDRO CHRISTIAN DIAS CORREA OAB: 6007
Participação: ADVOGADO Nome: CAMILLA TAYNA DAMASCENO DE SOUZA OAB: 17520/PA
Participação: RECLAMADO Nome: COMERCIO E TRANSPORTES BOA ESPERANCA LTDAESTADO
DO PARÁPODER JUDICIÁRIO VARA DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL DE
PARAGOMINASFÓRUM DR. CÉLIO DE REZENDE MIRANDA, RUA ILHÉUS, S/N, BAIRRO INDUSTRIAL
CEP 68.625-970, PARAGOMINAS/PA. Telefone: 91-3729-9717.e-
mail:juizadocivelcriminal@tjpa.jus.brINTIMAÇÃO DE PAUTAE DECISÃO INTERLOCUTÓRIAProcesso n°
0801234-36.2019.8.14.0039DESTINATÁRIO: JUAREZ SILVA DE SOUZARua Santa Isabel, 401, Cidade
Nova, PARAGOMINAS - PA - CEP: 68625-285Audiência Una: Data: 04/03/2020 Hora: 09:00, na sala de
audiências do JECCRIM de Paragominas, localizada no FÓRUM DR. CÉLIO DE REZENDE MIRANDA,
RUA ILHÉUS, S/N, BAIRRO INDUSTRIAL CEP 68.625-970, PARAGOMINAS/PA.Pelo presente, está V.
Sª. INTIMADO(A) e ciente que deverá comparecer à audiênciaUnana data, local e hora acima
identificados.OBSERVAÇÃO: Este processo tramita através do sistema computacional E-CNJ (PJE), cujo
endereço na web é http://pje.i.tj.pa.gov.br:8080/pje/login.seam.Paragominas, 06/12/2019 ADONES DE
SOUSA ANDRADE / Diretor de Secretaria

Número do processo: 0800081-36.2017.8.14.0039 Participação: RECLAMANTE Nome: PAULO GIOVANI


ARZIVENKO NASCIMENTO Participação: ADVOGADO Nome: SERGIO DE BARROS BIANCHI COSTA
2329
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

OAB: 17772-B/PA Participação: ADVOGADO Nome: DIEGO SAMPAIO SOUSA OAB: 15441/PA
Participação: ADVOGADO Nome: TIBERIO CESAR SAMPAIO TEIXEIRA OAB: 16520-A/PA Participação:
ADVOGADO Nome: DANIELLY JESSICA CORDEIRO DE SOUSA OAB: 23249/PA Participação:
RECLAMADO Nome: CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S.A. - CELPA Participação: ADVOGADO Nome:
FLAVIO AUGUSTO QUEIROZ MONTALVÃO DAS NEVES OAB: 12358/PA Participação: TERCEIRO
INTERESSADO Nome: SERASA S.A.Processo:0800081-36.2017.8.14.0039Exequente: PAULO GIOVANI
ARZIVENKO NASCIMENTOExecutado: CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S.A. - CELPA DESPACHO
Considerando o transito em julgado da sentença condenatória: a) Recebo a petição ID14322914 como
pedido de cumprimento de sentença. b) Intime-se o executado para, no prazo de 15 (quinze) dias, realizar
o adimplemento voluntário da obrigação, conforme demonstrativo discriminado e atualizado juntado aos
autos, sob pena de multa de 10% (dez por cento), tudo na forma do artigo 523, § 1º, do Código de
Processo Civil. c) Ao realizar o pagamento, a executada deverá atualizar o cálculo até a data do efetivo
depósito; d) O executado poderá oferecer embargos nos termos do art. 52, inc. IX da Lei
9.099/95,mediante garantia do juízo(Enunciado 117 do FONAJE) e no prazo de 15 dias. e) Após
comprovado nos autos o pagamento, expeça-se o respectivo alvará de levantamento. Ato contínuo
proceda-se às respectivas baixas e remetam-se os autos ao arquivo definitivo, restando encerrada a fazer
de cumprimento de sentença. f) Não comprovado o pagamento no prazo legal, venham conclusos para
realização de BACENJUD. Intime-se. Paragominas (PA), 05 de dezembro de 2019. WANDER LUÍS
BERNARDOJuiz de Direito

Número do processo: 0800241-90.2019.8.14.0039 Participação: RECLAMANTE Nome: VANDERLAN


JOSE DE SOUSA Participação: ADVOGADO Nome: MARIO ALVES CAETANO OAB: 98-B Participação:
RECLAMADO Nome: BANCO BRADESCO CARTOES S.A. Participação: ADVOGADO Nome:
GUILHERME DA COSTA FERREIRA PIGNANELI OAB: 5546/RO PODER JUDICIÁRIOVARA DO
JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL DE PARAGOMINASFÓRUM DR. CÉLIO DE REZENDE
MIRANDA, RUA ILHÉUS, S/N, BAIRRO INDUSTRIAL CEP 68.625-970, PARAGOMINAS/PA. Telefone:
91-3729-9717. e-mail:juizadocivelcriminal@tjpa.jus.br ATO ORDINATÓRIO/ PROCESSO Nº 0800241-
90.2019.8.14.0039POLO ATIVO: RECLAMANTE: VANDERLAN JOSE DE SOUSAPOLO PASSIVO:
RECLAMADO: BANCO BRADESCO CARTOES S.A. Os autos voltaram da E. Turma Recursal com
acórdão transitado em julgado e foram recebidos nesta Comarca em 06/12/2019. Assim, Intimo as partes
para, caso ainda tenham interesse no prosseguimento do feito, requererem o que entender, no prazo de
10(dez) dias. Não havendo requerimentos, serão calculadas as custas finais, se houver, e a parte
condenada será intimada a recolher o valor. Ultimadas tais providências, o feito será arquivado. Eu, abaixo
identificado, nos termos do art. 1º, § 3º do Provimento nº 06/2006 da CJRMB e Provimento n° 006/2009 da
CJCI, digitei e subscrevi.Paragominas, 06/12/2019 ADONES DE SOUSA ANDRADE / Diretor de
Secretaria

PROCESSO: 0003067-25.2019.814.0039 PROCESSO ANTIGO: ---


MAGISTRADO(A)/RELATOR(A)/SERVENTUÁRIO(A): WANDER LUIS BERNARDO Ação: Termo
Circunstanciado em: 02/12/2019---REU:GABRIEL BALBINO CANABRAVA Representante(s): OAB 26739 -
RANIELE XAVIER DE JESUS SILVA (ADVOGADO) VITIMA:V. N. S. . PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL
DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL Autos nº 0003067-
25.2019.8.14.0039 R.H. Vieram os autos conclusos. Dispensado o relatório na forma do art. 81 §3°
da lei 9.099/95. Compulsando os autos observa-se que as partes celebraram composição civil, a qual
foi cumprida. Assim sendo, diante da renúncia do direito de representação, DECLARO EXTINTA A
PUNIBILIDADE de GABRIEL BALBINO CANABRAVA, nos termos do artigo 107, inciso V do Código
Penal, quanto aos fatos(s) do objeto do presentes processo. Dê-se ciência ao Ministério Público.
P. R. I. Serve presente decisão como mandado/notificação/ofício Sem custas Após
o trânsito em julgado, arquivem-se os presentes autos e apensos, adotando-se todos os procedimentos de
praxe em casos desta natureza. Paragominas, 02 de dezembro de 2019. WANDER LUIS BERNARDO
Juiz de Direito
2330
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

COMARCA DE RONDON DO PARÁ

SECRETARIA DA 1ª VARA CÍVEL DE RONDON DO PARÁ

Número do processo: 0800683-69.2018.8.14.0046 Participação: REQUERENTE Nome: ADRIANO DE


SOUZA PASSOS Participação: REQUERIDO Nome: GERCINO MOREIRA DE SOUZA Participação:
AUTORIDADE Nome: MINISTERIO PUBLICO DO ESTADO DO PARAEDITAL DE PUBLICAÇÃO DE
SENTENÇA DE INTERDIÇÃOPor três vezes com intervalos de 10 (dez) dias(1.ª Publicação) O
Excelentíssimo Senhor JOÃO VALÁRIO DE MOURA JUNIOR, Juiz de Direito Titular, respondendo pela 1ª
Vara Cível da Comarca de Rondon do Pará, Estado do Pará, FAZ SABER aos que o presente edital virem
ou dele conhecimento tiverem, e a quem possa interessar, que por este Juízo se processou a Ação de
Interdição sob o n.º 0800683-69.2018.8.14.0046, tendo como requerente ADRIANO DE SOUZA PASSOS,
brasileiro, solteiro, ajudante de pedreiro, residente na Rua dos Operários, n. 172, Bairro Miranda, na
cidade de Rondon do Pará-PA, em face de GERCINO MOREIRA DE SOUZA, portador do RG nº 3009353
PC/BA, CPF nº 00089279280, nascido em 25/06/1968, filho de Serafim Moreira e Geralda de Souza
Passos, o qual foi declarado incapaz de exercer pessoalmente os atos da vida civil, na forma do art. 4º, II,
do CCB e, cuja interdição foi decretada por sentença deste Juízo, sendo nomeado curador do interditado o
requerente ADRIANO DE SOUZA PASSOS, a quem incumbirá reger a vida pessoal e os bens da
interditada.E para que ninguém possa alegar ignorância, determino que seja o presente Edital afixado no
lugar de costume e publicação na forma da Lei. Dado e passado nesta cidade de Rondon do Pará, Estado
do Pará, aos 22 de julho de 2019. Eu, __________(Vanessa S. Japiassú Moura ) que o digitei e o
subscrevi. JOÃO VALÉRIO DE MOURA JÚNIOR Juiz de Direito respondendo pela 1ª Vara Cível da
Comarcade Rondon do Pará/PA

Número do processo: 0800429-62.2019.8.14.0046 Participação: REQUERENTE Nome: ADRIANO


MARINHO VIANA Participação: ADVOGADO Nome: WILMA GONCALVES DE OLIVEIRA FERREIRA
OAB: 21154/PA Participação: REQUERIDO Nome: CRYSLANE SANTOS CARDOSO Participação:
FISCAL DA LEI Nome: PARA MINISTERIO PUBLICO Poder JudiciárioEDITAL DE CITAÇÃO PRAZO DA
LEI Processo: 0800429-62.2019.8.14.0046AÇO DE DIVÓRCIO LITIGIOSORequerente: ADRIANO
MARINHO VIANAAdvogado; WILMA GONÇALVES DE OLIVEIRA FERREIRARequeridos: CRYSLANE
CARDOSO MARINHO FAZ SABER a todos os que virem o presente EDITAL ou dele tiverem
conhecimento, o qual foi extraído dos autos, que através deste ficaCITADO o requerido CRYSLANE
CARDOSO MARINHO,residente e domiciliado em lugar incerto e não sabido, ficando ciente o mesmo da
presente ação que lhe é movida pela requerente, bem como advertido de que deverá apresentar, no prazo
da lei, o oferecimento da peça contestatória, sendo que este prazo começará a fluir da data da publicação
do presente edital. E para que ninguém possa alegar ignorância, determino que seja o presente Edital
afixado no lugar de costume e publicação na forma da Lei. Dado e passado nesta cidade de Rondon do
Pará, Estado do Pará, aos 04 de deze,bro de 2019. Eu, __________(Vanessa Souza Japiassú Moura,
analista judiciário) que o digitei e o subscrevi. JOSÉ JONAS LACERDA DE SOUSA Juiz de Direitoda1ª
Vara Cível da Comarcade Rondon do Pará/PA

Número do processo: 0800635-76.2019.8.14.0046 Participação: AUTOR Nome: JONATAS PEREIRA


PRATES Participação: ADVOGADO Nome: MICHAEL BATISTA RODRIGUES OAB: 19226/PA
Participação: RÉU Nome: celpa ATO ORDINATÓRIO 1-Consoante ao provimento 006/2006- CJC, art. 1º,
§ 2º item III, regulamentado pelo Provimento 006/2009 às Comarcas do Interior.2 Vistas à parte Autora,
por meio do seu advogado, para manifestar-se acerca da contestação no prazo de 15 (quinze) dias, com
fulcro nos arts. 350, 351 do CPC.3 Cumpra-se. Rondon do Pará, 04 de dezembro de 2019. Kênia Kely
Araújo de SousaDiretora de Secretaria 1ª Vara Cível
2331
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

PROCESSO: 0000870-44.2006.8.14.0046

CLASSE: AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE DÉBITO COM PEDIDO DE ANTECIPAÇÃO DE


TUTELA

REQUERENTE(S): MUNICÍPIO DE ABEL FIGUEIREDO -PA

ADVOGADO(A)(S): PROCURADOR DO MUNICÍPIO DE ABEL FIGUEIREDO

REQUERIDO(O)(S): TELEMAR- NORTE S/A

ADVOGADO(A)(S): LUIS OTÁVIO PAIVA RODRIGUES OAB/PA 4670

DESPACHO 1. Ao arquivo salvo petição do requerimento. Rondon do Pará/PA, 26 de março de 2019.


JOSÉ JONAS LACERDA DE SOUSA. Juiz de Direito Titular.

PROCESSO: 0005109-31.2016.8.14.0046

CLASSE: AÇÃO DE EXECUÇÃO DE TITULO EXTRAJUDICIAL

REQUERENTE(S): BANCO DA AMAZÔNIA S.A.

ADVOGADO(A)(S): FABRÍCIO DOS REIS BRANDÃO OAB/PA 11.471

REQUERIDO(O)(S): ORLANDO RODRIGUES DOS SANTOS, CLEIDIMAR PEREIRA DA SILVA e


PATRICIA MOREIRA DA SILVA

ADVOGADO(A)(S):

DESPACHO 1. Ao banco para o que entender. Rondon do Pará, 07 de agosto de 2019

JOSÉ JONAS LACERDA DE SOUSA Juiz de Direito Titular

PROCESSO: 0003036-18.2018.8.14.0046

CLASSE: AÇÃO DE RESCISÃO E EXECUÇÃO DE CONTRATO PARTICULAR DE ARRENDAMENTO


DE ÁREA RURAL C/C DESPEJO RURAL C/C PEDIDO DE LIMINAR E DANOS

REQUERENTE(S): CLEDSON SANTANA SOARES

ADVOGADO(A)(S): MAURICIO DINIZ MACHADO OAB/PA 13.506

REQUERIDO(O)(S): ANDRÉ LUIS GANJA


2332
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

ADVOGADO(A)(S): CLEITON CAMILO DOS SANTOS OAB/PA 18.626-A FERNANDO CESAR SANTOS
SILVEIRA OAB/PA 18.685-B

DESPACHO 1. Ao requerente em 48 horas para o que entender. Rondon do Pará, 12 de outubro 2019
JOSÉ JONAS LACERDA DE SOUSA Juiz de Direito Titular

PROCESSO: 0002043-09.2017.8.14.0046

CLASSE: AÇÃO DE BUSCA E APREENSÃO C/C PEDIDO DE TUTELA DE URGÊNCIA

REQUERENTE(S): COOPERATIVA DE CRÉDITO DE LIVRE ADMISSÃO DE ASSOCIADOS DO


NORDESTE DO PARA- SICREDI NORTE- PA

ADVOGADO(A)(S): GIANPAOLO ZAMBIAZI BERTOL OAB/PA 23.211-A

REQUERIDO(O)(S): SILVAN NUNES PESSOA

ADVOGADO(A)(S): MARCIO RODRIGUES ALMEIDA OAB/PA 9881

SENTENÇA Vistos etc.... A requerente ajuizou ação de busca e apreensão em face do requerido,
alegando a celebração de relação contratual, garantida por alienação fiduciária, sendo que posteriormente
deixou de adimplir as prestações vencidas. Sustentou que foi dado em garantia fiduciária o veículo
descrito na petição inicial. Pleiteou a concessão de medida liminar e requereu, ao final, a procedência do
pedido. O Juízo reconheceu a comprovação da constituição em mora do réu e deferiu a medida liminar. O
bem foi apreendido. A ré, citada, consignou os valores. A requerente pleiteia levantamento. Ação revisional
proposta face a requerente deste autos, julgada improcedente. É o relatório. Decido. O feito comporta
julgamento antecipado da lide. Trata-se de ação de busca e apreensão satisfativa, de bem fiduciariamente
alienado em garantia, de que trata o §8º, art.3º do Decreto-Lei nº 911/69, no qual é disposto que A busca e
apreensão prevista no presente artigo constitui processo autônomo e independente de qualquer
procedimento posterior. . O pedido se acha devidamente instruído, sendo que o réu consignou os valores
supostamente devidos, em petição subsequente a autora peticionou para levantamento destes, contudo
alega rejeição de proposta e que o valor é abaixo de devido, no entanto não junta demonstrativo de
cálculos. Nesse sentido, torna-se contrassenso admitir o levantamento e a continuidade da demanda, com
a permanência das restrições no veículo. O levantamento de valores consignados impõe a resolução do
mérito pelo pagamento, visto que a rejeição total deste ensejaria o objetivo da busca e apreensão, qual
seja a posse do bem, não podendo a requerente utilizar-se de duas beneficies nos mesmos autos . Diante
do exposto, na forma do artigo 487, inciso I do Código de Processo Civil, julgo procedente o pedido inicial,
visto que o instituto do pagamento se consolidou, revogando a liminar deferida, face ao princípio da
causalidade condeno o requerido ao pagamento de honorários advocatícios, que desde já fixo em 10%
sob o valor da causa. Oficie-se ao Detran, para que proceda baixa nas restrições. Proceda-se a entrega do
veículo ao demandado. Expeça-se alvará em nome do requerente para levantamento dos valores
consignados. Publique-se. Registre-se. Intimem-se. Rondon do Pará, 01 de novembro de 2019. JOSÉ
JONAS LACERDA DE SOUSA Juiz de Direito Titular

PROCESSO: PROCESSO: 0004469-28.2016.8.14.0046


2333
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

CLASSE: AÇÃO DE BUSCA E APREENSÃO

REQUERENTE(S): BV FINANCEIRA S/A CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

ADVOGADO(A)(S): CRISTIANE BELINATI GARCIA LOPES OAB/PA 13.846-A, GIULIO ALVARENGA


REALE OAB/PA 20.107-A

REQUERIDO(O)(S): NICEIA ANTUNES FREITAS

ADVOGADO(A)(S):

Vistos etc. Tendo em vista o pedido da requerente, suspendo o feito pelo prazo de 120 dias, após intime-
se para manifestação, sob pena de extinção sem resolução do mérito. Rondon do Pará - PA, 03 de junho
de 2019. JOSÉ JONAS LACERDA DE SOUSA Juiz de Direito Titular
2334
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

COMARCA DE OURÉM

SECRETARIA DA VARA ÚNICA DE OURÉM

Número do processo: 0800573-60.2019.8.14.0038 Participação: RECLAMANTE Nome: MARIA PINHEIRO


DA CONCEICAO Participação: ADVOGADO Nome: RICARDO SINIMBU DE LIMA MONTEIRO OAB:
14745/PA Participação: RECLAMADO Nome: BP PROMOTORA DE VENDAS LTDA. Participação:
ADVOGADO Nome: NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES OAB: 15201/PATRIBUNAL DE JUSTIÇA
DO ESTADO DO PARÁVARA ÚNICA DA COMARCA DE OURÉMPROCESSO nº 0800573-
60.2019.8.14.0038AÇÃO DE DECLARATÓRIA E DANO MORAL RECLAMANTE: MARIA PINHEIRO DA
CONCEIÇÃO (Adv. Ricardo Sinimbu de Lima Monteiro, OAB/PA 14.745)RECLAMADO: BP PROMOTORA
DE VENDAS LTDA ? BRADESCO PROMOTORA (Adv. Nelson Wilians Fratoni Rodrigues,OAB/BA
15.201-A) SENTENÇA tipo B sem mérito 1.Proceda-se a alteração do polo passivo, como solicitado pelo
requerido (BP PROMOTORA DE VENDAS LTDA ? BRADESCO PROMOTORA).Considerando que o
autor pugnou pela extinção do feito, em face da desistência do mesmo, e o requerido concordou com o
pedido. 2. Portanto, nos termos do artigo 485, inciso VIII, do CPC, JULGO O PROCESSO EXTINTO SEM
RESOLUÇÃO DO MÉRITO. Sem custas, nos termos da Lei 9.099/95. P.R.I. e após o transito em julgado
arquive-se com as cautelas legais. Ourém, 6 de dezembro de 2019. OMAR JOSÉ MIRANDA
CHERPINSKIJuiz de Direito da Vara Única da Comarca de Ourém

Número do processo: 0800567-53.2019.8.14.0038 Participação: RECLAMANTE Nome: LUIZ DE ASSIS


LIMA Participação: ADVOGADO Nome: RICARDO SINIMBU DE LIMA MONTEIRO OAB: 14745/PA
Participação: RECLAMADO Nome: BANCO ITAU CONSIGNADO S/A Participação: ADVOGADO Nome:
LUIS CARLOS MONTEIRO LAURENCO OAB: 16780/BA Participação: ADVOGADO Nome: MARIANA
BARROS MENDONCA OAB: 121891/RJTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁVARA ÚNICA
DA COMARCA DE OURÉMPROCESSO nº 0800567-53.2019.8.14.0038AÇÃO DE DECLARATÓRIA E
DANO MORAL RECLAMANTE: LUIS DE ASSIS LIMA (Adv. Ricardo Sinimbu de Lima Monteiro, OAB/PA
14.745)RECLAMADO: BANCO ITAU CONSIGNADO S/A (Adv. Luis Carlos Monteiro Lourenço,OAB/BA
16.780) SENTENÇA tipo B sem mérito 1.Considerando que o autor pugnou pela extinção do feito, em face
da desistência do mesmo, e o requerido concordou com o pedido. 2. Portanto, nos termos do artigo 485,
inciso VIII, do CPC, JULGO O PROCESSO EXTINTO SEM RESOLUÇÃO DO MÉRITO. Sem custas, nos
termos da Lei 9.099/95. P.R.I. e após o transito em julgado arquive-se com as cautelas legais. Ourém, 6
de dezembro de 2019. OMAR JOSÉ MIRANDA CHERPINSKIJuiz de Direito da Vara Única da Comarca de
Ourém

Número do processo: 0800572-75.2019.8.14.0038 Participação: RECLAMANTE Nome: MARIA DA


CONCEICAO PINHEIRO Participação: ADVOGADO Nome: RICARDO SINIMBU DE LIMA MONTEIRO
OAB: 14745/PA Participação: RECLAMADO Nome: BANCO ITAU CONSIGNADO S/A Participação:
ADVOGADO Nome: LUIS CARLOS MONTEIRO LAURENCO OAB: 16780/BA Participação: ADVOGADO
Nome: MARIANA BARROS MENDONCA OAB: 121891/RJTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO
PARÁVARA ÚNICA DA COMARCA DE OURÉMPROCESSO nº 0800572-75.2019.8.14.0038AÇÃO DE
DECLARATÓRIA E DANO MORAL RECLAMANTEMARIA DA CONCEIÇÃO PINHEIRO (Adv. Ricardo
Sinimbu de Lima Monteiro, OAB/PA 14.745)RECLAMADO: BANCO ITAU CONSIGNADO S/A (Adv. Luis
Carlos Monteiro Lourenço,OAB/BA 16.780) SENTENÇA tipo B sem mérito 1.Considerando que a autora
pugnou pela extinção do feito, em face da desistência do mesmo, e o requerido concordou com o pedido.
2. Portanto, nos termos do artigo 485, inciso VIII, do CPC, JULGO O PROCESSO EXTINTO SEM
RESOLUÇÃO DO MÉRITO. Sem custas, nos termos da Lei 9.099/95. P.R.I. e após o transito em julgado
arquive-se com as cautelas legais. Ourém, 6 de dezembro de 2019. OMAR JOSÉ MIRANDA
CHERPINSKIJuiz de Direito da Vara Única da Comarca de Ourém
2335
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Número do processo: 0800571-90.2019.8.14.0038 Participação: RECLAMANTE Nome: MARIA DA


CONCEICAO PINHEIRO Participação: ADVOGADO Nome: RICARDO SINIMBU DE LIMA MONTEIRO
OAB: 14745/PA Participação: RECLAMADO Nome: BANCO BRADESCO PROMOTORA S/A Participação:
ADVOGADO Nome: FELIPE GAZOLA VIEIRA MARQUES OAB: 19792/PATRIBUNAL DE JUSTIÇA DO
ESTADO DO PARÁVARA ÚNICA DA COMARCA DE OURÉMPROCESSO nº 0800571-
90.2019.8.14.0038AÇÃO DE DECLARATÓRIA E DANO MORAL RECLAMANTEMARIA DA CONCEIÇÃO
PINHEIRO (Adv. Ricardo Sinimbu de Lima Monteiro, OAB/PA 14.745)RECLAMADO: BANCO ITAU
CONSIGNADO S/A (Adv. Luis Carlos Monteiro Lourenço,OAB/BA 16.780) SENTENÇA tipo B sem mérito
1.Considerando que a autora pugnou pela extinção do feito, em face da desistência do mesmo, e o
requerido concordou com o pedido. 2. Portanto, nos termos do artigo 485, inciso VIII, do CPC, JULGO O
PROCESSO EXTINTO SEM RESOLUÇÃO DO MÉRITO. Sem custas, nos termos da Lei 9.099/95. P.R.I.
e após o transito em julgado arquive-se com as cautelas legais. Ourém, 6 de dezembro de 2019. OMAR
JOSÉ MIRANDA CHERPINSKIJuiz de Direito da Vara Única da Comarca de Ourém

Número do processo: 0800565-83.2019.8.14.0038 Participação: RECLAMANTE Nome: LUIZ DE ASSIS


LIMA Participação: ADVOGADO Nome: RICARDO SINIMBU DE LIMA MONTEIRO OAB: 14745/PA
Participação: RECLAMADO Nome: BANCO ITAU CONSIGNADO S/A Participação: ADVOGADO Nome:
LUIS CARLOS MONTEIRO LAURENCO OAB: 16780/BA Participação: ADVOGADO Nome: MARIANA
BARROS MENDONCA OAB: 121891/RJTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁVARA ÚNICA
DA COMARCA DE OURÉMPROCESSO nº 0800565-83.2019.8.14.0038AÇÃO DE DECLARATÓRIA E
DANO MORAL RECLAMANTE: LUIS DE ASSIS LIMA (Adv. Ricardo Sinimbu de Lima Monteiro, OAB/PA
14.745)RECLAMADO: BANCO ITAU CONSIGNADO S/A (Adv. Luis Carlos Monteiro Lourenço,OAB/BA
16.780) SENTENÇA tipo B sem mérito 1.Considerando que o autor pugnou pela extinção do feito, em face
da desistência do mesmo, e o requerido concordou com o pedido. 2. Portanto, nos termos do artigo 485,
inciso VIII, do CPC, JULGO O PROCESSO EXTINTO SEM RESOLUÇÃO DO MÉRITO. Sem custas, nos
termos da Lei 9.099/95. P.R.I. e após o transito em julgado arquive-se com as cautelas legais. Ourém, 6
de dezembro de 2019. OMAR JOSÉ MIRANDA CHERPINSKIJuiz de Direito da Vara Única da Comarca de
Ourém

Número do processo: 0800429-86.2019.8.14.0038 Participação: RECLAMANTE Nome: BENEDITO DOS


SANTOS BOTELHO Participação: ADVOGADO Nome: ANDRELINO FLAVIO DA COSTA BITENCOURT
JUNIOR OAB: 011112/PA Participação: RECLAMADO Nome: BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS
S.A. Participação: ADVOGADO Nome: WILSON BELCHIOR OAB: 20601/PATRIBUNAL DE JUSTIÇA DO
ESTADO DO PARÁVARA UNICA DA COMARCA DE OURÉMProcesso: 0800429-
86.2019.8.14.0038RECLAMANTE: BENEDITO DOS SANTOS BOTELHORECLAMADO: BANCO
BRADESCO FINANCIAMENTOS S.A.DESPACHO Considerando que o feito já foi resolvido, inclusive com
o transito em julgado do mesmo, proceda-se ao arquivamento dos autos. Expeça-se o que for necessário,
Cumpra-se. Ourém, 6 de dezembro de 2019. OMAR JOSÉ MIRANDA CHERPINSKIJuiz de Direito da Vara
Única da Comarca de Ourém

Número do processo: 0800191-67.2019.8.14.0038 Participação: EXEQUENTE Nome: HUMBERTO


FERREIRA SOBRAL Participação: ADVOGADO Nome: CEZAR AUGUSTO REZENDE RODRIGUES
OAB: 8060 Participação: ADVOGADO Nome: FERNANDA ALVES CAMPBELL GOMES OAB: 021111/PA
Participação: EXECUTADO Nome: BANCO BONSUCESSO S.A. Participação: ADVOGADO Nome:
MARIANA BARROS MENDONCA OAB: 121891/RJ Participação: ADVOGADO Nome: LUIS CARLOS
MONTEIRO LAURENCO OAB: 16780/BA Participação: ADVOGADO Nome: BARBARA RODRIGUES
FARIA DA SILVA OAB: 151204/MGTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁVARA ÚNICA DA
COMARCA DE OURÉM0800191-67.2019.8.14.0038EXEQUENTE: HUMBERTO FERREIRA
SOBRALEXECUTADO: BANCO BONSUCESSO S.A.DESPACHO Considerando que houve deposito
voluntario dos valores, aos quais concordou o(a) autor(a). Expeça-se Alvara para o(a) autor(a) proceder ao
levantamento dos mesmos. Expeça-se o que for necessário, Cumpra-se. Ourém, 6 de dezembro de 2019.
OMAR JOSÉ MIRANDA CHERPINSKIJuiz de Direito da Vara Única da Comarca de Ourém
2336
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Número do processo: 0800727-78.2019.8.14.0038 Participação: REQUERENTE Nome: ANTONIO


EUZEBIO FONSECA RIBEIRO Participação: ADVOGADO Nome: JACOB ALVES DE OLIVEIRA OAB:
969PA Participação: REQUERENTE Nome: ANTONIO RIBEIRO DE ASSUNCAO Participação:
ADVOGADO Nome: JACOB ALVES DE OLIVEIRA OAB: 969PA Participação: REQUERENTE Nome:
ALVARO CLEBER CARVALHO MENEZES Participação: ADVOGADO Nome: JACOB ALVES DE
OLIVEIRA OAB: 969PA Participação: REQUERIDO Nome: RAIMUNDO DA COSTA MACIELTRIBUNAL
DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁVARA ÚNICA DA COMARCA DE OURÉMProcesso: 0800727-
78.2019.8.14.0038DESPACHO Intime-se os autores, nos termos do artigo 272 do CPC, para que se
manifeste acerca da certidão do Oficial de Justiça.Certifique-se se houve contestação. Expeça-se o que for
necessário, Cumpra-se. Ourém, 6 de dezembro de 2019. OMAR JOSÉ MIRANDA CHERPINSKIJuiz de
Direito da Vara Única da Comarca de Ourém

Número do processo: 0800536-33.2019.8.14.0038 Participação: RECLAMANTE Nome: JOSEFA MARIA


PORTO Participação: ADVOGADO Nome: JANRLIR CRUZ COUTINHO OAB: 21551/PA Participação:
RECLAMADO Nome: BANCO BRADESCARD S.A. Participação: ADVOGADO Nome: GUILHERME DA
COSTA FERREIRA PIGNANELI OAB: 5546/ROTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁVARA
ÚNICA DA COMARCA DE OURÉMPROCESSO nº0800536-33.2019.8.14.0038 AÇÃO DE
DECLARATÓRIA E DANO MORAL RECLAMANTE: JOSEFA MARIA PORTO (Adv. Janrlir Cruz Coutinho,
OAB/PA 21.551)RECLAMADO: BANCO BRADESCO S/A (adv. Guilherme da Costa Ferreira Pignaneli,
OAB/PA 28.178-A) SENTENÇATIPO A com mérito 1. Dispensado o relatório, nos termos do art. 38, da Lei
n° 9.099/95. 2. A autora aduz que não realizou qualquer contrato de empréstimo junto à empresa ré, mas
esta passou a realizar descontos diretamente na folha de pagamento da autora, requereu o cancelamento
de tal dívida, a devolução em dobro dos valores pagos e indenização por danos morais. 3. O requerido em
audiência apresentou-se com seu preposto e advogado. 4. Em relação ao mérito afirmou que o contrato
entabulado entre as partes é licito e que não houve dano moral, pugnou a improcedência do pedido. 5. No
que concerne às relações de consumo, a responsabilidade por vícios na prestação de serviços em geral é
dos fornecedores, conforme previsto no art. 14, do Código de Defesa do Consumidor,in verbis: Art. 14. O
fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos
causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações
insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos. 6. O Código Civil, nos artigos 421 e seguintes,
garantiu a autonomia privada, concedendo às partes o direito de contratar com liberdade, impondo como
limites a ordem pública e a função social do contrato. Todos têm autonomia para declarar nossa vontade e
agir, autonomia de vontade essa decorrente do Princípio da dignidade humana (art. 1°, III, da Constituição
Federal). A autonomia privada, como fonte normativa, está ligada à idéia de poder, isto é, da possibilidade
de realizar, principalmente, negócios jurídicos bilaterais. 7. Deste modo, o novo sistema jurídico de direito
privado impõe às partes que resguardem, tanto n a conclusão quanto na execução do contrato, os
princípios da probidade e da boa-fé. 8. Com efeito, nas disposições finais do Código Civil igualmente
consta que nenhuma convenção prevalecerá se contrariar preceitos de ordem pública, tais como aqueles
estabelecidos pelo Códex para o resguardo da função social da propriedade e da função social dos
contratos. Ao intérprete cabe a exegese do negócio jurídico em consonância com a principiologia do
sistema legal. Em relação a prescrição, esta não ocorreu já que o contrato ainda esta em vigor. 9. O réu,
Banco Bradesco S/A, não juntou aos autos o contrato que dá suporte ao valor cobrado. Portanto,
descontou indevidamente R$ 199,60 da autora até a competência 12/2019. Não existindo suporte legal
para tais descontos, constata-se, pois, que houve desconto indevido, caracterizando cobrança abusiva, a
autorizar a devolução em dobro do valor descontado indevidamente, conforme autoriza as disposições do
Código de Defesa do Consumidor e do Código Civil,ad letteram: CDC - Art. 42 b. Na cobrança de débitos,
o consumidor inadimplente não será exposto a ridículo, nem será submetido a qualquer tipo de
constrangimento ou ameaça.Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à
repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária
e juros legais, salvo hipótese de engano justificável. CC - Art. 940. Aquele que demandar por dívida já
paga, no todo ou em parte, sem ressalvar as quantias recebidas ou pedir mais do que for devido, ficará
obrigado a pagar ao devedor, no primeiro caso, o dobro do que houver cobrado e, no segundo, o
equivalente do que dele exigir, salvo se houver prescrição. 10. No que tange aos danos morais, na
aplicação da responsabilidade objetiva, comoin casu,para que haja o dever de indenizar é irrelevante a
2337
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

conduta do agente (culpa ou dolo), bastando a existência do dano e o nexo de causalidade entre o fato e o
dano. Entendo que no caso vertente, restou comprovado a falha no serviço prestado pelo réu, mas este
não causou nenhum dano moral a autora, mas sim um mero aborrecimento, pois o valor descontado
mensalmente é ínfimo, menos de dois por cento da renda mensal da aposentada. 11. ISTO POSTO,
JULGO PROCEDENTE O PEDIDO, extinguindo o processo com resolução de mérito, condenando o
requerido BANCO BRADESCO S/A a devolução, em dobro, do valor de R$ 199,60 (cento e noventa e
nove reais e sessenta centavos), acrescidos de correção monetária pelo INPC deste a data o desconto e
juros simples de 1% ao mês a partir da citação, bem como proceder ao cancelamento de qualquer débito
fundado no negócio versado nos autos. Faculto ao requerido abater do montante a que foi condenado o
valor que teria sido depositado na conta da autora,desde que demonstre efetivamente que houve o
referido deposito. 12. Isento as partes de custas, despesas processuais e honorários de sucumbência, em
virtude da gratuidade do primeiro grau de jurisdição nos Juizados Especiais (artigos 54 e 55, da Lei n.º
9099/95). 13. Certificado o trânsito em julgado, aguarde-se o prazo de quinze dias para cumprimento
voluntário da sentença, findo o qual deverá o débito ser atualizado com a incidência de pena de multa de
10%, nos termos do art. 523, § 1º, do CPC, sendo desnecessária qualquer intimação para cumprimento, a
teor do disposto no art. 52, inciso IV, da Lei n° 9.099/95. 14. Em caso de pagamento do valor da
condenação por meio de deposito judicial, este deverá ser realizado junto ao Banco do Estado do Pará
?BANPARA. 15. Publique-se. Registre-se. Intimem-se as partes pelo DJ-E, nos termos do artigo 272 do
CPC. Expeça-se o que for necessário, Cumpra-se. Ourém, 9 de dezembro de 2019. OMAR JOSÉ
MIRANDA CHERPINSKIJuiz de Direito da Vara Única da Comarca de Ourém

Número do processo: 0800524-19.2019.8.14.0038 Participação: RECLAMANTE Nome: BENEDITO DE


LIMA BARBOSA Participação: ADVOGADO Nome: ANDRELINO FLAVIO DA COSTA BITENCOURT
JUNIOR OAB: 011112/PA Participação: RECLAMADO Nome: SABEMI SEGURADORA SA Participação:
ADVOGADO Nome: JULIANO MARTINS MANSUR OAB: 113786TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO
DO PARÁVARA ÚNICA DA COMARCA DE OURÉMPROCESSO nº 0800524-19.2019.8.14.0038AÇÃO
DE DECLARATÓRIA E DANO MORAL RECLAMANTE: BENEDITO DE LIMA BARBOSA (Adv. Adrelino
Flavio da Costa Bitencourt Junior, OAB/PA 11.112)RECLAMADO: SABEMI SEGURADORA S/A (Adv.
Juliano Martins Mansur,OAB/RJ 113.786) SENTENÇATIPO A com mérito 1. Dispensado o relatório, nos
termos do art. 38, da Lei n° 9.099/95. 2. O autor aduz que não realizou qualquer contrato de empréstimo
junto à empresa ré, mas esta passou a realizar descontos diretamente na folha de pagamento do autor,
requereu o cancelamento de tal dívida, a devolução em dobro dos valores pagos e indenização por danos
morais. 3. O requerido em audiência apresentou-se com seu preposto e advogado e em preliminar arguiu
a necessidade de perícia, mas pericia em que se sequer apresentou o contrato que embasaria os
descontos? Diante da ausência de documento a ser, em tese, periciado, rejeito a preliminar levantada. 4.
Em relação ao mérito afirmou que o contrato entabulado entre as partes é licito e pugnou a improcedência
do pedido. 5. No que concerne às relações de consumo, a responsabilidade por vícios na prestação de
serviços em geral é dos fornecedores, conforme previsto no art. 14, do Código de Defesa do
Consumidor,in verbis: Art. 14. O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de
culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos
serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos. 6. O Código
Civil, nos artigos 421 e seguintes, garantiu a autonomia privada, concedendo às partes o direito de
contratar com liberdade, impondo como limites a ordem pública e a função social do contrato. Todos têm
autonomia para declarar nossa vontade e agir, autonomia de vontade essa decorrente do Princípio da
dignidade humana (art. 1°, III, da Constituição Federal). A autonomia privada, como fonte normativa, está
ligada à idéia de poder, isto é, da possibilidade de realizar, principalmente, negócios jurídicos bilaterais. 7.
Deste modo, o novo sistema jurídico de direito privado impõe às partes que resguardem, tanto n a
conclusão quanto na execução do contrato, os princípios da probidade e da boa-fé. 8. Com efeito, nas
disposições finais do Código Civil igualmente consta que nenhuma convenção prevalecerá se contrariar
preceitos de ordem pública, tais como aqueles estabelecidos pelo Códex para o resguardo da função
social da propriedade e da função social dos contratos. Ao intérprete cabe a exegese do negócio jurídico
em consonância com a principiologia do sistema legal. 9. O réu, Sabemi, não juntou aos autos o contrato
que daria suporte aos valores cobrados, salientando que era obrigação deste em razão da inversão do
ônus da prova.O contrato foi realizado de forma escrita e, por ser o autor analfabeto e não ter condições
de ler as suas cláusulas, para a validade do contrato se fosse apresentado deveria vir acompanhado de
ratificação por representante legal constituído por instrumento público, o que não ficou demonstrado nos
2338
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

autos, nesse sentido, são as lições de Humberto Theodoro Junior: O analfabeto, como não sabe grafar o
próprio nome, não pode se obrigar por instrumento particular, a não ser mediante representação por
procurador. A chamada "assinatura a rogo", isto é, assinatura de terceiro dada a pedido do analfabeto, não
tem eficácia alguma, a não ser nos casos em que a lei excepcionalmente autoriza o mandato verbal (para
negócios jurídicos em que não se exige forma escrita, o mandato pode ser verbal, conforme dispõe o art.
657, a contrário sensu). De igual forma, não vale como assinatura a aposição de impressão digital em
escritura privada, nas circunstâncias em que a lei exige a assinatura autógrafa. Como o analfabeto (ou
qualquer pessoa que esteja impossibilitada de assinar) somente poderá participar do instrumento particular
mediante procurador, o mandato que a esse outorgar terá de ser lavrado por escritura pública, pois é esta
a única forma de praticar declaração negocial válida sem a assinatura autógrafa da pessoa
interessada."("in" Comentários ao Novo Código Civil, V. III, T. II, 2a ed., Saraiva, pp. 479/480). 10. Igual
entendimento tem o TJMG e TJPI: APELAÇÕES CÍVEIS - AÇÃO DECLARATÓRIA DE NULIDADE DE
NEGÓCIO JURÍDICO C/C INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS - EMPRÉSTIMO CONSIGNADO -
ANALFABETO - VÍCIO DE CONSENTIMENTO - INOBSERVÂNCIA DAS FORMALIDADES
NECESSÁRIAS - NULIDADE DO CONTRATO - DESCONTO EM BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO -
SALÁRIO MÍNIMO - DANO MORAL CONFIGURADO - OFENSA À DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA -
VALOR - RAZOABILIDADE E PROPORCIONALIDADE - SENTENÇA MANTIDA.- Conquanto não se
possa considerar o analfabeto, por si só, incapaz, a formalização do contrato com ele firmado deve
observar determinados pressupostos formais, a fim de assegurar que a declaração de vontade foi
fornecida de forma livre, desembaraçada e consciente.- Diante disso, a jurisprudência majoritária deste
Tribunal tem se manifestado no sentido de exigir que o contrato firmado por pessoa analfabeta seja
formalizado por meio de instrumento público ou assinado a rogo, por terceiro com poderes conferidos
igualmente por instrumento público.- Reconhecida a invalidade do contrato, incumbe ao banco restituir, de
forma simples, os valores indevidamente descontados do benefício previdenciário do consumidor, nos
termos do artigo 876 do Código Civil e artigo 42, parágrafo único do CDC.- O dano moral caracteriza-se,
em regra, pela violação aos direitos da personalidade, sendo a dor, humilhação, angustia ou sofrimento
em si do indivíduo meras consequências da violação a um bem jurídico tutelado.- O desconto indevido,
durante meses, de parte do benefício previdenciário correspondente a um salário mínimo mensal da
autora, prejudica sua subsistência, configurando afronta à dignidade da pessoa humana, devendo ser
arbitrada indenização por danos morais.- O valor arbitrado em primeiro grau em consonância com estes
critérios, bem como adequado às peculiaridades do caso concreto, deve ser mantido o quantum arbitrado
na sentença primeva. (TJMG - Apelação Cível 1.0352.18.004540-8/001, Relator(a): Des.(a) Roberto
Apolinário de Castro (JD Convocado) , 10ª CÂMARA CÍVEL, julgamento em 22/10/2019, publicação da
súmula em 01/11/2019) AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE RELAÇÃO JURÍDICA -
EMPRÉSTIMO CONSIGNADO - CELEBRAÇÃO POR ANALFABETO - REQUISITOS DE VALIDADE -
AUSÊNCIA - RESTITUIÇÃO DOBRADA DOS VALORES DEDUZIDOS - CABIMENTO - ILÍCITO MORAL -
CARACTERIZAÇÃO - EFEITOS O contrato bancário, celebrado por analfabeto, é válido se firmado por
escritura pública ou, quando por instrumento particular, assim o for através de procurador constituído por
instrumento público. Logo, uma vez estabelecido por mero lançamento de digital imputada ao contratante
revela-se nulo de pleno direito. A reparação moral, na hipótese resultante de procedimento irregular da
instituição financeira consistente em desconto operado em benefício previdenciário, decorre do fato em si
e deve ser fixada com coerência, preservando-se os princípios da proporcionalidade e razoabilidade. A
devolução das parcelas indevidamente debitadas por força de empréstimo consignado irregular está
sujeita ao disposto no artigo 42, parágrafo único, do Código de Defesa do Consumidor. Tratando-se de
ilícito extracontratual, os juros moratórios incidentes sobre a indenização moral contam-se do evento
danoso. (TJMG - Apelação Cível 1.0394.13.006890-8/001, Relator(a): Des.(a) Saldanha da Fonseca , 12ª
CÂMARA CÍVEL, julgamento em 08/03/2017, publicação da súmula em 16/03/2017) DIREITO
PROCESSUAL CIVIL. APELAÇÃO. CONTRATAÇÃO DE EMPRÉSTIMO CONSIGNADO.
CONSUMIDORA ANALFABETA E IDOSA. HIPERVULNERABILIDADE. INVERSÃO DO ÔNUS DA
PROVA. NECESSIDADE DE CELEBRAÇÃO POR ESCRITURA PÚBLICA OU POR PROCURADOR
CONSTITUÍDO PARA ESSE FIM. NULIDADE DECLARADA. RESPONSABILIDADE OBJETIVA DO
BANCO. INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL. RESTITUIÇÃO EM DOBRO DOS VALORES
DESCONTADOS. APELAÇÃO PROVIDA. SENTENÇA REFORMADA.1. A vulnerabilidade, inerente ao
regime jurídico consumerista, encontra-se potencializada nestes autos, eis que a consumidora apelante é
idosa e analfabeta, enquadrando-se assim, no conceito doutrinário de hipervulnarabilidade.2. Um dos
corolários da incidência das normas consumeristas é a inversão do ônus da prova, providência prevista no
art. 6º, VIII, do CDC como um dos direitos do consumidor, e encetada pelo juiz de piso.3. Cabia à apelada
a demonstração de que, de fato, o negócio jurídico firmado entre as partes se revestia de legalidade.
2339
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Entretanto, de tal ônus, não se desincumbiu a contento. A apelante, como já ressaltado, é analfabeta.
Assim, para se revestir de validade, o contrato bancário deveria ter sido concretizado por intermédio de
escritura pública, ou por procurador constituído para esse fim. As exigências ora mencionadas tem por
objetivo compensar a hipossuficiência daquele que sequer pode tomar conhecimento por si mesmo dos
termos obrigacionais a que está aderindo.4. Os descontos no benefício previdenciário da apelante foram
realizados à míngua de qualquer lastro jurídico, impondo-lhe uma arbitrária redução, fato gerador de
angústia e sofrimento, mormente por se tratar de aposentada que percebe parca remuneração,
absolutamente incondizente, como é cediço, com o mínimo necessário para uma existência digna.
Indubitável a caracterização de dano moral.5. Sobre a responsabilidade do banco apelado, o artigo 14 do
Código de Defesa do Consumidor claramente estatui tratar-se de responsabilidade objetiva.6.
Demonstrada a ilegitimidade dos descontos no benefício previdenciário da apelante, decotes oriundos da
conduta negligente do banco apelado, e dada a inexistência de engano justificável para tal atuação,
cabível é a restituição em dobro.7. Apelação conhecida e provida, para reformar a sentença recorrida,
declarando a nulidade do contrato de empréstimo consignado nº 55532171 condenando o banco apelado
a restituir em dobro os valores descontados do benefício previdenciário da apelante; a pagar indenização
por danos morais no valor de R$ 2.000,00 (dois mil reais); bem como a pagar as custas processuais e os
honorários advocatícios, fixados em 15% (quinze por cento) sobre o valor da condenação.(TJPI, Processo
AC 00000573720138180082 PI 201400010056132, Órgão Julgador 3ª Câmara Especializada Cível,
Partes FRANCISCA PIRES FERREIRA LIMA (Apelante) e BANCO BONSUCESSO S.A. (Apelado),
Publicação 09/06/2015, Julgamento 20 de Maio de 2015, Relator Des. Ricardo Gentil Eulálio Dantas) 11.
Destarte, sendo o contrato nulo o réu descontou indevidamente do autor R$ 350,00, período de junho a
dezembro de 2019, não havendo demonstração de período anterior. Não existindo suporte legal para tais
descontos, constata-se, pois, que houve desconto indevido, caracterizando cobrança abusiva, a autorizar
a devolução em dobro do valor descontado indevidamente, conforme autoriza as disposições do Código
de Defesa do Consumidor e do Código Civil,ad letteram: CDC - Art. 42 b. Na cobrança de débitos, o
consumidor inadimplente não será exposto a ridículo, nem será submetido a qualquer tipo de
constrangimento ou ameaça.Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à
repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária
e juros legais, salvo hipótese de engano justificável. CC - Art. 940. Aquele que demandar por dívida já
paga, no todo ou em parte, sem ressalvar as quantias recebidas ou pedir mais do que for devido, ficará
obrigado a pagar ao devedor, no primeiro caso, o dobro do que houver cobrado e, no segundo, o
equivalente do que dele exigir, salvo se houver prescrição. 12. No que tange aos danos morais, na
aplicação da responsabilidade objetiva, comoin casu,para que haja o dever de indenizar é irrelevante a
conduta do agente (culpa ou dolo), bastando a existência do dano e o nexo de causalidade entre o fato e o
dano. 13. Entendo, pois, que no caso vertente, restou comprovado a falha no serviço prestado pelo réu, o
qual realizou descontos indevidos, privando-o de parcela de seus vencimentos pelo período de, no
mínimo, seis meses, fato que causa aborrecimentos e dissabores em intensidade suficiente a caracterizar
verdadeiro dano moral. Não é outra a jurisprudência pátria,in verbis: JUIZADOS ESPECIAIS.
CONSUMIDOR. ART. 14 DA LEI N. 8.078/90. FRAUDE NA UTILIZAÇÃO DE CARTÃO DE CRÉDITO.
COBRANÇA INDEVIDA. PERDAS E DANOS. RECURSOS CONHECIDOS E IMPROVIDOS. 1. A
instituição financeira administradora do cartão de crédito e o estabelecimento comercial devem responder
solidariamente pelos danos decorrentes da falha de seus serviços no mercado de consumo, a teor do que
dispõem os arts. 7º, parágrafo único e 25, §1º da Lei n. 8.078/90. Preliminar de ilegitimidade passiva ad
causam rejeitada.2. Se o consumidor afirma que seu cartão de crédito foi objeto de fraude e instrui o feito
com documentação adequada, cumpriria aos réus, ora recorrentes, demonstrarem que o cartão foi
efetivamente utilizado pela consumidora, desincumbindo-se de seu ônus probatório, a teor do que dispõem
os arts. 6º, VIII da Lei n. 8.078/90 e 333, II, do Código de Processo Civil.3. O artigo 14, §1º, da Lei n.
8078/90 atribui ao fornecedor responsabilidade objetiva pelos danos que causar decorrentes da prestação
defeituosa dos seus serviços. É manifesta a falha dos serviços diante da utilização de cartão de crédito
mediante fraude, impondo-se a declaração de inexistência de débito, o que revela o acerto da r. sentença
proferida. 4. Se o débito constante da fatura de cartão de crédito refere-se a compras não realizadas pela
consumidora, e há prova nos autos das inúmeras cobranças e tentativas frustradas de solucionar a
controvérsia, evidenciando-se o menosprezo aos claros direitos do consumidor que encontraram guarida
apenas com a demanda deflagrada perante o Judiciário, configura-se um quadro de circunstâncias
especiais com habilidade técnica eficiente para violar a dignidade do consumidor e, assim, um dos
atributos de sua personalidade, rendendo ensejo à configuração do dano moral.5. Observados os
princípios da razoabilidade e da proporcionalidade que informam a fixação da indenização do dano moral,
com inteligência judicial que considera as circunstâncias da lide, a condição socioeconômica das partes,
2340
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

bem como o grau de culpa do causador do dano, a gravidade e intensidade da ofensa moral, prolata
sentença que merece ser confirmada.6. Recursos conhecidos e improvidos. Sentença mantida por seus
próprios fundamentos, com súmula de julgamento servindo de acórdão, na forma do art. 46 da Lei nº
9.099/95. Condeno o recorrente ao pagamento de custas processuais e honorários advocatícios, fixados
em 10% (dez) sobre o valor da condenação.É como voto.(Acórdão n.440208, 20080110327533ACJ,
Relator: SANDRA REVES VASQUES TONUSSI, 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis e
Criminais do DF, Data de Julgamento: 20/08/2010, Publicado no DJE: 24/08/2010. Pág.: 171) 14. Vale
ressaltar o entendimento jurisprudencial dominante: ?Não há de se falar em prova do dano moral, mas
sim, na prova do fato que gerou a dor, o sofrimento, sentimentos íntimos que o ensejaram. Provado,
assim, o fato, impõe-se a condenação, sob pena de violação do art. 334 do CPC.(trecho do Acórdão Resp.
86271/SP. Min. Carlos Alberto Menezes, Direito. Pub. 09.12.1997 ? no mesmo sentido Resp. 145297/SP,
Pub. 14.12.1998). 15. Sobre o tema, vale trazer à baila a precisa lição de Clayton Reis: ?Trata-se de uma
lesão que atinge valores físicos e espirituais, a honra, nossas ideologias, a paz íntima, a vida nos seus
múltiplos aspectos, a personalidade da pessoa, enfim, aquela que afeta de forma profunda não os seus
patrimoniais, mas que causa fissuras no âmago de ser, perturbando-lhe a paz de que todos nós
necessitamos para nos conduzir de forma equilibrada nos tortuosos caminhos da existência.?(in Avaliação
dos Danos, 1998, ed. Forense). 16. Vale ressaltar que, por se tratar de reparação às perturbações de
estado de espírito, que são contingentes e variáveis em cada caso, dependendo também sua extensão da
própria índole do lesado, não se exige a prova efetiva do dano, mas tão-somente do fato que o originou,
donde se infere e presume a ocorrência do padecimento íntimo. 17. A reparação pecuniária não tem o
condão nem a finalidade de pagar pelo sofrimento experimentado pelo lesado, até mesmo porque
impossível ao magistrado fixar qual o valor da dor infligida, servindo a indenização apenas como lenitivo
ao constrangimento suportado. 18. Em verdade, tal reparação possui caráter dúplice: satisfatório ou
compensatório à vítima, e punitivo e educativo ao ofensor, visto ser encargo suportado por quem causou o
dano, com a finalidade de desestimulá-lo de novas práticas lesivas. Compensação ao ofendido e punição
ao ofensor, eis o binômio que rege o dever de indenizar. 19. Quanto ao valor devido a título de
indenização por danos morais, este deve ser atribuído segundo o prudente arbítrio do juiz, levando-se em
consideração as condições pessoais das partes envolvidas, o bem jurídico tutelado, a extensão e duração
dos danos, a repercussão da ofensa e a retratação espontânea do agente. 20. Neste sentido, observado o
cunho social da Lei 9.099/95, bem como a exigência do bem comum, adotando neste caso decisão que se
apresenta mais justa e equânime para o caso em concreto, nos termos do art. 5º e 6º da referida lei,
decido fixar os danos morais decorrentes do desconto indevido das parcelas, no valor de R$ 5.000,00
(cinco mil reais), pois além que o valor descontado tenha causado aflição, há também o caráter punitivo ao
réu em não obedecer às normas vigentes em relação a contratos de pessoas analfabetas. 21. ISTO
POSTO, JULGO PROCEDENTE O PEDIDO, extinguindo o processo com resolução de mérito,
condenando o requerido SABEMI SEGURADORA S/A a devolução, em dobro, do valor de R$ 350,00
(trezentos e cinquenta reais), acrescidos de correção monetária pelo INPC deste a data o desconto e juros
simples de 1% ao mês a partir da citação. Condeno ainda o réu a pagar indenização ao autor a título de
dano moral no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), bem como proceder ao cancelamento de qualquer
débito fundado no negócio versado nos autos. 22. Isento as partes de custas, despesas processuais e
honorários de sucumbência, em virtude da gratuidade do primeiro grau de jurisdição nos Juizados
Especiais (artigos 54 e 55, da Lei n.º 9099/95). 23. Certificado o trânsito em julgado, aguarde-se o prazo
de quinze dias para cumprimento voluntário da sentença, findo o qual deverá o débito ser atualizado com a
incidência de pena de multa de 10%, nos termos do art. 523, § 1º, do CPC. 24. Caso o requerido ao
cumprir a sentença faça o pagamento através de deposito judicial, este deve ser realizado junto ao Banco
do Estado do Para ? BANPARA, em conta vinculada ao presente feito. 25. Publique-se. Registre-se.
Intimem-se as partes pelo DJ-E, nos termos do artigo 272 do CPC. Expeça-se o que for necessário,
Cumpra-se. Ourém, 7 de dezembro de 2019. OMAR JOSÉ MIRANDA CHERPINSKIJuiz de Direito da Vara
Única da Comarca de Ourém

Número do processo: 0800612-57.2019.8.14.0038 Participação: AUTOR Nome: EMBRACON


ADMINISTRADORA DE CONSORCIO LTDA Participação: ADVOGADO Nome: AMANDIO FERREIRA
TERESO JUNIOR OAB: 16837/PA Participação: RÉU Nome: ODECIO CASTRO DO
NASCIMENTOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁVARA ÚNICA DA COMARCA DE
OURÉMProcesso: 0800612-57.2019.8.14.0038AUTOR: EMBRACON ADMINISTRADORA DE
CONSORCIO LTDANome: ODECIO CASTRO DO NASCIMENTOEndereço: RUA LAURO SODRE, 435,
2341
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

CENTRO, OURéM - PA - CEP: 68640-000 DECISÃO INTERLOCUTÓRIA 1. A EMBRACOM


Administradora de Consorcio LTDA, já qualificado, ajuizou ação de busca e apreensão em desfavor de
ODECIO CASTRO DO NASCIMENTO, também já qualificado, requerendo, com fulcro no Decreto-lei nº
911/69 (Lei da Alienação Fiduciária ? LAF), a concessão de medida liminar,inaudita altera pars, para
apreender o veículo descrito na inicial. 2. Alegou que firmaram contrato de financiamento para aquisição
do veículo supra, mediante garantia de alienação fiduciária que recaíra sobre tal bem. Salientando que o
requerido encontrar-se-ia inadimplente. 3. Com a petição inicial vieram procuração, substabelecimento,
contrato, demonstrativo do débito, notificação extrajudiciale demonstração do gravame no veículo. É o
relatório. Passo a decidir. 4. O artigo 3º,caputda LAF dispõe que?O proprietário fiduciário ou credor poderá
requerer contra o devedor ou terceiro a busca e apreensão do bem alienado fiduciariamente, a qual será
concedida liminarmente, desde que comprovada à mora ou inadimplemento do devedor?. 5. Em análise
aos autos constata-se a existência do contrato citado entre o autor e o réu. 6. Verifica-se a comprovação
do inadimplemento contratual e da mora do devedor através do instrumento de notificação extrajudicial,
consoante exige o artigo 2º, § 2º da LAF (STJ, Súmula nº 72)[1]. 7. Por conseguinte, diante da presença
dos requisitos legais mencionados,DEFIRO, LIMINARMENTE, a medida de busca e apreensão do veículo
automotor descrito na inicial, podendo a diligência ser efetuada nos termos do artigo 172, § 2º do CPC em
face da urgência em sua concretização.SERVE A PRESENTE DECISÃO COMO MANDADO. Na mesma
oportunidade, com fundamento no §14, do art. 3º, do Dec.-Lei nº 911/69, o requerido deverá entregar ao
Sr. Oficial de Justiça os respectivos documentos do veículo. 8. Em decorrência determino o imediato
cumprimento por um dos Oficiais de Justiça atuantes na Comarca e caso este considere necessário
PODERÁ requisitar auxílio de força policial. 9. Nomeio o senhor ROMULO HENRIQUE B. DE HOLANDA,
qualificados nos autos como depositário fiel do bem (tel. (91) 98032-67646), devendo este acompanhar a
diligência e ser lavrado o termo de compromisso respectivo. 10. Após o cumprimento da medida liminar,
cite-se o requerido para querendo, no prazo de 5 (cinco) dias, pagar a integralidade da dívida, conforme
disposto no §2º, do art. 56 da Lei 10.931/04 e/ou, contestar no prazo de 15 dias contados da execução da
liminar (§3º, art. 56, Lei 10.931/04). Cumpra-se. Expeça-se o que for necessário. Ourém, 6 de dezembro
de 2019. OMAR JOSÉ MIRANDA CHERPINSKIJuiz de Direito da Comarca de Ourém [1]?A comprovação
da mora é imprescindível à busca e apreensão do bem alienado fiduciariamente?.

Número do processo: 0800525-04.2019.8.14.0038 Participação: RECLAMANTE Nome: BENEDITO DE


LIMA BARBOSA Participação: ADVOGADO Nome: ANDRELINO FLAVIO DA COSTA BITENCOURT
JUNIOR OAB: 011112/PA Participação: RECLAMADO Nome: BANCO DAYCOVAL S/A Participação:
ADVOGADO Nome: DENNER DE BARROS E MASCARENHAS BARBOSA OAB: 24532/PATRIBUNAL
DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁVARA ÚNICA DA COMARCA DE OURÉMPROCESSO nº 0800525-
04.2019.8.14.0038AÇÃO DE INDENIZAÇÃO E DANO MORAL RECLAMANTE: BENEDITO DE LIMA
BARBOSA (Adv. Cezar Augusto Rezende Rodrigues, OAB/PA 18.060)Reclamado: BANCO DAYCOVAL
S/A (Adv. Denner de Barros Mascarenhas Barbosa, OAB/PA 24.532-A) SENTENÇATIPO A com mérito 1.
Dispensado o relatório, nos termos do art. 38, da Lei n° 9.099/95. 2. O autor aduz que não realizou
qualquer contrato de empréstimo junto à empresa ré, mas esta passou a realizar descontos diretamente
na folha de pagamento do autor, requereu o cancelamento de tal dívida, a devolução em dobro dos
valores pagos e indenização por danos morais. 3. A requerida, em preliminar, argumenta a decadência do
direito da autora. É evidente o descabimento da mesma, pois o contato em tela e de trato sucessivo e
renova-se a cada desconto que é realizado. Questiona ainda a necessidade de perícia, mas sendo o autor
analfabeto esta é desnecessária. Em vista do exposto, rejeito as preliminares levantadas. 4. Em relação ao
mérito afirmou não ter responsabilidade de pelo fato, bem como não ser o caso de devolução em dobro e
dano moral. 5. No que concerne às relações de consumo, a responsabilidade por vícios na prestação de
serviços em geral é dos fornecedores, conforme previsto no art. 14, do Código de Defesa do
Consumidor,in verbis: Art. 14. O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de
culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos
serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos. 6. O Código
Civil, nos artigos 421 e seguintes, garantiu a autonomia privada, concedendo às partes o direito de
contratar com liberdade, impondo como limites a ordem pública e a função social do contrato. Todos têm
autonomia para declarar nossa vontade e agir, autonomia de vontade essa decorrente do Princípio da
dignidade humana (art. 1°, III, da Constituição Federal). A autonomia privada, como fonte normativa, está
ligada à idéia de poder, isto é, da possibilidade de realizar, principalmente, negócios jurídicos bilaterais. 7.
Deste modo, o novo sistema jurídico de direito privado impõe às partes que resguardem, tanto na
2342
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

conclusão quanto na execução do contrato, os princípios da probidade e da boa-fé. 8. Com efeito, nas
disposições finais do Código Civil igualmente consta que nenhuma convenção prevalecerá se contrariar
preceitos de ordem pública, tais como aqueles estabelecidos pelo Códex para o resguardo da função
social da propriedade e da função social dos contratos. Ao intérprete cabe a exegese do negócio jurídico
em consonância com a principiologia do sistema legal. 9. O réu, Banco Daycoval, juntou aos autos o
contrato que daria suporte ao valor cobrado, o qual foi evidentemente assinado por outra pessoa que não
o autor, pois este é analfabeto.O contrato foi realizado de forma escrita e, por ser o autor analfabeto e não
ter condições de ler as suas cláusulas, para a validade do contrato e de qualquer declaração de
recebimento de valores é necessário que o documento seja ratificado por representante legal constituído
por instrumento público, o que não ficou demonstrado nos autos, neste sentido, são as lições de Humberto
Theodoro Junior: O analfabeto, como não sabe grafar o próprio nome, não pode se obrigar por instrumento
particular, a não ser mediante representação por procurador. A chamada "assinatura a rogo", isto é,
assinatura de terceiro dada a pedido do analfabeto, não tem eficácia alguma, a não ser nos casos em que
a lei excepcionalmente autoriza o mandato verbal (para negócios jurídicos em que não se exige forma
escrita, o mandato pode ser verbal, conforme dispõe o art. 657, a contrário sensu). De igual forma, não
vale como assinatura a aposição de impressão digital em escritura privada, nas circunstâncias em que a
lei exige a assinatura autógrafa. Como o analfabeto (ou qualquer pessoa que esteja impossibilitada de
assinar) somente poderá participar do instrumento particular mediante procurador, o mandato que a esse
outorgar terá de ser lavrado por escritura pública, pois é esta a única forma de praticar declaração negocial
válida sem a assinatura autógrafa da pessoa interessada."("in" Comentários ao Novo Código Civil, V. III, T.
II, 2a ed., Saraiva, pp. 479/480). 10. Igual entendimento tem o TJMG e TJPI: APELAÇÃO CÍVEL - AÇÃO
ANULATÓRIA DE DÉBITO C/C INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS E MATERIAIS C/C REPETIÇÃO
DE INDÉBITO - EMPRÉSTIMO CONSIGNADO - DESCONTO EM BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO -
CONTRATO CELEBRADO POR ANALFABETO - INOBSERVÂNCIA DA FORMA PRESCRITA EM LEI -
DESCONTOS INDEVIDOS - DANOS MORAIS - CONFIGURAÇÃO - VALOR - REDUÇÃO -
IMPOSSIBILIDADE - SENTENÇA MANTIDA:- A mera assinatura a rogo e a aposição da digital do
analfabeto no contrato de empréstimo consignado com descontos em benefício previdenciário não são
suficientes para que o referido negócio jurídico tenha plena validade, pois a prática de determinados atos
negociais pelo analfabeto demanda que o contrato seja formalizado por instrumento público ou, se por
instrumento particular, através de procurador devidamente constituído por instrumento público, o que não
ocorreu no caso dos autos.- Por inobservância da forma prescrita em lei, deve ser reconhecida a nulidade
dos descontos das parcelas de empréstimo consignados supostamente celebrados por analfabeto, sem
que tenha sido formalizado por instrumento público ou por instrumento particular assinado a rogo por
intermédio de procurador constituído por instrumento público - inteligência dos artigos 37, § 1º, da Lei
6.015/73 c/c art. 104, III e art. 166, IV, do Código Civil. - Não comprovado o negócio jurídico válido entre o
banco e o consumidor, os descontos indevidos nos proventos de aposentadoria ensejam reparação por
dano moral. - Se o valor da indenização por dano moral foi fixado em quantia módica, mostra-se descabida
sua redução. (TJMG - Apelação Cível 1.0453.15.001879-5/001, Relator(a): Des.(a) Domingos Coelho, 12ª
CÂMARA CÍVEL, julgamento em 10/05/2017, publicação da súmula em 15/05/2017) AÇÃO
DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE RELAÇÃO JURÍDICA - EMPRÉSTIMO CONSIGNADO -
CELEBRAÇÃO POR ANALFABETO - REQUISITOS DE VALIDADE - AUSÊNCIA - RESTITUIÇÃO
DOBRADA DOS VALORES DEDUZIDOS - CABIMENTO - ILÍCITO MORAL - CARACTERIZAÇÃO -
EFEITOS O contrato bancário, celebrado por analfabeto, é válido se firmado por escritura pública ou,
quando por instrumento particular, assim o for através de procurador constituído por instrumento público.
Logo, uma vez estabelecido por mero lançamento de digital imputada ao contratante revela-se nulo de
pleno direito. A reparação moral, na hipótese resultante de procedimento irregular da instituição financeira
consistente em desconto operado em benefício previdenciário, decorre do fato em si e deve ser fixada com
coerência, preservando-se os princípios da proporcionalidade e razoabilidade. A devolução das parcelas
indevidamente debitadas por força de empréstimo consignado irregular está sujeita ao disposto no artigo
42, parágrafo único, do Código de Defesa do Consumidor. Tratando-se de ilícito extracontratual, os juros
moratórios incidentes sobre a indenização moral contam-se do evento danoso. (TJMG - Apelação Cível
1.0394.13.006890-8/001, Relator(a): Des.(a) Saldanha da Fonseca , 12ª CÂMARA CÍVEL, julgamento em
08/03/2017, publicação da súmula em 16/03/2017) DIREITO PROCESSUAL CIVIL. APELAÇÃO.
CONTRATAÇÃO DE EMPRÉSTIMO CONSIGNADO. CONSUMIDORA ANALFABETA E IDOSA.
HIPERVULNERABILIDADE. INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA. NECESSIDADE DE CELEBRAÇÃO POR
ESCRITURA PÚBLICA OU POR PROCURADOR CONSTITUÍDO PARA ESSE FIM. NULIDADE
DECLARADA. RESPONSABILIDADE OBJETIVA DO BANCO. INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL.
RESTITUIÇÃO EM DOBRO DOS VALORES DESCONTADOS. APELAÇÃO PROVIDA. SENTENÇA
2343
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

REFORMADA.1. A vulnerabilidade, inerente ao regime jurídico consumerista, encontra-se potencializada


nestes autos, eis que a consumidora apelante é idosa e analfabeta, enquadrando-se assim, no conceito
doutrinário de hipervulnerabilidade.2. Um dos corolários da incidência das normas consumeristas é a
inversão do ônus da prova, providência prevista no art. 6º, VIII, do CDC como um dos direitos do
consumidor, e encetada pelo juiz de piso.3. Cabia à apelada a demonstração de que, de fato, o negócio
jurídico firmado entre as partes se revestia de legalidade. Entretanto, de tal ônus, não se desincumbiu a
contento. A apelante, como já ressaltado, é analfabeta. Assim, para se revestir de validade, o contrato
bancário deveria ter sido concretizado por intermédio de escritura pública, ou por procurador constituído
para esse fim. As exigências ora mencionadas tem por objetivo compensar a hipossuficiência daquele que
sequer pode tomar conhecimento por si mesmo dos termos obrigacionais a que está aderindo.4. Os
descontos no benefício previdenciário da apelante foram realizados à míngua de qualquer lastro jurídico,
impondo-lhe uma arbitrária redução, fato gerador de angústia e sofrimento, mormente por se tratar de
aposentada que percebe parca remuneração, absolutamente incondizente, como é cediço, com o mínimo
necessário para uma existência digna. Indubitável a caracterização de dano moral.5. Sobre a
responsabilidade do banco apelado, o artigo 14 do Código de Defesa do Consumidor claramente estatui
tratar-se de responsabilidade objetiva.6. Demonstrada a ilegitimidade dos descontos no benefício
previdenciário da apelante, decotes oriundos da conduta negligente do banco apelado, e dada a
inexistência de engano justificável para tal atuação, cabível é a restituição em dobro.7. Apelação
conhecida e provida, para reformar a sentença recorrida, declarando a nulidade do contrato de empréstimo
consignado nº 55532171 condenando o banco apelado a restituir em dobro os valores descontados do
benefício previdenciário da apelante; a pagar indenização por danos morais no valor de R$ 2.000,00 (dois
mil reais); bem como a pagar as custas processuais e os honorários advocatícios, fixados em 15% (quinze
por cento) sobre o valor da condenação.(TJPI, Processo AC 00000573720138180082 PI
201400010056132, Orgão Julgador3ª Câmara Especializada Cível, Partes FRANCISCA PIRES
FERREIRA LIMA (Apelante ) e BANCO BONSUCESSO S.A.(Apelado ), Publicação 09/06/2015,
Julgamento 20 de Maio de 2015, RelatorDes. Ricardo Gentil Eulálio Dantas) 11. Destarte, sendo o contrato
nulo o réu descontou indevidamente do autor o valor de R$ 1.683,36 conforme os documentos acostados
pelo próprio requerido (ID 14218164). Não existindo suporte legal para tais descontos, constata-se, pois,
que houve desconto indevido, caracterizando cobrança abusiva, a autorizar a devolução em dobro do valor
descontado indevidamente, conforme autoriza as disposições do Código de Defesa do Consumidor e do
Código Civil,ad letteram: CDC - Art. 42 b. Na cobrança de débitos, o consumidor inadimplente não será
exposto a ridículo, nem será submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça.Parágrafo único. O
consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do
que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano
justificável. CC - Art. 940. Aquele que demandar por dívida já paga, no todo ou em parte, sem ressalvar as
quantias recebidas ou pedir mais do que for devido, ficará obrigado a pagar ao devedor, no primeiro caso,
o dobro do que houver cobrado e, no segundo, o equivalente do que dele exigir, salvo se houver
prescrição. 12. No que tange aos danos morais, na aplicação da responsabilidade objetiva, comoin
casu,para que haja o dever de indenizar é irrelevante a conduta do agente (culpa ou dolo), bastando a
existência do dano e o nexo de causalidade entre o fato e o dano. 13. Entendo, pois, que no caso vertente,
restou comprovado a falha no serviço prestado pelo réu, o qual realizou descontos indevidos, privando-o
de parcela de seus vencimentos pelo período de quarenta e dois meses, fato que causa aborrecimentos e
dissabores em intensidade suficiente a caracterizar verdadeiro dano moral. Não é outra a jurisprudência
pátria,in verbis: JUIZADOS ESPECIAIS. CONSUMIDOR. ART. 14 DA LEI N. 8.078/90. FRAUDE NA
UTILIZAÇÃO DE CARTÃO DE CRÉDITO. COBRANÇA INDEVIDA. PERDAS E DANOS. RECURSOS
CONHECIDOS E IMPROVIDOS. 1. A instituição financeira administradora do cartão de crédito e o
estabelecimento comercial devem responder solidariamente pelos danos decorrentes da falha de seus
serviços no mercado de consumo, a teor do que dispõem os arts. 7º, parágrafo único e 25, §1º da Lei n.
8.078/90. Preliminar de ilegitimidade passiva ad causam rejeitada.2. Se o consumidor afirma que seu
cartão de crédito foi objeto de fraude e instrui o feito com documentação adequada, cumpriria aos réus,
ora recorrentes, demonstrarem que o cartão foi efetivamente utilizado pela consumidora, desincumbindo-
se de seu ônus probatório, a teor do que dispõem os arts. 6º, VIII da Lei n. 8.078/90 e 333, II, do Código
de Processo Civil .3. O artigo 14, §1º, da Lei n. 8078/90 atribui ao fornecedor responsabilidade objetiva
pelos danos que causar decorrentes da prestação defeituosa dos seus serviços. É manifesta a falha dos
serviços diante da utilização de cartão de crédito mediante fraude, impondo-se a declaração de
inexistência de débito, o que revela o acerto da r. sentença proferida. 4. Se o débito constante da fatura de
cartão de crédito refere-se a compras não realizadas pela consumidora, e há prova nos autos das
inúmeras cobranças e tentativas frustradas de solucionar a controvérsia, evidenciando-se o menosprezo
2344
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

aos claros direitos do consumidor que encontraram guarida apenas com a demanda deflagrada perante o
Judiciário, configura-se um quadro de circunstâncias especiais com habilidade técnica eficiente para violar
a dignidade do consumidor e, assim, um dos atributos de sua personalidade, rendendo ensejo à
configuração do dano moral.5. Observados os princípios da razoabilidade e da proporcionalidade que
informam a fixação da indenização do dano moral, com inteligência judicial que considera as
circunstâncias da lide, a condição socioeconômica das partes, bem como o grau de culpa do causador do
dano, a gravidade e intensidade da ofensa moral, prolata sentença que merece ser confirmada.6.
Recursos conhecidos e improvidos. Sentença mantida por seus próprios fundamentos, com súmula de
julgamento servindo de acórdão, na forma do art. 46 da Lei nº 9.099/95. Condeno o recorrente ao
pagamento de custas processuais e honorários advocatícios, fixados em 10% (dez) sobre o valor da
condenação.É como voto.(Acórdão n.440208, 20080110327533ACJ, Relator: SANDRA REVES
VASQUES TONUSSI, 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais do DF, Data de
Julgamento: 20/08/2010, Publicado no DJE: 24/08/2010. Pág.: 171) 14. Vale ressaltar o entendimento
jurisprudencial dominante: ?Não há de se falar em prova do dano moral, mas sim, na prova do fato que
gerou a dor, o sofrimento, sentimentos íntimos que o ensejaram. Provado, assim, o fato, impõe-se a
condenação, sob pena de violação do art. 334 do CPC.(trecho do Acórdão Resp. 86271/SP. Min. Carlos
Alberto Menezes, Direito. Pub. 09.12.1997 ? no mesmo sentido Resp. 145297/SP, Pub. 14.12.1998). 15.
Sobre o tema, vale trazer à baila a precisa lição de Clayton Reis: ?Trata-se de uma lesão que atinge
valores físicos e espirituais, a honra, nossas ideologias, a paz íntima, a vida nos seus múltiplos aspectos, a
personalidade da pessoa, enfim, aquela que afeta de forma profunda não os seus patrimoniais, mas que
causa fissuras no âmago de ser, perturbando-lhe a paz de que todos nós necessitamos para nos conduzir
de forma equilibrada nos tortuosos caminhos da existência.?(in Avaliação dos Danos, 1998, ed. Forense).
16. Vale ressaltar que, por se tratar de reparação às perturbações de estado de espírito, que são
contingentes e variáveis em cada caso, dependendo também sua extensão da própria índole do lesado,
não se exige a prova efetiva do dano, mas tão-somente do fato que o originou, donde se infere e presume
a ocorrência do padecimento íntimo. 17. A reparação pecuniária não tem o condão nem a finalidade de
pagar pelo sofrimento experimentado pelo lesado, até mesmo porque impossível ao magistrado fixar qual
o valor da dor infligida, servindo a indenização apenas como lenitivo ao constrangimento suportado. 18.
Em verdade, tal reparação possui caráter dúplice: satisfatório ou compensatório à vítima, e punitivo e
educativo ao ofensor, visto ser encargo suportado por quem causou o dano, com a finalidade de
desestimulá-lo de novas práticas lesivas. Compensação ao ofendido e punição ao ofensor, eis o binômio
que rege o dever de indenizar. 19. Quanto ao valor devido a título de indenização por danos morais, este
deve ser atribuído segundo o prudente arbítrio do juiz, levando-se em consideração as condições pessoais
das partes envolvidas, o bem jurídico tutelado, a extensão e duração dos danos, a repercussão da ofensa
e a retratação espontânea do agente. 20. Neste sentido, observado o cunho social da Lei 9.099/95, bem
como a exigência do bem comum, adotando neste caso decisão que se apresenta mais justa e equânime
para o caso em concreto, nos termos do art. 5º e 6º da referida lei, decido fixar os danos morais
decorrentes do desconto indevido das parcelas, no valor de R$ 6.000,00 (seis mil reais). 21. ISTO POSTO,
JULGO PROCEDENTE O PEDIDO, extinguindo o processo com resolução de mérito, condenando o
requerido Banco DAYCOVAL S/A a devolução, em dobro, do valor de R$ 1.683,36 (um mil, seiscentos e
oitenta e três reais e trinta e seis centavos), acrescidos de correção monetária pelo INPC deste a data o
desconto e juros simples de 1% ao mês a partir da citação. Condeno ainda o réu a pagar indenização ao
autor a título de dano moral no valor de R$ 6.000,00 (seis mil reais), bem como proceder ao cancelamento
de qualquer débito fundado no negócio versado nos autos. Faculto ao requerido abater o valor que teria
depositado na conta do autor, conforme o TED já juntado aos autos. Cabendo neste ponto ao autor
demonstrar que o mesmo não foi creditado em sua conta, caso discorde. 22. Isento as partes de custas,
despesas processuais e honorários de sucumbência, em virtude da gratuidade do primeiro grau de
jurisdição nos Juizados Especiais (artigos 54 e 55, da Lei n.º 9099/95). 23. Certificado o trânsito em
julgado, aguarde-se o prazo de quinze dias para cumprimento voluntário da sentença, findo o qual deverá
o débito ser atualizado com a incidência de pena de multa de 10%, nos termos do art. 523, § 1º, do CPC,
sendo desnecessária qualquer intimação para cumprimento, a teor do disposto no art. 52, inciso IV, da Lei
n° 9.099/95. 24. Em caso de pagamento do valor da condenação por meio de deposito judicial, este
deverá ser realizado junto ao Banco do Estado do Pará ?BANPARA. 25. Publique-se. Registre-se.
Intimem-se as partes pelo DJ-E, nos termos do artigo 272 do CPC. Expeça-se o que for necessário,
Cumpra-se. Ourém, 9 de dezembro de 2019. OMAR JOSÉ MIRANDA CHERPINSKI Juiz de Direito da
Vara Única da Comarca de Ourém
2345
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Número do processo: 0800538-03.2019.8.14.0038 Participação: RECLAMANTE Nome: JOSEFA MARIA


PORTO Participação: ADVOGADO Nome: JANRLIR CRUZ COUTINHO OAB: 21551/PA Participação:
RECLAMADO Nome: BANCO ITAU BMG CONSIGNADO S.A. Participação: ADVOGADO Nome: KARINA
DE ALMEIDA BATISTUCI OAB: 15674/PATRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁVARA ÚNICA
DA COMARCA DE OURÉMPROCESSO nº0800538-03.2019.8.14.0038 AÇÃO DE DECLARATÓRIA E
DANO MORAL RECLAMANTE: JOSEFA MARIA PORTO (Adv. Janrlir Cruz Coutinho, OAB/PA
21.551)RECLAMADO: BANCO ITAU BMG CONSIGNADO S/A (Adv. Karina de Almeida Batistuci, OAB/PA
15.674-A) SENTENÇAtipo A com mérito 1. Dispensado o relatório, nos termos do art. 38, da Lei n°
9.099/95. 2. A autora aduz que não realizou qualquer contrato de empréstimo junto à empresa ré, mas
esta passou a realizar descontos diretamente na folha de pagamento da autora, requereu o cancelamento
de tal dívida, a devolução em dobro dos valores pagos e indenização por danos morais. 3. O requerido em
audiência apresentou-se com seu preposto e advogado. 4. Em relação ao mérito afirmou que o contrato
entabulado entre as partes é licito e pugnou a improcedência do pedido. 5. No que concerne às relações
de consumo, a responsabilidade por vícios na prestação de serviços em geral é dos fornecedores,
conforme previsto no art. 14, do Código de Defesa do Consumidor,in verbis: Art. 14. O fornecedor de
serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos
consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações insuficientes ou
inadequadas sobre sua fruição e riscos. 6. O Código Civil, nos artigos 421 e seguintes, garantiu a
autonomia privada, concedendo às partes o direito de contratar com liberdade, impondo como limites a
ordem pública e a função social do contrato. Todos têm autonomia para declarar nossa vontade e agir,
autonomia de vontade essa decorrente do Princípio da dignidade humana (art. 1°, III, da Constituição
Federal). A autonomia privada, como fonte normativa, está ligada à idéia de poder, isto é, da possibilidade
de realizar, principalmente, negócios jurídicos bilaterais. 7. Deste modo, o novo sistema jurídico de direito
privado impõe às partes que resguardem, tanto n a conclusão quanto na execução do contrato, os
princípios da probidade e da boa-fé. 8. Com efeito, nas disposições finais do Código Civil igualmente
consta que nenhuma convenção prevalecerá se contrariar preceitos de ordem pública, tais como aqueles
estabelecidos pelo Códex para o resguardo da função social da propriedade e da função social dos
contratos. Ao intérprete cabe a exegese do negócio jurídico em consonância com a principiologia do
sistema legal. 9. O réu, Banco Itau Bmg, não juntou aos autos o contrato que daria suporte aos valores
cobrados. Note-se que caberia ao requerido demonstrar a lícito do desconto em razão da inversão do ônus
probatório. Portanto, o réu descontou indevidamente R$ 2.559,79 até a competência 12/2019. Não
existindo suporte legal para tais descontos, constata-se, pois, que houve desconto indevido,
caracterizando cobrança abusiva, a autorizar a devolução em dobro do valor descontado indevidamente,
conforme autoriza as disposições do Código de Defesa do Consumidor e do Código Civil,ad letteram: CDC
- Art. 42 b. Na cobrança de débitos, o consumidor inadimplente não será exposto a ridículo, nem será
submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça.Parágrafo único. O consumidor cobrado em
quantia indevida tem direito à repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso,
acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável. CC - Art. 940.
Aquele que demandar por dívida já paga, no todo ou em parte, sem ressalvar as quantias recebidas ou
pedir mais do que for devido, ficará obrigado a pagar ao devedor, no primeiro caso, o dobro do que houver
cobrado e, no segundo, o equivalente do que dele exigir, salvo se houver prescrição. 10. No que tange aos
danos morais, na aplicação da responsabilidade objetiva, comoin casu,para que haja o dever de indenizar
é irrelevante a conduta do agente (culpa ou dolo), bastando a existência do dano e o nexo de causalidade
entre o fato e o dano. 11. Entendo, pois, que no caso vertente, restou comprovado a falha no serviço
prestado pelo réu, o qual realizou descontos indevidos, privando-o de parcela de seus vencimentos pelo
período de quarenta e três meses, fato que causa aborrecimentos e dissabores em intensidade suficiente
a caracterizar verdadeiro dano moral. Não é outra a jurisprudência pátria,in verbis: JUIZADOS
ESPECIAIS. CONSUMIDOR. ART. 14 DA LEI N. 8.078/90. FRAUDE NA UTILIZAÇÃO DE CARTÃO DE
CRÉDITO. COBRANÇA INDEVIDA. PERDAS E DANOS. RECURSOS CONHECIDOS E IMPROVIDOS. 1.
A instituição financeira administradora do cartão de crédito e o estabelecimento comercial devem
responder solidariamente pelos danos decorrentes da falha de seus serviços no mercado de consumo, a
teor do que dispõem os arts. 7º, parágrafo único e 25, §1º da Lei n. 8.078/90. Preliminar de ilegitimidade
passiva ad causam rejeitada.2. Se o consumidor afirma que seu cartão de crédito foi objeto de fraude e
instrui o feito com documentação adequada, cumpriria aos réus, ora recorrentes, demonstrarem que o
cartão foi efetivamente utilizado pela consumidora, desincumbindo-se de seu ônus probatório, a teor do
que dispõem os arts. 6º, VIII da Lei n. 8.078/90 e 333, II, do Código de Processo Civil.3. O artigo 14, §1º,
da Lei n. 8078/90 atribui ao fornecedor responsabilidade objetiva pelos danos que causar decorrentes da
prestação defeituosa dos seus serviços. É manifesta a falha dos serviços diante da utilização de cartão de
2346
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

crédito mediante fraude, impondo-se a declaração de inexistência de débito, o que revela o acerto da r.
sentença proferida. 4. Se o débito constante da fatura de cartão de crédito refere-se a compras não
realizadas pela consumidora, e há prova nos autos das inúmeras cobranças e tentativas frustradas de
solucionar a controvérsia, evidenciando-se o menosprezo aos claros direitos do consumidor que
encontraram guarida apenas com a demanda deflagrada perante o Judiciário, configura-se um quadro de
circunstâncias especiais com habilidade técnica eficiente para violar a dignidade do consumidor e, assim,
um dos atributos de sua personalidade, rendendo ensejo à configuração do dano moral.5. Observados os
princípios da razoabilidade e da proporcionalidade que informam a fixação da indenização do dano moral,
com inteligência judicial que considera as circunstâncias da lide, a condição socioeconômica das partes,
bem como o grau de culpa do causador do dano, a gravidade e intensidade da ofensa moral, prolata
sentença que merece ser confirmada.6. Recursos conhecidos e improvidos. Sentença mantida por seus
próprios fundamentos, com súmula de julgamento servindo de acórdão, na forma do art. 46 da Lei nº
9.099/95. Condeno o recorrente ao pagamento de custas processuais e honorários advocatícios, fixados
em 10% (dez) sobre o valor da condenação.É como voto.(Acórdão n.440208, 20080110327533ACJ,
Relator: SANDRA REVES VASQUES TONUSSI, 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis e
Criminais do DF, Data de Julgamento: 20/08/2010, Publicado no DJE: 24/08/2010. Pág.: 171) 12. Vale
ressaltar o entendimento jurisprudencial dominante: ?Não há de se falar em prova do dano moral, mas
sim, na prova do fato que gerou a dor, o sofrimento, sentimentos íntimos que o ensejaram. Provado,
assim, o fato, impõe-se a condenação, sob pena de violação do art. 334 do CPC.(trecho do Acórdão Resp.
86271/SP. Min. Carlos Alberto Menezes, Direito. Pub. 09.12.1997 ? no mesmo sentido Resp. 145297/SP,
Pub. 14.12.1998). 13. Sobre o tema, vale trazer à baila a precisa lição de Clayton Reis: ?Trata-se de uma
lesão que atinge valores físicos e espirituais, a honra, nossas ideologias, a paz íntima, a vida nos seus
múltiplos aspectos, a personalidade da pessoa, enfim, aquela que afeta de forma profunda não os seus
patrimoniais, mas que causa fissuras no âmago de ser, perturbando-lhe a paz de que todos nós
necessitamos para nos conduzir de forma equilibrada nos tortuosos caminhos da existência.?(in Avaliação
dos Danos, 1998, ed. Forense). 14. Vale ressaltar que, por se tratar de reparação às perturbações de
estado de espírito, que são contingentes e variáveis em cada caso, dependendo também sua extensão da
própria índole do lesado, não se exige a prova efetiva do dano, mas tão-somente do fato que o originou,
donde se infere e presume a ocorrência do padecimento íntimo. 15. A reparação pecuniária não tem o
condão nem a finalidade de pagar pelo sofrimento experimentado pelo lesado, até mesmo porque
impossível ao magistrado fixar qual o valor da dor infligida, servindo a indenização apenas como lenitivo
ao constrangimento suportado. 16. Em verdade, tal reparação possui caráter dúplice: satisfatório ou
compensatório à vítima, e punitivo e educativo ao ofensor, visto ser encargo suportado por quem causou o
dano, com a finalidade de desestimulá-lo de novas práticas lesivas. Compensação ao ofendido e punição
ao ofensor, eis o binômio que rege o dever de indenizar. 17. Quanto ao valor devido a título de
indenização por danos morais, este deve ser atribuído segundo o prudente arbítrio do juiz, levando-se em
consideração as condições pessoais das partes envolvidas, o bem jurídico tutelado, a extensão e duração
dos danos, a repercussão da ofensa e a retratação espontânea do agente. 18. Neste sentido, observado o
cunho social da Lei 9.099/95, bem como a exigência do bem comum, adotando neste caso decisão que se
apresenta mais justa e equânime para o caso em concreto, nos termos do art. 5º e 6º da referida lei,
decido fixar os danos morais decorrentes do desconto indevido das parcelas, no valor de R$ 5.000,00
(cinco mil reais). 19. ISTO POSTO, JULGO PROCEDENTE O PEDIDO, extinguindo o processo com
resolução de mérito, condenando o requerido BANCO BRADESCO S/A a devolução, em dobro, do valor
de R$ 2.559,79 (dois mil, quinhentos e cinquenta e nove reais e setenta e nove centavos), acrescidos de
correção monetária pelo INPC deste a data o desconto e juros simples de 1% ao mês a partir da citação.
Condeno ainda o réu a pagar indenização a autora a título de dano moral no valor de R$ 5.000,00 (cinco
mil reais), bem como proceder ao cancelamento de qualquer débito fundado no negócio versado nos
autos. Faculto ao requerido abater o valor que teria depositado na conta da autora, conforme o TED já
juntado aos autos. Cabendo neste ponto a autora demonstrar que o mesmo não foi creditado em sua
conta, caso discorde. 20. Isento as partes de custas, despesas processuais e honorários de sucumbência,
em virtude da gratuidade do primeiro grau de jurisdição nos Juizados Especiais (artigos 54 e 55, da Lei n.º
9099/95). 21. Em caso de pagamento do valor da condenação por meio de deposito judicial, este deverá
ser realizado junto ao Banco do Estado do Pará ?BANPARA. 22. Certificado o trânsito em julgado,
aguarde-se o prazo de quinze dias para cumprimento voluntário da sentença, findo o qual deverá o débito
ser atualizado com a incidência de pena de multa de 10%, nos termos do art. 523, § 1º do CPC, sendo
desnecessária qualquer intimação para cumprimento, a teor do disposto no art. 52, inciso IV, da Lei n°
9.099/95. 23. Publique-se. Registre-se. Intimem-se as partes pelo DJ-E, nos termos do artigo 272 do CPC.
Expeça-se o que for necessário, Cumpra-se. Ourém, 9 de dezembro de 2019. OMAR JOSÉ MIRANDA
2347
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

CHERPINSKIJuiz de Direito da Vara Única da Comarca de Ourém

Número do processo: 0800566-68.2019.8.14.0038 Participação: RECLAMANTE Nome: LUIZ DE ASSIS


LIMA Participação: ADVOGADO Nome: RICARDO SINIMBU DE LIMA MONTEIRO OAB: 14745/PA
Participação: RECLAMADO Nome: BANCO ITAU CONSIGNADO S/A Participação: ADVOGADO Nome:
LUIS CARLOS MONTEIRO LAURENCO OAB: 16780/BA Participação: ADVOGADO Nome: MARIANA
BARROS MENDONCA OAB: 121891/RJTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁVARA ÚNICA
DA COMARCA DE OURÉMPROCESSO nº 0800566-68.2019.8.14.0038AÇÃO DE DECLARATÓRIA E
DANO MORAL RECLAMANTE: LUIS DE ASSIS LIMA (Adv. Ricardo Sinimbu de Lima Monteiro, OAB/PA
14.745)RECLAMADO: BANCO ITAU CONSIGNADO S/A (Adv. Luis Carlos Monteiro Lourenço,OAB/BA
16.780) SENTENÇA tipo B sem mérito 1.Considerando que o autor pugnou pela extinção do feito, em face
da desistência do mesmo, e o requerido concordou com o pedido. 2. Portanto, nos termos do artigo 485,
inciso VIII, do CPC, JULGO O PROCESSO EXTINTO SEM RESOLUÇÃO DO MÉRITO. Sem custas, nos
termos da Lei 9.099/95. P.R.I. e após o transito em julgado arquive-se com as cautelas legais. Ourém, 6
de dezembro de 2019. OMAR JOSÉ MIRANDA CHERPINSKIJuiz de Direito da Vara Única da Comarca de
Ourém

Número do processo: 0800254-92.2019.8.14.0038 Participação: EXEQUENTE Nome: JOAO COSMO DA


SILVA Participação: ADVOGADO Nome: RICARDO SINIMBU DE LIMA MONTEIRO OAB: 14745/PA
Participação: EXECUTADO Nome: BANCO CETELEM S/A Participação: ADVOGADO Nome: DENNER
DE BARROS E MASCARENHAS BARBOSA OAB: 24532/PATRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO
PARÁVARA UNICA DA COMARCA DE OURÉMProcesso: 0800254-92.2019.8.14.0038EXEQUENTE:
JOAO COSMO DA SILVAEXECUTADO: BANCO CETELEM S/ADESPACHO Considerando que o feito já
foi resolvido, inclusive com o transito em julgado do mesmo, proceda-se ao arquivamento dos autos.
Expeça-se o que for necessário, Cumpra-se. Ourém, 6 de dezembro de 2019. OMAR JOSÉ MIRANDA
CHERPINSKIJuiz de Direito da Vara Única da Comarca de Ourém

Número do processo: 0007146-21.2017.8.14.0038 Participação: AUTOR Nome: JANILDA SILVA


DAMASCENO Participação: ADVOGADO Nome: CIRIA NAZARE DO SOCORRO BATISTA DOS
SANTOS OAB: 0855PA Participação: RÉU Nome: CENTRAIS ELETRICAS DO PARA S.A. - CELPA
Participação: ADVOGADO Nome: NAIA RAQUEL MENDES DANTAS OAB: 24193/PA Participação:
ADVOGADO Nome: FLAVIO AUGUSTO QUEIROZ MONTALVÃO DAS NEVES OAB:
12358/PATRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁVARA UNICA DA COMARCA DE
OURÉMProcesso: 0007146-21.2017.8.14.0038AUTOR: JANILDA SILVA DAMASCENORÉU: CENTRAIS
ELETRICAS DO PARA S.A. - CELPADESPACHO Considerando que o feito já foi resolvido, inclusive com
o transito em julgado do mesmo, proceda-se ao arquivamento dos autos. Expeça-se o que for necessário,
Cumpra-se. Ourém, 6 de dezembro de 2019. OMAR JOSÉ MIRANDA CHERPINSKIJuiz de Direito da Vara
Única da Comarca de Ourém

Número do processo: 0800246-52.2018.8.14.0038 Participação: AUTOR Nome: P. M. P. Participação:


MENOR INFRATOR Nome: M. S. S. Participação: FISCAL DA LEI Nome: P. M. P. Participação:
REPRESENTANTE Nome: M. D. F. D. S. S.TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁVARA
UNICA DA COMARCA DE OURÉMProcesso: 0800246-52.2018.8.14.0038DECISÃO 1.Satisfeitos os
requisitos legais, recebo a Representação formulada pelo Ministério Público. Saliente-se que o
descumprimento da remissão possibilita a representação, neste sentido: APELAÇÃO CRIMINAL -
RECURSO MINISTERIAL - ATO INFRACIONAL - PROSSEGUIMENTO DO FEITO - PRESCRIÇÃO -
SÚMULA 338 DO STJ - INEXISTENTE - REMISSÃO JUDICIAL CONDICIONADA A MEDIDA
SOCIOEDUCATIVA - SUSPENSÃO DO PROCESSO - RECURSO PROVIDO. Consoante se depreende
da Súmula nº 338 do STJ, a prescrição tem aplicação nos procedimentos infracionais mediante a
2348
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

utilização de todos os comandos atinentes a ela esculpidos no Código Penal, inclusive, o relativo ao
redutor de idade constante do art. 115 do mencionado diploma legal. A concessão de remissão judicial
como forma de suspensão conduz à suspensão do processo e do prazo prescricional executório até final
cumprimento ou descumprimento das medidas socioeducativas, oportunidade em que o magistrado a quo
deverá extinguir ou retormar o curso da representação.(TJ-MS - APL: 00012490920108120007 MS
0001249-09.2010.8.12.0007, Relator: Des. Manoel Mendes Carli, Data de Julgamento: 29/08/2013, 2ª
Câmara Criminal, Data de Publicação: 15/05/2014) 2. Notifique-se a menor, bem como quem os que
tenham o dever legal de assisti-la, entregando a estas cópias da representação. 3. Junte-se aos autos
certidão acerca dos antecedentes infracionais do representado. 4.Designo para o dia 13/02/2020 às 9
horas e 45 minutospara a audiência de apresentação. Intimem-se o representado e os responsáveis legais
da menor. 5. Abra-se vistas ao Ministério Público para ciência. Expeça-se o que for necessário, Cumpra-
se. Ourém, 6 de dezembro de 2019. OMAR JOSÉ MIRANDA CHERPINSKIJuiz de Direito da Vara Única
da Comarca de Ourém

Número do processo: 0800019-62.2018.8.14.0038 Participação: EXEQUENTE Nome: ANTONIO MARIA


SOUZA SOBRAL Participação: ADVOGADO Nome: CEZAR AUGUSTO REZENDE RODRIGUES OAB:
8060 Participação: EXECUTADO Nome: BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S.A. Participação:
ADVOGADO Nome: KARINA DE ALMEIDA BATISTUCI OAB: 15674/PATRIBUNAL DE JUSTIÇA DO
ESTADO DO PARÁVARA ÚNICA DA COMARCA DE OURÉMProcesso: 0800019-
62.2018.8.14.0038RECLAMANTE: ANTONIO MARIA SOUZA SOBRALRECLAMADO: BANCO
BRADESCO FINANCIAMENTOS S.A.DESPACHO PROCEDA-SE A ALTERAÇÃO DA CLASSE DO
FEITO.Intimem-se a requerida, nos termos do artigo 103 do CPC, ao cumprimento da sentença no prazo
de 15 dias, sob pena de execução forçada e incidência da multa prevista no artigo 523, § 1º do CPC. Em
caso de pagamento do valor da condenação por meio de deposito judicial, este deverá ser realizado junto
ao Banco do Estado do Pará BANPARA. Ourém, 6 de dezembro de 2019. OMAR JOSÉ MIRANDA
CHERPINSKIJuiz de Direito da Vara Única da Comarca de Ourém
2349
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

COMARCA DE MONTE ALEGRE

SECRETARIA DA VARA ÚNICA DE MONTE ALEGRE

PROCESSO N.º. 0004589-21.2013.814.0032 ¿ AÇÃO DE REGULAMENTAÇÃO DE GUARDA COM


PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA

REQUERENTE: M. DA C. S. T.

ADVOGADO: DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ

REQUERIDO: A. T. B.

MENOR: R. B. L.

EDITAL DE INTIMAÇÃO (60 dias)


O EXMO. SR. DR. THIAGO TAPAJÓS GONÇALVES, Juiz de Direito Titular desta Comarca de Monte
Alegre, Estado do Pará, República Federativa do Brasil, no uso de suas atribuições legais, etc.

FAZ SABER a todos quantos virem o presente EDITAL, ou dele tiverem conhecimento, que se processa
por este Juízo Ação Penal, registrada na forma ao norte epigrafada. Diante das normas que norteiam o
procedimento em questão e consoante despacho judicial exarado às fls. 74 dos autos, tem-se que: 1) O
presente Edital tem por objetivo INTIMAR a requerente Sra. MARIA DA CONCEIÇÃO SILVA TRINDADE,
brasileira, solteira, lavradora, residente na Comunidade Setor 15, PA 254, zona rural de Monte Aelgre- PA,
atualmente em lugar incerto e não sabido, para comparecer à Secretaria Judicial da Vara Única de Monte
Alegre a fim de retirar o Termo de Compromisso de Guarda Definitiva no prazo de 15 (quinze) dias. O
presente edital tem prazo de 60 (sessenta) dias. E para que não alegue ignorância, mandou o MM. Juiz
expedir este Edital que será publicado no Diário de Justiça Eletrônico e afixado nos átrios do Fórum, nos
termos da lei. Dado e passado nesta cidade e Comarca de Monte Alegre, em 09/12/2019. Eu, ___
(Juvenilson Bastos da Silva), Diretor de Secretaria, lavrei e subscrevi.

JUVENILSON BASTOS DA SILVA

Diretor de Secretaria

Mat. 109517-TJPA

Número do processo: 0800798-35.2018.8.14.0032 Participação: RECLAMANTE Nome: RENZO PEREIRA


BATISTA Participação: ADVOGADO Nome: RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA OAB: 58PA Participação:
RECLAMADO Nome: BANCO DO BRASIL SA PODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO
ESTADO DO PARÁVara Única da Comarca de Monte Alegre[Indenização por Dano Moral] -
PROCEDIMENTO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436) - 0800798-35.2018.8.14.0032Nome: RENZO
PEREIRA BATISTAEndereço: SÃO SEBASTIAÕ, 330, SERRA OCIDENTAL, MONTE ALEGRE - PA -
CEP: 68220-000Advogado: RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA OAB: 58PA Endereço:
desconhecidoNome: BANCO DO BRASIL SAEndereço: TRAVESSA MAJOR FRANCISCO MARIANO,
310, CIDADE ALTA, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-000ADVOGADO: SÉRVIO TÚLIO DE
BARCELOS ? OAB/PA Nº . 21.148-AADVOGADO: JOSÉ ARNALDO JANSSEN NOGUEIRA ? OAB/PA
Nº. 21.078-ADECISÃO INTERLOCUTÓRIAVistos, etc.1. Em conformidade ao Enunciado 166 do Fórum
2350
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Nacional de Juizados Especiais, passo à análise do juízo prévio de admissibilidade: I) Considerando o teor
da certidão de ID 14330333, recebo o Recurso Inominado interposto pelo requerido, nos efeitos devolutivo
e suspensivo, para fins de evitar dano irreparável para a parte, com fulcro no artigo 43 da Lei nº.
9.099/1995. II) Intime-se o recorrido, ora requerente, através de seus advogados, mediante publicação no
DJE, para apresentar contrarrazões, no prazo de 10 (dez) dias úteis, e, após, com ou sem contrarrazões,
remetam-se estes autos à Egrégia Turma Recursal dos Juizados Especiais do Estado do Pará. 2. P. R. I.
C.Monte Alegre/PA, 6 de dezembro de 2019. THIAGO TAPAJÓS GONÇALVESJuiz de Direito

Número do processo: 0800789-73.2018.8.14.0032 Participação: RECLAMANTE Nome: MARIA DO


SOCORRO BARBOSA DE MOURA Participação: ADVOGADO Nome: CARIM JORGE MELEM NETO
OAB: 789PA Participação: ADVOGADO Nome: PAULO BOAVENTURA MAIA MEDEIROS OAB: 09PA
Participação: RECLAMADO Nome: BANCO DO BRASIL SAPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA
DO ESTADO DO PARÁVara Única da Comarca de Monte Alegre[Indenização por Dano Moral,
Indenização por Dano Material] - PROCEDIMENTO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436) - 0800789-
73.2018.8.14.0032Nome: MARIA DO SOCORRO BARBOSA DE MOURAEndereço: TV. CICERO ROCHA,
41, PAJUÇARA, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-000Advogado: CARIM JORGE MELEM NETO
OAB: 789PA Endereço: desconhecido Advogado: PAULO BOAVENTURA MAIA MEDEIROS OAB: 09PA
Endereço: AV. PRESIDENTE KENNEDY, 600, CIDADE ALTA, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-
000Nome: BANCO DO BRASIL SAEndereço: TRAVESSA MAJOR FRANCISCO MARIANO, S/N, CIDADE
ALTA, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-000 ADVOGADO: NELSON WILIANS FRATONI
RODRIGUES OAB/PA 15.201-ADECISÃO INTERLOCUTÓRIAVistos, etc.1. Em conformidade ao
Enunciado 166 do Fórum Nacional de Juizados Especiais, passo à análise do juízo prévio de
admissibilidade: I) Considerando o teor da certidão de ID 14334661, recebo o Recurso Inominado
interposto pelo requerido, nos efeitos devolutivo e suspensivo, para fins de evitar dano irreparável para a
parte, com fulcro no artigo 43 da Lei nº. 9.099/1995. II) Intime-se a recorrida, ora requerente, através de
seus advogados, mediante publicação no DJE, para apresentar contrarrazões, no prazo de 10 (dez) dias
úteis, e, após, com ou sem contrarrazões, remetam-se estes autos à Egrégia Turma Recursal dos
Juizados Especiais do Estado do Pará. 2. P. R. I. C. Monte Alegre/PA, 6 de dezembro de 2019.THIAGO
TAPAJÓS GONÇALVESJuiz de Direito

Número do processo: 0800763-75.2018.8.14.0032 Participação: RECLAMANTE Nome: MURILO REIS DA


LUZ Participação: ADVOGADO Nome: AFONSO OTAVIO LINS BRASIL OAB: 628PA Participação:
RECLAMADO Nome: BANCO DO BRASIL SAPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO
DO PARÁVara Única da Comarca de Monte Alegre[Responsabilidade Civil, Indenização por Dano Moral,
Indenização por Dano Moral] - PROCEDIMENTO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436) - 0800763-
75.2018.8.14.0032Nome: MURILO REIS DA LUZEndereço: RUA QUINZE DE NOVEMBRO, S/N, ZONA
RURAL, VILA DA CANP, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-000Advogado: AFONSO OTAVIO LINS
BRASIL OAB: 628PA Endereço: desconhecidoNome: BANCO DO BRASIL SAEndereço: TRAVESSA
MAJOR FRANCISCO MARIANO, S/N, CIDADE ALTA, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-000
ADVOGADO: NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES OAB/PA 15.201-ADECISÃO
INTERLOCUTÓRIAVistos, etc.1. Em conformidade ao Enunciado 166 do Fórum Nacional de Juizados
Especiais, passo à análise do juízo prévio de admissibilidade: I) Considerando o teor da certidão de ID
14330946, recebo o Recurso Inominado interposto pelo requerido, nos efeitos devolutivo e suspensivo,
para fins de evitar dano irreparável para a parte, com fulcro no artigo 43 da Lei nº. 9.099/1995. II) Intime-se
o recorrido, ora requerente, através de seus advogados, mediante publicação no DJE, para apresentar
contrarrazões, no prazo de 10 (dez) dias úteis, e, após, com ou sem contrarrazões, remetam-se estes
autos à Egrégia Turma Recursal dos Juizados Especiais do Estado do Pará. 2. P. R. I. C. Monte
Alegre/PA, 6 de dezembro de 2019.THIAGO TAPAJÓS GONÇALVESJuiz de Direito

Número do processo: 0800563-68.2018.8.14.0032 Participação: RECLAMANTE Nome: LAZARO VIEIRA


DE SOUZA Participação: ADVOGADO Nome: CARIM JORGE MELEM NETO OAB: 789PA Participação:
ADVOGADO Nome: PAULO BOAVENTURA MAIA MEDEIROS OAB: 09PA Participação: RECLAMADO
2351
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Nome: BANCO DO BRASIL SAPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO


PARÁVara Única da Comarca de Monte Alegre[Indenização por Dano Moral, Indenização por Dano
Material] - PROCEDIMENTO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436) - 0800563-68.2018.8.14.0032Nome:
LAZARO VIEIRA DE SOUZAEndereço: Das Flores, s/n, Terra Amarela, MONTE ALEGRE - PA - CEP:
68220-000Advogado: CARIM JORGE MELEM NETO OAB: 789PA Endereço: desconhecido Advogado:
PAULO BOAVENTURA MAIA MEDEIROS OAB: 09PA Endereço: AV. PRESIDENTE KENNEDY, 600,
CIDADE ALTA, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-000Nome: BANCO DO BRASIL SAEndereço:
TRAVESSA MAJOR FRANCISCO MARIANO, S/N, CIDADE ALTA, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-
000ADVOGADO: NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES-OAB/PA Nº. 15.201-A DECISÃO
INTERLOCUTÓRIAVistos, etc.1. Em conformidade ao Enunciado 166 do Fórum Nacional de Juizados
Especiais, passo à análise do juízo prévio de admissibilidade: I) Considerando o teor da certidão de ID
14334010, recebo o Recurso Inominado interposto pelo requerido, nos efeitos devolutivo e suspensivo,
para fins de evitar dano irreparável para a parte, com fulcro no artigo 43 da Lei nº. 9.099/1995. II) Intime-se
o recorrido, ora requerente, através de seus advogados, mediante publicação no DJE, para apresentar
contrarrazões, no prazo de 10 (dez) dias úteis, e, após, com ou sem contrarrazões, remetam-se estes
autos à Egrégia Turma Recursal dos Juizados Especiais do Estado do Pará. 2. P. R. I. C. Monte
Alegre/PA, 6 de dezembro de 2019.THIAGO TAPAJÓS GONÇALVESJuiz de Direito

Número do processo: 0800757-68.2018.8.14.0032 Participação: RECLAMANTE Nome: ADSON VICENTE


DE ARAUJO LEAO Participação: ADVOGADO Nome: AFONSO OTAVIO LINS BRASIL OAB: 628PA
Participação: RECLAMADO Nome: BANCO DO BRASIL SA Participação: ADVOGADO Nome: SERVIO
TULIO DE BARCELOS OAB: 21148/PAPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO
PARÁVara Única da Comarca de Monte Alegre[Responsabilidade Civil, Indenização por Dano Moral,
Indenização por Dano Moral] - PROCEDIMENTO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436) - 0800757-
68.2018.8.14.0032Nome: ADSON VICENTE DE ARAUJO LEAOEndereço: TRAV. COSTA E SILVA, 750,
CIDADE ALTA, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-000Advogado: AFONSO OTAVIO LINS BRASIL
OAB: 628PA Endereço: desconhecidoNome: BANCO DO BRASIL SAEndereço: TRAVESSA MAJOR
FRANCISCO MARIANO, S/N, CIDADE ALTA, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-000Advogado:
SERVIO TULIO DE BARCELOS OAB: PA21148-A Endereço: Rua Rio Grande do Sul, 661, 4 andar, Barro
Preto, BELO HORIZONTE - MG - CEP: 30170-110DECISÃO INTERLOCUTÓRIAVistos, etc.1. Em
conformidade ao Enunciado 166 do Fórum Nacional de Juizados Especiais, passo à análise do juízo
prévio de admissibilidade: I) Considerando o teor da certidão de ID 14334279, recebo o Recurso
Inominado interposto pelo requerido, nos efeitos devolutivo e suspensivo, para fins de evitar dano
irreparável para a parte, com fulcro no artigo 43 da Lei nº. 9.099/1995. II) Intime-se o recorrido, ora
requerente, através de seus advogados, mediante publicação no DJE, para apresentar contrarrazões, no
prazo de 10 (dez) dias úteis, e, após, com ou sem contrarrazões, remetam-se estes autos à Egrégia
Turma Recursal dos Juizados Especiais do Estado do Pará. 2. P. R. I. C. Monte Alegre/PA, 6 de dezembro
de 2019.THIAGO TAPAJÓS GONÇALVESJuiz de Direito

Número do processo: 0800750-76.2018.8.14.0032 Participação: RECLAMANTE Nome: AGNALDO


ARAUJO DE OLIVEIRA Participação: ADVOGADO Nome: RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA OAB: 58PA
Participação: RECLAMADO Nome: BANCO DO BRASIL SA Participação: ADVOGADO Nome: SERVIO
TULIO DE BARCELOS OAB: 21148/PAPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO
PARÁVara Única da Comarca de Monte Alegre[Indenização por Dano Moral] - PROCEDIMENTO DO
JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436) - 0800750-76.2018.8.14.0032Nome: AGNALDO ARAUJO DE
OLIVEIRAEndereço: Rua Primeiro de Maio, s/n, Cidade Alta, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-
000Advogado: RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA OAB: 58PA Endereço: desconhecidoNome: BANCO DO
BRASIL SAEndereço: TRAVESSA MAJOR FRANCISCO MARIANO, 310, CIDADE ALTA, MONTE
ALEGRE - PA - CEP: 68220-000Advogado: SERVIO TULIO DE BARCELOS OAB: PA21148-A Endereço:
Rua Rio Grande do Sul, 661, 4 andar, Barro Preto, BELO HORIZONTE - MG - CEP: 30170-110DECISÃO
INTERLOCUTÓRIAVistos, etc.1. Em conformidade ao Enunciado 166 do Fórum Nacional de Juizados
Especiais, passo à análise do juízo prévio de admissibilidade: I) Considerando o teor da certidão de ID
14334668, recebo o Recurso Inominado interposto pelo requerido, nos efeitos devolutivo e suspensivo,
para fins de evitar dano irreparável para a parte, com fulcro no artigo 43 da Lei nº. 9.099/1995. II) Intime-se
2352
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

o recorrido, ora requerente, através de seus advogados, mediante publicação no DJE, para apresentar
contrarrazões, no prazo de 10 (dez) dias úteis, e, após, com ou sem contrarrazões, remetam-se estes
autos à Egrégia Turma Recursal dos Juizados Especiais do Estado do Pará. 2. P. R. I. C. Monte
Alegre/PA, 6 de dezembro de 2019.THIAGO TAPAJÓS GONÇALVESJuiz de Direito

Número do processo: 0800756-83.2018.8.14.0032 Participação: RECLAMANTE Nome: ROVER KEMMER


XAVIER E SILVA Participação: ADVOGADO Nome: AFONSO OTAVIO LINS BRASIL OAB: 628PA
Participação: RECLAMADO Nome: BANCO DO BRASIL SAPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA
DO ESTADO DO PARÁVara Única da Comarca de Monte Alegre[Responsabilidade Civil, Indenização por
Dano Moral, Indenização por Dano Moral] - PROCEDIMENTO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436) -
0800756-83.2018.8.14.0032Nome: ROVER KEMMER XAVIER E SILVAEndereço: AV. NILOPEÇANHA,
71, TERRA AMARELA, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-000Advogado: AFONSO OTAVIO LINS
BRASIL OAB: 628PA Endereço: desconhecidoNome: BANCO DO BRASIL SAEndereço: TRAVESSA
MAJOR FRANCISCO MARIANO, S/N, CIDADE ALTA, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-000
ADVOGADO: NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES OAB/PA 15.201-ADECISÃO
INTERLOCUTÓRIAVistos, etc.1. Em conformidade ao Enunciado 166 do Fórum Nacional de Juizados
Especiais, passo à análise do juízo prévio de admissibilidade: I) Considerando o teor da certidão de ID
14334686, recebo o Recurso Inominado interposto pelo requerido, nos efeitos devolutivo e suspensivo,
para fins de evitar dano irreparável para a parte, com fulcro no artigo 43 da Lei nº. 9.099/1995. II) Intime-se
o recorrido, ora requerente, através de seus advogados, mediante publicação no DJE, para apresentar
contrarrazões, no prazo de 10 (dez) dias úteis, e, após, com ou sem contrarrazões, remetam-se estes
autos à Egrégia Turma Recursal dos Juizados Especiais do Estado do Pará. 2. P. R. I. C. Monte
Alegre/PA, 6 de dezembro de 2019.THIAGO TAPAJÓS GONÇALVESJuiz de Direito

Número do processo: 0800773-22.2018.8.14.0032 Participação: RECLAMANTE Nome: FRANCISCO DAS


CHAGAS SANTOS DOS REIS Participação: ADVOGADO Nome: RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA OAB:
58PA Participação: RECLAMADO Nome: BANCO DO BRASIL SA Participação: ADVOGADO Nome:
SERVIO TULIO DE BARCELOS OAB: 21148/PAPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO
ESTADO DO PARÁVara Única da Comarca de Monte Alegre[Indenização por Dano Moral] -
PROCEDIMENTO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436) - 0800773-22.2018.8.14.0032Nome:
FRANCISCO DAS CHAGAS SANTOS DOS REISEndereço: TRAVESSA: DEZESSETE DE OUTUBRO,
240, PAJUÇARA, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-000Advogado: RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA
OAB: 58PA Endereço: desconhecidoNome: BANCO DO BRASIL SAEndereço: TRAVESSA MAJOR
FRANCISCO MARIANO, 310, CIDADE ALTA, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-000Advogado:
SERVIO TULIO DE BARCELOS OAB: PA21148-A Endereço: Rua Rio Grande do Sul, 661, 4 andar, Barro
Preto, BELO HORIZONTE - MG - CEP: 30170-110DECISÃO INTERLOCUTÓRIAVistos, etc.1. Em
conformidade ao Enunciado 166 do Fórum Nacional de Juizados Especiais, passo à análise do juízo
prévio de admissibilidade: I) Considerando o teor da certidão de ID 14335260, recebo o Recurso
Inominado interposto pelo requerido, nos efeitos devolutivo e suspensivo, para fins de evitar dano
irreparável para a parte, com fulcro no artigo 43 da Lei nº. 9.099/1995. II) Intime-se o recorrido, ora
requerente, através de seus advogados, mediante publicação no DJE, para apresentar contrarrazões, no
prazo de 10 (dez) dias úteis, e, após, com ou sem contrarrazões, remetam-se estes autos à Egrégia
Turma Recursal dos Juizados Especiais do Estado do Pará. 2. P. R. I. C. Monte Alegre/PA, 6 de dezembro
de 2019.THIAGO TAPAJÓS GONÇALVESJuiz de Direito

Número do processo: 0800014-58.2018.8.14.0032 Participação: RECLAMANTE Nome: FIDELIS MOURA


DA COSTA FILHO Participação: ADVOGADO Nome: SANDERSON ANDRE SILVA DE OLIVEIRA OAB:
26348/PA Participação: RECLAMADO Nome: BANCO DO BRASIL SA Participação: ADVOGADO Nome:
SERVIO TULIO DE BARCELOS OAB: 21148/PAPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO
ESTADO DO PARÁVara Única da Comarca de Monte Alegre[Contratos Bancários, Bancários] -
PROCEDIMENTO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436) - 0800014-58.2018.8.14.0032Nome: FIDELIS
MOURA DA COSTA FILHOEndereço: TV. PAITURA, 186, CAMARAZINHO, MONTE ALEGRE - PA - CEP:
2353
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

68220-000Advogado: SANDERSON ANDRE SILVA DE OLIVEIRA OAB: PA26348 Endereço:


desconhecidoNome: BANCO DO BRASIL SAEndereço: TV. MAJ. FRANCISCO MARIANO, 310, AGÊNCIA
0949, CIDADE ALTA, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-000Advogado: SERVIO TULIO DE
BARCELOS OAB: PA21148-A Endereço: Rua Rio Grande do Sul, 661 4 andar, - até 799/800, Barro Preto,
BELO HORIZONTE - MG - CEP: 30170-110DECISÃO INTERLOCUTÓRIAVistos, etc.1. Em conformidade
ao Enunciado 166 do Fórum Nacional de Juizados Especiais, passo à análise do juízo prévio de
admissibilidade: I) Considerando o teor da certidão de ID 14334680, recebo o Recurso Inominado
interposto pelo requerido, nos efeitos devolutivo e suspensivo, para fins de evitar dano irreparável para a
parte, com fulcro no artigo 43 da Lei nº. 9.099/1995. II) Intime-se o recorrido, ora requerente, através de
seus advogados, mediante publicação no DJE, para apresentar contrarrazões, no prazo de 10 (dez) dias
úteis, e, após, com ou sem contrarrazões, remetam-se estes autos à Egrégia Turma Recursal dos
Juizados Especiais do Estado do Pará. 2. P. R. I. C. Monte Alegre/PA, 6 de dezembro de 2019.THIAGO
TAPAJÓS GONÇALVESJuiz de Direito

Número do processo: 0800541-10.2018.8.14.0032 Participação: RECLAMANTE Nome: FERNANDO DA


SILVA VIANA Participação: ADVOGADO Nome: RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA OAB: 58PA
Participação: RECLAMADO Nome: BANCO DO BRASIL SAPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA
DO ESTADO DO PARÁVara Única da Comarca de Monte Alegre[Indenização por Dano Moral] -
PROCEDIMENTO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436) - 0800541-10.2018.8.14.0032Nome:
FERNANDO DA SILVA VIANAEndereço: Das Flores, S/N, Terra Amarela, MONTE ALEGRE - PA - CEP:
68220-000Advogado: RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA OAB: 58PA Endereço: desconhecidoNome:
BANCO DO BRASIL SAEndereço: TRAVESSA MAJOR FRANCISCO MARIANO, 310, CIDADE ALTA,
MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-000 ADVOGADO: NELSON WILIANS FRATONI RODRIGUES
OAB/PA 15.201-ADECISÃO INTERLOCUTÓRIAVistos, etc.1. Em conformidade ao Enunciado 166 do
Fórum Nacional de Juizados Especiais, passo à análise do juízo prévio de admissibilidade: I)
Considerando o teor da certidão de ID 14335595, recebo o Recurso Inominado interposto pelo requerido,
nos efeitos devolutivo e suspensivo, para fins de evitar dano irreparável para a parte, com fulcro no artigo
43 da Lei nº. 9.099/1995. II) Intime-se o recorrido, ora requerente, através de seus advogados, mediante
publicação no DJE, para apresentar contrarrazões, no prazo de 10 (dez) dias úteis, e, após, com ou sem
contrarrazões, remetam-se estes autos à Egrégia Turma Recursal dos Juizados Especiais do Estado do
Pará. 2. P. R. I. C. Monte Alegre/PA, 6 de dezembro de 2019.THIAGO TAPAJÓS GONÇALVESJuiz de
Direito

Número do processo: 0800776-74.2018.8.14.0032 Participação: RECLAMANTE Nome: ISRAEL


FERREIRA DA COSTA Participação: ADVOGADO Nome: RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA OAB: 58PA
Participação: RECLAMADO Nome: BANCO DO BRASIL SA Participação: ADVOGADO Nome: SERVIO
TULIO DE BARCELOS OAB: 21148/PAPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO
PARÁVara Única da Comarca de Monte Alegre[Indenização por Dano Moral] - PROCEDIMENTO DO
JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436) - 0800776-74.2018.8.14.0032Nome: ISRAEL FERREIRA DA
COSTAEndereço: RUA ANIZIO PINTO, 150, PAJUÇARA, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-
000Advogado: RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA OAB: 58PA Endereço: desconhecidoNome: BANCO DO
BRASIL SAEndereço: TRAVESSA MAJOR FRANCISCO MARIANO, 310, CIDADE ALTA, MONTE
ALEGRE - PA - CEP: 68220-000Advogado: SERVIO TULIO DE BARCELOS OAB: PA21148-A Endereço:
Rua Rio Grande do Sul, 661, 4 andar, Barro Preto, BELO HORIZONTE - MG - CEP: 30170-110DECISÃO
INTERLOCUTÓRIAVistos, etc.1. Em conformidade ao Enunciado 166 do Fórum Nacional de Juizados
Especiais, passo à análise do juízo prévio de admissibilidade: I) Considerando o teor da certidão de ID
14336045, recebo o Recurso Inominado interposto pelo requerido, nos efeitos devolutivo e suspensivo,
para fins de evitar dano irreparável para a parte, com fulcro no artigo 43 da Lei nº. 9.099/1995. II) Intime-se
o recorrido, ora requerente, através de seus advogados, mediante publicação no DJE, para apresentar
contrarrazões, no prazo de 10 (dez) dias úteis, e, após, com ou sem contrarrazões, remetam-se estes
autos à Egrégia Turma Recursal dos Juizados Especiais do Estado do Pará. 2. P. R. I. C. Monte
Alegre/PA, 6 de dezembro de 2019.THIAGO TAPAJÓS GONÇALVESJuiz de Direito
2354
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Número do processo: 0800815-71.2018.8.14.0032 Participação: RECLAMANTE Nome: IDALICIA MARIA


ALBARADO AMARAL Participação: ADVOGADO Nome: RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA OAB: 58PA
Participação: RECLAMADO Nome: BANCO DO BRASIL SAPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA
DO ESTADO DO PARÁVara Única da Comarca de Monte Alegre[Indenização por Dano Moral] -
PROCEDIMENTO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436) - 0800815-71.2018.8.14.0032Nome: IDALICIA
MARIA ALBARADO AMARALEndereço: PASS. PAES DE CARVALHO, 215, SERRA OCIDENTAL,
MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-000Advogado: RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA OAB: 58PA
Endereço: desconhecidoNome: BANCO DO BRASIL SAEndereço: TRAVESSA MAJOR FRANCISCO
MARIANO, 310, CIDADE ALTA, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-000 ADVOGADO: NELSON
WILIANS FRATONI RODRIGUES - OAB/PA n.º 15.201-ADECISÃO INTERLOCUTÓRIAVistos, etc.1. Em
conformidade ao Enunciado 166 do Fórum Nacional de Juizados Especiais, passo à análise do juízo
prévio de admissibilidade: I) Considerando o teor da certidão de ID 14330326, recebo o Recurso
Inominado interposto pelo requerido, nos efeitos devolutivo e suspensivo, para fins de evitar dano
irreparável para a parte, com fulcro no artigo 43 da Lei nº. 9.099/1995. II) Intime-se a recorrida, ora
requerente, através de seus advogados, mediante publicação no DJE, para apresentar contrarrazões, no
prazo de 10 (dez) dias úteis, e, após, com ou sem contrarrazões, remetam-se estes autos à Egrégia
Turma Recursal dos Juizados Especiais do Estado do Pará. 2. P. R. I. C. Monte Alegre/PA, 6 de dezembro
de 2019.THIAGO TAPAJÓS GONÇALVESJuiz de Direito

Número do processo: 0800719-56.2018.8.14.0032 Participação: RECLAMANTE Nome: ELAINE KIZAHY


DA SILVA Participação: ADVOGADO Nome: RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA OAB: 58PA Participação:
RECLAMADO Nome: BANCO DO BRASIL SAPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO
DO PARÁVara Única da Comarca de Monte Alegre[Indenização por Dano Moral] - PROCEDIMENTO DO
JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436) - 0800719-56.2018.8.14.0032Nome: ELAINE KIZAHY DA
SILVAEndereço: TRAVESSA RAIMUNDO UCHOA DE CARVALHO, 441, PAJUÇARA, MONTE ALEGRE -
PA - CEP: 68220-000Advogado: RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA OAB: 58PA Endereço:
desconhecidoNome: BANCO DO BRASIL SAEndereço: TRAVESSA MAJOR FRANCISCO MARIANO,
310, CIDADE ALTA, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-000 ADVOGADO: NELSON WILIANS
FRATONI RODRIGUES OAB/PA 15.201-ADECISÃO INTERLOCUTÓRIAVistos, etc.1. Em conformidade
ao Enunciado 166 do Fórum Nacional de Juizados Especiais, passo à análise do juízo prévio de
admissibilidade: I) Considerando o teor da certidão de ID 14333520, recebo o Recurso Inominado
interposto pelo requerido, nos efeitos devolutivo e suspensivo, para fins de evitar dano irreparável para a
parte, com fulcro no artigo 43 da Lei nº. 9.099/1995. II) Intime-se a recorrida, ora requerente, através de
seus advogados, mediante publicação no DJE, para apresentar contrarrazões, no prazo de 10 (dez) dias
úteis, e, após, com ou sem contrarrazões, remetam-se estes autos à Egrégia Turma Recursal dos
Juizados Especiais do Estado do Pará. 2. P. R. I. C. Monte Alegre/PA, 6 de dezembro de 2019.THIAGO
TAPAJÓS GONÇALVESJuiz de Direito

Número do processo: 0800772-37.2018.8.14.0032 Participação: RECLAMANTE Nome: GESCO


FERNANDES ELOI Participação: ADVOGADO Nome: RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA OAB: 58PA
Participação: RECLAMADO Nome: BANCO DO BRASIL SAPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA
DO ESTADO DO PARÁVara Única da Comarca de Monte Alegre[Indenização por Dano Moral] -
PROCEDIMENTO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436) - 0800772-37.2018.8.14.0032Nome: GESCO
FERNANDES ELOIEndereço: RUA SANTS CRUZ, 923, SERRA OCIDENTAL, MONTE ALEGRE - PA -
CEP: 68220-000Advogado: RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA OAB: 58PA Endereço:
desconhecidoNome: BANCO DO BRASIL SAEndereço: TRAVESSA MAJOR FRANCISCO MARIANO,
310, CIDADE ALTA, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-000 ADVOGADO: NELSON WILIANS
FRATONI RODRIGUES OAB/PA 15.201-ADECISÃO INTERLOCUTÓRIAVistos, etc.1. Em conformidade
ao Enunciado 166 do Fórum Nacional de Juizados Especiais, passo à análise do juízo prévio de
admissibilidade: I) Considerando o teor da certidão de ID 14334645, recebo o Recurso Inominado
interposto pelo requerido, nos efeitos devolutivo e suspensivo, para fins de evitar dano irreparável para a
parte, com fulcro no artigo 43 da Lei nº. 9.099/1995. II) Intime-se o recorrido, ora requerente, através de
2355
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

seus advogados, mediante publicação no DJE, para apresentar contrarrazões, no prazo de 10 (dez) dias
úteis, e, após, com ou sem contrarrazões, remetam-se estes autos à Egrégia Turma Recursal dos
Juizados Especiais do Estado do Pará. 2. P. R. I. C. Monte Alegre/PA, 6 de dezembro de 2019.THIAGO
TAPAJÓS GONÇALVESJuiz de Direito

Número do processo: 0800770-67.2018.8.14.0032 Participação: RECLAMANTE Nome: DENILSON


PALMEIRA FONSECA Participação: ADVOGADO Nome: RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA OAB: 58PA
Participação: RECLAMADO Nome: BANCO DO BRASIL SA Participação: ADVOGADO Nome: JOSE
ARNALDO JANSSEN NOGUEIRA OAB: 21078/PAPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO
ESTADO DO PARÁVara Única da Comarca de Monte Alegre[Indenização por Dano Moral] -
PROCEDIMENTO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (436) - 0800770-67.2018.8.14.0032Nome: DENILSON
PALMEIRA FONSECAEndereço: Rua Vereador Pericles Uchoa, 488, Curaxi, MONTE ALEGRE - PA -
CEP: 68220-000Advogado: RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA OAB: 58PA Endereço:
desconhecidoNome: BANCO DO BRASIL SAEndereço: AVENIDA MAJ FRANCISCO MARIANO, 310,
CIDADE ALTA, MONTE ALEGRE - PA - CEP: 68220-000Advogado: JOSE ARNALDO JANSSEN
NOGUEIRA OAB: PA21078-A Endereço: ALAMEDA SANTOS, CONSOLACAO, SãO PAULO - SP - CEP:
01418-200DECISÃO INTERLOCUTÓRIAVistos, etc.1. Em conformidade ao Enunciado 166 do Fórum
Nacional de Juizados Especiais, passo à análise do juízo prévio de admissibilidade: I) Considerando o teor
da certidão de ID 14335250, recebo o Recurso Inominado interposto pelo requerido, nos efeitos devolutivo
e suspensivo, para fins de evitar dano irreparável para a parte, com fulcro no artigo 43 da Lei nº.
9.099/1995. II) Intime-se o recorrido, ora requerente, através de seus advogados, mediante publicação no
DJE, para apresentar contrarrazões, no prazo de 10 (dez) dias úteis, e, após, com ou sem contrarrazões,
remetam-se estes autos à Egrégia Turma Recursal dos Juizados Especiais do Estado do Pará. 2. P. R. I.
C. Monte Alegre/PA, 6 de dezembro de 2019.THIAGO TAPAJÓS GONÇALVESJuiz de Direito

Número do processo: 0800027-23.2019.8.14.0032 Participação: RECLAMANTE Nome: FRANCIELMA DO


SOCORRO DE SOUZA BRAGA Participação: ADVOGADO Nome: RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA
OAB: 58PA Participação: RECLAMADO Nome: BANCO DO BRASIL SA Participação: ADVOGADO Nome:
JOSE ARNALDO JANSSEN NOGUEIRA OAB: 21078/PAPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA
DO ESTADO DO PARÁVara Única da Comarca de Monte AlegrePROCESSO Nº 0800027-
23.2019.8.14.0032 ? INDENIZAÇÃOREQUERENTE: FRANCIELMA DO SOCORRO DE SOUZA
BRAGAADVOGADO: Dr. RAIMUNDO SALIM LIMA SADALA - OAB/PA nº. 5958REQUERIDO: BANCO DO
BRASIL S/AADVOGADO: DR. SÉRVIO TÚLIO DE BARCELOS, OAB/PA nº 21.148-AADVOGADO: DR.
JOSÉ ARNALDO JANSSEN NOGUEIRA, OAB/PA nº 21.078-AADVOGADA: Dra. IVINE SOARES DA
SILVA, OAB/PA: 26.359PREPOSTO: ANTONIO DE PADUA DO CARMO ARNOUDTERMO DE
AUDIÊNCIA Aos vinte e oito dias do mês de novembro do ano de dois mil e dezenove (28.11.2019), na
sala de audiências do Fórum desta cidade e comarca de Monte Alegre, Estado do Pará, às 11hr35min,
onde se achava presente oExmo. Sr.Dr. THIAGO TAPAJÓS GONÇALVES, Juiz de Direito Titular desta
Comarca. Feito pregão constatou-se a presença da requerenteFRANCIELMA DO SOCORRO DE SOUZA
BRAGA,devidamente acompanhada de seu patrono judicial,Dr. RAIMUNDO SALIM LIMA
SADALA.Presente o preposto da requerida,Sr. ANTONIO DE PADUA DO CARMO ARNOUD, bem como a
advogadaDra. IVINE SOARES DA SILVA. Dada a palavra ao patrono judicial da parte requerente, se
manifestou-se oralmente através de registro audiovisual, nos termos do Art. 405, § 2º do CPP, cuja cópia
do registro original permanecerá anexo nos autos, acompanhado do CD-ROM. Passou o MM. Juiz a colher
o depoimento da requerente Sra.FRANCIELMA DO SOCORRO DE SOUZA BRAGA,através de registro
audiovisual, nos termos do Art. 405, § 2º do CPP, cuja cópia do registro original permanecerá anexo nos
autos, acompanhado do CD-ROM.PASSOU O MM JUIZ A PROFERIR SENTENÇA:Vistos, etc.
Dispensado o relatório nos termos do art. 38 da Lei 9.009/95. Depreende-se dos autos que, após sofrer
um assalto na data de 27.01.2018, a única agência do banco réu localizada no Município de Monte Alegre
fechou suas portas por aproximadamente uma semana. Após este período, a agência reabriu, entretanto,
sem receber numerário, pelo que funcionou apenas com os valores provenientes da economia local por
aproximadamente 60 (sessenta) dias. A parte autora ajuizou a presente ação indenizatória, na qual alega
que por ser servidor público, recebe seus vencimentos na agência do banco réu, que é a única do
Município de Monte Alegre. Sustentou que em razão do fechamento da agência, não conseguiu sacar
2356
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

seus vencimentos e pagar suas contas, razão pela qual tiveram que se deslocar para as agências situadas
em outros municípios ou efetuar transferências para a conta de terceiros. Defendeu que o réu condicionou
a reabertura da agência ao cumprimento de várias exigências e que o banco réu voltou a operar apenas
com os recursos movimentados pela população da cidade, os quais eram insuficientes para atender todos
os cidadãos, por aproximadamente sessenta dias, o que causou diversos prejuízos. O requerido, por sua
vez, alegou que não cometeu nenhum ato ilícito passível de reparação e que foi vítima de um evento
criminoso. Inicialmente, registre-se que o requerido, na qualidade de prestador de serviços, responde
objetivamente pelos danos causados aos consumidores, conforme prevê a legislação consumerista.
Vejamos: Art. 3º- Fornecedor é toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira,
bem como os entes despersonalizados, que desenvolvem atividades de produção, montagem, criação,
construção, transformação, importação, exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou
prestação de serviços.(...)§ 2º- Serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante
remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária, salvo as decorrentes
das relações de caráter trabalhista. Dizer que sua responsabilidade é objetiva significa que independe de
aferição de culpa, conforme prevê o artigo 14, caput, do Código de Defesa do Consumidor: Art. 14- O
fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos
causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações
insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos. Nesse contexto, para que seja afastada a
responsabilidade do prestador de serviços, este deve comprovar a existência de uma das hipóteses
excludentes previstas no § 3º do artigo supramencionado:(...)§ 3º O fornecedor de serviços só não será
responsabilizado quando provar:I - que, tendo prestado o serviço, o defeito inexiste;II - a culpa exclusiva
do consumidor ou de terceiro. Na casuística, verifica-se que o réu limitou-se a alegar que não pode ser
responsabilizado pelos danos suportados pelos consumidores em decorrência do fechamento da agência,
uma vez que tal medida foi necessária para a reconstrução do local, que ficou seriamente danificado em
razão do assalto. Contudo, verifica-se que a agência do banco réu só voltou a funcionar normalmente em
02/04/2018, ou seja, mais de dois meses após o assalto. Com efeito, deveria o requerido ter demonstrado
que os danos causados à agência impossibilitaram a retomada do seu funcionamento normal por este
longo período de tempo, o que não ocorreu. Conforme acima narrado, restou incontroverso que a agência
ficou totalmente fechada do dia 28.01.2018 até o dia 02.02.2018 e, quando reabriu, funcionou
precariamente por mais 60 (sessenta) dias. Ainda que se considere que os danos causados à agência
demandaram seu fechamento por aproximadamente uma semana, o requerido não apresentou qualquer
justificativa plausível para o período em que o banco funcionou apenas com os recursos movimentados
pela população da cidade. Verifica-se que o próprio preposto do requerido, ouvido em juízo, afirmou que
quando o banco reabriu, sua estrutura física já havia sido consertada, entretanto, por entender que tal
medida não era suficiente para coibir outros assaltos, a agência voltou a operar sem numerário, o que
continuou a causar prejuízos aos consumidores, já que a quantia de dinheiro disponibilizada era
insuficiente para atender a população. Nesse contexto, observa-se que a conduta do banco de optar por
funcionar sem numerário, em razão da suposta inexistência de condições seguras de trabalho, acabou por
punir seus consumidores, que não possuem qualquer responsabilidade pelo ocorrido, mas tiveram que
arcar com as consequências da alegada falta de segurança. Portanto, conclui-se que houve falha nos
serviços prestados pelo banco réu, que, na casuística, não logrou êxito em comprovar a ocorrência de
qualquer excludente capaz de afastar sua responsabilidade pelo ocorrido. Quanto à existência de dano,
observa-se que o autor é servidor público, o que evidente tornou impossível receberem seus vencimentos
nesta cidade, bem como a necessidade de deslocamento para as agências localizadas em cidades
vizinhas, pelo período de mais de dois meses, causaram-lhes aborrecimentos e prejuízos que ultrapassam
a esfera do mero dissabor. Destaque-se que a opção de saques disponibilizada pelo requerido, em
agência lotérica ou banco postal, se demonstrou precária e insuficiente, na medida em que os saques
eram limitados e em valores baixos, o que de fato não atendida a necessidade dos consumidores.
Portanto, restaram evidenciados todos os elementos da responsabilidade civil, a saber:(i)conduta do banco
(falha na prestação de serviço adequado);(ii)danos morais;(iii)nexo causal (impossibilidade de o autor
receber seu salário em decorrência da ausência de numerário na agência do banco réu). Definida a
reponsabilidade de indenizar, necessário fixar o quantum indenizatório. No tocante ao valor arbitrado a
título de danos morais, a doutrina esclarece que: [...] o dano que se prefere denominar extrapatrimonial
consubstancia vulneração a direitos da personalidade e reclama fixação indenizatória que represente uma
compensação à vítima, da mesma maneira que, simultaneamente, deve representar um desestímulo ao
ofensor, ainda que, no caso concreto, se pondere o grau de culpabilidade do agente, se afinal não se
arbitra o quantum indenizatório pela extensão de um prejuízo que não é materialmente mensurável.
(PELUSO. Cezar. Código Civil comentado: doutrina e jurisprudência. 6ª ed. Barueri: Manole, 2012, p. 950).
2357
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Igualmente, a jurisprudência aponta que: CIVIL. DANO MORAL. QUANTIFICAÇÃO. [...] Para se estipular o
valor do dano moral devem ser consideradas as condições pessoais dos envolvidos, evitando-se que
sejam desbordados os limites dos bons princípios e da igualdade que regem as relações de direito, para
que não importe em um prêmio indevido ao ofendido, indo muito além da recompensa ao desconforto, ao
desagrado, aos efeitos do gravame suportado. Recurso parcialmente conhecido e nessa parte provido.
(REsp 214.053/SP, Rel. Ministro CESAR ASFOR ROCHA, QUARTA TURMA, julgado em 05/12/2000, DJ
19/03/2001, p. 113) Portanto, na fixação do quantum indenizatório, é necessário respeitar os princípios da
razoabilidade e da proporcionalidade, as condições pessoais e econômicas dos envolvidos, bem como a
gravidade e extensão do dano, a fim de evitar o enriquecimento indevido daquele que pleiteia a
indenização. Importante também acentuar que o valor arbitrado a título de indenização deve possuir tanto
caráter compensatório como punitivo. Compensatório porque, ainda que não seja capaz de restabelecer o
status quo ante, pode proporcionar à parte certo conforto material no sentido de lhe minorar o sofrimento.
Punitivo ou educativo porque a condenação objetiva coibir condutas semelhantes, desestimulando assim a
repetição do dano. No caso concreto, constata-se, primeiro, que o requerido, por se tratar de um
renomado banco, possui boa saúde financeira. Ademais, seu grau de culpa é considerado alto, já que
atribuiu aos seus consumidores a responsabilidade de arcar com as consequências da suposta ausência
de condições seguras de trabalho. Segundo, é incontestável que os aborrecimentos enfrentados pelos
autores em decorrência da impossibilidade de movimentar seus salários depositados na agência do réu,
que é a única da cidade, ultrapassam a esfera do mero dissabor. Contudo, não há qualquer prova nos
autos de que o requerente tenha sofrido prejuízos maiores do que os já presumidos pela falha na
prestação do serviço, como, por exemplo, a inscrição nos órgãos de proteção ao crédito em razão do
inadimplemento decorrente da impossibilidade de pagamento de uma conta vencida. Apesar disso, não se
ignora os transtornos decorrentes do deslocamento forçado para cidades vizinhas e isso tudo por mais de
dois meses. Nesse contexto, considerando as características do presente caso, entendo que deva ser
fixado o valor de R$ 3.000,00 (três mil reais), quantia que se mostra suficiente e proporcional para
ressarcir os ofendidos, bem como para punir a instituição financeira por sua conduta ilícita. Em face do
exposto, JULGO PROCEDENTE a demanda para o exato fim de CONDENAR o réu pagar a parte
autoraindenização por danos morais no valor de R$ 3.000,00 (três mil reais), com correção monetária pelo
índice INPC e juros de mora, sendo que otermo inicial da fluência dos juros de mora, configurada a relação
contratual existente entre as partes, incide o disposto nos artigos405 e 406 do Código Civil,segundo o qual
os juros moratórios, no percentual de 1% ao mês, devem fluir da citação. Sem custas e honorários, pois
incabíveis pelo rito do juizado especial no 1° grau de jurisdição.Nada mais havendo a tratar, o MM. Juiz
mandou encerrar este termo que lido e achado, vai devidamente assinado. Eu, ______, Milene Ribeiro,
estagiária, o digitei e subscrevi.JUIZ DE DIREITO:
REQUERENTE:ADVOGADO:ADVOGADA:PREPOSTO:

Número do processo: 0800031-60.2019.8.14.0032 Participação: RECLAMANTE Nome: CONCENI ALVES


PEREIRA Participação: ADVOGADO Nome: AFONSO OTAVIO LINS BRASIL OAB: 628PA Participação:
RECLAMADO Nome: BANCO DO BRASIL SAPODER JUDICIÁRIOTRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO
DO PARÁVara Única da Comarca de Monte AlegrePROCESSO Nº 0800031-60.2019.8.14.0032 ?
INDENIZAÇÃOREQUERENTE: CONCENI ALVES PEREIRAADVOGADO: Dr. AFONSO OTÁVIO LINS
BRASIL - OAB/PA nº. 10.628REQUERIDO: BANCO DO BRASIL S/AADVOGADO: NELSON WILIANS
FRATONI RODRIGUES OAB/PA n.º 15.201-AADVOGADA: Dra. IVINE SOARES DA SILVA, OAB/PA:
26.359PREPOSTO: ANTONIO DE PADUA DO CARMO ARNOUDTERMO DE AUDIÊNCIA Aos vinte e
oito dias do mês de novembro do ano de dois mil e dezenove (28.11.2019), na sala de audiências do
Fórum desta cidade e comarca de Monte Alegre, Estado do Pará, às 12hr20min, onde se achava presente
oExmo. Sr.Dr. THIAGO TAPAJÓS GONÇALVES, Juiz de Direito Titular desta Comarca. Feito pregão
constatou-se a presença da requerenteCONCENI ALVES PEREIRA,devidamente acompanhada de seu
patrono judicial,Dr. AFONSO OTÁVIO LINS BRASIL.Presente o preposto da requerida,Sr. ANTONIO DE
PADUA DO CARMO ARNOUD, bem como a advogadaDra. IVINE SOARES DA SILVA. Dada a palavra ao
patrono judicial da parte requerente, se manifestou-se oralmente através de registro audiovisual, nos
termos do Art. 405, § 2º do CPP, cuja cópia do registro original permanecerá anexo nos autos,
acompanhado do CD-ROM. Passou o MM. Juiz a colher o depoimento da requerente Sra.CONCENI
ALVES PEREIRA,através de registro audiovisual, nos termos do Art. 405, § 2º do CPP, cuja cópia do
registro original permanecerá anexo nos autos, acompanhado do CD-ROM.PASSOU O MM JUIZ A
PROFERIR SENTENÇA:Vistos, etc. Dispensado o relatório nos termos do art. 38 da Lei 9.009/95.
2358
TJPA - DIÁRIO DA JUSTIÇA - Edição nº 6801/2019 - Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

Depreende-se dos autos que, após sofrer um assalto na data de 27.01.2018, a única agência do banco réu
localizada no Município de Monte Alegre fechou suas portas por aproximadamente uma semana. Após
este período, a agência reabriu, entretanto, sem receber numerário, pelo que funcionou apenas com os
valores provenientes da economia local por aproximadamente 60 (sessenta) dias. A parte autora ajuizou a
presente ação indenizatória, na qual alega que por ser servidor público, recebe seus vencimentos na
agência do banco réu, que é a única do Município de Monte Alegre. Sustentou que em razão do
fechamento da agência, não conseguiu sacar seus vencimentos e pagar suas contas, razão pela qual
tiveram que se deslocar para as agências situadas em outros municípios ou efetuar transferências para a
conta de terceiros. Defendeu que o réu condicionou a reabertura da agência ao cumprimento de várias
exigências e que o banco réu voltou a operar apenas com os recursos movimentados pela população da
cidade, os quais eram insuficientes para atender todos os cidadãos, por aproximadamente sessenta dias,
o que causou diversos prejuízos. O requerido, por sua vez, alegou que não cometeu nenhum ato ilícito
passível de reparação e que foi vítima de um evento criminoso. Inicialmente, registre-se que o requerido,
na qualidade de prestador de serviços, responde objetivamente pelos danos causados aos consumidores,